pelo mundo

os
a ndia, está aco, sem local). erece aos ivalente ra cada eles pano rcados olas ada uma. o ano corte tico entre Tailândia umidores cada dia, Bangkok, e milhões

ta sulcâmeras . ostrar ês s de às ruas uma ndo eles ra todos, ito do assim, ntar ser is pagar tação, izendo mas", e Aids e

de Copa Mundial de Barcos Solares
Começou, no último sábado, o Frisian Solar Challenge 2010, na Holanda, considerado a Copa Mundial de Barcos Solares. As equipes Solar Brasil, composta por estudantes e professores da Escola Politécnica da UFRJ, e Vento Sul, da Federal de Santa'Catarina, são as representantes brasileiras na competição. No evento, que ocorre a cada dois anos, os participantes percorrerão 220 quilômetros de canais de 11 cidades da região da Frísia, no norte da Holanda. O objetivo da competição é incentivar o uso da energia solar em todo o mundo.

s.
e Orica, ano de ectares, cedidos em março perativa de Guillén de o dia de ção às s da área, ao país. A so e iro
ICO

em

ões do

Segundoreportagem publicada no site Mercado Ético, ambientalistas e grupos indígenasse uniram para condenar o plano de US$ 15 milhões para seis hidrelétricas na Amazônia peruana, assinado na semana passadapelos presidentesLuiz Inácio Lula da Silva e Alan Garcia, do Peru.As usinas irão produzir seis mil megawatts, a maior parte destinada para o Brasil. Críticosafirmam que as represas vão inundar dezenasde milhares de hectaresde florestas, acabar com o estilo de vida dos índios e serviria apenas a grandescorporaçôesbrasileiras. egundo S a ONG IntemationaI Rivers,a construção da represade Paquitzapangono rio Ene, um dos afluentes do Amazonas, ameaçaria mais de 17 mil membros da tribo Ashaninka, o maior grupo indígenada Amazônia peruana. A área inundada ainda colocaria em risco duas áreas de proteção: a reservade Ashaninka e o parque nacional de Otishi.

A ministra do Meio Ambiente da índia, Jairam Ramesh, afirmou que seu país não aceitará um tratado climático internacional que não tenha na sua base os princípios da equidade e igualdade de acesso ao espaço atmosférico globa/. A declaração foi dada na semana passada ao jornal local "Financia I Express". A ministra afirmou que a índia terá um papel de liderança na defesa de um princípio global de orçamento de carbono na COP-16, que será realizada em Cancún entre 29 de novembro e 10 de dezembro deste ano. Segundo Ramesh, as restrições de emissões de carbono devem levar . em consideração não apenas as emissões anuais de gases de efeito de estufa (GEE) por um país, mas também o estoque total de gases de efeito estufa emitidos ao longo do tempo.

dos Estados Unidos vai destinar US$ 136 milhões à Indonésia nos próximos três anos em programas voltados para mitigação e adaptação às mudanças climáticas, de acordo com uma nota divulgada na semana passada pela Casa Branca. O anúncio foi feito logo após o comprometimento da Noruega em doar US$ 1 bilhão para o país do sudeste asiático. A Indonésia é considerada um importante palco na luta contra as mudanças climáticas por suas ricas florestas e pântanos, que absorvem enormes quantidades de dióxido de carbono. Como parte do acordo, os dois governos irão estudar maneiras de reduzir os pagamentos da dívida da Indonésia com os EUA desde que esse dinheiro seja empregado na preservação ambienta/.

o governo

e

I

a

o GLOBO

Razão Social-21