• O QUE A LEITURA DA SEMANA ME ENSINOU SOBRE JEOVÁ?

• Isa. 59:1 Todos nós passamos por muitos altos e baixos na vida e às vezes ficamos aflitos, até mesmo
deprimidos. Precisamos procurar alguém para nos ajudar a ter uma visão correta de nossa situação e de nossos
problemas. Quem pode nos ajudar? Por meio de sua Palavra, a Bíblia, Jeová nos dá conselhos amorosos e cuida
de nós. Esse livro sagrado explica como podemos ser bem-sucedidos em lidar com o sofrimento e diz também por
que sofremos tanto. Da mesma forma que um pai amorosamente ajuda seu filho que caiu e se machucou, Jeová
em seu grande amor se abaixa, por assim dizer, para prover a ajuda de que necessitamos. Realmente, a mão de
Jeová não é curta para com os que demonstram fé nele.
Isa. 59:2 A Bíblia enfatiza a santidade de Jeová centenas de vezes. Mas, infelizmente, poucas pessoas neste
mundo corrupto entendem essa qualidade. Jeová é limpo, puro e alheio a toda pecaminosidade. (Isaías 6:3) Ele
providenciou um meio de remir o pecado, eliminá-lo, mas não o tolerará para sempre. Se fosse da vontade de
Jeová tolerar eternamente o pecado, não teríamos esperança para o futuro. (Provérbios 14:12) No seu devido
tempo, Jeová restaurará toda a criação a um estado de santidade. Isso é certo, pois é a vontade do Deus Santo.
Isa. 59:14, 15, 17 Na profecia de Isaías, o próprio Jeová é descrito como vestindo “a justiça qual cota de malha”.
De modo que ele requer que os superintendentes de congregação pratiquem a justiça e ajam com retidão.
Isa. 61:8 Jeová é vagaroso em irar-se e rápido em perdoar nossos erros. É animador estar achegado a tal pessoa.
No entanto, isso não significa que feche os olhos a transgressões. Ele declara: “Eu, Jeová, amo a justiça, odiando
o roubo junto com a injustiça.” Sendo Deus de justiça, não tolerará para sempre os pecadores descarados que
persistem na sua iniqüidade. Por isso podemos ter certeza de que, no seu tempo devido, Jeová corrigirá as
injustiças no mundo. Não virará as costas para os aflitos.
Isa. 62:3 Por meio do profeta Isaías, Jeová deu ao seu povo da antiguidade a esperança de restauração. Quando
estivessem no exílio em Babilônia, esse consolo e garantia seriam exatamente o que esse povo desconsolado iria
precisar! Prevendo o dia em que eles retornariam à sua terra de origem, Jeová declarou: “Terás de tornar-te uma
coroa de beleza na mão de Jeová e um turbante régio na palma da mão de teu Deus.” Com essas palavras, Jeová
cobriu seu povo de dignidade e esplendor. Ele tem feito o mesmo hoje em dia com a sua nação do Israel espiritual.
É como se ele a exaltasse para que todos a admirassem. Embora essa profecia se cumpra primariamente nos
ungidos, ela ilustra a dignidade que Jeová confere a todos os que o servem. Assim, se você se sentir desanimado
por sentimentos de dúvida, lembre-se de que, embora imperfeito, você pode ser tão valioso para Jeová como “uma
coroa de beleza” e “um turbante régio”. Portanto, continue a alegrar o coração de Jeová procurando zelosamente
fazer a sua vontade. (Provérbios 27:11) Se fizer isso, poderá estar certo de que Jeová recompensará sua
perseverança fiel!
Isa. 62:10 QUANDO o povo de Deus saiu de Babilônia em 537 AEC, Jeová sabia que o caminho de volta a
Jerusalém seria difícil. Ele lhes disse: “Desobstruí o caminho do povo. Aterrai, aterrai a estrada principal. Livrai-a de
pedras.” Para obedecer a essa ordem, um grupo de judeus talvez tenha ido na frente tapando buracos e tirando
irregularidades da estrada. Isso facilitaria a viagem dos que vinham atrás a caminho de sua terra. Os cristãos hoje
também têm de percorrer um caminho para alcançar alvos espirituais. Jeová quer que seus servos sigam esse
caminho sem enfrentar obstáculos desnecessários. Sua Palavra nos aconselha: “Aplana o rumo de teu pé, e sejam
firmemente estabelecidos todos os teus próprios caminhos.” (Pro. 4:26) Considere a sabedoria desse conselho
divino
• QUE PONTOS DA LEITURA POSSO USAR NO SERVIÇO DE CAMPO?
Isa. 58:1-14 Demonstrações hipócritas de devoção e de justiça são inúteis. Os adoradores verdadeiros devem ser
ricos em genuínas expressões de “devoção piedosa” e em atos de amor fraternal. — João 13:35; 2 Pedro 3:11.
Isa. 58:3-7 A pessoa nunca deve pensar que jejuar é, de alguma forma, uma compensação pelos pecados. Para
ser aceitável a Deus, o jejum deve ser acompanhado de obediência às Suas leis. O que leva ao perdão de pecados
é o arrependimento de coração, não o ato de jejuar. (Joel 2:12, 13) A Bíblia enfatiza que recebemos o perdão de
Jeová por causa de benignidade imerecida expressa por meio do sacrifício de Cristo. É impossível ganhar o perdão
por meio de obras, incluindo o jejum. — Romanos 3:24, 27, 28; Gálatas 2:16; Efésios 2:8, 9. Isaías 58:3 ilustra
outro erro comum. Os israelitas deram a entender que Jeová devia algo a eles por causa de seu jejum, como se
estivessem fazendo um favor a Deus. Eles perguntaram: “Por que razão jejuamos e tu não o viste, e atribulamos a
nossa alma e tu não o notavas?” Da mesma forma hoje, muitas pessoas pensam que, por jejuarem, podem esperar
que Deus lhes dê algo em troca. Nunca devemos imitar essa atitude desrespeitosa e antibíblica.
Isa. 59:1 A mão de Jeová não ficou tão curta que não possa sustentar e fortalecer seu povo fiel. O salmista Davi
cantou: “Jeová sustenta a todos os que estão caindo e ergue a todos os encurvados.” (Salmo 145:14) De fato,
nosso Pai celestial “diariamente carrega o fardo para nós” e nos fornece o que realmente precisamos. — Salmo
68:19.
Isa. 59:2 A Bíblia enfatiza a santidade de Jeová centenas de vezes. Mas, infelizmente, poucas pessoas neste
mundo corrupto entendem essa qualidade. Jeová é limpo, puro e alheio a toda pecaminosidade. (Isaías 6:3) Ele
providenciou um meio de remir o pecado, eliminá-lo, mas não o tolerará para sempre. Se fosse da vontade de
Jeová tolerar eternamente o pecado, não teríamos esperança para o futuro. (Provérbios 14:12) No seu devido
tempo, Jeová restaurará toda a criação a um estado de santidade. Isso é certo, pois é a vontade do Deus Santo.
Isa. 58:13, 14 Será que o sábado era apenas um dia de descanso? Não, era parte essencial da adoração dos
israelitas a Jeová. Observar o sábado dava aos chefes de família tempo para ensinar a família a ‘guardar o
caminho de Jeová para fazer a justiça’. (Gên. 18:19) Permitia também que familiares e amigos se reunissem para
refletir sobre os atos de Jeová e ter alegre companheirismo. Ainda mais importante, o sábado prefigurava o
genuíno revigoramento que viria no Reinado Milenar de Cristo. (Rom. 8:21)
Isa. 59:2 O que é pecado? É tudo o que for contrário à personalidade, modos, normas e vontade de Jeová. O
pecado prejudica a relação da pessoa com Deus. Faz com que erremos o alvo, assim como um arqueiro pode errar
o alvo ao atirar uma flecha. O pecado pode ser intencional ou por engano. (Núm. 15:27-31) Está bem arraigado
nos humanos e cria uma barreira entre eles e seu Criador. (Sal. 51:5; Col. 1:21) Assim, a humanidade em geral
está em total desarmonia com Jeová e perde a inestimável oportunidade de refletir a glória divina. Sem dúvida, o
pecado é a pior deficiência que aflige a humanidade. Apesar de nossa pecaminosidade, Jeová é “o Deus que dá
esperança”. (Rom. 15:13) Ele proveu o meio de abolir o pecado — o sacrifício de resgate de Jesus Cristo. Por
exercermos fé nesse sacrifício, não somos mais “escravos do pecado”, podendo assim refletir a glória de Jeová.
(Rom. 5:19; 6:6; João 3:16) Manter essa relação aprovada com Jeová nos garante as suas bênçãos agora e os
benefícios futuros de perfeição e vida eterna. Embora ainda sejamos humanos pecaminosos, que bênção é ser
vistos por Deus como pessoas que podem refletir a sua glória!
Isa. 59:15, 17 Enquanto as pessoas más estiverem no poder, os justos não terão paz nem segurança. (Provérbios
29:2; Eclesiastes 8:9) Temos de admitir que não há como separar a corrupção e o que é mau das pessoas que
praticam essas coisas. Assim, a paz e a justiça permanentes têm um preço: a eliminação dos perversos. “O iníquo
é resgate para o justo”, escreveu Salomão. — Provérbios 21:18. Visto que Deus é o Juiz, podemos ter certeza de
que, em todos os casos, os julgamentos contra os maus serão justos. “Não fará o Juiz de toda a terra o que é
direito?”, perguntou Abraão. Na resposta, ele ficou sabendo que Jeová sempre está certo! (Gênesis 18:25) Além
disso, a Bíblia nos garante que Jeová não tem prazer em destruir os perversos; ele faz isso só em último caso. —
Ezequiel 18:32; 2 Pedro 3:9.
Isa. 60:2 CRISES e mais crises — é isso que mais se vê hoje no mundo. De catástrofes ecológicas a terrorismo
global, os problemas da humanidade parecem estar totalmente fora de controle. Nem as religiões do mundo têm
sido capazes de trazer alívio. Na verdade, muitas vezes elas até pioram as coisas atiçando preconceito, ódio e
nacionalismo, que causam divisões. A situação está exatamente conforme predito: “densas trevas” envolvem “os
grupos nacionais”. Ao mesmo tempo, porém, milhões de pessoas encaram o futuro com confiança. Por quê?
Porque prestam atenção à palavra profética de Deus como “a uma lâmpada que brilha em lugar escuro”. Permitem
que a “palavra”, ou mensagem, de Deus contida na Bíblia guie os seus passos. — 2 Pedro 1:19.
Isa.60:2, 3 Traçando um nítido contraste entre a adoração verdadeira e a falsa, Isaías 60:2, 3 diz: “A própria
escuridão cobrirá a terra e densas trevas os grupos nacionais; mas sobre ti raiará Jeová e sobre ti se verá a sua
própria glória. E nações hão de ir à tua luz e reis à claridade do teu raiar.” Ao passo que milhões de pessoas de
todas as nações continuam sendo guiados pela luz de Jeová, eles não verão sua fé naufragar nesta etapa final de
sua jornada. Em vez disso, navegarão com segurança nos dias finais deste sistema mundial rumo ao tranqüilo
porto do novo mundo.
Isa. 60:5 Em Mateus 13:47-50 Jesus comparou a pregação mundial da mensagem do Reino ao ato de abaixar uma
grande rede de arrasto no mar. Assim como uma rede apanha “peixes de toda espécie” em grandes quantidades,
nossa obra de pregação atrai milhões de pessoas de todos os tipos. Prova disso é a grande quantidade de
pessoas que assiste todo ano aos nossos congressos e à Celebração. Alguns desses peixes simbólicos, descritos
como “excelentes”, são reunidos nas congregações. Mas outros são considerados “imprestáveis”; nem todos se
mostram aceitáveis a Jeová.
Isa. 60:18 QUANDO saímos deste mundo mau e passamos a nos associar com os servos de Jeová, com certeza
ficamos muito felizes ao ver o amor e o interesse pessoal que existem entre eles. Que contraste com a grosseria, o
ódio e o espírito briguento das pessoas controladas por Satanás! Entramos no paraíso espiritual cheio de paz e
união. — Isa. 48:17, 18; 65:25.
Isa. 60:18 Como lemos em Isaías 60:18, Deus garantiu: “Não mais se ouvirá de violência na tua terra, de assolação
ou de desmoronamento dentro dos teus termos.” Esta profecia teve um cumprimento inicial quando Deus restituiu
seu povo exilado à sua terra natal. Ela também tem um cumprimento maior, que podemos usufruir. Jeová Deus não
está ‘prometendo demais’. Por ser o Altíssimo e o Criador da humanidade, ele está em melhores condições para
acabar com os “ciclos de violência”. Sob o Reino de Deus, a paz prevalecerá. A violência acabará para sempre! —
Daniel 2:44.
Isa. 60:22 Temos visto um incrível aumento no número dos servos de Deus porque o próprio Jeová está apoiando
suas Testemunhas. (Isaías 43:10-12.) Esse aumento foi predito nestas palavras proféticas: “O próprio pequeno
tornar-se-á mil e o menor, uma nação forte. Eu mesmo, Jeová, apressarei isso ao seu próprio tempo.” Houve uma
época em que o restante ungido era como o “pequeno”, mas esse número foi crescendo à medida que outros
israelitas espirituais eram trazidos para a organização de Deus. (Gál. 6:16) Por causa da bênção de Jeová ao longo
dos anos, esse aumento continua com o ajuntamento da grande multidão.
Isa. 61:1 A compaixão de Jesus o motivava a falar de modo terno, especialmente ao conversar com pessoas
oprimidas. O apóstolo Mateus aplicou a Jesus estas palavras de Isaías: “Não quebrará nenhuma cana esmagada;
e quanto à fraca mecha de linho, não a apagará.” (Isa. 42:3; Mat. 12:20) As palavras de Jesus animavam os que
eram como uma cana esmagada ou como o pavio de uma lamparina prestes a se apagar. Ele pregava uma
mensagem de esperança “para pensar os quebrantados de coração”, ou seja, para aliviar seu sofrimento. Ele
convidou aqueles que estavam “labutando” e “sobrecarregados” a recorrer a ele, garantindo-lhes que ‘achariam
revigoramento’. (Mat. 11:28-30) Ele assegurou seus seguidores de que Deus se preocupava ternamente com cada
um de Seus adoradores, incluindo os “pequenos” — pessoas que não são encaradas como importantes pelo
mundo. — Mat. 18:12-14; Luc. 12:6, 7.
Isa. 61:1, 2 Jesus leu parte dessa profecia na sinagoga em Nazaré e aplicou as palavras a si mesmo. (Luc. 4:16-
21) Durante todo o seu ministério, ele amorosamente consolou os que pranteavam, dando-lhes incentivo e paz
mental. Todos os seguidores de Jesus têm de imitá-lo, consolando os que pranteiam. (1 Cor. 11:1) Paulo disse:
“Persisti em consolar-vos uns aos outros e em edificar-vos uns aos outros.” (1 Tes. 5:11) Em especial nós temos de
consolar outros, visto que a humanidade agora enfrenta “tempos críticos, difíceis de manejar”. (2 Tim. 3:1) Em todo
o mundo, é cada vez mais comum pessoas sinceras se depararem com indivíduos que, por palavras e ações, lhes
causam dor, sofrimento e tristeza.
Isa. 61:1-3 Saber que podemos ajudar pessoas a se beneficiarem dos atos de salvação de Jesus nos impele a
participar na obra de pregação e ensino. Além disso, meditar no papel de Jesus como Moisés Maior aumenta
nossa confiança de que ele libertará seus seguidores quando vier para executar o julgamento contra os perversos.
— Mat. 25:31-34, 41, 46; Rev. 7:9, 14.
Isa. 61:8, 9 O que é o “pacto de duração indefinida”, e quem é a “descendência”? Trata-se do novo pacto que
Jeová celebrou com os cristãos ungidos. A “descendência” são as “outras ovelhas” — os milhões de pessoas que
aceitam a mensagem dos ungidos. — João 10:16.