You are on page 1of 7

Encontro Smart Mobility

Autocarros Elétricos

A oportunidade da tração elétrica

Baptista da Costa

Museu D. Diogo de Sousa

Braga, 22 de Junho 2017
Índice
Introdução ..................................................................................................................................... 1

A Linha 43 – CP/UMinho ............................................................................................................... 2

O Serviço à Universidade do Minho .............................................................................................. 3

Autocarros elétricos – Novas funcionalidades .............................................................................. 5

Conclusão ...................................................................................................................................... 6

Introdução
Com uma frota obsoleta, os TUB – Transportes Urbanos de Braga, planearam
a sua renovação de uma forma faseada, iniciando-a por linhas com potencial
de crescimento e que respondam aos objetivos estratégicos da empresa e
políticos da Cidade, contribuindo para uma mobilidade inteligente, inclusiva e
sustentável.

O forte compromisso com o ambiente identificou a linha 43 que liga a Estação
de Caminho-de-ferro à Universidade, em Gualtar, já que este Pólo da
Universidade do Minho, onde chegam diariamente 15 000 pessoas, gera
importantes externalidades negativas que urge mitigar.

A utilização de veículos elétricos com Zero Emissões e silenciosos é a
tecnologia adotada para resolver problemas já por nós identificado
publicamente em Março de 2012.

É um investimento de mais de 3,5 milhões de Euros que reafirma uma nova
forma de pensar e agir dos TUB, com impactos positivos e significativos em
termos económicos e sociais.

1
A Linha 43 – CP/UMinho
Aquando do Euro 2004 foram realizados investimentos na Ferrovia que passou
a ligar Braga diretamente a Lisboa.

A partir de então, a atratividade desta linha não deixou de aumentar e hoje
transporta diariamente, só entre Braga e Porto, mais de 5 mil passageiros.

A melhoria da qualidade do transporte ferroviário e consequente aumento de
passageiros com destino à Universidade do Minho em Gualtar, colocou um
desafio aos TUB que criaram um “shuttle” entre estes dois pontos com uma
frequência de 15 minutos que hoje transporta cerca de 2 mil passageiros por
dia.

Esta solução superou o obstáculo que constitui o atravessamento da Cidade
mas sem cuidar de dar serviço à Cidade.

A Linha 43 não pára em importantes pontos da procura e da própria Rede dos
TUB por forma a criar sinergias e complementaridade com outras linhas.

Rotunda
Mcdonald’s

Rotunda das
Piscinas

Avenida da Liberdade

Rotunda Santos da Cunha

Evidência é o facto de não parar em pontos notáveis como sejam a Rotunda do
Santos da Cunha, o Cruzamento com a Avenida da Liberdade, a Rotunda das
Piscinas ou a Rotunda do McDonald’s. Também não entra no Campus de
Gualtar obrigando estes clientes a percorrer longos percursos.

2
A Autarquia tem em fase de projeto as obras que irão suprir esta lacuna e que
viabilizam o futuro traçado regrante do BRT – Bus Rapid Transit, sobre o qual
esta linha realiza parte do seu percurso.

O Serviço à Universidade do Minho
O Campus de Gualtar tem cerca de 15 mil utilizadores que para lá se deslocam
diariamente o que constitui uma pressão ambiental importante, sendo um dos
principais focos de poluição da Cidade.

A questão ambiental não se coloca especialmente dentro do Campus já que
este dispõe de cerca de 1 700 lugares de estacionamento para carros que
dentro dele percorrem curtas distâncias. De facto, e simplificando, cada mil
carros produzem cerca de 200 kgCO2 a cada quilómetro percorrido.

A questão ambiental coloca-se, com particular criticidade, nos acessos ao
Campus e na sua envolvente.

A mobilidade tem impacto direto sobre a saúde e a qualidade de vida das
pessoas e sugere novas formas de pensar e agir.

A estratégia da União Europeia sobre o ambiente urbano obriga as cidades a
desenvolverem planos de mobilidade urbana com o objetivo de, favorecendo a
economia, aumentar a utilização dos transportes públicos e dos modos suaves
(andar a pé e de bicicleta).

As Cidades europeias são incentivadas a promover esses modos de transporte
e a investir nas infraestruturas necessárias. Este cenário foi reforçado pelo
Acordo de Paris de Dezembro de 2015.

Já a 21 de Maio de 2014, aquando da visita aos TUB, o Reitor da Universidade
do Minho, António Cunha, manifestou o seu apoio ao atravessamento do
Campus pelos TUB. Objetivo que foi reafirmado 2 de Março de 2015, aquando
da assinatura do Protocolo dos TUB com a Universidade do Minho, no que foi
apoiado pelo Presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio.

3
Para dar resposta a esta necessidade os TUB projetaram o prolongamento da
Linha 43, atravessando o Campus de Gualtar o que implica pequenas obras de
adaptação.

4
No lado Norte do Campus a linha irá até à Rotunda Rua 24 de Junho, onde
passam 12 autocarros por hora em direção a toda a Cidade incluindo o Centro
Histórico e a Central de Camionagem por onde passam cerca de 7 mil pessoas
por dia. Também dá acesso ao Hospital.

Desta forma aumenta-se fortemente a atratividade do Transporte Coletivo com
implicações na qualidade de vida dos 15 000 utilizadores do Campus.

Acresce que o serviço planeado com esta frota de seis autocarros elétricos
passará dos atuais 15 minutos para 10 minutos.

Desta forma é dado mais um passo no objetivo da Cidade reduzir em 25% o
número de carros a circular na Cidade até 2025.

Autocarros elétricos – Novas funcionalidades
A opção por autocarros elétricos para a realização deste serviço com ganhos
para os clientes dos TUB – Transportes Urbanos de Braga é fruto de estudos
aprofundados sobre as opções tecnológicas para as quais temos competências
adquiridas.

5
Estes autocarros, com ar condicionado, são dotados de wifi a bordo e
capacidade de comunicar com os clientes e com o Centro de Controlo quer
quanto a dados de operação como de manutenção.

Os TUB submeteram uma candidatura ao POSEUR – Programa Operacional
Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, para a aquisição de
autocarros elétricos que representa uma mudança de paradigma, reforçando o
compromisso com o ambiente e com a melhoria da qualidade do serviço
público prestado através da eliminação de Gases de Efeito de Estufa, redução
do ruído e aumento da fiabilidade.

De notar que a opção pela tração elétrica implica esforço financeiro, técnico e
organizacional. A título meramente indicativo, o preço de um autocarro diesel é
de 200 000 euros enquanto o de um autocarro elétrico é de 400 000 euros.

A este valor acresce os investimentos, já iniciados, no PMO – Parque de
Material e Oficinas assim como na formação e treino dos colaboradores.

O primeiro veículo será recebido em Maio de 2018.

Conclusão
A aquisição de uma sub-frota de seis autocarros elétricos para colocar ao
serviço da Linha 43, que liga a CP ao Pólo de Gualtar da Universidade do
Minho vai muito além de corresponder à óbvia necessidade de renovação da
frota.

Constitui uma mudança metamórfica da abordagem á mobilidade urbana em
Braga pela criação de serviços que procuram surpreender e deleitar os
utilizadores da Cidade.

É um serviço que dá acesso a uma rede de serviços, com respeito pelo
ambiente, conforto, frequência e informação.

6