ANÁLISE ESTRUTURAL DE MONOCRISTAIS

Rodrigo Otávio Alves da Silva 2, 4; Hamilton Barbosa Napolitano 1, 4; William Borges
Fernandes3, 4.
1
Pesquisador – Orientador
2
Bolsista PBIC/UEG
3
Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG
4
Curso de Química Industrial, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas,
UEG.

RESUMO

Esse trabalho versa sobre conhecimentos teóricos da difração de raios-X por
monocristais, considerando o fenômeno da interação entre a radiação X e a matéria cristalina.
A ênfase está nos aspectos fundamentais desta metodologia.

Keywords: raios-X, cristalografia, difração, difratômetro.

Introdução
O trabalho de determinação da estrutura tridimensional através da cristalografia de
raios X envolve as seguintes etapas: (1) coleta de dados, (2) processamento dos dados, (3)
resolução da estrutura, (4) refinamento, (5) validação e análise do modelo cristalográfico e (6)
depósito no banco de dados apropriado (Napolitano et al, 2004). A coleta de dados é o
procedimento de medida das intensidades difratadas e o processamento é a preparação desses
dados para as etapas seguintes.

Os dados obtidos através de experimentos de difração de raios X (Cullity, 1978)
consistem apenas na intensidade dos feixes difratados, a partir dos quais podemos obter a
amplitude dos fatores de estrutura. Toda informação explícita das fases é perdida, o que
impossibilita a determinação direta da estrutura a partir das intensidades medidas
(Giacovazzo, 2002). Os valores máximos da densidade eletrônica determinam as posições
atômicas. Para que a densidade eletrônica em todo o espaço delimitado pela cela unitária seja
conhecida, seria necessário o conhecimento dos fatores de estrutura de cada reflexão coletada
1

Material e Métodos Um monocristal de um dado composto. b. Com a tecnologia do detector bi-dimensional tipo CCD (charged coupled device). 2002. 2002). a solução do problema da fase em cristalografia de pequenas moléculas é obtida por Métodos Diretos ou Método de Patterson (Giacovazzo. através do ordenamento tridimensional dos cristais. O atual estado da arte no trabalho cristalográfico em pequenas moléculas faz com que uma alta porcentagem das estruturas seja resolvida.O termo Métodos Diretos é aplicado à metodologia que objetiva resolver o problema da fase pelo uso das relações de fase baseadas nas intensidades medidas experimentalmente (Stout & Jensen. depois de integradas e processadas. ele se comporta como uma rede de difração tridimensional e produz um padrão de difração constituído de um arranjo tridimensional de intensidades difratadas (denominadas “reflexões”.(Giacovazzo. o fator de estrutura é um número complexo e composto da amplitude e da fase. As intensidades destas reflexões são proporcionais ao quadrado do número de elétrons dos átomos constituintes do composto a ser analisado. uma rotina de Mínimos Quadrados de um computador acoplado ao difratômetro calcula os parâmetros de cela (a. uma pequena e significativa parte requer interferências e tomadas de decisões durante o trabalho cristalográfico. Porém. um programa de coleta de dados é iniciado de forma automática. determinar a estrutura cristalina.0 Å. estes poderão ser analisados em microscópio de luz polarizante para inspeção de sua qualidade. levam ao conjunto de reflexões. coleta-se um conjunto de imagens (em geral pelo método de rotação do cristal) que. Após a obtenção dos monocristais. refinada e analisada sem maiores problemas. gama) da melhor cela unitária e a matriz de orientação baseada em reflexões centradas e indexadas. Quando o monocristal é irradiado com raios X. onde as intensidades são 2 . beta. por simplicidade). com vistas a difratometria de raios X. c. obtido através de cristalização e/ou recristalização a partir de solventes comuns. Depois que um número convencional de reflexões (usualmente 25) são localizadas e centradas. É um método amplamente utilizado na solução do problema da fase para moléculas pequenas e promissor para a cristalografia de proteínas. 1989). é montado num capilar de vidro e colocado num difratômetro de raios X de quatro círculos. alfa. 1989). de comprimento de onda na ordem de 1. Todavia. Em geral. A partir da matriz de orientação. O objetivo da determinação de estruturas cristalinas é localizar as posições atômicas em uma cela unitária e. Stout & Jensen.

Com a tecnologia do detector tipo CCD. Nesse sentido estudamos os critérios da solução.000 reflexões. Um monocristal de um composto padrão de 20 átomos (não hidrogênios) fornece um número típico de 5. conformação molecular. pode ser feito em algumas horas. Como o número de medidas feita com um difratômetro automático é da ordem de 100 reflexões por hora. isto é. há procedimentos iterativos que revelam as posições aproximadas de átomos adicionais até que seja obtida uma estrutura preliminar. distâncias interatômicas. 3 . necessita-se de dois dias de operação contínua para obter os dados para uma molécula de 20 átomos. este tempo de medida das reflexões é consideravelmente reduzido por um fator de 10. empacotamento cristalino. Com o conhecimento dos parâmetros de cela. Verifica-se nos mapas a existência de fragmentos moleculares reconhecíveis ou a molécula inteira. que emprega seis parâmetros térmicos por átomo e que é um resultado importante para uma comparação detalhada de distâncias interatômicas e ângulos. Resultados e Discussão O trabalho realizado teve como objetivo estudar os aspectos teóricos essenciais da cristalografia.medidas com precisão e armazenadas no disco rígido ou disquetes. do refinamento e da análise da estrutura cristalina e molecular do cristal semi-sintético fosfatado de L-Arginina complexado com cobre. as posições atômicas (coordenadas fracionárias e fatores de vibração térmica) são refinadas utilizando a técnica de Mínimos Quadrados até obter a melhor aderência entre os dados de intensidade observados e os calculados de acordo com o modelo da estrutura preliminar. Determina-se o grupo espacial a partir da análise do tipo de extinções presentes no conjunto de reflexões. Com o emprego de programas interativos adequados.se um refinamento anisotrópico. medidas uma a uma pelo difratômetro (se tiver como detector uma fotomultiplicadora). ângulos de valência. etc. A seguir inclui. isto é. utilizam-se programas de computador para aplicar métodos estatísticos de análise e obter um conjunto de possíveis soluções. O ponto mais importante a respeito da técnica de difração de raios X é a possibilidade de se obter detalhamento de toda a geometria molecular. do conteúdo aproximado da cela unitária e da simetria cristalina. Uma vez obtida a estrutura molecular inicial. a molécula pode ser visualizada num terminal gráfico e pode ser impressa em papel. Caso sejam reconhecidos fragmentos da estrutura esperada. Obtêm-se mapas de densidades eletrônicas (calculadas com o emprego de transformadas de Fourier) para as soluções mais plausíveis.

4 . 2004. dipolo-dipolo. entre outras interações não-covalentes). The Macmillan Company..Conclusões A Cristalografia tem por objetivo essencial o conhecimento da estrutura dos materiais cristalinos e da relação entre essa estrutura e suas propriedades físico-químicas. Físic a e a Química. B. Difração de raios-X e a lei de Bragg. 2002.. London 1989. H. The diffraction of X-ray by crystals. D. Massachusetts. Monografia de Ensino da Sociedade Brasileira de Cristalografia. Pode-se portanto estabelecer os ângulos e as distâncias interatômicas da estrutura cristalina. C. Lariucci. Vencato. bem como as interações intermoleculares (Van der Waals. Y. ligação de hidrogênio.. I. Através dessa metodologia pode-se determinar as posições relativas de todos os átomos que constituem a molécula (estrutura molecular) e a posição relativa de todas as moléculas que constituem a cela unitária (estrutura cristalina). com contribuições relevantes à Biologia Estrutural. Elements of X-ray diffraction. C. L. IUCr e Oxford Science Publication. 2nd Ed. Napolitano. 2nd ed. New York. A cristalografia constitui-se uma metodologia interdisciplinar. G. 1978. Referências Bibliográficas Cullity. Mascarenhas. B. C. Giacovazzo. Addison-Wesley Publishing Company Inc. Stout. Editado por Giacovazzo. X-ray structure determination – A practical guide. H. & Jensen. In: Fundamentals of Crystallography.