You are on page 1of 92

PROBLEMAS DE DRENAGEM

Aparece em razão do excesso de água que
encontra-se sobre a superfície do solo.

Problemas de topografia – áreas planas com
pouca declividade, escoamento deficiente e áreas
de várzea.

Problemas de permeabilidade no perfil do solo –
formação de lençol freático gradativo que vai se
aproximando a superfície.

SUCESSO DA AGRICULTURA IRRIGADA

Depende do estabelecimento e da manutenção de
uma relação água x oxigênio x sal, adequada ao
desenvolvimento das culturas

A presença do oxigênio no espaço poroso do solo é
tão importante quanto o é a água para a
germinação e crescimento das plantas

OBJETIVOS DA DRENAGEM

Criar um ambiente favorável ao desenvol-
vimento das culturas

Preservar as propriedades físicas do solo.

A drenagem não deve ser necessariamente completa ou total – quando o sistema de drenagem é dimensionado para eliminar as recargas atípicas que ocorrem normalmente SISTEMAS ANTI-ECONÔMICOS . DEFINIÇÃO DE DRENAGEM Ponto de vista agrícola: permite a remoção do excesso de sais no solo. numa razão que permita o crescimento e desenvolvimento normal da culturas.

DEFINIÇÃO DE DRENAGEM DRENAGEM ADEQUADA. cultura. é a quantidade de drenagem necessária para proporcionar uma agricultura rentável e permanente na área Um sistema de drenagem deve ser projetado e constituído de forma que resulte numa interação desejável dos componentes solo. irrigação e drenagem .

escoamento superficial ou sub-superficial. ARTIFICIAL Quando a drenagem natural não é suficiente para escoar a água que atinge a área. transbordamento.. físicas e naturais 2. TIPOS DE DRENAGEM 1. é removido pela ação das características topográficas. proveniente da chuva. etc. irrigação. excesso de água de irrigação. NATURAL O excesso de água proveniente da contribuição da chuva. infiltração de canais .

TIPOS DE DRENAGEM A drenagem artificial visa complementar a diferença entre a drenagem natural e a necessária .

EFEITOS DA DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM Os efeitos da drenagem deficiente atuam primordialmente sobre o sistema radicular Principais funções do sistema radicular são: a) Sustentação. b) Absorção de água. c) Absorção de minerais. d) Síntese de hormônios e outros compostos orgânicos. .

tornando as culturas mais vulneráveis ao déficit hídrico durante as estiagens. Sistemas radiculares rasos ficam restritos a um pequeno volume de solo. FUNÇÕES DO SISTEMA RADICULAR SUSTENTAÇÃO DA PLANTA Em locais alagados. . onde o lençol freático se eleva até à superfície do solo. o sistema radicular é raso e as plantas são facilmente tombadas pela ação dos ventos.

FUNÇÕES DO SISTEMA RADICULAR ABSORÇÃO DE ÁGUA Arejamento inadequado reduz a absorção de água: Diretamente: Pelo decréscimo de permeabilidade das raízes Indiretamente: Pela redução do tamanho do sistema radicular .

em detrimento a solos onde o ar é substituído pelo N2 . Resultados Experimentais Na cultura do fumo: A taxa de absorção de água na pelas raízes reduzem em 40%. na primeira hora após a inundação das raízes e 75% ao final da terceira hora Em tomate. girassol e fumo: Verificou-se que as plantas murcham mais rápido quando o ar do solo é substituído pelo CO2.

reduz-se mais em conseqüência do aumento da resistência à passagem da água através da raiz do que devido as forças de gradiente. A absorção de água em meios com problemas de arejamento. Resultados Experimentais Excesso de CO2 reduz a permeabilidade das raízes mais rápido do que o déficit de O2. .

FUNÇÕES DO SISTEMA RADICULAR ABSORÇÃO DE MINERAIS A acumulação de sais no vacúolo das células das raízes e o seu transporte para o xilema. quando o arejamento do solo é deficiente . consomem energia que é liberada na respiração aeróbica A absorção de nutrientes fica altamente comprometida.

Ca e Mg . P2O5. N.A queda na absorção de íons segue a seguinte ordem: K.

" O desenvolvimento normal das plantas depende fundamentalmente da síntese pelas raízes de hormônios e outros compostos orgânicos " Raquitismo ... e a coloração alterada das culturas em áreas sujeitas a alagamentos. podem ser explicados por alterações metabólicas nas células do sistema radicular .. FUNÇÕES DO SISTEMA RADICULAR SÍNTESE DE HORMÔNIOS E OUTROS .

. ficando o nitrogênio disponível imobilizado . Drenagem Deficiente X Fixação de Nitrogênio O nitrogênio disponível às plantas é proveniente de adubação (mineralização) e do nitrogênio fixado ao ar pelo solo. a taxa de decom-posição da matéria orgânica do solo é reduzida. FUNÇÕES DO SISTEMA RADICULAR SÍNTESE DE HORMÔNIOS E OUTROS ... Em condições anaeróbicas.

4. Profundidade do solo. Profundidade do sistema radicular da cultura. . Transmissividade do solo. 5. Capacidade de retenção de água. Freqüência e quantidade de chuva ou irrigação.Profundidade do Lençol Freático e Produtividade das Culturas Profundidade ótima do Lençol Freático ? 1. 3. 2.

A drenagem é necessária para eliminar o excesso de água no solo . NECESSIDADE DE DRENAGEM Varia de acordo com a região Regiões úmidas Condição em que as necessidades hídricas das culturas podem ser total ou parcialmente satisfeita por ascensão capilar.

da solução do solo. NECESSIDADE DE DRENAGEM " Regiões áridas ou semi-áridas Cuidado especial com água de lençol freático salina A drenagem e necessária para manter a concentração de sais. em níveis toleráveis (adequados) ao desenvolvimento das culturas .

NECESSIDADE DE DRENAGEM .

NECESSIDADE DE DRENAGEM .

NECESSIDADE DE DRENAGEM .

Profundidades freáticas usuais Culturas Profundidade (cm) Pastagens: Solos de textura fina 60 – 80 Hortaliças 50 – 80 Cultivos extensivos 90 -120 Pomares 150 -250 .

Profundidade freática X Produtividade .

" Uma profundidade excessiva do lençol freático pode provocar déficit hídrico . Profundidade freática X Produtividade ÁREAS SITUADAS EM REGIÕES ÚMIDAS E SEMI-ÚMIDAS " As necessidades hídricas das plantas podem ser atendidas parcial ou totalmente pela ascensão do L.F.

quanto mais profundo estiver o lençol freático. melhor. . Profundidade freática X Produtividade ÁREAS SITUADAS EM REGIÕES ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS " A ascensão capilar deve ser minimizada para evitar a salinização na zona radicular via água subterrânea. " Desde que economicamente viável.

. aquela que maximiza a relação benefício/custo 2. Profundidade freática X Produtividade 1.Para se chegar à profundidade ótima do lençol freático há. necessidade de se quantificar a queda de produção decorrente de diferentes profundidades do lençol freático. mas sim. portanto. A profundidade a qual um solo deve ser drenado não é aquela que resulta em máxima produtividade da cultura.

disperso e poroso. . heterogêneo. sob o ponto de vista da agricultura. trifásico. EFEITOS DA DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM SOBRE AS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO Todas as características físicas do solo afetem de algum modo o processo de escoamento de água deste solo O solo. deve ser visto e tratado como um sistema complexo.

EFEITOS DA DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM SOBRE AS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO As fases ordinariamente presentes no solo são: Fase sólida Fase Fase gasosa líquida Fase líquida Fase gasosa M.O. Fase sólida .

em irrigação e drenagem. objetiva ao equilíbrio das fases líquida.EFEITOS DA DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM SOBRE AS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO F a se F as e g a so s a líq u id a Heterogênio Trifásico Disperso M . gasosa e espaço poroso do solo.O. Poroso F as e só lid a Todo esforço tecnológico que se desenvolve. .

EFEITOS DA DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM SOBRE AS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO As proporções relativas das três fases. variam continuamente e dependem de variáveis como tempo. . vegetação e manejo " Se a parte líquida passa a ocupar toda (quase) a parte do espaço poroso: problema de arejamento " Se o desequilíbrio é no sentido de favorecer a parte gasosa: problema de déficit hídrico. no solo.

AERAÇÃO x DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM Aeração é o processo pelo qual gases consumidos ou produzidos dentro do perfil do solo são permutados pelos gases da atmosfera. A maioria das culturas dependem do transporte de O2 e CO2 através dos poros do solo (exceção para o arroz) Portanto. prejudicando a troca de O2 e CO2 do solo para a atmosfera. o movimento dos gases pode ser afetado pela deficiência de drenagem. essenciais para o desenvolvimento das plantas .EFEITOS DA DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM SOBRE AS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO 1. consequentemente.

TEXTURA x DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM Áreas com problemas de drenagem tendem a apresen-tarem predominância de silte e argila. ESTRUTURA x DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM O efeito cimentante das partículas (materiais orgânicos e inorgânicos) são alterados em solos com problemas de drenagem. baixa densidade de raízes . em razão da salinização. em proporções antes não existentes 3. compactação causada pelo tráfego de máquinas e.EFEITOS DA DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM SOBRE AS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO 2.

5. TEMPERATURA x DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM A condutividade térmica nos solos úmidos é maior do que nos secos. EFEITOS DA DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM SOBRE AS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO 4. o aquecimento superficial durante o dia se redistribui durante a noite e a maior evaporação junto a superfície contribui para o resfriamento . mais calorias são necessárias para aquece-lo. PERMEABILIDADE x DEFICIÊNCIA DE DRENAGEM Todos os fatores que afetam a estrutura têm efeitos sobre a permeabilidade. Em solos encharcados a atividade microbiana é reduzida e resulta numa baixa permeabilidade. quanto maior o teor de umidade.

embora esta seja estritamente relacionada à textura. . CARACTERÍSTICAS DO SOLO RELACIONADAS COM A DRENAGEM POROSIDADE Volume total de poros pelo volume do solo VAR VÁGUA #" VAR Vol ÁGUA VSÓLIDOS A estrutura do solo exerce grande influência quantitativa e qualitativa sobre a porosidade.

cheios de ar quando o teor volumétrico da água no solo cai de saturado.CARACTERÍSTICAS DO SOLO RELACIONADAS COM A DRENAGEM MACROPOROSIDADE Volume de poros drenável. para um teor de umidade em equilíbrio com a sucção de 60 a 100 cca. . isto é. porosidade efetiva ou porosidade não capilar ( ) Volume de poros drenados.

relacionada à sua drenagem .CARACTERÍSTICAS DO SOLO RELACIONADAS COM A DRENAGEM CONDUTIVIDADE HIDRÁULICA A condutividade hidráulica caracteriza os meios porosos em permeáveis ou condutivos (baixa resistência à passagem da água) e pouco permeáveis (alta resistência) É a propriedade mais importante do solo.

como o valor do quociente entre o fluxo de água neste solo e o respectivo gradiente hidráulico q q " % k Grad $ k "% Grad $ . sob determinado conteúdo de água.CARACTERÍSTICAS DO SOLO RELACIONADAS COM A DRENAGEM CONDUTIVIDADE HIDRÁULICA Caracteriza-se a Condutividade Hidráulica de um solo.

MÉTODOS E SISTEMAS DE DRENAGEM MÉTODOS DE DRENAGEM 1. Drenagem de Superfície 2. Drenagem do solo ou Subterrânea .

os trabalhos de drenagem de superfície se confundem com os de conservação do solo. . assim problemas de arejamento conseqüente da empoçamento da água na superfície do terreno. evitando. MÉTODOS E SISTEMAS DE DRENAGEM DRENAGEM DE SUPERFÍCIE – Finalidade A drenagem de superfície tem por finalidade remover o excesso de água da superfície do solo. Em áreas declivosas.

a drenagem superficial consiste em: a) Sistematização da superfície do terreno Redução de depressões causadoras de empoçamentos. b)Construção de uma rede de canais Coleta e transporte do excesso de água para fora da área Em determinadas situações.Finalidade Em área planas ou fundo de vales. também. MÉTODOS E SISTEMAS DE DRENAGEM DRENAGEM DE SUPERFÍCIE . torna-se necessário. uma drenagem do curso de água para aumentar o gradiente hidráulico da rede de canais condutores .

permitindo um desenvolvimento normal das culturas . MÉTODOS E SISTEMAS DE DRENAGEM DRENAGEM DO SOLO OU SUBTERRÂNEA Eliminação do excesso de água no perfil do solo e exercer um certo controle sobre a profundidade do lençol freático.

Drenagem do Solo .

dentro do sistema. laterais ou primários 2. os drenos são classificados em: 1. Dreno principal . SISTEMAS DE DRENAGEM Um sistema de Drenagem consiste em uma estrutura de diferentes categorias de drenos que são colocados na área problema de acordo com as condições locais Dependendo da função precípua que exercem. Drenos coletores 3. Drenos de campo.

SISTEMAS DE DRENAGEM Drenos Coletores Drenos Laterais Drenos Laterais Drenos Laterais Dreno Principal Esquema de um sistema de drenagem com as categorias de drenos .

SISTEMAS DE DRENAGEM

DRENOS LATERAIS
Dispostos paralelamente entre si, têm com função
absorver a água contida nos macroporos do solo,
exercendo,d este modo, o controle da profundidade do
lençol freático

DRENOS COLETORES
Coletam a água proveniente dos drenos laterais (ou,
drenos de campo, drenos primários)

SISTEMAS DE DRENAGEM
DRENO PRINCIPAL
Recebe a água dos drenos coletores, transportando-a
para fora da área do projeto; dependendo do tamanho da
área, podem ser necessários dois ou mais drenos
principais

DRENO INTERCEPTOR
Quando se identifica a ocorrência tanto de escoamento
superficial como sub-superficial das áreas mais altas para
as baixas, há necessidade de construir um dreno na
interseção do plano da várzea (“dreno interceptor” ou
“dreno de encosta”)

SISTEMAS DE DRENAGEM

D
re
no c o
le tor
D re
no
la tera
l

SISTEMAS DE DRENAGEM .

SISTEMAS DE DRENAGEM .

SISTEMAS DE DRENAGEM .

SISTEMAS DE DRENAGEM D re no prin c ip a l .

SISTEMAS DE DRENAGEM Saída de água do canal principal para o rio por sistema de comporta .

SISTEMAS DE DRENAGEM Encosta Várzea Dr e no in terc ept o r Construído com a finalidade de recolher o escoamento de água superficial e subsuperficial. das áreas mais altas para as mais baixas. .

SISTEMAS DE DRENAGEM Os sistemas de drenagem subterrânea podem ser agrupados em: 1. Sistema fechado 3. Sistema aberto 2. Sistema semi-aberto .

SISTEMAS DE DRENAGEM SISTEMA ABERTO: Toda a rede de drenos é construída em valas Vantagens: Baixo custo Visualização direta do desempenho Exerce função de drenagem superficial Desvantagens: Perda de área de plantio Maior exigência de manutenção (desbarrancamento. vegetação) Dificuldade para o tráfego de máquinas e implementos . assoreamento.

SISTEMAS DE DRENAGEM Sistema aberto .

SISTEMAS DE DRENAGEM SISTEMA FECHADO: Toda a rede de drenos é construída tubos de drenos fechados e enterrados Vantagens: Aproveitamento de toda a área Desvantagens: Elevado custo Difícil manutenção .

SISTEMAS DE DRENAGEM SISTEMA SEMI-ABERTO: Os drenos laterais são de perímetro fechado e os drenos coletores e principal são abertos É o sistema que melhor se adapta à maioria das condições e situações de necessidade de drenagem .

SISTEMAS DE DRENAGEM Sistema semi-aberto .

a água encontra-se Ha estagnada: o potencial hidráulico em qualquer ponto é o mesmo (Ha) e o gradiente é zero Referência .A Nesta condição. Superfície N. MOVIMENTO DE ÁGUA PARA OS DRENOS Drenos são estruturas construídas com a finalidade de abaixar o potencial da água do solo.

drenos Hb Linhas de corrente Cria-se. após a ação dos de Ha para Hb. mostrado pelas linhas de corrente. ao longo dos drenos. resultando no abaixamento do nível freático . um gradiente de potencial responsável pelo escoamento da água para os drenos. MOVIMENTO DE ÁGUA PARA OS DRENOS Esta situação mostra a ação dos drenos ao abaixar o potencial da água no solo L.F. portanto.

MOVIMENTO DE ÁGUA PARA OS DRENOS .

MOVIMENTO DE ÁGUA PARA OS DRENOS .

MOVIMENTO DE ÁGUA PARA OS DRENOS Superfície do solo Lençol freático HA HB Plano de referência Posição do lençol freático antes. A e após o assentamento dos drenos B .

PROFUNDIDADE E ESPAÇAMENTO DOS DRENOS Pr P L .

ou seja. b) Nas características das plantas c) Critério de Drenagem . para estabelecer a relação entre espaçamento e a profundidade dos drenos A relação espaçamento x profundidade baseia-se: a) Características hidrod. PROFUNDIDADE E ESPAÇAMENTO DOS DRENOS Fórmulas ou Teorias de Drenagem As fórmulas de drenagem são empregadas para dimensionar os sistemas de drenagem. e geométricas do perfil do solo.

PROFUNDIDADE E ESPAÇAMENTO DOS DRENOS Fórmulas ou Teorias de Drenagem As fórmulas de drenagem são agrupadas nos seguintes regimes de recarga: a) Regime de escoamento permanente b) Regime escoamento variável .

supõem-se que o lençol freático encontra-se estabilizado no tempo e no espaço A quantidade de água que chega ao sistema (Recarga) é igual a quantidade de água que é eliminada pelo sistema de drenagem (Descarga) Esta situação corresponde a precipitações de intensidade constante e longa duração . PROFUNDIDADE E ESPAÇAMENTO DOS DRENOS Regime de escoamento permanente Nas fórmulas de regime permanente.

F. o lençol freático eleva-se a certa altura. em relação ao seu nível inicial. supõe-se que em conseqüência de uma chuva ou de uma irrigação. e depois de cessada a chuva ou a irrigação. . ele começa a descer Período seco Período de chuvas Velocidade de queda do L. PROFUNDIDADE E ESPAÇAMENTO DOS DRENOS Regime de escoamento variável Nas fórmulas de regime variável.

PROFUNDIDADE E ESPAÇAMENTO DOS DRENOS

FÓRMULAS UTILIZADAS PARA
DIMENSIONAMENTO
(Regime permanente)

Equação da elipse ou de Donnan
Equação de Houghoudt
Equação de Ernest
Equação de Kirkham
Equação de Glover-Dun

PROFUNDIDADE E ESPACAMENTO DOS DRENOS

FÓRMULA DE DONNAN

Pressupostos:
1. O solo é homogêneo e de condutividade hidráulica Ko os
drenos são paralelos e espaçados entre si
2. Há um camada impermeável à uma profundidade vertical
“D”, abaixo dos drenos
3. Recarga do lençol freático, isto é, a percolação “R” é
constante
4. O gradiente hidráulico em qualquer ponto na região do
escoamento, saturada, é dy/dx

PROFUNDIDADE E ESPAÇAMENTO DOS DRENOS

Pr

P
H
B

L D

P - profundidade dos drenos
Pr - profundidade das raízes
H - altura máxima do L.F. em relação ao fundo dos drenos
D - espessura do extrato (fundo dos drenos e a camada impermeável)
B – distância entre a altura do L.F. e a camada impermeável

Condições de contorno para a Equação de Donnan .

EQUAÇÃO DE DONNAN Pr P H B L D 2 L $ 2 4 K0 B # D 2 " R .

m/dia B – distância do L. m R– recarga ou quantidade de água a drenar. EQUAÇÃO DE DONNAN L2 $ 4 K 0 B 2 # D 2 " R em que. m D – distância da superfície da água até a camada impermeável. ao ponto médio dos drenos. L – espaçamento entre os drenos. m Ko – condutividade hidráulica saturada. m/dia .F.

EQUAÇÃO DE DONNAN Com os drenos sobre a camada 4 K0 B 2 impermeável. a equação de 2 L $ Donnan reduz-se a: R Pr H=B P L .

F. .8m e a condutividade hidráulica do solo é 0.8 m/dia. O sistema deve ser delineado de tal forma que. em 1. com uma recarga do excesso de água de irrigação que aumenta o L.5m da superfície do solo.8m.0 mm/dia. EQUAÇÃO DE DONNAN EXEMPLO DE APLICAÇÃO Uma área irrigada tem que ser drenada a uma profundidade de 1. A profundidade da camada impermeável é de 6. o nível não seja inferior a 1.

EQUAÇÃO DE DONNAN EXEMPLO DE APLICAÇÃO Pr P H B D L P = 1.5m.8) = 5. B = ? (6.0mm/dia = 0.3m K = 0.8 – 1.0m R = 1.8 – 1.8m/dia D = ? (6.30m Pr = 1.8–P) = (6.001m/dia . H = ? (P–Pr) = (1.8–Pr) = (6.5) = 5.8m.8 – 1.5) = 0.

EQUAÇÃO DE DONNAN EXEMPLO DE APLICAÇÃO Pr=1.3 P=1.001 L = 100. 0 " 2 $ 9888 L = 99. 3 2 # 5 .5 H=0.8 6.0 m .4 m 0.0 L2 $ 4 0 .8 5 .3 L D=5.8 B=5.

MATERIAL DE DRENAGEM Manilhas de Barro .

Dreno de PVC Corrugado .

Revestimentos de Tubos de Drenagem .

Teste de Compressão em Tubos Corrugados de PVC .

Detalhe de Tubo de PVC Corrugado com Revestimento .

Dreno subsolador Torpedo .

Drenos de Bambu .

Manutenção do Dreno com injeção de Água sob Pressão .

INSTALAÇÃO DE DRENOS .

INSTALAÇÃO DE DRENOS .

INSTALAÇÃO DE DRENOS .

525p. Madrid. . A Drenagem da Agricultura. 2760. Drenagem de Terras Agrícolas: bases agronômicas. 1980. 1978.BIBLIOGRAFIA CONSULTADA E RECOMENDADA CRUCIANI. 1978. PIZARRO. Editora Nobel. 333p. MILLAR.A. Drenagem. D. McGraw-Hill do Brasil.Curso de Especialização por Tutoria à Distância: Módulo 11. In: ABEAS . P. Brasília 86p. São Paulo. A.A. Drenaje Agricola y Recuperación de Suelos Salinos. F. FERREIRA. São Paulo.