Projeto Financiados

CÍRCULO DE AMIGOS DO MENOR PATRULHEIRO DO JARDIM RIO BRANCO
Rua Vinte e Quatro, n.º 376 – Jardim Rio Branco – São Vicente / SP
CNPJ/MF n.º 07.206.927/0001-21
Nossa Filosofia é Educação bem dirigida, Recreação e Trabalho bem orientado.

Educar para prosperar!

RESUMO DO PROJETO

Nome do Projeto: “Caravana da Leitura”

Organização Proponente: Círculo de Amigos do Menor Patrulheiro do Jardim Rio Branco

Linha de Ação:

( ) Linha de Ação 1 - Ações de atendimento que visem ao enfrentamento de situações de violação de direito de
crianças e adolescentes;

( ) Linha de Ação 2 - Projetos de atuação social em rede que visem ao fortalecimento do sistema de garantia de
direitos com ênfase na mobilização social e na articulação para defesa dos direitos da criança e do adolescente;

( x ) Linha de Ação 3 - Projetos que fortaleçam o processo socioeducativo e contribuam com a redução da
vulnerabilidade social para o desenvolvimento pessoal das crianças e adolescentes moradores da Área Continental.

Que tipo de violação de direitos?

Artigo 4° do Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei Federal 8.069 de 13 de julho de 1990.

“É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do Poder Público assegurar, com absoluta prioridade, a
efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização,
à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.”

São Vicente, 18 de fevereiro de 2013.

APRESENTAÇÃO

Este projeto tem por base o pressuposto de que as histórias não podem estar guardadas em livros
fechados em bibliotecas, ou nas estantes das escolas e casas. Elas devem, ao contrário, fazer parte do cotidiano de
crianças, adolescentes, pais e educadores, afinal, são de uma riqueza cultural valiosa.

“Era uma vez” será a senha para se entrar no maravilhoso mundo dos contos, mitos, lendas e fábulas.
Basta que alguém diga essas três palavrinhas mágicas que o encanto acontece, e nós adultos e crianças, como que
hipnotizados, esperamos que o contador de histórias prossiga com sua narrativa.

Ao ouvirmos uma história temos a possibilidade de refletir sobre a vida, sobre a morte, sobre nossas
atitudes e escolhas, pois elas nos falam de dor, luta, compreensão, compaixão, solidariedade, esperança e vitória!
Porque elas proporcionam um grande prazer, e é uma necessidade do ser humano, seja ele adulto ou criança.

Nessa perspectiva, o Camp Rio Branco, apresenta a Caravana da Leitura, uma projeto itinerante de
contação de histórias, pelas ruas e praças do Distrito da Área Continental de São Vicente, com o objetivo de
oportunizar o acesso a cultura de crianças e adolescentes, por meio das histórias, onde podemos enriquecer as
experiências infantis, desenvolvendo diversas formas de linguagem, ampliando o vocabulário, formando o caráter,
desenvolvendo a confiança na força do bem, proporcionando a ela viver o imaginário.

Além disso, as histórias estimulam o desenvolvimento de funções cognitivas importantes para o
pensamento, tais como comparação, o pensamento hipotético, o raciocínio lógico, pensamento divergente ou
convergente, as relações especiais e temporais, afinal, toda história tem princípio, meio e fim.

A Caravana da Leitura não tem a preocupação de contar de histórias com o objetivo de transmitir
conhecimentos ou dar lição de moral, as crianças e os adolescentes precisam ouvir as histórias e ver livros pelo prazer
que isso lhes traz, para que possam tomar gosto pela leitura.

2. Quais serão os participantes do projeto?

Crianças 0 a 4 Crianças 5 a 11 Adolescentes 12 a 17

Construção e exercício da cidadania da criatividade. 4. uma vez que os democrática. Realizar oficinas itinerantes de 1. Ampliação do repertório literário por 2. fundamental na livros estarão disponíveis a todos. na Praça dos Ambientalistas. enriquecendo as experiências infantis. permitindo que elas pensem. O Projeto ficará 4 (quatro) semanas em cada bairro. desenvolvendo diversas formas de linguagem. 6. 3 – COMO O PROJETO SERÁ ORGANIZADO? Objetivo Geral: Democratizar o acesso ao mundo da literatura. Ampliação da qualidade e diversidade cidadania. Exercitar a leitura como prática meio da leitura diária. para . Disponibilizar o acervo com diminuição da exclusão mágico. possibilitando a integração da cultura com crianças e adolescentes. No evento de abertura oficial do projeto. atividades escolares. proporcionando a eles viver o imaginário. formação do senso crítico e da 5. nos períodos matutino e vespertino. além da rede de ensino da região. Elaboração de pensamentos crítico em relação às histórias contadas. desenvolvendo o espírito e adolescentes durante o período crítico. tenham incidi na leitura por prazer pelo fato de suas próprias ideias e formem suas ser apresentada desvinculada de outras opiniões. Dia Internacional do Livro. ampliando o vocabulário. realizando oficinas semanais. através de oficinas itinerantes de contação de histórias no Distrito da Área Continental de São Vicente. N° de atendimentos direitos N° de atendimentos direitos N° de atendimentos direitos -------. por bairro. A proposta que foi lido ou contado. perguntem. 1. entre crianças e adolescentes. desenvolvendo a confiança na força do bem. 2. abrangendo as famílias destas crianças e adolescentes. Transformação Social. 150 50 A Caravana da Leitura pretende atingir diretamente um público de 200 pessoas. Aumento da concentração e atenção a duvidem. 3. de realização do projeto. Objetivo Específico Ação Resultado esperado 1. prevista para o dia 23 de abril. a estimativa é de 300 pessoas. do pensamento 2. o hábito e o prazer pela bibliográfico adquirido às crianças sociocultural. adolescentes o exercício da fantasia. afim de garantir a participação de todas as crianças e adolescentes em idade escolar. formando o caráter. dos comentários sobre os livros. Oportunizar às crianças e aos Contação de Histórias. leitura. critiquem o cada encontro com a leitura.

uma sociedade. em frente ao EMEI “Vila Ema”. 3.  05.Contratação da equipe de atuação do projeto . 13. abertura oficial do Projeto na Praça dos Ambientalistas. reconstruindo significados da história a partir de sua vivência de mundo. o contador de histórias realiza um trabalho ativo de construção de significado do texto.  07. 23 e 31 de Agosto: Caravana na Leitura no Humaitá / Parque Continental. 09. A contação de histórias corresponde a um processo de compreensão de como funcionam os signos linguísticos quando a criança ou adolescente depara-se com conflitos e elabora suposições. a contação de histórias é o primeiro contato e interação que ocorre entre criança e texto.1° mês do projeto: . socialização de sentimentos e percepções a partir do texto.Iniciar o processo de divulgação do projeto . a sirva para a constituição de sujeitos partir da observação das imagens e da que simplesmente não pertençam a lembrança do que haviam escutado. Leitura ou contação de histórias. e. sílaba por sílaba. propiciando a ela a apreciação da beleza da história mesmo sem saber ler. 4.Preparação para a Abertura oficial (ao público) do projeto . 21 e 28 de Junho: Caravana na Leitura no Quarentenário. Por meio da leitura. Em que princípio e experiência se baseia a metodologia a ser utilizada? A concepção que fundamentou as atividades desenvolvidas no projeto foi a de que a leitura é um processo de construção de significados. ao lado da Lagoa.23/04 Dia Internacional do Livro. Segundo Fanny Abramovich (2008). 14. 16. em frente à Creche Maria Elizabeth. não se limitando simplesmente ao ato de extrair informações da escrita. Articulação do texto com a imagem. palavra por palavra.Recebimento do Recurso . na Praça do H. em que há uma relação de diálogo e interação entre o leitor e o texto. .  06. 19 e 26 de Julho: Caravana na Leitura na Vila Ema. apreciação das ilustrações. decodificando letra por letra. 8.  02. eleição dos livros prediletos e argumentação com os colegas. 12. na Praça dos Ambientalistas. Nessa perspectiva.  03. em Literatura Infantil:gostosuras e bobices. 10.Aquisição dos materiais . Promover a aprendizagem que 7. a Caravana da Leitura. percorrerá os seguintes caminhos:  Abril . 20 e 27 de Setembro: Caravana na Leitura no Samaritá. porém a questiona acompanhados pelos colegas ou sozinhas e a transforma. 17 e 24 de Maio: Caravana na Leitura no Jardim Rio Branco.

comprometimento com o projeto. a entidade. Afinal.Dia 20: evento de encerramento da Caravana da Leitura na Praça dos Ambientalistas. só com gravuras. que contará com os seguintes recursos: 160 exemplares de livros. desenvolvimento escolar e pessoal. Os encontros serão planejados sempre a partir de estudos e discussões da equipe executora do projeto. 22 e 29 de Novembro: Caravana na Leitura no Gleba II.Prestação de contas do projeto. onde a criança que estiver participando. história com fantoches. história com sequência e história de papel. Como o Projeto pretende interagir com políticas públicas? Integrando as ações da Caravana da Leitura com os movimentos de construção de políticas públicas como: Conselhos Municipais. durantes as Caravanas. como um presente.  Dezembro . o objetivo geral do projeto. marionetes. Poder Executivo e Legislativo. 08. escolaridade. no Portinho. livros de tecido. havendo mais crianças. sucatas diversas. escola que estuda. Serão adquiridos 160 (cento e sessenta) exemplares. bairro que frequentou o projeto. que são histórias sem a presença de fadas. gravuras e teatros. frequência/assiduidade. história com interferência. 11. realizará junto ao projeto dois eventos: (1) 12 de Junho: Dia Internacional de Combate ao Trabalho Infantil. sacola de leitura. ponto de partida do projeto. Esses dados farão parte do monitoramento que será realizado pela equipe técnica do projeto.9° mês do projeto: . devido às festividades de fim de ano e como estratégia para o fomento a leitura. no campo de futebol em frente a Creche Vovô Vitalino Soares. com os seguintes dados: número de participantes. com uma grande sessão de cinema ao ar livre. fábulas. 5. 4. com textos e gravuras. As oficinas de contação de histórias terão como base os contos de fada. . . além de fantoches. receberá um exemplar do livro trabalhado no projeto. avental de história. idade. bairro que reside. participação. história desenhada. mitos.Dias 06 e 13: Caravana na Leitura no Jardim Rio Negro. . história cantada. contos de exemplo. haverá a contrapartida da instituição. que se preparará em oficinas fazendo a leitura de textos sobre literatura de infantil e formação do leitor. (2) 13 de Julho: Promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA.  01. história em quadrinhos. 04. na Sociedade de Melhoramentos do Paratinga. contos maravilhosos. QUE CRONOGRAMA O PROJETO IRÁ CUMPRIR . de plástico e também virtual. com 03 (três) horas de duração por período. é a democratização do acesso à cultura. dobraduras.Entrega dos relatórios quantitativo e qualitativo do projeto. Além das atividades itinerantes de contação de histórias. lendas. 19 e 26 de Outubro: Caravana na Leitura no Acaraú / Paratinga. baú e maleta mágicos.

porém a questiona e a transforma. Oficina de Contação fundamental na formação do X X X X X X X X x senso crítico e da cidadania. perguntem. . Promover a aprendizagem que sirva para a constituição Oficina de Contação de sujeitos que simplesmente de Histórias X X X X X X X X x não pertençam a uma sociedade. o hábito e o prazer pela leitura. permitindo que elas pensem. do pensamento mágico. Centro Camará de Pesquisa e Apoio à Infância e à Adolescência CNPJ: 02.954/0001-30 RESUMO DO PROJETO NOME DO PROJETO: Desafio Continental: educação e cultura em movimento. de Histórias 3. Mês Mês Mês Mês Mês Mês Mês Mês Mês Objetivos Ações Específicos 01 02 03 04 05 06 07 08 09 1. critiquem o que foi lido ou contado. Exercitar a leitura como prática democrática. Oportunizar às crianças e aos adolescentes o exercício da fantasia. Oficina de Contação desenvolvendo o espírito de Histórias X X X X X X X X x crítico.360. tenham suas próprias ideias e formem suas opiniões. duvidem. da criatividade. 2.

53 e 54 do Estatuto da Criança e do Adolescente) 2. •25 adolescentes com idade entre 12 e 15 anos. à Cultura. . Organização proponente: Centro Camará de Pesquisa e Apoio a Infância e Adolescência LINHA DE AÇÃO DO PROJETO 1.COMO O PROJETO SERÁ ORGANIZADO? Objetivo Geral Contribuir com a redução das vulnerabilidades de crianças e adolescentes moradores do bairro Jardim Irmã Dolores. ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: Centro Camará de Pesquisa e Apoio à Infância e Adolescência 1 -INFORMAÇÕES BÁSICAS Nome do Projeto: Desafio Continental: educação e cultura em movimento. por meio da integração de dispositivos de educação formal e não formal e estratégias de saúde (mental) e assistência social. QUAIS SERÃO OS PARTICIPANTES DO PROJETO? •50 crianças e adolescentes com idade entre 09 e 14 anos.Projetos que fortaleçam o processo sócio-educativo e contribuam com a redução X da vulnerabilidade social para o desenvolvimento pessoal de crianças e adolescentes moradores da área continental de São Vicente. ao Esporte e ao Lazer ( Art. Ações diretas de atendimento que visem ao enfrentamento de situações de violação de direitos de crianças e adolescentes. Crianças 0 a 04 anos Crianças de 05 a 11 anos Adolescentes de 12 a 17 anos Nº de atendimentos diretos Nº de atendimentos diretos Nº de atendimentos diretos 20 55 3. 2. QUAL O TIPO DE DIREITO VIOLADO QUE SEU PROJETO ATUA? Direito à Educação. moradores do bairro Jardim Irmã Dolores estudantes da EMEF Prefeito José Meirelles. cujas famílias estejam referenciadas no Centro de Referencia de Assistência Social – CRAS Parque Bitaru.Projetos de atuação social em rede que visem ao fortalecimento do sistema de garantia de direitos com ênfase na mobilização social e na articulação para defesa dos direitos da criança e do adolescent 3.

Oficina de Dança do Ventre: duas Grupo preparado para oficinas semanais de 2 horas de organizar a Mostra de duração com 10 adolescentes do sexo Cultura. F. participantes do projeto. apoiados em situações de entrave no processo de das crianças e aprendizagem. saberes e afetos. Famílias apoiadas em meio de dispositivos e situações de dificuldades estratégias da saúde no exercício das funções (mental) e da materna e paterna. Mostra de Cultura: realizada no Familiares e educadores bairro Jardim Irmã Dolores. em que crianças e percorreremos um roteiro de adolescentes. da criação e da produção coletiva de adolescentes da EMEF Prefeito José histórias. movimento e do deslocamento enquanto produtores de inquietações e desacomodações. D.Dar sustentação ao G. seguida sensibilizados sobre a de uma reflexão sobre a participação importância da participação da família e da comunidade ativa de crianças e adolescentes na no processo educativo das gestão do ambiente escolar e da crianças e adolescentes do comunidade. Oficina de Teatro: Uma oficina Grupo preparado para semanal de 4 horas de duração com organizar a Mostra de 15 adolescentes referenciados no Cultura. por aprendizagens. bairro. adolescentes. Acompanhamento Familiar. feminino. Encontro de Vivências e Produções Crianças e adolescentes de educação formal e Educativas: Um encontro semanal de despertados para a riqueza não formal. E. 2. .Grupo de Estudos Estudantes mobilizados 1. Objetivo Específico Ação Resultados esperados A. Meirelles. Expedição Histórica e Cultural: Participantes do projeto uma saída cultural com os vivenciando a dimensão do participantes do projeto. C. 4 horas de duração com 50 crianças e da descoberta.Realizar Interdisciplinares: uma atividade para percorrer um roteiro de semanal de 3 horas de duração com as aprendizagens . a partir dos experiências conteúdos curriculares educativas com 75 50 crianças e adolescentes apresentados pela escola. Acompanhamento psicossocial de Crianças e adolescentes processo educativo crianças e adolescentes. CRAS Parque Bitaru. por H. meio de dispositivos B. referenciadas no CRAS Parque Bitaru.

PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS: •Grupo de Estudos Interdisciplinares Um encontro semanal de três horas de duração será ofertado às crianças e adolescentes como dispositivo de produção coletiva de conhecimento a partir da diversidade presente no grupo. por meio Criança e do Adolescente. filmes. a caixa de ferramentas. •Encontro de Vivências e Produções Educativas “A Caixa de Inventação” O educador e psicanalista Rubem Alves em seu texto “As Duas Caixas: a caixa de brinquedos e a caixa de ferramentas” afirma que "a primeira tarefa de cada geração. dos pais e das escolas. Para que eles sobrevivam e não tenham de começar da estaca zero. como herança. Trabalharemos com o conceito e a técnica dos “ grupos operativos” e a noção de “tarefa” propostos pelo psicanalista argentino EnriquePichon Rivière. na condição de Politica pública da infância construída a partir do formulação e controle conselheiro. Reuniões quinzenais com gestores Ações de politicas públicas nos conselhos dos serviços de saúde. social e direitos da criança e do adolescente. Diante da caixa de ferramentas. seus não saberes. Criança e do Adolescente e no normativas e legislações adolescência do Conselho Estadual dos Direitos da vigentes. a primeira pergunta que um professor tem de fazer é: "Isso que estou ensinando é ferramenta para quê? De que forma esse . serão convidados professores especialistas para tratar de temas específicos. O trabalho desenvolvido pela equipe pedagógica da Escola Municipal Desembargador Amorim Lima. assistência Irmã Dolores. 3. 4. da participação ativa K. mapas.assistência social. educação e no território integradas e articuladas. músicas. será referência para a metodologia que iremos aplicar. em São Paulo com base na experiência da Escola da Ponte. assistência social no território Jardim educação. O grupo terá um coordenador. Grupos de famílias envolvidos nos processos educativos de que seus filhos participam. I. Eventualmente. A tarefa deste grupo de 50 crianças e adolescentes será percorrer uma trajetória de aprendizagens partindo dos conteúdos escolares apresentados pela escola. Educação. em Portugal. é passar aos filhos. município. municipais de saúde. suas dúvidas e hesitações e confiem na potência da produção coletiva. Participação. em seu currículo. Encontro da Camaradagem. nos Conselhos Municipais de Saúde. diálogo entre a prática social da política da concreta realizada no Assistência Social e Direitos da infância e território e as diretrizes. Incidir na J. que se encarregará de apresentar a tarefa do dia e cuidará para que os participantes expressem seus saberes. Diversos materiais serão utilizados para apoiar a produção do grupo: livros.

a equipe de educadores se incumbirá de guardar livros. novelos de lã. Após este primeiro momento da grande roda que durará uns 45minutos. p. como “cartas na manga”.80 x 0. um quadro do Monet. Assim afirmaremos na experiência o sentido da pertença. E. uma bela pedra ou cristal. tirar coisas e inserir outras que sejam surpresa para o próprio educador. No final voltaremos para a grande roda e teremos mais uns 45minutos. no centro. A princípio. a mão do coração e do prazer. a estória de "Alice no País das Maravilhas". Neste encerramento novamente . No decorrer do processo grupal os próprios participantes. areia. reconheceremos os presentes e indagaremos sobre os ausentes. Essa permanente metamorfose está presente em toda a minha obra. O tempo de exploração da caixa girará em torno de 2:00h. A caixa guardará mistérios. uma sonata de Mozart. paladar. abriremos a caixa. A caixa estará no centro da roda e sobre ela teremos a presença de algum elemento da natureza. Nunca escrevi uma palavra que não tenha roçado no meu corpo. ocultar objetos variados que serão desvelados e recriados. os demais serão convidados a uma escuta atenta e presente. cacarecos. Esse é o seu maior propósito. Acho que é importante para o poeta reviçar as coisas"(In: SÁ. A palavra circula com o bastão. Os encontros serão ritualizados. Eles serão renovados a cada encontro. um pé de jasmim. giz.. possivelmente uma flor. que a língua passa a inventar coisas. A tarefa é inventar. sorrir e ter prazer?” Para o poeta pantaneiro Manoel de Barros "a poesia é uma reflexão permanente. visão e audição. um banho de cachoeira. mas o mais importante é não ficar engessado nas próprias ideias. 1992. A palavra me atinge de tal modo. O 1º momento será em uma grande roda. na mão esquerda. 59) O encontro desses dois poetas educadores resultou na proposta metodológica da Caixa de Inventação. conhecimento aumenta a competência dos meus alunos para viver a sua vida?" Mas há uma outra caixa. que passamos a descrever: “A caixa será de madeira com rodinhas. no entanto. O bastão falador também ficará sobre a caixa.75m de altura. Essa caixa está cheia de coisas inúteis que não servem para nada. Sendo o conteúdo da caixa variado. A ideia é homenagear o belo e cultivar a relação homem. argila. E não é para isso que se educa? Para que saibamos. internalizando assim a experiência do tempo processual e compartilharemos algo novo que tenha acontecido na vida de cada um. Aquele ou aqueles que estiverem com a incumbência de montar a caixa deverão trazer ideias para as atividades. desacomodar. Faremos o resgate dos encontros anteriores. elas são parte da vida e nos fazem sorrir.natureza. olfato.. da apropriação deste pelo grupo. isto é. em pequenos grupos. Usaremos nesta grande roda o bastão falador. Minha poesia é marcada por um constante morrer e renascer. Apenas aquele que estiver com o bastão poderá exercer seu direito de fala. quando não estiver nas mãos do detentor da palavra. isto é. poderão cuidar de abastecer a caixa. Se o grupo construir outra atividade melhor. abrir para a possibilidade da criação e nova apropriação dos objetos e relações que serão criadas. mas poderá ser uma vela.70 com 0. poder olhar com outros olhos. as atividades dependerão da natureza do estímulo e. além de viver. um beijo… Coisas inúteis. lápis. principalmente. cuja função será preservar a memória do grupo. O bastão falador é um instrumento simbólico usado pelos índios xavantes e funciona como um ordenador grupal. Lá estão um livro de poemas da Cecília Meireles. Sua proporção aproximada será 0. Privilegiaremos a surpresa. papel. Os objetos poderão ser explorados pelos diversos sentidos: tato.

trabalhos de percussão e brincadeiras serão bem vindas e estimuladas. produção e apresentação de espetáculos abordando temas de interesse dos (as) adolescentes: Prevenção as DST/AIDS. •Sobre o momento da caixa. pernas e quadril. Revezaremos esta atividade com o propósito de fomentar a polifonia e sistematizarmos a experiência a partir da expressão dos vários participantes. o corpo se faz. As atividades poderão acontecer em duplas. quanto da experiência grupal. •Oficina de Dança do Ventre Duas aulas de dança do ventre semanais. eutonia. o corpo se reconhece em cadeia articular e se abre para as comunicações/ relações entre as regiões do próprio corpo.Trata se de uma proposta que anuncia a dança do ventre como ação cognitiva do corpo. criação coletiva de textos e cenas. nesse fazer. joelhos. com duas horas de duração. •Expedição Histórica e Cultural As saídas de intercâmbio cultural fazem parte de uma concepção metodológica que visa proporcionar novas experiências culturais e sociais e promover o fortalecimento da grupalidade. portanto. exercícios de teatro. criação de história. Os participantes terão a possibilidade de se expressarem verbalmente. de uma estratégia imprescindível em metodologias de . para as adolescentes do sexo feminino participantes do projeto. Esta atividade se apoia no dissertação de mestrado de Márcia Mignac " A subversão da sujeição: a ação politica da dança do ventre em corpos sujeitados e em instituições". na sede do Camará. meio ambiente. as crianças e os adolescentes farão um relatório de descrição e avaliação da atividade. pois não é possível a realização de um passo como o oito infinito sem o encadeamento dos pés. No final de cada encontro a equipe. pequenos grupos ou grupos ampliados. ampliam a visão sobre as possibilidades de lazer. além do processo educativo proveniente tanto do conteúdo das produções culturais. •Oficina de Teatro Encontro Semanal de quatro horas de duração. Sempre será respeitada a expressão silenciosa ou gestual. A experiência com as saídas culturais tem demonstrado que a circulação por espaços culturais cria um novo jeito das crianças. mandalas.utilizaremos o bastão falador. ferramentas como vídeos. Ficam mais críticos. dependendo de sua natureza. como o oito infinito. dramáticas. O que se busca é que os mesmos acreditem em seu potencial para tornarem-se produtores de história e de cultura. O respeito à singularidade. realizada na Sede do Camará com atividades de iniciação teatral. do movimento. Assim. uma estratégia que permite ao corpo adolescente conhecer se. dança. trabalho e cultura. visuais. Incentivaremos a expressão e o exercício de diversas linguagens advindos das artes plásticas. Trata-se. E. a descoberta do próprio ritmo e estilo será estimulado na construção coletiva. A partir da feitura dos desenhos. contação de história. adolescentes e familiares se colocarem no mundo. círculos e ondulações. da linguagem escrita formal e informal e da tradição oral. sexualidade.

A experiência cotidiana e concreta de conectar pessoas. cumprimento de decisões coletivas. O local da experiência de integração de politicas públicas será o território. denominado "Encontro da Camaradagem". A Rede Metropolitana de CMDCAs da Baixada Santista constituirá o fórum de debates sobre a politica da infância na região. entre outros. Acompanhamento familiar e Encontro da Camaradagem Visitas domiciliares. serviços. educação. tal como propõe o Sistema de Garantia de Direitos (Art. vários aspectos do processo grupal como relacionamento interpessoal. Para tanto. neste caso o bairro Jardim Irmã Dolores. educação. reuniões com famílias e grupos multifamiliares. Tensões que ficam latentes no cotidiano. será o espaço de análise e proposição de politicas públicas em nível estadual. o coordenador do projeto terá como atribuição apresentar permanentemente o processo educativo em curso e os resultados alcançados aos conselhos de politicas públicas do município. 86 do ECA) fornecerá a base e o repertório que será encaminhado aos conselhos deliberativos de politicas públicas de saúde. Grupo de Estudos 1. trabalho que visam à promoção de autonomia.Realizar Interdisciplinares: experiências uma atividade educativas semanal de 3 horas de X X X X X X X X com 75 duração com as 50 . A cada semestre será realizado um encontro geral com as famílias dos participantes. órgãos governamentais e não governamentais. •Acompanhamento Psicossocial. 5. assistência social e direitos da criança e do adolescente”. são instrumentos para o aperfeiçoamento do trabalho dos educadores. comportamento diante do grupo. COMO O PROJETO PRETENDE INTERAGIR COM POLÍTICAS PÚBLICAS? O Projeto Desafio Continental estabelece um objetivo especifico para influenciar a formulação da politica publica da infância no município: “ Incidir na formulação e controle social da política da infância e adolescência do município por meio da participação ativa nos conselhos municipais de saúde. Desta forma. 6.QUE CRONOGRAMA O PROJETO IRÁ CUMPRIR? Objetivos Ações Mês Mês Mês Mês Mês Mês Mês Mês Mês específicos 01 02 03 04 05 06 07 08 09 A. por exemplo. Em atividades como essa. assistência social e direitos da criança e do adolescente. tomada de decisões. aparecem. enquanto o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Paulo – CONDECA / SP. o educador tem a oportunidade de conhecê-las e trabalhá-las.

seguida de uma X reflexão sobre a participação ativa de crianças e . Encontro de Vivências e Produções X X X X X X X X Educativas: Um encontro semanal de 4 horas de duração com 50 crianças e adolescentes da EMEF Prefeito José Meirelles. aprendizagens. F. B. E.crianças e crianças e adolescentes. adolescentes por meio de participantes do dispositivos projeto. Expedição Histórica e Cultural: uma saída cultural X com os participantes do projeto. Mostra de Cultura realizada no bairro Jardim Irmã Dolores. Oficina de Teatro: Uma oficina semanal de 4 horas de duração X X X X X X X X X com 15 adolescentes referenciados no CRAS Parque Bitaru. Oficina de Dança do Ventre: duas oficinas semanais de X X X X X X X X X 2 horas de duração com 10 adolescentes do sexo feminino. nos quais de educação percorreremos um formal e não roteiro de formal. referenciadas no CRAS Parque Bitaru. D. C.

2. de saúde. infância e assistência social e adolescência direitos da criança e do município do adolescente e no por meio da conselho estadual dos participação direitos da criança e ativa nos do adolescente. educação.Dar G. criança e do adolescente. nos social da conselhos municipais X X X X X X X X X política da de saúde. . na formulação e condição de controle conselheiro.Incidir na J. gestores dos serviços X X X X X X X X X educação. Acompanhamento X X X X X X X X X adolescentes. educação e assistência assistência social no social e território Jardim Irmã direitos da Dolores. Participação. adolescentes na gestão do ambiente escolar e da comunidade. conselhos K. projeto no decorrer no projeto. Reuniões municipais de quinzenais com saúde. Familiar por meio de I Encontro da dispositivos e Camaradagem: estratégias da realizar dois saúde X X encontros com os (mental) e da familiares dos assistência participantes do social.Acompanhamento sustentação ao psicossocial de X X X X X X X X X processo crianças e educativo das adolescentes crianças e H. 3.

1989) 2. em regime de co-gestão com as organizações Lar de Acolhimento de Meninos e Meninas – LAM e Associação Alfa e Ômega 1 -INFORMAÇÕES BÁSICAS Nome do Projeto: Roda Viva: a gente quer ter voz ativa Organização proponente: Centro Camará de Pesquisa e Apoio à Infância e Adolescência.Projetos de atuação social em rede que visem ao fortalecimento do sistema de X garantia de direitos com ênfase na mobilização social e na articulação para defesa dos direitos da criança e do adolescente 3. em regime de co-gestão com as organizações Lar de Acolhimento de Meninos e Meninas – LAM e Associação Alfa e Ômega LINHA DE AÇÃO DO PROJETO 1. QUAL O TIPO DE DIREITO VIOLADO QUE SEU PROJETO ATUA? Direito da criança a participar e expressar suas opiniões livremente sobre todos os assuntos relacionados com a criança (Art. Ações diretas de atendimento que visem ao enfrentamento de situações de violação de direitos de crianças e adolescentes. QUAIS SERÃO OS PARTICIPANTES DO PROJETO? . Centro Camará de Pesquisa e Apoio à Infância e à Adolescência CNPJ: 02.360.12 da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança. 2.Projetos que fortaleçam o processo sócio-educativo e contribuam com a redução da vulnerabilidade social para o desenvolvimento pessoal de crianças e adolescentes moradores da área continental de São Vicente.954/0001-30 RESUMO DO PROJETO NOME DO PROJETO: Roda Viva: a gente quer ter voz ativa ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: Centro Camará de Pesquisa e Apoio à Infância e Adolescência.

encontros mensais integrando os três sobre a condição da núcleos comunitários. adolescentes. mobilização social. familiares e comunidade em geral que participarão do evento 18 de Maio: das Vulnerabilidades à Participação. Crianças 0 a 04 anos Crianças de 05 a 11 anos Adolescentes de 12 a 17 anos Nº de atendimentos diretos Nº de atendimentos diretos Nº de atendimentos diretos . por organizados em três núcleos meio da formação de comunitários: Jóquei Clube. •200 pessoas. educadores e trabalhadores sociais que participarão do Seminário de Fortalecimento de Garantia de Direitos de Crianças e Adolescentes.Reuniões Gerais do Grupo Gestor: Adolescentes informados núcleos comunitários. seu bairro. crianças. •35 educadores e trabalhadores sociais que participarão da formação em educação popular. •500 a 1000 pessoas. moradores dos bairros Jóquei Clube. Fortalecer o A. entre conselheiros. 30 3. Margarida e Jardim Irmã Dolores. Vila um Grupo Gestor. infância na cidade e comprometidos com a transformação das . os quais formarão o Grupo Gestor do Projeto “Roda Viva: a gente quer ter voz ativa”. entre trabalhadores da rede de atendimento aos direitos de crianças e adolescentes da Região Metropolitana da Baixada Santista. entre trabalhadores da rede de atendimento aos direitos de crianças e adolescentes da Região Metropolitana da Baixada Santista.Reuniões do Grupo Gestor: Adolescentes envolvidos protagonismo dos encontros semanais dos 30 com as questões sociais de integrantes do Grupo Gestor. . por meio de ações integradas e referenciais de articulação política. organizado em B.COMO O PROJETO SERÁ ORGANIZADO? Objetivo Geral Sensibilizar e comprometer o conjunto dos atores sociais do Sistema de Garantia de Direitos de São Vicente com a mudança das condições objetivas de vida de crianças e adolescentes que habitam territórios vulneráveis. familiares e comunidade em geral que participarão do desfile do bloco carnavalesco EURECA – Eu Reconheço o Estatuto da Criança e Adolescente. gestores de políticas públicas. •500 a 1000 pessoas. crianças. Objetivo Específico Ação Resultados esperados 1. formação de adolescentes e educadores e participação ativa nos espaços de deliberação de políticas públicas e exercício do controle social. Vila Margarida e Jardim Irmã Dolores. adolescentes. adolescentes.•30 adolescentes com idade entre 12 e 15 anos. adolescentes.

respeito e conjuntas que engajadas na luta contra o abuso e a dignidade de todas as fortaleçam o Sistema exploração sexual de crianças e pessoas. Adolescentes.Seminário de Fortalecimento do Atores sociais do Sistema Sistema de Garantia de Direitos: um de Garantia de Direitos seminário de análise de contexto e sensibilizados e comprometidos com a recomendações para a formulação da qualificação das politicas política pública da infância no públicas que garantam os município. ação de exigibilidade de direitos e reconhecimento da importância da participação popular pela garantia dos direitos humanos. situações que produzem violações de direitos. 2. direitos das crianças e adolescentes no município F. E. C. adolescentes. Maio leitura critica da sociedade por meio de um e engajados em ações de processo formativo mobilização social. G.Evento 18 de Maio: das Trabalhadores sociais e 3. 4.Formação em Educação Popular: Educadores e protagonismo dos realização de três jornadas formativas trabalhadores sociais conduzidas pelos educadores do reconhecendo a potência educadores e Núcleo de Educação Popular 13 de transformadora de uma trabalhadores sociais. em educação popular. circunstância Direitos de Crianças e especialmente difíceis. baseada no movimento e na troca de saberes entre jovens e adultos. EURECA: manifestação popular em educadores e trabalhadores defesa dos direitos humanos de sociais e sociedade em geral protagonizando uma crianças e adolescentes. PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS: . serviços. Mobilizar governo e Vulnerabilidades à Participação: um sociedade em geral sociedade para a encontro regional de integração de sensibilizados e comprometidos com a luta realização de ações políticas.Viagem de Formação: uma saída Adolescentes e educadores cultural com o Grupo Gestor. os vivenciando uma educadores do projeto e convidados. experiência formativa. projetos e pessoas pela liberdade. Fortalecer o D. especialmente adolescentes e defensores de uma daquelas vivendo em de Garantia de clínica anti-manicomial.Desfile do Bloco Carnavalesco Crianças.

Mensalmente. conselheiros de políticas públicas. . Blog) como possíveis ferramentas. O Projeto Roda Viva organizará três núcleos de mobilização comunitária. trabalhadores dos serviços públicos . Formação de Educadores em Educação Popular Formação política bimestral para um grupo de 35 trabalhadores e educadores sociais - conselheiros tutelares. educadores sociais. relação conjuntura/estrutura. 2 dias intensivos. acontecimentos. Módulo 3: O que é uma Análise de Conjuntura Roteiro: Instrumentos para compreender uma análise de conjuntura: cenários. as quais serão parte integrante do Plano da Politica Municipal Decenal dos Direitos da Criança e Adolescente que subsidiará a elaboração do Plano Plurianual do Município e do orçamento municipal. nos bairros Jóquei Clube. os três núcleos de encontrarão para compartilhar suas experiências e produzir ações coletivas. perspectivas e desafios. Cada núcleo contará com a participação de 10 adolescente dinamizadores de ações em sua comunidade de pertencimento e. um educador de referência. Duração: 16 horas. atores e relação de forças. Além disso. tendo as redes sociais (Facebook. riqueza e pobreza. Duração: 16 horas. Cada núcleo de responsabilizará por ações de formação do próprio grupo para os temas que serão tratados nos eventos de mobilização social. Módulo 2: Como Funciona a Sociedade 2 Roteiro: As características fundamentais do capitalismo de acordo com o pensamento liberal e com a percepção dos trabalhadores. 2 dias intensivos. exercício prático e simulado. Twiter. Será convidado um conferencista com reconhecida experiência no campo do direito e da gestão pública para estimular o debate e a produção de reflexão e proposição de ações. a crise do capital e a intervenção do Estado na economia. Seminário de Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos O seminário tem por propósito aprofundar a compreensão sobre o Sistema de Garantia de Direitos e pactuar o compromisso das agências públicas e das organizações da sociedade civil pela transformação das condições de vida nos territórios mais vulneráveis da cidade. produzirá material de sensibilização e divulgação. as relações sociais de poder. 2 dias intensivos. pelo menos. Vila Margarida e Jardim Irmã Dolores.a fim de qualificar a rede para o trabalho com crianças e adolescentes no município. Duração: 16 horas.Reuniões do Grupo Gestor O Grupo Gestor é um dispositivo de reconhecimento da importância da participação direta dos adolescentes nos assuntos que dizem respeito à sua própria vida e à vida de sua comunidade. Serão 3 módulos aplicados pelo Núcleo de Educação Popular 13 de Maio: Módulo 1: Como Funciona a Sociedade 1 Roteiro: A sociedade em que vivemos.

A partir de 2006 o CMDCA de São Vicente incluiu em sua agenda esse dispositivo. passando a apoiar a organização e o desfile do bloco carnavalesco EURECA Litoral. Evento 18 de Maio: das Vulnerabilidades à Participação: O dia 18 de Maio é alusivo a duas grandes lutas sociais pela dignidade da pessoa humana: o dia nacional da luta anti-manicomial e o dia nacional de luta contra o abuso e a exploração sexual de criança e adolescente. por meio de ações integradas e referenciais de articulação política. O grande desafio que se apresenta é a concretização da intersetorialidade e da transdisciplinaridade.QUE CRONOGRAMA O PROJETO IRÁ CUMPRIR? Objetivos Ações Mês Mês Mês Mês Mês Mês Mês Mês Mês . um grande coletivo de organizações governamentais e não governamentais se organizam para produzir uma manifestação. Em todo território brasileiro são realizadas ações de sensibilização e mobilização social para conscientizar a população e comprometer os governos no enfrentamento dessas violações de direitos. COMO O PROJETO PRETENDE INTERAGIR COM POLÍTICAS PÚBLICAS? O Projeto Roda Viva tem por objetivo geral “sensibilizar e comprometer o conjunto dos atores sociais do Sistema de Garantia de Direitos de São Vicente com a mudança das condições objetivas de vida de crianças e adolescentes que habitam territórios vulneráveis. o carnaval. Desfile do Bloco Carnavalesco EURECA – Eu Reconheço o Estatuto da Criança e do Adolescente Criado em 1992 pelo Projeto Meninos e Meninas de Rua de São Bernardo do Campo. mobilização social. A cada ano. escolha do tema a ser desenvolvido. durante o maior evento cultural brasileiro. A preparação do bloco inclui atividades de formação de crianças. formação de adolescentes e educadores e participação ativa nos espaços de deliberação de políticas públicas e exercício do controle social. Trata-se de um evento intersetorial e aberto à participação da população. adolescentes e educadores. Em São Vicente. princípios de gestão de políticas públicas que serão postos em evidência e praticados na produção das ações de mobilização e analisados nas ações de formação de educadores e trabalhadores sociais. O projeto também pretende contribuir com a construção do Plano Decenal Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e do Plano Municipal Plurianual e influenciar a elaboração do orçamento municipal. a partir de 2010 o CMDCA tem apoiado a realização de um grande encontro regional para envolver a sociedade e pautar esses temas na agenda da Região Metropolitana da Baixada Santista. 5.” Isto significa que a incidência em políticas públicas justifica sua própria razão de ser. 6. trata-se de um dispositivo de mobilização social pela garantia dos direitos de crianças e adolescentes. composição do samba enredo e barracão para confecção de alegorias e adereços.

três núcleos organizado em comunitários: núcleos Jóquei Clube.Viagem de Formação: uma saída cultural com o Grupo X Gestor. os educadores do projeto e convidados. comunitários. semanais dos 30 por meio da integrantes do formação de Grupo Gestor. X X X X X X X X um Grupo organizados em X Gestor. Fortalecer o D. política pública da infância no município.Seminário de governo e Fortalecimento sociedade para do Sistema de a realização de Garantia de ações Direitos: um conjuntas que seminário de fortaleçam o análise de X Sistema de contexto e Garantia de recomendações Direitos de para a Crianças e formulação da Adolescentes.Evento 18 de X Maio: das Vulnerabilidades à Participação: um encontro regional de integração de políticas. Vila Margarida e Jardim Irmã Dolores. C.Reuniões Gerais do Grupo Gestor: encontros mensais X X X X X X X X X integrando os três núcleos comunitários. Fortalecer o A. projetos e pessoas engajadas na luta contra o abuso e a exploração sexual de crianças e . F. por formativas X X X meio de um conduzidas pelos processo educadores do formativo em Núcleo de educação Educação popular.Formação em protagonismo Educação dos Popular: educadores e realização de três trabalhadores jornadas sociais. Popular 13 de Maio 3.Reuniões do protagonismo Grupo Gestor: dos encontros adolescentes. B. específicos 01 02 03 04 05 06 07 08 09 1. 2. Mobilizar E. serviços.

Desfile do Bloco Carnavalesco EURECA: manifestação X popular em defesa dos direitos humanos de crianças e adolescentes. . G.adolescentes e defensores de uma clínica anti- manicomial.