A psicologia clínica e o pensamento de Heidegger em “seminários de

Zollikon”

(Ana Maria Lopez Calvo de Feijoo)

O texto relata sobre discussões em um seminário ministrado por
Heidegger.

O objetivo destes seminários é propor uma psicoterapia pautada na
fenomenologia-hermenêutica, (deixando que o fenômeno se apresente),
livre de teorias e métodos científicos.

O modo de ser-com pode se dar na:

 Preocupação substitutiva / Substituição dominadora: É quando faz
tudo pelo outro, ocupando-se das responsabilidades dele. Podendo
existir nessa relação manipulação ou dominação. (Dá o caminho para
o outro)
 Preocupação de anteposição / Anteposição libertadora: É quando
possibilita ao outro condições para que ele assuma suas escolhas e
decida por si mesmo.

Durante os seminários, Heidegger tenta colocar em prática a
fenomenologia e a hermenêutica, portando-se no modo de ser na
preocupação liberadora diante dos participantes, pois só familiarizando-se
com este modo de pensar é que será possível afastar-se dos paradigmas
científicos.

A proposta de psicoterapia é ajudar as pessoas a alcançar a
adaptação, no sentido que é ser-com, ou seja, é cooriginário ao mundo, ao
outro; e a liberdade, sendo esta a abertura de ser poder-ser (possibilidades).
Não restringindo o ser aos enquadramentos da psicologia científica.

“Toda doença é uma perda da liberdade, uma limitação da
possibilidade de viver”. Cuidado: “Conduz o homem a si mesmo”.

Na psicoterapia deixar que o fenômeno se apresente é dar condições
para que o cliente possa apresentar-se em si mesmo, assim, através da
linguagem, ele leva a questão a ser tematizada e cabe ao terapeuta
interrogar da maneira correta, e tentar permanecer no estranhamento, pois
o ser como abertura só é possível diante da incerteza.

Por isso, é importante suspender as teorias para que o fenômeno se
apresente em si mesmo (livre de categorizações).

O texto apresenta ainda o conceito(sentido) de tempo, espaço e
causa.

mas sim espaço-abertura.  Espaço não é o espaço físico. mostrar-se a sua maneira”. mas como abertura que se dá no ser-aí”. Assim. “Pode-se. querer. é proposto o conceito de motivação no sentido de escolher. Por fim. assim. .  Causa refere-se a razão do que determinou aquela questão ser levantada pelo cliente. desejar. “é o aparecer. fazendo-o refletir sobre o sentido das coisas.  O tempo é co-pertinência. é diferente de tempo utilizado na relação cotidiana. cabe aos terapeutas libertar o cliente para si mesmo. articular uma clínica psicológica não mais com a ideia de um sujeito enclausurado com propriedades e leis que regem sua situação no mundo.