VOCABULARIO INGENIERIL PORTUGUES

Vão osso
29 Março, 2014

Termo usado no Brasil para designar a abertura ou intervalo numa parede para a colocação de janela ou porta.
Dimensões do extradorso do batente de uma porta. Ver vão luz.

Vão luz
29 Março, 2014

Termo usado no Brasil para designar as dimensões da abertura ou intervalo numa parede para a colocação de
janela ou porta, contabilizadas após a instalação dos acessórios necessários ao seu funcionamento corrente.
Dimensões livres de uma porta. Dimensões do intradorso do batente de uma porta.

Porta pivotante
29 Março, 2014

Porta que roda em torno de um eixo fixo vertical, dispensando o uso de dobradiças. A porta é ligada nas suas
faces inferior e superior por intermédio de elementos metálicos de ferragem que permitem a rotação.

Pivotante
29 Março, 2014

Elemento construtivo capaz de rodar em torno de um eixo fixo. Ver porta pivotante.

Traço de argamassa
29 Março, 2014

Relação entre as quantidades dos materiais constituintes de uma argamassa.

Traço do betão
29 Março, 2014

Relação entre as quantidades dos constituintes do betão (ligantes, agregados, água, etc).

Traço
29 Março, 2014

Relação entre as quantidades de materiais constituintes de uma mistura.

Cul-de-sac
8 Agosto, 2013

Termo de origem francesa que se refere a uma via sem saída. Zona terminal de uma estrada ou arruamento.

Rodatecto
7 Agosto, 2013

Ver roda teto.

Roda teto
7 Agosto, 2013

Termo utilizado no Brasil para designar sanca. Também conhecido por moldura de teto.

Fissurómetro
6 Agosto, 2013

Instrumento para deteção e medição dos movimentos relativos na zona de fissuras ou fendas em elementos
construtivos. Permite a medição de deslocamentos nas direções transversal e longitudinal à fissura e pode ser
utilizado em elementos estruturais, paredes de alvenaria ou até pavimentos rodoviários rígidos.

Andaimes fachadeiros
5 Agosto, 2013

Sistema de andaimes indicado para obras em fachadas de edifícios, como execução de alvenaria e
acabamentos. Devido às duas dimensões, permite o trânsito livre de materiais e operários de construção
possibilitando o fácil acesso dos mesmos a toda a área da fachada abrangida.

Levantamento dos quantitativos
1 Agosto, 2013

Ver levantamento quantitativo.

Levantamento quantitativo
1 Agosto, 2013

Operação que consiste na medição e quantificação das quantidades de materiais e trabalhos a efetuar em obra
para controlo e orçamentação.

Bota-fora
31 Julho, 2013

Termo usado no Brasil para designar, na construção de estradas, o volume de terras não utilizável na
terraplenagem.

Estrutura autoportante
30 Julho, 2013

Estrutura com capacidade de se suportar a sim mesmo.

Tavela
29 Julho, 2013

Termo usado no Brasil para designar um elemento cerâmico utilizado na construção de lajes, para o
aligeiramento das mesmas, que se assenta entre vigotas.

Pisograma
25 Julho, 2013

O mesmo que concregrama.

Concregrama
25 Julho, 2013

Termo usado no Brasil para designar elementos de betão abertos para pavimentação de zonas ajardinadas. Os
espaços abertos possibilitam o crescimento de relva.

Cavitação
24 Julho, 2013

Fenómeno hidrodinâmico que ocorre quando num líquido em movimento, à temperatura ordinária, a pressão
estática em qualquer ponto desce até ao valor da tensão do vapor à mesma temperatura, formando-se
cavidades. O liquido vaporiza-se, formando-se uma mistura heterogénea das fases liquida e gasosa. Esta
formação de vapor resulta da propriedade da água se poder vaporizar […]

23 de julio 2013
Suspensión plataforma utilizada para la construcción y mantenimiento de las fachadas de los edificios.

Etringita
17 de julio 2013
Sustancia formada de sulfoaluminato de calcio resultante de la reacción de cemento con el agua en la
fabricación de hormigón.

Infraestructura
16 de julio 2013
Todo lo que se encuentra debajo de un edificio. Parte inferior de una estructura de ingeniería civil, que es
normalmente invisible y está ubicado debajo de la elevación del terreno. Conjunto de tuberías, cables y
dispositivos para el transporte de agua, gas, electricidad y comunicaciones.

Agua para amasar el hormigón
11 de julio 2013
Término utilizado en Brasil para describir la mezcla del agua de hormigón.

Amasado del hormigón
11 de julio 2013
Término utilizado en Brasil para designar la mezcla de concreto.

a través de la formación técnica adecuada de los trabajadores en la construcción y optimización de las condiciones de explotación de la obra. Muro de contención 10 de julio 2013 Muro de contención de uso frecuente en los vertederos para apoyar o protección de taludes. Índice de compacidad . entre otros elementos. entre otros. así como otros existentes en el lote para construir. vallas. Ubicación de la planta 09 de julio 2013 Ver plan de despliegue. Racionalizado Albañilería 08 de julio 2013 Conjunto de prácticas destinadas a un uso más eficiente de los recursos y la reducción de los residuos de la construcción que resulta de la aplicación de la albañilería. en representación de los edificios y las carreteras existentes.Amasadura 11 de julio 2013 Término utilizado en Brasil para designar la mezcla. Comience de pilar 08 de julio 2013 Zapato u hormigón base sobre la que descansa un pilar. La compacidad de Gravelius Índice 07 de julio 2013 Ver índice de compacidad. Adsorción 11 de julio 2013 Ver adsorción. Plano del sitio 09 de julio 2013 Parte integral Dibujado de un proyecto que incluye una representación de todos los elementos de la arquitectura de la planta. tales como paredes. Situación de Plantas 09 de julio 2013 Parte integral Dibujado de un proyecto que permite la identificación del plan de ubicación de un edificio. aceras.

Mobile Soporte plegable 01 de julio 2013 El mismo apoyo así de simple.07 de julio 2013 Relación entre los límites de la cuenca hidrográfica y el perímetro de un círculo de igual área. Soporte que da al cuerpo dos conexiones con el exterior. Soporte Triple 01 de julio 2013 Igual que restringir. Claviculário 04 de julio 2013 Gabinete para almacenar las claves. Paso lateral 02 de julio 2013 Distancia que debe observarse entre los límites laterales de una parcela de tierra y edificios existentes allí. Paneles de hormigón 04 de julio 2013 Término utilizado en Brasil para designar elementos prefabricados de hormigón. Memorial Descriptivo 04 de julio 2013 Término utilizado en Brasil para designar especificación. Fondo de tono 02 de julio 2013 Distancia que debe observarse entre el límite posterior de una parcela de tierra y los edificios existentes allí. tipicamento utilizado en el revestimiento de los edificios. Soporte simple 01 de julio 2013 Apoyo estructural que impide movimientos de traslación. Doble soporte 01 de julio 2013 Dos soporte estructural para evitar movimientos de traslación. Soporte que da al cuerpo una conexión con el exterior. 02 de julio 2013 Distancia que debe observarse entre el borde delantero de una parcela de tierra y los edificios existentes allí. . ¿Dónde se guardan las llaves o el acceso a las zonas restringidas de un Tarjetas de patio.

Apoyo Sujeta 01 de julio 2013 Ver arraigo. Edificio de Planta 30 de junio 2013 Parte integral Drawn del proyecto de construcción de un edificio que comprende una vista superior de la sección de plano horizontal. Planos de Pisos 30 de junio 2013 Vista del edificio de la planta. producidos fuera de su posición definitiva para su uso. El hormigón prefabricado 28 de junio 2013 . a menudo de carácter modular. Forro Faux 29 de junio 2013 Término utilizado en Brasil para designar falso techo. El uso de elementos prefabricados de hormigón tiene ventajas en el contexto de los medios de racionalización de la producción y de las estructuras. La altura del plano considerado es variable por lo que la representación de toda la información relevante puede ser posible. Prefabricados de Hormigón 28 de junio 2013 Elementos de hormigón. Inercia 29 de junio 2013 Resistencia de un elemento de construcción para cambiar su estado de reposo o de movimiento.Soporte articulado fijo 01 de julio 2013 Igual que el doble apoyo. Soporte voladizo Perfect 01 de julio 2013 Igual que restringir. El hormigón prefabricado 28 de junio 2013 Construcción de hormigón utilizando elementos hechos fuera de su posición definitiva de uso.

Contaventamento transversal 26 Junho. utilizado para estabilizar uma estrutura. diseñado para permitir el paso de personas o paso a paso desde un lado de una valla a los otros materiales. 2013 Sistema de elementos inclinados que tem o objetivo de manter fixos os ângulos entre as componentes de uma estrutura. Arriostramiento lateral 26 de junio 2013 Igual que el soporte lateral. 2013 Par de escoras ou tirantes cruzados. Arriostramiento diagonal 26 de junio 2013 Igual como arriostramiento diagonal. Contraventamento diagonal 26 Junho. Cuerpo Rompiendo 27 de junio 2013 Los términos utilizados en Brasil para designar una estructura de la puerta. Contraventamento lateral . Barandilla.Término utilizado en Brasil para designar hormigón prefabricado. 2013 Ver contraventamento transversal. Estaiamento em X 26 Junho. 2013 O mesmo que contraventamento transversal. Contraventamento em X 26 Junho. Guying 26 de junio 2013 Ver arriostramiento. Espude 27 de junio 2013 Elemento de estanquidad utiliza generalmente en la conexión de tuberías de agua y artículos sanitarios.

2013 Ver Envelopamento. Emboçar 18 Junho. de forma a minimizar os efeitos de forças laterais.26 Junho. Envelopamento 20 Junho. 2013 Carga usada para estabelecer um equilíbrio de forças. Recobrimento. Ducto para ventilação. 2013 Termo utilizado no Brasil para designar o confinamento de tubagens ou outros elementos em maciços de betão. 2013 . Granilite 24 Junho. 2013 Termo de origem britânica utilizado para designar um ducto vertical por onde passam as condutas de águas e os cabos de telecomunicações e iluminação num edifício. Na construção os contrapesos são usados no processo de levantamento de massas de peso elevado. Elementos de vedação 25 Junho. 2013 Argamassa de cimento branco e granulado de mármore ou granito. 2013 Disposição construtiva utilizada para a estabilização de uma estrutura temporária ou definitiva. Envelopar 20 Junho. 2013 Termo utilizado no Brasil para designar os dispositivos que se colocam na zona de ligação entre elementos hidráulicos de forma a evitar fugas de fluidos ou contaminação do escoamento por agentes externos. Contrapeso 24 Junho. 2013 Termo utilizado no Brasil para designar um maciço de betão. usada no revestimento de pavimentos. Shaft 24 Junho. construído com o objetivo de confinar e proteger tubagens ou outros elementos construtivos. Envelope de concreto 20 Junho.

através de escoramento. Reaterro 30 Maio. Contra-flecha 29 Maio. Baldeamento 18 Junho. sem recorrer a material de empréstimo. 2013 Termo utilizado no Brasil para designar bombagem. 2013 Termo usado no Brasil para designar a subida do nível ou nivelamento de um terreno. geralmente usado em paredes exteriores. de forma a prevenir a formação de flechas elevadas. na secção de meio vão de uma viga. de sentido oposto ao da flecha. 2013 Ver Esquadria. Esquadrias 18 Junho. 2013 Procedimento construtivo que consiste na introdução de deslocamentos verticais ascendentes em vigotas. 2013 Revestimento em pedra. 2013 .Aplicação de argamassa de revestimento. que tem como objetivo dar um acabamento que se assemelha a alvenaria de pedra natural. Valor da translação vertical. Ver baldrame. como parte integrante da constituição do reboco. Viga baldrame 29 Maio. Capeamento em pedra 30 Maio. geralmente a meio vão. 2013 Viga de fundação. Combogo 18 Junho. Painel de recobrimento. com deformação da laje após o término da construção. Prensa hidráulica 24 Maio. 2013 Ver Cobogó. Rebocar de forma grosseira.

dependendo da sua tipologia. Área coberta 23 Maio. Dispositivo hidráulico para controlo do escoamento. 2013 Área de uma habitação que. 2013 Termo usado no Brasil para designar o conjunto de elementos compreendidos entre um reservatório e a distribuição. a aceleração da gravidade e a diferença de alturas das colunas de fluido. Concreto protendido 21 Maio. Modelo teórico cujo funcionamento se baseia nas Leis de Pascal sobre transmissão de pressões em fluidos. o peso específico do fluido. 2013 Termo usado no Brasil para designar betão pré esforçado. . 2013 Termo usado no Brasil para designar um escoamento sob pressão numa tubagem. corresponde à superfície delimitada pelo perímetro do extradorso das paredes exteriores ou pela linha média das paredes divisórias. relacionando a pressão hidrostática. Vertedor 22 Maio. 2013 Termo usado no Brasil para designar a encurvadura de um elemento estrutural. Barrilete 22 Maio. 2013 Imóvel que se destina a habitação própria permanente. Fogo 24 Maio. numa rede hidráulica. Flambagem 23 Maio. Hidrante 24 Maio.Dispositivo hidráulico utilizado para a elevação de cargas. 2013 Descarregador. Fonte hídrica. 2013 Dispositivo que serve de válvula na rede de distribuição de água. Conduto forçado 23 Maio. cuja principal função é o combate a incêndios.

2013 Ver batedor de estacas. Elemento para posicionamento e sustentação de varões de aço em lajes de betão armado antes da betonagem. 2013 Órgão hidráulico em forma de escada. 2013 Ver retrete. Escada hidráulica 20 Maio. Sanita 23 Abril. 2013 Ver gesso hidrofugado. Bate-estacas 1 Março. Lavabo 23 Abril. eventualmente. bidé ou banheira. por ação de cargas verticais. que permite repelir a água.Protensão 21 Maio. Batedor de estacas . 2013 Dispositivo doméstico utilizado para a lavagem de mãos. durante o seu fabrico. Bloco de gesso saturado com um líquido hidrófugo. 2013 O mesmo que pré-esforço. para dissipação de energia do escoamento. retrete. 2013 Termo usado no Brasil para designar um dispositivo utilizado para impedir a deformação da armadura superior de uma peça estrutural de betão armado. Caranguejo 20 Maio. utilizado frequentemente em obras rodoviárias na descida de taludes. que contém um lavatório e. Casa de banho. Gesso hidrofugado 21 Maio. Bloco de gesso hidrofugado 21 Maio. 2013 Elemento de gesso ao qual foi aplicado um revestimento que dificulta a penetração de humidade. WC. Divisão utilizada para a higiene pessoal.

2013 Peça. contíguo ao passeio. Alçado principal 22 Fevereiro. Recuo lateral 20 Fevereiro. 2013 Distância entre uma edificação e o limite frontal de propriedade. Chumbador 21 Fevereiro. Bisote 27 Fevereiro. a peça sofre uma expansão que permite reforçar a ligação do parafuso ao elemento a aparafusar. 2013 Distância entre uma edificação e o limite traseiro de propriedade. . Contra lancil 26 Fevereiro. Quando o parafuso é apertado. Chanfradura. 2013 Distância entre uma edificação e o limite lateral de propriedade. Tabeira 28 Fevereiro. Recuo de frente 20 Fevereiro. Rodapé. 2013 É a vista de projeto que melhor representa o objeto na sua posição de serviço e que contém mais informações sobre o mesmo. que se desenvolve paralelamente ao lancil. Bucha metálica. utilizada para fixar um parafuso. Friso de transição entre as paredes e os pavimentos de um compartimento. Recuo de fundos 20 Fevereiro. 2013 Elemento integrado no pavimento. 2013 Dispositivo mecânico utilizado para cravar estacas. vigas e elementos de fundação de um edifício. 2013 Termo usado no Brasil para designar uma estrutura de madeira utilizada para demarcar o posicionamento dos pilares. geralmente metálica.1 Março. Vidro com corte chanfrado nas extremidades. 2013 O mesmo que bisel ou chanfro. Também conhecido por gabarito.

que permite atenuar os efeitos da pressão exercida. Arruela 18 Fevereiro. Área molhada 19 Fevereiro. Anilha. 2013 Área da secção transversal circular de uma tubagem que se encontra ocupada ou em contacto com um fluido. Cirandada 12 Fevereiro. 2013 Disco metálico com um orifício no centro. 2013 Numa tubagem de secção circular é o quociente da área molhada pelo perímetro molhado. entre a área molhada e o perímetro molhado. 2013 Perímetro da secção transversal circular de uma tubagem que se encontra em contacto com um fluido. que se utiliza na interface entre um parafuso e o elemento aparafusado. 2013 Ver terra cirandada. Perímetro molhado 19 Fevereiro. Arruela. 2013 Elemento de fixação de um candeeiro a uma parede. 2013 Ver terra cirandada. 2013 Relação. aumentando a área de contacto.Diâmetro hidráulico 19 Fevereiro. 2013 O mesmo que peneirar. Cirandar 12 Fevereiro. variável de acordo com a geometria da secção transversal de um tubagem. Areia cirandada 12 Fevereiro. Candeeiro de parede. . Raio hidráulico 19 Fevereiro. Anilha. Arandela 18 Fevereiro.

Tubulão 6 Fevereiro. Contramarco . Solo para aterro cuja granulometria foi alterada por peneiração. Borne 11 Fevereiro. Escavadeira 11 Fevereiro. 2013 Solo que foi peneirado de forma a aumentar a sua homogeneidade. Escavadeira de rastos 11 Fevereiro. 2013 Termo utilizado no Brasil para designar um tipo de fundação profunda semelhante a uma estaca moldada. que permite reforçar a proteção contra infiltrações. Escavadora de rastos 11 Fevereiro. Contra rufo 6 Fevereiro. com o objetivo de aumentar a aderência e capacidade de tração em terrenos difíceis. encaminhando de forma mais eficaz as águas das chuvas para os órgãos de drenagem da cobertura. A perfuração é executada com recurso a um trado mecânico.Terra cirandada 12 Fevereiro. Escavadora de lagartas 11 Fevereiro. 2013 Acessório para efetuar ligações de cablagem elétrica ou de comunicações (união. sendo depois colocada a armadura e finalmente efetuada a betonagem. 2013 Ver escavadora. 2013 Elemento metálico usado na impermeabilização de telhados e terraços. 2013 Máquina escavadora equipada com lagartas. 2013 Ver escavadora de rastos. 2013 Ver escavadora de rastos. separação ou multiplicação).

2013 Zona lateral de uma cobertura de madeira. servindo de base e auxílio à instalação da estrutura de portas e janelas. Rodopia 4 Fevereiro. protegendo os ocupantes e a estrutura da edificação. Arremate 5 Fevereiro. 2013 Ver remate (neologismo). com recurso a martelo pneumático. Mocheta . retardando a progressão de um incêndio de uma divisão para outra. Apicotamento 5 Fevereiro. que fica visível. Remate decorativo de telhado. Corta fogo 3 Fevereiro. 2013 Revestimento impermeável de transição que se coloca sobre a zona de contacto entre uma bancada de cozinha e a parede. 2013 Acessório construtivo metálico ou de madeira. Testeira 4 Fevereiro. 2013 Termo utilizado no Brasil para designar a remoção da camada superficial. Criação de rugosidade numa superfície. Porta corta-fogo 3 Fevereiro. para remate. Mucheta 2 Fevereiro. de incêndios. 2013 Propriedade de um material ou elemento construtivo de resistir ao fogo. localizada sobre o beiral ou beirado. 2013 Porta constituída por materiais com características ignífugas.5 Fevereiro. 2013 Ver mocheta (neologismo). que é colocado em contacto direto com a parede. com fins construtivos ou ornamentais. Permite impedir a passagem de fogo e fumos. de baixa resistência ou em mau estado de conservação. de um elemento de betão.

Valor percentual que reflete a capacidade de drenagem de um solo. Cimbramento 30 Janeiro. 2013 Termo usado no Brasil para designar um elemento. de uma determinada área ou terreno. geralmente em metal. para ser utilizado para a construção de edificações. que pode ou não ter função estrutural. selagem ou acabamento de balcões de cozinha. 2013 Pilar de reduzida dimensão. 2013 Termo utilizado no Brasil para designar um ducto em alvenaria por onde passam tubagens de águas e gás e cablagem elétrica e de comunicações. 2013 Instalação de andaimes. Alívio por drenagem 29 Janeiro. de proteção. 2013 Ver abóbada (neologismo). Canaleta 1 Fevereiro. Calha. 2013 Sistema para redução da pressão em dispositivos hidráulicos. Abóboda 2 Fevereiro. 2013 Ducto em plástico ou metal por onde passa cablagem elétrica ou de comunicações ou ainda tubagens de águas. Carenagem 30 Janeiro. Escoramento. 2013 Aptidão geotécnica e de localização. geralmente plástico ou metálico.2 Fevereiro. Pilarete 1 Fevereiro. destinado a delimitar ou condicionar uma determinada área. 2013 . Aptidão urbana 29 Janeiro. Elemento vertical de mobiliário urbano. em betão armado. Aterramento 29 Janeiro.

2013 . 2013 Centro de gravidade. 2013 Termo usado no Brasil para designar descofragem. Centro de gravidade 28 Janeiro. 2013 É um ponto imaginário. Descofragem 24 Janeiro. Desenforme 24 Janeiro. sobretudo viárias. pertencente ou não a um corpo. Agulhamento 25 Janeiro. Gráfico de Brückner 27 Janeiro. Vergalhão 25 Janeiro. em torno do qual existe um equilíbrio de forças e sobre o qual se exerce a atração gravítica (resultante da força da gravidade). 2013 Ponto imaginário sobre o qual se pode considerar que se concentra toda a massa do corpo. Centro gravitacional 28 Janeiro. 2013 Termo usado no Brasil para designar um varão nervurado usado na construção em betão armado. constituído por curvas com tramos ascendentes que indicam a predominância de escavação e tramos descendentes que indicam a predominância de aterro. Centro de massa 28 Janeiro.Termo usado no Brasil para designar aterro. 2013 Diagrama que traduz a movimentação de terras em obras. 2013 Utilização de material granular compactado no leito de pavimento de uma estrada. 2013 O mesmo que centro de gravidade Baricentro 28 Janeiro.

Pilar engarrafado 22 Janeiro. 2013 Revestimento com elementos de revestimento cerâmico de acabamento retificado. 2013 Tendência de uma estrutura para redistribuir as cargas. 2013 Acabamento adicional que consiste em cortes feitos por discos de diamante. Azulejo retificado 23 Janeiro. com recipiente metálico de fundo curvo e uma ou duas rodas. geralmente uma laje. que sofreu um acabamento adicional que consiste em cortes feitos por discos de diamante. 2013 Pavimento constituído por elementos de revestimento cerâmico de acabamento retificado. Engarrafamento de armadura 22 Janeiro.Operação de retirada da cofragem. 2013 Termo usado no Brasil para designar um carrinho de mão. Girica 23 Janeiro. Acabamento retificado 23 Janeiro. Pavimento retificado 23 Janeiro. Efeito de arco 21 Janeiro. . 2013 Pilar no qual se utilizou engarrafamento de armadura. aumentando-as nas zonas menos móveis e aliviando-as nas zonas mais deformáveis. 2013 Azulejo fabricado com cantos retos em vez de em chanfro. 2013 Técnica de contenção da armadura. Revestivento retificado 23 Janeiro. que permite a facilitar a ligação do pilar a outro elemento estrutural. que serve para transporte de materiais de construção em obra. de forma a criar cantos retos em elementos cerâmicos.

Montante 20 Janeiro. Jusante 20 Janeiro. 2013 Ver courette. com elevados índices de vazios e que por isso trabalha na base da continuidade da película de ligante. Por exemplo. Courete 18 Janeiro.Inserto 21 Janeiro. 2013 Ver punçoamento. Por exemplo. no sentido da corrente do rio. jusante de uma barragem significa que fica “depois da barragem”. que assegura a coesão do conjunto. Conjunto de recomendações de gestão e segurança em obra implementadas no Brasil pela Norma Regulamentadora 18. 2013 Ver courette. Mais informações em: Pavimentos Drenantes com Agregados […] Corete 18 Janeiro. 2013 Secção de um curso de água localizada entre um determinado ponto de referência e a foz. Camada drenante 18 Janeiro. PCMAT 19 Janeiro. Permite uma drenagem vertical e horizontal da água. 2013 Uma camada drenante é executada com misturas betuminosas que diferem das tradicionais pelo seu esqueleto mineral. no sentido da corrente do rio. Punçonamento 17 Janeiro. 2013 Dispositivo metálico para fixação de elementos decorativos ou de revestimento. 2013 Secção de um curso de água localizada entre um determinado ponto de referência e a nascente. Armadura de punção . 2013 Acrónimo de Programa de Condições e Meio Ambiente do Trabalho. montante de uma barragem significa que fica “antes da barragem”.

Colmatação 15 Janeiro. gás e outros serviços. 2013 Ver engastado. A armadura de punçoamento pode ser constituída por varões inclinados ou por estribos. usado em obras de pavimentação. Engastada 16 Janeiro. 2013 Armadura específica para resistir a forças verticais concentradas que originam esforços transversos elevados. 2013 Ver emboço. 2013 Preenchimento com edificação de um terreno situado em espaço desocupado. Embosso 16 Janeiro. é um ducto. Rachão 16 Janeiro. 2013 Também denominada courette técnica. drenagem e terraplenagem. geralmente construído em alvenaria. 2013 Material agregado britado proveniente da reciclagem de elementos construtivos de betão. sendo esta última a solução mais utilizada. Armadura de punçoamento 17 Janeiro. por onde pode ser feita a evacuação de gases e ventilação e por onde passam as condutas de águas. Preenchimento de vazios ou fissuras. Engastamento 16 Janeiro. Courette 16 Janeiro. 2013 Ver armadura de punçoamento. Cintamento 15 Janeiro. Saguão. 2013 O mesmo que encastramento. entre outras.17 Janeiro. 2013 .

2013 É um elemento decorativo de madeira ou ladrilhos. 2013 Encaixado. 2013 Termo utilizado no Brasil para designar uma forma curva. 2013 Ver Algeroz (neologismo). 2013 O mesmo que encastrado. 2013 Ver encastramento. Apoio estrutural de engaste. 2013 Fenómeno de instabilidade caraterizado por deformações transversais acompanhadas de rotações. Cambotada 15 Janeiro. Alizar 14 Janeiro. que cobre as ombreiras das portas ou janelas. Encastramento 13 Janeiro. Elemento estrutural submetido a encastramento. Bambeamento 14 Janeiro. Encastrado 13 Janeiro. Engaste 13 Janeiro. 2013 Apoio estrutural que impede todos os movimentos de rotação e translação. Algerosa 13 Janeiro. Algerós 13 Janeiro. Engastado 13 Janeiro. Encurvadura lateral. Encurvadura por flexo-torção.Elemento de contenção usado na construção em blocos de alvenaria ou em betão armado. Embutido. 2013 .

Consiste no transporte através de uma tubagem metálica orientada verticalmente. Bicheiras 9 Janeiro. Saguão 8 Janeiro.Termo utilizado no Brasil para designar os elementos impermeáveis. é disposta de forma a evitar o arrastamento ou enfraquecimento do betão através de contacto […] Estanquidade 10 Janeiro. geralmente durante durante o processo de betonagem. utilizados para escoar a água das chuvas proveniente da cobertura de um edifício. de betão fresco desde a superfície até à zona de aplicação. Método Tremie 11 Janeiro. As bicheiras podem também resultar de uma mistura irregular. Tremie 11 Janeiro. O mesmo que estanqueidade ou estanquicidade. 2013 Termo utilizado no Brasil para designar vazios no betão resultantes de má execução. 2013 Ver Tremie. 2013 Propriedade hermética de um elemento construtivo. pela qual o betão é aplicado. Eixo de solicitação 9 Janeiro. Tubo Tremie 11 Janeiro. impedindo a infiltração pelas paredes e laje de cobertura. granulometria inadequada ou mesmo erros de projeto. 2013 . 2013 Ver Chapim. Algeroz. 2013 Eixo segundo o qual se posicionam as forças atuantes na secção transversal de um elemento estrutural. geralmente metálicos. Sistema sem influxos ou efluxos de fluidos. 2013 Método de aplicação de betão em locais subaquáticos. Chapin 9 Janeiro. 2013 Tubagem metálica utilizada para aplicação de betão em locais subaquáticos através do Método Tremie. A extremidade inferior da tubagem.

Buzinote 16 Novembro. Zona vaga entre edifícios. 2012 Termo utilizado no Brasil para designar uma tubagem que permite o escoamento de águas pluviais de varandas ou terraços. vindo aumentar de volume e causando a desagregação dos materiais. 2012 Última fiada da alvenaria. No Brasil significa dispositivo ou solução improvisada. 2012 Movimentação causada pelas ações da humidade e da temperatura (tração e retração). Gambiarra 31 Agosto. etc). . Salitre. 2012 Cristalização de sais no interior de elementos construtivos (paredes. Os cristais formados têm grande dimensão e aderem à superfície interior do elemento construtivo. Imagem via Dualteste Cura do betão 31 Agosto. 2012 Ver Cura.Pátio interior. 2012 Ver Cura. Cura do concreto 31 Agosto. 2012 Lanterna ou candeeiro de obra. Átrio ou vestíbulo. Ponto de luz com extensão. Ver retracção. Criptoflorescência 31 Outubro. lajes. 2012 Redução do volume de um corpo por ação do abaixamento de temperatura. no encontro com a laje de cobertura. Respaldo 7 Novembro. Retração 19 Outubro. Movimentos higrotérmicos 18 Outubro.

Pode e deve ser usada cal na sua composição7  Amarração . licenciamento. manutenção e utilização de obras e edificações. A[editar | editar código-fonte]  Adobe . execução. normalmente varões de aço. de modo a suportarem os esforços instalados nas peças 8  Asna(Pt) .Código de obras 28 Agosto. utilizados nas peças de betão armado. 2012 Documento que estabelece as regras gerais e específicas a serem obedecidas no projeto.Pasta de cimento e agregados finos usada para assentamento de peças e para revestimentos.Plataforma provisória utilizada para aceder a sítios inalcançáveis do solo ou de outra plataforma pré-existente6  Argamassa .Tipo de estrutura constituída por pedras naturais ou artificiais (tijolo) sobrepostas e ligadas ou não por uma argamassa5  Andaime .Tijolo maciço realizado com argila (barro) crú.Parte da armadura destinada a transmitir os esforços dessa peça para outra8  Areia .Plano inclinado de um telhado 4  Água Potável (H2O) . que pode ser de alvenaria.063 e 2 mm  Armadura . isto é. de concreto simples ou armado construída diretamente .Ferros. O mesmo que Tesoura(Br) Voltar ao topo B[editar | editar código-fonte]  Baldrame . Constitui-se de uma viga. Também designado de inerte 2 3  Água (de uma cobertura) .Nome dado à areia (agregado miúdo ou fino) ou brita (agregado graúdo) utilizada para fabricar o betão.Ideal para uso na Construção Civil  Alvenaria .Estrutura em treliça plana que serve de apoio à cobertura do edifício.É um tipo comum de fundação para pequenas edificações. não cozido 1  Agregado .Agregado de diâmetro médio entre 0.

no solo. dentro de uma pequena vala.Elemento prismático de madeira bastante usado em construção civil  Bate-estacas . utilizados para determinar a sua resistência à compressão.Agregado de diâmetro médio superior a 2mm12  Buzinote . Corpo de Prova (Br) . Cal Virgem(Br) . É mais empregada em casos de cargas leves como residência construídas sobre solo firme. Os mais comuns são os carotes de betão.O mesmo que dreno  Barrote .Barra sujeita a esforços axiais  Bloco Cerâmico . Voltar ao topo C[editar | editar código-fonte]  Cal Apagada (Pt). que é obtido pela junção da Cal Viva com água  Cal Viva(Pt). areia.Duto (cano) utilizado para escoamento de aguas pluviais em queda livre. enquanto que o betão propriamente dito resiste à compressão10  Betoneira . Concreto (Br) . visando a sua caracterização mecânica. podendo ser classificados como de vedação ou estrutural 11  Brita .13  Caroteadora .Elemento de alvenaria cozido a temperaturas de cerca de 950 ºC.9  Barbacã .Nome dado ao Óxido de Cálcio (CaO) antes de o juntar com a água  Carote (Pt).  Betão (Pt). Deve ser classificado segundo uma das classes de resistência previstas em regulamento próprio.Equipamento de cravação de estacas por percussão. brita e possivelmente adjuvantes. Concreto Armado(Br) .Pequeno espécime retirado de uma peça ou do mesmo "lote" de dado material do qual a peça a ser estudada foi feita. Cal Extinta (Br) .Máquina usada para retirar carotes .Betão que recebe uma armadura metálica para resistir aos esforços de tração da peça.Material de construção composto por cimento. 10  Betão Armado (Pt).Nome dado ao Hidróxido de Cálcio (Ca(OH)2).Máquina destinada a fabricar betão ou argamassa  Biela .

Sigla que designa o Cimento Portland Normal15 . entretanto o uso de aditivos plastificantes e superplastificantes podem influenciar na consistência das argamassas.O mesmo que Betão(Pt)10  Concreto Armado(Br) . É constituído por calcário.As argamassas de consistência plástica são aquelas em que com um pequeno esforço. é organizada no espaço em formas não planas de maneira a tirar proveito da rigidez oferecida por estas geometrias  Chapa (Br) . Como exemplo.Parte do edifício destinada à sua protecção contra as intempéries  Coesão .É a propriedade de uma argamassa ter maior ou menor facilidade de opor resistência a uma dada deformação. podendo ser utilizadas adições especiais ou aglomerantes adequados. dispensando qualquer esforço além da força da gravidade para sua aplicação. Como exemplos. Casca(Pt). Chapa (Br) .Pó de cor cinza produzido a partir da moagem do Clínquer.Pequenas esferas com cerca de 2cm de diâmetro.O mesmo que Betão Armado(Pt)10  Consistência(Br) . as argamassas de preenchimento de blocos de concreto.Esforço que faz a peça tender a diminuir sua a dimensão segundo o eixo  CPN .de pequena espessura.Nome que se dado às estruturas laminares que estão sujeitas a esforços em seu plano  Cimento . Qualitativamente pode-se dizer que uma argamassa de consistência seca é aquela em que é necessário aplicar uma energia significativa para poder conformá-la em sua forma final. peças cerâmicas e de revestimento de alvenarias. porém os limites destas consistências não são bem definidos. São exemplos. As argamassas de assentamento e revestimento de alvenaria devem possuir uma boa coesão. atingem sua forma final. blocos.É a propriedade da argamassa em manter seus constituintes homogêneos. sendo que o uso da cal hidratada é ideal para conseguir tal propriedade. sem segregação.  Concreto(Br) . entre outros aditivos  Clínquer . Normalmente. argila e gesso. juntamente com gesso. podem ser citados as argamassas magras utilizadas em contrapiso. As argamassas são classificadas segundo sua consistência em secas.Estrutura bidimensional. que depois de moídas e acrescentado gesso. dão lugar ao Cimento  Cobertura . plásticas ou fluidas. as argamassas de assentamento de tijolos.O principal fator que governa esta propriedade é a quantidade de água adicionada.Já as argamassas de consistência fluida são as que escorrem e se autonivelam. Os incorporadores de ar ou aglomerantes inertes como o saibro são alguns exemplos. 14  Compressão . destinada a receber esforços preferencialmente no seu plano médio.

Pequeno espaço que liga várias zonas do edifício onde se instalam tubos.Processo usado para extrair rochas por meios manuais  Dilatação .Nome da linha em torno da qual um objecto roda. os quais normalmente não se dissolvem um no outro. Podem ser tubos.É definido como uma mistura heterogênea de dois ou mais líquidos. podendo estar marcado por um pilar ou pilastra de pedras lavradas .Diz-se do processo de aumento das dimensões de um material 18  Drenagem .Linha que une os pontos de esforços axiais nulos de uma secção transversal  Emboço . etc. Cunhal .Canto de um edifício.Processo usado para extrair rochas por meio de explosivos17  Desmonte a frio . feito com massa grossa. cabos.Estruturas destinadas a recolher e escoar águas.  Emulsão . Voltar ao topo D[editar | editar código-fonte]  Demão . Voltar ao topo E[editar | editar código-fonte]  Eixo(de rotação) . etc.o termo pode referir-se especificamente a esse pilar. quando são mantidos em suspensão por . onde duas paredes convergem. valas.Nome dado a uma linha longitudinal que passa no centro da via (estrada)  Eixo neutro (de uma peça) .  Eixo(de uma peça) . Também designado barbacã19  Ducto .Nome dado a cada camada de tinta aplicada16  Desmonte a fogo .é o revestimento da parede.Nome dado a uma linha longitudinal que passa no centro de gravidade da secção transversal de uma peça  Eixo(de uma via) . mas.Escoamento de águas através de drenos  Drenos .

Um exemplo são as sapatas  Fundação indireta . mais freqüentemente. Podem ser de tracção ou de compressão  Esforços Transversos . do módulo de elasticidade do material e dos comprimentos dos vãos)  Flexão. por pequenas quantidades de substâncias conhecidas como emulsificantes.Esforços que se geram na peça segundo um plano perpendicular o seu eixo  Estacas . e que visam substituir os códigos existentes nos diferentes países da Europa Voltar ao topo F[editar | editar código-fonte]  Fio de Prumo .infra-estrutura de uma construção. formam uma mistura estável (dispersão coloidal)  Escora . As estacas são elementos de grande comprimento em relação à sua seção  Eurocódigos . utilizam-se.Esforços que se geram na peça segundo o seu eixo. as estacas em terrenos onde a resistência do solo é boa um locais muito profundos.Em solos menos resistentes. utilizam-se. ver Momento Flector  Fluência. Um exemplo são as estacas . disposto sob as lajes e vigas.Barra sujeita essencialmente a esforços axiais de compressão. metálico ou de madeira.utilizam-se.Em solos mais resistentes.Esforço que faz tender a peça a comprimir-se acima do seu eixo e a estender-se abaixo ou vice-versa. durante o seu processo de amadurecimento  Esforços Axiais (ou normais) . como fundações. Recebe os esforços da estrutura e transmite-os ao solo.Nome dado aos códigos europeus usados no dimensionamento de estruturas. quando se aplica uma carga constante  Fundação .Aumento da deformação de uma peça ao longo do tempo.  Fundação direta . das estruturas de concreto.É a distância entre o ponto em que uma laje ou viga não sofre deformação (ideal) e o ponto em que naturalmente ela sofre a deformação (depende da carga distribuída. agitação ou.Aparelho utilizado para verificar a verticalidade de uma superfície  Flecha . No Brasil este termo é utilizado também como elemento de sustentação provisório.

. Por exemplo: diversos tipos de Agregados Voltar ao topo J[editar | editar código-fonte]  Junta de dilatação .Na hidráulica.O mesmo que junta de dilatação. feldespato e micas.Voltar ao topo G[editar | editar código-fonte]  Geminadas . largamente usado na construção civil. destinado a absorver os movimentos provocados por dilatações e retracções dos materiais envolventes  Junta de retração .Designação dada a duas casas que têm uma parede comum  Gesso .Material de construção obtido por junção de Sulfato de Cálcio (CaSO 4) moído com água  Granito . Brita tipo 2).Material de enchimento de uma massa (Betão por exemplo).Espaço preenchido por materiais elásticos. Existe em várias cores Voltar ao topo H[editar | editar código-fonte]  Hall de Entrada . Zona onde ocorre fissuração por retracção do material (normalmente utilizadas em elementos de betão tais como muros de suporte)  Jusante . significa no sentido da foz.Pequena divisão do edifício situado à entrada e que dá acesso às demais divisões Voltar ao topo I[editar | editar código-fonte]  Inerte . Material que não reage quimicamente com os materiais que estão em contato (Ex.Rocha ígnea constituída por quartzo.

Esforços que se geram na seção transversal da peça devido à sua flexão  Momentos Torsores .Voltar ao topo K[editar | editar código-fonte] Voltar ao topo L[editar | editar código-fonte]  Laje .Estrutura de contenção de terras Voltar ao topo N[editar | editar código-fonte]  Nível .  Momentos Flectores .Faixa inferior das paredes.Elemento da cobertura que liga as várias Asnas(Pt) ou Tersouras(Br). É colocado na horizontal e sobre si apoiam as Varas(Pt) ou Ripas(Br). na sua interface com o pavimento. Terça(Br) . ou direcção oposta ao sentido do fluxo  Muro de suporte .Aparelho utilizado para verificar a horizontalidade de uma superfície Voltar ao topo O[editar | editar código-fonte] .Na hidráulica. no sentido da nascente.Esforços que se geram na seção transversal da peça devido à sua torção  Montante .Estrutura bidimensional plana destinada a receber esforços preferencialmente perpendicularmente ao seu plano. Também designado de Rodapé Voltar ao topo M[editar | editar código-fonte]  Madre(Pt). É usado como pavimento de pisos ou como Cobertura  Lambril.

formado pelo prolongamento das paredes externas.  Pé-direito .Forma das abóbadas góticas Voltar ao topo P[editar | editar código-fonte]  Platibanda -: Cavamento superior das edificações. No Brasil.Peça colocada sobre o vão de uma porta ou janela. Ombreira .Parte inferior do vão de uma janela. entre faces superiores. O cimento Portland usado em proporções adequadas pode diminuir bastante a permeabilidade de um revestimento argamassado.Peças colocadas nas faces laterais da abertura da porta. que sustentam a padieira  Ogival .Nome usado para desingar determinada secção de uma peça  Perfil Metálico . medida pelo interior. aumentando a permeabilidade. entre o pavimento e a cobertura de um piso  Peitoril .Altura.Nome dado às barras metálicas obtidas por laminação  Permeabilidade(BR) É a propriedade de um material de se deixar atravessar por líquidos e gases.  Perna . de modo a suportar os esforços que aí se geram  Palafita . independentemente da sua posição no espaço . Entretanto.Colunas de madeira onde se constroem casas a distância do solo. acima do forro  Padieira .Altura. A permeabilidade de uma argamassa pode ser controlada pela quantidade e tipo de aglomerante empregado.Parte da asna de madeira onde assentam as Madres  Pilar .Nome dado na gíria às lajes. de pavimentos sub-sequentes  Placa .Elemento de eixo vertical que submetido essencialmente esforços axiais  Piso a piso(Br) . Estrutura bidimensional colocada na vertical destinada a receber esforços no seu plano. Comum em casas sobre rios ou com grandes variações de maré. teores excessivos de cimento podem levar à fissuração por retração hidráulica. O mesmo que Parapeito  Perfil . este é o termo usado para descrever as estruturas laminares sujeitas à flexão.

 RSA. preparando-a para receber a cal ou a pintura  Retração . Regulamento de Segurança e Acções para Edifícios e Pontes.Elemento colocado sobre as varas.  Roda-teto. nomeadamente o EC1 Voltar ao topo . Regulamento de Estruturas de Betão Armado e Pré-Esforçado.Semelhante ao rodapé. Plasticidade(Br) .Planície.Ornamento situado à junção das paredes com o piso. situa-se à na cota média da parede.  Platô(Br) . Encontra-se de momento prevista a sua substituição por normas europeias. Galicismo derivado da palavra "plâteau" Voltar ao topo Q[editar | editar código-fonte] Voltar ao topo R[editar | editar código-fonte]  Rasante. área plana em relação ao eixo horizontal. nomeadamente o EC2  Relaxação.Sigla que designa o regulamento português de segurança e acções. consistência e retenção de água. Tem função estética. cuja finalidade é a de proteger da água as paredes. onde as faixas de tinta acima e abaixo do roda-meio são de cores diferentes.Semelhante ao rodapé. Encontra-se de momento prevista a sua substituição por normas europeias. Utilizada geralmente em prédios públicos.Intersecção do eixo de uma via com um plano vertical  REBAP.(acredita-se que do árabe rabuq) é um tipo de argamassa com que se alisam as paredes.Diz-se quando um material tende a diminuir as suas dimensões  Ripa. além da função estética. Esta propriedade está ligada diretamente à coesão. geralmente do mesmo material desse.  Roda-meio. onde apoiam as telhas da cobertura  Rodapé.Diminuição natural do esforço aplicado numa peça ao longo do tempo sob um estado de deformação constante  Reboco . situa-se à junção do teto com as paredes.É a propriedade que permite à argamassa deformar-se e reter certas deformações após a redução das tensões que lhe foram impostas.Sigla que designa o regulamento português de betão.

Voltar ao topo U[editar | editar código-fonte] Voltar ao topo V[editar | editar código-fonte]  Vão . É a parte inferior do alicerce.  Soleira . Em bacias de retrete e lavatórios existem sifões para impedir a passagem dos cheiros provenientes das respectivas canalizações. Sobre si assentam as ripas  Verga(Br) . Em escavações também é normal que sejam de 45º mas em zonas rochosas esse valor pode ser superior pois a estabilidade do mesmo não está em causa.Parte inferior do vão de uma porta.Plano inclinado que limita um aterro. metal ou concreto (betão) colocada sob o pilar que suporta o peso da construção ou uma peça em ferro colocada sobre a estaca para facilitar a cravação.O mesmo que Padieira .Representação da secção obtida por um corte segundo um plano perpendicular ao eixo da peça. Ele liga a plataforma continental à região abissal e tem como função garantir a estabilidade do aterro.dispositivo para transportar um líquido de uma altura para outra mais baixa. passando por um ponto mais alto. portanto a mais larga.S[editar | editar código-fonte]  Sapata .Elemento da cobertura colocado sobre as madres e perpendicularmente a estas (logo.  Secção transversal ou seção perpendicular . pode ser uma peça de madeira.Espaço livre (não preenchido) sob uma viga ou outro qualquer elemento estrutural  Vara .  Sifão . paralelamente às pernas das asnas).Estrutura de interface entre os pilares ou paredes e a Fundação. Pode ser contínua ou isolada. A sua geometria por natureza em aterros é de 1/1 ou seja 45ºgraus não sendo aconselhado uma inclinação superior pois não garante a sua estabilidade. Voltar ao topo T[editar | editar código-fonte]  Talude .

Nome dado na gíria aos varões de aço de pequena secção transversal (Ø6 e Ø8.Elemento estrutural de eixo horizontal submetido essencialmente à flexão  Vigota .Viga de pequena secção transversal. normalmente pré-esforçada . Verguinha . normalmente)  Viga .