You are on page 1of 1099

ANNAES DO CONGRESSO

CONSTITUINTE DA REPUBLICA - 1890
Segunda Edição, Revista

VOLUME I

1924

http://bd.camara.leg.br
“Dissemina os documentos digitais de interesse da atividade legislativa e da sociedade.”

CAMARA DOS DEPUTADOS :

ANNAES
.-
00

CONGRESSO CONSTITUINTE DA' REPUH1IG!
1 ~ 90.
SEGUNDA EDIQ.AO, REVISTA

-T
-

1,\\ P RE XSA X A C I O ~ .\ L

1924
"

·
A. seg~nda càiçãO dos Allnae;~ :do Ccngresso Consluui:nté
da Republica, cujo primeiroyolume agora se publica~ foi man-
o •

dada fazer pelo Exmo_. Sr. De A.rnoIfo Azevedo, Presidente da
Camara:· d05 Deputados, executando a resolução d'esta Casa do -.
Congresso, votada aos 9 de Sete.mbro de f 921, conforme esta
. ":; - " .. '-"

indi~1.ção de sua respeetiva-·~Iesa : .~
f( folca a ~Icsa
da-. Camara auctorizada a. mandar tirar uma-
nova c~li~".ão de mil exemplares, (t) pela. ,·etba de publicaçãO de
dtbates, dos Anfiaes do Congresso Constituinte Repub~icano, a
que serão accrcsccntados O~ discursos que nelle for:llD pronun-
ciados, mas não foram officialmente publicados,: constando,
entretanto! dos jornaes da êp~1., ou encontrando-se em poder
dos seus auelores. ;
A. nova edi(.iio dos .4.nn.aes da Constituinte"será. destina<L"l.
á venda, calculado o preço de cada exemplar pelo do seu custo.
Sala das Com1DissC~,S de Setembro de '1921. - Arnoifo
A:.e"tedo, Presidente. - José Augu.st.()., -I o ~ecretarjo. - Cosl(t:
Rego, :.>0 Secretario.») -
Determinando: editar outra YCZ estes An.Jlaes, o Exmo. Sr.
1tresidente da. CaUJara satis{azm. a ~ecessidade creadi por se
ter exgottado a. prilUcird. edição, tirada eni -IS91)~a.s deseja'\~,
especialmente, que a. de agora representasse um dos concursos
da Cama.ra ás commemoraçóes do Centenario da Independencia

(l) Por determinação: do E..xrno. Sr. Presidente da Caniara, a
edição foi, depois,. augmentada para tces mil exemplares, segundo
emenda apresentada ao proiecto 0.380" de 1923, e:n 18 de Dezembro
desse anno.
..

.1V

Daciona1~ - deven90: . para L,c;o,~ estar concIuida a impressáo
~ no dia í de Setembro de t 922. Infclizmente~ devido a accumuIo
de ~rviço na Imprensa XacionaL 0;1.0 houve Ineio de realizar
o patriotico intentp de S. ExccIlencia.

Excluidos os varios indices parciaeS, afóra aqu~!~~~~:::
perfez o tomo da ediçãO primitiva, estão nesta incluidas as
Sc~sücs Preparntori~tS do Senado" con} o apanhado 3. que~ do
me:smo modo que ~ fizera. na Cam3ra~ se deu o Dome de
HÚI.or;CO t e o proj~cto d~ CvDstituit;'Jo, conS~1.nte dQ decreto
'o. !H 4 A~ de ~3 de Outubro de i S90~ envi:ldo pelo Governo -
Provisorio ao Congresso Constitujnte~ o qual difficilmentc ~
logrará ler no quadro onde se enCOntr3~ ,distribuido :i margem
das duas ro]umnas de emendas julgadas pela Commissão
Especial.
Eru cumprimento da ~ Indicaçã.o da ~Iesl, foram feitas
pesquiz:as em jornaes publi~"ldos na CapitaL Federal durante o
tempo enl que funccionou~Q,~Congress.o Constituinte, não tendo
sido achado, na integra., nenhum dos discursos de que: nos
.Annfl:t's, restam sómente resumQ$~ e nem ao menos resumos
daquelles a que os A.12l1aeS apenas alludeol.
Os: discursos que se publicaram_ em Appendice pa....,~ram
- para o corpo dp voiume, substituindo os ~imples resumos, ou
resa.h-as, que lhes tomavam o logar.. Transferiu-se tamhem do
~4ppendice, incorporando-se ã ses..~o em que foi recebida,(f3 de
Dezembro de i S9 i)~ :l. Repre.senlação enviada ao Congresso pelo
A.postolado Positivista do Brazil, propo~do modificações no pro-
jecto de Constltuição~':;-
Para que a redacção dest.P. trabalho correspondesse á im-
portancia damater:a que o compUe~ - elemento informativo,
que é, da :organizaçãO constitucional do Brazil-, seria indis-
pensa.vel refundir não só 3. parte noticiosa das .sessões, mas,

':'" - .

principalmente! os discursos, pois que em alguns del1es se vêem·
trechos de duvidoso s~ntido, senão inintelligiycis- Alterar,
porém~ sobretudo 03 discursos,: ainda para os melhorar, impor-
taria viciar-Ihe~ a authenticidade, corp promettendo, desta sorte.,
? caracter à~ documento politico e historico, que constitue o
motivo essencial de sua con~ervàç;lo.
No que concerne à feitura typographi~ é que não poude
deixar de fazer modificaçücs a revisão. Fora.m rcstabelecidas
palavt;as q~l(\ Ilor troc.."t de letras. ou erro de copia. estavam
rllud:t(];L~ em outr:ts diycrs'l.~. - exe~plo: caracter, em VCZ;~
de coarCÜlr. It~!Jelll(Jllia ern lo~ar de harmonia; S1.naram-se '
incorrecçües gramm.:l.ticaes, no que em muito se attendeu á.
pontuação, embora só se cndireit.1SSe aquillo que não poderia
subsi~tjr sem aberrar das normas ordinarias, e uniformizou-se,
quanto foi pOsSivd, a orthographia. Estas modificações, to-
da. via~ obedeceram :l? cuidado escrupuloso de nã~ transformar
jamais as particularidades.originarias ~a. construcção, - o que
se verific..'1rá no caso da Colloca.çãO:; dos pronomes "ellcliticos,
que, na época, só excepcionalmente era. feita. de modo aada-
ptar-se ás regras hoje ~dopt..'ldas. -
Dos lres i~dices que precedem o texto dos Annaes, o pri-
meiro - o Ilulice geral- está construido 3.ú geito de fé'sumo
das sessúcs, trazendo dois tins: pÓr em relevo todos os aconte-
cimentos do Congresso e suppri( as deficiencias dos historicos,
cousa inutil, cuja reprod~e<;ão se fez ~ para quI?' f~ con-
servada intacta ~ primeira. e.dição.
O Indice de materias vem chamar a.attenção para a
constancia de certos aS5umptos em partes que não poderiam ser
inàicaàa.s no Illdice gera!, systcmatisando questões· (jomo -
impostos, a discriminação das rendas, o .e..~ercicio dos cultos
religiosos, etc. Heipigou-se tambem sobre casos que, não sendo
propriamente matcria:da Constituinte, se.prendem áhistoria da
Republica e do Congr~. Ca-'OS outros,· qual a qual .mais

Yt
-----:'"._-
suggestivo; como feição da Incntalidade e psych(tl~gja do mo-
mento, deixani::dc ser m('llcionados, attendida a qualidade
oú~;~ial da publicaç;'io. -'
. O Indice 01UJma...lico, fcilO.t letra 3. letra, segundo as as.~i-~
;:;:"aturas aotogr3pbas da Cc)JlstituiçãQ, obedeceu ao intuito de
con~grar a ,·erdadeira graphia dos IlOlUes d.' congres'is!3-~,
alguns deIles, ainda agora. a1tcr:ldos~ e corrigir outra irre-
~1l1aríd:u.lc: constituinl~ bouye. 'lu~ figuram, em di!'CUT"OS"
di~UT"OS"
t'lm emellda.~ c '\"otn$, sub:~cripto:, de proprio punho, Cllm lll:\is
dt~ lllll3. fIrma parlamelltar .

O Indir:~ rcgista~ a par das ('(tmbiJl3ç(K~;;;' dos 1l0nlt~ I~lrla­
~llent.,.rrs~os 110mc..;; cornp)etos, entre pareltth~!5. 0uandu fah..,
113. pagina apollt:tda, :1 firma qUI· se procur~. n~io lendo HCCflr-
rido falba, natural enl trabalho 1.<10 longo, rccorra-~e 3(j parcn-
'_}hcsis, que csclart~cerá..
,--- Este ultimo indice ycm; outrosim, facultar o conbecin1ento,
em um só iogar, da procedencia dos rongres..~istas,de sua repre-
sentaç'.ão por caI~- deputado ou sena.dor -~'be_nl CO~O o da
funcçeão especial qtie exerceram no Congre...~so
Congre...~so ou' nc) G-overno
Provisorio .
As c;taçt.e.;; de' pagiua refcren1-5c a discursos, moções,
emeuda.~, parcccn.".S= illdicac:õcs, req u,·rimcuto5 e dccJara(~õCs de
voto. Das emendas registou-se unicamente o nome dos pri-
. ,

meiros s:gnararios, sendo esta a. pra."te, e ~cndo s:do delles, nas
discussões, 3. respon~b;lidadc, ,mesmo em iniciatiyas de ban-
cada, con1o SUCcedCll com P(·rnambuco c Rio Grande do Sul.

C:tpital Federal, 22 de julho de 1924.

José Vjeira~
"\\

INDICE GERAL DAS SESSÕES

III

ITI:-.""tVCl<:O IM.:.' ~ES1:,,"jJ::!'l' I"RI:P.\r....\.-ronL\5 •••••••••• _ ••••••••••••• .: 1

~.:'-4:,···t:s }·i~:J"Ál~\TokIÁS • • • • • • . . . • . . • . . • . . =. . . . • . • • . • • • . • • • • • • • • • :.-
.\ )t.:sa l}ro... i~ria. :'. - H.·...'im.::-nto Jnt~rno pard. as
;.;...~-... ..s pr~l)U.ratorias (u..""Oj.:'Ct~). , . - Diplomas (r~'Cebi­
'ln.,.nto ). 1: . -.A ::\!e$& (eld~o) . 15. - Lista dos ean·
dh,l.·l.t.o~ diplomados (part.~er). 16. - '.As commL~g de
inQu"rit l ) (se>rtdo), lS. - CommL~o par:l or~iza.r pro·
j<.'t.~o d~ um R>?lo':im~nto Commum, 19. - P:1receres. 19. -
n,,'·c'()nhc~im'·nto!'l. ::-1. - El~i<.:<'"io d~ ~ra.tto Grosso (parecer,
dlsc;u~ô....·••t.:lc;-:io) • .37 ~ - IneompatilolUda.des deitoraes (os
ltla~i:;tr:ldo:« ~ :L tun('<;Ao d~ dt:put:ldo ou senador). oH. -
r:lc:"lcllo u,~ GO~-:lZ (par(!c~·r). ';9. - Cornmis.."J1o do Senado
.;'$ .~x'''Qui:ls do BiS'PO do Rio d{~ Janeiro. 50. - Rê#:im~nto,
Commum (apvro...·nc::ão pro'-"lscria). ~~. - Comm~~o par:J.
or~r:izar proj~o de um Regimento Interno. 54.

CUL-\.R.-\ DOS SE:"HORES DEP~ADOS

H 1:r%'OklCO DAS S1:Ss.j~ -~.UtA'I'ViüAg••••••••••••••••••• _ • • • • • !i~

5E:sgr,&.~ PR!:PA!tA'T'ORI.~S •••••••••••• _ •••••••••••• : •• , • • • • • • • • • •• 67
.:\ )l~osa pro'\-!sor13, _~7. -
Diplomas (~blmento), 67
.0\ ~r(!.sa. (~ld<;iio). 69. - Diplomas (reeeblmento). 70.
- A Commiss.iiQ U<c' cinco m€'mbTo~ para on;anizar a
Hsu doS cantlidatos. .0. - Dlptomas (r~bim'tnto). ';'1. -
Dlplontta.s (qu~tAo U~ orU~nl. lndlca.;:ão) • • 3. - Lista dos can-
ciíd:lto:i que 3prt.~nw..ram. dipleom:L s,..'m conu~"'tZL<;iio. SI. - R~­
r:'lm~nto lnh-rno 'lO Rc:'gim.:-:nto Commum (indjca~s). S2. -
V'l"ri!iC'Zl<;ào do.' podl"n-S (commissõ...-s). S2. - Rt.1..rfm~nto In-
t~rno «(."O-nuni:'süo. p:rrC'CCi"). S~. -- V~!ica~o de poderes
(parec~:n:.'S). S7 .-'·eri!icaQio d~ poderes (p:Ln:ceres). 91.-
Yt'ri!icae;tio de pode~ (compromisso; fndlcatão). 96.
RI'o<..·<mh~!n':ntos. 9•. - El-:-içã~ da Bahia. <par~r). 1')1). -
"

-
DiplQm3S (recculmcnlo). lO~. - Incom~tJbmda.de1' eleito- :
raes {~nuneia de m.:uídato,. 1(1:. - Secret:lr1a. ~ Camara
(d~-penslUi de sen1ço). lQ:. - Yerít'k..a cão d~ pQ~ere8 (pa.-
~re."'). 103. - Eie:-lcÜ-Q d."l.Ballia.. (~uerímeiuo. qucmAo
df" ordem., '\"ota~ão). 103. - \-cn!]<:a.t"~o de podCN'S (pa-
r~~T(".s). 1 H. -.:. lnc<-tnpat:1blHd~~$ elehor-ae:s (ele1ç!l.o da.
H::chi:c <1~larnc:.ão). 1 H. - El~i~s do PÚluh)' e ~o
(r"l·q'l.~n~~ntQ). 11' _ - El~iÇ"l()
da. Bahia. (reQuerimento).
1 D. - nt"O!>nh<rim~ntQ. U~. -'- ElêlQio da B:1l11:J. (reQuc:<i-
tn.~nt()}. l:!(l.~ R"'''C'Qnh(~bn(·nlQ:;. 1~1. - Eh.'icão d-:- GO)'a.:z;
{in!orma.<::à(o\. J2:- - -El('içiio d.:. (..~)':U (~uerfm("ntQ.
par~"':oor.). 1::>. - R'~;:'lm'.·nto C'ommum (1n!ormaç:i.o,. 1~~.­
Ü l)''ludo ~"1r:1 Q Con;.:re$.otO C ...m ..:õtitufnté (COmmunlC3ç'lo),
1::;. ]:\.,.:t.~jü~ d.· 1:' .l.. =""v,'mLro (~n... ~té á. C:tm:i.%"a), 1::::;.
-- n'l:~imt·tn(l Cc>mmum {c~OmmUní(·!L.(~·H·S. r"f'Qu,·rimí"nto. ~ldo
d.' infCt%"m.o'l~ão). 1:r.. - I-:].·h;âo da I"t:lhl:L (-dfl"<..~u!"-.~Q dt..
parr"'... ·%". '1U"~::IO .1.-
(·1"'.1.-n1. ('mt:'nd:l. Yot.3~~l().L ]:S.

cox GP.r~"SO :'I:ACfO:-':.AL

1r JS"I'(I!lJ 00 D .... S s,:~:'Õcs •...•.••..••••.•.......•...•• _. . . . . • . • • 11;7
~E:~:".\.O $úI.J:SXT. m: ]xJ--rALt..\t:~o• • • • • . • . • . • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

)1cn.~"l;..:Ym d'ri~(l:l :to
Con;:r..~~ ~]o!=,h~f.~ do (rl:,'\'(,I'nO
Pr(j'~'isorfo, :0;. - C~mmissão
p.... rn. s.audar () Gen~rnHQfimo
1\1an~1 D ..'Odoro da Fo~'O;~ (C"On;.;T:1tul:u;!to (\ Jndlc.:a.c;.li() do
c Q(?put:t.do $<.:J. br:l) • ~ 1 ~ • :
PI:::3.: EIl.tA. 8ESSÁO .,. 'lo _AI -=:;;~ ~lG :;
Reeonhedm('ntos. :!lS. - .\. 53Ud.:!t:'âQ 3.0 ~('r.:a.tÚ!DJtmO
Deodoro (dtSC12~ do ~'nador' Amaro (":l'\'alcantl: ~pOtcta
do Géneral1ss1mo p....oooro). :!lS.o - Att1"lbuitào ao G~né'­
rali~fmo Deodoro do <"x("t'C"1c'Io da pubH(":l, :l.dmlnlstr:lcAo at~
:t appro~':lQ'io daCn.n""tltuiçllo <,d~l~o do prlmêlro ~!­
d ..- nte da R~Ilub]ka (m~~: do 8~:ul.41or Amaro Ca'\-n.1C";Ult!.
~:~; (!o <!t>put:tu<"l n:tkk.;l. ::S: do ~nador Cb:lld1no dó
.\.n-l:l.r.ll (. (',ut~ j . :::~j. - Yl)t~l';:.ãO d:l. moc:.:1o l..:btlldinó (.1<:-
Amt1.r.1.1: :3:: d(.«'L."U'41ol;!io dê YolO. ::;3.. - H.~mêJlto Commum
(üi....cu~~..Jlo do proj,-e'to. ~men~). 2::3. 31CX;ão üba M.~no
do Am3.r~1 (dec1:u'âç.1... deyoto). :::S.
SEGt·,.o.\. ses.."O.io ••• _ " '.o ' Z39
)!~4() 'C'bald!n() d<'l Ama 171. 1 (rccl.un:l~). :!4{). - l"'-.e-
;;'im('nto Commutn (dL~ul'Sli.o. ênlendas. '\'Ot:ltif,O). :!,,~.

":'E!:C'1~mA ~l:~s.it) -.- ...
"_ " . -.'
A sesslio de inst3.lIw;Jio do COngre~ ( ~ o ) .
:!~S.. - A ~Jl (! o ap.."\nhamento d01i d~batdS (reda:nao;.o).
;:;1". - P"'~Dbt"<.~m~ntos. :':SQ. _ ~1'O<;ãQ do Sé~nadl)r Ra-
miro ~llos p.:~indo ::;,eJa. nome-:J.<la uma. oommilssão para.
r(.-dj~lr:&. m ~ m qUe tem de acompanhar a m~o Ul;\a1-
dino do Amaral. ~S().o - Discurso ~ do deputado Arls- tnoerw
tJd....s Lobo rat1!icando a mot,::.ã.Q L'"baJdino do·A~I. r<eser-
'\-nndo' para o COngreJiSO o legh!lar sobre a m.a.te.r1:a. eonst!-
tuinte. .-e 1ft"'e&t1ndo o (rl)l""erno ProY1:sorio· das taeu.ldad~

IX

PA.G8.

}e~isla.th~ ordinarias. :S:. - Apl)eUo ~o pa.trlotlsmo e pI"U-
dencl3. :ÚO Go~-eT"no Pro'\1sorlo no excrclc10 dos Poderes .de
QU~ ~!Jt:\. 5n"~ldo (moção do sena.do:"' E1yseu ~ ou- e
tr~). :9~.~' - Limit.:aA;A.o 30S p(J(!e.res· do Go"l:er'UQ Pro...- isorto
(d!5C~~O."·ot:Lcão da mOQl.o P...a.m1ro Ba.-cellos: de<:laritõe:s
de ,·oto). Z9:. ....;... Re:s;1mento Commum (dl!l<:Ussão. 'VotaQl.o.
Tf!'Õa.cQlO). 3\}1).

Qt: ~'TA SESSÃO • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • :. • • • • • • • • • • • • • • • • • • 31:
D«:Teto n. 9H .A. 31~_ - O projeeto 4e Constitul~.
:;1;;. - Requ~rlm~nto $.;)Hcit.ando as leis e ~gulamentos do
4.ri>'·.... rno PrOVfMOríO. :::-4. - A m~o .R:Lmíro Barcellos (3.
~ttitu{l.· dn 't't"v,....~entAtAo ~é ~tlna.s). Z::tS. - A ~8&i.~ <1~
i:uetnU:u:A o do C()nJ:T"~"O (expllCA..;ão do <lf'pu~do Be'-I-
J:lQU.l\), 3J5. - .\ moc::10 r~!ro n.... rcel108 c ao mensagem
do Cnn~N'Iô :10 Ct!'ftpraJi~lmo ~o1"O (~xpitca.;Qt"s: d~­
r1Am~~l" «li" VMo,. :::i. - n.. . g imen;:v Commum (reo..""ti!i-
(~:lt:Jio: d il'K"l)~'l.:1() (~a re-d.::\(:·~~o : ree1ama.C"~)., ::9. - A
M{-~l llo ("on~..~ (~l~l~c> 40 l'T.~ldenti:! e do' 'Vi~Pr~­
ll.-nt.·). :,r,.- Hom':n.:&.It~ 3:P
senador- saldAnha. ~ o
~móQlo). ~a:. - A :\tcsa do Con~so ('!teiç-J.·:· dos se<:re-
tarlo5). :" S .
~t:lSTA SE~SXO ••••••••• _.' •..•••••••••••• , •• ~ • • • • • • • • • • • • • • • • • • Z50
- ,

A Comrnlssao Especial dos ::1. par:L dar parecer sob1"'e
o projccto de ConStltuitâo (éteJeão). :t5Z.
/

SE.."<":'/l. SEsB.iO.••••• '" .• " ••••.••• _ • _ •••••••• _ ••••••••• _ •••••• -. 3S4
Leis e ~bU1amentos do Go",crno PÍ"o.,,.isorlo (reclama-
c;'dO. recebimento). 3SG. -P..econhecltnentos. 35&. - Pa-
l"e'Cersobre o projecto de Constlro.iÇl1.o; votos em separado.
SS 7'. ~ Con!rontação do prcjeeto de CoD-~tultilo· cozn··,ous"
~mex:~ 3lir. - Pa~r sobre o projecto' de Consitt~ção
( r ~ ) . -I G": _ - Ube~de de I.rnpr.ensa (m~o do
déPU:.ado za.ma e outros sobre O attent.ndo& TribUna).4õ,;.=
.As rn~ sobro a.."iSUmpto de- ordem e Inter~ pulbUco
OnterpretaÇ'lo do Re;;,lr.:cnt.o). 469. - O:ttt.entado!l. Trlb'una
(requerimento) • "J 1.
Sr.':"t::U_'" S!:ss.to •••.. _.•••.•••••••••.••••.••••••••••••••••• _• • • • "7Z
o att.en:.ado á. Triõu-nQ. (m~o zama: d e c ~ de
"'oto) • -i.3. ~ O Partido ::-':ael6nal da Bahia. pede :lo revo-
g"..&ção do dec:reto que, rel;Ulou o processo para a eleicrto do
prime.lro Con~ Xaclona.l do Brazil.. 4';5. - O exerde10
d08 eultos· ~lig'iOS06 (~() sobx-e - ao. não 'PubllcaQio
dt:' uma ~menda; cxpUca<:Ao do re1:l.tor). 4':'5~ ,- SCiiSã.o.ern
domID.bO (pedido de J.n:!orma.o;.oL 4.-;:. - :Represen~o do
_o\postolado P~lt.lvi5ta do Bra:il .J)ropondo mod1!iea~-s no
- ., - . . -

proJecto d~ ConstitulcAo. 4••• - ~nbeclmento. 50-'. -
P..e.-poSUl dQ Generalíssimo P~odoro :1. tn~"em do C<:ln--
,;resgo (m<x,:4o u~ldino dQAmaral). 50';. - O encerra-
mento das dlseussões (o art. 6Ct do Regim~nt() CommUDl
altef'3.do na ~a edl~(). 50S.. - .A. ~tu.ra. '(considera-
çUe:s e mOÇão do senador Tavares ,Bastos sobre a executA0
do CodJgo Peria1 e
as nO!D~ feitas para- osca.rgos-(1e _
justiça). 50S. - Augmenw das horas d~ tiabalho 40 Con-

x

~ •.s."'O ~jncii(".3~::'i .. ) •
.:61:. - l~l'1h.~im"nt.o. [,H;. - Pri-
mdrn. lii~lo· d11
P!..<)~"'tl. ~... ("nn..~!ns:ç.;o. ã 1:'. - Em~d:ue.
:;1". - lnt,·rfUO(..t::tc:'io ..lo J~~hl('nt... 1U'lbr.-"o ()bje<-tn "n.!'l
dL~u..",,~~ :<:o... ~nd() ('t R~m(>1]t(). !;::. - rrot'l~4ill'i() d,. fé
T("'llubUC:l!\.:l. do déput:l(JO S."lm~"lio Fet"nl.%. ~~.:o -- A (ji~­
,:·rimfn:t~"") d.."l.."'-= ~~~da..o;: (r~u ... rlln(~nt() :uli,..~n~iõ a ~hW("tJ~1~.·
.1":0\ :Lrt~o. ...... ; .. ,o ~. tIo l)ro~-et()dê COlU'tftuh;.:'ioi • :;_-4. -
_\ cl11!CTimi:~~~ !~··",~!l-.!~~,-f.~~~.::::l1ú_~DBdot"
Am:lTO ç'~.­
,ah.-;Lnti L :~=~. -
)Iud:Ul-;:L ~la Cal~h':11 (la t:niã....\ (CQn....ldet':t.-
.;'-....l" .los -del)Ut.:IdQs Thom:ly. lJcl!'iuo (I OHv~fr:1 Pinho). ~.{~.
{\T'r,\.,. A ~E!'t~o'O ••••• o •••••••• o • o •••••••••••••• _ • o 00 •••• , _ • • • • • • .. ::;:; 1
.,:\ '-til:\. c!,~ n('m::u1~ (RA.hl!l) TII1Pr~!l4'nt:t (V)nt~ o ~l-'- ~
rr.-r... w.hr.... ., .·~ ..·n'·f("io ..l~ ("ul!()!'l t'.~1idn~",o :O~:. .~. ~"~<"l
(-H"I .1ôtnit\J:'é; (.1''<"l!lt'':l.;.i..n .11' "'••tol :""~.~" n :lu.-n1:\.lo
o __ ;0. .

'rribt'Hn ~1,,,,·lar.1,-::~cl .1.': ~l)to). ~:;:. .\ •• I·pniz.."l~:'ól .\'~1'l
""'1 a~l •.iS (m....:••o .t.... tl'put:t.lo J.:ri<'ó ("."'}h.l I" r.ut "~'J?C). ;::;::. -
Pi'~'l1~O d.: proj."C't4\ ~1.... Con"'"tituiç"i.J. :O~:"'. - t;nwnc.!--",,1'o
:or.:'o. -, ..\ .lipio('"rimin:h:ãb c1."l."ot T"nda.~ c' (~utr:l~ qU''''1\''''~ (.10..-
cun-on .... '··m("nd:l.~t1() l'W-n.:tdor Yin:iIio D:un:ucio}. :;.:;., .
.t\ .l!JiCrjmin:tr,;to d:z..'" ~(\:l1( (dl"CUNo() dQ 41~put..'l.d~ Julio 01...
(~3..tttilh():-)o 56';. - A ()~l%:l.~:io do:4. ~",....:ados ~ OUtr:L-l
.IU...·~tüo~·~ (dil"Cun"o do d~put.."ldo:::: C".cnc:ta :\!achadb). ':;$0"
::'ub.·ddio ~da rnlão :lo:-r ..-:ctados; a. dt~rlmln::LQto .1:1..00( I'>t'ndR~
(dl!ólCun-o~ ~ t'4."'4Uerlm~nt(t do .j~puUldo l{,ellJmba). 5':.

XO~., SE:'sXoo. • " •. o " _ ; .' ~ .. • ~!f9

. A o~Í%3.~ào d<»e ('StaGoz. (:tmOQ;o f:r1co c~nll): Te-
Qu(·rimento). GQO. - ,D!:õ;("u.~o do projeçto (Je C<m..~utul~().
GOl. - Ex.~rc-kfQ do~ cuJto~ ~U~I()~~ (ind'~r..o adiando
:J. dlcu~od(J 1(1. ~ ~. do proj~llJ). .:')1.- Subl'ddio
art ~
da L'nin.o :H"~ est~do8oG(.~. - B."UlC08 .·mL~..o~s (di:u:ut'2UJ
dQ ~.n."ldor Amaro Ca'-alc:lnti ). C<t;! .-P«"did(' p:l:-a ser 'ron-.
.( "(>dJaa..:t ]'\:l.1a '\,-::L ao "tíniJoo>'"lro d.'1. F3.Um:L~ :s(l'tUldOT RÚ)" &'\1".-
1'1()S3.., antes dOIl orad<i%"eS pr~ént.e-m.-nt(" in.·~cT'lptos. 311m
dé{ t::it.:lr 010 probJI>nt.'1. financeiJ"'(). 61 : _ - . - \ discrJminaÇllo
dos ]XKt.~T(;".tõ 1()C:l~.. !iC ~.- ! ...-d.·rnt~ (Im :ma,~rl:a. d~ ro:'nda$ (dIs-
curso do_ sen.:...dor Hu~' BarOOs."I.). 1;15. - Em..ondas. 6.(';-.-
A dlserlinin.a<;3to ~ r~.nd3..O( (d1scun:o do senador Ramlro
~11()."l;).. b4.$. - EJeStão dA B:Lhi."l (p:ln'C~r). (.Ç& •
. DECIXA.: SE8SÃO o •••• ~ ••••• _ • ~ ••••••••• '0' o ~ ~ • • • ÇGl
 mudan~a d:.. Ca.p1al d:l t.7nlAo ~ o f>."t3d(') do Ri'!) d~
J"anelro (decl:t.rn.tão d~ ,·oto). C630 - A on:;anlza~Ao .do·s
("'$tados (eonsld~rn.~ .~ noquerimé-nto do depur.ado Erlco
C(XOlho sobre a SU3. mOÇ'doL (jt,j3. - DIscUK:SÜ.o do projecto
d~ C.<mstjtulc:!1o. Gti7.- A dSscrimJ.n.n.;:Ao d:L8 rt·nda,s (dl~­
curso do ~n3dor C~Iho e CamI;os). 668.- A dl8ct1mina.'.:lto
d::us rl::nd~ (dlS<"Urso do deputado 1'tos:L e Sih-a):. (>S~. -
Em~nd:Lo;. 69". - .A d.b;erlmina<,:ão d:t.s rendas (dJscun-o
do depu'Uldo Oltici-:::l). G~:t ..
l)ec~4'\.: PRl»Em.\. SESS-io.o. 4 ••••••• o o o " • o " •••• :- •• ~ ~ C~9
Reconheeünettto. 7<11. - Prot(.'Stô .cont:-a- o r.::oconbe-cl,..
m~nto do üeput:ldo 1>rl.&:o ~a.raiso; 0:;01. ....: E:ne-nd3.s.. ":'0:.-
A discrl.min:\çlio da8 ren<1:u:l (dl~ do senador J'0S'ê Hy-

xr

t:in"I)}. ";' (I ~ _ F:mç.n(l:\1't. ":1';. ;;.-- A mt1ilnn~ lIa CaJliUll ,1:1,.
--
rni.lo (o õ 'f:.ort:t(]Q. do Ri(\> tl.'k J'an!àro (con..otj(l.~rn~ do
~l,"put:lCln :Ct'l:oan~ ~tn.~n(l.~)•• 1-:. - lmpolol'to nddlcional (h:
1:; '1(' ~hr,~ ~ dlrf'"it(ls de importaç,1.o (~m~ndas do d.;-pu-
tado .Jo~· )Ia.riano j. 719. - A di~mlrul(;.l() da.'C r~·nd;l.s
..1iscun-.'); do deput:vl o ).(.:-ín. de Ya."C'onr.dh)~). -;l~~. -- .\.
.H~rlmin:l<:O-LI.t da~ r,·n·la:-- (di~el~o ,k. ..1'·J'uta•.lv E~pirít(;
S:\nto). ;~~.
P,:Ct)S.\ :lt-';l"XD.\. Sf-:ss.O'(· ••••••••. _ . _ •.•••••••• _ •• , • _ ••• _ •••• , _ • -:.J:-
A C')n:ani%a"\~J.o do~ est.:'Hlo~ (di~u.~10 <la m~d.o EriC;'O
r ..... Jho). 7~~_ nl~~;() .lf) prn.ifloCto ut'
ut> Con~ituit:xo.
Con~ituit:xo.
";' :;õ; . _.\ (H~rímin:t~::') d:l~ t","nõa~ (.1i~ur~ OI) l'Lo-n:'t,loT ~
l"l~d.!inn .1. . .~rn:\r.\l). ";'j(; - 1·;01o-n,1:\. 71.', .- .\ (li!'U~rimi·
IW.'.") ";ll"
IW.'.;.) r.'ut1;L'" (.YiSdlr.o«- ,t.) .1.·put:lf"10.\l'C-..... i'" !~r.t:dll. ,;.;~t.
";ll" r.'ud;L'"
.la:"l r,·n.latc cAi~·ur:-...10) ,...·nn.lo:-
_ .\ .lL... 'r.imin:lt.::1u .1a:"l ,...·nn.l o :- ,\1"'10:·
,: j •.,. Lohe'" • ':' :' ~ . - f-: f1"·n.la~. ,:,.q.

l~t'n~r:ltul:tr.:,o .10 t ·onJ.:T'·~~ ('c.m u C:n\'('l"tlo Pri)"·iS("o:"i.~
' .....r(I'r mu:t.la,!o diminttr ào.~ ar('hh·o.!'< Os nltimos ....~stl1:irn;
d.ll ,.':-i<:'ra\."idrtu (mu'l.;.io .10 (].·pu:"'"'ldo ~·abra. (·outros). ';$7.-
,c) "n":"'rrnm'~nt(. d.:l 2 c1i~cu~;"i(. do Titulo I do ·I>roj..-eto d':~
Con:c:ltuic!~ü (T.·qu'I..:-fm,·nto do d ...putado PédrQ ..'\.m~rico).
7!'9. - ~hr,~ o :"t."COn.~,-~imentl) do tle-put.a.d<> FriS('o,) Paralso
(.I..oçl:.lrn<;l.... o d ..~ ,·otQ). ";S9 _ - h.-gua,s quadra-
Ccs.,~o de 4()() h.'gua,s
.las d~ \"rr!torio .1 t."nil"lo no planalto c~'!ltral dA ReP'UbUca.
P"U:l :t futura: Caplt.;a.l F~·~rnl (~:ncnda do c.1i"putado Lauro
)1l.'lll~r e ôutro~). 7!f1. - Cono1i~tào í oftido -do "i:;c()nd'l!
d.· l>otto ~~t"() ~o ministro 'Thomaz Josê Coelho d~ AJ-:
nH'ida). 7~2. - O éncerrn.mento da dis6J8...~o do Titulo!
do proj("(:to d~ Cotl-"ltltulÇ2i.o ( qu€'stào d.: ordem). 79$ .
DEC'1~.~ (:'C AJtT À st:'5$.'C; .• _ ••••••••• , •••• , • " •••• _ ••••••••••• , • • • •
. -;~9

EnC(·rramênto da tlL~u..~o do Titulo 1 do projecto oJ~
Con.l(:.ltu:tjio (deciaro~o d~ Voto). SOL - úrga."1izacão d05
'l.-s:ados (m~o Erico CO.t:lho: rt=Qut"rim~nto). SOl. - O cargo
d~ 5ecr~uunO de ~o\."~rno c a !un~o de ~r.adOT -de orphãos
(pedido ·de !nf•..,rrr.a<:ão ".SOl. - A di8("riminac:â~ das rendas
(r:-"(pUca~10 do d~puUl.do Serzedel1o). SO~. - O lmposto ad-
dIclonnl do:- 15 % ~b~ os di~1t()s de imPQrta~o (e:ocplic:a-
<:,.1.0 p'6~1 do de;'lutado .To~ )tari:mo). SO'L - VotaQ1o do
Titulo I do proj(>Cto d •.' ConstJu:iÇlo-Da orpcni=a('lio jcd~ral;
805. - Retirad.1. de \."mi>ntla....",
\."mt>nt1a....", $05. - Pr~êncla dos "ub-
~ututh'os nas Yotn~ (qui"StAo de or<1("m). SOO. - VotaÇi.o.
do are.. 1· até a emenda :l:ubstttuth·:l. tio d~put:1do .Julio dê
Ca.-nilhos e outros. :1.0 art.. S- - Da c-ompctNr.CÍ4 (los e:stGdos
na (l#!c"etu~io de imposto:! - . SOt3.

- 'I'.' sr.~s.to .......•.•... , . _, .. , ...• __ ...• _.•..•...-, . •
1)EC1:u..\. Qt:L..... S:::O

Proroga<:ai.o uos trabalhos (reelamac;:ão sobrê' a. :leta ).
S31. -.-\5 oJhddas doSe estados (declar:u:d() cle,,·vto). S3~.­
R~sosij() ~la. appro"-a<:âo <loart. }" da Constit'Ui~:io ~ ,·oto_
de lou\,"or aQ Exel"cito c::í. ~\rmada :]'.l('la. pl"'OC'l:un:t<;io da.
l":~pubUC'3 (m~odo ~n:td():- ..-\merico 1;)00). S::5. - Re-ri-

XlI

r:uh d~ emen<1:l.s e '·ota~4.0 do Tl~10 1 da CoCJi:t1tu1~o. do
art. 5· :a.tl! o a.rt. 1: - ' Do C'OmpetCftctc da t7nião e ~ e,s-
trU1.ol$ pa.ra C7"f!ar Jont.e. ~ rccdt4. MO Nntl"'c:u'i.tsdo () d!:rpoll!o
n48 aTt:1.·':'·~ S-.,.,c I'. § l- -.536.

DEC11l4A S&X"'T..-.. ~o. ~ ;'::~' .........•...........• 857
lknund.a. do Yicc-Pres.l~CJ1t~ _do Con.-resso. Que nllo ê
:l~1t.a. SS~. - SeS5á~ dia. d(: Sa~. se:. - o ,\'oto de
lot:Y{lr :.aQ Exercito ~ ~. A ~ J)<!la. 'p·ro<:la.~lio da R(t-
pu bUca (adi:l.:nento da· mQ\;1to Amorioo ~oo ). S.; 3. - Y ó-
t.a.t;..1 0 do' Tlltulo I (lo projt..~o de Contitituit.ão.
Contitltuit.ão. '11,;, ar-"... 1:: a.t\':
'.' :irt. 15 - OrgQOlJ d.o .ro~ronic ft-GCÍon4t SG~_ - D1:l- -=-.
{'u~~o do ("3vitulo 1. ~Q 1. do pro~"Cto de Con..·'{~!:uição
-~ Do Pot1<:r. 1.. ~p"'la:inj ~~, S';'Q. - Em~nd4&.s.. S7ó. - D:u4'
d~ -.:-lt'J;lbl'i<l:a.d..- l""1.~~O CeO~7le'S50 ='~ior..:ü (c-on-
.:••ndl<;ox"!:
:-id'~rn~oes ~ ~rnt~od.'\. ~o dCJ)uta~ C",rrê:i. ltabdlo ao ~ :,.
~ ~

":0 :.:1. ::.). S:":. ~- Ane;~ublk.a.. o';:''\":lri:lM <;U(~S:V.·S n.a.cior.,:.~
((~l"CU"",J .)0 2'W4'n:ldOT :'."lra!'I."~'. S::!'.. -- A l;:lir.·j..... (" () J~t.:\d~; ô
n;('T,!-<"1o - dos ("t:l~()~ r"llJ:'Soll'O~ (;1I~'u:"1f.() dü c:1(·put:uk.
To)zca) , SSl.
r l r("llofA tõ;r:-r:)tA zI'1:ss..\O, •. _• , •••• , • ' •••••.•••••••••••••• ~ ••• • •• 1i9!;
:::Z>a ('{inípet~nci.a
do:> ~.,.tados na. doe.'"Cr\.-tJ1-('.,.ao ~(.~ !:nPOS~08
Hh~Lar:l~.AQ de ,"uh'). S~G.";"" As N:nda.s da .\.!!andc;;:1 d:L
:'~ap~Ul F (i'd<-:':l1. d:u ...·"JI-:.r:ul:uc de !("rTG·.pt~rt(:D~nt(::. :':. Cni.à.o
- - '
f' d~ autos &en'itQS d.~ ca.raet~I" J;'~ral. DO. dois So(:.m~
:it~ julho a ~t!;t~mbró de 1SS:" ~ d~ jn.neiro :l Junho de 1890
(N"'Qu,,"rlmeDto<!<" ln~of'~ do d~putado Oltldc:l.). S!!otl.'-
Disc".1ss!ío do c:&'pltuio\) I. Seccão l. d~ projC'Cto d~ Co2:lst1-
tu!~o. 96". _.:.. r~~o toObre o tom d.:I. leltura da n.<:t:1.
:40... - S)"stema dé !n&eripç9.o dos orAdQre!l' p,L-a :a.d.i.seussAo
da. Co~..·t1:.uj~Ao (dêCj~ do l~r,~::ddC':lte). S{lS. - Emend:Ls.
;(15. - A d~~rfmina.cAo das rend:Ls = das condi~ '•. <U-, clt-
;;tbil!d:1de p:L!":1. o Cone,.-ri.'SSO ='3clÇ)n:i.l (discurso .e ,subst1-
tuti'\'o ~o dcput::.óo B<ormLrdino' d~ . C:1rnpo.s). 90~. - Defesa
:io:\tlnbu'o da F:1Z(-n<1:l. ~~lvjor Ru~' BArl~: n. dl-oo>crl-
"'min;:u;ão d:t..o;: N~nd"l~ (discun;.o do dot.'puudo S<·abrn). 917. -
O t::apitul('\ I ~.a Ç<.mgti'lu!,,:úo (ol.~T'\"':1~~ ~ e-::nencbs do
d~r,ut.:ldo Zâru.l1.). 9:1:.:- O ~x~rc.-kjo ~os cul'U)S reHg10SQS
t cl il"Cun-odo dept:t3dv:Bada.:-õ). 9ll.
~ DEC'I~A <>rr~\."\~..-.. $JtSsIo •.. , ••..•. , ••..•..........•...•..• _ . . . . • 95(;
.\. dL~m1n.a<iAo das rendas
(rec~of. ~S'; _ - ~u~
d:u1C:t do Con~ Constitu1rJ~ (péod1do do deputado Pedro
Amer1co). 95~. -.~ ren~ da Ã.1CZi..n~éft'"':l. d:L Capl:.:u Feder:l1.
(~ (·",.r.1das dé !~rrv ~rtenci:n~ A Cn.iA.o. ~tc-' etc. (d.Ls-
cussilo do ri"Qu~rlm~nto de in!o~ do deputado 01tlclc:L) ..
~ G1. :- Dlscu.ss!lo' do C:lp!tul0 I.. Secc:Ao I. do pro~ da
C(mst"i~uiç~o, - ~~:;.
Emo::cdas. ~G5. - EnCê:T:ltnénto <b.
djscu~1.o do C"apitúl0 I do pro~cto de Con."Jt1tu!~o (re-
qu("rlmento do d<."putado Jo=:sé ~!3riaJio). 9GG. - A eIa.ssl!1C3.-
ç';o das emend:ur a.o ~'Pltul0 I (~t:e:rl~Dtodo d~p~ULdo
Fr6es da Cru:) .. !t(;':' • ..;.;: Vot.:l1;Ao. do an.. lG at~ o art.' ~G e
êmendu -lnC'OmpQ!fbilid4d~;s dri:or~. 90":'.- ~ ~ ~
de voto. 951-

DCCI1J:A Xo:';.~ SI:Ss..\O_ ,' ••• '~ ~S~

,EQuipar.tçlio dos ~ubsidio~. J(;' deputado c se~a.<l.~i-- (de-
("lariu;ào d~ ....tJto).. 9 S" , - ' .tu' pr~"rog;ltivas d:t C-1.tnar:l. e
:
&nado no Con;;: ·~so Cúnstit.uifltC. (indic~v;ü.o). 98-l, - Ele-
gibUld:.L.de de: ministros de religiãQ para. o Congresso ~~­
c\on:L1 (cxtllicaç.lo (l requerimento do senador ,Amaro ~­
va.lc::ulti). 9S4. - ..\. cmr:1.Ua ~m discussão. cn.blob::Lda.mcnt.~.
~ .• ~.~ _ . ~• • • • . • • _ . _ " , .".0." -. ~

'd~ rn:l.Ís a.~ um ~Jl1tu.() do proje<:to de CQnst1tu~tão (~uc-·
rirn'~nto do c!~put.3d2 Jo~· ~.ri:mo).9SG.. - .A. e]e;;1bi.t.ldade~
(]~ ministros d ..~ N,'llgIão P~r:.L o ConSTe-~<t() :"::u:ion:Ll (dis-
cus..~() e w.t.a.;.h'f do C"nJ.,,7t:osso considerando Drejudi~da. a
.:~m~da. do ~('na.d()r Amat"U Ca'-":l1c:tntl: dec!araç':~o d~ ,-ot?).
~fS;. -- Vi,.:n:o;:-;:o «!o C:l"litu!(' H. $.'\.",:.1.0 cv proJecto de t.
Con..o;tltUlr;;.10. ::r~l:" _.. Emeodss. 9?~. -~ Cfn:;ir OS dlscttrsos a(.
c~pitulo ~:n di~"tiio (rc<:,ucnmento do ueput:Ldo Retumba),
ro., - .A r.:'llre~tacã-o dos estados noCongTesso ~ :t e~i~o
dI> I-·n~.s{den~e da Hepui>!ica (di"K:untO do deputado Epltacio
Pe:l$SÔ:1.J. !+9G. - "'Ç'otat;:lo. do a..~. 2';' at~ a parte íinal de
u:n::>. t·m~nda ::10 art. :;5 - Cab~r li Cam(!ra a iniciatiL'a "ara
ân:kJra,;õo do: guerra o~ c(:kf)raçào·· d~ pa:: - . ;1.004.. -
DL-K"us.",ão dv C:tpi:.ulo III do pro;('1,.~o ele Constitui~4.o. 1.008.
- \onslde:":l.<;Vcs :!obrc o projl.."Cto de Co::1Stltuiçlo; o &:-
n::u!o' (dls-cur:-o do d~pu:.ado Barb.osa Lima). 1.00S.
Enl..... nda..o;. 1. O15. - Encerr.lrnento dn. dIscussão do C:lpitulo UI
(r,-'<1uc:"imcnto do s.:nn.ucr Am."1.ro 'C:1.'I.-àlcant1!. 1.91S. -
D1s-
cu.s..~o do c.:..pitulo 1"'- do projee~o de Const.1tu1cão. 1.015.
- Enc':,=ram.·nto da diJ.;cussào. 1.01:; - Emend:1s, 1. (r15. -
- DiSt;usslo (10 Capitulo V do p:-ojecto de Constitui~ã.o,
J

1 .vl!.;, _.- Enc(~rr:&.:n'~nto tU. <Hseussão. 1.016. - Recla.ma-
<.;.ilo sc:br~ v enctÇrramento da di.scu.ss:&.o dos Capímlos IY ~
y: o;:dpHca.;.l{) :ló Presi.dente. 1.()J.6.
'\~IC&SI~A SESs.lO ', , .'. 1.01S

A .:l~~ibmdacc dt: min~"'trOs d~ religUio p:l-..-:L o Congresso
:"acion:d (d~l..:1r:lC;;:i() d~ YQto). 1. {l:W. - Inelegibllida4je de
p:-«'sid,mt..·s .... dir..< çtúrcs de bancos (declara,«;ão). 1.021.-
, ~\ oT;;'.\.niz:lC;Zio do.s estados (:\ mt.><:;i'to E:-ico Coelho: rt.>Que-
ri::tt:-r.to). 1.0:::1. --- A (~ntr:\da em dIscussão. en:;!Qbada-
nwnh,'. de JT.::.i:> Je um c;lpl:u1o do l)roj('''eto de ConstItui",::;i.o;
pr,·ct,ue:1.d3. U:l..•• .~m~nd::.~ ~ubstitutiyas aos a..""tigos do 1>ro-
j·~to.na'·C':;\ÇrW (di:R,-J.s~o de índi~~
do deputado J~\.'
:\I:lrbno). 1.0=:5. - ....Pota<;'dO dos Capitu}os ill. n,· e ,~.
&"<:t;:lQ 1. do proj(.-.:to de Cotultitultão. até o art, :8 - Da
rntQrc{'cio ([os ;Jf"újICctos lIão t'otados o~::r.ão 31::ulcciona-
do~;. 1.(I::G. ~~ Disct.:...~o 1.10 Capitulo I. St.~ç-d.O II do projecto
de Con.",~itulc.:ão. 1. O::. - Discussão .~nglob:u!:J.~ do:-õ· cinco
capitulo.s r.:t-:::-en:.:-s ~ o:-gani%:l.~ào do Poder Ex~tl\"o (re-
Qu~·dm.:.-nto" appr~'\.-ado. df"> deputado Jo~ ~ano).· 1.03:.
- Em...- ndas. 1.0:;-4. - Eldc,;;Lo do ~-.1d~nte e do Vice-..Pn-si-
<!~n:''t.l da H(.·pubHc~ pe~ l.~h;!atur.l.5 dos 6t1.CióS" e municiali- ::::::
d4ldt'S do Districto: Fed.~r.tl.. CQm numero de "otos egual :1.0::
<!os res~th-.;s :-epresent:u1tes . no Con~ Xacio~
(d~.lI"S() e em"'nda do deputado Ado:pho Gordo>. ~ .. 03.( .. -
.:\. e!e!r:ão co Pr~id('~tê ~ ã .. ~!ce-Presidente- ~ Re~Ublica.;Oll;

XIV

llé]..):- (>!oltativ~. ~)U. dil·.........·t:Wknt.~. J"-~]u 1>0'''''.'' (di~urso d.:) ~­
n:,cJor ....\nl:l.t'O (.~,,~k..'\.ntP. 1. ,,4:;. ~ -.\. ~~l('h;ão e)o l~~i.j~·tÚ.~ ••
Yi~~rr.:sidenté da,ltt.·puhlica. Jl(lT :--uf!~io dirt.'Cto ( ....tn-end."l.
do d'~pumdo ~loni:z; Jo"'T~lr~ ~ outros). 1.~H9. -.r\ OT.b"'aniz:l.Çi(l
du rode. Ex.-.cuth·o c~ OUt:"08 as......-ump'l.N" (dh~.c·urso do õ,·put.'lu,)
~...:ul~a). 1_ 05Q. - DUr3c,;ão do m.:lml:1to (' n~o n,.... lt-l'-;Jt() c]ü
Pn:-sidc!nte d:l. I:4.."publí~ = () Yk"-Presjd'~nt4~; ü fim do prí-
. llíell'ó- -)JVrí6<t<'f' -prvsfãi'ncf:ü-- .(ém;;n"iliu.:· ---(1o-d·~putã(.fQ _. 'Ga'i;i"ii(;'
l'k;;OUTO (~ outros) • .l.~~~. - P3,n-f-..... r Sóbr~ P<'d.ldo..~ de H-
cemt;.a.. 1. (Hj~.
VICl:Sl'-lA. l"Rl3:EUtA. SJ:s~.i..o ••••••• _•• _••• .: •••••••••••••• ". • • • • •• 1. C'7'Q
'::::= "
Comnliss:10 p.:lnl. saudar ao G('n("r:ljf~imo Dc'Odoro no dl:l
õ(! Anno Bom (indicac:,ão do ~:1ador Amaro Cavalcantl >.
1.4';1. - Orf'Oo":U1ttaçif.o d~ c"ltt:ldo...... (dí1'"CU6...orAo da.' m(;Çt11-
Erlco CQdho). 1.07:. - Di!'"C""..:NQio do C~l j'litu Jo 1. S."(,~ão H;
do proj.o~o do' C'on..."t1rcj~.ão. 1. {ISS. - Em o,·n<1;u;.;::: I. {ISS. -
(.) p:.I.rl:a.mf:ntam:no; <: :u"M:r:Lmc!l:Q (dl~'Lõr~ do d.~put:1d•.,
="Do l".~~nh:l). 1. QS 1. - .A d(~l;i blJidadc: do l·rc:~l(lc:mo.· (." d.)
\"k~:-Pn.."2!id~n:'c:: <la n~'pt1blf('a por :'I~~r3~i(J d!T'f,"CtQ; (lUo'~.:""~·s
~·c.nstltudo01L.('S t d~t:noo do ü.·put.'tdo JU...tiniand d.· S'·:'J);l).
1. (),~ _ - l-::lc·~ioj:íd.ad.· dos minbitros dL"' l-:&Udo I~r:t o
Con;:~'~"'O :":adQnal: r'::-'1i'On~bíhd:;..t.h.· G"~ m'.~m~ (dlscun-o
e .~m,·nda..-.: dá dCl't::":H!O F'r<.oderic() Bor-;:...·:o:~. 1.10'; _ - (t:<
límjh~~ ~nU·... Ol'!\ e:-'t':ldos: 3. "'J~gj bUid:ul..• de: minit.'1..--os d.~
rdi~!.:1{J l).:lr:~ '-' Con-i;T(':".."'O Xac.l(·nal (d~"cl:u':"';40 d~ "Qtu do
do:!)ut:1.do F<.'l!=::belI v l·... rdr'l~). 1. 11'; •

INDICE ALPHABETICO DAS MATERIAS

A
,"\C":".\. (.\.) ~ o aTh"l:ll~mi'n~o dos (h-b:lF-S - ~7S.- 90-4 •
.A(."'T~ (O)~uldjdomü - 7"0:.
,A1:1S%TI~.:.U::O:TO (O) - 1. (In. 1.f)~~.

B
RA:-':COS E;,\lll'SOm:s -1;19. {;.I) 2. tri.;;. 6:17, G94.. 7'Q~, ';lZ. .7l)/), 814.
Sl~. S~O. S~l. ~~:. S~3. S;,. S4S.

c
CA),lAJtA DOS DEPCT.U>OS ~
(&~taria:':dis1>el15a de ~r­
3S. 67;
"I~). Itl2: (fixa~o do numero de deputados). S72. 99~. 993.. ~91.
1.v02: (ddc;-.1o de deputado.Oi) •.:105: (atttibui~s da. Ca.mnra). 9~H.
1. 007: (a Camar.L na procl..a.maçã.o da RepubUca.)~ 1.067: (del~d.o de
,!,·put.:ulos por drcum..'"Crípc;V<"S deitor;l\.'s). 1H5.
C,U·IT.U. D_~ t:':o:I.io (~ludan<:a d:L) - ;:;46. :;4$. :;:;8. 50;;0. áS!, t,;(;:::,
:'1':. ';'74.' ';'!<' 1. ~O,7. S')S.
C(l1"'}~I4.\f~·;") - ';~I:: _

·_:'-'~Ull:''''':'};S - lS. 1 ~t • __ ~ (t.
"'li - ••
u.)_.
1. H.I;;. l.U t .
-,
·.~()~(;l~}-;~l"V C~.=" :"~I'lTC I ;\;Tt: '. Ia c.n --
111 i~ãl._ ilv ~·.. u.r;r.::is._. t:un:;t í-
ttllnt-.:·'. ::::1: tU ('on;':I"\~""n Cuul"lituiuto c ~- GO"""rn'J PrV\,i:-õ4.JMv). ::~~ ....
::1~. :.:t~. :::::.=. :::s. ~::.I. :::;::!.:,.::.. ~:; •. :!~s. ~::~~ ::"'ll, ~ .. ::. :.:.s~' . ::~;. =~.~. ~U.~I.
::;;;. ::::7'. -l'; ";'. :,IJ';. :.:;1': I ú C:()U~-r.~:o<,\ Con~tituintt· ~ 4,) l'vü.:r L4:~bl... -
th·vJ. :.::.::;: v Cún~'Tt.':lo..<,lQ Con:nituint'~ e a. unidad..• nacional). 6:;!*; C,V
• ·'mJ.:r(~....() ("l)nstitulntê ," :l Rt.-puhllC3). 615: (para ~tt'ingir 0..... dL...-
,'U r:-m' ao a:;;..;umpto ~"m do?U:1te). !.::"4. ~!..5: ,prel~ta. di' dfs.~lu~o do)
~~',n~"Tt~-ro Con.stituhue). 9·H; ~mudan~a do .Con~SS() Constituinte).
~:;,: (pr>:rogatÍ\'a,s da Cantara ..' do St'nado no CQn~~o Con::."ti-
tuint~·). ,~.;: to u'zlbnlho do CQm.:'res..~ Constltuintd. 1.0"'; (3 -nàn
..-ntr:ula d.~ S11\":1. Jardim n~ C'ún;:::"t~s.~ Co.'1srltu!ntlt")~ 1. OGl: {Palado
(I.. e'-.n;;:-n.·~~- Cnn~tituint(''I. l~:i. :C.;;9.

À-VI '".'

C~,.-rr:~-r.A..;;)<!E;$·- {emen·d:l m"2:1d:lnô.., QUt' ~j:l.m T~J'«)h"iQ:\S pejo Su Z
~. . .:.-~-m.~.~n:l1)=~;:b~::=
c.o~:.AC1U: ~ A 113don:l.u~.c:.\.o da) - SI S ..
Ct:::L'1'OS lu:L!C:O$os :(Ex•.!rcício dos) - 4G7. 017:'. ':;63, GOl. ~79. SSI.
~~S. ,3<l. '3]. '3', L10:::); (~war~ (' r("'.:1~l3:r'f:.""" ~ Q ço:u::"~). :.t4G:
. ~

(llJlo inrompatihLUd3.dc pelo f:l.Cto de ~ ercnt~ ou mini.."ttro d<." uma.
~·U1;1ii.Q).'977. 9-':'8. 9S:. ~S{-S6. 95:'. ~SS. 9S~. 9~O. ~91. 1.004. 1.0~O.
1 .10S. 1 . 114' •

D
: !)J::FICITS )-: $AtJ)cj:;:;; (~S".1l:íJlf:j('~'l. <.!e lS40 ~ 1S55). 77G: {3$ n~nda.s
tia.", al!:\nd($"..l.~
da.", al!:\nd($"..l.~ ~ QS d~!ici:s), ~ ';'7 ..

Dt:SM:SA.S FEITAS nt"...o GoTTot:='O P~\·:.lÕ'Onl"Cl C'O),( '" P~'oLt~cAo -- S~·S.
!)IC'rADCJL" (S<)br~.:1) -- ~OS, 1.Q:;·;' 1 .. (4:'~~. 1.tlS:'.
1.)U'LQM.ÁS -13. G:. :'ü. SI, l()~,

1)l~,~:.),nx.,C'.\(;·D.,t' m:~D,\S (A);- :017. 5] S. :":zO. ~~4. r.:~. ~:~.- ;61.
:..(;~. :tS~·;. r~~t:;. :.~~":'. •~~:.. 6";?,.. ~:;-:::! •
.;~~. 7(1~" --:l!ot. 7~5. ';.:;.;. -;'J'~ 7::!'.
4'~O. SO:!. S 11. SH. SI:;. S~O. 8~1. $::=. S3:. RiS. $4~. S:;;L~~::.~á=" .s:i",~
s55. S-(;~~ S75. S~:' . S"9G;. $'97. 90~. ~IO:•• ~.~:!~ t.l~). ~::1. :"57. ~';1~:;.
1.031. 1. OiS. l.(t!l1.
DlSCt:'$~J:S (O ('n('t"':T'.un~n:Q <.b.8) - ':'9S.
D:'\':n~ ~,E.:,.,"T~'X~s (A) - :;:0 So, Sl7'. S:;. 53"3. ~'. $=>5. S::7. S~.

E
EuncVE:s - Ido s)·8t.e.m:J,. eoleitor.l1). $:0: (3b~'"1('n~.ã.() ~<i_~~!.ora.d()
:13S . . •p:l1';l. o C..(f:u:::'~ CQnfll(ltuintc). iJ.J60; (as l('w. cle1t.omes c ~
.....x«u~o), LO~(;: (J)S)'chQ1<>ol:i:l. da.;; ('lcl~ no Bnuil). 1.0S~: (pc.-
c.I1do d~. J't.·!Onn:L do :-.e,;-,lm-.:-n d~itor:ü). L Ús; _
c1fdo
..
E;:",-Tr.ADA ~ S-U1lDA :DE: "'A'\"':Oit"-
"'A'\"':O:.:t"- 'ias. !;19.
E$Cl"..A"lv.tQ «) :lr-chh'v d~) - :S';". ~:iZ;.
E~Rt."I'l~'O 8I:CnE'T(. (O) - :76.
ES1'!A:U·lCÁ'C'..\O .& C ..U:.A.,.'""1'1.L 1lJ:- l>~'IVS -" 1. iH:: •
ES1'!A:U'lCÁ'C'''\O

l-.:~-:.W<.I '-O~ l)()(}er~.s aO) -~ :;~:::.6';1 .

EJ-o"J"C..\J).A.S DE n:ftlh,). (Subsidio :i,.... ) - ':' ~::;. $-1 r. •
Ex.E~L~\·() .0 PoücT) -- 1ddc;.;j..) dü l'r..·$lô.... nt ..... t' ll.. \·k·.... ·l·r(~! ..
<lente da. P..cpublic.c). 1. OQ~. 1 .. OIS. 1, t}3~. 1. Qzjv. :1.059, 1. lJ,::. 1,0'=.
1.095. l.Q~-:. l.Q!~S, 1.~9: <dur~d.l) do'penool) p1"'l~dendal). 1.0:H.
1,066. l.OGS.l.0S9; (1noompatlbiUdades par:l os CU-~O!l dt~ Prddc:.nt~ ~
Vlc~-Pr~~«nte da R.~pub1iC:l.). 1 .. 6~4. l.OS3-: (do ~x.-Prcsi~ent.e). 1.QS9:
(d~ mln!.:;trvs d.· Estõl.doL 1. :~~. (Uti Vk:.....:...r-r~i.j.~r)t.~ l'OI..r.l ~ Iu·•.· :ii-
dd1c:i:&. no llo1:rlooÚ ~.,"Uin:.~ ,. 1 . (J~:" ; (, ;"t·.:>:dí..~n<:.ia (j,;., •.:;.-...nui<1:uv rl-,'
Unc!lL l.OS$.: \:l.ttrlbul~ do POtkr E:;~"CUt.i... v). l.{tb~l. LU:'; ~r\.~­
!lODJSa.biUdade dos minist.ros de ~-udO). 1. O'~.Q. 1.11.;: I ~ u....~Utu1~.1.()
do ~dl"~le <la. P.epubilc:::.). 1.090.
Ex:r::c:-:o (O) E A ....u~..AJ)A.- S:c. se:. Se::;.: (o O'U'nm:u:do das
to't'<:3S d~ terrn. ~ mar). 1.(1:;4-.

-~-----:.

H

I
1 )UHC2HÇ \C' -- '1';.
l)lI'O~;-r(\~ - l."lll>o:o:.taCfiO). :;~3. 70:? }'1'. 719. S2-4. S:;:;. 848. 849;
1(10;>
(do:, 15 ~(' Z1ddidúnat ao do, imp.)rta(:r,~). 759. 771, 7S5. SO'l. SQ', lo'30.
S:'.;. :",57, ~oZ-4. '~t;. 927, 1.030: (d~ cotnpdencia dos
S=tl:'. SU. S4:}. :;::;3. S:";.
.,:it:.t.dv~-~. q 1-';~•. ~.1 (I. ~i::l: (~obr.~ a r~nda). ;:)20. S41;: t quota :.t.0iS
':oo-l'ltado~. ~h~ 10 ';'r ~úhn' f,'!" iml)o()~tos ti.· lmp.~rt."l~~O d~ m"Teadc.ri4\~ c,X-
\ra:1J:o_'-:!":l~ tl.~tinada.'" a (·..n!ó-urn.... no!" 1"t~~"tivos territoriQs). S51-5:t.
~:í; ~ (con~:."X~i.o :.lOS t:'$t:H}O~. .1.· :. ~
sobre todos os imPQ~t..~ <f'"\;t"c-
<!'"\;t"c-
::tt!C.~ Jl4!L"l T,'niiln .' ;,r:-"":uhuió=, no~ m"!'l"mm~ ~"ldõ~). ',53. ~54; C,a C'n!ão
C'n!ãe>
o~ (.~ "-l'lt~U!U''',I.... ::;-4; ((k tran~:[(.). 7.... .;. S.r.5: Ide f:xport:H;.il" d<)~ t:.0{-
t:HIo.•:-\). ~7:o-: (,·m üur.-.'. t~:-. 'i5:'. ~"4; (dirl'Clos l"\~ao:-~). ':0:': it~'rri­
tod;&!).
tod;d). ':07: (d.~ C'<)nl'lumed. ~77; (pt"~'<1Ia1). 90S: (d;k~ifie~ll~:"o dos
imJ)'(-,st~ J. !~I)~: (a mo."da. ('C)rr~ntc no ': ~biml'nto do!' imJ)Q~toN;. iS4;
(di~1>4~n~ d(>~ irnJ)~)l't()~ do' lmporta~'lo) 5:1: (i.scnr;:LO (k tk }mp..~C) do')
,·xr.or1:lç-.ão ~"nt:"'· I.)~ .::~t;l(lI:..~ I, :.::=.): ',t r lta,Ç':&.O. d~ m.~rl.:ad.)rja....; ('x l)Ot"-
lad:L.l' p.ool(l}: ... :-t;ll!n~). 5:: 1; I t"tJmp.:t('n...~ia (~.~....·~i.:tdo:-l par::L .!.:-cr.'t:lr im-
pü!": .. ~ d.,' jml)4,H.. taç.ilo :-;oJ)r~' ltl,·r~·advrla:-. ~·xU'anJ;dr..t~). ';' 17.

I~t·~.,:.... != D. Pl:I)JW II (O ':'x-) -557. Sor.. 1.05-4,1.067,
l)lJ"!t!-:~:'"'" f.Ulwrd:\d.·)·- {o)7.
(Ulwrd:\d.·)·- ~.'~I. -171. 4'~. 55;';.

J

L
!..&i;l.:H.ÁTIVO (O Poo(:'r) - ~ 7". S: 1. $i:: (eJeltibilid:tde {).ar::l a. Ca-
mar..l o' t' S.,.nado) . S 7S. 9I H;. !i l~: (êxi"t'-"1c1o <1.' !un~eg .~xtra.nhas. á.
Camara e aQ S...· n.:Ldo). ~()6: (3. ~presenta.Qio do.s ~tados na. ~ camara
!tQ S.'n:ulo) .. ~ 15: (a da ta ~:L a.1.J.(>rtura. do Con~('sso ~ a.cionaI) • 966;
(.,,:,·iç!1.O d.; tkput:ul(~
(kput:ul(~ t,' scnado,)r~:.4). 96i. 1.011: (funcclona.mo:nto da
(!uncclona.mo:nto
Cama.r.1 cO" dó Sénado). ~u;~: «(·C)ntra(.·to~ entre o Go"~rno .~ membros do
POOt>t" L.-gisL,.th·o). ~139. 9H: (numero n(~ss:ario para ~ duas ~ra..c;:
d<'Hberar-im). !H;9: (o ("'()mpar.-x·lnleDtO d~ membros do Cong-T~ au-
~~nt...s}. 9,,;,(). 9S1; chnrnunid:u!t":.4 parlarn~ntares). 973: (curnpromisso-
(cuDlpromisso-
r.'~mental). 2~:;, 906. 9";3; 9":3; (n1le aCCé'itacllo ~}os mf.'mbros do Con-
Kres.~ d ... ~'m'Pr~gos OU commis...."':0('8 :remunerad.~ do Poder r~«uÚvo).
~':'~: (eondi~eg de d~ibUid:ld~ para. o Con~) •. 9-;5. 1.cHS. 1.021):
Ünconl'patib..iUdad~ deltor:les). 7:1. 115. 116. 117. 11S. 119" 988, 990.
1.020: (3. !un~o de Dt-putado ou Senador ~ o C4tJ);'O <L.~ Ministro de
Estado). 1 .. 109, 1 .11 t); ( p ~ de- cle(~o para o COn.b7~~). 1.005.

1.00S. 1.n~:!: :(attrH.uiç.':"o.(-l" d •• \·(>n!="T..·.t"~~. 1.0~7. 1.(I:n~
::':id.-ntA" <!:l 1t-'rmhltc.A. .' a J~ra·!<h! •.· nda d,) S<':l~\do). 1. a:r:. 1 . 10<) : (.-~t.'l­
l)t'1c:'<"im.-nto d(' UJna f4.> (";lm:I!"'.1.). :;1;1: ((' $('nad\') ,. 1.G}4. 1 _(11'::;.
1 . 6~6. L OZj; (inida\i'."';l .~:t~... ldll.'
ldll" r,·}U,!u(:-·,,'~}, 1. O:;:!_
I"':l~E l"t!::-;'T:f:S<;Â~
l"t!::-;'T:f:S<;Â~ IH, t":-;IÃ.O (I~x•.'<"uc:;ão d.\....;) - S~1. 50~:.

~it:.o-A L\.I-.«h. ~'·n;l,li,). ~." 1:".; <tia C~·Hn:tra). cj-;• •-;'~'; 1.1., {'('In.
~(~1 C(.n.sOtuirn.·~_ ::~;" :: ~!'\ •.'fãl;: ('~~l Camara c' d(l s..·r.:Hlo. ~':1'. :··H'.

~1.··:--AI.('HIA (.·.. ;--7';"·: 1:1
~7\;: Hl.·~l),·~,a~ da Z\!un:l.rd'ia l

N
~AClO~ ... t.l~AÇ..\..' \.\ ;.:rand.', -'" ~~':: ~1'::# ~~L
':-:nlt-n: I: :;;t'L -_. 1 .{<,,~. I l'~". 1 \·l:'~ •.

o
(W';A~I7.Aç..v, "(':-' t:1'O"r".U'O(.,,, ; ..... ~ • • ;0(1. I.;';J. :- ~~i. ;~('. "(11, ~.(.;. S::'~.
9-4:;,
9":;, L{l~l. 1.(1';'~. 1.1H1. l.H'~.

,". ;.-
, I.

p

rOI:'To~ (Cr.'<!.::"a' a... di:oõtifH'c;,:'tO .- p!"~~f"r{'nc!:l ..·ro fa •·.... f· d,.~ d.~ un:-
"'~on U-.J OI" (31, out 1',,':-< .-,.t.:t d ••:-; I - ~::4 .

Pt:oGllAMh:.\ (ÚJ 1.K':O la=I·l·~!LH.·.\~ ...... 1·.u':.:.~'7.'~ - ia .:J.t:do:·j.:t). ~'lL
P~OJEC70 1'1: C •• ~:--r:Tt·I<:_\() (Critk:i a.~d - !.{lll'.

R

RI!lCIMtSTú - ~'. ';~. ~;!" ,,",4. ~ã. 1::-4.
1::". 1:::>.
1:::>. 1::~:.
1::~:. 1 ~i::,. r::!~:t, .. ~:;::-::~ ..
~"~-7(;.
~"~-7(;. ::::~.
::::~. .3-4 c,'. .; ;:;. ;,0 .... ; (j ~l!<-rpT~-t;H:;''tb if;4i!;1 :J').. lo" Pr'~:.!';':H.-

XIX

:o-ohr(' ~> nl.j.::<i: l ) da..... (H~~u!l~'->e~). :.:::~: 7:;;', Sll), ~,,~. :'-.;~, S';O, :H-:j, ~'IJ;;.
~.::';. ~~ . ;,;. !i !<i 7. !-:15: ca ."r.trad:t ('rla di!o'(':us,"Cõ'i.o, .·n~I(}ktd.anH~nt.~. cl.' n:;dl'C
d... um capitul.) dO) pT"oj~ç,o d.~ Con:"tituiç{to}, 1. (I~5, 1 .t,~~: (pr.~co:. -
d~n ...~ia. n;cl \·(,tàç.:.....,.. ~, dalo< •.. m·:nd:l!'t ~ub~titutl\'al' :lo~ arti~('~ do proj··.::tú
d.~ C ....nstítuiçã(}.. ] . fi:';; .
n';~D.\í" I .\~) [\.\ AJ;F.\:-;lJl:CA DA ·C.U·ITAl; Fl';m:I:ÁL, DA:' l;~"n,ADAí'
t-F. Ff:lmo ]·f:r..Tf:~r.:~r&s Á'. {;:O:1.\O, E úe~(• .<: Sl:t:nç",.:.
Sl:t:\'IÇ"":. ~_ ...' t Oc.!:' ~f:­
:'U::-.-rl:f::-õ IH: J l.*:" 110 .\ tn:Z~:::IflmO OI:: 1:'\ S9
S9 t: J.\ ~F:U:ü A .J 1" S H: no.:: 1 ~!it)
~..: 1.
J::l:sr~CIA~ - Hl:;:; (da \"ic.'·-pr.,·~i(j.~ncia d,,)
/l,,) C;on~r'-'''!'O), :':;~',

I: ~:I'r:J:":f:X"i.\Ç t.; I"', ,Ü"Õ:-;T.·;t-~IJó' 1'0:':'1'1\"157.\ ..nO!'lO ='0.' :1.%<':.0 Wl.' AÇÓI::-õ
S.~ J"i':I~JJ:(-rt'. ;.:_~ (·f~:":~T-=Tl"iÇ.\~,t -'~'-~ ·177.

s

T

u
l·~t."~) t.\' 1': (.;~ '::,T~\OO~ '""--~:'lt;, j1:" .. 5~4)" :;~.~. 5!.·~~ '~(II:! .. 64i'~ tiS:,:.
6~~. 70_:;. ;1~ .. 7~~. 7::::;. 7~~. -:-:;":'. ";:"~'. 7~O. ~~ . t . Sú~•. S;J'~" ~:J15. -St;:;,

v
\-t:!::Flf.~.\'(·.\(t [)c l·...\[)t:.U.E~·- '(.·'t!nrnl~~t~.t~:'~). ~~. ~..;: (p:lr~~"·r~~I.
1'-;. :·~7,
.,;~~. ~:-"
:0;7. ~". S~'. ~.O. ~·l. ~f~. ~:;, :H. ~5, 100: ta. ('amar:t " (') S.·nado
no r ....·onh.'(~im(:nto d.:· IKHl('r.>~) • ."'3~SO. ;::4; .r...· conh.:"Cirn.·nto:..;'. :H,
7::. :0-.::. ~'7. ~i."l. ~f~l. 100. 119. 1:':1, ::4:':. ~SÜ. :::í~. ál'.7. ;.l~. ';'01: (eh'l~-:-"'~
dú Pi:luhy (' :'.lara:th.'l.<d, 11~': (do:·j(;ão d:l Bahi:l,. lt}í). 101, 11:':;·11. 11:.:;·11.
11', l:;(i. l~l. 1~S-5G. 7lil; (t'ldfi:ão de (';Oy:I.%). l~~. 1:~.
1. 052"

lNPICE ONOMASTICO DOS tÕNG'RESSISTAS--

A
AboLI'H') C;.,IUM) (.\. ~\Hon~() d~ Si1\'a. (;.) --D.-putado, S. Paulo

.\1.':"I:'>:tl() ';1".\:'\.'11.\1•.\ - f).·put:l(1o, P..lo do:- J:tneiro
-""3. :-14-4, -H~, H':, ":;'. 4.5~, 47". ";;~. S:Z. ~91.
.\.I.l~X.\:"ht:.: ~":"K·Kt.I:l: ("\. S. Pinto tI.· )[.'n~'Z(-~) - D.·put:lllo. :\1i!1:t~
4;'.·r:lo('~ -~'''. lH, :'~::. 7..;7. 7~1. S1.17. ~'7-1, ~:H. 1.11·1.
.\l.!.H:a'I.\ }·:.\ltl:}:t'O I Jo~:~ ..1'..-\. 13.) - Senador. ParahyLa - lS. ~7.
~_', :!~.~ ~J). ~"e~.S. 1. t)~1. 1. f)~j ~
1\ !.lt I:10.\ C.'~TIW (.)th:"UeI Joaquim <l~ .\, C.)::- Dt·put:ld t ).;"

l~io Gr.ind.~ d.;. Xort.~ - ~~, :.):;. 1Q(l. 111, 11~1. 1-l~-::.';. -;t'::. ~O:" ";jl~ ••

.;\1.-~I:ltt.\ :" •.)(:,:l:tC,'- (JO)~:: Luiz do" A. X.)-D.'puudo. S. P::Lulo
~"~fi). 1.1!~~. 1.099.
AL~:laOÁ Pr.~='A:o.snt·C() (Joaquím .T()~~ d ..• A. P.) -D··putado. r.'r'·
namhu('o -- ::--t7. -47". 7S7. 93'). ~4t}, 1.0:;1. 1.0i ;0. I.(u!l. 1.1101 •
•\1.:\1!:':" ..\}'Jo'ti:-:-SV íA. Al'1;ar~ A.) - De-putado, Rio Gr:1nde do

.\ ~P!:,; C .......·.\l.(".\~.: -- ~·nad()r. 3" S~r•.:t:lri(l ri.) S\'nHdo • ('ommis.--dü
r:.. . ;......·i:d <1")0\ ::1. r~':Q Gr".lnclc <l<-. :-;ú:-te - 3::-', 4:::. ~'.\'>, ZlS-::!. ~:;t.~. :::;.~.
~G=. :~~. ~'3; 43~. 4{7. ~~Z. 5Z9. ~~f, 5S1, GO~'l~ soc. Sl~, ~lG, S17.
SIS. S~l. S"~:::. S7~. 9:'S, 979. ~S"-Stj. 989. 1.004. 1,015. 1.t)~:-. 1.001:;-49. 1.0';1.
í A. L. P ...·r't:'ír..... Ldt~ 1- S ..~n.a.:~~~.: ~in3.S G ..-r:l''S -
......)
___ .. i I
.,,·t-
--.;,)",'
--.........
~
~
:!.~f... ~'-I. ~~S. :;::~, ;;53, 77~-S.5. ;~);. $06.. ~::r;. ,~:'~.
371. S7Z. SS4,
A~tOJ;l}.l G.\I:..· 1 .... (Antonio d~ A .. G.) - Th:~pu~allu. oi" .st"\:':r..·t~trio üa
Cam •• ra. l:i.,) G:-:'lnd.' d ... XO,H" - 3tH, ~;;2. 55C. ";{I::, '7~7. ~'S:;,
A~l'H1LoN'jW IA. Bote'lho Fr'dr~ de Can.-;llho) - D-.:-putado. Bahl..'l.
- l U . 11:>.11 1:;. lHo ~33. ~~~. ~';!". ;::3, 439. H~. oH:;. ·Ht~. oH 7. 47;;, 4:'4.
~7;'. 47G, ~~l. ~~3. 9~. ~:O. 93~, '4~. 99~. 1.015. 1.0~7.

A';DRt: C.\........l.C.\.~TI (A. C. dr~ Albuquerqu"~1 - D..~()t1tad.). P ... r--
n .. mhu<:o - ::45. ~Q7. ~O~. 719, 757. 7'0. 9SS.
A ..':"<a..'LO PI~1::lE.tR.() (A. Gomes P .. :\tachado) - D('putado. S. P:lul0
- ~'b. ::O~. :;.;7. 34S. S':9.

.~5.l~)ji."\.\~""'"l~:O .·. ~. }tiQ de J:lndro ..:5. . 1. 1.071.\o N!:: F.:::t..ui.. Zi1S.~(\ C'on:ctlmint. F!::E:7. l. •.(lroS • •\Tll .o 1 :.\ :\IOTTA ~ João B..) . H~·..-..1.'ün. : ~ ': .pl:'. ~b3.AHTH1·H H..i . l-·ran('l~x..(l.\. !SS':. ~j(l. li ••• '. • ••• • •• . :"~ . ~tn:. l". .:. 9~i.) . ' H " '_ _ ..' F .~-7:. 1.::~ .l. 74('. 1. .1::..ldo.5. 10"~:. 1. ~·U-. l-.3. ~..I)UUldQ. 1.. ~6:..:'. J . ZS(I..A:-. A \'l-:U.. 1 _(I:.. 1. 145. "Í. .. ~{I:. -:'7:."ah"~:" d. :--:-4.. .A.. ~l".~.~H..oth i a . ~. J .. ':'Hi. {JuaquÍiii r-r:Ind~o (].. :otano GrQ1'.•• 1~·l)U:. H'..nt~à (3Q C'on~1.~.(1:'::.· 1:~'.14.v..... '\"í.1.'.. 5. l>::t.~l)utad(•... 1::0S0. 1.\l:õ ~. .) . :'1.\. 1:S l .:. ~<'''.ut. '.1:':'.Ht c.. ..s G('l"3':-s .s'1" H.\ lL) (~r:l. ~ .• 1': (i7~·. ::4S. :-4~ .A . H:I h ln 1':=":'.-\..:..1. 7S7.~.) B B.hi. '=~ .. 15:•.. 1::'.·n~u].. . :.37~ ~.l . ("..:.. ':1Q.f.11. . . ..\ ~J". D..H:Cal'\.."I.-.. 1~~.S.\.0. {l:'~ ..' .. 1. ·put~tf1ú. ~. ~"(j .rfi- .~ 1.:co Codho Duar1t..1.. C"':--.4.. ~"H. Hl1. 3:)4.~~~ .r. 1. 1..001. 1.'14. :.I"'Tl:""TA.:11o'l".011. ~4:':.. .~. A. S~.~. ri:?-.. ..35. A"~.) .::.USS. !i4$.1l']" (1(.:-. d(' 1-".\.\ZItlt}:DO 'A...:"l"O~:O r:t·l"Y. Jo~'" . :-:h:"()]~io )lpntd:-o B. Fr:U'H:L. ':'lS.lr }~. .1::. . 1 ..·~-.\lSS.. -".-4. 344..hi.~ A.. ~O.. 1~~." ~S~. Sul -.. l.) .~ f.00S.0S8.. :. 7~4.F. \r..14. QS"". -:~~. .. 7~7... '. (. St)l.. -4H. ~4~1.:!U" .u.O'4. i.. S47.Ü~~. • • • ~. l.:!-:-f. :-t. . 1 .' . . ~~..:. l.. 7S..~7.::~ • . ~~$.l. da. í. ~..t • ~\ l:G1"~To I..'41. _...Sl:-i HJL\:'ll. Y. ~nna.(!l':-l~.n'·]ltlt':Hlr•• ~ul-Z71. ··. B.·lô <i.t) l···I'~:tad. L lú~.·· P~:th. HS. !lOGo ~~:::. ~:::7. ~SO. G(t4.\1u. 474. :r.· 403.-·-111 ~~....n.0:4. 1.\·.. I. D"lmt..-:... . l~::.lrito Sant.. :. (.3. :i4Q... 9·..113. ~~. 4'. 1'111: Jt:~ron (Antonio B<J1""":-.at~o.:.. ~(r:: . 1.7-i.~ 13. d.·.1 AXX1I\AL F"\L<'_'O. 1.~. ~~:::. XX 1. :(.5~ :!~~.107. 447. " .('~7. H.. ~ 1.. 600...l f::-. ":'4t":. 5G~.. :~(" ~S-:.d.7..0016. 791. ~S. • \:-Õ...mbu~'Q 0'-.. ~1:9. '~H . 7. :':-~i4. 0.0_' s.\:": l~l.. ~7C.. S70.. (1:'. ~J3. P(·rn. :t~'.' :...ll (J("do Antúniü de A.

-4-4. S-'lnta.u:Ct.') --. C.) -.::riôr. 949.~~. 9. 7$.~l •h..t":o. S(il.--ará. 34S... ::"i-~ 4'71..\'-u. ~S~... 37t1.. ':'-1::: .JU!T~(t :'tI. ~:1..\ ~ J'(')~ ~ .. '05.0:::':. S57".~.'l--151.ud.· F:tTia A.r~ . D~'llUtado.....~~~~. ). 1:1.10'. ::-lS.S.·H .9.) --'? Justtça...So I)() :"AsctME~"'O (Ah'xandr...S.ul ••. 3t. 1.~õJOJ~ IÇ.. -: s7 . ~r.!A I C.". ..) ..'l. c C'.ttf~ . 4'~. ~.OOS-15... ~S~.J-:LL. D~·putado~ ~la. di' Fa rfa .) .:.0 C AR. . ~(a.:. Par.:-t. I.) .: C. f At.·nat. ~11. ~It. p. BJ:zt:sa:u..) . lO'.. . 1:::.\:-i~..0=-1. 3.\J:T.~. Cl:s.\:-:T. : . P3.o E""IH.. Comnlb. 4::::. l.O~. r:ll"~ . 38::.:-. ~29.\ YICO~.::. ~~l.. 1. -.oE.0.'·l:..\. ~71... 34S. - C . (:'ommi~:-oã. :t!H....05S. ~. Z71.•98.~· bJ-.. :\linl~ro da. -17".. 13-1.'''' . l~EL1-i. :~. ~r:\l. F(. 91:? 91. Pnur~ . 1:: . ~53.m.~-SQ. 1. 031 . . 1..·\. ~6:!..\. l.to d"" C. 950....os C."" J~~i:t..~:! .. n •.::c). '~.. 11~. 1'l"J1 ut:ulo. ) .4.: I Jo!">.:..~Utl) Jc. DcPUL"ldo... Au. 4-1::... ::!::6.S4.. Hf. (~. 341..J:x. :. $.~puta. :t~'1 :t:. C. 1 .. P'·llut. S. ::35. 1.nÚ"d d..-.:-'.ulo- ~"l.do.1~ ~6:tJ . :.*. l~·PULl.:. ~-.. :.. :. (~ .-":..·I.\ . 1 ~.7~.. ::40.~.do.~~~::: ~H~::. Au~usto ô~· .1l>l·. l. ~:. 1:. ~16.574.. XXIII r-:...'l'! . ~":. S...'put.:...034. ~.2~1 . ('. C):m.. 'li'. J::.057.. ~. 917. ~ Paul. -.' (J •• :s~ P"rr"i:<L C.o De ~. rr(·ira) .A)~)(» {11.) .a.:. 439. F .·pUf.I. 9-11. :'n.. .')1.t.00'. Paran:i -.·xandr. 1 ..~puudQ·... B. .hia -...l. -474..:n. 1.:. " Dia. . j~3. ::4S. ~45. ::45."t.-\. C. ~54.'lutado.... )h.a':Ip.':J....'..\.u~tO (:. LLJ::oõ ()l:ln ~).4)5. HARIlOAA Lrl.{ar:\nhãc:) .:.. IH. I.j.\ (B.:· B.H·r: iC_ ~1a..:n::-. ("_\. Bahi.()~l.-arA . 234'. ::S:. 1. F.'1:ial U()S 21.71.. 7S7.i~.) . ::"':-'. 7~7'. 091... AI. i).)S I C." . H." Jo.} _'4 .. ::-. a_. 13r:Ll-'R~ 1:-'..::.). (lo :.Iw.l~O m: .. :.. ~.l ..'!:''.:u:o. \·IJ~L.::::7t. ) ! inístro do In- t. <... :~7..Deputado. Rio Grande do Sul .. I)..~~. 4":3. 1.. ..' r.VGU (J o~é C. :~S~.' Frt'ir•.. ~i~S.• (. 553. f)~~ .\ u:.3 t '.'i "idra J.8::3 .' I~. ~~.do. C~- t h:t rina -.9G• •~t1.~ .. C..r..~ '·A:uj·...~ '1(i~.-4::.s •. lOS.UUQ. 1.ltLO~ N: C. D~>putado.\i:n%:..ln . Senador.O. OO~. 4'~'~.\.1.~.. :\linás Gera~"s .::. ~:n.1.l (l(n-: ~l.'. 7. S7Q. . 1. 1St. 5'7Z.) .. p_i(.

. d(' ~c.. ... 4~' . ~ 5]:.. 1:'~·.!t-.. :.~f..\ ':-''''(iS (~fano+'l f:..(·nd. E\ )tmJ. !\f .ldvr.H. r. ~~:'I ~~f.~I.. ::::.021-:.. ..'... t.·t:t:""i(. ::-4:'~ ~~. !'"_~" ri4.\."\ i:I1.:.'.(.~~-:... . :t~:9. H . .~.:-:- \. 1kl\U~~i.. • .t~·vutado. l·i=tutl~· 4..&.. d<.W·:OI -..-..:... ~.uJo. . n.n"n~~:-..f. l·. 47. :t:~.:::. 1. :'01.a' Pirito ::'~Intq .... .\~'H'. ~!3r1nho d:..1 :.. )hn.í7.l nt\4~ d. :'~3. ~.t ."l{' ~ 1: l(~· .9.6:. :7. --.1: I J >0 .T.• ~~~ •.. ::~i4./.~ ~~~. ~9('.' ~ ..'. . ~7:. . Rio do.:-' I".'I -&n. .~. I ::\fanu.·l H.:0.. l-·I'~JSCÜ. ~Unt~ J:'" 1-]l. ti..._." S("n:t.-4 -'!Jlrn·~n. .- 1":4nh•• " '.:t: C... t: ~ ( . Sl..ln:·t. j_I. ~ê"'. I . D J IJaU:TJ1:o J~I1JJ:mo {V. =f.{•..i . :"(.~ «.U:. ~~J. ::::-:.(.E. ~4~. .~ G. .:.h.do.'... :::. ~. •' ~OUL' \ .':a- ndro . ).~ I J(.\'l::' . :t~.~fS.~. :-.' ~1.u.t. t::::. l"'llu~~tt!o. : 1 ~'.."!>l .:~".tujnt.:. ~~~.':.n 1•••..'ra"~ .•. IJ~!I~ .~ ~U-4 • . d. 1:. E El·~'''l:l . .:.'rnanlln•• (!:l ..:. " . ti.u~1.nGIT!... I" . n~·. !)l~" ~.~ (l:\ ('..ah-. 1..~·t".) --. :::1{. .. w. .L Gam.-:.''~'.·{·r. Etucx.51~.. : ':'.u~. (.. ~XIY CoRl..ti3·~~7....~ L.\!o. r·'·11\Jt~~.:)~h .. ~..A!. 1" A-cn-t:L:-iú d. 1.1... -:!·U..\ )\-. EL)":o'lZt' ::'IL'}:'Tl~:.:G..:' \"J("1:.."'Il~"'.... [. J. :.(1-:6.\'::1- (~ult ur.. - :::-rG. COJ!:LHó (lo:.... !. 'f.\'-" I · 1 '"I.:~. ..tl' 1 "(-'U~l ri.o. ~~~.o c_\. ~ a~h'''' i-'.. ).:i 1.\. • ("'u:-.· . ~\.ü. 554• ....ú74..\-H~~~.'''.:.... Hoc>."\~ {'.~A ~'1. ~7('..

•.061.. SS2. -~~ ::::~ .~·.) . !H.~. 1. I. ~~:. .) . Ob::.Pt.S.-ral -.&LU"J"E S.·putad Pt.:>1:.\ :. LIII)(•• LI/I)(•• l.... C .. Ftz_'\:"n:"o(. I h'r'~ta·l". ~:. ::S4. FI~.1~t. ) . . (.'puta!lo. !-'II(tSl'l:(_..\ F1L\:"'.-~n. s. 1._. ::. D..3. ~S'. ('.4"'. H~J·:1'1T" ~ASTH !'·k~nt·· .l" f ·.uc""'C. S~l. F l". J.' ... 3~hj. 1.. ~j=. ~54j."1.. ~O~.)_ )lin:u. '.4. :. 7~:. 1-'J. LO:>'. ~':' .)- n:lnit.. Qt.'put:l. 1.o:.Hu I ("~Lr':ús . Dt·putndo:. d.·putado.--'\"oi'ri.110.anU Catharina..lCü S.\ I F.ado d~ 5.Z~ . 'S7....Ol~.. Z::f:..\!....L<) Ff"X:I:f: IF.·o F.K (Fr:tndst..rtt·i:--" .114. 7.lno tIa .(_\. D~put:Ldf).4)ij~. Fus. ".. . l.V:.-\ ta~va.. lt'.lI'.7.) -..f!o.. . 1:.·putauo.1ü'.'::.•. 'S7. 59.J • • :. }-'II(tSl'l..:.._v •... i'.·id:l.. Sant.:I:~a.~ll.) .\. '.~ • G G.\.':". C.n. lv7.~lr . Fc. :. Sl3.f AR.o~.c3d.:l F.ura.111. :..l. t ~·I . 7~. F1L\:>·'. l"·l':. 5"9.\. -~ IZ:t .::I:. :.(r:>. 1.!.4" . 4i4.t".-o ~. 7'5•• S~...\ .. :. 11)3.OÓG . --. 1. fl~~.t\..\~c:~'~" . 55:. :.. ~71.u!a A. =>:.. 1.. 1'. Dbstrkt.. t -lli·purado. :~~~. \'t:IC. ~..) . .-. :\1ínas G~­ r:t(·s .. ~:.:..1 .) -.-.I..:. f::-o'TJ~'f:~ J . Fn:Q~'!~ "". . ~Zi7 ·5~.3.s10 Especi. 1. ~4S.!.. ~pubdQ.S I..'l. ~. 1.t.'(.-.i'" S.a C:t- tha. ~{l3.-11t. C..:&="A~p. 9004. ~:: .\:O.'f:l::ü -.. .'ral FI".\ (Fran"i~'1) \"ll·to:. 4f1.. 1.~ Olh-dr-:1 F.-l~. Alm. d.V.n~lt. ~-.(110.'.~. -10-4.-.. . l:i. E. !i19. 1.4.. 11 ... ~SC. ".. G7. 1. :. P·:r. 743.f..uu~o HJ:zoCltO .\nttmjo d . XloR L\ntonJo JU!'ltini. oi.-puta!lo. Di'put~l.i. l. . (.Deoputado... F:a·:m·::. -. 1.U~(.:t::f . Luiz da.:. r·~. .~.~.. 4'."'Y:LZ .S. l. .·-r.u. Commis.un. I"inno u.c-A. tiL- 1:i.--IC.-.t.) -D{'pu~l(lQ.11'...'~'1.al dos ~l·.. ~-. ~-:G. f1. \'.rin.t~JJl.l· f·UTí..10:'. 1:io de J:ln~':ro _.F.. 395.'....\:->c::'eo t . S~·u. 9:!O. Ff:Lt~f~:r. l.n.'. (F..I S_' . 4~t:.-.·-r.IHf':lin ua F.· FI".'..k .. 4G7'.:.0·H.:-ra('s - :!:Jr. ){:lch. S'·n:lt!f1r. :4 S. ~t:rgjp('.F.) $al..) .'\Jl\".. de P:t. S. '_& . S. ::O·L .\~r'f:ult.}:. 1. 414. 1-1-. S2-1.I) j F. StJ7 .. 3i'.:Ht~lDT .1 (11.'.\ s . -lli·putado.-t...0G9.~­ _. f·UTí.• F. ~'.'1ti. 40-1.:~ (J. l. S3~. :. I'{"r'nam- l. D. P:lraná. .. ó •• )l:nil--"tro da ...r. GuHh('mh' Õ': SOUz. 0".-. .t!.. Jan.7• ."lno E.·putao!õ. l:iu . ~·:. Stij. 1.~ 1: ~It.:.'" . jfJ. ~ .

l. o. "'- :::....!···~·ll. :1.l"I.. - 1:.."'na<lo ': ~ .(..~ 4J. 1..• nÜtl. \·k·o·~!·f'.u. 7~'.. (LI Capír:i J ).T~~111i'-~ l-~~i~1. 1)1: '·\I:\'~l.'Tt.·~. (!.· tario dQ C._. :::'':'. GARC!A PlltE~ (~.'lXo De Al. C.au •.':'I.. __ o :: . ~ ...S.'!% (J.hYb:l 31.Campos) ::.:...'.H.nti. ~:::t. 1:'=::.. .' l{.. :'. ~ . "'.·... .•...'"Cr. ~r.\Y':!óI t.:\·V.\ .. 1-': l~.. ':1 m... 4::::•.hín.:l.\.l~·ci:.' .. Dini7. 4~':. '. .(. . 1:.:o :... 44~•... GAl.. JI:~".pt.ll'~'. alho) 8. :::rt-nador.\G.) H..d. L.r.\lv.. li.t.'{~'" r:r-n. .".<tMr.". ~ _t ~"". 4.'n:l.. '.'l.". 1~·. {(. .C'·~I. ::4. CúnmÜ~Ç1 E.. -It'. F.. 3·t~."-:..lJ.. .) . . _.1 H Hr"'ll~". 1:1~. (.1..~'.~~: ~·I.:!.·""i'!'·!l:'. t. d ..:.~ka. G.J. : . ·H3.. I J. X:L"i~~r J. .[k.':'trio . JoÃO :")~1'\·..·!"~tl ..:..thyha .. Jú. } . n.... ~(....".. .'r:l..)~' )1_\J:'...o. Soar.~ C. ~H'...• L.. J.. l\i:&s }.. 1... : :'1. ~:~ '. ~. Filho) ..'l:J...pu:.. .'i. 7S'.](. 4:'. :\1 tn.'" .2. .U~(lin' .o Lol'). -:lo &o(:rd. 14~'."r:. "'~.\t1na.t:~:-t~i .·.·\lm.t!nl.\Ü Lt.·s.al ]] l. 1".. ~~'~ •• ~·:92._"~.l. Sanl"-:-'" :. ~'~~' . 1. tJ\.-=-.. JOÁ.."O.. ~!..·L -~ :·: .J .A.l C..·nlfl' I."C~\~l:~ Ol·!~!'-l'T· I _"'i~:-..ra. :].-íT'"-i.~ S'u..·rr..ü (J\.."'("(}e-r."~'.• :oI . \1~' C'a r . C(Onmli:-'~tü I::~p. 4lt. ::.. j':lI:lara -..:o ('l'. ~.. ~~41. ::.t~. . l d<)~ ~L }~·l'jriH.S.:1"':~ j (. S. :-.. ("'~Mg~l' ...'tt~~~\l~.41::1."I (.' '~'. 1. 1. L)'·l)utado. . t... :\f... ~·n:ltJ<.(:~ 71": . 1)"" P':UJJ..t'lUi11.4.h... ~. l"ar..'" •• .. "'~~7. .\ .. 1:':'. J~':'. :'\'.<::.n.('0'. L~ }o"f. 44".. ) ...~ ~!J{.p 1. . ~. !'~:t.~~1..L!" ('. I J .·jda :\1"..·.'\nt.l~jlt. \f(r~ Santo..~ 1.. J~..'.~'f' .·. Gr. JoÃ.·..:...~.t~:-' ~'''''_\t..r.\l:n.:-to J ..:t"l: .ABItU:L ar.:... .S. 1:..d~c.St...:fl.. O~l... 13(1. H" .. ~-4t1.• ~ I • 'o'a t.) :. '... ..·tl. !':u"a~:l '.. oi::..""'J.H .l:-.tl àos: ~1. a.·.(. J fi.:. ·r:4.. GJL G"l"1-\HT jG. n:wA (rfrtnino s ) :·~&. . ~:I'.. XX.. 1~~ •.

P. ' :: i: 1 • C7'..tnti" D'. ::t. "..-rn:tmbu('f) ·j...7~ .HL':-: d •. ':!':l·l.: . 7~ •• ~~ . .-. 41~.:. .It:u.):" .. u:::..3~ • '~7.l'}:'~'\""I!.. 1 ~i.3 9':.3!li ~~. 4 ··J. 1(1·.\f \. ! 'H. :. •.. 1 tt=. S···n.....\l:...'.. Pt~1t··.7. 11·l.. d.i..) . :1:':.. .7. .l.7 ~ .. J:'i.lll·~ ~'.~ :... :-~~..0".r. "-- ....lct.Ql"!."-:. ~:"~~. K ~Á!'r:-.W...~·puta. f I' I -: • : •• ' li ~ . 1~·l..i. . :. 1....\f Fr:r. ('.. . 11 • :1~ •.~. P ":a $U\':t..l~~:-" 11.. 1. ~~ 4 " .t~:~·"\ P.ln'l .CU.-..luLu("Q . tharina . l. ::::!.0.. L L.t: ~IQ(·.::-.~ -" -. n"p:.·unha. .l...) D~pu tado . ' . :2\):.I - ::"-"'.:. ::9 =:.-1. )lina~ (:-·m·'·~ .O" . 1 . :... ::4::(' 4'.. 1..:. :::t.O.>7.':>:.. :'.. J.. .. r't:"puttl(lo. . lJ. -1'.. (JO:lkim J'Olh'\'ir:t K..d: l.. 1"'. I . C<:ímmi~:"\.: .to\·J:L\~".. 1 '~'r­ 1:. ~:~S..: t: ~~ . :.H. 1t)..\:o. '.. :. ' ... .. .1-... -.. -.~:? ~:~S~ ~4'... ~(I.. .).) . ~::s. -t'... t' .. . ':~". <J. :. ~. :.. -.o. ·j. "' • :. -."C'I:l:...·írn lI:!.nk. ~: . ' .61. I '. Ca." ~l.1..d •J:.. •• S. t.:.:IIJ.. JoÃ. Santa.::::!.\.. . Pl. ].. ~ul . '" . "'1" .. F.. 1:.. ':'7 .=:::i..:..\.:-11.'~1 JoÃo l.1':.1). lQ~. .i·l~tt. ar~·L ?·~l. 1:..C...lu. d.. 1. • f. . ' . ~l:!. . '-_~a:--f1. 41 S.-.0~~ .'JlU~..· :.) ~"i:d do..:.~.A. ~. -~ ..\ CQ".:::.t.l.':... 1 0:-. ~~. :t~7~ 3~'7 ..d p .l0 . ~ ..Tl='HO (Jü:"~ Candído d~ L.:.~O. :. ~1 L . :.:'i"''' JoÃ.. ~.1. ' .. ~. . ~~5. J!·~T:~J.. I .~ 3.i. 5.-\m:lral) ...107..:~ .:: :" . !'l. 1. . : :~-4 t ":'l. 1"7.. C'...• ~" . 1.ntv.!: (J"d') J" F·:rrdm d'A.. ~.~::-- noil. f ) . ..-\..-.l. 1:~::.·!H. 1.. J ..'. ':~".1..:t:tdQ. C. !l~lv\~~··.. 1:::~'.. :~·1. l)f~ial . ' . ::::.''l..\Gt'I. '. :-lS... :í~l .D.Ql"l. . .1 . ' 1I"m. . "t)"~ ~(}:•• SO~j..~7 . ~·C:'.O.~(t ..:"rnamhu(:•..t'!(J" P. 1 .. :. }-:.l.'ar:·1.'H~ :~-".. 'Ü.::.. ::4.~.~~ ~'.~ . ~J. ~ ~ .....:. ' --..... 1111. :: ~..) _ )1 i na ~ (--.....:.t'l. P "WlI:t.D.. ... C.. ::~:.k.:tfl.:.!. :':". '.if.:-. St:na'. "- .:"1 •• 110 . 1.. .. .:·. :" 1. 1::. 11)::. .':>:.\- ~· .

Pauk.. J~l.HTIX'ltu r~'-"OJUCt'~::.n\'I.. l"arA - 3~S.·pu:. -.ío ~.t- n. (.:l. ~L\x('\l':t. . .:1G.7.~..\(-'H. 7-S7. H~.. T-:' dé' $ttU:ui) 34$.. Yl!ir-an~ . :~:'~1. m.• . ~-l1.:ir..)ulad.) -lh~puta<1o..-'ra~.C.umd ••.t:~(.1b...' (J(.u ("r.li"I F. ~:.\CJ:LLA.'..L l·"H. tla Silva T.. Com- G1~y:l% - :J. :.. :._..\x<:-~ :-:. ::1. Sant.~ .:: .n\'I. :H$. 7_'1.o Sonnt. lOS.~n:.\cH.'h:~-.-"urio dQ Con~~SS() Com.'.. .II.h!3 -:':. ú pit:d l-'.3do. Cam:u-a Cam:u"a (' 10 S<-cr... D.-:U. ).. S~Nt:irlo d. (".I .. ~(. . Depu~(h). 1. G . S.~ln:i:r..HO IJNiQuim L. -. ~."TT. 4 f " ... do~ ::1.lZ~..· J.J.. 1\1.3.•(..-r. C()mmi~~o E~­ daI tj<Jl" ~l.urRO :\feLI-Et: (I.·~ l·..~:z. ~r..~ .o7'·i. lÔt-l1ut. ~. :~:~ S:t3. na..'\mnrim F. LA."1. M.'.~1:1.vt3. ::. ~!i7. ~~PUl. ~Sl.{in~ G. ~L-\I:'I'lXH(l PRADo J'l. 1.. • :~~. ::\L\.~!'..:":'. i . -. S.tdor'..= :F. :17.-..:uluitn S.. l. (001.~l_ Lo3"J':. Jardim) ."'Q{~~lJ. 3(. n..Unã. 1 ~G.~~.r" ~ ..lOO (~ooo oa )1.) l":lulo .: (~~: . ~1.) . ~~..' . 1(1'. L. r'rLr..~~~nd.· S . '()1...11(l..-s. '. 757. . St'.03(\.. : •.. 4':' pi:.a. .. :\1.ua.·lO (~1..) .\l't lL.l) " . S7ú..-.:r"d.: )!-'G_'LUÃ.oc G('r:u. (:'I!. !\1.\ 13.:. :(Hj9 5.R G<>oornJõ:nO i Anh)nio . :'" L ::~:: -' :·.~o Botelho t!(.(. '51. . l. M M. :1 .\ffun:co 1..~.:Ó~J. 1.tit.'~:t·.~lL.)is..1.t.··' TJlV\'Ái:'.. " = Lr. 1. -H::.1.t: f.l..<.?Qti.~ador. ê~ $<H':%:l C'. "3~•• . P .<!o.~}\ut-~tl •. L... l.\cH.l::. 1...li. C'~Hn:nt~Sf.·.) tt.:.3... 1<.~.S.·" . I~:lT3n~~ . 1. )1 _.1~J ("ul:LH'...uinr. 36'. d.) . 1.I)O DE BCLHvE:6 (JoN: I_ de B. l-\rf. $e\'N"lano ~L) .:d 30:>. ·~'·n. :: ~ ~ ~ ~~.:-l ~..:6~.::... (!\L ~L . lJo:1Quírn L.·h' :f:sp("('i:tI d.:1..-4:0...:..) ). ~lo' HJo d. !. lil~.. .1 Lr.:.· ) _.::Ido..\XHAJ.~ Janl!iro - _ H.LC1"t:m.:l(t(l.(\~.('ra(~s .::. ~~7... . - 1.. Par.\X(tl~L.--. L&()f'QJ.•·\.::.-:U. LI~"'\·:i..".. {1:-.:'::1.. 1m. H'1. 1.l.-\lLu~u<·r'2:':.l•. 1)ePUl:lO<l.Joã'O B:lpU.-. E:OO{"'Cl:d <lu:'" E:OOf"'Cl:d ::2 ..034 .l )fATTA :lf... D.Uf.)."<l.'1']llr" Am:l'" z~)n!l.... 60~ (..-. Cvmmi~o F:'~J)o~i:ll do. G~7. t!~ R.. C...'" Al\·.:"iv :'1.a. •.\rr..iro ~.~ CH"n: .. .. J'l.':. 3~· •• :.I. ~19...-. .. ::..l] - l-:lõl\'-cia I d(">~ :: 1. "~L t~: •.r.:o: B.:. Hl:i. ~.ath:lrin:l -.11. ~t. ..'''':'ú -:Vioni.:l.(. 13. l:i.. ~rAt:cu. da Silv:l.. :x1 - Fu. I J(J&: 1_. l.·vtH. l. q....\1 -UK"uLIX(': :\1(\t:l::.· 4·mtni"'.:..7: (J~ F~~rre1ra da :U. Th. 1. . '52. de:. 6~~.'.:.1.

':.·:-n:lmburo . :!Zs. ~'.) .. ~l~. :\tO!t~:il: .) ~ S~nador. 3-t3.1. ~putado. ~~:... XXIX ~s.)Iirnnda :\[. 976. S~~.. St. :!~. s~9.-. r::''fttirito Santo -~ ~. . 51S. -:S7."UL\ (i AL \"Ao I J o~ plf.:t..TJ:D.: I. 4~O. D . J.:>. :H4. 4. D.) . ~3~~ ~~r.'J\: (Fr-.. lO":. •"'. ::61.) ... 4..- pirilf. bS._.u.4.\.\dolpho da. •'\Ia~õa~ -- 225-28. G'~-99.0 P!X'A~H.:.t. d·· r:. ~de Y. lo.s'A H!D. ~:Q.. s. 1 .nc~>nos A. )!Ql:..t.- S :!. -.11.) . Rio>· G ranrlê do X orte .4S-~1.7. 896-903.\It. ~~O.O=~.r. 34S.. 303..9 •. 7~-. 9. :a.~ Janeiro .. -{~~. . ::\h:s:-.6. ~. 3:>. :1~.. 3-{7.~puul(. ..-'. D~putado_ :'\!lnas Geraes . .\~. OL1". ~rgi~ . D(·puLado.:o: H.. . ~~S. $91. ::HS.) ~. t. 1. 51~.~é Yic{>nte ~.vH. 1.. :)53. Piauhy. l:. SZ]O. 1.:t5.) . ul":L ::\1.I):'~I")-~:: .) _.'.1().1ho )!.:. :3~ 5:'. 3~IS.~\ LoIW> CBdl:l. :':48.. 514. ~:tS. :\lrUUDE: YÂ~Ct):-...o ESI*Clal dos ~l.~. I. -I~~'.. 3{2. S~":.S'i.-") :-.~~..) .) . "'.= n..J. SI.. ü:.. Gl~....-\u~sto d'O. ) .· llo C:l~-3. ~.CInoo :\!. ~~~ 10~.Dt!lm- tadü. Deputado" Distrk"to F~­ d('f·ai .putado. 740.0:. J. ~[(~:-:l% FREIR. \Y. 3~. S~(a" 52~..tflú ."LL01't (. :79. 1~4.{ (JoaQuim:X _ P.~ l>aula L'ite O. 1. ~~l. ~l)1. 7~7 .. 7$'... 1.4..~~.. s~S" '~S.uhy. :::.4. p P . !'-tio u. 1.nnino Au. )t . 1. IH. 1.0..SCARJ:::'oõ HAS 4: P ": GQn~l "'es da S ib:a ){.Jo: (J()~ d.\r~lt(t:oi I Jos/' ("4'~rl() d. G..3:'.. S. ).. 8:::. S55.\ .·p u t.) . .016.\ tFrandS(:Q d.1).-dro de O. .d. d~ \"~L~c.\Gt:. :\{o~TJ::r. ~~O.lftA PZXTO (.ElJW j P~l:'mund... H. 90.. P. 1-O~8.\ z-:~.~.. 3H. 41:L S.' SJLnt."-:.-\.. I·aulo . 7~4. -43:. $"::. S~S..11:IDA I='. r.. ).. 763.' ){.:. ~". IH7. S~~..r3 n!'l . 59~.~-. L. $-45.OU7. :lS. .. :154... D('putado.. ~.­ n:. 340. POluIu l~'.' u\ ~:L'\"A • ~\rito:lh_..O~U.\~ t)!anod Presdlian9 de O. 1~~.r().{. H~.I)O:O-:C. 1 . -I H. :~~~. n':putado. Pará . l~·putado.-:. 7~3. N ~}-:L~O~ [••: AL). 790.~ ':-'IE.. OLI''Y. f:.:puta t h:·. :. HJo de J:tndro - ~9..nd1~ do Sul .87...(I. ~~9.s. 9~7. :7'Í.\Jmo:o ()tnn(~·1 d...o .~ ~71. D~putaüú..D~pumdo .:.S~.5.:usto de :'oI.. [):t. 7'1 •• ~()!4... :!32. ~.Ú.) .\ I~ARRE'1"1) i Antonio .17. ):00\:&11:'" P. :OH. ~~s.h. !'ia. . S~~. l..A. LOBS. S~J. H. ss•. RIo Grn..) . S61.:'-. '.:. H.v 0.D. 7~.ncisco de Paula ::\1..n.~put:ld(. 5-16. 950. 1. 8~'..) Pt. 559. 7S7..17. COnll'J!fssil.) -. Font'. F. S":-l.'CF.. S~::.. -IQ7..~. ~.. . OLH'ElRA Y. 754.. o 01'%'1<:J<:. :J'U. S4!..O~O. '.

d(}r.0'.~-f: . ~. i::.. ...... I~~hi:. " :. -~~:~ .~ R l~~. 54~.'\:-'~I~I:lCv (I'.~:~~':r-'!"~ ~~ .. ~s2 .. :..Ull!>· do Sul . A.. o( ::·......J~''''': P..:ln..~....... ~S·'.. Ü. . ~. I l"'·put. ·f- _.lph. 1 . ~·uI .. t:-. ~:. '.. 1.u::id.': 'l:.. :~ 4 S.~ . 71:í.. CQm:r(·~ Con~: itu!:)h'. 7~~...l ::'.1::<.l)S~. ~.F·:ll::~nÜ~I. . ..~~~~... 1 :1. M :l~(' B. S4~L . ..·:~~·~t'! .s"'-"~:ld('tr" l-t3\. d~· (. :Mínl~t1"O d:i.~ H. ~ da :':1 h-a R. l~... l. ..l ~. j...... 'r'riulo . . 1:.~n.(j'. :'''.i.'.~ii~i) (." .ü:. \.~ 7 r ". 1 '". ~ ll(·.'..o...! .ü:..~"* . J~"'. .'" 34~.··oi.)::. ~ ..\LUO .. -.: ..lG..-U'LI:-.. ~:-..S:"'.t.. ::'~..r.... '.11(I·.t:1.:)::.~~~ ::~:~... .- . t l~. .l~.. :. ~1:i. ~ q •• - ~"::~ .1 I. . ="o~"l~'ira da l:""'~l:t ).' . '11..'':'.L :. ::~ú .~.o :l:j.. 7S~ .~'o :..... " • _J.v H"I:~ d~_ Julio .t~::.r-~t. ...~~ .: .::. t:'4"~ .~::..14' F1~u('ir. !.('(. f j::~" ~S3. 7'.:)_.~. ...l"'p\1~.~~.ue1f. rh:trm':t ... l)~: C'l...:"!(~~j:. "'~(l..) 11 _. r-()n~:..~ - ..:s~ . ~ -:..:'_.· :. j ~"i'... i . ~<l.. ~..u. I • ... l"'. 1 .. '~:.... nl" C.:~i'''' -...\1(l'."="DA c.. J } . .:~ ~'~::il '-..--...(07... HOCHA (. r~f':'T't' M K\ • Jô.o:--. s::...' .=:. I~l-'\" B ... ~~7s . :. ~S'...l:<l:t. lt.4/.l.. :'\::: .n::.. l'a :-."_o{" ..5o::n~. ~~:. -~ ::~. . .' -. ." ~H1 " .~-tlj.:. lH1.... I·l:l.:!..-' --.. .ú. . l~01~t... . \ .'1 ti.rã..·'~:. ~..d: y loa -h 'i. ! ..ad. ~~~. 1 ~ ::•. .L. r:... ~. ~:'.~~-~ ... SÜt~.~:l. xxx :r.. d • Ã-.l -.\ I': S:L. '\' .\I~ROSA ..~ ~.:~ ~ . 1 _í:... I :'oIan••d Lui:e d .. :.. 7 !.'" ~:.oltL 1 O~'. ~·na. l. . ~-.. d.~ S.~.~..'. ..!. ~''''.\ .' ~ -::'-.~. I l~j h i:l. S5o.'.J·H(' )llJ~. :::'l..~.. __ ~~.~~41 '.. ~:.~:l.-. ...'. r::~n( j~. S(l7..-\ih-. ~~:.~.H1o_ l 'a ra h y! . ". s:. ~'1 :..

.. 7~"~ • .\. ~HI:-:. . ·1::'~'.~~. 9'79. T. :~"'. . :'-1. 7S:.' C . r. ::0. -~"j4-.). l'~rahyl. u7G. ~~:!.) :).. ~~n3.-h.·n:ul(.."e~ P. ::7'..::-:."'t... . ~::. :.-. ~~2.l.•• . -. r.11.~putado.·(·~· •.. l'.\~-rJ\i) :-.-. '. ~~'. ~5". _. 8 ()!. ~ 4'.:.::..!:lu tJos(' T_ Ih. S. 5-:~·-..l'i :!l..~ :Sant. :4-'. :. . a.(!o . . Fúntour. D~vutado.. THV): ..I -- _.lv.. 4":.-.::" .~i4Ll d(.'~'. 3\i. 57-1.iauh}' -".).0i..t"I:L"O 5('l.' F".':. XXXI s SA' AX"ufi.r.'tario ll~) ScQ.T.:. '~..1.. ~t:30.1.. ~7"'.:l.S. l...trktõ u~r:.) . :t.\nF. ~7~.> - L.\Of: ~. ~:)l. ..:'1:(7A I J.: • •. To:-'T.J.."na~k'r.-nadí)r.. :o--s:-'. :. :'-l'_. .\l~...·nadu·.) .-.. THC~)f. Commi~"ãú &"xx'dal (h. ~·'r.. .í:-itrktõ F •."~•...:L 7~...5_ St:D. :"~fli.:-.-.l . .\. d.1. T THCOlOOf.. 71 .). <JO:lquim Ip:n:l. S<::n:lrlor.\....1 Bahia . ~5::... :.. (S..·pUlad.nio S..'ü~..10 Baptlst:t d.-.~ ::-::. :! ~7.::5'..051. '.. . :!'3:!.ü~. l. ~h'.. ~":'.) . -.:ri~tn" du F".tta(b...10 FCi:.'I·H:Co IT. ~. ~::" :!:~~. .:1."..P.h:N:. ".~.~.li. Paraná :!~~. 5t.lo.. -\:. . ~"7:.. 1. Tot.:. .i:-.. S~t).J{)~:' .)h0 da l:o. l.::.tZ l'1:U'1:-.:--:.'lv.' ~. n:thia. I 't: _ da A.. Distrieto n.."19 '. I. . l)i~trktl.~~ .:1..:-..l 1'. ~ .. S:!9. 5:t. 7..\lV"\ (.) .Dl~O Dú A~A1t. 1_"1. :::~"~'. F..)~) ...:v.4.t:: ." . . :>70 .LHf) tJos(· ='h. ~< . ~ ....' :. 71-1 .U::. 7:':'7. D.5::.ão E. A:. ~:-..-' Cvmmis.ahi:l.P~\Z '. ~t. .I~!.. ptí:'ta de S.\[. 1. ~~1~. 1. .-I":i 1 . L.". .çha :\1. :'::Hl.(.1. Goya~ -. :v t).. -'::-:.ci. S05.O PA. S. 57~.lli..1i~trLcto Fc- $. J OrLO 13.:l) .-.t.. u::. --.. S2-:VF.un·.'1. ..~l ..ador.\. S. (-. ~.. "..) D~·put~l..: 1.<ior.-\é). S.:. Bahia -- ~. u tlUl. ::7:! .ndul...::."':'o.-~'.-.. _ -"Sl.· Faria 8. :)~ . ('arlos d. D·:p:.. l=:d'lia .~.:. S"nadu'...A. B. i-~":-.-C:::. (T.~T!Xú 1'1'-: (".'putat.

('4)~. ). '~. \"7~H. :-l~. 717-1~. XXXII t:CHÔ. ~ • 3G:'.. ::.1!ts. ] .. ". 1 i'. "41.:::.33-n.1> li. 1.. 01 "J:.:~~..11.Jr:uh· 1".S. 1.1 .5::... :."~ ~. 1. .' T:p:)t:l..." 1'1::-:--:.k:-a! .d."':.(i:::".) . . ll··pu. 474.. l"'ll'tr!etn F. )1.34:'. }:.1. :~S. d. ::~.:. H'. \"l •• rn .. 05S . J:Ul"If'ü :: I ~~ . ~t~!". z :: :. ::~!(I.G:•. . :--:· }\tl.. - 4 ~ . 3 -:::J. 1:..-6-~-:~. l"~r.:-'U. ]. -.:.I·ol~"~'rr'" J:o"Sr!..$7::.·' do Sul ..1H.=-<:~~... 1:.:'~J.:-':.1 T~.':s'TElHo (Y...utad(. Carn·'I". :: 4..:v!o.'l:1' 1. \·:1~'. Sl1..1 .. P('!mtad.. ~:q.~ (:. ~H. :~~.) )I.(l1{I.._" I \ ' . '_' . ~.:. Y. j:'Z.(J7·~t. ~tJn..\nuk%<r. ~.t. 1.· An.· J:tn4.-. 1 14 'l'UT.C'.1 (lI:.. ~'. L (JSO-S.. :·tt. 7S. SI:. 357. S(.:1('.. .. . :.\'.'r~.) . :. . }.l~·jr(.'.('..'-ü~tH:l' i l~. v \"l(""'I:J~(' :\!'."iro -.-..~. :.R_) l~··l.•. :1 • (I. '.Z~.'_P.I.1 . l·"I'\.... t~r.~. ltio Grand. :Oh.llh. ~1.! . ~7l. (\('1.~. :. LO~O-GS..!'t I :'\1:._.:. dH:< ~'lnto~ :\1:14"11:\(101 ltiú ü... LO~:.

•••.a o art.. d. ~1·S.Ié:-._•.\:':TOS a. Elyseu de Souza )IarUns: ~o (I Sr. . Eiy~eu ~Iartin.·ta Capit:ll Fedl.~.rndece ao Senado a h onra qu~ aba d_.\11.Ha i de nOyeIllbro de 1~90.Joaquinl Felieio dos Santos .(ma:-to 2\fàntnhão.. ~enador pelo E~tad'-. _•. to ua RepulJlica. E' o IneSIno senhor ai:c1amaóu PJoe::ident. a ~bmette ã approva~ão do Senado o 1'IWJ EG"tl l IH: Itt. deito pdú E~tado {"lo . 2{) do Re~'i­ ntcnt.adn~ da H.~ n:ceber e nomeia para 5Ct°relarios. sena- dÜI4·~. (I Sr. Amaro Cavalcanti.. (~edula~ e obtêIU votos os Sr~. • i .: .Piauh:y~ l'I'OJH-'l~ para Pn'sidenl\:" inU'dno (' Sr. senadores.a 5~~5ão' lJrepal·. (I SI". CAMARA DOS SRS...o. ParallylJ3.s.i )lt~.1.atoria. C'~cLl-:i. Y.:". FELICIO DOS S.(a~ F.\S SE::..' raco- lh~m-sC' 2:.SÕ.lJt. Santa. Alagoa~~ Sergipe~ Espirito-8antQ. . .·pulltica.-ihl:-. d~~ltos pe!-oses1ados do Anlaz. Joaquim Felicio dos Santos.: :I.•' 22 Eduaroo 'Vandenkolk.\ . Theodureto C3rlo~ de Fària Souto.inio pará o cargo de Presidenle.:-:a o:' dipl<mlas 4.t. H ~I·. Corrido (} &.-:. João :::Soares ~6i'\"a.\- TOlHAS DO Sf. I". ú ~r.a us ~t~U~ diplomas. .E~ PlU::l)..~. de )Ijna~ Gemes. ltio (iran1Je ·rlo ~orlc. Em ~cêu:da con\-ida os :·51's.. Câ- tharina c ~nnas Geraes o Organizada a relac:ão de que lI-dt. o Sr.j". '." _ .!rn.'CI'ul. I': . Senador Secretario procede á chamada. :.. . Senadores a reLOctlereJl1 á. SENADORES c HISTORICO DAS SESSÕES PREPARATORIAS DE 4 A 15 DE NOVEMBRO DE 1890 ~~i . a que re- ~pondem 23 Srs.\R. aelJan- u~}-~e reunidos no salão do edificio d() Senado 23 Srs. ".••.\DO (Vide t.):. SenatJore. ).". O ~Il."lal '-' por dh'er~u~ (':._ .>':O 1'. .T~ l):TI::H.

com urgencia. "'eri!icando QUe não foram apresentados á Mesa . Braz Carneiro !\o.-eretario ti Sí-~ Elvseu de Sooza ~faI"- tios. . achando-se presentes 24 Srs. r.c ~.SECRETARIO lê o seguinte A Cúnlmiss:to nomeãJa peJo Sr. 2 Luiz Delfino dos Santos. .~'t<. O Sa. . . .. ...l.. Lê-se e appro\"a-se a acUt da sessAo ant.g-ir:'le-nt(l.l . a ... . Corrido o escrutinio para Qs~arôo. 22 Manoel da Silva Rosa Junior.'.:iv:l: .. reco- lil<. .ec&den1e.. ..'nl "oto~ 05 Srs.. Firmino 'Gomes da Silveira e Joaquim de Oliveira 'Catunda.. Presiden~e do Senado para lJr~al1izar duas Ii~t. Braz Carneiro No- .. ..rt 1:~ d(l Rt~. 22 João Soare~ !\eiva ~ '....:O ~le V'ic~-Presidt"nt~·. Luiz Delfino dos Sant~ ~ i E" procramado ~ Secretario C' Sr.d~ e outra daqueUes 'cuja eleição seja contestada. ~C> Secretario o Sr..clamado i" :::'. . Amaro Cavalcanti. ..~. ~ ...... UZ.!~ de ~~­ cretario5. Manoel da Silva R05a Junior. .Ha. _9_ - Gontinúa a eleição do~ éf"wai~ m~mDros da Mesa.2".... Corrido o escrutinio para Q cargo de 1 a Secretario.. . .:ue:ra da Gama...sidente o Sr.ssão de qu~ t:-·•.. ...' t"" '{ ar~n_ _.l~. os Srs.. i E' proclamado ~ Secretario o Sr.. Comparece mab um Sj'...O\~ ri "~r.I~_i):' ~1~.. 3'Dresentar. .u-ia Souto .a~.. ~ • CorridD íl ~scrulini. . que são convidadO!. .. ·t..~ de Almeida Barretú.. ~ .'e 25 ~dul3ê e obl.. .. 23 Fly.::: ~·iI1'~iH . João &lare~ :... ..i para i l l~an...:- ço!henl-se :?1 t~-edula~'5 .. . . . I) a. . . ~f·!~adür.. Senadores. i Amaro Cavalcanti.. Theodureto Carlos de F...·In-~e 25 eedulac: e Oh!~nl Yoto~ flS s.-:oreg cnjn e1eit'á o não tenh'a5ido COntee3ta. .. ... . .. abre-se a ~ sessão preparatoria. Delfino dos s.>-Pre. 1':' proclarnaào V!c<.ueira da Gama .. .. ~o dia 5. .. par:! a .. o resultado do" seu trabalho. reco- 1J.... " ... Corrido o escrutinio para o c:a. supplent.. 23 Luiz Delfino dos Santos. sendo nomeados.anto~ e Francisco Go:mes dà Silveira.... "" CQnlJ)arece mal~ um Sr.. . ". Sen~dot".\. ... ü:" 81'':...Luiz Delfino dos Santo~ Cassiano <:an- dído Tavares Bastos.'Jn...rgo de 2" Secretario. - Theodureto Carlos de Faria Souto.. ' Elyzeu de Souza ~artins. 2. .:... i... Amaro Cavalcanti.. .. J't'. t E' pr{. ..Commi..s de 3 ü 4" secretarios 4 r\'col!~enl-5e 24 ceôú}as e obt-êro \"otos O~ ~r:-'.. BOla de seua.

.~-~ p"'r'~~~re- u t .. _ Lêm-se os PARECERES n5. 3. Para a ~ •• 0:3 Sr.-a a i" Commi~5ão. 14. requer di~ensa da impressão d . -3.. 18 . pro- rl.~ reun ida. de 1890. 'IUC se acha p r e s e n t e . ":I~':-:".João ~eiva.omparecernrn ti primeira sessãli cuja ~lei("lío consta de apllra~.:.=:-4. ilpprova-se a acta.....do Rio de Janeiro. para ~er" incluido na relatão o nome do Sr. José A"elino GurgeI: do Amaral e Dyonisio ~I:lnhães Barreto e convictar o Senado a fazer ontro tanto. Braz Carneiro.1S90 a n.rflão Baptista Laper..'\EIRO .s.' 1 .ia se5~ão prcparatoria. os P. fo'rmulenl um pro- j~cto de regimento commum. (Vide .:õ. E' lida.: Pa. Para a .•. de 7 do cor- rente mez. Leüvieildo Coelho.uma contra a vali- d3de das elei... 05 Srs. Sarmento e Calunda.. BRAZ CAIl. . fw....- ·]4'i··'I' Para a 3".ões do Districto Federal ~ e~tadQs São sorteado.... composla dos 51'5.. entra em discussão uniea o parecer da i a Commissã~ de Verifi~ção de Poderes. que devel'á se!' discutido em st?ssão plena da5 duas camaras.) Passando-se á ordem do dia. protesto~ recIama«:ã~) ou reprc:õ'cnl..o\RECmES de n. posta em discussão e·· sem debate approvada a acta da: sessão ant~cedenle... Gabrier ~je Paula Al- meida Ma~alhães.- ~o dia 11. Senador pelo Est. a. sobre a eleição do Estado do Amazonas.~do .' E' appro\-adQ O parecer. = . O Senado concede a dispensa pedida (vide 3& sessão pre- pal'atoria. afim de serem dados para discussão... os Srs . . abre- -:se.". 1'9 e' 20 . achando-se presentes -i! Srs ~ Senadores.(SJ\adnl'~~ ClIH' apr(·~. Albuquerque Junior c Th~odureto Souto: Para a 5-. A. L~~-~se {j IJ·-se um offi. .do Regimento.ecedente. 'ravares Bastos e Firm ino da Silveira..chandO-se pre5entes á 4 a sessão preparatoria dnCtl Srs. ntal~am '"("'\1:-' djploma~: h"fll com(~ daquellt~ que t. ". i h • ~.cio da~ Camara dos Deputados.. n~ Sr5. Rosa Junior. '~e~Ie a lÍ:. t~!)O...·W jll'cparatoria.".a ses.-·.. ~ :"fo dia iO.'. da sessão ant..ação al.~o. 1890 O Sll. Alm('ida Barreto. Cunha Junioi' e Luiz Df . COffiITlUnica. ~ujeifa :i approvar.-I no 3rt.je-se ao: oort('io -das ein"o eommis~")e~ que tém de cxa- min. '\ão a imp:-imir. Joãu Severíano e OIi'\' e i r3 G:ll vão. Amaro Cavalcanti.ndo que aquella: Camara _deliberou no- t1ear uma.)~ ~("r:tf" e de authent:eas ~nv.ldas ã 5ecretaria desta Camara. afim de que estas duas commi5~e~. abre-se a sessão.:a.. Senadore3.tI' e dar parecer ~obrc a5 eleic.áo do Senado a s~inte r~la~::o (101'" . 2. ComrníssáD. Em virlude:do di~p('l~f. ~. . 05 Srs. n. 2. com um requerimento do Sr. Yídt~ :..

~::~i:~" 1if 6 r)l)(jc'~"~~.}") (:. C.: I:krna!"'d~:.s do parecer..'\ ~ '. José Luiz Coelho e Cam- pos (' Thomaz.1:1..~~.-' .ipe.~ IM'.tdu dI! }ia:-anh. i t~ \"e1·1r:~":lC~··i~l lic* l.'" I ."k:j· Gl~jfl.. ~ '01·"' 1~~'.". Roorigues da.lcf (il"=l!i~!("' ."~: ~ ~ ~ \! L~ I J ~ ~ .: P<.~!·(·:...~.'. :).'_"".:n:n1:::-":.' l J (I..:.~11~iiJ.neida Barreto."'. as cullclu5Ões do parecer.' Hhí G:-and~~ .. i-. • í'. a \'0: (l~.~~ ij(t ~'~ir4~l"er.naJü~ .. -sn !~nt1:"·a n:\ (~i:'1.'.~ .. =L :-. da :.> \'~'rifie:i('&~::" d. \0.s i ~ .. ~l) prúclam. l)~ Sr~. Entra na d~"'u::...l (.~ir..) apPI"ovadn.·-· .~ (. ~l. ...:~..~i~l)~ ~t."'~~.l~:--t~naI1j'ir(·~ j.l'1~1(·r~"~1:1.-~. ~.·'...s as conclusões do pare- .:~'''~ 1)•• ]" E~t~ld'l de j.:\l~.:~t(1 •. ~() appr cH3da:-õ as conclu.) E~- t~H.i_ "." . ~{·1J1't.'~... }'\ "~1· ~. . ~ã.. ~Ú."u.··~ :--"L:!a'~t. ~la1Jda.da veira...:~-­ Lad . 111...>z. .stas 6 \"ot~. ~ . ~~~..Wl:-i~. . ' " "~' E'.. '13Do~.. .J . "rJ. ~ t . • •• ~ lo. .:t ". .. d..~·"..~ f·1r·'["~" (i... ". J:l~': de ~~. . "- "lijn t~·~ j..·ll·: 'I.'.wada~ a::: cünc1usões do parecer..ilj~"'~'\~~~ :~.'.. d.11i~i"" :i' . I')-~~'i"'r>r . C:lrhls F~H'ia ~iJut{. Manoel da Sih'3 Rosa Junior.') .':: J....!· (lo ~J(\~é ~1"e......)bl'~:· a dekã(~ do .1(' PJ'de:·(>::.dlmd..... . S:'~. ..~. .' appro\'ada.lt.'•. . IJ. ~1\1. '\.... di: :'\it:d'~'i~'Co~.1o.. 'li: . .. _ ..W. '~L'l'\"J':' lia 1" (:.·5[?ft9-}(".: t'. sã. ~il\'a Sarmell~O.""''-.! '~~'~~HL! ..' a Dl' Pe:. ('(. ·"'40 . .~f ~HO.sões ào parecer. rJ~·I~:\·1~t:r.t..]oaqui::J J()~...l I !J ã (t • ::. .P:lf E"'~. ··:... g.J. hyba u."t. . ". ~. Enu'a \~n~ Ji~CU~~:J.·1.. :1 ..)t.l ~ 1i j1 i f~~i •~ r':t :"..' 4j1t i\.~ t!jf...~l\.I.I -.:n:n1:::-":.. ' ··..p ..':l~ . 1 ~9(I.:ld()r'e~ pelo Est'.. r .j(i proelarnaC:h.~ J(l-::l: H'\"'~'11'í Dtprit'" Pi'rl~i~a Jo>ó:....·.1.. . I' '1' ~l" ." :l \'[i.~ l~~· " i'~-i.·:::i~~. ~ 1' ·4. J c. ) li:1 :-0...j. ::u~ ~r~._ .~~.í(l ~1t~ . dI...:--cnadn. wi.:1.a:·." ..ír" =l f'14·1'..) ~" ~ .· d3 :!~ CÜ1:m!is~ã'J Ik Y.·:.'lrti·Jt ·~t ~~!e:::~O tl~J F:~:- t:~ r 1("I li -: .·a de Albuque!'\lue j' TIll'...."''''1'''.I·rnlll ~-" •lo.:-: s{'D:'ldl.~'! .~ "'.."·.'"-c."il. Jo~é Pedro de Olí- \'.h..i".ld(· (:0 ~\lHaznn~~ ü~ r ::. Pü~fa.. J·l':'!.!'~lo.'('!\.. ..' pa"('eer da :.l..."J")]1:(·J~..>. são' 3pprovaàas 3~ c{)nclusõe. J1 ~'.'.. ~. '..~...""I~(\S.it. lO.(. ~: 7! 'I i ~ ~ .' \'~'rifie:i('&~::" . :r:. ~: .{tti( . F.'..) ." .u'el't...f' ~~ •• r I i:l \" er ifi~açá(J de Po~j ere:-:. r •• "•.'~.I. r"J5-ias :i votos.•...~ 1J .:~ Cít:l..:..'.~~. :'1"~.ir... São procL:lmadc·.~~-''''''... . . PC>SL1S a votos. ~:.. di'" j S~H. São .k (." :-. ~. ."~' •• .". ••~:.:h.1dú de Serg-ip..:1:.j'. ...\ll. :-~.10:=-•.jl' \"'(~l"if~'l :~~..'~[j{i unira ..t::v·i~·:J.iá' 4. r· -:a:." . C:... :~:r~!. João &>are5 :\eiva e Firmino \~'T.~ta~ a votO:5.c..r!':~l.J.E~t..j.. i ~ ~~ :' -1:1 ~_':~ i' :. ....Lii.}.!.l(l l:!!~l·a l! !.r~l i~~ ~:"~~' . :-:(lb!'(~ a dei~:ão do Estado de Ser. '" '. ! p('... ."'f~r~!~ Entra na .l'·rD:tmbw·" ... " __ .... ]. ./10 j.. • • . ~ ~1..il~t..'" ""0"'-'.'O' ''' '!~~':'''' "-À.l.. ~:1f) appro\'adas as conclusões do pare- ~ã'lprõ!('!amad'i:' ~enadn:-~~-. l...":"''.~~.. Cruz.···'('::'1 .j B. J.:'. " " ..l.. Jva"'lll:im Lcovieild~) de ... Franci5CO Manoel <ia Cunha ...~.• r~~ lJ4"!.... sãú apprn\'ad:l~ ~ c(mclu~ões dú parecer.3(kl~ :S{"l1.- '\.. •• .~~(' unll.:\ ~l r~ ~:.: simeão de Oliveira .~.1~ do \«u.!~.. .i ~'.-:.'~lle dC S~u-za··~t:·n·a1~Õ.: ~ "~:1 {.:~ \' . ~I"t yit..i L~'. .. "'~....i(l li:) Ceará...• t S«i/) ~. • 1S'I'J '" " ..·- E"1'1".J:~11 Pedro Bi!lf.:iar.. .ah':lü (' _\:na:-c' Ca\'alcan~ i. ~:li: ~. ~•.. .Ji~l..!ú :ç[)rt~.:i. .3'~luza Cüeih.... ..']!::':l. pein E:::~ad·: da Par·:thyha n ..··. '_. r~ ..io OI". r..(~i-.\ {' .:l Francixv )lacllad.l. Ij~: ll. ~ãf) -:lppr-".1 :Litlt:'~I\ .) . de 1:=: : ~ :. pr.l' :Ulnca d .~a ( l iJ.' '!._!:1~_jjljtJ 1..namiHl'~ o. l'tl'.::l~~·~~ .l. Cúmlni~~.::": !:ltit} (!l:~ ..

'11' 1"'-o<Íi~"".·("·1 ~ ..'" 1."m di'.. 5 f:nfm "m :!"'!"u~~io :Jl11(':} ...1(1 n:':.San!os.. J03rl1..l r.-") I :i F .) P:lr':1:1. Ruy Barbosa e José . ~..} .nto:.I. ~.:lda~ :13 conciu~ée~ dü pare. .. Yir. :~.' 'ts9f)..-.o!lr.. p~rr>cf'r."l.." .:nh:"(' ... n! r:l 1" 2.::.'" S: Paul·-·. '1 E ....'jt' J~~)(1 .'J r.t'tl'.~ a~ ennCrU:30eS pa!'cc('!' .. !3.":':'\ ... ..f 1 r rrH·l:l! (t~1.:t d ji :·in~l.':'i fif'a':..::3:::1 \"":n~. P')=-~a::: a .--' E.::: .~ ~.- li.' it)~ ~.! :'~:l. G:.'..'" t..: jlf'l.. '~m IJ 1':::('.. :...-...'. I-". . r'h=!1d~t:f' 1:1.. o~ ~~. . ':r.·..íla. '" ...:ã. r'~~ '7": ... ' .iri i :\!:H'il~H!O !..:. .~ 11 ! \ ~ "I •. . "Of.ltJ!1ri"'. . :1:' : ~9:~. ~:• -~ '.:.~~<f . ~~lt.. ./ 'r.. :\r~l!·qu('. t (~~ ~r~.'.. ~ n• _ ..:.' ~)f~!.: d." '--..:rl.:ili.:::- Entr:l r:. Saf1tos....\n~(\ni0 JU5t1nã:1n n E-:tf'Y.)~ Er:t~:~ . Po~ta. 'J !~.!i'l '=>11..:\ntonio Ciiul:1.~ ~:lt·:... " rI .' p:l:'~'(' 'r da i' C.~~ . .f'f\ -:::0:::3. dI" "rtio G:·. .·tl'-:~E'i. P~'.l... Ci'.. ~i'i'-l 3. d..: :lg c10 conclusües rio p~rr>cf'r......!. 'n. Postas ~ yotl):::.)tos. stln 1 '.. ~:l.:~ ::11)... Pnul ino -Tn1ii) Adn!phi) Horn.. jl. .-11.':~Íl. lo J I .I. :C':1 ..\:n:"'l!'J..d.:(11l!'''' " I:'.~'.a (.: a y.5 do par~. to.. n..t:1li.'." (:lÍmm issüo .·.t'o Jb:fl:l7.:-\i- Yim e ~-\rn('rico Lobo Leite P:::-l'(' ira .d~' Pudt.. ~:l!}.iil~).':t V::'~-l r: t":t('7i... !!.~{Irl •I!1 P:l:...7 l'liHI"T"P": . ':~. t~tL) . ..?'I'ín d~ \.1'. lu1 ~Ç!\:13('fd("' Fa1rf:/j da Frota" ~. appr'-.1: ll:l4-.. P:t:. l~ • .'. " • ' .ln r.. :\rHfr~d(l p Gene!'!).":in ti. :il ~rr~"'" t! ~ ~.""l .· t.·:"l!13.:1")'".il(l ~PP!"'. .:...4.~m ir.:~ • .1..:'r~.~ Ciiul:l.') .Í. 11" . ..)~ ~r~. .'''·. n.' p.ãti apfq'{)\"::Hiu. Pr-- :l:l(..T')~l: Pc:-c!!'a dos Sa.-1.-·r-t·fil· " ...l~'~~=.ã~) .11' ~r~". J()~.'.." ..\ . .\!~ r l .~ ""n·.·r1 :!.·:"l!13.!n. ... .:l U:1Ú:3.i.\~ T) (.-ifil':ll. .. 11. .:'l t Il'ô~i'l. .'. ..:! "'n~ '" '.~vnmio.:ã0 dn dI: F.!'i1\':via.. o. :\[n. . ~.._:{ln :'l.ãn do E.-'nd~· ri'. . (I.. d.t:'1rJi'·.. j·:rltt·:1.~".) ..-.:.1 di" ~anta Ca!ha- s.dt'.j").':'~lfl.1!" ".v~i.P. i" rtj 1:~ d~ldl) da n:1 ~: :.-n1- l'1"" '''' .... {·flJ 1·j5~. .-r'" ••. . Cnmmi:-~ã(i tif' 1~~)l).I.~ .·Udi'>T1~r S:'!St~ (h.' 'J0'rd*):' Ba:--:-o~. t!1'~ ...·1 ('. ...n~a. ""3 j\'a • ~'~lt'(ll~ í" Y' ri a :.' :=:r·.... 1~~. i"" í .. :r) rt :. ..:.(. . J ...rf" a elciç:ão ~ln E~­ ~'.ir'_~ ~... Gt~:·~. -- - • .'(·-:-tti -..!" da 3~ Commi..1. nto~.. t~. :=:. ~...1.. '.-. :1::: eílnrlu3õe~ rin pa:-(\!"~l'.! F..1r:(l\·ada. p():.. . " p." . li.'..1'" t::1 f ~:} f: '..~ :1:. ~1)n(:1i.(~ (' Yf'r~fi("~çãn de:' P(idf'r.. .1(. Entra em di~us5'5{) unica o parecer dn..To~é GClf71C.' r1.:.?: Ce::ario de Fari:J. a {·r·'i'..""':rtff~·-:T-'·.. .. ..")...I (....~.'. z~.ín. .i. d i)an:e da.' p"'.• ..t11 \""'...o\::!'. I}Z·' ~~. ..noel Ferraz de C...~:". f~ Lu!z D0lfinn 'do:-..• '.:· i:l'!O dI" ::\li!~~ti..".I: lla ·lo. :Se!':..1.'" ~ .. .0.('.io~ ~.. '.l i C~l ~~~ i '1:\ ~L~~C (. .. ~.·' ...lntnn~::l.. ..'.! ~':."r"-~r~~~t='~p·-:--··li-::r·'·.: i~tl :1"'[(1 !. ' .i:1 :C:l :..jf" l ':' \"r'.' ~ i)~. I:'...... • Po~ta:-: a Vo!ü.. . I ..' n:1rf'5("(. "...·. .iim Felkio do~ Sa:lfo~... ~Y·::..:t:t~ :l \'l'~("".:"t:"'·f:-rr!! ~: !'j i:-: ~ã~) .~- t:'I'!~' (!r~ :::ar'!~t f::l!~1{tr:na.. R:t~'r!!!'o Ff"1:':~'3 dê R:lT·I:·('nn~• .·da.·!·~".'. •......'1 F...~:·'-\("I-':· lI:~ . i:' .. f''''i'l:nn:t':n:-: :'t'n:1d n l·. • ..:t ('1 r'!""~ ~~-(' r. ~t 'i 1-:~ f~~Jl (~ ..I ~~ ~.~_ j -• ... da BahIa.'nadort~s Dr:'l() J::~tadi) (k' \1 . ~30 appro\'adas ~ conclusões parecer~ do :-'..:.. "'''''i'.-) d. .'er..11 11 L-:~~~:~':lr.. i~) . ~b~"(.'" a '~>if.l~ÕP.. !1.' .:'!':H''=.... H •• ~ \00 l. 5" Gommissüo de .

n.33 Srs.o proclamado. n. 1890 (Sobre a eleição.e approIV"áda sem debate a acta da sessão ante- cedente. a SR.os. PRESIDENTE declara . Postas a votos~ são approvadas as ·conclusões do parecer. Contiriúa o debate. Joaquim Duarte Mur- tinho e Antonio Pinheiro Guedes.) : Enceta-se o debate sobre este parecer.. J()sé Paes de Carvalho. . Vem á l\Ies~ uma declaração do Sr. Joa. . Entra cnl di'~c·ussão unic'a ·0 plare~er da 1:l Commissã'Ú do ·Verificaono de Poderes. :'\' 1 hora da t.. . Aquilino Lei te do Amaral Coutinho. Enl virtude da deliberação tomada hoje pelo Senado. e é lida e posta em discu~são a seguinte ' - Erne'nda do parecer n. SF.. .que a emenda está prejudicada e proclan1a senadores pelo Estado de l\iatto-Gro'sso os Srs. 21 Requeiro que se accrescente ao parecer n .21 .. ' . de i890~ sobre a eleição do Piauhy. Postas a votos.fica ap- provada a eleição de Matto Grosso~ guardada a classificação feita na authentica remettida ao Senado. e encerra-se a discussão. de 1890.s senadores pelo Districto Federal (\~ Srs. - Suspende-se a Bcssão ao n1e10 . Eduardo WandenkoIk. São pro'clama:d'os senadores pelo Estado do Piauhy os. :Manoel de l\~ello Cardoso Barata e An- 1onio Nicolão lVlontejro Baena.: 18~ de 1890. ' .farinho. O -SR 2~ SECRET•. 20.do Estado de Matto Grosso.arde prosegue a sessão'. . são approvadas as conclusões do parecer. até que a 5:l Conlmis- são eonclua o seu trabalho. Braz Carneiro.~d'o <lo Pari os 81'S. Joãõ Severiano _da Fonseca e Joa- qüim Salõanha l\. 2-1 .Aquili7'!-o do Amaral. No dia 12 de. . Entra em discussão unica o pareeeroda ia COlllnlissão de Verificação de Poderes. entram em discussão os pareceres sobre ·as eleições dos Estados do Piauhy e Pará. . sobre a eleição do Dis- trieto Federal.dia~ . Postas a votos~ são approvadas as -eo~clusões do parecer.quinl Antonio da Cruz~ -Theodoro Alves Pacheco e Ely~~u de Souza l\lartins. E' ]iQa . São :proclamados senado·rc~ pelo 'Est. Scnadores~ abre-se a ·~essão. Srs. -6. Postas a vot.\RIO lê o Pm'ece1' n. . '" . são approvadas as conclusões do parecer. . sobre a eleicão <lo Es- tado do Pará. . a requerimento do Sr. 19.- Verificação de Poderes~ :'1. novembro~ reunidos em 3a sessão preparato- ria . Tavares Bastos.

. X()'. Presidente: que:: r..a~fi.l o PAHA 'ru~pnEREN'\\R o ·gE-'l\l'ADO· NAS I~XEQtTTAS PO SR.á votação ~ E. " .. .l orDn.\Ti.e5 . Antonio Amaro da Silva· Ca- ~ nedo e Antonio da Silva Par'anhos. S:ío .. Pedro Maria de Lacerda. quepossa'funccion. relativamente á ínstaI- lação. Ramiro Barcellos e José Sccundino.n1al' o Senado nas exeqúias do Sr. para os devid(l~ effeitos. . na Casa" senador~s em numero su:ffieiente para deliberar~ não é subroettido o requ'e. de aguar- dar-se a communicacão do Governo. daCamar~ dos Deputados.5 horas da nlanhã. approvada a acta da sessão anterior.o de uma commissão para. 'V'erificando-se que não ha mais. Oram lnais os Srs. PRESIDENTE. Senl debate.allação do Congresso··Nacional o palacioadaptado para esse fim em S. outro.. 0::.doêostume. do Congresso Nacional. e-se o . ' .-\ÇÃ..eleicão· do'Estado. Explicação do Sr. " ".onsnlf.- rimento do Sr.Aberta a sessão do dia 14.· Senadores a· reunirem-se amanhã. afim. Pm·ecern. O SR. 22 . convida os Srs. Em seguida o Sr .c:::e.YSEV MARTINS requ~r ao Sr. achar-::-e ~m p. no Palacio da QUinta da' Boa Vista. Não havendo nada a tratar. Presidente convida os Rrs. " Na sessão preparatoria do dia 13. Pinheiro Guedes trata : da.acha nesta capital numero sufficiente' de deputadQspara. da mesma' data.ovada. Bispo da diocese do Rio de . :'i::: . José . : J . Um do Ministerio do Interior. BISPO 0.o nE UMA r:O:M::\fIss.. rcpT. Elyseul\rartins Elyseul\fartins . :ú "Sr.proclamados senadores pelo Es~.appr.asa si consent. convidando "o Senado para reunir-se á Camarano dia 15 ·do corrente.que se . .approvadas as conclusões do parecer." Dia ~ala ~prévjameríte destinada para a instaI1ação do primeiro Congresso N~lCional da Republica.\ nrocERE DO RIO DE J'ANEIRO o SR. -7- o Sr.stadn de prestar-se á in- M. 'Elj·seu l\fartiils (10 Secretario) . vai-se dar conheoimento' á Camarados Deputados e ao Gov~erno. .' '1890 C". fal- lecido ho. em seguida. posta em discussão e.d'e 511 sessão' preparaÚJria. Chr"istov~o.ado de Gr:rvaJ: O~ Srs.e na nomp.l\fF. sendo lida..Janeiro~ D.o que possa oecorrer. segundo ~onsta de boletins TI os . a acta da sessão antecedente é.. de 13.con- vidando-se aquella corporação a reUnir-se ao Senadd.a.) rástas: a votos. de Muito GroB5o. afim de deli- berarem sQbre . Secretario lê os seguintes officio~: " . Senadores a reunirenl-se no dia seguinte. o' Con- ~re5BO P.Joaguin1 de ~ou7. communicando. communicando . por intermedio do :Ministerio do Interior. .1(\. E-r. achando-se verificada a legalidade dos poderes de todos" os sena:dore~ eleifJos pel1osdiversosestados e" pelo pistricto Federal. . ás horas . são .e a f.ar". é li da.

. S =. ap.cnto Proponho a nonlen{~ão -de llDlU cOfllmissão. apoiado e posto em discussão o se.ente de MC'raes. _ ---_. do fo'f\nado. que elabore um Pro. . np·oiado.reto Souto. E' !ido.. : pz'ov3il0.ipctodp. 1)05tO a votos~ ~ approvado este requerinlento.-.- . guinte Requeri'mento Requeiro que ô Senado adopte provisoriamente o projectq de Reginlenío do Congresso. senl debate.::=:.Prud.. o seguinte Rcq'Ucriru. --. é lido. .Tlt. - Vem :i :l\fesa..eor!1I. posto ün1 discussão e. afinl de ser observado até sua fie approvn~ão definitiva pelo Congresso -. Regimento Interno pftl'a as sessões ordinarias..

) : O SR.. Elyseu de Souza . SENADORES Sessões preparatorias P SESS. Agradeço ao Senado a honra que acabo de receber. O SR. de tomar assento á :MeS.Amaro Cavalcanti: !al)~' o Sr. .fl. cl~it. e subn1etto á approvação.Senhores. . (i. do Senado (1 seguinte .y) . CAMARA DOS SRS. na Mesa. Senador. Senadores' a remetter á l\fesa os seu~ rli- 1?1omas.para secretarios quatl'o dos 'membros presentes. O SR.'s J I horag 314 da ]n~nh5. con- vidará esle' .) ..:.dos San- tos. E~ can10 sua eleicão não póde ser senão por acclamacão. acham-se reunidos no salão - do edificio do Senado 23 Srs. ELYSEU DE SOUZA MARTINS (8 enado'r eleito pelo Estado do Piauh.IA~ E~l -1 DE" NOYEMBRO DE 1890 i\.ll'llito bem.Está acc1amado Presidente.TEr.no de "1890.. João Soares· Neiva~ Convido os Srs.. '(Jluito bem. e nOlneio para Secretarias: ~1°. tendo de começar os nossos trahalhos~ proponho paraPresi~ente interino o Sr. espero que deis o vosso ass~ntimento~ accla:mando-o: Presi- ilentedos nossos trabalhos. PRO. .Joaquinl Felicio .}ital Federal e por 4i\"crsos l\stados da Republica.. eleitos pela CaJ.TO DE REGI1\mNTo INTERNO PARA AS SESSÕES PREPARA- TORIAS DO SENADO Das sessões preparatorias Art. o 8r. o Sr. 1.0 Reunidos os senadores na sala destinada aos tra- balhos do Senado~ e eleito por acclamacão um Presid~nte. . . tTheodureto Carlos de Faria Souto. 2" da Republica.Martins: 2°. LUIZ DELPHINO (Se'J"~ador eleito pelo Estado de c : Santa Catharina) . o· Sr.o pelo Estado <le Minas Geraes. .!) ...: apo'tados !Ieraes. do dia ~l de no\"enlhro do ~n. .10 PREPAnATon. 3". designando a cada um o logar que lhe comt>etir. FELICIO DÓS SANTOS (depois. . Senadores.

6... Ri e~ta advertencia' não bastar. annunciar o re- sultado desta: suspender nu levantar as sessões. a~'Sl.deste." O Presidente será eleito á pluralidade de votos dos l'nembros presente:. Art.e quaes. : Art. empate..e.. para darem o seu voto na elei~ão da Mesa que terá de servir até que o . que serêi oecunadn interinamente 'pelo Vicé-Presidente' e~ ná.~ Em seguida. .ra.'10.)nf. Art. A. subscrever a . retirm·-.° Pela relação de ·que trata o artigo antecedente se fará a chamada dos senadores. .á por' diploma. Senador F . I_A~r às officins dirigidos aoSenad9. i o Secretario cornpete: . . Art.. O voí.encja. si ainda fôr infrucf. 2. Os 3° e 4° serão tamhem eleitos por maioria relativa de votos.para senadores.')1' . 4:° A Mesa será composta de um Preside:o. . e por escrutinio secreto. O 1° e 2° secret. Art. Ao Presidente compete~ além do mais que lhe é 0 commettido nesse Regimento: ..· imniediata- mp. contendo cadn. ás horas· marcadas: fazer ob- .° ~ão poderá n Presidente offerecer indicações e r~querimentos.: .. o Presidente consultará o Se:.:. decidirá. .arins serão eleitos separadamente e por maioria relativa de vot.endo cada lista um nome.Senn. fazendo um dos secreta- rjos a relação non1inál dos apresentados.i:ruer outros' pap~js presentes ã· Mesa. 9. .onvidado a sahir.° No caso em que algum senador infringir -o Regi- mento ou faltar . Art. . Si nenhum de:::tE'~ obtiver maioria.á consideração ao Senado ou a qualquer de seus membros.ado em -votos o de-í:O: sendo considerados supplentes os dois que a est. 8.m e.arios. .c.~. Paragrapho unico. uma dois. um dos senadores deporá nas' mãos do Presidente 0_ séu diploma. - O Vice-Presidente será eleito pela nlesma f6i'ma que o Presidente. tiverem comparecido a esse 'acto.a sessão.. 3. nem discutir e 'votar sem deixar a cadeira.Atte71ciío.rloT F. guardada a ordem respectiva. .()~ c. -deixando a caàei. .e.. 7. não podendnser ouvido. cada. nã() nfin n fazendo.' ou. pelôs secretarios.servaro Regimento. ~ . o Presidente dirá.· l:lado snbre a DT'ovidenci3' que' deve adoptar.~ta adv~rt. . Abrire encerrar as sessões. usando :da f6rmula .ado oooupará o lagar de 3° Secretario e o irmnediato mais -vof. ..Senado eleja OufTa na época e pela f6rma que fôr estabelecida'. o Presidente advertirá. pr()ceder-~e-:í a segundo escrutinio entre os dois mais votado8~ e. ArL 5. oPresiderite' -dirá· .: a cópIa authentica da acta da apuração geraI~ assignada por todos os lnembros da Camara ou Intendencia que.nomes.es· se seguirenl na ordem da yotacão. _. Ao.1"á. em uma s6 lista. O Sr. O Sena. iO- __\rt. Entender-se.nte a sala. conceder a palavra.c.:rt. ~. estabelecer o ponto {Ia materia sobre que -deva recahir a votação.te e quatro scerel.R snrte ~ . em caso de. quando não puder manter a ordem ou as circumstancias O exigirem: de- signar a ordem do dia e as~ignar as actas das -sessões.° O Presidente '~uspenderá . attencão: e. viva VOZ.correspondencia offi-' .. Serão egualmente eleitos um Vice-Presidente e dois sup- plentes dos secretarios .d'or.ifera . Art. d-eix3. declarando-o de. deve retí'rm·-. au- sencia .

cada com- missão~ reunida em sala privativa~ se occupará dos trabalhos que lhe c. :. no· qual se mencionará o numero de votos.:. dos membros' das referidas commissões. 15. . será publicado no Diario Officiale. Rccf:\bidos os respectivos documentÔ 5.O mesnw.. A' f8 commissão pertencerá o exame das elei- ções dos estarias do: Anlazonas. As actas conterão a descripção suc- cinta dos trabalhos executados em cada sessão~ e qualquer Senador poderá. Bes- Si)es~ que serão escriptas sob sua inspeccão. . assignar.' .àlquer natureza.á os J:clatoríos sobre as . ppotestos. de qualquer n1embro dacommissão . : N:1 hypàtbese mencionada~ bem como nas:yagas. ou iIÍl- pedime. Art.•. conc. " A' 58. A' \211. por cada um dos senadores.ar-ina ~ Rio Grande do Sul. c'omo v()toem sepa- rado.: . 2i).que terá na sala uma mesa:. Matt6 Grosso.0 Secretario.Q dos estados do Ceará.ões de cada Estado ou do Districto Federal.. o Pl'üsiL!cnte nonleará uma commissão de cinco membros 'Para organizar~ á vista dos diplomas. reclamações nu l'l~p~esentações que forem presentes á Mesa. : E~tas· commissões . S.luindo com o seu parecer. de entr~ os sena.r:er 'sido eleito~ ou ~~lo . houver. _ . quer Uinu p8los est.'r. ' .onlpetire.dores da p~'irnejra. por um·· dos'offi- eiaes da Secretaria. Os 3°e 4° secretarias contarão os votos nas deliberações. Santa Catb.Art. duas -listas. depois de lido. Ao 2° Secretario incumbe: Ler e assignar. .rt." Art.. depois do 1. parecer.e dist~ibujcão. Pu- rahyba e PE'lnambuco.ente declaracão por escripto á ~lesa~ antes de approvada a acta. cinco commissões de tres membros cada uma. -li eial. distribúido em avulso.eleü. . em·logar que j'0r designado. 17. 13.em em artigos claros e precisos. outra daQ1 lel1es cuja eleição fôr:: contestada. si. Pará.-' de qt. 16. Paragrapbo único. sobre· cUJa eleiç~o' não tenha havido: duvida ncu: contestação.actas das sessões e dirigir.:í'. . . ouvindo os interessados. Goyaz e dn Districto ltederal.. '1. n. uinu dos senadores eleitbs~ qp. O parecer. ArL 12. ' . farão a lista dos que obtiverem voto:::: e· ton1arão nota dos que pedirem a palavra. Art. caso.. Feita a publicação ... ApT:lrovadas as duas. sem motival-o~ comt an to que faca a con1pet.er pelo Districto Federal. as actasdas.A. formular. Districto Federal.'obtido .ados.. Bahia e Espirito ~~nto~ . as . Reunidos os diplomas de que trata o art'.nl: e.de m'andatos conferidos pelo: Estado 110l-' onfle ho~. Sergipe. lVIaranhão e Piauhy. : Art. '-. listas de que trata o artigo nntccedente~ serão tiradas á sorte.' fazer inserir neIlas o seu voto.a substituição se fará por sorteio. . •.Paujo~ Paraná.tf. Q _~' :3& o dos estados das ~Alagôas. nonléaráo de entre si um Presldente para dir'igir os trabalhos e distribuir os papeis relativos:'" a cada Estado ou ao Districto FederaL .0: dQS estados de Minas Geraes. : ..Janeiro. Art~ 19. ciGVOis do Presidente'. Rio Grande do· Norte. os trabalhos da Secretaria. havendo duvida. Nenhum dos membros das ~eommissões poderá funccion3r 'na verificacão. ...de que trata o . 11. A' 4'1 o dos estados do Rio de . . Art. "18.

.. artigo antecedeDte~ e. Art... 26. forem apresen~adas en1cndas. os que se tiyerem inscripto. .ar-se-á: a ordem de sua apresentação. por não haver quem peça n. SOl". cujo mandato durará tres an- nos. eindependentem~nte de votacão~ fiocarú adi. Será considerado pre. annullà:ndo ou não reconhe- (·ündo a validade de qualquer diplo111a..á dada a . decidirá a sorte. no correr da discussão. Art. palavra ou por ter sido requel. .ido e approvado o seu' en- cerramentlQ.iudicado o re:querinlento~ si não hou:. até:qu~ se achem. attender-se-á á eda-de dos senado- res.correspondentes (> aos tres tercos dps'membros do Senado~ graduando os sena- dores de cada Estado edo D. o· Presidente mandar. '. 28. Art. O Presidente. Da n1esma fórma seprocéder. . s·erá o parecer posto a votos. A' proporção ·que forem sendo votados os pa- receres das 'commissões~ o Pr:esidente irá proclamando sena- dores aquelles cujos poderes forem julgados legalmente con-·· feridos. e abrirá-breve discussão para conhecer-:-se unicamente do fundanlento das reclamações que forem apre- sentada~. ~ Na discussão dos pareceres eguard. Art . . A requerin1ento de_ qualque.. 24. posto o parecer em DIscussão.. Art.dos. nove annos.cão respectiva~ indicada nos pareceres das 0ommissões. Si. con1- missões concluir: o seu parecer. sf~ no correr da discussão~ fOr apresentado algulTI pedido de adiamento~ o Presidente o submetterá á ap- ))I'()vaéão~ independentemente de discussão. presentes metade e mais. '. depois de terem sido ellas apoIadas por um terco dos senadores ':presentes~ as sujeitará á dis- cussão juntamente com o parecer.á quando qua1quer das. -11. . 22.ArL 21. serão consideradas approya- da~3 as referidas lIstas.. seguindo-se~ na orden1 respectiva.o~ entender-se-á adiada a dis- cussão até á sessão seguinte. . A palavi'a ser. ~e será unica. Art.: na se'gunda os votados 8ID segundo logar~ cujo mandato durará seis annos. Encerrado o debate. e na terceira os mais vota. um dos membros de ~ue se compõe o Senado. Senador~·apoiado pela terça parte dos presentes.á leI-as. . Em caso de empate.á cada Senador fallar uma vez. 27. dado o caso de reclamacão. Quando a cdadc for igual. . . e.ada a votacã-o dos pare-ceresrelativos a eleicões con- :-testadas. considerando-:-se favorecidos os mais velhos.. Uma vez approvados todos os parece['es~ o 1 Secretario passará a organiz~r tres listas . Art. Si ninguen1 p~dir a palavra. poder.quem primeiro a tiver solicitado. ~O. dirigin- do-se ao Presidente Cou ao Senado. :-. deverá o Senador pedir a ·pala·vra ao Presidente.istricto IFederal pela orden1 da yota. .:. juntam·ente com as ernendas.2~ .25. non1CS dos senadores menos votados. de modo que na ·primeira lista sejam mencionados o.. o Presidente. cujo man- dato durartt. Paragrapho uIlico. yer nun1ero na Casa para deliberar . 23 . .. Feitas as listas dos senadores. No caso d~ ser approvad. ~ Art. si lhe!ôr concedida. Para fa1lar. . fal1ará de pé. .

26~ assignadas pe-..•_. Art. 32. ' ._ . J oaquün Leovigildo de Souza Coelho.destinada ás sessões~. .~ Art..-·· . 29. si.----_.. 17 dos senadores eleitos.phico dos debatc~s..33.. 36. -:~.Junior _. ltfararrhão João Pedro BelfortVieira. 35. na sala prõviamente . 31.ejam presentes. Nos casos não previstos neste Regimento. .. Ar"t. 34.independentemente de discussão. Providenciará egualmente a Mesa sobre tudo que concerne á policia da Casa'. no dia designado pelo decreto n. 30.. Francisco Manoel da Cunha.. á ~![esa os seguintes DIPLOMAS Amazonas . . . . __ . 05 senadores se reunirão. De accôr-do com o vencido. __.ã~ desde que est.ado.· E' unaninlemente approvado. Lido e publicado o parecer~ com o' voto em se- parado... A l\iesa providenciará sobre a publicação das aljtas c mais traba. será logo vot. o houver. nnaes p. afim de installar-se o primeiro Congresso Nacional da Republica. ás 11 horas dodja~ elYl sessões preparatorias."uncisco Machado. 'Pielo menos. Verificada a legalidade dos poderes de todos os senado.:'C5. . . . Art.. a Mesa lleliherarú ·con1 o a~scntin1cnto do Senado.J oaquün . :. Art._-. serão definitivamente feitas as tres listas a. O Senado funcciona.necessario:. si o julgar . 51{)~ de 22 de junho de i890.. _ - . .. los membros· da Mesa e publicadas no Dia1"io Official. até que esteja con- cluída a verificação de podereS::. J)isposições ge'raes Arl. Art. tanto ao Go- verno~ como á Camara dos Deputados.--. re- clanlalltes e dar seu parecer dentro _de 24 horas.nado. --_. Senado.. diariamente. -0. o Presidente fará 3 devida conlmunieação á Ca- nlara dos Deputados e ao Gove~no porintermedio -do Ministe- rio do Interior~ convidando aquella corporacão a reunir-se ao.. e possa realizar-se a aber- tur~ jo Congres·so.lhos das sessões do Senado: sua recopilaçãn em· A.teará unJa con1missão de cinco Jnenlbros para ouvir OS. Art. '. :por não estarem verificados os poderes dos senadores.__ . . bem 'Como 05 documentosqueforenl jul- gados indispensaveis~.que se refere o art. Vên1.contractará o serviço stenogra. far-se-âo idenlicas communicações. e feita a distribuição em avulso.rá com qualquer nu- 111C1'0 C :deliberar. durante as sessõespreparatorias.Iosé Paz da Silva Sarmento .podendo realizar-se a reunião do Congresso no dia desü. Não . .Manoel F1.

. José de Almeida Barreto. Minas' Geraes Joaqii}})1 Felicio dos Santos. Sergipe Manoel da Silva Rosa Junior_ Esp. Joaquim' de Oliveira Caiunda_ l\{anoel Bezerra de Albuquerque Junior_ Theodureto Carlos de Faria Souto . Braz Carneíro N{)gueirá da Gama. Tavares Bastos . Santos . Eduardo WandenkoIk. Parahyba José de A. o Sr. Francisco l'rIanoel da. :. João . 'Manoel Ferraz 'de Campos ·Salles. 14·--. João Soares Neiva_ Firmino Gomes da Silveira.irito Santo -'Dolningos Vicente Gonçalves.": Luiz Delphino dos Santos.lmeida Barreto. '. Amaro CavalQanti. 20 do Regimento. Frederico Guilher~e de Souza -Serrano. Theodureto Carlos de Faria Souto.Soares Neiva.Floriano Peixoto. a que respondem 08 0 Srs. Firnlino Gomes da Silveira. Cassiano.5(3 Cesario de Faria Alvim. Joaquim Leovígildo de Souza Coelho. Candido . Rio Grande do Norte Amaro Cavalcanti. Organizada a relação de que trata o art. . Cunha Junior. de Souza.. 1 Secretario procede :á chamada.Iiz DelplJi!io do::. PedroPaulinoda Fonseca.0.. Santa Catharina L1. Pedro Pau1ino da Fonseca_ Joaquim José -Paes' da Silva Sarmento. Alogôas .: Ceará..

.. PRESIDENTE .. Aeo-radeço a confirmação da honra com que .. PRESII:lENTE ~ Proclamo· go Secretario o Sr ..Proclamo 2° Secretario o Sr. f O SR. membros da Mesa.· José Cesario de Faria Alvim . Corrido o escrutinio para o cargo de Presidente..... .. . 1 O SR.Q..Toaquim de Oli~eiraCatunda .•. . "_•... Pn.. .: Joaquim Felicio dosSant06 dOsSant06 . l\ianoeldaSilva Rosa.....•... • •• 23 Elyseu de Souza Martins........• '..... recolhem-se 24 cedulas e obtêm votos os S~s o : .. i Ü SR. Manoel Bezerra de .... Braz Carneiro Nogueira da Gama...Amaro Cavalcanti..José Pedro de Oliveira Galvão. recolhem-se 24 cedulas e obtêm votos os 81's.. de.. Ruy Barbosa. . ' ' Luiz Delphino dos Santos . lllcnl-se 25 cedulas e obtêm votos os Srs.••... PRESIDE:KTE .Proclamo i Secretario o Sr...Vi(}eníe Gonçalves de Souza.... .. Secreta. Conlpareee mais o Sr.áo Soa~es Neiva...... reco- lhem-se 25 cedulas e 9btêm vptos os Srs... i O SR....• ". Eliseu .. reco. Ely- O seu de Souza Martins. o!· • • • • • i 0 ••• # o O SR. .. Braz Carneiro Nogueira da Gama.etarios. Cassiano Candido Tavares Bastos. f· Amaro Cavalcanti. _o.. Mart~ns . 24- Luiz Delphino dos Santos.:-llbuquerqu-e Junior_ ... 22 João Soares Neiva ...• " •...0 Senado me distilloOUiu.E8lDEN'l'E ..e snpplen- .". .• ~....•.o . .: Elyseu de Souza Martins o ~ ••••••• 23.: . "• •.. rrheodureto Carlos de Faria Souto.. Junior.~cretario..-.... Corrido o escrutinio para O cargo de 2 S.. 0 . Corrido o escrutinio para o cargo de Vice-Presidente.rio o Sr:" J....•.._ .". Domingos . PRESIDENTE . 4°... r. Souza. O SR. João' Severiano da Fonseca..•... Theo- dureto Carlos de Faria Souto o Corrido o escrutínio paTa o cargo: de 30 e 4° secr. .. Joaquim Felicio dos Santos...Proclamo Viee.. •... - Corrido o escrutínio para o cargo de i ° Secretario. reco- lhem-se 23 cedulas e obtêm votos· O"S Srs.• _ o • •• 1 Firmino Gomes da Silvei~a.• .0 o • • • • • • • • • 22 Manoel da Silva Rosa Junior : ... Continúa a eleição dos demais. PRESIDENTE .: ...Vai proceder-se á eleição dos men1- bros da Mesa~ oi/meçando pela do Pres'idente.. Amaro Cavalacnti.. Comparece mais o Sr. o o •• ..." o 22 Eduardo WandenkoIk.Presidente o Sr... 2 Luiz Delphino dos· Santos •..

Rosa Ju- nior. Luiz Deiphino dos8antos e -Firmino Gomes da Silveira:' NOlneio pRr. Belfprt "Vieira.eleições sujeita á .iü PREP. ·-·~·-H..~faTanhão José Secundino Lopes de Gomensoro. Albuquerque Junior.YrOR1. I)residellte dó 8enado pal'a:ürganizar duas listas. Catunda. O SR. ~ Arnazonas .approvação do Senado a seguinte relação dos senadores :-. João Neiva. SEcrn~TARlo lê o seguinte PARECER . . Cónvido os Srs.' Rosa Junior. Wandenkolk. Braz Carneiro.' J"Unior ..senadores~ cuja eleição não. 1° SECRETAIUO declara qüe não ha expediente.. Oassiano Candido Tavares Bast-os.Toaquim Leovigildo de Souza Coelho.13 <10 Re- giInento~ osSrs. Campos Salles.1 horas da Il1anhã: afinl de proseguirem os trabalhos das sessõe~ . preparatorias . José de Almeida Barreto~ Luiz Delphino _dos Sant.convido-o5 a apre- sentar. 'Senadores a reunireln-se amanhã. Lape:p. UUla de.Que ápreseiltaram seus diplomas) bem como daquelles que compareceram á primeira sessão~ cuja eleioão· consta de apurações geraes e de authenticas enviadas á Secretaria.2. Catunda) Almeida Barreto~ Go- Ines da Silyeira. TheodUl'eto Souto. CODl urgellcia. Pedro Paulino. .: El\l 5 DE NOVEMBRO DE 1890 PRESIDENCIA DO SR.tenba sido contestada e outra daquelles cuja eleioão seja contestada" verificando que não foram apresentados á :Mesa protesto. I"evanta-se a sessão ao meio dia e tres quartos. Cunha Junior. desta Camara.a a :commissão de que trata o art.] oaquin1 de 'Oliveira.. Presidente abriu a sessão. Jo·aquim José Paz .do seu trabalho.· reclanlacão ou representação alguma contra a vali- dade das . Firmino Gomes. Este-' ves Junior~ e Gonçalves de Souza. Leovigildo Coelho. FELICIO DOS SANTOS A' rneia hora depois do meio di~ achando-~e presentes os S1's. Souza Serrano. Manoel Francisco Machado .A COllunissão riolneada pelo SI' ..os. = Lê-se e approva-se a acta da sessão antecedente. o' SR.. Tavares Bastos. ~ :Manoel da =Silva. Luiz Delphino. Francisco Manoel da Cunha. Oliveira Galvão. o resu-Itado . João Pedro.da Silva Sarmento.:\. Felido' dos Santos. 2 11 SESS. .... Elyseu Martins. _." da Silveir'a e .--· te~ de secl-ctarios os 81's.. o Sr. ás 1. Aluara Cavalcanti.:\R. Joaquinl Sarmento.

~ Sergipe Manoel da Silva Rosa Junior . S .T (Isé •João Soares Neiva. ~ 17. Floriano Peixoto. Rio de JaneirC' Braz· Carneiro Nogu'eira da Gama... parahyba (. Souto. Alagóas Pedro Paulirio 0. de Oliveira Galvão.30 -Fonseca . !Theodureto Carlos de Faria ~ . .José Bernardo de Medeiros..Diniz Goulart. . .· Prudente José de Moraes Barros. . Thomaz Rodrigues da Cruz. Ceará <Toaquim de Oliveira>Catunda. Paulo Manoel Ferraz deCaInllos SaIles. Bahia Ruy Barbosa.. Rio Grande do Norte Anlaro Caval canti . J (lsé Pedró . José Cesario de Miranda Monteiro de Barros. 'José Luiz Coelho Campos. Espirito Santo Domingos Vicente Gonçalves de Souza • .'.. Gil . Manoel Bezerra· de Albuquerque Junior•. .sé de AlmeIda Barreto .- Piattky Elyseu de Souza lVlartins 2 . Cassiano Gandido Tavares Bastos. Firmino Gomes da Silveira. Pernambuco Frederico Gupherme de Souza Serrano .~.. Francisco Rangel Pestana:.

: . Senadores a reunir-s~ em sessão na proxiroa segunda-feira. os Srs. 2:t. ~ . de Faria Alvim. . BRAZ CARNEIFtO requer que seja incluido na relação' D nome do Sr. Theodureto Souto. conjuncta- lnente...·· . . ' • q .14 do i1cgiJnento~ vai. João Baptista . .Senador pelo Estado do Rio de . Sarmento e . . E~ posta enl di~cuss. Catunda. ..y~gildo _Coelho~ Cunha Junior e :L U l z D e l p h l n o . :E"ncerrada f'. Eirnlino àa Silveira _ ' . . Albuquerque Junior e 11 . Convido os membros das con1míssões a encetar desde já os seUs trabalhos e os Srs.sobre a 1l'lCSa~ como~ por: intermedio da Secretaria desta Caroara. os que forem chegando. Districto Fede'l'al f. Americo Lob~ Leite Pereira. é approvado o pare'cer.. . Pa:r~~ a 3'\ os Srsoi : João Neiva. Para a 4 os Srs. Sala das Comn1issões. LeQ.-. C. . . · . os Srs. PRESID&~TE .~duardo '\Vandenkolk. :0 SR.. 10 do corrente. .São sorteados: Para ai:" Oon1missão.U1Z Raulino Julio Adolpho Horn. _ 'Para a..Cassia'llo I.::.. Levanta-se a s~ssãoá 1 hora da tarde •. .ão.. em àiscllssão.sta. O SR. no logar e :á-s horas estabelecidas. T~- va7'es Bastos. _Antonio: Justiniano Esteves Junior.Toaquim Felido dos Santos. que têm de examinar e dar parecer sobre as eleíções do Districtú. E' posto este requerin1ento conl o parecer. João Severiano da Fonseca . Tavares 13astos e 11 . Rosa Junior. Minas Geraes .- Santa Catharina Delphino dos Santos.. Luiz Delp1âno (los Santos. . . não só os diplomas que já~· se acham . José Cesario. Catunda.José de Al1neida Ba1'1·eto.: João Severiano e Oliveira Galvão. PRESIDEN'l'E.t. . Para a· 5 os Srs.Federal c dos estados.. .'.:. . Vão ser remettidos ás respectivas cOlllluissões. se proceder ao sorteio das cinco comn11S-· sões.18. .. .5 de novembro de 1890. .requeri- nlento. Amaro Cavalcanti.Joaquim Saldanha Marinho.Janeiro~ que se acha presente ..J. como o .. O SR. Almeida ··Barreto.Em -virtude do disposto no art.Francisco Gomes da Silveira .. :.Laper:.

FELIClO DOS SANTOS' - . Camara dos Deputados.~ .o Sn.em cOllsideracão. nomeia para a commissão os Srs . ' OSn. os s~'"'Uintes ' .>Lopes Anjo. Catunda. Ta.sda eJeicão'"a'·qUBseprocedeu .>Cl\ ~Tosé Bernardo.O -.' Gomes. Monteiro Baena. Senado a fazer outro tanto. Ruy Barbosa. 2 . E.. de':" (10 enrJ'cllt(}onlC1.. Leovigildo Coelho~ Cu. pre. a mesa'. Paes de Carvalho.da Camara'dús Deputados. a acta da apuração: geral. (j~~n1posiados: Srs.:. Esteves. . \Vandenkolk. poderes". Saldanha l\farinho. 'Mu-f ..~ comllJunic.seu Ely'seu de Souza Martins e João Pedr-o' Bel- forL Vieira.l\Iachado~ Coelho (} 'Campos~ Cámpos SaBes..ATORI.. PREPAfl.as duas comn1issõesreunidas formulem um prójectode Re- g:ín1enlo .camaras ~ . EM 10 DE NOVEMBRO DE 1890 " PRESIDENCIA DO SR.o·'Gãb-rier-de Paula' Almeida Ma- ~'alhãc~~José A"c li no Gurgel GUl'gel elo Amaral e Di...t1.duas . '" . dos votos feita pela IntendeIJcia .nior. Junior. aullJéntica.companheiros' dos trabalhos. ..o. ' PARECERES : N.onysio 'Manhãe3 Barreto e convidar O. Luiz.' C" 'l=t. -' A' "Mesa.cprescIltacão . Pi1Jh_círo Guedes. seus . . Prudente José de Moraes Barros~ Ely. o que se vai con1IDunicar áqu~lIa Camara. Almeida l3ar- re~C'.de JoaquirnFrancisco. que se acham sobre. !Ramiro Barcellos. afim de que est. toma~. para.-. ' . 1890 -. João 'Severiano~' Domingos Vic~ntc. Anlal'oCavalcanti~J"oão Neiva.. foram presentes 51.José Segun- dino c Oliveira Galvão.A~ si 1 "i 12 horas da manhã.sentes 41 Srs. Delphin. apre- senLahdo~por si e pelos tacbygraphos. a'firo de serem dados paLa discussão. Elyseu Martins.Amazonas. 'i\.ando que aqueUa CaInara deliberou nomear uma cl)mmissào. tachygraphico.a da sessão antecedente. 1" SECRETAflIO dá conta do seguinte EXPEDIENTE Officio UV. l\lonteiro de Barros~ 'Prudente de l\íIol'aes. Senador-és..vares Bas- tos. Aquellino elo Alnaral. Rosa Junior. Santos An. O Sn. Theodureto Souto. bases para um éontracto dc~servico '. n vão a inlpl'in1ir no Dia!~io Oflic'ial. Sarlllento..Pedro Paulino. Latr.nha Jp. . "que deverá' ser discutido.•. o" do Senado. ' O Su.. l)RESlDENTE declara. Braz Carneiro. : ' . satisfazendo aopedido'.. flradc~ João Peuro. em ~essão plena das .. posta en1 discust-ão c sem debate aprovada u: act. PIlESIDENTEabre a sessão..' ~primeira COInmissão' verificadofa de. Serrano. Bezerra de Albuquerque.. . Cardoso Barata.no: dia 15 de setembro do corrente anul):TloEstado: do . -19 - 3~-SESSÃ.. da Silveira. commun1. 'acham-se. PHESIDE~1'E.José Hygino.. E~ lida. a saber: " Pelicio dos Sàntos.

'~ r'.Jose Pedro.~·() :\la- chado.. considera.' . .427 3°.871 .menos votados. ~ que seJam..:: . FranoiscD Manoel da .387 . reconheci{jos senadores por:' aqueI1e Es- 0 tado. Do. M'anoel .. 2°~ joaquimLeovigildo de Souza 'Coelho 3...t16~ . i ..JoãoPedro Belfort Vieira. nO dia i5 . de . 3.' '. . $. . • . 8.. . . i·I'·:·'c~. 10. Manoel da Sil1Ja Rosa..438 3°. .Ounba. .osé. . . ·A·....·. Intendencia é a se~inte':' .. _•. 339 ':' . . _. ~.peiS verifica-seque as eleições eorreralD mui regularmente. .. do 'Mara- nhão. .•. Commissões..E outros menes votados.de Gomensoro 10. · .' Junior._. 3\ Jüsé ~ecundino Lop es d~ Gorn ensorO. · "1 0 . · .Oliveira Grilvão.' . 3~~ Joaquim J.eral da Intenoencia éa ..próce~eu·:'..onas a 15 de sete:rnb:ro ultimo.sec(l.. naquell~Es~<ic. " . e na ordem da votação... . Seve- rÜlnoda l?o1t. Silva Sarmento 3. ... 1°. : A Commissão.890.ame de todos as pa.lida a· ele-ição. Joaquim Leovigildo :de Souza Coelho ~3. . ..' Joaquim . . Paes da. . -20- .O. ex.s'egu~nte: 1 v. Sosé Paes da Silva Sar~. Sala das. João Pedio Beltort Vieira ... aaeta . ---.2°. _·3 • 54JOI 2 0 .:1 Manoel Francisco Machado .785 . o se- guinte resultado:. Francisco Manoel 'da Cunha Junior. .ndo que não "houve irregularidade algulna no processo eleito.·~ ~_'r +E.20.:-de setembro do cor- rente anno.: {O... . Joaquim Leovigildú de Souza Coelho'.339 . Manoel Frariei:.887 0 • : . e JoaquímJosé Paes da Silva Sarmento. Junior.' . José· Seeundirno' Lopes . qu-e'é va.: Foram presentes á 1a :=Commissão de Verificação'ode Pode- res os diplomas dos senadores eleitos pelo Estado .Aapu~a~ãoõa. 8 de nov~mbro de 1..624 E outros .da' apuracão geral de votósfeitapela InteD- dencia Municipal da ctipital e f 02 authenticas da 'eleição a que se. llicipal :-ãe Manáos '=e berH assinl OS·' diplomas . .s.t. e sem protestos : ' .• ~ .dos senadores eleitos pelo.~...en~o 3.realizada no Estado do Amaz.A apuracão da.s autnenticas remettida~ aQ Senado dá o seguinte resultado: " . ontros"menos' votados.Prancisco·· Maeh3ido.~.2. os Sr...'. A.ra]l' é de parecer:. '-" : .154. E outros menos votados. apuraCão das authenticas enviadas ao Senado dá. '." . . mesmo E~tadu_ A apuração g. :li .

'_.. ~'.Dr .J __ . em 15 de setembro ultimo..'... . eleição para se:i:i~do~e§a.. ""..'.:.J.)uquerqne Junior ..3. i8.. .de .. 1.. João Severiano da Fon- $~ca.-·i·.::: i": l ~o :.: " . :... .que:i:Q: falta de' authenticas ... ~ .l890.1·' .!. -. ~"-".. 18.::-·-:· Luiz Delpltino.rEsta..r·:~:.".-.:do d(l RIO Grande do'" ~'o.ê. e Theodureto ".'" . .apresentandOb seguinte' re'sultado: .'. é de' parecer:' ":.. .':".t-. •.. A' 2~ Commissão nomeada para verificar os poderes c:.~e~tieas:.. '." 2". . :. {~. João l?'edro B~1fort Vieira..s.10 de' ri-oveinbrO'.. -:'.. quir sejam reconhecidos senadores pelo "mesmo EstadO/ c na ordem da votação~os S1".. 1r. : Joaquim de Oliveira . .'. os Sr5I:J'oa~~ quim de Oliveira Catunda~ Mange1 )3ezeITa ..se::..' ...'~~ '5 .vo'tad os. .aj:~~{a! r4a ~<tpu:'{l(. : . a Commissão ó à~ parecer: 1°. 'Dor conseguinte. Sala das ·Commissões.cruem. 'N •. loão Pedro de Oliveira Gal1Jão.469 Theodureto Carlos de :Farla~~to. : .)g<tIl~tIn40S y-otos da eleição a .:: J . Não encontrando 'a Commissão..:: >..••••••.. " . ~ .que se procedeu· naquel1e Esta..' .'nada· '·altera.forampresentes os " diplomas..do. liá~ctasriqueL examinou... .icas. apuradas pela Com- Dl issão~ deram a seguinte votação: .'" .diplo.•. .p~e.. .'..n·.-"~ A' 2 a Commissão de Veriiic"açã& de'iPoderes.ã(1. 1°. .890 ..~ 4 .es. ·.ão dos ... ·. !8. . }"rancisco.395 Theodureto Carlos de Faria Souto... • I .g.~ma . 2°.i.ºt. 944 (Manoel Bezerra' d~:. N. não enviadas Senado'-.:..' ~90" 1 . : Sal~ das Com"missóes.~ Joaquim Leovir/lldo'aeSoit:ia Coêl1io~ '-' Fran- cisco :Manoel da Cttnha Junior .~ '.. t8.Mj. J oa·quim de OliveIra.es~ .e papeis relativosã eleição a que se procedeU D{) (Ii!. .relativa.. não:influé sobre: Ta'.1óram en- viada~ ..iam':reconhecidos e proclarriadossenadore~·..)o ao resultado da eleicão e. .~.. ..quese. coIIocaç.. 18.Catunda. Catunda .rtc... .qú. . .riâ:(l<:if.:pel0 dito Estado.-zefe].'de.'.'!O de outubro findo~ á apuraçãQ geral da menciónada eleiçãõ "~~ senador...5. _ . que é valida a 'eleição realizada no Estado do Mara-" nhão a 15 d(f setem1Jro u l t i n l o . ... ... á..'. de novembro:: d'~ 189Ó'~' . 'I 'r.. ... Manoel Bezerra de Albuquerque Junior· 18.~.. na ordem em que vão mencionados.<: "'.. .Albu<rt!erqu%lunior.las~~qQ~ ~s. .I~~r:~'...íoram pl:esentes os .... ~'.o EsLado.035.m.::-. .s>~. no dia 15 de se- t~mbro ultimq~benl comp 88 a.(t::::k !' .. ::.579 . Carlos deFári~l:~óutb. .' que é valida a'.ao Senado 119 authent. :=i senadores eleitos pelo Estado do Ceará.. que.tp.'-1'.. Manoel da: Ounha J:unior e JoséSeglindino"Lopesde Gomensoro.A Intendencia' Municipal da Capital procedeu...em.r.~"':': .. ".. e reconheéendó.:pel<r. irregularidade' no processo' eleitoral.' • ...Ma- noel da Sil1Ja Rosa Junior. - ·i··. 21 Assim.ri. cedeu em f5 de' setembro ultimo noEstàôo"doCeài'á:' .. 842 " .·'.. . . Das assembléas' eleitoraes que iunecionaram.' . .

Toaqu... .2 :-.N eiva _ .(!JciC·fio.T1ln'fo'l". ' 2. . .... Barreto . c pela ordem da votação..:.6 1890 I..Jó·sé . I ' : • . ...inrJ :'0 '.-.hy"}>a. .J.nOel da Cwnha .de '~\lm~fda . .' . . A apuraoão das authentieas enviadas ao Senado é a se- A guinte: " . Firrii.<.. . tado da Pura.2 :: ":. ".20. N.' ... .9.. de 1890.2 .. ....José Pedro de Oliveira Galvão .3' Amaro Cavalcanti. 10 de novembro. vicios ou it'regularidades. :~::. . :~ 'lA'fJ1"i{J'ildn . .nintc . anuthenticas da eleicão aque:~. . vi.-.~ --:.Luiz Dr:lph'ino.prf)testo. . rie .puracfin gr'raLri~s-v()to~ (la TnfpHrlrncin l\IlJIn icipal ô a : s~~:. -9.José Bernardo de :Medeiros . (9. . "... .994 . .'980 . José Pedro de. 3°~-.':A:. ..cio ou irregularidade na eleição. . 7. ~. .' _. ... '... 10. Sala dn5 Comnlissões. .ún.S'ou..Francisco jJfa. ' .~. '. 1•• 7. -.:2°. 22 - iodo$ estes documentos~ ." < y ... '3()~.095 José Pedro de Oliveira Galvão . '. .que se proce- r1~u no Estado do Rio Grande do Norte.0 corrente anno. '. . : ' 8. ····1 ()~-:.'.73. .Tofto_ Soares ..JOsé" de' Almeida Bárreto:. - .846 Anlaro Cavalcanti. . -..5 de setembro (. . . 7.. seja considerada valida a eleição a . de Medeiros. -. -. ...069 -. . .' o...:: . . A apuração feita pela Cr-mmissão dá o seguinte resul- : tado: . . sentes' 1'19.. os Srs .2 . . '. ). .a Coe lho.endo exnminado 10do$ documentos~ 'nelles não encontrou protestos.945 .. no dia 1... é a Con1n1issão de parecer: to~ ·que.9. . t.... Firlnino Go'il1e~ . . '... . ""t o. 71-:''"''" '"9 ~ 2 . A~ vista do expost. ' ~ da ·'Silveira. ~ .097 E outros menos votados.o. A apuração feita pela Intendeneia da capital do Estado dá o 5eguinte resultado: : José Bernardo de :Medeiros ."'~ • . que sejam reconhecidos c proclan1ados senadores pelo Estado do Rio Grande do Norte.. ... dR todos os papeis resulta que nãohollve.Do" nxanl·e escrupuloso. a :leta da apuraCão geral feita pela Intendencia Municipal da capital -e ·hem :assjn1 OS djp]oDlas (los senadores eleitos por nqn~llc Estado. .A~ 2:l CnnlJYÍissão fIe Verificação de Poàeres Poderes foram pre:.n. 7. ~Toã()-"Soares ~Toã()-"Soares 'Neiva·~. Oliveira 'Gal- 'vão e An1aro Cavalcanti. 7.José Bernardo..' .. .. .861 .se ·prooeâeu nQ Es.. .. 2 E Qutros D1cnos votados.' . .723 -.498 E outros menos votados. . no dia 15 de setenlbro do corrente anno." I 'Gomes ...-.. . • da Silveira .

Da acta da. Santa Luzia do Norte (2:1 secção) e Maragogy (ia sec- ção do 1° districto e 2a do 2°).lagõas e todos os papeis relativos :á eleição a rrue s-e=procedeu no 'dito Estado em 15 de set.A Çonlmissão. Pa~meira dos -Indios~ : . -. e na ordem da votação. . Foram prcsentes á 2 Commissão de Verificação de Po- 11 deres 262 authcnticas da eleição a que se prúcedeu no Estado de Pernambuco.embroultimo.que é valida a"' elei~~ão realizada no Estado de Pernanl- buco.Luiz Del2Jhino. . Sala das Commis'sões. os 81's: . ..José de Almeida Barec~o. N.:\. 1890 . .. 21. . as quaes podem alterara classificação dos eleitos.e resul- fado: 1"'~ . Do cxam'c das referidas aeLas resulta que não houve pro- testn~ ncnl irregularidades . _ 20. Senado 36 authentf~as.253 2°. ficando reser- vada a classificacã.c Es~. Francisco Manoel da Ounha J'Itnior. Senado 108' allthenticas." . .João Soares N eiva e Firnlino Gomes da Silveira. que sejam reconhecidos senadores 'pelo mesmo Es- tado. Luiz Delphi'f~o.os pelo Estado das . -23 - A Comnlissão.José Hygino Duarte PCl'eil'u . a 15 de setenlbro ultimo: 2°~ que sejam reconhecidos senadores pelo ·mesmo Es- -tado os . considerando que não foram remettidas ao . Fran. 'N.o dos mesmos senhore~ para depois da -re- n1üssa das authenticas que faltam . . 7 . ' Sala das Comnlissões.lthenticas. tendo' dei- xado. e ben1 assiln os diplllmas de sc'nadores eleitos por est. .José Hygino IDuarte Pereira~ .José Simeão -de Oli- veira e Frederico Guilherme ele Souza 'Serrano. 2°. . r:is(~o ~lfanoel da Cunha .896 3°. .no pl'ocesso eleito~al. Joaquim Leovi(Jildo de Souza Coelho. A apura0ão feita pela Commi~s}io dá o ~eguinf.1$ E outros menos Votados . /oaq'lli'Jn Leo'IJigildo de Souza CÓelho..de ser enviadas ao Senado 3-G ul. é de parecer: 1°. Das assembléas eleitoraesque funccionaram nesta elei- ção forall1 enviadas ao. .7. 1890 A' 3a Commissão de Verificação de Poderes foram presen- tes os diplomas dos senadore~ eleit. 22.ado. . portanto. .lurâor. 10 de novembro dei890.José Simeão de IOilivcil'u . é de parecer: :" ~1°.deixando dí-1 ser remettidas as das seguintes lo:calidades: Nossa Senhora do O'.srs .de novembro de 1890. ~'. Frederico Guilhernle dI] Souza SeT'l~anO ~ . apuracão geral consta não ter havido eleição na 4a secção de . 8 . QUe é valida a eleição a que se procedeu n_~ Estado da 'par::ihyba a 15 de setembro ultimo. . a 15 de setcnlbro ultimo.

nem vicias ou irr~n:ularidades na eleição ~ . Floriano Peixoto :.015 2°. e_ seguinte: 1°.°. Coelho e 'Campos . .ão das àuthentieas. 8. Catunda.r.. Floriano Pejxoto. '_ ' Sala das Commissões.r. 5. Intendencia.s nân infllle no re~n1ltado da elcioão. .seca Fon.. na.) " .Joaquim José Paes da Síl1)a Sarmento.. por con- ~Dgnil1t..••. 6.879 José. ~. Pedro' Paulino da Fonseca... ~ . '" . : A apuração geral dos votos~ feita pela Intendencia Muni- cipal.. 18. irreg-ular-idades nO processo eleitoral: e.676 3.Joaquim de O. a colI()cuyão ·dós votndos~ é ae pnrl"cm': 1.0. 5.. 5:254 .. Pc. qu e sejam reoonbecjdos' e proclamados scnadorê.871 E Dutros menos votados. reIIiettidas ao' senado.•.898 Tjhurc~o Valeriano de Araujo .leitos nelo Estado de Sergip~~ a 'H'Ut " da apuração feita pela Intendência 1\funicipal de Aracajú e as .s -pelo dito Estado. rc- ennllce0nrl(l que n falta rias quatro nuthenticas acima men- (~ionadi1.•. ~. 2. c que..~37 E' outros menos votados.339=--.foséLui1.. A apuração feita pela Commissão é a: seguinte: tO. Torquato de Arand() Barros ... no Estado das AlagOas.João SOa. Neiva.o! que é 'Valida a e1eiçãô. Cassiano Candido Tavares Bastos ..8719. N.e! nijo alt~t'n.s dos senadores e.. 9.Rodrigues da Cruz .TóSé 'rorquato de Araujo Barros ... 8.dores a que se pro- cedeu em 15 de setembro ultimo. enviadas ao Senado.065 2l)~...\. 9 ~ 1890 A 3:L Gommissão àe Verificação de 'P'o'deres~ examinando os -diplon1a.125 2ó: P·edro Pau1ino da Fonseca _ .• 1. outrosim.s scnadOfê. .ranrIo a ~ C()mmi~~ão~ n:1~ neras suJeitas an seu exame. Manoel da Silva Rosa Junior . 2. \Cassiano Candido Tavares Bastos .885 Tibnrcio VaIeriano de ArauJo . apresentando o seguinte resultado: i 0.= A aDuriu.- res Bastos.?·e.. .. ordem enlque vão conooad_os~ Os Srs... da eleição a que se .' .868 ~o~ Thomaz Rodrigues da. 3°. Cruz _. -10. Peixoto . 5. de 1890.63 authenUcas. -24 - _I\. Municipal de' Maeeió proeedeuem 10 de J)utubro findo á atpuracãó garal da mencionada eleição de se- nadores. 10.. ~ão C'ncnnt. 1.:Manoel da Silva Rosa Junior ~ .787 3ú~ Thoma7..893 2°'. dá o seguinte resultado: 1. José Luiz Coelho e Campos .seca eCassfano Candido Tava.'825 .•. Floriano.lro Paulino da FOD. 8 de novembro.. . . 2°.procedeu 'na-quel1e Estado no dia 15 de setembro -pro-ximo passado~ veiu ao conhecimento de que não houve protesto.para sena.

890.JosP Paes da S'llva Sarrt~ento .. reservando.'\ ') () Virgilio Climaco Damasio . reeebida$ no Senado. .0. Virgílio CUmaco Damasio.A. Catumba. 11 deres os diplomas dos senadores ·eleit-os pelo Estado do E:s- p:rito ·Santo. /LS-i ..uy Barb.° .° R. Catunfla. 3G. .da capital da qucl1e Estado.. ~ José Antonio ..Tosé An- tonio Saraiva. é de parecer: 1°~ qUB é valida a eleição a que se procedeu no Estado da Bahia no dia 15 de' setembro ultimo: 2°.S· - '~lt. 10 . .l)sa . ~ "Sala qa-s Commissões.adoda Bahia no dia 15 de sctimbro' do 001'- ren le anno~ e a acta da apura~.295 2. .são.. porém~ a classificacão destes ::. 2°. -25 - A' vista do exposto. n Ruy Barbosa o ••••••• '36. E ou eras menos votados. 1.0 Virgílio Climaco Damasio '. '0 •••••••••••••• lt. A Comnlis. 9 de novembro de 1890. 189. a Commissão é de parecer: 1°. . Joaquim José paes da S'tlva Sarmento.460 . . A' 33 C. N. feita pela Intendencia :\'lllnieipal. Ruy Barbosa e .) ·e. Silva Rosa Junior.JOão :Soares Nezpa.ntonio Saraiva '0 ••••• 36. . considerando que não houve vicio ou ir- regularidade que invalide fi eleição.1-' 3.saraiva . .~­ nhores para. 10 d~ novembro de 189.puração feHa pela: Intendúncia da.I)mmissâo de Verificação de Poderes foran1 presen- '-r~s ·~22 authcnticas enviadas ao Senado~ da eleição a que 5n_ fl!'(Il'e·dcu no Est.. Sala das Commissões.presentes á 3 Commissão de· Verificação de Po-. que sejam rechecidos senadores por' aqualle mesmo Estado os Srs. Aa. que é valida a eleição a que se procedeu no Estado de Sergipe. dá.Joaquim ..) ~llgujnte resultado: _ 1. 11 .ão gerá1. a 1"5 de setembro proximo passádo. bem assin1~ 55 authenticas enviadas ao Senado . . que sejan1 reconhecidos senadóres pelo mesm'0 Estado os· Srs.ão dos eleitos.Joaquim O..José:. 1. Capital é a seguinte. apuração geral da eleição a que 'õe pr n - e~deu no dia 15 de setembro proximo passado no mesmo Es- tac1'. 34. depois de recebidas aE-' authenticas qu~ a Com- missão aguarda.4J-.Joaquim de O.72:3 -'..~ .0 Foram. N. mas considerando que a faltá· de actas que deixaram de vir ao Senad()~ poderá influir na coIlocaç. lVIanoel da. 1 A apuração das authentJicas. acta da. José Luiz Coelho e Campos e Thomaz Rodrigues· da Cruz.936 E outros menos votados' . -João Soares Ne'iva. 43.Y.

() eU1 15 de sótembro ultimo. _ . 5..305 : 3°..nã0 houve protesto nen1 irregularidades na eleição..:I secção) ..Intend~ncia l\funicipal de Nictheroy procedeu eU1 i5 de outubro findo á apuração geral da mencionaria eleição dn senadores. :3.. 2°. Quintíno Bocayuva . Braz Carneiro Noguêira da Gama . consta ao Senado não ter havido eleição en1 Quissaman e ná 3:1..l- piLal d~i o seguinte resultado: :1°...890. secções). Das assembléas eleitoraes que funcionaram nesta eleicão forarn e. Estrclla (J:t e· 2 a secções) ~ Therezopolise l\fa. •..ngaratiba.. '..i1)t de O..ciro de BaI'lros • • .n no dito E~tad. A apuraç. ~ 617 . .João Soares Nei1)a. 26 Do exame de todos esses papeis. Domingos ..• ".T-icente Gonçalves de .. fi '12 . a eleiç. . - N. ~"~ . 12 -" 1890 A' 4a GOll1111Íssão de Verificação do Poderes foram p're- sentes" osdiplornas dos senadores eleitos pelo Estado do Rio de Janeiro e todos os papeis relativos á eleição a que se 'pro- e de. E outros menos votado~.ão a que se procedeu no Est.•... .João Baptista Laper . .016 Francisco /Pinto Ribeiro _ .ão das authenticas renTc3ttida:s ao Senado é a segninte: 1°. Ass'i'l11 a Con1nüssão é d{j parecer 1°.nviadas ao Senado 3'10 authenticas. JaOl)1J:im. 5.clo do Espírito Santo no dia 15 de setenlbro proximo findo.415 João Candido Bra&il. 3 n e 4n secções).souza 3..Joaqu.. A .... A apuração geral feita pela Intendencia ~runieIpal da C.. Fiaelis (1:1.To~é Paes da Silva Sa~·rnento.. Benedicto. Monte Verde~ Bemposta (in seecão).ado~e na ordem da 'Votação.480 2°~ .o official das respectivas mesas. 2:1. 3.. 21. Dom~ng"s \'j- centc Gonçalves de. Gil Djniz Gou]art e ... ·G'il Djn~z ·Goulart. 3..esultado seguinte: 1°... 24.. Monro do Côco (2:1 secção).. 9 d'e novem])ro de 1.E outros n1enos votados. apresentando o r...839 2°..... E outros menos'· votados. ..Paulino José Soares de Souza . Donlingos Vicente GODI}U lvcs de Souza 3. Salá das Commissões.... deixando de ser rcmcttidas as das seguintes localidades: Ituborahy (-í...775 3°~ . . ..0.... .JOSb Cesarjo de Miranda }\fonteiro de Barros.. que é valida. os S1's.. verifica-se que.. : 19.. 1..7'52 2"~ (H) Din iz ·GoulaT"t •...3.. sec~ão da Villa do Rio Bonito"....•.José Gesario de Miranda l\{onteiro de Ba. S. ~ Conforme communicaçã. . . 3.. J-ssiSé Cesario de Miranda :\ionl.. 6!)~ :31>.•..••.320 . Cat1/"Tlda. ~ ... que sejan1 reccnhecidos e proclanludos ~enadores pelo nlosnlO Esf.. l\Iag-dalena (in e 3:1..733 .Gampos (tn e 2 seyções).wo·s . S. Souza.

. 5.Ta- nni 1'0: 2°.Iosé de Moraes Barros.8' pr(l- cedeu no dito Estado eUl 15 de setembro ultinlQ. 'por conseguinte. Paulo enl 15 -de setenlbro ultimo: 2°.Jo. acinlá mcnciún~das.4J2 2°~ . Manoel Ferraz de Campos Sanes.sent. Quintino· Bocayuva . 33.es os diplomas dos senadores eleitos pelo Estado de São Pa.3°. Sala das Commi:::. Paulo procedeu em 15 de oufubro findo á apuração geral da nlencionada eleição de sc- nar1(1r'e::..José de Moraes Barros . é de parecer: .'. " . ..S.ana.. 2.~é rir: A1J1lf'idu Bru·/·.564 J<lão Candido BrasiL . " N. 2~.sõp.). Braz: Carneiro Nogueira da Gama . Prudente ..Toã1p lB&Piista La:per_..' que sejam reconhecidos e proclamados senadores -pelo dito Estado. outrosim.José .: 9. na 'ordem enl que vão collocados.593 2<..16õ E outros nlenos votados.L 19:3 3°. re- con hecendo qu e a falta das au thenticas. .nl0~ c todos OIS papei-s relativos á eleição a qnc ..551 'Paulino .y'alida a eleicã-o ptlra senadores a que se pro- cedeu no Estado de S.. Quin- lino BoenYll\"fl.lbllliU('Nj'lW.. na nrrlcm em qne vão col1()cados~ os 81's. 4.~ apresentando o resultado' seguinte: 1. 19. :]:>.168' E oul.°.s.s á Secretaria do Senado :3G5 authentjcas'~ qne (mO o soguinte re~llltado: " 1'\. Manoel Ferraz de Camro~' Salles . for'an1 envia"da.016 E outros nTenos votados.ros menos votados. Não encontrando a C0l11nlis3'ão nas aetas slJjeitas ao seu exame irregu-Iaridades no processo eleitoral. quo sejam reconhecidos e proc]anlados senadores pelo (~i:tn R~tndo. A In/.J.. 'Í7 2°. ' 1 o~ que seja . Não encontrando a Gonlll1issão nas aet... . - 'Ph"(Jt1urf'lo em'los de P{o'ia SO'lltO..ào para senadores.. ·C.J/ánnel Bez(''J'1·fI... .•. J. não altera fi coIJocação dos votados~ é de parecer.Tosé Soares de Souza ..:P J 3°. 27 - A apuração feita pela Commissã.Japer c Braz Carneil'O Nogneira ria Gama.. :34. Francisco Rangel Pestana _.as sujeitas ao seu exame nada de irregular.l) influe no resultado da eleição~ e.Toão Bnpli~ta. A' !lll Conlnlissão de Verificação de Podm'cs formn pr~­ . Pru- . ~. .... t. os Srs.. :Prudente .405 . Das asscrnhléas eleitoraes que funccionaranl nesta elo·içã. _ 32.o é a seguinte:~" 10.:.. :l2. a que 'se pro:" \ ccclou 0111 '15 rio sctcn1brn 111 tinlO no E5taclo (lO Rio de . 1 1 que seja valida a elci(. 7 de novembro d~ '1sno.904 Francisco Pinto Ribeiro ./\ 0/1.lo.. 13 -1890 ... nã.endcncia Municipal de . de A. Francisco RangelPesl.

a acta da apuracão geral dos votos da eleie. Ubaldino do Amaral Fontoura . 2°.Junior. .. Thcoàtl. 11. 1°. Manoel Ferraz de Campos Salle~ c Francisco Rangel Pestana. Sala das Commissões..l!1"fjue . José Pereira dos Santos Andrade B Genetoso Generoso 1\farqu es dos Santos. que não houve I?rl)(esto~. . José de A..lb'llq1f. 9. 15 -1890 A' 4:1 Commissão de Verificacão de' Poderes foram pre- sentes os diplomas dos senadores eleitos pelo Estado de Santa lO Catharina.:\.nen1 irregularidades na eleição.. . a ·acta da apuração geral da eI_eico a= que se pro- cadeu naquelle Estad-o no dia 15 de setembro proximo pas- sado e mais papeis relativos á mesma eleição...e proclamados senadores pelo referido Est.111anoel Bezerra de A.!::'1l J.890 José Pereira' dos Santos Andrade .5iO 2. '7. feita pela Intendencia :Municipal da Calrftal. que sejan1 reconhecidos.ão feila pela Conlmissão á vista das .1meida Barreto.l da Capi tal dá o seguint~ resultado: .o~ . _ 10 . 7 de novembro de 1890.lbnquerque ..781 3.rreto. e. 9. ..947 E outros menos votados. 14 .endcncia Mnnicipn.! ri dades. bem assim. A apuracão geral: dos votos feita Inf. N. os Srs. é a CommiS'são de parecer: 1 que seja considerada valida a eleição a que se pro- 0 • cedeu no dia 15 de seten1bro ultimo no Estado do Paraná. 88 authenticas relativas :í eleir. ' ~.papeis verifica-~e. Theodureto Carlos de Faria Souto. Sala -das Commissões. ' Do a~~me de todos os .740 ~ A apuraç.'985 Generoso 'l\!ar:ques dos Santos ..:noel Bezerra de A. ' . 9 de novembro de 1890. 7. 28-' dGnte J{}s'éde Mora"es Barros.. Assim.. e nela ordeln da' votação. . . 8. ..' -i ll Commissão de Verificacão de Poderes foran1 pre- sent~~s os diplomas expedidos aos senadores eleitos pelo Es- tado do Paraná. Ea.. --.T O~B Pel'C'ira tios "Sa'ntos Andrade . .authenticn~ qne lhe forampres~ntes da o seguinte resultado: Ubaldino .'reto Car'los de Fa1'ia SouJo.ão a que se procedBu no mesmo Estado.1/J. 1S90 .ão..Tu- nio'!'..do Amaral Fontoura . ' - Dó exame {los citados papeis verificou a Comn1issão qu~' no })l'OCCSso el eitôral não h0uve protesto nem vicios -ou' ir- 1'('.ado.José de A.Generoso Marques dos Santos . Ubaldino d~} Ama!'al Fontoura. .lm ('-ida.

. Ramiro Fortes de Bar- cellos. Dr. N. que é valida a eleição a que se procedeu no Estado..Theodureto Carlos de Faria Souto. E -o~tros fienQS votados. A apu.. Dr. A Commissão.. 29- A apuração geral dos votos dão dáo seguinte res:ultado: " . Antonio Justiniano Esteves Junior e . .ssim. .lJS di- plomas dos senadores eleitos pelo mesmo Estado. •• <li :20.7-15 2<\ Antonio Justiniano Esteves J"unior. e que as authen- ticas que deIxaram de ·ser remettidas ao Senado não PQdem influir no resultado daeleicão. é de parecer: 1°. . e na ordem da votação. " 2°. 9. 35 . Luiz Delphino dos . . 9 de.. '083-1 O' ::>.. 1°. . e.". eão da Frota ' ..raçâo feita pela Intendencia Municipal é a seguinte: 1°.•. 3°. 9 . General Jtilio Anacleto Fal- cão da: Frota . Dr. constando da . . 35 . 9.972-18--'Sep. José Gomes Pinheiro Q . . '. 'lo36. . . -. 370 authentlCas da eleiçao senatorial a que se procedeu no Estado do 'Rio Grande do Sul no dia 15 de setembro do corrente anno. -' José de Almeida Ba1'reto~ -.ado t6 authenticas..704-12 sep. 1ó. que é valida a eleicão realisada a 15/ de setembro ul- timo no Estado de Santa CatharirL:l. . . 36..•. José G{)mes Pinheiro l]fachado . ben1 assim.••••. "Ramiro Fortes de Bar- cellos ... Machado . .: ~ . A apuracão das a~thenticas' enviadas ao Senado é a seguinte: ... do Rio Grande do Sul a 15 de setembro do corrent·e anno.414-14 > " E outros m~nos votados . Luiz Delphino dos Santos . _. a C0mmissão é de parecer: 1°..... segundo officiou 0 opresideilte da Mesa eleitoral do mesmo municipio . ·Deixaram de vir ao Se:l.. Manoel Bezerra de Albuquerque Ju- niQ1·. ". A.. novembro de 1890.. . 691-1 » .082-14 » 3". .Santos. acta da apuracão geral que não houve eleição na 1a sessão do 1 districto do munícipio de Gravatahy.. os Srs Raulino Julio ~ Adolpho Horn. -Dr.. '_ Saià das Commissões. 71'S 3i).37 . que sej aro reconhecidos e proclamados senadores pelo mesmo Estado. 2 "Dr. _. 34.. . a acta da apuração geral dos votos feita pela Intendencia Municipal de ·P·orto Alegre. considerando que 'não houve protesto nem "Vicio ou irregularidade alguma na eleicão. General Julio Anacleto Fal- . 16-1890 Foram presentes á 4:l Commissão Commissâo de Verificação de Podere:.585 .Dl'. Raulino Julio AdolphoHorn ...

. Bart.~s (211 sec'Jão L Baealháo. Curral d'EI-Rey.. Antoniu Dias Abaixo~ Lapa. Ao todo. Cocaes (1 4 e 2A seccõ~'5). José GOInes Pinheiro Machado e general Julio Anacleto Falcão da Fr{)ta. oS.8. Miguel do Anta. Santa Rita de Pa-ssos. 39. Olhos d'Agua. Jacuy (11L e 2 11 se- ma·do.Al1neida Ba. 10. Bl'U- ma. Serro (1:\ 21\ e 3 secções).•.84. Cacté. 14. Soccorl'o. &. Sebastião do . Santo Antonio da Boa Vista :(!A seecão). Guaycuhy. Rio de Pedr:'a~. .. qué sejaul reconheei-d6s c . Alegres. Sacranlcnto da 11 1l Hubil'u. ll Lánlinl. João d'EI-Hcy (21~ secção L Tjl'adenl.ài) pela. São l?a1. 17 -1890 A' 5 a "Gonlnlissão de Verificação de Poderes i'oranl pl'e- 5enLes os diplonlas dos E. Diamantina (2:1 e 3:1 seccõ.J. CC_ões).14. Carmo da Itabira.holomeu. proclámados sen~dOl'eS p~lo n1esmo iEstadQ~ na ordenl da votação. José de . Extrema. Escaramuça. Paracatú (p" 5eccã'o).Juiz do Fóra (4. á apuração de 649 authenticas da rncllCÍonada eleição. An)~rieo Lobo Leite Pereira .)..'.• ~ .789 3°. Itapecerica (2 secção). " E outros menos votados.. S. Malacacheta. 41. Cam- huquira. Capão Re- d(mdo(l. . U'beraba. Gonçalo (ia secção). Arapoliga (2 8 secoão. _. . Rio Preto. Santa Isabel. Carmo da Cachoeira. Brejo das Almas. Papagaio e lV10rro da. 8 de novembro Jc 1890. 43. Itacambira. Bagrc. apresentando - ° resultado seguinte: ' 1".ta-pela Con1nlÍ5sãQ. João. . Empossado. Muzalnbinho (2:1.11o do l\iuriahü ('1.•. Miguel· de Guanhães.ccâo L l\Ianhuassú (2 sec~ão) . Bomfim (2 11 sec".L e 3:1 secções). Pedra do Anta. Araguary (2:L secção) ~ Patos.do. _. 11 Forquilha.. Serra (2 se. "Burity.148 - ".rreto.anoel Bezerra de Albuquerque Ju- nior. 30- 2°. secção). "Coin1bra. Dr~ Ramiro }""'ol'tes -de Barcellos. :Marianna. Espírito Sant{l de. ~ão). Sala das ComnlÍssões. con1prehendBndo as . Sete' C~wh()(üras. Dr.es).. 11 Lagc. TiJuco. • N. os 81's. José Cesario de Faria Alvim: _ . Canna Brava. Boa Falnilia~ Vicloria (2 11 secção) . ]'arerlão. Milho Verde. Luz do Aterrado. Graça. 63. S... Varginha.. . A Intendencía :IVlunicipal de Ouro Preto procedeu.') geral~ não ter~ bavido eleição nas seguintes: Canastrão.1.Theodureto eaJ"los de Fa1'ia Souto. .if. 1)illar.Ja~l1ary. .'L e G:L secções L Ayul'uoca (2" "districto).613 Barão de Santa Helena ~ . Das assen1bléas eleitoraes que funccionararn nesta eleicão~ foram remettidas ao Senado 810 authenticas~ constarJ. -S.'enadores eleitos pelo Estado de Minas G'eraes e todos os p.077 2°~ Joaquim Felieio dos Santos . Deixaranl de vir ao Senado as authenticas de: Antoniu Dias t'1 ~ecçãoL S.apeis relativos á eleição a que se procedeu naquele Estado em 15 de seten1bro de 18'90.:. Om:ia do Rio S._ .912 Dfogo Luiz de Almejda :P'ereira de Vas- iConcellob:. Apuração _fei. Visconde de LimaPuarte . aeta da apuraçã. no dia 15 de outubro ultimo. Tres Corações.

-protesto non1 vicio ou irregularidade alguma na eleição. Cavalcanti.icas influir no resultado da elei~ão. Eduardo \Vandenkolk.hecidas e proclamados senadores pelo lnesmo Districto. .278' 'Barão de Santa Helena . .:: a aeta da apu~~acão geral. Sala das COlllnlissões. Ca-palcanti. feita pela Intendencia Munici. 18-1890 A' n Comnlissão Comnlissáo de Verificação de Poderes ll f-0l'anl pre- sentes 1. Eduardo 'Vandenkolk . 9. 10.. .. Tavares Bas!os. os diplo- mas de :. _ ' 9. re- t conhecendo que a: falta das authenticas acima mencionadas não' influe no resultado da eleição. .1.180 Não eucontrando a Conlmissão nas actas suJeitas ao seu cx:ame~ irregularidade no processo eleitoral. ~J oaquim }'elicio dos Santos . -. é de parecer: ' . .. . que sejau1 recon. 50S 2°. . podendo . .24 au thenticas da eleição para senadores a qu e se procedeu no Districto Federal em o dia 15 de seLenlbr-o do corrente anno~·· a acta. Sala das Gammissões. A apuração 'feita pela Intendencia é a ·'Seguinte: 1°. 10 de novembro de 1890 .597 3°..~ 1"'.F'i'rrrt'ino G01nes da Silveú·a. 1°. . -.2'. 22. .260 3 Americo Lobo Leite Pereira u .. que é valida a eleiçã9 a quê se procedeu no Districto l?cderal.--~. .49. . . 8 de .sómente alterar a classificação dos tres cidadãos mais votados.729 2°.o ~ultimo . . 4.pal da Capital~ c.novembro de 1890.. . e na ordem da votação.ira. Eduardo \Vandenkolk. -Tavares Bastos..enadores eJeitos pelo nlcsn10Districto Fed·cl'ul. .305 Visconde de Lima Duarte . . . não houve eleição.A. João Severiano da Fonseca 8.301 3~~ Joaquim Saldanha Marinho 7 ~ 485 E----frttt-f'Er&-menos·-votados~_. 2°. N.. 31 810 authenticas recebidas eas 17 :5ecçG~~ ond~~ seb~j}d. 2°. A..072 DiogJ) Luiz de Almeida Pereira de Vas- eoncellos .. . . da apuracão geral' dos votos. Joaquiln Felicio dos: Santos~ .. João Severiano da Fonseca e Joaquim Saldanha· Marinho. _ A Comnüssão: considerando que não: houve. e outrosim. José· 'Cesario de Faria Alvim ~ 47... .751 2°.José Cesur:i0 de Faria AlvÍln e AmericoLobo Leite Pereira. Fi~mino G07JWS da Silve. Joaquim Saldanha Marinho 8. . os Srs.2.. é de parecer: '1 o~ que é valida a eleição para senadores a que se pro- cedl3õJ no Estado de Minas Geraes em 15 de seten1br. á vista das authenticas· en- viadas ao Senado~ é a seguinte: .335 A apuracão da Commissão. . que sejanl reconhecidos c proclamados senadores 1)010 dito Estado O~ 81'S. João Severiano da Fonseca . 1°. benl assim. e que as authen- Ocas que deixar'am de ser remettidas' ao Senado não podem l. .. . _ . . . 15.é a· seguinte: '.

Saldanha lVlarinho. da eleição a . 'Vandenkolk. O SR. E. a saber: Felicio dos: Santos. Leovigildo. exa- minado as 83 authenticas. Cunha Junior: José Sin1eáo. Saraiva. 1 SECRETARIO declara que nã.l\. Coelho e Campos~ Oliveira Galvão-. os diplomas dos senadores eleitos pelo mesmo Estado~ não encontrou viei-o ou irregula- ridades que invalidem a eleição.A~$ 11 da lnanbã aeban1-se' presentes 32 Srs. ~-:~f9::~ 1890 A ill Commissão de Verificação de Podere~. El3-·seu Martins. a acta da apuração geral feita pela Intendencia Municipal da Capital. . Serrano. enviadas ao E!enado. Se- nadores. Pedro Paulino.· - O 8. Esteves Junior. João Pedr.. e. lVIoraes-. Gomes da Silveira. o SI". Rosa Junior.·Prudente de lVloraes-. Pinheiro Machado.o bem assim.r. Theodu- reto Souto~ Amaro Cavalcanti. Presidente dá para ordem do dia ii: - . Tavares Bastos~ Catunda. BRAZ CARNEIRO (pela ordern) requer -dispensa de i mpressão dos pareceres. Paes . IPRESIDENTEabre a sessão. e José Hygino. Domingos Vicente. 0 o Sr. EM li DE NOVEMBRO lt DE i8SI() PRESIDENCIA DO SR. Levanta-se a sessão ao meio dia. o Senado resolve a:firn1ativanlente .3. afim de que possam ser dadoo para Dl'denl do dia de amanhã. Floriano Pei- xoto. Pinheiro Guedes" Joaquim ISarmento. Silva Paranhos.aral. Conlparecem depo~s de aberta a sessão os Sr. José Bernardo~ Santos Andrade. Almeida Barreto. 4 SESSÃO PREo?ARATORIA.A..Julio Frota. Bezerra de AI buquerçp. Cesario Alvim. Na. Antonio Baena. Theodoro Pacheco.i e. Consultado.o.(le Carvalho. que se procedeu' no Estado do Piauhy a 15 de setembro ultin1o.da mais hav-endo a tratar. Gil Goulart:o João Severiano. tendo. - '. Laper e Monteiro de Barros.Q~ Braz Carneiro.. . E' lida. posta em discussão e sem debate approvada a acta da sessão antecedente. Ca:r:npos _Salles.. Ramiro Barcellos. . . - Discussão uníca dos pareceres apresentados hoje pela~ COlnmissões de Verificação de Poderes..Aquilino do . Ubalclino do lunaral." .: José Secundino. 2° SECRETARIO lê ps seguintes PARECERES . João Neiva. ~32- o SR. FELICIO DOS SANTOS . Coelho :Machado.9 'ha expediente.

•. 2°. . 10 de novenlbro de 1890 José 1 • - Pedro de Oliveira. .os menos 'Votados.E outros menos votad{)s. A apuração do Senado" "é a seguinte: 1... Elyseu de Souza Martins .. . Sala das Commissões.049 3~.093 E outr{)s menos· votado5~ 3 . 7. os Sl"S. o. .81. Theoàoro Alves Pacheco.221..6 2°. Antonio Nicoláo Monteiro Baena 19. w . 7. que sejam reconhecidos e proclamados senadores por aquelle Estado. 6. N. Elyseu de Souza Martins . Commissão. 33 A . . Galvãá.Jianoel da Silva Rosa Junior.19..JJanoel :.Alves Pacheco .. tonio Nicoláo Monteiro" Baena i9.173 2°.A. A apu~'açãlo das auLhenticas ren1etUdás ao Senado é a seguinte :" .9_292 2°. 20.329 3°..José Paes de Carvalho ~ 1. 7.88 E outros menos votados. Theodoro Alyes Pacheco e Elyseu de Souza l\rrartjn~.João Severiano da Fonseca. é de parecer: 1'\ .899 E outr. 7.apuração geral da Intendencia apresanta o seguinte resultado: ." ..1890 i 0.1. .Joaquim Antonio da Cruz . Manoel de Mello. le na ordem da votação.530 2°. 7. - . Theodoro . Joaquim Antonio da Cruz . . Cardoso Barata 19. . 3°. portanto. o. .580 . José Paes de Carvalho . Maíloel de Mello Cardoso"Barata 19. 1.1 0. Joaquim An- tonio da Cruz.que é valida a eleição realizada no Estado do Piauhy a 1'5· de setembro 'uliinlo.712 3".

e os 81'S. 34 A Comnlissào: .\lIlazonas os Sl'~. ..e . . 2\Ianoel ele :Mello Cardoso Barata e Antonio Nicolão )Iontciro Baena. l\fanoel BeZ'erra de AllHlquerque e Theodureto Carlos de Furi·a Souto. en1 discu. JDsé Bernarr~'n de Medciro:-3.o.ssã'Ç\ de V:erificação de Podel'ü~. PRESlDE~TE pr6clan1a senadores pelo E5t~dl)' . 'Collsul tado: o Seriado I'c~olye uffil'1nativanlente.Josê Perito de Olivei1'a Galvão: ..João Pedro Belfol't Vieira! Francisco ~la­ noel da Cunha . 'E: lido e entra mu discussão unica.Juntor e ~Tosé Scg-undillo Lopes de Gornensoro. IPo.portanto: é de parecer: -lo! que ê valida a eleição' effe.A.~XEIH. José Paes de Carvalho. discussão uníca. são approvadas a~ COl:lClllSões do parecer: . sohre a eleição do .ão unica. n.JIanoel da 'Silva Rosa. :Manoel Francisco lVlachado: Joaquin1 Leovi- t.eleição dQ Bstaclo do l\Iai·auhão. qu~ SCjUIll l'econhecido~ e proclanludo3 senadol'es por ~lquelle E5tado~ e na ordelll da votação: 05 Srs. . 5: <le 1890: sobre a elei<:ão do Estado (lo Rio Gran(j!) do Korte. ordelll do dia: os pareceres que aca]?anl de SC'l' lidos e os que forenl sendo apresentados. sobre a .5::.as Ú Yotos~ são UPP]'ov(1d. }tio Grande· do :\o1'/.pelo Estado" ào ' . Joaquim de Qliveirà Catunda. PRESIDE-""\1"E proclalua senadores. 2~ de 1890~ sobre a elei~ão do Estado do Amazona5. D. Postas a votos: são app1'ovadas as conclusõ:es do parecer. ~(J. de 1890. 10 de llOVenlbl'o de 1890.['.. . BIL\Z C~\. a qual é Se]}1 de15a1:J~ !~llcerrada~ o l1urecer dai:1 .'ildo de Souza 'Coelho e Joaquin1 José Paes da Sily3. Sarnlcnf. a· qnal é selU debate ene-errada~ o parecer da 2:1 Comn1issão' de verificacão e Po- deres.. O SR. a qual é seDl de- hate cllCel'radu: o parec1erda. a SR. - E: llela c e.st. O SR. 3~ de 1890.tas a votos: são approvadas a~ c.c..delJat. a qual é sem . - Joao Set'e1'iano da Fonseca.onclusões üo va- Iq~cC'r.e .José Pedro· de' Oliveira Galvão e ~. ORDEM DO DIA iE: lido c entra Cll1. 2:~ COlnmissão de Verificação .rJo Ceará os Srs. Podel'cs: 11. PllESIJ)E).TE pl'Oclanle3. n. a qual é sern deba{ c flncei'rada~' o })arecer' da 1 C0111111is.erificação de.a votos. PltESIDE='TE l)roclalua senadore-s pelo E~stado .Estado da Pa·rahyba.ntra.ü (pela ohle'rn) requer ao Sr. do l\laranhão os' -81's. C0111missão de V.n'CelTada! o parecer da 2ll.tuada no Estado do Pará a 15 de seLelubro ultinlo. sobre a eleicã{) do Estado do Ceará. E~ lido e entra cnl discussão unica.dt~ 'poderes. '0 SR.sãó de Verificação do 11 Poderes. n .as UPP]\ov(1d.: . E~ lido· e entra em discussão unica. C0111D1i.onc1usões do l)urecer. 'Juntor. O SR.p'ostas .ll1aro Cavalcanti.as a 'Yotos~ são approvadas· as conclusões do parecer. Sala das COll1U)issões.1. . 'de 1890. Pos.JJo:::.as as c.G. Pre- sidente que consulte ao Senado 'si -si con5ente na dispensa de impressão e publjcação~ afiln de que entl'Cn1 en1 discussão: dcpoi~: de exg·otlada a lnateria da. . ~enadol'es pelo Estado uú :\o1'l.

E' Jido c entra CUl discússão unieu. .. a. .Joséde 1\IoraesBarros. Podere::.. 10. Postas a ""otos. (~fl Dini7. Postas .'cCCl' da 3ft. COlnnlissão f. E' lido e entra e111 ·djseussão uniea. Conunissão de Veri~ficação de Po- deres.lc~ j 800. PHl~~lOE:S-TE ]Jl'och. . o parecer da 3a Com missão '-de Verificação c Pc- dC!J"cs. 11.s pelo Estado do Hio . José Luiz Cuelho o Canlpos c Tholllaz Rodrigues da Cruz.. sobre a eleic·ão do Estado de Alagõas . E' lido e entra: Cln discussão unil~a.:\Tl tolti (I ~a ra iya . n. O Sn. COll11llÍs:::ão. l\Ianoel Ferraz de Can1pos SaIles e' Franci'5co . PRESlDI:. sobre a cl(~i(. PRESJDE~TE prOClê1111a senadores pelo Estado ~II~ ~(~I. J~' lido e entra CUl discussão lluica. O 8H.. são appl'o\"udas as conclusões .':3.· PRESIDE~'l'E proclama senadores' p'elo Estadc.lc VerIfkaç:ão de p(ldel'es~n. . Jpsé Hygino Duarte Perelra~ José Simeão de Oliveira e Frederico .~. PHEslDE~'rE proclalna senadores ])elo Estado da Paruhyba os S1's.: ' proelanla .'pcer da ·4:t. o parecer da 211.llna seua 1lorcs pelo lIDstado "da H:-Jl1ia.Joã. n..Rangel Pest3. J. de 18-nO.Tan'_' i l'{'.Guilhernrc de Sou'za Serrano.ado d(~ .11ib. de 1890~ sobr~ a eleicão_ do Estado de Pernalnbuco. a Qual é sen1 debate Pllcerrada. :Paulo'. scnadol'e. E' lido e entra enl discnssão unica.() Baptista Lapcl' t' Braz Cal'neiro [\''O:gucil'a da GanJu... S. sobre a cleit-ão do Estado -do Rio de ..d'Ú pa- recer. 'Po~/. Postas a votos. e José . a_qual . Virgílio Glinmco Damasjo~ Ruy: B:.n·))os3. sobre a eleição do E~tado de S. são ap·provadas as conclu5'Ões do parecer.. () ·pal'cecl' da ·4:1. de 1890. a qual é sem debate '~nc'l~rl'ada~ 11 pal.. l)o~tas a Yotos~ siio appi'ovadas as c. de Vcrifie:açã:o' dü . José de Almeida "Barreto.P}tESIDE~Tr:: Pl'Ocl:. são approvaàas as e-onclusões ". Cnmnlissâo de VCl'ificaeJio de Podel'es~ n. Bahia. p:i LJe O~ 8['5. J?o~( a~ n Yolos~ são approvadas as c... qual . 35- o SIt. Donljngo~ Vjccutc Gon~:al\'es de SOUZi. ~1. O SR.2~ de 1890~ sobro a clci{:ão do lEstado do Esp~l'ilo Sauto. a ql1 aI (~ sem debate eucel'l'nda. Prudente . a qual é senl dcbate (~))t=el'L'ada~ fi parceel' da 2 1l Couln1Í5são ae Verificação de Po- der<. l)osla~ a votos~ são approvadasas cpnclusões do . votos~ O SIt. c. 11. dd S. 1.na~ . O ~H. Goulart c José Ces31'io de :Mil'anda :Monteiro rie HaITOS.1o Bocayuva! . 7. Paulo os 81'S. J1. ()S 51'S. "0 parecer da 23 COlllmissão de Verificação e Po- dcres. lido c entra on1 discussão unica.T-aueil·u 'O~ ~rs. ' O SR. João Soares Neiva c Fil'lnillO Gorne5 da Sílveíra.\lagôas os S1's.pelo Estado ôc Perllaulbüco os Srs.as a são approvadas asc-pllclus4'jcs· do parecer.lI I' .a votos.onclusões do parcccr.1l11a senadores .parecer. 13~ de 1890.onclusõcs do parecer.) E:-:IJirHo Sanlo os 81'S.I. o ipm.ãó do JJ:stado:"cda. de J890~ sobre -a~ eleiçõcs do E~k'H)O de Sergipe. E' lido e entra eUl discussão unica~ a qual é senl debate encerrada. . E'. O SR. :Floriano Peixoto~ Pedro Paulino da Fonseca e Cas~inno Calldido Tavares Bastos. PRESJDE='iTE lJ1'oclalna sCl1adol'f's pelo J~stadn d. do par~cer. :Manoel da Silva :Rosa Juuior.":'T. Qlii. PIU~SIDEZ'TE pl'ochuna sünadorcs pelo Est.é sem dchatn élJel)lT'Hla.é ~el1l cle]m r I)IJ ('llcerrada.

i 5. 1. senadores. n. Po~'tas a. PRESlDEN'l'E proclama senadores pelo Estado de L Santa Catharina~ os Srs. Oatharina. n~.ra-. iô. E' lido e entra em discussão unica. PRESIDENTE: proclama. n. . . do Estado do Rio Grande do Sul. o parecer da 5:1 Commissão de Verifica Cão de Po- deres. Joaquim Antonio da Cruz. Postas a votos. O Sn. Postas a votos~ são approvadas as -conclusões ·do pa-: reeer. a _qual é sen1 debate encerrada. sobre' a eleição. n. ' . de 1890. são apPl'ovadas as e-.COlllmissão-de Verificacão de Poderes. de 1890. são approvadas as -conclusões do pa- recer. .89l)~ sobre a eleição do Estado do Pará. n. Ubaldiu(J do An1aral Fontoura.encerra-da:o 'Parecer da i Commi ssão de VerificaCão -de II Poderes. '" E' lido e-enf.Faria ~~vim e Americo Lobo Leite Pereira.. Postas a votos. de 1890. ia . José Pereira dos Santos Andrade e Generoso Marques dos Santos. Ramiro Fortes 'de Barcellos. . a qual é seIl1 debate ' encerrada~ o·parecer da. E' lido e entra em discussão unica. Raulino Julio Adolpho Horn. Theodoro Al- :ves. Braz Carneiro.5a Commissão.- O SR.Commissão de Verificacão de Poderes. Commissão de Verificaçã'o de Poderes. O Sa. Antonio Justiniano Esteves Junior e Luiz Delphino dos Santos.. João Severiano da Fon- seca e Joaquin1 Saldanha Marinho. PRESIDENTE proclama senadores pelo Estado de Piauhy os· Srs.onclusões do parecer.. o 'parecer da 4:1. _ ..7. -36 . "- E' lido e entra em discus'são unica.20. u. 14. Pacheco e Elyseu de Souza Martins. José Cesaria de. Postas.a. sobre a eleição do Estado de· Minas Ge. Postas á votos: são approvadas as conclusões do pa- recer.. são approvadas as ·conclu~ões do pa- recer.0 de 189~ sobre a eleição do Estado de Sant. Postas a voto's. ~.a qual é sen1 debate encerrada: 0_ parecer da. de 1. Joa·quinl Felicio dos Santos. .enl discussão unica. O SR. o parecer --d'a"--:'--. José Gomes Pinheiro lMac:nado e Julio Anacleto Falcão da Frota. vão á discus'5ão os pa- receres sobre as eleições dos Estados d-o Piauhy e Pará. sobre a eleição do Districto Federal. a votos. i9~ de 1890.. O SR. E' lido e entra em discussão unica. senadores pelo Estado do. votos. sobre a eleicão do Estado de Piauhy. pelo Estado do 1\1inas Geraes os Srs. PRESIDENTE proclama. . . são approvadas as conclusões do 'parecer. o parecer' da' 4.Commissão deVeriIicação' de Poderes. a qual é sem debate .. são approvadas as conclusões dQpa!'ecer •. PRESIDENTE proclama senadores-pelo Bstado do Paraná os 81's. de Verificação de Poderes. a qu·al é sem debate encerrada. 18. Eduardo Wandenkolk. a requerimento <lo Sr. a qual é sem debate encerrada. Em virtude de deliberacão -tomada hoje pelo Senado. E' lido e entra em discussão unica. E' lido e entra em discussão unica~ a qual é' sem debate en~errada. . PRESIDENTE proclama' senadores p_elo Districto Fe- deral 05 Srs. Hio Grande do 'Sul os Srs. sobr~ ü eleiçã9 do Estaào do Paraná.1:'". de 1890. . n. n. O SR.

...021 E outros menos votados .. Antonio Pinheiro Guedes. 21 . por. DOSO Barata e Antonio Nicoláo Monteiro Baena..:A. . Duarte' Murtinho .. C9nsta-me que a 5 Commissão ~e A Verificação de P()deres· ... que fôra apresentado um· protesto. como.bro ultimo.senado~ dá o seguinte l'esu~tado: 1°. SusIlende-se a sessão ao meio dia. constando.cas não foran:l· ~pll­ radas p.su. 1. • • 2.PARECER N. -O. Estado do· Pará os Srs. . 11890 Foran1 presentes á 5& Commissão de.spendo."Verificaoão de Po- dere~ 29 autbenticas da eleiç:ão senatorial a que se procedeu no Bstado de Matto Grosso. menos a das "duas secções da VilIa do Rosario do Rio Acima. proefanJa senadores pelo. l\1anoel·" de Mello Car·. A~' 1 hora da tarde prosegue a sessão. no dia 15 de setenJ. José Paes de· Cal'valhb..123 3°. a acta da apuração geral feita pela Intendencia Municipal de Cuyabá. documen~fl3 apres~ntados.. PRESIDENTE· . e.. "2 . SR.. 1. bem assim. 1°. A apuração geral dos 'IVOtOS da Intendencia· é a -se- guinte: . . 0'74 3°. A apuracão d'as authenticas remettidas ao . provam os. que é valida a eleição para sena<1oresa que 'se pro- cedeu no Estado de". Do exame dessas authenticas resulta que as eleições cor- reram regularm'ente.quilino Leite do Amaral Coutinho 2. considerando que nã'O houve VICIO ou irregularidade na eleição! excepto nas duas secções da Villa do Rosario do Rio Acima. concluindo o seu parecer~ relatl- vamente á eleição do Estado de Matto Grosso. . apenas. cujas autbenti. Joaq!b.319 2°.'tlETARIO lê o seguinte I. Joaquim Duarte Murtinho . 2 0 SEC. Matto Grosso no dia fS de setembro ul- timo. A Commissão.or estarem viciadas. processo ·eleitoral e até mesmo oecorridos anteriormente a 15 de setenlbroproximo passado.i:m. O SR. Antonio. 2. 37- O· SR.está. é de parecer: 1°. que a Intendencia resolveu não acceitar. . da acta da apuração geral.138 2°. a sessão pelo telnpo que für necessario para quea~ella Gommissão conclua o seu trabalho e pos'Sa elle ser aInda hoj e apresentado.. . por versar sobre factos extranhos ao.... Aquilino Leite do Amaral Coutinho 2. PRESIDENTE. 1anto.954 E outros :menos v'otados. Pinheíro Guedes .

. classificad·o en1 segundo ]ng:lJ\ não 'Vejo razão para . ·elahoras~e () sen pal'ecer do nl0do por qne o fez. ])urece ter-se firn1ado a iUusíl'C Coulrnissão "para. f:omlni:ssão rpcollhcccü o valor. Gomes da Silveira . .ode ser annullada a clcitão do llosal'io flue n1ó drn a classificatão 0111 2'" ]ogar.. nlas~ esse facLo~. 111C'5nlO sendo v-erdadeira~ o ql1 P.ue se procedeu no Rosario~ sohre a qual parec..ar a elassificaoão dada á::i authcnt.que sejam reconhecidos e proelan1ados~enadol"es pelo dito Estado os Srs. nfl. . EL1~IÇ. Presidente. nnl3. que serve de contra prova :í validade das alI i.l' sido tl'an~cl'i]1ta a :tel. J·i"'nH~1. .h!g~H:(~atã(l I~onst·ante da~ autllúnticns.t. cirCllmsLun- cial.:n rll~ vofn.que 0110.ia .\laf.6in da cIl'ição do R.A elcicão a q. Apenas CDl UOl facto.flUO o parecer aprcsentado nela Conlnlissào tenha base .. PIXHEIRO Gl~EDES .~ l~iI'mHnslancia de não llayp. Villn. O·SR. Sala· .sol)l'~e a eleição. não f.. Sr. ..' --. E' isto. . SI'.l\'Ia.o f\stá proyado.·\DO DE ?\I. O SR.\.tidas dI" .o Grosso.\~ElRA . luas i3S0 não seria bastanfe para . O Sr. . feita a eleiQão~ a acta deve ser imIllC- diatanl(mte tran5cripta no liYro de notas do tabellião. Cat'alcanti.>:1 C(}J)lJnjs~ã() VDl'ificadora d0 J)od~res. está Cln ·d'iscus-são o parecer. não :p.TTO m~osso o Sr. rissirn.a da pleiçãl) n3.Cassiano' Can- doido Tavw-cs Bastos.:...F'i'r- 'inino Guedes da S·il·veira.o.da~. cvidl'111 l'm~nLê não \'iein.A. dellas.e do Alnal'al Coutinho.al'io.~ ter pairado duvidas no seio da Gonlnli~. conlO provan1 as authentica~ a legaliciade enl l\-Iafto enviadas.ica~ em virtude da apllraeão. Gnm '~ffeito~ o regulamenlt I cleitoral~ no arte 44~ dispõe ter·. PRESIDE~TE . . crnittir esse !parecer..De accordo conl a deliberação do Senado.s utio provaranl. quc. GOl\[ES DA SIT.80. Presidente.s.ado do )futto Grosso. nU0 :po~~o deixar ·de (\XPOl~ os nloth-os que u lc\"urarn fi -oI)inar ])(Ila nnlJifien. e::lm. corno rn~ml)('n da . p(]is~ cu peço ú Casa que~ considerando () facto COlno (lo valor accidental e não essenciaL rIma cirelnllstancia ('x- tr-insec3.to é~ a falta da transcripcão da acta deUsta eleição. Joaquinl . O SR. me..para· alter. IPresictente. apena~ d(lelarartul1 que seabslinhanl de votar mn con~cfIncncjn ela pressão que o Goyerno exerc.c que.· nlinant..são. não nIf:0ra. .o 11ãli ])rej nclirial ú sua ]rgalida dp. (não) indkaria v~cio nas anthenticas~ vi!='lo qlll' a pl'nprin. .: 11 de novembro de 1890. .ssões. sob pena <le nullidade.mnent. tendo a Conl- nlissão rec·onhecido que o processo eleitoral éorreu C0111 toda l\-Iatto Grosso. . Nes'3cs proteSf.:\O ))0 EST..Ha um vicio: porf~n1~ qtl e a C:on11nissão entendeu affectar á validade da clej~ão do Itn- . de lnodo ulgnU"l I) valor.en1 vicio algllnl que a anllullc.. E.lSr. Duarte l\Iurlinho c Antonio Pinheiro Guedes. A' COH'ulli5São foranl pl"es~nJes proL('~t<o.hcnticns. 38- 2°. llU.l' contra (l Tlal'(i('(lr~ J}1'lla e. e tendo fi authentica que lne considera Senador 1)010 Esf. Aquilino Leit. . Pinheiro Guedes .~nrio~ i:.osario~ em :MuUo G1'o. de 0:1e'i- diversos t(n~cs. do RIi::. disposiCão disposiCâo protectora do resultado eleitoraI~ e que não deve ser omittida.do pl'ocrsso eleitoral: c. con~iderallllo~ r{l{dlo~ a.das Conln1i. 1nosn10 que fosse exaeto.

eu m1tencli que não devia separar-Il1e de 111eUS illnstr~s co1lcga:.. dC'cisão df'cisão do SI~n~c1o r.\RES BAST. ncnhulu intel.l annulladá a eleição elo HÇ)sario. as authenticas foranl concertadas pe10 ll1csmo tabellião . avalinndo as razões que acabo de expor f' as collega. . l·f~. que correu . l'eg·ist.~ qne acoll1panluivUlll () protesto que foi subrl1el- tido :í.~Cil...OS . P0rnliLta-Jlle 11111 aptl de: enLr". de ser uma tral13g'iressão {lio regnlan1ento I:leitoral.poderã si o facto dn não ter ocsr.tanto~ parece-1l1c qne. ~ .lhâto beln.rh:ão cun"lprido o seu dCY. poderá re~olvcr que foranl expendi-das pelo n1CU digno collega.ranrlo in1- lIH'd i:"tl mnenle no 1i'TII rIr' no/a. Tavares -Bastos .~qlvido.tã. Dizia eu que~ vendo (file n. . acntul'ei o [}LW por r. De duas unla: ·ou O concerto foi feito depoi~ de '17~ Olt _ a· cf'I'Lidão é falsa. sido transcripta pelo tahellião~ conl. di:'pois~ considerando que ess. . proellrrí h~r e e~Ludal' iodos os papei:-: (~(]nNlmenl(). Quando ~e Sll.o do que a materi . no lhTo de notas irmnediatarncnle de- pois ela eleição.:': eleiç.peito da n1inha assignatura 1111 lJal'('el~I' da !COlnl~lü.:ir.0 pàrecer~ em .il1~til1a:·· I~ ~~te o pl'irnriro aresto que . aeta no livríl de notas.~. que exige a tran~eripção da acta. 5enhO'r: cu não onero sabe. PIXHEIHO GGEI)J'. qnes... . r~xpliêaCjã'o sobre o lneu proeediInento. 1Jorém~ caneiliar-s'e () concerto das cópias e a não transcripção da neta no livro de notas? .no a.o escrivão c.{. l\Ias~ Sr. O Sr. d(l~sa e.~ :-:ernclhant..~jden[e.: ::e fofüu não convidado. (l. Aqu~Iino do Amaral-Pronunciou ll·m discurso.XO DO A). O SR. TAv.\nBS TAV. • A C0I11I11issão.a acta não tinha. c. . PI'p~idf~nr.annuIIar a eleioão.Perdão.ão.:::rms ternlOS' re- gulares. .) O Sr. o. afÍln de que nlais tarde não se reproduzisse111 casos eg'uap:. ?-las Dodin.e vieiu no pl'orc~~o ell'itol'at: (~l1treg0 :í.tn nfin deixan1.. O Sn. não ter sido c-UI1- vÍflarlo.~l" é mo- tivo sufficiente para. De. lavl'nr:. não ser o intere:3~e da . · .l·ava. . • [Por conseguinte~ verificando-se a eleição no dia 15 de se- tenlbl'o~ no dia 17 ainda a'· respecti. deil. O Sr.OU a que~tã() da \"aliJa(\c~_ Ou l1ão .~.)Iesa afiIh de fazer o serviço: canlo. a aeLa. conl pIles assign05 o parecer.D úlc.pareceU-H)€} que j~S(1 não era razão suffieiente para se annullar a.s:sãi).flo quü julgou :L elL'içfü) de ql1C f'e tl·ata. }las. yisto CI)1))1) a Olllissão do tabel1jfio só podia acarf:'etur-lhc i'csponsabilidacle i~ nfio invalidar no ll1eS1113. llll!:-:ma(~ol11mi.'inyi nava n1111 idad." ú.~ .on1port.c. SI'. pre:::entc~ porqup (~oncerton a aeta.·aliclade da P1pjf.. I:leitora1. Presjdent. V.fío do Ho:--:u'io. pleição.e. O SR. :. . AQüILI. Pl·e. qllC ~NI dô uma explicaf. (J/uito Vrm!). .'esse tcn1 enl qu e sej.. O Senado.a. ao' Dll}n ver tenl-se dado maior latitude· ao debate 50])re . eu quero apenas dar Ull13.P.. ]wl'miLta-sc.lle flir rr.. TAV. a em si c. . ]wl'mitta-sc..oelle proprio certifica.flrecedcnt.falta· de transeripção acluí-se' provada: pelo do- CU1l1ento que -passo a ler o (lê).H llcv(·r. ~ ~ .uo do Rosario f~l'a lItio I'cr 01 ubclliã'o c-l11nprÍclü \).'.loiofio.de\'c-se suppor QUi3 tivesse sido chamado á . c qne convinha cst·abelcccr UDl .se (\~ll1do eonellll que o factu pile f[U c~ se im'j.rAB~\r.Sr.i ~obr. O ~. .. Ex. Presidente. .. questão cifrava-se tão són1cntc no facto do eserivão ) lão ler lavrado a... Amaro Cavalcanti .\nBS BASTos-Sim.Sr.39- Essa.

ou.Substancial. O SR. AMARO CAVALCANTI . AMARO CAVAI. formalidade é extrinseca.ra leI-o (lê): «A acta será transcripta'immediatamente no livro de notas do tabellião ou do escrivão de paz. '. como legitimas ou authenticas nesta Casa.. como vou demonstrar: entendeu que. e :3in1 que fosse Ian0ada no livro de notas. Conunissão apoiou-se em um principio do mais elevado interesse. Tudo . peço li- {'r"nç-n pa. entendeu.l.o que é feito contra a lei. as actas das elei- ções deyem ser tran3criptas por t~bellião~ como se exige na lei. en1 que~ pela prin1eira vez. e se vê. -cabia-lhe opinar S4Jbr(~ a falta dessa formalidade. regulamentar. desde logo. AMARo C-. como nlembro da Con1missão. absolu- tamenLG não.. que.posi«:.. se daixou levar pelos protestos ou reclamações. . que acabo de ler.. . simplicissim-0 mesnlO. originadas de factos e sentimentos diversos~ para propor a nullidade da 'eleição do Rosario. A Commissão • não deu tan1anho vulto: nem.VALCANTI .AQUILL.40- . . Ao Senado compete~ em sua sabedoria resoler como melhor entender. si () legislador havia estabelecido: conlO conQição indis'Pensavel de garantia para a verdade do prooesso eleitoral: que a acta da eleic~o apenas lavrada fosse transcripta em notas de um tabeIlião e aS~'ignada pela propria Mesa. repito. . com aS$entiment-o accorde de meus colIegas.. CA-~rI . si para os melubros da Casa ha interesse de relembrar a I(li:-.. O que se trata -é de saber se a formalidade da transcri- pção é ou não garantia legal indispensavel da verdade' elei- toral. é.Mas isso não se presume.o regulamentar da materia. que ne msempre se in- spiram ·nos sentimentos de rigorosa justiça e Iegalidade~ não pudessem~ depoi~ de uma eleição ae-abada.Mas não se c'ontesta iss.. innoval-a: modifi- (. .Si é este o pensamento claro c terminante da disposição.~O DO A.Trata-se. que não devia estabelecer um aresto. como já disse. prova-6e. que não devíamos estabelecer um aresto evidentemente eontrario ao que estava estatuido..INO DO _<\.o\:R:AL .. Si é~ o· 'Senado deve firmal-a no presente aresto . AQUIl. imperativamente determinado.O caso é simples. " " A Commissão não teve interesse ema-nnulIar esta ou aquelIa elejcão~ Ou enl classificar deste ou daquelle modo os senadores eleitos -de Matw Grosso.. ~pnl duvida algulna~ essencial.ão textual do artigo que rege a materia. Não. . de uma formalidade que o legislador estabeleceu como ga- :rantia para que as mesas eleitora"os. (Mu. GOMES DA SILVEIRA .'. O SR.-1\1:. O SR. O SR.."1\L~\L . A. AQUILL. eu.~O DO . é nullo.ito bem.): E.RAL-Con1o nleio de prova: unica- nlenfc. para serem aeceitas . aos olhos da Comm'issão. O SR.AMARo CAVALCANTI .\L\.. ante~.. ou n1esn10 transformal-a ao seu bel-prazer ou ao seu capricho partidario.A./). ao elaborar o ~eu parecer. ' O SR. O SR. assignando-a a Mesa e os eleitores que quizerem:» O SR . opinei.4. a. diametralmente op- posto ao preceH. que.al-a~ alteraI-a.

. no dia 17 de setenlbro.qUce não .. ~ A n1~nha experiencia de casos semelhantes.attenda o Senado . Devia ser no a.ão de Matto Gr0sso.r ·esse m'esmo confe"idoconfe"ído e concej"tado. 21 Requeiro que se' accres~nte ao parecer n. 21 .Propondo a nuIlidade da eleição do R"3sario~ suppuz que era misf. em quanto no (ila '1"1 dCl'a 1Jl11a certidão de que não estavam transcriptas a~ netas da elêjção~ pratjcava~ depois. diz que deixava de dar certidão da acta eleitoral por não tel-a recebido da Mesa para a transcripçãô. Conlmissão foi exhibida uma certidão authentica e nãJJ con- testada como ·send·o falsa. ~nado. PINHEIRO GUEDES -. isto é. dej conscientemente o meu voto ào parecer que se di. se lhe . no caso~ o tabellião' se n-egasse ao cum'primento do seu dever. que não datou o seu segundo acto. fosse intoira justiça· ter a C/. por{an.· E' lida c posta em discussão a seguinte Emenda ao parecer n.es.. . em sua sabedoria. PINHEIRO GUEDES .to.. O SR. . porque podia ser chamado o . .cto.. E' -certo que o n1eu honrado collega que acabou de 'fallar~ disse ·que se trata de uma simples presumpção.. para não ser apanhado en1 iflagrante contradição. ••• e por esse facto. sem data . quando a lei exige que aquella aquel1a seja -immediatamente transcripta e assignada pela prop~ia Mesa. menos: e o Senado. :-= Eis a'qUios fundamentos da Commissão.lê~I"JJ' ednlinal d~ssc funccionario. talvez. O Sn. após.l remettida ao Senado~-Aquili'Yl~o do Amaral. é uma elei- cão legalmente completa~ digna de ser acceita e Julgada. O SR'. em qne o tabellião.. presumpcão. . porque eHe.ér estabeleceI-a como um aresto fundamental na espe- cie. escriyão de paz ou ainda ser nomeado ad hoc um talJellião para o facto. PINHEIRO GUEDES . ·existia a transcripcão da acta. não me deixa duvida de que o caso assim se t.guardada a classificacão feita na authentic.:.ARO CAVALCAN1'I .VTr. Ex:.. .. AMAno GAVALC'\NTI . Uma eleição não transcri'Pta em notas não-. faz suppor que. Al\1. O SR. iPeço licença para dizer que não é assim: ~Í. e. resolverá como parecer de razão e justica.Chegarei lá. Não ha dl1vida: o Labl'llião declarou concertada c conferida a acta .facto. . acto de seu officio. p·elo p·el0 :: ~nado. s'em prova do. e que isso impedisse a Mesa de cunlprir com a sua obrigaoão. 41- Não se pode ·allegar que. pediu que puzesse () seu conferido e concertado naquelle iu- strumento~ e el1e assin1 o fez.E V. - Portanto.ccionario.. : Depois de te~ dado a: certidão da vérdaàe.E o concerto na acta ? O SR.sern data: de onde parece resultar o cunlprimento dnqu-el1a formalidade! O :SR. nada mais~ nada .· .Isso deixa suppor que esse fuJÍ. deixou de nata. conclue que não foi. quiz ser agra- davel a arnbas aspart. na occasião.fica ap- provada a eleil.scute~ mas não 'Para desclassificar o meu honrado colIeb'a.>mm'issão proposto a responsabi- ] i. como real ou authentica. vérdade.ivesse !passado. AMARO CAVALCAJ..

Ora~ saber o nunlero-dos votantes não é a mesmo que sa- heI' si a acta foi· ou não transcripta. - Xão ê criveI. declarando. . si fosse YerdacIeiro~ perante a :\fcsn. -i2 o Sr. ' Aos lneus nobres collegas dig. . porquc~ segundo li enl folhas de lVlatto Grosso.provou que o facto era falso. . port.· sob pena de cahir· em falsidade. Parece~ senhores~ {lUe a petição dirigida ao escrivão é p. no tenlpo da 2"Ionurehiu. Depois digo eu: Si o escrivão cumpriu o seu d"ever.adn.~TI . que conferiu a act.as~ a authentica preenche os requisitos da lei. confessou-o Ulll illustre nlenlbro da Conl1nissão~ qnc não f~ 'correiodo JIinistro do Interior. lPeco pernlissão pa~'a lenlhrar á Casa: não Sc0U entendido eUl 1l1ateria eleitoral e nunca.. Este facto não 'podia . qu'~ era o con1petente~ ren1etteu â Con1n1issáo o protesto e todos 03 pa..er posto.. não C011sta das nul henticns cllyi-ndas 111'0- L~sto algunl nes~e sentido. h~l' vindo n. sentado: pois assiln o fÕl'a resolvido pela illustre C'onl1111Ssão.o : O unico interessado em alterar a eleicão' do Rosario seria eu. '1JOje nesta 1:a~a.a serYiço no Estado do Pará quando se procedeu á. .esta Casa pelos canaes cOlnpetentes. unl individuo allegava que lln1 cidadão tinha sido constrangido a não yotur e nlettido na cadeia. que o parecer fôra lavrado' e seria apl'e- .otesto foi trazido por alguem. lVIas esse facto não .~e Yerdac1eiro~ dcYia.anto~ que mais tarde Yiesse dizQr c]l1C não podia (tal' un1a certidão. não obstante~ parecc-:nle que o protesto deyeria ser feito perante a mesa eleitoral.YaJnsen1 autonOlnia l)ropria. em duvida desde que a illustre Conlmissão reeonnece e déclara em seu parecer que a eleição fôra legal. ~Elltrctanto.. C01110 (~onsta das authenLicas'.. ' . n1eachava . eleição e111 :i\-fatto GI'OSSO.eleioão da villa do! R1osario não . paI' ver que o 111 C1.- culia fi t'lciCH.' Pinheiro Guedes . Mais tarde ainc1a~ podia ou devia tpI' ~ic1o a!p:re~rnLado. .UnerO dos individuos que votaran1.aneias que lhe' dizenl respeito particularmente. npuradJ)ra~ 11á capital elo E~­ t. . O meu nobrecollega . seja-me liei10 dizer eon1 a franqueza ql1l~: deve tee 1040 hOlncnl ele bcrn: Fi(lllei sUl'prchendido~ ao f~UÍ1'fll. .PeC-D a ~alavra para \trazer ao .1 nobre collcga di::=. "estava COJlycllcido ele que tudu estn. entretanto não eons1a Das authenticas protesto nesse sentido.Ministro do Interior. A:\'L\RO CAYALc. e o facto de se :bavcr esquecido de dala~ a sua declaração: piUTeee- ·lne~ não prejudica. ll1edico militar.O ur.• Canlo é que hoje surje esse protesto? O SR. perante a illustre. !PINHEIRO GUEDES . tcr'111inaclo c . i)prque.póde ser annl. . n:.. . Ainclá luais : si esse protesto fOi.:\.se poderia dar commigo. A3 notas deveu1 estar no seu livro con1 a aeLa transcripta. c não vein: surgiu J'er·cnLinan1cllte: c.O de }\fatto O1'osso. Certidão de que? Da transcriptão da ada ? EUe não podia deixar de passaI-a. .nra sabor o 1l1. p0rque sabia que os' lúnnens eran1 escravos e vo- ia.peis~ honten1~ justanlente antes do iParecer ser apresentado_ O SR . conheciIne. ::.O . quando~ hontem~ ao l'etirar-n1e.lllada. pois a Dlinl é que ella aproveita ou deixa de alproveitar. .ya.nto da Casa algU111as circ·umst. COH1111issão.a C0111 o séu livro de n(t. pleiteei eleições.

5:1 SESS4:{O PREPARATORIA~ EM 12 DE NOVEMBRO DE 1890 PRESIDENCIA DO SR. Almeida Barreto. PRESIDENTE declara que a emenda está prej nrlicaf1a e nroclama senadores pelo Estado de Matto-Grosso os 81's. Entendo. e o facto. ao Senado que attenta ás considerações feitas. Sel1adores~ á saber: o - Felicio dos Santos~ Elyseu Martins. dc'- "'ILadQ até hoje a cuidar da saude e da vida do sol(Jado.. esta enlenda ~ substitutiva do parecer. Leovigildo Coelho. faz-se a cllamada.u. João Neiva. o Peço. porque ella diz justa- mente cousa contraria ao que diz aquelle. Rosa . . Ja vê a Casa que não póde haver absolutamente a nlÍnirna invalidade no processo eleitoral. o protesto~ mcsn10 que fosse real c apresentado em tempo. portanto. o Sr. é rara servir de documento de contra-prova. Cunha Ju- nior. achando-se presentes 33 81's. pois. O SR: RAMIRD BARCELLOS (pela or-dem) . . não tinha razãll de ser. Peço-vos que desculpeis a f6rm~ altendendo ao fundo pat'a dar valor á aufJhentica que me conferiu o 2° ]og'al' ele Sp- nador pelo Estado de Matta Grosso. 'encerra-se a di~­ tllssão. -43- :::. logo. Tavares Bastos. no caso em que as auLhenticas tenham' sido falsificadas. (JluUo bem_: m. o • Não' havendo mais nada a tratar.: por ser InaLet'ia inteiramente opposta. são approvadas as~ conclusões do pareC'I'r. FELICIO DOS SANTOS A's 11 Ih horas da 11lanbã. a cDlenda não pódo ser votada. desde.7 . podia ser accrescenlada ao parecer.o~ João Pedro. que a lei reclama. . Sr. - E. anl:iUlese do que foi approvado pelo Senado. Levanta-se n s~ssão ás 2 horas da tarde . Nen1 a enlenda. Bezerra de Albuquerque. . Gonlcs da Silveira. na eleição de l\latío Grosso não se verificou fal- sídade-algunla. - Ora. ReLil'an1-Se do salão os S1's. por quem não está babituaclo a fallar pernnl!.I Não havendo mais quem peç~ a palavra. o .un1e. e que é _simples med ieo. Senadores a reunir-se anlarihã ás horas do cost. d? Cunha Campos Sal. da ·transcripção da acta 'do livro de notas. poís. portanto. tendo-se votado o parecer nos termos propostos p~la CQTnnlissão. -Silva °Paranhos! I.José Secúndin.JUDlor.. . -TheQdureto Souto~ Amaro Cavalcanli.uiz Delphino~ Americo Lobo. Pr~sidel1te. Francisco l\fachado. e. Postas a votos. que a Cornmissão verificou que não houve falsidade. não ha razão de appellar-se para o pro- lesto apresentado fóra de termo nesta Casa. O SR. porque séria justamente accrescentar aql1 il10 que P. " Serrano. ~em pretenção. Rodrigues.' t1 In Cong'resso notavel como este. Pinheiro Guedes e Aqu il·j no do Amaral.. que. \ Quanto á apuração. Saldanha l\farinho. Braz Carneiro" Pinheiro Gucdes~ Joaquim Sarmento. tambem não existe vicio.Joaquim Duarte lVIurtinhn c Antonio Pinheiro Guedes. Aquilino Leite d()' AD1aral Coutinho. Presidente convida os Srs.ito beUL.

O SR._ .•. A Constituição decretada pelo Governo Provisorio diz no: seu preanlbulo que ella vigoraria por enlquanLo tão só- nlente em relação á constituição das c. CAMPOS SALLES (Minist1·o da Ju.ratura que estão nas lllesnlas cil'cumstancias.. .. sobre lei Tor"rens e muitos outros actos do Governo Pl~O­ yiSOl~io que devem ser sujeitos á nossa apreciação.lOLol' Publico.Estou eerto disso. depois haver~ Congresso Constituinte. .Jllníol\ .Parlamentar. feito . para opportunamente pronunciar-nos sobre elles. -'44 . Prudente de Moraes. Ex. Ramiro BarcelIos~ Pinheiro Machado. além de quatro como Prorl. Presidentc. O Sr. assim. CAMPOS SALLES (Jlinistro da . Paes de Carvalho. tratando de exan1inal' o trabalho eleitoral a que se procedeu no Estado de Matta Grosso. O SR. requisitasse do poder com- petente todas as leis.. Esteves . Generoso Marq ucs. Manoel Barata. pois.Se.ão em nlCU nome e no dos meus collegas. Monteiro de Barros. Quintino Ba- . Oli"cíl'a . estudos especiaes sohre jurisprudencia. Vicente. eavuva. assim.an1aras . ou actos do Poder Proviso- rio.Por en1- quanto ha sessões prepa!atorias.Já foramre- quisiladas. Presidente.como mag. Ubaldino An1aral. deixei de fazer imrnedial. Coelho e Can1pos. tendo. Falcão da Frota. Goulart. Sendo eu Juiz de Direito.Y vista disto. acharia conveniente que V. E. Que antes da approvação da Constituição se póde obrigar~ desde já. E?r. in-. Presidente. "Vandenkolk.. afim de podermos estudaI-os. por exemplo. que fui. ' Con1pareceram depois de aberta a sessão os 81's. e E. Lapel~. TAVARES BASTOS . O SR. era-nlü in1possivel furLal'-llle a esta declara<. Ha. seja-nle licito dizer. .:. Santos Andrade c João :SüYeríano. TAVARES BASTOS -. DOlllingos. 81'. a optar por UH1 dos cargos. _ v le5.Trata-se de uma incompatibi- lidade parlamentar. quando aqui se effectuou a leitura do parecer reconhecendo senadores por diversos estados. Galvão.stiça) . habilitando-nos. O SH. Tavares Bastos -. uchayu-me 11on- LeIn em serviço na 5A Con11nissão de Verificação de Poderes. eom exercicio ha cedca de J 4 anuas. clusíve o de AJagôas~ por onde fui eleito . E' lida e posta em discussão a acLa da sessão antccedent e . entre parenthesis.istrado (apoiado) ~ direitos não só n1eus COlllO de todos os lneus colleg'as da lnagist.amente un1a de-- claração que julgo' conveniente c importante para resguardar n1eus direitn:-.Opportun- namente o corpo legislativo poderá tomar conhecimento de todos os actos do Governo. ELYSEU l\IAR'l'INS (10 Secreta'rio) . Parece-me. a um nlembro do Poder Judiciario que fôra eleito Deputado ou Senador.José Hygino. TAVARES BASTOS ... materia sobre casan1enLo eivil.. Virgílio Damasio. Ü SR. O SR. O SR. JosÉ SECUNDINO .Justiça) . e Lendo g'rando amõr á classe na qual passei não peq 11 ena parte da Juinha vida.

já publicadas nominalmente. porquanto a Constituição não está approvada.que devia estar dis- pensado desta declaração. a f6rma da Repu- blica e suas 'condições. visto como a Constituição não está appr:oyada pelo· . o SR. Sr. a 3!Cceitará? Quem dirá mesmo que a Republica será unitaria ou' federãtiva? Todas estas questões são da competencia do Congresso. TAVARES BASTOS .. assim.que S.maís acendrado patriotismo. . Entendo que s6 $e poderão· fazer nomeações para . . O Sa.E' exacta- mente para constituil-o~ O SR. declaração que acabo: det~eF.p:eco á Casa desculpar--me de ter. bem. eu acabo de ver que fui re-.Dizia eu . e quem dirá mesmo que o COD. to- mado alguns . porquanto quer. e s6. como. O Sn. Presidente. " Entendo lque essas nomeações não se 'pode~ dar. tinham sido nomeados membros do Supremo Tri- bunal Federal. Ex. dizia eu. estou auxiliando a V.os .tribunaeS federaes quando' o COlloO'I'eSSO os decretar. nao pro- cedeu bem) si é que fez nomeações para os triliunaes féderaes. Q.o SR. que todos reconhecemos terem sido praticados com o . A muitos de -entre n6s não ésyropathica a idéa da justica. T_<\VARES BASTOS . . ' . .':a. e peço ao Sr. nomeacõeS'.~.anto. iMinistro póde precipitar-se fazendo nomeações para um tribunal que ainda não ~stá legaln1ente constituído? 'O SR. Sr. que _declare .ticia de que. PINHEIRO GUEDES . e.Não estou ínterrompendo. Ora. e eu estou certo de que os ministros rião: querem que venhamos aqui approvar todos os aetos do· poder provisorio.tunas taes nomeacões. Ex. julgo inoppor. conhecido Senàdor pelo Estado das Alagõas.pelo menos este é o meu parecer . como'ví o Jornal doCommercio dar a no- . PINHEIRO GUEDES . TAVARES BASTOS ~ Sim.Isso mesmo dizia eu. mas. . Senador que não nle interrompa. convenieilte' para resguardar. porg~~ a Constituição não vigora. 'e. parece-me opportuna a declaração que devo. faz'e!'. Parece-me -que· seria . federaes buünitarias. di~ .fe- deral. c . hã de m·e permittir. Portanto. por· conse- h--uinte. ° Sr. O SR. que.::. de que não desejo qu~7se me risque do' quadro da magistratura.' visto como a Constituição não foi approvada. . aliás. com- quanto s-eja inopportunaa.!) continuar a fazer parte della. (Apoia- dos) . Entendo. Ministro. _. ~ntret. antes disso. senhor) isto foi apenas uma digressão. definitivamente.S meus.momentos de :sua attenção. . eu tive _receio de ser surprehendido com o acto do Gover"Ilo declarando~me f6ra dú quadro da·-· magis- tratura. julgo.. actos esses.Não tem razão de' ser a de- claracão.ição ha uma disposição determinando que os magistrados que forem elei- tos sanadores e deputados~ logo depois do reconhecimento devem optar pelo cargo. aliás. Por consequencia.inopportuna a declaracão. pois. TAVARES BASTOS .oress·o.. Mas. que na Constitu.congresso. CAMPOS SALlJE5 (Ministro da Justiça) . depois da sua approvacão se podem constituir os tribunaes federaes. ~ao contrario.

optará por Ull1 dos' cargos.E' justan1entc o que estou dis~ .nl0 Estado de ~íat. sem quebra de cp-rtos prinCipias. na villa do :RiOsario~ as auf:henlicas~ enviadas daquella conlarcn~ pareciam eivadas de vicio . provou fiel' ~lm falsario o individuo portador daquelle prote~to. ·conl0 ficou ·assenta-do na nossa ln'i- Jneira . Sr.quaes.C'claI'ül.:-<1. taes . " O SR.:\las~ Sr. l)ara.l que este protesto foi enviado pelo l\iinistro do >Interior.devia ter' sido votada esta ·enTenda. que 'l}ra unJa restrjcção ao pal'eeer.A. a solução que o l\~lnlstro da Justic-a dará sobre as incOIllpatibilidades dos lna. porque an1anhã podcrenlos ser surprehendidos conl qualquer acto em contrario. tOlnar conlleci'Dlento de UUl protesto . ne.m mais tardo. depois de discu. Ex. Pergunto eu: Qual o cargo .a Casa que as au- iltl'J1t. Julgo necessaria uma declaração neste sentido.. tanto ns:. reconhecido que 35 ()lei(~ões cc>rreran1eOln toda a rc- g'ularidadenaquelle Estado~ c ás· authenticas não aprcscnta- ""3-Dl vicio algun\ que as annul1assé~ COlno se vê da pl'iIncu"a parte ~ do parecer~ na segunda pal'tc entendia que no J)]es.. Esta declaração que estou fa~endo é com o fiIn de resguardar o nlCU direito~ para~ eIn tenlpO op- portuno. Pres:idente.f. á Intendeneia :\fllnieipal' da. verdadeiro. teudo 'u C01111nissão jnel1nllJid~l do vcrificar os poderes dos rcpI'csentantes do Est.ida. V. Presidente.° meu nõbre collega que pleiteou as '(:leicões 'on1 ~iaUo Grosso. O nleu UOllle 'está incluido no quadro dos lnagistra- ~dos como Juiz de Direito.á fóra da ordem'. é n1eu modo de ver.icas &10 l'egularesc não tAnl Yicio algum. U::\1 SR. Prcsid-entc~ ficou provado nest. declarou que este . Unl dos TIlenl])rOS desta Casa. . Ex. seja como fôl'~ a C01U-- lnissão não devia. nao póde de modo algum affectar o lneu direito.to Grosso . lllas eu exercia o cargo de Chefe de Policia do Estaclo das Alagôas ~ A Constituição diz· .que surgiu nesta iGas3.46- l'e.. em tcnTpO á Mesà apuradora' . O Sr. pela leitura' -da acta.1\faf.· ~ia5. . .illl~ que a CODlnljssâo havia fornl'ulado o: prilneil'o parccel'~ ap- pl'ov.. Til as.Sr. .que não ficou bcnl claro sobre que . reunião.ando-as. eutindo. Estan10S di:scútindo a acta. . depois de ap.ado ele l\Iau'o Grosso. TAVARES BASTOS ... não se· sabe can10. que não fOI apresentado.. optar pelo cargo de 11lagistrado ou de membro do Senado. Foi aprc- 5cntada unla emenda ])elo Ú1CU colloga.versou a yotacão da eleição de :Matto ·Grosso.to Grosso.o~ do modo por que esta redIgIda nesta parte. garanto a V.da' villa d0' Rosario.o de Chefe de Policia? l)este já pedi denlissã-o~ que 11lC foi c·oncedida. SE::S-ADon -.protesto fôra trazido !por alguem 'ClUC não era eo!'- J'ei(l do Ministerio do Interior. legas.e~ Sr.· Parece-nle que. .nlaral..Ca'Pital' de . nleus nobres col- . -que não se acha pre- ~ént. dar-lhe as honras deattenclel-o. POl'~a~to~ pa!~ece-me qU! :a Constituiçã. AoQuilino L'eitc do .provada a Constituição. 'Clll dos lnenlbros da GonliJllíssão d.:~lstrados. vi . Pinheiro Guedes . est. isto é~ diz a acia ·que fui reconhecido Senador pelo Estado das Alagôas. -.parecer que não apresentou á l\í·esi1. ainda que fGBSe real. porque.it?s~ tanto ll):lis quant-o não sei ~qual 5e1.

do juntanlente C0111 a lVIonarchia.3São l.eraçõ'es aqui e:>. :SÍIn~ Il1eUS nobl'es colleg-as~ o auctor desse :prútesto é o indh~idu?~. eS'se individuo que teve a audacia de forgicar uma lista de senadores. O SR.no pongresso. de- JllOnstrando a esta augusta assembléa a nullidade dó protesto. ELYSEU i\{ARTIXS . Senhores.C" Sn. a~I'aYessa sertoes lnvlos~ caJl111nha centenares oe leguas. PINHEIRO GuEDES . si a Republica.Mas isso não é discussão' da. tend'o-se provado e. apuradora da villa dO) Hosario do Estado de' :\Iatt·o Grosso. Como é· que ã· Com·missão tomou' conllecinlento de um protesto que penetra nesta Casa . yotando a· emenda ante's do parecer.7 - .for do Brazil. para VIr ousada penetrar no seio do parlamento. surgindo p. acla.por tramites invios '! Como (5 que a COlün1issão tOInou conllechnento dé UITI: protesto apre- sentado por UUl individuo provadamente falsario? .s. o habito da t~ibuna).eleição a que nunca se procedeu en1 l\faíto GrossD. a In~'Iga~ a.: ELYSEU :MARrrINS .prehendido pela leitura .. Desse Jllodo nullificou-se todo o· trabalho que -havíamos tido. AqUIlIno do Amaral. fiquei sur. cabala ..Estou discutindo . Ouro- I)reto. não tinhanl vicio alg. Peço á Gása (não tenho experiencia dos trabalhos parla- lnent. -e sómente depois que surgiu o' protesto apresentado por Ull1 inclivj·duo falsario é qu') ella 'veiu dizer"':nos que a autlientica enviada pela ':Mesa apuraclora da villa do.inhmll vijcio aIguDl. meus nobres collegas. Sr. no.Rosario estava viciada! . Diz-se que o parecer foi posto a votos e approvado~ sendo eIl1 seguida feita declaração de qu~ . era Justo que R Casa attendesse lãs consid. meu nobre col~eba..econhecido (1Ue as authenticas eram regulares. então se vota:ria o parecer..E: da acta. nlandada pela Providencia! nas azas do anjo protec. E.:t eluénda. ·Co111missão já havia reconhecido . Essa authentica~ ]lôde ser Yerjficada~ tem a dee-lara~ão.aquelle Estado.e ~entic1o 11 prinlcira parte do parecer. o ·2° ao ge- nerail Couto Magalhães c o 3° ao Sr.' peço á Casa que .que as aubhcnticas el'all1 ::.Está discutindo a aeta? . tempo do ominoso governo. é. não a ti- yesse annulla. 'Presidente. E' oiacto çlc que se lancou 111ãopara inquinar de vicio a 'lutlientica enviada pela :)fesa. não é regular.o. nleu dlstincto conterraneo e col. mas 'não é isso o que· ~ollsta da acta. ' _ Si a muenda cahisse.ficava prejudi~ada .. si a Casa não a acceItasse. Presidente.da acta. J'oaquim lMurtinho. :A. para conspurcar a . 'IUO não· t. Vortanto. .um. nullitla-dc reconhecida pela l)l'{)pria Conlm'issão~ a qual dc- elarou que as eleições tinham sido e. dando o 1o loga~ ao DI'.ares~ não conheço ainda () Regimento pelo qual nos re:- gulamo.:-postas.. reconhecldalnente IaJsario que aqui apontou 'Ü' j Dr. OBR.que. ahi não s'e diz si foi posto· a votos ° parecer da Conunissão.. para :vir hOJe ~surglr . --!J. . não· tenh. ·e (bavendo sid<?' formulada nest.xecutadas: conl toda a regularidade. Sr.lega de representacão. feita pelo proprio es-·· t:l'ÍYão~ cleque ellc a conferiu e concertou.havendo a CUllllllÍ. O SR: PINHEIRO GUEDES. Essa authentica teria cheg'ado ao' Senado Brazileiro.ãs. Fleury ."ontade do brioso povo lnattogrossense! . resalvando-se a enlenda para depois ser votada.

.entos pelos quaes se possa verificar que a eleição do Rosario' foi irregular. o que me. Ü que se p6de concluir ôa impugnação que o nobre Senador acaba de fazer: é que a· acta não é a exPressão da verdade.J á votação da Casa o mesmo parecer. ficou prejudicada. que já era falsa- rio. Não posso acompanhar o nobre Se!1ado!" na discussão em que se empenhou. o SR.palavra._: O Sr. po~que é contrarla ao Regimento.iustiºa~ que devem ser a divisa desta Ca- sa. venho dar uma explicação sobre a votação. A acta é a narração do que . Senador pediu a palavra e julgou p~ejudicadaa e. apresentando a cerUdão requerida. equidade~ co. PINHEIRO GUEDES . garantir ao nobre Senador é que esta in- exactidão não -existe. "1.cabe é garantir que ~ acta está r.O Sr. sario~ para certificar-lhe ·0 contexto da acta das eleições da comarca. e. do parecer relativo á eleição do Estado de Matto' Grosso. fui eu o prejudicado~ contra' os . a eleicão do fRosario ? Não estou defendendo hoj e só o meu direito á collocação que me fOÍ. . o mesmo!) que inventou a :petição e a dirigiu ao escrivão. a emenda: apresentada ao tmesmo parecer.0' • --. Foi para isso . . ·que o trouxe até aqui. -1 l'e. O Sr. e meus nobreslCollegas reconhecerão que na authentica falta sómente . portanto a Commissão par annullar. Tendo sido votado o parecer da ICommissão. porém. as'sim.m offensa dos brios e dignidade desta august~ Assembléa! .que é inexacta. mas ·que não póde ser verdadeira? Em que se' baseia.se passou na sessão de hontem._ Como poude a nobre Commissão verificar a legalidade do protesto? Não seria o mesmo individuo.. que póde ser real. iOepois um' Sr. . . " l'J'ão será isto devido a simples esquecimento ? :- O SR. José Secundino pronunciou ~m discurso. O que posso.edjgidade conformidade COIn o que foi discutl'd'Ú. qu e eXIgIa os docum.' notem bem.assignalada.a data.qúe pedi a . .mais sãos principios d·a Direito. Não sei si é possivel pedirá l\lesa que de novo submetti. PR.. Senador não está discutindo a aota. RamiroBarcellos pronunciou um discurso.Na qUalidada O de sooretario. Effectuou-se uma votação sem se saber sobre que . :E~ assim:. ' {) SR. e .·peco ao~ collegas reconsiderem a votação. e a .: . Perguntaria ainda.considere seu acto.«t:O ..? Não teria sic:o forjada esta certidão pehj= proprio auctol' do protesto. e que parece ter tido interesse em annullar a eleição? . não ponho duvida.menda. por ven- tura rpodemos guiar-nos pelo protesto~ que se baseou em um : requerimento dirigido por um individuo ao escrivão do Ro. que o escriváJJ não collocou na ocêasiãD. ELYSEU MARTiNS' (i Secretario) . e yotado. Como 1o Secretario.ESIDENTE . na eleição de Matto Grosso mas lO tamben1 a verdade. afim de orientar os nobres collegas sobre a votação que hontem se realizou aqui.

. Suooetdeu a palavra da presidencia.bem· assim..equeneia de não se ter ouvido. como a meus oollegas.. ~ .V. é o que peço á Mesa. -Ex.•.. O SR. TVOZES .. O SR. O SR .. ponào a v. . A consulta tem por fim ve- rificar a votação... 1° 'SECRETARIO declara que n~o ha expediente. Isto~ entretanto. pOI'qUe o Senado não dêu o seu voto como deseJ ava naturalmente e. 8Sg· 21). Desde que foi aceeita.. J o.. 1. Moraes .. 6. :..as-- sistidoá votação.9.. não'p6de ser tida em tal conta..890 Felietssimo do Espirito Santo. enl cons.O' que não se deu:. "'" ....E outros meno~:vQtados .(Oh! Oh ! . eu não' podi~' saber eomo se procedeu á votação do parecer' da Commissão.. O SR. pensamento. 'Ü SR.. 4..deixem~me concluir o meu. 22 .Jardim . e a emenda que diz respeito não só a mim. . .o Senado désse seuveredictum sobre ella.. PINHEIRO \GlJEDES . A apuração geral dos votos feita pela Commissão apre~ senta o segUinte r. e discutida a emenda.. 05D: 3°. Rodrigues -de. pede é uma injuria directa á Mesa.. oomo ~ra de seu eever~ fazel-o'.otos a materia: e../ '12°.... 'encerra-se a discussão _ ' '....a seguinte: . Antonio Amaro Qa Silva Canedo.. <Ex..99' . '" • ~ . i . 1890 .. 4.)mas dos senadores eleitos pelo mesmo Estado. haja d~' eo~sultaT á Casa si votou com conhecimento de causa. Não tendo .' era preciso' que ... O meu requerimento tern° ·por fim a ver-ificação de um facto. José Joaquim de . Não ilavendo mais quem peça a palavra.. PINHEffiO GUEDES .. 1°.A consulta que V.esultado: . e.. ' .'. A\ '5a Commi$são de Verificação de Poderes foram . Sr. Entendo que a presiden~ cia teria procedido bem sujeitando á votação o parecer da 'Commissão...Posta a votos" é approvada~ a acta. que podia ter sido fetta irregularmente..José Joaquim de 'Souza .058 E outros menos votados. 2° SECRETARIO lê" {) segUinte PARECER N.• ' 6..• ". ELYS!EU MARTINS (1 0 Secretario) .. Não' se tendo verificado este facto. pois. foi .. ' i ..t28(fe-' 3°. Presidente~ peco a . a acta da apuracão geral feita pela Intendencia Municipal da :Capital..480. Antonio Amaro da" Silva Canedo.Perdão.•.. resalvando a emenda:'". -49 - o SR. contra elleeu l?ro- testo. 5.. .•. 4.991 João José·· Correia de' Moraes . os diplJ..646 Jeronymo.Souza ~. como :parece que foi feita. PLNHI<:IRO 'GUEDES . ~ . Antonio da Silva Paranhos. creio mesmo. . Antonio 'da' Sílva Paranbos .pTe- sentes 66 authenticas da eleição a que se procedeu no Es~ tado de· Goyaz no dia 15 de setembro do cOlTente anuo...... A apuração da Intendencia Municipal é.

ões do parecel·. Senadol'es. Acha-so verificada a 1(l!2'~lidade dos poderes de todos os senadores eleit·(Jj3 pelos diversus estados e pelo.. ~1cratdo quo se vai dar conhecin1ento á Call1a... Al- ..Sr.T I). l.'horas 'G'a -'U1aD!hã~''':Csegundo consta de boletins.ICIO DO SA.xllcantL .::cPeàro ~laria de I ."\O lJl~ u~rA co:.:considerando que . Antonio . José Joaquin1 de Son~m. na classj. 2. deixo~ portanto~ de sub-me.. .. Antonio Amaro da Silva !Cnnedo e Antonio 'da Silva ParanhoS. Não havendo qucnl peca a r>alavl'tl..Distdcto l. ~ Firutino r. O Slt..i.f'icação dos senadores. na 5ula prévian1tmto destinada para instaHacão do prin1eiro 'Gon- grcsso '1\"acional da Rcpublica.dio do l\Iinist-erj() do Interior. Gomes da SiIveira~ Saldanha :Mar inho.' " '0' SR.=\mal'O CãvaI caut..'\T:erifica-se que não ha mais na Ca5H. por iutel"1l1e."'EI. 'Pres'idenLe . :12 de noveJl1bro de 1890. Albuquerque Junior~ Serrano. . tPo:5tas a votos. O SR... eouvidando-se ~lqtH~IIa corporação a reunir-se a'J Senado.ra dos D'e.\r~nss.poc1erá· infJuir . é de parecer:' ' _1°~ que é valida a eJeição realizada no Estado de Goyaz. nem lrregula!'ldades no .'\ que sejarn reconhecidos e procla1l1ados senadores por alluel1e Estado os Srs.4tZ shmo Candido Tava. . ás )loras de costunle~ afim de d!eliberar sobre o que possa occorrer. : Convido 'Os senha-res Senadores a l~eunir-se ·amanhã.~o :: O ~lL' F~YSEU :\LW. " . fal- Jecic10 hoje~ ás 5. . sàbel': 11"e1icio dos Santos~' Elyseu 'l\'lart'ins~ Theodureto Souto. Ca~ 1... nos 5or. PH..S l'.pu·- lados e ao C+OYC:l'Tln.lara representar 'o Senado ::. são aPPl''Jyadus a~. Levantou-se a sessão ás 12 -1\2 íhoras· da tarde.·ome.{C9mnlissáo.José Joaquim de Souza. encerra-se ::L discussão.houve' vici~. Sala -das COnl111issões..'ü-. Ao nleio dia acharn-se presentes -'39 Srs. senadores e1l1 U'UnlCl'O sufficienie para deliberar. Está . ."i ria Silve'ira. 50. João Neiva.~ 'A. PRE5tDENCIA DO S1\.processo eleitoral e lque a falta deauthen- ticas .CfJ.eCIuer ao SI'. ' . D. aéerda. ' -.es.. PnEsIDE~1'E proclan1tl senadores pelo Estado de (~(I~~az os' 81'1'5. PHl::SlüENTI::.~ .l~SIDE~l'E .:. [). . Luiz Dclphino.enl discussão O parecer.naes • . conclu::.que con~ulte t'i Ca~a si consente na nODleacão de uma IConunissão l.- ..Janeiro. .. .nas exequias do .tter· o requerimento á votacão.STOS .'Bispo da :Dioees(~ do Rio de~·. NO:\H_\Q.que deixaram de vir ao Senado só . a 10 setembro ultinJo.~ .não .:\Inm·o da Silva Caneelo e Antonio da Silva Paral1bo's.

os Sl':::.Joaquin1 ..Frota~ Baptista Lapcr.tnaTal.XCI.dnl'mn:-.\f.iz DI~1 p11 in0~ l)~ws ue Cal'vàlho. Vieira.\ nnl. . . 'da Frota. JoaQUüi1 8'H'menta.unda.Ubaldino do . Haulino HOl'Il.3 Santos.os. Bclfol't -. :. Coelho ê Can1po5~ Calunda. l)ruc1eÍ1te de' l\Iol'ac'5~ Fruncíseu Jlachac1o~ Pedro Paulino. Rosa ~Tu~ llioJ'. SECRET.. . . I'l'êderico Serrano.a.An1erico Lobo. Pl1E5IDT:. Pi- nheiro .da n1tUlhã~ acham-se pre=.tadp :.elicio dO. .cs.InteIrado. Cornpul'(.n'. E'l'. açlaptado para . GCll11eS da Silveira..va. ~D . Braz :Cal'neiró. O 8on. Bernardo de :Medciros. Raulino fI.\!UO dti 'conta do seguii1le . Elyseu :MarLins~ TJH'odtu'010 Souto~ João Nei. c lO. Clll~lstovaO. Naciont~l o pa1acib .. nela da.Generbso AIarqucs.vara os dcyidos effeítos. Ro'sa Junior.gre~so. PHE3IDEXTE .. ·posl.E:5Leves JUlliol'~ ~CoeJho c Cmnpos. " O' SR.a em discussão c _scm debâLe uPPI'onllJa .t '.. Quintino Bocayuva.isco=cC\1'a:êlüldd.Goulad. . E' . D0111irigos Vicente. Hygino Duarte. l)edro Paulino. An1ara Cavalcan ti c Santos Andl~ade. J3arcellos. afÍlll de agua. ('onl:nunicando~.R.Jl/. -Senadores n. de prestar-se 'ú inst~.antceedente. :Mal'tins de Barros.o . Cat.esse fnn en1 S.Jos6 ~hn('ão. Silva 'Canedo..ente~ i37 SI':::.atar-se. sessão .Silvu' Paranhos. }~' 1ida.1Z Cruz. ThoÜl<.ral. . Don1ingos V-iccute. . se$$úo ao lueiodiu. 'Oliveira Galvão e Joaquim Sal'n1ento. :Ofri'ero elo l\linisterio elo Interior~de 13 do corrente nlcz~.~Coéllw.e a ses:350'.Ylai'CIti. Xüo lIa nada a tr. O S!"L PRESiDEXTE abre .V::i 11 e -1 i2 !lnras .àe Souza: . posta en1 (liscussão o sen1 debate approvada.' AlIneida Barreto. !~eYUntil-sc o.~ninul. ~1:'Jlado['c5~a saber: . . 'nuni'caetj. ICampos SaBes.'.F.. '1°.Sr:.. Hanliro ele DaTcellos. PnE::31J)E~TE uJ..onteiro de Barros. Pt~LICIO nqs SANTOS ..' achar-se~ln es. Saldanha Marinho. 11'alcão.~\. anmn bã. Pinheiro Machado. r eUld r-se.íCO Lobo~.:\IlIÜr.llação do C~p. Leovigildo _. Uhaldillo _ do.Braz Carneiro.aillr.. Cesárío' Alvitn.. .. Santos Andrade. Tavares Bastos.\ no Slt. Oli"-eil'a Gal"ão:.o rl1 . 51 llwida Barreto.Cunhei Junior~ Bezerra de Albuquerijtw. a acta da scs~ão antecedente.:J. Prudente de :Moraes. Generoso :.Gucdcs.lida...ücnldenois do abel'ta a sessão .sH\"a Pal'anhos~ .o J. Convido os 51'5. iLcovigildo Co(']ho~.asessão. Govcrno reluti\'<lmen te ú instalIaçfi() do CongJ'esso l'\acionul.ún.

O Senado acaba de receber {) projecto de Regimento provis'o:do apresentado 'pelo digno re- lator da Commissão Mixta que organizou -o mesm'Ú Regimento. porém.· 2° SECRETARIO -declara que não havia pareceres. como um corpo delib'erante. e eon- '\i.~dente de Moraes. porém. uma questão sobre a qual eu desejava lque o illustre membro da Gommissão Mixta désse uma explicacã{) . 52- Offieio da mesma data~ da Gamara dos. .P. A' explicacão é a seguinte: o Regimento está -em discussão na Camara? . marcado para amanhã. 15 de no- vembro. PRUDENTE DE MORAES . Requerimento Requeiro que o Senadoadopte provisoriamente o pro- jecLo àe.. seja discutido e approvado en1 ambas as casas. que foiannunciado na Caroara dos Deputados que esta Regimento entrava em dis- cussão na sessã-o de' hoje. como relator da Commissão lr\fixta. . Prudente de Moraes. O Sr. não se . Ex:. determinados artigos do Regimenio. O SR. REGIMENTO INTERNO O Sr..~ pedir-se a approvação provi- soria.de amanhã.a·lustiça) Mas só pód~ ~. CAMPosSALuEs (MiniStro ·d. Republica. Vi publicado no Diario Official. no palacio' da Quinta da Bôa Vista. vem lembrar o.dando ao Senado para reunir-se á Camara. apoiado e posto em discussão se~inte . discutir 00 Regimento. afim de ser observado até sua approvação definitiva pelQ Congresso. . 'Surge. Cqngresso~ . que o Regimento fique provisoriamente sanccionado e produza " os seus effeítQs na sessão de installação. afim de s·ervir na sessão. em primeiro logar. Não tenho a menor :duvida em prestar o meu voto para. Vai ser apresentadp na Caroara para ser approvado \proviso- riamente.o SR.Congresso Constituinte. Deputados. . Vem á Mesa. vem ap!es~ntar a·o Senado o proj ecto de Regimento lCommum prOVlS0rlO • . O SR. .r IIiodifieadopelo Congresso.7':- : deputados . O Sn. .deixe de reunir o Congresso no dia designado. ..Inteirado. V. de modo a poder o mesmo entrar em vigor desde a sessão de installaeão do Congresso sendo depois discutido J convenientemente e approovado definitivamente pelo . Theodureto Souto . Para·: que. é lido. anniversario da.Congresso constituído terá· o cuidado de. expediente de apresental"-se hoje o projecto nas duas camaras . no dia i5· do cor:rente.' O dia da installacào. TREODURETO SoUTO . . sabe que na Camars. não deixa tempo para que o projecto. e ser um ou outro artigo modificado . podem suscitar-se questõ'es sobre certos e.Não está em discussão. de modO que '0 . e:oro- nlunieando que -se acha nesta capital numero sufficiê"lite·=Üe c::.Isto foi aecordado entre os membros daCommissão Mina.Regimento do.para que pOSBa funceionar o Qongr0sS'o. .

por virtude de l.ente que SE: adopte. -53~ _.no 'dia i 5. pela Comnlissão Mixta.=::sendo destinado.provação provisoria. não podem subsistir. 0.or da re5'Pectiva Commissão.do corrente. . - o Sr.quando nos installámos em sessão pre. portanto. mantendo e. e passa além da vida constituinte do 'Gol1cooresso }'cderal. até que alIe discuta e approve com as modificações que forem convenientes . E' o resultado de uma situação especial. . No dia seguinte entrará em disôussão o projccto ele Regim-ento. nobre 'Senador que ·0 precedeu 'levantou duvidas que.E' pre- ciso ser votado este Regimento para dirigir os trabalhos da sessão de aman1hã. 10 SR.to: para ° Conoores'so Constituinte. e a sua approvacão não segue o proce$O -normal da formação das leis. honrando a pa- lavra da mesnla Commissão. amanhã.cceita as explicações dadas e aproveita a occasião Dara lembrar que deve haver tres regi- mentos: o Regimento. a Commissão. [\fas.eb ende-se .greSSo Constit~inte." '. o SR.quanta confusão.. . A apnrovação definitiva do projecto de Regimento de- . Em vista. tenho duvida em dar o meu voto para a approvação provisotia. para -evitar o facto.) :. . que é organico.de proceder ou não a Camara de accôrdo.lm'a fusão. ~ e não havendo regras que rejam os trabaLhos da installação. A Commis~o queria a. THEODURETO SOUTO .pende de-uma deliberação do Congresso. preexiste. haveria: na sessão de amanhã: começaria por não ter auctoridade a -Mesa (apoiados).qu·e pareceria anoTmal. pois. . a regular os trabalhos para um lqãn..(Apoiados. . portanto. . que não passa além ·d:o período constituinte. D1anl i~IP o' principio da dualidade. de fundirem-se as camaras antes do dia 15~ lembrou o 'expediente de lPedir a approvação provisoria do proj ecto pela Camara e Senado de 3 modo a ser observado como norma provÍ'soria do Congresso desde seu primeiro dia de ~reunião.presentaI-o . não.ELYSEU MARTINS (/0 Secretario) . THEODURETO ·Sou'ro .as explicações do nobre Senador e espe- rando I{lue' a Camata proceda deaecôrdo'com o que foi de- liberado. não OOD- . corri as decisões da Commissão Mina. A ap. mento para as 'sessões ordinarias do Senado e o RegImento commum para as occasiões em que o Senado e a Camara tra- balhem conjuntamente. 'Por isso julga conveni. Este proj ecto. TREODURETO SOUTO . e': não exclusiva- mente do Senado e da Camara.. Esta declaração é neeessaria para tranquillisar-nos. d. o ·que produziria má impressão no espirito publico. devendo o Congresso ser ins:taIIado no dia 15 . Regi-. ' . coexiste. O SR. . o ·expedienteque propoz e que a esta hora deve tambem ser proposto na Camara pelo relat. Pruden.Approvamos o que diz respeito ao Senado. Na nlÍnha opinião.: :0 Sr.s6 por·~l1e deve ser approvado pre- lmunarmente. este Re- c:giJnento.te de Moraes diz que o. lhe parece. Theodnreto Souto a. O SR~ CAMPos SALLES (Ministro da Justiça) .: 10 SR. AsSIm Se procedeu .>' mas com- pr.paratoria.. está sujeita a esta contingencia .

'\:cll1sivan1ente para . Thcodnreto Souto. ou que' fique a l\fcsa encarJ'eg-ada de organizar lln1 Rcginlento . ~ão havendo -llaria mais a trat:J.0550.YSEU }IARTI~S (-10 f3ecretario) .e. Posto a yotos.lei$. que opportnnanlente se tr::lt'J (~n.lllaGã() elo C(l1lg1'(\~~) ?\~~Ieionnl. n0111C:lçÜO de outra Cmnnlissão. 5cn1 L10hntC' :1p- pro\"ado o sC'g'uinlc . queelahore U1l1 Reginlen~) C('mITnlJll r'i.fo:~fDE:S-TB convida os Srs. Não se applica ás cnnlaras ordinarias.-__ lCional na' fornlac·âo elas .i'llo pal'a ns :.ijll~'l. G approvado o rcquerüúcnto do Sr~ Pru- . lHas de$fjnada a solver uma di[fic}:!ld_~_de_~~onsti. PnUDENTE DE .o ele Heg.lr::t as fu:.E.PI'oponho a nOJnr'acfto de lona Commi..'-3 ll:>. .dento. que (S lld~ e apprOyadil.::'õcs ol'clinarias. Ü SR.de JIorfics.C-. PRESroEX-rE nomeia para esta. . stituinte. Clll'i~hl\':i. .lu..fl~ para a ill~l. visto que o Regin1ento hoje apPI'OVtli. approvação dest. tiO Jl1ein dia.- E' ·li·elo.liseuseãor. Requer: portanto: ou a nonleaçáo de uma Conlmissão.:t~ doScnudo. especial para () SCDado: afiiu 'de ser subnlettido {t.l·. (} SR.l11 ulnnnhã. no pâlHej(J dt' S.-:.5 da 31esa..l\IORA ES .imCIÜ(1 lnLC.. CUlllmi~~ãd n~ fllf'mhcfl. . bcnl assinl.s:·~nadIH"('s a C._'~":.r~ laYl'a-sc a lWe:.:: O .-lmjl:l-: l'eeOJ'l). . PH.. .{o é para o l1rinlCiro Congresso Constituinte. Er.:'(~lllc t'WL:l.Sn. fJl)~l(l em l. n'J)oirlilo.sFlp· ejllC f-Iahol'C' 1m1 llJ'llj-f'Cl. O SH.

.S DE 4 A 1. reCla1l1aCÕeS e represent~ções ..Sr .:\ntoni (l o • Gon0alYe~ ChaYl'~.: \ lIg-nsfo" . sessões preparatorias. Ferreira..:\ssenlblé:. ..~o .'ltou o projecto de Regimento~ })elo qual dev·enl ser. Pre.putados~ e organizada a respectiva rchl:0ão.. o Sl~.idellte a Cor=:missáo de Cin-eo n1enlbros' ·afinl di3organizar~á: vista r1 os -diplomas.jnn VIUlninell.S PREPARA1'ORL\. :MC8.essão de <. duas· listás•. sob a prcsillencia do Sr.ado-de S.ão do Sr. Paulõ: que na mesma occa~!ão apreseJ:.'.1nlba e Aristides -.° S2cretario. ~ ~ .1 DE NOVEMBRO E 18 DF~ DEZEMBRO DE 1890 ):...t: pl'ovisoria: 1~' secretario. DOS CINCO l\a UleSlna :. os Sr~~ . 3°~ .l: !D~r indicac..' -Filho: 1.u· Machado: 2 Seéretario.e JHL ~nla dI) C'1.·DOS SRS.João Lopes . DAS BE~8õE.ee~o c ·Ao~ Frer101'ien: ~ . o A 'convite do Sr. ficouassinl organizadà-a. CAMARA... que naqueIla qualidade fôra acclan1ado pcJ a .'3.João da l\Iatt. co~n"rrss.oriosda Calnura dos Depu- tado~. o' j' óssem apresentadas á· l\fesa. '-' ELEIÇIo DA :\'IESA Feita pelos cidadãos pI:csentes a apresl~ntacão dos" seus Diplomas de de...\do. Dr:ptl~~tdo eleito' pelo }~studo dI" 2\111135 Gcrae.)osta dos 81'S.que o . Francisco Glycerio~ Deputado-eleito pelo Est. }\ia ia..TOHO· da Silva Reh. .1 'foi~õnleáda i~elo. . Bor!res. CO supplentes.:haves:. ]woccJeu-se ria nlesnla sess50 de i! ii ele. e outra daquelles cuja eleição fosse' çontestadà. a qn~! ficou COillJ. JIrSTOIÜCO .içftO da l\I:esa" i11- cU111bida de dirigir os trabalhos das sessões preparaLoria:.s eleitos sobre c:nja'eleição não'hoúve~se duvid~nen1 contestaijão.. 'protestos.-:e.. Secretario~ Antonio de . ·Vice-Presidente.idente~ Antonio Gonçal- yes·. 3° Secl'etarjo~ Fl'cdericoAugusto' Burges: c 4°. sendo uma dos o deput:.. 05 fTa1J:llho~ pJ'('parat.::. Nilo· Peçanha. . DEPUTADOS . Amorim Garcia.: Pre:.11 dia 1 (11" llHVI~m1JL'''1 l~ncL'LaJ'am-:. Alvaro de· Andrade Botelho: 2/).José Ang-usto Vinh$. Alvaro 0 de Andrada Botelho. : de ArauJo .regu1adas as. Presidente.

e ficaram assim con- ~'tUI. o parecer n. Andrade. .: Enifacio Pessoa.. Nilo Peçanha. Bar- bosa Lima e Serpa. Viriato de Medeiros ·eMoreira da Silva. .~refcrfda' 'Coi:nfufssão ficou "=constituida cos=S~ . Nas- cimento e José Avelino. sessão de5' foi apresentada pela rnesma Commissão a lista dos deputados cuja eleição. na fórma do R~gimento. .A~hando-se impedido. José' Av elin o. 3. Aristides l\faia. Franca CaT'valho~ Ferna'ndes Bastos~ Nilo Peçanba ·e Ladisláo Netto_ . \-jotti~ Ou~ique. Sampaio· Ferraz e Fonseca Hermes. .ElRIPICA:Ç. . . sorteado o Sr. Ale- x~ndre St.·Commissão --. Nicacio. para ~l1bsfifuil-o na segunda Commissão. é rejeitada a referida indicacão. . Belfort Vieira·e Conde de· Figueiredo. 6" Commissão .po- (leres.igue$.n. suscitou-se uma questão de ordem. Aristides J.: Chagas Lobato. -. a Teguerim·ento verbal do Sr.l 'õ as: & 1 Commissão . N3.Bueno de Paiva..ommissões de verifiyacão de poderes. . c::ta r.Em seguida f. St. Aristides Maia. . Chagas Lobato foi ofí'erccifa a seguinte Indicação Indico Que seja o Senado convidado a vir reunir-se a.:\O DE PODERES Em sessão de 5 procedeu-se ao sorteio para as seis c. Je~ suino de Albuquerque e l\fanhães Barreto. e posta a \'otos.Alciiido Guanabara. \.-:=que-sedlJ~~vam impossibilitados de comparecer ás reuniões da mesma Com- missão.. ..Vinhaes. Cartaxo. para conjun'ctamente verif~carem os seus .' Manoel Uchôã-·~ROdr. .a de deputados diplomados.Commissão . . Commissão-Aristides Lobo. 4. . Francisco Amaral. Ur- bano Márcondes. L Na n1esma 3essáo..ockler. COMMISSÕES DE V. Pedro Americo. Car- taxo.oi approvado o parécer n. Goncalves Chaves . na sessão de 6. 56- ~\..(Presidente) ~ João Pinheiro. membros da se- gunda Corriiiiissão . foi. ·de Oliveira Valladão.. foi apresentado e approvado o parecer n .s.Cle Ver]fIcação~dê PQde-'Fes. Matta Machado (1° Secretario). .· 1:: . Na sessão 'de 8 foram sorteados os Srs. 1 A da mencionada Coromissão.nb. Felippe Schmidt. . .roão Lopes. qu.:~João da: Silva Retumba. Approvado o encerramento do debate. .Palleta. em que tomaram parte os Sr.' ~ . . em· substituição dos Srs. A. Oliveira Pinto. &:1. não soffria contestação e que acompanhou. . .o entrar em discussão este parecer. : Pelo Sr. . ao qual acompanhou uma' li~t. . Almeida Castro. ' 211.o· l~t~Jfor:t_Vleira e Fpanei~eo de Paula.amara. 5~ Commissão . o Sr. .tonio Moreira da Silva e Manoel Pre5ciliano. Chagas Lobato e Costa :\{achado.

: . de· . Parece?' 11. .lvelüno. . foramnom·ea- dos pe.Thomaz Delfino ~ . Esta indicaoão~ que ficára sobre a mesa~ entrou na sessão de 6 em discussão e foi sem debate approvada.ristides l\faia. . .fOT' deliberada. Magalhães. atiro de servir de base aos trabalhos pÍ'eparatorios: d~ CaJnara~ é de parecer que.missão a que se refere a mesma indicação..iO communicou ó'· Senado haver nomeado para a alludida. .-.:. ' : .u. . convidando-o a fazer outro tanto.:. reunidas. seja esse mesmo 'l)rojecto adaptado .· Commissão os Srs.AlmeidaMagalhães~ José Ave- linoe Manhães Barreto. para a Camara dos Deputados..2 A Commissão especial nOlneada para dar opinião sobre n~Dl'ojecto de lRegulamento offerecirio pelo Ivfinisterio do Inte- rior. Tendo ficado sobre a Mesa esta. approvado.~ Indicação Indico que seja nomeada uma Commissáo para dar pa- ri:"CN' ~obre aprojecto do Regimento Interno.Por.. SCln debate. . .:. ~4.. .Ari. -57 - Emse~são de ~ 5 o Sr..: = : . .. e officie ao Senad<>.indicação.n ~f'guinte . mandado or- ganizar pelo benemerito Governo Provisorio. em'quanto outra consa não . . Nesta mesma sessão a Commissão nomeada apresentolJ. Presidente os Srs.róáo Pedro Belfort Vieira. a se- gou j nte c ~ . Ely- seu Martins e . . .lo Sr. sendo pelo 81'. Aln1eida Ma- galhães a 'seguinte Indicação Proponho que a Mesa nomeie uma Commissªo de tres membros. formulem um r. da Silva. . e'que estas duas commiEtSões. José Avelino . officio.REGIMENTO COMMUM Eln sessão de 5 foi apresentada pelo Sr.~tides ~Ma1"a .~. na sessão de 6 entrou em' discussão e foi sem debate approvada. l\Iot'eira da Silva e José l.rojecto de Regimento commum.. foi este parecer. Prudente de ·Moraes. Para a Com.Woreira. . -. o qJJ31 seja discutido e votado em sessão plena das duas camaras . . .. c Posto immediatamente em discussão... Thomaz Delfino ·a'pre~nto. A. Presidente nomeados paraoa CO!l:'missão' incu'mbida de dar 'parecer sobre ella os Srs.

Di'.to.illlidadn dos poderes de que 3ão porlndlll'rS ~en5 rnomhro:-.dicof..'.Gab?'i~l de i. Em sessão de 6~ pelo' Sr. RECO~HECJ:\1E~TO DE DEPUTADOS Na sessão de 9 foram submettidos á votação e approvado.dico que seja nOlneada Ull1a COlun1íssão que se ineU111ba de· ar:. .. n.: . . na verificação de podere. Pac\ífico GonC3tl:ves· dtt Silva Mascarenhas.· foi .~·João ·da . snhmeLto ú sua.dade (lU jJ]e.1cpols {le oral"mn os 81'S. Francisco Glicerio e Gabriel l\Iagalhães~ sendo crn sc- g~t11da ]'pg'citada.'" bros..lfa(jalhãe. Dr.Dl' Antonio Olyntho doa Santos Pires~ Dr Frarici~co CDelho· 'Duarte Badar6~ Dr. A pedido do seu auctor. João das Chagas Lo- bato~Dr~ Antonio .offere- úida a ~eg'l1. ]~nl sessão de 9 (I Sr..ITEltNO DEFINITIVO..de poderes~ nelos dictanle5 da n1inha consciencia.ilo Ir:. Gahriel de )'Ing'alhflcs off~rce..4. será subslituirla 1101' esta ouh'a: . a seguinte ai'firn1acão: . conlpronletto':""nlc _ a pau Lar nlinhas decisões~ no tocante á verificacão .s~ a Cmnara exerec..ões judiciarias 011. Dr.. Dr.rft. por o1Jt.Joaquím Leonel de Rezende Fialho. delibe['ucüo a seg'uintc ' lndicaçãfj 1. Dr.n. JBsta formula para os 111cmbros que se $eguiren1 ao que em priu1eiro Jogar a houver proferido.lcfndo Guana. Posta en1 discussão. Gabriel de Paula Alnleida l\!agalhães.. .reselltar conl urgencia o projecto de RegiInento defini- tivo desta Can1ara.s os seguintes pareceres das diversas con1nli~sões de verificação de pàderes~ sendo reconhecidos e declarados deputad-os os seguintes S r s .'it. df'ciclir na h'gitim'i- . C'han1fulo n. 3: pelo Estado de :Minas Geraes: . REGI:l\-IEl\~O .~ se ('0nvcr'~'(l NU 11m . J!o.bara. ~t\.inte 1n.ç.Jacob da P'aixão.Assin1 9 afirnlo e pronlet. foi retirada esta indieaçãona 111e:=:l11a sessfi-o. ~er{t cada~íUll1 destes c0uyjelado a fazer iperante a lVIe:. .cll I) seguinte: Considerando QU0. .-Dr Alexandre Stockler Pinto de Menezes.leindo Guana. 2.illr'y JHleional.'pareccr sobre verificação de poderes dos seus 111Cn1. foi (\sla encúrrufla. .ToãoPinheiro da Silva~ Dr. hcnl dizer...Sob n1iuha honra.(. .Antes de subnletter-se ~i deliberação da Can1ara o prin1eiro. Francisco Lui~ da Veiga. funcç. N...bm·a. : .

Alvaro de Andrade Botelho. 59 - Malta l\Iachadó..José da Costa Junior. Felicíano Augusto de· Oliveira iPenna. Almiuo Ah~:1res Affonso. Leandro Ribeiro de Siqueira l\iaciel e Dl'. capitão José BcYiIaql1a~ Dr.'"'. Dr." 10~ nela Estado do Rio Grande do Norte:. Silva Pe:-:30a~ DI'. Dr .Toaquiln (lo Conto Carlaxo.Paula Leite Oiti- ti('a. José. Carlos Justiniano das Chagas.:\merico de l~igueiredo..José Caridido de I. nolo E~lado de S. D'!'. I~adisl:·. Astolpho Pio da Sílva Pinto~ Dr. capitão Ivo do Frad·o l\Ionté Pil'('s da França. Dr.nentc coronel Joaqlliln de' Souza l\fursa.~~no lvlülle!'. DI' .é da C05lu l\Iachado e Sousa. Drs. l\Iartinho da Silva Prado .lltonio Dultra.\llfll'nf!I.. l\{al'tinhoRodrignes . pelo Districto Federal : João Baptista de Sanipaio Ferraz. Paulo: Dr. . F!':.Tllniol'~ D:r'.Adolpho da Silva Gordo.. Dr.lagôa5: BeI'Hardo Antonio de :\r'\ndrmça Ct:=. ~ N. Dr: .e coronel ~Ialloel Pl'esciliano de Oli- \'nira Vallu{lão. Dr. tenC'nt..o Alves PereiTa. Luiz Pereira· Barrcto~ Dr.H1Cisco (10.ba: X.TO:lO Tholna% Carvalho. . l\:fa-· noel Coelho Bastp5 do Nascinlento e' Dr.rederico Augusto B0rge1s'. GOl1çalo de Lagos .. Dr.1 L pelo E~tado de Santa Catharina: Dr. Dr.Souza. Francisco de Paula Rodl'i- g:ncs .~ :\íoraes f': Barros~ . Dl'.t pelo J~stad(l ele Scrg'ipe.Toaqnü11 Ferreira Rábello.Alfredo Ellis. -1. .João Alvares Rubião Junior. A.ocha :Mirancla~P'aulhlo Carlos de Arruda Botelho. Dr.. Dr.Jo. Francisco de Paula· May~ l'ink. Nica~io" Dr.I'eira Fialho.s Angust. Francisco Corrêa Ferreií'a Rabello. Dr. Pedro \Telho de Albuql1ercrl1e l\faranhão. Dr An- lnnjo .João Baptista de Sá . F. Domingos dn. Antonio 'Affonso La:' l110unier Godofredo. Carlos AllgllstO Garcia Fer- l'~ira" An lonio Moreira da Silva. Dr João 'Antonio de AvelJar. Aristides de Araujo :i\iaia. Angelo Gomes Pinheiro Machado.silva Porto.· Epitacio da. DI'.Anlaral. Francisco ~\h'aro Bncno de Pah"a.. Di. 0. Bernardino de Can1pos~ !~'~neral Franei::.osé Rocha. canHão Cal'lo. Dr. 12.Dr.. ./el1n Branco~ Theophilo Fernandes dos Santos. Avclino GurgeI do . Anl:onio . Ant·onio da Silva Prado. . Dr. Lauro Seve-':' r. l\Ianoel' Fulgenci.JoaQuin1 Gonçalves J. major José Freire Beierril Font. 'Dl'. }~rancisco de Paula An1aral. Dr. G.. X. }fanoel d.Q c capitão Gabino Besouro: X.cs dn Miranda. Dr. Francisco Honorio Ferreira'· Brandãt'). 'Americo Gon1es Ribeiro da Luz. (. Dr.João Lopes l~eJ'. . Mi- guel . Dr.Ã. Capitão Fe- ]lDpe Schin)idl'..Joaquiln Lopes Chaves. N.. Dr. Dr.o de· C~nlpo:::. Pedro . Policarpo Ro- drigues ViottL Dr. .inho: . ' N.aeio Bel:i:-Dl'l.~nellc~ . pelo E~tado do Ceará: Dr. pelo E::::t..{an1os. S.Justiniano de Serpa~ 1l1ajor Alexandre. 'Dr. l° tenente da Armada João da Silva Retun1. José . ·Do- mingos Corrêa de l\Ioraes~ Dl' . Dr. 7.JnJeida C::Jstro e Antonio de Anl0rim Garcia: N.u d~:=. Dr. José Candido ila CDsta Senna. Vieira e capitão l\'1ano~l Ucl1ôa Roclrj~ucs: N.José· Lones da Silva Trovã0 :Alfredo Ernesto . Dr. An- tonio Gonçalves Cliaves~ ])1'. FcIishello de Oliveira J:1""Tre ire: .:co Glicerio'.:\lyC':::~ Dl'. .Joaquinl de ...nnza ?lTf1}lo XúU. .Tos~ Bar-· de })osu· I"in1a. Con~tanUno Luiz Pal1cta.}não Luiz de Campos '6 Barão de Santa Helena. DI'.Jn:lIl' I ': m Pl' d.: Francisco Furquin1 \Verneck de A}meida~ Doming()~ .Tacques 7 Ourjque~ Aristides da Silveira Lobo.José Ltl jz de Almeida Nogueira e Dr. José GurIas Ferreira Pinto~ coronel . . Rodolpho Nogueira da H. e Dr. fr. pelo Estado do Anlutonas: Capitãí)-tenent~ Mano- el Ig-n. . Dr. . Lo · Da~L ~. pelo EÉtndo d~u~ ~\.acorda Cout.ado da Pa~ahYba do Nortc":--Dr. Ce::i'ario Motta Junior. X. . D~r. Domingos J.

sobre a elei- ção de deputados pelo Estado da Bahia. Julio Prates de Castilhos. ~ RECONHECIMENTO DE DEPUTADOS Na sessão de 10. Dr. Eduard-o Mendes Gonçalves e Fernando l\Iá- chado Simas. Dr~ José Augusto de Freitas. Alexandre Cassiano do . Tlío- malJ De1phino dos Santos e Conde de Figueiredo. José Augusto Vinhaes. Dr. Ernesto Alves de Oliveira. Francisco dos Santos Pereira. -conselheiro Francisco' Maria So<1ré Pereira Dr~ Dionysio Evangelista de· Castro Cerqueira. Joaquim Francisco de Assis Brasil.<\. N. pelo Estado do· Paraná: major Belarmino Augusto de Mendonça Lobo" coronel Marciano Augusto Botelho de Magalhães. Arthur Cesar Rios. contra-almirante Custodi-o . 15. Df. pelo Estado do Rio de Janeiro: coronel Francisco Victor da Fonseca e Silva.· y Dr~ Leovigil<lo do Ypiranga. Marcolino de Moura e Albuquerque.. maj-or Vicente Antonio do' Espírito Santo e Belarmino Carneiro. João Vieira: de _.Motta. Aristides Cesar Spinola Zama~ Dr. pelo Estado d. . Carlos Antonio da França Car- varao: JJuiz Barreto Murat~ . João Juvencio Ferreira de Aguiar~ André Cavalcanti de Albu- querque. 13. 16. AIcindo Guanabara e Erico Marinho da Gama Coelho.José de Meno~ Dr. Antão Gonçalves de Faria. Barão d'e . 17. Manoel Luiz da Rocha Osorio. Dl'. vice-almirante Joaquim Francisco de Abreu~ Homero Baptista. N. Severino dos Santos Vieira.rne1ro de Souza Bandeira. Cyrillo de Lemo~ Nunes Fagunaes. -00- Jesuíno de Albuquerque Junior. "050nvsio Manhães Barreto. Dr Joaquim Ignacio' Tosta. DI'. Joaquim José de Almeida Pernambuco. João Severiano da Fonseca Her- ll1es. Francisco de Paula Oliveira Gui- marães~ "Dr. Dr. tenente- coronel Thomaz Tompson Flores.João Baptista da '. Amphil0tlhio Botelho Freire de Carvalho.rnando Abot~ De-n1e~rio Nunes tRJibeiro.Joaquim Seabra. Garcia Dias Pires de' Carvalho e Albuquerque. Antonio Alves Pere~r:l de Lyra. !\. pelo Estadlo do Espirito Santo: Dr. Pinto. José de--. Dr. Francisco de' Assis Rosa e Silva. . N. pelo Estado do Rio Grande do Sul: Victaria Ri-" beiro Carneir-o Monteiro. Luiz Carlos Fr6es da Cruz. Fe. " N.raujo. José Vicente l\feira de Vasconcellos. AntOnio Eusebio Gonçalves de Al- meida. Alcides de :\1éndonca Lima. Joaquim de Souza Breves. : . José Gonçalves Viriato de Medeiros. ". Urbano Marcondes dos SantQs Machado. Luiz de Andrade. Aristides Augusto Milton. Dr. Annibal Falcão. Dr.Nascimento. João de Siqueira Cavalcanti. 14. Amorim Filgneiras. Nilo Pecanha. Virgilio d·e Andrade Pessoa. indo' proeeder-se á votação do parecer n. que reconhece validos os· diplomas dos 81's. i8 da 3110 CommiBsão de verificação de p!:deres.Mello Carvalho Muniz Freire e Capitão Antonio Borges àe Athayde Junior~ que f-oram portadores de diplomas. da Fontoura l\lenna Barreto. José . Joaquim Pereira da Costa.e Pernambuco: J"osé Nicoláo Tolentino de Carvalho".' RaymundoCa. tenente-coronel Antonio Adolpho. João Barbalho Uchôa Cavalcanti~ Antonio Goncalves Ferreira: José Marianno Carneiro da Cunha. Antonio Augusto Borges de Medeiros. coronel Francisco de Paula Argollo. Alberto Olympio Brandão: Augusto de Oliveira.

João de Siqueira.eguinte· . Garcia Dias Pires de Carvalho eAlbu- querque. J:óaquim Ignacio- Tosta.Rocha Medrado. reconhecidos e declarados deputados pelo Estado de Matto Grosso os Srs. ~ebastiãoLandulph~ da. Dr. Na· mesma sessão 'são reconhecidos e declarados deputados . Leovigildo do Ypiranga Amorim Filgueiras. . Francisco dos Santos Pereir~ contra':'almirante Custodio José de Mello. . Dr. "Aristides Cesar Spinola'Zama. em que tomaram parte os Srs. não foi approvado..' '.Diario Officfi4. .Azeredo e major Caetano Manoel de Faria ~ Albuquerque. dos deputados reco- nhecidos.pelo Estado da Bahia. Dr. Declaro . contestação do conselhei. 'suscitou-se nova questão de ordem. nos mesmos termos pedidos pela Com- do missão em relação. coronel Francisco de }Paula Argollo. doSr• Aragão Junior. Palleta~ e Matta Machado. José Augusto de Freitas. -Matta Machadõ. . Barão' de. e que em relação á validade do· diploma do capitão Salvador Pires de Carvalho e Aragão. Dr. Dr. ao reconhecimento i. Dr. de Serpa. . questão que tivera por origem um r~ querimento verbal do Sr. Â:r- thur Cesar Rios. a votação do parecer. João de Siqueira. José Joaquim Seabra. . João de Siqueira. sejan1 . conselheiro Fran- CISCO MariaSodré Pereira. bem como outros do- cumentos.presentes' as aetas atrguidas de falsifilcacão e'constantes da. DI:. ~ J. Dr. lVlarcCls. .que não t!ve occ~sião de varas not~ tachygra~ phlca~ que foram' hOJe pubheadasno . José A.: Dr. .- s.. . :Posto finalmente a votos este requerimento. Retumba. Dr. suscitou-se uma questão de ordem em que tomaram parte os Srs..São Marcos. -os Srs. llequeiro que se consigne na aeta de hoje a seguinte' declaração: . Ap- provação desta etnenda. Dl'. Dr. julga necessari. Martinho Prado Junior. Seve- riano dos Santos Vieira.. .velino e Presidente. Na sessão de 11 são. Dr. ~1philophio Botelho Freire de Carvalho. Dr~ Aristides Augusto Milton. Francisco de Paula Dliveira Guim'arães. Francisco Prisco d·e Souza Paraiso. Dr. Sebastião LandulPho da . Antonio· Euzebio Gon- çalves de Almeida.equeremos que seja adiado o reconhecimento Barão de Villa de Viçosa. Presidenter Barbosa Lima. José Avelino. Barbosa Lima. Veiu á Mesa a s. Junior. -61..: Antonio Francisco de . . Dr.-ro I)r. para que fosse submettido á votação o parecer.o que lhe. Mareolino de Molira 'e Albuquerque. Di-onysio Evangelista de Castro Cerqueira. João de Siqueira. Dr. Martinho Prado Junio~.' Rocha Medraào e Barão de Villa Yiçosa. Francisco Glicerio. que apresentou a seguinte Bmenda R. Sendo annunciada. por nome.

Informações sobre O . lido. .· os seg'uintes pal'eCel'CS: N. SITo apresenlado::. do Jlaranhlio' A l:lo C01l11nissão de Inqüerito exan1inou as -acLas pal'(jiacs~ a acJ.0 . l)roceàeu no Estado do . :Fui.. Custodio Alves dos Santo_s~ Dr.es.pl~ovidenc·i.1Vraranhão~ llcida ~ encontrando que possa alterâr o· resultado constante da apuracão' geral. sun10 da'..onseca He'l·'{jtes. destino o seguinte Requert'J'llenlo nC(tueil~O qu~~ se pCf..Junior.Tassoc: Fragoso . Casimira Dias Vieira . Fernandes.-ao ·conhecinlento --da l\Iesa. ' 'revo identico.SOBRE AS. .llUll1ero to~al de scc{Jões ?leiLo.a da apuração geral C~ hen1 assim.es:. unL dos candidatos.. EliHr:üo no Estado .~ Ah. todos os püpcis re- lativos. bre~'idade : 1Q . de.Estado do JIaranhão os cida-eW. o seguinte· Requeri1nento .' m. A.Custodio Alves dos Santos. l)"\!lECE!~. do Dr . facto . Dr. un1 dos eleitos por este' Estado.~l~ alJtlleiltica~ das . Henriqu.. Manoel 'Bernardino da Costa Rodrigues~ Dr.:~ugusto . José Rodrigu. ap(JiadQ~ post.ltA:NlIÃO· E PJAUHY.. Dr.Ú\·eI')JUlJot'~ . ' " ....' JIiguel de Castro.a:s·que () _caso:ex:ige~ '-. e na falta deliasorc~. El(:ÜZS DOS EsrrADÚSDO . 1890 • .. votacã.' As aetas arguidas de falsific. á ~eleiçãoaque se.Capi tal {lo Estado .F. 'Carvalbo~ Dl'. ..0.\ e 2:1 secções da villa do Gel'clnoaLo.]10UVC e1ei- <.:5.arll ao Conselho ~Iullidpal da . portanto~ o. Cln discussüo c seUl debuJc ap- proyado. esclarecer . que SC1'\'Íl'all1 pa:ra' a apul'êl/. Requeiro que~ por intermedio das auclol'idades COlnpe~ : tentes~ e no intuito de. Portanto.to. 22 .os Dl" _ .juizo que. Antonio Ennes de Souza.da Báhln~ por intern1údio do l'c'Spcctivo e.'.l\·U.1.. ..o.Oliveira'Pin.o que coube a cada. sobro a eleição do Estado da Bahia te1n de i'ormular a 3 COlnn1issão~ sejalIl 11 solicitadas do Governo da Bahia.lexemdí'e Stockler.' leva'elia~ . todas aquellas eleições e reconhecidos d'eputados pelo . e0111 a possivel .ão geral. P~resid~lte.ação peló contestante Francisco' Prisco de Souza Paraíso. : 'Cbegou ao' 'óonhecinlentó da CónlD1issão o ·fallecimento. " 2 As' actas que ainda não foram ~enviadas á Secretaria Q _ desta Carnara: 3"'.' para tOlnar' as. 10 tenento .' raes daquelIe Estado e quaesaquellus onde não .' é de 'parecer que sejam approvadas.' ZOUUt.

e SCl~l deb~te approvada a ~acta da. acta d'a. ~a::R .ões ~ llcqueü'o que" se . 510~ de· 22 de junho ·de -1890. .ribukio no Diario Ofricialc~ de hontcllr~ e01110 tendo 'sido 'proferido na sessão de 8 do corrente . Portanto.a3 tacllj. . votação.f~(N. é de parecer que sejam approvadas todas as eleições parciaes e reconhecidos deputados os cidadãos Dr._' Oliveira Pinto. antecedente . An- i'risio Fialho~ Dl'.23 i_' '1890: ".hy A ia Conlnlissão -de Inquerito. é H.. cOllsigl1e na acLa.acto no Dia1'io Ol'l'iC'ia~de hontern. ) .' . (1).no'Estado 'do PüJ1/. seguIntes Declaro.""graphicas entregues á redaccão :do Diário Official pela Secref:arüi'da:Camara' dos ·Srs.}ido o parecer sobre a eleicãó' . Joaquim Nogueira Paranaguá. Aberta a sessão do dIa 12.IA'ma.' exanlinando 'todas as actas ela eleição a que se procedeu 'no Estado do Piauhy. O Sr.ia impressãb é' dispensada. nada en- controu que possa ult~rar o resultado constante da apuração geral. ('1) E' . . posta em discussão.Palleta. posta em discussão e s~ln. de 1. 'Vasconcellos e Alnleida e coronel Firmino Pires Ferreira ..3.. 6 i·~.. Aberta a sessão do·· dia 13.· V êln á lVIesa as.da. O' Sr. procede' á leitura de 11m officio do l\Iinisterio dos 'Negociosdo Interior. ' ...'SO que me foi atf.Fon-' seca He1'rnes. ' H. - lJú1'b OU'. sessão. 2° Secretario lê unl officio do Senado.. . . N . 'não foi por lllÍnl 1 J·evisto. cu.:): T. I .do Estado de Goyaz. t.. Subn1ettido á. é lida. a pedido de um' Sr.lllllllu:llicando que se acha em estado d~ prestar-se tí' ínstaI- . é lida. Os 'discursds são "pUblicados'rrelmente "pUblicacios'rrelmente pelas not.equéiro que fique consignado na acta não ser fiel o dis- tlll. .' que o lneu dis·curso.'r. no dia designado pelo decreto n. ' repre~en­ tanto.debato' appro~ada a.Deputado§.. COlllll1ullicando haver sido terminada naquella Camara a verificação de "poderes de todos os seus men1bros e convidan10 a ·Camara dos Deputadbs a reunir-se a elle na sala destinada ás sessões do prinlciro Congrcsso' Nacional da Republíca. 2° Secretal'io~ servindo de 1o~. posta em discussão e sem debate' aJ)provada a acta da sessão antecedente. ~. uLlic. Ele(~~õe$ .Ale:cand't~e Stockler. 1 tenénte 0 Nelson de. datado de 12. J. . acta 'da sessão antecedente. é approvàdo o parecer.Aberta a sessão dod'ia 14.. "': - . senoo omisso enialguns pontos e falseado eUl outros. .

. Rodri- gues. dia '4 denºveml. 10 tenente Nelson de Vasconcellos e Al- 'meida e coronel Firmino Pires Ferreira. Custódio Alves dos santos. Em offieio da lCommis~ de festejos do dia i5. um dos eleitos. PRO. Congres~o. Henrique Alves de Carvalho.. pos~ sem-rlebate appr9vada a ~6ta da sessão do em discussão. é approvado. ioi eommunieado que se acha em estado de prestar-se ã in- stallacão do Congresso Nacional o palacio adaptado para . Posto a votos este requerimento. em seu parecer. OS Srs.TECTO DE REGINI:ENTO DO CONGRESSO NACIONAL E' approvado. disposição. CustodioAlves dos Santos~ Casemiro-Dias Vieira Junior.esse -esse fim em S. . AnfrisioFialho.Christovão. .E8pirito Santo. B·i- lacão do Congresso Nacional o palacio adaptadQ para "esse fim. Joa<i:uim Paranaguá. Anto- nio Ennes de Souza e i o tenente Augusto Tasso Frag'oso .do -do Congres~o. 17 do regimento proposto. OFFICIOS P-or ofificio do Ministerio dos Negocios do Interior.:: vidada a Camara dos Deputados a fazer-se represe~tar por uma commissão no espectaculo de gala np Theatro:tyrieo. . para que tome as providencias que o caso exige .o fal- A Commissão. REC01\HECWENTO:. fl)i con. !Aberta a sessão no di~ i8 de dezembro. Manoel Bernardino da Costa. E pelo Estado do Piauhy. estando dadas as" precisas ordens para que á uma hora da tarde do dia 15. Drs. a no -dia realizar~se no' dia 16 . de 13. 9- .»r 9. é" lida. communica á Mesa' lecimento do Dr. José Rodrigues Fern~ndes. Drs. apoiado e ppstQ em discussão o seguinte Requerimento. éstando dadas as precisas ordens para que á 1 hora da tarde do dia 15 esteja o referido palacio'á palacio-á disposição. approvado -o o Regimento. em S- S . Christovão. do Congresso. ~ E PIAuri São reconhecidos e declarados deputados pelo Estado do l\laranhão os Srs. E~ lido.d)E~"D~IJTADQS PELOS ESTADOS DO MARANHÃO . . esteja o referido palacio á disposição do Congresso. . llequeiro que a approvacão provisoria do Regimento pro- \"Ísorj(l do Congresso Nacional se limite"_ á organização da Mesa e ao art. ad referendum. Mesa.·" e sem'rlebate .

. ná. 1:l e 2" de Camp. ha uma questão de ordenl em que tomall1 parte diversos Srs. como recon hece a Cómmissão...Commissão. pelo seguinte: Considerando : Que as authenticas das secções eleitoraes do Angical.. Cosme Mor:eira de' Almeida. Varzea.. . os votos da 5a secção de Sant'i\.9'31. candidatos.os 1. por esses vicios. permittindo. 18 A. 1 e 2 secções de S. são nullas . está escripto sobre uma rasura não resalvada. deduzridos do:s quatro candidatos immediatos em Yotos~ os que já foram proclamados deputados. " Na ordenl do dia.: Substituan1-se os consideJ'anda e conclusões do parecer. Carip.. além das incongruencias notadas no parecer daCommissão.. Francisco PriscQ' de Souza Parais 0.'. representantes. além dos documentos comprobatorios da falsidade da eleição das ·duas secções de Geremoabo... 962 DI'. entretanto. não deixa verificar os' votos obtidos pelos referidos. 1 sec:çã. Sebastião das Cabeceirag 11 de Passé e 1 e 2 de Geremoabo.. Que..931. Francisco. que lhe foram dados naquellas se~sõps' eleitoraes. Formosa. aos quaes se refere a . -65. verifica-se terem sido ambas estas au- thenticas escriptas pelo mesmo punho.aré. os secretarios haver cada um escripto a de sua respectiva Mesa. -da capital~ rasuras sobre o numero de votos dos candidatos Prisco Paraíso e Salvador de Aragão. coincidindo essas alterações com as .. verificam-se. na authentica da 2:1 seccão desta parochia. i 2a e 3u de cidade da Barra ll .. e substituído pelos nomes de .as eleições da 5:1 seccão de Sant'Anna. ll IQne.rasuras: o nome do candidato Prisco rParaíso. Que. Sebastião das 11 'Cabeceiras de Passé.399 5 . -entrando em discussão o parecer n. 1a e 2 de 11 Santa Rita. 30 . apresentando a authentica da 5:1 seccãn de Sant'Anna. primitivamente esoripto. °resultado da eleição é o seguinte: Barão de VilIa Viçosa. sobre aeleicão da Bahia. ordem numerica das votações obti·das pelos candidatos. e em outras pelo do Dl'. · . na authentica da. por exemplo. mencionados no primeiro. eonside- l'ando. mencionado na acta de apuracão.nna... Que. figura com seis votos escriptos con1 tinta e caracter de lettra differentes entre un1 candidato que obteve 2117 votos." :: Que:". Bom J esuoS da Lapa. de S. além da existencia de ra- suras~ alteracões. restabelecer ao' referido candidato os votos em numero de 1. e outro que teve 156~ sendo' aquella votação escripta sobre uma rasura. do nome do Dr.o -de S.. c Icatú~ apesar de apresentarem ras-uras e emendas. observa-se que o numero dos eleitores. declarando. Prisco de Sousa Paraíso 30. deixam ver as lettras. ' Que. 1 e 211.Joaquínl Arthur Pereira Franco em umas. São lidas e apoiadas as seguintes Ernendas .o Largo.. e restituidos ao candidato 11 11 Prisco Paraiso . Sebastião das Cabeceiras 11 ll de Passé e i e 2~ de Geremoabo .

185'7 Sejam reconhecidos deputados pelo Estado da Bahia 05 Srs. . . . . . o capitão Salvador Pires de Car- valho e .7-. . .Ga7"c'ia P i r e s .Antonio Eu. . . -66- .:osa e Dr. EU1 seguida é submettida a votos e approvada a segunda parte :<:la emenda.Dr.A. :Francisco -Prisco de Souza Parai5o. .. S. 18 de~ de- zembro de i·890. 28. Augusto de F1'eitas.204 Dl'. - Posta a votos a conclusão do parecer. tlUC é proclaulado Deputado pelo mesmo Estado" .. VenJ tanlben1 á Mesa a seguinte Ernenda Que~ apPI'ovadas as eleições dos districtos de S. sendo proclaIllado Deputado pelo Estado da' Bahia o Sr.Aragão Junior. Seab}'a.R.'eira. . • • • ••••••• 30'. . .Sebast-ião L. . :Jfilton . . . Sala da§ sessões. . J.Francisco Sodfré ...a. . 1.Santos Pe'. Barão de :Villa Viçosa.A. Barão de Villa Vi<.Cesa'l' Zau?. .. Jledrado. é approvada.:u·agão: .eb'io.- . . Antonio Carneiro da Rocha . .:rthUl· Rio::. Capitão Salvado!' Pires de CarvalHo e .. reconhecendo Deputado pelo Estado d'1~ Bahia o Sr. .. . . SelJustiáo das Cabeceiras de Passé e de Geren10a1Jo~seja rce-onhecido depois~ pelo Estado -da Bahia. conselheiro Francisco Prisco de Souza Paraiso...JIa1'colino ]lou1"a.

ulos. Alvaro de Andrade Botd ho. FRANCISCO GLICERlQ ('J.pl'e. Ao meio-dia. os qnaes oceupaln nul\lcsa. JJl. 10. os J'cspccLivos lo. Jose Augusto Vinhacs e Frederico Augusto lltH'o·es._. = Abre-se a sessão.DO SIl. Dl'. Alexandre José Barbosa·· Lima.'PnEsIDENTE convida ·os S1'5. CAMARA . inullediulalllcllLe.llitob~~'m: 1J1UÜO f'te'lJI.DOS SRS.'lso) é o pl'ojecto de RCg'illlcnloquc o Governo Pro- visorio suhniotte a un1a discussão Oppol'tuna.E?\i 4 DE NO:VEMHRO nB P~ESIDENCJA. DEPUTADOS _.gares·. Sas. Cea1~á ::: ')Iartinho Ilodrigues de Souza-. Fundado ncJ]c~ . l~i lo Pcçanha. 1 sClJl'etario lê :l sep'Uinte 0 RELAÇÃO NOMrNA~ DOS. O Sn. u qual. ..vES CHAVES.· .. Sessões" preparatorias 'l~uo ft 1 8E·SS.Antonio· Gon~alvcs Chaves.. 2".' Enl seguida. . Dr. acclamo o Sr.~~TONIO GONÇAl. convida .azonas Capitão-tenente Manoel Ig'llacio BoHort Vieira. n'EPU'fAOOS DTPLfJMAl)11S Am.l1inisl1'o da Aur'ieuUtl'J'((- de 116. deputados presentes a apresentar os seus diplomas. o Sr. deputadQ por Minas Gcraes~ para prc:sidir aos nossos trabalhos. João Lo.\O PB:EPAllATORIA.3".) . 10 8R. . junto á Jlesa) -Srs. CApoii. . na sala do Casino 'Flunlincnsc~ dcsLillada aos:' trabalhos. Capitão Manoel UchOa J1ÓdrigÚ~5.. . A. . l'cpresentantes~ este (1nost'rando um hn. c ·lU secretarias os Srs .ara.p~ Ferreira Filho. dopois de tOlnar assento.. Antonio Gonçalves Chaves. . '" . Dr. E' acclulllado presidente o Sr. . . . .

.. Para:h. Dl'. - Dr. Domi. Francisco Luiz da Veiga. Coronel João Luiz de Campos . 68-"::: Dr. Alexandre Stockler Pinto de Menezes. :Antonio Joaquim dQ Couto Cartaxo.. Constantino .. Dr. Dr.achado . Dr. Miguel· Joaquim de Almeida Castro. . -_. Dr. . 1(\ tenente João da Silva Retumba.. Rio· Grande dó Norte Dr.. .. Dr.Gonçalo do Lago Fernandes Bastos.._.. Domingos J o-sé da Rocha. Antonio Dutra. Aristides de Araujo Maia . EpiLacio -da Silva Pessoa.Ladisláo.o de Andrad-e Botelho .. I Alag{)as . Frederico Augusto Borges. . Antonio OUntho dos Santos Pires. Antonio Gonçalves Chaves. . Rodolpbo -N{)gueira da Rocha lMiranda. Dr..Polyearpo Rodrigues ViottL . . Palleta.. Dr. Dr. Dr. . Dr. Dr. Dr. b Sergipe Tenente-coronel Manoel Presciliano de Oliveira Valladão.. Dr.ngos da Silva Porto . Dr. José Freire BezerrH Fontenelle. Dr. de Souza Mello Netto. Dr. Dr... . João da Matta M. ·Dr. Alvar. Dr. M ina8 Geraes Dr.. . Antonio de Amorjm Garcia. Antonio Jacob da Paixão . Francisco Alvaro Bueno' de Paiva .. J oã-o Baptista d·e Sá Andrade. . Manoel Coelho Bastos do Nascimento. ~ Dr.Nioacio ...lIba Dr. Antonio Moreira da Silva. . José Avelino Gurgel do AmaraL Capitão José Be-vilacqua.-. -- -~ . .· • s~ Paulo General Francisco Glicerlo._. Abnino Alvares Affonso. Dr.Luiz . Pedro --\merico de Figueiredo. Justiniano de Serpa.

:PRESIDENTE declara ·que vai proceder-se :á eleir. . Felicia:n. O SR. ~ ~. 1. que acaba de conferir-me...ão da Mesa que tem de dirigir os trabalhos preparatorios.ulas.... ..•.te. Dr. .. 1 ~ Em branóo _.... João da Matta Machado .. Vice-Presidente - São recolhidas 40 ced.. 0.. Dr. i» João da ..: esforçar-me pa~ corresponder a essa confiança... .••... \ o ••• 1• • ' 4. l° Secretario São recolhidas '40 cedulas. ~ . 4....'. PRESIDENTE: . e hei-de. dcram o seguiiite resultado:' ." -eleito 1°." Dr. José Candido de Lacerda Coutinho. .... '" '.... 2.. 'Come- çando pela d~ Presidente São recolhidas 41 ..•.......9 Dr. João Pinheiro da Silva..•• ~ ... João Pinheiro da Silva. Carlos. (.' T .. Presiden.. Aooradeço á Caroara a honra in- signe....silva P·essoa ..... ffi'..o Augusto de Oliveira Penna.!Vflatta Machado.:-' João Lopes Ferreira Filho. João Antonio de AvelIar. ~'... 28 votos Augusto de Oliveira Pinto '.. Santa Càtharina iF-elippe Schin1idt.artinho Rodrigues de -Souza. . E' eleito presidente -o Sr.....• • •••• f1 .. E' eleito Vice-Presidente o Sr...• 33 votos Almino Alvares Affonso " .. Gabriel de Paula Almeida Magalhães. obtendo votos os 'seguintes· Srs.. João Lopes Ferreira Filho. O Sn. • 27 votos EpitaciD da ... obtendo votos os S'eguintes Srs.A\lmino Alvares AffonsO'.. Dr..João da Matta Machado.' . Antonio Gonçalves Chaves . o " o qual torna assento á diroita dQ Br.. f. Antonio Gonçalves Chaves .. i. secretario o Sr ....João da Matta Machado~'.. João Baptista de sampaio ~erraz...cedulas~ que...: .. Justiniano das Chagas..... ~ }\f. apuradas...

..0 _' ')0 t ' o .rlen. õepnl af10s ~l (\it.u.•.' . Alfrf.. .••• • J • •••••••••• 1 » Para 3~ c '1° secretarios (não apuradas) 2 » E. São rccolh idas 37 ccd111n. 1 » São cleÍt().. :Pn. prot'estos~ J~eclan1açõcs ~ l'epr-esentaoõcs que formn prosem [...o :11:: 2 horas da tarde.. O Bon.iniano c1(\ Sc·rpa .ssá. Felinpe Schmidt.••••• 1 » :Consf... 1.": 3() c·i O ~ecr('f..nf e~ os gr~.arios o~ S1's.'· c1·' (\1. do~ S(lgu in1.a de Sanlpai" F('l'raz.••• 1.3. FJ'[tnci::-cn Fnr- qnim\VoP..antino Luiz Pallcta .....José AUg"l1:::.. 1\-!n:n'.'E81DF..'ERIDF.•• 2 » AnttO]1Í'o Dutra Nicaeio .. 2 » Ar'istides de Araujo ..rneck de Allnrida.•'•• 1 » ·Para 2° secretario (não apurada) .."'TE n hora n...os ~r~ ...Jo Vjnhaes~ João Bapf. Frederico Augusf.."'TE r1~elm'a que.• 20 '> João da...o~ n(\}n f:'apHal Federal: Fr3:nei~() d(\ Panln.::'Ir.•.or contestada. ~leição não Jla ia duvida nAm contcsLaçüo. á hnra do negimento. Pn'E~IDEN'fE r1/"lc]ara que vai nnrncar uma C()nlnlis~fio de cineo n1ernbro~ afim -rJ~ organiza-r. s~gu inlüs S'r::::... -1<'1 SECnE1'ARIO rlN~l ara (fUI"' 'se a-cllfHll ~ohr('\ a 111/"l!='a :ma i:::: os rlip]ornu:. :'i visf..t.:' do~ ilipl()nln~. e outra dn- quel1p-s cuja ·cleicão f. senno declarn-do~ Sllp- n].H- YAira Lobo.n Anfoni·() ele Amori]n Garcia. duas IisL~~.••...••..o Sn. :Pn..n Rorlrigl1r.\do ErncBío Jacqnes Ont'iquc e Ari~tid('s {la B.•.. '.ronvida os 81'S. Silva Retumba' c Ari:=:Lic1es (1(' Arnlljn Mn ia.•• 30 voLos Ant... .......ano::. sendo 11111n dos rlfmn1'aons eleitos SOhW' cuja.. sc. Manoel TIcht.foranl nomp.. . .• 1 » En1 ~bra'Ilco . 1 ··.:lt ' _c }Jlltu •.. Anf.••..n' arl::.~ 'I\fesa..s~ oht0ndo yntoB n:.o Vinhae~ .l'faifl .•. 12 » -Tí)sé August.João :ria Silva Rct.. Sílya RAtnn1ba ..otc II10. 23 votos M~noel Uchôa Rodrignes . deputados a conlparccer~ anlanhã.. e~tanrlo ()i SR. c Manoel Prese-iliano ele Oliveira ·Valladão.•: Alvaro de Andrade Botelho •.m~ .: Fr~d~rico Allgll~l() Borg('~ .Tc:::.o . Donlin~.lhnqn p r- oue Junior..:=-.onio ·?\forcirada Silva. .ist..ps Srs..nino de A..inho Ror]rtgues fIe 80\17. João da...onio <1e Anlorin1 Garcia . .t• •••••••••.ink...o norp:i~::.e~ . 11 ' » lI"~'e I·'lll)pe'S.•.r..•.Tll. J--le'~anta-se a..erida commissã.nlba. Para a ref.. » ?\-[art.. » . 70 - 2° secreta'rio São recolhidas '37 ced(lla~~ obtendo votos os seguinte Srs. ::::ecrcarlO C" A1varo d e And rad e B.

Dl'. r.0 tenente João Baptista da Motta.o. e. Dr.ARATORIA. . -::teLa da sessão antecedente. 1.lo E~tndo do E~piríto Santo. 1" SECHETAIHO rlií. Carlos Augusto Garcia Fer:feira c I. Gonçalv8s Chaves. .o. . Virgilio de Andradc· 'P. l'bomaz :Del})h1no rlõs Santos. --.rC- noral Francisco Glvcerio . ii qu aI rcspondien1 os Srs. Alvaro Botelho. Dist~·ir.T aneiro: Antonio Borges no Atlu!.ir~. Urbano Marcondes dos ·Santos Machado. Fernand'e5 Bastos. João Baptista de Sampaio Ferraz.° t.pe .João 8everiano da Fonseca Hermes. Augusto de Oliveiea Pin!·l).n Netto.~oão Luiz. Santa Catha'J'ina F-elippe Schmidt. Ari::. Francisco de Paula lVlayrink.a do segou intc EXP~D]iENTE Diplomas dos Srs.r: .cli~-. conf. PoIycarpo Viottí. ""\::\TONIO GONÇALVES CH·AVES A's 11 horas da manhã. Matta lVIachado. Albert.:\ DO SR. Al1J'e-sc a sessão.yde -Tnn i (E~ (' Jn~l~ de MeHo 'C~u>Yalhn C\Inniz FJ'r. Francisco Victtu· da !Fhn~('('a e Silva c Dvonisio ~Ianhães Barreto. Bastos do Nasci- ])18n1. Lnl1i~lá. Miguel de Castro c Fonseca Hermes. Xila Pcc:a- nha. O Sn. nun1ero legal.:to Federal Alfredo Erne~to Jacques Ourique.l1~são. Antonio Olyn- tllo~ Domingos Rocha. Fl'an0a Carvalho. :~'Cndo ndisda a vol' :1t:'. . Carlos Antonio {:1[l nna. eleitos pela Oa-pital Federal.71 2:l SESSÃO PREP. Alartôa. Alexandre Stockler. Ahneida Magalhães. faz-se a chamada. Retunlba. SeJ'[j1.enente José Augusto Vinhaes.o Brandão. Bueno de paiva. Manof'l Pr·csciljano de Oliveira ·Valladã.eleitos nela Estado de S. ('loi1"os p0. Domingos Jesuíno de Albuqnerque Junior Francisco Furquinl 'Víerneck 'Vierneck de Aln1eid:1.tides fia Silveira Lobo.t1 ai (~ que haja. José Gonçalves Viriato de '~i'edeiros·. E' lida n. EM 5 DE NOVEl\'mnO DE 1890 PRESIDE~CI. Oliv:eira Valladão.essna. José Candido de Lacerda Coutinho. na sala do Cassino Fluminense destinada .aos trabalhos preparatorios·. Pedro Americo. Schmidt. posta em . oloHo~ pelo E~fado (lo RioRío de . Almeida Castro. Ro- dolpho :Miranda. ~ Conde de Figueiredo c :1. Paulo: 'Dl'. I~ esta ~cn1 debat~ encerrada. . ..

Teão da Matta Machado. Francisco Luiz da Veiga.e Souza . Vi'rjato de Medeiros. Antonio Affonso Lamounier Godofredo-. de Oli'''e1:ra VaT:t(1dão~ . Antonio Dutra Nicacio. Antonio Jacob da Paixão. Carlos Garcia e Francisco Glycerio. José Avelino. Al- mino Affonso. Silva. Joaquim Leonel de Rezend·e Filho.. José da Costa Machado . Ucbôa Rodrígues~ Franç. . }'rancisco Alvaro Bueno de Paiva. Martinho Rodrigues.a Carvalho. Arist. Urbano Marcondes. Francisco Veiga. Custodfo de Mello. . João Antonio de A..J.utoS. Barbosa Lim. . Amorim Garcia. l'rlanoe1 FuJgencio Alves Pereira. Fonseca e Silva. Domingos da Silva Porto. . . Astollpho Pio da Silva Pinto. Minas Geraes Alexandre StockI.er Pinto de Menezes. Rodolpho Nogueira da Rocha :Miranda.Felippe Scnmídt. Francisco Honorio Ferreira Brandão.' • Sala das· sessões.João da Silva Re'tumba. João das Chagas Lobato. . Carlos Justiniano das Chagas. Antonio 01yntho dos Santos Pires. ~ cbado. Presidente suspende a sessão ils 11 horas e quatro n1ÍI).indo Guanabara.alves da Silva l\!asoarenhas.Antonio Moreira da Silva. Cha'~as Lobato.'\1-' p. Gabriel de Paula AlIneida IM agalhães. . Constantino Luiz . "João Pinheiro da. . ' João Luiz de Cam!)os. .a. Thomaz Deluhino.João Pi- nheiro. Alvaro de Andrade Botelho.fanoel P. Dutra Nicacio. Compareeem maIs os' Srs.José Carlos Ferreira Pires. Oliveira Pinto. Domingos José da Rocha. Paulo . Joaquim Gonçalves Ramos. Justiniano de Serpa. Muniz Freire.Palleta. o Sr. -72- s. Antonio Goncalves Chaves. Polycarpo Rodrigues Viotti . José BevíIaqua~ -Costa Ma. 4 de novembro de i 890. Pacifico Gonç.ides de Araujo Maia. Nilo Pecanha~ Aristides Maia. Lacerda Coutinho.Epitacio Pessna. "Pr[oreira da Sil7Ja.· . Alberto' Brandão. Verificando-se' não haver numero -de deputados para de- ]iherar~ . Am'erico Gom·es Ribeiro da Luz. Sá Andrade. Francisco Coelho Duarte Badar6.vellar. Conde de Figueiredo.. Manoel Uchda Rodrigues.

neste caso~ dcven10s invocar.TIte spnão na Constituinte. o Sr. O Sr. . desde qu e o Gove:rn. por essa occasião. e que. Entra em discussão o parecer n.ollega Sr.o Provisorio decretou que haveria duas camaras.não prevalecem deante <los precedentes historicos.ntc. Parece-me. Rec~nbecendo acb~em-se presentes deputados em nu- m~ro le·oal. . sendo. porém. P6do aoontecer que a Assembléa Constituinte elimine da ·Constitlllcão o Senado. Um éorpo rruc n50 existe deve estar funccionando'! Pn-- re·cc que não. -e este terá o direito de func- eional' . est. -. Chagas Lobato crê que ha uma preliminar i1 resolver 3!1 tes de se tonlar conI1ecin1ento de qualquer diploma confe- rIndo podp. PRESIDENTE: . Conclue dizendo ql1 e. . e por duas rnziies: -P! por:qt1C a eleição foi feita simuTtaneamr. CHAGAS LOBATo: . :1. e. .. . Chagas Lobato.73- ". A' vista disto vai aprp-sentar uma indicacão afim de que sejam convidados os membros "que se destacaram da Assem- bléa Constituinte a vir trabalhar comnosco na verificação dos poderes.hese fjgura:Cl~i"J}elo ·~eu·honrado collega que p6de ser acceita depois de reunido o°·Congresso.n~as ~lC pa. si fôr eBminado. _ O Sr.amos procedendo incong-ruentemente. Aristi·des Maia não :p6de estar de aecôrdo con1 as opiniões manifestadas pelo seu distincto . . O governo revolucionaria que convocou a Constituinte decretou logo a divisão entre as duas camaras.Sr. q::e fôra lido no expe- dIente. E' hem P05- ~ivel que então. José· Avelino . E' possivel que esteja en1 ~rr() . e p6de dar-se o facto de a Camara reconhecer válic1a uma elei~ã() quo velo Senado seja annullada. . Presidente.rece lTICnOS regular que esteJamos procédendo a \"rrIfICaÇao de poderes· separndamente do Senado.tindo Senado. é apPI'ovada a acta da sessão an- tecedente. lhe pareee que a moção do seu collega não p6de ser approvada. mas actualmente i3lle ·existe. PresIdente reanre a sessão ás 12 horas e 30 mInutos da tarde . O SR. QUEST:"~O DE ORDEM O SR. ouvi ·~om toda a attenção as observações (lue acabam de ser feitás pelos meus il1ustrados collegas por Minas Geraes. deputados.Peço a palavra. A 2'" razão é de maior·: al": caneco -pol'lque não estamos a. .submetti~a á votação. suscitada a seguinte . porém! em que a Assembléa Constituinte approvar a Constituição! apprüvando a existencia do Senado. não exerceu funcções muito sérias~ quaes as de reconhecer QS seus poderes? No dia.:.. 0.nctamc'. não oxü.'Tem a pala"Ta.inda no regimen constituído. nes~e dia surgem então CamarÇ)/-e Senado. o nobre Deputado t se dissolva o Senado. Ha uma hypof.res aos Srs. O Sr. () que não seria facto vir~ém porque deu-se no 3ntiso reg-imen. con10 tiissp. que taes observações . e não podendo ellas fl1ncclonar eonjll.

si est-an10s en1 uma naçã'o de forn1alidades preliminares~ f. ~ O SR.JacLos~ os pt'ececl'enlcs.orico que d~Venlos. (A1JO'lados. . legis- lação.ido. tO Sn. Srs.(A l)arles. em t tal caso.c'rfeitnlncnte c]·efinidos CO TIl fLHlC(~ÕeS que lhes são proprias. !\. "após a sua organis'açã:) organis-açã:) de 187J: fOl'nlulando un1 pI'ojee.o para servir de base á lpri- rn-Ci1"8 r{~uniiio do corpo }. ) Sr. .ancia em que no:~ (I·neon I ramos. CHAG~\S LOBATO . Presidente. . nmn Si) t":n 111 m:'~ • Dê-me lic-cnçn . Mas foi discutido em. o clenvmto histol'ico~ nenl tã-o ponco os .- -74"- SJ tJvessen10S o caracter e o papel. onde q proJ'ecto de Constituiç·ão~ lhant~ a ·dos Estados :UnIdos. não penso que o regimen sob que: ternos vivido ha U111 anno. . JosÉ AVELE"O . : hist.jnda o que exerceu a Franca. decretos Ql1C t01'- nnranl-se irre.orico nos deve servil' de ~ol'mu na grave circumst. dizendo-se "delegação. Naç50 vai see ainda organizada.ão sobe- rana que nos foi cornmetUda. é diversa.16 por de- eretos que receberanl ·0 consenso nacional.e.ügi~lativo eonstituinte~os orp:ãos po- li fjco~ da na0ão foran1ahi p.aos trabalhos do prinleiro . O Sn.l~o ..prehende-se que a nossa missão s~I'i:a a da org1a'llISaçaO t ~n1 sua totalidade de un1 eodigo politico.VEr.e o elen1ento hisf. A J?oss·a n1issão~ ~o~ém. illl1strndo collega 11ão tem por si~ conl0 'acabo de dizer. da N~ção mTI 110me do exercito e da al~n1ada. Tanto é . invocar~ D que lF. pOl"'que -esta foi organizada definiJi\·a1l1ente no dia 15 de novClnbro e no dia .) . exercerlan10S corn outra anllplitude a fnncc. da nossa -prinlcira Constltul~be. A'qnillo A·qnillo foi nUla Im"lnali- dnde 'prclin1inar.vogaveis conl0 a obra da reyoluc. D0111 ser provisorio quanto á sua organi- zação~ o seja quanto ás attribuições que ten1 exerc. r.o que esse g(Jverno se inspira e se fortifica nas fontc~ de 'Soberania nacional.gaulsado De!OS patrlOtas que sahlran1 da revolução triun1- phantes~ serVIU de ?<1se . e que fez o governo? . O SR.alta a seriedade e {) respeito a quanLos netos publicas tênl sido pr'aticados .~ a situação em que nos uchan1-os não ó a de lU11a Constituinte incurnbida de organizar a Xação €~11 todos 0$ seus ol'~·ãos. CI-L\GAS LOR\TO . 10rtes Entretanto era preciso apressar. para o paiz e para o Inundo civi1isa~do! a Constituição ·definitiva da .Ah! Então. encontrar elementos bastantes fortes para assegurar-nos a tranquillida-de c a ordem geral. . CHAGAS LOBA'l'O E OUTROS SENHORES _o· Não apoiado. JosÉ A.. sobre estes dOIS orgaos~ fa- ctores da revolução~ elle procura apoiar toda a sua actividadc e prestigio. or.) O SR. com.l.ão.. qne.' l:st..cert. NOln de outra fórma o Governo Provisorio . E' ~l.0 on1 ql1C nos encontramos e no nosso caso.poderIa lU1- priroir a direcção vivaz '8 fecunda que todos sentlmos nos ne- ~ocios publicos e~ benl assim.congresso federal 0 a este fOI delIberado que se submettesse simples- n1ente para a formalidade da l~atificacão. O SR..Nação Brazi- leira.Estão n1esmo na nOEis-a. ~Tos]~ AVELl:-\O - No n1011)10n 1... . _ (Apoiados. -74-. antes~ bem senle- pnIdos.

SR.reclanlam a nossa dignidade~ as con.INO . sua yontade soberana. leaL ddsap. rel1nião de~scs dois . O SR. CHAGAS LOBATO . que somos os depositarios dos seus votos e aspira- ções.enagens que tribute á obra de 22 (Ie junho.: rnuito bern.) Acho..a:. a sancçâo dos representantes directos do povo.obra já encetada e apressar a 1 hora en1 que a Na(ião teIl1 de pronunciar os seus mais solen1nes c anhelados julgamentos. seja pela natureza das attribuições. 75 NoexerClClO das funcções de que se sentiu depositario Dpl'esson-se en1 deCl't-[ar nnla ConsLif. C4.putado n.á recebeI-a. O Sn.tito bem. que a prelin1inar do honrrt:do De. muito bMn: n~1. PRES.~ apoiadlJs.) O Sn.':i gJ~andes eonquist.) Estou certo: estou convenc~dissimo de 'que nenhun1 d~ nós. .E' uma Gonstituiç. P. para sul)rnettel-a á dellberaçao dn Ca- . do paiz.1nos do Poder Leg-islativo.PO'lfl- rios. JOSE' AVELINO -'. pois. .que' a constituição do Se- nado independe da constituicáo . Alénl disso1 a elBição. justamente por- que. seUl embargo do alto respeito que me mc- reCCln os seus talentos. De nós. de nós: que traduzimos.po1' lllais hom.no exame ãe verificação de po- deres.) .ões das do Senado.s·c pelo typoque lhe é proprlO: () Congresso não será outra consa· senão n.Não contesto isso. O.etada: nem conheco outra denonlinação nas sei.deve ser acceita.IOENTE -A 111ateria suscitada pelo honrado D~putado pelo Est.quando apurados pelos sens 01'- gãos legitimos e distinctos ~ (Apoiado..que nos é peculiar.. CHAGAS LOBATO . para a Camara e para o Senado. . muUo btJm. a que temos de proceder: as duas camaras reunida~. (Apoiados.Mas o nobre Depu~ado ~'Presentou un1a indicaQão verbal.Não decretou. e as reaes rl1anifestações. .Nestas circun1stancia~.JOSE' AVELINO ~ Está claro. PRESIDENTE.(l . .: 'muito lJem. ·(}]{'IlUo. qual o .enso. JOSÉ AVEI.ceber 3Jqui. indica a di- versidade das nossas func(:.ão .lá acceita e já executada na mn- xi n1a parte.da :M:esa. 'luando cada nma delIas tem suas attribuições perfeituD1cnt o definidas na Constituição . das suas disposicõ es.<:Jec':. (C1'uzam-se apartes.cão . O SR. querer. CHAGAS LOBATO.eneias políticas 'a so~ ciaes Ip3.r"a oualifioal-a.aixonado e pl'ofllndo (JJrluitos apoiados. r.easa. vcniencias public.as da revolução.Foi o ·que fiz. ne'St~ augusto re:cinto~ por um exame meditado~ embora senl pro- ·cl'astinação.r3.ado {le Minas Geraes· não pôde ser objccto de uma delibera. O SR.. directa e immediatamentc.) .: 'lnnito bent). CUIllpre-nOE: proseguir na .o SR. deve ser suhmettidti á votacão da.' portanto. não vejo razão para que confundanlos~.uicão quo affirmasse 3. correram·' nas urnas listas distinctas. O SR.titos apoiados.J. como ahi se acha! sem exame calmo~ de- li'do.':á qual se procedeu e que serviu tambem de argumento ao meu illustrado collega. (.~b.. seja pelas condições especiaes de elegibilidade para unla e para outra Ganlara.: '?nuüo bern:) ~ e a Constituição ha de re.onTO o Senado vai organizar-. ·que dev-emos organizar-nos co'mo Caro ara. De onde resulta .~.

O .a vor da.. "VOZES . '. penso~ hei dé convencer.!uneto.TO . Tem o maior al- cance. s·~I-o:á pOl' motivos de elevada philosophla e prlDC1J)lOS constltuclonaes. n0ste pa:r-ticular. em que não vejo inconveniente algum.) . _ E' precisp que o nobre Deputado apresente a sua indica- çao por escrlpto para ser incluida. ••• mas atteudam-me: eu me e:q.em f.Não apoiado. Como disse~ n nobre Deputado fallou pela ordem. c. p6do eJla julgar C01no entender e não ba nada para ser decidido de uma camara para outra.Julgo que se faz mister tornar bem claro qual o alcance da questão. p6de prejudi- car o respeito devido á outra. que Q Sooado dev~ ser s.~tão.. e estas~ nas actuaes circumstancias. reunIao do. que duvido possanl ser encontrados pelos defensores de tal idéa: mas nunca. Estamos em sessões preparatorias. e nada ha constituido senão. trata-se de um acto <io Governo Provlsorlo. João Pinheiro . mas tratamos agora da verificação de 'Poderes~ unilcamente. "para discutir o nrojecto de Crinstituição~ e lá. pois. pois. Não tem ím-portaneia? Nã.ado. precisam por nossa part. (Apoiados.uP'Pr~mido. ordetp tratando-se dO parecer da com~Íssão dos cinco membros.. O SR. por esta razão do facto material de ter estado a Camara em uma sa1a e o Senado na outra para a verifica~ão dos poderes. que o Cong-resso p6de supprimir.. (Ha outros apartes.lical'eí e. 'quando nao tlvessemos outra razão~ nada ha mais natural. .e de alguma boa von- tade. O nobre Deputado fallou pela. para que cheguem a seu termo sem embaracos. absolutamente nunca.!n~a: e~ nece~sario qUe precisasse o seu llensamento em uma: lndlcaçao eserlpta. O Sr. Este facto do trabalho em separado não será por . repi~o.maras se hão de reunh~ em Congresso geral :constituinte.o apoiado .arecendo do alcance que se lhe quer . O SR.enha a bondade de formulaI-a e mandal-a á Mesa.. a que. tirou-o o meu il1ustre colIega ào modo como foram feItas as . CHAGAS LOBA. (Muito 1)em. si o Con ltresso soberano enteniful' que devemos ter uma 56 camara. e não en- contro o absurdo ·que o nobre Deputado descobritt qual Q facto de poder dar-se annulIação pelo Senado da eleição que p6de se. e fez uma indicação yer- ))a1 que não posso submetter á deliberação da casa~ e. t. . I em separado essa corporação. não tem a grande. JOÃD PINHEIRO .attrl- buir -ôara o fim 'allegádo .' sem precisão de termos e sena obJecto.ão de poderes de seus membros. collocau.. Deputados. ~. Estamos em sessão preparatoria. si s6 razão legal para a flltura existencia do Sen.) .a no terreno em que a paz o nobre Deputado. l1ão póde ser materia de deliberar.amanha gravldade~ e slInplesrnente uma CJuestiuncuJa. Em 15 de novembro as duas C3. o ~oYerno Provisorio. ~enado com a Camara~ para a vet'lficacao de poderes em CoD. iroportancia que se lhe estã aUribuíndo". Na verificac. e tampouco o vencido em uma das casas._. quando cada uma das oamaras é soberana.' _-\rgumenta o DI'. ) Assim. ~egunto argumento .T a1?provada peJa Camara dos Srs.ão -pela Mesa. Chagas Lobato que está funcclonando. O incidente levantadO. () Senado. o incidente que se Iev"anta eon1 ar de t.. E.

. O SR. O SR. Sr. :'i. nem o alcance' que lhe querem dar. é em virtude e por consequencia (leste proJec.o que :acceitámos um regulamento provisorlo. . que as. elemento hisíorico. A Nação não tem' ainda.até aquI como uma .:'i.. . E agora d!rel ao ~eu' collega: é ainda em ·virtude de leI. Devemo-nos cOnvencer que.e. duas eamaras estão separadas. p.quanto ainda estamos sob leis do Governo Provisrio. e t não podiamos deixar de acceital-o. "15:0 tem cabimento nesta occusião e nem se upplica :l nós. não está ainda reconhecida para poder julgar a divisão dos . O SR.. Ex.. embora pro- :"lSOnanle?te. E' por isso que affirmei. conSectUe~Cla· do proJeeto de Constituição. Não tínhamos nenhuma lei preestabelecida para nos r~ger.1eiç.Não. · U:M: SR.nen~upa. P-e(jo a pa- lavra. Nilo P·eçanha . . (Apoiados.a: posse de si mesma.erdôe-me V. : dencia nacional~ de ·que todos nós somos fla~ores..quí. nem me 'quizeram entender. eXIstem. imperarão as leis -provisorias.zes do norte e noroeste da Europa. DEPUTADO .gwnacousa havia de ser o ponto. . á sombz:a do qual 9 illustre pepu~do pelo CearA desenYol~eu o s~u bl'l- lhante dIscurso.- . Presi- dente. Estou convencid~ de que este debate deve ser aberto no Congresso. -77. .) . .Srs. . O SR. Caroara e Senado. e nós. do yovo e da Nacão. de maIor que }sso: a ln e . amda tInha uma . O proJecto c~nsagrou a existencia da Caroara e do Se- n~do. tudo isso foi ~ assim.) Emquanto não forem as do Congresso. de partida para que não eomeçassemos pela anarehia. é · d peu Ha.a~~ Féro~? n1esn10~ eleitores e em uma "só acta. NILO PEÇANHA. representantes. somos filhos de uma me~ma origem. porém.qui. JOÃO PINHEIRO .s p-D- liticas. Quanto ao caso Já citado da Republica Franceza.ões -. 2 foi por is. Senl duvjd?. onde houve uma questão relativa ás duas caroaras nos pri- meiros. e. e que fOI ~ala'd'a com o Regimento qu-e cbega . .Qar~e em mUItos pa!. (Apoiados. emquanto o não exercer o Congresso. porque al.Representamos já o voto da Nação. .Não estou pedindo isso.Mas. no qual se con- vocou a N~çao. por em. Os repre- sentantes do povo: lá~ en}prehendiam a lucta com os represen- tantes da nobreza e do clero.to que fUllcclOnam sepa::'adas as camaras. que o incidente le- vantado não tem a importancia que lhe' querem attribuir. então nâo me entenderam. depois das maiores eonunoçoe.poderes. e com razao. fD1ando Q1lando estlve- renl reunidos e reconhecidos àeputados e senadores.oes dada pelo Governo Provisorio. ~empre haverá uma lei para que não haja anarchia..Q. CHAGAS LOBATO . alguma cousa. CHAGAS LOBATO .OU-. dias da assembléa revolucionaria.no lnesrno dj. Uma lei imperará sempre..Seria fóra de tempo .. nem li- berdade elTI todos os sentidos' :para pensar na discriminação e divisão dos ramos do Poder Lé'gislativo. e o foi em vlrtude da lel~as" eleu. serão as que existem. brazileiros. na parte legislativa. NILO PEÇAl~1!A . Eu penso que' esta questão não devia ser levantada agora. O Sr. '0 SR. em·quanto ~ao fôr determinado o contrario.

L1.o dos inconvenientes que 1)óde h aver~ pri n cipalnlcnte para a dignidade da Constituinte. cO SR.) São o~tas as quest. O SR. todos.{ ANDRADE (Ha. mineiro:s. UlOrga~ tranSfOl'lnalldo a Calnal'a cnl umachancellaria da lJ~sta do Interíor. reconqecido UlJ1~ ten1-se l'cconhecado toda a deputação.v\a- ll1ente. O'l(. t01110 ~neJl)bl'O da.· cu não desejo encarar a questão debaixo do ponto de vista gL~ral .-1os collegas que a tcnt discutido.ramos. que sou "têllnltc1l1 uluiló zelozo da dignidade dQ r. MA1"'l"A -l'fACHADo . ede que Jui eleito pc-lo Yotu nfio ::5oliciiado e vela Iin'e yünLade_ dos êleílol'c:. feliz idéa de detcrnlinar esse modo pratico.. . (Apoiado-"i. ccr-talnentc.eJ1adores ~ a Canlara dos Deputados~ em virtude de unl wcto emanado do Governo Provisorío. emfiw.'ConstiluillLe Brazileira.tito bent.rtc.tcec a. sem um nl0do pratICO de se constItulrem. COXDE DE ~-'!GliEH\~DG .) O qu.õc~ Sobre que a CaIn ar a. PI'e5idente~ é desde já tO:l'nar ~ Repuhl.fjcando assim os trabalhos pre- pal'atOl'lOS üo cOIlgresso NaCIona1. e~n Sessões pl'ep_a~>atorlas.1·etOllhe~~(1. por-que~ . é o ponto capital. Matta Machado Uo Secretario) . (Apoiados. ) O SR. '. A Constítu.putauo5 i50h. não lne sinto offcndido de modo algum nessa ài- g'llidade -de legilüno representante -da Na(. ~IATrA l\L-\CH~\.e espero llonrar a $ua confiança e O c:al'g'o que 1l1e foi oonfjado . '61 {} Govel'Uo Pl'OV1S0rlO nao tivesse tldo a. surgiriam difficuldades a todo o ·lnstant~ .1Ca '0 g'?Ve1'DO leg'aJ do paiz.argo que rcprescnto.de ~egu~ar o. ' . o que ainda é preciso. O SR.'5.c ainda é preciso~ Sr.) Q que é opportuno é que todos 1l~8. uma luz.s nosso~ rn'l- ll1ciros l)aSSOS.Cl'ei() que isso acem. Pl'esldente~ e Que se nao .S:~. ·quero sinlplesroente estudal-a debaixo de UUl ponto de vista nmis positivo . S.dado o escrutinio de lista.no . que. O Sn.n1 de. (. n1as era preciso que se cstah~­ lcccsse préYian)e~!.ão~ por ter aCCel- 'Lado. que 1n o faria.e o modo prati~o . que aqui se reunis~em~ $e~ UU1 ~()r~c~ seul. ARISTIDES I\L\..'.) - .) O Sr. si~pl. o lJrInCIpio da divsão do tr~balho~ principio consa- ~rad. O Sn.poiados. por onde 'se regulem os trabalhos do Congresso Na- cIonal. . principio onde se 11lSp ll'OU o Governo PrÚ'\"lsorio para dividir O Poder LCgü5- lativo ~m dOis.stámutilada:.4. no facto de se terenl reunido separadan1 ente os seus nlelnbros~ divididos desde já eU1 Can1ara dos S.reunião.(: l10J e tanJbelll na ~ciencia poli tica.inão tc.Senhores~ nós valllOs constituir o paiz~ essa é ã nossa missãu. eOllgr'~gaodos~ peç:lllJO:5 a 1\{esa que mande redig'ir unl Hc- g'~meDto. 7\b:rrA I\:L\cl-IAlJO ~ :Mas~ senhorcs~ eu..:Meus senhores.SeUl duvida~ rnesn10 porque era o uuico Doder con1petente para estabeleceI-o. tell~ o du:elto de legislar. Fóra dahi vamos sacrIfIcar. de se orga- nizarem? Terian10s~ com certeza~ de presenciar scenas des~"rada- veis neste recinto..••• e o meSl110 acontece a todos.por que tenl sido encarada p0.[)(l. o lnodo de fUllccionar determinado pelo Governo Provisorio no acto que precedeu a nossa . (Ap(J·iad~s. (JJ11.'t'I'OS (1. CU vos pcrgtll1Ío? que faria todo esse grande nun1ero de represen- tantes.

~DO .xecutaI-a sómente na parte que se 1 crerIa a elelçao e l'eUnlaO do Congresso Constituinte.para a. pelo Dr. '. desde ·que.Uandado ~.' Esta é a primeira necessidade.eseIl:tada a . enlenda ap!." \. que a. o trabalho da vcrlfwaç<l:0 -dos . porque o tempo urge. e por isso não se aprcsso~l a :l\:Iesa e_Dl sublnetter ._ e mUlto acceltave~ ou antes.Apoiados. necessaria. O SIto l\fATTA l\l"'CH. . relatlvalnente a COIl- yonÍsllcia de s'~ Or!!:anlzar esse Reg]nlento.deu.E' questão jmportante~ não ha duvida~ e devernos tratar -quanto antes de organizaI-o.A. . definitiva do Congreso NacionaL l\-Ias o Go- "elno Provlsor~o~ tendo flecl'etado a Gonstituicão ad '}'eferen- d'l~1n.1 Sn. DEPUTADO .s lneus . _ A.~du.. -par isso~ deixassem de realizar.. tendo decretado a Constituicão ad 1:efen.sua dignidade. mas não é agora a occasião de tratarmos d~l1a..cia _de propo~ a nomea- l~ão da cOlnmissão lni~ta . Co ah~ apuren-: os seus poderes~ e os senadores se ]'Clmam . que entretanto são hojé leis do paiz e o serão' até que o' Coniresso se nla~ nifeste sobre elles.seus poderes.eunirem us ~e:pre~entantcs eleitos. inconvcnienté nenhum. (.á para não haver delllora na discussao da In- .0 h~i de prop9r e lenlbrar ao.'Jn e. mas pedIrIa ao dlstincto collega que na~ a apres'entasse j. 111851110.l)â O. senadores.da constituído é Governo Provisorio c ·que~ pela :força das' cIrcumstancias representa a· soberania popul.. o unl~o poder alp.ados.) .lndlcaçao que se discute. chg-o. cm rIt:Jifidn djYCl"5ü? l\Irrtcrialmente não ycjo senão vantag'ens na divisão do trabalho estabelecido.revolucion'ario que atr~ves­ sanlos. portanto.cho. acceítar ou re- .n assembléa reO'ular no ('XerC-ICIO deste 'pod(~r.1a. -79 - l~a . como se tem dito.() pro- . po!'ém. para fRcilital'. O que me levou a pedir a palavra foi ~ propost~ feita pelo nobre Deputa'do ~ue 1116 prece. e !lpressar sua le~al i!lstallal.icdo apresentado pelo governo a approvaçao da Camara. (Ap01. N~l~ Peçanl.poiados). uns e outros se reunaUl para exercerenl as elevadas 1'ull(. no in- luillJ de organizar-se esle ROg"ilnento. poiwJos. até ·que 110S constituanl0s e.. na oc~asião énl que foram promulgados. todos os seus effeitos. é verdade. Desde que pela con1'ianem dos Ineus illustres _collegas fUlcollocad'Ü na Mesa.oão. sem que. organizêl. Julgo que . no exerCI CIO de um direito legitimo I porque ninO'uem pode contes!ar que. p6de abolIr ° segundo ramo da repre~ ?c~ltaoao nacIonaL pode-se tambeUl alterar. p_eriodo . no. !.çÕeS que lhes foranl confiadas pela Na~~ão./eItar outros actos do Governo Provisorio. r·econhe- cidos os poderes.(ão.é e'-ssa necessidade muitíssimo urgente.) Ü).collegas da Mesa a conVenIen~la de convIdarnlüs o Scnaao para llOmeal'- :::c UIna conunjssão nlix~a.uJ:. nisto não haveria.Demais. de deputados e. organizêl. já me tinha lembrado daconvenien.. por- quc-. c moralmente não comprehendo ·que o Congresso perca de sua inlportancia ou saffra em . organIzaçao do Ilegl111en to com- Ílmnl. a~sInl c~mo ella. AdmItta-se que a Constltulnte resolva maIs tarde aDolir u segundo ranlO da representacão nacional.(lO Sec1'etar-io) . que inconveniente ha enl dividir o trabalh(l do l'eCOnh8cilllento -de l)oderes ? QllO os depu lados reunanl-SC enl lima casa.) PreCi5a111o~. (~4. aInda não constituida legalm·ente. era na- tural ·que tanlbem estatuisse o modo pratico de se r. de UUl ReginlenLo conl- lllU111: pelo qual nos g:ovcrnenlos quando reunir-se o Con- ·gl'esso~ e para 15S.

diz o orador. funccionando como se acha'! Não teria o direito de fazel-o. esta- mos apenas em sessões preparatorias.Depois de reunidas a Can1ara e o Senado como Constituinte. conjunoctamente. poderia. conjunctamen'te.. 5 de novembro de 1890. julgou co~veniente agital-a. . . O Sr. O Governo Pro- vi~orio creou e o p. Chagas Lobato. até. Pondo de parte o absurdo que ha de resultar da verificação de po- deres em separado. verIfIcarem os seus poderes. a sua questão é outra ~ é a questão po- litica. cada uma das ·call1araS deve verificar os poderes de seus membros e" portanto. TeJn-se confundido a questão. eliminar o Senado. para to- Tllar conhecimento do proj ecto {le Constituiç·ão. isto não se der. en- tende que não deve ser approvada a moção.. que acontecerá '! A discussão tem sido desorientada: tem-se tratado de as- sunrptos ·diversos eSe fallou.: mUtto bem. porque Camara e Senado constituem uma assembléa constituinte. e~ como esta Questão é de verificação de poderes. em Regimento novo e em Re- nublica Franceza. Pergunta: Si a indicação fôr acceita.ovo acceitou dois poderes distínctos: Se- nado e Camara dos Deputados. ~Sala das sessões.la djs~e.poderes . ARISTIDES MAlA: requer o encerramento do debate p' que~ consultada a Oamara. Não estamos funccionando como poder constituinte. como o prova a discussão havida. O que quiz fazer sentir foi que esta Camara não podia funecionar separadamente do Senado em verificação de poderes. O Sr.. decidir primeiramente a grave questao de 0Fdem agl~ada pelo il1ustre QeputadQ por Minas Geraes. . vir. porque estamos em sessões preparatorias e emverificacão de poderes. (Apoiados. Quer ape- nas dlzer que nao se trata de uma questiuncula mas sim de alta questão política. Dr. porque_a questã~ está bastante discutida. gastando tempo. é . é que se poderá appro- var ou reprovar a Constituição. Chagas Lobato quer que se convide o Senado para. porque se trata de uma indicacão apresentada pelo Sr. Costa Machado diz que esta questão é importante. si quizesse. Vem á Mesa e é lida a seguinte Indicação «Indico que seja o Senado convi~a?-o a vir reunir-se a esta Canlara para.Chagas Lo- bato:"'· O SR. -80-" dicaCl!0 e poder a ·C~mara..apPI"ovado. reconhecer os . Pergunta si. nós nos achamos reunidos aqui em con- sequencía de ordem do Governo Provisorio. E' o que tinha a dizer. Ora. formando a Canlara um Congresso. o Sr. O orador não tratou de divisão de poderes~ nem podia tratar.' porque já era uma corporação exis- tente e formando parte da Constituição. quando a questã~ é a se- guinte: .) ~ . Chagas 'Lobato pouco tenl a accrescentar ao que . Emqu3nto: porén1.

da Sil'va Retumba. .A. .tra eUl discussão e é eg'ualIllenle eg-ual1llenle -seUl debate appro.BSE~TAnA!\I DIPLü:M"\. . DVOllisio Manhães Bari'eto. Capital Federal Tltl 11 n::tz Delfino dos Santos_ :'~ullde de' Figueiredo ~ .- Albedo Brandão.que. . teio dos membros que d8vem compor as seIS comr:~l1::.Manoel Uchôo: Rod'J-ig'ues. Schmu:lt. -$1- Subrneltida ti votaçã(l~ é rejeitada a indica~~ão do Sr_ Cha- gas Lobato_ Gontinúa a discussão do parecer U _ 1. norneada em vista da dispo:5ição do urt. 5 de novenlbro de 1890. SEM CONTESTAÇ.irialo de l\feucit'os.Jlo)'ei'J'a da Sil1. N iloPeçaulla . . AtigusLo de Oliveira Pinlo_ Urbano Marcondes dos Santos ~hw1Jaão.lho MunIZ FreIre_ Sala da~ sessões 5 de novC1l1bro do 1SDO.'!ado Q seguInte PARECER N.:Manoel P '. LISTA DOS DEPUTADOS QUE APB.de Oltyetra Sil-va ..Jo~é t1t~ Mello Carva..:Manoel P~. Virgílio de Andrade PC8s0a. :t""rancisco Victor da Fonseca c Silva . . João Scveriano da Fonseca Hermes.~9~or-. . 1 A A Conul1issão de cinco nlelnbros. que é seUl debate approvado. José Gonçalves V. E1?-. OI Espírito Sanlo :\nLon iu BOl:'gcs de Athay(]c .Jlo)'eü'a O Sn. ele OlivC'ira Valladão. PRESIDE). Vallaclão. Joõ. 13 do Regim·ento 1Jroyisorio~ venl apr·esen- tar-vos as listas a que se refere o ll1csmo artigo_ Sala das sessões. J'tl~é Augu~to Viuhacs.o .~a. .3Ianoel Uclwa Rodr'lQues..'TB annuncia . .l:'oe~ de 6 . .A.t-\'O S.Felippe Sch'1nidt. vai pr?ccder-s~". Pa't~lo - C:ll'los Augusto Garcia Ferreira_ Fl"t111Cisco GJycerio. JI Q't-ei1-a da S'il-va -: Fel~P'Pe.Junior:• .João da Silva Returnba_.· Carvalho. . . Carlos Antonio da Fl'uuI.a Carvalho. ll'io de J ulle-iro J UrLO BapLisLa tia j[otla.

e a Mesa nom..'11UlZ Del- phino~ . ." Nicacio . $egunda commiSsão Aristides Lobo . mandado orga- nizar pelo ~enemerito Governo Provisorio. de . .A .e Indicação ~Indico que seja nomeada uma .a sessão d.ou amanhã. afIm de serem to- madas em consideração D.COlnmissão para dar pa- recer sobre' o projectQ de Regimento interno. emfim. 5 de novemb~o de 1890.guint. -:. formulem um pro- jecto de Regünent. Barbosa Lima. Pinto.ficação de pode~es. o qual seja discutido e votado em sessão plena das· duas camaras . . depois de examinar este proj ecto. dar parecer :soLrc e11e.Tlto. log9. NlIJÚ PEÇANHA . Conde . me parece justo e razoaveI que seja discutido e approvado por nós. E'egualmente ·enviada á Mesa . (Muito bem. MOf/alhães:> Estas indicações ficanisobre a Mesa... o benemerlto Governo Provl~orlO entendeu mandar fazer· um }:)rojecLo de Regin1ento intGrno par. .Por consequencia indico que seja nomeada uma éom- ruissãQ para.· BelfortVleira ~. . Sampaio Ferraz.82.eJe uma Commissão de tres membros e officie ao Senado. (l)~la ordem) . Sala das sessões. reunidas.~ lida a seg-tlinte Indicação «Proponho qp. agora. é para nós. O Sr. no prazo que lhe fOr neces- sarlO ..e amanhã.. no ~eropQ que julgar :mais conveniente. Alexandre Stockler. Presidente. 15 do Regi- mento provisorio. .rn constitui das : Primeira .. Já.•: .) . hoj e . Figuettedo..- 82·- '·crificação de poderes. E' enviada á Mesa e lida a se. Fonseca Hermes. Isto é o que devemos fazer hoje.Sr.Muito bem. .o conlmum. ..a as sessões preparatorias da Canlara dos Deputados. convIdando-o a fazer outro tanto e que estas duas commissões. _ Procede-se em seguida ao sortelO para as seIS comml'ssoes de v·eri. Lima. .ommissão Alcindo Guanabara~ Oliveira. O SR. para aCamara do:: Deputados.Thomaz Delphino. c. a que se refere o art. Como este projecto é nosso. que ficam as§i. serve para os nossos trabalhos.

. Justiniano 'Serpa. faz-se a chamada. Aristides Maia. Costa Machado. ~~vanta-se a sessão ás 2 1. . Alvaro Bote:lho~ Retumba. Ouriqu~~ .12 horas da tarde. -83 - Terceira com'missão Palleta. José Avelino. Coelho de Paiva. EM 6 DE NOv"EMBRO DE 1890 PRESIDENCIA DO SR. Thomaz Delphino. Quinta cO'Jr. Gonçalo Lago.. Urbano Marcondes. Francisco Glicerio.João Lopes. Viriato de Medeiros. Urbano Marcondes.8. José Bêvilaquà.. Dep~tados a reunir-se amanhã. Gonçalves Chaves. Almeida Maga- lhães. Franca Carvalho Polycarpo Viotti. Quarta cortL1râssâo Epitacio Pessõa. Baptista. Alcindo Guana- bara. Viriato de Medeiros. Americo LUz. França Carvalho. Pedro Americo. . Dutra Nicaoio. Moreira da Silva. João :Lopes. Nilo Pecanha. Serpa. Presidente convida os Srs . da Motta. Lacerda Couti- nho. JesuinQ de Albuquer:que. Uchôa Rodrigues. . João A vellar.KO PREPAJRATORIA. Nada mais havendo a tràtar.J esuino de -I\lbuquerque. J Fernandes Bastos. Oliveira Pinto. Carlos Garcia. Feliciano Penna. .. Barbosa Lima. Francisco Amaral. Moreira da Silva. o Sr. 3" SES8. Almeida Castro.Fran- cisco Veiga. Manhães Barreto. Ladisláo Netto. Pedro Americo.. á qual respondem os Srs.wío Bueno dePaiva. r j Sexta cornnuissâo Vinhaes. á hora regimental.. para contInuaçao dos trabalhos preparatorios •. Nilo Peçanha. Amorim Garcia. Nascimento.Jilli. ANTONIO GONÇALVES CHAVES A's 11 112 horas da manhã. Gonçalves Ramos. Cartaxo.. Viotti. João Pinheiro. Matta Machado. Cyrillo de Lemos.

Então refere-se ~IO Sr. Presidente~.lhír da cH'na (~Ull'O nome.· O Sr.V 6. qu'e yai ser corrigido.que o art. 84- Rodolpho Miranda.\. 3 .\DO.. . PRESIDENTE . Presidentc~ \"crifjcanrJo ha pouco . . Ye!'ifil~a-.. . - \..Jcmo:=.· .. C.Julio Prates de Castilho.s~ eleitos pelo Estado do Rio' de ..Penso :que !la urn equivoco na redae0ão da :leia. Conlparecenl depois os SrB. Co'nde de Fi- o gueiredo e AlInino 'Affonso. o' SR. FranCISCO de Paula Anlaral. 2\I. Sr. sua inclusão na ~n Cl)rl1n1~5·são. .\HIO procede á leittu'a . t . ..· .. Nuncs .s dn Jne:3mn ]~stadl).·Sr.S:3r.deseJo saqer em que COlnmlssao de verlfJCuçao de poderes fUI collocado.\I. . Epitacio Pessôu. Diplolnas dos 81'S':: .PHES]J)E~TE . -. acha inlpedido. -O Sn. O SR. .ju de llnl 110nle ]HU'U su-bstitnir o Sr. yj::. Barbosa Lima re- Z·l:1. __ _ '. Bezerril Eontenelle~ 3'f<lnhães Bal'reto. Curtaxo. Alberto Brandão.Joaquim Ferreira H.O SR. '15 do Regimento não pCJ'- 1)1 i I tI' qu e (.O nobre Deputado tern razão. lllanlló f\xtI":.. PalleLa. O SR. Alexandre Casslano do NaSCl- nlonto. Dl'.-\'lY].J..A' 3:\ Corn- n1~s~ão.se ao sorteio~ sendo por este modo designado o Si'. OIyntho Pires.c que lHl cQUin. :. Pr(~cede-. BARBOSA LB!.. Scrgipc~ Bahia c Espírito Santo~ e sou Deputado pelo Ceará. Dr. l' . PnESLDE:-\TE . . O Sn..:eira.mudo sobre· a.. () meu ]1(l}11C foi indicado para a terceira e não para a sCg'unda Com:- J11issão. EXPE~DIENTE .. .Janeiro. caso yui-se pl'occdm' ao S01'- 1c. qUl~~ e111 vista do artigo {'ifado. CUl'taxo. .-. reI) ['('sP. Frand~cn A111aral l)ura. U SH. -cartaxo na se- gunda Conlnli~são.en1 de jul-g'ar (ias eieições de Alagõas. • E' lida e posta en1 discussão a acta da sessão antecedente. . U~ Secl'et-arioY .1 . BARBOSA LIlV[. eleitos pelo Estado de Minas Geraes. qUl~ 1. Joaquin1 . . Estnu na 3" Cnrn- llÜ~sfln.J El'ico l\Ial"inho da Gama Coelho.'l c rleBsa eomlnissrr()~ t111(~ t('1I1 de .'A l\iACHADO (lo Secretario) .lllalüPS de Ulll Estudo.. Thompson Flores. .. Ha engano.omn1iss[o.. José . Ex..TeJn a pala'vra o nobre Deputado. Xa tcn. Cyrillo de J. :-:ido sorteado para a 3:1. O SB. •• '!i f" .\ . .I(1 cr)1)IO lt l~'-lbl'l~· Deputado não pôde faze:' p::u.Ba.Peço a 'Palavra.julgar de dei<':l!cs referente::: ao serL Estado. e DOlllingos Porto. ~C. Hontem~ por occasião do sorteio. e trnào o SI'. ' Abre-se ã sessão .1co.. O SFt. do seguinte 0 . que se. na fórma do Rcginlento.~ .F(1~·lJllde.:. ':\LvrTA l\fACH..rbosa Li~~ -:..~ df'lHltaclu~..fIuando tinha . Dr. Ú1ÇUJ q ] larte de COfnn1iss:ões que tenham de dar parecer sobre as elei- ('iír.aJJello. () Sn. PRESIIJE~'rE . HOlnero Baptista~ ThoTI1U7.. pC~'O aV. substituir o Sr. BABROS:\ LI::. Alexandre StockIer . 1 SECHET..

a ])pla ~r c5a. ..ns! o C'j11 cií~'(.e . :\Jini:::tro do Inferinr tnyn a JJClwynleneja. reclan1a tempo.cfo de RcrdniC11l0. q118 podcl'i ~l :--:i't' ('o rnpn. . OffCI'pcido ppio l\Iin~steri(l do lnterioi'. . E' lida e entra e111 discussão. proce- dIda no Estac1G do RIO Grande do Sul.'ienli(]u da n1P~mail1dieal. e deelar:L '1111-' ~(~ \'ai 11l'1'jei:H'nO~I:·nndl.. A 1'·j.cntnl' cnrn urg8nria o pr'(ljre/n de n. . flaI' parel'. a pedido do seu ~lutOJ\ a seguinte Indicação " <dndico que seja nOllleada uma cOlnnl1ssão. .ir:'. n0J11eada para dar oplillao sobre o lH'o.í . sessão ás 12 horas c .4.ell1lCIuanto outra cousa não 1'õ1' à0Uberada.- f.lll- darú iVíesa uma indicação. Thomaz Del- philiO.'J' . a jndieaeão bonlenl apresentada pelo SI' ~ Almeida Magalhftes. PRESIDE~TE norneia para COlnpôr a c0111missão que Lrnn de dar] J)arecer sobre' o Rogilnento ])l'ovisOJ'io os S1's.» - O SR. flB.l'ssão e 5cn1 debate approvado o seguinte PARECER A Commissão E:3pecia1. uma conllnissão. Aldndo 01(11- 'naDara. Anto- 1110Augusto Borges de . de ut'Jerecf..:gilllclllo definitivo desta Canlara.. E' lida: entra en1 discussão c é.0.idcs J\lãill.. O Sr~ Alcindo Guanahara (pclq.í5' nlülutoS.o 2-'131'a1 da eleição de deputad6s. t ides de . COllYil'ia Lalv('z que se nonleassc desdn .<.890".José Avelino e l\Iallllães Barreto. . .hl. ..i'"I. spja esse lnesnlo· proj eeta adaptado. 85 P~reira da Costa.::. approva-dn. R.i:'i.) julga.I. Ts~o ll.i. ~Torcírà da Silva c· José Avelino-. que tem de formular I) Regin1enLo r. :\'r~~:3c sentido vai H1i.L'fedeiros. o.ESlDEXTE nomeia para fazeren1 parte da COlnmis- silo 1l1b:1.· eleitôs pelo Estado' do Rio Gran-de do Sul. . orriem. .José Avelino. afim de servir de base aos trabalhos preparatorios da Camara. que se Íll- cnYnha de aprt. que se acaba de 1':17.i. Sr~ . ('\7on1 á ~Iesa~ é lida c em seguida retirada.a. 11{m·eü·a da Silva.A~ 5:t Con1Il1Íssáer. sendo 5en1 debate apnrn- vada~ a indicação apresentada hontempelo Sr.i.O SR. o negimonLo ·pr-'ovisorj(. Aeta da apul'açã. 6 de noveulbro de i890.:. Adolipho da Fontoura_~fenna Barreto. é liclo~ J). 8..ommurn. 5en1 debatc.:. _:\1'j. I~ de.::..fi. nu .1'aujo :.A~ rneSl~1a Con1mis- são.-\lrnnida i\rag"UlllftcS.ESJDE~TE suspende a sessão ás 12 horas e 1:0 lni- nuto~: até que a Conlmissfio nomeada apresento seu pareecl' snhrr.1'. afi 1ll dp eOILl'crtlollaJ' o ·projeCf(ldl ' Hegim<:>ntu c!efiniljn). Sala das cOD1missões. PR. de nina cnlnInü:são para. G de novembro rio 1. parecer -que. O Sft. nnrneaçáo. -. convellicnLn qü0 não se lilnile a Camal'U :í.(l deve ser feito de aJogadilho.l!a ap[n'o\':ação.Mafa.~ de ('olly(mieneia provit1€ncial'-. e parece-lhe que .cr' ~(Jbrc ti Regimento (1\W (I ~r·. ncubcrta fi. Sala das ses~õc:3.

Victorino Ribeiro Carneiro Monteiro.:. Cassiano <lo Nascimento. iFrancisco de Paula Rodrigues Alves.1=lATORIA. Luiz Barreto Murat. ~I\. Victorino l\1:ollteiro . Custodio de Mello. l\foreira da Silva. Aristides Maia. N~d~ mais havenào a .Arthur Ce- sar Rics. AI\1'TONIO GONÇALVES CHAVEs . Lacerda Coutinho. faz-se a chamada. João Alvares Ru- bião Junior. Matta Machado Alvaro Botelho. Epitacio .Affonso . El\f 7 DE NOVEMBRO DE 1890 PRESIDENCL-\ DO SR •.hado. Oliveira Pinto. Olyntho l Pires. Adolpho . Bezerril e Fonseca Herro es. Levanta-se a sessão á i hora da tarde. Frederico Borges: Sacques Ourique.A' mesma Commissão. Uchôa Rodrigues. Antonio Eusebio Gonçalves de Âlmeida~ eleitos Jjelo Estado da Bahia. Alfredo Ellis. Carlos Garcia Rodolpho 1\iiran. Costa Machado. .1\f~c. -86- . Cesario da l\fotta Junlor. Polycarpo Viotti. 1 SECRETARIO procede á leitura do seguinte 0 EXPEDIENTE Diplomas dos Srs. Sá Andrade. Nascimento. Rubião Junior. AlfreDo Ellis. . João AveIlar.l manhã. Baptista da Motta. Adolpho Gordo~ Paulino Botelho. Domingos de Moraes. José Augusto de·Freitas. l\ienna Barreto Schmidt~ Cyr'illo de Lemos.<\.A' 5a Commissão. Car- valhal.': = ~rarc(. Retumba.tratar. eleitos 'pelo Estado de Sergipe. Thomaz Delph iuo. . Silva Gordo. eleito pelo Estado do Rio de Janeiro.da. João Lopes G071çalo de Lagos. Presidente convida as eO!11nnSSoes a occupar-se com os respectivos trabalhos. :João Thomaz Carvalhal.~ 4& ·Commissão. Gonçalves Chaves. posta em discussão e's'em debate approvada a acta da sessão antecedente.da .lcides de Men- donca Lima. . l Custedio José de Mello.. PaIleta.. o Sr. Pessôa) Pedro -Amerjco. Dutra Nicacio. . .lino de Moura e Albuquerque José Joaquim Seabra.· O SR. eleitos pelo Estado do Rio Grande do Sul. Domingos Corrêa de l\foraes. A~­ ~elo Gomes Pinheiro .Prado Monte Pires da Franca. Barbosa Lima..Viriato de Medeiros. Ivo do. . E' lida. eleitos pelo Estado de Sao Paulo.. Coelhó de Paiya.. Domingos Rocha.. Alcides Lima. . Felisbello Firmo de Oliveira Freire. A's 1i horas e 25 minutos d. a q'llõl respondem os Srs. Amorim Garcia.. :M:anoel Fulgencio~ Eduar{1o Gonçalves. Alcino l Guanabara. PauIlno Carlos de Arruda Botelho. ft . Almeida Magalhães. Abre-se a sessão.A" 4& 'Commlssao.A'I 3:1 Commissão.i SESSÃO PREPA.Pires Ferreira. Francisco Glycerio. João Pinheiro.. Seabra.

Dr. Bastos.Minas Geraes. tend. Dr. no Estado de . : 2°. Dr.ão do' Estado da Parahyba do Norte A 21t Commíssão de verifiICacão de poderes. Dro João da Matta lvIalChado. . Dr.da Parahyba do . DI'.o-as examinado. José da 'Gosta Machado e Souza. Dr. 1890 Eleição do Estado de Minas Geraes "' '. Americo Gomes Ribeiro da Luz. no dia 15 de setembro. Manoel· Fulgencio Wves Pereira. Antonio' Af- fonso íLamounier Godofredo. Dr. Domingos José da ffiiocha. pelo que é de parecer: 1°. Dr. José Carlos Ferreira Pinto.Paci. Francisco (Luiz da: Veiga.fico Gonçalves da Silva Mascarenhas. . Dr. Dr. procedeu no Estado do Paraná. 6 de novembro de 1890.Nilo Peçanha. Joaquim Gonçalves Ramos~ Dr.qujnl Ferreira Rabello.formalidades exigidas pelo de!Creto !J. Aristides ce Araujo Maia. . Dr. Constantino Luiz PaUeta. Feliciano Augusto de -Oliveira Penna. Joaquim Leonel de Rezende Fil:ho. Gabriel de Paula Almeida Maga- lhães.geral da eleição de deputados a que se.ntes as actas relativas á eleição de deputados . -87- Acta da apuracão. reconheceu ter sido a referida eleição 1'ei ta conl toda a regularidade e terem. Francisco Coelho Duarte Badar6. Dr. Alvaro de Andrade Botelho. Dr. que obtiveram maioria -de votos: Dr.~ Candido da Cos:ta 'Senna.. A Ga Commissão de Verificação de Poderes. Sala das: Commissões.ugusto Vinhaes. Dr.a que se procedeu. Carlos Justiniano da~ Chagas. a quem fOrai11 prese. 4 . Dr. Dr. .Gonçalo de Lauos F. An- tonio Olyntho dos Santos Pires. Dr. :José Joa. coronel João Luiz de Campos e Barão de Santa Helena. Acta da 2a ~eccão el~it9raI da paroehià da Lagôa.A' masma Commissão.Dr. Dr. . no Estado de l\{inas Geraes. Dr. tendo em vista as Retas das eleições procedidas DO Estadq . Francisco de Paula Amaral. . . Dr. Dr. . Dr. Dro Francisco Corrêa Ferreira Rabello.Ca'J"los Antonio da França Carvalho. ·Domingos da Silva Porto. Vão a imprimir os seguintes PARECERES N. 3 . N. João Pinheiro da Silva. Dro João Antonio d:e AveIIar.José A. . .. Dr. Francisc·o Ronorjo Ferreira Brandão. 511~ de 23 de junho de 1890. Astolpho Pio da Silva Pinto. João das Ohagas Lobato. que sejam approvadas às eleícÕ'es procedidas: no dia 15 de setembro de 1890. tDr. Po'lycarpo Rodrigues Viotti. que ·sejarrl reconhecidos e declarados deputados os seguintes senhores. sido preenchidas todas as . Francisco Alvaro Bueno de Paiva.· Dro Alexandre Stockler Pinto de l\'1enezes.A' DQ. 1890 Eleir. Antonio Jacob da Paixão. Dt.. Districto: Federal. Antonio Gonçalves IChaves. Dr. Dr. Commlssao . José. Antonio Dutra Nicacio.

. .neiRco â~ Pau. Antonio Joarquin1 do fCouto Cartaxo. DI'. 6 CC novcn1bro de H:)I00.Poderes.'Í fi cnndo que o proees$o eleitoral corTC'll ri~gulal'Jnent.sala .de noveníbro de '1890.ão do Estado ele S. 1890' EleiIJijf. para ~·II~.nlonin D'llf1'a Ni('ot:in.~c~. para dC1)lltaJrloR ao Gong're. vCI. Joa..:w clcilornl correu l'cgular'l11('nte! (~ de parecer: 1°.iaul ·appr'ovadas as referidas eleições:. Sala das sessões.c)a Franca. 6 de novenlbro de 1-800.enenLe- 0oronel :Manoel Preciliano de Oliveira VaIladão. N. . Pa:ulo! para .30 cleiforal correu SC111 irregularidacres. Francisco rle Pon/a. Fl'cire. Paulo = A /1: 11 Con1111issão de Verificação de Poderes. Pedro Arnel'ico de Figueiredo.S do E/nado de Sergipe A 2:1 Comnlj~::... Conde de Fi(Juch·cdo.ptista de &i Andrade.:\ 2 11 ·\'omnlis$fio de Verj[jeação de .a Arnaral. . Sula das C0111111issões. A. . Dl'. 7 .e~· 4. I . {fUe' sejam reconhecidos deputados pelo nÚ~5nl0 E~­ tndo 05 81'S. Dl'.4.5 -. ~pitacio da Silva Pesstta..t1o do Estado de Ala(Jôas . Theophilo :Fernandes dos Santos. capitão IIvo do Prado Monte Pires . 16 do Re. .1890 Eleir. Conde dI? Fi(Jueü·edo. N'icacio. que seJam appro"adas as l'cferidas eleiç:ócs:. A '111 (f'J'({1. dt~ pa{'(~"i'r': -l". }"rancisco de Paula Leite c Oitic"Íca. que sC'jam l'cconhecido~ e proclamados depuLa(/(IR pr. Dl'. -SR - :'\oI'te.l mm'ol.H' (i llro- (~CE.rítonio Dut-~'a Nicac·io.:a Castello BranlCo! Dl'.:\lngôa~..•João Ba.sso ~aedonal.lo 111C5n10 Estado os 81's.1890 Eleir. i" tenente da al'lnada João' da Silva Ret.Fr(1. que sejanl apPJ'ov:ldas as refüridas eleições: ~". A.pll kvln~ ao CongressÇI Xaclol1al.ados 03 Srs. .- quim Ponte~ {le Mira11da~ DI'. DI'. Bernardo Antonio de )lcndoJ)c. .nlo. P. c verificando qur o 111'(1- l. 2()~que sejam recon'hecidos c pro01anlados deput.l.. N.unlhu.e-irnento provisorio.. Dl'. Felisbello Piril10 de Oliveira. DI'. Leandro Riheiro de Siqueira ·Maciel c DI'. . é de pm:eeer: -lo.l a n:.adislau ele Souza 1\1e110 ~ctto e capitão Gabino ~ezouro.Ç(~ond(J rle FlfJu·eiredo.ão de 'Ver·ificucão de ·Poc1erns. que' se. cleiefio proeedida no E~ln(lo dó .icas da elcic3'ão do Estado <le S. N. G . lnndo 0n1 vi::. fenrIo (\111 vi~f« n~ netas da. DI'. sorteada do :wcõrdo conl I) art. l'i.:. tendo ~xa­ nlinadoas anthe-nf. netas das eleições procedidas no EsLado -'de Rcrgioü.elas Con1111issões. l.. :!/". . pal'a d('pul ndo~ ao Congl'c"~~o Nnc i ona). Francisco de Pllula . c verifieundo q. G .nio JJull'a.

Alfredo EHi~~ Dr. A lfrt'do R.n(~N'O . J10'dolpho Nogueira da Rooha lVliranda. pa- l'rrcr (111 c sc. Carlos Augusto Garcia 'Ferreira.jl) rln ES!1H1" do Am(/:. . Guanabm'a.6 de novernbro de 1890. uma. DI'. X. 1890 Eleição do Estado do Cew'á A i ll Con1n1issâo de Y(lrificaeão de Poderes exanl1nou as acta~ e mais papeis relatívos á eleição do Esta.da Silva Gordo. J!an!l.Joa- quinl Lopes 'Chaves. Dr. . acLas r.. portanto~ é de parecer que seJanl approvadas todas as eleições parciaes e reconhecidos deputados por aq. . í:\Ianoel de Moraes e Barros. ti de novcluhro c'e 1800. pQrénl. o resultado da: eleição seria 0 nWSIl10 {rue consLa da apur~ção geral. Major José Freire Bezérril Fontenelle. 9 . Luiz Pereira Barreto. 12. Major Alexandre José Barbosa Lima. rnais pnpcis relativos ú eloição dI) Estado do Amazonns c nada rmcontroll que possa allerUI' l) resultado constanto da apuru(jão geral.t. .inflns Jc:mhUJ d(~ A lIJllqUCl'ljllp.'ô RfI"]·f~/o. .l~ 'conforn1c precejf.ão d~ qual. ~ nada t cnda encontrado de h-rcgular e ne. . antes cI0.' lJom..OU'1)cií-n Pinto. Bernardino de Campos. DI'. 'Mart. Adol- pho Affonso . r.do do Cear~"t ~ nada encontrou que possa alterar o resultado constante da apuruoão geral. :\!'arLinho da Silva Prado Junior.~. entretanto.üa o § 10 dn rnesrno urt.fl"'.. Sfl - rlepul. Sala elas 'Gon1n1Íssões.Pol1JcaJ'po R()(!r·i(j7f.CR l/iotli. é de oal'ec'er qUl~ sejam J'('eonlwcido::. Dr. íDr. ilpreeiaç:ão1 prote~to~ reclan1atão ou repl'cslml.TOf'(f1/('s O'll1'iollf!.: \1 II CnJ11mis::::ãn de Vel'ifiea(:án de Poderes ~xnmilJou a::. Francisco de Paula Rodrigues Alves. general iFrancisco Glicc. ainda quando fossen1 descon- 1.José Luiz de Al- lneida Nogueira e Dl'. '12 rio regulamento eleitoral na . .l/.ados os votos obtidos pelos candidatos eleitos na 1:l secção ~]0i. Ak. DI'. hot~1.Ep'ilm. poro tLCIUeIJe l~s(ado 05 cidadão=.'iU3.inho Rodrj~es de .i am reconhecidos deputado~ pelo Estudo do Amazonas os Srs.~a. Dr.f. .nn(f. Ce- sario Motta Junior. .r'io. .Serpa..irJo :i . dejJui ad(J:.rn tendo sIdo suhmüft.ado os Srs.Fmúeca lIeJ"1í1JJs. Dt. .. DI'..q UCl' es. João Thon1az Carvalho.sOl1za~ Dr. João Alvares Rubião Juniol".orul da villa de Labl'cu. DI'.p scçção elo 1() districto da villa de Labrea e ·que Iconsistiu ·enl não installal'-s:~ n.. -.'. DI'. tenente-coronel Joa- quin~ ~c Souza I\Iur. Dr. canHão-tenente Manoel Ignacio Belfol't Vieira e capitão l\fanoêl Ulchôa Hodrigues.O))1Cçnr o processo el eitora. ou no dia. fi -.1CFi. con5ignar uma ínfracção do art.1~fll) E/r'j.'to ria Silva PP'SS(j((. n1esa 'eleitoral na vespel'U da eleição.ad?::i gP.r. Jus.pécie. Antonio :Moreira {la Silva~ Dr ~ Antonio da Silva Prado. Dl'. -GOIUO.Junior.nlli'c SI ou'"'m· . -. é a C01umissão ele. Deve. João Lopes Ferreira . VaulIno Coelho de AI'ruda Botelho. Angelo Gon1es Pinheiro ·Machado.4. ~ N.uelleEst..· -. Dl'. Antonio José da Costa .tiniano de . .a<. Dl' .o.~ tSala das :Con1lilissões. Domingos Corrêa de Moraes.

. á qual· respondem ·os Srs. . _t\.Oliveira . . 11 . .endo sido sUb!l1etti?o: á suã. José Candido de. . Gonçalo de Lagos Fernandes Bastos. Lacerda Coutinho. . Fonseca Hennes .""rONIO GoNÇALVES 'CHAVES Ao meio '. Presidente convida as commissões a occupar-se com os respectivos trabalhos: Levanta-se a sessão ás 11 horas e 35 minutos da manhã. A. capitão Felippe Schmidt e Dt. Oliveira Pinto. 6 de noven1bro de 1890. sultado /Constante daquella aeta.dia~ faz-se a chamada. Dr..o.consideração pro- te. Aj. 90- Filho. N. A 4:1 Commis:são~ tendo examinado as actas da eleição de . Gonçalves 'Chaves..Domingos lesuino de _4. Guanabara.sto algum. nada encontrcu que possa alterar o re- . -. é de parecer que . Manhães Bar'reto. Nada n1ais havendo a tratar. Miguel Joaquim de Almeida Castro e Antonio de An10rim Garcia.A. Dr. -' A. . . como tambem tocas as actas <las eleições parciaes: a que se procedeu no Estado do Rio Grande do Norte. Domingos de·· Moraes. Sala das Commissõe$.Pinto. Dr. 1890 E. .A. Guanabara. 6 de novembro de. Lauro· Severiano Müller.D. . . e nada encontrando de sin- gular e nem .Epitacio da Silva Pessôa. Dr. Sala das' Commissões. Fonseca Hermes Feliciano Penna. Innoeencio Ser"': . 10 . o Sr. N.Alfredo Ernesto Jacques Ourique.Santa Catharina. Belarmino de :Mendonça.lexandre Stockler. EM S DE NO?VECvm~ DE 1890 PRESIDENCIA DO SR.1890 Eleição do Estado de Santa CatlLarina . _i\morim Garcia Aristides Maia.qu'er- que Junior. Manoel Coelho Bastos do Nascimento. Retumba. Nascimento. .lbu.Poly- carpo Rodrigues Viotti. sejan1 reconhecidos deputados por aquel1e Estado os Srs. capitão Carlcs Augusto de Campos. . Pedro Velho de Albuquerque j)faranhão.lexandre Stockler. capitão José Bevilaqua.res~ e~aminadas não sómente a acta da apuração geral. 5n SESS_~O PREPARATORIA.leição do Estado do Rio GTande do Norte A i:L Comn1issão çIe Verificação de Pode. Drs. Fred!erieo' Augusto Borges. Sala das Commissões. e de parecer que sejam reconhecidos deputados por aqueHe Estado os cidadãos Dr. 6 de novembro de 1890. Fonseca Hermes. Portanto.José Avelino GurgeI do Amaral.lmillo Alvares Affonso. para deputados. 1890.

servindo de 10 . Lacerda 'Coutinho. Acta eleitoral da parochia de S. Augus.to de Oliveira Pinto.\~inoJO Es- tado de Minas Geraes. COD1missão de Verificacão de Poderes dos deputados eleito~ pelo Districto Fed:eral. . Cas. José Avelino.' 3 Commissão. Justiniano de Serpa. 91.Val1adão~ Almino Affonso... ülyntho Pires.costa Junior. Ale. 'loão Pinheiro.A. l\!anhães Barreto. Barbosa Lima e Custo- dio de ulello. Dutra Nicacio. .a 'eleição.Manoel Luiz da Rocha Osorio~ eleito pelo Estado do Rio Grande do Sul. EpitacioPessôa. Nilo Peçanh~ Fon- seca e Silva.A' 68. 12 . ..IRodolpho 'Miranda.A' 111. Costa M31Chado. Sá Andrade. An- tonio da . MarLinho Rodrigues.tonio . JO Francisco Veiga. João Lopes. Alfredo Ellis: Pedro Americo. Bezerri1. .x:andre Stockler. João Avellar. Vão a imprimir os seguintes PARECERES N. :Magalhães" Costa Rodrigues. examinou todas as actas· respectIvas e ve- rificou que. siano do Nascimento. Carlos . 'Viriato de . Alcindo Guanabara. Gabriel. em todas as secções eleitoraes:t correu . Commissão. 11 . .A' 5 Commissão. Ferreira Rabello. João 'Gonçalves Viriato de :Medeiros. Rocha Osorio. Abre-se.chôa Rodrigues. Baptista da Motta.Medeir. . procede á leitura do seguinte - EXPEDIENTE Djplomas dos: Srs. Pires Ferreira. Thomaz de ~. l\lareiano Augusto ~'Botelho de Maga!hães. em desempenho da J!lissão que lhe foi confiada. eleito pelo Estado de :Minas Geraes. -. Rubião Junior. Miguel Castr.. Luiz Murat. Gonçalo de Lagos. Muniz 'Freire. eleito pelo Estado do ?\faranhão. U.da França Carvalho. . Dionysio Manhães BarretoJO João Baptista da l'fotta. Virgilio Pessoa. posta em disiCussão e sem debate approvada a neta da sessão antecedente. . Alcindo Guanabara. I. Adolpho Gordo.os. João Luiz de ICampos. 1890 Eleição do Di"stricto Federal I A 58.A' 411 Commissão. C6mmissão.A' 6 Commissão: lL l\!anoel Bernardino da Costa Ro-drigues. 11 ' José Candido da Costa Senna. 3° SECRETARIO. Jaeques Ourique. Oliveira Pinto.. Jos'é Bevilaqua.Ap. Bueno de Paiva.Justiniano das Chagas. Fernando Simas.o. Carlos da Silva. l\1oreira da Silva. Pereira da Costa. Victorino l\ionteiro. eleitos pelo Estado daRia de Janeiro. Joaquim Francisco cde Abreu. Seabra. Urbano l\farcondes. Palleta. Alcides ILima. a sessão. (Oliveira .: _ Belarmino Augusto de :Mendonça Lobo. Chagas Lobato. Ma- noel Jfulgencio. O SR. Joaquim Breves. . Fernando l\fachaco Sim as. . Francisco Glycerio.:- zedeIlo _-\rruda BoteJhoJO Domingos Porto. eleitos pelo Estado do Paraná. Schmidt. E' lida.

bro'"d·e 1890.)11 C(lmn1i:::~ão rl~ ·Poderes. Aristides da Silveira Lobo~ Frarucisco de' Paula '~Iayrink~ Francisco Furquin1 "\Verneck àe Almeida~ Do- mingos Jesuíno de AIbuquer·que ..s ao Cllng-I'~..'io nrandc do Sul. 7 de novBn1bro de 1890. Bm'bosa Li'm.·iio do Estado do Rio G1'ande do Sul A . ~.. 1890 Eleição do Estado do E. porf.J. Bueno de PailJfJ. . N .J1enticus.Lopes da Silva Trovão~ .s~ da eleioão procedida en1 15 de seten1bl'o do corrente anno nos differentes colIegios do Estado do Espirito Santo~ e verificand-o ·que o resultado da apuraoão geral está 1nteitamente de accôrdo com as apura·- lJões lparciaes dos diversos conegios~ é de parecer que s'ejanl reconhecidos e {Jec]arados deputados pelo sobredito Estaflo DS cidadãos Dl'.:.ptista.T.4.José de ~lello Carvalho :Muniz Freire e /:. . . -.Ju.~i:.st1·o. U1'bano 3[a1·condes.an1..\'1onLeh·o~ .que.Dt'. ::cjunl reconl1ecidos depntndo.rnel'ico de Fi(Jueh·erlo. .José Augusto Vi- nhac. ([ue possa aHe.A. de Se~·pa.<::. -- p(~rJI'O Amr.stiniano. U'rbano illm'con- . 1:3 . ConstantinoL1. . Julio Prates de iCasLilhos. f" (il~ pnJ'C'cer' '1uc. novenlbto . Fernando Abott. . . Y'ir'iato de ... ~ Pedro A. . Ernesto Alves de Oli- veira.in1ento. NIanoel Luiz da Rocha Osorio.possa alterar a apuraçãó feita pel~ Intendencia l\1uniliipal. G. ~J oão Baptista de San1paio Perl'az~ José .a. }oaquin1 Francisco de As~iis Brasil.Sões~ 7 de noven1. 7 de.rar a npu- "utfin (~t'f('(·Lunda pela Intendoneia de Porto Alcg1.'8.·. G./o de Jler1(~h·o..João LOipes. que lhe foram presente. Victorino Ribeiro Car- neiro ·.Junior: . Jf(weüy(.a-- pitão AntoniO Borg:e5 de Athayde Junior. proeed0.() J.do~ os 81'S. de IT1odo que nada encontrou que ... Alexandre Cassiano do Nasc.'ico de Fi(juei'i'(:do.Toa'quin1 Pereira da Costa.A. . . . 1890 Elcic. Alcides de Men- don ca Lin1a.Jledeil'OS. itenente- coronel Thomaz Tompson Plores~ vice-almirante Joaquim Francisco de Abreu. portanto. - 'Sala das COn1l11i5.~1JiJ'ito Santo A :-p Commjs~ão de Inquerjto~ tendo..~li(Juel Co. que foram porta- dores de diploma&:. D'ernetrio Nunes Hibeiro e tenente-coronef Antonio Adolp<h6 ria Fontoura 3'fenna Barreto.. naca eneol1trOu. Antão Gonçalves de Pllria.o.exanlinado as a11- i. Palleta. Sala das COlnmissões.s!. Antonio Augusto Borges de l\Iedeirõs.'. Thomaz Delphino dos Santos~ Conde de Figueiredo. .idade. Yh·ir(.de '1890. l1n SUTil. 14 . .11'.ndo a deLirlrr exame nn~ nnthenticas (la rleição de depnLados~ feita no rEstado do IH.:\lfredo Ernesto' Jacqucs Ouri. Sala c:as OOn1111Íssões.. é de parecer que seJ aro reconhecidos conl0 deputados ao Congl'esso Federal os 51's. 92- C()n1 toda a regUlar.'cdcr·aL pOI' aquAlIe Esta. Dt. . Homero Ba. .Búeno de rPaivo. j1[Qreil'a da Silva.

José Gonçalves Viriato de '1\redeiros:~ Joaquin1 José de Souza BreYes~ Virgílio de An- drade Pessoa. . Hcabre-se :lo sessão ás 2 horas da tarde. A 2\Iesa esúi infQl'Jnada de que alg'urnas das c0l111nissões de verificação de poderes estão concluindo a elaboração dos seus respectivos pareceres.'cto l\'Íurat: ~Toão. .{::. li de pare. Cyrillo de Len10sNunes Pagundes. Suspende-se a sessão ás 12 horas ·e 20 n1Ínutos da tarde..-:Íg'Jl:Hla. Dionysio Manhães Bai-ret'O. l Jla~tlu.3- o SR. PHESJDJ~::-n'E . Alcindo Guanabara e Erico Marinho ·da Gama. csto Jacqll !s O'w'irruc.í clciçãtJ protedida no Estado do Paraná e as: tendo encontrado rcgu- 1.ssão de hoje até tis 2 horas da tarde. é de parecer que se. declarando desde jiL ·que amanhã a Ca- 111ara reunir-sc-á enl sessão preparatoria. Eduardo :Mendos GnH0alves e }1'ernando 3fachado Simas . 9.l'cs. .'es.quello Estado os cidadãos coronel Francisco Victor da Fonseca 3 Silva. Oarlos Antonio da França Carvalho. . 1'. á hora reginle. a 15 dc setembl"o~ no Estado ." Palleta.C.Alexandre José Bar- bosa Lima.do Rio de Ja- nciro. .lJ.7es Bm'1·eto. Baptista da Motta. 16.:\ "P COlnmi~3ão de VCl'in0a~.) -. . Urbano l\'larconc:cs elos Santos :\1'al5hado. coronel :\furciano ..ão de l)odc.Alj1:eâo El'n. de novembro de 189ü. suspendo a se. Justiniano de Serpa.31iguel Castro. relativos á eleição que se procedeu. tendo cxmninado as authcnticas refcrCllLcs . .ntal.Coel'ho. Luiz Bar- J.j 01' Delarnli.d. João -Severi'ano da :F'onseca Hermes. ~ pw'anú .. considerando que as irregularidades hãvidas en1 al- guns coUcgios não prejudicam· o resultado da apuração gerar.no Augusto de l\Iendonça Lobo..:.a!. .]:1 CO!lllnis.- Sala das rCOillluissõc::3. . Sala das Commissões.cer que sejan1 l'CC01Thec!clos deputados os ci- uadãos n1a. para adeantar os nossos trabalitlOs. .Constantino L7t. 8 ele nOV01nLl'ü de I$DO. Luiz Carlos Fróes da Cruz.Epil(H:i~l da Silva Pessôa. portanto. _.são de Verificação de l)odcl'cs. 'Vão a imprin1jr· os seguintes N. 8. -.. N. -·João Lopes. abaixo a~­ .1890 Eleif.jan1 l'econhecido-s deputados por a. Nilo Peçanha. Alberto ülyn1pio Brundão. Augusto de Oliveira Pinto. tendo exanu- Hado a~ authenticas e lnais docun1clllos .Augu~:Lo Botelho de :\Iagalhães: DI'.1890 • Eleiccío do Estado do .o do Estado do lUo de Janeü'O A .

" Nada mais ~avendo a tratar.h ontem' apresentados. tendo exa- 4 nlinado as actas relativas á eleição de deputados ao Con- gresso NaJCional pelo Estado de Pernambuco. DUTRA NlCACIO . José Nicolau Tolentino de iCarvalho.o pelo facto de não terem comparecido os Srs . JOSÉ AVEL1NO . André Cavalcante de Albuquerque: Raymundo 'Carneiro de Souza. porque ·l. Dutra Nicacio . e i~. a 2:1 Commissã-o de verificação de poderes.. de que faço parte. JosélVlariano Carneiro da . de fazel-D a respeito das eleições de Pernam- buco. Presidente dá p~a a. .cunha. Luiz de Andrade" major Vicente Antonio do ES1)írito Santo e Belar- mino Carneiro... hontem. Presidente.ca- valcanti. o Sr. não se achando na Se- cretaria a acta da apuração geral. a C.Vicente l\feira de Va&'Concellos. João Vieira de Araujo..e Lyra. Sergipe e Alagôas.1890 Eleição do Estado de Pernambuco A 2 Commissão de Verifiéação de Poderes.he foram apenas apresentadas as authenticas das parochias e secções eleitoraes. Apoiado. portanto... e é de parecer que sejam: approvadas a3 D1esmas eleições e reconhecidos deputados pelo Estado de Pernambuco os Srs.Manoel Coelho BO. e. José . 17·. ' A Commissão installou-se com a maioria de tres membros. reconheceu ter sido feita a referida eleição com todas as formalidades exi- g!GUS pela lei. as authenticas das secções eleitoraes que se acham na' Se- eretaria. que p6de esclarecer a Commissão . Antonio Alves Pereira c. . 9. porém. porém:. que são os signatarios dos pareceres . Joaquim José de Almeida Pernambuco. João. ' Outro inconveniente.$tos do Nascimento. :o SR •. 3. João de Siqueira Cavalcapte.Y}1anhã a seguinte ordem do dia: Votação d·os pareceres ns. na Secretaria. . O Sr. . Francisco de Assis Rosa e Silva. conforme consta da acta.Antonio Dutra Nicacio. 7. O SR.Aristide~ Lobo e Belfort Vie~ra.sou..Peco a palavra. i:mpossibilitados de faz·el-o . - José Avelino. 10 e 1i.. . 5.existe que impossibilita a Commissão de funccionar. O SR.ommis:são impossibilitada de verificar si as authenticas parciaes das secções reJ)resentavam a totalidade das eleições yerificadas no Estado de Pernambuco . 6. PRESIDENTE . Já formulou e apre- sentou. inforn1ado de que já existe' documento. .. N. João Barbalho Uehôa .Sr. Tem a palavra -o ~obre Deputado:. Ju- vencio Ferreira de Aguiar. DUTRA NrCAcro . 8. Ü SR. 4.poréill. deixou. Bandeira" Annibal Falcão.. . os pareceres relativos ás eleições da \Para- hyba do Norte.• a respeito de representarem ou não a totalidade das eleições verificadas naquelle Estado. Antonio Gonçalves Ferreira. . . Sala das Commissões" 8 de novembro de 1890.

Bernardino de Campos. Antonio OIyntho..wdradé. França Carvalho e AndJ.n. PaUeta.6 e 1. t chõa R. Arr:uda Botelho. Nasciment. j. Gabriel ce l\fagalhães. João Pinheiro. 6 SESSÃO PREPARATOMA. O Sn. Bar])osa Lima. o Sr. --. 12 a 17. Baptista -da Motta.: Gonçalo Lago. Si- queira Cavalcanti. Nfartinho Rodrigues. Poly- carpo 'Viotti.Garcia Pires. Pires de Aragão. Manoel Fulgencl0~ . Àbre-se a ses:5ão..9 5 - . Almino Affonso. '~farcos. e para :que a Commissão possa.ristides Lobo.odrigues. Alfredo ElIis. votàção dos pareceres ns. . Lacerda Coutinho. Aristides Maia.E0ssibilita~a de funccionar . Francisco de P'aula IAinàral. 12. 14. Francisco Glycerio. Ferreira. Joaquim Breves Seabra.. attender ás justas reclamações dos seus representantes de Pernambuco. Urbano Marcondes. consente a dispensa pedida. Belfort Vieira e Francisco de Paula Amaral na 211. Nascimento e José Avelino. apenas a dois membros e. Nestas condlçoes. Oliveira Valladão. -Amorim Garcia. sejam incluido~ na ordem do dia de amanhã. Barão de s. - Consultada a Camara. Fonseca Hermes. Schmidt. Sr. tonlando a 'palavra pela ordem. Levanta-se a sessão ás 2 e :1/4 horas da tar·de. para bem da regularldade dos tra- balhos da Casa. para substituir os Srs. JOSÉ AVELINO. Pedro Americo. Retumba. Adolpho Gordo.7. :15. Barão de VirlIa Viçosa: Paula Argollo. Bueno de Paiva. Alvaro Botelho. faz-se a chamada. Ex. Sá •. Presidente.. 13. conforme o vencido. dis.:::::. Viriato de Medeiros. pensàda à formalidade regimental. que faça sortear tres membros que substituam os ausentes e habilitem: assim. ~.. }'erreira Rabello) :José Avelino. Miguel de Castro.": Um outro membro. Chagas Lobato. Bezerril. Alexandre StockleJ::'. João de· Avellar. teve necessidade de ausentar-se desta Capital.niano 'das Chagas. Pedro Ohermon4 AlJcindo .-. Martinho Prado Junior. CommL'São. O SR. que acabaln de ser lidos. Pires. . Arthur Rios. Dutra Nicacio. Moreira da Silva.l.temente. Justiniano de Serpa..é Cavalcantl.h"'do.Andrade~ Virgílio Pessoa. Rubião Junior. ã qual respondem 0& S~s. 1. Oliveira Pinto. ~Iendes Goncalve~ Tolentinode Carvalho. e por isso acha-se a CommÍssão reduzida. Fonseca e Silva. Luiz de . ANTONIO GONÇALJES CHAVES Ao meio dia. PRESIDENTE declara que fica tambem incluida na ordem do dia de amanhã a. iQ SR. Manhães Barreto.o. Nilo Pecanha. José Bevi- laqua. Francisco Veiga. PRESIDEl'. Marcolino l\foura. EM 9 DE NOVEMBRO 'DE 1890 11 PRESIDENCIA DQ SR. Domingos Porto. Justi- . c{)n- segui. peço a V. Costa 'l\fa. João LOl::e6. re- quer seja consultada a assembléa sobre si consente que: pu- blicados no Dia1'io Official os pareceres ns. a Commissão a funccionar e dar parecer sobre a eleição de Pernambuco.. João Vieira.'"TE manda pr'Oceder ao sorteio e são de- signados os Srs.Guanabara. Gonçalves <Chaves.

se digne de sujeital-a á delibcra~. funcções judiciurias ou. Arthur lndio do Brazil e Silva. pelos diclanles de. FirnlÍno Pires l?erreira. 9 de novenlbro de 1890.Se. .le do:s podcre~ de que são' portadures oS seus 11Jenlbros: subnletto á sua deliberação a seguinte lndicar. por outl'a~ se eouverte em unl Jury nacional e'hanlado .rante a l\:Iesa 'a se- guinte affirmação: . Sala das sessões. . . PÍl~es de Carvalho Albuquerque: eleitos pelo Estado da Bahia.Assim q affirmo e prometto. proferido~ será substituída por esta outra: . e em terceiro e ultimo lagar: porque já se proc.seguirCll1 ao que e111 prirneiro Iogar a houver.decisões. Barão de .riel de Magalhães .Q SR~ 2 SECH]n'ARIO~ servindo de 1"~ procede ti leitura do Q seguinte ]~XPEDIENTE Diplomas dos Srs. da lcgiLi- luidadc ou illegitimida<. 2.a dccicir. a bCln dizer. Casa.Qhernlont: eleitos pelo Estado elo Pará.~(mssiio c seUl debate apPJ:ovatla a ada da sessão antecedente.embros que se . O Sr. . 96 E' lida: posta on1 dj.e~ na vel'ificação de poderes.ão da. tal caso se deveria proceder em cada votação a unl juranlento especial.edeu a outras votacões~ e em.dello Corrêa.pôde prevalecer :em primeiro logar~ porque estamos enl sessões preparatorias.. Barão àe VilIa :Viçosa~ Salvador l)il'es de Aragão Junior. Gar. é lida e posta eUl di'scussão a referida inuicacão.Sob minha lhonra~ COl11rprODletto-roc a pautar nlinhas .cia !Dias. Nelson de Vasconcellos c Al- lneida~ . .ão 1.» .s~l\{arco5". serú eada UH1· destes convidado a fazer })e. ~' a seguinte (lê): «'Considerando {ll.approvada sem debate pela Canlara. 110 tocante ú verificação de poderes. parece que a in{1i/Cacão apresentada não . . . . nlínha consciencia. Presidente~ pedi a pn- o ]uyra para 111andar á :Mcsa un1a indieação~que~ altendcndo á sua SiUlplicidade e ú transcendencia do aSSulllptO: e~pero . Pedro Leite . :Francisco de Paula Argollo. llilloceneio Serze.' . sobre verificação de poderes dos seus nlC111bros. a Ca~nara exerce.Toaquim Nogueita Paranaguá e Allfrisio Fialho~ elcitos c pelo Estado do Piauhy.A' 1:t Commissão. Gab. o Vem li Mesa.° Esta fórmula~ para os DJ.A' n:lesnia - Comnlissão.que seja . Peço a V.' Gabriel de Jlagalhãe~. eDl segundo~ porque é objeeto do Regilnentn. O Sr. Ex . : . A' 3!l Commissão.tl{J'i"icull'ul'a) - SI' ~ Presidente. Francisco Glicerio (JIinislí'o da .° Antes de sublnctLer-se á deliheração da Camal'a o pl'i- IUCiru parecer.

O SR. Vnltlçftn do pareocr 'TI.es da Silva Mascarenhas! Dl'. 3. O Sr. JosÉ AVELINú . Gabriel de Magalhães . João Pinheiro da _Silva~ Dr. ' . por que não a prestaremos desde já? Quanto :á razão alle. vão seguir. Antonio ül)"'1üho dos 8antDs Pires. (U 8'1". mas tive crn vista que a nlat~ria c~a indicação q~]e al)resentei fosse tomada C.OOS O Su. dcver-sc-ia proceder á fÓl'lllUla do juramento. Portanto. DI".}"(t. si não estivesse convencido qa sua utilidade e proccoencia.GCl'acs. de nlodo a arredar de nós qualquer suspeita por patte da.. João.lo Estaoo de lVIlnas Gc- l'aes os 51's. assinl. tive nlais C.' e~ . Füho. que éoccul~a- da pelo S1'.) - Posto avotos~ é approvado o rcferid~ p3.nobre colleg~ que füUou contra ella. fJ7 - o l'cconhccimc-nto dos diplomas não (~ mais iUlporl. F~an- 7 . de futuro! nenhunl a.cto 111ais importante do que este teremos de· praticar. apresentando a indicação. meu .Joaquim Leonel . ·presentemente não ha a lnenor contestação sobre as eleições.que..Sr. Creio que. parece-n1e. Neste caso é melhoI' que vá.proceder-se .reeer~ s9ndo re- conhecidOS e declarados deputados pe. Ora.. Pn. DI'. tORDEM DO DL\..ECONHECIME'NTü DE DEPUrr:A. Fran- cisco Coelh0 Duarte Badaró. encerrada a discussão. á fé de cava- lheiro.tn consideração no Reginlento que' se tenl de organizar..anLe que os ás:sumptos que se.lexandre Stockler Pinto' de nfenezcs.posta ·enl duvic'a a nossa leg-itimida-de. quen1 peça a palavra:. A. Parece-lllc . ~ . 1]. Pacifico Gonoalv.Jacob ·oa Paixão: DI'. que. por consc- ·quclllciê. 30 Sec'reta1°to. . continuo a. n1esmo para -que ben1 nos constituamos. e. .qua1'quer acto. AntonlO. á Comn1issão de \ReginlenLo. confesso que. das IGhagas Lo'hato~ Dl'. Presidente! entendo que as observações do nobre M'inistro e digno collega absoluta- mente não procedem. voto contra 'a indicacão. p6de ser posta tambenl em duvJda a legitimi- dade de todo~ os mctos que pratiquen1os. é . -. parece-me uma razão de mais.ra. Não hav·endo 111ais .: DI'. ·Posta a votos_o ·é reieitada v a 'indicacão. a.de R~zen~e.eição do Esl·ado de Minas. O facto de não estarmos ainda constituídos não é razão para 'que dispensen10s a affirnlação quc -proponho. Dl'. H. Presidente d.í. porque. -si 'nós tenlOs de prestar a affirn1açáo que proponho no dia 15 de _novembro para actos menos iIllportantes que o que vunlOS praticar ago. pelo con- traria. GabrIel {}~ Paula Alnleida .l\fagalhães. antes de praticar-se . Dr.gada pelo nobre lVIinistro de existir unla cO!nnlissão encarreg'ada de dar parecer sobre o Rcgi- nlento. ins'Ístir na TIlinha indica0ão.nl vista o futuro do qucoo presente. .~a caclei.sobre a eJ. opinião pu- blica~ foi que fiz essa proposta.ESIDEN'l'E decluI"'<1 que vai . retiraria em vista das' considerações do il1ustre general de brig'ada. . DI'.ei:r:a a 1'espectÍ'i.

_. DI'. Domingos José da Rocha. Presidente volta a occupm" a sua cadeira. Ladisláo de Souza Mello Netto . Carlos Augusto Garcia: Ferreira. João Thomaz Carvalho. DI'. EpHacio' Da Silva Pessõa. Dr. S. Dr. Dr. Dr . Procede-se á votação e são approvados os pareceres: N.João Alvares Rubião Junior. Joaquim Gonçalv·es Ramos. . Dr. relativo á eleicão do Estado da rarahyba do Norte. Dr.:. Francisco Corrêa Ferreira Rabello.uza.~ B'1telho. Srs.t\. Cesario Motta Junior. O Sr. : DI' . Alvaro de Andl·:1(l. . Antonio ·Dutra Nicacjo~ :Dr. N. Felisbello Firmo de Oliveira Frc. relativo á ·e}eicão do Estado de São Paulo. Antonio Jo'sé da Costa Junior.o.stolpho Pio da Silva 'Pinto. Constan- tino Luiz PaUeta.: Dl'. Francisco _t\lvaro Bueno de Paiva. Pedro Ame- rico de Figueiredo. relativo á eleição d'o' Estado de Sergipe. N. : capitão Ivo do Prado l\fonte Pires da França~ tenente-co- ronel ManoelPre. 1 tenente da armada João da Silva Retumba. Dr. l\íartinho Rodrigues de So. nr. DI'. 5. Drs. ArisUdes de Araujo :Maia. Joaquim Pontes de Miranda.Machado. Dl'.Andrade. Anl. p. ·Paulino Carlos de Ar:r:udaBotelho. . . An! anio Gonealvés Chave's. Dr.e capitão Gabino Besouro. J0ão da l\iaUa Machado. Dr. DI'. .M'ano'el de Moraes e Barros. l\fa- noel Fulgencio Alves Pereira. " N. IDr:. sendo re- conhecidos· e declarados de. Dr. Dr.a.aJrados·. Bernardino de Can1pos.:iranda. Dr...oniçl Affonso Larnounit}r Godofl'edo. nr. José Carlos Ferreira Pinto. .el e 'Dr. 9. capitão-tenente Manoel Ignacio Belfort Vieira e capitão ManoelUchôa llodrigu-es. sendo reconhecidos e declarados deputados pelo mesmo Estado os Srs.. DT. 4.scniano de (Oliveira iValladão. Antonio "Joaquim do Couto Cartaxo~ Dr.ire. José Joa- quim Ferreira Rábello. Domingos <ia Silva Porto. Francisco deP·aula Leite e Oiticica. sendo reconhecidos e declarados deputados peIo nlesmo Estado os Srs. Joaquim Lopes Chaves~ Dr. Dr.N. Dl'.João Baptista -de Sá.l\farLinho da Silva Prado Junior. DI'. Angelo Gomes Pinheiro . Dr. ])1'. relativD á eleição <lo Estado de Alagõas. Domingos' Corrêa de :rvfo- raes. relativo á 'elaição no Estado do Cear~ sendo reco- nheéidos e declarados' deputados pelo mesmo Estado os Sr. General Francisco Gli- cerio.ntonio da SilvD. José da Costa Ma- chadoe Souza. N. 6.: Bernardo Antonio de Mendonça Castello Branco.~. José Gandido da Costa SC'nnêl. Dr. DI'. João ~~tonio de Avellar. sendo reco- nhecidos e decl.. Dr.A. DI'. cisco J. Dl'.d'eputlacIros pelo mesmo [EsfJado os ~Srs. . DI'.luiz da Veiga~ Dr.:. Francisco de Paula _-'\n1aral. 7. tenente-co- TlQne! Joaquim -de Sonza Mur5a~ Rodolpho Nogueira da Rocha :r. Francisco de Paula Rodrigues Alves.. Alfredo Ellis. relativo á eleição do Estado do Amazonas. Ame- rico G()ml~!' Ribeiro da Luz. sendo I'econhecido~ e declarados deputados pelo mesmo Es- tado os' 81's. Luiz Pereira Barret. DI'. Dr. . Dr. Carlos Justiniano das Chagas. Leandro lU:' beiro de Si qUE?ira Maci. Adolpho Affonso da Silva Gordo.- Theophilo F·ernandes dos Santos. DI'. coronel João Luiz de Campos e Barão de Santa Helena. Fran- cisco Honorio Ferreira Brandão.n- :tonio Moreira da Silva: DI'. Dr.putados pelo m'esmo Estado os . Justini~no de . 98- . José Luiz de Almeida Nogueira e Dr. Prado. Polycarpô Rodrigues Viotti. DI'. Dr. Feliciano Augusto de Oli- veira ppnna.

Alexãndre Cassiano do Nasci- nlento. coronel Franciseo Victor da Fonseca e Silva. N. coronel l\1:arciano AuglJ sto Botelho de Magalhães.ado os Srs.oliveira. Alberto O]ympio Brandão~ Augusto de Oliveira . 1. major J-osé Freil'ê Bezerrl. 16.: J'0sé Nicoláo Tolent. . Delfino dos Santos . ...ntão Gonçalves de F'aria.rio Nunes Ribeiro.uuJ'. relativo á 'eleiçã. Alnlino Alvares . I. . Miguel Joaquim de Almeida Castro e Antonio de Aro'o.Müller.anoel Coelho Bastos do Nascimento e Dr. 1\fanoel Luíz da Rocha Osorio. vice-aln1irante Joaquim Francisco de Abreu.sendo reconhe. s'endo re- eonhcc.ToiIo Baptista .Q Severiano .mesm~ E:stado. José Avelhio Gurgel do Amaral. Cyrillo de Lemos Nunes Fagundes. L1Jpes da Sih·a Trovão. João Sev-eriano da Fon- seca Hermes. DI'.o do Estado do Rio Grand'e do Sul.Tiriato de M'e d'eiros·. Joã'Ü Barbalho Uchôa Cavalcanti. Alcides de Mendonça Lima. Alfredo Ernesto .. sendo reconhecidos e declarados' deputados do . Eduardo Mendes Gonçalves e Fernando Machado Simas. tenente~co­ roneI Antonio Adolphoda Fontoura ~fenna Barret<:l.rim Garcia: . F:('ndo reconhecidos A declarados {]epnt. -99 - Serpa. relativo á eleição do E~stado do Paraná.major Alexan:dre José Barbosa Lima.M.cidos e declarados deputados pelo mesmo Es- tado os 81's. 10.Jacques Ourique. sendo reeonconI1ecidos e declarados deputados pelo mesnl0 Estado os 81'5. Demet. 13.erreira Filho~ Dr.ino de Carvalho~ FrancJsco da AsSIS Rosa e Silva. 17. João Baptista d~ Motta. Alcindo Guanabara e ErICo l\fa- Tinho da Gama Coelho.ernandes Bastos.onteiro. 15. .eleição do Estado de Pernambuco. capitão José Bevilaqua. N. Homero Baptista. rela. José Gonçalv~es . N.: Dl'. 11.l Fontenelle. "'.. Fernando Abott. .ados deputados pelo nlesmo Es- tados os S1's. Lu iz Barreto Murat. Goncalo de Lagos F. Domin- gos Jesuíno de Albuquerque Junior.Pinto. relativo áeleicão do Estado. N. Julio Prates de Castilbos. DI' .ados os Srs. : N. João Lopes F. : Drs. Dionysio :Manhães Barreto. N. os ' 81's. 'Pedro Velho da Albuquerque Maranhão. relativo á .: Viciodno Ribeiro Carneiro l\f. sendo re- conheciãose declarados deputados pelo luesmo Districto os Srs. Aristides da Sil- veira I~obo~ _Francisco Furquím 'Verneck de Almeida.: Dr. que foram porta- dores de diplomas.. Joaquim Francisc'o de Assis BraziJ. DI'. José de 1\1:e110 Carvalho lVluniz Freire e ca- J'itão Antonio Borges -de Atllaydc Junior. capitão Carlos Au- gusto deCampos1 capitão Felippe Schmidte Dr.Affonso. relativo á eleição do Districto Federal.de Sampaio Ferraz. Joaquim Jo~é de Souza Breves.. _1. relativo á eleição do ~stado do Rio -de Janeiro. N.j dos e declarados deputados pelo mesmo Estado .í1 relativo á 'elei~ã{) d·Q Estado do Espírito Santo. . sendo reconhecidos e declar.José. Antonio Augusto Borges de Medeiros. Luiz Carlos Fróes da Cruz. Carlos AntonIo da França Carvalho. Antonio Gon·· -" .I) conde de Figueiredo.N. José Augusto Vinhaes~ Tl10nla?. sendo reconbecidos e declarados deputados peTo mesmo Est. Ernesto Alves de . VirgjJ io de Andrade Pessoa. José Ca-ndido de Lacerda Coutinho.: Jnajor Bellarmino Augu&to de M:endonça Loho.de Santa Catharina. do Rio Grande do Norte.: . Froo:erico Augusto Bo'rges. o. NUo Peçanha: Urbano Marcondes d·os Santos :MachadD. 12. tenonte-coronel Thomaz Tompson Flores.tivo á :eleiçao do Estado .s Srs. Joaquinl Pereira da Costa.

cslado lmieanvmtc u docariitào Salvador Pires de Car- "alho Aragão JunioI'~ é de pareceI' que sejanl reconhecido.. .sto de FJ'dla~. M.. con- tI'(."- dl'jruLadus por aquelle Esta-do os S. afim de que. Sala das' Oonlll1issões.'Ueiras~ Barão de S. Dl'. eOl'onel Fl'aneisco de Paula '-:1. Ex. Di'. PRESIDENTE suspende a sessão ás 12 horas c 20 n1i- nutos ·da tarde. . pl'ecisa esta COlnn1issão que lhe ~'l.veis.arcolino de Moura e Albuquerque."llnl) dt'o ~\Jhllqu~rqtu.I:~ . Fl'uncisco dos Santos Pereira.::.a.Pel'll~n1huc(l~ João Juvencio Ferrei.5tado da Bahia é conl. Dionysio Evangellsia de Castro 0131'- queira: Dl'.~·ancisco de 'Paula Oliveira GuÜnal'ül:~S. peeo a V. ' o-:.Constantino Luiz Palleta. de SC1'pa.-·100 - ~:aln .'jaln presentes as. 9 do novembro de 1890. Jose VIcente lVlelra de Vas- conceHos\ .me!·da . \ Quanto á validade do diplolua elo capitão Salvador lJjres ele Carvalho e ~-\.31< Comn!issãll de lnquel'ÍLo~ havend'o l'ceonhecido qtll'. Francisco Prisco de Souza Pal~aiso~ belD 'C-01110 outros do· urnentos que se tornan1' iUlpres- ejndi. A1'- Ihur Cesal' Rios. . Luiz de Andrade. ·Dr.:. . Leovigüdo do Ypiranga Alllorim Filf.t's. Dr. actas arguidas de falsificação e constantes da eont'estação do conselheiro DI'. JOSÉ .l-ullnil'an Le CO:5todio' . é apPI'ova·ao o.. Dr.~l.João Lopes.José Joaqrün1 Seubra. José Augu. João Vieira de Araujo. Aristides· Cesar Spjnola Zmna~ D. Dr.Í"a de Aguiar. 111tÜOr Viecntc Antonio do Espírito Santo c Belarnüno Carneiro. requerin1ento. Seve- 1'ino dos S(~nlu~ ·V·j('ir. . 1890 Eleição do Estado da Bahia _\ . F"''l'~lil'a. .Sr. . .' 'Conselheiro Francisco ?\Iaria Sodl'é Pereira: Dl'.Haj:mundo Çarneiro de ~ollzaHallden·a. ~~ndl'" La\aJ. O ST. E' lido e vai a imprimir o PARECER N.1'0'0110. os quaes 'cn1 tempo serão requisitados. consulte a Casa sobre si consente que a sessão seja suspensa vor un1a' hora até que ·elle possa ser hoj e apre- $cntado ·á l\lesa e incluído na OI~81n do dia de amanhã. João de Siqueira Cayalcante.AvEI. .J{)Ão DE SIQUEIRA (pela' orde'm) .\ . l\lareos~ Dl'.:J. . l::'iO (jJela oi'dem. José )Iadano Carneil'o da Cunha. F. Anlllhal Fu]cao. Dr. si l'lürc os dinlonlas relativos ti eleição do E. es- tando a concluir-se o parecer relativo á eleição da Bahia. O SR. . JOSÉ AVELINO (pela ordern) :pede dispensa de jU1- pressão avulsa desse parecer. .Joaquün Ig"na- do TG.." O SR.BaT'bosa Lima~ .J. AlYí- })lliJopllio Botelho El'eire de Carvalho. ~JoaquÍ1u José . 1 E reaberta a sessão á 1 hora da tarde. Dl'.José de :Mellu.. Presidente. Aristides Augusto Milton. Dl'. Gar-eia Dias Pires de Carvalho '0 Albu~ querqnc.~ Dl'. publicado no Dia-rio Official~ entre na ordem do dia de an1anhã& Consültada a Camara: é approvado o requerimento. D1'.AnLonio Alves Pereira de Lyra.AI.11iflll C l Castro.Antonio !EusebiD Gon- ~:al\'es de Aln1e:ida~ DI'. Sebastião Landulpho da Roeha .S1' Presidente. 18 -.ragão Junior. Consultada a Gan1ara.J. • O SR.Medrado e Bnl'ão de Vi11a VJQosa.) .

são do parecer re- lativo :í. l\'1agRlhães. F-elieiano .o a V: Ex.\vanla-so a sessão :í 1 112 ])OT'fl c1n tarde. Belfort. O SR. . Lacerda Coutinho. Gahriel dp. Pedro ChermonL Rubião~ Alnünio Af:fonso~ Cas- siano ·do Nas·cin1ent. EpHlacio~ Ferreira' Rahcllo. 18 .. ilepnLaàos não conles(.a(}os. lVI:ltta lVIachado.manhã~ porém. Abre-se a sessão. Thomaz Delfin~). Rodrigues Fernandes~ Ca- simij'Q. Can tü6: Luiz dr Andrade. Al'islidcs Maia.~O PREP. In!loceneio Serzec1ello~ Serpa~ Do- nüngos de l\'Iorar-:s.IXl) (pela ordem) . SmnpalO l~erraz.RATÜRIA) E·IVr JO DE NOVEMBRü DE 18'9iO PRESIDE?\CL\ no SR. Chagas Lobato. Desejo que a emenda 8ejit Tmblicada C01TI o parecer. Alexandr·e St. Mendes Gonçalves. Re- tumba.:enlada Clnenda u U111 rpurecer que ·ainda vai seI' ilnprc:. Presidente.el'. Moreira da Silva. -Alvaro Botelho.:\LVE·S CHAVES Ao nleíe-dia.. João 1. cmenda~ para ser in1pressa conl o parecer. DomingoS' Porto~ l\iar- tinha R()dl'i~ue5. porqllunto n::in plíde S0!' nprc.a }!achado. oS. Oliveira Pintn. Vieira.arú os :11\'1- 1. COF:t.PRESIDEN'l'E . BapUsta . BezerriL SÚ Andra·de.ado pela COnl111issão. Carlos· Garcia.pn ViolJi. .ockler~ "Tblentino de Carvalho. el(~jeão da Btlihia. o nobre Depufado apr(>~(\nf. Fonseca Hernles.sn. Barbo5a Lin1a.Penna. O Sa. 7 n SE'SS. O SR • . . JOÃo DE SIQUEIRA . ' O Sr. Palleta.onsulf. ('. MUTtinllo Prado Ju- nior. l\fenna Barreto~ .1'0[.L(..JOfÜ'1 de Avclal\ . João L()pcs~ Garvalhal. deve ser publicado o parecer como foi apresent. Bueno de P~iY2. Fran- 'cisco Glyecrio..· ManorlFulg-rneio.~egllinLc ordem do dia: Vntação do parecer n.Sobre· os diiplomas que se referen1 n. Muniz Freire. Nascirnento. Nilo Peçanha.Pelo Regimento.ponçlel11 os Srs. Gonoalves Chaves.'.Tos)~ ":\'VEI. . Amorim .::. O 'Sn. : á _ qual re. .. PRESIDENTE . Rodolpho Mi- randa. Vjnhaes~.:ão ('sse pal'l'e. n5n d(lvc~('r aecci10 () alvitre do nobre Deputado.'. Paulino Carlos.o.Jose BevI~aqua . Fonseca c Silva.. llavel'ú votacão unicamente: sohr'(' os diplomas contestados .hmidt~ Dutra Ni- eacio. Bernardino de CaJl1po5. Lan10nnier Godofreào.Sr. Sc. Hnjn não: n. quando for Dosto en1 Ylll:ll. llodrigl1cs. p:l1':t :1manldi. Fran- cisco Veiga.Neste caso~ desejo U1andar l1n1n.JoXo DE SIQUEIRA . sobre si haverá djsCtw:.. a. -Cartaxo.Jo~quln1 Bre- ves~ José Avelino~ Ja~ques -ourjque e Annlbal Falcao. .. r'cht.:'. .é' que haverá dIscussão. Antonio 01)l1tho.Tllnio. Oliveira Valladão. (A1Joiados. Theophilo ·dos Santos. Urb~no Marconde~. Belunnino Carneiro. . Jacob ela Paixfio. l\'Ii- gnel de CaRtro~ João' Vieira. Prcsidrmf:.Garcia. faz-se a chmna-da. AdoJpho Gordo.\XTOXIO GO~G. Andr(~ CalvacantL IHanhães Barreto. qllP quizel' ca Camm'(1 resolverú.n.rIa l\Jottu. Polycar.João ele Siqneira. França Carvalho~ Pedro A1nerico.111z {]e Cam'Pos~ Gonçalo de Lagos.) Nada mais havendo a tratar.c chí.

declarando que nomeon uma commissão comp0sta dos Srs. .'TheophHo Fernandes dos Santos. Commissão. Francisco de Paula Leite Oiticica. .. da : ·C:m~Liílliçãó dos Estados Unidos do Brazil.A' 2:1 Comulissão .lomas dos Srs. eleItos pelo Estado do Maranhão. reunida -i da Camara.aqui . -Inteirada. 7.jecto rir Hegimento conlDlunl: que deverá. Caetano Manoel de Faria e Albuquerque. Officio do Sr.A' 40. C3Jmara dos Deputados: 10 de novembro de 1890.A' nlesma Oommissão. por s'e acharem im- possibilitados de continuar a exercer 'l)S cargos que oooupam e contarem 26 ·annas de effectivo serviço. eleitos' pelo Estado de Alag'uas. . antecedente. Eliseu de Souza l\faI'tins e João Pedro Belíort ''''jeira~ para que. de 10. .. Antonio de Amorim Ga'l'cía.lvaro de And'l'ade Botelho. Ladisláo Netto~ de 6 do corrente~ renun- ciando os poderes de Deputado pelo Estado de Alagõas~ que lhe foranl conferidos por ·eleição. .Inteirada.1890 D·.da Veiga e :4. 2°. José Ferr·eira" Cantão.lercebem. . '26: n. . . 21 -. e 19 o ?O. i ° Secrebrio procede á lei tura do seguinte EXPEDIENTE DilJ).I-\ntonio Ennes de Souza. eleito pelo ~'S­ tado de Matto Grosso . formule un~ pro.-An- tonio Gonçalves Chaves.4. ser djscutido enl sessão plena das duas camaras.: Joaquim .ba. que .sejam dispensados do serviço~ com os vencimentos que actualnlente perc8benl. . . o -1°. 102- ~' lida.do corrente.: Prudentê José dú !Moraes Barros. Lourenço Xavier da Veiga e Arminio CesarBurlamaqui~ que requerem dispensa do serviço com os vencimentos que actualmente a. . . O Sr.. tendo ·exanlinado as petições dos officiaes da Se- cretaria desta Can1ara. A M·esa.1"Jninio Cesar Burlam.. eleito pelo Estado do Pará. loão da Silva Retum.Pontes de Miranda. Officio do Senado. que para substituil-os sejam nomeados os cidadãos Aureliano Nohrega de Vasconcellos ·e Luiz Domingos do Lago.. posta enl discussão e sem debate approvada a acta da sessão . . e con- siderando que são exactos os fundamentos allegadose pro- vados ·com os documen~os exhibidos~ e que os precedentes es- tabelecidos 'em casos identicos autorizam a pretenção dos suppI icantes: é d~ !parecer: 1°.:slJenSa de iervfço aos·· officiaes Lou'l'enço Xavier. os nfficiaes da Secretaria da Ca- mara dos Deputados Lourenço Xavier da Veiga ·e Arminio Cesar Burlamaqui.i\' 1a Commissão. . por se julgar conlprehen- dido na clausula das incon1patibi1idades ào art. Henrique Alves de 'Carvalho e . E' lido e vai a imprimir o seguinte PARECER N.João da "fr[atta lrfachado. .

Dr. relativo á eleição do Estado da Bahia. 103. José Avelino (pela O1'dern) .Pedro Leite Chermont~ Dr. José Teixeira da Matta Baccllar.' Trata-se de unl parecer de conlnlis~ão que examinou todas as el-eições. Dr. das Commissões~ 8 de novembro de 1890. Epitat:io da 517:1)(". Commissão de Verificação de Poderes.- ão cgualmentc lidos e vão a in1primir os. re- qucÍ'inlento v-erb.PRESIDENTE'annúncia que vai proceder-se á votação do parecer n. Dl'. Jfonhárs Ba1'reto..seguintes PARECERES N. Presidente.O SR.1'PO Rodrigues Viotti.l do nobre Deputado não p6de ser admittldo. Pessoa.' ~ Sala das Commissões. . . Lauro Sodré. CAVALCANTE' (pela ordem) requer que o parecer seja posto em votação por nome dos deputados reconhecidos..es.=. Sala. Consultada a Camara. ORDEll\1j DüDIA RECONHECE\:fENTO DE DEPUTADOS o SR.e Silva. para entrarem na ordem do dia de amanhã. o.9 de novembro de 1890: < . Dl'. 1890 Eleição do Estado de Matto Grosso A . Guanabara. . A.Ale:candre Stoclde1'. . tendo exa- minado as authenticas -da eleição procedida no Estado de MaLto Grosso e havendo-as encontrado regulares. O SR. . Oliveira Pinto. _. N. 20 . . .I.á. 1890 Eleição do Estado do Pa1'á A 1ll.9 . nada encontrando que pos'saalterar o resul- tado constante da apuração geral~ que lhe foi presente~ é de páreccr que sejam approvadas todas as eleições realizadas naqllelle Estado e reconhecidos deputados os 81's. 1.disp·ensa pedida..José Ferreira Cantão e Dr. ê concedi·da a . .). maj or Caetano Manoel de Faria e Albuquerque. .' . .D.Poly- ClI. JosÉ AVELINO requer dispensa de impressão avulsa dos pareceres que acaban1 de ser lidos. In- noccncio Sezerdello Corrêa. Jacques Ourique•. . Raymundo Nino Ribeiro. . João Severiano da Fonseca Herm. : capitão-te- nente Arthur IncHo do Brazil . é de parecer que sejam reconhecidos denutados por aqueIle Estado os ci- dadãos Antonio Francisco de Azeredo. depois de ter exan'tina-do todas as actas da eleição a que se procedeu no Estado do Par. 18. O Sr.1'" Commissão de Verificação de Poderes.Sr.

aconlpanhei com o n n1ais vivo interesse e attençã. nen1 do re~ültado final da eleitão. (l.o a eleição da Bahia c vejo que a Con1n11ssão não. PRESIDENTE .) O Sno BAHBORA LDL\ (JJf'la ordem) reclama.oranl viciadas.J. temo~ seguido até aqui. João de Siqueira-Sr Presidente.::.os sobre a valldaclc de unl d.) Votar-se novamente sobre os dimU- f ado~ enllocados em f1rin'leiro logar não imnrdi'l'<Í () r~con he- ~im(\nL() .que o rcquerin1ento do nobre Deputado não póde ser acceIto . achamo::. t()do~~ não posso submet. (:lpúiados. p6de dar~"parecel' l'cconhecendo os tres nltilnos depllÍ'.e u.dos ultimas. Si acccHar'mo5 essa sollltiín (lo Regin1cnto.~:o sobre esf.hirão da difficulrlade aquclles~ cornn nós.a ~nbcr é ~i devC' votnr cngloba<la ou.estado o de- ° claroll pCl'ante a Comnlissão~ e appello para seu testemunho.Esta hypothese não .crar conlpleLan1ente o resultado final da olci- ~:fi..1WÜ)(!.) iOi proprio candidato cujo diploma está cont.~O DE ORDEM o Sr. não é possivel que possanl0S votar c~te parecer sem qUfl cnda.0 8R: .l~nt. 'Cfl.nrsLc J110nlcn1.dentes quo. o que estou dizendo é qu~ a adml~sao do requerImento do nobre Deputado inlpor- tal'Ja . mas sinl () pUrf\Cef' da Commi~:5ão qn(> )'~eonl1pee 21 d0J)utados o O que resf.Sr.o.cp. Ü Sn.0 Sn.urn dos deputados trmha lido e posifjvam(\ntn 3Il1rP. . l\IARTINHO PRADO JUNIOR . c est.T.) • I QUEST.está prevista no RegnnenLo.o~ não posso yotUl' 1l0- lninnlmrmt. c CJuo contcslan1 a clcieão~ o nnir. A elelçao fOI por escrutlulO de lista: todos nós tenlos sido re- conhecidos de conformi-dade C0111 táe.4.llE.oR':: fi J~cgim"'JlllI ~k·t(\J'mina que ~('ja rng'lohn- dnn1(mlco (~lhlllos ap01ados.c.:. neste caso.SR.~n fiulll'e si con::. () . Acho. Desdn que a Con1missão reclama esclar"·cimenl.ados da lista que apresentou~ porque faltam 30 netas e tres f.?s di'plon1us e ·não sobl'p. pareceres.- ciudo I) 1l1odo por que :-:0 procedeu á elcicão no Estado da Ib"iao (Jluilo bem.c que fj(jlw adiada 0~la votação. Presi- denl. eonslllto 4Í. -101 Ha apenas Un1:1 qlle não foi verlficada~ por falta de do- cun1entos • . (. . Estou enrnpldalncntc ce. PRESlDENTg . 10 SR. declarando fIne o f l ul'ceel'deve ser voLado lal comó foi apJ'cscnLado pela Cnmn1i~:-:iio.n daqL]cHo Eslai.s5nrnpI. Ex.Não senhor. Não telDos RegÍlnenLo aineIa.qU·(~bl~a dos pre. devo ap:p~Ilat' para a Calnara.. s'epnractu- liif'ntr. ntos forl1('cirlo:::.o DJcin é adiarmos a votação o O Sr.lo: 11m' isso reqneiro que V. (Cntozarn-se apartes. ~onlO sn. b{artínho Prado Junior (pela m'rlern) -'. .os~ AVELINO -. <llle ignoram o· que se doeu! na eleioão da Bahia? Degd~ que não ten10s estudado o :processo da eleição~ 110n1 • os ílO('llm .o importo crn ali.E' o qne nno p-osso fazer pelo Rcgi- n1l"mfo.c é o uni o nleio de 5a11ir1110s da clifficuldade enl CTllC no.ter ú '"a ta ca0 da Camara a parte so)we que versa a duvida. CAVALC:\NTE dá UU1 aparle. POl'- tant? ..c on1 alguns dos' diplomas~ porque receio que ist.

. · . Se elle quizer estudar cada uma das e1cicõe5 para iproceder conl consciencia perfeita ·e exacta em relação n. O SR. Documentos que só chcgarjan1dnqui a seis J11f~Zcs. Oompl1Isando os docunlentos.::\Ias não hayia contcsl.PI'incipia. o nlCU requerimento. não examinou un1 só dos papeis. 111ais vale darn10s depois entrada aqui ao Depulado 1e- gitilno do que.a~ que fnltanl são '15.11aridade -do -debate~ porque na verifi- ÚUçtlO de po·deres não é adn1ittida a -discus-são nos termos cn1 (fllO :l. cada ll111a donas.~O DE SIQUEIRA . Barbosa Lima~ entendeu propor a se-paraçãodesta eleição.. . com todo o 're~neHn que elevo ao nobre Deputado por Pcrnnmbuco. Ul\f Sn.111inh2. ' a duvida Yêrsa sobre os ns.ação das actas ·que faltam e das viciadas não pre- ju. Barfio da Villa Vi('.ar. lnas porque havia eontestação e111 relação ao vigesimo segnlldo d:l. {PIO dá. a irr0lg1. intenção pedindo a vota- çao de cada nome dos apres·cntados pela 3 C0111missão de V-e- 11 rificação de Poderes era a seguinte: quando chegasse ao nu- D101'O 1·8~ eu pediria que voltasse á Comn1Íssáo para dar novo pal'c·ccr quando os (10eUDlentos que a C01l1111is·sâo pediu ao Go- verno fossem presentes Ú ll1eSDla COTI1111issão. U:M SIl.a<:õ. Ex.ado 11ão pôde influir sobre os prinleiros 17 nu- nlel'OS.çs. defini- Uva ·de que s6 C1TI relacão ao n. pedir que o pu-- rf\('. pelo voto do seu relator. que ponha eU1 votação..osu. Paulo fez lllTIa ob~ervaçao que não prevalece.\DO . Esta vot. JosÉ AVE'LINO .~. SI' _Presidente..precisos divers-os do- enU1cntos. por notar. O SR• .Diz o nobre Denutado aue as act.r)rque.PUT.. Enl se. Cada acta s6 póde conter 1 50 votos. 18. 105 ern ·corno da validade ou não validadedaseleieões falsificadas depende ou não a inclusão do Se. lEu pretendia. diz o nobre Deputado. DE. O Sr.~tou cprto de que o nobrc' Depllt::ldo~ S0 votou hontcnl aqui. dada a votação até o n.u.a dos dnputados da Bahia. Carneiro da liocha c a exclu- são do ~1'. 17. o para a destruição dessa duvida são . teríamos úa-da dia o adian1ento de todas as I}lciçõcs.. Não havia contestações.Perdoe-nle: eu esperava esse aparte. de qne não exanlinon a eleição. :Presidente.roL Sr. . (Al)oiados. 10 nobre Deputado por S.~o DE SIQUEIRA . 19.d ica ahsõlnt. Tenho úonc-luido e peco a V. U:MA \"oz .nndidfttos~depoi5 de chegarcnl as actas e os 'demais dn- CUJ11I"'JltOS. não pôde prejudi-car n nxamo c o estudo que fez a Conln1issã·Q ·de Verificação ide Po- f1 prr.anlente aos deputados até ao n. ) . _ As-sim. DEPUTADO dei un1 uparte. chego á conclusão. o distincto Deputado pelo Ceará. agora: a unl que poderá não seI-o. lisf. Por consequencia.JO.cr y()Jla-ss~ Ú COnlI11issão para reconsiderar sobre os demais ('. 18.To.) O SR.gllndo lM. 22 é que houve uma duvida. foi que a honrada Comn1issão. a cxplicaoão. _i. José Avelino . f('z () rneu collüg:a. 1 o C~'8e I'e~l1l1. "O c.. o Sr. p. Que chegassenl daqui a seis nlüzes. _.

(Apoiados e apa1'tes.poth. Quando o parecer da.: 111//.t.odos os jornaes da Bahia sem. (Apoituios. na ausencia de prova immediata.0.de outro modo importaria uma votação 1l0lninal: :peço a Y.Ü pronunciamento da Camara tem de versar .ito bem. porque. (A. não posso aàiar nem instituir ·discussão sobre o narecer. deve respeHar tambem OE. é o caso do parecer da Bahia crn relacão ::1. si a Commissão quizesse proceder. como ~\~H. Gurr. como que das allegaçoes qul~ se fIzeram· em re- lação ao vigesimo segundo s6 importariam observações de certo melindre que a consciencia delle immediatamente accei- tou. PRESIDENTE .damente. Sr. nenhuma das plei0õps foi contestada (Apoiados). rr-~nnhce1nl~n 1'1 r1~ ~1 . de. é inop- portuna e inconveniente: e como a votação deve ser feita en- glob2. deu o seu parecer.es·e figl1radaexpressamente no Regimento (A.por votação ou por discussã.'".poia. poíados. ~ Sobre o modo de ser a votação englohada ou relativamente a cada. e a. porque em relação a estes 21 denuf.-que submetta á votação o par8cer eln globo.do~..biJjdade da ~dücisão sobre este assumpto~ vou CQn-. Commjssão con- eIuo nela rer.JosÉ AVELINO . Mas est. e por esta razão foi que o nobre Deputado pelo Ceará pediu a separação.a não é a hypothese..06 - lO honrado presidente da Commissão~ o nóbre Deputado' do Rio Grande do Norte~ disse que não só não foi presente á Commissão nenhuma reclan1ação que podesse alterar qualquer. O pronunciamento ou é simplesmente .As actas Que faltam alteran1 56- mente a lista em relação ao 22°.) Logo.) Vou submBtter :. entendo que a discussão. vo~'~acão a parte do parecer que conclue pcln . deante dos documentos que teve. Paulo: si elle respeita os intuitos da sua consciencia. HERJ\1:E DE MAGAr-.) Porta"nto. JOÃo DE SIQUEIRA dá um aparte.o não nóde ser exigldo senão em dois casos:' ou quando o parecer 'conclue pela annullação de algum di- ploma. O SR. por S.l. O SR. o pronuncian1ento é simplesn1ente Dor votação (Ap01~ados).stemunho 3 nropria Con1missão.) . -1. e e1. Ex.poiados. ou quando ha eleições duvi!iosas e contestadas. L4. i '··:~I O SR.. .. de prova authentica dos factos teria por si a prova circumstancial mais importante.sobre o parecer da Comn1issão. no terreno em que está sendo collocada~ e até para lnim.pa'f'te. que é incontestavel- mente a votação publicada por t. Que' são considerados liqu1dos.ados. O SR.putados.cados em p~i­ melro logar.o não ha hy.a-~e l1ma.~): ma~. di:::crepaneia do resultado em relação a um s6 dos candidatos. suas observações~ e a Con1missão. (A.lL~ES d.oiarlos: m?J.r.ito bem.fio grave. O SR.onhedmcnto do deputado. e disto dá te. depu b:tdo s .Sr~. candidaf.) ü adiamen. Ora.21 Srs.. ?residente.í um aparte. (Apartes. quest. resultados obtidos n~las 21 Deputado_s caHo. intuitos da conscien~ia da Commissão 1 que em aSSUulpto tão grave não se decidiria por melindres que não possue tão delicados como os do nobre Deputado e para dar o seu pa- 1 recer procedeu á n1ais conscienciosa e escrupulosa apreciacão. e um deputado requer ° adiamento apoIado pela terça parte dos memhros presentes. dos. .1 quero retirar de mIm toda a" resp'Onsa.o c votac2.AVELINO ~ O nobre Deputado foi ti Commissáo apresentar as. Neste :ponto appello para o consciencia do nobre Deputado.JOSÉ .

) Esta é que é fl. m. Francisco Glicerio (:.) A minha opinião é esta: si se t. est.. como requer o nobre Denutado por Pernambuco. Afas a CanlD ra é obrigada a louvar-se no parelcer da ·Comn1issão.sa soffrer na Camara um desastre' inesperaç1o.pa1'tes.iamento da vo- tação do parecer da Comn1issão~ sen1 embargo de haver inter- pretado ele OEtra fórrna o negilncnto. mas me parece que si V.. soffrer com paciencia um adiamento por 24 horas. consentir no ad. esta anarchia que reina a proposito da discussão que se trava .ito be'ln. FRA~'CISCO GLICERIO (. (Apoiados e di1'e7'SOS a. que ·muito ~e merece: Dlas tenho: rereio de que o voto sobre o parecer seja uro desastre para o I'etconhecimento da deputação da B3Jhia. s6 por:que não possanlos:. (Apoiados.it'o bem.(Jricult'llra) - N. O Sr. não é approvado o requerimento do Sr. Ex. (Ha diversos apa'rtes. (Apoiados. (Apa7'tes. NILO PEÇA)lHA . (Apoiados.o :da deputação da Bahia não ]1o:. concorrerá p:c'udentc- mente para -que o reconheciment. Comnlissão~ que nluito l11e merece (ltiuito bem). o Regimento foi apenas offerecido para provisoriamente dirigir 'os trabalhos da Camara.de JUl~~S preconcebidos: aqui tra7.l1inüd1'o da A{J1~cultura) - Sr.Sr. nlas o que digo é que a Caluara não se sente bastante instruída para dar voto nesta questão.M inist)'o da A.so~bre est..mmissão. -107 - sultar á Camata si consente que a votação seja nominal. dal-a-ia em favor do parecer da Commissão.) . Declaro que si se tratasse :=:ónlElnté do ll1eu voto.in ha duvida. A lninha opinião esNi~. O SR. O SR. O SR.ou argumentando contra a Co. Presidente.) Posto a votos.u. J-I Cavalcante. Ex. (Nao apoiados. r nE~IDENTE annuncia que vai..ml1. submetter á votação o parecer relativo ao reconhecimento dos 21 deputados eleitos pelo Estado da Bahia. NILO PEÇANI-IA .: O Sr.Q Regin1ento Ó un1 aeto da Camara e que tem de ser voladopela Caroara.) Por outro lado.poib:dos) ~ falIa como re'Presen- tante da Nação e· não con10 Ministro. FRANCISCO GLICERIO (. muito bem. não venho oppôr-me á deliberação de V.~O DE ORDEM o Sr. votaria pe!o parecer da. O Sn.) .. tro- cam-se apartes. questão. (Apartes e apoiados. Bar:bosa Lima (pela o7'dern) .presento estas considerações no 'jnteresse de encaminhar mais prudentemente' a discussão.Ministro da Jl(f7'icult'll.Peç:o a palavr~ pela ordem.) A. Presidenfe.) tO que é _ben1 verdade é que a Can1ara não está sciente do n1odo como ha de votar.idos p&ra levanLar a Slzanla. Suscita-se nova QUEST.'/'a) -:- Não.) ~4qui não ha ministros (A.ratasse do meu voto. (Apoiados.e parecer~ é discussão sem precedente~ filha talyez . porque ministros não tên1 aqui assento.

·Cornmlssão~ (lizendo que ~lavia falta de actus. 10S - . qne titulas tc~n1 para se l'üi'rrir . U..o . Assel11hlc~a~ TIlaS já não era tempo de perguntar 1(1uaes o~ nloUvos COln que se protestaYa contra a validade da 01eição. desta bancacla~ con1o do nlembro da 'Comn1issão q11e acaba de sentar-se.. :Cheguei a esla asse111hlj~a Ih0ntern.. o fizen10s s.DO .quc a..ões a V .pazes de alLerar o resultado da eleicão a partir do in" dC'putado ])01' deante-.~Ias não parece. Eu -queria lcYaníar-n1e e pedir ínforlnac. (Al:oiados. ..O nobre Deputado não se apre- sentuu conlo contestante. clla p6de 111udar de opinião.e. deputados. não 11a razão para tanta sllsc'eptibilidade~ não só da parte -dos Srs.pÕes.ar:1 toda a defcrencia. ternos consciencia de que exanlinún10s euida- d05aInente os 'dóculnentos qUH nos foraln presentes: e não aque lles de 'que só tcnlos noUcia nO n10mento presente. Declaro que estou JaJlal1d. (mando vierem c. BARI30S.(. que havia eonfest3.que eu resolverei~ depois delIa.. c :í. .que convide a Camara a deliberar sohre a nonleação de outra ·Comnlissão ·que sub- stitua a de que faço part.Djz. (lia: d11rerentesa. fé.1 outro· nes:3cs termos? para dizer que não parece qne (\u cs1:C'. Martinho Prado Junior .:l dá Uln aparte.com o Re- ginlento. não são os primeiros a dizer= IOOmo acabo de .1poiados. E tanta prova ·de consideração 111e merece a 'l1onr~da Comnlissão~ . Ex. responder ti se- guinte interpelIa(/ão: Existenl actas falsificadas levadas ao conhecinlento da Comnlissão? \7'l.Jo.CoJnmissão de inque:r-Ho é tão digna de respeito como todas as o:ut.:a (A. ma~ "])or.ras.as viciadas.éla' da dis- cus~ão a eleição da Bahia.·\. E\L\. .srnl~ on1 nome da !Conlll1issão~ reque.:. O Sa . Sr. ma3 não a!'nrrnou de HlOdo quP. o Sr.pre5ent. Ex.:\ I. EEx. pu- desse servir de base para qualquer deliberação da Conllnissãn .!a discutindo com boa :fé ? Qu(~ro disctüir conl toda (1 calrna e guarclar nesta Cam.. Penso ·que a 3:1.nclos~ impor! a mna punirüo c uma falta de confianr. . Ignoro complcfaulente o que se tenl feito.. c pelo nloclo por que o j'jzemGs.) P. 'l\L\RTI~HO PJL\DO JC~IOR . act. .~nl precisa- 111ente descer a 111iIIUciosidade nU1l1ericas..) A ConlIllissfto não podia: dar pare~er senão conl os clo- cun1ent0s ofrerecidos e apresentados. ignoraya QU:1.iro a V.}Jai·te..O Sn.IO DE ·SIQVEIP. Quando' firmámos o parecer. Presidente. mas canla tendo ouvido que o Jea- pitão Salvador Pires affirmava decididamente que faltayanl untas ea.as. Presidente.))OÜJdOR): e alérn disso não erapr~ci-so ií Con1nlissüo apreciar tnd~s as eleições do Estado da Bahia. Eu disse : Volte o parecer á Conlnl1ssão para reconsi- deraI-o.enso.) . DEPVT.:r SR..sas actas. . que estan10S de accõrd. .~. não porque julgasse que a Comnlissão tivesse resol- vido Ieviana·111ente. O Sr. inculpal-a de não ter to- Juado ~nl considcracão os documcntos~ que lhe não 1'or3n1 a. (A1J'Oiados. quando vi lançada na t.o aqui com a maior boa. Deputado que não parece: 111as ·que docurL1entos.C'S as disposieôes do Rc'ginlento.) .Sr. O SR. e nos seguintes terrnos .

o bnxendo contestação áeerca de 20 deputados. e é esta emenda que vou sub- metter á consideração da Cas2.1)oia-dos) ~ estava per- :::u~dida de quc~qualqueI' que fos:::e o resultado final da cleição~ jánluis poderiam ser prejuGieaclos . de ell.:-i5es que Ih8 f.Sel1ihol'e~. Barão de ViIla . quaes- quer que elIas seJan1~ o resultado da eleição do Deputado contest.. Presidente.dois deputados c!citospela Bahia (Apoiados).lc :cons:tituir seu paiz. gaI'antir a' esta Assemhléa e' a nós~ que não êonJhecen10s a eleição d~ BaÍlia~ que essas actas que faltam não alteram o resultaco~ eu desisto do meu requeri-nlcnto e 'voto com a COlnnlis&ão.. alteram cxclusivan1cn[c.~ão de dois {jeputados? (. ler.. poderiam vir contestar.propõe udianll1eto e o Sr. Até orice iríamos si adoptassemos essa regra.-!parles.~leitos ner"huma contestação existe~ e~ por consequcncla {} seu reconhecimento llãD poderia S8T! conl justiça~ prejudi(~do pelas razões alIegadas pelo_ nobre Depuí::õdo que precedeu-me.. da discu~são estabelecida e Ido estudo pcrfunctorio que fiz rIas actas: parcce-ine que duvidas existem apenas eUl relac-ao ~1. . (Apa'}·tes). senhores. procedendo pela fÓl'ma por que o fez. :: O SIl. a Con1mis- :. DEPUTXo-US dão apartes. a C0111- nlissão ele inquerito.1 eleitos em prinleiro lo. apenas 11a referencias á publ iCUf:ão de j ornaes~ e seT(l isto base segura sohre que a Gornn1Íssáo possa enüttil' seu juizo' '? Em todo o caso.oram dadas pelo contestante econwstado (!1.o meu diploma~ allegando que havia esta ou aqueUa irregularidade~ este ou aquelle vicio? A CO~lissão~ por força das inforn1ar. que 1m diHiculdade: CIH rc50lvel' solJl'c a validade da dC'it. Creio que com relação aos ou tros 2.a.j a ver~ficaç~. O Sr. O Sr. Palleta (lJela o!'dem) .o que~ alnanhã ou 'depois de anTanhã. 81's. a Comnlissão deparou com um~t gTande -difficuldadc': era pôr' á 111argenl a representação da. O Sn.quando é cert. ha un1a outra eonsidel'H0áo:' «lia aelas ·quü não exisLell1». existindo apenas contestacões en1 relação a dois. P~\LLET. . e não tendo appurecido nínguen1 na Con1missão reclanlando~ parece quo é o caso de a'ppUcar-se o brocardo latino donnientibus non succ'U1'T'"it ius.) Pergunto: A Conllnissão garante a esta Assen1bléa que as adas.Viçosa: CQjo reconhecimento.0 depu~ac1os .os 2.) Parece-me que uma sin1ple. o ultinl0. deputados.o apropria Conlmis5ão .JOÃO DE SIQUEUL\ l:~ OUTHOS SH5. (~lTuitos apoiados.Sr.50 propõe.3 en1enda ao parecer que se discute resolverá a que. (Jl'llitos apoiados.) A Canlara: porém~ resolyu corno entender. não tern elenlCIÍto seguro~ sohre I) 'Qual possa fundar a sua decisão.ão e cheia de fé.tão.:\ .lli5São não tenl disto docUlllento authentico. As emendas são . parece ter sido peri'eilamente cQrrecLu: e é uma eleição li- (jui{la to{la aql1ella que não l~ contestad.g·ar. \:)ra~ nã. l'd:atta l\iachado (lo Sccrelatio) . VÜ'Hlo á sua .. Bahia (AJlOiados)! no ulomento mais nlelindroso: no moml3nto t. ~\ras a Con]J.ado ? Si a honrada Con1111issão pócle cheia de cOllvicr.apreciação.

Sr. neste momento.Quando o parecer não sofire dis- cussão.» Esta. da Camara (Apoiados. U:M 'SR. a seguinte emenda (lê): « Reql)eremos que seja adiado o rooonhecimento do Barão de Villa Viçosa nos mesmos termos pedidos pela Com- missão em reIação ao reconhecinlent. .'lcabei de ver. O Sr. Paulo e solicitar um adiamento de reconhecimento dos deputados da Bahia.Não.quando elIes terminarem por lContestação de diplomas. senhor.o do Estado de Minas -Geraes adiando o reco. i (T'roca·m. a justiça e justiça tal qual a deve ter aquelle que é -legitimamente eleito do povo.-se apartes. =. "~~ E a minha surprezaé tanto maior quando vejo violado o Regin1ento . Retumba. AUGUS'fO DE FREITAS . e si a Camara co. O SR. como alcredito.pelo reconhecimento de 21 deputados.(Apoiado8 e não apú·iados.nhecin1ento do Sr. Presidente. a CamaTa apoiar uma emenda apl'cs:entada . Matta jJfachado. Barão da Villa VifJosa. dib'1la 3:1 Commissão.João de Siqueira. . .:Mas devo dizer a V. licitas sempre fi sempre foram admittidas na discussão de paI'Bceres das commissões de poderes. Augusto de Freitas .'~S . : : Proponho. yai acceita-r. a nlinha surpreza subiu de ponto quando . 1Uio apoiados e apartes).que surprehendeu-me extraordinaria111ente esse acervo de contradicções que surgiram por oocasião da votação do parecer da. e á Camara .de verificação de poderes. DEPUTADO .) Sr. DEPUTADO'. i\. Üu"'l'RO SR.pelo digno DeputaG.) .nced'er-n1e a sua preciosa attenção.) UlvI SR. Paulo. que leia o art. Peço a V. quando vejo levantar-se o digno representante do Estado de. portanto. Ex. entretal1to~ ainda não estava deci- dida a emenda apresentada pelo nobre Deputado porS. o que in1porLava a obrigação de .Res.ragão Junior. a emenda apresentada pelo digno Deputadq por . . . o seu apoiamento é a sua' approvação. Ex. s6n1ente adiando o 22 entreta~to. Presic·ente. ::tiO . o constrangimento com que devo entrar nesta dis- CUSSã0~ que vai decidir da vaHdade dos diplomas conferidos aos deputados da Bahia. (Muito bem. 20 ào Regimento . . AUGUSTD DE FREITAS . E~.o do Sr. . a Caroara 0 . nos seus actos. salvo ..a Camara reconllecer hoje os outros deputados. quando. Si a emenda é de adiamento. OIl1 IY18U nome e no dos outros signa- tarios. comprehendc:~ V. O Sn.Não póde ser adiada a votação dos pareceres das commissões ..Parece-nle. O parecer da COIDlnissão termina . AUGUSTO DE FREIT. emenda é apoiada. PRESIDENTE . O SR.. DEPUTADO . S. mostrare-i 'qual deve seTO seu procedimento~ si quizer tomar por norma.o SR. o Reg-im enlo (~ expresso: . que o Heginlellto probibe expressamente .:ponclerei a V. Ex.E~ admittido o adiamento desde que seja apoiádo pela terça parte da Caroara.

recer. (Apoiados e apm'tes. :votaria contra . DI'. Marcolino de Moura e Albuquer- que.s. como Deputado da Bahia e com a maior isenção de anin1o. Dr. Sebastião Landulpho da Rocha :}íedrado. :Dr. con1prehende V. Ique affectam simplesmente o direito de um. Dl'. Camara que o -art. AUGUSTO DE FREIT_-\S .: Dr. . á parte a minha pe'::. IDr. devia ver que o numero de votos de'sses collegios. õMarcos. ·Está justificado o .o pelos jornaes 'officiaes da Bahia. contra-almirante Custoc1io José de !"feUo.Ora.Peço a V:' Ex. José Joaquim Seabra. que. -111 - s. caIn tanta desconfiança.to do nosso direito depen- dente da demora de meia duzia de actas falsificadas. para alterar o resul- tado.Ainda não houve votação. Leovi-gildo do Ipiranga Arnorim Fil- gueiras. PRJESIDENTE . Aristides: Augusto Milton. IOt".soa.do por que a 3 Commissão procedeu 'em relacão á eleição ~a 11 .) Mas. DI'. Presidente annuncia que vai sliblnetter á votação o parecer: salvo a 'emenda. Joaquin1 Ignaciü Tosta.. Dr. cujos actos não fo- ram presentes~ foram subtrahidos ao Barão de .quaLquer dosn1eus: mais intimas a·migos. O Sr.Deante da discus- são havida nesta Casa por occasião da votação do :parecer da 3:1 Commissão.digna Commissão que.adiamento . 20 do Regimento prohibe o adiamento do reconhecimento dos qeputados~ salvo quando o parecer da Con1missão conclue pela annulIação ·de diplomas.) .'esentada.e ·quão duro seria a todos nós deputados du Bahia ver ficar o reconhecimer. perfeitamel1Í. Aristid8S !Cesar Spi- nola Zama. Severino dos Santos Vieira. iDr.é o parecer app:::-ovado. e devo dizer tambemá . caso que não se dá. ~luprehendeu-me profunda e muito dolorosa- mente o modo por que alguns clignos eollegas se pronuncia- ran1. Paulo para adiar o recoríhecinlenLo de deputados in- contestados. devianl ter sido presentes.ViI1a Viço. Dr. ' • Submettida ogualmente :i "otação. sendo reconheci- dos e decla-rados de:putados pelo Estado da Bahia os Srs. que sujeite i deliberação da Caroar'a a emenda ap:::. acredito. Dr.. Francisco dos Santos Pereira. coronel Francisco de Paula Argollo..a e dados ao Deputado Carneiro da !Rocha. se tivesse voto 'neste pa. Garcia D-iasPires de Carvalho e Albuquerque: Dr. mo. Não tenho necessidade de dar mais 'explicações ácenca do .Commissão. cada um dos quaes. devo dizel-o.em relação á 3 a Commissão e seus dignos men1bros. Barão de . An- tonio Euzebio iGonçalves· de Almeida. O SR. Barão de :Villa Viçosa. Ex. conselheiro Francisco lVlaria Sodré Pereira.d eixe adiado o reconhecimento do Sr. tem bastante dignidade para proceder com toda a isenção de animo. Arthur Cesar Rios. se quer proceder com a maior isenção de animo e o mais rigor. porquanto a . . ~-.· (Apoiados. . O SR. AUGUSTO DE :FREI"I'AS . Francisco de Pau'la Oliveira Guinlarães. 'Posto a votos.que. Dr. E'll! seguida o Sr. Alllphilophio Botell1oFreire de Carvalho. a emenda é approvada. José Augusto de Freitas. iDionysio Evangelista de Castro Cerqueira.oso escrupulo de cousciencia. mas l-embro á. ThHguel de Castro (pela ordern) . \ ' UIVI SR. DI'. Dr. DEPUTADO . O SIl.

ul. {) SB. 10 ~It. . Qu~mdu se LI'alou ele estudar a elE-ição da BalJ ia: pro- com a nuüor somIna d. Ü nobr'c Deputado não p6dl~ cnl. á vista deste resultado..:31'1 XL\::\'O DE SEI1. me p01'- 1ll i t Li ["Ú uma expllcí)ção ern nome àe J11 inha d ignidarJc lJcssoal..obl'e o CJue~ porvcntura~ se I)uclesse ter dado.. _\ CUlllrnis:'5ão ]ueLou eolU dilTiculdadcs. ll1aS\ como V."tll' lia di. Barbosa Lima (lJcla or-dem) .) .Não pt'oeul'arei e~!udal' . . que faço parte da Conl- n1Ís~ão.pa- rec(~r unanimc. O nOS!30 Hegimento deixou de vigorar para que surg"iSSClTI clispnsiç:õcs adrede preparadas. eu.E' apenas uma cxplkaeãl. que cu Dlesmo não teria deixado de votar pela cI11endaque :lpre- sentou o Sr. Eu estou justificando o peditJo de tlêlnissão ·da Con1n1Íssão que.. fazer retirar desta Camara a digna deputac. c dirfi~~lddades eT'·aYe~.. :J (.guinl.. O SI ~. PRESJDE~TE .nll da 111atcl"ia..e escrupulo ao exame de lodas !·I. 1 Secretario.n~ tI~J'­ 11105: Enl vista. lO SR.P. Bahia~ não tivel110S duvida de opinar pelo ruc il lllleeimento dos 21 cleputados~ attendendo a uma razãu de urdem.JUSTI::\'IANO DE SERPA -'-. Justiniano de Serpa '(pela oJ'(lem. O Sr. E. O SH.1ão posso estar de accôrdo com este resultado. a questão tonlüu /Certo calor.J.lá tel~ pedjdo a palavra pela ordern lTIuitas vezes.onlulissão não teve duvida enl adoptar esse . pois~ certifica-do da desconfiança da Camara~ reitero o r1cdido de demissão que acaba de fazer o illustre relator da Conl- 111issão.:\ C.. : .. reSUlD·o-a nos se.PltESIDEN'I'E . {I que :-se passou a -Pl'opo::-:ito da ycriJicação de po- d C'I'{'. e . E' materia vencida... .Eslou surpl'ehcndido Lom os factos ·que a~abanl de passar-se. não lH".l qlll~ estou dando~ c é necessaria. J.. O Sr.l apl'eeIaI' as "ioh1tües do ncgimcn\. (j tratando-se de unlaqncstão de dignidade para a Gonünissão.'pob de apl'CCiarnl0s o resultado final do processo eleito- ral dn 1~sLado dn. V.. Penso !que a emenda é inconveniente.. não pü(1e pCl"lnaneeer. se nlQsLra incolll mudado com a explicação. Ex. e em vista da ~onclusão a que chegou a Camara. a~ in rarmações enviadas pela Mesa~ se'ill tcrmo~ U])l Juizo :'L'~Ul'll . JVSTIXL\XO DE SERPA . Entretanto. Entendeu a COIl1Jl1issão que. nlas~ a C<lll1ara cOlnpl'chcnrl ~ que. . BARBOSA LnL\ . PRESlDE~TE --.. cu não podia deixar de estar ao lado dos nlCllS coUegas. Bahia . ~ O SR. O SIL Pm~STDENTE . mas: ':V. Não houve violação algulna tIu He- ~iJJl('ntf).'I}.:5eu~. Ex:. dos factos que occorJ'eram~ por occasião ela discussão~ e não podendo dar D13is eXp'1icações~ apesar {)c . lnas. por causa' de uma eleição.'lllO:. não procurare i Jnt~="'llll. O SR . nãu devia. . :112 . • Balda. Ex.O nohre Deputado não púdc ontrar na apreciação ·da Jll·ateria veneida. do:-: dl'p ti Lados pel.ão da Btlhia.(l~ vara se chegar ao l'e- ::5ultadn .dclContinuar: .:..\ .

Leite Oi- 1iciea._. Epitado l)essôa. Luiz de AI1:drade~ ThOlnaz Dolphino. lVIiguel de Castro". 'Consultada a Ganlara sobre o pedido de dispensa feilo pelos S1's.. . Paixão.OPO'5. Viriato de '!\ledeil'os. BezcrriJ.lvcs. iambclll peço a l11Ínha. João llinbeiI'o~ Domjll~'os .Frallc. qual :t'cspondcnl os Srs. EM 11 DE N!OVJ~~HH10 .á 1 il2hora da tarde. ·Erec1erieo Borges. Erico CoeU){l.7. dD se~uinle '- EXPEDIENTE . Adolpho Gordo. Inteirada. o Sr. NascimCllto Es- pirito Sal1to~ Marciano l\Iagalbãcs~ Virgilio Pess{ia. não é coneedida a dispensa.Toão Vieira. . PRl~SIJ)ENTE .HEPAR.Q!nrjquc c St. ' O Sn. ?\Janocl F. . Gonçalo de Lago:::.Juvcncio de Aguiar.. ..Deyo' assegurar ao nobre D'eputado que o Regin1ento não foi violado. :lanla. E' lic!a. i\fatta l\IaClhacto. ~ ilo Pe(~allha: Alnleida Magul·hães.Ç.J esuino.VES CHAVE::.2uSEClUIT'Al1IO.ás ses'. l .ris.:'lotação dos pareceres as. LUJll0Unicr. A!'Unll: Rios.TORIA. de . Congresso. Rosa c Silva. Innocencio Scí. Barão de S. ~rhcophHo dos Santos. Mil Lon~ João.htunada.pcwl0.Justiniano Serpa. . servindo de 1°. sa SJ~88 . .des GOI1(.. Augusto Pinto. Feliciano· lJ'cnna. procede á leitura. 'Deputado '.:\vel<u·. André ICa:val'canti. iIl1a.ulgencio. Procedendo-se á verificação da yotação~ rcconhece-se não tQl' sido concedida a dispensa_ Na:da mais havendo a tratar. {J.I)I·rente~ communicalldo que. Bernardino de . João _de .. :Moreira da 8Hnl Carlos 'Garcia. :Muniz Freire.~ . ANTO:S1O GO). 31arcos. Alexandre Stocklcr. Alvaro Botelho. Euzebio de AlIl1eida..Canlpos. nütumba. 'por doente~ deixa de compa- recer. Paulino Carlos. ::\Iep. Presid'cnlc dá para mnanhã a seguinte Qrdenl do diá: '.João De . O SR.]rJJlidt-.·zedcllo. Fonseca c Silva. . 19 e 20.. Baptista da MoLta.J)j~ 1~90 ~ PfiESIDENCIA DO SR.isco 8odl'é Pereira.Ro- drigues Alves.\.João 1.\J. Gonçalves Chaves. A~ s 1'1 )horas e 3JÜ' nünutos da nlanhã. Barbosa Linla e . Amol'im Garcia. Miguel de Castro. l)al'bosa J. Pedro ATncrico.siqueira. f13- Lendo o sCU'rc-ltüot' pedido dCnli$~ão. Caetano de Al- buquerque.0 SR.Levant~-se a sessão . Hubião JuÍ1ior~ :Felisbello Freire. Fernando Lelnos~ l\lauhãcs Barreto. ·Scabru. faz-se a c. . Costa Rodrigues. JUSTINIANO DE SERPA requer a veeiHcaeão. Lniz de CUInpas. Bclfort Vieira..ões do . ac ta da sessão antecedente.Qfficio do Sr. " . DOlnjngD::. Garcia Pires. posta e111 discussão c sern debutc approvada a. Urhano l\Iar- "condes. do c. Alfredo EI.João Barballl(l~ }~erreira Rabcllo. . }'·aneisco Veiga. '. Carvalhal. pOl'quc~ crn h)"f)othcsc al'gurna~ não posso cont:inuar a fazel''- parte daConlmissão. UfChôa Rolll'igues. l\I31'tillllo lll'ado Junior. . i O - P.u.: \m'philophjo Botelh('l~ .. PaIleta~ Rodolpho ~l\liranda~Tosta. ' s . iGabino Bezouro~ Aristides Maia.

Fonseca Hermes. um fios eleitos por este Estado. Vem á ~{esa a seguinte Declaração 'Requeiro ·que se consigne na alCta de hoje a seguinte declaracão: Declaro que não tive occaSlao de ver as notas tachy- graphicas ique foram hoje publicadas no Diario Official. Ex. é de parecer que sej am approvadas: todas as eleições parciaes e reconhecidos deputados os cidadãos Dr. Presidente. Antonio Ennes de Souza.o taes proclamados por V. Casemiro Dias :'Vieira ~Junior. nada en- controu. Sala das Commissões. 14 Conlmissão de Inquerito.Oliveira .A. 22 . Custodio Alves dos Santos. . IL ácta da apuração geral e bem assim todos os papeis relati- vos á eleição a que procedeu-se no Estado do l\iaranhão. N. . O de novembro de 1890. nada encontrando que possa alterar o resultado constante da apu- racão geral.Sr. examinando todas as a-ctas da eieição a que se: procedeu no Estado do Piau:Jiy. portanto~ O facto ao conhecimento da Mesa para tomar as providencias que o caso exige. li hoje em uns jornaes a noticia de haver sido . O Sr. . São lidos e v~o a imprimir.Fonseca Her. 23 - 1890 Eleição do Piauhy A.1890 Eleição do Estado do Maranhão A 1 C0111nlissão de Inquerito exanlinou a's actas parciaes. . .890. .0 meu nome -comptehendido entre os dos deputados da Bahia que foram hontem reconhe- . Ale- xandre Stocli:le1'. Jos6 Rodrigues Fernandes.Pinto. que possa alterar o resultado JConstante da apuração geral. Portanto. 10 de novembro de 1. . 1° te- nente Nelson de V.asconcellos e Almeida e coronel Firmino . Portanto. -if4- . . rDr. Dr. Chegou ~o conhecimenLo da Commissão o falleciroento do Dr. . leva ella. Custodio Alycs dos Santos. de Serpa.. 1 tenente0 Augu e:to 'rasso Fragoso.mes. Sala das Commissões. DI'. Henrique ~~J:ves de Carvalho. para entrar na ordem dos trabalh o~. os '~eg'tllntes PARECERES 'N.onhecidos deputados pelo Estado do :Maranhão os cidadãos Dr.Oliveira Pinto. . Joaquim Nogueira Paranaguá.Pires Ferreira. Amphilophio . Dr. - J. Dr. Anfrisio JFialho. Manoel Bernardino da Costa Rodrigues. é de parecer que sejam approvadas todas aquellati eleições e ret. 1.cidos bem eleitos: e com. Dr. .lexand1"e Sto~ltle'r.

da magistratura. de. para que. que é um acto do Governo Provisorio. em artigo que se acha na secção das dis:posicões transitarias.opulares e que. texto do proj ecto de CI)n~ii!llição publicado pelo. é obrirA.. do Estado.do a optar pelo cargo extra-parlamentar. Pertenço á classe . Estabeleceu. pó de pI:Bvalecer sobre artigo de nUl projecto de Constitui Cão. Ó elegivel pela excepcão.disposição. Esta é a priul_eira questão .. e sem me tei' utilisado da ajuda de custo a que têm direito aquelles que são eleitos. dispuzerarrl que o empregado publico de qualquer das classes a que o artigo allude poderia receber os suffragios p. que recebi a (honra do mandato.deante do Congresso que já funcciona. no sentido da melhor solução que <:leva ter a 'materia de incompatibilidade a que alIude essa . e deante de um.. segundo a regra. :cumpria-lhe o dever de optar pelo mandato ou pelo cargo extr.. . Tratando daquelles que considera sem capacidade para receberem Os suffragios populares:. Eis os termos da questão. estab{~lecendo unia excepção a este principio para o actual Congresso.a que tenho para saber como devo proceder~ funccionando o Congr~sso 'Com attribuições extra- ordinaria~. magis- trado como sou. pois. não p6de determinar a perda dQ.. o . p.. . portanto. posto que em sessões prepa- ratorias. ZAMA . corre-me o dever de.quiparados por esta disposição. AMPHILOPHIO . levantar o es- pirito da Camara e do paiz. portanto. nã. inelegivel.Pelo menos assim deve ser.. separadas as duas camaras~ esta disposição'. a regI'a da incompatibilidade elei- toral para os magistrados e para os outros funooianarios pu- blicas. Mas a primeira duvic.cho no gaso ·de urna licença conferida por meu superior hierarchico.que se levanta. que resume em si a plenitude da soberania nacional . Governo Provisorio.. l\:ra~. QS 'ãutores da Constituicão.· prevalecendo. A prin1eira duvida que se levanta parece ser si . Não sabendo qual a solução que poderia ter este as- sumpto.esse presumir da minha Dar~e acquiescencia tacita á perda do meu logar. ·Parece-me.e então aqui me a.a-párlamentar que exorcia. por meio de uma questão de ordem. t{)D1e'i as precauções a meu alcance. O Sn. que poderá ser ou não applicaào e produzir effeitos de tanta magnitude e transcendencia como a renuncia do mandato legislativo para perda do cargo que o cidadão exerce vitaliciamente~ como na bypothese. o presidente da _Relação da Bahia. iiS- Apesar de achar-me nesta capital ha a'1guns dias~ tenho deixado de comparecer ás sessões e sí hoje o fiz foi para cUlnprir um dever que considero de forca maior. . no c~so contrario de declaração sua. uma vez eleito e reconhecida a sua eleição.o se puc. O Sn. . . exercen~o a vara com- mercial da capital da Bahia. que esta disposição do projecto não p6de sortir seus effeitns. póde ter força obrigatoria antes de receber a consagração da legalidade. o principio da renuncia do cargo. O projecto de Constituição diz Ique o funccionario pu- blie .projecto de Constitui- ção comprehende De$a classe: os magistrados.

abrir uma porta pela . fechando a outra porta. exbtenl outras ainda. Trata-sede sua l'eCOD- ~tituição.seja lnembro ~Illt Con!. A). {. ton1p08: c outros 11'8S ])ostcl'iorlnente~ e n1a i5 out. atteDdell n 1r.Dá um aparte. manifestou esta opinião e estabeleceu até símile entre os cargos a que 111e refiro e os dos ministros. S.'1. Ministro da Jus- tica.nconyeniencia que resulta de ter ellC' di. :que não deixarão as pastas senão depois àe approvada a :Constituição.~ entre C.ntaL e dahi a nc- (~essidado de concorrerem para esta obra todas as classes. CA.'Ísl-adol' ti .Z"~MA . na confecção da lei. O SIt.qual pudesse trado penetrar no parlamento e: ao mesmo tempo.~ pois.ão. porén1~ de saher con10 devia proceder nesta elnergencia~ procurei entender-nle con1 o Sr.3t<. seria un1a incongruencia.que o Governo aSSlll1 en- tende.Tcsso.) renunciar o lCarg-o~ que~ duranto tres. scicncia elo Direito é conhecida pOr individuos 'que a professanl.o a honra de ~ultívar relações . é intuitivo que a palavra do nlagistrado deve ter valor em todas e~t.ros tl'CS~ poderão succeder-sc na:: relacões repetidas.!.n- sagra as inC01l1pafibilidades eleitoraes.. Desejoso.po-iados. Ex . Vai-se elaborar sua lei -runclmne. c acirna destas considerações: que são ass~i. (Apoiados.1:::. Não per'rniltindo~ enl regJ'a~ que o lnagislrado . O SR .jdn na Drganizacão . ella o é tanlben1 na pratica: e ninguenl nlelhor do que eIles PÓdClTI 'offerecer valioso contingente na constituição da classe.as questões. radical.) _ Tenho nlotiyos para acreditar ..lJutl':l.iva do magistrado na obra da organiz·acão jucliciaria~ ou seja . apesar de nã·otel' tido áté 'entã. qual -o dever de renun- eiar o seu cargo.naranl aque1la disposição: que co. O leg'islador nãoqui:l~ e lnuito bem~ que os magistrados~ dei- xando a serellidade~ a caln1a~ 'O retrahimento~ que são con- dições essenciaes do bon1 desempenho de suas funcc6es.nlO~ eln uma época llt)l'lnar. :\1'as não est:l. neutralizar ° magis- esse direito. :' Si assinl é. fi- eassenl sob o dominio das: paixõ'es politicas: viessem 'a tran- s:igir ·para obter: SUffragios~ JCompl'omettendo a imparcialidade. Jittoral o Jundamcntal~ na organizacão judiciaria do paiz.judieiaria. e~ senhen'es. . razão de convcni- t~neja ii1LuitiYa. Além destas razões de ordem constitucionaL ha a attender aos lllotivos que' determi. .em da collahOl'ução dos magistrados.lS~ a 111agistratura~ que é principal1ncnte intel'(~8Sada na 'quest. {Iue o lcg-islador não {lcv(~ ter es- {!UN. recebendo-me com a maior gentileza. Ex.~:!. con1pleLa. que é :.o typo da organização judiciarja an1ericana: adaptada pelas outras repuhlicas da Alnerica~ ou seja un1 typo que se approxime dos estados gerll1anicos.s podel'o- :":<.IPHILOPHIO . 116- (~lnpl"eg'o ou cargo extra-parlamentar senão depois que fôr app!'ovada.:. são de facil conlpreh~nsão. que é unl dos característicos das suas funccóes. nlas o lado pratico de applical-a~ e a conveniencia ele julgar~ é o~-: n1agistrado ·que 11lelhor deve informar a seus {~ollegas legisladores. l)l'ojeeta-sc uma reforma.Parecc-n)(:.l j.con1 S. inconcus:3a a C011- Yt:'nil. A que intuitos obed-eceu o legislador ·quando estabeleceu as incompatibilidades eleitoraes ? Em relação aos 1nagistrados.) . Dahi a neiCessidade da collaboração ef- fect.'Jlcia e vantag. EUa não é só neccssal'13.

pois. .gio~ a minha eleição. 16 ele azosto de 1890. tanto quanto possível. 0 paréce que ag.17 - o rnagisLrado é erhatnado para collaborar na reconsLruc- ção judjcjar~a e a sua qualidade de lnagistrado deve ser con- servada. . fazer semelhante declaruoão? Pare'ce-n1equc não pos:. e não o p6de fazer~ .alho. O Governo que decida.' OUTRO SR. Quando devo fazel-o?.Collaboraná con1nosco.. DEPtJTADO . portanto. ncsí a' qualid:H]e 'quizcra ficar aqui~ para prestar aos n1eus collcgns 0. é toda espontanea~ {. ·e não pôde ainda~ porque. Portanto~ não p05S0 fazer a minha declaração ne. facultar-lhe a entrada pará expelil-o pouco depois. :Não solicitei {) sUffra. " Sei e li em UQ11 dos j ornacs de '})oj e {lUe ha no Senado dois illustres eidadã-os n1a. . c o principio da 111agist-ratura . Un1 daque.s senadores a :C[ue acaho de alludir I~ o respeítavel e ilIustre Sr. Houve um collega Ique llle apresentou aos outros nleus collegas. :Si não possCt fazel-o agvr:I~ qual será a minha posição de agora até ao mo- Dlento dp.. An1philophio BotelhoiFreire de CUl'v. que ainda não I.. sobretudo. ~O convite foi feito nestes ternlos: «A' nlagísfratura Geste Estado .' Perante quen1.cidadãos e principaln1ente da ~classe a que tenho a honra de pertencer. C01narca de Conc1e(iJ)<l.icn 'houyesse de emittir outro podex' legislativo.é' que se vote o pl'Gjecto de Constituição. talvez. 'Ver com o' Poder Executivo. se arr-i~:caria a eroittir juizos que seriarú. la SR.embro nossa fort}a como corporaç:-ão.ste mo- n1ento~ porque a Canlara não é eompetente para recebeI-a.esto flotdlho de !lncl1'acilJ.t.. devo eu delClarar que só acceito o lnandato legislativo si este 1'ôr compatível com o meu cargo de magistrado?.1r'l1 do~ dos 1'actorcs: n1uis ilnportantes da minha eleição._ ZAMA .g·is.constitu1n-~c 1. C01110 favor e~pecial. lln1 dos ramos (lo Poder Legi&lativo: estan10S apenas trat::mdr) do ree.E1m. ao n1CU pniz os cxiguos sc'rviços que pudesscnl esp erar de mim.ora a AssembJ(·:1.rados~ ique ·estão. DiEPGT"\DO . que declinasse o seu nome e de- clarasse que está de accôrdo (com estas idéas~ que interpreta o artigo {ta Constituição do mesmo 1110do por ·que eu o entendo.vorque o ramo legislativo compõe-se de duas eamaras. si C'ntende que essa ~ua collaboração nos é aproveitayeL at. Não temos nada que. da confiança de n1eus: con- . . (Sa OUt~08 apartes. contradictorios áquelles que sobre a~sunlpto 'idcnf. por esta f6rnla~ não teria 8lCceitado os 'Votos com que lhe honraram os n1eus concidadãos.) . Portanto~ nest. .no~s() valill1enLo como 'eidadãos~ fazendo questão de honra~ 'ufiln dl~ Q!egermo:.Convido' os coHegas. em posiçã(l id(\nl'lca.. 1. Si assim fosse~ eu não me enuncia~'ia.o fazcl-a deante desta illustre assen1bléa. clei lo. prineipabn~ntc os n1ugislrados. fui.onhecimento de pOfleTes. Deputado por este Estado ao Congresso ConstJitujnU~ o Dr... ~ras qual é o 111eu papel de agora en1 deante ? U:\r SR.»· ~.si () fizésse isoladan1ente.He.oral de 15 de set. carece de competcneia para rIar IegaHdade a uma disposição dn Governo. Gomensoro~ que pediu-' 111e.a qualiLlade de nlagisírado. E~ incongrllencia. para jogarmos no pleito elei- /. á ]111n113.

lChamo a attenção dos illustres membros desta Garoara . entretanto. A:MPHILOPRIO . 26.(lê) : § 6. V. ZAMA . porque não queremos qu e percam. que espontaneamente recebi dos meus concidadãos~ todavia s6 o acceitarei e o e.. mas. Depois' de uma revolução. _4.Eu distingo :perfeitan1ente. !carece de com:petenci:.salvo si por elles optarenl~ logo que sejan1 reconhecidos se- nadores ou deputados.Dá unl aparte. o Governo de facto era o competente para regulaI-a. A. no seu estado actuaL na sua pha::.Sim..° (art. uma vez eleitos. não. mas. Ex. O SR. 10 SR. Mas o projecto de Constituição diz: Logo q?le forem reconhecidfJs. Não era possível -que um facto da inr[lortancia do proce. preceitos: dahi a competcncia do Gcyerno de facto.nstituição. 2 a 7. devia ter UTI1a norma. SEABRA . na parte relat. O SR. que faca consignar na acta que~ julgando-me muito honrado. O Congresso Constituinte está investido da pleni- tude dos poderes nacionaes c é a elle que incumbe decretar as incompatibilidades. muito desvanecido coro a.sso eleitoral.pelo apoio dos dois ramos do Poder Legislativo. DEPUTADO . art. com n1uíta pro- priedade~ agente tenlporario da sobe. prec·eHús qu. investidura do man- dato. o ·Governo era competente para decretar as in- compatibilidades eleitoraes.l'vIPHILOPHIO . os excluídos por essa disposição.Portanto~ não posso fazer a minha: declaracão agora. U:M: SR. para sobre elles estabelecer regras: e preceitos. En- tendo qu. Ex. a Camara.L para deliberar sobre o assumpto.e está tudo acabado. o Congresso é o unico competente :para -sobre elles legislar.: cretar regras. SEABRA . não' p6de pronuooiar-se senão depois de votada a Constituicão. realizan1 actualmente ou que se hão de realizar no futuro. Ha de ser approvado ou rejeitado. O SR. Si temos soberania. Portanto.iva a incompatibilidades parlamenta- res. . e todo' projecto de lei ha de passar .e. :ha de ser assim. O que resta-me fazer é aguardar a installacão do Congresso con1 a reunião das duas camaras.e preparatoria.so não vigorarão as incompatibili- <fades da Co."'I[ercereL si daquelIa acceitação.sso eleitoral não estivesse sujeito a uma rcgra~ a um preceito ou a um conjuncto de. Mas. O processo eleitoral devia ser regulado.e regulassem o proce.. com relacão a actosque se. uma regra.rnnia nacionaL para dc- . parece-me que este pre- ceito do proj ooto constitucional não póde ser tomado ao pé da lettra. us. O SR. Em relação a actos que foram' pratilcados no passado~ comprebende-se~ o Congresso não p6de decretar uma lei com effeito retroactivo.'1\fPRILOPHro . porque vai-se tratar de um projecto de lei. si deste exercicio não resultar a perda do cargo que occupo na . peco a V. mas nós diren10s aqui: Não pC'.Em todo o caso~ Sr. Presidente.rdem . daqueIle que se djzia ou que se diz. . perderão os seus cargos. 1° das disposições transitorias): Para a elei- ção do primeiro C9ngres:. O SR.

.do Estado de Matto iG~ossc>. se digne de oonsultar'···a Casa si consente que. pelos canaes competentes. (Muito bem. Nas sessões ·preparatorias não se trata senão da· constituição da Camara. relativos ás eleições do Piauhy e -Maranhão.ala das sessões. a 3 Commissão de Verificação de Poderes. o re- sumo da votação que lcoube a cada um. por intermedio das autoridades com. a ce!eridade~ visto conlO trata-se de TI ma questão muito im- Dortante (Apoiados).Miguel d~ Cast1'o.0' SR. '8 no intuito de esclarecer o juizo 'que sobre~a eleição do Estado da Ba.mas 'a Camara não p6d:e tomar dene conhecimento em sessões preparatorias •• . Miguel Castro (pela ordem) . presidente.Sr. so'ccorrendo-me dos precedentes abertos pelaCamara nns sessões transactas~ peço a 'V. com a P9ssivel breviq:ade: :1..0 As actas arguidas de fa.pe. 'sejam ·solicitados do governador -da Bahia. em nome da Commissão. tentes. 3. . mediante a simples impressão no Dia1~io Official~ seJam dados para a ordem do dia de.candidatos. pelo teIegra- pho mesmo. () SR. . -sendo.. ap- provado o seguinte Requerimento Requeiro qU~. OBDEM DO DIA RECONREC:r:MENTQ DE DEPUTADOS .!side. . dos .Sr. ' E' Üdo. _ . na falta delIas. que solicite.lsifical}ão pelo contestante Francisco Pri~co de Souza Paraiso. O SRr _-'L1\IPHILOPHIO . .. classe que especialmente tratarei de representar nest..ia. As acta~ que ainda não foram enviadas á Secretaria 0 desta Garoara. muito bem.Bem. apresentados hoje. PRESIDE~TE . Almeida Magalhães (pela ordem) .O requerimento do Dobre Deputadc> fica 'consignado na acta. declarou. amanhã os pareceres das commissões de inquerito. e. o que desejo é que fique çonsignado na acta. o Informaç6es sobre o numero total de secções eleito- raes da·quelle Estado e lquaes aquellas onde não houve eleição_ j " S. Ex. Bap. quando concluiu a" tl ultima parte do parecer emittido sobre a eleicão da. que prelcisava de esclarecimentos para poder formu- lar o seu pareceI" fiual ácerca do 220 candidato. é concedida a dispensa pedid~. pedir a V.amara.a iIlustre Assembléa. apoiado. PrE. Ex . Presidente. de novembro d·e· 1890. :relativo á eleiQão . posto em. Por isso. ii9- • magistratura. 2.. PRESIDENTE' . afim' de que esta questão seja resolvida com toda.nte.declarados: . si tanto fôr preciso~ as informações e documen- tos constantes do requerimento que submetto á consideração da Casa.Procede-se á votação do parecer n. qual a verifiea()ão de' poder~s de dois membros desta Casa.conforme pede. . O Sr. ven no hoje. ~9.Consultada u C. O Sr. 1:1. diSlCussão e sem debate. . reconhecidos e . .) .hia tem de formular a 3 a Qommissâo.

.)fartinho Rodrigues. Ahre-se á sessão.-se a.' de modo que nã.chagas Lobato.ionc:alvcs Chaves. Euzebio de A1Jneida e Anlel'ico iL-uz.João ·de Siqueira.o. E' ·'liG:u.AscIlar.Q tirem nem deem direito a nin gu em. {Nada nlais havendo a tratar. :Mursa. Caetano' de Albuquerqu~. Sl's. . ~~ Lev~nton-se a sessão ás 12 'horas e 35 lninutos. qual re~pondcm o:. parecendo-nle . . V'ieentc' do Espírito Santo.a. Mor. Bezerril. Sr. . .Custodio de Mello. Rodrigues Alves. l. eu não· ten- cionava envolver-nle absolutam·cnte em questões <le verifica- ção de poderes. Sá Andradé.aes Barros. JusL. 20.nuu)n. rnnnhá d'a1. Pedro J. AnlOrim IGarc. Zama. !Lopes Cbaves~ Eduardo Gonçalves..ho L\Iiranda~ iOHvcira Yalladão. Sil\'u. lCantão~. a. Zama (pela o Nlent ) . Baptista ·c. Presidente dá para (lman:hã a seguinte ordem do dia:' Vo~ação dos pareceres ns. Presidente.José Ferreir..uas attribuições conl a ·maxim·a .alo de Lagos. 22 e 23. ±~rc<!crico norge~. Ur-bano :l\farcondes.F1'ancisco de Azcredo e lnajOI: Caetano :Manoel de Faria e Albuquerque.. ear'lo:. Donlingos Port. O Sr. La.~Iec1l·ado. :Florcs. Fonseca Herlnes.liberdade. .\J~\. Thomaz Delphino.eite Chermont.gS CU. Pedro Chermont. P·edro Anlcrieo. Alexandre Stockler~ Seahra. :Miguel de Gastro~ Domingos de :Moraes.do . capitão-tenente Arthur Iudio GO Brazil c Silva. ~fatta Bacellal'. Fernundo :Simas~ J\fennn Bar- reto~ Gabhio Bezollro. (1'on. estava resolvido a deixar que o Congresso exercesse as s. .ia~ 1:\[orciL'a da. Alcides fLinlu.. Alfredo Ellis.- ç. PRESIDJ~:':(:I..a Cantã-o . ~ascimento. GariCia. Procede-se á vota~ão do parecer n.0 JlljJlll t. posta enl discussão c senl debate approvada a ac la da sessão antec·edente. saio.que 05 illustres coIlc. . ·.Toão Vieira. :í. Innocencio Ser7. Viotti.- lnonnier Godofredo.e Raynlundo Nina Roibeiro . Ma1'tinho 'Prado .Viríato de 'l\fed·eiros. SChDlidf" . constitui~em-se ·em· tribunal judiciariu..umltu.s.João de . Rubião .Corrêa.a Bacellar. Hodolp. Antonio . ~[oni7.a -Mott. eleição do Estado do Pará. . :\1 al1 ot}l Fulgenci0.:. oiS1'.Cassiano do Xascimento.:anha~ B\1~no d~ Paiva. Ucht)a IRodI'ig·ucs.\ VI~S A's J 1 hora5 e :.Junior.Almino Affonso. sendo reconhecidos e declarados deputado~ pelo n1esnlO Estado os Srs.Tuvencio de Aguiar. Ferreira ·Rabello~ . Pallela.João ])inllciro. Lauro Sodré. ~ilo P·('<. -120 - deputados pelo mesn10 Estado os Srs. Luiz de Andrade. .' Andr(~ Cavalüanti: AngeloPin]wiro. Bernardino de )J. JFrcirc.Francisco Veiga. .gas estão dispostos. Marcos.Barão de . nel.\ Df) i'H. neste assumpto. Aristides' :Maia. Carvalhal. Bernar- dino de Campos.iniano de Serpa. rrhoma7.Junior" (Oli- veira Pinto. relativo (á.edello . José Teixeira da :Matt. ]~clforL ViciJla~ Arthur nios. clln. Alvaro Botelho. . Drs. Rodrigues :Fcrnandes. AXTOXIO Goxç. Laeercla Coutinho. . EI'ico Coel'ho. mas.cndon~a.o:" {Ia.João BarbaHlo.

a primogenila de Cabral teve a honra de ver sob o reginlen republicano: a Canlal'3.que jli foram :requisitadas.gulanlento . implicitamente. que p6de faz·er hon~a aos nlais adeantados artistas eleitoraes. fl. unl dos eleitos.~aln. Drs. o presidente da Intendencia e seus collegas~ que foram parte:s nessa tramoia..rn di~cussfío c sem rlehnte 3. - nleu silencio para apresentar á ~lesa um requerimento pe- dinco. Assim. Procede-se á votação do pa~ecer n. já condemnou oantor ou au- tores da fraude que se praticou. A Comnlissáo. ao apresentai-o. como dem-ittiu. tambem ver que~ além das raspaduras e oas fal5ificações~ houve Dluita o:pra llimpa. .naC:or.2a secc::õcs {Ia villa de G~rcnloah(). -"l Za J17{f • HECOXHECDrE?\'1'O DB DEPUT.to llequei "0 que se pecam ao Con~elho :\lunicipal dn capi La 1 do EF.Anfrísio. A Camara não se deve IÍlnitar a ver. Venl tí.\DOS Procede-se ti votacão do parecer n. que h9j a de suj eitar á Camara o meu requerimento 'e.' José . merecem ser examinadas pelo Congresso. tanto ·mais quanto eHa não foi possivel a '115 de s-etembro. Ex. enl seu parecer.1-:- lecin1énto do DI'.ja approvação solicito dos Dleus coll-egas. )tanoel Be.Rodrigues Fernandes~ Henrique Alves de :Carvalho. sendo reconhe~idos deputados pelo 1nesm6 Estado ás Srs. relativo á eleição do E stjld o do Piauby.preciso que .~o interesse senão o da verdade eleitoral. duas actas eleitoraes da Bahia. por intcrnlcdio do respectivo gover.. -as actas raspadas e viciadas: essa belleza ·que. as aut-henticas da 1:t c . alénl de outras actas .t1- pI'oyado o seguinte Requerhnen. sendo reconhecidos e c'eclarados deputados pelo nlesnlO Estado oS Srs. Bahia. que.. Antonio Ennes de Souza e 1 tenente Augusto 0 Tasso Fragáso. ~Iesa~ l:~ lido~ p03Lo 0.ado da. pela prinleira v:ez. coolmunica á Mesa o 1'3. 22. Joaquim Paranagu~. c·eve. Drs. Fial!ho.relativo ~i eleicfl. (JlH~ servÍranl l)arn a apuração geral. cu.v. -.e sobre as eleições daquelle E~tadQ. demittindo.que nos doou Q.t.. na nlinha opinião. Ca- mura fique informada de tudo.a lCamara veja asactas a que me refiro~ luórmente quando o procedi~ento do governador da Bahia indica que elle. Custodio Alves ·cos rSantos.l'nar- dirio da Costa Rodr:igues~ Custodio Alves dos Saritos~ Casemiro Dias Vieira Junior'. S. para que' tome as providencias que o caso exige. nas 3e5sõc5~ J2 fIe novenlhro de 1890. com o famoso re. quando tenha de resolver defini- tivament. E' .o do Estado do ~Iaranhão. 22~ . vou nlandar á l\lesa o nleu reque~imonto. Nestes terlnos~ peco a . não· tenho outJ. illustre 'Ministro do Interior. E' preoiso que 3.

ho. João Lopes. Barbosa Lima. Presidente convida os Srs. Gabino Bezouro~ ROl0ha üsorio. . Procurou na Secretaria e achou apenas 20 e poucas. Rodrigues Alves.. José Avelino.re Sto- ckler~ iGoncalo de Lagos. Nada mais havendo a tratar. por não ter ainda actas completas da eleição de Goyaz. . Bernardino <te Campos.' Schmidt. verificação de podcres~falta apenas o parecer sobre ·as eleições do Estado de Goyaz. Mursa. E' lida. Antonio Olyntho. os lquaes vão ser remettidos á 4:1. Palleta.. ·Gabriel de Magalhães.á hora regimental. Espírito Santo. 'IVlilton.Gon. para se te. Paula Argollo~ . Ohagas Lobato. ~T. A. Rodrigues Fernandes. Cas- siano do Nascimento. Justiniano de Serpa. não póde ser apre- sentado o parecer.rminar <> trabalho da. Gommissão. Adolp. Medrado. Cyrillo de Lemos.iguel !de {Castro.ESIDENCIA DO SR. Alvaro BoteI ho. VIO'ITI diz que. O Sn. faltando 28. Nascimento. a Commissão não p6de apre- sentar parecer. Paula lGuimarães. lUOre-sea sessão. Marcos.-\lcides Lima. . João de Avellar. Pedro Americo~ André Cavalcanti~ A. Ferreira Rabelrlo. Pedro 'CJ1ermont. Moraes Barros. Domingos Jesuíno e Moreira da Silva. O SR _ PRESIDENTE declara ique acabam de' ser enviados á lVlesa os diplomas dos Srs. Frederico Borges.stolp~o Pio. Rodolpho Miranda.~O PREPARA'IlORIA. Lopes Chaves. si fôr necessario) suspenderá a sessão. Pacifico l\fascarenhas. EM 13 DE NOVEMBRO ID:E 1890 l:>p. 122- fO tenente Nelson de Vasconcellos e . Epitacio Pessôa. Santos Pereira.. Nelson. Alfredo Ellis. To·]entino de Carvalho. Martinho Pra·do . Barão de S. Joaquim Xavier Guimarães Natal e José Leopoldo de Bulhões Jardim. B:etumba.Almeida e coronel Firmino Pires lFerreira. p-or emquanto. Garcia Pires. PRESIDENTE diz que. Joaquim Breves. Domingos de l'!oraes~ Fonseca .-\rnorim Garcia. . . Francisco Glycerio. Deputados a reunir":se amanhã. para o que. Gordo. Juvencio de Aguiar. Borges de Medeiros. por isso convida a 'Commissão a apresentar hoje esse trabalho. Nilo Pe- çanha. ICarva- lhal. _J\ristides "iMaia. Viriato de ~Iedeiros. 10:1 SESS. posta em discussão e sem debate approvada a acta da sessão antecedente.Aro·erico Luz.Junior.. Eduardo Gonoalve~. João Vieira.lexand. Rubião Junior. .. !Carlos Garcia. eleitos pelo Estad'O de Goyaz. Lamounier.çalves Chaves. tí qual respond em os Srs. Angelo Pi- nheiro. Homero Baptista. BeUort Vieira.. Uchôa Rodrigues. _ANTO!\IO GoNÇALVES CHAVES A's 11 horas ·e Lí5 minutos da manhã faz-se a chamada. o Sr. Nestas condições.e Silva. Levanta-se a sessão ás 12 horas e ~. :O SR. Manoel 'Fulgencio. Thomaz Delph~no. Francisco Veiga.

José Leopoldo de Bulhões Jardim e Joaquim Xavier Guima- rães INata. .j eleicão para deputados ao Congresso Nacional. : Requeiro que fique consignado na aeta !tão ser fiel o diseurso que me foi attribuido no Dia1'io Orfic. 18f'j Eleição do Estado dlJ Goyaz . O Sn.mesma eleicão.Allredo Ernesto J acques Ourique. que se acha sobre a mesa. vif:to. 2° SECRETARIO.:\.Pallcta. não constando protesto ou reclamação alguma contra a .Inteirada. .sala das ICommissões. J)·)putado pelo .tal de hontem. a que . .de 1°. D'omingos 1 esuino de Albu. .. Posto a votos o requerimento verbal do Sr.XPEDIENTE iOfiicio do Senado.' 4:1 Commissão de Verificação de Poderes foran1 pre- sentes os diplomas e mais papeis relativos .E' lido o seguinte PARECER N.. 1510. do seguinte E. proeúcleu no dia 15 de setembro no Esta.se. - Barúosa Lima. -123 - 'Q SR. que todo o processo eleitoral correu com regularidade.que1'{[Ue Junior.onlO tendo sido proferido na sessão de 8 do corrente. . i. . e reconhecendo. é approvado.Congresso Nacional da Republica. 24 .Polycarpo Rodrigues Viott'L.. que obtiveram maioria de votos . é de parecer que seja approvada e reconhecidos deputados os Srs.proceQe á leitura. communi- cando haver já ter~inado a verificação de poderes de todos os seus membros e convidando a Cam~ra dos Deputados a reunir- se a eIle na sala destinada ás sessões do primeiro . Drs.. NILO PEÇANH. eleição de Goyaz. 12 de novembro de 1890. .Rio de Janeiro . Vênl Ú 'l\1esa as seguintes I Declarações Requeiro que se consigne na acta que o meu discurso publicado no Dim~io Official de hontem não foi por mim re- . datado de 12 do corrente. Sebastião Fleury Curado.do de Goyaz.suns pontos e falseado em outros. PRESIDE!\TE diz que opportunan1ente submeterá á appr'ovação da Caroara o requerimento do Sr. relativalnente ri. - Epitacio da Silva Pessõa. de.pelo exame attento das actas. no dia designado pelo decreto n. servindo . . 22 de junho de 1890. -. O SR.:\ (pela ordem) requer que seja dis- pensado da inlpressilo e subrnettido á votação o parecer. sendo onlÜ:=SO ern a1. Nilo Peçanha.

Joaquim Breves~ Rodrigues Fernandes~ Zan1a. Costa> .:a~ André Cavalcanti.João Barbalho~' Aristides l\Iaia~ _-\lexandre Stockler~ Den1ctrio Ribeiro. Alvaro Botelho~ Frederico Borges~ Rctun1ba~ Amorinl. . r~lath·o ú eleição àe Goyiz. Erico Coelho. ANTONIO GONÇALVES CHAVES Ao 111eio dia~ faz-se a chamada~ Ú. Viriato de Medeiro~.de -Campos.cbaves. -afim de que se possa instaUar o .' Eduardo Gonca1v-es" Garcia Pires. Nascimento.. ~E']son. BezerriL Casemiro Junior. Lan1ounier. Sebastião' Fleury Curado. Indio do Brastl. Bernardino de Campos. Pedro Arnerico. PRESIDEXTE diz que~ estando terminado o trabalho da yc. Viotti~ Aln1ino Affonso. sendo reconheciàos e declarados deput'Udos os 81's. Uchôa Rodrigues~ Baptista da IVIotta. Homero Baptista. Francisco de Abreu.· Don1ingos Rocha. e pede ao Sr. Sêl.rificação de poderes. Victorino Monteiro. Fleury Curado~ Ame- rico Luz~ João Luiz ... E:\I J. que está sendo distribuído e deve ser S'Llj eito á discussão_ O SR.4 DE XOVEMBruniDR 'l~flO PBE~lDE:\CL\ DO SR. Antonio üly-n.Congresso NacionaI 11a sala prévialnentc designa-da..CaI'v. Pe- reira da Costá~ . Itodrig'ues Alves~lVJ. Deputa-elos a reunir-se 3rnnnbã~ :í hora reginlental. . Rubião Junior. qual respond-enl 05 SI'So'· Gonçalves . 'Ferreira Pires. Espirito Santo.' Luiz l\IuI'at~ Seabra~ Lauro !3Iüller. Cassianodo Nascimento~ Paula Argollo. Pires Fer- reira. Chagas Lobato.Adolpho GOl'do~ AstoIpho Pio~ ·C~vrilIo· de Lemos~ :Don1ingos l)orto. Tecer n. Oliveira Pinto. Bueno de Pah. Julio de castilhos. Andradé.PPvE-pARATOnrA. Alcide::: J. l\fursa.artínho Prado Junior.dma.vllo. :Miguel . Mátta Bacellar~ Moreira da Silva. Arthur Rios~ Barão de S. João Vieira.a-Jhal~· Scbmidt. de Castro. AVELIXO (pela tyrdern) . Garcia~ :Manoel· :Fulgencio. Cartaxo. Levanta-so n sessão ás 12 horas c %. João iLopcs. José> LeopoldQ -de Bulhões Jardim e Joaquinl Xavier Guimarães • Natal. Barbosa Li111a. !Oiticica.:Ylachado. Carlos GarlCia. 'Vinhaeõ. afiuI de ser apresentado este trabalho. tOliveira ValIa dão. FODSooa -Hermes. . Virgilio Pessôa~ Paulino Carlos. i'farcoS'~. PnESIDEX'l'E convida os Srs. Santos Pereira. Pacifico :Mascarenhas~ Ferreira Rabello.parote. J. O SR .João dê-Siqueira. O SR. Paula Guimarães.. da qual faz . 24. Presidente (que mar·que sessão para ~llnanhã. João de Avellar. Justiniano de Serpa. Thomaz Delphino. Roaolpho ·Miranda. Tosta. Do- lningos Jesuino.diz Ique está concluido o Regin1ento Communl elaboraclo p-ela Con~missão Mixta. lVlanhães Bar- l'elo. Palleta. ->124 - ~ Em seguida é subn1ettido lá votar:ão e-approvado opa·. Tolentino de Carva- lho~ CaetanQ de Albuquerque. . Tl1cophilo "dos Santos. Gahriel de l~ragalhães. ~ilo l)eçan:ha~ ~Francisco \Glycerio. vai se officiar ao Senado e ao Go- verno. Badaró. :Gonçalyes Ranlos. Domingos de '~roraes. JII1 ~l\SR\() .

.o Su. unida !i. porque não nle consta de- claracão algunla neste sentido . O Sr. Martinho RodJ. O SR.~ugusto de Freitas.Anf1'isio Fiallho. Espírito Santo (pela ordem.cpcndente da in:pressão. Alberto' Brandão. O Sr. . CllI'jstovão~estando dadas as precisas ordens ]lal'a que ú 1.José Avelino.. rrhOlnaz :Flores. Secretaria' que assim procedesse.Com- nlissão l~{. -Cantão.n lo~ visto ser elle necessario~ para installarem-se. con~municou hontem á Mesa da Camara qu-e 'J . 2° SECRETARIO. e~ no caso affil'mativo. . Offir. Pedro ·Chermont. Dutra Nicacio.'Inteirada e agradeça-so .pnsiçilo do Con:..putados. de 13 G:o currente. Jacques Ou- nque.OITlmUnicar que a: Comnliss-ão encarr. G:abinoBezouro. para ser remettido áJ Camara ~o~ .egada de. Ex. -125 - Fonseca e Silva~ Conde de Figueiredo.Angelo Pinheiro. lConvidan. . afinl de ser distribuido.. Arl~tides Lobo.'igues. Manhães Barreto .. o fim para que o fez.cs-a distribuiu esse proj ecto pelos de. PRESIDEKTE -. Dlembro da .l a. declare si effectivamente a l\J. Ju- vr:ncio de _t\:guiar. Presidente~ preciso que V.do a Camara dos Deputados a fazer-se representar pnl' uma conlmissão no cspectaculo de gala no Thcatl'o Lyrico a realizar-se no dia i 6. .SI'. Lopes Trovão. João Pinheiro. José Be- vilaqua. Rosa e Silva. Ex. posta em discussão e sem debate approvada a acta da sessão antecedente. trabalho da Commissão estava' termInado e apenas estava ô.de Andrade. ~feira de Vasconcellos. procede á leitura do seguinte EXPEDIENTE Ofrfido do :\litíisterio dos Xegoeios do Interior. Cunlpre-nle informar ao nobre Depu- tado ·que o honrado Deputado pelo Ceará. . nos infprme o fim a que é des. 'Urbano IM·a·rcondes.Inteirada. e o dei para discussão.Abre-se a sessão. hora da tarde do dia 15 esteja o referido palacio ú dh. Costa Junior. .Deputaâos. servíndo de 1".jxta.t do Bcnado~ üonfeccionar o Regilnento do Congresso Nacional Con- ~tHuillte cunlpriu: o seu dever~ e por ella estou incunlbido de apresentar á' Mesa o respectivo projecto. ESPIRITO SANTO . E' lida.. Presidenle~ cumpro o dever de l. communicando que acha-se em estado de prestar-se (l installucão do Congresso Nacional o palacio adaptado para es""e finl f'fI) S. .Primeiranlentc. La- cerda Coutinho: .. os trabalhos do Congresso Constituinte.' l\'Iedrado.l'e:5~l).Em additamento' ao meu reque- rimento. Luiz . . Alcindo Guanabara. Eu- zebio de Almeida. AJfredoEllis e Moniz Freire.) . ~Ro~ba 0501'io. amanhã.io da conuniss:ão de festejos do dia 15 do corrente. Menna Barreto. declaro ainda que é preciso que ~.. Bulhões Jardim. Guimarães Natal. O Sn. Belarmino ele l\Iendonca. Sr. Neste sentido ordene. .tinado o pr9Jecto· de RegImento. Outrosinl aproveito o ensejo para pedir a esta Call1ara se di'HJ1C de aPPl'üvar provisoriamente esse Reginlc.

ESPIR!TO SAa. . é approvado. Presidente. . 121()· _ .. mas uma parlc delle. a Camara de que me honro de fazer parte não poderia appro- :val-os sem protesto •. ·Christovão. desde que '0 papel do .a parte do Regimento de que arr:anha teremQs de utll:r. - pspirito ~ Santo. porque se compõe apenas de um certo numero de ci- dadãos. em S.eDeputado Sr.equerimento é simples. O SR. porque.O nobr. . Votos! Votosl Posto a votos o requerimento do Sr. approvação provis-oria s6mente em relação ao -ponto refe- l'ente á installacão da Mes& da Constituinte. Essa approvacão s6 poderá ter l~gar depois de reunidos ~óse DS senadores . PRESIDENTE . ) O Sa. hora da tar{je. não tem· comopetencia para approvar -semelhante tra- balho. de . no palacio destinado aos traba- lhos do Congresso.. Camara não póde legislar para o Congresso. Manhães Barreto ipediu a 'Palavra para declarar que lhe parece inutil renov~r a sua proposição. PRESIDENTE convida os Srs.e de regularidade para se mostrar convenientemente eompetente a ser o regulado~ das normas que devem reger o governo desta grande Nação. não se trata de approvar este proiecto.Si se tornasse necessario ap7pro- vaI' todo o Regin1ento.O nobre Depl1tado acal>a de ouvir (j requerimento do honrado Deputado :pelo Rio de JaneirO pedindo que a Camara approve este Regimento. visto como propoz a. (Apartes. a não ser assim. . porque os restantes. o Sa. VOZEs . á 1 hora da tarde. Espirito Santo. por issO que a.O r. O SR.outra fóx:~a não se~ aomo installar-se a Mesa do Congresso. parece-me que esta corporacão.speotiva installaçãO'.. como.congresso consiste em cumprir a lei e ser o primeiro a dar exemplo de ordem . 17 do Regiment9 proposto. Levanta-se a sessão á 1.'iTO . requeiro que apenas a approvacão se limíte ao capo r.prov~s?ria d. ESPIRlTO SANTO . isto é. O Sa." E' lido. Tenho dito. a approvacão .:Sr.Requeiro que a approvação provÍsoria se ·límite á orga- nização da Mesa e ao art.o SR. porém. Deputados "30 reunirem-se amanhã. Jost AVELINO . .sar:-nos. ·PRESIDENTE . O Sr. falhar-nas-ia competencia para isso.apoiado e posto em discussão o s'eguinte I . afim de realizar-se a re. Requerimento . Espirito Santo requereu exactamente o que lP'ediu o nobre Deputado pelo Rio de Janeiro. trata apenas de uma approvação provisoria. não sendo 'Congresso ainda. trata-s'e apenas da installacão da Mesa. ad referendum elo COD. porque não poderia~ 5el-o pelo seu propxio oonteúdo.oCTeSSO.

Jústiniano de Serpa. Jacques Ouriqué.ira de Lyra. Uchôa Rodrigues. A.. ehado. Ferrel~a Brandão. Badar6.L~cerda 'Cou~inho.· Urbano Marcondes. Demetrlo.<\. Carvalhal. Alfredo. lÜiticica. Alexanq. Antao de Farl~ JulIo de CastIlhos.oouial-. Fonseca Her- mes. Tosta. José Avelino. Borges de l\fedeiros. Moreira da Silva. Adolpho Gordo. de . Casemiro Junior Rodrigues F.· lDutra Nicacio. Ferreira Rabello. Dionisio Cer- queira. Pauló .Cólide de Figueiredo. EI!lS.re Stockler. Epitacio: Pedro An1erlCo. lVIartinho ·Prado Junior. Sá Andrade. CoutoCartaxo. Annibal Falcão1' ':Nleira de Vasconcellos. Fonseca e ·Silva. Juvencio de _-\. Pacifico Mascarenhas.Chaves.tUcindo Guanabara. ~.rgollo. Rodrigues Alves. Athayde Junior. Costa Junior. Luiz Andrade. Matta M~. Costa IMachado~ Domin- gos Porto. Compareo'em. Antonio Eusebio. Francisco Glycerio. Mur- 5a. Gonçalves . Domingo. Nogueira Paranaguál' Pires Ferreira l\fartinho Rodrigues. Leonel Filho. Domingos Rocha.llorim Garéia. Moraes Barros.. Nascimento Almino Aff~nso. Corrêa Rabellc:: Bueno de Paiva. Barbalho.. Chagas LQbato. Angelo Pinheiro. Paula Guimarães. Milton. Seabru.l\foraes. Americô Luz. Schmidt. Henrique de Carvalho. RIbeIro e -CesarIo ~otta Junior.ernandes. Pelisnello FI'eire. Palleta.. GONÇALVES CHAVES • A's 10 horas respondem á chamada os Srs. Assis Br~il. Casslano do Nascim·ento e Menna Barreto. Aristides Lobo. Nelson. Silva.\farciano de Magalhães. Custodio de: Mello.A!RA':DORIA. Barão de S. Belfort Vieira. BeIlar- mino de Mendonça. Rocha OsorlO. Pires. Santos Pereira. Paulino Carlos. os Srs.' :I. Retumba. . Gare_ia·. TassQ. Bernardino de Campos. Oliveira Valladão. Antonio Olyntho. Tolentino de Car- :valho.l\larcolino :Moura. Espírito Santo. Rosa e. Barbosa Linla~ Be. Carlos Campos. EduardJ Gonçalves. Lopes Trovão. !Leandro Maciel. }Ll.Bellarmino Carneiro.Victorino ~on- teiro Pereira da Costa. Carlos -das Chagas. Lauro :Müller. os' Srs.zerril. Gabriel de Ma- galhães. Alcides Lima. João Vieira. Luiz Murat.124 SESSÃO PREP.. Manhães Barreto. Pere. Lamounier. dep. Abreu" Homero Baptista. Deixam de comparecer. Nina' Ribeiro. Goncaives Ferreira. Guimarães Natal. com causa. Muniz Freire. João Lopes. Cyrillo de Lemos: Oliveira Pinto.Miguel de Castro. Furquim Werneck. Abre-se a sessão. Augusto de Fr. Aristides Maya. . Thomaz· Delphino. Theop11ilo dos Santos. _. Gonçalo Lago. Cantão. Astolpho Pio. José BevilêlJqua. Luiz de Campos~ Costa Senna.. .ois de aberta a sessão.dello. Fr6es_da Cruz. Medrado. Marcos.' 'Carlos Garcia. l\fanoel Fulgencio. Lopes Chaves. lEnnes de Souza. . Zama.. João de AvelIar. Gonçalves Ramos. Tho:rpaz Flo- res.os Srs.ntonio de Azeredo. LeovegHdo Filgueira. João de Si- queira. Leopoldo de Bulhões. Alvaro Botelho. Viotti. ElVI 11S: DE' DEZEMBRO DE 1S90 PRESIDENCIA DO SR. Pedro Chermorit: a\latta Bncellar. Francisco Sodré. Indio do Brazil Lauro Sodré~ Serze. Costa Rodrigues. Mayrink. Freder~co~or:ges. Arthur Rios. Baptista da Motta. Almeida Pernambuco. ~ -127- : . Ferreira Pires. e sem causa. :José l\:Ia- J'iano.eitas.

lIneida No- gueira. Ex. :Ivo do . E' lida. Ca·etano de iAlbu-l querque.jM:endoni}~~'".~ capitão Sal- vador. \iOZES --Não.i nlganlellto da. . e o parecer referente á eleição do Sr.. Fran- cisco Amaral. QüES'l'. sobre a eleição da Bahia._. ~-\.ados' de quem competir os livros 1 \ das cleit.o .pa~~. que seja reconhecido Deputado ao Congresso Na- cional pelo Estado doa Bahia o Barão de Viçosa. . ~[ignel de. Nilo Peca:nha. -128 ~ - l?l·agOSO. Barão de: Santa Helena.a". Vínhaes. 11. não ·está suj. 2 que sej~nl requisit. que separe as duas partes do parecer. Presidente.:J?onte~~cge_l\liranda~. O parecer . senhor ~ . Ex.l1leury tOurado.e S. cuja.sr. lJOstaenl discussão e seIU debate approvada 3 acta da sessão de 14 de. sudeita á discussão. Antonio Pradu. ll 3'\ que fique dopendente da presença e exame dos livros. Se. ~ebas­ Uãu ue . não 'deu O SR..s conclusões são as seguintes: ' iA.'3 eleições arguidas de vicios 3 .SR'. Barão de Villa Viçosa.Ladisláo ~ etto.. (} . J)enl COI110 os das eleic:~{'}€s da 51\ .:L'TONIO EU-SEBIO (pela ol'de'Jn) - ai m]a decisão alguula. ORDEM DO DLJ\. novembro.· . Rubiã.:\. Pedro Velho.nfrisip J?ialho. D0111ingos Jesuíno. Sr.Junio.. . assignou (J.Zcndo recahir sobre a· 'primeira parte s'implesmente a vo- tação. .ões indicadas no 2° considerando. João Pinheiro: Jacob da Paixão~ Francisco àa Veiga. nafórma {lo Re- zjnlento. Barãq de 'Vi1la Viçosa tinha sid~· con- testada. 18 ~ da 3 11 COlllnlissào de Vcl'ificavão de Poderes. . Castr·o. .Estava me informando.lo ao capitão Salvador Pires de Carvalho Aragão.leima Juenc Iunadas c benl assim o reconhecimento do diplolua cxpcdi•. Fernando Slmas. . ····J3erlIarde:::=-dp. Santos Vieira. . ~ Requeiro a V. GAnCIA PUlES (pela orden~) .. cuj{t eleição não foi contestada c. !Luiz Ba~l'úto~ Rodolp'110 de . parecia-me que a eleição do Sr.ayn1Undo Bandeira.lato de""= l\fedeiros~ Joaquinl Breves.bbott. l'üqu i~j tado~ (I .)~ e i o 2 a secções' do collegio de GCl'emoabo. .sec<:ão do collegio de Sant'Anna..1Jut:tião' da CaJJeceirtt do Passé.da 3 A Comnlissão de Verificação de Poder·es comprehende duas ll1aterias diversas: o reconhecimento do Sr. ·~lberto~·Brãiiaão~.:. dando a segunda parte á discussão. Virgilio Pessoa. O lllelnbro da Ccynrnissão. PRESIDENTE .~O DE ORDEM: O SI1. HECOXIiECIl\fENTO DE DEPUTADOS Entra Clll discussão o parecer n. França Carvalho E'rico Coelho. 'T.Prado.--V·fi. mas simplesmente á ~'otação. fn. Ernesto de Oliveira ·e Fernando -4..Feliciano Penna.' pal'eCCl" liOIll re'~tl'icçã{t quanto á's eleições de Ger·eu10ubo u :5.MIranda.eito á discussão.

ANTONIO EUZEBIO .Conl duas conclusões. é estabelecer um procedimento de não ha precedente nenhum'. GARCL-\. .Elle está dividido por si.~.IMas. lia de se discutir tudo.contestada porque não ap'Pareceu aIguem disputando a eleição.. :Sa A. desde que por occasião da verificação de ·poderes a adiou.:. O Sa. . ANTONIO EUZEBIO .) . Presidente. O ·SR.Perfeitamente... oonclusões. .:_C:~".O SR. -_.:::. duvidosa. . que é engano do nobre Deputado dizer: que a eleição d . senhor. Ex.ANTONIO EuZEB~O ~ Mas.Porque a Camara queria escla- pecer-se.ANTONIO lEUZEBIO . .E depois. ANTONIO EUZEBI-O .. ..o· . O SR.)· .~~ro~IO EUZEBIO -.~ . mas os pareceres de conlnlissões reconhecendo deputados não têm discussão. A. .Quem contestou ? O SR.••• salvo para a votayão.suJ eltar: putra. ... O SR. SERPA . G_-\RCIA PIRES .Peco ainda licenca para obser- var. jstQ é.Não. sendo um s6 o parecer.o\. PIRES . 9 . ....PRESlD:&'\""l1]. .Q e n. c. mas. info~madp de que ô . ..l'tlas o certo é que a eleição foi adiada. O SR• . Sr. J.ecer é um SÓ..-. . pelo menos.. porque o tempo proprio é o que precede a apresentação do parecer. O SR.odepo~ de submettido e~a á discussão. .· senhores.::~:=-="'''::''-='::c.O par. .o Sa.••• UM SR. apropria Camarn considerou a. tem duas . coisa· contra o requerimento do nobre Deputado pela Bahia. Admittir o requerimento feito por S.~NIO EUZEBIO .. UMA voz .. -- .Não foi . e na votação dividir-se-á. mas a Camara mesmo considerou-a contestada ou.sob~e as quàes não ha duvida alguma. Nunca q!Je ninguem se lembrou ôepediI~a divisão ~à um parecer.A. O SR. 0.. Villa Viçosa não foi contestada...-=-===nã(i==r-ol--:-·--:o. essa é que é a doutrina. O SR.t\S~e~bléa. a n~o' soo: ~ara a votação. foi luna medida de prevideneia.J. O Sa.inteiramente differentes.Apoiado.- ::.h!storia parlamen~r. -'(Apartes.0 Sa GARCIA PIRES . Não considerou duvidosa. só -não· sof1'rem diséussão os pare~eres relativos a' eleições. (11luitos apoiados e diversos apartes .Não apoiado. para· não tomar tempo ti . Estou agora . . lenilirareique s-etrata de ums6 I>areceJ. O SR. ~ujeitar:uma par. . não' se 'póde votar parte algum~ 5enã. ANTONIO EUZEBIO . .~ToNIO EUZEBIO . PIRES FERREIR. DEPUTADO . como já disse.• . diVIdir um parec~. .. DE SERPA .. e talvez senleguaLem qualquerpalZ.-Ghamo 'Para ISSO a attençao da Camara.te á: diseu~a. serIa um· precedenteunico naposs~ . PIRES FERREIRA .eleição duvidosa. Não podia mesm-obaver contestação depois de apresen- tado o parecer.. Ü SR.. Sr.. Peço licença para dizer al- guma.- O Sn.

lnas não porque iInpugnasse como illegitimo f! diploD1ft de illustre candidato ou dos seis ultimas nomes apl'cs. O SIt. .precedentes da 'Camara. Barão de Villa Viçosa. m'dem.Já fiz as lllinl1as obs0rVatóc::: não 11a l)recec1enLe nenhum e.:r~. Então não use de phrases oí'fen- sivas.~TONIO EUZEBIO .e envolve este reque- l'in1entO~ pOI'lque elIa é nluito perce'ptivel. . O Sr.~O· DE iSIQUElR.idenf. adiamento~' não porque julgasse jllcgi tin1o~ conlO já diss·e o diplo~3. - O SR.) _ ..enho o inj. ma. .lt?J'Vanl 30 actas. .o SR. Barão de Villa Vicosa~ ·porquc: ~l'..são nãIJ deu par~cer que me satisfaça para votar _ . discussão. Agora~quallto ao nobre Deputado que me honra com un1 apart. pojs. O SR. . GARCIA PIRES ... O SR. : . __ UM SR. P res.encontra 11leio de satisfazer-se 11-oS propl'ios. 1]:\[ Slt. Quero mostrar que para o Sr.c.' f3. Barão de VillaViçosa nã) deviahavcr . Mas ó meu collega .. João de Siqueira (pela. c o nunlero de vo- tos .. ANl'ONIO EüZElno .) .ANTONIO EUZEBIO . (O m·ad01· e inten'om'lJido pr:w di've'l'sos apartes. DEP(7fADO . O SIt..utado considera orfensiva~ declaro que não t.clla (ie-casião. Presidente.E eu estou disposto a não ac- reitur provoeacões. . tendo-se {leclarado qne faltavam 30 actas para :::er'ern apuradas.-la discussão· da eleição do SI' .. re- tiro-a. Barão dJ VEla Vicosa e Prisco Paraíso.en. Não :5e concilianl tal: e crei~) que não é preciso dizer qual a tactica qç. O' SR.encão de offelldel-o. Gl\RCIA PIRES .:\ . PRESIDEX1'E . faç1:e. Barãn d~ Villa 'Yiccisa deve ser ouvido.O que se verificou não ser exucto. iO Sr. como ofi'ensa~ mas acceito-a percebendo o 111eU pensamento .i}Ias . porque confesso que a Commis. . . :pri1Ú{(. é de 'todos os p!'~­ eedentes~ até dotenlpO da Monarühia.qual é a tactica? Provoco O nobre Depu tado a declarar qual é a tactica.a: que~ apPl'ovadas as conelusões do pal'eeel'~ se divida então a yotaç·ão.'O requerirnento do nobre 'Deputado não se choca conl o elo nobre Deput. Sinl. DEPurADo . si cruel' ouvir os interessados~ requeira á Camara que sejanl adnlittidos a dis-cutir os 51'S.JO. senhor. c O Sn. O SH~ AXTO:NIO EriZEBIO . ' ' .ado pela Bahia.-.e~ direi que. é preciso que a Camara fa- cilite o llleio para iss'o.A. ' naqu. -130 - o quem~ pa. no parecer~ que ·cntão foi votado_ Eu pedi i) adian1ento da eleição do Sr. O Srt .. Barão de Villa Vj(~osa não é rnllLestado: J)Ol'tallto~ p<'ide entrar para esta Casa e 'discutir-se.· nlas. pJi:ms FERREIRA _lE:' necessaria 'porque o Sr. A:"TOSlO EezEBIo _.cerazoavel é disoutir o parecer e dividil-o lIa occasião da votação. é do Regilnento. Si o nobre Dep. pedi o·. :~'u i cu quenl se levantou na Camat'a~ nas sessões preparatorias: lJara pedi)' o adiamento . Sl". a nlarcha regular dos t:rahalhos (' (':5t. da t . conci- li~m-sc perfeitan1enle quanto ao rnodo pratico -de votar-se.La(1o::. depois a 2n concll1s~o do parecer.

. o nobre De'putado pela Bahia~ meu ilIustrc am.:. ' .PUlES FERREIRA ••. corno ·ha um só parecer.igo Dl> Euzcbio. . 'pelo Reginlcnto.. ~ Os precedentes aqui. lembrei.!·ão de Villa Vi~~osa não :pódc~pois~ disc. . . pelo requerimento. 10 SR. Sr. lnas.' . Inspirado na deci- são dada por V. séln estar prl- ll1eiro reconhecido e adrriittido. .) . e asshn foránl reco- nhecidos os deputados da Bahia. Barão de Vílla Viçosa. de que separaria a discussão . ~\. conselheiro' Prisco.' UMA '. ~ . len1bl'ou·a idéa de quefOSSClt1 0 t··1Jall1ado~ a 'discutir a elcicã-o da Bahia os Srs.~iS'cl~ssã:?.. precedentes .estada -do Sr. PRESID~'iTE . _ Ora. as· eleíQÕ'es não contestadas ~ã() S(\r~·re·nl. (Ápa1"tes.. .. consistem-no se·guinte: que no parecer ~o diploma de Deputado reconhecendo-o. {si . portanto. dp. O SR. telu un1a partó ...~~.-se (ia:elejcão coni.rata.o nobre deputado pela Bahia~ o ·Dr.l'ligo ~o Regimento refere~te ao a~~unlpto 'em discussão. porque está na lettra do Regimento e nos· precedentes estabelecidos por V. PIRES FERRE1R\ (pela ·o'rdem.. e por oócasião 'da 'votação dividirei as conclusões do pa- recer. não havendo contes- tação."JOSÉM.:.' (pela ordem) pede que se leia Q 3.4.as coneItrsões. Barão de Villa Viçosa. foi allegáda a falt. na Casa..111 as opiniões discordantes-c se CtlnlpreO Rcghllento..ixando paI'a .~O (pela orden~).l'o Prisco e 'Muniz de Aragão. Ex •. comoelle ha de seI' adinlt- tido l)al'a discutir uma.pa-: . luas 'porque. .-. O SR.~oz -. unico contestado. o :Sr. Entretanto..' . propoz~.. Ex. -. PRESIDENTE ~. ultiIna.RETUMBA (10 Sec1'etario. . eleição qu~ lhe não é contestad. não ·foi ainda reconhecido. () 801'. . .) .Sr. Barão <le Villa -:Vi- 'v ro:su. ' _~ _ _- -Segundo o nosso Regimento. BARBOSA LIMA. acho que V.p0'ladoS"j c outra que s-offre dIS- cussão.osa.a? . conselhci.r. pro-:' cedendo do seguinte nlooo: abro a discussão sobre o parecer..Neste parecer ha duas parles:: em r:T. O 8R. O parec·er tem du. Barão' de Vina: Vicosa. parte que está sujeitá á..qtlc seCOll- eilÜl. Eu não resolvi nada.l'ceel' l'elaUva 30 reconl1eciÍllento do Sr..: ent~ndo-. Barão da Vílla 'Viçosa não pôde discu~ir essa. <e enl segundo logar t. : ·porque.uJelta a d!scussao 1(.~que ]!ão esta s. BaT'ão de Villa Vic. tliscussão.. Presidente. ele~c~o.a (1'e muitas actas."Voto. Ex.: .utir .Eu uao propúz. Ba. seja vo- tada a Drimek'a e sujeite-se' a segunda á discussão d. .üneiro :logar: trata-se de unla eleição não contestada (Apoia- dosL relativa ao Sr. O ~~n. procede á leit:ura do ar- tigo 20 d-oRegimento. capitão Salvador Ara.. depois 3. . não póde aUendera· que haja discussão sobre a éleicãodo Sr. ll)aS són~entena parte relativa' á eleieáo contestada -(Apoia- dos). .a eleição contestada do Sr. Sllbn1(~Ltcndo' sinlplesmeute á votação a parte do:..· Garcia Pires. Ex. 111~~ste P!lrec.Q SR. Perfeitanlente. seja posto a votos ·senl discussão. O SIt.ARIA.gão~ cnja discussão·ficou adiada.. á exeepção do capitão Sal-:o vador Pires.que foram pos- tos em pratica por V. quando se discutiu o parecer da :la Conlmissã'O. . O SR.Nl'ON10 1EuZEBIO .

20 ele): <Art.- O SFt..se abrirá. í par. deve ser posto·. não 'sepreoccuparia.fasnão é essa a '~ytpothese .art. pelo· facto de estarem destacados no mesmo pa- recer· 'aquellas conclusões em v.O SR.ttenc.etaphysica • ''" '. Barão deVilla Viçosa. conclue pela anriullacãodo diploma de ~a1quer: Depu- tado. apoIado :pela terça parte dos prese... resolverá como en- tender' o que -eu eontinuarei a chama~ uma' questiuncula. . .o\DO . ~m primeiro logar.. . ceres distinctos.ntes. 'SR. se. porque a dis- . J. . se poss·a estabelecer 'uma divisão para reco- nhecer um Deputado. divirjo da 'Opinião do meu nobre oollega que acaba de occupar a a. .Sr. a Caroara natu- l'almente. i32 . âa eleição do Sr. BARBOSA LIMA . Em summa.Casa.. -." O. ficará adiada a votação dos pareceres relativos a elei- ções contestadás. Agora trata-se.ma ou em folhas de 4J)apel distinctos.discussão sobre ella.dois pareceres.de uma questiuncula: si a Commissão ti- :vesse' apresentadO'. i?arece-me . realmente conciliam-se todas as opíniões. Presidente.V. . discussão. independentemente de vo- tação. O SR.'. quero i'azer algumas ponderações. PRESIDENTE -:- uma só .uma subtileza m.z.tl\. não·ha .ento póde pre- judicar o resultado geral.. quando esse reconhecim.f9 do. PIRES FERREIRA . em discussão. distribuida por' diver-sosmembros desta.(Ra outros·apaTtes.por . . refiro. "Neste caso . ' • O SR. UM SR. Ex. mas.' tratando-se do direito incontestado.primeiro concluindo pelo reconhecimento. _ . Presidente. vê-se que a.. cujo reconhecimento conclue não só o parecer apresentado' pelá Commissão. ~ . BARBOSA Ltl\L'\ . procederá ~ando qualquer das commissões concl ui.que.e de .. -O 8ft. .se compõe:: a Camara. . Separaria na :votação.Regimento ·(Le. nestas condições. como tambem uma emenda ql1e está. e..qiiàlguer diploma. DEPÚT. 'se não ha contestação na eleição do Sr. ' «Da mesma f6rma.ão da .Obvlo. Sr. Regimento. que me são inspiradas pela lettra do. de termos. não comprehendo que a respeito de.cussao 9 ---é 8a.com o apparecimento desta qriestiuncula.E' unicamente uma questão de termos.' . . até que se achem presentes metade e mais um dos membros de que . do- cumento. ._ . . .'eleicão.) Di.ecer annullando ou não reco- nhecendo a validad.DE SERPA (pela ordem) .ez de fazerem parte de pare- . Casa. Barão de Villa ViÇOsa e o -segundo concluindo pelo modo . questão versa sobre estarem 'as conclusões· ria me..o . em prejuízo de outro 'candidato.r o seu. BARBO~A LIMA (pela ordem) ~ Sr..unlcamente no caso em que 'O pa:- recer.Bem. pelo alvItre lembrado por V ~. 20. JóSÉ'~o . .E' uma questão.uma.que o fizemos neste. . '. A requerimento de qualquer Deputado. .}> : c . ' .) .Cada localidade tem sua his- toria. de um Deputado por.' - Diz o art..'Portanto. na eleição da Bahia.a que me. que será unica.. . mais abaixo o . Presidente. que se deve estudar -em' todas as suas partes.--.

.. Ex.'_ . o.nem comprehendo qUe se' possa s. . 133 .0 Sri.ão tinha o direito de -. ". é impossivelfallar.a amplitude que o de- bat. em obserya:ncia ~a lei. .'. O SR.. " : ..-. pelo .empres~ndo uma opi- Dlao que nao formuleI. O SR. é o seguinte: que não haverá discussão -sobre' eleições não oontestadas. . J. -. . que sujeite a uma discussão ampla todo o parecer e' proceda . creio que o meio de -resolver a -questã:o..- A respeito da cleiçlo do Sr.sobre a -eleição '-de que trata o . sendo apenas suj.N~ste caso o parecer s6 dev:ia ser formulado como Joi.á resolvida.. eu possa dizeraquilIo .' Vo~s . decisão da Mesa me parece que s6p6de -s·er a seguinte:' que adiseussão se-estabeleça em toda-.A. BARBOSA L!MA' dá outro aparte..c'aà: -Bahia: . acabar de manifestar o meu pensamento.0 . Portanto.FatIando assim simultaIieamentE~i.' .deviam pr. não se :póde dizer (Jl.' desde que a' Camara mandou que a questão voltasse á. ' DS SBRPA . . a -que devemos chegar.. estabeleça a {)"lsctlssáo. nio me deixam aca. O SR..er duvida.que a.outro. I' O SR• .parecer. . DE SERPÂ~ A Commissão não podia. C_4.Ora.es.V. BARBOSA LIMA dá outro aparte ~ O SR.r/DE SERPA .Vícosa.delIes'~ p6de influir sobre o do . dá ao Regimento uma interpre- tação a que não se presta. discutindo.pretendo. SR. sobre diplomas cuja' validade': não p6de soffrer contestação. O que o RegimEmto diz:' e não Podia ..estã em discussão..:. . a respeito dos dois candidatos que . e duvida.poiadosJ -- Como declarei. - . i}'Orque a discussão seria 'então.que·.. pelo amor de . O Sa BARBOSA LIMA dá um aparte. ..cer. ~ARBOSA L~ -: ~stá me-. .) . PRESIDEl. !J. propria Cam1\~ decidiu que yoltassem os papeis lt Comml'Ssão para dar parecer sobre as duas eleições.resolveu a 'Ga- mara.-'~ iU1J. ..á votação por part. '.:as nuas eleições: e .. como V.. . quando da discussão de todas as -eleicões é que.'·:. mas houve na. J. DE SERPA .Sr~Presidente. J.~TE -' A' l\!Iesa mantém a s-ria'... ~ l\fas sen1pre lque se estabeIec. J. modo por que. DE SERPA .eitas á votação' ·em sepa- rado as oonclusões do parecer. ' .!equeiro á Mesa que.eparar o parecer sobre a eleição de dois candidatos..A discussão 'não p6de ter um ~ampodê acCão tão delimita~o. dec~Sã{). o SR.Deus!.discutirá a eleição A ou E.' nhecime~to de um.e comportar. .. O SR~ FR6ES' DA CRUZ (pela ordem) -.rDeixem.deixar de dizer. . dar dois pareceres sobre a.Commissão para consi- deraI-a.fA dá um i. .' p6de vir o resultado definitivo. -' .parte. nem devià. cOlno deterl1llna o RegImento.:---es da representação ..Le s6' se :.· (Apartes.quando o' r~co"'. . Isto é. porque a considera firmada no RegiIriento.1!:lre._ O SR.)ossivel que. inutil.. J.:não' houve contestação na Commlsslo. BARBOSA LIl\. Barla de VilJa. DE SERPA .Assim... -" " : O SR.b-ar o meu argumento.n1esma eleioão~ havia de es'tudal-a do. Cas~. existe . . .. ' .eencber os dois ultimos Ioga:. pretendeu dar-lhe. Est."_i.: - O 8Ft. Ex.' .

" . PRESIDENTE .isfazer á nlá- vont. é :preciso suh- nlettel-o á approvacão da Oamara e não ha nUll1ero. E' sabido que. ql1and'o eu :-..' . da..este recinto e sustentemseas direitos..e. conselheiro Prisco Paraiso e' capitão Aragão tomenl assento n.inc. com· relação .al·~ {fue dOlllinon no r.d-a dos casos em que este Congresso est.)l)fler 'então dominante.'.'de nornlas~ que constitueIn irregulari- dades.ecedent"es. não: costunlO levar-ll18 pelo cstabelecim.'escla- r~mer-se pela-a. . pelascarr.nf. jntent-o de . e desde 'que aspra- boas parlanlentar~s. consistia na ce- lebre UlCoria do 3 es-crnf.JIMA . pelas praxes seguidas. REPtlESENTANTE .. pJ'esidente. . . tiradas. p~r.O Sr. O JeconlH~cimEtnto _d.1I -qne sechanlacorístantemente pr. Ui\! Sa.O Sr. acuradamente ao estudo nlinucióso. fiada' a ilnportancia da' solu0ão que a 'Camara ha de tomar. Barbosa Lima .lUas os do Sr. sobre as norlnas de llloralidade publica que o primeiro Congresso ha de "ir ou estabelecer ácerca da -discrüninação nit~.:!. nós () sabemos~ disl. ter a d~isão firmada por esta Caroara a f)TO- positn da . ~ é o s. requeiro a V.A .tabelecimcnto de theorias em que s(.s CUl que esl~l dis'Í)oslo a ahrir lllãp. regras fixas de 11lofnJídade incontestavel. eleitos. sou' infenso á orientacão .·deVilla Viçosa... 'FnÓES DA CRUZ -Enlão retiro-o. Em regra. Dor exempio:. consistia na vergonhosa nOrn13 0 a'ôoptada por al.O SR.ade -de c(}rtos gabinetes contra repres·entant. ünldosq~feitos vergonhosos da trica par- 1:. . f34 - : ":. Ex.·· que bavinnl legi f. Taes casos estão . Ü SR.eguiIite: desde' que ulna parte da Assernbléa· nlanifesta o louvavel. das conclusões que 'o publicobrasileil'o ha de tirar. PRESIDENTE . enLendo que . '.voz -. c()ndi~ões se acham iodos oS' meus collegas.Continúa a discussão dQ parecer. J~sé :Mariano....s~que se inspiravanl serviItnente nQ 'lnot d~ordrt:.gnnias cam'ai~as~ digo mal~ adoptada pe~u n~aiol'ia de algi.ento de lenllnas.udiencia dos interessados..' pelo e::. detalhado' e cuidadosam'ente feito. e si apresento .n'ntad·"--têm~o .eft-elfoQo adIamento da sess'ão.ilnamente conquistado .ril' uma 'excep('.inio. que os:Srs. alta impor- tancia que vai.6 'pos~o ndmittir qne se invoquem precedentes que se ]mseenl ern.0 SR. .. 'procurava sat. Não preciso citar casos -em que.elcicão quê actúalmente se debate..p·ontos sujeitos a debate.' .ão a esta minha nOl'Jrln. pretendam inspirar as c~nclusõcs posteriormente.o_nobre_Depu-.Qgilnen imDerial~ Ull1 dos defeitos {li~:. de conductá.. que vinhaill contrariar as' idéas acceitas pelo j. " . Barão de ViIIa Vil)osa não são 'Contestados.'.. de qualquer disct1ssão~ que não se subordine á fOl'nlulação nitid'a dos . nlOlllento aliás do nlais subido yalor na 'ev()lução patria. .esta consideração é exactamente popque e~tou imbuido~ e creio quenasnlesmas . de todo:. em.á 'disposto a guiar-s'e.na con- sciencia dü todos nós.1UI'a'Snl0narchicas e dos caso. Barão. Mas. na questão vigenf:·.lmaS camara. O SR.ltnp. . os documen!. FaÓES' !DA CRuz . 'A 3& Commissão de lnauerito dedicou-se ..são·nesse sentido. . BARBOSA J.·d'éYO al).es legitima- nlent.Sr.O SR.os~ que lhe foram pres-entes. ' .tos repr~sentantes {la Nação hrazileira fcil--anl indignamente esbulhados dos diplomas.qlle vinha do alto e.

-tiveraln-~todos 'O~ . nãll eram estas as l. 1113..que pretendesse duvidarda-verdnde d~ Intenã~n~ia da capital' da Bahia. por baixo de ·alguns nonle..-ido computadas.ç.Darneiro. porque muitas -das actas.. pa:rcialn)cnf. _ _ ..-algu.i"ll! apuradas pela Intendencia da capital da Bahia.·qúe. constanle- : rnenle.' tinham ele faet. com U'lna colncidenciapm't'inaz.as verifica-se o seguinte: alguns nomes ras- ])n. - Alénl destas nctas apresentadas pelo contestante. Mas a questão rnaxüua~ fJl1~ :lgiton e continúa a agitar lodos os espiriJo!=. .l!'U.lou vesti~ios dc:::fc non1e.e .de tão vergonhosa. e verificou· que. Dr'. (J. são rasnras fcita~ lH\"S:!S nct. . quo_ nos p6de levar a reconstruir o nome eliminado~ as iniciaes.rnBOSA LDfA ~ Nestas nlt\s·mas actas.r~ 1(> SecretarIo. Esta cirCulllstancia deve ser levada enl nnlita consideração.. nomes.ra.t.rah!t' n (liSCllssão. eO])1. ainda que.o' prImeIro logar de supplente. O -SR. acta. .por. hD11Vf~ verdadeiro equivoco. BAÍmOSA LIMA .una l'rRu. UlvIA voz - .. !>r.abeleceranl os votos? .~encont.parc-ce conveniente de- talhaI'.Enl . repito.ct.as c 'POI' TI1anei ra que mc.elIa tomar. a :Conlmissãofoiào ponto de-verlf1car~:·aeta... Pois bem. reconhecenl-se~ como nós c1jzemos no nosso parecer. ealguDlas I. B. da pretenção de \~erifica.: .é f!l.) não tendo si-dQ C0111. esta computação de votos· a 3 COill. a rasl1ra. .. f35 - áqueIla= eleicão .EUl 15 co. O SR.nissão pre9e-C~lp~:)l1:-S€. .algumas outl'aSfOranl enviadas á 311 Comnlissão de Inquerito~ com o mesmo ·-caracter.". BARBOSA LIMA . sobre as raSl1ras~ escrjptos outros. porén1. coIitestação~qui apresentada~sob forn13.do~ c.) Nessas act. 11 missão procurou inquerir da s€1'iedade dos argumentos apre- sentados 'por um dos contestantes~ com relação a umaR quanta~ aetas! que se dizia não terem sido apuradas. O SR.- CTU eUas eu) qu e se podia reconstruir o nome do. pelo::.. 1)~1() Governo.mns a voLaoão nUlnericamente fornlulada foi Te. '. total OH . . estou certo que de boa fé. não' rest.qu·c (\'!'aln '--dadas-eomo'nã-o--tendo :. da parte deste contestante. ·esclarecer o espirito d~ lodos aql1elles a quel11 não foi confiado o pesadissimo e di í:'-:- fiei] encargo de examinar l. o Sr:.da Rnoha.nomes ~i(JJeltos.í.r·si por baixo dt? nr:: yo nonle não estaria o· nome do candidato qne: necupa .Porque 'não tinhanlos compe- Jencia para ~sso. . . DEPUTADO DA BAHIA .s elo nome do Sr. Parallelamente a. - .Uos a1Joiad~. _. 0:).JTI'anci scoPr._. siJn c unican1elite..luicas rasuras que se notavam ~ Al. Trazemos o faoto /i Camara. visto terenl ehegado á capital da Bahia ·depois dI' noncluida a aP!lra0fio geral. c~ndida~os env'Úlyidos n~. Por que.e.oat?-dld!Ütn Prisco' Paraiso.speitada~enl 'pOllea~. e a 'C01l11.put"adas.llegios . a vota(~ão. Sem . encontrav3Jrn-se outros . a reso] noáo que entender.~ a proposito da (~lcit::ão< que ora se discute. UMA voz .0 :-.cçÕes cleitoraes. . ae enlEmda. .S'.ros . é o vergonhoso incidente oceoT'- l'idocOn1 as netas de 17 sp. Olubora corn out.Ul\'1 SR. con1 esforço. a Conlmlssao s6 em uma das acta.is·co de Souza Paraisó. Pois bem. que Rubstituiam os raspados~ systernal'ico:mente. não seja intenção nlinha prot.

porque não tomou em consideração a contestação apresentada. BARBOSA [. .na . porém. DEPUTADO . . e o termo de encerramento dá um terceiro numero para os €leitores' que comipareceram á ·eleição. felizmente 'ainda' não estanlos em um tempo em que não possamos terauctoridades. a Camara. o numero de votos com que foi contemplado C) candi- dato suffragadoem primeiro logar é outro e superior ao nu- mero de eedulas contadas.. })ois bem.A differenca é numericamente pequena: 216. _. póde. REPRESENTÃl. BARBOSA LIMA . entendeu que devia requisitar os documentos originaes rela- tivos á ·essa -eleição. l\las. -ou -a certidão negativa. 136 . tinha sido fa- bricada proPoE:itadamentc para o fim de fingir qU.Ainda mais. pois que ba uma restricção claramente formulada no 'pa- J'eccr~ parte da Commissão entendeu que. por conseguinte. descobriu-se a seguinte incongruencia: o numero das cedulas apuradas é um. Não fazemos questão de -·amor proprio do 'nosso parecer.. a Cômmis'são. _ UM SR· DEPUTADO . de que enl Geremoabo não houvera eleição.(tão não mereça fé. cumpria-nos pedir.Eu formulei os dois casos: ou os documentos. BARBioSA LIl\L~ . passada por auctoridade competente acima 'de qualquer sus- peita.. porque estamos muito satisfeitos ·pelo facto de ficar bem .. que não pôde alterar o resultado final.' .' na acta de uma das secções de S~ Sebastião da Cabeceira do Passé.irada~ ou certidão negativa de que não houve elejcão.J que esta authen- tica foi 1. numeroS' respectivamente distri- buidos para os· tres casos que figurei. era ficticia.. . O SR. ·dIas· devem ser substituidas. .v:Sa. porqu~ eu considero muito· 3. desde já.DEPUTADo . decidir o' que entender. . onde tal coisa não se deu. pensando assim. REPRESENTANTE .BARBOsA LIMA .es. • UM SR. UM SR. dada uma &uthen- tica feita com todos os sacramentos do regulamento. BARBOSA LIMA . ou antes.. - UM SR. : : UM SR..toridades cuja affirn1a- . '0 SR. .. . como ha de haver documentos? O SR. que nos era apresentada. com todas as formalidaà.~TE .Estou expondo á Camara o quea· Commissãofez. e dada a contest~o que vou detalhar. opinião dos meus coHegas. a au- thentica.· 217 e 226. e~ si existem auc. ('Apf!-1~tes • ) .Acceitam a certidão negativa. aquelles docümer fOS ou esta cel'- ti dão. .. claramente formu~ada a nossa opinião. devendo existir os documentos originaes d.belecidas alli. -.e houvera eleição. se:- nhores. e. que deem informaçõ·es veridicas'. mas a Commissáo r 1õ podia acceitar as allegações' verbaes por elles feitas para for- mular o parecer.Si não houve eleição.. Não dire1 tanto. 'Contestação foi apresentada á Commissão.Mas com umá votação' tão insigni" fi cante. parte da Commigsão.. não [l:O- demos. . .' A Commissão. -para que se saiba no .Que horror! O SR. Pelas esta.

res.juiz. jus- tificação~ que.' apresentada pe- ranfle . ~ Ha.))II)elIo para todos 'aquelles que sabem o que é a politica nas localidades do interior.\ aue o Estado da Bahia elegeu. a eleiç. em vir·tude daql. "OIeiteada não s6 peJa· c1)ara que mais ou menos adhe- ria ao 'pensamento do governo. O SR.encia apuradora.iasactas -se praticou -essa torpe frau de.p.qualo gráo de alta moralidade e da _sisudez' com que nos portamos no exame desta· questão. venho levantar os brios'do Estado da Bahia c. comnJ-eto . pedindo áIlCamara que haja de declarar Deputado aquellf. senhores. torpezas:' 'Não. este se recusara a passal-o. o pleito correu com·. Raro foi o coUegio. out. tenho o dever de def.o JUIZ. como tarnbem por diversos'~ndidatos que não pertenciam a nehuma destas. Aqui e. . ainda qu~ por um instante~ sus- 'P'eita de terem commettido . no fjnal dessa Justificação. o juiz p'erante qual -ella correu que pareceu-iJ. pQrql. e os .' de facto. justificacão em que um -eleItor pretendeu provar que naohouve eleição em Geremoabo. O .dem'8is interessados.' limpas . porque~ representantedirecto e· immediato daql:lelIa zona em cu.gtá~ -em rapida synthese.estardos en1 que a eleição fói -mais plei- teada 'e debatida.m dos. para . recebendo essa intimação. para que me digam si podemos garantir em consciencia que.ões .Sr. .poiados da deputação bahiana. foi nelI-e que se engendrou a fraude mais torpe e vergonhosa~· que teria feito enrubecer e envergonhar.supplente. ARTHü"R· RIOS . .. não com~ pareceu á justific~o. amigos sobre os quaes ])oudepesar.p. . C_4. Presidente. Pr~sidente. publico.) . ' . .. . os homens mais fraudulentos do regimen passado. Sr.em quer que seja..Apoiado. Eu não pretendo formular· JiUizopessoal.c'Jente.1111 -de-ver. semelhantes .he provado não ter !ha-vido eleição. c uma declaracão I(le uns tantos eleitores. e por outra daopposição. a respeito de qu. ".Venho defender a causa da jus- tic-a. Sr. AUGUSTO DE FREITAS . munIcIpal supplente em exer~ieio. uma v-ez que não tenho sufficientes dados. venho cumprir un1 dever: venho defender a causa da justicà e ao mesmo tempo os brios do \Estado da Bahia. a liberdade 1)flS- .sienecessari. o ql. Arthur Rios . Declarou.ão oorreu~ em todo' o Estado da Bahi. tendo sido u. -c onlbinac.i!J110S para formular o parecer lque subscreyemos.e~te doc~ento: uma justificação . Presi. . que. .ro pelo mesmo . Foi isto o que fizemos. que~ ten40 pedido unl nt- tes Lado ao delegado de policia. em que uma chapa con- seguiu.poiados.. Ha mais: um' attestado assignado pelo vigario da fre- guezia.omaior demonstrae. defendeI-os ao mesmo temlpo.eleição.e exclusivo triumpho. .) Cumpro ainda 1. essas aetas sahiram.H~. mas a.SR. declarando. Para assistir a esta justificação foram intimados o pro- motor.ootivos colIegios eleitoraes (Apoiados):: os vicios foram intr( duzidos no traj "cto.. munici'Pal . como se vê do corPo da.ender distinctos .e puras dos . . O Sr.Le nos foi apresen- tado' em relacão a· esta eleição e as' razões em que nos ba- S~. C4.ão de que.1'elln just-ificacão~ -podemos affirmar @'e não houve . .a TJnten{i. f37- paiz.

'l'io da Bahia. h11mensa.' Isso era o thema de todas as COD- versar. (l1 poiadns . ARTHVP. nlanifestava-se a Slla inc1igna:~ão. «Seria ummáo precedente na Repuhlica qne nn~<'.: ARTHUR RIOS .. A'l propor(ião· que vinham' che~ndo do interior as no- ticias do resultado da eleição dõs differenbescolle!!ios. na. Approxinlando-se o dia eIÚ~ CJUü no Inl.' tratava. RIOS .. capitão Salvador Aragão fosse contemph1:do nesse nu- mero.. na do Rio uas Eg-uas.r..·dar delle conhooin1ento ao publico. na tde ~~3n UAnl:a 'dos Brcjo3.os diploIuas aos candidatos eleito. AUGUSTO 'Dl~ FREITAS E OUTROS .e~ f~l­ :ler-se a 'prjnleirn eleicão eivada de vicioB. deputação bah1:ana.n 3.. A1S"TÚNIO EUZEBIO E OUTROS ..· a imprensa <:ia capital. .) .. (J. O SR.rando votação.de .ro~ qne não o havia sido: () SI1. folha ·. anlbas est.ões: a N1rjosidade do publico. na de. De accordo conl estas noticias u imprcnlSa da eapil.~ SSNTOSPEREIR. Rita~ em que o Sr . conselheiro Pal'aiso obteve Cln l11na sCl'{:ão 200 votos c e111 outra i20 votos .. conselheiro Paraisofil. dizia: (lê): .) Enl 10 de outubro o JOrnal de NoUcias.endencia da capital tinha de fazer a ap.. O Sn. ella deu nDtwla' de que ~J Sr.s~ COnl(~eOll fi.0 de setenlbro~ co Estado li. jornal.eu nus qua- tro secçoes da cIdade da Barra..lluitos apoiados. eu· não' a co- nheço e .. enl . (Apoiados dq.. Assip:1.Apoiado.na dl~ Sant.as folhas aqui estão e a Camara póde CO['- tificar-se.. por f'xCJllplo.. na de C~u·:­ nhanha. ) O SR. nlodo correu n.dar ingresso nesta Cn:..uraoão dos voLo~ para expedir . Eis os jornaes. COJl5P- lheiro Paraíso obteve g. o Sr.neutra. 'ChjqlÚ~-:(~h il11l~' e 1I:l do Remanso do Pilão Arcado.. representando todos os nlatizes noliticos e 3. Do mesnlO.rictos~ ol1fle tenho nn1 igo~~ 1)~~1(1:-:' 0 ql1aes sou ouyjdo e ::ütendido~ e enl todas elJa~ o Sr.. nas secções eleitol'aes da villa di) {.Apoiado.' ollr. Tambenl deu noticia do resultado dos coUegios de Sanl3 . :ts~iJn acontecell. iPrejlldi-cando a un1 candidato eleito: .lJ'l1hú.t Bahia.oria. AnTRUR RIOS'. era..-. assinl o publicou o Dia. . côr politica~ em que o nome dI) f:. O SR... . qunlquer que fos·se a sua. em r~lacão á eleicãoaque se Droc~d.Prisco de Souza paJrai-s'O JHlvi:t obtido 664 votos. eleÍf~ão nas diverRa~ ~'ccl'êil~~ dos antigos 18 c 14/~ dis~. eorno irn- mensa. circular o boato de que nJuiLas net.as de collegios ·do centro do Estado' haviam sido viciadas na capital conl o fiIn de. . «Não . O SR. e não houve unl só. sua edição de 1 de ou- tubro.-\ -:.não posso apresenta] -a melhor. .al fazia diariamente a~ apuracões~ e até á ultinla apuracão pll- J)licada por toda a imprensa.lI- rava no nUJ11crO dos 22 deputados .sivel e conlpativel elllsen1elhante occasião. rdad c .a ':\lal'ia da Vict.deixaremos de protestar contra os hoatos que por nhi circulam~ porque nutrinloS a convic/jão de que Íl~ão 22 deputados eleitos' e nãononleados. irnprensa neiutra. consellhei'l'o Francisco . E' v('. ..

. . perguntava indignado si era dcst'm't(\ qno se ini-ciava a obra da re.Alrgo~ar]e ~nnto 11 AntoniD das Varzeas.. c-on) justiça e propriedadeclassifienda rpelo digno e iUustrado intendente da capital de «requinte dn. ' . «Ha opposição a esta resolu~o que imip·ortn -na nomeaC}fi.' . a 1 noticia' do facto 50 espalhava pela ·cidade. «Não se:deve t!ratar de deputados '1l1enOS eleitos ou 'mais~ nomeados.desde o Sr. veri- 'Lou-se que :as da i e 2& secções de Campo' J.UUla -noticia. Attenda-se ao que . . 6 a seguinte Clê): .~). qnando - a Int-endencia prosegüiana apurat}ão~ vein a verifü~ar o se- guinte que está descripto com vel~dade Delo Estado da Bahia 1 em sua edi0ão de 23 (lê): «Não houve quen1 se não revoltasse com 'O que viu. -81'.uido pelo de um candidato da -chapa governista. . No' dia 14. Dr.pa5saIÍlos a expor: A'o comecar a apuracão das aetns do :14°'districf.ebeg'avam 'curiosos que quer~ianl testemunhal-o presencialm~nte.. O Sa.. «Continuan1 a correr boatos attentatorios á consci'(~ncin.~TANTE dá um aparte. :: UM s~. . .2. desc-aração» C\fiu:itos n.aqui a 3:l denuncia do Jornal de ~Vot'l:cias publicada no dia 18. vespera de iniciar-se a apura- çao geral. crne foram enviadas.noticias. qll~ O~ fa-etos . elo eleitorado..E' preciso punir os Ul1ct. AR1'HUR Rr05.o. Presiàente. .no dia 2. O . Presidente.snoaI. está procedendo no Conselho Municipa1.» O rEstado da Bahia já em edicão do dia !J: havia.Sr . «Compete ao Conselho es. vendo desenhar-se tão despejadamente ·essa to~peza.Presidente~. ·as da t . intendente e mais membros do Conselho até os espectadores. dizia '0 meS1l10 ]eJ1'llal de Notic. Eis .erupulizare '~sGudar as ncta:.ias (lê): . <l .ores {la fraude.o P. a· do An. n. justamente na.· ' . ARTB:UR RIOS .SR.» Assim tSe exprlmia~ Sr. «Corre que o nonle do conselheiro Prisco s'erá &ubsLi- f. . nove dias antes de descobrir-se e conhecer-se a fraude. «Continuam.oias eleito'raes . que não foi sn firagado com votos bastanbes -para . não' e]leicoo de unl D~put{ldo..poia. essa folha" ineontes'- tavelm·ente 111Uito aprecia~)pelo. . a de:Caripar-é. ~EPRESRJ.post:erjor~5 yiCrUn1 oonfirn1Ui:'. ' O publico.31puraçno a que se.generação ela Patria .· pois que á luedida que. I .do.os. :MÚRAES E BARROS . l1Uínla hora".propositalmente para sereln trnn~­ formadas ~í.O SR.criterio 'everaeidadle de s~as .. 'puhli- cado sob o titulo de Tram. conservar-se no mysterio actas eleiloraes cujo resultado de ha muito estaria conheeido. repetimos. isto é. do mesnlO nlez de outubro.-plicita. .ilIesponderei ~depois ao' nobre Depn- tado. .entrar na lista. é n1aís clara: nclla não se g'nardanl ll1ais reservas· (lê) : ~Nada adeanta por ora ao que já puhlicãro-os 3. Esta é l11ais c:\. Não lhes damos credito. que f'Úranl nJuif. si não -esti- vessem cllas guardadas.» ' .

da2~ - seecão.~ as: da: '1:l. dena o n. a da Formosà. ver rnspada. verificou 2{)iO votos e na dá 2 secção. ficou sendo capitão e p'rirneiro cirurgião e com o prim-eiro nome em abrevia- tura" ..31 . 162 votos : :na a-cta -da Varzea verificou 160 votos: na acta <Ia ia secção da Barra verifieou 140: na. Sommadas testas. il1ustre Commissão o que.irurgião: Dr.. ~ 2& SeCções de Santa Rita' do Rio Preto. . . Na -acta do collegio.a~ta. na 3& 'Seooão~ 205 votos e na d·e Icatu~ .to. 158 'V-otos: na acta de Santa Rita. .<Ia· barra do Rio Gran<fee m~is a de ~. aSSIm como estavam sUDstztUldas as votacoes. 7 Em uma' acta estava~ e póde ler-se como votado. veem-se candidatos bem votados por algarismos:> em segujda a candidatos menos vorodos.. Cosme l\Toreira de Almeida~ 1. . -' Delsr'. Joaquim Arthur Pedreirà Franco é engenheiro civil. _ . - Note-se que o Dr. Para que bem avaliem aquillo os que lá não estiveram. Na ·neta do A.ngjcal~ p6de a.apezar da rasura nena. tinha 131 votos. Em todas ·essas act$!eneontraram~se nomes raspados e s_ubstituidos por outros.931 ·votos. em f. 1. apr-esentaremos alguns specimens.. e nesta occasião peço á. Nas actas do Campo Largo. ·mas. no 1. conhece-se que o -candIdato Dr _ Francisco Prisco Paraiso foi r~uJja-do.de S. fal"çar..20: na acta -da 11 Formosa. tação. a lettra inteiramente di- versa. qt}e qnasi sempre podiam ler-se. .transporia os umbra-es da Tntendencia da Bahia sem ~ punicão dos ba"ndiõos que' a praticaram.dada.preciso entrar em maio~es . . Passé ·apreseJ!tavam víciosgros- s'euos. Na d-e Bom Jesus da J.distrfcto'_ verificou 54 0 votos: e no 2° distric. 1. palavra seis e -escripto por cima. questão dessas actas viciadas. 2lL e 4'& seccÕes da cidade . S"r. este nome: Ca-pitão prin1eirocirurgião Dr.778. 1719 vot-os. o candidato Francisco Prisco de Souza Paraíso teve 212 votos.) Mas preciso voltar á. que~ se estivesse em mmhas n1aos. . com a votacão 1Jor extenso.Jaopa a Commissf.1 que candidato Prisco ParaisQ. pela força da rima. haja de contradiz-er-me. nequellas rasuras.detalJ1es sobre essa vergonheira. com a tosca emenda ficou assim: Capitão primeiro c.952 votos e para o Dr. '211.. Presidente~ não . . não . 1:l secção.o reconh~el. Gommissáo reconhecer que.que mesmo nao procuraram dis. manIfestos.sebastiã~ de . O nome do dez.addições.dos ueraes.. Não me contesta. . Na acta -de Cariparc:'L 70 votos . -CY'lllCOs.. (Apoia.arte avolumaram-se a mais p3. antes como que tiveram o fim' deliberado ~da osten- .140. . IW-. 'substituição é muito mais ne- gra do que a -das actas 'primitivas. ~ToaquimArthur Pedreira Franco. PTooedendoao exame destas' a6tas~ co- nheceu perf~itamente que esta votação podi-a ser restituida. Si a Commissão. chegando-se 2.. Arthur Cesar Rios.embargador Thomaz Garcez Paranhos l"\fontenegro estaya por tal processo alterado em {iuas actas para Thomaz Gouvêa Paulino ou Paulatino Monte Alegre. Sebastião das Cabeceiras de Passé~ que está toda 'emen. vendo-se muito ]Jem as anteriores. sempre que me deS'viar da verdade. A tinta da. a. feita. sem resalva alguma do s-e- cretario que a escreveu.:'a o' dito candidato ':: .

contra. e vice-versa. Ex.V.) Sr.poiados. OUTRo" Sn REPRESENTANTE -V..ficand9 proxunos..• O MESMO SR.. senão ao escrllpulo excessivo que sem- pre :r.. de modo q1!e as rasura. d~ ..". recorrer ao .~das. offereço. em relacão ao parecer. a conclusão a . . de tal modo é impossivel restabelecer a verdade.ent..os pequenos.4. seu jornaL . mas addlcIonar á votac-ao dos candIdatos PriscoParaiso e Carneiro . Si nas actas as votações foram eseriptas em algarlsmos~ depois das rasuras foram escr1ptas por extenso. .) Não POSSQ attribuir.. na votacão. pelo Ceará e no de Minas Geraes a maior lealdade. Eis porque.UM SR.e 'já estava verifi- cado.?.poiadQs.Sebastião não se póce chegar ao conhecimento pleno 'da verdade.. modo que. Ex.Pe00 a V.. desse escrupuIo tenho de appellar para a justiça da 'Camara. o que não o faria subIr" . O Sn. conselheiro.THUR RIOS ..u- tantes. . a maior seriedade..~não póde' 'provar estas falsific&OÕes. Em relação ás actas de 'Sant·'Anna e S. existe~ outras cujas falsificaeões foram feitas de modo tal. .LStre Commissão que não tome as minh3S'paIavra-s em sentido offensivo. ' A estas não se limitaram as actas falsificadas.enão no nome. a validade destas ultimas.de 2°. das duas de S.da ca- pit. Ex..ssim c()mo os documentosapresen- tado~ pelo Dr: CesarZama. .lte!adasll e1o mesmo individuo que' forneceu a notICIa 'par~ a 'lmlpr~nsa. s6' o nom'e do Sr.E' ca~o de V. : .ornal. Presidente.da Rocha 'os votos subtrahidos.. (A. ARTHURRIoS .. que apezar da Commiss'ão julgai' ter descoberto a votação dada ao candidato Prisco Paraíso e outros. . .. que foram' presentes á Commissão.as aetasfuram natur~. sendo feitasem. a. eom· pu)Jlicações de o.al..' Parece-me que está perfeitamente justificado. Carneiro· da Rocha pareceu~lhe fi~rar com 70 votos na aeta de Cariparé. o considerandum qu-e passo a ler. - . jori:üíes. " . as actas da 5ft.Sebastião das. 'como quer () nobre. o' 'que osjornaespubliearam. . si a Commissãoverifieou que nestas mesmas aetas. eLe. peco á illl. REPRESENTANTE .. no exercício da missão que a Camara lhes confiou. rn - ao candidato prejudicado. Cabeceiras de Passá e (ias de Geremoabo. fOI a votaçao.vigesimo segundo logar na . (.. foram maIS com~Ietas. Ex. secção de Sant'Ânna da Oapital. que ao o se discute.'As alterações foram feitas~ como já disse. Deputado . supplente. o modo por que concluirem o parecer.espaç.evelaram. (Muitos apoiados. Não rooorrerei ao j. ) " . por que os cnn~os -de-São Sebastião das Cabeceiras de Passé. todavia me parece qúeessa votação não está bem clara.e a. Sr Presidente. ) ... os invocou ha pouco. REPREsENTANTE . .R.. '. . tirar era não mandai' buscar os lIVTp~par~' verifi~raquil1o g:g.representacão da Bahia. em substituição apresentado_ 'ipela Commissão.primeiro a reconhecer nos dois illustres repres.. Sou o.tO 8a. A. !nas as votaçõ()s foram rasp. falSIfICada.d'entre"os eandidatosque podm-iam pre- tender o. porque os : nomes dos concidadãos ficaram intactos.

o obJevc semelhante honra.Entretanto. afim de não aJongar demasiadamente o de- bate.-:-Jj~_~~~. 1l c o Estado de 17 de seten1bro publiearanl o SCh'1..ado pejo Ceará.~itinÜd(1de "âesta eleição~existem outr{ls argu-mentos que não podenl soffrcr a minin1a contestação.al da -5:1 'Secçao de Sant'Anna da Bahia. (]-luito.) . Conlpareceranl. .por lneio de uma raspagem.. n~sta Seccão 1156 ·eleitores-.pitão Salvador Pires d-e Carvalho e Aragão' teve 156 e nãQ 78. Presidente. porque const. Des~io a que nl(~ ·apresentem publicado o edit. O SR. _~philophio.nª-Q. reser- yada essa. lo5sal havia sido annu:Il:biada conJ anteced-encia e de que ás votações descobertas nas I?asuras' pela illustre Conliuissão.ão: (lê) : . . :142- _ O StI. gloria ao capitão Salva. pr~Y~~:!JIli®. Estava. REPnESENTA~TE . ARTHUR RIOS . ..) O· illl. Compare este resultado conl o outro. Presidente. U!\I SR. Ú Diario da Bahia.glui r ~emelha. O SR... feita a apuracão~ faça-seaffixar na.es -onde. ](~. ·na capital (la Babj·a nenhunl out. (Riso.mim. que o ca.. um segundo argumento ~ _. pede que se annullc este resultado.itllcunla excepcão unicu. rua. Si -o que eu acabo de expor a conslderaçao daCan1ara não l)astas~e para fazer nascera duvida sobre :1.as cincoactas. em nenhUa11a aPPl'oxi'::' lllou-se ·ela unaninüdade. -uma YP.R RIOS .ntc victoria.ado 0111 Jnuitas secções.d'e.) ]~ll peeo 1:üsn1cu.. ~ ".s nobres collegas que não 111e -dec~n apar- tes desnecéssal~ios. Ex. ci- tados constituem .·.ão ial'Sificadas~: nem . Este f~cto ~Ic obter -o capitão Salvador uU3Juimidade de yotoscrn U'ma secção eteitoral da capital é para admirar.os orgãos da imprensa por . ARTHün RIos . O Sn. a unaninlidade dos' eleitores que compareeeranl e vof:arunl! . Pr·esidente.etanto. O 8ft. houv. o que diz a a·eta. ~ .\ .en1 favor de quem operou-se o' milagre . . . seja elle "publicado.~ apo'iados. . eranl justamente as que a imprensa havia publicado. .S' -da eapital~ lHas nunca teve Ul"Lanimidade. as cleil}õ. : Senhores. (Apoiados. (Apartes.V _ ~:x:. Sr.-âo-::qu-e~-dai·tí~Câma:ra--··scI·encHrllêqUe-estã--fraude eoI~' . V. -:jirãfs.· ainda .l. ) . port. ca- raeLcrcsLilnado' e respeitado o juiz inlmaculado. orgão offícial. foi o primeiro em -diversas' parochià. porém. Zalua não poudé consQ.pl'inlCil'o yot.ele}l!_~nto~.1inte resultado da eleir. o regulamento eleitoral determina qué.es" terll1inadas. Sr. Agora~ Sr ~ Presideute: chamo a attencão -d~ nobrt: Dep~­ l. não tome o reDado nu porta da.dor. . (Apartes. que foi o .a do edHicio um edítal dando o resultado~ e que nos Jo- gar._e9m"_elles--::.AATHUR RIOS . Shn..Entr. Vou tratar em primeiro logar da eleição da 5 seccão de Sant'Anna.O Sr.er ill1prensa. . "\. . ?E'.l:5tre :r'('Drcsentante da -Bahia Sr. Ex. que entre no examê dest. :. . :- PernlittaV .Não preciso provar que as actas :-est.ro candidaf. .Ul\1 SaREPREsEN1'ANTE .RT1IU. S1". AUGUSTO DE FREITAS .Nell1 o Sr~' Zama.

'. tal li"vronunca f Di á Intendencia.que estou fazendo.. officia~s 'do 16°"bdlalhão. . de 29 de outúbro.snlo que e:-3se fosse pessoa 'dequem dependessem.que deVI] estw' lavrada a acta oJ'iqi?ial.:'ino e do Dl'.'·· .. o prinlt iro.· sentindo-se offendida 'em' seus l)l'ios" . .sc't'ipta co'm tinta e leUra diffe'reJitf. 0: a:rtig..contestar esse facto? (Pausa. '. c-apitão Salvador. C0111 156 votos. «Para chegar"':se a. que não foi recolhido el11 temPo ao Conselho ii\'Iunjcipal~ e: que~ ou nunca sel-o-á.. Suggerlu-l1oS' a pres·e!1f:ede~laracão.'a~::i a iUustre lColnrgissão nã. me.(nnul' parte nesse trabalho. officiaoodo 16°. Se .ente. activoscrviço no batalhão. capitão Salvador 78 votos.(.votos~ 1 foi o Dr.~. :.foiab~ solutal11cnte coüLestadú.o .. ) A propi"ia classe inilitar. conl os boatos que cir·iSillavam' e por aqueIle editorial do . votado. POIS.c{}ão. repelliu.()mmêlli'danfe da policia: e quándo tivessem de se pres·tar a. Ra3':ulundo lVIart.iirá. llonten1.~ e sobre o.PRESIDENTE·· ~"-cpee-õ áoO-"ú6brc· IDeplifAido'que'.poitulos)" 'lnuito be'm. Freitas~ tendo o Sr. .mento eleitoral.opoude"apesai'Uo rigo- roso eXalDC a que procedeu.. Ullla V€Z ternlinada a eieicão. fraude qualqúer can~idato. não se envolvemClll po litiea~' nenl fizeram parte da mesa eleitoral presidida pelo (~. . capitã. « E estn~ Sr. c nuono ~eu discurso e não: entre tenb a o -dialogo. .E' justamente o . O Estado ç1a Bahia..total das cedulas J'ecehi<las~ quando eUl todos os' jornaes :que deram a' noticia {lo resultado dessa eleição.de casa? «Convénl que o publico saibà . Quem será capaz de . conselheiro Carneiro da Rocha~ do Dr. é ou não. o livro seja immediatamente re!Il1ettido para a Intendencia~' Entre'tanto. porénl. <tO que .. '.r.. f.as~ . e tenente- corone]~ hoje. _. " . nossadigni:çIade·d. " .o Sa:cc.» . Oi. Varremos. conti- .desta capi tal~ secção essa presidiüa pelo 1naj or.ins e accrescental-os ao capitão Salvador. que. cu}a pota{ão (l156 votos) se acha e. co. O iSR•.~tado.' não . nos 'l(.' o ' .qne e3sa authenticafalsi- fícada da 5:\ secl}ão de Sanl'Anna sÓ foi 1~e1nellfda á' Intenclen- cio. jánlais se :prestariam . ARTHUR RIOS. Não~ a Caroara não póde deixar de annullal-a.m 106 . '.Os. a nossa ~estada'. Manoel Vi- d:o.s dias. esse arranJo.UinLo. . .Julio Gomes da Silva~ tendo como mesarios outros luilitares?' ' «Nessa authentica fig'ura o Sr. capitão Salvador como o primeiro votado.do E$t(J. () Sr.e em.'-"·:0$ . foi preciso rasparem os Os votos do. detennina o regula. da falsificação da authentica da 5:1 secção da freguezia de Sant'Anna.a favorecer l H)rmc.' sendo. ' ainda . lavrada .endoacompanhada do liVro em .aúdidalos nesta sr.lo{feo' raspado.a acta. . resfabelêcer a verdadeira votação ohUdá pelos c.ecidadâós. 'OU. con10 quer verifical-a eonl a prcsen~ja ele um livro.do ela Bahia sohre· actas fals1fICad. Sr~Presid.io da. número . para nos prestarmos a tão vil e repugnante papel.4.. .o Salvador. actual- lnent. JJão nndcriíjn~pirar confiança ? . .Prezunlos ll1Uito a. . . ]~stc urtjgo~publicado no ·dia 2'9 deoutubl'o: não .E.. ) Ninguem. nobremente toda--'Cópártici-pacáo no es- candalopor lucia da seguinte tpublicação (lê): «Aos 110S505 concidadãos . . . e a honra de soldadó~. ainda a rproppsit) da 5& secoão de Sant'Anna" diz o seguinte (Zé): .

Sr. que: obra para illudir. o Sr.O SR.. . ünn1ediatamente depois venl o nome do Dr.podia 4001· . Ex. . ~' •• .-.. ( A p o i a d o s . será.poiados.Dr ~ Joaqu~m Arthur Pereira Franco com 224. Outra belleza: o p-enultiroo votado da lista é o desem- bargador Montenegro com 50 votes (o nome e a votação não 1'oranl raspados ou viciados).ARTB:ÚR RIos ~ Não.\RTHUR Rros . com evidencia.Sr.Dá-me licença para u~ aparte? O SR . MóR.. que nas 'outr-as 'S-ete secções da parochia toda a.Não é a mesma coisa.<\. _.. -.BARBOSA LIMA . . . Prisco ParaJso.- -O Sa. e concluo com 501ido argumento. e o ultimo é o Sr .._~ mesma coisa non potest simul esse et non esse. . AATJ:Wa RIOS . Haverá quem possa 3Ipprovar semelhante acta? O SR.. Dr.O :SR.:1:80 e tantos _votos? . pensa que ·as rasuras e emendas.escriptos enl algarismos. 10 SR. concluo pedindo a nullidadedessa acta.quem .-'\ES li: BARROS .. ' --. escriptos por extenso e sobre uma rasura. do. ' Na lista dos votados veeID-se diversos nomes com 224 votos. BARBOSA LIMA .Pois bem.dirigida por um dlStlUC.. . ' O SR.. me :di~se -que ~.apadrlnhar -essa lnJUTla atIrada aos brIOS da -capItal da· Bahia? Não () creio.s~tl.Deixou muito bom nome em s. (Muitos apoiados.- suItado de_ um divertimento de creança. intacto· e perfeito com seis votos .R1fl!UR Rios . ao passo que outros tiverãm SOOe mais votos. i44~ Presidente~ . Foi justamente ahi que se _deu o_facto unico de ter sido um candidato <lo governo 'votado por unanimidade. ·Presidente. 1 :O -SR. . por- que aqui o que se raspou. (A. V...A parochia de .164 votos sem vicio.) ~. -_ O Sa AnTEUR RIOS . Prisco Paraiso. sobre a 2 secção dessa mesma pa- 11 roehia. Paulo~ -. e que. (Apoiados. que ponde ser resta- helecido.para restabelecer a votaçao que elle teveahi de . ) - Esclarecida como está a Camara sobre esta escandalosa fraud~. O nobre Deputado não reco- nheceu como nós. senhor. votação dada ao Sr. tinha- mostambemcompetencia . .E' a mesma coisa. que.iv~l .Si-In.não foi o nome. Salyador foi de 96 votos.) . foi a votação.: Presidente. Sr. BARBOSA LIMA . não -o póde ser. _-\1- meida Couto .que ~ approve? Hayerá-.tO clda<iao~ de presbglO e de servlcos. T-enho entre mãos a 3cta da i" secção da paráchia de São Sebastião do Passé. Presidente. 'Peç:o á CamaTa que por si a examine e v. O 8ft. que apresenta~ são antes -o re.ainda outro argumento#· .. accrescendo ainda.f\Íacom que desplante e arroj.) .o foiella viciada. vindo immedia- tamenteJdepois-outro candidato com.. é. que assim COlUO tínhamos competencia para restabelecer o nome do Sr.. Quem a 'examina.Anna ~. das da capital'aquella em que a QpposíCão é ~~al~arpe~e!1tada e nU1!l~rosa.poss. BARBOSA LIMA . Dr. -Sr.queira . escr~tos sobre uma rasura em aJgarismos e lettras garrafa~s. .

que não tinhanl funccionado em Gerenloabo~ recusou fazer a publicação. Apr. VOZES . Freitas. Antonio Eusebio. .. O SR. isto é. Presi. Peço ao nobre Deputado queira restringir as suas considec~ções. não ficam ahi estas contradições. aliás official. quer séja ap:próVâda. Presidente. como significa ainda. ou algum interesse inco'~­ fessayel.secções de 'Geremoabo. . Essa repulsa s!- gnificava. . a 24 de set-embro. quando ainda na capitn. e o aff~rmo sob minha palavra de honra. dO Dia1·i6 e o Sr. Declaramos que nã·o houve.nha opinião insanaveis'. verificará. vou resumir o que tenho a dizeT. <tcta da al{)uração declara-se qne eompaJr~ram 217 eleitores.Se uma eleição dessecollegio para ser publicada no Diario da Bahia~ e a redacção desse .1te. Eis aqui a acta. altera0 resultado final. Apello para o testemunho da deputaeão da Bahia.orgão. votos: mas eonfes'So que. não se p6de com seguranca -restabelecer a votação que alguns ~ndidatos ahi obtiv:eram~ -e tambem como uma puniCã-o aos eriminosos e indignos falsificadores. eis a acta da 2 s-ecQão de S. em mi.) _ ' Tenho agora.ctores. - VOZES . 145 reconstituir a votacão de. - 10 . Não. se de- clarou que em Geremoabo não tinha havido eleição..E' verdade. e este numero está escripto sobre uma rasura com lettra menor e muito -apertada. Dr.assignatura. Sr. Portanto não foi interesse pessoal. _quer não seja approvada. por si~ verifique estas irregularidades. Proponho -que se restabeleça a votação nas:primeiras actas. facilmente. Em Geremoabo não houve l1 eleição~ como noticiou a imprensa da capital da-Bahia. Na. de me occupar das actas da f e 2a . deu-se de 21. AATRUR RIOS -Obedecendo á a-dvertencia de V. tl Tllostra um documento. disse-o a imprensa. porquc. Ex:..ellanão -. (Apoiados.) - O -Sr. AUGUSTO DE FR~lTAS . Não houve eleiçãio '0111 Geremoabo.q-€'i. como já disse..· ANTONIO EUSEBIIO . esta ·elelcão. 1. -_ Estão presentes redactores daquelle Jornal. Os red3. hora está adeantadl3.10 termo de encerramento. que. reconhecendo que ellaera o resultado de uma fraude e não a expressão das urnas. Hccusou-sc. Presidente.. porque é um facto que qualquer. O SR. lavrado pela Mesa~ logo a-pósa ultima. ambos redactores do Diario. figuram duzentos e dezeseis nom-es. Arthur Rios eram bem votados nessa eleição.cento e tantos. po~que a. e eu :passo-a a Ca- mara para que~. ~>L'N'mNIO' EUSEBIO .apezar dos meus bons desejos. composta-de candi- datos que haviam sido contemplados com a melhor votação nessa supposta eleição. O SR•. ' Mas.Essa repulsa da publica~ão de selllelhanteeleição..l não se conhecia absolutamente o resultado final da eleição. um culto á verdade e aos dI- reitos dos cidadãos. que presidiu a essa repulsa.com:parecer-am á eleição. (Apoiados.OSa. por que a meu ·vêr. Sebastião. PRESIDENTE . ARTHUR RIOS .esentou"'. E' notaria. . O SR. declara-se terem comparecido duzentos e vinte tr-es. Dr.) No livro de assignatura dos ·el-eito- res. -não a pude verifiea-l'. O SR. e -para o Sr. Sr. - Appello para o Sr. por ser considerada falsa e apocripha. produz a sua nullidade.

eleição.1111 facto que não :sei explicar. . official do corpo de policia. fulano: a escrevi e con- t. senhores.:.:\. c a immoralidadc: que pare·eía ainda defensavel apesar de tud{)~ e5ta imnl0ralidade y-em se revelar.pela justiça.Antes de pernüttir o aparte. quero dar: {l. ljl\I SH. Presidente: 'eis aqui as acLas. Canlara: !la ainda o docunlento firrnaào . senhores.1I11.ter lagar tinhanl sido fechados. EBsas actas são as que nos fOl'anl l'crnettidas pelo Governador..g·eguintes docunlentos: justificação de grande nu-:- Inero de . ChanlO a aLençãó da 'Camara:' ellas são esúriptas·· pele nH:~mo pUllho~ corn tinLa egual. . que me dig'. ontretanto. nEPRESE~T. nEPJ·~Eslr~rrA.sobre esta eleição: 'C{)mo s6bro as dc- 111alS ..cios eln qu e devia.Ora.eleitores declarando não haver comparecido á eleição e que esta não tinha sido feita. que reCUSOU-se absolutamente a attestar si houve ou não eleição em Gerelnoabo. (Apartes _). en1 papel E. contra esta eleição o nobre Deputado pela Bahia~ o Sr. ARTHUR RIOS . REPltESE'l'T. Bahia e tolhido o seu legitim~ .missão~ por. apresentou á Com- nlíssã-o. e~ entretanto.Dá licenç~a para 'um aparte? O SR.l li'l'E . . (} non1e destes eleitores figura ôO'illO tendo comparecido á . Acho que a Call1ara já teJU 'elen1entos sufficient-es pal~a fornlar . Sr. (A. os . ARTHUR lhos .crLcj.seu juizo .n-rHuR lhos . Esse official. si não quiz affirnlar a y-erdade: tambem.e barato que este documento não tenha valor con1pleto e positivo:.Sr.) :\fas ha algunla cousa sobre nós que véla . As a:ctas que tive a h0!U'a de cXaIl1inar . nas aetas que tive o des- g'osto (leI examinar. ahi estão~ porém: o attestado<lo supplente do juiz 111unicipal e111 exerticio e o attestªdo do vigario da parochia: affirnlando sob juranlento que tal eleição não teve logar. .'TE .:po iados . obedecendo aos dictarnes 'de sua consciencia.que razão e com que: direito ha de a Canlara consentir que fique ainda mutilada a representação do' Estado dª. Zama.gual. Presidcnte~ si na. U2\-l SH.\~TE . Si isto não bastar para levar a convicção aoespirito da . . ao passo .. O' SH.po facto. Diz-me o nobre Depu iado: E O' 'que prova~sta' justifi- cação? Peço ao nohr'e Deputado~ advogado distinctoe intel- lig'ente.. não a contr<l. dizia-se: Eu. _=_146 o Sn.está explicado o facto.. núa aos olhos de todos. é ÜUl g'tando eScan- dalo. S1'. pre- ·óso corrigir a expressão de que usei. vejo-me -deante de 1. An'l'HUR RIOS . porque á hora' designada pela lei os edifÍ.ra provar que não tinha compareciDo? Mas. l~1\r SH..tão . a verdade podendo ser restabelecida conl inteira se- :gurança. Ep. Presidente.! de que outro lTIeio poderia lançar mão o t~leit/)rad:o! eUl circurnstaneias idenLicas~ l)a. no l'irn do cada un1a deHas os secretariosdeclaralll haver cada 1.: s6mente por si. Sl':_ l)residentc. li p' qüe nal'ro Li Canla.pelo delegado.s 1 5 eleições de que priIneiro me 1 occupei..que nestas diz-se: suhscrevi.l'i-ou. das duas secções de Gel'en1oabo. cscl'iDto a de sua resp:cctiva Mesa.?u: nas que lhe foran1 enviadas directa- alente. O Sn. na opinião da 'Com.

147- ..

oe 3" da cidade da Barra -2 Icatu. permittindo. secção de Santa :Anna da capital rasuras sobre o numero de votós 10s candi- datos Prisco Paraiso e Salvador de hagão.e outro que teve i56.seis voto! escriptos com tinta e caracter de letra differentes. Que. o nome do. e 2 secções de S.secção de Sant'Anna. Formosa. verifica-se terem sido ambas estas authen- ticas escriptas pelo mesmo punho.. Sebastião das Cabeceiras 1l de Passé -e ia e 2:1 de Geremoabo.candidatos. 30. com . não deixa verificar os votos obtidos pelos referidos . além da -existencia d-a ra~uras. declarando..~962 Dr..ao can- didato Prisco Paraiso os 1.1l.be- ceíras de Passé e 1~ e' 2. os secretarios haver cada um' escripto a de sua respectiva 1\'Iesa.. 30 . candidato . por e~emplo.eleitoraes do Angical. 111. ia e 2~ de S.do: . os votos da :5-. entretanto. 1..escripta sobre uma rasura.. Que. -Que: além dos documentos comprobatorios da falsidade da eleição das duas secções. Antonio Carneiro· da Rocha . alterações na ordem nllmerica das vot~~e5 obtidas pelo~ candidatos. que lhe foram dados naquellas secçõe5 elei- toraes. Sebastião..aos que já foram proclamados deputados. aos quaes se re- fere a Comrni..Prúsco Paraíso.931 mencionados no primeiro con- :siderando. Vem á Mesa e é ~ida a sec. além das jncongruencias notada:f no parecer da Commíss.de Geremoabo e restituidos . entre um~ candidato que obteve 217 votos. Que na· authentic~. 857 Sejam reconhecidos deputados pelo Estado da Bahia os . Qosme Moreira de Almeida.nu. : Que na aU'hentica da f . 1& e 2a de Santa Rita.secção de S.eduzidos dos quatro candidatos imm-ediatos em votos .. coincidindo..ão.. 204 Dr. observa-se que o numero de eleitores mencionado na acta dá apuração -está escrípto sobre uma rastira não resalvada. deixam ver as lettras do nome do Dr. apesar de apresentarem rasura. o resultado da elei"ão é o seguinte: 'Barão de viila Viçosa / . Que. figura. d. 2&.•. essas alterações com as rasuras.da 2& secção desta parocbia. por esses vicios. como reconhace a Commíssão. d'as Ca. Varzeas. sendo aquella votaçãa.. os votos em numero de 1. Bonl Jesus da La. Que as authenticas das secções . Francisco Prisco de Souza Pa- raíso. · 28 .ínte Substituam-se os considerandos e conclusões do parecer p elo seguinte: ConsídeI'aiD.ssão. restabelecer ao referi<io candidato '.ras pelo do Dr. Francisco Prisco de Souza Parais o . apresentando a authenti~a da 51. 30-~399 Capitão Salvador Pires de Carvalho -e Aragão .s c emendas. de Geremoabo.93i.pa. são nullas as eleições da ·5a secção <le Sant'Anna. Sebastião das Ca- beceiras de Passé. Cariparé:J i a e 2& de Campo Largo. verifica-se. primitivamente -escripto e substituido pelos nomes de Joaquim Arthur Pereira Franco em umas e em {)ut.

. . Presidente.. -. .nonclusão do parecer da. .achar aqui a ~ssa liora. e a Mesa decidiu do seguinte moào: que o parecer da Commissão teria discussão s6mentena parte relativa ao Sr. em que o tempo é ouro (Apoiados). Esto bre'Vis et placebis.l~S recursos. MIGUEL CASTRO"":""" Por ser proeedente a conclusão da Commissão ? ' . inconvenienoias.Antonio Eusebio. GAliCIA PIRES ~ O Sr.para pronunciar-se por ella. . mas não pude. não resta a m-enor duvida.o. A. Miguel Castro .Não. Garcia Pires. Viçosa e Dr.Sim. " Esforcei-me para me. Francisco Pris'Ço de Souza Paraiso. como ~elatol' da Commissão~ pediu-me para fal!ar em :to logar. O SR. ". o nobre Deputado levantou uma questão àe orden1. representantes da Bahia.u- gusto de Freitas. Ex.Sr. em que ha apen~s votação.. portanto. Seabra. R.. . Porque.Milton.e nos SP.Mi~el ~astr{)..: ~ Franciseo Sodré.. -A.Não está em discussão o parecer ~ da Commissão? . PRESIDENTE . não s6 para os illustres representantes da Bahia.- Arlh:ur Rios. eU! c-edo1 para failar depois de S.Coromissão de Verificação de Poderes deu-s'e a um trabalho ins3I'Ilo.de tirar direitos. " . que pudessem ~sclarecel-a.. Procurarei cumprir á risca :I.s6roenf. Dr. Barão de Villa Vi- çosa. direi que sobre a 1. orei 0. senhor.r . PRESIDENTE .Sala das sessões. . Santos Pereira. Presidente e senhores do Con- gresso. que me prec. perdi m'l1·ita sabedoria dos oradores. o.O parecer rião está em discussão . . não confiando .rece.MarcoZi'lui Moura. para os me:mbros da Commissão~ como para todo o paiz~ porque é sempre grave a questão qll~ cogita de garantir ou .Dr.Sebastião L~ Medfràdo. . ." O Sr. que como membro da Gonlm~ssão~ subscrevi. porque el1anão tem outro intuito senão descobrir a vereade~ . - Cesar Zama. geralmente sentida por todos os memhros do Congresso (Apoiado·~L me inhibiu de aqui me aohar ás f () horas marcadas por V. . O SR.·· Miguel Castro.Tem a palavra o Sr. O SR. O SR. € que poderia dar-me muita luz.Tem a palavra o Sr . PRESIDENTE . Sr. S.) Procurando seguir o axioma que estabeleci. (Apoiat!. O SR.. -149 - Srs Barão de Villa. Ex. PRESIDENTE . .. O SR~' MIGUEL CASTRO . Conselheiro Prisco Paraiso~ mas não na parte que conclui a pelo reconhecimento do Sr. "Commissão. : ~ A inconveniencia do" local designado para as nossas re-' uniões.. . quero dizer que farei por extender-me o menos aue me rÓI' possível em sustentação do parecer.~ .ederam. :0 SR. além daquelIa que elI e os demais membros da Commissão procurámos co- lher da deputação da Bahia. . me pa. para discussão desta qu·estão tão grave. O SR.uação gravissima. sabedoria deste axioma e tanto mais quanto nos aohamos em sit./porque.. . .. 18 _de dezembro de 1890. devo antes doe tudo dizer: a 3. . PRESIDENTli. RF. ouviu a todos os Srs.

Srs. de accôrdo 00111 os prineipios da jllS- tiça. Deputados. Ninguemmais do que eu applaude estajustissimade- eisão da Camara.Não. .não ·discuto esta eleição por ora. secção do . . e folgo de ver que a resoluçuo da iCamara apoia·:l- i ~conclusão do parecer da.ados onde nos achanlos.·Depru. MIGUEL CASTRO . MIGUEL CASTRO . As authenti·cas são cópias do original. O SR.disse a V.Quenl é um· pouco·pratico ·enl ulutcria de el-eições. PRESIDENTE .ica.O SR.B-eID.1' .: . . O Sn. MIGUEL CASTRO .sessão.. .a que soccorreu-se a 3:1.Eu falIa sen1pre na Can1ara dos . senhor.lln. O SR. na ouLra. Deputados i!n 'l\lonarchia. (. O . livros dessas eleições. repito. Prisco Paraiso. isto l\ a exhibição dos livros.assísfir :i discussão cle questão idcn/.SR.. passo adeante.Nen1 aquelle' aparte ten1 a1canec algl. qu. sal)(\ ~()nl0 essas cousas se passam. PRESIDENTE· . Temos·a 2 eoncluBão~ que pede. Prisco P~raiso. (~ na Camal'a elos Srs. .Bem dizia eu á V. c a so- lu~~ão foi a me'sma.) : . que não nle achava preserite no comeco da . MIGUEL CASTRO . que a Commissão entendeu e. foi por isso que pedimos a Tlr~sença ·delles. O SR. eu iBto aqui .Nesta Canlara.Camara . relativa ás authenticn~ que Dizem respeito á eleição do Sr. .repito ainda~ entendeu. Presidente. Ex. si essas são ar- guidás de falsifioadas~ a presença do o~iginal é indispensayel para o conhec·imento da ver:çl.coI- legas de CUlnrnissão a cxhibiçáo dos. . Pergunto a V.. discussão é sóment-e sobre. O SR. S:ebastião de Passé e 1:le 2:\ secções do collegio de Geremoabo . Nesta Camara mesmo tive :iú oceasi:io ele . Conlmissão. . '.tados) . segund'a conclusão refere-se a l}sses lhTOS.Eu pedi com n1eus il1ustres .. qne neste ponto a ComnliBsâo 6 unanime. . Ex. ". . onde nos achanlos. Commissão . si tan1benl sobre este ponto a Ca- n1ara resolveu alguma cousa? . Dizia ·eu.A. ANTONIO AZBREDO .c01- legio de Sant'Anna ·e S.dos Srs~. O SR. Depn t. Ex. a 2S parte do parecer· da Conln1issáo. . faço votos ·para que esta não queiraimHar os dcreitos~ as injustiças da Calnara do Imporia. bem como aos das eleições da 5:1.~ . e faço votos para que n CaInara da R'epublica não i.jl-Iuilo' be·m. 150- o SR. Sr. . PRESIDENTE . En1 todo o caso. .A.por offendido em c]lan13. . MIGUEL CASTRO . . . .Dcputados (creio que o coIlega :' que deu-nle o: aparte~ não se -dará . U~IA voz .. 'Bem. lvIIGUEL CASTRO·.nlite a Camara' dos 'Srs. conl os principias da razão~'-e certad-e que nisto acharia 'o accôl'do da 'Camara dos: Srs. Já .Não trato da eleição do Sr.. não senhor. . .ade. O SR.e exige 11 os livros dessas eleições~ cujàs authenticas são ·arguidas· de falsificadas.

íl de obter~ precipitar o julgan1ento. (Apoiados. que pudern10s colher.ullas.. . Sebastião de Passé. as 1)rovas. Mas.livros. E' da n1ais simpl eis intuição elU Direito .. Passarei á t. Esta é a prinlazia do reginlen .porque a prova é dífiLc. pm'que este Con- gresso. have. que ·em viS'ta destes. demorada. quem quer -que esse seja.\N'1~~\O ~ Desde que estão alterada~\ f1S aulJlCJ1- ficas não estão de accôrdo.ão queiranlos manchar o primeiro eO~OT·esso da. justifieado () 'Voto da COn)l11is~:i0 en1 1'ela~ã1) á ~''"­ gunda conclusão~ isto r~~ a exllibição dos livros dessas -eleições. nós. ' : .. clarecidos.mos de precipitar unla -decisão sobre qualquer questão? ' . Si as authenticas estão no sentido da falsificação. por considerações dessa ordem.. ~ Por consequellcjn~ 81".O SR•.pondo -ao argumento . Por consequencia. estes não 'estão. })ossa-mos dizer: «Estas eleições são p. 1 por consequencia. si entre el1as~ algumas ·destoam de outras. " . !C:uamar os originaes. port. 151. Devemos -esperar a prova. voz . .). todos nós.justiça~ não devemos. O SR.. tlS' eleiC::ões de Gerenloabo -e S. que sonl0S Juízes. Res.Não.Concluiu muito benl. !Senhores. não ha necessidade de alterar uma com exclusão de outra: ·m. não deve ·dar aqui jngresso senão áquelle qne rcaln1ente rc- cehéu o suffragio de ·seus concidadãos. Só pelo ·exame dos livros se pôde chegara D~rfeito conh~cin1ento de ·causa. AN~'IO AZE~EDO . OR illustres. pl'ocura-se ver o origina].' " não sómente os juristas. para. Vanl05 banir destaCanlara o terceiro escrutinio. tegitin1amente -eleito. PrcsidenLe~ parece-nie que tenho t:l. - "' O -SR..lhor fazer justiça. e allL 'Ú que está nas acías.estas actas -estão falsifica-das esLes livros estão.n."fTA. deY{~ /predominar o sentinlento de . representantes da B'ahia alIegul'aTl): esso~ livros não chegarão tão eedo~ nunca virão. mas qualquer rabula de aldeia .:demore-se ·a decisão. C.» Parece~ll1e. Na verificaljão de podereg dI" 11m membro . de accôrdo 'C{)lll o mesn10 traslado. .). Repu- blica com :uma . porqne lHlla prova é -difficil. dizia eu: .CASTRO -'.'••• qu·e 'devia ir á fonte. porque é nle. que a Conlmissão não tinha outra soluQão senão [)·edir a e:x:hibicão desses livros~ isto é. MIGUEL CASTRO . i~to é~ a exhibição dos livros: estanlosÕ'c necõrdo. . pal'n. UM-t\. os ori- gi naes. ' U~I SR. MIGUEL CASTRO .'l'..decisão injusta~ com o reconhecimento ·de quenl não·estiver..iTE . aguarden10s o exame dos factos. E-"\:.anto.sabe que quando um -traslado é al'- gu ido de falsificado. ' Mas. O SR. -. apure-se aqui o que ·está nos . MIGUEL . . (Apoiados. do ·que sacrificar o direito.erceira conclusão~ que é :r:clativ:1.s. . nec-essariamente esfrio alteradas e falsificadas.1nbem. verificar sj este está. O Sa. creio que sobre 'a ~ncol1:clusão.d'esta Canlara. se não havia necessidade de alteração. embora tardiamente. N.' O SR.de V. MIGUEL CASTRO . . repito o que disse o digno orador que' nl-e precedeu.republicano. melhor es. REPRESEJ.

v-eiu se dizer aqui que nem.accôrdo com os meus dignos 3. Mas o .m aparte.). quando vi .tes . ~ 152- === • Resta-me íallar sobre as eleições de Geremoabo e S.Senhores~ foi tambem apres-en- tado·perante a commissão esse argumento herculeo pelo nosso decano· nesta Camara.) Senhores. já . o que se diz contra a elei. o delegado de po- licia teve a precisa coragem de declarar se tinha havido ou não eleição. 2°.) Bem.i ~ vai fazendo confissões 'Por .a justi!·iC3Ção r1t:~ 'ài"ver50S eleitol'es no mesmo sentido. doOs motivos que tinha para dar o meu voto. l\{IGUET. Ex. Ex. cl1egamo~ a este r~sult9. podiam ser todas tiradas pelo mesmo individuo.grande valor. . mas não a declaração do delegado de policia.duas cópias. ~ Entretanto.RTHUR RIos .ção de Geremoabo? E:'tist-e contra esta eleição: 1°.luaes preciso dh:er. CASTao .do men modo de pen~ar. mas. essas cópias. MIGuEL ::. O SR.Mas todos estes documentos. (lIa u. têm . afinal. não insistirei nene _ .:se~ documentos são graciosos.) O SR. àesde que S. :apresentoll P~::::PR documentos.em VV. Exs.P6de-se mesn10 dhr. .delegado disse isto? N6s não ·."indi~iduos. não marca prazo. Mas.tambem ponco valor contém. por isso. de modo que. Ü meu nobre colleg-a que me honra com os seus apar. o Uleu illu~tre e sympathico amigo Dl'. e isso lne satisfaz ~ S.so diversamente: . . Se- bastião da Cabeceira de Passé.os. (Apartes. Zama. j~t conf-essou que essa declaração indirecta do delegado .>. Sobre a 'eleição de Geremoabo. ác~rca dàs f. Ex.temos a de- (~larayão .escri:pta do delegauo. Temos requerimento de um ~ individuo declarando que tinha requerido ao delegado para attestar se houvera :o~ . partes. discutimos diversos dias. .confessou que a justificação pouco valor tem. SS. abandona esse argu- mento. sumprehendi-me. e sobre este ponto. S. O SR. porque nunca tive a pretenção de convencer a quem quer que seJa.er que esta assignatura não é do vigario~ porque nem o tabel1ião a re- conheceu. junt. cahi das nuvens. que muito é que um mesmo individuo:tirasse .uma arguicão posthuma sobre esta eleição. entenderam pedir a vinda dos livros dessas -elei~ões.do: r. (Apartes. sobretudo a collegas distinctos.o valor probatorio das ·actas que estão revestidas de toda. um attesiafio do supplentc de ·juiz municipal de Geremoabo. O coIlega sabe que (Jet"'(lmoabo nas -duas secções é a mesma cida-de. distancia da 'Ca- pit.alidades lcgà-es. .migos e eollegas da Commissão.nã() eleição. conelllia que a eleição -era falsa. Todo. á vista da assignatura. ~egur.al da Bahia.s as form. dizendo que. oue têm de ser mandadas á Intendencia. quando podia ter ti- rado quinze ou vinte? . Temos mais a affirmn- tiva de tres outros . não poc1ern destrui!. no mesm-o sentido. . um attestado do vigario àizendo que não tinha havido eleição. um. (Ra um aparte.eu pen. si Geremoabo tivesse sete secções. Geremoabo fica a pequena. devo dizer-vos que o Con- selheiro Prisco Paraiso não arguiu facto algum.>enc. não estou de . e. 3°. desf.ÇASTRO . A. (\:.porque a' lei nã6 diz que se mandem iromediata- mente. Exs. isto posto.e modo.

O SR. Dr.eitores. com os precedentes da Camara dos Deputados do' .c·omo digo.e·leitores que compareceram.:. Sr. Presidente. a de S. -e não annulIar-se ·essa eleição~ em cujo processo· observa.~ . MIGUEL CASTRO . . quando não resta mais quem vote.MIGUEL CASTRO . não devemos· regeitar. e por isso peço que fique isso para decidir-se pela votação. da 3Jc·ta soe diz: «Recolheram-se tantas cedulas ~: pois bem. com quem .j~o do Passé.mas. MIGUEL CASTRO .Não abandonei. cuj o parecer as- signei com restricções. que cada u. o numero de assignaturas é de 216 eJ. Nesse sentido divergi àa. .Qual é o resultado da eleição de Geremoabo? O .••• e abandonoú esse argumento. sabemos mais qUe depois da chamada e.: O SR.Imperio:.. O SR.••• por isso não preciso voltar a elIe.patricio sahe que não ando ás occultas.imento.OU a todos. Falta-me tratar s6mente de uma eleição. O SR .ram-se as formalidades legaes.a. MIGUEL ·CASTRO . conJO na Comlnissão se tinha verificado que. faz-se um termo de encerramento mencionando () numero dos . N6s todos sabemos~ Sl~. . Isso está de .m dos elei- tDres nue vêm dar: seu voto. a assignatura dos eleitores a prova mais segura da verdade do comparec. a eleiçtto de S. Sebastião do Passé tem de facto incongrueneias: o f.: .-. incontestavelmente.. Sou sempr"e submisso e.Sa. Ex. Se- bast. . SERPA dá um aparte. Q que digo é que não são falsas aquellas actas e essas eleições devem ser approvadas. O SR. O SR. Commissãó.' E':. O SR. sendo· faeil o engano -qu-e se nota no termo do encerramento~ como no corpo da aeta~ em tal caso. ainda quiz soe- correr-se ao final. O SR ~ ARTHUR Rros . Não sei si as actas arguidas de falsificação são favoraveis ao Sr. Arthur Rios. em que diz o secretario: Sfibscrevi e can- o feri. de aecôr<lo com os precedentes desta Ca- mara: o meio legal é deduzir do candidato mais votado os votos que excederem a 216. não me pergunte cousas -que não posso responder. não em procedente oessa allegação. ARTlIUR RIOS . na qual~ como diz o par-ecer da Commif5são.sympathiso tanto. si o I. ha incongruencias. Prisco ou a outro candidato. .accôrdo~ . PRESIDENTE . e a acta diz que s6 compareceram 223.Não quero saber e nem vem ao caso qual ê essoe resultado. sabemos tambem que no corpo. MIGUEL CASTRO -l'rfeu collega e . quando vierenl os livros pedidos. . .tem!po do Im"pierio. . O SR.do e recuou. 153- M~u nobre collega. escreve o nOffip-o em um livro que para e~te fim se' acha na mesa.ermode encerramento diz que comparecer·am 217 eleitores. qnanf-o mais a V.. o coIlega sentiu-se profunda- lnente cmbara~. precedentes que~ por serem do'. ARTHUR RIOS . Nenh-unl embaraço saffri.Peço ao nobre Deputado que p-ro- cu re resunlÍr suas observações.

Prisco para colleccionar S·. bondosa-. -arguidas do falsidade. Prisco dizia-se Deputado dadas c'umulativaulcnte duas hypotheses: prinleiro.figura o _nome do Sr.. GARCIA PI:R!ES . Não I11e quero afastar do principio que estabeleci.voz-J'á foi distribuida.. com edificação para a Canlara. c jncafla:~ de . nen) 'e~quccer . não se pud-crarn de todo destruir. e por . O. a Conl111issfio ~não acceitou.os documentos apresentados no intuito de sustentar sua pretenção. Observarei s"ámente -que: nu -sua contestação. que já estavanl apuradas. no intuito de obter ') diplOlna de -Depu- tado enl substituição ao que fôra expedido ao Deputado -eleito. por não estarem de accôrdo _eon1 ti parecer da terceira Commb. nullifi- 'tando-se essas 17 aetas. MIGUEf.ão dessas actas.o contra todas as clnendas apresentadas. Sr. Faço jnstiça :'.) Sr.· ::mtes de terminar quel'o que fique COll- signada e ben1 patente -esta 111inha declaração: vot. Prisccr -Paraiso.MA voz . MIGUEL CASTRO -l\ias.isso . evi- tando que houvesse qualquer ·macula na -eleição a . Carnrir'o da Hocha. lU ente. 'Pris:~'Ú Pal'aiso e a insufficiencia d. no vigesirno segundo I]ogar~ () Sr. Prjsco~ ql1e é n1CU anligo.pothesc desappureccu. Prisco Paraíso á 3~ Comnlissãode Veri- i!caçfio de Poderes.anf.U5signar com li ~u 1)I'Op1'10 pllnho propo8ições_ {lc que 11ão 0'~teju c. Presidente.n\·am :l. a.Entro nesta discussão com pro- fundo co. Estou ·certo àe que foi engano dos Jornuc:. Infelizmente. capitão Salvado.~ãl).nstrangimento. Na opinião do Drad{)f.proprio contc:::~.ainda uma vez désse exenlplo d-ep. D.pll- rUlldo-se essas 30 actas.IHll'ndas p-ela IllLendeneiu. qu'e. Trata de nl0strar a improcedencia dos argumentos do 11l'esnlO Sr. O SR. U1\fA.ns nelas. não leio. declara queen1 nenhuma d-essas . porqüe deseJava que o Estado da Bahia.que passálnos. (Lê.obre civisn1o. PriscoParaiso. capitão Salvador.a adver-teneia que V. que scrvíraul dr. passa o orador a occupar-se com a contestação apresentada pelo Sr~.) O SR. Ex. sobre a eleição da Bahia.r. -' Referindo-se ás rasuras de q1l1ie se te'111 fallado e que se encontranl ep1 e~rtas actas. Dito isto.· ler a con- testação publica·da pelo Sr.0 Se. segundo.id(1.que se pro-:- cedia para inauguração da RepublÍlea. . Dl'. Peço de·sculpa aos: n1CUS collegas por ter abusado por tanto tempo de sua benevolencia e agradeço-lhes a nttenção :C0l11 quo me ouviranl.. O SR. o Sr.'(}n"f~nt.HtS notas. Dle fez. e depois verificou que oellas ·estavanl apuradas.essa c1 eiçUo vein provar que a:3 indecentes trica::: quo inficionaran1 a Mon~rchia~ tÔU1 tão fortes raizes naquelle Estado. Penso ter justificadQ opa. Elle n1CSll10 o confessa. Presidente.p6de -con'- sideral' legal é o da a]Juração feitap-ela Intenàencia Municipal da Bahia e que não favorece o Sr. o Sr.r€cer da Comn1issão. 1101' qUL' l ~H'S ileLas . . hase ao Dl'. apesar iCla5 nJlodificações· por . CAs'rno . Podia ainda. ~(']'jn eleHo~ disse -e 11 e.e' ipedi Ll a nu llificaç. O orador 'é incapaz de sanccionar unla fraude. Annulladas esJ. (Jlftti'o bem. ]!. o unico resultado que se.sta hy.la e~l.

•JoSÉ AVELIlNlo (pela orde'm.eiras de Passé e de Geremoabo: seja reco- nhccj(lo D'eputado pelo Estado da Bahia o capitão Salvador Pires de Carvalho e Aragão Junior. O SR. a Caroara approva -este requerinlento ~ . approvadas as el'eições dos dislrictos . é nláo para a sua exclusãq. · . a SR. Barão de Villa Viçosa.s actas foram' aliás apuradas pela Intendencia da capital. R.tes . Que.legalirlaà2. conhecida a votação exacta dos ~andidatos. pOftanto~ divido a yotação nessas duns paJ. tem -duas partes: a prinleira é relativa ao 8r..:\. a seguhll e EMEiNID.-' Ga'J'GÍa Pú·cs. não se p6de tambem reco- nhecer válida a eleição da '5. _ 'a SR. di scus. a orador' chama a attenção para o facto de pretender o Sr. . palavra pela ordem.o parecer cuja discussão acaba de ser -encerrada. a SR. para que seja encerrada n.Vou . 'l\llg'nel C:l8Lr. o Sr. por que razão.pôr a votos o requerimento do nobre Deputado pelo Ceará. Consultada.. Mas pergunta: Si as elei(. validadas. censura "as fraudes pratÍJéadas~quer nas eleições do centro. PRESIDENTE .Requeiro o eneer- ramento da discussão. . e não foi subn1e1tida á discussão: a segunda conclusão refere-se á eleição..). sobre a qual versou o debate.ende-se annullar. ~ujos nomes apresentam vicio..05 clClllentos de .são . trata da eleição de Geremoabo.n.Não ::.a pelo parecer rn1 ~f'p:1T:l. 155 - . pret. President·e diz": Foi approvada. S. . cuja net.osn. PRESIDEINTE . JOSÉ AVELINO .Eu pedi ~a pa- lavra. quanto o nobre Deputado acaba de J11andar lIma emenda ao parecer.. O SR .ões viciada.a.que o· n1eu procedin1fmto é tanto mais justi- i"icado. ulediantc unla justincação: cujo valor o orador contest.Peço . _ Depois de pôr a votos a conclusão do parCCt~r reconhc- eendo Deputado pelo Estado da Bahia o Sr.. Conselheiro Pri~co que lhe seJanl computados votos do secções. O 'Sn. AUGUSTO FREITAS (pela ordent). Sala das sessões~18 de dezeIl1bro de 1890. l\ln:.0 interrómpc a vota0fío . e proclama Dl:pufado pelo Estado da Bahia o Sr.de S.cuja. pelas rasuras nas 30 ·parochias do centro 11od'em ser restabelecidas.. ."l secção de SanV_l\nna? E' porque o m-eio que é bom para favorecer a iDJclusáo do Sr.do cIo ~l". PRESIDE~TE . Se- hastião das CabAc.~.. apesar de revestida de todos 0.contestada. Barão de Vina Vi~. quer' nas da capital da Bahia. Barão de \Tina Viçosa.a. e parece . Depois Ide historiar -o que se passou eUl relação ás -eleições de algU111aS localidades. a orador ierrilina r1~elarando quo vot. Conselheiro Prisco.o~ l~ eomn ennSNflH'TWia d~st(! ynlo pnvi'a :í. . .a.

O SR. Presidente não foram ouvidas. PRESIDENTE . Mantenho a minha 'decisão.-" . Fran- cisco Prisco de Souza Paraiso. :ficando prejudicada a conclusã<> do parecer ~ da Gomnlissão.erosos apoiados. OUTRAS VOZES . BER.ex:gottada a ordem do dia~ le"~anto a sessão.~idente toca a campainha e pede a attenção dos Senhores Deputados) . O SR. (A~{uitos .anto. O Sr.) Estando .<\RBOSA LIMA . a decisão da Mesa não p6de ser outra senão a da im01ediata entrada do Sr. O SR.A votação foi destacada. o proclamou Deputado.ulto. VOZES .) De- claro que muitos deputados aqui votaram sem conhecim·ento do que se tratava~ porque as palavras do Sr. (Continúa o. P7'e- . não posso inter- ~omper a votação. não p6de deixar de dar-lhe immediatamente assento..ar con1 a confiança á Mêsa~ . recon!1 ecendo Deputado pelo Est. (Apoiado. (Vozeria.) O SR. .m. tumulto e o Sr. PRESIDEiS'TE . JosÉ AVELINO . (N?{. Apoiadissimo': muito bem. LAMOUNIER GODOFREDO (pela ordem) .E' a Mesa quemveri. B. A :Mesa -o declarou e não temos o di- reito de dúvidar della. Em seguida é submettida a· votos a ~A parte da emenda substitutiva. JOSÉ AVELINO .Não p-odemos fal t. R-equeiro que em um assumpto de ta'l importancia se proceda por votação nominal. Arthur Rios e Qutros senhores. Trata-se' de uma ·questão muito séria. '11.. Ex. e. perdôe-me.Depu- tados. Presiden·te de ·novo pede a aUenção da Camara). .) Fi-cou manifesto velo resultado da votação verificada que votaram pela emenda 73 Srs. (lip01:ados e não apoiados. Mantenho minha decisão. 156 - rO' SR. Conse- lbeiro Francisco Prisco d. e oontra.· .) O SR.) UMA voz .e Souza Paraíso.~ARDINO DE· CA!. o Sr.fica a votação.do Sr. O SR. . (Muitos apoiado~) . . Em vista desta re- soluCão.ado da Bahia o Sr.2. (Sttss?trros. Bahia o Sr.: Í"ltm. Levanta-se a sessão ás 2 horas e 10 minutos da tarde. quero a justiça (Muitos apoiados. a qual é· approvada. VOZES . O SR. PRESIDENTE . apartes.fPÓS . O SR. Presidente fallou bem alto. ' O SR. Pelo Regimento. proclamo Deputado pelo Estado da. Ex.~oi approvada a 2 parte da -emenda 11 . p6de votar. Contestamos que seja este" o resultado -da vo- tação . (Num'e'roscs apoiados e apartes. :~":: OUTRAS VOZES . LAMOUNIER GODOFREDO . porl. 4. Barão de ViDa Viçosa. PRESIDENTE .) Não tenho interesse em que seja' reconhecido este ou aquelle Deputado. ..apoiados.V. E" Deputado.

Q. . A' proporção que iam sendo chamados. Cunha Junior.. Epitacio Pessoa. Albuquerque Junior~ José Bernardo.:.s- pirito Santo: Belarmino Carneiro. a integridade e ·a in- dependencia da Roepublica. Indio do Brasil. Em seguida declara installados o. Braz Carneiro. Bar. mSTORICO DAS SESSÕES DE 15 DE NOVEMBRO A 31 DE DEZEMBRO DE 1890 No dia 15. . João Pedro.de Carvalho. Inno- cencio Serzedello. Almeida Barreto. ePrometto guardar a Constituicão Federal que fôr ado- ptada. Joaquim Sar-. Uchôa Rodrigues. Pinheiro Ma. Luiz de Andrade. Saldanha Marinho. Retumba.As- SIm prometto: Matta Mac. abre a sessão e manda proceder á chamada. 'Miguel de Cast~o. Martinho R'0drigues. Gomes da Sil- veira. Presidente· convidou os membros do Congresso a contrahir o formal com- promisso de bem cumprir os seus deveres pelo modo por que elle passa a fazel-o. Costa Rodrigues. no edifício destinado ao Con- gresso Nacional.André. Ramiro Bar. José Hygino. Ennes de Souza. Matta Bacellar. JoãoSeveriano. Rosa Junior. Amorim Garcia.. Anfrisio Fialho. Frederico Borges. Alm~lda Pernambuco. o mesmo Sr. de novembro. Floriano Peixoto. Goulart. José Bevilacqua~ Gon- çalo de Lagos.Aquilino do Amaral~ P~nheiro Guedes. Pires Ferreira. CavalcantI. sob a presidencia <10 Sr. Juvencio de . João Vieira. Silva Paranhos. Cantão.pelo Estado de Minas Geraes. Theophilo dos Santos~ LeIte .Tolentino . Nascimento. Leovigildo Coelho. Monteiro de :Barros. Laper. Joãó -de Siqueira. E. desempenhar fiel e legalmente o cargo que me foi con- fiado . Lauro Sodré.bosa Lima. Felicio dos Santos. Pedro Americ.. mento. . CONGRESSO NACIONAL .s trabalhos do Con- gresso.cellos. Nogueira Paranaguá. João Neiva. Bezerril~ João Lopes. Almin'o Affonso. Eduardo Wandenkolk. . Carta~o.. Justiniano de Serpa.pela Nação e sustentar a união. José AV'elino. Oliveira Galvã()~ .provisoria. José Secundino. João Barbalho. 'Coelhu e Campos: Damasio. Vieira Ribeiro. José Simeão~ Se. Cesario Alvim~ Americo Lobo. Campos SaIles..Aeouiar. Se- nador .amaro Cavalcanti. Elyseu Martins~ Alvaro Bo- telho. chado~ Falcão da Frota. Silva Canedo. Luiz Delfino. Nelson. Monteiro de Baena. TheoduretoSouto. occupados os respactivos logares pela Mesa .rrano. 'Cada um dos se- -Jrointes repres-entantes proferia a formula regimental . Casimiro Junior.hado.. Santos Andrade. ttaulino Born.' Annibal Falcão. Belfort Vieira.

J vembro d'e 1890. Caetano de Albuqu·erque. qu-e se achaul pl. Alberto Brandão. 3° e 4° secrel.Palleía. 158- =Úíncaca~ -F1YCS 'CL3 ]:'Yariça. chefe do Governo Provisorio da Repu:blica dos Estados UÍlidos do Brazil em 15 de no. Congresso Nacional pelo generalíssimo Manoel Deodoro da Fonseca. Po- lJ"earpo Víotti~ D1. Secretario -do Chefe do Governo ·Provisorio.A' Providenc. e convida os Sr. Athayde Junior. ú Sr. Ínlnlediatamente distri-buida e1n avulso aos nlenlbros do Congresso: Mensagemdirigid!a ao. Pacifico Mascarenhas. . Aristides Lobo. Gapcia Pires. Alt-indo Guanabara. . Viriato cio l'rledeiros. França Carvalho. Presidente declara que s'e 31cha en1 UU1a das antc- :. Costa Junior: Rodrigues AIYes~ Alfredo ]~lljs: . M·anhães Barreto. Sr. Arthur Rios. G-abt'iel de :Magalhães~ ~Iarioel··· Fulgencio: Astolpho Pio. Dionysio Cerql1eira. 0 . Procede-se á leitura da seguint.ia. Bueno de l)aiva~ }-'erl'eira Pires~ João· Luiz de Campos~ Martinho Prado Junior." Francisco Ba- daró. Belarnlino de M:endonça: Marciano de. Mursa: Roóolpho de Mil'anda~ Pau- lino . lla lista da cluunadn. . Fernando Sim·as e Lauro lVlüller. Oli'\l:eira Pinto. Gosta Machado. Carlos Garcia~ Rubião Junior: Fleury Curado.. Stockler.escntcs. por- tador da Mensagem dh'igida ao Congresso Nacional pelo 111'CSO'10 Sr. que regulou por leis eternas e immutaveis::·tudo quanto o universo enc-erra. Barão de S _ l\farcos. Manoel Deodoro da Fon- seca. Conde de Figueiredõ.Antonio ülyn. }'on- seca :Herm·es..alves. Mag'alhães~ Eduardo Gonç.tende á reclamação do nobre rcpI'csen- Q tanto c procede noYtlln-enLe ii chanlada dos -deputados pelo Es- tado (lo l\Iina5. 1 Secretario at. . Carlos. _'ul1'erieo Luz. Anlorinl Fi1guciras.1tra N'Ícacio. FeUciano Penna. Francisco Glicerio~ :Moraes Barros~ Lopes Chav'es. J'oaquinl Breves.ão do J~stado de Minas Geraes. alas o 81'. que (~~ por ordem da lVIe5'u. 1 Secretario a leI-a.Goncalves Chaves. lle:. do· seu nome c do dI) alguns -collcguB da depulm. Domingos J-esuino. o Sr. João Pinheiro. l\rar- colino 'Moura~ Santos Pereira. Virgílio P-essoa.' Domingos de 'l\{oraes~ Adolpbo Go l'-d o: Carvalhal~ Angelo Pinheiro.. . S1's. Apresentada e recebida.fosse elevado á· magistratura . Reclamando o Sr.arios e hlÜ'0duzil-o no re- cínt/o. conduzindo-o até á Mesa.Valladão~ Leandro· :i\facicl.-es RaInos. Francisco da 'leiga. Jacob da Paixã'o. Fonseca c Silva. a Mensag'em. Lopes Trovão: Jacques Ourique. Eaulá Gui- lllarâes. Goneah. \Ver- neck de Almeida. Dómingos Porto e João Jo Avellar. Medrado. Domingos da Rocha. Euzebio de Alnicida.5.Justiniano das Chagas.. Paulo Al'gol1o~ TosLa: Seabra.--OTiveira.. Vinhaes. l\iilton. l\1:anoel Filgucira contra il não inclusão. Thomaz Del- fino. aprouve que eu . Aristi-d-es Afaia. PrcsiLlenLe convida (). ·Fex-reira RabeHo. n1en1bros do Congresso NaCIonal . .pondcIll e fa~zenla lJrOD1CSsa l'eg'imenLal os S1's.' . Lanlounier Godo- i'r·edo. Alenxandr-e. :Fel ishello Freire: Augusto de Freitas.e Mensug-elll. Bernardino de Campos. Erico 00e1110. Chefe do Governo Provisorio. O Sr. Leopoldo de Bulhões~ Guimarães Natal. CustodiO' d'e" 1\:le]10.tho. Urbano l\farcondes.

que aconlpanhastes 3. Hoj e~ que as vistas do Inundo se Y01Ven1 para nós. de qu-e 11113 constitui depositaria. como' aconteceu. então. á sonlbra do nosso glo- rioso pavilhão.ra. que seuJ'o afigurav:.'. quando á frente dos m'eus canla- l'adas hcroicos luarchei para o campo da revolta civi·ca.honra e de dever do que os que desempenhei Dutr'ora como soldado nos canlpos de" ba- talha. pelas tremendas responsabilidades gu'e. do nosso -exercito e armada.essen1 cahido na defesa dos nossos direitos e brios conlnluns. no 111áo. estavanl julgadas as instituições sob cujo influxo gerou-se tão universal apodrecimento de con- sciencias. ·nluito anlea- cada. que a gr~nde obra que vind'€s legalizar foi a' deàucção logica~ das premIssas. os nossos canhões~ que' não tiv~eram. o posto que file ·era ãistribuido vinha com ma-is imposições. na quasi totalidade do Velho l\'lundo. supremos das instituições derrocadas~ nluito respeitaveis pelas suas virtudes privada. por ·entre acclanlaçÔespopulares. saudar-vos no anniversa~io daquelle glorioso dia. a uma simples rebellião de quartei s que se illl})OZ á cDvardia de Ull1 paiz habitado ·por quatorze nlilhões de alrl1as~ vasto quasi -e·omo a Europa. '. f-elizmente. Lá. longo de nlais. ' . -159 - SUpretl1a de nossa. ainda para os mais :refractarias. - Esses perigos. e conserval'-me ê1 existellcia. na hora e.o pre- nuncio de grandes -desmoronamentos. que () passado lançou..3. co- meçou para minl o tempo dos grandes perigos. Ohamado como brazileiro.cumpre-nos levar a corn- pleta evidencia.ecida de que. . o tl1esOUl'O dos seus destinos. 'Aqui.. de . não cogitei~ digo- vos á fé _de soldado honrado.' .de certo indifferente a injustiça conl que foi julgada a· obra mel'itoria e reden1ptora de 15 de novembro. de vonlitar a morte. Para vós. ll1as llléras excrescencias superpostas' 50bl'e uma sociedade americana de cujo seio não en1ergiraln c que nunca puderam ser assinliladas~ não i'oi difficil á· obra da calumnia. Lá. nu pessoa' dos seus eleitos. fôra-me· dado antever o ennobrecinlento de minha m-enloria ahençoada por quantos 111e soub. Patl'ia na 110ra h isLorica de 15 de novembro do anno passad-a. que ~Jostes talnbem obreiros inl1Hl1sionador:::s do lllOvimcnto que desde os tempos cü10niaes teve percursor·cs e 111 artyrcs. nenhum ataque a patrl-:: " . no llleu ultimo alento de vida. gr-aças á revolução heroica e patriotica.pdú. esqu. não passou ··. principalnlente. entregando- vos os destinos da· Nação. . uso que eu pudesse fazer da grande sonlnla -de poder' d'e que os acontecimentos nle investi~nl e da qual. celeridade e precisão das e\~Dluções J'e1publicanas nos ultiUl0::.ln que. assunli. tão suave e naturalmente delle' deco~­ ridas· -que nenbuma gottade sangue. saudaranl a in- tegralizaçã·Q democratica da America. si fôra isso verdade. atr:avéz de ulllp:eri. cujo desapparecim-ento. que consistianl.' anuos do Imperio. tenho- os como de todo POfr'toconjurados ao restituir á Nação. que 3 sua retina perscrutador.· onde s6 conheciam do nosso paiz os representantes . do de·speiLo e da especulação bflixar os grandús c patl'ioticosacontecimentos que unificaram a Amel'ica enl unl só pensamento.a não terá um ponto unico de C011ve1'- gencia. ficando-llle a consciencia senl sonl- bras de remorsos e' o cor~ão se111 as nlagoas que 3'erall1 os de- veres não cumpridos. pareça . pa.

em 1822 a palavra suprema dos JlOSSOS anheIos. :Na America a '. para o mundo. Inconfidencia Mineira. ." mediatamente no governo de nossa Patria.triotas abnegados. E de tal modo sabiamos impõr a nossa vontade sobe- rana. Atirada . todos os motin5' e revoltas poli- ticas. ~ :E para os que quizerenl ver na" independencia alcançada . .archia esLavã ao desàmparo dastra- . P.forám-Ihe refugio.que banimos o primeiro Imperador. do desdobre dos seus ·mantos. - Neste ultimo quarto de seculo as idéas liberaes tomaram grande des. A victoria· da democracia era tanto mais de es- perar-se.ado de dissolução-. uma obra sem raiz~s. tendo deante .de si. ".. havia -a vontade irresponsavel do ex-Tmperador~ que." na Historia nã'Ú podia fallar á imaginação e gratidão dos povos pelos' feitos que os tornassem livres e poderosos. a semente da revolta. correcçã(T ante o ex-ImperadÚ'r. apontaremos o 7 de abril de 1831.por uma lufada revolucionaria da El. que se associou ao Governo" nos seus actos de: respeitosa. OÍl. si fôra possivel termo l-o como nosso simples concidadão. .entemente· tranquillo . as vib!acõe~ . . politico antigo. • A. que sent~a. entretanto.160- monios de quem quer seja empanaram o brilho á grande vi-: ctoria sandada:pela Nação" inteira.envolvimento~ e não havia como conter a 'sua forva de expansão. a aspiração da liberdade penetrou no intimo de todas as consciencias e gerou as erupções te~riveis da soberania da razão contra as :violencias ou fraudes" da soberania da convenção. que ás revoluções seguiam sempre as reformas.onvicção de . . nunca accentuaram. ~ua esterilidade para o bem.sangue francez~ se :escreveu a reforma. quanto era certo que todos os antigos centros de· re- ~istencia "monarchica estavam de ha muito em adeantado es- :f. que receberam. que agazalhariamos com o mais entranhado" afíecto nesta IPatria. da tenacidade com ·que eom. devia sentir muitas vezes o tedio que a ommpo- teneia sem contraste acarreta. .s os oDstaculos "qu-eencontravamos.-. annullados. " Tinham' os nossos maiores um tal culto pela democracia~ que um s6 élo -do despútismo antigo não era quebrado sem que não respondessemos com a adhesão armada. COlno força inllpulsora de toda a machina p0litica..batiamo.d-e~ com o .conter a pronunciada aspiração re- publicana de então. tambem sua. do direito. ". ". principalmente quando no fundo das consciencias dos que a . liberdade ~om o sangue" sagrado de pa. simplesmente.estado de cousas. Deste . sublimes de coragem e resignação na hora do mar- tyrio. .8 se- SUrg para a l\fonarchia.:Mo-rJ. todos os orgãosdo governo consagrados pela Constituição.:. Da nossa preoccupação constante de influir directae im. poude . dições de heroismo de seus fundadores. que minavam o s6Io da Patria~ até a sangrenta revoluçãJ) de 1817. só o ainda quasi berço de um orphão.ex-ercem ha a c. purpuras e arminhos. em . . idéa de emanci- ~acão colonial. ao mesmo tempo." No mais sombrio da nossa existencia colonial. appar.U"opa. existem traços indeleveis nas paginas da· historia conteroporanea.. em vez das p-erseguições. celebrando as paschoas da.que elle confiou á nossa guarda e carinhos.as nossas plaga.

apezar das grandes resistencias republicanas que 'enfrentavam.a p. Desde então pronunciou-se a crise. das grandes 'C . Não se mudam instituições para per- sistir eUl defeitos inveterados. Alcançada assim a victoria. . que trazia o senh-oI' e o es·cravo accorrentados no mesn10 grilhão. a nossa missão era . ~ras a autoridade nunca ser-ú forte senão C0111 a condição de que os orgãos . com o co- nhecimento exa'cto das circumstancias e das necessidades reaes do paiz: com o aperfeiçoamento da educação popular. nas urnas os mil meios de corrupção empregados pelos s-eus agentes. ha de ir re- cebendo com o tempo. e o nosso prestigio no exterior. pralibando a sua renovação em 1'e- hento.e honi-ens. embora finda. e á liber'dade-a extensão que lhes é propria c de que depende essencialmente a ordeul .povo~ vis·an1 ?-ntesc!e. ou para causar simples deslo- cações d. que deu logal~ ao seu <lesappareciU1ento subito. Até hontem. no -exercito e armada nacionaes ameaçados. 'veUl dahi a' nossa forca no ·int-erior. ter. .. banido para sempre do seio Da America um regimen antagonico com a sua hegemonia.~ ll1edidas ·tendentes a tornar Invlolavels .do poder pub'lic0 funccionem dentro d~ lei com o maispoerfeito espirito de solidariedade e de unIão.as garantIas SOClaes. cumpre-nos voltar vistas solicitas 13 patrioticas para a con- quista !"ealizada. os. ..em vida do segundo.palra" a causa denlocratica.a ~stucia -e a audacia: servidas por all1- blÇoeS sem hmItes." . '-161 --'.melhor:1~· de condição. Felizmente . suppunha. Taes' e tão ·elevados intuitos não se . por mil dependencias diversas.. com a sua aspiração de liberdade. que . 05 retoques e re- 1'01'111aS indispensaveis á sua consolidação.mais vigoroso. ainda . E' illdispensavel a· harmoni3: n~ con.principias sobre que repousa a teologia sagrada do direito. -devIam plantar no 5610 da Patria. .conseguem senlque.' se combinem para dar á autoridade. furtalecer o lmperlO das leIS -e relvmdICar o papel que lhes cabe no governo da sociedade. nasceu a idéa de 'uni t~r~eiro rein~d~.civil e politica . encontrou os soldados cidadã'Üs firn1es e resolutos para ampararem tambem a causa da liberdade civil. Não n. Nas revoluções ~ em' que preponderam QS . da. hoje o nosso suprerno· dever perante a Patria e· o lllundô é conser- vaI-a e engrandeceI-a.aiz que resista á desharmonia dos seu? fi . cpara a obra que. um ultimo reducto a vencer para submetter a alma nacional. Quando a Monarchla. havia desapparecido Cúmpletamente a nefanda instituição do trabalho servil. com as tendencias das civi- lizações 'que se formavam e desenyolviam após a grande re-·-=- volução que definiu os dogmas' dos direitos do homem. as nossas industrias. g'overnantes ·e g·overnactos.fundar a Republica.indefinidas correntes que trabalhavam conio que subterraneamente a alma nacional.· 'como violentos c in- sanos foram os rneios empregados para o seu fortal-ecimento c salvação. coma observação dos factos. que queria o direito de agir livremente qual fôra reconhecido ao escravo. da justiça e da liberdade.tmfo.e política das classes e dos partido"s~' com as expansões que for-em tendo as nossas riquezas. ao qual se prendiam. instantaneo.cepção e ex:ecução.. todas as manifestações da vida _economica nacional.

resguardando da vel'~atllidadc dos partido.itucnl a . '11flo deve ünpol'tar.o~ Ulll Iprineipio~ Uln compendio de .prI'opria. para.Saln as edades. Ü pdnlcü'o Inlpel'10 S1.os dominios da liberdade e defendem a sociedade eonlra a tyrannia o as usurpaoõ:es.de obedecer-Hle .I~nda[ ao funcciouamenl•. classes aos luais t~Tannicos tl'ato.jdl. de cada povo.s. conduzir-nos á revolução on il.politicas: clla é o palladium da nossa integridade territorial. .\. pe!a.s~ qu c atl'ave:-:.e..s nações do globo.lectIvo no dIa em que proferem a sua sen- tença nas urnas.lCeUlllbiu á impopulal'idHde de urn dCS1l1elnbranlento do tcrritorio nacional. ·diss~lução.onstancia das situações~ g'al'anUas l~ direitos~ que formanl a essencia~ a substancia: a JJas'Ü da sociedade civil e politica. e ''-~ l'xl.'~aggl'egação da .lJ~ l11a 1:5 l'orte~ l:l(:o~ dp :::01 jd~lI'iedade nacional. a que a sua fatal politica járnais soube impôr silencio. De nada servirá a solidariéda{le dos governo5~ si os es- tados de que se conlpllzcr a União não forenl estabelecendo 't~ntl'P ~i . Desempenhado o seu papel de soberania. a cada phantasia q.perfeiLa~ deve representara expressão \iiva~ palpi lall Le~ da experiencia e das necessidade. . hUnlana e pr'atica. nem sub-· :'5tituil' a lnissào quo lhes é . o segundo viveu sob conBtantes alneaças de invasões e absol.. A autoridade faziu rUlllO para o absolutisITlO e a LYl'tlllUia: e o po\'o~ vendo violada Ulna..Patria. p()n~lll~ não con'1'undil' os partidos com as facções. ' Viemos de unI passa'dCl de oppl'essivas deseg'ualdades s-üciacs e de um l'cgll11en onde o irnperio da lei se achava cülllpletamente falseado.mais efficaz das garantias de est.::.. D. cõnl os elelnentos de civilização o de pro- ..5 abstraccõ·eg que acaso possan. E' il11possivel. " ~!e5ta: arden] de instituições OiS partidos políticos con-· ~l. llu l'e~dmelL l·l~pull\icano. sen1 duvida: a todas as revoltas do nosso direi to. o perigo das 11luovuções.A: obra legis- l:tLiYH.tituíções.nrgãos pensantes e diI'igentes. .tanJ. cllcs dilatalTI. autolllHnia do governo local. . e nos arrastará. Cada povo tern 110:5 seus InonUlDentos n. Não será por certo a Republica que transija: nesse ponto~ que affecta todos os n1clindres de nosso caractel'.ue surge~ destru]I' J1'10llUl11entos que resistiram ás revo1twões~ ·que atravessaram os tempos c definiran1 o caracl. a aliarchia o' cúnvulsiona.:\. . O tempo indica a oP'PorLunidadc das lcis~ (1 tempo as re- fúrma ou as -del'oga. .pções.sob ° r~gimen que adoptánl0s~ os 'par- tIdos flcanl senl ob. l) principal deycr da autoridade é executar a lei smn 'VaCll- 1a<:li}e~~ e o do cidadão o. viVeL' ~obl'C o ilnperio de leis anachronicas: nlas tanlben1 nada lnais funesto do que. lH. ~ada apressou 111ais a quéda dn.er e as instituiç!õ'es de urna na(~ão . prcscripção~ acre- ditava ter sido abolida UlllU restricção á sua liberdad. qU.bení.s e da inc.sClJ) condiçõ'cs. fUl1damcJJl êle.enl~is~ .l pa~sad(l l'cgÜUCtt. Para asseg-urar a prosperidade e (I prestigio das novas ins. Convém. tão tenazmente ple~~~ari~ pela UH i. Gravo é .g-islativos Ulna tradiçã.pr~alirlade llns bl'a:-:i1ell'o:-.) felizmente abolin10s e que condllziran1 a Patl'ia ás 111aiores degradações 'C as. seI" .l'es~o~ com que hoje contanl quasi todas a.rangeiro o invade. Sern isso tOl'nurenl0S ao dOlninio da ilnarchia e das facções.1 normal das 'nossas in~LÚuit-ões . Essa 'união' llâll é s(Í '~5:.abilidade e>· de progresso.:\Ionalrchia do que o concurso da auctorjdade -o do provo para 'vlo]arenl a lei. :1 dt.~a!..1.

5 da nO~'sa l)atria. . com os seus corpos de ·ma- gistratura.Õ'-es prof. A nossa foi a consagraçãó do pensalnenre nacional.nv." Talé. sobretudo.balho~ que ba~­ Lal'Ía ~olltenlpl. que deferia para a Euro. e tão elevado foi o ponto de vista em que nos collocául0S que. ell 1 lodos os ramos da illdu::. c as que não o fizeram atl5 agora.actividadc i aI. O ou(.incnos yiolcncias aos advel'sarios~ do que as antigas lnudallças de· l)arLido no Governo sob o J mperio.onIO rt'p- Lellcia do Novo ~lundo.mcIL para outro. e 'que~ quebrando o longo lPredonünio de UUla politica de ccntralizaç.a 1'firnul. o nlodo por que se Illunifcstou a con- fiança na ~oJ idez LIa obra de 15 de. As revoluções. a firnleza da R<ú.so espectaculo da llossa ':l'eco1. .". senlpre lalnentaveis. procurei impriIllir nos· actos políticos do Governo Provisori'J a expressão Inais hunlana e mais suave . ·iD3- iodos são indistinctan1ente operarios do progresso '8 ~ ·da civi- lização.ar O· inl111en. foram lnantidos -e prestaram á causa da ordcDl e da reconstrucção da Patria l). troUxe para o eredlt~ . No período revolu.a do mais elevado alcance lJoliLieu .l esLá na confiança geral. pr·j.\.. .· çleverenl ser encaradas as novas circUDlstancias poli- tic3. vin10s no intcrior ahril'-:.i- J'OS~ art'il'mal'anl perante l) nlundu a sua perfeita solidariedade do var:as polCllCias üUl'opéas. . con") menos abalo nos interesses. menos panico' nos espiritos.cionario e al101'Jnal.· O novo regimen~ cOp1 aspiral' ti maio)' fraLP-l'uidadc c alnizadc com todas as nações do globo. da ordem tpublica.'itivos da vontade na- donaL O l'eg-ilncll d·ecahido representava un1a longa tradi~{ãl) monarchka.e'· uma p:hase de expansão e de .ão e de absorpção da iniciativa. qual .ões.oJlOlnica para convencermo-nos de que só DOS fal- tava a p]cn i tude. Trallquil1izados Lodos os interesses e acceitas as rc- :5poll~alJiliuade:5 da Ka~~ão Bl'azilejra~ qualquer que fosse a :l'aLalidade da politica que vigorou nos scus aetos.0 l'c~oLlhcciulCnLo oefüütivo da Thcpllblica üas Est:adosUIlilJo~ do Brazil por f)(.que a a:3-piração d~ Governo não depende nlaIS llerll das ilnpaciencias~ nenl das cons. f.undas para se imporem 55.l'lle~ão ec. jfim(lis deixará de. que úXigCIU reacções c demoliç.'. {lUC se 11lanifeslou <lesdc os prin1ciros· dias da nossa organi- zação. que atl'aVeSsalno€:. Srs. a maior parte das leis do antigo regimeu.ilJ.S ntais assignadalos serviços. nUVell1UrO teve u'lna cx- ]ll'e~5ãu dllpla~. O que caracterizou.M edidas Ue certa gravidade fOranl tomadas para iU1.rnlOS UJna lla~ão grande e pro~pcra.pirac.eitas as indis. que se rnanifcstoll CU1 todas as 11lcdidas econoluicas e financeiras que temos realizado. qne. Xo cxLcl'ioJ. e á sonl'bra da paz cl'feciuou-sc a transiçãú de um regi.das fiberdades aUlericaúas para se.pa grande somnla de in- flncnc.pensaveis altera~ões.l'C·umbc desernpNlhul' c. aguarda]}} CCl'lalllente actos lnais {lo::.pulJlica e a confornlidadc da Nação C0l11 ella~ foi a confiança geral.:.ro nlodo por que foi considerada a solidez da Re- pulJlic:.ía na· politica anlericana. e a lHis'sãoquc lhe. luembros do Congresso~ o modo ilo~que en- tendo. visto .r a inuependüncia da Vatl'ia Bl'U- zHeira.uLc dlc.1- ~t. C01l1 o funccionalismo ·de todas as classes.lria~ do trêl.0 de cpheulero exito c custam cruentos sacrificios. individ~l1al.. varios ·esbados anlcri'canos.pe 1lil' J'eivil1dicta~~ ou evitar perturbações.

r.~ vt'I'dadeiramcntc phenollleual dadas llS condições de um re-: . ..so: e que inda. Devendo a Republica levar a todos os pontos dos· seus dOluinios territoriaes os elementos de progresso n1aterial que arm'em. .nno a esta p~a. . Este periodo. a essas abruptas oscilla:. que . nossa hlstorla polltIca e financeira. regras.sos. 164.está em vias de se completar. . por assim dizer. que se fazia sentir viva.reformas de não inferior alcance no que coneerne ao regimen tributario. o governo procurou dar nlais autonoll1ia· ás classes industriaes.Ç!eve ter horizontes amplissimJJs e' claros.Oéste da Republica o mesmo silvo de vida.======= --=== ào Brazil ~ mais extenso presl. que . iJnperiosa e intransigente nos periodos eleitoraes. á qual tem sido dada nova e mui diversa orientação. _. Cuidámos C0111 a nlaior solicitude do assumpto relativo á viação ferrea da Republica! fazendo-a obedecer a um plano de ligações de todos os estados confederados~ muitos. sem precedentes na.as populações para a lucta pela'vida e pela Patria in- dispensavel é esclarecer-lhes.:imcn 110YO~ CJjllJO l) no:. sob a f6rma deemprestimos. de par~ o elitenãimento. De unl a. alénl dos fortes. quanto todas ellas tendiam a dinlinuir as responsabilidades e os encargos do Thesouro e a fazer entrar para os cariaes da circulação e gyro das transaccões capitae"s inactivos e impro- ductivos... -. SI) conrheciam do centro a omnipotencia. indissoluveis laços moraes que nos .r ~ Por eguaL cogitámos do momentoso' problema da in- strucção pubrlica. .im- lnigracão de capitaes -extrarigeiros que procuram collocacão nas nossas industrias.ginlen bancario. o governo attendeu . . que acarretavam annual~nente os maiores saldos 'Contra o Brazil. junjam-o-nos. Alén1 disso. tanto mais -dignas do apreço nacional. . . reunida$. por' efernas e bem tempe- radas cintas de aço sobre que manobre' a Iocpmotiva em cam- pos de fraternidade economic~ laneando dos seus pulmões esbrazeados! para o Norte e para o Sul. espera os ultimos . de união e de pode. permittiu ao governo eífectuar reformas de in- -eontestavel alcance. que se associam ás nossas e-mpreza5) que h~m trazido al entos extJ'Hordiuari·')s ao trabalho na'cional. par E'ste e para . Cumpre que.a .. . quão estreito era o ter- reno cedido pelos governos passados á actividade~ ao trabalho e aos capítaes particulares. que nUla politica de imprevidencia e de processos empyricos havia convertido en1 recursos ordinarios do The- souro. o re.par com as grandes medidas que formam. . o regimen das terras. e os resul- taJdos beneficos_nã:o se têm feito esperar! fixando entre nós amoeda metal1ica e pondo. De .prendeln e que puderan1 resistir a tantos e tão graves erroS'. .. modifi- cando no sentido mais liberal :possível as antigas leis que re- gulavan1 as instituições do anol1j"lllato. . para não dizer um paradeiro.igio e a mais illimitada fé 'nos seus inesgottaveis reoo. um systema e um plano financeiro. .antes do POYO para sabir da phase provlso- l'ja~ que lhe era pl'oprin.. de cuja~ urnas obtinha sempre approvação inconsciente dos seus actas. Só então pudemos avaliar quanto é ~xtensa a confiança depositada ·no governo republicano.qes e baixas de cambio. dos quaes~ entregues aos seus unicos e minguados recursos. e este passo abriu vastíssimo campo á iniciativa individual. egualnlente.~tG­ ques dos rep['csenf.

pel. Com effeito~ fazia-se necessario dar á justiça federal sua fórnla poouliar.tJra em deante seu elevado papel.vura c a corag-eU1 hunlanas. Aos grandes line'amentos do organismo judiciario Segt11- ran1-se reformas e melhoramentos na nossa legislação c:r. da súbmissão do automato. obedecendo á forca dirigente.~ndo lnvasao ou ~ pret~rlçao da vontade soberal?-a da N~~o. pareceü iri. mais soffreram sem se rebeUar. anlbos jámais desempenharam na sua Pat.i- minal~ e Ulll codigo foi. pois~ adoptado o typo da unidade de legislação civil e criminal." abalavel~ o Governo ~Proviosrio: rep. no s'entimento christão do povo bra- zileiro _ Cun1pria tanlbenl elevar o nivel das duas olasses que sob o longo dominio do 'extincto Imperio.. Amhos soffrcram. :Quanto ao Codigo Civil. legendarios. decretando a Constituição· Politiea que tem de reger a Republica dos Estados Unidos do BraziL Es~e ac~o. comtudo..glorias no nosso passado.. mais esperaram sem se· :l.resentante da vontade da Nação. ·as tradicõ~s que predominam na nossa bistoria. anlbos luctaram.projecto que tem de servir de base á vossa deliberação~ e tudo induz a crer que teremos uma ohra na al- tura da civiUsacão do nosso temp'Ü~ respeitadas.o Geral estava naturalmente' sem objectivo. m. Si ha .anto pos- sivel.ais sangue der- ramaram pela liberdade e pela integridade da Patria.. na nossá raça . .D. Cumpria.ria pa. tlnha como conseqUenCla de elevado alcance socIal e pohtIc') o merito de apressar o regimen da legalidade. qu. anlbos l)ossuem no~es .~t. decretado~ tendo em vista as mais'4i- beraes e as mais humanas doutrinas a -par das mais solidas garantias á liberdade~ á vida~ á propriedade e ao direito que lhe são consectarios. !como 'mais conforme ás_ normas fundamentaes do direito e a constituição das so- ciedades politjcas~ que uma lei fosse decretada. J65"- Quando a confiança g~ral~ interna e externa.iS celebrados capitães. tr-acando a linha de demarcação éntre a Justiça federal conl o corpo de magistrados e tribunaes que lhe são proprios. pelo nlod~ 'por que foi prati~ado. sem que os seus sacrifícios e o seu heroi5IDo tivessem outra expressão {Tue não foss'e n. e. já contractou o . estas plert~ncem ao Exereito e á Armada brazilBiras. e de dar· desde logo o typO geral para as refornlas ·que se fazia de misMr- ~ldeantar. enl conformidade con1 o systema de Federação" que :1doptámos '8 que enl sua maxima parte funcciona desde o dia 15 de novembro. e definir~ por uma lei organica. sentanea com o caracter nacional~ o modo por que a justiça e os "tribunaes têm de exercer de . . e a justiça local. não impor- t.e.icruilar. .l1. sobretudo. entendeu de usar mais amplam-ente do deposito que lhe foi confiado. visto que esta/ qu:anto ao . n obra que mais contribuirá peJa uniformidade de seu imperia enl toda a Republica: para oon- solidar a União Federal do Brazil em uma s6 Patria.' si ha uma historla que honra a bra. como o dos H13.pessoal e eoctensão de attri- buições~ ten) de adstringir-se ao que fôrestabelecidope!a Constituição particular de cada Estado.inos e na altl11~:t dos serVIços impagaveis prestados i't causa da orden1 e da liberdade. Adquirida a autonomia: tão ardentemente anh-elada pelas antigas provincias~ n oentralização do Govern.f's dr. co~pa­ tivel "e0111 OB sens qrand. o 60- verno~ convencido de que essa necessidade vitâl é inadiavel. liberal e con-.

a-sc tnmhcnl :í.a.eiçoar-lhe o conhecinlento e Il1anejo das -arnla~~ forrnar-Ihe. como a PrQ- videncia e a. o EXcl'- citD e a Armada affl'ontaranl inlpavidos os .at não seria .-.· ohedrencia senl trahir a honra e a Patria.gim'~n.anl. Ist.aneus ás necrssiclndes verjfjcadns c :í c"X- ])~rÍfmcia c. o Exercito-e-. ·Na hora historica el}l que foi preciso salvar a liberdade c a Patrla~ 8alvando ao nlesmo tenlp{) a pr. A.onI1eci-da. náp. mas apurando no crisol do dever (J ooupatriotisTI10. onde as reformas rcaliza{las ajustan1-se pp.os n. ArmarIa.o-=soldado. expressã·) de iml)Osto ele sangue~ 'p!ara qualificaI-os COUlO a 111ai5 ele- vada c a 'In ais nobre func~ão pública que () cidadão é cha- 111ado a desmnpen.crificios heroicos e· de resignados :soffrilnentos. c progranlmas adoptados pr~cisanl recchúL' alt.m.r- d inuCiocOUlo-.anlcntos da civilizaçã·o 1l1odcrna nas '~slJecialilfades qne a un1 DlilituI' dcvmn ser familjares~ e preparar~ assim. justic-a estão senlpre do lado dós op:prinl id. data esta que ser:í de ora em fleallte a hegyra da Repuhliéa Braz.-Cunlpria elevar t:unbcm o nível dos . cumpri a ao Governo repnblic. póde . principalnlente~ a justiça. tendo em~ yist. adoptaI-os aos progres~os~ progralnma~ f' adp.que._. ·Cabe ao Exercito e á Arlllada a gloria de ter effectuado fi . ~stOl1 ('onY~ncir1n ele qne ao inf!nxo do e~pirit'O rnn(](1)'on tini p n::.perigos 'e as in- certezas da jornada ell1prehendida contra unla tradição de ires seculos e unla in5t. Fiel -us leis da disciplina. c tU'ar aos" seus serviç. lllilitares.e a"os' nlcthlJdos nlodernos n1ais aperfci~03rJOS.yrannico.t egridade do sólo brazi- lrl1'o.. preoc- cupacão dO antigo reginlen Jfoi a sempre traz€l-as jungidas á ignol:ancia~ l'ednzil-:ls a instrunlentos -passivos.ilitar~ o soldado .possivel denl0!'ar a decre- tação de reforlnas que eollocassen1 as forças arnladas do Brazil (111) condicões Qe l'1?spollder pela.dogl'nas. nâó tragando af- fronfi8iS. e esta 'Conquista ropresenta unla somnla ·tão g'rande de sa..opria honra.."udos sup.1 enla penal f. entretanto~ feitas todas as reparações a qüe as elasscs n1iHtaI'es tinham indontesta. ainda quando Ull1a nova OI'': ganização não devesse ser" effectuada ap6s a revolução. Inanutcnçao da ordem geral. o que era. o caracter e a disciplina.a. aperf.SO Exercito..ileira.o. . qu'e. applic. Não estavanl. a Icnlbrar1c'. sublnettendo o soldado~ revel ao d~ver~ a nnl sy::. o~ luais altos· destinos para essa nlocidade~ que acóde fervoI'o~a d~ I.igo l'p. llf'ga.. qne levo dito quanto ao Excrcif. a victoria dos valentes soldados c n1arinheiros do Brazil inl- púz-se. opprimil-as pelo systema barharo do terror...rfcita- lupnt.har . pela inquebrantada.. Com . irresistivel e fatal como ·0 de~tino. que não póde .praçôes con~ent.vel direito. em J'~cDnhccinlento a s(ll'viços de qu~ a Patria guardaI'á~ sempre agradecida. Taes refornlas estão feHas~ e s6 o tenlpO poderá dizer si o:.odog os angulos da Republica~ pedin(}o logares nas fj.revolução de 15 de ilovcnlbro. tendo 05 -principios da subo.~er para o soldado a tortura ou a rlegradação social. de tanto alcance era inrlís'- pensavel conleçar' pela elevação do nivel nl0ral do soldado hrazileiro. dar-lhe a instrucção necessatja.}eir:l-s do nofo. :L Armada brazileiros pena-ranl ldilgos' annos.os.eriores. 'Concepçóps n0va~ rln deYel~ Jr.csacratissinl0s. Para attingir rleside-ratu. tnmbcnl justo apl'cço ás vocações qne se consagranl á rude' vida domar.itui~ão espuria na Alnel"ica~ e.(t eaneellanlento de todos os proce~sos gastos do· an- ·1. in.o.ano providenciar para que O· Codigo :Militar' fosse or- ganizado.

AJmeida Bareeto e llnrniro B3. Eln -seguida~ ~equereu verbal111'cnte o Sr. mai~ nn~ apj11'oximarcmos do ideal a queasp'iranl os pOYüS que lmsemn na lihC'l'dadc o domínio ~Ja jusLíç:1 c do direito. co·mo próvido. Paranag'w.f 1eÍ ~' aos~ [clie1"es':o-elf:~\':ã""B o :6onduz á gloria. l\ilayrínk~ Amphilophio.. . O Sr. Quintino Bocayuva.ã0 composta de senadores c flPllll- tudo:::: para.ra em dcant~ reconhecer que a sua forca ~~stállº_respeitÚ'. e InluHo exig'c e espera a Nfl~fio 410 vosso patriotismo.João Pedro. . Sejam estes 05 rurnosda Patria nova~ 11nio0'5 quo no~ POdOUl conduzir á altura dos destinos que nos estão reservado::.passi:vi. . . . Ha nnl anno apenas qu o in iciúmos a demolição de trr~ ~<'C1]ln. CO:\fPRO:.ração foi! não só acthío.to. Rodrlg:lle~ Fernandes. Acceita a indicação~ por acclanlaçãodo Congresso.. Membros do ·Cougtesso .. Seabra! a no- lnra~ão de U1l1a Comn11s:. si.nerico Lobo. 167-' brazileiro saberá de o.Tacques' Onriquc! Theo- phil0 dos Santgs~ Innocencio Serzedello cCusCodio de Mello.SEC"\.:. o Sr. Tavares Ba:.s qno Rn.Junior.3. Senn- (lOl~es: Amaro Cavalcanti.· Xogucil'a.i.pur te·fi l1arnlonia os orgãos do podor ·publico conl as necessidades .se na' paz e na guerra.\llSS0 REGIlVfENTAL Contrahenl perante a Mesa o cornpronlisso regimen{. Pr·esidente. : An1aro CavalcantL .n demolição não t~m sido '11'0nl será ján1uís n de- ":1~1 :u:ão (in ~onquistadOI\ porque. de . Nilo Peçanha~ Rosa e Silva. . : Yamos todos cn. 1·P1.J.wrsenl. DEOOOHO n.Le regínum.ti~rize5sem desde logo a to(~as as' exigcncias de::.\ FO::-'.sua digni- dade. Muito resta ainda n fazer..irl['n(-(~ llomeir a Cnmmis~ãn que deve introduzir no recinto os Sr~. .1'a11 ir o compromisso regimental. Za·lna.no.al os Srs.1anlo mai~ ~()ln'ios e J"írmes no:-.do presente ·e as instituições novas da polHioa. . que a ""ua autononlia e o·seu :prestígio. Prf~. Henrique de Carvalho.. COll~I\I'\"m~mns como·.rcellos~ ·e Deputado~'5 St:abra.P achan1 na ante-sala c que ainda nüo ti\"<'1'a111 occasião ·de elln- 1. 1.cIade intelligente B pen- sant-e a que elledeve reduzir. Ql.de.ria era nossa. Elvseu ·!\1artins.r-cilo do futuro. Lcovegildo Fil- 1!ueiras.·Pereira· Lyra. na Amürica. ·PAdrn ~Pnu­ lino..eri:da Gornmissão O~ Srs. J . em nome da :\'ação Brazjl('jra~ e-llmprjmenl. ~L\?\'OEr. Na ses5áo :dc -18 requereu o Sr. pelo estúdo que fizerdes da nlal"cha .minhn dj. .irdn com o ReginHm.sentimento. Srs .allties qUA ::.lllQll1'cia para a ref. Haveis de I"econheccr. Para -destruir ns incongruencias do passado e .. Sá Andrflde~ Ill1Y Bar- bosa: Corrêa HahelJo~ Saeaivu' e Cnryalhul. que só'l:i ooedíenc'ià'.tos~ FranCl~cn Machado.al' () ch0fe do ·Governo Provisorio. n Sr. Ca:=::siano (I.dos publicos negocios quê 1 o n:iOvimento inlprimido em todos os -outros ran10S da adlni- nist. COD10 classe! dependem essencialIuent-e da .YCnCedOl'cB.' Thoodoro Paehrco.:-. n Secretario que! de ac- c.Est:eves .". . FrnneÍSC0 Amaral e Pedro Americó.) Nascil11'Cnt()~ Domingos Vicente. Ub~ldino Anlaral. A. ]~::.a Pal. repuhlicana! eram de 11listér reforIT).mesl11o:~e-cc.. iPresidente 110111cia p31'a n referida Conln1issân os Srs.

«Notabilissi. para obtel-n. 'sahindo da re'\rolução~ armado de toda a força e . «lPo. sem duvida~ a posjcáo de chefe de Es- lado.ão elevado . Generalissimo. e é por isso que vos enviando a sua saudação: espera que continueis a cooperar com vosso ._ 1_.%'/) ter errado..""{ei guiar a nã:o ser .poder illimi- tados do dictaclor~ s6mente delles usára para a obra do bem~ para manter a {)rdem e a paz publica. si aqu-elle que a -occupa faz como v6s.. 'procurei fundar uma dictadura. e: em t. creada :pela revolução de 15 de novembro. não s6 para melhor corresponder á . é possivel que o meu Governo tenha commettido mais· de um desacerto administrativo. para tudo quanto fôr de bem. : «Sopitando.· Amaro Cavalcanti~ na qualidade de orador da Commissão encarregada de saudar~ o chefe do Go- verno ProvÍsorio. declara que usou -da palavra nos seguintes t-ermos: «Generalissimo .se engrandece realmente aos olhos do reconhecimento pu- ~blico c da . . a impetuosidJ.confiança geral do pajz~ mas ainda egualmente para evitar ·mntivos de appre-.de de sentimentos p-essoaes. do Congresso~ o Sr. não é TI1enOS. como o primeiro e nlaior eol- laborador da obra patriotica da nossa reconstrucção politica.de paz e -de har- monia. ás vezes. c sobremaneira tão recommendavel. da Pairia.t'.justiça.Na minha vida de homem publico não diviso um mon1entomais feliz do que este~ enl _que a Nação Brasileira.cstigio e esforços de provado civismo na . para manter a digni. - «Mas. o SI". _ . reunida . que um dos grand'C~ ___generaes da antiguidade ousou affirmar que. . em pról do engran- decin1ento da Patria Brasileira ~. o sagrado 56]0·. Respondendo á saudação.mcetada pela grandiosa ['evolução de 15 de novembro. seria licito violar -o' proprio direito.ma é. o qual nem sempre -mostrara-se bem disposto a julgar com· inteira justiça os actos =do governo revolucionario.- hensõ-es desfavoraveis no extrangeiro. Generalís- simo disse: «Durante o ten1po de un1 anno~ em que exerci as fllucções de dictador~ não tive outro pensamento. que~ já benemerito da Patria por seus longos e importantissimos serviços militares prestados conl denodo á causa publica. -em defesa da honra._ . que se acha possuído o Congresso. porém. de razão e de direito. da gloria e di- gnidade nacional. a consciencia tranquil1a~ porque nunca me dei. .consolidaçãO' de- finitiva dao-bra patri0tica que tão sabiamente se acha en- cetada. que.pelas suggestões do bem eommum~ que me· estava confIado . .oda a sua integridade. nem outro intuito que não fosse servir ao meu paiz na nova ordem de cousas.em seu primeiro Oongresso da RClPlUblica.conducta~ como r-hefc do Governo Provisorío.: . «Podemos assegurar-vos~ que o Congresso Nacional nutre [este t. _ .pr. daclB nacional. rnanda-nle e aos iIIu~tres companheiros de Gommissão sau3ur ao Brazilciro distincto. semelhant-e posição s6mente se· cleva 'e ..conceito a respeito de vossa.' . «E acceitae nestas curtas phrases a consubstanciação dos sentimentos de. tenho.. 168- __ Em seguida.

o feita. de- creta: .Prcsjdentf\ da RepubJie-a. -- A1fl.A.o sinceranlenlc as felicitações que me dirigiu o Congresso Nacional.» Susr. o direito e a justiça. ..ituiaão . nacional. appl'ova a .» . :l S'0- guinte I' ~<O CnngrcsBoo Naciona1.A. a .ão.a lvfQÇÃO «O CongI'es~'o NacionaI~ constituído peJo PO\~O "brazilejr. actual chefe -do Governo Provisorio. \"on1 fL :MCScl.·). 1.da RepnbliCtt dos Estado.:ios Estados Unidos do Brazil. direi: Educado na arithmétfu-a- positiva -do ·Conde de :Lippe. hei de mantere -cumprir a Con- sl. installado para decfet:tr a Con- Stitllição ('~os Estados Unidos do Brasil e e!eg'cr o Presidente e Vi. E' confirnlada para o Governo do Brazil a f~rnl~ republ icana federatiya decretad~ peJ. em non1ie da soberania nacional~ que lhe foi out.ovisol'. a marcha dos negocios pu- hlicos~ e 'como alta prova de merecida confiança.eio de assegurar sem interrupção.a1'o Cavalcanti. representada neste Congrcsso~ como 1Il.. desta sorte.° O Generalissimo l\farioel Deodoro da Fonseca. ao Governo Pr.~ Depois de algunl dehate~ "enl á Mesa mais est. respondido. Unidos {lo Braz]!.lo.delegaçã. desde que ·me fôr indicado ou r~­ clamado pelos meios oConvenient-es. quer como soldado.itando-sc un1a questão de ordem. 2.0 Governo Prn- Vl$OrlO a 15 de novembro de 1889. constItuída com o nom'l3 de Republica dos Estados Unidos do Brazil. (>.. 169 - ~Quanto ao Congresso. .rt.cc-.o da Nação. ~ Aproveito tambenl o ensejo para declarar ao Coneo-resso e dize!' á imprensa e ao ~ovoque nunca tive nem terei pejo de--emendar ou reparar qualquer erro commettido nos mistéres da 'publica administração.c . «.orgada. «Art. cnl nome e C·Únl aS5cn:-. f\ reronhecc-sf~ de~d'e Já 'O nnico conlpetentü :pura ex:er-eer fi poder legislativo. quer como hon')em do (i{) verno.Amierico Lobo. <t Tenho. jámais desconheci a necessidade· de' res. Scnador a següinLe: MOÇÃO «Como manifestação consciente da soberania. indico que o Gcnera:lissimo Manoel Deodoro da Fons-eca._ peitar a lei. e agredeç..presf'uLa depois o 01C5111o Sr.pprovação da Constituição Fed-eral e a eleição do primeiro l)residcn f.a. e~ qualquer que seja de ora em d-eante a minha posiç. chefe do Go- verno Provisorio~ continue a exercer pro tempóre todas as at- tribuíçõcs concernentes á publica administração do paiz~ ab". mas com legalidade. é investido das funcçül~.

Costa Rod'r-igue..} H1mino.~.~. n con~iflerancJo que .es. . decrete a Coilstituiciio da Hepub'lica e f\Jeja o Presi- dent~ <la mesnla~ na fôrma das djspo~ições que decretar.Fonseca e Sil?.Nina Ribei1'o. - J-lancel Barata. -:.l) Pe1·ei.~ mais esta «O Congl~c~~o 1\ã.A.A?'istides Lobo.Ya. - Cyrillo de Lentos.Fu/rquirn Wm·nek. . Serzcclello que a votação desta moção seja non1innl~ e sendo approvadn cst.~4.Pedro Chermont. .(/l:ce. - Roc}~a O. . n (lll\"f"'lhl acLna].e Cm·- valho. Jfenna Barreto.rncnt() vcrhal~ (~ n.» Requerendo o Sr.Bella1'- 1nino de Jlendçlnça.Dr~o DO AMARAL offcrcce~ NU' sen nl)n1e~ c no de ontros collegn::. Antão Gonçalves dei Paria. .4.» O SR.Santos A.pprovada a moção..lVel. ... -Cassiano do . F1'cirN~ de Ca'l"1)al/l. . . .Paes (j. .BO'l'ges de 11ledeiros. . .A.dechef-e do Poder Executivo da Republica.· appplla. . .Se?'zedello Correia. .f iorio.Ja.lc. . .Oiticica. Ubaldino do A·maral e outros não import.iro Barcellos.ç . .o.J {'''C/lI'.FC?'1umdo Si1na.- (f1Uito Vinho.il.'n Flôres.Julio Fróta..~lfatta Bacellar."'g-ul ao Pod"j' EXf'('l1\ i\"o. no caracter de ~Presídenteda Republica dos Estados Unjdos do Brazil cargo que ·exercerá pelos seus actuaes TI1inistros ou pClr: outros de sua imnlediata confianÇfa~ até que o Cong"resso Nacional.To. .nto. .r'.~ de llrgemtr ni'cc~sicla.fim de ql1~ p'J!' seu patriotismo se luantcnlUt nn dj- rccção dos negocias pl1bljcos~ aguardando a Consl.tndo GuanabOT'((.)nt. . . do AlIuu·n.seja das funcções do Poder ExecutiYo e Adn1inistração da Repuhlica. .l)ta.A?·istides ~Vaia.Pinheiro J.Julio de Castilho.Lopes Trovão. .» E' egnnlnlentc lida lHnn declal'udio d(\ \"(l1n do Sr.a da mensagem cn1 qlln o cllefe do Govrrno Pl'ovi~orio lhe . .'cga n~ drsl. .Alberto B'randüo. .:rnphiloplâo B.nnibal Falcão.inoF. .o..m.ui~lã.c rcql1'e~. -:.Ma1'tinho Prado Ju/nior.Ferrei?'a Cantão. . I'f·sol\". Cunha Junior.lc dar consagruf:fin ].sci1nento.ena. . V~n1 Ú. . Indio do B1·asil.ncl1·adc.ra. Tho'lnpsG. da Xnç'fin. .a outra delegação ·que não .Sa. .~4lcides Lima.' Sod:ré. - PC1'eiJ"a da CO. . .<s.' pal'a.r.Eduardo Gon(.o qlle dc\"c ser votada n a ol'ganizaçã0 do gQverno dcfinitiyo. - Ram. Bl'c<l}e.cional..". . ora reunido..Cf.eida.Antonio Ro. .Homero Baptista.Mesa a seguinte Declm'ação de voto «Dcc-IaranlOS ·que a nossa appl'ovaç~ão á u1oção apl'esen- tada pelos Srs. salvo ao Congresso o direito de exame sobre os aetos do Go- verno Provisorio.a. Almino Affonso. UBAr. . . .Nilo Peçanha.r. .C'llstod'ío José de jJlellO.yon de Vasconcellos Al1n. La'ltrc.1fachadc'.. .é Au.. á vist. a. Demetrio Ribeü.l. .

e Ú tolc'ü. » Con~ulLado o Congresso.:sa as srfnüntes Dec/.anaba1·a. . .4 .cussão do projccto do Rc:gimrnh) seja po. PosLo a. tJbaldino do Amaral~ tendo havido on1issão dos nossos nomes nu act.oto . .1ulga{fo prejudicado.llrlO-S(~ U1l1U questão de ordem~ VCln :i. ..- . «Declaranlos que~ presentes á ses~ão de honten1~ vot. Mesn o se- guinte Reque'rim.mcndas fi disl.o~ qllfl :-.Antonio ol'ljJ1 lho.4.vrus dn.r.àn da )r('~a. «Requciro que se .ponhan1 em discussão hoje eiS capillllns 14) e 2° do Hcg'irncn to. «Tendo deixado de ~er inserida na neta da sossão de horiten1 a cOlIlmunicaçáo que fiz~ de não hayer comparecido por achar-n10 enfernl0~ reclamo contra -essa omissão.por artigos. » . . sessão ao 19 vieranl :í}[.'Uns apresenta cl~-dT: versa~.~ello.rilmirlns para scrrm discutidas C0111 o nêgjnH\nl.por artigo~.iYo~ _.J/anoel Fulgencio.Vi- ctorino lr[c:nteü·o . rc~ol~/(~ que seja a di::. Y on1 ti. é appl'oYado. votos. -. A'rl. Etnen([as ao 1"ltojec/Q de RefJl~'J11.. 17i- Na ordem dó dia o Sr. .cu:::sfio por rilpitulos c no yolação .·. entendendo-se que a indicaçfio 1'('I'I'1'(\-::. n.~tides Lobo.wrdn-:. . .cnto Rusci ln. 1 E' lida a segufnte «Faço restricção á:.1'homnz Delfino. tS ap-Pl'ovado.'- !lcnte necessidade .leuulo Gu.cOJM'ide')'anrlr:' que t~ tI~ '11.» Na.ão~ vo- tando por eBa desde as palavras .. Elyscu Mar. Fcn"eira Ra. indicuç.LfI. .:. primeiras \pnln. Poslo a volos.(\l'ê't ndi-:lclo pal'a c11~pnis.e apenas ao Poder Excnf.» .ámos pela moçãoapres-entada pelo Sr. E' tan1henl lido o seguinte Rf!f/uc't''imcnto «n~quciro que seja-mo inlprcssas as .ento ~Rcquercn)os que a di.os~ lH\f.ffonso.S.r ·capitulos e·u votação .» . c~ {\PP~·o\"a(I.n de baje.JOfío de Siqueira. ..fl'raçtjes d{f 1. :l\Icsa mais este ". A lnâno .

' e Ca'J1tpos. Senador Ubaldino do Amaral.. Gabriel.) e antros.que terá lo~ar na sctsão immediata á da installacão. .' Affonso. José Hygin'.Ferrei'ra Brandão.PaUeta. São approvados successivamente 05 arts. 5°: «Supprimam-se a:s palavras .4 a 16 e as emendas apresen- 0 tadas ao art. Antonio Euzebio e Arlhur Rios. . A'Vel1.concebida nestes termOs: «Suppriman1-se as . - Arthur Rios. 1. .deixe a p:resideneia .Tosé Hygino e outros.Domingos Rocha.mounier Godofredo. Leonel Filho. Não são approvadas as em-endas offerecidas ao art.pala'\Tas . Coelhc. . ao art.:2> . Entra en1 discussão o capitulo UI .e votar.Chagas Lobato. Do Sr. . J.vellar.FranciSco Veiga.-e devendo as cedulas ser assignadas pelos respectivos votantes.José Hygino e outros~ e ao 9°~ pelo Sr.ravada a discussão~ vên1 ti l\'Iesa as seguintes Emendas ao art. pelo Sr. 5° .Gonçalves Ramos. .A.Pacifico Masca:renhás.o o capitl110 1 do pro- 0 jC. . .no.. » T. . E'l(.cto de Reginlento para o Congresso Nacional Constituinte ~ que trata da Reuniao do Congresso. Deputado reconhecido pelo Estado de Minas Geraes. ./? . São approvados os arts.Dos Rep'resentantes'l .·- Erico Coclhc:.Dr.accrescentem- se as palavras . ~ Declaramos qu-e estavamos. . . .Astolpho Pio. 9° pelos Srs.~ebio. .João Pinheiro. . 3°. A. Mtlton.'> 4: Reclamo contra a omissão do meu nome na votação da moção apresentada pelo Sr. 5° pelo Sr .João A.. 9° Depois da phrase . ~ .Carlos Chagas. Entra em discussão· o capitulo 2° e uma emenda df\ 81' ..Dut'ra J. presentes e votámos a favor da moção apresentada honte~ pel() Sr.pelos Srs .por escrutinio secreto - e :lccrescente-se ao final do artigo . 2 c 's':>do ca- pitulo 1° e uma Emenda . Aliniro Aifouso. Moraes Barros ao art. Na orden1 do dia entra cm discussã.Alminr. .Vícacio.João Lui::. Sala das sess&es~ 19 de novembro de 1890.: COMPROMISSO REGIMEN'I'AL -Contrahido perante a Mesa. .D01ningos Porto.»~( lIa ainda outras reclamações verbaes. concebida nestes termos. 1Jbald!no do Amà~~?-. e ao art. Supprimam-se as palavras .emquanto se tratar do objecto que se pro- ponha a discutir. .~ . Magalhães . . . .

João Barbalho.•• -0-· •• _.Proponho que o art.. não é approyadº..rt.l. Ao final do art. Bella'l'mino Ca'rneíro. os deveres do nlandato de que llle. a 1:t -consag.Y'ada á nlatcria constitucional.~ __' . são lidas e entram~' .. 27 . 27. 22~ § 1 o~ eUl lagar de Ulll dos se~reta!'ios.nuinte - Promctto guardar a Constituição que fôr adoptada.Frede'rico Guilhe1·me.· .Diga-. .• Ca~ valcanti. José Hygino e outros. ao art. acho investido. sendo unla ampliando-o.Não poderá ser dado para ordem do dIa. nem constituir ob. pelo 8r. .Epitaci~ Pessôa .-})e!rt-' Sr. 'A. 25.Sá ~4..:\0 art. . Vêm á Mesa. 20 .. Muniz Freire. ' A.»el0 Sr..em discussão as se- guintes Emendas .A.fIOfl. já pressas e offetecidas: im- _. e sus- tentar a união.Prometto cumprir fielmente~ e de accôrdo com a minha consciencia. e a 2:L ao exercicio d:J Poder Lé.Sottza Serrano. . . 'pelo Sr. .Supprimam-se as palavras . Proponho a suppressão da parte do art.2°.· em. por esta f6rroa.. Lobato e outros. Chagas. .gislativo ordinario. que.entendendo-se que foi approvaao: até .m .:\0 art. . ao art. Francisco Vei{fa.. a integridade e a independencia da Nação. 17 -que ·se refere á promessa ou compromisso do art. . José Hygino -e outro~ e EricoCoelho. § 2° . São lidas mais as seguint-es Emendas Seja substituída a formula da affirmação do art. pela maioria dos nlembros .3.: 24 . desem- penhar fiel e loegalmente o cargo que me foi confiado. 27 seja substituido pelo se~"llintc -' Dividir-se-á em <luas partes a orde. pejo S1'4 Pinh-eiro Guedes.1° Secretario.Generoso J.AmeTÍco Lobo . ."§.Dutra N'ir. ao 22. . . 17 pelo seguinte . . pelo Sr. 27 .Franci. . 173 Entramconjunctamente -em discussão as emendas.00_ dia.ccrcscentc-s-e: perante.indo-o. 24.Almino. Ao art. Almino Affonso. pela se::. . l'vf·esa que ser- viu nas sessões preparatorias.s. salvo requerimento~ devidamente approvado. .ras palavras. . ' __' •• _ "~_O . Supprimam-se a~ out.iecto de discussão assumpto que não -seja in1mediatamente ligado ao fim do Congresso.Dará.Feliciano Penna. Aristides.acio. precedeneia ao mais velho OU~ na egualdade de edade. ° Requerido encerramento da discussão . diga-se ~ 0._ :\0 art. duas ao art. ' .'llarqu€s . ·designará a sorte. Ao art. José Hygino (\ O:lt.e: ---' referencias individuaes offensivas. 18.ndrade 4 _ Substitua-se a affirmacão alli contida. - Epitacio Pessôa. .co Arnm'o. 20. como consti- i-üinte.. ficará prejudicadõ.-OS._ '" •• _'" .So. Maia. C eutra supprirr.presentes. Ao mesmo artigo.presentes.Meira de Vasconcellos. _\. 28 . . sea- são anterior. pelos Srs. . .

22. E' approvada a c111enda ·substitutiva do art.Ferreira Pires. . Almino Affonso.. offerecida pelo SI".a emenda do Sr. E' tan)beUl approvado o art. E'app:z::ovado o art. Entra em discussão {} capitulo 4° .A. com a emenda anlpliativa. Vredcl'ico Borges requer que a votu(:ão deste' ar. E~ approvada a emenda substitutiva do art. que é do teôr seg'uÍnte: .8 e -J 9.1".O SI:. 2.A'ristides J. .'\'1"rA 1\I\CHADO lê o seguinte substitutivo ao ar-o tig"O 27. «Na ordem enl ·que tiver· sido inscriplo. sendo J'ej eitada a emenda que ao mesn10 paragrapho offereceu (j Sr.iudicada a emenda offerecida a este mesmo paragrapho pelos 8. 1. Alnaro Cavalcanti~ ficando prejudicada a que ao nlesnlO artigo offereceu o Sr. salvo rc- querhnento dcvidaUlcnte apPl'ovado~ em sessão anterior.llaifl.provado n requel'irncnto.·~r. Generoso Marques. or1'o- recida pelo Sr. até que E:üja eleita a Mesa.... .Gonçalves Ramos. 17 a 28. salva a emenda do Sr. 2-í~ sendo retirada a emenda que ao nleSlllO artigo o-íferecerarn o Sr. Fruneisco Veiga! }'eliciano Penlla e outros.» '. Zama. 21.cs Bar'reto.2~ § -lo '. que 4~ lhJ:-f..o cio Sr.Mascu'renhas. 27. . Ugu 27. pela ll!aioria tios nlen)b~os presentes. 25. 27~ ofJcl'c- cida pelo Sr. «Art.. aS~ulnptoquc não sejaimmo- c1iatmncnte ligado ao fiul do Congresso Constituinte.. 216. definitiva.DM actas. do art. E' approyudo o art.-\ AO AnT.' votos (I art.. E~ P03tO a. 27. of- ferecida pelo Sr. 20 e rejeitadas as elllendas offcJ'ccidas ao n1esmo artigo. E~ eln seguida approvado Q § 2° do mesmo artigo. E' approvado o art. Sou to.1's. ~ 1flanhfÍ. E' approvaclo o art. E aDprovado o art. .. . 23. .. Nfio poderá ser dauo para ordem do dia~ nem eonstituil' objecf. 1 E' approvado o art.etit. 28.~ Posto a votos~ 4~ este l'cqueI'Ín1cnlo 1'c. 17~ sendo rejeitadas todas as emen- das offerecldas ao mesmo artigo . .\lciudo Guanabara. Afatta Ma- chado. "São eguahnente arppJ'ovados os Ul'ts. Trava-se uma questão de ordem e vem a Mesa a: seguinte . José Hygino c outl'OS~ a 1'c- qucrllncnt. l\fatta :Machado~ a qual é ta111benl approvada~ fi·caudo pre- .Pacifico .> do mesnlo artigo. . seguinte: E' ~ll). O ·SnA.ieilado. Anlcrico Lobo. Jús(~ Hyginn c oulros.. E~ approvado o § te. E' approvada U1l1a elnenda SUPIH'Cssivu. . . Cavalcanti. E' retirada 'UJD. E:M:END.Vem ã Mesa o ·seguinte: REQUERIMENTO <~RC{lueiro que se adie a discussão do arL . .» 'Procede-se:::á votação successiva dos ·arLs.o de discUS5ão..

são approvac!os todos os artigos e roJeitadas as emendas 5uppressivas dos Sr~.:ão. . ~"\o ar'L 35 . Cantão.' 5" . art.aballtOs.Depois das palavras .cnte-se: p qualquer requerimento relativo ao aS-~lllnpto de ül'dCln ou interc:3sc publico.Co. eUl conscqucDcia da approvaçãci da elnenda do Sr. reconhecer-se que não ha nUlnero legaL continuará a discussão das lnaterias dadas para ordem do dia. .:YIesa' o seguinte REQUEIUMENTO ~ Requeiro seja sul)lnettido á votação o llegílllüllto mr. !!"lobo e a contar' do art. .. as CIUCll- das' que lhes fOl'an1 offerecidas.. 31 accr'escente-se: . Xo fjnaL diga-se: .idos sll. salvas as emendas im- pressas. é apP1'ovada a emenda.Dr.simiJ·o . retirando-se algun1 dos n1cmbros do Congresso. .í.Quando no meio da sessão.!lrthur Rios.Ferrei'ra Brandão. c. - Chagas Lobolo.edellC'. . Fer- .Da votaçc1o. 31. Ninguenl pedindo a palavra.S. sessão secreta . Entra elll discu:5sáo o capitulo 7° lIa Constitui<. . ficando a votação adiada para o dia seguinte. ..Leonel Filho. . . dig-a-:-:e: .. .- cussão c approvação. 1 -~ J.i2: Enl vez de .. 56 em deante. Df). José Hygino .ão da votac·ão.Stoc/t:ler. São approvados os arts. Cavalcanti. .::- O Sr.quatro horas de effectivn tra- ~~~:alO . Anluro Cavalcanti. Procedendo-se 'á verificat. . pelos Srs. 3:í . .. .até complelar(jtlulrc horas de effectivo trabalho.~ Retiradó~ a pedi{}o d? seu autor. Canú. 31.e ou- tros.O.reh:a Brandão e outros... Entra em discussão (l capitulo 6(> .l1ecessado para eoniplctar . Ao § -1° do art.')- Ven1 á l\Iesa e é-lida ascg-uintc em-enda: Ao art. 29~ 30 e 311~ se-ndo approvada' a cnlenda offerecida ao art. . :15 . ~S. Elyseu Martins dá esclarocimentos sobre a emenda ~presentada ao art. Subn1eit. . ordem dos t. R. 31.Alvaro Bo- telho.Ser:. 30.devendo os trabalhos das - sessões ser publicados e111 resumo.. sendo rejeitadas as offerecidas ao art.concluidu a sessão SI~cl'el:1. sendo prejudicado o art. V cn1 á .José Avelino.accrcscente-se . .. .ccessivalnente á votação. .an1hem a~proYados os demais artigoscoril.. ~. as seguintes El\fEN'DAS Ao art. ante~ de eneCrrêll'-Se a. São lida:. -. Entra ml1 discussão o art. 85:0 t. é encerrada a discussão. . Ao art. .Tunim\ . 32 e 33. sua di. slloprimidas as palavras que formam o resto ào artigo.. R. Proponho que á emenda lltpresentada ao.pe]o SI". Theodureto Souto c Barbosa Lima.A. São 'successivan1enle postos em vátação e approvados os· arts.37 accres- (.

supprimindo os §§ 2 e 3" do art.· .1\1EKDA AO PARAGRAPJIO UNICO DO ART.e do Districto Vederal. E?· approvada a prproga- .> Vem 'á lVIesa a seguinte E. José Hy- dno e Qutros.ão j<. . 59 e do Sr Ferreira Brandão e outros. . .Al1)a~ Botelho:.> lia prottstos contra a aceita0âo desta elnenda cuja assi- ~. L. 57.~ . . . Epitacio ao paragrapho unieo do art.: Mú1ler. 0 Am.CTtaJ. PRESIDENTE deix. vot.a de attender a esse pedido. 58. Entra em discussão o capitulo vm -. ficando pre- 0 judicada a emenda do Sr.o art. Vem á Mesa e é lida a seguinte El\{ENDA «Ao i periodo do art.. 59 ..~ ~Supprimarri-se os §§ ~ e 2° do art. 57. O SR.ada do arte 27. São e.'natura não CDusta... pede que a mesma vo- tação seja . Epitacio Pessôa. Stockler.. . Americo Lobo~ e sendo approvados os dcn1ais paragrahos.os.1 Barcellos. c 0 a que accrescenta ao § do mesmo artigo . . R. por iratar-se de materia vencida . ---.eOl cedulas assignadas. Ranlll'n J3al'cellos e :Müller. EMENDAS «Indica que se supprima O § 6 do art. Ferreira Bran- dão. 57.Leonet Filho.]as Lobató... . Não é approvado o § 6 do referido artigo. 59 «1\ discussão será restricta ao projecto~ salva a dispõsÍI. . JOSE' HYGINO.» «Supprin1am-se a~ pala. Da eleição do Pre-- sident"e e do Vice-Presidente da Republica.3 Srs. nrn!\1). O Sr. p São' approvados todos os outros artigos. salvo si vedir e lhe fôr con- cedida a prorogacão por lnais 20 minutos. 56.vras . :. São rejeitadas as emendas do Sr.-. . José Avelino requer a prorogaçâo da hora para ul- tima:r-se a discussão deste capitul9... A. S7 do Regimento •. alIegando que houve equivoco na vo- tação da emenda additiva ao art. E' approvado . .i.eTico Lobo.> :Yêm mai$t á Mesa as ~eguintes .. E' approvado o art.rectificada. S. R. 176 - Veni á l\{esa -e é lida a· segui~te.gualrbente a:pprovadas as mnendas dl'.ac'crescentc-se: não podendo (> fnl1ar por lnais de 20 nlil1ut. '-' O SR. com a emenda do Sr. - Dutra Nicacio.

» Na sessão de 20. 76 substitua-se pelo seguinte: «Reaberta a sessão. ~o art. o Presidente do Congresso marcará nova sessão para a solemnidade da posse do cidadão eleito Presidente da Republica. 7S aoorescente-se: «.contendo uma . si se achar na Capital Federal. Vão a irrl p r irn ü. •••• . . contrahenl o compromISSO regImental. ~ José BevilaquQ>· . BezOUro~ Ao art.i . Aristides Maia. 74. :b"oi approvado o requerimento. perante a l\'1esa. até que seja definitivamente approvada a Constitui- ção~ . lida e approvada a acta. depois de algumas observacões do Sr. . B ~Sr. «Indicamos :que se accrescente no final do art. depois de ter o Pre- sidente da Republica. prestado compromisso perante o Co~o-ressb. - Baptista da Motta. para esse fim.Q a prestar o comp~omisso do Regimento. Trava-se debate.- l::elas paJavra~ . onde. -'. Jfendonça.Substituam-se as palavras . O Sr. accrescentem-se as seguintes: assignada pelo respectivo . .inda se pro( ederá a nova eleição. Pernambuco e Rio Grande do Norte e 02 0 Senador pelo Es- tudo do l)iauhy.João Barbalho. Angelo Pí_ nheiTo~» .: Huvilaqua sobre a fidelidade das actas c dos trabalhos steno- gl'aphicos. 177- . .> .votante !.B.. Bezo'UTo. o' 10 e o 3 deputados reconhecidos pelos estados de 0 . de. e (I Sr. Ao .B. Mendonça. 70.1\Io caso de empate entre os dois cidadãos mais votados. Raymundo Bandeira. e.J.i n~ recinto. de- cidirá a sorte. o §~~: Leandro :i2 .. 7-6 deve-se augmentar . depois da palavra cedula. . . . . Mei'ra de Vascon- cellos. «Proponho que seja supprjmido todo o capitulo 8° do Re- gi. . Coelho e Campos (pela o'rdem) requer que seja con- yidad.outra :-: Para Vi~e~Pr.. V..de- vendo a ccdula ser assÍgnada pelo respectivo votante. G.~ : Supprima-se o § 2° do art. .ção da hora~ ficandQ". eleito nos termos dos artigos anteriores. V em á Mesa a seguinte DECLARAÇÃO DE VOTO ." O art. Ubaldino do Amaral requer D adiarnento da discussão. 70 .. Achando-se na ante-sala os Srs. é approvada a acta da sessão' antecedente.mento. e i'epetindo-se o empate.esidente F. no caso contrario. prejudicado ° requerin1ento verbal de adianlento.> . . couvocando opportunamente reunião do Congreso:.duas cedulas . 70 . declarará encerr·ados os respectivos trabalhos. . Entra em discussão o capitulo VIII.Para Pre- sidente da Republica.\. <. e . \F.as seguintes ernendas relativas ao capi- tulo VIII. J'oaquim Antonio Cruz e Pedro Velho de Albuquerque lVIara- nhão.G.UIra cedula -. Presidente convida a Cornmíssão nú- meada na sessão anterior para introd~il-O. do Cor' gresso. Ao art. proposto pelo Sr.art..~Dedaro que votei pela emenda 'que sUPPl'ünia o escruti- ni u secreto: e contra a que reduziu as horas de trabalho.

equciro á :Mesu que se nomeie uma comn1issão de trcs membros para redigir a 111ensagen1 que tem de acompanhar U 1ll0ção votada ante-"honteu1.Gab'l·iel J/ ({fJalltile~. O ~r.I1(h·odc . -.Lauro Jliillel'. o Congresso~ senhor dos destinos da Nação c de posse de todos 05 poderes nacionaes~ e reservando-se o pleno I. 178 - oRibciro de Siqueira .~ . E~ enviada ti Mesa e lida a seguinte MOÇÃO «H.em'los Ca'mpos. com"" a ml'~ma l)l'udencia. :Findo o debate~ proqede-se á votacão da mocão do Sr." Re~ervar exclusivaroentepara si o legislar sobre toda a 111uteria constituinte: :3.Lw. .RauUno Jlm'n. . DECLAR.El!lse~t JltI ri . Investir o poder revolucionaria de faculdades lcgi:-. .roduzido no .I']10 a ll:.l\Iaciel~ Deputado reconhecido pelo Es- tndo de Sergipe.Lacerda Coutinho.a gestão dos negocias V\1- hlieo:::. esüera do patriotismrl elo Gn'\"el'nn Proyi~orio que continue li.Arz1stides Lobo.. .ÇÕES «~ão.» <tVDtei eOlltl'a. .. rt. ('on1'1a qne I) Governo Provisorio continuará a usar de todos ll~ pllilel'e:::: (l~ que o investiu a revolução de 15 de novenlbl'o lIl' J SHO. Pl'e~ülenLe nomeia para a Conlmissão qUl' (001 d.» V ên1 á Mesa mais estas l\fOÇÔES «() Cung'l"CSSO Nacional resolve: Lu Manter em sua integridade a mocão POr clIe unani- l1wl11enLe votac1aJíltl ~essão de 1. Er. l'evestido de todos os poderes necessarios para o des- empenho de sua alta n1issão. _.- 0 !ai i\'a~ ol'dinarjas até a org-anizaeáo definitiva dos pndcl'{'S llll- hlico:-:.» « Congresso NacionaL reservando a funcção constituinte.8 do corrente:' ..~ 1'f~digir c apr(~scntar ao cheIe do GOV(. que é approvada: ficando prejudicada a do Sr. Silveira Lobo. Ven) á :l\fesaas seguint~s - ". visto votar pela 111oção. .. re-cinto com as rnes- mas forrnalidades e presta o referido compromisso.. Antonio Eusebio e -Costa Machado.ualml'nie proponho que 8C torne explieado na H1en~a- e'em o seg111nte: ' Que.Rdmdro Bal'cellos.o(:ã.:.Jobo. Sd. do Sr.z Dclpli'ino. . que é int.1/. Aris- tides J.~Xel'l'icio do~ poderes constituintes. 2'. crHerio c patrioLislll0 ClllH que n tem feito até: hojc~ e passa' {z ordem do' dia. A. para Auardar cobercncla com () voto que anteriormente proferi sobre a mocão 'Obaldino.n: os 81'S. B:l)'cellos. na·- nlil'O Barcellos. -.1.

. R.. . .» «Voto .Thornaz Dclplâno. Ralniro Barcellos: Os poderes legislativo c executivo~ por enlquanto. par entender que esto principio. não podem dei- xar de continuar nas 1l1áos do Governo Provisorio. comu proyuria.senhor dos destinos da Na- ~~üo . O Congresso~ convocado pelo uni·w poder legititno 'então existentc~ 'para votar a Constituiç. para . eonln diz a 1I'lo~ão: ten1 apenas () (.:\ l\le:-:a providcnciará em (ll'UeUl a . . de posse da soberania nacionaL . RaJlliJ'n BarL.que SCja. Francisco Ba(Üo'ó. nlC havia inscl'ipto. Pela Con~­ lnissão. . .ão e eleger o Presiaente.» .lcllltadll:-: ao~ mcnlhl'OA do Congresso todos os luoios do 'col11modidudo.Caetano de Albuquerque. aliás.cllos e votaria pela l11of}ão do DI'..ãll do Dl'.: .ituirá a unica materia de ordCl11 do dia da scs-são para . Esta eleição const.e por iS:30 não tcrn qw:. .Ul i'i.» «Dl~dat·n que votaria l)da n lo<. 70 u 76.o apresentada pelo DI'.ão dos arl::.en05 quanto 3.á nloçáü do Sr.:\..a pelo Govcl'no.~ra eon1pefente para recebel-os~ desde que fôrá eleita só- Incute em seu prill1círCl pel'iodo~ C0l11 faculdade constituinte. .. ·. 179- «YoLo .111.l'j.que fOr annunciada.onstituinte~ .Silca. porque votaria pela-do Dl' . "ftlo.epublica~ tenl apenas o poder constI- tuinte: o Govel'no~ que baixou aquelle decreto~ não devia re~ nunciar os seus poderes nas n1ãos de ulila Asselubléa.Jusé Ai()cliflO. Frede'l'ico Borges. Yem ü ~lcsa c é lido o seguinte nEQVEnI:!'>1:ENTO « I)J·01)Ol1!lO a ~uppj'e~:. O Congresso não está de posse de todos -os poderes.1'. .:ão apresentada pelo Dl' .:. Arjstidcs Lollcí. c Vice~Prcsidente da H.Vi1'iato de 31edei1'os:» «ArL 09. Seja redigido do seguinte modo: - Adaptada a C'onstituição. Aristides Lobo. Canedo. «Dcdal'O que votei pela prín1cÍJ0l.àcI: O Cong'l'l'~:.-~lartinho Rodrigues.-4.'" lilies . deve limitar-se a não acceitar a l'enunt-ia 1'eit. » . ..l'ciano de -J. parte ela nloç:.» . . < . que não . Na ordem du dia <. si não fosse encerrada a discussão. fazer de]egaeõe~. . i(lu maneira qUG possan1 se COll:-:erVar na Casa o t<~mpo indi~~ peu~aYnl 110 lJl'O(. proceder-se-:á na fórnla poir eIla determinada 'Ú eleição do Pl'esjdentc c do Vice-Presi- dente da Ropublica. «Declaro que votei 'contra a moção do Dl'.(~SSO de eleição tIo Presidente c· Vice-Pl'r:~i- dcntl' da Rcpl1bll e u .Leopoldo de Bulhões.a ·qual.» São tamhem lidas as seguintes EnrENDAs «. . com a seguinte l'CSll'jcl. S. Ramiro Bar- eellos.ll não cstii.lI aia.." «Sim .Aristides Lobo.':> «Deelal'o [11 te voLei pela 1110Ç:ã.ontinúa a dis(ju~são do capitulo VIII.sfi des Lobu.il]) .E1Jitacio Pe8Sôa. .lla- !Jalhães.siln . enúnciado crll urna ConsLil'Uinte: envolve doutrina perigosa.

Ubaldino do Amaral. 'Declaraçao do Sr. . contra a mocão do 'Sr. sejam remet- tidos aos membros do Congresso exemplares de todas as leis c regUlanlentos promulgados 'Pelo Governo Provisorio desde 15 de novenlbro do anno passado até hoje. salvo o caso de não poder comparecer. No caso de empate~ decidir-se-á de accõrdo com o que preceitua a Constituicão.° Nenhum membro do Congresso pod'eI'lá abster-se d~ votar". C0111missão o Regirnento CaIr. 69. § 2. ~ _-'\. ' . Ga- bino Bezouro) offerecida na sessão anterior. AntonIO Olyntbo de ter votado com ou- tros COlnpanbeiros de bancada. Badar6 lê o seguinte REQUERIMENTO I «Requeiro que. Correia Rabello contra a omissão de s~u nome na votação da moç. . E' approvado () requerimento do Sr. é approvado. José Avelino ficando t prejudicadas as emendas apresentadas na sessão e a do Sr.'Rosa Junior~ . . 70. 'Vai a imprin1ir a seguinte REDACÇÃQ DO REGIMENTO PARA o CONGRESSO. Vem á Mesa a seguinte DECLARAÇÃO r «Declaro. 73 accrescente-se: Paragrapho unico. .. Apoiadas. --~- Tendo sido approvada a parte do Regimento . como tambem as emendas. ~e~ interrompida. não s6 () requerimento.a justificar eom ·antecedencia. o que dever.AmeOrim Garcia. portanto.rt. Submettido á votação o art. . entram conjunciamente em discussão. E encerrada a discussão..que se refere á eleição da l\1esa. 1 . 74.':> O $r. ~ 180- «Ao arL.ão do Sr. terminar na mesma -sessao.qual :vo~ou. Frederico Borges pede a retirada da sua emenda. as ern~das approvadas: para redigil-o -conforme o vencido. devendo. para não interromper a marcha de nossos trabalhos. á vista da re- daccão proposta para . pela repartição competente. .. 70 accrescente-se: § Lo Uma vez começada~ esta eleição não poderá. NACIo!'~AL CONSTI- TUINTE Na sessão de 21 o Dr. O Congresso concede.o art.Jlanoel Valladão. pela .:l . .:z. Bar- cellos. acredito ·que podemos consideraI-o em exe- 'cução nesta parte.» Reclamacão do Sr. Supprima-se por desnecessario.~ «Ao art. O Sr. que votei a favor da emenda suppressiva do es- crutinio secreto e contra a relativa á reduccão das horas de ~trabalho no Congresso Constituinte. Presidente declara que a :Mesa resolve enviar á lYJesn13.

E' sem debate approvada a redacção da mensagem.ntorl. Asism. Martinho Rodrigues.za. nppellar para o vosso patriotismo. dirige o Congresso Nacional: Ramiro Barcellos. presente 'á sessão de hontem '(20)".Toaquim Sarmento.. O SR. .. l'v!oraes Barros. votei do seguinte :modo: - com.e-apDr. restituistes {t Nação na pessoa de seus eleitos. E' enviada á l\fesa a seguinte DEcLARAÇÃO Requeiro que ao meu voto se accrescente: depois 'dá senhor (los destinos da Nação. REQUER~MENTO «R'equeiro . . pois. . PRESIDENTE nomeia a seguinte Commissão. Declaro que. fi indieacão do Sr. para le- var a mensagem . sejam reme~ tidos aos membros do Congresso exemplares de todas as leIs e regulamentos promulgados pelo Governo Provisorio desde 15 de novembro do anno passado até hoje.o: seguinte . São lidas as ~eguintes DECLARACÕES Declaro que. espera que continueis no exercicio dos pode- res que. até que. ' Saude e fra: :'rnidade.Tosé da Costa :ftfachatlo S01J. principio~ sim. Esta restrj'C'0ão significa .cnhArencia com o men voto anteriormente dado. -FranciscC' Ba- da'l'ó. por . reservando-se em toda a plenitude os poderes consti- tuintes ne que está investido~ resolveu. se observe a divisão dos poderes nacionaes~ con- fnrmc fôr pela TI: esma estatuido. afim de que vos mante- n ha0~ na direcção dos negocios publicos.dor Ramiro Barcellos: . .que~ pela repartição competente. l\Iiguel Castro e Seabra.7:o E'llzcbio Gonçalves de .n~ __ vndo .João Pedro. e de posse de todos Og poderes naejonaes.~ O SR. '1 0 SECRETARIO pro-cede á leitura.icn da Republica e eleito o seu Presidente. votei pela moçãn apresentada pelo Sena.Ca'!ta?1o de Alf)'ltquerq'ue. restriccão pOr. . . Almino A.tfonsa.que. definitivamente de- cretada a Constituição polit. . em sessão do dia 18. no dia 1. en1 cumprimento de honroso dever. no dia 00 hontem. -'..4. 181- ::::: E' lido~ apoiado: po·slõ em ffiSc1Th-sãv---'€'"-Gçm=d~~t.-ocçasião de votar-se a indícacão Ra- rniro BarcelIl1:::. generalíssimo Chefe do Governo 'Provisorio. represen- tante Ubaldino do Am~n"al. Laper.O Congresso dos Estados Unidos do Brazil.8.lmeida. ao Sr. da seguinte REDACÇÃO DE MENSAGEM: Generalissimo -: . .RamJro Bar- cellos.Fle?"T'!] Curado.A. .João 'Vieira.

ta da JJotta. Ao arL.\'T':l . Supprirna-se a palavra .a qnal c. ao.inlanl-S(~ a::. O SR. '. em coÍl:::i- dcração. 1° SECRETARIO procede á leitura do capitulo II do Rcglnlento.r. Nacional e são enviados á Mesa as sec. . Li'Jna. Mendonça. 59 substitua-se pelo seguinte: Cada membro do Congresso só poderá faIlnr duas vezes sobre a TIlaterin Cln flif':CllSsão..p n.l . não podéndo excrc]cr r](\ uma h ora. E' enviada :í. ~lej~ão da l\I{\~a qu (\ trn~ Cle fhrlgll: os trabalhos do Congresso ~acjonal ConstHuintE'. . ~c­ guintes . .pOl' 15 n1emlwn~ ou ])(lla 1. as indicações ·que juI-gar~ convenientes.hon1 n~~iIn fazer rri'crencius indivicIuaes . SUPP1'inlam-sc' as palavra::: . rio::: nwmlH'o~ j1rescntrs da rcpl'rsrnlação fIe um E~l. indo novamente á COi-l1nlissão~ para lamaI-a::.ento yollc ti Conuni8são~ par~l qUQ execute as altcr'ações feitas pelo Congresso.<:o. E~ approYflda a I'cclacção do Regin1ento. O art. Posto a votos cste reqUerinlento~ é rcj eitado .. .Bn. • . . . o Ao n1esmo artigo supprimn-~c (I pnl'ugrapho nnico.Snbstif.ndo.- ..'\{AÇÕES Foram supprin1idas asenlendas relativas aos arts. paI:l.. REQUERln. Ao art. 22.as.pt'i. ~\lh~IiLt1a-~(\ a paluvra .n - qU0 ficou :8enlrazão· de ser. 1t6. cada vez.· -Snppr.~::l..aH~rnadanlrnf. Ao art. Procede-se ':.B. por escripto~ Ú Cornmis~ão.onti- nuará emquanto hOllver para iSBO 1111nlP1':) nos r 0rmos do nrt. C. VCln :í i\Tesa c é lido o seguir.p(\l:l~ ~egu inles . 57.. Ao ar!.IPniol'ia . G. 32. ~lesa a seguinte CORRIGENDA Ao al'f.as as emendas remettidas: Art.o est. dois Lcrcos.1 c 59.Paes dr: Cn'r- 1~(l7ho ..11r1:1.Barbo. COln as aH.. Ao n1esnl0 accrescente-se: E' licito a qualquer rncmbro do Congres~o apJ'esent~r. Reclanlo contra esta suppressão.::. palavras .í eleição do . . tc -. conforme o vencido.11n1 I fll'("n .:. ?rdenl do dia procede-sC' li.ouintes RECLA.. Sã.IENTO Proponl0S qU(~ o novo Rcgin:.ürar'Õcs· füil.Presidente c Vice-PrCBiclente. . . José Bel~il(Jqua. . 2'J.lla-:...-IIa1 irlndr. 182-· Entra em discussão a redacção do RegiDlento para o Con- 2'resso .

A:rü~­ Ndes .Gonçal1. . .il~ aproveita aprimeira opportnni1adc que ~(' lhe offerece para render hon1enagenl aos in1mortaes servicos de Saldanha :l\'Iarinho.Castro Campo.João Lu·":z.' do··A1na1'al . 151 . .Feli1Jpe Schim. .1rndã~. .Cllrillo de Lern.. . ..idt. . Luiz . .. que n. .1!arconcles.q'l. .Dl"'.(I. Pedro C"'eJ~mont. . . - Gonro.fÍ) ([r i:"t. P1'lulente de 11f()'}'I].a. ConstanUno Paletfrr. Polyc(l'rpo Viotti.c.í6 Saldanha l\farinh o.Costá 3fachallo... 1)1'e.r. :J.-irlentf?) proclama Presidcnt~ rlo Congresso Nacional Con:::titninte o Sr. ..Beze'l'- 'l·a Fontenelle. .31aia. 39 E outros menos votados o' O SR••JO:\QUBf..~ Trovão.e. . J.r::(~ Be?Jilaqua. .[Jrarle~r (f. .tinhe'. c lcü:ur.i.La:cerda Cou. J.llarf. Serzedcllo Con'êa. A 'nclino.to Vi~1h(1.rC'. E. Crmti.{J.Thomaz Delphino.1fanoel Beze1"l'a de 44. .. Fon- RefW e Silva. . - Pinlud1'o Guedes. S1~((. ..Luiz Delphino.. Presidente Votos Prudente de l\loraes. Alrnr>ida Pm'nrl1nbuco..Raulino jjfOrac. Aristides Lobo.. . .leR. . .OR enth?J.A.Belfort ·Vieira. .f Bellarmino Gm·1'tei'J'o. -. .. . 'rHio () ~egUinfe resu na(ro-~ Para.João . .1fanoel Coelho Bastos do lYasscimento. Antonio Eusebio .quirn ]f"rli r...úlko Rnd'rigues. Angelo P'i-nhei~·o.Oliveira Pinto. term. . J. Pm'a Vice-Presirlmfte Voto. . .Ferreira Pi1'es. .Casim:h'o J'u. .1Ja. .Po.: . J. .t.'igl.r.Lope. .rat.cdd~n"'. '183- Reeolhl"'Tn-5:6 236 cN]nlal=: l'Iue~ ap1.s1~aSUCOg.f!S.llatta Bacella'l'.l\'.TbMq11erQUe.. .. Ul'bano J. .T. .r:. . n seguinte MOÇÃO o Corigresso~ convocadopara tornar a: ~epub1ica governo l(~gal elo Bra7. Retuw. . .•.os.'Ü?O Cor:lho .. .ini01·.r.) Vem áMcsa~ é Ii(ln~ po~t. França CtI1·?:alho. . .ío.v-ellar.Barbosa Lim.J ose-~.' Caetano de 111- ·lnu/lI p rQue. Nilo pcçanha.VÚ'iato de J. . FELICIO (P1'e. . Faria..J. .4. . :.Lauro Sodré... .João Lo]')es. Lamounie1' Godof'reclo.es Ralno8.. ..ros menos votados.A'ntão rip.. .Gomenso?'o ..Esteves Junior. A_uflU. qU(! ri o-cr1l]Jada JJelo Sr.~I'l(. . Vi'J'gilio Pcssôa . de Cfll'ralho. (r. .. . .-Prudente JOSé de ~fora~~ Barros. . . ~ llneao. .ro.fotta. '. SJ'~ J ofl. . da.~ TilJ(J'ino.Luiz de And1yulc . João Baptista da.. :i.UO de Ca~~tilhos.. . . .4:ntonio 'Olyntho.':. . -.Joaqui')n B1·ev'es.(o de Logos. .. ..' em. . Cassiano rir) !YfJscirnento.âUnr. .l. . . . Theodu'reto Souto.~ 81 E out.lfedeú'o.T'l. . 1..Lau1'o JliUle'J'.. Uchôa Rod.e.a enl discussfio c~ sen1 dobntc~ ap- provada. n rarlcú'f1. .. . .

17 R outros menos votados. .a Machado. . procede-se li ELEJl. ."""" ".. .ÃO DA CO~:!ISSÃo ESPECIAL PARA: DAR pARECER SOBRE )(. CONSTITUIÇÃO :::::: '. . . aliás~ votámos l para Presidente do .rvalho ..... . . .... 12 --i outros menos votados..~ Paes de Ca. .ro Botelho..[0 Secretario votos JVlatf... em quem. . Vên1 á Mesa..l sessão de 22. 141 Dionysio Cerqueira .: Votos Eduardo Gonçalves . Freire de Carvalho. 241 BeIíort Vieira. . ..Joaquin1 Saldanha l\1:arinh0. . . ... publicado com o decreto TI... ... " ' .que votei contra amol}ão de homenagem a Sal- danha Marinho.. 91~ A. Declaramos que votámos . 137 Costa Rodrigues.- N:..Amphilophio B -.. -. .: Para 2°~ Secrétario " Vnto.. Americo Luz..contra a moção de bon1enagen1 no Dl' . 0 Recolhenl-se 229 cedulas. 176 :\ lV3. . . .. .Congresso .. .. . . -14 E outros menos votados. . . na ordem do dia..- 4. que..•••. O SP..0 E outros menos votados.. . Para 3" Secretario votos "João ~eiva . .. .•. . as seguintes DECLARACÕES Declaro . de 3 de outubrí) ultimo. 2.bros~ q'Lle tem de 'dar pare- eer sobre o projecto de Constituicão dos Estados Unidos do Brazi!.Custodio 10sé de MeUo. ' ..... Procede-se á eleição dos 1 e ·2° secretarios. PnESIDENTE ÇJeclara que vai proceder-se á eleicão oa Con1n1jssfio Especial de 21 me:rr. apuradas. • . dão o seguinte resultado: Para .

. 8 Serzedello... 1- João Vieira... . . 3 - Ennes· c1e \ Souza. ."... ... .. .. I 1. '" ... . ~ Parahyba . .•••. .'. . 2 .. • •. .... .•. .. foi obtido o seguinte resultado: Amazonas votos l\fanoe-l Francisco '~fachado . • . li .. .. '. . .. . 7 PernambucQ José IIygino. 1 Alagôas Gabina Bezouro. .... . .nl CaLunda. .. • 1 Sqr(fipe -Oliveira VaIladão . .. Rio Gl'ande do Norte An1nro Cavalcanti. ..'1 Ceara Joaqu. . ... i Luiz de Andráde.. ~T 0:1. . .... .. Em seguida foram successh.. . 3 ·Oiticica... .. .... . . 1 .. ..... . • JIt. 6 Leandro· i\facieL . ......lI Th~(ldl")rn p:ldv'!co... ..... . ... . -... 10 TolcutÍno de Carvalho.. .roão BarbaHlo.. 1Jí 11elcrril... . .. 1 Marãnhão Casimiro' Junior. .. 2 t " Piaulf... ::. . • ... .. .. Lauro Sodré. ..dos e$tndos. "" . apuradas a5 cedulas depositadas na urna para cada uma dellas..Toão Neiv:l....0 Pedro... . . .... . . . • .. li' li' . . J• . . . e.. . .... ... 4 PaTá.-amente chamadas aS' repre- senLaçõe::.. ...

o.. . . Bahia __ '. .. ... :3 J.. . . . .. . 13 R'lo de .. E. .... .. Virp:i1in Danl:lsÍo..... ... 01 jycira VaU adã. . . ...\!J·I'.lJi1'ito Santo Gil Goulurt.. .. 2 O Sr.. ... • • <li ... .. Theo- doro Paeheco~ .... . 186 --. .JO:lqlllJn Catunda.Junior. ar'OSSO Aquilino rio .. . ..... . ...!:'J·I}·o Dam"'c:)'o "'L". . Amaro Cavalca~ti. 13 llamil'll Barc(\Il()~ . . o • • •• • !) Srtu/" Col/lflrinrr Ln 11 J'f) :\1 ü II N°... l\loniz Freire.... ..1aneiro . .'mara1.r.. .. 5 GOyaz LC'opnlrio ur Bul hÚflS •• ° • • • • • • • • • • • • • • • • • 4 MaNo. . R(wnn..... 26 L:lmnllni0r GDdofredo..... Panlo Bcrnnrd ino de Campos.. .... -.. . I 1 s.. ......: Manoel Machado. • . .. Presidcnf e dcc. .. 1 Lopes Trovão. 7 Pm'rnuí Uhnldino do Amaral. .lara (~leifo~ papa a Gornn1issão os 31's. ... ... . . Ca~emiro ..rdino de Campf)'S" Lapér~ Uhalrlino .. . 4 .. G Rio G'I'(l}ltle do S'ul Julio rIr CasLilhos..T()s(~ Hyg-ino" Gabinn J3f\Znll 1'0.Â. .•. .. . Lauro Sodré. . João Noi- va.. .. Gil G0111:1rt.1Jiuas Gc'}W(]S João Pin 11 C'iro.

tric(. ."Pl11 l'cstricçõe~.tiycl pelo 3impl ('5 j'a~to de ~er .0 arL :?ô: .iecto de Cons- tituição decretado pelo Governo Provisorio~ re'quer verbal- 111cnte o SI'. l'a. con::>l itll ir-se desde já para co·rc. o Congresso concede a dispensa 'da leitura do l:nrccer :::iobrc o projf'cl"o rl0 CO/lstitniç:. Fresidente a leitura do pa'l~ece1" da Con:nlissão Es- pecial incumbida de enlittir opinião sobre o pro. será en1 todos os tempos e circml1stancia5: ó melhor RlJxiliar dn::. Semelhante faoto não constitue somente um 'crinle contra a scguraTIl::a indiviàual e de proprjednde de um ou mais in- dividuas: (~ uma flagrante violação de sacratissimo direito.'pende 0:0: trabalhos do Congresso até ql1'e a Com- ll1issão officie á ~Iesa~ comnlunicando haver elaborado seu parecer. Senlelhante facto não constitue s6mente un1 -crime cont.« Xing11Cl11. pelas an1eaças dirigidas a outros .ra :) liherdade ·rie jmprensa. Na sessão de JO de dczenlbro prestaram o conllpronlisso l'eginli~ntal varios Srs. aggravan- rIo-se ainda o crínle.tl ic50 .odas a. Comnlissão tl. Consultado.- O Congresso Nacional soube. e nlesmo nlcdiocrcmenfe organizada. Sl111I\rin1.. '. cont. .. Lopes Arovão. praticado em a noite de 29' (10.. . Gabino Bezourn rC'clama que.I~Q de qualquer reljgião. livre de peias. honrando as institui- ções ...crcntn Ou n1 in i~t.tit. 187 do AniaraL Lauro l\lülI~r.que representa.101.. Rl"'l'.pcran1 (pIe o Pod('r Fublicn n"ã.. Em 5cguic1a.bina: conyjr1a :l COlllmis5fio a con:. .o só 0::.gOVÜl'n0::. Deputado Zan1a dispensa dessa leitura~ visto estar impresso o parecer e c1istril)uido aos lnembros do Congresso.uir:"se desde já para conlbinal' edifício do Senado para ponio de reunião.L d(l(-l:U'[Hln i ncompu.1n s~pal'ado.ra a liberdade de imprensa. saberá punir COIU todo o rigor da lei. A imprensa.A inda nluis: os representantes da Naç·ão e::. Vem ú '!\'T csn o segu inte : PUl'agj'uphc llTI ica ú ~men(la :). A libercki/e de in1prensa foi fl1rida de n1. inhcrentc a toda sociedade civilizada. e annunciando eUl se .::: .lnandatarios~ como os mandantes do attentado praticado . 11pnximo passado nlez. íltl0r em todos os demais pontos da R(1puhlicn. Leopoldo 'de Bulhões e Aquilino do ~aral e ennvi{la :l. .. aspiram fnzer Do fclicidacJo nacional. . quo fl.-ão aCOlllpanhndo dn~ yol n:'i 0.q'lf:'.nlinte MOÇÃO ."- naes~ como hoje é publico e notaria. O Sr.endo assign~·do o parecer da ConÍlni8sâo de ConstH.o SP: deSCl.Ges. figurando o seu nome cnnlo t. conl a mais profunda magoa. O Congresso conta que o Governo. declara que o nssignol1 com rn:.o1'1'e. nã.» . João Pinheiro. Vem (J l\Iesn a se. e elevando-se a to"da a altura fie seus a1"- d'uos deveres. e~ na fârn1a do Re- ginlento~ sU::. Senador Anlaro C:avalcanti reclmna sll]31'f' nma ~~mf'ndú suo. Jâmais sc rc".1idal'ú iJn1 :n10mcnfo rl8 lo]'mll' t. representantes.da na Imprcn5n.gnjrJa o SI'.' .Julio de Castilhos. 11"(1- didas c providencias pr0cisa~ para que~quer nesta Capital. Na- C'innal ~ qu(' deseja r0Btnbeleccr. o Sr.:::. do inqualificavel attentado.

a sanccão cffectiva do nosso procedimento~ que reputaluos leg\timo e patriotico. .~{uniz Freire. e de- pois de algumas observações.Barbosa "Cima. Presidente responde Dela negativa. -. Amph1lophjo reclama contra a não publicaoão de uma emenda sua no Diarfo Official.Carlos Gar- da..· .. .buco.tido Nacional da Bal.Santos Pereira. e requerendo o Sr..o a que se está procedendo: 3°. a 1a discussão do proJ eeto de Constituição. e do regimen democratico. .José Hy(Jtno. . Requeiro que se declare na rrcta que votei a favor da D10ção do Sr.· inaugurado a :15 de novembro do anno passado. O Sr. deprimentes da: nossâ ciVilizáCãõ1 de nossa índole pacifica e ordeira. ser dada em ordem do dia.!tes.lr na primeira parte da ordem do di~ do primeiro dia de sessãó.Annibal Falcão. Zama.Sebastião .. .Antão de Faria. pergunta ao Sr..R. . Osoric'. E.no. Custodio José de lrIello. Na sessão do dia 13.Q Sr.~. .Almeida Perndm. - Uchôa Rodria. pretendig. I1oticja~ que leu em alguns jornaes. . -. Alcinclo Guanabara. . 802.Fe1~anq. 188 produzam factos identieos. Vêm á Mesa as seguintes DECLARAÇÕES DE VOTOS t Como membros do Congresso NacionaL cumpre-nos de- clarar = 1<)~ que votámos pela discussão da mocão~ apresentada pelo Sr. Presidente si é exacta n. de que S.e conselho do PaJ:.W:edrado. relativa ao attentado contra a liberdade de im- prensa: : 2n~' qu c esperamos a punic<"~!") dos implicados nesse attcn-' tado~ demonstrado pelo inquerif.Fleur1j Curado . .Anton'to Azeredo. de 4 de outubro ultimo.e junho do corrente anno. . marcar sessão para o domingo. que regulou o processo para a elei- ção do prin1eiro Congresso Nacional do BraziI~ e do decreto n. . teria votado pelo requerimento do Deputado Zama~ para. si estivesse presente á 6 sessão do Gon- 11 gresso Nacional. Frederico~ Serrano.. O Sr. - Eette Oiticica.Tavares Bastos. Declaro que. O Sr. .es Simas. . o Congresso não approva a urgencia pedida. Zàma sobre o attentado á typographia da Tri- buna. . O Sr. é approvada. assembléas legislativas dos estados. 2° Secretario proc'ede á leitura da seguinte repre- sentacão do directorio .lVilo Peçanha. Zama que a moção· seja dis·cutid!.liá~ solicitando a revogação do decreto n. Presidente! dá para ordem do dia '13. Zam3. Suscita-se uma questão de ordem. .' . -. 511. - Demetr1:o Ribeiro. . .Antonio Olllntho. que confiamos aos e~p(mtane0S orgãos da opinião e (lS demais forças activas da Nação. a mação sobre a Uber- ·dade de imprensa.Cesar Zama. . lê-se a acta da sessão de 10. de 23 c.José Simeão de Oliveira.José flla1'io. . que ampliou a eleição da:. .

Esteves Junior .eeto de Constituição.Cl de 6 do mesmo mez.L. antes de saber-se qual a or- ganização judiciaria que ella adoptará~ passa á ordem do Jia. Costa l\Ila. . sentantes.R. .Pacifico Mas- ca1'enhas.. -189 - Presta o compromisso regimental nnl Sr. Pio.Fel~ppe Schm. .uma so Camara. de accordo com o voto do nosso repre~en­ tante no seio da Commissão dos ~i. - Vem á -Mesa e é lida a seguinte Indicação ..7°. quando estas e a importancia do mesmo I~OrJ jf. Barbosa Lima reclama -contra a redacção do artig:) (j() do Regln1ento. antes' de ser approvada a Constituição da Republica e. . mas.. Requerendo-se a prorogação da hora do expediente. COrte de Appellação. 6°. por lntermedlo do MlnI§!trp da .idt . . oomeçando ás 11 horas da manhã~ e que tambem se trabalhe aos domingos. -" A.são dos ~ts. Vem á mesa . o Congresso 'não concede.. Resposta dirigida ao Congresso Nacional pelo Generalis- ::lImO Chefe do Governo Provisorio. :por conseguinte. O Sr. representante do Estado da Bahia e vem á Mesa e é lida a: . Presidente declara que a Mesa tomará na devida consideracãü a reclamação do nobre Deputado. Vem a ílVIiesa e é lido o s'eguinte Requerimento Requeiro adiamento da discus. Annnunciada a dis'cussão do proj. reconhece-se que a prorogação fôra concedida. Considerando illegaes as nomeações' feitas para o Su- prC1110 Trjbunal Federal.e 8°.S. Declaramos que subscrévemos a emenda que estabelece . O Sr .e é lida a seguinte Moção O Congresso Nacional~ considerando' altamente incon- veniente a execução do novo Codigo Penal a começar já desde n dja 20 do corrente nesta Capit.. reclamando alguns Srs.Costa bfachado. chado. repre. vem a Mesa a seguinte Declaração. H07'n.Cal'los Campos . não obstante as duvidas e graves recIa- Inações suscitadas.Cassiano Candido Tavares Bastos. .~(l rcclan1urian1 a rcvisfto e estudo da5 duas camaras pro- xi mas a funccionarem en1 sessão ordinaria. Muller . . São lidas varias emendas '3. que diverge do que foi vencido. e gue solicite-~e do Governo.al.0 mesmo proj eeto.Lacel'da Couttnho. R.. ~ão rejeitados os dois requerimentos do Sr. . Indicamos que se augmentem duas horas aos nossos tra- b11l0S. como determina o decrel'. Tribunal Civil e Criminal e pretores.

lh E~tadu da Balda~ contra o decreto de liberdade de vultos .A. 0190 - Fazcnda~ iEl"-onn3:táo ~c ..Joaquim Sm"mento .. . Itejciçfto do requcrÍlnento do Sr. Amorún Gm·âa. Moraes Barros.agalháes . Pallel'a .-. . José Simeão .') da C'ruz .ei ~t f:. .wino . Augusto de :FreiLas~ fi- cundn prcjudieado 1)110 Sr.ler .1stO. Pe'l'"- nambuco . -Declaro que yot. Ra?t1nu.J H'!. .m.o COllg.áo iJassada~ vl)lei il fa VI)!" UO ]'eql~e­ J'inll~nl (I (1" palte).s ~icladão~ na obra ·da funda~ão dos estados respectivos.Fre- (lcl"'icu B01'geS . Fe'rreira Pi'res .o Coelho prorogação de hora~ para ser discutida nessa mesma s·essão a indicacão apres'entada pür clle c outros representantes~ não foi ap'P'rovado o requeri- nlento verbal de S. _4:velw' .rabalhos cxil5tentes no Thesourn .l:esso C'onstituinte declara inconvenientes os cn- ·::salos ele·· org'anízação dos'esta'dos~ í'icandoadiada até ser vo- tada a Constituição Federal e adaptada pelo Poder Legisla- tivo 1l0YU lei .' Requereu e111 seguida o lU esmo senhor que a dita indi- cação fosse dada para a ord-enldo dia da sessão seguinte.J.gTmüa parte. lW domingio. concernente á cclcbl'ação de ses:::ã.Saraiva .Bellarrnino Ca:rneiro .Leovi{Jilclo Coelho .or da lllOCâo do Sr.Leonel Filho . Requerendo (I Sr. Zama~ relativa ao att..F'rede1"ico Se'/'- 1"aJLO .hi·c a renda discrilninaua.ü d~ yc:nccl' .im "\Vcl'neck . que ~e.BapNsta da Jlotta -. lu Secretario pl"Oecdc á loitul'u dl~ um n'qr:C]'ímen(o do~ JJabitant.Cllslodio de lflello . DeclaJ'a~:õe~' dc 'votos DeelUl'n que.e~ da Yil1a (h~ Hcmanso. U'rbano fflw'c.Nilo Peçanha . P'ranr.a Car- 'calho.eleitoral que assegure a coparticipação de todos (. Stoc1:.tsto de P'reitas.r 03.· l1(l1Tos. .essão ele :1.crúnenlo .A.Barbosa Lima .5 o Sr.. na sus::-.0 adi~llllenlo prOpl. _1. A. ~ Erico Coelho .ilu!J1.JlllZ. Na :-.Ucltôa Rod'rigues .n. Eric. Velll L:'UllbcUl á l\lC'~i:l 1.ia sen.entado ~(ln1nlettido contra a' Tr·ibuna.ArisNdes Lobo -Tho1naz Delfino .ondes .' F1·óe.1 })l'C.all: e cn1) Lra n se..1 seguinte RC(ju..k Carvalho .F1'(('ncisco 3Iachado .Americo Lobo - Chagas Lob-ato . relativo á pl'orogl'acáo da me~rna se~:-. de accôrdo COlll os t. .Fu'/'- qu.Jla1'ciano de )f. Tolentino r. \Ex...ndo Bandcú'a . não sendo tambem approvado este requerimento.Q da :pnrnClra dlSCUSSitO. ~() ea:-. JfoJ'ac. Olllntho .philophio. dos divc1"so~ estados.

·na sessão ·do dia 13.) o seu pedIdo par'a..Janeiro ao' paragranho unico do art. sessão de '17. . -··-lVaOt:rrem ITo dIa.os. § 7". .JO~I~ Marianno voLulJão n0l11inal.equeil'o que seja dis'Cuéido o ul'L 4·~ da CrmsULni )ãn .-Rclnmlw. Erico Coclh. Na OI'denl do dia. da lnesmu. requereu o Sr . Le'm. São lida::::'. ser dada~para·orden1~o dia a discussão da rnocãoapresentad~ p01' clle c outros representantes.Lmrw'l. entrando em dlsCUSSao o proJectó-(fe ~ Con3t. .e por não estar presente deixei d8 assignar . l'cpl'esén- tantes~ não foi approvado o requerimento. Em seg'uida: requercndo o SI'. lida a aGia da sessão antcccdcnLe~ é i:l9. YeIn .depois de discl'üninadas t' fixadas as leis de rondas da União p dos·-cstudos . foi aprcsc!ltad3 pelos meus companhciro::: deputados pelo Es. .á Mesa e é lida a seguinte Indicação Indku qun seja adiada a discussão do arL.1 do Constituição. (~ approvada. 2'-' da' ConsLi- ttli~~ãf) para depois de votado o art. apoiadas e entran1 conjuntan1ente em discussão varia~ E'Tncndas Na. Na sessão de '16: lida a acta da sessão antecedcnte. tO.n daqucI10 J'(. E' lido e fka sobre a Mesa o segLlinte Beque rirnenlo n. \E1ll seguida reitera o Sr. do projecLo ·de Constituição para quando se discutir o arUgo 72. continuando a P discussão do PI'(ljccL.. <5:. . Costa 11. 2°. :8~ rejeilado o requerimento.a emenda -::Iue.Cu·yllo de.ituiçãq" :vêm á l'fIesa varias E'Tnendas Venl á l\'Iesa e é 1ida a seguinte Indicação Indico que seja adiada a discussão do ul'L. ~ 2".tado elo RlO r1(~ .:G.~ êll1endas que lhe foram apresentadas . Erico Coelho que seja dada l}Ul'U a flt parte da ordem do dia da sessão seguinte a moeão anteriorll1enf.1achado.e apresentada por ellc c outros Srs.·apPl'ovada esta illdicacfLo.tnic1' Godofredo. Posta a vütos~ não é. . Suscitandu-50 duvida:-: sn1Jr'n ~l vnlu'. 'i·mD á Mesa a segou inte Declaração Declaro que sóment. .." provada.'(1111'- J'in1cnto.

. Emendas Na sessão de 19 é lida e approvada a acta da s~sRão a1'. apoiada. apoiadas e entram conjunctamenfe em discussão v~rias Emendas Na sessão de 18. Prestaram o compromisso regimental dois Srs'.. . Lauro Müller protesta contra o anto de promessa que acabava de fazer o Sr. Requerendo o mesmo Sr.edente é apprQvada.Sr.são cornposta.jecto de Constituivão~ vêm á l\fesa~ são lidas. de tl'CS j'epresentantes. lida. Lê-se tan1bem um requerimento do Sr. Na 1:l parte 'da ordem do dia entra em discus'são a moção do Sr. Erico Coelho nova urgenciê. Deputado pela Bahia. dis- cussão do prl. para ser discutida a lll0ção do Sr. é adprovado.áo dia 19. repre- sentantes pelo Estado da Bahia. Nu. ã Mesa e são lidas.- tecedente.pa. não foi approvado o re- querimento. designando o Sr. Erico Coelho e outros Srs.s c cnLrUlll C:Oll- jUllctamente em discussão outras ' Emendas . é ap- provada. representantes sobre. 110ra da tarde.ordenl do dia~ entrando em discussão o projecto d~ Constituição~ VêD1 á Mesa. O .o. Presidente a 1a parte da ordelll . a organização dos estados. . são lidas e apoiadas varias Emendas São ainda lidas. continuando a 1 discussão do projecLo 11 de Constituição. são lidas. . e ~)ede que se faça esta declaração na acta. Leandro ·MacieL nepntado por Sergi'Pe~ pedindo liçença para ausentar-se destá Cs. apoi~das e entram conjunctarnente em discussão varias Emendas Vên1 ainda.ra dar parecer sobre este requeri 111ent. lida a aeta da sessão antecedente. Na ardeul do dia.l para 'continuar na 1 parte da or. Erico Coel110..dem do dia da sessão se- 1l guinte a discuss'ão da sua moção. O Sr. apoiadas e entram conJunctamcnte enl discussão vari as . a acta da sessão antec. até 1.pita1. SumeUido â votação este requerin1ento. Presidente nOlneia Ulna COlnn1is. Entrando na' segunda parte da ordem do dia a 1"11. Prisco Pa- raíso. Ka sessão 'de 20. .

. 2 . Ao -ser annunciada ·a votacão do art.acão do ar- tigo 1° do projecto de Constituicão. Thomaz Coelho de Almeida. da Qomnlissão nomea6a para dar parecer sobre o pedido de IIcenta -do Sr. _. Po~'ta a votos: esta' nloção é approvada.F. Retumba. (1 pl'O- jecto de. 5°. Deputado pelo Estado de:Sergipe: Leandro Maciel. . de An- drade.sto á votos. . <~Declaram. Vis- conde de Porto Seguro ao então ministro da .Ag. 8° e 12. entra'ndo em primeira.ocede~se á vot. ~. Almeida Barreto.1> P. representantes': O Congresso Nacional congratula-se com o Governo Pfo':: visorio por ter mandado fazer ·eliminar dos archivos nacit)- D2es O~ ulLimOB vestigios da escravidão TIL) ]3l'aziI. ·Procede-se á votação do art. o Sr. 4°. com uma emenda da Commissão e outra do Sr. ~Tulio de Castilhos.Presi- dente declara que acha-se sobre a mesa um requerimento do Sr. Sr. é este requerimento r~geitado. . Na sessão de 22. sendo ap- p. para ausenf. .Pedro A1ne- 'rico. do proj ecLo de Constituição. 4°.a~~ignada por 84' Srs. discussão.Mesa a cópia de um ·officio do Sr.DPl'oyudo. 4° da Constitu.J e o art. afim de que as emendas referent. Lê-se o parecer n. Na ordem do di3i. Vem ú.' 1°. depois á votação do requerimento do Sr. onde se fazia justa e devida referGneia ao glo- l'i080 facto do dia 15 de novembro de 1889.()s ter votado pelo art. Constituicão. con- 13 . da Silvei1'a. 3°· do rproj eeto. . apresentado na sessão de 15 do corrente. vêm á Mesa varias . 193- Vem ú' Mesa a: seguinl·e ' Moção . : Procede-s'e successivamente á votação do art. com varias -emendas da Commissão. e §§ 1°. leis de rendas da União e dos estados. Mursa. Pc. . lida: a aeta da sessão anterior. 3°. Luiz.1890.· que é tambelU ap- provada. dá-s'e por approvada.ição e emendas depois de discriminadas e fixadasa. . 2° 3° e 4° que são approva:dos.a~ão do art. Passando-se' á ordem do dia.ntido do pedido.pinando . -. que é rejeitado.l'ícuItura.a Commissão no se. Procedendo-se. salvo a enl·enda da Commjssão Especial. pedindo que só se votenl o art. procede-~e á vot. -Emendas Vem tamlbem á .'·ovada. Mesa a s'eguinte Declaração de voto . a emenda substitu1tiva da Commissão aI) n1esmo artigo. São tamhem approvados o paragrapho unico do arL. Espirito Santo.es ao ar- tigo 8° sejam votadas depois' da votação dos arts.m'-se desta Capital. . o Qual é 3. o.

A. 4°. . insira na a6ta respectiva. bem assim.Aristides Lobo. que são approvados. 3 do projecto de Cons- Q tituição. <ie hoje o meu voto negãtivo. . : Declaro que votei contra o. . 30 do Regimento. . -. sob qualquer especioso pre- texto de falso patriotismo. Eusebio. . que pas- sava a cargo da União o pagamento das dividas dos estados. Requeiro.Santos Peret1'a.tutiva ao art. sempre attribuição do .••4.t' i~ .. . Saraiva. . tenha divida passiva.Paula Guimarães.QoD. divida dos Estados pela União.-A. Na sessão de 23.F. de votos Declaramos que votámos contra a emenda do Sr. porque () reputo uma ameaça imminente aos pe- quenos estados. . s6mente 'Por achal-a pre- matura antes da discriminação das rendas lestabelecida pelos arts.t'Tesso determinar o typo bancario como entender.Tko'J1'W. art. e que conclue no sentido de ser concedida a licença requerida. êO e seguintes. que. Pereira Lyra. q~~e votámos contra a emenda ao art. da Commissão nomeada para emitt-ir opini50 sobre o pedido de licença do Sr. 6°. . e ann't:.passivas dos mesmos até 15 de novembro de 1. votaremos il. .Z Delphi'1lo. Sodré. . . Deputado Pelo Estado de Sergipe. Leandro 'M'aciel.Barão de S. . 7° com uma emenda. 6Q~ . 194- Junctamente com as emendas apresentadas â estes artigo'~ é elle rej eitado. Milton. Declo:rações. 2. .: e.. -• . QUí3 seja inscripto na acta.OT.Santos Pereira. po~quanto é.. .' lida a acta da sessão antecedente.ão. relativa ao pagamento da. . . 8° . - Belarmino Carneiro.llar-se no seio da União. Ceará n. E' lido" posto em discussão e sem debate approvado o pa- recer 1J. cómquanto o Es~ado do.A.' peclaro que votei contra o § 6° do art. Almino Alvares Af- jônso.t. 4°. Marcos. que por elle ficam expostos a desappat:ecer.lvares Affonso. .Augusto de Freítas. . Procede-se á votação nominal de uma emenda substi- . . Custodio de jlello. iVêm á iMesa as seguintes Declarações de votO( Declaramos. e o :faça publi~ar no Diario Offi- ciai~ -para em todo o tempo contar. Declaramos ter votado pela emenda ao art.. E' rejeitada a ·emenda substitutiva. pois~ na f6rma do ar- tigo 30 do Regimento Interno.890. é ap- provada. qualque~ .Raymundo Bandeira. Lauro Mülle'1·. S. . Procede-se suecessivamente á votação dos ns.Arthur Riol~. - 19nacio Fortes. . 2. para que se. Se- nador Amaro Cavalcant~ por julgal-a perfeitamente ociosa. . . R. na fórma do art. 3 e 4 e a do art. Declaramos que votámos pela ·emenda que d áaos Estados 15 o/Ó da importação e pagamento das dividas . . . E' approvado· o art. 1. Declaro que votei contra o art. 3° e requeiro que' seja inserto na acta de hoje o meu voto negativo. contrahidas·' até 15 de novembro de 1889. deste·· anno.. .

E' approvada uma emenda ad-ditiva da Commissão ao ll.2 para quando sé tratar d. . 11.alve.- .Gonr. São successivamente !3ubmettidos á votacão {)s ns. .erecidas ao art . -. .losé Avelino. 0 • O Sr. Procedendo-se á votação do art... em confirmação do voto ante- rior. ' . Theodoreto Souto.O m-onum. .Martinho Ro- d1'i(Jues. 6°.J. Sr. SO. José MaFiano re~ativa aos 1.. .0.Amer'Lco Lobo.(Jalhães. o direito . V-ota-se o n. 8° ~ :no 2. corre(tÍva ao art. 1. i. (Presidente diz que estão sendo "Votadas todas as cm:endas off. 8°.ão o § l3. discussão e votação do art. ' O Sr. e -em seguida serão sujeitas oi v~otacão as .. é lida e apoiada a seguinte - lMoção O Congresso dos Representantes dos Estados Unidos do Brazil exara unl voto de perenne louvor ao Exercito e 1\1'- lllada nacionaes.. a qual e approvada. .BeZe7"rit.José Bevilaqua. '.spo. .loão Loope. . 9 do. Vem á Mesa. . Republica respeitavel 'e inviolavel. . Catunda. r~ser­ vando-nos . E' submettid'o á votai. .. d-e.a. . j E' approvada a 'emenda da Cornmissão que supprime p. e passa á ordem do dia. . 1 do art. sciente e ~Oll­ scienl:~ de que a parLe armada da Nação sempre mant·~~á . . quando o julgarmos oportuno.:'L~ÜUS= pela União.a votos um~ cnlenda suppressiva da Commissão ao mesmo artigo. - Barbosa Lima.. por terem coroado o 'Santo ideal dos martyres de illossa iliberdade ·e .Ber-nardo 1YI(). § 8° do projecto. . . votação adiada para de- l)ois da do art. fica adiada a discussão e votação do n. . . seJa· mclUlda ~ Dp.~ de Lagos.offerecidas ao art.. E' rejeitada uma emenda propondo a suppressao do nu- lnero 3 do art. Presidente ·diz que. 6 n • E' posto a votos e rejeitado o art. em virtude de deliberação do Congresso. é posta . 7°. pe~~ que .Vêm-se á :Mesa as seguintes Declarações de vo'tos Votároos -pela emenda do.'5 % addíciona:es sobre os lmposto~ d~ lID:portacao. 2 n 3 do art. Vota-se o art.'i- Frederico Borges. aos 15 de novenlbro de 1889. E' approvada uma emenda da Commissão.195- s}"sLema racional para o resgate da 'UIVfaa-oos-outro-s=e. ..l.~ Na ordem do dia continúa a votação dos artigos do ti- tulo I do projecto de Constituição.ento de nossas glorias immor- l'cdouras com a proclamação da Republica Federativa. 0 E' em seguida posta a votos e rejeitada UIna emenda. go. 1. proJectoe ap- 0 provada uma ·emenda da Commissão. J.. 2. e garantirá· a paz e a tranquilidade nepess:arias ao exercicio de todos os direitos. . de Serpa. . .

12e . a Republica respeitavel e invi-olavel. __ .Leite Oiticica.1osé Sirnciio de Oliveira. por cnnsiôeral-a nledida de caracter provisorio. . S.. TJtomaz Delphino. R. Zania requer que se consulte o Congresso afim de ver si ·elJe consente qu'e não' se' trabalhe no dia 25. . Mei1-a de Vas~ concellos. . dia do nascimento de N. .O Sr. rcsalvado assinl o prlncipio federativo. é l\1arianno~ André Cavalca:nti e outros... . E. na fárma da minha emenda ao art. .To:.J.o é approvado.1llneida.. não é elle. Jesus Christo.Zama. da in'. Antonio Euzebio~ depois de algumas explicaC}ões pes$oaes~ pede dispensa do cargo de Vice-Pre- sidente.» : O Sr. S. Consultado o OO~"I'es'so:sobre o pedido. quando eu preferia que ella fosse facultativa. «O Congresso dos Representantes dos Estados Unidos do })J'azi1 exara UUl voto de perenne louvor ao Exercito e Ar- nlada. ~19'6 - sições transUoricis. medida obrlgatOI'la para todos os estados. Declaro ·que votei contra a enlenda dos 15 % addicio- nae~ aos. e garantirá a paz e a tranquilidade necessarias ao exercicio de todos os direitos.as em'ondas. . 60 já appro- vad·o. Na s'essão de 24~ é lida e appr-ovada a aeta da sessão an- terior.ac- ceito. . p~ojee!t9.d.C. ' DGclaro que votei não sobre a quota de 15 % deduzido::. aos 15 de novembro de 1889.uma em'anda suppress.ao nlesmo tempo priva a União do direito de a1 iferir o augmento dos impostos de iJnpol'tação~ reservados a si nelo § 10 do art. Na cOllt. .nacionaes~ por tcrcn1 c. Lauro Müller pede e é approvaõo -o adiamento da discussão para occasião opportuna.ente.. por tornar a. unaninlem.·.. Aristides Lobo. . dire-itos s-obre a importação.ão~ enlhora reconheçamos que essa concessão ataca o prineipio da Federação c1IIS Estados e . na seS'Unda discussâo.B.J. ~ .iva. .Nelson de . . . . ac- ceitanlDs este ultimo recurso. na 1 parte da ordem do dia..L. 6°. relativa ao art. _.9 ar. Car- neiro. 1 Entra em discussão~.procede-s·e á 'votação do art. 1.illgencia d·e ficarem os estados sem renda. Americo (Lobo.oroadó o ·saTl. Posto a votos é approvado o pedido. E rejeitada .12 do.to idéal dos mar- tYl'es de nossa liberdade ·e o monumento de nO$sas glorias in1- 11101'I'edouras conl a proclamação da lruepublica Federativa.portação~ por entender que este recurso é iThSufficient ~ c que os estados do Norte precisam de um recurso mais anlplo~ que attenda ás suas necessidades e resolva a sua or- ganização financeira de UU1 modo conveniente para poder nlanter-se a Federação.Frederico Bo'rges. necessaria á or- g'anização dos estados que têm dividas passivas. José de Mello. . . Na 2a parte da ordem do dia . a se- A guinte DJoção do Sr.. 6°. ' DfClal'un1os que votamos pela emenda dos 81's.Ser-zedello Correia. e !passa á orde·m do dia~ sciente e consciente de que parte armada da Nação sempre manterá. . Declaran10s que votánlos pela enlenda que concede aos c~lados o in1posto addieional de 15 % sobre os direitos de im- lJortação~ eon10 reclu'so ultimo de vida para os estados~ á vista do plano da discriIninação das rendas adoptado pela Gonstituiç.. de Serpa. Em seguida o Sr. .Santos :Pere'ira.

4lmino Alvare. é lido.- Vem tamben1 á Mesa. 14 e 15 do vrojecto..c. idem. e outros serviços de caracter gera1." Iden1.Leite Oitieica# . discriminadas as rendas por estados. djscJ~imjnada cada verba e o onus de -cada uma. . 4.. apesar de ter sido clla nominal. . • b) fumo. e quanto foi arre- cadado em cada um. d) alcoo!. subst. 26 de dei.. 8°. §ão li9as. . de _~fendonça. Te!:nlina. contin(m a -dlscussao do capitulo II do projecto. . p~ra entrar na in prirte da ordem do dia da sessão segnü1l. 12 e 14 do prüjecto de Constituição e requeiro que se insira este voto na ael. Qual a cifra exacta dos encargos da Republica pro- 0 1 veniente dos serviços de que está onerada hoje.ederaI.a 0.encia per1jd~. rJcclnra~ão que sou obrigado a fazeJ\ por ter havido omis:::ão do meu nome no Diar-io do Congresso Nacional. 13. . :f97- São approvados os arts.pBla Alfandega da Capital Federai: e por todas as re- partições da mesma Capital. Vem á Mesa a seguinte. .Anprova :l ul'. l)eclaração dr] voto Declaro que votei contra os art.Citutiva do art.m!Jro de 1S9'1 . . de 23 do cor- rente. 34loiadas e entram conjllnctan1ente em dis- cussao varIaS E'menrJ:as e additivos Na sessão de 26 é lida e approvada a actn: da sessão an- tecedent.e de janeiro a junho de 1890..da -a votação do titulo preliminar. .0 A quanto montaram as rendas arrecadadas nos dois semestres de julho a dezembro de 1889. Vem ú Mesa a seguinte Decla?~a. 3. • Affonso. especificadamente aquellas e as doS' Correios e Tele:g:raphos. em que vem publicada a votação. Sala das sessões do Congresso Nacional.° A quanto montam as rendas provinciaes dos segnintes artigos: a)' objectos· de luxo.. dos serviyos custe. 2. do 'Sr.Julio de astilhos.e.ados pelo Go- verno geral.P. c) bebidas espirituosas. apoiada e posto em clis- cnssão o seguinte RequeJ'i'inentrJ Requeiro que Ipelos canaes competentes se solicitem do Governo as seguintes informações: 1..a. _ .menda. em relação ás estradas de ferro perten- centes ao Estado F.ção de voto Declriro que~ na sessão de 22 do correD ter vote{ contra .

em vIrt. Na ia parte da ordem do dia entra em discus~ão o re- al!e. E' re. Zama. Badar6 ao art.. são lidas. . Eme'lidas Yêm á il\fesa. -' Annunci.m '30provadél uma emenda da Commi~são 3. f8~ . E' approvado o requerimento. .iudicadas~ procede-se fi votação nom inaL seg"turdo a qual ('I Congresso não consj·del'a 'Prejlldim:a.ana a votacão da p. Tosta. 20 do projecto.ntantes. eitado um requenmAnto verbaJ 'ijo Sr-:--lFrõc 5 i s·obrp. P1"esident.:' secçao I: do prOJecto de Constituição e das emendas. . E' approvada. São approvadas em seguida ·as emendas da Commi:::. ·Posto a votos o art. FJ'">ederico Borges. 23.menda do m·esmo Sr. E' apPJ"ovada uma emenda suhstitutiva da Oommis~. o adiamento da votaGão de emendas. 18 e 19 do riro. depois de algumas observacões de dois Srs. F~' 'mo~rovado '0 art. 16 do projecto.ude de urgencia approvada pelo Congresso a reauerImento do mesmo senhor. apoiadas e entram conjunctamente em dlscussao varIas .0 mes·mo artign_ ficando prejudicado o substitutivo do Sr. . do Sr.são lidas.uÚa:"":o·=a ~'::cdiséussão"c:do~-c'apítU16~-1·=-'-. §~ 1° e 2°. fi~ando prejudicada a emenõa substitutiva do Sr. ~uscitando-s'e duvidas sobre ~i duas emendas do 8r. ?:alna ficaram prp.. 19 e o substitutivo do m~smo Sr. . Leite 01tIclca~ .. bem como o art. seerão T. Na 2 parte da ordem do dia continúa a di~·cussã{) do ca- 11 pitulo T. Deputado.e prejudicado o art.ri.robo. ileclara o Sr. 21. 19.ao arf. uma emenda aclditiva do SI' .~ã.iecto. e rejeitada uma emenda do Sr. Zama :w art.~ento apresentado na sessão anterior pelo Sr. Representant:e ao ~ {O do art.que é ern ~eg'ujda approvado. E' approvado o art. aI)oiad. representantes.j eitadas varias 'emenda:s. Ficam prej. dá-se a acta por approvada.. fic. Americo !.anf(n p-rejudjc~ado~ os arts. 'Vôm ti l\fesa. são lidas. do projecto de Constituição c· das emendas.as 6 entram coniuncta- mente em discussão varias . apoiadas mais outras Emendas Na sessão de 27. 17. São T'P.<::per~ial .ndicadas uma 'emenda substitutiva e outra snppresisva. r~- prese.-) Ei. da Commissão. " E' approvado o art.menda do Sj". ':êm á _Mesa~ . 22. 16. é appl'ovado~ bem assim o § 1 o~: E' approvada ~a emenâa cOITectiv3.& a p. E' tambp. 198- ·c:l'Ta=o!'dem:::'40=:::-dia"=--cont~. . Emenflas E' re.ão.1'eitado um additivo do Sr. ~ . . Cassiano do Nascimento e outros -Srs.

Presidente que considera prejudicadas as da- maIS . ~ Almino Alvares Affonso. Si estivesse presente~ teria votado contra... os' E' approvado o ê. 25~ porque entendo que todos oS erlrangeiros. 2 cio art.. prejudicou effectivamente aq1llellaemenda... Declaro que votei . pensarnento fosse equiparar o subsidio dos . .Gil GO'l. porque.que não me achava no recinto desta Casa quando SE\procedeu á verificação davota{. .Dr.ao=csubstit1J. a emenda . reoonh~­ cendo-se afinal que não ha casa para se '\otar. no :goz'o de todos os direitos: não reco- nheço justificação para a excePcão.no"".politica do cidadão.José Bevilaqua.:. portanto. 'V'êm á Mesa .. qu e acceitarem a naturalização. essa emenda seria. t do art. repr'esentantc._. Dr. Zama e Badar6 por entender. suscita-se uma questão de ordem. Cezar Zama.senadores ao que percehem actualmente os depntados. 25 do projecto..não .. -por considerar que a votação do Con- g-resso..Do- mingos Vicente. .. 'f'(1r- 0.p6de eg-ualar os subsidios dos representantes das d.~~_~J?provnda '-li .emendas. 11.. Et approvado o n.. . . que a fixação de s"ubs'idio é attribuicão do Congresso ordi- nario. ficando preludicados: o artigo do projecto St~bsbtullvos de vífrios ~rs..-.99 - __ ~.não . 23 vDtámos contra as ~mendas dos Srs. Noqueira Paranaguá.. Bellar- mino Carneiro. 1.1 I.'-"c~.que egu'ala o suhc. Represen- f.a- ----~ --0-.tivo --daL .ante do Rio Gra.-'"substitutiva ~ t· d-a Commissão aO' I.nde do Norte.-ão da emenda . 26" e de- cla~ando o Sr.isto é" que não estava Pre- judicada a emenda do Sr.las caro:aras.Bela1'mino Mendonça. .o Guedes. .José Bernardo de :A'[edeiros.--e-as.PinheiT.eUlOOIlUU::l" uU=-I?1. de' Amorim Garcia. relativa á capacidade .mos. f ficando prejudicado o rnesmo n.. . e-- . salvo si o seu. . Amaro Cavalcanti. -.na votação nominal sobre a emenda ao additivo.... Damos voto affirmativo ácerca da emenda suppreSSlva do Sr. . neste caso. Correia Rabello ao n. como rp:receitúa o proJeeto de Con-stituição. ficam sendo cidadãos brazi- leir05~e... 25 do projecto. Vem á Mesa a seguinte DECLARAÇXO DE VOTO . que . . Declaro votar. Zama .tlart. . Declaro .=qC-. -.arcm..idio dos deputados ao dos senadores. Et approvada ~ ~lnen!Ja suppressiva da Commissão ao art.as seguintes: Decla-rações de votos Declaro que votei contra a emenda da Commissão ali § 2° do art. Ao art. -.. --.Almeida Barreto..Jionteiro de Barros.mbstitutivo do Sr. . Coml"?iss~o.enl vantagem dos cofres publicas do paiz e jámais deixaria -de votar por el1a. _ Declaramos ter votado pela 'emenda do SI' . al)provando a emenda substitutiva da Gommissáo dos 21:. sem attenção á sua religião ou crença.

Antão de Faria. R.Pa- cifico . .aB segnintes DECARAÇÕBS DE VOTO Declaramos que votámos no sentido de não ser conside- rada prejudicada a enlcnda rio SI'. opinião da n1esma Comn1is.A. que éOÍlsagra assumpto de liberdade espiritual. seja nomeada uma COD1missão. Senador. 58 in fine do Regi- mento.a quando fo'C tiv~r de votar o art.p-ªra_.-oJ'_dem -uu~-. DO sentido de poder entrar englobadanl-entc em 1n discussão mais de um capitulo do proJeeto constitucional. Vêm á Mesa . . Declaramos· Que :votámos que a emenda do Sr.-ººt~ª-r~-cJ1a.. por n11m apresentado COBio additivo á E'n1enda ao arL 26 do projecto de Constituição. Anlaro Cavalcanti: ~' Requeiro .. e o Congresso . fique adiada par. salvo empate na votação~ que. . para opportu- nanlentc ent.lgel1f'io. continuando a votação do capitulo II do projecto de Constituição. Dem. Amaro Caya]cnnti não estav3· prejudicada. 200- _~ _ _ ~f }i~~~_~pot~ºª~. será resolvido pelo . . é lido o segainte requerimento do Sr.A.v!l.llanoel Ji''ll. . E . Amaro CavalcanU. considerando-se questão ven":' I cida a.dolpho Pio. Francisco Bada'/. : O Sr. Na ordem do dia. S.Qarlos Chagas.etrio Ribeiro.i!TII~.José J. . dllr. . José l\iariano requ~r e o Congresso coneede ur- gencia para serem discutidas estas indicações.~_c:in~I?r.o fosse considerada preJudicada a emenda do Sr. .has as camaras aqu i reunidas.'lbol Falcão. . para delles tomar conhecimento e reso:ver. Votei para que nã. Inlico que seja interpretado o art..iulga prB- jurlieada a emenda do mesmo Sr.erla nova.' .Mascarenhas.ante I) períorIo da appro- vação da Constituição. 58 do Regimento. -.José Símeãc.l1ariano. - FrÓf?S da Cruz.B'lteno de PaifVa. 72 do mesmo projecto.a votação da nlateria ao paragrapho uníco. Ba. no sentido de se d~ternlinar -que as enlendas substi- tutivas sejam 'Votadas priuleiro do que os artigos do projecto. por conter l:naf. .. . toda vez que o Congresso. . ."rclDaInOS~ a seguInte . . Fonseca Herrne.=.~.J. apoiadas e ficam sobre a mesa. assim entender conveniente. com- post:l de egual numero de senadores e deputados. as seeouintes INDICAÇÕES Indico que seja reformado o art._.Alcindo Guanabara. INDICAÇÃO Proponho que foda vez que. por votaçã.L. approvado este requerim'ento. Amaro Cavalcanti. F1'ede1'ico Borges.rarem na ardeu1 dos trabalhos.o expressa. neste caso. A1m.voto do Presidente deste Congresso. .lmeida Barreto .são.rbosa Limp. . 'São lidas. . . nesLeCongresso se tiver de tratar de assumptos que entendam con1 as prerogativas de arn.6.

' E' approvado "O § 1. .~O no CAPITUI"O Ir. -. 'vêm ú Mesa varias .c-.que votei para ·que a emenda do Sr Amaro .__J()ão"Lu. o que desde já apro- veitaria nas proximas eleições dQs congressos dos estados. .. . ." Sodré. e uma emenda da Commissão. que diz: Ningumn' será declarado incompativel.ei contra a emenda que :l ConlulÍssão apre- sentou ao art. sendo rejeitada uma sub- emenda.que votei pela emenda do Sr..A. .que houver de estabelecer in- compatibilidades.igues e outros SrS. . Amaro Cavalcanti. 27 do projecto de Constituição. que nenhuma p6:àe ser estalJelec. E' approvado o art.Santos Pereira. ... EME'NDAS Posto a votos o art. li!ontei1-r. . por falta . Requeiro que se insira na acta . ficando prejudicado um additivo.ida 'por motivo de crença e profissão religio.ca- valcanti não fosse .~_:'-_:. . Declaramos que votámos no sentido de não estar JI)reju-_ dicada a emenda do Sr. Milton.Ignacio -Tosta.i.Amphilop"~io. d"o projecto de Constituit}ão . E' -approvada um·a emenda dos Srs. secCjúo I.F. por·que se estabelece cadg Estado como uma circum-scripçâo eleitoral.""_~-cÇlJ.:tma garantia da liberdade a agualdade dos cidadãos e rlos ~~P'll~ direitos políticos. .' . pe- dido pelo Sr.0 E' approvada uma emenda do Sr. "Entrando en1 discussão o capitulo IIr do pro ieero. por m-e parecer :. como uma prova de respe2to á liberdade de consciencia. Declaro . SECÇÃO I Entra em discussão o Cpitulo II. .. Uchôa Rodr. 28. Antonio Olyntho. 28. sendo rejeitada outra em-enda substitutiva. 27.sa. .1~ •. -201 - ". . como norma da lei ordinaria . EMENDAS Não se póde votar o requerimento de encerramento. que ficasse consignado na -Constituição.Paula Guimarães. E' rejeitada uma emenda de suppressão de algumas pa- lavras do art. José Hygino e José !Mariano. . por ser crente ou ministro de uma religião.Custodio de Mello.} de Rarros. Senador Amaro Cavalcanti.de numero. Franciscc} Badar6. é ap- provado.~ll{J. bem como a emenda.7zrif!J:~: de -lJlagalltães. ."c~"c(Jhagas~ocLoba1o. representantes. .são lidas~ apoiadas e entram conjunctamente eni dis·cussão varlas . 'Vem á Mesa a seguinte DECLARAÇÃO DE VOTO .nen1 o capitulom. Declal'o que vof. Amaro Cavalcanti.Av. .considerada prejudicada. DISCUSS.Garcia Pires.

unico poder competente para estabelecer restricções aos direitos politicos. ·Acto Addjcio1n~1. .(\m!i!issão dos 21 ao art.'J debet. - O Sr. Entra em discussão o capitulo v. Presidente nomeia urna Commissão para dar pare- cer sohre os requerimentos dos Srs. 26. 74.as ás do proiecto~ bastando citar. a do Equrador~ art. 76. no intuito de justificar a conàucta da Con1missão.os ~c­ guintc~ : «1.s. votei TIO sentido de se considerar prejudicada a emenda apre- sentada pelo Sr. que. pelo Sr. a da Suis~·. . a do LuxembuI1ro. . offerecida pela l.t~ 03 c<}s:n ÕE: jn:?'le- gibilidade. Senador A.e 96. não consignou e~ua!mcP. a de 'Costa Rica. Senadol' Saraiva.. por falta de numero.e 7S. 7 0 • «-'Lo "Finalmente. Cavalcanti ao artigo substitutivo .que outro~ fizeram. entre outras. Não havendo oradores inscriptos.eria constit. 26 do project. Por me parecer illogico o nrocedimento ·da Commis- 0 são. pedindo licença este para re- tirar-se da -Capital. por urgente necessidade. 26.o. 25) as condições de elcgibHidade. conseguintemente.aJ.accresce qne D1uitas constituições consignam disposições perfeitamente 1dentic. non ta'm· spectandum este Quod Romce factum sito quam iJ'll. fi. arloS. e que se faca inserir no DiQ1'in Official a mesma declaracão. nos seguintes fermos: «'lotei contra ~ emenda substitutiv~. é lida e apoiada a acta da sessão antecedente. Por considerar mat. 73. por incommodo. e.de não consf(1na.·e a dePortug-. a da Suecia. 150 e 15'L a da Belgica.ma Constif?âção disposições attinenfes fl incompatibili- dades.ionnl ao:. a in~le'!a_ art. 42. qUl2'stões de 0 1 inelegibilidade. consignando na Constituicão (art. e aquelle para retirar-se para f6ra do paiz.o da mesma natureza.. por -entender que as questões de in- compatibi1idad~ constituem assumpto delicado de mais para fiear ~ujejto êÍE v:ariações das legislatnras ordinarias. o Por ser improcedente· e contraria á verdade historica a razão apresentada.od Rornre fier. -consignadas nesse artigo. .~ <t2.t$.\ÇÕES DE VOTO Requeiro que se consigne na acta a declaracão de que votei contra a emenda substitutiva do art.1' nenhu.'a. 50'...s. pelos Jooti. art. art.. 80 . . V('im á l\fesa as segu int.i'. Aberta a sessão do dia 30. Conde de Figueiredo e l\r[artinho Rodrigues de Souza. visto como. ·arf. «3.. além de não sermos obrigado~ a fazer sem- Tlre o . art. de que cogitou o projecto. «Dey('l ainda declarar que.ca encerrada a discussão e adiada a votação. . 'ar. não obstante pensar assim.es DECAR. 202- EMENDAS E' encerrada a discussão do capitulo e adiada a votação. 53 e 5-4. e que constituem as- sl1mpt. da esphera de accão do Congresso Constituinte..

ís . no sentido de ·àAtArminnr flUO as emendas subst. . :vfnrjano r-: nO'3t:1~ S11C'ccssivnmenfc n. Vem :í :Mcsa a seguinte DECLA&\ÇXO DE VOTO Declaro aue votei contra o art. nã.~e~s50 de 29 nelo Sr.Gene- roso .cf.t emenda do Sr. ' . si ene fosse submettido á: votaÇão.7. E~ ta. do projccto de Const:itlllc·f. ~ rejeitnda: a segunda.vas sejam votadas prinlPiro do (fue os arti~os do projecto. que -apre- sentolj.Fírm2no ela Sflveíra.m discussão o capitulo I da secção rr do proje.que na sessão de hontem votei no sentiào de não estar prejudicado o additivodo Sr.o~utra emenda. para rrnc seja inLcrprctano' (1 mesmo {l.o (l(\ Consf-Huicão. Entra 0. Vf~m :i Mesa varias em-endas.edente. incompatibilizando directores e -presidentes de baneos.. Rl?quercndo o Sr. as- sim concebido: . E' lid~.íl) n ur- gcncia pedida.- . vai a imprimir o parecer da Comm5ssã.o nomeada nelo- Sr. 31 do nro.oda a materia referente á organização do Poder E:cecnt. o Con~r2sso conr:c..Almeida Bar- r'etC. .. arfo 58 rll) RegJímento.farque:~. Adolpho Gordo mais uma emenda.rtig-o. -203 - aceeito pelo Congresso. Conde de Figueirelo . Nu sessão de 31 é lida e a.J de Serpa. para . sobr-c materi. mas por não poder harmonizal-a com a votação anteríort' .e l\fartinho RoJriglles de Souza.pprovada a acta da sessão an- tec..ituti. Almeida Barreto urgen.Pinheiro Guefles.a regimental. . por en- tender que el1e ~stabelece a confusão de ponere~ e subordina o Senado ao Poder Executivo.que deu em resultado a approvacão do sub- stutitivo.'f1113 -:ein. - Na i parte da orden1 do rIia entram em discussão as in- ll dica(j0cs apresentadas :na . Josf.a.c\maro Cavalcanti. Requerendo o Sr.ro de uma religião . reformad() n. .(\ d:l ordem dn dia procede-se :-í. por- 'TUe não devemos afastar do parlamento uma classe habili- tada a esclarecer o estado financeiro do -paiz.n. ~ão lidas mais outra~ emendas.ivessemos presentes. in fine. pelo Sr. vof. Na 2 n nal'f.rs." _ Declaro . Erico Coelho ou <roe se votasse a mo- ção por elle apresentada eln outra ~essão. -' . votação dos capitll7o~ ITL IV. Rão lidas ainda outras emenda~.João Neíva. 8.6-:por~sér":cõntrario'aç.erimento. . ou se concedesse nr~encia para entrar na ordem do dia da sessão seguinte.os: . Jlt'iml"'?ra. . Requ erendo o Sr.cia para entrar na nrdem do dia da sessão seguinte uma indicação. é approvado este requ.n1 bem lida ma. teríamos votado -contra. . principio contido na emenda. _. c: V~ secção 1. o C0n~resso concede a urf:'encia pedida.ivo. Deputado José Mariano.Ninguem será declarado incompativel por ser crente Ou minist.iecto. e votaria pelo nlesmo additivo.í. Presidente para dar parecer sobre as licenças pP-didas pelo:=. Se -esf..· Declaramos que não nos achavamos no recinto desta Ca~n quando foi votada :. José Mariano que seja discutida engJo- hadanJente t.

consultado o Congre5so~ seJa nomeada uma Commissão de nove membros..uncç.nrias EME. -- seguinte INDICAÇÃO Indico 'fIue..:. é consagrado "á fraternidade dop povos.llorei1'a da Silva. 'apo13:da e':-:femâebate-appI'ovada a c c .ivo do Senador Am:aro Cavalcanti contra a incompatibilidade por crenças e f.aria contra a menda da .1\TDAS São lidas c apoiadas. porque nella vejo o adianlento Ia solução de uma ·quelstão~ que consid-ero de oapital .4. CansulHado.commissão ao § 10 do art. para entrarenl em discussão com o projcclo~ outras E:I\f.do pro. si fosse submeUj.arnbem que votaria no s·entido de não ser pr'e- judic!tdo o addit. sohre a organização dos es- tados. Declaro f.ic·cto de eonstituição.Felis- bello F1'eire.1naro Ca1. 23. 204- Vem a}\{esã~ é'Tiàa. . São lidas. que retirou do Coilgresso a attribuição de resolver definitiva- nlente a questão de limites entre os estados. para cunlprlme. Na 2 parte da ordem do dia continúa a i discussão da 11 Il secção rI .. o Iqual~ pela Republica. O Sr. Presidente nomeia a referida Con1111issão..importancia~ qual a da extensão territorial de algtlIis pequenos estados. . o Congresso resolve ser necessaria a concc~são de nova urgencia. pará que a moção possa continuar na ordem do dia. vot.ntar o Chefe do Governo Provisorfo.~alc(lntL . - . . Na 111 parte da úrdem do dia entra enl discussão a moção do Sr. com as crnendas apre- sentadas . no dia de amanhã (1 de janeiro). apoiadas c entram conjunctamente eUl dis- cussão v. Erico Coelho e outros.El\'1)AS Vem ú· :Mesa á seguinte DECLARAÇÃO DE VOTO Declaro CJue~ si estivesse presente á sessão de bontem.aria.da á votacão.iYBs religiosas~ a favor ela qual vot.

José Avelino. Cunha Junior.1. Epitacio Pessõ3. . Silva Can·~do. Rosa . Floriano Peixoto.. llO edifício destinado ao Congresso :\ucional. Oliveira· Galvão. Nascimento. Damasio. André Cavalcanti. João de Siqueira..IÜ SOL~'NNE DE INS~'. Amorim Garcia. Gomes da Silv-eira~ . FELIClO DOS SA. Retumba. Barbosa Lima. .lnlino Affonso. Falcão da Frota. João Severia. AJJ1Crjc0 Lobo. Tolentino de Carvalho.José SecuDJdino. Cesario Alvia l . João Neiva.0 E'M 15 DE NOVEMBRO DE 1890 PHESIDENCIA DO SU. José Bernardo. Frederico Borges.José Hygino~ José Simeão. Belfo·rt Vieira.Bevilaqua! Gonçalo àe Lagos. T-heodureto Souto. declara installados os trabalhos do Con- gresso. lPresidente convidou os menlbros do Congx~sso a eontrahir o formal compromisso de hem cunlprir os seus de- vores.pelo 111odo por que.miro ~Juniol'. A~TUilinQ di) Amaral. Amaro Cavalcanti. a integridade e a independencia da Republica». Iudio: do Bl'azil. Pi- nheiro Machado.Juvencio de Aguiar. Nelson. Leovigildo Coelho! JC1aquim Sarmentu~ João Pedro.s! tCase. Innoccncio Serzedello. .ados. descnlpen'l1ul' fiel e legalmente o cargo que me foi confiado pela Nação e sustentar a união.' :-. . Pedro An1erico. Anfrisio Fi'alho. A' 'pro:p."l'l'OS A' 1 % hora da tarde.ald:lnh~) lV!n- l'i'nho. João Barbalho~ Almeida Pernambuco. Alnleida Barreto. elle passa a fazel-o: «Prometto ·guardaraConstituição Federal t}UC for adaptada.~ Nogueira Paranaguá. Martinho Rodrigues. Pires Ferreira. Cartaxo. Lauro Sodré. occupados os respectiv-os logares pela l\l!Csa Pl'ovi- sOl'ía. lVlonteiro de Baena. Serrano. P. Campos Salles.. Vieira Ribeiro.orção que ian1 sendo cham. cada 11U1 dos se- guintes representantes proferia a forn1ula regin1ental-Assirn pron1etío : IJfatta l\fa~c"hradol EIJ's'cu Martill1s. BczerrII~ João Lopes.:\.·dl~ardc· Wandenkolk. Braz Carneiro. Alva110 Botelho. Luiz Delphino. Costa Rodrigue. -Coelho e Campos. Ramiro Barcellos. Miguel de Castro. Laper. Goulart Monteiro de Barros.Junior. Silva Paranhos. Ennes de Souza:. Santos An- drade Raulino Horn. Uchôa Hodrig'ucs. Albuquerque Juuior. Justiniano de Serpa. José :. CONGRESSO NACIONAL SESS. ])j- nl1eil'o Guedes.:\LLAÇ. Em seguida.':l<. . Annibal IFalcão. o Sr. ab~e a sessão e nlanda proceder ti chan'lada. Cantãó~ Matta Bacellar.

Presidente. Eduardo Gon- çalves. PRESIDENTE declara que se acha em uma das aílt~­ salas o Sr. Bueno de Paiva.i\. Marcolino Moura~ Santos Pereira. Jacques Ourique. França. ~9nvida o Sr. trazendo-o até a lVJ:esa. Secretario do chefe ·do Governo Provisorio. Oli- veira Pinto. Carlos Campos. Alberto Brandão.hj5pirito Santo. O SR. se. Pires da Franc~ Oliveira Valladão.Junior~ Rodrigues Alves.gem~ o Sr. 206- João Vieira. Pires. Borges de Medeiros. il\!fANOEL FULGENOIO (pela ordem) reclama contra a não inclusão. '. l\lanhães Barreto. 1 Secretario a leI-a. Fer- reira . Carvalho.. Martinho Prado junior.sio éerqueira~ Amorim Filgueiras. . Euzebio de Alnleida~ Arthur Ri·os.Julio {la Castilhos. 0 . Carlos Garcia. 3<) e '4.- briel de l\'fagalhães. Leopoldo de Bulhõe3. Apresentada' e recebida a Mensa. Conde de Figueiredo~ Antonio Olyntho. 1 SECRETARIO attend:e á reclamacão do nobre re- 0 presentante e procede novam·ente á chamada dos: deputados pelo Estado de Minas.Belarmin~ c - Carneiro~ Theophilo dos Santos. Car- valhaJ~ Angelo Pinheiro.. Thomaz Delphino.e João de Avellar. Ferreira Rabello. Respondem e fazem a '. Feliciano Penna. Paixã.-\l'TI (pela ordem) communica que o Sr. Bernardino de Campos~ Francisco Glycerio..o Müller. Marcos. Lacerda Coutinho~ victorino Monteiro. Erico Coelho~ Lopes Trovão.cretarias a intro- 0 duzil-o no recinto. Francisco da Veigà Lamounier Godófredo. Guimarães Natal. Caetano de Albuquerque. Rodolpho de Miranda. Barão de S. O SR. Cassiano do Nascimento.A. Ruy Barbosa não poude comparecer por incommodo. por- ta. Urb an ol\1:arcondes. Medrado. Rubião .o. João Pinheiro. Aristides Lobo. Fonseca Hermes. Demetrio Ribeiro e Menna Barreto. Custodio de Mello. Antão de Faria~ . Felisbello Freire.dor àa M.Fonseca e· Silva. Seapra. na lista de chamada. Vlerneck de Almcida~ DOlllingos Jesuino~ Vinhaes. . O SR. Palleta.que requer repouso absoluto. Athayde Junior:. Moraes Barros~ Lopes Chaves~ Domingos de :M:oraes~ Adolpho Gordo.promessa regimental os Srs. iPau- lino Carlos~ Costa .Junior~ Fleury Curado. que se acham presentes. Leandro Maciel. Gonçalves Ramos) Justiniano das Chagas. Astolpho Pio. Fernando.ugusto de Frejtas~ Paula ArgoHo. Ale- xandre 8tockler.. Gonçalves Chaves~ Americo Luz.ensagem dirigida ao Congresso Nacional pelo mesmo Sr. Garcia Pires. do seu nome e do de alguns collegas da deputação do Estado de Minas Geraes. Domingos da iRocha~ Domingos Porto . ·Manoel Fulgencio. Paula Guimarã·es. ·chefe do Goy. Belar- mino de Mendonça~ Marciano de :Magalhães. O SR. Costa:M:achado. e convida os 8rs. l\iilton.Alcides Lima. Alfredo Ellis. Pacifico MaS'carenhas~ J'acob da. Tosta.erno Provisorio~ Generalissimo Manoel Deo- doro da Fonseca. Viriato del\fedeiros. Dutra Nicacio. Aristides Maia. Simas. Alcindo Guanabara. Luiz ·de: And:hl(le~ '. . . Ga.~-.\1ARQ CAV. Virgílio PessOa. Joaquim Breves. Policarpo Viotti. ÂL. Dio- ny. Lauf.João Lúiz de Campos. Sch- midt. Leite O'iticica. Mursa. Francisco Badaró. ..Lc. Thbmaz Flores~ Abreu~ Homero Baptista~ Rocha 'Osori-o. de saude.

muito respeitaveis pelas suas virtude privadas.emendas responsabibdades que assumI. atrave~ de um período qU'ç .a. Para vós.· o posto que nlC era distribuido 'vinha com mais imposições de honra e de dever do que os que desmpenhei outrora com. começou para mim o tempo dos.. por entre acclamações populares. não passou de certo indifferente a injustiça com que foi jul- gaàa. não foi di:ficil á. tenho-os como de todo ponto conjura-do~ ao restituir á Nação~ na pesso. a obra meritoria e redemptora de 15 de Nov-embro na . e conservar-D1C a existencia. de que.grandes perigos. no máo uso que eu pudesse fazer da grandõ somma de poder de que os acontecimentos me investiram. nluito ameaçaàa. em 15 de novembro de 1890. re- .rna de nossa Patria na hora hístorica de 1!5 de novembro doanDO passado. Lá.o da Fonseca~ cltere do Go- verno Provisorio da Republica dos Estados Unidps do Brazil. na hora em que. de seus eleitos. ·que é r por Ordem da Mesa.s:o dia entregando- vos os destinos da Nação. a uma ~. e da qual não cogitei. graças á revolução her. Esses perigos. ' Chamado como brazileiro. feIizmente~ de vomitar a morte. então! para.s~ me afigurava long~ de mais.integralização democratica da America.quasí totalidade do Velho Mundo. me constitui -despositario.A' Providencia~ que regulou por l-eis eternas e immutaveis tudo quanto o Uni- verso encerra.oica . onde -s6 conheciam do nosso paiz os representantes suprdmos das instituições derrocadas. obra da calumni~ do despeito e da especulação baixar os grandes e patrioticos . digo-vos ·á fé do soldado honrado. Aqui. - Srs.o soldado nos campos <le batalha.veres não cumpridos. quando á frente dos meus camaradas heroicos marchei para o campo . mas meras excrescencias su- perpostas sobre uma sociedade' americana de cujo seio não emergiram e que nunca poderam ser assimiladas. que fostes tambem obreiros impul's:ionadorcs do movimento que desde os tempos coloniaes teve percursores e martyres.üs m'embros do Congres&): ~ Mensagem dirigida ao Congresso Nacional pelo Ge- neralíssimo i.e patriotica do nosso Exercito e Àl'mada.da revolta' civica. saudar-vos no anniyersarío daqueIle glorio. que não tiveram. approuve que eu fosse elevado . Lá. no meu ultimo alento da vida. !-* 207 - -cproeede-se ã leitura da 'Seguinte Mensagem. á sombra do nosso glorioso pavilhão" fura-me dado antever' o ennobrecilnento de minha memoria' abençoada por quantos me soubessem cahido na defesa -dos nossos direitos e brios communs. o the. principalmente.á magistratura supre. immediat"amenté distribuida em avulsos a. pelas tr. os nosos can'hõe's.imples.llanoel Deodor. que consistiam.contecimentos que 'unificaram a America em um s6 pensam~nto. que acompanhastes a celeridade e'precisão das evoluções republicanas nos ultimos annos do Imperio.:. saudaram a . membros do Congresso Nacional .. ficando-me a consciencia sem sombras de T?mOrSOS e o coração sem as magnas que geram os de.:rüuro d-os seus destinos.

do desdobre dos seus mantos. purpuras e arminhos.o podia falIar á imaginação e gratidão dos povos pelos feitos que os tornassem livres e poderosos. tão suave e natu- ralmente dellc decorridas que nenhunla gotta de sangue.>leta evidencia. ao n1051110 tenlpo.'encia cujo d·esap'parc7cim'ento. un1a obra scn1 . que receberanl. tambem sua. Hoje. es~reveu-se a rcfornlu. que as vistas do mundo . existem traços indeleveis nas paginas da historia contempo- ranea. encontravam os. que a grande obra s-obre que vindes legislar foi a deducção logica das premisas que o passado lan{Jou. --. para o Dlund-o. que agazalhariamosconl o mais entranhado affecto nesta :Patria.. que Uln só elo do despotisn1o antigo não era quebrado sem que não respondessell1os conl a adhesão armada.al modo sabiamos impor a nossa vontade sobe- rana. em quc banimos o prim1eiro Imperador. sublimes de ~oragem e rc. si fôra isso ve>rdade. ainda para os mais refraetarios. c e só o ainda quasi borço de UH1 or:phão. pa- reça o prenuncio de grandes desnlorollanlentos.. que se associou ao Governo nos sens actos de respeitosa l:oI'recção ante o ex-Inlperador. que ás revoluções seguiam sempre as reformas.raizes na Histori1a nã. todos os Tnotin:se. E por t. que a sua retina prescrutadora não terál nU1 ponto unico de convel'f. .se volvem para nós. No n1ais s0111brio da nossa existencia colonial 1 a aspira~ão da liberdade penetrou no i nUmo do todas as consciencias c gerou as erupções terríveis· da soberania da razão contra as vío- leneias ou fraudes da soberania da convenção. a semente da revolta. esquecida de que. estavam jul- gadas as instituições sob cujo influxo .seus fundadores. si i'ôra possivel ternlo1-o c()n~o nosso sirnpl.- E para os que quizereIn ver na Independencia alcan{:. cnll1pre-nos levar ti eom]. revoltas po- líticas que lninavaJl1 o solo da :Patria até a sang-renta_revolu- (Jão de 1817 ~nunc-a accentuaram.signação na hora do nlartyrio..> nenhum ataque a patrimonios <!e qu-em quer que seja.es· concidadão. . idéa dé eman- cipação colonial. NaAn1erica~ a l\fonarchi-a estava ao desamparo das tra- dições de lh:~roisnlo ôe . foram-lhe refugio as nossas plagas.ha- bitado por quatorze milhões de almas.208- bellião de quarteis que se inTpoz á 'Covardia de um paiz.ada on1 -l822~ a palavra suprema dos nossos anhelos. . onde. celebrandD as paschoas da liberdade cüm ·0 sangue sagrad-o de patriotas abnegados.ira. ~c'Ontec'eu. vasto quasi como a Europa.gov~rno de nossa Patria~ da tenacidade com que combatian1os os obstaculos que. empa- naranl o brilho ~í grande victOl:ia 'saudada nela Naeão inte. apontaTcmos o 7 de abril de 1:813-'1. Da nossa preoccupacão constante 'Ide influir~~ directa e in11nediatamente no . que elle confiou á nossa guarda e. como.ge·rou-se tão universal apodrecimento de consciencias. Atirada por um·a lufada revolucionaria da Europa. em :vez -<ias perseguições. eon1 o sangue francez. 'A Ineoni'idencia l\tlineira. carinhos. poude ~onter a pronunciada I aspi- ração republicana de então. do direito político antigo. silnplesmente. TinhUll1 oS nossos maiol'cs um lal culto nela den10Cl'aciu.

209 -

.NesLcu1Lüno quarto de- secnloas idéas libcraes toularam
grande de.,envolvin1ento~ e não havia COIDO conter a sua fOL't;a
de expansão. A victoria da denl0cracia: era tanto D1ais de
e'sperar-se, ·quanto era certo que todos os antigos centros de
resistencia 1110narchica estavanl de 11a muito em adeantado
estado de dissoluºão.
ConlO força impul'sora de. toda a machina. poli tica. havia
a vontade irJ'1es'ponsavel do 'ex-Inlperador. que, tendo deautc
de si annul1ados todos os orgãos do G:o;y,erno consagrados
pela Constituição, devia sentir muitas vezes o tedio que a
o111nipot'encia se111 contraste acarreta principalmente quando,
y

no fundo das cons'ciencias dos que a exerce·nl, ha a convicção
de sua esterilid·ade para o bem.
Deste e~tado de cousas app~renteInente tranquillo e
seguro para a Monar·cHia, que 5enUa entretanto, as vibracões
y

das grandes e indefinidas correntes que trabalhavam como
quc subterranc3!mente a; alma nacional, nasceu a idéa de
um tcpceiro reinado~ que a astucia e a audacia, servidas pOI'
am,bições sem li n1ite's, deviao1 ilnplantar no sóln da PaLI-ia,
ainda en1 vida do segundo .
Feliznlente para a causa dClnoeraLica~ havia desal)uarecidu
C0111pletamentea nefanda instituição do trabalho servil, que
trazia o. se·nhor e o '~scraYo acorrentados no mesmo grilhão,
ao qual se prcndianl~ por ll1il dependencias diversas, totlas
as n1anifestações da vi-da econonlica nacionaL
Quando a Monarchja~ preIihando a sua renovação em
}'cbento 11lais vigoro.s:o~ suppunha~ apezar das gr3lD:de,s l'esis-
teneias republicanas, que enfrentaram nas urnas os mil meios
de corrupção eInpregados pelos seus agentes, ter, no Exercito
e Armada nacionaes all1caçados, um ultimo reducto a vencer
para subnletter a alma nacionaI., que queria o dil'c·ito de
'agir livren1ente, qual fõra reconhecido ao escravo, encontrou
(l'S soldad 0':-. cidadãos firme·s· e. resolutos. para amnaral'ell.l
tambenl a causa da liberdade civil.
Desde então pronunciou-se a crise que deu logar ao
seu dcsapparecimento~ subilo, instantaneo, com-o violentos e
insanos foranl os Dleios elnprcgados para o seu fortalecimenlu
c salvaeão.
Alocancada assün a victoria~ banida para. scnlpre do seio
da .Amcri.ca~ antagonico com a sua hal'lnonia, com a 'sua as-
piração de liberdade, con1 as tendencias das civilisacões que
~e formavam e desenvolviarn após a grande revolucão 'que
definiu os dogmas dos direitos do 1101110111. CUlllpre-nos voltar
vi3tas solicitas e patrioticas para a conquista realisada, para
a obra que~ embora finda, ha de ir recebendo com o tempo.
com a observação dos factos, conl o conhecimento exacLo
das cil'cunlst.ancias e· das nacessidades reaes do pajz., com
o aperfeiçoamento -da educação popular e politica das classes
c dos partidos. C0111 as expansões que fore!l1 tendo as nossas
ri quczas. as nossas industl'ias~ os retoques e reformas indis--:
}Jensavcis ti sua ü~p.~olidação.
:Até hontema-= nossa mis.são era fundar a Rcpublica;
'hoje o nosso supremo devGr pe.rante a Patria e o mundo
é -conservaI-a e engrandeceI-a. Não se n1udam instituições
para persistir 113m defeitos inveterados, ou para causar sirn-
. pIes deslocações de homen5~ Nas revoluções em que preponde-
ram os principios sobre que repouza a trilogia sagrada do di-
reito, da justiça e da liberõade, os povos visam,antes de tUd'0,
u

- 210-

nlelhorar de condicão~ fortaleeer o in1perio das leis erervíU-
dicar o papel que lhes cabe no governo da sociedade.
Taes e tão elevados : :1tuito's não se conse.gueTn sem .que
governantes e governados se combinen1 para dar á autoridade
e ú Uberdadea extensão que lhe.....; é propria e de que depende
essencia1mente a ordem civil e p{)líUca.
Mas a autoridu,de nunca será forte senão com a cOlldiç,ão
de que os ol'gã.)s do poder publico funccioneul dentro da lei,
com o mais perfeitoespirito de solidariedade e de união.
E' indispensavel a harn10nia na c·oncepcão e execução das
medidas tendentes a tornar inviolaveis as garantiassoeiaes;
Venl dahia. nossa força no interior~ e o nossO prestigio nO
exterior. Não ha paiz que resista á desharmonia dos seus
orgãos pensantes e dirigentes: aanarchia o convulsiona e o
extrangeíro o invade.
De nada servirá a solidariedade dos ~overn(js si os es-
tados de que se compõe a União não fore,m estabelecendo
entre si os mais fortes la~~os da solidariedade nacional.
A autonomia do governo loc.al, tão tenaZD1ente pleiteada
pela universalidade dos brazileiros no passado regimen. não .
deve importar, no re.gimen republicano. a desaggregla(lão da
'Patria. E'ssa união não é só essencial ao funecionamento
normal das nossas. instituições políticas: el1a é o ·palladium
da nossa inte.gridade territorial.
O primeiro Imperio succumbiu á impopularidade de um
desü1embramento do ter:.ritorio nacional: o segundo viveu
sob constantes 'ameaç.as de invasões e absorpções, a que a
sua fatal política jâmais soube impôr silencio. Não será por
certo a Republica que transija 'nesse :ponto~ que affecta todos
os melindres de nosso caDacter e nos arrastará, sem duvida,
a todas as revoltas do nosso direito.
Viemos de um passado de· oPDressivas desegualdades so-
ciaes e de um regimen ondd o imperio da lei se achava com-
pletamente falseado. Nada apressou mais a quéda da Mo-
narchia do que o' concurso da autoridade e do povo para vio-
larem a lei. A autoridade fazia. rumo para o absolutismo e
a tyrann i a ; e o povo, vendo violada uma prescripção~ acre-
ditava ter sido aboHda uma restriccão á ·sua liberdade. Para.
assegurar a prosperidade e o prestigio das novas instituiçõe.3,
o principal dever da antoridade é executar a lei sem vacil-
lações, e o do cidadão. o oe obedecer-lhe sem condições. Sem
jsso tornaremos ao don1inio da anarchia e das facções. que
fe.lizmente abolinlos, e que condnz'iranl a Patria ás nlaiores
degradações e as alasses aos mais tyranicos tratos.
Grave é tambem () perigo das i~novacÕes. A obra legis-
lativa, para ser -perfeita. deve representar a expressão viva.
palpitante! da experíencia e das necessidades de" cada povo. '
O tempo ind-ica a npportunidade das lcis~ o tempo as re-
forma ou as deroga. Cada 'povo tem nos seus monunlentos
legislativos uma: tradicão~ um principio. um compendio de
idéas fund?-nlentaes. CJue :1travessan1 as édades. resguardando
da 'Ver~a.tillda9-e .dos partIdos e da inconstancia das situaçõe~.
g-arantIas e dlre!tos que formam a essencia, a substancia a
base da sociedade civil e politica. '
E' impossivel~ <}om os element.os de civilisacão e de pro-
gresso, com q:ue h'ÇJe cont:i!-ID quasl todas as nações do globo..
.Y~'Yer sob o lmperlO de le1s anachronicas; mas tambeIll n.ada

- 2ii-

nlais-ínnesto 'd(I" qU(~~(l cada rJhantâzja{ítle~surge;-destruir rno-
nUlnentos C1UC re:o;istiram á:-: t·~~ynlsH:-ÜC:'. que atra:vessararn o:;
tenlpOS e d~finiranl o caracter e as instituições de uma nação.
: Nesta ordem de instituic;ües 0'5 partidos politicos cons-
tituenl a mais efficaz das garantias de estabilidade e de pro-
~rcss(l:clles dilatam os dOlninios da liberdade e d~feDdem
ã sociedade contra a tyrannia e as usurpações. Convém,
poréll)~ não confundir os partidos conJ as faccões. -nenl subs-
tituir a missão que lhes é pr.opria, hun1ana e pratica~ pelas
alJstracções que acaso possam conduzir-nos á revolução ou á
dissolução. DÓlnais, sob o regimen que adoptámo3, os par-
tidos ficam seln objectivo no dia em que pr.oferem a 'Sua sen-
tença nas urnas. DesernvenhandOIJ seu ,papel de SObeI"ania..
todos são índistinctamente operarios do progresso f~ da civi-
lização~ visto que a aspirac.:ão do Governo não depende mais
llClil das impaciellcias, nem das conspirações. '
Tal é S1's. lnembros do Congresso:- o modo por que en~
T

tendo dev~ren1 ser encaradas as novas circumstancias polí-
ticas da nossa Patria.
No perio<;!o revolucionario e anornlal~ que atravessamos,
procurei imprimir no"s actos POlitic05 do Governo Provisorio
a expressão 11lais hun1ana e 111ais suaVB. -
l\1edidas de certa gravidade foram tomad.as, para impedir
revindictas. ou 'c3vitar pertubações, selnp1'e lamentaveis, da
ordem publica; € tão elevado foi o ponto de vista em que nOB
coIlocámos. aue, fei tas as indispensaveis alteracões, 'ao maior,
parte das leis do antigo regimen, com os seus corpos d~ ma-
,zistratura. con1 o func'cionalismo de todas as classes, foran1
íllantidos".e prestarem :á causa ,da ordeul e da reconstrucção
(la Patria os mais assignalados servicos. As revoluções que
Gxigem reacções e demolições profundas para se imporem~
são de cphenlerD exito e custam cruentos sacrificios. A nossa
foi a consagração do pensamento naci'Únal, eá sombra da paz
cffectuou-se a transição de UUl regimen para outro, com
ln0nos abalo nos interes~es. TIlcnospanico nos espiritos,menos
vi OlCllCiás a'Os adversarios, do que as antigas mudanças de
partidos no governo, sob o Imperio.
:o que caracterizou~ sobretu do, a. firmeza da Republica e
a conformidade da Nação C0111 el1a~ foi a confiança geral que
se Ipanifestou desdd os prÍlncil"os dias da nossa organização.
Tl'anquilli'sados todos IIS inlel'esses e acceitas a.3 rc05Donsahi-
liLladcs da N-a{:ão Brazijfl.iru. l1ualflller CTue fosse a fatali-dade
da política que vigoroú nOB sens actos, vimos no int.erior
abrir-se uma phase de expanF'ã(l c de actividade tal, em todos
os ramos da industri.a~ do f.ralJajho~ que bastaria contemplar (J
j ll11nenSO espectaculo da nossa l'econstrucção economica, para
eOll\,cncern1o..;nos de que SI) 110S falt.ava a. plenitude das liber-
dades an1ericanas para serlUOS ll1ua nação grande e prospera.
No exteri9r. o nlodo por que se manifestou a confiança
na solidez da obra de 15 de novcmbro~ teve un1a expressão
dupla. qual a. do mais e18vado alcance poUtico. Ao reconhe
eirncnLo defini Uvo da H,epubUca dos' Estados Unidos do Brazil
por parte dO' varios estados an1ericanos. Quc.nrimeirn . :1~fir­
maram perante o munào a sua perfeita solidariedade com a
nossa conquista, seguiu-se o reconhecimento por parte de
'Varias potencias européas, c. as !que não o fizeram até agora.
aguardam certamente acto's mais positivos da vontade
paci,onal.

-- 212 -

o rogin1cn decahidorepI'eS'~utava uina longacc.t.radicão
nl(lnarcl1ica~ que deferia paI'U a Europa grand-c somn1a de. in-
fluencia na poLitica americana. O novo regÍ1nen~ eonl aspi-
rar Ú JjJaiol' f'ratcrnj(lUde c <unízadc' corn toda.s aB nações do
g'lobo, .ia-mais deixará -de aíTjrlnal' a indepclldencia da Patria
Brazileira e a mi:ssão que lhe incumbir desempenhar como
potencia do Noyo l\fundo. -
O outro nlodo por que foi considerada a solidez da Re-
publica está l1a confiança geral que se manifestou eU1 todas
as TIl-adidas econornicas e financeiras qve tenl0S l'calisado, e
que, quebrando o longo pl'cdonlinio de un1a politica de cen-
tralisação c (le ab50rpcão da iniciativa individual~ trouxe para
o cl'cdito do Bl'az)l o JI1tlÜ; extenso pre'stigio <0 a mais Hlil11i-
I.adu fé nos ~(!US iIH~X!!.·O Uaycis recursos. l)e Ulll anuo a est.a
1n.11'te a iI11m1g'l':ltãO tlf' ('ao iLaes cxtranEeiro.s que l)l'OCUranJ
colloea,:ão nu::: no~sa~ ind1..lstrias~ que se associam ás nossas
·enlpl'e7.a~. que f.t~rll il'azhlo ,üenlo::- extraOl'dinal'ios ao tra-
ba1Jln nneionuL ú vel'dadeil-uHlf,'nto phenOfücnal. daúu:5 a:; con-
dlc.:üe:-: de n111 reghnen 1\OVO. como o nO'5s0~ e que ainda espera
o::. uHinlo~ rJtoques dos representantes do povo para sahir
~Ia I)l18se provisoria. que Jhe era propl'ia.
E·~Le pel'ioclo~ sem precedentes na nossa historia politica
r. 1'ina-nceil'a~ pcrmittiu ao Governo effeciuar reformas de in-
eOllt~~tavel alcance. tanto n1ais dignas do apreço nacional
quanto todas ellas' tendiam a diminuir as responsabilidades
e os encargos do The..~ouro e a fazer entrar para os cana.es da
cil'cnlação e giro das transacções, capitaes inaptivos e in1pro-
dGeliyu:::. que lllna po1itica de iinprevideneia c de pl"ucessos
enlpirieos bavia cOllyertido ern recurSos ordinarios do The-
sou 1'0. sob a fórnla de enlprcstilno.s. Além disso~ o Governo
procurou dar mais autonomia ás classes jndustriaes. n1()di-
1'i canda no sentido lllais liberal possível as antigas ieis que
1\~gulavan1 as in~tituiçõe3 doanonymato, o regimen -das terras,
o' I'cgilnen bancaria; e estepa:sso_ a1)riu vastíssimo i)ampo á
iniciativa individuaL
Só então podemos -avaliar quanto é extensa a confiança.
depositada no Governo I'epub1iQp.no~ e quão estreito era o ter-
reno cedido l}~los governos passados á aetí.vídade, ao trabalho
o RO:3 capitacs particulares.
De par COIU as grand~s me4id'as que formam~ reu~idas,
unl systelna o um -plano 1l11anccll'o~ Ql.le está en1 vias de 5e
completar. o Gov01'no attendeu a reformas de não inferior
alcance no que concerne ao regimeb.- tributario. e os resul-
fados bnncfjcos nãu se lênl Jeito eSperai'. ,fixando entre nós
;) nl0eda. n1etalIica e pondo~ por assim diz-e!', regras, para não
dizer unl paradeiro, a essas abruptas os·cillações e baixas d~
c.:alnbio. que acarretavam annualmente os maiores saldos
contra o Brazil.
Cuidán10s com a maici'i' 50licj tude -do aS$U111pto l'elativo fi
v)açã.,9 ferrea.da Republica~ fazendo-a ~obedccer,a um pl~node
llgaçoe~ de todos os estados confederados~ 111UltoS dos quaes,
entregues aos seus unicos e minguados recursos, s6 co-
nheciau1 do centro a omnipotencia, que se fazia sentir viva.
in1periosa e intransig-cnte nos períodos eleitoraes. de cuJas
urnas obtinha S0rnpre approvação incc-nsciente <ios seu:: acto:.;
Cumpre que, a.lém dos fortes, indissoluveis lacos moraes
que nos Drendem e que puderam resistir a tantos e tão graves
erI'OS~ junjamo-nos~ .egualn)ente~ por eternas' e bem. tempera-

~"' .. 213 -

das cintas de aço, sobre que manobre a locomotiva em campos
de fraternidade economica. lançando dos seus pulmões esbra-
zeados. para o Norte e 'para0 sue 9tira"Éstec~ - para"üé'5t.l)cla
Republica, o mesmo silvo àe "Vida, te união e de poder.
)!or eguaL cogitúmos do H'lOmentoso ,problema ela instru-
c.cão publica. a que. ten1 sido dada nova e n1ui diversa orien-
tação.
Devendo a Republica levar a todos os pontos .dos seus
rlüminio5 territoriaes os eien1entos de progresso nlaterial qtW
upmcnl U5 vopulaçõc~ para a lucta peja vida c pela Pal.ria~ 111-
dispensavel é esclarecer-lhes, de par, o entendimento, que
deve ter horisontes ampl íssinlos c claros.
Quando a confiança geral, interna e externa~ pareceu in-
nbalavel! o Govr·.l'no Provisorio, representante da vontade da
Nncão~ entendeu usar filais amplamente do deposito qne lhe
Ioi confiado. decretando a Constituição Pnlitiea que lenl de
r~gcr. a Republiea do., Estados Unidos do BJ.'azil.
Esse acto~ pelo modo por que foi pratkado. não impor-
tando invasão ou preterição da vontade soberana da N::u]ãn.
linha eOlno consCCluellcia de rlc\"ado a!{'an~[' ~neial {' polil iplI
o mcrito -de apre::::sar o regimen da legalidade. e de dar ri~~d('
logo (I l:q)f) grraJ para a~ l'Crll\'mu:-, qnp ~(l l'nzia rni~il'l'
ad(lun I ar. em con rllJ'11I irladfl com o ~y:::t('m:t ·dp Ff'.t10J':)c::in qlll'
adoptámos e que em sua maxima pal'f,c I'unciconn cl~sde n dia
15 do novembro.
Com effeito. fazia-se ncccssario dar á ,i ustil;a federal
sua fórma peculiar. ürlcnni 1'. prn' uma lr.j nrg'an icn, I il H'ra 1 fi
consentanea. con1 o caraef cr lla-cionuI, o modo por quo :lo jus-
tiça 8 0'5 tT'ibunar.;;; lc'!n1 de exercer de ora em dr.an 1p :-:f'U :l'll'-
vado papel.
Adquirida a autonomia,. tão ardentemente anhcladn. pela...
antigas provincja~~ a Cfln /.T·n!iznçfin
do GOY('Il'n() fi rral ris! U\"a
naturalnlcnte scn1 object.ivo. Cumpria,_ 1)0]S, adaptado o typo
da unidade ·da legislacão civH c criminaL como mais conforme
tis norma~ fundanlentnes dn (lireito e êi constituição das socie-
dades politicas~ que uma lei fo::lse decretada, traçando :l linha
de dcmarc.a~ão entre a jusfica f(l(h.'l"::l1.. cmn o C01'pO dI' ma~d:-:­
trarIas c t.rihullR/?lS que lhe sfio proprií)~. ('I a jus.tiç:;a local vi=-tn
que esta, quanto ao pessoal e extensão d~ attribuições. ten1
de adstringir-se ao que fôr estabcl()cído pela Constituição par-
ticular de cada Estado.
Aos grandc's ljncarnentos elo ()l'gani:=:!lln .iuí1kiarin.;;;,e-
gúiranl-se reformas e melhoramento~ na nossa legislação
criminal, e um codigo foi de'cretado~ tendo em vista aS rnais
liberaes e as mais humanas doutrinas a par das mais solida~
garantiaB á liberdadc. á vida tt propriedade ('I aos dlr0Ho~ que
lhe são consectarios.
Quanto ao Codigo Civil a ob!'a que mais :contribuirá. peln
uniformidade de. seu imp~rio, .fHl1 toda a Republiea. para con-
solidar a União Fe.rleral do Brazil p.nl uma :::6 nalria. o :r~(l­
verno, con'V~neido_do que essa necessidade vital é inad-iaveL já
contractou o proji?-cto <TUI? tAl)! de ~C'rvir de ba·sr :l vo~;:.:a deli-
beração. e tudo induz ã crer que teren10S uma obra na altura
da civilização do nosso tenlpO~ respeitadas. quanto possivel~ aS
tradi(!ões ique pr.erlominan1 na nossa J1i'st.orja~ na nossa raça~,
~obret:ndo. no sentinl-ontn el1ristão do povo brazilei1'0. '
CUll1\J}ria tambem eJ cvar o nivel das' duas c] asse-s. que. sob
o longo dominio do' cx:Unct.o ImpeT'j(l~ mais soffrcram sem se

- 214 ~

:rª})epar~ mais esperaram sem se anni<1UiIlar~ mais sanguê
·-derranlara:nV=pelac'1ibel·dalle~:ce"'·cl)~la·:
integridadc-:da..·.Pairia<sern
que os seus sa{}rificios e o seu heroismo tivessem outra. ex-
pressão que não fosse a da submissão do automato, obede-
cendo <l. forcá dirigente. Si ha glorias no nosso passado~ si
ha uma historia que honra a bravura e a coragem humanas,
. estas perten'cenl ao Exercito e Armada' brazileiros.
- An1bos soffrcran1. ambos luctarn.m. ambos 1)Ossuen1 nOHl('S
leg'{\ndarios. como os dos mais celébradoo::; capitães. .e. corntudo.
:ln)bos .himais de'sempennaranl na sua Pat.ria papel con1pati-
vel com os seus wandes destinos e na altura dos s'erviços
inapagavc.is .prestaàos á causa da ordenl e da liherdade.
Fiel ás leis da di:sciplina. tendo os principios da subor-
dina.ção como dogmas sacratissimos~ a que o solõado não póde
negar obediencia. SeIn trahir :í 'honra e ú Patria. o Exercito e
a Armada bra7.iIeiros penal'am lon;;os annos. não t:ragando af-
"frontas. n1as apnr~ndo no m'i'sol no dever o seu patriotisnlo..
Na hora hi~tori(".{\ em que foi preciso salvar a liberdade
c :l Pn1rin. ~nl\'anrl0 :lO m~$rno f,(~mpo a propria honra. o "Exm·-·
dto P, n :\ rmada affrontnrarn impnvidos os perigos e as incer-
f,e7.a~ (la .iorna.rla emprehcndida contra uma tradição de trcg
scrnlog e uma instltnkãn cspuria n::i America: c, comOdt Pro-
yjr1f"TlrÍa (' a .Tllg{ i(:a ('~t.:i(l ~ell1rl'e [l0 lndo rIos opprjn'lld(1~. rr.
vlr' I01'in (los vn }0n f.pg ~nlrlarlog p Tl"lnrin heirog (lo Brn7.il inlfl/,7.-
~r•• iITr~i~liv(~l (' fa(::ll r,onlO O cl~stino.
f:nhc ao Exercito ~ fi. Armada a ~Inria de terem ~ffccf,llndn
n rcvnluç;i() de 1;') d~ :1ovp.mbrn. data esf,:l que será de or~ em
rlf':lnLp fi. hr-f!:yra ela Rpnuhl1{~·a Rra7.i1cirtl: p ('.::;t.a conau,~I:1 1'1'-.
pr'(\senfa tlma somn'lfl. tão g;rande de sacrifícios herojcos c do
T>~sjg-nados ~offriment()s. que ainda qutlndo uma nova organi-
zn.~:ã() nn" nr'·p:;s~· sel" f\ffrctuafla. npó:; n. rr-voluCoH{),. f\rn l'(~l~()­
111lN'·imenf.() a '::;cr\"i~m: dr ((1U' a Paf;rin. g'uarrJar;í. S(lmprc :l.~T:1.­
d(ieida. a lcmhrnnea. niio :-eria pn:;;::::ivcl àemorar n rll'crc tn efín
(le\r~foT'nla::: lqnr.- c.oilncassf:m1 a!-; f01'çn~ :1l'manas dá Brazll rrn
·(~()ndkõ('\.s r1~- resp()ndcr nela intpgrjdane do go10 hrn7.iJ~iro,
peja inqucbranf.avel manútencão da ordem geral. .,.
Para attingjr desiiJ.eratum, de tanto alcance. era indispen-
savrl cOn1ccar pclaelcvacão do nivel moral do soldado bra-
7.f1~Í1~(). dar-lhA a in.-:trucção necP'·s~a:ria. aperfe-jçoar-lhe () co-
nhecimento p n1anejn das armas. formar-lhe o caracter e a
discinlina militares. e tirar aDS seus serviços a e:tpressão de
jmD0~t,o (le ~anp·uP. pari!, nual ifical-o::; como ::l ma; s elp.vada e n,
mais nobre funcção pnbHca que o cidadão é ehamado a des-
0m:r.enllar. Cumpria" elevar t.ambem o nivel dos estudos su-
periores. adaptal-o~ aos progressos. -programmas e adeanta-
nlfmtos da civíUzaçáo moderna nas -especialidades. que a um
milHar devem ser fanlniares~ e preparar assim os mais' altos
destinos par::l essa mocidade que acode fervorosa de· todos os
ang'lllo~ da Republica. pedindo logares nas fileiras do nosso
Exercifo. Taes reformas estão feitas~ e s6 o tempo poderá
dizer si O~ programmas; adoptados precisam receber altera-
çõeR consentancas .'ts necessidades verificadas (I; á experi.cncia.
conhecida. .
T~to que levo dito quanto ao Exercit.Q. anplica-se. tam-
ben1 J:Í Armada. onde as re.formas realizaDas afustan1-se per-
f~Hamenf.e aos n1eth()rlo~ n1or1€'rno~ D1<tlB aperfeicoado~: n q11P!
era taT!lbem justo apreço ás "Vocações que se consagram i§j
l'ude VIda do mar.

- '~15 -

- Não estavam, entretanto, feitas todas as reparações a quê
as classes .militares tinham incontestavel direito. A preoc-
cupaCã'o do antigo regin1en fôra sempre trazeL.., asJungictas .ü
ignorancia, reduzíl-as a instrumentos passivos, opprimil-as-
pelo systema barbaro do terror~ submettendo o soldado, revel
ao dever~ a um systema penal tyranni~o; cumpria ao Governo
republicano providenciar para que o Co digo Penal Militar
fosse organizado, tendo em vist~ principalmente, a justiça.
que não p6de ser para o soldado a tortura ou a degradação so-
cial.
Com 6 c'ancel1amento de todos os processos gastos do an-
tigo regimen, ~stou convencido de que, ao influxo do espirito
moderno, ante as concepções novas do dever militar, o sol-
dado brazileirn saberá de ora ·CHi deante reconhecer que "-
sua forca está no respeito de si mesmo e no sentimento de sua
dignidad'e; que s6 a obediencia ã lei e aôs chefes o eleva e o
conduz á gloria; que a sua autonomia e' o seu prestigio, como'
~l:lsse. dApenrJem. rssenCialme·nte. àa passividade intel1igent.c
c pensante a que elle deve reduzir-se na paz e na guerra.-
~rs. membros do Congresso -Haveis de reconhecer, pelo
0.st.ndn que fizerde5 da marcha dos publicos negocias, que o
nlnvimento imprimido em todos os outros ramos da admlnls-
ll':u:ão 1'0 i. nfin ~fÍ arfiv n. r,nmn prfiyitio. PaJ'a rlestrnir' a~ in-
r.ongruencias do passado e 'pôr em harmonia os orgãos do
poder publico con1 as necessidades do presente e as institui-
ções novas da política republicana~ eram de mister reformas
fIne S:1t:j'sfize:;:~cm rl0sde Jog'o todas as cxi.gencias deste rc;;i-
men.,
Muito resta ainda a fazer. e muito exige e espera a Na-
l}ão do vosso patriotismo.' ,
Ha um anno apenas que iniciámos a demolição de t,.es
=-eclllos. Ess::t demoliCão não t.em sido nem será. j'ámais a de-
yastação do conquistador. DorqUe a Patria era nossa.
Vamos todos caminbo direito do futuro. Quanto mais so-
brios e firmes nos conservarmos conlO vencedores, mais nos
nppro:dn1aremos do ideal a que aspiram os povos que buscam
na, liberdade o dominio da justiça e do direito. .
Se,jam esl:es os Turnos da Patria nova. unicns (Ju,e no;:;
podem conduzir á altura dos destinos que DOS estão reserva-
dos na _t\merí'ca. ~
MANOEL DEODORO DA FONSECA

o Sr. Seabra (pela ordem)' - Estamos. Sr. Presidente,
deante de um {Juadro rei:tlmente majestoso e 'beIlo; de, um es-
pectaculo raro. senão excepcionalnlente visto~ qual' o . de 11m
povo que se levanta inteiro para. salvar as alvoradas da re-
dempção da Pátria.
Sinto. neste momento. todos os fremitos~ todas as expan-
~ões. tooas as commoções.' que se agH.am na consciencia nacio-
nal: exnerimenfo todas as alegrias de crue deve estar apossada
i1.N>acfi.O inteira. por ver hoje affirmado () principia granrlp o
. poderoso da soberania nacional~ prÍIlcipjo unico, base de todos
o'S governos ljYreB. Afig"lrrase-me V0r expandir-se neste re-
cinto. inebriado pelos doces e suaves aromas da democracia,
u alma popular.
' . neste recinto mesmo de onde toram expeIlidos
'

- :'-16
-".;.... -
OS destroços da l\fonarc!h.ia c onde vai começar a grande obra
de construecão_9a Republica._(ApoiadosJ:cc~,c-·_c--~_o;'_'-_-_- _
Hontem~ Sr~ Presidêhte,---hontenl eranl os grandes pesa-
delos da noite da Monarchia: suceederanl-se os atropelos e as
incertezas da Dictadura; afinal surgem as alegrias ,e as espe-
ranças àa aurora da liberdade da Republica 1 ,Nenl é para
admirar, porque ,já se disse algures 1{Jue o dia precisa da noite
para formar a aurora. ·que é mais bella que ambos.
Não preci$o indicar ,qual foi o provocador de toda esta
animação, de toda esta transformacão; não preciso citar o
nome do chefe do Governo Provisorio •
E desde que elIe, Sr. Presül ente. durante esse periodo
dictatorial e anormal. não se ãeixou assoberbar de paixões in-
confessaveis: desde que não se deixou assoberbar de outros
sentimentos -que não fossen1 aquelles que di.ctaram o seu pa-
triotismo; desde que as grandes eminencias não lhe produzi-
ram as naturaes vertigens: desde .que não se deixou arrastar
por essas miragens que naturalmente produzem as altas cul-
minancias~ vou fazer um requerimento á Mesa: requeiro que
~13e nomeie lIma C0111Hli;,,:sáo composta ele .senadorc~ c ,depu-
tados pat'a~ em l1Gme da Nação Brazilcira~ cumprinl:f'nlal' n
chefe do Governo ·Provisorio. UY'llmc1'osoS a}Joifld()~~; 11t1litv
bem..: rnuito be1n.)
, Acceita a indicaCião por acclanlação unanim~ do Con-
gres~o~ o Sr. President.e nomeia par'a a referida Cornrn1~súo O~
Srs. Senadores: Anlaro 'Cavalcanl i. EIyseu :Marfins. Alm~idn
Barreto e Ranliro Barcellos. ~ deputados Srabra, .Taequc::::
Oul'ique, Thc.oph ilo dos .san t03, Innoc.encio Srr1.e(}cll(J o
·r;u~lodic de :\lello.
O SR. PRESIDENT~ convida os 81'::;. representantes a reu-
n.irem-sc no dia 18 do corrente., ú hora rcgirnrntal; (' (1{] para
ordel1) do dia:
Discussão rir ])ro,ircl.o de Rcgimenl0 para () C()ngrr.s~o
Xacional Constituinte;
Elejção ,da Mesa.
- Levanta-se a 'sessão ií~ 3 hora~ da tarde,

in SE-gS.1.0~ EM '18 DE XüVE):I'BRO DE J890
PRESIDENCIA DO SIl••TOAQUIM FELICIO

Ao n1eio dia. achando-se presentes os Srs . .Joaquim Fe-
licio. }\IIaUa Machado. Elvseu Martins. Theodureto Souto. Al-
varo' Botelho. ,Joaguim Cãtunda., Bezerra de Albuqucrque,Fre-
rlp.T·ic-o Sfll'-rano. Tavares BastlQs. Alnaro Cavalcanti. Cunha .Ju-
nior. E. Wandenknlk, Sa.ldanha. l\larinho. Doming'o's Vicente.
Theodoro Pacheco. lVIontniro de Barros. -Oliveira Galvão. Caln-
pos SaBes. Silva Sarmento. Luiz Delfj;no. Francisco Machado.
Quintino Bo.cayuva~Santos Andrade, João Pedro. Aquilino do
AmaraL Simeão de Oliveira. Antonio Bacna. Floriano Pei-
xoto. Pinheiro Machado. Fal.cão -da Frota, Pedro Paulino, José
Bernard0 de Medeiros. José Hygino~ Leovigildo Coelho, ·Manoel
Barata..- Estevcs Junior.. Paes de Carvalho, Silva Canedo, .Jorto

- 217 ~

. Severiano~ Rosa .Junior! .J<laquim Sarmento! Virgilio Damasid,
'Americo'~Lobo.;SoaresNeiva ... Firmino da Silveira. Braz .Car-
neirO'. Raulino -Horn. Almeidâ Barl"eto~' Ranlit'o'Bat~eell{)s~ C~)e­
lho é Canlpos, .Baptista Laper. Silva Paranbos. Ahncida Per-
nambuco, João de Siqueira, João de A:veI1ar, Ferreira Rabello,
Denletrío Ribeiro, Nogueira Paranaguá, Pires Ferreira, As-
tolpho Pio, Dutra Nicacio, Bellarmino de Mendonça, Paula
Argo11o. Cantão. Cyri)lo de Len10s. Gont;:al0 de Lagos. Gal)]'iet
de Magalhães, .João Lopes, Epita-eio~ Garcia Pir~s, André Ca-
valcanti, João Vieira, Thomaz Del-phino. Henri-que de Carva- . .
lho, Antonio Olyntho, Santos Pereira, Rosa e Silva, Annibal:
Falc;ã-o. Alcindo Guanabara. Urbano Mare-ondes. Baotisla (la
Motta, -Frederico Borges, Gonçalves Ran1os! Martinho Prado
Junior. Nilo Peçanha. Rodrigues -Fernandes, Doroingo,s Porto,
Gonçalves Chaves~ Augusto de Freitas~ Marcolino' Moura,
Athayde .Tunior, .João Pinheiro. Manoel Fulgencío. Luiz de
Canlpos! Casenliro .Junior. IFrancisco Glycerjo.l\loreira (la ~jlva,
Carlos Garcia, Milton. Pedro Chermont, Leopoldo de Bulhões,
Dia:nysio Cerqueira~ N~lson Lopes Chaves. Domingos de Mo-
r'aos. l\fayrink, Nina Ribeiro, Fonseca e Silva, Lauro Müller!
Barão de S. Marcos, Caetano de Albuquel'que~ Leovigildo Fil-
gueiras. Alcides Linla. Menna Barreto. Thomaz Flores. Matta;
Bacel1aí~. -Art!ilup .Rios. Lacerda Coútinho. .Jos~ B~"'ilaCiua
Custodio de Mcllo~ Theophiló dos Santos. Gabino Bezouro,
Costa Rodrigues, Miguel Castro~ Paula Guimarães. Alberto
Brandão~ Antonio Euzebio, Aristid'es Maia ,OiUcica. Luiz de
Andrade, Francisco Veiga. Sá Andrade, Costa Machado, Fleury;
Curado. Ivo do Prado, Felisbello Freire, Carlos de Campos,
Schmidt. Anlp!hilophio. Ennes de Souza, Tosta. Rodolnt~o!\n­
randa, J'rursa, Anfrisi.o Fialho. Zamu, ,Rubião Junior. F('rrrira
Pires! Guimarães Natal, Francis-co do Anlaral, Aristides Lobo,
Ferreira Brandão.
Abre-se a sessão.
Comparecem deppis de aberta a sessão os Srs. Pinheiro
Guedes. Saraiva. Gil Goulart. Thon1az da Cruz. Ruy Barbosa.
Generoso Mar.qúes, Cesario AI;vim. Carlos Cha-gas! Alexandre
Stockler, Fur~qulnl Werneck. José -A.velino. l\Iuniz Freire, .Ja-
cques Ourj.que~ :Meira de Vasconcellos. Espirito Santo. Me-
drado, Lopes Trovão~ Bezerril, Martinho Rodrigues~ Almino
Affonso. Palleta, Antão de Faria. ViottL Barbosa Lilna, Vi-
nhae~. Anlo-rinl Garcia. Americo Luz. Alfredo Ellis. :NI:anhães
Barreto. Moraes Ba-rros~ 'Costa Junior, Retumba. Jesuino de AI-
huquerque, Badaró. lVlarciano rle "Magalhães. -Couto Carfaxo.
Pereira da Costa. Cassiano do Nascimento. Pacifico Mascare-
nhas. Lanlo11nier' Godofredo. Dorning'os Ri;cha. ·Trndio do Bra-
zH. .Just.iniano de S;erpa. Nascin1ento. Prdl'o AnH'rico. T(l!'~n­
tino de Carvalho, .João Barbalho, Juvencio àe Aguiar~ ·Oliveira
Valladão, Seahra. Fonseca Hermes. França Carvalho~ Chagas
Lobato. Pereira I;yra! .Jacob da Paixão~ Bueno de Paiva. Ber-
nardino de Campos, Carvall1aL Angelo Pinheiro, Corrêa Ra-
hello. Rodrigues Alves. Julio de Castilho-s. Borges de Medei-
ros. -~~breu 080rio. HOlnero BaDtista~ Uchô"a Rodrigues. Laurn
Sodf'lé. FrHciano Penna. Adolpho GorrJo~ Serzrdcllo e Paulino
Carlos.
Deixaul de comparecer os Srs ..José Secundino. Cruz. Pru-
donte de lvloraes, RaDRel Pestana: Joaquim Murtinho, Tasso

218 -

'FraeOOO5O~. ·Pedro~·c_V(!lho. _.. Goncalves .Ferreira. .José Mariann6,
cc;

HaYlllnndn H3nrlri1"3. Bf'lnl"nlinri C~u"n~iro.R. d(' Me-ndone.n.·
Pon f p~ rl~ :\fi)"anrIn.. Ladi:..;lau Xef f o. Leandro :\ra~iel. S;anl.(I~
Vif~it'a" FI"anci~co Sod)'I~" Al1gll~1 o Pi nLo. Virialo dI"' l\T~lir. iro$.
•Toaqllinl Bl·(~'\'CS. VjJ'~ili() P(\ssnil. Luiz 1\fura/;. Fr6c5 dn Cruz.
El'Ü'n CoelllD. Sampn j n FI~l'l'a1.. I :on(l~ r1f~ Figne ircdo. I.(~nn~~
de Rezende. Costa Senna. Luiz Barreto. Cesario Motta. A.
Prado. A. ·~o~ueira. .A. .Az~rcrlo. E(l nal'do Gonçalvp.-:. .Fl'l'-.
naudo Simas. Victorino i\'fonteiro. E. de Oliveira. Assis Brnr-1I
(\ Fernando Abotf., .
O SR., 10 SECRETARIO - (pela ordem)" requer que, de a'c-
ctlrdo conl o Reginlento. o Sr. Presidente nomej,e a 'Commis-
são QUr. (leve inbl'orluzir no rN'.into 0~ Srs. rcprcscnf,ant0.~ qlH~
se acham na ante-sala e que ainda não tiveram occasião de
eon/rabil' o compromi~so rrg-lmcnfal .
• O SR.' PRESIDEXTE nor11cia para a referida ·Conln1Íssão os'
Sr~. Amaro Cavalcanti. .Tono Pr.-dro. Americ.o Lobo. Francisco
~\l11nral ~ PNir'o :\n1f'ric0. .
São introduzidos e contrahem. perante a Mesa, o corn-
pronlis~o regimental os Srs. l\{ayrinl~. Amphilophio, Ubal-
dino do Amaral. Pedro Paulino. Nilo Pecanha. Rosa e Silva.
Estcvcs .Tunjor~ ~Rodrjgues Ferriande·s, Henrique de Carvalho~
rrav:trc:::: Ba!=;tos. Francisco Ma·chado. Pereira Lyra. Quintin{)
nnca:nl'va. I..coyig-ildo Filgueiras. Noguejra ;P:aranagu:L Theo-
c1r)l'O Pnnheco. Cassiano do Nascitnent.o. Domingos Vicenfl'.
Znrnn.. S':'i Andrade. Ruy Barbc53. Corrê:t Rabello. Saraiva.
r:m"yn1hnl e Gene~oso l\faraues.
E' ]ida c posta em dÍs·cussão a a'cta da sessão de instal-
. bção.
O SR. MORAES B..\RROS (pela "ordem) - Communico à
V. Ex.~ Sr. Presidente. q,ue o Sr. Prudente de ;..foraes não p(ifle
comparct:er hoje. po·r incommo-e1o.· c requeiro que seja c(}ntJ~m­
Tllado como presentp: na sessão de installaç·ão no (lia 15. vist.n
qll~ () nome c1ellcnão consta rIa acta pub15cada no D/ario
()ff'icial. . -
O Sn. 2 0
SECRETARIO - O nome .delle oonsta da acta que foi.
lida.
O Sn. l\fORAES BARROS - - Alas no Diario Official não está;
foi lido o nome de :M:oraes Barros. que ,julgo ser eu.
O SR. :l\fATTA MACH..\DO - Tambem foi lido o do Sr. Pru-
dente de ~{oraes.
Os Sr~.
l\foreira da Silva. l\feira de Vasconcellos. Pedro
r.h~T'monL. Ferrp.ira Brandão. Cha~as J...Dbato. Pereira da Costa.
1\Tp.llo Barata. Francisco AmaraI.- .José Joaquim de Souza e
Paes de Carvalho e.nviam á 1\fesa' declarações de terem estado
presentes e contrahido o compromisso regimental na sessão
dr:. installacão e reclamanoo contra a exclusão de 'seus nOJl1CS
na respectiva acta.
Não havenno màis reclamações~ é posta a votos e appro-
vada a acta.. . :
O Sr. Amaro Cavalcanti (pela m'dem.) - Sr. Presidenf.e.
na -qualidade ele fr:lator da Commíssão enviada para ~nur1ar o
ohf'fe do Gn\'crno Proyj~orjo. cnnlpro o rlever ile ·informar an
C(ing"rrs~o do modo por que de~emp('.nhou-s.e a meSJlla COln-
n1issão.

-.. 219 - .
~

Dirigindo-nos ao palacio do Govérrio e abi sendo intro~
du~Idos Jí.p~-esença do Generalissimo chefe elo Governo Pro-
Vi~OT·io. 'tisCi:-dà palavra nestes termos :. _ - - .-:::-.--::....,-_:;:..-:;':
'. .'" . ~ -,

«Gencralissimo - Na minha "ida de homem publico não
diviso um mon1ento n1nis feliz do que este~ em que a Nação
Hl'aziJ~ira. _reunida em seu primeiroCong-resso da Republica.
rnanda-nlo (' :lO~ Hlusl r'cs companheiro's cle Co-mnli~sã0 sal1clar
:lo Brazi1ciro rlistinct,o. qll'~. .i:í. hene.nlcrito da Patria por sellio>
longos c importantíssimos ~ervicos militares. prestados com
denodo á causa publica. Cn1 defesa da honra, da gloria e digni-
dado nacional. não o é menos. como o primeiro e maior COllR-
hora(lor da obra patriotiea da' nossa reconstrucção po1itica~ cn-
·ect.nda pela grandiosa revolucão de 15 de novembro.
«Notabilissima é. sem duvida. a "posição de chefe de Es-
tado. e sobremaneira tão recomrncndavel. que um dos grandes
gcncraes da antiguidade OUSDU affirmar que: para obteI-a 1

seria ]jcHoviolar o proprio direito.
«?\fns. Generalíssimo. semelhante DÜ'8ir.ão s6mcntc se r.k~yn.
0. ~c cng-randccc r~almcnte aoe:; olhos do -'reconhecimento - pu-
h11r.o c na justiça. :::1 aqueTlR q1.10 n. ríCClll1a. faz como 'vós. que.
~:lhindo da- rnvolução. armado de toda a forca e poàer illimi-
I.nno:; de rJictndor. sômentc delles usara para a obra do bem.
pn-ra ma.nICl' a orrlcm c n pUZ ptlhlica. Dura manter a· rligni-.
(lnrl~ nacionn1 c. em tona :l sna in Ir.gorí (Inr{('. o ~n~.Tn(lÍl ~()ln d:t
Pntria. .
-« P()rl('mo~ ns~n~UT'nr-vo~ que o C':nngrcsso Nacional nllt.rr.
(':::f'C' frio rlf"vadr) conceito n. rr~J1~H() dr! vossn. condu~fn, ~omn
(;11('f~ rJo (;oyp.rno Provisorin. ~ l~ por isso que. vos cnvinnrtn
[l. F:lln. snuflaçi1o, ~:::p(\l'a qtl~ crml,innr!is n. e()op~rnr. ('Ol1l Y()~~(l
T)P0~f1.!::"jo ~ ('~f()rC;:(Is (1(' 'nriynrln f'-í\-i:::mn. na. con~()1icln('i'io f1(.-
_finHjYrL da ohl'apnlrloUc:t .ry11~ tão sahiamente se ncl1:l. cn-
(:01:H1:l. •
«E accoit.ai n('sta~ r.urf,n.~ flhT'ns('~ n r.onsnbstancincfin rJo~
;::~nfjnlcnfos rl0. que :::p. nclla possl1ido o Congresso. 'Para tnflo
núm1to fôr ÕC hem. dfl razão (' de iJireito. em prol do engT'an-
d("ei1l1~n(o ela Pat.ria Bruzi1f\irn.l>
IR ("~p()ndendn :í 'Snllr1n~ão (lo Cnng-r.('s~n. li ~r. -G cn(\rnl i::-
simo (li!'iSD (lê):
«Dl1rante 11 t.empo de um
anno. em que exerci as fllnccões
rl(\ oif'f.adrrr. não Uve outro pensamento nem outro intuito.
(1110 não f"~,...n servir ao meu Dai?: na nova ordem de cousa:~,
(T0nrla pela revolução rlc 1.5 ele novembro.
«'Snpitando. .~s vezes. a impetuosidade de sentimentos
n(\~SO~C:::. p1'()cmrei fundaI' uma (Iictadura de naz e de harmonia.
nfi,o ~IÍ para melhor corresponder :(l confiança geral do 'Paiz.
rna:::: ainda..egualme.ntc. para evitar nlotívns ·de apprehensG('~
flc~favoravej::: no 0xtranp:ciro. o qual nem sempr~ mostra-:::o
henl dlSpo~f·o a 5u 19a.re0 nl inteira justiça os act(ls do go-
yerno revoJuci onario.
«Po~;;:o ter errado: r.: D0ssivAl quo () meu Governo t.enna
con1metf.i do nlaj·s de um desacerto administ.rativo: tenho. po--
r(~m. a. consciencia tran-auilla. porque nunca me deixei guiar
a não ser pelas S11ggestões do bem commUID, que me estava
confh;Jdo.
«Quanto no Congresso. direi: edncadli na arifhmeUca po-
sHiva elo Conde de Ljppe~· quer como soldado~quer ·como ho-

- 220-'
v

mem de-- govern{), jáma-isdesconheei'a -necessidade'-de 'respeitar-
a, leL (' direito e a jus.tiça,· e. qualquer que seja d·ora en1
deante alninlIa'1Jo'sj.ção~-"llei de 'nianter-é'cunlprira .Consti:.:;-
tuição dos Estado's IUnidos do Brazil.
«Aproveito tanlbem o. ensej o para declarar ao Congresso
e dizer á imprensa e ao povo que nunca tive neUl terei pejo
de' emendar ou reparar qualquer erro commettido nos miste-
res da publica adnlinistração, de;;de que me fôr indicado ou
reclamado pel0.3 nlcios convenientes.
«Tenho desta sorte respondido, c agraflrco ~ineel'arnc-nl.e
as felicitações que me dirigiu o Congresso Nacional.»
O SR. AMARo" CAVALCANTI - Sr. P.residente, peço licença
a V. Ex. para continuar, ,por alguns instantes, COll1 a palavra
pela oràem, afim de apresentar ao Congresso uma indicação
da maior urgencia.
Benl reconheço, senhores, Ique é UOl dever para todos nós
apresentar conl parcilnonía. c-onl descripç5.o o ten1pO rf's('l'va!lo
ás SCSBÕCS do presente Congresso: mas. tão relevante consi-
dero eu a materia da inçIicação ,que des·ejo ler~ que não pq:'iSO
deixar de precedel-a de alguma~ considerações. tendentes a
justificar a sua opportunidadr. nCpt1to-a~ mesmo~ imprescin-
djY01~' C'O'lnn r.pg',ra fundam(mf-nl de conductu, qne 0 CnllfttCssO
deve adaptar: no 0X0rci·r.io dr ~uas funnções r10 p()d~r so1Jr-
rano.
U:'J: SIl. nEPRESJ~TA~TE - A ncciLar:ão da indicação rlc-
p.cndc. da approvuçân do Regimento.
O Sft. AM..\RO CAVALCA!liTT - E' 111ntrria de orrIem.
. O Regim0nf.oque ('~r:í. pl'o"i~cwinmf'nIJl aplwoyndo arI-
m iHe qualquer indicação r](l Ol'(]C1TI,
Senhores. não ha QUt:'1l1 ignore que o poder rcvolucion3-
rio termina. logicamf'lll (l. para 11ma ·n~wão no rlia ~m CYU(l p~la.
rcstituida~í posse aetiva (le sna ~obcrania e convocada~ rcu-
ne-sp. para Ipgi:õ'lal' a ~l1n r.on~li!uição politica. 01.1. anl('~. pm'a
lançar as basPB fundamrntaes de ~ua aut0non1ia~ c organiz31'
o corligo (Ir tOijOS os ~·cu~ (lil'ei tos ~ das suas liberdades pu-
blicas ~ privadas.
A verdade nessa asscrção~ bem o sabeis. não é mero ensi-
namento dietacln por doutos publicistas e mestres da scieneia.:
olla é acceitavrI por si mesma. como unl preceito de pratica
indisDensavel~ c-omó nornla legitima de proceder~ desde que se
tenha de traçar a linha (livisoria entre o periodo da força ir-
rcsponsavel da revolucão e a época. legal da constituicão po-
litica de um povo.
Facto do mais eI,evado, alcance. verifilCado em todos os
POVOS que f,ê.Dl tido a felicidade (le 'constit.uir-se com vl~rda­
deira independencia e Ilberdade, a reunião de um Congresso
Nacional. investido de poder constituinte~ importa o termo
necessario de todos os poderes transitorios da revolução.
(Apoiados. )
Logicamente. senhores! assim é~ assim deve ser; porque
o poder constituinte ·presunõe. ou anf-es. é UDlcorollario evi-
dent.0. da soberani~ da Nação. P. nnrle quer que esta exista rpaI
c r.ffp.ctivam(-mtp~ todos os poderes publicos. ([uasquer {fue
sejaJ'D. só pocJerão sór exel'cit.arlos como delegneões da prol'ria
Naç;ão.

Isto posto, senhóres~ -e' {órcõso "·cohvirque~ ··com
'3,'~ abel'" ...
iurado cc
Congresso.~ adonal,,_~a.c:!.l u(~nl:~gQ_dil'ij
o•."1'indou TJara a
Nacão Brazileíl'a o pododo trausitorio dá· glúiifosaccrevoltição
de 15 de novelnbro, e conleoou a época legal da sua reconstru-
cção politica.~ confiada a nÓs outros; COIDQ' seus representen-
tos, aqui reunidos_
E fôra~ justamente, COlli o reconhecimento desta grande
verdade e em observancia deste elevado principio, que o 'Pro-
prio chefe do Governo Provisorio. na sua :Mensag-em uírigida
a este Congresso~ apressou-se enl dec.lul-ur, e:\.'})rcssa e ex-
plicitamente" que, saudando ao mesmo Congresso no primeiro
annjyersario daquelIe glDrioso aconteliin1ento, lhe entrega,va
os destinos da Nação.
Nel11 outra linguagem, ne.m outra contlucLa seria de es-
perar da lealdade patriotica daquelIe grande" -cidadão. daquelle
que teve a sorte rara d?, ainda em vida, ver seu norúe inscri-
pto, pela mão da .Justiça e do reconhecimento publico, á pl'i-
nleira pagina do liVro. dos benemeritos da Patria_
Mas, 5enhol'es~ C'111 vindo exprin1ir-ulc desta SOrLc. não
queirais desde logo' concluir que eu pretenda para este 'Con-
f;'re~::30 altl'ibuiçõcs cxLranhas ou illimíiada::;, que viriaul, de
certo, perturbar a ordelll privativa da sua convocação, que vi-
J'iam~ meSnl(l~ dífficultal' a lual,c11a dos nego'cios ,pubUcos. j-á
estabelecida pelo .patl'iotico Governo Provisorio. Não, absolu-
tamente não _ .
iU uso da solJe.rania du Cong'l't!SSO Co Ir.:; ti Lui nLe tanl.o
J11ui:5 se l'eCOnlll1Cndal"'á, quanto :rUI' rnelhor pautado pelo es-
pirito do orden1 e de respeito para o que é bom, para quanto
já. existe realizado de accôrdo com os interesses da paz, da
ol'llcm e do belll cOffin1ull1!
O Congresso Constituinte: que se propõe a perturbar ou
destl'uir~ falsêa~ ao Jl1eu vêr~ a sua propria lllissão:- para to"-
luar a do revolucionaria; o seu pwpel, o seu dever é conso-
lidar a obra do bem. já -encetada, completando-a em suas
partes deficientes. E quando esse Congresso se acha, como:
nós, deante de um ,oGloverno~ que: enlbora s.ahiclo da l'evolução~
soube sen1pre dirigir-se COlll o maior ·criterio, e á influencia
de impulsos patrioticos, é mister que elle proc"eda com a
lnaior circulllspeccãü possivel no exer·cicio dos poderes que
lhe foram confiados por esta 111C'Slna Nação,;que é a prilneir'a
a app~audir e agradecer os "serviços importantissimos de que
olla se confessa devedora ao referido Governo.
A nossa n1issão presente quasi circumscreve-se :á obra da
legalizaç.ão: o que não exclue o direito de emenda ou correccão
para melhor acerto. Não temos: por assim dizer, que crear
ou innovar proprian1ente; temos, por,ém, o dever rigoroso e o
direito pleno de legalizar ou de constituir legalmente_
. AssiIn, pois, por um lado~ ·convencido de que é mister,
antes de eilcctar a ll1archa regular de nossos trabalhos, deixar
estabelecido. como razão fundamental de ordem, um facto si-
gnificativo da consciencia da soberania nacional, representada
neste Congresso, e por. outro lado,:: apreciadas devidamente as
circumstancias especialissimas eUl ,que -se acha o paiz~ em
si o deante do extrangeiro~ pare'ce-Ine materja da Jnaior ur-
gencia a indicação que vou submetter á vossa consideração.
···0 pensamento clella manifesta-se claramente por .si
mesmo, do seu proprio conteúdo. Quero que se saiba no paiz

-,222 -

e no' extrangeiro que, conl aberLura do Congresso Nacional,
.:l.
"C(lme~ou,.com(3ffeito, para a --Nacão=_Brazileira 0-- regimen.- da
legalidade; nlas, sem solu~ão de continuidade, sem o menor
embaraço para os negocias da publica administração, e sem
os nJales inevitaveis da confusão dos poderes; porque o COD-
gresso Nacional continúa a depositar toda a confiança, plena
confian~,a, na pessoa d(~uelle que soube, com· o maior crite-
rio e civislno, dirigir õs dos_tinos da Nação, nos dias difficili-
1110S da sua çlictadura. Passo a ler a indicação (lê):
«Conl0 lnanifestação consciente da soberania nacional,
representada neste Congresso, como meio de assegurar, sem
interrupção, l1laS com legalidade, a marcha dos negocios pu-
bLicos~ c conlO alta prova de merecida confiança, indico que
o Generalissinl0 :Manoel D-eodoro da Fonseca, chefe do Governo
Provisorio, continue a ex:ercer P'l·o tem:pore todas as attri-
huições concernentes á publica administracão do paiz, até' á
approvação da Constituição Federal e a eleição do primeiro.
Presidente da Republica dos Estados Up.idos do Brazil.
Sala das sessões, 18 de novembro de 1890. - A.. Caval-
cant'Í.';!)
Agora requeiro que, si a presente indicação fôr apoiada,
seja iUlnlediatamente votada por acclamação. ,(.4.poiados e não
apoiados.)
O Sn. .,' ZA~IA - Isso não é Ulnaindicaoão,. é uma moção.,
O SR. Al\1ARO CAVALCANTI - Não faço questão de nome.
Vem á Mesa a seguinte

MOÇÃO
«Conlü nlanifestação consciente da soberania nacional,
representada neste Congresso, como meio de assegurar sem
interrupção~ mas conl legalidade, a marcha dos negocias pu-
blicas, e C01110 alta prova de merecida confiança, indico que
o Gcneralissirno Jlanoel Deodoro da Fonseca, úhefe do Go-
verno Provisorio. continúe a exerc.er pro' tem,p01'c todas aS
attribuições concernentes á publica administração do ,p31iz
até á approvação da Constituição Federal e a .eleição do pri-
rneiro Presidente da Republica dos E-st'ados Unidos do B-raziL
Sala das sessões do Congresso :Nacional, 1.8 de novembro
de 1890. - Arnar'o Cavalcanti.», .
O SR. RAMIRO BARCELLOS (pela ordem.) - O illustre re-
presentante que acaba de apresentar ao Congresso uma indi-
<.m<.:,ãu~ ou UITla nl ação. foi precedido ern seus intuitos por Uln
grande numero de representantes, que j á tinham enviado á
~lUcsa uma moeão relativa ao mesmo :assumpto. (Apoiados.)"
SeUl qu crer fazer censura ao meu nobre collega, direi
que, tratando de relatar ao Congresso °
resultado, de uma
COIl1n1Íssáo de -que foi incun1bido. S. Ex. na mesma occasião
apresentou, tratando de materia diversa, uma moçã'o.
O SR. SERZEDELLO - O que não é eorrecto.
O SR. Al\rAR~ CAVALCA.." lTI - P·edi a pala~ra exactamente
para issQ.

'VOZES ,-'-' l\Ias
é correcto .
Dão
',:cT)~SR~:RXl\hRO:B.üújELLOS -:. :.:. . Não'-qúero,c6mo ~:âissc, fazef
uma censura ao meu illustre collega; quero apenas recla-
mar pela ordem das discussões· no seio do Congr~o, .porqu~
de outra maneira nó,S nunca chegaremos a dIscutIr aquI
regularmente. - (J1tfritos apoiados). •
Portanto, 'peco que a Mesa mande fazer com :Qreeede1Wla
a leitura -da mocão já apresentada e que ~~tá asslgnada por
mais de 30 representantes'.
E' o .que tinha a dizer.
O SR. l\:L:\TTA :l\L<\CHADO - (1° Secretario) - Sr. Pre-
sidente. pedi a palaVI'a afin1 de chamar a .attencão de V. Ex.
e da Casa para a disposição do art. 3° do Regimento.
VOZES - Não ha Regimento ainda.
O SR. MATl'A MACHADO - O Re~imento -vigora, porque
está provisorianlente approvadQ, até que o Congresso () ap-
prove ou rej eite .
Diz o art. 3° 00 Regimento:
~ Esta Mesa presidirá á sessão solemne de installação do
Congresso e funccionará até a eleicão da Mesa definitiva, que
túrá logar na sessão inlmediata ,á da instalIação.:)
.ora. Sr. Presidente. apresentam-'5e duas m~ões que
valen1 ,a mesma cousa, duas mocões importantes que a as-
sernbléa do Congresso tenl de discutir, o que deve tomar
has ta 11 te tempo. .
Entretanto, a 1\fesa- do Congresso não se acha consti-
luiria regularmente; portanto, peç'o que antes de ·qualquer re-
resolucão se cunlpra o Regimento, elegendo-'se.a Mesa defi-
nitiva, para que o Congresso possa considerar-se legitima-
mente constituido. (Muitos apoiados.)
VOZES - Muito bem! Muito bem!
O Sr. Americo Lobo - Sr. Presidente, até aqui o Go-
verno Provisorio, agora o Congresso.
Applaudi ha dias a sessão solemne em que. em nome da
vontade popular: tomámos posse deste antigo' solar da dy-
nast·ía. sraças á revolução patrioiica que elevou nosso paiz,
de sin1p!cs ducado de Braganca, que era, .ã categoria de Es-
tados Unidos do Brazil, e, graças ao heroismo do marechal
'Deodoro. novo Mazeppa, que cavalg-ou vertiginosamente do
leito da febre ao campo, não para ser o Hethman ,de uma
Ut.-rania mas para emparelhar com Vl'ashington na historia
J

de nosso continente.
Uma tristeza profunda apoderou-se, entretanto, c'e mim.
ao ver que o Regimento eommum é uma mordacapara, a
palavra e a mutilacão de nossa soberania, visto reduLir-nos,
en1 Uln horario de estrada de ferro, a attribuições mera-
mente constituintes; ao consideirar que a sua approvação
provisoria nos dois ramos do Congresso fôra mecanica, por-
que, não tendo havido communicação reciproca entre as duas
casas. em uma se deu aquella approvacão Da hypothese de
ser dada na.. . outra. e vice-versa. ,,
Ul\fA voZ - O' Regim ento ainda não está em discussão.
O SR. AMERICO LOBO - Vou mandar :ã Mesa a seguinte
~100ão :

«o Congresso Nacional.. installado I> ara decretar a - Con-
stitui(~ãodos Estados Unidos' do BrazU e eleger o IPresidente
e o Vi ce-President~ da Republica, approva a delegação !eita
ao Governo Provisorio, enl nome e com assenS0 da Nacao. e
-reconhece-se desde já -o unic.o competente para exercer o
Poder Legislativo.
Sala das sessões, 18 de :tlo'vembro de 1890.»
U:MA voz - O assun1pto é o In esmo .
.oUTRAS VOZES - E' 1l1UitO differente.
O SR. ..:'U1ERlCO LOBO - Entendo que deve o Congresso
ratificar a dele-gacão feita ao Governo e reservar desde já
D·ara si o Pouer Legislativo, que evidenten1cnte lhe cornpete,
por ser o unico representante da soberania nacional.
'Nem se objecte ·que sua 111issão' se restringe agora. ao
Poder constitujnte, por<lue .quelll p6de ·0 lnais, póde o l11eno~ e
declarou-se na Can1ara dos 'Srs" Deputados, durante a dlS-
~ussão da fusão proposta pelo 111eU illustre amigo, represen-
tante de :Minas Geraes~ ·que o COl1gresSQ tinha, .como tem~
fUl1~õe.s ordinarias e dois ramos distinctos"
Essa fusão opera-se nesta sala, onde todos nós estamos
l'cunidos~ deputados e senadores, entre 08 quaes os il1ustres
nlinistros (excepto U111), que são responsaveis. Não podem,
pois, esbulhal'-nos da fa'culdade legislativa, po-rquanto, sendo
a lei a vontade nacional, somos dclla interpretes todos n6s~
re.presentantes das urnas e não alguns de nossos pares.
Dest'al'te. concluo que u Governo é.Congresso c o Con-
gresso é. Governo, formando ambos um todo -soUdaria e in-
divisivel para a consolidação da Republica .
.Veja o Governo e veja o Congresso que, não estando
ainda constituidos' os Estados. é-nos licito dizer, a exenlplo
do Rei-Sol, :qp.e os Estados Unidos do Brazil somos nós. E
:3i não convcnl ·suspender O :Poder Legislativo neste inte,rregno
que vai até a dc'cretacão da Constituição, onde deve elle
est.ar - neste,Gongresso republicano, -c'ompostode 111inisLros
c de amigo::;> do Governo, ou isolada -e e:xclu'Sivarnente no Go-
vêrno? Na ultima alternativa, será mais custosa à- mudança
dos antigos territorios enl- Estados. .
E~ não obstante~ reunido O Congresso em sessões prepa-
rator~as.. ,continuou o Gover;to. a praticar o principio nefasto
de DIreIto R!olnano - a leI e a vontade do principe~ e pro-
rogou o orçamento. .
Lembrem-se os nobres nlinistros de que este fa~to' é
muito tr.iste -para a constituição qefinitiva dos Estados Unid'Os
qo Brazll: visto que se fundou a Republica na America d0
. Norte. erp reaccão 'á cohranca de' imposto não iV"otada pelos
contrIbUIntes. .
. Legislando o Governo a seu beI-prazer~ como que yoIta-
nl0~ ao seculo passado. em ·que o l\{arqucz de P-ombal fez tão
sabJas refornlas no Direito. Si o fa·do anterior foi fecundo
~ar~ o no~so paiz. a continuação delle, reunido o Congresso
l'J~cl~maI, e f~ta),. P9rquantq o povo brazileiro, esbulhado do
(l1r~lto.. s~nl lUlcla:tIva, não está habituado a :concOi'rer para
a :J.ormaçaf} da leI: o parlamento· imperial não passava - de
unl seenarlO. (Havarios apartes.)
Com. estas observaCões não ,quero de f6rma: aiguma per.;..
turbar a marcha do GovernoProvisorio, ,nem tão pouco pre-

te.b.dô:· inerinlÍ1iaro·: p-aLriofuulo"1j6S---=-iHu5tl~es~min
lstros~e.on~
·side~o _seus aetuaes actos legislativos eTros provenientes da
posse, -em que estavam~ do poder soberano: . .
_Mas, em Dome da liberdade, em nome de nós outros. que
não nos devemos despojar da' confiança c dos poderes .qucno:-;
foram outorgados pela Nacão. não posso approvar a primeira
lnoção~ que delega IJQderes de inlpossivcl clclcgacã~, c Dlanuo
á Mesa- a ·mocão',que li e ·na qual o Congr~sso declara desde
já exclusivo seu poder legislativo. .
Vem ·á ~esa e é . lida a segúinte:

({ O Congresso :Na'cional~ installado para ueCl'ctar a COll-
stituição dos Estados Unidos do Brazil o eleger o Presidente
e Vice-Presidente da Republica, approva a delegacão feita ao
Govcr-noPl'ovü;:orio. eIll noIlle c CÚlll assen~l) (ia Nação, c rc-
eon1lr~e-se desde já o nnico con111etentc para exc)'ccr u Pudcr
Legis1ntivo. '
Sala das sessões. 18 de novembro de" 1890. - A,m,cl'ico
Lobo.» . ' . .
O Sr. Serzedello - Sr. })residente. sUl'prehendeu-nlc de-
veras () qu'c se acaba de dizer o Sr. -1 u Secretario. c a lloulriua
que pretende estabelecer .
A verdade é que, se fornlos lZuardar a votação da mocão
aprc:-5cntada T)ara. depois de 'Ürganizada a l\'Iesa e votado o
Regim.ento, nãq o poderenl:os fazer~ porque, pelo art. 27, não
podcl'il :-::Cl' dado IJal'a (l·rdenl do dia senl constituir objocto
de discussão~ assumpto que não se1a irnlllediatalllcntc ligado
ao ~filn do Congresso comp. Constituinte.
P01~ outro lado. é preciso antes approvar o Regimento.
para organizar a Mesa C-4.pqiados), porque este preceitua a5
regras ,que devem dirigir sua organizaçã:o.
O que é necessario, o que é" urgente, é legalizar o Govcl':no
- é constituil-o. Não ha aqui visJumbre <lc opposiCão~ ~PQl'­
que, SClJ.hores. o pl'oprio Goyerno dictatol'ial e l'evolucional'ill
depõz os seus poderes e a sua autoridade no seio do Con-
gresso, c- desde a instalIação do Congresso e leitura da 'Men-
sagem, -ceSS0U o regimen dictatorial, e na·la mais nobre, mais
elevado. maIs digno de applausos do que o proc·edimento
deste Governo e de seu chefe. que, concentrando ~In si toda
a autoridade, .todo o poder, -s'abe cumprir o Seu dever, entre-
gando-o .ã Nação, a quem COlllpcte. (Apoiados.)
UM: SR~ REPRVSE-~TANTE - Cumpriu 0,- seu dever; não fez
nada de mais .
.Q SR. SERZEDELLO - Peco, pois~ aVo Ex., Sr. Presidente,
que consulte. o Congresso si devem 'ou não' ser votadas as mo-
ções apresentadas. .
O Sr. Oiticica (pela or.dem) - Sr. Presidente, têm-
se apresentado diveTsa-smoções COIno fim de constituir o·
Poder Executivo, o segundo poder que, nos· governos demo-
craticos (é theoria de direito constitu'cional), não p6de deixar
de ser uma delegação da Nação.
UM..'" voz Mas já·· o é provisoriam'ente.
1S

-226-

, O SR~ OrrrCIcA ' - Não: comprellendo, Sr. Presidente, que
:pc~sa
haver governo provisorio,.que' possa 'haver governo de
revolução dentro do 'regimen parlamentar, não !pOSSO eompre-
hender que o governo, feito por intermedio' da :forca em·. occa-
sião . critica .para o paiz, possa continuar a viver le~lmente
desde ü ,mQ~entoem que a, Nacãoseconstit.u.e. (Muito be!"'.).E
tanto isto é verdade,. . que o chefe do Governo ProvIBorlo!
ao tempo em que decretava 'comounico "poder e.."tistente no
paiz o poder da revolução, o "poder da força, usava da seguinte
fórmula: - O chefe do Governo Provisorio. constituído. ,pelo
Exercito e Armada, em nome da Nação. - Este em nome da
Nação - não p6de continuar, desde que a Nação está aqui
representada pelos seus legitimos mandatarios, exercendo as
i"unccões inherentes á soberania nacional. (Apoiados.)
Esse· poder, portanto, lnorreu, expirou, não deve eon~i­
nua!'. a existir- dentro do regimen parlamentar.
: O 'SR. EspIRiTd SâNTo E OUTROS - Não apoiado!
O SR.., OrnclcA - ' Esta é que é a verdadeira l,hco:!a
do governo constitucional ....
'VOZES - Não é tal.
O SR. OITlcrCA'- ... a não querermos dar ao Poder Exe-
'cutivo uma funcção muito inferior 'â que deve ter, a não
querernlOS continuar o Governo das funcções, muito inferior ,
ao ,G lverno ás claras~ como deve ser o Governo republicano.
Entendo, portanto,. ,que, desde o momento em ClU:e 3.-
soberania nacional se, constituiu, o seu deVer, de honra, que
é tam:bem ,dever de~ honra ·do-Governo da. revolução~ é cqnsti-
tuir. immediatamente o Poder Executivo dentro do regimen
democratieo,do' 'regim'en repubUcano.
VOZES -
, ~
E' o ...
que .s'e -vai fazer. (Ha outros apartes.)
;', Q"SR•. DITICICA.~~,E é isto o que estou dizendo que se
deve fazer hoje; fa:çam~me o oDsequio de me deixar 'Concluir
o 'meu argumento'.
UM:' SR.. REPRESENTANTE - E' o que está proposto; é o
qu~ todos, nós qtu~remos~ .
, ' O,SR., :OrncICA ..:.... E' justiça o ,que queremos. Isto se de-
veria ter feito logo depois da leitura da mensagem. lazo de:"
pois que o Governo Provisorio! com alevantado patriolismo.
d~clarou nessa. mensagem que ,entregava ao Congresso os
.d.estinos da,. Nação. Nessa occasião. a Nação devia levantar-se.
ou. appellar para o. Governo Provisório, afim de que conti':'
nuasse a dirigir o paiz, oU' investil-o 'das funccões de, Poder
Exeoutivo, o que~ era mais legaI. -Entretanto. isto não se fez
na occasião de terminar a leitura da mensagem;. a· ceremonia
passou e .nada disto houve . .
.. ' "Ac:r.:e,dito" sem. que qUeira irrogar unia eensura ao.Governo.'
que semelhante facto oecorreu 'Por ter vindo a:qui uma. meu"':
sagem~ co~o si fosse de um Presidente de RepubHca' já legal-
me~~~ .elelt0~· ~m .l0gar de ter' ~ompa!,ecido :aqui o ,chefe do
Go"erno'Provlsorlo~para dar la· Na(}ao 'contas' da revolução
"quefE't. 'O:'c~efe' do Governo' Provisorio não 'é 'um~Presidente
{ie ~ 'RppubHca~:: o Presidente de República é' 'um' delecrado da
Nação.·~ o chefe do Govern'o 'Pr·óvisorjo éo ~chefe do poder 'da
revoluça0 ~ (-:tpartcs:) "é'
~': :.

·---- .22r -
Bem; .digo estas p~lavras sem ·querer irrogarcensura ao~
membros do Governo que aconselharam ao Sr .. Generalissirao,
chefe. do Governo PTovisorio.. , Entretanto, Sr..- Presidente,.
a Nação está de posse de seu poder e o .Governo Provisorio
existe hoje sem poder existir Dlais, tPor:que o Poder Executivo
não p6de deL"\:ar de ser delegação da Nação.
Nestas condicões a Nacão tem de es'oolher o homem que
deve eexrcer o Poder Executivo, até á decretação da Consti-
tuição e eleição do Presidente da Republica, e este não póde
deixar de ser o homem que, por um anno, dirigiu com o
maior patriotismo os destinos da Nação. (Muitos apoiados.)]
Entend9, portanto, que nesta occasião....· ..
VOZES -Vamos rá moção 1
O SR. OITICICA- Peco que me oucaill.·
Entendo, portanto, que a Nação se deve levantar hoje e
investir o Sr. Gener.alissimo~ chefe do Governo Provisorio,
das funccões de chefe do Poder Executivo, até que a Nação se
constitua ...
UM.A 'VOZ - Isso' é a mocãQ .
O Sa. OlTICJCA - ••• até que a Nação decrele a Consti-
tuição.- .
Entretanto, Sr. Presidente; ha um facto que não foi
tratado ainda: é o reconhecimento da. Nação por si mesma.-
A Nação está constituida; mas a f6rma. republicana deve ser:
o primeiro acto do Congresso Nacional, a decreLacão da Repu-
hlica deve ser o primeiro acto do Congrs::;so Nacional, assim
conlO foi o primeiro aeto do Governo Provisorio .
.:\ Republica· Brazileira, que tem sido reconhecida. por di-
versos governos da Anierica e da Europa, não o foi ainda
pela Nação B r a z i l e i r a . . .
O que que quero é que a Nacão reconheça a f6rma repu-
blicana, desde já. nomeie o 'chefe do Poder Executivo; e por
isso formulei a moção ·que vou submetter â consideração de
meus collegas, pedindo-lhes que seja approvada na sessão de
. hoje. A moção é a seguinte (lê): «O Congresso Nacional,
conshLuido pelo povo brasileiro, em nom~ da soberania na-
cional, que lhe foi outorgada, decreta:
Art.: 1.0 E confirmada para o Governo do Brazil a .fôrma
republicana federativa, decretada pelo Governo Provisorio a
15 de novembro de 1889, constituiàa com o nome de Republica
dos Estados Unidos do Brazih>.
UM SR. REPRESENTANTE ~ Na promessa que já fizemos
está isso.
O SR. OITICIG..-\ - ' Entretanto, a Nação n~o reconheceu
·ainda a Republica; quem a constituiu foi Q Governo Provi-
sorio.
O MESMO 5R. REPRESENTANTE - Promettemos susten-
taI-a. ~~~
O Acho que essa f6rma é má.
SR. OITIClCA - .
(Interrupções. O orador, contináa a le.itura da 'indicação.)I
Art. 2.° O Generalissinlo l\:Ianoel Deodoro da Fonseca;
actual chefe do Governo Provisorio, é investido das funccões
de chefe do ~oder Ex~cutivo da Republica, nQ caracter d~

Presidente ·~á·1têpuhTthl"ilb~~Ef:tad(~.:::~~gllidos~:~d9~~~x~~Jl:
.c~~"S6
que exercer·a pelos seus a~tuaes nllUlstrQS ou por. outrOS""'-l6
sua imUlediata confiança~ até que o COUooresso Nacional, ora
reunido~ decrete a Constituição da Republica e eleja o Pre-
sidente da roesma~ na fóru1a. das disposicões que decretar,
salvo ao Congresso o diroitc de exal11e sobre os actos do Go-
verno Provisorio.
E~ esta a mocão que ,iulgu l3Í dever apresentar.
O SR~ JOSE~ BEvn..~\QUA (pel,(J, ordem.) - Pedi a palavra
para pedir o encerran1ento da discussão. eao lnesmo tempo
pedir que seja acceita. a indicação do SI'. Ubaldino do Ama-
l'al~ pois é a ;que ten1 maior nunlero de assignaturas .
O SR. 1 SECRETARIO ~l'ocede ~á leitura da seguiIl:te
0

~roçÃo

«O Congresso Nacional, const.ituido pelo povo brazileiro,
eU1 nome da soberania n3\c,ional, que lhe foi outorgada, de
ereta:
Al'G. L° E~ COnfirlfIada para (I Governo do Brazil a fórma
rüpublicana federativa~ decretada pelo Governo Provisorio a
'15 de :\ovembro de '1S89~ cOÍ1stituida com o n(HUe de Repu",:,
bEca dos Estados Unidos do Brazil.
Art. 2. O Genel'alíssinlc~ .)hlllOfôl Dcü(}ol'() da Fonseca,
(>

uetual chefe do Governú Provisorio. é investido das func<.:,ões
de chefe' do Poder Executivo da Republica, no -caracter de
ÍJT'C"sidcnte da. H.C])l.lhl ica dos Estados Unido~ do Brazil, cargo
que exercerá pelos sens actuaes llünisbros ou por outros
de sua ünmediata confiança,até ·que {}- Congresso Nacional,
ora rWJnido. decreto a Coristitu ição da ReoubJica c eleja o Pre-
sidente da .luesina. ·na fórma das dispósições ,que decretar,
salvo ao Congresso' o direito de exame sobre os actos do Go-
verno Provísorio.
Sala das sessões, 18 de novembro de 1890. - Oiticica.'»
O Sr. Ubaldino do lAmaral (pela orde'JJt) :diz que antes
de se abrir a sessão teve occasião de depositar na mesa uma
rl1ocão~ de que não foi mais que simples portador, visto que
está assignada por grande nUn1er() de representantes ao Con-
f:'Tesso; não obstante~ fez-se então inscrever. perante o Sr.,
1() Secretario. ·
C"'Jnl n1agu.u c extranheza vê que a discussão vac indo
por lnáo ca..Tllinho. (A.poiados.)·
N~n1 _ sequer tinha lida 0nl pdmeiro logar essa rnec~o
que, SI nao pelo .orador, ao menos {p'elQs numerosos 5igna.ta-
rios que a h0nraranl, devi:l,·ser lida. quando um dos seus hon-
rados colleeooas;' sob pretext.o de dar .couta de uma commissão
de que .o. incumbira o Congr.esso, apresenta uma nova moção
c a JustIfIca; e após eIle varIOS membros -desta Casa. sempre
sob pretexto de {)rdem. discutiram moções de envolta 'com va-
rJos ~sumptos1 fieando esquecida a l)rimei.ra apresentada, 'a5-
slgnaaa por· tantos representantes. tendo o orador seu sim-
ples portador .(Muitos não apoiados), tido o cuidad() de in-
screver-se' em~ primeiro logar. .
Pede, pois, ao Sr. Presidente se digne. de lhe dizer si
p6de
pu não justificar a moção, para o que nãO' abusará do. tempo,

- 229-

.·porql1e-··está'-.resolvidQ~cQlJlo--". !llembro . do Congresso Nacjonal, a
dar exemplo de ordem e onedecer- á - Mesa---e:=a(F=.Regiment{);-
quando este existir. - .
O Sr. Matta Machado (10 Secretario) - A moção acha-se
sobre a mesa e lida por ordem -do Sr. Presidente. O orador.
que () precedeu. tinha-se inscripto. com effeito, em segundo
logar. .Mas é elIe proprio quenl affirma <rue começaram a
pedir a palavra pela ortjem. sendo concedida pelo Sr. Presi-
dente. desde que dessa fórmula usaram.· .
Entretanto~aproveita a opportunidade para dizer que. nu
sua opinião. esta discussão não vai bem encarreirada. Si ~c
vai abrir discussão ampla sobre as nlocões. é necessario, pri-
meiro. ,que () Congresso constitua a sua Mesa.
Foi nOD1eada un1a Con1n1issâo rnixta. com nocl~l'e::: ~~p(l­
ciaes para prover provisoriamente o Regimento-. Este: Regi-
. menta assim approvad6 por delegacão está en1 pleno vigor até
que o Congresso o modifique ou revogue. pe outro .nlo~o~ per-
f:'11ntaria o orador por que Reg.inJento nos guianios?
O SR. ZA~L\ - ' ·Por ahi não 'colhe. (Ri,so.)
O Sll .. MATTAMACHAiDO '(1 0 Secretariar - Si não ha
~bsolutamente Reginle:nto. si o CongJ'esso não póde z~liar.. ~0.
nor aquelIe ®e foi app'rovado provisoriamente para servir
:í clei~ão da Mesa definitiya. ppJ'guntará ~1J.nda: De '1!J~ rfl'l:Jo
• .9
nos guIaremos aqul.
U::\'I SH. REPREf:;EXTA:XTE - A m,att:>ria da indiNv:,Tl.C é n1~i~
urgente.
O SR. l\[I\.1'TA l\~ACHADO - (10 Secreta'j'io) , - A materia
(la indiC'acão É' n1ais urgente, diz o nobre Deputado. O Sr.;
Presidente poderia consultar o Congresso si elle Quer prj-
meiralnente manifestar-se sobre a 111ateria da indicacão e
tambem sobre o modo pelo ,qual deve ser discutida a. moção.
porque nada ha estabefrr.iclo: si a0mjtt.ir-~e que não 11a Rp':'
gimento, é preciso que o Congresso -se manifesté sobre o modo
pelo qual deve ser discutida essa moção. AJcredita ,que a
moção 'apresentada s6 póde ser votada por aoolamação e sem
discussão. (Não alJoiados.)
'Si {) Congresso. por si. -desde ,que a Mesa· está inteira-
mente desarmada, porque de todas as partes~ quando se refere
ao Regimento. ouve reclamar - Não ha R;ügjnleuto - ná;) ha
nada. não ha norma pela qual devamos regular os trabalhos.
nerglJnta: Si a autor]darl~ ela lVh'sa n~,() fô:--' l'{\cnnh~0id:l. [lf':t-
t,ada. como si fôra o regip1ento vivo. de ·qUA modo se poderão
levar dignamente as sessões do Congresso? .
Ü SR. Z'AMA - "Não p6de haver nada mais digno do ·que
() CO!lgresso constituir os seus delegados.
O SR. M.\TTA Il\'IAcH.:\DO (f Secná:n.rio) - En(·.Emrj(} !lU c n:=::
deliberações do Cong-resso nevem ser pautadas pelo Regiment.o
provIsorio. approvado en1 uma e outra Canlara:. .
U~r SR. REPRESENT~\XTE - AcceitamDs o Regimento ap-
provado provisoriament.e, para discussão àa indicaoão.
O SR. l\iATI'A MACHADO (10 SeCretario) - Bem: já ha um,a
restricção. Para os men1bros da 1Vresa, segundo .o 'Regimento
approvado. a sua existencia legal termina ;boje, em virtude dQ
art~. 3.° Diz o art~ 3° do Regimento (lê);

A organização da. i O SR. o Secretarj o~ quando impugna a comuetp.l\JAqRADO '(/0 Secretarior --: Vamos vêr . (Apoiados). Não tem razão o Sr. Ubaldino do Amaral. Eis.~VAL. Mas eu tenbo ou: n!o tenho a palavra? .Por esta f6rma a Mesa não podia abrir a sessão. 7 lavra . Mas: si ha Re- gimento. O SR.tro modo seria imoo6sivel yotaI-a hoje. b~m facil chp. orador que primiern tomou a pahrvra. Ha quatro morões. _ Para encetar-se a discussão da moção nesta sessão tor- nar-se-á necessario votar-se uma sessão permanente.decidisse 'crual das mo- ções deve se~ discutida. . U]Y! SR.m J:.em razão mesmo em vista do artigo que S.na ho"u do e:\.: Eu t}n:ba pedido a palavra somente para 5Imphflcar a questao. uma ·qne~tão de 1Jrecedencia.Tem a palavra o Sr.:'\.""!)edientr e t indi'cações. sessão solelnrie'-de:iIisfallacão ~oc­ Congreso e íunccionará até ta eleição da 1\fesa definitiva.á.Diz o nobre Depu fado que estamos na hora do expedieote. O SR. PRESID~"TE .'. REPRESENTANTES .cA. leu. Uns reclamam precedencia para a dis- cussão. REPRESENTANTE .ncia da Mesa para de~idir e não t... A:M:. Ex.. .ste modo não é possivel chegar-se a um accôrrlo para solução d~finitiva. ia SR. UBALDINO no A MARAr~ . Nãl) tem ra7. 1. :MeS3. o procedimento do Congresso· está send() de homenagem ~.ciso (rue (l Con~esso .l. manifestado o meu modo de pensar. que está Ulo complieado nel~s -questões de ordem.-\CHADO (1° SeCTetarior . resultado sobre este assumpto.) Appel1a-se para acoTIsciencia da Mesa! 1\fas á Mesa fo- ra. que ier·á logar -na sessão immediata á da installacão. - . com toda a fran<IUeza. UR~r~DIN'O DO Al'fl. AMARO CAYALCANTI . e a l\{esa amanhã julgar-5e-ia. e ontra quando fi mes- mo orador ainda fal1ay~. aue reconhece .. Mesa 'é ma- i cria de ordem do dia. MATTA M.) ~...Sr. O SR. l\fTTTTOS sns. quem declarou que era' esta a hora do expediente?' O MESMO SR.competente nara dirigir a sessWo. Qual das dua~~ moções é a primeira? Para a:char· um meio pratico de resolver esta quesfãn.RAT. '(Apoiados. e era pr~. . VOU fazer uma proposta: que seJa decidida c()mo preliminar -qual dl'-ssasduas moções deve ser submettidaá discussão _ (Apoiados. . retlr~ndo a minha mocão." ~ O SR. Par"ece-mp. e n6s est3. REPRESENTA!\~ . o SR. UBALDrNO DO AMARAL . porque de ou.- gar a.~RO Ç. O SR.~ .'ITI . . (Apartes.poiados):.m apresentarlaR em primeiro log-ar duas moções: uma peJo . MATTA . "Ej::. (A. que só o Congresso pnde.. .)· O SR.rá decidir. Presidente peço a pa. impossibilitada afim de vir presidir aos traba- lhos: do Congresso. 230- «Esta Mesa :presidir&. Quem tem a palavra "é o Sr. Ubaldino..· MATrA MACHADO '(/0 Secretario)i Senhores~ a verdade é que dp.ão a inda 1)01T'- quP.

entantes da Nação.~agraGã() lega. sendo mero portador das 'honrosas assignaturas de muitos colleg-as quer da Camara. Proclamada a !R:e.. UBALDJNO DO AMARAL. e ninguem p6de negar. . ou. continua a funecionar -regularmente.' .coTIsiderandn" ol.sessão de. Jogar na sessão immediata á da installacão.1e Á del. .'. 'Sr.~.tn0 s~ man- tenha· n::t d~re'cção dos negocios pubUcos. ·0 SR.1C os signatarios da mocão dizem: (ll!) .:c.1ra' o menos tempo P""s- sivel... necessiôade ·1. (fOSecretario) . O SR. aqui estivesse.-.) . patriotis. . quer' do Senado.immediatament:e 'a.so convocou o Congressoe.'l. " '. d~~f:ino~ da .gresso efunccionará até a eleição da·Ycesa . é que o re- conhf'cimento de que esse Governo procnr()u~ quanto em ~uas rnáos pstava~ ser o Governo da dictad1. . actl1 aI afim de qu~ . (lê.~'Para o Gov~erno . . <\'.:-o. pala. entI'e-g-it os.a..Mesa esteJa pondo -vosta1culos a votaoao' de uma materIa que todo.. n chefe do Gov{~rn() vei-u· depositar 0s poderes nas mãos dos repre:::. -. (_4. aguardando. . . ·Já houve eleicão definitiva? Não. O que é certo.'.por' seu. '.ínitivaete. -·. installaç~o· d(f' CqD.proPl"ioartigo que S. (Apoiados).:poiados'.. "oorque se entendesse que s6mente ~e devia· corres-o:'Onder fi. (Apoiados." iE é 'Por isso Q1.r : razões muita :J)er- functorias sobre à moção que tive a honra de apresentar. ..Na. ElIe·diz: . portador. O SR· ~l>\'M'A iMAcHADO. e g.as nomeou-se urO.. Presiden~e. Ex. ~r(\in B-TI- treg3.publica~ a summa dos :poderes da Nação foi logicamente concentrada nas mãos de um homem que era nesse momento o representante.) Não é' occasi50 de procedera exame rigoroso sobre os acertos ou sobre os erros que) porventura~ tenha pratícadoo mesmo Governo. os poderes de que estava investido. a· encarnacão dos sentimentos e aspirações nacionaes.6 favo!' de continuar a l e i t u r a . c-·Comodízia. " Não é preciso recordar.l ~o Poder Exeeutivo.. não' p a:::-ora ()cca~iãl') de instituir debate sobre s~us actos.'nte. -Ma's _ni~gUei~L:está.. """" 4: Esta Mesa· -presidirá á. Para is. vras.ção~ .' e. não quero senão·" d.. era n1. (1~ . cono:-- lrariandq' isso. muitos factos. Eu não me acha. ~e '~ singu~ar.. ~xactarn(. . MATTA MACHADO. .) " . O i8n. :nel'ante.Comrrii:-isão para felicHal-o.lrgente D€cessidadp.~C. .1r-llc cicladão apen. resoh7ea"Opellar.·· 'Íhe '. e. e Du·ron um an:no o Governo da dictadura. .s~ ".def.portarito. (Não apoiados:) .~.. Nessa sessão. c:ortezia r'laq1. 231- . porém. : " . . portanto.1'rgente de 11m G::wcrno 'legal. reun1áo.querem votar I (Apoiados. ·~ne os ~eus 'poderes: l1n. talvez por faUa de tempo.:. tendo o chefe do Governo :·deposto.' (Apoiados... '.': .uito pt'ovavel que tivesse feito . con- . 's/Mesa: .va presente.(Lê).dar. a Cons- . leu é contrario á sua conclusão..' ..' á vista da "Mensagem em 'qüe r) chefe 'do iGioverno Provisodo..c.Secretario)" ~ Faça: .' Deseja' o Congresso Nacional ser muito sobrio· de. porque é certo qne o· Gongres~o 'está reunido = e.no dia marcailo para a SU!l. qu·e a . proposta de .::CC. que. que terá.)' -·:c..r-Ihe~ na sna phrase.)' .. ' · ' · '.' .hoJe fni.<\'0 Cong-rcsso Nacional. E então'?' . :U~ALDIN'O DO AMARAL --.

.es. 232- titJ.-:se do 'recinto os '1ninistl'o. Thom. .a Barreto· ..Sõndo tudo provisorio.r.licão que r'i·evc õ:. lnd:i.- !Justo Vinhaes.Pinheiro MaclUIJio.A. Catunda. .A. Braz Carneiro.PacheGo.Antão Gonçalves de Faria· - Lau:ro Sodré.ntonio Baena. A~eriCp' LQbgJ .ristides Maia.Alcides Lima. - Costa Rodrigu.Lopes Trovão .O SR. Votos! Votos! O . Breves· . Santos Andrade .Joa- qu.T. Francisco Machado.Alcíndo Guanabara . Ra-· mir.Pedro Chermont.U..nlingos Vicente. SERZEDELLO (pela O1'dern) requer que a votação da nlo(:ão do Sr. JOSlé Si l)1 eão. é este requeriUlento ap.Pereira ria CosIa..An- nibal Falcão. . .. - ~fatta BaceUar. Oliveira Galvão... Antonio Baena.se torne definitiva. PRESIDENTE -Vae proceder-se á votação nominal· ". . . ernquanto não ha uma base fundamentalmente.c~ _.Fernando .Josê Rygino. João Neiva. emquanto não estão eleitos. Rosa .1JSon Flores. Cunha Junior.\O . Esta n1ocão parece-me . . -~ Dem.lPaesde. J. eo\-'igildo Cor-Iho. Cünsultado () Congresso.Cassiano do l. José Bernardo. .) ·Procede-se ú votacã-o nominal.. lcomo ·se deve ~nppoI' qU(\~ aconteça. Frota. declaro. I.o de numerosas assigna- turas. (A. Gomes da Silveira.llal·tinho Pr(lJlo Junior.er vDtada e a organiza<. Carvalho. --. o Presidente e o· Vice-Presidente da R-epubli ca.Cunha Junior..Julio de Ca.J Au.n.::concellos e ·Almeida. .alves. enl 18 de novembro de 1:8'90.preciso qu e algtunla ·cousa .á. T'hcodoro . . PedrCt Raulino. Esteves Junior. VAI.Ramiro .()..Jf)r. os :::r~.Fonseca e Silva. do AlIlaral.per. -:. ainda uma vez.sR. Símas.i.JÁDÃO . .ndrade Generoso .Jnnior.Yasci- 11If!nln.Ma- noel Barata· ..Serzedello Co'r'rêa.l/l. a que re~ponden1 sim. . .Nina Ribeiro.Belarmino fie Jlendonça.rwrio. . Man(l~l Barata. .elrio Ribei1'o.'tt. .R'ocha {).uiz Delphino.o..poiados. é . _ -"_c .. . Anlaro Cavalcanti. L a. Thomaz da Cruz. .sessões. . não fui ~enão um hl1mild~ orgão." -._::: 0"_'.im.Jo.' JGsé Hygino.1'Nlo Pet...~.Fu'rquirn Werneck..Toão Pedro. . .---_ ~.aquim RarmenbJ.Cyrillo fie Le1ltos.. __. VALT. lEII:r~co Martin::-.) Quer simtlesmente f~izer Que o iGoverno que e~t.Albe'rto Brandão.Julio Frota. Ahneida Barreto. Ferreira Cantão. VOZES .() de Barros.) 'O .I1nrcf!llns. g O SR. ..p·rovado. Serrano. .A.Borges de . . . .Nelson :le Va.:ão (10 Governo rl efÍlliti~~p. . VOZES .o Barcellos.. .o dQ B'razil.SiR. Votos! Votos! (Rel'i'ram. __ Sala das. .Marqlles. .llen. (:Vão apoiados. nos ternl0S de ser appl\oYada~ tanto mais que já ten1 a consagracá. . EUa não quer dizer a aJp'provação' incondicional de todos os ac1. ..ero Bapti. . .lledeíros. continúa~ en1quant onão se p6de organizar outro definitivaluente.r~lo. Uba-Idino do Amaral Sao t05 A. Monteit. PjnhejroMoohadpi Julio.Hom. . Gil Goulart.os do Governo. Raulino Horn. . . Bezerra de AibuqllcrqlIe~ Theodureto Sout. Virgilio Dmnasio Do.anlta. '- Era o ql~e Unha a dizer relativalnente ·á moção de que.AD•. Paes ·de Carvalho.Eduardo Gonr.Peco a palavra :pela ordem.. Ubaldino e outros ~-seja non1inaI. -.Aristides Lobo.

·~. Annibal Falcão. - Sanln. iEduardo. Alilaro Cavalcanti. PRESIDENTE ."cSilva.. José Avelino. Almino Affonso. :A}cides Lima" :R:ocha Osorio. Almino :Affon:::. João Vi~ira. José Joaquinl de SoUZ3. Amorim Filgueiras. Rodrigues Fernandes. PRESIDENTE ··d._Paranhº~. Anfrisio Fialho. Espírito S8Jl1to.deelar-ação do.Julio de Cagtilho. tendo sido anteriormente retirada a do 81'. Furqiiim .Machado~ Alvaro Bot. ORDEM DO DIA DTsr.õ(. Casemiro . Barbosa Lima.5.flll]n1~ntr lida urna . .arla pelos Sr5. Cartaxo. M~ira de Vas- concel1os.Silva· eanedo. Sá Andrade. de Cm'valho.. Paula Argollo. Arthur Rios. Demetrio Ribeiro. -Rddrigtl'es~:Jl1diD'·dpcclBr~i1 •. souro. Francisco Ba- dar6. IUuniz Freire. E' eg.FNlinca Carvalho. .Junior. Frederico Borges~ Nilo Peçanha. Juvencio de Aguiar. ·. 233- João Severiano:o Saldanha Marinho. Luiz. Felisbello Freire. Re- tumba... . ela RepnbIíca.. Almeid~ Per- nambuco.Cyrillo de Lemos. _t\. Vem á Mesa e é lida a s·eguinte DECLARA(". Costa Rodrigues. Lopes Trovão. 'de Andrade. Pereira Lyra.Am. João Barbalho.fi Pm'eÍ'i'a . Am- philophio. 89'lJ. . . Pe- reira da Costa..eclara ·approvada a rD10(jáo do Sr. ToI-entinode Carvalho. Manhães Barreto. Pinheil'o Guedes. Fl'f!l'rp. Fonseca Hermes. Thomaz Delphino. Oiticica. Amorinl Garcia. Nogueira tParanaguá.TEC'TO DO REGJ:\:fE?'TO no C·):XGRESSO ~ACTONATj o SR.Sesf. N elso-n . iS·ala fla::. Thompson Fl'Üres... Theophilo dos Santos.vl1f:o do Sr. Fonseca e Silva.Pires Ferreira._ . MattaBacellar. Gabino Be . Uchôa.CJlstodio José de Mello.João de Siqueira. Ennes de Souza. Innocencio Serz'eaello. . Cas- siano do Nascim'ento~ Menna Barreto.ntr. '18 de nO'vembro de 1. LaurlJ Sodre.. Ame- rico Loho. Miguel •.:. Athayder Junior.~O DE VOTO ~ Decla~an1vs que· a. Epitacio. Jacques Ourique.Wer- neck.S do Poder Executivo !~ adJllinislrac·ã0. Gonçalves Chaves e Bueno de Paiva. Medrado.philn- phin B. nossa approv~ão -á} nloçãp aipre- :.r:?R. Bezerril.o. Il!vo de :Prado. Justiniano de Serpa. José BevHaqua.e Oiticica. Nina Ribeiro. João Lopes. Belfort Vieira. Alcindo Guanabara. Oliveira VaIla-dão. TJbaltiino do Amaral e outros.Esbí em djBcn~:d() I) projeeto de :. Custodio de Meno.-~n l'.ristides Maia. Gonçalves. Seabra. Henrique de Carvalho.prejudicadas as dos Srs. Alexandre lStockler. . Martinho Rodrigues. O SR. Cantão~ Pedro Ch'ernl'ÚDt. Ho- mero Baptista.elho. 'Nascimento. a seu pedido.. Borges de Medeiros. Martinho Prado Junior. Gonçalo de Lago.h~ Castro. Ubaldino <1:0 Amarol e outros não importa (.a dplrgação que não seja das fll~0ÇÕe. Joaquim Breves.Regimento do ·Congresso NacionaL .:\O DO PRO. Marcolino Moura.~~~quilinodoAmaral. Vinhaes. Pedrq Americo. Antão de Faria. Aristid-es Lobo.

.julgar conve- nientes. não o foi. -234- o SR.Substitua-se pelo seguinte: Cada membro do Congresso s6 poderá.Ao .Substitua-se a palavra . 37 .attinente aos iins do Con- gresso.Accres. _'\0 art.maioria . (Lê. 60 .e nevendo as cedulasser assi~adas pelos respectivos votantes. Ao art.dous tercos. O art.jgo _suprima-se o paragrapho unico. - O SR. ELYSEU MARTINS (2 Secretario) . votarão em .por titulos - pe1as seguintes: .. : . e á proporção que forem chamados os Seus membros pela l\fesa. ELYSEU l\fARTINS( 2 Secretario i . Ao art.' pelas seguinte:. Ao art.Substituam-se as palavrag .cente-se: Apresentar qualquer moção . porque a Mesa tolheu a pa1avra de quem queria manifestar-se. 61 .e accre~cente-se ao final do artigo: . i Ao art.5áo ser tomada por. 50 .. . qU1e foi apresentado :. i Ao mesmo artigo accrescente-se: E' licito a qualquer membro ao Congresso apresentar por escripto: á Commissão~ as indicações que . . proclan1ando-se em seguida membro da Commissão o representante que reuni:. 24 .por 15 membros ou ipela totalidade dos membros presentes da representa~ão de um Estado:.Passo a lêr as 0 emendas offerecidas ao projecto de Regulamento. 57 .. Ao art..A Mesa defini- 0 tiva o apresentará a votação da Casa.Substitua-se pelo se~inte :-Nenhllm re- p:-ese~tante poderá faI1ar contra o vencido. 59 .cedulas assi ~aladas. 70 --Accrescente-se: Devendo a de-ci.por escrutinio secreto . não podendo exceder de uma hDra cada VGZ: .Accrescente-se: Para esse fim as representacões occuparão logares djs- t.um terço- pelas seguintes: -. O SR. 25 .Supprimarn-se as palavras .ELYSEU l\L\RTINS (~ Secretario) : . ser solemne. ter. Passo a lêr as -em~ndas=-que. que de- via. Snpnrimam-se as palavras .Substituam-se as palavras . .arf. -O SR.ente Fragoso.dois terços dos mem- brqs presentes.. 58 . BEVILAQUA (pela ordem): -10: requerimentOt do Sr..A. Ao art. Ao mesmo art. fal1ar duas vezes ~obre a materia em discU3São.por capitulos.estãQ~Tlaomesa~c O SR. sessão de 15 de novembró. . que Rerão anu- radas em 'acto continuo.bem assin1 faz~r referencias individuaes. .inctos.. BEVILAQUA .) Emendas ao Regimento Ao art. a Casa não tomou ainda conhecimento deIle. ~fesa.111aior numero de votos..

·:a-DprOyad()::::". .João de Siqueira. Pinheü'o Guedes. -. e os seus pUl'ugr'aphos.. Suprinla-se o art. .Costa chado. 57 do projecto de Itcgimcnto. 30.. anterior pela Tnaioria dos presentes. .-em ses~o. 18 de novembro de 1890.. 60 .4. . pei. Sala das sess·ões. .": laração motivada de voto. • -. a . Revog-ada a ultima parte. :27.ntão de Far'ia. . .se o § iO. 30 e 4° do art. . .ccsaIvo-':·te-qu-erimento. 30 . .Frede. . Sala das sessões..._- Ao art.nnibal Falcão. 18 de novembro de 1890.avra ou hajam desistido desse direito..c. Accrnscente-se: Comtanto que todos os membros tenh1. porém. 2°.am podido usar da pal. § 1. . Sala das seSBões. .Dutra Nicacio. . S 2.CosIa "fachado.'- derá o subsidio. -235- Ao arL 2'7 ~ Accrescente-se: .uinf. - J. l.feo Borges. -" Chaaas 'Lobato. faezr inserir no Diario Nacional a sua de. Ca?Jalcanti.e: . :g'ala dag sessões..4.. f6rma: E' prohibido ao orador fazer referencias offensivas a quem quer.A. .Joaquim Bre- ves. 31. João Luiz. Substitua-se o art. quando fOr o au{or da emenda Qffi d!scussão.Barbosa Lima. - J. Su-oprimam-se os ~§ 1°.-:. .enographia dos debates.1:leira de Vasconcellos. ~ -_ _~.França Carvalho. Indico que se accrcscentc ao· final do art.18 de· novembro de 1890. 18 de novembro de 18'90.lVilo Peçanha.Alcindo Guanabara.. 7·4".. O represent.De7J'tet'l'ío . 18 de novembro de.Accrescente-se : P~~dendo.ndré Cavalcanti~ . Art.que seja.0 O que conIparecee depois da hora soffrerá desconto de um terco do subsidio. 24~ pela' seguinte. . s.Frederico de Souza Serrano.2 vezes.4. . R. . . contractará o serviço da sf. S. . Ao art.Suprima-.Do- min{jos Porto.lmeida Per-" nam. Simeão de Oliveira.Paes de Carvalho. R.buco.. Ao art.::d~vidamenf:e:. B1~andão. Art.ESrJirit"o Santo.A.Luiz de Andrade. ..A. S. .° O que se retirar antes de terminada a sessão perderá dois tcrQos do subsidio. Sala das sessões. ' Indico que seja sU'DprÍmido o art. 18910'. 5'9' o se:.ante qUe faltar sem justificar.Paletta. . 57 do projecto de regimento. .José H1I- gino.

:Mas a sua pro.~ Sr. para se organizar un1 Regimento que attcnda a todas as necessidades e a todos os direitos~ se. tantas en1endas. . Presidente~ . de. e~ si o fizeram.7\.as as obseryaçôes -fe-i'tas p. com a declaração de que se retiraranl nessa emergencia.os. l\fATTA MACHADO (. E sobre a$sumptos que ent. será modificado logo que a c~perjen0ia demonstrar a necessidade dessas modificações. 31'}: Sflpprin1am-se as palavras . -O SR. 74.ã na IconSiciencia de Lodos que o üongil'CSSO não pódc gastar l'ÜTIlgD ternlpo na . Ao art. Ex.la t\x. 18 de noycmbro d0 1890.iam nec. (. 18· de novembro de '1890.ío apoiados. niPÓS a organizacão das respe- ctivas listas. Eu pederia lioen(:. !E:n1enda ao art. - Ao art. 6°.. para 'Ponderar sobre a conveniencia de consultar de antemão ao Congresso :. ou artigos.. ._ E'rico Coelho. Subst. O SR.egimcnt.e10 JSr. serão mencionados na acta. . O SR. ace.pJi. manril'a porque yai ser discutilio o :R. 0'\0 arL 37 .erida discusâo.á Me~a que a discussão seja eU1 gl-õbo. ser~í sorteada a ordem da inscripção alternada dos orariores pró e contra.o~ 'si en- globar'iamente~ por capitulos~ Ou artigos? :o SR. ..qual a..putado~· e ning'uem contestou 'que.globa'da tOTua-se impo:ssivel emittir juizo sobre. con- sultar o Congresso sobre o D1'odo de se proceder á ref. BELFORT VIEIRA -:. desde o mo- nlento en1 que eJIa for annunciada.ir.itua-se o § 14) do art. BELFúRT VIEIRA (pela o~'dem) .dizqu(} são fil.a a V. Requeiro.endanl conl as iuncções da Constituinte. bOlia Lirna. O que não se achar opportunamente presente 1'icará preterido nesta ordenl.Englobadamente. . O Sr.) Ha l'íl3.rias urgentes a 'discutir: esse tRegin1\enlo será approvado definitivamente. Sala daLS sessões.Ba?'.. 'Mo'raes Barros. accreseente-se.Quando ll1Uitos pedirenl a palavra. pelo nlodo seguinte: Feita a ·ehamada dos membros do eongresso~ não será pernliLtido a estes retirarenl-se da Casa. .ais qur judiejof. ]){H. PRESIDENTE . . :Sala das sessões. ao nlcsmo tempo.1° Secreta'rio) diz que~ attendendo ~1 nrgencia~ requcT .1~cript. . Matta Machado (10 Seo'l"etario) .- Indico que sejanl ~l1pprimidos os arts. . ~lx..e~sarios n1uifo estudo c nllIita reflexão. ~ 2. Na -discussão en. Ex.tr. a V.rescente-se: Sal"o si ain()u houver oradores iJ.ca-se pOI'qUf' (l!sf..i acceit aa discussão englobada.discussão do :seu Hegii}lcnto.° . 22. 5~ 7'4 e 76. ll"las. :por capitulos.-l1Iuniz F're i'J'(' .que terá Jogar na sessão immediata á da installação.. Con1o a ivIesa não tenha feito decIaração~ pergunto a Y. . .

ia SR.Vem á Mesa e é lido . . ~obre os 66 ou 70. MA'rl'A MACHADO (1 Sec1'eta'i'io) diz qu'e o pedido 0 do nobre Deputado não é procedente. A. delibera. ~J\LCINDO GUANABARA pergunt. F--. ARISTIDES LOBO . 0 0 .ão que o forem OS. Ü SH.mas tambem temos necessidade de que essas cousas sejmn feitas de modo claro. O orador declara que requereu que a discussão fosse !po:r artjgos~ e pão viu o Congresso.Não vejo inconveniente algum em que a discussão seja feita por capitulos. penso que a dis- cussão do !RegimenLo feHa . Matta Machado (1° Secretario) . Aristide~ . '. (Apoia- dos) .ão ácerca do modo de -se' discutir o :Regi- mento. Consultado.e111 g·Iobo tem i nconvenientes que saltam á vista. ll1as qu e só serão discu- Lida's tí proporc.a {jiscussãa :po~ capitulos e a votacão por artigos. A Casa resolveu que a discussã.s. porque não deseja que o Congresso vote :precipita- damente uma materia tão importante.dar solu~ão ao re- . a que cllas se referen1~ entende o ora<lor que nessa occ-asião é que algun1<'l. Barbosa Lima . O iSR.l'ho'lnaz Del- phino.o seguinte Beque j'i1ncnl o Requeremos qu. _L\.e a dis'cussão do proj ccto do Regünento seja por 'capitulos ·e a votação por artigos. E' este o voto dos que não quürenl que passem em julgado artigos contendQ doutrina que não deva prevalecer.Insiste pelo seu requerÍlncllto e declara que si a impressão das emendas traz como conse- qu:encia o -adiamento da discussão.RISTIDES LOBO (pela O1'denIJ) requer que só se discuta o projecto quando impressas as emendas. não trepida no seu pro- posito. .9P"põe de mudo algum ao requerimento do Sr.· Guanabara. e se~ia unl nunca aca]Jal'..BOSA 1LI:MA . p6dc ficar adiada para ser impressa. o que darei logar á confusáoe á balburdia nesta discussão. O ·. e exist. JosÉ AVELINO . represen- tante a'Presellte observacões sobre 'os ar~. . ten10S neces- sidade urgente de. o Congwesso· resolve que . O Sr.Sr.c. .indo 'varias emendas na mesa.seja . 1 2 ou 3 e outros 0 . Pl·e~idenLc.o fosse por capitulos!. O SR. capitulo·:.diz" que à1ão se . aproveitar o· l'ernpo. Declara que tem pratica dessas causas e sabe que a dis- cussão de artigo por artigo tomaria muito tenlpo ao COIl- greSSO.. BAH.querimento que apresentou nesse sentido. Este pedido importa o adia- Incuto da discussão do 'Regimento para amanhã. . que sendo mui~ loS. o Congresso não as conhece.Não apoiado.a si a Mesa j'á ton1oU alguma. O Sr. As Clnendas serão -lidas e discutidas á proporçã'o que forem talnbeIll discutidos os ar- tigos a que ellas se referem. E' assinl que ·poderá acontecer que algum Sr.. O SR.SR.

vista a enormidade de emendas que existe. O SR. os capi- tulos 1 e 2 do Regimento e. p1'eside'nte deixa a cadei'ra da presidencia. .ristides Lobo O Sr. disse apenas. cInto do Congresso.que se possa votar COUl consciencia. approvados. tivesse feito o reQuerimento verbal como- ágora o -fez~ votaria por clle~ porqve~ realmente.. que será adiadv para depois. - Apenas. approvado o requerimento. » (O Sr. E' lido o seguinte Requerimento <t Requeiro que sejam impressas as emendas e distribuídas para serem discutidas com o Regimento. vo- tando por ella desde as palavras . Procede-se á. Aristides Lol?o~ o qual é approvado. e para evitar esses males apresenta o seguinte Reque'rimento «Requeiro que se ponham em discussão.ATTA l\Lo\CHADO (J0 Sec1-etario) diz que a Mesa já declarou que o requerimento fôra approvado.consider. S. Declaração Faço restriccão ás primeiras palavras da indicação. O :SR. o qual não foi votado. "~~ Não apresentou requerinlento algum.ando que é de. peàe que el1a seja verificada. re. vista a anarchia que reina no.) O Sa. quiz fazer sentir que o seu pedido impor- tava ° adiamento da discussão. PRESIDENTE . Vice-Presidente. Ex.que a discussão se fizesse por 'capitulas. qu. João de Siqueira. -238- Lobo. e aproveita agora a occasião para dizer ouc si S. Justiniano de Serpá diz que a discussão do reque- rimento não p6de ter logar sem que o Congresso se manifest. . pois. iO SR· l\f.ffereceran1 UITI em que pediam . requerimento. Entende que não se póde ~ubmetter este requerimento á votação sem que o Congresso decida relativamente ao pri- nleiro. proceda-se á eleiçãQ 0 0 da Mesa. votação do requerimento do Sr. que o seu pedido importava o adia- mento da discussão. R.e ç occupada lJelo S-I'. -""" A. é. hoje. Procedendo-se á verificação. no sentido àe encaminhar e dirigir a discussão do Regimento. n1as dous n1en'lbrns do Congresso o. ESPIRITO SANTO (lJeZa ordem) diz gue~ em vista da duvida que se levantou sobre o resultado da votação do requerimento. Declara prejudicado este ultimo. JOÃO DE SIQUEIRA diz que ha necessidade urgente d~ se constituir a l\fesa. é impossível .e a respeito do primeiro requerimento~ que pedia a discussão do Regimento por capitulos.

Francisco :Machado. Epitacio. Seabra.2 % da tarde. José Bevilaqua. Luiz de Andrade. Santos IPereira. Almeida Barreto. EduardoWandenkolk. Luiz Delphino. Ivo do Prado. Sá Andrade. Alnâno Affonso. Pereira de Lyra. Generoso Marques. Espírito Santo.. João Barbalho~ Almeida Per- nanlbuco. Thomaz da . Nelson. Arthur Rios. Ucbõa Rodrigues.' Antonio Baena.. Esteves Junior. . Amphilophio. João Severiano."yente necessidade . Bezerra de .ma. DiQ.. Leovigildo Coelho. Junior.L\. Bezer- ril.lbuquerque . Santos Andrade. João Neiva. Presidente dá para amanhã a segu'inte ordem do dia: . Coelho e Campos. Mello Barata. Barcellos~ Pinheiro Machado~ Julio Frota 7 Cesario Alvim.Ao meio dia acham-se presentes os 81's. Za. Virgi- lia Damasio.ecto de Regimento do Congresso Na- cional. Firmino da Silveira. lVIartinho Rodrigues. Gabino Be- zouro. Oiticica. . Matta Machado. FelisbeHo Freire. Henrique de Carvalho~ l"\. Oliveira Galvão. -239- u. o Sr. Fernandes. José Avelino. fere-se apenas ao Poder Executivo. Miguel de Castro~ Aroorim· Garcia.Retumba. Belar- mino Carneiro~ Theophilo dos Santos. Pa. JOAQUI1vI FELICIO . Eliseu Martins. G90uto Cartaxo. Costa Rodrigues. Belfort Vieira. Tolen- tino de Carvalblo.ula Guimarães. Saldanha l\farinho. Joaquim de Souza. Au- gusto de Freitas~ Paula Ar~olo. Raulino Rorn. José Hygino. Fre~ derico Serrano. Nascimento~ AI- mino Affonso. André Gavaleanti~ Annibal Falcão. João Lopes. Milton.. Tosta. ·21l SESSÃO..l'lfrisio Fialho~ Nogueira Paranaguá. Joaqujnl Katunda._ . . Frederico Borges. . Indio do Brasil. Nina Ribeiro. Pedro 011er- mont. entendendo-se que a inâ. Theodureto Souto. Gil Goulart. Cunha Junior. l\iarcolinú ·Moura. Amaro Cavalcanti. Aquilino do Amaral~ Pinheiro Guedes. João Vieira. Juvencio de Aguiar. Americo Lobo.icacão a-e. Serzedello Correia. Cantão. Gampos Salles. Florianno Peixoto. Sala das Sessões. Pedro Paulino. Ruy Barbosa. Joaquim Sarmento. José Simeão. Justiniano de Ser:Ra. Theodoro Paeheco.Rosa e Silva. ElVI '19 DE NOVEMBRO DE 1890 PRESIDENCIA DO SR. R. Pedrv Americo. Joaquim Fe- licio. Meira de Vasconcellos. Oliveira ValIadão. Garcia Pires. 18 de novembro de 1~890. Tavares Bastos. Alvaro Botelho. com as emendas offerecidas. Motta Bacellar. Eleição da Mesa. Euzebio de Almeida. Mon- teiro de Barros. Discussão do proj.Cruz. José Secundino. Domingos Vicente. Nada D1ais havendo a tratar. :José Bernardo. Pires Ferreira. Silva Ca- nedo. João Pedro. Rosa Junior. Lauro 80- dré. Ubaldino do Amaral. Levanta-se a sessã·o ás . Silva Paranhos. Barbosa Lima. João de Si- queira. Gonçalo de Lagos.

:. Ma~c'Js. Manoel Fulg:'encio. 'Cvrillo de Lemos. Gosta S'enlla.mingos 'Porto. . Presidente. .thavde Jiunior. Thomaz Flores. Do. Na relação daiquellesque votaran1 a nlocão do Sr.Junio'r. Joaquim Breves.amente substituida na Secretaria. Joaquirn Mul'- tinha. Fernando Simas. 1\funiz· Preire. PalIeta. Francisco .nabara~ Eri. Luiz de 'Carilpos~ Martinho Prado . l\Iedrado.a. .alves Ferreira~ José ~farianno~ fRlaymundo Bandcil'a~ Ber- nardo Castello Branco. Rod:rigues Alves. Costa Machado. Lopes 'Tr{)vão~ Jacques Ourique~ Aristides Lobo. Feliciano Penna. Francisco GIY'cerio~ Moraes Barros. Chagas Lobato. Cassiano do NascÍlllcnto. Leovigildo Filgueira5~ Barão de S. Thonlaz Delphi- no. \. Custodio de :Mello~ Francisco Sodré~ Oliveira Pinto. Pereira da Costa. Schnüdt. Luiz l\1urat. Den1etrio Ribeiro c Menna Barreto. L'-\. .nlaral. na acta que acaba de ser lida~ benl como na publicada no 'Diario Official. Assis Brasil e Fernando ~<\bOtf.Sr. I. Gonçalves Ramos. ha omissão na lista dos presentes de muitos nomes de coIlegas nossos que aqui estiveram.Junior~ Bernardino de Cámpos. Urbano i\Iarcondes~ Manhães Barretto. Barão de ·Santa Helena~ Luiz Barreto.. Caetano de Albl1querque~ BelarnlÍno de Mendon0a~ Eduard. Gonçalves Chaves. F-onseca e Silva. Lopes Chaves~ DomingDs de Moraes. Adolpho Gor<lo~ Carvalhal~ Angelo !Pinheiro~ Murs~ Roctolpllo de YIiran<la.leandro Macicl~ Santos Vieira.. dá-se a mesma omissão.s Jesuino~ Vinhaes. entre os quaes o meu. Pacifico l\Iasearenhas. Astolpho lPio. Conde de Figueiredo.João· de Avelar. Alcindo Gua. bem COU10 o dos lneus companheiros. . E' lida e posta en1 discussão a aeta da sessão antece- dente. Gabriel de 'Magalh:ães. Fleury Curado~ Leopoldo de Bulhões~ Guin1arã'es Natal.JuliÓ de Castilhos~ Borges" de Medeiros.J\. Alfredo Ellis. Rubião . Na 'Comlnissão que foi encarregada de introduzir no recinto os representantes que não tinnanl i>1'1estado suas affir- macõe·s na ses:são solenJne.) Goncalves. Antonio Prado~ Almeida Nogueira~ An- tono . Baptista da Motta. nYBiô 'CerQueira.- são foi complet. Alcides Lin1a..IDrnesto de Oliveira. Hon1ero Baptista. ~nnes de . Lacerda Coutinho. Deixan1 de conlparccer os 8r5. :RJocha Osorio. Carlos Garcia. Panlino Carlos. Ferreira Pires. Lamounier Godofredo. Anleri'co Luz. de sorte que a Commi:s. . Corrêa Rabello: Bueno de Paiva. Paes de Carvalh(l~ . Prudente de Moraes. DO\Iningos RlOcba... Viriato de Me- ãeiros. A.zcredo. João Pinheiro. . Cesario Motta Junior. Fonseca Hermes.. IPolycarpo Viotti.Joa- quim da Cruz. Tasso Fragoso.I\ntonio Olyntho~ Francisco Bad~ó. Victorino Monteiro. I. Fur- quiIn \V'erneek~ DOlUingo. Abre-so a sessão. foi omittido tambenl o nleu nome. Franca Carvalho. Abreu.Souza. Cruz~ 'Sampaio Ferraz~ May- rink.AJexándre Stockler~ Francisco Veiga~ Ferreira Brandão. Fróes da. Ubaidino do Amaral. Antão de Faria~ .ristides Maia. Aristides M·aia . Lauro Müller. o Sr. Moreira da Silva. Saraiva. Nilo Pecanhâ. Jacob da Paixã-o. Alberto Brandão. Carlos de 'Campos. Costa Junior.co Coelho. Pontes de l\{jral1da~ Ladisláo N etio. Pedro Velho~ Gon- ~. Dutra Nicacio~ Ferreira Rlahello. Virgilio Pesso.

H. Ü SIt. tia se:::sflo de hontell1 a comlnunica(:ãn. .Antonio Olllntho. LACERDA COUTINHO (lJela 1 ordem) nota que foran1 O1l1ittirlos na aeta os nomes dos deputados por Santa Catha- rina~ que votaram a moção apresentada. Ubaldino do Anlai~a]~ tendo huvj(!o 0mi~i)ão dos nossos nome. FeJ'f'eiJ'rt J3r{tmirlo. . Dutra . ./oüú Luiz_ - Dorn'in{j(J. figurando s6mcnte iG .~..Fra. que fiz.no GO~ÇALVES (lJel. Fe?'J'eh-(I.s·(~n la d a pelo Senadol' Ubaldino do Amaral.. yotámos pel~n1O~ão apresentada pelo Sr.la aela.a ordem) reclama coutra a jn~lt. . Ubaldinodn AnlaraL pelo que pede á Mesa n1ande consignar na acta a declaração rle que torla a deputal}ão paulista votou a favor da moção UbaldiD1. ~lfflJlOel Ful- gcncio. l\1al. Ex. _4ocUno. .::~ 19 de novembI'o de 1890. Sala das scs:-iôes.oll haver cXelll~:10 de 1. na acta de hoje.lnphilophio c San L()~ Pc- J'eira.~ not. de llOYCmbro de 1890.Ví- elm'/no JJonteiJ'o..'Linho Prado. . Seel'etal'in que inclua o :::Cll JlOnlU t~llll'n aqllcllesqlle subscreveram :l declaracã. .ão de hontc1T1.João .lll.Cha{ja:~ Lobalo..JJagu- lha~?8.. leitura.'\. PresirlpJl Ie (J1W..a 111oçáo do Sr.-EuJ'ü:o Coelh. O SLt. O SR. . .. Pacifico Jlascarenhrrs· . .Palleta.Gonr. ree lallln C()!l tl'a eSsa 0111 is~ão._0 DOlliinflos .õe.o..Carlos C/w!las. 1)('1<1. de .edanJo a inclusão dn JlleU nome na lisLa dos deputados 111'CSnntc.sõe~.el1l.Gabriel . . b(~ln eqrno na lista da voLaç:·ão nominal 501H'(' a lllUdio apPl'ovadu.i')e:-:.a.oJ'i)f!S Ramos. pois. peça ao Sr.T. . A.. que Jez no Düu''io Ofticiaf. Vêm êiJlesa as seguintes Tendolleixado de :-:el' in~eI'i da J.:\.I.• Jfillon. .bello. CARLOS GARCIA (JJcla m"dem) observa qllf'.ão do seu nome na 1i.leu nome na v(lla~ão tia JJllH:ão api'.José de l\Iell()~ . Pr. (pela o}'(itnn) pede ao SI'.co. Sala das se::.::.ucisr. Decial'alnos qlle~ :pl'cscntcs á sessão de 1l0nt. Sala dai' ~c. .. Aslolp/w Pio.l::. _ :Suh! da~ :-:es:=.Rocha. RlI.rellw·. . de que fui 11111 dos signa- tal:ios~ UJÜll dC~5Cl' lneluido na act2.l. Trata-se de Ulna questão inlportante . . O SR.não haver 'I.:omparecidu por aChal'-nlC l'nferlnn. -. H.o mandada á l\'!e~ê1 ]w]oSI'. Porto. Declaram·os quecsLav:1mos presentes ~"-votán10s a favor moção apresentada pelo Senador Ubaldino do An1aral.E'Dü"\H.Coelho c C((. 19 ~Jo novembro de 1890.ndn:-.Yitar:. Lmnou. ClIstndio .nieJ' Godo/rr'do. FCl'UWllio Símas. .:f) Veiua.í. .João Pinheiru.. .rnpo.q á se:::.. os nomes ela dcputac-ão l)ul. ZAi\L\. Rodamo ·~onll'a a omissão do tl.ta tios que não cnmpal'eCPI'ê. pur ~ua vez. 19 de nov('mul'O de 1890.:. quo Jüandc corrigir esses 01'1'OS da acf.. -.('. . .11 ista~ com (~xcepção do Sr. a V.

foi encerrada a discussão.. afim de prestar ~ promessa regimentàl.. postos a votos e approvados os artigo:-.ras. re- c. PRESIDE. Dl'.') e ~1?· OS 10 c 2° do Senado. Leonel Filho. defi- uit. " ORDEl\l DO DL-\. Entrou conjunctanlente elTI discussão a seguinte emenda.s~dente· o 'S(:n. procede. A Reunião do Co~gresso Nacional terú logar na sala destinada ás sessões da Calnara dos Deputados.:\r-t. que serão eleitos para serviren1 pelu tempo·· que durarem as sessões do.«supprimam-se as pa-· lavras: que terá logar na sessão immediata á da.° Esta l\:1esa será eleita por escrutinio secreto.?-. Dl'. DISCUSSÃO DO PROJECTO DO REGIl\IENTO pAR. o COl':GRESSO NACIONAL CONSTITuINTE Entra em d:i~cus~~o o c~pitulo primeiro do proJecto de Regimento para o Congresso Nacional Constituinte.<\ (pela ordem) pede á M'esa que seja nonleada un1a COlllDJis·são pal'a introduzir no recinto do Congresso o Sr. serão eleitos un1 Vice-Preside.Deputado por lVIinas Gel'aes. lJalavl'tl." ~er-vírão prov:isorialuente de secre:Larios os qlll~ houverenl servido nas sessões J. portanto. .nte e dois supplentes dos secretarios .lqor· ql!~ houver presl- di{]o ás· sessões prepal'atorias do Senado. o compronusso regimental.a da-Reunião' do Co~oTesso.ebendo-se cedulas esp~{jiaes para os 0argos de Pre. Entra em discussão o capitulo 2') . dividida en1 duas turmas..".:-\lénl destes. Leonel Filhú. . 10 1 2°. e de Vice-Presidcntl~ . do Sr. i\'~oraes e Barros ao art. 1. .. o qual contrahe perante a Mesa. Congresso Nacional.. . O SR. 5. .' 3. na ordenl da :vg. Ninguem Tllais pedindo a.(. O SR. 3° e a referidaernenda.utàdOs e de 2. A:rt. Deputado reconhecido pelo E~Lado d~ Minas Geraes." Esta l\fe.. e que trat.tos a estes ultimos serão su:ppl~nte. . ARISTIDES MAI.tacão... . sendo uma para 1°" e 2° e outra. que terá lagar na sessão immediata á de installacão. r Os immediatos enl vo. . occupando os lugares de 1. Ninguem pedindo a pal~vra. senno successiyamente. "A. 242- 0:3 àos senadores _ Pede.e 30 os 10 é 2° da Caroara dos ~Dep.-'isor~~rrlêllte de Pr~.sa pr-esidiná á sessão solenne <le instal- lacão do CongTesso e funccionará até 'a eleição da Mesa.:.sidentc e Vice':'Pre'sidente englobada e especialnlente. (I Deputado que houver presidido ·áS da Canlara .3:0: . pura 3° e 4°.iva. -.· " .° A 2\lesa definitiva 'se comporá de UUl Presidentl~ e de quatro secretarias. installação '>.ndo-se do mesmo "modo com relação á eleição dos quatro secretarios.'iTE n0111eia wna Commissão para introduzir no recinto o Sr. é dada a acta por approvada. sel'vindll p'r·6\.rt:.Da Mesa: ArL 4.)reparatorias das duascam'a. que sejan1 consignados na acta os nomes dos referidos deputados.Art.

p'roc~Çler~s..rt. Art.ÇqIli~'ª§§(} ou 'QuaJgg.cerr·~r as sessões nos dias e horas ll1al'cados. as netas das ~:essões. o Presidente por.r qe seus melllrbros. ~· ·s.o (ou S'enadm') Ir'. ac!~a$.a. 1140 hastar. ~-\.u!oa. dUfêJ. cq as üil'cumstaneias o exigirem. que será e~erojda interillamenta pelo Yice-Pl'esidente~ e~ na· i'alta deste. ·COnV(lCêll' 'sessão.· e. ~ ~t st n~~~111~1 403 yºt~d.~()e de 'Votos~ . Ao secretario comp. .rá .::' .. 8~o O rE3presentante &SSinl co. c eXL!'aol'dinario 1 Jór~a das horas e di.° ~J\. qualql1er motivp deixar a cadeira. Do Vjce-Presid.f3~pondenci'1: ofHcial. qUQ deve ser üantinua.i consente em q1ie Q nleffipro dq COD. em seus ·-empeaime~t€?s. 1. Casa s..çlp.Fr~\. § 'if'" A eleíçao. Das Sqcr e.te a.q~nte 'oºtrye!~m~lOJ.~. :11.\i~~~p.!r ·a::.. quando não puder. não o fazendo~ o Presidente cou- sultar-ª çlf} novQ Q CQIlgresso sQbr-e a providencia que deva ser. a}én1 do mais que lhe ó commettido por ~~t.~l~ ~l?solu~. O mesmo se praticará quando.dêis seér"etiti'iós será feita á pl.rnpet~. 3. 7. .retari~s se- gtbndo a sua ordenl numerica...º ~ ~ fl§Ç·q~ lização dos trábalhos e desp~sás . ~LO O Presidente p6de discutir e votar.Fresident~.oo-resso $eja c0!lvidado a retirar~se. o Presidente: dirá ~ Sl'.o PJ.ente _ Art.lhW)~ q .!p~pecHªtam~..° Nos casos elU que algunl representante infringir t's 4ispoi?h:q!?s deste H-ogimcnto.!ra a discussão. ter a q~r-~çª. deixando a cadeira. propor a votação e declarar o seu resultado. e !?-ão 'pó- de'I!á fazer' parte cie ·commissão ~~g. 8. O Presidente suspenderá a sess~o. quando juJB'al~ cQnve~üe~lt. sa~~.ete: ler QS officios diri- zidos ao Congresso c quaesquer outros papeis presentes á ~Iesa.dvel'tirá. 10.. dcçidirá ~ sor~~~ .. t Ç1/I'iQS Art. 01). q~pOi8 'do Prc'sidente. esta- b~l~Ç}er º :RQnto dª. Art. con1tanto Ique' para. .2.. a:> Presidente o (:!. . ?o No Pq~9 q~ eI~lpate.nviqado a sahir deixará i.4o. Si esta advel'lenciu.l~r~l!d.c aO exel'Oi. .dem do dia.QQ da JormnIa .e.. ew caso urgenLe. adoptaclª.cier a sessão ou levantai-a. .s ma. O Vice-Pre~idente substituirá em todas as sua·s attribuicões o .~~ a.q3 para Pre~iqe~t~ ~ V~çe-Prc"7"' ~~.. . Inapt~p ~ oI'qe~!l. R~g:ir!H~P. decl~rando~o de viva vqz.cio de seu mandato. ~. DeputcuJ. designar a or. não podendo ser ouvido.'e?íqent~ ço. ~~ escru- tInJO entre os dous lnau. ou i"altar á consideracão ao . o fazer deixe a presidencia1 .! do Congresso.yer a corr. qllestão pê..Attenção.J!te q ~~~&~O. pell!~ §~c.Q.!. 4tt~~(. ll~~P.rcados.. ª. 6.A:rt.g. Secretªria dura~te a s~ssã.~ ~~§igni. J~~qr l~ .§~jg'n~r. si ainda for infruetiiera esta advertencia It(ql.$lqente consultq. votado~. ~ubsc·re. ArL.tq: !~O --\pr!r ~ ~.

.:.desta en1cnda I o tí'tl i! lu:-. O Sr. que serão escriptas. LI li e .peito . Corag-el11 das nossa~ conviCÇÕes todos nós temos.ãn 1](.~n t e-~e an l'inal di) artigo: . e aceitálnos a 1'0- dac~:ão do arl. nUla ln8sa especial.lI:iiu : t'. Todos pensam assim.Tos~ Hy:~inil l~ nll!I'II". O' SR. 1!r'e:-.s a emenda é inconveniente e contra (lS csLylos de todos os parlanlentos. .lJJI euj(! jJi'Jl . _.io alcance não posso cOlnprc- h011I. .:-:'J'." .E quenl a não tiver natural. :)" jI' q' ~Pl' a. Arl.S n1C~IS aetos p dIzer que 'votel eontra ou aiavoI". actas das 'sessões... -' ~\l't.. em qualquer assumpto. . (Apoiados. ~~o incumbe~. parlan]('l1i. 4\11(> f!~1 nxa de ~onJormidade com O~ US{J~~ 41.» Isto I~ U111a ülycl'sáo cOlllpleta e absoluta de todos os esty}o~: e de~ejaYa saber por que -Inativo s·e exige U111a medida destas: qne vem altpl'ar todas as praticas. farão a lista das pessoas que obtiverenl votos e tomarãü nota dos )'e{JjI'esel1tantesa que peclirenl a pala-vra. sns- tentar f).llI:lI' (h..\I'I'. De~l'jaYa ouvÍ!' a re:=. Diz a emen da Ué): «Sllpprinlaln-~8 as palavras . e de'". jTini~1 1'0 du Interior. 5": ~upprin}êlln-Se as palav]~as . 111as (.l:3 conb. 16 ..' esensadu.. .11"0 da 1:l/lIl/lIi~si111 11Iixla dI' l'('\'i~ão do projecto que.sso penetrar.aill r·n:1I J).l ellu. ~ra....l't. EI. ti . l~ assim BC de- clar:.:iglla(/ns pelos respectivos vofanll'~. 1"11'10 ~r'. Devemos legislar tendo em vü::ta as razões praticas. desde que ·€'Jle não jusl. O SR.eUIlSil Ol[ sei.t' :W{' "I'~eeJlhl-~e aO final do :lI' Ligo : . depois 2° secretario do lo secretario..:1111(~Ilt(' ('fi] dislm:-::-:fio a I~menda dOS'SI·S • .. bastante coragem para. Elyset! Martins . por escrutínio secreto e êH~Cl'(~. (Apoiat/(. lHl e(lnrec(~ão doeste ROf::imelll l l •.":1'[' . paI'a.: 1'nl'fio a (. sob ~1. 15. pUl.lIICI Ilbl'(l~ dn C(I1l. nos 1"0: I"(~:IIJt'11 id.YSEli :M. o quai..: ler e assignar. por um dos officiaes da Secretaria.ificl.o presentes.11 ppll~ Ilt~s.iullef. 11 UlI1t.1 . e servirão de escrutinadores na votação secreta..s sua jnspecção.e devendo :l:S cedulas ser assignadas pelos respeetivos votantes. havendo dnvj da. <1 1 1 al·l..l'.lll til' anll'nlâo e~Ln ~nb\"ersão de todos os estylos e l'egil11entu~ Ih):-.!l't' :Wl: I n 1'. decial'a1' que . Ar:'.:\ substiluidio dos ~ecJ'etarios será feita confor- IlJ(~ a o1'lIt'l fi J·'~f.:>."!:!ll . aera do dia. em Jogar que for desjgnado.u·ão os votos nas de- liberações. EnU'a {'llll. nn.t.re~. 11a de ser s:empre covarde.. '.h~ln1ada lJal'U notar os que fal- tal'Cni (~On1 partlclr 1aê.:: conhecido:=.'a supprir as faltas mÜD1en taneas dei k~ I~ dI:' se. .... o . .idenl. A razão -pratica dbLu' é que ·':U (rueha que me dess€lY1.. Não IHlYí:ndo 5es.('. ZA:MA ..-\RTINS . ..10 po.:el..:..." estylus e a dignidade do parlamento. 'U tomei parte conlO representante do Senado.o. U:VIA \~Z . JfL O :3" e _í'J ~etretaril. U qlh~n I rnuitü respeito c considero.) Creio que não tenl0S necessidade de ostentar aqui cora- gem.das causas .o.us :. Eu fallo por 11lim e írt1~o . fui /111'1111.ln'l~l'(!Cl-' UII!<l e!Jn~llda eu. :'i.~ã(l. ter<i na sala. esse fiJn. (J Presidente con- vidal':i qu nlqu:::'.. 13. .so a um(~ pl"e5~:1í"j que não lnc parece que a epiderme de nenhUll1 de 116:3 po:::sa :::upportar í'aciJnlente.'":'cmpre se ]avl'arü. tenho .. Entretanto: vejo que 5e .'> secret~1J'i() ..1" di I::' ... por falta de numero legal. o))T·jgando o Congrés.Q c ~) 4.ll·Ú. eUlbora' em'- pregue· Jlleios artificiaes.-:: 1"I'·":rla:-: :-:1'1' a~.por ('~e 1'11 ti 11: 11 .

não veelTl ]'azão pratica de.:SAXTQ .::ctl~sãn.ndidas a pl'oposH. •JOSÉ AVELINO ..Está :::ubtendido . a menor \"nrillatão~ ~rlll n"C(lal' a JIlr:mm. Pt'esidente.sinto não ter ouvido perfeita- mente as palavr~s do Sr...JosÉ . . O SR. slm~ tornar parte no debate.o rIa vn( a~ão da prnenda rIo ar!". O SR. 245- ·0 SR. em addi Lamento á~ eon~idcI'aljõcsdo meu. ..1~/.cenrlie a ~ua posição..) Parece-me inteiramenl.hirá.~)..in!Bn livre. Si todos pen~am assin1. Espirito Santo .o haver razão pratica para acceitar-se a emenda."«. Presidente..ado8: lroca. nota nã. para pero'unlar' a V.1J til'~ não v·oltul'ia ii P. julgo deprehender que S.. ..ular o f. O veL.r. creio que a emenda ca. do pb. dn t'cginH'1l l'epnblicun Cl • da- quelle que pretende os fôros dI) sY5lcma politico mais per- fcit()~ viver' iis elal'a~. lllPllOl' du- vida a respeito da ]'cspnnsabiUdnde que ~nbrr si de. (.1· . P6rJe ei'fectivalnente não haver razão pJ'atica para isso: 111aS ha razão nloral (Apo'Íado.nL-.1rI10S. ESPIRrro.' l'('spon. Votos! Votos! O Sr. ':OZES . . O Sr.Sr.o Regimento declarava que o Pre:::idenfep·odJa.A.sabiliclade~ que c1ahi .. ELYS~V 'l\t\RTINS .partes clÍ1Jersos..) VOZES .41J((. Senador pelo Piauhy.. Ex. Ex. .en~la dos 11':lhalho5.e cOll:::enln. ..Pedi a palavra. i..] h c pos~a provir.abcleeer o :-:ystema de :-:ig'illn para certas nut nifestu(.nt." . na fórmarlo Hegi- Jnento Pl'Oposto~ voltarA a presidir ú )ilesa emql1anfo se tratar rIo ohj eeto por ellediscu tido. Sr. E vota muito bem.::. . . ... e cs..'.qur~ alg'un~ iln.. colIcga por: Pernam]nwo. Votos ! Votos ! O Sr.E' preci50 que cada um ~-:. ~i (~ verdade . 5" ·do ·Ref.J1u5:tre.) Não ha l'n. todavia.. MATTA ·:nL<\CHADO (40 Secreta1'io) .nro e(}m as pI'aticas dn ]'e::.ões. mas~ emquanto se tratas:::e.(~S rJivcJ'so.E' preciso nlan- ·dar a emend~. (AJWf. S!~ lendo o Presidente do Cong-l'esso' I. ou"i -cOli1 o respeito que me' merecem as diver'sas opiniões nXpp.omado· parte na rli.Sr..peeialrnc:.) . (A.-. J'0cahit.. ...'. (A1Ja1't"es. Almino Affonso (nda ordem \ .vELlXO . muito J"c:.CJn~allÍli- dade. Estanl0S enl um J''Cgimon novo~ que se caracteriza pela liherdade (' pela ]'f'8p. l)eto desculpa á -·Casa de ter-lhe to- rna<lo tempo (Nüo apoiados) ~ })I'ovocando e~ta manil'estacão. rlig-Il(i~ jH·('opinanl(. verdade que eu n-ão vejo razão par. c1P"o dizer que julg'o 111UítO natural."e apa1't"es.ysLellla dn- quelIes qne na pratica de se}]:::· nei. . VOZES . natureza alguma nC5~a cmenda~ (~ tambcm. ANlS'IBAL FALC.r8S1rJ. da qual rne lisonjeio bastante~ porque voto contra a clnenda ~ O SR .'\o . Votos! Votos '! (O Sn. I"lo n}o f'stá no Reg'jmrnln que dJ::ieuf. . que sr: rli sem te. Barhosa !Iima .os nflo deixarll n. que man tenihamos o 1'C- gin1en do systema se'creto~ qualquer que s0ja a natureza da votaç~o a que se tenha de proceder. Peesirlellf:e.:inlf'lü n . O SIL .lec~o que· elle se propnzesse di~c. sen-..ZÕf~R sérias qu c possam es1.

. est..çlo. sií.. pelo Sr ..9~ phra~~ . objectq . tqQos quantos se acbaren1 na sala. nr :1rf.ia fiá. _ .· Sala das sessões.' vot..mpados O~ re. Ã. rédil1cto n. Entra em discus~ão o capitulo 3ô .~ -. Alnlino Affonso.' . -~.(1 '5ecr. . .nJiiil 0 Euzebio D Artbur Rios. -...rOSI~ Hy!.. proferirá a seguinte affirmação: . cargO qiic. deverá requerer -ror t':s~·J"iljto ~o .: dárá pàrtc 3.s.l?pis.etto. e cada 1J1n dns -representant"p. pelo Sr. 7°.. 'C no art. - ".m o formal con-tprnmissn de hem· cnriipi'ir .atHl. Alúilh~J A/fonso. dirá. ::lriiChCj0íüi~â formul:l ·de affirrhaCãii. .. O SR.té~ P 1)-rof'eÍ+rá pp.:. no:::tn avhtn5.Jicénça.D!Cr. o Presidente convidatiá os" n1emh-ros do 'Con!frp:sso a contrahire.roferidd o seu nome: -.Ehtão VOU reaigÜ-a. ofrp.o :lppr0vnda~ ns r. mandará fa:zer á cl1il- nlada..().~ deixe a presidencia ~ ãcerese~iitem­ ~.de tres membros l}ara dar.1: fie~ e réfJálfn/!11Je Ó. . pelo Presid~tit. .. Ev.. sArá d~. no que seréi acompanhado nor..o. arf.p.éS~O"..que se pro:.. .enaendo~~e cfue foi' 3. paia"T'I.. .ada iiA10 PresideTl..0 1.t)J. José Hyglno e outros.mectivD"S Jo~àres pêla M.:0 renre!. dO CQngr..1JID0rÓ exj~idh pafa 3. emquanto se tratar do p6'nua dlSCU lr. .. :Xão ~rí. ..."t votação os arts. (lesempehliii.etario d6 imj..'qyarlas :lS. l!1everes pelo modo por que p.str/jitar a u..cOri1- mjs~ão . Em sé~iãa.s._ • • ". t"t. . POSSO ainda mandar á Mesa a emenda? . . ~"'" .c. Astft:u. São submettidos su~cessivuniente :. . eoinél:"anÕii pêló~ tJiitrb~ membros da1\{esa.:. Casa o D..T R'tos. VéU1 á :M:esã~ ·sãoliãás e entrail1uohj\lliêUüi1(úitê enl <lis- o cu~s:ão as seguintes E1nendas ao ar~ 9°. 20.=.niáó~ á iniei/rftlade e a inder. _U:M:INO AFFONSO ~. á proporção qUe iôi' .~sim· prom.. . lido.rante.a. .d() para ordem no dià é s~m ijtScuS~n. ~l~xrt'?-. _UMiNO :AFroNs6 -'.rt. Ningüem maiÉ. Si carecer de .. "i Su:pprÍipam-se as palavras .. '~ .<- ArL ~. O :. Arte 19. Anf.0 representante que éorhpârecer dep. 18 . . r~ eiH~'erradu a diReds~ã.. f> ..e. . não sendo . !LO n 1G~ que sãoapprovados.'ino c outros.~ dpli1:5eracões..s offe!'ecid~s no.l'rCif1ng. nnnie.n~êess!irid qu~ ba. o SR. ado- phidiJ. e votar. ent. r. me foi 'i:onfíniJô pelâ. ..·"lar..19 de novemBro de 1890.esa pro- vi~()ria.. e 9°. Do~ Renresentantc. .rnendm..' . . De. . . ..C()~~e~sd: P. ' Paragraphô uni{~o..:.Póde..me!ldfl.Ile passa a faze-o: ~ levant?i1do·· seus os se. .e uma .lica.'7 ... PRESIDL~TE -.os qoS membros do Con9Tesso· ptesantes.oi_s sBr:f' :réhebido por uma Crmrhjssão de Ô'uaf:ri) i'lieffibtos·..et!à qÍ(ardâ1' a eónstÚ'iUç(io FêdêfaZ'qülJ fó. .lêditnenfo lêd'itim0 qti'e tiiTer.àr por liiajs dé t:res õl::ts.~.estA em s:e~são. - . norne. ..Prom.SR._4. Sftn 0f:Ualmente ap. Art.endinciâ da Rririub. 9 pelos Sl's.tSn ·P. shu favor um terco dos. n" -pelô S]'.::ebio.' A.. 1)at'ecer P.pprovádo si tiY~r ~. ' .:entante qUe fôr ôbrigado a fàJt..~ . .

r'esso~ que não pouem ser obj eéto de censura ou protesto da parte de :seus membro.un1 representante poderá fallar sem pedir 3: l?a1avra . A.juran1eIl.faUàl'á de pé . nern constituir O· objecto· de discüssão assumptõsque não seja111 i Jnrruài:Iiàtáfuérite ligados ao· fiIil do Congresso ~bmO· consti- luinte. .cujos poderesàihda nno e$U~jám reconhecidos_ a Camarâou o Senado proéederá á i~(j~npetente . VP}a 'lnedida jesuiti0a~ não de .e di- rIgIrá o dlscurso ao PreSIdente ou ao Congresso. .. O autor de qualqu.-2~í - .dü~a está. ao ar~. reunjndó~se ..to~ mas Aepromessa~. pelo Sr. dé'\rerã· declarar· si pretende falIar pró Ou ebritrá. . . . rara esse fim . p~lQ)?r~ M~~~iZ' ~~U:e. flCando. Entraram con:iunctan1ênte. Art..r. 25.ão do. a sua declsao su. Art.Jeüa a approvação do CongressD. :22. Art. aoart.em discussão as emendas já im- pressas e offerecídas: .. Chae~s Lo- bato e outros . si algum representante o requerer. Regimento applicavel ao éà. I) PpesHlente dara..ersas das nlarcadas para os trabalhos do Congresso. b SR. 24. e ao Presidente (-llnlpre satisfazer irnm.. o CongressÓ começar a funcci.o Quando . José HYgIno e outros: duas ao art.ir reflexões ou debate_ sa1vo si houver dü:vida em SOl' a disl)Osie.a.ediatalnente semelhante recruisjção~ sem ndmitt.separada- niente.. :.. J9~ HY~o e outros e Errco Coelhç. ·c § ~. . se quer conhecer do pensanlento que .le o pensamento.s Sr. sendo uma ampliando~. 23. ~i depois CÍue.muitos Ipedi.Regimento..})~lo.rem a J. . pedir a palavra:. cQÍ11parecér algúm. me:o e enurO'ar o Parlamento .. Art~ 22~ Ao. porem.o Pr. . ~once. 25r Nerihum representante poderá servif-se de lin- . 27. .P9r. ' ..ificação: . . pelos:-S~s. 6n Senador .e independencla e subordinação que trouxe das urnas: E' assim qu~por. ..Peço a palavra. Não poderão 'ser dados para ordem do dia.0r indicação ou'' r'equerimento ter~ preferencia sempre que pedir a palavra sobre a sua m&- fp:rla. .e~.Pedi à palavra para justificar: a pre- sente emenda ~ .s.s.. . Os relatores <ias. aqui trazénl os TepI"eSen~ntes .rL 24 _ E' prohibido aos oradores usar de exprêssões r]esrespeitosas para c·oro os outros membros do IOotígresso ou l. Art. ~ste..rer.pelo· Sr .-\NDRADE .uuctores {los respectivos parecere's.de tOdo o eSpirito 9. .. 21. 20• . serã a palaVrá êOnce. Parece qJ.. ao art. Ô Sr.~·uag:em inconveniente em relação ás deliberações do Con- . Nen. Depütatlo. . . Sã Andrade . iO SR~' SÁ :. . .§ 2<). do . José Hyginó e outros~ e outra supprinlindo-o~ pelo Sr.> dos representan- tes que tlverenl pedI·do a palavra: e de ·accôrdóeonl a lista organizada.!J. enI.. Pinheiro Guedes.Uin <:los se~retarios fará a relaéãr. bem assim fazer refereílCias individuaes.6nã.Tem a palavra..A rt. prece~e!lcla. PRESIDE~~'E -..' Chefe do Estado. Qualquer membro do Congresso tem direito de illsistil' pela observancí a deste Regimento.)álávra aQ meslÍlo~~mpü . Ao art. 26.commissões serão para este fim con- ~lderados corno . horas div. 27... Art. .a quem lhe parecer. .so.dida' alternâdaIílente. 28. § ·Lo . .esldentc.

mos I~::-I.ia da Naç.nça hcide morrer: si Dcús 'nãOlne filHar' coma sua grac a . O SIt.'i. cxpcllil-o.ão. . QUf.c que não commungas5e ns In(~S-ma~ jod(~as repuhlicanas. Cl'rmças: (JllPl"O cxpc!lder o meu modo de ver con1 a maIOr franqueza.ndrfldc.ela sCf.) . Si 05 nobres D'''pl!latln~ não· CT'el'}T! Nn Df'll:. peço ao 110brr J)'cpuLaclo que me (lr~culpe si Das nJinlJas palavras . Proponho a 5uppl'e~sfio da parte elo art.4. --J~n quei'o n rcspeij n eomplclo a todas as: opiniões c a to~as a~ .~ão tive intenção de o lllagoar. Supprínm.u. a integl-idadc' e a indepcndenc._ (\11 CI'ein.) Pcr. desempe- nha]' fiel f" lI~galnl('J]1 e n eal'gn que mr foi confiado.{acio Pcssôa. fiear-ú lwrjudicado. ])rcsidcntc.SI'.:- l)f'OmeUo guaNlal' a Cnnstitu ição que fôt' ud'optadu. - Ep. sou uma creatura in- .' 18. qu~~ por f'5ta fôrma. aeabo de ouvir a leitura de cUffcr-cntcs mnendas Jllundarla::-· Ü Mc::-a. .Ull .Sá . nl~ris c a opinião puhlic. O Sn.r.ha alguma causa superior e l1l11 (lU tro meio onde o hornC'111l'PSponclet':'t pelas faltas qne conlJnpllf't' nr'Mp' Ji11lllc)O.lelligentc: pensante e liv~e: e niío_ quero peias em nome de . qne 3s:. eu nuo sou unl E3tado. de' rncja duzia de palavr:as para~ proceder conforme o díd:U11C de ::-ua cnJlseirncia. J8.:('jam as suas opiniões neste sent. :ser suppressos: Jlfin 1('mos nccC':-:sidade desta .promisso conJra o qual a sua COll- scicncia pr:ntestava.~r-anl p.discussão as se- guintes .i-ahir' este compromisso. nJfirmatfio ali conl. Substitua-fie :.nmlu pr:rante o eleitorado.~ 11 f>cpu lado toma a responsabilidade {](~ seus actos l. cu ·cI'cio em Deus~ "c nCs3a -erc. são ]jda~ 0 entram em . ~ (A2}a1'tes.í pr'ome:.:.formalidadc.er .docm-nlÜ os nobres Deputados.-.ido~ não ]10110111 ptn' pela:::. qüanclo seus cahellos hrn. V(~m J:í '::\le:3a. sem inconvcn iente. e SUS- tontar a união. Zarea ."uintC'. (T1'ocam-se '1nl.as rel1giosas.ü.idu p. :\1LO PEÇ.eorn.qur. 17 c 18 podem. Cnmprrhendendo n alcarice do § 17 -do art.í"rnw]u.algul11.qUl~ foi ·do antigo reg-imen: os moldes 'hoje sfío Ilu11'o:.l'ltos apartes. seriamos forr~ado5 ou a .'Jn pntl'U ac]uip~la porta larga do~suffragio popular j. e rfllnr. si clJe o'u:. Enwnda. - .h01 n"c alguma qtH' o pudessr.l.dn.\="I-L\ dá um 3.lH~e(~s:-. ele conformidade con1 os con1- promi:::-. ::::lhe a linha dr.al'iarnente· )'cconhe(.lqurarcrn· no estndü l'cflecLido das cou~as hml1anas~ hão d~.:~a ou comrH'omis5o do art. .:j ilC~lSO a Nacão lJ(tuve~sc man- dadOflHru aqui um Efom J'Cr)J'c50ntanl.parte. Sen hores. úos m)nha~' erenç:. (Apartes.1 7 quc se refere . ou então a {~01ül"ahir l.. EntencJo que os arts. Z~\:\r~\ . O Sr. ) . ljgeiramente oríender (Apa1·tes).asse eont.l. ':xacãó: f'.squ~l' que :.. Sala das sessõcs~ 1Dele no\-cmbro dc--1S00.núr estc~ Jneio_ .a J. 18~ proponho 11 ma emenda suppressiva de parte do art.pr'oeedel' que deve ter neste recinto e não TII'ecj3<"!.

ten10S 'simplesúlente que approvar U111a Constituição.cl1câo de 'V.que ral'as vezes tênl applicação .. O SR~ -ZAMA' .T.Não est. Se. _. do Governo. Ex. o pró e o contra são indispensaveis. Sr.]Joiados_) Lembrarei tambenl outros artigos_ entre os quaes os 24 ·e 25 {. .. (. isto. seUl isso (~ hnpossive. gránde ques!~ão d. (~lnci{IUl: a máteria ou. O SR.\NTE . v _ O SR ••JosÉ AVELINO -'. vou pedir u nlf.•• : . e entro esses o art-.l obter a palavra -no r. que esLtt tcrmIna.o~ resporí- savcis.~:3ident. .ender. n1!:~n..frlés.Ficando Deus onde está. " Acho que esse artigo p6de ser muito benl supptesso. Todo I) capitulo·está em rli~cussão: eu r~xpoJ1'ho as minha5 jdéa~: o Con~r'cs'5o as apl'c':eia e depois resolverá conlO enl.n. ~ materias en1 que essasfórnlulas são. linha recta do canlinho do dever. para suscitar" duvidas. Estando.. senhores. . . E cada unl com as suas crenças.a palavra.lal' pUJ-a as nossas discus- sões c de. ar- tig..igos.. necess:arlas. náo temo. porque as: conveniencias de par- ti do jmpõenl aos chefes das Inaiarias ou das luinorias a ne- cessidade··de escolher -pessoal-para os combates do dia. 22 impõe ao Deputado a obrigação de declarar si falia contra ou:a favor.os. (_4.ento ~anguinco e nervoso se exaltou em un1 Inomento cnl que não 11 avia logaI' para cxaltaoões. Peço desculpa si o 11lCU temperan1.e~ses. HI~PBESEN.4. EstaUl0S apenas pl'oeurando o nH~io de pslahclccm' um modo l-egLl. (rue sã. ' O art. .) ~1as.liberações. nl:lS os nobres represe~tantes parece :que não . .egill1'en parlamentar. Z:\~L\ . Entendo que podenlos votar pela suppressão deste artigo.••• ficando a cada um de nós a consciell- eia de que sc não póde fug-ir á.teparn.ões.da por sURnatureza. Não temos' questões pol iticas de que nos possan1 resultar a quéda. Clllcndar e 111êlhorar o trabalho{Jue fôr submettida á nossa apreciação. (A.c.ldente~ c~ uma posiCão Jor~ada par-a nós.o absolutanlente contl'a- J'ios a elle~ opinião que eu não sj!go absolutanlente~ porque não comprehendo regimen de liherdade senlministr.a)' e nas questées . porém. O SR. ZAMA .. poiados.ú :onl discussfio. corn a palavra.politica-s~ porque então é llecessario fazerem-se as inscripc. :N'ão farei~ porénl. . JOSr5 AVELINO . mas não queremos senão conc~rtar.querenl a continuação deste reginlen. tenho 11otado aue ellas são oc·josas c. Para esse caso. 2·i9 - cousa al~U1Jla. mas. n1a~ sÜllplesn1e.) I-Ia lnu iias assumptos sobre os quaes toman10s.r contra ou a favor. EUl quasi todos os reginlentosha essa dls'Pos1çao. c do . Hão para falla. Ul\[ Sn. 22. _. isto ·é uma questão incidente. Pr. _ _. (./H.congresso para alguns art.4.) Cnmprc'hendo o prô e o contra no rcgimen francamente parla- . . etc.:'!partes) . falla do throno~: credi~os~ Inoções.:))o'iados. _ . n~m mesmo em nome de cOllv13niencias de E5- -tado.l... O ··8n. Eu conheco o mecanislllo destas casas c p·osso affirmnl-o. Pres. .

~ ..~o. 11nl'tv'" 11m DC'l"'1. - Zàma~»:.irle.Desacatando uma corpora~ão de que n6s n1esmos fazemos parte. di~n/')siçãÍ) ·Q1JP póde ~~r· muit. o[l11em es:f}i 11:1- nit.~ rH1"'pit.l"tigo tem por força dente de coelho.n~ ()hc.~ri. fprrertn.io do. -P:re~ídent0. .rn-m1Janh~~ros n.h~lln~ hran~h!:.'. nern conglif.i!. DOr minhnc:: rn:k:i~.. Ei"seú Martins .» O SR.NO ~ E muito bom artigo.p~rrm3. (\11 n?-. para o qual chamo muit·) especialmente á 'attêricão do Congresso.n :lhnicn rJ().~ iH~(W'. fi:rtç~. 011rrn conbrcp ('I mer.a. Ô Sr.. p0r.l1~ rneus .i~ Jatás rrno lll"nlnnn:'\ rnrporncão d~~ta ordem p6de.os r1UP n n0VO me dêu.oij~S 3'.ndos.unrlf'\ n vida poHfib::l. n rlp~ejh n~ rjlit" o c::.SlH)pr 1. orr:il'oo a tribüria ~"finj n0 resrynn.~se.~.t.) . porque nenhum" de n6s ba d~ empre- g-ar' phrasesln~onVenlentes .er.. por~m.:::fR nlricj~.c.y~tén1~. 'Jlis~ão.o lj\P ::mic>. . (l~ ~~nhnrps.fend:i aos interesse nncio- '!1:1 ('l~ • (A'flof(Jdos. rme não nrpd~n tin pX0mplnnns rhpu~ ~~.itn r~.].()àrt. 1111'~" ~.a~ (..infQri0?~. Tenho concluidO.T' nor uM!}.trq artj. não tfvem(j.ujl' nb:ie0to de . f:ra0ar fi liniit(\ ~\.. comprp. o SR.n resraryadb nl1escrcver esf. Ql1::tlqurr :l>::~nmrf") ('JllP n~ no~sn oTlinHio :lf. i?: _Sl. Ellas fazem parte de todos os rj~gjmellt6s . 22 ~i1m prB.nla-'sp a fórn1 121a -. ná altura dá <bgmdade do par}:..~COIY'- 0 ••• " ' . . voto :1 f\!=t~ (li:::pn~1Cf:l'(): .' .) ~r(~m .~~('l <Tn~ P. (. ]TI' o art. ~e~(~: - «:Não poderá ':::e1' dado para ordem do dia. sii(l Udàs e enf.igosdo j)rójecf.pn li~..p~t. nnl') stU~ifo a~ nUribui- (' jj "c: rnH~ ~~cl?>lll ria I' ~()h(lT'~ i::-.\:MA . . j)rn- VillCi:l.:í 2\'fes::i. 27. ~'l.ml" íHifa: _. ZA~-\ . ~P­ 1'97..i~ o ~·st~mada libprdaop e f\xpnnsf\:ti -dE' f. Y Quero crer qne nenhnn1 membro da Commissãof.zo dos pnragraphos. .Latet an-(J'lf.. .o~ rtc. alTp'~~újo. Ha um ou. ~ Esse 3. .hpT'lne Cf11{~ llãn: ~p p6d.con!=:f.rnh:llhtll'Ml):.nÍ11~rnn ".(irnól'à~fi() rle~t~ ()rd~n'\.ó ele Regimento peJo ~~. Ell Tiã<i· ilhn () n1!-'Tí.:l- rrH~nt._() áf. ma.~(Hf(i mje P. .i(')nnl :l dü:po~i0ne~ rezi- m~nt .7váo apoiados.('1' úr'l t:Í·âb~1ho·jji. Nfin nccp. DJ?Tll1f.~~5() ns seguintes enlendas: - «Ao nrt. cnm (I COTl- l:rn~$() ipr :l amfll:l ~ti-l'ihtljcãn r1~ h:~~Har i!(\ tnrlo P. 1'~p'1b1ica'n() !=€. JosÉ AYELT. :o SR ~ Z-.biJh (llJp.êve peÍl!.e~sjdade5.Júi.. . ~~- _T)hnrp:::. (\ n pafa~~flh.. exel'CCr sonre o 5610. .djscuss:'-io asstlmj)to Cjue não ~ê:. (Müíto bêm. aihda -Pelo mesrrlO mntivn j:í. Nó~ n(hn~mn~ {ono () t.ft111nfe.:ü·óeDt~. " "O S~.amJJem en) diSrl1. nnrcruA'.p.:.VELI~O . ~. mas ql1~ sem dnviria.er\"aóÕ~~ fpjf. tem ~. '.àpó Zâma. .idm>. 17 .R cnm qph Dpll~ notou () 'homp.t. niinl e p~l. (.lpprlma~se o arL 27. N~o. !ie.o ~imnJ é~·.e a..D!'OJYlett. :. f'~.is in herbiR.ri) diz.1po.~fI<::. auri ~h~0hif.~ ntfl'ibui~õe~ mn.: 2 .tD1ento c das suas nc(.8r. JOSÉ _-\.pn. 1'1':.s f'rO cúj(:) ~ôra(. nenhuma tem veneno na N1Üdü. nHn se nelx31'á amc:rnaca.àef.ó bnico n~. ~lzl1n~ nrf.('n.â iTnmediátaiilentc ligaôo ao fim do Congresso como constituinte.rti~n: ln1t~ a Con gre~so~ por ..~RtTick1Arn':"1ile.m. TÜH~. f1C"13:. fej1r0~entava a mli11'Üi.ran1 f.e p~trV(\·:::~p. ~.às n~~.no cme f.

. liberdade -de cada um de n6s. Zama.hto do seu dever. Quanto ao art.l.tenho neste trabalho. .rÁRTrN~ .cia.0!h.eE=fo conf. ZA:M. ê qúe ellâ -fig.brq_i~. 'Te~los li.Commissão. norque toõos nós sabemos' que a promessa ou (l juramento não te.amos actiJalmente.. Confesso que deante do meu espirito. como não tivemos.eve tal inf"ertl}ão. ~R. e. esta f6rma não tem: valor e importancia alguma. ma~.(")'- pr'ctnll mal o pen5~mf'ntc) da non1mis~ão.Não fiz inJus'Uca alguma á commissão. ' . .eIDmissão pôr.stão J?riÍli. paTa J1101.]ho..àlternadámeritê.é fjára.. i Commissflo n50 t.e5a. o no~~(\ 1r~ba.. estylq~ estabelecidos pelo nosso parlamento: ébifiô voi- todos os parlamentos de que tenho eôtibeciiítento. y. posso dizer que ef- f()ct. exc. JOSÉ AVELINO .. . Portanto. dS' .a~~p. e nada tenho qlle nppõr ab!=.mento d() orador: ll1rl". não podia rt13ixàr de ácautél ar o jJ. creio ~u. .al: não foi. 22. muito ...so está retin1·t:l'f) com o caracter d:e consütn~mt.:.ão constífn inte. O SR.iv0 de f3ier qne~Hio de úro ârtigo desta oràem.olutampnf. intencão occulta de crear ôbsfucúlôs ou embaraços á justa expansão àa.-:jade rlp r p i1s:1.lusivo e unico.liçãO~ pois: todos nõs tp:~ô~ neêessidade <le sahlr do rii!!irrien Am que pst.lteres~~ daeconómia do t~mpo.e 5 sllPpressão do art:.menos d~.entrar no -regrmen legal pelaapprovacão' da CoÍlstlt1. port.~ . deante do Sr.Q Cong-rBc.- 1nn~:i() (]e C'1arr. 17.e. Dôdp f37. E da liberdade de cada um de nóg~ .~ <Ttl8 Queriam fal1ar a favor ou contra..ss~mos ..ani7. acho. passo a dizer o que penso sobré 6 art. c n.s~ dá ad~õrdo c.h('l(Jizar o trahalho. razão de desejai' a ·C. metliQdiz:lT' fi. ~LYàEU MARTI~S ~ AbsoJutamente. mas para offerecN' cn1epnac. A Commissão. b SR.:. afim de qu~ pnde.anto.. eJ11 nome da . de ~m:prii:tçipi() p.sso: ria su~ .lho rlR manp-ira que ~e ptide~~e cnnhe~~r q1]ae~ ns oradorp.ET~YSEU l\. Õ..ão posso dAiX81' de I eV~TJta.A êbmhiis~ão riib:tá. os. Zâfuà.. fiar:'! rrue a Mc~a orl. :O a:rtigoo da Chmmissã6 f()i simrlêsmerit. é emendal' O' . ..ri:t a injustiça enorme que o Sr. Deputado Zama fez á COmrhissão. h SR . Deputadn Zama in1. Não V~. O SR. . · . absolutamentB n ã o . não para anarchizar. l. .berdade de acção para elaborar . não faz disso uma q~i p. tendo de ~l?borar um nrojecto fie Reg-imentopâra-o ·Gon~re. Dito isto~ que SêI~YiÍ'á -de escusa e justificação pela parte que . por consequeD. a intencãq -de coarctar a h- herdade de auenl auer.nã6 ha duviiiáalguma.Hção.eJ-I"'I sem infring-ir oRe~dmento.somo~ UHl poder sobêrano.. JosÉ Aví?LINO dá uin aparte.lo mot.f"ar :'l lihe.quacs se inscreven1 pr6 riu' contra.~la f6rma.. que S'.lpe a palavra . p. para dar. a CIuem muito consIdero_.TIosSt> pacto f-unnament.pro}ecto d~ Constitl. veildo a11i a prp. não para oppôr-se. qu~ o RI':..ira aqui. . dar ordem ao tr3hã. EL1:·SÊÚ i3f:ARTI:\iS .m a verdadeira intuição Jio ci.Qnando n nobre D~TJutadí"'l foi)lar ap~ilavl"a..altura.üiiprftne.1'm :bi'ot. o SR.fl1nce.aninhar um pensamentoqu"e purlesse prejudicar a liõêrdádê do barla- ment('l. . nêh1' ~l evará á. não pàdiamôs ter. e foi llnicam~ntp. pela. duas lis1 a~ de oradores. i7.ivamente estou de accôrdo com o Sr.

J..FREDERICO rOaGES .i~~o.-IA .Oh! .H. O SH.ar:onstitllinte~ não ::-0 i I'. 252- e emen<1ar o projecto que nos foi apresentado~ mas.que restringe a liberdade de imprensa.. O SR. ZA}. .. acima de nossa soberania.o SR.. Er:. Er.. ELY5Eü ·. .E~tá enganado. que sonlOS tudo. Nã.As no&'Sas funccõe~ esUió lj- J))Hadns a June~õr5 de Constituinte. '.Então. PHESIDE~TE . Attenç:ão ! O SR.. Ainda não organizánl0s a nossa lei prlIl1ordial.YSEV :\L\RTIl'S .'l'!NS . Er. O SR.. temos o inieresse de:· acautelar os' interesses de 110ssa Patri3~ tratando quanto ante] de dotal-a conl unla Constituição.O iR1eginlento os l. O SR. YSEG MARTINS . FHEDErúcn BNH''jiF.l~Tr)IS . . abster-se ~-. O SR. ZA1\iL-\ dá um -aparte. O SR.ão (} 'rue sonlOS.S .'nl.:\~'scln"bl('...-.:S E OUTHOS Sl. Por' isso t!. Si não somos aqui Ulna .YSEV AfAH. FREDERICO BORGES .IRTINS . Fm::mmICoBOf\GES . .Estou argunlentando. digo que o seu aparte não foi logioo: porque. ~ O: 8R.ado não está argumentando com elIa. O 'SR. 13S0 seria anal'- ehico.:\. .Está enganado . ELYSEU !\f. .:un o propl'io 1'acto~ não sei o que IDais não contestarão. posso' fazel-o ? O SR. nenhllma em seu apado~ permiUa-rne que lho diga..~cnhol'es contcsl. Está enganado: não Len1 logi cn. O SR.. não limitou. . lim ik'1dos os poderes da ConsLitu inte~ 'quaes são esses poderes? O~.RTINS .ogíca.. EI. : O :?-H.FREDERICO BOHGES .::ti os . O Sn . ECYSEU MAR"rL"\"S ..l'(\:-' de constituintes.s de. " ...Si eu entender amanhã de apresentar um projecto revogando o decreto .lVL'.dispensalnos é a lição de :Logiea~ P(H'CJllC não estamos nllma aula de PhiloBophia. rna.. funcoão. '.ito Constitucional."c."lo tem eonncxflQ nenl11nl1a~ porque não queren1 qne se lin1item os lJ()(k. ELYSEU l\fARTIXS . principias do DiJ'cito rno- derno'. - .Assernbléu Constituinte con1 funcçues limitadas~ jsfo é Ique l~ noyo c'm Dire. E~tamos aquí em funccão constituinte.o é do 'Congres~o essa.)Ias argunlentamo5 aqui conl n. FHEDERICO BORGES .inlitoll. Não apoiado. sim.P6dc. n. effectivall1ente nãQ queremos liJl1itar os poderes da Con~htUlnte . O -SR. . EL YSEU l'i:.:\.. O SH.. YSEO j<lAR'TINS . ZA:M:. C" peco licença ao nobre Deputado para discovàar desse principio subversivo.. que te'mo:'.\..0 SR. . .: _. O SB. ZAMA dá Ul11 apa~te.O que . seria ~\lbversiyo de todos Oi. Hnnl. (') Sft.O nobre Deput.

H. no terreno mais parlamelltarrnen/:c d/~Jjcado.eonl'O p'arece . VanlOs: tenl'O. O qu.Quando readquirirmos o nosso caracter de poder.. r~r. O SR. O SR. é ·co'rta.isto: e chau10 a attellção da Casa para esta obser- vação. ELYSEU ~IAR'l'IN5 . legislativo ordil?-a:rio~ será então occasião de apreciarnlos todos os actos do (Governo Provisorio. 48~ § 3l)~ :que diz '0 seg'uintc: (lê) «por escruLinio secreto nas eleições e 110S negocias de interesse particular.constituinte não está li- DJitada pelo arte 27~. ZA).ETO SoUTO .ao Sr. Zama.'Os :emJJ'arracos .. votar uma lei organica. e que não teria' para o 1.r os obstaculos. ' .. PRESIDENT'E .As nossas pessoas não estão em discussão.Quando chegarmos á discus- são desse artigo~darei a explicação que o Sr.'l'INS .esta hmItacta~ nem pcderia ser.l'acão.lalyse df'! aetos não ro- I i'erentcs a nossas func<. Pl"esidente..) " " . senã~ todas as provas de eonside. :(iipoiados.abrir as l)t)J"las aos ahusos.é .•.e {Juere:nlos. B.ahi é circumscrever. a lllenos ~e U111a1tO lntereesepuhh{}onao possa justificar a excepção~ dahip6.'):·SEU ::\'IAHTI~S . E. U~r . a nossa faculdade de poder . estou respondendo a U 111 aparte . o Sr. E!. .) ..onstituintc: d'esc'ernlos á alJ.. o que que- relnos .Pe'ço ao nobre representante que se dIrIJa.sn. ]~r. ·aue julgo sér da nlajs alta tr.YSEG .~ IELySEU l\L>\RTINS.oh! Isto assim .8n. O SR. O SR. THEODUB.!\1"ast SI'.ação da nossa lei orga- nica.' :Muito obrigadq.Y~El) ~L\rri'INS .es en~re.if.EPllESE·~·rAN'1'E . O S~. . O SR.Sinl: senhor. deba~o' da qual possamos viver legalmente. :0 Sa. '(lUso..O SR.'Pois bem :eru vez de dizer só~ dig'a de pl'efeJ'enr:ia~ o e~tá tudo acabado..Be. No que iu::. não ha questão nenhuma~ O que. O SR.) .m. lpura e simpTesillleillt'e. . Estamos.quie possanl tereffectivamente a '(.5 necessidade de discutir {!uanto antes a nOS8a Constituição..Entrotanto: ha uma disposição transitoria da Constituição: que prevê isso.de : provir. e ]jaSt~nte calmo e sabe que eu o respeito c considero ..» (Ha outrosapaTtes. Sr.o Sn..anscendencia~ é no se- :minte: . dl. O Sn.LitüjnLe não esttí Iilnitada Í3elo artigo.' a discussão. ELYSEU MAH. Secretario pede.. ·~ 253 --= !--. De discutir 11luitas cousas n1ais. ELYSEU l\iAn:rrNS .m effecth-:amen~eno reginlen legal.lVIAn'l'INS . Zmna..ões eonstitucionai3s~ n1e parece' uma perfeita subversão dos bons princípios. O Slt Z"\~L\ . ZAMA . • () SR. eia o art. a _~Iesa..[A . mas~ conl~1 'poder -c.pprov.a nossa faculdade de poder ~on:.r. SI' admIttI~mos ·a dlscu~sao ge todas as lnaterias.\RBOSA LIMA .gO e que a nossa faculdade de poder constituinte não . ZA~rA .muito~ . J~LYSEU ~L\R'rJNS . para que t?dos os poder.Bem.que.claro . perturbação para o primeiro trahalho de que estam 00 'encarregados . ' ' 9.• O SR.

SI nao . não lha inconveniente nenhunl no art. que esta ..­ temente.d~ ur:q.ade . E.~.) bene.. J{) povo não deleg"a seus "direitos. Sr.· .' . para dirigir nossos trabalhos.).x:~ªnha. ~ :E.a m~gidª. Constituinte não_ póde =5er omnipoLent~.~ attri.lu.g1unto: Que:se :.n10derno: desl)ido de" jacopiriisÍno. DeputadQpelàJ3a.'ale'Di " cteáta.õe~.tet anguis ~n l~erbi.~rp.1'. demais. re~~tiva~l1~~t~ ª'~ ~!l. qp'-~~ss. . Presidente. qlJ~ exi~te. I) PCl'dÓelll-me.t~n~e (Çr~~(L7n-:f~ a:eªrlç§. D:O.:tranbo§. tr~tandQ da "Constltult~te. si quizessemos abusar. De {l1J.Assembléa. o ql~~ se seg'L!e é q~. que e~tab~lepenlOs leis preCIsas para' mar~haJ.. Presidente.Essa é a verdadeira doutrina de I)ireito Púl)licQ .ias diversas.=.- Quero collocar a 'questão no seu verdadeiro terreno. clamais.çnq ess~~ (.L ~Ql!~-r@ia tio povo (Apoiados). r~cor:­ r'endo aos poderes qq.~~ p. _>\. ' ::. ' E: p!'e. Dleus senhor~..içxQp. -.ma t@ta prªv~d. quern lilnita a 'Co?stituinte son19s nós n1es. a vote em 1.cis. -rpqrq'"l:i. ólhando pªra o ~?ta.atareIQos dQS:a&~umptQê. en~o.e da suppressão-desse artigo.t!ia. Presidente. ~x~raqrdi~aria.!edªa~. .enl consideração ao 111eU Inerito.Q d~ ~ºc."iS . . não poderianl0s 1'azer o COJ. p~r~en~e.tQ: a !\sseniPléa Q'OIl- stituiD:te nªo poci~rª to~ar P:rov~g~p.: . del.ega exe~'cicio cie dir-eit~):s.cllO~ o no:P!~~·. g.'l.elo lado real.ltoºe nosso dever..q$.que l'oooIllhece uma Consti- tuinte" oinn1põtente~ só· tern produzido . r.ti- tuição.a-r uma Gon§. . Costa .e deve ter ufI!a Oonsti~l.!'~~~~ivªI!1e:QJ~~ .os legislar como pod~r brdin~ri<).l\J:. e. .extranho e . P~.pa~ª. eU1 consi- g'êra~q ás minhas e-ans ~ .$. en~r'elllOS a questão p. tudo quanto fõi.. .!~~te. C01110 beni l)o':p. ªis~e o~opre.)dc. 'o .s. si não somos poder' 1e- gislat~ vo.I>.olªer~? d~limi­ la49s. . 19.t1nor. lativo (Apoiaàos e não -apoiados)." .astam 3O .npr@~J. I 0/1.~poif4i:ú$ e n4q q-poiy(1.le p. discutamos e vQt~mos .Ql!g..est.ao lnandato.ailre- clan<lo a drsposl~ao do art.' De que tratamos? Tratanlos de vol:. attença{). ~Ç>.~ nº~.' Su'p~ ponÃe. esta doutrina . conv~n!en." .go: nao se deve extranha:r 'es'te artIgo. a GO:Q.e." :por isso. ' es:pheia~'-nã6' :AÍ10 =. 1 . Q Sr. -.elJl? re- conlj.~1os. 27. s~.: Sr.eputadQ algll.lfisco de t. H"a ~suinIna' vant~gem 'de não confunqir mater.) .d~roup '~I'.. ~ eHtã..."P~~'UIl. .e.n'A .ficio -"! (O/f. não ha neste Regimento Ulna disposição n1ª~:5 qW'i~l gye expri. • . Qo~§tituinte.~ci~ dá Com'missão.5 dlas. p~rglJnto : J>od~:ri~mos" f~~~r isso:? 'Xaópoderiainos. SThpPO- nhanl0s ql. c. '. para votaba.que.essa materla '. lêgi -?.~ç~o .. Logo. c\U. Supponde~ é unl exemp19 gue vou apresentar. logo.1 o~c~'''ião pogemos: iegi~lal~ em todos o::. . .Sa. sentidos. O SR.. Q9". ELYSEU ~L~TL.com ..le haja necessiq. .? Ass~~.ac~ado -. . ~~~ teln 'p. UJ:l13.e u. . agoraq~e se trata de. deY~m os cingir nossa accão ao obj ecto do mandato.~r . 27 do l)l·oje..0 O .Q.o p~rg~nto: ÇQ~ll a.ias ª re~'peit9 ? De certo. ~lia t~m ~ ~$phera de sua acçao ~narcad:a pel~ prQpl'Í.que é fI1l.Stitu~cão nos 1 <':) dIas e~' depolS~ tr.. '. a propriedade" do Brazi1 eln nO~:j. porque.IIlaeousa de extr-anhavel no fun~9de§$ª g!spqsiçáo . .:?: cà~~~ ~ªu r?C:lam·o vossa. na: Historfa c~íamida~ de's. estou n1ostrando que umá' Cánstituirite" não é onlnipQ. .lo da nossa vontacte.'Q.·~ aig~f1 ~ão SO~lÓ§i pqi:ie~.cto de Regimento que se ach~ ~fll discU~êão.c." . o)?J ecto . ~4$. Lp.!f~a Gon~~i~uin. Z~~. como principio do ordem.e~ce a noo'essidad.jlas.~sa sel~ Qmni- potente.

o CCl. 27.) :r~~:r o :~_I!ºert:a7 mento da discussão. .Am.fI.." .re~peitando" a 'soberaUlil nacIonal.28 ~ ~>ºº. S3Ila das sessões. fÜll çlo qºngr.doRegI~1ento o.7 § 1v ~ :mU1 l<>gar de unldos ~eía:etarios..o.T'(Lei~"(J.90.O art. a:~. • São lidas··mais ·as seguintes •• •••••••• r ' .~rvi'U ' nas S'e5Sões P1'lepar. " . .. Sala das sessões. e.o ou.-tmeroso Maia.'. " '.endas êeja substituidâ a fórm~a d.> Çup:1p:çll' flelrnente.Francisco A.':!:j. .lo àrt..p~çl~~-dQ~~~ ~lUe fOI approvado.es. -:. 17" pelo S~guII!te: -. . er:. ~q~no donst2- tuinte. e." .@Qto . ' . 20 . . Sala tlas sessões.a Se1'·'rg. A~ art.*-o. ~ 4~ ça:. que nao deu -poderes para tudo~ não posso -(feixal" de votar a favor do .ª9 ~~~a immediatamellte ligado ao. ... Ao ar~. salvo re~etirn. .º g~~. • . a~~.am-se as pal~vf'~ . . "" .à' afí'irmaçãoc. Almino 4-rfot~.• ' '.e'FicQ Lobo.~W ~º di?. ~ . 19' de novembro 'de 18.. (~upprimam-se as outras palavras. diga-se ~ o 1o ~eere~~lo. na..j.~!'.' • . .Dutra Nicacio. ' Sala 'ºªs s~s~õ.'" .ualdade de" edades.Dividir-se-á ·em duas p. a 1" consagrada á l11:ateria constitucional. =-.t.Supprim..' ' .' ..!Ju. ~ Frederico_ G~~M"fJ)''((l. !\. VOZES ~Vo. .te ~~P~:rºv~qQe!fi -?essao anterior pela' maiória dõ~' mem·})fOS .'~OgO. prllp.. designará u 'sorte. a 2 ao.: ~ João Bal'._. Ao mesmo Ul'tigq.tes lLo. ' Saladas· sessões.~§i. C::.tos!Votos1- • -.:r~é~te~~e: ~ p~r~te ~ .e d. art.. referencias individuaes o.Francisco lIe'i. Ao art ~7 -. Nª<? p'ºper~ ~~r dado p~r3: a 9rçJ.do pelo seguinte: .' Feliciáito 'PennCL. ~ . riern constituir objecto de discuss~o.o 'Sa • ARISTIDES ~~. .ff~nsiv3:~.Almino Affo.ªI!to dev~d~m~I:J..pªrá pr~c.. prut~camente~ não havantagem nenhuma em sup~.i~' qe Iloyembro de 189.-r' .' fropon~o q1l..balho.ªd~I!ci~ ª9 A!ªi.0. 27 .. 24 . _. .:l1~ . e. exerclClO ª do J?-oder' Legislativo or-digario. . ..- Br:~lqr-~ni'J1.ª~md. .pr~§~~teê.. Diga-se --. .. Ao art.nso.r.~ SQuz. .s.. E'm.s ve.gu~ l?:. .~ §W>st!tui. 19 de novembro de 1890..?l'QP-l~tt<.e?~o.• . e de accôrdo éom a nlinba consciencia os deverés do mandato de que me acho J investigo.27 ~e.4~w. 19 de novembro de 1890. qaft.) :: Sala das sessões.. -Ep'ltacio Pessoa.ente.(J.. Ao final do art. ' .. g2.maral.!P.atorlas . ... . até ~ presentes.. valcanti.Meira de VascoriceUo.lrl~sa qu. . C?'~~ qr. $ ~o .-. 19 de novembro' de' 1890.~ . 19 de novembro de1S90.

s. . '20 e'são rejeitadas as 0'mendas -offerecidas ao D1esn10 artigo. Sr'. 17~ sendo rejeitadas todas as emendas o1'ferecidas ao ll1esmoartigo. que diz que o Deputado é obrigado a declar'ar si pede a palavra .àdo· o·art. ·QUEST.~.ja lida.monda q'u:e Já.eritls ~pOl'. O SR. eu vou of~'erecer 'ún1a . '. ~ua natureza· (l1stlncLa5~ qu e preCIStUn ser' approvadas ou' l'. 23. . Ex.' .:Js.offereceram o·Sr. . . . a qual é t.. :\IAT'TA lVL\CHADO (-l0 Secretario) . como. O SR. E' en)' seguldaapprovado o § 2° do mcsn1o. O SR. 21..0 Congresso não 'approva o. subnletta separada}llen~e . of- ferecida Delo Sr.eliciano Penna e outr.2J]'Ó.~ÍI:'iÔ' AFFONSO .l1atta . si tudo já foi rejeitado eIll globo. . offerecidaa este mesmoparagrapho 1)0105 Srs.inha sido votada. E~ I i da a. Procede-se á votacão successiva dos.Sr. José Hyginoe.th:er sj~o jnscripto. o' art1go .E"c·3Jppro-v-a. 22.Eu não vi que o requerinlento de V....l/achado.cOngl~esso. :. . .~ras o .. E~approvado o art..:mais razão de se·r.lenlenda qu~ ao m. .l. . O requerimento do nobre Deputado servirá para as votações seguintes enl q'ue s:e der o caso a que S. Consultado. s~uspaI'agraphb:s~porqU'e sã'O llw.cl~z ·que enviou á Mesa uma emenda ao § 2° e pede que ella se..Mas.]))O artig·o. Presidéntc. PRESIDE~l'E .esn10 paragrruphoúffcreceu o Sr.Tenl razão o nobre Deputado. . reJeitada. . resa.\BgLLO (pela o1'dent) diz que a palavra aUe'J'nadwmenl'e J'efere-se ao art.an1beln approvada~ ficando j. .-e.:. O Sr. Al. E' apPI:ovada -uma en1enda suppressiva do art. t. O SR. o . Ex._ E'approvad6 o art.c1o o § 1 do Dle. Zama.contra." .. . re..lva-da a ·c.1G a 28. .os. ELYS]~1] 2\lAHTINS.:iO DE 'ónDE~:1 . arts. 22.volta:t': atraz:? -.' " Alnateria é venci-ja~ e eu não p. . F.Alcindo Guanabara·.. O Sn. . .menda 0 doSr. E'approvado o art. 'OI'a~ si foi rejeitado. .' se referiu.' . .á . Ninguem nlais pedindo a palavra~ é encerradà a' discussão.() SH.'..Fran~isco "Veiga. . '3. ' .linte>. ' ". 22. approvação. - '. .. Seb'1.outros~ .. CORREU }{. 22. qUe . '. .' PRESJDE~l'E responde :que a enlenda acha-se sobre a lllQSa l?.§ 2".JeI'ia á e.artigo.are- queriíiiento' aO' '.. o § 1" não tem. E~ tall1ibCll1 ê1Jl}prova-do o art. § 1 0 : Na' ordenlmn .\-Iatta lVfacl1ado. sendo . ' São . .0tar o. .' ' 'RequeIro. 24~sendo retirac1aa emenda que· ao mesroo. ' ..'.llnente approvados" o·s·J'l].cinenda ao art.. . .:.osso de novo· consullar 'Sobre ella.. do Congresso '.egua.. 18e 19.ej citadas scpa- ~adanlellte.f. :: .. ' " . .que seI'á lida Iquando tiverd·e se ~'.ou . emenda.' se. CoRREIA RABJi:LLO. Presiàente ia sub- inetter ã:\:otação.'.' ...Al'nlinioAffonso. .Q art.artlgo..~:::. O SR. Co~eia'R1abello - . .- haVe111QS de: .)rejudicadaa emenda.sr... .éE~ approv.que:. encerr~unento' pedido.

entre as eUlend'asi. . O 'SR.eneia. o SR • FREDERICO 'BORGES diz que~ tratando-:se de uma que:stâo importantissima. . feito pelo nobre Deputado por S.0' .em votação a en1enda.. SuppritmidQ· o~ artigo. p. . eHeéabsúlutamentc' in1possivel de"ser' attendido.' " E' posto a. O 8ft. . de se prpcedez: á yotacão.PRESIDENTE ~ De "conf(}rmid~je com" osprec(7- dentes já...salvo' requerimento devida- rnente approvado em sessão anterior Ifela maioria dos pre- sentes.t.esta.ede á Mesa con- sult. !havendo' uma 'emenda ·suppresslva. :PRESIDENTE .estabelecidoos?8la:Mes~. . supprime o art. .tigo. que afí'ecta os poderes'recebidos lm. e outros.·' '. Si a emenda fôracceita. Pat.Supprin1ido o ar. nomirial. A approvacão desse artigo não im- porta a rej-eicão das e. 'l\-1ARTINHO "PRADO diz que foi. O Sr.· do artigo. M~tinhoPr. .ado (pela orden~) . mas que amplia o>artigo. ar. . .dos~)· . . si não fôr.. E' approvado: o·art:..á •.que as .nd~P1.â. Por consequencia.o· Congressonã~ e~t. p~ ~e~!o~' dª JMe§. " . encont~am-seduas sobre Q assumpto em questão.essa . pensam. PRESIDENTE..mendas. pergunta á :Mesa si a approvacão desse artigo se faz independente da àpprovacão das emendas. que reflietam sobre o· pedido. . . emenda.Foi requerida a :votação nominal. do Sr. ' O -SR.ARTINHO PRADO precisa Iponderar á Mesa que daque}.. THEODUREI'O" SÓUTO (20 Secretario) pede aos nobres representantes..' "São ellas 3..~ votação. abundando nas mesmas conslderacoes "expendidaspor S. l\fARTINHO PRADO votará pela 'suppressão do artigo. diz que.as enlendas. si. muitos o fizeram persuadidos de .que é destltuIl-a. assembléas 'onde.. O Sa. enl relacão "ao" Re- gimento-em discussão. de' accôrdo.o.Ies collegas que. Paul<>.mpressas hoje no Diario Official. é o <:as. . vota por ella. ROSA 'E SILVA diz que insiste pelo requerimento apresentado-pelo seuéolle~a.. José . 17 .que requer.mediatamente do povo. s:i consente que seja posta . Ghagas Lobato. yptaCão. A Mesa deliberou que as emendas fossem votadas 'de preferencia ao todo. O SR.e .. a segUnda.. vo~rampor esta. muitos memhr-os do Congresso. que não .26..· ' .'. 27.25" 9ffe- reeida pelo:"Sr. E' approvada a emenda.nte das.qJU:econsiderem. .voLará pela suppressão completa..~em :m:ef-er.~oi posta em :votação.rej?resentant~ de' S...substitutiva do. Posto .JoséHygino' e putros.' :votos pare 27. (Não apoi(J. ficam preju- dicadas todas as emendas. l\f. assignada pelo Sr..out~as teriam tambem.. O SR . accrescenta: . ·0 SR.. porém.Hygino e outros. a . é approvado . mas preferia o artigo com a emenda substitutiva. requerimento. que deveu) tan1:bem ser sujeitas á votação do Congresso. e..s s eguintes: a primeira.o.oom•. ~..SR..praxe '~onsta.• O SR.aen!e.que.supprime. wsto é evidente COlnoa. Assim. Ex.J . a votos.ar ao Congresso. PRESIDENTE .." . supprimidasserãp' tamb'em . luz meridiana. tem o remedio eln suas maO's .' : O .

-. ==::'c~o.. 27 .:.E -os. :10 Sn. 81's.•..) diz que. muito be'Tn.~ (pela orde'm. se devepô~ um termo : a isto. . Agora. Paulo . .muito bem.que dá . e 001110 elles se coni'ornlanl éOm o a.'yotandoeontl'a : '. retira a sua ·em'enda. '. Cavalcanti. '(jJeta' o riie nz) diz que.diz que. deve cessar o direito de aDresentaÍ'en1endas novas no correr a votação. apresentando emendas por'occasião da votação.~tigo substitutivo.l~ pede á· ~{esa que façaconsi-gnar na al}ta o que occorreu~ para que eBa sej a a expressão fiel do' . em primeiro. .-:o.:-_=:-. têm cabirrien~o~ n1as sim na horadQ expediente.--=:~ .. e~ assim send()~ não poderenlos dis- cutir o Regimento nestes trc-~ ou quatro dias. (Muito bem.~t\.: já' estando vobadó o . assumpto que não seja im- 111ediatamente ligado ao finl do Congresso Constituinte. Parece que aM~5a poz eIl1 discussão primeiranlente as emendas. r . Não poderá ser dada para ordem do dia. Fói -apl'es.L-\. Diz o seguinte i(lê) : Axt..3-T par:a a decisão -do Congresso..og~r.~ ..:._c::. continua- ção da 'discussão do Regimento. PRiESIDENTE' declara ao.. Presidente póde fazel-o votar.vídan1ente approvado ern se'ssáo anterior l)chl maioria dos membros presentes: .::'---:_c-:::=--_"::.:'. . quem ·quizer que apre- sente emendas: mas. a sua enlenda. {l\J1:ATTA l\fACHADO (lu SlJcrela'l'io) -:-.J-~ .~esSose visse 'tolhido em sua soberania. porémt que ha uma emenda conciliadora -dos seus in- tuitos com a opinião do Congresso.. O SR.0' nobre 'Deputado por B. . .. para seI' votado esse artigo. porque está presen- ciando um facto ano1'Jmal.BEVILAQUA (pelO. . .. . Consultada. .:..pois. : desde.-=~c::::-=-c~'--. a emenda suppress..:~C::"c::----. ZAM. CBJ\GAsLoBATOdiz que a prhl1eira emenda SU})- pr:ess'iva apresentada sobre o assunlpto foi offerwida pelo orador e por outros collegas.) CouSlUlpado.que não tem sido~ nesta_ Casa.estas obserY~ões em.) •. :Como substitutivo: o~' Sr.ARIS'l'IDES. ~' • . não . 'conio a~n<1a nãbten)os Itegilnento nenl lei eSvl'ipta. ordeftn) . mas. que seja esta a norma a seguir na. muito bern. (31u'ito be'lll-.capltlll0IIdí}Reg-jm{~nto.e pede para retirar. c.::-_:. Posto em discussão o capitulo.anclo o 7 7 requerim.~". O SR..organização"ál\(esa . Ora~ e~gottàda a diS'cussão~· encerrada el1a: não se póde estar.:::o::::::~c:. occasião oppOrtuna._-= -<leve prevalecer essa pl'el'el'encia.c:--":.ento 0. aceeita o l:equerimento do nobre 1Deputado por S . ::::~. representantes que .. nenl constituir objecto de discussão.1.· enc·errada a discussão. Paulo.· O SR. Entendo ~queesta decisão é legitima e verdadeira.:. .. a casa cC)nsente na retirada d~ ·emenda. Pede.::.:entado agora um substitutivo ao art. .' vou aplJell.iva.A. orador .:..' ellas .:.> O SR.::-:-.:::="_. 27. .:". que se passar no Congresso~ o ...~"-~~-"'.:. 1. antes de passar-se a tra'ror do 'capitulo v.:RL~ BARCELLOS (pela o'rdem) diz que pediu R pala:vra para uma questão de ordem.: l1ãoquel'u: interpôr' a minha' auctol'içlade de Pl'esidentc 0 acredil. salvo requeI'lmentQ de. e o seu intuito era não querer que o CoD. que poderá fazer .:. O SR. '.:~5..-·-·-_:_:-::. quizereUl que subsista o.ênY l'ecurso facil1)ara conseguir'o seu desejo.._~_~~ : ..~. _. . ) : "~ O SR. o COnoOTe5SO consente na retirada -da emenda. " "'. foi o orador o autorâa emenda.::. (Muito beTa.artigo com a 01nenda substitutiva.

. . Anlerico iLobo. Amaro.' ELYSEU' fM!.em r_esumo. tFerreira Brandão. .c:-.arcce . em annaes.cavalcanti e outros.--~':'::---':.. n~ando pl'eju~1icada . .21 accrescente"':'sc. e' é lida a seguiute emenda: Ao ái·t.Congresso póde fazer in- serir o seu voto na :leta.sca'J·enhas.O'. '_'_.. 29. de stenographia dos debates.~::'=". Art. '. .O nobre Senador póde'. ' Al't. «Requeil'O qúe' se adie a discussão do capitulo IV até . pede:á""Mesaver:lf1caçao ~da vQ~ça. Generoso Marque·s.iLutiva do arL27. . 'O SR. · 0 " .·o Botelho Y . -.fico Ma.ctúle-s'e" áverificacão '-da 'o votaeãq._~o:... sendo approvada a emenda o.Aristides jJ[aia.a Pires..a '~' que ao mesmo artIgo offel'eceu o Sr.. '' Sala das sessões" 19 de noveInbl'o de 189. m~ps ser regulado .Stockler... definitivit.... . . muito Iegitimamel!te. an1Das asmes'aS. Cavalcanti.~ 'Leonel Filho. Chagas Lobato".plesnlent~ "ao Congresso que o s." . que já está feito e contractad(): .::::.Jarac. p6de.. r... il 'colnpcLcnLc{}cc. A l\Iesa do ... Fer'refra Brandão. . . 29.~. Pacj. não ..... é encerrada à dis- cussão'.deve proseguir' nostrabalho~ :ante.36.fferecida ao arte 30 pelo Sr..:. sem nlOtivul~o. ~lankãe$Bar1"eto.do~enado.::.pRESIDENTE.-. . é' e~te r~querhnellto rej citado.GonçàlvesRarnos: ~ Ferreü.31~ pelo Sr.-'Prt.congresso providcnciarásobl'ea.' V Clll á lVlesa. Ninguem mais pedindo a palavra.actas.'-=-=-'-'C==:'::==--:::::'--'.Sr.61'fél'e- ferecida pelo .::=:. .19 dé-n:~ven~bl~o de 1890. Elyseu Martins diz ...(ias netas e lnaÍ's· trabalhos das sess'ões. lva.quer..Casasobreestaemenda.. 'emenda~ " " . ' .'. .o _sobre··a emenda .... e rejeitadas as offerecidas ao art. 3L '.:'=. .- A. ::~':::__ o:. e . ' Sala 'dasse~sões.E' approvada a emenda substitutiva do art.s<1a sua eleição.0. por escrlpto. não vai dis'cutir à e... '. . a enlenda súbst. - .=. publicaoões . ~ -: . _:':_. "E' appl'ovada. Das .(}ucnãO:5C . ..30.c.. ..Sr.lliTINS responde ique. ..~'::.: __ -. Qualquel: membro do .Por isso..'.'-· devendo 'os trabalhos: das sessões serem -Publicados .» .ão. " . São.::'_.apresentada ao art...ervico destenographiafoi .cClntractarã o serviço.. Art. :approvados os arts. ' . sua reco- pilacão_. lquer' da Camara dos Deputados.~i_. O . . -. '. E' :Oolleste sentido que llluuàaá l\fesa /) -seguinte.10 Presidente e dois secretarios.2.-':_:'.":::c-. requc- rimento~ " . ' Posto a votos.antes de approvada a acta.c(nntanto que mande ál\fesa. Entra enldiscussão Ó capitulo IV . :. .2_5. '. Amaro . ...'O--'. As :actas devem conter descripção sUGcinta dos Lrabalhos do Congresso durante cada sessão' e serão sempre ussignadas 1Je.. .7. . 'failar pela ordem para encaminha~' a votação~· n1as não discutir ~ emen~a.=~.menda.'..:que precisa" dar um esclareci- mento:~..cl~ita al\fesa definitiva. . por consequencia. -que seja.:. José Hygino e outros..contractadopor.::. vai diZer sim.~ sendo oapprovada>'a .. 31.este serVIÇ{). e 31-.c:::.:-_~-::.:::. ._. offere:" cidapelo Sr.á . .''0 SR.

sidente~.. "':'0' 8ft ~ PRÊsÍD~TEdeclara . . '. ' .ediente. : ~ :-:.ropor"~anomeacão" de.. .elle e por 'mais 'Sete.'...' " ' : .sobreel1es -peca a palayra. vista. dos pareceres .() Presidente ànnunciaráque não p6de haver sessão.38.que não haactuahriêntedis-' posição aliuma sobre tal assumpto . .d~·c qua~. . . .. declararã 'que a sessão'.o J>re- . Reclamara ordem.. a chamada e. .-. primeira.' Si até ao meio dia e um quarto não se . ser prorogad&.~ " .-\ (pela oi'derlt) . . far-se-á.e.er. :: . . . alguma. poderá a sessão. · : " Art.de" delibe~çao ·deste. ou"CIUalquer dQs'outros.' 34. tomará assento e. ·Assessães se~ao puhl1~as. '"affirmátiva. abtirá. . .. . O representante que pedir sessao . porque 'não 1la mais numer~ na Casa.:.qualquer numero....apresentação de requerimentos e indicações :qu8 tiverem por fim.exc.. . levantada a sessão.:si não .# '.. . .·indicacões". P. Peditque se levante a sessão por motivo de· luto pu re- . Si~ por motivo: de demora. I.. conhece~-se que não ha o numero legal 'do art. serão _1postosa·. . 40.. _A .meia hora da "sessão.. seguindo-se a .to- mada .gosU o publico .Da ordem dos tra- balhos: . . qu~ . . conforme se vencer.· " Paragrapho unico~~_Si. retirando-se 3ilguns dos membros do Con- gresso. '.'·o 20 Secretario.Estes requerimentos .s~cr~tas.arequerimento. algum membro.. o Presidentetocarã a campainha.Art.pede á Mesa'que · mande fazer a chamada.proposta..•':.pois~ se'procederá á leitura do exp. . .apoiados e· postos em discussão..parte dos~embros . . quandQ o.do Congresso. _ . . .de'7 commissões especiaes.. ... Art. excederá da. .'Art. . Por 'deliberação . : ...-:Po~éi:n. . dando-5e-Ihe destino.consultado·o. "_ ._ . '. que não. 32..depois:'ge ·. logo:de...' se achapre:-: sente a quarta . 32. quando. durará o tempo necessario' para completa~ cinco horas de effectivo trabalho..Âl't.Presidente:a. o' CôIigressoreoonhecer a inexactidão indicada. Co.. Art.houver "quem . ' J-oÃO "SlQUEIR. e.ngress. 36.39.'assim. será emendada a acta. . " ':ArL 33.. -caso' em que será.0 .espondencia official... _. Art_ 37_ Depois da acta proceder-se-á-á1leiturada co1'- r.representant~s. mandará o Presidente ler a acta da sessã-oantecedente." . -" ' . a sessão começar depois da hora regimental. Ao.. ' .epto. . nodi~ ~ ..· " .Aberta a sessão._. ~ -. " Pedir' dispensa de qualquer 'logar da Mesa ou de com- missão. .. 35.' 'Entra em discussão o capitulo iV. Congressoe~o.' si ainda depois de finda a dlta lei- turanão 'houver numero. :~260 - '..~pols. SR. " .não havendo <>bservacóes:: con- tra a redacção. meio dia em ponto. secreta deve dirigir aO'.· ..'. Far-se-á egualmente a chamada.-. •• . . . conipetente.votos. do' Con- gresso notar algu·roa'inêxa"ctidão. quando.dàrã/osnecessarios esclarecimentos. ~ .:._.sejarn~.. ' Art.que foi apprçvada. ent'entd. ' · . eontinúa· a 'discus- são com . ~ei:é.. secreta 'terã logar. no meio da sessão. " ' .'assi'gnada por . .se.o.a requerimento de algum de seus membros. apesar denes.' e. achar reunido numero 'legal para a abertura da sessão. . .commissão especial. verificando que.. a sessão. . resolv~r. á. : Paragrap!ho unico.do· :Congresso. *...·_. .

~Presidente'fará'sus-' pen!ier a sessão publica.·" em outros tempos. me recrird:O) a {lllarta parte dos' membroS" d6". ' . . por as. . Cantão -. egualmente decidirá~por simples votação: e sem discussão. afim de ter lo. perdido esse dia. os' trabalhos.: trabalhos da sessão.r5017ulos.e~inte.·. ~ 2~0 As actas. ' .· ".~ar quando houver o numero legalexJgldo pelo Reiin1enf. n..Sr. (Arn r J1"(1r1o. emhora>não n~j~. .sI não houver o'bservaçã. ficàr secretos. porque.aue não. provada: . Sr. (cA.1~.ou ser notados na actapublica.a 'corri (si bem. encerrada n: 'lme!=imá "disCllssão: continuavam os trabalhos.um dos secretarios'e lidas e apnrovadas antes de encerrada ai sessão.estestrabalhos.. mas :l nas ouf." ' ' Por isso. E' c'permittido ass. s.paréce:. o . p-f:ite arligo rlevia ser modifi- c::ldo no sentido que acabo de expor.' : '.~ 34.ongressQ resolverá sil o seu objecto' e resultado' devem._ contjl1uava a discussão .' ...ões. .-' a.av·eri~ar o facto. ~·26i - util seguinte~ segundo lhe houver sido pedido pelos propo·~ nentes. o!.' .'sessft:o' nódhser aberf. pros~guia a discu:. aeon- tBCP com o que dispõe o Regimento .Havendo-sessão secreta.não s6.que' discutimos.nará 'a nrovidencia que' deva ser tomada.' '.c.~eita a chamada no mp..para fazer sablr os espectadores.:Ievanf.íesa determi.. veiutrazer~no'S algrimas dif- ficulna:de~ e embaraçâs. Art.ficando estas adiadas 'Para 'o dia.C()ngres~o:'d~clara-maisdUe"onrimeil'()tr~balh{) qUe sesegi:ie~.são de outro~ assumptns nados.me' aue a'di~ posição dO.' os nomes' dospropónentes devem ficar. que houvesse.. para a ordem do dia c. si. no meio da' 'sessão.. votacão.ios-nomesficarão seeretos.. ".y ':' ' '. . 'v.'a 'qualsera eon§i~éradaªp~ .. ': § Lo Concluída a sessão secreta. '43.~ ~~i!UiDte. sejàm enc"errados.:p. 45.lavradas por . . se- cretos.SÍni tratadQ.l'as materias-cJadas para' ordem d. Y .o.ó:.'. o enviai-tá: á auctoridade eom- petente~ para proceder na f6rma da lei.-' en'ós não temos tempo a perder. ..' . o ·c. a sessão continuará se. 'não 'bavernu- mero de 'deputados aue' conlpuzessem .taà~ 'p ficav~. : . e.respeetivasserão' .) ' _ .~ Art. . de- liberar~se-á em primeiro logar si o assumpto deve oú não' ser aS. o -Presidente {) fará pÔr em custo dia. ReunidQ o Congresso em sessão secreta. m'as'~ nó caso . a qual' determina. Sr . quando se_ dava o facto de.' . Sr. -Si no edificio algum e'spectador~raticar ex- cesso ou delicto.io da sessão e' verificando-se que não'ha numero le~al. Art. na Casa nnmeroJp.-cqueeontinue·a disClissão.que "a ..ri di~. ' Isto facilitav~..l?al para as votaC. quando tenha> começado.~' ' . 42 .arf.im -rlizer.da:aéta.O .e em caso extraordinario a 0.cretaou se fatã publica.: 4. ' .que. ':deV'e recordar-se de qUe.IJ -alguma. BU en.Ainda· outra disposiCrio 'diz.residente. isto é. ' c1ndo·o:'factode não' haver numero ]p-gal. maioria nara.dà matéria já en- cp. Art. e~' pas- sando a . Art.r.PresidentB.~ encetada.de .0'5 espectadores que perturbarem a sess'ão~ serão obrigados' a sa:hir immediat.a-mente.. segundo se resolver.tendj~ qnp.a-se a sessão 'e fica.istir ás sessões a todas as pessoas decentemente traj3:das~ uma' vez que não tragam: ar- n1as ese conservem no maior silencio_' . si resultaremmotivossUffieientes para se proceder contra o anetar.. isto '~~:.aJeitu:ra. presidente.. Ex. ".~cu.. s6nlente~ ficava adiada a votação parD (\ d. 44.

emendas :'.~tada.necessariopara conlpletar _.~5entid(l .." '.~oiina).. ~ . Ha grande numero de emendas sobre a mesa: e . (Jo-s1:rn. pre- sente. a-p- . Cavalcanti ' '.concluida. assumpto de ardeul ou interesse publico.ão~' é necessaria a presença da "maioria abso . como é possivel .qualquer ob'serv. 34...262"- sBr"ella cônf. a seS'são secre.quatro horas de' effectivo tra- balho . '~ .que não haja lm~ioria absoluta? ..e qualquer re.pprovados os demais artigos.meiodasessão.lVlas~. ..Entra ~rri: discu~são () capitulo.nio1·. :.'Du'. . . .-:3. continuará a discussã.ação~então será emendada'·no . «Proponho . votacão.que iá emenda apresentada ao art. . _. e vou apresentar uma ero·enda alterando o art. embora as votacões não p~'..que a-conteca e é ~rovavelm'esmo. VOZES '-'-' Fazemos justiça ao procedimento de V~·Ex. ·R. -. '.pergunto eu.í a l\fesanessa hypothe'se. ...' ainda nãohou-ver nunlero legaI~ isto ·é~ metad-e e mais um. 3l1'aceres- -eente-se: . '.querimentorelativo ao.provação.para~haver .PRESI'DENTE .-. s'er então redigida ou alterada a a-cta..e. no sentido queexpuz.pre." Não havendo mais quem peça apa- lavra. . isto é. ' . fj~Gando a votação adiada para o (lia seguinte.. " . retirando-se algum dos men1bros .90 Congresso. ~ . Ao al'f. . «Ao ~ 1° do art.até completar quatro horas de effectivo trabalho. .i'j'o J'U. estiver.. " .' .que V.hidi·cadoQ .»- s~ R..sencio.em votação e" approvados . A reclamação s·6 deve ser atLendida pelo Congresso para. .·16. 34. . dadas para ardenl . cOID1odetermina este artigo~ e lida a acta~si houver alguma reclainaçãoe quando se tiver de votar .no interesse de não se fazerunla votação de surpresa~ peco aos Srs.. 'Nenhum as~umptoser:í.. . Ex..eu de- sejo .r.ssam 'ter logar desdé. ~ '.o.supprin1idas as palavras que formam.' .a~ 'sendO'::esta --apPl'ova-da "pelo. " . Ao art.esta recla- mação. que V. paraprocedeJ:'-seávotação .o resto do ar- tigo. art. 32. luetadee mais un1 dos membros que' compõem () Congresso. Quando~" no . . me diga como ha de proceder a Mesa. 'c 33. em r. de haver -. .odas materias. accres'cente--se . no sentido dena.c : .ol1sequencia'· da anprovacão daem-enda :doSr~ Cântão. luta..ante's de enc-errar-se a -sessão Elooreta.Depois das palavras ' .diga-se: . .a -.feif.is um rlosmemb'rOsâo_Con. mas. é preciso que haja vota.. . ' Ora. Congresso .. si. . .c-on. '''\TI -. 35' '-..5 .Â. -como será. repre- sentantes ofayor de reclamarem quandofôr necessarió.como seha de proeeder?: .Serzedello . Sá0 succesivamente postos .for~nl offerecidas~ .e lhe~.. diga-se . Desejo~ portanto..' . aberta a sessão com a quarta parte dos n1embros. : ' Ao art. .:\1'f.S. .daobservacão -ou da reclalnac?-o. . que. com' asemen- d~s:<a. -. O SR •.Em vez de .. não houver numero· legal.' A1 th'Là' Rios~ s . e pará haver vota{:..siderada a acta? será approvada senl a reclamação ou será approv-ada a reclanlação pelo nunlero. me explique conlO proce- de~. encerro a discussão.do dia.. posto a votos sem 'que rSÍ-i"jamprcsf'nfcs:ml"!nne c' nln. São t-amben12. 42 .os art-s. 34 .p.ção sobre a reclamação.Cantão . si não houver maioria absoluta. lForam lidas as seguintes. Ex.t.econhecer-se que não ha numero 'le'gal.

contadas e.com os nOlmC$ dos que . v. ' .ra. na-s eleicões c nos negoc1os de interesse . tm'<í votO. (í.d~pois de. " . -. ' - Art.tin~io seereto~ nas ele·ições e nos negocios de .particular.Art. .A. Para so praticar a votação nominal. poderá excusar-se de votar. que algum -representante a requeira" e o Congresso a admitta por'meio de votação. 48.' J)elomethodo· symboJi. Nenhum membro d9 Congre'sso. A'vote"lCão. ' '~~:rt·.ptas~ sendo estas lançadas em urnas~'. . "Por tres' maneiJ~as se pódevotar. uma' vez com.'as votações nãopl'('jurlh':w:ía tliseuss50 dã.. .e: .rt. tendo prioridade na vntacão as questões. ' . 1a. roa- terias incluidas na. - .. uni co. ~9.·.. que são de.-·~7. lidas cada urnn de per si~ tomarão os se·cretarios as .i nll:Jl'{j. romper. os 3° e 4° SB- cret. cada um de seu lado. '48-. debatê nu tratar-se de causa pr-opriacouero que for 'sus- pelto:. ~~rt.e não serii suj cito a ~discussão. sente. ficará a Dlateria ádiada para a ses- são seguinte. d. pela::: quaes se :fará a apuração.para· isso' numero~ nos terlnos dnarL 32. c.es:0.. lista geraL irá ·chamando cada um' dos .52 . . Paragrapho. 50..qualquer destes casos. Detern1i'nada a votacãonomina1. ". tiver ficado encerrada na sessão anterior. "'.membros' do Congresso de' per si.r-se-á ..co..ariDs. A.Os Srs... Dàaiorinlportancia. 11 2 por .. easas não.ela. salvo si não tiveras'si5t. ou si pa- recer a algu__n l repres. qu e os 'Con- tinu-os correrão por todos os representant. . nata se-publicar o resultada:. ".e os senhores que voLa~'am cont. Sempre que deixar rle renHznr-Re . -Hayendo erriI>ate~ proceder-se-á a sortel. os primeiros: ". que votarem --< sil'm~ e outra. Art.'nestes ~. parecer . O n1-e~hodo symbolico se . Si o resultado dos votos fõr tão manifesto que á l)rimeira vista se conheca apluralidade~ o PI"esídcníe o pu- bHcará: D1as.' . ..ecadà~' não se fnter:' rompe. poderiá pedir que se contem os votos.esa as ce-dula.a .houveren1 . Art ...falta de numero para. o 1 Secre. Este requerimento será feito verbalm·ente.cv-otarenl . . na m.Queiraln levantar-s. 311• :por escrutinio sec1reto. queiranl levantar-se. Art.pratica dizendo o Pre- sidente: . e dois dos outros secretarias farã-n cada um sua lista: uma com os nome's elos . assistir.comnetentes notas. ... cuja dis- vussão. 48 e 51. II qunlc(H1l. Em . ..A:l~t~.qualquer vo- taçãopor não se achar presente numero legal de represen- tantes..será 'preciso . errliqnanto houver .escrü.apresentadas. dirá o' President.54:. Havendo empate' nas vota'çães de que tratam os arts. do art. estando pre- . 'procede.:.ir1{1 ao. gresso. contarão os votos vara serem combinados com.53:· O escrutinio' secreto se praticartápor meio de ced-ulas escrl. .as que se . nos' casos ordniarios. .orclcrn do li ia. não.retirado 'CQm causa par- ticipada' ou sen1 ella.s. nleneionando-se na acta os non1es. si houver ainda segundo empate~ considerar- se-á reJ eitada~ menos quanto á primeira parte do ~3°.a nqva C:hamada.entante que o resultado publicado' pelo Presidente 1i5(\ é exacto.. na Õü'casião de proceder-se á yotacão . si esta não se evidenciar desde logo. 0 tario.o. 51. 55~ '..podfmdo~ todavip.

assistir 'à dis- cussão.' '0 SR.§1. .o membro' que deva fazer parte desta Commissão: : .· 54. salvo si não tiver a5'slstldoao dc-.rtigo.' o Preside. acompanhando ~ Constituicão ar! refere'fl.pedindo a palavra~ pela ordem. poude - deixar de. a não ser alguma de caracter ty- . ·gresso~·tenha de tomar. . para dar parecer sobre a Constituição. estando." -264-