A IMIGRAÇÃO CHINESA PARA A AMÉRICA LATINA E BRASIL: O perfil do

imigrante chinês no Sudeste brasileiro

Palavras – Chave: Diáspora Chinesa, América Latina, Sudeste brasileiro;

Marcela Sampaio Magalhães Alves de Amorim 1
Natália Maria de Oliveira2
Duval Magalhães Fernandes3

1
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia - Tratamento da Informação Espacial – PUC
Minas
2
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia - Tratamento da Informação Espacial – PUC
Minas
3
Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Geografia - Tratamento da Informação
Espacial – PUC Minas

mainly nowadays. América Latina. A América Latina. do período de 2000 a 2014. dos países receptores. À partir da análise do ano de registro fica evidente o impacto da conjuntura internacional no movimento migratório dessa população. Os resultados apontam que a maioria dos imigrantes chineses residem nas regiões metropolitanas das capitais estaduais. A IMIGRAÇÃO CHINESA PARA A AMÉRICA LATINA E BRASIL: O perfil do imigrante chinês no sudeste brasileiro RESUMO A diáspora chinesa é um fenômeno mundial principalmente na atualidade. É objetivo do artigo a análise do perfil do imigrante registrado entre os anos de 2000 e 2014 e residente no sudeste brasileiro. estudos apontam que a migração se intensificou nesse período. Neste artigo foi feita uma revisão bibliográfica sobre a origem da diáspora chinesa e história da imigração dessa população para América Latina até os anos 2000. A maioria dos imigrantes chineses é de homens. região que concentra 80.68 %. recebe um contingente significativo dessa população. assim como outras partes do mundo. somando 77. cultural. ABSTRACT The chinese diaspora is a global phenomenon. Esses imigrantes influenciam na dinâmica econômica.4% da população residente no Sudeste. Apesar de já existirem movimentos migratórios dessa população antes da segunda metade do século XX. . Although there were migratory movements of this population before the second half of the twentieth century. compondo 62. social. Foi utilizada a base de dados disponibilizada pelo SINCRE – Sistema Nacional de Registro e Cadastro de estrangeiros da Polícia Federal Brasileira.7% desses imigrantes. Sudeste brasileiro. Palavras – Chave: Diáspora Chinesa.

of the receiving countries. as well as other parts of the world. Through the analysis of the year of registration it becomes evident the impact of the internacional conjucture in the migration of this population. region that concentrates 80. Brazilian Southeast. The database used was provided by SINCRE .Sistema Nacional de Cadastro e Registro de Estrangeiros – Brazilian Federal Police. Latin America. In this article a literature review about the origins of chinese diaspora and the immigration of this population to Latin America is made. This immigrants influence the economic. social. Most of them are male. Latin America. Keywords: Chinese diaspora.68%). The results show that the majority of the chinese immigrants reside in the metropolitan regions of the states capitals (77.4% of this population resident in the southeast. It is the objective of the article to make an analysis of the profile of the immigrant registred between the 2000 and 2014 and resident in the Southeast of Brazil.7% of these immigrants. cultural dinamics. receives a significant contingene of this population.studies show that the migration was intensified during this period. . composing 62.

Over time the word has been applied to the scattering and migration of other minority groups who have a common ancestral homeland. it is clear that the word diaspora represents a process of population dispersion in space. regiões de contato entre diferentes meios (continente e oceano). porém. p. uprootedness. 1985). From this perspective. the center of historic internacional economy. Este caráter ainda é forte hoje. Estes imigrantes. pré – anos 60.. 2003. tem como característica a migração focada no comércio. and maintain some kind of linkage with a homeland. principalmente das atuais províncias de Guandong e Fujian. cujo caráter do migrante era de comerciante que ficava às margens da sociedade. ao contrário do tradicional sentido da palavra que se refere à dispersão de um povo de seu território original. p. em menor escala. em uma extensão que ia das Filipinas à Indonésia (GEORGE. O autor ainda argumenta que essa definição é muito limitada pois não consegue abranger a complexidade econômica e social da diáspora chinesa. A migração chinesa. opression. A autora ainda ressalta a importância da posição geográfica de tais províncias. share a common culture. 2003). expulsion. and overseas migration” (CARTIER. (MA. na província de Zhejiang (CARTIER. e. há migrantes chineses em considerável número que se caracterizam como “Highly sucessful capitalists (. (MA. a segunda definição dada pelo autor se mostra mais apropriada à realidade dessa diáspora. 2003). a collective memory of the homeland and a strong desire to return to it one day. por muitos autores conhecida como “trade diásporas” (MA. ao Brasil. moral degradation. É difícil fazer a datação exata de quando esse movimento começou. hold similar aspirations and beliefs. é recente se comparada a diáspora histórica dessa população. da costa sudeste da China. and a process full of emotional connotations..) These Asian . expulsão etc. como dito anteriormente. long-distance trade. Ma (2003) afirma que esse título remete muito à migração histórica. em sua maioria. port cities.380) Sendo assim uma marca importante da diáspora chinesa é a motivação (não única) econômica desses movimentos. reside in several foreign areas. 2003.2003) Historically the word connotes the loss of homeland. favorecendo assim o deslocamento (marítimo) e a troca cultural: “The southeast coast is China’s maritime region.8) Desta maneira. Especula-se que o primeiro movimento imigratório chinês se concentrava no sudeste asiático.1 INTRODUÇÃO: A ORIGEM E OS ASSENTAMENTOS DA DIÁSPORA CHINESA A chegada dos imigrantes chineses à América do Latina e mais precisamente.

Kent (2003). seguidos por um crescimento menor na Bolívia e na Argentina. 2003). who were essentially trading minorities” (MA. Kent (2003) ainda afirma. decaiu. Kent (2003) aponta que as consequências desse movimento podem ser vistas até os dias de hoje. O primeiro registro de um montante razoável dessa população para a América Latina data de 1810. autor ainda aponta que em comparação com a distribuição de 1960 fica evidente que a migração chinesa para a América Latina. a maior parte desses imigrantes concentrou-se no Peru. p. com a chegada de 400 chineses ao Rio de Janeiro (KENT APUD ELIAS. a primeira envolvendo trabalhadores “livres”. Atualmente os chineses formam uma ampla comunidade de alcance mundial. Durante a primeira onda de trabalhadores chineses contratados. 2003. 2 . porém. ocorreu no início do século XX e terminou durante a grande depressão (KENT. Sendo assim. Há registros da chegada de chineses na América Latina desde o século XVII. em sua maioria. em números pouco relevantes. Uma segunda onda de imigração. Sua distribuição se ampliou além do sudeste asiático a partir da metade do século XIX e se intensificou no após os anos 60 (MA. especialmente ao se observar que o contingente populacional de chineses praticamente se mantém praticamente o mesmo nas décadas de 1960 e 2000 Porém. quando uma grande quantidade de chineses chegou à América Latina com contratos de trabalho de longo termo. Apenas Brasil e Panamá tiveram um crescimento expressivo nesse período de 40 anos. Porém os primeiros registros na casa dos milhares ocorreram na segunda metade do Século XIX.AMÉRICA LATINA E A MIGRAÇÃO CHINESA ATÉ OS ANOS 2000. 2003). ao fim do estudo. Há registro da entrada de cerca de 100 mil chineses no país.28). traça o padrão histórico da migração Chinesa para a América Latina e o Caribe. 2003). fica explícita a importância da conjuntura global nas características dos movimentos migratórios.Capitalists differ dramatically from earlier chinese migrants in colonial southeast asia. Todos os outros países da América Latina e do Caribe mantiveram a mesma população ou vivenciaram uma queda no número de imigrantes chineses. que as previsões de .

culturalmente” (SAYAD. economicamente. Sendo assim uma base para estudiosos da própria geografia e de outras áreas... 1998. conhecer o perfil desses imigrantes e sua distribuição espacial é ter um importante instrumento de análise de uma parte da população que muitas vezes é negligenciada pelo poder público e que encontra barreiras de adaptação devido à diferença cultural e que ao mesmo tempo enriquece e marca a paisagem e cultura das áreas em que se estabelece.] a imigração é. cujo potencial migratório era crescente. um deslocamento de pessoas e antes de mais nada no espaço físico” (SAYAD. foi empregada de caráter quantitativo. ele é também um espaço qualificado em muitos sentidos. profissionais e população em geral interessada no tema. p. politicamente. Sendo assim é importante também para a mediação de conflitos gerados pelo choque cultural Este estudo introdutório também serve de material de pesquisa para acadêmicos.] o espaço do deslocamento não é apenas um espaço físico.. 4 MÉTODOS E TÉCNICAS Para a compreensão da história da migração chinesa (origem e américa latina) foi feita uma busca e revisão bibliográfica sobre tema. com exceção ao Brasil. A abordagem espacial da imigração chinesa é também uma contribuição importante da Geografia aos estudos migratórios uma vez que “[. socialmente.migração para a América Latina se reduzem. 3 JUSTIFICATIVA Desta maneira.14). Já para a análise dos dados.. o que resultou nas primeiras duas seções desse artigo. visto que “[. A partir dos Dados do SINCRE – Sistema Nacional de Registro e Cadastro de Estrangeiros da Polícia .14). visto a escassez de material disponível em língua portuguesa com tal temática. 1998. p. em primeiro lugar.

Federal Brasileira. sexo. Unidade da Federação cujo registro foi feito. que foi terreno fértil para o crescimento da economia dos países em desenvolvimento (ZHIWEI. devido principalmente ao impacto da crise subprime nas economias centrais no fim de 2007. juntamente com o Panamá. A partir do cruzamento entre Unidade da Federação de entrada e Meio de transporte utilizado foi possível identificar os Estados Brasileiros de chegada mais frequentes. Tais cooperações intensificam-se na primeira década do século XXI. O tratamento dos dados foi concluído com auxílio do software Microsoft excel. a Brasil tornou-se um dos principais destinos da América Latina para o imigrante chinês. especialmente o Brasil. Para a caracterização do imigrante residente no sudeste brasileiro foi isolada a população chinesa em cada estado e posteriormente foram feitas as frequências referentes à: Ano de registro. idade. especialmente ao final do século XX. 5 O IMIGRANTE CHINÊS NO BRASIL E NO SUDESTE (2000 a 2014) Como explicitado anteriormente. Unidade da Federação de residência e estado civil. estado civil. um dos poucos países nos quais houve um aumento dessa população de 1960 até os anos 2000. . 2012). Para a caracterização da migração no Brasil foram utilizadas as informações: Meio de transporte de entrada. Presume-se que a intensificação desse movimento esteja relacionada ao grande desenvolvimento econômico e cooperações internacionais entre América Latina e China. município de residência. foi possível calcular a frequência de entrada (o sistema não é de entrada e sim de registro) de imigrantes chineses no Brasil no período de 2000 a 2014. sendo. Para a análise dos dados foi utilizado o software SPSS – Statistics Data Editor. Bolívia e Argentina.

2014 A espacialização dos chineses através da variável “município de residência” no Brasil (MAPA 1). é preciso destacar que apenas Bolívia. confirma esse padrão e torna mais clara a visualização de sua distribuição espacial no país.7 Nordeste 2.6% do número de imigrantes registrados pela Polícia Federal. 8.1% e 5.Polícia Federal. a participação dos imigrantes chineses. Estados Unidos e Argentina apresentaram maior participação no total de imigrantes. .417 100. sendo 56.5. Do total.650 7. TABELA 1 – Imigrantes chineses por região Imigrantes Chineses por Região de 2010 a 2014 Região Frequência Percentual (%) Sudeste 30.6% do total residente no Estado de São Paulo. não é incomum que os fluxos migratórios aumentem entre os países de destaque. Apesar de parecer pequena.7%.213 80.1 Norte 965 2. no período entre 2000 e 2014 foi registrada a entrada de 37417 chineses no Brasil.4 Total 37. o que representa 4.7% reside na região sudeste do Brasil.0 Fonte: SINCRE .6 Centro – Oeste 907 2. Além de representar um razoável montante na parcela de imigrantes no Brasil. respectivamente 12%.2 Sul 2.682 7. a população chinesa também se encontra extremamente concentrada espacialmente (TABELA 1). 80. Segundo os dados da Polícia Federal (2014).1 O imigrante chinês no Brasil Sendo assim.

0. No Brasil. O ônibus corresponde ao segundo meio de entrada escolhido. O principal meio de transporte (TABELA 2) utilizado pelos imigrantes é o Avião. nas viagens de ônibus. São Paulo. MAPA 1 – Distribuição espacial dos chineses (registrados entre 2000 – 2014) no Brasil Fonte: SINCRE – Polícia Federal. 2014. Ambas as Unidades da Federação possuem fronteiras internacionais terrestres de grande dinâmica. Ao traçar um breve perfil do imigrante chinês no Brasil vemos que a maioria é composta por homens. em menor proporção. com 82.1% são separados e encontram-se em outras situações 1. 62.7% são solteiros.4% do total. em contraponto com 37. Já Mato Grosso do Sul acumula 16. o que justifica a entrada por esses estados. 54% dos chineses são casados.3%. 0.14% das viagens.6% de mulheres. sendo as principais Unidades da Federação de entrada: Rio de Janeiro (22. nesse caso destacam-se como entradas: Paraná e Mato Grosso do Sul.6% das viagens. apesar de não possuir fronteiras internacionais terrestres também se destaca. 43.67%). O estado do Paraná recebe o maior volume de imigrantes chineses via ônibus.9% do total do país.5% viúvos.4%) e São Paulo (73. . acumulando 68.

O Estado da Paraíba se destaca com 34.94%) Rio de Janeiro (17. seguido por São Paulo (18. A chegada Brasil através de navio é a terceira mais utilizada entre os imigrantes chineses.acumulando 5.42%. TABELA 2 – UF de entrada e meio de transporte utilizado MEIO DE TRANSPORTE AVIAO NAVIO ONIBUS OUTROS Total UF ENTRADA AC 11 0 26 16 53 AL 0 25 0 0 25 AM 63 9 10 8 90 AP 5 25 3 10 43 BA 36 17 1 0 54 CE 22 122 8 0 152 DF 75 1 4 0 80 ES 3 21 0 0 24 MA 0 14 0 0 14 MG 30 0 2 0 32 MS 73 6 542 200 821 MT 25 2 29 21 77 PA 60 22 9 8 99 PB 0 676 0 0 676 PE 46 255 8 0 309 PR 657 16 2315 718 3706 RJ 6933 357 62 40 7392 RN 5 2 0 0 7 RO 40 1 79 30 150 RR 15 1 8 5 29 RS 40 15 69 22 146 SC 1 22 0 2 25 SE 2 0 0 2 4 SP 22781 376 182 70 23409 Total 30923 1985 3357 1152 37417 Fonte: SINCRE – Polícia Federal. . 2014.9%) e Pernambuco (12.05% do número de migrantes.84%).

5. o Sudeste sozinho concentra 80. 7408. Dos quatro estados. No MAPA 2 é possível visualizar a distribuição dos imigrantes chineses por munícipios do Sudeste. respectivamente: 21173. Minas Gerais e Espírito Santo. Rio de Janeiro. MAPA 2 – Municípios de Residência (Sudeste) dos chineses registrados entre 2000 – 2014 Fonte: SINCRE – Polícia Federal.7% dos imigrantes chineses que entraram no Brasil entre 2000 e 2014.1364. . 2014. em número total. os três primeiros também são as Unidades da Federação de maior concentração desses imigrantes. 268 imigrantes chineses.2 O imigrante chinês no sudeste Brasileiro Como explicitado no item anterior. Elas possuem. São Paulo.

o que se justifica visto que foi o ano de concessão da anistia para os estrangeiros morando ilegalmente no Brasil.2%.5 RMBH 359 26.3 RMGV 224 83. Quanto ao Ano de registro (TABELA 4) o ano de 2009 se destaca como o de maior número de registros para SP. 2009 também foi um ano de destaque. A cidade de Belo Horizonte concentra 22. todas localizadas em diferentes microrregiões.1 RMRJ 6556 88. Ouro Branco (Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte. Já para Minas Gerais. essas cidades também são localizadas em diferentes mesorregiões. e. É seguida por Pouso Alegre (Mesorregião Sul/Sudeste) com 17. Microrregião de Conselheiro Lafaiete) com 15.4% dos imigrantes chineses do estado. Em Minas Gerais foi verificado que a população chinesa se encontra concentrada em cidades específicas. A participação das outras cidades mineiras seguiu um padrão mais regular. porém o ano de maior número de registros foi 2014. TABELA 3 – Concentração de imigrantes nas regiões metropolitanas do Sudeste Concentração de Imigrantes chineses por Região Metropolitana – Sudeste REGIÃO Frequência Percentual (%) METROPOLITANA RMSP 16331 77. exceto o caso de Ouro Branco e Belo Horizonte. 2014. Ao analisar a concentração dessa população por município de residência foi percebido que há um padrão de concentração nas regiões metropolitanas das capitais (TABELA 3) estaduais. .0% e Ipatinga (Mesorregião Vale do Rio Doce) com 7.6 Fonte: Polícia Federal.3 %. RJ e ES. exceto no caso de Minas Gerais.

8 1.3 2.5 8.2 .6 2003 3. 2014.0 15.6 7.0 Fonte: Polícia Federal.4 5.2 13.1 8.7 1.6 2.8 9.9 9.4 4.8 8. que entre si não variam em mais de 5%.9 9.6 2004 3.88 são do sexo masculino. Essa realidade não se repete caso a análise seja feita individualmente para cada estado (FIGURA 1).2 4.6 2.4 2013 10.4 2.9 12.7 2011 7.2 2005 3.9 20.2 2.2 2001 3.9 2. .8 3.0 100. TABELA 4 – Registro de imigrantes chineses por ano (%) Registros Registros Registros Registros de de de de Ano Imigrantes imigrantes imigrantes imigrantes chineses chineses chineses chineses SP (%) RJ (%) MG(%) ES(%) 2000 4.5 2010 5.5 Total 100.0 100.12 % são do sexo feminino e 60.3 8. Em relação ao sexo do imigrante.6 2002 4. São Paulo.5 9.9 5.0 6.7 2.1 3.2 2012 11.8 2.7 23.0 100.0 2. estado de residência do maior número de chineses do período.8 1.0 2.6 5. 39.8 12.3 18.1 15. possui um maior equilíbrio entre homens e mulheres.7 9. divergindo das outras Unidades da Federação.9 3.2 2014 7.1 1.0 2006 4.0 2007 4.0 2.7 2008 4.5 2009 20.6 1.0 3.

Há também a categoria “separação judicial”. .44%). outras situações (1. Rio de Janeiro 62. viúvos (0. Em São Paulo esse intervalo corresponde a 61. Em relação ao estado civil a maioria é composta por casados (54.5%) e divorciados (0. 67. A maioria dos imigrantes chineses encontram-se na faixa Etária entre 25 e 44 anos. a quantidade de imigrantes nessa situação não foi expressiva o suficiente para entrar no cálculo percentual. seguidos por solteiros (42. 2014.5%.38%).Pirâmides etárias – Estados do Sudeste Fonte: SINCRE – Polícia Federal.88%). Minas Gerais.6%. FIGURA 1 .64%).5% da população. porém.1% e Espírito Santo 61.

principalmente por nele se localizar os maiores centros urbanos do país. destino histórico das migrações internas e fluxos internacionais. social e econômico nos países de saída e chegada. Os registros de 2013 e 2014 superaram os números de 2009. apenas o estado de Minas Gerais apresentou um número de registros de entrada maior do que em 2009. A comunidade chinesa. Minas Gerais também apresenta um padrão de dispersão espacial da população muito divergente do restante do Sudeste. Durante a análise. Sendo assim. . O ano de 2009 foi para China e Brasil um período de grande prosperidade econômica e intensificação dos laços entre os países.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS As migrações internacionais sofrem grande influência da conjuntura global. assim como muitas outras comunidades internacionais. O estudo também mostrou que o Sudeste é o principal polo de atração dessa comunidade. as análises desses fluxos revelam particularidades sobre o atual momento político. concentra- se principalmente em São Paulo. A concentração de grande parte do contingente em cidades médias e afastadas da capital merece um estudo mais aprofundado. Essa divergência pode representar as conexões regionais entre Unidades da Federação e China. Os registros de entrada de imigrantes chineses nos períodos de 2000 a 2014 estão em acordo com o crescimento econômico de ambos os países.

L.a. . CARTIER. C. L. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. Mobility and Identity. L. C. Mobility and Identity. Place. Space.J.L. Tradução de Cristina Murachco.C.REFERÊNCIAS CARTIER. Potencial e Perspectivas.L. Maryland. Mobility and Identity. 1985. R. Geopolítica de Las Minorías. Barcelona. Conclusion: Regions of Diaspora. Place. 2003. 2003. The Chinese Diaspora: Space. L. KENT.J. 2003. IN: MA. MA. Place and Transnacionalism in the chinese diaspora IN: MA. CARTIER.J. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina.L. A relação Sino-Latino-Americana na transformação da ordem mundial: Identidade. ZHIWEI. A Imigração ou os Paradoxos da Alteridade.C. IN: China e América Latina: A geopolítica da multipolaridade. P. 2012. 1998 SINCRE – Sistema Nacional de Cadastro e Registro de Estrangeiros. Place. Base de Dados – 2014. C.C. Roman and Littlefield publishers inc. Espanha.J. Z. IN: MA. The Chinese Diaspora: Space. C.C.L. SAYAD.B. A diaspora of chinese settlement in Latin America and the Caribbean. Oikos Tau s. The Chinese Diaspora: Space. Maryland. GEORGE. A. Roman and Littlefield publishers inc. Roman and Littlefield publishers inc. CARTIER. Maryland.