Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro

revist@
revist@mais
revist@ nº 13
maio 2017

ISSN 2183—2196

Ano Letivo 2016/17
ficha técnica índice
3 editori@l
título
revist@mais 4 … em entrevist@

equipa técnica 8 opini@o

Capa: Melanie Silva (2ºD)
10 ensino profissionalizante em revist@
Revisão: Angelina Cristino e Rosa Guerra
Editor: Joaquim de Almeida 16 pré-escolar em revist@

Entrevista: Angelina Cristino e Rosa Guerra
18 1º ciclo em revist@
ISSN
2183—2196
24 acontece no @eob

tiragem 34 bibliotec@ndo ...

200 exemplares
36 trabalhos de @lunos
Reservados todos os direitos de acordo
com a legislação em vigor
37 PES em revist@ ...
maio 2017
agradecimentos 38 educação especi@l
A toda a comunidade escolar, mas espe-
cialmente aos alunos sem os quais esta 40 ... for@ de portas

publicação não faria sentido.
2 42 desporto em revist@
editorial
Certo dia, ao questionar uma encarregada de educação sobre a expeta- para casa o que o dinheiro pode comprar, a desfrutar o tempo livre com os
tiva da família em relação ao futuro da sua filha, deparei-me com a resposta amigos, porque também têm de se divertir? Ou então, porque descarregam
“se não conseguir ir mais longe, pelo menos que seja professora!...” nos filhos a frustração trazida pelo desemprego, pelo baixo salário, ou pela
Nenhuma outra expressão traduziria melhor a valoração dada ao pro- humilhação de dependerem da ajuda social, na qual também a escola está
fessor… incluída?
Não é necessário muito esforço intelectual para concluirmos que as Cada vez mais, para mascarar estas frustrações, cria-se a imagem de
nossas crianças e jovens passam na escola a maior parte do seu tempo, con- que as nossas crianças são tão frágeis que não podem ser contrariadas, não
vivem mais com os colegas, os funcionários e os professores, do que com a podem ouvir um “Não!”, não podem ser pressionadas por regras impostas,
família. No entanto, cada vez mais frequentemente ouvimos os pais descon- devem ser mantidas afastadas das dificuldades da família, evitando assim
tentes com a escola: a comida na cantina não é boa, os assistentes operacio- traumatismos psicológicos. As crianças são bem mais fortes do que as nos-
nais são poucos, naquele dia a funcionária do telefone ou dos serviços admi- sas fraquezas, apercebem-se dos problemas mais facilmente do que muitos
nistrativos não deu a resposta pretendida, um profes- Júlia Gradeço - Diretora do AEOB adultos; se incluídas, adoram fazer parte da solução.
sor traumatiza a criança porque fala muito alto ou tem Claro que muita coisa na escola tem de ser mudada, as
um tom de voz irritante, o outro não a motiva porque metodologias têm de facto de motivar os nossos jovens, o
fala muito baixo, outro ainda não deixa tempo livre currículo tem de ser significativo e deixar tempo para de-
para as atividades extra-curriculares porque manda senvolver relação afetiva. Mas os nossos jovens só serão
fazer muitos trabalhos de casa, ou o professor tão de- fortes no futuro que escolherem, se estiverem preparados
sinteressado que nem manda TPC´s… E nestas circuns- para enfrentar adversidades, para partilhar, para desculpar
tâncias, é inevitável a escalada da indisciplina e do e pedir desculpa, para respeitar, para fracassar e recome-
insucesso escolar!, concluem!... çar, para liderar e ser liderado, para saber falar e saber
Estas sensibilidades não são certamente alheias ouvir.
ao ressurgimento de algumas correntes pedagógicas, A flexibilização curricular poderá ser uma oportunidade
novamente apontadas como a poção mágica, que transformará a escola e para renovar o processo ensino-aprendizagem e melhorar o sucesso, não
dela fará brotar líderes inovadores, cidadãos autónomos e criativos, gente baixando os níveis de exigência, mas aumentando a motivação de alunos e
de sucesso! Assim seja… professores. Para que este sucesso aconteça, é impensável limitarmo-nos a
Mas será que a escola é realmente o caos apregoado, ou antes o refle- seguir modelos, temos sim que definir a escola que queremos, ajustada ao
xo da sociedade atual? nosso meio, ao nosso concelho. E que a nossa escola desperte vontades e
Não será frequentemente a escola o transmissor de valores, o apoio competências, para que os nossos jovens venham a ser professores, políti-
afetivo e psicológico de muitas crianças e jovens a quem as famílias não têm cos, pedreiros, agricultores, mas acima de tudo, que sejam competentes.

3
tempo de dar colo, porque os progenitores andam demasiado atarefados a Cá estaremos, e contamos com todos!
cuidar do seu sucesso pessoal e profissional, a inventar formas de trazer Sejam Felizes!
...em entrevista
Laura Sofia Aires Ferreira Pires nasceu em Coimbra, a 31 de janei-
ro de 1975 (9 meses depois da revolução de Abril, o que explica
muita coisa…). Concluiu o ensino secundário na Escola Secundária
de Oliveira do Bairro e obteve o grau de licenciatura em Direito,
pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, em 1998.
Exerceu a profissão de Advogada até 2006, essencialmente na área
de direito administrativo, civil e penal. De outubro de 2005 a outu-
bro de 2013 assume o papel de vereadora no Município de Oliveira
do Bairro, com o pelouro de Educação, ação social, cultura, rede
pública de leitura, turismo, agenda 21 local, rede de transportes,
imagem, site e protocolo. De outubro de 2013 a outubro de 2015
assume o papel de Adjunta na Secretaria de Estado do Desenvolvi-
mento Regional e, desde novembro de 2015 exerce o cargo de
Jurista no Gabinete do Curador do Beneficiário dos Fundos Euro-
peus Estruturais e de Investimento.

Preferências
Escritor de Língua Portuguesa: Muitos: Fernando Pessoa, Eça de
Queiroz, Mia Couto, Sophia de Mello Breyner Andresen, José Sara-
mago, Mário Cláudio…
Cantor/Banda: De sempre: Gustav Mahler, Erik Satie, Supertramp,
à conversa com ... Jorge Palma, Banda do Mar e Mallu Magalhães; de agora: tudo
dos Crassh e do Vasco Miranda.

Laura Pires, Ex-vereadora da Prato: Marisco com sabor a mar, chocolates e massas.

Destino de férias: Tudo com sol moderado, águas quentes, filhos
Educação da Câmara Munici- morenos e salgados.

4
Passatempo: Tocar guitarra, escrever, mudar os móveis e a deco-

pal de Oliveira do Bairro ração da minha casa.
...em entrevista
No seu percurso, enquanto estudante, passou pelas escolas do atual Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro. Ainda se lembra das metodologias
utilizadas pelos professores para lecionarem os conteúdos programáticos das várias disciplinas? Apreendia facilmente as matérias? E os seus colegas?
Lembra-se se os professores utilizavam pedagogias diferenciadas para apoiar os alunos com dificuldades de aprendizagem? Havia um bom ambiente na
sala de aula e entre colegas fora da sala de aula? Havia atividades extracurriculares? Que tipo de atividades? Era uma aluna interventiva? Pertenceu à
associação de estudantes? Algum professor a marcou positivamente? E negativamente?

Quanto a metodologias lembro-me que era praticada uma educação de pro- às 15:30, ía para casa de uma das avós e (depois de fazer os trabalhos de
ximidade, que permite chegar a todos os alunos com genuíno interesse, real casa) virava uma Maria Rapaz – subir às árvores, pendurar-me nas cabanas,
conhecimento dos seus interesses e desafios e que foi sempre controlando andar de bicicleta, explorar os arrozais e caminhos florestais, fazer clubes de
os mais desafiadores. colecionadores, ter uma penfriend da Malásia… Tudo menos coisas de bone-
Eu sempre gostei muito (gosto ainda) de aprender. Mas naquela altura era o cas. Comecei cedo a frequentar o Conservatório de Música Calouste Gulben-
que hoje se pode considerar uma “nerd” – verdadeiramente feliz com o co- kian e o Sporting Club (natação) em Aveiro. A minha veia de nadadora secou
nhecimento e pouco mais – os meus colegas eram mais “saudáveis” e equili- rápido (eu morria de frio) e manteve-se até ao 1.º ano da Universidade o
brados no saber e no estar. Mas ainda assim tenho amizades profundas que percurso no Conservatório. Aos 16 anos comecei a atividade política numa
perduram. juventude partidária e numa associação cívica.
Não me recordo da aplicação de metodologias (na altura era a minha sala de Sempre fui interventiva nas aulas, pertenci à associação de estudantes da
aula, não tinha uma visão apurada para detetar as técnicas educativas) mas escola secundária de Oliveira do Bairro (secretária julgo eu), na altura em
recordo que quando um colega andava mais arredio das lides escolares os que um colega meu, o Marcos Martins, “montou” uma rádio escolar – o que
professores o abordava, dirigiam-se mais para a sua beira na sala de aula, era o “máximo”.
procurando mantê-lo atento e interessado. Como referi – era uma educação Fui marcada por muitos, mesmo muitos excelentes professores. Acho que
de verdadeira e ampla proximidade. tive a sorte de, desde a escola primária à Universidade, ter tido professores
Dentro e fora da sala de aula, o ambiente era saudável, normal, adequado. fantásticos, motivados, exigentes, capazes, envolvidos, amigos. Numa pala-
Os disparates aconteciam e desapareciam, éramos chamados ao “conselho vra, pedagogos à séria! Não recordo nenhum exemplo pela negativa. Até
diretivo” caso a situação fosse considerada grave e os pais podiam ser cha- porque era desenrascada e acabava por arranjar métodos próprios de estu-
mados à escola. Mas não me recordo de incidentes muito graves. Fui sempre do e pesquisa quando não “afinava” pela mesma nota que um qualquer pro-
feliz no meu percurso escolar. fessor. E sempre respeitei e fui respeitada no meu percurso académico. Um
As minhas atividades extracurriculares não aconteciam na escola – aliás essa percurso muito feliz, muito vivido (claro que, como cada um de nós que se
não era a prática no meu tempo. Na escola primária (ensino básico) eu saía encontrou consigo e sabe minimamente o que o realiza, I Did it my way…).

5
...em entrevista Neste momento, prevêem-se grandes modificações no sistema de ensino, que se pretendem mais adequadas ao aluno do século XXI. Dê-nos a sua
opinião sobre esta matéria.
Eu cheguei a pensar que poderia vir a ser professora (de inglês e portu- mo? Por exemplo trazendo a tertúlia filosófica para o bar, o corredor e para a
guês) o que só “não se deu” porque não havia “grupo” para essas duas cantina escolar.
línguas. Mas reconheço que não tenho as competências pessoais necessá- Se queremos um regresso à agricultura e o não abandono do território tere-
rias ao bom desempenho desta profissão. Assim, a minha opinião sobre as mos de promover o respeito e o gosto pelo ambiente e pela terra de forma
alterações a fazer no sistema de ensino para o tornar mais adequado ao empenhada e indiscutível na escola. Mas também de forma arejada, inova-
aluno do século XXI vai necessariamente pecar por distanciamento face ao dora e evoluída.
real desempenho da função. Se temos um planeta em mudança, o mercado de trabalho em mudança,
Arrisco somente dizer o seguinte: teremos de adaptar (mais do que os conhecimentos) a forma como reagimos
Considerando, como considero, que a escola é a ante-estreia da Vida adulta, à mudança. A forma como temos medo da mudança ou como nos adaptamos
as alterações, as adaptações a promover no sistema de ensino terão de ser a ela é determinante para que a nossa vida não nos pareça a sucessão de
consonantes com a sociedade que queremos ter. atos aleatórios que provocam o caos na (nossa) rotina. Essa resiliente adap-
Se queremos um planeta mais justo e solidário, essas competências terão de tação à mudança, parecendo fácil para uns, exige para outros método e afin-
ser trabalhadas também na escola – como? Por exemplo, com projetos de co.
escola com incidência real na comunidade. Poderia elencar outros exemplos, mas para resumir, identifico o desenvolvi-
Se queremos uma sociedade mais bem resolvida na conciliação da vida pes- mento e aprofundamento das competências (pessoais, emocionais, intelec-
soal com a vida profissional, temos de abordar essas questões na escola. Co- tuais) como “O Tema” da nova escola. Um trabalho que se quer precoce.

Foi vereadora da cultura. Que recordações tem desse trabalho e, se fosse hoje, o que faria em prol da educação no concelho?

Guardo as melhores recordações também deste tempo em que servi o con- quecer, para melhor nos conhecermos, para que melhor conheçamos os ou-
celho como Vereadora. Foi um privilégio, uma caminhada de aprendizagem e tros e para que desse conhecimento mais amplo e profundo nasça aceitação
mudança feliz na minha vida. na diferença, respeito pela diferença, afirmação na diferença, orgulho pela
Acho curioso que a pergunta enuncie a cultura e depois a educação e que diferença. E finalmente, igualdade!
estabeleça uma relação entre ambas. Acredito firmemente que o grande A cultura é pois – para mim – um veículo de conhecimento. Mas não termina
agente transformador do Mundo é a educação. A grande desigualdade, e até e vale só por si ou em si. Vale enquanto parte de um processo de crescimen-
a proibição total, que se verifica no acesso à educação nos diferentes países to civilizacional. Concretamente, faria tudo o que estivesse ao meu alcance
do mundo explica grandemente o seu estado de paz e desenvolvimento. para garantir que a cultura serve esse propósito maior de benignidade coleti-
Acredito que quanto melhor educação, melhores pessoas, melhores esco- va. De construção de momentos e memórias particulares e particularmente

6
lhas, melhores sociedades, melhor mundo. significantes. Momentos e memórias culturais que constroem, que
As diferenças culturais, as especificidades culturais das terras, das acrescentam, que engrandecem.
regiões, dos países, dos continentes, só podem servir para nos enri-
...em entrevista
Na área da educação julgo que se abriu um caminho de futuro a trilhar com Na educação e na Vida a forma como agimos para atingir qualquer desti-
denodo – o do aprofundamento das parcerias e sinergias de excelência. no ou coisa dá ou tira brilho. Se passarmos por cima de alguém, se mago-
Em prol de mais uma revolução lenta e calma mas profunda e transforma- armos, se mentirmos, se enganarmos, que valor tem o que assim conse-
dora – transformar a busca, o caminho, o processo no real fito e desígnio. guimos? Que valor tem esta vitória?
Assim é a Vida – o caminho já é afinal, toda a Vida. Pois que a escola ensine E que valor tem uma vitória limpa, justa, humilde, respeitosa?
isso mesmo, a buscar, a descobrir, a pesquisar, a fazer caminho. A educação que eu defendo é a que ensina a escolher, na Vida
Há quem se foque na meta, no resultado, na nota, no fim. (profissional, pessoal, societária), o caminho Bom. E o caminho Bom é o
Pois eu acho que o que vale é o caminho. A forma como chegamos lá. que, respeitando-me, respeita também os outros.

Foi também presidente do conselho geral do AEOB. As competências deste Conselho serão certamente muitas e variadas... Pode dar-nos uma ideia da
forma como a ação deste órgão se reflete na vida do Agrupamento?

O propósito maior desse órgão é trazer para dentro das escolas agentes que escolares, sejam eles os resultados da avaliação da escola, ou os da avalia-
normalmente nela não participam: representantes locais da sociedade civil, ção dos alunos, ou ainda dos resultados económicos do agrupamento.
dos agentes sociais e dos agentes económicos. Garantir que pessoal não Assim, a vida do Agrupamento é mais participada, logo pode tornar-se mais
docente, pessoal docente e discente têm uma palavra a dar na definição da rica com a diversidade de opiniões e pontos de vista – assim os membros do
estratégia educativa do Agrupamento. Conselho Geral o queiram ativamente proporcionar.
Por outro lado torna mais amplo e aberto o conhecimento dos resultados

Assistiu a alterações que suscitaram/ainda suscitam alguma polémica (criação do mega-agrupamento, processos de autonomia e descentralização…) Dê
-nos a sua opinião sobre estas mudanças.

Como já referi, a mudança provoca reações muito díspares nas pessoas – Os exemplos que a pergunta refere (mega agrupamento na nossa realidade,
enquanto algumas a desejam e procuram, outras temem e evitam-na. autonomia e descentralização) são, na minha opinião, todos sinais de Boa
A aceitação da mudança não significa (para mim) aceitação acrítica. Uma mudança. Defendo políticas (educativas, ambientais, sociais, económicas,
mudança, se for objetivamente boa ou melhor, será sempre de aceitar e culturais, …) de proximidade. Com o empenho e a atitude certos, com os
abraçar rápida e empenhadamente. Assim como uma má mudança será meios adequados, com a clara definição de competências e funções, são
sempre de combater corajosamente. processos bem vindos e que servem melhor as pessoas.

Qual é a sua ligação atual ao AEOB?

7
Neste momento pertenço a um grupo informal de 3 pessoas cha- contínuas. É uma iniciativa que louvo e à qual procurarei dedicar
mado “Amigo crítico”, formado a convite da Senhora Diretora Dr.ª mais tempo.
Júlia Gradeço, com o objetivo de ajudar a promover melhorias
...opini@o
Cristiano: um caso de sucesso
O melhor de ti ... está para chegar
Cristiano é um aluno do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro que frequenta o 4º ano na Escola Básica
do Troviscal. Desde cedo revelou comportamentos desajustados, que ao longo do tempo se foram desvanecendo
porque a ESCOLA acreditou nele. A seguir, apresentam-se relatos de pessoas da comunidade escolar que convi-
veram de perto com o Cristiano.
Tendo em conta quem era este aluno no 1º ano, 2º e 3º … Agora no 4ºano, que aspectos no seu entender marca-
ram a diferença no seu comportamento e nas aprendizagens?
● No 1º ano assisti a alguns conflitos criados por ele: agressões, insultos, grande revolta! Aluno muito pouco motiva-
do para as aprendizagens académicas, pouco organizado, sujava e estragava o seu material escolar.
● Era uma criança agressiva e de certo modo triste.
● Agora, já no 4ºano, verifico um grande progresso, está mais calmo, gosta de ajudar os adultos, preocupa-se com
as crianças mais pequenas da pré. Manifesta um comportamento social estável conversando e sabendo estar com os adultos. Assistimos a um aluno que gos-
ta de ler o que já consegue escrever, e tem vontade de estar na escola e partilhar.
● Vimos uma mudança radical, até parece que não há o Cristiano que antes conhecemos nesta escola. Hoje temos um menino humilde e contente.
● Temos uma criança meiga, que se tornou mais responsável e mais autónomo.
● Penso que foi um conjunto de factores que contribuíram para a alteração substancial do comportamento/vida do Cristiano. Para mim o motor dessa alte-
ração, foi fazê-lo entender que gostávamos dele. Todo o trabalho que foi sempre feito em equipa entre docentes, assistentes operacionais, animadora, cole-
gas, ATL, Direção, Psicóloga do “Espaço Mudança” e diálogo com a mãe … também complementado pela parte da medicina , a qual ao fim de muito tempo,
reconheceu a necessidade de ajudar o aluno a aumentar o seu poder de concentração.

“O aluno C. G. continua a ter comportamentos inaceitáveis dentro da escola, pondo em causa a segurança e bem estar dos outros alunos. As agressões a
colegas e funcionários são recorrentes nos intervalos, tal como aconteceu na passada terça – feira, na sequência de uma brincadeira entre colegas. Estes
comportamentos de violência estão a generalizar-se ao restante grupo, o que leva a que comecem a ser considerados como normais. Algumas crianças de-
monstram relutância em vir à escola e os pais mostram-se saturados perante esta situação e exigem que sejam tomadas algumas medidas no imediato.
Todas as medidas já adotadas ainda não surtiram efeito desejado.”

8
Troviscal, 7 de Janeiro de 2015 Antónia Martins e Lúcia Campos, professoras na Escola Básica do Troviscal
...opini@o
Aspetos a salientar para as grandes e notórias conquistas ao nível da motivação, aprendizagens e comportamento:
- O interesse, dedicação e carinho de todos os adultos que não desistiram dele;
- Valorização concreta dos seus progressos, como validação de aprendizagens;
- Sentir que alguém se preocupava consigo de modo efectivo;
- Nunca ter sido excluído do grupo, pois o mais fácil teria sido precisamente isso;
- Estabilidade do corpo docente com alguns elementos com perfil mais ajustado para este aluno;
- Currículo mais adaptado ao seu ritmo e necessidades e capacidades;
- Acreditar no seu potencial, e ler os sinais que ia dando ainda que escondidos por detrás
de atitudes desajustadas que ia tendo;
- Fazer parte de uma equipa de futebol (desde Novembro 2016);
- Ter-se sentido útil e aceite pelos colegas da escola;
- A medicação, embora já tivéssemos outros alunos, que mesmo com medicação não
verificámos estas mudanças a vários níveis;
- Integração no CATL;
- Pedagogia ajustada a ele, e sensibilidade por parte de quem não foi apenas transmissor de conhecimentos;
- Investimento na relação afectiva e no criar laços com esta criança;
- Perseverança, estratégias e métodos diversificados, por parte dos docentes próximos;
- Ambiente familiar na escola e os vínculos;
- Relações de confiança e estabilidade da educadora de ensino especial nestes 4anos;
- Apoio dado à mãe e o trabalhar em conjunto para o mesmo objectivo.

Não foi nada, nada fácil, várias vezes nos levou ao limite, mas penso que todos os que contactam hoje
com ele, apesar de tudo o que passamos, aprendemos a amá-lo.
Este menino, agora com 10 anos, melhorou a todos os níveis: comportamento, passando de Mau a BOM; motivação; a atenção/concentração; as aprendiza-
gens e a relação social com colegas e adultos!!
E quando uma criança que resiste …resiste… resiste, o adulto persiste…persiste com amor firme, …Finalmente a criança sente que gostam dele …deixa-se
amar, ajudar …! O sentido de pertença, o sentir que faz parte de um todo, que não é um anónimo, que consegue fazer aprendizagens e avançar. Descobriu
ainda poder ter amigos e ser amigo. Então a vida tem cor, e estabilidade interior!
Quero agradecer ao Sr Rui Rocha da Associação Desportiva de Águas Boas, por toda a colaboração e a todos os que acolheram e perseveraram desde o 1º

9
ano contribuindo para que o Cristiano chegasse a descobrir o melhor de si mesmo!
Ana Cristina Barata, Professora de Educação Especial e Antónia Martins, coordenadora da Escola Básica do Troviscal
ensino profissionalizante em revist@
Um dos objetivos das novas metodologias de ensino-aprendizagem é, precisamente, promover a interligação entre teoria e prática, a escola e a realidade;
neste sentido, a visita de estudo é uma das estratégias que mais estimula os alunos, dado o caráter motivador que constitui a saída do espaço escolar. A
componente lúdica que envolve, bem como a relação professor-alunos que propicia, leva a que estes se empenhem na sua realização. Contudo, a visita de
estudo é muito mais do que um passeio, constitui uma situação de aprendizagem que favorece a aquisição de conhecimentos, proporciona o desenvolvi-
mento de técnicas de trabalho, facilita a sociabilidade, abre horizontes, de entre outros. Partindo destes prossupostos, os alunos dos Cursos Profissionais
de Restauração e Comunicação – Marketing, Relações Públicas e Publicidade, realizaram diversas visitas de estudo, bem como outras atividades, ficando
aqui um enorme bem-haja a todas as entidades que, amavelmente, nos receberam. Assim, a destacar:

► Aulas no exterior, em Coimbra na Sé Velha e no Mosteiro de Santa Cruz e participação nas jornadas «Memórias Gráficas dos Antigos Conventos e Mos-
teiros de Aveiro», nesta cidade;

► Visita à Feira do queijo, ao Museu do Agricultor e do Queijo e à unidade hoteleira “Quinta dos Cedros” em Celorico da Beira;

► Roteiro cultural - Cidade de Lisboa – Palácio da Ajuda, Casa Museu Anastácio Gonçalves, Museu Berardo, Sé de Lisboa, exposição “Cidade Gráfica”, pro-
movida pelo MUDE (Museu do Design) e Teatro Villaret onde assistiram à peça de teatro “Quarenta e então?”;

► Visita a Feira "Qualifica 2017"- Feira de Educação, Formação, Juventude e Emprego na Exponor - Matosinhos, e Passadiços do Paiva;

10
ensino profissionalizante em revist@
► Visita à unidade Hoteleira - Hotel Montebelo “Vista Alegre” e empresa TEKA;

► Visita Museu Marítimo de Ílhavo e Navio Museu Sto. André;

► Visita à Central de Cervejas e Bebidas – Vialonga-Alverca; Centro Comercial Vasco da Gama e Bolsa de Valores
de Lisboa;

► McDonalds – no desenvolvimento de competências do âmbito da Tecnologia Alimentar;

► Convento de Mafra - assistir à representação da obra “Memorial do Convento” de José Saramago e visita ao
monumento;

► “Dia do Ensino Profissional” no Centro Desportivo do Jamor - onde os alunos tiveram oportunidade de partici-

11
par em diversas atividades desportivas, realizadas em grupo, promo- vidas pela ANQEP e IPDJ,
fortalecer relações interpessoais, desenvolver competências comuni- cacionais e conhecer ou-
tros jovens;
ensino profissionalizante em revist@ ► Os alunos do Curso de Comunicação e Marketing, têm vindo a realizar, mensalmente, gravações de som relativas às atividades, parcerias e iniciativas
que decorrem no Agrupamento e que, posteriormente, são transmitidas nas rádios: Província e Rádio Clube da Bairrada. Participaram, também, no Festival
Multimédia AGE 17, cujo tema foi: "Sê independente contra as dependências". Para o efeito elaboraram trabalhos nos formatos de cartaz, vídeo e fotogra-
fia que apresentaram a concurso;

► Almoços pedagógicos destinados a vários públicos-alvo; Lanche promovido pelos alunos do Curso Profissional de Restauração tendo como destinatários
os encarregados de educação dos alunos do Curso de Educação e Formação (CEF);

► Workshop – realizado na sala pedagógica do Curso Profissional de Restauração- promovido para os alunos do Curso vocacional;

► Ida ao Teatro: Quartel das Artes assistir a uma peça de Camões e outra de Gil Vicente e Cine teatro de Anadia assistir à peça Allô Allô;

► Os alunos do curso de Restauração participaram, ainda, na atividade “Dia das Sopas”, com a confecção de sopas variadas para a comunidade educativa;

Nas diversas atividades, os alunos demonstraram interesse, empenho, participação ativa e uma postura correta que dignifica os seus professores e o
Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro.

12
ensino profissionalizante em revist@
CEF PARTICIPA NO PROJETO “VIDAS UBUNTU”
Pelo 3.º ano consecutivo, a nossa escola acolheu com muito entusiasmo o desenvolvido em Portugal, e que promove uma cultura de acolhimen-
Workshop Vidas Ubuntu, este ano realizado com a turma do Curso de to, respeito, entreajuda, partilha, comunidade, cuidado, confiança e
Educação e Formação (CEF) de Serviço de Mesa. Ao longo de 4 dias, os 19 generosidade.
alunos da turma participaram em diversas actividades e dinâmicas pro- O projeto pretende desenvolver um processo de consciencialização, de
movidas por uma equipa de técnicos do Instituto Padre António Vieira recuperação de memórias, de génese de sentido, de integração positi-
(IPAV), que cul- va de tudo o que
minaram na par- foi vivido e de
tilha de histórias valorização da
de vida digitais, identidade. A
realizadas por apresentação do
cada um dos resultado final é
alunos. Esta é feita, de forma
sempre uma voluntária, em
semana de mui- formato digital
tas emoções, em (digital storytel-
que os alunos ling) ao grupo de
revivem mo- participantes e convi-
mentos impor- dados, num evento
tantes e marcan- especialmente orga-
tes da sua vida, nizado para o efeito.
mas também Alguns dos objectivos
aprendem a conhecer e a respeitar os colegas, reforçando desta forma a são a promoção do autoconhecimento, a projecção no futuro, a partir da
coesão grupo-turma. sua experiência de vida e o reforço da autoestima e da autoconfiança.
O Vidas Ubuntu é um projeto que visa a promoção e defesa dos direitos O Vidas Ubuntu é um projeto promovido pelo Instituto Padre António
humanos, através do desenvolvimento de um programa de estruturação Vieira (IPAV) e foi vencedor do Programa Cidadania Ativa em 2014. A se-
e apresentação, na primeira pessoa, de histórias de vida através gunda edição deste projeto foi lançada em setembro de 2016 e é

13
da metodologia do personalstorytelling. Esta iniciativa é inspira- patrocinada pela Fundação Calouste Gulbenkian.
da na filosofia Ubuntu (“Eu sou porque tu és”) que o IPAV tem
ensino profissionalizante em revist@ WORKSHOP DE CULINÁRIA PARA ALUNOS DO CURSO VOCACIONAL
No dia 8 de março, os alunos do Curso Vocacional participaram num Workshop de culinária na cozinha pedagógica da
nossa escola com a orientação do Chefe Tito, cada aluno preparou e empratou com criatividade a sua refeição.
Ao final da tarde, os encarregados de educação visitaram este espaço, e após alguns esclarecimentos relativos às op-
ções escolares dos seus educandos para o próximo ano letivo, tiveram a possibilidade de degustar algumas iguarias
confecionadas pelos alunos do 11.º ano do Curso Profissional de Restauração. Foi visível a satisfação e o agrado de
todos, pela atividade e produtos confecionados.
Com este workshop os alunos puderam observar e experimentar um outro tipo de atividade, concluindo que a culiná-
ria é também uma ARTE, onde o saber e o saber fazer aparecem como um só, podendo cada um dar largas à sua imagi-
nação, criando, reinventando, sem nunca esquecer que o objetivo final é apresentar o melhor produto final ao cliente.
Hoje em dia a cozinha é fabricante de verdadeiras obras de arte, onde os sabores e o aspeto visual são determinantes
para o sucesso.

ALUNOS DO CURSO VOCACIONAL VISITAM EMPRESAS LOCAIS
Nos dias 13 e 27 de janeiro os alunos do Curso Vocacional, no âmbito da disciplina de Artes Mistas, visitaram duas em-
presas locais de renome internacional: a CCA (Cerâmica Culinária Alimentar) e a Porcel.
A CCA é uma indústria que apresenta louça e utensílios de cozinha funcionais e práticos para alimentos preparados,
produtos congelados e molhos; A Porcel é uma indústria que produz porcelanas finas, brindes e acessórios decorativos
misturando o património regional de artesanato de porcelana portuguesa, com o mais puro material de barro importa-
do de Limoges. Em ambas as empresas os alunos puderam observar o processo de fabrico das peças e verificaram que a
busca da perfeição é uma constante em todas as fases. Em conversa com quem nos recebeu denota-se uma preocupa-
ção diária, não só na investigação e desenvolvimento de novos produtos, novas decorações e novas embalagens de
acordo com as tendências dos mercados, como também na satisfação do cliente, personalizando produtos na decora-
ção e no design. Não se pode deixar de referir os cuidados que observámos na minimi-
zação do impacto ambiental, nomeadamente nas soluções de reutilização e reciclagem
e na utilização racional da água e da energia.
Estas visitas tiveram como principal objetivo a familiarização dos alunos com o mundo
do trabalho, observando diferentes técnicas de transformação das matérias primas em

14
materiais e nas formas de apresentação dos produtos, no mercado.
O nosso muito obrigado a quem nos recebeu com muita atenção e
amabilidade: engenheiro Pedro –CCA e engenheira Luísa- Porcel.
ensino profissionalizante em revist@
CHEIRAR, SABOREAR, SENTIR E OBSERVAR A NOSSA ESCOLA
Vejam o que a turma do Vocacional descobriu quando cheirou, saboreou, observou e apreciou a Escola Dr. Acácio de Azevedo – Trabalho desenvolvi-
do na disciplina de Fotografia.

Vamos cheirar a nossa escola:

Agora vamos saborear a nossa escola, vê se consegues. Então vamos já sentir a nossa escola.

Abre bem os olhos e observa o que ainda conseguimos ver mais na nossa escola.

15 Conseguiram ver? Não?! Então venham cá que ainda há muito mais!
pré-escolar em revist@
JI de Oiã Nascente DIA DO PAI
Dando continuidade ao desenvolvimento duma prática pedagógica articulada
com a família, o Jardim-de-infância de Oiã Nascente comemorou o dia do PAI
com a realização de diversas atividades, que incluíram os pais ou os seus repre-
sentantes nas atividades diárias das crianças. Participar nas aulas de natação,
educação física, brincar com as crianças ou partilhar momentos de atividade na
sala foram os desafios lançados que contaram com a adesão dos pais ou dos
seus representantes para alegria das crianças e de toda a equipa pedagógica
deste jardim-de-infância. Bem hajam todos que puderam estar presentes!

16
pré-escolar em revist@
JI da Palhaça De Clara Cunha, com ilustração de Paulo Galindro
SINOPSE: Os animais de grande porte - girafas,

CHEGOU O CUQUEDO elefantes, hipopótamos, rinocerontes - andam nu-
ma correria de lá para cá e de cá para lá. Tudo isto
Mas afinal quem é o Cuquedo?
porque chegou à selva o Cuquedo. O Cuquedo é
Nenhum animal da selva sabia quem era o Cuquedo, nunca o tinham visto,
muito assustador, prega sustos a quem estiver pa-
nem nós!
rado no mesmo lugar. Mas quem é o Cuquedo?
No fim, acabámos por conhecer o verdadeiro Cuquedo e constatámos que
afinal não era assim tão assustador, até era bastante fofinho e querido, parecido com um novelo de lã.
Desde a noção dos diferentes animais da selva à exploração do susto e do medo, este livro tem inúmeras funcionalidades e foi ponto de partida para
várias atividades…

1. Fizemos o regis- 2. Cada um dese-
to e ilustração da nhou o seu Cuque-
história…. do (alguns são
mesmo assustado-
res) …

3. Surgiram fan-
toches para
contar a histó-
ria…

4. Fizemos máscaras das personagens da história, para a dra-

Aconselhamos todas as pessoas que queiram ler este livro, matizarmos e apresentámo-la à outra sala, na biblioteca…

17
que o melhor é lerem-no em movimento, não vá o Cuque-
do fazer das suas! Porque foi o que fizemos…
1º ciclo em revist@
EB Bustos
DIA DA AMIZADE
O dia 14 de fevereiro foi vivido com muita alegria e grande entusiasmo na Escola Básica de Bustos. Foi um
dia repleto de emoções e sentimentos, com variadas atividades.
Os meninos do jardim-de-infância fizeram lindos postais e definiram a palavra amizade. Com os alunos do
1º Ciclo também foi recordado o sentimento nobre da amizade.
A Associação de Pais ofereceu uma goma a todos; com a sua mão deu um saboroso coração. Bem-haja!
Para terminar o dia, o escritor Pedro Seromenho visitou-nos e presenteou-nos com as suas belas histórias
e ilustrações que ficam nas memórias.
E que a Amizade perdure no Coração de todos para que não falte a Felicidade!

EB Palhaça Ser PAI
Ser Pai é ser aluno, contar, ler…

SEMANA DO PAI Ser professor, corrigir, explicar…
É ensinar, sempre a aprender!
Foi uma semana dedicada a todos os PAIS, que puderam apreciar
Ser PAI é ser um ídolo, o maior,
os trabalhos que os filhos lhes dedicaram, incluindo uma sessão
Um super-herói invencível!
fotográfica que os levou a viajar… em segurança!
O porto de abrigo acolhedor,
Para a tempestade mais terrível!
Ser Pai é aconselhar, chamar à razão.
Ser PAI não é ser velho,
É rejuvenescer e renovar.
Ser PAI é semear uma flor,
Vê-la germinar e florir enfim!
Tratá-la com carinho e amor,
Ela é o orgulho do seu jardim!

18
Ser PAI é pois na realidade,
Ser assim, um verdadeiro PAI babado!!!
FELIZ DIA DO PAI!
1º ciclo em revist@
EB Palhaça
AULAS DE XADREZ
O desafio foi lançado por uma Mãe que já conhecia o projeto!
É a EDUBOX (empresa nascida na Universidade de Aveiro e no PmatE, projeto Matemática ensino) que está a dinamizar o pro-
jeto.
Está a ensinar como jogar, o nome das peças, as estratégias para ganhar.
A importância deste projeto revela-se nos testemunhos dos alunos: “Estamos a aprender a ficar mais concentrados, a utilizar
a minha imaginação de forma diferente, a ser corajoso e tantas outras coisas mais!” “Já entrámos nesta AVENTURA!”.

ENCONTRO COM PEDRO SEROMENHO
Foi no dia 14 de fevereiro que recebemos o autor e ilustrador Pedro Seromenho. As sessões duraram toda a
manhã, mas ninguém estava cansado, apenas o Pedro, que nos contou histórias, cantou canções, respondeu a
perguntas e deu muitos autógrafos…
Muitas vezes pensamos que o autor infantil é um Deus, intocável… mas não, é um ser humano falível como nós,
que cumpre desmistificar-se junto dos mais pequenos, numa aproximação que os vai enriquecer e transformar
para sempre. Os autores infantis são escritores, professores, atores ou contadores, mas têm uma única paixão: o
livro e a leitura.
Um desses casos é o Pedro Seromenho que, através das suas sessões informais e peculiares, fez com que a via-
gem pelos livros se tornasse numa autêntica aventura.

19
“No dia em que descobri este novo imaginário, redescobri-me
por completo… E o resto é fácil. É sonhar.” Pedro Seromenho
1º ciclo em revist@
EB Troviscal
ARTE PELO TROVISCAL

A arte, ou expressão artística, é um dos maiores instrumentos de avaliação com que o educador pode contar. Através dela, pode-se avaliar o grau de
desenvolvimento mental das crianças, suas predisposições, seus sentimentos, além de estruturar a capacidade criadora, desenvolver o raciocínio,
imaginação, perceção e domínio motor.
A criança, mesmo antes de aprender a ler e a escrever, reage positivamente aos estímulos artísticos, pois ela é uma criadora nata. Nesta fase, as ativi-
dades ligadas às artes são ricas oportunidades para o desenvolvimento das crianças, uma vez que põem ao seu alcance os mais diversos tipos de ma-
terial para manipulação.
Através da arte o professor pode trabalhar com a sensibilidade, a possibilidade de relação criativa com o mundo, estimula e reforça o Eu de cada indi-
víduo, ampliando a consciência de suas potencialidades, a consciência do meio e das possibilidades de o influenciar. Só o facto de existir um contacto
com qualquer tipo de arte, permite ao homem ampliar a sua capacidade de observar, sentir, analisar, selecionar, associar e criar, o que lhe permite
também estimular o pensamento divergente, procurando sempre vários caminhos para solucionar problemas e adquirir a possibilidade de se expres-
sar em mais do que uma linguagem.
Trabalhar com artes na escola não significa apenas desenvolver atividades que liberta as emoções, mas também ver a arte como construção do co-
nhecimento, proporcionando ao aluno os meios para a realização de experiências do fazer artístico, na apreciação da obra de arte e na reflexão sobre
o seu produto. Isso significa que o aluno deve ter a oportunidade de ler e produzir imagens, e é a escola o lugar propício para permitir o acesso à in-
formação e ao conhecimento atualizado dos alunos em todas as áreas, saberes e fundamentalmente a nível da arte quer seja esta como expressão ou
como cultura.
Toda esta reflexão surge após uma atividade realizada na nossa escola , a qual permitiu dar a conhecer o pintor e artista plástico Romero Britoo.
( trabalho de pesquisa realizado pelos alunos da turma T1)
Foi com base na sua obra que os alunos idealizaram e construíram verdadeiras obras de arte.
O entusiasmo, a cooperação, a criatividade o querer saber mais, presentes durante esta atividade, são a prova que a Escola é a verdadeira promoto-
ra da cultura de um povo.

20
1º ciclo em revist@
EB Troviscal
ROMERO BRITTO
Romero Britoo nasceu no Recife, estado de Pernambuco em 1963 e é um famoso pintor e artista plástico brasileiro. Radicado
em Miami, nos EUA, ficou conhecido pelo seu estilo alegre e colorido, por apresentar uma arte pop, despojada da estética
clássica e tradicional. É considerado um dos artistas mais prestigiados pelas celebridades americanas e o pintor brasileiro mais
bem sucedido fora do Brasil. Foi durante a infância que começou o seu interesse pelas artes quando usava sucatas, papelões e
jornais para exercitar a sua criatividade, pois os tempos eram de pobreza e muitas limitações.
Iniciou o curso de Direito na Universidade Católica de Pernambuco, mas depois viajou para os Estados Unidos e lá ficou, tor-
nando-se no artista de sucesso que é hoje.
É muito influenciado pela estética cubista, e tem Picasso como um grande mestre. O seu estilo é vibrante e alegre, com cores
fortes o que fez com que a sua obra tivesse forte ligação com a publicidade.
O artista já mostrou o seu talento, pintando para uma campanha publicitária da marca de vodca sueca Absolut, para as latas
de refrigerante da Pepsi Cola, e redesenhou personagens de Walt Disney.
Muitas celebridades admiram a obra de Romero Britoo, como Arnold Schwarzenegger, Madonna, os ex-presidentes Bill Clin-
ton, (EUA) Fernando Henrique Cardoso (Brasil) e Carlos Menem, (Argentina). As suas coleções estão presentes em diversas
galerias do mundo inteiro.
Trabalho de pesquisa realizado pelos alunos da T1

EB Oliveira do Bairro
MISSÃO PAÍS 2017
Um grupo de jovens universitários que esteve presente na EB de Oliveira do
Bairro de 13 a 17 de fevereiro, para transmitir às crianças do 1.º ao 4.º Ano,
dentro e fora da sala de aula um pouco mais de alegria, através de jogos
lúdicos e sensibilizá-las para temáticas importantes como a educação ambi-
ental, a formação cívica, a amizade, a solidariedade social, etc.
É caso para dizer "Missão cumprida” e os alunos agradeceram!"

21
1º ciclo em revist@
EB Oliveira do Bairro
TAMPINHA AMIGA
Este projeto, que consta do Plano Anual de Atividades, tem vindo a ganhar uma maior dinâmica e a
entusiasmar a comunidade educativa, principalmente os alunos. É um projeto que educa para a
cidadania em duas das suas maiores vertentes: a solidariedade e a ecologia. Ao recolher tampi-
nhas estamos a separar e a promover a reciclagem e, desta forma, a ajudar o ambiente. Simultane-
amente, estamos a ser solidários, na medida em que o seu valor monetário reverte na ajuda de
tratamentos e equipamentos médicos para pessoas com dificuldades económicas.
Durante o primeiro período, a nossa escola encheu cerca de 120 garrafões (mais ou menos 100Kg)
que permitiram defender duas causas. Queremos continuar a poder ajudar, por isso, apelamos à comunidade que guarde as tampinhas e as faça chegar
a qualquer escola do nosso agrupamento. Obrigado!

A PRIMAVERA PÁSCOA E TRADIÇÃO
Primavera já chegou
No enquadramento da época da Páscoa,
Toda a Terra vai florir
as crianças do Pré-Escolar do Jardim de
Frutos novos, em botão estão a abrir.
Infância de Oliveira do Bairro realizaram
Olha os bichos, tanta vida
de forma muito criativa e alegre, ativida-
Olha as flores, tanta cor
des alusivas ao tema, na última semana
Primavera, festa do amor!
de atividades do 2.º período. Em contexto
Chegam andorinhas
de sala/grupo todas as crianças explora-
Que fazem seus ninhos
ram e vivenciaram momentos de novas
Para agasalharem seus novos filhinhos.
aprendizagens, tendo como momento
O cuco já canta, o melro também
alto a confeção do saboroso folar da Pás-
Há uma grande festa
coa.
Na natureza mãe!
Há sol a brilhar,
Alguma chuva cai
O vento também sopra, uma folha lá vai.

22
Tudo é tão bonito, de alegres cores
Há tanta alegria,
Despertam-se amores!
1º ciclo em revist@
BOM CARNAVAL!
Carnaval é alegria
Carnaval é diversão
Vestir-se de fantasia
É carnaval “Trapalhão”
É ser rainha ou princesa
É ter um vestido a brilhar
Ou ser um “Super-herói”
Sempre pronto para ajudar.
É poder ser astronauta
Ou um pirata mauzão
Bruxa má ou fada boa
É ter imaginação!

VISITA À QUINTA
No dia 22 de março a nossa turma cabras, demos-lhe comida com as nossas
foi à Quinta Pedagógica do Caima. mãos, fizemos mimos aos cães, aos cava-
Saímos da escola às 9h, de auto- los e aos burros.
carro, com a nossa professora e a De seguida fomos ao parque de diversões;
D. Anabela. andamos de escorregão, de baloiço e no
Quando chegamos fomos recebi- trampolim.
dos pelo André que nos levou até Era hora de almoçar; sentamo-nos numas
uma sala para poisarmos as mo- mesas ao ar livre e comemos.
chilas e ouvirmos as regras, uma Seguiu-se uma longa caminhada; vimos
delas era falar baixo para não casinhas em madeira para fazer campis-
assustar os animais. mo, fomos até ao rio e até à piscina.
Depois o André foi mostrar-nos todos os animais da quinta: vimos os coe- Regressamos à cavalariça; colocamos o toque na cabeça e montamos a
lhos e o Cristiano deu-lhe ração; vimos as codornizes e a Constança entrou cavalo e demos uma volta pelo picadeiro.
na capoeira e tirou os ovos; a Telma, o Daniel, o Vasco, e o Gon- Este dia de aulas foi diferente: foi bom, bonito e divertido!
çalo foram ao galinheiro e apanharam os ovos; a Laura, o Alfredo
e o Francisco deram-lhe milho. Também entramos na cerca das
23 Alunos do 1º ano (OB6)
acontece no @eob
ARTISTAS CIENTÍFICOS GANHAM PRÉMIO
Mais uma vez a nossa escola recebe prémios. Entre dia 13 a 19 de março, Semana Internacional do
Cérebro, estiveram patentes, na exposição “Expor o cérebro” do Instituto de Educação e Cidadania
(IEC), trabalhos de vários alunos do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro (AEOB), desde o
1.º ciclo até ao secundário.
No passado mês de fevereiro, os alunos de várias escolas da região foram desafiados a participar no
concurso “Expor o Cérebro”, promovido pelo IEC e coordenado pela cientista Ana Carvalho. O AEOB
respondeu em força e foram de grande qualidade os trabalhos enviados a concurso.
A turma vocacional do 3.º ciclo agarrou este desafio com muito entusiasmo e, com orientação da
professora de ciências naturais, puseram a criatividade a funcionar. Dos seis trabalhos enviados a
concurso, dois obtiveram o primeiro lugar, ex aequo, na categoria 3.º ciclo. Os alunos premiados
foram Érica Oliveira e Jéssica Fernandes, com o trabalho “Neurónios Fluorescentes” e João Noguei-
ra, Leandro Pedro e João Rato, com o trabalho “Encéfalo”.
Também estão de parabéns os alunos: Gabriel Neves, do 6ºD, pelo primeiro prémio na categoria 2.º
ciclo; Filipa Abrantes, Marcelo Ferreira, Maurício Pereira Oliveira e Valdir Coimbra, do 10.º B, pelo
primeiro prémio da categoria ensino secundário.
Como prémio, as turmas 6.ºB e VOC tiveram o direito, no dia 19 de março, a uma palestra dinami-
zada pela neurocientista Vanessa Santos, do IBILI, Faculdade Medicina da Universidade de Coimbra,
cujo tema foi “Curto Circuito - as Substâncias Psicoativas e o Cérebro”.
Quem não teve oportunidade de ver a exposição de trabalhos, poderá fazê-lo na próxima edição do
Festival de Ciência de Oliveira do Bairro.

24
acontece no @eob
DE NÓS PARA VÓS
No dia 28 de março, os alunos do 6º B deslocaram-se às instalações da
ESOB, a fim de apresentarem aos alunos do 1º e 2º anos da Escola Básica de
Oliveira do Bairro os trabalhos realizados ao longo do 2º período, em DT4.
Para aproveitarem bem o tempo, também almoçaram nesta escola, o que
lhes permitiu espreitar um pouco a forma de estar dos seus colegas mais
velhos. Apesar do nervosismo próprio do momento, todos os alunos conse-
guiram conquistar o seu grande público, num espetáculo que primou pela
diversidade de “artes performativas” (teatro, dança, poesia, anedotas, jo-
go…), executadas com bastante mestria e responsabilidade.
Depois das merecidas palmas, a satisfação era visível nos seus rostos. Ti-
nham conseguido concretizar o seu sonho: levar um pouco de si àqueles que
brevemente estarão no seu lugar!

PAULINE NIQUILLE CONQUISTA O 3º LUGAR NO FESTIVAL MULTIMÉDIA AGE 17
No âmbito da disciplina de Comunicação Publicitária e Criatividade, os
alunos do 11º ano do Curso Profissional de Comunicação, Marketing,
Relações Púbicas e Publicidade participaram no Festival Multimédia
promovido pela Didáxix - Escola Cooperativa de Ensino, CRL, em Vale S.
Cosme - Vila Nova de Famalicão. Na disciplina de CPC os formandos
realizaram trabalhos individuais, nas categorias de vídeo, cartaz e foto-
grafia. De entre os treze alunos participantes do AEOB a Didáxix pre-
miou a formanda Pauline pela sua fotografia intitulada “Sê independen-
te contra as dependências” – tema do festival deste ano. A foto em
questão e os restantes trabalhos vencedores podem ser visualizados
no site em htop://festivalmultimediajovem.pt/.
Parabéns Pauline, excelente trabalho!

25
acontece no @eob INTERCÂMBIO ENTRE OLIVEIRA DO BAIRRO E LAMBALLE
Duas cidades geminadas, dois grupos de alunos e professores alunos aprendessem com a visita à la Cité des Télecoms e apreciar o mar.
que se encontram e partilham saberes, projetos, culturas e sonhos. Deu-lhes ainda a possibilidade de admirar o rosa do granito, almoçar na
No período de 1 a 9 de abril, os alunos do AEOB, participaram praia, e a um “chapiscar de pés” com água morna, onde se viveu um
no intercâmbio com os alunos de Lamballe onde apresentaram os momento de descontração, seguido de uma caminhada pelo Caminho
projetos Dança + (mais) – Escola Dr. Fernando Peixinho e Música – dos Alfandegários, por entre rochas graníticas rosa.
Escola Dr. Acácio Azevedo e os projetos dos alunos das Escolas de Chegou o dia de sexta, com a parte da manhã em Sant Brieuc e
Lamballe, Sacré Coeur e Gustave Tery que visaram a Arte Dramática. visita ao Petit Théâtre onde os alunos apreciaram a sala de teatro cons-
O primeiro dia em terras bretãs foi consagrado ao descanso e ao truída segundo o modelo dos teatros italianos e onde puderam admirar
convívio com a família que acolheu cada um dos participantes. O se- as condições acústicas e técnicas do mesmo para a realização de espetá-
gundo levou tanto os portugueses como os franceses ao Mont Saint- culos.
Michel e a toda a sua grandiosidade e história. Ainda no mesmo dia, os Após o almoço os portugueses foram recebidos na Mairie
alunos puderam visitar o centro histórico da cidade de Saint-Malo, guar- (Câmara Municipal) pelo adjunto e pelo Comité de Geminação onde se
dado pelas imponentes muralhas e sob o olhar do túmulo de um dos reforçou a importância deste tipo de intercâmbio tanto a nível pessoal,
grandes escritores franceses, Chateaubriand. cultural como em termos de futuro, a nível profissional.
No segundo dia, a primeira parte permitiu que os alunos portu- Após um passeio pela cidade, os alunos ensaiaram e prepara-
gueses conhecessem o funcionamento das escolas, assistindo a aulas nos ram-se para o espetáculo no final de dia.
dois estabelecimentos de ensino e almoçando nas respetivas cantinas. À O jantar foi partilhado por os alunos, professores e famílias en-
tarde visitaram uma das mais belas cidades francesas, Dinan, onde facil- volvidas no intercâmbio com um grande convívio e confraternização en-
mente se volta à Idade Média devido às construções aí existentes, às tre todos, na Salle Municipale.
muralhas e ao próprio rio, o Rance, por onde se andou num minicruzeiro
com a descrição das atividades aí desenvolvidas, ao longo dos séculos, e
do funcionamento das 47 comportas existentes neste rio. Tiveram a
oportunidade de passar pela quadragésima sétima e ver como funciona
uma comporta.
Ao meio da semana assistiu-se a aulas, nos dois estabelecimen-
tos e ensaiou-se sob a orientação das professoras Paula Henriques e Ma-
ria Rojo com a colaboração das colegas Ana Lúcia e Marion.

26
A Bretanha brindou-nos com bom tempo e a ida à Côte
de Granit Rose, Ploumanach, Pleumeur-Bodou, permitiu que os
INTERCÂMBIO OI×OIA, ESPANHA

acontece no @eob
A apresentação dos Projetos de Dança, Música e Teatro foi ao
entardecer. Apesar das condições acústicas não serem as melhores, princi- Nos dias 2, 3 e 4 de março, quinze alunos do segundo ciclo e duas
palmente para os projetos de teatro, as apresentações foram coroadas de docentes da Escola Básica Dr. Fernando Peixinho participaram num
sucesso, pelo empenho de todos envolvidos e pela ótima execução de to- intercâmbio com duas escolas de Oia, Pontevedra – Colégio Mestre
dos os alunos. Manuel Garcia e Colégio Refoxos – no âmbito da geminação da Fre-
Os portugueses foram surpreendidos com a presença da vereado- guesia de Oiã com o Concelho de Oia. Esta actividade foi dinamizada
ra da Educação e Cultura e presidente do Comité de Geminação em Portu- e patrocinada pela Junta de Freguesia de Oiã. O Presidente da Junta,
gal, Elsa Pires, para assistir ao espetáculo final deste intercâmbio que dei- Vítor Oliveira, e a Secretária, Gina Diogo, também acompanharam os
xou um brilho especial em todos os olhos. nossos alunos nesta viagem.
Como balanço as professoras envolvidas consideram que foi uma Os alunos visitaram a cidade de Baiona, o Museu Verbum, em Vigo, o
experiência enriquecedora para os alunos e para elas, não só em termos cul- Castro e Museu Arqueológico do Monte de Santa Trega, em A Guarda, e a
turais, como experiência de vida onde se confrontaram com hábitos de orga- igreja do mosteiro de Santa Maria de Oia.
nização familiar, gastronómicos e educacionais/profissionais diferentes que Com esta iniciativa, os alunos de Oiã tiveram a oportunidade de conviver
servem para uma reflexão, a qual poderá ajudar no desenvolvimento global com uma realidade escolar diferente, conhecer património natural e cultu-
de todos os participantes. ral, saborear a gastronomia local e, principalmente, fazer novos amigos no
Ao longo destes dias houve um criar de laços entre os participantes, país de nuestros hermanos.
sempre bem acompanhados pelos professores franceses constantemente A Presidente da Câmara de Oia, os docentes dos dois colégios e as famílias
disponíveis, atentos e de todos os elementos envolvidos neste intercâmbio dos correspondentes espanhóis foram inexcedíveis no carinho e atenção
que deve continuar por mais anos. que deram aos nossos meninos. Estes regressaram mais enriquecidos, sendo
Os alunos de forma geral, comportaram-se como era expectável evidente a expressão de alegria dos seus rostos.
para a sua faixa etária e empenharam-se em representar bem e com dignida- O Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro agradece à Junta de Fregue-
de o município de Oliveira do Bairro e o Agrupamento de Escolas de Oliveira sia de Oiã a oportunidade que facultou aos nossos alunos e aguarda com
do Bairro – AEOB. entusiasmo a visita dos alunos correspondentes espanhóis nos dias 20, 21 e
22 de abril.

27
acontece no @eob
SESSÕES EPIS—INTERNET SEGURA
No seguimento da comemoração do dia da Internet Mais Segura, a 7 de feverei-
ro, o Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro, em parceria com a EPIS –
Empresários para a Inclusão Social, e a Microsoft Portugal, realizou sessões de
esclarecimento aos alunos, acerca da Segurança na Internet, ao longo do 2º
período escolar.
Assim, na escola E.B.2,3 Dr. Acácio de Azevedo, e na escola E. B. 2,3 Dr. Fernan-
do Peixinho, cerca de 170 alunos do 2º e 3ºciclos, participaram em sessões in-
formativas e de sensibilização com as mediadoras EPIS, tendo como principais
objetivos alertar os alunos para os perigos da Internet e promover uma correta
utilização da mesma.
De um modo geral, os alunos participaram ativamente, com questões pertinentes, demonstrando interesse e motivação pelo tema em questão, tão
atual e importante.
Tendo em conta o sucesso das sessões e a importância crescente deste tema, foi ainda sugerido pelos docentes, a realização de mais atividades deste
género, no decorrer do 3º período escolar.

LOVE 2 HELP
Realizou-se, no dia 20 de janeiro, uma mostra de filmes solidários no Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro, promovida pela Love Images em
colaboração com a EPIS. Foram abordadas temáticas tão diversas como igualdade de género, parentalidade, prevenção de toxicodependência, refugia-
dos, proteção do ambiente, entre outros.
Na escola Dr. Fernando Peixinho participaram as turmas 8ºE, 9ºE e 9ºF,
com um total de 58 alunos, acompanhados pelos respetivos docentes.
Na Escola Secundária de Oliveira do Bairro, participaram as turmas do
9ºC e vocacional, com 40 alunos, e respetivos diretores de turma.
Os alunos gostaram da sessão, que teve como objetivo despertar a sua
consciência social enquanto cidadãos.
Agradecemos a disponibilidade da Love Images e da EPIS na

28
promoção desta atividade.
acontece no @eob
MAKE IT POSSIBLE
No dia 25 de fevereiro, alunos da Escola Secundária de Oliveira do Bairro deslocaram-se a
Aveiro para participar numa mostra de ideias no âmbito do projeto MAKE IT POSSIBLE, da AIESEC
(“Association Internationale des Étudiants en Sciences Économiques et Commerciales”). Os tra-
balhos realizados têm como objetivo contribuir para o desenvolvimento sustentado da comuni-
dade e certamente exigiram grande pesquisa e capacidade de liderança dos alunos do Ensino
Secundário, ainda tão inexperientes. Foram diagnosticados problemas ambientais e sociais de
carácter global e, posteriormente, criados dispositivos que permitirão responder às exigências da
sustentabilidade. Foi assim que surgiram sabonetes fabricados a partir de cinzas e ciclistas que
produzem energia, nos projetos Washes: ashes wash e Ride the Future, respetivamente. Ainda
preocupados com o consumo de energia foram apresentados os trabalhos Rewater, para apro-
veitamento das águas sanitárias, e o π Power, em que o nosso movimento produz a energia de
que precisamos. Também não faltaram ideias inovadoras no âmbito dos problemas sociais! Os
nossos jovens parecem estar preocupados com a solidão, a falta de recursos para o ensino e com
o estacionamento para pessoas portadoras de deficiência motora. Pelo menos assim o compro-
vam os projetos Hug Loneliness, Sharing Pages e Easy Park. Estas sete propostas da ESOB conse-
guiram despertar a curiosidade dos membros da AIESEC e de todos os visitantes da mostra, que
também contou com trabalhos de outras escolas secundárias do distrito de Aveiro. Foi uma tarde
enriquecedora para quantos puderam participar na atividade.
O projeto Easy Park, desenvolvido pelos alunos Beatriz Bastião, Hugo Ferreira, Joana Claro, Mar-
garida Cura, Mariana Fernandes, Miguel Pinto e Olavo Saraiva, foi um dos 12 escolhidos a nível
nacional para estar presente no Evento Final que se realizou no dia 18 de março de 2017 na Nova
School of Business and Economics, em Lisboa. A ideia destes alunos é facilitar o estacionamento a
pessoas portadoras de deficiência em lugares reservados para o efeito, através de um sistema de
sensores que baixaM o pino que bloqueia o acesso ao lugar quando o automóvel se aproxima.
Outra grande aprendizagem decorrente deste projeto foi o trabalho e o convívio com estagiárias
da China e da Geórgia que o MAKE IT POSSIBLE trouxe até Oliveira do Bairro durante seis sema-
nas. O contacto direto com outras culturas e diferentes experiências traz um

29
contributo inestimável para a formação dos jovens que vivem nesta era glo-
bal.
acontece no @eob
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NAS ESCOLAS
Resultante do Despacho n. 436-A/2017 de 6 de janeiro, o qual procura potenciar uma maior democratização nas escolas do país, decorreu desde janei-
ro passado até ao final de março o processo de apresentação e votação do Orçamento Participativo nas Escolas. Segundo aquela norma legal são atri-
buídos 500€ ao projeto vencedor em cada estabelecimento escolar para ser investido na melhoria e conforto do espaço escolar e dos alunos. O Agru-
pamento acolheu este diploma com agrado, tendo ficado a agilização do processo a cargo do Gabinete de Apoio ao Aluno com o apoio de um coorde-
nador do Orçamento Participativo das Escolas em cada estabelecimento escolar.
Assim, as três escolas do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro com 3º ciclo e/ou ensino secundário, a Escola Secundária, a Escola Básica Dr.
Acácio de Azevedo e a Escola Básica Dr. Fernando Peixinho de Oiã, empreenderam o projeto proposto pela Ministério da Educação e, no final de janei-
ro, apresentaram e desafiaram os alunos a refletirem e a proporem projetos devidamente fundamentados para o investimento do valor atribuído pelo
referido despacho legal. Além das informações fornecidas aos alunos e respetivos encarregados de educação em reunião presencial, também foi colo-
cada nas páginas do agrupamento e do moodle. Os projetos poderiam ser submetidos, até ao final de fevereiro, em nome individual ou em grupo
(cinco discentes no máximo), tendo de ser subscritas por 5% dos alunos que frequentassem a escola.
Verificou-se uma larga adesão, pois na Escola Básica Dr. Acácio de Azevedo foram apresentadas nove propostas e dez na Escola Básica Dr. Fernando
Peixinho. Na Escola Secundária apenas houve a concorrência de dois projetos. Findo o prazo para a presentação das propostas, as quais poderiam ser
entregues em mão aos respetivos coordenadores do Orçamento Participativo das Escolas, através de e-mail ou submetidas pela plataforma moodle,
passou-se para a fase de campanha em que cada projeto realizou cartazes informativos/explicativos e na Escola Básica Dr. Fernando Peixinho foi utili-
zada a rádio-escola como forma de campanha, promoção e esclarecimento de cada projeto.
Houve um debate entre todos os proponentes dos respetivos projetos com a presença de muitos
outros alunos bem atentos e interventivos nas suas pertinentes questões (na Escola Secundária e na
Escola Básica Dr. Acácio de Azevedo decorreu no dia 22 de março, enquanto na Escola Básica Dr.
Fernando Peixinho ocorreu do dia 14 ao dia 21 de março). No dia 24 de março, Dia do Estudante,
decorreu a votação, tendo sido vencedores os seguintes projetos:
► Escola Secundária: Aquisição de material – micro-ondas e máquina fotográfica e de filmar;
► Escola Básica Dr. Acácio de Azevedo: Reabertura da radio-escolar;
► Escola Básica Dr. Fernando Peixinho: Um bem estar para os alunos - aquisição de uma mesa de
matraquilhos e de puf para a sala dos alunos.
Até ao final de maio os projetos terão de estar devidamente concluídos. Até lá… um bom trabalho
para todos! Não podemos deixar de dar um agradecimento especial a todos os alunos que media-

30
ram os debates e as apresentações; e a todos os que, com as suas ideias , participaram e contribuí-
ram para um processo verdadeiramente democrático.
acontece no @eob
Une Française à Oliveira do Bairro - Marion
Eu pensava já conhecer Portugal. Esta frase pode resumir o meu ano.
Há nove anos que os meus pais e eu temos o hábito de vir a Portugal para as férias de verão. Desde 2008, encontrámos muitas
pessoas e descobrimos paisagens, uma cultura e uma história própria do país. Gostámos tanto que eu fiz o meu Mestrado em
História do Renascimento sobre um médico português do século XVI (Amato Lusitano) e que a minha mãe decidiu em 2014 ter
uma crise de apendicite e ser operada em Portugal... Pois, o que é que tinhamos ainda a descobrir?
O projeito de ser Assistente de Francês em Portugal, graças ao Centro Internacional de Estudos Pedagógicos, era a continuida-
de da minha estadia na Universidade de Coimbra com o programo ERASMUS. O objetivo era simples: promover a língua e a
cultura francesa. Por isso, no Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro trabalhei com os professores de Francês como
assistente, ou seja, no apoio às turmas para promover a oralidade francesa dos alunos e para corrigí-los na pronúncia. A aber-
tura do Club de Français na Escola Básica Dr Acácio de Azevedo foi uma aventura em terra desconhecida tanto para mim como
para os alunos, mas foi uma oportunidade única de aprender canções e tradições francesas, de apreciar cozinha francesa, de
ver filmes ou emissões em francês, de preparar a viagem para Lamballe e, sobretudo, de partilhar tudo em francês. A minha integração também fez-se
com o desporto graças à Associação Desportiva de Aveiro que me autorizou a juntar-me aos treinos no Velódromo de Sangalhos e a fazer uma competi-
ção com as meninas.
Foram sete meses de descobertas, de enriquecimento cultural e profissional, de amizade e de felicidade. Aprendi muito este ano e é por isso que quero
agradecer a todas as pessoas que me ajudaram neste ano escolar, francesas e portuguesas, e sobretudo aos professores e alunos que me fizeram apro-
veitar totalmente da simpatia e da hospitalidade portuguesas.
Muito obrigada. Merci beaucoup.

INSTITUTO DO SANGUE E TRANSPLANTAÇÃO DE COIMBRA — VISITA 12º ANO
No dia 20 de março, os alunos do 12º A e B, visitaram o Instituto Português do Sangue
e Transplantação, em Coimbra, no âmbito da disciplina de Biologia e em parceria com
a ADASMA, Associação de Dadores de Sangue da Mamarrosa. Esta visita iniciou com
uma palestra abordando a evolução histórica da investigação científica em torno do
sangue e a dádiva de sangue. Após isso, o grupo foi dividido em dois de modo a alter-
nadamente visitar o laboratório de recolha e armazenamento de sangue para dádiva e
o laboratório de transplantação. Foi uma visita muito motivadora para os alunos e

31
complementar aos conteúdos abordados na disciplina de Biologia.
acontece no @eob
VAMOS LITERACIAR
No âmbito do plano de ação estratégica do Agrupamento, decorre o projecto "Vamos literaciar" que tem como objectivo principal promover a lite-
racia nos alunos, através de um conjunto de actividades tais como a “Hora do Conto” e o “Baú das Histórias”.

HORA DO CONTO BAÚ DAS HISTÓRIAS
A Hora do Conto consiste na leitura e interpretação de obras literárias A escola é cada vez mais a casa das nossas crianças, é o espaço onde passam
contempladas nas Metas Curriculares. a maior parte do seu tempo, contudo cada vez mais as crianças desconhecem
Uma das actividades desenvolvidas teve como alvo a obra “Rapaz de a nossa cultura tradicional e, essencialmente, a vida da família. Foi numa ten-
Bronze” de Sophia de Mello Breyner Andresen. Neste âmbito, realizou- tativa e desejo de aproximação entre a família e a escola que se convidaram
se um concurso de ilustração, em que saíram vencedores os seguintes encarregados de educação, avós, enfim elementos da família para dinamizar
alunos: Inês Mesquita (5º A); Carolina Peres e Mariana Martins (5º B); o “Baú das Histórias”, como contar uma história de um livro, de vida, de pro-
Carolina Domingues (5º C); Lara Ferreira e Beatriz Matos (5º D); Simão fissão, etc.
Claro e Inês Portugal (5º E); Ana Carina Parashchk e Beatriz Lopes (5º F)
e João Vasco Paradela (5º G).

► O Encarregado de Educação António Nolasco proporcionou bons mo-
Posteriormente realizou-se o peddy-paper “À mentos acerca da sua vida enquanto professor de Educação Física e joga-
descoberta da Poesia” de Luísa Ducla Soares, dor de futebol: " Realizar os sonhos requer muito trabalho e empenho".
Manuel Pina e Álvaro Magalhães, cujos ven-
► A Encarregada de Educação Sónia Almeida brindou-nos com uma histó-
cedores foram: Maria Carvalho e Rita Neves
ria de VIDA muito importante para a formação dos nossos alunos. Cabelei-
(5º A); Rodrigo Abrantes e André Duque (5º
reira de profissão fez uma demonstração da sua atividade. Encantou todos
B); Ana Matilde Almeida e Ana Rita Martins
os alunos com os seus penteados, principalmente as trancinhas das meni-
(5º C); Henrique Leal e Samuel Carneiro (5º
nas , o corte do cabelo de um aluno e os penteados com gel...
D); Gabriel Soares e André Calado (5º E); Bea-
triz Lopes e Carolina Pinheiro (5º F); Raquel Queremos agradecer e congratular todos os encarregados de educação pelo

32
Louros e Carolina Neves (5º G) e tur- seu envolvimento neste desafio. Esperamos que a família tenha enrique-
ma vencedora: 5º D. cido as suas vivências e que os nossos meninos estejam mais aptos a
contar, ouvir e ler.
acontece no @eob
PARLAMENTO DOS JOVENS
SESSÃO COM O DEPUTADO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

No âmbito do projeto “Parlamento dos Jovens” decorreu, no dia 23 de janeiro, no auditório da Es-
cola Secundária de Oliveira do Bairro, o debate subordinado ao tema “40 anos de Constituição da
República Portuguesa e do Poder Autárquico”, com a presença do deputado da Assembleia da Re-
pública, Bruno Coimbra. Participaram neste debate a vereadora da cultura, a diretora do Agrupa-
mento e os alunos das turmas com maior número de candidatos nas listas concorrentes, com desta-
que para os cursos profissionais.
Alunos e professores colocaram questões sobre a Constituição, a Assembleia da República, o exercí-
cio do Poder Local e problemas tanto predominantes no mundo atual como vividos a nível local,
contribuindo assim para um debate vivo e amplamente participado.
Na Sessão Escolar deste projeto foram eleitos os alunos-deputados Mónica Matos (11ºB) e Tatiana
Ferreira (10º C) como efetivos e João Cardoso (10º C) como suplente, para apresentação e defesa
do Projeto de Recomendação da Escola Secundária de Oliveira do Bairro na Sessão Distrital. Elegeu-
se ainda a aluna-deputada Isabel Corceiro (11ºB) como candidata à Presidência da Mesa da Sessão Distrital.

ELEIÇÃO DA MESA PARA A ASSEMBLEIA DISTRITAL—ENSINO BÁSICO

Decorreu, no dia 22 de janeiro, nas instalações do Instituto Português do Desporto e Juventude, em Aveiro, a reunião de eleição para a mesa da sessão
distrital do Parlamento dos Jovens, ensino básico, do círculo eleitoral de Aveiro.
A eleição dos membros para a referida mesa, Presidente, Vice-Presidente e Secretário(a), foi efetuada através de um processo em que os candidatos reve-
laram as suas capacidades de liderança e conhecimento das regras de condução dos trabalhos da sessão distrital. Participaram nesta etapa, com os seus
candidatos - deputados, 25 escolas. Os candidatos eleitos pelas três escolas mais votadas foram:
1º - João Santos, como Presidente, da Escola Básica Gafanha da Encarnação;
2º - Inês Vilar, como Vice-presidente, da Escola Básica de Esmoriz;
3º - Ana Marta Santos, como Secretária, do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro (aluna do 9º E).
A apresentação destes nossos candidatos/deputados pautou-se pela sua genuinidade, objetividade, pertinência e ainda
pela sua postura de humildade, aceitação e valorização do outro, valores muito apreciados pelos seus pares eleitores.

33
Mais uma vez o Parlamento dos Jovens - Ensino Básico - do nosso Agrupamento está de parabéns.
A todos os nossos alunos envolvidos neste projeto, o nosso reconhecimento.
bibliotec@ndo
CONVERSAS AO PÔR-DO-SOL
No dia 24 de fevereiro, Pedro Costa, jornalista do Jornal da Bairrada, esteve na ESOB a falar sobre os perigos nas redes sociais, começando por
abordar a evolução da tecnologia e de como as várias Gerações ( …,
X, Millenials, Z e Alfa) a encaram.
A Geração Alfa, a partir de 2010, inclui jovens que já nasceram com a
Internet à escala global. Não conseguem sair de casa sem a sua má-
quina, através da qual estão permanentemente conectados.
Tendo em conta esta globalização, o palestrante alertou para alguns
perigos e deu conselhos para a criação de passwords seguras.
Foi um bom momento de aprendizagem para todos os participantes.

SEMANA DA LEITURA E DA POESIA
De 16 a 25 de março, as escolas do AEOB comemoraram a Semana da leitu-
ra e da poesia – Ao sabor da poesia, promovida pela Rede de Bibliotecas de
Oliveira do Bairro. ENCONTROS COM ...
Entre outras atividades, destacam-se: Os alunos e crianças da Escola Básica de Oiã Nascente, os dos 1º e 2º anos
- “Relaxando poeticando”- projeção e leitura de poemas, acompanhados por de Oliveira do Bairro e os do 6º B receberam, no dia 28 de março, o conta-
música relaxante; dor de histórias “Palhaço Micas”, que dinamizou algumas atividades à
- “Atreve-te”- desafio colocado à comunidade escolar para registar um poe- volta dos livros “Os ovos misteriosos”, de Luísa Ducla Soares e Manuela
ma na memória ou num pedaço de papel e declamá-lo/lê-lo em espaços Bacelar, “ O limpa-palavras e outros poemas”, de Álvaro Magalhães e “O
variados da escola; caso do saco”, de Eric Many, convidando o público a participar lendo, can-
- “Poesia à porta”: leitura de poemas em espaços públicos e comerciais de tando e dançando.
Oliveira do Bairro. Foi um dia diferente para estes jovens alunos que, de uma forma lúdica,
Foi uma semana em que os alunos puderam sentir a poesia de diferentes vão aprendendo a ser cidadãos conscientes e responsáveis.
formas e desenvolver o seu gosto por este género literário.

34
ENCONTROS COM...

bibliotec@ndo
De 14 a 16 de fevereiro, Pedro Seromenho, escritor e ilustrador, visitou a
maioria das escolas do 1º ciclo do AEOB, para recontar e encantar os peque-
nos ouvintes com as histórias presentes nos seus livros e atribuir, também, à
ilustração o destaque que lhe é merecido.
O público (alunos e crianças) esteve muito entusiasmado e pôde partilhar
com o convidado muitos dos trabalhos que realizou nas aulas, sob a orienta-
ção dos professores.
No final de cada sessão, o escritor distribuía autógrafos com ilustrações per-
sonalizadas. Depois do desenho concluído, os petizes olhavam para ele, uma
e outra vez, e mostravam-no aos colegas, com visível admiração.
Estes dias foram especiais!

COMUNICAR EM SEGURANÇA
No dia 10 de fevereiro, a Dr.ª Cláudia Costa, da Fundação PT - programa “Comunicar em se-
gurança” - esteve na ESOB a dinamizar quatro sessões de formação para alunos.
Pretende-se com estas sessões “apelar para uma utilização adequada da internet, telemóveis
e redes sociais; alertar para os riscos decorrentes de uma utilização menos preocupada; ensi-
nar algumas dicas aos mais distraídos e tentar convencer os mais resistentes, através de
exemplos práticos; difundir o uso da tecnologia, de forma segura, em benefício da socieda-
de.” (Fundação PT)
Os alunos estiveram atentos, participativos e avaliaram estas sessões de uma forma muito positiva.

FINAL DO CONCURSO “OUVIR LER … QUE PRAZER!”
No dia 31 de março, decorreu, no Quartel das Artes Dr. Alípio Sol, a final Os concorrentes do AEOB tiveram um excelente desempenho, e os resul-
do concurso de leitura “Ouvir ler… Que prazer!”. tados são os seguintes:
Foi um espetáculo variado. Além das leituras realizadas pelos cinco con- 1º Ciclo – 2º e 3º lugares - Lara Rebelo Duarte e Marta Lopes, respetiva-
correntes dos quatro ciclos de ensino, houve atuação de alunos com per- mente;
formances variadas: ginástica artística, representação de pequenas peças 2º Ciclo – 3º lugar - Matilde Micaêlo;

35
de teatro, música instrumental e fado. 3º Ciclo – 1º lugar- Carina Oliveira;
O espetáculo foi apresentado por dois alunos, um deles, a Noélia Secundário- 1º e 3º lugares – Carolina Teixeira e Valdir Coimbra,
Pinheiro, a frequentar o 10º ano, no AEOB. respetivamente.
trabalhos de @lunos
“O CAMPONÊS MENTIROSO” “O INVERNO ESTÁ A CHEGAR!”
Numa pequena aldeia, na época das plantações, dois camponeses seme- Olá meu amigo inverno, já tinha saudades tuas!
avam as suas terras na esperança de mais tarde colherem os frutos. Por onde tens andado?
Um dos camponeses era um agricultor dedicado, que amava as suas Ainda me lembro de ti no ano passado, vieste muito chuvoso e foi
plantações, que cuidava delas com muito carinho, por isso tudo o que assim que nos deixaste, com os nossos campos cheios de água.
plantava nascia com qualidade e muito sabor. Foste bravo e levaste o teu poder a sério. Não te quis mal por isso e
O outro camponês era o contrário: não preparava a terra, não dava im- compreendo que todos nós exageramos, por vezes, nas nossas ta-
portância às suas plantações, não as regava, não cuidava delas e assim as refas. Até tu, querido amigo notaste isso mesmo e estás disposto a
suas culturas não produziam e por esse motivo sentia inveja do vizinho. mudar a forma como nos visitas.
Então, quando chegava a época das colheitas, o camponês trabalhador Inverno, meu companheiro, gosto da tua chuva, não penses que
regalava-se a olhar para os seus campos, enquanto o outro choramingava a sua não! Até daquela que é acompanhada de trovoada ou de granizo.
sorte. Sabes que sim, mas adoro a tua outra face, aquela que nos mostra
Numa noite, o camponês invejoso foi ao campo do vizinho e carregou os um sol radioso e que derrete o gelo dos nossos campos em dias
sacos com uma grande variedade de produtos. que nos fazem adivinhar que a noite vai trazer um lindo luar.
Na manhã seguinte, quando foi trabalhar, o camponês trabalhador aper- Agora que voltaste meu querido amigo, confesso que te admiro
cebeu-se que lhe tinham roubado parte das colheitas, que eram o seu sustento. muito por aquilo que fazes, mesmo sabendo que muita gente não
Muito aflito foi falar com o vizinho, que se fingiu admirado e lhe segredou: - reconhece a tua obra. É contigo que me sinto livre, escorregando
Aqui o meu dedo que adivinha diz-me que foi o feirante que mora ali à frente. no teu gelo, fazendo bonecos de neve que é teu pertence e dan-
Como esta ideia lhe pareceu muito estranha, o camponês trabalhador çando nas poças da tua água.
decidiu montar uma ratoeira para apanhar o ladrão. E assim fez: cavou um bura- Vem comigo, não tenhas medo, o mundo precisa de ti, precisa que
co, colocou por cima uma rede e cobriu-a de folhas. mostres a tua energia com o vento e a tua felicidade com a chuva.
Nessa noite, o camponês invejoso voltou a repetir a proeza, mas acabou Maria — 4º ano — EB Oliveira do Bairro
por cair dentro do buraco.
E assim, no dia seguinte, o camponês encontrou o verdadeiro ladrão das
suas hortas. E a partir daí ele aprendeu a lição, pois teve de trabalhar para pagar
as colheitas que roubara ao vizinho.

36
Francisca Santos e Matilde Micaêlo (6º B)
PES em revist@...
Para dar cumprimento às atividades planificadas no PAA, no decorrer do segundo período, realizaram-se um conjunto de atividades no âmbito do
Projeto de Educação para a Saúde (PES) das quais se destacam:

CONTA, PESO E MEDIDA
Projeto “Conta, peso e medida”, projeto da Administração Regional de Saúde do Centro, que visa uma intervenção
comunitária de multicomponentes e multidisciplinar, que integra atividades lúdico-pedagógicas no âmbito da pro-
moção de estilos de vida saudável e prevenção e tratamento da obesidade infantil tendo por base a escola e a famí-
lia. Neste âmbito, os alunos do 5.ºano, com excesso de peso, estão a ser monitorizados pela equipa de saúde esco-
lar e desenvolvem a actividade física com os docentes de Educação Física em período pós laboral nas instalações do
Agrupamento.
Verificando-se que as consequências da má nutrição, aliadas à falta de exercício físico que levam ao excesso de pe-
so, se observam em todas as faixas etárias, a equipa PES e a Direção do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bair-
ro estabeleceu um protocolo com o ginásio Bicepes & Tricepes Lda. Este protocolo visa promover um projeto de
acompanhamento aos alunos da ESOB com excesso de peso, para que estes possam desenvolver nas instalações do
ginásio atividade física promotora do bem-estar físico e emocional.

MOSTRA DE SOPAS
O Agrupamento promoveu uma degustação de sopas, cujas receitas são o segredo bem guardado pelos avós e pais
dos nossos alunos do 2.º, 3.º ciclo e Ensino Secundário.
Neste evento, que decorreu a 4 de abril, participaram a Associação de Pais e Encarregados de Educação, a Equipa
de Saúde Escolar da UCC, alunos da UNISOB e elementos do Festival MOB que contribuíram para um convívio entre
as diferentes gerações assim como, permitiram aos mais novos uma experiência enriquecedora na exploração de
novas vivências culturais e hábitos de vida saudáveis.
A Equipa do PES agradece a colaboração de todos aqueles, que ajudando tornaram possível a concretização deste
evento. Bem Hajam a todos!

PALESTRA “DORMIR BEM, ESTUDAR MELHOR”
Dia 19 de abril, realização da palestra dormir bem estudar melhor dinamizada pela Equipa de Saúde Escolar com vista a sensibilizar

37
os discentes, dos 8.º e 9.º anos, sobre a importância de hábitos saudáveis de sono aliados ao rendimento escolar. Foi ainda dis-
tribuída informação com vista a alertar os Encarregados de Educa- ção sobre o tema.
educação especi@l UMA MANHÃ NA COUDELARIA
No dia 21 de março, um grupo de alunos CEI da Escola Básica Dr. Acácio de Aze-
vedo realizou uma visita à Coudelaria de António Mota, em Oiã, onde o aluno
João Paulo Monteiro, da turma B, do sétimo ano de escolaridade, desenvolve o
seu Plano Individual de Transição (PIT).
Os alunos e acompanhantes foram convidados a visitarem as instalações, a ob-
servarem no terreno o decorrer dos trabalhos relacionados com o tratamento e
preparação dos cavalos, bem como a montar a simpática Fiona, uma égua de
olhos meigos. Tomaram ainda conhecimento dos benefícios da equitação, en-
quanto atividade de lazer.
Os objetivos primordiais - desenvolvimento de relações interpessoais, socialização e
estimulação da autonomia e iniciativa pessoal – foram plenamente atingidos.
Um agradecimento especial ao professor António Mota pelos ótimos momentos que
proporcionou aos alunos participantes.

DIA DA ÁRVORE
No passado dia 21 de março, comemorou-se na Escola Básica Dr. Fernando Peixinho o
“Dia da Árvore”. Os alunos de Educação Especial, designadamente os de Currículo Es-
pecífico Individual, foram sensibilizados para a importância das árvores, para as causas
e consequências da sua destruição e também sobre os procedimentos ou
medidas a adotar depois de existirem fogos e desvastes florestais. Após
várias pesquisas e recolha de materiais por parte dos alunos, foram realiza-
dos diversos trabalhos alusivos ao tema “Árvore”. Os trabalhos foram con-
cretizados em contexto de Oficinas, tendo havido uma grande articulação
entre os docentes das Oficinas de Reciclagem, Manualidades e Artes.
Desta iniciativa resultaram trabalhos que evidenciaram as aprendizagens e
o empenho dos vários alunos envolvidos. Foi feita uma exposição para dar a

38
conhecer à comunidade escolar os trabalhos realizados por estes
alunos e para sensibilizar a mesma sobre esta temática.
educação especi@l
DIA MUNDIAL DA CONSCIENCIALIZAÇÃO DO AUTISMO
No dia três de Abril de 2017, as Unidades de Autismo e Multideficiência de Oiã comemoraram o «Dia Mundial da Consciencialização do Autismo».
Todos juntos, vestidos de azul, alunos, professores e assistentes operacionais realizaram uma caminhada de sensibilização relativa a este dia, em
agradável convívio. Ao longo do caminho, houve oferta de frases com mensagens inerentes a esta atividade, as quais foram retiradas de um cesti-
nho, elaborado na Unidade de Autismo.
Por fim, ocorreu a largada de balões, com uma singela mensagem alusiva ao tão especial dia.
Esperemos que esta notícia fale cada vez mais alto, quebrando o silêncio de todos os detentores de perturbações do espectro do autismo, numa
abertura de horizontes, libertos de preconceitos.

VISITA AO “GLICÍNIAS” EM AVEIRO

No 31 de Março de 2017, as Unidades de Autismo e Multideficiência de Oiã realizaram uma
saída à comunidade, visitando o «Glicínias» de Aveiro.
Numa atitude de confraternização e sensibilização para o direito à diferença, alunos, professo-
res e assistentes operacionais destas Unidades possibilitaram o contacto destas crianças / jovens

39
com ou- tros contextos, procurando edificar uma mentalidade recetiva a
caracte- rísticas especiais.
for@ de portas LONDRES—10º B guimos a nossa viagem e, de metro, fomos de Walthamstow Central pa-
ra South Kensington, constatando que realmente a cidade de Londres é um
Era uma da manhã, o meu despertador tocou, só que nesse dia não mundo. De manhã até à noite, de noite até de manhã, os transportes assim
foi para me acordar. Eu já estava bem acordada: só tinha vontade de como as pessoas quase não param. Nessa manhã visitámos o museu de
me levantar e começar o dia, apesar da estranheza da hora. A ansie- História Natural e o museu de Ciência, separando-nos à tarde, uns para ver
dade era tanta que eu olhava para mim e só via uma criança que pen- o Museu da Madame Tussauds e outros para passear em Oxford Street.
sa que viagem dos seus sonhos está prestes a concretizar-se. No terceiro dia, aconteceu algo que não estava previsto: tivemos a
Com tudo já preparado, peguei nas minhas coisas e fui encontrar-me oportunidade de espreitar o render da Guarda Real no Palácio de Bu-
com os meus colegas de turma, também eles ansiosos por partir. ckingham. Apenas entrevimos a cerimónia, mas adorámos, pois é algo que
Quando entrámos no autocarro, a festa começou com cânticos, não presenciamos todos os dias. Depois do almoço, caminhámos ao longo
acompanhados de sorrisos e, como não poderia deixar de ser, as palermi- do rio Tamisa, passando pela sua ponte mais famosa, a Tower Bridge, que
ces do costume. E, sem nos darmos conta, já estávamos no aeroporto. O nos proporcionou uma vista admirável.
mais engraçado de tudo é que, quando aí chegámos, se fez silêncio, como Finalmente, à tarde, fomos a Chinatown, e a realidade correspondeu
se o nervosismo e a ansiedade falassem mais alto do que a própria diversão às expetativas: as grandes lojas lá existentes, como a dos M&M, a dos Le-
de estar com os colegas. Para muitos era a primeira viagem de avião; para gos e a do Nickelodeon, impressionaram toda a gente. E aproveitámos para
outros, era uma experiência já vivenciada, mas mesmo assim ainda deseja- comprar lembranças para as nossas famílias e amigos.
da. Dez horas da manhã e o sonho concretizava-se: Finalmente estávamos Apesar de a viagem ter sido um sonho realizado, admito que já estava
em Londres! a sentir saudades de Portugal, pois não há comida nem acolhimento como
O dia começou com o almoço para que pudéssemos repor a energia o do nosso país.
gasta pelo nervosismo e pela ansiedade. De seguida, fomos visitar os lo- Não posso terminar sem agradecer, em meu nome e de todos os
cais mais conhecidos da grande capital cinzenta: London Eye, Big Ben meus colegas, ao professor Alberto Cardoso: sem ele esta viagem não teria
e o Palácio de Buckingham, residência oficial da Rainha Isabel II. sido possível. Manifesto igualmente a gratidão a todos os professores e pais
O dia seguinte que nos ajudaram a concreti-
começou com o habitual zar este projeto.
atraso de alguns colegas Obrigada por es-
nossos que tinham ador- ta oportunidade única
mecido em resultado da e inesquecível!
noite agitada e mal dor- Alunos do 10º B
mida. Por fim, quando
todos chegaram, prosse-

40
QUINTA SE SANTO INÁCIO — 5º ANO AS CIÊNCIA SOCIOECONÓMICAS, O

for@ de portas
No dia 7 de março, no âmbito da disciplina de Ciências Naturais, a nossa
turma bem como todos os quintos anos visitámos a Quinta de Santo Inácio, MERCADO FINANCEIRO E O MUN-
em Avintes. Acompanharam-nos os alunos do Curso Vocacional, com o obje-
tivo de registar fotograficamente alguns momentos. DO EMPRESARIAL
Saímos as nove e chegámos ao Zoo por volta das dez. Chegados lá, fomos
Com o objetivo de perceber o funcionamento do mercado financeiro
conhecer o parque.
em Portugal e no mundo, perceber a Economia Portuguesa na atuali-
Vimos alguns espetáculos, designadamente alimentação dos Leões Asiáticos,
dade e num contexto mundial, sensibilizar para a dinâmica de um empresa
alimentação dos Pinguins, demonstração de Aves de Rapina, demonstração
moderna face a um público / consumidor cada vez mais informado e exigen-
da alimentação das Lontras, demonstração de Répteis e demonstração de
te, desenvolver as capacidades de criatividade, inovação, iniciativa, autono-
Vida Selvagem. De todos estes espectáculos, destacamos a demonstração da
mia e estimular o relacionamento interpessoal, as turmas do 10º e 11º anos
alimentação das Lontras e a demonstração da Vida Selvagem. Neste último
de Ciências Socioeconómicas realizaram, no dia 24 de março, uma visita de
espectáculo adorámos a coreografia da Araras da Amazónia.
estudo à Bolsa de Valores de Lisboa – EUONEXT e Central de Cervejas, tendo
Para alm dos espetáculos, vimos os macacos, o tigre, os linces, a panteras
os alunos participado ativa e entusiasticamente. Um enorme agradecimento
das neves, a girafa, os dromedários, os rinocerontes, as hienas, os cangurus,
às entidades que, amavelmente, nos receberam e parabéns aos alunos pelo
os gnus, as avestruzes, os cães da pradaria, as zebras, os pavões, os cangu-
seu excelente comportamento.
rus, os flamingos, o marabu, os búfalos, a capivara, a coruja das neves, as
gazelas, o mabeco, os suricatas, os crocodilos, o veado…. Na quinta também
havia animais da quinta.
Foi um dia bem passado!
Ficará na nossa memória!
Ficou registado! Foi fotografado. A turma 5º E

41
desporto em revist@
ATIVIDADES DE DESPORTO ESCOLAR NO 2º PERÍODO
As atividades do Desporto Escolar decorreram ao longo do 2º Período conforme planificado.

CORTA — MATO MEGA SPRINTER

No dia 2 de fevereiro realizou-se, em Vagos, o Corta mato distrital Realizou-se também o Mega Sprinter na Pista do Estádio Municipal de
(que apura as equipas de Iniciados e Juvenis para os Nacionais) onde Vagos no dia 24 de fevereiro.
obtivemos excelentes resultados: Destaque para a actuação dos nossos alunos que apuraram 6 para os
- 1º lugar em Infantis B femininos; - 1º lugar em Juvenis femininos; - Nacionais em Elvas nos dias 31 de março e 1 de Abril.
2º lugar em Iniciados femininos; - 3º lugar em Infantis B masculinos. Os alunos apurados foram: Carolina Peres, Sofia Almeida, Sofia
A classificação das juvenis deu-lhes o direito de representarem o Rodrigues, Érica Grangeia, Luísa Pereira e Gustavo Lopes, que, apesar
CLDE no Corta Mato Nacional, que se realizou em Torres Vedras nos de não terem ganho nenhuma medalha obtiveram resultados muito
dias 10 e 11 de Março, tendo obtido um honroso 10º lugar por equi- bons. Destaque para o aluno Gustavo do 8º ano da Escola Básica Dr.
pas. A aluna, Tatiana Silva, do 6º D, obteve o 1º lugar, ficando apura- Fernando Peixinho que participou na prova de 40 metros – inciados,
da também para o Corta-Mato Nacional. Infelizmente, em Torres Ve- obtendo o excelente 6º lugar. O aluno está de parabéns pelo seu de-
dras, a aluna sentiu-se indisposta, o que a obrigou a abandonar a pro- sempenho e dedicação.
va. Mas não esqueçamos que mais importante do que ganhar, é parti-
cipar! Parabéns à Tatiana!

42
desporto em revist@
O Quadro competitivo tem-se desenvolvido como previs-
to. As modalidades com Regionais e Nacionais termina-
ram a fase, tendo já disputado as finais distritais.

► Em Futsal, no escalão de Juvenis, obtivemos o 2º e 4º
lugar em femininos e masculinos, respectivamente.
Futsal feminino – Sever do Vouga (Fotógrafos - Andreia
e Leandro – Vocacional).

► No Voleibol, alcançámos o 3º lugar.

► No Basquetebol, faltando ainda disputar uma jorna-
da, os juvenis estão classificados em 3º lugar. Os Infan-
tis contam por vitórias os jogos disputados, sendo já

Futsal masculinos infantis – Mealhada (Fotógrafos – virtualmente campeões distritais.
John e Nelson – Vocacional)

► No Boccia, fruto do 1º lugar no distrital, fomos apura-
Anadia - Natação (Fotógrafo – Tiago Silva –
dos para disputar o Regional, que se realizou em Sátão Vocacional).

no dia 22 de abril. Por equipas ficámos em 9º lugar.
Individualmente, o aluno Nuno Ribeiro foi campeão Re-
gional, pelo que irá disputar o Nacional, nos dias 19,20 e
21 de Maio em Matosinhos e Gondomar.

► Na Natação, dois alunos (Beatriz Pais e Tiago Viegas)
foram apurados para o Regional. O aluno Tiago Viegas Oli-
veira, escalão iniciados, participou no dia 29 de abril, no
regional de natação, em Estarreja e foi medalhado com ouro nas duas provas realizadas, 50 e 100
m costas. Parabéns ao Tiago pelo excelente resultado!

Parabéns a todos os alunos envolvidos no Projeto do Desporto Escolar.

Equipa de Basquetebol do Agrupamento de Escolas de
Oliveira do Bairro (Fotógrafos - Nelson e Leandro) 43
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO BAIRRO
Rua Dr Acácio de Azevedo, 28, 3770-213 Oliveira do Bairro
+351 234 747 747 ● director@aeob.edu.pt ● www.aeob.edu.pt