Arnaldo Barbosa Lourenço Clício Freire da Silva Genilce Ferreira Oliveira

Cálculo I

Manaus 2007

FICHA TÉCNICA
Governador

Eduardo Braga
Vice–Governador

Omar Aziz
Reitora

Marilene Corrêa da Silva Freitas
Vice–Reitor

Carlos Eduardo S. Gonçalves
Pró–Reitor de Planejamento

Osail de Souza Medeiros
Pró–Reitor de Administração

Fares Franc Abinader Rodrigues
Pró–Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários

Rogélio Casado Marinho
Pró–Reitor de Ensino de Graduação

Carlos Eduardo S. Gonçalves
Pró–Reitor de Pós–Graduação e Pesquisa

José Luiz de Souza Pio
Coordenador Geral do Curso de Matemática (Sistema Presencial Mediado)

Carlos Alberto Farias Jennings
Coordenador Pedagógico

Luciano Balbino dos Santos NUPROM Núcleo de Produção de Material
Coordenador Geral

João Batista Gomes
Editoração Eletrônica

Helcio Ferreira Junior
Revisão Técnico–gramatical

João Batista Gomes

Lourenço, Arnaldo Barbosa. L892c Cálculo I / Arnaldo Barbosa Lourenço, Clício Freire da Silva, Genilce Ferreira Oliveira. - Manaus/AM: UEA, 2007. - (Licenciatura em Matemática. 2. Período) 125 p.: il. ; 29 cm. Inclui bibliografia. 1. Cálculo - Estudo e ensino. I. Silva, Clício Freire da. II. Oliveira, Genilce Ferreira. III. Série. IV. Título.
CDU (1997): 517.2/.3

SUMÁRIO
Palavra do Reitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . UNIDADE I – Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . TEMA 01 – Função ou Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . UNIDADE II – Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . TEMA TEMA TEMA TEMA TEMA TEMA 02 03 04 05 06 07 – – – – – – Limites – Definição e Limites Laterais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Continuidade de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Propriedades dos Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Limites Infinitesimais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Limites Trigonométricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Limites Exponenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07 09 11 23 25 28 30 33 36 37 41 43 46 51 56 60 67 71 73 79 86 88 94 98 102

UNIDADE III – Derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . TEMA TEMA TEMA TEMA TEMA TEMA 08 09 10 11 12 13 – – – – – – Derivada de uma Função, definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Reta Tangente ao Gráfico de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Regras de Derivação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Regra da Cadeia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estudo do Sinal de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Taxa de Variação e regra de L’Hospital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

UNIDADE IV – Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . TEMA TEMA TEMA TEMA TEMA TEMA TEMA 14 15 16 17 18 19 20 – – – – – – – Integrais Primitivas e Indefinidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cálculo de Área . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Área entre Curva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mudança de Variável na Integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Integração por partes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Integrais Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Integrais de Funções Racionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Respostas de Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125

PERFIL DOS AUTORES

Arnaldo Barbosa Lourenço
Licenciado em Matemática - UFPA Licenciado em Ciências Contábeis - UFAM Pós-graduado em Ensino da Matemática - UFAM

Clício Freire da Silva
Licenciado em Matemática – UFAM Bacharel em Matemática – UFAM Pós–graduado em Instrumentação para o Ensino da Matemática – UFF

Genilce Ferreira Oliveira
Licenciada em Matemática – UFAM Especialista em Matemática – UFAM

UNIDADE I
Função

Cálculo I – Função

TEMA 01 FUNÇÃO OU APLICAÇÃO 1.1. Definição, elementos Entendemos por uma função f uma terna (A, B, a → b) onde A e b são dois conjuntos e a → b, uma regra que nos permite associar a cada elemento a de A um único b de B. O conjunto A é o domínio de f, e indica-se por Df, assim A = Df. O conjunto B é o contradomínio de f. O único b de B associado ao elemento a de A é indicado por f(a) (leia: f de a); diremos que f(a) é o valor que f assume em a ou que f(a) é o valor que f associa a a. Quando x percorre o domínio de f, f(x) descreve um conjunto denominado imagem de f e que se indica por Imf: Imf = {f(x)|x∈Df} Uma função de f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B). Uma função de uma variável real a valores reais é uma função f : A B, onde A e B são subconjuntos de IR. Até menção em contrário, só trataremos com funções de uma variável real a valores reais. Seja f : A B uma função. O conjunto Gf = {(x,f(x))|x∈A} denomina-se gráfico de f; assim, o gráfico de f é um subconjunto de todos os pares ordenados (x, y) de números reais. Munindo-se o plano de um sistema ortogonal de coordenadas cartesianas, o gráfico de f pode, então, ser pensado como o lugar geométrico descrito pelo ponto (x, f(x)) quando x percorre o domínio de f.

Observação – Por simplificação, deixaremos, muitas vezes, de explicitar o domínio e o contradomínio de uma função; quando tal ocorrer, ficará implícito que o contradomínio é IR e o domínio o “maior” subconjunto de IR para o qual faz sentido a regra em questão. Exemplo: Dados os conjuntos M = {0, 1 ,2} e B={0, 1, 4, 5}, verificar se a relação binária R ={(x,y) Ax B/ y = x2} é uma função. Solução: M = {0, 1 ,2} N={0, 1, 4, 5} R ={(x,y) Mx N/ y = x2} x = 0 y = 02 = 0 x = 1 y = 12 = 1 x = 2 y = 22 = 4 No diagrama de flechas, temos que:

Observe que f(0) = 0, f(1) = 1 e f(2) = 4, então podemos afirmar que f é uma função ou aplicação, já que de cada elemento de M temos uma única correspondência com elementos de N. Veja também que D(f) = {0,1,2}, CD(f)= {0,1,4,5} e Im(f) = {0,1,4}. Gráficos de funções Dizemos que uma relação binária R: A B é função ou aplicação no gráfico, quando toda reta vertical tocar em um único ponto no gráfico, para todo x ∈ A. Exemplos: 1. Verificar se o gráfico abaixo representa uma função.
11

UEA – Licenciatura em Matemática

Observe que todas as retas verticais que traçarmos, tocarão em um e único ponto no gráfico. Logo g é uma função ou aplicação. 3. Dada a função f:IR IR com a regra x x3, temos que: • Df = IR
3 • Im(f) = {x / x∈IR} = IR 3 • O valor que f assume em x é f(x) = x . Esta função associa a cada real x o número real f(x) = x3. 3 3 • f(–1) = (–1)3 = –1, f(0) = 0 = 0, f(1) = 1 = 1

Solução: Dado o gráfico, temos que:

• O gráfico de f é tal que Gf = {(x,y) / y = x3, x∈IR} Domínio de funções O domínio de uma função representa o conjunto de valores para os quais ela existe. Dentre os principais casos, temos: a) O domínio de uma função polinomial é sempre real. Observe que existem retas verticais que tocam em mais de um ponto no gráfico, daí podemos concluir que f não é função ou aplicação. 2. Verificar se o gráfico abaixo é uma função ou aplicação. b) Para o domínio de uma função que possui variável no denominador, basta ser este diferente de zero. c) Radical com índice par no numerador possui radicando maior ou igual a zero. d) Radical com índice par no denominador possui radicando maior que zero. Exemplos: 1. Qual é o domínio mais amplo para a função ? Solução: , então 1 – x 0 x 1. Logo o domínio Solução: Dado o gráfico abaixo, temos: é dado por D(f) = IR – {1}. 2. Qual é o domínio da função Solução: ?

→ 2x – 6 ≥ 0 → x ≥ 3. Logo o seu domínio será D(f) = {x∈IR/ x ≥ 3}.
3. Seja f: IR IR com a regra x → x3. Tem–se: a) Df = IR b) Im f = {x3|x∈IR}= IR, pois, para todo y em IR, existe x real tal que x3 = y.
12

Cálculo I – Função

c) O valor que f assume em x é f(x) = x3. Esta função associa a cada real x o número real f(x) = x3 . d) f(–1)=(–1)3 = –1; f(0) = 03 = 0; f(1) = 13 = 1. e) Gráfico de f: Gf = {(x,y)|y = x3, x∈IR} Suponhamos x > 0; observe que, à medida que x cresce, y também cresce, pois y = x3, sendo o crescimento de y mais acentuado que o de x (veja: 23 = 8; 33 = 27, etc.); quando x se aproxima de zero, y aproximase de zero mais rapidamente que x((1/2)3 = 1/8; (1/33 = 1/27 etc.). esta análise dá-nos uma idéia da parte do gráfico correspondente a x > 0. Para x < 0, é só observar que f(–x) = –f(x).

5. Considere a função g dada por a) Dg = {x∈IR| x ≠ 0}

. Tem–se:

b) Esta função associa a cada x ≠ 0 o real g(x) = 1/x c) d) Gráfico de g: Vamos olhar primeiro para x > 0; à medida que x vai aumentando, y = 1/x vai aproximando-se de Zero ; à medida que x vai aproximando-se de zero, y = 1/x vai-se tornando cada vez maior

4. Seja f a função dada por a) Df = {x∈IR| x ≥ 0} b) Im f = {x∈IR/ y ≥ 0} c) f(4) = d) e) f) Gráfico de f:

. Tem–se:

Você já deve ter uma idéia do que acontece para x < 0.

=2 (o valor que f assume em 4 é 2).

A função f é dada pela regra . Quando x cresce, y também cresce sendo o crescimento de Y mais lento que o de x ; quando x se aproxima de zero, y também aproxima-se de zero, só que mais lentamente que .

Observação – Quando uma função vem dada por uma regra do tipo x |→ y, y = f(x), é comum referir-se à variável y como variável dependente, e à variável x como variável independente. 6. Dada a função f(x) = – x2 + 2x, simplifique: a)
13

b)

UEA – Licenciatura em Matemática

Solução: a)

9. Seja assim . Tem–se: a) Df = IR; Im f = {–1,1} b) Gráfico de f

Observe: f(1) = –12 +2 = 1. b) primeiro, vamos calcular f(x + h). Temos f(x + h) = – (x + h)2 + 2(x + h) = –x2 – 2xh – h2 + + 2x + 2h. Então,

Observe que (0, 1) pertence ao gráfico de f, mas (0, –1) não. 1.2 Função composta ou seja, = – 2x – h + 2, h ≠ 0. Dadas as funções f: A B e g: B C, dizemos que existe uma função h: A C, tal que: h(x) = (gof)(x) = g(f(x)), x A. Representando essa situação por diagrama de flechas, temos:

7. Função constante – Uma função f: A → IR dada por f(x) = k, k constante, denomina-se função constante. a) f(x) = 2 é uma função constante; tem-se: (i) Df = IR; Im f = {2} (ii) Gráfico de f Gf{(x,f(x))|x∈IR} = {(x,2) | x∈IR}. O gráfico de f é uma reta paralela ao eixo x passando pelo ponto (0, 2).

8. g:] –∞;0] → IR dada por g(x) = –1 é uma função constante e seu gráfico é

Exemplos a) Dadas as funções f(x) = 2x – 1 e g(x) = 3 – 4x, calcular o valor de (fog)(x) – (gof)(x). Solução f(x) = 2x – 1
14

Cálculo I – Função

g(x) = 3 – 4x (fog)(x) = 2.( 3 – 4x) – 1 = 6 – 8x – 1 = 5 – 8x (gof)(x) = 3 – 4(2x – 1) = 3 – 8x + 4 = 7 – 8x (fog)(x) – (gof)(x) = 5 – 8x – (7 – 8x) = 5 – 8x – 7 + 8x = –2 a) Se (fog)(x) = 2x + 1 e f(x) = –2x + 3, então determine o valor de g(0). Solução: (fog)(x) = 2x + 1 f(x) = –2x + 3 g(0) = ? (fog)(x) = 2x + 1 –2(g(x)) + 3 = 2x + 1 g(x) = –x + 1. Logo g(0) = 1

f(x) = 2kx +1 g(x) = 2– 3x fog(x) = gof(x) 2k.( 2– 3x) + 1 = 2– 3.( 2kx +1) 4k – 6kx + 1 = 2 – 6kx – 3 4k = –1 k = –1/4 3. Calcular o valor de f(–1), sabendo– se que f(2x –1) = 3 – x. Solução f(2x –1) = 3 – x 2x – 1 = –1 x = 0 f(–1) = 3 – 0 f(–1) = 3 4. Determine o domínio da função Solução: .

x+1=t x=t–1

3–x>0 x<3 D(f) = ]–;3[ 1. Qual é o domínio mais amplo da função ? Solução: (1) 1 – x ≥ 0 ⇒ x ≤ 1 (2) 2x + 1 ≠ 0 ⇒ x ≠ –1/2 Fazendo-se (1) (2), temos que: 1.4 Função polinomial do 1.o grau Definição Chama-se função polinomial do 1.o grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, em que a e b são números reais dados e a ≠ 0. Na função f(x) = ax + b, o número a é chamado de coeficiente de x, e o número b é chamado termo constante. Gráfico 2. Determine o valor de k para que fog(x) = gof(x), dadas f(x) = 2kx +1 e g(x) = 2– 3x. Solução:
15

– D(f) = {x∈IR/ x ≤ 1 e x ≠ –1/2}

O gráfico de uma função polinomial do 1.o grau, y = ax + b, com a ≠ 0, é uma reta oblíqua aos eixos Ox e Oy. • Se a > 0, então f será crescente.

UEA – Licenciatura em Matemática

Solução: a) O gráfico de f é a reta que passa pelos pontos (0, 0) e (1, 2).

Para a > 0: se x1 < x2, então ax1 < ax2. Daí, ax1 + b < ax2 + b, de onde vem f(x1) < f(x2). • Se a < 0, então f será decrescente;

b) O gráfico de g é a reta que passa pelos pontos (0, 0) e (1, –2).

Para a < 0: se x1 < x2, então ax1 > ax2. Daí, ax1 + b > ax2 + b, de onde vem f(x1) > f(x2). Observação – Uma função f : IR → IR dada por f(x) = ax, a constante, denomina-se função linear; seu gráfico é a reta que passa pelos pontos (0, 0) e (1, a):

y = –2x c) Primeiro, eliminemos o módulo

Se a = 0, o gráfico de f coincide com o eixo Ox. Exemplos: 1. Esboce os gráficos. a) f(x) = 2x. b) g(x) = –2x c) h(x) = 2 I x I
16

Cálculo I – Função

2. Esboce o gráfico de f(x) = I x – 1I + 2. Solução: Primeiro, eliminemos o módulo ou

Gráfico O gráfico de uma função polinomial do 2.o grau, y = ax2 + bx + c, com a ≠ 0, é uma curva chamada parábola. • a > 0, então f terá concavidade voltada para cima; • a < 0, então f terá concavidade voltada para baixo. Observação – A quantidade de raízes reais de uma função quadrática depende do valor obtido para o radicando Δ, chamado discriminante, a saber: • quando Δ é positivo, há duas raízes reais e distintas; • quando Δ é zero, há só uma raiz real; • quando Δ é negativo, não há raiz real. Coordenadas do vértice da parábola Quando a > 0, a parábola tem concavidade voltada para cima e um ponto de mínimo V; quando a < 0, a parábola tem concavidade voltada para baixo e um ponto de máximo V. Em qualquer caso, as coordenadas de V são . Veja os gráficos:

Agora , vamos desenhar, pontilhando, as retas y = x + 1 e y = –x + 3 e, em seguida, marcar, com traço firme, a parte que interessa de cada uma:

para x ≥ 1, f(x) = x + 1 para x < 1, f(x) = –x + 3 Sempre que uma função for dada por várias sentenças, você poderá proceder dessa forma. Um outro modo de se obter o gráfico de f é o seguinte: primeiro desenhe pontilhado o gráfico de y = I x I; o gráfico de y = I x – 1 I obtémse do anterior transladando-o para a direita de uma unidade; o gráfico de f obtém-se deste último transladando-o para cima de duas unidades.

1.5 Função quadrática (função polinomial do 2.o grau) Definição Chama-se função quadrática, ou função polinomial do 2.o grau, qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax2 + bx + c, em que a, b e c são números reais e a ≠ 0.
17

Exemplo: (PUC) Determine as coordenadas do vértice da

UEA – Licenciatura em Matemática

parábola y = –x2 + 2x – 5. a) (1,–4) c) (–1,–4) e) (1,–3) Solução: 1. y = –x2 + 2x – 5, então a = –1, b = 2 e c = –5 2. = b2 – 4ac = 22 – 4.(–1).(–5) = –16 3. 4. 5. Logo o vértice é dado pelo ponto (1,–4) Imagem O conjunto-imagem Im da função y = ax2 + bx + c, a ≠ 0 é o conjunto dos valores que y pode assumir. Há duas possibilidades: (3) (4) (5) O vértice da parábola é dado pelo ponto (1,0) (6) f toca o eixo das ordenadas no ponto (0,–1) (7) Então o gráfico pode ser dado por: b) (0,–4) d) (2,–2) Exemplo: (USP) Construir o gráfico da função f(x) = –x2 + 2x –1, no plano cartesiano. Solução: (1) f(x) = –x2 + 2x –1, então a = –1, b = 2 e c = –1 (2) = b2 – 4ac, então = 22 – 4.(–1).(–1) = 0, logo as raízes de f são

a<0

Observação: 1. Função polinomial – Uma função f: IR → IR dada por f(x) = a0xn + a1xn–1+ ... + an – 1x + an em que a0, a1, a2, ..., an são números fixos, denomina-se função polinomial de grau n (n IN). a) f(x) = x2 – 4 é uma função polinomial de grau 2, e seu gráfico é a parábola
18

Cálculo I – Função

b) O gráfico de uma função polinomial de grau 2 é uma parábola com eixo de simetria paralela ao eixo Oy. b) g(x) = (x – 1) é uma função polinomial de
3

é uma função racional com domínio {x∈IR|x ≠ 0}. Observe que . À medida que I x I vai crescendo , 1/x vai aproximando-se de zero, e o gráfico de g vai, então “encostando” na reta y = x (por cima se x > 0; por baixo se x < 0). À medida que x aproxima-se de zero, o gráfico de g vai encostando na curva .

grau 3; seu gráfico obtém-se do gráfico de y = x3, transladando-o uma unidade para a direita.

c) 2. Função racional – Uma função f é uma função dada por onde p e q são duas

é uma função racional com Domínio {x∈IR|x ≠ –2}. O gráfico de h é obtido do gráfico de y = , transladando-o

duas unidades para a esquerda.

funções polinomiais; o domínio de f é o conjunto {x∈IR|q(x) ≠ 0}. a) é uma função racional definida para todo x 0. Como , segue

que o gráfico de f é obtido do gráfico de y = 1/x, transladando-o uma unidade para cima (veja Ex. 3).
19

UEA – Licenciatura em Matemática

5. Determine o domínio das funções: a) 1. Calcule: a) f(–1) e sendo f(x) = –x2 + 2x e) b) g (0), g (2) e g( c) d) ) sendo sendo f(x) = x2 e ab ≠ 0 sendo f(x) = 3x + 1 e ab ≠ 0 1.6 Função exponencial Chamamos de funções exponenciais aquelas nas quais temos a variável aparecendo em expoente. A função f:IR IR+ definida por f(x) = ax, com a IR+ e a 1, é chamada função exponencial de base a. O domínio dessa função é o conjunto IR (reais), e o contradomínio é IR+ (reais positivos, maiores que zero). Gráfico cartesiano da função exponencial Temos 2 casos a considerar: quando a>1; quando 0<a<1. Acompanhe os exemplos seguintes: 1. y = 2x (nesse caso, a=2, logo a>1) 3. Simplifique igual a: a) b) c) d) e) 4. Dê o domínio e esboce o gráfico. a) f(x) = 3x b)
0

b) d)

c)

2. Simplifique a) f(x) = x2 e p = 1 b) f(x) = 2x + 1 e p = 2 c) f(x) = 1/x e p = 2 d) f(x) = e p = –3

sendo dados:

e) f(x) = 5 e p = 2 (h ≠ 0) sendo f(x)

Atribuindo alguns valores a x e calculando os correspondentes valores de y, obtemos a tabela e o gráfico abaixo:

2x + 1 x2 –2x2 + 3 5

c) h(x) = d) g(x) = 2. y = (1/2)x (nesse caso, a=1/2, logo 0<a<1) Atribuindo alguns valores a x e calculando os correspondentes valores de y, obtemos a tabela e o gráfico seguintes:

e) f(x) =

20

Cálculo I – Função

1.7 Função logaritmica Considere a função y = ax, denominada função exponencial, em que a base a é um número positivo e diferente de 1, definida para todo x real. Observe que, nessas condições, ax é um número positivo, para todo x∈IR, onde IR é o conjunto dos números reais. Denotando o conjunto dos números reais po*, sitivos por R+ poderemos escrever a função exponencial como segue:
* f: R → R+ ; y = ax , 0 < a ≠ 1

0

Nos dois exemplos, podemos observar que: a) O gráfico nunca intercepta o eixo horizontal; a função não tem raízes. b) O gráfico corta o eixo vertical no ponto (0,1). c) Os valores de y são sempre positivos (potência de base positiva é positiva), portanto o conjunto imagem é Im=IR+. Além disso, podemos estabelecer o seguinte: Se 0 < a < 1, então f será decrescente.

Essa é bijetora, pois: a) É injetora, ou seja: elementos distintos possuem imagens distintas. b) É sobrejetora, pois o conjunto imagem coincide com o seu contradomínio. Assim sendo, a função exponencial é BIJETORA e, portanto, é uma função inversível, ou seja, admite uma função inversa. Vamos determinar a da função y = ax , onde 0 < a ≠ 1. Permutando x por y, vem: x = ay → y = logax Portanto a função logarítmica é então:
* f: R+ → R ; y = logax , 0 < a ≠ 1.

Mostramos, a seguir, os gráficos das funções exponencial (y = ax) e logarítmica (y = logax), para os casos a > 1 e 0 < a ≠ 1. Observe que, sendo as funções inversas, os seus gráficos são curvas simétricas em relação à bissetriz do primeiro e terceiro quadrantes, ou seja, simétricas em relação à reta y = x.

Se a > 1, então f será decrescente.

21

UEA – Licenciatura em Matemática

0

Da simples observação dos gráficos acima, podemos concluir que: • Para a > 1, as funções exponencial e logarítmica são CRESCENTES. • Para 0 < a ≠ 1, elas são DECRESCENTES. • O domínio da função y = logax é o conjun* to R+ . • O conjunto imagem da função y = logax é o conjunto R dos números reais. • O domínio da função y = ax é o conjunto R dos números reais. • O conjunto-imagem da função y = ax é o conjunto R*+. Observe que o domínio da função exponencial é igual ao conjunto-imagem da função logarítmica e que o domínio da função logarítmica é igual ao conjunto-imagem da função exponencial. Isso ocorre porque as funções são inversas entre si.

22

UNIDADE II
Limites

Cálculo I – Limites

quanto por valores x > 1 (à direita de 1). TEMA 02 LIMITES: DEFINIÇÃO E LIMITES LATERAIS 2.1 O papel dos limites de funções reais O conceito de Limite de uma função realiza um papel muito importante em toda teoria matemática envolvida com o Cálculo Diferencial e Integral. Há uma cadeia ordenada muito bem estabelecida no Cálculo: Conjuntos, Funções, Limites, Continuidade, Derivadas e Integrais Para entender os conceitos mais importantes da lista acima, que são os últimos, a Teoria de Limites é fundamental. O motivo para isso é que nem tudo o que queremos realizar ocorre no meio físico, e quase sempre é necessário introduzir um modelo que procura algo que está fora das coisas comuns, e essa procura ocorre com os limites nos estudos de seqüências, séries, cálculos de raízes de funções... Por exemplo, obter uma raiz de uma função polinomial de grau maior do que 4 somente é possível por meio de métodos numéricos que utilizam fortemente as idéias de limite e continuidade. Na verdade, esse cálculo depende do Teorema do Valor Intermediário (apresentado no fim), que é uma conseqüência do estudo de continuidade de funções. 2.2 Idéia intuitiva de limite Estudaremos o comportamento de uma função f nas proximidades de um ponto. Para fixar idéias, consideremos a função f:R – {1} → R definida por: lim Pela direita de x = 1 Do ponto de vista numérico, as tabelas abaixo mostram o comportamento da função f, para valores x à esquerda e à direita de x = 1. Pela esquerda de x = 1

Nesse caso, dizemos L = 2 é o limite da função f quando x se aproxima de 1, o que denotaremos por:
x→1

lim f(x) = 2 Esse resultado pode ser visto por meio da análise gráfica de f, cujo esboço vemos na figura abaixo:

2.3 Limite de uma função real Seja f uma função real definida sobre o intervalo (a,b) exceto talvez no ponto x = c que pertence a intervalo (a,b), Le e Ld números reais. Diz-se que o limite lateral à direita de f no ponto c é igual a Ld, se os valores da função se aproximam de Ld, quando x se aproxima de c por valores (à direita de c) maiores do que c. Em símbolos:
x→ +∞

lim f(x) = Ld

Para x diferente de 1, f pode ser simplificada e reescrita na forma mais simples: f(x) = x + 1. Ao analisar o comportamento dessa função nas vizinhanças do ponto x = 1, ponto este que não pertence ao domínio de f, constatamos que a função se aproxima rapidamente do valor L = 2, quando os valores de x se aproximam de x = 1, tanto por valores de x < 1 (à esquerda de 1)
25

O limite lateral à esquerda de f no ponto c é igual a Le, se os valores da função se aproximam de Le, quando x se aproxima de c por valores (à esquerda de c) menores que c. Em símbolos:
x→ +∞

lim f(x) = Le

Quando o limite lateral à esquerda Le coincide com o limite lateral à direita Ld, diz–se que existe o limite da função no ponto c e o seu valor é Ld = Le = L. Com notações simbólicas, escrevemos:

UEA – Licenciatura em Matemática

x→ c

lim f(x) = L

O que significa que, para qualquer e > 0 e arbitrário, existe um d > 0, que depende de e, tal que |f(x)–L| < e para todo x satisfizando 0 < |x–a| < d. No caso em que um dos limites laterais não existe ou no caso de ambos existirem, porém com valores diferentes, diremos que a função não tem limite no ponto em questão. O próximo resultado afirma que uma função não pode aproximar-se de dois limites diferentes ao mesmo tempo, e ele é denominado o teorema da unicidade, porque garante que se o limite de uma função existe, então ele deverá ser único. Unicidade do limite – Se Lim f(x) = A e Lim f(x) = B quando x tende ao ponto c, então A = B. Demonstração – Se e > 0 é arbitrário, então existe d' > 0 tal que |f(x)–A| < e/2 sempre que 0< |x – a| < d'. Como também temos por hipótese que existe d">0 tal que|f(x)–B| < e/2 sempre que 0<|x–a|<d". Tomando d=min{d',d"}>0, temos que: |f(x)–A| < e/2 e |f(x)–B| <e/2 sempre que 0<|x–a|<d. Pela desigualdade triangular, temos: |A–B| = |A–f(x)+f(x)–B| < |A–f(x)| + |f(x)–B|. Como e>0 é arbitrário, temos: |A–B| < e então |A–B| = 0, o que garante que A=B. Exemplos: 1. Seja a função f(x) = 2x + 1. Vamos dar valores a x que se aproximem de 1, pela sua direita (valores maiores que 1) e pela esquerda (valores menores que 1) e calcular o valor correspondente de y: 2. Seja, agora, a função lim Como x2 + x – 2 = (x – 1)(x + 2), temos:

Notamos que à medida que x se aproxima de 1, y se aproxima de 3, ou seja, quando x tende para 1(x→1), y tende para 3 (y→3), ou seja:
x→1

lim (2x + 1) = 3

Observamos que quando x tende para 1, y tende para 3 e o limite da função é 3. Esse é o estudo do comportamento de f(x) quando x tende para 1 (x→1). Nem é preciso que x assuma o valor 1. Se f(x) tende para 3 (f(x)→3), dizemos que o limite de f(x) quando x→1 é 3, embora possam ocorrer casos em que para x = 1 o valor de f(x) não seja 3. De forma geral, escrevemos:
x→a

lim f(x) = b se, quando x se aproxima de a(x → a), f(x) se aproxima de b (f(x) → b).

Podemos notar que quando x se aproxima de 1 (x → 1), f(x) se aproxima de 3, embora para x = 1 tenhamos f(x) = 2. o que ocorre é que procuramos o comportamento de y quando x→1. E, no caso, y → 3. Logo, o limite de f(x) é 3. Escrevemos:

Se g: IR→ IR e g(x) = x + 2, x→1 g(x) = x→1 (x + 2) lim lim = 1 + 2 = 3, embora g(x) ≠ 1 f(x) em x = 1. No entanto, ambas têm o mesmo limite.
26

Cálculo I – Limites

obtemos 0 < |x – 1| < δ ⇒ 2|x – 1|< ε, ou seja, |f(x) – 4| < ε. Veja a figura abaixo:
x→1

lim 2(x2 – 1)/(x – 1) = 4 [δ = ε/2]

3. Consideremos agora o caso onde f(x) não está definida em x = c. à Apesar de f(x) não estar definida em x = 1, o limite de f(x), quando x se aproxima de 1, existe e é igual a 2: à Ora, x pode ser tomado tão próximo de 1 quanto quisermos, sem no entanto ser 1, pelo que o limite de f(x) é 2. 2.4 Generalização do conceito de limite Definição Dados uma função f: B IR e um ponto de acumulação a de B, diz-se que um número ∈IR é limite de f em a, e escreve-se:
x→a

à 2. x→2 (3x + 4) = 10. De fato, dado ε > 0, para enconlim trar um δ > 0 que nos convenha, notemos que neste caso a = 2 e |f(x) – | = |(3x + 4) – 10| . Assim, se tomarmos δ = ε/3, temos: 0 > |x – 2| < δ ⇒ |(3x + 4) – 10| = 3|x – 2| < 3δ = ε. 3. x→2 (x2 + 1) = 5. De fato, dado ε > 0, vamos lim procurar δ > 0 sob a restrição δ ≤ 1. Assim, |x – 2| < δ implica 1< x < 3 e, portanto, |x+2| < 5. Logo, se 0 < δ ≤ ε/5, temos 0 < |x – 2| < δ, então |(x2 + 1) – 5| = |x + 2||x – 2| < 5|x – 2|< 5δ ≤ ε. Portanto basta tomar 0 < δ ≤ min{1,ε/5}. 4. x→a cos x = cos a. De fato, observemos que semlim pre |cos x1 – cos x2|≤||x1 – x2|; confira com a figura abaixo. Assim, dado ε > 0, podemos tomar δ = ε uma vez que, nesse caso: 0 <|x – a|< δ,então: |cos x – cos a|≤||x – a| < δ = ε |cos x1 – cos x2|≤||x1 – x2|

lim f(x) =

ou f(x) →

, com x → a

quando vale a seguinte condição: Para todo ε > 0, existe δ = δ(ε) > 0 tal que: x ∈ B, 0 < |x – a| < δ ⇒ |f(x) – Exemplos: 1. Consideremos a função | < ε.

à

Note que f não está definida no ponto x = 1. No entanto, para x ≠ 1 temos f(x)=2(x+1) e, portanto, é natural suspeitar que x→1 f(x) = 4. lim Mostremos por meio da definição que este é o caso. De fato, se x ≠ 1 podemos escrever |f(x)–4| = |2(x + 1) – 4| = 2|x – 1|. Assim, dado ε > 0, se escolhermos δ = ε/2
27

à

UEA – Licenciatura em Matemática

TEMA 03 1. Na função f definida por temos:
x→1+

CONTINUIDADE DE UMA FUNÇÃO 3.1 Introdução
2

lim f(x)= x→1+ (3 – x) = 2 e x→1− f(x) = x→1− (x – 4) = –3 lim lim lim Como os limites laterais são diferentes, dizemos que x→1 f(x) não existe. lim

Dizemos que uma função f(x) é contínua num ponto a do seu domínio se as seguintes condições são satisfeitas:

2. Dada a função f definida por

para to-

∃f(a) ∃x→a f(x) lim
x→a

do x∈IR*, calcule x→0+ f(x) e x→0− f(x). Existe x→0 f(x)? lim lim lim Solução: , temos: e

lim f(x) = f(a)

3.2 Propriedade das funções contínuas Se f(x) e g(x)são contínuas em x = a, então: f(x) ± g(x) é contínua em a; f(x) . g(x) é contínua em a; f(x) g(x) é contínua em a (g(a) ≠ 0). 3.3 Generalização sobre continuidade de uma função Dizer que uma função f é contínua em um ponto a significa que f(a) existe e que f leva pontos “próximos” de a em pontos “próximos” de f(a). Isso pode ser resumido precisamente na seguinte definição: Definição: Uma função f : B → é contínua em um ponto a∈B se, dado ε, existe δ > 0 de modo que

Considerando que x→0+ f(x) ≠ x→0− f(x), concluílim lim mos que não existe x→0 f(x). lim 3. Calcule x→1+ f(x) e x→1− f(x), sendo lim lim . Solução:
x→1+

lim f(x) = x→1+ 2x = 2 e x→1− f(x) = x→1− x2 = 1. lim lim lim

1. Calcule, caso exista. Se não existir, justifique. a) b) c) 1 n 1 n

x∈B, |x – a| < δ ⇒ |f(x) – f(a)| < ε. Note que, se o domínio de f for um intervalo, B=(b,c), b<c, a definição está exigindo as três lim seguintes condições: 1) a∈B; 2) existe x→a f(x) e 3) x→a f(x) = f(a). lim 3.4 O teorema de Weierstrass Toda função contínua num intervalo fechado [a,b] assume um máximo e um mínimo em [a,b]. Entretanto é importante observar que ele garante que uma função, sendo contínua num intervalo fechado, certamente admitirá ponto de extremo, tanto máximo como mínimo, poden28

d)

2. Dada a função
x→1+

, verifique que

lim f(x) = x→1− f(x). lim

Cálculo I – Limites

do ser interior ao intervalo ou em qualquer das extremidades.

2 é 0.4 (tal como em f(x)), mas x→ 2 g(x) ≠ g(2) e lim consequentemente g não é contínua em x = 2. 3. a função f(x) = 2x + 1 definida em IR é contínua em 1, pois Notemos que f é contínua em IR, pois para todo a ∈ IR, temos:

à Observação: No gráfico, observamos que a função admite um ponto de máximo local e um ponto de mínimo local, ambos interiores ao intervalo. Entretanto o ponto de máximo global da função ocorre na extremidade b, e o ponto de mínimo global ocorre na extremidade a do intervalo. Também é conveniente observar que o Teorema só vale se a função é contínua num intervalo fechado. Se a continuidade for num intervalo aberto, não é possível garantir a existência de máximo e mínimo globais. Exemplos: 1 medida que x se à aproxima de 2. Neste caso, f(x) está definido em 2 e é igual ao seu limite: 0.4, vejamos: Consideremos

4. A função descontínua em 1, pois

definida em IR é

Observemos que f é contínua em IR – {1} pois, para todo a IR – {1}, temos:

5. Dada a função

, verificar se

existe algum ponto de descontinuidade . À medida que x aproxima–se de 2, f(x) aproxima–se de 0.4 e consequentemente temos a igualdade x→ 2 f(x) = 0.4. Sempre que se verilim fique a igualdade f(c) = x→ c f(x), diz–se que f é lim contínua em x = c. A igualdade não é válida para todas as funções. 2. Vejamos a função: Como x→ 3 f(x) = x→ 3 (x + 1) = 4; x→ 3+ f(x) = lim lim lim = x→ 3 4 = 4 e f(3) = 4 temos que x→ 3 f(x) = f(3) lim lim o que implica que a função é contínua no ponto x = 3. Para k ≤ 3, limk f(x) = limk (x + 1) = x→ x→ lim x + x→ k 1 = k + 1 e f(k) = k + 1 lim x→ k Para k > 3, x→ k f(x) = x→ k 4 = 4 e f(k) = 4 lim lim Então, f é contínua em IR e não há ponto de descontinuidade. à O limite de g(x) à medida que x se aproxima de
29

Em geral, restringimos a análise aos valores de x que não verificam as condições de existência

UEA – Licenciatura em Matemática

de f ou que “quebram” o domínio de f (neste exemplo, x = 3). 6. Verifique se a função em x = 3. Cálculo de f(3): Cálculo de x® 3 f(x) = lim é contínua

TEMA 04 PROPRIEDADES DOS LIMITES 4.1 Introdução Muitas funções do Cálculo podem ser obtidas como somas, diferenças, produtos, quocientes e potências de funções simples. Introduziremos propriedades que podem ser usadas para simplificar as funções mais elaboradas. Em todas as situações abaixo, consideraremos x→a. • Se f(x) = C onde C é constante, então Lim f(x) = Lim C = C. • Se k e b são constantes e f(x) = kx+b, então Lim f(x) = Lim (kx+b) = ka+b.

Como x® 3 f(x) = f(3), f(x) é contínua em x = 3 lim

Verifique se a função f é contínua no ponto especificado.

• Se f e g são duas funções, k uma constante, A e B números reais e além disso Lim f(x)=A e Lim g(x)=B, então: (1) Lim(f ± g)(x)=[Lim f(x)]±[Lim g(x)] = A ± B

1. 2.

(2) Lim(f·g)(x) = [Lim f(x)]·[Lim g(x)] = A·B (3) Lim(k·f)(x) = k·Lim f(x) = k·A (4) Lim(f)n(x) = (Lim f(x))n = An (5) Lim(f÷g)(x) = [Lim f(x)]÷[Lim g(x)] = A÷B, se B é não nulo. (6) Lim exp[f(x)]= exp[Lim f(x)] = exp(A) • Se acontecer uma das situações abaixo:

3.

4.

Lim f(x) = 0. Lim f(x)>0 e n é um número natural.

5.

Lim f(x)<0 e n é um número natural ímpar. Então:

Exemplos: 1. 2.

3. 4.
30

Cálculo I – Limites

Demonstração: 5. Seja ε > 0 um número qualquer. Como limf(x)=x→a h(x)= , existem δ1,δ2>0 de modo que lim x→a x∈A, 0<|x – a|<δ1 ⇒ x∈A, 0<|x – a|<δ2 ⇒ – ε < f(x) < – ε < f(x) < + ε, + ε,

6. 7. 8. Observações sobre as propriedades: As propriedades que valem para duas funções, valem também para um número finito de funções. As propriedades 3–1, 3–2 e 3–5 estabelecem que, se existem os limites das parcelas, então existirá o limite da operação, mas a recíproca deste fato não é verdadeira, pois o limite de uma operação pode existir sem que existam os limites das parcelas. 4.2 Teoremas importantes Teorema do anulamento – Se f é uma função limitada e g é uma função tal que Lim g(x) = 0, quando x→a, então: Lim f(x)·g(x) = 0. Esse resultado é útil para podermos obter cálculos com limites. Teorema do Confronto (regra do sanduiche) – Se valem as desigualdades f(x)< g(x) < h(x) para todo x em um intervalo aberto contendo a, exceto talvez em x = a e se Lim f(x) = L = Lim h(x), então Lim g(x) = L. Generalização: Sejam f, g, h : B → tais que f(x) ≤ g(x) ≤ h(x) lim lim lim x∈B, e x→a f(x) = x→a h(x) = . Então x→a g(x) = . O gráfico de g fica "preso'' entre os de f e h, como mostra a figura abaixo.

Logo, se δ: = min{δ1,δ2} > 0 e se x∈A, a condição 0 < |x – a| < δ implica

ε < f(x) ≤ g(x) ≤ h(x) < + ε, Donde |g(x) – | < ε, ou seja, x→a g(x) = . lim
Exemplo – Se para x próximo de 0, vale a relação de desigualdades cos(x) < sen(x)/x < 1 então, quando x→0: 1 = Lim cos(x) < Lim sen(x)/x < Lim 1 = 1 Observações – Todas as propriedades vistas para o cálculo de limites são válidas também para limites laterais e para limites no infinito. Quando, no cálculo do limite de uma função, aparecer uma das sete formas, que são denominadas expressões indeterminadas,

nada se poderá concluir de imediato sem um estudo mais aprofundado de cada caso. Exemplo: Seja f uma função e suponha que para todo x tenhamos |f(x)| ≤ x2. a) Calcule, caso exista, x→ 0 f(x); lim b) f é contínua em x = 0? Por quê? Solução: a) |f(x)| ≤ x2 ⇔ –x2 ≤ f(x) ≤ x2 Como x→ 0 f(–x2) = 0 = x→ 0 x2, segue, do teolim lim rema do confronto, que x→ 0 f(x) = 0. lim b) Segue de (a) que f será contínua em 0 se f(0)=0. Pela hipótese, |f(x)| ≤ x2 para todo x, logo, |f(0)| ≤ 0e, portanto, f(0)=0. Assim, lim f(x) = 0 = f(0), ou seja, f é contínua em 0. x→ 0

1. Calcular

.

Como as funções f(x) = x2 – 9 e g(x) = x – 3 se anulam para x = 3, cairemos na expressão e
31

UEA – Licenciatura em Matemática

nada poderemos concluir. Assim, devemos simplificar a fração, eliminando a indeterminação. Logo,

2. Determine o Valor de a) 1/5 b) 2/6 c) 3/4

.

2. Calcular

.

d) 4/3 e) 3/5 3. Calcule a) 10 b) 12 c) 15 d) 17 e) 19 4. Calcule .

Nesse caso, devemos multiplicar e dividir a fração pelo conjugado do numerador.

3. Calcular

.

a) 2/5 b) 3/5 c) 3/2 d) 2/3 e) 2/4

4. Calcular

.

5. Ache o valor de a) 1 b) –1 c) –2 d) 3 e) –4

.

6. O a) –4 c) 4 e) 3 7. Calcular 1. Calcule x→ 1 (log 10x). lim a) 0 c) 2 e) 4
32

é igual a: b) 1 d) 2

. b) 2x d) 3x

b) 1 d) 3

a) x c) 4x e) 5x

Cálculo I – Limites

8. O a) c) e) 1/9 1/243 1/54

é igual a:

TEMA 05 LIMITES INFINITESIMAIS 5.1 Limites infinitos Seja f a função definida por f(x)=1/x. Iremos analisar o comportamento numérico dessa função por meio das tabelas abaixo.

b) 1/27 d) 1/81

9. O valor de a) 2 b) 0 c) 8 d) 4 e) 10. O limite a) não existe;

é:

Quando x → 0, por valores maiores que zero (x → 0+) os valores da função crescem sem limite.

b) não é nenhum número real; c) vale 2; d) vale 0; e) vale 4. 11. O a) 0 b) 1 c) 2 d) 4 e) 6 12. O valor de a) –1 b) –2 c) d) 0 e) 1 é: vale:

Quando x → 0, por valores menores que zero (x → 0), os valores da função decrescem sem limite. Observamos que próximo de x = 0, o comportamento da função é estranho.

Baseado nesse exemplo, podemos afirmar que quando x tende a 0, esta função não tem os valores aproximando-se de um limite bem definido. Ao analisar o comportamento numérico de f(x)=1/x², nas proximidades de x=0, observamos que:

33

UEA – Licenciatura em Matemática

Observamos pelas tabelas, que se x → 0, por valores maiores ou menores do que 0, os valores da função crescem sem limite. Assim, podemos afirmar, por este exemplo, que, quando x → 0 esta função tem os valores aproximando-se de um limiar (inf = infinito = ∞). Nesse caso, dizemos que não existe o limite de f(x)=1/x² no ponto x=0, mas denotamos tal fato por:

Definição: Se o limite de f(x) tende a infinito, quando x→a pela esquerda e também pela direita, dizemos que o limite de f(x), quando x → a é infinito, e escrevemos: limx→af(x) = +∞ Analogamente, a expressão matemática: limx→af(x) = –∞ significa que f(x) tende a –∞, se x→a pela esquerda e também pela direita. 5.2 Extensão sobre limites no infinito Analisaremos agora o comportamento de h(x)=1/x, quando x cresce arbitrariamente (x→∞) ou quando x decresce arbitrariamente (x→–∞).

Por causa dessa notação, costuma-se dizer que algumas funções têm limites infinitos, e por causa desse limite, dizemos também que o gráfico desta função tem uma assíntota vertical, que é uma reta cuja equação é dada por x = 0, neste caso.
y

x

Pelas tabelas, observamos que: Limx→+ ∞ h(x) = 0 Limx→– ∞ h(x) = 0 Quando construímos o gráfico de h, observamos que existe uma reta (assíntota) horizontal que é a reta y=0, que nunca toca a função, mas aproxima-se dela em +∞ e em –∞.
y

Definição: Seja f uma função definida para todo x em I, exceto possivelmente no ponto x = a em I um intervalo aberto contendo a. Diz-se que f tem limite infinito, quando x se aproxima de a, o que é denotado por: limx→a f(x)=+ ∞ Se, para todo número real L>0, existir um d>0 tal que se 0<|x–a|<d, então f(x) > L. De modo similar, g(x)=–1/x² apresenta um gráfico com todos os valores da imagem no intervalo (–∞,0). O comportamento de g próximo de x = 0 é similar ao de f(x) = 1/x², porém os valores são negativos. Nesse caso, dizemos que não existe limite no ponto x = 0, no entanto representamos tal resultado por: Limx→0 –1/x²= + ∞
y x

x

Temos, então, uma definição geral, englobando tal situação: Definição: Seja f uma função definida para todos os valores do intervalo (a,∞). Escrevemos:
x→∞

lim f(x) = L

quando, para todo e>0, existe um número real M > 0 tal que |f(x)–L|<e sempre que x > M.
34

Cálculo I – Limites

Formalizaremos agora o conceito de assíntota horizontal. Definição: Dizemos que a reta y = L é uma assíntota horizontal do gráfico de f se lim f(x) = L ou x→–∞f(x) = L lim x→∞ 5.3 Limite de uma função polinomial para x→±∞ Seja a função polinomial f(x) = anxn + an–1xn–1 +... + a2x2 + a1x + a0. Então:

2. Calcule a) 0 b) 1 c) 3 d) 2 e) 4 3. Calcule a) 0 b) 1 c) 6 d) 2 e) –2 4. Calcule . .

Demonstração:

Mas:

a) 1 b) 4

Logo:

c) 3 d) 2 e) 0
m

De forma análoga, para g(x) = bmx +...b1x + b0, temos:

5. Calcule os limites: a)

Exemplos: 1. 2. 3.

b) c) d) e)

1. Calcule a) 1/5 c) 1/2 e) 1/4 b) 2/6 d) 3/4

35

UEA – Licenciatura em Matemática

TEMA 06 LIMITES TRIGONOMÉTRICOS 6.1 Introdução

1. Determinar Demonstração: Para x → 0, temos sen x < x < tg x. Dividindo a dupla desigualdade por sen x > 0, vem:

.

Invertendo, temos:

2. Determinar Transformando, temos:

Mas:
x→0

lim lim 1 = x→0 cos x = 1

g(x) < f(x) < h(x) são funções contínuas e se lim lim lim g(x) = x→a h(x) = b então, x→a f(x) = b. Logo, x→a 3. Calcular 6.2 Exemplos: a) Transformando, temos:

b)

c)

1. Calcular os seguintes limites: a) d) b)

36

Cálculo I – Limites

2. Determine: a) b) c) TEMA 07 LIMITES EXPONENCIAIS 7.1 Introdução

3. Calcular os seguintes limites: Nesse caso, e representa a base dos logarita) b) c) d) e) f) Notamos que à medida que . mos naturais ou neperianos. Trata-se do número irracional cujo valor aproximado é 2,7182818. Veja a tabela com valores de x e de .

De forma análoga, efetuando a substituição , temos:

Ainda de forma mais geral, temos :

As duas formas acima dão a solução imediata a exercícios desse tipo e evitam substituições algébricas.

Se ax – 1 = u, então ax + 1 = u. Mas:

37

UEA – Licenciatura em Matemática

Logo:

Fazendo –x = t, temos: x → –∞ t → + ∞ Substituindo-se, vem:

Como x → 0 , então u → 0. Portanto:

1. Calcule Generalizando a propriedade acima, temos . a) e c) 1/e3 e) e4 2. Calcule o a) e c) e2 e) e 1. Determinar
4

b) e7 d) ex

b) –e d)

3. Calcule os limites: a) b)

2. Determinar o Fazendo

. temos x = 3 u e x → + ∞ implic)

ca u → +∞ assim:

Logo:

3. Calcular

.

Transformando, temos:

38

Cálculo I – Limites

Augustin-Louis Cauchy
(Paris, 21 de agosto de 1789 – Paris, 23 de maio de 1857) foi um matemático francês.

O primeiro avanço na matemática moderna por ele produzido foi a introdução do rigor na análise matemática. O segundo foi no lado oposto – combinatorial. Partindo do ponto central do método de Lagrange, na teoria das equações, Cauchy tornou-a abstrata e começou a sistemática criação da teoria dos grupos. Não se interessando pela eventual aplicação do que criava, ele desenvolveu para si mesmo um sistema abstrato. Antes dele, poucos buscaram descobertas proveitosas na simples manipulação da álgebra. Foi um dos fundadores da teoria de grupos finitos. Em análise infinitesimal, criou a noção moderna de continuidade para as funções de variável real ou complexa. Mostrou a importância da convergência das séries inteiras, com as quais seu nome está ligado. Fez definições precisas das noções de limite e integral definida, transformando-as em notável instrumento para o estudo das funções complexas. Sua abordagem da teoria das equações diferenciais foi inteiramente nova, demonstrando a existência de unicidade das soluções, quando definidas as condições de contorno. Exerceu grande influência sobre a física de então, ao ser o primeiro a formular as bases matemáticas das propriedades do éter, o fluido hipotético que serviria como meio de propagação da luz. A vida de Augustin Cauchy assemelha-se a uma tragicomédia. Seu pai, Louis-François, esteve muito próximo da guilhotina, apesar de ser advogado, culto, estudioso da Bíblia, católico fanático e tenente de polícia. Augustin era o mais velho dos seis filhos (dois homens e quatro mulheres). Seguia obstinadamente os preceitos da Igreja Católica. Seu eterno louvor à beleza e à santidade cansava os que o ouviam.
39

UNIDADE III
Derivada

Cálculo I – Derivada

TEMA 08 DERIVADA DE UMA FUNÇÃO, DEFINIÇÃO 8.1 CÁLCULO DIFERENCIAL: UMA DUPLA AGITA O MEIO CIENTÍFICO As primeiras idéias sobre o cálculo foram registradas na Grécia, no século V a.C., e estavam ligadas ao cálculo de áreas, volumes e comprimentos de arcos. Supõe-se que foi o matemático grego Eudoxo de Cnido quem teria dado os primeiros passos nesse campo, criando o método de exaustão, que mais tarde foi aplicado brilhantemente pelo matemático grego Arquimedes de Siracusa (287–212 a.C.) para calcular a área de um segmento parabólico. Para o cálculo avançar, porém, era necessário descobrir fórmulas gerais, que permitissem, por exemplo, calcular a área de qualquer figura geométrica. Contudo isso só veio a acontecer no século XVII, quando vários matemáticos, entre eles o francês Pierre de Fermat (1601–1665) e os ingleses Jhon Wallis (1616–1703) e Isaac Barrow (1630–1677), deram importantes passos nesse sentido, além de abrirem caminho para dois outros grandes matemáticos daquela época: Isaac Newton e Gottfried W. Leibniz.

causa dos trabalhos dos matemáticos franceses Augustin Louis Cauchy (1789–1857) e Joseph Louis Lagrange (1736–1813). O cálculo diferencial e integral, como é conhecido hoje, é um instrumento matemático de extrema importância. Suas aplicações, além da matemática e da física, estendem-se também à química, à biologia, à engenharia, etc. 8.2 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DAS DERIVADAS O problema fundamental do cálculo diferencial é estabelecer uma medida para a variação da função com precisão matemática. Foi investigando problemas dessa natureza, lidando com grandezas que variam com continuidade, que Newton foi conduzido à descoberta dos princípios fundamentais do cálculo.

Da física, sabemos que quando uma partícula se movimenta segundo a equação horária S = f(t), em que s é a abscissa (posição) do ponto em que se encontra a partícula no instante t (s é uma função de t), a velocidade média do movimento entre dois instantes (t0,t), que vamos indicar por Vm(t0;t) é dada por:

A velocidade (instantânea) no instante t0, V(t0) é definida pelo limite de Vm(t0; t) quando t tende a t0:
Isaac Newton Gottfried Wilhelm Leibniz

Essa dupla, trabalhando separadamente e no mesmo período, estabeleceu as bases do cálculo. Newton fundamentava suas idéias na mecânica e Leibniz, na geometria. A partir do século XVIII, o cálculo sofreria profundas transformações, principalmente por
43

Exemplo: • Uma particula movimenta-se segundo a equação horária S = 2t2 + 5t + 10, s em metros e t em segundos. Obter a velocidade: a) no instante t = 1; b) num instante t = t0

UEA – Licenciatura em Matemática

Solução: a)

Δx : acréscimo da variável x : Δx = x – x0 Δx : acréscimo da variável y : Δy = f(x) – f(x0)
ou Δy = f(x0 + Δx) – f(x0) Denomina-se razão inceremental o quociente

Então, temos: A velocidade média no instante t = 1 é: Exemplo: Calcular a razão incremental da função f(x) = 3x – 1, relativa ao ponto x0 = 2 V(1) = 9m/s Solução: f(x) = 3x – 1 e f(x0) = f(2) = 3 . 2 – 1 ⇒ f(x0) = 5 b) Então, temos: ou

8.4 DERIVADA DE UMA FUNÇÃO EM UM PONTO V(t0) = 4t0+ 5 equação da velocidade para t = 1 ⇒ V(1) = 4 × 1 + 5 = 9m/s 8.3 RAZÃO INCREMENTAL Seja f (x) uma função definida em um intervalo I de seu domínio, e sejam x0 e x = x0 + Δx dois valores pertencentes a esse intervalo Seja y = f (x) a função que está representada no gráfico, e sejam x0 e x0 + Δx dois valores de seu domínio.

Denomina-se derivada da função f (x) no ponto x0 o limite finito (se existir) da razão incremental da função quando Δx tende a zero, ou seja:

44

Cálculo I – Derivada

lativa ao ponto x0, nos seguintes casos: a) f(x) = 3x2 + 1, no ponto x0 = 2 Exemplo: 1. Determinar a derivada da função f(x) = 4x2 – 2 no ponto x0 = 2 Solução: b) f(x) = x2 + 3x, no ponto x0 = 1 c) f(x) = x3, no ponto x0 = –1 2. Calcule a derivada da função f(x) no ponto x0 em cada caso: a) f(x) = x2 + 1, no ponto x0 = 3 b) f(x) = x2 + 2x, no ponto x0 = 4 c) f(x) = x2 – 3x + 4, no ponto x0 = 1 d) f(x) = 2x – 1, no ponto x0 = 2 3. Dada a função f (x), definida em IR, determine f´(x) nos seguites casos: a) f(x) = x2 – 2x b) f(x) = x c) f(x) = Como , temos: d) f(x) = 3x + 4 e) f(x) = x3 + 2x2 4. Determine o valor de x que anula a derivada da função f(x) = x2 – 4x 2. Dada a função f(x) = 3x2, definida em IR, calcular a função derivada f’(x). Solução: 5. Um ponto percorre uma curva obedecendo à equação horária s = t2 + t – 2. Calcule a sua velocidade no instante t0= 2seg.

1. A derivada da função f(x) = x2 – 3x no ponto x = 0 é igual a: a) 0 b) – 3 c) – 1 d) 1 e) n.d.a. 2. Sendo f(x) = 2x2, então f’(3) é igual a: a) 4 b) 12 1. Calcule a razão incremental da função f (x), re45

c) 18

UEA – Licenciatura em Matemática

d) 36 e) n.d.a. 3. Se f(x) = 6x3, então f’(x) é igual a: a) 9x2 b) x2 c) 18x2 d) 3x2 e) n.d.a. 4. A função derivada de y = x3 é definida por: a) y’ = 3x b) y’ = 3x2 c) y’ = x2 d) y’ = 3x3 e) 9.1. Introdução Imaginemos que o gráfico cartesiano de uma função y = f (x) admita uma reta tangente t num ponto P de abscissa x0. Vamos representar por αt(x0) o ângulo de inclinação da reta tangente em relação ao eixo x. Da geometria analítica, sabemos que o coeficiente angular da reta t, que vamos indicar por mt(x0), é dado por: mt(x0) = tgαt(x0). TEMA 09 A RETA TANGENTE AO GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO

5. A função derivada da função a) b) c) d) e) n.d.a.

é:

Se Q é um ponto qualquer do gráfico de f, de é uma secante abscissa x ≠ x0, a reta S = ao gráfico. O coeficiente angular da secante, que indicaremos por

6. A função derivada da função f(x) = 3x2 – 2x anula-se para: a) x = 0 b) x = 3 c)

d) e) n.d.a.

Fazendo x tender a x0, isto é, imaginando P fixo e Q movimentando-se sobre o gráfico, aproxi46

Cálculo I – Derivada

mando-se de P observamos que a inclinação , da reta secante tende à inclinação da reta tangente: αs → αt(x0)

9.2 DEFINIÇÃO Para estudar esse problema, consideremos o gráfico da função y = f (x) indicado na figura:

Nesse caso, temos tambem: tgαs → tgαt(x0) ms → mt(x0) Então, temos:

Em que:

Δx= incremento da variável x Δyincremento da função
razão incremental Na figura, temos:

Quando existe o limite finito Exemplo: Calcular o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico da função y = x² no ponto de abscissa x = 1 Solução

s é uma reta secante à curva; t é uma tangente à curva no ponto A(x0, y0); (considerando o triângulo ABC) Note que, quando Δx → 0, o ponto B tenderá ao ponto A, e a reta secante s tenderá à reta tangente t; como conseqüência, o ângulo β tenderá a α, e teremos:

Enquanto Δx tende a zero, a reta secante tende a uma posição limite, que é a reta tangente à curva no ponto A de abscissa x0. Portanto o coeficiente angular da tangente é o valor do limite dos coeficientes angulares das secantes quando Δx tende a zero.

O valor desse limite denomina-se derivada da função f(x) no ponto de abscissa x0, e indicamos f’(x0).
47

UEA – Licenciatura em Matemática

Definição: Seja a função f (x) definida no intervalo [a, b], e seja um ponto de abscissa x0 desse inetrvalo. Denomina-se derivada da função f (x) no ponto de abscissa x0, o limite, se existir e for finito, da razão tende a zero. quando Δx

Solução:

Daí:

Ou Exemplos:

ou

Observação: Não possui derivada em x = 0 • Determinar, pela definição, a função derivada de f(x) = x2.
2

• Determinar a derivada da função f(x) = 3x no ponto de abscissa x0 = 2. Solução: 1.ª MANEIRA Se x0 = 2 ⇒ f(x0) = f(2) = 3 × 22 = 12 Logo:

Solução:

• Qual a reta tangente ao gráfico da função na origem? 2.ª MANEIRA f(x0 + Δx) = f(2 + Δx) = 3 (2 + Δx) =
2

SOLUÇÃO A reta que procuramos passa no ponto (0;0)

12 + 12Δx + 3(Δx)2 f(x0 ) = f(2) = 3 . 22 = 12 Logo:

(x → 0+, pois

é definida só para x ≥ 0).

f’(2 ) = 12 • Dada a função , calcular a derivada de f’(x) no ponto x = 0.
48

Cálculo I – Derivada

Quando o limite é +∞, a reta tangente é perpendicualr ao eixo x. Concluímos que a reta tangente a na origem é o eixo y. • Dada a função f(x) = x2 – 2x, determinar f’(6): SOLUÇÃO f(x) = x2 – 2x f(x0) = f(6) = 62 – 2 . 6 = 24 Logo: • Seja a função f: IR → IR tal que f(x) = 3x2 – 1. Determinar: a) a derivada de f no ponto de abscissa 2, isto é, f´(2); b) a equação da reta t tangente ao gráfico de f no ponto P (2, 11). = 10 • Dada a função f (x) = sen x, determinar, pela definição, a função derivada de f (x). SOLUÇÃO SOLUÇÃO a) como e , temos: Substituindo na igualdade anterior, temos:

Como, pela triigonometria, sen a – sen b = , temos: b) Temos, da reta t, o ponto P(2,11) e o coeficiente angular m = f’(2) = 12. Pela equação fundamental: obtemos a equacação da reta t : y – 11 = 12(x – 2) ∴ y = 12x – 13. Graficamente, temos:

Pelo limite trigonométrico fundamental, estudado anteriormente, temos:
49

UEA – Licenciatura em Matemática

• A função f : IR –{3} → tal que derivável no intervalo ]1, 5[? SOLUÇÃO

é

y = x2 – 3x no seu ponto de abscissa 4? 4. A equação da reta tangente à curva de equação y = 2x2 – 1, no ponto de abscissa 1, é: a) y = 4x – 3 b) y = 4x – 1 c) y = 2x + 3 d) y = –2x + 1 e) y = 3x + 2 5. Aplicando a definição, calcule: a) a derivada da função f(x) = x2 + x no ponto de abscissa x = 3. b) a derivada da função f(x) = x2 – 5x + 6 no ponto x = 1. 6. Através da definição, ache a derivada de f (x) = cos x

Para que uma função f seja derivável em um ponto de abscissa a, a definição exige que exista f (a). Como 3 ∉ D(f), temos que f não é derivável no ponto de abscissa 3 e, portanto, não é derivável no intervalo ]1, 5[. • Mostrar que a função f : IR –{3} → IR tal que é derivável em todo seu domínio. SOLUÇÃO Temos que: para x ≠ 3. Existe f’(a) se, e somente se, existe e é finito o limite: Para qualquer a, a ∈ IR e a ≠ 3, temos: ,

Como esse limite existe e é finito para todo elemento real a, a ≠ 3, temos que f é derivável em seu domínio.

1. Considerando a reta t, tangente à curva definida por f (x) = x², no ponto de abscissa 2, determinar: a) o coeficiente angular da reta t b) a equação da reta t. 2. Considerando a reta t, tangente à curva definida por , no ponto de abscissa 1, determinar: a) o coeficiente angular da reta t b) a equação da reta t 3. Qual é a equação da reta tangente à curva
50

Cálculo I – Derivada

f´(x) = cosx, ou seja: TEMA 10 REGRAS DE DERIVAÇÃO 10.1 DERIVADAS FUNDAMENTAIS Regras que nos permitirão calcular a derivada de uma função f(x) mais facilmente. A demonstração dessas regras poderá ser feita com a aplicação da definição; como esse processo é demasiado longo, faremos algumas, e as outras ficarão como exercícios complementares. a) Derivada da função constante f(x) = k ⇒ f’(x) = 0; k ∈ IR Demonstração: f(x) = senx ⇒ f’(x) = cosx Demonstração

Exemplo: f(x) =

⇒ f’(x) = 0

b) Derivada da função identidade A derivada da função identidade f (x) = x é 1, ou seja: f(x) = x ⇒ f’(x) = 1 Demonstração:

Obs.:

e) Derivada da função co-seno A derivada da função f (x) = cosx é a função f’(x) = –senx f) Derivada da funçãoe exponencial A derivada da função exponencial f(x) = ax (a > 0 e a ≠ 1 é a função f’(x) = ax . ln a Demonstração:

c) Derivada da função potência A derivada da função f(x) = xn (n ∈ N*) é: f’(x) = n × xn–1, ou seja: f(x) = xn ⇒ f’(x) = nxn–1 Exemplos: • f(x) = x3 ⇒ f’(x) = 3x3–1 = 3x2 • f(x) = 4x2 ⇒ f’(x) = 2 × 4 × x2–1 = 8x •f(x) = x–5 ⇒ f’(x) = –5 x x–5–1 = –5x–6 =

Obs: Exemplo:

f(x) = 5x ⇒ f’(x) = 5x . ln 5 g) Derivada da função logarítmica neperiana A derivada da função f (x) = lnx é a função

d) Derivada da função seno A derivada da função f (x) = senx é a função
51

(x > 0)

UEA – Licenciatura em Matemática

Caso seja dado o logaritmo numa base a, a > 0 e a ≠ 1, fazemos a mudança para a base e.

b) g(x) = x5 – x3 Solução: g’(x) = 5x4 – 3x2 c) h(x) = 3 – x + cos x + ln x Solução:

Então:

Exemplos: • • (x > 0) (x > 0) 2. Obtenha as derivadas das seguintes funções: a) f(x) = 10 ⇒ f’(x) = 10 b) f(x) = x5 ⇒ f’(x) = 5 . x5–1 = 5x4 c) f(x) = x3 + x2 ⇒ f’(x) = 3x2 + 2x d) f(x) = x5 + 1 ⇒ f’(x) = 5x4 + 0 = 5x4 d) f(x) = x5 + 1 ⇒ f’(x) = 5x4 + 0 = 5x4 e) f(x) = sen x + cos x ⇒ f’(x) = cos x + (–sen x) = cos x – sen x f) f(x) = 2x ⇒ f’(x) = 2x ln 2 g) f(x) = ex ⇒ f’(x) = ex . 1 = ex h)

10.2 REGRAS OPERATÓRIAS DE DERIVAÇÃO Sejam u e v funções deriváveis em um intervalo aberto I. Para todo x, x∈I, tem-se que: a) Derivada da soma f(x) = u(x) + v(x) ⇒ f’(x) = u’(x) + v’(x) Demonstração:

3. Encontre a equação da reta tangente à curva: a) y = x5 no ponto x0 = 1 SOLUÇÃO f’(x) = u’(x) + v’(x) b) Derivada da diferença f(x) = u(x) – v(x) ⇒ f’(x) = u’(x) – v’(x) Obs.: A soma ou a diferença para n funções • f(x) = u1(x) + u2(x) +...+ un ⇒ f’(x) = u’1(x) + u’2(x) +...+ u’n(x) • f(x) = u1(x) – u2(x) –...– un ⇒ f’(x) = u’1(x) – u’2(x) –...– u’n(x) c.q.d y = x5 no ponto x0 = 1 f(x) = x5 ⇒ f(x0) = f(1) = 1 f’(x) = 5x4 ⇒ f’(1) = 5 . 14 = 5 No ponto (1,1): y – f(1) = f’(1)(x – 1) y – 1 = 5(x – 1) ⇒ y = 5x – 4 b) y = ln x no ponto x0 = 2 SOLUÇÃO

1. Determinar a derivada de cada uma das seguintes funções: a) f(x) = x4 + sen x Solução: f’(x) = 4x3 + cos x
52

4. Determine f’(x), sabendo que: a) f(x) = x2 . cos x b) f(x) = (x2 + 3x + 1)(ln x)

Cálculo I – Derivada

SOLUÇÃO a) f(x) = x2 . cos x f’(x) = (x2 . cos x)’ = (x2)’cos x + x2 (cos x)’ = 2x . cos x + x (–sen x) = 2x . cos x – x . sen x logo, f’(x) = 2x . cos x – x2 . sen x b) f(x) = (x2 + 3x + 1)(ln x) f’(x) = (x2 + 3x + 1)’lnx + (x2 + 3x + 1)(ln x)’ = (2x + 3) ln x + (x2 + 3x + 1) = 2x . ln x + 3 . ln x + 3 + =
2 2

gente à curva y = x3 + x2 + x + 1 no ponto x0 = 1. 3. Obter a reta tangente à parábola y = x2 – 4x + 3 no ponto de abscissa 4. 4. Determine a derivada de cada uma das seguintes funções: a) a(x) = x3 + x b) b(x) = ln x – sen x c) c(x) = cos x ln x d) d(x) = 6x4 – 3x2 + 7x – 4

Logo, f’(x) = 2x . ln x + 3 . ln x + x + 3 + 5. Determine f’(x), sabendo que: a) b) c) f(x) = tg x d) f(x) = cot gx Respostas: a) b) c) f’(x) = sec2 x d) f’(x) = cos sec2 x

5. A equação da reta tangente à curva y = x3 – 5x + 1 no ponto de abscissa x = 1 é: a) x – y – 4 = 0 b) x – y + 4 = 0 c) x + y – 4 = 0 d) 2x +y – 1 = 0 e) 2x + y + 1 = 0 6. Uma partícula move-se em linha reta. A equação horária do espaço s é s(t) = t3 + 4t2, com s em metros e t em segundos. a) Obter a velocidade instantânea da partícula para t = 1seg. b) Obter a aceleração instantânea para t = 1seg. 7. Um corpo se desloca sobre uma linha reta, de modo que a equação horária do espaço s é s(t) = 6t3 – 2t + 3, com s em quilômetros e t em horas. a) Qual é a equação horária da aceleração instantânea desse corpo? b) Qual é a aceleração instantãnea desse corpo no instante t = 2h?0 8. Considere as funções f e g dadas por f(x) = x2 – cos x e g(x) = sen x + x. Calcule o valor da expressão .

1. Determine f’(x), sabendo que: a) f(x) = x2 + x + 1 b) f(x) = lnx – cos x c) f(x) = 3x5 d) f(x) = 3x2 + 2x + 1 e) f(x) = ax2 + bx + c f) f(x) = lnx + 2cos x

2. Determine o coeficiente angular da reta tan53

9. Considere f(x) = 2x3 – 15x2 + 36x – 7 e g(x) = x3 – 6x2 + 11x – 6 e determine f’(0) – 2 . g’(1).

UEA – Licenciatura em Matemática

c) Derivada do produto f(x) = u(x).v(x) ⇒ f’(x) = u’(x).v(x)+u(x).v’(x) d) Derivada do quociente Sejam u e v funções deriváveis em um intervalo aberto I. Para todo x, x∈I e v(x) ≠ 0, tem-se que:

10.5 DERIVABILIDADE E CONTINUIDADE Uma função real y = f(x) é denominada função derivável no ponto x0 quando existe (finita) a derivada f’(x0). Quando f é derivável em todos os pontos do seu domínio, dizemos que ela é uma função derivável.

Obs.: As demonstrações b, c e d ficam para você fazer como exercícios. 10.3 OUTRAS DERIVADAS a) b) c) d) f(x) = tg x ⇒ f’(x) = sec2 x f(x) = cot gx ⇒ f’(x) = –cos sec2 x f(x) = sec x ⇒ f’(x) = sec x . tg x f(x) = cossec x ⇒ f’(x) = –cosssec x . cot gx

Obs.: Faça as demonstrações como exercícios.

1. Determinar a derivada da função f(x) = x5 . sen x. Solução: u(x) = x5 ⇒ u’(x) = 5x4 v(x) = sen x ⇒ v’(x) = cos x f’(x) = u’(x) . v(x) + u(x) . v’(x) f’(x) = 5x4 . sen x + x5 . cos x 2. Determinar a derivada da função f(x) = (x4+8)ln x Solução:

Propriedade: Se a função f é derivável no ponto x0, então f é contínua em x0. Demonstração: Provar que f é contínua em x0 significa provar que Δ→x f(x) = f(x0) lim
0

Admitindo que é derivável em x0, existe:

Então:
x→x0

lim lim f(x) = x→x f(x) =[f(x) – f(x0) + f(x0)]
0

lim f(x) = 0 + f(x0) = f(x0)] e fica provado que, x→x0 existindo f’(x0), f é contínua em x0. 3. Determinar a derivada da função Solução: u(x) = 3 ⇒ u’(x) = 0 v(x) = sen x ⇒ v’(x) = cos x . A recíproca desta propriedade não é verdadeira. Podemos ter uma função contínua em x0, mas não derivável em x0. É o que ocorre quando o gráfico tem um “bico” em x = x0 Exemplo: Mostrar que f (x) = |x| não é derivável em x = 0
54

Cálculo I – Derivada

co de y = tgx no ponto de abscissa 3. Dada a função de f: a) f(x) = 2x4 – 3x2 + 4, calcule f´(1) b) , calcule f’(3)

.

SOLUÇÃO

4. A derivada da função abscissa x = 2 é: a) 2 b) 3 d) 0 c) 4 e) 1 e

no ponto de

Mas

Como os limites laterais são diferentes, não existe f´(0). Portanto f não é derivável em x= 0, entretanto f é contínua em x = 0. Reconhecimento prático a) Uma função é contínua nos pontos em que não há “salto” nem “furo” no gráfico. b) Uma função é derivável nos pontos em que é contínua e existe uma reta tangente ao gráfico, não perpendicular ao eixo x. Num ponto em que há um “bico” no gráfico, a função é contínua, mas não derivável.

5. A derivada da função f (x) = tgx, calculada no ponto de abscissa a) 1 b) 2 c) d) e) 0 6. Sendo g: IR → IR tal que g(x) = x5, obtenha: a) g’(2); b) a equação da reta tangente ao gráfico de g no ponto de abscissa 2. vale:

1. Observando o gráfico ao lado de uma função f definida em IR, responda se f é contínua e/ou derivável em cada ponto seguinte:

7. Encontre a derivada de cada uma das seguintes funções: a) a(x) = x5 + x4 + 2 b) a(x) = x5 + x4 + 2 c) c(x) = x5 ln x d) d(x) = (x2 + 3) sen x e) e(x) = x5 sen x cos x f) f(x) = 9x4 g) g(x) = 12x5 – 3x4 + 2x + 4 h) h(x) = log5 x i) i(x) = 6log2 x j)
55

a) x = 0 c) x = 2

b) x = 1 d) x = 3

2. Obtenha a equação da reta tangente ao gráfi-

UEA – Licenciatura em Matemática

k) l) m) 8. Seja f(x) = x2 – x. Determine as equações das retas tangentes e normal no ponto de abscissa 0. 9. Determine as equações das retas tangente e normal ao gráfico da função dada, no ponto dado. a) f(x) = x2 – 3x, no ponto de abscissa 0. b) c) , no ponto de abscissa 8. , no ponto de abscissa 1.

TEMA 11 A REGRA DA CADEIA 11.1 Introdução Sejam g e f duas funções deriváveis nos pontos x e u, respectivamente. Então:

A derivada da função composta (fog)(x) dada por: (fog)’(x) = g’(x) . f’(x) ou y = f(u) e u = g(x)

é

em que

10. Seja f(x) = x2. Determine a equação da reta que é tangente ao gráfico de f e paralela à reta .

Exemplos: • Determinar a derivada das seguintes funções: a) f(x) = (x2 + x)3 b) f(x) = cos 3x Solução: a) u = g(x) = x2 + x e f(u) = u3 g’(x) = 2x + 1 e f’(u) = 3u2 = 3(x2 + x)2 Como f’(x) = g’(x) . f’(u) f’(x) = (2x + 1) . 3(x2 + x)2 b) u = g(x) = 3x e f(u) = cos u g’(x) = 3 e f’(u) = –sen u = –sen 3x f’(x) = g’(x) . f’(u) = 3(–sen 3x) f’(x) = –3sen 3x 1. REGRAS DE DERIVAÇÃO Decorreram pela regra da cadeia as seguintes regras de derivação, em que v(x) é uma função real derivável:

56

Matemática Elementar II – Conjuntos Numéricos Cálculo I – Derivada

2. DERIVADAS SUCESSIVAS Seja f (x) a função cuja derivada primeira é f´(x). Se f´(x) admite, também, a derivada f”(x), essa recebe o nome de derivada segunda de f (x). E assim por diante, define-se derivada terceira, derivada quarta e derivada n-ésima da função f(x). Exemplo: Seja f(x) = 2x5. Então, temos: f’(x) = 10x4 f’’(x) = 40x3 f’’’(x) = 120x2 f(4)(x) = 240x f(5)(x) = 240 f(6)(x) = 0 ................ f(n)(x) = 0, ∀n ≥ 6 Ou seja, se a função é representada por y = y(x), a sua inversa será dada por x = x (y). E, assim: Se x = x(y), então . Se f é uma função que admite inversa e é derivável no ponto x, com f(x) ≠ 0, então: 3. DERIVADA DA FUNÇÃO INVERSA

1. Obter a equação da aceleração de uma partícula que se movimenta segundo a lei horária S = 2t2 + 4t + 5. Solução: S = f(t) = 2t2 + 4t + 5 v = f’(t) = 4t + 4 a = f”(t) = 4 (aceleração constante)

CONSEQUÊNCIAS: 1. DERIVADA DA FUNÇÃO LOGARÍTMICA

2. DERIVADA DA FUNÇÃO POTÊNCIA COM EXPOENTE REAL y = xα ⇒ y’ = α . xα−1 ; α∈IR e x > 0 3. DERIVADA DA FUNÇÃO arc sen

2. Determinar as equações da velocidade e da aceleração de uma partícula em movimento harmônico simples cuja posição é dada por

SOLUÇÃO

4. DERIVADA DA FUNÇÃO arc cos

57

UEA – Licenciatura em Matemática

5. DERIVADA DA FUNÇÃO arc tg

2. Determine a função derivada das seguintes funções: a) f(x) = logx 2 SOLUÇÃO

Exemplo: • Se f(x) = 3x – 6, determine (f–1)’(y) Solução: f(x) = 3x – 6 ⇒ f’(x) = 3 (f–1)(x) = Então x + 2 ⇒ (f–1)(x) =

b) f(x) = logcos x 2 SOLUÇÃO f(x) = logcos x 2

c) f(x) = arc sen x2 • Se y = x2, determine a derivada da sua inversa. Solução: SOLUÇÃO y = x2 e z = arc sen y

• Se f(x) = 2x + 1, determine (f–1)’(y) SOLUÇÃO y = f(x) = 2x + 1 ⇒ y’ = f’(x) = (2x + 1)’ = 2 Portanto

3. Calcular as derivadas sucessivas de: a) f(x) = 3x2 + 5x + 6 b) f(x) = sen 2x SOLUÇÃO a) f(x) = 3x2 + 5x + 6 f’(x) = 6x + 5 f”(x) = 6 f’”(x) = f(“)(x) = ... = 0 b) f(x) = sen 2x

1. Obtenha a derivada de cada uma das seguintes funções: a) f(x) = cos 2x Solução y = f(x) = 2x e z = g(y) = cos y y’ = f’(x) = 2 e z’ = g’(y) = –sen y f’(x) = g’(y) . f’(x) = (–sen y) . 2 = –2sen 2x b) F(x) = (x2 + 1)10 Solução y = f(x) = x + 1 e z = g(y) = y
9 2 10

f’(x) = 2 . cos 2x f”(x) = –4 . sen 2x f”’(x) = –8 cos 2x

1. Dada f(x) = sen x, calcule , onde f(4) indica a derivada quarta de f.
2 9

y’ = f’(x) = 2x e z’ = g’(y) = 10y9 F’(x) = g’(y) . f’(x) = 10y . 2x = 20x(x + 1)

58

Cálculo I – Derivada

2. Obtenha a equação da reta tangente ao gráfico de y = tgx no ponto de abscissa .

medido em metros e o instante t em segundos. A velocidade do móvel no instante t = 4 s, em m/s, vale: a) –10 m/s b) 0 m/s c) 10 m/s d) 22 m/s e) 32 m/s 10. Chama-se custo marginal de produção de um artigo o custo adicional para se produzir um artigo além da quantidade já prevista. Na prática, a função custo marginal é a derivada da função custo. Uma fábrica de sapatos tem um custo para produzir x sapatos dado por C (x) = 3000 + 25 x, com C em reais. Qual é o custo marginal que essa fábrica terá para produzir mais um sapato? 11. Uma fábrica de componentes eletrônicos tem um custo para produzir x componentes dado por , com c em

3. A derivada da função f (x) = tgx, calculada no ponto de abscissa a) 1 b) 2 c) d) e) 0 4. Sabe-se que a metade dos produtos exportados pelo Brasil vem de recursos naturais. A derivada primeira da função E(x) = 4x3 – 3x2 + 5x – 4, para x = 2 equivale à porcentagem dos produtos primários (café, minério de ferro, etc.), que é de: a) 36 % b) 38 % c) 41 % d) 49 % 5. Determine as derivadas das seguintes funções: a) b) y = f(x) = arc tg x c) d) y = f(x) = arc sen x e) y = f(x) = arc cos x 6. Calcule o valor da segunda derivada f(x) = cos 3x no ponto . de vale:

reais. Qual é o custo marginal que essa fábrica tem para produzir mais um componente quando x = 0, x = 100, x = 400 e x = 800 ? 12. Uma partícula movimenta-se sobre uma reta, e a lei horária do movimento é dada por s = 2t2 – 5t – 2 (SI). A aceleração escalar do movimento é: a) 2m/s2 b) 4m/s2 c) –5m/s2 d) –7m/s2 e) zero

7. Determine a derivada de f(x) = senx3 . tg x. 8. Obtenha o coeficiente angular e a equação da reta tangente à curva f(x) = ln(x2 – 3), no ponto de abscissa x0 = 2. 9. Um móvel efetua um movimento retilíneo uniformemente variado obedecendo à equação horária s = 6 – 10t + 4t2, em que o espaço s é
59

UEA – Licenciatura em Matemática

f’(x0) = tg α < 0 TEMA 12 ESTUDO DO SINAL DE UMA FUNÇÃO 12.1 OS SINAIS DA DERIVADA PRIMEIRA Consideremos uma função real f definida num domínio D, tal que f é derivável em D. Os sinais da função derivada f´estão relacionados ao crescimento ou decrescimento de f. E valem as seguintes propriedades: I) Se f´(x) é positiva para todo x de um intervalo I, então f é crescente em I. f’(x0) = tg α < 0

f’(x1) = tg β < 0

f’(x1) = tg β < 0

f’(x) < 0, ∀x ∈ I ⇒ f é decrescente em I. Suponhamos f derivável num intervalo aberto contendo x0 e que f’(x0) = 0. A reta tangente ao gráfico de f no ponto de abscissa x0 tem coeficiente angular m = f’(x0), portanto é paralela ao eixo x.

a) f’(x0) = tg α > 0 f’(x1) = tg β > 0

f cresce antes de x0 e decresce depois de f’(x0) = tg α > 0 f’(x1) = tg β > 0 b) x0. Nesse caso, x0 é ponto de máximo local.

f’(x) > 0, ∀x ∈ I ⇒ f é crescente em I. II) Se f’(x) é negativa para todo x de um intervalo I, então f é decrescente em I.

f decresce antes de x0 e depois cresce de x0. Nesse caso, x0 é ponto de mínimo local.
60

Cálculo I – Derivada

c)

Exemplo: Determinar os pontos críticos e estudar a variação da função f(x) = x3 – 3x, x∈IR. Esboçar o gráfico. Solução: f cresce antes e depois de x0. Nesse caso, x0 é um ponto de Inflexão de f. d) f(x) = x3 – 3x ⇒ f’(x) = 3x2 – 3 f’(x) = 0 ⇔ x = ±1 (pontos críticos)

f decresce antes e depois de x0. Nesse caso, x0 é ponto de inflexão de f. Conclusão: • Num intervalo em que f’(x) > 0, f é crescente. • Num intervalo em que f’(x) < 0, f é decrescente. • Os pontos em que f’(x) = 0 podem ser de máximo ou de mínimo ou de inflexão. Esses pontos são chamados pontos críticos de f.

Gráfico de f f(x) = x3 – 3x, x∈IR x = –2 ⇒ f’(–2) > 0 x = 0 ⇒ f’(0) < 0 x = 2 ⇒ f’(2) > 0

Conclusão: f é crescente nos intervalos ]–∞,1] e ]1,+∞] e é decrescente em [–1;1]. Os pontos críticos são x = –1, ponto de máximo local, e x = 1, ponto de mínimo local. 12.2 OS SINAIS DA DERIVADA SEGUNDA Consideremos uma função real f, definida num domínio D, tal que f é derivável até a segunda
61

UEA – Licenciatura em Matemática

ordem em D, isto é, existem f´(x) e f”(x) em D. Os sinais da derivada segunda f”(x) estão relacionados à concavidade do gráfico de f. Propriedades: I) Se f”(x) é positiva para todo x de um intervalo I, então f é côncava para cima em I.

Concavidade para baixo: pontos do gráfico ficam abaixo das retas tangentes.

Concavidade para cima: pontos do gráfico ficam acima das retas tangentes

tg α > tg β > tg y f’(x1) > f’(x2) > f’(x3) f’(x) é decrescente f”(x) < 0 f”(x) < 0, ∀x ∈ I ⇒ f côncava para baixo em I Pontos de Inflexão – São os pontos em que f muda de concavidade . Num ponto de inflexão, a reta tangente ao gráfico corta a curva.

tg α < tg β < tg y f’(x1) < f’(x2) < f’(x3) f’(x) é crescente f”(x) > 0 f”(x) > 0, ∀x ∈ I ⇒ f côncava para cima em I II) Se f”(x) é negativa para todo x de um intervalo I, então f é côncava para baixo em I. Ponto de Inflexão: f muda de concavidade A reta tangente corta o gráfico f”(x0) = 0 e f’(x0) = tg α ≠ 0

Ponto de Inflexão horizontal – a reta tangente é paralela ao eixo x. f”(x0) = 0 e f’(x0) = 0
62

Cálculo I – Derivada

• Um ponto x0 em que f”(x0) = 0 e f” muda de sinal (antes e depois de x0) é um ponto de inflexão de f. Se também f’(x0) = 0, dizemos que é um ponto de inflexão horizontal, pois a reta tangente é paralela ao eixo x.

2. Determinar os pontos de inflexão e estudar a concavidade de Solução: .

Não há ponto de inflexão. A função é côncava para cima em todo domínio IR. • Se f”(x0) = 0 mas f” não muda de sinal (antes e depois de x0), então f não muda de concavidade em x0; portanto, nesse caso, x0 não é ponto de inflexão. Exemplos: 1. Determinar os pontos de inflexão e estudar a concavidade da função Solução: 12.3 MÁXIMOS E MÍNIMOS Cálculo de valores máximos ou mínimos de funções reais, que podem ser determinados pela análise dos sinais da derivada primeira f´. . Gráfico de f

f”(–1) = –2 < 0 f”(1) = 2 > 0 x = 0 ponto de inflexão. A função é côncava para baixo em ]–∞;0] e côncava para cima em ]0;+∞;].

Outro recurso que pode ser empregado na identificação de pontos de máximos ou de mínimos é analisar o sinal da derivada segunda nos pontos que anulam a derivada primeira. Se f’(x0) = 0 e f”(x0) > 0, então a reta tangente ao gráfico de f em x0 é paralela ao eixo x, e f tem concavidade positiva próximo de x0, portanto a
63

UEA – Licenciatura em Matemática

reta tangente deixa os pontos do gráfico acima dela, logo x0 é um ponto de mínimo relativo de f.

segunda nos pontos críticos: Para x = 0 ⇒ f”(x) < 0. Então, x = 0 é ponto de máximo local de f. Para Então, Para Então, é ponto mínimo local de f. . é ponto de mínimo local de f. .

Outro modo: Critério dos sinais da derivada primeira.
Ponto de mínimo: t//x; concavidade para cima

Obs.: Verifique: x = –2 ⇒ f’(x) < 0 x = –1 ⇒ f’(x) > 0 x = 1 ⇒ f’(x) < 0
Ponto de máximo: t//x; concavidade para baixo

x = 2 ⇒ f’(x) > 0

Conclusão: f’(x0) = 0 e f”(x0) > 0 ⇒ x0 é ponto de mínimo de f. f’(x0) = 00 e f”(x0) < 0 ⇒ x0 é ponto de máximo de f. Obs.: Se f’(x0) = 0 e f”(x0) = 0, não podemos tirar conclusão a respeito do ponto x0. Neste caso, convém analisar os sinais de f´antes e depois de x0. Pode ocorrer que x0 seja ponto máximo, ou de mínimo ou de inflexão. Exemplo: Indentificar os pontos críticos da função f(x) = x6 – 6x2 + 4, x∈IR Solução: f(x) = x6 – 6x2 + 4 ⇒ f(x) = 6x5 – 12x ⇒ f”(x) = 30x4 – 12 1. Determine o maior e o menor valores de f(x) = x3 + x32 – x + 1 no intervalo Solução: Cálculo dos extremos absolutos da função no intervalo considerado. f’(x) = 3x2 + 2x – 1 3x2 + 2x – 1 = 0 ⇒ x1 = –1 e x2 = .

Aplicar os critérios dos sinais da derivada
64

Tendo em vista o comportamento da função, vemos que o valor máximo ocorrerá em x = –1

Cálculo I – Derivada

ou Como f(–1) = 2 e , vemos que fM = 2

E o valor mínimo ocorrerá em x = Como fm = –1

ou x = –2 Solução: Ao suprimir os pequenos quadrados dos cantos, as dimensões da caixa serão: x,(10 – 2x) e (10 – 2x) V(x) = (10 – 2x)2 . x V(x) = 40x3 – 40x2 + 100x Volume máximo V’(x) = 12x2 – 80x + 100

e f (–2) = –1, vemos que

2. Um corpo lançado verticalmente do solo para cima tem posições, no decorrer do tempo, dadas pela função s = 40t – 5t2 (t em segundos e s em metros).

a) Qual o tempo gasto para atingir a altura máxima? b) Qual a altura máxima atingida? Solução: a) s’(t) = 40 – 10t s’(t) = 0 ⇒ 40 – 10t = 0 ⇒ t = 4s Estudo do sinal de s’(t) Sendo , então:

b) s(4) = 40 . 4 – 5 . 42 = 160 – 80 = 80m 4. Cortando-se um pequeno quadrado de cada canto de uma cartolina de 10cm de lado, conforme indica figura abaixo, deseja-se construir com a cartolina restante, dobrada convenientemente, uma caixa de volume máximo. Determinar esse volume.
65

5. determine os pntos críticos de f(x) = (x – 4)3 + 2 e esboce o seu gráfico. Solução: f’(x) = 3(x – 4)2 • Pontos críticos: f’(x) = 0 ⇔ 3(x – 4)2 = 0 ⇔ x = 4 • Sinal de f´(x) numa vizinhança de x = 4;

UEA – Licenciatura em Matemática

x < 4 ⇒ f’(x) > 0 ⇒ f(x) é crescente; x > 4 ⇒ f’(x) > 0 ⇒ f’(x) é crescente. Então, x = 4 não é ponto de máximo local nem de mínimo local. f”(x) = 6(x – 4) ⇒ f”(4) = 6(4 – 4) = 6 . 0 = 0 f”’(x) = 6 ⇒ f”’(4) ≠ 0 f’(4) = 3(4 – 4)2 = 3 . 02 = 0 Logo, x = 4 é abscissa de um ponto de inflexão horizontal. • x→+∞f(x) = +∞ e x→−∞f(x) = –∞ lim lim

função horária s(t) = 2t3 – 24t2 + 72t + 3 (s dado em metros e t dado em segundos), determine em que instantes o ponto material tem velocidade: a) crescente b) decrescente 8. O custo total de fabricação de x unidades de um produto é dado por c(x) = (3x2 + 5x + 192) reais. Quantas unidades deverão ser fabricadas para que o custo médio seja o menor possível?

1. Qual é a área máxima que pode ter um retângulo de perímetro igual a 40cm? 2. Dividir o número 30 em duas partes de modo que o seu produto seja máximo. 3. Entre todos os retângulos de área igual a 64m², qual é o que tem perímetro mínimo? 4. Determinar os pontos críticos e estudar a variação da função f(x) = 3x4 – 4x3 + 5, x∈IR 5. Em qual conjunto a função quadrática definida por f(x) = x2 – x – 6 é crescente ou decrescente? 6. Dada a função f(x) = x3 – 6x2 + 9x + 1: a) Determine o conjunto em que f é crescente ou decrescente; b) ache os pontos nos quais a tangente ao gráfico de f(x) é paralela ao eixo x; c) esboce o gráfico de f(x). 7. Um ponto material se move de acordo com a
66

Cálculo I – Derivada

médio, para cada uma das seguintes funções: TEMA 13 TAXA DE VARIAÇÃO E REGRA DE L’HOSPITAL 13.1 Teorema do Valor Médio (TVM) Uma função y = f (x) unívoca e contínua num intervalo [a, b] e derivável nesse intervalo, admite um valor c desse intervalo tal que a relação entre os acréscimos f(b) – f(a) e b – a é igual a f´(c), isto é: para a < c < b c= é um ponto tal que f´(c) tem o valor a) f(x) = x2, 1 ≤ x ≤ 2 Solução: f’(c) =

pedido. INTERPRETAÇÃO GEOMÉTRICA b) f(x) = x3 + 2x, –1 ≤ x ≤ 2 Solução:

3x2 + 2 = 5 ⇒ x1 = 1 ou x2 = –1 • A reta s passa pelos pontos (a, f (a)) e (b, f (b)). • Existe um ponto (c, f (c)), com a < c < b, tal que a reta tangente ao gráfico de f, neste ponto, é paralela à reta s. C = 1 é um ponto tal que f’’(c) tem valor pedido. 13.2 REGRA DE L´HOSPITAL (limites do tipo e )

f(x) e g (x) sendo contínuas e g(x) ≠ 0 em V(a). INTERPRETAÇÃO CINEMÁTICA Se x→a f(x) = 0, x→a g(x) = 0 e existe lim lim então ,

Exemplos: Sendo x = f (t) a função de posição do movimento de uma partícula sobre o eixo ox e a velocidade média entre os instantes t = a e t = b, pelo T.V.M, se f for contínua em [a, b] e derivável em ]a, b[ , então a velocidade média será igual à velocidade (instantânea) da partícula em algum instante c entre a e b. Exemplo: Achar um número c, como no teorema do valor
67

1.

?

2.

?

3.

?

UEA – Licenciatura em Matemática

Propriedades operatórias das derivadas

4.

?

Obs.: Neste exemplo, aplicam-se três vezes seguidas a regra de L´Hospital, visto que o quociente das derivadas primeiras, segundas e terceiras conduziu à indeterminação para

x = 0. Quadro-resumo das derivadas e suas propriedades. Tabela de derivadas 1. Um homem anda à razão de 5 milhas por hora em direção à base de uma torre de 60 pés de altura. Com que rapidez ele se avizinha do topo quando está a 80 pés da base da torre? Solução:

x: distânica entre o homem e a base; y: distância entre homem e o topo da torre, em cada instante. y2 = x2 + 3600 (teorema de Pitágoras) Derivando, obtemos ou Isso significa que, em cada instante, (velocidade de variação de de variação de x). x = 80,
68

vezes (velocidade

milhas por hora

Cálculo I – Derivada

= – 5 x 5280 pés por hora

de 0,01cm por segundo. Com que velocidade de variação cresce a área do prato qando o raio tem 2cm? Solução: pés por hora

? =– = – 4 milhas por hora 2. Um ponto move-se sobre a parábola 6y = x2 de modo tal que quando x = 6, a abscissa cresce com a velocidade de 2cm por segundo. Com que velocidade cresce a ordenada nesse instante?

Seja, x = raio e y = área do prato

Portanto, em cada instante, a área do prato cresce, em cm quadrados, 2πx vezes mais rapidamente que o raio em centímetros.

SOLUÇÃO 6y = x2 ou Isso significa que, em cada ponto da parábola, (velocidade da ordenada) = dade da abscissa) x = 6; ; por segundo No ponto P (6, 6) a ordenada varia duas vezes mais rapidamente que a abscissa; no ponto P (–6, 6), tem–se cm por segundo, e o = 2cm por segundo vezes (veloci-

por segundo.

4. A 12 pés de altura de um passeio reto e horizontal, está presa uma fonte de luz. Sobre o passeio e afastando-se da fonte com a velocidade de 168 pés por minuto, caminha um rapaz de 5 pés de altura. Com que rapidez varia o comprimento da sombra do rapaz? Solução:

sinal menos indica que a ordenada é decrescente quando a abscissa cresce. 3. A dilatação pelo calor de um prato circular de metal é tal que o raio cresce com a velocidade
69

x: distância do rapaz de um ponto situado diretamente sob a luz L y: comprimento da sombra do rapaz ou

UEA – Licenciatura em Matemática

Portanto a rapidez com que varia o comprimento da sombra são os da rapidez com

2. Um ponto move-se ao longo do gráfico de y = x2 + 1de tal modo que a sua abscissa x varia a uma velocidade constante de 3cm/s. Qual é, quando x = 4cm, a velocidade da ordenada y? 3. O raio r de uma esfera está variando, com o tempo, a uma taxa constante de 5m/s. Com que taxa está variando o volume da esfera no instante em que r = 2m? 4. Um ponto P move–se ao longo do gráfico de de tal modo que a sua abscissa varia a uma velocidade constante de 5m/s. Qual a velocidade de y no instante em que x = 10m?

que anda o rapaz, em 120 pés por minuto. 5. Um ponto move-se ao longo do gráfico de y = x3 de modo que sua abscissa x varia à razão de 2 unidades por segundo. Qual é, quando x = 3, a taxa de variação da ordenada y? Solução:

unidades por segundo

6. Dada f(x) = x3 + 3x2 – 5, verifique que as condições para validade do teorema do valor médio estão satisfeitas para a = – 1 e b = 2. Encontre todos os números α, α∈]–1,2[, tal que Solução: Notemos que f é derivável e contínua em IR; portanto também é no intervalo [–1,2]. f’(x) = 3x2 + 6x. Então: .

5. O lado de um triângulo equilátero mede a cm e cresce k cm por hora. Com que velocidade crescerá a área do triângulo? 6. Uma escada de 8m está encostada em uma parede. Se a extremidade inferior da escada for afastada do pé da parede a uma velocidade constante de 2m/s, com que velocidade a extremidade superior estará descendo no instante em que a inferior estiver a 3m da parede? 7. Usando as derivadas, calcular os limites abaixo: a) b) c)

ou α = –1 –

.

d) e) f)

Como queremos α no intervalo ]–1,2], só convém α = –1 + .

g)

1. Um quadrado expande-se de modo que seu lado varia à razão de 5cm/seg. Achar a taxa de variação de sua área no instante em que o lado tenha 15cm de comprimento.
70

UNIDADE IV
Integrais

Cálculo I – Integrais

TEMA 14 INTEGRAIS PRIMITIVAS E INDEFINIDAS 14.1 Introdução Os dois mais importantes instrumentos do cálculo são a derivada, já considerada anteriormente, e a integral definida. A derivada foi motivada por problemas de determinação do coeficiente angular de uma tangente e de definição de velocidade. A integral definida surge de modo natural quando consideramos o problema da determinação da área de uma região do plano xy. Essa é, entretanto, apenas uma das aplicações. Como veremos posteriormente, a utilização das integrais definidas é tão abundante e variada como a das derivadas. O resultado principal estabelecido aqui é o teorema fundamental do cálculo, que demostraremos logo a seguir. Este relevante teorema possibilita achar valores exatos de integrais definidas utilizando uma antiderivada ou integral indefinida. O processo pode ser encarado como o inverso da determinação da derivada de uma função. Assim, além de constituir um importante processo de cálculo, o teorema fundamental mostra que existe uma relação entre derivadas e integrais, um resultado-chave para o cálculo. Nesse contexto, a integração é o processo usado para se achar uma função quando se conhece a sua derivada (ou taxa de variação). Em Economia, podemos usar a integração para achar uma função de custo total quando é dada a função de custo marginal, ou para achar a função de receita total quando é dada a função de receita marginal, e assim por diante. Podemos definir também a integração como o processo usado para se achar o valor limite de uma soma de termos, quando o número de termos cresce indefinidamente, e o valor numérico de cada termo aproxima-se de zero. É neste contexto que a integração é interpretada como a determinação da área existente sob uma curva. Com efeito, o cálculo integral foi desenvolvido com o propósito de avaliar áreas, supondo-as divididas num número infinito de partes infinitamente pequenas, cuja soma é a área
73

requerida. O sinal da integral é o S alongado que os primeiros autores usaram para indicar “soma”. Em muitos problemas, embora a derivada de uma função seja conhecida, torna-se necessário calcular a própria função. É o caso, por exemplo, de um Sociólogo que, conhecendo a taxa de crescimento da população, poderá usar tal dado para prever futuras taxas de crescimento daquela população, ou de um Físico que, conhecendo a velocidade de um corpo, será capaz de determinar a posição futura do corpo. Encerraremos com um estudo dos métodos de integração numérica, utilizados para aproximar integrais definidas que não podem ser calculadas por meio do teorema fundamental. Tais métodos são facilmente programáveis para uso em calculadoras e computadores e têm ampla aplicação nos mais diversos campos. 14.2 Antidiferenciação ou primitivas Você já está familiarizado com operações inversas. Adição e subtração, mutiplicação e divisão são operações inversas, bem como potenciação e radiciação. Agora, vamos desenvolver a operação inversa da diferenciação chamada de antidiferenciação ou primitiva, Vamos começar introduzindo a antiderivada. Definição – Uma função F(x) para a qual F’(x) = f(x), para todo x pertencente ao domínio de f é uma primitiva (ou integral indefinida) de f. Exemplo: Se F for definida por F(x) = 4x3 + x2 + 5, então, F’(x) = 12x2 + 2x. Assim, se f for a função definida por f(x) = 12x2 + 12x, logo afirmamos que f é a derivada de F, e que F é uma antiderivada ou primitiva de f. Se G for a função definida por G(x) = 4x3 + x – 17, então G também será uma antiderivada de f, pois G’(x) = 12x2 + 2x. Na realidade, toda função cujos valores funcionais são dados por 4x3 + x2 + C, onde C é uma constante qualquer, é um antiderivada de f. Em geral, se uma função F for antiderivada de uma função f num intervalo I, e se a função G for definida por G(x) = F(x) + C onde C é uma

UEA – Licenciatura em Matemática

constante arbitrária, então G’(x) = F(x) = f(x) e G também será uma antiderivada de f num intervalo I. Passaremos, agora, a demonstrar que se F for qualquer antiderivada particular de f num intervalo I, então toda antiderivada de f em I será dada por {F(x) + C}, onde C é uma constante arbitrária. Necessitaremos, primeiro, de um teorema preliminar. Teorema – Se f e g forem duas funções, tais que f’(x) = g’(x) para todo x no intervalo I, então haverá uma constante K, tal que f(x) = g(x) + K para todo x em I. Prova – Seja h a função definida em I por h(x) = f(x) – g(x), assim sendo, para todo x em I. h’(x) = f’(x) – g’(x) Mas, por hipótese, f’(x) = g’(x) para todo x no intervalo I. Logo, h’(x) = 0 para todo x no intervalo I. E como já sabemos, se a derivada de uma função é zero, podemos concluir que existe uma constante K, tal que h(x) = K para todo x no intervalo I. Substituindo h(x) por, obtemos f(x) – g(x), obtemos f(x) = g(x) + K para todo x em I, e o teorema está provado. O próximo teorema segue, imediatamente, do teorema anterior. Teorema – Se F for uma antiderivada particular de f em um intervalo I, então toda antiderivada de f em I será dada por F(x) + C (1) onde C é uma constante arbritrária, e todas as antiderivadas de f em I poderão ser obtidas de (1), atribuindo-se certos valores a C. Prova: Suponha que G represente qualquer antiderivada de f em I; então G’(x) = f(x) para todo x em I. ( 2 ) Como F é uma antiderivada particular de f em I, F’(x) = f(x) para todo x em I. De ( 2) e ( 3 ), segue que G’(x) = F’(x) para todo x em I. Logo, pelo teorema anterior, existe uma constante k, tal que G’(x) = F(x) + K para todo x em I. Como G representa qualquer antiderivada de f em I, segue que toda antiderivada de f pode ser
74

obtida de {F(x) + C}, onde C é uma constante arbitrária. Assim, está provado o teorema. Antidiferenciação é o processo de encontrar o conjunto de todas as antiderivadas de uma dada função. O símbolo ∫ denota a operação de antidiferenciação e escrevemos:

∫f(x)dx = F(x) + C
onde F’(x) = f(x) e d(F(x)) = f(x)dx

(4)

(5)

Leibniz introduziu a convenção de escrever a diferencial de uma função após o símbolo de antiderivação. A vantagem dessa notação ficará evidente quando calcularmos antiderivadas, mudando a variável, posteriormente. De (4) e (5), podemos escrever:

∫d(F(x)) = F(x) + C
Essa fórmula será usada para obter fórmulas de antiderivação a seguir; ela estabelece que, quando antidiferenciamos a diferencial de uma função, obtemos a própria função, mais uma constante arbitrária. Assim, podemos considerar que o símbolo de antidiferenciação ∫ significa a operação inversa da operação denotada por d para o cálculo da diferencial. Se {F(x) + C} for o conjunto de todas as funções cuja diferencial f(x)dx, também será o conjunto de todas as funções cujas derivadas são f(x); assim sendo, a antidiferenciação é considerada como a operação de encontrar o conjunto de todas as funções, tendo uma dada derivada. Como a antidiferenciação é a operação inversa da diferenciação, alguns teoremas sobre antidiferenciação podem ser obtidos dos teoremas de diferenciação. Assim sendo, os teoremas a seguir podem ser provados a partir dos teoremas correspondentes da diferenciação. Teorema: ∫dx = x + C, onde a é uma constante. Este teorema estabelece que, para determinar uma antiderivada de uma constante vezes uma função, achamos primeiro uma antidevivada de uma função, multiplicando-a, em seguida, pela constante.

Cálculo I – Integrais

Teorema: Se f1 e f2 estão definidas no mesmo intervalo, então

Solução:

∫[f1(x) + f2(x)]dx = ∫f1(x)dx + ∫f2(x)dx
Este teorema estabelece que, para determinar uma antiderivada da soma de duas funções, achamos primeiro a antiderivada de cada uma das funções separadamente e então, somamos os resultados, ficando subentendido que ambas as funções estão definidas no mesmo intervalo. O teorema acima pode ser estendido a um número qualquer, finito, de funções. Combinando este teorema e o anterior, temos o teorema a seguir. Teorema: Se f1, f2,...,fn estão definidas no mesmo intervalo,

Como 3C1 + 5C2 é uma constante arbitrária, ela pode ser denotada por C; assim, o resultado pode ser escrito como

Pode-se conferir a resposta calculando a derivada.

∫[c1f1(x) + c2f2(x) +...cnfn(x)]dx
= c1∫f1(x)dx + c2f2(x)dx +...+cn∫fn(x)dx onde c1,c2,...,cn são constantes. Teorema: Se n for um número racional,

3. Calcule ∫(5x4 – 8x3 + 9x2 – 2x + 7)dx Solução:

Prova:

∫(5x4 – 8x3 + 9x2 – 2x + 7)dx =

Exemplos: 1. Aplicando os teoremas acima para valores específicos de n, temos: a) b) c) 4. Calcule Solução: .

d) 5. Calcule 2. Calcule ∫(3x + 5)dx:
75

Solução:

UEA – Licenciatura em Matemática

curva, a reta tangente tem uma inclinação igual a 4x – 5. Se a curva contém o ponto (3,7), ache sua equação. Solução: Como a inclinação da reta tangente a uma curva em qualquer ponto (x,y) é o valor da derivada nesse ponto, temos

Freqüentemente, em aplicações envolvendo antidiferenciação, desejamos encontrar uma antiderivada específica que satisfaça determinadas condições chamadas inicial (condições de Cauchy) ou lateral (condições de contorno, de fronteira ou de extremos), conforme elas ocorrem no ponto inicial ou para os pontos extremos do intervalo de definição da variável. Por exemplo, se uma equação envolvendo for dada, bem como a condição inicial que y = y1 quando x = x1, então, depois que o conjunto de todas as antiderivadas for encontrado, se x e y forem substituídos por x1 e y1, iremos determinar um valor específico da constante arbitrária C. Com esse valor de C, uma determinada antiderivada é obtida. Exemplos: 1. Suponha que desejemos encontrar uma determinada função y(x) satisfazendo a equação , (ou seja, uma antiderivada de função f(x) = 2x e a condição inicial de que y = 6 quando x = 2. Solução: y = ∫2xdx y = x2 + C substituindo x = 2 e y = 6, temos, 6=4+C C = 2 logo, y = x2 + 2, que dá a antiderivada desejada. 2. Em qualquer ponto (x,y) de uma determinada
76

Essa equação representa uma família de curvas. Como queremos determinar uma certa curva dessa família que contenha o ponto (3,7), substituímos x e y, 7 = 2(9) – 5(3) + C 7 = 18 – 15 + C C=4 logo, y = 2x2 – 5x + 4, que é a equação da curva pedida.

1. Calcule: a) ∫(4x + 3)dx b) ∫(9t2 – 4t + 3)dt c) d) e) ∫(2v5/4 + 6v1/4 + 3v–4 )dv f) ∫(3x + 1)2dx g) ∫x(2x + 3)dx h) i)

Cálculo I – Integrais

j) k)

d) ∫ sec2 xdx = tg x + k e) ∫ tg2 xdx = ∫(sec2 x – 1)dx = tg x – x + k 2. Seja α ≠ 0 uma constante. Verifique que a)

2. Determine a função y = y(x), x > 0, tal que: a) b) c) d) b) 14.3 Primitivas imediatas Além das integrais vistas anteriormente, de derivação conhecida, seguem as seguintes de primitivação: a) ∫e dx = e + k
x x

b) Solução: a) Assim, . Assim, 3. Calcule: a) ∫e2x dx b) ∫cos 3x dx d) ∫e–x dx Solução: a) ∫e2x dx = e2x + k sen 3x + k cos 5x + k c) ∫sen 5x dx .

b) c) ∫sec x dx = ln |sec x + tg x| + k d) e) f) g) h)

b) ∫cos 3x dx =

∫tg x dx = –ln |cos x| + k

c) ∫sen 5x dx = – d) ∫e–x dx = –e–x + k 4. Calcule ∫cos2 x dx Solução:

cos 2x = cos2 x – sen2 x = 2cos2 x – 1 Exemplos: 1. Calcule cos2 x = Então + cos 2x

a) b) c)
77

ou seja

∫cos2 x dx =

x+

sen 2x + k

UEA – Licenciatura em Matemática

p)

1. Calcule: a) b) c) d)

3. Calcule a) b) c) d)

1 0

e2x dx

∫1 e–x dx –1

e) f)

2. Calcule e verifique sua resposta por derivação: a) ∫senx dx b) sen 2x dx c) ∫cos 5x dx d) ∫sen 4t dt e) ∫cos 7t dt f) g)

∫cos

3 t dt

h)

i) j)

k) l) m) n) o)
78

Cálculo I – Integrais

TEMA 15 CÁLCULO DE ÁREA 15.1 Introdução A área de um polígono pode ser definida como a soma das áreas dos triângulos nos quais ele pode ser decomposto, e pode-se provar que a área assim obtida é independente de como o polígono é decomposto em triângulos (conforme a figura abaixo).

presentar A, este número deve ser no mínimo tão grande quanto a medida da área de qualquer região poligonal contida em R, e não deve ser maior do que a medida da área de qualquer região poligonal contendo R. Primeiro, vamos definir uma região poligonal contida em R. Dividimos o intervalo fechado [a,b] em n subintervalos. Por conveniência, vamos tomá-los com igual comprimento, Δx, por exemplo. Logo, Δx = (b – a)/n. Sejam x0, x1, x2,...,xn – 1, xn os extremos destes subintervalos onde x0 = a, xi = a + iΔx,..., xn – 1 = a + (n – 1)Δx, xn = b. Vamos denotar o n-ésimo intervalo por [xi –1, xi] Como f é contínua no intervalo fechado [a,b], ela é contínua em cada subintervalo fechado. Pelo teorema do valor extremo, há em cada subintervalo um número para o qual f tem um valor mínimo absoluto. Seja ci, este número no n-ésimo subintervalo, assim sendo, f(ci) é o valor mínimo absoluto de f no subintervalo [xi –1, xi]. Consideremos n retângulos, cada um com um comprimento Δx unidades e uma altura f(c) unidades. Seja Sn unidades quadradas a soma das áreas dos n retângulos, então Sn = f(c1)Δx + f(c2)Δx+...+f(c1)Δx+...+f(cn)Δx ou, com a notação sigma (1) o somatório do segundo membro dá a soma das medidas das áreas dos n retângulos inscritos. Assim, apesar de definirmos A, ela deve ser tal que A ≥ Sn Na figura a seguir, a região sombreada tem uma área de Sn unidades quadradas.

Em seguida, vamos definir a medida da área de uma região plana limitada por uma curva. Consideremos uma região R no plano (conforme a figura).

A região R é limitada pelo eixo x, pelas retas x = a, x = b e pela curva com equação y = f(x), onde f é uma função contínua no intervalo fechado [a,b]. Para simplificar, seja f(x) ≥ 0 para todo x em [a,b]. Queremos designar um número A como sendo a medida da área de R, e vamos usar um processo de limite semelhante ao que é usado para definir a área de um círculo: A área de um círculo é definida como o limite das áreas dos polígonos regulares inscritos quando o número de lados cresce ilimitadamente. Percebemos, intuitivamente, que qualquer que seja o número escolhido para re79

UEA – Licenciatura em Matemática

então enquanto n aumenta ilimitadamente, o valor se Sn dado por (1) aproxima-se de um limite. É este limite que tomamos como medida da área da região R. 15.2 Definição da área de uma região plana limitada por uma curva Suponha que a função f seja contínua no intervalo fechado [a,b], com f(x) ≥ 0 para todo x em [a,b], e que R seja a região limitada pela curva y = f(x),o eixo x e as retas x = a e x = b. Divida o intervalo [a,b] em n subintervalos, cada um com comprimento Δx = (b – a)/n, e denote o nésimo subintervalo por [xi –1, xi]. Então, se f(ci) é o valor funcional mínimo absoluto no n-ésimo subintervalo, a medida da área da região R é dada por

Agora, aumentamos n. Especificamente, multiplicamos n por 2; dessa forma, dobramos o número de retângulos e dividimos ao meio o comprimento de cada retângulo. Isso está ilustrado na figura abaixo,

A equação acima significa que

pode-se tornar tão pequena quanto quisermos, tomando n como um inteiro positivo maior do que algum número positivo suficientemente grande. Podíamos ter tomado retângulos circunscritos em vez de inscritos. Nesse caso, tomamos como alturas dos retângulos o valor máximo absoluto de f em cada subintervalo. A existência desse valor está garantida pelo teorema do valor extremo. As correspondentes somas das medidas das áreas dos retângulos circunscritos são no mínimo tão grandes quanto a medida da área da região R, e pode ser mostrado que o limite dessas somas, quando n aumenta ilimitadamente, é exatamente o mesmo que o limite da soma das medidas das áreas dos retângulos inscritos. Isso está também provado em cálculo avançado. Assim, podíamos definir a medida da área da região R por onde f(di) é o valor má-

que mostra duas vezes mais retângulos que na figura anterior. Comparando as duas figuras, observe que a região sombreada nesta figura parece aproximar-se mais da região do que a anterior. Assim, a soma das medidas das áreas dos retângulos desta figura está mais próxima do número que desejamos para representar a medida da área de R. Enquanto n aumenta, os valores de Sn encontrados de (1) aumentam, e sucessivos valores de Sn diferem um do outro por quantidades que se tornam arbitrariamente pequenas. lsso está provado em cálculo avançado por um teorema que estabelece que se f é contínua em [a,b],
80

ximo absoluto de f em [xi –1, xi]. Escolha um ponto em cada subintervalo. Seja ξ1 o ponto escolhido em [x0,x1], tal que x0 ≤ ξ1 ≤ x1 Seja ξ2 o ponto escolhido em [x1, x2] tal que

Cálculo I – Integrais

x1 ≤ ξ2 ≤ x2, e assim sucessivamente, de forma que ξi seja o ponto escolhido em [xi –1, xi] e xi –1 ≤ ξi ≤ xi. Forme então a soma f(ξ1)Δx + f(ξ2)Δx + ... + f(ξi)Δx + ... + f(ξn)Δx ou (2) Tal somatório é chamado uma soma de Riemann, em homenagem ao matemático Georg Friedrich Bernhard Riemann (1826–1866) . 15.3 Definição de integral definida Se f é uma função definida no intervalo fechado [a,b], então a integral definida de f de a a b é denotada por (3) Se o limite existe, onde ξié qualquer número no intervalo fechado [xi –1,xi], i = 1,2,...,n.

definida de f de a a b existe”. O teorema seguinte dá-nos uma condição para que uma função seja integrável. Teorema – Se a função f for contínua no intervalo fechado [a,b], então f será integrável em [a,b]. A definição da área de uma região plana limitada por uma curva, vista anteriormente, afirma que , onde f(ci) é o valor fun-

cional mínimo absoluto no n-ésimo subintervalo. Daremos agora uma definição mais geral que permite ser f(ξi) qualquer valor funcional no n-ésimo subintervalo. 15.4 Definição da área de uma região plana limitada por uma curva Seja f uma função contínua em [a,b] e f(x) ≥ 0 para todo x em [a,b]. Seja R a região limitada pela curva y = f(x), o eixo x e as retas x = a e x = b. Então, a medida da área da região R é dada por

A definição acima afirma que se f(x) ≥ 0 para b todo x em [a,b], a integral definida ∫a f(x)dx pode ser interpretada geometricamente como a medida da área da região R mostrada abaixo. A integral definida pode ser enunciada mais genericamente, permitindo-se que os n subintervalos sejam de comprimentos diferentes e exigindo-se que o maior comprimento tenda a zero quando n cresce ilimitadamente. Contudo a definição mais restrita dada é suficiente para nossos propósitos. Na notação para integral definida ∫a f(x)dx, f(x) é chamado o integrando, a é chamado o limite inferior, e b o limite superior. O símbolo ∫ é chamado um sinal de integral. O sinal de integral assemelha-se à letra maiúscula S, que é apropriada, pois a integral definida é o limite de uma soma. A razão para o mesmo símbolo é que o teorema chamado teorema fundamental do cálculo, possibilita-nos calcular a integral definida encontrando uma antiderivada (também chamada uma integral indefinida). A afirmação “f é integrável no intervalo fechado [a,b]” é equivalente à afirmação “a integral
81
b

A Equação (3) pode ser usada para se encontrar o valor exato de uma integral definida. Se ∫a f(x)dx existe, então diremos que f é integrável (segundo Riemann) em [a,b]. É comum a referir-se à ∫b f(x)dx como integral definida de f em [a,b]. Observação – Pomos, ainda, por definição:
b

∫a f(x)dx = 0 e ∫a f(x)dx = –∫b f(x)dx (a < b).

a

b

a

UEA – Licenciatura em Matemática

15.5 Propriedades da integral Teorema: Sejam f,g integráveis em [a,b] e k uma constante. Então, a) f + g é integrável em [a,b] e

∫a [f(x) + g(x)]dx = ∫a f(x)dx + ∫a g(x)dx
b b b

b) kf é integral em [a,b] e ∫a kf(x)dx = k ∫a f(x)dx c) Se f(x) ≥ 0 em [a,b], então ∫a f(x)dx ≥ 0 d) Se c∈]a,b[ e f é integral em [a,c] em [c,b] b c b então ∫a f(x)dx = ∫a f(x)dx + ∫c f(x)dx Observação – O sinal mais (+) no item a) pode ser substítuido por um sinal de menos (–), como resultado da aplicação do item c), onde k = –1. Também podemos estender a qualquer número de funções. Isto é, (f1 ± f2 ± ....± fn) será integrável em [a,b], então b ∫a [f1(x) ± f2(x) ± ... ± fn(x)]dx =
b

b

b

cer que, se uma integral definida existir, então ela será um único número. Se X for um número em [a,b], então f será contínua em [a,x], pois é x contínua em [a,b]. Conseqüentemente, ∫a f(t)dt existe e é um número cujo valor depende de x, x Logo, ∫a f(t)dt define uma função F tendo como seu domínio todos os números no intervalo fechado [a,b] e cujo valor funcional em qualquer número x de [a,b] é dado por F(x) = ∫a f(t)dt
x

(4)

Segundo a convenção notacional, se os limites de uma integral definida forem variáveis, deverão ser usados símbolos diferentes para esses limites e para a variável independente no integrando. Assim, em (4), como x é o limite superior, usamos a letra t como a variável independente no integrando. Se, na expressão (4), f(t) ≥ 0 para todos os valores de t em [a,b], então os valores funcionais de f(x) poderão ser interpretados geometricamente com a medida da área da região limitada pela curva cuja equação é y = f(t), pelo eixo t e pelas retas t = a e t = x. Veja a figura abaixo.

∫a

b

f1(x)dx ±

∫a

b

f2(x)dx ± ... ±

∫a

b

fn(x)dx

15.6 TEOREMA FUNDAMENTAL DO CÁLCULO 15.6.1 Introdução Historicamente, os conceitos básicos da integral definida foram usados pelos antigos gregos, principalmente por Arquimedes (287–212 a.C.), há mais de 2000 anos, muito antes da formulação do cálculo diferencial. No século dezessete, quase simultaneamente, mas trabalhando independentemente, Newton e Leibniz mostraram como o Cálculo poderia ser usado para se encontrar a área de uma região limitada por uma curva ou um conjunto de curvas, determinando uma integral definida por antidiferenciação. O procedimento envolve o que é conhecido como os teoremas fundamentais do Cálculo. Antes de enunciar e prová-los, vamos discutir as integrais definidas com um limite superior variável. Seja f uma função contínua no intervalo fechado [a,b]. Então o valor da integral definida b ∫a f(x)dx depende somente da função f e dos números a e b, não do símbolo x usado aqui como variável independente, por exemplo, b b b podemos ter ∫a f(t)dt, ∫a f(u)du, ∫a f(r)dr, etc. Se f for contínua no intervalo fechado [a,b], então, pelo teorema acima, a integral definida b ∫a f(t)dt existe. Vamos, primeiramente, estabele82

Vamos, agora, enunciar e provar um teorema importante que dá a derivada da função F definida como uma integral definida tendo um limite superior variável. Esse teorema é chamado de primeiro teorema fundamental do Cálculo. 15.6.2 Primeiro teorema fundamental do Cálculo Seja f uma função contínua no intervalo fechado [a,b], e seja x qualquer número em [a,b]. Se F for a função definida por F(x) = ∫a f(t)dt então, F’(x) = f(x) (5.1)
x

(5)

(Se x = a, a derivada em (5) pode ser a derivada à direita e se x = b, a derivada em (5) pode ser a derivada à esquerda.)

Cálculo I – Integrais

Prova – Considere dois números x1 e x1 + Δx e [a,b]. Então F(x1) = e F(x1 + Δx) = então, F(x1 + Δx) – F(x1) = ∫a1
x x +Δx x +Δx

igualdade (9) estabelece o que queríamos provar. O teorema fundamental do cálculo estabelece x que a integral definida ∫a f(t)dt, com limite superior variável x, é uma antiderivada de f. A equação ( 5.1 )do teorema pode ser escrita da seguinte forma, substituindo F’(x) por

∫a1 f(t)dt
x

∫a1

x +Δx

f(t)dt f(t)dt – ∫a1 f(t)dt
x

(6)

Pela propriedade d) do teorema acima
1 ∫a1 f(t)dt + ∫x1 f(t)dt = ∫a1 f(t)dt x + x x1+Δx ∫a1 f(t)dt + ∫a1f(t)dt = ∫x1 f(t)dt x +Δx

:

Substituindo essa igualdade em (6), obtemos
1 F(x1 + Δx) – F(x1) = ∫x1 x +Δx

f(t)dt

(7)

Vamos usar agora esse teorema para provar o segundo teorema fundamental do Cálculo. 15.6.3 Segundo Teorema Fundamental do Cálculo Seja f uma função contínua no intervalo fechado [a,b], e seja g uma função tal que g’(x) = f(x) (10) para todo x em [a,b]. b Então, ∫a f(t)dt = g(b) – g(a). (Se x = a, a derivada em (10) pode ser uma derivada à direita, e se x = b, a derivada em (10) pode ser uma derivada à esquerda.) Prova – Se f for contínua em todos os números em [a,b], sabemos do teorema anterior que a x integral definida ∫a f(t)dt, com limite superior variável x, define uma função F cuja derivada em [a,b] é f. Como, por hipótese, g’(x) = f(x) segue, como já demonstramos, que g(x) = ∫a f(t)dt + k onde k é uma constante. Tomando x = b e x = a, sucessivamente, nessa equação, obtemos g(x) ∫a f(t)dt + k e g(x) = ∫a f(t)dt + k (12) De (11) e (12), g(b) – g(a) = ∫a f(t)dt – ∫a f(t)dt Mas, como observamos anteriormente a b ∫a f(t)dt = 0; assim g(b) – g(a) = ∫a f(t)dt que é o que queríamos provar. Se f não estiver definida para valores de x maiores do que b, mas for contínua à esquerda de b, a derivada em (10) será a derivada à esquerda, e teremos g’ (b) = F’ (b), de onde – –
83
b a a b x

Pelo terorema do valor médio para integrais, existe um número x no intervalo fechado limitado por x1 e x1 + Δx tal que

x1 +Δx x1

f(t)dt = f(χ)Δx

Dessa relação e de (7), obtemos F(x1 + Δx) – F(x1) = f(χ)Δx F(x1 + Δx) – F(x1) = f(χ)

Δx
Tomando o limite quando Δx tende a zero, temos (8) O primeiro membro de (8) é F’(x1). Para determinar Δ→0 f = (x), lembre que x está no intervalo lim fechado limitado por x1 e x1 + Δx e como lim x = x1 e Δ→0 (x1 = Δx) = x1 segue do teolim Δ→0 1 rema do “Sanduíche” que Δ→0 χ = x1. Assim, lim χ) = lim f (χ). Como f é contínua em temos Δx→0 f( lim x→x1 x1, x→x f (χ) = f(x1); assim Δx→0 χ = f(x1) e de (8) lim lim 1 temos que F’(x1) = f(x1) (9) Se a função f não estiver definida para valores de x menores do que a, mas for contínua à direita de a, então, na argumentação acima, se x1 = a em (8) Δx precisa tender a 0 pela direita. Assim, o primeiro membro de (9) será F’+(x1). Analogamente, se f não estiver definida para valores de x maiores do que b, mas for contínua à esquerda de b, então se x1 = b em ( 8 ), Δx deve tender a zero pela esquerda. Logo, teremos F’–(x1) no primeiro membro de (9). Como x1 é um número qualquer em [a,b], a

(11)

UEA – Licenciatura em Matemática

segue (11). Da mesma forma, se f não estiver definida para valores de x menores do que a, mas for contínua à direita de a, então a derivada em ( 10) será a derivada à direita, e teremos g’ (a) = F’ (a), de onde segue (12). + + Estamos, agora, em posição de encontrar o valor exato de uma integral definida, aplicando o segundo teorema fundamental do cálculo. Quando aplicarmos esse teorema, usaremos a notação [g(b) – g(a)] Exemplo – Vamos aplicar o segundo teorema 3 fundamental do Cálculo para determinar ∫ 1 x2dx. Aqui f(x) = x2. Uma antiderivada de x2 é Daí escolhemos x3.

g(x), pois o teorema permite-nos escolher qualquer antiderivada, inclusive aquela para a qual C = 0. Exemplos: 1. Calcule:

Solução:

Logo, pelo segundo teorema fundamental do cálculo,

2. Calcule

Devido à conexão entre integrais definidas e antiderivadas, usamos o sinal de integral ∫ para a notação ∫f(x)dx de antiderivada. Vamos dispensar agora a terminologia de antiderivadas e antidiferenciação e começaremos a chamar ∫f(x)dx de integral indefinida. O processo de cálculo de uma integral indefinida ou definida é chamado de integração. Deve ser enfatizada a diferença entre uma integral indefinida e definida. A primeira, ∫f(x)dx, foi estabelecida como sendo uma função g tal que sua derivada Dx[g(x)] = f(x). Por outro b lado, a segunda ∫b f(x)dx é um número cujo valor depende da função f e dos números a e b, e foi definida como o limite de uma soma de Riemann. A definição de integral definida não faz nenhuma referência à diferenciação. A integral indefinida envolve uma constante arbitrária; por exemplo,

Solução:

Exemplos: 1. Calcule: a) ∫ 2 3dx b) ∫ 1 (2x + 3)dx c) d) e)
3 4

∫2 (x2 – 1)dx
2

A constante arbitrária C é chamada de constante de integração. Ao aplicar o segundo teorema fundamental do Cálculo, não é preciso incluir a constante arbitrária C na expressão de
84

f) Solução: a)

∫2 3dx = [3x]2
4 4

Cálculo I – Integrais

= (3 . 4) – (3 . 2) = 12 – 6 = 6 b) = [x2 + 3x]3 1 =(9 + 27) – (1 + 3) = 36 – 4 = 32 c)

g) ∫0(x + 1)2dx h)

1

2. Em alguns problemas práticos, pode surgir a necessidade de se calcular a área entre duas curvas. Suponhamos que f(x) e g(x) sejam funções não-negativas e que f(x) ≥ g(x) no intervalo a ≤ x ≤ b conforme mostra a figura b. Área de R = ∫a f(x)dx – ∫a g(x)dx = ∫a [f(x) – g(x)]dx
b b b

d)

e)

f)

1. Calcule: a) ∫0(x + 3)dx b) c) d) e) f)
85
1

Pode-se provar que esta fórmula permanece válida mesmo se desprezar a hipótese de as funções f e g serem não-negativas.

UEA – Licenciatura em Matemática

TEMA 16

Determinemos os pontos de intersecção, resolvendo, simultaneamente, as equações das duas curvas. Obtemos: x3 = x2 x3 – x2 = 0 x2(x – 1) = 0

ÁREA ENTRE CURVA

Ou x=0 e x=1

Se f(x) e g(x) forem contínuas no intervalo a ≤ x ≤ b, com f(x) ≥ g(x), e se R for a região limitada pelos gráficos de f e g pelas verticais x = a e x = b, então, Área de R = ∫a [f(x) – g(x)]dx Exemplos: 1. Calcule a área da região limitada pelas curvas y = x2 + 1 e y = 2x – 2 entre x = –1 e x = 2. Solução: Para melhor visualizar a situação, iniciemos representando a região conforme ilustra a figura abaixo. Aplicamos, então, a fórmula de integração, com f(x) = x2 + 1, g(x) = 2x –2, a = –1 e b = 2. Obtendo, Área =
b

Os pontos correspondentes (0,0) e (1,1) são os de intersecção.

Região limitada por y = x3 e y = x2 Observemos que, para 0 ≤ x ≤ 1, o gráfico y = x2 situa-se acima do de y = x3 (pois o quadrado de uma fração entre 0 e 1 é maior que o seu cubo). Logo, a região em estudo é

∫–1 [x

2

2

+ 1) – (2x – 2)]dx =

∫1 [x

2

2

– 2x + 3)dx

limitada, acima, pela curva y = x2; abaixo, pela curva y = x3 e, nas extremidades, por x = 0 e x = 1. Por conseguinte, Área =

∫0

1

3. Calcule a área do conjunto do plano limitado pelas retas x = 0, x = 1, y = 0 e pelo gráfico de f(x) = x2. Solução: área

2. Calcule a área da região limitada pelas curvas y = x3 e y = x2 Solução: Esbocemos as curvas, conforme figura abaixo.
86

As situações que apresentamos a seguir sugerem como estender o conceito da área para uma classe mais ampla de subconjunto do
2

.

Cálculo I – Integrais

Como f(x) ≤ 0 em [a,b], ∫a f(x)dx ≤ 0. área A = –∫a f(x)dx 2. Seja A o conjunto hachurado
b

b

área área b)

área A= A=

∫a f(x)dx – ∫c f(x)dx + ∫d f(x)dx = ∫a |f(x)|dx ∫a f(x)dx = ∫a f(x)dx + ∫d f(x)dx =
b c b

c

d

b

b

Observe: soma das áreas dos conjuntos acima do eixo 0x menos a soma das áreas dos conjuntos abaixo do eixo 0x. 3. [f(ci) – g(ci)]Δxi = área do retângulo hachurado.

Nas questões abaixo, desenhe o conjunto A dado e calcule a área. 1. A é o conjunto do plano limitado pelas retas x = 1, x = 3, pelo eixo 0x e pelo gráfico de y = x3. 2. Aé o conjunto do plano limitado pelas retas x = 1, x = 4, y =0, e pelo gráfico y =

x.

3. é o conjunto de todos (x,y), tal que x2 – 1 ≤ y ≤ 0. 4. A é o conjunto de todos (x,y), tal que 0 ≤ y ≤ 4 – x2. 5. A é o conjunto de todos (x,y), tal que 0 ≤ y ≤ |sen x|, com 0 ≤ x ≤ 2π área A, onde A é o conjunto limitado pelas retas x = a, x = b e pelos gráficos de y = f(x) e y = g(x), com f(x) ≥ g(x)em [a,b]. Exemplo: Resolva: a) Calcule a área da região limitada pelo gráfico de f(x) = x3, pelo eixo x e pelas retas x = –1 e x = 1. b) Calcule = Solução: a) área =
87

6. A é é a região do plano compreendida entre 0x e o gráfico de y = x2 – x, com 0 ≤ x ≤ 2. 7. A é o conjunto do plano limitado pela reta y = 0 e pelo gráfico de y = 3 – 2x – x3, com –1 ≤ x ≤ 2. 8. A é o conjunto do plano limitado pelas retas x = –1, x – 2, y = 0 e pelo gráfico de y = x2 + 2x + 5. 9. A é o conjunto do plano limitado pelo eixo 0x, pelo gráfico de y = x3 – x, 1 ≤ x ≤ 1. 10. A é o conjunto do plano limitado pela reta y = 0 e pelo gráfico de y = x3 – x, com 0 ≤ x ≤ 2.

∫–1 x3 dx

1

UEA – Licenciatura em Matemática

TEMA 17 MUDANÇA DE VARIÁVEL NA INTEGRAL 17.1 Resumo das integrais 1. Dx(x) = 1

uma função diferenciável tal que g(x) está no domínio de F para todo x em algum intervalo. Denotando por h a função composta de F e g, então h(x) = F(g(x)) e daí

∫[DxF(g(x))]dx = F(g(x)) + C
Aplicando a regra da cadeia ao integrando DxF(g(x)) lembrando que F’ = f, obtemos DxF(g(x)) = F’(g(x))g’(x) = f(g(x))g’(x) Levando na integral indefinida precedente, temos

∫1dx = x + C
2.

∫ f(g(x))g’(x)dx = F(g(x)) + C
3. Dx (sen x) = cos x

(*)

Podemos utilizar o seguinte artifício para ajudar a rememorar esta fórmula: Sejam u = g(x) e du = g’(x)dx Note que, uma vez introduzida a variável u = g(x), a diferencial du de u fica determinada (fato demosntrado anteriormente). Substituindo formalmente na última fórmula de integração, vem ∫f(u)du = F(u) +C. Esta integral tem a mesma forma que a da Definição de antiderivada; todavia u representa aqui uma função, e não uma variável independente x, como anteriormente. Isso sugere que g’(x)dx em (*) pode ser encarado como o produto de g’(x) e dx. Como a variável x foi substituída por uma nova variável u, esta maneira de calcular integrais indefinidas é conhecida como mudança de variável, ou método de substituição. Podemos resumir nosso estudo como segue, quando supomos que f e g tenham as propriedades descritas previamente. 17.3 MÉTODO DA SUBSTITUIÇÃO Se F é uma antiderivada de f, então ∫f(g(x))g’(x)dx = F(g(x)) + C. Após fazer a substituição u = g(x) conforme indicado acima, pode ser necessário inserir um fator constante k no integrando para obter uma forma adequada ∫f(u)du. Devemos, então, multiplicar por para manter a igualdade, con-

∫cos x dx = sen x + C
4. Dx (–cos x) = senx

∫senxdx = –cosx + C
5. Dx (tg x) = sec2 x

∫sec2 xdx = tg x + C
6. Dx (–cotg x) = cosec2 x

∫cosec2 xdx = –cot gx + C
7. Dx (sec x) = sec x tg x

∫sec x tg xdx = sec x + C
8. Dx (–cosec x) = cosc x cotg x

∫cosec x cotg xdx = –cosec x + C
17.2 Definição As fórmulas para integrais indefinidas acima, têm objetivo limitado, porque não podemos usá-las diretamente para calcular integrais como ou ∫cos 4xdx. Desenvolveremos, agora, um método simples – mas poderoso – para mudar a variável de integração de modo que essas integrais (e muitas outras) possam ser calculadas por meio das fórmulas vistas até agora. Para justificar esse método, aplicaremos a fórmula para integral indefinida e uma função composta. Pretendemos considerar diversas funções f,g e F, de forma que nosso trabalho será simplificado se enunciarmos a fórmula em termos de uma função h como segue:

forme exemplo a seguir. Exemplo: Calcular
88

∫[Dxh(x)]dx = h(x) + C
Sejam f uma antiderivada de uma função f e g

Cálculo I – Integrais

Solução: Façamos u = 5x + 7e calculemos du: u = 5x + 7, du = 5 dx Como du contém o fator 5, a integral não está na forma ∫ f(u)du exigida. Entretanto podemos introduzir o fator 5, no integrando, desde que multipliquemos por . Fazendo isso e aplican-

Nem sempre é fácil decidir a substituição u = g(x) necessária para transformar uma integral indefinida em uma forma que possa ser facilmente calculável. Às vezes, é preciso tentar várias possibilidades diferentes até achar uma substituição adequada. Na maioria dos casos, nenhuma substituição simplificará propriamente o integrando. Veja algumas diretrizes. 1) 2) Decidir por uma substituição u = g(x). Calcular du = g’(x)dx.

do os teoremas de integração, temos

3) Com o auxílio de 1 e 2, transformar a integral em uma forma que envolva apenas a variável u. Se necessário, introduzir um fator constante k no integrando, compensando com a multiplicação de integral por . Se

Se qualquer parte do integrando resultante diferente em 1. 4) Calcular a integral obtida em 3, obtendo uma antiderivada envolvendo u. Daqui por diante, após inserir o fator k em um integrando, como no Exemplo, simplesmente multiplicaremos a integral por , omitindo o 5) Substituir u por g(x) na antiderivada obtida na diretriz 4. o resultado final deve conter apenas a váriável x. Exemplos: 1. Calcular ∫(2x3 + 1)7 x2dx Solução: Se o integrando envolve uma expressão elevada a uma potência como (2x3 + 1)7, costumamos substituir a expressão por u . Assim, u = 2x3 + 1, du = 6x2 dx A comparação de du = 6x2 dx com x2 da integral sugere a introdução do fator 6 no integrando, compensada pela multiplicação da integral por :

trabalho intermediário de escrever primeiro e trazer então para fora, isto é, para a

esquerda do sinal de integral. Exemplo: Calcular ∫cos 4xdx Solução: Façãmos a substituição u = –4x, du = 4x Como du contém o fator 4, ajustamos o integrando multiplicando por 4 e, para compensar, multi– plicamos a integral por antes de substituir:

∫(2x3 + 1)7 x2 dx =

∫(2x3 + 1)7 6x2 dx

∫cos 4x =
= = =

∫(cos 4x)4dx

∫cos u du
sen u + C sen 4x + C
89

Freqüentemente, há mais de uma maneira de fazer uma substituição em uma integral indefinida. Para ilustrar, outro método para calcu-

UEA – Licenciatura em Matemática

lar essa integral consiste em considerar u = 2x3 + 1 du = 6x2 dx por du = x2 dx du

Façamos u = x3 – 3x + 1 du = (3x2 – 3)dx = 3(x2 – 1)dx e procedemos como seguinte:

Substituímos, então, x2 dx por

e integramos como anteriormente 2. Calcular Solução: Note que o integrando contém o termo xdx. Se o fator x estivesse ausente, ou elevado a uma potência mais alta, o problema seria mais complicado. Para integrandos que envolvem um radical, em geral substituímos a expressão sob o sinal de radical. Assim, u = 7 – 6x2, du = –12x dx Em seguida, introduzimos o fator –12 no integrando, compensando com a multiplicação da integral por , e procedemos como segue: Introduzimos o fator no integado e com-

4. Calcular Solução: Para a fórmula ∫cos u du = sen u + C, fazemos a substituição

pensando-o pela multiplicação da integral por 2, obteremos

= 2∫cos u du = 2sen u + C 5. Calcular ∫cos3 5x sen 5x dx Solução: A forma do integrando sugere utilizarmos a Poderíamos também ter escrito regra da potência . Façamos,

pois, u = cos 5x, du = –5 sen 5x dx. substituindo xdx diretamente. Assim, A forma de du indica que devemos introduzir o fator –5 no integrando, multiplicar a integral por – Para o restante da solução, procedemos exatamente como antes. 3. Calcular Solução:
90

e integral como segue:

∫cos3 5x sen 5xdx

Cálculo I – Integrais

de F’(g(x)) g’(x); logo, pela parte 2 do Teorema Fundamental, temos

∫a f(g(x))g’(x)dx =F(g(x))]a = F(g(b)) – F(g(a))
b

b

1. Calcule a integral fazendo a substituição dada: a) ∫cos 3xdx, u = 3x b) c)

Mas aplicando uma segunda vez o TFC2, também temos,

∫g(a) f(u) du = F(u)]g(a)
Exemplos: 1. Sendo Solução:

g(b)

g(b)

= F(g(b)) – F(g(a))

calcule.

4. Calcule a integral indefinida: a) ∫2x(x2 + 3)4dx b) c) d) e) f) ∫(1 – 2y1,3)dt g) ∫cos 2θdθ h) i) ∫ t sen(t2)dt j) k) l) ∫cos4x senx dx m) n) o)

Usando a substituição u = 2x + 1 e

.

Para encontrar os novos limites de integração, notamos que, quando x = 0, u = 1, e quando x = 4, u = 9 Portanto

Observe que, quando usamos a regra da substituição, não retornamos à variável x após a integração. Simplesmente calculamos a expressão em u entre os valores apropriados de u.

17.4 A regra da substituição para Integrais definidas Se g’ for contínua em [a,b] e f for contínua na variação de u = g(x),então ∫a f(g(x))g’(x) = ∫g(a) du Prova: Seja F uma antiderivada de f. Então, pelo método da substiuição, F(g(x)) é uma antiderivada
91
b g(b)

2. Calcule Solução: Seja u = 3 – 5x. Então du = –5dx, portanto .

UEA – Licenciatura em Matemática

Quando, x = 1, u = –2 e quando x = 2, u = –7. Assim,

(ii) Se x = 10, então u = 5(10) – 1 = 49. Substituindo na integral e mudando os limites de integração conforme método da substituição, vem:

3. Calcule Solução: Vamos fazer u = 1n x, pois sua diferencial ocorre na integral. Quando x = 1, u = 1n1 = 0, quando x = e, u e 1n e e = 1.Assim 7. Calcular Solução: O integrando sugere a regra da potência .

Fazemos assim u = 1 + sen 2x, du = 2cos2xdx A forma de du indica que devemos introduzir o fator 2 no integrando e multiplicar a integral por , como segue:

6. Calcular Solução:

.

Calculamos, em seguida, os valores de u = 1 + sen 2x, que correspondem aos limites de integração x = 0 e :

Comecemos escrevendo a integral como

(i) Se x = 0, então u = 1 + sen 0 = 1 + 0 = 1 (ii) Se , então

A expressão na integral sugere a seguinte substituição u = 5x – 1, du = 5dx. A forma de du sugere introduzirmos o fator 5 no integrando, compensando pela multiplicação da integral por , como segue:

Substituindo no integrando e mudando os limites de integração, obtemos:

Calculamos, em seguida, os valores de u = 5x – 1, que correspondem aos limites de integração x = 2 e x = 10: (i) Se x = 2, então u = 5(2) – 1 = 9.
92

17. 5 SIMETRIA 17.5.1 Introdução O terorema seguinte ilustra uma técnica útil pa-

Cálculo I – Integrais

ra o cálculo de certas integrais definidas.

O próximo teorema usa a Regra da Substituição para Integrais Definidas para simplificar o cálculo de integrais de funções que possuam propriedades de simetria. 17.5.2 Integrais de funções simétricas Teorema – Suponha que f é contínua em [–a,a]. a) Se f for par [f(–x) = f(x)], então

(b) f ímpar,

∫–a f(x)dx = 0

a

Quando f é positiva e par, a parte (a) diz que a área sob y = f(x) de –a até a é o dobro da área de 0 até a devido à simetria. Lembre-se de que b uma integral ∫a f(x)dx pode ser expressa como a área acima do eixo x e acima da curva. Assim, a parte (b) diz que a integral é 0, pois as áreas se cancelam. Exemplos: 1. Uma vez que f(x) = x6 + 1 satisfaz f(–x) = f(x), ela é par, portanto

∫–a f(x)dx = 2∫–a f(x)dx
b) Se f for ímpar [f(–x) = –f(x)], então

a

a

∫–a f(x)dx = 0
Prova: Dividimos a integral em duas:

a

∫–2 (x6 + 1)dx = 2∫0 (x6 + 1)dx

2

2

∫–a f(x)dx = ∫–a f(x)dx + ∫0 f(x)dx = –a a = –∫ 0 f(x)dx + ∫0 f(x)dx

a

0

a

(1)

2. Uma

vez

que

satisfaz

Na primeira integral da última igualdade, fazemos a substituição u = –x. Então du = –dx, e quando x = –a, u = a. Portanto –∫ 0 f(x)dx = –∫0 f(–u)(–du) =
a a a –a a

f(–x) = –f(x), ela é impar, e portanto

∫0 f(–u)du
(2) 3. Calcular a) b) c)

a

∫–a f(x)dx = ∫0 f(–u)du + ∫0 f(x)dx

a) Se f for par, então f(–u) = f(u); logo, da Equação (2) segue que

∫–a f(x)dx = ∫0 f(u)du + ∫0 f(x)dx = 2∫0 f(x)dx
b) Se f for ímpar, então f(–u) = –f(u), e a Equação (2) nos dá

a

a

a

a

∫–1 (x4 + 3x2 + 1)dx 1 ∫1 (x5 + 3x3 + x)dx 5 ∫–5 (2x3 + 3x2 + 7x)dx

1

Solução: a) Como o integrado é uma função par, podemos aplicar a parte a) do teorema acima:

∫–a f(x)dx = –∫0 f(u)du + ∫0 f(x)dx = 0
O Teorema está ilustrado abaixo.

a

a

a

∫–1 (x4 + 3x2 + 1)dx = ∫0 (x4 + 3x2 + 1)dx

1

1

b) O integrando é impar e, assim, aplicamos a parte b) do teorema: (a) f par,

∫–a f(x)dx = 2∫ 0 f(x)dx
93

a

a

∫–1(x5 + 3x3 + x)dx = 0

1

UEA – Licenciatura em Matemática

c) A função dada por 2x3 + 7x é impar, mas a função 3x2 é par; aplicamos, pois, o teorema:

∫–5(2x3+3x2+7x)dx = ∫–5(2x+7x)dx +∫–5 3x2dx
= 0 + 2∫0 3x2dx = 2[x3]0 = 250
5 5

5

5

5

TEMA 18 INTEGRAÇÃO POR PARTES 18.1 Definições As técnicas aqui nos possibilitam estimar a área de uma piscina, a altura de um foguete um minuto após o lançamento, o cálculo da velocidade de escape do foguete e a diminuição do crescimento de uma população de insetos introduzindo-se machos estáveis. Até este ponto, não temos condições de calcular integrais como

Calcule: 1) 2) 3) 4) 5) 6) 7)

∫–1 (v2 – 1)v dv

1

∫lnx dx, ∫xe2 dx, ∫x2 sen x dx, ∫arctg x dx
A próxima fórmula possibilita calcular não somente estes, como muitos outros tipos de integrais. 18.2 Fórmula de integração por partes Se u = f(x) e v = g(x), e se f’ e g’ são contínuas, então

∫u dv = uv – ∫v du
Demonstração: Pela regra do produto Dx[f(x) g(x)] = f(x)g’(x) + g(x)f’(x) ou, equivalentemente, f(x)g’(x) = Dx[f(x) g(x)] – g(x)f’(x) Integrando ambos os membros, obtemos

∫f(x)g’(x)dx = ∫Dx[f(x) g(x)]dx – ∫g(x)f’(x)dx
Pelo que já estudamos, a primeira integral à direita é igual a f(x)g(x) + C. Como se obtém outra constante de integração na segunda integral, podemos omitir C na fórmula, isto é,

∫f(x)g’(x)dx = f(x)g(x)dx – ∫g(x)f’(x)dx
Como dv = g’(x)dx e du = f’(x)dx, podemos escrever a fórmula precedente anteriormente. Ao aplicar a Fórmula acima a uma integral, o primeiro passo é fazer uma parte do integrando corresponder a dv. A expressão que escolhermos para dv deve incluir a diferencial dx. Após a escolha de dv, denotamos a parte restante do integrando por u, e calculamos du. Como esse processo implica separar o inte94

Cálculo I – Integrais

grando em duas partes, referimo-nos ao uso da fórmula como integração por partes. É importante a escolha adequada de dv. Em geral, fazemos dv representar a parte mais complicada do integrando que possa ser prontamente integrada. O exemplo a seguir ilustra esse método de integração. Exemplo: 1. Calcular ∫xe2xdx Solução: A lista seguinte contém todas as escolhas possíveis de dv: dx, xdx, e dx, xe , xe dx
2x 2x 2x

integral à direita tornou-se mais complexa que a integral original. Isso indica uma escolha incorreta de dv. 2. Calcular: a) ∫x sec2 x dx b) Solução: a) As escolhas possíveis de dv são dx, x dx, secx dx, xsec x dx, sec2x dx, xsec2x dx A mais complexa destas expressões que pode ser integrada imediatamente é sec2x dx. Fazemos, pois, dv = sec2 xdx v = tg x u=x du = dx

A mais complexa destas expressões que pode ser integrada rapidamente é e2x dx. Assim, fazemos dv = e2xdx. A parte restante do integrando é u, isto é, u = x. Para achar v, integramos dv, obtendo . Se u = x, então du = dx. Para facilidade de referência, disponhamos essas expressões como segue: dv = e2xdx u=x du = dx Levando essas expressões na fórmula, isto é, integrando por partes, obtemos

Integrando por partes, obtemos

∫xsec2 x dx = xtg x = ∫tg x dx
= xtg x + ln |cos x| + C b) A integral indefinida obtida na parte (a) é uma antiderivada de xsec2x. Aplicando o teorema fundamental do cálculo (e omitindo a constante de integração C), obtemos

integrando à direita, temos: Se, no exemplo 2, tivéssemos escolhido dv = x dx e u = sec2 x, a integração por partes teria conduzido a uma integral mais complexa. A seguir, aplicamos a integração por partes para achar uma antiderivada da função logarítmica natural. 3. Calcular ∫ln x dx Solução: Integrando por partes, obteríamos Seja dv = dx v=x
95

É necessário práticar bastante para fazer uma escolha adequada de dv. Para ilustrar, se tivéssemos escolhido dv = x dx no exemplo 1, teria sido necessário fazer u = e2x, onde dv = x dx u = e2x du = 2e2x dx

u = 1n x

Como o expoente associado a x aumentou, a

UEA – Licenciatura em Matemática

obtemos, = x ∫ln x – ∫dx = x ln x – x + C Observação – Algumas vezes, pode ser necessário aplicar a integração por partes mais de uma vez no mesmo problema. 4. Calcular ∫x2e2x dx Solução: Façamos dv = e2x dx du = 2x dx logo, u = x2

v = –cos x

du = exdx

e integrando novamente por partes obtemos:

∫ex sen x dx = ex (–cos x) – ∫(–cos x)ex dx ∫ex sen x dx = –ex cos x + ∫ex cos dx (2)
Utilizando a equação (2) para fazer a substituição no membro direito da equação (1), obtemos

∫ex cos x dx = ex sen x – [–ex cos x + ∫ex cos x dx]
ou,

∫ex cos x dx = ex sen x + ex cos x – ∫ex cos x dx
Adicionando ∫e2 cos dx a ambos os membros da última equação, obtemos: 2 ∫e2 cos x dx = e2(sen x + cos x) Finalmente, dividindo ambos os membros por 2 e adicionando a constante de integração, obtemos

Para calcular a integral no membro direito da última equação, devemos novamente integrar por partes. Procedendo exatamente como no exemplo 1, temos:

Poderíamos também ter calculado a integral utilizando dv = ex dx para a primeira e para a segunda aplicação da função integração por partes. Devemos escolher cuidadosamente as substituições ao calcular uma integral do tipo dado no exemplo 5. Suponhamos que, no cálculo da integral à direita da equação (1) da solução, tivéssemos escolhido dv = ex dx u = sen x du = cos x dx

O próximo exemplo mostra outra maneira de calcular uma integral aplicando duas vezes a fórmula de integração por partes. 5. Calcular ∫e cos dx
2 2

v=e

x

Podemos fazer tanto dv = cos x dx, como dv = e" dx, pois qualquer uma dessas duas expressões é facilmente integrável. Escolhamos dv = cosx dx v = sen x Então, u = ex du = ex dx

A integração por partes, então, conduziria a

∫ex sen x dx = (sen x)ex – ∫ex cos x dx
= ex sen x – ∫ex cos x dx Se substituímos em (1), obtemos

∫ex cos x dx = ex sen x – [ex sen x – ∫ex cos x dx]
que se reduz a (1)

∫ex cos x dx = ex sen x – ∫(sen x)ex dx ∫ex cos x dx = ex sen x – ∫ex sen x dx

∫ex cos x dx = ∫ex cos x dx
Embora se trate de uma afirmação verdadeira, não é evidentemente um cálculo da integral dada. 6. Calcular ∫sec3 x dx Solução: As escolhas possíveis de dv são
96

Aplicamos, em seguida, a integração por partes à integral no membro direito de (1). Como escolhemos uma forma trigonométrica para dv na primeira integração por partes, escolheremos também uma forma trigonométrica na segunda. Fazendo dv = sen x dx u=e
x

Cálculo I – Integrais

dx, sec xdx, sec2 x dx, sec3 x dx A expressão mais complexa que pode ser integrada facilmente é sec3 x dx. Fazemos então dv = sec2 x dx v = tg x daí, u = sec x du = sec x tg x dx

O membro esquerdo da equação reduz-se a n ∫sen x dx. Dividindo ambos os membros por n, obtemos

∫sec3 x dx = sec x tg x – ∫sec x tgx x dx
Em lugar de aplicar outra integração por partes, mudemos a forma da integral à direita valendo-nos da identidade 1 + tg2 x = sec2 x que nos dá

8. Aplique a fórmula de redução do exemplo 7 para calcular ∫sen4 x dx. Aplicando a fórmula com n = 4, obtemos

Solução: Aplicando a fórmula de redução, com n = 2, para a integral à direita, temos

∫sec x dx = secx tgx – ∫sec x (sec x – 1)dx
3 2

Somando ∫sec3 x dx a ambos os membros da última equação, obtemos 2∫sec3x dx = secx tgx + ∫sec x dx Calculando agora ∫sec x dx e dividindo ambos os membros da equação resultante por 2 (e acrescentando, então, a constante de integração), obtemos

Conseqüentemente,

A integração por partes pode, às vezes, ser usada para obter fórmulas de redução para integrais. Utilizamos tais fórmulas para escrever uma integral que envolve potências de uma expressão, em termos de integrais que envolvem potências inferiores da mesma expressão. 7. Estabelecer uma fórmula de redução para ∫senn xdx. Solução: Fazemos dv = sen x dx v = –cos x integrando, temos: u = senn–1x du = (n – 1)n–2sen x cos x dx

com É evidente que, mediante aplicações reiteradas da fórmula do exemplo 7, podemos calcular ∫sennx dx para qualquer inteiro positivo n, porque essas reduções sucessivas terminam em ∫sen x dx ou ∫dx, ambas imediatamente integráveis.

1. Calcule:
n–1

∫sen ∫sen

n

x dx = –cosx sen x dx =

x+(n–1)∫sen

n–2

x cos x dx

2

a) b) c) d) e) f) g)
97

Como cos2 x = 1 – sen2 x, podemos escrever
n

–cosx senn – 1x+(n–1)∫senn – 2 x dx – (n – 1)∫senn x dx Conseqüentemente,

∫senn x dx = (n – 1)∫senn x dx = cos x senn – 1 x + (n – 1)∫senn – 2 x dx

∫ xex dx ∫ xsen xdx ∫ x2 ex dx ∫ xln xdx ∫ ln x dx ∫ x2ln xdx ∫ sec2 xdx

UEA – Licenciatura em Matemática

∫ x (ln x)2 dx i) ∫ (ln x)2 dx j) ∫ x e2x dx l) ∫ ex cos x dx m) ∫ e–2x sen x dx n) ∫ x3 e xx2 dx o) ∫ x3 cos x2 dx p) ∫ e–x cos 2x dx q) ∫ x2 sen x dx
h) 2. Calcule: a) b) c) d)

TEMA 19 INTEGRAIS TRIGONOMÉTRICAS 19.1 Introdução Os teoremas para a antiderivada das funções seno e co-seno seguem imediatamente dos teoremas correspondentes para diferenciação. Teorema: ∫senxdx = –cos x + C Prova: Dx(–cos x) = –(–sen x) = sen x Teorema: ∫cos xdx = sen x + C Prova: Dx(sen x) = cos x Os teoremas a seguir são conseqüências dos teoremas para as derivadas das funções tangente, co-tangente, secante e co-secante. As demonstrações também são imediatas, obtidas com o cálculo da derivada do segundo membro das fórmulas. Teorema: ∫sec2 xdx = tgx + C Teorema: ∫cosec2 xdx = –cotgx + C Teorema: ∫sectg xdx = sec x + C Teorema: ∫cosec x cot xdx = –cosec x + C Exemplo: Calcule ∫(3sec x tg x – 5cosec2 x)dx. Solução:

∫ 0 x ex dx 2 ∫ 1 ln x dx
1

∫t
x 0

2

e–stdt(s ≠ 0)

∫(3sec x tg x – 5cosec2 x)dx = = 3∫sec x tg xdx – 5∫cosec2 xdx
= 3sec x – 5 (–cot gx) + 5 = 3sec x – 5cot gx + C As identidades trigonométricas são freqüentemente usadas quando calculamos antiderivadas envolvendo funções trigonométricas. As oito identidades fundamentais a seguir são cruciais: 1. sen x cosc x = 1 2. cosx sec x = 1 3. tg x cotg x = 1 4.
98

Cálculo I – Integrais

5. 6. sen2 x cos2 x = 1 7. tg2 x + 1 = sec2 x 8. cotg2 x + 1 = cosec2 x Exemplos: 1. Calcule Solução: = = = 2∫cosec x cotg xdx – 3∫sen xdx = 2(–cosec x) – 3 (cos x) + C = –2(cosec x) + 3cos x + C 2. Calcule ∫(tg2 x + cotg2 x + 4)dx. Solução:

Em geral, podemos fazer uma substituição da forma x = g(t) usando a Regra da Substituição ao contrário. Para simplificar nossos cálculos, assumimos que g tem uma função inversa, isto é, g é um a um. Nesse caso, se trocarmos u por x e x por t na Regra da Substituição, obteremos

∫f(x)dx = ∫f(g(t))g’(t)dt
Esse tipo de substituição é chamada de substituição inversa. Podemos fazer a substituição inversa x = a senθ desde que esta defina uma função um a um. Isso pode ser conseguido pela restrição de θ no intervalo A seguir, listamos substituições trigonométricas que são eficazes para as expressões radicais dadas por causa de certas identidades trigonométricas. Em cada caso, a restrição de θ é imposta para assegurar que a função que define a substituição seja um a um. Substituição trigonométrica Expressão substituição identidade

∫(tg2 x + cotg2 x + 4)dx =
= ∫[(sec2 x – 1) +(cosec2 x – 1)]dx = ∫sec2 xdx + ∫cosec2 xdx + 2∫dx = tg x – cotg x + 2x + C 19.2 Substituição trigonométrica Para achar a área de um círculo ou uma elipse, uma integral da forma onde a > 0. Se a integral fosse
2 2

1 – sen2θ = cos2θ

1 + tg2θ = sec2θ

aparece, a sec2θ – 1= tg2θ

substituição u = a – x poderia ser eficaz, mas, como está, é mais difícil. Se mudarExemplos: 1. Avalie Solução: Note a diferença entre a substituição u = a2 – x2 (na qual uma nova variável é uma função da velha) e a substituição x = a senθ (a variável velha é uma função da nova).
99

mos a variável de x para θ pela substituição x = a senθ, então a identidade 1 – sen2θ = cos2 θ permitirá que nos livremos da raiz, porque

Seja x = 3sen θ, onde então dx = 3cosθ dθ e

.

UEA – Licenciatura em Matemática

. Então, a Regra de Substituição Inversa fornece

Observe que cosθ ≥ 0 porque

área do primeiro quadrante (veja a Figura abaixo).

=∫(cossec2 θ – 1)dθ = cotg θ – θ + C Como esta é uma integral indefinida, devemos retomar à variável x original. Isso pode ser feito usando-se identidades trigonométricas para expressar cotθ em termos de ou pelo Assim, A parte da elipse no primeiro quadrante é dada pela função 0≤x≤a

desenho de um diagrama, como na Figura abaixo, onde θ é interpretado como um ângulo de um triângulo retângulo.

Como

, denominamos o lado oposto

Para avaliar essa integral substituímos x = a senθ. Então dx = a cosθ dθ. Para mudar os limites de integração notamos que quando x = 0, senθ = 0, assim θ = 0; quando x = a, senθ = 1, assim . Também

e a hipotenusa como tendo comprimentos x e 3. Pelo Teorema de Pitágoras, o comprimento do lado adjacente é ; assim, podemos ler o valor de cotgθ diretamente da figura:

já que Portanto

.

(Embora θ > 0 no diagrama, essa expressão para cotgθ é valida quando θ <0). Como , temos e assim = πab Mostramos que a área de uma elipse com semi-eixos a e b é πab. Em particular, tomando a = b = r, provamos a famosa fórmula que diz que a área de um círculo de raio r é πr2. Observação – Nesse exemplo, a integral é definida; então, mudamos os extremos de integração e não tivemos de converter de volta à variável x original. 3. Ache
100

2. Encontre a área limitada pela elipse Solução:

.

Resolvendo a equação da elipse para y, temos que ou .

Porque a elipse é simétrica em relação a ambos os eixos, a área total A é quatro vezes a

Cálculo I – Integrais

Solução: Seja Então, dx = 2 sec2θ dθ e .

=∫secθ dθ = ln|sec θ + tg θ| + C O triângulo abaixo mostra que

Assim, temos: Assim, temos:

Para avaliar essa integral trigonométrica, colocamos tudo em termos de senθ e cosθ: Escrevendo C1 = C – ln a, temos Portanto, fazendo a substituição u = senθ, temos:

5. Encontre Solução: Primeiro, notamos que Usamos a Figura abaixo para determinar que

.

;

assim, a substituição trigonométrica é apropriada. Embora não seja exatamente uma expressão da tabela de substituições trigonométricas, ela se torna parte delas quando fazemos a substituição preliminar u = 2x. Quando combinamos esta com a substituição da tangente, temos , o que dá e

e assim Quando x = 0, tg θ= 0 assim θ = 0 ; quando 4. Avalie Solução: Seja x = asecθ, onde Então, dx = a secθ tgθ dθ e ou . , onde a > 0 , tg θ = 3 , assim , logo,

Portanto, Agora, substituímos u = cosθ de modo que
101

UEA – Licenciatura em Matemática

du = –senθdθ . Quando θ = 0, u = 1; quando Portanto , . TEMA 20 INTEGRAIS DE FUNÇÕES RACIONAIS 20.1 Introdução Recorde que, se q é uma função racional, então , onde f(x) e g(x) são polinô-

mios. Aqui estabeleceremos regras para o cálculo de ∫q(x)dx. Consideremos o caso específico É fácil verificar que .

1. Calcule: a) b) c) d)

A expressão à esquerda da equação é chamada decomposição em frações parciais de . Para achar ∫q(x)dx, integramos cada uma das frações que constituem a decomposição, obtendo

Teoricamente, é possível escrever qualquer e) f) g) h) expressão como uma soma de expres-

sões racionais cujos denominadores envolvem potências de polinômios de grau não superior a 2. Especificamente, se f(x) e g(x) são polinômios e se o grau de f(x) é inferior ao grau de g(x), então se pode provar que de tal forma que cada termo Fk da soma tem uma das formas ou para reais A e B e n

inteiro não-negativo, onde ax2 + bx + c é irredutível no sentido de que este polinômio quadrático não tem zeros (isto é, b2 – 4ac < 0). Nesse caso, ax2 + bx + c não pode expressarse como o produto de dois polinômios do primeiro grau com coeficientes reais.
102

Cálculo I – Integrais

A soma F1 + F2 +...+Fr, é a decomposição em frações parciais de , e cada FK é uma

com ax2 + bx + c irredutível, a decomposição em frações parciais contém uma soma de n frações parciais da forma , onde cada numerador Ak e Bk é um número real. Exemplos: 1. Calcule Solução: Podemos fatorar o denominador do integrando como segue: x3 + 2x2 – 3x = x(x2 + 2x – 3) = x(x + 3)(x – 1) Cada fator tem a forma indicada na Regra a), com m = 1. Assim, ao fator x corresponde uma fração parcial da forma . Analogamente, aos .

fração parcial. Não provaremos este resultado algébrico, mas estabeleceremos diretrizes para obter a decomposição. As diretrizes para achar a decomposição em frações parciais de devem ser aplicadas

somente se f(x) tiver grau inferior ao de g(x). Se isso não ocorrer, teremos de recorrer à divisão para chegar à forma adequada. Por exemplo, dada por divisão; , obtemos,

Passamos, então, à decomposição de em frações parciais.

fatores x + 3 e x – 1 correspondem frações 20.2 Diretrizes para a decomposição de em frações parciais 1. Se o grau de f(x) não é inferior ao grau de g(x), use a divisão para chegar à forma adequada. 2. Expresse g(x) como o produto de fatores lineares ax + b ou fatores quadráticos irredutíveis da forma ax2 + bx + c, e agrupe os fatores repetidos de modo que g(x) seja o produto de fatores diferentes da forma (ax + b)n ou (ax2 + bx + c)n para n inteiro não-negativo. 3. Aplique as seguintes regras: Regra a Para cada fator (ax + b)ncom n ≥ 1, a decomposição em frações parciais contém uma soma de n frações parciais da forma cada numerador Ak é um número real. Regra b Para cada fator (ax2 + bx + c)n com n ≥ 1 e
103

parciais

e

, respectivamente.

Portanto a decomposição em frações parciais tem a forma .

Multiplicando pelo mínimo denominador comum, obtemos 4x2+13x – 9 = A(x+3)(x – 1)+Bx(x – 1)+Cx(x+3) (*) Em casos como este, em que os fatores são todos lineares e não-repetidos, os valores de A, B e C podem ser obtidos pela substituição de x por valores que anulem os vários fatores. Fazendo x = 0 em (*), obtemos –9 = –3A ou A = 3

Fazendo x = 1 em (*), obtemos 8 = 4C ou C = 2 Finalmente, se x = –3 em (*), temos –12 = 12B ou B = –1

onde

A decomposição em frações parciais é, pois,

UEA – Licenciatura em Matemática

Integrando e denotando por K a soma das constantes de integração, temos

Multiplicando ambos os membros por (x + 1)(x – 2)3, obtemos:

= 3ln|x|–ln|x + 3|+2ln|x – 1|+k = ln|x3|–ln|x + 3|+ln|x – 1|2+k (*) Duas das constantes incógnitas podem ser determinadas facilmente. Fazendo x = 2 em (*), obtemos 6 = 3D ou D = 2 Da mesma forma, fazendo x = –1 em (*), obtemos –54 = –27A ou A = 2 As demais constantes podem ser obtidas por comparação dos coeficientes. Atentando para o membro direito de (*), vemos que o coeficiente de x3 é A + B. Este coeficiente deve ser igual ao coeficiente de x3 à esquerda. Assim, por comparação: coeficientes de x3: 3 = A + B Como A = 2, segue–se que B = 1 Finalmente, comparamos os termos constantes de (*) fazendo x = 0 o que nos dá: termos constantes: – 4 = –8A + 4B – 2C + D Levando os valores já achados para A, B e D na equação precedente, temos – 4 = –16 + 4 – 2C + 2 que tem a solução C = 3. A decomposição em frações parciais é, portanto,

Outra técnica para determinar A, B e C é desenvolver o membro direito de (*) e agrupar os termos de mesma potência de x, como segue: 4x2 + 13x – 9 = (A + B + C)x2 + (2A – B + 3C)x – 3A Valemo-nos, agora, do fato que, se dois polinômios são iguais, então os coeficientes de iguais potências de x são os mesmos. É conveniente dispor nosso trabalho da seguinte maneira, a qual chamamos comparação de coeficientes de s. Coeficientes de x2: A + B + C = 4 Coeficientes de x: 2A – B + 3C = 13 Termos constantes: –3A = –9 Pode-se verificar que a solução deste sistema de equações é A = 3, B = –1 e C = 2 2. Calcular Solução: Pela Regra a), há uma fração parcial da forma que corresponde ao fator x + 1 no denominador de integrando. Para o fator (x – 2)3 aplicamos a Regra a) (com m = 3), obtendo uma soma de três frações parciais e .

Para obter a integral dada, integramos cada uma das frações parciais do membro direito da última equação, obtendo

Conseqüentemente, a decomposição em frações parciais tem a forma

com k igual à soma das quatro constantes de integração. Este resultado pode ser escrito na forma

104

Cálculo I – Integrais

3. Calcular Solução: O denominador pode ser fatorado como segue: 2x3–x2+8x–4=x2(2x–1)+4(2x–1)=(x2+4)(2x–1) Aplicando a Regra b) ao fator quadrático irredutível x2 + 4, vemos que uma das frações parciais tem a forma . Pela Regra a), há

4. Calcular Solução: Aplicando a Regra b, com n = 2, temos:

Multiplicando pelo menor divisor comum (x2 + 1)2 temos: 5x3 – 3x2 + 7x – 3 = (Ax + B)(x2 + 1)+ Cx + D 5x3 – 3x2 + 7x – 3 = Ax3 + Bx2 +(A + C)x +(B + D) Em seguida, comparamos os coeficientes: Coeficientes de x3: 5 = A Coeficientes de x2: –3 = B

também uma fração parcial

correspon-

dente ao fator 2x – 1. Conseqüentemente,

Tal como em exemplos anteriores, isso conduz a (*) x2 – x – 21 = (Ax + B)(2x – 1)+ C(x2+4) Pode-se achar facilmente uma constante. Fazendo em (*), obtemos ou C = –5 As demais constantes podem ser achadas por comparação de coeficientes de x em (*): Coeficientes de x2: 1 = 2A + C Coeficientes de x: –1 = –A + 2B Termos constantes: –21 = –B + 4C Como C = –5, segue-se de 1 = 2A + C que A = 3. Da mesma forma, utilizando os coeficientes de x com A = 3, temos –1 = –3 + 2B ou B = 1. Assim, a decomposição do integrando em frações parciais é

Coeficientes de x: 7 = A + C Termos constantes: –3 = B + D Temos, assim, A = 5, B = –3, C = 7 – A = 2 e D = –3 – B = 0. Portanto

Integrando, vem

1. Calcule: a) Pode-se, agora, calcular a integral dada integrando o membro direito da última equação, o que nos dá b) c) d)
105

UEA – Licenciatura em Matemática

e) f) g) h)

quadrado como segue: x2 – 6x + 13 = (x2 – 6x) + 13 (x2 – 6x + 9) + 13 – 9 = (x – 3)2 + 4 Assim,

Fazemos, agora, uma substituição: u = x – 3, x = u + 3, dx = du

2. Calcule: a)

Então,

b) c) d)

e)

f)

1. Calcule: a)

20.3 Integrais que envolvem expressões quadráticas A decomposição em frações parciais pode conduzir a integrandos que contêm uma expressão irredutível como ax2 + bx + c . Se b ≠ 0, é necessário, às vezes, completar o quadrado como segue:

b) c) d) e)

f) A substituição forma integrável. Calcular Solução: A expressão quadrática x2 – 6x + 13 é irredutível, pois b2 – 4ac = –16 < 0. Completamos o
106

pode conduzir a uma 20.4 Aplicações da integral . Exemplos: 1. Joga-se uma pedra verticalmente para cima de um ponto situado a 45m acima do solo e com velocidade inicial de 30m/s. Desprezando a resistência do ar, determine:

Cálculo I – Integrais

a) A distância da pedra ao solo após t segundos. b) O intervalo de tempo durante o qual a pedra sobe. c) O instante em que a pedra atinge o solo, e a velocidade nesse instante. Solução: O movimento da pedra pode ser representado por um ponto numa coordenada vertical l com origem no solo e direção positiva para cima (veja a figura abaixo).

ou 4,9t2 – 30t – 45 = 0 donde t = –1,24 ou t = 7,36. A solução –1,24 é estranha, pois t é nãonegativo. Resta t = 7,36s, que é o tempo após o qual a pedra atinge o solo. A velocidade, nesse instante, é: v = (7,36) = –9,8(7,6) + 30 ≈ –42,13m/s Nas aplicações à economia, se se conhece uma função marginal, então podemos usar a integração indefinida para achar a função, conforme próximo exemplo. 2. Um fabricante constata que o custo marginal (em reais) da produção de x unidades de uma componente de copiadora é dado por 30 – 0,02x. Se o custo da produção de uma unidade é R$ 35,00, determine a função-custo e o custo de produção de 100 unidades. Solução: Se C é a função-custo, então o custo marginal é a taxa de variação de C em relação a x, isto é, C’(x) = 30 – 0,02x Logo,

a) A distância da pedra ao solo no instante t é s(t), e as condições iniciais são s(0) = 45 e v(0) = 30. Como a velocidade é decrescente, v’(t) < 0, isto é, a aceleração é negativa. Logo, a(t) = v’(t) = –9,8

∫C’(x)dx = ∫(30 – 0,02x)dx
e

∫v’(t)dt = ∫–9,8dt
v(t) = –9,8t + C para algum C. Substituindo t por 0 e em vista do fato de que v(0) = 30 e, conseqüentemente, v(t) = –9,8 + 30 Como s’(t) = v(t), obtemos s’(t) = –9,8t + 30

∫C(x) = 30x = –0,01x2 + k para algum k.
Com x = 1 e C(1) = 35, obtemos 35 = 30 – 0, 01 + k ou k = 5,01 Conseqüentemente, C(x) = 30x – 0,01x2 + 5,01. Em particular, o custo da produção de 100 unidades é C(100) = 3.000 – 100 + 5,01 = R$ 2.905,01 3. Na comercialização, em reais, de um certo produto, a receita marginal é dada por R’(q) = –20q + 200, e o custo marginal é dado por C’(q) = 20q. Para o intervalo 1 ≤ q ≤ 5, obtenha: a) A variação total da receita. Solução: A variação total da receita no intervalo 1 ≤ q 5 ≤ 5 será dada por ∫ 1 R’(q)dq = R(5) – R(1) ou seja, devemos encontar o valor de
107

∫ s’(t)dt = ∫(9,8t + 30)dt
s(t) = –4,9t2 + 30t + D para algum D. Fazendo t = 0, e como s(0) = 45, temos 45 = 0 + 0 + D ou D = 45. Segue-se que a distância do solo à pedra no instante t é dada por s(t) = –4,9t2 + 30t + 45 b) A pedra subirá até que v(t) = 0, isto é, até que – 9,8 + 30 = 0 ou t ≈ 3. c) A pedra atingirá o solo quando s(t) = 0, isto é, quando – 4,9t2 + 30t + 45 = 0

UEA – Licenciatura em Matemática

∫1 (–20q + 200)dq.
5

Logo, + 200)dq = –20q2 + 200q + C. Obtendo o valor da integral definida:

Calculando, primeiramente, a integral indefinida correspondente ∫(–20q + 200), temos:

∫(–40q
5

∫ 1 (–40q + 200)qd = [–20q2 + 200q]5 1
= 20 . 52 + 200 . 5 – (–20 . 12 + 200 . 1)

= –10q2 + 200q + C Logo, . Obtendo o valor da integral definida:

∫ 1 (–40q + 200)qd = 500 – 180 = 320
5

Assim, a variação do lucro no intervalo é de R$ 320,00. Note que tal valor também pode ser obtido fazendo a subtração da variação da receita e da variação do custo obtidas nos itens anteriores: R$ 560,00 – R$ 240,00 = R$ 320,00 d) A interpretação gráfica da variação total do lucro obtida no item anterior. A interpretação gráfica é dada pela área entre a curva da receita marginal, R’(q) = –20q + 200, e a curva do custo marginal, C’(q) = 20q, no intervalo 1 ≤ q ≤ 5.

∫1 (–20q + 200)dq = [–10q2 + 200q]5 1
5

= –10 . 52 + 200 . 5 – (–10 . 12 + 200 . 1)

∫1 (–20q + 200)dq = 750 – 190 = 560
5

Assim, a variação da receita no intervalo é de R$ 560,00. b) A variação total do custo. A variação total da receita no intervalo 1 ≤ q 5 ∫1 C’(q)dq = C(5) – C(1) ou seja, devemos encontar o valor de ∫20q dq. Calculando, primeiramente, a integral indefinida correspondente ∫20q dq, temos

≤ 5 será dada por

Logo, ∫20q dq = –10q2 + C. Obtendo o valor da integral definida:

∫1 20q dq = [10q2]1 = 10 . 52 – 10 . 12 = 240
5 5

Assim, a variação da receita no intervalo é de R$ 240,00. c) A variação total da receita no intervalo 1 ≤ q ≤ 5 será dada por .

∫1 L’(q)dq = L(5) – L(1). Como
5

L’(q) = R’(q) – C’(q), devemos encontar

∫1 L’(q)dq = ∫1 (R’(q) – C’(q))dq.
5 5

1. Um projétil é lançado verticalmente para cima com uma velocidade de 500m/s. Desprezando-se a resistência do ar, determine: a) sua distância no instante t; b) altura máxima atingida. 2. Joga-se uma pedra diretamente para baixo com uma velocidade inicial de 5m/s. Determine: a) Sua distância do solo após t segundos. b) A velocidade ao cabo de 3 segundos. c) Quando o objeto atinge o solo.
108

Então, a integral procurada será

∫ 1 (R’(q) – C’(q))dq= ∫ 1(–20q+200–20q)dq 5 = ∫ 1(–40q+200)dq
5 5

Calculando primeiramente a integral indefinida correspondente ∫(–40q + 200)dq:

Cálculo I – Integrais

3. Se um automóvel parte do repouso, qual a aceleração constante que lhe permitirá percorrer 150 metros em 10 segundos? 4. O processo rítmico da respiração consiste em períodos alternados de inalação e exalação. Para um adulto, um ciclo complexo ocorre normalmente a cada 5 segundos. Se V denota o volume de ar nos pulmões no instante t, então dV / dt é a taxa de fluxo. a) Se a taxa máxima de fluxo é 0,6L/seg, estabeleça uma fórmula dV / dT = a sen bt que corresponde à informação dada. b) Use (a) para estimar a quantidade de ar inalada durante um ciclo. 5. Na comercialização, em reais, de um certo produto, a receita marginal é dada por R’(q) = –10q + 100 e o custo marginal é dado por C’(q) = 2,5q. Para o intervalo 2 ≤ q ≤ 8, obtenha: a) A variaçao total da receita. b) A variaçao total do custo. c) A variaçao total do lucro. d) A interpretação gráfica da variação total do lucro obtida no item anterior. 6. Na comercialização, em reais, de uma peça automotiva, a receita marginal é dada por R’(q) = 3q2 e o custo marginal é dado por C’(q) = 27. Para o intervalo 1 ≤ q ≤ 3, obtenha: a) A variaçao total da receita. b) A variaçao total do custo. c) A variaçao total do lucro. d) A interpretação gráfica da variação total do lucro obtida no item anterior.

109

Respostas dos Exercícios

Cálculo I – Respostas dos Exercícios

UNIDADE I
Função
TEMA 02

UNIDADE II
Limites

TEMA 01 FUNÇÃO OU APLICAÇÃO

DEFINIÇÃO DE LIMITES LATERAIS

Pág. 28 Pág. 20 1. a. 1 b. Não existe 1. a) –3 e 3/4 b) 0 , 2/3 e c) 4 d) 6/a 2. a) x + 1 a) 2 b) c) d) 0 Pág. 30 3. a) 2 b) 2x + h a) –4x – 2h b) 0 c) 4. Demonstração 5. Demonstração 1. contínua 2. descontínua 3. descontínua 4. descontínua 5. a = –1 TEMA 03 CONTINUIDADE DE UMA FUNÇÃO 2. Não, pois f não está definida para x = 1 c. 1 d. Não existe

TEMA 04 PROPRIEDADES DOS LIMITES

Pág. 32 1. b 4. e 7. b 10. c
113

2. d 5. c 8. e 11. b

3. c 6. c 9. d 12. e

UEA – Licenciatura em Matemática

TEMA 05 LIMITES INFINITESIMAIS

TEMA 07 LIMITES EXPONENCIAIS

Pág. 35 1. c 2. a 3. b 4. e 5. a. – b. + c. d. 0 e. 2/3

Pág. 38 1. e 2. d 3. a) e3 b) e– m c) e4

TEMA 06 LIMITES TRIGONOMÉTRICOS

Pág. 36 1. a) 3/2 b) b) 3 2. a) 2/3 b) b) 1/5 c) 1/3 3. a) 1 b) 1/16 c) 5 d) –1 e) 2 f)

114

Cálculo I – Respostas dos Exercícios

UNIDADE III
Derivada
TEMA 09 A RETA TANGENTE AO TEMA 08 DERIVADA DE UMA FUNÇÃO, DEFINIÇÃO GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO

Pág. 50 Pág. 36 1. a) 4 1. a) b) b) c) 2. a) 6 b) 10 c) –1 d) 2 3. a) f’(x) = 2x – 2 b) f’(x) = 1 c) d) f’(x) = 3 4. x = 1 5. 5 Pág. 53 1. a) f’(x) = 2x + 1 Pag. 45 1. b 2. b 3. c 4. b 5. d 6. d 2. 6 3. y = 4x – 13 4. a’(x) = 3x2 + 1
115

b) y = 4x – 4 2. a) 1/2

3. y – 4 = 5 (x – 4) 4. a) y = 4x – 3 5. a) 7 b) –3 6. –sen x

TEMA 10 REGRAS DE DERIVAÇÃO

b) c) f’(x) = 15x4 d) f’(x) = 6x + 2 e) f’(x) = 2ax + b f)

UEA – Licenciatura em Matemática

b) c) d) d’(x) = 24x – 6x + 7 5. e) 2x + y + 1 = 0 6. a) 11 m/seg b) 14 m/seg² 7. a) a (t) = 36 t b) a (2) = 72 km/h² 8. π + 1 9. 32
3

j) k) l) m) 8. y = –x e y = x 9. a) b) c) Pág. 55 10.

1. a) contínua e derivável b) contínua, mas não derivável c) não é contínua nem derivável d) contínua e derivável 2. 12x – 9y + 3 3 – 2π = 0 3. a) f’(1) = 2 b) f’(3) = 15/16 4. d) 5. b) 6. a) g’(2) = 80 b) y = 80x - 128 7. a) a’(x) = 5x4 + 4x3 b) b’(x) = cos x + sen x c) c’(x) = 5x4 ln x + x4 d) d’(x) = (3x2 + 1)sen x + (x3 + x)cos x e) e’(x) = 5x4 sen x cos x + x5cos x – x5 sen2 x f) f’(x) = 36x3 g) g’(x) = 60x4 – 12x3 + 2 h) d) i) e) 1. 0 2. 12x – 9y + 3 3 – 2π = 0 3. b) 2 4. c) 41% 5. a) b) c) A REGRA DA CADEIA TEMA 11

Pág. 58

116

Cálculo I – Respostas dos Exercícios

6. 7. f’(x) = sen x . sec x + 3x . cos x . tg x 8. coeficiente angular: 4 ; y = 4 (x – 2) 9. d) 22 m/s 10. R$ 25,00 11. m (0) = 260 reais m (100) = 170 reais m (400) = 20 reais m (800) = 100 reais 12. b) 4m/s2
3 2 2 3

b) t < 4 8. 8 unidades, o custo médio será de R$ 53,00 e o custo total de R$ 424,00

TEMA 13 TAXA DE DERIVAÇÃO E REGRA DE L’HOSPITAL

Pág. 70 1. 150 cm²/seg 2. 24 cm/s TEMA 12 ESTUDO DO SINAL DE UMA FUNÇÃO 3. 80πm3/s 4. 5. Pág. 66 1. 100 cm² 2. Produto máximo para x = 15 e z = 15 3. É um quadrado cujo lados medem em 8 m 4. f é decrescente em ]–∞, 1]. Os pontos críticos são x = 0, ponto de inflexão e x = 1, ponto de mínimo absoluto de f. 5. crescente em e decrescente em 6. 7. a) 8/9 b) sec2 a c) 1/2 d) 0 e) 2 f) 1 g) 1/2 m/s cm² por hora m/s

6. a) crescente em (–∞,1]∪ [3,∞) decrescente em [1, 3] b) (1, 5 ) e (3, 1 ) c)

7. a) t > 4
117

UEA – Licenciatura em Matemática

UNIDADE IV
Integrais

b) c)

TEMA 14 INTEGRAIS PRIMITIVAS E INDEFINIDAS

d) π/4 e) π/6 f) Pág. 76 2. a) –cos x + k b) c) d)

1. a) 2x2 + 3x + C b) 3t3 – 2t2 + 3t + C c) d) 2u3/2 + 2u1/2 + C

e) e) f) 3x2 – 3x + x + C g) h) i) j) k) f) g) h)

i) j) k) l) m) n) –2 cos x + k o) p) 3. a) 3/4 Pág. 78 b) 2 c) 2/3 d) π/4
118

2. a) b) y = 3x + ln x – 1 c) d)

1. a)

Cálculo I – Respostas dos Exercícios

TEMA 15 CÁLCULO DE ÁREA

Pág. 85 1. a) 7/2 b) 4/9 c) 253/6 d) 20/3 e) f) 19/24 g) 7/3 h) 45/8 3. Área = 4/3

TEMA 16 ÁREA ENTRE CURVA

4. Área = 32/3

Pág. 87 1. Área = 20

5. Área = 4

2. Área = 14/3

119

UEA – Licenciatura em Matemática

6. Área = 1

9. Área = 1/2

7. Área = 23/3

10. Área = 5/2

8. Área = 21 TEMA 17 MUDANÇA DE VARIÁVEL NA INTEGRAL

Pág. 91 1. a) b) c)

2. a)

b)
120

Cálculo I – Respostas dos Exercícios

c) TEMA 18 d) e) INTEGRAÇÃO POR PARTES

f) 1. a) (x – 1)e + k g) h) d) i) j) e) x(ln x – 1) + k f)
x

Pág. 97 b) –xcos x + sen x + k c) ex (x2 – 2x + 2) + k

k) l)

g) xtg + ln |cos x| + k h) i) x(ln x2) – 2x(ln x – 1) + k

m) ln|ln x| + C j) n) l) o) m) n) o) Pág. 94 1. 14/3 2. 0 3. 1/3 4. 5/36 5. 6. 1 – 7. 0 p) q) –x2 cos x + 2x sen x + 2cos x + k 2. a) 1 b) 2ln 2 – 1 c) d)

121

UEA – Licenciatura em Matemática

TEMA 19 INTEGRAIS TRIGONOMÉTRICAS

g) h)

2. a) Pág. 102 b) 1. a) b) c) d) e) f) g) h) 1. a) Pág. 106 e) f) c) d)

TEMA 20 INTEGRAIS DE FUNÇÕES RACIONAIS

b) c) d) Pág.105 e)

1. a) b) c)

f)

Pág. 108 d) 1. a) s(t) = –16t2 + 500t e) b) s(50) = 3,906m 2. a) s(t) = –16t2 – 16t + 96 f)
122

b) t = 2s

Cálculo I – Respostas dos Exercícios

c) –80ft/sec 3. 3m/s2 4. a) b) 5. a) b) c) 6. a) b) c) d) 3A variação do lucro é dada pela área entre as curvas de receita marginal e custo marginal no intervalo 1 ≤ q ≤ 3

123

REFERÊNCIAS

BUCCHI, P Curso Prático de Matemática. Vol. 3. São paulo: Moderna . GRANVILLE,W.A. Elementos de Cálculo Diferencial e Integral. Rio de Janeiro: Científica GUIDORIZZI, H.L. Um curso de Cálculo. Rio de Janeiro. Livros Técnicos e Científicos IEZZI, G. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 8. São paulo: Atual LANG,S. Cálculo. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. MACHADO,A.S. Temas e Metas. Vol. 6. São Paulo: Atual PAIVA,M. e outros. Matemática. Vol 3. São Paulo: Moderna. PISKOUNOV,N. Cálculo Diferencial e Integral. Moscou: Mir. DANTE, L.R. Matemática Contexto e Aplicações. São Paulo: Ática GIOVANNI, J.R. e outros. Matemática 3. São Paulo: FTD

125

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful