Meios de Contraste

09/01/2013 TR: Ant. Ariadne V. de Souza

1
Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza

APRESENTAÇÃO

Professora: Antônia Ariadne V. de Souza
Anatomia Radiológicas pela UFC: Universidade Federal do Ceará
Curso Aleatórios : Radiologia Odontológica / Forense, Medicina
Nuclear, Radioterapia pela FENATRA / Brasília Distrito Federal
Ano 2010/2011.
Curso de Aperfeiçoamento em Mamografia 2012/ Cetta Cursos
Montagem de Equipamentos Simuladores de Raios X /500Ma á
600Ma.

09/01/2013

2
Meios de Contraste/Prof.: Antônia Ariadne V. de Souza

Meios de
Contraste/Prof.ª: 09/01/2013
Antônia Ariadne V.
de Souza

MEIOS DE CONTRASTE (MC)

Arquivos: A.A.V.S Arquivos: A.A.V.S

Exames Radiológicos Contrastados
Nos exames de raios x, algumas estruturas anatômicas são facilmente
visualizadas devido á opacidade dos tecidos.
Exemplo: tecido ósseo

3

que são substâncias químicas que servem para opacificar o interior de órgãos.CONTINUAÇÃO Outros órgãos apresentam densidade semelhante em toda estrutura anatômica. estômago. Para esses exames é necessário o uso de contrastes radiológicos. cápsula articulares. 09/01/2013 4 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. que não são visíveis no rx simples. exemplo: rins. intestino. etc. de Souza . impedindo sua perfeita visualização.

( ex: radiografias de duplo contraste.CLASSIFICAÇÃO: Os meios de contraste são classificados quanto á capacidade de absorção dos rx.) 09/01/2013 5 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza . Negativos ou radio transparentes: é o caso de ar e dos gases que permitem a passagem dos rx mais facilmente servindo assim como contraste negativo. capacidade de dissolução e vias de administração. ar e bário. composição química. Capacidade de Absorver Radiação: Positivos ou radiopacos: quando presentes em um órgão absorvem mais radiação que as estruturas vizinhas.

Ex: sulfato de bário. de Souza .COMPOSIÇÃO: Iodados: são os que contém iodo(i) como elemento radiopaco em sua formula. 09/01/2013 6 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Insolúveis: não se dissolvem.( gordura). Não iodado: não contém iodo. Lipossolúveis: dissolve-se em lipídios. mas utiliza substancias como bário (BA SO4) ou gadolínio em sua formula. Podem ser: Hidrossolúveis: dissolve-se na água.

09/01/2013 7 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

etc. 09/01/2013 8 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. ( ex: uretra.) Intracavitário: quando o mc e ministrado via parede da cavidade em questão ex: fistula. Endocavitario: quando o mc é ministrado por orifício naturais que se comunicam pelo meio externo.útero. Parenteral: quando o mc e administrado por vias endovenosas ou artérias. de Souza .VIAS DE ADMINISTRAÇÃO Oral: quando o mc e administrado pela boca. reto.

Vias de Administração 09/01/2013 9 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

é imprescindível que o paciente responda um questionário previamente preparado. onde são feitas perguntas para analisar históricos alérgicos do mesmo. Por isso os médicos radiologistas prescrevem um tratamento prévio com anti- histamínicos e corticoides. para aumentar o grau de aceitação do organismo à droga. CONTRA INDICAÇÕES E EFEITOS COLATERAIS NO USO DE CONTRASTE IODADO. Em todo exame contrastado que é necessário usar meio de contraste iodado.PRECAUÇÕES. 10 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Pacientes com maior potencial para apresentar alergias ou reações aos meios de contrastes são chamados de hipersensíveis ao iodo. de Souza . As principais contra indicações para o uso desse meio de contraste são o hiper tireoidismo manifesto e a insuficiência renal. que é encontrado em todos os departamentos radiológicos.

11 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. gripe (com muita coriza). como na rinite. conjuntivite alérgica. de Souza . urticária. reações de hipersensibilidade.O QUE É? Anti-histamínico é o nome de uma classe de medicamentos usados no alívio dos sintomas das manifestações alérgicas. enjoos e vômitos.

PESQUISA PARA PACIENTES ALÉRGICOS Este questionário tem por objetivo identificar pacientes. alérgicos ou potencialmente alérgicos que ao realizarem estudos radiológicos necessitem realizar contraste iodado e venham eventualmente precisar de preparo e medicamento adequado. de Souza . Nome: Idade: Exame: Motivo do Exame: 12 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

...................( )Pulmonar ( )Anemia ( )Cardiovascular ( )Diabete Mellitus Você está fazendo tratamento e está utilizando algum tipo de medicação? Assinatura do paciente pai ou mãe responsável ......................... 13 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V............. de Souza .....................

Sendo que os dois últimos não são Considerados reações alérgicas. tosse tipo irritativa.OS EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES NO USO DOS IODADOS PODEM SER: Leves: sensação de calor e dor. espirros. náuseas e vômitos. sudorese. dispneia leve. calafrios. 14 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza . Moderados: urticária com ou sem prurido. lipotimia e cefaleia. eritema.

PERDERÁ A CONSCIÊNCIA. de Souza . DE FATO.LIPOTIMIA: É A PERDA MAIS OU MENOS COMPLETA DA CONSCIÊNCIA. ZUMBIDOS NOS OUVIDOS: A PESSOA TEM A IMPRESSÃO ANGUSTIANTE DE QUE VAI DESMAIAR. É ACOMPANHADA DE PALIDEZ. A URTICÁRIA: (PRURIDO) SÃO VERGÕES VERMELHOS NA PELE NORMALMENTE EM FUNÇÃO DE UMA REAÇÃO ALÉRGICA. SUORES FRIOS. VERTIGENS. RARAMENTE. MAS. Tosse Irritativa Urticaria Calafrios 15 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

e perda da consciência. cianose. agitação. podendo levar ao óbito. taquicardia. de Souza . dor torácica. dispneia grave. Edema Peri orbitário Cianose 16 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.GRAVE Grave: edema Peri orbitário. hipotensão.

de Souza .GRAVE A pressão arterial baixa (hipotensão) Perda da Consciência 17 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

O edema de glote é uma reação alérgica grave . 18 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza . Pode até levar à morte se não houver intervenção precoce e eficiente.

Contra indicação ao uso do Sulfato de Bário 19 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

que podem ser facilmente removidos por aspiração antes da cirurgia ou durante esta. Embora seja raro. Isso pode ocorrer através de vísceras perfuradas. por outro lado. de qualquer lugar em que seja encontrado fora do canal alimentar. 20 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. já foi descrito pacientes hipersensíveis ao sulfato de bário.CONTRA INDICAÇÃO NO USO DO SULFATO DE BÁRIO Por ser um composto insolúvel. se essas substâncias passarem para a cavidade peritoneal. o sulfato de bário é contra indicado se houver qualquer chance de que possa escapar para a cavidade peritoneal. Quanto ao sulfato de bário não será absorvido e deverá ser removido pelo cirurgião. ou no ato cirúrgico se este suceder o procedimento radiológico. por isso todo paciente deve ser observado quanto a quaisquer sinais de reação alérgica. Em qualquer dos dois casos. deve ser usado então contraste iodado ou hidrossolúvel. o organismo pode absorvê-la facilmente. de Souza .

formando uma cobertura completa para algumas delas (estômago. etc. a maior do corpo. reto.O QUE É PERITÔNIO? é uma membrana serosa. Algumas de suas funções são diminuir o atrito entre as vísceras abdominais.) e incompleta para outras (bexiga. promover resistência a possíveis infecções e armazenamento de gordura.). 21 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. etc. transparente. de Souza . intestinos. com duas camadas (parietal e visceral) que cobre as paredes abdominais e a superfície inferior do diafragma e se reflete em vários pontos sobre as vísceras.

Todos os exames contrastados do TGI exigem acompanhamento do medico radiologista e uso do seriógrafo com intensificador de imagens. 22 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. estômago. que estudaremos mais à frente. de Souza . faringe.Atenção Ouvintes: Vamos estudar o aparelho gastrointestinal numa sequencia em que se instalam no organismo. intestino delgado e intestino grosso. A exceção é o exame de trânsito intestinal. ou seja: cavidade oral. esôfago. que termina com o ânus.

alinhamentos. Também no caso dos exames contrastados temos alguns itens que são de extrema importância para que o mesmo seja alvo de um laudo e diagnostico preciso. Ex: peristaltismo. 23 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. paralelismo e composição da imagem numa harmonia que complete uma analise satisfatória sobre o exame. São eles: Dados fornecidos pelo enchimento: · Motilidade: se refere a relação entre o contraste e a parede do órgão ou seja. · Mobilidade: se refere as palpações radiológicas. mudanças de decúbito e manobras de Respiração. observamos os contornos. de Souza . a própria Capacidade de movimento do órgão em questão.COMO REALIZAR EXAMES CONTRASTADOS COM USO DE BÁRIO Nos exames comuns de RX.

· Saliências tumorais: presença de nichos ou depressões. · Relações com órgãos vizinhos: aderências e ectasia de tecidos. Também devemos estar atentos para o biótipo do paciente para a realização dos exames contrastados do T. caracterizando tumores ou ulcerações. · Curvaturas: maior e menor no estomago. etc. Ex: Estenose.I. pois este possui efeito sobre a localização dos órgãos GI dentro da cavidade abdominal. portanto as classes de biótipo devem ser conhecidas e compreendidas: 24 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.CONTINUAÇÃO · Elasticidade: refere-se ao aumento e diminuição do calibre do órgão em questão.G. de Souza . colón no intestino e anéis esofágicos. Dados fornecidos pelo relevo: · Dobras da mucosa: enchimento das entrâncias e saliências.

que são aqueles com a constituição corporal grande. com tórax e o abdome muito largo e profundo de frente para trás. de Souza . uma versão mais magra da classificação hiperestênico.Hiperestênico: o tipo hiperestênico designa +ou.5% da população. que são mais magros e possuem pulmões estreitos e mais longos com o diafragma baixo. 25 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.BIÓTIPO . Hipoestênico / astênico: estes representam os biótipos opostos. Estênico: a constituição corporal média e o tipo estênico.

Exemplos de Biótipos Observação: Além do biótipo. de Souza em várias posições virá com a prática de posicionamento. posição do corpo (ortostática ou decúbito) e idade. outros fatores que afetam o posicionamento do estômago incluem conteúdo gástrico. 26 A localização 09/01/2013 correta do estômago e de outros órgãos para diferentes biótipos Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. .

EXISTEM TRÊS BIÓTIPOS DE ESTÔMAGO 27 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

Intestino Delgado. Anus.ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestório inclui todo o canal alimentar e vários órgãos acessórios. Estômago. 28 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Duodeno. Faringe. O canal alimentar começa na Boca. Intestino Grosso. Esôfago. de Souza .

começa a nível da C6 e termina a nível da T11. de Souza . 29 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.ESÔFAGO ESÔFAGO – É um canal muscular. para chegar no estomago perfura o diafragma a nível de T10. com cerca de 25cm se estende da laringofaringe ate o estomago. localiza-se anterior a coluna e posterior ao coração.

ESTÔMAGO O estômago. o fundo é normalmente preenchido por uma bolha de ar. 14. OBSERVAÇÃO: estômago é composto por três regiões básicas: (1) o fundo. 30 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. é a porção mais delatada do tubo digestivo. O fundo é a porção em forma de balão. localizado entre o esôfago e o intestino delgado. (20 o corpo e (3) a porção pilórica (Fig. Na posição ortostática. de Souza .13).

O Estômago fica localizado abaixo do diafragma. de Souza . entre o esôfago e o duodeno. 31 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. no lado esquerdo do abdome.

TELE COMANDADO. PROFISSIONAIS REALIZAM EXAMES CONTRASTADOS MINUTADOS. EXEMPLO: URETROCISTOGRAFIA . TC. de Souza .EQUIPAMENTOS : SERIOGRAFO. OBSERVAÇÃO: O EQUIPAMENTO DE RAIOS X. 32 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.UROGRAFIA EXCRETORA ETC.RM.

de Souza . Seriografo 33 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

EXAMES CONTRASTADOS Esofagograma Clister Opaco ou Enema Opaco Uretrocistografia Masculina Retrógada Miccional Cavernosografia e Senografia Peniana Histerossalpingografia Urografia Excretora Dacriocistografia “DCG” Sialografia Flebografia 34 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

Esofagograma 35 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

serão obtidas aquisições de imagens através de exposições radiográficas.OBSERVAÇÃO: O paciente irá ingerir uma substância radiopaca positiva. durante a deglutição. não hidrossolúvel (sulfato de bário). Deverão ser realizadas aquisições de imagens nas projeções: AP(Frente em Ortostase). de Souza . 36 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. em pequenos goles. Perfil e Obliquas.

de Souza . Esofagograma 37 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

vão sai na imagem bem 38 09/01/2013 opacificado. Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. à imagem dos órgãos.Observação: Paciente no posicionamento AP na visualização radiográfica.(que dizer eles vão sai na imagem bem destacados ). de Souza .

bem como detectar quaisquer condições anormais. É o estudo radiológico do intestino grosso. Objetivo: O objetivo do Enema Opaco é estudar radiologicamente a forma e a função do intestino grosso. Indicações clínicas: As indicações clínicas do Enema Opaco incluem: Colite: é um aumento (inflamação) do intestino grosso (cólon). Neoplasias: tumores Volvo: torção de segmentos intestinais Apendicite: inflamação do apêndice 39 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Tanto o (Enema Baritado) com contraste simples quanto com duplo contraste incluem um estudo de todo o intestino grosso.ENEMA OPACO ( CLISTER OPACO). Requer o uso de contraste para demonstrar o intestino grosso e seus componentes. de Souza .

Se for realizada uma biópsia do cólon durante estes procedimentos. a porção envolvida da parede do cólon pode estar enfraquecida. 40 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Suspeita de perfurações de vísceras Obstrução do intestino grosso Apendicite Suspeita de gravidez Devemos saber se o paciente foi submetido a uma sigmoidoscopia ou colonoscopia antes. o que pode levar a perfuração durante o enema baritado. de Souza .INDICAÇÃO(DICIONÁRIO) CONTRAINDICAÇÃO(BULA).CONTRA .

de Souza .enema) A porção do canal alimentar a ser examinada deve estar vazia.realizar limpeza intestinal por via oral (laxante) e por via retal (fleet . A limpeza completa de todo o intestino grosso é de extrema importância para o estudo contrastado satisfatório do intestino grosso.o paciente é instruído a não mascar chicletes ou fumar cigarros durante o jejum .PREPARO DO PACIENTE: Preparo do paciente: -jejum absoluto de 8 a 10 hs antes do exame . 41 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

Método Imaginológico:
Realizar radiografia piloto, contendo todo o trato GI, e introduzir o
contraste até atingir o nível do ângulo hepático (flexura),
posteriormente sub- mete-se o paciente à algumas manobras
abdominais, afim de que o contraste alcance a região do ceco.
Com as alças intestinais cheias de contraste, radiografa-se em
projeção AP ( abdome panorâmico).
Retira-se somente o excesso de contraste e injeta-se ar através do
insuflador até causar um certo desconforto ao paciente (cólica),
obtendo assim o duplo contraste (Prova de Fisher), radiografando
o paciente em projeção PA., (todo o intestino grosso).
Logo em seguida, coloca-se o paciente em projeção P ( perfil ),
visualizando assim o reto em perfil.

42

Material do Exame

43
09/01/2013
Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza

PREPARO DO PACIENTE OU CLIENTE
PARA A REALIZAÇÃO DO EXAME

O exame inicia-se realizando uma radiografia

44
piloto (simples) da região do abdomem.

Após a realização da radiografia piloto. coloca-se a paciente na posição de sims (obliqua). 45 . para se introduzir a sonda retal.

46 . Após injetar o ar deve-se retirar a sonda e começar a realizar as radiografias. o enfermeiro deve tirar o excesso e injetar cerca de 200 cc de ar (contraste negativo) até causar uma distensão (enchimento) das alças intestinais. DV: PA Após o contraste ter percorrido toda a extensão do intestino grosso.

C.A. para estudo do cólon sigmoide de frente. 47 ..P. com uma angulação no R. entre 20 e 30 graus cranial ( axial de sínfise púbica).

A.A. 09/01/2013 para visualização detalhada da flexura hepática 48 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.O.D. de Souza .E.O. Obliqua D Obliqua E Depois são realizadas as projeções: . para visualização detalhada da flexura esplênica .

Hematúria: é a presença de sangue na urina 49 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Estenose uretral: é o estreitamento da uretra causado por lesão ou doença como infecções no trato urinário ou outras formas de uretrite. Indicações: Infecção urinaria: infecção bacteriana mas comum no ser humano.URETROCISTOGRAFIA MASCULINA RETRÓGADA MICCIONAL Estudo radiológico da uretra e da bexiga. de Souza .

pedir para o paciente esvaziar a bexiga. 50 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.Contraindicações Hipersensibilidade ao meio de contraste iodado realizar com preparo antialérgico. devido ao crescimento descontrolado de células plasmáticas. antes de iniciar o exame. Embora seja mais comum em pacientes idosos. há cada vez mais jovens desenvolvendo a doença. Mieloma Múltiplo: é um câncer que se desenvolve na medula óssea. de Souza . Preparo do Paciente: Jejum de 4 horas antes do exame.

Logo após. de Souza . Em seguida.Radiografia miccional obliqua (OPD) 51 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. retirar a sonda uretral e radiografar a bexiga em face miccional com incidência obliquas D e E.Radiografia da bexiga cheia 3. realizar uma incidência em AP da bexiga cheia de contraste. Resumo: 1.Radiografia simples 2.CONTINUAÇÃO É necessário preencher a bexiga.

Radiografia residual Procedimento Geral Primeira etapa (uretrocistografia retrógrada) – Consiste na instilação de meio de contraste iodado diluído em soro fisiológico no óstio externo da uretra (orifício uretral). com auxilio de uma pinça especial. para que a uretra apareça sem superposição. Com o paciente urinando. deve ser completado o enchimento da bexiga com o meio de contraste. denominada pós-miccional. de Souza . com o paciente em posição oblíqua posterior (direita ou esquerda). em posição oblíqua posterior (direita ou esquerda). como as de Brodney (ou pinça de quatro garras) ou uma de Knutsen. No final da instilação do meio de contraste é realizada uma radiografia. onde são realizadas radiografias localizadas da bexiga (cheia) em antero-posterior (AP) e em obliquas posteriores (direita e esquerda) -Terceira etapa (uretrocistografia miccional) – É realizada no ato da micção.Radiografia miccional obliqua (OPE) 5. é realizada uma radiografia localizada da bexiga após a micção (bexiga vazia). que serve para avaliar o grau de esvaziamento da bexiga. -Segunda etapa (cistografia) – consiste no estudo da bexiga.4. mostrando a uretra na fase miccional (sem superposição). Para terminar o exame. deve ser realizada uma incidência com o pênis esticado. ou uma sonda de Foley. Após a realização dessa radiografia.” 52 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. com o pênis esticado.

Preparo do Paciente Primeira etapa do exame Uretrocistografia 53 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

• Obliqua Direita • Obliqua Esquerda • AP Pós Miccional 54 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Posição do Paciente: • AP de Pelve Radiografia Piloto Sem Administração de Contraste. de Souza .

de Souza . Resultado da Fase Inicial do Exame e Final Pós Miccional 55 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

de Souza . devendo sempre ser executada com o pênis em estado de flacidez e em ereção induzida farmacologicamente (papaverina) ou através da bomba de ereção artificial.CAVERNOSOGRAFIA: OU CENOGRAFIA PENIANA A cavernosografia é um exame realizado para a pesquisa da drenagem venosa e para o estudo anatômico dos corpos cavernosos do pênis. Mostra-nos com segurança se há ou não insuficiência do sistema de drenagem e alterações anatômicas dos corpos cavernosos do pênis. 56 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. como nos casos da moléstia de Peyronie. É de fácil realização quando sua técnica segue a padronização.

ou por um radiologista. É um exame totalmente caracterizado por ato médico. Indicações: Disfunção Erétil Preparo para realizar o exame Não tem preparo. Anatomia de Estudo 57 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.POR QUEM É REALIZADO ESTE EXAME? Este exame é totalmente realizado por um médico vascular. devido a punção e administração de contraste. Então deve ser realizado pelo mesmo. de Souza .

POSICIONAMENTO DO EXAME Paciente em decúbito dorsal. Radiografia com 03 minuto pós injeção. Radiografia pós punção para verificar posição da agulha. 58 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Radiografia imediata pós injeção de contraste (0minutos). com travesseiro sob a cabeça para proporcionar um pouco de conforto. Radiografia com 01 minuto pós injeção. Protocolo do Exame: Radiografia Simples do pênis. de Souza .

de Souza . PUNÇÃO OU INJEÇÃO DO CONTRASTE. 59 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

Radiografia Pós Punção 60 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

HISTEROSSALPINGOGRAFIA O que é? É um exame de raios-x do Útero e das Trompas Uterinas. 61 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Que é injetado no interior do Útero. O exame dura em média de 20 a 40 minutos. Como é feita? A paciente deverá ficar em posição ginecológica.com a utilização de contraste iodado. pois o radiologista precisará fazer a higiene da genitália e introduzir o especulo. Feito isso. Faz-se então as radiografias necessárias. o contraste é injetado na cavidade uterina através de uma cânula. de Souza .

Observação: Leva um absorvente higiênico Que cuidados ter após o exame? Durante as primeiras 24 horas após o exame. A paciente não deve ter relações sexuais. calafrios ou sangramento volumoso. a paciente poderá sentir cólicas durante o procedimento. Para maior conforto. deve-se procurar auxilio médico imediatamente. Qual o preparo necessário? É importante que este exame seja marcado de 7 a 10 dias após o 1 dia da última menstruação. recomenda-se tomar2 comprimidos de Buscopan ou se preferir 2 comprimidos de Advil (Ibuprofeno)duas horas antes do exame. de Souza . Deve-se consultar o departamento de radiologia no qual se realizará o exame.O que se sente? E alguns casos. Em caso de dor abdominal intensa. 62 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. É normal um pequeno sangramento neste período. febre.

63 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

.Infecção e inflamação dos tubos que ligam o útero aos ovários. chamados de 64 trompas de falópio e que tem como função no aparelho genital feminino levar o 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza óvulo até o útero.

65 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

Útero Bicorno Caso Clinico 66 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

Útero bicorno ou bicorne é uma má formação uterina em que existe uma membrana dividindo o útero em dois lados. de Souza . na parte interna. desde uma pequena divisão até uma divisão completa do útero em dois. Essa membrana pode ter tamanhos variados. 67 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

o sistema urinário funde-se às outras estruturas de tecidos moles da cavidade abdominal. Em geral.UROGRAFIA EXCRETORA A radiografia simples do abdome. 68 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Os contornos grosseiros dos rins geralmente são mostrados devido à cápsula de gordura que os circunda. assim exigindo meio de contraste para sua perfeita visualização. em geral. Urografia Excretora: O exame radiológico do sistema urinário é. denominado urografia. de Souza . O prefixo uro designa uma relação com a urina ou com o trato urinário. mostra muito pouco do sistema urinário.

O exame geralmente leva 60 minutos. de Souza . Urografia Excretora: O que é? É um procedimento especial de raios x dos rins . Como é feita? Este contraste será captado pelo rins e eliminado na urina. 69 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. onde se utiliza contraste iodado na veia.Meios de Contraste: Os dois principais tipos de meios de contrastes usados em urologia são os iônicos e os aniônicos ou não. È neste trajeto rins-bexiga feito pelo contraste que permite a analise dos órgãos do aparelho urinário.As estruturas químicas dos dois tipos diferem-se um pouco e comportam-se de forma distinta no organismo.iônicos. ureteres e bexiga. mas em alguns casos poderá demorar ainda mais.

poder-se sentir calor no corpo. vômitos e outros. Que cuidados ter após o exame? Durante as primeiras horas após o exame.O que se sente? Ocasionalmente.coceira etc) Neste casos. leve dor no local da injeção. gosto ruim na boca náuseas. de Souza . alergia a iodo ou a alimentos e medicamentos. avise o médico responsável. Se tiver asma. consulte o serviço médico 70 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Como se preparar para o exame? Para que os rins e as vias urinarias sejam bem demonstrados é necessário preparo intestinal com laxantes e permanência em jejum. recomenda-se fica em repouso devido reações alérgicas tardias( erupções na pele.

Traumatismo Renal 3.INDICAÇÕES: AS PRINCIPAIS INDICAÇÕES CLINICAS DA UROGRAFIA EXCRETORA INCLUEM: 1.Insuficiência renal aguda ou crônica 71 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.Hidronefrose 5.Pielonefrite Contra.Calculos Renais ou Ureterais 2.indicações: 1.Reações alérgicas á todo e qualquer produto que tenha iodo 3.Mieloma Múltiplo 4.Bronquite Asmática 2.Carcinoma de Bexiga 4. de Souza .

Realizar limpeza intestinal por via oral ( laxante) e por via retal fleet enema se necessário. e conforme pedido do médico radiologista que realizará este exame. Aneurisma de Aorta 72 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.PREPARO PARA REALIZAR O EXAME Jejum absoluto de 8 a 10 horas antes do exame. Contra –Indicação: Para Utilizar a Faixa de Compressão 1. Possíveis Cálculos Ureterais 2. de Souza . Massa Abdominal 3.

Dos cerca de 5 litros de sangue bombeados pelo coração a cada minuto. uma bexiga e uma uretra. através dos nossos rins. aproximadamente 1. de Souza órgãos. pouco mais de 20% deste volume flui. Anatomia Nosso sistema urinário é formado por dois rins. .200 ml. neste mesmo minuto. dois ureteres. ou seja. 73 Trata-se de um grande fluxo se considerarmos as dimensões anatômicas destes 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. O sangue entra em cada rim através da artéria renal.

Radiografia Piloto Simples Observa-se o preparo intestinal e se a técnica está adequada para o exame. 74 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

Protocolo Básico do Exame 75 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

de Souza . 76 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Radiografia Localizada dos Rins RC:DEVE INCIDIR A NIVEL DE L2 PODE SER UTILIZADO UM CHASSI 24X30 DESDE QUE INCLUAR AMBOS OS RINS.

de Souza . Radiografia Corte Simples Nefrotomografia Nefrotomografia em 1min Localizada 5min 77 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

de Souza . 78 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Panorâmica Com 15 min SOLTAR A FAIXA DE COMPRESSÃO E REALIZAR A RADIOGRAFIA PANORÂMICA PARA DOCUMENTAR A EXCREÇÃO PELOS URETERES.

Miccional Cheia Pós Miccional ou Residual 79 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.V.S .S Bexiga Pré.A.A.V. de Souza A.A.S A. Panorâmica 20 min Panorâmica 25 min A.V.V.S A.A.

S . de Souza A. devido dilatação de rim e ureter direito mais imagem de obstrução em região terminal do ureter direito. Pós Miccional Residual Realizada a radiografia panorâmica.A.V. 80 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

IMAGENS PATOLÓGICAS E VARIAÇÕES ANATÔMICAS Duplicidade Ureteral 81 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

V. de Souza A.S . Cálculos Renais 82 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.A.

Duplicidade Uretral com Peça Anatômica 83 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

É realizado por médico oftalmologista com conhecimento clínico e cirúrgico nas patologias das vias lacrimais.DACRIOCISTOGRAFIA A dacriocistografia (DCG) é um exame radiológico contrastado das vias lacrimais e está indicado nos pacientes que apresentam lacrimejamento excessivo e persistente. 84 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

85 .

86 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

87 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. Esses são os principais sintomas da Síndrome do Olho Seco. vermelhidão. doença caracterizada pelo excesso de e vaporização ou pela diminuição da produção de lágrimas. de Souza .CASO CLINICO Ardência. sensação de areia nos olhos e coceira.

SIALOGRAFIA
Sialografia de Submandibular e Parótida
A ponta de um cateter fino (21 a 25), ou ainda um tubo de teflon
fino e maleável ( gelco) com paredes delgadas e extremidades
afilada, pode ser usado ainda agulhas longas de infusão com
extremidade achatada e lisa e borboletas, podendo ser mantida
entre os dentes e mucosas oral,todos os meios deve progredir
cerca de 01 a 03 cm através do ducto da glândula a ser
examinada, neste caso deve ser introduzida no canal ( ducto)
submandibular.

88
09/01/2013
Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza

89

Posteriormente injeta-se cerca de 03ml de um meio de
contraste iodado diluído em água. Realizando-se incidências
radiográficas localizadas da região examinada em projeções
de:
Mandíbula oblíqua
Mandíbula perfil
Mandíbula frente AP

Nota:
Habitualmente, após a injeção de contraste e a realização das
incidências, o paciente deve ingerir limão ( prova de estimulo)
para então se executarem novas incidências.

90
09/01/2013
Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza

Mandíbula oblíqua Mandíbula perfil 91 Mandíbula frente AP .

conhecida. na área da Saúde. A xerostomia (também conhecida como boca seca ou secura da boca) é um sintoma relacionado à falta de saliva.CASO CLINICO A boca seca . de Souza .é causada pela diminuição na produção de saliva. como xerostomia . 92 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.

ou da artéria correspondente (flebografia indireta). Após o exame.FLEBOGRAFIA OU VENOGRAFIA Flebografia ou venografia consiste na introdução de produto de contraste radiopaco numa veia para ver o percurso dessa veia (flebografia direta). se tem problemas na coagulação do sangue ou se é alérgico a algum dos constituintes do produto de contraste. de Souza . Pode ser feito o registo do pulso durante o exame. é administrado ao doente um sedativo ou analgésico antes do exame. 93 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. nomeadamente o iodo. NOTA: . Conforme indicação do médico. no local onde se colocou a agulha para administrar o contraste é feito compressão de pelo menos 5 minutos e colocado um penso normal.É normal o contraste produzir uma sensação de ardência interna. . e permite localizar trombos (coágulos de sangue) nas veias ou artérias. Esta visualização é feita com aparelho de RX.Deve avisar o médico caso esteja grávida.

94 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. de Souza .

br 95 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V.BIBLIOGRAFIA E FONTES DE PESQUISAS Apostila Exames Contrastados: 2010 Reformulada 2012 Prof.com www:playmagem. de Souza .com. de Souza Email:ariadnesouza3@gmail.br www:google.ª: Antônia Ariadne V.com.

Mas.FELIZ DIA DO TÉCNICO EM RADIOLOGIA Pode ser que um dia deixemos de nos falar. 96 09/01/2013 Meios de Contraste/Prof: Antonia Ariadne V. mas. faremos as pazes de novo. Pode ser que um dia o tempo passe.se a amizade permanecer. enquanto houver amizade. um do outro ha de se lembrar. de Souza .