Resumo do debate com tema: Impeachment ou Golpe?

Aluna: Stephanie Moura de Oliveira
Participantes: Prof. Natanael Sarmento, Tulio Barreto e Prof. Jorge Zaverucha

Primeiramente, foi feita uma explanação sobre como o impeachment se apresenta
segundo a Lei, mais especificamente através do artigo 85. O debate se inicia com a
questão sobre a existência de uma base jurídica para um pedido de impeachment. O
professor Jorge Zaverucha coloca que apenas o fato da autorização de verbas
suplementares sem que o Congresso autorizasse (uma vez que na Constituição se
apresenta a necessidade da aprovação do Congresso), desrespeitando a Constituição, já
constituiria razão suficiente para um pedido de Impeachment. Referiu-se também as
pedaladas fiscais (atraso no repasse de recursos da União), e justifica a não ocorrência do
Impeachment até os dias de hoje como sendo culpa da população que não formou um
corpo político. Segundo Tulio Barreto, o pedido de impeachment constitui apenas um
jogo político, sem base legal, mas não justificou o porquê. Também o fato dos decretos
sem numeração poderiam vir a constituir base para um pedido de Impeachment.
Foi dito que o problema das pedaladas de Dilma foi, por conta da necessidade de se
mascarar a real situação política brasileira para que pudesse ser reeleita, fez diversas
manobras pelo método administrativo, e não pelo contábil, que é o comumente usado
pelos governadores. Já as pedaladas de FHC, em cujo governo também ocorreram,
diferentemente das de Dilma, foram usadas como uma ferramenta contábil, auxiliando
uma vez que a lei se apresentava muito rígida. Até agora já foram enviados 32 pedidos de
Impeachment, dos quais 20 já não foram aprovados pelo presidente da câmara.
Segundo o Professor Zaverucha, atualmente não há um golpe ocorrendo. Dilma, porém,
acusou a oposição pela tentativa de que fosse tentado um golpe como o ocorrido com o
presidente de Honduras (Manuel Zelaya) ou um golpe paraguaio (Já que no Paraguai os
próprios parlamentares podem tirar o presidente do poder).
Segundo Sarmento, o Brasil não vem sendo ameaçado. O Professor Zaverucha defende
que nenhum destes golpes supracitados foi realmente um golpe. Foi apontada a questão
da ameaça socialista visando a manutenção do Socialismo. Tulio Barreto faz uma
comparação entre o Brasil de 1964 e o Brasil de hoje, defendendo que o financiamento de
campanha deveria ser público. O professor Natanael Sarmento se opõe ao Impeachment,
uma vez que considera a oposição como sendo igual ou pior que Dilma.