You are on page 1of 12

cccccccccccccccccccccccccccccc c

ccccccccccccccccccccccccccc c c 


c
  cc  c
c
cccc
c
c
c
c
c
c

Ê  Ê
Ê Ê  
  c
c
c
c
c
c
c
c

cc c

c
c

cccc
c

Ê  Ê
Ê Ê  
  c
c
O     
       
 
   
  
  



     
 
 





 !
 


cc c

c

ë
 

 04
1.1tema.................................................... ........................................04

1.2 delimitação do tema............... ...................................................04

1.3 justificativa................................ ...............................................04

1.4÷ jetivo......................................................................... ..........04


1.4.1o jetivo geral.........................................................................04
1.4.2 o jetivo específico............................................... ................04
ë ! "#
2.1 hipertensão...................................... ............................................05
2.1.2 consideracões so re a hipertensão ...........................................05
ë$%conceito de hipertensão....................................................... .....05
2.1.4 tratamento da há................................................................. ......06
2.1.5 classe de alguns medicamentos anti -hipertensivos................06
%"& &'( ")
*"& +", 
4.1 fluxograma.................................. ...............................................08
#"-(&. "/
5.1 desenvolvimento histórico da paciente ....................................09
0"+& 1 $"
)"2$" 
,"(  $$
/"Ê ($$ 

$"34 +5$ë 


è
$  678

1.1TEMA:
Cuidados farmacêuticos a pacientes hipertensos.

1.2DELIMITAÇÃ÷ D÷ TEMA:

Cuidados farmacêuticos a pacientes hipertensos com o propósito de o ter


resultados que melhore a qualidade de vida da paciente.

1.3JUSTIFICATIVA:

A hipertensão arterial é o principal fator de risco para as complicações mais


comum como acidente vascular cere ral e infarto agudo do miocárdio, além da doença
renal crônica terminal. De tantas doenças, a hipertensão é dos principais fatores da
causa de mor imortalidade na população rasileira. Por ser na maior parte do seu curso
assintomático, seu diagnóstico e tratamento é freqüentemente negligenciado, por causa
da aixa adesão, por parte do paciente, ao tratamento. Esses são alguns dos principais
fatores que determina um controle muito aixo da hipertensão arterial aos níveis
determinados como normais em todo o mundo.

1.4÷JETIV÷:

1.4.1 GERAL
Desenvolver uma atenção farmacêutica ao paciente, visando uma farmacoterapia
adequada proporcionando uma melhor qualidade de vida ao paciente.

1.4.2 ESPECÍFIC÷S:
 Identificar os pro lemas de saúde do paciente;
 ÷ servar o grau de conhecimento do paciente so re seus medicamentos;


 Se faz adesão ao tratamento;
 ÷ servar se a uma farmacoterapia adequada e necessária;
 Fazer intervenções farmacológicas;
 Fazer intervenções não farmacológicas;
 Informar quanto ao uso correto do medicamento.

ë"   Ê9 :Ê8

ë$  78

ë$ëÊ(;((4.(8
A hipertensão arterial é um importante fator de risco para doenças decorrentes
de aterosclerose e trom ose, que se exteriorizam, por acometimento cardíaco, cere ral e
vascular periférico. É responsável por 25 à 40% da etiologia multifatorial da cardiopatia
isquêmica e dos acidentes vasculares cere rais, respectivamente. Essa multiplicidade de
conseqüências coloca a hipertensão arterial na origem das doenças cardiovasculares e
portanto, caracteriza-se como uma das causas de maior redução da qualidade e
expectativa de vida dos indivíduos. (Passos, Valéria Maria. 2006)

A pressão arterial é o produto do dé ito cardíaco multiplicado pela resistência


periférica. ÷ próprio dé ito cardíaco é o produto da freqüência cardíaca multiplicada
pelo volume sistólico. Na circulação normal, a pressão é exercida pelo fluxo de sangue
através do coração e dos vasos sanguíneos. (SMELTHER,Suzanne C.; ARE G. 2002)

ë$%Ê(.(8 
A pressão arterial é aquela responsável pela condução do sangue desde a sua
saída pela valva aórtica logo após ter sido om eado pelo ventrículo esquerdo até a sua
chegada de volta ao coração no átrio direito. No individuo adulto, a PA normal fica em
torno de 120 mmHg a máxima (sistólica) e de 80 mmHg a mínima (diastólica). A
pressão com que o sangue atravessa os capilares proporcionando a passagem de
oxigênio e nutrientes para as células e delas retirando o C÷2 e os resíduos deve ser de
30 mmHg. Atualmente, considera-se hipertensão cifras superiores a 120/80 mmHg.

A hipertensão é uma doença grave com sérios riscos para o sistema


cardiovascular e um dos principais fatores de risco para o aparecimento de acidente
vascular cere ral coronariano.

÷ grande pro lema é que essa doença quase sempre é um achado ocasional, pois
seus sintomas geralmente passam desperce idos. Alguns se queixam de leve dor de

r
ca eça na região occipital, visão dupla, palpitação e, após muitos anos, falta de ar e
comprometimento de vários órgãos.

Um dos motivos por passar desperce ida é que em 90% das vezes sua causa não
é conhecida (hipertensão essencial ou idiopática). Apenas 10% tem causas conhecidas,
facilitando o com ate à causa geradora. Essas são as hipertensões secundárias (HAS),
que ocorrem geralmente antes dos 30 e após os 50 anos.

ë$* &.( 8 
Para a adoção de um esquema terapêutico adequado, o primeiro passo é a
confirmação diagnóstica da hipertensão. Em seguida, é necessário a análise da
estratificação de risco. Todos os pacientes com hipertensão devem ser orientados a
modificar o seu estilo de vida. Modificações essas de estilo de vida que é comprovado o
valor na redução da pressão arterial: a redução do peso, a redução da ingestão de sódio,
maior ingestão de potássio, uma dieta rica em frutas e vegetais e alimentos com pouco
teor de gordura, a diminuição ou a olição do álcool e a atividade física. Alimentos ricos
em cálcio atualmente são preconizados em conjunto com toda a série de medidas
dietéticas já citadas, que juntas são enéficas para a redução da PA. A ingestão de
magnésio, de derivados do ácido ecosanóico e aumento da ingestão de proteínas entre
outros, não possuem até o momento evidências de valor comprovado, que indiquem sua
utilização.

A interrupção do fumo não interfere diretamente so re a redução da pressão, no


entanto trata-se de importante fator de risco cardiovascular e deve ser incentivada. As
modificações do estilo de vida são aplicáveis a todos os pacientes que se propõe a
diminuição do risco cardiovascular, incluindo os normotensos, e necessárias tam ém
quando se impõe o tratamento farmacológico da hipertensão.

ë$#Ê (( +(&&(<-.(2(8

 =>Ê ?8


Deve ser usado, na maioria das vezes, como droga inicial, permitindo uma ação
anti-hipertensiva lenta, com reações compensatórias reflexas menos intensas. A
prevenção dos efeitos colaterais da HCT como dislipidemias, intolerância à glicose,
hipopotassemia, impotência sexual e hiperuricemia, é alcançada com doses cada vez
menores, e vigilância dessas alterações. Não se deve ultrapassar a dose de 50mg/dia.
Estudos têm mostrado da excreção urinária de cálcio. Este efeito tem sido associado à
aixa incidência de fraturas em pacientes idosos que usam HTC. Pacientes com
insuficiência cardíaca e renal crônica (creatinina > que 3,0 mg/dl) deverão usar a
furosemida, ao invés da hidroclorotiazida.

Ini idores simpáticos ± o cére ro exerce grande controle so re a circulação.


Portanto, atua farmacologicamente, nesta área, é imprescindível para diminuir a pressão
arterial nos hipertensos ± clonidina e alfametildopa. Mecanismo de ação ± estas drogas

 
deprimem o tônus simpático do sistema nervoso central. (rasil. Ministério da Saúde.
2001).

Ê.. 8
Esse medicamento tem indicação formal para os hipertensos portadores de
dia etes, haja visto o caso de provocar queda da pressão intraglomerular, tão danosa
para a função renal, e evitar perda de al umina pela urina. Cuidados devem ser tomados
em relação aos pacientes com estenose de artéria renal, pela possi ilidade de
hipoperfusão e, conseqüentemente, queda da função de filtração renal. Dosagem de
potássio e de creatinina auxiliam na avaliação da função renal.

(8
÷ Micardis é um medicamento que contém a su stância activa telmisartan. Esse
medicamento é utilizado no tratamento da hipertensão essencial (tensão arterial alta) em
adultos. ³Essencial´ significa que não foi identificada uma causa específica para a
hipertensão. ÷ Micardis é tam ém utilizado na prevenção de complicações
cardiovasculares (doenças do coração e das artérias), tais como ataque cardíaco (enfarte
do miocárdio) e derrame cere ral (acidente vascular cere ral).

A su stância activa do Micardis, o telmisartan, é um antagonista dos receptores


da angiotensina II, o que significa que loqueia a acção de uma hormona chamada
angiotensina II. A angiotensina II é um vasoconstritor potente (estreita os vasos
sanguíneos). ÷ telmisartan, ao loquear os receptores a que a angiotensina II se liga
normalmente, impede que a hormona exerça o seu efeito, permitindo que os vasos
sanguíneos se dilatem. Isto, por um lado, leva ao a aixamento da pressão arterial,
diminuindo os riscos associados à hipertensão, tais como enfarte e derrame cere ral e,
por outro, permite ao coração expelir o sangue mais facilmente, contri uindo para uma
redução do risco de pro lemas cardiovasculares futuros.

%"    @ 8


Para o monitoramento e acompanhamento da pressão arterial foi usado o
respectivo aparelho:

Um esfigmomanômetro Analógico e um estetoscópio, equipamentos estes


utilizados para aferir a pressão arterial. ÷ paciente deve ficar sentado, em um am iente
calmo com temperatura agradável e não deve estar com a exiga cheia, nem ter
praticado exercícios físicos, não ter ingerido e idas alcóolicas ou café e ter fumado até
30 minutos antes da aferição. ÷ paciente não deve falar durante a aferição.

Î
*" 9A8

A metodologia utilizada envolve uma relação entre o farmacêutico e o paciente, por


meio de um segmento farmacoterapêutico, detectando e resolvendo pro lemas
relacionados a medicamentos (PRMs) de acordo com o Manual de Acompanhamento
Farmacoterapêutico (Método Dáder).

*$+& 1.(( '5 

÷ferta do serviço
Fase de
17/04/2010
revisão

Estado de
situação
Paciente
aceita o
serviço

Pro lema
de saúde do
paciente
Fase de
revisão
Entrevista
17/04/2010
Estado
de
situação

Medicamento
utilizado pelo
paciente Intervenção

£
#" : Ê  B Ê

8 2235/7752/00015 8 03/04/2010

&8S.M.S (&822/07/1948 18Feminino

((8Aposentada (Administradora de Empresas)

((. .878 kg  8 1,75 m

 +8Hipertensão arterial.

54( &(C((8

1. Faz uso de alimentos saudáveis (frutas, alimentos ricos em fi ras e etc).
2. Não fuma.
3. Não faz uso de e idas alcoólicas.
4. Não faz nenhuma atividade física.

4(8A paciente diz que anda muito estressada, nervosa e muito cansada.

#$(2 2&-(!..&2(8
A paciente que escolhi faz o seguinte procedimento farmacoterapeutico, toma
1comprimido de 80 mg de Micardis uma vez por dia, depois do café da manhã. Mais
quando a pressão fica alta ela desenvolve tais sintomas, se sente tonta e com dor na
nuca. E quando apresentam os sintomas a forma que ela usa para normalizar a pressão é
tomar suco de chuchu. Mais tam ém a paciente me informou que a pressão fica alta
quando ela se estressa com algo ou com alguém.

ü
0"ÊA   D Ê 678


PR÷CEDIMENT÷S ARIL MAI÷
17/04 à 30/04 01/05 à 26/05
Monitoração da pressão X X
arterial
Análise dos dados X X

Resultados o tidos X

Ta ela 1 e 2 de monitoração da hipertensão arterial:

DATA H÷RAS HAS


17/04 07h00min e 19h00min 13X08 e 11X09
18/04 07h00min e 19h00min 14X05 e 13X10
20/04 07h00min e 19h00min 11X08 e 12X05
22/04 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X08
25/04 07h00min e 19h00min 12X05 e 12X05
27/04 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X05
30/04 07h00min e 19h00min 12X07 e 15X06

DATA H÷RAS HAS


01/05 07h00min e 19h00min 12X05 e 12/07
04/05 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X06
06/05 07h00min e 19h00min 14X07 e 12X04
08/05 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X05
10/05 07h00min e 19h00min 14X07 e 12X06
12/05 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X08
14/05 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X08
16/05 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X05
18/05 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X08
20/05 07h00min e 19h00min 13X07 e 12X06
22/05 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X05
24/05 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X08
26/05 07h00min e 19h00min 12X07 e 12X05

)" E 678
Não conseguir identificar nenhum tipo de PRM. Mais precisei fazer umas intervenções
em alguns aspectos para melhorar a qualidade de vida da paciente.
Foi uma intervenção não farmacológica, passei as seguintes orientações:

 Fazer o possível pra não se estressar;


 Fazer algo que ela se sinta em em estar fazendo (passear, ir no AA, ir a
Igreja e etc);
 ?          

             
 ‘         ?  ë  ër
 


,"  9 8


No inicio da Atenção Farmacêutica foi feito aferições na paciente, e pode-se o servar
que no período de 17/04 à 30/04 ao acordar sua pressão mostrava-se normal, ao longo
do dia a paciente se envolvia em assuntos emocionais, onde constatava-se no final da
tarde um aumento significativo da pressão arterial. Após as intervenções feitas, no
período de 01/05 à 26/05, pode-se verificar em todo o dia sua pressão arterial
controlada.

/"ÊÊ9 78


÷s o jetivos realizados no tratamento da paciente foram positivos. Desenvolve um
acompanhamento e monitoração ao tratamento da paciente, em um período
determinado, promovendo o em estar e a promoção da saúde da paciente.

Fiquei muito grato pela a importância que tive na vida dessa paciente, porque ela é uma
pessoa muito próxima de me, e pude ajuda - lá de alguma forma. ÷ que mais gostei foi
que conseguir fazer que ela confiasse no que eu estava falando para ela. E por isso ficou
mais fácil de promover uma atenção farmacêutica. E espero que daqui pra frente eu
possa desenvolver um importantíssimo tra alho como este para outras pessoas.

rr
   Ê339AÊ


rasil, Ministério da Saúde. .( ((&.((&F
G± rasília: Ministério da Saúde, 2006. 58 p. ± (Cadernos de Atenção ásica; 16)
(Serie A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em : http: www.saude.gov. r/da .
Acesso em 15/05/2010.

WELL, ar ara G.; DIPIR÷, Joseph T.  &. 6 ed. São Paulo:
McGraw-Hill, 2006.

L÷MA, Marcos. G  8 Ê  '8 +(H & 


.2 Grupo Universo, 2006. (Súde