Introdução

Doenças relacionadas a tremores vem recebendo cada vez mais preocupação,
pois devido ao grande número de casos, uma considerável parcela da população
sofre com algum tipo de tremor em determinado momento da vida.
Muitas vezes o diagnóstico deste tipo de doença é feito apenas com base na
experiência clínica que o médico possui. O presente trabalho tem como objetivo
abordar diversos tipos de doenças relacionadas a tremores e a possibilidade da
utilização de um sistema com base no princípio de funcionamento do
acelerômetro, para auxílio ao diagnóstico dos diferentes tipos de tremores de
forma não-invasiva.

tremor intencional (durante o movimento intencional). uso de medicamentos como teofilina. como os membros inferiores e o tronco. ou seja. hipertiroidismo. Tremor de média frequência: entre 4 e 7 Hz. síncrona ou alternadamente. Principais tipos de tremores Tremor fisiológico O tremor fisiológico ocorre na maioria das pessoas e costuma ser imperceptível a olho nu. segundo as circunstâncias em que se manifesta podemos ter: Tremor de repouso: ocorre quando a parte do corpo afetada está sem ativação voluntária e é totalmente suportado contra a gravidade. hipoglicemia. Segundo a frequência temos: Tremor de baixa frequência: menos do que 4 ciclos por segundo ou Hertz (Hz). Segundo a fenomenologia. involuntários e rítmicos produzidos quando os músculos antagônicos contraem e relaxam repetidamente. flunarizina. como por exemplo escrita) tremor isométrico (aparece quando o segmento afetado está contraído sem que ocorra o deslocamento desse segmento corporal). ocasionados por alterações patológicas neuronais ([Rosenberg. tremor tarefa- específica (ocorre durante tarefas especificas. frequência e localização. valproato de sódio.Tremores Tremores são distúrbios dos movimentos caracterizados por movimentos oscilantes. Tremor de ação: ocorre durante a contração dos músculos envolvidos. O tremor pode ser classificado de diversas maneiras: de acordo com a etiologia. tremor cinético (se apresenta durante o movimento). Segundo a fenomenologia dos elementos do tremor pode ser combinado em diferentes síndromes. sendo os membros superiores e a cabeça os segmentos mais acometidos. Tremor de alta frequência: mais do que 7 Hz. Ainda podendo ocorrer em outras partes do corpo. 2000]. fenomenologia. podemos observar o tremor em qualquer parte do corpo. Algumas condições como o estresse. agonistas alfa-adrenérgicos. [DCN Merck]). Sobre à localização. O tremor fisiológico é decorrente de fatores . Costuma ter a característica de adução-abdução ou de flexão-extensão. a ansiedade e outras condições como a fadiga muscular. Pode ser subdividido em tremor postural (o paciente apresenta o tremor quando se mantém em determinada postura). antidepressivos. uso abusivo de cafeína e extensão dos membros amplificam o tremor fisiológico e o torna visível.

O tremor parkinsoniano tem característica adução-abdução ou de rotação interna do punho. A frequência de oscilação do tremor varia de 4-12 Hz e costuma estar inversamente relacionada à idade. especialmente no segmento cefálico e na laringe. com exceção do sinal de Froment (sinal da roda denteada à manobra passiva do membro afetado com movimento voluntário do membro contralateral). Os critérios diagnósticos principais são: tremor bilateral das mãos e antebraços (sem tremor de repouso). Além dos membros superiores. Entretanto. O tremor típico é de um tremor cinético acompanhado de um tremor postural que acomete os membros superiores e no início pode ser assimétrico. Os critérios secundários: duração longa maior do que 3 anos.mecânicos e neurais. tremor isolado da cabeça sem postura anormal da mesma. Tremor Parkinsoniano O tremor parkinsoniano típico é descrito como tremor de repouso. e resposta ao álcool. embora no final da adolescência ou entre 45 e 50 anos estejam os picos mais frequentes de início do quadro. No início do quadro geralmente é assimétrico e apresenta uma frequência em torno de 4-8Hz. histórico familiar. quando é denominado tremor fisiológico exacerbado. A frequência do tremor de ação do parkinsoniano pode variar de 6-12Hz. De modo geral se apresenta com freqüência que varia de 8 a 12 Hz. mas estima-se que em cerca de 25% o tremor pode ser motivo de mudança de trabalho ou de afastamento do mesmo. uma vez que familiares de um portador desta doença têm mais chance de ser acometidos. ausência de outros sinais neurológicos. ainda não se descobriram com exatidão quais seriam estes genes envolvidos. Acomete os membros superiores mais frequentemente seguido dos membros inferiores. que pode ser suprimido no início de uma ação e desaparece no sono e completo relaxamento. Pode acometer qualquer faixa de idade. A presença de tremor de ação ou de postura também pode ser vista em pacientes parkinsonianos e a combinação de tremor de repouso com estas outras formas de tremor é muito comum. Tende a se exacerbar em situações de estresse. . ao andar e com abstrações mentais. O tremor se torna visível principalmente em postura. pode também estar presente em outras partes do corpo. Na maioria dos casos o tremor essencial não é incapacitante. acarretando o chamado tremor vocal. Tremor essencial É o tipo de tremor mais comum e acredita-se que seja de origem genética.

ocorre em ação e piora ao atingir um alvo e algumas vezes não é rítmico. O uso de truques sensoriais reduz os movimentos distônicos. O exemplo típico é o tremor cefálico associado à distonia cervical e se torna mais evidente quando o paciente faz um movimento contrário ao da distonia e desaparece com o relaxamento da musculatura. Desaparece durante o sono e relaxamento completo. TCE. Geralmente é associado com outras alterações cerebelares como fala escandida. de baixa frequência (menor que 4. por exemplo tocar o mento ou a região posterior da cabeça. com localização nas pernas e no tronco e que se inicia logo após adquirir a posição ortostática. ação e postura. embora raramente caem. Pode ocorrer uma oscilação rítmica da cabeça e ou do tronco a qual é denominada titubeação. Tremor e distonia Pacientes com distonia focal podem apresentar tremor de ação no segmento acometido pela distonia e é denominado tremor distônico. Mais recentemente. É um tremor lento com frequência de 2-5 Hz. tálamo ou cerebelo ou nas vias que unem estas estruturas. ataxia e hipotonia. É um tremor sintomático cuja lesão pode estar localizada no tronco cerebral. Piora geralmente quando a pessoa muda de uma posição de repouso à postural e às vezes se torna incapacitante na tentativa de realizar movimentos propositais. O tremor melhora durante a marcha e ao repouso. Geralmente é um tremor com amplitude irregular e frequência variável e tem uma direção predominante. dismetria. Geralmente os pacientes se queixam de uma sensação de instabilidade durante a posição ortostática. Tremor de Holmes É um tremor unilateral em repouso. nistagmo. As causas mais frequentes são AVC. Vários mecanismos fisiopatológicos têm sido propostos. tumores.Tremor cerebelar Chamado também de tremor intencional. . infecções. foi sugerido que o tremor ortostático poderia ser uma resposta fisiológica aumentada à instabilidade postural.5Hz). Tremor Ortostático Caracteriza-se por ser um tremor de baixa amplitude e frequência de 14-18Hz.

ou das distonias ou uma entidade patológica distinta. Existem vários tipos de sensores para medir aceleração. ou seja. Percebe-se que o deslocamento permitido pela mola é proporcional à força aplicada. portanto. são governadas pela lei de Hooke. Acelerômetro: definição e princípio de funcionamento O princípio básico de funcionamento deste dispositivo é o sistema de massa e mola. um acelerômetro de eixo único. se a massa sofreu um deslocamento x. piezoelétricos e capacitivos. Considerando o método de deslocamento de massa. F=kx. e portanto pode-se perceber que uma aceleração a causa um deslocamento da massa de x=(ma)/k. Não está bem definido se estes tremores são variantes do tremor essencial. ou. enquanto dentro da sua região linear. O tremor primário da escrita é o mais comum e está ocorre durante a escrita e não está presente em outras atividades.Tremor tarefa específica e postura específica Este tipo de tremor ocorre em situações especificas. As molas. pode-se contar com potenciômetros. alternativamente. . Para cada eixo ao longo do qual quer-se medir a aceleração é necessário um sistema como este. que diz que o deslocamento da mola é proporcional à força aplicada. Desta maneira o problema de medir aceleração tornou-se um problema de medir o deslocamento de uma massa. Igualando as duas equações obtém-se ma=kx. Deve-se notar que este acelerômetro só mede a aceleração ao longo da mola. Este é. onde k é uma constante inerente à mola. que relaciona força com massa e aceleração através da equação F=ma. Figura 1: Sistema de massa e usado para medir aceleração Outro princípio físico envolvido é a segunda lei de Newton. significa que a massa está sob uma aceleração de a=(kx)/m. LVDT.

patológicas e do histórico do mesmo.Utilização de Acelerômetros para o auxílio ao diagnóstico de tremores O uso de métodos eletrofisiológicos como acelerômetro quando combinado com análise espectral e colocação de peso na parte do corpo acometido pelo tremor poderá auxiliar na diferenciação de um tremor de origem mecânica ou reflexa mecânica de um oscilador central. essa condição muitas vezes causa embaraços sociais em pacientes seja atrapalhando na profissão ou nas tarefas domésticas. a correspondência entre o diagnóstico clínico e eletrofisiológico do TE foi substancial. um de menor frequência que corresponde ao pico mecânico e outro cuja frequência se mantém igual àquela antes da colocação do peso e que corresponde ao oscilador central. de forma a facilitar o diagnóstico da doença pelo neurologista responsável através do cruzando informações obtidas pelo o acelerômetro e com informações fisiológicas. aceleração média e tempo do tremor). Um sistema baseado em um acelerômetro para o auxílio ao diagnóstico de tremores visa gerar dados coerentes associados aos sintomas da doença (como duração da imobilidade. . Conclusão Doenças relacionadas a tremores afetam uma considerável parcela da população. ao se colocar um peso existe a presença de dois picos. O diagnóstico para tremores. Quando existe um componente central. Estas conclusões baseiam-se em resultados que demonstraram um nível de concordância entre diagnóstico clínico e diagnóstico eletrofisiológico quase perfeito (taxa de concordância=94. além de diversos riscos associados a saúde e bem estar das pessoas que sofrem desse tipo de enfermidade como quedas e riscos ao manusear objetos perigosos. No tremor fisiológico exacerbado ocorre redução da frequência. De acordo com um estudo realizado utilizando um sistema baseado em acelerômetros. muitas vezes é feito por exclusão as vezes sendo necessário inclusive acompanhamento do paciente e espera da evolução do quadro para um diagnóstico conclusivo. No tremor mecânico puro ou tremor fisiológico existe um pico de frequência ao que é reduzida com a colocação de um peso.4%). Isto porque o tremor mecânico ou reflexo- mecânico tem a sua frequência reduzida com inércia. porém a maioria se limita a alguma enfermidade especifica como doença de Parkinson ou tremor essencial. Já existem pesquisas sobre a utilização de acelerômetro para o auxílio ao diagnóstico de doenças relacionadas a tremores.

. Além do fato que as dimensões físicas do sensor são mínimas.Uma grande vantagem da implementação de um sistema como esse seria o fato de não se tratar de um diagnóstico de forma invasiva. sendo possível até mesmo vislumbrar a implementação de um dispositivo portátil que poderia armazenar dados do paciente em seu cotidiano para que o neurologista responsável possa fazer o acompanhamento de seu paciente.

Ferraz HB. Rev Neurocienc 2006. Tremores.Bibliografia BOYLESTAD. Figueiredo. Ana R. Gafaniz. 2007 . Neurol Clin 1984 Borges V. 2004 Pinto MDCL. Sistema Computacional de Auxílio ao Diagnóstico e Avaliação de Tremores. Lopes e Rúben Pereira. et al. Cichaczewski E.L. Aplicações de Acelerómetros. Tremor Essencial Visão global da doença. Gustavo S. 2013 Lígia J. Koller WC. Diagnosis and treatment of tremors. Rio de Janeiro: Editora Prentice Hall Ltda. Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos. R. 1998.