Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores CRIAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS

JOGOS DE PODER
por Nuno Filipe Neto Trindade
Sumário. Apresenta-se neste artigo o relacionamento e a ligação existente entre duas escolas estratégicas, nomeada-
mente entre o modelo das cinco forças de Porter da Escola de Posicionamento , e as manobras estratégicas do poder
Macro apresentadas pela Escola do Poder. Este artigo é baseado no Livro “Strategy Safari” de Mintzberg.
Palavras chave. Modelo das cinco forças de Porter, Manobras Estratégicas.

cas a ameaça da nova empresa a organizações já
1. Introdução existentes será maior, contudo se as barreiras fo-
rem enumeras e forem ultrapassadas, a ameaça
Um dos aspectos mais importantes na formulação de desta nova empresa é bastante superior, fazendo
uma estratégia empresarial consiste na relação entre com que outras virem a sua atenção para esta e
empresas e o meio ambiente em que estas se inserem. obriguem a tomar medidas preventivas.
No livro “Strategy Safari” (1988), Mintzberg apresen-
ta-nos como um processo estratégico pode ser visto e 2) poder de negociação de clientes; os clientes são
formado através de 10 escolas de formação estratégi- importantes no meio industrial uma vez que po-
ca, onde entre as quais se encontra a Escola de Posi- dem influenciar organizações, provocar diminui-
cionamento, que se resume a posições genéricas de ção de preços, exigir maior qualidade ou até
empresas na quota de mercado. Próxima desta escola mesmo jogar rivais uns contra outros. Perante tal
encontra-se a Escola do Poder, onde a aquisição de ameaça, uma empresa terá que novamente virar
poder é a visão determinada pela estratégia. Assim os seus sentidos para o ambiente em busca de
sendo, pretende-se dar a conhecer que a conquista de clientes com menos poder ou oferecer o que eles
um lugar de mercado pode influenciar consideravel- realmente querem, Exemplos da importância
mente as regras do “jogo concorrencial”. Para isso é desta força são os questionários que muitas em-
apresentado no capítulo seguinte o surgimento da presas adoptam fazer a clientes pelos serviços
necessidade de conquista e de relacionamento entre prestados, que permitem fazer melhoria no pro-
empresas bem como a análise do meio em que estas duto comercializado, encontrar novas soluções
se inserem. No capítulo final serão apresentadas al- ou até mesmo procurar novos clientes. Neste
gumas conclusões. exemplo está saliente a importância do relacio-
namento de uma organização com os seus clien-
2. Formação de estratégias competitivas tes.

Para Porter, um dos mais conceituados gestores, a 3) poder de negociação de fornecedores; neste caso
estratégia de um possível negócio deveria ser baseada a pressão provem a montante das empresas com
na estrutura do mercado no qual as empresas operam. os fornecedores a ameaçarem com preços eleva-
Assim sendo, as estratégias baseadas na escola de dos e redução de qualidade da matéria prima.
Posicionamento são genéricas e bastante comuns, Mais uma vez podemos verificar que se o relaci-
identificam-se pela a aquisição de posições estáveis. onamento com estes não for o melhor certamente
Porter ainda identificou nesta estrutura cinco forças que as fontes alternativas de recursos serão me-
ambientais que caracterizam o meio ambiente e que nores. Uma boa solução neste caso poderá passar
podem influencia-lo totalmente na sua dimensão. É por exemplo pela a aquisição de grandes quanti-
necessário que qualquer empresa saiba analisar as dades de matéria prima a custos baixos que mui-
fontes de cada força, o que permite por em destaque tas vezes se pode traduzir em grandes parcerias.
os seus pontos fortes e fracos. Estas forças são as 4) ameaças de produtos substitutos; aqui a ameaça
seguintes: surge de todos os lados a há a necessidade de
1) a ameaça de novos concorrentes; onde a entrada cada empresa questionar-se sobre a existência de
de novos concorrentes conduz forçosamente a possíveis produtos substitutos ao seu próprio.
uma partilha de recursos e da quota de mercado, Esta ameaça pode provir de produtos a preços
que por vezes podem ser substanciais para a so- mais baixos, e com melhor qualidade ou até
brevivência de uma empresa. Podemos ainda di- mesmo de produtos que tornam ineficaz a funci-
zer que esta ameaça encontra-se condicionada onalidade de uma empresa inteira. A solução
por barreiras inicias ás quais os novos concor- passa talvez pela a utilização de manobras estra-
rentes terão que superar, e que normalmente ca- tégicas, conceito que veremos mais á frente.
racterizam-se por necessidade de capital inicial, 5) ameaça de concorrentes actuais; esta ameaça é a
experiência no meio, regras e políticas governa- convergência de todas as outras forças anterio-
mentais. É certo que se as barreiras forem pou- res, onde todas as organizações intervenientes no

Departamento de Engenharia Informática, Universidade de Coimbra 06-04-2004

Management”. parcerias e marcarem a sua posição no mercado têm que estarem joint-ventures com benefícios para ambas. Exemplo dessas empresas temos a Microsoft e a seria mais sensato negociar mutuamente do que luta. Outra solução serão as manobras nando-se muitas delas fechadas a influências exterio- estratégicas com concorrentes. Empresas que não consideram enfrentado assim as cinco forças competitivas e ma- este conceito tendem a reduzir as suas relações com o ximizando as vantagens da empresa. após termos conhecimento das ameaças 3. Sendo assim. o que se encontra a realizar no momento e ça e coexistência. menos serão as vantagens ainda a vertente mais leal. mente informação ao nosso rival. 1. O primeiro melhorias na posição da empresa passe por ma. Neste artigo foi apresentado um método mais ambicioso de 2) Quanto menos os nossos competidores sou. saber o que é que a empresa poderia estar a fazer veniente e procurar satisfazer todas as necessidades melhor. Aqui poderá surgir a opor. das alianças que se tradu- destes sobre nós. fornecedores. gando os nossos competidores. o que permite organização dá de si o melhor com um único objecti. Prentice Hall. esta última encontrava-se com uma quota de rem entre si. encontra. tornando-se assim uma das mais de vantagens. Referências 5) Quanto menos arbitrários parecemos ser. Por outro lado empresas que meios políticos. ou seja. Henry (1988) “Strategy Safari: The mais o poderemos ser na verdade. tas a ameaças provenientes do exterior e que para va. é natural que o surgimento de as manobras estratégicas podemos criar um processo novas oportunidades de negócio que permitam de formulação de estratégias competitivas. mais forte será a nossa posição perante este. envolvidas. adquirir sucesso entre concorrentes. enriquecer ambas as partes com experiência. onde muitas os competidores têm a ganhar com a nossa vezes são obrigados a pagar a estas organizações para relação do que nós com a deles. Conclusões o que fazer para estabelecer a tal relação? Existem Verificamos neste artigo que as empresas estão sujei- duas soluções e uma delas será a estratégia cooperati. ou seja. hipermercados. Departamento de Engenharia Informática.Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores CRIAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS meio se debatem á procura de uma posição está. É aqui que surge o conceito de poder Macro encontrar uma posição dentro do meio em que se que muitas vezes se encontra associado ao de Macro- possa defender contra forças competitivas ou torna- Empresas e que consiste na interdependência entre las a seu favor. e então a solução passa por manobras estratégicas que só depois aproveitar a ligação estabelecida com estes se podem traduzir em acções ofensivas ou defensivas em beneficio próprio. esta ideologia poderão obter grandes benefícios tor- conhecimentos. poderem vender os seus próprios produtos. incentivo que faz transmitir ao seus alunos para os 4) Quanto mais arbitrários formos com o nosso assuntos de índole empresarial. um dos fundadores se dêem mal com estas manobras estratégicas acabam da Boston Consulting Group. Gestão de Empresas” pela motivação. Em segundo ficam sujeitas a pressões têm a necessidade de reagir é necessário uma análise do meio ambiente. Aqui cada atentas e fazer uma análise ambiental. O autor agradece ao professor da cadeira “Criação e acções permite obter vantagens. pois a contra estas interagindo com todos os intervenientes meta da estratégia competitiva para uma empresa é do meio. estimulo e quanto mais previsíveis estes forem melhor. HP. onde organizações procuram alianças. e próximo pas- gia passa primeiro pela a aproximação de cada inter- so. Em terceiro. saber quais as suas atitudes e re. para que possa identificar quais os seus pontos fortes e fracos e fazer suposições sobre Como foi apresentado anteriormente. Estas manobras são res e acabando por controlar uma espécie de monopó- muitas vezes usadas para comunicar aos rivais de que lio. Muitas vezes estas estratégias são a mercado mediana mas recentemente acabou por ad- mistura de ameaças e promessas visando a obtenção quirir a Compaq. Se é mesmo necessário fazer algo melhor de cada um. etc. Mintzberg. qual a sua estratégia. Com a ajuda do modelo das cinco forças de Porter e vel. sugere cinco regras para por ser instrumentos externos de um outro grupo a formulação destas manobras: competitivo. È o caso dos fornecedores de grandes 1) È muito mais importante saber o que é que superfícies comerciais. Bruce Henderson. Empresas que sigam vo. passo a tomar será a empresa saber em que posição se nobras de ataque directo ou por tácticas de alian. zem também em grandes vantagens para organizações tunidade de ocultar ou revelar estrategica. as empresas que a concorrência e as tendências do meio. no fundo Complete Guide Through The Wilds of Strategic recorremos a meios menos formais subju. Nesta altura a estraté- apresentadas por Porter. contudo existe berem sobre nós. exterior e a sofrer de uma acomodação e um aceitar das condições estabelecidas no meio. clientes e concorrentes. estabelecer novas estratégias. uma espécie de guerra por prestigiadas no mercado. competidor. Esta análise passe pelas cinco forças uma organização e o seu meio. Universidade de Coimbra 06-04-2004 . 3) È necessário saber a personalidade de cada Agradecimentos competidor. Mas aqui surge uma questão.