ELABORAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO DA BE/CRE

1- Situação

2- Necessidades 7- Revisão

PLANO DE ACÇÃO BE/CRE
4- Objectivos 5- Actividades 3- Metas

6- Tarefas

A actividade de coordenação da BE/CRE orienta-se a partir de um Plano de Acção que irá determinar a planificação de actividades, consagradas no Plano Anual de Actividades da BE a apresentar aos respectivos CP/CE no início de cada ano lectivo. A elaboração deste Plano de Acção deve ter por base duas tarefas prévias: • Realização, em colaboração com os órgãos de gestão e comunidade educativa, de um diagnóstico que permita identificar pontos fortes e pontos fracos da/s BE; • Identificação dos aspectos que, face à análise efectuada, se revelem de intervenção prioritária. A partir daqui são definidas as linhas estruturantes do Plano de Acção, constituídas em metas a atingir. As metas remetem para resultados a médio ou longo prazo (2/3 ou mais anos), devendo inscrever-se no Projectos Educativo e Projecto Curricular de cada Escola ou Agrupamento. Os objectivos, através de cujo cumprimento se hão-de alcançar progressivamente as referidas metas, são definidos para cada ano lectivo, de acordo com as prioridades definidas, os recursos disponíveis bem como as necessidades dos utilizadores e da escola ou conjunto de escolas servidas pela biblioteca. Definidos os objectivos, há que fazer corresponder-lhes as actividades que os irão suportar - as quais devem por seu turno ser desdobradas em tarefas mais específicas, os responsáveis pela sua concretização, o prazo previsível para a sua execução, os meios de avaliação e os recursos necessários para a sua realização. Por comodidade, sugere-se que para cada objectivo seja criada uma folha e quadro próprios de modo a poder incorporar toda a informação necessária. Para maior facilidade de acompanhamento e controlo da execução do Plano, este deve ser repartido de acordo com os três períodos lectivos, procedendo-se a uma avaliação intermédia e aos reajustamentos necessários no final de cada período.

Doc.02 – v1

RBE Algarve – 2006-2007

pág. 1 de 6

ELABORAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO DA BE/CRE

Recolha de Informação A primeira preocupação do trabalho de planificação deve, deste modo, ser orientada no sentido da recolha de informação através de diferentes meios, de modo a formular uma síntese sobre a situação da/s BE e os problemas e necessidades sentidas: - Análise de documentação existente Projecto Educativo, Regulamento Interno da Escola e/ou Agrupamento; Dados sobre o perfil da/s escola/s e dos alunos (tipologia, nº de alunos, anos de escolaridade, turmas/salas, resultados escolares nas diferentes áreas, educadores e professores, …); Plano de Actividades e relatório de avaliação da BE referente ao ano anterior Regimento da BE Outros materiais produzidos pela BE (Instrumentos de controlo, listas de aquisições, materiais formativos e de divulgação, …) Actas/Registos de reuniões envolvendo a BE … - Análise de dados estatísticos sobre a utilização da BE Empréstimo domiciliário Empréstimo para as salas Requisição de equipamentos Ocupação da sala Actividades realizadas Leitura presencial … - Lançamento de questionários - Recolha de informação oral, pedidos e sugestões - Outros Só depois desta análise da situação de partida, bem como do contexto geral em que se insere cada BE, é possível definir metas e objectivos ajustados à realidade, de modo a garantir a continuidade dos aspectos mais positivos ou que ainda necessitam de desenvolvimento e colmatar as deficiências detectadas. O trabalho de análise e diagnóstico da situação da BE/CRE deve ser feito com recurso a registos formais, nomeadamente analisando as condições de instalação e funcionamento da BE a caracterização do Fundo Documental, de modo a permitir identificar situações e acompanhar a evolução da biblioteca. Estes modelos devem ser simples de preencher e podem ser construídos pelas equipas BE/CRE ou utilizar modelos existentes.

Doc.02 – v1

RBE Algarve – 2006-2007

pág. 2 de 6

ELABORAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO DA BE/CRE ANEXO 1
Como sugestão, apresentamos aqui alguns exemplos de objectivos e actividades, organizados de acordo com diferentes áreas de intervenção das BE/CRE. O nosso propósito não é o de nos substituirmos às escolas na definição dos seus Planos de Acção, mas o de estimular a inclusão e aprofundamento nesses planos de acção de diferentes vertentes de trabalho, auxiliando-as nesse processo de planeamento.
A – GESTÃO DA BE Exemplo A1. Objectivo: Contribuir para uma gestão mais eficiente da BE Actividades: 1.1. Elaborar uma proposta sobre a filosofia, a missão/visão da BE na escola/agrupamento, as metas a atingir e as condições base de funcionamento da BE, que possa vir a integrar o PEE e o RI do Agrupamento 1.2. Actualizar o Regimento da BE 1.3. Colaborar activamente na elaboração do PAA da Escola, fazendo e acolhendo propostas 1.4. Apresentar e divulgar amplamente o PA da BE na escola e na comunidade 1.5. Criar instrumentos de recolha e registo sistemático de dados para avaliação da actividade da BE 1.6. Manter dossiers organizados com toda a documentação da BE Exemplo A2. Objectivo: Melhorar as condições de instalação e equipamento da BE Actividades: 2.1. Reorganizar as zonas funcionais da BE 2.2. Rever/melhorar a sinalética 2.3. Inventariar as necessidades de manutenção e actualização do hardware e software utilitário existente na BE 2.4. Solicitar a ligação dos computadores da BE à rede da escola Exemplo A3. Objectivo: Organizar os recursos humanos Actividades: 3.1. Constituir uma equipa que apoie a/s BE, auxilie a coordenadora e ajude a promover o trabalho nas diferentes escolas servidas pela/s BE (elemento do CE, docentes, AAEs, animadores, monitores, estagiários, Pais/EEs, outros) 3.2. Estabelecer o conteúdo funcional dos elementos da equipa 3.3. Definir, de acordo com as necessidades, um plano de formação breve (formal/informal) para os elementos da equipa 3.4. Estabelecer um horário com os tempos e formas de participação/colaboração do coordenador e da restante equipa no trabalho da BE de acordo com as disponibilidades e o modelo de utilização da BE ou dos seus recursos 3.5. Organizar a participação regular do coordenador nos órgãos de gestão pedagógica do/s estabelecimento/s de ensino (C. Pedagógico, C. Docentes, C. Ano, …) 3.6. Estabelecer um horário de ocupação fixa do espaço pelas diferentes turmas para actividades de leitura, escrita e uso de informação (1/2 h. semanais por turma) 3.7. Prever a abertura da BE num horário alargado de modo a fomentar a utilização autónoma pelos alunos e comunidade para além do período lectivo

Doc.02 – v1

RBE Algarve – 2006-2007

pág. 3 de 6

ELABORAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO DA BE/CRE
Exemplo A4. Objectivo: Mobilizar recursos financeiros Actividades: 4.1. Recensear fontes potenciais de receitas para a BE e desencadear as acções necessárias para a sua captação 4.2. Apresentar ao órgão de gestão e/ou autarquia uma proposta de orçamento anual para a BE devidamente fundamentada, cobrindo despesas correntes e de investimento relacionadas com as necessidades de actualização do fundo documental, aquisição ou manutenção dos equipamentos, compra de materiais de desgaste, pagamento de serviços, etc., de acordo com o registado no Plano de Actividades da BE Exemplo A5. Objectivo: Desenvolver os serviços da BE Actividades: 5.1. Atribuir cartões de leitor a todos os alunos, docentes e auxiliares. 5.2. Automatizar o empréstimo domiciliário e para as salas 5.3. Organizar em colaboração com a BM, a itinerância de fundos documentais entre escolas/bibliotecas do Agrupamento Exemplo A6. Objectivo: Promover a cooperação com o exterior Actividades: 6.1. Participar activamente no trabalho colaborativo com outras escolas/agrupamentos e bibliotecas no âmbito do SABE e dos Grupos de Trabalho das Bibliotecas Escolares 6.2. Organizar visitas a outras bibliotecas 6.3. Explorar possibilidades de dinamização de actividades conjuntas com outras instituições locais (Museus, Associações culturais, …) 6.4. Promover projectos de trabalho em colaboração com os Pais/EE’s B – GESTÃO DA COLECÇÃO Exemplo B1. Objectivo: Estabelecer e aplicar um conjunto de princípios de política documental adequados à escola/agrupamento Actividades: 1.1. Avaliar a colecção existente 1.2. Proceder à conservação e restauro de obras 1.3. Realizar o desbaste periódico da colecção 1.4. Recolher pedidos e sugestões de aquisição de documentos junto da comunidade 1.5. Seleccionar novos recursos (materiais livro, não-livro, websites) 1.6. Redigir um plano de aquisições anual com definição de prioridades, devidamente fundamentado e orçamentado, a integrar o orçamento da BE 1.7. Promover a incorporação na BE de materiais produzidos no âmbito da actividade da escola

Doc.02 – v1

RBE Algarve – 2006-2007

pág. 4 de 6

ELABORAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO DA BE/CRE
Exemplo B2. Objectivo: Manter o Fundo documental organizado Actividades: 2.1. Manter um Livro de Registos actualizado 2.2. Automatizar o catálogo com o apoio da BM 2.3. Facilitar o acesso à informação e documentação existente mediante um sistema adequado de classificação, indexação, cotação e arrumação em livre acesso das espécies Exemplo B3. Objectivo: Difundir os recursos Actividades: 3.1. Elaborar listagens da documentação existente na BE para as diferentes áreas e conteúdos programáticos 3.2. Criar um boletim/folha informativa mensal da BE 3.3. Divulgar novidades e recensões de leituras no Jornal ou site da escola 3.4. Promover a mostra de trabalhos realizados pelos alunos 3.5. Organizar uma montra regular de materiais de acordo com um tema, personagem, evento,… 3.6. Construir e manter um conjunto de painéis informativos distribuídos pelos diferentes espaços escolares C – CURRÍCULO Exemplo C1. Objectivo: Apoiar as actividades lectivas de ensino-aprendizagem Actividades: 1.1. Fazer o levantamento periódico com os docentes das oportunidades de colaboração com a BE, de acordo com as planificações, os planos curriculares das turmas e os planos de aula, de modo a integrar a utilização da BE nos tempos lectivos 1.2. Organizar com os docentes o apoio da BE aos alunos nas Áreas de projecto. 1.3. Produzir, em colaboração com os docentes, materiais didácticos, fichas de trabalho, guiões de apoio à pesquisa, auxiliares para a produção de trabalhos impressos, digitais e multimédia, e outros documentos de apoio 1.4. Organizar, em colaboração com os docentes, maletas pedagógicas, dossiers temáticos e outros materiais para tratamento de temas transversais ao currículo 1.5. Criar instrumentos de registo para o trabalho colaborativo com os docentes D – UTILIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO Exemplo D1. Objectivo: Promover a formação de utilizadores Actividades: 1.1. Produzir e divulgar junto da comunidade o Guia do Utilizador da BE 1.2. Organizar uma sessão de recepção pela BE a cada turma no início do ano (eventualmente animada com jogos ou outras actividades lúdicas que promovam o conhecimento do valor da BE na escola e motivem para a sua utilização) 1.3. Organizar uma pequena intervenção nas salas de aula para divulgar os serviços disponibilizados pela/s BE do Agrupamento em escolas que não têm BE e envolver os professores e alunos na sua utilização 1.4. Promover, de acordo com as possibilidades de transporte, a visita periódica dos alunos daquelas escolas à BE 1.5. Organizar uma actividade de introdução ao uso da BE com cada turma, à qual poderá ser dada continuidade, em que sejam dados a conhecer as formas como está organizada a BE e explorados diferentes recursos e serviços

Doc.02 – v1

RBE Algarve – 2006-2007

pág. 5 de 6

ELABORAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO DA BE/CRE
Exemplo D2. Objectivo: Assegurar o ensino e aplicação em contexto de competências de informação Actividades: 2.1. Analisar em articulação com os docentes os programas curriculares e projectos em curso, de modo a identificar as competências de informação que em cada momento poderão ser trabalhadas com os alunos na BE, na sala de aula ou noutros espaços 2.2. Construir, com base no currículo e no levantamento das competências de informação que irão sendo trabalhadas com os alunos, um currículo de competências que permita avaliar os progressos que vão sendo feitos pelos alunos neste domínio ao longo do ano lectivo e da sua escolaridade 2.3. Propor a adopção de um modelo de literacia da informação que possa ser usado de forma consistente como metodologia para a pesquisa e uso da informação nas diferentes áreas curriculares (ex: Big Six; Plus; C. Khulthau, …) 2.4. Promover a auto-formação, a formação inter-pares e a hetero formação dos docentes em competências de informação 2.5. Editar e difundir materiais de interesse relacionados com a literacia da informação 2.6. Criar instrumentos de registo para o trabalho colaborativo com os docentes E – LEITURA Exemplo E1. Objectivo: Promover e animar à leitura Actividades: 1.1. Conceber em articulação com os docentes um programa planeado, coerente e sistemático de fomento das competências de leitura e escrita e do prazer e hábitos de leitura, que integre o PE do Agrupamento. Caso a escola integre o Plano Nacional de Leitura, articular este programa com as actividades a desenvolver no âmbito do PNL. 1.2. Elaborar Guias de leitura segundo diferentes critérios (temas, autores, géneros, …) 1.3. Planear a vinda de escritores e ilustradores à BE 1.4. Preparar, desenvolver e avaliar actividades diversas de animação à leitura (Feiras do Livro, Concursos; Livro/Autor do mês, Ateliers de escrita e ilustração de histórias, Oficinas de leitura, Horas do conto, Dramatizações, …) 1.6. Promover a auto-formação, a formação inter-pares e a hetero formação dos docentes em literatura para a infância e técnicas de promoção da leitura F – ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR E EXTRA CURRICULARES Exemplo F1. Objectivo: Reforçar e ampliar o papel formativo da BE Actividades: 1.1. Organizar com os docentes o apoio da BE aos alunos em métodos e técnicas de estudo nas horas de Apoio ao Estudo 1.2. Estabelecer parcerias com a escola e/ou a comunidade para a realização de acções da iniciativa da BE, da escola ou de outros parceiros: clubes, projectos, eventos, efemérides, … 1.3. Dinamizar actividades culturais e de abertura à comunidade: exposições, colóquios, espectáculos, … 1.4. Apoiar a utilização autónoma da BE como instrumento de lazer e de trabalho independente (este documento é uma adaptação de um documento de Elsa Conde – RBE Alentejo)

Doc.02 – v1

RBE Algarve – 2006-2007

pág. 6 de 6