You are on page 1of 51

11/24/2011

DEFINIÇÕES
 Fitoterapia (phitos = planta)
“Terapia que utiliza
Fitoterapia as plantas
(phitos medicinais em suas diferentes formas
= planta)
farmacêuticas, sem a utilização de substâncias ativas isoladas, ainda
“Terapia
queque
deutiliza
origemasvegetal.”
plantas medicinais
(Resoluçãoem
CFNsuas diferentes formas
nº 402/2007)
farmacêuticas, sem a utilização de substâncias ativas isoladas, ainda
que de origem vegetal.” (Resolução CFN nº 402/2007)
 Fitoterápico
“Medicamento obtido empregando-se exclusivamente matérias-
Fitoterápico
primas ativas vegetais. É caracterizado pelo conhecimento da
“Medicamento
eficácia obtido
e dos riscos empregando-se
de seu exclusivamente
uso, assim como matérias-
pela reprodutibilidade
primase ativas vegetais.
constância É caracterizado
de sua qualidade...” pelo conhecimento
(BRASIL, 2004) da
eficácia e dos riscos de seu uso, assim como pela reprodutibilidade
e constância de sua qualidade...” (BRASIL, 2004)
Registro na ANVISA/Ministério da Saúde antes de serem
comercializados
Registro na ANVISA/Ministério da Saúde antes de serem
comercializados

1 2

O Nutricionista e a Fitoterapia

Chás (Portaria 519/98, ANVISA) Infusão - Adicionar água potável fervente sobre a erva dentro
São produtos constituídos de partes de vegetais, inteiras, da xícara, abafar por 5 a 10 minutos em repouso, coando em
seguida.
fragmentadas ou moídas, obtidos por processos tecnológicos
adequados a cada espécie, utilizados exclusivamente na
preparação de bebidas alimentícias por Decocção ou Cozimento - Colocar a planta em recipiente,
INFUSÃO ou DECOCÇÃO em água potável, não podendo ter adicionar água fria e ferver por 10 minutos com o recipiente
finalidades farmacoterapêuticas. tampado.

Contato da planta (folhas e flores) com água fervente

Resultado da extração dos princípios ativos de raízes,
Maceração - Colocar a planta amassada ou picada de molho
Cascas e rizomas, com água até ebulição em água fria por cerca de 10 a 24 horas, guardar em
recipiente seco e esterilizado.

Resolução CFN nº II SEMANA MUNCIPAL DE FITOTERAPIA –
402/2007 3 CAMPINAS/SP 4

1

11/24/2011

Xaropes, Tintura, Cápsulas, Bala de goma,

Infusão À quente Alcoólaturas, Chás, etc

Decocção

Maceração À frio

Tintura

5 6

Medicamentos Fitoterápicos Devem:
Segundo a OMS 65 a 80% da população mundial,
especialmente em países em desenvolvimento, Ser Preparados de Forma Correta
ainda confiam nos produtos a base de plantas
medicinais no tratamento de suas doenças, ou Observados Tecnicamente os Processos de
utiliza a medicina tradicional (ou alternativa) na Plantio, Coleta, Secagem e Armazenagem

atenção primaria à saúde.
Utilizadas em Doses e Horários Definidos

SILVEIRA, BANDEIRA e
ARRAIS (2008)
7 8

2

11/24/2011

• De uma maneira geral, as ervas custam entre R$1,30 e
Como Qualquer Medicamento, As Plantas R$4,00 nos estabelecimentos de produtos naturais
Podem Desencadear Sérios Efeitos:

Reações Alérgicas; • Embalagens contendo 15g da erva desidratada

Efeitos Tóxicos Graves em • ... A depender da substância, da forma de
Vários Órgãos; apresentação e da quantidade, esses valores
aumentam significativamente
Mutagênse e Carcinogênese

9 10

Os Princípios Ativos são
Substâncias Encontradas nas
Plantas que Quando Ingeridas pelo
Homem, Apresentam uma Ação
Medicamentosa

11 12

3

11/24/2011

Exemplos de mesmo
gênero e espécies
Os Princípios Ativos São Produzidos dentro das DIFERENTES:
Células Vegetais;
Seja nas Raízes, Caules, Folhas, Frutos ou • Artemisia absinthium L. – losna
Sementes; • Artemisia vulgaris L. – artemísia
• Artemisia dracunculus L. – estragão
Artemisia sp.
Cada Espécie de Planta Produz
Diferentes Princípios Ativos 13 14

Exemplo de mesmo nome Fatores Endógenos
popular, espécies DIFERENTES: Espécie
Variedade/Tipo
BOLDO
• Peumus boldus M. Fatores Exógenos
• Coleus barbatus B.
• Vernonia condensata B Clima
Nutrição
ERVA CIDREIRA Ciclo Biológico
• Melissa officinalis L.
• Lippia alba N.E.Br. ex Britt. & Wilson Coleta
• Cymbopogon citratus S.
Dessecação / Conservação
15 16

4

11/24/2011

Variação de princípios ativos
Clima conforme a época do Ano
60
p-cimeno carvacrol
50

40

Período do dia 30

20

10

0
maio julho setembro outubro

17 18

Contaminantes:
Raízes Caules Folhas
Outras espécies
Química
Flores
Microbiológica
Frutos e sementes
19 20

5

21 22 Secagem NATURAL Secagem ARTIFICIAL 23 24 6 . 11/24/2011 Secagem Estufa • A planta possui em média 70% de umidade. • Reduzida em torno de 8% para evitar fermentação ou degradação de princípios ativos. • Deve se iniciar logo após a colheita.

11/24/2011 Armazenamento e O Armazenamento é de Importância Pois Influencia a Qualidade e o Valor DESTINAÇÃO Terapêutico A Umidade. a Luz e as Variações de Temperatura São Também Relevantes 25 26 Matéria-prima 27 Droga vegetal 28 7 .

EM G 3 g de folhas e flores secas PRESCRIÇÃO EM FITOTERAPIA 6 g de raízes e cascas e sementes secas 1 colher de sobremesa 5 2 g de folhas e flores secas 4 g de raízes e cascas e sementes secas 1 colher de chá 2. 11/24/2011 Proporções e medidas Alcalóides 1 ml de extrato fluido = 1g de droga seca Flavonóides Terpenos 1g de droga seca = 5 ml de tintura Taninos Saponinas 1g de extrato seco 1:5 = 5g de planta seca Gomas e Mucilagens Heterosídeos Cianogenéticos Óleos Essenciais Glicosídeos Antraquinônicos 29 30 PROPORÇÕES E MEDIDAS 1 ml de extrato fluido = 1g de droga seca = 5 ml de tintura 1g de extrato seco (1:5) = 5g de planta seca MEDIDA 1 Colher de sopa CAPAC.7 g de raízes e cascas e sementes secas 1 xícara 150 - 31 32 8 .5 0. EM ML 10 CAPAC.4 g de folhas e flores secas 0.5 0.5 g de folhas e flores secas 1 g de raízes e cascas e sementes secas e suas particularidades 1 colher de café 1.

menos frequentes e tratamento mais prolongado. 33 34 Aspectos da patologia: exemplificando. em uma. dependendo de alguns fatores. duas ou três tomadas. dos pacientes e das drogas vegetais. Frequência e horários Patologias agudas: doses maiores e mais A dose diária normalmente é frequentes. 35 36 9 . tratamentos mais curtos. Verminoses: drogas tomadas em jejum. preferencialmente. toma- se. administrada entre as refeições. bem como de suas preparações. no caso de tratamento da insônia. 11/24/2011 Formulações MAGISTRAIS Definição da • Consideram-se aspectos POSOLOGIA relacionados às características das patologias. Patologias crônicas: doses menores. à noite.

alteração no metabolismo da droga. Mikania glomerata (folhas) pó .....2g • Identificação do paciente.. pretendida. entre as refeições • Posologia. ação terapêutica grandes volumes..4g • Uso (externo ou interno).. ..... 11/24/2011 Precauções ASPECTOS DO VOLUME DA DOSE Interações medicamentosas: MEDICAMENTO: DIÁRIA: Sinergismo... digestivos (após as refeições). antagonismo... s. ou mesmo lisa visceral... Dose diária • Nome da droga vegetal e suas respectivas quantidades Preparar 30 doses em cápsulas (em g........ 37 38 Receita em JOSÉ ANTONIO RIBEIRO Uso Interno FITOTERAPIA Indicação: Echinacea purpurea (partes aéreas) E. orexígenos e cápsulas necessitam Gravidez: primeiro trimestre e plantas anorexígenos (1/2 a 1h maior número de estimulantes da musculatura uterina antes das refeições). Assinatura e carimbo do profissional 39 40 10 ... toxicidade... Tomar a dose diária dividida em duas tomadas • Forma farmacêutica.. tomadas..900mg Cinnamomum cassia (casca do caule) pó .. mg ou ml ) em dose diária.. por principalmente em exemplo.

Uva ursi Arctostaphylos uva ursi Hamélis Hamamelis Virginiana 43 Kalluf L. 41 42 PNPMF Programa Nacional de Plantas Nome Popular Nome Científico Medicinais e Fitoterapia Kava-kava Piper methysticum Saw palmetto Serenoa repens Níveis de complexidade: Tanaceto Tanacetum parthenium • Planta medicinal “in natura”. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos . Centela Centella asiatica • Fitoterápico manipulado.960. 2008. 44 11 . (melão de São Caetano) laevigata) Guaco Legislação • Portaria GM/MS nº 971. •Decreto nº 5.813. Valeriana Valeriana officinalis Equinácia Echinacea angustifolia • Planta medicinal seca (droga Ginkgo Ginkgo biloba vegetal). de 3 de maio de 2006. de 9 de dezembro de 2008. de 22 de junho de 2006. 11/24/2011 Mikania spp Momordica charantia (M. Fitoterapia Funcional. glomerata ou M. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS . Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. • Portaria Interministerial nº 2. Hipérico Hypericum perforatium Cimicífuga Cimicifuga racemosa • Medicamento fitoterápico.

Também Tem Grande Potencial Tóxico Mate e Guaraná Bem Absorvidas Por Via Oral Teofilina  Principal Alcalóide do Chá Metabolizadas Pelo Fígado Teobromina  Principal Alcalóide do Cacau 47 48 12 . 11/24/2011 45 46 Plantas Medicinais com Alcalóides do Grupo das Metilxantinas. São Elas: Estrutura Molecular Diversificada Grupo de Maior Atividade Biológica Guaraná (Paulinia Cupana) Classificação Complexa Erva Mate (Ilex Paraguariensis) Chá da Índia (Camellia Sinensis L. Revertendo Assim o Efeito das Prostaglandinas que Promovem a Vasodilatação e a Dor de Cabeça. Propriedade de Estimular a Vasoconstricção. Cafeína  Principal Alcalóide do Café.) Confere Sabor Amargo à Planta Por Terem Ação Biológica Potente.

Estes efeitos também foram detectados na diminuição do edema da pata Partes Utilizadas: Rizoma (Caule ) de ratos com administração oral de extratos de gengibre. Dosagem: Crianças acima de 6 anos = 4 a 16 mg de 51 gingeróis / Adulto = 16 a 32 mg de gingeróis 52 13 . Nomes Vulgares: Gengibre. Gengivre Os efeitos antiinflamatórios se devem a diminuição na formação de Família: Zingiberaceae prostaglandinas e leucotrienos. Insolúveis na Água. Composição Bastante Heterogênea Ocorrem em Qualquer Órgão Vegetal Bolsas Secretoras da Folha do Gengibre 49 50 Atividade anti-inflamatória Nome Científico: Zingiber Officinalis Roscoe Estudos “in vivo” demonstraram que o extrato aquoso de gengibre a quente inibiu as atividades da cicloxigenase e lipoxigenase no ácido araquidônico. Isolados dois diterpenos dialdeídos do extrato de gengibre que inibem a Principal Constituinte Químico dos Óleos 5-lipoxigenase humana “in vitro” (who. 11/24/2011 Compostos Químicos Voláteis. 1999). Essenciais: Gingeróis Mascolo et al. (1989) demonstraram que os compostos de gengibre administrados em ratos têm efeito comparável à aspirina.

e ferimentos em geral devido à sua ação antiinflamatória e cicatrizante Induz apoptose nas células malignas por mecanismos dependentes ou não dependentes da mitocôndria: Usada como antimicótico. 11/24/2011 CURCUMINA CURCUMINA: (corante de alimentos) é um antioxidante natural isolado da raíz da Curcuma longa. Em alta dosagem é tóxico. Anticancer Res.55 56 14 . Suprime a proliferação de vários tipos de células tumorais in É empregada no tratamento de feridas. demonstrou atividade antiinflamatória comparada a fe da fenilbutazona Sem efeito prejudiciais sobre as células normais. causa hemorragias. 23: 363-398. falso açafrão. 2003. et al. próstata. Originária da índia Age na proteção celular das macromoléculas celulares.B. a curcumina inibe o crescimento tumoral e Possui ação antioxidante induz a apoptose de vários tipos de células malignas. melanoma. Anticancer potencial of curcumin: preclinical and Dosagem: clinical studies. e que encerram substâncias aromáticas O pó obtido pela moagem dos caules é utilizado como condimento e * Não usar na gestação. corante para alimentos abortivo. úlceras de decúbito. antiinflamatória. diarréias e vertigens. vômitos. leucemia.. em inflamações de articulações Aparentemente. Açafrão-da-índia. Açafrão italiano (zafferano): alaranjada. gengibre amarelo Planta herbácea de clima tropical quente e úmido Ação antioxidante. incluindo o DNA. quimioterápicos. Mecanismos semelhantes à maioria dos agentes O óleo essencial (curcumina) administrado por via oral em ratos. Vantagem: Baixo índice ulcerogênico AGGARWAL. dos danos oxidativos. B. machucados vitro: carcinoma de mama. cólon. anticancerígena Induz síntese de glutationa Família zingiberaceae Induz atividade da glutationa transferase Produz rizomas carnosos. Principal constituinte químico  Curcumina 53 54 Extrato de cúrcuma sem óleos essenciais  Eficaz na redução da inflamação associada à artrite (universidade do arizona) Possui uma ação anti-séptica fantástica. de coloração vermelho-alaranjada ou amarelo.

et al. dor reumática. edemas e debilidade cardíaca. INDICAÇÕES: Detoxificação. Dosagem  150 a 300 mg 2 x / dia. β-caroteno. Tintura – 40 gotas / dia 59 60 15 . anti-reumática. Influence of piperine on the pharmacokinetics of curcumin in animals and 57 human volunteers Planta Med 1998. rosmarínico). antioxidante (carnosol e ursol encontrados no óleo de gengivas alecrim) Afecções Gástricas Modo de uso: infusão de folhas frescas ou secas na forma de chá ou compressas usando-se o suco concentrado. pectina. doenças inflamatórias. saponina Principal componente do ácida e tanino Óleo volátil da hortelã Mentha arvensis ou piperita PARTES UTILIZADAS: FOLHAS Hortelã lamiaceae (labiatae) PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS: Antiinflamatória. Eugenol. Antiinflamatório da boca e vasodilatadora. 11/24/2011 CURCUMINA: biodisponibilidade Rosmarinus officinalis Curcumina  Baixíssima disponibilidade pela rápida degradação intestinal e hepática Piperina  Inibidor da glucoronidação hepática e intestinal Em humanos: 2g de curcumina isoladamente  níveis séricos muito baixos ou não detectáveis 2g + administração de 20mg de piperina  aumento da biodisponibilidade em 2000% Dosagem: 400 a 600 mg até 3 x /dia Shoba G. labiático. borneol. dor muscular. cânfora. 64(4) : 353-356 58 CONSTITUINTES QUÍMICOS ÓLEO ESSENCIAL: ácidos (ascórbico.

Roum Arch Microbiol Immunol. coentro alecrim. erva-doce. Mentha Óleos extraídos de S. 2010. Os flavonóides constituem outra importante categoria de princípios ativos fenólicos. alimentos Aspergillus niger Identificar a atividade antibacteriana e antifúngica de vários óleos Óleos essenciais testados  capacidade antibacteriana e anti-fungica. 11 bactérias e 3 coli. manjericão  Melhor atividade antibacteriana. 63 64 16 . O. relacionados com monocytogenes. 61 62 Lixandru BE et al. intoxicações Bacillus sálvia. Listeria manjericão. de coentro. Algumas plantas medicinais são usadas por apresentarem flavonóides valiosos medicinalmente. alimentares e/ou cereus. E. tomilho e hortelã  Melhor atividade antifúngica.Candida hortelã. O. aureus. tomilho.Salmonella tomilho.69(4):224-30. 11/24/2011 Pelos Glandulares no Cálice da Flor de :. decomposição dos albicans. fungos enterica. Muito valorizados como protetores contra problemas cárdio-vasculares e antioxidantes.

o ânion superóxido (xantinas oxidases. O Nutr. Inibição de enzimas envolvidas na produção de RL. 81.. 2005.63(7):1035-42. 67 68 17 . Principalmente. Efeitos antioxidantes no TGI sequestrando espécies reativas de oxigênio. Clin. Capacidade de quelar íons de Fe e Cu livres. G.. Efeitos AO após absorvidos Pietta PG. de metaloproteinase de matriz e da enzima conversora de angiotensina QUERCITINA ISOFLAVONAS Competição com glicose para transporte transmembrana e a HO O alteração da função de plaquetas HO Williamson. J Nat Prod. 65 66 Regulação de vias de transdução de sinal Inibição de ciclooxigenase e lipooxigenase C6-C3-C6 2 anéis fenil (A e B) unidos por 1 anel pirano (C) Redução das atividades de xantina oxidase. Manach. 2000 Jul. 11/24/2011 Inativação dos radicais livres em ambos compartimentos celulares  lipofílico e lipolítico. Am. proteína quinase C). 243S. C. J.

berinjela. Inibição da oxidação de membranas 2. Reduzem a fragilidade dos vasos capilares. batata. quase negros e possuem alto teor de antocianinas ALGUNS VEGETAIS RICOS EM ANTOCIANINAS 71 72 18 . Inibem a formação de edemas. 1. tanto internas quanto externas. 22 (1). nos grãos. uva. 2003. feijão marrom e cebola. um pigmento da retina. P. AÇÃO ANTIOXIDANTE: Resulta de uma combinação de suas propriedades quelante e seqüestradora de radicais livres. Rev Cubana Invest. 69 70 Euterpe Oleracea Mart. Os frutos são escuros. amora. 3. G. Com isso. Estimulam a regeneração de rodopsina.. Atividade contra radicais livres Trueba. e vinho tinto. 48. 2. QUERCITINA QUERCITINA-COBRE 4. Biomed. morango e jabuticaba). 11/24/2011 FLAVONÓIDES Efeito das Antocianinas QUERCETINA: Frutas (cereja. também chamada ‘púrpura visual’. reduzem a probabilidade de ocorrência de hemorragias.

aipo Modificado de Huber et al. Araraquara ISSN 73 74 Norozi M. Am J Clin Nutr 1998. p.67:1210–8. principais mediadores da inflamação. O termo drogas e ou fitoterápicos antiinflamatórias compreende Pela via da cicloxigenase resulta na formação das agentes que intervém no processo inflamatório agudo e prostaglandinas estáveis crônico.1. 2008 A ação de fitofármacos sobre o processo inflamatório envolve a geração das prostaglandinas. 11/24/2011 TEORES DE FLAVONÓIS E FLAVONAS EM ALIMENTOS BRASILEIROS LUTEOLINA: Melhor proteção contra danos oxidativos ao DNA Salsa. n.19. 0103-4235 v. Nutr. 75 76 19 . 97-108. Estes metabólitos desempenham importantes papéis na inflamação. o ácido araquidônico é convertido em uma variedade de metabólitos altamente ativos. e nos quais o metabolismo do ácido araquidônico ocupa um importante Pela via da 5-lipoxigenase produz leucotrienos papel nesse processo. Dependendo da via metabólica do sistema enzimático. tais como doenças reumáticas ou artrite.. aumento da permeabilidade capilar e a dor. Associados com a vasodilatação. Alim. alcachofra.

(Marz. age justamente nesse mecanismo de ação: ela bloqueia a enzima cox de forma não seletiva.r. 1990) • A aspirina. febrífugas. Et al. 11/24/2011 SALGUEIRO Cordia verbenacea: (erva • Nome científico: salix alba baleeira) • Constituinte químico: salicina que possui propriedades Planta Nativa do Brasil. anti – reumática sedativa e hemostática Encontrada em Toda a Costa do Brasil Usada Por Pescadores • Salix alba tem atividade antiinflamatória comparável com altas doses de ácido salicílico (aspirina). curassavica ou C. 2002) Antiinflamatória (Diminui Permeabilidade dos Vasos) Analgésica (Sertie. impedindo que a prostaglandina se forme. Princípio Ativo: Artemetina Parte Utilizada: Folhas 77 78 Cordia spp CAMOMILA (C. anestésica. verbenacea) Erva baleeira • Nome científico: chamomilla recutita • Partes utilizadas: flores • Constituintes químicos: bisabolol e camazuleno • Atividade antiinflamatória por inibição da síntese de leucotrieno b4. 79 80 20 ..

1991) Dosagem: Cozinhar 100 g da entrecasca para 1 l de água. Harri Lorenzi & 84 F.J. cicatrizantes em mucosas atividade analgésica (lorenzetti et al. Abreu Matos 21 . 83 Plantas Medicinais no Brasil. 11/24/2011 CAMOMILA • Nome científico: chamomilla recutita • NOME CIENTÍFICO: Cymbopogon citratus • Partes utilizadas: flores • Partes utilizadas : Folhas • Constituintes químicos: bisabolol e camazuleno • Constituinte químico: Mirceno  Responsável pela atividade analgésica (lorenzetti et al. 81 82 • NOME CIENTÍFICO: Cymbopogon citratus Myracrodrun urundeuva Nativa do nordeste • Partes utilizadas : Folhas Parte utilizada: Entrecascas Banhos e compressas Constituintes químicos principais: urundeuvinas a e b • Constituinte químico: Mirceno  Responsável pela Ações: Antiinflamatórias. 1991) • Atividade antiinflamatória por inibição da síntese de leucotrieno b4.

Fitocomplexo Que Bloqueia a Inflamação • Usada No Alívio Das Dores Articulares E Musculares E Como Cicatrizante Externo ARNICA MONTANA • Ação Antinflamatória. .PRETA. Lactonas.antiinflamatória comprovada marques neto. Erva invasora encontrada em todo o brasil Ageratum conyzoides . 1988). CATINGA DE BODE . Flavonóides. Pois Diminui a Atividade Enzimática • A Inolina .partes utilizadas: folhas . Aliviando a Dor Da Pancada.constituintes químicos: precocenos i e ii atividades: . Amiflora Gel® ARNICA • Componentes: Glicosídeos. (marques-neto. Arnisterol (Arnidiol). 1991) 87 88 22 .analgésica em dores crônicas em pacientes acometidos com artrose após alguns dias de uso. 11/24/2011 ARNICA • Partes Utilizadas: Flores • Nomes Comerciais: Arnicaid®. 85 86 MENTRASTO MENTRASTO MARIA.Funciona Como Um Analgésico.

promove eliminação do ácido úrico. CARACTERÍSTICAS BOTÂNICAS: Erva aquática (1.5m). rizoma rasteiro. Tomar 3 a 4 VEZES AO dia. dores nas juntas. carnoso. NOME CIENTÍFICO: Echinodorus macrophyllus anti-reumáticas. chá-de-mineiro • INDICAÇÕES: arteriosclerose. tanino. Uso tópico do rizoma caule triangular e glabro. várias x dia. triterpenos e flavonóides. colesterol. artrite. • OBSERVAÇÕES: melhora quadros de reumáticos e CONSTITUINTES QUÍMICOS: Sais minerais. para doenças crônicas de pele 89 90 CHAPÉU-DE-COURO CHAPÉU-DE-COURO • PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS: antiartrítica. folhas longo-pecioladas. 11/24/2011 BARDANA: Arctium lappa CHAPÉU-DE-COURO Partes utilizadas: raiz e folhas Atividade antiinflamatória utilizada em processos reumáticos e doenças de pele Óleo essencial e numerosos princípios químicos Planta usada desde a antiguidade em compressas. diurética NOMES VULGARES: Aguapé. edemas e reumatismo PARTE UTILIZADA: Folhas • MODO DE USO: 20 g de folhas verdes em 1 l de água. 91 92 23 . saponinas. grosso e (reumatismo).

Frutos Têm Barba Parecida Com Garras • Constituintes Químicos: Heterosídeos e Sitosterol Que Inibem A Síntese De Prostaglandinas Interferindo Na Permeabilidade Da Membrana Celular e Influenciando a Inibição Da Prostaglandina Sintetase. deixar amornar. coar e beber de 2 a 3 VEZES AO Dia no intervalo das refeições *evitar tomar à noite PELO SEU efeito diurético • OBSERVAÇÕES: *grávidas e quem tem úlceras 95 96 24 . artrose e gota • MODO DE USO: em ½ l de água fervente 2 de tubérculos picados ou fatiados. ANTIINFLAMATÓRIO E ANTI-REUMÁTICO • INDICAÇÕES: controla dores associadas ao reumatismo. artrite. MELHORAL DIABO Alternanthera brasiliana • PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS: ANALGÉSICO. 11/24/2011 GARRA-DO-DIABO OU UNHA DO GARRA-DO-DIABO OU UNHA DO DIABO DIABO • NOME Científico: Harpagophyton Procumbens • PARTES UTILIZADAS: Tubérculos • Características Botânicas: Arbusto Africano (4m). 93 94 GARRA-DO-DIABO OU UNHA DO DORIL. ANADOR.

45% etanol). difteria. MELHORAL EQUINÁCEA Alternanthera brasiliana • Parte Utilizada: Toda a Planta. • Antibacteriana (inibe hialuronidase ferimentos. manchas na pele. bacteriana enzima que lesa as células sinusite. gangrena. ANADOR. etc • Antiviral • Anti-séptica • Modos de uso • Antibiótico – Extrato líquido ( 1:5. faringite e alergia. sardas. • Fortificante – Tintura (1:5. Principalmente as Folhas • Erva Nativa do Brasil • Erva Frequentemente Utilizada Pelas Comunidades Tradicionais Como Analgésica. artrite reumatóide.5 – 1 ml. 11/24/2011 DORIL. • Antiinflamatória 99 100 25 . 0. Porém Ainda Pouco Estudada Pela Ciência 97 98 EQUINÁCEA AÇÕES • Indicações – Infecções generalizadas (virais ou bacterianas). neoplasias. – AIDS.erisipela. sadias). gripes ou resfriados. furúnculos. 2 – 5 ml. 45% etanol).

• NOME CIENTÍFICO : Plantago Sp. 1995) • Constituintes Químicos: Óleo Essencial ( Ácido Copálico)obtido da Casca Do Fruto e Tronco • Inúmeros Constituintes Químicos. Sem Efeitos Colaterais (Azevedo Et Al. Afecções Intestinais. Antitumoral Reação Inflamatória. Artrites. Reumatismos. 1991). 1996) 101 102 VASSOURINHA UNHA DE GATO: Uncaria tomentosa (cat’s claw) • NOME CIENTÍFICO : Scoparia Dulcis Origem: Peru (Utilizada Pelos Incas) • Parte Utilizada: Toda a Planta Nome Vem da Semelhança dos Seus Espinhos Com as Unhas de Gato • Erva Daninha Constituintes Químicos: Principalmente. 11/24/2011 COPAÍBA TANCHAGEM • NOME CIENTÍFICO: Copaifera Sp. • Atividade Antiedematogênica. 1994) Indicações: Abscessos. Tranchagem • Planta Originária da Amazônia • Usos: Contra Gengivites. Estomatites. Em Especial Mucilagens Que Têm Ação Protetora Nas Mucosas Inflamadas Diminuindo O Processo Inflamatório. 103 104 26 . Prostatites. Antiinflamatória. Envelhecimento Precoce. na Fase Aguda da Propriedades Medicinais: Anti-reumática. • Propriedades: Antiinflamatórias Analgésica e • Parte Utilizada: Folhas Cicatrizante Confirmadas (Santos E Paiva. Glicosídeos do Ácido Quinóvico Considerados os Mais Potentes Antiinflamatórios • Constituinte Químico: Ácido Escopadúcico Encontrados Nas Plantas. Em Geral (Robineau. • Nomes Vulgares: Tanchagem. Antioxidante. Bursites Etc. Faringites E Inflamações Internas E Externas. Capazes de Inibir Inflamações em Até 69% ( Aquino.

Não Confundir Com Outras Unhas-de-gato Vendidas Por Raizeiros. Com Atividades Analgésica e Antiinflamatória (Leal. Náusea Moderada. Inflamação de Próstata 107 108 27 . realizado no instituto de medicina interna e terapêutica Amburana ou Cumaru da universidade de Florença Amburana Cearensis  Cascas Apresentam Cumarinas com Baixa Toxidade. 105 106 Trabalho. Folhas. Crianças Menores de Três Anos Capsaicina  Analgésico E Antiinflamatório- Capacidade De Liberar Endorfinas Efeitos Colaterais: Pode Provocar Diarréia. Beta Caroteno e Flavonóides  Atividade Nota Importante: Antioxidante Esta Unha-de-gato É da Região Amazônica. Alterar a Consistência das fezes. Contra-indicações/Cuidados: Mulheres Grávidas e Lactantes. Vegetando do Perú ao Nordeste Brasileiro. Raízes. 2000) Demonstrou efeito benéfico de aplicações intranasais repetitivas de capsaicina no tratamento de enxaqueca crônica (2003) Macela  Egles Viscosa A capsaicina estimula a produção de endorfinas e contribui para Ternatina  Nas Flores com Atividade aumentar a sensação de bem estar e aliviar as dores Antiinflamatória e Analgésica. 11/24/2011 UNHA DE GATO: Uncaria tomentosa (cat’s claw) Partes Utilizadas: Casca. Sem efeitos Tóxicos CAVALINHA  Equisetum Sp.

109 110 Administração juntamente às refeições pode reduzir a efetividade. 111 112 28 . África e Europa. Atravessa facilmente a barreira hemato-cefálica. Pó = 80 mg (Máximo na cápsula 200 mg). Nativo da Europa. Folhas e suco  Usados para o tratamento de feridas e Nome Científico: Tanacetum Sp. Extrato de 5-HTP é bem absorvido através da via oral. Uso: 1 Capsula ao Dia Durante Três Meses Reduz a Frenquência e Intensiade da Enxaqueca. Principais Indicações: Auxiliar em Tratamentos nas Crises de Enxaqueca e Em Estados Febris. Fonte natural deste aminoácido. Mas já é Utilizado há Muitos Anos. Contra-indicado: Na Gestação e Lactação. Fundamental na biossíntese de serotonina. Atuando Como Preventivo da Cefaléia Crônica. Seu Reconhecimento Cientifico se Manifestou Recentemente. Cultivado Comercialmente no Japão. HTP. 11/24/2011 Planta originária do Oeste da África. Me t a b ó l i t o intermediário do aminoácido essencial L- triptofano. Cerca de 70% da dose administrada alcança a corrente sanguínea. O extrato padronizado disponível no Brasil contém 99% de 5- Testes Já Provaram Que o uso Reduz a Frequência de Dores de Cabeça. O 5-hidroxitriptofano  Principal componente ativo da semente da Griffonia simplicifolia. Para atuar efetivamente na síntese de serotonina no SNC. nefropatia.

11/24/2011 113 114 115 116 29 .

semanas Antioxidante capaz de reagir com RL como OH.com/port_trat_alternativo. radiação.hepato.htm hepatite: Colúria / icterícia / BI 119 120 Kalluf L. El-Kamary SS et al. Rainone F 2005 Silidianina Silibinina Silicristina 105 pacientes com Hepatite aguda Indicada no combate a hepatotoxicidade Administração de 140 mg de silimarina 3 vezes ao dia x vitamina por 4 causada pelos radicais livres. 11/24/2011 117 118 (Cardus marianus) É o composto mais bem conhecido dos flavonóides  Tratamento de desordens hepáticas Flavonolignana derivada do 'milk thistle' ou Silybum caracterizadas por necrose degenerativa e marianum prejuízo funcional Flavonolignana Ação exclusivamente hepatoprotetora  Protege hepatócitos de dano causado 80% de silimarina seguro por até 41 meses de uso por isquemia. 2008. tornando-os mais estáveis e menos reativos Citoproteção e Hepatoproteção Rápida regressão dos sintomas e sinais da http://www. sobrecarga férrea e hepatites virais. 2009 30 .

2008 121 Prevenção DAC = 5 a 10 mg. Kalluf. 122 ALHO ALCACHOFRA (Allium Sativum) (Cynara scolymus L. • Possui ação hipocolesterolemiante com redução da síntese alterações digestivas e sensação de plenitude com dor de colesterol e do LDL. (UDP-glicoruniltransferase e NADPH-quinona oxidoredutase) Correlacionados com  expressão da proteína. 1996.) Compostos organo-sulfurados • Cinarina e flavonóides  Hepatoproteção. 2008 a 3 x dia 123 Kalluf. • Cinarina  indicação em casos de hiperlipidemia (CT). 11/24/2011 Células HepG2 pré- tratadas por 24 h com 10 microMol Resveratrol • Modulador de enzimas de fase I e II Indução de enzimas de RT-PCR Real-time fase II pelo resveratrol quantitativos e citometria de fluxo. • Ativação de GST (Glutationa s-tranferase) • Indicada no tratamento de disfunções hepatobiliares. 2007. • Estímulo à síntese enzimática básica do metabolismo preventiva hepático. • Atividade anti-tumoral e anti-carcinogênica • Pode bloquear a ativação do promotor CYP1A1 e a transcrição de genes em células de hepatomas humanos  mRNA de três enzimas de Fase II: • Em ratos e cultura de hepatoma induz enzimas de fase II UDP-glucuronosiltransferases  {UGT1A1 e UGT2B7 } 5 vezes maior. 2008 124 31 .5 mg de cinarina ou 150 mg de ES 2 JIatono. Dosagem Usual: 5mg a 50mg por dia. Lançon A et al. Sulfotransferase  ST1E1. podendo induzir o aumento de HDL. abdominal.5 a 12. J Agric Food Chem. 7. • A fração S-alil-cisteína (SAC) possui atividade quimio. Kalluf.55(3):1019-26.

. • Ação benéfica sobre fígado e intestinos em decorrência de • Os polifenóis do chá verde estimulam a síntese de GST. redução das transaminases. freqüência respiratória. 2008 125 126 CARQUEJA (Baccharis trimera) Camellia sinensis • Rica em flavonóides e terpenos. 2000). 11/24/2011 BOLDO DENTE-DE-LEÃO (Peumus boldus M) (Taraxacum officinalis) • O chá feito com as folhas do boldo obtém resposta positiva na Ação estimulante sobre o metabolismo hepático. 25 ml de tintura. Efeitos do extrato hidroetanólico de carqueja em 35 ratas gestantes • EGCG (flavonóide)  componente principal Administração de 8. • Faz parte de diversos medicamentos indicados para o do fluxo de bile e da contração da restabelecimento do fígado. Dose máxima = 200 ml infuso à EFEITO TOXICO 5% . Paralisa os nervos sensoriais e • Efeito hipoglicemiante.hepato. Kalluf. pode ser tóxico em altas doses vesícula biliar. Porém. Descontinuado o uso reversão. incrementando a mg de ES. 2008 127 Kalluf. Grance e cols. biliar. (2008) Kalluf.com/port_trat_alternativo. • Ação hipoglicemiante (DM) • As catequinas são agentes antiinflamatórios e anticarcinogênicos. além de atividade anti-espasmódica.htm Kalluf. http://www. • Boldina  Alcalóide que possibilita o aumento gradual do fluxo • Indicado nas hepatites e outras doenças hepáticas. •  GST no fígado e facilita o processo de detoxificação dos • Purifica e elimina toxinas do sangue  diurético xenobióticos (CHEN et al.4 mg/kg teve efeito tóxico em néfrons e hepatócitos maternos. 2008. 2 mg a 5 mg de boldina ou 100 motores. 2008 128 32 . seus princípios amargos.

diuréticas e digestivas. Fundamentalmente por seus brotos mais tenros Influência de forma benéfica no tratamento da hiperlipemia e esteatose: Propriedade de seqüestrar radicais livres e à presença de Pode ser atribuída à sua antioxidantes naturais na planta. Chapéu de couro X Quebra pedra X Em excesso pode: Zedoária X  pressão. A atividade hepatoprotetora e • Coadjuvante no tratamento da obesidade e na modulação do hepatocurativa apresentada pelo alecrim equilíbrio orgânico.hepato. • Rica em flavonóides  Antocianinas e catequinas.htm 131 http://www. 11/24/2011 • Propriedades antiespasmódicas. • Auxiliando no combate aos radicais livres. reter líquidos no organismo e Silimarina X X causar complicações cardíacas. Alcachofra X X Principio ativo para tratamento Boldo X X endovenoso das hepatites crônicas.htm 130 Glycyrrhiza glabra • Colerético: Estimula a PRODUÇÃO de bile • Colagogo: Excita a SECREÇÃO da bile É efetiva no tratamento das hepatites Erva Colerético Colagogo virais. capacidade antioxidante. Dente de leão X Beringela X http://www. • Hibiscus atua como poderoso antioxidante.com/port_trat_alternativo. Souza.htm 132 33 . 2009 129 http://www.hepato.hepato. Posologia: ES = 200 mg 2 vezes ao dia.com/port_trat_alternativo.com/port_trat_alternativo.

34 . de semente de girassol 1 pêra pequena Infusão de dente-de-leão 2 colheres de chá de levedo de cerveja Identificação equivocada da planta Gotas de limão Contaminação por pesticidas. PESQUISAS CIENTÍFICAS SUCHÁ DE MAÇÃ NÃO CONCLUSIVAS SUCHÁ DE ABACATE 3 colheres de sopa de abacate 1 xícara de chá verde ou branco 1 laranja 1 maçã pequena POSSÍVEIS CAUSAS: 1 colher de sob. 2008. Seleção equivocada da parte da planta para fins terapêuticos 135 136 Herrera & Bruguera. 11/24/2011 Nome Parte Princípios Dosagem Botânico Utilizada Ativos Comum Baccharis Folha Flavonóides: Tintura: 60 gotas após articulata Parte aérea Hispidulina as refeições Carqueja Cynara Folha Cinarina: Éster 5% Folhas 2 a 3 scolimus cafeoilquímico xícaras/dia Baccharis articulata Carqueja Cynara scolimus Alcachofra Alcachofra Extrato seco  100 a 150 mg 3 x/dia Tintura  5 a 25 ml/dia Ribes nigrum Folhas e Flavonóides e Suco dos frutos frescos Groselheira. Frutos fenóis Infusão: 60 g de negra folhas/litro de água. 150 a 400 mg/dia mariano Kalluf L. Fitoterapia Funcional. 2008 Silybum marianum 133 Ribes nigrum Groselha-negra Cardo-mariano 134 SUCHÁS PERDA DE PESO Misturas de sucos de hortaliças ou frutas com a infusão ou INFORMAÇÃO INSUFICIENTES Acesso Facilitado decocção de plantas medicinais. 2008. MO. ou outros adulterantes Mel para adoçar Armazenamento inadequado Consumo em dose excessiva Kalluf. 3 x/dia Silybum Frutos Silimarina Infusão: 3 a 6 g da erva marianum 3 x/dia Silimarina: Cardo.

).  Hepatite fulminante. Sene. símile.) Ornamentação 137 SILVEIRA. que Possui Princípios Ativos do Mesmo MA-HUANG (Ephedra sinica) Grupo das Erva chinesa cujo principal componente ativo é a Toxinas da Dedaleira e Com os Mesmo Efeitos efedrina é a ESPIRRADEIRA. Frequentemente para aloe vera (Aloe barbadensis Mill. (Symphytum officinale L. 11/24/2011 Planta Comum Entre nós. Valeriana. confrei Portugueses. Poejo. escuteária chinesa (Scutellaria ser baicalensis Georgi). valeriana (Valeriana offi cinalis Muito Tóxica e Usada. Espinheira Santa.. L. EXOLISE Evidências que contém diversos Extrato hidroalcoólico seco da C. Tx hepático e Óbito. Gumiferas. O uso medicinal do chá de mãe-boa é questionado. depressão e ansiedade. Andorinha. da obesidade. Nerium oleander Comprometimento do fígado e danos hepáticos agudos. BANDEIRA e ARRAIS (2008) 138 Nome Científico  Cissampelos KAVA-KAVA (Piper methysticum) fasciculata ou batata-brava. Herrera & Bruguera. Insulina Pode causar rara hepatotoxicidade dose-dependente.). Losna.). consumo prévio de ervas pelo examinador. As hepatopatias tóxicas são de difícil diagnóstico! Outros Chás com relato de hepatotoxidade: Inexistência de marcadores específicos e sub-avaliação do Chá verde. Planta como hepatite Introduzida Plantas contendo ALCALÓIDES PIRROLIZIDÍNICOS: Pelos A cavalinha (Teucrium chamaedrys L. 139 140 35 . 2008. cáscara sagrada. unha de Gato. Indicação  Reumatismo. Sinensis  Hepatite componentes tóxicos para o fígado. O rizoma é a parte utilizada com finalidade para o tratamento Planta angiospérmica. Kava-kava. idiopática.

11/24/2011 141 142 143 144 36 .

vera ou A. Alpinia spp (A. Aloe spp (A. aloes Uso: Cicatrizante em queimaduras e laxante suave. 147 148 37 . Ananas comosus Nome popular: Abacaxi Uso: mucolítica e fluidificante das secreções e das vias aéreas superiores. 11/24/2011 71 PLANTAS DE INTERESSE PARA O SUS 145 146 RENISUS Aloe spp (A. zerumbet ou A. speciosa) Nome popular: Colônia Uso: anti-hipertensivo Anacardium occidentale Nome popular: Caju Uso: antisseptico e cicatrizante. vera ou A. áloes barbadensis) BABOSA. barbadensis) Nome popular: Babosa.

zerumbet ou Anacardium occidentale Ananas comosus (abacaxi) A. DIPIRONA (úlceras. analgesica) 151 152 38 . feridas. speciosa) COLÔNIA (caju) 149 150 Achillea millefolium Allium sativum – ALHO mil folhas. 11/24/2011 Alpinia spp (A.

fígado. affinis. redutor de colesterol. ibirá-obi Uso: infecção catarral. forficata ou variegata) Nome popular: Pata de vaca Antidiabético. B. 153 154 Arrabidaea chica Artemisia absinthium (carajiru) (losna) Baccharis trimera – carqueja 155 156 39 . antimicrobiano. giárdia e ameba). Bauhinia spp (B. ferrea pau-ferro verdadeiro. Baccharis trimera Nome popular: Carqueja. feridas. rins. jucá Artemisia absinthium Nome popular: Losna Uso: estômago. carquejaamargosa Uso: combate feridas e estomáquico. 11/24/2011 Apuleia ferrea = Caesalpinia ferrea Nome popular: Jucá. pau-ferroverdadeiro. verme (lombriga e oxíuru. carajiru Uso: afecções da pele em geral (impigens). diurético. cicatrizante. Apuleia ferrea = Caesalpinia Arrabidaea chica Nome popular: Crajirú. Bidens pilosa Nome popular: Picão Uso: combate úlceras. emagrecedor. gota. garganta.

antisseptico local. apiáacanoçu. 11/24/2011 Bauhinia spp Bidens pilosa Calendula officinalis (B. 159 160 40 . úlceras. dermatoses e feridas Casearia sylvestris Nome popular: Guaçatonga. dermatoses e feridas Úlceras. micoses Carapa guianensis (andiroba) (erva de bugre. erva-de-santa-maria. malmequer Uso: feridas. nandiroba Combate úlceras. café-bravo Uso: combate úlceras. feridas na boca Chamomilla recutita = Matricaria chamomilla = Matricaria recutita Nome popular: Camomila Uso: combate dermatites. guaçatonga) Carapa guianensis Nome popular: Andiroba. aftas.bugre branco. calêndula. ambrosia. angiroba. menstrus uso: corrimento vaginal. mastruço. feridas na boca Uso: combate úlceras. Copaifera spp Nome popular: Copaíba Uso: antiinflamação. aftas. B. feridas. feridas. flor-de-todos-osmales. affinis. forficata ou B. erva-debicho. feridas banais Chenopodium ambrosioides nome popular: Mastruz. variegata) (picão) (calêndula) pata-de-vaca 157 158 Casearia sylvestris Calendula officinalis Nome popular: Bonina.

Antiinflamatório CAMOMILA Combate dermatites. cajucara ou C. verbenacea) Nome popular: Cana-do-brejo Uso: combate leucorréia e infeção renal. verbenacea) Nome popular: Erva baleeira Uso: antiiflamatorio. zehntneri) Nome popular: Alcanforeira. 11/24/2011 Chenopodium Chamomilla recutita = Matricaria ambrosioides Copaifera spp. 163 164 41 . lesões leves 161 162 Cordia spp (C. curassavica ou C. scaber ou C. Croton spp (C. péde-perdiz Uso:combate feridas. Dalbergia subcymosa Nome popular: Verônica Uso: auxiliar no tratamento de inflamações uterinas e da anemia. spicatus) (C. curassavica ou C. Erva baleeira Antiiflamatorio e Problemas articulares. herva-mular. úlceras. Curcuma longa Nome popular: Açafrão Cynara scolymus Nome popular: Alcachofra Uso: combate ácido úrico. (mastruz. mastruço) (copaíba) chamomilla = Matricaria recutita Corrimento vaginal. antisseptico local. Cordia spp Costus spp (C.

zehntneri) Cana-do-brejo Combate leucorréia e infeção renal. spicatus) (C. 11/24/2011 Costus spp Croton spp (C. 167 168 42 . 165 166 Cynara scolymus Dalbergia subcymosa Eleutherine plicata Curcuma longa (alcachofra) (verônica) (marupa. Alcanforeira Uso:combate feridas. inflamações uterinas e da anemia Uso: hemorróida. úlceras. scaber ou C. palmeirinha) Auxiliar no tratamento de (açafrão) Uso: Hepatoprotetor e Anti Ácido Úrico. cajucara ou C. vermífugo.

Uso: combate leucorréia. palmeirinha Equisetum arvense Erythrina mulungu Uso: hemorróida. 169 170 Eucalyptus globulus Eugenia uniflora ou Foeniculum vulgare Glycine max (eucalipto) (soja) Myrtus brasiliana (funcho) Uso: anti-séptico. Uso: sintomas da menopausa. Eugenia uniflora ou Myrtus brasiliana Nome popular: Pitanga Uso: diarréia. Eucalyptus globulus Nome popular: eucalipto Uso: combate leucorréia. (cavalinha) (mulungu) Equisetum arvense Uso: Diurético. Erythrina mulungu Nome popular: Mulungu Uso: sistema nervoso em geral. Foeniculum vulgare Nome popular: Funcho Uso: anti-séptico. Nome popular: cavalinha Uso: diurético. (pitanga) Uso: diarréia. 171 172 43 . vermífugo. oesteoporose. 11/24/2011 Eleutherine plicata Nome popular: Marupa. Uso: sistema nervoso em geral.

175 176 44 . Lamium album Nome popular: Urtiga-branca Uso: leucorréia. Uso: leucorréia. Jatropha gossypiifolia Nome popular: Peão-roxo. Harpagophytum procumbens Harpagophytum procumbens Nome popular: garra-do-diabo (garra-do-diabo) Uso: Artrite reumatóide. 173 174 Jatropha gossypiifolia Justicia pectoralis Kalanchoe pinnata = Lamium album (jalapão) (anador) Bryophyllum calycinum (urtiga branca) Uso: cortes. catarro bronquial Uso: furúnculos. Uso: Artrite reumatoide. batata-de-téu Uso: antisséptico. Justicia pectoralis Nome popular: anador Uso: cortes. oesteoporose. Kalanchoe pinnata = Bryophyllum calycinum Nome popular: Folha-da-fortuna Uso: furúnculos. catarro bronquial. feridas. afecções nervosas. (folha-da-fortuna) Uso: antisséptico. jalopão. 11/24/2011 Glycine max Nome popular: Soja Uso: sintomas da menopausa. feridas. afecções nervosas.

espinheira-santa. alecrim-pimenta. antigripal. combra-de-touro. sistema nervoso vermífuga. alecrim-pimenta) (malva) Malva sylvestris Nome popular: malva. piperita ou M. ilicifolia) Espinheira-santa Uso: antiséptico em feridas e úlceras Expectorante contra a gripe. hortelã. 11/24/2011 Lippia sidoides Nome popular: estrepa cavalo. M. 177 178 Maytenus spp Mentha pulegium Mentha spp* (poejo) (M. malva-silvestre Uso: Antiinflamatório e Antimicrobiano. Lippia sidoides Malva sylvestris (alecrim. Uso: furúnculos. tosse crónica. aquifolium ou M. Momordica charantia Nome popular: melão de São Caetano. Nome popular: hortelã-pimenta. menta vermífuga. antigripal. tosse crónica. glomerata ou M. crispa. ilicifolia) Nome popular: concorosa. calmante para o Hortelã-pimenta Descongestionante nasal. villosa) Descongestionante nasal. digestiva e analgésica 179 180 45 . calmante para o Nome popular: poejo sistema nervoso Mentha spp (M. concerosa Uso: antiséptica em feridas e úlceras Mentha pulegium Expectorante contra a gripe. Uso: furúnculos. piperita ou M. digestiva e analgésica Mikania spp (M. villosa) (M. aquifolium ou M. malva-alta. alecrim. M. laevigata) Nome popular: Guaco Uso: broncodilatador. crispa. Maytenus spp (M.

niruri. alfavaca-cravo Expectorante Diabetes. anti-caspa. Ocimum gratissimum Nome popular: alfavacão. alfavaca-cravo) (amora) Antifúngico. prevenir queda de cabelo. acne e doenças por fungos. edulis ou P. americana) Nome popular: abacate Uso: ácido úrico. 11/24/2011 Mikania spp (M. alata. glomerata ou M. Petroselinum sativum Nome popular: falsa Phyllanthus spp (P. incarnata) Nome popular: maracujá Uso: calmante. amarus. Orbignya speciosa Nome popular: babaçu Passiflora spp (P. cólicas menstruais. Momordica charantia Morus sp Nome popular: amora (melão de São Caetano) laevigata) Guaco Eczemas. antiinflamatório 183 184 46 . quebra-pedra 181 182 Ocimum gratissimum Morus sp (alfavacão. tenellus e P. Persea spp (P. gratissima ou P. P. P. Orbignya speciosa – Babaçu hipoglicemiante. diarréia. P. urinaria) Nome popular: erva-pombinha.

amenorréia. incarnata) diurético. úlceras. Punica granatum Nome popular: romeira Uso: leucorréia. bronquite. tanchás Uso: feridas. 11/24/2011 Persea spp Petroselinum (P. prevenir queda de cabelo. urinaria) Plectranthus barbatus = Coleus barbatus Quebra-pedra Asma. diarréia. aftas. cálculo biliar Polygonum spp (P. irritação vaginal. 187 188 47 . gratissima ou P. P. alata. amarus. dores. dispepsia. (P. 185 186 Plantago major Phyllanthus spp Nome popular: tanchagem. P. hydropiperoides) Nome popular: erva-de-bicho Uso: corrimentos. úlcera. edulis ou P. acre ou P. niruri. diarréia. P. asma e conjuntivite Maracujá Uso: calmante. Nome popular: Boldo cálculos biliares Cólica. diabetes. americana) sativum Passiflora spp Abacateiro (salsa) Estimulante gástrico. Portulaca pilosa Nome popular: amor-crescido Uso: feridas. Ácido úrico. Psidium guajava Nome popular: goiaba Uso: leucorréia. anti-caspa (P. tenellus e P.

acre ou P. 191 192 48 . irritação vaginal. diarréia. aroeira-do-rio-grande-do-sul Uso: feridas e úlceras. úlceras. Solanum paniculatum Nome popular: jurubeba Solidago microglossa Nome popular: arnica Uso: contusões. Uso: leucorréia. 11/24/2011 Plectranthus barbatus Polygonum spp Plantago major = Coleus barbatus (P. Uso: corrimentos. amigdalite. úlcera. cálculos biliares 189 190 Psidium guajava Punica granatum Rhamnus purshiana Nome popular: cáscara sagrada (goiaba) (romã) Ruta graveolens Uso: leucorréia. Asma. aroeira. Antiinflamatório. bronquite. Uso: feridas. hydropiperoides) Portulaca pilosa (tanchagem) (boldo) erva-de-bicho (amor-crescido) Dispepsia. Nome popular: arruda Salix alba Nome popular: salgueiro branco Schinus terebinthifolius = Schinus aroeira Nome popular: araguaíba. Uso: feridas. aftas.

Syzygium spp (S. 195 196 49 . feridas. 11/24/2011 Rhamnus purshiana Schinus terebinthifolius = Salix alba (cáscara sagrada) Ruta graveolens Obstipação (arruda) Emenagogo. anti. cicatrizante. antibacteriano febre e reumatismo 193 194 Solanum Solidago microglossa Stryphnodendron adstringens = Stryphnodendron barbatimam paniculatum (arnica) Nome popular: Barbatimão. úlceras. febrífuga. corrimento vaginal. Nome popular: jambolão diabética. (jurubeba) Descongestionante. Dor. cumini) diurética. Schinus aroeira (salgueiro branco) Antiinflamatório. abortivo. jambolanum ou S. tônica. digestiva Tabebuia avellanedeae Nome popular: ipê-roxo Tagetes minuta Nome popular: cravo-de-defunto Trifolium pratense Nome popular: trevo vermelho Uncaria tomentosa Nome popular: unha-de-gato Uso: imunoestimulante. casca-da-virgindade Uso: Leucorréia. calmante (aroeira) Antiviral. abaremotemo. antiinflamatório.

problemas de pele. Nome popular: boldo da Bahia Tosse. Hemorragias. ruficoma ou V. e para prevenir resfriados e tosse os sintomas causados pela menopausa Vernonia spp (V. Anticoagulante e Uso: Leucorréia. 11/24/2011 Stryphnodendron adstringens = Syzygium spp (S. leucorréia. úlceras. 199 200 50 . feridas. jambolanum ou S. cumini) Tabebuia avellanedeae Stryphnodendron barbatimam (ipê roxo) (barbatimão) Jamelão. jambolão Antibiótica. polyanthes) Nome popular: assa-peixe Zingiber officinale Nome popular: gengibre Uso: tosse. Analgésica diarréia e diabetes 197 198 Tagetes minuta Trifolium pratense Vernonia condensata (cravo-de-defunto) (trevo vermelho) Bronquites.

com.antiproliferativa antiasmática e antigripal. hemostática.jpassos@yahoo. antimutagênica. antioxidante. Assa-peixe Balsâmica. ruficoma ou V. antilítica. 201 202 rosangela. 11/24/2011 Uncaria tomentosa Zingiber officinale (unha-de-gato) (gengibre) Vernonia spp (V. anti-hemorroidária. antiinflamatória. expectorante.br 203 51 . diurética. polyanthes) Analgésica.