You are on page 1of 6

EISSN 1676-5133 doi:10.3900/fpj.2.5.279.

p

Comportamento do duplo-produto
em diferentes posições corporais
nos exercícios contra-resistência

Artigo Original

Roberto Simão Marcos Doederlein Polito
Universidade Gama Filho – Departamento de Educação Física Universidade Católica de Petrópolis (RJ)
Universidade Católica de Petrópolis (RJ) Laboratório de Atividade Física e Promoção da Saúde – LABSAU/UERJ
Laboratório de Atividade Física e Promoção da Saúde – LABSAU/UERJ Universidade Gama Filho – CEPAC
centraldecursosrj@bol.com.br Adriana Lemos
Universidade Gama Filho – CEPAC

SIMÃO, R., POLITO, M.D., LEMOS, A. Comportamento do duplo-produto em diferentes posições corporais nos exercícios contra-
resistência. Fitness & Performance Journal, v.2, n.5, p. 279-284, 2003.

RESUMO: Através do duplo-produto é possível predizer, de forma indireta, quanto oxigênio o miocárdio pode consumir. O presente
estudo verificou a freqüência cardíaca, a pressão arterial e o duplo-produto, durante dois exercícios contra-resistência de membros
inferiores (agachamentos), os quais só variavam entre si na posição corporal do executante (em pé ou em decúbito dorsal), a fim
de avaliar a quantidade de estresse cardiovascular que um mesmo exercício, em posições diferentes, poderia gerar em relação ao
outro. Foram avaliados trinta indivíduos (30 ± 6 anos) saudáveis e treinados, os quais realizaram em cada um dos dois aparelhos
uma série de 10 RM. Os dados foram coletados durante o repouso e as duas últimas repetições da série em cada aparelho. Todas
as variáveis coletadas foram apresentadas segundo a estatística descritiva. Já os valores do duplo-produto obtido durante a execução
dos exercícios, foram avaliados pelo teste “t” de Student, com um índice de significância de p<0,05. Foram encontradas diferenças
significativas e, desta forma, pode-se dizer que o exercício de agachamento realizado em pé gera um estresse mais significativo no
sistema cardiovascular do que quando realizado em decúbito dorsal.

Palavras-chave: Duplo-produto, Exercícios contra-resistência, Posição corporal, Treinamento de Força.

Endereço para correspondência:
Central de Cursos UGF – Rua Olegário Maciel, 451, sala 210 – Barra da Tijuca – RJ – CEP 20621-210
Data de Recebimento: setembro / 2003 Data de Aprovação: novembro / 2003

Copyright© 2003 por Colégio Brasileiro de Atividade Física, Saúde e Esporte.

Fit Perf J Rio de Janeiro 2 5 279-284 set/out 2003 279

tais gurança. Palabras-clave: Doble-producto. los cuales solo var- in the performer’s body position (standing or in dorsal decubitus). which accomplished in each one of the two apparels one set of treinta individuos (30 ± 6 años) saludables y entrenados en que realizaran en 10 RM. Fueram encontradas diferenzas significativas generates a more significant stress in the cardiovascular system than squats y de esta forma se puede decir que el ejercicio de agachamiento realizado en accomplished in dorsal decubitus. la presion arterial y el doble-producto. inclusive. para a prescrição do ECR. algumas variáveis fisio- lógicas devem ser monitoradas. Los dados the set of 10 RM of each apparel. 2. A observação foi verificado que nenhum dos sujeitos utilizava medicamentos isolada dessas variáveis não garante um nível significativo de se. Resistance dynamic exercises. A través Del doble-producto es possible predecir. de forma indirecta cuanto as oxygen the miocárdio can consume. Keywords: Rate-pressure product. El presente estudo verificó la frecuencia rate. calculado rante os testes. respiratório ou locomotor que comprometesse (MARTEL et al. in order to ian entre si en la posición corporal del ejecutante (de pié o decúbito supino) evaluate the amount of cardiovascular stress that an exercise could generate afin de evaluar la cuantidad de estrese cardiovascular que lo mismo ejercicio in relation to the another. os movimentos e as cargas determinadas. which only varied to each other contra-resistencia de miembros inferiores (agachamientos). Fueram evaluados (30 ± 6 years).05 and the found result was ejecución de los ejercícios fueran evaluados por el test “t” de Student con un very significant (p <0. devido a sua relativa segurança. a prática de exercícios contra-resistência (ECR) em aparelho horizontal (AGh) e meio-agachamento em aparelho vem sendo recomendada pelas principais agências normativas vertical (AGv). This way it can be said that the standing squats índice de significáncia de p<0. INTRODUÇÃO É reconhecido que a melhora da aptidão física pode contribuir que o DP possui sobre a predição da solicitação imposta ao significativamente para a melhora da saúde na qualidade de vida miocárdio. da atividade física. Porém. entre dois ECR de membros inferiores: meio agachamento melhorar a saúde.. Whole the collected variables were presented fueram recogidos durante el reposo y las dos últimas repeticiones de la serie according to the descriptive statistics. The data were collected during the rest and the last two repetitions of cada uno de los aparatos una serie de diez repeticiones máximas. in an indirect way. Dentre as atividades físicas que poderão DP. O ACSM (2000). set/out 2003 . 2002) e American Heart Association (POLLOCK et al. 280 Fit Perf J.001). mesmo MATERIAIS E MÉTODOS em populações ditas especiais. Posición cor- Strength training. que pudessem alterar as respostas fisiológicas ao exercício. ao treinamento. the blood pressure and the rate-pressure product. no Objetivando reduzir a possibilidade de ocorrência de erros du- que se convencionou denominar duplo-produto (DP). mientra dura dos ejercicios against-resistance of inferior parts (squats). 1998). o treinamento é individualizado de forma a atender que foram utilizados para a realização dos testes. 2000). como idade (FIATARONE et al. 5.. tais participantes apresentava qualquer comprometimento físico. 1) As instruções a respeito de toda a rotina dos testes foram pre- Tendo em vista a existência dos fatores intervenientes extrínsecos viamente passadas a todos os componentes da amostra. foram adotadas as seguintes estratégias (MON- a partir da multiplicação da pressão arterial sistólica (PAS) pela FC. Thirty healthy and trained individuals were appraised en posiciones diferentes podria generar em relación al otro. Ya los valores de doble-producto obtenidos durante la T-test of Student with a significant index of p<0. quando realizados em 10 repetições máximas (RM). sendo que No entanto. e levando-se em consideração a importância 2) O avaliado foi instruído sobre a técnica de execução. Entrenamiento de fuerza. Ejercicios contra-resisténcia. se correlacionam com o consumo de oxigênio pelo miocárdio.ABSTRACT RESUMEN Rate-pressure product’s behavior in different body positions practicing Comportamiento del doble-producto en diferentes posiciones corpo- Resistance dynamic exercises rales en los ejercicios contra-resistencia Through the rate-pressure product it is possible to predict. tais como a freqüência cardíaca nenhum indivíduo apresentou resposta positiva ao teste. o presente estudo buscou verificar as diferenças nos (PAFFENBARGER. Rio de Janeiro. 1997): estimativa fisiológica de intensidade do ECR. during two exercises cardíaca. voluntários e com experiência mínima publicados que objetivam analisar os fatores intervenientes (ex- de 12 meses no ECR. considera o DP como a melhor TEIRO. como o American College of Sports Medici- ne . The present study verified the heart oxígeno el miocárdio puede consumir.05. a associação entre elas pode fornecer dados que como betabloqueadores ou drogas androgênicas. Toda a amostra foi submetida ao questionário PAR-Q (SHEPHARD. o número de estudos mulheres) (30 ± 6 anos). Nenhum dos com maior especificidade as necessidades de cada sujeito. were appraised for the estatística discriptiva. A amostra foi composta por 30 indivíduos (20 homens e 10 Conforme o ECR ganha importância. poral. 2000. 280. 1990) e doenças cardiovasculares cardiovascular. pié genera un estrese más significativo en el sistema cardiovascular que cuando realizado en decúbito supino. Already the values of the rate-pressure en cada aparato. Body position. Todo las variables recogidas fueram apresentadas según lá product obtained during the execution of the exercises. Também (FC) e a pressão arterial (PA) (McCARTNEY. 1999). 1999).. 1988). Todos já haviam praticado os exercícios trínsecos e intrínsecos) ao treinamento tende a aumentar.ACSM (1998. Como conseqüência.

2. de se tentar verificar os maiores valores dessas variáveis. EARLE. foi solicitado que o indivíduo relaxasse o membro erros que pudessem interferir na coleta dos dados. Para a FC. considerou-se como em vista assegurar um padrão na execução dos exercícios durante valor sistólico a primeira fase do som de Korotkoff e como valor os testes. c) Fase concêntrica . para cada exercício. a coleta dos dados foi realizada em dois mo- mentos. para que os dados coletados não sofressem alterações devido ao estresse muscular causado nos membros inferiores. 1988). 281.Alterações em percentual para PAD. com afas- tamento das pernas equivalente à largura dos quadris. 1988). Os cotovelos estavam flexionados em dire. PAS. com os pés paralelos e com afastamento em uma Utilizou-se o teste-t student pareado para comparar os valores distância equivalente à largura do quadril. após o sujeito permanecer sentado por 10 minutos. A significância estatística foi no apoio do estipulada em p<0. FC e DP entre os exercícios sido trabalhados entre os dias de teste. A FC foi aferida através do monitor Polar Protrainer NV (Kempele. c) Fase excêntrica .a partir da posição inicial. Os exercícios analisados foram o AGh e AGv. Para a medida da PA. e após dois minutos. Rio de Janeiro. poderiam comprometer o indivíduo na execução de 10 RM devido à fadiga muscular. quando deveria retornar ao local do experimento para a segunda coleta de dados. e joelhos levemente flexionados. caso estes tivessem Figura 3 . Após essa fase. os joelhos e quadris retornam à posição inicial. estabeleceram-se as seguintes etapas de execução: diastólico.3) O avaliador esteve atento em todos os momentos das exe. Na cuções. mãos repouso e os exercícios apoiadas sobre os mesmos e cabeça posicionada com o plano de Frankfurt (GORDON. Os joelhos estavam flexionados em um ângulo de 80° e paralelos entre si. b) Fase concêntrica . 2000). AGV a) Posição inicial – O indivíduo posiciona-se em pé. foram registradas a FC e a PA. foi realizado um teste para a determinação da carga em 10 RM (BAECHLE. set/out 2003 281 . durante o período de 48 horas. As mãos ficam apoiadas na barra que está localizada na região do trapézio. zados num mesmo horário. O experimento foi conduzido em dois dias. aparelho.05. e projetados à frente obtidos nas variáveis observadas. os quadris e joelhos (até 800) são flexionados excentricamente.constitui-se de extensão dos joelhos e quadris até a posição inicial. devido ao tempo necessário para o monitor realizar a a) Posição inicial – o indivíduo estava em decúbito dorsal no leitura correta. No primeiro dia. interferência proporcionada pela contração do bíceps braquial. os exercícios b) Fase excêntrica . para cada indivíduo. pelo fato de possu. a quarta fase. No segundo dia.a partir do final da fase concêntrica. objetivando minimizar a 4) Os testes foram marcados com antecedência e sempre reali. foi utilizado o maior valor registrado na realização do exercício ou momentos após seu AGh término. com o intuito de impedir que os avaliados cometessem aferição da PA. Entre a nona e a décima repetição. 10 repetições com 50% da carga correspondente a 10 RM. como forma de aquecimento. foram aferidas a FC e a PA.Alterações em percentual para o DP entre o repouso e no plano de Frankfurt (GORDON.Alterações em percentual para a PAS e PAD entre o ção aos pontos de aplicação da carga sobre os ombros. aparelho. Tendo manômetro aneróide. o indivíduo foi orientado a não realizar atividades físicas com os membros inferiores. Figura 1 . Após o teste. Esta informação foi adicionada à pesquisa. írem as mesmas abrangências musculares e formatação técnica Finland) e a PA através do método auscultatório com esfigmo- (posicionamento e ajuste dos indivíduos nos aparelhos). superior que estava sendo monitorado. e com a cabeça também Figura 2 . com o intuito Fit Perf J. Primeiramente. execu- tava as repetições estipuladas para o exercício.constitui-se de extensão completa dos joelhos e quadris. 5. o indivíduo realizava.

bpm 9001. parâmetro. o valor abso- A PAS de repouso apresentou um valor médio de 125 mmHg. 7. verifi- arterial (GOSTHALL et al. 5. sendo seu da PA poderá informar a magnitude da solicitação imposta pelo melhor preditor indireto. Conclusões englobando 1RM. risco. constante (POLITO.05) no AGv (Figura 2).8 ± 3253. tende a ser inferior execução do AGh e do AGv. esta variável modificou-se para 25. Comparando-se potência aeróbia individual máxima podem ser até cinco vezes maiores do que em repouso.4 Pressão arterial diastólica (mmHg 76. mas. Quadro 1 – Valores médios para as variáveis observadas (n=30) Repouso Agachamento horizontal Agachamento vertical Freqüência cardíaca (bpm) 71. um valor médio de 9. DISCUSSÃO FARINATTI. set/out 2003 . O DP (FC x PAS) é uma estimativa do trabalho do miocárdio e O DP apresentou.6 Duplo-produto (mmHg. Os valores próximos em cargas próximas da AGh e 216.5 28489. em membros inferiores (SIMÃO.9% de elevação para o AGh e o AGv. du- rante ECR e aeróbio de intensidade moderada. o percentual da diferença. Em relação ao repouso. 2003). ECR é a forma de medida. enquanto no AGv. a maiores riscos (ARAÚJO.8% e 9. o valor médio da FC foi de 144 bpm e no AGv de 153 bpm. 1985.8 ± 10. Segundo FLECK (1988). são mais seguros. PAS. carga. FARINATTI.9 25010. Deste modo. No é proporcional ao consumo de oxigênio do miocárdio. PAD e DP. ASSIS (2000) observaram a FC. enquanto o DP foi de 13. Embora o padrão-ouro seja o método invasivo. enquanto no exercício aeróbio a intensidade revelou-se tática ou dinâmica).2 143. enquanto a PAD pouco alterou. não muito utilizado no âmbito da prescrição de exer- CECK et al. o DP em exercícios os exercícios. 1999). Alguns AGh.05) para o AGv.1 282 Fit Perf J. Assim. 282.6 ± 1561..6% e. Rio de Janeiro.RESULTADOS podem subestimar principalmente o valor sistólico. esta prática é de alto Os estudos que monitorizaram FC. impuse- de longo tempo ao ECR (SIMÃO.5 82. no repouso.8% (p<0.6% (p<0. principalmente em indivíduos pertencentes mais importante que a duração da atividade. em 18 indivíduos Existe uma escassez de informação concernente às respostas e aparentemente saudáveis. tende a permanecer AGh. 2.9 Pressão arterial sistólica (mmHg) 125 ± 9 173.9% (p<0. consideramos as alterações na PA e DP como parâmetro de segurança para observar em que tipos de em termos percentuais. a variação correlação com o consumo de oxigênio do miocárdio.5 185. 2000). A conclusão de seu estudo demonstra o seguinte: que o treinamento tem sobre a resposta fisiológica e adaptações exercícios de força. a alteração da PAS e PAD foi. o valor médio da FC foi de 72 bpm. sendo o principal quais os efeitos do volume e intensidade de reserva). em situações de testes os valores médios 173 e 186 mmHg.3 ± 11. 1984). No entanto.1 ± 11. Por outro lado. No entanto.5 ± 6. 1990). a PA e FC revelam- no Quadro 1. A média da pressão arterial em exercícios com intensidades diferentes.1 ± 3934. o DP se um predomínio de estudos que buscam relacionar a segurança em exercícios de força associou-se mais às repetições do que à cardiovascular ao tipo de contração envolvida no exercício (es.7 ± 11. a PAD da PAS apresenta a mesma tendência que o método invasivo. uma diminuição no consumo de oxi- gênio do miocárdio no repouso parece ser decorrente de uma A maior dificuldade de estudar o comportamento da PA durante o adaptação ao treinamento de força. procedimentos não caram uma significativa elevação dessas variáveis em relação invasivos. 20 minutos a 75-80% da freqüência cardíaca fatores. Estes dados podem ser verificados risco associado a uma atividade. No repouso. definem um terceiro ocasionar valores subestimados para a PAS durante o ECR (WIE. mostrando monstra que o DP tende a aumentar durante as atividades físicas. 2003). nem sempre podem Levando-se em consideração que o método auscultatório poderá garantir segurança. medido pelo método auscultatório.001. respectivamente. dor e oclusão principalmente quando envolviam repetições máximas.5 ± 9. consideradas isoladamente. FLECK. parâmetros são utilizados para o controle da intensidade e do o valor médio foi de 28.6 84. 6RM e 20RM (cadeira extensora) e um aeróbio submáximo essas respostas cardiovasculares são mais complicadas por vários (cicloergômetro. a seguir: se úteis. mas. Em conjunto. Na luto da PA. respectivamente mas seu comportamento é dependente da natureza da solicitação (Figura 1).6 ± 8. independentemente da intensidade. 2003). o DP também não corresponderá ao valor cícios (DP) (FARINATTI. podendo ocasionar hemorragia. 2003).5% (p<0. aquele registrado dentro da artéria. PAS e DP durante o ECR.05) durante o (SIMÃO. DEAN. a variação percentual diastólica (PAD) em repouso foi de 76 mmHg. de com pesos costumam ser baixos em até 75% da carga máxima 7.8 ± 12. independente da forma de medida. Dentre eles. seria interessante utilizá-lo exercício.2% e 1.. portanto. A literatura de- (p<0. 1987. Realizaram-se testes de força com adaptações cardiovasculares ao ECR. ram menor solicitação cardíaca que a atividade aeróbia. atividades o sistema cardiovascular é exposto a maior trabalho tou uma alteração de 38. O DP apresenta uma forte real. Já o DP elevou-se em 177.. porém. como o método auscultatório. a grupos de risco ou atletas (FARINATTI. ASSIS. respectivamente.6 152. através de catéter intra-arterial.010.489. No AGh. ASSIS. 2000). Em 10 RM do quando comparadas intensidades diferentes. apresentou um valor médio de 82 mmHg e no AGv de 84mmHg. Desse modo. mas ao repouso (MacDOUGALL et al. a PAS apresen.05) para o AGh e de 48.9%. Na literatura. embora a PAS possa ser subestimada. Deste modo. identifica. espasmo.05) (Figura 3). a PAS apresentou.

S-151.5-16. 1995. 1993) e em experimentos que Human Kinetics. 2000. tanto em idosos (BERMON et al. em exercícios de força (FLECK.W. GOTSHALL. v. R. p. DP. quando contraída. et al. of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness. 2000. 1990. Cardiovascular adaptations to resistance training. resistidos. A DP. Fit Perf J. 1999. compararam os dois tipos de treinamento (BENN et al. Position stand on progression models in al. Essa premissa pôde ser AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. p. FARDY.G. 1985. 20. 63. dados. McCARTEY et al. baixa FC e PA a uma dada atividade. ou se os grupamentos musculares envolvidos fossem menores. os exercícios realizados em decúbito poderiam ser primordiais devido a aptidão do indivíduo. BENN. Circulatory responses to weight lifting. A realização prática dos exercícios be misleading. 1987. EARLE. A PA reduzida no repouso e durante o exercício submáximo seria Maryland: Williams & Wilkins.. 53.. flexão do joelho realizado sentado e deitado.C. Manual de Teste de Esforço. 1999) quanto em jovens (SAI et al. a quantidade dos grupos musculares. B. resistance training for healthy adults. v. BAECHLE. a solicitação cardio.. REFERÊNCIAS 2000. Indirect measurement of blood pressure during exercise testing can de comportamento da FC.F. é preferível a Concluindo. P. M. ASSIS. Além disso. é necessário No entanto.364- 2000. tais dificultado em relação ao agachamento realizado em decúbito como o grau de angulação corporal e até mesmo o tamanho e dorsal. Champaign: DEAN. Simpósio Internacional de Ciências do Esporte. 2002). et al.5.. o que nos leva a inferir que 2000).. 380.121-125. et al. segurança.32. FARINATTI. também devido a posição corporal.. ASSIS. a massa muscular necessária para estabili. 1998. Evidências têm mostrado que o ECR pode ser aplicado com Por exemplo. vascular proveniente do ECR é geralmente menor que aquela AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE.S. dos agachamentos fosse realizado em um aparelho inclinado. Baseados nesses as variáveis. T. v. Cardiovascular tolerance of healthy elderly subjects to weight-lifting O DP reduzido observado é provavelmente o efeito combinado de exercises. Medicine Science Sports Exercise. o AGh apresentou uma média de DP de 25. S. o nosso estudo confirma o fato de que caso o indivíduo não possa ter uma elevação demasiada do DP.6. B. BENN et al.S. Porém. favorecerá verificados no presente estudo poderiam não ter ocorrido se um ao aumento da PAS. considerada uma adaptação positiva. p.. Resistance-training experience and pressor response during adaptação é que provavelmente reduziria a probabilidade de um resistance exercise. Rio de Janeiro. YANOWITZ.B. Journal American Medical Association. RASMUSSEN et al. n. p.A. DEAN. Revista Brasileira de Atividade duos que têm doença cardiovascular isquêmica.975-91. FLECK. p. 25. 1984. et al. and guaram a resposta do DP em trabalhos aeróbios (GOULD et al. D.44. 1988. C. v.. 2000. não foi observada a influência da posição no momento da prescrição de exercícios de força. n.155. Adults Fitness. set/out 2003 283 . Comparações das respostas hemodinâmicas na mesa flexora e que o AGh possui uma média de FC mais baixa do que o AGv. Journal Exercise Physiology. P.C. como uma conseqüência do treinamento.2. Anthropometric Standardization Reference Manual. demonstrando que exercícios em decúbito seriam condução de outros estudos faz-se necessária para confrontar um fator de segurança para indivíduos portadores de alguma esses dados. 2. BERMON. Journal Applied Physiology. C.2. Normalmente. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. YANOWITZ.R. uma menor elevação da FC. GOSTHALL et al. Medicine Science Sports Exercise. The recommended quantity and quality constatada ao observar as tabelas de alguns estudos que averi. p. carga de trabalho mais alta seria exigida para atingir o mesmo FIATARONE. p. evento cardíaco de isquemia durante a atividade física. 1985). geralmente desempenhados intermitentemente. não se pode afirmar que sempre haverá diferença significativa explicação que poderia responder a este acontecimento é o fato entre os exercícios de membros inferiores sob posições corpo- de o AGv possuir um retorno venoso dos membros inferiores mais rais diferentes.489. F. os resultados zação e controle do movimento.3029-3034. 1988. 1985. et al. flexibility in healthy adults. ASSIS. 5. and stair clibing in older FARINATTI. 2000). R. n.T.S. 1996. como existe uma carência de estudos a respeito do evidenciar o motivo que propicia o surgimento desta variação.. 1995).BENN et al. ASSIS. 2001). n.. No entanto. S. alguns estudos têm verificado que o ECR é relativamente seguro quanto à resposta do DP. 2002.. objetivando corporal como uma possível variável interveniente. Essentials of Strength Training and Conditioning. 2000.1845-8. 1996. a AGv 28. Os resultados para o DP seguem um padrão muito semelhante GOULD. High intensity strength training in nonagenarians. como previamente discutido.. repetições e exercícios. FARINATTI.L.J. Portanto. et al.30. Medicine Science Sports Exercise.116-120.. uma vez que vários fatores estão envolvidos. observada durante o trabalho aeróbio. 1999. Interessante observarmos GUIMARÃES.34. Medicine Science Sports Exercise. p. p. mas os resultados costuma-se aceitar um DP de 30. uma Física e Saúde.1-6.2.. McCARTNEY et al. pode-se observar que o exercício de agachamento realização de exercícios em decúbito dorsal. Cardiac Reabilitation. 1996. uma vez que existe diferença significativa entre os valores do DP nas execuções dos exercícios. De fato.G.V. 1993. males. 2. Journal of the American Geriatric Society. et al. 2002. Em nosso estudo. mulo aplicado à musculatura atuante.. FARINATTI.010 e o em comparação ao agachamento realizado em pé. n.J. possui GORDON.. 263. p. ARAÚJO. De fato. Londrina. 2000.. O resultado dessa FLECK. v. LEITE. S. Estudo da freqüência cardíaca. pressão arterial e duplo- produto em exercícios contra-resistência e aeróbio contínuo. 2000). cadeira flexora. particularmente em indiví. ACSM’s Guidelines for Exercise Testing and Prescription. mesmo em casos de indivíduos portadores de acome- compararam as respostas hemodinâmicas nos movimentos de timentos cardiovasculares (POLLOCK et al. L. Noninvasive characterization of the blood pressure response to the de repouso entre as séries dos exercícios e pelo tempo de estí- double-leg press exercise. verificando o comportamento do DP sob outras enfermidade cardiovascular. em estudo recente (GUIMARÃES et al. FARINATTI. 1987. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins. já que em nossos realizado em decúbito dorsal oferece uma relativa segurança dados. 283. British Heart Journal. Desta forma. walking.611-615. Champaign: os valores médios da FC influenciados pela duração dos períodos Human Kinetics. 1996.11. and Exercise Testing. MAZZEO et AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE.000 ou mais como o ponto de não indicaram qualquer influência significativa da posição sobre corte para angina (FARDY. S.

Medicine Science Sports Exercise.S. 2001. et al. FARINATTI. disease. Circulation.H.D.1.25-33.31. R. G. v. Journal Applied Physiology. v. of older males to weight lifting. T. p. et al. p.T. n. Contributions of epidemiology to exercise science and cardiovascular MARTEL.1. FARINATTI.1520-1527. Journal American Geriatric Society. Exercise training guidelines for the elderly. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. J. 101. 1997. 1988. 1999. v. 1985. p. n. 2003. R. Rio de Janeiro. MAZZEO. Medicine Science Sports SAI. SIMÃO. Considerações sobre a medida da pressão arterial em exer- Exercise.38-51.1.V. C. R.S.3. 2000. 5. N. 1999.81. 1999.. p. Arterial blood pressure response to heavy resistance exercise.12-17.185-95. 2.8. p. v.V.74. Canadian home fitness test and exercise screening alternatives. POLLOCK. PAFFENBARGER. product. 1993. v. cícios contra-resistência.20. PAR-Q. et al.1. et al. Weight training induced attenuation of the circulatory response SHEPARD. n. M.31.3.1056-1060. n.5. 2000. Exercícios contra-resistência diferentes para grupamentos MONTEIRO. v. W. set/out 2003 . p. v. Medida da força muscular: aspectos metodológicos e aplicações. Strength training normalizes resting blood pressure in 65 to 73 year-old health. v. p. et al.58. n.J.32. Medicine Science Sports POLITO.T. R.31-37. v.LEITE. P. men and women with high normal blood pressure. Resistance exercise in individuals with and without cardiovascular 47. p. D.L.828-883. M. p. McCARTNEY.426-38. São Paulo: Journal Applied Physiology. 1998. p.D. et al. McCARTNEY. 2003. 785-790. 284. Medicine Science Sports Exercise. Acute responses to resistance training and safety. Development of normative values for resting and exercise rate pressure Exercise. Revista musculares semelhantes associam-se ao mesmo duplo-produto? In: XXIV Simpósio do Treinamento Desportivo. MacDOUGALL. n.F. Fundamentos Fisiológicos para o Treinamento de Força e Potência. 284 Fit Perf J..9. p. P. 24. N. Sports Medicine. Editora Phorte.1215-21. Internacional de Ciências do Esporte.