COMUNICADO

“She Decides” – a Secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e
da Cooperação tem de falar verdade

O Governo anunciou, a 22 de Fevereiro, ter aderido à iniciativa “She
Decides”, lançada pelo governo holandês para responder à decisão do
Presidente Trump de cessar os apoios financeiros às organizações que
promovem o aborto a nível internacional.
A iniciativa holandesa visa reunir fundos que supram a falta de
contribuições dos Estados Unidos da América. Dito de outro modo, os
contribuintes norte-americanos deixam de pagar; em seu lugar, os
contribuintes de outros países, entre os quais Portugal, passariam a
financiar ou iriam pagar mais para organizações que promovem o aborto.
A notícia gerou reacções, como a formação do movimento COM O NOSSO
DINHEIRO, NÃO!
Perante as reacções, a senhora Secretária de Estado, Dr.ª Teresa Ribeiro,
afirmou que não estava em causa financiamento, mas apenas “apoio
político”. O apoio político a uma linha hostil contra a Administração de um
país amigo e aliado é criticável; mas já seria passo importante que, na
verdade, o Governo português não financiasse com os nossos impostos uma
mera agenda ideológica. Os partidos que o façam, se quiserem. O Governo
não pode abusar financeiramente dos portugueses e do seu esforço
tributário. O apoio político merece discordância e crítica; já o financiamento
merece repúdio, indignação, resistência.
Ora, afigura-se que as garantias da senhora Secretária de Estado não
correspondam à verdade.
Elas contrastam, desde logo, com o teor da nota inicial de 22 de Fevereiro. E
também com o propósito da reunião intergovernamental, em Bruxelas, no
dia 2 de Março, segundo a nota distribuída pela SENEC a 1 de Março.
Face ao silêncio embaraçado da SENEC sobre o que realmente se passou e
se passa, temos de buscar na documentação de outros governos (parceiros
do movimento onde a SENEC se envolveu) para ficarmos a conhecer a
verdade. E a verdade é simples: a iniciativa é dinheiro. Isto é, os Governos
estão a financiar directamente e a promover recolha de fundos para os fins
da “She Decides”, que incluem o apoio internacional ao aborto, medido em
milhões por ano.
Um simples comunicado do governo do Luxemburgo mostra de forma bem
clara o que a SENEC anda a esconder. Dos oito países subscritores, a Suécia
e a Finlândia comprometeram-se a canalizar 20 milhões de euros para
apoiar a “She Decides”, ao passo que a Bélgica, a Dinamarca e a Holanda
indicaram estar disponíveis para doar 10 milhões de euros para o mesmo
efeito. Por seu turno, o governo do Luxemburgo já revelou também
publicamente o seu interesse em financiar esta iniciativa.
O movimento COM O NOSSO DINHEIRO, NÃO! exige à senhora Secretária de
Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação que:

1. Fale verdade aos portugueses.
2. Acabe com jogos de palavras e divulgue tim-tim-por-tim-tim o que
tratou e o que acertou com os outros governos, bem como o teor
integral dos compromissos assumidos na reunião de 2 de Março em
que representou o país.
3. Mostre o seu despacho inicial em que está formalizada a decisão
governamental de adesão à iniciativa holandesa.
4. Mostre o telegrama ou o ofício por que comunicou oficialmente ao
Governo holandês a adesão à campanha “She Decides”.

Não queremos os nossos impostos nisto! O nosso dinheiro não serve para
pagar campanhas ideológicas.
To us - We decide.

Pelo movimento COM O NOSSO DINHEIRO, NÃO!,

Afonso Serrano
Bernardo Alvim
Bernardo Sacadura
Catarina Consiglieri Pedroso
Francisco Alvim
Francisco Neto de Carvalho
João Maria Pedra Soares
João Oliveira e Silva
José Maria Alvim
Lopo de Carvalho
Maria Castro
Mariana Duarte Silva
Pedro Morais Vaz
Sara Campos
Vasco de Almeida Ribeiro

9 de Março de 2017