História A- 10º Ano IMPÉRIO

ROMANO

FORMAÇÃO DO IMPÉRIO ROMANO

O surgimento do Império vem como consequência da expansão crescente da
República de Roma durante os séculos II e III a.C. Nesse período a população sob o
domínio de Roma aumentou significativamente. Nos últimos anos do século II a.C.,
Gaius Marius transforma o exército romano num exército profissional, no qual a
lealdade dos soldados de uma legião é declarada ao general que a lidera e não à sua
pátria. Isso, combinado com numerosas batalhas que Roma travou nos finais da
República favoreceu o aparecimento de uma série de líderes militares tais como
Pompeu e Júlio César, que, dispondo da força à sua disposição, começam a utilizá-la
como meio de obter ou reforçar o seu poder político. As instituições republicanas
encontravam-se em crise desde o princípio do século I a.C., quando Lucius quebrou
todas as regras constitucionais ao tomar a cidade de Roma com o seu exército, em 82
a.C., tornando-se ditador vitalício. Esta série de acontecimentos culminou no Primeiro
Triunvirato, acordo secreto entre César, Pompeu e Crasso. Tendo este sido desfeito
após a derrota de Crasso em 53 a.C., restavam dois líderes influentes, César e
Pompeu; estando Pompeu no lado do Senado, este declara César inimigo de Roma,
ao que César responde, com a Guerra Civil. Vencido Pompeu, torna-se efectivamente
a primeira pessoa a governar Roma, desde o tempo da Monarquia. O seu assassinato
pouco tempo depois, em Março de 44 a.C., às mãos dos conspiradores liderados por
Brutus e Cássio, termina esta primeira experiência de governo do estado romano.
Surgindo o Segundo Triunvirato, com Octávio, Marco António e Lépido, gerando uma
nova guerra civil. Octávio sai vencedor e Roma volta a ser governada por uma única
pessoa com poderes efectivos. O reinado de Octávio César Augusto foi um período de
prosperidade e expansão. A nova estrutura política criada por Augusto designa-se por
principado, sendo o chefe do império designado por princeps civium, o primeiro dos
cidadãos, e ao mesmo tempo princeps senatus, o primeiro do Senado, aceitou
também, o título de Augusto, título divino, que foi o prenúncio da divinização do
imperador. Augusto era também comandante-chefe do exército e decidia a guerra ou a
paz e auto-nomeou-se tribuno por toda a vida. Augusto dispunha de bons generais de
confiança, como Agripa, que anexou oficialmente o Egipto, que já estava sob domínio
romano havia 40 anos, a Península Ibérica, e outros territórios, onde permaneceram
por 400 anos. O império de Augusto era vasto e heterogéneo, com várias línguas e
povos. O grego era a língua mais falada nos territórios orientais, e o latim nos
ocidentais, porém progredindo como idioma da época. Augusto passou a tratar todos

1

iniciando a dinastia Júlio-Claudiana. os romanos partiram para as conquistas de outros territórios. Forum. nomeadamente. anfiteatros. Após dominar Cartago. O reordenamento político-institucional operado por Augusto lançou as bases da estrutura do governo imperial: através de uma hábil propaganda. Promoveu também a divinização das virtudes imperiais (Vitória Augusta. através de mecanismos clientelares. o Senado (o imperador controlava as magistraturas e decidia sobre a sua composição). pois garantiu a supremacia romana no Mar Mediterrâneo. por todo o Império (urbe=cidade romana apresentava um planeamento urbanístico de carácter utilitário: vias. pretor. esgotos. História A. ginásios. tribuno. Octávio César Augusto autorizou o culto à sua pessoa nas províncias. assim estas floresceram e atingiram o máximo do seu desenvolvimento. redimensionou a política expansionista romana (organização das províncias em imperiais e senatoriais. Octávio César Augusto foi o primeiro imperador. a Germânia. depois de várias lutas fratricidas.C. teatros. a Síria e a Palestina. que não podia dispensar o seu exército. construções como aquedutos. restauração dos valores de romanidade. a basílica e a cúria. Roma ampliou as suas conquistas. como os templos. dominando a Grécia. assente no modelo da polis grega. Os órgãos de governo republicano foram esvaziados dos seus poderes. a vida e a estrutura de Roma passaram por significativas mudanças. como por exemplo os governadores das províncias e os generais. a Gália. fez-se eleger cônsul. o culto do imperador e da sua família tinha-se institucionalizado em todo o Império. marcada pela centralização do poder pessoal – imperium (autoridade). nas Guerras Púnicas (século III a. manutenção de uma paz civil (pax romana) durante um longo período de tempo. No fim do século I. CONCLUSÃO: Após dominar toda a península itálica. liderados por Aníbal. Roma era o centro do Mundo e serviu de modelo político. A extensão do seu império fez com que a constituição da Roma republicana. Este título de imperador assumia não só uma conotação política mas também religiosa.10º Ano IMPÉRIO ROMANO os habitantes do império como iguais e visitou várias zonas para verificar quais os problemas de cada província. fontes. censor. com uma posição apoiada numa autoridade superior à de todos os magistrados romanos. se revelasse cada vez menos eficaz para o governo do Império. Com as conquistas. Liberdade Augusta …). edifícios públicos. criação de colónias com veteranos de guerra. Esta vitória foi muito importante. arcos de triunfo e colunas monumentais). termas. estacionamento de legiões nas fronteiras). cultural e urbanístico para a construção de outras cidades.). Octávio inaugurou uma nova época. venceram os cartagineses. Paz Augusta. a Trácia. mas em Roma. 2 . Com um exército bem preparado e muitos recursos. criando um forte aparelho burocrático dinamizado essencialmente pela classe equestre. o Egipto. através de cargos e instituições diretamente ligados a si. ordenou que se adorasse apenas o seu génio. participação no governo imperial da plebe em ascensão. Os romanos passaram a chamar o Mediterrâneo de Mare Nostrum. Justiça Augusta. a Macedónia.

onde eram distribuídos alimentos. usufruíam de uma condição superior em relação aos outros povos. Quase todos os dias ocorriam lutas de gladiadores nos estádios (o mais famoso foi o Coliseu de Roma). concedeu o Edictum Civitate. tendo as suas cidades adquirido o Direito Latino (estatuto semelhante ao estabelecido pelo Direito Romano. A capital do Império Romano enriqueceu e a vida dos romanos mudou. A Itália foi a primeira região a obter este estatuto.Com o crescimento urbano veio também os problemas sociais para Roma. Desta forma. A sua base consistia em ser ou não ser cidadão. À medida que os povos conquistados aceitavam o domínio romano e adquiriam a sua cultura. com estatutos diversificados. a plena cidadania romana a todos os habitantes livres do Império. A escravidão disponibilizou mão-de-obra nas zonas rurais. 3 . Esta consistia em oferecer aos romanos alimentação e diversão. o imperador criou a política do Pão e Circo. diminuindo a possibilidade de revoltas. a sua economia caracterizava-se por ser urbana. a população carente acabava esquecendo os problemas da vida. a categoria de cidadão estava reservada unicamente aos naturais de Roma e seus descendentes.10º Ano IMPÉRIO ROMANO O império romano passou a ser muito mais comercial do que agrário. no século III. Podia-se conseguir o título de cidadão romano quando alguém se distinguia pelo seu mérito ou pelos bons serviços prestados a Roma. As províncias (regiões controladas por Roma) renderam grandes recursos para Roma. contribuindo deste modo para a unidade do mundo romano. assente no escalonamento dos homens livres. Receoso de que pudesse acontecer alguma revolta. O imperador Caracala. que correspondia à cidadania plena – Civitas – conjunto de direitos civis e políticos). História A. De início. A sociedade romana estava organizada de uma forma complexa. Povos conquistados foram escravizados ou passaram a pagar impostos para o império. por isso muitos camponeses foram obrigados a migrar para as cidades romanas em busca de melhores condições de vida (plebeus). comercial (mercantil) e monetária.

à realização dos seus discussão de um modo objectivos e à defesa dos seus interesses.10º Ano IMPÉRIO ROMANO COMPARAÇÃO ENTRE AS CIVILIZAÇÕES GREGA E ROMANA CIVILIZAÇÃO GREGA CIVILIZAÇÃO ROMANA . com diferentes graus de restrito formação . pela constituía uma sistematização jurídica. Dispensaram pouca adquirir-se a partir do nascimento. a educação cidadãos dos jovens. cujo critério determinante era a adesão aos valores da romanidade) 4 . que estado de Atenas. Assim.Conceito de cidadania urbana e uniformizada.Simbolizada pela cidade. ou seja o Direito.A educação dos jovens (realismo e pragmatismo) servia para formar os .Simbolizada pela regra. Este. -A obra de arte tinha que .Grandes apreciadores da cultura grega. Estas seriam razão. sobretudo na instituições romanas como necessárias à organização e política (demagogia). pela desenvolvimento da sociedade. ou seja pragmatismo (espírito prático. eficaz e organizado) que caracterizava o carácter romano. O Direito Romano revelava a precisão.A intenção do Império Romano foi a ideia de construir uma ordem à escala universal ser bela . concedida de forma atenção ao urbanismo individual ou colectiva. assegurava a unidade do Império. O Imperador Caracala quando estendeu o “direito de cidadania era limitada ou cidade” (cidadania) a todos os homens livres do restrita). Império reforçou a unidade imperial a partir de um Édito=lei. vasto e democracia ateniense heterogéneo. uma codificação de certas práticas. regulava o comportamento dos homens e (democracia imperfeita – a das instituições.A obra de arte além de bela tinha que ser útil . .Conceito de cidadania aberto e dinâmico (podia . criaram uma rede escolar . o rigor e a organização. pela reflexão consideradas em diferentes momentos pelas especulativa. aberto por todos os As questões políticas eram consideradas questões de cidadãos na Ágora e pela Direito. História A. tinha particular interesse como instrumento de romanização.

Cultura romana . das instituições da . fazendo da polis do Mar Mediterrâneo “um lago romano” . estabeleciam relações construção de aquedutos e esgotos comerciais e copiavam o modelo político e cultural da sua metrópole .Manutenção das favorecida por: magistraturas e outros -Federação de cidades sob a órgãos políticos égide deaRoma . A .Dispensaram atenção à pavimentação das vias. com carácter universal MODELO ROMANO MODELO POLÍTICO .Cultura helénica – cultura ideia de Império concretizou a sua construção. ao longo do Mediterrâneo) que .Conquista de territórios e domínio dos mesmos.pilar da construção do Império através da romanidade (romanização).Culto Roma e ao tradicionais imperador 5 . nas .10º Ano IMPÉRIO ROMANO -Fundaram colónias. História A.Poder autocrático e sacralizado do IMPÉRIO PODER IMPERIAL imperador -Grande Coesãodimensão política territorial .Reprodução.Codificação do Direito cidades provinciais.

Intenção -Mestria técnica e cultural dos cidadãos imperador às extensiva propagandística províncias .Adequação dos espaços .Padrão urbanístico literária e escultórico curricular uniformizado historiográfica - -Relevo histórico. social escolar Roma e do . .Criação de Monumentalidad .Adopção de modelos gregos Ensino Arquitectura Urbanismo Produção -Realismo -Organização -Utilitarismo . História A.10º Ano IMPÉRIO ROMANO MODELO CULTURAL CULTURA URBANA E PRAGMÁTICA Escultura .Orientada para narrativo uma rede e e equipamentos urbanos a apologia de6 à vivência política.

teatros.Difusão da língua latina .10º Ano IMPÉRIO ROMANO Efectua-se através de: .Pax romana 7 .Difusão da religião oficial romana (+ Culto Imperial) .Unidade monetária . termas …) -HOMOGENENEIZAÇÃO Actuação das autoridades provinciais POLÍTICO-CULTURAL DO ESPAÇO ROMANO . legionários = soldados) PROCESSO DE ROMANIZAÇÃO .Fundação e reorganização de cidades (segundo o modelo romano) .História A.Estabelecimento de núcleos populacionais romanos nas províncias (imigrados.o carácter urbano marca a civilização romana ( construções e urbanização – cidades e edifícios públicos: fórum.Fomento económico (dinamismo comercial) .Extensão progressiva da cidadania (Édito de Caracala) e outros privilégios político-administrativos .Construção de uma rede viária abrangente .Codificação e aplicação do Direito .

Édito de Romano do Ocidente e Tessalónica – Império Romano do Império Romano. História A.Rápida difusão do Interna: cristianismo pelas cidades do Império .Grandes invasões GRECO-LATINA .Império .Divisão definitiva do Império (395) . Oriente Cristão Externa: .Debilidade do poder imperial (anarquia militar . III) Constantino.Consolidação das instituições .Penetração progressiva dos povos bárbaros no 8 religiosas Império Igreja. HERDEIRA DA CIVILIZAÇÃO .10º Ano IMPÉRIO ROMANO GRANDES ALTERAÇÕES DOS ÚLTIMOS CRISTIANIZAÇÃO CRISE POLÍTICA SÉCULOS DO IMPÉRIO (SÉCULOS III a V) .Conversão de -séc. Édito de Milão . transmissora FIM DOda herançaANTIGO MUNDO civilizacional clássica CIVILIZAÇÃO OCIDENTAL.

História A.10º Ano IMPÉRIO ROMANO 9 .