You are on page 1of 11

Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia

2008;71(1/4):14-24

Loganiáceas: Da Toxicologia ao Repertório

Gheorghe Jurj

RESUMO
Com o grupo dos medicamentos homeopáticos derivados de Loganiáceas, este artigo discute as
possíveis relações entre o conhecimento toxicológico e potenciais núcleos sintomáticos desses
medicamentos, resultantes da experimentação patogenética homeopática. A perspectiva
toxicológica aponta consistentemente para expressões sintomatológicas derivadas da ação dos
alcalóides componentes de todas as plantas desta família, estricnina e, secundariamente,
estricnina. A análise comparativa, com ajuda do repertório homeopático, permite identificar,
não somente núcleos sintomáticos comuns a uma família ou grupo de medicamentos, mas
também as diferenças específicas de cada um dos membros, contribuindo assim no diagnóstico
de individualização mórbida, na base da prescrição homeopática.

Palavras-chave
Loganiáceas; Toxicologia; Análise comparativa; Repertório

ABSTRACT
By taking the group of homeopathic remedies derived from Loganiaceae, this article discusses
the possible relations between toxicological knowledge and the potential symptomatic nuclei of
these remedies, as resulting from homeopathic pathogenetic trials. The toxicological perspective
consistently points out to symptomatic expressions derived from the action of the alkaloid
components of all the plants belonging to this family, strychnine and secondarily brucine. The
comparative analysis, with the help of the homeopathic repertory, allows to identify not only
symptomatic nuclei common to a family or group of remedies, but also the specific differences
that distinguish each of its members, contributing in this way to the diagnosis of individual
disease, which lays at the ground of homeopathic prescription.

Keywords
Loganiaceae; Toxicology; Comparative analysis; Repertory

Loganiáceas: um ar de família

Os medicamentos homeopáticos derivados de plantas pertencentes à família das Loganiaceae
(Tabela 1) apresentam uma série de aspectos comuns que permitem definir um “ar de família” a
esta classe.

Tabela 1. Medicamentos homeopáticos derivados de Loganiáceas
Brucea antidysenterica Strychninum citricum cum ammonioferi-citricum
Brucinum Strychninum arsenicosum
Curare Strychninum nitricum
Gelsemium sempevirens Strychninum phosphoricum
Ignatia amara Strycninum sulphuricum
Nux vomica Strycninum valerianicum
Spigelia anthelmia Strychnos gaultheriana
Spigelia marylandica Strychnos henningsi
Strychninum purum Strychnos spynosa

Em primeiro lugar, há duas características gerais, presentes em todas as Loganiáceas,
certamente, presentes em graus diferentes: 1) Hipersensibilidade às influências externas, tanto
físicas quanto psíquicas; 2) Adaptação defeituosa à ação dos fatores exteriores e interiores


Médico homeopata; vice-presidente da Sociedade Romena de Homeopatia; presidente da Associação
Romena de Homeopatia Clínica.relujurj@gmail.com

14

mesmo imaginário. com estabelecimento de uma estágio de depressão. Ign). A culminação da fase de excitação pode manifestar-se na forma de convulsões (em todas as Loganiáceas). etc. que pode constituir um indício orientador na prática. táctil – incluindo as mais mínimas correntes de ar -. de modo ansioso. Nesse sentido. apatia e recusa da comunicação – presentes não apenas em Gelsemium e Ignatia. em primeiro lugar. Sintetizando. Do ponto de vista psicológico. em segundo. Ignatia. contendo um núcleo central comum.Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008. lipotimias. A fase de excitação se caracteriza por irritabilidade. enquanto que em Gelsemium a inibição e depressão. aparece inibição das funções e sistemas. [1] Do ponto de vista fisiológico. Deste modo. com uma fase de excitação seguida por outra de depressão. essa resposta é bifásica. trata-se de uma “inibição do inibidor”. ataques cerebrais) e secretórios (hipersecreção gástrica. mas por misturas. etc. que se exprime através de uma multidão de sintomas: musculares espasmódicos. o modelo excitação – super solicitação – exaustão caracteriza a bipolaridade geral da classe. essa fase de super solicitação dos receptores pós-sinápticos é seguida de exaustão das reservas bioquímicas e energéticas. que qualquer estímulo. tetania ou fúria (Nux-v). por exemplo. 15 . etc. contradição. tanto sensorial quanto psíquica. A ação primária pode ser explicada por um efeito sobre o sistema inibidor glicinérgico. usualmente. ataques cerebrais ou delírio (Gels) ou crises espetaculares de espasmofilia. pode reatualizar. às diferenças na composição química e. o estresse psíquico. a classe das Loganiáceas. concentrando-as nas diversas estruturas. enquanto Spigelia explode periodicamente. na paralisia ou paresia (todos os membros da família). com paresia. levando a manifestações de patologia neurótica. por comparação com outras classes de medicamentos. esse estado é representado por tristeza. Um segundo elemento que caracteriza esta família é o tropismo. O resultado desta conjunção é uma exageração das respostas aos estímulos. O resultado é uma verdadeira “tempestade colinérgica”. muitos dos medicamentos desta família são objeto de estereotipias. Na segunda fase. mesmo quando não é real. preocupações. O exemplo característico é a ação paralítica do curare. pelo sistema nervoso. Trata-se de um estado no limite da descompensação. particularizado em cada membro através de nuances e predominâncias específicas. O tema do estresse é interpretado de maneira amplificada. Do ponto de vista físico. pode observar-se que cada medicamento interpreta essa situação de maneira singular: Nux vomica não tem consciência da situação em que se encontra e persevera nela. chegando. vale dizer. reações exageradas à fadiga. devido ao conteúdo em alcalóides de tipo estricnina e brucina. é relativamente mais homogênea. secundariamente vascular. precedida de relaxamento muscular (aproveitados em cirurgia). no qual o mais mínimo estímulo pode tornar-se perigoso. com manifestações de hipersensibilidade auditiva. deve se lembrar que os medicamentos deste grupo não estão constituídos por substâncias quimicamente puras. mais particulares. Por esse motivo. desmaio (Gels. estresse de qualquer natureza. à proporção relativa dos alcalóides componentes e do modo como cada planta processa essas substâncias. Ign). As diferenças entre os membros da família devem-se. Sintetizando. A esse respeito. Gelsemium. que se pode manifestar como fraqueza. No plano psíquico. em primeiro lugar. sudorese.71(1/4):14-24 excitantes. mais particularmente nos níveis central e da união neuromuscular e. mas também Nux vomica apresenta períodos de auto-isolamento. de exaustão. aparece prostração. tem bem presentes traumas passados. ou espasmos e nevralgias violentas (Spig). Esse modelo geral de reação se particulariza em cada um dos medicamentos da família. o desequilíbrio potencial. paralisia. que os determinam a agir predominantemente em uma direção ou outra. é hiper-consciente de sua precariedade e antecipa. esse estado pode evoluir progressivamente para depressão e desespero. a ação da acetilcolina se amplifica no nível sináptico. vasomotores (congestão alternando com palidez. Por exemplo. ao contrário. (Nux-v). eventualmente. “não se pode manter em pé” (Gels. em Nux vomica predomina a excitação. visuais.). que inibe a contração muscular provocada pelo sistema colinérgico.

rigidez de braços e pernas. 1 -1. 16 .71(1/4):14-24 Toxicologia Estricnina [2. acompanhada de novas convulsões. um canal cloreto presente na medula espinhal e no cérebro. excitação. arqueamento incontrolável do pescoço e as costas. Do outro lado. apreensão ou medo. apreensão. afirmou ter padecido sua pior experiência com o uso de drogas quando alguém acrescentou estricnina em sua maconha: “Estava totalmente comatoso. A morte (geralmente. Altamente tóxico por ingestão e inalação. auditivos. aumentando em intensidade e freqüência. Podia ouvir todo mundo. Esta substância amarga ajuda a aumentar o apetite. Pode produzir náusea. porém muito menos potente. aproximadamente. inquietude. devida a parada respiratória (sufocação). Os movimentos podem ser inicialmente intermitentes. os efeitos no sistema nervoso central incluem aprofundamento da respiração. o rosto fixo numa careta e os olhos protuberantes. a hipersensibilidade retorna. os punhos fechados. quem numa entrevista a New Musical Express. Depois de 15-20 minutos. Brucina [2] A brucina é um alcalóide semelhante à estricnina. A respiração cessa e o paciente se torna azul. Outros efeitos dependentes da contração muscular exagerada incluem acidose láctica. Uma ilustração vívida é oferecida por Keith Richards. com diminuição do volume sistólico cardíaco. começando pela cabeça e o pescoço. fasciculações e sobressaltos. em grandes doses. sacudindo os dedos e empurrando-me para todo lado e eu pensava „Não estou morto!‟”. indivíduos expostos a doses baixas ou moderadas de estricnina. os músculos começam a apresentar espasmo. rabdomiolise associada com mioglobinúria podem ser secundárias ás intensas contrações musculares. e Strychnos ignatii Berg. vômitos. mas após há hiperextensão. Produz paralisia das terminações dos nervos periféricos e convulsões violentas. ou por exaustão secundárias às próprias convulsões. que agravam pelo mais mínimo estímulo. a mandíbula em contração. em 4 de abril de 2007. inquietude. agudização dos centros corticais olfatórios.4] Age como bloqueador ou antagonista no receptor inibidor glicina (GlyR). Os sintomas começam por inquietude. A ação da estricnina nos seres humanos depende do bloqueio de impulsos nervosos inibidores. Estímulos mínimos podem desencadear convulsões violentas. contração da mandíbula. mas completamente acordado. causada pela paralisia das vias neurais que controlam a respiração.2%. empurrando para adiante seu conteúdo. sobressalto fácil. Dez a vinte minutos depois de exposição a estricnina. apoiando-se na cabeça e calcanhares. hiperpotassemia e deshidratação. podendo produzir sensibilização aos impulsos excitantes. aumento da percepção sensorial. A brucina não tem efeito direto sobre o músculo esquelético: seu efeito hipertônico deve-se a sua ação central (Goodman er al 1985). movimentos abruptos. produzindo convulsões virtualmente contínuas. 1. o corpo se curva para trás. tem ação irritante. O espasmo se estende para todos os músculos do corpo. reflexos exagerados. somato-sensoriais e visuais. contém. A estricnina também aumenta os níveis de epinefrina. os braços flexionados sobre o peito ou rigidamente estendidos. Do outro lado. As convulsões progridem.3. o célebre guitarrista dos Rolling Stones. aumentando a pressão arterial sistêmica por estímulo direto do sistema simpático no músculo liso arteriolar. os ataques podem repetir-se 1- 10 vezes até a recuperação ou a morte. 2 a 3 horas após a exposição) é devida a asfixia. devidos a excitação do centro vagal. espasmos musculares dolorosos. causa ondas sucessivas de contração involuntária que se transmitem ao longo das paredes do intestino ou o esôfago. e diziam algo assim como „Ele está morto! Ele está morto!”. através do estímulo do peristaltismo. Strychnos nux vomica L. apresentam a seguinte seqüência de sinais e sintomas: agitação. até curvar continuamente a coluna vertebral. dor muscular e dificuldade para respirar.Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008. Os músculos se relaxam completamente entre as convulsões. vômitos. com as pernas estendidas. através de qualquer via.1% de brucina. rigidez muscular na face e nas pernas e mais raramente. há sudorese fria e as pupilas podem contrair-se.

clammy GENERALS .STIFFNESS sore GENERALS . Tabela 2. Sintetizando. por apresentarem apenas 3-4 sintomas.Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008.clammy MIND .WEAKNESS .ERUPTIONS .clammy MIND . cabe perguntar se também é possível identificar um núcleo comum às Loganiáceas no material experimental homeopático.POLIOMYELITIS CHEST .burning GENERALS . Análise global de todos os sintomas repertoriais das Loganiáceas O repertório digital oferece ferramentas que permitem identificar os sintomas comuns a um grupo determinado de medicamentos.COLDNESS .WILL . acids .HYSTERIA EXTREMITIES .CIRCULATION.MORAL FEELING.WEAKNESS .Axillae GENERALS .Pylorus GENERALS .FOOD and DRINKS . Nesse sentido.PERSPIRATION . BACK .Dorsal region . precisamente. complaints of the blood MIND . no contexto de análises de grupos ou famílias de medicamentos.Spine MIND . GENERALS .sore GENERALS .amel.accompanied by .pungent things .pressure agg.uncontrollable EXTREMITIES .71(1/4):14-24 Análise repertorial comparada das Loganiáceas Do outro lado.PAIN .WEAKNESS . Strychninum sulphuricum apresenta apenas três sintomas – convulsões.MENTAL EXERTION .REST .LAUGHING . pickles sensation of GENERALS . identificando seus sintomas comuns.clammy MIND .nervous .Dorsal region .Spinal cord GENERALS .offensive GENERALS .LAZINESS . sintomas de expressão complexa se encontram truncados e dispersos em várias rubricas. Contudo. a análise repertorial.desire CHEST .PAIN . . Do outro lado. certamente.PAIN .extending to .disappear suddenly CHEST .spicy Indian STOMACH . as análises repertoriais fornecem uma imagem correta dos sintomas de um medicamento. after BACK . want of GENERALS . A vantagem principal é que permite capturar todos os sintomas de um medicamento.mental exertion .ATELECTASIS GENERALS . são úteis para desenhar os contornos comparativos dos medicamentos. francamente.injuries. esse e outros medicamentos com experimentações igualmente incompletas (Strychninum arsenicosum.sour food.DELUSIONS . não tão inesperadamente.ANEMIA .desire STOMACH .desire CHEST .LAZINESS EXTREMITIES .PARALYSIS CHEST .after BACK .SHOCK .FOOD and DRINKS . mas uma imagem insuficiente de suas síndromes.Spine complaints of 17 . o repertório oferece uma série de vantagens – assim como desvantagens. reduziriam dramaticamente o número de sintomas comuns aos medicamentos estudados. BACK . convulsões tônicas e convulsões clônicas.urticaria MIND .agg. Para testar esta hipótese. Sintomas repertoriais de Strychninum phosphoricum MIND . Uma análise mais aprofundada demonstrou que este resultado tão restrito se devia á inclusão de medicamentos com patogenesias extremamente limitadas: por exemplo.nervous BACK . a ferramenta mais útil é o repertório homeopático digital.Hand .PAIN . especialmente digital. o que.PERSPIRATION . é um dos poucos métodos que permitem uma abrangência completa da sintomatologia. e num modo muito próximo do utilizado na prática clínica real. por vezes.INDURATION .PAIN GENERALS .desire .during BACK . surpreendente: um único sintoma – e agora.FOOD and DRINKS .PERSPIRATION .SENSITIVE .PERSPIRATION .HANGING down relaxed.Spine . permite realizar análises comparadas de medicamentos. O resultado foi.aversion to SKIN .Spine . convulsões.acute diseases .Axillae .PAIN . cujos 44 sintomas são descritos na Tabela 2.WEAKNESS .loss of will power GENERALS .PERSPIRATION . análises comparativas de textos integrais de sintomas patogenéticos. embora forneçam imagens corretas da totalidade sintomática dos medicamentos. permite realizar diagnósticos diferenciais acurados. a diferença na pontuação relativa dentro de uma rubrica compartilhada e os sintomas específicos de cada um dos medicamentos comparados.Chest GENERALS . Além do mais.Hand . BACK .aching GENERALS .pickles . nitricum e phosphoricum) foram excluídos da pesquisa. O primeiro passo na presente pesquisa consistiu. being BACK .FOOD and DRINKS .SENSITIVE . com a exceção de Stry-p.PAIN .Spine .fever .Palm MIND .Foot .WEAKNESS .Spine .Feet .physical EXTREMITIES . embora as conclusões obtidas a partir de análises repertoriais não são absolutamente decisivas. Por comparação com a matéria médica. que devem ser tidas em mente. No entanto.spices .Stomach.PERSPIRATION .Axillae . Por esse motivo. em procurar os sintomas comuns a todos os membros da família das Loganiáceas.impotent.

Jaws .HEAT .NUMBNESS . Não se pode deixar de mencionar o rigor e acurácia desses pioneiros. realizadas pelas primeiras gerações de homeopatas. CHILL . assim como numerosas observações daquilo que hoje chamamos de “fármaco-vigilância”.FORMICATION - HEAD .COPIOUS PERSPIRATION .increased physical .PAIN .SHIVERING.NUMBNESS - VISION . realizada em 1999 com o programa Radar 8.TREMBLING - EAR . SLEEPINESS - MIND . with about in agg.WEAKNESS – limbs nervous Disso segue-se uma primeira conclusão: a maioria dos sintomas incluídos no repertório se baseia nas patogenesias ditas “clássicas”.changeable ABDOMEN . oferece o surpreendente número de 356 sintomas comuns ao grupo.Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008. que nos legaram patogenesias completas.TALKING . heat in general MIND .fever .frequent FEVER .during URINE .Occiput CHEST .sleep . MIND . Spig e Cur).CONFUSION of mind THROAT . sensation of limbs GENERALS .STARTING . dos dados colhidos pela vigilância farmacológica.DRYNESS SLEEP .slow EAR .frequent EAR .DRAWN . que forneceriam riquíssimo material patogenético. o Repertorium Universale.AFTERNOON MIND .right MIND .Lower late MIND .PAIN .DESPAIR STOMACH .HEAT MIND .SPASMODIC Externally HEAD . a análise repertorial com exclusão das estricninas produziu apenas 46 sintomas comuns ao grupo [5]. EXTREMITIES . ferramentas historicamente dinâmica.DRY GENERALS . Por esse motivo. precisamente.STIFFNESS .THIRST .NEUROLOGICAL HEAD .swallowing . in FEMALE GENITALIA/SEX .Lower EXTREMITIES . incluindo também dados da toxicologia. inclusive da própria estricnina.during .AFTERNOON MIND .PARALYSIS Externally FACE . que evoluem lado ao lado com o aumento dos dados.backward RESPIRATION .Cervical region complaints EYE .during FEVER .PAIN .PAIN .CRAMP .WEAKNESS GENERALS .agg.COLORS before the eyes .WEAKNESS .late.WEEPING RESPIRATION . Ign.MENSES GENERALS .DISCOLORATION .difficult MOUTH .FALLING ASLEEP - MIND .HEAVINESS - HEAD .SIDE .PULSE .PAIN . EXERTION.UNCONSCIOUSNESS DESIRE .SADNESS URINE .SEXUAL GENERALS .COLD MIND .PULSATING BACK . COUGH . E assim.PAIN .Upper GENERALS .PAIN COUGH .neuralgic EAR . Também merece ser comentada a diferença nos resultados devida ao uso de edições distintas de um mesmo programa de repertorização.STUPEFACTION FEMALE GENITALIA/SEX .during . 18 .during .PAIN . too GENERALS .burning FEVER .SUICIDAL disposition .CONCENTRATION .MOTION .ANXIETY FACE . a exclusão das estricninas permitiu detectar 93 sintomas comuns aos medicamentos homeopáticos derivados de Loganiáceas (Nux-v.FAINTNESS HEAD .RESTLESSNESS .Forehead EXPECTORATION .burning PERSPIRATION - MIND .HEEDLESS agg.frequent FEVER . por oposição da análise aqui apresentada. a fim de detectar o possível núcleo sintomático comum das Loganiáceas.RESTLESSNESS urinate .PROSTRATION of mind BLADDER .sore GENERALS .NOISES in EXTREMITIES . a mesma incompletude patogenética levou a uma situação paradoxal: embora o alcalóide básico nas Loganiáceas é a estricnina. a mesma análise.PAIN .spots . ao contrário. realizada 10 anos mais tarde.PAIN EXTREMITIES .PULSE . mas. Gels.DIFFICULT GENERALS . A explicação é que os repertórios não são instrumentos definitivos. realizada com um outro repertório.FULLNESS.MOROSE BLADDER .Lower limbs .HEAT COUGH .roaring Sciatic nerve GENERALS .PAIN .floating EXTREMITIES .urging to FEVER . Por outro lado.Upper GENERALS .Spine GENERALS .red EXTREMITIES .WEAKNESS FACE .NOISES in .Hands Externally black . .tossing URETHRA .NIGHT External parts HEAD .agg.menses . HEAD .heat .MOOD .FEVER.PAIN .CONVULSIONS MIND .DISCOLORATION . com o programa Radar 10. especialmente dos efeitos colaterais e adversos de fármacos.DELIRIUM STOMACH .dark PERSPIRATION in general MIND .URINATION .Jaws .QUOTIDIAN MIND . Na primeira versão deste estudo.ANGER FACE .agg.ACCELERATED GENERALS . ela precisa ser excluída da análise repertorial comparativa.URINATION .NIGHT MIND . é para se lamentar a omissão posterior.bed .COLOR .RESTLESS MIND .PAIN afternoon MIND .THIRST . CHILL . FEVER . MIND .sleep.YELLOW GENERALS .IRRITABILITY STOMACH .agg.LOCKJAW SLEEP . Exclusão das estricninas MIND . e os efeitos desta se contam entre os melhor conhecidos pela farmacologia e toxicologia convencionais.yellow BACK .urination .BURNING heat MIND .PAIN . GENERALS . SLEEP . (Tabela 3) Tabela 3.71(1/4):14-24 Exclusão das estricninas Continuando a análise.

RESTLESSNESS .MEMORY .SENSITIVE .MOOD . MIND .fear.STUPEFACTION MIND . O resultado é impressionante: de 93 sintomas comuns.CONFUSION of mind agg. MIND .AILMENTS FROM .ANTICIPATION MIND .71(1/4):14-24 Esse resultado é fácil de compreender quando se olha mais de perto a estrutura desse repertório.AILMENTS FROM .IRRITABILITY .HEEDLESS MIND . Ignatia. MIND .ANXIETY . Como amostras.noise. Tabela 4.impossible MIND – WEEPING MIND .changeable MIND .sleep.SADNESS disappointment MIND . MIND . No Universale.sadness MIND .DELIRIUM aversion to MIND . MIND .Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008.IMPATIENCE MIND .EXCITEMENT MIND .CHEERFUL .RESERVED MIND . MIND . Aliás.bed .SENSITIVE MIND .MENTAL EXERTION - MIND . novamente.EXHILARATION MIND . agg. “curare” é uma mistura de venenos.death MIND . MIND . que não podem ser reproduzidos no presente artigo.anger MIND .evil.STARTING .TALKING .CONCENTRATION . to excitement .LAZINESS thinking of his complaints MIND . que segue o conceito de Bönninghausen.PAIN . sob nomes distintos.complaints .TIMIDITY with .AILMENTS FROM . enquanto Curare é um medicamento de espectro mais limitado. Cabe perguntar. por motivos de extensão. Sintomas de alta pontuação aparecem apenas em Nux vomica.ALCOHOLISM MIND .MOROSE 19 .RESTLESSNESS .ANXIETY MIND .chill . with during MIND . in MIND .MENTAL EXERTION . Sintomas mentais comuns a Gels.MENTAL EXERTION .UNOBSERVING [= inattentive] difficult MIND .VIVACIOUS MIND .AILMENTS FROM . várias rubricas que expressam mais ou menos uma mesma idéia se encontram reiteradamente. Nux-v e Spig.abundant MIND .IRRITABILITY MIND .emotional MIND . ao invés da formulação de Kent.grief MIND .UNCONSCIOUSNESS MIND .STUPOR MIND .larynx Loganiáceas “homeopáticas” A análise da Tabela 3 permite uma nova observação..BROODING MIND . fear of MIND .PHENOMENA .THINKING .DULLNESS MIND . com patogenesias relativamente restringidas.AILMENTS FROM .IDEAS .DELIRIUM TREMENS MIND . Gelsemium e Spigelia.COWARDICE MIND .ABSENTMINDED MIND .INDIGNATION MIND .PROSTRATION of mind MIND .AILMENTS FROM . . MIND .THOUGHTS . o que aconteceria se também Curare fosse excluído da análise comparativa.tossing of loved ones MIND .chill.FEAR .CHEERFUL MIND .SUICIDAL disposition MIND .LOCATION – LARYNX LARYNX & TRACHEA – PHENOMENA LARYNX & TRACHEA .ANGER MIND .EXCITEMENT .during MIND . por exemplo: LARYNX & TRACHEA .INCONSTANCY MIND .RESTLESSNESS anticipation during MIND .FEAR about in MIND .agg. MIND . apresentamos os sintomas comuns correspondentes aos capítulos “Mente” (63 sintomas) e “Generalidades” (117 sintomas) nas Tabelas 4 e 5.night MIND .AIR passages LARYNX & TRACHEA .vanishing of MIND .weakness of MIND .DESPAIR MIND . Ign.LOCATION . passa-se para 306.TACITURN MIND . MIND .FORGETFUL MIND .sleep .alternating memory MIND . utilizada no Synthesis.

Externally . TREMBLING - GENERALS .PULSE .pressing pain . GENERALS .lack of vital heat pressing pain GENERALS . GENERALS .difficult GENERALS .CONVULSIONS GENERALS . as if GENERALS . Externally GENERALS .agg.FOOD and DRINKS . GENERALS . Ign.clonic Externally GENERALS .COLD. agg. as from a GENERALS . . esses sintomas são extremamente significativos. of . nos perguntamos qual seria o resultado se também Spigelia – raramente prescrita – também fosse excluída. GENERALS . GENERALS . in open GENERALS .CONVULSIONS .fever - Externally cramping during .NIGHT .intermittent after GENERALS . GENERALS . agg.AIR. GENERALS .ABSCESSES .SENSITIVENESS - GENERALS .agg.PAIN .WEAKNESS . NUMBNESS . Internally cutting pain GENERALS .neuralgic of GENERALS .from complaints of GENERALS . parts. O resultado foi de 506 sintomas comuns.SWOLLEN sensation GENERALS .Externally .PAIN . complaints GENERALS .on alcoholic drinks .LASSITUDE GENERALS .agg.SEXUAL EXCESSES.amel.Internally .IRRITABILITY. GENERALS .Internally .PAIN . GENERALS .agg.Bones Externally GENERALS . IN OPEN . Sintomas gerais comuns a Gels.before .blood.RELAXATION - GENERALS .CHOREA GENERALS . Nux-v e Spig.agg.bursting pain GENERALS . during GENERALS .agg.Muscular GENERALS . GENERALS .MORNING GENERALS .MENSES .PAIN . GENERALS .PULSE .WEAKNESS .TOBACCO .WARM. External parts tearing pain GENERALS .right GENERALS .FAINTNESS GENERALS .PAIN .weak GENERALS . GENERALS .sensation movements GENERALS .PAIN .71(1/4):14-24 Tabela 5. physical GENERALS .midnight . GENERALS . tendency to GENERALS . of GENERALS . PASSING .amel. GENERALS . GENERALS .excessive Externally GENERALS .AIR.PULSE .SWELLING .WALKING .SUN .MOTION . limitando a análise a aqueles três grandes medicamentos homeopáticos.WARM .slow acrid GENERALS .DRYNESS of usually GENERALS .CHILDREN.Organs.WEAKNESS GENERALS . ailments from GENERALS .paralyzed.Affected moist internal parts GENERALS .LYING . WEAKNESS - GENERALS .PULSE .agg.nervous Internally of GENERALS .frequent GENERALS . GENERALS .PERIODICITY perspiration .KNOTTED sensation GENERALS .Externally .AFTERNOON GENERALS . GENERALS .exposure to the GENERALS . GENERALS .agg.NEUROLOGICAL GENERALS . GENERALS . burning Internally GENERALS . GENERALS . GENERALS . MUCOUS nervous of SECRETIONS .Internally .INFLAMMATION .JERKING .MOTION . GENERALS . 20 . vague GENERALS .WARM. GENERALS .WAKING .PAIN .CONSTRICTION . BECOMING - GENERALS . GENERALS .VERTIGO.bed.Muscles. HEAVINESS .PULSE .agg.MOTION .PAIN .agg.PAIN .agg.desire stitching pain GENERALS . GENERALS . GENERALS .PULSE .PAIN . BECOMING - GENERALS .MOTIONLESSNESS .SICK FEELING.INTERNAL PARTS. cujo estudo revela importantes diferenças de grau que particularizam cada uma dessas três Loganiáceas principais (132 sintomas comuns). Ignatia e Gelsemium. GENERALS . GENERALS .TENSION .REST .Internally agg.CONGESTION . Nux vomica. amel. TAKING A . feeling of .Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008.SIDE . GENERALS .PAIN .morning Externally sore .EMACIATION load.PAIN .agg.FALL.PARALYSIS . sun GENERALS . GENERALS .left internally GENERALS . GENERALS . GENERALS .WEAKNESS . GENERALS .FLATUS. DRAFT OF .PULSE . focused .ASCENDING . in .wandering pain GENERALS . GENERALS . .SITTING .irregular GENERALS . reproduzimos apenas os sintomas mentais (Tabela 6).RESTLESSNESS in part. External complaints GENERALS .air agg.INFLAMMATION . GENERALS . physical sensation of agg.SWALLOWING . GENERALS . GENERALS .PAIN .FULLNESS. HEAVINESS . por motivos de espaço.amel.increased GENERALS .LYING . GENERALS .FOOD and DRINKS .waking.SIDE .COLD .slight exertion GENERALS .Internally .EXERTION.Muscles .PAIN . GENERALS .SWELLING .FORMICATION .HEAT . GENERALS .amel.PULSE .PAIN . Novamente.agg.affected GENERALS . LOOKING . Além do mais. TREMBLING - amel. CONVULSIVE GENERALS .WEAKNESS .BALL internally.LYING . SHUDDERING.abnormal GENERALS . GENERALS . GENERALS ..small GENERALS .full GENERALS .WEAKNESS .QUIVERING GENERALS .PAIN .WEARINESS . GENERALS .flushes of GENERALS .agg.pus . physical .HEAT . concentrated.Externally .TWITCHING alcoholic drinks .MASTURBATION. GENERALS .exertion Internally stitching pain .amel.hard GENERALS .PULSE .PAIN . pressing pain GENERALS .sore GENERALS . of GENERALS . on GENERALS . PULSATION . GENERALS .PRESSURE . ailments after tendency Affected parts GENERALS .rheumatic GENERALS . GENERALS . PULSATION - Internally Continuando na mesma linha.

TOUCHED . of during MIND .want of MIND .. after during emotions MIND .CONFIDENCE .IRRITABILITY .death MIND . quando a mesma análise é realizada apenas com os sintomas verificados.MENTAL EXERTION .FEAR . MIND .DELIRIUM .AILMENTS FROM . of MIND . on MIND .child.RESTLESSNESS MIND .HORRIBLE things.ANGER .anger MIND .AILMENTS FROM .inclination to sit - mortification MIND .ANTICIPATION MIND .AILMENTS FROM .WEEPING .insanity MIND .menses - MIND .DULLNESS MIND .noise. inattentive] MIND .changeable MIND .bed .mental MIND . something MIND .INDIGNATION MIND .heat.MORNING MIND .MENTAL EXERTION - silent grief.anger .abundant MIND .AILMENTS FROM .SENSITIVE .before MIND . MIND . sees .EXCITEMENT MIND . MIND . impending MIND .MOANING anticipation MIND .UNCONSCIOUSNESS MIND .LAZINESS MIND .MOOD .EXCITEMENT .GRIEF .happen. with children MIND .Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008. in MIND .QUIET disposition of loved ones MIND . cannot fix MIND .RESTLESSNESS .alternating everything.TACITURN MIND .AILMENTS FROM .ANXIETY MIND .aversion MIND .HYSTERIA .images. MIND . MIND .AILMENTS FROM . to MIND .CONFUSION of mind .fear.agg.IDEAS .STUPEFACTION MIND .EXCITEMENT .CHEERFUL MIND .JEALOUSY MIND .SPOKEN TO. to MIND .IMPRESSIONABLE .sadness MIND . with MIND .FEAR .death.FEAR . MIND .AILMENTS FROM .COMPANY .DELIRIUM impossible MIND .VIVACIOUS difficult MIND . during MIND . MIND .anger . - fright.TACITURN .AILMENTS FROM .SLOWNESS reproaches stories affect her profoundly MIND .heat - MIND .chill.RESTLESSNESS .ANXIETY .agg.HYSTERIA MIND .RAGE MIND .RESTLESSNESS .tossing MIND .EXHILARATION before excitement .IMPATIENCE throwing .evil.CONCENTRATION .disease.RESERVED of loved ones .SUICIDAL disposition answer MIND .INCONSTANCY MIND .death MIND .ALCOHOLISM MIND .INSANITY MIND .COWARDICE MIND .BROODING MIND .DELUSIONS .INDIFFERENCE thinking of his complaints MIND .emotional MIND .STUPOR MIND .aversion to MIND .SENSITIVE MIND .ANSWERING . sad MIND .AILMENTS FROM .CONCENTRATION . obtém-se apenas 29 rubricas de sintomas mentais. during MIND .cannot weep.AILMENTS FROM . MIND .SUICIDAL disposition - MIND .agg.CONFUSION of mind MIND .agg.agg. MIND .dull indignation MIND . with with aversion to MIND .COMPANY .AWKWARD MIND . MIND . of a MIND . fear of MIND .ANGUISH MIND .71(1/4):14-24 Tabela 6.sleep .children.PROSTRATION of mind MIND .desire for MIND .AILMENTS FROM .aversion to be MIND . MIND . Sintomas mentais comuns a Gels.FORGETFUL MIND .WEEPING MIND .TIMIDITY with .EXCITEMENT . being .anger .FEAR MIND .DELIRIUM TREMENS MIND .AILMENTS FROM . difficult .bad phantoms. during about in disappointment MIND .MANIA No entanto.MENTAL EXERTION .AILMENTS FROM .FEAR . MIND .sleeplessness .STARTING .CHEERFUL .children exertion will MIND .height.RESTLESSNESS .HYPOCHONDRIASIS MIND . MIND . in MIND .RESTLESSNESS .ANGER MIND . MIND .SENSES .AILMENTS FROM .menses - MIND .DESPAIR MIND .attention.vanishing of MIND . himself from a MIND .MENSES .death become insane.HYSTERIA . horrible things.IRRITABILITY MIND .menses . with waking. (Tabela 7) 21 .nervous MIND .silent MIND .LOQUACITY though sad MIND .AILMENTS FROM .COMPANY .chill .STARTING MIND .grief MIND .during MIND .SIGHING MIND .AILMENTS FROM .FEAR .complaints . MIND .during MIND .ABSENTMINDED self-confidence memory MIND . MIND . from MIND . one will MIND . MIND .MOROSE news MIND .SHRIEKING shock. INDIFFERENCE . Ign e Nux-v.AILMENTS FROM .during anxiety.MENSES .frightful MIND .IMPRESSIONABLE MIND .AILMENTS FROM .before MIND .SADNESS MIND .HEEDLESS still MIND .SENSITIVE . MIND .aversion to during MIND .EXCITEMENT .TALKING . MIND .THINKING .THOUGHTS .SITTING . MIND .insane .easily MIND .hearing MIND .menses . UNOBSERVING [= MIND .DELUSIONS .sleep. MIND .night of loved ones .MEMORY .ANXIETY .chill .weakness of MIND .mental MIND .fright MIND .AILMENTS FROM .

motivo pelo qual esta causalidade é extremamente significativa. tanto do repertório – um dos instrumentos principais de trabalho do homeopata – quanto da matéria médica refletida nela. MIND . junto de Natrum muriaticum. novamente. mostraremos a análise comparativa de alguns sintomas correspondentes às causalidades mentais partilhadas pelos três medicamentos. a 22 . Staphisagria.grief memory MIND . seguido por Ignatia e. MIND .AILMENTS FROM . Em ambas as rubricas.  Aversão à companhia: aparece. é Gelsemium quem apresenta a mais alta pontuação (4).MEMORY . Embora essa categoria diagnóstica não é mais utilizada na atualidade. Sintomas verificados comuns a Gels.desire for MIND . Cicuta. em Ignatia este sintoma aparece com 3 pontos e em Gelsemium com 2. “cólera. deve ser ressaltado o imenso valor que esta técnica possui para a aquisição de conhecimento.sleep . seguido por Nux vomica.COMPANY .MOROSE anxiety. with MIND . muitas delas possivelmente insignificantes. junto de Argentum nitricum.AILMENTS FROM . MIND .AILMENTS FROM . Uma análise exaustiva demandaria páginas e páginas de sintomas.during MIND . enquanto as outras duas Loganiáceas principais aparecem com 2 pontos. assim como em Chamomilla e Staphisagria. Vale dizer.AILMENTS FROM .TIMIDITY MIND .ANXIETY MIND .cannot weep.AILMENTS FROM .  Histeria: aparece com alta pontuação (3) nos três medicamentos considerados. finalmente. AILMENTS FROM .FEAR MIND .Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008. Aqui. MIND . Ignatia também apresenta alta pontuação (3). de modo que pode se postular que Nux vomica é o membro da família mais suscetível à cólera.agg. though sad Como exemplo. Ign e Nux-v.AILMENTS FROM . Virtualmente. enquanto Nux vomica sofre apenas esporadicamente de temor antecipatório. essa mesma distribuição volta a ser encontrada no sintoma No 14 na tabela.aversion to MIND . MIND . com 3 pontos nos 3 medicamentos. páginas e páginas de comparações. por Gelsemium.HYSTERIA MIND . Ao invés de conclusões Análises repertoriais consistentes devem perseguir um objetivo definido.UNCONSCIOUSNESS MIND .  Transtornos por antecipação: aqui.EXCITEMENT . No entanto. o que representa uma atenuação deste fator de causalidade nestes dois medicamentos. é Ignatia que deve ser pensado em primeiro lugar. pode ser considerada equivalente da assim chamada espasmofilia ou síndrome de hiperventilação.  Humor choroso: deve ser julgado junto do sintoma oposto.emotions MIND .71(1/4):14-24 Tabela 7. quando a antecipação se associa a sintomas espasmódicos neurovegetativos. a classe inteira é suscetível ao impacto de pesares.TACITURN MIND . Graphites.COMPANY .ALCOHOLISM MIND .weakness of MIND . with MIND . No entanto.AILMENTS FROM . As análises repertoriais obrigam a desenvolver o “esprit de finesse”. Do outro lado.AWKWARD MIND . mau humor.  Transtornos por pesar: Ignatia aparece com a máxima pontuação (4). mais uma vez. enquanto em Gelsemium predomina a impossibilidade de chorar. embora Gelsemium apresente a maior pontuação.bad news MIND . MIND . a meta foi identificar os aspectos mais importantes ligados aos sintomas comuns das Loganiáceas.anger . Nux vomica aparece com pontuação intermédia em ambas as rubricas (2). Sepia.SADNESS fright. é evidente a importância deste sintoma para a classe inteira. apesar de truncada. “não pode chorar” (No 89).SENSITIVE MIND .STUPOR disappointment MIND . o que revela o caráter bifásico e contraditório deste medicamento. irritabilidade”.EXCITEMENT MIND . do lado de Natrum muriaticum.anger MIND .  Transtornos por cólera: Nux vomica aparece como o medicamento mais exposto (4 pontos). Por comparação.PROSTRATION of mind MIND .agg. entre outros.fright MIND .STARTING .anger .WEEPING . Ignatia aparece com a maior pontuação (3). vexação.MENTAL EXERTION .

há poucos dados acerca deles e a pontuação nas rubricas é geralmente baixa. tais efeitos não aparecem isoladamente. Familiarização com tais efeitos pode permitir o reconhecimento de manifestações de tipo estricnina nas desordens de um doente sob condições específicas e pode servir como hipótese preliminar do medicamento a ser prescrito. porque precisam levar sistematicamente em conta o modelo teórico para a construção do próprio repertório. pode mostrar aquilo que os medicamentos possuem em comum. mas em grupos. B e C são C Z respectivamente Gelsemium. X. possa-se reconhecer num paciente uma síndrome de “tipo estricnina”. ao contrário. Inclusive nos medicamentos relativamente raros. o efeito farmacológico geral sozinho de uma substância base não é considerado suficiente. ao efeito farmacológico em sua base. no que diz respeito aos aspectos gerais de uma família de medicamentos. e é aqui onde a abordagem especificamente homeopática dos sintomas pode individualizar o tratamento. de modo que apresentam um maior número de sintomas no repertório. e podem ser considerados um núcleo sintomático estável da classe A. Neste caso. Y e Z. Os efeitos da estricnina e da brucina em doses ponderais são muito estáveis. derivado das ações farmacológicas e toxicológicas de seus componentes bioquímicos. Embora careça do mesmo grau de acurácia que a abordagem farmacológica. a ação pontual da estricnina na união neuromuscular em diversas localizações origina diversos sintomas e sinais que aparecem simultaneamente em sucessão. em geral. As Loganiáceas. Y produzidos por S. os dados toxicológicos são mais ou menos os mesmos para as substâncias na base da composição de uma determinada família.71(1/4):14-24 cultivar o sentido das nuances. que produz os mesmos efeitos X. que mal pode ser contestado. por exemplo. mas em grau diverso. no repertório. A. que contêm a mesma estricnina (S). Assim. Y e Z são os sintomas B S------------. precisamente. Do outro lado. Vale dizer. alguns medicamentos pertencentes a uma determinada classe são mais bem conhecidos e mais freqüentemente utilizados na prática clínica homeopática. Y e Z são. assim como aquilo que os diferencias. A omissão dos efeitos toxicológicos de substâncias como o sulfato de estricnina. Um segundo problema diz respeito do modo específico como em homeopatia se lida com os sintomas e sinais dos pacientes. C. mostram – em maior ou menor grau – todas as ações farmacológicas e toxicológicas de ambos os alcalóides. dispomos a priori de um “núcleo sintomático”. Como for. como os das Loganiáceas. Portanto. por esse motivo. na melhor das hipóteses. dependente da dose e da sensibilidade do indivíduo. de fato. 23 . altamente confiáveis e bem conhecidos. que reflete as idéias de seu compilador quanto à estrutura e escolha das fontes. Outros medicamentos. Embora.Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008. devido. A análise repertorial comparativa pode ser o instrumento que ajuda a diferenciar entre medicamentos pertencentes a uma mesma classe. a imagem dos efeitos de S. o repertório é uma obra personalizada e histórica. deve ser motivo de reflexão. junto do sentido da precisão. mas a perspectiva homeopática também pode revelar – quando a informação sobre os medicamentos é confiável – a especificidade de cada um dos membros. que contêm principalmente estricnina e brucina. Assim. ainda é necessário fazer o diagnóstico diferencial entre os medicamentos dessa classe. B e C são as substâncias que contêm o A X substrato farmacológico S e X. B. ou seja: “este paciente precisa de um medicamento de tipo estricnina”. Por exemplo. como Strychninum sulphuricum e Strychninum nitricum devem estar presentes os efeitos básicos da estricnina. entre os efeitos farmacológicos e a análise repertorial há (ou deve ser traçada) uma forma de continuidade. O primeiro problema que temos que abordar ao examinar uma família ou classe de medicamentos é que. em alguns casos. Ignatia e Nux vomica. no qual um dos aspectos fundamentais é o fato de que se apresentam como configurações de sintomas. e de maior pontuação na cobertura. produzindo configurações definidas: Aonde A. No caso. porquanto todo estudante de medicina conhece seus efeitos sobre a bexiga. músculos e sistema nervoso. são virtualmente desconhecidos e muito raramente utilizados. Os efeitos farmacológicos e tóxicos de uma substância representam um núcleo patogenético estável.

Tashma Z. O analiza repertoriala comparta a clasei Loganiacelor. http://www. 2.org 3. Schein O.Jurj G. 24 . Strychnine poisoning: clinical and toxicological observations on a non-fatal case.Edmund M. Hoffman A. Isr Med Assoc J 2008 Feb 10(2):142-5.Bungetzianu G. Strychnine: a killer from the past.International Program on Chemical Safety (INCHEM). Jurj G. Sheehan TMT. Eisenkraft A. Loganiacee: concluzii.inchem. Revista Romana de Homeopatie 2000.Gheorghe Jurj Revista de Homeopatia 2008.4(12):23-4.4(12):16-22.24(3):245-55. Revista Romana de Homeopatie 2000. Brosh-Nissimov T. Markel G. Dushnitsky T. 4.Makarovsky I. Clinical Toxicology 1986.71(1/4):14-24 Referências bibliográficas 1. 5. Van‟t Hoff W.