You are on page 1of 86

Professora Me.

Vânia de Fátima Matias de Souza

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR
NA INFÂNCIA

GRADUAÇÃO
PEDAGOGIA

MARINGÁ-PR
2010

Reitor: Wilson de Matos Silva
Vice-Reitor: Wilson de Matos Silva Filho
Pró-Reitor de Administração: Wilson de Matos Silva Filho
Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão: Flávio Bortolozzi

NEAD - Núcleo de Educação a Distância

Diretoria do NEAD: Willian Victor Kendrick de Matos Silva
Coordenação de Ensino: Viviane Marques Goi
Coordenação de Curso: Rachel de Maya Brotherhood
Coordenação Administrativa de Curso: Marcia Maria Previato de Souza
Coordenação de Tecnologia: Fabrício Ricardo Lazilha
Coordenação Comercial: Juliano Mario da Silva
Capa e Editoração: Luiz Fernando Rokubuiti, Fernando Henrique Mendes e Ronei Guilherme Neves Chiarandi
Supervisão de Material: Nalva Aparecida da Rosa Moura
Revisão Textual e Normas: Edson Dias dos Santos, Erica Coimbra, Hérica Pichur, Janaína Bicudo Kikuchi e Lilian Maia Borges Testa

Av. Guedner, 1610 - Jd. Aclimação - (44) 3027-6360 - CEP 87050-390 - Maringá - Paraná - www.cesumar.br
NEAD - Núcleo de Educação a Distância - bl. 4 sl. 1 e 2 - (44) 3027-6363 - ead@cesumar.br - www.ead.cesumar.br

Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Central - CESUMAR

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ. Núcleo de Educação
a distância:

C397 Desenvolvimento psicomotor na infância/ Vânia de Fátima
Matias de Souza - Maringá - PR, 2010.
86 p.

“Curso de Graduação em Pedagogia - EaD”.

1. Corpo e movimento 2. Psicomotricidade. 3.Esquema corporal.
4.EaD. I. Título.

CDD - 22 ed. 370
CIP - NBR 12899 - AACR/2

“As imagens utilizadas nesta apostila foram obtidas a partir dos sites contratados através da empresa LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA - Rio de Janeiro - RJ.
Animation Factory; Purestockx; Photoobjects; Clipart e Ablestock”.

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR
NA INFÂNCIA
Professora Me. Vânia de Fátima Matias de Souza

ou de forma longínqua (como é o nosso caso!). Somos parceiros nessa estrada. é marcada por nossas ações. culturais. podem ser estabelecidas entre os pares. Assim. fases ou momentos em que a criança se desenvolve. é a partir dessa cumplicidade que eu. a partir de cumplicidades. é que lhe darão um alicerce e um suporte para a atuação e compreensão desse “outro” durante todo o processo. espero que ele. apresento a você o meu livro. por vezes. Considero pertinente dizer. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 5 . a forma com que desempenhamos nossa ação na sociedade. por sua vez. árduo. É lógico que entendemos que esses desafios dependem de um conjunto de variáveis e condições. professora Vânia Matias de Souza. no processo de formação do homem. por isso nosso desenho nesse texto será retratado a partir de um diálogo que busca uma cumplicidade de sentimentos. perpassando pelas práticas cotidianas da construção do corpo. e essas cumplicidades. Vânia de Fátima Matias de Souza Caro(a) aluno(a): Já dizia Guimarães Rosa: “Eu quase que nada não sei. chamada educação. Logo. nossos objetivos devem ser traçados juntos. as experiências que lhe foram propiciadas. desejos. aspirações na busca por melhor entendermos e colaborarmos no processo de educação e formação da criança. na apresentação do nosso texto. Creio nesse fato. Embora eu também acredite que o conhecimento e sua respectiva apropriação encontram nas expectativas de cada um o seu significado. do seu desenvolvimento motor. espero contribuir para o seu entendimento acerca do que é a infância. bem como os motores para a compreensão da criança no processo de formação como um todo e não simplesmente um ser fragmentado. que o discurso do professor reflete sua prática no cotidiano. Então. acredito que essas ações são exercidas em parcerias. sociais. que fará parte da disciplina Desenvolvimento Psicomotor na Infância. atenda às expectativas em relação ao processo de construção de conhecimento no seu curso de formação. que vão desde o contexto de formação do professor. como é por meio dele (do discurso do professor em sala de aula). meu objetivo é contribuir na compreensão dos conceitos centrais da disciplina de Desenvolvimento Psicomotor na Infância. Mas desconfio de muita coisa”. tendo a possibilidade de fazer as transposições possíveis e necessárias entre o conceito e as experiências nos diversos campos de atuação. pois acredito que nossa história. ou seja. suas ações em sala de aula. Esse desconfiar tem me levado a enveredar por alguns caminhos que venho trilhando em uma história que ainda acena por mudanças. que se descobrem formas e possibilidades de solucionar os problemas desse cotidiano. entre os atores. mas que possa servir como uma fonte a mais de “conhecimento” para atender às expectativas com relação à compreensão dos estágios.APRESENTAÇÃO Prof. que dialogam de forma muito próxima. sua maneira de pensar e agir nas situações e problemas corriqueiros que acontecem no dia a dia escolar. tendo como base os fundamentos epistemológicos. Espero que esse texto não seja um modelo. por muitas transformações. e por isso temos que estabelecer uma cumplicidade. mas em sua maioria gratificante. ou pelo conjunto delas.

inicie a leitura e delicie-se! Lembro que. mas possibilidades para lhe oferecer. a mergulhar nesse universo de interação de uma práxis pedagógica que se constrói ao longo de toda nossa trajetória de vida. pelo aprender em diferentes momentos da vida. acredito que podemos conversar um pouquinho sobre quem é a criança. buscando probabilidades que possam dar certo. como ela se desenvolve.. então. quanta transformação. transforma a educação.. constrói e aperfeiçoa-se nas ações do cotidiano. ou do que proceder para o saber. ou seja. desejo intensamente que este livro contribua para modificar práticas autoritárias e tradicionais. podemos observar que essa criança cresce e consegue sair do mundo concreto e adentrar ao abstrato. acreditando que cada professor/pedagogo produz. e lá está. Logo. em tão pouco tempo. o que ela precisa e como se interessa pelo brincar. percebemos que algumas coisas são palpáveis. mães. e tendo a crença da afirmação de Guimarães Rosa que nos diz que a palavra “rompe o rumo”. já está correndo e fazendo todas as peripécias possíveis.. Bem. muitas vezes. tendo esses sonhos e crenças. Já ouvi. Assim. filhos (as) tudo ao mesmo tempo.. olhamos para ele. pais. Mas como podemos saber se estamos fazendo a coisa certa? Somos professores. muitas vezes. acreditamos que esse conjunto associado à prática “acerta o passo”. O que significa dizer que sabemos quando um bebê se desenvolveu motoramente. em nossas vidas com momentos de angústias e ansiedades acerca do saber. Sabemos que o desenvolvimento humano. “que principiam mesmo é por uma palavra pensada e uma prática vivida”. depois ele engatinhando. principalmente no que se refere à questão motora é o mesmo para todos.. criando novas possibilidades de emancipação pelo conhecimento e torço para que as experiências positivas saltem como brilhantes possibilidades para a melhoria da educação brasileira e o consequente acesso a mais oportunidades. alguns esforços são necessários. Sendo assim. O que podemos dizer que existe são possibilidades. caro aluno. infelizmente não tenho uma resposta pronta para lhe dar. eu vejo o bebê primeiro sentando. já andando. Educação Infantil já deve ensinar a ler e a escrever”. Não existem respostas prontas. O texto é apenas uma possibilidade de reflexão que se torna eficaz na medida em que associamos nossos conhecimentos teóricos com o universo da prática. Frases como essas são comumente ouvidas em consultórios e nas escolas.Assim. observamos o bebê que ao nascer não possuía sequer controle muscular. na sequência andando e.mais tarde. as delícias da vida acadêmica perpassam. Professora Vânia Matias de Souza Conhecendo o seu livro “Olá! Durante todo estudo deste livro eu vou mostrar a você os fatores de desenvolvimento infantil que devem ser considerados no processo de ensino aprendizagem.365 dias após essa data especial. Não existe uma fórmula mágica. em especial nas séries inicias da educação formal. seu tônus muscular era muito fraco. Vamos começar? Quando estiver pronto. pelo jogo. convido você. pessoas dizendo: “Para mim não tem esse negócio de brincar. pedagogos. em sua sala de aula ou pátio escolar essa prática se firma e se concretiza. formas de pensar sobre o assunto. e de repente. Para isso. ou seja. 6 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . Com carinho e desejo de uso desse material. por fim.. se não de forma abrangente ao menos na sua instituição.

que concebe a aprendizagem como um fenômeno que se realiza na interação com o outro.1989. et al. ao destacarmos o desenvolvimento psicomotor como a interação existente entre o pensamento. justamente. 2003). 75). 1993). de acordo com Ministério da Educação e do Desporto (MEC) e Secretaria de Educação Especial (MEC/SEE. na Unidade I. para a memória lógica e para a formação de conceitos. todas as funções superiores originam-se. e o movimento efetuado pelos músculos. Dessa maneira. fazendo com que o indivíduo evolua. Consequentemente.frequentemente. a mente e a afetividade. a função motora. contudo. Claro que a Educação Infantil deve estar preocupada com o processo de aprendizagem. progredindo no plano do pensamento e da motricidade. uma vez internalizados. depois. segundo ele. é possível observar que a Educação Infantil é o período de preparação para o passo seguinte: a apreensão da leitura e da escrita. Como já dizia Vygotsky (1998. facilitando a abordagem global da criança por meio de uma técnica (MEUR. a partir de um processo anterior. Acreditamos que a aprendizagem acontece por meio da internalização. no interior da criança (intrapsicológica). Nesse sentido. das relações reais entre indivíduos humanos. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 7 . que intitulei de CORPO E MOVIMENTO. Vigotsky já dizia que a aprendizagem deflagra vários processos internos de desenvolvimento mental. entre pessoas (interpsicológica). Nesse sentido. Para Rezende (et al. 2003). p. não nos desenvolvemos sozinhos. consciente ou não. com ajuda do sistema nervoso entendemos que o cérebro e os músculos influenciam-se e educam-se. a integração das funções motrizes e mentais. proferidas por alguns pais ou por aqueles que não estão muito a par do processo educativo do nosso país. que tomam corpo somente quando o sujeito interage com objetos e sujeitos em cooperação. e. temos que ter em mente que esse período de escolarização abrange a faixa etária de um a seis anos de idade. que um processo interpessoal é transformado num processo intrapessoal. primeiro. que possui uma dimensão coletiva. Assim. apud Rezende. nessa lógica. faz-se necessário o estudo de um ponto crucial para qualquer pessoa que pense em seguir a carreira docente. esses processos tornam-se parte das aquisições do desenvolvimento. a mente e a afetividade do indivíduo. precisamos do outro para tornarmos sujeitos da nossa história. Portanto. depois. todas as funções no desenvolvimento da criança aparecem duas vezes no ciclo do desenvolvimento humano: primeiro. Isso se aplica igualmente para a atenção voluntária. sob o efeito do desenvolvimento do sistema nervoso. a psicomotricidade é. no nível individual. Portanto. no nível social. STALES. nesse sentido. destacar a relação existente entre a motricidade. iniciando pela Educação Infantil – a compreensão da psicomotricidade. e. trago para você alguns momentos de leitura que buscam discussões e uma possibilidade de olhar para o corpo a partir da construção do sujeito numa perspectiva alicerçada na abordagem sociointeracionista. de troca. destacando as relações existentes entre a motricidade. E. o desenvolvimento intelectual e o desenvolvimento afetivo estão ligados durante o processo de desenvolvimento do indivíduo. e a psicomotricidade quer. Observamos.

entendemos que o corpo é ponte. nessa unidade. emoções. desejos. caro aluno. o corpo que age. cria sua imagem e seu esquema corporal a partir das relações que estabelece com o universo que o cerca. tanto demonstrando interesses. porque somos movimento. a criança irá explorar o ambiente. quando foi necessário. o corpo foi negligenciado em função do espírito. enquanto uma prática pedagógica. como expressando momentos de raiva. olhamos para o corpo como uma possibilidade de leitura e compreensão do outro a partir de uma comunicação não verbal. por psiquiatras com o intuito de compreender as estruturas cerebrais e esclarecer fatores patológicos. bastante conhecido chamado Levin (2007). Cujo termo historicamente aparece a partir do discurso médico. ele responde e reage as informações do ambiente. passar por experiências concretas. por isso trataremos de compreender algumas ponderações e informação relevantes acerca do processo de construção do corpo. Lembro. que o gesto motor. no início do século XIX. falaremos de um corpo que se transforma. É nesse contexto. mais precisamente neurológico. nomear as zonas do córtex cerebral. a vivência da criança pode ser traduzida como o significado e/ou a forma de expressar o seu sentir. se observarmos da antiguidade até os dias atuais veremos que o significado do corpo sofreu inúmeras transformações ao longo do tempo. perceptivas. vai além e diz que a história da psicomotricidade é solidária a história do corpo. e assim agimos a todo momento. Outro autor destacado aqui é Fonseca (1995). posteriormente. que a Psicomotricidade. suas emoções e seus desejos. situadas além das regiões motoras. que quando trabalhamos a partir das perspectivas da educação psicomotora nos apropriamos e devemos buscar as compreensões das funções motoras. Somos corpo. desde Aristóteles. para o autor. na sequência do livro. Esse conjunto de ações proporciona a criança uma imagem de seu próprio corpo. refletindo acerca da importância dos exercícios psicomotores 8 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . Mas. pois assim. Hoje. então. contribui para o desenvolvimento integral da criança. Essa perspectiva se firma na fala de Le Boulch (1969). ainda falo sobre a importância acerca da valorização do corpo. uma vez que para ele a educação psicomotora se dá por meio de ações educativas de movimentos espontâneos e atitudes corporais da criança. isso porque sabemos que nosso corpo fala. para ele. desprezo ou até mesmo de medo e não compreensão de algo. Bem como. Um corpo que interage. bem como seus limites e potencialidades. a ligação mais evidente de todo esse processo. Como consequência. se modifica para ajudar no processo de desenvolvimento da criança. Um autor da área. afetivas e sociomotoras. meu objetivo nessa unidade será oportunizá-los a conhecer e relacionar os elementos psicomotores na prática interventiva. Consequentemente. subsidiando e sendo subsidiado pelos conceitos e entendimentos provenientes do universo da psicomotricidade. buscamos dar um destaque maior na relação dessa educação por meio da corporeidade. O que significa dizer. indispensáveis ao seu desenvolvimento intelectual e é capaz de tomar consciência de si mesma e do mundo que a cerca. o que significa dizer que. a psicomotricidade tem seu início desde que o homem é humano. interage e aprende no ambiente.Para que essa relação exista. Apenas no século XIX o corpo foi estudado por neurologistas e. A Unidade III você estudará a PSICOMOTRICIDADE E MOVIMENTO: FATORES QUE INTERFEREM NO DESENVOLVIMENTO MOTOR. apresento a Unidade II: PSICOMOTRICIDADE E MOVIMENTO: FATORES QUE INTERFEREM NO DESENVOLVIMENTO MOTOR.

a organização latero-espacial. A criança descobre o mundo dos objetos e com o simbolismo. que vai dos 3 aos 9 meses de idade. da gestualidade. Para isso. temporal. Dando continuidade a esse assunto. corpo descoberto ou percebido (3 a 6 anos) e corpo representado (6 a 12 anos). busco também destacar a fala de Le Boulch (1987). do corpo. engatinhar e caminhar. sugestões de atividades envolvendo os domínios psicomotores. ora ele se amolece. E os movimentos locomotores. por meio de uma educação que se paute no movimento. E por fim. uma vez que a psicomotricidade leva em conta o aspecto comunicativo do ser humano. dos movimentos voluntários. A psicomotricidade. ora ele fica imóvel. o corpo tem um sentido que ele pode sempre interpretar e traduzir. a diferença entre a lateralidade e o conhecimento de direita e esquerda. a totalidade do mundo em que vive. Destacaremos o fato de que a criança se constrói por inteiro e de forma integrada. temos que considerar os movimentos estabilizadores. também. pescoço e músculos do tronco. e lhe deixa com as pernas “bambas/moles”. o autor considera que as etapas do desenvolvimento ocorram a partir do desenvolvimento do esquema corporal. Surge a marcha. O pensar sobre a importância de trabalharmos a orientação espacial. numa busca por entender a interação entre o desenvolvimento psicomotor da criança. afetiva. Nosso diálogo traz. isto é. agarrar e soltar. destacamos a importância de conhecermos e sabermos trabalhar com os elementos psicomotores básicos como o equilíbrio. Isso já aconteceu com você? O que vemos é que nossa comunicação. retomo algumas considerações que nos fazem refletir acerca do papel da ação psicomotora no ambiente escolar. Os movimentos manipulativos. por exemplo. o texto vai discutir e apresentar fatos que nos levam a perceber que a criança. No decorrer dessa unidade. é a possibilidade de colaborarmos com esse processo. depois vamos ao Estágio sensitivo-motor. corpo vivido (2 meses a 3 anos). de 1 aos 3 anos de idade. social e motora. a imitação e a linguagem é ampliada. tanto na estruturação espaço temporal quanto na DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 9 . quando levamos um susto. referentes ao ato de alcançar. Considera as manifestações emocionais. a coordenação da criança. então. portanto a criança se desenvolve a partir do corpo submisso (0 a 2 meses). e desenvolve suas atividades a partir do movimento. para o desenvolvimento da criança. nosso corpo de imediato reage.para o desenvolvimento da criança. seja verbal ou corporal. os estágios de movimento de Gallahue e Ozmun (2001). Em linhas gerais. apresento algumas possibilidades. na UNIDADE IV discuto um pouco sobre as questões acerca da EVOLUÇÃO PSICOMOTORA DA CRIANÇA. pois nessa perspectiva acredita-se que toda e qualquer emoção tem sua origem no domínio postural. falo ainda sobre os estágios de Wallon. passamos do estágio emocional. próprios da criança como o arrastar. para se chegar ao estágio projetivo. na qual analisa o desenvolvimento a partir de fases distintas para seu desenvolvimento. o homem vive num mundo de significações. que entendem que o desenvolvimento se compreende e se alicerça a partir do movimento. Isso porque. os gestos querem dizer alguma coisa. exerce uma função essencial na questão da educação e reeducação psicomotora. na sua evolução cognitiva. ela transforma esse objeto em uma imaginação. ainda está num período transitório. uma vez que a psicomotricidade interessa-se. Na sequencia. cuja função pode ser observada quando o bebê busca o controle da cabeça. a partir dos três aos seis anos de idade. ela resiste a ser uma educação mecânica do corpo. Para isso.

Volto a afirmar. por isso. Essa unidade possibilita olharmos a psicomotricidade como uma área que também. A reeducação psicomotora enxerga o homem como dono de um corpo e este corpo é visto como uma máquina de músculos que não funcionam e que. 10 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . Tendo esse pensamento preparei um pequeno glossário que poderá lhe ajudar durante a leitura. O trabalho da reeducação privilegia. tais como. para finalizar. somos corpo e mente que se encontram e dialogam constantemente com os enfrentamentos e tarefas que nos são oportunizadas. a clínica psicomotora. seguida da terapia psicomotora e. com os objetos e consigo mesmo. Não somos sujeitos parados no tempo. Isso porque está relacionada ao processo de maturação. Ao final de nosso texto.estruturação do esquema corporal. mas os mais comuns. vem sendo aplicada no campo terapêutico e de integração social. o que significa que toda vez que você tiver alguma dúvida. no qual o corpo é origem das aquisições cognitivas. três situações: o alívio do problema. as dificuldades de aprendizagem e a aprendizagem profissional. enfim. a unidade falo dos Transtornos Psicomotores da Infância. mas espero que seja um suporte para que você enquanto educador consiga compreender e buscar possibilidades que viabilizem sua melhor atuação no ambiente educacional. procure o significado. E. atuar. depois de termos compreendido algumas questões que acredito serem de extrema importância para o nosso trabalho enquanto pedagogos. E. trato na UNIDADE V de uma possibilidade de olhar a PSICOMOTRICIDADE com UM ENFOQUE PREVENTIVO E REEDUCATIVO. por vezes. a debilidade motora. apaixonados pela educação e pela criança. A primeira está relacionada às práticas reeducativas. fazendo com que esta se torne cada vez mais peculiar e específica. afetivas e orgânicas. Como já mencionei. trato de alguns aspectos da evolução da motricidade gráfica da criança apontando algumas sugestões de pensar estratégias psicopedagógicas para o auxilio no desenvolvimento psicomotor da criança. se fazem presente em nossa sala de aula e que você poderá se deparar na sua vida profissional. professores. a princípio. a redução do sintoma e a adaptação ao problema. Pode ser encarada como a ciência que estuda o homem por meio de seu corpo em movimento. nessa unidade. não de todos. através de jogos e exercícios psicomotores. por fim. em relação com o mundo interno e externo. por fim. a história e a evolução da psicomotricidade estão relacionadas a três diferentes orientações que norteiam sua prática. e algumas possibilidades de trato com essas problemáticas que. bem como suas possibilidades de perceber. devem ser reparados. agir com o outro. desde o seu surgimento até os dias atuais. esse livro não contém receitas para a sua atuação em sala. pois assim seu entendimento acerca do conteúdo tratado será ainda maior. pesquise.

que não é afetado por ela. controlando os movimentos mais rudes. em função das experiências vividas pelo sujeito cuja ação é resultante de sua individualidade. Essa imagem será influenciada pelo meio em que vivemos e pelas situações que enfrentamos. Para que esse conceito se forme é necessário o conhecimento tanto das estruturas anatômicas e relações entre as parte do corpo. o intelecto e o afeto. é um termo empregado para uma concepção de movimento organizado e integrado. Imagem corporal . os músculos esqueléticos (grandes músculos). resultando em uma ação global mais eficiente.pode ser considerado como uma contínua alteração no comportamento ao longo do ciclo da vida (GALLAHUE. HAYWOOD e GETCHELL.desordem de aprendizagem ou transtorno de aprendizagem. das percepções espaciais e temporais. A desordem afeta a capacidade do cérebro em receber e processar informação e pode tornar problemático para um indivíduo o aprendizado tão rápido quanto o de outro. Esse tipo de coordenação permite a criança ou adulto dominar o corpo no espaço. que podem ser desenvolvidos com atividades que favoreçam o conhecer do corpo como um todo. bem como dos movimentos e funções de cada parte do corpo. caso dúvidas surjam no decorrer da leitura. ou seja. 2004). Psicomotricidade . Esquema corporal .” (Definição da Sociedade Brasileira de Psicomotricidade) Lembrem-se: estamos em constante aprendizado. vamos lá? Inicie suas atividades de leitura e estudo organizando seu tempo. 2001. pular. e da afetividade. o conhecer do corpo segmentado. sua linguagem e sua socialização. A imagem corporal é como o corpo se apresenta para nós.é a capacidade de usar. O conhecimento adequado do corpo engloba a Imagem corporal e o Conceito corporal. Aí vai uma sugestão: DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 11 . Ex: andar. Desenvolvimento humano . então vamos nos organizar! Para isso segue algumas sugestões antes para a sua organização da leitura e compreensão do texto. afetivas e orgânicas. o equilibrar estático e dinâmico e o expressar corporal harmônico. é um tipo de desordem pela qual um indivíduo apresenta dificuldades em aprender efetivamente. além do reconhecimento da posição do corpo no espaço e em relação aos objetos.é o conceito que cada pessoa tem de seu corpo e suas partes. portanto. Psicomotricidade. onde o corpo é a origem das aquisições cognitivas. Coordenação motora .“É a ciência que tem como objeto de estudo o homem através do seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo. rastejar etc. como vemos nós mesmos. plástica e econômica.é a consciência do corpo como meio de comunicação consigo mesmo e com o meio. Está relacionada ao processo de maturação. Um bom desenvolvimento do esquema corporal pressupõe uma boa evolução da motricidade. É sustentada por três conhecimentos básicos: o movimento.GLOSSÁRIO Trago aqui algumas informações que creio ajudarem na compreensão do texto. de forma mais eficiente. Dificuldade de aprendizagem . basta querermos. o controle dos movimentos globais e segmentados.

2006. seriamente. da realização de análises e sínteses do conteúdo e da interação com os seus colegas e tutor. a tarefa e o ambiente no qual ele faz parte. pois acredito que por meio da diversificação das atividades. e as relações que se estabelecem dentro e fora dela para atuar sobre os elementos essenciais do ensino e da aprendizagem. das práticas é possível que consigamos fazer com que os alunos aprendam os conhecimentos ou os conteúdos selecionados para um determinado momento de sua vida. mas em todos os contextos cotidianos a que a criança se encontra inserida. Após realizar o estudo dos conteúdos que tratei nesse texto.Agenda de atividades • Verifique com atenção o AVA. envie-me um e-mail: vaniamatias@cesumar. que saberes. especialmente. estágios ou etapas do desenvolvimento se tornam necessários para que haja a efetivação da práxis pedagógica. ou uma atividade paralela. entretanto. afetivo e social) da criança. devemos considerar. estarei pronta para lhe atender. do brincar como fatores contribuintes para a criança. que práticas esperam que os alunos interiorizem para fazer uso deles diante de demandas e de exigências da vida e da sociedade. no processo de desenvolvimento os caminhos e processos que ocorrem no desenvolvimento infantil em suas fases. você poderá observar que a produção de literatura em educação. principalmente. organize-se para acessar periodicamente o espaço da disciplina. dialogue com o texto. as conexões estabelecidas entre o que se ensina nas escolas. tão essencial ao trabalho do professor. 106). nas respectivas salas de aula da educação infantil. Por essa razão. relacionada ao processo de desenvolvimento psicomotor da criança. • Leia o material de estudo e todos os outros que forem disponibilizados para você. é uma discussão bastante ampla. faço essa afirmação. e. • Não perca os prazos das atividades e fóruns. e se não compreender algo. no entanto.br. (LIBÂNEO. no que se refere a forma e as possibilidades de trabalho que seja orientada de tal forma que a criança tenha um amplo desenvolvimento das suas potencialidades sem que haja uma relação de negação do lúdico. Isso porque o papel da teoria pedagógica é explicitar o que se espera da escola. Quando falo aqui que o trabalho com o desenvolvimento psicomotor na infância não deve ser um trabalho a parte. O sucesso nos seus estudos depende da priorização do tempo para a leitura. o entender as questões teóricas acerca do brincar. Devemos considerar a tríade: sujeito. ou seja. na ação de intervenção que ocorre no ambiente escolar. o professor é o maestro central que irá orquestrar. exercite a sua escrita. Por acreditar nessa mudança de paradigma a partir da relação contextualizada e da práxis pedagógica que aponto a necessidade de se conhecer como as tendências pedagógicas observam ou direcionam o trabalho a partir da análise e do desenvolvimento psicomotor (ou seja. é preciso que consideremos sempre o sujeito. assim como não são raras as pesquisas que dão conta da necessidade de (re)pensar a escola e as práticas ali implicadas. mas um conhecimento básico para a escolha das atividades que mais instigara a criança a realizá-la. isso porque. cognitivo. e não faltam autores para debater e defender a importância de um trabalho orientado para o desenvolvimento do repertório motor infantil. tarefa e ambiente para se escolher os conteúdos a serem tratados no 12 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . conduzir as crianças em atividades de tal forma que elas terão condições de compreenderem o uso de determinados conteúdos não só como uma fonte de resolução de problemas no ambiente escolar. que experiências. p. ou seja.

por exemplo. quando se tem. que saberes são necessários? De onde se originam? E que denominação podemos aludir à expressão relação com o saber? Para Bernard Charlot (2002. à situação de aprendizado e a nós mesmos. Numa pesquisa realizada por Libaneo. na fase inicial da escrita dessa criança. óculo manual desenvolvidas o aprender a escrever será apenas uma consequência. p. levar em conta que a prática escolar tem. esses serão apenas um fazer pelo fazer para a criança. entendendo que quando eu trabalho com o desenvolvimento da criança eu colaboro para seu aprendizado futuro. também. Leia. mas que podem dificultar o processo de aprendizagem. Na brincadeira. condicionantes sociopolíticos que configuram diferentes concepções de homem e de sociedade e. de expectativas e de juízos que concernem ao mesmo tempo ao sentido e à função social do saber e da escola. Portanto. notamos que “a prática escolar consiste na concretização das condições que asseguram a realização do trabalho docente”. final. o ensinar e o aprender. a criança exercita essa habilidade. 72). então. não são visíveis aos olhos do professor. sua lateralidade e coordenação motora global. também. quanto afetiva e socialmente. pois o meio lhe oportuniza condições para que esse fato possa ocorrer com maior facilidade para a criança que já desenvolveu essas habilidades do que naquela criança que ainda está aprendendo ou iniciando seu desenvolvimento em alguma dessas especialidades motoras. por vezes. Nesse caso. p. 72). talvez. é preciso ter claro. o simples fato de pular a corda pode romper com dificuldades que. por finalidade institucional. o saber é uma variável importante a ser considerada. atrás de si. É preciso. o caso que segue: Brincar DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 13 . relações professor-aluno. p. 2006. Toda relação com o saber é também relação consigo próprio. aprendizagem. a respeitar os limites e individualidades de cada um dos que estão a sua volta. por exemplo. O que significa dizer que se a criança tem seu esquema corporal definido. consequentemente.) é o conjunto de imagens. conforme dados do SAEB. Sob essa perspectiva. técnicas e estratégias pedagógicas etc. O escritor português Eça de Queiroz sabiamente disse em um de seus escritos que para ensinar há uma formalidadezinha a cumprir – saber. pois do contrário. atentamente. o início de tudo. que só isso não basta. (LIBÂNEO. que 64% dos alunos de 5ª série não aprenderam a ler e a escrever. o autor detectou que nas escolas e nas salas de aula que se verifica. (2000. Desse modo. é preciso que haja “uma relação de intimidade com o saber”. e. sempre está em jogo a construção de si mesmo e seu eco reflexivo. diferentes pressupostos sobre o papel da escola. por meio do aprender... “o que precisamos saber e o que fazer com esse saber”.ambiente escolar. sobre o que ele afirma é importante ressaltar. Porém. pois ela consegue desenvolver-se tanto motoramente. e. (. ainda. Nesse sentido. acima de tudo. Qualquer que seja a figura sob a qual se apresenta. 72). principalmente. mas é nelas [também] que podem ocorrer mudanças qualitativas no desenvolvimento da aprendizagem. Se tomarmos como verdadeira a proposição. à disciplina ensinada. é preciso compreender que essa relação é também determinada por múltiplas dimensões e fatores – internos e externos. a imagem de si. a relação com o saber é uma forma da relação com o mundo. aprende a conviver com regras. diz Charlot.

que Malba não cansava de ridicularizar. “só um paranóico pediria manteiga assim”. com classes de 3ª e 4ª séries. acadêmicos que se dedicavam ao que o escritor chamava de “o inútil da Matemática”. eu lhe pergunto: • Por que as crianças. Após ter lido esse trecho do texto do professor Mello e Souza. Os alunos foram chamados a fazer um levantamento de produtos e preços no comércio de verdade e criaram um supermercado em classe. Juraci disse ter encontrado entre eles uma concepção pedagógica “sem vida. Malba defendia exatamente o oposto. Uma prova de que todo ensino de Matemática se beneficia de uma injeção de Malba que foi dada por Juraci Faria nas escolas municipais de Queluz (SP). atualmente na 65ª edição. uma atividade apelidada de “matemática do supermercado”. não gostavam dos exercícios exclusivamente centrados no fazer sem possibilidades de conexão com o real? • Como o professor poderia incentivá-los? • Além do desenvolvimento cognitivo. Bom estudo!! 14 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . Uma delas: “Dona Rosinha comprou 5 milésimos de tonelada de manteiga a 6 cruzeiros cada hectograma. o uso da calculadora para as “operações comerciais” e o trabalho com noções dos sólidos geométricos aplicadas às embalagens dos produtos. entre os quais. Foi possível experimentar vários enfoques. quais os elementos psicomotores eu poderia trabalhar e ajudar a desenvolver a minha criança? No final do livro colocarei possibilidades de respostas para essas perguntas. o romance O Homem Que Calculava. aparentemente. Uma das iniciativas para aproximar o ensino da realidade foi promover.Num tempo em que as escolas cultivavam o medo diante do professor e uma Matemática que parecia se destinar apenas a uns poucos “iluminados”. desvinculada da rotina das crianças”. tradicional. nascido no Rio de Janeiro há 110 anos. Agora conheça Malba Tahan: Malba Tahan era o pseudônimo do professor de matemática Júlio César de Mello e Souza. Eles eram os responsáveis por definir os currículos e os livros didáticos daquele tempo. além das questões dos exames públicos. ela organizou um programa de treinamento de professores nessa cidade em que o escritor passou a infância. Ele é o autor de um dos maiores sucessos editoriais de todos os tempos no país. Durante dois anos. E ainda atacava os “algebristas”. Quanto gastou?” Para Malba.

................................................... 24 A RELAÇÃO ENTRE PSICOMOTRICIDADE E DESENVOLVIMENTO MOTOR...................... 36 HABILIDADES CONCEITUAIS................................................................................................................................................ 23 PADRÕES DE MOVIMENTO...........................................................................................................................................................................................................................................................................................................27 UNIDADE II PSICOMOTRICIDADE E MOVIMENTO: FATORES QUE INTERFEREM NO DESENVOLVIMENTO MOTOR A PSICOMOTRICIDADE NA HISTÓRIA...... 37 HABILIDADES PSICOMOTORAS E PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO............................................................................................................................................................................... 20 A IMAGEM DO CORPO......................................................................................... 31 OBJETIVOS DA PSICOMOTRICIDADE............... 38 UNIDADE III PSICOMOTRICIDADE E MOVIMENTO: FATORES QUE INTERFEREM NO DESENVOLVIMENTO MOTOR ELEMENTOS CONSTITUINTES DA PSICOMOTRICIDADE .... SUMÁRIO UNIDADE I CORPO E MOVIMENTO CORPO E MOVIMENTO: CONSTRUINDO A IMAGEM DO CORPO....... 46 A ORGANIZAÇÃO DO CORPO NO ESPAÇO....................................... 45 ESQUEMA CORPORAL................................................................................................................................................................................ 36 AS ÁREAS DA PSICOMOTRICIDADE......................................................................................................................... 48 EQUILÍBRIO........................................................................................................................... 21 A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO NO DESENVOLVIMENTO DO SER HUMANO............................................................................................................................ 26 PSICOMOTRICIDADE E MOVIMENTO: AS RELAÇÕES ENTRE COGNIÇÃO...... 50 .....................................................................................47 DOMINÂNCIA LATERAL......................................... AFETIVIDADE E SOCIALIZAÇÃO......................................

............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 88 .......... 64 ESQUEMA CORPORAL.......................................................................................................................................................................... 81 REFERÊNCIAS........................................................................................................ 50 A COORDENAÇÃO DINÂMICA.............................................................................................................................................................A ORGANIZAÇÃO LATERO-ESPACIAL.............74 A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO PSICOMOTORA.........................................................................................................................71 OS TRANSTORNOS PSICOMOTORES DA INFÂNCIA . 63 ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS E CONSEQUÊNCIAS EDUCATIVAS: TEORIAS E EXERCÍCIOS PARA UMA EDUCAÇÃO PSICOMOTRIZ....................... 63 A EVOLUÇÃO DA MOTRICIDADE GRÁFICA..................................................... 59 CARACTERÍSTICAS PSICOMOTORAS DA CRIANÇA DE 0 A TRÊS ANOS................................................................................................. 67 UNIDADE V PSICOMOTRICIDADE: UM ENFOQUE PREVENTIVO E REEDUCATIVO PSICOMOTRICIDADE: AÇÃO PREVENTIVA E REEDUCATIVA............ 65 MOTRICIDADE FINA DAS MÃOS E DOS DEDOS........................ 53 UNIDADE IV A EVOLUÇÃO PSICOMOTORA DA CRIANÇA EVOLUÇÃO PSICOMOTORA ATÉ OS TRÊS ANOS DE IDADE............. 59 EVOLUÇÃO PSICOMOTORA DOS TRÊS AOS SEIS ANOS............................................................................................................................... 77 CONCLUSÃO........................................... 52 ESTRATÉGIAS PSICOMOTORAS E CONSEQUÊNCIAS EDUCATIVAS................................................................

a partir da psicomotricidade. Plano de Estudo A seguir. afetividade e socialização . Vânia de Fátima Matias de Souza Objetivos de Aprendizagem • Compreender as relações entre corpo e movimento no contexto do desenvolvimento cognitivo. • Entender o processo de desenvolvimento do ser humano. apresentam-se os tópicos que você estudará nesta unidade: • Corpo e Movimento: construindo a imagem do corpo • A imagem do corpo • A importância do Movimento no Desenvolvimento do ser humano • Padrões de Movimento • Relações entre Psicomotricidade e desenvolvimento motor • Psicomotricidade e Movimento: as relações entre cognição.UNIDADE I CORPO E MOVIMENTO Professora Me. enquanto corpo e movimento. afetivo e social da criança.

.

a aceitar o outro e a suas próprias limitações (emoção e afeto). e essa. Pronto? Concentrou-se? Então. é um momento de aprender. Outro fato de destaque refere-se à questão de que. • O que está acontecendo nessa figura? • O que você vê? • O que a criança está fazendo? • Por que ela se dedica tanto. vivenciar e desenvolver.RJ Vamos iniciar uma viagem que nos levará a pensar e refletir. de experimentar. Além de ser um momento repleto de processos e situações que privilegiam o desenvolvimento de ações internas e externas para ela.Rio de Janeiro . pare tudo o que está fazendo. a resposta foi excelente. Muitas vezes. para nós é muito mais. E para que essa reflexão tenha início. vamos lá! Observe a figura que ao lado. Mas agora. desprenda-se dos pensamentos que lhe ousam tirarem sua concentração. a criança aprende a conviver em grupo (relações sociais). o que para a criança é um simples ato de brincar. a psicomotricidade surge como uma possibilidade para que essa relação faça-se presente de forma objetiva e sistematizada no ambiente escolar. das que se encontram na mais tenra idade. Ao brincar a criança estabelece a relação corpo e movimento. você teve uma boa resposta. ela desenvolve os domínios cognitivo. uma vez que nas ações interventivas pautadas em atitudes DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 19 . se seu pensamento foi: “Está brincando”. afetivo e motor. por sua vez. e em especial. preste atenção no contexto. nesse momento. como educadores que promovem possibilidades de interlocução para que a criança possa ser e sentir o universo que a cerca. reflitamos juntas/os. Esse é o olhar do educador. refere-se a representação. acerca do nosso importante papel. e está tão concentrada? Como as perguntas são simples e fáceis. a respeitar regras. Nesse contexto. por meio da gestualidade. quero que você. Como educadores olhamos o brincar como uma possibilidade de intervenção que auxilia de forma significativa no desenvolvimento da criança. Se a resposta foi: “Está realizando uma atividade orientada a possibilitar uma melhoria em seu desenvolvimento das habilidades cognitivas e motoras ludicamente”. por meio do brincar. sendo traduzidos e expressos. o entendimento e percepção de mundo que a criança tem. Vejamos. certamente você as respondeu rapidamente. INTRODUÇÃO Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . Quando a criança brinca. um pouco mais.

50) Por acreditar nessa efetiva relação entre corpo e movimento. É por meio da sua relação consciente em determinadas situações que o homem comporta-se. Nesse sentido. Portanto. cognitivas e afetivo-sociais. o corpo que é alma. a forma e a postura. pensar no agir do corpo sem que haja algum movimento envolvido no contexto? Percebemos. dado que a assimilação contínua do mundo no indivíduo se processa por meio do movimento humanizado. constantemente. uma íntima relação entre a situação e a ação que lhe é posta. Um exemplo claro dessa fala pode ser vista na relação simples existente entre o entendimento de corpo pela mulher do oriente. pode ser criado e utilizar sua personalidade integral: e é somente sendo criativo que o indivíduo descobre o seu eu (self). confirmado pelos filósofos modernos e aceito pelos pensadores contemporâneos” (p. gestualidades. 2009). desejo ou desespero. continuaremos nossa viagem fazendo algumas incursões no universo da ciência da motricidade humana para podermos compreender como contribuir para que a criança tenha em seu corpo possibilidades para compreender. p. pensar o corpo e no corpo. falar do corpo envolve as mais variadas formas de concebê-lo. que todas as nossas ações pautam-se. enquanto ação. e somente no brincar. prazer ou raiva. no intuito de demonstrar satisfação. de sua cultura. sua história e suas experiências. como por exemplo. que se comunica. atitudes e expressões. CORPO E MOVIMENTO: CONSTRUINDO A IMAGEM DO CORPO O homem faz parte do universo. consagrado pelos teólogos medievais. Esse entendimento nos leva a realizar algumas reflexões. nessas reflexões. habilidades e destrezas motoras. expressa e que fala. Podemos ir além e dizer que o homem estabelece. comparado à do ocidente. em algum momento. por meio de movimentos suaves ou delicados. É no brincar. adapta-se ou dá significados ao meio no qual vive e interage. portanto socializado (FONSECA. será que podemos conceber o movimento dissociado do corpo? Ou será que podemos. 1975. que o indivíduo. 20 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . ou resultam em movimento. (WINNICOTT. O corpo e sua gestualidade representam para o homem o reflexo de suas origens. Nossas expressões e atitudes são expressas pelo corpo. ou como escreve Santin (1995). o que significa dizer que corpo é movimento e vice versa.psicomotoras buscamos tornar real o brincar no processo educacional favorecendo uma aprendizagem significativa para a criança que está envolvida no contexto. analisar e desenvolver-se. traduz quem é esse homem. bruscos ou agressivos. Isto porque o movimento é uma das formas mais significativas de adaptação ao mundo exterior. O movimentar do corpo. criança ou adulto. abordar questões que tratam do corpo significa tratar dos paradigmas do desenvolvimento humano. enfim do meio ao qual pertence. tornando-se um adulto com domínio. uma vez que um está amarrado ao outro.91). “significa repensar o projeto antropológico desse corpo construído desde os gregos.

Portanto. ser classificado como não locomotor e locomotor. o movimento é qualquer ação externa observável e motor refere- se aos impulsos internos referentes. o que significada dizer que observamos o desenvolver do andar de forma autônoma. Leia: BERTHERAT. em todo o gesto humano" (FALKENBACH. Para o autor. dominar o andar ou o saltar (HARROW. Negrine (1994) entende que. 2001.Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . O corpo tem suas razões. demonstrada a todo instante. como por exemplo. faz-se necessário entender a distinção entre o que ele chama de motor e o que é movimento. existe uma diferenciação entre o motor e o movimento.RJ Kephart (1960) vai além e afirma que. é codificada através da expressividade motriz. Isso DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 21 . T. concentra-se ao máximo e interessa-se exageradamente. Considera-o não somente proveniente das atividades originárias dos exercícios físicos. pensar. A noção de satisfação e autorrealização provocada pela execução e finalização de uma tarefa sempre lhe surpreende. admira-o por alguns instantes e o abandona rapidamente. ao findar a tarefa. 1983). o movimento humano em sua totalidade considera tanto os aspectos funcionais. ou do objeto para se locomover. bater palma. 1998). por exemplo. potencialidades e fragilidades pessoais. mas considera a expressão de sentimentos. São Paulo: Martins fontes. 19ª ed.. Já no segundo. as respostas do corpo são observáveis por meio do movimento do corpo no espaço. pois podemos visualizar a ação da criança executando a tarefa. desafiadoras. "a forma humana de sentir. manifestações de prazeres e desprazeres. como por exemplo. para entender a relação corpo e movimento. como também os relacionais. No entanto. nesse sentido. pois o corpo é movimento. O movimento humano pode. Seu sorriso de contemplação em fração de segundos inunda o espaço que ocupa. BERTHERAT. enquanto o movimento ou os padrões de movimento são observáveis. de um ponto a outro. sabemos que a criança aprendeu a andar. quando ela se desloca pelo espaço sem que haja a necessidade de auxilio do outro. A atividade motora interna ocorre constantemente. O primeiro refere-se a uma resposta observável executada pelo corpo em uma posição estacionário. e logo dissipasse. não se pode observar. Por exemplo. emoções. emocionar ou compreender o mundo que o circunda. A IMAGEM DO CORPO A criança desde a mais tenra idade prende-se a tarefas que lhes são instigantes. C.Rio de Janeiro . dedicando-se com grande entusiasmo para montar um quebra-cabeça que lhe foi dado.

portanto. sendo alvo de interesses e pesquisas em várias áreas do conhecimento. começa uma nova brincadeira. estamos interligados a um universo macro de informações de um meio repleto de estímulos e aventuras. que pode ser a mãe. Do ato ao pensamento. fazendo-as repetir os movimentos até acertar. Porto Alegre: Artes Médicas. Essa relação existente entre corpo e movimento vem. que coloca sua própria experiência para que a criança construa seu próprio eu corporal. A criança diante do mundo. 1986. Esse fato ocorre porque somos corpo e mente. de possibilidades que a permitam despertarem para suas potencialidades. De nossa convivência com as crianças é possível dizer que ao brincarem satisfazem Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . um novo estímulo. que resultam em um novo conhecimento.Rio de Janeiro . A imagem que a criança tem de seu corpo se constitui a partir do outro. a babá. pois de acordo com Levin (2001) é por meio da imagem do corpo criada que ocorre a estruturação subjetiva da criança. O contexto deve ser educativo. constantemente. 22 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . desde as biológicas até as ciências humanas (DAMASCENO. Pierre. Henri. quando as crianças brincavam de montar o quebra-cabeça ou quando estão pulando amarelinha. Por exemplo. elas não estão preocupadas com a coordenação necessária para que possam realizar com êxito a tarefa estabelecida. 1996). que é viver a brincadeira. como desejam muitos/as especialistas. E. Não faz sentido para as crianças somente jogar a bolinha para “adquirir” coordenação manual. WALLON. mas acima de tudo prazeroso. experimentam possibilidades que as permitam realizarem suas metas com sucesso. Porto Alegre: Artes Médicas.Rio de Janeiro .RJ uma necessidade básica.RJ movimento e necessita. simplesmente brincam. ou a educadora. assim. a criança está em constante Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . VAYER. 1947. ocorre porque. Essa experiência de jogar de diferentes formas produz um repertório de movimentos que só pode ser conquistado pela própria experiência de jogar.

RJ DESENVOLVIMENTO DO SER HUMANO O movimento é a base do desenvolvimento infantil. poderiam ser ensinadas tarefas específicas (GESELL E THOMPSON. No entanto.Rio de Janeiro . Esta tendência. também demonstrou. Essa primeira proposição teórica acerca do processo de desenvolvimento foi a hipótese maturacional. seu progresso é medido desde seu nascimento. nela o desenvolvimento resultava de um mecanismo biológico. auxiliou no processo de criação de um conceito de desenvolvimento motor. para entendermos o movimento humano. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 23 . devemos considerar a maturação. Atualmente. o primeiro teste que é submetido. que acontecia sem a necessidade de uma preocupação específica no sentido de preparar um ambiente que o favorecesse. Em 1982. Lewin. é que se começa a valorizar a importância do movimento humano e do trabalho relacionado a ele para colaborar no desenvolvimento integral da criança. segundo essa posição. em direção à espécie humana. a experiência. questionou a hipótese maturacional como sendo a única explicação para o processo de desenvolvimento. em seu trabalho. em 1949. maturação neurológica (estrutural) e às mudanças provenientes do desenvolvimento cognitivo (funcional). é um teste cuja escala de valores é mensurada a partir das respostas dadas aos estímulos de acordo com o tempo de reação de cada resposta. a importância dos movimentos na evolução da espécie humana. Connolly (1977) vai além e afirma que as mudanças no desenvolvimento motor dependem das mudanças biomecânicas ocasionadas pelo crescimento físico. 1929). Hebb afirmou que as experiências no desenvolvimento adquirem uma importância cada vez maior. no mesmo ano. por meio de movimentos que vai realizando ao longo da sua jornada. quando o bebê e a criança passam a ser o foco de várias investigações. Se retomarmos um pouco a história acerca dos estudos que tratam do desenvolvimento humano veremos que. somente a partir de 1920. somente a partir da ocorrência de tais mudanças. podemos dizer que. a experimentação e as vivências não influenciavam no processo de desenvolvimento da criança. Portanto. endógeno (interno) e regulatório. na medida em que subimos na escala animal filogenética. denominado maturação (GESELL. em 1946. as características individuais e as experiências (HOTTINGER. que o entende como sendo um processo natural e progressivo. 1929). A visão maturacional enfatizava a necessidade de se conhecer a sequência em que surgiam as mudanças no comportamento e. McGraw investigou a relação entre o desenvolvimento e a atuação das experiências. o Apgar. E. conforme afirma Go Tani (1988). Observamos que. A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO NO Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . vamos pensar no bebê logo que nasce. Piaget demonstrou a importância dos movimentos no curso do desenvolvimento intelectual do indivíduo. 1973).

pode ser classificado como sendo pertencente a um dos três domínios.. por sua vez.U. e onde existem crianças. MANOEL. de acordo com as experiências e vivências oportunizadas à criança. autoridades em desenvolvimento da criança concordam que os primeiros anos de vida. 24 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . afetivo-social e motor. Lembramos que fazem parte do domínio cognitivo as operações mentais como a descoberta ou reconhecimento de informação. Do domínio afetivo-social fazem parte os sentimentos e emoções. Go Tani et al. o ser humano aprende sobre o meio (social/afetivo/ motor) em que vive.P. afetivo-social (conduta pessoal-social) e cognitivo (conduta adaptativa e linguagem) vão se diferenciando.Assim. O movimento é a essência da infância e no olhar de Wickstram (1977). a organização do desenvolvimento se inicia na concepção e os domínios motor. podemos dizer que está associado ao comportamento humano e esse. Nesse sentido. As experiências que a criança tem durante este período determinarão. do qual fazem parte os movimentos. enquanto são necessários cerca de vinte anos para que o organismo se torne maduro. GO TANI. Eduardo. (1988) vão além e afirmam que o desenvolvimento motor é um processo contínuo e demorado e. O movimento tem sido definido de várias formas acatamos o entendimento de Neweel (1978). ou seja. existe movimento. o movimento se perpetua. ao deslocamento do corpo e membros produzidos como consequência do padrão espacial e temporal da contração muscular. PROENÇA. Portanto. E o domínio motor. José Elias de. na qual existe vida. que afirma que o movimento refere-se. estímulos e desenvolvimento da criança. do nascimento aos seis anos. entendemos que. por grande extensão. É necessário enfocar a criança. não podemos deixar de conceituar e relatar a importância do desenvolvimento motor para o processo de aquisição de informação. pelo fato das mudanças mais acentuadas ocorrerem nos primeiros anos de vida. PADRÕES DE MOVIMENTO Para uma melhor compreensão e entendimento acerca dos padrões de movimento humano. isso porque para a realização de um movimento (desde o mais simples ao mais complexo) envolvemos também os aspectos cognitivos. 1988). E. pois. por meio dos movimentos.1988. geralmente. existe a tendência em se considerar o estudo do desenvolvimento motor como sendo apenas o estudo da criança. São Paulo. que tipo de adulto a pessoa se tornará (HOTTINGER apud GO TANI et al. Educação Física Escolar: Fundamentos de uma Abordagem Desenvolvimentista. para que esse possa ocorrer com sucesso. pode pertencer ao campo cognitivo. são anos cruciais para o desenvolvimento integral da criança. Edison de Jesus. gradualmente. KOKUBUN. Alguns estudos mencionam e entendem o domínio motor como sendo o domínio psicomotor das atividades realizadas pela criança.

Com base na sequência de desenvolvimento, Harrow (1983) elaborou uma taxionomia para o domínio motor que
apresenta os seguintes níveis:
- Movimentos reflexos: referem-se às respostas automáticas e involuntárias perceptíveis no recém-nascido
que, em um momento seguinte, possibilitará a interação do bebê com o ambiente, o que caracterizará, no
futuro, atos voluntários, como por exemplo, os reflexos de preensão, tônico do pescoço dentre outros.

- Habilidades básicas: está ligada à questão das atividades voluntárias que permitem a locomoção e
manipulação em diferentes situações, caracterizadas por uma meta geral, servindo de base para aquisição
futura de tarefas mais complexas, como andar, correr, saltar, arremessar, chutar e outras habilidades.

- Habilidades perceptivas: são atividades motoras que envolvem a percepção do executante, por meio das
quais os estímulos visual, auditivo, tátil e sinestésico recebidos são interpretados pelos centros cerebrais
superiores que emitem uma decisão como resposta, possibilitando o ajuste ao ambiente.

- Capacidades físicas: são as características funcionais essenciais na execução de uma habilidade motora.
Quando desenvolvidas proporcionam ao executante uma melhoria do nível de habilidade. Dentre essas
capacidades estão a força, a flexibilidade, a resistência e a agilidade.

- Habilidades específicas: atividades motoras voluntárias mais complexas e com objetivos específicos, como
um chute, um arremesso, ou outra atividade mais específica a uma tarefa.

- Comunicação não verbal: atividades motoras mais complexas, organizadas de maneira que a qualidade dos
movimentos apresentados permita a expressão de uma emoção, desejo ou necessidade.

Livro: O domínio do movimento, de Rudolf Laban.

Nesse sentido, para que possamos levar a criança a alcançar determinados padrões de movimentos devemos
ampliar o repertório de Informação a ela experimentadas e vivenciadas no campo motor, para que ela possa,
assim, organizar e reorganização seus conhecimentos e responder, satisfatoriamente, a uma tarefa ou estímulo a
ela oferecido.

Gallahue (1982) propõe um modelo de padrões motores que apresentam como ponto de vista o fato de que as
mudanças, observáveis nas características do movimento, refletem o processo de desenvolvimento, orientadas
ao nível mais superior da sequência para a aquisição de habilidades. Esse modelo mostra que, para se chegar ao
domínio de habilidades, faz-se necessário um longo processo, no qual as experiências com habilidades básicas,
classificadas pelo autor como movimentos fundamentais são de fundamental importância.

Gallahue e Ozmunn(2003) dividem a fase dos movimentos fundamentais em três estágios.
a) Estágio inicial: representa a primeira meta orientada da criança na tentativa de executar um padrão de
movimento fundamental. A integração dos movimentos espaciais e temporais são pobres. Tipicamente os
movimentos locomotores, manipulativos e estabilizadores de crianças de dois anos de idade estão no nível
inicial.

b) Estágio elementar: envolve maior controle e melhor coordenação rítmica dos movimentos fundamentais.
Segundo o autor, crianças de desenvolvimento normal tendem a avançar para o estágio elementar por meio do
processo de maturação, embora alguns indivíduos não conseguem desenvolver além do estágio elementar em
muitos padrões de movimento, e permanecem nesse estágio por toda a vida.

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 25

c) Estágio maduro: é caracterizado como mecanicamente eficiente, coordenado e de execução controlada.
Tipicamente, as crianças têm potencial de desenvolvimento para estar no estágio maduro perto dos 5 ou 6
anos, na maioria das habilidades fundamentais.

Para que estas habilidades sejam desenvolvidas é necessário que se dê à criança oportunidades de desempenhá-
las. O movimentar-se é de grande importância biológica, psicológica, social e cultural, pois, é por meio da execução
dos movimentos que as pessoas interagem com o meio ambiente, relacionando-se com os outros, apreendendo
sobre si, seus limites, capacidades e solucionando problemas. Pois, é comum encontrar indivíduos que não
atingiram o padrão maduro nas habilidades básicas, nas quais apresentam um nível inicial ou elementar, o que
prejudicará todo o desenvolvimento posterior.

A RELAÇÃO ENTRE PSICOMOTRICIDADE E DESENVOLVIMENTO MOTOR
Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA - Rio de Janeiro - RJ

É importante salientarmos que a Psicomotricidade
é um campo de conhecimento que se relaciona,
diretamente, ao desenvolvimento motor e que,
portanto, a entendemos como sendo um componente
do desenvolvimento da criança.

E o desenvolvimento motor pode ser entendido como
o resultado da maturação anatomo-fisiológica da
criança que resultará na execução com destreza das
habilidades necessárias a determinadas tarefas.

Portanto, estamos nos referindo aos comportamentos não aprendidos que surgem espontaneamente desde que a
criança tenha condições adequadas para exercitar-se.

Bee (1997) vai além e afirma que o desenvolvimento refere-se às mudanças, que ocorrem como continuidade ao
longo de toda variação de idade, da concepção até a morte.

Percebemos, nesse sentido, que um bom desenvolvimento de nosso corpo ocorre não somente mecanicamente,
mas sim em parceria com as experimentações que são aprendidas e vivenciadas junto à família, à escola, os
grupos sociais, que a criança está inserida e que lhe dá suporte para que possa formar a base da noção de seu
eu corporal.

Nesse processo de desenvolvimento, não podemos deixar de relatar a importância dos sentimentos da criança na
fase do conhecimento de seu próprio corpo, pois um esquema corporal mal estruturado pode acarretar na criança
sentimentos de ordem psicológica, como a baixa na autoestima, que pode ser resultante de outros problemas,
como por exemplo, a falta de coordenação para correr ou dominar uma bola. É possível que esse problema
iniciado no componente motor quando não sanado, com o passar do tempo, a tendência é que essa criança
passe a rejeitar as tarefas motoras, reagindo com agressividade, mau humor ou apatia pela tarefa. Ou seja, o que

26 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância

para alguns, às vezes, parece ser algo tão simples poderá originar sérios problemas de motricidade que serão
manifestados por meio do comportamento motor quando não trabalhados de forma satisfatória e condizente com
as necessidades da criança.
Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA - Rio de Janeiro - RJ

PSICOMOTRICIDADE E MOVIMENTO: AS RELAÇÕES ENTRE
COGNIÇÃO, AFETIVIDADE E SOCIALIZAÇÃO

Acreditamos que o desenvolvimento humano é um processo de extrema
relevância e que abarca os domínios cognitivo, efetivo e motor, entendemos e
nos apoiamos na fala de Oliveira (2007), isto é, o desenvolvimento psicomotor
é de suma importância na prevenção de problemas da aprendizagem e na
reeducação do tônus, da postura, da direcional idade, da lateralidade e do ritmo.

As práticas psicomotoras podem desenvolver-se em contextos de ação
diferenciados, em função de critérios que têm como referência a própria história
dos sujeitos, a origem e características das suas dificuldades.

Com a criança, a intervenção psicomotora pode desenvolver-se na forma de
jogo num contexto lúdico, em dinâmica individual ou grupal. Faz-se necessário
tomar alguns cuidados ao se iniciar as ações interventivas, devemos assumir e
considerar critérios como a idade (mental e cronológica), necessidades, anseios e
aspirações da criança. E, somente a partir deste momento, selecionar as atividades
mais adequadas ao contexto de necessidade da criança, portanto, temos que verificar a melhor forma de
proporcionar-lhe essa interação com o universo que a cerca.

Como entendemos que o movimento está, essencialmente, ligado às questões psicomotoras, podemos perceber,
por meio de atividades simples, essas relações. Vejamos, por exemplo, essa relação se efetiva quando trabalhamos
com atividades expressivas, jogos sensório-motores e de estimulação sensorial. Nessas atividades, a criança
interage, participa e compreende o contexto da tarefa, pois requerem a organização planificada e interiorizada
da ação e sua representação por meio de formas diversificadas de expressão (motora, gráfica; verbal, sonora;
plástica dentre outras).

Nas atividades de resolução de problemas e jogos de regras, a criança desenvolve suas habilidades motoras,
cognitivas e afetivo-sociais, pois ela brinca, experimenta, questiona e explora as possibilidades para resolver os
problemas.

É muito importante observar e interpretar as expressões da criança, buscando a comunicação por meio da
linguagem oral, gestual, o contato corporal tratando de conseguir, progressivamente, uma participação igualitária.
Analisando sempre, como sugere Souza (2004), que tipo de relação se estabelece (visual, auditiva-visual, corporal
ou verbal) e procurar tornar esta relação cada vez mais completa e mais rica.

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 27

Isso porque, no olhar da psicomotricidade, a criança constitui sua unidade a partir das interações com o mundo
externo e nas ações do outro (mãe e substitutos) sobre ela. Portanto, enquanto educadores temos que buscar
estratégias que nos possibilite compreender as necessidades da criança e tornar significativa a aprendizagem
para ela.

Acesse os links:
<http://www.artigonal.com>
<http://www.ispegae-oipr.com.br>
<http://www.psicomotricidade.com.br>
Acessados em 04/08/2010.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Iniciamos a nossa leitura desta unidade com um convite para viajarmos e refletirmos acerca das questões do
corpo e do brincar para o desenvolvimento infantil. Buscamos falar acerca da importância de reconhecer no corpo
e na construção de sua imagem uma possibilidade de intervenção que subsidie as ações educativas para além
dos paradigmas da racionalidade técnica, pois consideramos a criança como um ser em construção que passa
por fases, mas que deve ser respeitada enquanto sujeito com individualidades e necessidades próprias. Por fim,
apontamos a psicomotricidade como uma possibilidade de integrar à criança um desenvolvimento por meio do
lúdico, no qual seu crescimento não se restringe apenas a fatores maturacionais ou biológicos, mas que depende
dos fatores cognitivos, afetivos e sociais, os quais estão, intimamente, ligados e influenciam, constantemente, esse
processo de desenvolvimento infantil.

ATIVIDADE DE AUTOESTUDO

I) Pesquise acerca da importância do movimento para o desenvolvimento da criança e produza um texto com as
principais ideias apontadas nessa área.

II) Explique como os processos de cognição e afetividade podem influenciar nas questões motoras e psicomotoras
da criança.

III) De acordo com Gallahue e Ozmunn, a criança se desenvolve a partir de estágios. Explique-os.

IV) Teça comentários acerca da importância do trabalho com o corpo e a construção da imagem corporal para o
desenvolvimento da criança.

28 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância

• Conhecer os conceitos. Vânia de Fátima Matias de Souza Objetivos de Aprendizagem • Conhecer a história da psicomotricidade e sua importância para o contexto educativo. • Analisar os processos de desenvolvimento da criança como possibilidade de ações afetivo-sociais. apresentam-se os tópicos que você estudará nesta unidade: • A Psicomotricidade na história • Psicomotricidade: conceitos e significados • Objetivos da Psicomotricidade • A Psicomotricidade e a vida social e afetiva da criança • Fatores que interferem no desenvolvimento motor .UNIDADE II PSICOMOTRICIDADE E MOVIMENTO: FATORES QUE INTERFE- REM NO DESENVOLVIMENTO MOTOR Professora Me. • Entender as relações existentes entre as experiências para a apropriação motora. cognitiva e afetivo- social da criança. significados e objetivos da psicomotricidade. Plano de Estudo A seguir.

.

p. Em seguida. seu percurso histórico e suas contribuições para o campo da ação pedagógica. Gardner. analisando as relações complexas entre o movimento e o pensamento. Tal paralelismo psicomotor definiu-se como uma tentativa de superação ao dualismo cartesiano – corpo e mente (SOUZA. Paillard. É. a Psiquiatria. Apenas no século XIX o corpo foi estudado por neurologistas e. Dessa forma. o "esquema anátomo-clínico" que determinava para cada sintoma sua correspondente lesão focal já não podia explicar alguns fenômenos patológicos. a história da psicomotricidade é solidária a história do corpo. Piaget. Fonseca entre muitos outros. paratonias e inabilidades. se observarmos da antiguidade até os dias atuais veremos que o significado do corpo sofreu inúmeras transformações ao longo do tempo. a Psicanálise. ou seja. Numa análise da história vamos encontrar nos estudos de Enerst Dupré. No entanto. Bernshtein. que convergem os seus interesses no estudo do movimento. começa a constatar-se que há diferentes disfunções graves sem que o cérebro esteja lesionado ou sem que a lesão esteja claramente localizada. quando foi necessário. apresentaremos como leitura complementar a reportagem: ''O corpo ajuda o aluno a aprender''. a Pedagogia. Damásio. 2004). a Psiconeurologia. definiu a síndrome da debilidade motora caracterizada pela presença de sincinesias. posteriormente. a psicomotricidade tem seu início desde que o homem é humano. a partir da necessidade médica de encontrar uma área que explique certos fenômenos clínicos que DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 31 . São descobertos distúrbios da atividade gestual. Eccles. rompendo a correlação entre a perturbação motora e a síndrome. mais precisamente neurológico. com o objetivo de dar qualidade de vida ao ser humano. Portanto. nesse sentido. Consequentemente. como: Dupré. que a psicomotricidade teve seu início. Com o desenvolvimento e as descobertas da neurofisiologia. Luria. em 1909. Vários autores deram um contributo importantíssimo para as bases teóricas da Psicomotricidade. uma estreita relação entre o desenvolvimento da motricidade. Segundo Fonseca (1995). Sperry. o que significa dizer que. por psiquiatras com o intuito de compreender as estruturas cerebrais e esclarecer fatores patológicos. de ESTEBAN LEVIN. nomear as zonas do córtex cerebral situadas além das regiões motoras. por meios dos estudos clínicos por ele realizado em seus pacientes clínicos. que contém conceitos teóricos e aplicações práticas de várias ciências como a Psicologia. A PSICOMOTRICIDADE NA HISTÓRIA Historicamente. publicada na Revista Nova Escola. este neuropsiquiatra francês evidenciou o paralelismo psicomotor. e entre o corpo e o cérebro. é concebida como uma ciência terapêutica. da inteligência e da afetividade. nesta unidade teceremos reflexões teórico-prática acerca do entendimento da psicomotricidade. no início do século XIX. desde Aristóteles o corpo foi negligenciado em função do espírito. o termo "psicomotricidade" aparece a partir do discurso médico.INTRODUÇÃO Para entendermos melhor sobre o desenvolvimento psicomotor da criança. Wallon. A Psicomotricidade. da atividade prática. entre outras. para o autor. em 2008. Ajuriaguerra. justamente. para Levin (2007). 18.

Em 1935. a princípio. Essa diferença permite a Wallon relacionar o movimento ao afeto. Começa. Henry Wallon. A Psicomotricidade surgiu como prescrição da medicina psiquiátrica e a utilização do movimento humano com fins reeducativos e terapêuticos. considerando-a como uma síndrome com suas próprias particularidades. já que é ele quem afirma a independência da debilidade motora. Ajuriaguerra aproveitou os subsídios de Wallon em relação ao tônus ao estudar o diálogo tônico (SBP. Na década de 70. como via de conquista social. 2007). vai dando. a escola francesa também influenciou mundialmente a psiquiatria infantil. progressivamente. Dalila de Costallat. afeto e emoção.se nomeia. assistente de Claparéde. Piaget se preocupou com a 32 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . É ele quem delimita com clareza os transtornos psicomotores que oscilam entre o neurológico e o psiquiátrico. é de fundamental importância para o âmbito psicomotor. Drª. neuropsiquiatra. antecedente do sintoma psicomotor. estagiária de Ajuriaguerra e de Soubiran em Paris. nesse sentido. em Genebra. Podemos dizer. diferentes autores definem a psicomotricidade como uma motricidade de relação. Piaget e Ajuriaguerra tiveram a preocupação de aprofundar esses estudos mais voltados para o campo do desenvolvimento. o termo Psicomotricidade. da escola experimental "La Maison de Paris". a Psicomotricidade tinha seus estudos voltados para a patologia. 2007). época da primeira guerra mundial. a ser delimitada uma diferença entre uma postura reeducativa e uma terapêutica que. à afetividade e ao emocional. do século passado. baseada na Pedagogia do interesse. maior importância à relação. a organização da primeira escala de avaliação neuromotora para crianças brasileiras. e discursar sobre o tônus e o relaxamento. pela primeira vez. de indicação da terapêutica e de prognóstico. Wallon. o tônus axial começava a ser estudado por André Thomas e Saint-Anné Dargassie. Nesse período. de um possível correlato neurológico. sobre seus trabalhos em deficiência mental (ISPE-GAE. que. Edouard Guilmain. Antonio Branco Lefévre buscou junto as obras de Ajuriaguerra e Ozeretski. 2003). Helena Antipoff. Em 1972. No Brasil. a figura de Dupré. a argentina. ISPE-GAE. médico psicólogo. é convidada a falar em Brasília às autoridades do Ministério da Educação. Em 1909. o qual foi conquistando numerosos adeptos. no ano de 1870. Durante as primeiras décadas do século XX. então. ocupa-se do movimento humano dando-lhe uma categoria fundante como instrumento na construção do psiquismo. Em 1925. desenvolve um exame psicomotor para fins de diagnóstico. a psicologia e a pedagogia. neurologista. influenciado por sua formação em Paris. psiquiatra. Julian de Ajuriaguerra. a Psicomotricidade foi norteada pela escola francesa. no Institut Jean-Jacques Rosseau e auxiliar de Binet e Simon em Paris. redefine o conceito de debilidade motora. Em 1947. quando as mulheres adentraram firmemente no trabalho formal enquanto suas crianças ficavam nas creches. As primeiras pesquisas que dão origem ao campo psicomotor correspondem a um enfoque eminentemente neurológico (SBP. ao meio ambiente e aos hábitos do indivíduo. No Brasil. 2003. derivada do conhecimento do sujeito sobre si mesmo. Wallon se preocupou com a relação psicomotora. à emoção. ao despreocupar-se da técnica instrumentalista e ao ocupar-se do "corpo de um sujeito". trouxe ao Brasil sua experiência em deficiência mental.

"O corpo é uma totalidade e uma estrutura interna fundamental para o desenvolvimento mental. da postura. que foram contrariadas em seu desenvolvimento. da lateralidade. 1994). em que se inscrevem todas as tensões e as emoções que caracterizam a evolução psicoafetiva da criança" (FONSECA. respeitando cada fase do seu desenvolvimento. A educação da criança deve evidenciar a relação através do movimento de seu próprio corpo. a cultura corporal e os seus interesses. da direcional idade. ele redimensionou as questões da Psicomotricidade e não a limita apenas a uma ação reeducativa. Para ele. São experiências e vivências corporais que organizam a personalidade da criança. Segundo Barreto (2000). leva a criança a tomar consciência de seu corpo. A educação psicomotora para ser trabalhada necessita que sejam utilizadas as funções motoras. Piaget. o desenvolvimento corporal e mental. tudo isso visando à formação da sua personalidade.Rio de Janeiro . a evolução da criança está na conscientização do seu corpo. a adquirir habilidades de coordenação de seus gestos e movimentos (OLIVEIRA. A vivência corporal não é senão o fator gerador das respostas adquiridas. já se preocupava em estimular as crianças de forma adequada. mas a uma primeira instância educativa. perceptivas. a melhoria da aptidão física. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 33 . voltou sua atenção mais específica para o corpo em sua relação com o meio. Ela condiciona todos os aprendizados pré-escolares. Bons exemplos de atividades físicas são aquelas de caráter recreativo. a dominar seu tempo. afetivo e motor da criança. passa por experiências concretas. a socialização. que favorecem a consolidação de hábitos. relação evolutiva da psicomotricidade com a inteligência e Ajuriaguerra. A reeducação é uma forma de estimular na criança suas funções psicomotoras. Assim. a criança explora o ambiente. da lateralidade e do ritmo”. A educação psicomotora deve ser considerada como uma educação de base na pré-escola. 1997). levando em consideração sua idade. que vem consolidar as bases da evolução psicomotora. em seus estudos. indispensáveis ao seu desenvolvimento intelectual e é capaz de tomar consciência de si mesma e do mundo que a cerca. a criatividade. “O desenvolvimento psicomotor é de suma importância na prevenção de problemas da aprendizagem e na reeducação do tônus. a situar-se no espaço.RJ Os primeiros movimentos de trabalhos da psicomotricidade foram impulsionados dentro de uma proposta reeducativa. pois assim. Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . afetivas e sociomotoras.

Fonseca (1995) afirma que a psicomotricidade tende. 1977). eles são misturados com o afeto. ESTUDOS E CORRENTES PSICOMOTORAS Le Boulch aponta correntes distintas na psicomotricidade. por sua vez. atualmente. podem ser voluntários ou involuntários. Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . antagonistas ou reflexos (alternantes). como essencialmente cibernéticos e psiconeurológicos. de um modo superficial. refere-se ao fato de que a Psicomotricidade reflete na criança um estado da vontade. de diferentes olhares. Acreditamos nesse sentido que a Psicomotricidade contribui para o desenvolvimento integral da criança no processo de ensino-aprendizagem. Influindo. a vivência da criança pode ser traduzida como o significado e/ou a forma de expressar o seu sentir. Refere-se às necessidades orgânicas. temos os instintos. Enquanto uma aponta para a educação psicomotora. 1982). Psicomotricidade: conceitos e significados O gesto motor. a ser reconceitualizada. que são respostas caracterizadas pela invariabilidade qualitativa de sua produção e execução. como mental. que são mais hierarquizados que os reflexos puros. sob a perspectiva de mercado e atuação profissional. paralinguísticos. Estas correntes já apontam não só para diferentes intervenções.RJ Essa perspectiva se firma na fala de Le Boulch (1969). a psicomotricidade pode ser entendida como sendo um processo de melhoria no comportamento psicofísico da criança. que corresponde à execução de movimentos. filogenéticos. principalmente na integração transdisciplinar das áreas do saber. outra. e pertinente a ser mencionado. conforme a adaptabilidade individual. afetivo-emocional e sociocultural. bem como seus limites e potencialidades. permitindo certo grau de variabilidade. sobretudo. uma vez que o autor defende que a Psicomotricidade “se dá por meio de ações educativas de movimentos espontâneos e atitudes corporais da criança”. No Homem. Esse conjunto de ações proporciona a criança uma imagem de seu próprio corpo. Esses movimentos. suas emoções e seus desejos. tanto nos aspectos físico. não só pela “intrusão” de fatores antropológicos. Estes reflexos podem ser agonistas. Outro aspecto importante. nestas respostas. Portanto.Rio de Janeiro . É nesse contexto que a Psicomotricidade enquanto uma prática pedagógica contribui para o desenvolvimento integral da criança. produzindo tendências ou inclinações. por meio dela a criança chega ao domínio de seus comandos motores e sensório motores (GESELL. responsáveis pela autoconservação individual. para a terapia e reeducação psicomotora (LE BOULCH. Os inatos são aqueles que nascem conosco e são representados pelos reflexos. mas. Mas. Dos movimentos involuntários temos os automatismos elementares inatos e os adquiridos. ontogenéticos. observando o seu desenvolvimento psicobiológico. 34 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância .

tocar instrumentos etc.Intenção ou propósito . começam como atividades voluntárias e depois. quanto com o mundo que o cerca. Esses reflexos condicionados. inibindo os móveis e motivos vencidos. 2. sua linguagem e sua socialização.RJ Os atos voluntários estão relacionados e dependem da inteligência e do afeto. nos poupam tempo e esforço. é um termo empregado para uma concepção de movimento organizado e integrado.Rio de Janeiro . Portanto.inclinações e tendência que fazem com que surja interesse em determinado objeto. Um corpo que é movimento e que se relaciona tanto com seu mundo interno.onde ponderamos os motivos (razões intelectuais) e os móveis (atração ou repulsão. o intelecto e o afeto. 3. acolhemos a definição de que Psicomotricidade é a ciência que tem como objeto de estudo o homem por meio do seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo (FONSECA. E sustentam-se três princípios básicos: o movimento. eliminam nossa criatividade e nos deixam embotados. Podemos dizer.. então.há os movimentos físicos.RJ A Psicomotricidade. em função das experiências vividas pelo sujeito.). que a Psicomotricidade estuda o ser humano por meio do seu corpo. É um termo empregado para uma concepção de movimento organizado e integrado. O ato volitivo envolve quatro etapas: 1. vindas do plano afetivo). conceitualmente a psicomotricidade é: DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 35 . por já estarem aprendidos. cuja ação é resultante de sua individualidade. afetivas e orgânicas. Relaciona- se ao processo de maturação. Os reflexos condicionados são produzidos desde as primeiras semanas de vida. que ocorrem devido à aprendizagem e nos forma hábitos. 2008). Resumindo. nesse sentido.Rio de Janeiro . da sua linguagem e sua socialização. no qual o corpo é a origem das aquisições cognitivas. Os hábitos podem ser passivos (adaptação biológica ao seu ecossistema) ou ativos (comer.. de forma sucinta.Deliberação . Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . geralmente. porém se exagerados. Os automatismos adquiridos são os reflexos condicionados. em função das experiências vividas pelo sujeito cuja ação é resultante de sua individualidade.demarca o começo da ação.Execução . são mecanizados. Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . quando bons.Decisão . 4. que. andar.

OBJETIVOS DA PSICOMOTRICIDADE Na infância. Visa. AS ÁREAS DA PSICOMOTRICIDADE Didaticamente falando. armazenar. Desta forma. enfoca esta unidade. educando o movimento ao mesmo tempo em que põem em jogo as funções intelectuais. além de possibilitar a socialização do grupo. mas também das relações com o meio social que a criança encontra-se inserida. percepção e a coordenação. “O soma e a Psique integram a unidade indivisível do homem. elaborar e expressar informação. como ciência da educação. um processo. especialmente. por meio das práticas psicomotoras. segundo a reflexão. cuja aquisição deu lugar às perturbações que o conduziram à reeducação. a comunicação e expressão. Permite ao indivíduo trocar experiências e atuar verbal e gestualmente no mundo. pois é por meio do movimento que a criança se relaciona com o mundo. A Psicomotricidade não é exclusivamente de um novo método. 1995). fundamentais para a polivalência preventiva e terapêutica das dificuldades de aprendizagem” (FONSECA.“Um meio inesgotável de afinamento perceptivo-motor que põe em jogo a complexidade dos processos mentais. estimula as áreas de conhecimento da criança. a Psicomotricidade permite transformar o cérebro num órgão com maior capacidade para captar. com os objetos e com os outros e por meio do qual desenvolve a inteligência e pacifica os seus estados emocionais. ou de uma corrente de pensamento. A Psicomotricidade. surge como um recurso crucial para o harmonioso desenvolvimento da criança. 1971). o que equivale a dar ao indivíduo a possibilidade de dominar seu corpo aperfeiçoando o seu equilíbrio. Uma vez que a linguagem verbal encontra-se. 36 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . nem constitui uma técnica.” (COSTALLAT. dependente da articulação e da respiração. pois tal pode levar-nos a um novo afastamento da concepção unitária do homem. a) Comunicação e Expressão A linguagem tem como função primordial a expressão e a comunicação do pensamento. a psicomotricidade. 1997). a Psicomotricidade tem como finalidade otimizar e maximizar o potencial de aprendizagem e a adaptabilidade psicossocial da criança. os fins educativos e o emprego do movimento humano (FONSECA. integrar. O objetivo da reeducação Psicomotora consiste no fato de que essa é uma técnica que constitui em torno de técnicas que têm por objetivo eliminar no indivíduo mecanismos e hábitos. Devemos salientar que a Psicomotricidade tem como objetivo desenvolver o aspecto comunicativo do corpo. ou de uma escola. intimamente. Por meio de experiências concretas.

A discriminação é que nos permite saber. audição. visão. o que DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 37 . número e forma. pode ser entendida como a união harmoniosa de movimentos. quadris etc. pés. Ela enfia contas no barbante ou coloca figuras em quadros e aprende sobre sequência e ordem. o que é verde e o que é azul e a diferença entre o 1 e o 7. já que todo corpo. às experiências vivenciadas pelo indivíduo. 2008). muito. Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . pernas. espaço. ocupa. na execução de atividades utilizando dedos. coloca grupos musculares diferentes em ação simultânea. por fim. ordem. com vistas à execução de movimentos voluntários mais ou menos complexos. A percepção está ligada à atenção. ou seja. percebemos. Primeiramente sentimos. olfato e degustação). b) Percepção Percepção é a capacidade de reconhecer e compreender estímulos recebidos.Rio de Janeiro . à consciência e à memória (FONSECA. Os estímulos que chegam até nós provocam uma sensação que possibilita a percepção e a discriminação. visomanual ou fina e visual. reconhecemos as diferenças e semelhanças entre estímulos e percepções. Supõe. Em seguida. aprende frases: acabou. distância etc. necessariamente. desse modo.RJ c) Coordenação A coordenação motora está ligada ao desenvolvimento físico. a integridade e maturação do sistema nervoso. Corresponde à organização intelectual do meio e está ligada à consciência.RJ HABILIDADES CONCEITUAIS A matemática pode ser considerada uma linguagem cuja função é expressar relações de quantidade. Por ser subdividade em: coordenação motora. com todo o corpo (cabeça. tamanho. d) Orientação A orientação ou estruturação espacial/temporal é importante no processo de adaptação do indivíduo ao ambiente. A coordenação visual refere-se aos movimentos específicos com os olhos nas mais variadas direções (FONSECA. tornozelos. 2008). por exemplo. a criança adquire uma visão dos conceitos pré-simbólicos de tamanho. discriminamos. ainda. coordenação dinâmica global ou geral. braços. caixas ou panelas. mãos e pulsos. Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . à memória. ombros. quebra-cabeças. A coordenação dinâmica global envolve movimentos amplos. um espaço em um dado momento. À medida que brinca com formas. A coordenação visomanual engloba movimentos dos pequenos músculos em harmonia. E. animado ou inanimado. por meio dos sentidos (tato.) e. não mais. realizamos uma mediação entre o sentir e o pensar.Rio de Janeiro .

). A aprendizagem da leitura e da escrita exige habilidades tais como: • Dominância manual já estabelecida (área de lateralidade). manutenção da proporção de altura e largura das letras. • Pronúncia adequada de vogais. sílabas e palavras (área de orientação têmporo-espacial). q/d. reconhecimento das diferenças dos pares b/d. acompanhamento das linhas de uma página com os olhos ou os dedos. manutenção de espaço entre as palavras e escrita orientada pelas pautas (áreas de percepção visual. palavras (área de comunicação e expressão). Para que se construa o conhecimento físico (referente à cor. orientação da leitura e da escrita da esquerda para a direita. preensão adequada para segurar lápis e papel e para folhear (área de coordenação visual e manual). psicomotricista e professor de Educação Física ESTEBAN LEVIN. por exemplo: para perceber que um peixe é vermelho. consoantes. habilidades conceituais). ou quantas sílabas formam uma palavra (área de habilidades conceituais). HABILIDADES PSICOMOTORAS E PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO As habilidades psicomotoras são essenciais ao bom desempenho no processo de alfabetização. orientação espacial. Para entendermos um pouco mais sobre a relação entre o corpo e sua necessidade para o aprender. • Noção de linearidade da disposição sucessiva de letras. domínio de movimentos delicados adequados à escrita. peso etc. a criança necessita ter um sistema de referência lógico-matemático que lhe possibilite relacionar novas observações com o conhecimento já existente. • Movimentação dos olhos da esquerda para a direita. sílabas. • Conhecimento numérico suficiente para saber. A criança progride na medida do conhecimento lógico-matemático. quantas voltas existem nas letras m e n. vejamos a entrevista do psicólogo. • Possibilidade de reunir letras e sílabas para formar novas palavras (síntese).amplia suas ideias de quantidade.. lateralidade. p/q etc. por exemplo. • Capacidade de decompor palavras em sílabas e letras (análise). • Discriminação de sons (área de percepção auditiva). ela necessita um esquema classificatório para distinguir o vermelho de todas as outras cores e outro esquema classificatório para distinguir o peixe de todos os demais objetos que conhece. pela coordenação das relações que anteriormente estabeleceu entre os objetos. • Adequação da escrita às dimensões do papel. ''O corpo ajuda o aluno a aprender'' ESTEBAN LEVIN Psicomotricista argentino sugere que os movimentos corporais sejam incluídos nas atividades de todas as disciplinas 38 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância .

antes disso. teorias. as letras A. você brinca. em atividades de arte. Levin explica como o educador pode explorar a agitação natural da criança para ensiná-la a ler e a escrever. fazer tabelas. a necessidade de movimentar-se é mais respeitada pela escola: o corpo é usado em brincadeiras. a criança vai ter de encontrar as plantas escondidas na escola. Nesta entrevista à ESCOLA concedida durante o 9º Congresso Brasileiro de Psicomotricidade. A criança pode correr. manipulá-las e classificá-las. Ele chega ao absurdo de. pode ser uma das causas da hiperatividade -. para movimentar-se e descobrir o mundo.forma pela qual estaria incorporando os conteúdos. ESCOLA: Por que o movimento corporal é importante no processo de aprendizagem? LEVIN: O corpo e os gestos são fundamentais para a formação geral do ser humano. B ou C brincando com o corpo. de manias e de comportamentos repetitivos sem significado. Na verdade. para alfabetizá-la matematicamente e também para que ela aprenda as mais diversas disciplinas escolares. mas que também ficam à nossa disposição para serem colocados em uso. Pode ser também um dos componentes de quadros de anorexia.um dos distúrbios de aprendizagem mais comuns hoje em dia --. precisam ficar quietos.Hoje. por exemplo. sem movimento. O problema é na passagem para a 1ª série. para relacionar-se com seus pais. os movimentos e a imagem que se tem desse corpo são fundamentais na aprendizagem e na formação geral do adulto. o psicólogo e professor de Educação Física argentino Esteban Levin é um dos pesquisadores que mais contribuem com seus estudos nesse campo. Se a turma gosta de futebol. Os movimentos são saberes que adquirimos sem saber. Mas o estudo deveria estar totalmente ligado ao movimento corporal. calcular resultados. são aprendizados efetivos. pular. conceitos. Geralmente. do que sentados em frente ao quadro-negro. Com 7 anos. incorporados.. pedir que eles desenhem a si mesmos dançando ou subindo em árvores! Ele deveria.. por que o professor não propõe brincadeiras do tipo caça ao tesouro ou esconde-esconde de folhas? Com elas. Os momentos de usar o corpo ficam restritos à hora do recreio e às aulas de Educação Física. afirma. Isso sem falar das dores corporais que a falta de atividade às vezes traz. Essas descobertas feitas com o corpo deixam marcas. ler e escrever histórias interessantes sobre esse esporte? DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 39 . E isso é possível acontecer com palavras. enumerá-las. na 1ª série. É como se a escola dissesse ao aluno: na pré-escola. de música etc. Desde que nasce a criança usa a linguagem corporal para conhecer a si mesma. por que não formar times para disputar um torneio. muitas vezes. realizado em outubro do ano passado em Olinda (PE). Em Matemática. O corpo. deixá-los experimentar essas atividades. de bulimia e de depressão infantil. começa a estudar. supostamente prestando atenção no mestre -. representando-as deitados no chão em grupos de dois ou três. ESCOLA: O que pode acontecer a uma criança que é obrigada a ficar sentada muito tempo? LEVIN: A obrigação de deixar o corpo estático. espreguiçar-se sem censura alguma. são tesouros que guardamos e usamos como referência quando precisamos ser criativos em nossa profissão e resolver problemas cotidianos. ESCOLA: Como o corpo deve ser usado durante a aula? LEVIN: É muito mais fácil para os pequenos aprender. os alunos são colocados em carteiras. ESCOLA: A escola costuma considerar o corpo no processo de aprendizagem? LEVIN: Durante a Educação Infantil. os professores exigem uma postura totalmente diferente da que era permitida até então.

de tornar essa prática uma construção efetiva nas nossas ações cotidianas para com a criança. pois devemos entender que nosso trabalho deve romper com a ação de mera reprodução. possibilitar a criança que realize descobertas. Isto porque. Com certeza algo de sua infância foi marcante para ele optar por ensinar os pequenos. como no intelectual. conseguem superá-las e aprender com as restrições. crie e a abuse de sua imaginação. principalmente. e isso vai ajudá-lo a compreender muito melhor as necessidades da turma. se tiverem consciência disso. criassem atividades inclusivas. buscamos enfatizar o fato de que a aquisição de certo número de conhecimentos e de habilidades. mas. ESCOLA: Que tipo de conhecimento o professor precisa ter para unir com eficiência o uso do corpo ao processo de aprendizagem? LEVIN: Basta colocar a busca pelo saber acompanhada de movimento. CONSIDERAÇÕES FINAIS A sublime tarefa de educar pelo movimento humano se repete a cada momento fecundo. apontar que o desenvolvimento e a aquisição das habilidades da criança se processam tanto por meio de possibilidades funcionais quanto no plano físico. com o intuito de levá- los a uma reflexão sobre a necessidade que temos. 40 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . É importante também que o docente recupere a sua história. enquanto educadores.ESCOLA: Deficientes físicos também podem usar o corpo para aprender? LEVIN: Portadores de deficiência constroem a imagem do próprio corpo como qualquer outra pessoa. Conquista a herança dessa possibilidade somente quem a todo dia a reconquista (FERNANDO ATHAYDE). os seus desejos infantis. hoje. reconstruindo toda a história do corpo. A tentativa desse capítulo foi apresentar os fatores que envolvem as questões psicomotoras. Nesta segunda unidade. Eles têm dificuldades em usar o corpo. Assim. qual o motivo que o levou a querer dedicar sua vida ao trabalho com crianças. Ele pode perguntar-se. mas. resgata alguns de seus desejos infantis. aluno e professor. O ideal seria conversar sobre as limitações e que juntos. O que não pode é fingir que o problema não existe. na qual a criança fica sentada e deve apenas ouvir. na qual devemos. pode e deve ocorrer por meio de uma transmissão cultural. procuramos demonstrar o percurso histórico da psicomotricidade. por exemplo.

mas para que esse processo ocorra de forma significativa faz-se necessário que algumas habilidades psicomotoras estejam desenvolvidas. Sabendo desse fato e após a análise do texto. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 41 . elabore um conceito para a Psicomotricidade. II) Aponte os principais aportes teóricos que influenciam o desenvolvimento da psicomotricidade desde seu surgimento até a atualidade. V) A aprendizagem escolar é um processo resultante da interação entre o meio e a criança. Exemplifique. cite e explique-as. Sabendo desse fato. IV) Disserte acerca das áreas de abrangência da psicomotricidade. III) Apresente a diferença entre os movimentos involuntários dos voluntários.ATIVIDADE DE AUTOESTUDO I) A psicomotricidade é uma possibilidade de intervenção que auxilia os processos de desenvolvimento da criança.

.

UNIDADE III PSICOMOTRICIDADE E MOVIMENTO: FATORES QUE INTERFE- REM NO DESENVOLVIMENTO MOTOR Professora Me. apresentam-se os tópicos que você estudará nesta unidade: • Elementos Constituintes da Psicomotricidade • Estratégias Psicomotoras e Consequências educativas • Exercícios Psicomotores . • Estudar os constituintes psicomotores. Plano de Estudo A seguir. • Refletir acerca da importância dos exercícios psicomotores para o desenvolvimento da criança. Vânia de Fátima Matias de Souza Objetivos de Aprendizagem • Conhecer e relacionar os elementos psicomotores na prática interventiva.

.

mais tarde. os gestos querem dizer alguma coisa. parasquematia que é a confusão de diferentes regiões do corpo ou a representação de partes que não existem. O esquema postural para a psicomotricidade é a imagem tridimensional do nosso corpo e a imagem do corpo humano é a imagem do nosso próprio corpo que formamos em nosso espírito. por exemplo. graças a linguagem. Por exemplo. pois variadas formas desde o seu nascimento. como para uma criança de 6 anos receber um grito de um adulto. e que o desenvolvimento psicomotor da criança é de fundamental importância. sem coordenação nas pernas. por conseguinte desencadeará reações emocionais que são traduzidas como mal-estar ou como sentir-se meio mole. ela resiste a ser uma educação mecânica do corpo. Existem os comportamentos inatos que a criança manifesta. Dentro do estudo da psicomotricidade temos como elementos constituintes o esquema corporal. salivação que são manifestações primitivas. do corpo. Por entender que o corpo traduz os nossos desejos. bocejo.ELEMENTOS CONSTITUINTES DA PSICOMOTRICIDADE A Psicomotricidade preocupa-se com o desenvolvimento neuromuscular que. para que possamos nos inserir no meio ao qual pertencemos. A comunicação é uma função essencial na reeducação psicomotora. da gestualidade. A psicomotricidade interessa-se pelo movimento que certo comportamento tônico subentende. o homem vive num mundo de significações. que por outras palavras é o modo como o nosso corpo se apresenta a nós mesmos. apresentaremos os elementos constituintes da psicomotricidade que colaboram para o desenvolvimento integral da criança. fará com que ocorra um aumento da tensão. Estuda o surgimento de alguns distúrbios como a asquematia que é a perda da percepção topologica do corpo. por exemplo. quanto pela relação à diminuição do tono trará a descontração muscular. espirro. representa a imagem que a criança tem de seu próprio corpo. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 45 . o grito pode ser interpretado como dor que pode também não ser de sofrimento. pois toda e qualquer emoção tem sua origem no domínio postural. também de emoções que devem ser orientadas e educadas no sentido de controle das próprias modalidades do meio-familiar e social da criança. As manifestações emocionais que implicam a problemática da emoção. subsidiará a motricidade e por consequência. Assim. uma vez que a psicomotricidade leva em conta o aspecto comunicativo do ser humano. a execução de tarefas motoras e cognitivas bem-sucedidas. o corpo tem um sentido que ele pode sempre interpretar e traduzir. de acordo com nossas potencialidades e destrezas.

A criança se sentirá bem na medida em seu corpo lhe obedece. Portanto. reconhece e sabe que pode utilizá-lo não somente para movimentar-se. uma criança que domina Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . o que lhe proporciona bem estar. na relação de suas diferentes partes entre si e. na leitura não demonstra harmonia. 2008). O esquema corporal pode ser definido como “uma intuição de conjunto ou um conhecimento imediato que temos de nosso corpo estático ou em movimento. o que significa dizer que não segue o ritmo da leitura ou então. pode-se considerá-lo como sendo a representação relativamente global. uma vez que é a representação da imagem que a criança tem de seu próprio corpo. sobretudo. nas relações com o espaço e com os objetos que o circundam” (FONSECA. mas como uma forma de demonstrar suas habilidades e potencialidades. potencialidades e dificuldades.RJ Conhecer as partes do corpo. expressar-se.RJ o seu corpo sente-se a vontade em explorar seu potencial. pois demonstra desenvoltura e eficácia para realizar as tarefas que lhes são ofertadas. suas funções e interações com ele mesmo e com o meio que o cerca é de fundamental importância na construção do esquema corporal e no desenvolvimento normal no âmbito motor. seus limites. pára no meio de uma palavra.Rio de Janeiro . mas também para agir.Rio de Janeiro . científica e diferenciada que a criança tem de seu próprio corpo. ela não coordena bem os movimentos. sem medos e frustrações. em que o conhece bem. Segundo De Meur (1989). simplesmente. comunicar-se com o mundo que o cerca. ESQUEMA CORPORAL Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . A importância em se trabalhar com o esquema corporal persiste no fato de que quando a criança conhece seu corpo. social e afetivo da criança para que suas ações futuras sejam orientadas com sucesso. Fica nítido para o professor diagnosticar a criança que se encontra com seu esquema corporal mal constituído. sua grafia é “feia”. Podemos dizer que o esquema corporal é um elemento básico indispensável para a formação da personalidade da criança. tornando fáceis e equilibrados seus contatos com os outros. Nesse sentido. em que pode utilizá-lo não somente para movimentar-se. O esquema corporal é um elemento básico indispensável para a formação física e psicológica da criança. para auxiliar no desenvolvimento do esquema corporal da criança devemos considerar: 46 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . mas também para agir. Fazendo com que os desafios não sejam vistos apenas como dificuldades.

ainda não foi transferida de uma ação para outra. as pessoas. embaixo. depois entre eles. pois a tendência é que ela. desviando. esquecendo-se de dobrar as pernas. é por meio do desenvolvimento do esquema corporal e de seus constituintes que possibilitamos que a criança se sinta bem disposta e capaz de situar seu corpo em relação aos outros. confusão na ordenação dos elementos de uma sílaba. Imagine a seguinte situação: uma criança quer passar por baixo de um banco. principalmente. A tendência dessa criança é que em pouco tempo não se sentirá à vontade em continuar no jogo. dentro. aos objetos que a cercam e. engatinhar. sendo a análise gramatical um quebra-cabeça para ela. o gesto motor. c) Passagem para a Ação A criança não transfere líquidos de uma vasilha para outra para brincar? Mas. acaba batendo as nádegas contra o banco. acima. Nesse sentido. longe. progressivamente. Para De Meur (1989). DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 47 . possivelmente. Logo. fora. como por exemplo. não ousará mais correr por não dominar bem seu corpo.a) Domínio Corporal Referimo-nos a capacidade da criança apresentar domínio e controle sobre suas ações corporais. a ação motora. contra seus companheiros. Movimentos simples como o rastejar. com a noção “antes-depois”. A ORGANIZAÇÃO DO CORPO NO ESPAÇO Referimo-nos aqui a capacidade de movimentar o próprio corpo de forma integrada. b) Conhecimento Corporal Conhecer seu corpo e suas dimensões. na brincadeira. acarretam. locomovendo-se ou passando por eles. Descobrir e ter a noção de em cima. Por exemplo. mas. então por que ela entorna um copo de limonada para beber? A explicação é simples. terá condições para transpor suas descobertas. dentro de um ambiente contendo obstáculos. A criança sente dificuldade em reconstruir uma frase cujas palavras estejam misturadas. os problemas relacionados à orientação temporal e espacial. constantemente. Possivelmente essa criança ainda não conhece o seu corpo enquanto objeto que ocupa lugar no espaço. para a criança implica em dizer que ela está apresentando um desenvolvimento integral de suas ações. portanto. e andar propiciam a criança o desenvolvimento das primeiras noções espaciais: perto. e o quão espaço se faz necessário para deslocar-se ou realizar uma determinada ação. uma criança corre durante o recreio e choca-se. os acontecimentos em relação a si. localizará os objetos.

de possibilidades motoras e de suas possibilidades de agir e de expressar-se. acarretar fracasso na matemática. as questões que não lhe foram supridas no concreto. que o capacita a utilizar um lado do corpo com melhor desembaraço do que outro. depois a outros objetos ou pessoas em posição estática ou em movimento. Isso porque. de colocá-las em um lugar ou de movimentá-las. que nada mais é do que a orientação. um “p” de um “q”. uma vez que para calcular a criança deve ter pontos de referência. por exemplo. Diante de problemas de percepção espacial. Uma má organização espacial ou temporal poderá. achavam errado. O que significa dizer que a definição da lateralidade ocorre à medida que a criança se desenvolve e. caracterizando-se por uma assimetria funcional. do lugar e da orientação que pode ter em relação às pessoas e coisas. pode ser considerado a tomada de consciência da situação das coisas entre si. quando a criança é forçada a usar um lado do corpo torna-se prejudicial para a lateralidade. ou ainda a possibilidade.Rio de Janeiro . “21” de “12”. Quem nunca ouviu histórias de pais e mães. escrever com a mão 48 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . Portanto. de organizar-se perante o mundo que o cerca. no abstrato. ou seja. o “n” e o “u”. possuir noção de “fileira”. de organizar as coisas entre si. Se não se distingue bem o alto e o baixo. talvez por fatores culturais. para o sujeito. deve conseguir combinar as formas para fazer construções geométricas. confunde o “b” e o “p”. portanto. Resumindo.RJ no espaço devemos considerar a estruturação espacial. É nesse sentido. DOMINÂNCIA LATERAL A dominância lateral é uma característica que buscamos perceber desde a mais tenra idade. a tomada de consciência da situação de seu próprio corpo em um meio ambiente. um “b” de um “d”. por exemplo. a lateralidade na criança não deve ser estimulada até que não tenha sido definida. mas essa se refere muito mais do que escolher a mão (direita ou esquerda) para escrever ou comer. a estruturação do mundo exterior referindo-se ao eu referencial. refere-se ao esquema do espaço interno do indivíduo. pela criança. caso não perceba a diferença entre a esquerda e a direita. isto é. em atividades que requeiram habilidade. uma criança não é capaz de distinguir. o esquema corporal é a tomada de consciência. de “coluna”. não consegue perceber. o “ou” e o “on”. ou até mesmo de professores que forçavam a criança a segurar o lápis ou o copo com a mão direita. ou seja. para trabalharmos com a organização do corpo Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . colocar os números corretamente.

A destralidade verdadeira é a dominância cerebral que está a esquerda. possivelmente essa criança poderá apresentar danos na sua motricidade. mas se ela ainda apresentar a tendência para o sinestrismo e os pais tentarem fazer algo para que a frustre. e não é habitual que possa mudar essa constituição cerebral. mas sim do ponto de vista da pessoa que as considera. possibilitando o surgimento de possíveis problemas de aprendizagem. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 49 . Se o indivíduo amputar o braço direito. sua dominância lateral. e que a própria criança tem sua preferência. A lateralização participa em todos os níveis de desenvolvimento da criança. temos apenas que possibilitar a criança a desenvolver suas habilidades. IMPORTANTE SABER: Somente a partir dos 7 anos a criança será capaz de projetar em outra pessoa a partir de seu próprio corpo. sendo que todas as matrizes são determinadas a direita (o hemisfério esquerdo comandará o hemicorpo direito que leva o indivíduo a uma utilização preferencial desse hemicorpo na realização prática. portanto. o hemisfério esquerdo do cérebro é quem governa o braço direito de um destro. a direita e a esquerda já não dependem somente uma da outra. Curiosidade: Segundo Jean Claude. mas as escolhas devem ser feitas por ela. para Jean Claude. para o indivíduo destro foi originalmente impedido de ser.6 anos). Isto porque hoje sabemos que não existe certo ou errado. esquerda. isso sim é errado.Rio de Janeiro . se for destro. Reconhecimento direita-esquerda decorre da assimetria direita-esquerda e constitui uma primeira etapa na orientação espacial é precedida pela distinção frente-atrás (conscientização do eixo corporal . indivíduo canhoto. A falsa sinistralidade refere-se a um acidente sendo o sinitrismo (também chamado de mananismo consequente de uma paralisia. Dominância lateral ocorre a partir do momento em que os movimentos se combinam e se organizam numa intenção motora e que se impõe e justifica a presença de um lado predominante que irá ajustar a motricidade. No início da idade escolar ainda prevalece a bilateralidade Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . continuará falando e escrevendo com o cérebro esquerdo. de uma amputação) que tornou impossível a utilização do braço direito.RJ na criança. os pais devem favorecer a escolha feita pelas crianças. Forçavam a criança a utilizar a mão direita para tal ação.

na presença de algum distúrbio do equilíbrio. O conhecimento "esquerda-direita" decorre da noção de dominância lateral. estimulada. a nível de força e da precisão) e conhecimento "esquerda-direita" (domínio dos termos "esquerda" e "direita"). naturalmente. tensões musculares locais. e falta de confiança em si mesmo. 2008). guardará sem dificuldade que "aquela mão" é à esquerda ou à direita (FONSECA. se a criança percebe que trabalha naturalmente "com aquela mão". Nesse sentido. também é influenciada por certos hábitos sociais. É entendido como sendo a generalização. da percepção do eixo corporal. a uma atitude referente ao tônus muscular. podemos dizer que o equilíbrio não se resume. desalinhamentos anatômicos e imprevisibilidade de atitudes.Rio de Janeiro . ela 50 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . A dificuldade em equilibrar-se produz estados de ansiedade e insegurança. Pick e Vayer (1985) afirmam que. a tudo que cerca a criança. a criança pode apresentar tendência à inibição ou desejo de esconder.RJ apreendido quanto mais acentuado e homogêneo for a lateralidade da criança. mas que afeta psicologicamente a criança em suas relações sociais. pode-se observar uma indisponibilidade imediata dos movimentos. se define uma dominância lateral na criança. Com efeito. Socialmente. exclusivamente. mais ágil do lado direito ou do lado esquerdo) em relação ao outro. pois a criança não consegue manter um estado estático ou de movimento e isto atrapalha a relação entre equilíbrio físico e psíquico. Fonseca (2009) e Rosa Neto (2002) mencionam que obter um bom equilíbrio é essencial para a conquista da locomoção e a independência dos membros superiores. A ORGANIZAÇÃO LATERO-ESPACIAL Durante o crescimento. resultando na tendência de ter maiores destrezas e habilidades de um lado de seu corpo (poderá ser mais forte. EQUILÍBRIO Referimo-nos aqui a função em que os indivíduos mantêm sua estabilidade corporal durante os movimentos e quando em estado de imobilidade. isso ocorre porque mesmo a lateralidade correspondendo a dados neurológicos. marcha não harmoniosa. Por essa razão não basta amarrar um lacinho ou fitinha na mão da criança e dizer-lhe que essa é a mão direita se essa não for realmente trabalhada. Esse conhecimento será mais facilmente Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . desequilíbrio corporal global. Diferença entre a lateralidade e o conhecimento "esquerda-direita" Não devemos confundir lateralidade (dominância de um lado em relação ao outro.

d) noções de cadência: rápida. contendo obstáculos ou não... não se pode mais revivê-lo”. e depende de cada criança. Quando chega aos 9 anos consegue imitar movimentos realizados por outras pessoas com o mesmo lado do corpo no qual a pessoa realiza o movimento. um minuto. na verdade. por isso faz-se necessário estar constantemente estimulando a responder a essas ações.. para a direita. permitimos e oferecemos situações nas quais ela pode virar-se. para o alto. no dia anterior. Lembramos que por volta dos 6 anos. esse tempo já representa mais essa eternidade e passa muito.. muitas vezes. vai indo para os seus seis anos. Com 8 anos reconhece o lado direito e esquerdo em outra pessoa. c) noções de ritmo: regular. na segunda feira.. ensinamos a orientar-se. as estações. Mas. após. a criança tem conhecimento do lado direito e esquerdo do seu corpo. e) noção de renovação cíclica de certos períodos: os dias da semana. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 51 . entende que é algo rápido. enquanto para uma criança de 10 anos. transpõe o lado da pessoa para o seu. b) noções de tempo longo: uma hora. por exemplo. durante. para trás. para uma criança de três anos. Por exemplo. Ressaltamos que esse processo ocorre gradativamente. como por exemplo: a) Sucessão dos acontecimentos: antes.precisa conhecer a terminologia como também dominar e distinguir direita de esquerda. lenta (diferença entre a corrida e o andar). os meses. de cada momento e dos estímulos que a ela são proporcionados. As noções temporais são muito abstratas. para a esquerda. Pode experimentar situações para poder ficar em fila. f) noção de envelhecimento: do caráter irreversível do tempo: “já passou. 2008). Aos 7 anos reconhece a posição relativa entre dois objetos. isto é. ir para frente. Orientação espacial Quando a criança domina os diversos termos espaciais. e contar para a professora que “amanhã” ela foi na casa da vovó. bem difíceis de serem adquiridas por nossas crianças.. Aos 10 anos reproduz movimentos de figuras esquematizadas e com 11 anos consegue identificar a posição relativa entre 3 objetos (FONSECA. isto é. já passaram”. quatro anos. irregular (aceleração. enfim. executar movimentos diversos em espaços delimitados ou não. é comum vermos uma criança de 3 anos chegar na escola. freada). três minutos podem parecer uma eternidade. ela está se referindo a um acontecido que já ocorreu no domingo. “você tem cinco anos. Orientação temporal A estruturação temporal é a capacidade de a criança situar-se e depende do entendimento e compreensão de fatores.

no grafismo. E que pode ajudá-lo a entender-se enquanto um corpo que se integra e se apresenta socialmente por meio da gestualidade de sua ação. seu estudo e pesquisa constantes do es- quema e da imagem corporal. Reveste muita importância nas praxias. entendendo o ser humano em constantes e complexas adaptações. o corpo como fonte de comunicação. que tem por finalidade. o corpo como fonte de comunicação. 52 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . Portanto. poderá apresentar dificuldades escolares. fazendo-o concluir que pode ter êxito. o gesto à palavra. E que pode ajudá-lo a entender-se enquanto um corpo que se integra e se apresenta socialmente por meio da gestualidade de sua ação.A COORDENAÇÃO DINÂMICA A coordenação dinâmica geral da criança. pode dizer que a Psicomotricidade é uma concepção holística de aprendizagem e de adaptação do ser humano. Resumindo: Os potenciais humanos são apoiados nas áreas básicas da Psicomotricidade. entendendo o ser humano em constantes e complexas adaptações. sucesso em suas ações corporais diárias. ao qual se deve dar uma atenção em particular. um bom domínio do corpo suprindo a ansiedade habitual. fazendo-o concluir que pode ter êxito. que tem por finalidade. o ato ao pensamento. de autoestima. como a disgrafia que ultrapassa linhas e margens do caderno. associar dinamicamente. lateralidade. o ato ao pensamento. estimulando o sentimento de competência. pode ter dificuldades na apreensão de dedos e nos gestos. de autoestima. o movi- mento como expressão. equilíbrio e coordenação são enriquecidos instrumentalmente. Portanto. associar dinamicamente. o símbolo ao conceito. o movimento como expressão. Com relação à coordenação dinâmica das mãos. equilíbrio e coordenação são enriquecidos instrumentalmente. Os potenciais humanos são apoiados nas áreas básicas da Psicomotricidade. sucesso em suas ações corporais diárias. Le Boulch (1982) diz que a habilidade manual ou destreza constitui um aspecto particular da coordenação global. seu estudo e pesquisa constantes do esquema e da imagem corporal. diminui as tensões trazendo um controle satisfatório e a confiança com relação ao próprio corpo. lateralidade. A criança. o gesto à palavra. o símbolo ao conceito. quando apresenta algum distúrbio no desenvolvimento da coordenação (tanto global como da dinâmica das mãos). pode dizer que a Psicomotricidade é uma concepção holística de aprendizagem e de adaptação do ser humano. estimulando o sentimento de competência.

equilíbrio. domínio e equilíbrio. • Lateralidade: Noção de direita e esquerda. noções de espaço e tempo e lateralidade. Exemplo de atividade: brinquedos cantados: escravos de já. Exemplo de atividade: A raposa que gostava de comer capim. Temos a coordenação motora ampla e seletiva. • Coord. Exemplo de atividade: macaquinho mandou. dança da cadeira. São eles: • Qualidade física: força. organização. Além desses fatores. dança da laranja. Exemplo de atividade: bola de gude. responsabilidade. devem relacionar-se a aspectos que são sempre uma constante na psicomotricidade. coerente as atividades. pegador. Exemplo de atividade: amarelinha. Exemplo de atividade: bola queimada. trabalhando com as extremidades dos segmentos (mãos). coragem e solidariedade. pode ser estático e dinâmico.ESTRATÉGIAS PSICOMOTORAS E CONSEQUÊNCIAS EDUCATIVAS Para uma ação interventiva. • Características cognitivas: capacidade de análise e desenvolvimento de memória. bola ao túnel. • Esquema Corporal: é o conhecimento que temos do corpo em movimento ou em posição estática. • Aspecto afetivo e social: socialização. pintura. da dinâmica geral: é a atuação conjunta do sistema nervoso central e da musculatura esquelética. agilidade. elefante colorido. disciplina. • Equilíbrio: É a capacidade de manter-se sobre uma base. Grossa: Habilidade e destreza corporal para responder a uma tarefa com a totalidade das mãos ou do corpo. em relação aos objetos e o espaço que o cerca. velocidade. flexibilidade. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 53 . • Coord. Fina: habilidade de manejo e controle de objetos. coordenação motora. • Coord. Exemplo de atividade: lenço atrás. Exemplo de atividade: jogo das cinco Marias. na execução do movimento. • Manipulação: Habilidade de manuseio e controle de objetos. Exemplo de atividade: pula carniça. amarelinha. • Tono Corporal: Ajustamento e controle postural. podemos considerar como estruturas psicomotoras de base para a intervenção: a) Locomoção: habilidade referente à locomoção com destreza.

pois colaboram para a efetivação da prática pedagógica tornar-se uma prática significativa resultante em um aprendizado significativo para a criança. c) Noção de antes e depois. Exercícios de pré-escrita Domínio do gesto. andar para os lados.RJ No ambiente escolar os exercícios psicomotores devem ser uma constante. de esquerda e direita. o indivíduo e o grupo. às questões cognitivas tão essenciais as tarefas escolares para a criança. a afetividade e a energia. 54 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . exercícios preparatórios para a escrita na lousa e no papel.Rio de Janeiro . Nesse sentido. equilibrar e caminhar sobre uma linha no chão e materiais variados (passeios ao ar livre). alicerçando. não basta fazer “caligrafia”. por meio delas podemos desenvolver os fatores afetivos em consonância com os psicomotores e que são expressos na interação entre o espírito e o corpo. de oblíquas e curvas (g e q). sem o que a criança não inicia seu gesto no lugar correto (escrita espelhada. O que significa dizer que a escrita necessitamos de: a) Direção gráfica: escrevemos horizontalmente da esquerda para a direita (lateralidade). possibilitam que as habilidade psicomotoras sejam desenvolvidas. sua finalidade é fazer com que a criança atinja o domínio do gesto e do instrumento. faz-se necessário que tenhamos nossa coordenação motora fina. rolar. b) Noções topológicas básicas como: em cima e embaixo (n e u). Os exercícios de pré-escrita e de grafismo são necessários para a aprendizagem das letras e dos números. Uma vez que para apresentarmos uma escrita legível e habilidosa. estruturação espacial e orientação temporal são os fundamentos básicos para a aquisição com destreza da escrita. algumas brincadeiras que trabalham com o engatinhar. se equilibrar em um só pé. dar cambalhotas. e demais domínios psicomotores para que a performance seja realizada a contento. Outra possibilidade refere-se às atividades recreativas. a percepção e a compreensão da imagem a reproduzir. flutuando entre as linhas). Exercícios Psicomotores Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . Esses exercícios podem ser divididos em exercícios puramente motores ou exercícios de “grafismo”. balançar. promovendo a totalidade do ser humano. concomitantemente.

enfim alguns dos elementos essenciais ao desenvolvimento da criança no enfoque psicomotor. Prática psicopedagógica integrada em crianças com necessidades educativas especiais: abordagem psicomotora. III) Elabore uma justificativa ponderando acerca da relevância de se trabalhar com o equilíbrio com a criança na educação infantil.CONSIDERAÇÕES FINAIS A unidade apresentada buscou enfatizar os elementos psicomotores como o esquema corporal. A simbologia do movimento. José Francisco. psicomotricidade e educação. IV) Quais as estruturas de base que devemos considerar. 1999. II) O domínio corporal. a organização espacial. CHICON. São Paulo: Manole. mas que esses podem ser melhor evidenciados a partir do momento que a criança reconhece a si e ao seu corpo. conhecimento corporal e passagem para a ação são elementos integrantes do esquema corporal. Explique-os exemplificando. André. AUCOUTURIER. Essa organização ocorreu orientada pelo fato de que acreditamos que se faz necessário oportunizar a criança saberes que são científicos. 1986. o domínio da lateralidade. Vitória: CEFD/UFES. LAPIERRE. ATIVIDADE DE AUTOESTUDO I) Explique a importância do desenvolvimento do esquema corporal para a criança. Bernard. ao elaborar atividades a um grupo específico de crianças? DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 55 .

.

• Estudar a evolução psicomotora da criança. de acordo com a necessidade educativa da criança. • Relacionar as estratégias de intervenção psicomotora. Plano de Estudo A seguir. Vânia de Fátima Matias de Souza Objetivos de Aprendizagem • Entender a interação entre o desenvolvimento psicomotor da criança. apresentam-se os tópicos que você estudará nesta unidade: • Evolução psicomotora da criança até os três anos • Evolução psicomotora da criança dos três aos seis anos de idade • Estratégias psicomotoras e consequências educativas .UNIDADE IV A EVOLUÇÃO PSICOMOTORA DA CRIANÇA Professora Me.

.

• Estágio projetivo . a totalidade do mundo em que vive. e essa interação sensorial. por ser auto e eco-organizado no corpo e no cérebro.(faixa etária aproximada não definida pelo autor) A criança age sobre o objeto. suas informações são interoceptivas. o ser humano é o único animal que se pode considerar psicomotor. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 59 . por meio de uma educação que se paute no movimento. a atividade do bebê está. seus movimentos. 126) sustentado por Morin. nesta unidade apresentaremos as principais características psicomotoras das crianças. É o período da relação afetiva mais contundente. A criança se constrói por inteiro e de forma integrada. a criança ao nascer se expressa por meio dos deslocamentos exógenos (maturação tonica e sinergética). por meio do movimento no qual busca melhorar concomitantemente a utilização das capacidades psíquicas da criança. ela transforma esse objeto em uma imaginação. CARACTERÍSTICAS PSICOMOTORAS DA CRIANÇA DE 0 A 3 ANOS Para Fonseca (2008. Nesse sentido. tem seu primeiro contato com o mundo a partir de seu corpo. Acatando esses preceitos. por meio do movimento e da motricidade da criança. seu choro. a imitação e a linguagem são ampliadas. o bebê apresenta descargas ineficientes de energia muscular através de espasmos. na qual a comunicação não verbal é um componente básico. De acordo com Le Boulch (1987. Dependência total em relação à família. que o desenvolvimento se processa a partir do Estágio impulsivo – impulsivo expressivo emocional (0 – 3 meses). p. Surge a marcha. é a possibilidade de colaborarmos com esse processo. ainda. então. posteriormente. 23). podemos dizer que a psicomotricidade trata também das questões de uma educação. essencialmente. De acordo com Wallon (1962). por ser criado em uma dimensão cultural. isso ocorre porque se firmam laços de afetividade e a expressão gestual é a comunicação da criança com o mundo que a rodeia. é comum ouvir uma mãe que ao deixar a criança em meio a outras distinguirem se é o seu bebê que está chorando. • Estágio emocional – (3 – 9 meses) A emoção é o meio de comunicação do bebê. traduzem suas necessidades. A mãe reconhece o seu choro. desempenhando papel importante para a comunicação. p.EVOLUÇÃO PSICOMOTORA ATÉ OS TRÊS ANOS DE IDADE O bebê. do nascimento até os seis anos de idade e. No olhar de Fonseca (2008. Wallon afirma. trataremos de relacionar esse desenvolvimento ao desenvolvimento do grafismo pela criança.3 anos) A criança descobre o mundo dos objetos e com o simbolismo. 15). • Estágio sensitivo-motor – (1 . decorrente de sua relação com o adulto e com as experiências que o rodeiam e o envolvem se transformaram em sensações afetivas que serão expressas. desejos e angústias. p. voltada para as sensações internas. movimentos desorganizados. A psicomotricidade. o objetivo central da educação pelo movimento é “contribuir ao desenvolvimento psicomotor da criança”. posteriormente. ao nascer. projetando- se nas coisas para se perceber.

tornando-se capaz de tomar certa distância em relação ao objeto prático do movimento para voltar sua atenção perceptiva sobre as modalidades da ação. por meio da confrontação com o real. Começa as tentativas intencionais. e vai amadurecendo com o tempo. o bebê começa a construir esquemas de ação para assimilar o meio. aqui a criança começa a ter noções de esquerda e direita. corpo vivido (2 meses a 3 anos). a criança torna-se pré-operacional. sua percepção sinestésica. possui ações instintivas e reflexas. Já dos 18-24 meses começa a apresentar. e agora o sujeito passa a tornar-se um objeto no meio dos outros. o gesto é utilizado como pré-linguagem. A inteligência é prática. E quando chega por volto de 8-9 meses já ocorre a diferenciação entre os fins e os meios. o que significa dizer que ela tem já uma coordenação perceptivo-motora. são elas: corpo submisso (0 a 2 meses). até o primeiro mês de vida. de acima e abaixo e de diante e atrás. possui uma inteligência prática. uma coordenação de ações que já exigem uma sequência espaço-temporal. Le Boulch vai além e afirma que a criança apresenta fases distintas para seu desenvolvimento. desenvolvendo. a criança começa desenvolver sua imagem do corpo. segundo Piaget. As noções de espaço e tempo. corpo descoberto ou percebido (3 a 6 anos) e corpo representado (6 a 12 anos). a partir dos 2 anos. Para Wallon (1962) dos 2 aos 3 anos. começa a ter condições de modificar os elementos de um movimento em automatismos bem estabilizados. sendo ainda imprecisa. começa a manipular objetos. a criança passa a apresentar como características as informações provenientes de dados proprioceptivos. e interessa-se demasiadamente pelas operações concretas. O pensar e agir estão estritamente ligados entre si. ocorrendo por meio da exploração dos objetos pelo estudo dos movimentos visuais. aparece a etapa da imagem do corpo e da estruturação espaço-temporal. que é do ajustamento global ao ajustamento com representação mental. que tem seu início por um lado com conteúdos fantasmáticos e do outro com uma imagem figurativa. explora os objetos. A partir dos 2 aos 18 meses começa a apresentar as primeiras percepções organizadas. agindo. por isso as tentativas de subir na mesa. Na primeira etapa. A partir de reflexos neurológicos básicos. ou seja. E de reconhecimento de figuras geométricas. pois isso a levará a entender 60 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . por exemplo. sem representação ou pensamento. expressa deslocamentos autógenos. tentar alcançar objetos que estão no alto. Os objetos só podem ser reconhecidos na medida em que o indivíduo pode lidar com os mesmos. domina a locomoção. Logo em seguida. domina a locomoção e a preensão. o explorar o ambiente para a criança é uma constante necessidade. nessa fase. Não apresenta nenhuma noção entre sujeito e objeto. por isso.Piaget entende que a criança. o autor considera que esse só ocorre a partir de etapas provenientes do desenvolvimento do esquema corporal. Quando chega nos 11-12 meses apresenta uma boa coordenação de esquemas secundários. a criança está enriquecendo o seu esquema corporal e. na qual começa a acontecer a descentralização da criança e o início das representações mentais dos eixos. Para Piaget (1964). são construídos pela ação. dessa maneira. O contato com o meio é direto e imediato. e passa a diferenciar os fins e os meios de interagir. Nesse sentido. Na última etapa.

e a expressar suas necessidades. Suas mudanças são observáveis.Rio de Janeiro . A criança quando chega aos três anos apresenta características bastante distintas. buscar alimento e encontrar proteção ao longo do movimento. as habilidade de informações começam a ser processadas. no aspecto práxico do movimento. Le Boulch. Nesse momento. p. principalmente. que envolvem o processamento de estímulos sensoriais com informações armazenadas e não apenas reações aos estímulos. Gallaheu e Ozumn (2003) também apresentam contribuições bastante significativas. um equilíbrio assegurado. o desenvolvimento dos centros cerebrais inferiores inibe muitos reflexos. sem derrubar. (2001. aproximadamente. em que os reflexos são a base para as fases posteriores. pois nesse momento não há mudanças significativas. divide-se em: a) Estágio de codificação: aqui as Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . Tem início a substituição da atividade sensório-motora por habilidade motora-perceptiva. bem como suas habilidades óculo- manuais também devem estar já controladas. A evolução dos seus gestos incide no ajustamento de sua postura. consegue segurar o talher entre o polegar e o indicador. aproximadamente no 4º mês de vida. a tendência é que ela tenha um deslocamento autônomo/seguro. já bebe a água no copo. Portanto. que tem se beneficiado de um ambiente humano afetivo. do período fetal até. Por exemplo. o aprendizado por insight é dominante. a criança descobre que toda vez que ela chora a mãe lhe tira do berço e a coloca no colo. b) Estágio de decodificação. vale lembrar que até por volta dos 3 anos. começa a se vestir sozinho e começa a se prontificar para ajudar nas tarefas. se seu desenvolvimento ocorreu de forma significativa. Esse meio favorece para a criança firmar-se enquanto uma unidade afetiva e expressiva.RJ atividades motoras são involuntárias. servem de meios primários pelos quais o bebê é capaz de reunir informações. quanto ao desenvolvimento motor. pois desperta para a necessidade de explorar ainda mais suas potencialidades. chamada de motora reflexiva. beneficiando-se de uma regulação tônica muito Mesmo não sendo da área da Psicomotricidade. os interesses da criança estão centrados no mundo exterior. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 61 .88) afirma ainda que a criança de três anos. Os centros cerebrais inferiores são mais desenvolvidos do que o córtex motor. E seus braços e pernas já devem apresentar uma coordenação habilidosa. considerar que na 1ª fase. conforme estágios. tende a se confrontar com o mundo dos objetos com sucesso. o 4º mês.

Compõem essa fase os movimentos voluntários. Os movimentos manipulativos. elementar e maduro. podemos observar essa característica do nascimento até. dependente de fatores biológicos.RJ reflexos primitivos. No inicial ocorrem as primeiras tentativas de desempenhar uma habilidade fundamental restrita. a utilização dos Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . E movimentos locomotores. coordenado e controlado. próprios da criança como o arrastar.Rio de Janeiro . No estágio elementar dos movimentos fundamentais. começa o aprimoramento das estruturas espaciais e temporais. A maturação sequencial que ocorre. agarrar e soltar. especialmente. varia de criança para criança. 62 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . que podem ser entendidos como os equipamentos de testes neuromotores para mecanismos estabilizadores. locomotores e manipulativos. com ritmo e coordenação ainda deficiente. no qual a criança irá desempenhar-se mecanicamente de forma eficiente. especialmente os movimentos estabilizadores. ambientais e da tarefa. referentes ao ato de alcançar. Busca experiência motora. pescoço e músculos do tronco.Rio de Janeiro . observamos que a criança começa a se envolver com a exploração e experimentação das capacidades motoras de seu Corpo. desenvolve seus movimentos fundamentais a partir dos estágios inicial. devemos oportunizar tarefas que levem a criança desenvolver seus movimentos fundamentais. Já na 2ª fase. nessa fase. por volta dos 3 anos. Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . como o correr. Nesse momento. 2 anos de idade. também conhecida como fase dos movimentos rudimentares. que são os agrupadores de informações. manipulativos e locomotores. mas ainda faz uso exagerado do corpo. encontramos as primeiras formas de movimentos voluntários. arremessar e apanhar (manipulativos). temos. aproximadamente. o que significa dizer que cada criança tem seu tempo próprio para aprender e para se desenvolver. engatinhar e caminhar. então. então. isso deve ocorrer por volta dos 5 ou 6 anos de idade.RJ Gallaheu e Ozumn (2003) especificam que a criança. os movimentos estabilizadores. andar com firmeza e o equilíbrio num pé só (estabilizadores). pular (locomotores). cuja função pode ser observada quando o bebê busca o controle da cabeça. primeiro isoladamente e depois de modo combinado. a criança já envolve maior controle e melhor coordenação rítmica dos movimentos. Nesse momento. os mecanismos de sobrevivência e os reflexos posturais. Na 3ª fase dos movimentos fundamentais. o que lhe dará suporte para entrar no estágio maduro dos movimentos fundamentais.

a criança ainda está num período transitório. a ruptura do eu (individual). é quase sempre o detonador da ação. é um período de constantes mudanças para a criança. entra na fase da comédia. ou sua parede que acabara de ser pintada. multiplica sua expressão. Para Piaget. Para Fonseca (2008). Aos 4 anos. diverte-se e interessa-se por jogos de imaginação. 1996). um refere-se à estruturação do espaço que permite a passagem do espaço topológico para o espaço euclidiano. E ao perguntar para a criança quem foi o responsável ela. a criança já começa a pensar em coisas para além dos espaços espaciais e temporais do movimento. A EVOLUÇÃO DA MOTRICIDADE GRÁFICA Quem nunca viu uma mãe ficando muito brava. graças à representação mental. dos 3 aos 6 anos. está toda “rabiscada”. são os jogos e imitação em diferido. pois a evolução de seus desenhos depende de sua percepção (PILLAR. e entre 3-4 anos ocorre o início da interiorização. vira e diz: “fiz um desenho”. sua assimilação ocorre por meio das ações. e o outro. por chegar à sala e ver que seu lindo sofá de couro. A partir desse momento. O outro começa a existir para ela. nesse contexto. A partir dos três aos seis anos de idade. refere-se à percepção das diferentes partes do corpo e estruturação do esquema corporal. por consequência. nesse contexto. e suas regulações tendem a ser representativas. O fim deste período será mostrado pela possibilidade de uma relação coerente entre as estruturas perceptivas. tanto na estruturação espaço temporal quanto na estruturação do esquema corporal. nesse estágio. ou seja.EVOLUÇÃO PSICOMOTORA DOS TRÊS AOS SEIS ANOS Podemos observar que a criança. e a emoção. A preferência da criança. passando a ser valorizado o eu social. e muito saudável para o desenvolvimento infantil. interage com o outro de forma constante. a criança entra no estágio pré-operacional. nesse momento. a emoção ainda. isso é bem comum. claro que não precisamos deixá-la rabiscar todas as paredes da casa. torna-se papel essencial. a criança está consciente de suas atitudes. Os esquemas visuais postos em jogo no desejo estão coordenados pela conduta motora e as propriedades do DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 63 . nesse momento. a partir dos 3 anos. mas devemos instigá-la a exercitar suas habilidades. o grafismo. pois esse período constitui-se por dois meios paralelos do plano afetivo. A partir dos 2 anos. está vivendo um momento cujo período é refletido em mudanças na sua estruturação espaço-temporal e no seu esquema corporal. O corpo para a criança. faz parte do seu desenvolvimento. simplesmente. é um corpo que se comunica por meio da gestualidade e da mímica. caracterizado pela inteligência intuitiva. são elementos de extrema relevância para a criança. começa a apresentar as noções de passado e futuro. Isso porque ao falarmos do desenvolvimento da criança devemos lembrar que o desenho e. Surge. ou seja.

campo visual. é preciso lembrar que as crianças não conseguem trabalhar. a lateralidade espontânea inata e a organização da prevalência e atividade práxica. Piaget considerava que a expressão mais elementar do grafismo da criança é o resultado do vaivém contínuo sobre o papel e este jogo rítmico de movimento diferencia as primeiras formas. No começo. ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS E CONSEQUÊNCIAS EDUCATIVAS: TEORIAS E EXERCÍCIOS PARA UMA EDUCAÇÃO PSICOMOTRIZ Para aplicação desses mediadores. 64 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . devemos elogiar a todas as crianças igualmente. pois aquelas que não atingiram o objetivo do exercício e que não foram elogiadas podem levá-las a um estado de ansiedade e frustração. algumas possibilidades de intervenção. dê a criança apenas o modelo de como se executa. a seguir. prevalecendo em determinada hora da evolução da capacidade de estruturação. exigindo maior atenção e concentração. favorecendo. Neste campo. permitindo que a criança descubra e sinta-se satisfeita com suas próprias descobertas. mas podem seguir em ritmos diferentes. No início. na medida em que as coordenações motoras se desenvolvem paralelamente. buscando soluções no seu nível. É aí que o controle distal se torna proximal e permite a miniteirização de traçados. a partir dos dois anos e meio. que. o controle visual vai exercer mais precisamente o progresso do grafismo. o grafismo pode ser considerado como um ato impulsivo. sobre as suas impressões a respeito dos movimentos executados. com excesso de informações e explicações. dando a impressão que a execução trai a intenção. Lembramos que apresentaremos. elas podem e devem ser modificadas para atender as necessidades de cada contexto. a dificuldade de expressão gráfica predomina mais na área motora que na percepção. Portanto. É importante que quando realizado um exercício. a interiorização do que foi vivido. Estes dois planos não podem estar separados. Conversar sempre com a criança sobre o que foi sentido. são evidentes os problemas encontrados no motor e no perceptivo. no início. sempre que o exercício permitir orientar a criança a fazê-lo de olhos fechados. Vale lembrar que para que esse processo ocorra de forma significativa faz-se necessário que se estejam já desenvolvidos a dominância lateral. por meio de exercícios psicocinéticos. assim. deixe a criança buscar seus próprios recursos.

boca. Exercício 2: a criança deverá reconhecer também as partes do rosto: nariz. pois isso dificulta sua orientação espacial. - levantar o braço direito. pés. respeitando o nome que designa. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 65 . olhos. sobrancelhas. o trabalho deverá ser realizado de olhos abertos. Exercício 1: Reconhecendo as partes essenciais do corpo . pernas. barriga. realizar o exercício em etapas: - fechar com força a mão direita. trabalhar com todas as partes do corpo. - depois o direito. os nomes dos dedos são ensinados a criança pedindo que ela levante um a um dizendo os respectivos nomes dos dedos. Exercício 4: automatizando a noção de direita e esquerda. braços. em relação a si mesma. - depois o esquerdo. explorando uma parte por vez. e quando a criança estiver dominando o exercício trabalhar com os olhos fechados. Conhecendo a direita e a esquerda do próprio corpo mostrar a criança qual é a sua mão direita e qual é a sua mão esquerda. Exercício 3: trabalhar com os olhos . não deixar a criança cruzar os braços. Trabalhar com os olhos abertos.Em pé ou sentada. a criança acompanha com os olhos sem mexer a cabeça. trabalhar também com os dedos com a mão apoiada sobre a mesa. - bater o pé esquerdo. A criança deverá dizer de que lado está à porta. - depois a esquerda. queixo. a criança deverá apresentar o pulso. conhecimento capaz de gerar as possibilidades de atuação da criança sobre as partes do seu corpo. Primeiramente. a janela. Dominando este conceito. cílios. a trajetória de um objeto que se desloca no espaço. sobre o mundo exterior e sobre os objetos que a cercam. Olhos abertos: aprendizado.O profissional diz os nomes das seguintes partes do corpo: cabeça. peito. e a seguir de olhos fechados. A criança mostra em si mesma a parte mencionada pelo profissional. o dedo maior e o dedo menor. a mesa da sala de aula etc. Durante a realização do exercício. Exercício 5: localizando elementos na sala de aula.ESQUEMA CORPORAL Conhecimento intuitivo imediato que a criança tem do próprio corpo. Olhos fechados: quando dominar as partes do corpo.

Exercício: Andando. a criança pára. apanhando-a inicialmente com as duas mãos. ora com a mão esquerda. 66 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . Dessa forma. do lado direito do círculo. a criança deverá trabalhar livremente. associada à motricidade fina das mãos. depois de cócoras. As crianças deverão jogar a bola dentro do círculo. A criança joga a bola para o alto com as duas mãos. Quem alcança? O professor segura um objeto a uma determinada altura (pode ser um lápis. Andando de cabeça erguida. Ora com a direita. apanhando-a com as duas mãos também.Coordenação óculo-manual A finalidade dos exercícios de coordenação óculo-manual é de desenvolver o domínio do campo visual. e depois ora com a mão direita. fazer o exercício em pé. a precisão motora e o controle global dos deslocamentos do corpo no tempo e no espaço. menor são vivenciados através de movimentos específicos. Em seguida. a distância. perto. Variar o uso das mãos.desenhar um círculo no chão ou utilizar um arco. Coloca-se a medição de um raciocínio. Dominada esta etapa. Os conceitos espaciais: direita. uma bola) a criança deverá saltar para alcançá-lo. levanta uma perna formando um angulo de noventa graus e coloca-se lentamente no chão. permite a criança passar para a etapa de estruturação temporal requerida para o aprendizado da leitura e da escrita. No início. Constituem-se de exercícios de marchas e saltos. atrás. de uma reflexão sobre os dados vivenciados no primeiro nível. Inicialmente. do lado esquerdo.Realizar este jogo em duas etapas: A criança bate a bola no chão. ora com a esquerda. Apresentamos exercícios em que a criança a nível de experiências vividas. entre. Aumentar. Numa segunda etapa. O mesmo trabalho deverá ser feito com a outra perna. longe. na frente. Exercício . Jogo de Pontaria no Chão . gradativamente. Variar jogando a bola na frente. saltando e equilibrando-se. manipula conceitos espaciais importantes para o seu preparo para a alfabetização. o professor determinará previamente com qual das mãos a criança deverá apanhar a bola. a criança anda com um objeto sobre a cabeça (um livro de capa dura ou outro objeto de fácil equilíbrio). Coordenação dinâmica geral Estes exercícios possuem a função de equilíbrio que é a base essencial da coordenação dinâmica geral que possuem a finalidade de melhorar o comando nervoso. propomos exercícios com maior intensidade. A partir daí. atrás. esquerda. maior. apanhando-a com uma só mão também. joga a bola para o alto com uma só mão.

Cuidando das mãos Exercício de Motricidade Fina: trabalhando só com os braços Esse exercício tem como objetivo desenvolver a independência segmentar do braço em relação ao tronco. a criança apenas escuta. batendo a mão sobre a carteira também. Exercício: Reproduzindo ritmos com as mãos. realizar o mesmo trabalho do exercício anterior. evitando a apreensão e a prisão inadequadas que tanto prejudicam o grafismo. Lento. de olhos fechados. inicialmente. Amassando a massa Fazendo Bolas de Massa . por exemplo. amassando-as. depois com a outra e. neste caso. deverão produzi-los com gestos executados no ar. com a qual a criança deverá fazer uma bola. é gesto requerido para a escrita.MOTRICIDADE FINA DAS MÃOS E DOS DEDOS Os exercícios de motricidade fina são muito importantes para a criança. depois reproduz o ritmo executado pelo professor. durante certo tempo. um livro de D’iancão ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO TEMPORAL Esse mediador trabalha com noções importantes para o aprendizado da escrita e. seguindo algumas estruturas rítmicas. com os olhos abertos e. a criança aperta as bolas de massa com força. normal e rápido. sentada. Trabalhar primeiro uma das mãos. Fazer o exercício. Apresentamos uma série de gráficos (traçados) que o professor deverá reproduzir em tamanho grande no quadro de giz ou programá-los em cartões. com as duas juntas.O professor distribui para a classe bolas de massa de tamanhos variados (usar massa para modelar). da leitura. Movimentos em Psicomotricidade: Exercícios. O professor executa um determinado ritmo. Variar o ritmo. o que beneficia e facilita o trabalho da mão no ato de escrever. finalmente. A estruturação temporal fornecerá as possibilidades de alfabetizar-se. a mão para o alto. tornando o ato de escrever uma experiência aversiva à criança. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 67 . batendo a mão sobre a carteira. porém a massa é apresentada em forma de disco. Orientar a criança para que trabalhe com dois dedos por vez. na medida em que educam. particularmente. com o cotovelo apoiado sobre a carteira. por sua vez. em seguida. favorecem o desenvolvimento da atuação da memória. As crianças. Fazendo as bolas de massa.

Exercício de organização e estruturação espacial Deslocando um objeto no espaço. o olhar acerca das características de desenvolvimento da criança. V) Tendo como suporte teórico os exemplos de atividades psicomotoras sugeridas ao longo do texto. 68 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . II) Quais as principais mudanças psicomotoras ocorridas no desenvolvimento da criança dos 3 aos 6 anos de idade? III) Explique as fases que. a criança coloca um objeto qualquer ora a sua frente. os exercícios são sugestões. com cada criança. pois entendemos que se faz necessário compreender os momentos e as necessidades da criança. Wallon e Le Boulch. pois o que é muito bom para um pode não servir para o outro. ora a direita. ressaltamos que não temos nenhuma “receita pronta”. CONSIDERAÇÕES FINAIS O livre desenvolvimento de cada um é condição para o livre desenvolvimento de todos (KARL MARX). ora atrás. em cada fase da vida. desenvolver-se de forma integral. ora a esquerda. assim. podem e devem ser adaptados ou reformulados de acordo com cada turma. a partir da reflexão de alguns autores. tais como Piaget. por consequência. contribuindo. o movimento deve passar para que a criança tenha um desenvolvimento satisfatório. para que possamos atuar de forma mais significativa. segundo o comando do professor. para um desenvolvimento amplo da criança. segundo Gallahue e Ozmunn. Procuramos mostrar. Por isso sugerimos alguns exercícios que podem ser trabalhados com a criança para que ela possa desenvolver suas habilidades e. IV) Descreva como ocorre o processo de evolução gráfica para a criança. elabore uma atividade que trabalhe com o esquema corporal e com a organização e estruturação temporal. ATIVIDADE DE AUTOESTUDO I) Caracterize a criança de 0 a 3 anos de idade. nesta unidade. No entanto.

• Conhecer os distúrbios psicomotores da infância.UNIDADE V PSICOMOTRICIDADE: UM ENFOQUE PREVENTIVO E REEDUCATIVO Professora Me. Plano de Estudo A seguir. apresentam-se os tópicos que você estudará nesta unidade: • Psicomotricidade: ação preventiva e reeducativa • Transtornos Psicomotores da infância • Avaliação Psicomotora . Vânia de Fátima Matias de Souza Objetivos de Aprendizagem • Compreender a psicomotricidade no contexto de prevenção e reeducação. • Entender a importância da avaliação psicomotora no desempenho e desenvolvimento motor infantil.

.

2009). De acordo com Levin (p. numa relação entre pensamento e ação. a reeducação psicomotora enxerga o homem como dono de um corpo e este corpo é visto como uma máquina de músculos que não funcionam e que. tais como. por fim. quais os distúrbios psicomotores que podem ocorrer na infância e. do tônus muscular e da imagem corporal. PSICOMOTRICIDADE: AÇÃO PREVENTIVA E REEDUCATIVA A psicomotricidade é uma área que vem sendo aplicada no campo terapêutico e de integração social. 154). 99). agir com o outro. a história e a evolução da psicomotricidade estão relacionadas a três diferentes orientações que norteiam sua prática fazendo com que esta se torne cada vez mais peculiar e específica. no qual o corpo é origem das aquisições cognitivas. afetivas e orgânicas. esta é a ciência que estuda o homem por meio de seu corpo em movimento. p. as coordenações da criança e ao equilíbrio da criança) (LEVIN. o foco da psicomotricidade se modifica do ato simplesmente motor para o corpo em movimento e. seguida da terapia psicomotora e. que conhece à medida que começa a movimentar-se. posteriormente. como detectar e avaliar o desempenho da criança em suas atividades psicomotoras. 31. a tentativa de superação do dualismo cartesiano (mente e corpo).INTRODUÇÃO Em todo transtorno psicomotor há uma perturbação do esquema corporal. a debilidade motora. com isso. o corpo era a ferramenta de trabalho para o reeducador que se propõe a concertá-lo. A primeira está relacionada às práticas reeducativas. 2007). estudaremos os aspectos referentes à ação psicomotora como uma possibilidade de reabilitação e prevenção e. tendo em conta as DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 71 . com os objetos e consigo mesmo. as dificuldades de aprendizagem e a aprendizagem profissional (CHAZAUD. devem ser reparados.30. Para Andrade (1984). englobando funções neurofisiológicas e psíquicas”. Assim. Nesse sentido. Nesta unidade. percebemos que a terapia psicomotora se ocupa. bem como suas possibilidades de perceber. acontece o segundo corte epistemológico voltado a educação psicomotora (OLIVEIRA. atuar. Desde o seu surgimento até os dias atuais. por fim. Notamos. na lateralidade) e rítmicas (em relação ao movimento. que sente que se emociona e cuja emoção manifesta-se tonicamente (LEVIN. p. que constrói a realidade. por isso. A primeira vertente foi influenciada pela neuropsiquiatria. p. 2007). Segundo a Sociedade Brasileira de Psicomotricidade (1999). Está relacionada ao processo de maturação. e aqui o corpo é visto como instrumento. nesse momento. o que determina simultaneamente confusões espaciais (por exemplo. 1976. observa e opera num corpo em movimento que se desloca. Com a contribuição da psicologia. cujo foco era o aspecto motor. O que significa dizer que as ações interventivas que a ela são direcionadas asseguram o desenvolvimento funcional. 2003. a psicomotricidade é a “educação do movimento com atuação sobre o intelecto. em especial a psicologia genética. a clínica psicomotora. em relação com o mundo interno e externo.

face às dificuldades da criança.possibilidades da criança. com os outros e com o ambiente envolvente. • atenuar os bloqueios que interferem na aprendizagem escolar. Como ação educativa a Psicomotricidade. afetivas. a psicomotricidade também deve ser vista como uma possibilidade. intencional e sensível em sua evolução e formação. a redução do sintoma e a adaptação ao problema. O trabalho da reeducação privilegia. Nesse sentido. 72 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . meios pelos quais as pessoas se comunicam entre si e transformam o mundo que as envolvem. três situações: o alívio do problema. através de jogos e exercícios psicomotores. por meio do intercâmbio com o ambiente humano. • revelar e reforçar o predomínio manual. • estimular a confiança em si. emocionais. cognitivas. a fim de reencontrar o caminho da comunicação consigo mesma e com os outros. na linguagem e nos movimentos naturais conscientes e espontâneos da criança. um meio de prevenção adequado para compensar a privação de movimento que. Seus objetivos concretos são: • favorecer o desenvolvimento dos gestos e movimentos e a capacidade de percepção. sendo considerada como ponto total de apoio das experiências sensório-motoras. Reeducação e Terapia Psicomotora que interatuam de forma integrada ao centro da vida emocional e efetiva do ser humano. porém se sente. pois como ação educativa integrada e fundamentada na comunicação. Procura harmonizar o comportamento humano sob o enfoque do movimento e da linguagem. A Psicomotricidade. como um todo. não se toca. sendo considerada por Barros (1992). Procura ajudar a pessoa na melhor tomada de consciência de seu corpo integrada às emoções. escola . por vezes. Estimula a criatividade e as inúmeras formas de movimento por meio de suas praxias. espirituais e sociais. A educação psicomotora tem por objetivo permitir à criança viver em harmonia com seu corpo. Como tem a finalidade de normalizar e aperfeiçoar a conduta global do ser humano utiliza as ações psicomotoras como meio de comunicação através da exploração do movimento consciente. composta numa unidade dinâmica entre Educação. • favorecer e melhorar a psicomotricidade global e fina. e ajudar sua afetividade a se expandir e equilibrar-se. • sensibilizar o ambiente envolvente – família. sobretudo a grafomotricidade por meio da manipulação. • aprimorar e desenvolver a percepção do corpo e permitir à criança adquirir o sentimento de segurança. é essencialmente plástica e envolvente. por meio da Educação Psicomotora. fundamenta-se na comunicação global. ocorre no ambiente escolar. a princípio. como “a alma do movimento” aquilo que não se vê. • desenvolver o equilíbrio.

propiciando uma organização adequada de atitudes adaptativas. • Trabalho direto com o sintoma observado no exame psicomotor e pelas falas. principalmente. ONTOGÊNESE Transformações na evolução de um ser desde sua geração até seu completo desenvolvimento individual (Gênese – do Latim Gênese e do grego Gênesis). pela Anatomia Comparada. p. As atividades numa ação de prevenção ou reeducação devem de acordo com Lapierre (1989). como patologias e não como decorrência do processo dialético da evolução e da adaptação humana.As práticas reeducativas podem ser usadas por meio de: • Técnicas específicas. perceptivas e motoras. CURIOSIDADE! A PSICOMOTRICIDADE PODE SER ENTENDIDA À PARTIR DA FILOGÊNESE. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 73 . • Exercícios psicomotores e jogos. integrou informações e elaborou transformações” (FONSECA.167. FILOGÊNESE Filogenia – história genealógica de uma espécie ou grupo biológico. RETROGÊNESE Mudança e adaptabilidade. p. A Ontogênese da motricidade decorre de um desenvolvimento intrauterino. fundamentada. assim como as origens do comportamento humano encontram-se na embriologia e na neonatologia. Inicialmente. Ação – produto final de uma organização central do cérebro. 1998). atuando como agente profilático de distúrbios da aprendizagem. 1998. visar o desenvolvimento de capacidades básicas: sensoriais. se pensava nas mudanças dessa involução. Envelhecer pressupõe: inicialmente uma desorganização vertical descendente – céfalocaudal evoluindo até a 3ª idade num inverso – do córtex à medula (do mais complexo ao mais simples). “O produto final da evolução é a involução” (FONSECA. ONTOGÊNESE E RETROGÊNESE. “O cérebro humano captou informações. origem e formação dos seres organizados. D´iancão (1988) e Gomes (1987). evolução de um ser. 169). Paleontologia e pela Embriologia.

assim. atrapalhar. muitas vezes. como já mencionamos anteriormente. O espaço a que se propõe por meio do jogo. passividade. que altera o viver. Referimo-nos aqui aos distúrbios manifestados no corpo. pois assegura o desenvolvimento funcional. XXI). figura fundo e coordenação viso- motora). manifesta-se no próprio corpo (FONSECA. percepção de imagens. mas que não apresentam nenhuma relação com alterações neurológicas ou orgânicas aparentes. Memória (capacidade de reter os estímulos e suas características). A Psicomotricidade. discriminação. Na busca pelo significado de transtorno alicerçamo-nos no entendimento de que “Transtornar” significa alterar a ordem. A terapia psicomotora refere-se. o transtorno. desorganizar. a Coordenação Motora (utilização eficiente das partes do corpo). oferece um espaço de jogo espontâneo com o seu grupo. como o tônus muscular. de apresentar domínio de seu próprio corpo. A criança. aqueles problemas provenientes de transtornos que comprometem o esquema e a imagem corporal bem. agitar.RJ DA INFÂNCIA A área Psicomotora compreende. o transtorno psicomotor é uma inquietação corporal causada por uma emoção que perturba. será um espaço no qual se 74 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . desorganiza. inibição. Desenvolvimento do Esquema Corporal (referência de si mesma) e a Linguagem. por vezes. dependência. OS TRANSTORNOS PSICOMOTORES Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . Tratamos aqui como transtornos psicomotores. Pode estar associada à educação psicomotora ou se continuar com ela. fazer mudar de opinião (Novo Aurélio séc. traz para a escola suas dificuldades traduzidas na forma de agressividade. impossibilitando a criança. memória de sons e coordenação auditiva-motora). para que possa manifestar suas necessidades e desejos. e comprometendo. perturbar. particularmente.Rio de Janeiro . tendo em conta possibilidades da criança e ajudar sua afetividade a expandir-se e a equilibrar-se por meio do intercâmbio entre o meio no qual se encontra inserida. a Atenção (capacidade de apreender o estímulo). a Tonicidade (adequação de tensão para cada gesto ou atitude). seu desenvolvimento nos domínios cognitivo. resultando em dificuldades em todos os demais elementos psicomotores. a Organização Espacial e Percepção Visual (acuidade. atrapalha. afetivo e motor. o que possivelmente influenciará no processo de aprendizagem. atenção. a todos os casos-problemas em que a dimensão afetiva parece dominante na instalação inicial do transtorno. Ajuriaguerra (1986) descreve “a instabilidade psicomotora é a figura psicomotora sobre um fundo desorganizado”. A educação psicomotora possibilita uma formação de base indispensável a toda criança. agitação. Nesse sentido. nesse contexto. A figura é então o sintoma psicomotor. a Organização Temporal e Percepção Auditiva (atenção. 2008). alterar o viver de. O transtorno está à vista. Concentração (capacidade de se ater a apenas um estímulo por um período de tempo).

ou incidência corporal: aqui tratamos das dispraxia. apresentam como características. Refletem sempre alterações que afetam vários aspectos do desenvolvimento da criança. simbólica e conceptual. perturbações do esquema corporal. - Paratonia: impossibilidade de relaxar voluntariamente um músculo. - Inquietação e agitação. na avaliação. - Descontrole emocional e neurovegetativos: sudorese nas mãos. de controle doloroso.de contenção. e outros problemas dessa ordem. Oliveira (1997) e Andrade (1984): - Dificuldade em dar continuidade às brincadeiras e às produções corporais. Normalmente. de acordo com Barreto (2000). - Atitudes expansivas e explosivas. perturbações da imagem corporal.espontaneidade. por isso que. . rubor. os transtornos psicomotores estão muito ligados ao mundo afetivo da pessoa. preservando as seguintes características: . súbito.com mediação corporal do adulto. pois o transtorno pode repercutir negativamente em outras áreas. Os transtornos do desenvolvimento psicomotor são muito difíceis de definir. de lateralidade. que é a criança. instabilidade postural dentre outros. Podemos dizer que. - Necessidade de estar sempre em movimento. - Cognitivo: referentes a déficits de atenção. quais sejam: um espaço adequado. que se transforma em fonte de constrangimento. O jogo tem algumas premissas básicas. . de organização perceptiva. seguido de uma explosão “liberadora” do movimento. daí a importância de intervir o quanto antes. Destacamos como principais transtornos psicomotores que influenciam os processos educativos. podemos dizer que a psicomotricidade é uma possibilidade de intervenção nos campos: - Físico. de estruturação temporal e espacial. problemas psicossomáticos. - Tiques: involuntário.busca potencializar e resgatar o prazer corporal. - Socioafetivo ou incidência relacional: resultantes em inibição. - Incapacidade para relaxar e permanecer quietas. Nesse sentido. . agressividade. de modo geral. de memória.não diretivo. com condições necessárias para movimentos amplos. rápido e repetitivo. uma unidade vital indivisível. - Dificuldade para inibir movimentos. hiperatividade. Existe nos tiques um período de “luta”. agravando e comprometendo todo o desenvolvimento da criança. devemos contemplar a globalidade do indivíduo. vontade de urinar. desarmonias tónico-emocionais. dificuldades de comunicação dentre outros.permissividade . por meio do movimento. reconhecendo uma unidade corporal. dores de barriga. a instabilidade DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 75 .

É o oposto da instabilidade. presentes em ambos os quadros clínicos: - manifestação motora. elásticas e bastante flexíveis. Segundo Bérgès as Instabilidades Psicomotoras dividem-se em duas grandes categorias. na qual a ação da criança recai sobre os objetos. ela nunca consegue começar e levar a brincadeira até o fim. Possivelmente. ansiosas e inquietas. São crianças “quietinhas demais”. ‘Passa inadvertidamente”. os quais usam expressar-se do seguinte modo: ‘É como se não estivesse’. Em ambos os casos. - manifestação postural. Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA . o que chamamos de estado de deiscência. pois possuem uma grande necessidade em movimentar-se. sempre cansada.Rio de Janeiro . provocando ações explosivas e agressivas. as características dessas crianças persistem no fato de serem agitadas. Ela mostra-se. ainda. aqui a ação da criança recai sobre o próprio corpo. são diagnosticadas como hiperativas. a debilidade e a dispraxia. ser o ‘objeto bom’ de seus pais. diferentemente da instável.232). ‘Não briga com ninguém’. a ausência de corte simbólico (YANEX. ou serem hipotônicas. “a criança inibida. ela apresenta o que chamamos de uma instabilidade psicomotora. e finaliza uma atividade ou brincadeira. Podem. Por vezes. possui outra estratégia para não se separar do outro. então. Possivelmente. c) Debilidade Debilidade motora no entendimento de Ajuriaguerra (1986) é o “estado de insuficiência. de imperfeição das funções motoras consideradas em função de sua adaptação aos atos ordinários da vida” (p.RJ b) Inibição psicomotora Neste transtorno. Normalmente. que de acordo com Fonseca (2008) é uma dificuldade em inibir seus movimentos. ‘Nem dá para ouvir’. Com duas formas de manifestação distintas. mas esta falta barra o agir da criança. 76 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . a criança não usa seu corpo para relacionar-se com o mundo ou com os outros. a inibição psicomotora. Vejamos: a) Instabilidade psicomotora Imagine se você conhece uma criança que nunca se contenta em ficar em uma brincadeira. Segundo Levin (1995). Seu aspecto é de extrema fragilidade e debilidade e é nele que se reconhece e é reconhecida. que se opõem em suas características clínicas: - estado tensional. ter uma grande tensão muscular e paratonias severas caracterizando uma instabilidade tensional. demonstrando pouca expressão facial e corporal. 1994). ela nunca para. e isso ela faz com todas as suas outras produções corporais. - estado de deiscência. a causa do transtorno é a falta de limite. pois também há uma falta de limite. psicomotora.

aquela no início de sua vida escolar. Há uma perturbação do esquema corporal. pois muitas crianças sofreram a influência de vivências empobrecidas. mas sim um momento no qual há uma interação e um entendimento acerca do universo que a cerca. Há uma instabilidade na posição estática ou quando a criança caminha ou corre devido à rigidez. Pode aparecer nos quatro membros ou apenas em dois. A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO PSICOMOTORA Quando pensamos em uma possibilidade de avaliação psicomotora. que. a conseguir alternativas que colaborem durante esse processo. que o ato de aprender não seja um momento de sacrifício e esforço extremo. 2001). Podem aparecer ainda outros sintomas como tremores na língua. uma possibilidade que auxilie a criança. demonstra certa apatia e tem sonolência maior que as outras crianças. mas sim estamos buscando uma alternativa. no meio familiar e em ambientes como creches e escolas (BRETAS et al. Quando a dispraxia é no olhar. além das perturbações perceptivas. Isto a impede de realizar atos coordenados e com ritmo devido a sua descontinuidade nos gestos e imprecisão dos movimentos. assimetria nos movimentos – todos estes aparecendo persistentemente). ou somente com a intenção de enriquecimento do ambiente estimulador. Há também um fracasso nos jogos. De acordo com Bretas et al. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 77 . caracteriza a evolução de crianças deficientes ou de risco. Um exemplo desta situação é a criança fechar também a mão esquerda quando pega um objeto com a mão direita. o que impede que a criança atinja a fase de operações concretas. normalmente. geralmente. A sincinesia é caracterizada pela ação de músculos que não atuam em determinado movimento. temos que ter em mente que não estamos nos referindo a uma forma de classificar a criança. Um desvio no desenvolvimento cognitivo no que diz respeito à distinção de aspectos figurativos. que permitam que o aprendizado ocorra de forma significativa. isto porque o objetivo formal da intervenção precoce é reduzir os efeitos negativos de uma história de alto risco. a investigação do processo evolutivo da criança e a identificação de problemas relacionados ao seu desenvolvimento psicomotor possibilitam a intervenção precoce em atrasos evolutivos e a implementação de programas de estimulação para crianças com distúrbios de desenvolvimento. mas acima de tudo prazerosa. A paratonia é a persistência de uma rigidez muscular caracterizada por uma inadequada incontinência das reações tônicas. de nomear objetos. espelhamento de letras. em risco. há dificuldades posturais e de equilíbrio. A afetividade e a intelectualidade também podem estar comprometidas. (2005). principalmente. estamos buscando entender/conhecer/compreender quais as necessidades que ela apresenta para o aprendizado. prejudicada.É caracterizada pela presença de paratonias e sincinesias. Há um transtorno espacial (dificuldade de lateralizar. A linguagem é atrasada e a atenção. Nesse sentido. quando buscamos reconhecer os possíveis distúrbios que acometem a criança. A criança. d) Dispraxia É a dificuldade em associar movimentos para realizar uma tarefa. lábios. pálpebras e dedos quando estes são solicitados para a execução de um determinado movimento.

as aquisições filogenéticas fundamentais da espécie humana e as aquisições ontogenéticas da criança. a organização proprioceptiva. posteriormente. produtos da maturação mesencefálica e medular. pondo em jogo uma perspectiva evolutiva do seu desenvolvimento (FONSECA. do brincar. a percepção do corpo (FONSECA. da orientação e da projeção espacial. e o aprender a partir da gestualidade. suspensão dos reflexos. O que significa dizer que a organização psicomotora considera. a educação psicomotora é válida. Enfim organizamos um contexto no qual a participação permite a construção de um conhecimento que extrapole o uso de lápis e papel. da longitude. o enriquecimento gnósico. sua classificação e tomada de consciência que constituem o esquema corporal. em primeiro lugar. a organização do plano motor. simultaneamente. Nesse sentido. Neste sentido. da trajetória. a organização motora de base e.br>. assim como para crianças com deficiência mental. a linguagem. da forma. do movimento. da latitude. da espessura. 78 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . 1990). a melodia do movimento.psicomotricidade.Antes da alfabetização é necessário que a criança tenha em seu corpo a experiência da cor.com. entendemos aqui que a avaliação motora é uma possibilidade de trabalhar com a criança de tal forma que possamos prepará-la para o aprendizado. Manual de Avaliação Motora. 1994). do ângulo. Le Boulch (1996) refere que a educação psicomotora deveria ser considerada como uma educação de base na escola fundamental. A identificação precoce de desvios do desenvolvimento exige que se abordem. Haja vista que a organização passa a ver a criança como um todo integrado. pois o ponto de partida para todos é a noção do próprio corpo. a automatização. favorecendo que haja sempre o respeito às necessidades e às individualidades de cada criança envolvida no contexto. de ROSA NETO. Ou visite: <http://www. tanto para o pré-escolar e escolar normal. o espaço. É por meio da avaliação psicomotora que organizamos e escolhemos as estratégias para que os saberes possam ser realmente compreendidos pela criança. a socialização. do jogo. uma vez que aqui consideramos sempre a individualidade. o ritmo.

Além do jogo (com suas estratégias práticas) e das atividades de relaxamento e alongamento dos músculos. a viagem que iniciamos na unidade I com alguns apontamentos acerca dos transtornos psicomotores que influenciam o processo de desenvolvimento da criança. é preciso ensinar a importância da afetividade. Vale lembrar que não devemos classificar as crianças entre melhores ou piores. Basta participar. é conhecer e desenvolver as manifestações corporais.mas mal começam a se disseminar pelo país. sua relevância para o desenvolvimento integral da criança no contexto escolar. ou seja. que a Educação Física está ampliando seu papel nas escolas.Rio de Janeiro . "Essa abordagem parte do princípio de que temos conhecimentos acumulados historicamente que precisam ser transmitidos para as novas gerações por meio da escola". 72). jogar e se exercitar está mais rica: o objetivo agora é explorar as diferentes culturas e integrar os alunos. Não é preciso marcar gol ou ser o primeiro a cruzar a linha de chegada. 1982. cabe agora a você enquanto educador em suas ações diárias buscar inserir os conhecimentos aqui tratados buscando na perspectiva de viabilizar os saberes DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 79 . trazendo avanços na forma de trabalhar a disciplina e ajudando a acabar com mitos. Beatriz Santomauro Revista Nova Escola. planejar e interferir para ser campeão. A coisa mais difícil é ser o que os outros querem que você seja (BUSCAGLIA. do trabalho em equipe e da convivência com diferentes pessoas e grupos. conseguem aproveitar as aulas . No decorrer do texto. No entanto. ajudar. CONSIDERAÇÕES FINAIS Fonte: LEVENDULA IMAGEM DIGITAL LTDA .RJ A coisa mais fácil do mundo é ser o que você é. de setembro de 2008. Mais do que o movimento pelo movimento. da Universidade de São Paulo (USP). Novo status para a expressão corporal A hora de correr. como o de que só alguns alunos. o que importa. com muita integração e espaço para conhecer diferentes manifestações culturais. Todas essas ideias estão presentes nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) . atualmente. esportivas e sociais. diz Marcos Garcia Neira. saber os processos e as ações que devem executar em cada momento da vida apenas nos propicia enquanto educadores/as a realizar um trabalho com maior qualidade e eficiência. buscamos tratar do desenvolvimento psicomotor da criança. "mais dotados do que outros". p. É assim. Encerramos o nosso estudo. interagir.

ATIVIDADE DE AUTOESTUDO I) Quais os objetivos da educação psicomotora? II) Como utilizar as práticas reeducativas com foco na ação psicomotora no ambiente escolar? III) Explique os principais transtornos psicomotores que acometem a criança em idade escolar? IV) Apresente uma justificativa. explicando a importância da atividade psicomotora na prevenção de possíveis transtornos. pois a educação psicomotora não é a única possibilidade de ação interventiva. tratamos apenas de uma pequena fração de possibilidades que podem corroborar para que esse processo seja realmente satisfatório para a criança. realizado por ter contribuído na formação e no desenvolvimento da criança. 80 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . emoção e cognição. na sala de aula surgem. A criança enquanto corpo. enquanto educador/a. ao final de cada dia. movimento.para a criança de acordo com suas necessidades. Entendo que muitos desafios no processo de aprendizagem. mas com certeza é uma possibilidade de trabalho no contexto escolar. possa sentir-se. anseios e o momento em que se encontra. e para que você. cujo olhar considera antes de qualquer outro fator a criança.

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 81 . Foi lançado a vocês. tradicional. não é mesmo? E. o ponto de chegada ao qual o livro quer conduzi-lo. Isso porque. “é sempre mais fácil terminar do que começar”. qual o lugar de onde vem. Malba defendia exatamente o oposto. discutir as possibilidades para sua ação docente. nossa eterna criança. o derradeiro. de que universo. extraído do romance O Homem Que Calculava. é para tentar discernir o que se esboça à distância. Ao ler. nossa eterna lembrança de como o mundo do brincar e do faz de conta nos parece muito real. desvinculada da rotina das crianças”. aqui. Durante dois anos. lembrando de Emília (uma das figuras mais conhecidas de Monteiro Lobato). Uma prova de que todo ensino de Matemática se beneficia de uma injeção de Malba que foi dada por Juraci Faria nas escolas municipais de Queluz (SP). com classes de 3ª e 4ª séries. numa perspectiva de compreensão da criança. uma atividade apelidada de “matemática do supermercado”. no início desse livro. um texto do professor Júlio César de Mello e Souza. Foi possível experimentar vários enfoques. ela organizou um programa de treinamento de professores nessa cidade em que o escritor passou a infância. Uma das iniciativas para aproximar o ensino da realidade foi promover. como discutimos ao longo do texto. Eles eram os responsáveis por definir os currículos e os livros didáticos daquele tempo. Juraci disse ter encontrado. Assim.) mas. um final verdadeiro. atualmente na 65ª edição. oculto na escuridão. entre eles.. nossa famosa e querida bonequinha de pano. buscamos fazer isso. motora. E ainda atacava os “algebristas”.. além das questões dos exames públicos.. uma concepção pedagógica “sem vida. chegamos ao final do estudo. mas talvez um momento de finalizar uma etapa. Vamos relembrar: Brincar Num tempo em que as escolas cultivavam o medo diante do professor e uma Matemática que parecia se destinar apenas a uns poucos “iluminados”. nos espaços que se estendem para além da palavra ‘fim’. te pergunto será que estamos prontos para terminar??? Será que esse já é realmente um final??? Entendo que aqui não é um final. se meu olhar escava entre as palavras. “para mim. é o final que conta (. acadêmicos que se dedicavam ao que o escritor chamava de “o inútil da Matemática”. E eu. que Malba não cansava de ridicularizar. para podermos compreender sua linguagem. nesse texto específico. o significado de sua expressão. ao contrário. eu também procuro um respiradouro (.) mas. sua comunicação.CONCLUSÃO Caros(as) alunos(as): Já dizia Ítalo Calvino. cognitivamente. Saber qual ou quais seus objetivo. já iniciando uma nova. Vimos que a tarefa não é tarefa fácil. entre os quais. Todo fim é um novo começo. afetiva. Uma delas: “Dona Rosinha comprou 5 milésimos de tonelada de manteiga a 6 cruzeiros cada hectograma. Os alunos foram chamados a fazer um levantamento de produtos e preços no comércio de verdade e criaram um supermercado em classe. do brincar e de seu processo de desenvolvimento tão necessários e importantes para o aprendizado. tudo possui um significado e os significados assumem interpretações diferentes. “só um paranóico pediria manteiga assim”.. pois temos que conhecer a criança em sua totalidade. Quanto gastou?” Para Malba. o uso da calculadora para as “operações comerciais” e o trabalho com noções dos sólidos geométricos aplicadas às embalagens dos produtos.

por meio de um ensino. a criança não se desenvolve sozinha. cuja intencionalidade seja a aprendizagem. quanto de locomoção e estabilização. você tenha conseguido verificar que não existem práticas isoladas. Espero que. ou quando aprende a fazer. Com relação à segunda pergunta: Como o professor poderia incentivá-los? Sua resposta deve ter sido imediata. aquelas em idade pré-escolar. eu consigo responder e alcançar uma resposta ao terceiro questionamento: Além do desenvolvimento cognitivo quais os elementos psicomotores eu poderia trabalhar e ajudar a desenvolver a minha criança? Na situação especificamente descrita. Algumas teorias foram propostas. compondo nosso conjunto de saberes a serem construídos e socializados para atingirmos nosso objetivo maior: uma educação de qualidade que leve ao desenvolvimento do ser humano. na trajetória inicial da criança na escola. Você não concorda? Você percebeu que ao longo do texto. quando sente prazer. eu consigo trabalhar com a minha criança as possibilidades tanto de ordem manipulativa. vivenciar. social e motor. quais os elementos psicomotores eu poderia trabalhar e ajudar a desenvolver a minha criança? As respostas devem ter sido simples de serem respondidas. Portanto. do desenvolvimento do esquema corporal. disponibilizei uma série de exemplos ou de exercícios voltados a situações 82 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . que são os elementos essenciais para que as demais variáveis motoras possam ser desenvolvidas em todas as fases de desenvolvimento infantil. pois na primeira devemos ter entendido que as crianças precisam do corpo. como sendo uma possibilidade de abordarmos os elementos que compõem. o professor deverá oportunizar atividades que desenvolvam o raciocínio por meio da ludicidade.Ao final perguntei-lhe: Após ter lido esse trecho do texto do professor Mello e Souza. influenciam e colaboram no desenvolvimento psicomotor da criança. ela necessita de nosso auxílio. nesse estudo. eu lhe pergunto: • Por que as crianças aparentemente não gostavam dos exercícios exclusivamente centrados no fazer sem possibilidades de conexão com o real? • Como o professor poderia incentivá-los? • Além do desenvolvimento cognitivo. quando faz. experimentar. Você percebeu que meu texto foi feito para você. mas em todas elas o universo do faz de conta auxilia no desenvolvimento de suas habilidades. consegue analisar a partir de suas experiências e assim transferir para outras situações contextuais. Isso porque acredito que tudo está interligado. uma vez que em cada fase da vida a criança tem uma necessidade corporal que se distingue das demais. o meu objetivo do desenvolvimento desse estudo foi promover a compreensão da importância de valorizarmos as experimentações e vivências corporais. Pois assim. tanto no que tange ao cognitivo. e todos os elementos envolvidos e que devem ser considerados nesse processo. especialmente. São alguns referenciais. mas não as tenha como uma única forma de analisar o desenvolvimento psicomotor da criança. e assimilam melhor as informações quando ali são oportunizadas pelo fazer. A criança aprende quando brinca. a criança compreende as estruturas que a cerca. quanto ao afetivo. que entendo que podem subsidiar o nosso trabalho nas salas de aula. das atividades corporais.

aqui. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 83 . por isso entendemos que. com nossa criança. Lembre-se que você é o professor. Vislumbre oportunidades de avanço e emancipação pedagógica numa perspectiva de aumentar o prazer da criança em estar na escola. fazendo uso das palavras de Marcel Proust: “Uma verdadeira viagem de descoberta não é a de pesquisar novas terras. seus anseios suas angústias possam ser superadas sem que haja nenhum prejuízo maior. esse texto não é um livro de receitas da vovó. Psicopedagoga institucional e clínica. para elaborarmos uma atividade prática temos que buscar na teoria um respaldo. esse desenvolvimento ocorre mais rapidamente. encerro. Assim. pois sabemos que nossa ação cotidiana na escola. nesse momento. Precisamos oportunizar nossa criança desde a mais tenra idade a conviver em um universo de problematização e um trabalho interdisciplinar. Abraços! Professora Vânia de Fátima Matias de Souza – Graduada em Pedagogia e Educação Física. Quero alertar que são referências e não modelos a serem seguidos. nestas últimas palavras que concluem o texto. com Mestrado na área do Comportamento Motor e cursando o Doutorado na Educação.práticas. a querer ser. mas quando participamos dele. mas de ter um novo olhar”. que subsidie nossa ação. Espero. a viajar e descobrir no universo do saber que o desenvolvimento ocorre. conseguir chamar a atenção para a importância de levar em conta o processo que compreende a nossa ação pedagógica. nossa pequena conversa sobre o desenvolvimento psicomotor infantil. em um conhecimento prévio. Espero que esse livro te ajude a ter novos olhares. de desenvolvimento da criança. busque possibilidades e direcionamentos para sustentar sua intervenção. Aguce a criança a querer aprender. mas sobretudo respeitando suas individualidades. Busquei oportunizar a você um olhar para a criança em sua totalidade. que deve ser seguido passo a passo para o bolo dar certo. Reflita. para que suas dúvidas. a buscar novas descobertas nesse universo tão vasto e tão instigante que é o do ser criança. a querer fazer. deve estar pautada em uma teoria. então somente você fará a diferença na sala de aula. lembre-se do que eu disse no início.

Rio de Janeiro. V. A. Infância Adolesc. D'IANCAO. 1995. Editora Guanabara. FONSECA. 84 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância . Rio de Janeiro: Globo. S. presente e futuro. Vitor.2 (3):23-33. L. COSTE. Tese de Livre Docência.REFERÊNCIAS AJURIAGUERRA. A. Psicomotricidade: educação e reeducação. S R. 1991. A. 2009. educação e reeducação. J. FONSECA. Manual de observação psicomotora: significação psiconeurológica dos fatores psicomotores. 1997. Porto Alegre: Artmed. BARROS. 1988. 2º ed. DE MEUR. CINTRA. Editora Ática. Psicomotricidade. O ciclo vital da vida. FONSECA. São Paulo: Manole.9.Jardim Sabiá . R. 1998.S. Coordenadora: C. Movimentos em Psicomotricidade: Exercícios. Avaliação psicomotora de crianças de 5 a 7 anos de idade.U. 1994.M. que frequentam a creche Maria Aparecida Carlini . Desenvolvimento motor: passado. 1996. 2000. Blumenau: Livraria Acadêmica. P. 2005. São Paulo [tese]. BARRETO.. 1985. Artes Médicas. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo. Daisy Pinto. H. São Paulo: Ed. CONNOLLY K.. COSTALLAT D. Uma abordagem corporal na formação do profissional da saúde. STAES. Porto Alegre: Artmed. 2000.R. n. A Psicomotricidade como processo integrativo na Iniciação à Ginástica Rítmica Desportiva.Município de São Paulo. C. K. Rev. V. 1986. A. método de avaliação e exercitação gradual básica. D. Movimento. 1992. Sidirley de Jesus. 1984. ANDRADE. Acta Paul Enferm. C. L. R. J.M Avaliação de funções psicomotoras de crianças entre 6 e 10 anos de idade.P.. Martins Fontes. Tradução: A Cabral. Manual de Psiquiatria Infantil. Neuropsiq. Rio de Janeiro. São Paulo. M. Universidade Gama Filho. FALKENBACH. AMIRATI. M. Distúrbios Psicomotores: Uma visão crítica. PEREIRA. Rappaport. Paul Educ. Psicomotricidade: a coordenação viso-motora e dinâmica manual da criança infradotada. 1992. Vitor da. Ontogênese e Retrogênese. E. Psicomotricidade.. Fís. BEE. São Paulo. Masson.. Rev. 1989. BRÊTAS. BRÊTAS J. C. Psicomotricidade: Filogêneses. Psicomotricidade e psiconeurologia: introdução ao sistema psicomotor humano. 14(S3):6-15. Fonseca.18(4):403-12. Psicomotricidade. Rev. D. S. J.

LE BOULCH. LAPIERRE. Disponível em: http://www. A clínica psicomotora: o corpo na linguagem. 2001. Columbus. G. Taxionomia do domínio psicomotor. 105-120. Rio de Janeiro: Vozes. Ohio. 2003. J. C. Psicomotricidade – Educação e reeducação num enfoque psicopedagógico. A criança dos 5 aos 10 anos. Physical constraints to development of motor skills. Instituto Superior de Psicomotricidade e Educação e Grupo de Atividades Especializadas. A. T. 1986. In: Thomas JR. G. A. 1978. C. Manole. Educação Pelo Movimento: A Psicocinética Na Idade Escolar Artes Médicas. Charles E. OLIVEIRA.artigonal. 12ª edição.com/educacao-artigos/uma-visao-historica-da-psicomotricidade-da-reeducacao-a-clinica- psicomotora-986872. p. OZMUN JC. S. Publicações D. RJ: Vozes. A. MEINEL K. RS: Vozes. LEVIN. organizador. Psicomotricidade: educação e reeducação num enfoque pedagógico. M. LE BOULCH. HARROW. LEVIN. São Paulo: Phorte. Petrópolis: Vozes. Vozes. 7ª edição. 2007. A Clínica Psicomotora: o corpo na linguagem. O Adulto Diante da Criança. Rio de Janeiro: Globo.. 2007. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. A: Constituição do Sujeito Ed. Merrill. jogo e sonho.J. Compreendendo o Desenvolvimento Motor: Bebês. LAPIERRE. Porto Alegre: Artes Médicas. Petrópolis. PIAGET. 1987. Motor Development During Childhood and Adolescence. E. A formação do símbolo na criança. 1989. Louisiana: Burgess Publishing Company. NEWELL K. Aprendizagem e desenvolvimento infantil: simbolismo e jogo. 1983. GESELL. Esteban. KEPHART. 3ª ed.1983. Adolescentes e Adultos.ispegae-oipr. Lisboa. Manole. 1985. A.br. ISPE-GAE. J. Esteban. Imitação.com.html>. Motricidade II: o desenvolvimento motor do ser humano. 1977. Porto Alegre: Prodil. OLIVEIRA. OLIVEIRA. Uma Visão Histórica da Psicomotricidade: Da Reeducação a Clínica Psicomotora. NEGRINE. Manual para a elaboração de objetivos comportamentais em educação física. 1994. Crianças. The slow learner in the classroom. DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância 85 . A. A Educação Psicomotora na Escola Maternal. Imagem e representação. 1995. LEVIN. O desenvolvimento psicomotor do nascimento até 6 anos. Quixote. E. Petrópolis. 1984.GALLAHUE DL. 1997. A. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. <http://www. Infância em Cena. L. 1960. J.

YANEZ. Lisboa: Edições 70. São Paulo. 1978. “O corpo e o movimento psicomotor”. São Paulo: Manole. P. Revista Iberoamericana de Psicomotricidad y Técnicas Corporales. 23. SAYÃO. MANOEL E. A Evolução Psicológica da Criança. Edição 01. D T. RÊGO BARROS. Corpo e movimento: notas para problematizar algumas questões relacionadas à educação infantil e à educação física Rev. 1985. WALLON. A evolução psicológica da criança. H. Desenho e Construção de Conhecimento na Criança. 2. 1995. bras. Artes Médicas. J. páginas 17 a 24. TANI G. Disponível em: www.. H. n. A Criança Diante do Mundo. G. Z. Educação Física Escolar: Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. SANTIN.PICK. 86 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA INFÂNCIA | Educação a Distância .. Analice Dutra. Esquema e imagem corporal. 55-67. UFRGS. VAYER. KOKUBUN E. Conferência proferida na III Jornada de Psicomotricidade. esporte. Porto.to/grdclube>.. SBP.Janeiro/ Junho 2000. p. D C. v. P. Educação Física: da alegria do lúdico à pressão do rendimento: Porto Alegre: Ed. SOUSA. VAYER.com. São Paulo: EDUSP. D. maio 2004. Est.psicomotricidade. Psicomotricidade e seus conceitos fundamentais. Disponível Internet: <w3. 1984. campinas. Movimento Humano in Revista Eletrônica – E-ZINE do GRD Clube. WALLON. 4 ed. cienc. L.br. PILLAR. Edições 70. Porto Alegre (1994). L. PROENÇA J. 2002. S. Ano I. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOMOTRICIDADE. 1988. jan. Educação psicomotora e retardo mental.