You are on page 1of 4

PADRONIZAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO AQUOSA DE NaOH 0,1 MOL/l E HCl 0,1 MOL/L

 INTRODUÇÃO

Na natureza, raramente encontra-se substância puras. O mundo que rodela é constituído por
sistemas formados por mais de uma substância: as misturas. Ás misturas homogêneas dá-se o
nome de soluções. Logo, pode ser dizer que, soluções são misturadas de duas ou mais
substâncias que apresentam aspecto uniforme. Nos laboratórios, nas indústrias e no dia-a-dia,
as soluções de sólidos em líquidos são as mais comuns. Um exemplo muito conhecido é o soro
fisiológico (água+NaCl). Nesses tipos de soluções, a água é o solvente mais utilizado (Não
importa se na solução existir mais de um solvente. Se a água estiver presente, ela será o
solvente da solução, independente de sua quantidade), sendo conhecida por solvente
universal. Essas soluções são chamadas soluções aquosas.

Neste experimento procedem-se a padronização de uma solução de hidróxido de sódio (NaOH)
0,1 mol/L e HCL 0,1 mol/L. A padronização foi feita por uma solução de ácido clorídrico
utilizando como indicador e fenolftaleína. É fundamental que se saiba a quantidade de produtos
que se pode ser formado a partir de uma determinada quantidade de reagentes, é importante,
também, saber antecipadamente qual a quantidade e reagentes que se deve se utilizado para
se obter uma determinada quantidade de produto.

 OBJETIVOS

1. Estabelecer a padronização de NaOH.

2. Estabelecer a padronização de HCl.

3. Compreender algumas técnicas básicas de padronização de soluções;

 MATERIAIS E REAGENTES

 Materiais:

-Pipeta graduada/ Pipeta volumétrica

-Erlenmeyer 250 ml

-Bureta de 50 ml

-Suporte Universal com garra

 Reagentes

1 mol/L Observação: O Biftalato de Potássio utilizado para a padronização já encontrava-se pronto no laboratório.Na bureta foi colocada 50 ml de NaOH já preparada.Montou-se um esquema de titulação com o suporte universal com garra. ajustou-se o menisco. preparadas nas praticas anteriores de numero 8 e 9. onde não foi preciso realizar a sua preparação. . Anotou o volume gasto na bureta para calcular o fator de correção realizou o mesmo procedimento por mais duas vezes. -Pesou cerca de 800 mg de Biftalato de potássio em triplicata e transferiu casa massa para cada Erlenmeyer de 250 ml. junto com a bureta de 50 ml. assim como as soluções de NaOH e HCl. persistiu por 20 segundos uma leve coloração rósea. -Foi adicionado 3 gotas do indicador de fenolftaleína ao primeiro frasco e titulou até o ponto de viragem. . -Solução NaOH -Solução de HCl -Fenolftaleína -Biftalato de Potássio. dissolveu o biftalato em 50 ml de água destilada quente. Conforme mostra a imagem abaixo: .  METODO -Padronização de uma solução de NaOH 0.

o Biftalato de Potássio já encontrava-se preparado pelo Técnico responsável Tirço L. -Transferiu 15 ml de solução de NaOH 0. Essa quantidade é necessária para equilibrar a reação. o número de mols dos dois é o mesmo.02/V(L) V= 0. 1. O volume de HCl utilizado na bureta é lido m todas as experiências feitas pelos integrantes do grupo.02 L Sabe se assim a quantidade em litros para realizar o experimento. completar o menisco com água desgaseifiada. E a partir da leitura da media das medidas é calculada o fator de correção. no momento em que ela fica neutra foi cortado a adição do ácido. -Adicionou 3 gotas de indicador de fenolftaleína ao primeiro erlenmeyer e titulou até o ponto de virada. Como na reação ocorre o equilíbrio entre as quantidades de NaOH e HCl. ajustou-se o menisco. Onde: Nbif x Vbif = NNaOH x VNaOH . que se somou três vezes. dissolvendo com água desgaseficada e transferindo para um balão volumétrico de 100 ml. assim terminando a reação.1 mol/L padronizado para um erlenmeyer utilizando uma pipeta volumétrica. realizou esta operação em triplicata. Dessa forma é possível calcular o volume de HCl utilizando para originar 0. Almeida e tinha como objetivo realizar a titulação para calcular o fator de correção de ambas soluções. conservar a solução em frasco de polietileno. M = n/V(L) 1= 0.Na bureta foi colocada 50 ml de HCl já preparada. O ácido é adicionado ao Erlenmeyer para equilibrar a reação.02 a partir de 1M do ácido. onde anotou o volume gasto na bureta para calcular o fator de correção. -Padronização de uma solução de HCL 0.  RESULTADOS E DISCUSSÕES Nessa experiência foram utilizada as soluçoes já preparadas nas praticas de numero 8 e 9.1 mol/L . Na introdução da fenolftaleína a solução de NaOH tornou se rósea. NOTA: A solução de 50% de Hidróxido de Sódio é preparada pesando-se 50 gramas de Hidróxido de Sódio.

0885 3º HCl = 0. Assim foram alcançados os objetivos da experiência em ambas padronizações onde o mesmo procedimento foi efeito mais em ordens diferentes sendo Acido adicionado a Base e Base adicionado a acido. e tornou-se rósea.0805 x 23. 2.0805 x 27. v.0781 3º NaOH = 0.9 ml / 25 = 0.0757 Média: 1º+2º+3º/3 =0.0805 x 25. a coloração pode ser claramente observada a partir da adição do indicador de fenolftaleína.100 x 25 ml / 32 ml = 0.0877 2º NaOH= 0.100 x 25 ml/ 28.100 x 25 ml / 33 ml = 0. J. RUSSEL. 1º NaOH= 0. Quimica geral. apresentou resultados esperados.5 ml = 0. são paulo: makron books.0769 2º HCl = 0. 2.0821 N  CONCLUSÃO Podemos concluir neste experimento à fase de neutralização onde a solução de básica foi sendo adicionada na acida ate o ponto de equivalência onde se pode observar a mudança de coloração do composto que era incolor devido a duas gotas de fenolftaleína. . B.  REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICA CHANG.0811 Média= 1º+2º+3º / 3 = 0. ed. São paulo: McGraw-Hill. 2006. quimica geral. Com os resultados pode-se constatar que a padronização das soluções de NaOH e HCL. R.0805 N NNaOH x VNaOH = NHCl x VHCl 1º HCl = 0. resultando nas viragem de incolor para rósea e de rósea para incolor. 1994. 2. v.5 ml / 25 = 0.5 ml / 25 = 0.