You are on page 1of 14

Fisiologia Gastrointestinal

- Função primaria: transportar nutrientes agua e eletrólitos do meio externo para o interno do corpo.

Fisiologia Gastrointestinal - Função primaria: transportar nutrientes agua e eletrólitos do meio externo para o interno

-Balanço de massa: ingestão de 2l de agua/dia, 7 litros de enzimas. Esse volume de liquido secretado é equivalente a 1/6 do volume de agua no corpo, e precisa ser reabsorvido, normalmente a absorção é muito eficiente, e só expele 100 ml pelas fezes.

Maior coleção de tecido linfático do corpor, para a proteção contra bactérias, tecido linfático associado ao intestino.

QUATRO PROCESSOS: digestão, motilidade, secreção e absorção.

Digestão: quebra e degradação química dos alimentos. Absorção: Transferência ativa ou passiva de nutrientes do lúmen para o LEC Motilidade: Movimento do material no GI Secreção: transferência transepitelias de agua e íons do LEC para o lúmen do trato digestório quanto a liberação de substancias sintetizadas pelas células epiteliais.

Anatomia do SD

Digestão inicia na cavidade oral, mastigação e secreção de saliva pelas glândulas: sublinguais, submandibulares e parótidas. Esofago tórax ao abdômen, inicialmente musculo esquelético, transição para musculo liso nos dois terços inferiores (abaixo do diafragma). Desemboca no estomago. Estomago dividido em 3 partes: fundo (superior), corpo (central), antro (inferior). Continua a digestão iniciada na boca misturando os alimentos cm ácido e enzimas para criar o quimo. Piloro é a abertura entre estomago e duodeno. Protegido pela valva pilórica. Maior parte da digestão acontece no intestino delgado, que é dividio em duodeno, jeujuno e o íleo. Enzimas secretadas por dois órgãos glandulares acessórios: pâncreas e fígado. A digestão é quase totalmente feita nele, deixando 1,5 L para o grosso, no colo o quimo aquaso é convertido em fezes solidas, agura e eletrólitos são absorvidos para o LEC.

Fezes chegam ao reto e disparam o reflexo de defecação.

A parede do tubo possui quatro camadas:

1.Mucosa interna: voltada para o lúmen

  • 2. Submucosa

  • 3. Muscular externa: musculo liso

  • 4. Serosa: cobertura de tecido conjuntivo.

Fezes chegam ao reto e disparam o reflexo de defecação. A parede do tubo possui quatro

Mucosa: revestimento interno, constituído de camada única de células epiteliais, lamina próprio que mantem o epitélio no lugar e a muscular mucosa que é uma camada fina de musculo liso. Tem a parede pregueada, rugas no estomago e pregas circulares no ID. Invaginações formam as glândulas gástricas no estomago e criptas no intestino.

Células transportadoras transportam ions e agua para dentro do lumen e absorvem ions, agua e nutrientes para o LEC. Superficie mucosa: células secretórias liberam enzimas, muco e moléculas paracrians para o lumen. A serosa secreta hormônios para o sangue ou mensageiros parácrinos no liquido intersticial. A lamina própria contem células imuniataias patrulhadoras como macrófagos e linfócitos. No intestino o acumulo de tecido linfático adjacente ao epitélio forma pequenos nódulos e placas maiores denominadas placas de Peyer, a muscular por contração, altera a área de superfície efetiva de absorção.

Submucosa: tecido conectivo com vasos sanguíneos e linfáticos maiores, contem o plexo submucoso (sistema nervoso entérico), também conhecido como plexo de Meissner

Muscular externa e Serosa: camada circular de musculo liso interna e uma camada longitudinal externa. O plexo mioenterico (Auerbach) situa-se entre a longitudinal e a circular. A serosa é a cobertura externa que é uma continuação da membrana peritoneal.

Motilidade

Contrações tônicas que são mantidas por minutos ou horas, ocorrem em alguns esfíncteres e na porção proximal do estomago. Contrações fásicas, que ocorrem em ciclos de contração- relaxamento de segundos ocorrem na porção distal do estomago e intestino delgado. Potenciais de ondas lentas: ciclos espontâneos de despolarização e polarização, não chegam ao limiar, como as células do miocárdio. As ondas são disparadas pelas células intersticiais de

Cajal, localizadas entre as camadas de musculo liso e os plexos nervosos, e podem atuar como intermediarias entre os neurônios e o musculo liso. 3 PADROES GERAIS:

COMPLEXO MOTO MIGRATÓRIO: serie de contrações que começam no estomago e passam lentamente de segmento a segmento levando apx 90 min até chegar no intestino grosso, tem a função de limpeza do TGI superior par ao IG

Cajal, localizadas entre as camadas de musculo liso e os plexos nervosos, e podem atuar como

PERISTALSE: ondas progressivas que se movem de uma seção para outra, o musculo circular se contrai, que empurra o bolo para um segmento receptor onde os músculos circulares estão relaxados. Ocorre principalmente no esôfago.

Cajal, localizadas entre as camadas de musculo liso e os plexos nervosos, e podem atuar como

CONTRAÇÕES SEGMENTARES:

segmentos curtos do intestino contraem e relaxam. Agitam o conteúdo intestinal, misturando- o e o mantendo em contato com o epitélio absortivo.

Secreção

Composição da secreção: agua e íon Na, K, Cl, HCO 3 , H. agua segue o gradiente osmótico, os íons são liberados no lúmen e depois reabsorvidos. Secreção ácida: células parietais secretam HCl no lúmen do estomago. H2O da célula parietal é dissociado e o H + é jogado para o lumen através de uma bomba H-K ATPase, em troca do K, o Cl - segue o H + , formando HCl no lumen, o OH - mais o CO2 formam HCO 3 - e vai para o sangue fazer o tamponamento.

Secreção Composição da secreção: agua e íon Na, K, Cl, HCO , H. agua segue o

Secreção de Bicarbonato: no duodeno neutraliza o ácido. Maioria vem do pâncreas, embora algumas células duodenais secretem. Celulas acinares secretam enzimas digesorias, e a ductais NaHCO 3 . Para produzir bicarbonta é necessárias altas concentrações de anidrase carbônica.

Secreção Composição da secreção: agua e íon Na, K, Cl, HCO , H. agua segue o

O bicarbonato é produzido a partir da agua e do CO 2 , é secretado por um trocador. O cloreto entra na célula via cotransportador NKCC e sai via canal CFTR apical. Então o Cl entra de novo em troca do HCO 3 .

Secreção de NaCl: ID e colo secretam soluao de NaCl que se mistura ao muco das células caliciformes para lubrificçao, etapa ativa: secreção da Cl - .

Secreção Composição da secreção: agua e íon Na, K, Cl, HCO , H. agua segue o

Enzimas digestorias, muitas não ficam livres, e sim ligas a membrana apical da celulas intestinais ancoradas por proteinas transmembrana. Zimogenis: pró-enzimas, é ativada no lumen do GI.

Parassimpatico aumenta a secreçao.

Muco mucinas, formar cobertura protetora e lubrificar. Celulas caliciformes no intestinos e mucosas no estomago.

Bile: secretado pelos hepatocitos, composto por sais bilares, que facilitam a digestao de gorduras, pigmentos biliares (bilirrubina), e colesterol. A bilirrubina é proveniente da degradaçao de hemoglobina.

Enzimas digestorias, muitas não ficam livres, e sim ligas a membrana apical da celulas intestinais ancoradas

Regulação da Função Gastrintestinal

  • 1. Reflexos longos integrados no SNC: são denominados reflexos longos. Reflexos longos que acontecem fora do SD são denominados reflexos cefálicos (reflexos antecipatórios e emocionais). Antecipatórios com estímulos, como cheiro do alimento, ver ele e etc. preparam o sistema digestório para refeição que o encéfalo está esperando. Nesse reflexo o musculo liso e as glândulas estão sobre controle autonômico. Parassimpatico:

estimula a função GI. Simpatico: inibe as funções.

Regulação da Função Gastrintestinal 1. Reflexos longos integrados no SNC: são denominados reflexos longos. Reflexos longos
  • 2. Reflexo curtos integrados ao sistema entérico: tratos que se originam no sistema nervoso entérico são considerados de reflexos curtos. Reacionados com motilidade, secreção e o crescimento.

  • 3. Reflexos envolvendo peptídeos GI: PEP secretados pelo GI podem atuar como hormônios ou sinais parácrinos. Colicistocinina (CCK) aumenta a saciaedade, já a grelina secretada pelo estomago auta no encéfalo aumentando a ingesta alimentar.

Família da gastrina: gastrina e colicistocinina (CCK)

Família da Secretina: secretina, peptídeo intestinal vasoativo (VIP), peptídeo insulinotropico dependente de glicose (GIP), GLP-1

Família da Secretina: secretina, peptídeo intestinal vasoativo (VIP), peptídeo insulinotropico dependente de glicose (GIP), GLP-1 A

A terceira família so tem a Motilina.

Digestão e Absorção

A maioria dos nutrientes entre nos capilares dentro das vilosidades, com exceção das gorduras que entram nos vasos linfáticos denominados ductos lactíferos. Únicos carboidratos complexos que digerimos é o amido e o glicogênio. A amilase quebra longos polímeros de glicose. Dissacaridases quebram dissacarídeos(maltose, sacarose e lactato).

Digestão e Absorção A maioria dos nutrientes entre nos capilares dentro das vilosidades, com exceção das

Transporte de glicose e galactose utilizam um simportador glicose-Na + no lumen, e um transportado basolateral GLUT-2 para o capilar. Já a frutose se move por difusão na membrana apical pelo transportador GLUT-5 e na membrana bsaolateral pelo GLUT-2.

Os enterócitos usam o aminoácido glutamina como fonte de energia, por isso conseguem transportar a glicose sem consumi-la antes. As proteínas são digeridas em polipeptideos ou maiores. Duas classes de ezimas são classificas, as endopepitdades, também conhecidas como proteasses, que quebram ligações peptídicas no interior das cadeias de aminoácidos. Elas são secretados como pro-enzimas, como eemplo temos a pepsina no estomago, e a tripsina e quimiotripsina no pâncreas.As exopeptidades liberam aminoácidos clivando-os, as mais importantes são as carboxipepitdase e a aminopeptidases. Alguns peptídeos maiores, com três aminoácidos, podem ser transportados por transcitose, após se ligarem a receptores de membrana. Esses peptídeos podem atuar como antígenos, por isso sua absorção intestinal tem fator significativo. A digestão das gorduras é feita pelas Lipases, enzimas que removem dois AG do triacilglicerol, fosfolipídios são digeridos pela fosfolipase pancreática. O colesterol livre não precisa ser digerido para ser absorvido. Sais biliares ajudam na digestão de gorduras formando micelas.

Fase Cefálica Secreção salivar está sobre o controle autonômico, e pode ser disparada por vários estímulos.

Fase Cefálica

Secreção salivar está sobre o controle autonômico, e pode ser disparada por vários estímulos. A digestão química começa com a amilase salivar e um pouco de lipase salivar. Função final é a proteção, a lisoenzima é antibacteriana, e as imunoglobulinas salivares inativam bactérias e vírus. Digestão mecânica inicia com a mastigação, com a contribuição dos lábios, língua e

dentes.

A deglutição é um ato reflexo que empurra o bolo. Com o deglutição o esfíncter esofágico inferior relaxa para entrada do alimento no estomago. Se esse esfíncter não permanecer contraído o acido gástrico e a pepsina podem irritar a parede do esôfago

Fase gástrica

Fase gástrica O estomago tem 3 funções gerais: 1. Armazenamento: armazena o alimento e regula sua

O estomago tem 3 funções gerais:

  • 1. Armazenamento: armazena o

alimento e regula sua passagem para o ID, onde ocorre a maior parte da

digestão e absorção.

  • 2. Digestão: digere a comida,

química e mecanicamente, formando

o quimo.

  • 3. Proteçao: protege o corpo por

destruir muitas bactérias.

Antes mesmo da comida chegar, o estomago inicia a digestão com o reflexo vagal na fase cefálica. Quando o bolo entra na fase gástrica, iniciam uma serie de reflexos curtos que constituem a fase gástrica. Reflexo receptivo: estomago relaxa e expande para receber o bolo. Ele também armazena a comida enquanto a mistura na parte distal, esse “atraso” é essencial, pois, caso ingerimos alimento em excesso ele passaria direto pelo ID, e não teria tempo de absorver os nutrientes. Secreção Ácida: células parietais secretam ácido gástrico mata bactérias, desnatura proteínas. Amilase salivar é desativada pelo pH baixo. Também secreta fator intrínseco para a absorção de vitamina B12. Secreção Enzimática: Células principais secretam a forma inativa do pepsinogenio, ele é clivado a pepsina ativa no lúmen do estomago porá ação do H + , ela é eficaz em digerir colágeno. Lipase gástrica também é secretada, mas menos de 10% da digestão de lipídeos é feitio no estomago.

Secreção Parácrina: as ECL secretam substancia parácrina histamina, ela estimula a secreção de ácido pelas células parietais. As células D secretam a subs parácrina somastotina, ela faz o feedback negativo para inibir a secreção de HCl e pepsinogenio. Secreção Hormonal: As células G secretam o hormônio gastrina, que é estimulado pela presença de aminoácidos e peptídeos no estômago. Café estimula sua secreção.

Secreção Parácrina: as ECL secretam substancia parácrina histamina, ela estimula a secreção de ácido pelas células
Secreção Parácrina: as ECL secretam substancia parácrina histamina, ela estimula a secreção de ácido pelas células

Fase Intestinal

Fase Intestinal 1. Secreção de bicarbonato no ID neutraliza a acidez do quimo proveniente do estomago.
  • 1. Secreção de

bicarbonato no ID neutraliza a acidez do quimo proveniente do estomago. Esse bicarbonato vem do

pâncreas e liberado em resposta a secretina.

  • 2. Células caliciformes do

intestino secretam muco para proteção e lubrificação.

  • 3. A liberação da bile é

estimulada pela CCK. No íleo o sais biliares são reabsorvidos e voltam para a circulação a té chegarem no fígado e serem processados pelos hepatócitos. A bilirrubina e outros resíduos são eliminados com as fezes.

  • 4. Enzimas digestórias intestinais e produzidas pela parte exócrina do pâncreas são ancoradas na membrana luminal do enterócito e não passam para a frente com o quimo.

Fase Intestinal 1. Secreção de bicarbonato no ID neutraliza a acidez do quimo proveniente do estomago.

Sinais para liberação de enzimas pancreáticas incluem digestão no ID, presença de alimento no intestino, sinais neurais e CCK. A maior parte é liberado com zimogênios, e a cascata de ativação começa quando a enteropeptidase da borda de escova converte tripsinogênio em tripsina ativa.

Dos 9 litros que entram no ID, 7,5 litros são reabsorvidos ali, os nutrientes e ions absorvidos ali são levados para o sistema porta do fígado, e a maioria das gorduras vai para o sistema linfático. O fígado tem várias enzimas, como a citocromo p450 que metabolizam fármacos e o retira da circulação antes de chegar na sistêmica. No intestino delgado ocorre a maior parte da digestão, a de proteínas, iniciada no estomago com o pepsinogenio. Ele é logo desativado ao entrar no ID pelo pH intestinal mais alto, as proteases e peptidases pancreáticas da borda escova continuam a digestao de proteínas. A amilase pancreática continua digerindo amido em maltose, ela e a sacarose e lactose são digeridos pelas dissacaridases em monossacarídeos. As gorduras entram em forma de emulsão, no duodeno os sais biliares cobrem elas pra estabiliza-las para que a digestão possa ser feita pela lipase pancreática. No final do ID resta apenas 1,5L de quimo não absorvido, o colo absorve o resto e apenas 0.1L de agua saem nas fezes. Ele entra no grosso pelo osteo ileal, a papila ileal relaxa cada vez qe uma onda peristáltica o atinge, e também quando o quimo deixa o estomago, como parte do reflexo gastroileal. O quimo entra no colo e continua a ser misturado por uma única contração conhecida como movimento de massa, que acontece de 3 a 4 vezes por dia e são associados com ingestão alimentar e distensão do estomago por meio do reflexo gastrocolico. O reflexo de defecação remove as fezes do corpo. Ele é disparado quando o material chega no reto. O musculo interno do anus relaxa, e as contra,oes peristálticas no reto empurram o material em direção ao anus. Como a micção, a defecação também pode ser inibida por influencia emocional. Estresse pode aumentar a motilidade e causar diarreia psicossomática, como diminuir ela, e causar constipação. Algumas bactérias presentes no colo, são responsavei por degradarem carbos complexos e proteínas não digeridas, por meio de fermentação.