You are on page 1of 4

ANÁLISE | PowerLinux 7R2

IBM PowerLinux

Força extra para o Linux
ANÁLISE

Conheça o PowerLinux 7R2, um servidor dedicado a
executar apenas sistemas operacionais Linux.
por Antonio Carlos Navarro

M
uitas empresas têm en- A IBM focou em três macro- as e capacidade para até 256GB de
contrado no ecossistema -pilares de aplicativos ao lançar o memória. Apresenta preço e de-
Linux a simplicidade e PowerLinux: infraestrutura e código- sempenho projetados para compe-
isonomia de aplicativos, redução de -aberto, aplicativos comerciais e Big tir diretamente com Linux em x86,
custos de licenciamento/manuten- Data. Disponibilizando servidores enquanto oferece:
ção e operação e maior facilidade de alto desempenho a preços mais ➧ O alto desempenho dos processa-
de integração. Este fato exige um acessíveis, a IBM trouxe muito dores POWER7, 4 threads por core,
forte amadurecimento no uso do mais combustível para o mercado. onde cada thread é vista como uma
Linux. Além da escolha do aplica- Um servidor PowerLinux 2-sockets, vcpu (CPU Virtual) pelo sistema
tivo, critérios de infraestrutura são 16-cores POWER7 3.3GHz, 64GB operacional Linux; chega, portanto,
fundamentais, como desempenho, de memória DDR3, 3 x Discos a 64 vcpus em 16 cores para o Linux;
arquitetura RAS (Remote Access Ser- SAS de 300GB 10krpm, 01 x Fita ➧ Otimização e maior uso dos
vice, ou serviço de acesso remoto, DAT 80/160GB interna, adapta- recursos computacionais, graças ao
em português) orientada a maior dor de rede Quad-port 1Gb HEA, software de virtualização PowerVM,
disponibilidade, confiabilidade, com garantia padrão de hardware, que permite picos de 80% a 90%
segurança etc. De olho nessa ne- 3 anos 9x5, e licenciamento Re- de utilização do servidor;
cessidade, a Big Blue anunciou dHat 1 VM, tem preço sugerido de ➧ Disponibilidade e confiabilidade
em abril de 2012 um novo modelo R$ 25.000,00 (preços informados ímpares da indústria: suporte aos re-
para sua família de servidores RISC em 01/06/12 pelo fabricante). cursos de RAS da arquitetura Power
(Reduced Instruction Set Computer Ocupando apenas 2Us em um pelas distribuições RedHat e Suse.
ou computador com conjunto redu- rack padrão, o PowerLinux 7R2 (figu- O novo PowerLinux foi projetado
zido de instruções, em português): o ra 1) oferece dois sockets POWER7 e otimizado para oferecer serviços
PowerLinux 7R2, dedicado apenas a 3.3GHz ou 3.55Ghz, 16-cores com de alta qualidade e desempenho,
executar sistema operacional Linux. suporte a até 64 threads simultâne- com a confiabilidade característi-

58 www.linuxmagazine.com.br
PowerLinux 7R2 | ANÁLISE

Figura 1 IBM PowerLinux 7R2.

ca da arquitetura Power. Entre os mite a criação de até 160 máquinas diminui-se o total de memória em
principais benefícios, destacam-se: virtuais em um servidor 16-cores, uma VM –, necessidade mandató-
através da tecnologia de micropar- ria para uma alocação dinâmica e
Processamento ticionamento, o que propicia um automática de recursos.
paralelo alto grau de consolidação de apli-
cativos Linux no servidor.
A escalonabilidade de uma máqui-
na virtual é outro ponto importante:
Com os mesmos processadores Recursos como virtualização de cada VM pode atingir o total de cores
utilizados no supercomputador I/O (VIO) e alocação dinâmica físicos e memória disponíveis no ser-
Watson (POWER7 3.55GHz – figura 2), de memória e processador entre vidor, atigindo o total de 64 threads
a IBM oferece a capacidade de VMs, baseados nos requerimentos simultâneos, o que evita a contenção
massivo processamento paralelo do de momento para cada aplicativo, de desempenho e crescimento do am-
POWER7 (4 threads simultâneas proporcionam a maximização da biente consolidado. O recurso Live
por core, o dobro do x86 de última utilização de recursos e capacitam o Partition Mobility, integrado ao Po-
geração) já suportada pelas versões sistema a vencer com tranquilidade werVM for IBM PowerLinux, permite
Enterprise da Red Hat (AS6) e Suse os picos sazonais. Esta alocação de a transferência de uma VM de um
(SL12); os recursos de arquitetura recursos não interrompe os serviços servidor para outro sem interrupção
como cache L3 32MB dinamica- em execução – inclusive quando dos serviços.
mente alocado aos cores que de-
mandam maior processamento,
maior BW de memória e I/O do
que a arquitetura x86, permitem
que o PowerLinux ofereça excelente
desempenho para aplicativos que
podem variar de infraestrutura e
soluções comerciais como SAP, e
Big Data até análises de negócios.

Utilização dos
recursos
Uma nova edição do software de
virtualização PowerVM foi especial-
mente criada para o PowerLinux
7R2, e fornece todos os recursos
para a maximização da utilização
de recursos no servidor. O IBM
PowerVM for IBM PowerLinux per- Figura 2 Supercomputador Watson POWER 7.

Linux Magazine #92 | Julho de 2012 59
ANÁLISE | PowerLinux 7R2

O resultado de todos esses recur- dor, mas em toda a arquitetura do Seu excelente desempenho e
sos em conjunto possibilitam que hardware power. O software de virtu- recursos de virtualização dinâmica
se obtenha os mais altos níveis de alização PowerVM também apresen- tornam a PowerLinux ideal para
utilização de recursos e tempo de ta zero vulnerabilidades registradas consolidação de aplicativos de in-
resposta por servidor, tornando o – o que garante também extrema fraestrutura, servidores web, LAMP
PowerLinux uma solução onde tam- segurança mesmo em ambiente al- etc. A solução também tem um de-
bém é possível virtualizar aplicativos tamente virtualizado. E não se trata sempenho superior com aplicativos
de missão crítica. Dessa forma, as de recursos de segurança através de comerciais como SAP e Sybase.
empresas reduzem custos e ganham plugins de terceiros: a priorização Mas a cereja do bolo, contudo,
maior qualidade dos serviços e efi- da segurança é parte integrante do são as soluções IBM para Big Data
ciência na virtualização [1]. software de virtualização IBM [2]. inspiradas no sucesso do Watson.

Arquitetura Orientada a soluções Soluções baseadas
orientada a RAS Através de participação ativa na em código aberto
comunidade Linux, a IBM con-
Torne seus aplicativos Linux mais tribui para o desenvolvimento e Dados estruturados e não estrutura-
seguros com a confiabilidade de otimização de Linux. O envolvi- dos continuarão crescendo a taxas
um POWER. Os servidores IBM mento com o Linux baseia-se na astronômicas. Com as ferramentas
PowerLinux foram projetados para colaboração e influência – e não tradicionais, é muito difícil tirar pro-
permitir que muito mais trabalho seja no controle – com inúmeras contri- veito de todo o potencial que eles
processado com a mínima interrup- buições reconhecidas e valorizadas oferecem para os negócios. Mas
ção. A arquitetura orientada a RAS pela comunidade Linux. Em 2011, desprezá-los significa abrir mão de
do Power (em português significan- a IBM foi eleita pelos leitores do conhecer e criar estratégias focadas
do disponibilidade, confiabilidade e Linux Journal como o “melhor for- no consumidor. Nos dias de hoje, nos
facilidade de manutenção), inclui já necedor de servidores Linux” [3]. quais temos um mercado não mais
no design da plataforma os recursos Hoje, o Linux é um componente orientado a produto, mas voltado ao
diferenciados de servidores RISC fundamental de negócios da IBM, consumidor, isso simplesmente não
que visam tornar o servidor opera- profundamente enraizado em suas é mais possível.
cional por longo período. Estudos ofertas de hardware. É o caso dos Como um líder tecnológico
apontam uma disponibilidade de servidores POWER7, que são al- que busca soluções inteligentes, a
99.997% para a plataforma Power, tamente otimizados com software IBM tem intensificado as pesquisas
superior ao que se obtém com x86 Linux construído sobre projetos realizadas no IBM Research dire-
e Windows de última geração. de código aberto, como Samba e cionadas à análise de Big Data,
Disponíveis para as versões RedHat Apache Hadoop, e amplamente estendendo o uso de tecnologias
AS6 e Suse SL12, esses recursos estão apoiados pelos arquitetos do Linux de código aberto a seus produtos.
integrados não apenas ao processa- Technology Center. Um exemplo disso é o supercom-
putador Watson. Ele materializa o
projeto de um sistema otimizado
que combina aplicativos de códi-
go aberto como o Apache Hado-
op, executado em um sistema em
cluster de servidores POWER7 e
Linux, com soluções inteligentes
e inovadoras como DeepQA [4].
O sistema Watson foi preparado
para a tarefa de responder a per-
guntas colocadas em linguagem
natural em menos de três segundos,
executando, para isso, milhares de
tarefas complexas de análise simul-
taneamente. O supercomputador
Figura 3 Supercomputador Watson no programa Jeopardy! notabilizou-se com um impres-

60 www.linuxmagazine.com.br
PowerLinux 7R2 | ANÁLISE

sionante desempenho no progra- de dados. A solução possibilita que na organização, torna-se possível
ma Jeopardy!, veiculado pela TV empresas de todos os portes criem reagir aos eventos em tempo real,
norte-americana, no qual venceu estratégias centradas no consumi- mudando os resultados de negó-
os principais campeões humanos dor e seus padrões específicos de cios. Por exemplo, instituições
em um desafio de perguntas e res- comportamento e desejo. Além dis- financeiras podem inspecionar o
postas. E este era apenas o primeiro so, sua versatilidade e capacidade uso do cartão de crédito em tem-
passo de uma tecnologia que atu- permitem a criação de clusters de po real para detectar e impedir
almente é utilizada em pesquisas alto desempenho. transações fraudulentas.
médicas e de outros segmentos, Essa análise de fluxo de dados
que entende a linguagem natural IBM PowerLinux e o em movimento beneficia-se extre-
e propicia massiva capacidade de
pesquisa de dados.
InfoSphere Streams mamente da alta banda de memória
da arquitetura POWER. A profun-
A solução IBM PowerLinux Big Data da integração deste aplicativo para
Ferramentas de Solution for InfoSphere Streams análise crítica de dados executados
gerenciamento torna possível a análise contínua
de grandes volumes de fluxo de
no PowerLinux possibilita às em-
presas processar milhares de tarefas
A IBM é uma das empresas que dados, com tempo de resposta de em paralelo para fornecer análises
acredita que o Apache Hadoop é submilisegundos. Projetada para em tempo real. Com a confiabili-
uma excelente ferramenta para gerenciar os fluxos de dados em dade e segurança de uma arqui-
gerenciamento e análise de gran- movimento na empresa e analisá- tetura orientada a RAS, como é o
de volume de dados, e utiliza esta -los sob diversos formatos, permite caso do Power Systems, é possível
tecnologia como base de seus apli- que as empresas armazenem menos obter níveis elevados de utilização.
cativos. O IBM InfoSphere BigInsi- informações e tomem decisões mais O desempenho otimizado do Po-
ghts estende o uso do Hadoop com rapidamente, algo fundamental em werLinux possibilita a criação de
desempenho, confiabilidade, segu- negócios que dependem de vária- clusters de servidores altamente
rança e recursos de administração, veis que mudam constantemente. escalonáveis, propiciando às empre-
incluindo um sofisticado módulo Ao se extrair conhecimento a partir sas ampliarem o ambiente quando
de análise de texto para explorar dos dados que ainda estão fluindo e como necessário. ■
dados em repouso, estruturados ou
não estruturados. Mais informações
Constituindo uma robusta solu- [1] Virtualization Performance on the IBM PureFlex System
ção, o IBM PowerLinux Big Data Whitepaper: http://www-03.ibm.com/systems/power/
Solution for InfoSphere BigInsi- advantages/whypower/virtperform.html
ghts inclui tecnologias de código
[2] Alertas da US-CERT: http://www.us-cert.gov/cas/techalerts/
aberto como Hive, Pig e o Hado-
op MapReduce, otimizadas com [3] Linux Journal 2011 Reader’s Choice Awards, “Best
a tecnologia IBM para suportar as Linux Server Vendor”, December 1, 2011: http://www.
exigências de desempenho, recur- linuxjournal.com/slideshow/readers-choice-2011
sos de administração, provisiona- [4] IBM Watson: A System Designed for Answers: http://
mento, segurança e confiabilidade, www.youtube.com/watch?v=cU-AhmQ363I
tornando-a a melhor solução para
análise de dados do mercado. O
resultado é uma solução mais sim- O autor
ples para uso e desenvolvimento. Antonio Carlos Navarro, gerente de Produto Power Systems na IBM, atu-
ando há 25 anos no mercado de TI, com formação em Engenheiro e MBA em
Preparada para processamento
Marketing, especialista em gestão estratégica de TI..
massivo e operações complexas de
análise de dados – esses, origina-
dos por diversas fontes e diversas Gostou do artigo?
estruturações, com a velocidade Queremos ouvir sua opinião. Fale conosco em
cartas@linuxmagazine.com.br
e acuracidade que as decisões de
negócios exigem, fundamentais Este artigo no nosso site:
http://lnm.com.br/article/7181
para a análise de grandes volume

Linux Magazine #92 | Julho de 2012 61