You are on page 1of 10

Nº3 NOVEMBRO 2002

PAREDES DE TAIPA

José da Costa Rodrigues
Marques

-1-

A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção de Edifícios do 11º Mestrado em Construção do Instituto Superior Técnico -2- .

9 ⇒ Teste à Lavagem ---------------------------------------------------------------.10 ⇒ Teste de Retenção de Água -------------------------------------------------.2 .16 ⇒ Estabilização ---------------------------------------------------------------------.8 ⇒ Observação da cor -------------------------------------------------------------. 9 ⇒ Teste de Sedimentação -------------------------------------------------------.ÍNDICE 1 – INTRODUÇÃO GERAL 1.ACÇÕES CORRECTIVAS DA TERRA ⇒ Arenosa ---------------------------------------------------------------------------.12 ⇒ Análise granulométrica --------------------------------------------------------.3 .8 ⇒ Teste do Cheiro -----------------------------------------------------------------.9 ⇒ Teste ao Tacto -------------------------------------------------------------------.12 2. 9 ⇒ Teste da Aderência ------------------------------------------------------------.2 – CONSIDERAÇÕES GERAIS ------------------------------------------------------.13 ⇒ Retracção Relativa -------------------------------------------------------------. 15 2.12 ⇒ Limite de Consistência ( ou Atterberg) ------------------------------------.5 .4 – ENSAIOS LABORATORIAIS ------------------------------------------------------.A ESCOLHA DA TERRA ------------------------------------------------------------.7 2.5 2 – TERRA ( A MATÉRIA PRIMA ) 2.16 -3- . 11 ⇒ Teste do Rolinho ----------------------------------------------------------------.11 ⇒ Teste da Cinta -------------------------------------------------------------------.15 ⇒ Compactação ( Ensaio de PROCTOR ) ---------------------------------.10 ⇒ Teste Visual por Peneiração Expedita ------------------------------------.5 1.8 2. 16 ⇒ Argilosa ----------------------------------------------------------------------------.10 ⇒ Teste de Resistência à Secagem ------------------------------------------.ENSAIOS EXPEDITOS --------------------------------------------------------------.11 ⇒ Actividade da Argila ------------------------------------------------------------.1 – NOTA INTRODUTÓRIA -------------------------------------------------------------.9 ⇒ Teste do Brilho -----------------------------------------------------------------.1 – CARACTERIZAÇÃO GERAL ------------------------------------------------------.

18 3.8 .19 3.6 – VÃOS ------------------------------------------------------------------------------------.3 – FUNDAÇÕES --------------------------------------------------------------------------. 32 PORTOFÓLIO DA CONSTRUÇÃO MODERNA EM TERRA CRUA – USA PORTOFÓLIO DA CONSTRUÇÃO DE UM EDIFÍCIO EM – PISÉ – USA – 1999 -4- .COBERTURAS E TELHADOS -----------------------------------------------------.25 3. 23 3.7 – CUNHAIS E PONTOS DE ENCONTRO DE PAREDES ⇒ Cunhais ----------------------------------------------------------------------------.1 – UTENSÍLIOS ---------------------------------------------------------------------------. 30 BIBLIOGRAFIA ---------------------------------------------------------------------------------------.FOTOGRAFICOS ---------------------------------------------------------------------.17 3. 31 ANEXOS .26 4 – PATOLOGIAS -------------------------------------------------------------------------------------.29 6 – CONSIDERAÇÕES FINAIS --------------------------------------------------------------------.2 – PREPARAÇÃO DA TERRA -------------------------------------------------------.24 ⇒ Contrafortes ----------------------------------------------------------------------.5 – REVESTIMENTO DA PAREDE ---------------------------------------------------.3 – O PROCESSO CONSTRUTIVO 3. 20 3.22 3.4 – A PAREDE -----------------------------------------------------------------------------. 30 Notas -----------------------------------------------------------------------------------------------------. 28 5 – RENTABILIDADE ---------------------------------------------------------------------------------.

2 – CONSIDERAÇÕES GERAIS Esta técnica de construção encontra-se entre as mais antigas. sendo utilizado actualmente principalmente em países do norte de África. 1. assim como uma breve descrição do seu desenvolvimento como técnica face às actuais possibilidades de utilização. da Arábia e do Yémen do Sul ( onde se encontra a cidade de Shibam. cujos edifícios chegam a atingir os 8 pisos )[ Anexos fotográficos].1 – INTRODUÇÃO GERAL 1. Devido ás suas características. -5- . A sua origem remonta há época das civilizações Caldeias e Assírias do crescente fértil Mesopotâmico.1 – NOTA INTRODUTÓRIA Esta monografia desenvolvida no âmbito da cadeira de Tecnologia da Construção de Edifícios. tem como objectivo a anotação de um processo construtivo milenar sobre o qual possui o nosso país um importante legado. principalmente em zonas de fraca pluviosidade. totalmente construída em terra. constituindo posteriormente também uma prática construtiva das civilizações romana e árabe. este processo encontra-se espalhado um pouco por todo o mundo.

como forma de fazer fase a novos desafios e necessidades. que tem promovido as Conferências Internacionais Sobre o Estudo e Conservação da Arquitectura da Terra. sendo comum há umas décadas atrás. a ICCROM ( Centro Internacional de Estudos para a Conservação e Restauro de Bens Culturais) organismo da UNESCO. já anteriormente referido. Juromenha. a Terra. nomeadamente a CRATerre-EAG ( Centre de Recherche d`Architecture de Terre / École d`Architecture de Grenoble). pela Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa em colaboração com a Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais. a partir da década de 70. Para tornar exequível este processo há que adapta-lo ás novas realidades do mundo actual. -6- . 1 [ 1 ] . o que constitui um grande desafio com vista ao desenvolvimento de novos processos construtivos e utilização racional de algo que se pode considerar praticamente inesgotável. tais como uma vivenda junto ao golfe de Vilamoura e o mercado da Guia e ainda a reconstrução de duas torres albarrãs do Castelo de Silves. sendo também relevante o trabalho desenvolvido desde de 1993.Localização das construções de Taipa em Portugal Em Portugal existem grandes manchas de construção em terra. no estudo. tais como a escassez de energia e a procura de materiais mais económicos. pela DGEMN. vêm a retomar e a actualizar os processos de construção antigos como a Taipa. ensino e divulgação destas técnicas de construção. Actualmente verifica-se que países industrializados como a França e os Estados Unidos. Como exemplos centenários de construção em terra no nosso país temos os castelos de Alcácer do Sal. Em Portugal o processo de construção em taipa apresenta. Paderne. ver Taipeiros aos pares sobre as paredes apiloando a terra á cadência certa de uma canção própria. tanto no Alentejo como no Algarve. Ao nível mundial existem várias entidades que se dedicam ao estudo e conservação destas técnicas. Fig. de que Portugal foi palco em Silves da 7ª Conferência em 1993. uma tímida quantidade de edifícios actuais havendo a salientar as obras do Arquitecto José Alberto Alegria. Salir e Silves e algumas secções do Paço Ducal de Vila Viçosa. além do património histórico.

as que se comportam como uma barreira eficaz contra as intempéries. formando. 2 – TERRA ( A MATÉRIA PRIMA ) 2. inesgotável. Uma casa construída em terra possui um bom comportamento térmico e acústico devido á grande inércia das suas paredes. apresentando um óptimo comportamento ao fogo. -7- . Devon. paredes ou muros homogéneos e monolíticos. quando tomadas as devidas precauções. fácil de trabalhar e duradouro.tendo-se realizado em Maio de 2000 a 8ª Conferência n a localidade de Torquay. A Taipa é constituída por terra húmida comprimida entre taipais móveis de madeira.1 – CARACTERIZAÇÃO GERAL Material que está ao alcance de todos. Inglaterra. pela sua secagem e após a retirada daqueles. No entanto a sua resistência mecânica é da ordem de 10-30 Kg / cm2 à compressão e fraquíssima à tracção(1).

desde que a sua dimensão não ultrapasse 20 e 25 mm. 2. visto que se for muito gorda – ( muito argila ) – ao secar terá tendência a originar fendilhações de retracção. 2 . Fig. • A constituição da terra para a construção de uma boa Taipa deve: Ter uma boa distribuição granulométrica dos elementos sendo admissível a existência de cascalho.A ESCOLHA DA TERRA A terra para a construção destas alvenarias deve apresentar um grau de gordura justo dado pela argila.Dois tipos de Taipa diferentes 2.3 . se a terra for demasiado magra – ( pouca argila ) – não apresenta as características aglutinantes necessárias para manter a forma.ENSAIOS EXPEDITOS -8- .2 . Por outro lado. e apresentar um teor de Argila entre 15 e 30 % (1).

mas tornando-se plásticos e pegajosos ou viscosos quando húmidos. ⇒ Teste ao Tacto Depois de tirar as partículas maiores.Verifica-se que uma terra dá uma taipa de qualidade. Na construção não deverão. Um solo siltoso ainda se sente áspero mas apresenta certa coesão quando se humedece. ser usados solos que contenham matéria orgânica. indica a coloração causada por óxidos de ferro hidratado. bem amassada e compactada. assim se conclui quanto ás boas capacidades mecânicas dessa terra(2). a terra deverá ser cheirada para detectar matéria orgânica. em caso algum. Os solos arenosos sentem-se ásperos e não têm coesão quando de humedecem. A cor parda indica a presença de óxidos de ferro hidratados ou óxidos de ferro associados a matéria orgânica. Os solos pálidos indicam a presença de areias quartozas ou feldspáticas ⇒ Teste do Cheiro Imediatamente após a extracção. cheiro que se amplifica por humedecimento ou aquecimento do solo.50 x 0. Passados alguns meses examina-se se a sua consistência aumentou ou diminuiu. esfrega-se uma amostra entre os dedos. A terra franca reconhece-se quando. Torrões duros. esta mantêm as marcas dos dedos (2). O vermelho. a cor dos solos depende da sua constituição química. O amarelo são colorações causadas por óxidos de ferro mais ou menos hidratados. realizando os seguintes ensaios (EUSÉBIO. Mediante o resultado obtido. apertando-a na mão. Pode-se proceder também a uma observação expedita das características do solo no terreno. Assim a cor escura indica a presença de materiais orgânicos.50 cm) em camadas de 10 cm de espessura. Ao fim de uma semana quando a terra estiver bem seca retira-se o molde. -9- . indicam uma alta percentagem de argila. resistentes ao esmagamento quando secos. ao amassar-se a terra com água e enchendo-se um molde prismático de madeira de (0.pag130 a 135): ⇒ Observação da cor A cor é a primeira característica do solo a sobressair pois. A mistura de areia e argila com 1/3 de terra franca também origina uma boa Taipa.

Passado este tempo. silte e argila. . ⇒ Teste de Sedimentação Enche-se ¼de um frasco com solo e completa-se com água limpa quase até cima. apresenta-nos-á uma superfície opaca se houver predominância de silte. a proporção de argila é geralmente baixa.º 200 • O solo será argiloso se o montículo de material passado (silte mais argila) for maior que o do retido (areia mais seixo). faz-se a separação das partículas através da passagem por dois peneiros ( um com malha de 0.074 mm e outro de 2 mm). durante uma hora.⇒ Teste do Brilho Uma bola de solo ligeiramente humedecida e recentemente cortada com uma faca. Deixa- se repousar.º 10 (2mm). no fim da qual se agitará novamente e se voltará a deixar repousar durante. ⇒ Teste à Lavagem Ao lavar as mãos depois de realização destes testes. porque os solos argilosos tendem a resistir à penetração e aderem à faca quando ela é retirada. ⇒ Teste Visual por Peneiração Expedita Com o solo seco e após esmagamento dos torrões. enquanto a argila precisa de ser esfregada. passando-se primeiro pelo peneiro n. dá-nos indicação suplementar da sua composição: a areia e o silte são fáceis de retirar.074 mm ) e seguidamente pelo n. pelo menos 45 minutos. ⇒ Teste da Aderência Quando a faca penetra facilmente numa bola de terra. Em seguida agita-se fortemente e deixa-se novamente repousar durante uma hora. a forma como o solo é eliminado. ou uma superfície brilhante se houver predominância de argila. bem tapado. as partículas sólidas assentarão e poder-se-á medir com alguma precisão as proporções relativas de areia (camada inferior).º 200 (0. Passagem através do peneiro n. Convirá ter em atenção que o silte e a argila se terão expandido com a água.10 - . sendo assim possível fazer uma classificação grosseira do solo.

Related Interests