You are on page 1of 5

As edificações de saúde já contam, pela sua própria existência, as profissional de médicos brasileiros, em quantidade mais expressiva.

historias de diversas decisões que as definiram como os hospitais ou (PORTELA et al, 2002).
unidades de atenção à saúde, que observamos em um dado momento. O
conhecimento sobre como e para que foram projetadas ou mesmo Antes do século XX, poucas foram as iniciativas do Estado Brasileiro em
posteriormente, reformadas, nos permite compreender ao menos em relação aos direitos sociais, incluindo-se a saúde entre estes. As primeiras
parte, também, as histórias de nossas políticas de saúde no Brasil. iniciativas que poderiam ser chamadas de políticas de saúde parecem ser
Caberia, então, de mesmo modo, destacar a importância de que também aquelas estabelecidas no início do século XX, particularmente lideradas
busquemos saber diferentes aspectos sobre políticas, princípios da por Oswaldo Cruz, médico sanitarista que ocupou diversas funções
regulação do sistema, assim como questões relacionadas à situação de públicas em sua época, assim como de outros, por exemplo Carlos
saúde da população, quando estivéssemos diante do desafio de Chagas, que marcaram o chamado período campanhista, voltado para o
desenvolver projetos prediais voltados a essa área específica. controle das doenças endêmicas ou das epidemias que prevaleciam em
nossa terra aquela época e que nos afastavam da rota dos imigrantes
Os projetos relacionados aos ambientes de saúde devem ser europeus, necessários ao desenvolvimento da mão de obra agrícola pós
contextualizados nos cenários políticos institucionais dos territórios onde abolição da escravatura, e da rota do comércio internacional
se localizam, tendo como princípio norteador essencial as necessidades (RODRIGUES & SANTOS, 2011).
de saúde e vida das pessoas. Essa afirmação tão genérica apóia-se em
análise sobre os projetos que acabaram por fundamentar a elaboração Com a regulamentação de direitos à saúde e previdência, a partir da Lei
desse texto - apresentar aos profissionais que atuam no desenvolvimento Eloy Chaves, de 1933, iniciou-se o funcionamento das Caixas de
e gestão dos ambientes de saúde uma síntese sobre aspectos da Aposentadorias e Pensões (CAP), adotando-se o modelo de seguro-social,
organização do sistema de saúde no Brasil, assim como também uma iniciado no final do século XIX, na Alemanha, cobrindo assistência médica
descrição geral sobre situação de saúde da população. Dessa forma, para os trabalhadores da economia formal urbana e suas famílias, o que
contribuindo com as potencialidades de uma atuação sensível, crítica e lhes definia uma abrangência muito limitada.
reflexiva de cada arquiteto, engenheiro ou gestor quando se apresenta a A partir deste momento, começou a surgir um número maior de pequenos
demanda para um novo projeto de estabelecimentos assistenciais de hospitais, clínicas e médicos, não necessariamente associados às Santas
saúde (EAS). Casas, como um embrião do mercado privado de saúde no país.
(PORTELA et al, 2002).
Para compreender-se melhor os aspectos relacionados à legislação da
saúde no Brasil, torna-se necessário lembrar alguns pontos sobre a No Estado Novo da Era Vargas (período em que Getúlio Vargas governou
evolução das políticas públicas de saúde em nosso país. Antes do século o Brasil por 15 anos ininterruptos de 1930 a 1945), com a criação dos
XX, cuidados profissionais em saúde significavam para poucos Institutos de Aposentadorias e Pensões (IAPs) os quais, além da
privilegiados, assistência de médico em casa, ou nas Santas Casas e seguridade social, tinham a responsabilidade da assistência médica de
outros filantrópicos. A primeira entidade desse tipo em terras brasileiras foi seus segurados, iniciou-se um longo processo de expansão da rede de
a Santa Casa de Misericórdia de Santos, criada em 1543. Somente com a serviços ambulatoriais e hospitalares, marcando, assim, a instalação de
vinda da família real portuguesa para o Brasil, no início do século XIX um modelo curativista e hospitalista, hegemônico, que ainda mostra-se
foram abertos cursos de medicina, primeiro em Salvador (fevereiro de como predominante nos dias atuais.
1808) e depois no Rio de Janeiro (março de 1808), iniciando a formação

além desse período estar relacionado aos Pensões dos Estivadores e Transportes de Cargas). com Gerais e Espírito Santo).Inamps . no processo histórico de reorganização da sociedade civil que se estabelecera nos últimos anos da ditadura militar. Outra característica fundamental da gestão em final inclui bases para o SUS e acabam por influenciar o formato dos saúde neste período era a desarticulação entre as esferas municipal. com segmentação de clientelas. Rurais e as Campanhas de Erradicação da Malária e da Varíola. do mesmo modo que o Hospital países. particularmente no período pós-anistia. esse cenário de discussão sobre direitos sociais e saúde é características de limitação da cobertura e do modelo assistencial contemporâneo à instalação da Assembléia Nacional Constituente 1987- curativista. ano 2000 .Instituto Nacional de 2011). países tinham passado por reformas no setor de saúde. 1982). brasileira. organizaram-se outras iniciativas na saúde pública importância da mobilização da sociedade para o alcance desse direito). foram implantados nessa época. permitindo a O Sistema Único de Saúde (SUS) foi concebido a partir de demandas todos os brasileiros o direito de pleno acesso ao sistema de saúde. utilizados de saúde. cujo relatório militar. um determinar as primeiras crises de recursos para saúde. que propôs saneamento básico e de assistência à saúde em comunidades rurais da a reorganização do setor de saúde do Reino Unido no início do século XX. mais tarde consolidadas em ações ou programas de Ministério da Saúde. direitos em saúde como aparece na Constituição de 1988 ("Saúde é um estadual e federal. o SESP foi transformado em responsabilidades de controle das políticas e a visão sobre trabalho fundação e esta foi integrada ao Departamento Nacional de Endemias integrado (NOVA ES. Previdência Social. (Inps e posteriormente . Entre tais reformas podem ser enfraquecimento das organizações vinculadas aos trabalhadores. Mantendo. diversos Amazônia) em 1970. Assistência Médica e Previdência Social). implantando-se sistemas Ainda na década de 60 passada. ainda no governo marco do movimento compreendido como reforma sanitária. como outros países com a implantação de sistemas únicos de saúde já se por exemplo. o Hospital do IAPTEC (Instituto de Aposentadorias e consolidara há algum tempo. avanços das discussões da Conferência de Alma Ata (cuidados Primários em Bonsucesso e do Hospital dos Servidores do Estado. Austrália e Grécia.Algumas das grandes estruturas hospitalares da atual rede pública no Rio década de 70. criado em 1953. na antiga URSS) e posteriormente da 1ª Conferência de Brigadeiro. Canadá (fortalecimento do conceito de saúde como direito fundamental e da A partir dos anos 40. ações de sistema foi concebido pelo médico britânico Bertrand Dawsen. sociais e políticas. o que acabou por 1988 e à realização da VIII Conferência Nacional de Saúde em 1986. ponto de partida para a concepção de um dos marcos teóricos mais importantes do SUS. tecnicista e com custos sempre crescentes. para os comerciários. realizado em 1986 na cidade de Ottawa. M. na Itália. nos quais seus governos reconheceram a saúde como direito. desenvolvendo a partir desta época. fragmentação direito de todos e dever do Estado Art 196) (BRASIL. Amazônia e da região onde atuava a Companhia Vale do Rio Doce (minas tendo como princípios fundamentais a noção de Estado provedor. em São Paulo (RODRIGUES & SANTOS. posteriormente. com gestão marcadamente centralizada na esfera do poder público federal.33). os IAPs destacadas as ocorridas na Suécia (1992). são fundidos na criação do Instituto Nacional de Assistência Médica e Portugal. saúde para todos. em 1978. antiga capital federal. 2013. O Serviço Especial de Saúde Pública (Sesp) O modelo clássico de organização dos serviços de saúde como um foi criado em 1942. Este é o institucional e gestão centralizada. na constituição da Supam (Superintendência do Desenvolvimento da Antecedendo os caminhos de uma reforma sanitária brasileira. no Canadá (1969).participação de mais de 30 somente para os seus segurados. (RODRIGUES & SANTOS. A experiência de de Janeiro. a partir da . com a ditadura militar e o objetivo de públicos de saúde de acesso universal. Na década de 60. que é a universalização da cobertura. 9LUZ. 1990). as No Brasil. 2011). Promoção de Saúde. no entanto. p.

deliberativo. .Caráter democrático e descentralizado da gestão administrativa. poder público. a qual se referia à participação da comunidade na . articulação de níveis diferenciais de atendimento). recursos financeiros na saúde. profissionais de saúde e usuários (50% de a necessidades regionalmente definida) e hierarquizada (organização e usuários). Estes são alguns dos segmentos da estrutura responsáveis pela .A rede regionalizada (organização de ações e serviços atendendo prestadores de serviço. definiu-se um projeto de proteção social . como sendo responsabilidade de cada nível (municipal. competências e atribuições de cada esfera de governo do SUS. do tipo social democrata. estão sujeitos às regulamentações e controle do esfera municipal. previdência e assistência social a ser .A integralidade no atendimento (conceito que procura expressar a próprio SUS: necessidade de oferta de atenção preventiva. foi objeto .Diversidade da base de financiamento. Lei foi complementada no mesmo ano pela Lei nº 8142.poder executivo responsável pela direção do saúde.Quanto ao financiamento.Eqüidade na forma de participação do custeio.Conselho de Saúde . cabe destacar que a Atenção Básica. até diretrizes (BRASIL. e curativa ao mesmo tempo).A descentralização das ações e serviços.órgão colegiado de caráter permanente e social do sistema. quanto à direção. . com o conceito de seguridade social através de contratos ou convênios. independente de serem maternidades.A participação da comunidade como mecanismo para o controle . incluindo promoção de . a Constituição estabelece as seguintes Muitos detalhe e ainda muitos conflitos na divisão dessas tarefas. Entretanto. .Irredutibilidade do valor de benefícios.Os serviços privados participando de forma complementar. compreendendo o conjunto integrado das ações destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde. gestão do sistema (Conselhos e Conferências de Saúde) e estabeleceu a forma como deveria ocorrer a transferência intergovernamental de . movimentação dos recursos financeiros do SUS. estabelecidos com o poder público. SUS (Ministério da Saúde. Quanto às competências de cada esfera de governo podemos resumir . sob fiscalização do . composto paritariamente por representantes do governo.Uniformidade e equivalência de benefícios entre populações da Lei nº 8080 de 19 de setembro de 1990 (Lei Orgânica da Saúde). Secretarias Estaduais e Municipais). 2013): porque elas são apresentadas de modo muito genérico na lei. como as . gestão. assim como as Emergências são de responsabilidade da públicos ou privados.Órgão executivo . Esta urbanas e rurais.Na Constituição Federal de 1988. estadual ou federal) a formulação da política de saúde em sua respectiva área. . Há Para implantação do SUS.Universalidade da cobertura e do atendimento. Assistência Materno Infantil. . parte dos recursos da seguridade social organizado pelo poder público com base nos seguintes direitos (BRASIL. A organização das ações e serviços de saúde. (orçamento da seguridade social) estaria destinada à saúde (as outras 2013): partes seriam para a previdência e assistência social).Todos os serviços de saúde no país. de 28 de dezembro de 1990.

implicando introdução gradual de mecanismos para a gestão por . tais como a implantação da gestão plena com a primeira experiência em Santos. partir da participação popular e controle social. Conselho de Saúde. houve um grande fortalecimento com crescimento do mercado .CONASS . 2011).conta especial onde são depositados Conselhos Estaduais. Plano de multinacionais no Brasil. Para esse repasse são requisitos obrigatórios: No contexto da implantação de grandes empresas estatais e a implantação local dos Fundos de Saúde. de arcabouços estruturados nas Normas Operacionais Básicas (NOB) desde entidades que contratavam planos de saúde. Bipartilhe . níveis de participação do setor de trabalhadores inseridos formalmente. ampliação do parque hospitalar no país. NOB ficaram estabelecidos os repasses e condições do Pacto pela A Constituição Federal de 1988 criou um sistema público de saúde. integrando as dimensões voltadas à vida. A NOB SUS 01/96 (denominada estruturação mais sólida do mercado privado. em cada esfera (Municipal. constituindo-se uma a NOB SUS 01/91. não tratando (PACS .agentes comunitários e PSF . prestar assistência médica de modo complementar. Assistência à saúde. que passou a influenciar municipal e a responsabilidade dessa instância pela atenção básica. na década de 60. investimentos. o NOB 96) teve grande relevância porque redefiniu as condições de gestão surgimento das cooperativas médicas. representante dos secretários termos entre o Ministério da Saúde e secretarias estaduais e entre estas e estaduais e representante dos secretários municipais. Com a NOAS especificamente dos planos privados de saúde. mas manteve a possibilidade da livre iniciativa privada. 2011). privado de serviços de saúde. em função da decisão do governo militar de dar prioridade à contratação de serviços privados o que determinou a . em 1966. com Atenção Básica e do Piso de Atenção Básica. Relatório de Gestão. ocasionou ainda aumento maior de saúde nos orçamentos estaduais e municipais. contratando-se prestadores de serviço ou implantando seus A descentralização das ações do SUS tem se definido a partir de próprios serviços. regionalização nos estados. planos quinquenais de utilização de serviços de saúde. estadual ou nacional). Em relação ao setor privado de saúde no país. A crescente urbanização a estados e municípios foram definidos. desempenho técnico.Conselho dos Secretários Estaduais de Saúde. tais como perfil demográfico.de 22/02/06). no Inps (LUZ. em defesa do SUS e de gestão.CONASEMS . . Seguiu-se a este fato.saúde da família). a através do Pacto pela Saúde (Portaria GM/MS nº399 . A expansão do setor SUS 2001 (alterou-se a denominação para Norma Operacional da privado no país teve continuidade na década de 90.representante federal. representante dos secretários estaduais e representante dos secretários municipais). permitindo-se o avanço das estratégias dos programas e saúde e atenção básica nas comunidades acesso universal e gratuito. foram atribuídos maiores poderes às Secretarias . Outro fato foi o surgimento.Conselho dos Secretários Municipais de Saúde.fórum convocado a cada 4 anos para A partir de 2006.Comissões Intergestoras -estabelecem parcerias entre os resultados no SUS. entre outros fatores. 1982). de 1990. a partir dos anos 50. em 1970. para os municípios e estados. dependentes. o Ministério da Saúde propõe o fortalecimento do SUS avaliar a situação de saúde e propor diretrizes para política de saúde. através de compromissos firmados na assinatura de gestores (tripartite. com consequente a grupamento de epidemiológico. Nesta a formação de outras cooperativas (RODRIGUES & SANTOS.Fundo de Saúde. desde a criação do Inps. publicada em 1991. pretendendo-se estabelecer critérios e estratégias para a de Saúde. entre outros.Unimed. assistência médica e outros Saúde. a União dos Médicos .Conferência de Saúde . . perfil demográfica e a industrialização. as municipais (RODRIGUES & SANTOS. alguns critérios para o repasse de recursos públicos voltados ao mercado privado. Contrapartida de recurso do próprio benefícios passam a ser oferecidos aos trabalhadores e seus segmento e Plano de Cargos e Salário. com subsídios de investimentos Ainda na Lei nº 8080.

as dimensões políticas. Os projetos de privados com o setor público.por conta da marcante redução do financiamento para o SUS. com qualidade dos serviços e encerrando-se institutos convênios de hospitais bases humanitárias. mas federal com a área reduziram-se quase a metade. logo após a Direito à saúde é um imenso desafio para todas as nações. Em nosso caso são maiores as dificuldades. O contexto . indispensáveis à análise crítica de suas políticas de saúde. mesmo as sua concepção no governo Collor de Mello. democráticas e de sustentabilidade. . quando os gastos do governo mais ricas e poderosas. prejudicando a a saúde será o bem mais precioso para o nosso desenvolvimento. sociais muito abrangentes. jurídicas e sociais. cabendo-nos compreendê-los com responsabilidades competências e potencialidades. edificações de saúde são elementos chave na estrutura indispensável às técnicas.