You are on page 1of 3

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL

Fichamento de Estudo de Caso

Lindsei Dias Campos Apolonio

Trabalho da Disciplina Estratégia Corporativa

Tutor: Prof. Audemir Leuzinger de Queiroz

Belo Horizonte

2016

Estudo de Caso:

Já a Sadia. em 2011 as duas organizações formaram uma Joint Venture para exportar produtos para a África. antes vistas como ”inimigas” foi aprovado em 2011. Nos anos 90 por conta de uma crise financeira. Estratégia Corporativa Brasil Foods Referência: BELL. Mesmo com a enorme rivalidade. Porém. Assim. traz um cenário cada vez mais comum no mercado que é a fusão corporativa. a BRF enfrentou uma grande dificuldade imposta pelo CADE – Conselho Administrativo de Defesa Econômica. a BRF passa a ser o segundo maior empregador do Brasil além de ser a terceira maior empresa exportadora com uma produção organizada que consiste a integração de milhares de 2 . Brasil Foods. Em 2008 em função da crise obteve tamanho prejuízo obrigando seus gestores procurarem um comprador. Neste momento a economia brasileira estava em crescimento e então apresentando condições favoráveis para este tipo de estratégia corporativa. nasceu em 1934. BRASIL FOODS. Caribe e Rússia. Esta nova organização estabeleceu a meta de duplicar as vendas em cinco anos. formando a empresa BRF – Brasil Foods. surgiu em 1940. Como exemplo o processo de fusão entre as empresas Sadia e Perdigão. também em Santa Catarina. sua participação controladora foi vendida a um grupo de fundo de pensão. Natalie. quando se opôs à fusão temendo o sufocamento da concorrência e de uma possível inflação de produtos alimentares. Foi aí que em 2009 o mercado recebe o anúncio da fusão entre as empresas. 513-P08. KINDRED. Este estudo de caso. vemos a Perdigão fundada por imigrantes italianos no estado de Santa Catarina. David E.. Esta resistência durou por dois anos quando finalmente o Conselho aprovou a união. porém esta parceria terminou em 2002 e em 2006 a Sadia tentou sem sucesso a aquisição da Perdigão. Harvard. através de expansão doméstica e internacional. Considerando um rápido histórico. 01 de Março de 2012.

imaginava que estas receitas viriam das vendas internas e exportações. já que a BRF comercializava outras marcas como as sobremesas Miss Daisy e a Batavo. a Sadia e a Perdigão operavam em mais de 140 países com 24 escritórios fora do Brasil. Com a abertura das exportações. Para as vendas internas. no mercado foodservice. Como contou o CEO. chegando à marca de 50 bilhões.produtores que são obrigados a firmar contratos de exclusividade com a empresa. ocupando grande parte das gôndolas. contando com operações na África. Ásia. como MC Donald’s e Burger King. Oriente Médio e América Latina. A visão da Brasil Foods era dobrar suas receitas entre 2011 e 2015. José Antônio do Prado Fay. avaliando o desenvolvimento do planejamento estratégico para a criação da BRF é possível verificar como os processos de abertura de mercado são necessários para se mantenham empresas sólidas e dispostas a permanecer em atuação buscando o pleno acompanhamento das evoluções e o alcance do tão focado sucesso corporativo mundial. Local: Biblioteca Virtual da Universidade Estácio de Sá. Internacionalmente a BRF pretendia lançar bases de uma presença multinacional. o foco era: no varejo reforçando a fidelidade da marca e preservação do Market Share. Os preços dos produtos variavam entre intermediários e segmentos praticamente todos os estabelecimentos de varejo de alimentos. Sua cadeia de suprimentos abrange uma gigantesca frota de caminhões com mais de 70 centros de distribuição. Contudo. 3 .