Addison Blair

PORT 322 – Profa. Cowley
11/11/2016

A ignorância do eleitor americano

Americanos têm orgulho em seu sistema de governo.

Indiscutivelmente, os Estados Unidos foi a primeira república

federativa, com uma constituição que dura até hoje. Os Estados Unidos

é único entre os países desenvolvidos por causa de seu principio da

transferência pacífica de poder – sem revolução, sem golpe e sem

anarquia desde de sua fundação. No geral, os americanos têm razão

para ser orgulhosos e segundo várias pesquisas eles mantêm um

patriotismo forte. Porém, há uma falha enorme entre o povo

americano: sua ignorância. Um grade número de americanos não têm

um conhecimento básico de seu sistema de governo ou dos eventos

domésticos e internacionais. Por causa de sua ignorância, o povo

americano está desarmado para lidar com questões de política interna

ou participar de forma significativa, no cenário mundial, tornando-os

mais suscetíveis à manipulação e desinformação. Porém, com um

conhecimento básico, o povo tem poder para criar um sistema melhor

e mais responsável para os eleitores.

Os exemplos desta ignorância são abundantes e variados. Por

exemplo, numa pesquisa feita em 2006, o Associated Press descobriu

que 22% da população podia nomear todos os cinco membros da

família animada Simpsons, mas somente .01% da população conseguiu
nomear todos os cinco direitos concedidos na primeira emenda da

constituição. Em 2011, a revista Newsweek pediu aos leitores em uma

série de perguntas, e ele tinham resultados parecida com os do

Associated Press. 29% não podia nomear o vice-presidente. 73% não

podia corretamente dizer por que os EUA lutou na Guerra Fria. 44%

foram incapazes de definir o Bill of Rights. E 6% não podia identificar o

Dia da Independência em um calendário (Associated Press, 2006).

Além disso, os americanos demonstram uma falta de conhecimento de

seu próprio sistema político e eventos mundiais em geral.

Adicionalmente, eles geralmente não têm um entendimento dos três

ramos do governo, como as leis são criadas e quem está em posições

essenciais do governo

Em si, essa ignorância não é um grande problema. Todos os

países tem pessoas que não são informadas. O problema manifesta-se

na facilidade de manipular ou informar mal o povo, assim perpetuando

o ciclo de ignorância e deixando os americanos incapazes de pensar

criticamente sobre questões importantes. Eles são politicamente

analfabetos, o que os torna alvos fáceis para os políticos e eruditos. De

fato, os políticos frequentemente tiram proveito da ignorância

americana para passar legislação impopular, sabendo que as massas

dos eleitores não estão cientes do processo (Vinik, 2014). Isso não quer

dizer que exista uma grande conspiração contra o povo americano,

simplesmente significa que os políticos sabem que a ignorância pode
ser usada para os beneficiaram. Eruditos também podem tirar proveito

da ignorância americana para passar informações incorretas; eruditos

como Sean Hannity, Rush Limbaugh, Alex Jones, Robert Reich, e Bill

Maher são consistentemente acusado de difundir meias verdades e

meias mentiras (Sharockman, 2015). Mesmo assim, suas audiências

geralmente não pensam criticamente sobre as informações que

ouvem, e devido a isso ficam ainda mais mal informados.

O problema da ignorância vai para além do processo legislativo

ou comunicação social. Sem um conhecimento básico do próprio

sistema político, será que podemos confiar no eleitor para fazer a

decisão correta? É tolo supor que fulano de tal sabe votar de uma

maneira informada? Um colunista falou o seguinte sobre este assunto:

Unlike the many who depend on ignorant voters to wield
and secure their power, I refuse to believe that working-
class or underprivileged citizens are any less capable
of understanding the meaning of the Constitution or
the contours of governance than the supercilious 1-
percenters. I believe this despite the widespread failure of public
schools to teach children basic civics. It’s still our
responsibility as voters (Harsanyi, 2016).

Em geral, especialistas que estudam política concordam que o

povo americano tem o potencial para se educar. Porém, há o problema

de educação. Como o autor do artigo disse, o sistema de educação

pública é frequentemente insuficiente. E o povo em geral não pensa

que é sua responsabilidade pensar criticamente sobre questões de

política e da vida cívica. O que pode ser feito para mudar esta atitude?
Mesmo que exiga um esforço da parte do povo, há um método

que pode ajudar o público estar mais informado. Este método de

pensar chama-se “Confie, mas verifique.” A ideia é simples; quando

alguém ouve alguma coisa nas notícias ou nos programas de rádio, em

vez de aceitar a ideia sem pensar o individuo vai atrás e verifique o

que ouviu. Exiga que olha para outras fontes e recursos para verificar a

informação. Requere que o povo não só consuma a mídia, mas

ativamente participar com ela.

Um exemplo que pode ilustrar este princípio é uma pesquisa

feita por Ipsos Mori, uma organização de pesquisa de mercado. Cada

ano, eles fazem uma pesquisa entre os países mais desenvolvidos para

medir o nível de ignorância, utilizando um questionário que faz

questões sobre eventos domésticos e internacionais. Dos 15 países

que participaram na pesquisa, os Estados Unidos era o segundo pior,

com a Itália a seguir. Suécia e Alemanha estavam em primeiro lugare

(Ipsos Mori, 2014). As consequências de um povo informado são

incríveis: Suécia e Alemanha estão entre países menos corruptos do

mundo. Eles têm uma das melhores qualidades de vida no mundo e

estão considerados entre os países mais confiáveis. Os Estados Unidos,

embora seja boa em nestas categorias, não chega perto do nível de

excelência da Suécia e Alemanha (Transparency, 2016).

No geral, o problema de um publico mal informado é um

problema que pode ser consertado – se o povo tiver a vontade de
mudar. Mesmo que seja aos poucos, um público mais informado vai

exigir um governo menos corrupto e uma mídia mais honesta. Não é

uma tarefa fácil, mas é uma que deve ser feito se os americanos

realmente quiseram reformar seu sistema. Os benefícios são

alcançáveis, contudo, requere um pequeno mudança de atitude.

Referências

Associated Press. "D'oh! More Know Simpsons than Constitution." NBC
News. NBS News, 1 Mar. 2006. Web.

Harsanyi, David. "We Must Weed out Ignorant Americans from the
Electorate." The Washington Post. N.p., 20 May 2016. Web.

"Perceptions Are Not Reality: Things the World Gets Wrong." Ipsos Mori.
N.p., 29 Oct. 2014. Web.

Romano, Andrew. "How Ignorant Are Americans?" Newsweek.
Newsweek, 20 Mar. 2011. Web.

Sharockman, Aaron. "MSNBC, Fox, CNN Move the Needle on Our Truth-
O-Meter Scorecards." Politifact. Tampa Bay Times, 27 Jan. 2015.
Web.

"Transparency by Country." Transparency.org. N.p., 2016. Web.

Vinik, Danny. "Congress Relies on the "Stupidity of the American Voter"
All the Time." The New Republic. N.p., 13 Nov. 2014. Web.