Alunas: Ana Paula Mendes e Bárbara Lovatto Editora Jogare per timen MED 08.

1
2ª Fase

Imunologia
Reconhecimento antigênico no sistema imune adaptativo

-Receptores de antígenos são distribuídos de forma que, cada clone de linfócito
possui uma especificidade em particular que tem um único receptor diferente
dos demais.
-As porções antigênicas entre os receptores são chamadas de regiões
variáveis, muito da variabilidade é concentrada em certas seqüências, as
regiões hipervariáveis ou regiões determinantes da complementariedade
(CDRs), porque formam a parte do receptor que se liga ao antígeno.
-Receptores de antígenos são ligados não-covalentemente a outras moléculas
invariáveis, que transmitem para dentro das células os sinais de ativação
desencadeados do reconhecimento antigênico.
-A coleção dos receptores de antígenos e moléculas sinalizadoras nos linfócitos
B é chamada de complexo receptor da célula B (BCR) e, nos linfócitos T, TCR.

Anticorpos:
 Contêm 2 cadeias pesadas e 2 leves, cada uma com uma região variável
e uma constante.
 Cada região variável possui 3 regiões hipervariáveis, e CDR3 é a que
apresenta maior variabilidade e que mais contribui para a ligação
antigênica.
 O fragmento do anticorpo que contém uma cadeia leve ligada aos
primeiros domínios V e C de uma cadeia pesada contém a porção do
anticorpo requerida para o reconhecimento antigênico = FAB
(fragmento de ligação ao antígeno).
 Os demais domínios C da cadeia pesada formam a região Fc,
responsável pela maioria das atividades biológicas e funções efetoras
dos anticorpos.
 São classificados em isótopos conforme a cadeia pesada que
apresentam. Os linfócito B virgens apresentam IgM e IgD, após a
estimulação por antígenos e linfócitos T auxiliares, diferenciam-se em
progênie que secreta anticorpos, podendo haver troca de isótopo.
 Ligam-se a uma ampla variedade de antígenos, através de ligações não-
covalentes (pontes de hidrogênio, interações de carga), pois sua região
de ligação é uma superfície plana capaz de acomodar muitas formas
diferentes; e o reconhecimento do epítopo pode basear-se na seqüência
(determinante linear) ou na forma (conformacional).
 Cada molécula de anticorpo pode ligar de 2 a 10 epítopos do antígeno,
conforme a Ig que possua.

1

1. Seleção de linfócitos. cada cadeia contendo uma região variável e uma constante. Expressão dos genes dos receptores. produzida pelas células estromais da medula óssea e do timo.1 2ª Fase Linfócitos T  O TCR é um heterodímero αβ. Após serem expressos. moléculas CD3 e cadeia ζ. Associado ao TCR há um complexo de proteínas. estimulada pela interleucina-7. Células T imaturas são selecionadas para reconhecer moléculas de MHC. Proliferação de células imaturas.Alunas: Ana Paula Mendes e Bárbara Lovatto Editora Jogare per timen MED 08. 2. os receptores de antígenos ficam responsáveis por transmitir sinais para a proliferação. A geração da diversidade doa receptores está ligada com a maturação dos linfócitos. Seleção positiva: receptores de antígeno em desenvolvimento reconhecem moléculas de MHC no timo e transmitem sinais de 2 . os linfócitos maduros são selecionados em vários em vários estágios da maturação de modo a preservar a sua capacidade funcional. 3.  O TCR reconhece antígenos mas é incapaz de transmitir sinais para a célula T. A ligação das células T aos APCs é fraca (baixa afinidade) e deve ser fortalecida por moléculas acessórias. que formam o complexo TCR e transmitem sinais que são iniciados com o reconhecimento do antígeno. A seleção é baseada na expressão dos componentes intactos dos receptores de antígenos e como eles são reconhecidos. Desenvolvimento dos repertórios imunes Existem muitos clones com especificidades distintas. Cada TCR reconhece apenas um dos 3 resíduos do peptídeo associado ao MHC. os receptores de antígenos são produzidos a partir de vários segmentos gênicos que são separados uns dos outros na linhagem germinativa e se recombinam durante a maturação dos linfócitos. A diversidade é gerada durante o processo de recombinação. que envolve três processos. Pré-linfócitos que falham na expressão dos receptores morrem por apoptose. Ambas participam do reconhecimento especifico da molécula de MHC e peptídeo ligado. A ativação da célula T requer também moléculas de MHC.

célula pré-B tem que expressar cadeia μ funcional para ser selecionada positivamente. Seleção negativa: linfócitos imaturos são selecionados contra o reconhecimento de alta afinidade dos antígenos próprios. Isso gera diversidade. seleção positiva e as células que reconhecem o MHC-1 preservam a expressão do CD8. 3 .  As células sobreviventes são duplo-positivas. A diversidade dos receptores de antígenos é produzida pelo uso de diferentes combinações de segmentos V. que transmite sinais intracelulares que permite a recombinação do gene da cadeia α do TCR. dando origem a muitos precursores. a maturação posterior é interrompida (apoptose ou edição do receptor). assim tornam-se único-positivas.  Progenitores proliferam sob influência da IL-7.  Para sobreviver deve expressar cadeia β para formar o complexo pró- TCR. Para tornar-se madura deve passar a expressar também IgD+.1 2ª Fase sobrevivência e proliferação das células. Eles se expandem sob influência da IL-7. se uma célula B imatura liga-se a um antígeno da medula óssea com alta afinidade. Entre os genes V e C existem segmentos gênicos de junção (J) e de diversidade (D). a medula apresenta antígenos próprios que são abundantemente expressos por todo o corpo. Em geral. células pró-B. D e J em diferentes clones de linfócitos (diversidade combinatória) e também por meio de alterações nas seqüências do nucleotídeo pela ação de enzimas.  Progenitores imaturos são pró-células T ou células T duplo-negativas (sem CD4 e CD8). mas também gera genes não funcionais que são eliminados através dos mecanismos de seleção durante a maturação. que transmite sinais que garantem a sobrevivência e proliferação das células com receptores completos  células B imaturas. Células TCD8+ tornam- se capazes de serem ativadas em CTLs e as TCD4+ podem ativar-se em células auxiliares. eliminando os linfócitos capazes de reconhecer antígenos próprios (self). A expressão dos receptores de antígenos inicia-se pela recombinação somática dos segmentos gênicos que são codificados para as regiões variáveis destes receptores. então. Maturação e seleção dos linfócitos T:  Os progenitores da célula T migram da medula óssea para o timo onde ocorre a maturação.  No segundo ponto de controle.  Já aquelas que reconhecem o MHC-2 preservam a expressão do CD4 e perdem o CD8.Alunas: Ana Paula Mendes e Bárbara Lovatto Editora Jogare per timen MED 08. a cadeia leva deve associar-se à cadeia pesada para formar o receptor de antígeno completo IgM. Essas junções codificam o CD3. Maturação e seleção de linfócitos B:  Ocorre na medula óssea.  Ocorre. perdendo a expressão do CD4. como proteínas do sangue e moléculas de membrana comuns a todas as células. o mais variável CDR e o mais importante para o reconhecimento de antígenos. Em seguida. assegurando a maturação das células com receptores de antígenos corretos.  Na seleção negativa.

4 . em todo o corpo) e de a célula T expressa um TCR que tem uma alta afinidade para aquele peptídeo.1 2ª Fase  As células T duplo-positivas eu reconhecem fortemente o complexo peptídico-MHC no timo sofrem apoptose  seleção negativa.Alunas: Ana Paula Mendes e Bárbara Lovatto Editora Jogare per timen MED 08.  O reconhecimento de alta avidez ocorre se o peptídeo é abundante no timo (e. isso pode levar a respostas imunes perigosas contra um antígeno próprio. portanto.