MANCIO LIMA 24,1 Km

MINISTÉRIO DA DEFESA − EXÉRCITO BRASILEIRO 7 26 000 SINAIS CONVENCIONAIS
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
7 32 000 7 48 000
73°00’ W. GREENWICH 7 22 000 7 24 000
72°57’ W 7 28 000 7 30 000 7 34 000 7 36 000 38 000 Ig
DIRETORIA DE SERVIÇO GEOGRÁFICO 07°45’ S
72°54’ W 72°51’ W 7 7 40 000 7 42 000 72°48’ W 7 44 000 7 46 000 72°45’ W
247 249 249 07°45’ S SISTEMA DE TRANSPORTE

co

200

200
229

an

200

200
Auto−estrada Ferrovia de via única

Br
249
Ri Rodovia pavimentada ou calçada Ferrovia de múltiplas vias

200
o
239 222 228
CARTA TOPOGRÁFICA 91 42 000 239 ap
é 91 42000 Rodovia de revestimento primário Duto
249 Igar 249
Fut
Rodovia de leito natural
249 Bananeiras 229 Aqueduto ou adutora
248 234 239 225
Unidade de 233 Caminho carroçável Hidrovia
249 251 Teste de
REGIÃO NORTE DO BRASIL 237 238 Malária
227
Trilha ou picada Sinalização naval
249 Prefixo de estrada federal 116 Fundeador
242 246 200
248 239

FORTALEZA
Prefixo de estrada estadual 163 Campo de pouso
o 245
nc isc Balsa ou bote transportador Heliponto
249 São Fr a 246
r apé 239
Estação ou terminal rodoviário Túnel
Ig a Edificação de apoio rodoviário Ponte ou viaduto
ÍNDICE: SB−18−Z−D−V−3 246
249
245
215 237
249
MI: 1217−3 239 248 243 Estação ferroviária ou metroviária Pinguela ou passarela
239
225 247 239 239 243

73°00’ W 72°45’ W
91 40 000
248
91 40000
245 254 HIDROGRAFIA

20
07°45’ S 238 249
07°45’ S

0
co Viveiro
ncis 238
Fra 227 245 Rio permanente não representável em escala
São é Treze de Maio 235
apé Ig a r a p
Igar Curral Curral Rio temporário não representável em escala
io
249
Ma 200 Queda d’água não representável em escala

de
244 249 Corredeira não representável em escala
256

reze
239
218 239 239 Barragem não representável em escala
236

éT
Queda d’água ou corredeira representáveis em escala
237

20

rap
215 Rio permanente representável em escala

0
249
209

Iga
Torre da Lua 249 246 Barragem representável em escala
0
R
io 249 259
253 20
São Pedro Foz do Paraná Fonte d’água
do Bom Jesus dos Mouras
91 38 000 257
91 38000
do São Jerônimo 227 Direção de corrente
214 229 249
Terreno sujeito à inundação
M

228
o

Fortaleza 219 259 Recife ou rocha em água não representáveis em escala
ur

Jur

237 259
a

07°48’ S 249 Banco de areia
o

225 Associação dos Produtores 249
u í
et

o

S 07°48’ S Recife ou rocha em água representáveis em escala
A p 266
Ri

200 254 253
Pr

é 264 Oceano, lago, lagoa ou similar
a p
a r
g 200

I 252 252
LOCALIDADES
Igara

255
200 234
Terra Indígena 249
Jaminawa do Igarapé Preto 249 254 Cidade Núcleo
08°00’ S 249 216
08°00’ S 257 Vila Edificação habitacional
73°00’ W 72°45’ W 91 36 000 91 36000 Povoado Área edificada
239 258
200
205 229 219 228 Curral 237
ESCALA − 1:50.000 248 255
258 255 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO BÁSICO
256 259 Cemitério Depósito para abastecimento d’água
Depósito de resíduos Tratamento d’água ou esgoto
208 259

040101050412173 209
235
236
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
0
20

200
229 200
040101050412173 Edificação pública
259 256
249
259 235 EDUCAÇÃO E CULTURA
91 34 000 239 259
91 34000
235 251 258 Edificação religiosa Edificação de ensino
219
0
200

20

258 237
248 SAÚDE E SERVIÇO SOCIAL
231 229 249
LOCALIZAÇÃO DA FOLHA 216

200
209
217 245
72°W 70°W 200 259
68°W 255 247 Edificação de saúde Edificação de serviço social S
216
199 253
218 246 259 246

200
256 ENERGIA E COMUNICAÇÕES
259
200 219 200 Linha de energia elétrica: Estação geradora de energia elétrica
213 227
209
256 Distribuição Estação distribuidora de energia elétrica
7°S 7°S 257 Transmissão Edificação de comunicação
217
91 32 000 251 234
91 32000 Linha de comunicação Torre de comunicação
07°51’ S 184 245 239
239
Casa de Farinha 237
249
07°51’ S ESTRUTURA ECONÔMICA
209
184 249
200 200 Extrativismo mineral Indústria de base
9°S 9°S Ri 219 259
o 229
224 Garimpo Armazém ou silo A
ACRE do d Silêncio
M o u ra ou P a r a n á a V i ú va

20
0
182 204 249
PONTOS DE REFERÊNCIA

200
200
Unidade de Teste de Malária
Torre da Lua 204 207
Fut 228 Referência de nível RN Ponto determinado por satélite SAT
72,23 12,15
11°S 11°S 200 244 249 Estação de medição de fenômenos Vértice de triangulação VT
São Pedro M
35,23
184 239 231
91 30 000 91 30000 LIMITES
Morada 207 233
Nova Limite municipal Cerca
216
Limite estadual Limite de reserva ou parque
216
72°W 70°W 68°W 0 217 Limite internacional Limite de áreas diversas
20 Brasília
0

200
200 20
207 218 225 Foz do Paraná 176
RELEVO
dos Mouras

200
DIVISÃO POLÍTICO−ADMINISTRATIVA (IBGE / 2007) 20
0
215 219


Curva de nível mestra Curva de nível em depressão

0
20
3 218 Bom Jesus Curva de nível mestra aprox. Cota comprovada
Unidade de Teste 200 431

R
200

do São Jerônimo de Malária
209 182 226 JU Curva de nível normal Cota não comprovada 431
RIO
200

4 217 Curva de nível normal aprox. Terreno exposto
91 28 000 91 28000 Curva de nível auxiliar Área rochosa
199

a
iúv
177
VEGETAÇÃO

da V
5
209
Floresta, mata ou bosque
200

Campo, estepe ou restinga
200

219 219 178
195 Vegetação arbórea cultivada Cultura temporária
200

r aná
200 215 Brejo ou pântano
RECORDAÇÕES Cultura temporária em terreno úmido

20
20

0
Mangue Cultura permanente
0

217

Pa
193 Campinarana Cerrado, caatinga ou chavascal
195
199 São Bento
ou
200 Mour a
Ri o d o
07°54’ S 219 CONVENÇÕES COMUNS À DIVERSOS TEMAS
209 209 199
185 07°54’ S
91 26 000
Boa Vista Edificação em geral
188 91 26000 Estrutura semelhante à edificação
Rio do
200

200 189
0

1
20

200 219 189
219
20

206
0

200
Mo

ur
200

Fortaleza ESCALA 1:50.000
229
a ou Unidade de
0

229
20

2 200 Par Teste de Malária
1 − CRUZEIRO DO SUL − AC 4 − MÂNCIO LIMA − AC
206 Comunidade aná 0 500 1000 2000 3000 4000 m
Número Cinco
2 − PORTO WALTER − AC 5 − RODRIGUES ALVES − AC 199
197 196 da V
3 − GUAJARÁ − AM
229 200
225 200
199 200 iúva 178
179 Tatajuba
197
178
199 177
91 24 000 219
91 24000
ARTICULAÇÃO DA FOLHA 225 178
199
DIAGRAMA DE CONVERGÊNCIA E DECLINAÇÃO
0

209
20

199
200 207
219 í
194 Apu NM NQ NG

COMUNIDADE BARÃO MÂNCIO LIMA CRUZEIRO DO SUL 179
a
ar
228 228
MI−1216−2 MI−1217−1 MI−1217−2
Ig 178
0

200
20

SB−18−Z−D−IV−2 SB−18−Z−D−V−1 SB−18−Z−D−V−2
−5° 29’
Seringal DECLINAÇÃO MAGNÉTICA EM 2014 −0° 17’ 29" A DECLINAÇÃO MAGNÉTICA
199 204 E CONVERGÊNCIA MERIDIANA
200 199 Carlota CRESCE −9,4’ ANUALMENTE
189 195 DO CENTRO DA FOLHA
204
226
TRÊS BOCAS FORTALEZA PROFETA 91 22 000 91 22000

eto
í
0

MI−1216−4
pu
MI−1217−3 MI−1217−4
20

196
199

Pr
200 A 199 196

200

SB−18−Z−D−IV−4 215 200 Usar exclusivamente
SB−18−Z−D−V−3 SB−18−Z−D−V−4 BOA VISTA
a
gar
206 os dados numéricos


223 206
I ra R I
O
20
0
Comunidade
do Apuí 195 194 Iga J
209 U
200
R ETAPAS DE PRODUÇÃO
07°57’ S 207
215
209 U
07°57’ S FASES EXECUTANTES ANO
MI−1295−2 MI−1296−1

20
MI−1296−2 0

Á
20

0
218 178
Aerolevantamento ORBISAT da Amazônia Indústria e
SC−18−X−B−I−2 SC−18−X−B−II−1 SC−18−X−B−II−2
177
Aerolevantamento S.A. 2009
214 178
91 20 000 91 20000 Apoio de Campo Diretoria de Serviço Geográfico − 4ª DL 2009
209
20

219 Processamento Digital das Imagens Diretoria de Serviço Geográfico − CIGEx
214 200 2010
0

209 179 Reambulação Diretoria de Serviço Geográfico − 4ª DL 2012
200

20
0 Aquisição de dados geoespaciais Diretoria de Serviço Geográfico − 4ª DL 2013
235

et o
179
PROJETO: Validação Diretoria de Serviço Geográfico − 4ª DL 2013

Pr
200 226 219
Edição Diretoria de Serviço Geográfico − 4ª DL 2013
NÚMERO 5
SUBPROJETO CARTOGRAFIA TERRESTRE (PROJETO RADIOGRAFIA DA AMAZÔNIA) 227


207 Impressão Diretoria de Serviço Geográfico − 4ª DL 2013
a
ar
DO PROJETO CARTOGRAFIA DA AMAZÔNIA
229
200

Acordo de Cooperação Técnica celebrado em 2008 entre o Centro Gestor e Operacional Uruburetama
do Sistema de Proteção da Amazônia (CENSIPAM) e o Comando do Exército
209 218 Ig 182
178
209 200
200 200 206
238 229 200
204
CRÉDITOS: 237 200 219
INFORMAÇÕES TÉCNICAS DA CARTA
91 18 000
207
91 18000
PRODUTO CARTOGRÁFICO ELABORADO NO CONTEXTO DO PROJETO 200 181 Projeção Universal Transversa de Mercator
204
200

CARTOGRAFIA DA AMAZÔNIA PELA DIRETORIA DE SERVIÇO GEOGRÁFICO 20
0 229 Equador: + 10.000 Km
20

QGEx − Bloco F − 2° Piso − SMU − Brasília − DF − CEP 70.630−901 219 Origem UTM
0

0 209 179 Zona 18. Meridiano Central 75° W GR.: + 500 Km
20
20

Datum Vertical Imbituba − Santa Catarina
0

249
0

MINISTÉRIO DA DEFESA
20

CENTRO GESTOR E OPERACIONAL DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA Datum Horizontal SIRGAS 2000
Setor Policial Sul, Área 5, Quadra 3, Bloco K TERRA INDÍGENA 179 Auxiliar: 10 metros
239
CEP 70.610−200, Brasília − DF 0 JAMINAWA DO IGARAPÉ PRETO Equidistância das
20 0 218 Normal: 20 metros
219 219 20 20 211 235 0 Curvas de Nível
200 0 226 20 Mestra: 100 metros
200 229 179
200 219 227
DIREITOS DE REPRODUÇÃO RESERVADOS 216 Erro Gráfico 0,2 mm na Escala da Carta
Carlota
Diretoria de Serviço Geográfico − DSG 200 Padrão de Exatidão PEC Planimétrico: A
91 16 000m N 239 219 178
91 16000 Cartográfica (PEC) PEC Altimétrico: A
200

219 189 179
A DSG agradece a gentileza da comunicação de alterações,
235 Descrição do Produto de Conjuntos
219 205 178 de Dados Geoespaciais Carta Topográfica
falhas ou omissões verificadas nessa folha. 217
209 228 200 194
www.dsg.eb.mil.br
20

00 226 239 Limites Internacionais: PCDL*
2 0 247
0

20 219
0

229 218
200
20

0

200 181 Limites Estaduais: IBGE*
20

219 195
ORIENTAÇÕES PARA DOBRA EM FORMATO TIPO GUIA 08°00’ S Origem dos Dados Geoespaciais
000 m Áreas Indígenas: FUNAI*
73°00’ W 7 22 E 7 24 000 72°57’ W 7 28 000 7 30 000 72°54’ W 7 32 000 7 34 000 7 36 000 72°51’ W
38 000
08°00’ S Fornecidos por Terceiros
7 7 40 000 72°48’ W 7 44 000 7 46 000 72°45’ W Unidades de Conservação: IBAMA*
7 26 000 7 42 000 7 48 000 Modelo Geoidal: IBGE
*Limites sujeitos à homologação do referido órgão.
Para maiores informações verifique o arquivo de metadados.