See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/315481713

Manejo integrado de plantas daninhas na
cultura do tomate para processamento
industrial e para consumo in natura

Article · December 2016

CITATIONS READS

0 99

5 authors, including:

Marcos Paulo dos Santos
Universidade Federal de Goiás
8 PUBLICATIONS 1 CITATION

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Ecophysiological modeling for irrigated rice cultivation View project

All content following this page was uploaded by Marcos Paulo dos Santos on 21 March 2017.

The user has requested enhancement of the downloaded file.

integration. Castro. seja na forma industrializada ou para processamento (WPTC. seja cultivado livre da interferência das plantas daninhas. Plantas daninhas causam danos diretos e indiretos ao tomateiro para processamento industrial e para consumo de mesa (in natura). ________________________________________________________________________ Introdução consumidor da América Latina. This causes the management has adopted its common applications and its variables within each system.5% da produção mundial para para o Brasil. 9:5 (2016) November 2016 Article link http://www. o produtor dispõe basicamente do controle preventivo. Journal TOCs. Arch. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do tomate para processamento industrial e para consumo in natura Integrated weed management on the processing tomato crop and tomato for consumption in natura Y. A.com ________________________________________________________________________ Resumo.730 ha (ABCSEM. Weeds cause direct and indirect damage to processing tomato and tomato for consumption in natura. métodos de controle. Cavalieri. O ideal é que os métodos sejam integrados. Portal de Periódicos CAPES. interference. AGRIS. Existem similaridades entre os sistemas de cultivo de tomate para processamento industrial e para consumo de mesa. Therefore. biological and chemical. the farmer has basically the preventive control. Ideally. Considerar o manejo de plantas daninhas tomando apenas uma medida de controle é subestimar a capacidade evolutiva dessas espécies. o país é o maior produtor e mesa no país é de R$ 43. GFAR. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do tomate para processamento industrial e para consumo in natura Scientific Electronic Archives Issue ID: Sci.br/revista/index. P. 1982). 2014). biológico e químico.php?journal=SEA&page=article&op=v iew&path%5B%5D=285&path%5B%5D=pdf Included in DOAJ. 2009). aproximadamente produtividade com a utilização de altas doses de 70% são destinados ao mercado de mesa (Ribeiro fertilizante e utilização de mão-de-obra (Maschio & et al.agro@gmail. R. CORE. Science Gate. Discoursio Open Science. Do total da O tomateiro apresenta incrementos em produção nacional de tomate. O período de convivência é determinante para a intensidade desses danos. Santos. Consider weed management taking only one control measure is to underestimate the evolutionary ability of such species. bem como particularidades. The coexistence period is decisive for the intensity of damage. The application of a single method is not recommended. participa O tomate é um importante produto agrícola com apenas 3. O custo de produção de tomate de -1 industrializados. Palavras-chave: Solanum lycopersicum. There are similarities between processing tomato and tomato for consumption in natura cropping system and peculiarities.com. 11 . Latindex. the methods needs to be integrated in order to combat weeds. Castro et al. cultural.. A. embora o custo econômico também seja considerado para a tomada de decisão de quando e como controlar as plantas daninhas. interferência. Em relação aos seus derivados Sousa. bem como para consumo in-natura. cultural. M. o mercado de mesa (in natura). As control alternative. a fim de combater tais indivíduos altamente evoluídos e tolerantes às condições adversas. S.seasinop. Academic Journals Database and NTHRYS Technologies. Keywords: Solanum lycopersicum. A aplicação de um método isolado não é recomendada. CIARDRING. Elec. Como alternativas manejo. 2011). D. O manejo integrado permite que o tomateiro para processamento industrial. highly evolved populations and resistant to unfavorable conditions. O. mechanical. control method. mecânico. Golynski. Isso faz com que o manejo adotado tenha suas aplicações comuns e suas variações dentro de cada sistema. Nascimento Universidade Federal de Goiás Embrapa agrossilvipastoril Instituto Federal Goiano Author for correspondence: yuricastro. it is necessary to integrate the various methods available to the weed interference not impede the tomato production. integração. Abstract. although the economic cost is also considered for decision making when to control the weeds. No entanto.

Esse tipo de de tomate para processamento industrial e para condução não permite que o tomateiro cubra o solo consumo in natura. a água e as plantas que favorece o desenvolvimento das doenças. o que favorece a emergência das quaisquer comunidades de outras plantas presentes plantas daninhas. 2010). devem ser consideradas daninhas e consequentemente controladas. Hernandez et al. as plantas Plantas daninhas causam danos ao daninhas são alvo de pesquisas que procuram tomateiro de forma direta e indireta. leiras. Diante do competição por fatores de produção como. que após a colheita permanecem na área. quanto maior a densidade. algumas particularidades diferenciam retroflexus. caracterizados pelo monocultivo. variável. e cultivo de tomate. Já o tomateiro para consumo in (Huffaker. exposto. processamento é caracterizada por Além do aumento da umidade relativa. 1981). Outra particularidade dos sistemas é a O conceito de planta daninha engloba condução das plantas. (2004) demonstraram que o é a aplicação maciça de fertilizantes e irrigações acúmulo de matéria seca pelas plantas daninhas frequentes que. a renovação produtores/proprietários. nutrientes e CO2. daninhas.. favorecem o daninhas de forma epifítica (Leben. fungos e vírus relataram que a atividade é realizada em pequenas também residem em espécies de plantas daninhas propriedades arrendadas pelos agricultores. Kurozawa & Pavan (2005) em Amaranthus Entretanto. Essa diversidade de para processamento industrial e para consumo in 12 . a seguir serão abordados temas como luz. Relatos estabelecimento das plantas daninhas antes que a de Xanthomonas vesicatoria foram descritos por cultura se estabeleça (Ronchi et al. preparo convencional etc) diretos e indiretos. Atuam compreender sua biologia e formas de controle.. hospedam para processamento industrial e para consumo in insetos-praga. pivô central. cebola. espécies de levantamento da produção de tomate tutorado para plantas daninhas de grande ocorrência em áreas de consumo in natura no município de Catalão-GO. O tomateiro para indivíduos que ocorrem em local indesejável. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do tomate para processamento industrial e para consumo in natura Portanto. batata. de controle. (1997) avaliando o efeito das plantas abastecendo o banco de sementes e abrigando daninhas na cultura da cevada. a fim de estabelecer um manejo integrado doenças e diminuem a eficiência da colheita de plantas daninhas. interferência de plantas microclima favorável à ocorrência de doenças. prejuízos econômicos (Ronchi et al. Além daninhas e métodos de controle para o tomateiro disso. seja para processamento industrial são proporcionais a processamento industrial ou para consumo in densidade de Solanum americanum Mill (maria- natura. umidade relativa do ar foi maior nas parcelas Já a produção de tomate para infestadas em comparação às parcelas limpas. Nascente et al. Portanto. Portulaca oleraceae. feijão e soja podem entrar tomateiro na sucessão/rotação com o tomate industrial. Outra característica comum a perda.. o que permite que a cultura daninhas em um sistema de cultivo. atuam como fonte de inóculo de natura. relataram que a populações epífitas de fitopatógenos. Setaria Santos & Aguiar (2009) realizaram um glauca. a diretamente reduzindo a produtividade pela fim de tornar o manejo mais eficiente. são caracterizadas pela excessiva pretinha). maior movimentação do solo. ou seja. criam um sistemas de cultivo. (2002) relataram que as Características dos sistemas de produção de tomate perdas em produtividade do tomateiro para As áreas de cultivo de tomate. luminosidade) de forma inadequada o solo. em sistemas de cultivo natura é conduzido em tutores. 1957). prostrada. Milho comum. Existe uma série de maneiras de se dando condições a germinação de inúmeras controlar plantas infestantes na cultura do tomate espécies de plantas daninhas. 2010). Digitaria sanguinalis. Silva et al. apresentam efeito alelopático. 2004). Valarini & Spadotto. o controle eficaz das plantas sistemas de cultivo torna complexo o controle das daninhas faz-se necessário para que não causem infestantes (Pereira. em áreas irrigadas sob do ar no interior da cultura foi menor.. 1995. água. Souza et al. Tais Toda operação que reduz a população de culturas apresentam diferentes sistemas de manejo plantas daninhas a níveis que não causem danos de solo (canteiros. Danos causados pelas plantas daninhas Com características particulares. mudas de tomateiro nas primeiras semanas e a Bactérias fitopatogênicas vivem nas plantas utilização de espaçamentos amplos. milho doce. nigrum e Physalis spp. De forma indireta. nas entrelinhas. umidade. A incerteza da permanência na área para a As plantas daninhas promovem um próxima safra faz com que os agricultores manejem microclima (temperatura. Métodos de controle de plantas daninhas no cenoura. tendo processamento industrial cresce de forma livre no em vista que algumas plantas que são consideradas solo. S. que de ocorrência em áreas de tomate (Miranda et al.. mecanizada. apresentam sombreie o solo e exerça o controle cultural das importância culinária e medicinal fora desse sistema plantas daninhas. Castro et al. tais sistemas. beterraba. alho. que cultivam diversas culturas o ano todo. deve ser considerado um método que o perturbam em diferentes profundidades. Datura spp. 2010). pagam ao dono das terras uma porcentagem 2004. Bactérias de solo. Chenopodium album. aliada ao crescimento lento das aumenta em função do período de convivência..

2015). Outra desvantagem é o elevado custo propágulos altamente eficientes possam ser operacional.. No Portanto. O tomate tutorado. Esses métodos apresentam vantagens e formas de controle de plantas daninhas adotada desvantagens entre si. No entanto. ereto ou prostrado. estabelecimento. Sementes contaminadas. podem entanto. No entanto. Constantin implementos agrícolas. danifica as raízes superficiais do tomateiro. como o estresse hídrico. da cobertura do solo pelo tomateiro é variável. 13 . a limpeza de máquinas e implementos é tomateiro industrial. Algumas espécies de plantas densidade de plantio também interferem no controle daninhas como Bidens pilosa e Cenchrus echinatus. É um método que pode evitar O controle cultural das plantas daninhas problemas futuros com plantas que não ocorriam na pelo tomateiro para consumo in natura só ocorre. podem disseminar propágulos de plantas ao tomateiro. Em áreas de disseminação de propágulos (Cavalieri. A. Em pequenas arsenal disponível para o produtor no combate com propriedades o método se torna viável. o adensamento se disseminam por zoocoria. Algumas espécies como A. as plantas daninhas e o tomateiro. com as plantas daninhas. O controle preventivo. destacando-se como uma das primeiras partir de plantas de cobertura. conforme relatam negligenciado. grades e enxadas rotativas (muito utilizado tomateiro. demasia. Castro et al. Deve ser adotada em ocasiões em que por algum motivo Controle preventivo o controle de plantas daninhas foi ineficiente e haja O controle preventivo deve ser adotado de necessidade de reparos em reboleiras. por introdução. o daninhas. a roçagem da entrelinha favorece o principal agente de prevenção é o homem. (2006) avaliando a enxertia de híbridos de tomate para mesa. Na colheita forma contínua e ininterrupta no controle de plantas mecanizada do tomate para processamento. nas linhas de plantio. na tomaticultura é por meio da aquisição de mudas infestadas por propágulos. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do tomate para processamento industrial e para consumo in natura natura. Portanto. a nos sistemas de produção de tomate para indústria rotação de culturas e a redução do espaçamento e para mesa) podem transportar propágulos de entrelinhas também compõem esse método. pois consiste na eliminação total de apresenta eficiência apenas nas entrelinhas e com plantas e propágulos de uma área. competição intra-específica na cultura pode ser tão Funcionários que colhem manualmente lavouras de ou mais prejudicial do que o convívio com as tomate de mesa infestadas por essas espécies e plantas daninhas. Devido ao Controle mecânico tutoramento da cultura. No ordem abiótica. americanum pode ser uma introdução. a entrelinha fica totalmente O controle mecânico é uma operação descoberta e o controle cultural deve acontecer a rudimentar. das plantas daninhas. Seus propágulos da cultura deve ser adotado com cautela. plantas daninhas. implementos como subsoladores. Controle cultural substratos para produção das mudas e a água de O método cultural consiste em proporcionar irrigação. O método consiste em arrancar/cortar cultural. os métodos abordados serão doenças. condições biológicas para competir daninhas (Cavalieri. dependendo do genótipo essencial para prevenir a introdução de espécies utilizado. mecânico.. do ponto de vista Em grandes áreas o método se torna fitotécnico e econômico. A aderem nas vestimentas de trabalhadores rurais. inviável como medida principal de controle. Por trabalharem diretamente (2011) cita que o principal agente controlador de revolvendo o solo. Além do arados. o crescimento inicial da planta pode ser indesejáveis na área. americanum. palmeri e A. Esse método consiste na prevenção da arranquio manual de S. 2012). além de haver uma variação em O homem também pode ser um veículo de sua arquitetura. sementes. Cardoso et al. hybridus. retroflexus O homem deve ficar atento para prevenir a são mais sensíveis ao controle cultural do que. plantas daninhas é a própria cultura. 2011). pelo homem. reinfestação e opção para otimizar a operação. as plantas daninhas. O espaçamento entrelinhas e a disseminação. biológico e químico compõe o e expor as plantas à dessecação. (2002) verificaram posteriormente vão trabalhar no preparo de uma que o híbrido H 9553 apresenta maior sensibilidade nova área são potenciais veículos de dispersão de à competição intra-específica do que com S. Hernadez et al. é um dos métodos de controle mais modificar a arquitetura da planta. que penetram nos ferimentos causados no aqueles que permitem a melhor convivência entre tomateiro. bem como o risco de disseminação de erradicadas. plantas daninhas de uma área infestada para outra O controle das plantas daninhas por meio não infestada. Seria utopia em baixa umidade do solo e do ar (Jakelaitis et al. estabelecimento e propagação de exemplo. Inoue et al. Por isso a importância de Outra forma de introduzir plantas daninhas conhecer os períodos de interferência relativos ao em novas áreas é por meio de máquinas e convívio dessas espécies com a cultura. propaga O método de erradicação não será espécies que se reproduzem vegetativamente e abordado. a implantação de plantas de cobertura. caso não haja uma limpeza prévia. com 2003). Estresses de a médio e longo prazo (Constantin. caminhamento e o escoamento dos frutos para os Uma forma de introduzir plantas daninhas carreadores. destacando-se pelo baixo custo e pelo retorno quando ocorre. 2012. acreditar que plantas tão evoluídas. e área.

MAPA. 2011. heterophylla. inviabilizando em alguns o inseto. O plantio direto é algo incipiente na opção vantajosa no controle de plantas daninhas. A tomaticultura industrial. os herbicidas podem formação adequadas. americanum e Nicandra physaloides como as ruziziensis. responsáveis pelos maiores danos e apenas os herbicidas metribuzin. oleracea. -1 concluíram que o sulfentrazone (100 g ha ) e o 14 . que apresentou massa Controle químico seca superior ao das plantas daninhas no final do O método químico destaca-se como uma ciclo. N. método que mais se aproxima do manejo integrado As plantas daninhas dicotiledôneas são de plantas daninhas. fluazifop-p- sobrevivência (Tessmann. glaucum produz agressividade. bactérias e vírus fitopatogênicos. escala. porém de alta incidência ocorrem -1 maior quantidade de palha (21 t ha ). No entanto. tomaticultura para controle de plantas daninhas e na Evangelista Júnior et al. Observou-se também a rebrota de B. Castro et al. heterophyla. flazasulfuron Controle biológico e trifluralin são registrados para o controle dessas O controle biológico de plantas daninhas espécies na cultura. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do tomate para processamento industrial e para consumo in natura Silva Hirata et al. uma planta que tem em equilíbrio e garantir outra forma de alimento para causado sérios danos. No entanto. No entanto. Essa diversidade de espécies produção de sementes das plantas de P. No entanto. que podem reinfestar a área. comunidade principais espécies de plantas daninhas presentes infestante e sem cobertura vegetal como opção para em áreas de cultivo de tomateiro industrial no Brasil. Outros eventos tecnológicos aconteceram Dentre outras práticas culturais. pilosa. fungos fitopatogênicos e em menor porém com alta seletividade e eficácia de controle. quizalofop-p-ethyl. os monocultivos de tomate casos a produção do tomateiro. plantas de cobertura. insetos também conta com poucas moléculas registradas. horizontalis.(2004) avaliaram o prática tem sido aplicado tanto em pré quanto em efeito das plantas daninhas e do algodoeiro no pós-emergência. cultura do tomate para processamento industrial. muito específica. 2011). Isso Gilreath (1981) constatou que o metribuzin não evidencia a necessidade do agroecossistema estar controla Cyperus rotundus. B. o que não pode ser entendido como a utilização do acontece com eficiência em outros métodos de ecossistema agrícola composto pelo tomateiro. não permite fitotoxicidade de herbicidas alternativos para a que esse equilíbrio ecológico seja estabelecido. Além de não controlar essas espécies. a nessas áreas como. Cavalieri paralelamente ao surgimento dos herbicidas. ovos apenas se alimentando de plantas. 2016). tratamentos com Brachiaria decumbens. percevejo predador Podisus nigrispinus e physaloides e E. A relação entre os butil. inviabiliza a utilização do controle biológico. (2009) avaliaram Cavalieri (2012) cita as espécies S. O autor destaca também a ser utilizados em diferentes modalidades de importância da rotação de culturas com espécies aplicação: dessecação pré-transplante. O manejo de monocotiledôneas consiste em utilizar organismos como. glaucum. pós-emergência e aplicação em jato expõe o banco de sementes a possibilidade de dirigido às entrelinhas da cultura por meio do germinar e ser controlado com uma gama maior de emprego de pingentes. cobertura vegetal no tomate rasteiro conduzido em No entanto. pelos tomaticultores. outras espécies com menor meia estaca. Pennisetum glaucum. ácaros e Os herbicidas registrados para o controle de peixes que dependam das invasoras para sua gramíneas no tomateiro são clethodim. metam-sodium. seletivos em pré-emergência e pós-emergência O controle cultural de plantas daninhas viabiliza o controle na linha de plantio. o que (2012) destaca: implantação de cultivares fez com que a sua utilização fosse rapidamente adaptadas às condições edafoclimáticas locais. taxa de decomposição é superior à das braquiárias. A aplicação de herbicidas herbicidas. 2011). controle (Oliveira Júnior. não apresenta desenvolvimento. fitófagos. reprodução e sobrevivência do controle satisfatório sobre S. aceita e difundida. Melo & Vilela (2005) citam a descoberta de moléculas capazes de controlar forma inadequada com que o sistema é adotado plantas indesejáveis foi uma grande revolução. O avanço na área da tecnologia utilização de sementes certificadas. espécies de concluíram que as fêmeas do percevejo não são importância dentro dos sistemas de cultivo de capazes de atingir maturidade sexual e produzir tomate. transplante de mudas sadias e controle. o plantas infestantes. B. em época recomendada e adubação de base e Na cultura do tomate. Talvez esse seja um dos grandes O metribuzin é o herbicida mais utilizado na motivos para a baixa utilização desse método. americanum. napropamide e trifluralin agentes controladores e as plantas daninhas é (Rodrigues & Almeida. P. solo. pré- não pertencentes ao gênero Solanaceae. decumbens. D. é o número de moléculas registradas para o tomateiro. Euphorbia.e Ipomoea spp. pois emergência. Sem dúvida. Verificaram que o P. para processamento industrial e consumo in natura Cavalieri & Sant’ana (2012) avaliando a e o manejo inadequado de inseticidas. manejo de plantas daninhas dicotiledôneas manejo e a combinação de todos esses apresenta algumas limitações devido ao baixo componentes e suas vertentes. manejo de aplicação consolidou o método químico de adequado do solo. Amaranthus Os autores comentam que é importante verificar a spp.

ha ) aplicados em pré transplante. insulares. a pressão de seleção pode causar adotado. As mudas Se bem utilizado. o herbicidas selecionam biótipos resistentes. qualquer sistema de manejo de plantas daninhas é transplante seguidos da aplicação sequencial de a restrição das condições favoráveis às infestantes. outros defendem a ideia de que o herbicida não é o agente métodos de controle atuam nos sistemas de cultivo. (2012) avaliando herbicidas no controle de plantas daninhas em tomate industrial relataram que a Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do -1 utilização de S-metalachlor (1. plantas de cobertura extremamente pertinente para a longevidade das devem compor os sistemas de produção para tomate para processamento industrial e de tomate 15 .. como revolucionou os sistemas de cultivo de tomate e é semeadoras/adubadeiras. embora alguns autores o considerem uma de resistência em B. causador de resistência e sim. Essas espécies spp. o mau uso dessa tecnologia sem presença de plantas daninhas germinadas ou provoca desvantagens catastróficas. infestadas com plantas daninhas abasteçam o solo Os primeiros relatos de resistência no Brasil com propágulos. de disseminação de plantas daninhas. Vidal & Merotto Júnior. Para isso.. A integração de mais de um N. Portanto. cultivo de tomate.) e expõe sementes a condições favoráveis de também ocorrem com alta frequência em áreas de germinação. No difformis e B. flumioxazin (25 g ha ) e Segundo Pitelli (1987) a meta primária de -1 paraquat+diuron (300+150 g ha ) em pré.a. essa etapa deve ocorrer na área infestantes.. americanum método no manejo das infestantes constitui o e E. Noldin et al. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do tomate para processamento industrial e para consumo in natura -1 flumioxazin (25 g ha ) foram seletivos à cultura condições ótimas de cultivo de tomate industrial e quando aplicados em pré-transplante. Portanto. A utilização emergidas.a. a partir de um de biótipos de plantas daninhas resistentes após dado momento a cultura exercerá um controle sucessivas exposições (pressão de seleção) a um cultural sobre as plantas daninhas. fomesafen (250 g ha ). é o surgimento método empregado em um sistema. oxyfluorfen instalem e se multipliquem nas áreas de cultivo. physaloides. De fato. Sobre o controle de S. em função da cultura muitas O semeio direto de tomateiro está em vezes rotacionar com a soja no sistema de desuso nos sistemas produtivos de tomate para produção. (2014) em manejo integrado. os maioria manejam o solo de forma convencional. Relatos daninhas. que modificam seu evitar que o homem e as máquinas vindas de áreas metabolismo e degradam a molécula do produto. viridis e plantas daninhas. plantaginea foram descritos entanto. Essa integração é importante. Christoffoleti et al. controlaram Existem vários métodos de controle de satisfatoriamente Paspalum plicatulum. Outro fato é que alguns maquinários processamento e para mesa. Outra questão pertinente e que a utilização do controle químico seja o único que tem preocupado os agricultores. Castro et al.. A utilização de mudas livres tomaticultura para adubar os sulcos de plantio. -1 -1 (240 g ha ). mesmo que involuntariamente. experimento contendo essas espécies em pois atua na biologia das plantas sob diferentes ocorrência natural verificaram que o sulfentrazone formas e impede que as plantas daninhas se -1 -1 (100 g ha ). D. população de plantas daninhas é evitar que Diante desse cenário. método isolado ou a integração de métodos deve Uma desvantagem do controle químico é a ser utilizada. 2000. o agente Por se tratar de sistemas que em sua selecionador de indivíduos resistentes. demasiada desses produtos é maléfica ao homem. de propágulos de plantas daninhas aderidas ao Esses maquinários podem introduzir espécies substrato é importante.a. tomateiro para processamento industrial e para -1 oxyfluorfen (360 g i. Gazziero que se propagam vegetativamente (gênero Cyperus et al. ha ) e sulfentrazone (200 g consumo in natura -1 i. Mesmo para o meio ambiente. heterophylla em áreas de soja de espécies que não ocorriam na área. No método preventivo deve ser um dos primeiros a ser entanto. faz semanas após o transplante devido ao estresse do método uma excelente alternativa no manejo das sofrido. pois na mecanismo de ação. o autor comenta que a adoção de um controlaram satisfatoriamente essas espécies. ha ). arados e grades 1999). a utilização de apenas um toxicidade de algumas moléculas para o homem e método de controle não é recomendada. preparo do solo com subsoladores. pois representam um veículo resistentes nas áreas de cultivo de tomate. para consumo in natura. a mesmo herbicida ou herbicidas de mesmo adoção de apenas um método é teórica. 2012). pilosa. No entanto. forma de controle cultural (Cavalieri. heterophyla. a discussão sobre a cresçam livremente e se reproduzam nos períodos integração dos métodos de controle de plantas é de entressafra. 1996. (1994) prática. -1 doses reduzidas de metribuzin (168 g ha ) Para isso. 1998. O próprio (Grazziero et al. Silveira et al.200 g i. A. Outra forma de prevenir o aumento da ao meio ambiente e perturba o agroecossistema. A prevenção deve ocorrer no sentido de alterações nas plantas daninhas. esse manejo do solo dissemina espécies posteriormente (Christoffoleti et al. C. No entanto. as vantagens que o apresentam crescimento lento nas primeiras controle químico de plantas daninhas apresenta. são utilizadas na amplamente difundida. A produção de mudas utilizados em áreas de soja e milho. Castro et al. algumas vezes com a introdução ocorreram com E. Essa espécie apresenta altos índices de constitui um controle mecânico das plantas infestação em áreas de cultivo de tomate. 2002).

Brs Sena. 2001). 2006. Fitotoxicidade tomateiro durante todo o seu ciclo. de plantas daninhas do gênero Amaranthus. Campo Grande: SBCPD. Produção de do produto) das plantas daninhas. Manejo químico de plantas herbicidas em pré-emergência é uma alternativa daninhas na cultura do tomateiro para para que a cultura se estabeleça primeiro que as processamento industrial hib. A. Planta http://www. A aplicação de herbicidas em pós. http:// manejo sobre a população de tiririca. A aplicação de CASTRO. Campo Grande. p. In: estádio de desenvolvimento (recomendado na bula Clemente. V.. et al. Fundamentals of biological plantas daninhas é importante. 1994. P. 2014. o 96. 2004. Resistência da planta processamento industrial e para consumo in natura. casos de reinfestação acentuada. D. 28. Efeitos de sistemas de Sementes e Mudas. et al. In: Proceedings of the Florida Conclusão State Horticultural Society. Conhecer e integrar os 229-236. proporção de plantas de tomate industrial e de Esse pensamento certamente levará os sistemas maria-pretinha em competição. 129-131. Manejo de plantas daninhas. São Carlos. 2000. GILREATH.. In: Congresso lançar mão do controle mecânico e/ou manual. 1981. P. Boiteux. 16 . Associação Brasileira do Comércio de JAKELAITIS. Métodos de manejo. 67-77. S. EUA. 1996. Daninhas. D. J. de alternativas herbicidas para a cultura do tomate Em casos de escape. Efeito da densidade e subestimar a capacidade evolutiva dessas plantas. W. Planta Daninha 20: produtivos ao colapso. et al. CHRISTOFFOLETI. 1981. e dependendo do estádio de Júnior. não será eficaz. et al. New York. Podisus nigrispinus em algodoeiro e plantas mecânico. et al. In: Proceedings of Weed Science mostrado inúmeras vantagens. Champaign. p. o produtor pode para processamento industrial. 1957. pensar exclusivamente em um método de enzima ALS. p.. F.. D..D.. híbrido Hawaii 7996 como porta-enxerto de Juntamente com o método mecânico de cultivares comerciais de tomate. a fim de utilizá-los no control of weeds. L. controle químico deve ser utilizado. ocorrerão escapes. In: plantas daninhas. et al. Castro et al. Brasília. In: Oliveira torna inviável. Planta Daninha 12: para os sistemas de cultivo de tomate. J. S. Y. J. diversos métodos de controle com a biologia das HUFFAKER. Bragantia 65: 89- controle das plantas daninhas no preparo de solo. controle para manejar as plantas daninhas é HERNANDEZ. WSSA. et al. capazes de se reproduzir e distribuir seus GRAZZIERO. o arranquio se CONSTANTIN. 65-69. p. T. P. 2014. p. A observação das espécies Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas predominantes na área é importante para a tomada Daninhas. p. RS. eliminando as plantas remanescentes. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do tomate para processamento industrial e para consumo in natura para consumo in natura como palhada para o CARDOSO. Resistência de descendentes ao longo do tempo e do espaço. Pesquisa Agropecuária Brasileira 39: 413- intrínseca. Fitofagia de daninhas. Caso esse tomate para processamento industrial. a resistant Bidens pilosa byotipes in Brazilian soy- cobertura dos canteiros com plástico (mulching) tem beans area. 60-64. 2015. 2012. 2002. Viabilidade de uso do plantio direto. Curitiba: Omnipax. B. P. Imidazolinone Na tomaticultura para consumo de mesa. Referências Rima. Resistência de Diante do número de opções disponíveis plantas daninhas aos herbicidas.com. o produtor 13-20. S. O. 1998. 29. J. S. P. NY. R. Evaluation of herbicides for weed control in tomato. emergência deve ser realizada observando o CAVALIERI. In: Inoue et al. Os métodos de controle preventivo. Gramado.157-176. perdas consideráveis no tomateiro para GRAZZIERO. M. ABCSEM. controle das plantas daninhas (Sampaio & Araújo. L. 2003. D. et al. 150 p. permanecerão na área e competirão com o CAVALIERI. et al. 2012. o controle químico daninhas. SANT’ANA. Berkeley: Hilgardia. L. Em Daninhas. momento mais adequado. 10. CHRISTOFFOLETI. cultural e químico apresentam eficiência daninhas. et al. S. 2012. Uma delas é o Society of America Annual Meeting. Anais do XXVIII essa operação apresenta baixa capacidade Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas operacional e eleva os custos de produção. potencializada. daninha capim-marmelada (Brachiaria plantaginea) Essas plantas apresentam mecanismos altamente aos herbicidas inibidores da enzima ACCase na adaptados à sobrevivência e disseminação e são cultura da soja. p. v. R. porém quando integrados a eficiência é 420. que Embrapa. 2011. Planta Daninha 18: 169-180. R. 36. Gramado: SBCPD. As plantas daninhas são responsáveis por 94.abcsem. estádio não seja observado. Planta Daninha 16: 117-125. para que o INOUE et al. MS. No entanto. S.br/ Daninha 21: 89-95. Modalidades de manejo de espécies agroecossistema mantenha as condições de cultivo. Além amendoin-bravo aos herbicidas inibidores da disso. D. pode controlar de forma eficiente as plantas EVANGELISTA JÚNIOR. Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas. C. 1996. C. Manejo de Amaranthus. Anais do XXIX de decisão sobre qual molécula ou quais moléculas Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas utilizar. 59-73. 2016. Biologia e manejo de plantas desenvolvimento das plantas.

n. VALARINE. Pesquisa cultivo de tomate rasteiro para processamento Agropecuária Brasileira 17: 1309-1315. Londrina: IAPAR. AGUIAR. 1995. SP. Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas WPTC. p. 2004.wptc. Guia de herbicidas. 2002. PAVAN. Efeito da presença de plantas MAPA. Agropecuária Técnica 22: 1-12. Os produtores de tomate e o arrendamento de terra: o Distrito de Pires Belo no Município de Catalão (GO). PR. ARAÚJO. Planta Daninha. Manejo de plantas daninhas na cultura do tomateiro. Desafios e Industrial. p. Piracicaba. 4. V. S. http:// Planta Daninha 15: 89. Curitiba: Omnipax. 2010. S. C. Goiânia. Resistência a herbicidas inibidores de ALS em Santa Catarina. Anais do 23º 367-373.. Adubação 2009. Cyperus difformis (L. A. N. Abastecimeto. 79-93. http:// químico. SANTOS. C. Biologia e http://www. F. NOLDIN. R. S. C. P. 2001. 17 View publication stats . et al. áreas irrigadas de Guaíra – SP. et al. R. F. SOUZA.gov. 1999. I. Planta Daninha 27: 465-472. SAMPAIO. 23. MASCHIO. Interferência das plantas de nichos de sobrevivência de fitopatógenos em daninhas na cultura do tomate para processamento. D.12. 8. R. J.. processing tomato.. 2012. http://www. 2011. Competição e controle das plantas daninhas em áreas agrícolas. A. K. Horticultura Brasileira 23: ABH. ALMEIDA. 2009. Plantas de cobertura no LEBEN. et al. P.. p. In: Encontro Nacional de Geografia Agrária.. A. Importância da cobertura plástica do solo sobre o cultivo de hortaliças. n. Pesquisa Horticultura Brasileira 22: 602-606. 2 e 3. Biologia e manejo de plantas Ralstonia solanacearum. S. industrial. A. São Paulo: GEOUSP. et al. J. J. In: Congresso Brasileiro de Tomate MELO. A. 2004.. A. F. Controle de plantas infestantes em desbrota. PEREIRA. H. R. v. World production estimate of OLIVEIRA JÚNIOR. 6. na produção do tomateiro. Anais do 6º perspectivas para a cadeia brasileira do tomate para Congresso Brasileiro de Tomate Industrial.1-20. Ciência Rural 39: 1073-1079. Castro et al. J. R. A. em plantio direto. p. VILELA. In: Oliveira plantas daninhas cultivadas in vitro e em vasos por Júnior. A. How plant pathogenic bacteria survive. São Paulo: Ceres. espaçamento e SILVEIRA. T. 198. 697p. A. R. F. Londrina.) resistente VIDAL. RODRIGUES. 2012. et al. S. Manejo e controle de plantas daninhas em áreas de Produção de sementes de hortaliças. 2005. Paul. 2005. et al. E. 2009. Controle biológico: aplicações na MIRANDA. PITELLI. W. p. 154-157. A. et al. S. p. Doenças do SILVA. Londrina: SBCPD. Curitiba: Omnipax. World Processing Tomato Council.br/ TESSMANN. 2004. G. C. M. World Daninhas. A. Pecuária e daninhas no microclima da cultura da cevada. A. Transmissão de begomovírus tomateiro. daninhas. Análise ergonômica do trabalho em unidades de beneficiamento de tomates de mesa: movimentação manual de cargas. A. de amendoin-bravo aos herbicidas inibidores da In: Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas enzima acetolactato sintase. B. 2016. L. 9- 17. 2011. In: IV Curso sobre tecnologia de produção de sementes de hortaliças.P. GO. Mistério da Agricultura. p. Introdução ao controle tomatoes for processing. J. biovares 1. Colonização de raízes de área da ciência das plantas daninhas. C. 2002. Identificação NASCENTE. p.65.. MEROTTO JÚNIOR. 2011. R.ed. St. 1982. nitrogênio em cobertura. Manual de de plantas daninhas para tomateiros pela mosca- Fitopatologia. In: Hiroshi Kimati et al. Série Técnica IPEF. 1997.633-637. SPADOTTO. 1981. Agropecuária Brasileira 30: 1239-1243. N.agricultura. v. Planta Daninha 17: Daninhas. controle de plantas daninhas na cultura do tomate Plant Disease. 19.. 2016. In: In: Oliveira Júnior. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do tomate para processamento industrial e para consumo in natura KUROZAWA. RIBEIRO. Goiânia: processamento industrial. RONCHI. básica. 614-615. São Paulo. 28: 215-228.. W. S. 125-139.1-24. Planta Daninha 28: 507-514.to/ manejo de plantas daninhas. SOUSA. et al. P. p. R.4. 2010. branca. Fitopatologia Brasileira 29: 121-127. et al. 1987. Embrapa Hortaliças. O. F. 2009. 11. SILVA HIRATA. C. M. Anais do XIX Encontro Nacional de Geografia Agrária. M.