You are on page 1of 1

Leitura orientada - "Eu nunca guardei rebanhos" (Alberto Caeiro

)

1. Depois de leres atentamente o poema, identifica os versos que correspondem às seguintes ideias:

 A apreciação/contemplação da Natureza é feita através do olhar (importância dos sentidos)

 A dificuldade em ver o que o rodeia causa-lhe tristeza

 A Natureza dá-lhe serenidade, paz, mas revela um carácter anti-social

 Aquilo que ele sente é natural, resulta das leis da Natureza, logo ele sente-se em paz

 As ideias são como um rebanho e o poeta é o pastor dessas ideias (metáfora).

 Através de uma antítese, o sujeito poético explica que tem pensamentos alegres, mas o facto de ter
consciência disso (o facto de pensar), deixa-o também triste

 Através de uma comparação, o sujeito poético salienta que tudo na Natureza acontece de forma serena,
suave e natural

 Caeiro deseja que os leitores o vejam / pensem como um elemento da Natureza.

 Ele escreve a partir das sensações provocadas pela Natureza

 Ele espera que os seus leitores sintam a serenidade, tranquilidade da Natureza.

 Ele sente-se em união com a Natureza (importância da Natureza)

 O sujeito poético assume-se como uma pessoa simples, com alma de pastor (solitário e contemplativo)

 O sujeito poético é solitário e expressa essa sua característica, de forma natural, através da poesia

 O sujeito poético sabe que os seus pensamentos são contentes, mas ele preferia não ter conhecimento
disso

 Pensar causa desconforto, é incomodativo e quanto mais se pensa, mais difícil é ser feliz (uso de uma
comparação para salientar este sentimento)

 Quando a alma se ocupa em pensar, há uma perturbação e não dá conta (aprecia devidamente) da
Natureza

 Se não pensasse, o sujeito poético seria mais feliz (ideia reforçada por um pleonasmo)

2. Agora, numera as afirmações, de acordo com a ordem pela qual surgem no poema.