A Unção do Santo

Título original: The Unction of the Holy One

Por J. C. Philpot (1802-1869)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Mar/2017
P571
Philpot, J. C. – 1802-1869
A Unção do Santo / J. C. Philpot
Tradução , adaptação e edição por Silvio Dutra – Rio de
Janeiro, 2017.
28p.; 14,8 x 21cm
Título original: The Unction of the Holy One

1. Teologia. 2. Vida Cristã 2. Graça 3. Fé. 4. Alves,
Silvio Dutra I. Título
CDD 230

2
"Ora, vós tendes a unção da parte do Santo, e
todos tendes conhecimento." (1 João 2:20)

A vida de João, o discípulo amado, foi
prolongada para um período muito tardio; e
vemos a sabedoria e a bondade de Deus,
prolongando assim a sua vida, para que ele
pudesse ser um baluarte permanente contra os
erros e heresias que transbordavam na Igreja
Primitiva.

Quando o Senhor da vida e da glória estava
sobre a terra, toda a malícia de Satanás estava
contra ele; mas quando, de acordo com o
propósito e conselho de Deus, Satanás colocou
no coração de Judas o trazer a Cristo nas mãos
dos judeus, e o Filho de Deus foi cravado no
madeiro maldito (porque Satanás foi
ultrapassado por sua própria invenção) e
quando Jesus subiu ao céu, todo o poder de
Satanás se voltou contra os seus discípulos.
Quando não conseguiu tocar a Cabeça, apontou
as flechas para os membros; e logo que o
Senhor derramou sobre a igreja o dom do
Espírito Santo em grande medida no dia de
Pentecostes, Satanás imediatamente introduziu
3
todo tipo de erro e heresia para perseguir a
Igreja.

Agora, pela bondosa providência de Deus, a
vida de João foi prolongada para prestar
testemunho contra esses erros e heresias; e
assim este abençoado apóstolo era um
testemunho permanente contra os erros que
vieram como um dilúvio.

No capítulo do qual o texto é tirado, João dirige-
se à Igreja de Deus, dividida em três classes
distintas. Há os fracos, a quem ele chama de
"crianças pequenas". Há aqueles que estão
estabelecidos na vida divina através de
exercícios, provações, tentações e através de
bênçãos correspondentes; estes ele chama de
"jovens". E há aqueles cujas vidas estão à beira
da eternidade, que receberam muitos
testemunhos da bondade de Deus, tornando-se
assim "pais".

Falando, então, à Igreja de Deus assim
composta, ele tinha em mente aqueles
sedutores e hereges que tinham entrado na
igreja. Ele diz: "Filhinhos, é a última hora" (isto
é, a última dispensação), e como ouviram que o
4
anticristo virá, ainda há muitos anticristos. Eles
tinham ouvido falar do "anticristo", e eles
supunham que ao falar em "anticristo" era
alguma pessoa solitária; o homem de pecado
que estava para se levantar. "Não", diz o
apóstolo, "há muitos anticristos". Todos os que
se opõem a Cristo, todos os que negam a
história de sua Pessoa, a eficácia de sua obra e
o poder de seu sangue, estes são anticristos,
porque são todos contra Cristo.

Ora, estes anticristos estavam anteriormente
entre eles, sendo membros de suas igrejas, e
andando, aparentemente, em comunhão cristã.
O apóstolo, portanto, diz: "Eles saíram de nós,
mas eles não eram dos nossos". Eles não
podiam receber o amor da verdade porque seus
corações secretamente odiavam. Eles não
podiam suportar a experiência cristã, porque
não a possuíam, nem podiam se submeter aos
preceitos do evangelho e à disciplina cristã,
porque suas afeições eram direcionadas para o
mundo. A verdade de Deus, a pura verdade, não
se adequava às suas mentes impuras e
corruptas; assim eles saíram da igreja,
separaram-se e abandonaram a comunhão e a
comunidade dos fiéis; pois "se tivessem sido
5
dos nossos", de coração e alma, unidos nos
laços do Espírito, em verdadeira união e
comunhão espirituais, teriam continuado
conosco; mas saíram, para que se manifestasse
que não eram dos nossos." Separar-se da
companhia do povo de Deus é um testemunho
de que tais pessoas não são do povo de Deus, e
manifestam que nunca estiveram de coração e
alma unidas com a família de Deus quando se
retiraram dela.

Mas o apóstolo aqui, em vez inferir, "Como é
que veio a ser de outra forma com você?" O que
lhe preservou fiel quando os outros se
mostraram infiéis? O que lhe manteve ainda
inclinado e olhando para um Emanuel
crucificado, quando outros pisotearam o seu
sangue e se voltaram para os ídolos? Foi a sua
própria sabedoria, a sua própria capacidade,
justiça e força? Não; não foi! "Mas você tem a
unção do Santo, e você sabe todas as coisas."
Isto é o que ele infere: "Você tem a unção do
Santo". É o que lhe manteve, é o que lhe
ensinou. "Filhinhos, moços e pais, vocês têm a
unção do Santo", e por essa unção "vocês
conhecem todas as coisas".
6
Com a bênção de Deus, então, esforçar-me-ei
para retomar as palavras do texto que estão
diante de mim,

I. O que é ter a unção do Santo.

II. Como, por virtude dessa unção do Santo,
conhecemos todas as coisas.

I. O que é ter a unção do Santo. Vejamos a figura
simples contida no texto. Unção significa
literalmente o ato de ungir. "E quanto a vós, a
unção que dele recebestes fica em vós, e não
tendes necessidade de que alguém vos ensine;
mas, como a sua unção vos ensina a respeito de
todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira,
como vos ensinou ela, assim nele permanecei."
(versículo 27). Tem provavelmente alguma
referência ao óleo ou unguento que naqueles
países quentes era empregado para ungir o
corpo, e mantê-lo em saúde. Mas, além disso,
há uma referência ao que lemos em Êxodo 30:
22-33, onde Deus ordenou a Moisés que fizesse
um azeite de unção sagrado pelo qual o
tabernáculo e todos os vasos nele contido
fossem consagrados; prefigurando a unção
especial do Espírito Santo nos corações e
7
consciências do povo de Deus. De modo que,
como nenhum vaso do tabernáculo era santo até
que fosse ungido com o óleo consagrado,
também nenhuma alma é santa até que tenha
recebido a unção do Santo. Nenhuma oração,
nenhum louvor, nenhum serviço nenhum
sacrifício, nenhuma ordenança pode ser santa a
menos que seja tocada com esta unção pura - a
unção divina do Espírito Santo.

Agora há uma adequação divina e figura
peculiar aqui -

1. O óleo é de uma natureza suavizante. É
aplicado ao corpo para suavizá-lo e amaciá-lo.
Assim, espiritualmente, a unção do Espírito
Santo torna a consciência sensível. Onde quer
que a unção venha, tira o coração de pedra e dá
um coração de carne. Ela remove a
impenitência, a incredulidade, a obstinação, a
perversidade, a autojustiça e a presunção;
suaviza e amacia e torna o coração e a
consciência sensível, para cair sob o poder da
verdade.

Até que o Espírito Santo, por suas operações
sagradas sobre o coração de um homem, o
8
suavize desta maneira, a verdade nunca cai com
qualquer peso ou poder sobre ele. E esta é a
razão pela qual centenas ouvem a verdade sem
qualquer efeito; não sendo ungido com esta
unção do alto, o coração de pedra não é tirado,
e permanece o coração mau da incredulidade
que rejeita a verdade solene de Deus.

Mas, quando o Espírito Santo traz o secreto,
misterioso e invisível, mas poderoso óleo de
unção da graça no coração, ele recebe a verdade
como de Deus; e a verdade assim vinda de Deus
penetra na alma. A lei soa suas maldições; mas
nunca tocam na consciência até que a unção do
Espírito a penetre. O evangelho traz suas
bênçãos; mas sem esta unção elas nunca vêm
com sabor e poder na alma. Cristo é falado na
Escritura como sendo para alguns "a raiz de uma
terra seca - ele não tem forma nem beleza, e
quando o vemos, não há beleza que desejemos
nele" (Isaías 53: 2). E por que é assim, senão
pela falta desta unção do Espírito Santo.

Onde quer que a unção esteja na consciência de
um homem, ela sempre tornará essa
consciência sensível. Para que, se você vir
qualquer homem, qualquer profissão que ele
9
faça, que seja ousado em moderação,
presunçoso, e seguro de si, tenha certeza de
que a unção do Espírito Santo ainda não tocou
em seu coração; ele tem apenas um nome para
viver enquanto está morto. Agora observe isto,
nos homens e mulheres professantes, e nos
ministros que ouviram, e vocês verão neles este
espírito suave, terno e manso. Se isto é
totalmente ausente, é porque a unção do
Espírito Santo ainda não veio sobre eles.

2. Novamente, o óleo de unção é de natureza
PENETRANTE. Quando o unguento ou óleo é
esfregado em qualquer coisa ele penetra na
substância. Não fica na superfície; penetra
abaixo da superfície na própria substância
daquilo em que foi aplicado. Assim, é
espiritualmente com respeito à unção do Santo
no coração e na consciência. No caso da maioria
das pessoas que têm verdade no entendimento,
mas não é trazida ao coração pelo poder divino
- o efeito é superficial. Não há profundidade de
experiência vital em seus corações; assim, eles
se assemelham aos ouvintes pedregosos de
quem lemos na parábola do semeador: "E outra
parte caiu em lugares pedregosos, onde não
havia muita terra: e logo nasceu, porque não
10
tinha terra profunda; mas, saindo o sol,
queimou-se e, por não ter raiz, secou-se." (Mt
13: 5,6). Em seu caso, a Palavra não tem, como
uma espada de dois gumes, que perfure até a
divisão da alma e do espírito, das articulações e
da medula, nem se afundou em suas
consciências a ponto de discernir os
pensamentos e intenções de seu coração.

Mas a unção do Santo, o ensino interno e a
operação do Espírito penetra em cada coração
ao qual ele vem. Não se situa apenas na
superfície; não muda apenas o credo; não altera
apenas a vida exterior. Vai mais profundo do
que credo, lábio, ou vida; ele afunda nas
próprias raízes da consciência. Se sua religião
nunca penetrou abaixo da superfície, ela não
tem essa grande prova de ter vindo de Deus. A
religião de Deus consiste na unção do Santo que
vai abaixo da casca e da pele; que trabalha até
o fundo do coração do homem e abre-o e coloca-
o nu diante dos olhos daqueles com quem tem
que lidar. É em virtude desta unção que nossos
motivos secretos são revelados, e o orgulho, a
justiça própria, a presunção, o egoísmo e toda
a depravação que fermenta no coração de um
homem são abertos. É pelos efeitos penetrantes
11
desta luz divina e vida na alma de um homem
que todos os funcionamentos secretos de seu
coração são descobertos. Um homem nunca
pode detestar-se no pó e na cinza, nunca
abominar-se como o mais vil dos vis até que
este óleo de unção secreta toque seu coração.

Ele ficará satisfeito com um nome para viver,
com uma profissão vazia, até que este
ensinamento de Deus o Espírito passe por cada
manto e véu, e busque nos próprios órgãos
vitais, de modo a afundar nas profundezas
secretas do espírito de um homem. Ele nunca é
absolutamente honesto com Deus ou com ele
mesmo, até que a unção do Santo o faça ver a
luz na luz de Deus.

3. Novamente, a unção, ou óleo é de uma
natureza PROPAGADORA. Ele se difunde, como
é chamado. Não se limita ao pequeno ponto em
que cai, mas estende-se em todas as direções.
Assim é com o ensinamento untuoso do Espírito
Santo no coração de um homem. Ele se espalha
através da alma. Portanto, o Senhor o compara
ao fermento (Mt 13.33). Como funciona o
fermento? É muito pequeno em si mesmo, um
pequeno caroço; mas quando colocado na
12
grande massa de farinha, ele se difunde através
de cada parte dela; de modo que nem uma única
migalha do pão fica sem ser afetada por ele.

Assim, onde quer que a unção do Santo toque o
coração de um homem, ela se espalha,
ampliando e estendendo suas operações.
Comunica, assim, dons divinos e graças onde
quer que venha. Ela confere e extrai a fé, e dá
arrependimento e tristeza segundo Deus, causa
autoaborrecimento secreto, separação do
mundo, atrai as afeições para cima, torna o
pecado odiado, e Jesus e sua salvação amados.

Agora, se você tivesse um filho, e estivesse
muito ansioso por seu crescimento, você não
gostaria de ver o braço e a perna da criança
crescerem, e as outras partes do corpo
permanecerem como estavam. Você não
gostaria de ver sua cabeça crescendo muito
mais rápido do que o corpo; você logo teria
medo de que a criança morresse. E ainda assim
você encontrará alguns professantes que
crescem somente em uma coisa; eles nunca
crescem em simplicidade, oração,
espiritualidade, vigilância e mente celestial. Sua
fé, se quisermos acreditar em suas próprias
13
declarações, cresce muito, mas nunca vemos as
outras graças e os frutos do Espírito crescerem
neles. Mas, um crescimento tão monstruoso
como este não é o crescimento do novo homem
da graça. Que cresce igualmente em todas as
suas partes, e cada membro tem uma proporção
harmoniosa em relação ao restante.

Se a fé aumenta, a esperança e o amor crescem
- e, quando a fé, a esperança e o amor crescem
- a humildade, a espiritualidade e a
simplicidade, a morte para o mundo e todas as
demais graças e todos os demais frutos do
Espírito crescem na mesma proporção.

Onde quer que a unção do Espírito Santo toque
o coração de um homem, ela se difunde por
toda a sua alma e o torna totalmente uma nova
criatura. Ela dá novos motivos e comunica novos
sentimentos; ela amplia e derrete o coração,
espiritualiza e atrai as afeições para cima, e
produz o que o apóstolo declara como os
efeitos da união com Cristo: "Portanto, se
alguém está em Cristo, é uma nova criatura: as
coisas velhas já passaram, eis que todas as
coisas se tornaram novas." (2 Cor 5: 17).
14
Dessa santa unção João diz que ensina todas as
coisas, e é verdadeira, e não é mentira. Sem ela
toda a nossa religião é uma bolha, e toda a
nossa profissão é uma mentira; sem ela todas
as nossas esperanças acabarão em desespero.
Vejam, pois, vocês que temem ao Senhor, ou
desejam temê-lo - se poderão encontrar algo
desta unção do Santo em repouso no seu
coração - qualquer secreto derretimento do seu
espírito diante do Senhor, de afeição no seio de
Jesus, qualquer sentimento avassalador e
esmagador desse amor que transmite
conhecimento; qualquer desejo interior de
desfrutá-lo e deleitar-se inteira e unicamente
nele.

Agora, esta unção do Santo será sentida apenas
quando o Senhor, o Espírito, tem o prazer de
trazê-la em sua alma. Pode ser senão uma vez
por ano, uma vez por mês, ou uma vez por
semana. Não há tempo fixado para isso ser
dado; mas apenas em tal época e de tal maneira
como Deus vê o ajuste. Mas, sempre que chegar
ao coração, suas operações e efeitos serão os
mesmos, os sentimentos que ela cria e os frutos
que produzem serão os mesmos. Que
misericórdia ter uma gota desta unção celestial!
15
Desfrutar de um sentimento celestial! Provar a
menor medida do amor de Cristo derramado no
coração! Que misericórdia indizível é ter um
toque, um vislumbre, um olhar, uma
comunicação da plenitude daquele que
preenche tudo em todos!

Isto santifica todas as nossas orações; isto
santifica a pregação, santifica as ordenanças,
nosso culto público, as pessoas, os sacrifícios,
as ofertas de todos os adoradores espirituais;
como eu leio: "Para que eu seja ministro de Jesus
Cristo para os gentios, ministrando o evangelho
de Deus, para que a oferta dos gentios seja
aceitável, santificada pelo Espírito Santo"
(Romanos 15:16).

É a doce unção do Santo que une os corações do
povo de Deus em laços indissolúveis de amor e
carinho. Por esta unção do Santo, conhecemos
a verdade, cremos na verdade, amamos a
verdade e somos mantidos na verdade dia após
dia e hora após hora. É esta a grande coisa que
sua alma está ansiando e pressionando para
desfrutar? Nos afundamentos secretos ou nos
levantamentos secretos de seu espírito nas mais
íntimas sensações do seu coração para com
16
Deus, a unção do Santo, a unção divina do
Espírito Santo é a coisa principal que você está
procurando? Sem essa unção do Santo, não
temos sentimentos ternos em relação a Jesus,
nem desejos espirituais de conhecê-lo e poder
de sua ressurreição; sem esta unção não temos
nem um só sopro de oração, nem um suspiro
espiritual ou anseio em nossa alma.

O povo do Senhor frequentemente anda num
estado de trevas; por esta unção do Santo, eles
são trazidos para a luz. Por esta unção do Santo,
eles são sustentados sob aflições,
perplexidades e tristezas. Por esta unção do
Santo quando eles são injuriados eles não
insultarão novamente. Por esta unção do Santo
veem a mão de Deus em todo castigo, em toda
providência, em toda provação, em cada dor e
em todo fardo. Por esta unção do Santo podem
suportar castigo com mansidão, e colocar a sua
boca no pó, humilhando-se sob a poderosa mão
de Deus.

Toda palavra boa, toda boa obra, todo
pensamento gracioso, desejo santo e
sentimento espiritual devemos a esta única
coisa: a unção do Santo.
17
É uma coisa solene ter uma unção do Santo, e é
uma coisa solene não tê-la. É uma coisa solene
viver sob esta doce unção; mas que coisa solene
é ter uma profissão religiosa e nada saber desta
doce unção! Se no grande dia quando os únicos
que serão salvos forem os que tiveram essa
unção do Santo, onde estarão os milhares que
tiveram apenas um nome para viver? Se isso é
verdade, como é, onde estarão milhares no
último dia, quando o Juiz vai sentar-se sobre o
grande trono branco?

Mas, se a unção do Santo está sobre um homem,
ele é um vaso consagrado de misericórdia; a ira,
a justiça e a lei não podem tocá-lo; o óleo da
unção está sobre ele, a bênção de Deus repousa
sobre sua alma, e ele está seguramente
escondido no oco da mão de Deus, da ira que
está vindo sobre o mundo.

II. Vejamos agora como em virtude desta unção
do Santo, nós conhecemos todas as coisas. E
você sabe todas as coisas. O que o apóstolo
quer dizer com isso? Quer dizer que eles
realmente sabem todas as coisas, todos os
domínios da ciência; todos os departamentos
variados da arte? Oh não; o povo do Senhor é
18
um povo muito pobre, e geralmente um povo
muito ignorante em questões de conhecimento
humano. Não; eles são ignorantes para a maior
parte dos vários ramos do conhecimento
humano. Não é sua província saber o que os
eruditos deste mundo conhecem; pois tal
conhecimento não é para seu conforto ou lucro
espiritual. É uma misericórdia ignorar o que os
sábios deste mundo consideram as únicas
coisas que valem a pena ser conhecidas.

Nem significa que eles conhecem todos os
mistérios do evangelho. Muitos do povo de
Deus ignoram os pontos finos da divindade, e
muitos professantes mortos no pecado e que
vivem segundo o curso deste mundo são muito
mais conhecedores da letra das Escrituras e do
grande plano da salvação do que alguns dos
pobres da verdadeira família de Deus.

Mas, por esta expressão podemos entender que
eles sabem tudo o que é proveitoso, todas as
coisas necessárias, como diz o apóstolo Pedro:
"Todas as coisas que pertencem à vida e à
piedade" (2 Pedro 1: 3). Quais são, então,
algumas dessas coisas?
19
1. Eles se conhecem. O conhecimento de si
mesmo é indispensável para a salvação. Se um
homem não se conhece, não pode conhecer a
Deus; se um homem não se conhece, não pode
conhecer o Filho de Deus. Conhecer-nos e ver-
nos nas verdadeiras cores como pobres,
miseráveis, imundos, pecadores culpados,
filhos perdidos, com um coração enganoso
acima de todas as coisas e desesperadamente
corrupto, com uma natureza profundamente
depravada, desamparada e sem esperança.
Conhecer a nós mesmos pararia todo o tipo de
jactância. Pararia de pensar em si mesmo
melhor do que os outros, e eficazmente
derrubaria toda a retidão da criatura, se um
homem uma vez teve a unção do Santo em seu
coração e consciência, fazendo-se conhecido
para si mesmo.

Por esta unção do Santo, conhecemos nossa
pecaminosidade, nossa terrível, desesperada e
abominável pecaminosidade; por esta unção do
Santo, conhecemos nossa hipocrisia, nossa
terrível e desesperada hipocrisia; por esta unção
do Santo, conhecemos a nossa obstinação, a
nossa perversidade, a nossa alienação de Deus,
a nossa prontidão para com o mal e a nossa
20
terrível aversão ao bem; por esta unção do
Santo, sabemos que merecemos a ira eterna de
Deus, que por natureza estamos a uma
distância infinita de sua pureza; que somos
todos como uma coisa imunda, e que todas as
nossas justiças são como trapos imundos.

Se um homem não está enraizado e
fundamentado no conhecimento do eu, ele
nunca pode ser enraizado e fundamentado no
conhecimento de Cristo como um Salvador: "O
Filho do homem veio para buscar e salvar o que
estava perdido" (Lucas 19.10). Portanto, se uma
pessoa não se conhece como perdida, nem
geme, nem suspira por estar perdida, tudo o
que Jesus é e tudo o que Jesus tem para os
pobres pecadores perdidos está oculto aos seus
olhos. Esta é a razão de haver tanta profissão
sem possessão; tanto da letra sem o Espírito,
tanta doutrina sem o poder.

Mas, quando somos ensinados pelo Espírito
Santo a nos reconhecermos perdidos e
arruinados, então queremos saber que há um
Salvador, e um Salvador como esse pode nos
salvar de nossa condição perdida. Não é de
admirar que os homens desprezem a Pessoa de
21
Cristo, não admira que eles neguem sua
divindade eterna, subjugada; não admira que
eles neguem a Filiação eterna de Jesus e a
personalidade e operações de Deus o Espírito;
não é de admirar que espezinhem o mistério
divino da Trindade. Eles nunca se viram; eles
nunca gemeram debaixo de uma carga de
pecado; nunca tiveram um conhecimento de si
mesmos em sua ruína e depravação.

(Nota do tradutor: Uma grande evidência bíblica
desta verdade nós encontramos no relato do
livro de Atos quanto ao que sucedeu quando
não somente os apóstolos foram batizados pelo
Espírito Santo no dia de Pentecostes, mas uma
grande multidão de cerca de três mil pessoas
também se converteu pela operação do Espírito
em suas mentes e corações, debaixo da
pregação dos apóstolos.)

2. Nem podemos conhecer a pureza e a
espiritualidade da santa LEI de Deus, senão por
esta unção do Santo.

3. Nem podemos saber que as escrituras são
verdadeiras, ou que Deus revelou sua mente e
22
vontade nelas, exceto em virtude desta unção
do Santo.

4. Nem podemos saber se há um JESUS, um
Mediador divino, um Homem que é Deus
conosco, senão em virtude desta unção do
Santo. Podemos ter opiniões e noções corretas;
podemos ter especulações flutuando no
cérebro; senão pelas visões do Filho de Deus em
seus sofrimentos e agonias que podemos ter
pela unção do Santo. Ver a corrente de sangue
expiatório do seu corpo sangrando, ver o seu
manto glorioso de justiça, justificar e cobrir os
pecados do seu povo, ver o Santo Mediador
intercedendo à direita do Pai e ter a alma
quebrantada na visão e no sentimento do
mistério de Cristo como Deus e Salvador, nada
mais que uma unção do Santo, o óleo da unção
do Espírito Santo sobre o coração, pode nos dar
esse conhecimento daquele que nos concede a
vida eterna.

5. Nem podemos conhecer o PERDÃO de nossos
pecados, senão em virtude desta unção do
Santo. Não podemos saber que o sangue de
Jesus Cristo purifica de todo pecado, senão em
virtude da unção do Santo.
23
6. Nem podemos conhecer a liberdade do
evangelho ou as doces manifestações do Senhor
da vida e glória, nem podemos caminhar em
liberdade, como Davi fala no Salmo 119:45, nem
podemos desfrutar da doçura e bem-
aventurança de um evangelho Libertador, senão
por esta unção. Não podemos sair das trevas
para a luz, da escravidão para a liberdade, da
frieza para o calor, senão pela unção do Santo.
Nem podemos saber qual é a graça de Deus,
nem esta benevolência de um Pai terno, nem sua
vigilância sobre os seus filhos como o Pai mais
afetuoso, nem o derramamento do seu amor no
coração, nem o testemunho interior do Espírito
de adoção, que nos permite clamar, Abba, Pai,
senão em virtude da unção do Santo.

7. Nem podemos saber o que é ter uma casa
celestial, um porto de repouso e paz, uma
mansão abençoada acima de onde as lágrimas
são apagadas de todos as faces, senão em
virtude desta unção. Quão necessário é, então,
como é indispensável para uma alma que está à
beira da eternidade, que é provada e perturbada
à vista da morte e do juízo, saber que ela tem
alguma unção do Santo que repousa em seu
coração e consciência!
24
Mas, se ele tiver a unção do Santo, haverá frutos
e efeitos, haverá alegria sagrada e desejos; o
coração não será sempre estéril, escuro e
infrutífero; não será sempre agarrado às coisas
do tempo e do sentido. Haverá algo na alma
distinto destas coisas como luz das trevas, e céu
da terra. Haverá humildade, quebrantamento,
ternura, contrição, espiritualidade afetiva como
diferente do espírito do mundo, como Cristo de
Belial. Essa unção do Santo que toca o coração
e a consciência de um homem o tornará mais ou
menos manifesto como uma nova criatura;
tornará a religião espiritual mais ou menos o
elemento em que sua alma vive e se move; ela o
transformará, como diz o apóstolo, "na
renovação de sua mente"; as coisas velhas
passarão; sim, todas as coisas se tornarão
novas; com ela é feliz; sem ela, é um miserável.

Com esta unção do Santo, tudo é simples,
abençoado e claro; sem ela tudo é escuro,
perplexo e confuso; com ela haverá um sabor na
leitura das Escrituras, e elas serão mais doces
para a alma do que o mel e o destilar dos favos;
sem ela as Escrituras não são senão um enigma,
um cansaço e um fardo. Com ela, a oração é
doce e deliciosa para a alma - e a oração, a
25
pregação e a audição são, igualmente,
abençoadas; sem tudo isso é escuro e confuso;
não sentimos a importância das coisas que
estamos ouvindo e falando.

Com esta unção do Santo, as ordenanças de
Deus são abençoadas; vemos uma grandeza e
uma beleza na ordenança do batismo, e uma
doçura na ordenança da Ceia do Senhor. Com
esta unção do Santo, o povo de Deus é
altamente valorizado como nossos principais
companheiros; sem ela não nos importamos
com eles, e sentimos como se preferíssemos
sair de sua companhia do que entrar nela. Com
ela as coisas eternas são grandes e preciosas,
as únicas coisas que valem a pena buscar ou ter,
sem ela as coisas eternas desaparecem, e as
coisas do tempo e do sentido ocupam a mente -
ela fica engajada no mundo e as realidades
eternas ficam fora de vista.

Que diferença na alma de um homem quando
tem essa unção e quando não a tem! Quando a
unção repousa sobre o coração de um homem,
faz uma mudança tão grande como quando o
sol nasce e a noite desaparece; como quando a
primavera chega e o inverno se vai. Agora você
26
acha que sabe a diferença? Isso revela sua
religião? Você tem essas mudanças interiores,
essas alternâncias, escuridão e luz, verão e
inverno, dia e noite, tempo de semente e
colheita, frio e calor - estas são figuras da obra
de Deus na alma. Nós precisamos de ambos. O
trigo precisa do inverno, bem como da
primavera e do verão. Precisamos da noite tanto
quanto do dia; do sol tanto como da ausência
dele. Assim, espiritualmente; precisamos da
unção, e às vezes precisamos da retirada da
unção, porque ficaríamos orgulhosos, como
Deer fala: “O coração eleva os dons de Deus e
torna a graça um laço."

Agora, se alguma vez sentiu em sua alma a
menor gota desta unção, você será salvo. Os
filhinhos a quem o apóstolo escreveu, dizendo:
"os seus pecados são perdoados", eram apenas
fracos, mas com essa unção tudo tinha chegado
para cobrir seus pecados. Os mais débeis,
portanto, os mais trêmulos, os mais duvidosos
e os mais temidos, os mais exaltados, os mais
autocondenados, se tiverem apenas a menor
queda desta unção do Santo em suas almas, são
pecadores perdoados e estarão com Cristo em
glória.
27
Quando Moisés consagrou os utensílios no
tabernáculo, não foi a quantidade do óleo da
unção que ele colocou, que os santificou; se ele
mergulhasse o dedo mínimo no óleo e apenas
tocasse o vaso, era tão consagrado como se
colocasse ambas as mãos no óleo da unção e
esfregasse tudo. Assim, espiritualmente, o
menor toque desta unção de Deus, o Espírito
Santo sobre a consciência, a menor gota deste
óleo santo, caindo do Espírito no coração,
santifica-o e ajusta-o para o céu.

28