You are on page 1of 15

HINDUÍSMO

Osman Valdés Pinto
Colégio Estadual Dom Pedro II e
Colégio Estadual Aline Picheth (Município de Curitiba– NREC)
osmanvaldes@hotmail.com

Conteúdo Básico:Organizações Religiosas

Conteúdo específico: Hinduísmo ( Sanatana Dharma )

Objetivo (s): Explicitar a complexa estrutura do Hinduísmo de forma didática, com a
utilização de 18 slides.

Tempo estimado para apresentação: 30min.

Desenvolvimento/Metodologia: A prática relatada a seguir refere-se à prática
adquirida pelo aprendizado com devotos indianos e brasileiros. Procuro repassar
algo dessa experiência para os meus alunos e companheiros de trabalho.

Texto anexado:

Estrutura e Essência do Hinduísmo

(Prof. Osman Valdés Pinto )

Nota do prof. : a aula está estruturada conforme a sequência de slides numerados
abaixo, alguns destes estão ilustrando, sob a forma de recorte, o texto
correspondente. Os slides estão sendo enviados em anexo.

Slid-1 Lord Ganesha

Slid-2 Estrutura e Essência do Hinduísmo

Slid-3 Vale do Rio Indo

Slid-4 Origem da Trimurthi

Slid-5 Trimurthi

II JOINTH, 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. PÁG. 134 a 149

20 E21 DE AGOSTO DE 2012. XII do Bagavad-Gita Slid-18 Haribol – Radha e Krishna 01-Lord Ganesha 02-Estrutura e Essência do Hinduísmo O Hinduísmo é a terceira maior religião do mundo. II JOINTH. PÁG.Slid-6 Os Dez Avatares e Sucessão Discipular Slid-7 Obras Védicas Slid-8 Seis Darsanas (escolas filosóficas) Slid-9 Jnanendriyas e Karmêndryas Slid-10 Hierarquia Vertical Slid-11 As Etapas da Yoga Slid-12 Os Sete Chakras Principais Slid-13 Correspondências Gunas e Varnas Slid-14 Asramas (etapas) Slid-15 Atitudes para Elevação da Consciência Slid-16 Cap. XI do Bagavad-Gita Slid-17 Cap. a religião mais antiga e é conhecida como a religião eterna: sanatana dharma. com mais de 800 milhões de adeptos. 134 a 149 . provavelmente. é.

Samsara. Paramatma é o Ser Supremo. Karma – é ação. isto é. Samsara é o mundo instável. Madhava. É o nome que se atribui à roda sempre girante das reencarnações impostas.Samsara – é aquilo que incessantemente se transforma. como que uma ilusão sobre a face do Real. dever virtude. também na terminologia budista. podendo ser nesta ou em uma encarnação por vir. a realidade. o universo. Deus encontra-se no interior e exterior de todos os seres e está ao mesmo tempo próximo e distante. Deus é o Ser supremo e onisciente. germinarão defeitos que nos alcançarão. Brahman é Uno. o Pai de Cristo. temos inúmeros efeitos ainda em forma germinal.. Deus é fulgurnte como o sol que brilha sobre as trevas. palco dos nascimentos e mortes. Chama-se “lei do karma” aquela que faz com que a cada ação (karma) corresponde um definido efeito. a hora da ventura ou desventura sobrevirá no futuro. É a substância de todo o universo. que se expressa como ex-istência. a roda das reencarnações. que é o Criador do Universo.Karma também pode ser entendido como “os méritos e deméritos resultantes do agir anterior”. A letra “n”. preenchendo e envolvendo todo o universo. Brahman não apenas ex-iste. “programando” nosso futuro. faz enorme diferença. aguardando a hora da maturação que virá. A ação boa gera ventura. dirigindo-a para o bem ou para o mal. lançando sementes. isto é. Mas Brahma. Deus sustém o universo. Karma e Moksha: Brahman – significa imensidão. O agente da ação não escapa aos efeitos que. onde reinam o surgir e o sumir. tais como Brahman. Deus em nós.. O multifário é ex-istência. Samsara é uma “sobreimposição” Àquilo que sempre É (Brahman). no porvir. Agora mesmo estamos padecendo ou gozando efeitos de causas que geramos com o nosso passado agir (karma). É o Ser. portanto podemos “programar” o futuro que infalivelmente será nosso. o nascer e o morrer. eterno e soberano. etc. Sobre a ação de agora. possui forma como também não a possui. Atma. apenas é uma existência. Embora o efeito já esteja na própria ação. PÁG. Em Sua sutileza extrema é imperceptível. vastidão ilimitada. O Hinduísmo é tão vasto em conteúdo que possui centenas de conceitos importantes. no final. Agora mesmo. Samsara é o mundo cambiante. Agora mesmo. Brahman. Ex-istência é aquilo que está fora (ex) d’Aquilo que É – a Essência. pois. Sua forma é inconcebível. Madhava – Deus. podemos optar. é o Ser universal em que tudo Nele vive. 134 a 149 . e dharma. II JOINTH. que. isto é. sendo infinito. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. também estamos agindo. O que não muda é Brahman. retidão. como “programação” no “corpo causal” em plano invisível. na causa. É a Essência. Atma – é o ser que somos. e este é multifário e ex-istente. mas É. com ela gerou.

ao mesmo tempo que é considerado o devoto mais puro de Krishna.C.Este último também é conhecido como o deus destruidor. Paquistão) e somente a pouco tempo passou a ser usado pelos indianos. cuja unidade é Krishna. ou seja. Para alguns historiadores o Hinduísmo tem sua origem a mais de 2500 a. 134 a 149 . portanto. crenças e práticas religiosas que tem origem nas antigas escrituras e civilizações védicas por volta de 1600 a. PÁG. o criador. II JOINTH. mas por amor. Este conceito é útil para facilitar uma compreensão lógica das idéias. Para os vários universos existem Senhores Brahmas diferentes. Através das sagradas palavras registradas nas escrituras pode ser orientado o conhecimento humano.Moksha – libertação dos ciclos reencarnatórios. libertação da “roda-dos. 3 .Trimurth Krishna emana de Sua personalidade três formas pessoais. escape às encarnações compulsórias. é Sri Vishnu.renascimentos”. não corresponde. e deste modo o conhecimento verdadeiro pode ser transmitido do mestre para o discípulo de modo fidedigno. este termo nomeia apenas um conjunto de tradições. 03-Vale do Rio Indo Cidades: Harappa e Mohenjo-Daro O termo Hinduísmo deriva de Indo ( rio sagrado que passa pelo vale do Indo. que significa sucessão discipular. assim como um colar de pérolas é perpassado por um fio que os une. libertação de samsara. E também é importante o conceito de PARAMPARA. 2 . 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. 04-Origem da Trimurth 05. O criador do Universo material é denominado Sri Brahma e o transformador do universo material é denominado Sri Shiva. porque inicia no Todo que se desdobra em partes. ensina aos humanos o caminho que conduz o pensamento relativo à consciência do absoluto. O mantenedor ou preservador dos Universos visíveis e invisíveis é denominado Sri Vishnu. a uma única religião. Para os Vaishnavas o centro da trimurthi ( divina trindade indiana). O Deus Supremo emana toda a criação de si mesmo.C. que são também princípios cósmicos e aspectos do mesmo ser primordial: 1. o transformador.o mantenedor.

Madhva 24. Gaurakishora  12. Bhaktivedanta Narayana Maharaja  ( irmão espiritual de Bhaktivedanta 14. Esta não é diferente Dele mesmo. Krishnadas  6º Parasurama (Rama com machado) 7. Krishna é considerado o próprio Deus absoluto personificado. entre as quais: o Brahmanismo. ou Lei Eterna). Algumas religiões surgiram na Índia em decorrência da trimurthi.Jnanasindhu 30. personificada através de sua eterna amante e consorte Sri Radha.Rajendra Swami Prabhupada)  15.Vyasa 23. 134 a 149 .Purusottama  17.Narada 22. Jiva  5º Vamana ( Anão ) 6. Os Dez Avatares e Sucessão Discipular  Os Dez Avatares  1. o mais importante avatar para os hinduístas e também o mestre de todos os mestres.Vyasa Tirtha  19.Jaya Tirtha 29. Raghunatha.Brahma 21.Vidyanidhi 32. Madhavendra  1º Matsya ( Peixe) 2. por sua vez. o Shivaísmo e o Vaishnavismo. Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna ( Movimento Hare Krishna). Krishna é considerado o mais importante por ser o avatar mais completo. o nome Krishna é o mais reverenciado. Sri Radha é a Sua manifestação feminina.Padmanabha 25. Iswara Puri  2º Kurma ( Tartaruga ) 3. Os avatares podem ser classificados segundo critérios estabelecidos pela sabedoria sagrada.Jayadharma 33. Sri Chaitanya  3º Varaha ( Javali ) 4. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. 06-Os Dez Avatares e Sucessão Discipular Sucessão discipular ( 0 Parampara ) O primeiro na sucessão discipular é Sri Krishna. Bhaktisiddhanta  13.Dayanidhi 31. Avatar é a encarnação de Deus. Sociedade Satya Sai Baba ( Satya Sai Baba é considerado uma encarnação de Shiva ) e a ISKON. segundo a importância atribuída aos vários aspectos da Trimurthi.Aksobhya 28.Brahmanya Tirtha  18. PÁG.Laksmipati II JOINTH. o qual desce à forma humana a fim de restaurar a justiça ( o Sanathana Dharma. Bhaktivinoda Thakur  10º Avatar Kalki 11. Deste modo são constituídas as hierarquias que conduzem à pessoa absoluta que é o próprio Krishna. (Baladeva) Jaganatha  9º Buda 10. Este. nunca desiste de procurar eternamente por sua felicidade e auto-realização. Viswanatha  8º Krishna 9.Sri Krishna 20.Madhava 27. não havendo diferença entre Krishna e o seu nome. Sanatana)  4º Narasimha ( Homem-Leão ) 5. atualmente. Rupa (Swarupa. Narottama  7º Rama 8. Atualmente podemos citar alguns movimentos religiosos importantes: Brahma Kumaris. Entre as centenas de nomes de Deus aceitas pela tradição indiana. ?????????????????????  16.Nrihari 26.

Isto está confirmado no capítulo XII do Livro Bhagavad-Gita . a que determina como objetivo supremo o amor incondicional e o serviço devocional ao Deus Supremo é considerada a prática mais elevada ).sacerdote hotr (oblações e invocações)  Samaveda (cânticos) . Esta é a principal obra dos Puranas.07-Obras Védicas Obras Védicas (textos sruti)   Rgveda (hinos aos deuses) . entre dissidentes de uma mesma dinastia que governava o mundo em sua época: a dinastia dos Kúrus. Este livro é a essência do épico Mahabharata. Este Épico descreve a luta entre o bem e o mal. PÁG. sendo que o Srimad-Bhagavatam tem 18 mil versos O serviço devocional amoroso é considerado pelo próprio Krishna a essência da yoga ( entre os vários métodos para a prática da yoga. que significa Canção do Senhor. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. 134 a 149 . ou seja. II JOINTH. O número total de todos os Puranas é de 400 mil versos.sacerdote udgatr (transcreve os conteúdos)  Yajurveda (rituais e sacrifícios) – sacerdote adhvaryu (mestre de cerimônias. usa fórmulas sacrificiais)  Atharvaveda (hinos e técnicas mágicas) – sacerdote brâmane (inspeciona os sacerdotes e recita os versos)  Upanixades ( ouvidas)  (textos smrti): MAHABHARATA E RAMAYANA (Épicos) O relacionamento amoroso da golpi chamada Radharani e Krishna é descrito nos poemas do livro Srimad-Bhagavatam.

uma devota pura de Krishna). Normalmente. Porém. Também promete não comer carne. enquanto que o mal está associado aos materialistas . Assim era a dinastia Lunar dos Kauravas. responsabilizando-se pelo mesmo e assumindo seu Karma. É deste modo que os brâmanes Vaishnavas conduzem suas cerimônias atualmente. o sacerdote brâmane derrama manteiga clarificada ou ghi sobre o fogo para alimentar suas chamas. cenário dos eventos descritos no Bagavad-Gita. à primeira iniciação ( quando o adolescente ou adulto é apresentado ao seu guru brâmane). cujos valores são espirituais. o adhvaryu e o beneficiário limitam-se a oferecer leite a Agni (Fogo). inteligente. que datam mais ou menos de 1000 a. Para o historiador Mircea Eliade. 134 a 149 . durante a Batalha de Kurukshetra. enquanto que o iniciado promete não praticar jogos de azar e sexo ilícito. Osman: atualmente. Isto acontece quando os humanos se tornam escravos do psiquismo e dos desejos fomentados pela mente iludida. A segunda iniciação acontece quando o guru aceita o seu discípulo. O bem está associado aos seguidores dos princípios sagrados que ensinam a prática correta de todas as virtudes. ave e ovos.C Os quatro sacerdotes védicos. bem como não se intoxicar. nem peixe. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. Nota do Prof. ao casamento e ao desaparecimento ou morte. que começa com o acendimento cerimonial dos três fogos sobre o altar que simboliza o cosmo e termina com o sacrifício( yajna). as quatro coletâneas ( samhitas) dos Vedas. nesta cerimônia são feitas “consagrações” referentes ao nascimento. No agnihotra. da qual tudo provém : Deus). justa e eterna. O seu devoto Arjuna (guerreiro líder dos Pândavas) teve o privilégio de conhecê-lo sob estas duas formas. cercados de assistentes. ( A deusa responsável por esta ilusão é conhecida como Maya. a dinastia Solar dos Pândavas . Estes baseavam-se na falsa realidade produzida pelos fenômenos visíveis desligados pela ignorância e esquecimento de sua fonte invisível. PÁG. iludidos pelos prazeres transitórios consequentes do desfrute descontrolado dos cinco sentidos. mostra-se apenas para quem Ele quer e quando quer. II JOINTH. durante a cerimônia de fogo. têm a função de executar perfeita e minunciosamente o ritual. a oferenda ao fogo. Krishna tanto pode se manifestar sob Suas formas particulares como através de Sua forma universal.

até 500 d. classificaremos suas principais escolas filosóficas detalhando alguns de seus aspectos. Para conhecer o hinduísmo é indispensável também conhecer o épico Ramayana de Valmiki. A narrativa conta a história de Rama ( Avatar de Vishnu anterior à Krishna).C. existem outras de grande importância para o entendimento do Hinduísmo. Mais próximos do smarta(tradição) estão o samkya e a yoga. Para facilitar a compreensão da complexidade do que seja o Hinduísmo. Nessa época são definidos os seis darsanas (“opiniões”) ou escolas filosóficas tradicionais. o demônio Rávana 08-Seis Darsanas (escolas filosóficas) Seis Darsanas ( Escolas filosóficas – após Upanisads)  Três pares mimansa/vedanta .o reino de seu raptor. ou a ordenação dos conceitos fundamentais ainda vigentes hoje em dia. que. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. ocorreu depois do fim do período dos Upanisads. II JOINTH. ( ÚLTIMA) nyaya/vaisesika LÓGICA/COSMOLOGIA ATOMISTA samkhya/yoga PRÓXIMOS DA TRADIÇÃO VÉDICA Samkhya: filosofias gnósticas e neoplatônicas Além das obras já citadas. A síntese hinduísta. PÁG. C. de 500 a. 134 a 149 . liberta sua mulher Sita de Lanka. com a ajuda do deus-macaco Hanuman.

é uma filosofia “emanacionista” cujos 24 princípios (tattvas) formam uma hierarquia vertical desde o par primordial Purusa/Prakrti até as cinco qualidades materiais (tanmatras) e os elementos (bhutas).O sistema Samkhya é a variante hindu do que os estudiosos chamaram “esquema alexandrino”. 134 a 149 . cujo aparecimento é impossível datar com precisão. parcialmente ilusório. Através dos princípios circulam três “estados” (gunas) de todas as coisas. Nosso interior foi fabricado antes do nosso exterior. PÁG. que dele depende. II JOINTH. condutos do conhecimento) Karmendryas (os 5 órgãos da ação)  Visão Fala  Audição Manipulação  Olfato Locomoção  Paladar Excreção  Tato Geração Os cinco órgãos dos sentidos (jnanendriyas) vêm com os cinco órgãos da ação (Karmendriyas) e as projeções materiais (tanmatras) que formam o mundo. 09-Jnanendriyas e Karmêndryas Jnanendriyas (os 5 sentidos. O primeiro. provém de um descenso de princípios que se vão distanciando cada vez mais das essências situadas no alto. que culminará nas filosofias gnósticas e neoplatônicas: o mundo visível. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012.

20 E21 DE AGOSTO DE 2012. Água. combinadas) SÃO AS PROJEÇÕES MATERIAIS  Bhutas (os elementos): Éter. Ar. PÁG. 134 a 149 .10-Hierarquia Vertical Hierarquia vertical desde o par primordial Purusa(espírito)/Prakrti (matéria)   Tanmatras (cinco qualidades materiais. Fogo. Terra Éter Ar Fogo Água Terra 11-As Etapas da Yoga As etapas da Yoga (Astangas) Contemplação  Unitiva •Samadhi meditação •Dhyana concentração •Dharana interiorização •Pratyahara técnicas de respiração •Pranayamas posturas corporais •Àsanas observância •Niyama abstinência •Yama II JOINTH.

“roda”) basal (muladhara) e fazê-la subir através dos outros chacras até o “lótos de mil pétalas” (sahasrara) da abóbada craniana. para despertar a formidável energia serpentina kundalini enrodilhada no centro (chacra. 12-Os Sete Chakras Principais Os sete chakras principais   Chakra Coronário Sahastrara 960+12  Chakra Frontal Ajna 96  Chakra Laríngeo Vishuddhi 16  Chakra Cardíaco Anahata 12  Chakra Plexo Solar Manipura 10  Chakra Baço Swadisthana 6  Chakra Básico Muladhara 4 As técnicas corporais da yoga têm o objetivo de canalizar corretamente as energias (pranas) a fim de que estas circulem em certo rítmo pelos canais principais (nádis) do organismo sutil. 134 a 149 .V d.ao séc. II a.). PÁG. que permitem ao praticante subir de volta a escada da descida dos princípios. C. codificadas pela primeira vez por Patanjali em época desconhecida (Yogasutra. 06. A yoga é um conjunto de técnicas.Clariaudiência 04.C.Continuidade da consciência.Clarividência 05. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. 07.Compreensão das vibrações astrais II JOINTH. do séc. Completa e aperfeiçoa as faculdades.

Vitaliza os órgãos sexuais e sangue. PÁG. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. Pineal.: Glândulas na cabeça: Hipófise ( pituitária ).Purificação do sangue 01-Kundalini ( fogo serpentino ). AÇÃO) Vaisyas •Modo da Tamas Ignorância (ESCURIDÃO Sudras INÉRCIA) Gunas Castas ( três “estados” de todas as coisas) ( Sistema de organização social) II JOINTH. Sua energia emana do sol e é diferente do Prana (energia vital). é o único elo direto entre o corpo físico e os planos superiores. Obs. é a ponte de comunicação direta com o plano mental inferior.03. 02. Ver símbolo da medicina. 13-Correspondências Gunas e Varnas Correspondência entre Gunas e Varnas e Castas  Brâmanas Sattva • Modo da Bondade (CLARIDADE. 134 a 149 . Função: vai a cada centro e vivifica-o. LEVESA) Satryas •Modo da Paixão Rajas (EMOÇÃO. vitaliza o corpo astral. Viagens astrais.Sensibilidade às influências astrais.

fazendo de Deus a meta suprema Ser igual para amigos e inimigos. Meditação Ocupação no cultivo de conhecimento verdadeiro II JOINTH. 14. sempre livre de contaminações Fixar a mente em Deus Seguir os princípios regulativos da bakti-yoga Trabalhar para Deus Renúncia aos resultados da ação. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. PÁG. 134 a 149 . Situando-se no Eu. 12 Bhagavad-Gita  Ocupação completa com fé no serviço devocional.Asramas (etapas) Asramas ( Etapas)  Sannyasi Vanaprastha Grihastha Brahmacharya 15-Atitudes para Elevação da Consciência Atitudes Para a Elevação da Consciência Cap.

fazendo de Mim a meta suprema. • Aquele que é igual para os amigos e inimigos. e que renuncia tanto às coisas auspiciosas como às inauspiciosas. PÁG.Aquele que não é invejoso mas que é um amigo bondoso para todas as entidades vivas. e que em todos os seus esforços renuncia ao fruto por completo. que nem se lamenta nem deseja. que é equânime na honra e na desonra. bem como tudo que você possa desejar no futuro. e agora minha ilusão se dissipou. • Aquele que não se aferra nem ao prazer nem à dor. eu ainda desejo ver como Você entrou nesta manifestação cósmica. este Eu universal. ó filho de Prtha. é muito querido para Mim. olhe agora Minhas opulências. eu ouvi Você falar detalhadamente sobre o aparecimento e desaparecimento de todas as entidades vivas. na fama e na infâmia. XII do Bagavad-Gita (2 min) • Cap. embora veja aqui diante de mim a sua posição verdadeira. o Senhor de todo o poder místico. a Personalidade de Deus. Eu lhe dou olhos divinos com os quais você pode ver Minha opulência mística. que está livre do falso ego e é equânime tanto na felicidade como no sofrimento. esse devoto Me é muito querido. exibiu Sua forma universal para Arjuna. multicoloridas como o mar. muito querido para Mim. desprovido de todo temor e ansiedade. II JOINTH. Por isso. Eis aqui as muitas coisas que ninguém jamais viu ou ouviu antes. • Sanjaya disse: Ó Rei. Eu quero ver esta Sua forma. livre de toda ansiedade. • O Bem –aventurado Senhor disse: Meu querido Arjuna. • Ó pessoa de olhos de lótus. • Ó maior das personalidades. Tudo era magnífico expandindo-se ilimitadamente. que não se preocupa em ter algum lugar onde viver. e havia muitas essências untadas em Seu corpo. A forma estava decorada com resplandecentes ornamentos divinos e se ornava com muitas vestimentas. como se realiza através de Suas glórias inesgotáveis. no calor e no frio. • Aquele que segue este caminho imperecível do serviço devocional e que se ocupa completamente com fé. • Se Você pensa que sou capaz de ver Sua forma cósmica. por favor. Rudras e todos os semideuses. na felicidade e na tristeza. 17-Cap. que não se considera um proprietário. Isto foi visto por Arjuna. Era totalmente maravilhosa. então mostre-me. Tudo está aqui completamente. • Aquele que não perturba ninguém e a quem ninguém pode perturbar. ó meu Senhor. que está livre da dualidade da felicidade e do sofrimento materiais. esse devoto Me é muito querido. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012. que é puro e experto. Bhaktivedanta Swami Prabhupada): • Arjuna disse: Eu ouvi Suas instruções sobre temas espirituais confidenciais que você tão bondosamente me transmitiu. o Supremo. ó Senhor de todo poder místico. centenas de milhares de formas divinas variadas. Ele estava gloriosamente envolto em guirlandas. C. veja aqui as diferentes manifestações de Adityas. que está sempre livre de contaminação. é muito. • Qualquer coisa que você deseje ver pode ser vista de uma só vez neste corpo. 16-Cap. • O devoto que está livre de toda esperança e afeição materiais. ó forma suprema. XII do Bhagavad-Gita : KRISHNA . Esta forma universal pode mostrar a você tudo que você deseja agora. é muito querido para Mim. XI do Bagavad-Gita (2 min e 30 seg) Cap. 134 a 149 . falando assim. XII do Bhagavad-Gita ( Tradução de A. • Arjuna viu nessa forma universal bocas ilimitadas e olhos ilimitados. sempre silencioso e satisfeito com qualquer coisa. que está fixo em conhecimento e ocupado em serviço devocional. • Ó melhor dos Bharatas. que está sempre satisfeito e ocupado em serviço devocional com determinação e cuja mente e inteligência estão em harmonia comigo – ele é muito querido para Mim. • Mas você não pode Me ver com seus presentes olhos.

8ª Ed. Mircea. Philip.The Theosofical Publishing House. POWELL. Editorial Verbo. São Paulo. Religiões. em português. 1990.2009.Dicionário das Religiões. II JOINTH. 20 E21 DE AGOSTO DE 2012.1994. Zahar Editor. São Paulo. PARTRIDGE. Christopher. Sathya Sai. Referências: BABA. Rio de Janeiro. Rukmini Pati. Ed. PRABHU.18-Haribol – Radha e Krishna Recursos: Powerpoint para projeção de sinopses do texto. BHAKTIVEDANTA Swami. Madras. Martins Fontes. Arthur E. Adyar. Rio de Janeiro. Record: Nova Era. São Paulo. PRABHUPADA. C. Enciclopédia das Novas Religiões.2002. O Gita Resumo e significados. A. Lisboa. Sadhana: O Caminho Interior.2006. The Etheric Double. Madras Editora. 2011. The Bhaktivedanta Book Trust. WIKINSON. ELIADE. 134 a 149 . PÁG. India. O Bhagavad-Gita Como Ele É.