You are on page 1of 128

R E L AT Ó R I O

Violência contra os
povos indígenas no Brasil
DADOS DE 2013

ISSN 1984-7645

RELAT Ó R IO

Violência contra os
Povos Indígenas no Brasil
Da d o s d e 2 0 1 3

APOIO

br RELATÓRIO Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2013 ISSN 1984-7645 COORDENAÇÃO DA PESQUISA Lúcia Helena Rangel – Professora de Antropologia da PUC-SP PESQUISA E LEVANTAMENTO DE DADOS Regionais do Cimi e Setor de Documentação do Cimi ORGANIZAÇÃO DAS TABELAS DE DADOS Eduardo Holanda. organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) PRESIDENTE Dom Erwin Kräutler ENDEREÇO SDS . Também é o modo como esses povos referem-se a si mesmos. Foto de Raulin.Ed. é incendiado por manifestantes em Humaitá (AM) em protesto contra os Tenharim – Kagwahiwa é o nome de um conjunto de 7 povos integrantes da família linguística Tupi-Guarani que se concentram na bacia superior do Rio Madeira. Botelho CAPA Barco da Funai.cimi. sala 309-314 CEP 70.Brasília-DF Tel: (61) 2106-1650 Fax: (61) 2106-1651 www. chamado de Kagwahiwa.org. Este relatório é uma publicação do Conselho Indigenista Missionário (Cimi).393-902 . Venâncio III. Leda Bosi e Marluce Ângelo da Silva REVISÃO DAS TABELAS DE DADOS Lúcia Helena Rangel e Roberto Antonio Liebgott SELEÇÃO DE IMAGENS Aida Cruz e Luana Luizy REVISÃO Patrícia Bonilha DIAGRAMAÇÃO Licurgo S. dos quais os Tenharim fazem parte. cedida pelo povo Tenharim .

Por isso. Com alegria. ao longo do tempo. que fez sua Páscoa no dia 2 de maio de 2014. Chegou o momento de anunciar. fiéis e renovando os mesmos compromissos assumidos por Dom Tomás. na esperança. seguem ainda hoje ameaçando a vida e a sobrevivência dos povos originários. já pagaram à morte o seu doloroso tributo. Dedicamos esta edição a Dom Tomás Balduíno. nesse sentido. ele foi um dos autores e articuladores do documento-denúncia Y Juca Pirama. entusiasmo e presença solidária ele marcou para sempre a história da Igreja junto aos povos indígenas. na esperança de que um dia serão apenas memória de um passado. Nos primeiros anos do Cimi. alguns com nova roupagem.o índio: aquele que deve morrer) . que aquele que devia morrer é aquele que deve viver”. Dom Tomás já vislumbrava a necessidade de denunciar as violências cometidas contra estes povos e. que sempre será uma referência para o Cimi. publicado em 1973. Os mesmos projetos de morte. (Y Juca Pirama . “Nossas populações indígenas. manteremos o empenho em dar visibilidade às violências cometidas contra os povos indígenas do Brasil.

considerados sagrados. Arquivo Cimi A sobrevivência física e cultural dos povos indígenas está estreitamente vinculada à garantia e preservação de seus territórios. a destruição da floresta e da água significa a própria destruição . para eles.

........ 61 Ameaça de morte .............................................................................................................. 40 Capítulo II – Violência contra a pessoa Assassinatos .................................... 38 Invasões possessórias............... 63 Ameaças várias ......................... 86 Morte por desassistência à saúde ..................................................... 94 Mortalidade na infância .......................................................................................................................................................................................................................................................................................... 11 Cleber César Buzatto – Secretário Executivo do Cimi Introdução O desfavorável panorama político reflete-se diretamente no aumento da violência nas aldeias................................................ 27 Iara Tatiana Bonin – Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil Capítulo I – Violência contra o patrimônio Omissão e morosidade na regularização de terras ... 117 Anexo Tabelas Resumo da Violência contra os Povos Indígenas – Dados de 2013 .............................................................................................. S U M Á R I O “Com a terra............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 15 Lúcia Helena Rangel – Professora de Antropologia da PUC-SP Roberto Antonio Liebgott – Missionário leigo atuando no Cimi Regional Sul Artigos Atenção à saúde indígena no Brasil: uma realidade devastadora .... o céu murchou”.................................................................... 69 Racismo e discriminação étnico culturais ................................................................................................................... 49 Tentativa de assassinato .................................CIMI 5 .............................................................................................................. 9 Dom Erwin Kräutler – Bispo da Prelazia do Xingu e Presidente do Cimi Apresentação A paralisação das demarcações como elemento indutor da violência ............................................................................................ exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio ............. 104 Capítulo IV – Violência contra Povos Indígenas Isolados e de pouco contato Os Povos Indígenas Isolados continuam ameaçados ........................................................................................ 99 Desassistência geral ............................................................................................................................................................................................................................. 70 Violência sexual ................................................................................................. 96 Disseminação de bebida alcoólica e outras drogas .... 115 Relação dos Povos Indígenas Isolados no Brasil ............................... 20 Roberto Antonio Liebgott – Representante do Cimi na Comissão Intersetorial de Saúde Indígena (Cisi) Tenharim: um povo condenado ao Apartheid ............................................................................................... 122 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO ............................................................................................................................................................................................................................ 65 Lesões corporais dolosas .......... 75 Capítulo III – Violências provocadas por omissão do poder público Suicídio ................ 56 Homicídio culposo ..................................................................................... 67 Abuso de poder .................................................................................................................................... 79 Desassistência na área de saúde ................................ 98 Desassistência na área de educação escolar indígena ........................................................................................................................................................................................................ 31 Conflitos relativos a direitos territoriais ................................................................................................... 23 Egydio Schwade – Ex-Secretário Executivo do Cimi Dotação e execução orçamentária: a violência institucionalizada ..................................

Agência Raízes A ocupação de Belo Monte (PA) explicita a contrariedade dos povos indígenas ao atual modelo desenvolvimentista. que prioriza o lucro acima da própria vida 6 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 .

CIMI 7 . CNSI Conferência Nacional de Saúde Indígena Opittampp Tenharim. Minas Gerais e Espírito Santo Ministério do Desenvolvimento Social e MDS Combate à Fome Banco Nacional de Desenvolvimento BNDES Econômico e Social MJ Ministério da Justiça Casai Casa de Apoio à Saúde Indígena MPF Ministério Público Federal Cimi Conselho Indigenista Missionário OEA Organização dos Estados Americanos CIR Conselho Indígena de Roraima OIT Organização Internacional do Trabalho Cisi Comissão Intersetorial de Saúde Indígena ONU Organização das Nações Unidas Confederação da Agricultura e Pecuária Opan Operação Amazônica Nativa CNA do Brasil Organização dos Povos Indígenas Torá. Mura. G L O S S Á R I O AGB Associação dos Geógrafos Brasileiros Instituto do Patrimônio Histórico e Iphan AIS Agente de Saúde Indígena Artístico Nacional Aneel Agência Nacional de Energia Elétrica Grupo de Trabalho Internacional para IWGIA Assuntos Indígenas Articulação dos Povos Indígenas do Apoinme Nordeste. Parintintin e Conab Companhia Nacional de Abastecimento Pirahã Condisi Conselho Distrital de Saúde Indígena PEC Proposta de Emenda à Constituição CPF Cadastro da Pessoa Física PF Polícia Federal CUT Central Única dos Trabalhadores PGR Procuradoria Geral da República PM Polícia Militar Dsei Distrito Sanitário Especial Indígena PUC Pontifícia Universidade Católica EIA Estudo de Impacto Ambiental Registro Administrativo de Nascimento e Enem Exame Nacional do Ensino Médio Rani Óbito de Indígenas Federação dos Trabalhadores na Fetraf RG Registro Geral Agricultura Familiar Rima Relatório de Impacto Ambiental Federação das Organizações e Focimp Comunidades indígenas do Médio Purus SEDH Secretaria Especial de Direitos Humanos Federação das Organizações Indígenas do Sesai Secretaria Especial de Saúde Indígena Foirn Alto Rio Negro Sociedade de Defesa dos Índios Unidos Sodiur Funai Fundação Nacional do Índio de Roraima Funasa Fundação Nacional de Saúde SPI Serviço de Proteção aos Índios GT Grupo de Trabalho STF Supremo Tribunal Federal Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e STJ Superior Tribunal de Justiça Ibama dos Recursos Naturais Renováveis SUS Sistema Único de Saúde Instituto Brasileiro de Geografia e IBGE TAC Termo de Ajustamento de Conduta Estatística TEPT transtorno de Estresse Pós-Traumático IML Instituto Médico Legal TI Terra Indígena Instituto Nacional de Colonização e Incra Reforma Agrária UHE Usina Hidrelétrica INSS Instituto Nacional de Seguro Social Unicef Fundo das Nações Unidas para a Criança CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Apurinã.

que visam exclusivamente a exploração das terras indígenas tradicionais 8 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Elisa Cappai/Greenpeace Para continuar existindo. como o madeireiro. o povo Awá Guajá é desafiado diariamente pela sanha de setores econômicos .

às empreiteiras. Os dados reunidos neste Relatório demonstram Além de denunciar as violências praticadas contra que a paralisação dos procedimentos de demarcação das os povos indígenas e de responsabilizar o governo pelo terras indígenas tem graves consequências para a vida agravamento dessa dramática situação. 2013. O “Leilão os procedimentos de demarcação de terras indígenas. foi (Cimi) tem denunciado a omissão do poder público um desses eventos. por particulares. proteger demonstra que as atenções do governo estão voltadas e assegurar o usufruto das terras pelos povos indígenas. na condução da política indigenista e o descaso para No entender do Cimi. realizando debates. o governo federal deve ser com a vida destes povos. A invasões e da depredação dos recursos naturais e é omisso atitude de paralisar os já morosos processos em curso nas suas obrigações constitucionais de fiscalizar. promovido por organizações ligadas imposta pela presidenta da República Dilma Rousseff.CIMI 9 . O grave descaso do governo para com os direitos Para os indígenas expulsos de suas terras ou territoriais indígenas gerou também novas investidas continuamente ameaçados de perdê-las concretiza-se. discriminatório Destacamos que muitas das agressões regis. ao mesmo tempo. a palavra do Profeta Isaías: “A terra está ou representantes públicos. o céu murchou” * Erwin Kräutler Bispo da Prelazia do Xingu e Presidente do Cimi A presentamos o Relatório de Violência contra os modos de vida. com evidenciam a promoção. Os interesses privados próprio Ministério da Saúde. o mundo vira lutas indígenas e. à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Recorrentemente. Urge daquelas comunidades cujas terras se encontram em revermos as prioridades sociais e as direções políticas grande parte invadidas. está doente. programas de televisão e de rádio. de inúmeros a terra. protagonizadas por grupos privados infelizmente. Também tem sido frequente a difusão Povos Indígenas no Brasil com os dados de 2013. que visam exclusivamente criminoso desleixo no atendimento à saúde das popu- a exploração da natureza em terras tradicionalmente lações indígenas que resultou. reflexões e estudos violências e ameaças de morte contra indígenas que se que estimulem a participação para o controle social e mobilizam para reivindicar o início ou a continuidade que possibilitem a formulação de propostas e projetos dos procedimentos demarcatórios. de discursos com teor preconceituoso. da Resistência”.4). contra esses povos. este Relatório das comunidades indígenas. o mundo definha. aos setores da economia e da política ligados ao lati. de acordo com dados do ocupadas por povos indígenas. bem como tradas têm como pano de fundo a paralisação de todos em jornais. Os dados coletados em 2013 de luto e doente. na morte de 693 crianças em destes grupos encontram ressonância na política desen. cumprir sua responsabilidade constitucional de realizar O governo também age de modo conivente diante das os procedimentos administrativos de demarcação. de que está em curso uma política indigenista genocida. 29 de junho de 2014 * Citação bíblica do Profeta Isaías (Is 24. Além disso. mineradoras e apenas aos direitos territoriais. A sobrevi- instáveis e precárias as condições de sobrevivência das vência física e cultural dos povos indígenas está estrei- famílias indígenas acampadas na beira das rodovias ou tamente vinculada à garantia de seus territórios. Altamira. intensificaram-se as de nosso país. de vida com dignidade para todos. Em 2013 a omissão se tornou responsabilizado pela trágica realidade vivida pelos povos ainda mais enfática quando o governo federal deixou de indígenas que não têm assegurada a posse de suas terras. o céu murchou“ (Is 24. Acirraram-se os conflitos pretende alertar para a necessidade de promovermos em diversos estados da federação. tornando ainda mais uma ampla e intensa luta em defesa da vida. e racista em meios digitais de informação.4) CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Manifesta-se também no empresas de energia hidráulica. O descaso para com estes povos não se restringe fúndio. A constatação de que de cada 100 indígenas que volvimentista praticada pelo governo e também em seus morrem no Brasil 40 são crianças torna inegável o fato interesses eleitoreiros. desqualificar seus deserto e o céu do Bem Viver é profanado. o Conselho Indigenista Missionário (CNA) no Mato Grosso do Sul em 7 de dezembro. Para povos indígenas eventos públicos com o intuito de criminalizar as despojados de seu habitat ancestral.“Com a terra. ao agronegócio.

A paralisação dos processos de demarcação das terras tradicionais alimenta o conflito e a violência contra os povos indígenas em todo o Brasil e ignora a dívida histórica do país com seus povos originários 10 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 .

a não demarcação das terras indígenas é uma das quatro prioridades dos rura- listas no atual momento histórico brasileiro. é uma decisão política do governo Dilma. A P R E S E N TA Ç Ã O A paralisação das demarcações como elemento indutor da violência Laila Menezes Cleber César Buzatto Secretário Executivo do Cimi C ontrariando o que determina a Constituição Brasi- leira. de modo especial commodities agrícolas e minerais. Ao contrário. em nosso entendimento. O primeiro diz respeito à opção do governo brasileiro por um modelo de desenvolvimento ultra dependente da produção. Como anunciado publicamente pelos mesmos.CIMI 11 . Esta opção fortalece os setores econômicos beneficiários deste modelo. Fortalecidos pelo Estado e conhecedores das dependências resultantes do modelo de desenvolvimento em curso. os ruralistas. Com isso. mostra-se evidente a falácia da tese defendida pelos ruralistas. explo- ração e exportação de produtos primários. é a não demarcação que se torna combustível e alimenta o conflito e a violência contra os povos no país. Daí resulta o segundo fator acima citado. particular- mente as grandes empresas multinacionais. etnocídios e espoliações dos territórios destes povos. segundo a qual o aprofun- damento dos conflitos fundiários envolvendo a demarcação das terras indígenas no Brasil resultaria de uma “onda de demarcações”. A paralisação das demarcações. Esta decisão. as mineradoras e as empreiteiras. de imediato. sendo os principais responsáveis pelos massacres. apenas uma terra indígena foi homologada pela presidenta. enquanto a média no governo Fernando Henrique Cardoso foi de 18 homolo- gações por ano e no governo Lula esta média foi de 10 terras homologadas. estes setores são inimigos históricos dos povos indígenas. estes setores fazem pressão política e econômica para que seus interesses sejam ainda mais privilegiados nas decisões governamentais. por sua vez. Como é de conhecimento público. CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . o governo Dilma paralisou os procedimentos administrativos de demarcação de terras indígenas no país. Ao longo de todo o ano de 2013. resulta de dois fatores principais.

aguardam apenas a homologação pela presidenta da rial.12.04.05.2012 RS Kaingang 15.2013 08620.070394/2013-09 Fonte: Fundação Nacional do Índio (Funai) – junho de 2014 Relatórios Circunstanciados de Identificação e Delimitação que aguardam aprovação da Presidência da Funai Terra Indígena UF Povo Indígena Processo AM Tunayana.2013 Taunay-Ipeque 08620.03.08.000504/2011-03 AL Xukuri-Kariri 26. destas terras.2013 08620.015148/2013-86 Sawré Muybu PA Munduruku 08620. 17 terras indígenas indígenas regularizadas.04.2013 086.047 de demarcação de áreas já identificadas pela Fundação terras indígenas reivindicadas por estes povos atualmente.09.2013 MA 17.2013) 08620.2013 08620.2013 08620. 98. Ou seja.02. Dilma Rousseff.2013 Taego Awá Avá-Canoeiro do 08620. apenas 38% estão regularizadas.2013 SC Kaingang 123.75% se encontram na Amazônia Legal.2011 08620. 12 dependem apenas zação e 32% sequer tiveram iniciado o procedimento de da assinatura da Portaria Declaratória pelo ministro demarcação por parte do Estado brasileiro. Miranha AM 12.000006/2006-95 Setemã AM Mura 01. AM Banawá 08. que têm apenas 1.10.000221/2003-43 08620. Xereu-Hixkaryana.04.02.001139/2011-462 28870.023116/2012-73 Tupinambá de Olivença Potiguara de Monte-Mor BA Tupinambá 05.00615/1982-16 Romkokamekra Cachoeira Seca Kawahiva do Rio Pardo PA Arara 09.2012 MT Naruvote 26.077222/2013-58 Fonte: Fundação Nacional do Índio (Funai) – junho de 2014 12 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Enquanto República.002311/2009-64 Terra Indígena/Processo UF Grupo Encaminhamento Toldo Imbu 23.Gleba C 08620.001523/2008-43 08620.2014 08620. aguar- do país.2011 08620. Nacional do Índio (Funai) como terras indígenas que não de acordo com levantamentos do Conselho Indigenista têm nenhum litígio judicial. Maria Augusta Assirati. Tiliyana.000073/2010-96 Isolados 08620.2013 08620.2014 Manoki 08620.04.2013 PA Arara 25.04.2011 Coroa Vermelha .000633/2004-64 SC 29.03.001791/2003-51 Cacique Fontoura MT Karajá 26. A paralisação das demarcações reprime ainda mais Conforme as tabelas abaixo.2012 08620.11.2013 RS Guarani 04. também pela segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia presidenta Dilma.050892/2012-46 Arary Irapuá AM Mura 06.09.01.09.06.01. Circunstanciado de Identificação e Delimitação.001538/2011-15 BA Pataxó (Casa Civil/PR em Xukuru-Kariri 08620.2014 Morro dos Cavalos Guarani Mbyá e 08620.079603/2012-91 Expedição de Decreto de Desapropriação Tabocal AM Mura 29.008856/2012-80 MS Terena 19.001163/2011-85 Votouro/Kandóia Rio dos Índios RS Kaingang 29.055692/2013-61 Tenondé Porã SP Guarani 06.056543/2013-19 Xakriabá MG Xakriabá 08620.08.08.05.12.001332/2009-62 08620.03.006976/2013-23 e Tikuna TO 20.10. vivem nas outras regiões da presidenta da Funai.008845/2012-08 Estação Parecis Arara do Rio Amônia MT Paresí 07.050825/2012-21 08620.026137/2012-41 Araguaia MT Irantxe 26. Katuena. Destes 30 processos.2011 08620.001922/2011-18 Ñandéva Tumbalalá Pequizal do Naruvôtu BA Tumbalalá 19.002436/2000-56 Cajuhiri-Atravessado Cambeba.02.2010 Paquiçamba 08620.2014 AC Arara 08.040804/2013-89 Ipoi Triunfo MS Guarani 08620.09. expedição do Decreto de Desapropriação. José Eduardo Cardozo.917 indígenas existentes no Brasil. 554.2010 08620.25% da extensão das terras dando apenas a assinatura de aprovação do Relatório indígenas regularizadas. e um processo aguarda a isso.000375/1996-55 08620. não há nenhuma Missionário (Cimi).000704/1995-87 Banawá Kanela Memortunré Canela.005272/2013-33 PA Xereu-Katuena e Isolados Mato Castelihano (Fag Ty Ka) RS Kaingag 08620. Muduruku e Arara da Volta Grande do Xingu MT 12. Kaxuyana/Tunayana 08620.062432/2012-61 08620. Mawayana.20.2012 MT Isolado 26. Outros cinco processos estão na mesa e Estatística (IBGE) de 2010. são 30 os processos uma demanda histórica dos povos indígenas.2014 PB Potiguara 06.04.2013 Mapari 28870. Das terras da Justiça. Das 1.001304/2010-89 PA Juruna 12. Processos de Terras Indígenas sem litígio judicial Expedição de Portaria Declaratória Expedição de Decreto de Homologação Terra Indígena/Processo UF Grupo Encaminhamento Terra Indígena/Processo UF Grupo Encaminhamento Apiaká do Pontal e Isolados Apiaká.09. Kahyana.081 dos 896.000289/1985-55 AM Caixana 17. pendência ou obstáculo para a efetivação da demarcação Cerca de 30% das terras estão em processo de regulari.2014 03.2014 08620. em termos de extensão territo.03.

CIMI 13 . bem como. o anda- ruralistas reforçaram as ações de incitação ao precon. são os terras para o reassentamento das famílias de ocupantes exemplos mais emblemáticos consequentes das atuais de terras indígenas e/ou a indenização dos títulos de estratégias anti-indígenas. no articulação e a mobilização política para retornar às suas estado do Rio Grande do Sul. e realizado indígenas ao longo de 2013. Milhares estão. ao ódio e à violência física contra os povos. Por isso. e Essa situação chegou ao absurdo de parlamentares d) acione seus instrumentos legais a fim de combater o e organizações sindicais proferirem discursos públicos processo crescente de incitação ao crime e à violência e organizarem iniciativas para incentivar e financiar a contra os povos indígenas. c) reserve recursos Josiel Gabriel Terena. o pagamento das benfeitorias e a desapropriação de também no estado do Mato Grosso do Sul. que se encon. Q CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . no Mato Grosso do Sul. única alternativa para conquistarem melhores Milícia Armada”. mento dos procedimentos de demarcação das terras indí- ceito. no dia 7 de dezembro de 2013. defendemos repressão e a criminalização de lideranças. Constituição Brasileira e da inércia governamental em Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara efetivá-lo. promovido por organizações sindicais condições de vida. b) cumpra os ditames constitucionais assinando as Terena. o Estado fortaleceu a estruturantes urgentes e necessárias. ligadas à Confederação as diversas retomadas de terra realizadas pelos povos da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). os povos indígenas demandam a Ruy Sposati demarcação de suas terras para garantirem melhores condições de vida Os povos exilados de suas terras. propriedade incidentes sobre as terras demarcadas.Sob barracos em beiras de rodovias ou confinados em áreas diminutas. vivem em indígenas no Brasil. atingido à bala e feito tetraplégico orçamentários necessários e suficientes para promover por fazendeiros e seus jagunços no mesmo período. Diante das iniciativas legítimas por parte dos O combate efetivo à violência contra os povos indí- povos indígenas na perspectiva de efetivação de seu genas no Brasil depende da implementação de medidas direito e na defesa de suas vidas. em maio de 2013. sob barracos em beiras de rodovias ou confinados mentares da bancada ruralista em audiência pública em áreas diminutas. Pecuária. há os discursos inflamatórios proferidos por dois parla- anos. estes povos se vêem impelidos a fortalecer a dos Deputados. no Ministério do estado do Mato Grosso do Sul. É nesse contexto que se localizam condições extremamente adversas. É neste contexto que se localizam representantes dos latifundiários. respectivamente. Oziel genas. enquanto os que o governo brasileiro: a) retome. e da Justiça e na Presidência da República. o “Leilão da terras. no dia 29 de novembro de 2013. de imediato. implementação de ataques paramilitares contra os povos tram usurpadas e na posse de não-índios. Cientes do direito reconhecido pela promovida pela Comissão de Agricultura. assassinado em uma operação de reintegração portarias declaratórias e os decretos de homologação de de posse implementada pelas forças policiais federal e terras que estão parados.

A ocupação do plenário da Câmara dos Deputados. realizada em abril de 2013. pelos povos indígenas explicita resistência diante dos ataques aos direitos constitucionais garantidos 14 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 .

de informações de missionários e missionárias do Conselho Indigenista Missionário (Cimi). No entanto. tiveram como consequência o acirramento dos conflitos que envolvem a disputa de terras. INTRODUÇÃO O desfavorável panorama político reflete-se diretamente no aumento da violência nas aldeias José Cruz/Agência Brasil Lúcia Helena Rangel Professora de antropologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Roberto Antonio Liebgott Missionário leigo do Cimi Regional Sul O s dados das violências cometidas contra os povos indígenas no Brasil em 2013 que compõem este Relatório apontam para um contexto extremamente desfavorável aos indígenas. CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Também foi possível obter informações junto aos órgãos públicos que prestam assistência aos povos indígenas e junto ao Ministério Público. uma ampla gama de informações foi reunida a partir das mais diversas fontes. sabemos que este Relatório não consegue contemplar todas as violações e violências sofridas pelos povos país afora. portarias e decretos. A sistematização destes dados foi feita a partir dos relatos e denúncias dos povos. além de informações que constam em relatórios e boletins policiais.CIMI 15 . tanto do poder Executivo como do Legislativo. das lideranças e organizações indígenas. apesar da realidade chocante aqui explicitada. O panorama político explicita que as investidas e ataques contra os direitos dessas populações têm um reflexo direto nas aldeias em todo o país. a tentativa de retirar direitos garantidos através de projetos de emenda à Constituição. Desse modo. a proposta de modificar o procedimento administrativo de demarcação das terras e as manifes- tações ruralistas realizadas em vários estados. os indígenas estão sujeitos a uma violência ainda maior que a apresentada neste Relatório. e de notícias veiculadas pelos meios convencio- nais de comunicação. Infelizmente. dentre outros atos anti-indígenas. A paralisação das demarcações de terras. sites de internet e pelas agências de notícias das mais diversas cidades e regiões do país.

demarcatórios. em Campo Grande. pretendem explorar os recursos indígenas que estão tramitando naquela casa. esta de subserviência do governo aos interesses estratégia não obteve êxito em função da mobilização de grandes empresas do setor energético. Segundo alguns veículos da mídia que todos os procedimentos de demarcação fossem local. reivindicadas pelas comunidades indígenas há décadas. que. faz campanha contra a demarcação e culpa o povo pela miséria. o chamado “Leilão da Resistência”. promoveram Nordeste e Sul do Brasil. etc 16 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . mas Paralelo ao diálogo com o governo. existentes nas terras indígenas” Blog do Gusmão Em referência aos Tupinambá. José contratação de milícia para atuar nas fazendas onde a Eduardo Cardozo. no Centro-Oeste. a tarefa de “acalmar” o movimento Fundação Nacional do Índio (Funai) iniciou os trabalhos indígena para que não houvesse reações que pudessem de identificação e delimitação. da dos povos que. outdoor instalado em estrada na Bahia acusa indígenas de serem falsos. em abril de 2013. respeito e debate sobre os projetos relacionados às questões predatória. produzem”. que. delegando ao ministro da Justiça. o objetivo do leilão era arrecadar dinheiro para a paralisados. No entanto. de maneira predatória. no A presidenta da República Dilma Rousseff impôs Mato Grosso do Sul. dos indígenas e do Ministério Público Federal (MPF). portanto. ocuparam o plenário mineração e do agronegócio. À então ministra-chefe da Casa Civil. a bancada condicionando a aplicação dos recursos à anuência ruralista no Congresso Nacional intensificou sua articu. o leilão acabou sendo questionado judicialmente esclarecer que o governo era “solidário” às suas demandas pelo Conselho da Aty Guassu e Conselho do Povo Terena. decidiram também promover protestos interesses de grandes empresas do setor energético. Estas áreas estão sendo causar “danos” ao governo e à sua “imagem” no exterior. pública as ideias de que “os índios” não precisam de terra” pretendem explorar os recursos existentes nas terras e que “as demarcações geram injustiças para aqueles que indígenas. a Justiça Federal assegurou o direito de realizá-lo. com o intuito de deslegitimar os com a postura de subserviência do governo federal aos direitos indígenas. que transfere ao poder Legislativo a responsabilidade “Este contexto está relacionado com a postura pela demarcação das terras indígenas. da contra as demarcações de terras e introduzir na opinião mineração e do agronegócio. Todo este contexto está intimamente relacionado Os ruralistas. Gleisi Hoffmann. mudariam as regras dos procedimentos Depois de ter concedido liminar suspendendo o evento. A lação para colocar em regime de urgência a tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215/2000. e que. Dentre os eventos anti-indígenas. de maneira da Câmara dos Deputados para exigir diálogo. especialmente na Amazônia. Classificado como criminoso pelos povos indí- coube a incumbência de dialogar com os ruralistas para genas. fome.

50 vítimas de suicídios e 90 leva ao município de Buerarema. Estes dados do governo federal para a gravidade dos conflitos envol. Não se pode estabelecer uma relação de causa e efeito. uma convi. Além dos tiros que mataram os três Tupinambá. além da pecuária. os Guarani-Kaiowá gerou. fazer rituais. posicionado num barranco disparou tiros contra a cabine A situação de confinamento a que estão submetidos do caminhão que transportava estudantes para a escola. no início do século passado. em 2004. numa emboscada armada por quatro homens em duas é também no Mato Grosso do Sul onde ocorre a maioria motos. Os Tupinambá. Grosso do Sul. mandou paralisar todas as demarcações. essas duas categorias. acrescidas das tentativas de assassinatos. Em 2013 os assassinos praticaram violências contra os corpos. miséria e outras desgraças. programas de de indígenas no Brasil. onde o espaço não chega a um hectare por pessoa. Ainda de acordo com os dados do Cimi. É a maior densidade populacional providências são. permanecem sendo Estão concentrados no Mato Grosso do Sul os atacados violentamente desde que. fazendeiros e agricultores. A partir de 2009 os números perma- nas ações anti-indígenas dos ruralistas e chamar atenção necem na casa dos 30 assassinatos anuais. teve início mais vultosos interesses econômicos do agronegócio. entre os dias 2 e 13 de agosto. cujos casos atingem em sua maioria o Alagoas. Por sua vez. a imagem de duas pessoas empunhando armas de fogo. Em Minas Gerais. estão presentes na realidade desse povo. Nesse sentido. nas áreas de preservação modo que. dos casos de violações aos direitos indígenas. segundo os dados do Distrito Sanitário Especial instalado numa estrada. Para se ter uma Vale dos Rios Itacarambi e Peruaçu (Aprovi). e em 2009 foram 42 suicídios. o processo de identificação de suas terras. quando um homem vítimas de mortalidade na infância. registrando 59 O reflexo mais perverso desse contexto está na casos. As violências em função das grandes extensões de plantio de soja. no estado de Grosso do Sul. mas as de terra nesta reserva. ou formam a base do contexto de maior violência sobre confinados em reservas criadas pelo Serviço de Proteção um povo indígena no Brasil. Entretanto. a Reserva Indígena de Dourados. distribuiu um panfleto convidando a popu- CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . realidade dos povos indígenas do Mato Grosso do Sul. do sul da Bahia.CIMI 17 . que se posiciona contra a demarcação No ano de 2007 o Cimi registrou 92 assassinatos das terras dos povos tradicionais. pescar. Tupinambá retomaram 40 fazendas sobrepostas às suas Atualmente.intervenção judicial foi importante para colocar limites para 42 em 2008. salta de 28 casos em 2006 para 53 em 2007. o povo Xakriabá sofre intimi- no intervalo de 10 anos – 2003 a 2012 – a curva de casos dações da Associação dos Produtores e Moradores do de assassinatos sobe bastante em 2007. na praça principal confiscaram dez sacos de farinha Plantar. 16 casos de Outra emboscada foi realizada na estrada que tentativas de assassinatos. agricultores acampados eles. Os estudos foram finalizados. jornais eveículos da web são utilizados para esse fim. obrigatória – faixa de domínio – dentro das fazendas. educar filhos e socializar jovens de mandioca que os indígenas estavam levando para tornaram-se atividades prejudicadas pela falta de espaço. e onde os fazendeiros e os indígenas são crescentes e explícitas. Em Palmeira dos Índios. onde a maioria das comunidades vive em situação de nem uma relação direta entre assassinatos e suicídios conflito com os fazendeiros – como é o caso das terras no contexto dos Guarani-Kaiowá do Mato Grosso do do povo Terena e de grande parte das áreas reivindicadas Sul. mais de 13 mil pessoas vivem em 3. Faixas. os exemplos mais contundentes desse processo histórico. registramos 33 vítimas de assassinatos. Em 2013.6 hectares terras tradicionais. Além disso. há anos. há muitos anos. não cessam. Em função da morosidade da publicação das encravada no perímetro urbano do município. O cartaz traz ainda suicídios no estado no mesmo período). conclamando a todos para dizer Indígena (Dsei/MS) – que são ainda mais preocupantes “não” à demarcação de terras e culpando os indígenas que os casos sistematizados pelo Cimi (que foram de 50 pela fome. indo setembro. vendo indígenas. em ideia. proteladas. comercializar e os distribuíram na praça. aos Índios (SPI). o povo Xukuru-Kariri é atacado pelo movimento povo Guarani-Kaiowá. É importante apontar uma coincidência numérica Campanhas como essa foram realizadas em diversas entre os assassinatos de indígenas e os suicídios no Mato partes do Brasil. sendo 53 somente no Mato rádio. Cinco casas de moradores indígenas dessa mesma cidade vência insuportável dentro das áreas demarcadas para foram depredadas. que. Conflitos Se considerarmos os dados de suicídios da Secre- que foram intensificados pela presidenta Dilma quando taria de Saúde Indígena (Sesai) no Mato Grosso do Sul. “Palmeira de todos”. aconteceram 18 dos 73 casos de suicídio no estado em de modo que podem ser constatadas em um outdoor 2013. assassinatos e pelos Guarani-Kaiowá –. três homens foram assassinados milho e cana-de-açúcar. Em 2007 foram 40. em acampamentos improvisados suicídios. são referentes somente ao estado do Mato Grosso do Sul. As tensões entre entre todas as comunidades tradicionais do país. há uma alta na curva no ano de 2008. de nas margens das rodovias. é um dos portarias declaratórias.

Através da mídia e das redes sociais. diarreia e gastroenterite. este mesmo ministro. com 85. e Tocantins. em novembro. dentre elas de estarem envolvidos com o garimpo ilegal. normalmente. outras causas mal ocorrida no dia 2 de dezembro de 2013. o jornalista amapaense Igor Reale Alves foi denunciado pela Justiça Federal no dia 26 de julho de 2013. Em suas postagens ele utilizou expressões de desprezo e conclamou o povo a cometer suicídio coletivo. Um manifesto anti-indígena desse modo. depois de invadí-lo e impor a autoridade de um cacique para toda a população. Xavante. o professor Também foi assustador o índice de mortalidade continuou a aula. observa-se que constante. a guerra é melhor do que a injustiça”. Moradores desse com 44 mortes. Eles também afirmam que o movimento pela demarcação de terras indígenas é uma “vigarice orquestrada” pelo ministro da Secretaria-Geral Em panfleto. os deputados da bancada ruralista Luis Carlos Heinze (PP/RS) e Alceu Moreira (PMDB/RS) proclamam frases como “Nós. definidas. e professores expressam e agem de modo preconcei. a honestidade dos indígenas e acusando-os foi publicado contendo quatro reivindicações. morreram Dentre os 23 casos de racismo e discriminação 693 crianças de 0 a 5 anos entre os meses de janeiro e é preciso destacar o ocorrido com os Tenharim. mas lhes digo: se fartem de guerreiros e não deixem um vigarista desses dar um passo na sua propriedade. Prédios e transtornos relacionados com gestação de curta duração bens da Funai e da Secretaria Especial de Saúde Indígena e peso baixo ao nascer. agricultores. Após o no decorrer de 2014. insuficiência respira- uma manifestação que ultrapassou em muito a violência tória não classificada. a de que não queriam que nenhum indígena estudasse nas Em relação ao racismo. Segundo dados da Sesai. Por ter postado cinco mensagens racistas contra o povo Guarani-Kaiowá do Mato Grosso do Sul. no Mato Grosso do Sul. divulgou nota pública chamando de “autodenominadas” pelas ruas da cidade foram ameaçados e tiveram que se e “pretensas” as lideranças Munduruku. a desordem. o caso se Guarani-Kaiowá foram retirados da sala de aula de uma estendeu e tornou-se mais violento contra os indígenas escola estadual porque eram “sujos” e “fedidos”. após o desaparecimento de Sanitário Especial Indígena (Dsei) Yanomami. jornalistas “para que não haja mais contato com a comunidade”. mortes. 22. dade pelo desaparecimento. resultado do parto. morte sem assistência. segundo a Aprovi. As principais causas de óbito em uma forma de vingar a morte do cacique Ivan Tenharim. Também são altos os números dos Dsei município atribuíram ao povo indígena a responsabili. no Amazonas. não vamos incitar a guerra. verbal e preconceituosa contra os indígenas. Um caso vexatório ocorreu no município de na Justiça a retirada das publicações já postadas e a Antônio João. Todos são instigados a revoltar-se contra os indígenas que. agressão por meios não específicos. e incita população contra o povo Xakriabá No entanto. como se este crime fosse 32. construíram morte fetal. No entanto. associação de Itacarambi (MG) publica inverdades da Presidência da República. no Amazonas. Nenhum! Nenhum!” e “A própria baderna. 18 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . infantil em 2013. 67. Gilberto Carvalho. que corta a área indígena. O Ministério Público Federal. acontecimento desse ato preconceituoso. com 124 três não indígenas que transitavam na rodovia Transa. escolas e o afastamento das aldeias da beira da estrada mente autoridades. No Rio Grande do Sul. Alto Rio Juruá. gravada em vídeo. Médio Rio Solimões e Afluentes. empresários. questionando. em uma audiência pública com produtores rurais. refugiar no quartel da cidade. em maio. iriam expulsar os não indígenas do município. onde estudantes proibição de novas mensagens. Os casos mais impressionantes são do Distrito Humaitá. Alto Solimões. conseguiu tuoso.lação para discutir com o prefeito e tomar decisões em Reprodução relação à população indígena. ordem decrescente são: pneumonia. com 33. e Maranhão. e outras septicemias (infecções (Sesai) foram depredados e indígenas que circulavam generalizadas causadas por bactérias). os parlamentares. mazônica.

confessou o crime e foi liberado. O assassinato ocorreu durante o cumpri- com garimpeiros ilegais já levou os Yanomami a enfrentar mento de uma ação de reintegração de posse da fazenda epidemias letais e a disseminação de bebidas alcoólicas Buriti. em 2012. em Terena. a portar armas de fogo. em 2013. no município de Sidrolândia. Q Reprodução do vídeo Em audiência pública. também no Mato Grosso do Sul. O assassinato de quatro pessoas contra os indígenas. foi agredido a coronhadas e alvejado. o adolescente de 15 anos teve seu corpo Os Yanomami também vêm assistindo a um abandonado numa estrada vicinal. com 31 ocorrências. Os Xavante apresentam altos índices de nesta categoria. de cinco óbitos registrados em 2012 houve Adenilson Barbosa. Quaisquer que sejam as causas dos óbitos de registro de 33 casos. Causou grande comoção o assassinato de No Maranhão.600 garimpeiros e as negociações com os indígenas Em maio. com 62% das vítimas registrados. paga pela sociedade brasileira. 2013. Segundo os indí- e. Luis Carlos Heinze (PP) e Alceu Moreira Ao fazer a sistematização de todos estes dados e publicar anualmente este Relatório. No Alto Solimões foram em 17 de fevereiro de 2013. aumento significativo de óbitos infantis: de 79 casos. os denunciar as violências e violações de direitos cometidas parlamentares. Mesmo que o número do povo Guarani-Kaiowá. mas Adenilson ficou preso roça foi agravada pelo fato de que alguns indígenas em uma cerca. o fazendeiro se apresentou que a terra dos Yanomami continua invadida por cerca à polícia. essa realidade ainda preocupa demais a população. do povo Guarani-Kaiowá. que atuavam na ação. genas. o tiro partiu de um grupo de policiais federais Em 2013 registramos 53 vítimas de assassinato.CIMI 19 . deputados da bancada ruralista que a cápsula não teria sido encontrada. não vamos incitar a guerra. Os homens atiraram locais e também a Funai. de 1. e do povo de óbitos tenha baixado de 117. visto “No RS. A briga motivada por disputa por conseguiram se esconder. estavam portando armas de fogo. A atual situação na para pescar num açude quando foram abordados por Terra Indígena Yanomami tem preocupado as lideranças pistoleiros ligados a um fazendeiro. com dois casos. Dois revela essa situação. ocorrido um salto para 44 casos em 2013. Depois de morto com um 93 mortes em 2012 e 85 em 2013. As mortes ocorreram entre indígenas mortalidade na infância há anos. chama atenção o elevado número de casos país no número de assassinatos. ação desastrosas das forças policiais resultou na morte que incluem as armas de fogo. Este estado continua à frente no crianças. Cabe destacar aqui Depois de se livrar do corpo. contra os povos indígenas no Brasil e contribuir para a mas lhes digo: se fartem de guerreiros e construção de uma política indigenista que contemple não deixem um vigarista desses dar um as reivindicações dos povos indígenas e o respeito aos passo na sua propriedade” direitos afirmados na Constituição Federal. agora. uma revertem para “licença” para garimpar em troca de bens. para 67. Segundo testemunhas. tiro na cabeça. O contato mais estreito de Oziel Terena. passaram para 124. o Cimi pretende (PMDB) proclamam frases como “Nós. que saíram em fuga do local. o deputado federal Luis Carlos Heinze faz declarações racistas e incita agricultores contra os indígenas CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . O inquérito que apurou a morte O Mato Grosso do Sul continuou em evidência com o concluiu apenas que não era possível determinar de onde partiu o tiro ou quem teria sido o autor do disparo. em no dia anterior Adenilson e outros dois indígenas saíram 2012.

relativos ao período De acordo com a Sesai. No entanto. o governo federal mantém-se insensível frente há um montante considerável de recursos destinados às mortes causadas por doenças facilmente tratáveis. em grande medida. além da falta de hospitais capacitados e qualificados insensível frente às mortes causadas por para receber os doentes indígenas. segundo foram investidos R$ 27 milhões em saneamento básico o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). de medicamentos. que (MPF). o uso político da Sesai e a terceirização absoluta omissão na implementação de ações . enquanto a média nacional em 2013 é de 19. Ainda de acordo com o Dsei/ terceirizadas. de profissionais “Apesar de todas as denúncias apresentadas qualificados. dados da Secre. da falta de controle e fiscalização das ações e indigenistas. dados mais recentes do Distrito Sanitário No ano de 2013 foram destinados R$ 1. Dados do próprio governo mostram que de cada em contratos. a mesma Sesai informou. o coeficiente de mortalidade infantil de menores 250 milhões foram destinados a contratos de locação de 5 anos é de 45. Dsei. Em 2013. Como resultado. divulgadas pela imprensa revelam que há graves desvios taria Especial de Saúde Indígena (Sesai) indicam que de finalidade no uso dos recursos que deveriam ser em 2012 morreram 809 crianças com idade entre 0 e 5 investidos na assistência às comunidades. especialmente à Missão Kaiowá –. o governo federal mantém-se precária das Casas de Apoio à Saúde Indígena (Casai´s). sendo que a metade deste valor foi para o custeio com sentam um total de 90 óbitos de crianças menores de 5 pessoal – destinado. impetradas pelo Ministério Público Federal de controle social e de formação. ações judiciais impetradas pelo Ministério Público Federal Conclui-se. a exemplo da locação de veículos nos 100 indígenas que morrem no país 40 são crianças. nos últimos quatro anos de janeiro a novembro. e R$ MS. As denúncias de bastante básicas . além de ações judiciais da aplicação dos recursos. o orçamento para a assistência em saúde quadruplicou. Informações No tocante à mortalidade infantil. a partir dos dados orçamentários.9 para cada 1. associados ao caos na atenção à saúde indígena são jamento de recursos financeiros e por uma a corrupção.algumas de grande parte das ações e serviços.000 indígenas nascidos. de assistência continuada e de caráter pelo movimento indígena e por entidades preventivo. No entanto. nas aldeias. em Apesar de todas as denúncias apresentadas pelo uma das reuniões da Comissão Intersetorial de Saúde movimento indígena e por entidades indigenistas. Especial Indígena (Dsei) do Mato Grosso do Sul apre.136 bilhão. A omissão se dá através da falta de saneamento básico. doenças facilmente tratáveis” 20 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . além de Indígena (Cisi). nos estados da Bahia e de Rondônia. relatam a morte de 693 crianças. artesianos. Ainda de acordo com a Sesai. o cenário é de absoluto estão sendo investigados por conta do superfaturamento caos. dados preliminares. que 90% das obras não foram realizadas. a organizações anos somente neste estado.6. de equipamentos. especialmente para a construção de poços variando de acordo com as regiões. anos. da infraestrutura (MPF).Atenção à saúde indígena no Brasil: uma realidade devastadora Roberto Antonio Liebgott Representante do Cimi na Comissão Intersetorial de Saúde Indígena (Cisi) A política de atenção à saúde indígena no Brasil Outros três fatores que estão diretamente no ano de 2013 continuou marcada pelo esban. da ausência de planejamento. de veículos e aeronaves.que poderiam salvar milhares de vidas corrupção se avolumam e muitos servidores públicos anualmente.

Além disso. Falta efetivamente o mendações sobre temas relacionados com a necessidade controle social. ao invés de concentrar esforços transição que já se arrasta há quase quatro anos. percebe-se naram a recuperação de casas de saúde indígena.314/2010 e do Decreto 7.336/2010. Ao contrário disso. água potável e transporte. a proibição de tratamento discrimina- vinculada ao Ministério da Saúde. os estados e A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai). A R T I G O Juma Xipaia Apesar do orçamento para a saúde indígena ter quadruplicado nos últimos quatro anos. em relação à liberação dos recursos. porém. os municípios. calamitosa da saúde indígena. O chamado “Dia D da Saúde fornecedores e prestadores de serviços e não para as Indígena”. foram apresentadas mais de 30 reco- aplicação e resultados eficazes. determinações judiciais. A secretaria aos municípios. CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . num processo de saúde. o caos instalado levou o Minis- eles têm uma finalidade fixa. realizado em dezembro de 2012. fazendo com que tenhamos mente ela se estruturasse para atender as necessidades chegado ao final de 2013 sem mudanças na situação dos povos indígenas. Além disso. e a criação de polos-base e postos de vem funcionando de forma precária. como o pagamento de tério Público Federal a ingressar com diversas ações salários. sua destinação. a situação continua de total caos e abandono para a atenção à saúde das populações indígenas.CIMI 21 . Com para resolver estes problemas. ou estão atrelados a contratos com terceirizadas. No entanto. de uma maior articulação entre os Dsei´s. foi criada através da tório. judiciais contra a União. a decisões judiciais durante o ano de 2013 que determi- formação e a atenção permanente. esperava-se que efetiva. resultou em ações e a infraestrutura que asseguram a prevenção. a União recorreu de tais tantos recursos financeiros. ofere- a inexistência de mecanismos de controle e fiscalização cimento de medicamentos. a prestação de recursos repassados pela União Lei 12.

que se concretizou em muitas fazer o devido e necessário controle sobre as ações do comunidades com a criação de estratégias próprias de Estado no tocante à saúde indígena. A autonomia administrativa e financeira dos dos usuários. pelo governo federal. base fundante de um subsistema não levou em conta as demandas históricas e nem propor. integralidade e autonomia. na proposição de um modelo de saúde diferenciada Temendo perder seus cargos. outra antiga reivindicação numa política com eficácia e participação. lizadas nas instâncias do órgão em Brasília. a cooptação de uma vez se tenta derrotar a incansável capacidade de lideranças indígenas através da “contratação” de grande luta e mobilização dos povos indígenas. Indígena. genas em número suficiente para discutir o controle É triste perceber a estagnação do processo de social das ações de saúde desenvolvidas pela Sesai. Esta avaliação foi discurso dos atuais responsáveis pela saúde indígena feita por Dilma na presença do então ministro da Saúde. Os Agentes Indígenas de Saúde (AIS). em eventos realizados distantes das da realização de um processo seletivo diferenciado foi aldeias. Com isso. os povos indígenas. presidenta Dilma Rousseff disse. em reunião com lide. principal alicerce do novo modelo e elo fundamental Antônio Alves. Alexandre Padilha. portanto. distritos sanitários. em geral. no documento publicado no Relatório Violência Contra os Povos final da conferência. especialmente nas regiões onde as expectativa de vida são a expressão de um processo genocida em curso. Esta realidade é tão grave e inegável que a própria A busca da reciprocidade. realizada no dia 10 de julho de 2013 modelo preconizado pelas Conferências Nacionais de no Palácio do Planalto. em artigo participantes. administrativos de compra e realização de despesas. A mortalidade infantil e a baixa curso. e do Secretário de Saúde Indígena. a implantação de programas efetivos de formação de agentes de saúde e profissionais indígenas. A mortalidade O atual caos na saúde indígena é consequência infantil e a baixa expectativa de vida são da política desenvolvimentista aplicada sem limites a expressão de um processo genocida em pelo governo federal. em Brasília. possibilidade de protagonismo e de poder de decisão Durante a etapa nacional da conferência de dos povos indígenas em suas comunidades e regiões saúde foi desanimador constatar a ausência de indí. princípios basilares do ranças indígenas. tem se limitado a procedimentos cionou a reflexão e o debate sobre graves problemas. é lamentável que “mais permite. não encontram eco no prestada aos povos indígenas no país”. eficácia simbólica. As conferências locais e regionais aconteceram O programa de formação continuada perma- de forma precária e sem a devida participação das comu. sendo desvalorizados e abandonados à própria sorte foi realizada em 2013 a V Conferência Nacional de Saúde na maioria dos distritos. A não realização de tais concursos Indígenas no Brasil de 2011. como a falta de medicamentos e de saneamento e a enquanto decisões políticas estão cada vez mais centra- ausência de um programa que possibilite ações preven. e o apoio é consequência da política à seleção e formação de equipes de saúde compro- metidas e adaptadas para a atuação em contextos desenvolvimentista aplicada sem limites interculturais”. Q 22 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . A conferência. Como do movimento indígena. visando comunidade está sendo substituída por provas escritas atender a interesses específicos de quem tem emprego e aplicadas por um profissional da área de saúde indicado trabalha na saúde. que “se envergonha da saúde Saúde Indígena desde 1993. acabou sendo rejeitada pelos afirmou o médico Paulo Daniel Moraes. portanto. a tivas e formativas nas aldeias. a promessa de estabilidade por meio nidades. neceu paralisado. especialmente nas regiões onde as comunidades vivem em beira de estradas comunidades vivem em beira de estradas ou em confi- ou em confinamento dentro de reservas” namento dentro de reservas. de atenção à saúde. sem ouvir os reclames e as propostas pela Sesai. está cada vez mais esvaziada. Tudo isso redundou num processo de controle esquecida e a própria exigência de escolha do agente pela das temáticas a serem debatidas na conferência. não constando. o fortalecimento das diversas “O atual caos na saúde indígena formas da Medicina Tradicional Indígena. estão indígena na formulação da política de atenção à saúde. lideranças deixam de absolutamente inovador. entre os conhecimentos tradicionais e o sistema oficial No âmbito do controle social e da participação de saúde com vistas à comunicação intercultural. A construção de um modelo de assistência que poderia realização de concursos públicos para a substituição servir como referência e que certamente resultaria de funcionários terceiros. demonstrada número de conselheiros como “assistentes indígenas”. em muitas regiões do país. controle social e gestão participativa.

A R T I G O Tenharim: um povo condenado ao Apartheid Egydio Schwade Ex-Secretário Executivo do Cimi “H umaitá é hoje. no seu habitat guerra de 80 anos. para este fim. que iniciaram a pressão “civi- trecho: “Uma guerrilha cruel e traiçoeira começou e se lizada” a partir do sul pelo Rio Juruena e seus afluentes. Curt do ódio e o horror de todos seus vizinhos”2. onde como eles. uma cidade pior que os seus adversários selvagens. e os serem espancados e mortos. e se tornaram o alvo vação sempre foi de ordem econômica espoliadora. em todo Antônio do Madeira. são bastante antigas e a sua moti. explicitando um preconceito histórico CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO .CIMI 23 . entre os anos de 1911 e 1914. arrastou durante longos decênios. exigiu-se o extermínio da tribo. que esses índios consolidaram a sua ao sul do Amazonas. fazendo fogo sobre qualquer índio. quer que ele se apresentasse. fama de ‘feras cruéis e indomáveis’. pela invasão dos seringueiros. em pleno século 21. Nimuendaju escrevia em 1922: “Da margem do Madeira A abertura da linha telegráfica de Cuiabá a Santo foram expulsos. cedida pelo povo Tenharim Veículos e prédio da Funai foram destruídos em Humaitá (AM) por manifestantes em protesto contra o povo Tenharim. com o início da abertura na civilizados. vivem na pobreza”1. por uma As agressões ao povo Tenharim. trouxe o trecho entre o Lago do Antonio e Paraizo”. Nas represálias dos No final dos anos de 1950. sob pena de medidas enérgicas. E em outro os seringalistas de Cuiabá. Não apenas por moradores do sertão contribuíram o mais que foi possível comerciantes e pecuaristas. estes se comportavam Amazônia da BR-364 (que em toda a sua extensão liga os Raulin. mas até por moradores que. às mais das vezes. E foi desta forma. Bradou-se por onde os índios não podem pisar.

Rodovia do Estanho”8. em especial a de Tabajara no Rio Machado Transamazônica. evidenciou a preocupação com as novas ameaças.municípios de Limeira. então em gestação. calcula-se Massacre do Paralelo 113. Terra Indígena Tenharim. Enfim. Outros ônibus que seus filhos faziam uso”6. Nas assembleias realizadas nos últimos em 2011. onde fazendas estavam extraindo ilegalmente madeira. Já em 2011 os Tenharim participaram. De um pouco mais Ele foi visto pelos madeireiros”9. com a Polícia Federal e o Ibama em tação da Transamazônica. Exequias Heringer. Desde então são perseguidos os índios são aproveitados para serviços de limpeza. morto Lange. pai indígena (Tenharim). “De um pouco mais de 100 a que a no extremo oeste do Acre). Em meados dos anos de 1970 a rodovia BR-230. com os governos locais especial a de Tabajara no Rio Machado e e com a ditadura militar. calcula-se Federal. já passam hoje de dos minérios pressionaram os povos indígenas a partir do alto dos rios Aripuanã. Um fazendeiro da região. Por isso. diz Aurélio Tenharim 4. com a colaboração de lideranças indígenas.000. Ocidental. caminhões e motosserras dentro da aproveitando a infraestrutura instalada. que teve de se transferir para uma de dois alunos do Colégio Estadual Santo Antônio do área anexa. e a contínua invasão da área Humaitá. ao cargo de presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). ele e seus familiares do Rio Madeira. os interesses pela exploração Transamazônica os reduziu. os Tenharim começaram a uma operação na Gleba B da Terra Indígena Marmelos. em Junqueira e Sebastião de Arruda. a na região. foi aberta de Jacareacanga. naturais e a invasão da sua terra por alienígenas também Em 1977. que eram 10. Cresceram também em número. que começaram as ameaças às lideranças dois anos aparece constantemente a preocupação com Tenharim e Jiahui. onde local. Estivemos na primeira. Uma das lideranças principais nesta resistência. Em 1981. de defesa quanto à delimitação e demarcação do terri- os funcionários da Funai transferem a responsabilidade tório dos povos isolados”7. O 800. já passam Foi a partir destas ações do Ibama e da Polícia hoje de 800. de 100 a que a Transamazônica os reduziu. que declara que os 40 serrarias. máquinas. Por isso. onde de entrar no ônibus escolar que faz o transporte dos obtivemos informações com a equipe de engenheiros alunos até o distrito de Santo Antônio do Matupi. madeira. visita dos missionários do Cimi. a Rodrigues Alves. de por “jagunços quando utilizam a Transamazônica e a carregamento. tório. “O cacique colaborou. crescer em consciência. O golpe militar aconteceu alguns meses depois deste massacre outras no Rio Tapajós. como a ligação dos autores da chacina. irmão de Sebastião área por madeireiros” de Arruda. de caça”5. existem mais de de assistência para a mineração. “Foi quase uma extinção”. Daqui a dois anos acabará o minério e a Recursos Naturais Renováveis (Ibama). então agentes do Cimi que atuavam na região em 3 de dezembro de 2013. um mês A partir da dura experiência vivida pela implan. Em represália. ocorrido em 1963. não permitiu que indígenas utilizassem o mesmo e se encontram num triste quadro de catapora. vulgo Xará. retomando parte de seu terri. Mueller. o povo Tenharim recebeu a primeira vêm crescendo. Antes da abertura da estrada. os seringalistas Antônio a construção das hidrelétricas na região. comenta-se que “a 24 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Tenharim estão dentro da reserva a ser demarcada. Na região. os interesses pelas suas riquezas região. violentando o território dos povos indígenas da por madeireiros. contra os que eram 10. e Ana nos últimos anos. a e outras no Rio Tapajós. coordenadora do Cimi Regional Amazônia as perseguições e a crescente discriminação. relataram: “O grupo Paranapanema vinham sofrendo represálias e discriminações desde tem duas minerações de cassiterita na região: Igarapé 2010. Antes da abertura da estrada. em São Paulo. Não recebem qualquer tipo de assistência Matupi. outro povo indígena que vive bastante as novas ameaças. Lá. além de explicitar que não havia limites nos últimos dois anos aparece constantemente para a violência praticada contra os indígenas. através de Doroti Alice Como consequência direta ocorrem as ameaças. mas “Ivan era o principal informante dos vestígios de estes declaram que não irão para dentro da reserva indígenas isolados/livres e mantinha uma postura política apesar dos insistentes convites da Funai. são apenas agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos 22 índios. e a contínua invasão da e promoveu Hélio Palma de Arruda. quando sua filha e seu sobrinho “foram proibidos Preto e São Francisco. das apreensões de Paranapanema implantará um projeto agropecuário. a mineração se estabeleceu em cima da aldeia cursam o ensino médio. Hoje. como a construção das hidrelétricas próximo aos Tenharim. mas nada faz neste sentido. foi o cacique Ivan Tenharim. Roosevelt e Machado. Enquanto isso. no Pará.000. Nas assembleias realizadas “Cinta Larga”. com assiste. antes de sua morte.

Nesse sentido. no plural. agronegociantes. tornou-se uma das principais justificativas que motivou Ivã Bocchini. e Menos de duas semanas após a morte do cacique apesar de toda a região contar com ensino primário. fazendeiros e nenhuma justiça para os povos indígenas da região no madeireiros nas terras indígenas. mostrou-se surdo e mudo diante das acabam levando a um e mesmo beco sem saída justa. os inquéritos policiais da ditadura militar. Ao contrário. Tudo para proteger os interesses grupos em que foram divididos os Tenharim e Jiahui. concordou e publicizou esta avaliação. que ouviu e curto prazo. governo federal eleito graças a um projeto popular. estoura um suspeita. Algumas consequências da BR-230 são: poderiam levar a caminhos favoráveis aos indígenas cemitérios dessacralizados e soterrados.CIMI 25 . por esse motivo. a barbárie que se desencadeou contra os indígenas no Segundo a imprensa. nas barbas de um gentes do órgão. mineradores. caiu logo sobre os “índios ódio de morte e uma guerra de destruição contra os Tenharim. Não sempre é anti-popular. como compensação que favorecesse equitativamente os 36 “bodes expiatórios”. sem prova alguma. fauna e flora foram desconsideradas. e a introdução de garimpeiros. colocando em suspeição os diri. Por este motivo. da região. Assim. cedida pelo povo Tenharim Manifestantes incendiaram os pedágios-compensação dos Tenharim na rodovia Transamazônica. CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . o pedágio-compensação houve perícia” 10. Nenhum relatório conclusivo que vá ao atendeu outros setores da sociedade sobre os prejuízos encontro da justiça. desapareceram três cida. onde quer que se pratique. Instauraram-se inqué- terras. ele teria sido final de dezembro. e se espalhou como um rastilho bens móveis e imóveis dos mais pobres entre os pobres pela região”11. evidenciando que as agressões foram motivadas por interesses econômicos morte do cacique Ivan Tenharim não foi acidente. secundário e universitário estruturados e cada rua da dãos entre Humaitá e o Km 180 da Transamazônica. O governo. Ivan. não se avista destruídos. E eis que em pleno século 21. reivindicações indígenas. em jogo dos madeireiros.Raulin. exonerado do cargo. os Tenharim e os os índios se espalhou. Um apartheid agressivo e inimaginável contra Principalmente desde 2006. mas todas as fartas linhas de investigação que aldeias ao meio. indenização pelos danos e prejuízos causados pela Entraram em cena todas as forças de segurança implementação da Transamazônica dentro das suas públicas: Exército e polícias. os Tenharim porque a “justiça” já foi previamente programada para a tiveram a iniciativa de organizar um rodízio de pedágio. A cidade de Humaitá sediar igrejas cristãs. fazendeiros e Sabemos que o pedágio. dos índios “no plural”. condenação de inocentes. Obra da ditadura militar. O coordenador da Funai na região. no dia 16 de dezembro. Um autêntico fracasso de huma- Jiahui vêm pressionando o governo por reparação ou nidade. a rodovia corta as ritos.

através de teses de conclusão dos estudos de seus alunos. as rios da Funai. 2 Nimuendajú. dos mais horrendos episódios de que racismoambiental. Disponível em http:// tenharim/ envenenados por arsênico misturado apublica. 56-57 Agência de Reportagem e Jornalismo 4 Castilho. 13 de janeiro de entre eles o major da Aeronáutica. picadeiros. Ivani Valentim da Silva. A Batalha de Humaitá. suborno. e de Campo. Que escolas e igrejas se unam pagamento de indenização por dano moral coletivo no para dar um fim a esses instrumentos de morte. A Comissão Nacional da Verdade. Por conta desse massacre o Estado brasileiro 10 Idem tenharim/ foi. os nomes das empresas e dos causadores originários e A questão Tenharim é uma questão de lesa huma- mandantes da guerra contra os povos indígenas no sul nidade que deve merecer providências não só do Minis- do Amazonas tornem-se públicos.br/2014/03/telma- Agência de Reportagem e Jornalismo se tem notícia até hoje no Brasil. humanidade que deve merecer providências com pedido de liminar.com. Curt . Agosto de 1981 http://exame. sarampo e varíola inoculados de R$ 20 mi para índios Tenharim.500 indígenas Cinta Larga janeiro de 2014. 12 de org/2014/01/batalha-de-humaita- Ulisses Capozzoli. Q 1 Castilho. fracasso de humanidade. As ilegalidades prati. 7 Idem com a cobertura de funcionários do então Agência de Reportagem e Jornalismo Serviço de Proteção aos Índios (SPI). Um autêntico professores das universidades atuantes na região. o Massacre do Paralelo 11 morreram e Jornalismo Investigativo Pública. Conhecido como um fevereiro de 2014. pela veiculação de notícias com conteúdo discriminatório e incitação ao fazendeiros e agronegociantes. Na ação. 5 Heringer. São Paulo. Vinhas Neves”. em decorrência de É fundamental conhecer a fundo a história desse danos permanentes causados pela construção da rodovia povo sofrido e iniciar uma investigação da ação nefasta Transamazônica (BR-230) em seus territórios.org/2014/01/matar-um-indio- na comida. Alceu. Alceu. e muitas outras agressões. passando por depoimento-sincero-sobre-os-tenharin-e- 2014. ódio contra o povo Tenharim12. “Um apartheid agressivo e inimaginável Estas tarefas importantes podem ser incentivadas por contra os índios se espalhou. pegar uma Índia. É uma questão de Justiça. 8 Idem Investigativo Pública. com o bispo de Humaitá. Ele processou ‘bodes expiatórios’. Luiz 9 Monteiro. 25 de janeiro de 2014 de Junqueira e Sebastião de Arruda. Agência de Reportagem 2014. instituições educacionais e as organizações de direitos Também é necessário fazer um levantamento de como humanos devem dar uma atenção especial para o caso foram concedidos os alvarás de mineração e os títulos dos Tenharim. funcioná.net. Facebook. tortura jiahui/ org/2014/01/batalha-de-humaita. entre elas o de interesse saqueador. como do procurador Júlio José de Araújo Filho. nização dos Estados Americanos (OEA).abril. Um Depoimento 2014. dos índios ‘no plural’. Relatório 16 de janeiro de 2014. Disponível em http:// tenharim/ 26 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Disponível em http://apublica. 14 de org/2014/01/batalha-de-humaita- cerca de 3. lembra o indigenista Sincero sobre os Tenharim e Jiahui. contaminados por vírus da 12 Siqueira. A Batalha de Humaitá. Telma. 13 de janeiro de 3 De acordo com o Relatório Figueiredo. Tudo para proteger os o administrador da página Portal Apuí na rede social interesses dos madeireiros. mineradores. a Corte Interamericana de Direitos Humanos da Orga- dores do empreendimento: índios. Outra medida impor- A questão Tenharim é uma questão de lesa tante do MPF/AM foi ingressar “com ação civil pública. Lange. Exequias. Dom Francisco Merkel: “Um cadas pelas empresas madeireiras precisam ser averiguadas. tério Público Federal. E concordando definitivos dos latifúndios da região. Chico. grilagem. A ‘justiça’ já foi Importantes passos já foram dados pelo Minis- previamente programada para a condenação tério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) através de inocentes. “Esse 6 Conselho Indigenista Missionário mpf-pede-indenizacao-de-r-20-mi-para- assassinato em massa dos índios Cinta Regional Rondônia. pg. assassinato. padres e pastores sobreviventes. 1982. MPF pede indenização para-pegar-uma-india/ gripe. Ana. 14 Castilho. &RQÀLWR QR VXO GR indios-tenharim Larga foi cometido por pistoleiros a mando Amazonas e os Povos Indígenas na 13 Idem dos seringalistas Antônio Mascarenhas Transamazônica.br/brasil/noticias/ atacados por bombas e por pistoleiros ostensivamente armados. incluiu monteiro-especial-para-combate-um- Investigativo Pública. Alceu. Disponível em http://apublica. internacionalmente por genocídio. Alceu. militares. Matar um índio para Investigativo Pública. Disponível em em brinquedos jogados por aviões. É preciso escutar as vítimas. e que valor de R$ 20 milhões”13. na Justiça Federal para declarar não só do Ministério Público Federal” a responsabilidade da União e da Fundação Nacional do Índio (Funai) por violações de direitos humanos dos povos indígenas Tenharim e Jiahui. clima de injustiça não gera paz”14. os atores e expecta. A Batalha de Humaitá. pela primeira vez. as igrejas. desencadeada pela ditadura militar com a construção da o MPF/AM pede a condenação da União e da Funai à rodovia Transamazônica e a instalação de seus projetos reparação dos danos com várias medidas. Textos Indigenistas. 13 de janeiro de do roubo ao estupro. denunciado 11 Castilho. Disponível em http://apublica.

o governo deixa de investir autorizados pelo Congresso Nacional para este fim). a falta de investimento dos recursos ao modelo concorrencial. A omissão tem sido a opção política do governo da vida. Ao privilegiar setores da economia povos indígenas é a execução orçamentária (ou. aos evidencia o lugar periférico que estes ocupam povos e comunidades indígenas. A R T I G O Dotação e execução orçamentária: a violência institucionalizada Iara Tatiana Bonin Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil. Ao federal em relação aos povos indígenas. que teriam impacto de longa duração. o que contrário disso. o governo continua O exemplo mais contundente da falta de empenho implementando uma política indigenista engessada. territórios e práticas culturais. é um conjunto de ações nas agendas políticas atuais. paliativas. em protagonizadas por estes povos em defesa de seus especial. A despeito de todas as assistenciais. do direito à terra. de impacto momentâneo. do governo na proteção e promoção dos direitos dos negligente e omissa. em que são considerados estratégicos para o ajuste do país outros termos. o que se oferece (quando muito). voltadas para a promoção Analisando os dados do Orçamento Geral da União de Elisa Cappai/Greenpeace Os dados da execução orçamentária indicam que a questão indígena está muito longe de ser considerada relevante no Brasil CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . e que garantias constitucionais e das lutas que vêm sendo não conduzem à conquista efetiva dos direitos – e.CIMI 27 . em políticas públicas efetivas.

deixando de aplicar. sendo liquidados correndo há anos. RS 27. exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio.295.9%. Igor Almeida Registra-se.00 Tratando-se das demarcações de terras. uma eternidade para ser efetivado.720.34%. com a escassez de de Terras Indígenas” cuja dotação orçamentária em 2013 materiais e de profissionais ou com as precárias estruturas foi de R$ 21.643. a negligência por parte do governo também ao plano político e aos projetos de desenvolvimento e de se faz sentir. Q 28 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . mas o governo R$ 87. o Congresso autorizou o uso de se a execução de R$ 27. A demarcação e a garantia das terras indígenas – medida fundamental para assegurar a vida.39%.00 (que nem é tão expressivo. constata-se que os recursos disponibilizados foram observa-se que existem processos de indenização trans- da ordem de R$ 1. demora Proteção e Promoção dos Direitos dos Povos Indígenas. assim. O argumento de que as demarcações não autorizados para que estas ações sejam efetivadas. dotação era de R$ 20 milhões.27% do gasto da rubrica “Indenização aos Atuais Possuidores total). a outras rubricas) foram executados somente 8.284.834. a pluralidade de culturas. Sobre esse aspecto. portanto.00.448. como se verifica nos dados relativos à mortalidade infantil mente utilizados.509.040. e que a omissão do governo gera formas cada vez mais intensas de violência.886 (o equivalente a 74. uma destinados às populações indígenas. A utilização do orçamento previsto de gestão ambiental poderia servir para coibir tais danos. apesar dos recursos estarem disponíveis e ser aplicados.00.85%.000. contingenciados R$ 182. portanto.340.811.00.00. mantendo-se.445. mas foram liquidados apenas de saneamento básico em várias regiões brasileiras. somente R$ 58. em 2013. de um total de R$ 2. o governo demarcou. Não é possível vislumbrar a conquista efetiva dos direitos indígenas enquanto as decisões governa- mentais forem balizadas por critérios econômicos e as políticas sociais forem consideradas secundárias. E o quadro se agrava ainda mais quando uma terra indígena. 35 casos de invasões posses- sórias. Neste Relatório destacam-se 44 casos Nos desdobramentos deste programa existe uma ação de violências relacionadas com a omissão ou falta de denominada “Delimitação. no ano de 2013.984.00. Já para o programa Fiscalização e Demarcação de Para o programa Saneamento Básico em Aldeias Terras Indígenas. mas ao longo do ano o governo utilizou utilizou irrisórios 1.942. que muitos o governo se mostra inoperante ou assume os riscos outros procedimentos administrativos poderiam ter sido de não investir recursos para a proteção da vida destas conduzidos com os 76.333.59 (ou 24. os dados oficiais de dotação e execução orçamentária indicam que a questão indígena está muito longe de ser considerada relevante no Brasil. Mesmo doenças e agravos vitimizam especialmente as crianças.863. contando com recursos disponíveis. ocorrem por indisponibilidade de recursos não procede. contra a justa reivindicação indígena é o argumento Esse valor total autorizado é distribuído em de que o pagamento das benfeitorias que resultam de programas e. de línguas e de cosmovisões dos povos originários – não pode ser protelada para se enquadrar às regras de quem governa valendo-se de O governo brasileiro tem sido omisso na execução de ações para a defesa dos recursos naturais uma lógica empresarial. nos quais os povos indígenas têm R$ 200. examinando-se. Observa-se. Demarcação e Regularização atendimento adequado em saúde. No programa Gestão Ambiental em Terras Indí- portanto.000.00. embora previsto em lei.00 – o que corresponde a 19.292. Localização e Proteção de Índios Isolados Indígenas para Prevenção e Controle de Agravos autorizou- e de Recente Contato. Enfim. o que corresponde a 66. a educação.718.403.150. considerando que.432. o governo deixou de questão utilizada inclusive para incitar a população investir R$ 498. que não foram plena. Isso significa que o governo deixou de executar de Títulos das Áreas sob Demarcação Indígena”. o programa ocupação de boa fé. de um valor total de crescimento do país.96% do montante).04% dos recursos que deixaram de populações.832.00. por exemplo. 2013 observa-se que. apenas deste Relatório. se comparado sido considerados irrelevantes e desnecessários. cuja R$ 330. mas em 2013 nenhum centavo foi apenas R$ 954. a saúde. As razões para a não demarcação são vinculadas genas.642.00.425. As R$ 5.

exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio . C I Violência Contra o Patrimônio 31 Omissão e morosidade na regularização de terras 38 Conflitos relativos a direitos territoriais 40 Invasões possessórias.

o agronegócio avança sobre terras tradicionais indígenas e as monoculturas destroem a diversidade de florestas. línguas narrativas. As terras indígenas e todo o arsenal elencado são de cultura. pesca e de agri. os cemitérios. constituindo crime a sua violação. a Constituição Federal. radiofonia. rituais. 30 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . ao direito de imagem e ao direito intelectual. violações premeditadas com o intuito de atender aos interesses políticos e econômicos de setores ligados ao latifúndio. com as normas e os costumes das sociedades Além destes. expressões religiosas e os marcos míticos. postos de saúde. os bens imateriais. as artes. as técnicas de caça. todos estes itens compõem sua dimensão territorial e em seus usos de acordo o patrimônio indígena. os sítios arqueológicos. os artesa. Os acidentes geográficos. ao agronegócio e às empresas de mineração e energia Gilberto Vieira Movido pela sanha do lucro. as roças. de modos de vida e a própria vida Violência contra o patrimônio O patrimônio indígena é composto pela terra em natos e outras manufaturas. os recursos naturais. coleta. cionais. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 Em relação aos direitos constitucionais dos povos indígenas à terra. além dos bens produzidos e manejos ambientais. somam-se aos direitos autorais. as sementes. conforme escolas. conhecimentos específicos. as edificações tradicionais. assim como as atuais usufruto exclusivo dos povos que as habitam. tais como saberes tradi- indígenas.

aos direitos indígenas estimulou atos de violência. apenas uma terra foi homologada. Santa Catarina (10). Pernambuco (4). Registra-se. no Pará.047 Paraná (1). dências no sentido de fiscalizar a aplicação dos recursos A omissão do governo federal se reflete nos inúmeros arrecadados. omissão e/ou a morosidade do governo nos seguintes GT constituído no estado do MS 5 estados: Amazonas (3). 1994 18 9 Fernando Henrique Cardoso 1995 – 2002 145 18 Luiz Inácio Lula da Silva 2003 – 2010 79 10 Dilma Rousseff 2011 – 2013 11 3. especialmente da bancada ruralista no Congresso Nacional. como os atropelamentos. Rio Grande do Sul Dados atualizados em dezembro de 2013 HOMOLOGAÇÃO DE TERRAS INDÍGENAS POR GESTÃO PRESIDENCIAL GOVERNO PERÍODO Nº DE HOMOLOGAÇÕES MÉDIA ANUAL José Sarney 1985 – 1990 67 13 Fernando Collor de Melo Jan. 1992 – dez. Felizmente. a Terra promoveu uma série de eventos anti-indígenas. em relação aos direitos Registradas 359 constitucionais dos povos indígenas à terra. Mas nem mesmo esta terra pôde destaque a realização do chamado “Leilão da Resistência”. visto que o ministro do Supremo O evento serviria. Mato Grosso do Sul (1). violações Homologadas 45 premeditadas com o intuito de atender aos interesses políticos e econômicos de setores ligados ao latifúndio. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 Omissão e morosidade na regularização de terras O governo da presidenta Dilma Rousseff tem cedido às pressões do agronegócio. Em todo o culação com entidades representativas do agronegócio. 1991 – set. Reservadas/Dominiais 40 O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) registrou Com Restrição 6 a ocorrência de 51 conflitos fundiários com a conivência. Piauí (1). 1992 112 56 Itamar Franco Out. Minas Gerais (1). A bancada ruralista no Congresso Nacional. com fazendeiros. Bahia (1).CIMI 31 . Identificadas 39 Os dados expostos neste Relatório referem-se a casos A identificar 154 onde ocorreram conflitos envolvendo comunidades indígenas. em arti- tocante à regularização de terras indígenas.6 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . São Paulo (1) e Tocantins (1). Mato Grosso como Terra Indígena (4). Portanto. com o registro de 20 ocorrências. Declaradas 62 ao agronegócio e às empresas de mineração e energia. Rondônia (1). segundo noticiou a imprensa. acampamentos indígenas espalhados por várias regiões do A opção do governo federal em promover a violação país. Total 1. No ano de 2013 o governo federal determinou que Situação Geral das Terras Indígenas Quantidade todos os procedimentos de demarcação de terras fossem suspensos. para Tribunal Federal (STF) Luiz Fux concedeu liminar contra o arrecadar e financiar a contratação de “empresas de seu registro em cartório. Sem providência 337 posseiros ou agricultores. portanto. de terras. Merece Indígena Kayabi. mente contra comunidades que vivem em acampamentos O estado do Rio Grande do Sul concentra o maior de beira de estrada. ter seu registro efetivado. ano de 2013. Ceará (1). em luta pela posse da terra. as expulsões número de casos de omissão e morosidade na regularização e as remoções de famílias. e pouco tem feito no (20). especial- nidades estão sujeitas a constantes violências e expulsões. Pará (1). terminamos 2013 sem segurança”. o poder Judiciário tomou provi- nenhum procedimento demarcatório concluído. onde crianças e adultos são atropelados e as comu.

que “O povo Waimiri Atroari vem sofrendo um acelerado sem território demarcado. Xukuru-Kariri de Quixaba (Glória/BA). O processo tem se arrastado ao longo dos anos. A manifestação foi pacífica DESCRIÇÃO: O MPF/BA ajuizou três ações em prol da aceleração na e os índios exigiram a presença de representantes da Funai. Truká-Tupã (Paulo Afonso/BA). uma rodovia e pedir mais agilidade no processo de demarcação XUKURU-KARIRI das terras Guarani-Kaiowá e a indenização dos produtores TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório rurais que hoje ocupam as áreas. principalmente à saúde e à educação. pois a trajetória da linha poderá DESCRIÇÃO: De acordo com ação civil pública interposta pelo MPF/ cortar áreas localizadas dentro da terra indígena. a assinar e publicar o decreto de homologação da direitos. O projeto de implantação da Linha de Trans. como previsto na Constituição (artigo de revisão dos limites está paralisado há quatro anos. a Funai e a União vêm ignorando os prazos legais e afron- tando os princípios constitucionais ao não finalizar o processo TERRA INDÍGENA: MURUTINGA demarcatório do território dos Tapeba. conforme relatos de membros da TERRA INDÍGENA: TAPEBA própria etnia. os indígenas reivindicam a publicação imediata do terra indígena. afirmou 1973). arrasta por quase quatro anos. sem apontar justificativa ou fundamento ingressou com ação civil pública com pedido de liminar para para isso. Para o processo de demarcação ser concluído relatório de identificação e a efetiva regularização do território depende apenas da publicação do decreto. os índios têm enorme dificuldade de processo de desconstrução de sua identidade histórica. MPF/MG. levou o MPF/AM a pedir a condenação da União MS 1 Caso para o pagamento de indenização por danos morais coletivos. Desde 2008 e até o presente. incluindo a região atualmente alagada agilizar a demarcação para garantir aos índios as terras que tra- pela Usina Hidrelétrica de Balbina. os problemas relacionados vão além pois. POVO: TAPEBA missão Manaus-Boa Vista. A omissão da União em deixar FONTE: Cimi Regional Leste. Propostas pela Procuradoria da Repú- blica em Paulo Afonso (BA). Assessoria de Comunicação do MPF/AM. também TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório é tido como uma ameaça. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 OMISSÃO E MOROSIDADE NA REGULARIZAÇÃO DE TERRAS 51 Casos AM 3 Casos territórios já demarcados. os prejuízos sofridos TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidadeno processo demarcatório pela não demarcação refletem-se no aumento da violência DESCRIÇÃO: O processo demarcatório teve início em 2008. Esta espera já se tradicional do seu povo. Após idas e vindas. A juíza 231) e no Estatuto do Índio (Lei n° 6. o processo ainda não havia sido encaminhado ao Ministério da Justiça. 04/09/2013. a demora no processo POVO: XAKRIABÁ de regularização da terra indígena é injustificável. PANKARARÉ. 29/11/2013 de cumprir a última fase do processo de demarcação da terra indígena. por meio da Presidência da dos conflitos na região. com a na região.001. devido à disputa de terras pelos não índios. No entanto. 19/04/2013 o governo federal iniciou o procedimento de construção do projeto que iniciou a UHE Balbina”. 19/04/2013. respondendo à TIPO DE DANO/CONFLITO: Descumprimento de prazos para demarcação requisição do MPF sobre a questão. Com o objetivo de garantir os seus República. 09/05/2013 identificação das áreas de Ponciano e Murutinga. TRUKÁ. As ações buscam limites demarcados. sem previsão de conclusão. Mais de oito MG 1 Caso meses após a publicação do relatório. e cultural a partir do final da década de 1960. TUMBALALÁ. A Funai iniciou os estudos de TERRA INDÍGENA: SETEMA identificação em 2007 e os procedimentos não foram publi- POVO: MURA cados. as ações demandam que a União e TERRA INDÍGENA: WAIMIRI-ATROARI a Funai concluam o reconhecimentos de terras dos Tumbalalá POVO: WAIMIRI-ATROARI (Abaré/BA). 19/04 e 16/05/2013 CE. O processo administrativo dicionalmente ocupam. demarcação de terras indígenas e da remoção de não índios de FONTE: Campo Grande News. social acesso a serviços públicos. a Funai. Kaimbé Massacará (Euclides da Cunha/ TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório BA) e Atikum (Rodelas/BA) e a desocupação das terras dos DESCRIÇÃO: Terras tradicionais do povo indígena foram excluídas dos Pankararé do Brejo do Burgo (Glória/BA). na decisão liminar. de 19 de dezembro de federal Jaiza Maria Pinto Fraxe. TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório FONTE: MPF/AM. Essa situação tem sido motivo de acirramento pedir à Justiça que obrigue a União. 27/08/2013 32 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . criação de um grupo técnico designado pela Funai para a FONTE: Assessoria de Comunicação do MPF/CE. os estudos foram concluídos em 2012. O MPF destaca também CE 1 Caso as frequentes invasões por parte de não indígenas para a exploração de madeira. POVO: MURA Conforme a procuradora Nice Cunha. TERRA INDÍGENA: VÁRIAS FONTE: MPF/AM. FONTE: MPF/AM. vem protelando a publica- DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) ção do documento. coordenado pela Aneel. Segundo a TERRA INDÍGENA: XAKRIABÁ juíza federal Jaiza Maria Pinto Fraxe. KAIMBÉ. 11/07/2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ BA 1 Caso TIPO DE DANO/CONFLITO: Descumprimento de prazos para demarcação DESCRIÇÃO: Uma das alternativas que os indígenas tiveram para cha- TERRA INDÍGENA: VÁRIAS mar atenção das autoridades estadual e federal foi bloquear POVOS: ATIKUM. pois foi aí que FONTE: MPF/BA. 22/05/2013 DESCRIÇÃO: Cerca de 300 indígenas Xakriabá retomaram uma parte do seu território tradicional.

impedimento do livre fluxo da fauna FONTE: Opan. finalização do processo legal. 25/04/2013 PA 1 Caso TERRA INDÍGENA: ENAWENÊ-NAWÊ TERRA INDÍGENA: TEMBÉ POVO: ENAWENÊ-NAWÊ POVO: TEMBÉ TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidadeno processo demarcatório DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal propôs ação civil púbica DESCRIÇÃO:A terra ainda não foi demarcada. É o primeiro passo para a consolidação de do agravamento dos conflitos provocados pela demora na diversos outros direitos dos povos indígenas. que deferiu pedido de duas DESCRIÇÃO: Com a demora na demarcação. reconquista da terra tradicional é fundamental para romper este histórico CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . DESCRIÇÃO: A terra indígena está demarcada desde 2008. acesso a uma alimentação tradicional adequada e integridade do território. 11/11/2013 e facilidade de invasão. Felício Pontes Egon Heck Há cinco séculos os povos indígenas resistem às violências e violações cometidas contra eles. segundo o cacique. de tantas denúncias”. “tudo está sendo destruído não indígenas. Conforme a procuradora da República. O MPF/PA entrou em que pede à Justiça Federal que obrigue a Funai a concluir o com ação para que seja regularizada a situação fundiária e relatório para a revisão dos limites da terra indígena Enawenê. 16/10/2013 TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TERRA INDÍGENA: MANOKI (IRANTXE I) DESCRIÇÃO: Os estudos de identificação e delimitação da terra POVO: IRANTXE indígena foram aprovados em abril/2011 e não foram encami- nhados ao Ministério da Justiça para as devidas providências TIPO DE DANO/CONFLITO: Invasão e exploração madeireira de regularização. POVO: KAYABI Segundo o cacique Manoel Kanunxi. a Funai está recorren- do de uma decisão do juiz federal da 21a Vara do Distrito TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório Federal.PONTAL (SÃO TOMÉ) os conflitos agrários na região e a degradação ambiental. FONTE: Assessoria de Comunicação do MPF. Os indígenas flagraram uma pousada-pesqueiro FONTE: Assessoria de Comunicação do MPF. MUNDURUKU. a terra indígena tem associações rurais de Brasnorte para a suspensão do processo sofrido grandes impactos pela instalação de pastos e abertura administrativo que versa sobre a regularização da terra indí- de estradas.CIMI 33 . quase 14 anos encontram na área. que compromete a própria saúde. ainda não foi concluído. como educação. 19/04/2013 em operação às margens do Rio Sangue. O processo teve início no ano 2000 e. além de muito fogo. rodeada por pastagens. ilegalmente. Madeireiros invadem e desmatam manutenção do seu modo de viver e da sua cultura”. suscita problemas ambien. POVOS: APIAKÁ. “A importância da demarcação do nas cobram celeridade no processo de homologação diante território é ímpar. Essa ocupação acelerada no entorno da terra e enquanto isso não recebemos resposta nenhuma depois indígena. O procurador da República. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 MT 4 Casos depois. Hamilton de Sá Dantas. ISOLADOS FONTE: MPF/MT. Mas. dentro da sua terra. que seja efetivada a desintrusão de possíveis posseiros que se -Nawê. tais como queimadas. Essa demora causa um sério desgaste e é prejudicial à população indígena já que acirra TERRA INDÍGENA: APIAKÁ . que facilitam a movimentação de ocupantes gena. Localizaram também cerca de cinco áreas de extração de TERRA INDÍGENA: PIRIPIKURA cascalho no norte da terra Manoki. Os indíge- Márcia Brandão Zollinger.

e não foram colocados os marcos demarcatórios. porém a terra não foi demarcada. Na ocupação do balneário sofreram ameaças. POVO: ORO WARI FONTE: MPF/PE. TERRA INDÍGENA: RIO DOS ÍNDIOS FONTE: MPF/PE. sendo que alguns dos problemas FONTE: Sítio CATVE. catório da terra indígena. embora os indígenas tenham pressionado 34 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . POVO: TRUKÁ o processo não avançou. além de não DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal/PI ajuizou ação civil pública ter as mínimas condições de sobrevivência. solicitou. por exemplo.Equipe Iraí. DESCRIÇÃO: Passados 18 meses da publicação da portaria declaratória FONTE: MPF/PI. de dois hectares. vigias atiraram e um indígena foi ferido. O MPF está ajuizando ação civil pública no intuito TERRA INDÍGENA: RIO NEGRO OCAIA de apressar a regularização da terra. ção das Crioulas. RO 1 Caso rizadas. causando insegurança para ambas as partes. que faz limite com a Comunidade Quilombola de Concei. Ocupam há 20 anos um espaço mínimo de terra totalmente insuficiente à sobrevivência. As áreas nos municípios de Terra Roxa e Guaíra já estavam passando pela demarcação porém. A presença de pessoas não integrantes da FONTE: Zero Hora do RS. A relação entre agricultores e indígenas é cada área denominada Continente. Gleisi Hoffmann. 19/04/2013 TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TERRA INDÍGENA: SERRA DO ARAPUÁ DESCRIÇÃO: Osestudos técnicos relativos à regularização da terra POVO: PANARÁ indígena foram aprovados em fevereiro de 2011. por exemplo. a Justiça obrigue a Funai a fazer FONTE: Cimi Regional Sul .Equipe Iraí. 19/04/2013 TERRA INDÍGENA: TEKOHA ARAGUAJU POVO: AVÁ-GUARANI PE 4 Casos TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TERRA INDÍGENA: PIPIPÃ DESCRIÇÃO: Ogoverno federal suspendeu a demarcação de terras POVO: PIPIPÃ indígenas no Paraná. a regularização da terra indígena não TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório avançou. DESCRIÇÃO: Os indígenas estão aguardando pela regularização da FONTE: MPF/PE. 12/2013 a demarcação da terra indígena nos prazos estabelecidos pelo Decreto 1775/96 e no artigo 11. ainda. bem como a violência e o preconceito sofridos pelos índios que vivem em áreas ainda não regula. 12/2013 TERRA INDÍGENA: MATO PRETO POVO: KAINGANG PI 1 Caso TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TERRA INDÍGENA: KARIRI DESCRIÇÃO: Passados 15 meses da publicação de Portaria Decla- POVO: KARIRI ratória no 2222/2012. 19/04/2013 terra há mais de 15 anos e protestam contra a morosidade TERRA INDÍGENA: ATIKUM na demarcação. para que. com RS 20 Casos estabelecimento de prazo pela Justiça Federal. por meio de liminar. bem POVO: KAINGANG como a violência e o preconceito sofridos pelos índios que TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório vivem em áreas ainda não regularizadas. que União e Funai sejam condenadas a PR 1 Caso pagar indenização aos indígenas por danos morais coletivos. 22/11/2013 comunidade indígena no local vem prejudicando o pleno usufruto da terra pelos índios. 17/05/2013 decorrentes da demora são. 19/04/2013 POVO: KAINGANG TIPO DE DANO/CONFLITO: Descumprimento de prazos para demarcação TERRA INDÍGENA: TRUKÁ DESCRIÇÃO: Após 19 meses da conclusão do levantamento fundiário. FONTE: MPF/PA. 16/12/2013 não há interesse do governo em demarcá-la. o eixo norte corta a área indígena e FONTE: Cimi Regional Sul . FONTE: Cimi Regional Nordeste.. POVO: ATIKUM sendo que têm direito a 715 hectares. Embora o TERRA INDÍGENA: PASSO GRANDE DA FORQUILHA órgão indigenista tenha oferecido várias informações sobre POVO: KAINGANG a demora na regularização da terra indígena. o procurador da República observou que a Funai não vem cumprindo os TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório prazos estabelecidos na legislação que rege o tema. da Lei 7347/1985. a falta de acesso a serviços públicos. a falta de acesso a serviços públicos. Pedem mais agilidade TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório no pagamento das indenizações aos ocupantes não índios DESCRIÇÃO: Há demora no processo de desintrusão da área indígena no balneário. TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidadeno processo demarcatório FONTE: MPF/PA. Com as obras da transposição vez mais tensa. com TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidadeno processo demarcatório a ordem da ministra-chefe da Casa Civil. A comunidade sofre preconceitos e ameaças. 09/12/2013 da terra indígena. 19/04/2013 DESCRIÇÃO:O MPF/PE busca decisão judicial que determine a conclusão do processo demarcatório da terra indígena. o DESCRIÇÃO: Os indígenas aguardam a conclusão do processo demar- processo foi paralisado. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 Jr. Há omissão por parte do Estado TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório no reassentamento dos agricultores e na indenização das DESCRIÇÃO: Foi suspensa a portaria declaratória da demarcação da benfeitorias. do Rio São Francisco. Alguns dos problemas decorrentes da demora na demarcação das terras TERRA INDÍGENA: RIO DOS ÍNDIOS são.

Equipe Porto Alegre DESCRIÇÃO: Após três anos da publicação do GT para a identificação e delimitação da terra tradicional. Equipe Iraí – 12/2013 DESCRIÇÃO: Os Guarani aguardam a conclusão dos estudos de de- marcação de suas terras desde 2008. que a identificação e delimitação da terra tradicional. que tiveram início em 2009. A comunidade está POVO: GUARANI MBYA confinada e insegura. 12/2013 ignoradas pelo governo brasileiro TERRA INDÍGENA: LAJEADO DO BUGRE muito pequenas. 12/2013 FONTE: Cimi Regional Sul . FONTE: Cimi Regional Sul. As demandas dos povos indígenas são.Equipe Iraí. A comunidade vive na beira da BR-386. documentos a serem fornecidos pela Funai para a conclusão FONTE: Cimi Regional Sul . TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório FONTE: Cimi Regional Sul . 12/2013 FONTE: Cimi Regional Sul . pois suas famílias estão em áreas -se em 2010. porém os Guarani continuam sem ocupar a sua CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . onde lhes faltam terra para plantar. TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório FONTE: Cimi Regional Sul. não foi concluído o Relatório Circunstanciado da terra indíge- na. Arquivo Cimi Sem solução para os agricultores e para os indígenas. FONTE: Cimi Regional Sul . 12/2013 TERRA INDÍGENA: MATO CASTELHANO POVO: KAINGANG TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório DESCRIÇÃO: Cercade quatro anos após o início dos trabalhos. 12/2013 DESCRIÇÃO: A Funai pediu complementação dos estudos. Os indígenas estão confinados. Equipe Iraí. os trabalhos não foram POVO: GUARANI MBYA concluídos. há um aumento da tensão na área. ao grupo técnico. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 as autoridades. sofrendo ações judiciais com ameaça de despejo. não foi concluída a demarcação física da terra. água POVO: KAINGANG para beber e até mesmo espaço para transitar.CIMI 35 . TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório FONTE: Cimi Regional Sul. reintegração de posse.Equipe Porto Alegre TERRA INDÍGENA: XINGU TERRA INDÍGENA: ARROIO DO KONDE POVO: KAINGANG POVO: GUARANI MBYA TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório DESCRIÇÃO:Cerca de quatro anos após a publicação do GT para DESCRIÇÃO: A Funai pediu complementação dos estudos. ao grupo técnico. POVO: KAINGANG FONTE: Cimi Regional Sul . Equipe Iraí.Equipe Porto Alegre do Relatório Circunstanciado. A comunidade vive na beira da estrada.Equipe Porto Alegre TERRA INDÍGENA: ITAPUÃ TERRA INDÍGENA: IRAPUÁ POVO: GUARANI MBYA POVO: GUARANI MBYA TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório DESCRIÇÃO: A conclusão do procedimento demarcatório é esperada DESCRIÇÃO: A publicação de identificação e delimitação concretizou- desde 2008 pelos Guarani. tiveram início em 2009. insistentemente. vivendo embaixo DESCRIÇÃO: A Funai pediu complementação dos estudos. Os estudos encontram-se TERRA INDÍGENA: CARAZINHO paralisados na Funai. A comunidade se sente insegura e sofre com dificuldades de sobrevivência. com o TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório risco de atropelamento e com permanentes liminares de DESCRIÇÃO: Os estudos do GT encontram-se prontos desde 2008. da terra indígena. os trabalhos não foram TERRA INDÍGENA: PONTA DA FORMIGA concluídos. A comunidade está confinada em um espaço POVO: GUARANI MBYA insuficiente para sua sobrevivência e sujeita às intempéries. com o risco de atropelamentos de crianças e dificuldade de sobrevivência.Equipe Porto Alegre TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório DESCRIÇÃO: Após três anos da publicação do GT para a identificação TERRA INDÍGENA: MORRO DO COCO e delimitação da terra tradicional. a comunidade aguarda a Portaria TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório Declaratória. sobrevivendo de cesta básica e sem Mas a Funai não deu andamento ao processo de identificação espaço para plantar. Equipe Iraí. O órgão indigenista questio- na o tamanho da área identificada. e propõe sua redução. FONTE: Cimi Regional Sul . FONTE: Cimi Regional Sul. TERRA INDÍGENA: KANDÓIA FONTE: Cimi Regional Sul .Equipe Iraí. que de lona e sem condições de sobrevivência. faltam tiveram início em 2009. ao grupo técnico.Equipe Porto Alegre POVO: KAINGANG TERRA INDÍGENA: PASSO GRANDE TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório POVO: GUARANI MBYA DESCRIÇÃO: Passados três anos da publicação do Relatório Circuns- tanciado da terra indígena. alegando problemas TERRA INDÍGENA: PETIM antropológicos.

favorável aos desde o ano 2000. 22/11/2013 colo de intenções para terminar o pagamento. FONTE: Cimi Regional Sul . Até hoje aguarda também a finalização das indígenas em primeira instância. Enquanto aguardam. pois as comunidades vivem em áreas de TERRA INDÍGENA: YAKÁ PORÃ beira de estrada. Para a comunidade Guarani do Araçá’i a prioridade DESCRIÇÃO: A comunidade aguarda a solução para a completa regu. a solução o mais rápido possível.Equipe Porto Alegre POVO: GUARANI NHANDEVA TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TERRA INDÍGENA: TEKOHA PORÃ DESCRIÇÃO: A Procuradoria da República em Chapecó iniciou um POVO: GUARANI MBYA ciclo de visitas às comunidades indígenas atendidas pela TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório unidade. onde lhes faltam terra para plantar. A Funai solicitou a complemen- Os estudos já foram concluídos. Até o presente as comunidades TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório esperam o término dos estudos. 12/2013 a conclusão dos trabalhos. Já se FONTE: Cimi Regional Sul . a comunidade ocupa apenas a metade da área desapropriada. Estiva conseguem acessar recursos como lenha e matéria prima e Lomba do Pinheiro estão em estudos de identificação e para fazer seu artesanato. A Funai precisa agilizar os procedimentos. relatada é o início das medições da área demarcada e maior larização da Tekoá Porã. Os Guarani aguardam FONTE: Cimi Regional Sul. FONTE: MPF/SC. indenizações.Equipe Porto Alegre FONTE: Cimi Regional Sul . ainda não foram concluídos. As SC 10 Casos cercas estão abertas e os animais dos vizinhos entram na terra e comem as plantações da comunidade indígena. Capivari. mas a desintrusão não foi feita tação do estudo antropológico. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 terra tradicional. Vivem em TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório Walter Campanato A demarcação das terras indígenas é fundamental para garantir a continuidade do modo tradicional de viver e cultivar.Equipe Porto Alegre TERRA INDÍGENA: MORRO DO OSSO TERRA INDÍGENA: CANTAGALO POVO: KAINGANG POVO: GUARANI MBYA TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidadeno processo demarcatório TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório DESCRIÇÃO: O grupo de trabalho foi criado em 2010. Equipe Florianópolis. e as famílias de não-índios ainda estão na área indígena. delimitação desde dezembro de 2012. mas os estudos DESCRIÇÃO: A Cantagalo é uma das aldeias mais antigas do estado. baseado no respeito à vida 36 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 .Equipe Porto Alegre passam anos da decisão do ministro e mais de quatro anos desde que a terra foi homologada pelo presidente da República. e até mesmo espaço para transitar. O governo estadual não cumpriu com o proto. pequenas áreas com muitas famílias.Equipe Porto Alegre POVO: GUARANI TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TERRA INDÍGENA: VÁRIAS DESCRIÇÃO: A Funai criou em 2011 um GT para a regularização das POVO: GUARANI MBYA terras Cambirela e Massiambu. e aguardam há bastante pois a comunidade está vivendo na beira da estrada e aguarda tempo o reconhecimento de suas terras. água POVO: GUARANI para beber. Atualmente. TERRA INDÍGENA: GUARANI DO ARAÇÁ’I FONTE: Cimi Regional Sul . desapropriada pelo governo estadual celeridade da ação judicial relativa à questão. Querem que a Funai agilize os procedimentos. TERRA INDÍGENA: CAMBIRELA FONTE: Cimi Regional Sul . não DESCRIÇÃO: As terras indígenas Acampamento Lami.

recentemente reconhecida pela Funai como terra tradicional FONTE: Cimi Regional Sul. FONTE: Cimi Regional Sul. A região foi dos marcos demarcatórios. em audiência. 02/2014 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . No dia 13 de outubro a terra foi POVO: GUARANI invadida por homens armados que não têm qualquer relação TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório com o local e ameaçaram os indígenas. 19/04/2013 FONTE: Cimi Regional Sul. Os Clevelândia. FONTE: Rede Brasil Atual. tipo de pressão. Equipe de Florianópolis. MPF/SC. atendeu os seus pedidos de paralisar componente indígena de licenciamento ambiental.813. deputados do Rio de instalações de água e saneamento básico. o ministro da Justiça José cação e saúde. Estes reivindicam a DESCRIÇÃO: Depois de décadas reivindicando o início do procedimen. Equipe de Florianópolis. as demarcações das terras indígenas nesses estados. Em março de 2011 sofreram um primeiro des- TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório pejo. Em abril de 2013 o Ministério Público iniciado pela Funai em 2003. que foi aprovada mas. pela ausência de instalações de água e sa. FONTE: Cimi Regional Sul. FONTE: Cimi Regional Sul. Equipe Florianópolis.CIMI 37 . a comunidade sofre invasões e todo registros da Sesai. 12o/2013. audiência sobre a monocultura do eucalipto na região. MPF/SC POVO: KAINGANG TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TERRA INDÍGENA: YVY DJU/RETA DESCRIÇÃO: Desde 2010 os indígenas reivindicam as suas terras POVO: GUARANI tradicionais. O órgão indigenista contratou uma empresa hectares para abrigar duas mil pessoas. neamento básico. Enquanto pela não inclusão da aldeia no orçamento e nos sistemas de não se dá uma solução. mas sofreram DESCRIÇÃO: A comunidade reivindica há mais de sete anos o início do novo despejo e foram transferidos para o município de procedimento de regularização fundiária da terra indígena. o DESCRIÇÃO: Oprocedimento de demarcação da terra indígena foi GT não foi criado. lide- cação. Equipe Florianópolis. Paulo Cesar Ávila de Souza e outros e alertou que os indígenas sofrem com a falta de acesso entraram com Ação Ordinária na 2a Vara da Justiça Federal adequado aos serviços de educação e saúde. foi contratada uma empresa para ranças indígenas encontraram um desmatamento feito por a colocação dos marcos demarcatórios mas isso ainda não tratores de esteira localizado a 200m da terra indígena. geográfico e ambiental elaborado pelos técnicos da instituição e enviado TERRA INDÍGENA: TARUMÃ ao Ministério da Justiça. em aconteceu. 12/2013. 25/04/2013. A Funai já contratou uma empresa para a colocação várias famílias indígenas até os anos de 1970. imediatamente. Está incluída no estudo antropológico. uma área reivindicada que ficou fora da demarcação. 12/2013 Guarani. mesmo assim. para dar início à colocação dos marcos demarcatórios mas. pela ausência Eduardo Cardozo recebeu. Retornaram ao seu território em 2013. regularização da área para voltarem a plantar. 12/2013 FONTE: Lideranças Apinajé. TERRA INDÍGENA: FRAIBURGO FONTE: Cimi Regional Sul. pelos conflitos fundiários. 12/2013 TO 1 Caso TERRA INDÍGENA: PINDOTY TERRA INDÍGENA: APINAYÉ POVO: GUARANI POVO: APINAJÉ TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório TIPO DE DANO/CONFLITO: Extração ilegal de madeira DESCRIÇÃO: O processo de regularização da terra indígena iniciou DESCRIÇÃO: Ao se deslocarem da aldeia para participarem de uma em 2003 e há dois anos o povo indígena espera pela demar. especialmente pedindo a suspensão da portaria e foram atendidos. muito próximo à aldeia. pois o local to de demarcação. indígenas vivem inseguros e pressionados pela construção de FONTE: Cimi Regional Sul. Equipe Florianópolis. O órgão indigenista propôs a regularização como medida no EIA da Linha de Transmissão TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório Itapoá-Tecon (SC). pelos conflitos Grande do Sul e de Santa Catarina e membros da Fetraf-Sul/ fundiários. Equipe Florianópolis. KAINGANG. porém os trabalhos não avançam. 12/2013 para a exigência de realização do componente indígena de licenciamentos ambientais. Em 2009 foi assinada a Portaria recomendou à Funai o início do processo de regularização Declaratória nº 2. e pelos entraves para a exigência de realização do Cut e. especialmente pela não inclusão da aldeia no orçamento e nos sistemas de registros da Sesai. a comunidade ainda aguarda a demarcação onde vivem já não comporta a população: são cerca de 25 física da área. Equipe Florianópolis. 12/2013 TERRA INDÍGENA: PIRAI SP 1 Caso POVO: GUARANI TERRA INDÍGENA: GUARANI DA BARRAGEM TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidadeno processo demarcatório POVO: GUARANI DESCRIÇÃO: O procedimento de demarcação foi iniciado em 2003 TIPO DE DANO/CONFLITO: Invasão e há dois anos a comunidade aguarda a demarcação física DESCRIÇÃO: Os índios retomaram uma área abandonada que abrigara da área. isso não ocorreu. e pelos entraves FONTE: Cimi Regional Sul. Segundo a Funai. 18/10/2013 até o presente. no Paraná. Em abril de 2013 o Ministério Público TERRA INDÍGENA: VÁRIAS Federal de Santa Catarina recomendou à Funai o início do POVOS: GUARANI. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 DESCRIÇÃO: Há mais de nove anos que os indígenas reivindicam da TERRA INDÍGENA: MORRO ALTO Funai o início do procedimento demarcatório e a regulariza- POVO: GUARANI MBYA ção fundiária da terra indígena. 12/2013 grandes obras como o Contorno Ferroviário de São Francisco. Equipe Florianópolis. XOKLENG procedimento de regularização e alertou que os indígenas TIPO DE DANO/CONFLITO: Morosidade no processo demarcatório sofrem com a falta de acesso adequado aos serviços de edu- DESCRIÇÃO: Em 6 de novembro de 2013. Cimi Regional GO/TO.

O governo completa desintrusão das propriedades rurais. FONTE: Cimi Regional Nordeste. nos estados do Ceará (1). Os fazendeiros do estado. DESCRIÇÃO: Cinquenta famílias indígenas retomaram duas fazendas reconhecida como área tradicional. O governo do estado. No Ceará. indígenas tiveram barracos industrial do Porto do Pecém. um delegado da Polícia Federal localidade. Rio Grande do Sul (4) e Santa Catarina (1). a Funai e a Petrobras estão comprando terra para entraram na justiça exigindo a garantia da posse da área. OIT. Ruy Sposati/Cimi Soldado da Força Nacional intimida liderança Munduruku. sem a devida consulta às comunidades como ameaçou fazer uso da Força Nacional para realizar prevê a Convenção 169 da Organização Internacional uma reintegração de p oss e. o povo Tapeba da comunidade de Matões enfrenta problemas com a invasão das obras do complexo No Rio Grande do Sul. 12/2013 TERRA INDÍGENA: ANACÉ POVO: ANACÉ MS 4 Casos TIPO DE DANO/CONFLITO: Construção do Porto de Pecém DESCRIÇÃO: A comunidade de Matões sofre com a invasão pelas obras TERRA INDÍGENA: LIMÃO VERDE do Complexo Industrial e Portuário do Pecém. Um indígena Guarani Mbya levou um tiro. porém não houve a pela degradação e invasão dos empreendimentos. um grupo armado cercou e atacou a comunidade. Os indígenas consultados. explicitando que o governo federal não aceita o contraditório e lança forças policiais contra os povos que lutam por seus direitos CONFLITOS RELATIVOS A DIREITOS TERRITORIAIS 10 Casos CE 1 Caso o local onde irão viver e outros aspectos fundamentais para a preservação do modo de vida da comunidade. Nesta mesma área . é importante esclarecer. No andamento a acordos para a compra de terras em outra Mato Grosso do Sul. a queimados e foram expulsos de uma área reto. O governo do POVO: TERENA estado firmou um contrato com a Petrobras e a Funai para a TIPO DE DANO/CONFLITO: Conflito fundiário implantação da Refinaria Premium II dentro da terra Anacé. do Trabalho (OIT). 17/09/2013 38 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . nunca foram mentando não se tratar de território tradicional. Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Petrobras dão mada. argu- alocar os indígenas que. como manda a legislação e a Convenção 169 da reivindicam a garantia de seus direitos sobre o território. sobre FONTE: Site do Cimi e Regional MS. A área está há casos de morte devido às mudanças no ambiente causadas com o processo demarcatório concluído. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 Conflitos relativos a direitos territoriais E m 2013 registramos 10 casos de conflitos relativos a direitos territoriais. Mato Grosso do Sul (4). Idosos estão adoecendo e já que incidiam sobre a terra indígena reivindicada. sobre alternativas à instalação do empreendimento.

que desapareceu ao se separar dos outros. barracas. Nacional. Mas não foram ouvidos e. A retomada da terra é a legítima forma dos povos indígenas de Na retomada houve confronto entre indígenas e agricultores. foram agredidos. de 66 anos. onde pretendem reassentar as famílias. os comerciantes de Vicente Dutra realizaram um boicote e Com a recusa dos índios. a terra indígena tem 10. mas ainda ocupado ilegalmente por agricultores. Segundo os TIPO DE DANO/CONFLITO: Conflito fundiário indígenas. motivando DESCRIÇÃO: Um delegado da Polícia Federal tentou realizar a rein. indígenas não concordam com essa proposta que fere seu espingarda calibre 12. O clima ao contrário. Levaram cerca. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 Dois indígenas e três agricultores ficaram feridos. Nos dois dias anteriores um grupo armado cercou FONTE: Cimi Regional Sul . o governo do estado decidiu oficializar reção aos índios. retornarem para os seus espaços sagrados CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . aproximadamente 45 tentando permutar a terra tradicional dos Guarani por indígenas estavam na região. direito constitucional. Conforme ainda depoimento das vítimas. homens armados que o local era terra indígena. 12/2013 Martoins Galto. Além disso. Ruy Sposati FONTE: Midiamaxnews RS 4 Casos TERRA INDÍGENA: IRAPUÁ POVO: GUARANI MBYA TIPO DE DANO/CONFLITO: Conflito fundiário DESCRIÇÃO: Um grupo de homens armados ateou fogo nos barracos de lona erguidos pela comunidade indígena em área retomada. vivem cerca TERRA INDÍGENA: RIO DOS ÍNDIOS de 2. deram falta do indígena FONTE: Cimi Regional Sul. dispararam contra um acampamento indígena. mas não foi concluído. explicando dicadas como de ocupação tradicional. ferindo um Kaingang. Eles tinham revólver. Na fuga.CIMI 39 . Segundo laudos da Funai. Equipe Florianópolis. em uma caminhonete Hilux preta.Equipe Porto Alegre TERRA INDÍGENA: PASSO GRANDE DA FORQUILHA POVO: KAINGANG TIPO DE DANO/CONFLITO: Conflito fundiário DESCRIÇÃO: Para pressionar o governo federal. FONTE: Cimi Regional Sul . Em quando oito pessoas. 14/11/2013 TERRA INDÍGENA: ARAÇÁ’I POVO: GUARANI POVO: GUARANI-KAIOWÁ TIPO DE DANO/CONFLITO: Tentativa de remoção da comunidade TIPO DE DANO/CONFLITO: Conflito fundiário DESCRIÇÃO: O governo de Santa Catarina vem a algum tempo DESCRIÇÃO: De acordo com a comunidade. um segurança do empreendimento sacou o revólver e fez POVO: GUARANI NHANDEVA disparos.Equipe Porto Alegre e atacou a comunidade. área comprada. os Kaingang decidi- ram retornar parte de seu território tradicional já declarado oficialmente. novembro. um dos pistoleiros deixou uma motocicleta para trás. Durante a ocupação. tudo nosso”. FONTE: Assessoria de comunicação do Cimi. a terra indígena.Equipe Porto Alegre TIPO DE DANO/CONFLITO: Conflito fundiário DESCRIÇÃO: Cerca de 20 famílias ocuparam uma fazenda que inci. foram ao local e deram tiros em di. Com a campanha. desde o dia 23 de outubro. Na ocasião.Equipe Porto Alegre dispararem armas de fogo contra eles. ele ameaçou despejo com a Força não vendiam produtos ou gêneros alimentícios aos Kaingang. a compra de 800 hectares na cidade de Bandeirantes. POVO: KAINGANG de sobre a área reivindicada como tradicional. chamados e puseram fogo no trator dos indígenas. Hoje. ao fugirem do ataque. POVO: KAINGANG O território recebeu seu primeiro registro de reconhecimento TIPO DE DANO/CONFLITO: Conflito fundiário pelo Estado em 1904. Pessoas TERRA INDÍGENA: PILAD REBUÁ foram presas por porte ilegal de armas. eles não queriam confronto e tentaram dialogar DESCRIÇÃO: Depois de terem retomado parte das terras reivin- com o fazendeiro que estava na propriedade. além de FONTE: Cimi Regional Sul . Os os acusados “chegaram dando tiros. Um processo de demarcação teve início em 1950.400 hectares.200 indígenas em 94 hectares divididos em duas aldeias. Outros fazendeiros foram ficou tenso na região. a comunidade decidiu reocupar parte da área. DESCRIÇÃO:Em função da morosidade do governo federal em FONTE: Cimi Regional Mato Grosso do Sul demarcar suas terras. diante do protesto dos agricultores que ocupam fortemente armados. que foi confiscada pelos indígenas SC 1 Caso e entregue à Polícia Federal. o confronto entre índios e agricultores. tegração de posse da fazenda retomada pelos indígenas. os indígenas foram ameaçados por fazendeiros da região de Caçapava do Sul e Cachoeira do Sul. sob controle de um empresário que instalou um bal- TERRA INDÍGENA: YVY KATU neário em parte do território indígena. Na imprensa local foi desen- TIPO DE DANO/CONFLITO: Conflito fundiário cadeada uma intensa campanha contra o povo. POVO: TERENA FONTE: Cimi Regional Sul .

os indígenas encontraram uma (1). registro de 6 casos nas terras indígenas Governador. Santa Catarina (2) e Tocantins (2). Caru. Alto Turiaçu e Awá. Alice Kohler O garimpo é uma das agressões mais recorrentes de exploração ilegal realizada dentro das terras indígenas. Paraíba (1). No acampamento. O estado do Maranhão continua em evidência. Na terra Manoki. Rondônia (4). no Parque Indígena do Xingu. A ação ocorreu durante o moni- Tivemos registros nos estados do Amazonas (4). os próprios indígenas interceptaram duas carretas abarro- tadas de toras de madeira. o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Krikati. Os infratores coletavam material de na área dos Awá-Guajá. povo de recente contato. Roraima Em outro local do território. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 Invasões possessórias. com o Ainda no Mato Grosso. Pará (5). além de causar inúmeros outros impactos 40 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . danos ao patrimônio e invasão. Mato Grosso (6). As agressões ocorrem princi. com ocorrências ligadas à extração ilegal de madeira. não era a primeira vez que o grupo visitava o Brasil. Bahia toramento regular que fazem na área. Naturais Renováveis (Ibama) flagrou sul-coreanos prati- palmente através da extração ilegal de madeira. Paraná (1). (3). inclusive cando biopirataria. os (1). Mato Grosso do Sul madeireiros portavam armas de fogo e consumiam droga. origem vegetal e faziam filmagens da coleta e utilização Também foram registrados 6 casos no estado do Mato das ervas medicinais pelos indígenas. Maranhão (6). exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio E m 2013 registramos 36 casos de invasões possessórias. exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio indígena. Foi constatado que Grosso. área totalmente degradada pelos invasores. garimpagem.

195 km2 de árvores. cabeças de gado e ocupa 1. o Negro. embarcações irregulares e diversos materiais de pesca ilegal. os povos de madeira e árvores plantadas na frente. tem a criação de 450 bois e a madeira mais de 600 kg de pirarucu. são retirados da terra indígena dos Awá-Guajá. onde a pesca é fonte de sustento de 13 comunidades.CIMI 41 . KARAPANÃ. A madeira é extraída por predatória e exploração ilegal de recursos naturais. A cidade só vem depois de muitos meses. As depredações TIPO DE DANO/CONFLITO: Extração ilegal de madeira foram denunciadas em documento enviado ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) pela Foirn. SURIANA veículos carregados. TUKANO POVO: GAVIÃO TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos ao patrimônio TIPO DE DANO/CONFLITO: Extraçãoilegal de madeira DESCRIÇÃO: Moradores das comunidades indígenas estão sofrendo DESCRIÇÃO: Mais de 70% da floresta original do Maranhão já foi impactos da pesca predatória e da retirada ilegal de madei- devastada. próxima à TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos ao patrimônio histórico e arqueológico Terra Indígena Alto Turiaçu. tanto quanto o de barcos pesqueiros de todos os portes. TARIANO. na região mais ao norte do estado. 08/04/2013 estimativas de cientistas. agricultores acampados na praça DESCRIÇÃO: Segundo denúncia da Federação das Organizações principal da cidade arrebataram dez sacos de farinha de Indígenas do Alto Rio Negro (Foirn) ao Ministério Público mandioca dos índios quando estes traziam o produto para Federal. foi constatada a exploração comercial do turismo vender no depósito de farinha. 05/08/2013 TERRA INDÍGENA: TUPINAMBÁ DE OLIVENÇA TERRA INDÍGENA: KRIKATI POVO: TUPINAMBÁ DE OLIVENÇA POVO: KRIKATI TIPO DE DANO/CONFLITO: Incêndio TIPO DE DANO/CONFLITO: Descumprimento de acordos de compensação CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . além de é retirada da própria fazenda. As madeireiras da região funcionam durante DESCRIÇÃO:Sob pressão de embarcações provenientes de cidades a noite e durante o dia se camuflam atrás de altos tapumes do Amazonas para explorar os rios Tapauá e Cuniuá. O sítio arqueológico localizado na terra indígena vem sendo alvo de depredações e. há uma ordem judicial para FONTE: Funai. ras. Há fazendas conjunta planejada pela Funai com a participação do Ibama instaladas dentro da terra dos Awá. A mata de maior valor já foi abaixo em Amarante. distribuíram de pesca dentro das terras indígenas sem autorização da o produto para pessoas do município. 24/08/2013 área. 21/05/2013 MA 6 Casos TERRA INDÍGENA: VÁRIAS TERRA INDÍGENA: GOVERNADOR POVOS: BARÉ. onde fica a maior área contígua DESCRIÇÃO: Pesquisadores e índios denunciam a retirada de camada de floresta do estado. de rochas. carne de caça. “vamos dar trabalho para o governo”. 04/07/2013 da área indígena e as madeireiras avançarem sobre esta. três mil ovos de quelônios. EXPLORAÇÃO ILEGAL DE RECURSOS NATURAIS E DANOS DIVERSOS AO PATRIMÔNIO 36 Casos DESCRIÇÃO: Foram depredadas cinco casas de moradores indígenas AM 4 Casos na cidade de Buerarema. Os manifestantes retiraram os móveis TERRA INDÍGENA: ALTO RIO NEGRO e atearam fogo. A denúncia foi feita pela coordenadora da Associação As terras indígenas que concentram boa parte da mata Indígena de Barcelos. BA 1 Caso FONTE: O Globo. sendo que uma delas e do Batalhão de Polícia Ambiental do Amazonas apreendeu ocupa 800 hectares. Após os saques. possivel. O tráfego de balsas com de Amarante é uma espécie de símbolo dessa destruição. Foram postos abaixo 106. TERRA INDÍGENA: CARU mente. Outro fazendeiro tem 800 quelônios vivos. FONTE: MPF/AM. 06/08/2013 ser encontrados no que resta das florestas no Maranhão. carregamento de madeira é intenso na região do Médio Rio Sede de dezenas de serrarias e de fábricas de móveis. A atividade ilegal indígenas do Médio Purus estão sendo impactados pela pesca recomeçou intensamente 2013. DESANO. os carregadores e motoristas dos caminhões declaram POVO: PAUMARI que extraíram a madeira das terras indígenas onde não há TIPO DE DANO/CONFLITO: Pescailegal madeira fraca. A fiscalização restante vêm sendo alvo da exploração madeireira. PIRATAPÚYA. segundo FONTE: Comissão Pastoral da Terra. madeira serrada. maçaranduba. Quando interpe- TERRA INDÍGENA: PAUMARI DO CUNIUÁ lados. O clima era de forte tensão entre moradores POVOS: DIVERSOS da cidade. No TERRA INDÍGENA: ALTO RIO NEGRO início de 2013. município e sua população observam a floresta acabar fora FONTE: Cimi Regional Norte I. BARÉ. Funai e sem o conhecimento das comunidades indígenas da FONTE: Cimi Regional Leste. Dilsa Tomás de Melo. DESCRIÇÃO: Caminhões carregados de tora de madeiras nobres como mas até o momento o órgão não se manifestou. com diâmetros que só podem FONTE: Agência de Jornalismo A Pública. com pinturas de mais de três mil anos. produtores e indígenas por conta da demora na TIPO DE DANO/CONFLITO: Pesca ilegal regularização das terras indígenas sobrepostas por fazendas.100 hectares da terra indígena. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 INVASÕES POSSESSÓRIAS. Segundo o próprio fazendeiro. 06/09/2013 que desocupem a terra mas eles alegam que não vão sair. Além do ataque às casas. Uma ação posseiros da região que invadem a terra indígena. ipê e jatobá. líderes dos índios Gavião apreenderam quatro POVOS: BARASANA. de furtos para atender demandas de colecionadores POVO: AWÁ-GUAJÁ ou de comercialização de gravuras rupestres. outros pescados.

19/04/2013 da BR-463. os índios foram forçados a fugir.com. acabam provocando degradação DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul ambiental na terra indígena. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 DESCRIÇÃO: Emvisita à terra indígena.693 m3 de madeira FONTE: MPF/MS. desencadeada para coibir Ao todo foram mais de 7 mil m2 de mata em área de preser- o desmatamento ilegal em áreas indígenas na Amazônia. uma vez que a competência para analisar o pedido de ídos ilegalmente das terras indígenas. grave problema é o tráfego na estrada MA-280 que corta FONTE: MPF/MS. Amazonas e no Mato Grosso. IRANTXE é recorrente pelos infratores em períodos de fiscalização TIPO DE DANO/CONFLITO: Construção de hidrelétricas ostensiva. 19/07/2013 As madeiras eram extraídas ilegalmente após a criação de créditos ilegais do produto no Sistema de Controle Florestal TERRA INDÍGENA: SARARÉ do Ibama. ma- POVO: KA’APOR tando vários animais. o MPF pede a execução de liminar TERRA INDÍGENA: APYKA’ Y concedida pela Justiça Federal que determina a inclusão do POVO: GUARANI KAIOWÁ. Neste caso. POVO: AWÁ-GUAJÁ que deveria ser parte integrante do EIA. O equipamento foi encontrado desmontado em um matagal próximo ao TERRA INDÍGENA: MANOKI (IRANTXE I) povoado Varig. comida e pertences foram destruídos pelas chamas.uol. Os indígenas estão acampados ambiental. TERENA componente indígena nas medidas de segurança referente TIPO DE DANO/CONFLITO: Incêndio ao uso da rodovia. colocando em risco a segurança da comunidade. 22/08/2013 saquearam plantações. os garimpos não têm qualquer tipo TERRA INDÍGENA: PACURITY de autorização para funcionamento. danos ao meio ambiente DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal ofereceu denúncia à Justiça MS 3 Casos contra 14 pessoas por suposta exploração ilegal de ouro. G1. sendo que a Reserva licenciamento é do Ibama. ERIKBATSA. Biológica do Gurupi já tem 1/3 de sua reserva desmatada. As chamas atravessaram vários sítios TIPO DE DANO/CONFLITO: Destruição do patrimônio da região. 25/10/2013 32 km de terra indígena. foi apreendida MT 6 Casos mais uma serraria no dia 9 de setembro. nhões madeireiros feita pelos indígenas dentro de sua terra. O EIA-Rima foi concluído e apresentado sem consulta aos TERRA INDÍGENA: AWÁ povos indígenas e sem o Estudo de Componente Indígena. 22/08/2013. Com a destruição do acampamento. que passa dentro de quatro terras indígenas. 11/09/2013 alagamento de 2. levaram animais e queimaram duas casas. DESCRIÇÃO:A operação Hiléia Pátria.200 hectares numa extensão de 19 km. POVO: NAMBIKWARA FONTE: notícias. 2014 beneficiada e em toras. 15/09/2013 42 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . DESCRIÇÃO: Um incêndio de grandes proporções atingiu as margens FONTE MPF/MA. 09/12/2013 TIPO DE DANO/CONFLITO: Garimpagem. A comunidade Apika’y foi atingida e seus barracos DESCRIÇÃO: Cerca de 50 madeireiros invadiram a comunidade consumidos pelo fogo. O cemitério fica dentro de uma MA expediram recomendação para que seja finalizado o fazenda reivindicada pela comunidade de Pacurity como processo de desintrusão da terra. instaurou Inquérito Civil Público para apurar a destruição FONTE: G1. te. O clima era bastante tenso na região.br/meio-ambiente. Segundo a denúncia. Os índios temiam TERRA INDÍGENA: TAQUARA novas invasões. em Dourados. seu território. Segundo a Funai. propuseram ação civil pública contra a Eletro. Outro fazenda Cruz de Malta. No referente à agressão sendo território tradicional. além de dificultar a POVOS: DIVERSOS regeneração de florestas e demais formas de vegetação.br.com. os procuradores do MPF/ de um cemitério indígena. As famílias buscaram refúgio no mato como POVO: GUARANI KAIOWÁ esconderijo. A licença prévia foi TIPO DE DANO/CONFLITO: Desmatamento concedida irregularmente pela Secretaria de Meio Ambien- DESCRIÇÃO: Cerca de 500 mil m3 de madeira estavam sendo extra. polo madeireiro do estado. permissão ou licença POVO: GUARANI KAIOWÁ emitida por órgãos competentes. FONTE: Assessoria de Comunicação MPF. desativou 27 serrarias e apreendeu 4. Agentes do Ibama encontraram quatro serrarias DESCRIÇÃO: A usina hidrelétrica Paiaguá. Pará. projetada no Rio Sangue. TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos ao patrimônio FONTE: Cimi Regional Maranhão. 17 famílias vivem nos barracos gena na renovação do licenciamento ambiental de linhas montados à margem da rodovia e da área de reserva legal da de transmissão que passam em território indígena. FONTE: Dourados News. A TIPO DE DANO/CONFLITO: Desmatamento derrubada de árvores não respeitou a mata ciliar do córrego. 27/08/2013 O MPF/MS denunciou o agricultor pela destruição DESCRIÇÃO: TERRA INDÍGENA: VÁRIAS da vegetação que estava em estágio de regeneração e por armazenar madeira sem autorização. Em Buriticupu. provocará o FONTE: O Estado do Maranhão. No ato da invasão. vação permanente que foram derrubados irregularmente. no final do mês de agosto. O fogo começou em uma lavoura de cana e se alastrou por vários hectares. A operação ocorreu simultanea- mente em Rondônia. enquanto suas barracas. O fogo durou 12 horas e deixou TERRA INDÍGENA: ALTO TURIAÇU interditada também a rodovia MS 370. indígena em represália à fiscalização e apreensão de cami. Além da irregularidade TIPO DE DANO/CONFLITO: Destruição do patrimônio na operação do garimpo. às margens da BR-469 há 22 anos à espera da demarcação de norte para que seja levado em conta o componente indí. eles amarraram e bateram em indígenas. A prática de desmontar e esconder serrarias POVOS: AVÁ-CANOEIRO.

Os des. Também foi constatado que não era a primeira vez que o da palha usada nas moradias. TERRA INDÍGENA: CHIQUITANO diam fundar uma nova aldeia e onde até julho havia bastante POVO: CHIQUITANO mata. KAMAYURÁ. principalmente. que pretende expulsá-los da região. A Funai ain- POVOS: IKPENG. mas. acarretando destruição da vegetação e. a invasão de pessoas ligadas ao DESCRIÇÃO: Após denúncia que pessoas estavam coletando material fazendeiro na área de 300 hectares destinada para uso co- genético na terra indígena. sem a autorização da comunidade. No loca. além disso. 11/11/2013 DESCRIÇÃO: Alegando amparo em decisão judicial. 08/11/2013 um desmatamento com cerca de três quilômetros de extensão por 450 metros de largura. 13/11/2013 FONTE: Cimi Regional Mato Grosso. Havia pelo menos 15 pessoas no ambiental informou que foi constatado que muitas madei- acampamento dos madeireiros. Os infratores possuem deiro. O analista no interior da sua terra. os de material vegetal e filmavam as formas de coleta e uso Chiquitanos vêm sofrendo retaliações e pressões do fazen- de ervas medicinais pelos indígenas. não a relativa quantidade de madeira em seus p registro fotográfico e filmagens. que portavam armas de reiras usavam créditos fictícios de madeira para acobertar fogo e consumiam drogas dentro da terra indígena. Em setembro de 2013. porém poucas providências átios. foi filmado FONTE: Topnews Notícias. o Ibama flagrou pesquisadores mum da comunidade. inclusive com apoio de crédito. fazendo que a água desça imprópria para o que estavam desrespeitando as normas nacionais. biológicas para indústrias farmacêuticas e de cosméticos. O fazendeiro uma empresa nos Estados Unidos. outras tinham sido crimes fartamente denunciados.CIMI 43 . cerca de 133 m3 de madeira 20 indígenas durante o monitoramento regular que realizam nativa retirada ilegalmente da terra indígena. O gado também pisoteia a grupo sul-coreano visitava o Brasil.l a comunidade retira toda coreanos praticando biopirataria. com o conhecimento de nascente do rio. TERRA INDÍGENA: PARQUE INDÍGENA DO XINGU nos 25 hectares reivindicados pelos indígenas. DESCRIÇÃO: A fiscalização do Ibama apreendeu quatro caminhões Duas carretas abarrotadas de toras foram interceptadas por que transportavam 41 toras. Ultimamente. os indígenas encontraram a área totalmente degradada.com. os incêndios e a retirada ilegal de madeira têm madeira sem ter o crédito correspondente. a qual revende amostras colocou o gado na área de uso comum da comunidade. um fazendeiro está colocando pessoas. WAURÁ da não concluiu os estudos de identificação e delimitação TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos ao patrimônio da área. Algumas delas possuíam matamentos. Eles coletavam amostras a matéria prima para a sua subsistência. 02/2014 Arquivo Cimi A extração ilegal de madeira dentro dos territórios indígenas é o motivo de muitos conflitos vivenciados pelos povos e uma das principais ameaças aos indígenas em situação de isolamento CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . No local onde os Manoki preten. FONTE: Repórter MT. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 TERRA INDÍGENA: MANOKI (IRANTXE I) TERRA INDÍGENA: ARARA DO RIO BRANCO POVO: MANOKI POVO: ARARA TIPO DE DANO/CONFLITO: Extraçãoilegal de madeira TIPO DE DANO/CONFLITO: Desmatamento DESCRIÇÃO: A terra indígena continua a ser alvo de desmatamento.br. foram tomadas até agora. TIPO DE DANO/CONFLITO: Invasão FONTE: Opan. consumo. Há. produto extraído de áreas ilegais.

Não conseguem emprego tempo dentro da área indígena. as exigências foram desprezadas e houve POVO: KAYAPÓ. a morte de peixes e crustáceos aumenta as dificul- FONTE: MPF/PA. foram constatadas várias FONTE: Cimi Regional NorteII . A Funai fez vários questionamentos determinando portanto. tal a precariedade da construção. As casas não possuem energia elétrica por falta de POVO: KAYAPÓ documentação e têm dificuldade no acesso ao INSS para conseguirem acessar o direito à aposentadoria e a outros TIPO DE DANO/CONFLITO: Garimpo ilegal benefícios. pelo Ibama e pelo BNDES que iniciaram a obra da hidrelétrica Belo Monte sem medir os impactos que esta terá sobre eles. 07/08/2013 TERRA INDÍGENA: KAYAPÓ POVO: XIKRIM TIPO DE DANO/CONFLITO: Construção de hidrelétrica DESCRIÇÃO:Os índios tiveram seus direitos violados pela Norte Energia. Polícia Federal e MPF. do Incra. criação de mais áre- as de pasto e novos focos de monocultura para plantio de soja. de conflito entre índios e fiscais DESCRIÇÃO: As comunidades vivem da pesca no Rio Mamanguape.6ª Câmara de Coordenação e Revisão. Segundo TERRA INDÍGENA: TEMBÉ análise do MPF. 21/05/2013 dades de sobrevivência dos indígenas. “a cultura é uma única coisa 44 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Há uma escola na aldeia. todos que vivem à beira do rio estão sendo atin- TERRA INDÍGENA: ATIKUM gidos. TEMBÉ comprometimento das atividades pesqueiras dos indígenas. FONTE: Greenpeace Brasil.Equipe de Marabá. e POVO: KAYAPÓ para que o povo não perca o vínculo com suas tradições TIPO DE DANO/CONFLITO: Extração ilegal de madeira ancestrais. Uma das grandes preocupações da cacique Paulina é com a regularização da TERRA INDÍGENA: BAÚ terra para que possam exercer sua cultura e seus rituais. O Rio Bacajá deságua no Rio Xingu exatamente no trecho que vai perder 80% da vazão. que não atinge toda a TERRA INDÍGENA: KAYAPÓ aldeia. 02/08/2013 demitidos por conta da disputa por terra. Além do clima tenso. nem como diaristas. Além das comunidades indígenas. porém as crianças não DESCRIÇÃO: Segundo informações. Ministério Público Federal. 10/07/2013 irregularidades no local. um dos últimos redu- tos de floresta que restam no nordeste do estado. Xingu. a única área de floresta na região está sendo DESCRIÇÃO: Conforme relato de visita técnica realizada pelo devastada pelos invasores. ouro dentro da terra indígena. a Volta Grande do A monocultura significa a morte da terra para os povos indígenas e. como consequência TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos ao patrimônio da invasão. Com a presença da fiscalização. Aproximadamente 30 indígenas foram FONTE: MPF . demonstrando que as pressões da exploração predatória na região cresceram de forma extremamente agressiva e desordenada. os indígenas solicitaram à Polícia possuem material para estudar e as aulas dependem das Federal e ao Ibama ajuda para retirar garimpeiros que extraem condições climáticas. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 Foi detectado o progressivo avanço da degradação Laila Menezes/Cimi DESCRIÇÃO: florestal sobre áreas protegidas. em 2012. POVO: ATIKUM FONTE: Apoinme. que reagiram violentamente à de onde tiram seu alimento e o sustento da família. com a perda da maioria das espécies do manguezal. perda irreparável de biodiversidade. 10/09/1013 DESCRIÇÃO: A área da Terra Indígena Tembé. Nas suas palavras. 09/2013 TIPO DE DANO/CONFLITO: Invasão e exploração madeireira DESCRIÇÃO: Os indígenas denunciam a ocorrência de invasão e ilícito PR 1 Caso ambiental na área ocupada por 18 famílias indígenas dentro POVO: GUARANI de um Projeto de Assentamento para Reforma Agrária. Eles não têm caixa d’água e uti- lizam o antigo sistema Eletrosul. de toda possibilidade de vida a realização de estudos complementares para examinar os impactos que podem comprometer as atividades de subsistência (pesca) e comerciais (castanha) e a locomoção PA 5 Casos das comunidades Xikrim. ambientais com madeireiros. TIPO DE DANO/CONFLITO: Poluição da água A terra já foi palco. na região. Conforme operação conjunta do Ibama. TIPO DE DANO/CONFLITO: Extração ilegal de madeira FONTE: MPF/PA. poluição. mas nos estudos da Norte Energia não constava a resposta a nenhuma das questões. foram TERRA INDÍGENA: POTIGUARA-MONTE MOR cumpridos 27 mandados de busca e apreensão relacionados POVO: POTIGUARA a empresas madeireiras que exploram o território indígena. As con- sequências são graves: destruição de floresta nativa pela exploração predatória de espécies de alto valor comercial. tem sido PB 1 Caso invadida e explorada ilegalmente por madeireiros. O garimpo existia há algum Não há acesso à coleta de lixo. O desmatamento de grandes áreas por atividades ilegais é contínuo.

No local foram encontrados mais de 60 m3 de toras extraídas ilegalmente. conhecido como DESCRIÇÃO: Para a construção de um parque. e disseminação de bebidas alcoólicas e caça predatória no lógicos pertencentes aos povos indígenas. MAKURAP. iniciaram uma sequência de atos FONTE: Cimi Regional Sul. 30/07/2013 POVO: GUARANI TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos ao patrimônio TERRA INDÍGENA: TENHARIM MARMELOS DESCRIÇÃO: Foram cortados em 38 pedaços os 200 metros da POVOS: JIAHUI. 12/2013 TERRA INDÍGENA: APINAYÉ TERRA INDÍGENA: MAKURAP POVO: APINAJÉ POVOS: MAKURAP. JABUTI. 12/2013 FONTE: Blog da Associação Apinaye. WAYORÓ encontraram. São 70 fornos de carvão usado para siderúrgicas desbarrancamento. a obra foi paralisada. Natureza do Tocantins (Naturantins) de Palmas. Com a denúncia ao MPF. FONTE: Cimi Regional Sul. além do barulho dos motores. também foram apreendidas. DESCRIÇÃO: Uma madeireira foi fechada por não apresentar licen- FONTE: Repórter Nacional. moradoras da cidade de Humaitá. Equipe de Florianópolis. TERRA INDÍGENA: APINAYÉ FONTE: Cimi Regional Rondônia.com. Os índios buscaram um dos marcos para perícia. onde funcionam Guaporé. Segundo a comunidade. MEQUÉM. Equipe de Florianópolis. Outras máquinas. de apenas cimento das autoridades federais. Dividiram-se em carros e caminhonetes e. TENHARIM mangueira que conduzia água para abastecer a comunidade. 07/06/2013 POVO: MAKUXI TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos ao meio ambiente RO 4 Casos DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal recomendou à prefeitura TERRA INDÍGENA: PAKAAS NOVAS de Pacaraima (RR) que encontre alternativas para o lixão do POVO: PAKAA NOVA (ORO WARI) município. incendiaram prédios da Funai. a diminuição de implantadas na região. na terra indígena. tráfico arrancaram e destruíram urnas funerárias e sítios arqueo. na estrada TIPO DE DANO/CONFLITO: Garimpo ilegal que dá acesso à cidade de Nazaré do Tocantins. A área está RR 1 Caso em litígio e embora tenha sido determinada a reintegração. 02/2014 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . curso da Transamazônica. em especial do território Apinajé. foi apresentada uma Autorização Ambiental. passando pelas aldeias. está envolvido na venda ilegal de madeira. povo Wayoro. TO 2 Casos FONTE: Cimi Regional Rondônia. dia e noite. Os resíduos estão sendo despejados. O dono do maquinário SC 2 Casos foi autuado em flagrante. 11/01/2013. na altura da terra indígena. encontradas escondidas. pelo Instituto represálias. um grande DESCRIÇÃO: Dragas bolivianas extraem minério do leito do Rio desmatamento na fazenda Dona Maria. barcos DESCRIÇÃO:Colonos vizinhos à terra indígena desmataram e mu- utilizados pelos índios e a casa de apoio do povo Parintitin. Há um grande estrago ambiental. próximo à divisa do seu território. A comunidade impedindo os funcionários da Funai de cruzar o rio com chamou a Polícia Federal que atendeu a ocorrência e levou caminhões de alimentos para as aldeias. a invasão é do conhe. O MPF foi avisa- DESCRIÇÃO: Cerca de 300 pessoas. A cada ano aumenta o duas carvoarias da empresa Vitória Ltda. investigação do crime. a decisão foi recorrida.CIMI 45 . emitida no dia 09/07/2012. desde 2006. JUMA. Em setembro do gerente a documentação para o funcionamento das de 2013 foram apreendidos dois barcos com cocaína. atearam fogo TERRA INDÍGENA: BIRAMA-LA KLÃNO nas casas e destruíram um pedágio criado pelos índios no POVO: XOKLENG quilômetro 145 da rodovia 230. Familiares conseguiram recolher duas urnas FONTE: Associação União das Aldeias Apinajé–Pempxá. TERRA INDÍGENA: OURO FONTE: Relatório do MPF/PR. Cortaram a energia elétrica TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos ao patrimônio das aldeias. índios receberam ameaças do dono desses barcos e receiam de nº 3752-2012. isso representa mais de 25 árvores. o desvio do canal do rio. Os carvoarias. KUJUBIM. TIPO DE DANO/CONFLITO: Incêndio. uma das carvoarias. 27/08/2013 ça ambiental para a extração de madeira. Capítulo I VIOLÊNCIA CONTRA O PATRIMÔNIO – DADOS 2013 que sobrou para nós. o resto já foi tirado de nós”. 12/2013 A situação criada acirrou ainda mais o preconceito contra os povos indígenas. máquinas e tratores Mandi. Veículos da imprensa local também publicaram conteúdo discriminatório. TERRA INDÍGENA: MORRO DOS CAVALOS FONTE: Site da UOL. FONTE: Cimi Regional Rondônia. de forma irregular. destruição de patrimônio deixando os indígenas sem acesso à água. 12/2013 POVO: APINAJÉ TIPO DE DANO/CONFLITO: Desmatamento TERRA INDÍGENA: RIO GUAPORÉ DESCRIÇÃO:Os indígenas que trabalham na fiscalização da área POVOS: ARIKAPÚ.br. PARINTINTIN. do e encaminhou a denúncia para a Polícia Federal para a revoltadas pelo desaparecimento de três homens no trans. daram de lugar o marco demarcatório de área repassada aos Interditaram a balsa que faz a travessia pelo Rio Madeira. da Sesai. 12/2013 de violência contra a população indígena. 17/01/2014 e as levaram para casa para protegê-las. MURA. comprometendo a saúde dos TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos ao meio ambiente moradores e o meio ambiente. com o do Cerrado. indígenas pelo governo de Santa Catarina. Cimi Regional GO/TO. usando madeiras número de dragas. WAYORÓ TIPO DE DANO/CONFLITO: Danos diversos TIPO DE DANO/CONFLITO: Destruição do patrimônio DESCRIÇÃO: Um morador de Tocantinópolis. proteção e refúgio no 54o Batalhão de Infantaria de Selva. Quando os indígenas solicitaram peixe.

.

C II Violência Contra a Pessoa 49 Assassinato 56 Tentativa de assassinato 61 Homicídio culposo 63 Ameaça de morte 65 Ameaças várias 67 Lesões corporais dolosas 69 Abuso de poder 70 Racismo e discriminação étnico cultural 75 Violência sexual .

Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 O total de 349 casos de assassinatos no Mato Grosso do Sul. está inserido num universo populacional de 72 mil pessoas Brasil de Fato Resultado de uma desastrosa ação policial de reintegração de posse no Mato Grosso do Sul . a morte de Oziel Terena foi um dos casos mais emblemáticos da violência contra os povos indígenas em 2013 48 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . no período de 2003 a 2013.

o tiro Este total de 349 casos de assassinatos no Mato Grosso partiu de um grupo de policiais federais que atuavam na do Sul. a média registrada pelo IBGE um bebê. Do total de vítimas. AM Tenharim 1 Adenilson e outros dois indígenas saíram para pescar num PE Xukuru 1 açude quando foram abordados por pistoleiros ligados a RS Kaingang 1 um fazendeiro. Segundo testemunhas. com 31 ocorrências. envolvendo um adolescente. As mortes ocorreram entre indígenas MS Guarani-Kaiowá e Terena 33 do povo Guarani-Kaiowá. se que não era possível determinar de onde partiu o tiro ou levarmos em conta que a maioria destes homicídios ocorreu quem teria sido o autor do disparo. no período de 2003 a 2013. com 2 casos. fazendeiro se apresentou à polícia. Já no Brasil. 349 vítimas naquele estado. Já 6 mortes ocorreram em virtude de conflitos e chocante. levantamentos do Cimi. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 Assassinatos E m 2013 registramos 53 vítimas de assassinato. Segundo os indígenas. Dois conseguiram se esconder. Assassinatos em 2013 UF Povo Indígena Nº de vítimas no país com 62%. está inserido num ação.CIMI 49 . O número maior de vítimas é do sexo masculino. mas Adenilson ficou preso em uma cerca. a média dos últimos onze anos 43 pessoas. Total de vítimas 53 que saíram em fuga do local. ocorrido em 17 de feve. como os suicídios e a morta- 15 mortes ocorreram em virtude de brigas e/ou consumo lidade infantil. O assassinato ocorreu durante o cumprimento das ocorrências nos últimos onze anos. totalizando. Causou grande comoção o assassinato de Adenilson BA Pataxó e Tupinambá 4 Barbosa. no município de Sidrolândia. TO Apinajé. é de 25 para cada 100 mil habitantes. Pará e na Bahia. O Mato Grosso do Sul continuou em evidência com o registro de 33 casos. o casos. Se somarmos aos 6 eram menores. O inquérito que apurou a morte concluiu apenas universo populacional de 72 mil pessoas. foi agredido a fundiários. pelos de uma ação de reintegração de posse da fazenda Buriti. Em maio. enquanto as do sexo feminino somaram 6. Depois de se livrar do corpo. O estado continua à frente no número de casos. uma ação Como nos anos anteriores. e 3 tinham mais de 55 anos. Assassinatos no Brasil e no Mato Grosso do Sul 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Total Média Total Brasil 42 37 43 58 92 60 60 60 51 60 53 616 56 Nº absoluto MS 13 16 28 28 53 42 33 34 32 37 33 349 31 Nº abs restante 29 21 15 30 39 18 27 26 19 23 20 267 24 MS (%) 33% 43% 65% 48% 58% 70% 54% 57% 62% 61% 62% 56% 55% CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Os homens atiraram contra os indígenas. duas crianças e 72 mil pessoas. Depois de morto com um tiro na cabeça. para uma população de quatro casos. com No Mato Grosso do Sul. trados no Mato Grosso do Sul. o sexo não foi determinado. no dia anterior. temos uma proporcionalidade assustadora. No entanto. com população aproximada de não teria sido encontrada. o PA Atikum e Munduruku 2 adolescente de 15 anos teve seu corpo abandonado numa PR Kaingang e Avá-Guarani 2 estrada vicinal. visto que a cápsula entre os Guarani-Kaiowá. desta vez com 62% das ocorrências. 40 mil pessoas. e com 55% Terena. Predomina o uso de armas brancas. e do povo RO Wapixana e Yanomami 6 Terena. as armas de fogo foram usadas em 7 ocorrências. confessou o crime e Os casos envolvendo conflitos fundiários foram regis- foi liberado. temos um quadro ainda mais assustador de álcool. Pelo menos assassinatos outras mortes. do povo Guarani-Kaiowá. Javaé e Krahô 3 reiro de 2013. também no Mato Grosso do Sul. Em é de 31 assassinatos anualmente. com 20 coronhadas e alvejado. o Mato Grosso do Sul se desastrosa das forças policiais resultou na morte de Oziel destaca.

lado sul do território tradicional. Ivan Tenharin não VÍTIMA: Carlos Araújo resistiu aos ferimentos e veio a óbito. km 180 MEIO EMPREGADO: Arma de fogo DESCRIÇÃO: O cacique Ivan Tenharim foi encontrado ainda com FONTE: Agência Brasil. houve rajadas de tiros. pelo seu sobrinho Marcos. os assassinos praticaram assassinato são desconhecidas. Aguardava-se a assinatura pelo ministro da Justiça. É mais 02/12/2013 uma vítima do conflito fundiário que gera confrontos entre VÍTIMA: Ivan Tenharim índios e produtores rurais na região. A polícia investigou o fato LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Tey Kue apenas como acidente automobilístico. O processo de identificação da terra VÍTIMA: Jorge indígena teve início em 2004.12/11/2013 VÍTIMA: Rita Batista 03/09/2013 POVO: TERENA VÍTIMA: Dilson Cipó TERRA INDÍGENA: DOURADOS POVO: PATAXÓ MUNICÍPIO: DOURADOS TERRA INDÍGENA: TUPINAMBÁ DE OLIVENÇA LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaBororó MUNICÍPIO: ILHÉUS DESCRIÇÃO: O corpo da indígena foi encontrado na frente de sua 50 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Jaguapiré o ministro decidiu não assinar portarias declaratórias com DESCRIÇÃO: O corpo do indígena foi encontrado a 250 metros o argumento de evitar conflitos e iniciar um diálogo para de sua residência com uma facada no peito. diz a liderança. 02/02/2013 ciada”. ajuizou ação civil pública com pedido liminar contra a União. quando foram emboscados DESCRIÇÃO:O indígena morreu depois de levar quatro facadas. 04/09/2013 vida às margens da BR-230. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 ASSASSINATO 46 Casos – 53 Vítimas LOCAL DA OCORRÊNCIA: Serra do Padeiro AM 1 Caso – Vítima: 1 Indígena DESCRIÇÃO: A vítima era conhecida das lideranças da região. o capacete e 8/1/2013 a bagagem do indígena estavam intactos. “Trata-se de uma tragédia anun. BA 2 Casos – Vítimas: 4 Indígenas MEIO EMPREGADO: Desconhecido 08/11/2013 FONTE: Caaraponews.. no segundo semestre de 2013. a Funai aprovou o relatório circunstanciado que delimitou a terra em 47. mas não resistiu.200 POVO: GUARANI-KAIOWÁ hectares. o óbito FONTE: Cimi Regional Rondônia ocorreu entre 24 a 48 horas antes de ter sido encontrado sem vida. 10/11/2013. para que o processo se encaminhasse MUNICÍPIO: TACURU para as etapas finais. Já a moto. MEIO EMPREGADO: Arma de fogo 15/02/2013 FONTE: Assessoria de Comunicação Cimi. Em setembro último o MPF/BA vítima foi roubada. As causas do contra os indígenas e. 04/02/2013 da Justiça decidir sobre o processo demarcatório Tupinambá. LOCAL DA OCORRÊNCIA: BR-230. os acusados já andavam armados pelo local. logo TERRA INDÍGENA: TENHARIM MARMELOS após a retomada. A comunidade indígena POVO: GUARANI-KAIOWÁ denuncia que algumas de suas lideranças já vêm há algum TERRA INDÍGENA: CAARAPÓ tempo sofrendo ameaças de morte por parte de madeireiros MUNICÍPIO: CAARAPÓ e grupos econômicos da região. De acordo com a perícia. na sequência. O indígena estava numa POVO: TENHARIM fazenda ocupada alguns dias antes. 29/1/2013 ameaçando os indígenas. rodovia Transamazônia. DESCRIÇÃO: A vítima foi encontrada morta em uma plantação de MEIO EMPREGADO: Desconhecido soja na fazenda Coroado. Em 2009. Foram feitos disparos Ele chegou a ser socorrido. Segundo o cacique Valdevino MEIO EMPREGADO: Arma branca dos Santos. Há suspeitas de que o cacique tenha sido assassinado. TERRA INDÍGENA: JAGUAPIRÉ da Portaria Declaratória. da rodovia Transamazônica. Ademilson 29/01/2013 Vieira dos Santos VÍTIMA: Valdivino POVO: TUPINAMBÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: TUPINAMBÁ DE OLIVENÇA TERRA INDÍGENA: AMAMBAI MUNICÍPIO: ILHÉUS MUNICÍPIO: AMAMBAI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Conhecida como “Mamão” LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai DESCRIÇÃO: Três indígenas regressavam da comunidade Cajueiro. A bicicleta da negociar as demarcações.br. violências contra os corpos.. entre o Distrito de Matupi (km 180) e a aldeia. com inúmeros MS 31 Casos – Vítimas: 33 Indígenas hematomas e ferimentos na cabeça. por quatro homens em duas motos. Agenor de Souza Jr. O cacique estava desacordado. MEIO EMPREGADO: Arma branca requerendo que o Judiciário determine prazo para o ministro FONTE: Correio do Estado. Em uma das noites. Não conseguiram MUNICÍPIO: COSTA MARQUES ver de onde partiam os tiros e no confronto o indígena não conseguiu escapar.com. FONTE: Correio do Estado. 9/1/2013 VÍTIMA: Aurino Santo Calazans. Porém. MPF/BA.

Ioracildo Cláudio Porto FONTE: Caaraponews. Segundo relatos de POVO: GUARANI-KAIOWÁ testemunhas. então. 13/05/2013 de faca dentro de casa e arrastada até o riacho. 2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Rodovia 156-MS CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . 30/05/2013 TERRA INDÍGENA: DOURADOS MUNICÍPIO: DOURADOS 02/06/2013 VÍTIMA: Reinaldo de Oliveira LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Jaguapirú POVO: GUARANI-KAIOWÁ DESCRIÇÃO: A vítima sofreu ferimentos profundos e houve deca- pitação. ele confes. 19/05/2013 MEIO EMPREGADO: Arma branca VÍTIMA: Devanildo Cláudio Arce. Adenilson e outros dois indígenas saíram para pescar no córrego Mbope’i. FONTE: Caaraponews. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 casa.com. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Local chamado pé de galinha. crime e responde ao crime em liberdade. 01/03/2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ 17/02/2013 TERRA INDÍGENA: DOURADOS VÍTIMA: Adenilson Barbosa MUNICÍPIO: DOURADOS POVO: GUARANI-KAIOWÁ LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Jaguapiru TERRA INDÍGENA: CAARAPÓ DESCRIÇÃO: Uma briga entre dois grupos de pessoas que estavam MUNICÍPIO: CAARAPÓ bebendo num bar resultou no assassinato de dois indígenas. Porantim. a vítima havia furtado seus cumprimento de uma ação de reintegração de posse na terra documentos. durante o do acusado pelo assassinato. O suspeito é seu vizinho. indígena. Gonçalves. que foi detido pelas lideranças Guarani. O inquérito realizado pela Polícia Federal é 10/05/2013 inconcluso quanto à autoria do disparo. VÍTIMA: Mulher MEIO EMPREGADO: Arma branca POVO: GUARANI-KAIOWÁ FONTE: G1. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Próximo a um córrego MEIO EMPREGADO: Arma branca DESCRIÇÃO: Segundo informações.8 FONTE: O Progresso online. 11/03/2013 o atirador estava entre 10 e 20 metros da vítima. no dia anterior. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Tey Kuê vizinha à Terra Indígena Caarapó. Detido pelas lideranças da aldeia. p. VÍTIMA: Clauzinéia de Souza MEIO EMPREGADO: Arma de fogo POVO: GUARANI-KAIOWÁ FONTE: Site Cimi. Dois suspeitos foram presos. Segundo informações.br.CIMI 51 . O crime aconteceu na aldeia Tey Kuê. ficou preso a uma cerca. proprietário da fazenda Sardinha. mas Adenilson dois outros indígenas quando começaram uma discussão. 20/05/2013 DESCRIÇÃO: No dia 17 de fevereiro. que fugiram.br. Os homens DESCRIÇÃO: Segundo testemunhas. Não há informações sobre a autoria do crime. O tiro que matou a vítima partiu de um grupo de sou o crime. TERRA INDÍGENA: JAGUAPIRÉ MEIO EMPREGADO: Arma branca MUNICÍPIO: TACURU FONTE: Sesai. onde ele cria gado. Foi ferida na cabeça e não resistiu. O suspeito é o com. jan/fev/2013. que cruza fazendas TERRA INDÍGENA: CAARAPÓ do entorno.com.com. com um tiro na cabeça. 18/02/2013. O fazendeiro confessou o resistiu aos ferimentos. a vítima estava bebendo com atiraram contra os indígenas. o adolescente de 15 anos foi en- 24/05/2013 contrado morto em uma estrada vicinal a 7 km do perímetro VÍTIMA: Walter Vera urbano da cidade. que não e depois foi alvejado com um tiro. 15/02/2013 TERRA INDÍGENA: AMAMBAI 16/02/2013 MUNICÍPIO: AMAMBAI VÍTIMA: Nair Araújo LOCAL DA OCORRÊNCIA: Rodovia MS-386 POVO: GUARANI-KAIOWÁ DESCRIÇÃO:O corpo da indígena foi encontrado na MS-386 com TERRA INDÍGENA: CAARAPÓ perfurações de faca. 11/05/2013 panheiro dela. próximo à MEIO EMPREGADO: Arma branca Aldeia Te’y Kue FONTE: O Estado do MS. Uma agente de saúde reconheceu a ví- MUNICÍPIO: CAARAPÓ tima e informou que ela morava há pouco tempo na aldeia. mas não foi identificado. quando foram abordados por pistoleiros ligados MUNICÍPIO: CAARAPÓ a Orlandino C. a vítima foi atingida com golpes FONTE: Jornaldodia. agredido a coronhadas Os suspeitos pegaram o facão e atingiram a vítima. MEIO EMPREGADO: Arma de fogo MEIO EMPREGADO: Arma branca FONTE: Campo Grande News. policiais federais que tentavam retirar os Terena da fazenda MEIO EMPREGADO: Asfixia sobreposta ao território tradicional. 27/05/2013 MARÇO/2013 30/05/2013 VÍTIMA: Jobe Pereira Fernandes VÍTIMA: Oziel Gabriel POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: TERENA TERRA INDÍGENA: AMAMBAI TERRA INDÍGENA: BURITI MUNICÍPIO: AMAMBAI MUNICÍPIO: BURITI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai LOCAL DA OCORRÊNCIA: Fazenda Buriti DESCRIÇÃO: O adolescente foi morto porque. conforme denúncia DESCRIÇÃO: O indígena foi morto no dia 30 de maio. que encontrava-se foragido. Ele foi.br.

LOCAL DA OCORRÊNCIA: Rodovia MS-156. que fugiu em direção ao Paraguai. Ele foi atingido por um tiro TERRA INDÍGENA: AMAMBAI no peito. TERRA INDÍGENA: TAKARITY/VYKWARUSU (PARAGUASSÚ) MEIO EMPREGADO: Arma branca MUNICÍPIO: PARANHOS FONTE: Sesai. POVO: GUARANI-KAIOWÁ MEIO EMPREGADO: Arma branca TERRA INDÍGENA: DOURADOS FONTE: Correio do Estado. MPF 6ª Câmara. o fazendeiro não foi preso 52 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . a vítima estava em casa quando JUNHO/2013 um amigo o chamou para sair. a vítima teria saído de 12/06/2013 casa na manhã do dia 30 de junho e não teria sido mais vista. réu confesso. caminhava da aldeia para o interior POVO: GUARANI-KAIOWÁ da fazenda onde trabalhavam. VÍTIMA: Celino Moraes MEIO EMPREGADO: Espancamento POVO: GUARANI-KAIOWÁ FONTE: Midiamaxnews. entre Amambai e Tacuru FONTE: Cimi. disparado por um motoqueiro. 12/06/2013. Segundo familiares. do povo Guanani-Kaiowá. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 DESCRIÇÃO:Segundo a família. O inquérito foi concluído e aponta que o crime foi praticado pelo antigo MUNICÍPIO: AMAMBAI capataz da fazenda. no trecho que corta a Aldeia MEIO EMPREGADO: Arma de fogo Limão Verde. 03/07/2013 TERRA INDÍGENA: QUINTINO KUE 06/07/2013 MUNICÍPIO: LAGUNA CARAPA VÍTIMA: Márcio Aquino LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Guaepê POVO: GUARANI-KAIOWÁ DESCRIÇÃO: Após ter ingerido bebida alcoólica durante a noite. MUNICÍPIO: DOURADOS MEIO EMPREGADO: Arma branca LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaJaguapiru FONTE: Correio do Estado MS. Depois disso. que foi abordado por pistoleiros quando ia pescar. 03/12/2013 DESCRIÇÃO: O corpo do jovem indígena foi encontrado às margens da rodovia MS-156. desferindo-lhe vários golpes. o TERRA INDÍGENA: DOURADOS adolescente começou uma discussão com o acusado que se apoderou de uma faca. 02/07/2013 MUNICÍPIO: DOURADOS 12/06/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó VÍTIMA: Celso Figueredo DESCRIÇÃO: A vítima teve hemorragia externa aguda por ação POVO: GUARANI-KAIOWÁ perfurocortante. o indígena foi VÍTIMA: Valdenilsom Moreira encontrado esfaqueado às margens da rodovia MS-156. VÍTIMA: Joanilson Martins juntamente com seu pai. 12/06/2013 DESCRIÇÃO: De acordo com declarações do acusado. a vítima teria Irmã Joana Aparecida Ortiz Causou grande comoção o assassinato do adolescente Adenilson Barbosa. 2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Interior da fazenda Califórnia 01/07/2013 DESCRIÇÃO: Avítima foi alvo de uma tocaia no momento em que.

Vila Olímpica DESCRIÇÃO: Segundo testemunhas. 2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Estrada que liga as aldeias Jaguapiru e Bororó DESCRIÇÃO: Um indígena foi encontrado morto com corte no pes. Foi encaminhado para o hospital. MEIO EMPREGADO: Foice FONTE: Sesai. 05/10/2013 MEIO EMPREGADO: Arma branca FONTE: O Estado de MS. 27/11/2013 coço. 08/07/2013 TERRA INDÍGENA: AMAMBAI 06/07/2013 MUNICÍPIO: AMAMBAI VÍTIMA: Vanderson Quevedo Estrada vicinal que liga a cidade à aldeia de LOCAL DA OCORRÊNCIA: POVO: GUARANI-KAIOWÁ Amambaí TERRA INDÍGENA: CAARAPÓ DESCRIÇÃO: Um menino aparentando ter entre 12 e 15 anos foi as- MUNICÍPIO: CAARAPÓ sassinado de forma brutal: cabeça retalhada e retalhamento de outras partes do corpo. a vítima ten. não resistindo aos ferimentos. corpo estava próximo à estrada que liga as aldeias Jaguapiru MEIO EMPREGADO: Arma branca e Bororó. Conforme o registro policial. 08/07/2013 05/10/2013 11/07/2013 VÍTIMA: Homem VÍTIMA: Homem POVO: GUARANI POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: TAQUAPERÍ TERRA INDÍGENA: DOURADOS MUNICÍPIO: CORONEL SAPUCAIA MUNICÍPIO: DOURADOS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Taquaperi LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Jaguapirú. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 furtado um aparelho de DVD e se recusou a devolvê-lo. com ele também foi encontrado seu irmão que não tinha tou estuprar a namorada de um deles e durante uma briga ferimentos e estava escondido em uma vala. 2013 suspeitos. 12/07/2013 OUTUBRO/2013 VÍTIMA: Leandro Melo 31/07/2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ VÍTIMA: Mário Ramirez TERRA INDÍGENA: DOURADOS POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: DOURADOS TERRA INDÍGENA: CAARAPÓ LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó MUNICÍPIO: CAARAPÓ DESCRIÇÃO: A vítima sofreu ação perfurocortante. Junto DESCRIÇÃO: Segundo declaração de um dos acusados. a vítima e o acusado estavam DESCRIÇÃO: Um jovem ainda não identificado foi assassinado com discutindo numa festa quando o indígena levou uma facada. MUNICÍPIO: DOURADOS MEIO EMPREGADO: Arma branca FONTE: Sesai. O corpo estava próximo à estrada que liga as aldeias VÍTIMA: Ventura Britez Jaguapiru e Bororó. DESCRIÇÃO: O indígena faleceu após sofrer agressões com pedaços MEIO EMPREGADO: Arma branca de madeira. 24/08/2013 FONTE: MS Notícias. o 21/08/2013 que motivou uma briga que resultou na sua morte. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Jaguapirú MEIO EMPREGADO: Arma branca DESCRIÇÃO: A vítima sofreu agressões físicas e teve politraumatismo FONTE: G1. A vítima não foi identificada e aparentava POVO: GUARANI-KAIOWÁ ter entre 17 a 25 anos de idade. 11/08/2013 com ferimentos na face e cabeça. VÍTIMA: Beatriz Ramires MEIO EMPREGADO: Espancamento POVO: GUARANI-KAIOWÁ FONTE: Douradosnews. o O agressor fugiu. 2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . VÍTIMA: Adolescente MEIO EMPREGADO: Arma branca POVO: GUARANI-KAIOWÁ FONTE: Douradosnews. ele também apresentava MUNICÍPIO: DOURADOS arranhões no rosto. golpe de facão no pescoço. A perícia foi até o local do TERRA INDÍGENA: DOURADOS ocorrido e constatou que além do ferimento no pescoço. Segundo informações. 31/07/2013 TERRA INDÍGENA: DOURADOS 11/08/2013 MUNICÍPIO: DOURADOS VÍTIMA: Fabiano de Souza Ortega LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaBororó POVO: GUARANI-KAIOWÁ DESCRIÇÃO: A vítima sofreu hemorragia externa aguda como con- TERRA INDÍGENA: DOURADOS sequência de ferimento com arma branca (faca). que possivelmente matou o indígena. mas não OUTUBRO/2013 resistiu. MEIO EMPREGADO: Arma branca MEIO EMPREGADO: Arma branca FONTE: Jornal Umuarama Ilustrado. FONTE: G1/MS.CIMI 53 . foi a óbito. O menino foi encontrado por LOCAL DA OCORRÊNCIA: Tey Kuê uma equipe da Secretaria Especial da Saúde Indígena. A polícia ainda não tem informações sobre os FONTE: Sesai. ele foi encontrado no local já inconsciente. tendo hemorragia LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Tey Cuê interna e externa e choque hipovolêmico. foi esfaqueado e.

2013 o corpo da criança que estava desaparecida há 15 dias. área disputada MUNICÍPIO: CAARAPÓ pelos invasores e indígenas. ateando fogo em faca e entrou em combate. cada um deles se armou com uma acusado matou a vítima com uma pedra.Regional Norte 2 . A área reivindicada pelos índios está DESCRIÇÃO: Além de ter sido protagonista no filme Terra Vermelha. para olhar o gado da comuni- LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia dade e não regressou. 09/12/2013 PR 2 Casos – Vítimas: 2 Indígenas 31/12/2013 VÍTIMA: Alexandre Aquino Vales 14/04/2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ VÍTIMA: Criança TERRA INDÍGENA: DOURADOS POVO: KAINGANG MUNICÍPIO: DOURADOS TERRA INDÍGENA: MANGUEIRINHA LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaJaguapirú MUNICÍPIO: CHOPINZINHO DESCRIÇÃO: A vítima sofreu trauma craniencefálico por ação con. Segundo o pai da criança. FONTE: Pesqueira em foco. o outro chegou a ser socorrido. Em seguida. O motivo MEIO EMPREGADO: Espancamento do duelo foi uma briga antiga por uma mulher. 10/07/2013 líder na sua comunidade na retomada de uma pequena 12/08/2013 parte do seu território tradicional. 2013 VÍTIMA: Manoel Messias 07/12/2013 POVO: XUKURU VÍTIMA: JosielFigueiredo. Seu corpo foi encontrado com duas perfurações de bala. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Reserva Palmeirinha tundente. Pesqueira MUNICÍPIO: ITAPORÃ DESCRIÇÃO Depois de ingerir bebida em um bar. O cacique foi FONTE: Cimi . Foram identificadas escoriações. um dos irmãos viu quando um carro estacionou e o motorista ofereceu doces às crianças PA 2 Casos – Vítimas: 2 Indígenas que brincavam nas margens da BR-373. TERRA INDÍGENA: DOURADOS MEIO EMPREGADO: Sem definição MUNICÍPIO: DOURADOS FONTE: Agência Brasil.br. o Segundo informações. VÍTIMA: Natimorto de Juciela Isnard O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.org. DESCRIÇÃO: A Polícia Civil e o Serviço de Investigação de Crianças MEIO EMPREGADO: Enxada Desaparecidas encontraram. sobreposta por um Projeto de Assentamento para Reforma o indígena era conhecido por ser defensor do seu povo e Agrária. Ele recebeu vários golpes de faca. do Incra. fraturas e queimaduras no corpo POVO: GUARANI da vítima. TERRA INDÍGENA: MUNDURUKU MEIO EMPREGADO: Arma branca MUNICÍPIO: JACAREACANGA FONTE: Jornal Dourados Agora . um acabou falecendo no local e seu corpo em seguida. deixando os Guarani sem meio POVO: MUNDURUKU de sobrevivência. homossexual. mas não resistiu. FONTE: Sesai.02/12/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia 05/12/2013 DESCRIÇÃO: O adolescente assassinado era filho do vice-prefeito. onde enormes áreas estão ocupadas por fazendeiros que plantam extensas VÍTIMA: Roberto Crixi áreas de cana de açúcar. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 02/12/2013 TERRA INDÍGENA: ATIKUM VÍTIMA: Ambrósio Vilhalba MUNICÍPIO: ITUPIRANGA POVO: GUARANI-KAIOWÁ LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Ororubá TERRA INDÍGENA: GUYRAROKA DESCRIÇÃO: A vítima havia saído em direção à serra. As sido praticado pelos invasores da área. a vítima e o LOCAL DA OCORRÊNCIA: Estrada que divide o limite da aldeia Jaguapiru acusado se dirigiram à casa do acusado para uma relação DESCRIÇÃO: Os dois indígenas se mataram em um suposto duelo. VÍTIMA: Wilson Ambrósio da Silva MEIO EMPREGADO: Sequestro POVO: ATIKUM FONTE: G1/PR. 15/08/2013. abriu 09/07/2013 a porta. informações levantadas pela polícia apontam que ele estava com um grupo de pessoas em uma confraternização dentro MEIO EMPREGADO: Arma de fogo da aldeia. colocou o menino no veículo e seguiu viagem. Amazonia. PE 1 Caso – Vítima: 1 Indígena MEIO EMPREGADO: Sem definição 13/11/2013 FONTE: Sesai. 15/08/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó DESCRIÇÃO: Óbito fetal com hemotórax/abdome agudo hemorrágico (ação contundente). Os indígenas suspeitam que o crime tenha liderar ações como ocupações e bloqueio de rodovias. próximo à reserva indígena. 29/04/2013 54 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Após uma briga e sentindo-se ameaçado. 21/11/2013 MEIO EMPREGADO: Arma branca FONTE: Dourados Agora. Alberto Medina TERRA INDÍGENA: XUKURU POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: PESQUEIRA TERRA INDÍGENA: DOURADOS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Bairro do Prado.Equipe Marabá.

A indígena estava em um bar. POVO: YANOMAMI MEIO EMPREGADO: Espancamento TERRA INDÍGENA: YANOMAMI FONTE: Cimi Regional GO/TO. RR 3 Casos – Vítimas: 6 Indígenas MEIO EMPREGADO: Arma branca FONTE: Correio do Povo. alegou que matou o pai efeito de álcool e que. acusado é seu primo. O indígena feriu o agressor com uma garrafa e este revidou a agressão se entregou ao tuxaua da comunidade. uma briga entre eles em 2012. de 26 anos. Conforme o boletim MUNICÍPIO: TENENTE PORTELA de ocorrência da PM de Guaíra. Embora. 23/09/2013 30/03/2013 VÍTIMA: Benjamim Cipriano TO 3 Casos – Vítimas: 3 Indígenas POVO: WAPIXANA 27/11/2013 TERRA INDÍGENA: MALACACHETA VÍTIMA: Hilário Nhupytin Krahô MUNICÍPIO: BOA VISTA POVO: KRAHÔ LOCAL DA OCORRÊNCIA: Bairro Raiar do Sol.05. O corpo foi encaminhado ao IML da cidade de Araguaína. Conforme informação da Funai. 26/11/2013 panhia de amigas. o cacique teria sido espancado VÍTIMA: Mulher. Paulo. a vítima porque não aguentava mais ser espancado por ele. chefe do setor de quando ocorreram os desentendimentos. FONTE: Cimi Regional GO/TO. 30/03/2013 mais dois indígenas na beira do rio e estariam alcoolizados. tomava remédio controlado e era DESCRIÇÃO: O cacique da aldeia Macaúba foi encontrado morto na usuário de entorpecentes. O acusado é sobrinho da vítima e. o conflito VÍTIMA: Luiz Valci Apinajé que causou a morte de quatro pessoas foi motivado pela POVO: APINAJÉ disputa por uma roça. com facadas. Ele fugiu do local. O motivo que provocou o assassinato foi a PF chegou a retirar cerca de 600 garimpeiros da região. morador para a exploração ilegal de ouro na terra indígena. conforme LOCAL DA OCORRÊNCIA: Margem do Rio Manoel Alves informação dos familiares. margem do Rio Manoel Alves. o conflito foi gravíssimo por MEIO EMPREGADO: Emboscada envolver um grupo recém-contatado. Informou que ambos estavam sob o DESCRIÇÃO: O acusado. 27/11/2013 MUNICÍPIO: BOA VISTA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Fronteira com a Venezuela 13. quando ocorreram os disparos. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 24/11/2013 RS 1 Caso – Vítima: 1 Indígena VÍTIMA: Bernardinho Coládio Ortega 20/09/2013 POVO: AVÁ-GUARANI VÍTIMA: Jonata Sale Pompeo MUNICÍPIO: GUAÍRA POVO: KAINGANG LOCAL DA OCORRÊNCIA: Bar localizado na Avenida Tomaz Luiz Zaballos TERRA INDÍGENA: GUARITA DESCRIÇÃO: O indígena foi morto a tiros em frente a um bar. da associação HAY. zona oeste da cidade TERRA INDÍGENA: KRAHÔ DESCRIÇÃO: A vítima foi morta com 8 facadas e foi atingida en- MUNICÍPIO: ITACAJÁ quanto dormia. filho da vítima. 14/04/2013 Após uma briga entre eles. já tenha TERRA INDÍGENA: APINAYÉ ocorrido conflitos entre os índios. houve uma discussão no LOCAL DA OCORRÊNCIA: Bar bar. MEIO EMPREGADO: Arma branca MEIO EMPREGADO: Arma branca FONTE: G1/RR. O ria invadida por ao menos 1. as armas habituais eram MUNICÍPIO: TOCANTINÓPOLIS bordunas e flechas. 25/06/2013 FONTE: G1/TO. proteção Yanomami da Funai. 24/04/2013 28/08/2014 VÍTIMA: José Idjahina Javaé 24/06/2013 POVO: JAVAÉ VÍTIMA: Genival Mateus da Silva TERRA INDÍGENA: PARQUE DO ARAGUAIA POVO: WAPIXANA MUNICÍPIO: FORMOSO DO ARAGUAIA TERRA INDÍGENA: TRUARU LOCAL DA OCORRÊNCIA: Às margens do Rio Javaé MUNICÍPIO: BOA VISTA DESCRIÇÃO: O agressor se apresentou à delegacia e confessou ter LOCAL DA OCORRÊNCIA: Truaru da Cabeceira assassinado a vítima.600 homens. que era seu ex-companheiro. seguida de confusão. DESCRIÇÃO: A vítima foi atingida por mais de 15 facadas. Segundo relatos de MEIO EMPREGADO: Arma branca indígenas e não indígenas.com. Criança até a morte.CIMI 55 . os índios LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Girassol estão sendo armados por garimpeiros em troca de permissões DESCRIÇÃO:O indígena Luiz Valci Apinajé. Para João Catalano. quando foi surpreendida pelo criminoso. a vítima estava acompanhada de FONTE: G1/RR. morreu após cair em uma emboscada. na com- FONTE: Portal Guaira. 16/05/2013 MEIO EMPREGADO: Arma de fogo FONTE: Folha de S. mas não resistiu aos MEIO EMPREGADO: Arma de fogo ferimentos e morreu. 29/08/2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Homens. a ser socorrida no hospital da cidade. Ela chegou A autoria e motivação do crime ainda são desconhecidas. No ano passado. que esta.2013 DESCRIÇÃO: Segundo Davi Kopenawa. em Itacajá. A vítima estava sem documentos pessoais. anteriormente. da aldeia Girassol. Porto Alegre. depois de uma discussão. Ambos estavam embriagados mas muitos voltaram.

24/05/2013 56 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . após 23/05/2013 participarem como torcedores de uma partida de futebol VÍTIMA: Ventura Samora Kaxinawá. Neste estado. O ataque ocorreu quando a vítima se No entanto. 1 no Rio Grande do Sul. das quais 1 no estado do Acre. em uma área retomada. Carlos no ginásio de esportes da cidade. A vítima conseguiu sair do veículo. com 16 ocorrências. em Sidrolândia. Segundo os indígenas. 1 em Minas Gerais. 16 no Mato nele e atearam fogo. ficou tetraplégico depois de 1 em Roraima. Ruy Sposati Estado campeão de violência contra os povos indígenas. mas conseguiu sair do veículo TENTATIVA DE ASSASSINATO 29 Casos –Vítimas: 328 Indígenas. Sebastião Kaxinawá. POVO: KAXINAWÁ MEIO EMPREGADO: Arma de fogo TERRA INDÍGENA: KAXINAWÁ ASHANINKA DO RIO BREU FONTE: Terra Magazine. Seu surpreendidos pela descida de uma caminhonete em que carro foi interceptado. o indígena Grosso do Sul. os indígenas foram deslocava até a sua aldeia. 1 no Amazonas. o Mato Grosso do Sul foi o local do atentado contra Paulino Terena. Também no Mato Grosso do Sul. apenas cinco dias após a morte de seu parente. 1 no Maranhão. quando eles entraram. do povo Terena. o indígena São Sebastião. levar um tiro nas costas. o atentado O maior número de casos ocorreu no Mato Grosso ocorreu durante a tentativa de uma retomada da fazenda do Sul. 1 em Mato Grosso. a liderança teve seu carro incendiado. Um grupo de 60 indígenas Paulino Terena teve seu carro incendiado por quatro foi comunicado por um capataz que eles poderiam entrar homens encapuzados. Eles foram alvejados por Torres Peres um desconhecido quando caminhavam numa rua escura. Josiel Alves. O atentado foi atribuído à disputa na fazenda porque o fazendeiro já iria sair com o gado. Oziel Terena. os homens jogaram combustível os seguranças chegaram atirando. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 Tentativa de assassinato E m 2013 registramos 29 casos de tentativas de assassi- nato. Estudantes e 4 Comunidades AC 1 Caso – Vítimas: 3 Indígenas MUNICÍPIO:SANTA ROSA DESCRIÇÃO: Trêsindígenas estavam a caminho de suas casas. 1 em São Paulo e 1 no Tocantins. fundiária na região. 4 na Bahia.

o carro foi DESCRIÇÃO:A indígena. começaram a atirar. foi agredida a facadas. porém este foi interceptado. Os veículos eram usados para a retirada ilegal de FONTE: Boletim “O Mundo que Nos Rodeia”.Sítio Radar 64. com DESCRIÇÃO: O indígena foi agredido por madeireiros revoltados com estudos finalizados. Puxou o gatilho mas a arma não disparou. depois de uma discussão com o marido interceptado por capangas que expulsaram os professores e que havia ingerido bebida alcoólica. 15/08/2013 madeira de dentro da terra indígena. Estudantes MUNICÍPIO: ILHÉUS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Serra do Padeiro e 1 Comunidade DESCRIÇÃO: O indígena estava em uma fazenda ocupada quando 14/08/2013 começaram os tiros. POVO: TUPINAMBÁ Outro indígena que estava com a vítima não conseguiu correr. Os conflitos que ocorrem na região são creditados à demora do governo em TERRA INDÍGENA: MUNDO VERDE/CACHOEIRINHA assinar a portaria declaratória da terra indígena. 22/10/2013 arma para ele dizendo que se preparasse para morrer. deixando um VÍTIMA: Marlene Bibiano Osório indígena ferido. MUNICÍPIO: BUERAREMA MEIO EMPREGADO: Arma de fogo FONTE: EBC-Empresa Brasileira de Comunicação. que estavam num caminhão a caminho da escola. é bastante violento e 03/09/2013 ciumento. zona norte MEIO EMPREGADO: Arma de fogo FONTE: Boletim de notícias .CIMI 57 . se inscreve no contexto da demarcação POVO: MAXAKALI da terra Indígena Tupinambá de Olivença. após perguntarem pelo cacique. a apreensão de caminhões e um trator feita pelos Pukobjê- MEIO EMPREGADO: Arma de fogo -Gavião. Itabuna.nº 195/2013 . Para POVO: GUAJAJARA os Tupinambá está nítido que a motivação do atentado é a TERRA INDÍGENA: ARARIBÓIA questão fundiária. 2 Comunidades MEIO EMPREGADO: Emboscada. Quando um grupo de professores. Cimi. VÍTIMA: Edson Kayapó MEIO EMPREGADO: Agressões físicas POVO: KAYAPÓ FONTE: Cimi Regional Maranhão TERRA INDÍGENA: TUPINAMBÁ DE OLIVENÇA MUNICÍPIO: BUERAREMA MG 1 Caso – Vítima: 1 Indígena LOCAL DA OCORRÊNCIA: Buerarema 21/10/2013 DESCRIÇÃO: O atentado sofrido pelo indígena. disseram os agressores. 09/09/2013 07/01/2013 25/10/2013 VÍTIMA: Homem VÍTIMA: José Marcos Rodrigues da Silva e a Comunidade POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: PATAXÓ TERRA INDÍGENA: SETE CERROS TERRA INDÍGENA: COROA VERMELHA MUNICÍPIO: CORONEL SAPUCAIA MUNICÍPIO: SANTA CRUZ CABRÁLIA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Sete Cerros CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . estava a caminho de uma área indígena. eram em torno de cinco homens em uma caminho- MUNICÍPIO: MANAUS nete que. mas sem portaria declaratória publicada. do Bairro Lagoa Azul. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Proximidades da estação da Ceplac AM – 1 Caso – Vítima: 1 Indígena DESCRIÇÃO: Homens armados invadiram uma fazenda ocupada por 09/05/2013 cerca de 200 Pataxó e dispararam vários tiros. ou seja. posicionado sobre um barranco. Segundo informações. Um dos agressores apontou a FONTE: G1. o professor foi espan- MEIO EMPREGADO: Arma branca cado e ameaçado de morte. 25/10/2013 DESCRIÇÃO: A indígena levou três facadas enquanto dormia. Ele batia na esposa até mesmo na frente dos filhos. TERRA INDÍGENA: TUPINAMBÁ foi atingido e morreu.Notícias do Amazonas. queimaram o veículo. Semanas antes o povo MUNICÍPIO: AMARANTE havia retomado 40 fazendas sobrepostas a terras indígenas. 15/01/2013 A cabine do veículo foi atingida por tiros disparados por um VÍTIMA: Frederico Pereira homem não identificado. espancamento. sofreram uma emboscada na estrada que leva ao município. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Travessa E. “Vá embora e não olhe MS 16 Casos – Vítimas: 314 Indígenas e para trás”. seu marido. professor do Instituto VÍTIMA: Mulher Federal da Bahia. já demarcada MUNICÍPIO: LADAINHA pela Funai. A vítima tomou um táxi para voltar a Ela estava grávida e entrou em trabalho de parto. a vitima correu e foi atingida com um tiro no braço. 09/05/2013 TERRA INDÍGENA: TUPINAMBÁ DE OLIVENÇA BA 4 Casos – Vítimas: 3 Indígenas. no 1078. VÍTIMA: Régis MEIO EMPREGADO: Arma branca POVO: PATAXÓ FONTE: D24AM . que foi internado. o conflito entre indígenas e fazen- deiros ocupantes de terras tradicionais. Sem conseguir ver de de onde os tiros VÍTIMA: Estudantes partiam. o suspeito. 04/09/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Estrada do município de Buerarema DESCRIÇÃO: Estudantes da escola indígena Tupinambá da Serra do MA 1 Caso – Vítima: 1 Indígena Padeiro. inclusive a LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia de Cachoeira vítima. a agressão só ocorreu porque os madeireiros o confundiram 05/09/2013 com os Pukobjê-Gavião. ameaça FONTE: UOL. Segundo informações dos POVO: TIKUNA indígenas. Segundo a vítima.

Junto a um grupo de indígenas. foram surpreendidos pela descida de uma caminhonete em 10/03/2013 que os seguranças chegaram atirando. Durante essa ação VÍTIMA: Adolescente uma bala atingiu a vítima. a vítima estava às MEIO EMPREGADO: Arma branca margens de uma estrada quando homens da Cigcoe se apro- FONTE: Midiamaxnews. Na confusão. o Agência Fazendária. TERRA INDÍGENA: DOURADOS MEIO EMPREGADO: Arma de fogo MUNICÍPIO: DOURADOS FONTE: Site do Cimi. historicamente privilegiadas. o governo federal se omite de cumprir suas obrigações constitucionais 58 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Segundo informações.com. FONTE: Correio do Estado. 12/1/2013 ximaram disparando balas de borracha e bombas de efeito moral. a viatura passou por cima do indígena. O grupo de indígenas foi comunicado MEIO EMPREGADO: Arma branca por um capataz de que eles poderiam entrar porque o fazen- FONTE: Douradosagora. que serve de abrigo para andarilhos e indígena foi atropelado por uma viatura e teve duas costelas indígenas passarem a noite. O autor foi preso. Como POVO: GUARANI-KAIOWÁ consequência. Ele foi em estado grave no hospital da cidade.br. 31/05/2013 POVO: GUARANI 05/06/2013 MUNICÍPIO: DOURADOS VÍTIMA: Josiel Gabriel LOCAL DA OCORRÊNCIA: Chácara dos Caiuás POVO: TERENA DESCRIÇÃO: O indígena levou 11 facadas. 15/01/201 MEIO EMPREGADO: Atropelamento VÍTIMA: E. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 DESCRIÇÃO: Avítima recebeu golpes de facão na cabeça. confessou DESCRIÇÃO: O adolescente foi esfaqueado no abdômen e foi internado o crime e tentou justificar que estava embriagado. ele TERRA INDÍGENA: BURITIZINHO invadiu o quintal de uma casa pedindo socorro e logo em MUNICÍPIO: SIDROLÂNDIA seguida caiu ao chão. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Fazenda São Sebastião ça são de que dois homens teriam golpeado a vítima. As informações da polícia e da vizinhan. 11/03/2013 11/1/2013 VÍTIMA: Salvador Gonçalves 30/05/2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ VÍTIMA: Cleisson MUNICÍPIO:AMAMBAI POVO: TERENA TERRA INDÍGENA: BURITI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Garagem do prédio da Agência Fazendária. Segundo informa- autuado em flagrante e está à disposição da Justiça na cadeia ções. 05/06/2013 Renato Santana Em nome do seu compromisso com as elites ruralistas. no centro da cidade MUNICÍPIO: BURITI DESCRIÇÃO: O indígena foi ferido com vários golpes de facão LOCAL DA OCORRÊNCIA: Fazenda Buriti enquanto dormia em uma garagem situada no prédio da DESCRIÇÃO: Durante o confronto com a polícia na Fazenda Buriti. 15/01/2013 deiro iria sair com o gado.R.S FONTE: Midiamaxnews. cortando o nervo cervical. ainda DESCRIÇÃO: A agressão ocorreu durante a tentativa da retomada da não se sabe quem são eles e nem os motivos do ocorrido. Ele foi atacado por um homem na região da MEIO EMPREGADO: Arma branca Escola Augustinho. No entanto. quando eles entraram. ele ficou tetraplégico. ele tinha acabado de jantar e disse ao padrasto que ia pública de Sete Quedas. após um LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia de Dourados desentendimento com o filho. dar uma volta. Fazenda São Sebastião. 07/01/2013 MEIO EMPREGADO: Arma branca FONTE: Campo Grande News. quebradas.

furioso com o bloqueio da rodovia. Este teria conseguido gritos: “Vocês tão me atrapalhando”. divididos em duas aldeias. Ele estava em uma festa na aldeia POVO: GUARANI-KAIOWÁ quando discutiu com o dono da residência. em fazendas ocupadas pela comunidade que ficam dentro da terra indígena em processo de demarcação. atacou a vítima. mas foi atingido por um soco. 20h.Aldeia Te’y Kue FONTE: G1/MS. Um dos tiros acertou se esconder na valeta. A tentativa ocorreu por volta das o pé da vítima. FONTE: Correio do Estado. quando um fa- DESCRIÇÃO: Há informações de que dois garotos foram tomar zendeiro. igreja com dois amigos quando foi surpreendido por um rapaz. Ele foi detido por lideranças da comunidade e a MEIO EMPREGADO: Arma branca polícia foi acionada. 19/09/2013 MEIO EMPREGADO: Ameaça à vida 09/10/2013 FONTE: Jornal Umuarama Ilustrado – Policial.200 indígenas em 94 hectares. Ele desviou do POVO: GUARANI NHANDEVA golpe. os ruralistas POVO: GUARANI-KAIOWÁ dizem que se as autoridades não resolverem a questão eles TERRA INDÍGENA: DOURADOS mesmos vão resolver. MUNICÍPIO: DOURADOS MEIO EMPREGADO: Arma de fogo LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó FONTE: Cimi Regional MS. 24/08/2013 VÍTIMA: Comunidade do MS 01/09/2013 POVO: TERENA VÍTIMA: Adenir Ricarde TERRA INDÍGENA: PILAD REBUÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: MIRANDA TERRA INDÍGENA: CAARAPÓ DESCRIÇÃO: Os indígenas foram atacados por homens armados em MUNICÍPIO: CAARAPÓ caminhonetes. mas não foi VÍTIMA: Homem finalizado. atirando três vezes contra o indígena. MUNICÍPIO: CAARAPÓ MEIO EMPREGADO: Arma branca LOCAL DA OCORRÊNCIA: Acampamento Pindoroky . TERRA INDÍGENA: CAARAPÓ MEIO EMPREGADO: Arma branca MUNICÍPIO: CAARAPÓ FONTE: Correio do Estado. FONTE: G1/MS. acompanhado de sua mãe. ele TERRA INDÍGENA: PORTO LINDO pegou um canivete que carregava no bolso e esfaqueou a MUNICÍPIO: JAPORÃ vítima. Até essas retomadas. que tentou golpeá-lo com uma faca. banho no rio por volta das 11 horas. da esposa. Um foi assassinado e que estava sozinho. A terra indígena teve o primeiro registro de reconhecimento pelo Estado em 1904. realizado na rodovia BR-262.Secretariado Nacional e Cimi Regional MS. 10/10/2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . 14/07/2013 DESCRIÇÃO: O indígena contou à polícia que estava almoçando. munição de pistola de uso vários ferimentos e um corte profundo no braço direito. eram MEIO EMPREGADO: Arma branca 2. tendo sofrido três ataques a tiros durante LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Te’yikuê o ano. Os DESCRIÇÃO: O indígena teve três dedos da mão esquerda decepados indígenas fotografaram as marcas de bala e recolheram após ser ferido com golpes de faca. Ele foi internado com nove cápsulas de calibre 9mm. A Polícia Civil foi acionada e atua na investigação MEIO EMPREGADO: Arma de fogo dos casos. 03/06/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Próximo a uma igreja 01/07/2013 DESCRIÇÃO:O suspeito disse à polícia que estava próximo a uma VÍTIMA: P. a vítima LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Porto Lindo teria agredido sua namorada com um tapa no rosto e o DESCRIÇÃO: O autor da agressão desferiu golpes de faca na genitália ameaçado de morte. 03/09/2013 Moreira e Passarinho. Ainda segundo o suspeito. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 02/06/2013 DESCRIÇÃO: O indígena ficou ferido após ser atingido por um gol- VÍTIMA: D. Um 13/07/2013 processo de demarcação teve início em 1950. quando o irmão se aproximou 30/06/2013 acusando-o de ter assassinado um outro irmão dos dois. O dono da residência informou TERRA INDÍGENA: TE’Y KUE à polícia que o suspeito é o seu genro. 02/07/2013 VÍTIMA: João Pereira 21/08/2013 POVO: TERENA VÍTIMA: Menino TERRA INDÍGENA: VÁRIAS POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: MIRANDA TERRA INDÍGENA: AMAMBAI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Rodovia BR 262 MUNICÍPIO: AMAMBAI DESCRIÇÃO: O indígena participava de um protesto em defesa da LOCAL DA OCORRÊNCIA: Estrada vicinal que liga a cidade à aldeia de saúde indígena. restrito das forças armadas.CIMI 59 .C pe de facão no pescoço.A. 30/06/2013 MEIO EMPREGADO: Arma branca 19/09/2013 FONTE: Correio do Estado. FONTE: Cimi . Cerca de mil Amambai indígenas da região bloquearam a rodovia.G. aos o outro foi encontrado desacordado. VÍTIMA: Jovem Durante a acusação o autor sacou uma faca e desferiu dois POVO: GUARANI NHANDEVA golpes contra a vítima. O indígena não sabe quem desferiu o golpe. Nesse momento. Em declaração para a imprensa. há uma semana.

Os agricultores impedem a entrada dos agentes governamentais 06/12/2013 na colocação de marcos físicos. onde cerca de 200 índios haviam retomado parte de sua terra tradicional. para a delegacia de Miracema e liberado depois que prestou De acordo com o agressor. com uma mulher na garupa. MUNICÍPIO: TOCANTINIA MEIO EMPREGADO: Arma de fogo LOCAL DA OCORRÊNCIA: Rodovia TO-010 FONTE: O Documento. Houve confronto.4 mil hectares. Em 2005 o Ministério da Justiça editou uma portaria LOCAL DA OCORRÊNCIA: Área dentro da Terra Indígena (Intrusada) declarando a terra como de posse permanente do grupo. VÍTIMA: Paulino Terena MEIO EMPREGADO: Arma de fogo POVO: TERENA FONTE: Cimi Regional Sul e Comin. dois homens encapuzados DESCRIÇÃO: O condutor de uma moto. Segundo os indíge- MEIO EMPREGADO: Arma de fogo FONTE: Cimi Regional Mato Grosso do Sul. ele seguiu em dire. O suspeito estava em fuga na região e os policiais TERRA INDÍGENA: XERENTE conseguiram prendê-lo na BR-070. 02//2014 60 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . ao se aproximar. 22/09/2013 MUNICÍPIO: IGUATEMI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Fazenda São Jorge RS 1 Caso – Vítimas: 2 Indígenas DESCRIÇÃO: Um grupo de homens armados invadiu e atirou contra 15/7/2013 a comunidade indígena acampada na fazenda São Jorge. Um indígena menor foi levado DESCRIÇÃO: O indígena se envolveu em um briga e levou seis facadas. a vítima e dois amigos o insultaram com palavras ofensivas. Eles se assusta- POVO: MAKUXI ram e reagiram. 14/05/2013 DESCRIÇÃO:Indígenas que cobravam pedágio de motoristas que trafegavam pela rodovia TO-010 foram denunciados por RR 1 Caso – Vítima: 1 Indígena um condutor na delegacia de Miracema. 04/11/2013 nas. MEIO EMPREGADO: Arma de fogo Segundo o acusado. e pistoleiros estavam espalhados POVO: KAINGANG pela área da fazenda. jogaram combustível no carro da atirou em direção aos indígenas da aldeia Tenondé Porã. que afirmou ser paciente psiquiátrico. para ir até a área indígena. MT 1 Caso – Vítima: 1 Indígena MEIO EMPREGADO: Arma de fogo FONTE: Carta Capital 12/05/2013 VÍTIMA: Levi Xavante TO 1 Caso – Vítima: 1 Indígena POVO: XAVANTE TERRA INDÍGENA: ISOÚ’PÁ 24/12/2013 VÍTIMA: Kelcimar Xerente MUNICÍPIO: NOVA XAVANTINA POVO: XERENTE DESCRIÇÃO: O indígena foi alvejado por seis disparos durante uma briga. A vítima se deslocava dentro da aldeia em seu veículo quando avistou uma caminhonete MUNICÍPIO: SÃO PAULO desconhecida dentro da área retomada. Segundo o relato dos indígenas. escondidos. com DESCRIÇÃO: Um indígena foi baleado e o outro ficou ferido em área de 9. Foram deslocadas 22/09/2013 duas viaturas. A terra foi reconhecida pela Funai em FONTE: Assessoria de Comunicação Cimi. Iniciada há 29 anos. a demarcação da TERRA INDÍGENA: PASSO GRANDE DA FORQUILHA terra indígena foi interrompida diversas vezes por recursos MUNICÍPIO: SANANDUVA judiciais. está em processo de retomada de terra. que VÍTIMA: Homens incide sobre a terra indígena. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Tekoa Eucalipto ção ao veículo e. dentro da terra indígena. com oito policiais. na construção da MEIO EMPREGADO: Fogo aldeia Tekoa Eucalipto. faltando apenas a homologação. os policiais chegaram pela VÍTIMA: Joacy mata. Três indígenas fugiram e MUNICÍPIO: BOA VISTA dois permaneceram no confronto. 06/12/2013 2012. A demarcação física já foi realizada. Ponte do Cauamé precisou passar por cirurgia. Cimi Regional GO/TO. Em março deste ano. desceram da caminhonete. POVO: GUARANI NHANDEVA MEIO EMPREGADO: Arma branca TERRA INDÍGENA: YVY KATU FONTE: G1/RR. o processo demarcatório está paralisado desde 2011. atingiu um deles com uma faca. O atentado foi atribuído a produtores rurais da POVO: GUARANI MBYA região. de um acordo a terra indígena Yvy Katu. esclarecimentos. Pela avaliação dos indígenas. a Justiça um confronto entre agricultores e indígenas em função do considerou nulos os títulos de propriedade incidentes sobre descumprimento. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 02/11/2013 do três rapazes alcoolizados mandaram que ele parasse e o VÍTIMA: Comunidade do MS agrediram. A vítima conseguiu sair do veículo. atestando a validade do processo firmado para a desocupação pacífica de uma área localizada demarcatório da área. ele estava andando pela rodovia quan. no qual um foi baleado e LOCAL DA OCORRÊNCIA: BR 174. por parte dos agricultores. atirando contra os jovens. em disputa pela posse de terras reivindicadas como TERRA INDÍGENA: JARAGUÁ tradicionais pelos indígenas. FONTE: Lideranças Xerente. a terra foi abandonada há pelo menos 10 anos. que vítima e riscaram o fósforo. 18/07/2013 TERRA INDÍGENA: PILAD REBUÁ MUNICÍPIO: MIRANDA SP – 1 Caso – Vítima: 1 Comunidade LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaMoreira 08/11/2013 DESCRIÇÃO: Quatro homens encapuzados atearam fogo no carro VÍTIMA: Comunidade de SP do indígena. Para se defender. 26/12/2013.

12/07/2013 TERRA INDÍGENA: DOURADOS MUNICÍPIO: DOURADOS 11/10/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: BR-463/MS VÍTIMA: Carlos Ricarde DESCRIÇÃO: A criança.2 da rodovia POVO: GUARANI-KAIOWÁ BR-463. 11/10/2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . O motorista TERRA INDÍGENA: TAQUAPERÍ fugiu sem prestar socorro. o motorista trafegava em alta velocidade e fugiu Num dos poucos casos em que o motorista foi identificado. sendo que em 7 casos os condutores a polícia informou que o mesmo apresentava sinais de embriaguês. Na ocasião. MUNICÍPIO: MUNDO NOVO MEIO EMPREGADO: Atropelamento LOCAL DA OCORRÊNCIA: BR-163/MS FONTE: A Gazeta News. MUNICÍPIO: CORONEL SAPUCAIA MEIO EMPREGADO: Atropelamento LOCAL DA OCORRÊNCIA: Rodovia MS-289 FONTE: G1/MS. foi atropelada no km 5. com 6 vítimas. Segundo o lamentos ocorreu no Mato Grosso do Sul. onde crianças e adultos são atropelados e sujeitos às constantes violências HOMICÍDIO CULPOSO 10 Casos . que transportava 82 indígenas.13 Vítimas MS 6 Casos – Vítimas: 6 Indígenas DESCRIÇÃO:A vítima trabalhava em uma lavoura de mandioca e estava no ponto de ônibus quando foi atingido por um 22/03/2013 veículo. Destes. Ruy Sposati A omissão do governo federal se reflete nos inúmeros acampamentos indígenas. cacique. 23/03/2013 DESCRIÇÃO: O indígena foi atropelado por um veículo não identi- 11/07/2013 ficado na fronteira com o Paraguai. o corpo foi encaminhado para realização de POVO: GUARANI exame necroscópico no IML. perdeu o controle do veículo e fugiram sem prestar socorro. onde morava. 9 casos envolveram atropelamentos. Após a realização dos VÍTIMA: Homem levantamentos. próximo à área Apikay. capotou. um motorista de caminhão. duas crianças morreram. resultando em 13 vítimas.CIMI 61 . O veículo do agressor não foi identificado. Em Tocantins. do local após o acidente. O maior número de atrope. de 6 anos. VÍTIMA: Criança MEIO EMPREGADO: Atropelamento POVO: GUARANI-KAIOWÁ FONTE: G1/MS. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 Homicídio culposo R egistramos 10 casos de homicídio culposo em 2013.

09/12/2013 MUNICÍPIO: PLANALTO LOCAL DA OCORRÊNCIA:Rodovia Planalto. crianças.br.uol. 12/2013 62 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . O motorista fugiu sem prestar socorro. o indígena caminhava TERRA INDÍGENA: DOURADOS no acostamento quando foi atingido por um veículo não MUNICÍPIO: DOURADOS identificado. 05/02/2013 07/02/2013 VÍTIMA: Iracema Renha Gomes. o motorista dirigia em alta velocidade e.com. Morreram duas viário. 06/05/2013 foi levado ao hospital. mas não resistiu. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 PR – 2 Casos – Vítimas: 3 Indígenas Renato Santana 30/01/2013 VÍTIMA: Adolescente POVO: KAINGANG TERRA INDÍGENA: RIO DAS COBRAS MUNICÍPIO: NOVA LARANJEIRAS LOCAL DA OCORRÊNCIA: BR-277 DESCRIÇÃO: Uma menina indígena morreu vítima de atropelamento. mas não resistiu. TO – 1 Caso – Vítimas: 3 Indígenas MEIO EMPREGADO: Atropelamento 14/10/2013 FONTE: Boletim de notícias 6ª Câmara de Coordenação e Revisão – MPF. 26/12/2013 FONTE: G1/TO. acidente. MEIO EMPREGADO: Atropelamento MEIO EMPREGADO: Capotamento FONTE: Midiamaxnews. 14/10/2013. TERRA INDÍGENA: DOURADOS MEIO EMPREGADO: Atropelamentos MUNICÍPIO: DOURADOS FONTE: O Paraná -11/02/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Perimetral Norte. Socorrido por pessoas que passavam pelo local. após o atropelamento com morte em 40 dias no anel viário da cidade. A maior parte das DESCRIÇÃO: A vítima foi atropelada quando seguia a pé pelo anel pessoas foi arremessada para fora da pista. LOCAL DA OCORRÊNCIA: AnelViário no MS perdeu o controle e tombou na BR-010. A primeira morte ocorreu às 21h30 e o motorista fugiu sem prestar socorro. que transportava 82 indígenas. FONTE: Zero Hora. Segundo o cacique eles estão revoltados com essa morte pois seria o terceiro Aroldo Krahô. Cimi Regional GO/TO.br. A segunda ocorreu às 23h20 e o condutor 09/12/2013 da Saveiro disse que o indígena atravessou a pista e não VÍTIMA: Jekinson Ramires Duarte houve tempo para desviar. Gramado dos Loureiros 12/12/2013 (ERS-324) VÍTIMA: Homem idoso DESCRIÇÃO: Segundo informações do comando rodoviário da POVO: GUARANI-KAIOWÁ brigada militar. um adulto e 60 ficaram feridos. 3/12/2013 VÍTIMA: Crianças. 10/12/2013. Segundo depoimento dos indígenas. Segundo a polícia. midiamaxnews. O motorista fugiu. Valdevino Vaguakag Fortunato Bernardo POVO: KAINGANG TERRA INDÍGENA: RIO DAS COBRAS MUNICÍPIO: NOVA LARANJEIRAS LOCAL DA OCORRÊNCIA: BR-277 Na beira da estrada. O motorista fugiu VÍTIMA: Jorge Policeno da Silva sem prestar socorro. povo Guarani Mbya aguarda o reconhecimento do seu direito à terra tradicional DESCRIÇÃO: Os dois indígenas morreram atropelados na BR-277. o motorista POVO: GUARANI-KAIOWÁ apresentava sinais de embriaguez. Valdir Krahô POVO: KRAHÔ DEZEMBRO/2013 TERRA INDÍGENA: KRAHÔ VÍTIMA: Rita MUNICÍPIO: ITACAJÁ POVO: GUARANI LOCAL DA OCORRÊNCIA: BR-010. POVO: KAINGANG MEIO EMPREGADO: Atropelamento TERRA INDÍGENA: NONOAI FONTE: fatimanews. fugiu do local. 06/05/2013 Ele foi socorrido e levado para o Pronto Socorro do Hospital. entre os municípios de Barra do Ouro TERRA INDÍGENA: DOURADOS e Itacajá MUNICÍPIO: DOURADOS DESCRIÇÃO: O motorista do caminhão. em Dourados RS – 1 Caso – Vítima: 1 Indígena DESCRIÇÃO: O indígena trafegava de bicicleta e foi atropelado por uma carreta. DESCRIÇÃO: O idoso foi atropelado por um veículo próximo ao anel MEIO EMPREGADO: Atropelamento viário de Dourados quando voltava para casa de bicicleta. A vítima LOCAL DA OCORRÊNCIA: Próximo ao anel viário de Dourados morreu no local. MEIO EMPREGADO: Atropelamento FONTE: Cgn. A suspeita é de que estivesse alcoolizado.com. por volta das 2h30. O veículo não foi identificado e o motorista fugiu sem prestar atendimento à vítima.

Foi registrada queixa na delegacia da cidade de Autazes.CIMI 63 . repassado um recado dos fazendeiros: “Eles querem tirar çado foi o cacique Getúlio de Oliveira. Alguns de seus a sua cabeça”. um dos homens teria declarado que queria a “cabeça de Getúlio”. Desde o início de junho de 2013 AGOSTO/2013 alguém liga e diz a ele para se despedir da família porque vai VÍTIMA: Getúlio de Oliveira morrer. O Conselho informa MUNICÍPIO: AUTAZES que durante o manifesto sofreram violência por um grupo de fazendeiros. prática de racismo e discriminação VÍTIMA: JoséClaudio Pereira Mura contra um grupo de indígenas que estava fazendo um pro- POVO: MURA testo pacífico pelas ruas de Dourados. A Secretaria Especial de Direitos Humanos parentes foram abordados com oferecimento de dinheiro (SEDH) reconheceu os riscos à vida de Paulino e o retirou para que informassem onde ele se encontrava. Em uma das ocasiões foram oferecidos R$ 500 para que um dos parentes indicasse o local VÍTIMA: Comunidades do MS onde o indígena estaria. 12/08/2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . com 4 casos. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 Ameaça de morte F oram registrados em 2013. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Conselho Indígena Mura MEIO EMPREGADO: Agressão e discriminação verbal DESCRIÇÃO: A vítima é coordenador secretário do Conselho Indíge- FONTE: Dourados Agora. Jovens de sua comunidade teriam Grosso do Sul. Ainda no Mato Grosso do Sul. o amea. Parentes têm sido abordados por 20/06/2013 homens à procura da liderança. Terena denunciou ao Conselho Terena as ameaças de Continuou liderando as ocorrências o estado de Mato morte que têm recebido. Egon Heck O Conselho da Aty Guasu Guarani Kaiowá denunciou ameaça de morte coletiva e prática de racismo e discriminação contra um grupo de indígenas que fazia protesto pacífico em Dourados (MS) AMEAÇA DE MORTE 10 Casos – Vítimas: 14 Indígenas e Várias Comunidades LOCAL DA OCORRÊNCIA: Dourados AM 1 Caso – Vítima: 1 Indígena DESCRIÇÃO: O Conselho da Aty Guasu Guarani-Kaiowá denunciou 17/07/2013 ameaça de morte coletiva. Pernambuco (1) e Tocantins (4). o indígena Paulino Sul (4). As ocorrências ocorreram nos estados do Amazonas (1). 27/06/2013 na Mura e tem recebido ameaças de morte por telefone de número não identificado. Um dos homens disse que “queria a POVO: GUARANI-KAIOWÁ cabeça” de Getúlio e que em breve eles não teriam mais cacique. 10 casos relacionados a ameaças de morte contra indígenas. Num dos registros. Mato Grosso do as denúncias. POVO: GUARANI-KAIOWÁ MEIO EMPREGADO: Ameaça de morte TERRA INDÍGENA:DOURADOS FONTE: Cimi Regional Norte I. Segundo da aldeia. TERRA INDÍGENA: VÁRIAS MEIO EMPREGADO: Ameaça de morte MUNICÍPIO: DOURADOS FONTE: Cimi. 18/07/2013 MUNICÍPIO: DOURADOS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Jaguapiru MS 4 Casos – Vítimas: 3 Indígenas e Várias DESCRIÇÃO: O cacique denunciou ter sido vítima de ameaça de Comunidades morte por desconhecidos.

“Há veu então queimar o carro do marido da indígena. MEIO EMPREGADO: Ameaça de morte 29/12/2013 FONTE: Assessoria de Comunicação Cimi. Em outro episódio. 08/01/2014. Geraldo Leal Lopes. pagou dois jovens indígenas para passarem todas de corte. FONTE: Lideranças indígenas do povo Apinajé. Joana Aparecida Ortiz FONTE: Cimi Regional Nordeste. cercou-a na rua LOCAL DA OCORRÊNCIA: Área Indígena e disse que “um fazendeiro pagaria muito bem para poder DESCRIÇÃO: Após a morte do marido (líder na luta pela demarcação matá-la”. terra indígena. 13/12/2013 FONTE: Lideranças Kanela do Tocantins. Em outro momento. exploração e venda ilegal de madeiras e caças na as informações do que estava sendo articulado naquele lugar. casa da indígena. Cimi Regional GO/TO. A liderança chegou a FONTE: Associação União das Aldeias Apinajé. Edmar Xavito Apinajé. acusado de estar envolvido diretamente em atividades reivindicadas. ao do seu marido. 17/01/2014 ficar sob proteção da Secretaria Especial de Direitos Humanos. venda de bebidas alcoólicas nas aldeias e Os jovens levaram um recado dos fazendeiros para a VÍTIMA: exploração sexual de menores indígenas. Os agres. Conselho Terena VÍTIMA: Carmelita Carvalho Montel. MEIO EMPREGADO: Ameaça de morte Mesmo diante das maiores atrocidades. 02/2014 PE 1 Caso – Vítimas: 3 Indígenas DEZEMBRO/2013 SETEMBRO/2013 VÍTIMA: Oscar de Sousa Fernandes. a mando de um fazendeiro da região. As agressões tiveram como motivo denúncias da vítima para os órgãos competentes a sobre venda ilegal de madeira na área Apinajé. o agressor disparou tiros na física da sua terra e pela sobrevivência do povo Guiraroká). mas como não conseguiu atingi-la. MEIO EMPREGADO: Ameaça de morte A área está em processo de identificação. morador da cidade de Tocantinó- ex-empregado de uma fazenda. resol- a vítima relata que está recebendo ameaças de morte. Relata ainda que um morte por um não-índio. da aldeia Riachinho devido às denúncias aos órgãos compe- sores são contra a demarcação e as ameaças ocorrem por tentes de exploração e venda ilegal de madeira retirada da conta de um projeto de construção de uma estrada que terra indígena. “Eles querem tirar a sua cabeça”. 17/01/2014 MEIO EMPREGADO: Ameaças verbais Ir. servirá de infraestrutura a uma usina nuclear na localidade. Depois que o povo Kanela do Contaram para ela que logo será assassinada de forma similar Tocantins começou a reivindicar o direito pelo seu território. Também rumores por aqui que eu serei a próxima vítima da violência”. que está sobreposta às terras polis. Cimi Regional Cimi GO/TO. casado com uma indígena e morador da aldeia Prata. MEIO EMPREGADO: Ameaça de morte MEIO EMPREGADO: Ameaças FONTE: Survival International. Valter Regis de Oliveira POVO: KANELA 12/2013 TERRA INDÍGENA: KANELA VÍTIMA: Esposa de Ambrósio Vilhalva MUNICÍPIO: ARAGUAÇU POVO: GUARANI-KAIOWÁ LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia da Serra TERRA INDÍGENA: GUYRAROKÁ DESCRIÇÃO: Aindígena sofreu ameaças por vários dias do agressor MUNICÍPIO: CAARAPÓ que. Paulino MEIO EMPREGADO: Ameaça de morte teve sua casa cercada por pistoleiros. Jorge gelista Alves Apinajé POVO: APINAJÉ POVO: PANKARÁ TERRA INDÍGENA: APINAYÉ TERRA INDÍGENA: PANKARÁ MUNICÍPIO: TOCANTINÓPOLIS MUNICÍPIO: ITACURUBA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Ruas da cidade LOCAL DA OCORRÊNCIA: Restaurante na cidade DESCRIÇÃO: As vítimas recebem telefonemas anônimos e sofrem DESCRIÇÃO: Os indígenas foram ameaçados de morte pelo cacique ameaças e constrangimento quando saem às ruas. muitas ameaças foram dirigidas a lideranças da aldeia Serra. 17/01/2014 reafirmam a luta pela terra sagrada 64 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . 06/12/2013. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 11/2013 2013 VÍTIMA: Paulino Terena VÍTIMA: Evangelista Alves Apinajé POVO: TERENA POVO: APINAJÉ TERRA INDÍGENA:PILAD REBUÁ TERRA INDÍGENA: APINAYÉ MUNICÍPIO: MIRANDA MUNICÍPIO: TOCANTINÓPOLIS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeias Moreira e Passarinho LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bonito DESCRIÇÃO: A vítima vem denunciando ao Conselho Terena as DESCRIÇÃO: O indígena cacique da aldeia Bonito foi ameaçado de ameaças de morte que tem recebido. ameaçou tocar fogo na aldeia. dezembro/2013 TO 4 Casos – Vítimas: 7 Indígenas NOVEMBRO/2013 VÍTIMA: Pedro Laranja Apinajé POVO: APINAJÉ TERRA INDÍGENA: APINAYÉ MUNICÍPIO: TOCANTINÓPOLIS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Patizal DESCRIÇÃO: O indígena é morador da aldeia Patizal e foi agredido e ameaçado pelo não indígena conhecido como Macário. Evan- VÍTIMA: Lucélia Leal. os povos indígenas FONTE: Associação União das Aldeias Apinajé.

estão vendendo carne estraga- CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO .com. Rondônia. resultou na VÍTIMA: Comunidades do MS apreensão de alimentos inadequados para o consumo e na POVO: DIVERSOS análise de preços e quantidade dos produtos ofertados aos TERRA INDÍGENA: VÁRIAS índios. O dinheiro recebido serve para quitar a dívida junto ao comércio. retenção de cartões de contas bancárias dos indígenas que Os indígenas ainda reclamaram de que bebida alcoólica compram a prazo no comércio local. Santa Catarina.CIMI 65 .br. estaria sendo levada para dentro da comunidade por os próprios comerciantes e/ou seus funcionários é que terceiros. Mato Grosso do Sul. prazo para os indígenas. foi feito um registro da Tekoha Porã. como provavelmente os produtores DESCRIÇÃO:Segundo as lideranças. que TERRA INDÍGENA: DOURADOS abre novo crédito para as compras do mês seguinte. Paraná. mas retêm seus cartões e no dia do MEIO EMPREGADO: Ameaças verbais pagamento do benefício os próprios comerciantes ou funcio. Segundo a denúncia. o governador do Mato Grosso do Sul MUNICÍPIO: DOURADOS afirmou: “Chega de invasão. de que homens armados rondavam o local. Jaguapirú e Panambizinho FONTE: douradosagora. sobre as demandas indígenas por terras e TERRA INDÍGENA: DOURADOS sobre as ações da Funai. do Ainda no Mato Grosso do Sul. uma ação do Ministério Público Federal resultou na apreensão de alimentos inadequados para o consumo. FONTE: estadao.br. No Mato Grosso do Sul. Segundo as denúncias. que estaria No Paraná. POVO: GUARANI-KAIOWÁ no Senado Federal. Comunidade Jaguapire DESCRIÇÃO: Ao falar na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária. 14/02/2013 DESCRIÇÃO: A ação do MPF/MS juntamente com outros órgãos do governo. os comerciantes vendem a rurais terão na defesa de sua propriedade”. uma equipe técnica do Ministério Público sendo vendida aos indígenas. Vou começar a dar o direito de LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Jaguapirú se defender com armas. 22/11/2013 nários do estabelecimento vão até o caixa eletrônico e fazem 06/11/2013 o saque da conta dos indígenas.Vítimas: 35 Indígenas e Várias Comunidades MS 3 Casos – Vítimas: Várias Comunidades MUNICÍPIO: CAMPO GRANDE LOCAL DA OCORRÊNCIA: Comissão de Agricultura e Reforma Agrária 02/2013 do Senado VÍTIMA: Comunidade Bororó. Gilvan Martins Conflito fundiário foi a motivação para o atentado em Buerarema (BA) contra professores que se dirigiam para área indígena. Federal recebeu denúncias da comunidade Guarani. na fiscalização dos estabelecimentos comerciais de 21/11/2013 Dourados localizados nos arredores das aldeias. MUNICÍPIO: DOURADOS MEIO EMPREGADO: Apropriação indébita de cartão LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeias Bororó. São Paulo e Tocantins. fazem o saque com os cartões bancários dos indígenas.com. especialmente carne estragada. o carro foi incendiado e um professor indígena foi espancado e ameaçado de morte AMEAÇAS VÁRIAS 10 Casos . Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 Ameaças várias F oram registrados 10 casos de variadas ameaças nos estados de Mato Grosso. Há também denúncias de VÍTIMA: Comunidades do MS que no dia de receber o pagamento os comerciantes levam POVO: GUARANI-KAIOWÁ grupos de indígenas para sacarem os benefícios.

Sebastião Jiahui contou que havia gente estranha de tocaia. 12/2013 POVO: GUARANI TERRA INDÍGENA: TEKOHA PORÃ SP 1 Caso – Vítima: 1 Comunidade MUNICÍPIO: TERRA ROXA 13/10/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Próximo à Vila Guarani VÍTIMA: Comunidade de SP DESCRIÇÃO: A equipe técnica do Ministério Público Federal/PR. causando conflito entre as lideranças. Os TERRA INDÍGENA: TEKOHA PORÃ índios aguardam a regularização e já começaram a plantar na MUNICÍPIO: GUAÍRA área retomada pois a terra onde vivem não comporta mais LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia o aumento da população. Somente após muita pressão dos indígenas o invasor se retirou. MEIO EMPREGADO: Arma de fogo TO 1 Caso – Vítimas: 30 Indígenas FONTE: www. 21/04/2013 MEIO EMPREGADO: Ameaças VÍTIMA: Comunidade do MT FONTE: Cimi Regional Rondônia. 17/01/2014 66 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . MUNICÍPIO: HUMAITÁ Foi proibido pela Justiça de andar na comunidade. ao invés de retirar o não FONTE: Agência Brasil. 18/10/2013 carro entrou na aldeia. Há consumidores indígenas. A comu. um MEIO EMPREGADO: Ameaças FONTE: Rede Brasil Atual. frequenta as DESCRIÇÃO: Irineu Tenharim vem recebendo ameaças de algumas aldeias regularmente. próximo à aldeia Kwaiari. fazendeiros à sua volta. André Tenharim. 06/11/2013. DESCRIÇÃO: A casa da vítima foi invadida por um não indígena que além de fazer com que os índios se sintam ameaçados pelos pediu informações sobre o processo de demarcação da terra. MUNICÍPIO: TOCANTINÓPOLIS Sebastião Jiahui LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia São José POVO: TENHARIM DESCRIÇÃO: O autor das ameaças era ex-chefe de posto da Funai e já TERRA INDÍGENA: TENHARIM MARMELOS responde a processo criminal na Justiça Federal por estupro. equipe de Florianópolis. No entanto. Os invasores não tinham relação com os supostos POVO: GUARANI donos da terra e estavam utilizando o local ilegalmente. Rosinho Tenharim. DouradosNews. em segui- PR 2 Casos – Vítimas: 2 Comunidades da. rasgaram barracas do acampamento e roubaram VÍTIMA: Comunidade do PR ferramentas. especialmente após denúncias de casos de assaltos nas rodovias Transamazônica e do Estanho. retenção de cartões pessoais como garantia de pagamento.portalguaira. ameaçaram um índio. POVO: GUARANI em visita à terra indígena. 12/2013 POVO: XAVANTE TERRA INDÍGENA: MARÃIWATSEDÉ SC 1 Caso – Vítima: 1 Indígena MUNICÍPIO: ALTO BOA VISTA 20/03/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Interior da Terra Indígena VÍTIMA: Adílio DESCRIÇÃO: Os antigos posseiros que estavam dentro da terra in- POVO: GUARANI dígena estão retornando a área dos indígenas. Chamada a polícia. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Terra indígena não demarcada.com. A presença dos invasores é uma limita. Eles já vêm se deslocando por toda a terra indígena para mapear os locais TERRA INDÍGENA: MORRO DOS CAVALOS onde plantar e caçar. 06/11/2013 que estavam em três motos. limites da terra Indígena Igarapé Preto. sendo que até os motoristas da Sesai se sentem inseguros. constatou que a comunidade é TERRA INDÍGENA: GUARANI DA BARRAGEM constantemente ameaçada por pessoas armadas que fre- quentemente rondam o local. 12/2013 2013 VÍTIMA: Comunidade de TO RO 1 Caso – Vítimas: 4 Indígenas POVO: APINAJÉ 2013 TERRA INDÍGENA: APINAYÉ VÍTIMA: Irineu Tenharim. deram tiros 20/12/2013 para o alto. 23/04/2013 indígena do local. O indígena pediu que ele saísse de sua casa mas o acusado MEIO EMPREGADO: Ameaças não atendeu. DESCRIÇÃO: Segundo denúncia do vice-cacique à Polícia Militar. O objetivo da ação é coibir práticas comuns abusivas aos nidade se sente ameaçada e já fez boletim de ocorrência. FONTE: Associação União das Aldeias Apinajé. ficou conversando com o invasor. pessoas do Distrito de Santo Antônio do Matupi (AM) depois MEIO EMPREGADO: Ameaças que ele conseguiu reaver sua moto que fora roubada. 07/06/2013 DESCRIÇÃO: Homens armados invadiram o local retomado pacifi- camente pelos indígenas. Sofrem ainda problemas com MUNICÍPIO: SÃO PAULO bebida alcoólica trazida por terceiros e roubos. e efetuou disparos fugindo em seguida. MEIO EMPREGADO: Crimes ao consumidor Rosinho e André Tenharim foram perseguidos por homens FONTE: MPF/MS. situada a 3 MEIO EMPREGADO: Ameaças quilômetros da aldeia FONTE: Relatório do Ministério Público/PR. MUNICÍPIO: PALHOÇA ção ao direito de ir e vir dos índios dentro do seu território. com a MT 1 Caso – Vítima: 1 Comunidade presença de pistoleiros e traficantes na região do Bodocó. por ame- LOCAL DA OCORRÊNCIA: Terras Indígenas Tenharim e Jiahui açar algumas lideranças indígenas. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 da. 2013 MEIO EMPREGADO: Invasão VÍTIMA: Comunidade do PR FONTE: Cimi Regional Sul. esta fez perguntas ao dono da casa sobre a suposta vinda de 5 mil indígenas do Paraguai e. à noite.

As lesões corporais foram em consequência de agressões físicas. um indígena foi atropelado por uma caminhonete da Polícia Federal. além de ter causado o assassinato de Oziel Terena. truculenta feriu com balas de borracha o indígena Laucir durante uma ação violenta de forças policiais que faziam Terena. Ele foi atacado por dois desconhecidos. elas se assustam com a chegada de qualquer carro nas comunidades LESÕES CORPORAIS DOLOSAS 7 Casos . A ação violenta foi marcada por agressão. 05/08/2013 FONTE: Associação Indígena Kaaportarupi. MEIO EMPREGADO: Agressões físicas MEIO EMPREGADO: Agressão física e verbal FONTE: Cimi Regional Maranhão. No Mato Grosso do Sul.Vítimas: 8 Indígenas e 1 Comunidade MA 2 Casos – Vítimas: 1 Indígena e AGOSTO/2013 1 Comunidade VÍTIMA: Comunidade do MA POVO: KA’APOR 03/08/2013 TERRA INDÍGENA: ALTO TURIAÇU VÍTIMA: Carlinhos Gavião MUNICÍPIO: CENTRO NOVO DO MARANHÃO POVO: GAVIÃO LOCAL DA OCORRÊNCIA: Antiga aldeia Gurupiúna TERRA INDÍGENA: GOVERNADOR DESCRIÇÃO: Cerca de 50 pessoas incitadas por grandes madeireiros e MUNICÍPIO: AMARANTE DO MARANHÃO donos de serrarias dos municípios Centro Novo do Maranhão. O indígena quebrou a clavícula. que espancamento de idosos e crianças. de Amarante. Povo Tenharim As crianças não foram poupadas no violento protesto realizado contra o povo Tenharim em Humaitá (AM). roubo de criações. 01/2014 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . com 8 vítimas.CIMI 67 . traumatizadas. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Próximo à aldeia Rubiácea Centro do Guilherme e Maranhãzinho se armaram e invadiram DESCRIÇÃO: O jovem indígena foi agredido quando voltava da cidade a terra indígena. Esta mesma operação borracha e até um atropelamento. O indígena permaneceu desacordado no local de insegurança e medo nas aldeias vizinhas. Houve também do espancamento. roupas o levaram para dentro do mato. espancamentos. perseguições e ameaças de morte às lideranças. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 Lesões Corporais Dolosas R egistramos 7 casos de lesões corporais dolosas. tiros de balas de a reintegração de posse de uma fazenda. As agressões geraram um clima sua moto. o espancaram e levaram e documentos dos indígenas.

houve uma discussão num bar. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 DESCRIÇÃO: O indígena foi ferido com balas de borracha. POVO: AVÁ-GUARANI muitas crianças Tenharim fugiram para o mato MUNICÍPIO: GUAÍRA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Bar localizado na Avenida Tomaz Luiz Zaballos MS 3 Casos – Vítimas: 3 Indígenas DESCRIÇÃO: Conforme boletim de ocorrência da Polícia Militar de Guaíra. 26/11/2013 agressões começaram após uma discussão em que estavam 15/12/2013 consumindo bebida alcoólica. Ele foi internado e precisou ser avaliado por um médico ortopedista. Esta mesma ação policial culminou com a morte de Oziel Terena. sobreposta ao território tradicional dos índios. As FONTE: Portalguaira. O indígena teve a clavícula quebrada durante a ação. Os policiais federais tentavam retirar os Terena da fazenda Buriti. 30/05/2013 PR 2 Casos – Vítimas: 4 Indígenas 24/11/2013 VÍTIMA: Três Crianças Assustadas com a invasão de suas aldeias pelos manifestantes. MEIO EMPREGADO: Balas de borracha FONTE: Midiamaxnews. em confron- Povo Tenharim to com as polícias Federal e Militar durante o cumprimento de reintegração de posse da fazenda Buriti. 30/05/2013 30/05/2013 VÍTIMA: Cleiton França POVO: TERENA TERRA INDÍGENA: BURITI MUNICÍPIO: BURITI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Fazenda Buriti DESCRIÇÃO: Segundo informações a vítima foi atropelada por uma caminhonete da Polícia Federal.com. MUNICÍPIO: BURITI MEIO EMPREGADO: Pedaço de madeira LOCAL DA OCORRÊNCIA: Fazenda Buriti FONTE: Portalguaira. Os agressores foram autuados VÍTIMA: Adolescente em flagrante e enquadrados na Lei Maria da Penha. O acusado fugiu TERRA INDÍGENA: BURITI e a vítima foi encaminhada à Unidade Central de Saúde. que resultaram na morte de um VÍTIMA: Mulher indígena e em 3 crianças feridas. 12/2013 68 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . uma das TERRA INDÍGENA: DOURADOS crianças está hospitalizada e as demais estão fora de perigo. POVO: GUARANI MEIO EMPREGADO: Espancamento TERRA INDÍGENA: TEKOHA MARANGATU FONTE: Jornal Agora MS. MEIO EMPREGADO: Atropelamento FONTE: Site do Cimi. Segundo informações. 04/04/2013 MUNICÍPIO: GUAÍRA 30/05/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia VÍTIMA: Laucir Marques Pereira DESCRIÇÃO: O cacique chamou a Polícia Militar para atender um POVO: TERENA caso de agressão ocorrido dentro da aldeia. seguida de confusão 03/04/20134 e disparos de arma de fogo.com. Esta mesma ação policial culminou com a morte de Oziel Terena. MUNICÍPIO: DOURADOS MEIO EMPREGADO: Arma de fogo DESCRIÇÃO: Aindígena foi espancada pelo marido e pelo filho. A autoria e motivação dos POVO: GUARANI-KAIOWÁ crimes eram desconhecidas. O atropelamento ocorreu durante o cumprimento da ação de reintegração de posse da terra indígena.

Perguntaram sobre um carro roubado Aty Guassu. Ainda segundo as lideranças. indígenas foram surpreendidos por policiais que. povo Guarani Nhandeva foi ameaçado por um delegado da Polícia Federal em Yvy Katu: “índios mortos não lutam mais. revistaram. declarada terra indígena desde 2005. W. os policiais invadiram e reviraram toda a casa dos indígenas. Ruy Sposati Pela legítima defesa de seu direito constitucional. à noite. mas quem morreu já morreu”. Oro. Conforme relato de lideranças da reviraram toda a casa. J. eu posso juntar 10 mil policiais. o sonho acabou” ABUSO DE PODER 2 Casos – Vítimas: 6 Indígenas e 1 Comunidade MS 1 Caso – Vítima: 1 Comunidade RO 1 Caso – Vítimas: 6 Indígenas 06/11/2013 13/09/2013 VÍTIMA: Comunidade do MS VÍTIMA: Gilberto Oro. E. Sem apresentar mandado judicial. invadiram e de reintegração de posse. Eles só foram embora depois que testemunhas do roubo informaram que os indígenas não os acusaram do roubo de um veículo. ORO. ORO. ram surpreendidos por policiais que apontaram armas e os para uma tentativa. esteve na DESCRIÇÃO: Quando os indígenas chegaram em casa. o sonho acabou”. E. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 Abuso de poder R egistramos 2 casos de abuso de poder em 2013. ORO. além de dizer FONTE: Cimi Regional Rondônia. o delegado teria declarado: “Se vocês e queimado após a invasão de uma loja. sem a presença de um oficial de Justiça. militares do Exército para cumprir a ordem eram os autores do crime. Um dos casos foi registrado em Rondônia. judicial”. Jornal online Guajará notícias que “Vocês índios vivos podem até cobrar um milhão de reais pela morte de índio do governo. ORO POVO: GUARANI NHANDEVA POVO: ORO NAO´ TERRA INDÍGENA: YVY KATU MUNICÍPIO: GUAJARÁ-MIRIM MUNICÍPIO: IGUATEMI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Guajará-Mirim DESCRIÇÃO: O delegado da PF. na ocasião. o delegado teria dito que MEIO EMPREGADO: Ameaças “índios mortos não lutam mais. nhas do roubo viram os indígenas. mandado judicial. afirmaram que eles não Força Nacional. fo- terra indígena Yvy Katu. Na ocasião.CIMI 69 . G. MEIO EMPREGADO: Ameaças FONTE: Assessoria de Comunicação Cimi CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Alcídio de Souza Araújo. Quando as testemu- estiverem em quatro mil aqui. Sem portar nenhum estavam envolvidos no crime. apontando armas.

Minas Gerais. uma “vigarice orquestrada” pelo ministro da Secretaria Amazonas. o qual. “Nós. a guerra é melhor do que a injustiça”. Rio Grande do Sul. o deputado federal Luis Carlos Heinze audiência pública da Comissão de Agricultura da Câmara (PP-RS). Janeiro. Clóvis Brighenti O racismo e a discriminação contra os povos indígenas é motivado pela ignorância e pelo interesse de exploração das suas terras tradicionais 70 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Amapá. só tem um jeito: se defendam. Roraima e Tocantins. enquanto em 2012 nossos levantamentos também disse que “A própria baderna. Paraná. Ele afirmou ainda que o movimento pela demarcação de terras indígenas seria indicaram 11 casos. Os índios invadiram e expulsem do jeito que for necessário”. os discursos estimulam agricultores a fazer uso ação armada dos agricultores: “O que estão fazendo de segurança armada para expulsar indígenas das terras os produtores do Pará? No Pará. Isso Moreira (PMDB-RS). Reúnam verdadeiras multidões o Mato Grosso do Sul está fazendo. Bahia. Foram 23 ocorrên- cias registradas. Distrito Federal. mas lhes digo: se fartem de guerreiros brigada militar não lhes dá guarida lá e eles têm de fazer e não deixem um vigarista desses dar um passo na sua a defesa das suas propriedades”. Pernambuco. Ele também sugere uma em vídeo. não vamos segurança privada. Mato Geral da Presidência da República e que tal movimento Grosso do Sul. Ganhou repercussão nacional e internacional. gays e lésbicas dos Deputados. quilombolas. Rio de seria patrocinado pelo Ministério Público Federal. e acrescentou: “Por propriedade. os parlamentares. eles contrataram que consideram suas. um dos deputados agressores. o presidente da Frente Parlamentar da ataques de dois deputados ruralistas feitos durante uma Agropecuária. segundo ele. declarou que índios. Foram corridos da propriedade. Façam a rede. defenderia a “injustiça”. afirmou Alceu uma propriedade. Liguem um para o defesa como o Pará está fazendo. Nenhum! Nenhum! Usem todo o tipo de isso. Ninguém invade no Pará porque a incitar a guerra. que aconteceu lá”. Façam a defesa como outro imediatamente. Mato Grosso. Gravados são “tudo que não presta”. pessoal. Rondônia.os Por sua vez. realizada em Vicente Dutra (RS). Todo mundo tem telefone. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 Racismo e discriminação étnico culturais M ais que dobraram os casos de racismo e discriminação étnico culturais no ano de 2013. a desordem. Tivemos registros em Alagoas.

praticando. De acordo com a decisão. Instalou-se um clima de gra. a já publicado. dentre elas: não querem mais nenhum indígena estudando nas DF 1 Caso – Vítima: 1 Povo escolas da comunidade e querem o afastamento das aldeias da margem da rodovia Transamazônica “para que não haja 06/05/2013 mais contato com a comunidade”. 08/04/2014 VÍTIMA: Povo Tenharim POVO: TENHARIM BA 1 Caso – Vítima: 1 Povo TERRA INDÍGENA: TENHARIM MARMELOS MUNICÍPIO: HUMAITÁ SETEMBRO LOCAL DA OCORRÊNCIA: Humaitá VÍTIMA: Povo Tupinambá DESCRIÇÃO: A população da cidade relacionou o desaparecimento POVO: TUPINAMBÁ de três pessoas na rodovia Transamazônica com uma possível TERRA INDÍGENA: TUPINAMBÁ vingança do povo pela morte do cacique Ivan Tenharim. De acordo com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República. miséria e outras desgraças. 12/2013 o suicídio coletivo. A sentença é resultado portaria declaratória e foram iniciaram as atividades de de ação ajuizada pelo Ministério Público Federal no Amapá levantamento fundiário. os autores devem retirar todo o conteúdo Gilberto Carvalho. “alguns Munduruku não CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . blogs na internet site de rede social. Houve de. 25/12/2013 MEIO EMPREGADO: Racismo FONTE: MPF/AP. 27/12/2013 garimpo ilegal. O MPF/AM recomendou VÍTIMA: Povo Munduruku a retirada de publicações já feitas e a proibição de novas POVO: MUNDURUKU mensagens ofensivas nas redes sociais. Depois que a terra indígena recebeu Associação dos Indígenas de Wajãpi. ele vai prestar e faixas espalhadas pelo município. o ódio e o racismo contra os povos indígenas perior Tribunal de Justiça uma interpelação criminal contra da região.br. Igor Reale MEIO EMPREGADO: Declarações preconceituosas na imprensa se referiu à etnia com expressões de desprezo e incentivou FONTE: Cimi Regional Nordeste. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Estradasno sul da Bahia ves confrontos na cidade. e conclamando a federais relacionados a políticas públicas voltadas aos povos população a dizer um “não” à demarcação de terras.618 Indígenas e Várias Comunidades e Povos do Brasil AL 1 Caso – Vítimas: 3. O jornalista postou cinco men- com o apoio de lideranças políticas federais e regionais. os conflitos se acirraram (MPF/AP) em julho de 2013. em especial o povo Tenharim. Segundo a nota. MUNICÍPIO: ILHÉUS ocorrida em 3 de dezembro. AM 1 Caso – Vítima: 1 Povo destaca trecho da decisão. que contivessem DESCRIÇÃO: Liderançasdo povo Munduruku protocolaram no Su- conteúdo discriminatório. indígenas. com manifestações violentas e incita a violência contra os indígenas.CIMI 71 . em 2013. o documento. “O acusado proferiu várias mensagens (e não apenas uma) em rede social. através de imagem de preconceituosas contra a comunidade indígena. armas e dizeres ofensivos. portais de notícia MUNICÍPIO: BRASÍLIA e outros veículos da imprensa da região. além de ameaças às dezenas de indígenas que MEIO EMPREGADO: Incitação à violência estavam na cidade. Há um movimento na serviços comunitários na Casa de Apoio à Saúde Indígena do cidade chamado “Palmeira de Todos” que faz campanhas Amapá (Casai) e pagar seis salários mínimos. No texto de um manifesto de moradores FONTE: Blog racismoambiental. culpando os indígenas por eventuais predação de prédios e bens públicos de órgãos e autarquias casos de fome. 12/09/2013 do município de Manicoré há quatro reivindicações. fortemente incentivados pela DESCRIÇÃO:Outdoor instalado em uma estrada no sul da Bahia mídia e pelas redes sociais. Equipe Alagoas. induzindo e incitando a discriminação ou o preconceito de raça e etnia”. Secretaria-Geral chama de “autodenominadas” e “pretensas” as lideranças do povo.500 Indígenas AP 1 Caso – Vítima: 1 Povo 20/08/2013 2013 VÍTIMA: Povo Xukuru Kariri VÍTIMA: Povo Guarani-Kaiowá POVO: XUKURU-KARIRI POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: XUKURU-KARIRI MUNICÍPIO: MACAPÁ MUNICÍPIO: PALMEIRA DOS ÍNDIOS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Rede social (internet) LOCAL DA OCORRÊNCIA: Palmeira dos Índios DESCRIÇÃO:A Justiça Federal condenou o jornalista amapaense DESCRIÇÃO: A comunidade vem sofrendo discriminação racial e Igor Reale Alves por publicações de conteúdo racista em difamação por meio de programas de rádio.net. além de questionar a honestidade MEIO EMPREGADO: Ameaças e xingamentos dos indígenas quando os acusa de envolvimento com o FONTE: Ministério Público Federal/AM. Em nota publicada no dia 6 de maio. metade para o contra a demarcação da terra indígena e coloca a sociedade Conselho de Caciques de Oiapoque e a outra metade para a contra os indígenas. sagens racistas contra os índios Guarani-Kaiowá. preconceituoso ou que incitem a violência. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 RACISMO E DISCRIMINAÇÃO ÉTNICO CULTURAIS 23 Casos – Vítimas: 3.

O MPF exigiu que o caso fosse apurado. entrou no restaurante para almoçar. FONTE: Conselho Aty Guasu Guarani-Kaiowá. MEIO EMPREGADO: Impedimento ao uso de transporte público 19/11/2013 FONTE: MPF/MG. Os indígenas acreditam que tais ati- indígena como empecilho para a utilização do serviço. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 querem nenhum empreendimento em sua região porque lavar os banheiros da escola. ministro indígenas de Paranhos e Coronel Sapucaia foram ter aulas Gilberto Carvalho. O MPF recebeu indígenas. MEIO EMPREGADO: Injúria. “um dos principais porta. 15/10/2013 na região nordeste de Belo Horizonte. para as ações de retomadas feitas pelos nos acampamentos Y´poy e Kurusu Ambá. Segundo eles. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Paranhos e Coronel Sapucaia se referindo ao prazo dado pelos fazendeiros ao ministro DESCRIÇÃO: Reclamando de discriminação nas escolas da cidade. Ela dizia também “olha. As tudes ocorrem em função da luta indígena pela retomada e vítimas ainda são alvo de comentários depreciativos e jocosos. recusa em FONTE: Assessoria de Comunicação Cimi. cobradores de ônibus. Segundo a liderança Joel Aquino. 72 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . 12/03/2013. após este prazo.BR 262 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Belo Horizonte DESCRIÇÃO: Um grupo de indígenas. algumas vezes. foram obrigadas a resolveriam a situação de conflito pelas terras na região. da Secretaria Geral da Presidência da República. revela grave desrespeito ao direito inerente à educação das -vozes dos invasores em Belo Monte é proprietário de seis crianças indígenas e a irregularidade na prestação do serviço balsas de garimpo ilegal”. No panfleto. recusa de atendimento na linha de ônibus 5502. Os episódios vêm se repetindo com frequência. Depois disso os estudantes não querem mais é instigada a revoltar-se contra a comunidade indígena que. “disseram Rios Itacarambi e Peruaçu (Aprovi) distribuiu panfletos pela pros nossos estudantes que eles não deveriam estudar ali”. cidade convidando a população para discutir com o prefeito. calúnia MEIO EMPREGADO: Humilhação. obrigações forçadas. expulsar pela qual passaram. tendo em vista a situação humilhante segundo a Associação. dos quais alguns trajavam rou- DESCRIÇÃO: Indígenas relataram ao MPF/MG que vêm sendo vítimas pas e adornos. Cimi Regional Mato MEIO EMPREGADO: Manifestação e expressão escrita Grosso do Sul FONTE: Panfleto da Aprovi. eles mesmos tidade e que as crianças. no prédio da Funai. no centro de Campo Grande VÍTIMA: Estudantes DESCRIÇÃO: Foi gravado um vídeo durante um protesto dos fazen- POVO: GUARANI-KAIOWÁ deiros. Alguns de discriminação e humilhação por parte de motoristas e funcionários do estabelecimento não queriam atendê-los. dia 30 está chegando”. 11/03/2013 MG 2 Casos – Vítimas: Indígenas na cidade e 27/02/2013 1 Comunidade VÍTIMA: 28 Estudantes SETEMBRO/2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ VÍTIMA: Comunidade de MG TERRA INDÍGENA: ALDEIA CAMPESTRE POVO: XAKRIABÁ MUNICÍPIO: ANTÔNIO JOÃO TERRA INDÍGENA: XAKRIABÁ LOCAL DA OCORRÊNCIA: Escola em Antônio João MUNICÍPIO: ITACARAMBI DESCRIÇÃO: Os estudantes indígenas foram retirados da sala de aula LOCAL DA OCORRÊNCIA: Município de Itacarambi de uma escola estadual sob a alegação de que eram “sujos” e “fedidos”. os fazendeiros afirmaram que. que mostra uma ex-produtora rural rogando praga contra os índios de Mato Grosso do Sul. 05/2013 oferecer alimentos FONTE: Campo Grande News. esta estão envolvidos com o garimpo ilegal de ouro no Tapajós e situação se refletiu em um grande número de reprovações “e afluentes”. denúncias de que a merenda aos índios era em menor quan. FONTE: Campo Grande News. proibição de frequentar a escola um cacique. seus habitantes e submeter a população à autoridade de MEIO EMPREGADO: Atos humilhantes. O diretor colocou o grupo do lado de fora da sala de aula. iria invadir o município. Para cursar o ensino médio os estudantes precisam DESCRIÇÃO: A Associação dos Produtores e Moradores do Vale dos sair da aldeia. especialmente MEIO EMPREGADO: Humilhações. Ainda segundo a nota. público de educação obrigatória”. decisões a serem tomadas enquanto o professor continuou dando aula para os não em relação à população indígena. 09/13 14/10/2013 NOVEMBRO/2013 VÍTIMA: Família VÍTIMA: Indígenas na cidade POVO: TERENA POVO: PATAXÓ TERRA INDÍGENA: CACHOEIRINHA TERRA INDÍGENA: PATAXÓ MUNICÍPIO: MIRANDA MUNICÍPIO: BELO HORIZONTE LOCAL DA OCORRÊNCIA: Restaurante Zero Hora . 03/12/2013 VÍTIMA: Comunidades do MS POVO: OFAIÉ-XAVANTE MS 4 Casos – Vítimas: 33 Indígenas e TERRA INDÍGENA: VÁRIAS Várias Comunidades MUNICÍPIO: CAMPO GRANDE 2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Prédio da Funai. sendo ovacionada pelos MUNICÍPIO: PARANHOS presentes. os funcionários das Eles pediram para falar com o gerente e este confirmou que empresas têm dificultado e até impedido seu ingresso nos a ordem era da chefia e que realmente eles iriam parar de coletivos municipais usando o argumento do modo de vestir atender os indígenas. frequentar a escola. a população indígenas. TERRA INDÍGENA: KURUSU AMBÁ Ela dizia: “Morram! Morram todos”. Para o Ministério Público. difamação. que atende o bairro Jardim Vitória. Em uma clara ameaça ao governo e aos indígenas. demarcações de suas terras. vereadores e demais autoridades.

07/06/2013 FONTE: Midiamaxnews. 20/11/2013 RJ 1 Caso – Vítima: 1 Indígena MT 1 Caso – Vítimas: 80 Indígenas 23/11/2013 2013 VÍTIMA: Ash Ashaninka da Silva VÍTIMA: Comunidade do MT POVO: ASHANINKA POVO: CHIQUITANO MUNICÍPIO: RIO DE JANEIRO TERRA INDÍGENA: CHIQUITANO LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaMaracanã MUNICÍPIO: PORTO ESPERIDIÃO DESCRIÇÃO: Segundo denúncia do indígena. Vila Nova Barbecho disparos com balas de borracha contra torcedores que tu- DESCRIÇÃO: Agressões verbais proferidas por um fazendeiro atingiram multuavam o estádio. Há forte oposição aos DESCRIÇÃO: O povo Guarasugwe vem solicitando da Funai o reconhe- índios em função da luta pela demarcação de suas terras. em visita à terra indígena. As empresas demonstram seu preconceito ao chamarem os índios de Cevale e Riedi Transportadora não dão trabalho aos índios. 12/2013 Funai não entrevistou todos os membros de uma família e. 26/11/2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . difamando-os por sua condição étnica. MEIO EMPREGADO: Negação de reconhecimento étnico TERRA INDÍGENA: MARRECAS FONTE: Cimi Regional Rondônia. com uma ação civil pública contra a Funai por tratamento MEIO EMPREGADO: Declarações preconceituosas preconceituoso e discriminatório a indígenas que não mo- FONTE: Rede Sul de Notícias. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 No vídeo também se observa que outros produtores rurais não conseguem emprego nem como boia-fria. O indígena caminhava com um grupo a honra dos indígenas. Mas o órgão oficial até o presente POVO: KAINGANG momento não atendeu à solicitação.CIMI 73 . POVO: GUARASUGWE denunciam sofrer discriminação através de uma campanha MUNICÍPIO: PIMENTEIRAS de setores da população local. área em processo de demarcação. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Pimenteiras que alegam que a área não é indígena. de amigos perto da aldeia Maracanã e quase foi atingido. lo. Julio Cesar Makuch. cachaceiros e afirmar que eles não trabalham. Verificou- -se que a Funai recusava-se a emitir a certidão de exercício POVO: GUARANI de atividade especial para fins de prova da condição de TERRA INDÍGENA: TEKOHA PORÃ assegurado especial junto ao INSS. VÍTIMA: Indígenas que não moram nas aldeias lis. policiais efetuaram LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Chiquitano. e Revisão (MPF). pressionava o povo “dizendo que os mesmos PR 2 Casos – Vítimas: 2 Comunidades não eram indígenas. 6a Câmara de Coord. cimento étnico. Federal/PR. A antropóloga enviada pela FONTE: Cimi Regional Nordeste. MEIO EMPREGADO: Agressão verbal Ponderou que havia idosos e crianças na Aldeia que poderiam FONTE: Cimi Regional Mato Grosso. o cacique declarou MEIO EMPREGADO: Negação de reconhecimento que os adolescentes e jovens da aldeia querem trabalhar mas FONTE: Procuradoria da República no Estado de Rondônia. mas na Amazônia e que ele é quem mandava. Existe um levantamento linguístico atestando a VÍTIMA: Comunidade do PR existência deste povo. MEIO EMPREGADO: Impedimento ao trabalho MEIO EMPREGADO: Manifestação explícita de racismo FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. 02/2014 ser feridos. ao mesmo tempo. O policial ofendeu o índio e seu grupo e disse que lugar de índio não era no Rio PE 1 Caso – Vítimas: 1 Comunidade de Janeiro. 23/04/2013 ram nas aldeias. pois falar uma língua indígena qualquer 22/04/2013 um fala”. MPF/RO. com palavras depreciativas. defendeu em pronunciamento que a POVO: DIVERSOS população do município trate mal os indígenas que passam MUNICÍPIO: PORTO VELHO periodicamente pela cidade para vender artesanato. mas o órgão indigenista alega dúvidas sobre MEIO EMPREGADO: declarações discriminatórias a presença dessa etnia no Brasil. VÍTIMA: Povo Guarasugwe calizada na área Entre Serras. 03/06/2013 MUNICÍPIO: GUARAPUAVA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Município de Prudentópolis 2013 DESCRIÇÃO: O presidente da Câmara de Vereadores de Prudentópo. uma LOCAL DA OCORRÊNCIA: Porto Velho vez que eles ficam acampados e podem causar problemas DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal em Rondônia ingressou para o município. pedindo que parassem de atirar. 28/11/2013 VÍTIMA: Comunidade de PE POVO: PANKARARU TERRA INDÍGENA: ENTRE SERRAS RO 3 Casos – Vítimas: 3 Indígenas. MEIO EMPREGADO: Declarações preconceituosas 2013 FONTE: Boletim de Notícias 216. O motivo da recusa era MUNICÍPIO: TERRA ROXA o entendimento de que a certidão não poderia ser expedida LOCAL DA OCORRÊNCIA: Próximo à Vila Guarani para indígenas residentes na cidade ou em áreas rurais não DESCRIÇÃO: Segundo relato da equipe técnica do Ministério Público demarcadas como terra indígena. Nas investigações apuraram-se reclamações 2013 de negligência no atendimento a indígenas que pleiteavam VÍTIMA: Comunidade do PR auxílio-maternidade e aposentadoria por idade. Indígenas MUNICÍPIO: TACARATU fora das aldeias e 1 Povo LOCAL DA OCORRÊNCIA: Folha Branca 03/06/2013 DESCRIÇÃO: Os moradores Pankararu da localidade Folha Branca.

Foram corridos da Nascimento e Óbito de Indígenas (Rani). Esta movimentação se deve porque o terra indígena o que. que prestou atendimento. disse que Nenhum! Nenhum! Usem todo o tipo de rede. Ele foi levado por seus pais com usem segurança armada para expulsar indígenas das terras urgência ao hospital municipal da cidade de Araguaçu. a Funai emite o Registro Administrativo de Os índios invadiram uma propriedade. sem solicitar nenhum tipo de exame para saber a rio”. protocolou documento na Casa Civil da Presi- sadas de possuir grandes latifúndios no estado. quando couber. Tiago Moraes Lopes. novas regulamentações dos processos administrativos para MEIO EMPREGADO: Difamação a demarcação territorial. 11/06/2012. por terem apresentado não lhes dá guarida lá e eles têm de fazer a defesa das suas somente a identidade indígena. Conforme o Esta- Façam a defesa como o Mato Grosso do Sul está fazendo. o qual. lideranças indígenas vinculadas reconhecimento de povo indígena ou território indígena no a essas duas organizações estariam expulsando famílias da estado do Tocantins. Reúnam outro médico. pelo contrário. só tem um apresentar no portão da escola. em Vicente Dutra (RS). A enfermeira chamou tem telefone. Leonardo Moraes Lopes. um dos deputados real situação da criança. não vamos médico que os atendeu perguntou se eles eram indígenas. Liguem um para o outro imediatamente. agressores. Leonardo Moraes Lopes e J. (PMDB-TO). Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 26/10/2013 ainda que o movimento pela demarcação de terras indígenas VÍTIMA: J.S. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia da Serra res rurais. Em nota. 12/2013 TO 2 Casos Vítimas: 1 Indígena e 1 Povo 05/09/2013 RR 1 Caso – Vítima: Várias Comunidades VÍTIMA: Povo Kanela 03/06/2013 POVO: KANELA VÍTIMA: Comunidades de RR TERRA INDÍGENA: KANELA POVO: DIVERSOS MUNICÍPIO: ARAGUAÇU TERRA INDÍGENA: RAPOSA SERRA DO SOL LOCAL DA OCORRÊNCIA: Brasília MUNICÍPIO: BOA VISTA DESCRIÇÃO:No dia 5 de setembro. Isso aconteceu lá”. DESCRIÇÃO: Os jovens compareceram à Instituição Educativa gays e lésbicas são “tudo que não presta”. eles contrataram segurança exame. Façam a defesa como o Pará está fazendo.L. RR. Segundo o dência da República solicitando a imediata interrupção do procurador que fez a acusação. a incitar a guerra. Folha de Boa Vista. 02/2014 MEIO EMPREGADO: Não reconhecimento aos documentos e a educação FONTE: Cimi Regional Rondônia. família respondeu que sim e o médico. o CIR afirmou que nunca permitiu e não de Nascimento Indígena (Rani). admitido na falta deste. sempre atuou na defesa melhor maneira de resolver esta situação é esperar pelas dos direitos das comunidades à terra indígena. Tiago Moraes Lopes seria uma “vigarice orquestrada” pelo ministro da Secretaria POVO: CUJUBIM Geral da Presidência da República e que tal movimento seria patrocinado pelo Ministério Público Federal. que “… constituirá. tuto do Índio. apenas receitando verdadeiras multidões e expulsem do jeito que for necessá. depois de duas horas de produtores do Pará? No Pará. 10/01/2014 74 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . os parlamentares. registra discursos de dois DESCRIÇÃO: O menor indígena se acidentou. machucando a ca- deputados da bancada ruralista estimulando que agricultores beça. 12/06/2013 MEIO EMPREGADO: Retardar demarcação FONTE: Cimi Regional GO/TO RS 1 Caso – Vítima: Povos Indígenas do Brasil 30/12/2013 NOVEMBRO/2013 VÍTIMA: Jussiel Anvel Montel VÍTIMA: Povos Indígenas do Brasil POVO: KANELA MUNICÍPIO: VICENTE DUTRA TERRA INDÍGENA: KANELA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Audiência Pública MUNICÍPIO: ARAGUAÇU DESCRIÇÃO: Um vídeo gravado em audiência pública com produto. a presidente da Confederação LOCAL DA OCORRÊNCIA: BoaVista da Agricultura e Pecuária do Brasil. FONTE: Cimi Regional Roraima. sorrindo. e acrescentou: “Por isso. a guerra é melhor do que a injustiça”. FONTE: Cimi Nacional. o deputado federal Luis LOCAL DA OCORRÊNCIA: EEEFM Campos Sales. uma ação armada dos agricultores: “O que estão fazendo os E. e sangrava muito. Ele também sugere para prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ninguém invade no Pará porque a brigada militar poderiam continuar fazendo a prova. mas lhes digo: se fartem de guerreiros e não deixem um vigarista desses dar um passo na sua propriedade. pessoal. Todo mundo não iria atendê-los por serem índios. que também disse que “A própria baderna. segundo ele. São Francisco do Guaporé Carlos Heinze (PP-RS).. só aumenta a pobreza nas povo Kanela solicitou da Funai o Registro Administrativo cidades. declarou que índios. organizações indígenas. segun- TERRA INDÍGENA: KUJUBIM do ele. documento hábil para proceder ao registro civil do ano correspondente. Ele afirmou FONTE: Lideranças Kanela do Tocantins. ao se propriedades”. A senadora alega que a aceita latifúndio e. afirmou Alceu Moreira (PMDB-RS). foram acu. a MEIO EMPREGADO: Negação de atendimento médico desordem. propriedade. senadora Kátia Abreu DESCRIÇÃO: O CIR e a Sodiur. foi barrado e impedido de jeito: se defendam. o presidente da MUNICÍPIO: COSTA MARQUES Frente Parlamentar da Agropecuária. prestar o exame sob a mesma alegação. “Nós. Por sua vez.S.L. remédios. quilombolas. como MEIO EMPREGADO: Incitação à violência meio subsidiário de prova”. foram retirados da sala com a alegação de que não privada. O que consideram suas. defenderia a “injustiça”.

Durante o período em que esteve com os homens.CIMI 75 . As ocorrências foram registradas nos estados do Acre (1). O suspeito de cometer o crime LOCAL DA OCORRÊNCIA: Comunidade Foz de Canumã é o seu esposo. admitir a presença de indígena naquela região. De acordo com informações dos moradores da comunidade. drogas para em seguida FONTE: Midiamaxnews. provavelmente. com marcas de violência sexual e se queixando 14/09/2013 de muitas dores. no estado do Paraná. uma indígena Avá. que não foi encontrado na região. Cimi Regional Amazônia Ocidental. A indígena foi encontrada completamente embriagada. 11 casos envolvendo violência sexual. aproveitando-se da ausência da mãe da DESCRIÇÃO: Um adolescente tentou estuprar a avó em sua residência. entorpecentes no momento do ato. a ameaçou e a violentou. levou-a até a sua casa. pelos três desconhecidos . ela foi ameaçada de ser violentada sexualmente Grosso (1). com 9 vítimas. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 Violência Sexual F oram registrados em 2013. Mato Guarani relata que foi sequestrada por três homens e levada em um veículo. DESCRIÇÃO: A adolescente foi atraída pelos rapazes que lhe deram MEIO EMPREGADO: Abuso sexual bebida alcoólica e. VÍTIMA: Criança MEIO EMPREGADO: Abuso sexual POVO: GUARANI-KAIOWÁ FONTE: Cimi Regional Norte I. 25/01/2013 TERRA INDÍGENA: DOURADOS CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . 14/09/2013 FONTE: Correio do Estado. 17/06/2013 02/07/2013 AM 1 Caso Vítima: 1 Indígena VÍTIMA: Enilda Martins POVO: GUARANI 22/01/2013 TERRA INDÍGENA: GUYRAROKA VÍTIMA: Adolescente MUNICÍPIO: CAARAPÓ POVO: MUNDURUKU LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Guyraroka TERRA INDÍGENA: MUNDURUKU DESCRIÇÃO: A indígena foi encontrada por populares inconsciente e MUNICÍPIO: BORBA com sinais de violência sexual. Amazonas (1). Estava sob efeito de entorpecentes o adolescente é usuário de drogas e estava sob efeito de quando foi abordado pela polícia. Mato Grosso do Sul (5) e Paraná (3). criança. Egon Heck A violência sexual também é um dos componentes do amplo espectro de violências a que os povos indígenas estão sujeitos no Brasil VIOLÊNCIA SEXUAL 11 Casos – Vítimas: 10 Indígenas e 1 Comunidade AC 1 Caso – Vítima: 1 Indígena MS 5 Casos – Vítimas: 5 Indígenas 14/09/2013 16/06/2013 VÍTIMA: Criança VÍTIMA: Mulher POVO: APOLIMÃ ARARA POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: ARARA DO RIO AMÔNIA TERRA INDÍGENA: DOURADOS MUNICÍPIO: MARECHAL THAUMATURGO MUNICÍPIO: DOURADOS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Marechal Thaumaturgo LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Jaguapiru DESCRIÇÃO: O acusado. MEIO EMPREGADO: Estupro MEIO EMPREGADO: Tentativa de estupro FONTE: Tribuna do Juruá/AC. Foi pego em flagrante. que disseram que não iriam Em Guaíra. 03/07/2013 cometer o estupro.

vítima de abuso sexual. Capítulo II VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA – DADOS 2013 MT 1 Caso – Vítima: 1 Comunidade Renato Santana 2013 VÍTIMA: Adolescentes da Comunidade POVO: KAYABÍ TERRA INDÍGENA: KAYABI MUNICÍPIO: JACAREACANGA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Kururuzinho DESCRIÇÃO: O Programa Básico Ambiental da UHE Teles Pires prevê. 24/12/2013 FONTE: TNOnline. obrigou a tada com violência. enviou 20 trabalhadores para o local.com. a criança teria saído Hotel Deville. Os trabalhadores mantinham relações sexuais com as meninas. a ameaçou dizendo que se ela não gritou para um indígena que passava pelo local.br/2013 PR 3 Casos – Vítimas: 3 Indígenas 26/05/2013 VÍTIMA: Adolescente POVO: KAINGANG A violência sexual também é utilizada como forma de TERRA INDÍGENA: RIO DAS COBRAS ameaçar as comunidades em luta pela terra MUNICÍPIO: NOVA LARANJEIRAS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Campo do dia MUNICÍPIO: DOURADOS DESCRIÇÃO: A jovem voltava de uma festa na manhã de domingo DESCRIÇÃO:A menina. A empreiteira Jordão Conceição da Silva. intimidação FONTE: Site do Cimi. da escola e atravessado a rua para comprar pipoca. subcontratada pela Odebrecht. Houve denúncias sobre conflitos na aldeia em função da revolta generalizada das famílias por conta do assédio de trabalhadores às adolescentes. 27/05/2013 21/10/2013 02/08/2013 VÍTIMA: Criança VÍTIMA: Mulher POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: AVÁ-GUARANI TERRA INDÍGENA: DOURADOS TERRA INDÍGENA: TEKOHA MARANGATU MUNICÍPIO: DOURADOS MUNICÍPIO: GUAÍRA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Próximo à escola Clori Bandete de Freitas LOCAL DA OCORRÊNCIA: Altura da Rua Paraguai. a mulher seria conivente com os estupros. Dois suspeitos reserva indígena. O agressor. Segundo a DESCRIÇÃO: A adolescente sofreu abuso sexual na própria aldeia. em uma motocicleta. sendo que na aldeia vivem de 80 a 100 adolescentes indígenas. pelos três e ainda seria morta.3º Pelotão 23/12/2013 VÍTIMA: Adolescente 02/11/2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ VÍTIMA: Adolescente TERRA INDÍGENA: QUINTINO KUE POVO: KAINGANG MUNICÍPIO: LAGUNA CARAPA TERRA INDÍGENA: ORTIGUEIRA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Zona rural de Laguna Carapã MUNICÍPIO: ORTIGUEIRA DESCRIÇÃO: Um casal suspeito de manter relações sexuais com LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Mococa um adolescente indígena foi preso em flagrante. foram localizados e presos. acusado fugiu e está sendo procurado pela polícia. quando DESCRIÇÃO: A jovem indígena relatou à polícia que havia sido rap- foi abordada. Relata que o motorista do veículo. sem sucesso.blogspot.com. mas. sofrido tentativa de estupro e recebido criança a subir na garupa e começou a trafegar com ela pela ameaças. Portal Guaira. foi levada ao hos. um terceiro fugiu. Ela sofreu vários feri- pital e sobreviveu. MEIO EMPREGADO: Estupro MEIO EMPREGADO: Estupro FONTE: Campo Grande News. a construção do prédio do posto de saúde da aldeia Kururuzinho. 03/08/2013. O indígena falasse o que lhe era perguntado ela poderia ser violentada tentou alcançar o suspeito. O polícia. 16/09/2013 FONTE: Diário de Guarapuava. a menina conseguiu pular do veículo e mais dois homens armados. MEIO EMPREGADO: Abuso sexual MEIO EMPREGADO: Estupro FONTE: fatimanews. No trajeto. entre as condicionantes. 22/10/2013 MEIO EMPREGADO: Sequestro. 04/11/2013 76 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . A polícia suspeita de um adolescente da mentos e foi encaminhada ao IML de Cascavel. no qual havia região. quando foi atacada por três rapazes. proximidades do DESCRIÇÃO: Segundo informações da polícia. Os homens disseram que não MEIO EMPREGADO: Sequestro. com idades entre 12 e 13 anos. Com.br/notícias/apucaranapr. Social . tentativa de estupro iriam admitir que os índios ficassem na região de Guaíra.com. MEIO EMPREGADO: Abuso sexual FONTE: telmadmonteiro. abuso sexual. FONTE: Midiamaxnews.

C III Violência por Omissão do Poder Público 79 Suicídio 86 Desassistência na área de saúde 94 Morte por desassistência à saúde 96 Mortalidade infantil 98 Disseminação de bebida alcoólica e outras drogas 99 Desassistência na área de educação escolar indígena 104 Desassistência geral .

na verdade. número que praticamente triplicou na última década. não têm respeito. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 “Não têm futuro. De 2000 a 2013 foram 684 casos 78 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . já estão mortos por dentro” Ruy Sposati No período de 1986 a 1997. Escolhem morrer porque. não têm trabalho e nem terra pra plantar e viver. foram registradas 244 mortes por suicídio entre os Guarani-Kaiowá de MS.

dita que o motivo de tantos jovens cometerem suicídio é A Procuradoria da República do Tocantins. apresentam um comportamento de suicídio no estado em 2013. “A discriminação e o ódio étnico. ressalta o procurador. Sul. inclusive pelos meios de comunicação. como meio o enforcamento. a maioria com idade É importante apontar uma coincidência numérica entre entre 15 e 30 anos. De 2000 a Na tabela do Cimi. do Ministério Público Federal (MPF). pertence ao sexo masculino e usa de obra para os projetos agrícolas implantados no país. para um intervalo de 10 anos – 2003 2013 foram 684 casos. Repetem-se em 2013 casos em Tocantins e maior densidade populacional entre todas as comunidades aparecem 3 casos no Paraná. já estão mortos por dentro”. “As atuais condições de vida desses a 2012 – a curva de casos de assassinatos sobe bastante indígenas. pelo então Serviço de Proteção aos Índios (SPI) que demarcou. os mais contundentes desse processo histórico. Os povos Javaé e Karajá. salta de 28 casos em 2006 de violência. Os indígenas são pintados dora: 73 casos de suicídio de indígenas no Mato Grosso do como entraves. oito pequenas reservas no sul do estado de 56 vítimas. acre- Ilha fiquem preocupados com a freqüência das ocorrências. com casos em Mato Grosso. principalmente. os jovens ao suicídio. que desembocam em estatísticas assombrosas em 2007. na Reserva vivem Amazonas. Sul (MS) e as vítimas pertenciam ao povo Guarani-Kaiowá. referente ao ano de 2012. que tradicionais do país. explica para 53 em 2007. 36 casos parte da União. condutas incentivadas Os dados oficiais da Secretaria Especial de Saúde Indí. que registrou a falta de perspectiva: “Não têm futuro. Outra recorrência é que o desde a cultura da erva-mate até recentemente. Almeida. Do total 1915 e 1928. de territórios indígenas para não índios”. tire o índio do seu caminho’.Suicídio entre indígenas – 2000 a 2013 Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Total Nº de 44 40 38 53 42 50 40 40 59 42 40 45 53 73* 659 suicídios Fonte: Secretaria Especial de Saúde Indígena/Ministério da Saúde * Dado sujeito à revisão.CIMI 79 . 3 no Paraná e 3 no Tocantins. em Dourados Considerando os dados de suicídios da Sesai no Mato (MS). liderança de seu povo. Roraima. especialmente no ano de 2012 onde foi registrado o número de 56 casos CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . na verdade. entre referem-se a jovens com idade entre 13 e 21 anos.6 hectares de terra. Tocantins e Rondônia. “As reservas demarcadas serviam como um depó- vida foi o enforcamento. obstáculos ao desenvolvimento. os assassinatos de indígenas e os suicídios no Mato Grosso No período de 1986 a 1997. e onde aconteceram 18 dos 73 casos vivem na Ilha do Bananal. Desses. empecilhos. É a Grosso do Sul. Para se ter uma ideia. Escolhem fatores que poderiam concorrer para a motivação que leva morrer porque. suicida há algum tempo. de É como se a mídia passasse a mensagem ‘Se você quer ficar acordo com os registros do Cimi. sito gigantesco de mão de obra a ser utilizada conforme os A amostra de casos de suicídios registrados neste Rela. 15 pessoas pertenciam ao sexo feminino e 41 para onde diferentes povos indígenas foram obrigados a ao masculino. com a maior número de casos foi registrado no Mato Grosso do cana-de-açúcar”. A Reserva Indígena de Dourados é um dos exemplos No Relatório anterior. não têm respeito. por Grosso do Sul. Encravada registros eram semelhantes. além de Mato hoje mais de 13 mil indígenas em 3. No ano de 2007 o Cimi registrou 92 assassinatos por suicídio entre os Guarani-Kaiowá de MS. acentuam sobrema- gena (Sesai) mostram uma realidade ainda mais devasta. neira o problema dos suicídios. bem. há uma alta na curva no ano de 2008. A transferência se deu. que praticamente triplicou na última década. foram registradas 244 mortes do Sul. 72 eram do povo Guarani-Kaiowá. regis- Mato Grosso do Sul . número de indígenas no Brasil. fazendo com que os mais velhos na Otoniel Guarani-Kaiowá. também externou preocupação com os não têm trabalho e nem terra pra plantar e viver. no perímetro urbano do município. interesses econômicos. indo para 42 em 2008 e depois disso os o procurador da República Marco Antônio Delfino de números permanecem na casa dos 30 assassinatos. “O que aconteceu foi uma transferência brutal. Há diferenças com a tabela do Relatório de Violência de 2012. os casos de 2013. Dos 73 indígenas mortos. com registro de 48 casos. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 Suicídio E m 2013 o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) registrou 56 vítimas de suicídios. sendo 53 no Mato Grosso do Sul. Todo o processo de confinamento tório indica algumas características recorrentes há alguns indígena teve como finalidade sua utilização como mão anos: a maioria é jovem. Este índice configura-se como o maior em 28 anos. sendo 50 no Mato Grosso do Sul. O meio mais empregado para a destruição da migrar. completa o procurador. têm origem num processo histórico”.

Disponível a compreensão de um fenômeno tão complexo. B. resumir que: os jovens indígenas de hoje convivem sem -Kaiowá. São Paulo: Arte Brasil Editora. 131 altas taxas de suicídios entre os indígenas. Muitos estudos apontam para o fato de que o suicídio. Canadá e Estados Unidos. J. sem saber qual é o observadas na população Guarani-Kaiowá apresentam seu lugar. L. Para a Sesai. de maior violência sobre um povo indígena no Brasil. comparadas às taxas nacionais. estão muitos autores e citados no estudo do Fundo das Nações presentes na realidade desse povo. 2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ 18/09/2013 TERRA INDÍGENA: ÑANDE RU MARANGATU VÍTIMA: A. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 trando 59 casos. dentre outros. assassinatos e suicídios. tais como Austrália. Todos concordam * Com informações da matéria “Índice de suicídios entre os que um conjunto de fatores devem ser interligados para indígenas no MS é o maior em 28 anos”. vivem o dia a dia sem quase nunca conjugar o tendência de 90 a 75 casos por 100. Perda de em: http://www. de modo que. Não se drogas e bebidas alcoólicas. histórias de exploração. publicada pelo boletim O Mundo que nos Rodeia. as taxas tência. as variações das taxas de suicídios apoio familiar. MUNICÍPIO: ANTÔNIO JOÃO IDADE: 28 anos LOCAL DA OCORRÊNCIA: Cerro Marangatu DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. enforcamento 07/10/2013 VÍTIMA: E. com amigos efêmeros. enfim. enforcamento POVO: GUARANI-KAIOWÁ MEIO EMPREGADO: Enforcamento TERRA INDÍGENA: GUA Y VIRI (LIMA CAMPO) FONTE: Sesai. quando se chama Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) 2”. encontramos a seguinte afirmação: “. Para os povos indígenas. nem uma sexuais. Nova do que se costuma chamar uma geração que sofre do que Zelândia. Estudiosos e pessoas envolvidas com a causa indígena 1 Vários autores. essas de crenças e espiritual são fatores de risco. nesse mesmo Muitos estudos e análises já foram realizados a respeito estudo. V. estes jovens são o produto são mais altas em muitos países. mortes. perda da dignidade. formam a base do contexto de Trabalho sobre Assuntos Indígenas (IWGIA)1. isolamento na vida social relação direta entre assassinatos e suicídios. no intervalo de verbo no futuro. acrescidas Unidas para a Infância (Unicef) e do Grupo Internacional das tentativas de assassinatos. Suicídio adolescente em povos indígenas.. Essas taxas são aproximadamente 20 amanhã. Na análise sobre os Guarani-Kaiowá. de traumas. pp. violências. e 42 em 2009. DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. abusos pode estabelecer uma relação de causa e efeito.000.pode-se do inquietante índice de suicídios entre os jovens Guarani. recru. Carregam um trauma humanitário cheio de histó- vezes superiores à taxa nacional. 03/03/2013 IDADE: 49 anos VÍTIMA: D. presente em tempos recente de muitos povos indígenas. estresse cultural e enfraquecimento do sistema Guarani-Kaiowá do Mato Grosso do Sul. o máximo é o futuro muito próximo do 14 anos (2000-2013). 2014 se preocupam em compreender as razões que levam a essas 2 op.cimi. Cimi. 2013 TERRA INDÍGENA: AMAMBAI 80 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . POVO: GUARANI-KAIOWÁ IDADE: 14 anos TERRA INDÍGENA: PANAMBI POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: DOURADINA TERRA INDÍGENA: AMAMBAI DESCRIÇÃO: A vítima morreu por enforcamento MUNICÍPIO: AMAMBAI MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Sesai. a história mesmo sendo um fenômeno universal. A. separações de familiares. cit. Histórias carregadas e espaços sociais em toda a história da humanidade.. estudados por duas categorias de dados.org. abuso e dependência de id=7549&action=read&page=104 SUICÍDIO 54 Casos – 56 Vítimas MS 50 Casos – Vítimas: 50 Indígenas 17/11/2013 VÍTIMA: M.br/site/pt-br/?system=news&conteudo_ vínculos culturais e históricos.F. MEIO EMPREGADO: Enforcamento IDADE: 23 anos FONTE: Sesai. enforcamento IDADE: 21 anos MEIO EMPREGADO: Enforcamento POVO: GUARANI-KAIOWÁ FONTE: Sesai. rias contadas por seus parentes. Entretanto. presas a um presente de frustrações e impo- desceu na modernidade. 05/2014. Nessas circunstâncias. no contexto e na família. Em 2007 foram 40. problemas psíquicos. 2013 MUNICÍPIO: PONTA PORÃ 22/01/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Lima Campo VÍTIMA: G. 2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica.

24/02/2013 IDADE: 37 anos VÍTIMA: V. o indígena se enforcou DESCRIÇÃO: Asfixiamecânica. VÍTIMA: J. enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixia por enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Sesai. POVO: GUARANI-KAIOWÁ IDADE: 27 anos TERRA INDÍGENA: AMAMBAI POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: AMAMBAI TERRA INDÍGENA: ÑANDE RU MARANGATU LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai MUNICÍPIO: ANTÔNIO JOÃO DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica.G. A família MEIO EMPREGADO: Enforcamento não sabe o motivo. F. enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Sesai.V. 23/01/2013 VÍTIMA: V. T. FONTE: Sesai. VÍTIMA: J. estrangulamento. C. 2013 FONTE: Sesai. 2013 MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Sesai. constrição cervical LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia de Amambai MEIO EMPREGADO: Estrangulamento DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. G. IDADE: 20 anos IDADE: 14 anos POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: KURUSU AMBÁ TERRA INDÍGENA: AMAMBAI MUNICÍPIO: CORONEL SAPUCAIA MUNICÍPIO: AMAMBAI DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. 2013 MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Sesai. 2013 28/10/2013 07/02/2013 VÍTIMA: W. constrição manual por laço LOCAL DA OCORRÊNCIA: Cerro Marangatu MEIO EMPREGADO: Enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. enforcamento FONTE: Sesai. 2013 MEIO EMPREGADO: Enforcamento 29/10/2013 FONTE: Sítio Top. F. 2013 02/02/2013 26/04/2013 VÍTIMA: M.R. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 MUNICÍPIO: AMAMBAI MUNICÍPIO: AMAMBAI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai DESCRIÇÃO: Após ingerir bebida alcoólica. R. 2013 FONTE: Sesai. V. 31/08/2013 IDADE: 13 anos VÍTIMA: R.F. enforcamento LOCAL DA OCORRÊNCIA: Cerro Marangatu MEIO EMPREGADO: Enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica.CIMI 81 .S. L. ação contundente. IDADE: 18 anos IDADE: 17 anos POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: CERRITO TERRA INDÍGENA: AMAMBAI MUNICÍPIO: ELDORADO MUNICÍPIO: AMAMBAI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Iguatemi LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai DESCRIÇÃO: Asfixia. enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. 2013 23/03/2013 VÍTIMA: A. 2013 11/10/2013 VÍTIMA: O. 2013 MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Sesai. L. POVO: GUARANI-KAIOWÁ IDADE: 70 anos TERRA INDÍGENA: TAQUARA POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: JUTI TERRA INDÍGENA: ÑANDE RU MARANGATU LOCAL DA OCORRÊNCIA: Caarapó MUNICÍPIO: ANTÔNIO JOÃO DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. enforcamento FONTE: Sesai. VÍTIMA: E. 2013 25/12/2013 23/02/2013 VÍTIMA: E. 26/03/2013 IDADE: 17 anos VÍTIMA: Adolescente POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: AMAMBAI TERRA INDÍGENA: DOURADOS CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . enforcamento com o cabo de energia de um aparelho de rádio. R. IDADE: 53 anos IDADE: 17 anos POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: ÑANDE RU MARANGATU TERRA INDÍGENA: ALDEIA CAMPESTRE MUNICÍPIO: ANTÔNIO JOÃO MUNICÍPIO: ANTÔNIO JOÃO LOCAL DA OCORRÊNCIA: Cerro Marangatu DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. V. enforcamento FONTE: Sesai.

acordo com a Sesai. onde estava residindo. rada a uma árvore. a jovem foi encontrada pelo pai. na aldeia. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 MUNICÍPIO: DOURADOS TERRA INDÍGENA: AMAMBAI LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiasJaguapiru e Bororó MUNICÍPIO: AMAMBAI DESCRIÇÃO: O corpo do jovem foi encontrado em uma árvore às LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia margens de uma estrada vicinal que corta a reserva. 21/09/2013 FONTE: Douradosagora. O. pro. TERRA INDÍGENA: DOURADOS IDADE: 14 anos MUNICÍPIO: DOURADOS POVO: GUARANI NHANDEVA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó TERRA INDÍGENA: YVY KATU DESCRIÇÃO: A adolescente saiu de casa à tarde e não retornou. A Polícia Civil foi acionada para realizar o levantamento. 03/07/2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: TAQUAPERÍ 04/11/2013 VÍTIMA: I. DESCRIÇÃO: O indígena foi encontrado amarrado com um cinto MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Campo Grande News.M. L. 2013 19/09/2013 01/12/2013 VÍTIMA: Adolescente VÍTIMA: E. FONTE: Aquidauana News.S. O LOCAL DA OCORRÊNCIA: Porto Lindo (Iguatemi) motivo é desconhecido.F. o indígena estava deprimido após a morte de um de 15 anos teria usado um pedaço de pano amarrado em irmão por assassinato. MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Capital News. VÍTIMA: Claudio Gomes MEIO EMPREGADO: Enforcamento IDADE: 21 anos FONTE: Midiamaxnews. e o respectivo aumento de suicídios. Álcool e drogas. 09/10/2013 FONTE: Sesai.L. uma das travessas do interior da casa. IDADE: 19 anos IDADE: 49 anos POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: AMAMBAI TERRA INDÍGENA: AMAMBAI MUNICÍPIO: AMAMBAI MUNICÍPIO: AMAMBAI LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai DESCRIÇÃO:A indígena se enforcou com uma corda amarrada no DESCRIÇÃO: O indígena se enforcou com uma corda de náilon amar. De acordo com a polícia civil. MUNICÍPIO: CORONEL SAPUCAIA IDADE: 17 anos LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Taquaperí POVO: GUARANI-KAIOWÁ DESCRIÇÃO: O indígena usou uma corda amarrada a um galho de árvore para se enforcar.D. POVO: GUARANI-KAIOWÁ IDADE: 19 anos TERRA INDÍGENA: ALDEIA CAMPESTRE POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: ANTÔNIO JOÃO TERRA INDÍGENA: AMAMBAI DESCRIÇÃO: De acordo com a PM.Central Pantaneira de Notícias. MUNICÍPIO: JAPORÃ Foi encontrada enforcada na manhã seguinte. 28/03/2013 21/09/2013 16/03/2013 VÍTIMA: M. Segundo DESCRIÇÃO:Segundo informações da imprensa. 11/10/2013 DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. numa restinga próxima à sua residência. 21/09/2013 VÍTIMA: Mulher 01/07/2013 IDADE: 34 anos VÍTIMA: C. VÍTIMA: E. A família MEIO EMPREGADO: Enforcamento não soube informar os motivos do ato.S. DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. MUNICÍPIO: AMAMBAI MEIO EMPREGADO: Enforcamento LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Amambai FONTE: A Gazeta News. IDADE: 15 anos IDADE: 27 anos POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: ÁGUA AZUL 82 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . TERRA INDÍGENA: AMAMBAI cedimentos seriam instaurados para apurar a ocorrência. uma adolescente familiares. galho de uma árvore situada próxima à casa onde morava. enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Fatima News. Não há dados sobre LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Limão Verde o motivo. De Não há informações sobre o motivo. o indígena amarrou uma corda MUNICÍPIO: AMAMBAI no pescoço e se pendurou numa árvore. 2013 VÍTIMA: Adolescente IDADE: 16 anos 04/09/2013 POVO: GUARANI-KAIOWÁ VÍTIMA: E. enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento 08/10/2013 FONTE: Sesai. além da depressão. Não há informações sobre 11/10/2013 o motivo. 12/03/2013 em uma travessa de sustentação do teto no interior da casa de sua tia. 18/03/2013 MEIO EMPREGADO: Enforcamento 11/03/2013 FONTE: Pantanal News . A família da menor são os principais motivadores da violência na terra indígena não soube explicar a motivação para o suicídio.

enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 MUNICÍPIO: SIDROLÂNDIA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Tacuru DESCRIÇÃO: Arma de fogo. 2013 04/04/2013 02/08/2013 VÍTIMA: A. B. VÍTIMA: R. mortes e perda da dignidade CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . F. VÍTIMA: L.F. C. 2013 05/07/2013 12/10/2013 VÍTIMA: R. 2013 FONTE: Sesai. 2013 FONTE: Sesai. VÍTIMA: J. IDADE: 18 anos IDADE: 14 anos POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: CERROY TERRA INDÍGENA: SASSORÓ MUNICÍPIO: JARDIM MUNICÍPIO: TACURU LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bonito LOCAL DA OCORRÊNCIA: Tacuru DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica. IDADE: 15 anos IDADE: 15 anos POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: SASSORÓ TERRA INDÍGENA: JAGUAPIRÉ MUNICÍPIO: TACURU MUNICÍPIO: TACURU Ruy Sposati Análise sobre os Guarani-Kaiowá afirma que os jovens indígenas vivem o dia a dia sem quase nunca conjugar o verbo no futuro e que carregam um trauma cheio de histórias de exploração.CIMI 83 . M. IDADE: 18 anos IDADE: 15 anos POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: CAARAPÓ TERRA INDÍGENA: SASSORÓ MUNICÍPIO: CAARAPÓ MUNICÍPIO: TACURU LOCAL DA OCORRÊNCIA: Tey Kuê LOCAL DA OCORRÊNCIA: Tacuru DESCRIÇÃO: Asfixia. enforcamento MEIO EMPREGADO: Arma de fogo MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Sesai. violências. C. enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento FONTE: Sesai. 2013 FONTE: Sesai. 2013 04/09/2013 31/10/2013 VÍTIMA: C. constrição cervical por laço DESCRIÇÃO: Envenenamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Envenenamento/Enforcamento FONTE: Sesai. na cabeça DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica.M.S.

Capítulo III
VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013

LOCAL DA OCORRÊNCIA: Tacuru LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia
Bororó
DESCRIÇÃO: Asfixia,
mecânica, enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixiamecânica, enforcamento
MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento
FONTE: Sesai, 2013 FONTE: Sesai, 2013

01/12/2013 27/02/2013
VÍTIMA: J.
L. VÍTIMA: E.G.
IDADE: 27 anos IDADE: 15 anos
POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ

TERRA INDÍGENA: JAGUAPIRÉ TERRA INDÍGENA: DOURADOS

MUNICÍPIO: TACURU MUNICÍPIO: DOURADOS

LOCAL DA OCORRÊNCIA: Tacuru LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó

DESCRIÇÃO: Asfixia, mecânica, enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento

MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento
FONTE: Sesai, 2013 FONTE: Sesai, 2013

10/01/2013
06/10/2013
VÍTIMA: M. R. F.
VÍTIMA: E.R.
IDADE: 22 anos
IDADE: 42 anos
POVO: GUARANI-KAIOWÁ
POVO: GUARANI-KAIOWÁ
TERRA INDÍGENA: DOURADOS
TERRA INDÍGENA: ÑANDE RU MARANGATU
MUNICÍPIO: DOURADOS
MUNICÍPIO: ANTÔNIO JOÃO
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Cerro Marangatu
DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento
DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento
MEIO EMPREGADO: Enforcamento
MEIO EMPREGADO: Enforcamento
FONTE: Sesai, 2013
FONTE: Sesai, 2013
25/01/2013
11/06/2013 VÍTIMA: E.G.
VÍTIMA: E.I. IDADE: 17 anos
IDADE: 58 anos POVO: GUARANI-KAIOWÁ
POVO: GUARANI-KAIOWÁ TERRA INDÍGENA: DOURADOS
TERRA INDÍGENA: ARROIO KORÁ MUNICÍPIO: DOURADOS
MUNICÍPIO: PARANHOS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó
DESCRIÇÃO: Asfixia, enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, estrangulamento
MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Estrangulamento
FONTE: Sesai, 2013 FONTE: Sesai, 2013
10/02/2013 16/11/2013
VÍTIMA: L.S. J. VÍTIMA: Z. R.
IDADE: 19 anos IDADE: 42 anos
POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ
TERRA INDÍGENA: DOURADOS TERRA INDÍGENA: ARROIO KORÁ
MUNICÍPIO: DOURADOS MUNICÍPIO: PARANHOS
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia
DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento
MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento
FONTE: Sesai, 2013 FONTE: Sesai, 2013
24/11/2013 08/11/2013
VÍTIMA: D. R. VÍTIMA: O. A.
IDADE: 17 anos IDADE: 14 anos
POVO: GUARANI NHANDEVA POVO: GUARANI NHANDEVA
TERRA INDÍGENA: YVY KATU TERRA INDÍGENA: YVY KATU
MUNICÍPIO: JAPORÃ MUNICÍPIO: JAPORÃ
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Porto Lindo (Iguatemi) LOCAL DA OCORRÊNCIA: Porto Lindo (Iguatemi)
DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento
MEIO EMPREGADO: Enforcamento MEIO EMPREGADO: Enforcamento
FONTE: Sesai, 2013 FONTE: Sesai, 2013
10/10/2013 09/11/2013
VÍTIMA: A. O. VÍTIMA: G. T.
IDADE: 61 anos IDADE: 40 anos
POVO: GUARANI-KAIOWÁ POVO: GUARANI-KAIOWÁ
TERRA INDÍGENA: DOURADOS TERRA INDÍGENA: SUCURIY
MUNICÍPIO: DOURADOS MUNICÍPIO: MARACAJU

84 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013

Capítulo III
VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013

LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó TERRA INDÍGENA: TEKOHA DJU MIRIM
DESCRIÇÃO: Enforcamento MUNICÍPIO: GUAÍRA
MEIO EMPREGADO: Enforcamento LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Tekoa Mirim
FONTE: Sesai, 2013 DESCRIÇÃO: O indígena cometeu suicídio por enforcamento na aldeia
19/04/2013 Tekoha Mirim. A situação de extrema miséria e pobreza em
VÍTIMA: F.F. que vivem os índios na região oeste do Paraná, bem como
IDADE: 54 anos a falta de perspectiva para o futuro de jovens e adolescen-
POVO: GUARANI-KAIOWÁ tes levam muitos deles a cometerem atos dessa natureza.
TERRA INDÍGENA: CERRITO
Nos últimos meses o movimento de oposição à presença
MUNICÍPIO: ELDORADO
indígena em Guaíra tem aumentado e, por vezes, incitado o
preconceito étnico-racial, mobilizando a população contra
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Iguatemi
os índios. Segundo informações das lideranças, os índios que
DESCRIÇÃO: Insuficiência renal e enforcamento
trabalhavam regularmente no município foram demitidos
MEIO EMPREGADO: Enforcamento
e existe um pacto da iniciativa privada para não oferecer
FONTE: Sesai, 2013
emprego a pessoas de origem indígena.
04/07/2013 MEIO EMPREGADO: Enforcamento
VÍTIMA: V.D. FONTE: Centro de Trabalho Indigenista, 28/03/2013
IDADE: 30 anos
POVO: GUARANI NHANDEVA
10/04/2013
VÍTIMA: Adolescente
TERRA INDÍGENA: YVY KATU
IDADE: 18 anos
MUNICÍPIO: JAPORÃ
POVO: GUARANI NHANDEVA
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Porto Lindo (Iguatemi)
TERRA INDÍGENA: Tekoha
Araguaju
DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento
MUNICÍPIO: TERRA ROXA
MEIO EMPREGADO: Enforcamento
FONTE: Sesai, 2013 DESCRIÇÃO: O adolescente cometeu suicídio numa área ocupada
por sua comunidade. Os motivos são desconhecidos tanto
28/07/2013
pela família quanto pelos indígenas que vivem na área.
VÍTIMA: J.
N. L. FONTE: Portal Guaíra, 12/04/2013
IDADE: 14 anos
POVO: GUARANI NHANDEVA 13/06/2013
TERRA INDÍGENA: YVY KATU VÍTIMA: E.G.
MUNICÍPIO: JAPORÃ IDADE: 16 anos
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Porto Lindo (Iguatemi) POVO: AVÁ-GUARANI
DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento TERRA INDÍGENA: Tekoha Jey
MEIO EMPREGADO: Enforcamento MUNICÍPIO: GUAÍRA
FONTE: Sesai, 2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Tekoha Jevy
DESCRIÇÃO: O adolescente foi encontrado morto por familiares, ao
30/06/2013
VÍTIMA: W. F. R. amanhecer. Segundo relato de seu pai e de pessoas próximas,
ultimamente, ele estava apático e muito quieto. O adolescente
IDADE: 17 anos
havia reclamado estar sendo vítima de preconceito na escola.
POVO: GUARANI NHANDEVA
O fato está sendo apurado pela Polícia Civil.
TERRA INDÍGENA: YVY KATU
MEIO EMPREGADO: Enforcamento
MUNICÍPIO: JAPORÃ
FONTE: Jornal Editor, 14/06/2013
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Porto Lindo (Iguatemi)
DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica
MEIO EMPREGADO: Enforcamento TO 1 Caso – Vítimas: 3 Indígenas
FONTE: Sesai, 2013 2013
VÍTIMAS: W. J., A. J. e I. J.
02/03/2013
IDADE: 13, 14 e 16 anos
VÍTIMA: L.M.
POVO: JAVAÉ
IDADE: 13 anos
TERRA INDÍGENA: PARQUE INDÍGENA DO ARAGUAIA
POVO: GUARANI-KAIOWÁ
MUNICÍPIO: SÃO FÉLIX DO ARAGUAIA
TERRA INDÍGENA: DOURADOS
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeias São João, Tyury e Canoanã
MUNICÍPIO: DOURADOS
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bororó DESCRIÇÃO: Não há conhecimento de uma causa específica que tenha

DESCRIÇÃO: Asfixia mecânica, enforcamento
levado os jovens ao suicídio. Alguns fatores apontados como
MEIO EMPREGADO: Enforcamento
possíveis causas seriam a influência de valores da sociedade
FONTE: Sesai, 2013 envolvente difundidos pela televisão, apelo ao consumo de
bens não atendidos pela falta de poder de compra e depressão
PR Casos – 3 Vítimas ocasionada por conflito entre a tradição dos povos indígenas
e a constante influência externa nas aldeias devido à proxi-
27/03/2013 midade com as cidades ribeirinhas do Araguaia. Foi realizada
VÍTIMA: S.R. uma visita de órgãos públicos nas aldeias e se constatou a
IDADE: 18 anos entrada de bebida alcoólica e drogas ilícitas.
POVO: AVÁ-GUARANI FONTE: Procuradoria da República/TO, 14/06/2013; Cimi Regional GO/TO, 05/06/2013

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO - CIMI 85

Capítulo III
VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013

Desassistência na área de saúde
R egistramos 44 casos de desassistência na área da
saúde, nos seguintes estados: Acre (1), Alagoas (1),
Amazonas (6), Bahia (1), Goiás (1), Maranhão (2), Mato
atendimento, como a ausência de intérpretes nas unidades
e falta de veículos para o transporte de pacientes.
No Paraná, na terra indígena Barão de Antonina, indí-
Grosso (4), Mato Grosso do Sul (7), Pará (3), Paraíba (1), genas informaram que não há médico e que o atendimento
Paraná (2), Rondônia (8), Roraima (4), São Paulo (1) e de mais de 2.100 pessoas vinha sendo prestado por apenas
Tocantins (2). quatro agentes de saúde.
No estado de Rondônia, onde houve o maior número O povo Potiguara, na Paraíba, também reclama sobre a
de ocorrências, foram verificados casos de falta de medi- falta de atendimento médico e de medicamentos. Situação
camentos, de médicos, de transporte e desassistência. semelhante à vivenciada pelo povo Tembé, no Pará, que
Em Roraima, um adolescente indígena aguardou por ainda reclama da falta de combustível, de lixo espalhado
mais de seis meses por um resultado de exame. Quando na Casa de Saúde, esgoto a céu aberto e banheiros em
questionada, a divisão indígena do hospital alegou que condições precárias. Também no Pará, indígenas do povo
o adolescente era “desaldeado”. Também em Roraima, Gavião denunciaram que os poucos medicamentos dispo-
o Ministério Público Federal (MPF) detectou falhas no níveis estavam com prazo de validade vencido.
Juma Xipaia

Falta tudo na assistência à saúde indígena: estrutura, profissionais, medicamentos, transporte, saneamento, acesso à água e, principalmente, vontade política

86 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013

Capítulo III
VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013

DESASSISTÊNCIA NA ÁREA DE SAÚDE
44 Casos – 437 Vítimas
AC 1 Caso – Vítima: 1 Indígena DESCRIÇÃO:Duas crianças foram picadas por cobra e tiveram as
pernas amputadas pela falta de soro. As comunidades de-
SETEMBRO/2013 nunciam a falta de tudo nos pólos-base. O soro é apenas um
VÍTIMA: Bebê dos medicamentos e, mesmo a maior parte destes, quando
POVO: KAXINAWÁ são recebidos, chegam com data de validade vencida. Os
TERRA INDÍGENA: KAXINAWÁ DO RIO JORDÃO poucos profissionais da área de saúde, quando cobrados
pelos índios, respondem que não sabem o que fazer diante
MUNICÍPIO: SANTA ROSA DO PURUS
da precariedade da situação.
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Porto Rico
MEIO EMPREGADO: Falta de medicamento
DESCRIÇÃO: A criança foi internada com diagnóstico de pneumonia.
FONTE: Carta dos Povos Indígenas do Vale do Javari, 04/07/2013
O enfermeiro que aplicou o soro o fez de forma inadequada
e a mão da criança ficou necrosada, com possibilidade de 2013
amputação. Os pais da criança não dominam a língua por- VÍTIMA: Comunidades do AM
tuguesa e tinham dificuldade de entender o processo pelo POVOS: KANAMARI, KULINA, MARUBO, MATIS, MAYORUNA
qual a filha estava passando. Eles tentavam evitar que a mão TERRA INDÍGENA: VALE DO JAVARI
da criança seja amputada, mas, segundo a equipe médica, MUNICÍPIO: ATALAIA DO NORTE
o caso era crítico.
DESCRIÇÃO: A casa de apoio em Tabatinga pode ser fechada por
MEIO EMPREGADO: Imperícia no atendimento à saúde
falta de pagamento. Não há material de limpeza, falta ali-
FONTE: Ecosdanoticia.com.br, 07/11/2013
mentação indicada para os pacientes, os acompanhantes
passam fome e, muitas vezes, são esquecidos no aeroporto
AL 1 Caso – Vítimas: 250 Indígenas e no cais de Manaus. Os carros não têm peças. O barco que
fazia o transporte para apoio aos doentes em tratamento
2013
está parado por falta de gasolina e de peças de reposição.
VÍTIMA: Comunidade de AL Não há equipamentos nem recursos humanos e os poucos
POVO: XUKURU-KARIRI profissionais que atuam na região, quando cobrados pelos
TERRA INDÍGENA: XUKURU-KARIRI índios, respondem que não sabem o que fazer diante da
MUNICÍPIO: PALMEIRA DOS ÍNDIOS precariedade da situação. Agentes de saúde estão há cerca
de 10 anos sem receber capacitação.
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Oito aldeias do município
MEIO EMPREGADO: Omissão e negligência do poder público
DESCRIÇÃO: O município onde se encontra a terra indígena está
FONTE: Documento da Univaja, 10/07/2013
sofrendo uma epidemia de desidratação como resultado da
contaminação da água e de problemas com o saneamento. 2013
MEIO EMPREGADO: Falta de água potável e saneamento básico VÍTIMA: Comunidades do AM
FONTE: G1/AL, 26/07/2013 POVOS: DIVERSOS
TERRA INDÍGENA: VÁRIAS
AM 6 Casos – Vítimas: 82 Indígenas MUNICÍPIO: LÁBREA

2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Médio Purus
DESCRIÇÃO: Segundo José Bajaga Apurinã, cacique e coordenador
VÍTIMA: Comunidade do AM
da Federação das Organizações e Comunidades indígenas do
POVO: PIRAHÃ
Médio Purus, há pelo menos 40 pessoas com malária. A região,
TERRA INDÍGENA: PIRAHÃ que reúne cerca de 8 mil indígenas, não recebe médicos há
MUNICÍPIO: MANICORÉ dois anos. Conforme o cacique, os doentes não têm como
LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiasCacai e Passabem ir à cidade e os médicos que estão nas zonas urbanas não
DESCRIÇÃO: Ocorreram, entre os Pirahã, 40 casos de malária. Este chegam às localidades, pois não há barco, nem combustível.
número representa 14,3% do povo Pirahã, conforme infor- As comunidades são atendidas apenas por agentes de saúde
mações da Organização dos Povos Indígenas Torá, Tenharim, e, raras vezes, por técnicos e enfermeiros.
Apurinã, Mura, Parintintin e Pirahã. Segundo o coordenador MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento e de medicamentos
da organização, a equipe da Sesai de Manicoré deveria ficar na FONTE: Estadão, 8/09/2013
área indígena para acompanhar o tratamento. Os indígenas
13/09/2013
desse povo são caçadores e coletores nômades, de pouco
VÍTIMA: Comunidades
contato com os não indígenas.
POVOS: VÁRIAS ETNIAS
MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico
FONTE: Cimi Regional Norte I TERRA INDÍGENA: VÁRIAS
MUNICÍPIO: LÁBREA
2013
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aripuanã, Palmari, Jarawara, Madja-Deni e
VÍTIMA: Natalino Dorlis Marubo, Clebson Dionísio Marubo Karipuna
POVO: MARUBO DESCRIÇÃO: Dezenas de lideranças indígenas ocuparam a sede do
TERRA INDÍGENA: VALE DO JAVARI Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei), devido à precarie-
MUNICÍPIO: ATALAIA dade no atendimento às aldeias e à interferência de políticos

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO - CIMI 87

DESCRIÇÃO: Os indígenas ocuparam a sede do Dsei para denunciar a de medicamentos e de transporte na aldeia para os doentes. que são levados nas costas quando necessitam de assistência fora da aldeia. veículos terrestres e fluviais se encontram parados ou em condições inadequadas de uso.Ministério Público Federal. MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura. 10/6/2013 88 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . não permitiu que os povos apresentassem propostas ou se pronunciassem. 02/04/2013 contra a falta de transporte para os doentes. falta de assistência nas aldeias do Maranhão. Há protestos principalmente FONTE: Lideranças indígenas Kaimbé. Em algumas salas.13. Destacou que há problemas tanto em relação aos tratamentos de saúde quanto à higiene e alimentação dos pacientes. há uma infestação de morcegos. cuja situação é mil. res- ponsável pela Casa de Atendimento aos Indígenas. 23/09/2013 2013 VÍTIMA: Comunidade do AM POVO: SATERÊ-MAWE TERRA INDÍGENA: ANDIRA-MARAU MUNICÍPIO: MAUÉS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Casai em Maués DESCRIÇÃO: A juíza federal Jaiza Maria Pinto Fraxe. considerou calamitosa a situação dos indígenas diante da omissão do Dsei de Parintins. MEIO EMPREGADO: Falta de estrutura na Casa do Índio FONTE: Procuradoria da República do Amazonas . GO 1 Caso – Vítima: 1 Indígena MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura e de atendimento médico FONTE: ExpressoMT. O indígena deveria ter acesso aos recursos destinados precária. O forro está caído. além de não acompanhar a situação dos pólos-base. Os indígenas estão morrendo por falta indígena. Os armários to por falta de recursos para a compra. que tem apenas MUNICÍPIO: BOM JARDIM oito integrantes. ingerência política FONTE: Cimi Regional Norte I. um xarope” para atender a comunidade. ao seu povo. Na sala de emergência não há medicamentos. está gravemente doente em decorrência LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Januária. As comunidades Equipe Cimi Norte II acusam a coordenadora de não ter participado de todas as conferências locais de saúde. KANELA. MEIO EMPREGADO: Falta de medicamentos MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura e de atendimento médico FONTE: O Globo. TIMBIRA MUNICÍPIO: EUCLIDES DA CUNHA TERRA INDÍGENA: VÁRIAS DESCRIÇÃO: Os conselheiros da aldeia mantiveram sob vigília vários servidores da área da saúde. de modo a chamar atenção para MUNICÍPIO: SÃO LUÍS os problemas referentes à ausência de atendimento à saúde. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 na indicação para a coordenação do Dsei. Segundo o caci- MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento e de medicamentos que Amorim Guajajara “não há um comprimido. Naquelas que ela compareceu. causa doenças BA 1 Caso 2013 VÍTIMA: Comunidade da BA MA 2 Casos POVO: KAIMBÉ 2013 TERRA INDÍGENA: MASSARARÁ VÍTIMA: Comunidades do MA POVOS: GUAJAJARA. Além desses problemas. como a ausência de água potável. de medicamentos. A Sesai apelou à estão praticamente vazios. mas não conseguiu dar início ao tratamen. do povo Avá-Canoeiro. Há vários meses os indígenas manifestaram descontentamento com a atuação da coordenadora. 26/11/2013 A própria falta de estrutura para receber os pacientes nas Casas de Apoio. 24/06/2013 FONTE: G1/MA.000. 25/06/2013 24/06/2013 VÍTIMA: Iawi 2013 POVO: AVÁ-CANOEIRO VÍTIMA: Comunidade TERRA INDÍGENA: AVÁ-CANOEIRO POVO: GUAJAJARA MUNICÍPIO: COLINAS DO SUL TERRA INDÍGENA: RIO PINDARÉ DESCRIÇÃO: O cacique Iawi. Bom Jardim de um câncer. vários aparelhos Justiça para obrigar o Estado a custear o tratamento do estão abandonados.000785/2012-59. analisando fotos da Casai e relatórios contidos no Inquérito Civil Público no 1. O medicamento para o tratamento não está DESCRIÇÃO: Os indígenas fizeram uma manifestação contra a situação disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) e custa R$ 43 de abandono dos postos de saúde na aldeia. Secretariado Nacional Cimi.

Eles reivindicam melhores condições de VÍTIMA: Comunidades saúde nas aldeias. à água potável em casa. Nos quartos. atingindo principalmente as crianças. lama e água invadem os corredores e consultórios DESCRIÇÃO: Os índios estavam há mais de três meses sem água das unidades. como viaturas. lâmpadas estão queimadas. deslocou um novo gerador para a comunidade. faltam iluminação LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeinhaem Anastácio. No ano passado. foi constatada a má aplicação do dinheiro público e a VÍTIMA: Comunidade demora na execução de obras de reforma e de ampliação das POVO: GUATÓ unidades de saúde. o lixo hospitalar é armazenado na sala de inalação e. Os agentes de saúde não VÍTIMA: Comunidades do MS possuem material para trabalhar e as ambulâncias estão POVO: GUARANI-KAIOWÁ inoperantes. Os outros moradores são obrigados a Eles explicam que desde a mudança da atenção à saúde. afirmando que faltam medicamentos e infraestrutura. porém FONTE: MPF/MS. de várias etnias. A situação se repete em várias outras aldeias. Há promessa do governo em 18/09/2013 assegurar infraestrutura para a instalação de rede de água. Outra liderança reclama que faltam remédios. Segundo relatos. ocuparam 2013 a sede da Sesai. têm sofrido com vômitos. castigando os doentes. FONTE: Midiamaxnews tomar banho.Campo Grande. TERRA INDÍGENA: VÁRIAS MEIO EMPREGADO: Falta de água potável MUNICÍPIO: CAMPO GRANDE FONTE: G1. 02/12/2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Ypege e ventilação. TERRA INDÍGENA: VÁRIAS roupa de cama. VÍTIMA: Comunidades do MS mas as obras não foram executadas. a Casai enfrenta problemas com a falta POVO: TERENA de materiais de limpeza. banheiros danificados e alimentos insuficientes MUNICÍPIO: AQUIDAUANA para atender as demandas. 23/10/2013 VÍTIMA: Comunidades Indígenas POVOS: GUARANI. a vigilância sanitária interditou potável. obrigando MEIO EMPREGADO: Falta de estrutura na Casa de Saúde do Índio os indígenas a usarem o posto de saúde convencional. a qualidade despencou. POVO: GUARANI-KAIOWÁ MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e de infraestrutura TERRA INDÍGENA: DOURADOS FONTE: Correio do Estado. 23/09/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeias Bororó II e Jaguapiru I e II DESCRIÇÃO: Conforme inspeção realizada pelo Ministério Público 2013 Federal. A água que algumas MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e de infra-estrutura famílias utilizam vem de um poço e é a mesma para cozinhar. após recomendação do MPF/MS em agosto deste MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura ano. recorrer à única caixa d’água que fica em um posto de saúde da Funasa para a Sesai. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 MS 7 Casos – Vítimas: 51 Indígenas só podem ser atendidos na sexta-feira. neste ano reias e dor estomacal.o corrimão para MUNICÍPIO: CORUMBÁ cadeirantes descola do chão. Eles reclamam que a falta de estrutura LOCAL DA OCORRÊNCIA: Comunidade Jatayvary. insuficiente para atender é a “bala” que está matando os índios e sim a pneumonia toda a demanda da comunidade. Há mais de um ano. conforme os profissionais de saúde. medicamentos e atendimento mé. DESCRIÇÃO: Na comunidade existem 75 famílias e só 11 têm acesso dico. A Sesai. Sucateada. GUARANI-KAIOWÁ. diar- três salas e. MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral MUNICÍPIO: DOURADOS FONTE: MS Notícias . Os indígenas precisam andar e a diarreia. 21/05/2013 nenhuma equipe técnica foi encaminhada para instalá-lo. MEIO EMPREGADO: Falta de água potável 03/07/2013 FONTE: MPF/MS. vão interditar novamente. situação é lamentável por ser uma aldeia urbana. Essa situação impede DESCRIÇÃO: Indígenas de várias etnias fizeram manifestações pela o funcionamento da Casai e chegou a um ponto em que o saída do coordenador da Sesai. no TERRA INDÍGENA: DOURADOS estado. e por melhorias nos postos atendimento ficou inviável. e que não e tem capacidade para 20 mil litros. os banheiros estão danifica- 2013 dos e as telhas estão quebradas. Uma liderança conta que a dos 29 leitos. GUARANI NHANDEVA 2013 VÍTIMA: Comunidade do MS TERRA INDÍGENA: VÁRIAS POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: CAMPO GRANDE TERRA INDÍGENA: LIMA CAMPO DESCRIÇÃO: Cerca de 50 indígenas ocuparam a sede do Dsei em Campo Grande para protestar por melhora no atendimento MUNICÍPIO: AMAMBAI à saúde nas aldeias. Morrinhos. onde o teto de salas apresenta mofo.CIMI 89 . provoca muitas mortes que poderiam ser evitadas. lavar roupa. quilômetros para chegar ao córrego. na divisa com fazendas básica. índios sofrem para conseguir água potável. mas FONTE: O Progresso. Há irregularidades em todos os postos de TERRA INDÍGENA: GUATÓ saúde. nos dias LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaUberaba de chuva. 22/11/2013 DESCRIÇÃO: Cerca de 30 indígenas. a Casai desativou 10 de saúde que atendem as aldeias. higiene pessoal para os pacientes. 23/09/2013 MUNICÍPIO: DOURADOS LOCAL DA OCORRÊNCIA: Casaiem Dourados 23/09/2013 DESCRIÇÃO:Segundo denúncia do Conselho Distrital de Saúde VÍTIMA: Eneias Campo da Silva Indígena (Condisi). Existe na comunidade POVOS: VÁRIAS ETNIAS um número significativo de desnutrição.

para atender os índios Enawenê Nawê. há letargia da Sesai MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico diante dos elevados índices de mortalidade que decorrem FONTE: O DIA. saúde às comunidades indígenas. há poucos analgésicos. 23/9/2013 DESCRIÇÃO:O Ministério Público Federal denuncia as péssimas condições de trabalho no pólo-base de Maraiwatsédé que atingem os médicos e enfermeiros. Xingu denunciam que estão sem médicos na região desde Na decisão. visto que saúde como a Casai da aldeia Canindé. o juiz relata que ficou configurada a inércia e/ 2010. Para agravar a situação. educação. xaropes e vitaminas. O posto de saúde são hostilizados e ameaçados nas ruas porque lutam pela está totalmente abandonado. são alguns dos principais problemas enfrentados no co- nicípios mais próximos. balão de TERRA INDÍGENA: ALTO RIO GUAMÁ oxigênio e medicação de emergência injetável. segundo as próprias MEIO EMPREGADO: Falta de assistência. refrigeração adequada. são rejeitados dos problemas mais graves é o que atinge tanto o posto de pelos indígenas devido à situação de alto risco. que já adoeceu dezenas de indígenas em 2013. 27/12/2013 A situação de abandono dos postos de saúde é explícita e viola os direitos dos indígenas 20/9/2013 VÍTIMA: Comunidade MT 4 Casos POVO: CINTA LARGA TERRA INDÍGENA: CINTA LARGA 2013 MUNICÍPIO: ARIPUANÃ VÍTIMA: Indígenas do Alto Xingu LOCAL DA OCORRÊNCIA: CintaLarga . conforme pedido do Ministério Público Federal. As distâncias percorridas em busca de atendimento fora da aldeia são MUNICÍPIO: PARAGOMINAS grandes. Icatu de Água Boa. Outros municípios. Em relação à saúde. não DESCRIÇÃO:Saúde. que também não têm convênio. como POVO: TEMBÉ sonar. a 300 km. Também existe a suspeita dos índios e do coordenador do Distrito Sanitário Especial Indígena de que a água consumi- da é uma das fontes de transmissão de verminose e outras doenças como conjuntivite.Matetamãe POVOS: DIVERSOS DESCRIÇÃO: Apopulação indígena vive em constante ameaça por TERRA INDÍGENA: PARQUE INDÍGENA DO XINGU conta da invasão de suas terras. 05/03/2013 espaço destinado aos doentes é pequeno. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 DEZEMBRO/2013 Juma Xipaia VÍTIMA: Aldeia Halataikwa POVO: ENAWENÊ-NAWÊ TERRA INDÍGENA: ENAWENÊ-NAWÊ MUNICÍPIO: JUÍNA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Halataikwa DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal obteve na Justiça Federal decisão que obriga a União a manter todos os medicamen- tos que integram a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais e aqueles que forem prescritos pelos médicos e que não constem na lista. Na decisão consta também a aquisição de um terreno para a estruturação de um posto de saúde e médicos para atendimento exclusivo e ininterrupto no posto de saúde. As internações acontecem somente no Hospital LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeias Cajueiro. com uma rotina insalubre PA 3 Casos e condições de exploração do trabalho. estando sempre 90 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . A Justiça Federal DESCRIÇÃO: Indígenas que vivem ao norte do Parque Nacional do interveio. situação essa que 2013 agrava o atendimento à saúde dos indígenas. O trabalho é VÍTIMA: Comunidades feito mesmo com a falta de equipamentos básicos. reocupação de seus territórios. não há medicamentos e. O FONTE: Ministério Público Federal/Brasília. não controle de endemias. TERRA INDÍGENA: MARÃIWATSÉDÉ MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral MUNICÍPIO: SÃO FÉLIX DO ARAGUAIA FONTE: Jornal Cenário do MT. Terko-Haw. 2013 precário suporte e tratamento de desnutridos. 11/01/2013 do desmantelamento das ações elementares de assistência básica: vacinação incompleta. Na Casai. pneumonia e diarréia. pinças. virou abrigo de morcegos. Canindé. MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral FONTE: Ministério Público do Estado do Mato Grosso. Para ele. a Sesai MUNICÍPIO: CANARANA não presta assistência de forma adequada. Eles afirmam que o atendimento no Alto Xingu fica a ou descaso do poder público em garantir o atendimento de cargo de enfermeiros e técnicos. Exames de laboratório e raio-x. autoclave. interrupção VÍTIMA: Comunidade do MT das visitas interdisciplinares e não fornecimento de água POVO: XAVANTE potável. infraestrutura e conflito de terra são realizados porque a Sesai não tem convênio com os mu. um do Araguaia. dentre outras. descaso enfermeiras. como São Felix tidiano pelos Tembé Tenetehara.

MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e medicamentos Luana Sousa Moraes. O local é inadequado para receber pacientes. A estrada que dá acesso à aldeia não tem iluminação. 28/01/2013 um mini-hospital dentro de área. Foi construído FONTE: O Liberal/PA. Grande parte dos pacientes não fala a PR 2 Casos língua portuguesa e têm dificuldade para pedir informações. 10/2013 VÍTIMA: Comunidades do PR POVO: KAINGANG 2013 TERRA INDÍGENA: BARÃO DE ANTONINA VÍTIMA: Melissa Tenharim (recém-nascida) MUNICÍPIO: SÃO JERÔNIMO DA SERRA POVO: TENHARIM LOCAL DA OCORRÊNCIA: Reserva Apucaraninha TERRA INDÍGENA: TENHARIM MARMELOS CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . A à falta de saneamento básico. Na maioria FONTE: Cimi Regional Nordeste . DESCRIÇÃO: Os indígenas sofrem com doenças que poderiam ser Conforme denúncias. os índios construíram uma Junto a essas questões. os Cinta Larga sofrem com a alta incidência de diabetes. explica que os índios também sofrem FONTE: G1/PA. e com estrutura física para ensino das crianças. Na Casa do Índio TERRA INDÍGENA: TEKOHA VERA TUPÃ’I há lixo espalhado. Quando o indígena é atendido no pólo-base DESCRIÇÃO:Lideranças indígenas denunciam a péssima situação pelo médico. sem acompanhamento de um téc- nico de enfermagem. dificultando o transporte dos doentes. 11/2013 das vezes vão sozinhos. tem provocado doenças sistência em relação ao pré-natal de gestantes e vacinações. informaram que o atendimento de mais de 2. Na estavam com a validade vencida. 12/2013 MEIO EMPREGADO: Falta de estrutura na Casa do Índio FONTE: Cimi Regional Rondônia. cia precária prestada pela Sesai. mas que a tuberculose é o que mais preocupa.800 pessoas. Estão sem médico e tráfego de veículos. não tem acesso ao medicamento do posto. MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e medicamentos POVO: POTIGUARA FONTE: EBC. como sarampo e tuberculose.Equipe Paraíba. doença PB 1 Caso antes inexistente entre os índios. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 lotado. banheiros em condi. Eles sofrem com assistên- encontravam-se suspensos. Nos postos fechado e os trabalhos para a construção de um novo posto de saúde não há medicamentos. 18/12/2013 MAIO/2013 RO 8 Casos – Vítimas: 5 Indígenas VÍTIMA: Comunidade do PA 2013 POVO: GAVIÃO VÍTIMA: Comunidades do MT e de RO TERRA INDÍGENA: AKRÃTIKATÊJÊ POVO: CINTA LARGA. onde dezenas de pacientes e a necessidade da aldeia contar com professores qualificados familiares ficam aglomerados. Os indígenas enfrentam também problemas de MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e medicamentos transporte para os postos de saúde da cidade.MONTE MOR MUNICÍPIO: RIO TINTO 12/07/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Monte Mor e Jacaré de São Domingos VÍTIMA: Povos indígenas de RO DESCRIÇÃO: As comunidades Potiguara estão sofrendo com a POVOS: DIVERSOS desassistência no Dsei. desas- água consumida. os remédios que ainda restavam prevenidas e tratadas. mas está fechado por falta de equipamentos e de funcionários.100 pessoas está MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral sendo realizado por quatro agentes de saúde. O posto de saúde estava maior parte das aldeias falta saneamento básico. nas crianças. DESCRIÇÃO:As precárias condições no atendimento à saúde nas não é asfaltada e os buracos tornam quase impossível o áreas indígenas revoltou a população. de má qualidade. SURUÍ DE RONDÔNIA MUNICÍPIO: SÃO DOMINGOS TERRA INDÍGENA: SETE DE SETEMBRO DESCRIÇÃO:Indígenas de várias etnias do Pará interditaram duas rodovias da região sudeste do estado para protestar contra MUNICÍPIO: CACOAL o serviço de atendimento médico e falta de medicamentos. A técnica de enfermagem. falta de água potável. Há falta de atendimento médico e TERRA INDÍGENA: VÁRIAS de medicamentos para que possam dar continuidade ao MUNICÍPIO: PORTO VELHO tratamento. da Casai.CIMI 91 . Vizinhos dos Suruí. Sem espaço na casa. a Procuradoria da República verificou oca improvisada no quintal. esgoto a céu aberto. 2013 MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico VÍTIMA: Comunidades do PA FONTE: Folha de Londrina . 05/12/2013 POVO: TEMBÉ 2013 TERRA INDÍGENA: ALTO RIO GUAMÁ VÍTIMA: Comunidade do PR MUNICÍPIO: PARAGOMINAS POVO: GUARANI DESCRIÇÃO: Indígenas protestam pela falta de estrutura da Casai.Jornal do Paraná. 19/04/2013 TERRA INDÍGENA: POTIGUARA . falta de medicamentos e de combustível. MEIO EMPREGADO: Falta de estrutura na Casa do Índio MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral FONTE: G1/PA FONTE: Assessoria de Comunicação do MPF/PR. mas que vem crescendo 2013 em função da mudança dos hábitos alimentares e afeta boa VÍTIMA: Comunidade da PB parte da população composta por 1. MUNICÍPIO: CAMPO MOURAO ções precárias. 24/05/2013 com doenças virais como gripe e pneumonia. DESCRIÇÃO: Foram constatados pelo MPF/PR problemas referentes a falta de higiene piora o estado de saúde dos doentes.

no intuito LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Linha 8 de ajudá-lo. POVOS: INGARIKÓ. Porém. VÍTIMA: Comunidades de RR Submetido à cirurgia de emergência. TERRA INDÍGENA: PUROBORÁ MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura MUNICÍPIO: COSTA MARQUES FONTE: Assessoria de Comunicação Social do MPF/RR. 21/10/2013 a medicação que recebe da Casai está sempre incompleta. há meses doente. PURUBORA VÍTIMA: Criança MUNICÍPIO: COSTA MARQUES POVO: JIAHUI DESCRIÇÃO: Lideranças indígenas do município de Costa Marques TERRA INDÍGENA: JIAHUI relatam falta de atendimento odontológico na região. MEIO EMPREGADO: Desassistência MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento emergencial FONTE: Cimi Regional Rondônia FONTE: Cimi Regional Rondônia. FONTE: Cimi Regional Rondônia minhá-lo à Casai. Essa situação se repete Socorro do Hospital Regional e depois de quatro dias de com frequência quando indígenas que moram na cidade têm internação foi solicitada uma ultrassonografia abdominal. SUS com a clínica de ultrassom. O resultado deveria sair em 60 dias. 25/02/2013 DESCRIÇÃO: O indígena Paulo Poruborá relata que necessita de medicamentos de uso permanente todos os meses. MAKUXI. vômitos e diarreia. 12/2013 MUNICÍPIO: CAMPO FORMOSO 92 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . esperava pelo resultado de uma biópsia VÍTIMA: Davi Oro Waram há mais de seis meses. que reside na cidade. como também não forneceu o medicamento onde o médico constatou a gravidade do estado de saúde da receitado pelo médico para o seu tratamento. ela foi levada ao hospital de Humaitá. criança e a encaminhou urgentemente a Porto Velho. foi à Divisão Indígena do Hospital Coronel Mota DESCRIÇÃO: O indígena apresentou fortes dores no lado direito do e lá informaram que não havia nada relacionado ao caso corpo. o material colhido que deveria ter sido enviado a TERRA INDÍGENA: IGARAPÉ LAGE um laboratório em São Paulo permaneceu por cerca de sete MUNICÍPIO: GUAJARÁ-MIRIM meses em Boa Vista. POVO: MAKUXI MEIO EMPREGADO: Falta de medicamentos MUNICÍPIO: BOA VISTA FONTE: Cimi Regional Rondônia. dificuldade em conseguir tratamento. P. com o argumento de O exame não foi realizado devido ao corte do convênio do que eles não moram nas aldeias. DESCRIÇÃO: O menino quebrou o braço e os funcionários da Sesai MEIO EMPREGADO: Desassistência alegaram que não tinham carro nem motorista para enca. Os familiares pagaram pelo 2013 exame que detectou que Davi estava com apendicite aguda. a Sesai não assegurou o transporte do paciente de a criança não melhorou. Os pais levaram o menino de ônibus até Humaitá e como a Casai da cidade também não dispunha de transporte. mas não teriam tomado as providên. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 MUNICÍPIO: MANICORÉ 2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaTrakua VÍTIMA: E. POVO: ORO WARAM (ORO WARI) No entanto. Diante da insistência das tias e como entanto.N. febre. FONTE: G1. As enfermeiras da Sesai teriam sido avisadas pelas tias MUNICÍPIO: COSTA MARQUES da criança sobre o caso. A Sesai. quando procurada. pois também não havia transporte. VÍTIMA: Timóteo Manoel da Silva o que prejudica seu tratamento. mas precisaram VÍTIMA: Comunidades de RR tomar um ônibus. tratando a doença como simples cólica. 12/2013 DESCRIÇÃO: O adolescente indígena. TAUREPANG MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento emergencial TERRA INDÍGENA: RAPOSA SERRA DO SOL FONTE: Cimi Regional Rondônia. que não tinha re. onde finalmente foram atendidos. o RR 4 Casos – Vítimas: 33 Indígenas médico alegou que o local não dispunha de condições e eles 22/02/2013 deveriam ir até Porto Velho. Entre as falhas observadas. PATAMONA. No situação durou 4 meses. Retornaram à aldeia depois do atendimento. Uma professora do indígena. volta à sua aldeia. MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura e omissão informou através de seu representante. KWAZÁ. Essa equipe de saúde à Casai de Jaru para tratamento médico. POVOS: DIVERSOS MEIO EMPREGADO: Falta de transporte TERRA INDÍGENA: VÁRIAS FONTE: Cimi Regional Rondônia. G. A MUNICÍPIO: HUMAITÁ desassistência foi informada ao Ministério Público Federal LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaJui de Ji-Paraná. POVO: PURUBORÁ monia. 10/2013 MUNICÍPIO: BOA VISTA DESCRIÇÃO: O MPF/RR detectou problemas no atendimento à saúde 2013 indígena em Roraima. o médico relatou que se demorasse mais um dia o paciente poderia morrer. DESCRIÇÃO: A criança era acometida por epilepsia e contraiu pneu. denunciou a VÍTIMA: Paulo Aporeti falta de intérpretes permanentes nas unidades e a carência de POVO: PURUBORÁ veículos para transportar os indígenas às unidades de saúde. 21/10/2013 cursos para exames particulares. Foi conduzido ao Pronto porque o indígena não é aldeado. 10/2013 2013 2013 POVOS: KUJUBIM. foram de taxi até o hospital. estando inclusive com uma bolsa de colostomia aco- 2013 plada ao abdômen. DESCRIÇÃO: Os pais do menor relatam que o indígena foi levado pela cias necessárias. Lá chegando.

Na denúncia. 04/04/2013 indígenas especiais. frequência nos postos de saúde. Os postos indígenas indígena prestado pelo Dsei/Leste. que poderiam evitar a internação de crianças com febres e mentos não são entregues dentro do prazo. 19/02/2014 FONTE: Associação União das Aldeias Apinajé. MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e de infraestrutura assim como a capacitação dos mesmos para lidarem com os FONTE: MPF/TO. principalmente em crianças. são maltratadas pelos servidores do hospital. a situação piorou. Não há contra- LOCAL DA OCORRÊNCIA:Piolho. TERRA INDÍGENA: APINAYÉ MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e medicamentos MUNICÍPIO: TOCANTINÓPOLIS FONTE: Centro Regional Campo Formoso/RR. O esgoto corre a céu aberto o que aumenta o problema de doenças. MAKUXI. MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico FONTE: Roraima em Foco. houve um aumento dos casos de tuberculose ocorrências. MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e de saneamento básico FONTE: G1/Santos e Região. principalmente em relação às crianças. que DESCRIÇÃO: O Centro Regional Campo Formoso emitiu uma nota deveriam ser feitas pela Sesai. os indígenas afirmam que aumentou muito os casos de diarreia. há reivindicação sobre o pro- 02/12/2013 blema da radiofonia na sede em Boa Vista. KRAHÔ TERRA INDÍGENA: APINAYÉ MUNICÍPIO: ARAGUAÍNA DESCRIÇÃO: Nas informações transmitidas ao Ministério Público. além de melhorias no transporte para os doentes. Os postos de saúde não estão sucateados. são provisoriamente feitas por de denúncia sobre a precariedade do atendimento da saúde veículos da Funai nos casos mais graves. O agente de saúde POVOS: INGARIKÓ. 03/12/2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . 17/07/2013 TO 2 Casos – Vítimas: 14 Indígenas 2013 VÍTIMA: Comunidades de TO POVO: APINAJÉ. VÍTIMA: Indígenas expondo estas crianças ao risco de morte. pois há falta de medicamentos e de manutenção dos equipamentos para que profissionais da saúde possam atuar na comunidade. sem médicos e sem medicamentos mínimos são equipados com os materiais necessários e os medica.CIMI 93 . comparado com os pelo atendimento na aldeia. Relatam ainda que apesar destas últimos anos. WAPIXANA indígena relata que dezenas de crianças sofrem com surto TERRA INDÍGENA: VÁRIAS de diarreias e vômito e viroses atingem os recém-nascidos. esclarecimentos sobre punições a agentes indígenas de saúde. As remoções de pacientes. MUNICÍPIO: BOA VISTA Dezenas de mães com seus filhos buscam atendimento no DESCRIÇÃO: As comunidades indígenas do estado de Roraima Posto de Saúde e reclamam que não são bem recebidas e. melhoria das estradas e vistoria em instalações elétricas e bombas de água. 27/11/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaSão José e entorno DESCRIÇÃO: Foram registrados 14 casos de diarreia em crianças de 0 2013 a 3 anos sem acompanhamento e orientações de um médico. às denunciam que houve um agravamento das condições de vezes. No texto. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 1 Caso Juma Xipaia SP 2013 VÍTIMA: Comunidades de SP POVO: GUARANI TERRA INDÍGENA: PERUÍBE MUNICÍPIO: PERUÍBE LOCAL DA OCORRÊNCIA: Nhamundú Mirim DESCRIÇÃO:Os índios ocuparam o posto de saúde do município e reivindicaram melhoria na assistência à saúde. Sapã. Argumentam que. Alegaram que desde que a Sesai começou a atuar na região. os indígenas denunciam a falta de tratamento de água. prejudicando a comunicação. TAUREPANG. o médico da atenção à saúde não atende com entre os indígenas. Lago Verde. Campo Formoso. visto que muitas VÍTIMA: Crianças mensagens são passadas de forma tumultuada. Solicitaram outros sintomas de viroses. Mato Grosso há falta de barcos e motores. optando saúde da população. tação de motoristas para o transporte de índios enfermos. em especial sobre a locomoção de pacientes POVO: APINAJÉ ou casos que merecem atenção urgente. tendo sido registrados 32 casos. Ponto Geral. Há necessidade de A grave desassistência à saúde indígena é vergonhosa e inaceitável construção de poços artesianos nas aldeias.

Esta última foi a causa que quência da imperícia no atendimento por parte de um levou uma mulher a óbito. Não havia na comunidade nenhum profissional de saúde. as causas principais para as mortes são a falta parto e faleceu devido a complicações após o nascimento da criança. descobriu-se que a indígena tinha insuficiência sua remoção da cidade de Boa Vista e veio a óbito. um indígena não resistiu à demora para a depois. o problema era relacionado à falta de “relação sexual”. Patrícia Bonilha A terra é essencial para que os povos indígenas exerçam o seu modo de viver. realizem os seus rituais culturais e espirituais e pratiquem a sua medicina tradicional 94 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Ela chegou a fazer algumas sessões de hemodiálise. Meses Em Roraima. Segundo os indígenas. no estado do Amazonas. A comunidade reclama da procurou atendimento. Morreu como antigamente. Também renal. imperícia no atendimento No Tocantins. na terra indígena do Vale do médico. reclamando estar sentindo-se mal. com 7 vítimas nos estados do Amazonas. Maranhão. em Roraima. uma indígena faleceu também em conse- e até falta de soro antiofídico. A Apinajé. uma jovem Ingarikó entrou em trabalho de mas faleceu após a realização de uma cirurgia. de atendimento emergencial. como luvas e medicamentos. Javari. ocasião em que o médico alegou que “falta de tudo”. Roraima e Tocantins. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 Morte por desassistência à saúde F oram registrados 6 casos.

Em janeiro. No dia seguinte. O precariedade da situação. ela foi internada na cidade de Araguaína com paralisação dos rins. Instituto Socio- MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico ambiental. RR – 2 Casos – Vítimas: 2 Indígenas sentiu-se ofendida e retirou-se do local. Chegou a VÍTIMA: Marcilio Melo Paixão fazer hemodiálise por um mês e passou por uma cirurgia. chegou um avião. a pois desde há um mês que a farmácia estava desabastecida. O médico. 18/06/2013 VÍTIMA: Ajrua Awa-Guajá POVO: AWÁ-GUAJÁ TO 1 Caso – Vítima: 1 Indígena TERRA INDÍGENA: CARU SETEMBRO/2013 MUNICÍPIO: BOM JARDIM VÍTIMA: Cleuza Pereira Apinajé LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Awá POVO: APINAJÉ DESCRIÇÃO: A indígena apresentava sintomas de leishmaniose des. duas crianças morre. Cimi Regional GO/TO.CIMI 95 . entre os que são único meio pelo qual a assistência à saúde pode chegar enviados. esse me. Quando solicitaram novamente. ram sem assistência médica. pois o que ela estava sentindo era “falta de relação sexual”. deu-se prioridade ao deslocamento TERRA INDÍGENA: ALTO RIO NEGRO da equipe técnica de saúde para a cidade de São Gabriel da MUNICÍPIO: SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA Cachoeira. Além do soro. Seu estado de saúde se VÍTIMA: 2Crianças agravou e este necessitou de remoção. diarreia e febre. vindo a falecer após 30 minutos de vôo. Cimi Regional Norte I. 25/01/2013 31/05/2013 2013 VÍTIMA: Olinda Damásio Semeão VÍTIMA: Branca Unan Mayoruna POVO: INGARIKÓ POVO: MAYORUNA TERRA INDÍGENA: RAPOSA SERRA DO SOL TERRA INDÍGENA: VALE DO JAVARI MUNICÍPIO: BOA VISTA MUNICÍPIO: ATALAIA DO NORTE DESCRIÇÃO: A vítima entrou em trabalho de parto e surgiram graves LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Fruta-Pão complicações após o nascimento da criança. na frente de outras pessoas. 14/05/2013 se a paciente era casada. 02/2014 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Paulo. DESCRIÇÃO:A indígena sentiu-se mal e ao procurar atendimento médico na aldeia onde residia relatou os sintomas que estava MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento emergencial sentindo. MEIO EMPREGADO: Falta de soro antiofídico a enfermeira de plantão em Boa Vista informou que os vôos FONTE: Carta dos Povos Indígenas do Vale do Javari. porém. TERRA INDÍGENA: YANOMAMI MEIO EMPREGADO: Imperícia no atendimento à saúde MUNICÍPIO: BOA VISTA FONTE: Lideranças indígenas Apinajé. O acesso aéreo é o como luvas e outros medicamentos e. dicamento nunca faltou a não ser em 1995. Os poucos Yanomami e Raposa Serra do Sol. No local não indígena Unan Mayoruna. Segundo os indígenas. ISA. MAIO/2013 os sintomas se agravaram. POVO: YANOMAMI mas faleceu no dia 5 de março. MA 1 Caso – Vítima: 1 Indígena MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento emergencial 11/05/2013 FONTE: Conselho do povo indígena Ingarikó. 18/06/2013 FONTE: Folha de S. O resultado do exame só ficou pronto dois dias depois de seu falecimento. no momen- POVO: HUPDÁ MAKU to da saída da aeronave. em razão do cancelamento dos vôos. os vôos profissionais dispostos a atuar na área. TERRA INDÍGENA: APINAYÉ de o princípio de abril. respondem que não sabem o que fazer diante da inspeção na empresa de táxi aéreo contratada pela Sesai. A vítima só foi removida horas depois em outro vôo. perguntou FONTE: Cimi Regional Maranhão. Entretanto. A indígena ficou envergonhada. para a maioria das aldeias Yanomami em Roraima. e foi a óbito. muitos chegam vencidos. apresentando sintomas como MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico vômito. mas a paciente não resistiu. enfermeiros e técnicos em enfermagem. O acesso aéreo LOCAL DA OCORRÊNCIA: Taracuá é o único meio pelo qual a assistência à saúde pode chegar DESCRIÇÃO: Segundo o indígena Jorge Pires. havia soro e nenhum medicamento para ajudar a paciente. quando cobrados pelos foram suspensos por determinação da Anac após uma indígenas. mas logo retornou à aldeia. 25/03/2013. FONTE: Cimi Regional Norte I. Hutukara Associação Yanomami. Em maio. 07/2013 não estavam liberados para a remoção. Voltou ao posto com LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Bonito desmaios e pedido de assistência médica. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 MORTE POR DESASSISTÊNCIA À SAÚDE 6 Casos – 7 Vítimas LOCAL DA OCORRÊNCIA: Maturacá AM 2 Casos – Vítimas: 3 Indígenas DESCRIÇÃO: O indígena fazia tratamento constante por conta de um 16/01/2013 acidente que sofreu quando menino. Após vários meses. por rádio. comunidade se queixa de que “falta tudo nos pólos-base”. Não havia na DESCRIÇÃO: A falta de soro antiofídico contribuiu para a morte da comunidade nenhum profissional de saúde. Também não existem para a maioria das aldeias localizadas nas terras indígenas médicos. agente indígena de saúde solicitou a remoção da paciente por radiofonia. Chegou a ser enviada ao pólo-base MUNICÍPIO: TOCANTINÓPOLIS Santa Inês.

Ainda de acordo com o Dsei/ (Dsei) Yanomami. para 124. para o período 693 mortes de crianças entre 0 e 5 anos. em 2013. registrados em 2013. separados por distritos de saúde. relativos No entanto. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 Mortalidade na infância C om base na Lei de Acesso à Informação (Lei 12. apontam um total de deste mesmo estado. de 5 anos no estado é de 45. de acordo com dados mais recentes do Dsei ao período de janeiro a novembro.527/2011). O número de casos saltou de 70. o Cimi obteve da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai). (IBGE). o coeficiente de mortalidade infantil de menores 2012. anos de 2012 e 2013. os dados relativos a óbitos de A tabela abaixo mostra o número de óbitos de crianças de 0 a 5 anos de idade. variando de acordo com cada região. Dados preliminares de 2013. Chama atenção o de janeiro a dezembro de 2013. em MS. Ruy Sposati A constatação de que de cada 100 indígenas que morrem no Brasil 40 são crianças evidencia uma política indigenista genocida Dsei Nº de casos* Dsei Nº de casos* Alagoas e Sergipe 5 Maranhão 44 Altamira 2 Mato Grosso do Sul 17 Alto Rio Juruá 32 Médio Rio Purus 9 Alto Rio Negro 14 Médio Rio Solimões e Afluentes 33 Alto Rio Purus 6 Minas e Espírito Santo 11 Alto Rio Solimões 85 Parintins 15 Amapá e Norte do Pará 11 Pernambuco 6 Araguaia 5 Porto Velho 11 Bahia 6 Potiguara 4 Ceará 12 Rio Tapajós 19 Cuiabá 8 Tocantins 22 Guamá-Tocantins 11 Vale do Javari 11 Interior Sul 17 Vilhena 16 Kaiapó do Mato Grosso 11 Xavante 67 Kaiapó do Pará 18 Xingu 1 Leste de Roraima 14 Yanomami 124 Litoral Sul 13 Total 693 Manaus 13 Fonte: FormSUS – CGMASI/Sesai * Dados preliminares relacionados a óbitos de crianças de 0 a 5 anos de idade ocorridos nos meses de janeiro a novembro de 2013 96 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 .9 para cada 1. Na tabela.000 indígenas Reportagens da BBC Brasil informam que a desnutrição nascidos. ocorreram 90 óbitos de aumento de mortes no Distrito Sanitário Especial Indígena crianças menores de 5 anos. enquanto a média nacional em 2013 é de 19. constam 17 casos de crianças com faixa etária entre 0 e 5 anos referente aos óbito de crianças de 0 a 5 anos no Mato Grosso do Sul.6. de abril de 2014. matou 419 crianças desde 2008 e que a cada 100 indígenas segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística mortos no Brasil 40 são crianças.

MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico FONTE: Cimi Regional Norte I. entre VÍTIMA: Recém Nascido 2009 e 2013. então. 02/2014 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . com a demora no atendimento. além de não haver TERRA INDÍGENA: APINAYÉ transporte para deslocar os doentes. Segundo informações. às 15h30 foi solicitado FONTE: Instituto Socioambiental. Em virtude da gravidade de seu estado sua remoção já havia sido solicitada. Em 2010. a MUNICÍPIO: BOM JARDIM concessionária Norte Energia S. a primeira licença ambiental de Belo Monte estipulava como uma das principais condicionantes POVO: AWÁ-GUAJÁ para a viabilidade da obra “a reestruturação do atendimento TERRA INDÍGENA: CARU à saúde indígena pelo Dsei na região de Altamira”. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 MORTALIDADE INFANTIL 5 Casos – 6 Vítimas AM 2 Casos – Vítimas: 2 Indígenas xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx 30/01/2013 VÍTIMA: Criança POVO: MATIS TERRA INDÍGENA: VALE DO JAVARI MUNICÍPIO: ATALAIA DO NORTE LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Aurélio DESCRIÇÃO: A criança estava internada há três semanas na Casai e. O quadro clínico se agravou e VÍTIMA: 2 Crianças a criança precisou ser encaminhada para Araguaína. O movimento indígena do Maranhão realizou 06/03/2013 um grande protesto em defesa da saúde. A vítima morreu devido a complicações do seu estado de saúde. TERRA INDÍGENA: TRINCHEIRA/BACAJÁ MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento emergencial MUNICÍPIO: ALTAMIRA FONTE: Lideranças do povo Apinajé. responsável por implemen- LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Tiracambu tar a usina. MUNICÍPIO: TOCANTINÓPOLIS tecimento dos medicamentos.CIMI 97 .A. A falta de atendimento nas aldeias fez 02/09/2013 saltar em 2. 31/01/2013 12/05/2013 VÍTIMA: Criança POVO: KULINA TERRA INDÍGENA: KULINA DO MÉDIO JURUÁ MUNICÍPIO: ATALAIA DO NORTE LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Campinas DESCRIÇÃO: A criança estava internada no hospital de Tabatinga. Porém. Ele foi. quando a criança já TO 1 Caso – Vítima: 1 Indígena havia falecido. Cimi Regional GO/TO. Depois de quatro dias de espera a família fretou um carro particular para 2013 levar a criança até o hospital. nem para fazer o abas. desnutrição infantil e diarreia aguda em crianças indígenas das aldeias afetadas pela MA 1 Caso – Vítima: 1 Indígena usina de Belo Monte. LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaGirassol MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico DESCRIÇÃO: A criança começou a sentir fortes dores no peito. Os indígenas denunciaram que há poucos médicos e não POVO: APINAJÉ há médico indígena para o atendimento. denunciando as VÍTIMA: João Alves Barbosa Apinajé violações e as mortes na saúde indígena em todo o estado. onde POVO: XIKRIM foi diagnosticada com uma pneumonia aguda e não resistiu. “os funcionários demoraram muito para levar a criança ao hospital”. MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento emergencial DESCRIÇÃO: Dados oficiais do Dsei de Altamira demonstram a situa- FONTE: Cimi Regional Norte I ção crítica dos índices de mortalidade. o FONTE: Cimi Secretariado Nacional e Cimi Regional Maranhão. 25/03/2013. segundo Gilson Mayoruna. 09/07/2013 ao pólo-base de Santa Inês o envio urgente de um veículo. que chegou somente mais de 3 horas depois. mas. ela não A implementação de ações bastante básicas evitaria a morte de milhares de vida anualmente resistiu. DESCRIÇÃO: Um recém-nascido faleceu por não haver atendente de MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e medicamentos saúde na aldeia. 04/09/2013 pai ligou para o pólo-base de Tocantinópolis e solicitou um carro para levá-la ao hospital.000% o número de atendimentos na cidade. informado de PA 1 Caso – Vítimas: 2 Indígenas que no polo só tinha um carro quebrado. não contratou empresa para executar as ações.

sendo que determinada por lei. MEIO EMPREGADO: Consumo de bebida alcoólica FONTE: Mulheres Tapuia. 17/01/2014 A discriminação e o ódio étnico sofridos pelos indígenas acentua o problema do alcoolismo e das drogas nas aldeias 98 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . a pedido do cacique Joel Poyanawa e DESCRIÇÃO: Adisseminação de bebida alcoólica em algumas áreas com o apoio da Funai. MEIO EMPREGADO: Tráfico de drogas e falta de fiscalização FONTE: Associação União das Aldeias Apinajé. entre diversos povos indígenas. de.Vítimas: 3. na terra indígena Poyanawa. vendem bebida alcoólica para os indígenas um indígena foi alvejado com 6 tiros por conta de uma dívida sem nenhuma restrição. Segundo o delegado. Cimi Regional GO/TO. que ficava próximo à escola. Os jovens e os adolescentes estavam ingerindo bebida alcoólica e participando de jogo de sinuca.215 Vítimas AC 1 Caso MT 1 Caso 2013 2013 VÍTIMA: Comunidade do AC VÍTIMA: Comunidades do MT POVO: POYANAWA POVOS: DIVERSOS TERRA INDÍGENA: POYANAWA TERRA INDÍGENA: VÁRIAS MUNICÍPIO: MÂNCIO LIMA MUNICÍPIO: COLÍDER DESCRIÇÃO: A Polícia Federal. apesar da proibição de saúde. A violência aumenta com o consumo. tráfico de drogas com históricos MEIO EMPREGADO: Consumo de bebida alcoólica e drogas de violência. apreendeu bebida na aldeia. Mesmo que tenhamos poucos registros. Foram relatadas ocorrências nos estados do Acre.02/2014 2013 VÍTIMA: Comunidade de TO POVO: APINAJÉ TERRA INDÍGENA: APINAYÉ MUNICÍPIO: TOCANTINÓPOLIS LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaGirassol DESCRIÇÃO: Um não índio casado com uma indígena e morador da aldeia é acusado pelas lideranças de estar envolvido no plantio e venda de maconha dentro da terra indígena. podemos afirmar que o consumo de drogas e álcool está disseminado Grosso e Tocantins. além da venda de bebida. jovens e adolescentes estavam deixando de estu- dar para frequentar o bar.215 Indígenas 08/08/2013 Arquivo Cimi VÍTIMA: Comunidade de GO POVO: TAPUIA TERRA INDÍGENA: CARRETÃO I MUNICÍPIO: RUBIATABA DESCRIÇÃO: Um bar que funcionava de forma ilegal dentro do território Tapuia constitui-se em foco de conflitos na aldeia. FONTE: Cenário/MT MEIO EMPREGADO: Consumo de bebida alcoólica e falta fiscalização FONTE: G1/AC. o que tem sido observado No estado do Acre. inclusive de homicídios. há denúncias não saldada com traficantes da região. 15/08/2013. Mato locais. a Polícia no atendimento de saúde. DISSEMINAÇÃO DE BEBIDA ALCOÓLICA E OUTRAS DROGAS 4 Casos – 3. A ação foi realizada a pedido do cacique da aldeia. assim como no convívio dos Federal aprendeu bebidas fornecidas por comerciantes missionários do Cimi nas aldeias. 09/08/2013 TO 2 Casos . Crianças. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 Disseminação de bebida alcoólica e outras drogas E m 2013 registramos 4 casos de disseminação de bebida alcoólica e outras drogas em comunidades indígenas. fornecida indígenas tem gerado o aumento da violência e de problemas por estabelecimentos comerciais que.

que se recusam a assistir às aulas. O levantamento sequer foi apresentado As comunidades indígenas reclamam da falta de infra. e as madeiras comprometidas. No Maranhão. De TERRA INDÍGENA: WASSU COCAL acordo com os professores. material escolar. VÍTIMA: Estudantes Quando estão na escola. 06/05/2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . genas do estado. lideranças indígenas reclamam que aula. A sala de aula fica FONTE: G1/AL. Mato Grosso (1). Mato Conduta (TAC) determinava o levantamento completo das Grosso do Sul (4). Pernambuco (1). Santa Catarina (2) e Tocantins (2). Tivemos registro de ocorrências nos estados de Alagoas (1). devido à falta de professores. construído pela própria comunidade com doações de terceiros. não há prédio escolar. DESCRIÇÃO: As crianças enfrentam dificuldades na escola em função MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura das péssimas condições da edificação. de No Rio Grande do Sul. O problema afeta o compor- POVO: WASSU COCAL tamento das crianças. assistem molhadas às aulas. pelos responsáveis. Conforme 2013 o pai de uma das crianças. Os estudantes utilizam um salão multiuso. um Termo de Ajustamento de Bahia (1). professores e outros profissionais explicita um total descaso com a educação indígena no Brasil DESASSISTÊNCIA NA ÁREA DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 22 Casos – 467 Vítimas AL 1 Caso alagada com as chuvas e goteiras. de merenda. Goiás (2). numa situação absurda e inaceitável. elas chegam molhadas em casa. merenda. comunidades indígenas que formação dos profissionais. Renato Santana A falta de infraestrutura. com risco de cair.CIMI 99 . Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 Desassistência na área de educação escolar indígena E m 2013 registramos 22 casos de desassistência na área da educação escolar indígena. de material escolar e didático. O telhado está quebrado. transporte. Amazonas (1). estruturas físicas das unidades escolares nas terras indí- Roraima (1). além da ausência de professores vivem em beira de estradas enfrentam sérias dificuldades e de escolas em algumas localidades. de transporte. estrutura. a falta de estrutura nas escolas da MUNICÍPIO: JOAQUIM GOMES comunidade é um problema que se arrasta há quase 10 anos. de salas de Em Mato Grosso. de material didático e até de merenda escolar. Rio Grande do Sul (2). Maranhão (4).

Segundo a secretária da POVO: HUPDÁ MAKU escola. além da falta de água. TERRA INDÍGENA: CARRETÃO I MEIO EMPREGADO: Falta de material didático. obrigando VÍTIMA: Estudantes os alunos a sentarem-se no chão. Professores Tapuia. sendo que dos quatro professores apenas dois são VÍTIMA: Professores formados com magistério indígena. já duram nove anos sem concurso público. professores e merenda MUNICÍPIO: NOVA AMÉRICA FONTE: G1/AM. correndo o risco de o TERRA INDÍGENA: ALTO RIO NEGRO teto desabar a qualquer momento. pela Seduc de Goiáis. Há também falta de formação 18/06/2013 docente. Além desses problemas. a estrutura física está caindo. POVO: TAPUIA não há merenda escolar. ficando a incerteza na contratação dos funcionários. Constantemente falta MUNICÍPIO: SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA merenda escolar. 27/01/2013 DESCRIÇÃO: Os contratos temporários dos professores e funcio- BA 1 Caso nários da educação do povo Tapuia. 10/02/2014. Falta material didático na língua do povo. além de pouco GO 2 Casos – Vítimas: 222 Indígenas material da rede de ensino. Faltam mesas e cadeiras nas salas de aula. LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Taracuá Igarapé MEIO EMPREGADO: Falta de escola FONTE: Cimi Regional Leste. POVO: PATAXÓ MEIO EMPREGADO: Falta de professor indígena e falta de consulta TERRA INDÍGENA: COROA VERMELHA FONTE: Cimi Regional Goiás Tocantins . 21/06/2013 Patrícia Bonilha O direito à uma educação diferenciada e que respeite a especificidade cultural e espiritual dos povos indígenas é uma realidade bastante distante 100 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . 12/03/2013 DESCRIÇÃO: A professora indígena Tereza Socot denuncia as dificul- dades enfrentadas pelos alunos para a preservação da língua. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 MUNICÍPIO: SANTA CRUZ CABRÁLIA AM 1 Caso DESCRIÇÃO: Os indígenas reclamam das péssimas condições da escola 2013 indígena. e a cada ano os 2013 professores renovam os contratos que são de duração de 6 VÍTIMA: Estudantes meses.

27/02/2013 VÍTIMA: Estudantes 2013 POVO: GAVIÃO VÍTIMA: Estudantes e população TERRA INDÍGENA: VÁRIAS POVO: GUARANI-KAIOWÁ MUNICÍPIO: AMARANTE TERRA INDÍGENA: DOURADOS DESCRIÇÃO: Em oito aldeias do município de Amarante a merenda MUNICÍPIO: DOURADOS escolar chega com atraso devido às péssimas condições das LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeias Jaguapiru e Bororó estradas. 28/03/2013 DESCRIÇÃO: Escolas indígenas recebem merenda vencida e diferen- ciada. MEIO EMPREGADO: Falta de formação. Itens da remessa de merenda escolar deixada na VÍTIMA: Estudantes pré-escola chegaram com prazo de validade vencido. segundo o coordenador da abandonar o ambiente porque passam mal. DESCRIÇÃO: As crianças estão estudando em salas de aula improvi- Não há nem cadeiras. os banheiros estão em péssimas condições e estado respondeu. DESCRIÇÃO: As estradas que dão acesso à escola dificultam a ida dos MEIO EMPREGADO: Falta de merenda escolar alunos para assistir às aulas pois quando chove ficam intran- FONTE: Rádio Agência Nacional.nº 195/2013 . que incluía o levantamento completo das estruturas físicas das unidades escolares existentes nas terras indígenas DESCRIÇÃO:O calendário específico e diferenciado da escola in- do estado do Maranhão. verduras ou feijão. que atende 15 aldeias e tinha. 23/04/2013. Sítio Grajaú de Fato. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 15/04/2013 TERRA INDÍGENA: VÁRIAS VÍTIMA: Comunidade MUNICÍPIO: SÃO LUÍS POVO: TAPUIA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Comunidades indígenas do Maranhão TERRA INDÍGENA: CARRETÃO I DESCRIÇÃO: O MPF/MA requereu da Secretaria de Educação o cum- MUNICÍPIO: RUBIATABA primento do Termo de Ajustamento de Conduta firmado em LOCAL DA OCORRÊNCIA: Escolados Tapuia 2012. 02/2014 estruturas físicas. 450 alunos. desrespeito à cultura em 2013.CIMI 101 . DESCRIÇÃO: A Secretaria de Educação do município fechou as salas MEIO EMPREGADO: Atentado contra a saúde pública de aula nas zonas rurais e áreas indígenas no final do mês FONTE: MPF . 25/10/2013 de agosto. das demais escolas da rede pública SETEMBRO/2013 municipal. que pode desabar POVO: GUARANI-KAIOWÁ a qualquer momento. No entanto. 18/10/2013 sitáveis. Na relação dos MUNICÍPIO: NIOAQUE alimentos não há frutas. A extinção do Núcleo Indígena. precisam nidade por um novo prédio mas. Não há a míni- escola. Muitos apelos já foram feitos pela comu- à chuva quanto ao forte calor e. 15/10/2013 VÍTIMA: Estudantes POVO: GUAJAJARA MS 4 Casos TERRA INDÍGENA: ARARIBÓIA 2013 MUNICÍPIO: AMARANTE VÍTIMA: Estudantes DESCRIÇÃO: O prédio da escola da comunidade. várias crianças abandonam as aulas mesmo antes do final MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura do ano escolar. e a regularização do fornecimento do dígena Cacique José Borges está sendo desrespeitado por material didático pedagógico e de apoio às atividades letivas funcionários da subsecretaria de educação de Rubiataba. o estado. essa extinção seria um retrocesso POVO: GUAJAJARA nas conquistas da educação indígena. ficando sujeitas tanto assistirem às aulas. e dos equipamentos necessários ao funcionamento de suas obrigando os professores a darem aulas durante os rituais instalações. O prazo para o cumprimento do requerimento fúnebres e festa tradicionais do povo. que não contemplou as Unidades Regionais de Ensino. Cimi Regional GO/TO. De POVO: TERENA acordo com as denúncias. 06/09/2013 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . ligado à Secretaria SETEMBRO/2013 Municipal de Educação. ninguém do município ou do ma estrutura. tornando impossível para os alunos sadas num antigo armazém de grãos. expirado esse prazo. 08/04/2013 MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura 18/10/2013 FONTE: Campo Grande News. põe em risco a segurança dos alunos TERRA INDÍGENA: DOURADOS e professores. Há 30 anos não é feita nenhuma reforma na MUNICÍPIO: DOURADOS edificação. sequer apresentou o levantamento integral das FONTE: Professores indígenas Tapuia. Pedro Carlos Guajajara. MUNICÍPIO: GRAJAÚ MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura LOCAL DA OCORRÊNCIA: ÁreaUrbana de Grajaú FONTE: Midiamaxnews. foi de 180 dias. VÍTIMA: Comunidades do MA MEIO EMPREGADO: Falta de escola POVO: DIVERSOS FONTE: Midiamaxnews. em piores condições. limitando-se a apresentar um relatório parcial. MA 4 Casos MEIO EMPREGADO: Descaso. falta de escola e de material escolar 2013 FONTE: MPF/ Procuradoria da República no Maranhão. FONTE: G1/MA. Segundo o Sindicato dos Tra- balhadores em Educação. Cerca de 100 indígenas fizeram um protesto em 2013 frente à prefeitura solicitando que as salas fossem reabertas. impede os indígenas de reivindicar VÍTIMA: Comunidade Escolar seus direitos à administração. em 2013. as crianças estão tendo diarreia TERRA INDÍGENA: NIOAQUE em função da alimentação fornecida à escola.Boletim de notícias . muitas vezes.

novamente. ausência de currículo intercultural. VÍTIMA: Comunidade do MT MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura POVO: CHIQUITANO FONTE: Carta-denúncia de lideranças e professores indígenas. com pagamentos atrasados e tendo que lidar com a total falta de estrutura das escolas 102 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . falta de professores indígenas. precarie- FONTE: Assessoria de Comunicação do MPF/MS. VÍTIMA: Estudantes colar construído pela Secretaria de Educação. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 2013 multiuso construído pela aldeia com doações da comunidade VÍTIMA: Estudantes civil para ministrar as aulas. 02/04/2013 TERRA INDÍGENA: CHIQUITANO RR 1 Caso MUNICÍPIO: PORTO ESPERIDIÃO LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Vila Nova Barcecho 18/11/2013 DESCRIÇÃO: As lideranças indígenas reclamam que não há prédio es. de materiais de ensino MUNICÍPIO: RECIFE e de limpeza. como a falta de MEIO EMPREGADO: Falta de material. Utilizam o salão POVOS: INGARIKÓ. descumpridos. TAUREPANG. TERRA INDÍGENA: YPO’I E TRIUNFO MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura e educação diferenciada MUNICÍPIO: PARANHOS FONTE: Cimi Regional Mato Grosso. Segundo o MPF. ausência de merenda TERRA INDÍGENA: VÁRIAS escolar. mas novos genas de Pernambuco ao Ministério Público denunciou as prazos eram estabelecidos e. O acordo. problemas no transporte. As lideranças afirmam que há negligência da Secretaria de MT 1 Caso Educação. 02/2014 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Acampamentos no MS DESCRIÇÃO: O MPF/MS ajuizou ação para o cumprimento de Termo PE 1 Caso de Ajustamento de Conduta firmado pela prefeitura de Para- nhos para melhoria da educação indígena nos acampamentos 2013 do município. dificuldades na educação escolar indígena. 19/11/2013 dade da estrutura física. O sistema de educação imposto POVO: GUARANI-KAIOWÁ pela Seduc agride seriamente a cultura indígena e contradiz toda a legislação que garante uma educação diferenciada. WAPIXANA Patrícia Bonilha Em todo o Brasil. firmado em março deste ano. foram inúmeras as tentativas DESCRIÇÃO: Carta endereçada pelas lideranças e professores indí- extrajudiciais de se tentar fazer cumprir o acordo. não VÍTIMA: 12 povos indígenas de PE foi integralmente executado pela prefeitura e as crianças POVO: DIVERSOS continuam enfrentando discriminação. professores indígenas atuam sem contratos. que não encaminha projeto às outras instâncias 2013 para que chegue à Assembleia Legislativa. professor e merenda contrato de professores.

Capítulo III
VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013

TERRA INDÍGENA: RAPOSA SERRA DO SOL que há risco de desmoronamento de partes do prédio. Se-
MUNICÍPIO: BOA VISTA gundo os indígenas, ao questionar a interrupção da obra à
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Comunidade de Maturuca
empreiteira, receberam a informação de que a empresa não
recebeu pagamento do estado.
DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal em Roraima recomendou
que a Secretaria Estadual de Educação implemente medidas MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura; descaso

administrativas e operacionais para a reforma da escola in- FONTE: Ministério Público Federal de Florianópolis, 03/07/2013

dígena José Alamano, dentro da comunidade Maturuca. A 2013
Secretaria teria 40 dias para informar ao MPF/RR acerca do
VÍTIMA: Comunidade de SC
cumprimento da recomendação e apresentar cronograma de
POVO: GUARANI
execução da obra. A escola foi inaugurada em 1996, nunca
foi reformada e, atualmente, apresenta precariedade em sua TERRA INDÍGENA: MASSIAMBU
estrutura física, de modo que tornou-se inviável o seu uso MUNICÍPIO: PALHOÇA
para lecionar. DESCRIÇÃO: AJustiça Federal da capital decidiu ação civil pública
MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura ajuizada pelo MPF, que requer a construção, aparelhamento
FONTE: Procuradoria Regional da República de Roraima, 18/11/2013 e adequado funcionamento de uma escola de ensino funda-
mental na terra indígena. A ação foi proposta depois que a
RS 2 Casos Funai informou que desde 2009 as aulas aconteciam em um
local improvisado, sem banheiros e com cozinha insalubre
2013 e inadequada para o preparo da merenda dos alunos. A Se-
VÍTIMA: Estudantes cretaria Estadual de Educação, responsável por pleitear as
POVO: KAINGANG verbas federais, construir a escola e disponibilizar professores
TERRA INDÍGENA: SANTA MARIA e equipamentos, apesar de insistentemente cobrada, não
tomou qualquer providência concreta durante anos.
MUNICÍPIO: SANTA MARIA
MEIO EMPREGADO: Falta de escola
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Kentyjug Tegu (Três Soitas)
FONTE: MPF/SC, 07/03/2014
DESCRIÇÃO: Segundo o cacique Natanael, professor indígena, a escola
não possui o mínimo necessário para seu funcionamento.
Não há luz, banheiros, nem saneamento básico. Não rece- TO 2 Casos – Vítimas: 245 Indígenas
bem material didático, nem recebem regularmente merenda 13/09/2013
escolar. Mesmo com o reconhecimento no Diário Oficial, a
VÍTIMA: Estudantes
escola não foi devidamente instalada.
POVOS: KARAJÁ, XERENTE
MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura
TERRA INDÍGENA: VÁRIAS
FONTE: www.revistaovies.com/RS, 01/04/2013
MUNICÍPIO: ARAGUAINA
2013
DESCRIÇÃO: Trinta estudantes indígenas dos povos Karajá de Xam-
VÍTIMA: Estudantes
bioá e Xerente ocuparam a sede da Funai em Araguaína por
POVO: GUARANI 17 dias, com o objetivo de resolver os problemas de infraes-
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Acampamentos indígenas em beira de estradas trutura da casa dos estudantes e o corte do fornecimento
DESCRIÇÃO: No Rio Grande do Sul, as comunidades indígenas das de água e energia, problemas que se arrastam por dois anos.
terras Lami, Irapuá, Capivari, Arroio Divisa, Petim e Passo O administrador da Funai negou-se a dialogar com os estu-
Grande, que vivem nas margens das rodovias aguardando dantes e, após 11 dias de mobilização, ameaçou entrar com
os procedimentos de demarcação de suas terras, enfrentam reintegração de posse do prédio. Os trabalhos da Funai neste
graves problemas com a educação escolar. Faltam profes- período foram suspensos.
sores, salas de aula, material didático, saneamento básico e MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura
merenda escolar. FONTE: Estudante indígena - Adriano Karajá de Xambioá, 28/11/2013; Cimi
MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura Regional GO/TO
FONTE: Cimi Regional Sul - Equipe Porto Alegre
ABRIL/2013
VÍTIMA: Professores
SC 2 Casos
POVO: TAPUIA
01/07/2013 TERRA INDÍGENA: CARRETÃO I
VÍTIMA: Comunidades de SC MUNICÍPIO: NOVA AMÉRICA
POVOS: GUARANI MBYA, GUARANI NHANDEVA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Universidade Federal de Goiânia (UFG)
TERRA INDÍGENA: M´BYGUAÇU DESCRIÇÃO: Os professores indígenas da escola José Borges foram
MUNICÍPIO: BIGUAÇU impedidos pela gerência da subsecretaria de educação escolar
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Wyynn Morati Whera de Rubiataba de participarem da especialização indígena que
DESCRIÇÃO: Em uma visita do Ministério Público Federal de Floria- aconteceu em Goiânia no mês de abril, promovida pela UFG.
nópolis/SC, foram verificadas várias irregularidades na sede A subsecretaria de educação alegou para a comunidade que
da escola, que está com as obras inacabadas há anos. A escola as aulas iam ser prejudicadas porque todos os professores
apresenta problemas de rachaduras nas paredes e calçadas, da escola são indígenas e todos iriam fazer a especialização
além de goteiras e infiltrações. Com todos esses problemas, ao mesmo tempo.
o cacique da aldeia foi obrigado a substituir por dois meses MEIO EMPREGADO: Desrespeito a normas federais de educação
as aulas regulares por atividades extra-classe ao ar livre, já FONTE: Professores Indígenas, 18/06/2013; Cimi Regional GO/TO, 02/2014

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO - CIMI 103

Capítulo III
VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013

Desassistência geral
E m 2013 foram registrados 39 casos de desassistência
geral nos estados do Acre, Amazonas, Maranhão, Mato
Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, Rio de Janeiro,
elétrica, indígenas sem acesso a benefícios do INSS, falta
de saneamento, etc.
Já no Rio Grande do Sul, o MPF constatou a precária
Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, situação dos indígenas, vivendo em barracos de madeira
São Paulo e Tocantins. ou de lona, expostos ao frio, a alagamentos e ao perigo
O estado do Paraná lidera com o maior número de de serem atropelados por caminhões, visto que ocupam
ocorrências, com 14 casos relatados. Os problemas foram acampamentos de beira de estradas.
denunciados pelo Ministério Público Federal do Paraná No Rio de Janeiro, indígenas expulsos do antigo Museu
(MPF-PR) que, em visitas de equipes técnicas às terras do Índio foram alojados em contêiners. Entre as dificul-
indígenas, identificou diversos problemas enfrentados pelas dades relatadas, estão as inundações frequentes no local,
comunidades, tais como falta de água potável, de energia falta de água potável, além de vazamentos nos banheiros.
Equipe Cimi MS

Comunidades indígenas que moram na beira das rodovias vivem sem acesso à água potável, energia elétrica, saneamento básico e acesso à educação e saúde

DESASSISTÊNCIA GERAL
39 Casos – 3.826 Vítimas
AC 1 Caso Jaminawá do município de Sena Madureira foram invadidas.
Ainda segundo o assessor, “os indígenas são obrigados a se
2013 deslocar para áreas alagadiças, na beira do rio. Com as chuvas,
VÍTIMA: Indígenas do Acre os rios enchem e expulsam as famílias dos pedaços de terra
POVO: JAMINAWÁ que sobraram e, então, elas vão para a cidade”.
MUNICÍPIO: RIOBRANCO MEIO EMPREGADO: Dificuldade de sobrevivência na aldeia

DESCRIÇÃO: Dezenas de famílias de Indígenas deslocam-se com FONTE: G1/AC, 02/04/2013
frequência para as ruas do centro de Rio Branco em função
da invasão de suas terras e das dificuldades de subsistência AM 2 Casos
em suas comunidades. Lideranças e órgãos responsáveis pela 04/07/2013
assistência aos índios atribuem a prática a fatores estruturais
VÍTIMA: Comunidades do AM
e destacam a invasão de terras por não indígenas como um
POVOS: VÁRIAS ETNIAS
dos motivos que levam os povos a abandonarem as aldeias.
Segundo Marcelo Jardim, assessor de indigenismo da Secre- TERRA INDÍGENA: VÁRIAS
taria de Desenvolvimento Social, grande parte das terras MUNICÍPIO: SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA

104 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013

Capítulo III
VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013

LOCAL DA OCORRÊNCIA: Comunidade Boa Esperança 2013
DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal no Amazonas recomen- VÍTIMA: Indígenas acampados
dou à Prefeitura Municipal de São Gabriel da Cachoeira o POVO: GUARANI-KAIOWÁ
isolamento da área onde atualmente existe um lixão a céu TERRA INDÍGENA: DOURADOS
aberto e a realização de estudos prévios para implantação de
MUNICÍPIO: DOURADOS
aterro sanitário em condições de funcionamento adequado
no município. A lixeira tem afetado diretamente as famílias DESCRIÇÃO: A maioria das famílias da reserva indígena de Dourados

de diversas etnias que vivem na comunidade indígena. vive em barracos de lona ou sapé, onde mães criam os filhos
Além do mau cheiro e dos parasitas atraídos pelo acúmulo em condições precárias. O frio e a fome são os desafios da
de lixo no local, as famílias indígenas sofrem com doenças comunidade. O fator preocupante é que nessas condições
contraídas nessa área. de vulnerabilidade há riscos à saúde de crianças e idosos,
principalmente nos períodos de chuva e frio. Conforme
MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral
depoimento da indígena Luciana Reginaldo, de 27 anos, que
FONTE: Ministério Público Federal - Procuradoria da República do Amazonas,
04/07/2013 sempre viveu em barracos de lona, os piores dias são os de
chuva: “A água entra e inunda tudo, molha comida e roupas”.
26/09/2013 MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral
VÍTIMA: Comunidade do AM FONTE: O Progresso; Douradosnews, 16/04/13
POVO: YANOMAMI
27/08/2013
TERRA INDÍGENA: YANOMAMI
VÍTIMA: Comunidade
MUNICÍPIO: BARCELOS
POVO: GUARANI-KAIOWÁ
DESCRIÇÃO: Cerca de 100 indígenas realizaram uma manifestação
TERRA INDÍGENA: DOURADOS
no município de Barcelos para exigir melhorias na saúde e
na educação, por inclusão em programas assistenciais do MUNICÍPIO: DOURADOS
governo e por infraestrutura nas aldeias, além de cobrarem as LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeias Bororó e Jaguapiru
demarcações de suas terras. Os indígenas também denunciam DESCRIÇÂO: Indígenas reclamam que não conseguem receber cestas
o possível fechamento da administração regional da Funai básicas distribuídas nas aldeias a cada dois meses pelo Minis-
na cidade e a saída do chefe de posto. tério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS)
MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral porque não têm documentos como CPF e RG. Os indígenas
FONTE: A Crítica, 26/09/2013 possuem o Registro Administrativo de Nascimento Indígena
(Rani) e ele não pode ser recusado na concessão de benefícios.
MA 1 Caso MEIO EMPREGADO: Falta alimentação; não reconhecimento docu-

2013 mento indígena
FONTE: G1/MS, 27/08/2013
VÍTIMA: Comunidade do MA
POVO: KRIKATI
04/09/2013
TERRA INDÍGENA: KRIKATI VÍTIMA: Comunidades do MS
MUNICÍPIO: MONTES ALTOS POVO: GUARANI-KAIOWÁ

LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaSão José MUNICÍPIO: CAMPO GRANDE
DESCRIÇÃO: A educação escolar indígena entre os Krikati não ocorre LOCAL DA OCORRÊNCIA:Bairros Tassila do Amaral e Água Bonita, na
em função das precárias condições de infraestrutura, falta região norte de Campo Grande
de transporte e de merenda. De acordo com o cacique, uma DESCRIÇÃO: Aproximadamente 100 famílias indígenas estão ocupando
criança já chegou a desmaiar de cansaço e fome. Segundo a uma área de cerca de cinco hectares. Elas consideram que o
direção da escola, não há previsão de quando haverá manti- local é uma extensão da Aldeia Urbana Água Bonita e que
mentos novamente na escola. Além disso, alguns professores todos estão ali há mais de 13 anos esperando a construção
estariam há mais de 90 dias sem receber salários. das casas populares prometidas pelo governo estadual.
MEIO EMPREGADO: Falta alimentação e assistência à educação escolar MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura e omissão
FONTE: G1, 25/11/23013 FONTE: Campo Grande News, 06/09/2013

MS 4 Casos – Vítimas: 1.500 Indígenas MT 2 Casos – Vítimas: 80 Indígenas
2013 2013
VÍTIMA: Comunidades do MS VÍTIMA: Comunidades
POVO: GUARANI-KAIOWÁ
POVO: AWETI, KALAPALO, KAMAYURÁ, KUIKURO, MEHINAKU,
TERRA INDÍGENA: DOURADOS WAURÁ
MUNICÍPIO: DOURADOS TERRA INDÍGENA: VÁRIAS
LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeias Jaguapiru e Bororó MUNICÍPIO: GAÚCHA DO NORTE
DESCRIÇÃO: As aldeias recebem água potável de forma esporádica. DESCRIÇÃO: Segundo denúncias de lideranças indígenas, a casa de
Como a maioria não possui caixa d´água para armazena- acolhida, localizada no município de Gaúcha do Norte, não
mento, os indígenas são obrigados a recorrer ao açude São tem infraestrutura para atender os indígenas que buscam
Luciano, onde a água é contaminada, provocando toda sorte tratamento de doenças ou outras atividades. Segundo de-
de doenças. núncias, eles passam até fome no local. O espaço é um imóvel
MEIO EMPREGADO: Falta de água potável alugado pela prefeitura, mas está totalmente deteriorado e
FONTE: Midiamaxnews, 21/03/2013 sem qualquer condição de abrigar os indígenas. A prefeitu-

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO - CIMI 105

Seduc para levar a merenda à aldeia. negação de alimento. segundo informações. nem à saúde. Denunciaram também que aos alunos é ne- consórcio construtor. onde são discriminados nos postos de saúde. MEIO EMPREGADO: Falta de assistência. para VÍTIMA: Comunidade do MT garantir sua sobrevivência e a reprodução de sua cultura. XIPÁYA TERRA INDÍGENA: TEKOHA PORÃ TERRA INDÍGENA: XINGU MUNICÍPIO: TERRA ROXA MUNICÍPIO: ALTAMIRA DESCRIÇÃO: Os indígenas denunciaram aos representantes do Mi- DESCRIÇÃO: Os nove povos indígenas afetados pelo complexo hi- nistério Público Federal/PR. KARARAHÔ. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 ra tem a seu dispor cerca de R$ 200 mil para aplicação em aterro sanitário. segundo a vereadora Maria Ivone passado distante. MUNICÍPIO: TERRA ROXA foram verificadas a falta de condições básicas de sobrevivên. No âmbito da assistência em saúde sofrem porque não há na região um polo base. Com a expansão 2013 do agronegócio. ficam sem se alimentar e de proteção das terras indígenas afetadas pela hidrelétrica muitos chegam em casa passando mal. São MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral sempre os últimos a seem atendidos e não têm respeitado o FONTE: Cimi Regional Mato Grosso. o agendamento é demorado e. nos municípios de Guaíra e Terra Roxa. não se conhecem os motivos pelos quais a prefeitura os indígenas são acusados pelos setores dominantes locais municipal não utiliza o benefício. MEIO EMPREGADO: Falta de repasse de verba Com a frente de expansão da década de 1950. 20/03/2013 expulsos e migraram para outras regiões. 07/06/2013 POVO: AVÁ-GUARANI MUNICÍPIO: GUAÍRA 2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: 13ocupações de áreas urbanas e rurais VÍTIMA: Comunidade do PR DESCRIÇÃO: Segundo a Associação dos Geógrafos Brasileiros-seção TERRA INDÍGENA: TEKOHA NHEMBOETE Marechal Cândido Rondon. eles foram FONTE: O Documento. Mui- limítrofe de um etnocídio”. As crianças indígenas são discriminadas contratada pela Sesai. medidas que não foram enfrentado pela comunidade refere-se ao recebimento de cumpridas pelos responsáveis pelo empreendimento “sub. como forma de castigo. obrigando-os a se consultar escola que pagar com seus próprios recursos. e nem transporte da não comerem a merenda. Segundo o MPF. Embora estivessem presentes na região desde favor dos indígenas mas. benefícios do INSS. Também não há uma estrutura nas escolas. Há bloqueio constante de cartões FONTE: MPF/PA. o atendimento não chega à aldeia. em aldeia. MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral. A saúde estadual efetuou convênio com a Secretaria de Saúde do município. Justiça com ação referente ao descumprimento das medidas que já saem de casa muito cedo. problemas relativos à falta de água tratada e ausência função do não cumprimento das condicionantes impostas ao de rede elétrica. de medicamento e infraestrutura. ARAWETÉ. elétrica. PARAKANÃ. embora receba os formulários. Em duas ocupações urbanas As famílias indígenas não possuem água potável e pegam em Guaíra. DESCRIÇÃO: Segundo relato da equipe do Ministério Público Federal/ cia dos Avá-Guarani. esquece de lançar. POVO: CHIQUITANO MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral e preconceito TERRA INDÍGENA: CHIQUITANO FONTE: Associação de Geógrafos Brasileiros . muitos indígenas estão retornando para seu antigo território. tendo o diretor da carros e estrutura suficientes. não há médicos. 28/06/2013 2013 2013 VÍTIMA: Comunidades do PA VÍTIMA: Comunidade do PR POVOS: ARARA. 02/2014 direito de atendimento diferenciado na área da saúde. JURUNA. XIKRIM. POVO: GUARANI KURUAYA. na cidade. Não foi construí. 19/04/2013 porque. que efetuavam visita técnica à drelétrico de Belo Monte estão submetidos ao abandono. negação de alimento VÍTIMA: Comunidades FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. Não 106 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Os alunos. Há casos em que a data de nascimento metem hoje os povos indígenas do Médio Xingu à situação está errada e o indígena não consegue aposentadoria. conforme sítios arqueológicos demonstram. Não há energia elétrica. de serem paraguaios que estão invadindo terras do Brasil. MUNICÍPIO: DIAMANTE D’OESTE do poço artesiano e nem o sistema de distribuição de água LOCAL DA OCORRÊNCIA: Tekoha Itamará pactuado em audiência de conciliação. Outro grave problema de Belo Monte. ASURINI. Morena. tas indígenas não conseguem salário-maternidade por não MEIO EMPREGADO: Não cumprimento de condicionantes terem documentos civis. TERRA INDÍGENA: TEKOHÁ ANETETE porém. O Ministério Público Federal entrou na gada a merenda escolar. energia PR que visitou a aldeia foram detectados graves problemas. escola. muitas vezes. chegando a ser trancadas nas salas de aula para adequada para ministrar as aulas. 13/03/2013 MUNICÍPIO: PORTO ESPERIDIÃO 28/06/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: Aldeia Vila Nova Barbecho VÍTIMA: Comunidades do PR DESCRIÇÃO: A comunidade indígena reclama da falta de atendimento POVO: AVÁ-GUARANI médico. PA 1 Caso FONTE: Cimi Regional Sul. Não há acesso à água potável. em visita às famílias indígenas. homologada por DESCRIÇÃO: Os caciques e lideranças reunidos em assembleia rela- sentença na Justiça Federal de Cáceres porque o fazendeiro tam a falta de regularização das terras e a falta de acesso ao descumpriu a sentença e ameaçou funcionários da empresa direito à educação. 15/03/2013 o problema não é resolvido. Cândido Rondon.Seção Mal. as famílias estão instaladas próximas ao lixão e água em uma mina distante. o cadastrador. Apesar das reclamações a PR 14 Casos – Vítimas: 1.439 Indígenas quem de direito.

principalmente nas crianças e idosos. A prefeitura alega que por ser área não demarcada às aldeias da região foram constatados diversos problemas não pode entregar os materiais. ral que visitou a aldeia identificou graves problemas pelos MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral quais passa a comunidade. DESCRIÇÃO: Relato da equipe técnica do Ministério Público Fede- inclusive da prefeitura. impedindo a passagem de pedestres e veículos. Não há água potável. Na VÍTIMA: Comunidade do PR casa de reza . Os alunos Roberto Liebgott Vivendo em barracos de lona ou madeira. as famílias indígenas estão expostas ao frio. nem paredes . 05/06/2013 tectou graves problemas na aldeia: não há água potável e a que eles utilizam é contaminada pelo uso de agrotóxicos e 06/06/2013 pela criação de gado.CIMI 107 . não têm aposentadoria e nem salário maternidade por falta de documentos civis. nem transporte para as crianças fre. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 há agentes de saúde. precisam andar cerca VÍTIMA: Comunidade do PR de oito km. etc. 07/06/2013 aldeias. 2013 quentarem a escola e. em uma situação de extrema vulnerabilidade CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . nem DESCRIÇÃO: Conforme relatório apresentado pelo MPF/PR em visita merenda. porém nem sempre são atendidos.é POVO: GUARANI onde. quando chove. assim como faltam medicamentos. nem escola 2013 no local para ensinar a língua Guarani para as crianças. Não recebem MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral cestas básicas de forma regular e elas não são entregues nas FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. mentos civis que eles têm dificuldade em obter. porém não recebem material escolar. Os jovens têm dificuldade de conseguir emprego POVO: GUARANI formal ou informal. 07/06/2013 consomem é barrenta e provoca doenças. as crianças assistem aula TERRA INDÍGENA: TEKOHA PORÃ de um professor indígena. Eles não recebem benefícios como aposen- que frequentam o ensino regular da escola municipal sofrem tadoria.que não tem contrapiso. quando o clima permite. Não há agentes de saúde e para MUNICÍPIO: TERRA ROXA atendimentos urgentes chamam uma ambulância. móveis e alimentos. inundações e diversas violências.. Outro grave problema foi a situação TERRA INDÍGENA: TEKOHA DJU MIRIM causada pelo proprietário vizinho à aldeia que se utiliza das terras tombadas para a criação de gado e bloqueou o acesso MUNICÍPIO: GUAÍRA à aldeia. As crianças na comunidade. Não recebem POVO: GUARANI benefícios do INSS. salário maternidade. nem agentes VÍTIMA: Comunidade do PR de saúde. TERRA INDÍGENA: TEKOHA MARANGATU há uma improvisada com professor da língua Guarani para MUNICÍPIO: GUAÍRA crianças e adultos. a que eles FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. Quanto à escola. os indígenas precisam retirá-las na cidade. pois o INSS exige docu- com a falta de merenda escolar. às chuvas. LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaTekoa Pohã Renda MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral DESCRIÇÃO: Visitade equipe do Ministério Público Federal/PR de- FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. Não há energia elétrica. Não há energia elétrica.

Não há 05/06/2013 coleta de lixo e nem esgoto. nem medicamentos. não há saneamento básico. Quatro aposentadoria. TERRA INDÍGENA: TEKOHA KARUMBEY visto que já sofreram roubos na aldeia. estrada para Dr. faltam muito e rodovia BR-272 as famílias são ameaçadas de perder o auxílio Bolsa-Família. 05/06/2013 Não há agentes de saúde e a vacinação das crianças está atrasada. 04/06/2013 Informaram. a comunidade praticamente LOCAL DA OCORRÊNCIA: Jardim Zeballos. o Ministério Público Federal cons- tatou que a água que abastece a aldeia vem de uma mina MUNICÍPIO: GUAÍRA e é insuficiente para toda a comunidade. que ficam sem lanche. FONTE: Relatório do Ministério Público Federal. Há relatos de castigos aos elétrica. tais como: escola à segurança. sem indígenas. Oliveira Castro não pode utilizar energia elétrica. o que provoca doenças principalmente nas MUNICÍPIO: GUAÍRA crianças. o que provoca doenças principalmente nas crianças. nem água potável. Não há energia elétrica. foi constatada água de má qualida- POVO: GUARANI de. porém recebem transporte LOCAL DA OCORRÊNCIA:Tekohá Tajy Poty . 06/06/2013 DESCRIÇÃO: Conforme relatório apresentado pelo Ministério Pú- blico Federal/PR. No referente ao recebimento de cestas básicas. Não há escola. etc. Não há energia devido a insuficiência de vagas. As crianças estudantes indígenas. relatam descaso das polícias civil e militar com estrutura precária. margens da apenas quando não chove. A água de poço que utilizam é de TERRA INDÍGENA: TEKOHA PORÃ má qualidade. Na aldeia. Com relação aldeia. em visita às aldeias. pois os indígenas não têm condições financeiras para arcar com as contas. Não há coleta de LOCAL DA OCORRÊNCIA: Tekohá Taturi lixo e poucas casas recebem energia elétrica pois falta a DESCRIÇÃO: Conforme relato de visita técnica realizada pelo Minis- emissão de documentos civis. Não recebem visita de 108 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 .Flor do Ipê. banheiros. foi 04/06/2013 constatada a inexistência de qualquer sistema de saneamento VÍTIMA: Comunidades do PR básico. Não há escola na aldeia e DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal/PR. sem paredes laterais. em português como para entender o que estão lhes per- MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral. Não há assistência médica. sendo que a água fornecida pela Sanepar tem um POVO: GUARANI custo de manutenção que inviabiliza que todos tenham acesso à água tratada. coberta com e denunciam ameaças de pessoas que fixam residência palha e sem local adequado para as crianças. tanto para falar e há uma campanha para que não se contratem os índios. 06/06/2013 conseguiram os benefícios. Outra dificuldade que cidade e encontram grande dificuldade de adaptação. Com referência à frequência tério Público Federal. 04/06/2013 casas possuem energia elétrica. em visita realizada às aldeias da região. Denunciam a falta de segurança. TERRA INDÍGENA: TEKOHA JEY MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral MUNICÍPIO: GUAÍRA FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. o que teria precisam ir até a cidade para estudar. As crianças precisam se deslocar para a cidade MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral para estudar. em visita técnica à as crianças precisam se deslocar até a cidade. aos indígenas. os alimentos da em áreas limítrofes com a ocupada atualmente pelos escola são guardados sobre uma mesa da casa de “reza”. impróprias dificuldades de continuar o ensino fundamental na cidade. ainda que sofrem preconceito por parte das VÍTIMA: Comunidade do PR empresas da região e não conseguem trabalhar nem mesmo POVO: GUARANI como diaristas/boias-frias. Com relação ao fornecimento VÍTIMA: Comunidade do PR de água. As famílias observou que ocorrem ameaças por parte de um fazendeiro que recebem cestas básicas têm dificuldade para buscá-las. Por conta disso. salário-maternidade. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 que precisam cursar a partir da 5a. nas entrevistas com o INSS. 06/06/013 POVO: GUARANI 05/06/2013 TERRA INDÍGENA: TEKOHA ARAGUAJU VÍTIMA: Comunidade do PR MUNICÍPIO: TERRA ROXA POVO: GUARANI DESCRIÇÃO: Em visita à aldeia. Por causa do preço. nem professor indígena. Os indígenas têm indígenas foram demitidos de duas cooperativas da região dificuldade. cuidados com o armazenamento e sujeitos à contaminação MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral por conta da exposição ao ambiente externo. à escola.série se deslocam para a ocasionado desmaios na escola. pois enfrentam é o não recebimento de benefícios sociais como sofrem com o preconceito da sociedade envolvente. 04/06/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: VilaEletrosul. DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal. contaminada com veneno usado nas lavouras ao redor. MUNICÍPIO: GUAÍRA MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. há uma caixa d’água no meio da aldeia que é in- POVO: GUARANI suficiente para abastecer toda a comunidade. da prefeitura. estão há 6 meses sem receber. Fazenda Mate Laranjeira 06/06/2013 DESCRIÇÃO: Conforme relato do Ministério Público Federal em VÍTIMA: Comunidade do PR visita realizada à aldeia. para o consumo. Apenas sete FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. constatou uma série de problemas. Estas MUNICÍPIO: TERRA ROXA frequentam a escola municipal. os alunos são atendidos até a 4a série e encontram A comunidade utiliza água da mina e do rio. Não possuem caixa d’água. 06/06/2013 MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral VÍTIMA: Comunidade do PR FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. preconceito guntando e saem das entrevistas sem entender porque não FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. nem pois precisam andar mais de duas horas para recebê-las. foram observadas várias irregularidades.

Não têm acesso DESCRIÇÃO: Os índios denunciam que após a retirada dos arrozeiros à coleta de lixo. foram constatadas várias irregularidades 2013 no local. além os ruídos de um gerador que fica ligado 24 horas por dia. há muita Nas suas palavras. WAPIXANA LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiaMaracanã TERRA INDÍGENA: RAPOSA SERRA DO SOL DESCRIÇÃO: Os índios de diversas etnias que foram expulsos do MUNICÍPIO: UIRAMUTÃ antigo prédio do Museu do Índio. A prefeitura se nega POVOS: KUJUBIM. tem necessidade de serviços de saúde. Os fazendeiros se recusam a empregá-los por MUNICÍPIO: COSTA MARQUES serem índios. Como não têm área para plantar. onde residiam. Kwazá e Kujubim reclamam da MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral. Não conseguem emprego nem como dia. vazamentos nos banheiros. município para cobrar apoio para o desenvolvimento da em Jacarepaguá. KWAZÁ. 22/05/2013 TERRA INDÍGENA: CAPIVARI CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . dificuldade de reposição de botijão de gás. Alegam que de água filtrada. “há indícios de que a dignidade dos ausência do prefeito no município. Desse modo. 17/04/2013 ABRIL/2013 VÍTIMA: Indígenas do RJ 12/11/2013 POVO: DIVERSOS VÍTIMA: Comunidades de RR MUNICÍPIO: RIO DE JANEIRO POVOS: MAKUXI. lios e pertences pessoais. batata. apoio do governo estadual para a construção e manutenção MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral de escolas e postos de saúde. também. sua cultura. PATAMONA. TERRA INDÍGENA: ACAMPAMENTO TEKOHA Y’ HOVY MEIO EMPREGADO: Desassistência MUNICÍPIO: GUAÍRA FONTE: Cimi Regional Rondônia LOCAL DA OCORRÊNCIA: Bosque do Jacaré DESCRIÇÃO: Conforme relato de visita técnica realizada pelo Ministé- RR 2 Casos rio Público Federal. que FONTE: G1/RR. VÍTIMA: Comunidade MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura. RJ 1 Caso – Vítimas: 18 Indígenas MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral. desalojamento POVO: GUARANI FONTE: Agência Brasil. bem como não estão recebendo MEIO EMPREGADO: Falta de apoio à produção agrícola e assistência alimentação adequada às suas necessidades e. o que. TAUREPANG. “a cultura é uma única coisa que sobrou dificuldade de escoar produtos. UOL. o governo estadual deixou de fazer a ma- ristas. Um acordo teria sido feito com o MPF para exigir VÍTIMA: Comunidade do PR do governo do estado a implementação desta identificação. DESCRIÇÃO: Indígenas Puruborá. vivem RO 1 Caso das cestas básicas fornecidas pela Funai. POVO: GUARANI mas não houve avanço da iniciativa.CIMI 109 . A falta de saneamento básico FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. para outras comunidades. Uma das grandes preocupações batida esburacadas e pontes de madeira precárias que põem em da cacique Paulina é com a regularização da terra para que risco a vida dos moradores e dificultam o socorro para quem possam exercer seu modo de vida. a cerca de 30 km do 07/05/2013 centro. falta reclamam da falta de recursos para trabalhar. infra-estrutura FONTE: Sítio ABC. tem gerado constran- gimento e discriminação por parte de alguns setores da 05/06/2013 sociedade. da e à educação. seus rituais. algum secretário ou representante para atender as solicita- uma vez que vários deles estão sem acesso aos seus utensí. 05/06/2013 de identificação. milho para nós. da área indígena. Há uma escola na aldeia. foram DESCRIÇÃO: Cerca de 100 indígenas ocuparam a prefeitura do alojados em contêineres. A área está em litígio e banana. 13/11/2013 a estrutura do alojamento provisório não vem oferecendo condições mínimas de moradia”. ções das comunidades. o resto já foi tirado de nós”. preconceito falta de identificação do nome do povo em seus documentos FONTE: Relatório do Ministério Público Federal/PR. como diarreia e vômito. Outro problema enfrentado pelos índios é a 8a Vara Federal Cível. 19/04/2013. PURUBORÁ a cadastrá-los e se recusa a fornecer cestas para ajudar na alimentação. tal a precariedade da construção. eles reclamam que são poucas as pessoas que vão até o local. Na sede raramente há índios não está sendo preservada. Aproximadamente 30 indígenas foram demitidos por nutenção das vias que cortam a região. São estradas de terra conta da disputa pela terra. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 agentes de saúde. De acordo relatadas constavam as inundações frequentes por causa com o Tuxaua Amarildo Mota. 05/06/2013 provoca problemas de saúde. Eles não têm caixa d’água e utilizam o antigo sistema VÍTIMA: Comunidade de RR Eletrosul. falta de foi recorrida. porém as crianças MUNICÍPIO: NORMANDIA não possuem material e as aulas dependem das condições LOCAL DA OCORRÊNCIA: Cumanã climáticas. ainda. Há. Entre as dificuldades agricultura e transparência nas contas públicas. Os indígenas levam mais e embora tenha sido determinada a reintegração a decisão de quatro horas para percorrer 60 km. para comprar o artesanato produzido. conforme determinado. que atingem principalmente idosos e crianças. RS 4 Casos – Vítimas: 519 Indígenas vivência com a venda de artesanato. dos problemas referentes à precariedade na atenção à saúde Segundo o juiz federal Renato Cesar Pessanha de Souza. 76 comunidades do município das chuvas. As casas não possuem POVO: INGARIKÓ energia elétrica por falta de documentação e têm dificuldade TERRA INDÍGENA: RAPOSA SERRA DO SOL no acesso ao INSS para a concessão de aposentadoria e de outros benefícios. Por garantirem sua sobre. zona oeste da cidade. segundo eles. infiltrações e não há transporte para ajudar nos serviços agrícolas. como mandioca. que não atinge toda a aldeia. embaixo de uma lona plástica.

expostos ao frio. Júlio Carlos Schwonke de potável encanada.7100 que “as medidas requeridas na presente POVO(S): GUARANI NHANDEVA. a alagamentos e ao perigo dos caminhões que transitam pela 2013 via. fontes. foram constatados vários problemas.404. localizado no km 60 da RS-040.presença de 2013 coliformes fecais . falta de assistência sanitária MUNICÍPIO: TENENTE PORTELA FONTE: Ministério Público Federal/RS. ao POVO: GUARANI-KAINGANG bem-estar e à dignidade das populações indígenas. VÍTIMA: COMUNIDADES 47. Charrua. os indígenas LOCAL DA OCORRÊNCIA: Acampamento Guarani Rio Capivari bloquearam dois pontos da ERS-330. as condições do acampamento são as mais reserva. Em visita do MPF/RS. por meio de Castro. Tais medidas são necessárias e têm caráter DESCRIÇÃO:O Ministério Público Federal no Rio Grande do Rio emergencial. ocasionando graves prejuízos à saúde. 15/05/2013 nidades indígenas. ao menos. do PR/RS. Constant do Sul para que procedam às medidas necessárias MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral para resolver o abastecimento de água potável nas comu- FONTE: Procuradoria da República do RS. Getúlio Vargas. Pedem também melhorias nas estradas dentro da o que constatou. Erebango e Benjamim omissão da União já dura. é contaminada e tem causado problemas de saúde. por causa do lixo que se mistura rani Rio Capivari. TERRA INDÍGENA: GUARITA MEIO EMPREGADO: Água contaminada.quanto na quantidade disponibilizada VÍTIMA: Comunidades do RS nas comunidades. impedin- carentes dentre todos os que estão no âmbito de atribuição do a passagem de ambulâncias para socorrer índios doentes. à sujeira. visitou a comunidade que vive no acampamento Gua. tanto na qualidade da água . pois a que eles têm acesso.2012. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 MUNICÍPIO: CAPIVARI DO SUL DESCRIÇÃO: Em função das precárias condições de vida. os Awá Guajá sentem na pele as adversidades da cultura e do modo de viver das sociedades envolventes 110 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . 02/07/2013 Madalena Borges Povo de recente contato. O MPF ressalta no texto da ação civil pública 5039462. Eles reivindicaram água DESCRIÇÃO: O procurador do MPF/RS. KAINGANG ação não excluem tampouco substituem a obrigação da TERRA INDÍGENA: VENTARRA União em demarcar a área tradicional correspondente a MUNICÍPIO: CACIQUE DOBLE essa comunidade. 40 anos”. Não dispõe de nenhuma infraestrutura como posto MEIO EMPREGADO: Falta de água potável de saúde. nem escola para as crianças. Conforme ao líquido. principalmente em crianças. tendo em vista que os indígenas da comunidade expediu recomendação à Sesai e aos municípios de Caci- estão vivendo em situação de extrema vulnerabilidade e a que Doble. 04/07/2013 barracos de madeira ou de lona. Estão instalados em FONTE: G1/RS. pois quando chove elas ficam intransitáveis.

suspeita de trabalho em más condições em propriedades colocando em risco a vida dos alunos. onde realizavam trabalho MEIO EMPREGADO: Falta de assistência geral de colheita de uva. 02/2014 realizado por uma auxiliar de enfermagem e não há previsão 22/05/2013 de contratação de médicos. enquanto durasse o processo de demarcação da Terra Avá-Canoeiro. Embora o Ministério Público Federal FONTE: Procuradoria Regional da República em Chapecó. em visita das cestas. Nas unidades de saúde da aldeia o atendimento é FONTE: Lideranças Avá-Canoeiro.CIMI 111 . más condições de trabalho TERRA INDÍGENA: PANKARARU FONTE: Clic RBS. nem colchões. para que sejam fornecidas cestas básicas a 27 famílias MEIO EMPREGADO: Trabalho escravo indígenas da etnia Guarani. Um dos argumentos é que os Guarani estão assentados provisoriamente na terra Toldo Chimbangue e essa condição impossibilita a agricultura de TO 2 Casos – Vítimas: 237 Indígenas subsistência em razão da ausência de áreas destinadas a essa MARÇO/2013 finalidade. Constatou-se ainda carência de VÍTIMA: Comunidade de TO diversos medicamentos e de materiais curativos. em visita DESCRIÇÃO: MEIO EMPREGADO: Água poluída às comunidades indígenas. Mas há notícias de atrasos na entrega DESCRIÇÃO:A Procuradoria da República em Chapecó. havia gêneros alimentícios TERRA INDÍGENA: NONOAI com prazo de validade vencido. Funai. a Sesai nunca tomou MUNICÍPIO: IPUAÇU providências para resolver o problema. 22/11/2013 não tenha constatado condições de trabalho análogas à de escravidão. 22/11/2013 MUNICÍPIO: NOVA AMÉRICA LOCAL DA OCORRÊNCIA: Comunidade da Gleba II 11/11/2013 DESCRIÇÃO: Há sete anos o povo Tapuia reivindica à Sesai a perfura- VÍTIMA: Comunidade de SC ção de um poço artesiano para a Gleba II para atender a três POVO: KAINGANG famílias que residem nessa região. Capítulo III VIOLÊNCIA POR OMISSÃO DO PODER PÚBLICO – DADOS 2013 2013 Encontrou problemas nas áreas de saúde e infraestrutura. desconfortável e inadequado. 14/5/2013 MUNICÍPIO: FORMOSO DO ARAGUAIA 11/11/2013 LOCAL DA OCORRÊNCIA: AldeiasCanoanã. irregularidades. Segundo a delegada. Os DESCRIÇÃO: Um grupo indígena foi conduzido à delegacia sob ônibus do transporte escolar estão em péssimas condições. As cestas deveriam ser entregues mensalmente. A ali- mentação dos alunos é deficiente. realiza 13/5/2013 pela construtora OAS. 11/06/2013. o que torna o acesso à alimentação dependente VÍTIMA: Famílias da atuação dos órgãos públicos. com o agra. Boto Velho VÍTIMA: Comunidade de SC DESCRIÇÃO: Ao receberam da Funai as cestas básicas de alimentação. constatou várias irregularidades FONTE: Lideranças do povo Tapuia. Na VÍTIMA: Homens e adolescentes escola Cacique Vannkre. pois a água consumida é a TERRA INDÍGENA: XAPECÓ mesma que o gado bebe. havia seis indígenas. dormiam na cozinha do alojamento ou embaixo de escadas. As condições eram TERRA INDÍGENA: VÁRIAS degradantes. constataram as péssimas condições POVO: GUARANI de conservação. das quais se destacam a insuficiência e o baixo valor nutricional da merenda na Escola de Ensino Fun. No entanto. POVO: KAINGANG os indígenas constataram que os alimentos estavam vencidos TERRA INDÍGENA: TOLDO CHIMBANGUE e estragados. higiene e de limpeza das instalações. Constatou-se ainda a carên- MUNICÍPIO: FLORES DA CUNHA cia de diversos medicamentos e de materiais curativos. Os indígenas VÍTIMA: Homens não teriam vínculo trabalhista. Conforme denúncia VÍTIMA: Comunidades de SC do Sindicato em Construção Civil ao Ministério do Trabalho. MEIO EMPREGADO: Falta de alimentação damental. A Funai alega não ter recursos financeiros e soli- às comunidades indígenas. de agricultores de Nova Pádua. por falta de espaço. 25/09/2013 regularmente os alimentos. POVO: AVÁ-CANOEIRO MEIO EMPREGADO: Falta de alimentação TERRA INDÍGENA: AVÁ-CANOEIRO FONTE: Procuradoria da República de Santa Catarina – MPF. além das POVO: TAPUIA condições precárias no consultório odontológico. verificou que acontecem várias citou à Conab que as entregue aos indígenas. 02/2014 CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . 13/12/2013 MUNICÍPIO: GUARULHOS DESCRIÇÃO: Entre os trabalhadores aliciados nos estados do Nordeste. o local era sujo. as casas a que foram destinados não possuíam MUNICÍPIO: CHAPECÓ móveis. Além das péssimas instalações.fazendo com que muitos dormissem DESCRIÇÃO: O Ministério Público Federal de Santa Catarina obteve no chão. verificaram o péssimo ambiente onde por três SP 1 Caso – Vítimas: 6 Indígenas dias da semana os indígenas dormiam. foi identificado o sentença favorável na ação civil pública contra a União e a tráfico de pessoas e a servidão por dívidas. A Procuradoria da República em Chapecó. POVO: GUARANI muitos contratados. Cimi Regional GO/TO. 2013 vante da presença de três menores de idade. SC 3 Casos – Vítimas: 27 Indígenas para trabalhar na ampliação do aeroporto de Guarulhos. Cimi Regional GO/TO. 03/2013.MPF. TERRA INDÍGENA: CARRETÃO II MEIO EMPREGADO: Falta de atendimento médico e medicamentos FONTE: Procuradoria da República em Chapecó – MPF. POVO: PANKARARU MEIO EMPREGADO: Falta de infraestrutura. que não estavam recebendo FONTE: Repórter Brasil. MUNICÍPIO: CHAPECÓ uma por família.

.

C IV Violência Contra os Povos Indígenas Isolados e de Pouco Contato 115 Povos Isolados: territórios invadidos. vidas ameaçadas 117 Relação dos Povos Indígenas Isolados no Brasil .

Capítulo IV VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS ISOLADOS E DE POUCO CONTATO – DADOS 2013 Os povos isolados. para manterem a liberdade e a vida. vários povos indígenas isolados sofreram crime de genocídio na Amazônia. enquanto o projeto de Amazônia pensada a partir de fora. com o olhar da cobiça e da exploração. fogem constantemente em busca de lugares mais inacessíveis. avança sobre os seus territórios Arquivo Cimi Nas últimas três décadas. vítimas do avanço do agronegócio e da exploração madeireira 114 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 .

no norte de (Funai). povo isolado Katawixi. Atualmente. espirituais e de vida em sociedade. das epidemias. de acordo com o até recentemente pelos povos isolados foram usurpadas. vidas ameaçadas Equipe do Cimi de Apoio aos Povos Indígenas Isolados O s grupos indígenas em situação de isolamento São muitas as situações em que as terras ocupadas na Amazônia brasileira são. protagonizados ou Avá-Canoeiro na Ilha é ignorada completamente pela não por eles. usinas de energia livres. O caso do último sobrevivente de um povo Enfim. Revela. Carlos Travassos. que vivem dominação e violência que caracterizam as sociedades no estado do Tocantins. que não retira os sociedades nacionais. Conselho Indigenista Missionário (Cimi). pelo desaparecimento dos vestígios da presença humana o projeto de continuidade da construção da BR-421. A atividade madeireira também é uma vítimas do avanço do agronegócio e da exploração madei. Transbananal e Transaraguaia. evitando o contato com a civilização e as relações de Os Avá-Canoeiro da Ilha do Bananal. Em Rondônia. tamentos de colonos promovidos pelo governo. e pela exploração de minerais. avança Indígena da Ilha do Bananal e os territórios que são sobre os seus territórios. Desse modo. Outro fator que impacta seus referenciais simbólicos. no sul do estado do Amazonas. são múlti- Rondônia. A presença dos riências traumáticas de encontros. serão impactados pela cons- ocidentais. que se configura em uma ameaça à vida deles. Outros possui a maior concentração de povos isolados que se povos isolados estão tendo seu território impactado tem conhecimento. notadamente. ameaça na fronteira do Acre com o Peru. conhecidas como constantemente em busca de lugares mais inacessíveis. por outro lado. por exemplo. refúgio para os isolados. acuados pelos avanços tórios e da depredação de suas fontes de alimento e de dos diversos projetos na região. Capítulo IV VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS ISOLADOS E DE POUCO CONTATO – DADOS 2013 Povos Isolados: territórios invadidos. do território tradicional do torno de 90. com os agentes das frentes econômicas das Fundação Nacional do Índio (Funai). o Vale do Javari. fogem trução das estradas. O traçado das duas estradas corta a Terra fora. a ocupação da os povos isolados daquela região a disputar espaços terra pelo gado e os monocultivos são os responsáveis territoriais com outros povos indígenas. cada vez mais ameaçado de extermínio. na anteriormente verificada. da invasão de seus terri.CIMI 115 . obrigando reira sobre suas terras. que foram tomados por fazendas e assen- na região oeste do Amazonas. bulam por terras indígenas já demarcadas. O desmatamento. que para se proteger dorme num buraco plas as formas de violência e violações que perseguem cavado na terra. em pequenos espaços de terra. Na América Latina eles chegam a 137 grupos. a violência contra os povos que vive isolado numa porção de mata no estado de indígenas não é algo do passado. linhas férreas. é uma prova dessas atrocidades. com o olhar da cobiça e da exploração. localizado Mato Grosso. pelas obras de infraestrutura. assim como eliminaram as extensão do Parque Guajará Mirim. mesmo em situações muito adversas. Encontros marcados pela violência invasores da terra já demarcada. e Segundo o coordenador geral de Índios Isolados da área ocupada pelo grupo indígena isolado conhecido e Recém Contatados da Fundação Nacional do Índio como “Baixinhos”. estão ameaçados de extinção devido à permanente e Nas últimas três décadas vários povos indígenas incontrolável invasão e exploração ilegal de madeira isolados sofreram crime de genocídio na Amazônia. nessas terras. indígenas. na região de Aripuanã. se efetivado. articuladas por políticos enquanto o projeto de Amazônia pensada a partir de da região. Eles estão refugiados dos massacres. este grupo está Esta opção normalmente está associada a expe. os grupos Awá isolados peram- autonomia e para suprir suas necessidades materiais. pescadores. também provas dos massacres praticados contra esses povos impactará os povos em situação de isolamento. TO-500 e TO-242. a 1. a sua No Maranhão. Os povos isolados. os sobreviventes de povos que foram quase extermi- CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . uma a vida e o território dos Avá-Canoeiro é a invasão de enorme capacidade de luta e resistência desses povos. optam pelo isolamento e pela autonomia. Mesmo assim. em São os casos. pela invasão madeireira. também chamados de povos construção de estradas. para manter.136 km de Manaus. Para manter a liberdade e a vida.

simplesmente ignoraram a presença Viver desses povos. no sul de Rondônia. para desautorizar esta política da ameaça à vida destes povos indígenas. Infelizmente. Capítulo IV VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS ISOLADOS E DE POUCO CONTATO – DADOS 2013 nados. da ditadura militar na Amazônia. os povos indígenas isolados A volta dos megaprojetos governamentais na optaram por adotar a fuga como estratégia de resis- Amazônia implementados através da Iniciativa de Inte. palco de vários massacres de povos indígenas 116 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . da explo- Usinas Hidrelétricas Santo Antônio e Jirau. Do mesmo modo. do diretor Vicent Carelli Entre as palhas de uma maloca no meio da floresta é possível ver os olhos do provável último sobrevivente de seu povo. são os povos para facilitar o acesso. Yanomami. por exemplo. Ironicamente. de um violento e silencioso processo de expropriação de metral Norte. as hidrelétricas projetadas para o Rio reproduzindo a igualdade social. E. gração da Infraestrutura Regional Sul Americana (Iirsa) além de serem ignorados pelos governos. que estavam isolados na que dependem totalmente dela para a sua sobrevivência. tência e tentativa de garantir a própria vida. que organizaram a sua relação de grupos indígenas isolados nas suas áreas de impacto. Belém-Brasília. ele vive na região de Corumbiara. no Rio Xingu. Parakanã. que continua a ser feito através Transamazônica. e Belo Monte. que associa os povos indígenas Madeira. nos diferentes e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). no Rio ração e da acumulação. época. BR-174 e Peri. com o meio ambiente com forte simbolismo religioso. Cinta Larga mente estes povos que sempre protegeram a floresta. o o chamado Arco do Desmatamento. apropriar-se do sentido do Bem Pará. conhecimentos necessários para avaliar a extensão dos Nunca é demais lembrar que os grandes projetos impactos sobre a vida destes povos. Neste caso. depois. níveis. como a construção Estes grupos são as maiores vítimas do “desenvol- das hidrelétricas de Balbina e Tucuruí e as estradas vimento” da Amazônia. dentre outros. para assegurar a vida Tapajós impactarão indígenas isolados que transitam das gerações futuras. uso e exploração dos recursos mais próximos do extermínio. o primeiro passo é contrapor-se à lógica As licenças que autorizaram a construção das perversa e imediatista do “desenvolvimento”. em Rondônia. e pela sociedade de modo geral. BR-364. indiferença. que vai do sul do governo impõe à força um projeto sem ter os mínimos estado do Amazonas ao Maranhão. As situações mais desesperadoras acompanham na sua área de influência. levando-os à beira do extermínio. constitui-se em nova e assustadora Desse modo. novamente. já e Nambikwara. naturais da região. o chamado “índio do buraco”. Arara. quase dizimaram as populações dos povos terras dos povos tradicionais. são justa- Waimiri-Atroari. que resiste a qualquer contato com a sociedade não indígena. no ao passado. Q Reprodução do documentário Corumbiara. Neste contexto.

16. projeto de PCH. 5. AC da Rodovia Interoceânica e de concessões de Mamoadate Madureira Manchineri e Jaminawa). Registrada Comprovação por sobrevôos Relatórios da Funai TI Alto Tarauacá. Tapauá e Canutama AM Sem providência Itaparaná/Ipixuna e Funai violência no contato com extrativistas. Área de influência Isolados na TI Assis Brasil e Sena Mamoadate – (povos e indígenas 4. Isolados do Rio Envira Feijó e Jordão AC Envira – Funai. gasoduto Urucu – Tefé- 23. Indígenas Nawa Região sujeita à exploração de madeireiras e Isolados do Igarapé 6. 15. Uarini AM Sem providência Uarini Miratu/ Cimi Carauari. Isolados do Rio Inauini Boca do Acre e Pauini AM Invasores estrativistas. grilagem dentro da terra AM Indígenas Arara 22. AM Sem providências Funai Natal Negro Santa Izabel do Rio 18. Inauini/Teuini. fazendas e 21. Cimi e indígenas 13. Funai 7. Igarapé Bafuanã AM Sem providências Funai Negro Isolados do Baixo Rio Santa Izabel do Rio 19. Dentro e fora da TI Indígenas. Isolados do Kurekete Lábrea AM Sem providência Kaxarari BR 317. garimpeira. Isolados do Rio Uauapés AM Funai e ISA Gabriel da Cachoeira Registrada Isolados do Rio Santa Isabel e São Na TI Alto Rio Negro. Manicoré e AM Indígenas Frente econômica do agronegócio através da 11. Contestações indígena. Apui e Colniza Identificada. 14. Funai. Portaria Avanço da frente econômica do agronegócio Isolados do Igarapé 9. Cimi e Funai Invasores extrativistas.CIMI 117 . Funai Parte está no Peru sem proteção. e informações 2. Pinatuba. Isolados do Rio Cimi. MT e Cinta Larga e na Justiça Rodovia MT 206. Parque Manoel Urbano e Indígenas Kulina. 1. Condomínio de fazendas. ribeirinhos Área de influência da BR 319. Isolados do Rio Mataurá Manicoré AM Conflito com os indígenas Mura. Isolados do Xinane Santa Rosa e Feijó AC TI Xinane. Cimi. Registrada Manchineri Área de influência da Rodovia Interoceânica. Isolados do Bararati Sem providência Funai e Cimi AM e Cotriguaçu /MT MT projetos de colonização. Isolados do Rio Pardo. garimpo próximo. Lábrea e Canutama AM da Funai Nº 215. Mâncio Lima AC Sem providência e Nukini. invasão de madeireiros. Registrada. Kaxarari Isolados Igarapé Santa Isabel e São TI Alto Rio Negro. Cimi e garimpos do Peru e rota de narcotráfico. mateiros Isolados do Rio Copaca/ Tuxaua da aldeia Caçadores e pescadores. Isolados do Alto Tarauacá Jordão e Feijó AC Pressão de madeireiras do Peru. Isolados do Rio Chandless AC Sem providência Estadual dentro da área tradicionalmente ocupada Santa Rosa ribeirinhos e Cimi pelos índios. Funai Pressão de madeireiras do Peru. Parque Tapada Funai Nacional Serra do Divisor. Registrada de indígenas Kaxinawá 3. Sucurundi no AM Exploração madeireira. TI Kawahiva do Rio Pardo. Registrada Funai Cauaburi Negro 20. de 3 de Cimi e Funai através do desmatamento e da monocultura da Jacareúba/Katauxi março de 2010 soja. Sem providência Marmelos Machadinho do Oeste RO Tenharim e Cimi monocultura da soja e PCH Tabajara/PAC2. Dentro e fora daTI Cimi. Pressão de madeireiras do Peru. Isolados do Alto Rio Humaitá. Registrada e Cimi 8. Registrada Tracuá/Cimi CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Cimi e Indígenas Invasão de fazendas e área de influência da rodovia 12. Hi-Merimã Tapauá AM TI Hi-Merimã. Jaminawa e exploração madeireira. AM TI Yanomami. Dentro e fora da TI Indígenas da aldeia 24. assentamento do Incra e ecoturismo. Restrição de uso. Vulneráveis à 10. Delimitada Cimi. Isolados do Rio Ituxi Lábrea Sem providência Invasão de fazendas. AM Funai e ISA Waranaçu Gabriel da Cachoeira Registrada Santa Isabel e São TI Alto Rio Negro. Isolados do Igarapé Joari Tapauá AM Sem providências Cimi Apui. AM Funai e ISA Curicuriari Gabriel da Cachoeira Registrada Isolados do Igarapé do Santa Izabel do Rio 17. Capítulo IV VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS ISOLADOS E DE POUCO CONTATO – DADOS 2013 Relação dos Povos Indígenas Isolados no Brasil REFERÊNCIA/ SITUAÇÃO DA MUNICÍPIO UF FONTE SITUAÇÃO DE RISCO POVO TERRA Frente Etno ambiental do Alto TI Kampa e isolados.

desmatamento e mineração. Invasão de pescadores e Lambança Registrada Paulo de Olivença caçadores no verão. construção ilegal 44. 38. Benjamim Constant. São AM Funai hepatite. João do Caru Centro do Guilherme. TI do Vale do Javari. 32. 31. São AM Funai hepatite. Benjamim Constant. Atalaia do Norte AM Funai Salvador Registrada TI do Vale do Javari. Isolados do Igarapé TI do Vale do Javari. MA TI Caru. Risco de contágio por doenças como a tuberculose. TI do Vale do Javari. estradas ilegais. Atalaia do Norte AM Funai Amburus Registrada Isolados do Igarapé TI do Vale do Javari. 37. Bom Jardim. Atalaia do Norte AM Funai Flecheiras Registrada Jutaí e São Paulo de 39. Invasão de madeireiras. Bom Jesus desmatamento e queimadas. Risco de contágio por doenças como a tuberculose. malária e gripe. 28. construção ilegal de 43. Registradas Cimi Benjamim Constant. Invasão de pescadores e Inferno Registrada Paulo de Olivença caçadores no verão. Zé Doca. Centro Novo. TI do Vale do Javari. Isolados do Igarapé Cravo Atalaia do Norte AM Funai Registrada Isolados do Igarapé TI do Vale do Javari. Isolados do Rio Pedra AM Funai hepatite. Benjamim Constant. Lagoa do Amarante do Marajá. Invasão de madeireiras e caçadores. São AM Funai hepatite. São AM Funai hepatite. Atalaia do Norte. MA TI Arariboia. 30. exploração madeireira. Isolados na Rebio Gurupi MA Sem providência Jardim e São João do Ka’apor de estradas. Desordem na TI Krikati Novo. Capítulo IV VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS ISOLADOS E DE POUCO CONTATO – DADOS 2013 Relação dos Povos Indígenas Isolados no Brasil REFERÊNCIA/ SITUAÇÃO DA MUNICÍPIO UF FONTE SITUAÇÃO DE RISCO POVO TERRA Indígenas TIs Deni e Kanamari do 25. Civaja. Isolados Rio Itui Atalaia do Norte AM Funai hepatite. TI Vale do Javari. Isolados do Rio Bóia AM Sem providência Funai Garimpo. 26. malária e gripe. MA TI Krikati. 27. Rio Juruá. malária e gripe. Risco de contágio por doenças como a tuberculose. malária e gripe. Arame. Registrada Cimi e Funai e Lagoa Buritizal. Benjamim Constant. 35. Caru Isolados dos rios Buriticupu. São AM Funai hepatite. hepatite. malária e gripe. Isolados do alto Xeruã Itamarati AM Kanamari e Deni/ Conflito com indígenas Kanamari e Deni. Isolados do Igarapé Naua Atalaia do Norte. Risco de contágio por doenças como a tuberculose. Isolados Awá Guajá Centro Novo e São MA Cimi e Funai Homologada estradas e desmatamento. Invasão de pescadores e Atalaia do Norte Registrada caçadores no verão. Risco de contágio por doenças como a tuberculose. Bom ISA. Homologada Queimadas e invasão de madeireiras. Atalaia do Norte. Funai caçadores no verão. Meju. Invasão de pescadores e Registrada caçadores no verão. Invasão de pescadores e Urucubaca Registrada Paulo de Olivença caçadores no verão. construção ilegal de 42. Isolados do Rio Quixito Atalaia do Norte AM Funai Registrada Isolados do Igarapé São TI do Vale do Javari. Invasão de pescadores e Itaquai Registrada Paulo de Olivença Cimi. Lago do Patos na TI das Selvas e Buriticupu Araribóia Isolados da Serra da Montes Altos. Rio Parauri Barreirinha e Itaituba Sem providência Funai PA Índios Waiãmpi e 41. serraria. Atalaia do Norte. 33. 29. Risco de contágio por doenças como a tuberculose. São AM do Javari. Sitio Cimi e indígenas 46. Isolados do Igarapé TI do Vale do Javari. TI Awá – Guajá. Registrada Cimi e Funai Branca na TI Caru do Caru estradas e desmatamento. Isolados do Igarapé TI do Vale do Javari. Risco de contágio por doenças como a tuberculose. Lagoa Sumaúma Maranhão. Isolados do Igarapé TI do Vale do Javari. Invasão de pescadores e Alerta Registrada Paulo de Olivença caçadores no verão. Indígenas do Vale Risco de contágio por doenças como a tuberculose. Lago do Santa Luzia. Lajeado Novo Krikati 118 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Invasão de pescadores e Registrada Paulo de Olivença caçadores no verão. Olivença AM 40. 36. Isolados do Rio Branco/ TI do Vale do Javari. Atalaia do Norte. Benjamim Constant. 34. malária e gripe. malária e gripe. Rio Muruturá AP TI Waiãpi. indígenas Invasão de madeireiras. 45. malária e gripe. Atalaia do Norte. Isolados na TI Waiãpi. Registrada Funai Isolados do Igarapé Água Bom Jardim e São João Invasão de madeireiras. Benjamim Constant.

Capítulo IV VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS ISOLADOS E DE POUCO CONTATO – DADOS 2013 Relação dos Povos Indígenas Isolados no Brasil REFERÊNCIA/ SITUAÇÃO DA MUNICÍPIO UF FONTE SITUAÇÃO DE RISCO POVO TERRA Isolados do Igarapé Centro do Guilherme. Mamaindê TI Enawenê Nawê 57. Isolados do Rio Cabixi Comodoro MT Sem providência Exploração madeireira. Funai Cachorrinho 66.I Rio Paru 70. Funai e Isolados “Baixinhos” na TI projeto de assentamento Conselvan. Óbidos PA ISA e Funai Indígena Tumucumaque Tumucumaque Isolados na TI Xicrim do TI Xicrim do Cateté. Registrada Zoró Zoró terra indígena. Anfrisio Isolados do Rio 68. Isolados do Rio Tenente Parque Indígena do 55. Oriximiná PA Sem providência Cimi. grandes fazendas. Turiaçu Doca Isolados do Igarapé Bandeira. grandes fazendas. Isolados do Rio Mapari PA Indígena do Funai Almeirin e Alenquer Tumucumaque Isolados do Alto Rio Almeirin. CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO . Registrada ISA e Funai Ourilândia do Norte Isolados próximos à TI 59. Rondolândia e Colniza MT TI Zoró. Registrada Apiacás e Alta Cimi. Jararaca na TI Alto Centro Novo e Zé MA Registrada Ka’apor desmatamento. Altamira PA Sem providência Cimi e Funai Exploração madeireira. PA Cimi e Funai Ipitinga Alegre e Alenquer d’Este Isolados do Rio Tanauru Portaria de restrição n.2009) Sobreposição do Parque Estadual do Curumbiara. Funai e Opan Terra invadida por fazendas. Marques Aripuanã. Isolados na TI Kaiapó PA TI Kaiapó. S. Pacutinga Escondido.30. Massacrados no Rio Moacir e empurrados pelo Cimi. Isolados Kawahib 51. Registrada Índios. Madeirinha 52. Registrado Cimi e indígenas 56. indígenas Apiaká de construção de 7 hidrelétricas. Isolados do Pântano do 72. estradas ilegais. Azevedo e Matupá Isolados no Parque Parque Indígena 61. grandes fazendas. assentamentos. 69. Sem terra demarcada a mercê dos Larga e Arara agentes do agronegócio. 62. Cimi Projeto do Complexo Hidrelétrico do Rio Xingu Isolados do Riozinho do 67.10. serraria. Juina MT Cimi e Funai Exploração madeireira. Oriximiná PA Sem providência Cimi. 71. na TI Caru Isolados Rio Moreru/ Dentro e fora da TI 49. grilagem de terra. Peixoto de PA TI Menkranoti. Isolados no norte da TI Cimi e indígenas Exploração madeireira e fazendas. MA Na TI Caru. Na TI Alto Turiaçu. Monte Limites da T. Cimi e indígenas Invasão de madeireiras. ou Piripikura do Rio Colniza e Rondolândia MT GT da Funai Cimi. Koatinemo Isolados na TI Altamira. Ameaçados de extinção. 47. na TI Aripuanã. Isolados na TI Bacajá Altamira PA TI Bacajá. Cotriguaçu MT Cimi Área de migração. Isolados do Pontal Apiacás MT Sem providência Funai Exploração madeireira.283 (DOU . refugiaram-se 53. Chupinguaia RO Cimi e Funai Terra invadida por fazendas. Novo. Risco de extinção. Marabá PA Cimi e ISA Cateté Registrada Isolados da Serra do 63. Registrada Cimi e Funai onça e serra da desordem do Caru desmatamento. Isolados do Rio Iquê Juína MT Funai Homologada São Félix do Xingu e 58.CIMI 119 . Isolados Apiaká MT GT da Funai Floresta. Risco de extinção. Altamira PA Sem providência Cimi Projeto do Complexo Hidrelétrico do Rio Xingu. PA Sem providência Funai Cachimbo Isolados da cabeceira do 64. Registrada indígenas Cinta Aripuanã. Óbidos. Óbidos PA Sem providência Cimi e Funai Cuminapanema Limites do Parque Oriximiná. estradas ilegais e 48. Registrada ISA e Funai Projeto do Complexo Hidrelétrico do Rio Xingu. Dentro e fora da 54. Igarapé mão da Bom Jardim e São João Invasão de madeireiras. Funai e Exploração madeireira. Aripuanã MT Na TI Aripuanã. projetos 50. Pimenteiras RO Sem providência Cimi e colonos Ameaçados com o avanço do desmatamento e das Rio Guaporé fazendas. Menkranoti no Rio Iriri Xingu. Funai Rio Mapuera Isolados do médio Rio 65. – índios do buraco 1. Félix do 60.

Isolados alto Rio Alalaú Uatumã e São João da Funai RR Registrada Baliza Isolados do Monte TI Raposa Serra do Sol. Registrada Guajará Mirim Cimi. Alta Floresta do Oeste RO TI Massaco. Isolados Yraparaquara RO Cimi e Funai Exploração madeireira próximo da TI. Cunpir Grilagem de terras públicas na região. judicial determinando sua dentro da TI Uru-Eu-Wau-Wau. RO Cimi e Funai (Jururei) Urupá. Cachoeira do Rio Pacas Guajará Mirim RO Sem providência Resex Pacas Novas. 75. 85. Decisão Invasão de colonos e fazendeiros. Capítulo IV VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS ISOLADOS E DE POUCO CONTATO – DADOS 2013 Relação dos Povos Indígenas Isolados no Brasil REFERÊNCIA/ SITUAÇÃO DA MUNICÍPIO UF FONTE SITUAÇÃO DE RISCO POVO TERRA Isolados “Sirionó” – Rio 73. Velho Isolados no Parque Cimi. Simão Sem providência Isolados da Serra da Onça Alvorada do Oeste e administrativa. Isolados na Rebio Jaru Ji-Paraná RO Sem providência Gavião e Arara Jaru. Empurrados para 74. Costa Marques. Isolados do Rio Jacundá Candeias do Jamari e RO Sem providência Cimi e Funai Exploração madeireira próxima. TO de construção da Rodovia TO 242 cortando o Inãwébohona Confusão Homologada Javaé/Cimi Parque Indígena do Araguaia. Exploração 80. RO Sem providência Invasão de fazendeiros. Caroebe RR Sem providências Funai Jatapu Podem ser afetados por projetos de desenvolvimento na região. Rodovia 78. Rodovia BR 429. e Jaci – Paraná Campo Novo Novas e Cunpir Isolados do Igarapé RO 82. Porto Velho Cimi e indígenas Fazendeiros e madeireiros e sobreposição Rebio 84. Registrada Cimi e Funai Sobreposição Rebio Guaporé. Isolados da Serra da Cotia Guajará Mirim RO Sem providência indígenas Tupari Ambiental. exploração madeireira. Sobreposição do Parque Nacional do Araguaia. Indígenas Karajá e 89. Porto Velho e Lábrea Sem providência Cimi e Funai Hidrelétrica do Rio Madeira do Jirau e agronegócio. 90. Porto Velho e Buritis RO Sem providência Nacional do Bom Futuro indígenas Karitiana madeireira e garimpo. 86. Itapuã. Uiramutã RR Indígenas Ingaricó Caburaí Registrada Isolados da Serra da 87. Nova Mamoré e Porto 79. São Miguel do Guaporé. seringueiros. Isolados do Rio Novo e Cimi. indígens Oro Wari Novas Isolados do Parque Guajará Mirim e Nova Cimi e indígena Rota de tráfico. Karipuninha AM Cujubim. Isolados de Minaçu (Avá Minaçu GO Sem providência Funai Canoeiro) 120 RELATÓRIO – VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 . Unidades de Proteção 76. sobretudo pelo projeto Isolados na TI Pium e Lagoa da TI Inãwébohona. 77. 83. Funai e Grilagem de terras públicas na região. Buriti e Cimi e índios Pacas 81. Registrada Funai Estrutura Isolados do Alto Rio 88. Mucajaí RR TI Yanomami. Isolados do Rio Mutum RO Sem providência Cimi. RO Sem providência Estadual Guajará Mirim Mamoré Oro Wari BR 421. Garimpo próximo. São Sebastião do AM TI Waimiri/Atroari. seringueiros. TI Uru-eu-wau-wau. demarcação Seringueiras. Isolados do Rio Formoso Nova Mamoré.

Anexo 122 Resumo da violência contra os Povos Indígenas no Brasil .

3.618** 328** 10** 4.RESUMO DA VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS Capítulo I – Violência contra o patrimônio Invasões possessórias.085** 122 VIOLÊNCIA CONTRA OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL – DADOS DE 2013 .500 3. Conflitos relativos a Omissão e morosidade na UF exploração ilegal de TOTAL DE CASOS direitos territoriais regularização de terras recursos naturais e AM 4 3 7 BA 1 1 2 CE 1 1 2 MA 6 6 MG 1 1 MS 4 3 1 8 MT 6 4 10 PA 5 1 6 PB 1 1 PE 4 4 PI 1 1 PR 1 1 2 RO 4 1 5 RR 1 1 RS 4 20 24 SC 1 2 10 13 SP 1 1 TO 2 1 3 TOTAL 10 36 51 97 Capítulo II – Violência contra a pessoa Racismo e Abuso Ameaça Lesões Tentativa Ameaças Homicídio discriminação Violência Total de UF de de Assassinato corporais de várias culposo étnico sexual vítimas poder morte dolosas assassinato culturais AC 3 1 4 AL .500 AM 1 1 * 1 1 4** AP * * BA 4 * 3 7** DF * * MA 1 1 2 MG * 1 1** MS 3 * 33 6 3 33* 314* 5 397** MT * 80* 1 * 81** PA 2 2 PE 3 1 * 4** PR * 2 3 4 * 3 12** RJ 1 1 RO 6 4 3* 13** RR 6 * 1 7** RS 1 1 * 2 4** SC 1 1 SP * * * TO 7 30 3 3 1* 1 45** TOTAL 6 14 35** 53 13 8 3.

439** * 3 1.601** MT 80 * * * 80** PA * * 2 2** PB * * PE * * PR 1. Não há dados precisos do total de vítimas. comunidades e/ou povos inteiros também foram violentados.INDÍGENAS NO BRASIL – Dados de 2013 Capítulo III – Violência por omissão do poder público Desassistência Disseminação na área de Desassistência Morte por Desassistência de bebida Mortalidade Total de UF educação na área de desassistência Suicídio geral alcoólica e infantil vítimas escolar saúde à saúde outras drogas indígena AC * 1 * 1** AL * 250 250** AM * * 82** 2 3 87** BA * * * GO 222 1 223 MA * * * 1 1 2** MS 1.500 * 51** 50 1.442** RJ 18 18 RO * 5* 5** RR * * 33** 2 35** RS 519** * 519** SC 27** * 27** SP 6 * 6** TO 237 245 14** 3.215** 6 7 56 8.826** 467** 437** 3.716** TOTAL 3. ** Além do número de vítimas expresso nas tabelas.014** * Comunidades e/ou povos inteiros foram violentados. CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO .CIMI 123 .215 1 1 3 3.

Ed.cimi. ENDEREÇO SDS . sala 309-314 CEP 70.br .org.Brasília-DF Tel: (61) 2106-1650 Fax: (61) 2106-1651 www.393-902 . Venâncio III.

.

APOIO .

Related Interests