You are on page 1of 13

Brasília, 8 a 12 de dezembro de 2008 Nº 532

Data (páginas internas): 17 de dezembro de 2008
Este Informativo, elaborado a partir de notas tomadas nas sessões de julgamento
das Turmas e do Plenário, contém resumos não-oficiais de decisões proferidas pelo
Tribunal. A fidelidade de tais resumos ao conteúdo efetivo das decisões, embora seja
uma das metas perseguidas neste trabalho, somente poderá ser aferida após a sua
publicação no Diário da Justiça.
SUMÁRIO
Plenário
Demarcação de Terras Indígenas: Raposa/Serra do Sol - 10
Demarcação de Terras Indígenas: Raposa/Serra do Sol - 11
Demarcação de Terras Indígenas: Raposa/Serra do Sol - 12
Repercussão Geral
Art. 149, § 2º, I da CF e CPMF
Art. 118, § 3º, do Regimento Interno do STM e Lavratura de Acórdão
Criação de Cargos Públicos e Decretos Distritais
1ª Turma
Decisão Monocrática e Princípio da Colegialidade
Exame de DNA e Direito de Locomoção
Art. 299, Parágrafo Único, do CP e Notificação Prévia - 1
Art. 299, Parágrafo Único, do CP e Notificação Prévia - 2
2ª Turma
Atos Decisórios: Ratificação e Órgão Incompetente - 1
Atos Decisórios: Ratificação e Órgão Incompetente - 2
Clipping do DJ
Transcrições
ADPF. Subsidiariedade. Normas estaduais de conteúdo remissivo (ADPF 100 MC/TO)
Inovações Legislativas

PLENÁRIO
Demarcação de Terras Indígenas: Raposa/Serra do Sol - 10
O Tribunal retomou julgamento de ação popular ajuizada por Senador da República contra a União,
em que impugna o modelo contínuo de demarcação da Terra Indígena Raposa/Serra do Sol, situada no
Estado de Roraima, e pleiteia a declaração de nulidade da Portaria 534/2005, do Ministro de Estado da
Justiça, e do Decreto homologatório de 15.4.2005, do Presidente da República. Sustenta o autor, em
síntese, que a Portaria em questão possuiria os mesmos vícios da Portaria 820/98, que a antecedeu, em
razão da não observância das normas dos Decretos 22/91 e 1.775/96, haja vista que não teriam sido
ouvidas todas as pessoas e entidades afetadas pela controvérsia, e o laudo antropológico sobre a área em
discussão teria sido assinado por apenas um profissional, o que seria prova de presumida parcialidade.
Alega, também, que a reserva em área contínua traria conseqüências desastrosas tanto para o Estado de
Roraima, sob os aspectos comercial, econômico e social, quanto para os interesses do País, por
comprometer a segurança e a soberania nacionais. Argumenta, por fim, que haveria desequilíbrio da
Federação, já que a área demarcada, ao passar para o domínio da União, suprimiria parte significativa do
território roraimense, ofendendo, ademais, o princípio da razoabilidade, ao privilegiar a tutela do índio em
detrimento, por exemplo, da iniciativa privada — v. Informativo 517.
Pet 3388/RR, rel. Min. Carlos Britto, 10.12.2008. (PET-3388)

Demarcação de Terras Indígenas: Raposa/Serra do Sol - 11
O Min. Menezes Direito, em voto-vista, julgou parcialmente procedente o pedido formulado para
que sejam observadas as seguintes condições impostas pela disciplina constitucional ao usufruto dos

O Min. Eros Grau. 15) é vedada. além das construções necessárias à prestação de serviços públicos pela União. gozam de plena isenção tributária. o usufruto exclusivo das riquezas naturais e das utilidades existentes nas terras ocupadas. fica garantida e se dará independentemente de consulta às comunidades indígenas envolvidas ou à FUNAI. 7) o usufruto dos índios não impede a instalação pela União Federal de equipamentos públicos. e 231. A instalação de bases. 14) as terras indígenas não poderão ser objeto de arrendamento ou de qualquer ato ou negócio jurídico. no âmbito de suas atribuições. as terras pertencentes ao domínio dos grupos e comunidades indígenas. 10) o trânsito de visitantes e pesquisadores não-índios deve ser admitido na área afetada à unidade de conservação nos horários e condições estipulados pela administração. 10. como dispõe o art. podendo. bem como a renda indígena. 4) o usufruto dos índios não abrange a garimpagem nem a faiscação. a permanência de não-índios no restante da área da terra indígena. taxas ou contribuições sobre uns e outros. tendo em conta o pedido de vista formulado pelo Min. 16) os bens do patrimônio indígena. 5) o usufruto dos índios fica condicionado ao interesse da Política de Defesa Nacional. assim como de atividade agropecuária extrativa. tudo nos períodos. dos rios e dos lagos existentes nas terras indígenas pode ser suplantado de maneira genérica sempre que houver. Carlos Britto. 17 e 18. contar com a consultoria da FUNAI. não cabendo a cobrança de quaisquer impostos. no que foi acompanhado pelos Ministros Eros Grau. 13) a cobrança de tarifas ou quantias de qualquer natureza também não poderá incidir ou ser exigida em troca da utilização de estradas. 231. se o caso. também afetada pela terra indígena. 6) a atuação das Forças Armadas e da Polícia Federal na área indígena. temporadas e condições estipulados pela administração da unidade de conservação. ser obtida a permissão da lavra garimpeira. § 3º. § 6º. (PET-3388) . na forma de lei complementar.índios sobre suas terras: 1) o usufruto das riquezas do solo. O relator propôs. Pet 3388/RR. a expansão estratégica da malha viária. Cármen Lúcia feito ressalva quanto às condições 10. Joaquim Barbosa. Cezar Peluso. Cezar Peluso. a exploração de alternativas energéticas de cunho estratégico e o resguardo das riquezas de cunho estratégico. a qualquer pessoa estranha aos grupos tribais ou comunidades indígenas a prática da caça. contra o voto do Min. reajustou o seu voto para também adotar as observações contidas no voto do Min. da CF. para tanto. Por sua vez.2008. ainda. a pesca e o extrativismo vegetal. isto é. estradas e vias de transporte. Após. dependendo.12. 10. Joaquim Barbosa. a cassação da medida cautelar concedida na ação cautelar 2009/RR. 18) os direitos dos índios relacionados as suas terras são imprescritíveis e estas são inalienáveis e indisponíveis. Cezar Peluso e Ellen Gracie também julgaram parcialmente procedente a ação popular para que sejam observadas as condições constantes do voto-vista do Min. pediu vista dos autos o Min. nas terras indígenas. Ellen Gracie e Ricardo Lewandowski. 2) o usufruto dos índios não abrange a exploração de recursos hídricos e potenciais energéticos. redes de comunicação. quanto aos itens 8 e 9. Celso de Mello. 17) é vedada a ampliação da terra indígena já demarcada. observadas as condições estabelecidas pela FUNAI. Ricardo Lewandowski. o Min. serão implementados independentemente de consulta às comunidades indígenas envolvidas ou à FUNAI. Menezes Direito. Pet 3388/RR. rel. julgou o pleito improcedente. especialmente os de saúde e de educação.12. equipamentos públicos. em caráter apenas opinativo. Prosseguindo. Carlos Britto. bem como a caça. 8) o usufruto dos índios na área afetada por unidades de conservação fica restrito ao ingresso. unidades e postos militares e demais intervenções militares. Menezes Direito. Carlos Britto. para dela excluir a expressão “em caráter apenas opinativo” e inserir as palavras “os usos” antes da expressão “tradições e costumes dos indígenas”. que dependerá sempre da autorização do Congresso Nacional. relator. tenham sido excluídos expressamente da homologação ou não. 12) o ingresso. Menezes Direito por diversos fundamentos jurídicos. deliberou prosseguir no julgamento do processo. Min. que dependerá sempre de autorização do Congresso Nacional. trânsito e a permanência de não-índios não pode ser objeto de cobrança de quaisquer tarifas ou quantias de qualquer natureza por parte das comunidades indígenas. que ficará sob a responsabilidade do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. com a participação das comunidades indígenas da área. levando em conta as tradições e os costumes dos indígenas. linhas de transmissão de energia ou de quaisquer outros equipamentos e instalações colocadas a serviço do público. os Ministros Cármen Lúcia. rel. tendo a Min. acompanhou o Min. a critério dos órgãos competentes — o Ministério da Defesa e o Conselho de Defesa Nacional —. XVI. com ressalva em relação à condição 9. o interesse público da União. da Constituição da República.12 Em seguida. o Tribunal. o trânsito. pesca ou coleta de frutos. que restrinja o pleno exercício da posse direta pela comunidade jurídica ou pelos silvícolas.2008. 9) o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade responderá pela administração da área de unidade de conservação. Marco Aurélio. observado o disposto nos artigos 49. 3) o usufruto dos índios não abrange a pesquisa e a lavra de recursos naturais. Min. 11) deve ser admitido o ingresso. (PET-3388) Demarcação de Terras Indígenas: Raposa/Serra do Sol . Marco Aurélio. O Min. trânsito e permanência.

11.92). 149. que o Pacto de San José da Costa Rica ingressou no ordenamento legal pátrio como regra de caráter supralegal ou. que dava provimento ao recurso e também declarava a inconstitucionalidade da norma questionada. IX. 118. feito qualquer menção às receitas decorrentes de exportação.STM que. HC 71551/MA (DJU de 6. 118 . (RE-566259) Art. contribuindo para o bom desempenho do balanço de pagamentos do País. Asseverou que as movimentações financeiras são fatos que decorrem das receitas. Ressaltou que o inciso I do § 2º do art. RE 575144/DF.2008). por consubstanciarem hipóteses de incidência tributária diversas. MI 284/DF (DJU de 26. Vencido. configura ato atentatório à garantia constitucional da publicidade dos atos processuais. internalizada pelo Decreto 678/92. sobretudo. no ponto.. 93.8.6.2008. que. Outros precedentes citados: RE 235487/RO (DJU de 21. Ricardo Lewandowski. de seu Regimento Interno (“Art.12. previu. a garantia prevista no art.6. pois o problema não estaria na lavratura da certidão. I. do Regimento Interno do STM e Lavratura de Acórdão O Tribunal deu provimento a recurso extraordinário interposto contra decisão proferida pelo Superior Tribunal Militar . não tendo. 8º. Asseverou-se. para o desenvolvimento econômico nacional. Min. § 3º. com base no art. j. o Min. Aduziu. O Min. várias hipóteses de não-incidência da CPMF. de forma minuciosa. entretanto. até mesmo. a lavratura de acórdão da decisão colegiada em agravo regimental. não caberia falar em inconstitucionalidade da norma. RE 540995/RJ (DJE de 2. sendo prescindível afirmar que o valor da solidariedade prepondera sobre qualquer outro de cunho econômico. teleológica. mas que com elas não se confundem.92). afirmou-se que. por conseguinte. REPERCUSSÃO GERAL Art. em nenhum momento. RE 566259/RS. ainda. com base em norma regimental. rel. como norma dotada de dignidade constitucional. 118. alcança a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira . negou provimento ao recurso. deixara de lavrar acórdão relativo a agravo regimental e demais recursos que a ele se seguiram. Após. alterada pela Lei 9. cujo regulamento é dado pela Lei 9. o financiamento da Seguridade Social está fundado no princípio da solidariedade e que. § 2º. a não ser indiretamente. inserido pela EC 37/2002. parcialmente. a interpretação do texto há de ser não apenas restritiva. a teor do art. com as receitas resultantes de exportações. bem como afronta o direito consagrado no art. § 2º.CPMF. § 3º.12. registrou que o art. §3º O resultado do julgamento será certificado nos autos pela Secretaria do Tribunal Pleno”). mas na falta de lavratura do acórdão. mas. que tem como destinação o custeio da Seguridade Social. haja vista estar ele diretamente referenciado ao princípio da dignidade humana. relator.539/97. 149 da CF teve como objetivo incentivar as exportações brasileiras. 149. em se tratando de imunidade tributária. da CF. Por fim. salvo no que for necessário para preservar os interesses da justiça”. Salientou.2002). que integra o devido processo legal e dá efetividade aos princípios constitucionais da ampla defesa e do contraditório. Por fim.2008). da CF.311/96. devendo o exegeta atentar para os fins que o legislador buscou lograr com a benesse fiscal. quando se trata de reconhecer a imunidade relativamente a contribuições sociais. da Convenção Americana de Direitos Humanos. ademais. dentre as quais não se inclui a CPMF. Considerou-se não observada.2006). que. registrando o julgamento dos mesmos por meio de certidões. Entendeu-se que a falta de formalização do acórdão. mas tão-somente quanto às contribuições expressamente referidas no caput do art. único documento hábil a tornar pública a vontade da Corte. (RE-575144) Criação de Cargos Públicos e Decretos Distritais . que estabelece que “o processo penal deve ser público. Ricardo Lewandowski. Ricardo Lewandowski. 5. quando expressamente autorizada pelo texto constitucional. Aduziu-se que o princípio da publicidade é garantia essencial de todo o cidadão. 85 do ADCT. pediu vista dos autos a Min. segundo recente entendimento expressado por magistrados do Supremo (HC 87585/TO e RE 466343/SP. RMS 23036/RJ (DJU de 25. em 4. também. e. é necessário sempre sopesar valores. 11. RE provido para determinar seja lavrado o respectivo acórdão da decisão em comento.5. inicialmente. somente pode ser concretizada por meio de lei formal. que qualquer restrição aos direitos e garantias fundamentais. Ellen Gracie. segundo o qual todas as decisões judiciais devem ser fundamentadas. em razão de o dispositivo regimental questionado não vedar. nada tendo a ver. I da CF e CPMF O Tribunal iniciou julgamento de recurso extraordinário em que se discute se a imunidade prevista no art. inserido pela EC 12/96.12. na redação dada pela EC 33/2001. rel. mediante a desoneração das receitas oriundas dessas atividades. 74 do ADCT. Marco Aurélio..2008.12. 149 da CF. Esclareceu-se. Esclareceu que a hipótese de incidência da CPMF é a movimentação ou transmissão de valores e de créditos e direitos de natureza financeira. Min. silêncio eloqüente que tem de ser levado em consideração para a correta exegese do preceito analisado.

§ 2º. cabível a propositura da citada ação direta. em seqüência. que atribui competência aos Tribunais de Justiça dos Estados para instituir a representação de inconstitucionalidade em face das constituições estaduais. da CF. Parágrafo Único.12. ante a autonomia política. para responder por escrito. não obstante seja possível ao relator. Entendeu-se que. aduziu-se que a ora recorrente não se opusera à realização do exame de DNA. que suspendera essa audiência até o julgamento do mérito do presente writ. Inicialmente. HC 96073/MT.12. (HC-96073) Exame de DNA e Direito de Locomoção A Turma deu provimento a recurso ordinário em habeas corpus para que a recorrente não seja obrigada a se deslocar a outra unidade da federação. A defesa alegava violação ao art. vir e ficar (não se locomover). A impetração requeria. improcedente ou que contrariar.2008. rel. 125. dentro do prazo de quinze dias. administrativa e financeira que a Constituição Federal confere a esse ente federado. por reputá-la mais adequada. nos termos da Lei Orgânica do Distrito Federal - LODF. 514 do CPP (“Nos crimes afiançáveis. ainda não realizado. Cármen Lúcia. concedeu-se a ordem de ofício para haver o julgamento do mérito pelo colegiado do STJ. que não admite a criação de cargos públicos por decreto. em virtude da concessão de liminar pelo Ministro-Presidente do STF. rel. na ação penal instruída por inquérito policial. 9. com o propósito de realizar exame de DNA. (RHC-95183) Art. RHC 95183/BA. bem como a aplicação do mencionado art. Ressaltando tratar-se de situação fronteiriça. entendeu-se que o acórdão impugnado estaria em consonância com a Constituição Federal.1 Para evitar indevida supressão de instância. não caberia ao relator naquela Corte apreciar o mérito do tema posto para negar seguimento ao writ. a LODF apresenta a natureza de verdadeira constituição local. Cármen Lúcia. art. considerou-se que o caso seria de impetração de habeas corpus. haja vista que. o juiz mandará autuá-la e ordenará a notificação do acusado. 514 do CPP apenas às hipóteses de delito funcional próprio.975/2005. a Turma. No caso. em decisão monocrática. 11. (RE-577025) PRIMEIRA TURMA Decisão Monocrática e Princípio da Colegialidade A Turma indeferiu habeas corpus impetrado contra decisão de Ministro do STJ que denegara pedido de liminar formulado em idêntica medida. Min. embora o constituinte não tenha incluído o DF no art. fora expedida ordem judicial a fim de determinar que a recorrente se submetesse à coleta de material para o citado exame na comarca em que domiciliado o autor daquela ação. Na espécie. Contudo. negar seguimento a habeas corpus manifestamente incabível. nos autos de ação de investigação de paternidade promovida em face da recorrente e de seus irmãos. RE 577025/DF. No mérito. às suas próprias expensas. e comete o crime prevalecendo-se do cargo.2008. Min. 299. regularmente aprovada pela Câmara Legislativa. a substituição da medida de internação pela de liberdade assistida.”).2008. Reputou-se. estando a denúncia ou queixa em devida forma. acrescentando a incidência do Enunciado 330 da Súmula daquela Corte (“É desnecessária a resposta preliminar de que trata o artigo 514 do Código de Processo Penal. do CP. não conheceu de habeas corpus em que se pleiteava a anulação de decisão que recebera denúncia na qual se imputa ao paciente a prática do crime de falsidade ideológica qualificada pela sua condição de funcionário público (CP. por maioria.157.038/90. porquanto se objetivava garantir a liberdade de ir. ou se a falsificação ou alteração é de assentamento de registro civil. designado o interrogatório. somente por meio de lei ordinária. I e II. tratava-se de habeas corpus impetrado contra decisão da Presidência do STJ que indeferira liminar em igual medida ao fundamento de que esse pedido confundir- se-ia com o mérito da impetração. aumenta-se a pena de sexta parte. § 2º. Ricardo Lewandowski. uma vez que a inicial acusatória fora acolhida sem que o paciente tivesse sido previamente ouvido e. 9. inicialmente. Súmula do respectivo tribunal (Lei 8. poderia o Chefe do Poder Executivo tratar de matéria referente à criação de cargos públicos e reestruturação de entidade autárquica.118/2005 e 25. rel. pela prática de ato infracional equiparado ao delito previsto no art.”). no qual argüida ilegalidade da manutenção de adolescente em medida sócio-educativa de internação. ao fundamento de que. Min. por prazo indeterminado. no caso. mas se insurgira quanto ao fato de ter que viajar para outro Estado-membro a fim de efetivar providência que poderia ser feita na comarca onde mora. por se vislumbrar ofensa ao princípio da colegialidade. O Tribunal negou provimento a recurso extraordinário interposto pelo Governador do Distrito Federal contra acórdão proferido pelo Conselho Especial do Tribunal de Justiça local. que julgara procedente pedido formulado em ação direta de inconstitucionalidade contra os Decretos distritais 26.12. art. 38). do CP e Notificação Prévia .”). . 299. na espécie. parágrafo único: “Se o agente é funcionário público. nas questões predominantemente de direito.

Destarte. Joaquim Barbosa. 1º. o qual se pronunciara pelo recebimento da denúncia.2008 —— 2ª Turma 9. mas apenas ordenara que o feito fosse livremente distribuído.2 No entanto. por prevenção. Parágrafo Único. rel. Aduzia.12. mencionou-se que.12. por fim. prevalecendo-se do cargo. Marco Aurélio que o deferia em maior extensão para ensejar. novamente. em conformidade com tal acórdão. sendo ratificados. a ratificação da peça acusatória pelo Órgão Especial daquela Corte. rel. no acórdão impugnado. submetida ao mesmo colegiado. matéria a ser ainda examinada pelo Tribunal a quo. no julgamento do primeiro habeas. o direito de defesa nos moldes do art.12. rel. ainda. do CP e Notificação Prévia . e considerou também as razões da liminar concedida pelo Ministro-Presidente desta Corte. Vencidos os Ministros Menezes Direito e Cármen Lúcia que se limitavam ao não conhecimento do writ. Nesse diapasão. na origem. o Min. cabendo ao relator decidir a respeito da ratificação ou não dos atos decisórios já realizados anteriormente. tão-somente. O relator levou em conta que o parágrafo único do art. 514 do CPP. o que dera azo ao presente habeas corpus. 9. 9. expressa menção de caber ao relator decidir a respeito da ratificação ou não dos atos decisórios já procedidos. Min. art. 299 do CP institui causa de aumento de pena quando o crime é praticado por funcionário público. Ricardo Lewandowski.3.2007). aduziu-se que o Órgão Especial do TRF da 3ª Região recebera a inicial acusatória. HC 94372/SP. 299. requerendo. a denúncia seria. A defesa sustentava que o ato de recebimento da peça acusatória em ação penal de competência originária de Tribunal não poderia ser ratificado em face de sua natureza de decisão interlocutória mista. em parte.2008. enfatizou-se que o STJ. Joaquim Barbosa.2008.1 A Turma indeferiu habeas corpus em que se pleiteava a anulação da decisão de Juíza Federal do TRF da 3ª Região que convalidara monocraticamente o recebimento da denúncia oferecida em desfavor da paciente e de terceiro pela suposta prática do delito de lavagem de dinheiro (Lei 9. Concluiu-se. não determinara a anulação dos atos decisórios praticados antes da livre distribuição da ação penal. 9.2008 —— 177 CLIPPING DO DJ . (HC-94372) Sessões Ordinárias Extraordinárias Julgamentos Pleno —— 6 1ª Turma 9.12.12. fazendo. a prevalecer a tese da impetração. Ricardo Lewandowski. que. rel. que. se eventualmente viável tal convalidação. nos termos do voto médio proferido pelo Min. Contra essa decisão. que o indeferira ao fundamento de que o TRF apenas cumprira ordem antes prolatada. relator. (HC-95542) SEGUNDA TURMA Atos Decisórios: Ratificação e Órgão Incompetente . (HC-94372) Atos Decisórios: Ratificação e Órgão Incompetente . Ademais. Min. por entender que a autoridade reputada coatora decidira de acordo com o Verbete lá existente. No caso.12. inclusive.8. a fim de que seja suspenso o interrogatório do paciente nos autos da ação penal até a apreciação definitiva do habeas corpus impetrado no STJ.2008. vem admitindo a ratificação dos atos decisórios praticados por órgão jurisdicional absolutamente incompetente. todos os atos decisórios praticados.2 Assentou-se que o STF. (HC-95542) Art. hodiernamente. essa deveria ocorrer de modo colegiado.613/98. sendo que somente a ratificação dessa peça se dera monocraticamente. o qual determinara que a distribuição ocorresse de forma livre. efetuara-se a livre distribuição da ação penal. Vencido. anterior decisão sua. HC 95542/SP. No que tange ao argumento de que o colegiado deveria convalidar o ato de recebimento da denúncia.2008. 9. desde logo. Ricardo Lewandowski. HC 94372/SP. impetrara-se habeas corpus no STJ. Min. Precedentes citados: RE 464894 AgR/PI (DJE de 15. V e VII. HC 95542/SP. concedeu-se a ordem de ofício. fora impetrado novo writ no STJ. o mesmo STJ consignara haver o TRF da 3ª Região cumprido. pela nova relatora. subsidiariamente.2008) e HC 88262/SP (DJU de 30. após o feito ter sido distribuído. e § 4º). Min.

será dele o ônus de produzir tal prova. VIII. grosso modo. Permanecem incólumes a jurisprudência desta Corte e o preceito disposto no artigo 115 do RISTF. o instituto acolhido por outros países do juizado de instrução. VI.As hipóteses de impedimento elencadas no art. APRESENTAÇÃO TARDIA DE DOCUMENTO COMPROBATÓRIO DA TEMPESTIVIDADE. A qualificadora do art. 157. REGIME ESPECIAL DE DIREITO ADMINISTRATIVO. 2. 156 do Código de Processo Penal. VIII. 1. Se o acusado alegar o contrário ou sustentar a ausência de potencial lesivo da arma empregada para intimidar a vítima. as competências da polícia judiciária.875-DF RELATOR: MIN.056-PA RELATOR: MIN.Ordem denegada. IV .201-AM REL. Competência da Justiça do Trabalho. ampliou.Não se adotou. VII. Precedentes. mediante ação direta. II . Recurso extraordinário conhecido e desprovido. que adotou a regra da prevenção da ação penal do magistrado que tiver autorizado diligências antes da denúncia ou da queixa não viola nenhum dispositivo constitucional. JUSTIÇA ESTADUAL E O TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO. V. INCOMPATIBILIDADE DO ART. ART. NA ADI N. Alcance do art. JUIZADO DE INSTRUÇÃO. 92. mesmo que não tenha o poder de disparar projéteis. 103 . 252 do Código de Processo Penal constituem um numerus clausus. NO RE N. Ordem indeferida. 569. pois. RECLAMAÇÃO TRABALHISTA. I . incontestáveis. da Constituição Federal alcança apenas a execução das contribuições previdenciárias relativas ao objeto da condenação constante das sentenças que proferir.A Constituição da República. ORDEM DENEGADA. sendo impossível fazê-lo quando os autos já se encontrarem neste Tribunal. CIRCUNSTÂNCIA QUE PODE SER EVIDENCIADA POR OUTROS MEIOS DE PROVA. Hipótese que não guarda correspondência com o roubo praticado com arma de brinquedo. VI . REG.881-MG RELATOR: MIN. ao disciplinar o tema concernente a quem pode ativar. APREENSÃO E PERÍCIA PARA A COMPROVAÇÃO DE SEU POTENCIAL OFENSIVO. VIII. do Código Penal. IMPOSSIBILIDADE DE APRESENTAÇÃO POSTERIORMENTE À INTERPOSIÇÃO DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. da Constituição Federal. Repercussão geral reconhecida.LEGITIMIDADE ATIVA “AD CAUSAM” . Incumbe ao recorrente.893-ES RELATOR: MIN. no momento da interposição do recurso. ART. o rol . III . * noticiado no Informativo 522 RE N. I. 75 do CPP.reduzida à impossibilidade de resistência pelo agente - ou pelo depoimento de testemunha presencial.CF/88. * noticiado no Informativo 526 HC N.REPRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL DE MERA FRAÇÃO DE DETERMINADA CATEGORIA FUNCIONAL . INOCORRÊNCIA. PRESIDÊNCIA DE INQUÉRITO. V . Agravo regimental a que se nega provimento. interpretar-se extensivamente os seus incisos I e II de modo a entender que o juiz que atua em fase pré- processual desempenha funções equivalentes ao de um delegado de polícia ou membro do Ministério Público. RICARDO LEWANDOWSKI EMENTA: ROUBO QUALIFICADO PELO EMPREGO DE ARMA DE FOGO. visto que tal qualidade integra a própria natureza do artefato. nos termos do art. Precedentes. em especial pela palavra da vítima . 114. 75 DO CPP COM A CONSTITUIÇÃO. II. RECURSO DE “AGRAVO REGIMENTAL” A QUE SE NEGA PROVIMENTO.sempre taxativo . pode ser empregada como instrumento contundente. que demonstrem sua tempestividade. II .AÇÃO DIRETA NÃO CONHECIDA. MENEZES DIREITO EMENTA: Recurso extraordinário. um supervisor. A arma de fogo. aquelas que são constituídas por mera fração de determinada categoria funcional. apto a produzir lesões graves.ROL TAXATIVO .353-SP RELATOR: MIN. não exteriorizando qualquer juízo de valor sobre fatos ou questões de direito que o impeça de atuar com imparcialidade no curso da ação penal. P/ O ACÓRDÃO: MIN. ORDEM DENEGADA. RICARDO LEWANDOWSKI EMENTA: PROCESSUAL PENAL. no qual o magistrado exerce.DESCARACTERIZAÇÃO DA AUTORA COMO ENTIDADE DE CLASSE . Lesividade do instrumento que se encontra in re ipsa. * noticiado no Informativo 519 HC N. . 7. § 2º. Não se mostra necessária a apreensão e perícia da arma de fogo empregada no roubo para comprovar o seu potencial lesivo. 1. apenas atua como um administrador. INOCORRÊNCIA. RICARDO LEWANDOWSKI EMENTA: CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. AG. 536. INEXISTÊNCIA.ENTIDADE DE CLASSE . . pode ser evidenciada por qualquer meio de prova.Não é possível. A competência da Justiça do Trabalho prevista no art. ROL TAXATIVO.O art. HABEAS CORPUS. . 12 de dezembro de 2008 AG. I . EROS GRAU EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO.dos que dispõem da titularidade de agir em sede de controle normativo abstrato. Precedente do STF. a jurisdição constitucional concentrada do Supremo Tribunal Federal. PRECEDENTES. IV. CELSO DE MELLO E M E N T A: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE . I. 2. DESNECESSIDADE. significativamente.O juiz.Não se qualificam como entidades de classe. 93. 114. IMPEDIMENTO DO MAGISTRADO. III. Precedentes. 255 do CPP. REG. o ônus da apresentação de elementos suficientes. ao presidir o inquérito. SERVIDOR PÚBLICO. para fins de ajuizamento de ação direta de inconstitucionalidade.Compete à Justiça Estadual processar e julgar causas instauradas entre o Poder Público e seus servidores submetidos a regime especial disciplinado por lei local editada antes ou após a Constituição Republicana de 1988. 1. no Brasil. * noticiado no Informativo 523 CC N. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL.Conflito conhecido para declarar competente a Justiça Estadual amazonense.

Embora a defesa haja insistido na oitiva de testemunhas que residem em comarca diversa do Juízo da causa. privativamente. e a de agravantes também não pode levar a pena a ficar acima do máximo previsto no tipo penal básico ou qualificado. FURTO. Controvérsia a propósito da possibilidade.666/93. invade a competência legislativa distribuída pela Constituição Federal. P/ O ACÓRDÃO: MIN. sempre a desaguar na nulidade do processo. OCULTA COMPENSATIO. bem assim à integridade da ordem social. . Exigência indevida feita por ato do Tribunal que impõe controle prévio sem que haja solicitação para a remessa do edital antes de realizada a licitação. acarretando outros males. 3. PRISÃO EM FLAGRANTE. EROS GRAU EMENTA: HABEAS CORPUS. MENEZES DIREITO EMENTA: Habeas corpus. Irrelevância para o caso concreto. Mandado de prisão expedido há cinco anos. A Lei federal nº 8. Como assentado em precedentes desta Suprema Corte.063-RJ RELATOR: MIN. INSTRUÇÃO CRIMINAL INCONCLUSA. Recurso extraordinário provido para conceder a ordem de segurança. A evidenciar que a demora na conclusão da instrução criminal não decorre de “manobras protelatórias defensivas”. CONTROVÉRSIA A RESPEITO DA POSSIBILIDADE DE LIBERDADE PROVISÓRIA. 547. já que haverá sempre o risco. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. XXVII. 2. INÉRCIA DO PODER JUDICIÁRIO. 94. 1. de concessão de liberdade provisória ao preso em flagrante por tráfico de entorpecentes. No caso. Liberdade provisória deferida pelo Juiz da causa. Ordem concedida.916-RS RELATOR: MIN. Controle prévio das licitações. 92.092-RS RELATOR: MN. Intenção. que não contém essa exigência. para justificar a oculta compensatio. XXVII. 3. 2. a afirmação da dignidade da pessoa humana acode à paciente. a legislação sobre normas gerais de licitação e contratação.PERÍCIA . mesmo porque. HC N. da Constituição Federal dispõe ser da União. Isso ocorre quando se desprezam trechos de conversas telefônicas impugnados pela defesa em relação aos quais se pleiteara a prova pericial. 2. sendo que nem sequer foram ouvidas as testemunhas arroladas pela defesa. Penal. A gravidade da imputação não é obstáculo ao direito subjetivo à razoável duração do processo (inciso LXXVIII do art. VINGANÇA. Princípio que se presta a beneficiar as classes subalternas. Entrega não concretizada ante o medo de morrer no presídio. 3. a condenação restabelece o direito. 4. 4. sem nenhuma solicitação. CARTA PRECATÓRIA NÃO-CUMPRIDA. Ordem deferida. O art.CERCEIO DE DEFESA . atento o julgador às peculiaridades do processo em que estiver oficiando. O Supremo Tribunal Federal entende que a aferição de eventual excesso de prazo é de se dar em cada caso concreto. porque não era devido. EROS GRAU EMENTA: HABEAS CORPUS. 5º da CF). O paciente se apropriou de um violão cujo valor restou estimado em R$ 90. O direito penal não deve se ocupar de condutas que não causem lesão significativa a bens jurídicos relevantes ou prejuízos importantes ao titular do bem tutelado. IRRELEVÂNCIA. PRISÃO PREVENTIVA. conduzindo à atipicidade da conduta de quem comete delito movido por razões análogas às que adota São Tomás de Aquino.786-ES RELATOR: MIN. A SUBMISSÃO DA PACIENTE AO CÁRCERE É INCOMPATÍVEL COM O DIREITO. EXCEÇÃO CAPTURADA PELO ORDENAMENTO JURÍDICO. Circunstância atenuante. MANTER PRESA EM CONDIÇÕES INTOLERÁVEIS UMA PESSOA DOENTE NÃO RESTABELECE A ORDEM. AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO CAUTELAR. EXCESSO DE PRAZO. já exercida pela Lei federal nº 8. deixando desamparada a filha menor. Mas apenas imediatamente. AINDA QUE SE POSSA TER COMO ADEQUADO À REGRA. 22. 94. RE N. TENTATIVA. Se o decreto condenatório repousa em dados que não estariam envolvidos na prova pretendida. ou não. 93. além de pretender reparar o dano sofrido pela vítima. A aplicação do princípio da insignificância há de ser criteriosa e casuística. PENAL. 2. TRÁFICO DE ENTORPECENTES. flagrada com pequena quantidade de maconha quando visitiva o marido na penitenciária. 22. Legislação federal e estadual compatíveis. com emprego e residência fixos. da paciente. HC N. Habeas corpus denegado. MENEZES DIREITO EMENTA: Tribunal de Contas estadual. Precedentes. Paciente primária. Competência privativa da União (art. RHC N. nada justifica a falta de realização do ato por mais de cinco anos. 1. 2. promove imediatamente a ordem. de entregar-se à autoridade policial. A exigência feita por atos normativos do Tribunal sobre a remessa prévia do edital. Impossibilidade. restabelece a ordem. de bons antecedentes.666/93 autoriza o controle prévio quando houver solicitação do Tribunal de Contas para a remessa de cópia do edital de licitação já publicado. Impossibilidade de fixação da pena abaixo do mínimo legal. a presença de atenuantes não pode levar a pena a ficar abaixo do mínimo. ALÉM DE NADA REPARAR.00 [noventa reais]. de ao final verificar-se que o imediato restabelecimento da ordem transgrediu a própria ordem. CARLOS BRITTO EMENTA: HABEAS CORPUS. A transgressão à lei é punida de modo que a lei [= o direito] seja restabelecida. A prisão preventiva antecipa o restabelecimento a longo termo do direito. posteriormente cassada pelo Tribunal de Justiça local.HC N 95. * noticiado no Informativo 523 HC N. em qualquer processo.INEXISTÊNCIA. 1. na Suma Teológica. 1. A conduta do paciente não excede esse modelo. da Constituição Federal). ORDEM CONCEDIDA 1. Dizer “peculiaridade do caso concreto” é dizer exceção. Nesse sentido. AUDIÇÃO DAS TESTEMUNHAS DA DEFESA. face a sua peculiaridade. Superveniência de doença contagiosa [AIDS]. não há configuração do cerceio de defesa. MARCO AURÉLIO PROCESSO PENAL . PENAL E PROCESSUAL PENAL. a prisão preventiva do paciente foi decretada há mais de oito anos. Aplicação da pena. 4. APLICABILIDADE. SITUAÇÃO PECULIAR A CONFIGURAR EXCEÇÃO. A GRAVIDADE DA IMPUTAÇÃO NÃO OBSTA O DIREITO SUBJETIVO À RAZOÁVEL DURAÇÃO DO PROCESSO. ALONGAMENTO PARA O QUAL NÃO CONTRIBUIU A DEFESA.488-RJ RELATOR: MIN. não cumprido devido a irregularidade no cadastramento do endereço da paciente.770-RS REL. Exceção que se impõe seja capturada pelo ordenamento jurídico. 3.

de processo objetivo de fiscalização normativa abstrata de leis municipais contestadas em face da Constituição Estadual (CF.. a própria norma constitucional estadual de conteúdo remissivo. Com a técnica de remissão normativa. assim incorporando-as.ADPF não conhecida. por efeito da incidência do princípio da subsidiariedade (Lei nº 9. o CTM prevê como base de cálculo para a aferição do valor a ser recolhido. instituindo a Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pública (COSIP).. CEZAR PELUSO.223-SP RELATOR: MIN. o que torna possível erigir-se. 543-B do Código de Processo Civil aos recursos cujo tema constitucional apresente repercussão geral reconhecida pelo Plenário. através da Lei Complementar Municipal nº 116/05... o Estado-membro confere parametricidade às normas. Acórdãos Publicados: 486 TRANSCRIÇÕES Com a finalidade de proporcionar aos leitores do INFORMATIVO STF uma compreensão mais aprofundada do pensamento do Tribunal. ao plano do ordenamento constitucional do Estado-membro.. divulgamos neste espaço trechos de decisões que tenham despertado ou possam despertar de modo especial o interesse da comunidade jurídica.. culminando com a sanção do novo Código Tributário Municipal (CTM). . formalmente. o “corpus” constitucional dessa unidade política da Federação. embora constantes da Constituição Federal. inscrita na Constituição Estadual. § 2º) torna inadmissível. INCIDÊNCIA. a agremiação partidária ora argüente.A questão da parametricidade das cláusulas constitucionais estaduais.. Ordem deferida. com pedido de medida liminar. atual ou potencial.. além de nada reparar. A primeira distinção é no tocante aos imóveis edificados e ... DECISÃO: A presente argüição de descumprimento de preceito fundamental. DE IMEDIATO. Subsidiariedade. j.2007. em razão da expressa referência a elas feita. É a própria sociedade.. Min. impugna a Lei Complementar nº 116. ainda que se possa ter como adequado à regra. Rel... Min... cláusula de caráter remissivo. regulamentada por intermédio dos artigos 135 a 142 do CTM. isso é incompatível com o direito. Irrelevância.. a situação de lesividade.. para efeito de controle abstrato de constitucionalidade de leis ou atos normativos estaduais e/ou municipais.5.A possibilidade de instauração. permite-se.. passam a compor. DO PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE. que. 4º. como referência paradigmática. para os fins a que se refere o art. Rel. sendo tal projeto aprovado junto a Câmara de Vereadores. a concessão. Mas a vítima no caso dos autos não é identificada. ART. de provimento cautelar neutralizador da suposta lesividade do diploma legislativo impugnado.. uma filha. que.410-QO/RS. NA ESPÉCIE..882/99. EM REFERIDO PROCESSO DE ÍNDOLE OBJETIVA. de leis e atos normativos estaduais e/ou municipais contestados em face da Constituição Estadual.. * noticiado no Informativo 522 RE N. art. beneficiária de vingança que como que a pacifica em face. o acesso imediato à argüição de descumprimento de preceito fundamental. Doutrina. Aplicação do art. de 27/12/2005.. § 2º da Constituição da República.. editada pelo Município de Palmas/TO.423-QO/RS.. 125. de instrumento processual de caráter objetivo apto a sanar.. ADPF NÃO CONHECIDA.... Daí que a captura da exceção se impõe. Recurso interposto contra acórdão publicado antes de 3. talvez.. No tocante ao lançamento do tributo em exame.. De vingança se trata. de caráter remissivo. inclusive economicamente.. A justiça produzida pelo Estado moderno condena para restabelecer o direito que ele mesmo põe. Normas estaduais de conteúdo remissivo (Transcrições) ADPF 100 MC/TO* RELATOR: MIN. Reconhecimento pelo Plenário.. PERANTE O TRIBUNAL DE JUSTIÇA LOCAL. 03/08): “O Prefeito Municipal de Palmas encaminhou projeto de lei para a alteração do Código Tributário Municipal. .. às regras normativas constantes da própria Constituição Federal. É que.. 522. CEZAR PELUSO EMENTA: RECURSO.2008). e RE n° 540. . POSSIBILIDADE DE CONCESSÃO. Devolução dos autos ao Tribunal de origem. CELSO DE MELLO EMENTA: ARGÜIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL.. formalmente. nos seguintes fundamentos (fls. apoiando-se. no âmbito do Tribunal de Justiça local. § 2º).5. 125.. Aplica-se o disposto no art. § 1º).. . Extraordinário. mediante referida técnica de remissão. DE MEDIDA CAUTELAR APTA A SANAR. 125... Submetê-la ao cárcere. 543-B do CPC. como parâmetro de confronto. no plano local. ao Tribunal de Justiça estadual... no âmbito do Estado-membro. diretamente. em 20. nesse processo de controle abstrato de normas locais. de modo pronto e eficaz.. até mesmo “in limine”. Revela-se legítimo invocar.. art... três tratamentos diferenciados entre contribuintes. para fins de controle concentrado. remete.2007. ELLEN GRACIE. Precedentes (AI nº 715..5. PROCESSO OBJETIVO DE CONTROLE NORMATIVO ABSTRATO DE LEIS MUNICIPAIS (CF. ADPF.... da frustração que resulta de sua incapacidade de punir os grandes impostores. pois é certo que manter presa em condições intoleráveis uma pessoa doente não restabelece a ordem. PORQUE INSTAURÁVEL. para restabelecer a ordem.. a fim de que a paciente permaneça em liberdade até o trânsito em julgado de eventual sentença penal condenatória. A LESIVIDADE DO ATO NORMATIVO IMPUGNADO. Repercussão geral do tema....8. pretendendo reparar os danos sofridos pela vítima. a evidenciar a existência.. ainda que interpostos contra acórdãos publicados antes de 3. A paciente apresenta estado de saúde debilitado e dela depende. Precedentes. alegadamente provocada por leis ou atos normativos editados pelo Município.

. a utilização da argüição de descumprimento de preceito fundamental. instituído na Carta Política. o Legislativo Tocantinense não providenciou a devida adequação da Constituição Estadual em relação ao novo artigo 149-A da Carta da República. se se revela cabível.... com grave comprometimento da própria efetividade da Constituição. legitimamente. quanto maior o consumo.. ou seja. em última análise... a inaceitável frustração do sistema de proteção.ser invocado para impedir o exercício da ação constitucional de argüição de descumprimento de preceito fundamental.. 4º.” (grifei) O diploma legislativo em questão – tal como tem sido reconhecido por esta Suprema Corte (RTJ 189/395-397. se se demonstrar que... § 1º da Lei nº 9.... não há qualquer determinação legal que legitime o Estado ou Município a instituir a COSIP.. 4º.. art. somente será admitida ‘quando não existir qualquer outro meio processual... A mera possibilidade de utilização de outros meios processuais... Pleno) O exame do precedente que venho de referir (RTJ 184/373-374... 138... 4º.. pois. a situação de lesividade indicada pelo autor: “... Rel. E o terceiro tratamento diferenciado de contribuintes. de valores essenciais e de preceitos fundamentais contemplados no texto da Constituição da República.. e Anexo V. para que esse postulado possa legitimamente incidir . capazes de fazer cessar a situação de lesividade ou de potencialidade danosa resultante dos atos estatais questionados....).. v. Daí a prudência com que o Supremo Tribunal Federal deve interpretar a regra inscrita no art... reconhecendo a inconstitucionalidade do art... para justificar a invocação do princípio da subsidiariedade. houve o prévio exaurimento de outros mecanismos processuais.” (grifei) Sendo esse o contexto. .).. . No tocante à admissibilidade da argüição.. pois condicionou...g. sempre que houver qualquer outro meio juridicamente idôneo apto a sanar.. § 1º). 306)... a indevida aplicação do princípio da subsidiariedade poderia afetar a utilização dessa relevantíssima ação de índole constitucional. seja pelo fato da impossibilidade de manejamento de ADIN de Lei Municipal em confronto com dispositivo da Constituição Federal.. dos demais instrumentos de controle normativo abstrato: . numa dimensão estritamente objetiva. da Lei nº 9. a argüição de descumprimento de preceito fundamental somente poderá ser utilizada. da Lei Complementar Municipal nº 116/05. a situação de lesividade que se busca obstar com o ajuizamento desse ‘writ’ constitucional.... resultante de ato do Poder Público. desse modo.. que seja evitada e reparada lesão ao preceito fundamental da isonomia tributária.... com efetividade real. imóveis não edificados... à observância de um inafastável requisito de procedibilidade. ilegal e inconstitucional tratamento diferenciado entre contribuintes (. 2ª edição. por parte do interessado. o ajuizamento dessa especial ação de índole constitucional...O ajuizamento da ação constitucional de argüição de descumprimento de preceito fundamental rege-se pelo princípio da subsidiariedade (Lei nº 9.. que não se encontra devidamente regulamentado na Constituição Estadual do Estado do Tocantins (doc... ou seja ele carente. da Lei nº 9. Não é por outra razão que esta Suprema Corte vem entendendo que a invocação do princípio da subsidiariedade. existindo apenas o originário dispositivo do art. a significar que não será ela admitida...revela-se essencial que os instrumentos disponíveis mostrem-se capazes de neutralizar..que consagra o postulado da subsidiariedade . em conformidade com o consumo de energia elétrica..... a situação de lesividade (ou de potencialidade danosa) decorrente do ato impugnado. o estado de lesividade emergente do ato impugnado.. Zeno Veloso.....) – consagra o princípio da subsidiariedade.. de maneira eficaz... que rege a instauração do processo objetivo de argüição de descumprimento de preceito fundamental. desse modo.... e segundo o entendimento do STF... em cada caso.... § 1º.... em face do indevido tratamento tributário entre contribuintes que a mesma promove..... de preceitos fundamentais e de direitos básicos. A segunda diferenciação ocorre entre imóveis residenciais e não residenciais. Rel. Se assim não se entendesse. 4º. ainda.. após a EC 042/03.. condicionando o ajuizamento dessa especial ação de índole constitucional à ausência de qualquer outro meio processual apto a sanar.... contudo..... a realização jurisdicional de direitos básicos....... ou não... Min. § 1º. .. Min.. acarreta a impossibilidade de aferição da constitucionalidade através de ADIN junto ao Tribunal de Justiça Estadual... CELSO DE MELLO) revela que o princípio da subsidiariedade não pode .. Por fim. tendo em vista que a ADIN junto ao Tribunal Estadual não se mostra possível.. para não conflitar com o caráter objetivo de que se reveste a argüição de descumprimento de preceito fundamental....882/99. só por si.. Cumpre verificar. prontamente. que não há outro remédio processual regular.. É explícito o indevido. de modo eficaz. insuficiente ou ineficaz’ (Controle Jurisdicional de Constitucionalidade.... que assim dispõe: “Não será admitida argüição de descumprimento de preceito fundamental quando houver qualquer outro meio eficaz de sanar a lesividade. 149-A da CF/88.. de valores essenciais. Destaca.... portanto.. seja em face da argumentação central tratar-se de ofensa ao princípio constitucional tributário da isonomia. do princípio constitucional... quanto à admissibilidade da presente ação.. em anexo). na Constituição Estadual. Alega.. o que representaria. . pressuposto negativo de admissibilidade da argüição de descumprimento de preceito fundamental.. consistente na ausência de qualquer outro meio processual revestido de aptidão para fazer cessar. Editora Del Rey. ‘caput’... o acesso imediato à argüição de descumprimento de preceito fundamental ..impedindo. validamente.... maior o valor a ser cobrado pelo Município de Palmas (.......... ADPF 12/DF e ADPF 13/SP.. na presente sede processual..nem deve . não basta...... quando não estiver disposição expressa na Carta Estadual.. CELSO DE MELLO. supõe a impossibilidade de utilização. e... perante a Constituição Estadual..A norma inscrita no art.. sem qualquer ofensa ao texto da Constituição. que o Tribunal de Justiça Tocantinense já se manifestou quanto à incompetência no tocante à ADIN. para cobrança da COSIP individualiza os valores a serem cobrados....... constando apenas a mensuração de sua aplicabilidade.” (RTJ 184/373-374. Tabelas ‘1’ e ‘2’.. O autor da presente ação busca.882/99 . p. em face do que prescreve o art. eis que esse instrumento está vocacionado a viabilizar. Precedentes: ADPF 3/CE..882/99.. passo a examinar a admissibilidade da presente ação constitucional. previstos em nosso ordenamento positivo..estabeleceu.. a não-existência expressa ou transcrição literal.882/99. em ordem a permitir que a utilização dessa nova ação constitucional possa efetivamente prevenir ou reparar lesão a preceito fundamental causada por ato do Poder Público. Como se sabe. na espécie.

Rel. estadual ou municipal. Min...129-AgR/SP.grifei) “COMPETÊNCIA .342/2.RTJ 181/7 - RTJ 185/373-374. considerados. a própria Constituição da República. ainda que a Carta local haja formalmente incorporado. MOREIRA ALVES - Rcl 1. em tema de controle abstrato de constitucionalidade.).RTJ 177/1084. 7. reflete-se na jurisprudência constitucional que o Supremo Tribunal Federal firmou na matéria ora em análise. Saraiva.” (RTJ 163/836. Rel. a Constituição estadual ou.CARTA DO ESTADO.. adverte.).grifei) “COMPETÊNCIA . art. Min. Min.347.).. que representa. ADPF configura modalidade de integração entre os modelos de perfil difuso e concentrado no Supremo Tribunal Federal. ILMAR GALVÃO . Precedente da Corte (. 125 (. 125.. da Lei nº 9. exatamente por se revelar suscetível de impugnação perante o Tribunal de Justiça local. Rel. item n. OCTAVIO GALLOTTI . e p. ainda que o preceito atacado revele-se como pura repetição de dispositivos da Constituição Federal de observância obrigatória pelos Estados (.NORMA LOCAL .g. itens n. jamais. Rel. § 2º.). o único parâmetro de controle admitido pela Constituição da República. a utilização da argüição de descumprimento de preceito fundamental. MOREIRA ALVES .. sendo esta o conflito da norma atacada com a Carta do Estado. “Comentário Contextual à Constituição”.” (RE 177. da Lei nº 9. Malheiros. ALEXANDRE DE MORAES. a Lei Orgânica do Distrito Federal.” (RTJ 134/1066.701-MC/RJ.518. “(. § 1º. fundada em violação de preceitos da Constituição do Estado. Rel. Rel. Como se sabe. nesse contexto.BALIZAS . Min. ao prever o controle concentrado de constitucionalidade no âmbito dos Estados- membros. perante os Tribunais de Justiça estaduais ou do Distrito Federal e Territórios.5. porque o que se postula nessa ação é a declaração de ilegitimidade ou de não-recepção da norma pela ordem constitucional superveniente (.). inclusive anterior à Constituição (norma pré- constitucional) (. para esse específico efeito. sem possibilidade. 125. Rel.. Rel. impõe-se concluir pela competência do Tribunal de Justiça. 383. item n. para tanto.92: aplicação do precedente.RTJ 152/371-373. Min. Min. 125. Cabe acentuar. Min. parâmetros de confronto definidos na própria Constituição estadual (CF.17. a Lei Orgânica do Distrito Federal) qualificar-se-á como pauta de referência ou como paradigma de confronto. pouco importando que ocorra repetição de preceito da Carta da República de adoção obrigatória (.A Constituição de 1988.529-QO/MT. no entanto. ao seu texto. da Lei Orgânica do Distrito Federal). mediante ajuizamento da pertinente “representação de inconstitucionalidade”. NÉRI DA SILVEIRA .Rcl 2. como aquele apto a solver a controvérsia constitucional relevante de forma ampla. 2005. a causa de pedir lançada na inicial. é. assim dispõe: “Art. o que não permite.15 e 1. quando for o caso.que tem por objeto diploma legislativo municipal editado em 2005. O § 2º do artigo 125 da Constituição Federal não contempla exceção: define a competência para a ação direta de inconstitucionalidade. como aquela inscrita em seu art. em virtude da feição marcadamente objetiva dessa ação (. § 2º . somente. estaduais ou distritais.. Atlas.).. cujo art. erigiu a própria Constituição estadual à condição de parâmetro único e exclusivo de verificação da validade das leis ou atos normativos locais (art. Rel. 13. § 2º. ainda que se cuide de reprodução compulsória de normas da Constituição da República: admissibilidade afirmada na Rcl. Revogação da lei ou ato normativo não impede o exame da matéria em sede de ADPF.Rcl 526/SP.. Min. a utilização do instrumento processual da argüição de descumprimento de preceito fundamental. CELSO DE MELLO. 64/65.).. p. somente pode ter por objeto leis ou atos normativos municipais (como na espécie).882/99): inexistência de outro meio eficaz de sanar a lesão..). Min. A competência para julgar a ação direta de inconstitucionalidade em que impugnada norma local contestada em face de Carta Estadual é do Tribunal de Justiça respectivo. v. quando for o caso.grifei) A pretensão ora deduzida nesta sede processual . no tema.AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE .).” (grifei) O que se revela essencial reconhecer. neste ponto. 10. § 2º). 10.AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE . p. v. cujo conteúdo normativo – por permitir erigi-lo à condição de pauta de referência ou de parâmetro de confronto . a instauração deste processo objetivo de controle normativo concentrado. com ressalva do relator. da Constituição.6. a tornar inadmissível. por não satisfeita a exigência imposta pelo postulado da subsidiariedade. Min.g. o parâmetro de controle a ser invocado (e considerado) nas ações diretas somente pode ser a Constituição do próprio Estado-membro e não a Constituição da República (RTJ 135/12 .. Min. originariamente.. Pleno) “Controle abstrato de constitucionalidade: ação direta de inconstitucionalidade de lei municipal. Rel.ADI 1. em tema de fiscalização abstrata perante os Tribunais de Justiça locais. Rel. para efeito de fiscalização concentrada de constitucionalidade de leis ou atos normativos locais.514/1. no contexto em exame. 2005. JOSÉ AFONSO DA SILVA.. cuja orientação.” (ADPF 33/PA. Princípio da subsidiariedade (art. GILMAR MENDES .. 14.). “Curso de Direito Constitucional”. compreendido no contexto da ordem constitucional global. NELSON JOBIM): “. normas constitucionais federais de observância compulsória pelas unidades federadas (RTJ 147/404. pois. 69. 125. sempre salientando que. 9. 9ª ed. por sua vez. ‘a priori’. NO QUE REPETE PRECEITO DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. cumpre observar que a Constituição do Estado do Tocantins possui regra. é que o único instrumento normativo revestido de parametricidade. Min. porém. 2ª ed. MARCO AURÉLIO . que esse entendimento tem o beneplácito do magistério doutrinário (LUIZ ALBERTO DAVID ARAÚJO/VIDAL SERRANO NUNES JÚNIOR.. § 1º.LEI MUNICIPAL CONTESTADA EM FACE DA CARTA DO ESTADO. § 2º) . MOREIRA ALVES . tratando-se de controle normativo abstrato no plano local. “Constituição do Brasil Interpretada”. sob a perspectiva do referido princípio. item n. Rel. MOREIRA ALVES . 1. 4º.s 1. Cabimento de argüição de descumprimento de preceito fundamental para solver controvérsia sobre legitimidade de lei ou ato normativo federal.) 6.Cabe aos Estados a instituição de representação de inconstitucionalidade de leis ou atos normativos estaduais ou municipais em face da Constituição Estadual (. geral e imediata.” (RTJ 155/974.5. CELSO DE MELLO . desde que contestados em face da própria Constituição do Estado-membro (ou.grifei) Assentadas tais premissas. p. quando for o caso. MARCO AURÉLIO . 6. Min.. Rel.RTJ 158/3.. Rel. SEPÚLVEDA PERTENCE . instaurável perante os Tribunais de Justiça locais. 591. 2003.865/SP. perante o Tribunal de Justiça. de erigir-se a própria Constituição da República como parâmetro de controle nas ações diretas ajuizadas. 2. 125. que apenas a Constituição estadual (ou. 4º. quando instaurado perante os Tribunais de Justiça dos Estados-membros ou do Distrito Federal e Territórios. Essa percepção do alcance da norma inscrita no art.RTJ 183/936. Min.882/99..encontra obstáculo na regra inscrita no art. o processo objetivo de fiscalização normativa abstrata. A existência de processos ordinários e recursos extraordinários não deve excluir.

considerados os fundamentos que vêm de ser expostos. em conseqüência. de instrumento processual de caráter objetivo (CF. Tribunal de Justiça local. Cabe destacar. neste ponto. restando prejudicado. que remetem à disciplina de determinada matéria na Constituição Federal. norma constitucional estadual de conteúdo remissivo. por isso mesmo. a suposta lesividade do diploma legislativo impugnado na presente sede processual. apreciando o pedido de medida cautelar.para efeito de controle abstrato no plano local – inviabiliza a utilização da presente ação constitucional. embora dispondo de instrumento processual idôneo. que atua . de perfil eminentemente objetivo (como o é a “representação de inconstitucionalidade” a que se refere o § 2º do art. em face da existência. admitida a legitimidade da utilização. 69. previstas no art. na espécie. previstas no art. da Constituição estadual.de sofrer impugnação “in abstracto” no âmbito da Corte judiciária local. na medida em que.432/TO. § 2º). no âmbito estadual.ante as razões já expostas . ao julgar a Rcl 4. por extremamente relevante. 150 da Constituição Federal.523 tem como parâmetro de controle o art. em cuja competência se inclui o exercício do poder geral de cautela. art. art. a esse propósito. O artigo 69 da Constituição do Tocantins veicula prescrição normativa impregnada de parametricidade. deixou de utilizá-lo perante o Tribunal de Justiça local. a suposta lesividade da lei complementar em questão. § 2º da Constituição da República). 69). do concernente processo objetivo de fiscalização concentrada de constitucionalidade. que o postulado da subsidiariedade. fragmento da decisão proferida pelo eminente Ministro GILMAR MENDES. remete para as disposições constantes do art. Eis o conteúdo normativo do art. o princípio da legalidade como limite ao poder de tributar. 125. É importante assinalar que esta Suprema Corte.432/TO. das normas constitucionais estaduais de conteúdo remissivo (Constituição Estadual. o pressuposto negativo de admissibilidade a que se refere o art. com esse paradigma de confronto (Constituição do Tocantins. reafirmou a legitimidade da utilização. 69. perante o Tribunal de Justiça do Tocantins. de processo objetivo de fiscalização abstrata. teve presente. 69. 15 de dezembro de 2008. no caso. por si só. Ministro CELSO DE MELLO Relator * decisão pendente de publicação . Como se vê. É que. Constata-se. desde logo. especificamente. no plano local. podem servir de parâmetro de controle abstrato de Constitucionalidade no âmbito estadual” (Rcl 4. 4º. assim. passagem dessa decisão: “Feitas essas digressões. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte. 4º da Lei nº 9. Mostra-se evidente. para tanto. como referência paradigmática idônea. pois registra-se. dando ensejo. violaria o referido art. da argüição de descumprimento de preceito fundamental. como padrão de confronto. de maneira inteiramente eficaz. da Constituição do Estado. para efeito de instauração. 125 da Constituição da República). 125 da Constituição da República. tal como o autoriza o § 2º do art. cujo teor permite qualificá-la como paradigma de confronto para fins de instauração. no plano estadual. Arquivem-se os presentes autos..) as normas pertencentes à Constituição estadual. 4º. em juízo. como enfatizado. perante o E.882/99. constata-se a existência. GILMAR MENDES . Rel. de natureza objetiva (a “representação de inconstitucionalidade” a que alude o art. representa o que a doutrina denomina de ‘norma constitucional estadual de caráter remissivo’. não conheço da presente ação constitucional. para a disciplina dos limites ao poder de tributar. desse modo.882/99. ao reconhecer a possibilidade de controle abstrato no âmbito local. então.’ O Plenário do Tribunal de Justiça de Tocantins. capaz de inibir a lesividade receada pelo ora argüente. impede o acesso imediato da agremiação partidária ao mecanismo constitucional da argüição de descumprimento. 69). considerada. da Constituição do Estado do Tocantins. valendo reproduzir. no caso.” (grifei) O conteúdo remissivo desse preceito constitucional estadual torna legítimo considerá-lo como padrão de referência para o fim específico de se ajuizar a “representação de inconstitucionalidade” perante o Tribunal de Justiça local. a cláusula da subsidiariedade. e de modo eficaz. 69 da Constituição do Estado do Tocantins: “Art. 150 da Constituição Federal. o art.que versava controvérsia em torno de leis complementares tributárias editadas pelo Município de Palmas/TO (tal como sucede na espécie) -. suscetível – insista-se . 69 da Constituição do Estado do Tocantins. a agremiação partidária ora argüente. tendo em vista o que dispõe o art. de meio apto e eficaz a sanar a lesividade temida. aplicam-se ao Estado e aos Municípios as vedações ao poder de tributar. que assim dispõe: ‘Art. mediante utilização de instrumento de natureza objetiva. Com efeito. da técnica das normas remissivas. de meio processual apto a sanar. o já mencionado art. Incide.grifei). tendo em consideração as razões invocadas. a fazer cessar o estado de lesividade que se pretende neutralizar. 150 da Constituição Federal. GILMAR MENDES . como se pode aferir nas informações prestadas pelo Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins. que trata da taxa de coleta de lixo no Município de Palmas. da Lei nº 9. Sendo assim. Publique-se. § 1º.” (grifei) Vê-se. art. salientando. o obstáculo processual a que alude o § 1º do art.432/TO. capaz de inibir. aplicam-se ao Estado e aos Municípios as vedações ao poder de tributar. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte. apto. que “(. o estado de suposta lesividade decorrente da lei municipal ora impugnada. Min. no julgamento da Rcl 4. entendeu plausíveis as alegações do requerente de que o Decreto n° 353/2005. 69. o exame do pedido de medida liminar. na espécie. de índole eminentemente objetiva. o que faz incidir. a atestar a existência. ‘caput’. a ADI n° 1. de imediato. portanto. por inteiramente aplicável ao caso ora em exame. que o ora argüente dispõe de meio processual.. à invocação da cláusula da subsidiariedade. que o autor poderia valer-se de outros meios processuais.882/99. ‘caput’. circunstância esta que torna plenamente invocável.como causa obstativa do ajuizamento. cuja utilização permitir-lhe-ia neutralizar. que. Min. a possibilidade (incontornável) de utilização idônea de instrumento processual específico. em referida unidade da Federação. Rel. no caso em análise. perante esta Suprema Corte. é preciso deixar claro que. da Lei nº 9. 125. ‘caput’. § 1º. Brasília. 69. pois. o que lhe permitirá deferir eventual provimento suspensivo da eficácia da própria aplicabilidade da Lei Complementar nº 116/2005 do Município de Palmas/TO. na espécie.

Seção 1. no uso da competência prevista no art. RESOLUÇÃO Nº 388. de 9 de dezembro de 2008 . será das 13h às 18h. do Regimento Interno.Promulga o Acordo sobre o Benefício da Justiça Gratuita e a Assistência Jurídica Gratuita entre os Estados Partes do MERCOSUL. Alcides Diniz da Silva CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ) . 2º Devolvidos os autos com a manifestação da Comissão de Jurisprudência. 2. n. voltando a fluir em 2 de fevereiro de 2009. considerando a necessidade de disciplinar o processamento das propostas de súmulas. revisão e cancelamento de súmulas e dá providências correlatas. a Secretaria Judiciária encaminhará cópias desta manifestação e da proposta de edição. de 8 de dezembro de 2008 . 8. para o ano-calendário de 2008. Publicada no DJE de 12/12/2008. p.Súmula . quando for o caso.Férias Forenses Portaria nº 429/STF. de 2 de dezembro de 2008 .236.Determina a suspensão dos prazos processuais. Publicado no DOU de 9/12/2008.Suspensão Portaria nº 426/CNJ.Edição . de 10 de dezembro de 2008 . encaminhando a seguir os autos à Comissão de Jurisprudência. 3º A manifestação de eventuais interessados e do Procurador-Geral da República dar-se-á em sessão plenária. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF) . de 5 de dezembro de 2008 . vinculante ou não. dos dias 2 a 31 de janeiro de 2009. Publicado no DJE/CNJ de 11/12/2008. relativos aos processos originários do Estado de Santa Catarina em tramitação no Conselho Nacional de Justiça. 66 da Lei Complementar nº 35/79. p.105. o valor máximo das deduções do imposto sobre a renda devido.Acordo de Cooperação e Auxílio Jurídico Mútuo em Matéria Penal .679.Espanha .1.Revisão .Prazo Processual . DE 05 DE DEZEMBRO DE 2008 Disciplina o processamento de proposta de edição.Prazo Processual .Dedução Decreto nº 6. Art. no apoio direto a projetos desportivos e paradesportivos. quanto à adequação formal da proposta. DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. I. Seção 1. a Secretaria Judiciária a registrará e autuará. que submeterá a proposta à deliberação do Tribunal Pleno. no uso de suas atribuições. a República da Bolívia e a República do Chile Decreto nº 6. revisão ou cancelamento de súmula. p. no prazo sucessivo de 5 (cinco) dias.234. R E S O L V E: Art. até 6 de janeiro de 2009. p. Publicado no DJE de 10/12/2008. e fará os autos conclusos ao Ministro Presidente. 1º Comunicar que os prazos processuais ficarão suspensos a partir de 20 de dezembro de 2008. para ciência e manifestação de interessados no prazo de 5 (cinco) dias. e com base no disposto no inciso I e na alínea “b” do inciso IX do art. 4º A proposta de edição. dos dias 2 a 31 de janeiro de 2009. 1º Recebendo proposta de edição. para apreciação dos integrantes. 105 do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal. 65 do Regulamento da Secretaria. Art.Disciplina o processamento de proposta de edição. n. no § 1º do art. PORTARIA Nº 429. assinado em Florianópolis.Cancelamento Resolução nº 388. ACORDO INTERNACIONAL . Ministro GILMAR MENDES IMPOSTO DE RENDA (IR) . 5º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. p. Art. em 15 de dezembro de 2000.Comunica que os prazos processuais ficarão suspensos a partir de 20 de dezembro de 2008. revisão ou cancelamento de súmula tramitará sob a forma eletrônica e as informações correspondentes ficarão disponíveis aos interessados no sítio do STF. RESOLVE: Art. ACORDO INTERNACIONAL . publicando edital no sítio do Tribunal e no Diário da Justiça Eletrônico. revisão ou cancelamento de súmula aos demais Ministros e ao Procurador-Geral da República. Art.Santa Catarina . será das 13h às 18h.684. a República da Bolívia e a República do Chile. Publicado no DOU de 10/12/2008. combinado com o § 1º e o § 2º do art. Art. INOVAÇÕES LEGISLATIVAS 8 a 12 de dezembro de 2008 SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF) . n.218. 78 e art. inclusive. voltando a fluir em 2 de fevereiro de 2009.3. e que o atendimento ao público externo na Secretaria do Tribunal. 2º O atendimento ao público externo na Secretaria do Tribunal.Brasil . 363. mediante inclusão em pauta. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. a título de patrocínio ou doação. revisão e cancelamento de súmulas e dá providências correlatas.Fixa.Acordo sobre o Benefício da Justiça Gratuita e a Assistência Jurídica Gratuita entre os Estados Partes do MERCOSUL.

328-A.. e. inciso I. Publicado no DOU de 8/12/2008.... alínea a. EMENDA REGIMENTAL N° 27.. p......... de 8 de dezembro de 2008 ..677. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL faz editar a Emenda Regimental.Santa Catarina Decreto nº 6.IPI incidentes sobre produtos doados ao Estado de Santa Catarina. p. Seção 1. 361. julgando-os prejudicados nas hipóteses do art. Publicado no DOU de 9/12/2008... § 1º Nos casos anteriores..... § 3º.328- A do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal.. 328-A do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal...” Art. quando coincidente o teor dos julgamentos... Decreto nº 6... de 5 de dezembro de 2008 .Alteração Emenda Regimental nº 27/STF...Regimento Interno . 1... em 22 de maio de 2006.. do Regimento Interno.. Publicado no DJE de 24/10/2008. 328-A do Regimento Interno passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. o Tribunal de origem sobrestará os agravos de instrumento contra decisões que não tenham admitido os recursos extraordinários..10....681.. de 28 de novembro de 2008 .. Assessora responsável pelo Informativo Anna Daniela de A. n.. aprovada pelos Senhores Membros da Corte em Sessão Administrativa realizada em 27 de novembro de 2008.. 202. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF) . M. destinados às vítimas das enchentes naquele Estado.Isenção tributária . 2º Esta Emenda Regimental entra em vigor na data de sua publicação... 543-B. Seção 1..br ....Promulga o Acordo de Cooperação e Auxílio Jurídico Mútuo em Matéria Penal entre a República Federativa do Brasil e o Reino da Espanha....Altera a redação do § 1º do art. DE 28 DE NOVEMBRO DE 2008 Altera a redação do § 1º do art......gov. 1° O § 1º do art. 1.Reduz temporariamente a zero as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados .. nos termos do art. dos Santos informativo@stf. § 2º. Art.. Ministro GILMAR MENDES IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (IPI) ... celebrado em Brasília.. p.