You are on page 1of 32

Manual do Usuário

CNT110

R

ÍNDICE
1 - Introdução ............................................................................................................................................... 3
2 - Características principais....................................................................................................................... 3
3 - Especificações Técnicas........................................................................................................................ 3
4 - OPERAÇÃO........................................................................................................................................... 4
4.1 – Proteção de configuração................................................................................................................ 5
5 – Configuração / Recursos ........................................................................................................................ 6
5.1 – Seleção de Entrada ......................................................................................................................... 6
5.2 – Seleção de Saída, Alarmes e Entradas digitais. ............................................................................. 6
5.3 – Configuração de Alarmes ................................................................................................................ 8
5.4 – Temporização dos Alarmes ............................................................................................................. 9
5.5 – Bloqueio Inicial de Alarme ............................................................................................................. 10
5.6 – Extração da Raiz Quadrada .......................................................................................................... 10
5.7 – Set-point Remoto........................................................................................................................... 10
5.8 – Retransmissão Analógica da PV e SP .......................................................................................... 11
5.9 – Soft-Start........................................................................................................................................ 11
6 – Instalação / Conexões........................................................................................................................... 11
6.1 – Montagem no Painel...................................................................................................................... 11
6.2 – Conexão Elétrica ........................................................................................................................... 11
6.3 – Recomendações para a Instalação .............................................................................................. 12
6.4 – Conexões de Entrada .................................................................................................................... 12
6.4.1 – Termopar, 0-50mA e 0-5Vdc.................................................................................................. 12
6.4.2 – RTD (Pt100) ........................................................................................................................... 12
6.4.3 – 4-20mA ................................................................................................................................... 13
6.4.4 – Set-point Remoto ................................................................................................................... 13
6.4.5 – Entrada Digital........................................................................................................................ 13
6.4.6 – Conexão de Alarmes e Saídas............................................................................................... 13
7 – Descrição dos Parâmetros de Configuração ........................................................................................ 13
7.1 – Ciclo de operação.......................................................................................................................... 13
7.2 – Ciclo de Sintonia............................................................................................................................ 14
7.3 – Ciclo de Programas ....................................................................................................................... 15
7.4 – Ciclo de Alarmes............................................................................................................................ 15
7.5 – Ciclo de Configuração de Entrada................................................................................................. 16
7.6 – Ciclo de I/Os (Entradas e Saídas) ................................................................................................. 17
7.7 – Ciclo de Calibração........................................................................................................................ 17
7.8 – Fluxograma dos Ciclos de Configuração dos Parâmetros ............................................................ 18
8 – Programa de Rampas e Patamares ..................................................................................................... 18
8.1 – Links de Programas....................................................................................................................... 19
8.2 – Alarme de Evento .......................................................................................................................... 20
9 – Auto-Sintonia dos Parâmetros PID ....................................................................................................... 21
10 – Calibração ........................................................................................................................................... 21
10.1- Calibração da Entrada................................................................................................................... 21
10.2 – Calibração da Saída Analógica ................................................................................................... 22
11 – Comunicação serial (opcional)............................................................................................................ 22
11.1 – Características da Comunicação Serial ...................................................................................... 22
11.2 – Configuração dos Parâmetros da Comunicação Serial .............................................................. 23
12 – Problemas com o controlador ............................................................................................................. 23
13- Tabela de Registradores....................................................................................................................... 23
14 – Estados da Saída Digital..................................................................................................................... 31
15- Resposta de Exceção – Condições de Erro......................................................................................... 31
16– Garantia ............................................................................................................................................... 32

2

1 - INTRODUÇÃO
Controlador universal que aceita em um único modelo a maioria dos sensores e sinais
utilizados na industria e proporciona todos os tipos de saídas necessários à atuação
nos diversos processos industriais.
Sua configuração é realizada através do teclado frontal sem qualquer alteração em seu
circuito. Assim, a seleção do tipo de entrada e de saída, da forma de atuação dos
alarmes, além de outras funções, são todas acessadas via teclado frontal.
É importante que o usuário leia atentamente este manual antes de utilizar o
controlador. Verifique se a versão deste manual coincida com a do controlador (o
numero da versão de software é mostrado quanto o controlador é energizado).

2 - CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS
ƒ Proteção para sensor aberto em qualquer condição.
ƒ Entrada universal multi-sensor, sem qualquer alteração de circuito.
ƒ Saídas de controle tipo relê, 4-20mA e pulso (todas disponíveis).
ƒ Auto sintonia dos parâmetros PID
ƒ Função automático / Manual com transferência de “bumpless”
ƒ Três saídas de alarme na versão básica, com funções de mínimo, máximo,
diferencial (desvio) e sensor aberto.
ƒ Temporização para dois alarmes.
ƒ Retransmissão de PV ou SP em 0-20mA ou 4-20mA.
ƒ Entrada para Set-point remoto.
ƒ Entrada digital com 5 funções.
ƒ Soft-Start programável.
ƒ Rampas e patamares com 7 programas de 7 segmentos, concatenáveis.
ƒ Comunicação serial RS485, protocolo MODBUS RTU.
ƒ Senha para proteção de teclado.
ƒ Alimentação 110/220V automático.

3 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
ƒ Alimentação: 85 a 250 Vca ou 24 Vac/dc. 50 e 60Hz (fonte chaveada 100KHz).
ƒ OBS: Verificar na caixa do controlador a características de tensão de
alimentação aceita por este modelo.
ƒ Consumo máximo de 3VA.
ƒ Relês: máximo de três relês 3A/250Vac, 1 SPDT e 2 SPST-NA.
ƒ Saída digital: 5Vdc/20mA
ƒ Todos os tipos de entradas calibrados de fábrica. Termopares conforme norma
NBR12771/99, RTD´s NBR 13773/97.
ƒ Taxa de amostragem: 5 medidas por segundo.
ƒ Precisão: Termopar J, K e T: 0,25% da faixa máxima
ƒ Termopar N, R, e S: 0,25% da faixa máxima.
ƒ PT100: 0,2% da faixa máxima.
ƒ Corrente ou tensão linear: 0,2% da faixa máxima.
ƒ Resistência de entrada: 0-50mV, Pt100 e termopares: >10MΩ
0-5 V: >1MΩ.
4 a 20mA: 100Ω.
ƒ Medição de Pt100: Circuito a 3 fios. Corrente de excitação de 170µA.
Compensação da resistência do cabo.
ƒ Resolução interna: 19500 níveis, visor: 12000 níveis (-1999 a 9999)
3

Valor do set-point de controle (SP). Quando no modo de operação ou programação. o controlador necessita de uma configuração inicial mínima. 550Ω máximo. com sua saída de controle e alarmes habilitados. A habilitação das saídas também é feita neste instante. RUN: Indica que o controlador esta ativo. A3 e A4: Sinalizam a ocorrência de situação de alarme. o sinalizador OUT representa o estado instantâneo da saída. que compreende: Tipo de entrada (termopares. 4-20mA. Man: Sinaliza que o controlador esta no modo de controle manual. ƒ Recorte para fixação em painel: 45. ƒ Tensão de isolamento de saída analógica: 250Vac. P Tecla Prog: Tecla utilizada para apresentar os sucessivos parâmetros programáveis do controlador. rele ou pulso. o numero da sua versão de Software. ƒ Ambiente de operação: 0 a 55ºC. mostra o mnemônico que está sendo apresentado. ƒ Gabinete em policarbonato e ABS. OUT: Para a saída de controle. o controlador apresenta por 3 seg. Para operar adequadamente. ƒ Dimensões: 48X48X110mm.OPERAÇÃO Abaixo está descrito o painel frontal e suas funções: Display de PV Programação Sinalizadores Display de SP COM TUNE Parâmetros MAN Teclado RUN OUT A1 A2 A3 A4 P Display de PV / Programação: Apresenta o valor atual da PV (variável do processo). Ao ser energizado. etc). A1. Tecla Voltar: Tecla utilizada para retroceder ao parâmetro anteriormente apresentado no display de parâmetros. ƒ Grau de proteção: Frontal: IP65. Tecla de incremento Tecla decremento: Estas teclas permitem alterar os valores dos parâmetros. Display de SP / Parâmetros: Apresenta o valor de SP (Set-point) e dos demais parâmetros programáveis do controlador.5 X 45. 4 . umidade: 35 a 85%. PT100. Caixa: IP30. A2. quando então passa a operar normalmente. mostrando no visor a variável superior de processo (PV) e no visor de parâmetro/ SP o valor do Set-point de controle. ƒ Resolução de saída analógica:1500 níveis. 4 .5mm. COM: Pisca toda vez que o controlador troca de dados com o exterior. Tune: Ascende enquanto o controlador executa a operação de sintonia automática. Quando a saída de controle é definida analógica (0-20mA ou 4- 20mA) este sinalizador permanece constantemente aceso.

tais como rampas e patamares. No interior do controlador. Outras funções especiais. O valor de SP é também salvo na troca de parâmetro ou a cada 25 segundos. entradas digitais. a chave PROT completa a função de proteção. Na posição OFF o usuário pode proteger e desproteger os ciclos. 4. no ciclo que se deseja proteger. Os demais ciclos necessitam de uma combinação de teclas do painel frontal para serem acessados. Todos os parâmetros configurados são armazenados em memória protegida. pressione a tecla P várias vezes até que todos os parâmetros do ciclo atual sejam percorridos. não poder ser promovidas. impedindo que alterações indevidas sejam feitas. A combinação é: Voltar e P PROG (pressionadas simultaneamente) Estando no ciclo desejado. 4-20mA. podem-se percorrer todos os parâmetros desse ciclo pressionando a tecla P (ou . 0-20mA. já na posição ON não é possível realizar alterações: se há proteção a ciclos estas podem ser removidas. Para desproteger um ciclo basta pressionar simultaneamente as teclas e por 3 segundos. Os parâmetros continuam sendo visualizados. também podem ser utilizadas para se obter um melhor desempenho para o sistema. temporização de alarmes. Os valores alterados são salvos quando o usuário avança para o próximo parâmetro.Tipo de saída de controle (relê. Os parâmetros de configuração estão agrupados em ciclos. se não há. 5 . pulso). A tabela abaixo descreve os setes ciclos de parâmetros: Ciclo Acesso 1 – Operação Acesso livre 2 – Sintonia 3 – Programas 4 – Alarmes Acesso Reservado 5 – Configuração 6 – I/O´s 7 .Calibração O ciclo de operações (1º ciclo) tem acesso livre.1 – Proteção de configuração Este controlador não permite que os parâmetros possam ser alterados depois da configuração final. Os displays piscarão brevemente confirmando o bloqueio ou desbloqueio. para retroceder no ciclo). mas não podem mais ser alterado. onde cada mensagem apresentada é um parâmetro a ser definido. Para retomar ao ciclo de operação. A proteção é feita com a combinação de seqüência de teclas e uma chave interna. A seqüência de teclas para proteger é e pressionadas simultaneamente por 3 segundos. Parâmetros PID (ou histerese para controle ON/OFF).

saídas de controle. entrada e saídas digitais. -200 a 530ºC 0 – 5mV 16 Linear. Opcionalmente. Prog: -150 a 1370ºC 4 – 20mA 10 Linearizaçao T. Nota: Todos os tipos de entradas já vêm calibrados de fábrica.0 a 530. ou seja. 5. I/O4 e I/O5.0 ºC (-199. Somente são mostradas no display as opções válidas para cada canal. Prog: -90 a 1370ºC 4 – 20mA 12 Linearizaçao R. retransmissão de PV e SP. este controlador poderá apresentar apenas uma das 3 opções.0ºC 4 – 20mA 15 Linearizaçao PT100 – Prog. Estas funções são escritas a seguir: ƒ Código 0 – Sem função O canal I/O programado com o código 0 não será utilizado pelo controlador. Na sua versão básica. Essas opções são excludentes entre si.2 – Seleção de Saída.9 a 530. Embora sem função este canal poderá ser acionado através de comandos via comunicação serial (comando 5 MODBUS). 6 . o controlador poderá ser fornecido com um terceiro relê em I/O 3 (opção 1) com 2 canais de entradas/saídas digitais nos I/Os 3 e 4 (opção 2) ou com um circuito de detecção de resistência queimada (opção 3). via teclado frontal. 5 – CONFIGURAÇÃO / RECURSOS 5. Alarmes e Entradas digitais. Esses canais são identificados como I/O1. Indicação programável -1999 a 9999 0 – 5 Vdc 18 Linear. saída digital e entrada digital.1 – Seleção de Entrada Esta seleção é configurada pelo usuário no parâmetro “ tyPE”. este controlador apresenta os seguintes recursos: I/O1 – Saída a relê I/O2 – Saída a relê I/O5 – Saída de corrente (0-20mA ou 4 a 20mA). Prog: 0 a 1760ºC 4 – 20mA 13 Linearizaçao S. Prog: 0 a 1760ºC 4 – 20mA 14 Linearizaçao PT100 – Prog.9 a 986. I/O3. -200. A tabela abaixo relaciona os possíveis tipos de entrada com suas respectivas características: Tipo CÓD Características J 0 Faixa: -50 a 760ºC (-58 a 1400ºF) K 1 Faixa: -90 a 1370ºC (-130 a 2498ºF) T 2 Faixa: -100 a 400ºC (-148 a 752ºF) N 3 Faixa: -90 a 1300ºC (-130 a 2372ºF) R 4 Faixa: 0 a 1760ºC (32 a 3200ºF) S 5 Faixa: 0 a 1760 ºC (32 a 3200ºF) PT100 6 Faixa:-199.0ºF) PT100 7 Faixa: -200 a 530ºC (-328 a 986ºF) 4 – 20mA 8 Linearizaçao J. Indicação programável -1999 a 9999 4 – 20mA 19 Extração da raiz quadrada da entrada. tais como. Indicação programável -1999 a 9999 4 – 20mA 17 Linear. Prog: -160 a 400 ºC 4 – 20mA 11 Linearizaçao N. saída de alarme. prog: -110 a 760ºC 4 – 20mA 9 Linearizaçao K. Este controlador possui canais de entradas e saídas que podem assumir múltiplas funções. I/O2. A função as ser utilizada em cada canal de I/O é definida pelo usuário de acordo com as opções mostradas na tabela abaixo.

Define o canal a ser utilizado como saída de controle principal. ƒ Código 10 – Entrada Digital Define canal para selecionar execução do programa 1. quando disponíveis. quando disponíveis. A saída pulso é realizada através de I/O 5 (ou I/O 3. Disponível para I/O 5 ou em I/O 3 e I/O 4. quando disponíveis. ƒ Código 5 – Saída de Controle (PWM) Disponível para todos os canais I/O. Disponíveis para I/O 5 ou em I/O 3 e I/O 4. sua execução é suspensa no ponto em que ele está (o controle continua ativo). quando disponíveis. O programa retoma sua execução normal quando o sinal é aplicado à entrada digital permitir (contato fechado). Disponível para o I/O 5 ou em I/O 3 e I/O 4. quando disponíveis. Fechado = Habilita execução do programa Aberto = Interrompe o programa Nota: Quando o programa é interrompido. Fechado = Seleciona programa 1 Aberto = Assume o Set-point principal ƒ Código 11 e 12 – Saída de Controle Analógica Disponível apenas para I/O 5. inclusive para a saída analógica. Programa de Saída analógica para operar como saída de controle 0-20mA ou 4-20mA. Fechado = Controle Manual Aberto = Controle automático ƒ Código 7 – Entrada Digital Define canal para atuar com entrada digital que liga e desliga o controle (“RUN” : yes / no). Esta opção é útil quando se deseja alternar entre o set-point principal e um segundo set-point definido no programa de rampas e patamares. ƒ Código 6 – Entrada Digital Define canal para atuar como entrada digital que alterna modo de controle entre automático e manual. Fechado = SP remoto Aberto = SP principal ƒ Código 9 – Entrada Digital Define canal para comandar a execução de programas. Disponível para I/O 5 ou em I/O3 e I/O 4. Define qual o canal I/O programado atue como uma das 4 saídas de alarme. Disponível para o I/O 5 ou em I/O 3 e I/O 4. ƒ Códigos 1 a 4 – Saídas de Alarmes Disponível para todos os canais I/O. quando esta opção estiver instalada). 7 . podendo ser relé ou pulso digital (para relé de estado sólido). Fechado = Saídas Habilitadas Aberto = Saídas de controles e alarmes desligados ƒ Código 8 – Entrada digital Define canal para selecionar SP remoto.

PV PV Hight) SV SV+SPAn SV SV+SPAn SPAn Positivo SPAn Negativo Diferencial (Diferential) PV PV SV-SPAn SV SV+SPAn SV-SPAn SV SV+SPAn SPAnÎ Set-points de Alarme “ SPA1” . “SPA2” . que estão descriminados na tabela abaixo: Tipo Tela Atução Inoperante Saída não é utilizada como alarme Sensor aberto ou em Acionado quando o sinal de entrada da PV é interrompido (fica curto fora os limites de faixa ou PT100 em curto) Evento (Ramp and Soak) Acionado em um segmento específico de programa Sinaliza falha na resistência de aquecimento. 8 . “SPA3” e “SPA4”. Função de I/O Código Tipo de I/O Sem Função 0 Saída Saída de Alarme 1 1 Saída Saída de Alarme 2 2 Saída Saída de Alarme 3 3 Saída Saída de Alarme 4 4 Saída Saída de Controle (Relê ou Pulso digital) 5 Saída Alterna modo Automático/Manual 6 Entrada Digital Alterna modo RUN/STOP 7 Entrada Digital Seleciona SP remoto 8 Entrada Digital Congela / Executa programa 9 Entrada Digital Seleciona / Não Seleciona programa 1 10 Entrada Digital Saída de Controle Analógica 0 a 20mA 11 Saída analógica Saída de Controle Analógica 4 a 20mA 12 Saída analógica Retransmissão de PV 0 a 20mA 13 Saída analógica Retransmissão de PV 4 a 20mA 14 Saída analógica Retransmissão de SP 0 a 20mA 15 Saída analógica Retransmissão de SP 4 a 20mA 16 Saída analógica Tabela 2 – Tipos de funções para os canais I/O 5. PV PV Low) SV+ SPAn SV SV SV+ SPAn SPAn Positivo SPAn Negativo Diferencial Máximo (dif. Estes alarmes podem ser programados para operar com vários tipos de funções diferentes.3 – Configuração de Alarmes Este controlador de processos possui 4 alarmes independentes. ƒ Códigos 13 a 16 – Retransmissão Disponível apenas para I/O 5. Detecta a não Resist. Queimada (fail) presença de corrente PV Valor Mínimo (Low) SPAn PV Valor Máximo (Hight) SPAn SPAn Positivo SPAn Negativo Diferencial mínimo (dif. Programa a saída analógica para retransmitir PV ou SP em 0-20mA ou 4-20mA.

Tal configuração se dá pelos parâmetros “AIt1”. A temporização está disponível para apenas para os alarmes 1 e 2. ƒ Valor Máximo Dispara quando o valor medido estiver acima do valor definido pelo Set-point de alarme. ƒ Diferencial Mínimo Dispara quando o valor medido estiver abaixo do ponto definido por: (SP . ƒ Valor Mínimo Dispara quando o valor medido estiver abaixo do valor definido pelo Set-point de alarme. monitorando a corrente na carga nos momentos em que a saída de controle esta ativa. “A2t1” e “A2t2”. configurar t1 e t2 com valor 0 (zero). Essa função de alarme exige a presença de um acessório opcional (opção 3).Desvio) ƒ Diferencial Máximo Dispara quando o valor medido estiver acima do ponto definido por: (SP + Desvio) 5. Configuráveis ƒ Resistência Queimada Sinaliza que a resistência de aquecimento rompeu-se. que pode estar desenergizado momentaneamente em função da temporização. apenas um pulso no momento do disparo ou fazer que o disparo aconteça na forma de pulsos seqüenciais. onde o usuário pode estabelecer atrasos no disparo do alarme. independentemente do estado atual do relé de saída. ƒ Alarme de Evento Aciona alarme(s) em segmento(s) específicos(s) do programa. representam estas funções : t1 e t2 que podem variar de 0 a 6500 segundos e suas combinações determinam o modo de temporização. sem temporização. A tabela abaixo descreve a função de saída dos alarmes 1 e 2 e suas possíveis atuações: 9 . ƒ Diferencial (ou Banda) Nesta função os parâmetros “SPA1”. “SPA3” e “SPA4” representam o desvio da PV em relação ao SP principal. “AIt2”. As figuras mostradas na tabela 4.Desvio) e (SP + Desvio) Para um desvio negativo o alarme diferencial dispara quando o valor medido estiver dentro da faixa definida acima. ƒ Sensor Aberto O alarme de sensor aberto atua sempre que o sensor de entrada estiver rompido ou mal conectado.4 – Temporização dos Alarmes Este controlador permite a programação de temporização dos alarmes. “SPA2”. No painel frontal existe os sinalizadores dos alarmes associados aos alarmes 1 e 2 que ascendem sempre que ocorre a condição de alarme. Para que os alarmes tenham operação normal. Para um desvio positivo o alarme diferencial dispara quando o valor medido estiver fora da faixa definida por: (SP .

6 – Extração da Raiz Quadrada Função disponível quando selecionado tipo de entrada tipo 4 a 20mA (tipo 19). I/O4 ou I/O 5 quando utilizados como entrada digital e configurados com a função Seleciona SP remoto (função 8 da tabela 2). Com isso o valor apresentado no visor corresponde a raiz quadrada do sinal aplicado nos terminais da entrada. o que pode causar o acionamento de alarme na partida do sistema. Um resistor Shunt de 100Ω deve ser montado externamente junto aos terminais do controlador conforme figura abaixo: 1 13 14 15 7 2 8 3 4-20mA 9 4 10 5 100R 11 6 16 17 18 12 Conexão para SP Remoto 10 . 5. comportamento muitas vezes indesejado.5 – Bloqueio Inicial de Alarme Esta função inibe o acionamento do alarme caso exista uma condição de alarme no momento em que o controlador seja ligado. Este recurso é habilitado através dos canais I/O 3. O bloqueio inicial é útil quando um dos alarmes esta programado como alarme de valor mínimo. Tal função não é válida para a função de sensor aberto. Função de Saíde T1 T2 Atuação do Alarme Saída de Operação Alarme 0 0 normal Ocorrência de Alarme Saída de T2 Atraso 0 1 a 6500seg Alarme Ocorrência de Alarme Saída de Alarme T1 Pulso 1 a 6500seg 0 Ocorrência de Alarme Saída de Alarme T1 T2 T1 Oscilador 1 a 6500seg 1 a 6500seg Ocorrência de Alarme Tabela 4 – Funções de temporização para Alarmes 1 e 2 5. 5. O alarme poderá ser acionado após a ocorrência de uma condição de não-alarme seguida de uma condição de alarme.7 – Set-point Remoto O controlador pode ter seu valor de SP definido através de um sinal de corrente 4- 20mA gerado remotamente.

8 – Retransmissão Analógica da PV e SP Este controlador possui uma saúda analógica (I/O 5) que realiza a transmissão 4 a 20mA ou 0-20mA proporcional aos valores de PV ou SP estabelecidos. 0-50mV.9 – Soft-Start Parâmetro responsável por definir o intervalo de tempo para que a saída de controle possa atingir o seu valor máximo. O valor de saída varia progressivamente de 0 a 100% no intervalo de tempo programado na tela “SFST” Esta função é utilizada em processos que requeiram partida lenta. O valor da saída de controle é determinada principalmente pela malha de controle de PID. 6. saídas Digitais I/O3 1 13 14 15 7 .5 mm .2 – Conexão Elétrica O circuito interno do controlador pode ser removido sem desfazer as conexões no painel traseiro.Saída 0-20mA ou 4-20mA Alimentação I/O5 Saída de Pulso 2 8 + GND I/O 3 I/O 4 3 9 Entrada + de SP Remoto I/O1 4 Saídas a ReLê 10 .Inserir o controlador no recorte do painel . O Soft-Start simplesmente limita essa saída. Tais variáveis são configuráveis nos parâmetros “SPLL” e “SPHL”. Entrada de sensor I/O2 5 11 + mA Termopar. Pt100 6 16 17 18 12 4-20mA.Recolocar as presilhas no controlador pressionando até obter uma firme fixação junto ao painel.Retirar as presilhas de fixação do controlador .5. onde a aplicação de 100% de potência no início da operação pode comprometer o sistema. Ver também os parâmetros “ouLL” e “ouHL”.1 – Montagem no Painel O controlador deve ser fixado em painel. A retransmissão analógica e escalável.Fazer um recorte no painel de 45. O valor deste resistor depende da faixa de tensão desejada. seguindo a seqüência de passos descrita abaixo: .5 X 45. A disposição dos sinais no painel traseiro do controlador é mostrada na figura abaixo: Opcional Saída a Relê. tem limites de máximo e mínimo que definem a faixa de saída. 6 – INSTALAÇÃO / CONEXÕES 6. Para obter uma retransmissão de tensão o usuário deverá instalar um resistor SHUNT (550Ω máximo) nos terminais da saída analógica. ou seja. 5. 0-5V D1 D0 C Opcional Interface de comunicação 11 .

Termopar 0-50mV 4 10 5 11 + 0-5Vdc 5 11 Pt100 6 16 17 18 12 6 16 17 18 12 Figura 3 Figura 4 6.Os condutores de sinais de entrada devem percorrer a planta do sistema separada dos condutores de saída e de alimentação.4. Os fios ligados aos terminais 11 e 12 devem ter o mesmo valor de resistência. se possível em eletrodutos aterrados. .A alimentação dos instrumentos eletrônicos dever vir de uma rede própria para instrumentação.2 – RTD (Pt100) É utilizado o circuito a três fios.6. 1 13 14 15 7 1 13 14 15 7 2 8 2 8 3 9 3 9 4 10 .Em aplicações de controle é essencial considerar o que pode acontecer quando qualquer parte do sistema falhar. solenóides. com os fios dos sensores ou sinais bem presos aos terminais do painel traseiro. 0-50mA e 0-5Vdc Na figura abaixo esta descrita como deve ser feita a ligação de termopar. 5 100R 4-20mA 11 5 11 6 16 17 18 12 6 16 17 18 12 + Conexão para SP Remoto Figura 5 Figura 6 12 .É recomendável o uso de filtros RC (supressor de ruído) em bobinas de contactores. utilizar cabos de compensação apropriados. para evitar erros na medida de função do comprimento do cabo (utilizar condutores de mesma bitola e comprimento). 6. . deixar um desconectado junto ao controlador.4 – Conexões de Entrada É extremamente importante que estas ligações sejam bem feitas. . O relê interno de alarme não garante proteção total. etc. 0-50mA e 0- 5Vdc. Para Pt100 a 2 fios. 6. 1 13 14 15 7 1 13 14 15 7 2 8 2 8 3 9 4-20mA 3 9 4 10 4 10 . Se o sensor possuir 4 fios. Na necessidade de estender o comprimento do termopar.4. conforme a figura 4 (acima).1 – Termopar. fazer um curto circuito entre os terminais 11 e 12.3 – Recomendações para a Instalação .

13 . Para diferenciar esta tela da tela de SP. I/O4 e I/O5 como entrada digital. Um resitor Shunt de 100Ω deverá ser colocado junto aos terminais do controlador. Caso PV exceda os limites extremos ou a entrada esteja em aberto. (visor Verde) o valor de MV ficará piscando.-”. onde n Valor da Variável Manipulada MV (Saída de Controle): Indicação de PV Apresenta no visor superior o valor da PV e no visor inferior o valor percentual (visor Vermelho) de MV aplicado à saída de controle selecionada. o valor de MV pode ser alterado.4 – Set-point Remoto Recurso disponível nos terminais 9 e 10 do controlador e habilitado através dos canais de I/O3. O visor de Indicação de PV parâmetros (visor inferior) indica o valor de SP de controle em modo (Visor Vermelho) automático. 6.4.1 – Ciclo de operação Indicação de PV e SV: O Visor superior indica o valor atual da PV. conecte uma chave ou equivalente (contado seco) aos seus terminais.. conforme especificações. Se modo de controle automático. o visor Indicação de SV superior apresentará “. Se o modo de controle manual.6 – Conexão de Alarmes e Saídas Os canais de I/O quando programados como saídas devem ter seus limites de capacidade respeitados.4.4.3 – 4-20mA As ligações para sinais de corrente 4-20mA devem ser realizadas de acordo com a figura abaixo: 1 13 14 15 7 2 8 3 9 4 10 - 5 11 4-20mA 6 16 17 18 12 + 6. o Indicador de MV valor de MV só pode ser visualizado. 7 – DESCRIÇÃO DOS PARÂMETROS DE CONFIGURAÇÃO 7. Caso haja erro de Hardware. I/O4 e I/O5 quando utilizados como entrada digital e configurados com a função 8 da Tabela 2 “Seleciona SP Remoto”. 6. o visor apresentará (Visor Verde) a mensagem: “ ” ..5 – Entrada Digital Para acionar os canais I/O3. conforme figura abaixo: 1 13 14 15 7 2 8 3 9 4-20mA 4 10 5 100R 11 6 16 17 18 12 Conexão para SP Remoto 6.4.

3. Naquele contexto.2. (Proportional Band) – Banda Proporcional: valor do termo P do controle de PID. Execução de Programa: Seleciona o programa de Rampas e Patamares a ser executado. Apresentado se banda proporcional for diferente de zero. (Action) – Ação de Controle: Somente em controle automático . (Derivative Time) – Tempo derivativo: Valor do termo D do controle PID. Transferência Bumpless entre manual e automático.0. em segundos. Apresentado se banda proporcional for diferente de zero. Modo de Controle: “ ” Significa modo de controle automático. 14 . (Output Low Limit) – Limite inferior da saída de Controle: Valor percentual mínimo assumido pela saída de controle quando em modo automático e em PID. Ajustável entre 0 e 24. Ajustável entre 0 e 100seg. Este parâmetro só é apresentado se controle ON/OFF (Pb=0) (Integral Rate) – Taxa Integral: Valor do tempo I do controle PID. “ ” Significa controle e alarmes inibidos. Ajuste de entre 0 e 500%. (biAs) – Permite alterar o valor da variável de saída acrescentando um valor percentual definido neste parâmetro. 0 – Não executa programa 1. Normalmente ajustado em 0.2 – Ciclo de Sintonia (Auto-Tune) – Sintonia automática dos parâmetros PID. (Cycle Time) – Tempo de Ciclo PWM: Valor em segundos do período da saída PWM.executa o respectivo programa Program Com Controle Habilitado.00. (Hysteresis) – Histerese de controle: Valor de histerese para controle ON/OFF. 7. Ver capitulo 10 deste manual.5.4.6 e 7. Habilita Controle: “ ” Significa controle e alarmes habilitados. Apresentado de banda proporcional for diferente de zero. No ciclo de programas há um parâmetro de nome idêntico. “ ” – Não executa a sintonia automática. . Normalmente definido em zero. o parâmetro refere-se ao numero do programa que vai se editado.Ação Direta (“ “): em geral usada em refrigeração. “ ” – Executa a sintonia automática. Ajustável entre 0 e 250seg. em repetições por minuto (Reset). em percentual da faixa máxima do tipo tipo de entrada. Se ajustado zero.Ação reversa (“ “) : em geral usada em aquecimento. o programa selecionado entra em execução Number imediatamente. o controle é ON/OFF. Automátic “ ” Significa modo de controle manual. Tem faixa de atuação de -100% a + 100% .

em segundos ou minutos. Atua somente em controle PID.LinK ao Programa: Número do programa a ser conectado. 15 . quando em modo automático e em PID Parâmetro normalmente ajusta em 100.3 7. Os valores definidos nos parâmetros ao .0. conforme os códigos de 0 a 15 na tabela 6. de cada segmento do programa (ver Item 9). o programa é suspenso (para a contagem do tempo) até o desvio ficar dentro desta tolerância.10 o Parâmetro (time Base) esta no ciclo de programas deste equipamento. (Program Time) – Tempo de Segmento de Programa. 1 a 7: Parâmetros que definem quais alarmes devem ser acionados durante a execução de um determinado segmento de programa. (Set-poit of Alarm) – SP de Alarme: Valor que define o ponto de atuação dos alarmes programados com funções “Lo” ou “Hi”. (Program Event) – Alarmes de Eventos. inibe esta função. (Soft-Start) – Soft-Start: tempo em segundos .(ver item 9). (Os programas podem ser interligados para gerar perfis de até 49 segmentos) 0 – Não conectar a nenhum outro programa 1 – Conectar ao programa 1 2 – Conectar ao programa 2 3 – Conectar ao programa 3 4 – Conectar ao programa 4 5 – Conectar ao programa 5 6 – Conectar ao programa 6 7 – Conectar ao programa 7 OBS. 1 – Base de tempo em minutos. 1 a 7: Define o tempo de duração. Se excedido. Para os alarmes programados com função Diferencial este parâmetro define o desvio. Inicia quando o controlador é ligado ou é habilitado o controle ( ). durante o qual o controlador limita o valor da saída de controle progressivamente de 0 a 100%. em minutos. A base de tempo definido no neste parâmetro Será válida para todos os programas elaborados. Programar este parâmetro em zero. (Program Set-Point) – SP´s de Programa.: A partir do software 2. (Program Tolerance) – Tolerância de programa: Desvio máximo entre a PV e a SP do programa. (time Base) – Base de tempo: Define a base de tempo a ser utilizada na elaboração dos programas de rampas e patamates 0 – Base de tempo em segundos. (Output Hight Limit) – Limite superior da saída de Controle: Valor percentual máximo assumido pela variável manipulada (MV). Atuação depende da configuração dos alarmes para função “rs” (Link to Program) . 0 a 7: Conjunto de 8 valores de SP que definem o perfil de programa de rampas e patamares. Ver item 7.3 – Ciclo de Programas (Program Number) – Edição de Programa: Seleciona programa de Rampas e Patamares a ser definido nas telas deste ciclo. Configuração de fábrica tem a base em minutos. representam a duração de tempo dos segmentos do programa.

17. Consultar tabela 1. Este parâmetro deverá ser o primeiro a ser configurado. (Remot Set-point Low Limit) – Limite inferior do Set-Point Remoto: Determina o valor mínimo de indicação para o Set-Point remoto. (OFFSet) – OFFSet para a PV: Parâmetro que permite adicionar um valor a PV para gerar um deslocamento de indicação. que a saída de alarme ficará ligada ao ser ativado o alarme 1. seleciona o valor mínimo de indicação e ajuste para os parâmetros relativos à PV e SP. . que o alarme 1 ficará desligado após ter sido ligado. (Alarm 1 Time 2) – Tempo 2 do Alarme 1: Define o tempo. . Não é Válida para as entradas 16. que a saída do alarme 1 ficará ligada ao ser ativado o alarme 2. Programe zero para desabilitar esta função.Inibe Bloqueio inicial (Hysteresis of Alarms) – Histerese do Alarme: Define a diferença entre o valor de PV em que o alarme é acionado e o valor em que ele é desligado. A tabela 4 ilustra as funções avançadas que podem ser obtidas com a temporização. (Unit) – Unidade de Temperatura: Seleciona se a indicação graus Celsius (ºC) ou Farenheit (ºF). Define também o valor limite inferior para retransmissão de PV e SP. (Alarm 2 Time 2) – Tempo 2 do Alarme 2: Define o tempo. Termopares e PT100: Selecionar o valor mínimo para ajuste de SP. Ajustável entre -400 a +400. . Configura-se um valor para cada Histerese de alarme. em segundos.5 – Ciclo de Configuração de Entrada (Type) – Tipo de Entrada: Seleção do tipo de sinal ligado a entrada da variável de processo. Programe zero para desabilitar esta função. Define também o valor limite superior para retransmissão de PV e SP. em segundos.17. Termopares e Pt100: Seleciona o valor máximo para SP. . em segundos. (Alarm 1 Time 1) – Tempo do Alarme 1: Define o tempo. (Blocking for alarms) – Bloqueio Inicial de Alarme: Função de bloqueio inicial para alarmes 1 a 4. 7. Programe zero para desabilitar esta função. Determina a posição para apresentação do ponto decimal em todos os parâmetros relativos à PV e SP. que o alarme 2 ficará desligado após ter sido ligado. . (Set-Point High Limit) – Limite Superior do Set-Point: Para entradas Lineares.18 e 19. . . 16 . seleciona o valor máximo de indicação e ajuste para os parâmetros relativos a PV e SP. . Programe zero para desabilitar esta função. (Decimal Point Position) – Posição do Ponto Decimal: Somente para as entradas 16.Habilita bloqueio inicial .4 – Ciclo de Alarmes (Functin of Alarm) – Função de Alarme: define as funções dos alarmes entre as opções da tabela 3. .7. (Set-Point Low Limit) – Limite Inferior do Set-point: Para entradas lineares. 18 e 19. Normalmente definido em zero. (Alarm 2 Time 1) – Tempo 1 do Alarme 2: Define o tempo em segundos.

Quando relê. Normalmente usado como saída de controle. (Input Low Calibration) – Calibração de Offset da Entrada: Permite calibrar o Offset da PV. As opções de 0 a 16 estão disponíveis. (Hardware Type) – Tipo de Hardware: Parâmetro de uso exclusivo do fabricante. Não deve ser alterado pelo usuário. conforme as opções da tabela 2. Apenas percorra o ciclo sem que haja qualquer mudança nos parâmetros. Quando utilizada como Entrada/Saída Digital as opções válidas estão descritas na tabela 2. Usado normalmente para controle ou retransmissão analógica. Para provocar variação de uma unidade podem ser necessários vários toques em ou . (Output High Calibration) – Calibração Ganho de Saída: Valor para calibração de ganho de saída de controle em corrente (Cold Juntion Low Calibration) – Calibração OffSet da Junta Fria: Parâmetro para ajuste do Offset da temperatura da junta fria. não pressionar a teclas incremento ou decremento . AS opções de 0 a 5 estão disponíveis na Tabela 2.7 – Ciclo de Calibração Todos os tipos de entradas e saídas são calibrados na fábrica. 1 = 2400bps. (Input High Calibration) – Calibração de ganho de Entrada: Permite calibrar o ganho da PV. 7. Caso necessária. As opções de 0 a 5 estão disponíveis na tabela 2. deve ser realizada por um profissional especializado ou que seja enviado a fabrica. 7. (Output Low Calibration) – Calibração Offset da Saída: Valor para calibração de offset da saída de controle em corrente. As opções de 0 a 5 estão disponíveis conforme a tabela 2. (Imput/Output 2) – Função de I/O 2: Seleção utilizada no canal I/O 2. 17 . (Imput/Output 5) – Função de I/O 5: Seleção da função utilizada no canal I/O 5. sendo a recalibração um procedimento não recomendado. Normalmente usado como saída de controle. que pode ser uma saída à relé ou uma entrada/Saída digital. (Imput/Output 4) – Função de I/O 4: Seleção da função utilizada no canal I/O 4. (Baud Rate) – Baud Rate de Comunicação: Disponível em RS485 0 = 1200bps. é o número que indentifica o controlador para comunicação. entre 1 e 247. (Remot Set-Point High Limit) – Limite superior de Set-Point Remoto: Determina o valor Máximo de indicação para Set-point Remoto. Se este ciclo for acessado acidentalmente. as opções que são validas estão descritas na tabela 2. 2 = 4800bps. 3 = 9600bps. 4 = 19200bps (Address) – Endereço de Comunicação: Com RS485.6 – Ciclo de I/Os (Entradas e Saídas) (Imput/Output 1) – Função de I/O 1: Seleção utilizada no canal I/O 1. (Imput/Output 3) – Função de I/O 3: Seleção da função utilizada no canal I/O 3.

- - - - Fluxograma completo das configurações dos Parâmetros. A figura abaixo exemplifica um programa em relação ao tempo: 18 . Para provocar alterações de uma unidade podem ser necessários vários toques nas teclas incremento e decremento ( ou ). Cada programa é composto de 7 segmentos chamado de Programa de Rampas e Patamares. Podem ser criados até 7 programas diferentes de rampas e patamares. definido por valores de SP e intervalos de tempo. Ciclo de Ciclo de Ciclo de Ciclo de Ciclo de Ciclo de Ciclo de Operação Sintonia Programação Alarme Configuração I/Os Calibração PV e SP - - PV e MV .8 – Fluxograma dos Ciclos de Configuração dos Parâmetros A tabela abaixo descreve os ciclos de configuração deste controlador. Ao fim da execução do programa o controlador desliga a saída de controle. 3 = Placa p/ proteção de resistência. (Remote Setpoint Low Calibration) – Calibração do Offset do Set-Point Remoto: Valor para calibração de Offset da Entrada de Set-point remoto em corrente. 8 – PROGRAMA DE RAMPAS E PATAMARES Este controlador permite que o usuário elabore um programa com um perfil de comportamento para o processo. (Remote Set-Point High Calibration) – Calibração do Ganho do Set-Point Remoto: Valor para calibração de ganho da Entrada de Set-Point Remoto em corrente 7. o controlador passa a gerar automaticamente o SP de acordo com o programa. 0 = Sem Opcionais. 1 = Placa para 3º relê (I/O3) 2 = Placa para I/O digital (I/O3 e I/O4). Uma vez definido o programa e colocado em execução.

basta “Linkar” um programa a ele próprio ou o último programa ao primeiro. 8.1 – Links de Programas É possível a criação de programas mais complexos. Se este desvio é excedido o programa é interrompido até que o desvio retorne à tolerância programada (desconsidera o tempo). o controlador passa a executar imediatamente outro programa. Se o programado zero o controlador executa continuamente mesmo que PV não acompanhe SP (considera apenas o tempo). Na elaboração de um programa de maior complexidade. SP Sp3 Sp4 Sp5 Sp6 Sp1 Sp2 Sp7 Sp0 T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 Tempo Exemplo de Programa de Rampas e Patamares Para a execução de um programa com menor número de segmentos. Abaixo está exemplificado um programa interligado a outro: 19 . basta programar 0 (zero) para os valores de tempo dos segmentos que sucedem o último segmento a ser executado. Existe a possibilidade de juntar 2 ou mais programas. define-se na tela “ “ se haverá ou não ligação a outro programa. Para fazer com que o controlador execute continuadamente um determinado programa ou programas. SP Sp1 Sp2 Sp0 Sp3 T1 T2 T3 T4=0 Tempo Exemplo de Programa . assim ao término da execução de um programa.Poucos segmentos A função de tolerância “ ” define o desvio máximo entre PV e SP durante a execução do programa.

20 . SP´s de programa.iniciar o controle na tela “ “.Se algum alarme for utilizado com a função de evento. programar sua função para Alarme de Evento . Para que esta função opere. O número programado nas telas de evento define os valores a serem acionados: Código Alarme 1 Alarme 2 Alarme 3 Alarme 4 0 1 X 2 X 3 x X 4 X Tabela 6 – 5 X X Valores do 6 X X 7 X X X evento para 8 X rampas e 9 X X 10 X X patamares 11 X X X 12 X X 13 X X X 14 X X X 15 X x x X Para configurar e executar um programa de rampas e patamares deve-se seguir a seqüência de passos listada abaixo: . SP Programa 1 Programa 2 Sp5 SP0 Sp3 Sp3 Sp4 Sp1 Sp2 Sp1 Sp2 SP0 Sp4 T1 T2 T3 T4 T5 T1 T2 T3 T4 Tempo 8. . Ao retornar de uma falta de energia o controlador retoma a execução do programa a partir do inicio do segmento que foi interrompido.Programar os valores de tolerância. Antes de iniciar o programa o controlador aguarda PV alcançar o Set-point inicial. . os alarmes a serem acionados devem ter sua função selecionada para “ “ e são programados nas telas “ “a“ “ de acordo com a tabela 6.2 – Alarme de Evento Este parâmetro permite programar o acionamento dos alarmes em segmentos específicos de um programa.Colocar o modo de controle automático.Habilitar o controle na tela ” “ . tempo e evento. .

O sinalizador “ “ permanecerá ligado durante o processo de sintonia automática. . 9 – AUTO-SINTONIA DOS PARÂMETROS PID Durante a sintonia automática o processo é controlado em ON/OFF no SP programado.Desligar a função de rampas e patamares e programar SP para um valor diferente de valor atual da PV e próximo ao valor em que irá operar o processo depois de sintonizado. Dependendo das características do processo.Habilitar a sintonia automática na tela “ “. Parâmetro Problema Verificado Solução Resposta Lenta Diminuir Banda proporcional Grande oscilação Aumentar Resposta Lenta Aumentar Taxa de Integração Grande oscilação Diminuir Resp. . .Habilitar o controle na tela “ “. c) Aplicar à entrada um sinal correspondente a uma indicação conhecida e pouco acima do limite inferior de indicação. Lenta ou oscilação Diminuir Tempo Derivativo Grande oscilação Aumentar Tabela 7 – Orientação para possíveis ajustes manuais dos parâmetros PID 10 – CALIBRAÇÃO 10. .Desabilitar a função de Soft-Start. grandes oscilações podem ocorrer acima e abaixo de SP. Caso a auto-sintonia não resulte em um controle satisfatório. a sintonia automática calcula o maior valor possível de PWM. e) Aplicar à entrada um sinal correspondente a uma indicação conhecida e um pouco abaixo do limite superior de indicação.Programar operação em modo automático na tela “ “. b) Programar os limites inferior e superior de indicação para os extremos do tipo da entrada.Caso haja necessidade de recalibração em alguma escala. . proceder de seguinte forma: a) Configurar o Tipo de Entrada a ser calibrada. A auto-sintonia pode levar alguns minutos para ser concluída em alguns processos.Programar valor diferente de zero para a Banda proporcional. Recomenda-se para a execução: . Com as teclas incremento e decremento. d) Acessar o parâmetro “ “ . . fazer com que o visor de parâmetros indique o valor esperado. Para relê de estado sólido se recomenda a redução para 1 segundo. Este valor pode ser reduzido se ocorrer pequena instabilidade.1. a tabela 7 apresenta algumas orientações de como corrigir e otimizar o comportamento do processo. 21 .Inibir o controle do processo na tela “ “.Calibração da Entrada Este controlador já vem de fábrica com todos os tipos de entradas calibradas. Para a saída de controle a relê ou pulsos de corrente.

1 – Características da Comunicação Serial Ligações a 2 fios entre 1 mestre e até 31 instrumentos em topologia barramento. f) Habilitar controle na tela “ “ g) Programar MV em 0. aproximando por baixo deste valor. Número de Stop bits: 1. disponível na maioria dos Softwares de supervisão encontrados no mercado. d) Programar o limite inferior de MV na tela “ “ com 0. 11. 4800. 11 – COMUNICAÇÃO SERIAL (OPCIONAL) Este controlador pode ser fornecido com comunicação serial RS485.0% e o limite superior de MV na tela” “ com 100%.2 – Calibração da Saída Analógica Abaixo está descrito o procedimento para realizar a configuração da Saída analógica: a) Configurar I/O 5 para valor 11 (0-20mA) ou 12 (4-20mA). Também aceita comandos tipo “Broadcast”. k) Repetir os passos G a J até que estabilize e não haja mais necessidade de um novo ajuste. 22 . c) Inibir Auto-Tune e Soft-Start. aproximando por cima deste valor. com velocidade selecionável entre 1200. j) Selecionar a tela “ “. i) Programar MV em 0. Máxima distancia de ligação: 1000 metros. Tempo de desconexão do controlador: máximo 2ms após último byte. g) Repetir os passos descritos (de c a f) até que não seja mais necessários novos ajustes. e) Programar” “. Sinais RS485: D: Linha bidirecional de dados. tipo mestre- escravo. Atuar nas teclas incremento e decremento . b) Montar um miliamperímetro na saída de controle analógica. h) Selecionar a tela “ “. 9600 ou 12900bps. observar se a corrente de excitação de Pt100 exigida pelo calibrador utilizado é compatível com a corrente de excitação de PT100 usada neste instrumento (170µA). Protocolo utilizado: MODBUS (RTU).0% no ciclo de operação. Tempo de início de transição de resposta: máximo 100ms após receber o comando. Atuar nas teclas incremento e decremento. f) Acessar o parâmetro “ “. Com as teclas incremento e decremento. fazer com que o visor de parâmetros indique o valor esperado. 2400. modo manual na tela “ “. de forma a obter no miliamperímetro a leitura 0mA (ou 4mA caso for 4-20mA). até obter a leitura de 20mA. sem paridade.0% no ciclo de operação. para comunicação com um computador (mestre). Número de bits de dados: 8. Nota: Quando efetuadas aferições no controlador. 10. Os sinais de comunicação são isolados eletricamente do resto do aparelho. D: Linha bidirecional de dados invertida.

GND: Ligação opcional que melhora o desempenho da comunicação. 11. Este equipamento apresenta algumas mensagens que tem o objetivo de auxiliar o usuário na identificação de problemas. comunicar imediatamente o fabricante. Verificar cada caso. Sem sensor ou sinal. Holdi Parâmetro Descrição do Registrador ng Regist ers 23 . : Endereço de comunicação do controlador. Se os erros persistirem. Cada Controlador dever possuir um endereço exclusivo. O controlador também apresenta um alarme visual (o display piscará) quando o valor de PV estiver fora da faixa estabelecida por e . A tabela abaixo descreve as possíveis soluções para alguns problemas: Mensagem Descrição do Problema Entrada aberta. Cada parâmetro da tabela é uma palavra (word) de 16 bits com sinal representado em complemento de 2.2 – Configuração dos Parâmetros da Comunicação Serial A configuração da comunicação serial ocorre através dos parâmetros abaixo: : Velocidade de comunicação.TABELA DE REGISTRADORES Equivale aos holding registers (referência 4X). Todos os equipamentos devem estar configurados com a mesma velocidade de comunicação. Problemas de conexão no cabo do Pt100 Podem aparecer outras mensagens no painel frontal deste equipamento relacionado a erros nas conexões de entrada ou tipo de entrada selecionado não é compatível com o sensor ou o sinal aplicado na entrada. Informar o número de série do aparelho que é conseguido se pressionado a tecla voltar por mais de três segundos. 13. Os registradores são os parâmetros internos do controlador. mesmo após a revisão. 12 – PROBLEMAS COM O CONTROLADOR Erros de ligações e de programações representam a maioria os problemas apresentados na utilização deste controlador. Todos os registradores a partir do endereço 12 podem ser escritos e lidos. Os registradores até este endereço na sua maioria são de apenas leitura.

29. Faixa: 0 a 1000 (0.N1500. Valores lidos: Se a versão do equipamento for V1. Faixa máxima: -1999 a 9999. Escrita: não permitida. Ver end. 0004 . onde: XX→número do ciclo de telas (ver item 4 - APRESENTAÇÃO/OPERAÇÃO) e YY→número da tela (ver Figura 12). será lido 100. Valor lido: Verificar tabela 7 0011 . Valores lidos: 1 .N1100. 0006 Nro Tela Leitura: Número da Tela corrente.0%). Escrita: não permitida. 0010 Status Word 2 Leitura: Bits de Status do controlador. Faixa máxima: de até o valor setado em . Escrita: Valor na tela corrente. 2 . por exemplo.0 a 100. Escrita: não permitida. Reserva. Faixa máxima: o mínimo é o valor setado em e o máximo é o valor setado em ea posição do ponto decimal depende da tela .0001 SV ativo Leitura: Setpoint de Controle ativo (da tela principal. 0009 ID Leitura: Número de identificação do equipamento. 0012 Taxa Integral (em repetições/min) Faixa: 0 a 3000 (0. 0008 Versão Leitura: Versão de software do controlador. outros valores: equipamentos especiais. 0007 Status Word 1 Leitura: Bits de Status do controlador Escrita: não permitida.00. Escrita: não permitida. 0002 PV Leitura: Variável de Processo. Faixa: 0000h a 060Ch Formação do número da tela: XXYYh. 0005 Valor Tela Leitura: Valor na tela corrente. Escrita: Setpoint de Controle na tela principal. Escrita: não permitida.N2000. Software Escrita: não permitida. do rampas e patamares ou do setpoint remoto). 3 . Valor lido: Verificar tabela 7. A faixa depende da tela mostrada.00) 0013 Tempo Derivativo (em segundos) 24 . Reserva.00 a 30. 0003 MV Leitura: Potência de Saída ativa (manual ou automático).

Somente leitura 0026 SV Setpoint de Controle (Setpoint da tela). 0023 . Faixa: 0 a 8 0→ .XX.0%) 0030 Valor de Offset da PV (Variável de Processo). 0028 Limite superior de Setpoint Faixa: de ao máximo permitido para a entrada selecionada em ( tabela 1). Faixa: 0 a 3 0→X.0%).0 a 100.0%). L Faixa: 0 a 9999.5 a 100.0 a 100. 0034 Preset do alarme 3 Faixa: idem à tela .XXX. 0029 MV Potência de Saída em manual (em percentual) manual Faixa: 0 a 1000 (0.0 a 500.X. para alarme diferencial. 1→XX. 6→ . Faixa: 0 a 250 0014 Banda Proporcional (em percentual) Faixa: 0 a 5000 (0. Série H Faixa: 0 a 9999. 0036 Função do alarme 1. Somente leitura 0025 Número Série Últimos quatro dígitos do Número de Série. 0021 Limite superior de potência de saída. 0020 Limite inferior de potência de saída. 0033 Preset do alarme 2 Faixa: idem à tela . 0024 Número Primeiros quatro dígitos do Número de Série. Faixa: o mínimo depende do tipo de entrada configurada em (ver tabela 1) e o máximo é o valor setado em . 5→ . Reserva. 0031 Posição do ponto decimal de PV. Faixa: Entre e para alarme não-diferencial. Reserva. 0018 Histerese de controle On/Off (na unidade de engenharia do tipo selecionado) Faixa: 0 a . Reserva. Faixa: 0 a 1000 (0. 3→XXXX 0032 Preset do alarme 1.0 a 100. 1→ . 8→ . 0016 Período de Ciclo PWM (em segundos) Faixa: 5 a 1000 (0. 0022 . .0) 0017 . 2→ . 2→XXX. 0035 Preset do alarme 4 Faixa: idem à tela . 4→ . 0019 . Faixa: de a . Faixa: de a . Reserva. 0027 Limite inferior de Setpoint. 25 . 7→ . e .0) 0015 . Reserva. 3→ . Faixa: 0 a 1000 (0.

0051 Bloqueio inicial do Alarme 1. 0057 Limite superior do Setpoint remoto Faixa: o mínimo é o valor setado em . Faixa: 0 a 9 1→ . 0048 Habilita Controle. 0045 Endereço do escravo Faixa: 1 a 247 0046 Baud-Rate de comunicação. 2→ . 1→sim. 0053 Bloqueio inicial do Alarme 3 Faixa: idem à tela . Consultar a tabela 1. 1→automático.00 a 99.0037 Função do alarme 2 Faixa: idem à tela . 9→ e . 0042 Histerese do alarme 3 Faixa: idem à tela .1→2400. Faixa: 0 a 1 0→manual. Faixa: 0 a 1 0→não. 26 . 0044 Tipo de sensor de entrada de PV Faixa: 0 a 18. 8→ . Faixa: 0 a 1 0→direta.3→9600. 0055 Tecla Ação Remota de Tecla Pressionada. 4→19200 0047 Modo de Controle. 0052 Bloqueio inicial do Alarme 2 Faixa: idem à tela . 1→sim. Faixa: 0 a 1 0→não. 4→ . 0050 Habilita Auto-Sintonia. 0039 Função do alarme 4 Faixa: idem à tela . e o máximo é o valor setado em .99%) 0041 Histerese do alarme 2 Faixa: idem à tela . 0038 Função do alarme 3 Faixa: idem à tela . BACK BACK 0056 Limite inferior do Setpoint remoto Faixa: o mínimo depende do tipo de entrada configurada em (ver tabela 1). 0054 Bloqueio inicial do Alarme 4 Faixa: idem à tela . e o máximo depende do tipo de entrada configurada em (ver tabela 1). 0049 Ação de controle. 0040 Histerese do alarme 1 Faixa: 0 a 9999 (0.2→4800. 1→sim. 1→reversa. Faixa: 0 a 4 0→1200. 0043 Histerese do alarme 4 Faixa: idem à tela . Faixa: 0 a 1 0→não.

0066 Tempo 2 da temporização alarme 2 (em segundos) Faixa: idem à tela . Faixa: 0 a 4 0073 Programa de Rampas e Patamares a ser visualizado (editado). 0060 Função do IO 3. Faixa: idem à tela . Faixa: 0 a 6500s Consultar a tabela 4 para mais detalhes. 1→°F. Faixa: idem à tela . 0069 Bias. 0063 Tempo 1 da temporização alarme 1. 0064 Tempo 2 da temporização alarme 1 (em segundos) Faixa: idem à tela . Reserva. 0071 . 0065 Tempo 1 da temporização alarme 2 (em segundos) Faixa: idem à tela . 27 . Faixa: 0 a 5 Consultar a tabela 2 para mais detalhes. 0059 Função do IO 2. 0080 Evento do segmento 1 do programa 2 (R&P). Consultar tabela 6. 0061 Função do IO 4.0058 Função do IO 1. 0079 Evento do segmento 5 do programa 1 (R&P). 0081 Evento do segmento 2 do programa 2 (R&P). Faixa: 0 a 15. Faixa: idem à tela . Faixa: 0 a 5 Consultar a tabela 2 para mais detalhes. 0078 Evento do segmento 4 do programa 1 (R&P). Faixa: 1 a 4 0074 Programa de Rampas e Patamares sendo executado Faixa: 0 a 4 0075 Evento do segmento 1 do programa 1 (R&P). Faixa: 0 a 10 Consultar a tabela 2 para mais detalhes. Faixa: 0 a 15. 0077 Evento do segmento 3 do programa 1 (R&P). 0076 Evento do segmento 2 do programa 1 (R&P). 0072 Segm R&P Número do segmento de Rampas e Patamares em execução (somente leitura). 0062 Função do IO 5. Faixa: 0 a 10 Consultar a tabela 2 para mais detalhes. Consultar tabela 6. Reserva. Faixa: idem à tela . 0067 Tempo de Soft-Start (em segundos) Faixa: 0 a 9999 0068 Unidade de Temperatura. Faixa: 0 a 1 0→°C. Faixa: 0 a 16 Consultar a tabela 2 para mais detalhes. Faixa: -100 a +100 0070 .

0092 Evento do segmento 3 do programa 4 (R&P). Consultar tabela 6. 0086 Evento do segmento 2 do programa 3 (R&P). Faixa: idem à tela . Faixa: idem à tela . 0100 Tempo 4 do Programa 1. Faixa: idem à tela . 0087 Evento do segmento 3 do programa 3 (R&P). Consultar tabela 6. 0089 Evento do segmento 5 do programa 3 (R&P). 0099 Tempo 3 do Programa 1. 0101 Tempo 5 do Programa 1. 0091 Evento do segmento 2 do programa 4 (R&P). Faixa: idem à tela . 0085 Evento do segmento 1 do programa 3 (R&P). 0083 Evento do segmento 4 do programa 2 (R&P). Faixa: idem à tela . ). Faixa: 0 a 9999 minutos. 0103 Setpoint 1 do Programa 1 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 28 . 0082 Evento do segmento 3 do programa 2 (R&P). Faixa: 0 a 15. Faixa: idem à tela . Faixa: 0 a 9999 minutos. Faixa: idem à tela . Faixa: idem à tela . Faixa: idem à tela . 0095 Tolerância do Programa 1 (Rampas e Patamares) Faixa: 0 a valor de ( . Faixa: 0 a 9999 minutos. 0098 Tempo 2 do Programa 1. 0094 Evento do segmento 5 do programa 4 (R&P). Faixa: 0 a 9999 minutos. 0088 Evento do segmento 4 do programa 3 (R&P). Faixa: 0 a 15. Faixa: idem à tela . Faixa: o mínimo é o valor setado em e o máximo é setado em . 0090 Evento do segmento 1 do programa 4 (R&P). Faixa: 0 a 9999 minutos. 0084 Evento do segmento 5 do programa 2 (R&P). Faixa: idem à tela . Faixa: idem à tela . 0102 Setpoint 0 do Programa 1. 0096 Link do Programa 1 (Rampas e Patamares) Faixa: 0 a 5 0097 Tempo 1 do Programa 1. 0093 Evento do segmento 4 do programa 4 (R&P).

0124 Tempo 2 do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0112 Tempo 3 do Programa 2. Faixa: o mínimo é o valor setado em e o máximo é setado em . 0117 Setpoint 2 do Programa 2 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . Faixa: 0 a 9999 minutos. Faixa: 0 a 9999 minutos. 0121 Tolerância do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: 0 a valor de ( . 0113 Tempo 4 do Programa 2. 0125 Tempo 3 do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0115 Setpoint 0 do Programa 2. 0109 Link do Programa 2 (Rampas e Patamares) Faixa: 0 a 5 0110 Tempo 1 do Programa 2. Faixa: 0 a 9999 minutos.0104 Setpoint 2 do Programa 1 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0122 Link do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: 0 a 5 0123 Tempo 1 do Programa 3. ). 0119 Setpoint 4 do Programa 2 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0107 Setpoint 5 do Programa 1 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0126 Tempo 4 do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0114 Tempo 5 do Programa 2. 0105 Setpoint 3 do Programa 1 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . Faixa: 0 a 9999 minutos. 0111 Tempo 2 do Programa 2. Faixa: 0 a 9999 minutos. 0120 Setpoint 5 do Programa 2 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . ). 29 . 0108 Tolerância do Programa 2 (Rampas e Patamares) Faixa: 0 a valor de ( . 0106 Setpoint 4 do Programa 1 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0118 Setpoint 3 do Programa 2 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . Faixa: 0 a 9999 minutos. 0116 Setpoint 1 do Programa 2 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela .

0128 Setpoint 0 do Programa 3. 0144 Setpoint 3 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . ). 0130 Setpoint 2 do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . Faixa: de até o valor setado em . 0135 Link do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: 0 a 5 0136 Tempo 1 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: 0 a 9999 (em minutos) 0137 Tempo 2 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0138 Tempo 3 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0142 Setpoint 1 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0140 Tempo 5 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0134 Tolerância do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: 0 a valor de ( . 0146 Setpoint 5 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0129 Setpoint 1 do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0139 Tempo 4 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0131 Setpoint 3 do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 30 . 0132 Setpoint 4 do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . Faixa: de até o valor setado em . 0141 Setpoint 0 do Programa 4. 0145 Setpoint 4 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela .0127 Tempo 5 do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0143 Setpoint 2 do Programa 4 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela . 0133 Setpoint 5 do Programa 3 (Rampas e Patamares) Faixa: idem à tela .

não será enviada resposta ao mestre. 1-sim) bit 9 .Auto-tune (0-não. 1-ativo) bit 2 .Unidade (0-°C. 1-°F) bit 10 . 1-ativa) bit 5 .Alarme 1 (0-inativo. 1.automático) bit 1 .Valor para detecção de hardware bit 10 .inativa. 1-ativo) bit 3 .Run (0-stop. 1-sim) bit 7 .Estado da Saída 1 bit 12 .Alarme 2 (0-inativo.Entrada 0 .Bloqueio inicial alarme 3 (0-não. 1-ativo) bit 4 .Alarme 4 (0-inativo.reserva Status Word 2 bit 0 .Alarme 3 (0-inativo.RESPOSTA DE EXCEÇÃO – CONDIÇÕES DE ERRO Ao receber um comando.Entrada 2 .reserva bit 4 .Valor para detecção de hardware bit 9 . Caso sejam inválidos será enviada uma resposta de exceção com código de erro. Caso haja recebido a solicitação sem erros. 1.ativa) bit 6 .reserva bit 15 .Entrada 1 .reserva bit 13 . 1.reserva bit 11 . Coil Status Descrição da Saída 1 Estado da Saída 1 (I/O1) 2 Estado da Saída 2 (I/O2) 3 Estado da Saída 3 (I/O3) 4 Estado da Saída 4 (I/O4) 5 Estado da Saída 5 (I/O5) 15.reserva bit 14 . A escrita nos bits de saída digital somente será possível quando as saídas estiverem configuradas como “Off” na configuração de I/O no controlador.reserva bit 12 . independente da sua função. Os Bits de Status de saída são basicamente os estados lógicos (booleanos) das respectivas saídas digitais.Estado da Saída 2 bit 13 . 1-sim) bit 6 . Se um comando de escrita de valor em um parâmetro tiver o valor fora da faixa permitida.Estado da Saída 5 Tabela 7: Valores de leitura dos Status Words 14 – ESTADOS DA SAÍDA DIGITAL Equivale aos Coil Status (referência 0X).I/O 5 (0-inativa.Automático (0.inativa.I/O 4 (0.Estado da Saída 4 bit 15 . Caso haja erro de CRC na recepção.Ação do Controle 1 (0-direta. 1-reversa) bit 3 . 1-ativo) bit 1 .ativa) bit 7 .reserva bit 8 . será feita uma consistência do comando e registradores solicitados. Registrador de Status Formação do valor Status Word 1 bit 0 . será . A leitura fornecerá o estado atual das saídas digitais.Estado da Saída 3 bit 14 .Bloqueio inicial alarme 2 (0-não.manual. 1-sim) bit 5 .reserva bit 11 .Bloqueio inicial alarme 1 (0-não. o controlador realiza a verificação de CRC no bloco de dados recebidos.I/O 3 (0. 1-sim) bit 8 .Bloqueio inicial alarme 4 (0-não. 1-run) bit 2 .

Alfeu Ambrogi. identificados pela nota fiscal de compra. enviar o equipamento. retornando como resposta este valor. uma garantia de 1 ano.incon. • Despesas e risco de transporte correrão por conta do proprietário. • Dentro do período de garantia. para o endereço de nossa fábrica. serão gratuitos.forçado o valor máximo permitido para este parâmetro. • Para eventuais reparos. nos seguintes termos: • O período de garantia inicia na data de emissão da nota fiscal. R Incon Eletrônica Ltda R. Somente é possível escrever em modo broadcast. Os comandos de leitura em broadcast são ignorados pelo controlador e não haverá resposta. a mão de obra e componentes aplicados em reparos de defeitos ocorridos em uso normal. juntamente com as notas fiscais de remessa para conserto.com. Código Descrição do Erro de Erro 81h Comando inválido ou inexistente 82h Número do registrador inválido ou fora da faixa 83h Quantidade de registradores inválida ou fora da faixa Tabela 8: Códigos de erro na resposta de exceção 16– GARANTIA A Incon Eletrônica assegura ao proprietário de seus equipamentos.br www.com. 735 São Carlos – SP CEP 13570-540 Fone/Fax: 16 33634100 incon@incon.br 32 .