You are on page 1of 7

TESTE DE AVALIAÇÃO SUMATIVA

9.º Ano de Escolaridade

GRUPO I (Leitura) PARTE A

Português

Lê o texto. Em caso de necessidade, consulta o vocabulário apresentado após o texto. De seguida, responde aos itens que se lhe seguem, de acordo com as orientações que te são dadas.

TESTE DE AVALIAÇÃO SUMATIVA 9.º Ano de Escolaridade GRUPO I (Leitura) PARTE A Português Lê o
1. Associa cada elemento da coluna A ao único elemento da coluna B que lhe corresponde,
1. Associa cada elemento da coluna A ao único elemento da coluna B que lhe corresponde,
  • 1. Associa cada elemento da coluna A ao único elemento da coluna B que lhe corresponde, de acordo com o sentido do texto. Escreve as letras e os números correspondentes. Utiliza cada letra e cada número apenas uma vez.

 

Coluna A

Coluna B

 

(1) A cidade imaginária de Macondo é uma criação sua.

(a)

Agatha

(2) A realização cinematográfica da trilogia O Senhor dos Anéis é

Christie

trabalho seu.

(b)

Carl Sagan

(3) Elfos e «hobbits» incluem-se entre as personagens das suas

(c)

Gabriel

narrativas.

García Márquez

(4) Hercule Poirot e Miss Marple são duas conhecidas personagens

(d)

J. K.

dos seus livros.

Rowling

(5) O mundialmente famoso Livro Guiness dos Recordes é da sua

(e)

J. R. R.

autoria.

Tolkien

(6) O Prémio Nobel de Literatura foi-lhe atribuído na década de 60

do século XX. (7) O seu êxito editorial está associado a uma saga em sete

volumes. (8) Uma obra de divulgação e um romance contam-se entre os

livros que publicou.

(A) Agatha Christie. (B) Carl Sagan.

(C) J. K. Rowling.

(D)J. R. R. Tolkien.

2.2. A expressão

«a

culpa nem

sempre

é

do

frequente, nos livros policiais, o mordomo

(A) ser a vítima do crime. (B) descobrir o criminoso.

mordomo» (linha 18)

implica

(C) descobrir a vítima. (D)ser o culpado do crime.

que

é

2.3.

  • 2.4. Ao afirmar-se que uma obra é «Venerada por gerações sucessivas de fãs» (linha 24), pretende dizer-se que essa obra

(A) é

adorada por

leitores de diferentes

épocas. (B) divulga uma mensagem de carácter

religioso.

2.5.

(C) é conhecida por família.

ser transmitida em

(D)divulga

informações

históricas

de

diferentes períodos.

  • 2.6. Na linha 30, a palavra «porém» pode ser substituída por

(A) além disso.

2.7.

(B) por isso.

(C) portanto.

(D)todavia.

3. Seleciona a opção que corresponde à única afirmação falsa, de acordo com o sentido do

texto. 3.1.Escreve o número do item e a letra que identifica a opção escolhida. 3.2.(A) «que» (linha 6) refere-se a «narrativas». 3.3.(B) «onde» (linha 9) refere-se a «lugar». 3.4.(C) «onde» (linha 21) refere-se a «uma realidade paralela». 3.5.(D) «que» (linha 23) refere-se a «uma imensa galeria de personagens».

3.6.

 

3.7.

PARTE B

3.8.

o excerto

apresentado do Auto da Barca do Inferno,

de Gil Vicente. Se

necessário, consulta o vocabulário fornecido. De seguida, responde, de forma completa e bem estruturada, aos itens apresentados. Salvo indicação em contrário, utiliza as tuas próprias palavras.

3.9.

  • 4. Na primeira alusão que faz ao destino da sua barca, o Diabo identifica-o como “a ilha perdida” (verso 27). 4.1.Indica, justificando, o recurso expressivo utilizado na expressão do Diabo.

4.2. 5. No diálogo inicial, o Diabo afirma que o Fidalgo tem o perfil dos que
4.2.
5.
No diálogo inicial, o Diabo afirma que o Fidalgo tem o perfil dos que seguem para o
Inferno (versos 39-40). O Fidalgo defende-se e, posteriormente, o Diabo dirige-lhe
algumas acusações.
5.1.Explicita o argumento que o Fidalgo apresenta para não entrar na barca do Inferno.
5.1.1. Refere duas reações do Diabo perante a defesa da personagem.
5.2.
Indica o significado da acusação presente nos versos 56 e 57.
5.3.
6.
No diálogo travado com o Anjo, o Fidalgo evoca a sua condição social como argumento
para entrar na barca do Paraíso.
6.1.Transcreve duas falas que justifiquem a afirmação anterior.
6.2.
7.
Através do Fidalgo, Gil Vicente pretende criticar toda a nobreza.
7.1.Baseando-te no excerto transcrito, mostra que as críticas efetuadas se dirigem a
toda uma classe social, centrando-se na vaidade e ostentação de grandeza, feita à custa
de injustiças.
7.2.
7.3.
PARTE C
8.
Lê o excerto do Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, e responde, de forma completa
e bem estruturada, ao item que se lhe segue. Em caso de necessidade, consulta as notas
apresentadas.
8.1.
8.2.
  • 8.3. Escreve um texto expositivo, com um mínimo de 70 e um máximo de 120 palavras, no qual apresentes linhas fundamentais de leitura do excerto da peça Auto da Barca do Inferno.

  • 8.4. O teu texto deve incluir uma parte introdutória, uma parte de desenvolvimento e uma parte de conclusão.

  • 8.5. Organiza a informação da forma que considerares mais pertinente, tratando os sete tópicos apresentados a seguir. Se não mencionares ou se não tratares corretamente os dois primeiros tópicos, a tua resposta será classificada com zero pontos.

Identificação do espaço onde as personagens se encontram. Referência ao destino da

«viagem» (verso 6). Explicitação da intenção do Diabo ao dirigir-se ao Sapateiro como «Santo sapateiro

honrado» (verso 3). Explicação do duplo sentido da palavra «carregado» (verso 4).

Referência à razão pela qual o Sapateiro considera que aquela não é a sua barca.

Indicação de um dos argumentos utilizados pelo Diabo para condenar o Sapateiro.

Explicação, com base no teu conhecimento da obra, da intenção de crítica social, feita

através do Sapateiro.

8.6.

8.7.Observações relativas ao item 8:

8.8.1. Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços em branco, mesmo quando esta integre elementos ligados por hífen (exemplo: /di-lo-

ei/). Qualquer número conta como uma única palavra, independentemente dos algarismos que o constituam (exemplo: /2012/).

8.9.2. Relativamente ao desvio dos limites de extensão indicados

(um mínimo de

70

e

um

máximo de 120 palavras), há que atender ao seguinte: a um texto com extensão inferior a 23

palavras é atribuída a classificação de 0 (zero) pontos; nos outros casos, um desvio dos limites de extensão requeridos implica uma desvalorização parcial (até um ponto) do texto produzido.

 

8.10.

8.11.

8.12.

8.13.

GRUPO II (Funcionamento da Língua)

 

8.14.

1.

Lê as frases apresentadas. Indica a classe a que pertence cada palavra sublinhada.

(a)

Gil Vicente é considerado o pai do teatro português.

(b)

Esta personagem tem mais símbolos cénicos do que aquela.

(c)

O Fidalgo representa a nobreza, a sua classe social.

 

8.15.

  • 2. Classifica as palavras «fidalgo» e «sapateiro» quanto ao seu processo de formação.

8.16.

  • 3. Reescreve as frases seguintes, substituindo os grupos nominais sublinhados pelas formas adequadas dos pronomes pessoais. Procede às alterações necessárias.

    • (a) O Fidalgo traz consigo um pajem e um manto.

    • (b) O Onzeneiro tem um bolsão.

    • (c) O Parvo não tem símbolos cénicos.

    • (d) O Sapateiro enganou os clientes.

8.17.

  • 4. Qual das frases apresentadas (A a D) inclui uma forma verbal no pretérito imperfeito do

conjuntivo? Escreve o número do item e a letra que identifica a opção escolhida. (A) Antigamente lia-se mais. (B) Lê-se cada vez menos obras de Gil Vicente. (C) Se o Ricardo lesse a obra com atenção, percebê-la-ia melhor. (D)Esperemos que a peça vos agrade!

8.18.

  • 5. Lê a frase seguinte:

 
 

8.19.

O Pajem transportava a cadeira de espaldas.

8.20.

Reescreve a frase na forma passiva, respeitando, na frase que escreveres, o

tempo e o modo verbais.

 

8.21.

8.22.

8.23.

 

8.24.

GRUPO III (Escrita)

8.25.

Há quem considere que a sociedade em que vivemos é marcada por grandes

contrastes: por um lado, aqueles que só adquirem bens dos mais caros, que vivem em habitações de luxo e que frequentam os melhores restaurantes; por outro, os que lutam diariamente por comida, um teto e outras condições básicas.

8.26.

Redige um texto, que possa ser publicado no jornal da tua Escola, em que

apresentes a tua opinião sobre os contrastes acima descritos. O teu texto deve ter um mínimo de 180 e um máximo de 240 palavras.

8.27.

8.28.

Observações relativas ao Grupo III:

 

8.29.

1. Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada

por espaços em branco, mesmo quando esta integre elementos ligados por hífen

(exemplo: /di-lo-ei/). Qualquer número conta como uma única palavra, independentemente

dos algarismos que o constituam (exemplo: /2012/).

 

8.30.

2. Relativamente ao desvio dos limites de extensão indicados – um mínimo de 180 e

um máximo de 240 palavras –, há que atender ao seguinte: -um desvio dos limites de

extensão requeridos implica uma desvalorização parcial (até dois pontos); -um texto com extensão inferior a 60 palavras é classificado com 0 (zero) pontos.

8.31.

 

8.32.

FIM