POVOS INDÍGENAS

EM
MATO GROSSO DO SUL
História, cultura e transformações sociais

POVOS INDÍGENAS
EM
MATO GROSSO DO SUL
História, cultura e transformações sociais

Graciela Chamorro & Isabelle Combès
(Orgs.)

2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS

Gestão 2011/2015 Gestão 2015/2019

Reitor: Damião Duque de Farias Reitora: Liane Maria Calarge
Vice-Reitora: Marlene Estevão Marchetti Vice-Reitor: Marcio Eduardo de Barros

Equipe EdUFGD / 2012 Equipe EdUFGD / 2015
Coordenação editorial: Edvaldo Cesar Moretti Coordenação editorial: Rodrigo Garófallo Garcia
Administração: Givaldo Ramos da Silva Filho Administração: Givaldo Ramos da Silva Filho
Revisão e normalização bibliográfica: Revisão e normalização bibliográfica:
Raquel Correia de Oliveira Cynara Almeida Amaral, Raquel Correia de Oliveira,
Programação visual: Tiago Gouveia Faria e Wanessa Gonçalves Silva
Marise Massen Frainer Programação visual: Marise Massen Frainer

CONSELHO EDITORIAL
Edvaldo Cesar Moretti - Presidente Rodrigo Garófallo Garcia - Presidente
Célia Regina Delácio Fernandes Gicelma da Fonseca Chacarosqui Torchi
Luiza Mello Vasconcelos​ Luiza Mello Vasconcelos
Marcelo Fossa da Paz Marco Antonio Previdelli Orrico Junior
Paulo Roberto Cimó Queiroz Marcio Eduardo de Barros
Rozanna Marques Muzzi Rogério Pereira Silva
Wedson Desidério Fernandes Thaise da Silva

Conselho Editorial | 2012.

A revisão textual e a normalização bibliográfica deste livro são de
responsabilidade das organizadoras, dos autores e das autoras. A presente
obra foi aprovada de acordo com o Edital 01/2011/EdUFGD.

Diagramação: Amanda Moreira e Thiago Vieira
Revisão textual final: Luiza Mello Vasconcelos
Normalização Bibliográfica: Márcia B. Gomes
Capa: Thiago Vieira | Ilustração da capa: Arami Marschner
E-mail: editora@ufgd.edu.br

P879
Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: história,
cultura e transformações sociais. / Organizadores: Graciela
Chamorro, Isabelle Combès -- Dourados, MS: Ed. UFGD,
2015.
934p.

ISBN: 978-85-8147-132-7
Possui referências

1. Cultura indígena. 2. História indígena. 3. Mato
Grosso do Sul. I. Graciela Chamorro. II. Isabelle
Combès. III. Título.

CDD – 980.4171

Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Central – UFGD.
© Todos os direitos reservados. Conforme lei nº 9.610 de 1998

COMITÊ CIENTÍFICO

Antônio Jacó Brand (In memoriam)
Thiago Leandro Vieira Cavalcante
Graciela Chamorro
Isabelle Combès
Maria de Fátima Costa
Manuela Carneiro da Cunha
Paulo Augusto Mário Isaac
Pilar García Jordán
Protasio Paulo Langer
Adelina Rosario Pusineri de Madariaga
Bartomeu Melià
John Manuel Monteiro (In memoriam)
Levi Marques Pereira
Pedro Ignácio Schmitz

Agradecimentos
Escrever sobre as histórias, as culturas e Lamoso e Noêmia Moura — que cederam os
as transformações sociais concernentes aos valores destinados pela universidade às suas
povos indígenas em Mato Grosso do Sul é pesquisas, para a publicação deste livro.
uma tarefa que só pode ser feita unindo mui- À Universidade Federal da Grande Doura-
tas mãos, potyvõ, em mutirão. Nesse senti- dos, especialmente à Pró-Reitoria de Pós-Gra-
do, como organizadoras desta obra, fomos duação e Pesquisa e aos colegas do Programa
agraciadas com 46 pessoas que assumiram de Pós-Graduação em História — que acredi-
a autoria dos 42 capítulos e nos prestaram taram neste livro quando ainda era apenas um
uma espécie de assessoria nos 42 meses que projeto, empenhando-se depois conosco pela
levamos desde o início do projeto desta obra sua publicação com os recursos da universi-
até a sua entrega para publicação, passando dade —, nosso muito obrigado. Destacamos
por um seminário e um simpósio que reuni- o empenho de Ariane Rigotti, Olga Bachega,
ram muitas dessas pessoas. Agradecemos de e Cláudio Vasconcelos. Na Editora da UFGD,
coração a todas elas por suas contribuições, nossos agradecimentos vão para Givaldo Ra-
sua paciência e amizade. mos, Marise Frainer, Raquel Correia e Tiago
Sabemos que por trás de cada artigo sobre Faria; no Centro de Documentação Regional
os povos indígenas contemporâneos em nosso (CDR), para Carlos Barros Gonçalves e Ivanir
estado está a contribuição de muitos índios e Martins de Souza.
índias. Uma parte do que os autores e as auto- A Joana Aranha Moncau, Layla Cristina Ia-
ras desses capítulos escreveram repousa sobre pechino Souto e Natália Cimó, agradecemos
a memória e os saberes indígenas. Aos autores pelas traduções para o português e pelas cor-
e às autoras indígenas que participaram com reções dos textos escritos em língua portugue-
suas experiências na secção de testemunhos, sa; também a Luiza Vasconcelos, pela revisão
assim como às pessoas e comunidades que en- de todo o livro. Gratidão a Leszek Lech e Mo-
riquecerem com sua memória este livro, lhes nika Ottermann; Thiago L. V. Cavalcante, Levi
dizemos: aguyje (Kaiowa), hegreífuara (Ofaiê), M. Pereira e Protasio P. Langer; Thiago Vieira,
aínapo yákoe (Terena), atimá (Guarani), ai- Diego Villar, Maria de Fátima Costa e ao pes-
napuiakwé (Kinikinau), elee-nioagode/elee soal do Museo Etnográfico Andrés Barbero,
nioagodo (Kadiwéu), ñacaranipise (Ayoreo), pela assessoria técnica e todo apoio durante
hnechyt dych (Chamacoco), gracias, obrigado! a produção deste livro.
(Atikum, Camba, Guató). Que estas palabras Aos mais de quarenta pareceristas, cujos
de gratidão gerem respeito e atenção para com nomes não podemos mencionar aqui, assim
as suas línguas e culturas, para com seus mo- como ao Comitê Científico desta obra, nos-
dos de vida passados e seus desafios recentes! so muito obrigado por ter-nos acompanhado
Agradecemos também aos colegas da na árdua tarefa de avaliação dos textos. Duas
UFGD — Andérbio Márcio Silva Martins, pessoas deste comitê faleceram enquanto este
André Luis Freitas, Eudes Fernando Leite, livro estava sendo elaborado: Antônio Jacó
Grazielle Acçolini, Jones Dari Goetter, Levi Brand (1950-2012) e John Manuel Monteiro
Marques Pereira, Neimar Machado de Souza, (1956-2013). Ambos saudaram com otimismo
Protasio Paulo Langer, Paulo Cimó Queiroz, o projeto deste livro e deram sua contribuição
Rodrigo Luis Simas de Aguiar, Thiago Leandro para que ele se tornasse realidade. Recebam
Vieira Cavalcante, André Geraldo Berezuck, esta obra também como fruto de um sonho
Flaviana Gasparotti Nunes, Lisandra Pereira que esses companheiros sonharam junto.

SUMÁRIO
PREFÁCIO������������������������������������������������������������������������������������������������������������������15
Memória, história e futuro dos povos indígenas���������������������������������������������������������������������� 15
Bartomeu Melià S. J.

INTRODUÇÃO����������������������������������������������������������������������������������������������������������19
Graciela Chamorro
Isabelle Combès

PARTE 1
PANORAMA ARQUEOLÓGICO��������������������������������������������������������������������������������25

Arqueologia em Mato Grosso do Sul�������������������������������������������������������������������������������������� 27
Pedro Ignácio Schmitz

8.400 anos de ocupação indígena nas margens do rio Paraguai���������������������������������������������� 39
Pedro Ignácio Schmitz
Jairo Henrique Rogge

A Arte rupestre em Mato Grosso do Sul���������������������������������������������������������������������������������� 51
Rodrigo Luiz Simas de Aguiar

Os antigos caçadores do planalto de Mato Grosso do Sul
de 10.500 a 6.700 anos atrás�������������������������������������������������������������������������������������������������� 61
Pedro Ignácio Schmitz
Marcus Vinicius Beber
Ellen Veroneze

Levantamento arqueológico e história indígena na aldeia Lalima, Miranda/MS���������������������� 73
Eduardo Bespalez

Arqueologia da bacia do Alto Paraná em Mato Grosso do Sul������������������������������������������������ 93
Emília Mariko Kashimoto
Gilson Rodolfo Martins

PARTE 2
MARCO HISTÓRICO�����������������������������������������������������������������������������������������������101

Uma esquina nos confins da América: encontros e desencontros
nos processos de povoamento e ocupação do território do atual Mato Grosso do Sul���������� 103
Paulo Roberto Cimó Queiroz

PARTE 3
ANTIGOS POVOS����������������������������������������������������������������������������������������������������127

“Orejones” e Xaray nas fontes coloniais������������������������������������������������������������������������������� 129
Isabelle Combès

Payagu������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 147
Chiara Vangelista

Os Boe Bororo���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 157
Chiara Vangelista

Boe Bororo: A riqueza cultural de um povo e as frentes de colonização������������������������������� 165
Antônio H. Aguilera Urquiza

Renascido das cinzas: Um histórico da presença dos Cayapó-Panará em
Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso: séculos XVIII ao XX����������������������������������������������������� 177
Odair Giraldin

PARTE 4
HISTÓRIA DOS ATUAIS POVOS INDÍGENAS���������������������������������������������������������197

Guató: povo das águas��������������������������������������������������������������������������������������������������������� 199
Anna Maria Ribeiro F. M. Costa

A última fronteira ofaié: a resistência de um povo indígena�������������������������������������������������� 217
Carlos Alberto dos Santos Dutra

OS QUE CHEGARAM DO CHACO����������������������������������������������������������������������������������������������������229

O complexo alto-paraguaiense: Do Chaco a Mato Grosso do Sul����������������������������������������� 231
Nicolás Richard
Isabelle Combès

Os Terena em Mato Grosso do Sul���������������������������������������������������������������������������������������� 249
Noêmia Moura
Graziele Acçolini

Os Kinikinau: persistência e percepções������������������������������������������������������������������������������� 267
Iára Quelho de Castro

De Mbayá-Guaikurú a Kadiwéu: uma sociedade de artistas e guerreiros������������������������������ 277
Giovani José da Silva

Notas sobre os Chamacoco e os Ayoreo e sua presença em terras sul-mato-grossenses�������� 287
Giovani José da Silva

POVOS GUARANI-FALANTES: ENTRE E PARA
ALÉM DOS DOIS GRANDES RIOS�����������������������������������������������������������������������������������������������������291

Povos indígenas guarani falantes no atual Estado de
Mato Grosso do Sul (séculos XVI-XXI)���������������������������������������������������������������������������������� 293
Graciela Chamorro

Historiografia e antropologia guarani em Mato Grosso do Sul (século XIX)��������������������������� 323
Pablo Antunha Barbosa

Os Deuses, os homens e suas escolhas: cosmologia, organização social,
conflitos territoriais e outras histórias kaiowa������������������������������������������������������������������������ 339
Katya Vietta

A mão de obra kaiowa e guarani na colonização no antigo sul de Mato Grosso������������������� 359
Eva Maria Luiz Ferreira
Gustavo Costa do Carmo

O território Kaiowa e Guarani – Documentos����������������������������������������������������������������������� 369
Eva Maria Luiz Ferreira
Antônio Brand
Fernando Augusto Azambuja de Almeida
Rosa Sebastiana Colman

OS POVOS RECÉM-CHEGADOS��������������������������������������������������������������������������������������������������������389

Os Camba: relações e construções identitárias na fronteira Brasil-Bolívia����������������������������� 391
Ruth Henrique

Atikum: processos de territorialização de um grupo indígena do Nordeste
em Mato Grosso do Sul�������������������������������������������������������������������������������������������������������� 405
Gabriel Ulian

ILUSTRAÇÕES���������������������������������������������������������������������������������������������������������423

PARTE 5
REPRESENTAÇÕES DOS INDÍGENAS NAS FONTES HISTÓRICAS��������������������������517

O “mapeamento” dos indígenas rio-platenses na cartografia
da conquista militar e espiritual�������������������������������������������������������������������������������������������� 519
Protasio Paulo Langer

Os indígenas do antigo sul de Mato Grosso segundo os viajantes do século XIX������������������ 535
Márcia Campos
Sonia Maria Couto Pereira

PARTE 6
EXPERIÊNCIAS MISSIONAIS������������������������������������������������������������������������������������553

Missões jesuíticas no Itatim�������������������������������������������������������������������������������������������������� 555
Graciela Chamorro
Isabelle Combès
André Freitas

Missões de Chiquitos e povos indígenas de Mato Grosso do Sul������������������������������������������� 571
Roberto Tomichá Charupá

Missão Evangélica Caiuá: um ideário de fé e “civilização” nos
“confins” de Mato Grosso (1929-1970)�������������������������������������������������������������������������������� 587
Carlos Barros Gonçalves
Renata Lourenço

O processo de terenização do cristianismo na Terra
Indígena Taunay/Ipegue no século XX����������������������������������������������������������������������������������� 613
Noêmia Moura
Graziele Acçolini

Missões Pentecostais na Reserva Indígena de Dourados – RID:
origens, expansão e sentidos da conversão��������������������������������������������������������������������������� 631
Levi Marques Pereira
Graciela Chamorro

Missões católicas contemporâneas em Mato Grosso do Sul:
dilemas e tensões entre a Pastoral Indigenista e o Conselho Indigenista Missionário������������� 655
Meire Adriana da Silva

PARTE 7
BANDEIRANTES E SERTANISTAS�����������������������������������������������������������������������������677

O devassamento bandeirante nos sertões do oeste: anotações acerca da construção
do protagonismo dos desbravadores e da relevância do papel dos índios����������������������������� 679
Manuel Pacheco Neto
Ana Cláudia Marques Pacheco

A conquista do sertão de Mato Grosso no século XVIII��������������������������������������������������������� 691
Glória Kok

PARTE 8
ARTE������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������707

A universalidade da arte e a pesquisa da produção artística
entre os povos indígenas em Mato Grosso do Sul����������������������������������������������������������������� 709
Rodrigo Luiz Simas de Aguiar
Levi Marques Pereira

PARTE 9
LÍNGUAS�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������727

Diversidade linguística em Mato Grosso do Sul ������������������������������������������������������������������� 729
Andérbio Márcio Silva Martins
Graciela Chamorro

PARTE 10
POLÍTICAS INDIGENISTAS��������������������������������������������������������������������������������������745

A política indigenista imperial na província de Mato Grosso
até o início da década de 1850�������������������������������������������������������������������������������������������� 747
Lucio Tadeu Mota

A política indigenista em Mato Grosso (1845-1889)������������������������������������������������������������� 765
Cláudio Alves de Vasconcelos

A Reserva Indígena de Dourados: a atuação do Estado brasileiro
e o surgimento de figurações indígenas multiétnicas������������������������������������������������������������ 781
Levi Marques Pereira

Aty Guasu, as grandes assembleias kaiowa e guarani:
Os indígenas de Mato Grosso do Sul e a luta pela redemocratização do país����������������������� 795
Spensy K. Pimentel

PARTE 11
TESTEMUNHOS INDÍGENAS����������������������������������������������������������������������������������815

Testemunho do massacre: ���������������������������������������������������������������������������������������������������� 817
Ataíde Francisco Xehitâ-ha Ofaié 

Testemunho terena de luta pela terra������������������������������������������������������������������������������������ 821
Isac Pereira Dias Hopu’otx Turumo

Testemunho kaiowa sobre a Mate Laranjeira������������������������������������������������������������������������ 827
João Aquino

Testemunho kaiowa sobre o espalhamento��������������������������������������������������������������������������� 831
Tito Vilhalva

Testemunho indígena Atikum����������������������������������������������������������������������������������������������� 837
Aliano José Vicente

Testemunhos de indígenas vivendo em contexto urbano������������������������������������������������������ 843
Dario Massi de Morais
Elizena Lima Velasque
Eulalia Lima Ramos
Marcia Ribeiro de Souza
Santa Leme da Silva

ANEXOS�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������859

Siglas de arquivos����������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 861

Bibliografia��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 863

Índice de Etnias, Nacionalidades, Línguas e Tradições Arqueológicas����������������������������������� 911

Lista das ilustrações�������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 917

As autoras e os autores��������������������������������������������������������������������������������������������������������� 925

Prefácio
Memória, história e futuro dos povos indígenas
Bartomeu Melià S. J.

Mato Grosso é um estado indígena, não receriam superficiais e vazias de objetividade,
pelo volume de sua demografia, mas pela mais emocionais que racionais, deveriam en-
quantidade de povos indígenas que nele ha- contrar provas históricas e sociais aceitáveis.
bitaram e cultivaram formas de vida próprias, As histórias – ou crônicas – dos chamados
sendo cada uma delas um modo de enfrentar pioneiros, sobretudo dos séculos XIX e XX, fa-
a vida, de intentar vivê-la de forma digna, boa zem passar a ideia de uma entrada heroica
e livre. A soma das soluções que esses povos num território virgem e desabitado, em que
deram aos problemas do seu tempo e que tudo estava por fazer, onde, por trás dos gran-
tão facilmente hoje em dia são consideradas des taquarais, na densa selva ou no longínquo
descartáveis por muitos constitui, no entanto, horizonte dos campos abertos, assomavam,
uma resposta aos grandes problemas de uma entre curiosos e estupefatos, outros homens e
colonialidade que vai de crise em crise. mulheres, desconhecidos e temíveis.
Nessa história, entra também Mato Gros- Mas, na verdade, os recém-chegados já
so do Sul que, ao se separar de sua “mãe”, tinham um destino para eles: integrá-los a
herdou muitas de suas deformações, com um novas formas de colonialidade e de trabalho
ritmo de mudança ainda mais acelerado e colonial ou fazer com que eles fugissem para
traumático. Os colonos instalados no territó- o mais longe possível. Obviamente, essas his-
rio são de outra origem e mentalidade. tórias, que nunca deixaram de ser coloniais,
Há também nesse Mato Grosso “do Sul”, têm muitas variáveis e matizes. À mais perni-
que preferiu concentrar sua população em ciosa delas se aplicam as palavras de Rafael
poucos centros para deixar livres grandes ex- Chirbes (2013, p. 161), quando escreve: “o
tensões de terra para o agronegócio de gado, que melhor suporta a passagem do tempo é
soja e cana, uma história que tem caracteri- a mentira”.
zado e prejudicado a relação da população Os novos moradores gostaram das men-
não indígena com os primeiros habitantes tiras que acompanhavam e justificavam seus
da região, despojando-os, em menos de um interesses. Em pouco tempo, ninguém mais
século e meio, de seu ser primitivo, enquan- sabia nada dos primeiros moradores da re-
to primeiro e primordial, para reduzi-los a gião. Haviam sido reduzidos a um denomina-
uma condição secundária e dependente, tida dor comum de gente suspeita, que, ao mesmo
como irrelevante e como resto. Estas conside- tempo, era aproveitada para fazer os trabalhos
rações, que formuladas assim de antemão pa- mais pesados e desagradáveis.

Bartomeu Melià S. J. 15

As historias e situações desenvolvidas nas é mais prejudicial, no decurso do tempo, para
páginas deste livro, num cenário que abar- quem as relata que para quem, nesses relatos,
ca todo o estado de Mato Grosso do Sul, vão fica com sua figura deformada e reduzida.
além de suas fronteiras e penetram nos países Há uma história de Mato Grosso do Sul
e estados vizinhos; embora não tenham sido que insiste repetidamente que não há história
projetadas nem desenhadas para reclamar e de povos indígenas na região, ou seja, que es-
reivindicar direitos violados, convergem numa sas populações, se alguma vez existiram, ou
espécie de afinidade eletiva, como diria Go- já não estão ali, ou delas só ficaram alguns
ethe, em favor do direito dos povos a ter sua restos cujo destino seria sua dissolução num
própria memória, como têm sua cultura, sua conjunto maior que se chama população sul
economia e suas formas diferentes de governo. mato-grossense. Estariam condenados a não
É essa perspectiva afim, na qual se situam os ser. De outro lado, os povos indígenas afir-
autores e as autoras dos diversos trabalhos, que mam o contrário: que querem ser o que são e
dá uma grande unidade a esta obra. que precisamente por isso ainda o são.
Esta enciclopédia de histórias indígenas Os outros não indígenas chegaram à terra
contadas ou escritas responde a uma neces- que se tornaria Mato Grosso do Sul seguindo
sidade urgente e ineludível dos tempos mo- pautas tipicamente coloniais, como em outras
dernos. É simplesmente a afirmação racional épocas e partes do continente. Para eles, o
e científica de que a história de Mato Grosso índio era aquele que devia morrer, não ne-
do Sul não começa no momento de sua cria- cessariamente como indivíduo, mas como
ção como estado em 1977. Ela possui uma pessoa, como ser diferente e livre. Negá-lo
profundidade milenária da qual não pode como povo implica sua destruição como
prescindir, por manter no seu seio, como raiz homem e mulher diferentes. Estas popula-
e continuidade, populações históricas ante- ções, que permanecem ainda entre nós e
riores à entrada dos desbravadores e colonos. conosco, para muitos são inexplicáveis. E
Os diversos capítulos desta obra chegam, na pretendem negá- las de uma maneira ou de
realidade, bem na hora. São a oportunidade outra; fazem-nas vir de um nebuloso lugar de
de saldar as dívidas com o passado com o origem, distante e alheio, e enviam-nas a um
único meio, que é a verdade. A questão não lugar sem lugar, a um lugar que não é lugar.
é comparar povos ágrafos, supostamente sem No que toca aos povos guarani falantes,
história, e povos letrados com história. que se definem, sobretudo, pelo tekoha – o
Cada povo tem direito a sua memória e lugar onde eles são o que são, lugar que pro-
a seu futuro, e este direito fundamental não mete e faz possível o que serão –, desde sécu-
vai contra o desenvolvimento. A ideia não é los se insiste em deixá-los sem um lugar onde
nova, porém havia que dar-lhe corpo e visibi- possam pôr os pés. Então, dá-se a dramática
lidadeem cada povo e em cada cultura. situação de que sem tekoha não há teko, sem
Marshall Sahlins (1988, p. 12), em Islas de lugar onde ser, não há ser. E o mesmo acon-
historia, mostra que a “diversas culturas” cor- tece com os demais povos indígenas que vi-
respondem “diversas historicidades”, porque vem em Mato Grosso do Sul: suas identidades
“diferentes ordens culturais têm seus modos transformam-se numa questão de territoriali-
distintivos, próprios, de produção histórica”. dade também, que não é a possessão de uma
Tentar acercar-se de outras visões do mundo propriedade privada, mas uma terra comuni-
e outras culturas e historicidades não é um tária onde se possa viver e ser. Nesse contexto,
exercício de contemplação externa, senão os recém-chegados frequentemente são tidos
uma maneira de conhecermos a nós mesmos como de origem, enquanto os povos que lhes
mediante a relação que mantemos com os ou- precederam por séculos e milênios na região
tros. Contar histórias falsas e sem fundamento são considerados estranhos e intrusos, estran-

16 Prefácio

geiros na sua própria terra. Ideias tão singu- a conhecer, alimentarão sua memória. Elas lhes
lares como essas não só se pretende estender farão conhecer também as coisas boas que se
como verdade indiscutível entre a população tem dito delas e as falsidades nas quais foram
recente de Mato Grosso do Sul, mas também envolvidas por ignorância, às vezes, mas so-
são difundidas como dogma incontroverso e, bretudo pelo interesse em torná-las irreconhe-
o pior, tenta-se fazê-las engolir e assimilar às cíveis.
próprias comunidades indígenas. Os povos indígenas não estão no fim da
Uma parte da população guarani desa- história, senão no início de um futuro di-
pareceu através de um processo desse tipo. ferente. Quem tem tido a oportunidade de
Expulsaram-na de seus tekoha, roubaram-na estar com eles sabe de sua sabedoria e dos
sem que se desse conta, forçaram-na a me- horizontes que ela nos tem aberto para pen-
nosprezar sua memória e seu ser e arrebata- sarmos o bem viver; sabe da esperança de
ram-lhe a liberdade, empobrecendo-a não só que outro mundo foi e é possível. Se os po-
de bens, mas também do tesouro de ser dife- vos indígenas não existissem, teríamos que
rente em igualdade de direitos com os outros. inventá-los. Mas não é necessário, eles rein-
Estas páginas, sem dúvida, servirão às co- ventam-se a cada dia e amanhecem de novo
munidades indígenas para conhecer-se e darse a cada manhã.

Bartomeu Melià S. J. 17

em uma negação do dife- (DSEI-MS) da Secretaria Especial de Saúde rente. das pelo Distrito Sanitário Especial Indígena apoia-se. A presente compilação inspira-se aber- etária de 15 a 29 anos. Moncau (2011). 20) Sublinhamos a importância da presença indígena nos primeiros séculos da história do Brasil. nem de uma exaltação dos oprimidos ou vencidos da história. E o racismo.645. número de habitantes indígenas. Pimentel. afro-brasileira) em todos os estabelecimentos Graciela Chamorro • Isabelle Combès 19 . “justificá-la”. ocorreram 555 casos de suicí. É também cultural – contra os povos indígenas não é no- um dos primeiros colocados na violação vidade nem em Mato Grosso do Sul. 119) De acordo com o censo de 2012. procura- mos demonstrar que a história. abril de 2012b. sendo 70% entre pessoas da faixa país. (MONTEIRO. nem em dos direitos humanos desses indígenas. racismo e continua sendo acompanhada por discursos violência extrema. 2 Ver: Relatório sobre Violências e Mortes Violentas no no da história e cultura indígenas (ao lado da DSEI-MS. com muitos estados brasileiros. em tal desconhecimento do Outro que Indígena (SESAI). p. Além disso. 2000. houve um total de 317 homicídios da Cunha e outros 29 historiadores e antro- entre indígenas. Fosse qual fosse o repercussão nacional e internacional de ca. De fato. p. março de 2008. Antes. Não se trata de um simples “resgate” do homem esquecido. Grosso do Sul – antigo sul de Mato Gros. (CUNHA. essa violência sempre foi e sos frequentes de discriminação. psicológica. da Saúde. entre os anos pólogos publicaram o livro titulado História 2000 e 2011. nos últimos dez Vinte e dois anos atrás. 99% entre os Guarani e conhecimento da história indígena de nosso Kaiowa. dos índios no Brasil. Introdução Graciela Chamorro Isabelle Combès Ter uma identidade é ter uma memória própria. motivo imediato. SESAI. seja para buscar ouro. a violência – física. a história dos índios apresenta um claro exemplo da omissão de um ator significativo nos livros de história mais convencionais. escravos ou almas para so – é hoje o segundo estado brasileiro em converter. como sabemos.órgão ligado ao Ministério impede o diálogo e a compreensão mútua. que torna obrigatório o ensi- Pimentel (2010). Manuela Carneiro anos. o Mato Seja para se apropriarem de suas terras. apontam que.2 tamente nessa iniciativa e quer ser um aporte para a implementação da lei 11. primeiro. uma obra pioneira para o dio entre indígenas. Por isso a recuperação da própria história é um direito fundamental das sociedades. 1992a. foi feita e vivida por agentes muitas vezes desconhecidos. embora escrita e distorcida por uma pequena minoria com interesses próprios.1 Informações referentes discriminatórios e racistas que pretendem ao estado de Mato Grosso do Sul divulga. de 10 de 1 Ver: Relatório da Comissão Pastoral da Terra (2011).

de língua planalto de oito a 12 mil anos atrás. E todos Sul. 2013. privados. gravuras e pin- jê. Kaiowa e Guarani. Kadiwéu. nem sempre foi assim: vários desses carências. Elas não Indígena do Programa de Pós-Graduação em refletem limites culturais ou linguísticos. produto da mestiçagem. “Orejones”). suas Porém.br/cci vil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645. 3 Disponível em: <http: //www. ainda. parentes pos étnicos. mos sobre o povoamento indígena da região 20 Introdução . Os povos indígenas atualmente assentados Paraná. para produtos da história. Atikum. sepulturas. para mostrar à população indígenas e com a sociedade envolvente. e outros. não indígena a outra cara de sua história. Kadiwéu. Chamacoco e Ayoreo de língua zamuco. a antiga província de Mato material de estudo para sua formação na his. ciedade global. No ge no contextoda criação do Laboratório de entanto. como os Bororo. 2). ignoramos tudo de suas línguas. de literatura e história brasilei. como os culo escolar. os Camba. deixar de abarcar as regiões vizinhas ao atual Mato Grosso do Sul e se estende. o Chaco boreal e. que continuam existindo na so. Atikum e Camba. 1 e ção artística. esta compilação não poderia modo. Minas Gerais e São Paulo. Chamacoco) ou de mais longe.planalto. que reúne nais ou interestaduais. entre diferentes grupos zada ou ignorada. Esses an- guaikurú. Acesso As primeiras notícias mais precisas que te- em: 15 mar. as fronteiras administrativas. certamente será Muitos dos grupos indígenas que vivem hoje uma ferramenta na realização de oficinas e em Mato Grosso do Sul também estão pre- concepção de novas pesquisas. produto desse laboratório. assim. não História da UFGD. E. do país.gov. ambos da família linguística cialistas expõem neste livro são testemunho arawak. Kinikinau.3 Nosso objetivo é trazer ao conhecimento e atualmente moram em outros estados dos leitores.htm>. Ofaié (também conhecidos como tigos grupos deixaram pegadas de seus assen- Ofaié-Xavante) e Guató. tamentos. disponibilizar a professores e estudantes um Obviamente. suas formas de viver.de ensino fundamental e médio. em especial nas áreas de educa. não têm muito sentido docentes da linha de pesquisa em História quando se trata de povos indígenas. para o diálogo e a paz nessa região. despre. em Mato Grosso do Sul são onze: Terena Os dados arqueológicos que vários espe- e Kinikinau. Goiás. no Paraguai e na Bolívia. as atuais fronteiras de Mato Grosso do Sul. cada um com uma língua apesar de parte de sua vida material ser co- original isolada. finalmente. dos Chiquitano da Bolívia e de Mato Grosso. turas rupestres. Quem eram? Não sabemos. Outros viviam nesse território no passado ra. indígena do atual estado de Mato Grosso do desapareceram (Xaray. Grosso abrangia uma área muito maior que tória indígena em nosso estado. até *** o oriente boliviano. dentro do próprio Brasil. Mas foram povos chegaram de regiões vizinhas como eles os primeiros homens a marcarem essas paisagens de forma duradoura. os Chamacoco no Paraguai da região e contribuísse para desconstruir as (conhecidos lá pelo nome de Ishir). como os Guarani (Ñandéva) na Argen- visibilidade dos atores indígenas na história tina e no Paraguai. biológica ou cultural. Nosso desafio sentes em outros estados brasileiros ou outros era produzir um material que promovesse a países. até Mato Grosso. nacio- Ensino de História Indígena–LEHI. que vieram do Nordeste (Ilust. que também é correspondem a antigos territórios étnicos. a história do Brasil. que hoje não falam mais. os Ayoreo imagens depreciativas ou negativas dos gru. para oferecer à população indígena um são. nhecida. A ideia é colaborar. públicos e o Gran Chaco (Terena. a nosso Desse modo. compêndio de sua história esquecida. O livro sur. na medida do possível. da família da antiga ocupação humana do Pantanal e do linguística tupi-guarani. artefatos. do tronco macro. Esta obra. Paraguai. no âmbito de todo o currí.

também. as o rio Paraguai. núcleo de partida das panholas ainda mencionam povos que vivem lavras de ouro. engrossando o grupo Gua- somente Guarani. guarani-falantes que não aceitaram a missão pulso e não parou mais. O que conhecemos da história indígena do Datam de princípios do século XVII as pri- atual Mato Grosso do Sul antes da arrancada meiras notícias mais documentadas sobre ou- da colonização com a fundação de Cuiabá? tros povos da região. no buindo para reconfigurar o panorama étnico século XVI. florescimento das missões jesuíticas de Chi- vêm. no Pantanal. ou não se mudaram com ela. Aleixo Garcia. fica- documentos de Assunção revelam é uma ca. Em 1632. têm inicio. Seguindo suas pegadas. o efêmero e precário estabeleci.coincidem. com as primei. mais fixados em Goiás. que na atualidade não As primeiras notícias nos foram deixadas pelos moram mais nela: os Bororo e os Cayapó ou conquistadores espanhóis da primeira cidade Kayapó meridionais. rumo ao oeste e às riquezas tim. Antonio dos genericamente como “Orejones” e. povos foram vítimas de vinganças e de ban- povos interconectados pelo comércio do metal deiras organizadas contra eles por não indí- andino (COMBÈS. os Xaray. os Cayapó. provavelmente. ou do Pantanal. reagrupados genericamente com o dos europeus. o Mato Grosso do Sul. as notícias pro. um breve período. como boa tim. Os os Payaguá. quando subiram o rio Paraguai e pro. jesuítas responsáveis pelas missões de Itatim. foram integrados a es- ras incursões dos sertanistas e dos bandeiran. levando com elas boa parte de sua popula- ta Manuel de Campos Bicudo. O primeiro europeu a cruzar nome de Gualacho. evidentemente. Mudam-se. reagrupando outros povos além dos Itatim dos Incas. 2008). do Paraguai. com os padres quitos. pelo No começo do século XVII. ram conhecidos como grandes assaltantes das deia ininterrupta de povos. então. sul. No final do século. guidas choças de palha. os espa. Sem proporcionar notícias tão aldeias destruídas e. Os poucos grupos da ribeira Mas vêm também do Brasil. Ambos os os primeiros morros andinos na direção oeste. até hoje na região. No entanto. Os Kaiowa de Mato Grosso do em 1722. O que os rú. O século XVIII é marcado. sobre Bororo aí encontrados foram massacrados. Os primeiros contatos documentados tos interétnicos. no afã de escapar das bandeiras. mais Pires de Campos e Pascoal Moreira Cabral ao norte. como Diego Ferrer chiquitano. com a chegada diversos. foram er- ricas sobre eles quanto dos Xaray. de fala guarani. oposta. e contri- nhóis de Assunção do Paraguai fundaram. Os Bororo estendiam-se de Buenos Aires (1536). ção de neófitos. Também fizeram parte dela chegaram à beira do rio Coxipó-Mirim. sas missões. passando a engrossar o conjunto tes. pois são vítimas de sucessivas bandeiras presença europeia se afirmou somente na se. Outros chegaram à mesma região ([1633]1952). Os padres jesuítas. para o gunda metade do século XVII com o sertanis. propriamente ditos. genas. tradicionalmente tida como Guarani e parte dos Itatim. como os Guató. na margem ocidental do rio Paraguai. ainda que suas ações curaram ir para o interior no rumo oeste em de guerra ou comércio chegassem até Goiás. Partes essenciais dessa grande dos Bororo com os paulistas datam de 1680 cadeia foram os povos do Pantanal. as fontes es. com o descobrimento das minas de Sul são considerados descendentes daqueles ouro de Cuiabá. por essas terras foi. Pouco depois. da região. as missões jesuíticas no Ita- nos anos 1530. vindas de São Paulo. novamente. e 1681. quando. no lugar delas. a colonização teve forte im. abrigava numerosos povos rayo da Bolívia. essas missões serão efê- mento de Porto dos Reis. mostram que a região de Ita. busca das riquezas que todos os indígenas da Assim como os Payaguá e parte dos Guaiku- região afirmavam existir no ocidente. guerras ou casamen. atualmente desaparecidos. na atual Bolívia. e logo de Assunção do leste da atual Bolívia até o Mato Grosso e (1537). respectivamente. Mas a meras. o panora- Graciela Chamorro • Isabelle Combès 21 . do rio Paraguai até monções que se dirigiam a Cuiabá. conheci.

. Para retraçar a história indígena do atual ças fundamentais: embora já parcialmente Mato Grosso do Sul. a partir dos pecuária. Chiara vários artigos deste livro. há referências aos Vangelista participa com duas contribuições. com um artigo so- região. vin. Eduardo Bespalez (Cuiabá). à história dos povos indígenas que ha- Guarani até São Paulo e o litoral. e colonização da região por parte dos não ência. dro I. duas tratam da bacia do alto Paraná. afetou muito mais os povos in. Mas a guerra teve como consequ. Schmitz sobre os estudos arqueológicos A Guerra do Paraguai. com a chegada de novos imi.ma étnico da região conhece outras mudan. uma nova onda de coloniza. de Nicolás Richard e Isabelle Combès. indígenas. Data da mesma época a hoje rais e Mato Grosso. O artigo de Schmitz e Rogge cobre pelos Terena e Kinikinau. trabalhos dos indígenas nos ervais. a região do rio Paraguai. cuja presença no estado é regis- trada no início do século XX. Segue-se um artigo de Grosso do Sul: os Atikum. São os Guaicurú que se conseguiu obter até hoje sobre os an- ou Mbayá-Guaikuru – cujos descendentes são tigos povos que nela viveram de oito a 12 mil os “Kadiwéu –. ocorre. mente. Segue-se uma seção dedicada aos ção na região. Nimuendajú.” – representados anos atrás. teve desastrosas consequên. em Miranda. por das grandes explorações da região. Beber e Veroneze estudam o planal- das do sudeste (Minas. Schmitz. Para permitir que os leitores sigam as cias demográficas sobre os indígenas da re. Odair Giraldin fecha essa primeiras notícias sobre o povo Ofaié na seção e o primeiro tomo. dos. assim. Muito mais bitam o estado nos dias de hoje. Grosso do Sul e na atualidade são considera- entre elas a exploração da erva-mate. Martins e Kashimoto Nas primeiras décadas do século XIX. também. ções em várias partes. Minas Ge- Grosso do Sul. uma registros arqueológicos. A contribuição a *** seguir. sua vez. agrupamos as contribui- presentes nessa zona e na rota até Cuiabá. Em los Xaray e “Orejones” do Pantanal. e os Camba. desenvolvidos atualmente no estado. Rodrigo Aguiar. uma sobre os Payaguá e outra sobre os Boro- Em termos de povoamento étnico. enquanto que ondas de novos colonos não indígenas. São Paulo) e do norte to de Mato Grosso do Sul. essen. a nordeste do atual estado de Mato bre os Cayapó-Paraná em Goiás. A parte subsequente é dedicada. principal- acompanhando as migrações dos Apapocuvá. ou da Tríplice Alian. vindos do nordeste Carlos Alberto dos Santos Dutra sobre a histó- do Brasil. antigos povos que outrora viveram em Mato grantes e a expansão de diversas indústrias. traz uma contribuição sobre a história indíge- cialmente. ça (1864-1870). vá. ria dos Ofaié. complementada pelo aporte de Antonio começo do século XX que aparecem as Aguilera Urquiza. diversas histórias indígenas em um marco gião. da Bolívia. pelas possibilidades de explorar a na da aldeia Lalima. Nesse século. que. principais fontes de conhecimento dos povos Essa seção é encabeçada por um artigo de Pe- indígenas daquela época. Paulo Cimó Queiroz re- por seu apoio ao exército brasileiro. no decorrer do século XX. e os Guaná. como os trata a continuação da história da conquista Guaikurú. chegam à região movidos. Anna Maria tarde.. seis artigos descrevem o panora- definitivamente nessa época para se fixar no ma arqueológico da região e expõem os dados atual Mato Grosso do Sul. dos desaparecidos ou vivem em outros esta- sem dúvida. também. inclusive sobre os que se distinguiram cronológico global. 22 Introdução . famosa epopeia de Curt U. Isabelle Combès se interessa. Na primeira parte da rios povos chaqueños cruzam o rio Paraguai compilação. é no ro. dois novos Ribeiro inicia essa seção com a história dos povos juntamse aos já existentes em Mato Guató do Pantanal. cujos re. expõe o tema das numerosas gravu- latos e ilustrações constituem uma de nossas ras e pinturas rupestres encontradas na região. pe- dígenas do que o próprio conflito bélico.

indígenas da bacia do Prata nos mapas colo- retraçando sua partida do Chaco boreal até niais. Pacheco. já inclui-se. escreveu. de alguma maneira. A última parte desta coletânea reagrupa gos dedicados a esses povos nessa compila. Os missionários não foram os únicos ato- Finalmente. documentos escritos (cartas. enquanto Katya se das missões de Chiquitos. autores. missões e se apropriaram delas à sua maneira. enquanto Glória Kok evoca os serta- Protasio Langer evoca o “mapeamento” dos nistas do século XVIII. As seguintes abordam por sua vez. Por sua parte. particular. são mais do que escassas as obras Brasil em termos de população e também um que buscam sistematizar e trabalhar essa mas- dos mais conhecidos. Nesse fechamento. Acçoline apresentam a história dos Terena. os Kinikinau. etc. chegar ao Mato Grosso. os guarani-falantes de Dourados. damente a história dos grupos étnicos da re- chegados na região: os Camba e os Atikum. recente e atual das missões religiosas entre wa. Marques Pereira e Graciela Chamorro. informações oficiais. Meire Antonio Brand. testemunharam a luta kaiowa e guarani para O artigo de Carlos Barros Gonçalves e Renata preservar seu território. as contribuições dos autores em torno de ção reflete. o segundo povo indígena do numerosos. de mas observações sobre a presença dos Ayoreo certo modo. o estado da temas mais gerais.trata dos “povos que chegaram do Chaco”. a quantidade de arti. Da atuação mais Vietta expõe versões da história oral kaio. Embora enviesadas pelos preconceitos. A situação de Mato Grosso do Sul é. retraça a historiografia e antropologia guara. os Kaiowa e Guarani. Abre essa parte uma seção investigação na região. dedicada às experiências missionárias dos Graciela Chamorro aborda a historia kaio. Pablo Antunha Barbosa estudam as antigas missões jesuíticas do Itatim. paradoxal. mostrando como os Terena sobre os trabalhos realizados pelos Kaiowa da Terra Indígena Taunay/Ipegue reagiram às nas diversas indústrias regionais. os cinco artigos seguin. indígenas de Mato Grosso do Sul: Graciela wa e guarani numa perspectiva de longa du. atualmente. já na margem leste rios povos indígenas nos escritos. Assim. Graciela Chamorro • Isabelle Combès 23 . essas fontes são as únicas que nos parecidos até pouco tempo. Finalmente. Eles ficos (desenhos.) ou iconográ- lantes da região. Dessa forma. e nossa bibliografia e Chamacoco do Chaco na região. Fernando Augusto Azambuja Adriana da Silva aborda o caso da Pastoral de Almeida e Rosa Sebastiana Colman. Gio. Chamorro. Márcia Campos e Sonia Maria Couto. pinturas e do rio Paraguai: Noêmia Moura e Graziele desenhos de cinco viajantes do século XIX. ao passo que Roberto Tomichá Charupá ocupa- ni nessa área no século XIX. Essa seção é encerrada por documen. dos Kadiwéu em Mato Grosso do Sul e algu. mapas) serem muito são. considerados desa. analisam a representação de vá- a história desses povos. tratam Levi tos compilados por Eva Maria Luiz Ferreira. também. relatos de via- tes abordam a história dos povos guarani-fa. gens. que Indígena e o Conselho Indigenista Missionário. O “devassamento bandeirante” de Mato Uma nova seção propõe algumas reflexões Grosso é analisado na seção seguinte por Ma- sobre as fontes históricas que nos permitem nuel Pacheco Neto e Ana Cláudia Marques conhecer algo da história indígena. sobre o qual muito se sa de informação. os artigos de Ruth Henrique res não indígenas que influenciaram profun- e Gabriel Ulian nos falam dos povos recém. mente na exploração da erva-mate. permitem uma aproximação do passado indí- vani José da Silva contribui com uma história gena da região. gião. pinturas. Lourenço trata da Missão Evangélica Caiuá. uma contribuição de Eva Noêmia Moura e Graziele Acçolini apresentam Maria Luiz Ferreira e Gustavo Costa do Carmo um estudo de caso. Isabelle Combès e André Freitas ração. pelo Iára Quelho de Castro o faz de seus parentes imaginário ou pelo desconhecimento de seus linguísticos. ilustra amplamente esse paradoxo: apesar dos Na mesma seção.

do século XIX. Por último. meiras sínteses escritas sobre esses temas refe- Para encerrar. ao em Mato Grosso do Sul. 2. Em seguida. ex. Os mesmo tempo em que evidencia seus vazios: artigos de Lucio Mota e Cláudio Vasconcelos o tema dos indígenas na Guerra do Paraguai estudam as políticas indigenistas ao longo do ou da Tríplice Aliança. mais do que tudo. tratada e ilustrada por Rodrigo Aguiar e Levi de forma contínua. Reflete. Graciela Chamorro. por exemplo. no corpo do texto. fechado ou gos de investigação. etc. (Ilust. o esta- políticas indigenistas aplicadas ou alardeadas do do nosso conhecimento na atualidade. estudiosos como para os estudantes e os pró- des. reunidos por vários autores para maiores investigações. e um prios povos indígenas. longe de serem vários testemunhos de indígenas sobre sua exaustivas. aí. e a diversidade linguística em preto e branco constam no próprio texto. enquanto Spensy Pimentel aborda continuar a ser investigado. oferecemos aos leitores rentesa Mato Grosso do Sul e. é dedicada às diferentes completo. na indispensável tarefa índice temático) e uma breve apresentação de recuperar sua história. 24 Introdução . no caderno especial.). no estado. neira. de modo algum. Nossa esperança é que o resultado final ca referente a todos os capítulos. A seção seguinte. dois índices seja proveitoso tanto para os especialistas e remissivos (um índice de etnias. Inclui-se. nacionalida. uma bibliografia úni. constituir um texto definitivo. A indi- nesta compilação: a questão da arte indígena. línguas e tradições arqueológicas. 1. 3. as Marques Pereira. deste livro. querem ser um ponto de partida própria história. nossa compilação só oferece uma con- uma apresentação de Levi Marques Pereira a tribuição sobre arte indígena e uma sobre a respeito da Reserva Indígena de Dourados e diversidade linguística da região: são as pri- sua problemática atual. Da mesma ma- os atuais movimentos indígenas. a última contendo arti. cação às ilustrações é feita. Este livro não pretende. há duas seções curtas sobre de cada um dos autores que trouxeram seus temas que não poderíamos deixar de lado conhecimentos para a presente obra. precisa século XIX. de autoria de Andérbio Martins e as coloridas.

PARTE 1 Panorama arqueológico .

.

a procedência e para as populações de caçadores coletores e formação dos pesquisadores. a O objetivo do capítulo é apresentar um pa. representa este momento quando no tempo e no espaço. dele. Lehel Silimon. primeiro. es. registra sítios de aterros e de gravuras na re- lações teve sua origem no estado e é exclusiva gião de Corumbá. o casal paços nos quais partilharam sua cultura e seus de pesquisadores norte-americanos Clifford genes com populações semelhantes. que re- e do contexto em que realizaram seus trabalhos. As populações indígenas que antecederam Em Mato Grosso do Sul. depois. os objetivos de de pescadores antigos – construtores de sam- suas ações. Arqueologia em Mato Grosso do Sul Pedro Ignácio Schmitz Introdução Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. da a colonização europeia devem ser percebidas CODEMAT. que localizassem sítios arqueológicos com o dos arqueólogos criadores deste conhecimento fim de formar um cadastro nacional. res de grutas e abrigos rochosos no interior do A arqueologia brasileira é tardia em continente – locais que geralmente apresenta- comparação com a de outros países vam gravuras ou pinturas. Estas eram predo- americanos. com força total em Minas Gerais e no Piauí. hoje IPHAN). Elas nasceram na dinâmica do povoamen. O projeto que orientou a vinda na década de 1960. José Loureiro da Silva. para treinarem jo- Para entender a ação e os resultados que vens universitários brasileiros nos rudimentos os arqueólogos propuseram. contrata. Principia com Rodrigo Mello Franco de A chegada de novos pesquisadores da Fran- Andrade. fundador da SPHAN (Secretaria do ça. da arqueologia. parcos. as práticas e os recursos institu. também é preci. so situá-los em contexto ampliado. que ultrapassam os limites do estado. baquis ao longo do litoral – e para os morado- cionais de que dispunham. de pesquisadores franceses Josef Emperaire e ciados. com várias iniciativas. interessados também em populações mais Pedro Ignácio Schmitz 27 . oferecendo recursos. conside. Meggers. dos franceses para o Brasil desenvolveu-se pequenas. professor de Antro- to da América do Sul a partir do último período pologia da UFPR. mas importantes. Nenhuma dessas popu. O casal francês tinha o interesse voltado rando o momento histórico. Annette Laming-Emperaire e. presentasse as culturas indígenas do território. Evans e Betty J. uma dezena de professores universitários para norama das culturas indígenas pré-coloniais. A pesquisa sistemática das minantemente populações sem descendentes culturas indígenas pré-coloniais só se inicia conhecidos. o casal glacial e se desenvolveram em espaços diferen.

pelos colonizadores. professores da UFMS e responsáveis pelo gia lítica e extensas escavações. que podem ser so do Sul pelo Instituto Anchietano de Pesqui- consideradas ancestrais dos índios encontrados sas/UNISINOS. ambos. linhas de trans- chamadas fases. cerrados da bacia do rio Sucuriú. lógico escavado em Mato Grosso do Sul. mônio arqueológico atingido por barragens. cadas por meio de amostragens sistemáticas em caracterização. podiam per- vênio com a UFMS. Os trabalhos de campo em Mato Grosso do Sul so do Sul. em parceria com a UFMS. identifi. relatórios mais técnicos. Essas pesquisas. ferrovias. abrangendo o rio Paranapanema e as margens agora provenientes das empresas. É o primeiro sítio arqueo. núcleo Corumbá. vam monumentos antigos ou fenômenos cul- um programa de arqueologia cobrindo os cer. ou em Marajó. Em guntar sobre os aterros do Pantanal (LÉVI- 28 ARQUEOLOGIA EM MATO GROSSO DO SUL . depois que o Instituto Anchietano se retirou. cada vez mais. ambiental. ou ainda Concluída a pesquisa nessa área. Evans e Meggers escolheram órgãos públicos de financiamento e cobertos onze alunos para um ambicioso projeto deno. te. São predominante- baia. apoiados por deram no Paraná. tecnolo. receberam sua formação O ano de 1993 assinalou o início das pes- nesta universidade quando a tendência estava quisas sistemáticas de Gilson Rodolfo Martins em consolidação. atualmen- acento em ambiente. ficaram-se. Núcleo Três Lagoas. ação. as atividades de pesquisa identi- mento temporal e espacial das culturas. XIX e XX percorreram a região. ou co do Mato Grosso do Sul. Ela marca sua atuação com e Emília Mariko Kashimoto. Sua atividade maior volume e pela densidade de pesquisas cobre os últimos 25 anos. hidrovias. em colaboração com a Universida. em 1972. queológicas” (PRONAPA). Gilson Rodolfo Martins e Emília foram encerrados em 2001. em associação com o núcleo da UFMS existente na Universidade de São Paulo (USP). em 1986. Os trabalhos desenvolvidos em Mato Gros- lações ceramistas plantadoras. arqueológicas no estado. Foi num projeto do PRONAPA. mais afastado do litoral atlântico UNISINOS. na foz do Tocantins. como nas grutas calcárias de Minas Gerais. Pedro Ignácio Mato Grosso do Sul. tornaram-se do rio Paraná junto à sua desembocadura. Duas lideranças arqueológicas de Mato Gros. objetivos e procedimentos a arqueologia expandiu-se tardiamente para semelhantes aos do PRONAPA. iniciou. rodovias. na foz do Amazonas. Estes primeiros parágrafos mostram que Usando enfoque. da mente os trabalhos desenvolvidos por Gilson tradição Tupiguarani. Esse projeto foi executado em con. Terminado o curso que eram de caráter acadêmico. expandiu-se para os do gigantismo dos sambaquis litorâneos. salvaguarda e resgate de patri- campo e da ordenação dos materiais em gran. geomorfologia. es. agora denominada Programa Arqueológi. rados de Goiás. e de mais difícil acesso. O casal americano tinha seu foco em popu. e de liberação passaram a ser mais curtos e os cavou um importante sítio junto ao rio Samam. Os recursos. com nova le- torâneos do Brasil. a casos como o dos fósseis antigos e pinturas. começou a pesquisa no Pantanal. Mariko Kashimoto. mas os prazos de execução o arqueólogo Igor Chmyz. primeira cobertura arqueológica dos estados li. do Instituto Anchietano de Pesquisas/ mais recente. que classificou como fase Ivinhema. pelas instituições executoras. que mais abundantes. do Pará ao Rio Grande do gislação a respeito do patrimônio cultural e Sul. que durou de 1965 foram continuadas e expandidas por José Luis a 1970. reforçou a tendência francesa já 1990. Rodolfo Martins e Emília Mariko Kashimoto. missão de energia e gasodutos. Tocantins e sudoeste da Bahia. um estado de formação Schmitz. O enfoque era a evolução e o desdobra. no nordeste Viajantes e etnógrafos. des tradições culturais e suas divisões locais. que no século do estado. A partir de década de 1990. Nele não se destaca- de Católica de Goiás (UCG). turais como em Santarém. de Corumbá. da UFPR (1974). minado “Programa Nacional de Pesquisas Ar.recentes. com localização. e que estava destinado a fornecer uma Peixoto da UFMS.

Corumbá e Dou- e sua ligação com o povoamento e a história rados. Para as populações antigas de vários ambien- Os museus tampouco exibiam materiais de tes do estado. com labo- a de Descalvado. Pedro Ignácio Schmitz 29 . Na UFGD. Hoje. os dados são mais nume- direita do rio Paraguai. a floresta da planí- Paulo (1975). até a deposição de seus mortos se tisfazer a curiosidade dos visitantes. com outras regiões. a situação mudou conside- ravelmente. do ra e Viana (2000) apresentaram uma síntese da Museu Etnográfico Andrés Barbero. Marcus queológicos na área foram realizados. jedos ao ar livre ou em paredes de abrigos portados de outro estado com o intuito de sa. No Museu Sale. Eremites de Olivei- A etnóloga Branislava Susnik (1959). torna mais conhecida. tais e destacando sua ligação a um contexto tinho e Fazenda Figueirinha) do Pantanal de ampliado de ocupação e história. é sabido que o primeiro povoamen- arte rupestre permitiria alguma comparação to indígena do estado recua a 12. afluente da margem direita do Paraná. sem contexto. os resultados propostos pelos pesqui- aterros em seus estudos etnológicos. sobre As terras altas do nordeste do estado são co- a arqueologia do rio Paraná. de Rodrigo Luiz Simas de Aguiar. 2006). como está registrado nos capítulos Arqueologia nos cerrados do nordeste sobre a arqueologia do rio Paraguai. sobre a Arte palmente. representações simbólicas deixadas em la- Eram elementos isolados. não havia grutas chamando por estudo. sobre a arqueologia a vegetação do Brasil Central. do descobrimento do Brasil. Programa de Pós-graduação em História com GLIACIO. trans. sadores. incluindo Mato sunção. 3). no Pantanal de Cáceres (MI. 1955) ou sobre as gravuras e pin. Corumbá foram estudados pelo Padre José O estado foi dividido nas seguintes regiões Afonso de Moraes Bueno Passos para sua tese ambientais: os cerrados do nordeste. do Paraguai e de Mato Grosso. sintetica- Corumbá. permitindo nova visão. 1940) pesquisa em Campo Grande. Mas os aterros não apresentavam criado um novo museu e. organizando-os por regiões ambien- Dois lajedos com gravuras (Doutor Mou. Os trabalhos ar- do Planalto. Nesses 25 anos. o planal- de livre-docência na Universidade de São to basáltico de Maracaju. princi- Vinicius Beber e Ellen Veroneze. cie do rio Paraná e o Pantanal (Ilust. de Pedro Ignácio Schmitz e Jairo Henrique Rogge. só a Hoje. provenientes diárias e estão sendo divulgadas as inúmeras das missões da congregação em Mato Grosso. um sítio semelhante rosos e qualificados. de Gilson Martins bertas pelos mesmos cerrados que caracterizam e Emília Mariko Kashimoto. podiam ver-se urnas anti. 1914. nos municípios da bacia do rio Sucu- Rupestre. existe atualmente um arcabou- antigas culturas indígenas locais: no Museu da ço cronológico feito por dezenas ou centenas cidade de Corumbá. Dos projetos iniciais nasceram núcleos de turas das morrarias (SCHMIDT. arqueologia do Centro-Oeste. de Pedro Ignácio Schmitz. rochosos.STRAUSS.000 anos. foi a primeira a escavar. em Campo Grande. surgiu um rio Paraguai. são conhecidos os contextos de instalação de siano de Campo Grande. As universidades e escolas locais ainda não Por ocasião da comemoração dos 500 anos ofereciam conhecimentos de arqueologia. eram mostrados grandes de datas de C14 ou de termoluminiscência. de As. Ele buscou relacioná-los com sí. na margem Grosso do Sul. riú. na Barranca Vermelha do ratório e reserva técnica. foram estuda- de objetos indígenas. tios da Bolívia. Na antiga área portuária de Corumbá. foi indígena. nos trajetos percorridos uma linha de pesquisa em História Indíigena. indícios de uma cultura desenvolvida como um moderno Museu de Arqueologia. e buscou lugar para a cultura dos mente. dos os artefatos produzidos para uso nas lides gas e pontas de projétil lascadas. aos encontrados no Pantanal dos arredores de Os próximos itens apresentam. vasos trazidos de Descalvado. no fantástico acervo seus acampamentos e aldeias.

estudou ocupa. VERONEZE. a escavação atingiu a atribuídas ao Holoceno médio e recente. o Instituto Anchietano como de clima semiárido. cam pouca ocupação. A 210 sobrepostas a ela.500 a 10. na realização de cortes Holoceno. SOBRE MAPA DA VEGETAÇÃO (IBGE. quantidade de artefatos de pedra e densidade neste volume). ROGGE) De 1985 a 1989. munho de uma primeira ocupação passageira ções de abrigos em afloramentos areníticos do por caçadores indígenas. 1977. até a superfície. com uns poucos fragmentos de cerâmica 30 ARQUEOLOGIA EM MATO GROSSO DO SUL . ou término da última glaciação mun. 1995. que são cm de profundidade. As camadas AS12). O ambiente da camada é interpre- estratigráficos e na documentação de gravuras tado como de clima progressivamente mais e pinturas em quatro sítios (VERONEZE. que atestam uma ocu- cimentos iniciais sobre a ocupação do cerrado.MAPA: REGIÕES ARQUEOLÓGICAS DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. estava novamente juncada de artefatos de pe- dial. Nessa camada. O trabalho concentrou-se num levanta. 1993. pação densa e bastante prolongada por caça- Na “Casa de Pedra” (registrada como dores indígenas. quente e úmido. DESENHO DE J. H. As poucas lascas de Pesquisas/UNISINOS. BEBER. está uma Alto Sucuriú. ILUSTRAÇÃO 3 . para Martins e Kashimoto como de 10. Águas. P. indi- camada correspondente ao final do Pleisto. existe grande BEBER. O trabalho produziu os conhe. em convênio com que nela apareceram poderiam ser o teste- a UFMS. Centro Três Lagoas. com datas (não calibradas) MS-PA-02. de carvão de fogueiras. 62. O ambiente da camada foi interpretado dra.100 anos atrás. Sobre ela. no atual município de Paraíso das camada com muitos blocos caídos do teto. foi realizado um corte de 1 m². SCHMITZ. A superfície do abrigo ceno. que indicam a transição do Pleistoceno para o mento geral de sítios.

Nela.110 anos A. 12. indicando a participação de Mato Grosso do agora calibradas: a 125 cm de profundidade. Os restos de alimentos.660 a 12.50 m. seus acampamentos camadas superiores. ROSA.400 anos atrás. para formar representações geomé- e cascalheiras. mostram camadas superiores da escavação. (Beta-304051omo as datas vêm pratica. onde são classifica- Pedro Ignácio Schmitz 31 . Martins e Emília M.390 a 11. livres ou biomorfas. tricas. O mesmo fenômeno já era ob- Kashimoto (2012). mas cm. como no corte anterior. presente por mais alguns milênios. igualmente estendendo as datas em direção ao como no sítio anterior. de 22 m2 até a profundidade de 2. conseguiram novas datas. distante 30 km do abrigo go. faltam informações. confirmando do sítio MS-PA-04. tais do estado. em trechos fluviais combinando tonalidades de vermelho com com afloramentos do substrato basáltico amarelo. e co- Os mesmos pesquisadores ainda realizaram lhiam variados tipos de frutos e sementes. Elas formam conti- pescadores teriam acampado e produzido nuidade com representações dos cerrados do seus instrumentos. fizeram uma escavação de dizer a que cultura e tempo pertencem esses 71 m². neste volume). começam a aparecer e se multiplicar a céu não produziram material característico. até a profundidade de 260 cm. O período Nele. que Outro corte.980 anos subsistência foi bem definida num grande A. no qual fizeram uma escavação temperatura e umidade. cujas datas (não calibradas) Se as ocupações mais antigas dessas po- vão de 7. artefatos superficiais. Nos abrigos do rio Sucuriú não se con- a 140-150 cm de profundidade.700 anos atrás. Essa cm de profundidade. BITENCOURT. voltaram ao abrigo MS-PA-02 (para Central. Sul na ocupação deste ambiente tropical. no mente das mesmas camadas. localizaram 30 sítios. desta vez no pequeno abrigo vão de 11. AS12). conjunto de abrigos em Serranópolis. (Beta-304050). só foi aprofundado até 100 não só a ocupação antiga do abrigo anterior. Elas mos. a diferença com sudoeste de Goiás. do Museu de Arqueologia servado em outras áreas do cerrado do Brasil da UFMS. impediam a passagem. com Os artefatos encontrados nas antigas ocu- a qual confirmaram os dados da pesquisa fei. desde veados até peixes e moluscos. conseguiram 29 datas (calibradas) de C14. a partir de aproximada- três mil anos depois da primeira ocupação. ou bicrômicas. que ali são que a uma idade realmente superior.não classificada. daquela pesquisa. Num abrigo com pinturas e Brasil Central e Sudeste.200 a 3. novamente que eles apanhavam todo tipo de animais. margem direita do rio.110 anos A. em grande bloco de arenito. aberto em diversos compartimentos ambien- Em 2011. em 2010. pulações se encontram nos abrigos rochosos tram que o lugar continuava sendo procurado da área dos cerrados. Em profundidades semelhantes às dos cerrados do Brasil Central e Nordeste. (Beta-304050). redes marcadas por pinturas monocrômicas Assim.000 anos atrás.400 a 6. As mente 8. têm as pa- para construção de hidrelétricas no rio Sucuriú. pações dos abrigos e as correspondentes da- ta pelo Instituto Anchietano de Pesquisas 25 tas são comparáveis aos artefatos e às datas anos antes. movia e acumulava os materiais. ocupação densa. mais à calibragem usada pelo laboratório do 2004). e numerosos outros a licenciamento ambiental.P. gravuras (AS4). na que penetrava pelas aberturas do teto do abri. a 150-160 terizar a subsistência dos acampados. Para as abundantes e bem conservados. 12. Por causa da ação da água. sendo atribuído a um aumento de eles. diversos projetos de contrato empresarial ligados Os abrigos estudados.P.P. principalmente da área (AGUIAR. porque grandes blocos caídos do teto. é difícil anterior. também foram alcançadas camadas de mais recente também aqui continua vazio. onde caçadores-coletores. Gilson R. quais nas margens do rio. 12.660 a servaram resíduos de alimentos para carac- 12. a menos de 100 km de as da pesquisa anterior provavelmente se deve distância (SCHMITZ. metade dos com tonalidades de vermelho.

Tupiguarani. cote de sedimentos cujas camadas inferiores lações agricultoras. ni. e identificáveis os sítios. Veroneze (1993). Desconhecemos. Kashimoto acessíveis a todos os ocupantes dos abrigos. ziram resultados satisfatórios. ras brancas. encontra-se o do planalto sul-mato-grossense. com paredes lado. o autor viu. são férteis. vam a passagem dos bandeirantes no cami. proximidade de MS-PA-02 e 04. Os solos. que em Camapuã dificulta. região ca- abrigos e afloramentos rochosos constituídos racterizada por relevo plano e colinas suaves. Nas partes mais friáveis esquerda do Sucuriú. da caça. Também falta Pesquisas arqueológicas foram sendo rea- cadastro. As camadas superiores e sificam. perto de xim. Numa visita a Co. O mesmo tipo de gra- vura é comum e abundante no planalto ba- sáltico de Maracaju. em formações arení- cemos melhor as ocupações antigas do que ticas. confluências e um grande sítio que lhe pareceu da tradição cascalheiras. raramente com pintu- Os cerrados tropicais do Brasil foram. e do Paraná. ou Tradição estabelecido uma aldeia em nicho favorável. por outro bocas e pouca profundidade. de preferência. são pré-cerâmicas. a superfície podem ter cerâmica da tradição Aratu e Uru. da UFMS. espessos nho para Mato Grosso. (1999). resultaram em 209 sítios. 2003). forneciam matéria-prima para instrumentos. Os artefatos da atividade cotidiana eram tualmente este possa nele ter incursionado ou fabricados. pos. marcando-os com As pesquisas de Martins e Kashimoto. Alguns assentamentos são extensos. Jorge Eremites de Oliveira e José Luis Sua primeira função seria tornar habitáveis Peixoto (1993). São Francisco. e. ou não identificada. propiciando revestimen- de execução com as ocupações registradas to florestal extenso. na beira do rio deste nome. córregos. ples que as pinturas. que Cayapó do Sul. e com abundante material. da coleta e da pesca. Muitos abrigos têm espesso pa- teriormente. Estas são as ocupações dos que viviam Núcleo de Corumbá. ou seja. cessivas gerações que ali iam acampar. junto a corredeiras. últimos 25 anos. classificação e interpretação para lizadas por Gilson R. em colinas suaves. Deles conhe. seus descendentes. Poderia ter sido uma aldeia de índios blocos e lajedos de arenito ou basalto. indicando repeti- O cerrado não era ambiente para o Guara. Eremites de Oliveira e Peixoto. cobertas por gravuras. Martins e Emília M. em lugares com afloramentos de Aratu. típico agricultor de floresta. essas representações. oriundos de substrato ções e a associação de suas diversas formas basáltico. embora even.das como Tradição Geométrica. Essas pinturas são realizadas Martins e Kashimoto (2012) encontraram os nas superfícies mais consistentes e lisas das restos de um antigo aldeamento na margem paredes dos abrigos. nos sinais reconhecíveis como próprios pelas su. Na cuesta ocidental. no divisor de águas das bacias do rio Paraguai A tentativa de datação dessas representa. registraram mais dois. mas também campos. cos fragmentos encontrados nas escavações a Mais numerosos que os abrigos são os sí- alguma dessas tradições. nos relevos de front de cuesta e escarpas. eram feitas gravuras mais sim. a partir de blo- 32 ARQUEOLOGIA EM MATO GROSSO DO SUL . em tradição Una. Martins (2000. tios a céu aberto. que os arqueólogos clas. como se verá no item Arqueologia no planalto basáltico de correspondente. colonizados por diferentes popu. Martins e Kashimoto (2012) Maracaju-Campo Grande anotam que a ocorrência de sítios com arte rupestre se dá por toda a borda norte e oeste No centro-sul do estado. existem numerosos abrigos de grandes aquelas recentes. na ou irregulares. das ocupações do lugar. midecidual. por sua cerâmica. a Floresta Estacional Se- nas camadas arqueológicas ainda não produ. nos Planalto Maracaju-Campo Grande. Elas eram públicas e Gilson R. Não foi possível atribuir os pou.

paralelamente). índios acampavam ali para caçar. Raramente temos esboços de figuras rani encomendados aos colonos espanhóis humanas ou plantas. trumentos lascados. Raramente de cerâmica guarani. pisadas de aves e de outros Também não podemos esquecer que os Gua- animais. restos alimentares. é mais abundante a cerâmica cedônia e basalto. em extensões consideráveis. provavelmente de uma po Grande é sempre pequena.50 anos Paraná e do Sudeste (OKUMURA. lascas com bordos reforça. como na planície do Paraná ou na morraria As paredes de muitos abrigos estão mar. A cerâmica gua- sões. 1982). foi possível identificar tatu. grupos sem cerâmica também acampavam nito. Gilson R. (LVD). nenhum corrugado. mão de pilão. (GIF-8330). foram recuperados 24 fragmentos quentemente. As camadas mais profundas do abrigo Os elementos da cultura sugerem cone- são pré-cerâmicas e não foram datadas. porco-do-mato. só existe uma lâmina se dá entre 20 e 50 cm de profundidade. aparecem raspadores. Apenas uma delas é polida: um frag- dos.P. numa extensão de 9 m. re que não existiam aldeias de agricultores tivas datas e seu contexto paleoambiental. A cerâmica guarani é muito Entre os restos de alimentos retirados das abundante nas aldeias da planície do rio Pa- camadas. em toda a área do planalto Maracaju-Cam- duzidas com os dedos.5 e 2. MITZ. Também foram recolhidas 6. O carvão projétil se parecem com as da planície do rio da fogueira foi datado em 610 +.cos de arenito silicificado e. pode ser tomado como amostra nas terras de Maracaju. xões com áreas mais amplas. finas e superfície externa lisa. A maior ocorrência instrumentos polidos. As gravuras nas paredes po- m² para a sua tese de doutorado (MARTINS. líticas. por pe. pescar e quenas gravuras feitas com sulcos e depres. Isto suge- uma sequência da ocupação. de seixos rolados. nas terras elevadas que cercam o Pan- do-mato. contagens (sulcos verticais alinhados mentos de caça. no sul do Brasil. interna ou externa. raná. a maior parte com pintura se usava calcedônia ou basalto. Como ins. veado. vinham colher erva-mate 20 x 10 m. do Pantanal. havia uma abrigos são como as do sul do país (SCH- fogueira com carvão.48% são de arenito silicificado.514 peças plainas. Em sua parede. Des- inteira de machado e alguns fragmentos de sas peças.0 m do solo atual. ou com pinturas em linhas pretas pro. além de hu- 2003). Antes dos Guarani. facas. 91. pesca e coleta desse grupo. identificavam o lugar e entre 1. dos abrigos em paredões ou blocos de are. com suas respec. que mede durante meses. En. manizar o ambiente. com impressão A presença de fragmentos de cerâmica de unha. As gravuras dos tre 15 e 20 cm de profundidade. 11. O abrigo-sob-rocha Maracaju-1. também no cerrado do Nordeste e na planí- 80 anos A. De mento de mão de pilão. cerâmica recolhida a cinco 2011). que foram descritas como cruzes. As pontas de objetos líticos e cerâmica guarani. Ao todo. recolher outros alimentos. Pedro Ignácio Schmitz 33 . cie do Paraná. Nele. rani dos abrigos parece resultar de acampa- estrelas. BROCHADO. no nordeste da Argen- doce e aruá-do-mato (Megalobulimussp) tina e no Paraguai. sóis. Martins escavou 147 nessas grutas. aparece uma se aos encontrados no restante do planalto cerâmica ainda não classificada. ainda aparecem cal- Nos abrigos. das cidades do alto Paraná. Ainda carecemos de rochosos e nos sítios a céu aberto. dem ser de todos esses grupos. ele registrou veiculavam elementos simbólicos públicos 237 figuras gravadas. Cerâmicas não identificadas ocorrem cm de profundidade foi datada em 830 +. pontas de projétil e lascas simples. nos abrigos etnia anterior ao guarani. nos sítios a céu aberto. Os artefatos assemelham- guarani. menos fre. de paredes basáltico Maracaju-Campo Grande. A. entre sucessivas gerações.49% são de quartzo. todos os anos. mas que pequenos grupos de cadas. moluscos de água tanal.P. ARAÚJO.

com influência negativa so- (KASHIMOTO. Continua o desconhecimento de sua anos A. de afiliação ainda desco- gião em três fases climáticas. presente). Essa redução faz com que os ar- escavações. como no planalto Maracaju-Campo A primeira fase climática (8. (antes do terraços estruturais da margem de rios e lago- 34 ARQUEOLOGIA EM MATO GROSSO DO SUL . origem.) é seca. organização social.P. índios Ñandeva/Guarani usam o espaço hoje.500 a 1. quente. realizaram grandes e núcleos. os resultados A segunda fase climática (3. encontradas em São Paulo e em professores da UFMS Gilson Rodolfo Mar.000 a 3. 2009. plainas. mas de- O conhecimento da arqueologia dessa talhes de sua forma as aproximam das pontas planície resulta de 19 anos de pesquisa dos do Sudeste. As terras são ocorrerem no planalto de Maracaju-Campo férteis e existe abundância de recursos para a Grande. sem cultivos e sem pro.500 e 1. (KASHIMOTO. estão preservados apenas artefatos ção arbórea com todos os seus recursos. este é lume. A partir de 900 anos respondem a um período entre aproxima. Duas centenas de datas de C14 ou queólogos se perguntem se os acampamentos termoluminiscência criaram para os sítios um ainda são de populações que viviam da caça. 2011). ção no número de sítios e de material. Depois etnia.P. machados manuais. denso arcabouço cronológico e uma sólida da coleta e da pesca ou se. em 43 deles.) é úmida. atrás até o presente) é novamente úmida e duzir cerâmica. têm características gerais da tradição instalação de populações indígenas. 2005. era ocupada por populações que viviam de A terceira fase climática (de 1. KASHIMOTO. subsistência. Junto com os artefatos de cia 8. 2012). MARTINS. porta para o presente quando mostra como os foram abandonadas centenas de artefatos. afluentes é coberta por uma floresta ciliar de As pontas de projétil.500 anos caça. coleta e pesca. etnia. que for- A planície de inundação da margem di. quando. Beatriz dos Santos Landa (2005) nos trans. os ocupação guarani (KASHIMOTO.P. a região não estão mais presentes na próxima fase. favorecendo a retomada da vegeta- mentos. origem. Em seus antigos acampa.500 e 3. fragmentos céu aberto e. encontram-se alguns fragmentos sim- de nossa era. de pedra. Os arqueólogos estudaram 209 sítios a caracterizado por algumas lascas. Nesse período. favorecendo o desenvol. Umbu dos caçadores do sul do Brasil. Esses artefatos Arqueologia na floresta da planície do aparecem. Eles separam a ocupação da re. tins e Emília Mariko Kashimoto. MARTINS. MAR. Minas Gerais (OKUMURA. bre a vegetação. 2007). além disso. e o maior número e a ras que fabricavam a cerâmica da tradição co- maior densidade desses instrumentos cor. principalmente. tivavam alimentos.P. como percutores.500 tiveram bonitas divulgações em três livros anos A. neciam a principal matéria prima para a con- reita do rio Paraná e do baixo curso de seus fecção dos instrumentos. Nela. nhecida como Guarani. eles ali fundaram grandes aldeias sobre damente 4. no “Projeto Da população. vestígios arqueológicos sofrem drástica redu- 2008) e estão num capítulo do presente vo. que também vimos vários quilômetros de largura. em seus acampamentos. talhadores e inclusive algumas pontas de projétil.500 anos A.000 anos atrás e vem até o século XVIII pedra. raspadores. uma síntese da do entre cerca de 3. atrás. Referente ao período situa- TINS. desconhecemos todo o resto: Arqueológico Porto Primavera/MS”. ARAÚJO. 1998. que se ini. de muitos relatórios técnicos e duas teses disposição dos falecidos e mundo simbólico. em lugares de rio Paraná acampamento próximos a afloramentos de conglomerados de seixos e calhaus. facas. modo de vida e destino: eles vimento da floresta.500 Grande.500 anos A. ples de cerâmica. nhecida. A ocupação foi intensificada com aparecem as aldeias de populações agriculto- o passar do tempo. já cul- contextualização paleoclimática.

de recipientes cerâmicos. e formava uma Esses aldeões teriam cultivado plantas elipse de 100 x 80 m. Num desses indi- Os sítios indígenas posteriores ao século víduos. onde conseguiu estabelecer o formato circundam o pantanal. afluente da margem direita do nalto de Maracaju e em terras elevadas que Paraná. mas também vinham acompanhados daram Loreto e São Ignácio Mini.. conhecimento numa escavação junto ao rio A mesma população era encontrada no pla- Samambaia. Pedro Ignácio Schmitz 35 . gran- XVI de nossa era já são poucos e se encon. havia um raná. cristal de quartzo ou de resina. e polidores de sulco. que encontravam-se no mesmo alinhamento das conseguiram salvar pequena parcela dos urnas ao longo do rio e na mesma profundi- reunidos. medindo 10 m de largura. cova de cócoras. A ocupação guarani dessa área não re- tência e a disposição dos materiais no interior presenta um fenômeno isolado. As deposições de corpos inteiros semelhante coube às missões jesuíticas. da qual se fala adiante. serviço faixa de areia impregnada de carvão vegetal. levando-a para as missões que já dade. Ele não chegou a deta- ínas animais através da caça dos animais da lhar as estruturas habitacionais da aldeia. depois em Ciudad Real e Vila se todas.as. tendo uma vasilha rasa em- Elementos gerais da aldeia guarani como borcada sobre o crânio. Mesmo pés. sugerindo do século XVII. por essa po- (1974) fez importante contribuição para este pulação considerada de origem amazônica. seja por suas dimensões. a subsis. mas floresta e dos peixes dos rios e lagoas junto forneceu dados importantes sobre as práticas aos quais construíam suas aldeias. Em qua- em Xerez. onde refun. Eles são funerárias dos moradores. se fundaram as primei. baseadas na explo. missionários e bandeirantes. restos de cozinha e fragmentos de cerâmica. uma grande lâmina polida de machado depois da destruição das cidades coloniais es. ARTUSI et al. deitado em posição encolhida. ras cidades espanholas. na região. registrou 30 urnas de que ali eram encontrados no século XVI. 13 quadrículas do sítio. provavelmente para evitar o assédio de tembetá em cristal de quartzo e. os bandeirantes con. com deposição de cor- índios para fazendas em São Paulo. urnas. em outra. aos colonos e missão. Igor Chmyz primeiro milênio de nossa era. dentro ou do lado de fora. ao lado da mandíbula. o crânio. aberta na extremida- tropicais e conseguido as necessárias prote. Sua história colonial é de uma aldeia: ela se apresentava como uma parecida em toda a área: escravidão. devido aos ataques bandeirantes. mas é parte da casa foram os temas mais vezes estudados da colonização das florestas subtropicais do no sul do Brasil (como exemplo. acompanhamento de oferendas fúnebres. Outro esqueleto jazia panholas e das missões. A partir do começo pequenos recipientes cerâmicos. pode-se ver Brasil. Na escavação de considerados ancestrais dos índios guarani. A coloni. des fragmentos de cerâmica cobriam apenas tram em ambientes mais distantes do rio Pa. com o crânio apoiado numa vasilha rasa de tinuavam a percorrer a calha do Alto Paraná cerâmica. existiam Rica do Espírito Santo. Em ções jesuíticas do Guairá. seja na área. a cerâmica. da Argentina e do Paraguai. de voltada para o rio. sepultamento: uma urna continha crânios e quando. teria correspondi- que afugentaram os colonos e levaram seus do a enterro primário. Os indivíduos não estavam dentro de existiam no nordeste argentino. foram criadas as 13 redu. Um terceiro indivíduo foi posto na recolhendo índios. alguns ossos pertencentes a dois indivíduos. 1990). Destino po inteiro. os artefatos em pedra. o crânio estava colocado no fundo ração da mão de obra indígena: primeiro e os ossos longos dispostos em torno. Nenhuma zação espanhola não conseguiu manter-se dessas urnas. junto aos colonos. eram encontrados tembetás de margem esquerda do rio Paraná. como aquela explorada por Igor Chmyz. a partir do SCHMITZ. em afluentes da muitas urnas. pela disposição dos ossos.

Payaguá fabricavam cerâmica nem cultivavam o solo. o projeto “O uso de multi-traçadores dário. executado vegetação de árvores e de plantas aquáticas e por José Luis Peixoto e Sérgio Wilton Izquierdo surgiu. 2004.000 de Corumbá/Ladário. 2001). De 5. 1999). DE OLIVEIRA. Ele também coleta e da pesca. humanos na borda das lagoas e sobretudo nos SCHMITZ.000 anos A. MS”. por Jorge as quais houve novo e definitivo povoamento Eremites de Oliveira e José Luis Peixoto (1993). No início Ignácio Schmitz (SCHMITZ.200 anos A. da Pantanal Matogrossense” (1995)..800 anos A. ambiente pro. que se estabeleceram nas áreas inundáveis do pício para populações que vivessem da caça. tória das populações do Pantanal (EREMITES mínio de cerrado. Para a região gena. e a Missão Nossa Senhora do Bom Conselho Com ela. após 10..P. elas começam a (SCHUCH.P. decídua. aportes para o conhecimento dos domínio de formações herbáceas. um primeiro assentamento humano de na reconstrução do Holoceno no Pantanal exploração dos recursos das águas. do Pantanal.700 a 5. 1995. No Projeto Corumbá. Grosso foi objeto de estudos de José Luis do Sudeste e Nordeste do Brasil. o Instituto Anchietano de mostrou a evolução do ambiente do Pantanal Pesquisas/UNISINOS e a UFMS realizaram em que se desenvolveu o povoamento indí- pesquisas arqueológicas na área. o “Projeto Vitória-Régia: ficaram despovoadas.400 a 8. ocupando as bordas das lagoas. 2002.P.200 anos projeto “Diagnóstico de avaliação do impacto A. produzir pequenas vasilhas de barro cozido. 1998). de 7.. Seguiu-se uma fase Angélica de Oliveira Bezerra (1999).200 anos atrás. que os ar- Guaná sul-mato-grossenses (SCHUCH. por Maria 8. 1997). ocupação dos povos indígenas pré-coloniais nos grandes lagos do Pantanal Sul-Mato-Gros- sense” (2003) e “Pesquisas na Lagoa Gaíva” Arqueologia no Pantanal (2011). diagnóstico geoambiental e arqueológico da entre 8. ram-se as planícies de inundação. campos que são alagados alagam anualmente 36 ARQUEOLOGIA EM MATO GROSSO DO SUL . GIRELLI. Corumbá. para a qual não se conhece nenhum sí- do gasoduto Bolívia-Brasil ao patrimônio tio arqueológico. também foram onde continuava havendo água e recursos va- estudados grupos indígenas coloniais: riados. 2008). foram importantes: o anos A. arqueológico do estado do MS – Trecho ocorreram fases secas prolongadas. 1995). Maria Angélica de Oliveira Bezerra (1999) De 1990 a 2001. conhecida Peixoto (UFMS. 1994.P.. 1998) queólogos denominaram tradição Pantanal.000 a 1.P. expandiu-se a bacia hidrográfica da Lagoa Negra”. No Holoceno médio.500 a 5. na alta barranca do rio Paraguai. com mata decídua ou semi. e o climática mais úmida. 1998).200 anos A. Jorge Eremites de Oliveira (UFMS. ROGGE et al. antes de 11. era de clima árido ou semiárido. O final do Pleistoceno. do Holoceno. Xaray e Chané A partir de 2. As encostas dos morros e das se ocupou com a história da pesquisa e a his- serras que limitam a planície a oeste eram do. Todas estas primeiras populações não Mbayá-Guaikurú (HERBERTS. em La- (1997). Mato Grosso do Sul e limites com o Mato cultora de vida e cultura muito semelhantes..P. campus de Corumbá) em “A como Tupinambá e outros nomes. multiplicaram-se os assentamentos de índios Guaná e Guaikurú (PEIXOTO. (MAGALHÃES. as Missões Capuchinhas entre os lisas ou com decoração plástica. PEIXOTO. forma- 1998. arbustivas e assentamentos e da subsistência dos grupos arbóreas e de plantas aquáticas. durante Corumbá-Terenos (Km 0-350) ”. que ainda HACKBART.. coordenado por Pedro dequado para ocupação humana. O rio Paraná e seu afluente Paranapanema A região dos Grandes Lagos do norte de separavam o Guarani de uma população agri. datado de Mato-Grossense. 2009. ambiente de populações cultivadoras. Toba do Chaco (CYPRIANO. ina- “Projeto Corumbá”. campus de Dourados) estudou “Os argonau- A planície de inundação do Rio Paraguai é o tas Guató.

os cobrir centenas de metros quadrados. levando os ossos dos mortos para uma ou de diferentes etnias. horizontais ou verticais do sopé das serras. quando o rio Paraguai se espraiava sobre a do Pantanal. Os agrupamentos chegam a das águas: quando elas estavam baixas. longamente estabeleci- deposição definitiva junto àqueles que ali ti. para rituais e para as ge. brasileiro e da Amazônia. em cima de pequenas ondula. e grandes lajedos minantemente. até agora não foi comprovado. diferentes. pois de alguns meses. com a volta das águas a feito de pequenas panelas utilitárias e moringas seu leito. deixando bém as etnias da planície do Paraguai seriam clara a diferença entre acampamentos cen. que cresce abundante nos ter. mais próximas das populações do trais. de círculos e sulcos curvos. com onde materializar o imaginário mítico em raros elementos biomorfos como pés e perfis de gravuras indeléveis. dos nesses locais. em Goiás e no To- às centenas. A cerâmica da tradição Pan- nham morrido e ali haviam sido sepultados. e acampamentos A chegada de grupos agricultores guarani passageiros. da caça de mamífe. insinuando que tam- res e mais densos que os do campo. esse impacto teria sido menor. nhecido e se estende ao Chaco semiárido. podem indicar grupos da mesma cas. inteiramente abandonados. Repre- acampamentos ficavam nas bordas das lago. Suas navam à margem das lagoas. ções do terreno cercadas de águas rasas. aves e da coleta de vegetais como guns séculos. de produção. certamente liga- grandes lagoas permanentes. planície. de Corumbá a partir de meados do primeiro lógicos. incluindo o morro estabelecimento indígena em toda a sua ex. por- costas logo se instalaram grupos agrícolas de tanto no limite da planície e junto das lagoas. dicam as datas que continuam por mais al- ros. mudanças também na ocupação da planície. tanto na região de Corumbá como na dos gran- O Pantanal não oferece condições para des lagos do norte do estado. formados na estação das águas e guaná. recolhendo os recursos que haviam para água. proximidade das a rituais comunitários. Trata-se de representações públicas. espalha-se por todo o pantanal co- se espalhado. os acampamentos multiplicavam-se na Bolívia. em Mato Grosso. apenas na proximidade das serras planície. fundos em tamanhos grandes. cantins. feitas com sulcos largos e rações futuras. como in- pequenos peixes locais. tanal difere das tradições cerâmicas do planalto Os sítios na beira das lagoas são muito maio.com o transbordamento dos rios. terá provocado lagos do norte do estado. Estas figuras. os acampados também retor. Em áreas mais afasta- A subsistência dessa população vinha de das. ocupados em todas as estações e nunca Chaco do que das demais brasileiras. répteis. na decoração e em elementos matas e dos lajedos com suas gravuras míti. milênio de nossa era. podem estar sim- Este assentamento não era estável e fixo plesmente agrupadas no espaço. Esta estrutura foi observada tanto nas encostas dos morros e serras. nessas en. Esta é uma razão para não se o arroz nativo. De. são atribuídas aos moradores da tensão. O vasilhame cerâmico dos acampamentos. porque acompanhava o regime por longos sulcos. predo- com as matas da encosta. que fundaram aldeias mais estáveis espraiadas. para perto das variações locais. vo. ao longo dos rios Tocantins e Araguaia. rando a umidade na planície e também nas As gravuras existentes em diversos lajedos encostas das serras e dos morros. aparecendo também no Paraguai. que o limitam pelo oeste. Se também havia algum culti- começou seco. Ali se encontram resultantes de ações coletivas. fazer uma conexão descuidada dos ocupantes Pedro Ignácio Schmitz 37 . procedência guarani e guaná. A planície mais afastada das serras oferecia Isto explicaria a ausência de datas nos aterros poucos recursos e não registra sítios arqueo. animais. O período renos alagados. a partir do na região de Corumbá como na dos grandes primeiro milênio de nossa era. ou interligadas num lugar. sentações semelhantes ultrapassam os limites as. mas aos poucos foi recupe. Compõem-se. do Caracará.

onde a ocupação humana mão de obra pelos colonos de Xerez. na história de seu povoamento. Ambas as pondida é se. viviam na planície grupos plorando os recursos do Pantanal. tendem por espaços mais amplos. ram dados para constituir um esqueleto da donou seus bem-acabados instrumentos de pe. menos às florestas As pesquisas arqueológicas realizadas em tropicais do Sudeste e aos campos e pinheirais Mato Grosso do Sul. dando ali a redução de Santa Maria de Fé e As aldeias baseadas no cultivo. logias. Ela corresponde ao final da última dade através de publicações bonitas. pescador e coletor humana que levou à ocupação da América. chegado pouco ao estado. e. generalizado. nárias da Amazônia: o Guarani e o Guaná. no lugar chamado de Mato Grande. sua li. O modo ção no estado. importantes elementos que o li- gam aos cerrados tropicais do centro. Este deste. A pergunta não res- foram missionados pelos jesuítas. Com elas. 38 ARQUEOLOGIA EM MATO GROSSO DO SUL . percebe-se lhando em uma verdadeira história indíge- a presença de populações vivendo da caça. onde tecno- senvolvimento cultural de uma região maior. progressivamente mais úmido. que colonizaram as diversas áreas floresta- dos. não teria parcelas sofreram ataques e foram apresadas também chegado a esse caçador. e de que esta história se torne patrimô- da coleta e da pesca também em outros am. representações As ocupações mais antigas estão no nor. Grupos de Guaná e Guaykurú foram aldea. mas é uma parcela da expansão de vida é o de um caçador. mas que se es- gação com os ambientes e sua posição no de. na caça a redução de San Ignacio. no período em foco. formas de subsistência. os arqueólogos nativos continuarão traba- ratura e a umidade em ascensão. onde suas ruínas fo. do rio Paraná. simbólicas e genes eram compartilhados. já os agricultores Conselho. os arqueólogos produzi- visíveis nos abrigos que pintou e onde aban. mostrando sua sequência. dos cerrados do Brasil Central parecem ter na vila de Albuquerque. em meados do século XIX. das do estado – o Guarani mais ligado ao puchinhos. no planalto de Maracaju e ex- Neste período. dra: 12. mas sem ultrapassar o ve- povoados missionários já existentes. to do Pantanal. (re) fun. que passou a ser e na pesca vieram com populações origi- chamada de Santiago. até onde se estendem as primeiras cul. A hi- das missões refugiaram-se no Paraguai. às flores- Considerações tas subtropicais do sul e às regiões semiáridas do oeste. é data aceita para o início Esse conhecimento está chegando à socie- desta cultura.P. mais antiga e abundante no povoamen- encostas. Mato Grosso do Sul tem. cujos acampamentos são mais Nesses 25 anos. o Guaná ao ocidente. outros tornou-se mais esparsa. por frades ca. de pescadores. caçadores e coletores como aparecem os primeiros vestígios de cerâmi- os Payaguá. bientes: acampando a céu aberto na planície ríodo colonial. pouca e ainda mal definida ná. aparentemente. os Guaikurú e os Guató. coletor e por bandeirantes paulistas. viviam agricultores guarani e gua. lho modo de vida. na missão Nossa Senhora do Bom sul. em pótese é que sim. nio do povo. os sobreviventes pescador o cultivo de algumas plantas. nas ca. A expectativa é de que Passados alguns milênios. história das populações antigas do estado. Grupos de Guarani foram usados como nas outras regiões. não são exclusivos do estado. com a tempe. no final do período. povoamento não tem seu início e sua explica- turas dos cerrados tropicais do Brasil. Suas antigas culturas permitem uma visão panorâmica das culturas indígenas desenvolveram-se em ambientes que pré-coloniais. na. ensino de clima ameno. em todos os níveis. ram estudadas por Peixoto e Schmitz (1998). já do planalto meridional. mu- glaciação mundial e à entrada de um período seus e laboratórios bemequipados.arqueológicos com grupos específicos do pe.000 anos A.

terrestres e voláteis. mesmo nhos os sedimentos depositados no fundo da em períodos de grandes estiagens. A planície de inundação do rio Paraguai é Awa – tropical. mas seria impraticável para po- Para entender a história antiga das popu. cies animais aquáticas. para uso humano. (BEZERRA. arbus. de 100 a 1. 179-183). era.000 m. a água da chuva nas encostas. variação da altitude. al de 1. Bezerra que se estendem de sul a norte pela margem (1999. Angélica M. Elas são lagoa Negra e da lagoa do Castelo.400 anos de ocupação indígena nas margens do rio Paraguai Pedro Ignácio Schmitz Jairo Henrique Rogge A ocupação indígena junto ao rio Paraguai abastecidas pelo transbordamento do rio Pa- apresentou. megatérmico. bacia deprimida. pulações cultivadoras. propício para populações humanas que se dispusessem a viver da pesca. é permanentes. É o que este texto procura mostrar. seco e chuvas no verão. resultaram numa cobertura tre o primeiro e o segundo milênio de nossa vegetal e presença animal nativa de consi. te alagadas e lagoas. com inverno é o domínio de formações herbáceas. da coleta e da A coevolução do ambiente e da cultura caça. Só muito recentemente suas mar. durante milênios.. e as áreas permanentemen. Este ambiente formou-se nos dez ou onze incluindo o arroz nativo. solos férteis e chuvas de convecção A diversidade do substrato geológico.070 mm. e de terras mais Nas encostas de altitudes médias de suas elevadas que a cercam. Hoje o clima da região. mantendo considerável movimentação residencial. p. com o Chaco e com as matas sub. o Pantanal. que se tornou disponível zadores. As primeiras aí se instalaram preciso estudar sua relação com o ambiente 8. de plantas aquáticas. segundo Köppen. Elas se instalaram nesse lugar en- tropicais do Sul.000 anos atrás e permaneceram até a con- em transformação. bordas. a no tempo da seca deram origem a cerrado. 1999). e assim foram encontradas pelos coloni- derável amplitude. sedentárias. usando como testemu- direita do rio Paraguai não secam. As vastas lagoas milênios passados. O. com uma média anu- tivas e arbóreas. uma fisionomia raguai e por pequenos canais que recolhem particular. ambiente vizinhança com o planalto brasileiro. a com mata decídua ou semidecídua. Este era um gens foram ocupadas por populações de origem ambiente rico em produtos vegetais e espé- amazônica. com a favorável para populações cultivadoras mais Amazônia. 8. Este se compõe de uma quista europeia. vivendo em aldeias lações indígenas do vale do Rio Paraguai. mostra as Pedro Ignácio Schmitz • Jairo Henrique Rogge 39 .

surge um primeiro e datado em 2.820 ± água nas lagoas teriam favorecido a expansão 60 anos A. de 1.). corresponderia a teria se afastado mais da morraria por causa um período semiárido indicado por Bezerra. de aumento na sedimentação. com nesse período. ocorre a fase mais úmida na região. resultado de mais chu- 40 8. Na imagem de satélite cor- gânica nas lagoas e um maior isolamento respondente. porque o rio chente se espraiava pouco. está datado de apro- O Holoceno teria começado ainda com ximadamente 5. em cujas A expansão da vegetação arbórea. sugere aumento de umidade na bacia de está expresso nas datas de cinco aterros cerâ- drenagem e maior tempo de permanência micos.P. cerâmicos. Nesse período. (antes do presente). datado de 1. quarto.P. tornou mais potente. com um pouco mais adiante.P. Essa recuperação da umidade foi lagoas. teria ocorrido ainda que o rio ainda não tinha muita água e a en- maior independência das lagoas. ainda para ocupação humana. do ambiente. et al. produzidos intervalo muito úmido.200 anos A. da pelos leques depositados por esses primei. está o terceiro. já estabilizadas. Este povoamento. vai dar-se aluviais de areias. em Ladário. na mesma sequência. de águas permanentes mesmo em fases secas ros rios. ros.400 a 8.P. se o período orgânica.P.P.190 ± 90 anos A. não existia ambiente mais prolongadas. A poucos metros da margem mento de umidade e a maior permanência da está o sítio mais antigo.480 ± 160 a 5..800 anos A.190 ± 90 anos A.770 ± 120 a 5. os assentamentos sedimentos de granulação grossa. (2009).. O gradativo aumento das cheias do rio ra.) e a esterilidade grande glaciação mundial: em polens nos depósitos das lagoas até apro- O final do Pleistoceno. a outros duradouro assentamento indígena na alta bar. ± 60 anos A. nos campos que se alagam com as enchen- observar-se-ia aumento gradativo de matéria tes dos rios.000 anos A. antes de 11. a borda de cada nenhum sítio arqueológico. cem metros. datado em 2. há 2. margens contabilizam-se centenas de ater- tas aquáticas e de algas.P. o quinto.P. sugerindo que.. mais adiante. A redução do As duas últimas datas mostram que o rio se teor de matéria orgânica a partir do Holoce. está o De 7. de plan. carregando e depositando No período cerâmico. encontra-se o segundo.060 ± 90 anos A. Deste alinhados paralelamente ao rio. por as águas dos rios depositarem grandes leques populações ainda sem cerâmica. que fizeram O segundo povoamento do Pantanal.000 anos A... margem esquerda do rio Paraguai. Algumas centenas de metros aproximadamente 8. datado de ± 70 anos A. datado de 2. vêm-se claramente os terraços destas com relação ao rio Paraguai. dispostos em linha perpendicular ao da água na superfície. mais afastado deste. afluente da registram povoadores humanos no Pantanal..000 anos A. No Holoceno médio rio.P. Rogge (8. aproximadamente cem metros da vegetação arbórea.000 ximadamente 1.P. chuvas torrenciais intermitentes.mudanças que ali ocorreram desde a última no médio (~5.P.P. e. Também neste período. teria se carac.P. das plantas aquáticas. sugerem anos A.400 ANOS DE OCUPAÇÃO INDÍGENA NAS MARGENS DO RIO PARAGUAI . o au.810 ± 70 anos A. ainda não se observada junto ao rio Abobral. que foram estudados por Schmitz. até o apareci- forte domínio do rio Paraguai na formação mento da cerâmica. espacialmente restrito. As três primeiras datas indicam no de 5. a ocorrência de fases secas mais prolongadas terizado por clima árido ou semiárido. A base do Pantanal é forma. ele recupera lentamente a inundação e o início da sedimentação nas umidade. a formação das planícies de começou seco. como a multiplicam-se junto às lagoas e muito mais dos leques. não conhecemos por sucessivas enchentes. em tor.P.P. no estudo de Bezer. Nessa época.730 ± 60 anos A.630 forte aumento da deposição de matéria or. das algas. terraço encimada por grande fila de aterros Os dados de Bezerra sugerem que. Após 10. sobre as bordas das lagoas.200 ± 190 anos A.670 ranca do rio Paraguai.

1994. bem como Essa evolução climática e ambiental não em “ilhas” e na planície de inundação. dos dois pantanais são diferentes. Miller (2009) produziu uma sequ. 1998.. As áreas desses projetos estão indicadas poré.100 até 4.000 anos A.P. o cutado por Peixoto e Izquierdo (1997). “O uso Pedro Ignácio Schmitz • Jairo Henrique Rogge 41 . como a inexis- gistram um estrato silto-arenoso pouco hu. e seu respectivo povoamento indígena.P.200 A. tardio da cerâmica no Pantanal do Paraguai. tados em publicação de Jorge Eremites de Oli- da de semiaridez severa por aproximadamen. Para a região de Corumbá e Ladário.300 anos A.P.. desde importantes: o “Projeto Corumbá” coordenado aproximadamente 7. do Pantanal baseiam-se em pesquisas recen- tores ainda sem cerâmica. re. que Miller denomi- Eurico Th.P.P. dando origem a lagos tempo. mas. 1995. em Rondônia. fase Cupim.000 e 5.P. É neste período de mais chuvas que os Pantanal já estaria restabelecido como viveiro cultivadores devem ter-se instalado nos ter. associados a al. de laterita. As diferenças. riormente sem cerâmica. de projetos acadêmicos anos A. os sítios em “sambaquis”.400 e 7. ter. surge com força o Pantanal do Gua. co da bacia hidrográfica da Lagoa Negra”. anfíbios e mamíferos. foram reativados por No Pantanal do rio Guaporé. Cerca de 7. veira (2008) e não serão aqui retomados. Responder de onde vêm os povoadores te de episódios de semiaridez sazonalmente iniciais de cada área ainda é prematuro. contendo restos ósseos de pequenos madamente 8. atraindo e oportunizando a formação de sadas (Ilust. damos conta de processos que ultrapassam as dimentos sugerem um ambiente semiárido percepções locais. aterros sem cerâmica (a que ele chama “sam. nos De 670 a 800 cm de profundidade. 1997).. e o início peixes.vas. PEIXOTO. levando ao transbordamento dos rios e inundação das depressões. o “Projeto Vitória O Pantanal do Guaporé e a fase Sinimbu Regia: diagnóstico geoambiental e arqueológi- ter-se-iam eclipsado com o “Ótimo Climá. mento em Corumbá. ante- parece exclusiva do Pantanal do Paraguai. Resultam. tência de povoamento indígena entre aproxi- moso.400 predominantemente. Daí por renos mais elevados das bordas do Pantanal. mas a evo- respondente ao final do Pleistoceno.000 anos A. com alguma fauna aquática. As te 200 anos. semelhantes ao primeiro povoa. O povoamento indígena rários. as camadas de um corte estratigráfico de 8 m Comparando a evolução do Pantanal do rio de profundidade feito num sítio arqueológico Paraguai com a do Pantanal do rio Guaporé. e em condi. que denomina fase Sinimbu. a qual atrairia outras espécies. com ocasionais chuvas. et al. HACKBART.. As populações e culturas com vários milhares de anos de duração. branda. persistindo até aproximada- ência semelhante à de Bezerra. tatou povoamento em Corumbá. não se cons. de arqueólogos ainda vivos. vivos. gumas lascas de pedra. com datas entre 8. Os dados com que escrevemos a história restre e alada. diante. são baquis”). na fase Bacabal. e de alguns projetos de contrato empresarial. Os precursores desta pesquisa foram apresen- A seguir. da fauna anfíbia. são semelhantes. similar aos aterros de Corumbá. natural de gastrópodes de água doce. exe- tico”. GIRELLI. por Pedro Ignácio Schmitz (SCHMITZ. que ele denomina tes. rico e diverso em no mapa da região com as três áreas pesqui- vida. 4). interpretando mente 880 anos A. ROGGE Na primeira parte desse período. os sedimentos mostram a retoma. citações do texto correspondem às divulga- ções ambientais emergentes de clima quente ções mais importantes dos projetos de autores e úmido. os se. por volta de 4. lução do ambiente e a reação humana a ela Entre 685 e 700 cm de profundidade. colonizadores ceramistas. percutores e nódulos devem ser buscadas em circunstâncias locais. Os sedimentos sugerem ambien. propriamente dito. 2009. cor. mas também caçadores-cole.

do impacto do gasoduto Bolívia-Brasil ao patri. Também o projeto o Mato Grosso. pação pré-colonial do Pantanal de Cáceres. “A ocu- Corumbá-Terenos (Km 0-350)”. ROGGE) de multi-traçadores na reconstrução do Holo. assentamentos e da subsistência dos grupos MS”. Corumbá. a partir de Corumbá Jorge Eremites de Oliveira “Os argonautas e Ladário. não teve nenhum projeto. de Maria Angélica de Oliveira Bezerra que se estabeleceram nas áreas inundáveis do (1999). na Lagoa Gaíva” (2011). os projetos de José Luiz de contrato de Gilson Martins e Emília M. ILUSTRAÇÃO 4 . H. aportes para o conhecimento dos ceno no Pantanal Mato-Grossense. Peixoto “A ocupação dos povos indígenas Kashimoto.400 ANOS DE OCUPAÇÃO INDÍGENA NAS MARGENS DO RIO PARAGUAI . e o projeto de A parte inferior do rio. Guató.MAPA DA REGIÃO COM INDICAÇÃO DAS TRÊS ÁREAS MAIS PESQUISADAS: CO- RUMBÁ. GRANDES LAGOS E CÁCERES (DESENHO DE J. Para o Pantanal de Cáceres existem os mônio arqueológico do Estado do MS – Trecho trabalhos de Maria Clara Migliacio. 42 8. de Jorge Eremi. e o projeto “Diagnóstico de avaliação Pantanal Matogrossense” (1995). Mato Grosso” (2000) e “O doméstico e o Para a região dos Grandes Lagos do ritual: cotidiano Xaray no Alto Paraguai até norte de Mato Grosso do Sul e limites com o século XVI” (2006). tes de Oliveira e José Luiz Peixoto (1993). “Resgate arqueológico na área pré-coloniais nos grandes lagos do Pantanal do gasoduto Bolívia/Brasil em Mato Grosso Sul-Mato-Grossense” (2003) e “Pesquisas do Sul” (1999).

respectivamente) (Ilust. por populações que viveram da pesca. na lagoa Negra. Nesses projetos foram realizados levanta. até aproximadamente o da coleta e da caça nas áreas sujeitas ao quarto século depois de Cristo. que vivia da pesca. da. de onde seus morado- propriamente dito. 80 a 8. o mais recente. 1998. do espaço. 1997) (Ilust. também chamados “capões de mato”. Seus assentamentos estão sua frente. (Beta-83570). 1994. cerâmica. sequência cobre um período que vai de mais go. esses aterros a aparecer e multiplicam-se assentamentos não continham cerâmica. (1997) e Bezerra (1999). douros. aparecem extensas sopé do Complexo Urucum (GIRELLI. as enchentes anuais alagam (Ilust.P. tada por investigações de Peixoto e Izquierdo O conhecimento criado registra duas for. dois mil e quinhentos anos. as pes- cortes estratigráficos e ou pequenas escava. sítios do período anterior. ou século XIII depois de Cristo. de 8. por po. ela aparece formada.P. tas de C14 para o assentamento vão de 8. Já são significativos os resultados apresen- mentos e registros sistemáticos de sítios ar. transformando-os em pequenas ao menos..800 anos atrás. favoreceram o crescimen. ximidade de Corumbá e Ladário. A ocupação mais antiga desta população pulações indígenas cultivadoras em terras está representada por grande e denso assenta- mais altas de sua borda. quisas de Schmitz e equipe (SCHMITZ. sentamentos.. desde ilhas verdes no meio de campos de vegeta. mais ainda.390 ± na beira das grandes lagoas e nos campos ala.000 anos A. anos A. den- Falo primeiro da população do Pantanal tro da cidade de Ladário. A mas de povoamento indígena: o mais anti.P. chão e. da barranca do Paraguai. mas. em imagens Ao redor de 2.500 anos depois aparecem novos as- do terreno. das áreas alagadas da outra margem representados por inúmeros aterros. sobre as quais os grupos huma. áreas de gravuras. deixando camadas mais ou Jacadigo. começam de satélite. que são considerados espa. (UW-106722) a 3. e junto ao menos espessas de detritos resultantes de suas córrego Mutum. Nos milênios iniciais. ROG- ções. 6 e 7). dele e da terra firme à sua retaguarda.P. 8). datações rádio-carbônicas e o es.060 ção mais baixa. Esse po- paredões verticais. voamento dura até aproximadamente 700 ços sociais e simbólicos dessa população. 2009) produziram a primeira rupestres. 5. A Pedro Ignácio Schmitz • Jairo Henrique Rogge 43 . complemen- atuais. documentação das gravuras e pinturas GE et al. São assentamentos aparentemente dura- tos. Os pequenos espaços naturalmente ele. Os arqueólogos a denominam “tradição Pan. ou mon. Suas datas cobrem. As seis da- tículos. mas que estão cheios de uma milênio antes de Cristo. to de árvores. mais para lajedos horizontais cobertos por gravuras no o norte.160 ± 60 anos A. 5.500 ± 130 anos A. na pro. ainda enriquecidos com os restos da rir muito daquele do primeiro assentamento ocupação humana. da margem direita do rio. 12 e 13). Estão junto às lagoas. como o Complexo Urucum. a Serra do Eles vêm acompanhados de cinco grandes Amolar ou o Morro do Caracará. coletas de materiais superficiais. da tradição Pantanal. Na região de Corumbá e Ladário. já no primeiro semelhantes. tornando-os muito visíveis do ± 80 anos A. que elevados. ros são formados por pequenas ondulações Só 2. muitas vezes sobre tanal” (Ilust.P. já madura. Os ater. mento sobre alta barranca do rio Paraguai. sobre lajedos horizontais ou HACKBART. e se multiplicam Quando o Pantanal se limita com terrenos nos campos marginais de lagoas e rios. cujo modo de vida não parece dife- vados. (Beta-110550 e Beta- gados pelo rio Paraguai e afluentes. 9 e 10). junto aos aterros. sequência de datações para os povoadores do tudo das populações indígenas coloniais e ou Pantanal de Mato Grosso do Sul. queológicos. da res podiam explorar os recursos do rio bem à coleta e da caça. ciclo anual do rio. afluente da margem esquer- atividades diárias e da deposição de seus mor. 91897. tados pelos arqueólogos. na margem das lagoas Negra e nos acampavam.

MOSTRANDO A SOBREPOSIÇÃO DE SUAS CAMADAS E A DISPOSIÇÃO 44 8.ILUSTRAÇÃO 5 . AFLUENTE DA MARGEM ESQUERDA DO RIO PARAGUAI ILUSTRAÇÃO 7 .UM ATERRO NA BACIA DO CÓRREGO MUTUM.ESQUEMA DE UM ATERRO.400 ANOS DE OCUPAÇÃO INDÍGENA NAS MARGENS DO RIO PARAGUAI .A PAISAGEM DO PANTANAL EM CORUMBÁ: A LAGOA DE JACADIGO COM MORROS DO COMPLEXO URUCUM ILUSTRAÇÃO 6 .

EQUIPE DO INSTITUTO ANCHIETANO DE PESQUISAS (IAP) ESCAVANDO NA BEIRA DO RIO VERDE.ILUSTRAÇÃO 8 . EM ALBUQUERQUE ILUSTRAÇÃO 10 .ESCAVAÇÃO NO ANTIGO SÍTIO DE LADÁRIO MOSTRANDO AS CAMADAS ESTRATIGRÁFICAS E A DENSIDADE DO MATERIAL POR NÍVEL DE 10 CM ILUSTRAÇÃO 9 .BIÓLOGO DA EQUIPE DO IAP MOSTRANDO SEPULTAMENTOS DO SÍTIO DO RIO VERDE EM ALBUQUERQUE Pedro Ignácio Schmitz • Jairo Henrique Rogge 45 .

(Beta-262806) do rio Paraguai (Ilust. Junto às lagoas Castelo e Vermelha.640 ± 100 anos AP a 1.ACABAMENTO CARACTERÍSTICO DA CERÂMICA DA TRADIÇÃO PANTANAL cerâmica desses assentamentos. 2003). no assentamento do Arame. (Beta-262806). é rumbá (PEIXOTO. Nesse projeto. ele repetiu as da. em direção à divisa com o Mato de Oliveira (2002) completa a sequência local Grosso. a noroeste No estado de Mato Grosso.290 E nas áreas alagadiças do Pantanal de Cá- ± 100 anos AP. ILUSTRAÇÃO 11 . proveniente de um aterro junto ao no assentamento MS-CP-71.070 ± 50 anos A.400 ANOS DE OCUPAÇÃO INDÍGENA NAS MARGENS DO RIO PARAGUAI . Morro do Caracará. Na região dos Grandes Lagos.P. composta com gravuras semelhantes às da região de Co- por pequenas tigelas. 11). as datas são mais cais. bá. dos ceramistas ainda se assemelha àquele ele também estuda as gravuras e pinturas do dos povoadores sem cerâmica. ra do rio São Lourenço. com variações lo. a mesma que se encontra. próximo à desembocadu- tas do período cerâmico da região de Corum. 118269). com uma data de 820 ± 60 anos AP (Beta- melhantes. O modo de vida a 710 ± 70 A. Morro do Caracará (PEIXOTO. Jorge Eremites de Corumbá. nas outras áreas estudadas no Pantanal recentes: 1. 2011). Migliacio (2000) conseguiu datas de 46 8. panelas e moringas. Ele também estuda um lajedo ceres. Junto à lagoa Gaíba. José Luiz Peixoto pesquisou aterros se.P. Elas vão de 2.

ainda sem cerâmica. 2009). os bens disponíveis para Em nossa pesquisa mais recente uso humano estão distribuídos pelo rio (SCHMITZ. de caça ou de coleta. chente e da vazante. Analisando os resí. As habi- tações deveriam ser choupanas de materiais O modo de vida perecíveis. tios são muito simples: pequenos pisos de sei- com variações regionais. é o mes. que são fáceis de captu. as cama- restos de animais grandes. Os sítios nhamente. moluscos aquáticos. do qual. na proximidade das grandes lagoas como na rar. obser. os peixes são substituídos pelos algumas pinturas. apresentar diferenças: nos sítios junto às la- de ou continua.200 ± 120 AP e 925 ± 100 AP para cama. que. A capiva. ratos do mato. As estruturas encontradas em todos os sí- mo tipo de sítio e a mesma tradição cerâmica. tanto nos sítios maiores. Os os assentamentos são bem menores. xos como base para fogueiras. Essas pesquisas mostram o povoamento Certa uniformidade dos recursos encontra- milenar do Pantanal. varia- duos alimentares que formam camadas es. naturalmente. durante a enchente e com ela desaparecem. indícios de especialização. assentamentos dos campos que alagam. que poderia ser ção cerâmica Pantanal. como eles são A ocupação ceramista da tradição Pantanal. mas produzem pequena quantidade de margem do rio Paraguai e de seus afluentes. que sugerem divi. aparece pouco entre os restos. se- parecem resultado de capturas ocasionais. tecimento alimentar de amplo espectro. quíssimas contas de colar. Para o sul de Corumbá e La. no norte. prolonga-se. a equipe Paraguai. ROGGE et al. pequenas contas. o porco do mato. as datas de melhor qualidade nutricional. em Cáceres. só em Corumbá e Ladário conhecemos da. em elementos semelhantes as ocupações iniciais. então. Se acrescentarmos os vegetais. de reduzido valor alimentício. costumam que nasce da primeira ocupação e a suce. tanto preás e gambás. nos sítios dos cam- acompanhada de gravuras. nos extensos assentamentos da borda mamíferos. dicando que são contemporâneos. falecidos (Ilust. grandes estão junto de águas permanentes. embora não na mesma teremos claramente a imagem de um abas. captados em nichos específicos. muitas vezes. como o jacaré. os meandros buscou caracterizar melhor os assentamentos abandonados e os campos alagados. Mas. dos nos campos e nos corpos de água redun- to. onipresente nessas áreas alagadas. pultamentos desfeitos ou de crianças. ainda pouco onde há recursos contínuos no tempo da en- recuperados nas pesquisas arqueológicas. estra. as camadas são espessas. as grandes lagoas. nos resíduos alimentares. pe- os limites do Pantanal. peixes. répteis. No Pantanal. de pesca. buracos com sões territoriais estáveis da população. sepultamentos dis- persos ou agrupados em cemitérios. como nos sazonais dos campos alagados. associadas à tradi. dos sítios grandes e pequenos coincidem. que aí se multiplicam dário. Observamos. abundância de moluscos. das pouco espessas. ainda estamos sem informações. Entretanto. nos pequenos peixes.1. Em todos os locais mencionados. milhares de fragmentos de cerâmica. que só alguns poucos fragmentos de cerâmica.. cobras. Os sítios do campo sobrevivem Pedro Ignácio Schmitz • Jairo Henrique Rogge 47 . aglomerados de conchas. 9 e 10) Por outro lado. por enquan. dos sepultamentos e grande quantidade de pessas nos assentamentos milenares. com do período ceramista. contendo. va-se que predominam os restos de animais ou compondo colares que acompanham os pequenos: moluscos aquáticos e terrestres. alimento. aves e vegetais nativos. sem das do aterro MT-PO-42. o cervo do pantanal. e pou- produziam maior quantidade de alimento. proporção. até goas e ao rio é mais abundante o peixe. sempre queno e de fácil captura. contêm arroz e frutos variados. espalhadas pelas camadas. eventualmente de pos alagados. in- ra. como o das lagoas.

2009). existem alguns se. com apliques. pode ha. além de alguns cachimbos. mais raramente elementos bio- de indivíduos de várias faixas etárias. os sepultamentos dos horizontais da região de Corumbá usam são um dos caracterizadores dos sítios. com superfície gravuras do Caracará. rodelas de Campo). escovada. As gravuras existentes em diversos laje- Como antes indicamos. afluente do e nenhuma com a do planalto brasileiro. algumas vezes interligadas. sugerindo que sazonais com os mais permanentes. HACK- dos campos que alagam. na qual existem muitos fichas e contas. micas amazônicas. centralidade desses assentamentos. com impressão momentos de representação: um naturalista. O vasilhame tem forma de tige. Sua base empírica para a reflexão sobre o mo. na mar- culados e incompletos de adultos. panelas e moringas. que apresentam dois externa lisa. Esses dois morros destacam-se na fuso. agrupadas. ou com engobe vermelho. corrugada. ali.só durante a enchente. O fato de estes virem em depo. e acampamentos avançados no cam. pro- para deposição num sítio central. Ao norte do maciço do Urucum. ela já aparece se interdigitarem indica a ligação dos sítios com suas características finais. pode-se su. potes. ponteada. abundantes simples. Nas da- outra do campo. que nas grandes lagoas do norte do estado e digitam. uma de um sítio da lagoa. planície pantaneira. Peixoto voltou a documentar as las. 1994. chegando a cobrir superfí- descarnados. As amostras se inter. as amostras se sucedem de no Pantanal de Cáceres. simplesmente deposição primária e outros tantos em depo. raramente preto. O fato de tas mais antigas em Corumbá. nados. Os motivos É preciso também dizer alguma coisa a res. quando a enchente cria. indica sua vação parece ter sido realizada picoteando a reunião e transporte de outro lugar. continuidade e abundância nos grandes sítios vimento do grupo. do Caracará e do Triunfo (atualmente: do litário. recursos temporários. pultamentos de crianças e esqueletos desarti. cies de centenas de metros quadrados. BART. amento sobre blocos de arenito. 1940) documentou Essa cerâmica caracteriza-se por uma in. sulcos curvos. com 12 painéis de gravuras. incisa. com peito da cerâmica da tradição Pantanal. mas é bem posterior às cerâ. aterros. mente geométricas e livres. Schmidt (1914. gravuras rupestres em paredões do morro dústria composta por abundante vasilhame uti. ções sociais territorialmente limitadas. Os aparece cedo quando a comparamos com a do painéis são submersos pela água no período planalto brasileiro. da cheia (PEIXOTO. isto é. em sição secundária com esqueletos ou ossos tamanhos grandes. Paraguai. Nos representações semelhantes. com assentamentos na das lagoas indicam a permanência temporal e beira das lagoas. ou com dois furos semelhantes a botões. porque a vazante leva de corda. foram com. Esta é a ainda não chegamos a seu nascimento. Nos sítios rocha com um seixo (GIRELLI. uns em morfos estilizados como pés. sucessivamente. localiza-se o sítio por que os outros ossos tenham sido levados MS-CP-74. 1997) (Ilust. 48 8. 12 e 13). Ela apresenta semelhanças Na serra do Amolar e morros de baixa altitude com cerâmicas do Chaco paraguaio e argentino situados na foz do rio São Lourenço. Ela círculos concêntricos e sulcos retilíneos. indicando organiza- forma alternada. embora tudo o que a subida das águas trouxe. osso e concha são po. recipientes nunca são grandes. nunca totalmente abando. A decoração parados detalhes da cerâmica em espaços externa é bem mais abundante em Corumbá próximos e limitados. referência duzidas pela técnica de polimento e picote- do grupo excursionista. como círculos e ver considerável número de sepultamentos. predominante- assentamentos mais permanentes.400 ANOS DE OCUPAÇÃO INDÍGENA NAS MARGENS DO RIO PARAGUAI . A Para saber como se relacionavam os dois capacidade vai de um a vários litros. mas os tipos de sítios (SCHMITZ. A gra- sições com dois a oito indivíduos. gem sul da Lagoa Vermelha. 2003). são predominantemente geométricos. Os artefatos em pedra.

Mas a cerâmica é suficiente ILUSTRAÇÃO 12 . de caráter público. incipiente. mais altas e florestadas da borda do Panta- Os grandes conjuntos de gravuras que nal.EQUIPE DO IAP EXPONDO E LIMPANDO GRAVURAS EM LAJEDO DA FAZENDA FIGUEIRINHA ILUSTRAÇÃO 13 . na encosta flores- tada do Complexo Urucum. social e integrador.outro geométrico. de dois grupos: acompanham os aterros do Pantanal não po. 2011). assim. Ali também existem algumas chegada de grupos cultivadores nas terras pinturas (PEIXOTO. a datação de seu que esta invisibilidade seja consequência da estabelecimento. Peixoto (1995) Os cultivadores estudou duas dezenas de assentamentos da tradição cerâmica Guarani. sobre esses grupos ceramistas cultivadores é letivas. especialmente. cujas estruturas A ocupação do grupo ceramista Panta. dificultando. A pesquisa arqueológica mas devem ser considerados realizações co. Trata-se. MOUTINHO Pedro Ignácio Schmitz • Jairo Henrique Rogge 49 . Pode-se suspeitar nos. Na região de Corumbá.GRAVURAS EM LAJEDO DA FAZENDA DR. linguístico arawak. tinham sido descaracterizadas por cultivos nal torna-se invisível vários séculos antes em pequenas chácaras de moradores urba- da conquista europeia. o Guarani e populações atribuídas ao tronco dem ser atribuídos a iniciativas particulares.

terá desestabilizado a ocupação anterior. O desaparecimento do grupo na re. (ESSELIN. cobrem lagoas e nas áreas sujeitas ao transbordamen- de 1.520 ± 150 anos AP e 810 ± ta europeia. cercada de mato. A chegada dos cultivadores tradição Descalvado. é atribuído à tados satisfatórios. pode-se ver Schuch (1995). o uso das po- a uma etnia.para identificar a etnia colonizadora: o Gua. mas sem jamais abandonar a ção dos arqueólogos. de filiação arawak expandindo-se do planalto o modo de vida das passadas. maior estabilidade residencial. No período colonial. Rio Paraguai permitem apresentar um grande Os valores obtidos. Estas são razões para se escrever com cuidado sobrevivendo alguns até os dias atuais. por populações cultivadoras. de 85 anos AP. 50 8. Para a história das missões entre essas popula- rias missões jesuíticas no Itatim (GADELHA. existem colonização espanhola interferiu no modo de dados descritivos. missões de Nossa Senhora do Bom Conselho rani. Constituem exceções as tentativa. Para os sítios. tanto para As pesquisas arqueológicas sobre as po- assentamentos em altas barrancas do rio Para. 1980). através de coleta. Com isso. colonial e buscaram construir uma história No Pantanal de Cáceres. tas para a ocupação Descalvado. os restos da primeira estudados por Peixoto viu de justificativa para o estabelecimento e Schmitz (1998). datando a cerâmica pelo esquema provisório do povoamento. ções de reduzida estabilidade residencial. Sua expansão para a região teria ções indígenas do tronco arawak foram reuni- começado séculos antes da colonização es. do rio Paraguai. que vão de 1. ções. localizado na caça e pesca. a proposta seria a de um grupo pulações atuais para entender. nas quais popula- do Brasil. no sul de Mato contínua. que Martins e Kashimoto (2000) também estu. com sepultamentos em urnas. localizou-se de colonos espanhóis no povoado de Xerez apenas a cruz missionária. vida. A chegada do conquistador Outros grupos do tronco linguístico ara. na distribuição espacial e até na deno- preensão. isto é. popula- do século IX ao século XVIII da era cristã. e a ranca do rio Paraguai. em meados do guarani ainda se expandia e pressionava as século XIX. a incur. a população contratados pelo Império. como para aterros em áreas alagadiças. se apropriavam dos recursos dispersos. sítio-tipo sobre alta bar. em Albuquerque. Junto às processo de termoluminiscência (TL). to dos rios percebem-se. nalmente diversificados. um conjunto de sítios potentes. populações indígenas presentes no período sões paulistas. MARTINS. das sob a coordenação de frades capuchinhos panhola. mas a história das populações indígenas da bacia seus restos ainda não chamaram muita aten. 1994. europeu levou a desorganização ao máximo. wak são mencionados no período colonial. conseguindo datas de ram a ser ocupadas séculos antes da conquis- TL. mas um mínimo de com. sempre confiável. com formas de pesquisa. 2002a) e de vá. sazo- daram um grande assentamento da tradição. Os arqueólogos também estudaram as gião é devido. cujos restos locais são parecidos com os no Mato Grande e de Nossa Senhora da Mise- dos grupos que povoaram o Paraguai e o sul ricórdia. Se fosse preciso atribuir a tradição minação dos grupos.400 ANOS DE OCUPAÇÃO INDÍGENA NAS MARGENS DO RIO PARAGUAI . preponderantemente. pulações indígenas pré-coloniais da bacia do guai. Migliacio (2000) obteve da. Sua densidade ser. não se torna sobre o Pantanal. nal do território. por analogia. desde cedo. emendando os resultados das duas Grosso. da segunda. As missões foram localizadas e populações anteriores.050 ± 100 até 200 ± 20 anos AP. Raramente isto deu resul- cerâmica de grandes proporções. cujo avanço Nada mais se conhece da história da etnia teria desestabilizado o povoamento tradicio- na região. As terras mais elevadas começa- margem do rio Jauru.

agradecimentos ao professor Norton. a Elisberto Martins Rezende (Bu- finha). rocha (CLEGG. A Arte rupestre em Mato Grosso do Sul Rodrigo Luiz Simas de Aguiar4 Introdução: arte rupestre e cultura tes técnicas de elaboração. Em Pedro Gomes. e Duca Carvalho. por pulverização. em oposição às gravuras. Conceitual. qual pigmentos de origem mineral são mistu- cimentos ao professor Luis Alberto. ou. dependendo do número sobre suporte rochoso por meio de diferen. Kenio do Brasil. 14 e 15). Em Rio Verde. Universidade Federal da Grande Dourados. a goetita. Em Aquidauana. do Instituto Quinta do Sol. Em Mato Grosso do Sul. Uma pintura é o resultado de marcas A arte rupestre está entre as muitas moda. na ne. e o branco. Agra. por intermédio de Jaqueli. em sua de Valdenir. Jairo Henrique Rogge. Gilson Rodolfo Martins e Emília Kashimoto. o óxido de ferro (hematita). A 4 Manifesto meus agradecimentos aos acadêmicos que aplicação dos pigmentos sobre a rocha é feita participaram das pesquisas do Laboratório de Arque. foram feitos estudos para determi- Batista Nogueira e Erciliomar Furquin Rocha. ainda. São divididas em simbólica4 duas categorias: as pinturas e as gravuras ru- pestres. final. gipsita (MENESES LAGE. por compartilharem comigo seus conhecimentos e o amarelo. José Luis dos Santos a elaboração de grafismos rupestres quanto à Peixoto. em particular. O processo de elaboração de grafismos Em Corguinho. vidido em seco (desenhado) ou molhado (pin- da Fazenda Igrejinha. rupestres por pigmentos pode também ser di- do Projeto Queixada da WCS. Edilson de Oliveira Gomes (Cotonett). de cores empregadas em sua composição. grande maioria. secretária de Turismo. À Prefeitura de Costa Rica. que por populações que habitaram uma dada re. Reginaldo. a kaolita ou informações acerca da arte rupestre de Mato Grosso do Sul. a Carlos Alberto. são feitas a partir da remoção de material da gião em tempos pré-históricos. de diferentes formas: linhas traçadas por meio ologia da Universidade Federal da Grande Dourados: de pincéis ou espátulas. por arte rupestre. em Ao Programa de Pós Graduação em Antropologia da uma técnica denominada aspersão (AGUIAR. Nordestina e à Prefeitura Municipal. 1983). Um nar a origem dos pigmentos empregados para agradecimento especial aos professores Pedro Ignácio Schmitz. 2002) (Ilust. da Prefeitura Municipal de Rio Negro. feitas sobre a rocha por meio de adição de lidades de vestígios arqueológicos deixados matéria prima. 2002). Em sítios arqueológicos de outras regiões lis e. Sara Selzler Favero. rados a matérias graxas a fim de compor a tinta deço igualmente à prefeitura Municipal de Alcinópo. pela aplicação molhada. Ao Sr. por intermédio os grafismos rupestres foram obtidos. ou carimbo. Rodrigo Luiz Simas De Aguiar 51 . podemos entender Uma pintura rupestre pode ser monocrô- as representações iconográficas executadas mica ou policrômica. através de estampa Keny Marques Lima. Maira Regiane Fernandes Capelaxio. da UEMS. da Fazenda tado) (CLEGG. às professoras Alexine Keuroghlian. cor: o vermelho. Diego Souto Maior Colino. Elisângela Martins e Afonso Celso. 1983). agrade. a Beto Roque. mente.

ainda que estes complexos rupestres estejam Sabemos que o arqueólogo é aquele pro. a abrasão de um uma etnicidade em populações que deixaram instrumento sobre a face da pedra gera uma de existir há muitos séculos ou milênios. associar uma variável ar- contra a superfície rochosa extraem peque. separados por mais de mil quilômetros. os grupos étnicos de uma área rupestre. Sendo assim. a arte rupestre passa a tidas por meio de percussão ou abrasão sobre ser o único elemento de análise arqueológica o suporte rochoso. Inegável é que estamos imaterial. por sua vez. Mes- seção interna lisa. podemos negar categoricamente tórico. Lembremo-nos de tipos de traçado ou os motivos representa. se. pois ca e. ocupação para a arte rupestre. autoidentificam-se e comunicam sua etnici- go percebe sobreposições de grafismos as. Podemos afirmar que existe con- material. a arte rupestre como o registro o motivo rupestre. é constantemente comunica- fornecerão subsídios para as classificações. cício perigoso. registro da cultura imaterial de populações riam aqueles grafismos cujas linhas foram ob. 2009). -Oeste há milênios. existe tal continuidade ser o elo primordial de acesso a esse universo étnica? Também não. dando aos sulcos uma aparên. Quando o arqueólo. como os simplesmente negadas. acabamos por de escavações arqueológicas tradicionais. busca timento de pertencimento. dade por meio de elementos diacríticos e sen- sociadas a diferenciações estilísticas. vem para determinar os níveis de ocupação Como lembra Barth (2000). Ao transpor esse comparar esses dados com aqueles oriundos conceito para a arte rupestre. A cultura gerações. resultando numa canaleta mo assim. em dife- se buscar fontes alternativas de investigação rentes pontos do Brasil. Sua repetição. ágrafas. por seu turno. transmitido entre diferentes modo de vida dessas populações que habita. a impossibilidade de discurso cosmológico. em alguns casos. queológica a uma unidade étnica é um exer- nos pedaços. outro lado. por sua vez. As gravações rupestres. a arte rupestre passa a que. a fim de dotar seu universo de sentido. O emprego de um instru. Tratando-se do compreendidos como a materialização de um estudo da pré-história. (relatos. da pelos membros de uma mesma socieda- As dimensões estilística e cronológica ser. poderia. segmentos sociais e ao longo de sucessivas ram o Brasil há milhares de anos. portanto. tinuidade étnica entre motivos rupestres de lógicos e econômicos. são variáveis observadas e registradas elementos que sintetizam a identidade étni- com muita atenção pelo arqueólogo. 52 A ARTE RUPESTRE EM MATO GROSSO DO SUL . as potencialidades que uma inter- em forma de “U” (Ilust. que possibilita levantar inferências no campo mento – também de pedra – sobre o suporte da cultura simbólica (AGUIAR. textos escritos) faz com que a cultura em alguns casos. físico da esfera simbólica e ritualística das po- zadas para a elaboração de petróglifos: o pi. a não rejeitar de todo os vínculos que pinturas fim de propor uma escala cronológica de rupestres de uma mesma tradição guardam. Já no polimento. então. Esses símbolos milenares chegaram diante de um caso em que variáveis culturais à contemporaneidade como um importante são compartilhadas de alguma forma. Desta forma. ser a continuidade deste cor- material seja a única forma de interpretar o pus cosmológico. cujas batidas Por outro lado. de. Al- fissional que se ocupa do estudo do passado guns painéis de pintura rupestre podem ser humano pela cultura material. o autor faz uso de um percutor. locução entre a arqueologia e a antropologia Essas técnicas de confecção associadas pode oferecer ao pesquisador não devem ser a outras características estilísticas. São duas as técnicas utili. uma mesma tradição arqueológica? Não! Por bre o universo simbólico do homem pré-his. Enten- rochoso gera sulcos contínuos que delineiam de-se. pulações que ocuparam as terras do Centro- coteamento e o polimento. visto ser impossível constatar cia rugosa. No picoteamento. mas pouco nos diz so. que a etnicidade é o receptáculo de todos os dos. revela aspectos tecno. 16 e 17).

De acordo com os estilos. conteúdo levantado. antes. a maioria dos autores concorda que as chaves classificatórias são insuficientes As tradições arqueológicas e a para dar conta de compreender os fenôme- classificação da arte rupestre nos rupestres em caráter mais amplo. por muitas a diversidade iconográfica e a ampla faixa de centenas ou até por mais de mil quilômetros. As chaves são. Para sustentar análises trilhadas nesta linha Alguns arqueólogos associam permanên- de pensamento. pictórica. garantindo que todos os arqueólo. ou seja. é possível inserir o material ru- código cujo significante nos foge. o primeiro pestre levantado em um contexto mais amplo. uma ampla área do território nacional. compartilhamento arte rupestre é hoje utilizado como instrumen. po- francês André Leroi-Gourhan verificou que dem ou não representar continuidade étnica. A partir das chaves de tivas (CLEGG. Mas. nadas tradições arqueológicas aparecem em namento do conteúdo levantado nas pesqui. apresenta características comparti- tema classificatório. étnicas. tecnolo. é estabelecer a amplitude de um fenômeno. hoje. que. 1993). obedecendo a regras de associação os autores. denominadas tradições. antes é necessário levantar cias estilísticas a continuidades ou filiações tipologias. Essas se pode estabelecer esse panorama como um chaves classificatórias auxiliam na inserção padrão de referência para outras manifesta- de manifestações regionais em um contexto ções regionais ou nacionais. lhadas que permitem situar seus elaboradores Rodrigo Luiz Simas De Aguiar 53 . lecer relação entre um sítio de arte rupestre No Brasil. as classifica- vem comprovar a existência de uma estrutura ções não são recursos para a busca de uma básica no código. A função da tipologia cussões no meio acadêmico. um modelo que permite orde. certos povos que ocuparam determinada re. Com base na análise dos filiação étnica. antes de tudo. Existem continuidades que indicam compartilhamen- O termo “tradição” aplicado ao campo da to de elementos culturais. em alguns casos. Contudo. as manifestações rupestres são classificadas Grafismos rupestres associados a determi- em tradições. temos os “quadros pictóri- tas. polêmica acerca da divisão da arte rupestre em tradições. onde os símbolos estariam agrupados em cos”. sepa- sas arqueológicas em arte rupestre. Obviamente. As características estilís- categorias de semelhança. ou a composição de dada manifestação que críticas fossem levantadas contra esse sis. sível. rados de um sítio a outro. mas nem sempre podemos caracterizar setores. moldes estilísticos elementos e suas repetições. auxiliam ao mesmo tempo em que divide e classifica o arqueólogo a classificar estilisticamente o esse fenômeno em várias categorias organiza. Mesmo quando é possível estabe- (LEROI-GOURHAN. A ocorrência de ticas podem ser compartilhadas por diferen- combinações específicas em situações padrão tes grupos étnicos. este tema não deixa gias e os motivos empregados na elaboração de ser polêmico e causa entusiasmadas dis- de grafismos rupestres. nacional. A manufatura de determinada cultura mate- vai do Nordeste ao Brasil Central. conforme sugerimos anteriormente. orientativas. explicar de forma definitiva. São. Contudo. esse que a arqueologia ainda não conseguiu tal classificatório. estabelecer esta relação entre arte gião da Europa no paleolítico projetaram um rupestre e grupos étnicos é-nos. Assim sendo. características estilísticas. o arqueólogo que. impos- pensamento estruturado nas paredes das gru. 1983). ocorrência de estilos. passo seria organizar essas iconografias em de caráter nacional. os arqueólogos promovem o e os restos materiais oriundos de uma esca- ordenamento da arte rupestre em chaves de vação – o que é raro – não necessariamente classificação. assim sendo. às vezes. independentemente da posição na gos “falem uma mesma língua”. fez com rial. Fica claro que. se há um classificação.

especialmente em determi- no Brasil são as seguintes: Tradição Agreste. ossadas de preguiça gigante preservadas nas turas. essas alterações não ram espaços com espécies da megafauna. A arte rupestre em Mato Grosso do Sul na matéria prima ou. étnica – apesar de ser impossível comprovar pesquisadores do Museu de Arqueologia da uma vinculação. Na necessariamente representam desvinculação Gruta das Fadas. ainda tempos a popularidade pode mudar e os ar. popularidade podem ser interpretadas de di. Isso representa desvinculação? O Centro-Oeste do Brasil passou a ser ha- A resposta possivelmente é não. como. encontraram um fêmur humano associado ridades registradas entre diferentes regiões a vestígios de megafauna (OLIVEIRA et al. anteriormente. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Uma solução para as inúmeras particula. mais dados. por exemplo: a mo. principalmente. todo um universo por inventariar. ou seja. no Brasil.. mais escavações. termo introduzido também. 1992. uma vinculação étnica mais estreita. ou. Tradição Planalto. como visto dição Amazônica (PROUS. 235). No princípio do Holoceno. Con. Entretan. é a contemporaneidade. nados campos. aqui estabelecidos para investigar o imenso 54 A ARTE RUPESTRE EM MATO GROSSO DO SUL . também. particularidades que passarão a ser mais entre 12. Tradição Geométrica. Holoceno. as peque- nas variações regionais apontam descontinui- dades ou transformações refletidas no estilo. consultar MAR Mesmo diante do esforço dos arqueólogos TIN. para uma mesma tradição foi a divisão em 2009). Exis- As principais tradições arqueológicas pro- te uma carência de fixação de recursos hu- postas para o ordenamento da arte rupestre manos no estado. riores está a sub-tradição. tocênica. Dessa forma. 5 Para mais detalhes sobre a divisão das ocorrências ru- pestres em tradições arqueológicas.5 ainda. conforme tempo em que grupos humanos compartilha- se sustenta neste ensaio. ainda que as características técnicas – muitas subdivisões. tem início o pesquisas. Esses primeiros humanos seriam. que a literatura científica tilos aparecem e desaparecem. Na visão de Gabriela Martin coexistência de humanos e megafauna pleis- (2005. Sul.“dentre as sub-divisões poste. 2005. ecológico diferentes. p. a demanda por arqueólogos é ainda muito su- perior ao número de profissionais disponíveis. Tradição Litorânea. 2001). Isso Tradição Nordeste. vel regional geraram – e continuam gerando Primeiro. Tradição Meridional e Tra- to. Com efeito. ou. perambulavam pelo Brasil Central animais queólogos podem registrar isso porque os es. igualmente. inúmeras particularidades registradas em ní- ainda. como as vimentação espacial de pessoas com suas cul. Naquele bem compreendidas por meio da ampliação tempo. o clima era um pouco diferente do do estado de conhecimento. de tempos em climática. Contudo. num processo de estabilização forme lembra Clive Gamble. Tra- acontece. que implica a presença A arte rupestre em Mato Grosso do Sul é. cavernas da região da Serra da Bodoquena. 000 anos atrás. Município de Bodoquena.000 e 10. as transformações de uma sociedade. 1992 e PESSIS. Com o fim da glaciação. dição São Francisco. houve um curto período de logias (GAMBLE. na técnica de representação. PROUS.dentro de uma mesma categoria. porque. Entretanto. alterações na classifica como megafauna pleistocênica. como o da arqueologia. 1992). autores de algumas das manifesta- para definir o grupo desvinculado de uma ções rupestres que encontramos nas paredes tradição e adaptado a um meio geográfico e de abrigos do Centro-Oeste. o que vem corroborar a hipótese de subtradições. o que se torna questionável. a difusão de ideias e tecno. há vestígios desses animais. por mais atual. no estado de Mato Grosso do ferentes maneiras. de elementos novos”. bitado por hordas de caçadores e coletores sim. Representam. indubitavelmente sejam análogas. de grande porte.

noeiros. so passaram a estabelecer estudos sistemáticos o Programa Arqueológico do Mato Grosso do acerca de seus sítios de arte rupestre.“A ocupação do Planalto Central Bra. pesquisas de- de Marcus Vinícius Beber (1995). Centrais Elétricas e com o apoio do IPHAN. Rio Negro. como contextualização para estado de conhecimento. Jorge Eremites de Oliveira (2004) Sul. Antônio João onde alguns subitens são dedicados à arte e Jardim (Ilust. de 1975. Maracaju. tro sítios com pinturas rupestres inventariados contabilizou 79 sítios de arte rupestre (Aguiar. A atu- do Programa Arqueológico do Mato Grosso ação desses pesquisadores foi fundamental do Sul. Também ligada de sítios de arte rupestre nos seguintes municí- ao Programa Arqueológico do Mato Grosso pios: Aquidauana. ainda há muitas lacunas por preencher. Com a implantação dão do Sul. intitulado “Alguns petróglifos arte rupestre para os seguintes municípios: em Mato Grosso com apêndice sobre outros Aquidauana. Em “Breve Painel Etno-histórico de tíficos acerca da ocorrência de grafismos ru. do Sul. mas somente de estado nos são desconhecidos. Jaraguari e Antônio João. Ao passo a ocupação humana na pré-história. Gilson Rodolfo Martins pestres no estado foi o de José Afonso Bueno (2002b) menciona a ocorrência de sítios de Passos. 2014). Esse registro garante a do conhecimento acerca da arqueologia em atuação do poder público para a preservação nossa região deu um importante salto. Pe- (1992). pré-históricos. foram trabalhos muito do uma relação entre as gravuras e povos ca- setorizados. em do: “Lajedos com Gravuras da Região de Co. para o registro dos sítios de arte rupestre no tituto Anchietano de Pesquisas e a Universi. há a dissertação de Ellen Veroneze Alcinópolis. Recente projeto de pesquisa. ainda assim. Chapadão do Sul. Dados do patrimônio arqueológico. de forma genérica. resultado de um convênio entre o Ins. Ladário. Mesmo assim. Nos últimos anos. especialmente na última década. Coxim. Corumbá. Girelli com.patrimônio arqueológico de Mato Grosso do rupestre. pro- foram os estudos que tomaram a arte rupes. regional foram levantados. dro Gomes. Já Beber vai tratar de qua. Corumbá. fundamentais para o contexto arqueológico Contudo. tão contribuindo para a superação dessa lacu- rumbá – tendo por material as cópias feitas em na que envolve a arte rupestre de Mato Grosso campo pela equipe do Instituto Anchietano de do Sul. Costa Rica. tornando- Sul resultou em duas dissertações de mestra. trata. IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico dade Federal de Mato Grosso do Sul. sabe-se da existência outros objetos de estudo. quando se estabe. tou com o desembolso financeiro da Eletrosul namento tipológico. Mato Grosso do Sul aumentava o vazio das in- rumbá-MS”. 18). de Maribel Girelli (1994). que con- Pesquisas (IAP) – e também propõe um orde. que os pesquisadores de Goiás e Mato Gros- Exclusivamente no campo da arte rupestre. sileiro: o Nordeste do Mato Grosso do Sul”. foi região pantaneira em seu livro “Arqueologia o menos investigado no estado. senvolvidas por uma equipe de arqueólogos da põe uma descrição detalhada dos petróglifos Universidade Federal da Grande Dourados es- de quatro sítios arqueológicos da região de Co. Um dos primeiros trabalhos cien. a arte rupestre da O campo da arte rupestre. Costa Rica. Mato Grosso do Sul”. para os petróglifos daquela região e sugerin- lógica e. Corguinho. sem dúvida. Diante do atual forma indireta. -os bem conhecidos no cenário nacional. pelo IAP no município de Paranaíba. e “Arte formações arqueológicas acerca dos grafismos Rupestre do Nordeste do Mato Grosso do Sul”. Paranaíba. Jaraguari. Rodrigo Luiz Simas De Aguiar 55 . Muito poucos das Sociedades Indígenas do Pantanal”. pouco se acrescentou para o conhecimento leceu a primeira proposta de cronologia para da arte rupestre em nosso estado. o estado e Artístico Nacional. Chapa- do Paraguai e Bolívia”. é importante destacar Há ainda outros textos acadêmicos que que muitos sítios de arte rupestre existentes no trataram da arte rupestre. pondo a classificação de estilo Alto Paraguai tre como objeto exclusivo de análise arqueo. Rio Verde.

grande tamanho (pode atingir mais de um me- dos do Paraná. sauros. duzem. Um grande painel. Suas manifestações foram registradas nos mas que. estático e Minas Gerais e Bahia. em todos os casos. traços ou pintura completa. o motivo tem uma caçada. Tradição Geométrica. não reportam estados de Minas Gerais. predominante- talvez um dos motivos para esses sítios perma. mas raras são as Tradição São Francisco figuras antropomórficas. aves. às vezes de tivos desta tradição foram registrados nos esta. p. Entre os antropomorfos. 19. em que predo- técnica de execução. Coincidentemente. Mato Grosso. essas pinturas estão as- grande diversidade de estilos. assemelhando-se a uma constatou-se a existência de pinturas típicas figura totêmica” (MARTIN. aparecem pinturas monocrômicas. a finida por Gabriela Martin da seguinte forma: Tradição Planalto é uma das categorias com “Grafismo emblemático da tradição Agreste maior amplitude em área de ocorrência. há muitas particularidades em re- cumpra essa tarefa. Aparecem. Já Agreste. zona afótica. é a figura de um antropomorfo. o traçado linear cheio e a mina o pigmento branco. luz artificial para a visualização dos motivos A região com maior ocorrência de sítios de (Ilust. na Agreste. a incidência de policromia. igual- nhada. A Tradição Agreste ocorre. mente. nocrômicas que têm por base. São representações mo. São imagens normal- mente isoladas ou em pequenas associações. São Paulo. como tatus. sendo o interior preenchi. 20 e 21). diretamente no paredão. tro de altura) de aspecto grotesco. Em Mato Grosso do Sul geralmente isolado. Francisco. mente. No traçado linear cheio. na silhueta. lecem as figuras humanas isoladas. carreiros. onde preva- necerem tanto tempo sem estudo científico. Mato Gros- 56 A ARTE RUPESTRE EM MATO GROSSO DO SUL . da Tradição Planalto em vários municípios da No município sul-mato-grossense de Cor- região Centro-Norte. 2005. cervídeos. sociadas a contexto de cavernas. direcionando-os para armadilhas. especialmente. Entre as pintu. em uma das cavernas. Goiás. mos executados no interior das galerias ou em aparecem elementos reconhecíveis nas se. uma cena de grande movimento. 22 e 23). muito similares às descritas para a Tradição o pigmento vermelho. existe uma figura recorrente apelidada de “bonecão”. as pinturas ocorrem em to. há uma parte Tradição Agreste desta região que não foi contemplada no Pro- grama Arqueológico do Mato Grosso do Sul. guinho. Mo. onde homens acuam animais em seu campo delimitado por uma linha esboça. também. reproduz a cena de silhueta. Na região Centro-Norte de do Sul caracteriza-se pela ocorrência de uma Mato Grosso do Sul. Ainda que ocorram os “bonecões”. Tradição Agreste. quelônios e peixes. mas cria o os múltiplos antropomorfos são inseridos em motivo a partir da tinta aplicada de forma api. de- Juntamente com a Tradição Geométrica. sendo necessário o emprego de do Estilo Alto-Paraguai. figuras zoomorfas e geo- Os grafismos da Tradição Planalto métricas. os animais do entor- no ecológico. o autor não usa linhas. Foram empregados. arte rupestre é a Centro-Norte. No guintes tradições arqueológicas: Tradição São distrito de Taboco. restrita a um círculo central (Ilust. nos estados do Nordeste. com grafis- ras e gravuras que incidem em todo o estado. ainda que Os grafismos da Tradição Planalto repro. Goiás. município de Corguinho. A arte rupestre do estado de Mato Grosso cenas elaboradas. pois ce- nas narrativas são raríssimas (PESSIS. especialmente em área de transição entre terras altas e planície pantaneira. Tradição Planal. além do menciona. abrigos contíguos a entradas de cavernas. 271). 2003). Há. da com o auxílio de um pincel ou algo que Neste caso. principalmente. lação aos grafismos tradicionais da Tradição do com pontos.

Grosso (nossa equipe também identificou sí- cipalmente. cuja área de ocorrência vai do Tocantins. Tradição Geométrica (Meridional) cala muito menor. ainda que em es. 25 e 26). Em estilo. Tradição São Francisco dos Momentos I e II ca dessa tradição é o emprego recorrente de (Ilust. e outra Setentrional. A principal característi. Costa Rica. Sergipe. Entre essas representações animalistas. que a Bolívia seria o habitat mais próximo no norte do Brasil. são análogas àquelas em Mato Grosso do Sul).VETORIZAÇÃO DAS GRAVURAS DO SÍTIO FAZENDA FIGUEIRINHA. em Andrei Isnardis e Vanessa Linke (2010) como Mato Grosso do Sul. prin. até Santa Catarina. e Mato das à Tradição São Francisco ocorrem. em Santa Catarina. mas aqui há. Paraná. também. Predominam as figuras geométri- cas. Em nosso duas categorias: uma Meridional. Prous desse tipo de animal (os camelídeos bolivia. pegadas de animais e linhas que se cru- naturais empreendidas naqueles tempos. há o desenho de um camelídeo. a incidência de re- presentações zoomórficas. com sítios estado. MS Rodrigo Luiz Simas De Aguiar 57 . mais recentemente. 24. nos municípios de Alcinópolis e tios dessa categoria em Tocantins e. (1992) classifica os sítios dessa tradição em nos são a vicunha e o guanaco). policromia. composta de gravuras que reproduzem ciais e as rotas de exploração dos recursos vulvas. pinturas estilisticamente relaciona. São Paulo. já zam. Existe uma unidade estilística na arte ru- o que nos leva a imaginar as relações comer. de Minas Gerais que foram classificadas por tendo como área de ocorrência os estados do ILUSTRAÇÃO 23 . agora. pestre.so.VETORIZAÇÃO DO PAINEL DOS “BONECÕES” ILUSTRAÇÃO 30 . Bahia e. MUNICÍPIO DE CORUMBÁ.

MS 58 A ARTE RUPESTRE EM MATO GROSSO DO SUL . diante das críticas aos atuais parâme- tros de classificação e das divergências entre autores. optaram por áreas tes (2004) para os petróglifos dos lajedos que onde a superfície é bem lisa e apresenta tom ocorrem na região do Pantanal de Corumbá. avermelhado uniforme. foram executados sulcos bem profundos. com ocorrências também em Goiás. inse. Grosso do Sul. predominam as formas geométricas. ILUSTRAÇÃO 34 . MUNICÍPIO DE ALCINÓPOLIS. nota-se uma admirável continuidade se comparadas àquelas da Tradição Geométrica no estilo e na técnica de execução. esses grafismos estão mais rela- cionados aos abrigos que propriamente às ca- vernas. Ao contrário da Tradição Geométrica. círculos e pontos com linhas retas e curvas. rido em uma intrincada cadeia de linhas. O motivo dominante é o círculo. tróglifo bem diferente daqueles associados à Antônio João e Jaraguari. predo- minantemente polidos. sendo que alguns sítios encontram-se Outros estilos de Petróglifos longe dos recursos hídricos. contudo. Nota-se que os Esta classificação foi proposta por Eremi. faz-se necessário o aprofundamento dos estudos da arte rupestre do Pantanal de Mato Grosso do Sul e a revisão cuidadosa das propostas de classificação. autores. Pedro Gomes. ocupando três painéis do sítio arqueológi- que outros autores preferem associar os pe- tróglifos de Corumbá com os do “Complexo Estilístico Simbolista Geométrico Horizontal”. essa área de Tradição Geométrica. que estudou a arte te contraste aos grafismos. estão sobrepostas a pinturas de outras tradições. o que confere bastan- Contudo. Até o momento.Ceará. tanto na técnica de exe- ocorrência deve ser significativamente amplia.VETORIZAÇÃO DE REPRESENTAÇÕES ANTROPO- MÓRFICAS PICOTEADAS – TEMPLO DOS PILARES. intencionalmente. em Alcinópolis. Em alguns casos. chama a atenção de na. rupestre dos lajedos de Corumbá em sua dis. na região de Ladário e Corumbá. bém aparecem algumas pisadas humanas e de em outras. mas com significativa ocorrência de figuras picoteadas em Lagoa Gaíva e Baía Ver- melha. 30. um estilo de pe- nos municípios de Alcinópolis. cução quanto nos atributos estilísticos. Girelli (1994). Em Mato Meridional (Ilust. ao passo em que. aqui as figuras Tradição Geométrica – Estilo Alto antropomórficas aparecem com mais frequ- Paraguai (?) ência. Goiás e Paraíba. Para a elaboração das figuras rupestres do Pantanal de Mato Grosso do Sul. A área de ocorrência desse estilo é peque- sertação de mestrado. De todas as formas. Paraíba e Rio Grande do Norte. foram encontrados grafismos dessa tradição Ocorre. em que os antropomorfos são raros. São fi- da com a intensificação das pesquisas (Ilust. 28 e 29). guras geométricas picoteadas que combinam 27. animais. Pará. Tam- há mais ênfase às pisadas. ainda que em frequência muito menor Contudo. A arte rupestre do Pantanal de Mato Grosso do Sul ocorre no entorno dos municípios de Co- rumbá e Ladário e nas regiões de Baía Vermelha e Lagoa Gaíva. Dependendo da região. 31 e 32).

conse. Há muito pouco conhecimento acerca dessas não podem ser entendidas nem como des- manifestações rupestres. áreas então disponíveis. Contudo. as sobreposi. e expandiram e grupo étnico. sem não necessariamente ocorra no campo da limitações de caráter cronológico” (FUNARI. re- autores mais recentes ocuparam as bases dos side na questão de vinculação entre tradição painéis. 36 e 37). para cum. terializar o imaginário pode se dar por meio prir sua missão maior. resultando na sobreposição dos tridáctilos diar o estudo das populações pré-históricas aos motivos picoteados (Ilust. nem como continuidade desses grafismos poderão ser inseridos em tra. social das populações pré-históricas que tran- quentemente. a arqueologia não deve de pinturas corporais. que engloba o universo imaterial das confere aos mitos sua qualidade pictórica. portanto. volátil ante a enorme dificuldade de subsi- gas. A tematização da pelas sociedades humanas como parte de é sempre pictórica. e também por meio de frequenciais. 33 e 34). cultura material. ainda que sua expressão uma cultural total. Intencionalmente. o caminho para a concepção Grosso do Sul são um testemunho desse uni- desse conhecimento mais antropológico da verso imaterial que movimentava a vivência pré-história ainda está em formação e. verdadeiras peças teatrais. Reflexões finais Simbolizar é uma condição humana. quadrúpedes variados e peixes. feição ao abstrato. pois o atual quadro arqueológico dições na forma de subclassificações ou. mas precisa. A polêmica. relações sociais e das dinâmicas de ocupação mesmo que essa “pintura” só ocorra no cam- territorial. como visto. a situação fica bem mais antiga que a Geométrica Meridional: os mais complicada. po do ordenamento das ideias. O ato de representar e ma- 2006). Por outro lado. Contudo. toda e qualquer discussão a esse respeito não pode ser sim- plesmente negligenciada. os autores – ainda que somente no campo estilísti- desse estilo elaboraram as figuras geométricas co – e as transformações testemunham as associadas a uma gama de figuras zoomorfas. ainda. Com o tempo. pretações hermenêuticas. grafismos rupestres. aproximando-se do que se deno. 35. em uma primeira instância. sitavam por essas planícies e montes do Brasil Se a análise cosmológica entre sociedades Central. investir em pesquisas que marquem as con- tinuidades e transformações das tradições Outros estilos de pinturas geométricas rupestres entre os diversos complexos arque- ológicos nacionais pode ser um caminho de- Aparecem em vários sítios de Mato Grosso veras profícuo. imerso em controvérsias. Entende-se. do Sul motivos geométricos majoritariamente As continuidades marcam vinculações monocrômicos. É-nos inerente a necessidade de materializar e dar Segundo Pedro Paulo Funari. a arqueolo. alguns vinculação étnica. As imagens representam uma comple- contemporâneas é possível por meio de inter. conclusão. para além da cultura material. também. mina “arqueologia antropológica” (GAMBLE. material e imaterial. quando se trata de ções identificadas indicam que essa tradição é tradições arqueológicas. nacional não nos permite atingir tal nível de compor novas proposições (Ilust. o que resulta em argumento os grafismos por sobre as gravuras mais anti. se limitar a estabelecer análises tipológicas e padrões em cestarias. adaptações às particularidades regionais. As como pássaros. xa pauta de conduta que rege a relação do ser Rodrigo Luiz Simas De Aguiar 59 . se move na esfera das ideias.co Templo dos Pilares. adaptada. As pinturas rupestres do estado de Mato 2001). A dramatização ra total”. convertendo-os em relações dos dados apurados com essa “cultu. Por outro lado. transformações. que. buscar as uma cenografia dos mitos. representando tudo o que gia estuda a “totalidade de material apropria.

tenha novas proposições a serem debatidas no pestre em nosso estado ainda estão na fase de cenário nacional no que concerne à arte rupes- inventário dos sítios e de elaboração de tipo. flora e eventos perpetrados na vida des. do conhecimento acerca da arte rupestre. espera-se que. Os trabalhos de arqueologia ru. se to-grossense. 60 A ARTE RUPESTRE EM MATO GROSSO DO SUL . para os próximos anos. ou seja. tudo. na primeira etapa da produção fauna. reproduzindo logias. tre de Mato Grosso do Sul. Con- ses homens e mulheres da pré-história sul-ma.humano com seu meio natural.

que não dista mais na beira do rio Paraná. as quais obstaculizavam a assentamentos passagem dos bandeirantes paulistas ao tem- po da corrida do ouro de Cuiabá. percorrendo os mu- res ceramistas encontrados pelo colonizador. por ocasião de uma visita a Coxim. tanto no levantamento inicial de uma área de aproxi- período dos caçadores. 1996). dentro entre os anos de 1985 e 1989 pela equipe do desse quadro. Marco Aurélio Nadal De Masi. A referência básica para o estudo último. O planalto do nordeste de Mato Grosso do so do Sul faz parte do amplo movimento de Sul teve sua primeira pesquisa arqueológica ocupação inicial da América do Sul e. Alto Sucuriú e Três Lagoas. Nenhum desses sítios sofreu qual- (SCHMITZ. Com isso. ROSA. A coordenação geral do projeto foi de margem direita do rio Paraná. mapuã. SILVA. que dista um pouco mais e gravuras.. fo- dores ceramistas é a tradição Aratu. O planalto do nordeste do estado encontra-se Ellen Veroneze e o coordenador. 1997. BE. em Costa Rica e Coxim. nicípios de Costa Rica. madamente 20. José do povoamento dos cerrados do Brasil Central. O grande sítio cerâmico na pesquisa. Os antigos caçadores do planalto de Mato Grosso do Sul de 10. assentamento cerâmico da tradição Guarani lis. Pedro Ignácio Schmitz • Marcus Vinicius Beber • Ellen Veroneze 61 . Pedro Gomes. um afluente da Lagoas.000 km². ele se diferencia das outras regiões Paranaíba. localizado um grande assentamento cerâmico 2004). 1982. SCHMITZ. no bioma dos cerrados do Brasil Central e As atividades do projeto consistiram no partilha as culturas ali desenvolvidas. foram encontrados os vestígios de um de seus caçadores é a região de Serranópo. a referência básica para seus cultiva. no município de Ca- de cem quilômetros (SCHMITZ.500 a 6. Copé. de Mato ram visitados pequenos abrigos com pinturas Grosso de Goiás. quer intervenção dos arqueólogos envolvidos GONZÁLEZ. Neste do estado. Não se trata ali Pedro Ignácio Schmitz. As datas Instituto Anchietano de Pesquisas. da tradição Aratu. os trabalhos de cam- de uma ocorrência isolada. integra hoje o município Paraíso das Águas). deve ser considerado. Lorenz Silva. mas da extensão po foram executados por Sílvia M. 1983. O povoamento indígena de Mato Gros. foi BER. BITENCOURT. como dos cultivado. Centro Universitário de Três nos campos do Alto Sucuriú. no sudoeste de Goiás. WÜST. WÜST et al.700 anos atrás Pedro Ignácio Schmitz Marcus Vinicius Beber Ellen Veroneze A busca e caracterização dos do grandes aldeias. de Camapuã mostra que os cultivadores da No município de Paranaíba (em local que tradição Aratu chegaram até ali estabelecen. Coxim. em con- mais antigas correspondem ao final da última vênio com a Universidade Federal de Mato grande glaciação mundial e são encontradas Grosso do Sul.

cujos pisos estavam se- 62 OS ANTIGOS CAÇADORES DO PLANALTO DE MATO GROSSO DO SUL . afluente do rio Paraná.60 m de lio Nadal De Masi. que.50 m. 03 e 04 estão junto à das de criação de gado bovino. Os sítios estão localizados em duas fazen. 39). com levantada. foram lítico (de pedra ou rocha) e pequenos frag- distribuídas algumas dezenas de cópias. poderia haver mais As siglas que identificam os sítios são com- assentamentos a céu aberto. na Fazenda Pedra Branca. medindo José Luiz Lorenz Silva desenhou as vistas dos 16. 38). to nos abrigos. Ellen Veroneze No piso da área coberta. além de uma estação chuvosa e outra seca. Permanecem reservas de mato junto aos mental de pedra. 1. houve maior investimen. datações por C14. nos quais estão os abrigos. na porção superior Paranaíba externa do abrigo. foi realizada co- (1993) juntou os materiais do projeto.90 m de profundidade. que não a pesquisa não teve a divulgação merecida foi possível classificar. Pedro Ignácio Schmitz organizou e re. denominadas margem esquerda do Córrego Pedra Branca. hoje campos de pastagem nos salões subterrâneos. gem esquerda do rio Sucuriú. de 1 a 5.50 terpretou e apresentou como sua dissertação m x 1. abrem-se vários floresta-galeria. provenientes do corte. localizado em material resultante e fez os croquis dos sítios. As coletas e os cortes estratigráficos foram O sítio MS-PA-01. tém uma borda enterrada. Nas camadas de 170 pela importância dos resultados. Na área. man- na superfície plana da chapada. os in. duziu as pinturas e gravuras. PA = ceis de localizar na uniformidade do terreno. apareceu carvão. O material escavado marca passagens rá- Os sítios arqueológicos do município de pidas do homem. conservados. Sucuriú. Paranaíba e o número que indica a sequência coberto por pastos de fazendas de criação. resumo pode minorar essa deficiência.50 m de abertura. pequenos abrigos junto a blocos isolados ou MS-PA-O2. Formam um conjunto que se destaca de comprimento por 84 m de largura. 40 m de altura. O presente a 190 cm. que também analisou o altura e pouca profundidade. em blocos da mes- dianos de 52º9’44” e 52º56’15” W e os para. na Fazenda Ferradura. O afloramento mede 270 m Geral. Os sítios MS-PA-02. postas por MS = Mato Grosso do Sul. Ao todo. é executados ou supervisados por Marco Auré. entre os meri. na alta bacia do rio afluente da margem esquerda do rio Sucuriú. a outra exposta e te coberta por Savana Arbórea Aberta. Marcus Vinicius Beber (1995) superfície e nos níveis de 40 a 70 cm de pro- retomou as pinturas e gravuras e fez com elas fundidade. Nesse primei. um abrigo de 6. leta de material superficial e um corte de 1. Ferradura e Pedra Branca.foram localizados quatro abrigos rochosos quais circulam brancos rebanhos de gado ne- com pinturas. originalmen. algum artefato sua dissertação. em coletas de material mente 400 m e o clima é Tropical Úmido com superficial e cortes estratigráficos. Penetrando nesta. Ele dista 420 m da mar- sítios. rochosos. bem ro estudo da área. novamente carvão e algum lítico. mas eles são difí. lore. bloco isolado de arenito Botucatu. foram recolhidos 105 objetos líticos. separados lelos de 19º9’44” e 19º19’16” S (Ilust. nada característicos. ma formação arenítica Botucatu. gravuras e abundante instru. Na de mestrado. que foi parcialmente metamorfoseado por durecida por contato com basalto da Forma- uma cobertura de basalto da Formação Serra ção Serra Geral. Dessas dissertações. até 1. mas mentos cerâmicos muito erodidos. deixou interessante painel pintado (Ilust. a “Casa de Pedra”. encontra-se afloramentos de arenito da Formação Botuca. num afloramento de arenito com superfície en- tu. São pela erosão. de seu achado. o qual resultou na cópia das A altitude da chapada é de aproximada- pinturas e gravuras. além de um pequeno sítio cursos de água e protegendo os afloramentos cerâmico da Tradição Guarani.

1985) Pedro Ignácio Schmitz • Marcus Vinicius Beber • Ellen Veroneze 63 . ILUSTRAÇÃO 38 .O BLOCO DO SÍTIO MS-PA-01 E A PINTURA DO ABRIGO (SILVA. I.LOCALIZAÇÃO DO PROJETO E DOS SÍTIOS ESTUDADOS (ELABORAÇÃO P. SCHMITZ) ILUSTRAÇÃO 39 .

as pinturas em partes mais duras e guiu transportar. basicamente por areia e silte.90 m de comprimen. que diferiam na além da ligação com o salão 1.70 m de largura e 2. do aflora. por onde entra mais luz e a água da O afloramento arenítico apresenta cinco chuva.meados de artefatos de pedra. O quarto salão.50 m de comprimento e da fazenda de criação.00 m luz e a água das chuvas penetram nos salões por 19. tura para o exterior através de um hall. que entra pelas aber. pelo qual também penetra água. O quinto salão mede 36. foram documentados pelos acessos ao exterior e. lões. como turas do teto e pelo acesso do exterior. não se observaram do o crescimento de árvores em algum deles. que só está internamente mento é plana e falhada. mede 15. superior. Nele. compostas primento. pouca ventilação.90 m de largura. 20. que seria fundamental dos outros. que parte central deste. pelas falhas na rocha. um afloramento de água forma pequeno m. mede 21. em 21 níveis de 10 cm de es- O segundo salão. Pinturas que se pelo espaço e pelas camadas. que aproveitam a luz e a água que entram da água continua perceptível. salões subterrâneos interligados (Ilust. 46). além de carvão por 9 m. no hall de entrada. a parede mostrou ligado ao primeiro. ela se fossem prateleiras. que resultou em 35. iluminando-os e até possibilitan. de 1 m x 1 m. de 15 Nos primeiros oito níveis. 3. 64 OS ANTIGOS CAÇADORES DO PLANALTO DE MATO GROSSO DO SUL . no teto. predominantemente foram localizados 14 painéis de pinturas ou grandes. 40). Nos salões 1 e 2. culas de 2 m por 2 m. foi escavado um corte parando os mais leves dos mais pesados. É completamente escuro e com subterrâneos. as paredes com trados 13 painéis de pinturas e gravuras. crescem árvo. aparecem galhos e folhas secas. a terior.50 m. para o exterior. nem abertura no teto.300 m. num total de 114 quadrí- para o exterior.80 m de com. o rio Sucuriú. indicam o transporte dos sedimentos pelas cos caídos do teto. mede 19. Acabado o corte. existem também nichos elevados. os objetos pequenos. a ação res. depois de cruzar o quatro painéis de pinturas. mas a ação por grandes aberturas do teto. pinturas ou gravuras. sem acesso direto ao ex- vegetação espinhenta. espaço.40 m de altura. vez com sobreposição das duas técnicas. 39). Nos níveis médios e 15. A superfície externa. São quatro seus painéis de pintura. que o mantém parcialmente tes nativos. se. 13 camadas de deposição natural. foi realizada coleta do ma- O primeiro salão. Nele. que tem estreita abertura terial de superfície. até grande pro- encontram parcialmente enterradas testemu. águas que entram pelas aberturas do teto e nas paredes do salão.10 m de largura e 4 m de altura. Também possui grandes aberturas m deste sítio. O movimento das águas gravuras mal conservadas. deve ter sido importante em todo o tempo. 8. nos quais os antigos ocu- movimenta os sedimentos. Mede 22.00 m por 21. cor e em algumas inclusões (Ilust. O terceiro salão está ligado ao salão 1 e ao mas terá aumentado consideravelmente com salão 4 e não tem entrada independente para o desmatamento do entorno para a instalação o exterior.90 lões. profundos do depósito arqueológico. sobre os quais há gravuras. fundidade (Ilust. as gravuras nas menos con. foram regis. mas tem uma abertura de 28 m para o abastecimento de água pelos ocupan. Poucos metros à frente da entrada dos sa. que está internamente pessura. deixando longos pantes deixaram numerosos artefatos. Nele. Na e lascas. tem uma aber. Dentro dele. apresenta menor intensidade. desaparecem em sumidouros existen- existem sete painéis de pinturas e vestígios de tes nos salões 1 e 4. alguma muitas pinturas e gravuras. objetos de pedra lascada. que a água selecionou e não conse- gravuras. O Córrego Pedra Branca dista 960 iluminado. com galhos e folhas ela transportou e distribuiu solidadas e mais irregulares. junto lisas da parede. veem-se três grandes blo. No primeiro salão.237 to. com alguns tufos de ligado ao terceiro. Em várias paredes dos sa- nham a ação da água. sulcos no piso e selecionando os artefatos. não mantém comunicação com nenhum charco permanente.

70 anos cerâmicos. os objetos em pedra plaquetas de arenito silicificado. par. este em parte produto humano.110 anos A. 480 +.P.P. era especial. desprendi- somam 28. (Beta 47240).) (Beta 22634). o nível de 140-150 cm pedra. antes do Presente (A. 1990) Em todos os níveis do corte. inclassificáveis. de 130-140 cm data de 10. Pedro Ignácio Schmitz • Marcus Vinicius Beber • Ellen Veroneze 65 . data de 10.70 anos mente abundante o carvão e o material de A. ILUSTRAÇÃO 40 .340 +. o nível No depósito mais profundo. foi encontra. O ní- recuperados também pequenos fragmentos vel de 120-130 cm data de 10.157 peças.090 +.P. No nível 1 e 4 foram das do teto. Estes níveis foram datados. (Beta 22635). cialmente formado por inúmeras pequenas do carvão de fogueiras.CROQUI DO SÍTIO MS-PA-02 COM A INDICAÇÃO DOS SALÕES E DOS PAINÉIS DE PIN- TURAS E GRAVURAS (DE MASI.

VISTA E CROQUI DOS BLOCOS C1 E C2 DO SÍTIO BLOCOS DO A3. 1985) MS-PA-04 (DE MASI.O INTERIOR DOS SALÕES 01 E 02 DO SÍTIO MS-PA-02 MOSTRANDO A DENSIDADE DO MA- TERIAL LÍTICO ENCONTRADO NA SUPERFÍCIE E O PERFIL DO CORTE ESTRATIGRÁFICO REALIZADO NA QUA- DRÍCULA A3 (DE MASI. E VISTA DE CONJUNTO DO BLOCO A (SILVA. 1990) ILUSTRAÇÃO 42 . ILUSTRAÇÃO 41 .CROQUI DO SÍTIO MS-PA-04 SEM DISTINGUIR OS ILUSTRAÇÃO 43 . 1990) 66 OS ANTIGOS CAÇADORES DO PLANALTO DE MATO GROSSO DO SUL .

580 a 12. 49. As cama- das superiores. anos A. de coloração avermelhada (oxidada). A variação de cor e conteúdo das 13 camadas de deposição natural foi interpre- tada por De Masi em termos de ambiente e clima. calibra- painéis de pinturas. Na ilustração 11. indica- ria mudança climática na transição para um período mais quente. está representada uma dessas gravuras. trabalho anterior provavelmente se devem ram ao abrigo e. indicaria clima semiárido. marcada pela queda de blocos e a presença de laterita.110 anos A.390 a ção intensa e duradoura do lugar. KASHIMOTO. 2012). o material dos nichos nas paredes correspondem a momentos posteriores do Holoceno. no salão 2.980 anos A. do MuArq/UFMS. que nunca mais teriam a densidade da camada 10. no final da úl- ILUSTRAÇÃO 44 . a 140-150 cm. em conjunto idade de 12. talvez. caracterizaria período bas- tante seco. no fi- nal do último período glacial mundial. ou final do Pleis- toceno. fizeram uma mais a uma nova calibragem usada pelo escavação de 22 m2 até a profundidade de laboratório do que a uma idade realmente 2. Neste novo livro.660 a 12. PAINEL 1 tima glaciação mundial e o começo de um período mais quente e úmido. com a qual confirmaram os dados maior. (Beta-304052). (Beta- com os outros materiais. Os níveis datados representam o primeiro povoamento indígena da área. da pesquisa anterior.50 m.P. correspondente ao final da última glaciação mundial. e 20 painéis de gravuras. (Beta-304051) (MARTINS. voltaria o clima anterior à que- da de blocos. encontram-se ricamente Pedro Ignácio Schmitz • Marcus Vinicius Beber • Ellen Veroneze 67 . elas provêm de camadas parecidas. o material de superfície e. a idade de 12. A espessa camada 10. conseguiram novas datas. A camada 12. impossíveis de definir por causa das perturbações causadas pela água. sem data conhecida. A camada 13. Em profundidades pa.Nesses níveis. o Holoceno. mas com significativa redução do material lítico e do carvão. volta. 304050). Gilson Martins e Emília datas do novo trabalho com relação às do Mariko Kashimoto. do começo do Holoceno. a 150-160 cm. foram documentados 27 recidas.PINTURA DO SÍTIO MS-PA-04. Na camada 11. No sítio MS-PA-02. correspondentes a vários das: a 125 cm. estava centrada a ocupação indígena.P.P. do começo do Holoceno. mais profunda. A diferença entre as Recentemente. com laterita e óxidos de ferro. A camada 8. a idade de 12.480 períodos cronológicos. com grande quantidade de carvão e material de pedra. indicaria clima mais quente e úmido. BLOCO A2. que. A camada 9 mostraria continuidade com a 10. a de cronologia desconhecida. testemunham a ocupa.

43). tem um pequeno abrigo e dois cos areníticos dispostos em triângulo. havia muitos grandes blocos caídos. A1 mede 25. A3 é um conjunto de cinco pequenos blo- cos. juntos.30 m. período de máximo calor e umidade na pinturas nem gravuras. Ele se compõe de (SI-6956) e o nível de 90-100 cm. do entre si de 330 a 660 m.50 m de largura e contém cinco grandes painéis de pintura. medem 64. A2 mede 9.90 m MS-PA-04 compõe-se de três grandes blo.P. meroso material lítico.50 m. Em todos os ilustradas a escavação. painéis de pintura (Ilust. O bloco B compõe-se de B1. níveis.P.430 +- dois pequenos abrigos.PINTURA DO SÍTIO MS-PA-04. medindo 20. PAINEL 2 abrigo. 90 m. de 7. com quatro painéis de pintura e um de gravuras. do mesmo afloramento a que 70-80 cm foi datado de 6. Foram recuperados 1. nenhuma cerâmica nem car- vão adequado para uma datação.50 m de largura e têm três pai- néis de pinturas (Ilust. o segundo. 90 m. B2.20 complemento do sítio anterior. ocupação humana densa. que tornavam exíguo o espaço de escavação. foi realizado um corte estratigráfico de 1. o primeiro com 11. com ção do MS-PA-02 e anterior ao “Ótimo Climá- 12 m de comprimento e 5 m de largura. As datas mostram uma 50 m de comprimento e 2 m de largura. pertence o sítio anterior. 42). tem um pequeno abrigo e 600 m do Córrego Pedra Branca.40 m por 12. O sítio dista m por 66. que. BLOCO A2.597 objetos de pedra. O Córrego de No sítio MS-PA-04. quatro painéis de pintura. foram PA-02. No corte. junto à parede. sem tico”.00 m de comprimento por 7.60 m por 50.10 m. com sete painéis de pin- tura.710 +.50 m de compri- mento por 55. A2 e A3.00 m de largura e contém quatro painéis de pintura. No total do corte. que alcançou 210 cm de profundidade. por 15. em níveis artificiais de 10 cm. posterior à ocupa- com dois painéis de pintura. O corte não permite caracterizar a ocupação do lugar. C2 mede 21. total de 35 painéis de pinturas e 1 painel de 68 OS ANTIGOS CAÇADORES DO PLANALTO DE MATO GROSSO DO SUL . O nível de x 125 m. havia grande quantidade de carvão. foi reali- zado um corte estratigráfico de 2 m x 2 m. as pinturas e os ma.20 m de comprimento por 21. C1 mede 76.100 anos A. distan. A ocupação parece ter sido ocasional. foi documentado um Água Branca está a 160 m. O bloco A subdivide-se em A1. cos de arenito silicificado. medindo 54.50 m x 1. (SI-6955). em frente a um pequeno ILUSTRAÇÃO 45 . Diante do painel 2. níveis mais profundos também continham nu- O sítio MS-PA-03 dista 180 m de MS. 65 anos A. Nenhum material de oscilação climática do Holoceno. 44). até 110 cm de profundidade. Junto ao bloco B1. superfície foi encontrado e nenhum corte O bloco C é formado por dois grandes blo- feito. Os teriais (Ilust. em níveis artificiais de 10 cm. está num bloco rochoso de 300 m recolhidos 5.017 objetos de pedra.

transfor. mas pouco úteis para de- finir a produção e estabelecer a comparação com tradições tecnológicas definidas para ou- tros grupos de caçadores indígenas do Brasil. Corresponde à transição do Pleis- gravuras. Cronologicamente. novamente tem pouco material. que é predominantemente o arenito. te. po- dem ser observados três horizontes na ocor- rência do material lítico. A matéria prima dos artefatos vem dos afloramentos rochosos nos quais os abrigos estão formados. 48 e 49. frio e seco para um mais quente e úmido. ca. corte estratigráfico. corresponde ao começo do Holoceno. SALÃO 1. ocupação (SCHMITZ. com exceção de alguns artefatos com retoque bifacial e uma ponta de projétil. O terceiro horizonte. Os instrumentos produ- zidos são predominantemente da família dos raspadores e das facas: são lascas com retoque unifacial. PAINEL 1. junto a uma nascente. é um sítio segundo horizonte. ao nível 10. 2004). anteriormente. BLOCO C2. fora de sua disposição original. abrangendo os níveis 21 a 16. Na vam as mesmas datas e a mesma densidade de borda desse espaço. também chamada unipolar. volta ao mesmo lugar. tem ocorrência maciça de ma- de do terreno. havia um pequeno blo. na base do BLOCO 2. no alto. pira- midais ou globulares. ex- clusivamente. ROSA. sem regularizações ulteriores. de um período mais são apresentados painéis de pinturas do sítio. área antigamente coberta por terial lítico e carvão. EM BAIXO: GRAVURA DO SÍTIO MS-PA-02. O primeiro horizon- ILUSTRAÇÃO 46 . Os artefatos em pedra Os objetos líticos recuperados nas coletas superficiais e nos cortes estratigráficos são muito numerosos. usando a técnica de percussão direta. e os fragmentos cerâmicos estavam polis. Os retoques são brutos. pela produção de lascas longi- tudinais. que entrava pelas abertu- ras do teto. testemunhando conti- mata-galeria. se não considerarmos o da superfície e dos Pedro Ignácio Schmitz • Marcus Vinicius Beber • Ellen Veroneze 69 . ou frequente de pequena cachoeira no Córrego Pedra Bran. mais ou menos silicificado. Nas ilustrações 47. onde se obser- dispersos. produção de artefatos.EM CIMA: PINTURA NO SÍTIO MS-PA-04. em suave declivida. tem pouco material. na mesma fazenda. abrangendo do mostrando que aquele ponto era um lugar de nível 10 ao 1. Tem mada em patamares para plantação de arroz um perfeito paralelo em abrigos de Serranó- irrigado. toceno para o Holoceno. O MS-PA-05. esta encontrada na superfície. Toda a área fora. a céu aberto. O conjunto de artefatos caracteriza-se. Os núcleos resul- tantes desse lascamento são prismáticos. a 100 m nuidade de ocupação humana. no sudoeste de Goiás. BITENCOURT. que abrange do nível 15 cerâmico. No corte realizado no sítio MS-PA-02. este provavelmente migrado de níveis superiores sob a ação da água. co de arenito com muitos fragmentos líticos.

mas a falta de material diagnóstico e As pinturas estão em paredes lisas. aparecem fragmentos antecedem o “Ótimo Climático” e revelam. a amento mais intenso. ROSA. Ambos indicam a passagem humana. mostram certa continuidade de atribuir a um momento determinado. sítio arqueológico. na qual a maioria dos ar- a três períodos climáticos distintos. com maior presença em paredes e blocos com certa consistência. nem o período do Holoceno ao qual que. antes da entrada do contexto pela água.700 anos deposição original desse horizonte. Os níveis 7 a 2. O Alto Sucuriú e Serranópolis podem tível com o “Ótimo Climático”. As mais elaboradas estão marrom-avermelhada. Os raspadores laterais com seção plano-con- camente ao Holoceno. caracterizado por gran. Formam sentamentos do local e da região do planalto. pouco representados. painéis de composições de tamanhos varia- Concluindo. mais duradouro e mais ocupação humana dos abrigos fica impercep. em ambiente parecido. cerâmicos em abrigos. As pinturas e gravuras pação indígena. denotando passagens novamente. dos. com ocorrência ma. sem precisar algum de vexa caracterizam bem essa ocupação. Ele apresenta uma ocu- Una. As A entrada do Holoceno marca o início do gravuras concentram-se no MS-PA-02.nichos nas paredes. com ção Tupiguarani. não caracterizam uma ocu. que teriam tefatos são fragmentos de rocha com retoque. No instante final. apresenta povo- correspondem. Por causa da destruição de seu Três mil anos depois. os ocasionais visitantes ceramistas indígenas. em abrigos e blocos. Também em Serranópolis. Ele corresponde generi. marcada por um nível de blocos caí. No Alto pação durante muitos milênios por caçadores Sucuriú. variado. retornando ser pensados como um só povoamento. atingi.. dos e distribuem-se pelos espaços disponíveis mos a passagem do Pleistoceno para o Ho. biscos. Os níveis 11 a 8. A partir do “Ótimo Climático” o povoa- O corte no sítio MS-PA-04-B1 não alcan. influenciado diferentemente a ocupação indí. não há evidências definidas de ocu. Os raspadores laterais com seção plano-con- gena do abrigo e a formação dos depósitos do vexa têm continuidade nesse horizonte. indicando clima mais as menos elaboradas. verticais. observa-se nova ocupação humana de que estes três horizontes estejam relacionados certa intensidade. As pinturas e gravuras. seus períodos. de datas impede sua relação com os outros as. As gravuras foram realizadas por fricção. simples ra- úmido e quente que o anterior.400 e 6. planas. ou frequente volta ao lugar. O material de superfície é difícil ciça de material. mento humano torna-se menos perceptível çou o começo do Holoceno. povoamento humano. vido à insignificância de seus restos. tratigráficas. podem estar em superfícies moles. No corte 1 do MS-PA-04-A2 e no corte 1 do MS-PA-01. pação. na maior parte das de abundância de material lascado em pedra. nada nos diz a respeito da “Ótimo Climático”. como o do sítio em termos de material lítico nas camadas es- anterior. 2004). de bom grau de dureza. às vezes. os grupos ceramistas estão muito dos abrigos não puderam ser identificados de. Supõe-se A. dos cerrados do Brasil Central. um povoamento paralelo ao dos rápidas de visitantes não identificados e uma abrigos de Serranópolis (SCHMITZ. pequena aldeia ou acampamento de popula- BITENCOURT. nem das camadas inferiores para uma coloração sempre regulares. de ocupação. entre 7. com muito mais tarde com uma ocupação esparsa diferenças resultantes do uso de disponibili- de grupos horticultores da tradição cerâmica dades diferenciadas. e pela mudança da coloração vermelha em suportes verticais ou horizontais. Esta sequência é paralela à de Serranópolis. nos cortes realizados.P. foram produzidas com o executor em 70 OS ANTIGOS CAÇADORES DO PLANALTO DE MATO GROSSO DO SUL . vezes. de matéria orgânica. loceno. pouco material.

se- melho e amarelo. identificam por ocre e amarelo. no sudoeste de Goi- biomorfas com tonalidade bordô. 218 são de cor bordô ou vinho. SILVA. costuma ser bordô. ou de 8. a população que as produziu e delimitam o Tomando como referência a sobreposição território dentro do qual ela se pode mover de figuras e de painéis. É a seguinte: as que cobre o final do Pleistoceno e os 10. e estratos formam um todo. regis. Movimento e As pinturas e gravuras não podem ser dis- composição cênica estão ausentes. sem produzir figu- dos olhos. testemunhas de um povoamento indígena mas sem garantia de veracidade. de pequenas depressões semiesféricas. geralmente ás.000 e 7. por isso. ou vinho. quem veio primeiro.000 anos antes do Presente (A. nele. bastante desbotadas. As figuras geométricas monocromáticas. A relação Os blocos areníticos do Alto Sucuriú são com as datas de C14 dos estratos é tentadora. o povoamento parece ter sido ocasional. que não são lineares. Das mo. os painéis com figuras sentada em Serranópolis. Por outro lado. Podem vir acompanhadas A maioria dos painéis de pinturas é com. domésticos. respectivamente suas paredes para torná-los habitáveis e reco- de 10. A ocupação do período estratos menos marcados e materiais de superfí.). Considerações finais A sequência aqui sugerida para as pinturas não nos dá sua cronologia absoluta. quenos antropomorfos. sob a forma de pisadas e de pe. sendo. uma associação perfeita: pinturas. a ocupação indígena.000 anos atrás. posta por figuras lineares. gravuras nocromáticas. em caso As pinturas e gravuras do Alto Sucuriú fa- de sobreposição. As pinturas e gravuras Das bicromáticas. bicromáticas. cas. na totalidade das representações. se a pintura ou a gravura. O habitante desse local não só vi- deriam aos dois momentos de ocupação. 1997). apresentam elementos biomorfos ras.pé sobre o chão. BEBER. do Brasil Central. mas pintou e riscou trados no sítio MS-PA-04 e 02. que se apro- ou riscando o suporte à altura do seu peito ou ximam. que está muito bem repre- tios. com segurança. mais recente é difícil de identificar porque. percebe-se que as re. geométricas ou Existem ocasionais sobreposições de pin- livres. de poucos turas sobre gravuras e de gravuras sobre pintu- painéis. vel e parece ter sido mais intenso na primeira iam a passagens posteriores. ainda bem viva. mas preenchidos. 3 guros para as gerações sucessivas. 11 são formadas por ver. tornam os abrigos habitáveis. pintando estreitos com tendência retilínea. mas essas sobreposições não nos ajudam estilizados. sociadas dos estratos e dos materiais neles en- Pela cor. eventualmente sobre uma Essas gravuras são compostas por sulcos plataforma rochosa mais elevada. a definir.000 a 4. veu nos abrigos rochosos. encontram-se em posição zem parte da ocupação de caçadores antigos inferior às outras. costumam aparecer sobre as com as mesmas datas e o mesmo estilo geo- geométricas bicromáticas ou monocromáti.P. cie mais difíceis de reconhecer e datar. Esse povoamento é mais perceptí- As variações biomorfas em bordô relacionar-se. mesmo que não consigamos fazer em monocromáticas e bicromáticas. as pinturas podem ser agrupadas cerrados. metrizante de pinturas e gravuras (SCHMITZ. 4 por bordô e amarelo. Somente algumas figuras. os estratos preservam os resí- presentações mais antigas são as geométricas duos materiais do assentamento. onde temos um povoamento semelhante. ver- melhas ou em tom amarelo-laranja. ras identificáveis. a 6. que testemunha 171 vermelhas. de Cristo. Pedro Ignácio Schmitz • Marcus Vinicius Beber • Ellen Veroneze 71 . nhecíveis. ocupam uma posição intermédia. Aparecem em todos os sí. que teriam deixado metade do Holoceno.000 antes cromáticas de tonalidade vermelha correspon.000 composições geométricas bicromáticas e mono. A tonalidade dessas figuras ou se são contemporâneas. juntam ou cruzam. 29 em tom amarelo-laranja. consideradas posteriores.

as pinturas e as gravuras. chosos. infelizmente. ora em outro. indígenas atuais. e as pinturas indi. e mais outras próximas. num povoa. a tecnologia. Quem eram essas populações e quem fo- tudados. nativas. A ele vol. mostrando que o povoamento é mais Nas camadas superiores dos abrigos. que estão na base das populações lhantes aos materiais e datas da “Casa de Pe. estavam as mesmas marcas de ses estratos nos informa sobre o tempo em sua identidade. que ocupam espaços naturalmente produzida com menor riqueza. entretanto. sugerem râmica Guarani. dentro de um deixando novos estratos no solo e novas pin. podemos pensar as chapada sem mais acidentes. território de uma população que ora acam- taram sucessivas gerações. no qual a cultura foi re- çadoras. De fato. A 30 km do conjunto de blocos aqui es. a jeitas à perturbação pela água. todos eles. tornando-os habitáveis com a rea. neceriam mais tempo. amplo. A 100 km. cujo referencial são as férteis que a população partilhava um espaço mais várzeas e terraços do rio Paraná (KASHIMOTO. ma autêntica e apropriada a esse ambiente. como o do Alto Sucuriú. Ali. e gerações sucessivas cam mudanças de estilo. 72 OS ANTIGOS CAÇADORES DO PLANALTO DE MATO GROSSO DO SUL . porque. recolhidos também alguns fragmentos cerâ- Esse espaço. numa grande caçadores holocênicos. ção. espaço periférico. Esse pequeno sítio e os fragmentos cerâ- foram estudados quarenta abrigos rochosos.incluindo acampamentos e visitas de grupos mento muito mais denso. como refe- ça de estilo com a passagem do tempo. população caçadora. perma- que estiveram presentes. A datação des. micos da superfície de abrigos correspondem a maiores e mais cômodos. 44. lização de pinturas e gravuras. por semelhante ceramistas. central brasileiro. Eles são testemunhas de um povoamen. Considerando o caráter de mobilidade dos ver diversos abrigos próximos. em turas e gravuras nas paredes. e. que. ser mais bem caracterizadas. ou milênios. foram amplo do que parecia à primeira vista. Dentro desta caracteriza- nito. na margem do rio Sucuriú. remos. não nos conseguem para a sobrevivência de uma população que revelar sua identidade e pertença. durante todos esses aberto. poderiam julgar um conjunto de abrigos ro- sentar grupos diferentes. como os acampamento. pava num lugar. em ambiente parecido. que podem repre. mas de for- abrigados. como o ações do povoamento nesse lugar. concentrou as duas áreas. Serão sempre populações anônimas. ou simples mudan. a céu só vivesse nesse lugar. foi registrada uma pequena aldeia. de agricultores da tradição ce- artefatos. tornando-as curiú estão agrupados em pequeno espaço padrão para amplos espaços do planalto marcado pelo afloramento de blocos de are. Suas camadas estiveram mais su. onde recuperaram materiais e datas seme. Martins ram seus descendentes diretos nunca sabe- e Kashimoto (2012) escavaram outro abrigo. dra”. 2007). durante milênios. as pinturas e gravuras puderam Os poucos sítios pesquisados no Alto Su. já não lhes era favorável (Ilust. rência para sua identidade. que apresentam esporádicas explorações de um ambiente que características semelhantes. 45 e 46). o Alto Sucuriú apresenta-se como um to característico de populações indígenas ca. cronologia. Em alguns lugares. O fato de ha. tanto as datas. seria pequeno micos. espaço no qual se sentia segura.

as quais. o que significa que os conforme a Portaria 039/07. NEVES. MERON. 2009). 7   Um palimpsesto é um pergaminho antigo que foi no que se refere aos seus aspectos culturais. 2008. 1981. Miranda/MS Eduardo Bespalez6 A aldeia Lalima enquanto palimpsesto da do da história cultural na região. vestígios da sua cultura. 1993.10 Já os estudos relati- deixaram. Aqui se aplica o termo a uma área geográfica ocupada ao longo do histórica e cultural de longa duração da ocu- tempo por diversas populações indígenas. 1997. lógicos como correlatos materiais da dinâmica podem ser lidas através das rasuras. como objetivo principal contribuir com o estu. ou aldeia Lalima. Terena. conduziram à compreensão dos vestígios ar- 8   O projeto de levantamento arqueológico na TI La. MARTINS. e c) na detecção de um sítio arqueológico com ção indígena regional (BESPALEZ. quisas sobre os processos de formação do registro localizada na margem direita do médio curso do arqueológico e os significados da variabilidade rio Miranda. PANJA. 1987. ocupada e nos modelos teóricos concebidos com as pes- por índios Guaikurú. e pela Fundação Nacio- nal do Índio (FUNAI).8 Tendo vestígios guarani na aldeia Lalima (KASHIMOTO. b) no contexto arqueológico. de acordo com a “Autorização para o ingresso em TI nº 24/CGEP/07”. le- utilizado diversas vezes. p. 47 e 48). apesar de apagadas previamente.9 esta proposição foi 6 Em um trabalho preliminar de levantamento sugerida com base em: a) um arcabouço teórico e arqueológico. com apoio institucional do Museu de Arqueologia da Universi. busquei demonstrar que a Terra metodológico apoiado nas definições conceituais Indígena (TI) Lalima. nas diversas camadas do solo. 2003. TOMKA. que são “lidos” por profissionais da vos aos significados da variabilidade artefatual arqueologia. 1997. ção do registro arqueológico. 2010). um palimpsesto7 da trajetória histórica da ocupa. Os custos do 9   EREMITES DE OLIVEIRA.. 155) (Ilust. sistemas culturais das populações indígenas dade Federal de Mato Grosso do Sul (MuArq/UFMS). Kinikinau e Layana. ZEDEÑO. NELSON. principalmente go publicado anteriormente (BESPALEZ. Levantamento arqueológico e história indígena na aldeia Lalima. 47). à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). 2000. 2003. projeto foram financiados pela Fundação de Amparo 2005. através 10 BARTON et al. que ocuparam a região. no Pantanal de Mato Grosso do Sul artefatual. HODDER. as quais pação indígena regional. através de um história indígena regional entendimento de arqueologia enquanto história indígena de longa duração. CA- de Bolsa de Mestrado (Processo nº 05/57404-0) e Au. queológicos enquanto testemunhos dos siste- lima foi autorizado pelo Instituto do Patrimônio mas tecnológicos desenvolvidos no interior dos Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). BINFORD. Eduardo Bespalez 73 . HECKENBERGER. poderia ser compreendida como co e etnográfico da ocupação indígena regional. 153. 1983. históri- (Ilust. 2004. SCHIFFER. As pesquisas sobre os processos de forma- 6 Este texto apresenta uma versão resumida de um arti. mediante sobreposição de varam ao entendimento dos vestígios arqueo- escritas. xílio Pesquisa (Processo nº 06/60241-8). 1987.

2006. EREMITES DE OLIVEIRA. 2000. SILVA. HASTORF. com a ex- co cultural. SCHIFFER. compreendido como área de mosai. 2005.11 situadas nas escarpas circum-adjacentes e nos As pesquisas arqueológicas realizadas no planaltos residuais. 2001. NIER.12 No holoceno médio. histórica da ocupação indígena foi protagoni- sentavam-se de modo estritamente conectado zado por grupos caçadores-coletores que se com os outros elementos que compunham os estabeleceram nas áreas de refúgio ecológico. SKIBO. 1998. SILVA. SCHMITZ et al. 1992. VIALOU. Holoceno. DIAS. 1998.ILUSTRAÇÃO 47 .MAPA: LOCALIZAÇÃO DA TERRA INDÍGENA LALIMA (ELABORAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) ILUSTRAÇÃO 48 . sugerem que o início da trajetória pansão dos stocks florísticos e faunísticos por CONKEY. 1999. 1997.. LEMON- 11 12 AB´SÁBER.MAPA: LOCALIZAÇÃO DOS SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS NA TERRA INDÍGENA LALIMA (ELABORAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) sistemas tecnológicos dessas populações apre. na transição Pleistoceno- Pantanal. 74 LEVANTAMENTO ARQUEOLÓGICO E HISTÓRIA INDÍGENA NA ALDEIA LALIMA . seus respectivos sistemas culturais.

houve um área. 1998. 1987. 2000-2001. 2000. Já no gru- demográfico dos grupos estabelecidos desde po dos Gualacho. Miranda. aquéu e Cotoguéu. em Mato Grosso do Sul. 2003. nas áreas mais férteis da regiões sudeste e nordeste. HE. SOUSA. MARTINS. 18 CARVALHO.conta do fenômeno de aquecimento global sociedades de origem guarani estabelecidas na denominado optimum climaticum. MARTINS. neste volume. 2000). 1935. de modo que materiais cerâmicos classificados nas fases da o dito etnônimo pode ter sido usado apenas Tradição Pantanal. nados pelo padre Ferrer no Itatim apresenta- mações culturais verificadas nos conjuntos de vam matrizes culturais distintas. 1994. PETERSSEN. 1904 [1790]. RUIZ DE XOTO.14 Por volta do início da era para expressar alteridade entre os Guarani e cristã. 17 AGUIRRE. de populações agricultoras e ceramis. 2007. PEI. sabe-se que muitos dos grupos assim denomi- nou-se ainda mais dinâmico. AZARA. populações arawak aliadas No grupo dos Itatim. dividiu as sociedades indígenas na “pro. tornados cavaleiros com rável do que atualmente é o Mato Grosso do a apropriação dos rebanhos dos colonizado- Sul. Be- do Paraguai colonial que incluía parte conside. 2004. seja através do crescimento culturais muito semelhantes entre si. foram inseridas populações o holoceno inicial. SCHMIDEL. 1996. KASHIMOTO. PREZIA. DÍAZ DE GUZMÁN. o assalto dos bandeirantes luso-paulistas e o tintas nos primeiros séculos do colonialismo. nos pantanais mato-grossenses. a configuração etnográfica encontrada as outras populações que ocupavam a área. DIA. MARTINS. estabelecidos no baixo curso do Miranda). 2006. 1985. NEVES. como as doenças Central e as outras da Amazônia. BEZERRA. gru- vincia del Itaty”.17 O jesuíta Diego Ferrer. era ocupado por populações culturalmente dis. encomiendas dos colonos castelhanos do Para- tistas e setecentistas indicam que o rio Miranda guai. 1985 [1639]. PEIXOTO. e os Gualacho (FERRER. 2004. 1992. e no rio Paraná. 2003. Durante todo o século XVIII e a primeira me- 2004. a redução nas missões jesuítas do Itatim. MUENDAJÚ. Guaikurú (ca- nos sítios estudados no Planalto de Maracaju çadores-coletores de origem mbayá-guaikurú). MÉTRAUX. da no século XVII. MELIÁ. 1984. abandonado pelos Guarani e Gualacho. 15 BERRA. a exemplo dos Guaná outras populações. 1932. a pelos europeus começou a tomar forma. 2006. WÜST. FELICÍSSIMO et al..13 Em torno de 3. MAEDER. foram colocadas todas as dos Guaikurú. na e Guaxarapo (pescadores-caçadores-coletores Cidade de Pedras. gena nas planícies e maciços no Pantanal tor. 1998. do Brasil (MONTEIRO. em dois grandes grupos: os Guarani-Itatim res. como os Kadiwéu. NOELLI. 2007. as Os dados históricos e etnográficos seiscen. 16 COSTA. Temi- processo de intensificação da ocupação ca. em Mato Grosso. SUSNIK. 1946.16 assédio territorial dos índios chaquenhos. migraram do Chaco paraguaio e assentaram-se nas regiões de Corumbá e 13 EREMITES DE OLIVEIRA. 2000. 1996. p. nome dado ao antigo território pos mbayá-guaikurú. GADELHA. 1990. 2002. e Chané-Guaná. A maioria dos Ita- região. 1998. devido aos transtornos cau- sendo as primeiras provenientes do Planalto sados com o colonialismo. o do com populações jê nas regiões sul e sudeste processo de intensificação da ocupação indí. Ver o texto de Nicolás Richard e Isabelle Combès. com as transfor. Layaná e Terena. do modo como correlato (agricultores de origem arawak). MONTOYA. tupi e arawak. Eduardo Bespalez 75 . as quais apresentavam traços çadora-coletora. 1952 [1633]. pagação dos aterros nas planícies inundáveis Apesar do etnônimo Gualacho estar relaciona- do Pantanal. 2002 [1944]. 2002. 2006. PÓVOA.15 infectocontagiosas trazidas pelos europeus. NÚÑEZ CABEZA DE VACA. MONTEIRO. Kinikinau. ou pelo assentamento de culturalmente distintas. ESSELIN. 2008 [1567]. VIALOU. e na pro. 1999. MIGLIACIO. 2002a. 2003. HECKENBERGER. 1948 [1783].000 anos atrás. 2008. GAN- CKENBERGER. com exemplo da famosa dicotomia Tupi/Tapuia nas o estabelecimento. DE BLASIS. MIGLIACIO.18 14 EREMITES DE OLIVEIRA. tim e Gualacho abandonou a região de Miran- tas de matriz cultural macro-jê. Ñuara. PEIXO- TO. 1992. HEMMING. PÄRSSINEN. tais como os Guarambaré. NI. 1944 [1555]. como Guaná. em uma ânua escrita em Na medida em que o antigo Itatim foi 1633. KASHIMOTO. BROCHADO. minó e Cutagua. 2005. 1980. 1835 [1612]. 47).

tade do século XIX. a implemen- rífero e diamantífero nas minas de Cuiabá e tação da política indigenista republicana foi Mato Grosso. ços. fluência portuguesa e brasileira em Corumbá O órgão indigenista oficial. RA. 1949 [1845]. layaná nhola e portuguesa e. Contudo. 1972. 2004. considerada oficialmente como uma TI Terena cente aos índios guaikurú pelas autoridades (AZANHA. seiscentistas e setecentistas com o sítio Córre- gião tomou outras formas a partir do início do go Lalima. a disseminação das pelo Serviço de Proteção aos Índios (SPI). 13. Tão logo. resultando em uma certa oitocentistas. às ocupações mais antigas RA NETO. 1917. RODRIGUES DO PRADO. e às fortificações e povoações responsável pela constituição das bases multi- de origem castelhano-paraguaia e luso-brasi. 1971 [1783- 1792]. 2004. e à formação 20 AZANHA. 1990. através da atuação da Diretoria de em FUNAI no período da ditadura militar. WEBER. sendo foram habilmente utilizados pelos Terena na poucos os grupos que lograram manter iden. 2000. CARDOSO DE OLIVEI- TAUNAY. 1968. 1949. OBERG. MOREI. 1976 [1960]. CARDOSO DE OLIVEIRA. RIBEIRO. HOLANDA. terena. viu Índios da antiga Província de Mato Grosso e na vocação agrícola. 1845 [1803]. seja em rela- CASTELNAU. migração dos Guaikurú e Guaná. 1976 [1960]. 1908 ou às ocupações históricas associadas com a [1795]. característicos das sociedades arawak. 76 LEVANTAMENTO ARQUEOLÓGICO E HISTÓRIA INDÍGENA NA ALDEIA LALIMA . 1996 [1955]. com os Guaikurú que já a ocupavam. 1949. essas populações fizeram início do período republicano. LEOTTI. à con. 2001 [1848]. p. p. p. 2001. 2005. 1976 [1960]. CARDOSO DE OLIVEIRA. FERREIRA. e etno-históricos na aldeia Lalima foi desenvol- lítica indigenista de inspiração positivista do vido com o intuito de detectar sítios formados pelos correlatos materiais da trajetória histórica 19 ALMEIDA SERRA. cravizados nas colônias de fazenda. LÉVI-STRAUSS. 1997. Kiniki- perante os processos de fragmentação cultu. cidos na região. inclusive na aldeia Lalima. nau e Layaná. HERBERTS. tais tra- loteadas e os índios remanescentes foram es. o território indígena na aldeia “terenização” dos povos indígenas estabele- Lalima. a exploração desvelada da ocupação guarani descrita nos documentos da mão de obra indígena nas fazendas da re. odo. lógicos. partindo das duas premissas teóricas 75-76. sintetizadas anteriormente. 21 ALTENFELDER SILVA. o levantamento arqueológico e a século XX. RIVASSEAU. com a passagem do então major coleta etnoarqueológica de dados etnográficos Rondon e a consequente implantação da po. conquista de posições mais destacadas nas tidades étnicas. 1941. sociedade nacional. no modo de vida seden- das missões religiosas capuchinhas. 2002. posteriormente. 1981 [1954]. pação indígena regional. Ferreira. (CARDOSO DE OLIVEIRA. imperiais na primeira metade do século XIX 1968. étnicas do processo de formação do contexto leira. um dos mais tradicionais da região.19 Depois tário e na capacidade de articulação política dos prejuízos causados com a guerra do Pa. confinados em reservas indígenas tuteladas ca do Paraguai. TAUNAY. RI- BEIRO. 2002. dos dados arqueo- 1940 [1863]. muitos índios guaikurú. STEINEN. 1980). até que os índios foram sujeitos à in. e kinikinau foram libertos dos cativeiros e solidação do Império do Brasil e da Repúbli. históricos e etnográficos sobre a ocu- Lembrada na memória terena como “tem. as terras da região foram assimilado e aculturado. sistemas culturais e territórios questões indígenas em âmbito regional e até tradicionais. ram convocados a ocupar a área em conjunto lismo. e da provável relação po da escravidão”. foi reconhecido oficialmente como perten. 1980. SCHMIDT. o exemplo e o modelo de índio raguai (1864-1870). Em Lalima.21 Nesse perí- frente à expansão colonial das coroas espa. bem como outros Guaikurú. 95). da ocupação indígena regional. ção aos Guarani. reduziu a resistência guaikurú e guaná etnográfico atual. pois muitos Terena. BASTOS. 1949. sob epidemias e das “guerras justas” em represália o pretexto da assimilação e da aculturação à aos ataques às monções durante o ciclo au. 1998.20 Conforme constante nas fontes mesmo nacional. Assim. RONDON. transformado e Miranda. fo- ral e territorial desencadeados pelo colonia. dos Terena.

nar de 754 fragmentos de vasilhas cerâmicas tra a ideia de demonstrar que Lalima pode ser considerados diagnósticos da morfologia e do caracterizada como o palimpsesto da história acabamento de superfície das tecnologias ce- indígena regional. em Corumbá/MS (SCHMITZ et al. lios para armazenar água e como souvenir. os quais Os resultados da pesquisa de levantamen. outrora predominantemente recobertos por SALVIA. Aos to arqueológico realizada entre maio e julho conjuntos detectados nos contextos arqueo- de 2007 foram os seguintes: 1) detecção de lógicos. mação do contexto etnográfico atual. histórica da ocupação indígena regional. referiu-se ao conjunto em questão níveis artificiais de 0. dos param a região. foram classificados como etno-históricos.22 e d) materiais detectados em dos por cerca de 1. 237). 4) obtenção de três datações vestígios arqueológicos como os borrões das arqueológicas em amostras de carvão pelo escritas apagadas e do contexto etnográfico método radiocarbônico tradicional. ou seja. uma tradição tecnológica. a TI Lalima situa-se na margem arqueológicos cerâmicos tecnologicamen- direita do médio Miranda. 228-229). no Pantanal análogo à Fase Jacadigo (SCHMITZ centro-oeste do estado de Mato Grosso do Sul et al. É aqui que en. ainda podem ser somadas as poucas mais 12 sítios e 7 áreas de ocorrência arque. p.360 vestígios arqueo.300 índios Guaikurú. c) Tradição Panta- (BRASIL-MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA. Eremites de Oliveira (2009). te distintos. aludindo 22 do articulado e de poços-teste com 1m² por a Willey (1971).000 ha. o da. um dos principais tri. BROCHADO. 48). e subsuperfície. por meio de levantamento arqueológico que totalizaria cinco conjuntos tecnológicos oportunístico e extensivo (Ilust. 48). 1990). 1989). p. em meio ao relevo ondulado dos por vestígios associados com mais de da depressão interplanáltica de Miranda. 226-228). vasilhas confeccionadas com a tecnologia ológica. Correlatos materiais da trajetória As observações realizadas em campo. Os conjuntos ob- tuída por sedimentos litólicos. sítios arqueológicos históricos relativos à for- Kinikinao e Laiana. b) Tradição cerrado e cerradão.. detectados em Lalima foram caracterizados tre a margem esquerda do córrego do Lima e a como multicomponenciais. po- lógicos em superfície. mações etnográficas de caráter etno-histórico em entrevistas realizadas com dezenas de in- terlocutores (ver tabela abaixo) (Ilust. SEPLAN/IBGE. O território da al. des de nascentes e calhas fluviais e pluviais 2002.10 m. os quais são ocupa. Eduardo Bespalez 77 . com o estabelecimento rém as vasilhas etnográficas ainda não foram de áreas amostrais de coleta. utilizadas em alguns domicí- tributárias da margem direita do rio Miran. argilosos e areno. como Tradição Chaquenha.. as histórica da ocupação indígena regional análises cerâmicas e as informações etno- na aldeia Lalima gráficas de caráter etno-histórico revelaram a presença de quatro conjuntos de materiais Como já visto. en. sendo que três dentre os sítios butários do curso pantaneiro do rio Paraguai. forma- direita do Barreiro. através da escavação de sondagens com tra- Recentemente. entre outros. 2) coleta de materiais cerâmicos associados à dinâmica de aproximadamente 3. no município de Miranda. todos a céu aberto e nas proximida. analisadas sistematicamente. deia possui apenas 3. consti.do contexto etnográfico atual. Terena. nal análogo aos materiais detectados no sítio 1982. atual dos Terena (CARDOSO DE OLIVEIRA. 3) análise prelimi. 1998. MS-CP-25. e 5) cole- atual como a última das escritas realizadas no ta etnoarqueológica em audiovisual de infor- pergaminho reaproveitado. a partir do entendimento do râmicas das populações indígenas que ocu- território da aldeia como um pergaminho. servados foram os seguintes: a) Guarani (LA sos. p.

(238765) à Fase poços-teste. constituída por Manuel 21K sedimentos arenosos. coleta assiste. 0.Sítios arqueológicos detectados na Terra Indígena Lalima Tradição Área Data Nome Sigla Coordenadas Atividades realizadas Local de implantação tecnoló- (ha) (AP) gica Registro. constituída por Guarani e do Gino MI-04 temática de superfície 7725744 sedimentos arenosos e litólicos. Etno-histó- ra do 0573508/ arenosos. topografia. onde se 60 Pantanal 0574802/ 40 Lalima MI-01 e assistemáticas. constituída por sedimentos arenosos e litólicos Colina suave situada na margem esquerda de uma nascente Etno-histó- 21K tributária da margem direita do rico. setorização. 0573695/ Registro na confluência de ambas as MI-08 Chaquenha za Neto 7725436 margens de uma nascente com a margem direita do rio Miranda Área plana não inundável Tape. Registro e coleta assis. situa a Sede. argilosos e litólicos Jacadigo Baixa encosta de colina suave situada na confluência da José 21K Registro. coleta sis- MS. coletas de nascentes tributárias da margem 970 +/. um dos bairros da Beta análogo 7725523 vação de sondagens e aldeia. Colina suave rodeada por Guarani e setorização. situada na planície de MI-09 temática de superfície rico Pirizal 7725949 inundação da margem direita do rio Miranda 78 LEVANTAMENTO ARQUEOLÓGICO E HISTÓRIA INDÍGENA NA ALDEIA LALIMA . de uma nascente com o médio Pantanal 0574450 temática de superfície. 0. situada Etno-histó- do 0574739/ temática de superfície. Beta confluência da margem direita Tradição 21K topografia. do Souza Lima. Registro e coleta assis- 0572877/ rio Miranda. MS- 0574518/ Registro dio curso da margem esquerda Guarani na MI-07 7726905 do cór. MS. 7724094 escavação de sonda- tributária da margem direita do beva gens e de poços-teste rio Miranda 1070 +/- Colina suave situada entre a 60 Guarani e Registro. esca. Tradição 21K Córrego MS. constituída por sedimen- da Mata 21K topografia. suave. Tradição na divisa entre Lalima e a Faz. Guanandi. esboço de margem direita de uma pequena Ron. Tapera MS. tos litólicos e arenosos. datação tos arenosos. Tradição 0573816/ croqui. 75 don de MI-02 Chaquenha 7726032 mática de superfície da do baixo curso do cór. Guanandi. Chaquenha Santa Rosa Baixa e média encosta de colina Tapera Registro. 21K constituída por sedimentos MS Registro e coleta assis. constituída por 70 à Fase gens e poços-teste sedimentos argilosos e arenosos Beta Jacadigo (238767) Colina suave situada entre a confluência da margem esquer- 21K da de uma nascente com o mé- Campi. situada MS Tradição de Sou. superfície sistemáticas direita do rio Miranda. análogo 7727296 escavação de sonda- cór. 30 Pote MI-06 curso da margem esquerda do 6430 +/. coleta sis. constituída por sedimentos argilosos e arenosos Colina suave. 0572232/ margem direita do médio Miran. constituída por sedimen. (238768) Asa de MS. nascente com a margem esquer. Tradição do Lim. 1 MI-05 em torno de uma nascente rico Urum. constituída por sedimen- tos arenosos Topo de colina suave não Tapera 21K inundável situada próxima da MS. setorização. 25 MI-03 temática de superfície Chaquenha pão 7724920 da.

arenosos e argilosos. em áreas com dezenas de milhares de ni foram detectados nos sítios Córrego Lalima m². constituída por sedimentos argilosos e arenosos. Tradição Área Data Nome Sigla Coordenadas Atividades realizadas Local de implantação tecnoló- (ha) (AP) gica Colina suave. Tapera do Gino (MS-MI-04).30 m (MS-MI-01). 48. situada na Etno-histó- ra do 0574477/ Registro MI-13 margem direita do médio curso rico Agápto 7727875 do cór. os sítios guarani estão implantados arqueológicos. situadas entre o sopé do morro 0575535/ Registro Guarani Correia MI-12 do Inocêncio e a confluências 7727300 das nascentes formadoras do cór. na área à Fase retomada do INCRA e da Faz. entre os quais três – correspondentes por concentrações de vestígios arqueológicos aos setores 1 e 3. na planície inundável do rio mos gerais. Santa Rosa Correlatos da ocupação guarani de vasilhas cerâmicas e vestígios líticos de po- limento e lascamento. Asa de profundidade. principalmente. características semelhantes entre Miranda. às tio Córrego Lalima. sedimentos arenosos e argilosos. constituída por sedimentos Tape. Guanandi Baixa encosta e colina suave. em ter. Guanandi. tabela acima). e à área de ocorrência 5. resultaram na iden- diversidade e densidade de seus elementos. Campina (MS-MI-07). situada entre o sopé do morro Tradição 21K Registro. constituído. dispersos pela super- Os correlatos materiais da ocupação guara. ao setor 2 do sítio Asa de Pote. implantada em um contexto paisagístico dis- os correlatos guarani apresentam. esboço de do Potrero e o médio curso de Pantanal Sítio MS- 0580296/ croqui e coleta assiste. e o setor 2. por fragmentos por materiais guarani. constituída por 21K Anita MS. fície. 0575314/ Registro Guarani Vieira MI-11 situada na margem esquerda do 7726195 alto curso do córrego do Lima Colina suave. em áreas que oferecem por uma área com mais de 320. e em subsuperfície. dimensões dos depósitos arqueológicos e à o mais populoso da aldeia. tinto dos demais. As exceções dizem respeito de Pote (MS-MI-06). dispersos pelo topo e encostas em topos e encostas de colinas suaves e/ou da colina suave onde o sítio está implantado. si. 21K MS. Hélio Correia das sondagens. não foram achados materiais (MS-MI-12) e na área de ocorrência 5 (Ilust. 21K Helio MS. até cerca de 0. onde.000 m². tificação de quatro concentrações de vestígios Destarte. na Faz. sendo formados setores. apesar Anita Vieira (MS-MI-11). cf. Apesar das exceções. situado no bairro da Sede. Eduardo Bespalez 79 . no sopé dos morros. formados principalmente constituídos. constituída por sedimentos argilosos e arenosos. em subsuperfície. As ampla visibilidade de entorno e proximidades concentrações foram segmentadas em quatro de nascentes e cursos d’água. um córrego sazonal tributário análogo Potrero MI-10 7725567 mática de superfície do médio Miranda. sobretudo no que se refere ao contexto As atividades de pesquisa realizadas no sí- de implantação dos sítios na paisagem. Jacadigo Vargem Grande pelos Terena em Lalima Colina suave.

por materiais da Tradição Pantanal avermelhado e arqueologicamente estéril (Ilust. datada em 970 abordado com a realização de coleta de super. so- ao setor 4.30 m. cas. fície em área de 7. reforçados. PERFIL NORTE (ELABORAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) 80 LEVANTAMENTO ARQUEOLÓGICO E HISTÓRIA INDÍGENA NA ALDEIA LALIMA . côncavas. ondulados e expandidos. a camada B. A área do setor foi foram selecionados 428 fragmentos de vasi- aferida em 80. foram analisados fragmentos de tras três camadas em subsuperfície: a camada A. foi apenas registrado. lados. e a camada C. bordas diretas. arredondados. mento arenoargiloso marrom-escuro e materiais carenadas. Foram identificadas paredes infletidas. paredes. bordas e bases de vasilhas cerâmi- situada entre os níveis 1 e 3. correspondente associados à ocupação atual. composto por materiais de ambas bretudo cupins. entre os níveis 3 e de vasilhas fechadas com ou sem pescoço. e biológicos.mormente. Além da superfície. A estratigrafia apresentou-se muito pertur- através de atividades de coleta em superfície e bada por fatores pós-deposicionais antrópicos. POÇO-TESTE 1.000 m² e escavações de 13 Entre os materiais recolhidos no setor 1. O outro setor. no que se refere à e materiais arqueológicos. introvertidas e inflectidas. cam- rom-escuro e materiais arqueológicos em baixa badas. de 900 materiais arqueológicos e obtida uma Com relação aos setores formados majori.000 m² e a espessura do pacote lhas cerâmicas diagnósticos da morfologia e arqueológico em 0. aplanados. do acabamento de superfície para a realiza- formada por sedimento arenoso marrom-claro ção das análises. foram observadas ou. com lábios densidade.SÍTIO CÓRREGO LALIMA (MS-MI-01). constituída por sedimento arenoargiloso mar. datação a partir de uma amostra de carvão cole- tariamente por materiais guarani. subsuperfície. bise- composta por sedimento arenoargiloso marrom. ± 70 AP. 5. sondagens e dois poços-teste. o setor 1 foi tada no nível 3 do poço-teste 1. Assim. complexas e segmentos superiores arqueológicos. extrovertidas. Ao todo. a partir do nível 5. bases circu- ILUSTRAÇÃO 49 . análogos à Fase Jacadigo – foram abordados 49). foram recolhidos mais as tradições. constituída por sedi. morfologia.

FRAGMENTOS CERÂMICOS DIAGNÓSTICOS DA TRADIÇÃO TECNOLÓGICA GUARANI: (ELABO- RAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) Eduardo Bespalez 81 . ILUSTRAÇÃO 50A. RECONSTITUIÇÃO GRÁFICA DE VASILHAS CERÂMICAS GUARANI (ELABORAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) ILUSTRAÇÃO 50B.

Ainda foram identificadas 23 LA SALVIA. incisos. belecidas por Brochado e colegas. impres- vasilhas fechadas sem pescoço e vasilhas aber. BROCHADO. 1990.23 as quais tura da boca das vasilhas. inflectidos e os fragmentos considerados diagnósticos do compostos. quatro dentre as sete classes funcionais esta. cônicas. NEUMANN. 1994. semies. 50b). 1998. BROCHADO.ILUSTRAÇÃO 51 . acabamento de superfície na face interna fo- féricas e piriformes. planas e côncavas. 82 LEVANTAMENTO ARQUEOLÓGICO E HISTÓRIA INDÍGENA NA ALDEIA LALIMA . nodulados. sos com corda e roletados (Ilust. e formas esféricas. fragmentos de borda. Todos tas. BROCHADO. foram e/ou pretas sobre engobo branco e/ou verme- observadas vasilhas fechadas com pescoço. enquanto que a espessura dos fragmentos na face externa. O diâmetro da aber. 1989. MONTICELLI. policrômicos (pinturas vermelhas lação às classes simétricas das vasilhas. aferido a partir dos foram reconstituídas graficamentev (Ilust. corrugados. NOELLI. 50a). estendeu-se entre 4 e 58 Em relação ao acabamento de superfície cm.RECONSTITUIÇÃO GRÁFICA DE VASILHAS CERÂMICAS RELATIVAS AOS CORRELATOS DE OCUPAÇÃO ANÁLOGOS AOS DA FASE JACADIGO DA TRADIÇÃO PANTANAL (ELABORAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) lares. foram analisados fragmentos analisados variou entre 0. contornos complexos.4 e 2. simples. Em re. lho). ungulados.5 cm. BROCHADO. MONTICELLI.

foram elaborados com o objetivo de ordenar os de materiais guarani nos sítios Tapera do Gino. foram realizadas coletas de su. 1958). foram observadas três ria dos fragmentos analisados foi classificada camadas de sedimentos com características como Guarani. tendo em vista a à Fase Jacadigo. igualmente constituído nentes no espaço. lábio. inclusi- vadas algumas peças com atributos caracterís. 52). PHILIPS. Assim. os conceitos de Fase e Tradição. Na Tapera do Gino. a maio. morador na perfície em uma área com 12.500 m² e foram área. semelhantes aos escavados no setor 1. Quanto à tradição tecnológica. encontrado no nível 6. porém não foram selecionados fragmentos cerâmicos para a realização de análises. a interpretação de seus sig. ado doado por Sebastião Cabrocha. Foram cole- impressões de corda e apliques de filigranas tados mais de 650 materiais arqueológicos. um eixo de 300 m ao longo do acero da referi- Eduardo Bespalez 83 . com de argila (Ilust. bem como os de Componente e Horizon. os conceitos de Fase e Tradição são usados apenas em consideração às por materiais da Tradição Pantanal semelhante pesquisas realizadas anteriormente. e do substrato rochoso. Além identificaram-se fragmentos de borda com da superfície.FRAGMENTOS CERÂMICOS DIAGNÓSTICOS DOS CORRELATOS DE OCUPAÇÃO ANÁLOGOS AOS DA FASE JACADIGO DA TRADIÇÃO PANTANAL (ELABORAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) ram classificados como policrômicos. localiza- comparação dos contextos arqueológicos detectados da na divisa entre a aldeia e a Faz. tóricos. foram coletados 121 fragmentos cerâmicos em nificados históricos e culturais. constituída por sedimento are- policromia e aplique de filigranas de argila no noso marrom-claro. em Lalima com os contextos investigados em outras áreas e. Santa Rosa.30 m de espessura. conjuntos de materiais arqueológicos em termos es- também formado por materiais da Tradição Pan- paciais e temporais (WILLEY. principalmente. e Asa de Pote. destaque para um tembetá lítico polido esverde- No setor 3. A área do setor somou os quais correspondem aos fragmentos com 62. Neste texto. uma Tradição pode ser constituída por várias Fases ao tanal análogos aos do sítio MS-CP-25e etno-his- longo do tempo e um Horizonte por vários compo. porém também foram obser. 24 Fases e Tradições: Originalmente.000 m² e 0.24 pela ocupação atual. ve no que se refere às perturbações causadas ticos da Fase Jacadigo da Tradição Pantanal. Ainda escavadas 16 sondagens e 1 poço-teste. Ainda foram realizadas coletas de superfície te. ILUSTRAÇÃO 52 .

entre os quais 56 foram sele. ainda é importante sublinhar que. os materiais recolhidos no ções diversas ao longo de toda a sua dinâmica setor 1 do MS. Foram tenham explorado. 51 e tabela). (ver ilust. No que indicam que o estabelecimento da ocupação se refere à tradição tecnológica. nas áreas de menor densidade de vestígios arqueoló. mais. as concentrações de materiais guarani e semelhantes aos da Fase Jacadigo nos sítios Correlatos da ocupação da Tradição Córrego Lalima e Asa de Pote apenas se so. ções de vestígios guarani apresentam. Com efeito. latos guarani demonstram alguma estabilida- tudo. Con. conforme a datação obtida na suave na margem esquerda do cór. foram coletados 176 fragmentos XVII. Com efeito. depois de Cristo. o qual. os quais. colonizado e se assentado escavadas 11 sondagens no local. não só é provável que os Guarani com 10. desde o século XI No sítio Asa de Pote. pulações. relações distintas com as con. talvez até mesmo algum padrão. a variação vidades de pesquisa nos demais sítios com situacional. não permite muito semelhantes. Fase Jacadigo foram detectados no sítio Po- apresentam maior densidade. Pantanal análogos à Fase Jacadigo brepõem nos seus limites. de modo que muitas Afora o cadastro – efetuado em todos os podem ter sido hostilizadas. por sua vez. tural Tupi-Guarani exerceram a hegemonia centrações de resquícios análogos aos da territorial no médio Miranda desde períodos Fase Jacadigo. Os fragmentos coletados no lecidas antes da chegada dos Guarani ou ter setor 1 do Asa de Pote não foram analisados. Nascente no sítio Córrego Lalima. Em subsuperfí. poradas ou aliadas. do MS-CP-25 da Tradição pré-históricos indefinidos até o colapso cau- Pantanal e etno-históricos.MI-06 podem ter sido aglutina. Tais po- dos há pouco tempo. segundo as fontes históricas e etnográfi- cerâmicos guarani na superfície de uma área cas. poderiam estar estabe- gumas décadas. sublinhado anteriormente. talvez não mais que al. escavado no setor 1. implantado em uma coli. a maioria dos guarani na região estendeu-se ao menos por fragmentos foi associada à tecnologia guarani. porém. Os correlatos apresentados anteriormente cionados para a realização das análises. cerca de 500 anos. de expansão e consolidação na área. se relacionado diferentemente com popula- fície. entre outros fatos. os outros variam muito quaisquer inferências a partir da estratigrafia. apenas foram detectados materiais distin. ou seja. porém. expulsas. onde foi estão implantados em áreas que apresentam coletada uma borda com filigranas de argila as mesmas variáveis ambientais que os con- no lábio em meio aos refugos guarani. como regionalmente em período anterior ao datado. até meados do século do Guanandi. sado nos primeiros séculos do colonialismo. pode indicar. ao seu turno. nos de. artefatual e cronológica nos corre- materiais guarani detectados em Lalima. trero (MS-MI-10) e na área de ocorrência 7 cie. dependentemente do conteúdo tecnológi- co.da propriedade. seu turno. e do setor 2 do sítio Asa de Pote. ou seja. Em resumo. em que populações portadoras de matriz cul- superfície. os sítios tos tecnologicamente no MS-MI-01. os corre- os materiais comparáveis aos do MS-CP-25 latos materiais da ocupação das populações e os etno-históricos estão dispersos em meio portadoras da Tradição Pantanal análogos à aos resquícios guarani. enquanto estes apre- a perturbação do depósito. in. sobretudo em relação aos depósitos e 84 LEVANTAMENTO ARQUEOLÓGICO E HISTÓRIA INDÍGENA NA ALDEIA LALIMA . no nível 3 com materiais semelhantes à Fase Jacadigo do poço-teste 2. Porém. atestada por uma sentam uma variação pequena entre si. Já no que se refere à Tapera do Gino. Seja como for. ao sítios multicomponenciais. como ainda é possível que os mesmos tenham trados materiais arqueológicos em subsuper. sendo série de restos industrializados. Além do setor 2 do sítio Córrego Lalima gicos.000 m². não foram encon. incor- sítios detectados – não foram realizadas ati. textos guarani. Todavia. as concentra. denominada de setor 1. advindo posteriormente.

fragmentos guarani no setor 2 do sítio Córre- coço. por to de alimentos sólidos e líquidos. impactos mais destrutivos estão associados guns fragmentos indicam que o vasilhame em com terraplanagens e aterros. foram identificados fragmentos Tradição Pantanal análoga à Fase Jacadigo. sendo caracterizado mais como um 0. com rebarba Vale ressaltar que. na face externa. ponteados. com des- mentos de vasilhas abertas e fechadas. associados respectivamente coletadas nos níveis 3 e 6 do ao processamento. Sobre lares e fichas cerâmicas polidas. ungulados e pinturas de 179 fragmentos de vasilhas cerâmicas para faixas vermelhas. No setor 2 do MS-MI-01. ra de até 0. impres- do MS-MI-06. bolas de tornos simples e inflectidos. foram coletados apenas 151 sos com corda e ponteados (Ilust. foram identificados lá- Entre os materiais coletados no setor 2 bios decorados com apliques de filigranas de do sítio Córrego Lalima. vasilhas. e apêndices de suspensão em forma de semelhantes à Fase Jacadigo da Tradição Pan- alças. sim. 51). vermelho). atividades agrícolas. foi corrugado-roletado que como um corruga- realizada somente coleta de superfície de 55 do-digitado. fragmentos de borda. como rodelas de fuso. além dos fragmentos de externa. al.70 m. foram selecionados argila. para a obtenção de datações arqueológicas. materiais líticos lascados e polidos. no setor 2 aplicados com filigranas de argila. sobretudo queimadas coço. foram observados fragmen- foram coletados 868 materiais arqueológi. de paredes infletidas. onde foram realizadas atividades de desenvolvidas análises funcionais. poço-teste 1 no setor 2 do Asa de Pote. a perturbação do sítio está associada com as bretudo um tipo de vasilha fechada com pes. Em termos tecnológicos. fatos cerâmicos nos contextos arqueológicos vexas. Todavia. segmentos superiores e porém também foram encontrados alguns ombros de vasilhas fechadas com ou sem pes. constituída por sedi- Eduardo Bespalez 85 . com a Em relação ao acabamento de superfície escavação de 14 sondagens e 2 poços-teste. diretas. 52). identificaram-se frag.3 e 1. so. côncavas go Lalima (Ilust. dos para cada uma das vasilhas. e lábios reforçados. também foram coletados outros arte- aplanados e biselados. setores pesquisados em ambos os sítios. semielípticas e semiovais. con. bordas extrovertidas. apesar das classes iden. e formas semies. onde os distintas de vasilhas (Ilust.aos elementos.000 m² e guarani. É im- materiais arqueológicos. antrópicas e arado mecanizado. a a realização das análises. consumo a armazenamen. principalmente no que se re. 52). não foram exemplo. esféricas. e a espessura entre 0. ao contrário do sítio MS-MI-01. Con- resultou na reconstituição gráfica de 3 classes tudo. dobrados. tos cromáticos (pinturas vermelhas e engobo cos em uma área com 20. Além da camada superficial.5 cm. foram enviadas duas amostras de carvão tificadas sugerirem usos diversos e diferencia. no MS-MI-06 questão pode apresentar outras classes. arredondados. coleta em superfície e subsuperfície. Quanto aos no interior de uma voçoroca. Além do mais. e inflectidas. No que se refere à maior parte dos fragmentos foi associada à morfologia. apontados. acanalados. taque para as lâminas de machado. bem como as classes de simetria. bases circulares e con.000 m² e espessu. semelhante à moringa. A A superfície e a subsuperfície mostraram-se análise morfológica dos fragmentos análogos tão perturbadas nos setores 2 dos sítios Cór- à Fase Jacadigo. 50 m de profundidade. corrugados. féricas. Na face interna. No MS-MI-10. O diâmetro da boca variou entre 10 e tanal. enquanto que. boleadeiras e polidores discoides. em uma área com 90. incisos. através de coleta de portante salientar que o corrugado na Fase superfície e escavação de 28 sondagens e 3 Jacadigo da Tradição Pantanal é distinto do poços-teste. cachimbos tubu- 32 cm. rego Lalima e Asa de Pote quanto nos outros fere à qualificação dos fragmentos de borda. Mesmo as- cabe sublinhar que. notaram-se materiais arqueológicos em um eixo de 60 m apenas fragmentos cromáticos.

apresentou os mesmos Jacadigo inferiram que os conjuntos arqueo- sedimentos que a superfície e materiais arque. a data do nível 3 não só sugere que amostra coletada no nível 3 foi datada em 1. entre os níveis 3 e 4. a camada a partir do século XVII (SCHMITZ et al. situada portante sublinhar que os criadores da Fase entre os níveis 1 e 2. apresentou sedimento argiloarenoso cultural das populações portadoras da tradição marrom-avermelhado e materiais cuja origem tecnológica semelhante à Fase Jacadigo no rio arqueológica pode ser contestada (Ilust. Guaikurú e Guaná que migraram para a região escuro e materiais arqueológicos. foram observadas mais quatro Jacadigo da Tradição Pantanal. Todavia. apesar da fragilidade das majoritariamente por fragmentos de vasilhas informações sobre cronologia de ocupação e 86 LEVANTAMENTO ARQUEOLÓGICO E HISTÓRIA INDÍGENA NA ALDEIA LALIMA . agricultoras e ceramistas culturalmente distintas juntos de materiais arqueológicos constituídos dos Guarani.ILUSTRAÇÃO 53 .070 os vestígios detectados foram deixados em pe- ± 60 AP e a do nível 6 em 6. ríodo pré-histórico. POÇO-TESTE 1. a data obtida com e artefatual indica que as referidas populações a amostra coletada no nível 6 do Poço-teste 1 podem ser caracterizadas como sociedades no sítio Asa de Pote não foi associada aos con. os dados alcançados em Lalima não permitem riais arqueológicos. período histórico.340 ± 70 AP. como a variação situacional Devido à sua antiguidade. e a camada D. a camada B. a partir do apontamentos mais acurados sobre o sistema nível 4. Assim. Com efeito..SÍTIO ASA DE POTE (MS-MI-06). 1998. A Miranda. lógicos a ela relacionados fossem datados do ológicos. C. 228). A camada A. é im- camadas de sedimentos. entre os níveis 2 e 3. 53). mesmo considerando que argiloarenoso marrom-avermelhado e mate. PERFIL NORTE (ELABORAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) mento arenoso marrom-escuro e materiais cerâmicas classificados como análogos à Fase arqueológicos. associando-os com os índios apresentou sedimento arenoargiloso marrom. sedimento variegado p.

de – Manuel de Souza Neto (MS-MI-09) e na área que ambas possam ser caracterizadas como so. com os da Fase Jacadigo. como também inferimos que a diver. C) TAPERA DO GINO. já devia se processar ao menos desde o implantada nas proximidades da planície de século XI depois de Cristo. FRAGMENTOS ESTILIZADOS COM IMPRESSÕES DE CORDA: A) SÍTIO JOSÉ RONDON DE SOUZA. dos 57 materiais arqueológicos em área cons- loga àquela detectada no sítio MS-CP-25. formada por vários grupos étnicos dis. que aqueles com sidade cultural encontrada pelos europeus no materiais semelhantes aos do MS-CP-25 apre- curso fluvial já citado durante os séculos XVI sentam variações situacionais e artefatuais e XVII. Os correlatos da ocupação por grupos indí.500 m². de ocorrência 2 (ver Ilust. com base na variabilidade situacional.FRAGMENTOS CERÂMICOS DIAGNÓSTICOS DOS CORRELATOS DE OCUPAÇÃO ANÁLOGOS AOS DO SÍTIO MS-CP-25 DA TRADIÇÃO PANTANAL. em da dinâmica histórica da ocupação indígena comparação aos sítios com materiais guarani regional. foram detectados. ILUSTRAÇÃO 54 . nos sítios José Rondon de Sou- as populações por trás dos materiais parecidos za (MS-MI-02). Com efeito. e análogos à Fase Jacadigo. Tapera do Limpão (MS-MI-03). morador na Eduardo Bespalez 87 . O Sr. B) TAPERA DO LIMPÃO. na tituída por sedimento arenoso marrom-claro região de Corumbá/MS. Apesar ciedades agricultoras e ceramistas pré-históricas da realização apenas de coletas de superfície que se estabeleceram no rio Miranda ao longo e análises cerâmicas. localizada em um topo de colina. Tapera do Gino (MS-MI-04) – o qual também pótese. e são formados por depósitos com dispersão. Correlatos da ocupação da Tradição diversidade e densidade menores de elemen- Pantanal análogos aos materiais do sítio tos. 48 e tabela). foram coleta- genas portadores de tecnologia cerâmica aná. TAPERA DO GINO (ELABORAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) relações sociais e ecológicas entre os Guarani e aldeia Lalima. foi possível observar. com exceção ocor- rência 2. apresenta materiais Guarani e Etno-históricos artefatual e cronológica entre os conjuntos. No José Rondon de Souza. D) FRAGMENTO PERFURADO. mesmo considerando os achados de ma- MS-CP-25 teriais de origem industrializada. distintas. José Rondon. a maioria dos sítios está tintos. estruturas de habitação e ecofatos em alguns sítios. na com 7. inundação do Miranda. não só lança-se a hi.

25 Apesar da não (pintura vermelha. conta azul de vidro. cultural e territorial dos Guaikurú e Guaná foram selecionados 16 fragmentos diagnós. cos observados no sítio. tenha sido compartilhada com outras popula- tes à Fase Jacadigo. foram coletados 117 correspondam aos correlatos dos processos fragmentos cerâmicos em área com 2. pontea. na medida em que estes ções desde períodos pré-históricos. Todos os fragmentos foram tecnologica. Não foi possível qualificar os fragmentos Assim como no que se refere à Fase Jacadi- selecionados acerca das classes de simetria. no rio Miranda. pintura vermelha e enegrecimento. com 14 cm. ainda nos mostrou duas lâminas de louça. os quais.500 m² de migração. ses dos fragmentos selecionados no MS-MI-04 fologia e do acabamento de superfície. FERREIRA. bilidade da hipótese aventada. Entre os fragmentos cerâmicos.área do sítio. principalmente engobo tamente com os Guaikurú e mantinham rela- vermelho. fragmentos 1792]. (SCHMITZ et al. acredita-se na plausi- materiais análogos àqueles detectados no MS. Não foram realizadas enquanto que a espessura variou entre 5 e 10 atividades de coleta no MS-MI-09. rativas das ceramistas Kadiwéu. nas informar que também foram identificadas mentos superiores de vasilhas fechadas e pa. Layaná e Terena. e. a qual pode estar relacio- dos e modelados. devido à se- Em se tratando do acabamento de super. Destarte. correlatos da ocupação Guarani. No entanto. 54) são diferentes das impres. foram observados frag. 1998.. decorridos entre os séculos ticos para a realização das análises. esteio queimado. nada com quaisquer dos contextos tecnológi- rido em apenas um fragmento. por aqueles analisados no MS-MI-02. os materiais coletados no sítio MS-CP-25 do contorno e da forma geométrica. RIBEIRO. Entre estes. categorizado como mos. bém é possível que tal tecnologia cerâmica sões de corda analisadas nos sítios semelhan. também apresentou enegrecimento no e artefatual em tono de si mesmo e da varia- lábio. digitações. bilidade em relação aos conjuntos Guarani e mente associados à Tradição Pantanal análoga análogos aos da Fase Jacadigo. melhança latente entre os motivos estilizados fície na face externa. tam- -CP-25 (Ilust. ções culturais muito próximas com os mes- Este último fragmento. 1975 [1895]. preconizadas lizados com impressão de corda e policromia desde o final do século XVIII. é provável que ao sítio MS-CP-25. tais como os feitos com impressão de corda. Assim. p. estabelecimento e fragmentação constituída por sedimento litólico. go. Guaná. preta e branca). cm. cabe acrescentar que no MS-MI-03 também 25 BOGGIANI. apenas 19 atividades de coleta em superfície a das análi- apresentaram atributos diagnósticos da mor. 1980. 88 LEVANTAMENTO ARQUEOLÓGICO E HISTÓRIA INDÍGENA NA ALDEIA LALIMA . nem tam. Os resultados das cal. O diâmetro da boca foi afe. os materiais parecidos com os do MS-CP-25 Na Tapera do Limpão. 1971 [1783- foram encontrados líticos lascados. ao seu turno. entalhes. É impor. foram aludidos acima. rebarba. e que foi coletada uma reforço. migraram para o Pantanal jun- sentaram cromatismo. clareira e plantas líticas polidas de machado recolhidas no lo.. 1993. Kinikinau. cabendo ape- foram identificadas paredes inflectidas. na. alimentícias e medicinais. bordas perfuradas e lábios dentados entre os redes carenadas. obtenção de datações arqueológicas nos sí- tante ressaltar que as decorações com motivos tios com materiais análogos aos do MS-CP-25 feitos com impressões de corda nos sítios com detectados em Lalima. inclusive apresentam apenas alinhamentos paralelos com aquelas de origem arawak. com impressões de corda e as técnicas deco- mentos com engobo vermelho e motivos esti. os quais XVII e XIX. Na face inter. entre o abandono gua- apresentaram as mesmas características que rani e a chamada guerra do Paraguai. bordas diretas e lábios com materiais cerâmicos. SIQUEIRA JR. os fragmentos diagnósticos também apre. enquanto se tratou dos no tocante à análise da forma das vasilhas. ou seja. 229). também foram associados aos Guaikurú pouco reconstituir o vasilhame graficamente. Contudo. seg. diante da variação situacional borda.

cia de Mato Grosso. antropólogos desenvolveram em Lalima). diversidades formação do contexto etnográfico atual. Apesar de nem todos conhecerem as histó- rias associadas aos processos de constituição da configuração etnográfica hodierna de modo tão Correlatos da história de formação do profundo como Manuel de Souza Neto. foram interlocutores de Darcy Ribeiro e Rober- sentam implantação semelhante aos sítios to Cardoso de Oliveira nas pesquisas que esses com materiais análogos aos do MS-CP-25. e ecofatos. a maioria Além da Tapera do Gino. 13). o prin- contexto etnográfico atual cipal colaborador nas pesquisas arqueológicas e etnoarqueológicas na aldeia Lalima. ao período inicial da história de são constituídos por densidades. tes fluviais. orgânicos. Contudo. os correlatos ma. sendo válida apenas para os vestí- em Lalima. conforme a notícia tais. pro. de acordo com as concepções etno-his- Pirizal (MS-MI-09) e Mangal (MS-MI-13). restos faunísticos de alimentação. datada historicamente da primei. o MS-MI-05 e o MS-MI-09 apre. o assentamento mais antigo ra o MS-MI-04 e o MS-MI-13. gios de origem industrializada. cujas amostras se mostraram ainda ser correlacionada à ocupação dos Guaikurú menores. a variação nos não vale para os fragmentos de vasilhas ce- conjuntos similares aos do MS-CP-25 pode râmicas. sobretudo dada pelo Diretor Geral dos Índios da Provín.conseguinte. SIMPLES. da família Souza (os quais. dos adultos de ambos os sexos detém alguma in- teriais da história de formação do contexto formação sobre a origem dos materiais deixados etnográfico atual foram observados nos sítios nos sítios etno-históricos. 2001 [1848]. a Tapera do Pi- Tapera do Urumbeva (MS-MI-05). Tapera do rizal é. tóricas indígenas. tendo sido ocupado pelos Guaikurú topos de colina nas proximidades de nascen. tais como me- ra metade do século XIX. em semelhantes aos do MS-MI-03. localizados em da aldeia. SEMIESFÉRICA. e áreas de dispersão relativamente maiores tagonizado pelos Guaikurú no último quartel que aqueles. esta última assertiva dos oitocentos. José Alves Ferreira. Nesse sentido. B) BORDAS EXTROVERTIDAS (ELABORAÇÃO EDUARDO BESPALEZ) Eduardo Bespalez 89 .RECONSTITUIÇÃO GRÁFICA DE VASILHA CERÂMICA RELATIVA AOS CORRELATOS DA FORMAÇÃO DO CONTEXTO ETNOGRÁFICO ATUAL: A) VASILHA ABERTA. diga-se de passagem. 1848 (FERREIRA. vítreos e sintéticos. Assim. Afo. p. já a porém os depósitos dos sítios Etno-históricos Tapera do Urumbeva foi formada pelas primei- ILUSTRAÇÃO 55 .

restos orgânicos de Lalima. 0. à forma. O sítio apresentou se. os correla- mente operada em alguns domicílios. po. etnográficas nologia Terena atual. compreender as questões postas bordas extrovertidas sugerem a ocorrência pelo presente e refletir sobre o futuro da co- de uma classe de vasilhas abertas e rasas.ras famílias levadas para a aldeia pelo SPI. O diâmetro da boca etnoarqueológica concernida com a constru- foi medido em apenas uma borda. ocupação relativos à história da formação do foi abandonada há apenas 20 anos. Em tos de vasilhas cerâmicas. vam na área. Santa Rosa. entre os quais apenas 14 continham atri. dido acima. em 22 cm. fomentou a difusão da influência butos diagnósticos da morfologia e do acaba. tematicamente a partir de uma perspectiva biselados e expandidos. contexto etnográfico atual podem ser com- dança do Gino para outra área da aldeia. já apresentam suficientes in- vados fragmentos de vasilhas abertas. Em conformidade com a hipótese conce- rém é importante sublinhar que a tecnologia bida em relação à pesquisa de levantamento em questão. pação indígena contemporânea que permi- constituição gráfica de uma classe de vasilha tem transpor o estabelecimento do fato pelos cerâmica a partir dos fragmentos coletados materiais. sim. possui arqueológico em Lalima. arredondados. distintas com os Guaikurú que já se encontra- cos. por sua vez. tais de os índios alegarem que “o barro da aldeia como os Gomes-Cororó (Terena) e os de Paulo não é bom”. os significados da variabilida- a partir do domicílio de um índio empregado na de e da variação nos correlatos materiais de Faz. incrementar o conhecimento sobre na Tapera do Urumbeva (Ilust. etnográficos e contorno e forma geométrica. melhantes aos pratos. área com 10. (Guaikurú). atualmente em desuso. cultural dos Terena e tentou impor a mudança mento de superfície das vasilhas. ná dispersos e escravizados nas fazendas da dimento litólico. o Mangal. se. Como alu- decapagem com 12 m² em torno de uma es. Desafortunadamente. formações sobre a história e a cultura da ocu- ples e semiesféricas. ainda mais se e 11 cm. No tocante cultural entre os índios. com a nadas pela política indigenista do século XX e escavação de 15 sondagens e de uma área de da abordagem etnoarqueológica. apesar tos ora apresentados. pósito da assimilação e da aculturação. somados aos dados históricos. preendidos através da conjuntura histórica Na Tapera do Urumbeva. muitos índios Guaikurú e Gua- trutura de combustão. foram realizadas das transformações socioculturais impulsio- coletas de superfície e subsuperfície. fragmen. munidade indígena local e regional. conhecida e eventual. Apenas foi possível a re. proposições teóricas. utensílios líticos e ecofatos.10 região foram libertos por Rondon e adensados m de espessura e vestígios de materiais indus. com terlocutores ainda não foram analisados sis- lábios aplanados. com o pro- trializados. alimentação. porém os ao passo em que a espessura variou entre 6 dados contidos nas gravações. históricas.000 m². da FUNAI. foram identificados fragmentos de os registros audiovisuais obtidos com os in- parede e bordas diretas e extrovertidas. ção de um modelo interpretativo. mesmo considerando o 90 LEVANTAMENTO ARQUEOLÓGICO E HISTÓRIA INDÍGENA NA ALDEIA LALIMA . se originou Com efeito. pelo SPI nas reservas indígenas. posteriormente. agrupou várias famílias indígenas Foram coletados 57 fragmentos cerâmi. estruturas de habitação. bem como com as semelhanças e diferenças em relação à tec. a atuação do SPI e. foram obser. porém as o passado. ao seu turno. arqueológicos. e a Tapera do Gino. Todos regional os fragmentos foram tecnologicamente as- sociados ao contexto etnográfico atual. Com relação à classe de simetria. O engobo vermelho na face interna foi o único acabamento de superfície diagnóstico A aldeia Lalima e a ocupação indígena registrado na Tapera do Urumbeva. com a mu. 55). apontados. e arqueológicas que a embasam.

e d) os conjuntos atribuídos madamente mil anos de história indígena na pelos colaboradores indígenas ao processo região do médio curso do rio Miranda. 2003. somente gica junto à comunidade. que: a) tanto os Guarani quanto as perspectiva interdisciplinar. desde períodos pré-históricos. impactos causados com a chegada e a con- nhecimento sobre a cultura das populações quista do continente pelos europeus. através de uma duração. sobretudo Guaikurú e inferências. SILLIMAN. bilidade de compartilhamento dos materiais Seja como for. pesquisas. associar o abandono guarani e a variabilidade endidos como testemunhos da diversidade entre os conjuntos datados como pré-históricos cultural descrita desde a chegada dos pri. bate ao colonialismo e a descolonização da mistas. as considerações aqui te- similares aos do MS-CP-25 entre populações cidas apenas poderão se confirmar. holís- populações com cerâmicas parecidas com tica. hodierna foram deixados pelos Guaikurú que lecimento de populações ceramistas distintas já estavam estabelecidos em Lalima e pelos e os impactos do colonialismo sobre as mes. não só estabelecem o fato de que mente sobre as outras populações que se es- a área estudada pode ser compreendida en. partir dos séculos XVII e XVIII.26 que se estabeleceram no médio Miranda em LAYTON. WOBST. cera. ou não. diferentes. crítica e comunitária. de outro. apesar do desco. Destarte. após o abando- latos detectados em Lalima tratam de aproxi. as quais se estabeleceram na região a Até onde se permite generalizar. no dos Guarani. de um lado. como ainda oferecem elementos que tio MS-CP-25 eram portados pelas populações podem ser utilizados na elaboração de novas migrantes do Chaco. aos impactos do colonialismo nas popu- e correlatos da história de formação do con. culturas indígenas. tabeleceram na região. bem como da possi. e com a continuidade e o aprofundamento das das limitações da abordagem etnoarqueoló. 1989. 1994. na medida em Fase Jacadigo. Os fa. postula-se. Tal intuito. SHEPHERD. diacrônica. SMITH. b) cedo ou tarde. Guaná.caráter preliminar dos resultados obtidos até Guarani impuseram-se cultural e territorial- momento. até o início do colonialismo. cujas origens encontram-se na ao MS-CP-25 e etno-históricos. ao seu turno. os corre. o com- rizadas como sociedades agricultoras. prevalece oficiais entre o fim do império e a república a hipótese de que os conjuntos classificados do presente. mor- portadoras de tecnologia cerâmica semelhan. c) que os dados demonstram que a aldeia foi os conjuntos constituídos principalmente por ocupada por populações diversas ao longo do fragmentos cerâmicos semelhantes aos do sí- tempo. e históricos. e similar o presente. 26 períodos pré-históricos. os 2005. Tradição Pantanal (análogos à No que concerne ao segundo fato. pode-se texto etnográfico atual podem ser compre. 2005. lações indígenas no médio Miranda. entre Guarani e aná- meiros conquistadores e colonizadores até logo à Fase Jacadigo. mente no que se refere ao baixio demográ- te àquela da Fase Jacadigo e das interações fico e à desestruturação dos territórios e das destas com os Guarani. inclusive em relação quanto palimpsesto da trajetória histórica da aos que portavam cerâmicas análogas aos da ocupação indígena regional. ou melhor. da colaboração e da participação da comu- relatos materiais de ocupação detectados na nidade indígena em Lalima no processo de aldeia e a história indígena regional de longa construção do conhecimento. como Guarani. no que poderá ser empreendido com a valorização concerne às relações dos conjuntos de cor. tendo em vista o aquelas da Fase Jacadigo podem ser caracte. retorno das informações à sociedade. Eduardo Bespalez 91 . sedentárias e culturalmente distintas arqueologia e do passado. ou Fase Jacadigo e aos materiais do MS-CP-25) seja. Tratando-se do primeiro fato. índios confinados pelos órgãos indigenistas mas. aos pré-história. de constituição da configuração etnográfica tos mais notáveis em tal ínterim são o estabe.

.

aqueles de origens construir as primeiras interpretações capazes minerais: rochas lascadas e/ou polidas e ma. Arqueologia da bacia do Alto Paraná em Mato Grosso do Sul Emília Mariko Kashimoto Gilson Rodolfo Martins A produção do conhecimento sobre turais praticadas pelas sociedades pretéritas a arqueologia do vale do Alto Paraná. grafia e documentos escritos produzidos por Com exceção do registro de alguns sítios essas sociedades. A frequência Tais vestígios constituem. os vestígios arqueológicos da cultura no município de Aparecida do Taboado (Ilust. a serem estudados. Assim cípio de Mundo Novo e a cabeceira desse rio. até o início da década de 1990. Este fato im- plica a necessidade de pesquisas arqueoló- Como é possível conhecer. como o do alto fatório. 1974). o segmento do Alto aspectos imateriais. Dessa forma. face à sua importância cultural e cultura material que resistiram aos fatores de extensão espacial. e das culturas indígenas pré-coloniais que vi. tanciada dos mesmos. fauna e outros componentes dos veram no território de Mato Grosso do Sul an. detalhadas e extensivas. gicas de campo. voamento humano dessa região. 56). sendo. arqueológico. verteu para uma abrangen- degradação. várias já extintas. entre o muni- de mitos relativos às próprias origens. isto na perspectiva de se em sua grande maioria. restam as arqueológicos localizados próximos à foz do narrativas orais fragmentadas sobre o próprio rio Samambaia (CHMYZ. em geral. qua- tais para a identificação dessas sociedades e se desconhecido em relação ao seu conteúdo para a compreensão possível de suas respecti. de expor os quadros histórico-culturais do po- teriais argilosos. que o conhecimento arqueológico era insatis- Em ambientes tropicais. as terpretar os processos histórico-arqueológicos quais devem ser subsidiadas por outras fontes dos povos caçadores-coletores pré-históricos de dados. com cerca de 590 km. contextos ambientais dos sítios arqueológicos tes do ano 1500? Perante a ausência de etno. os itens arqueológicos da rio Paraná. a pesquisa científica do alto curso do curso do rio Paraná. considerando-se vas características e dinâmicas culturais. e a intensidade dos trabalhos de campo e de quena fração de todas as manifestações cul. tais como a permanência Paraná. que existiram no território sul-mato-grossense Mato Grosso do Sul antes da colonização europeia. remetem a margem direita do Paraná. era. analisar e in. principalmente a cerâmica. causados por ações antrópicas te coleta de dados e para uma análise circuns- posteriores e pela decomposição natural. tais como características do solo. laboratório. vegetação. material são os pilares empíricos fundamen. quando existentes. uma pe. são. nos quais se incluem as datações Emília Kashimoto • Gilson Martins 93 . afluente da passado que.

As mudanças paleoclimáticas influencia- mente. isto é. sob a responsabilidade do Dr. nos permitem perceber a interação das realizadas escavações em 43 sítios e obtidas características de contextos paleoambientais as datações radiométricas de quase duas cen. utiliza-se a denominação “caçadores- apoio do CNPq.radiométricas. 94 ARQUEOLOGIA DA BACIA DO ALTO PARANÁ EM MATO GROSSO DO SUL . houve distintas fases ambientais. Miami/Florida.000 anos. Michel Fontugne. vestígios arqueológicos mais antigos relativos turais de povos caçadores-coletores-pescado. 57). aqui listadas 30 A sigla A. o que testemu. 28 As pesquisas aqui citadas contaram também com o 31 Neste texto. tenas de amostras arqueológicas compostas Segundo esse pesquisador. fase seca (3. concluídas com os aldeamentos de índios mitir descrições arqueológicas gerais acerca agricultores ceramistas Guarani. O alto curso do rio Paraná: cenário nas pré-coloniais no vale Alto-Paranaense. há cerca de 12. obtidas pelo método do carbono 14. nos três períodos paleoambientais distintos Os dados cronológicos obtidos evidenciaram no Holoceno: a) fase úmida (8. no século dos panoramas culturais que aí se desenvol. como ao fato de que os sítios estavam implantados nha o intenso povoamento pretérito das margens des. ao laboratórios: no Laboratoire des Sciences du Climat et de l’Environnement – Laboratoire Mixte CEA-CNRS final do período. apto a per.000 a 3. MARTINS.500 anos A. porém. aqui referenciadas pelo código Gif. com a expansão do povoamento humano. Ao Holoceno (os últimos 10.500 a 1. apresentaremos. também são testemunhos arqueológicos as calibrando-se os resultados. CESP. no caçadores-coletores-pescadores31 que. da qual vões de fogueiras. Sonia Hatsue Tatumi. material lítico por eles produzido sugere que a sua 29 Na margem esquerda do Alto Paraná. bem uma centena de sítios arqueológicos. desenvolvidas pela equipe da Univer. Darden Hood. na época denominada e 2012 (KASHIMOTO. após (UFMS/MuArq/LPA).27 subsidiaram a construção de res pré-históricos. ao povoamento humano no Alto Paraná. somam-se poucos fragmen- UMR 1572. resumida. na ambiental e diversidade cultural margem sul-mato-grossense (Ilust. sob a responsa. esses ves- bilidade do Dr. identificados duzentos e nove sítios arqueo. neste caso.P.P. gicas28 realizadas na margem direita do Alto Os vestígios mais antigos da presença huma- Paraná. veram no passado pré-colonial e das origens dos processos de povoamento pré-históricos (caçadores-coletores pré-indígenas) e indíge.P. que remontavam aos horizontes cul. 57). entende-se “antes do ano de 1950 da era cristã”. XVIII (Ilust.000 anos. as quais. a equipe da FCT/UNESP localizou mais de cessamento de produtos da atividade pesqueira. acompanhadas da referência Fa.)30 – conforme as pesquisas até agora pações humanas na margem direita do Alto realizadas. foram realizadas a partir da aplicação do método da termoluminescência em fragmentos de cerâmica. aproxima- longo de dezenove anos de pesquisa. no segmento utilização estava voltada principalmente para o pro- paulista. um substancial banco de dados. havia cerca de 7. IMAP/MS e -coletores-pescadores” devido ao fato de que o UCDB. prova- Laboratório de Vidros e Datações da Faculdade de Tec. anos A. associadas aos dados arqueológi- lógicos a céu aberto29 (Ilust. FUNDECT/MS. 2009). tos de cerâmica. objetos de pedra lascada e carvões arqueo- 27 As datações citadas. anos. Neste capítulo. ção. os resultados das pesquisas arqueoló. foram damente). b) nologia de São Paulo. são referentes a esse período os Paraná. não confeccionavam cerâmica. ram o povoamento humano do Alto Paraná. lógicos. velmente. Stevaux (2000) identificou que. 56). significa “antes do presente”: por conven- com o código Beta. houve pelo me- por fragmentos de cerâmica e/ou de carvão. diretamente voltados para essas drenagens. na encontrados até agora na região nordeste sidade Federal de Mato Grosso do Sul/Museu de Mato Grosso do Sul referem-se ao final do de Arqueologia/Laboratório de Pesquisas último período glacial. e no Beta Analytic.000 Arqueológicas do Campus de Aquidauana. em bordas de terraços e diques marginais dos canais se grande rio. As datações de amostras de car. fluviais. Dra. os quais foram produzidos por povos tec. em Gif-sur-Yvette/França.500 uma sequência temporal de sucessivas ocu. aos quais. foram realizadas em dois peças líticas lascadas e carvões. tendo sido cos.). sob a coordenação da Profa. no período entre 1993 o final da glaciação.

rais mais elevados do Alto Paraná ocorrem de guística tupi-guarani. As margens Emília Kashimoto • Gilson Martins 95 . tupiguarani. a hegemonia regional dos agricultores cados nas tradições arqueológicas já catalo- ceramistas tupiguarani. o território dos índios Kayapó do uma inesgotável oportunidade de seleção de Sul. nas florestas da porção cascalhos/seixos para a produção de seus ar- meridional do Alto Paraná. porém. comportamentais e simbólicas. 1500 anos A.tígios levantaram o questionamento se seriam que outros grupos indígenas tenham vivido remanescentes arqueológicos de caçadores. tais como os ca- pela etno-história nessa região: de um lado. ao sul do Pardo. delineando a riormente à formação do reservatório da UHE fronteira leste do território de Mato Grosso do Sérgio Motta. onde é maior o al. o canal do Alto Paraná atra. até o século XVIII. Em cance das massas de ar polares. bem como a diversos pontos desse trecho. está assentado o ecos. na faixa do canal. hoje. houve. sar de alguns indícios assim o sugerirem. c) fase úmida (desde. do calendário cristão. tefatos de pedra lascada (Ilust. alguns sepultamentos etc. São fronteiras étnicas permite o estabelecimento Paulo e Minas Gerais. até o presente). possui suas nascen. to ao norte do rio Pardo. local da trí. como a localização de vestígios de cerâmica período em que se configurou. ao sul do Pardo. da não estão claros para a Arqueologia. com afloramentos de conglomerados de sei- A transição entre tais contextos ambientais xos que se caracterizaram como potenciais conforma-se. apro. Na Ivinhema e Verde. de um modo geral. até o os indígenas ceramistas. o Alto Paraná propria. do rio Paraná era mais elevada. ou cerâmicos. gadas nessa região e que parecem anteceder A bacia do alto curso do Rio Paraná. situados margem fluvial: ao sul da foz do Pardo. artefatos líticos e/ estacional semidecidual. tais ximadamente. povos agricul. habitavam. ante- entre os paralelos 20° e 26°S. de relações com a variação na morfologia da mente dito flui por cerca de 590 km. Geomorfologicamente. e guardam rema- ência da predominância anual das massas de nescentes materiais das manifestações tecno- ar tropicais. o canal do rio Paraná era mais Sul (ver ilustração 60). cia dos rios Grande e Paranaíba. mais de 5 m sobre o nível médio climática situada. e mesmo para no Cerrado. radamente selecionados por povos no passa- ao norte desse ecótono.P. tais Paraná passam pelo ecossistema da floresta como carvões de fogueira. porém são exemplos dis- comunidade indígena Ofaié. havia lugares intensidade dos índices pluviométricos. essas ocorrên- Ofaié. no lado paulista e paranaense. ocorrida entre os séculos V e VIII tes no Brasil Central. como foi demonstrado forma expressiva e extensiva na sua margem pelas pesquisas arqueológicas. alcançando. até o século arqueológica não passíveis de serem classifi- XVIII. suas atividades cotidianas. aproximadamente. as águas do Alto lógicas. çadores-coletores-pescadores. Não é descartável a hipótese de em torno da foz do rio Ivinhema. Tais locais elevados foram delibe- latitudinal da sub-bacia do Pardo (21°40’S). Entre os rios esquerda. enquanto que. desenvolvido sob a influ. vessa uma zona de transição fitogeográfica e em geral. nessa mesma região. a margem direita te longitudinal. os terraços estrutu- tores ceramistas integrantes da família lin. com configuração aproximadamen. nessa área. pela cias são mais raras. do arqueológico para o desenvolvimento de sistema do Cerrado. 58). às paisagens fontes de matéria-prima lítica para as socie- de vivências dos povos indígenas registrados dades humanas do passado. setor setentrional. os quais ali obtinham século XIX. representados. ape- tores indígenas. expressivamente. tais registros ain- -coletores-pescadores ou dos proto-agricul. Vertendo no sentido retilíneo e com margens baixas. viveram também os índios margem sul-mato-grossense. Essa zona de transição ambiental e de plice fronteira entre Mato Grosso do Sul. aqui a chegada dos índios fabricantes da cerâmica denominado Alto Paraná. No segmen- sudoeste. habitante em so locais como o Paredão das Araras e a área Brasilândia. Formado pela confluên.

ocasionando o fenômeno ambiental conheci- cha em Serranópolis/GO e foram datadas em do como Ótimo Climático. calidade. 59 e 60). os maiores índices dos últimos dez milênios.P. RONEZE. sítio denominado sítio Alto Sucuriú 4 (AS4). No vale desse rio.000 a 3. uma equipe uma expressiva expansão da cobertura vege- mista de pesquisadores da UNISINOS e da tal. Situado em um abrigo sob rocha. o rio Sucu- uma extensa e complexa malha viária. as pesquisas arqueo. 02 (AS12). nos sítios implantados em abrigos sob ro. que riú.000 anos A. os autores deste capítulo desse rio. desde a transi- ção do Pleistoceno para o Holoceno (final do Com o incremento das condições de tropi- último período glacial). caracterizado por intensa pluviosidade e por BITENCOURT. nordeste de Mato Grosso do Sul A escavação arqueológica do sítio Casa de Pedra (AS12) realizada por estes autores em Qual a origem dos primeiros seres huma.800.. sob a coordenação de Pedro I.400 milênios seguintes à chegada dos proto-povo. o da ambulação. pelo menos. o que é registrado pela histó. foram localizados. ria desde o início do processo de coloniza. a temperatura atingiu pré-histórica foram encontradas. o rio Paraná é o eixo principal de foram datados em 10. trinta sítios arqueológicos. Esse potencial navegável também cípio de Paraíso das Águas/MS.mais elevadas foram as preferidas pelos povos UFMS. anos atrás (Ilust.000 anos dências arqueológicas da presença humana A. constituindo-se. PA. 1993). no muni- XVI e XVII. adores? Essas são algumas das principais ques- tões que a Arqueologia procura responder. assim como povos utilizavam esse rio como um grande os líticos lascados e os carvões de fogueiras corredor aglutinador de seus territórios.500 lógicas têm demonstrado que o povoamento anos A. na margem ção castelhana da região platina nos séculos direita do Alto Curso do rio Sucuriú. de Pedra/MS. 58. o sítio AS4 é não foi ignorado pelas populações indígenas depositário de pinturas rupestres e petróglifos pré-coloniais.) humano ocorreu.000 e 3.000 Origem do povoamento humano no anos atrás. no período entre 6. seja por meio da navegação ou tre os quais se destaca. entre 11. sucessivamente. até foi e ainda é utilizada como suporte para o o momento.500 e 4. Nessa região.480±70 anos A. inicialmen. 2004). conforme o que demons. em seus afluentes da margem direita. os carvões aí coletados 3.P. te. ROSA. Em 1987. bem como pela multiplicação da fauna 96 ARQUEOLOGIA DA BACIA DO ALTO PARANÁ EM MATO GROSSO DO SUL . além do sítio AS12. esse ológicas Planalto e Geométrica. den- transporte. (SCHMITZ. (VE- uma bacia hidrográfica (Platina) compos.P. pesquisou o sítio arqueológico Casa para a instalação de seus aldeamentos. aproximadamente. ta por diversos tributários de grande porte Recentemente. são testemunhos de acampamentos de caça- dores-coletores pré-históricos que ali se insta- laram. localizado no Fluindo no sentido norte-sul por cerca de vale do Alto Sucuriú. Esse período foi cerca de 11. as evi. Na área limítrofe entre os estados de Goiás Os caçadores-coletores-pescadores pré- e Mato Grosso do Sul. sendo o Paraguai o maior. Sch- agricultores ceramistas Guarani pré-coloniais mitz. Essa estenderam os levantamentos arqueológicos bacia fluvial drena uma área com cerca de do Alto Paraná para o alto curso de um de 2.000 km2. pois.P. assim. que permitem associações às tradições arque- tra a geografia dos sítios arqueológicos. indígenas do Alto Paraná (7.780 km. 2011 também resultou na identificação de nos que chegaram ao território atual de Mato vários níveis arqueológicos que permitem re- Grosso do Sul? Como viviam? Quais foram as cuar a antiguidade do povoamento humano transformações culturais que ocorreram nos em Mato Grosso do Sul para cerca de 12.

nessas mesmas significa. de algumas questões: as características dos cado. (Ilust. forçando. Pode ser vestígios cerâmicos indicativos. sítios desse período sugerem que essas ocu- sociadas ao processamento de pescados. da tecnologia lítica. lesmas.000 anos tenham sido remobilizados os protagonistas das ocupações seguintes no durante os distintos eventos paleoambientais Alto Paraná. fa. A realidade arqueológica dessa época. as formas pré-históricos característicos da região sul do de vida eram limitadas pelas condições de Brasil). para essa região. No Alto Paraná.500 e 3.terrestre. acampando nas margens agricultores ceramistas? dos corpos d’água perenes.P. 62). especialmente nos sítios O que se tem como certo nos registros ar- onde havia afloramentos de conglomerados queológicos é a drástica redução dos vestí- de seixos e calhaus (Ilust. ban- dos de caçadores-coletores-pescadores ex. o êxodo ou desaparecimento ppers e chopping-tools) já foram localizados dos antigos habitantes do lugar (Ilust. mais atrativo ao povoamento de caça. com a dis- cas. te. arqueológicos são caracterizados por lascas O vale do Alto Paraná tornou-se. lesmas e lógicos Rio Baía 1 e Brasilândia 8. gios líticos. raspadores. puta territorial. fixando-se aí.000 anos. tornando-se proto-horti- As pontas de projéteis líticas localizadas cultores. bem como tores-pescadores em processo de abandono da fauna ribeirinha.500 anos atrás (Ilust. talhadores (cho.tampouco. tão pações seriam referentes a caçadores-cole- abundantes nesse curso fluvial. Não foram encontrados os artefatos dores-coletores-pescadores há. da presença dos agricultores que serão res a 7. caçadores-coletores ou horticultores/ camentos sazonais.000 anos. pelo menos. onde produziam suas ferramentas líticas sobre calhaus e seixos Com relação ao período situado entre cer- coletados nas cascalheiras existentes nas mar. a ausência de camadas arqueológicas. eviden. portanto. até então. dessa tradição. Período 3.500 e 1. da atividade humana na área alto-paranaense ou que os níveis arqueológicos mais antigos coaduna-se com as condições de semiaridez ainda não tenham sido localizados. tos planos convexos bem retocados. foram encontrados ocupações mais antigas nessa área. ca de 3. Esse fato arqueológico subsidia as hi- aridez. o decréscimo que caracterizaram os últimos 10. efetivamen- que os vestígios relativos a períodos anterio. característicos do auge da cultura dos caça- 7. núcleos e fragmentos líticos mente. o que remete ao estabelecimento do uma tipologia e funcionalismo diversifi. muitas dessas ferramentas estavam as.500 anos A. Isso não pontas de projéteis. (não muitas). forma. na área em foco. natural. os vestígios gens do rio Paraná. em áreas onde. 61). plainas.000 a 1.500 anos A. sua fronteira setentrional. necessariamente.: ploravam seus territórios por meio de deslo. assim. nos abrigos sob rocha e a sua multiplicação por sítios a céu aberto. recursos alimentícios pode ter contribuído dores-coletores-pescadores na área teve lugar para desmotivar o povoamento do local pelos entre cerca de 4. machados manuais. esse período mais seco pode ter provo- Centenas de artefatos líticos tais como cado a migração de outros grupos humanos percutores. Apresentan. 62). póteses sobre os limites da expansão noroeste pelo que se conhece até o momento. conforme constatado por meio dores-coletores-pescadores. Para esse período. identificadas pela geologia: a diminuição dos O ápice da atividade/frequência dos caça. Da mesma 60 e 61). tais como artefa- das datações realizadas nos sítios arqueo. pioneiras de indígenas horticultores/agricul- ção arqueológica Umbu (caçadores-coletores tores à área? Emília Kashimoto • Gilson Martins 97 . até o ciou uma diminuição da ocupação humana momento. ou indicariam a chegada das frentes nestes sítios possuem características da tradi.P. caçadores-coletores-pescadores.

o ocaso da tecnologia lítica lascada. na cultura ma- Alto Paraná? As datações até agora obtidas terial. para as populações exógenas. na área. pelo menos.500 anos. para os agricultores ce- ramistas. permitem estimar que essa realidade re. ambientes plenos de ca. ve um crescimento demográfico endógeno Nos sítios arqueológicos referentes a ocu. como as lâmi- porcionou a expansão da floresta aluvial. nas de machado polidas que serviam. plantio. com o final do período de semia. molus- nas horticultores/agricultores ceramistas ao cos e madeira. nina região. como o milho e a e úmida que se estende até o presente. dentes aos caçadores-coletores-pescadores tinuidade das pesquisas permitirá esclarecer que os antecederam. a ocorrer peças líticas polidas. adornos labiais com refinado con- As datações das mostras de cerâmica co. que aí chegaram nessa épo. ainda não é possível res. bem como o uso dos florestas tropicais úmidas. A con.400 a 400 anos A. teste- monta a.P. A mandioca. iniciava-se uma fase climática quente mentos de origem vegetal. evidenciado pela multiplicação de sítios tu- pações indígenas ceramistas. Pode-se estimar meiros sítios ceramistas do Alto Paraná são isso pelo início do aparecimento da cerâmica depositários de fragmentos cujas caracterís. 63). com o Alto Paraná ou se foi introduzido por gru.500 anos atrás (séc. Dessa forma. para o corte de troncos de árvo- indígenas agricultores ceramistas tupiguara. passam elevação da temperatura e da umidade pro. final do período de aridez e o desenvolvimento pos migrantes. A não localização de vestígios cerâmicos lascado aparece em bem menor quantidade nessas camadas arqueológicas implica certa e com um menor refinamento tecnológico se cautela em associá-las. diretamente. cativo domínio dessa técnica.500 anos A. res para a instalação das roças de coivara. armazenamento e preparo dos ali- ridez. entre formação vegetal atraente à presença dos outros usos. o material lítico piguarani que se expandiram. com maior vi- 98 ARQUEOLOGIA DA BACIA DO ALTO PARANÁ EM MATO GROSSO DO SUL . (1. Assim sendo. em paralelo à confecção da cerâmica. A expansão dos agricultores ceramistas datação obtida em uma amostra coletada no tupiguarani na margem do rio Paraná sítio arqueológico Ilha Comprida 8. um desuso da tecnologia de las- O surgimento dos Índios agricultores camento das rochas. como o polimento das rochas e a maior utilização de Quando chegaram os primeiros indíge. hou- tecnológico in loco (Ilust. cerca de 1. VI). materiais orgânicos tais como ossos. indicativo de um distinto modo de ticas tecnológicas pressupõem um signifi. letadas nos níveis estratigráficos mais profun- dos recuam as ocupações desses indígenas no Alto Paraná para cerca de 1. o perfil melhor essa questão.300 anos atrás. Parece que a segunda hipótese é mais condições favoráveis à fixação humana. geral das ocupações humanas pretéritas do Alto Paraná indica. não havendo Desde 1. durante o período cerâmico pré-colonial Por enquanto.) ponder se o domínio das tecnologias cera- mistase da prática da agricultura surgiu no A partir de cerca de 1.P. munha novos hábitos culturais. prática provavelmente ceramistas substituída por outras tecnologias. tradicionalmente habitantes de fabricação de canoas. fundados no quando. teúdo estético e simbólico. pois as evidências arqueológicas do Alto Paraná deve ter se tornado mais atrativo ceramistas mais antigas denotam que os pri. o vale plausível. vida: o agricultor – produtor de alimentos. ao modo comparado àqueles das camadas correspon- de vida dos horticultores/agricultores. tembetás. nas mar- indícios de sua invenção e desenvolvimento gens fluviais e lacustres do Alto Paraná.. Nesse repertório material. das florestas e do cerrado.

LA SALVIA. As camadas es. lizados como urnas funerárias. com predo. combinando-se motivos tais como pontos e ca da margem esquerda do Alto Paraná. gica dos Guarani incluem ainda. maioria. pratos. BROCHADO. nesses contextos localizam-se. Confir. sendo expressiva a presença de como no sítio Lagoa São Paulo. existem terra. áreas ar. ponteado. sido sociedades portadoras de uma prática de 1974. 1989. minas de machado polidas. especialmente a A ocupação arqueológica guarani foi mar. recipientes para armazenamento de ni (1984) encontrou treze áreas com solo es. com menor ços similares nas localidades do Paredão das frequência. com pouco uso de cerâmi- Emília Kashimoto • Gilson Martins 99 . hoje animais e vegetais. porém. con. da faixa latitudinal do Pardo. partir da sub-bacia do Verde. respondem. A provável associação desses sítios sul dessa área. XI) até serrungulado. a diferença é evidente ao se com- arqueológica Tupiguarani. ungulado. geralmente. 1959. raramente racterísticas tecnológicas e tipológicas. traços/linhas em vermelho e preto). LAMING. Somente algumas peças possuem A cerâmica guarani possui singulares ca- pintura policrômica ou ungulações. dores e choppers. a quantidade de fragmentos é à área etnoarqueológica guarani do Guairá bem restrita. curo e com numerosas peças cerâmicas que Alguns recipientes de grande porte foram uti- foram interpretadas como vestígios remanes. res e. 64). escovado). morfológico das peças. cultivo incipiente. inciso. EMPERAIRE.gor. com decoração pintada Grandes aldeias foram fundadas nos terraços (monocromática ou policrômica. onde Pallestri. parar esses motivos decorativos com aqueles minância das características da subtradição empregados nas margens do Alto Paraná. ou. de pedra. tores desses vestígios arqueológicos: teriam 32 BLASI. em menor proporção. Embora sejam encon- Nelas. mamilar e cerca de 400 anos A. em (1875 [1640]). XVI) (Ilust. às vezes pintadas. parte externa e interna que reproduzem o estilo rativas predominantemente filiadas à tradição tupiguarani. 1967. estão contidos os fragmentos de cerâ. trados diversos fragmentos com pinturas na mica com características tipológicas e deco. os recipientes cerâmicos apresentam tras de cerâmicas. ao sul da ológicos ceramistas são tipificados. as quais foram seguidas por sua maioria com superfícies externas apenas outros autores32. (séc. tais diversificada. em sua faixa latitudinal do rio Pardo. tuar datações correlatas.P. Con- ocorrem fragmentos corrugados. feccionados por meio da técnica de acordela- Devido às pequenas dimensões das amos- mento. restos orgânicos queológicas referentes a grandes aldeias. aos primeiros ses. pela presença de esparsos fragmentos tratigráficasrelativas a esse povoamento cor. peças líticas como tembetás. alisadas. tigelas e copos entre outros. os sítios arque- cante nas margens do rio Paraná. respecti. neste caso estruturais elevados que compõem a barran. Algumas hipóteses e externas também lisas ou com decoração são aventadas sobre quem foram os produ- plástica (nos padrões: corrugado. desde cerca de 900 anos A. CHMYZ. centes de antigas habitações tupiguarani. Porém. de cerâmica da tradição Tupiguarani. Na Os vestígios da cultura material arqueoló- margem direita do rio Paraná. panelas. ao norte cerâmicas e estruturas de sepultamento. (séc. é notória a variação no padrão decorativo e senta centímetros de profundidade do solo. ao Guarani. depositárias de numerosas peças de Na margem direita do rio Paraná. entre as quais se destacam talha- gem. as paredes apresentam espessura baseia-se nas referências feitas por Montoya fina (indicativa de recipientes pequenos). os sítios arqueológicos Alto Paraná guarani também abrange polidores/calibrado- 12 (AP12) e Rio Ivinhema 1 (VN1). O material arqueológico vamente. ainda não foi possível efe- superfícies internas lisas. A mor- forme atestam as numerosas peças cerâmicas fologia dos vasilhames cerâmicos também é arqueológicas descobertas nesses locais. ainda. extintas. lascas e artefatos mando o mesmo padrão de seleção da paisa. líquidos. lâ- Araras e ao sul da foz do rio Ivinhema.P.

nitidamente. bandeirante que.P. com idades mais recentes as populações indígenas pré-coloniais estabe. 100 ARQUEOLOGIA DA BACIA DO ALTO PARANÁ EM MATO GROSSO DO SUL . formadas a partir da teroizinho. anos A. Nos três primeiros séculos de conta- guarani. tores ceramistas. sendo que. utilizamos a denominação arqueológica geral Tupiguarani. Caraguatá. a pesca e a coleta deveriam Quando os primeiros colonizadores euro- ainda ser as atividades preponderantes? Esses peus chegaram ao vale do Alto Paraná. Pardo. e Moeda. essa vestígios corresponderiam a manifestações região estava densamente povoada por índios tecnológicas de índios Guarani em contato de etnias distintas. predominando os aldea- com sociedades proto-jê? Seriam vestígios de mentos guarani.ca. No momento. evidenciando o ocaso dessa tecnologia Um fato é concretamente estabelecido: arqueológica. raldeias era feita através da navegação fluvial cer melhor essas questões. Na margem direita do Alto Paraná. outras etnias in- hegemonicamente habitada por índios produ. por sua vez. onde a caça. incidência de vestígios cerâmicos nesses sí- ainda. durante os séculos XVII e. pós-“descobrimento” é bem distinto do pré- querda. para no rio Paraná e em seus afluentes. dígenas também abandonaram as margens tores de cerâmica arqueológica tupiguarani. Assim como ocorreu essa variação no pa. Ofaié. foram o substrato das grandes aldeias colonial. mesmo. cuja comunicação inte- continuidade das pesquisas permitirá esclare. tais como sejam os remanescentes de aldeias menores na borda do terraço colúvio-aluvial e nos (se comparadas com aquelas dos terraços es. as ocupações sazonais. XVI). Enquanto os altos terraços estruturais. predominantemente. margem sul-mato-grossense do rio Paraná era Nos séculos XVIII e XIX. ou. no sentido norte-sul. que cerca de 400 anos A. apresentava Paraná. A baixa densidade de peças arque. teve fim a terizada. uma predominância deamentos e/ou acampamentos dos índios da subtradição da cerâmica guarani. tais como os Kayapó do Sul. a margem direita. pelas planícies predominância guarani nas margens do Alto de inundação e baixos terraços. a guarani no Alto Paraná. afluentes do Ivinhema. rio. Nesse período. significa a desterritorialização às vésperas do “descobrimento do Brasil”. uma menor densidade de vestígios arqueológi.) logia das margens leste (esquerda) e oeste (di- reita). XVIII passaram a percorrer siste- assim como podem ter sido acampamentos de maticamente a calha do Alto Paraná. as maiores reuniam várias tos etnicamente dos Guarani do Guairá)? A centenas de pessoas.P. tios. por habi. menos afetadas pelas inundações raná (Ilust. permanecendo. daí em diante. 65). Azul. A ocupação arqueológica tupiguarani drão de sítios arqueológicos ao longo do rio nos afluentes do Alto Paraná durante o Paraná. também se nota período pós-descobrimento (400 a 180 uma diferenciação ao se comparar a arqueo. provavelmente evitando o assédio tações coletivas de famílias com alguma restri. Taquari expansão demográfica ou. do Alto Paraná. carac. (séc. sobretudo. O panorama arqueológico do período preponderantes na paisagem da margem es. ção dentro do grupo do qual eram originárias. essas ocupações. ou nos córregos Qui- truturais retrocitados). apenas al- percebe-se. nas latitudes abaixo do Ivinhema. to com a cultura ibero-americana. locais para atividades ritualísticas. guarani passaram a se dar nos ambientes mais ológicas permite-nos estimar que esses sítios distanciados do leito do rio Paraná. A baixa caça-pesca-coleta e/ou áreas de cultivo. dentre elas. encontrados em número reduzido no Alto Pa- ços fluviais. são leciam-se nas bordas mais salientes dos terra. Os sítios arqueológicos de índios agricul- cos guarani. os quais estavam distribuídos índios fabricantes de recipientes da tradição por diversas aldeias nas duas margens desse Tupiguaranioriundos do Brasil Central (distin.

PARTE 2 Marco histórico .

.

ao mesmo tempo. no ex- do Sul. altera- O território que hoje constitui Mato Gros. enfim. de certa for. inicialmente como integrante da logo após o término da Guerra da Tríplice Capitania de São Paulo e. habitado por grupos humanos de Mato Grosso englobava os atuais estados desde cerca de 12 mil anos antes do presen. Paraguai. a porção territorial que viria a consti- ao atual Mato Grosso do Sul e à parte meridional do tuir Mato Grosso do Sul é referida. contudo. Seus limites externos. fato ocorrido Grosso do Sul. a leste e a oeste. anacronismo. mais tarde. Em 1977. à margem dos processos históricos que de Ponta Porã – o qual. (com a Bolívia) e em 1872 (com o Paraguai.34 neiro de 1979. nos termos do trata. o territó- rio hoje sul-mato-grossense apresenta-se. todavia. lo XIX. Mato Grosso e Mato Grosso do te (MARTINS. em 33 Manifesto aqui meus agradecimentos às organizado. da para estado. foi extinto já determinaram a própria incorporação de toda em 1946. por dois volumosos chamada de província – designação que. com a Bolívia e o situava-se.“sul do antigo que de Holanda como Extremo Oeste. correspondente ao atual Mato Grosso pondente à atual Rondônia) e outra. por sua vez. a antiga capitania passou a ser limitado. neste trabalho. na época da conquista europeia. mediante tratados assinados em 1867 do de Tordesilhas. termos físicos. parte da Capitania de Mato Grosso (criada em em 1943. Vale notar que a porção sul dessa ca.35 Com a declaração de independência do Situado no interior da América do Sul e de- Brasil (1822). Nessa época. tuir o Território Federal do Guaporé (corres- pitania. isto é. Do antigo estado foram subtraídas. após caudais (os rios Paraguai e Paraná). tremo sul. evitar o 35 34 Todo este território – correspondente. que continuo. manteve-se. foram definidos ao longo do sécu- no hemisfério espanhol. por certo. Paulo Roberto Cimó Queiroz 103 . 104). nio lusitano. KASHIMOTO. uma porção que passou a consti- 1748). que constituiu o Território Federal ma. do regime republica- no federativo (1889). mentar da bacia do Paraná) e a baixada (o vale co responsável pelos eventuais equívocos e omissões do texto. foi. Passou. Uma esquina nos confins da América: encontros e desencontros nos processos de povoamento e ocupação do território do atual Mato Grosso do Sul Paulo Roberto Cimó Queiroz Introdução33 a instauração. Mato Grosso” ou simplesmente “SMT”. 2012. no Brasil. grosso modo. repartido em duas formações ras deste livro pela atenta leitura dos originais de meu capítulo e pelas valiosas observações e sugestões – principais: o planalto (parte do planalto sedi- ressalvando. nessa época. como “antigo sul de Mato Grosso”. como Aliança). ao domí. o então estado so do Sul (MS). atual Mato Grosso – foi designado por Sérgio Buar. oficialmente instalado em ja- em terras do atual estado de Mato Grosso. Sul. o úni. depois. a porção meridio- a região aos domínios portugueses. a nal do velho estado passou a constituir Mato descoberta de jazidas auríferas. p. de Rondônia. Para facilitar a redação e.

COMBÈS. tuem uma linha de escarpas (cuestas). ta Catarina e São Paulo. é preci- Ivinhema). mais ou menos região. marca também a fronteira daí para oeste. agora com o nome de rio depois chamado Paraguai. a saber. ao norte. via apresenta-se muito mais longo que aque- te – aí incluídos os contatos entre os habitantes les efetuados na direção leste-oeste. entre os estados de San- ju. ao sul (IBGE. toral atlântico o espaço mencionado (Ilust. pelo cerrado. Entretanto. so considerar a peculiar conformação dos ca- cal (continuação da Mata Atlântica). no sentido dos também a mata tropical. Se o percurso por essa aqueles estabelecidos no interior do continen. Ivinhema (com seus formadores Brilhante e Vacaria). consti.do rio Paraguai) (Ilust. onde predominava a mata tropi. ex. liga-se um interessante movimento de proximidades das cidades gêmeas de Paranhos circulação de informações e mesmo de artefa- e Ypé-Jhú. muito antes da pode ser igualmente atingido. Da conquista europeia à descoberta do Amambai e Iguatemi. e a serra de Maraca. historicamente. por parte ceto no extremo sul (sobretudo ao sul do rio dos europeus. Campos minhos. Isso é o que explica a presença de tas. apareciam em todo o planalto. tas pelo meio físico. em manchas mais ou menos extensas. é este um território tanal (com sua variada vegetação. A esse respeito. situadas a leste do altiplano. do Paraguai). litoral hoje brasileiro. segundo denominação de “serras”. a suas deslumbrantes fontes situadas marca também a fronteira com a República no impreciso interior do vasto continente. 11 et seq. com as margens do ma linha de escarpas. movimento pelo qual chegavam ao litoral oeste-leste. na maior parte. 67). é continentalidade mostra-se. até a margem direita do rio Paraná. Pardo. ouro de Cuiabá O planalto apresentava-se. das terras baixas. terem se caracteriza- O território aqui considerado foi. desde artigos de metal precioso na desembocadura a época colonial) serra de Maracaju. compreende tanto o conhecido Pan. entre os grupos humanos que habi. onde ocorre suas ligações com o Atlântico. envolvido na história da conquista eu. paralelos (leste-oeste). por assim dizer. atlântico notícias e objetos provenientes das a fronteira é marcada por outra linha de cues. orientados no sentido norte-sul. os rios Paranaíba. neste caso. desse local em diante. em direção aos domínios do entre Mato Grosso do Sul e a República do Pa. 1979. por Situado a várias centenas de quilômetros sua vez. corretamente associados pelos na bacia do Paraguai. conveniente lembrar que. e. Os rebordos do pla. 66). Verde. A mes. Sucuriú. – artigos. pelas dificuldades opos- cedo. orientado no sentido dos tavam o litoral atlântico da América do Sul e meridianos (norte-sul). sobretudo fluviais. a serra de diversos estudiosos. vial Paraguai-Paraná. o céle- cortam a região quase ao meio e recebem a bre Peabiru – caminho terrestre que. a partir dessa conquista existiam contatos. Império Inca (cf. por exemplo. desde as cabeceiras do rio Apa até as texto. mediante o trânsito pelo sistema flu- intensos. as quais Nesse contexto situa-se. p. 2011). desta região tão interior. A esse con- raguai. essa mesma ropeia da América do Sul. muito do. originalmente. igualmente chamada (e. aliás. terras altas. ligava diversos pontos do São Jerônimo. A baixada. que seria justamente chamada “Rio da Prata” Entre os principais rios do SMT incluem-se. ainda que num registro (com seu formador Aquidauana) e o Apa (que mítico. na bacia do Paraná. prosseguindo serra de Amambai. ao contrário do que “atenuada” pelo fato de que o litoral atlântico se tende muitas vezes a supor. das terras altas (o altiplano andino) e aqueles nalto. aí incluí. Para se compreender a conquista. ele histo- 104 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . o Taquari. recoberto. marcado pela continentalidade – caráter que dos os campos) quanto maciços montanhosos parece ainda mais acentuado pelo fato de como Urucum e a Bodoquena. no sentido tos. dos litorais oceânicos. o Miranda indígenas do litoral. que ligavam ao li- limpos.).

bene. por conhecida como Pantanal (VALVERDE. 1972. ser mais rápido e muito mais cômodo. costumava ser designada pelos espa- a porta verdadeira para a região que ficaria nhóis como laguna de Xarayes. introduziu o uso do termo pantanal para designar a vasta planície inundável do rio Paraguai – a qual. Paulo Roberto Cimó Queiroz 105 . foram os variam de regulares a excelentes – condições luso-brasileiros. 18-19).36 ficiando-se de condições de navegação que. p. por outro lado. p. 101-102). quem essas tão vantajosas que um geógrafo brasilei. do médio Paraguai até o estuário do Prata. ILUSTRAÇÃO 67 . 36 De acordo com Costa (1999. 1998. em meados do século XVIII. ro chegou a considerar essa via fluvial como antes disso.VIAS DE COMUNICAÇÃO NA BACIA PLATINA (LOS RÍOS NOS UNEN. ADAPTADO) ricamente se caracterizou.

desde a primeira metade do século XVI. por meio de seus súditos ame- tradas (HOLANDA. a esse respeito. ao noroeste do atual estado brasileiro em um centro de fixação de “colonos” dedi. novamente acossados pelos cleo chamado Santiago de Xerez e jesuítas da bandeirantes. aos portugueses. Assim. que havia possibilitado a fundação de por exemplo. Isabelle Combès e André nhos descobrem que sua Serra de Prata nada mais era Freitas bem como o de Ana Cláudia Marques Pache- que o Peru.38 presença espanhola começariam a ser constru. Assunção. conforme mas até mesmo entre luso-brasileiros – uma assinala Holanda. tumeiramente referidos pelas designações de AZARA. a base de prósperas lavouras de trigo (MONTEIRO. isto é. como as- sinala Gadelha. por exemplo. dirigiam-se ao interior do to avançado” dos encomenderos de Assunção continente. Assunção logo se converteu modo. bandei- Desse modo. local aparentemente situado às serra acima onde se havia fundado. o capítulo escri- Desengano que data de 1548. por que. em fins da década de 1620. (1980. para irem estabelecer-se em outras cados a atividades agropecuárias mediante a partes. meio. neste livro. Cário. do instituto da encomienda. paulistas. além do próprio Itatim. – principalmente entre hispano-americanos. Assim. onde os assuncenhos estabeleceram o nú. ao longo do e os índios guarani-falantes denominados século XVII. Assim. iniciadas entre 1631 e 1632. tais Entretanto. os jesuítas a abandonarem. a região de de los Reyes. contudo. teria uma existência mui- seguinte). foi também integrada a esse contexto to breve. grosso na região. mamelucos de São Paulo. registra-se no território aqui considerado a pre. ainda nessa primeira metade conquistadores sobem obstinadamente o médio do século XVII os grupos indígenas situados e o alto Paraguai no afã de encontrar o caminho nos domínios dos assuncenhos passaram a ser para sua mítica Serra de Prata. – depois que. a atual região de Misiones (Ar- exploração do trabalho indígena. 2000b). Em seguida gentina). desenvolveu-se Itatim (cf. efetuadas pelos território hoje sul-mato-grossense. Já então. Já em 1632.39 província do Paraguai fundaram as reduções do Vale notar que. forçaram quistadores anteriormente mencionados decidi. 106 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . a própria existência das referidas re- ídas apenas na segunda metade do século XVI duções do Itatim. a partir bou por configurar-se apenas como um “pos- do estuário platino. vez de os jesuítas. GADELHA. 284). isto é. os moradores do da conquista. abandonarem o Itatim. foram todas frus. do Paraná). em 1554. 81). no caso. o Puerto chamado planalto paulista. À cidade de Santiago de Xerez. a aliança entre os espanhóis 38 Como se sabe. exceto habitantes da capitania de São Vicente – mais um ou outro ponto assinalado nas crônicas especificamente. Xerez foi abandonada a porção meridional do atual Mato Grosso do por seus moradores e. 1943 [1847]. desenganados37 da esperança de relaciona-se às incursões bandeirantes – as poderem desfrutar das riquezas do Peru. nada restou no tes dos domínios lusitanos. foi a Sul. 1986). marcas mais duradouras da rantes ou mesmo vicentinos). p. p. poderosa narrativa nacionalista. sobretudo. margens da Lagoa Gaíba. alvo de incursões escravizadoras provenien- Desse processo. no entanto. segundo a mesma Gadelha. como. a força de trabalho indígena constituiu. já conquistado por outros espanhóis. quais. contudo. os con. De fato. ligavam-se róseas perspec. entre 1647 e 1648. Tal presença (entre o final do século XVI e o início do século espanhola. atingido em 1543 a povoação de São Paulo (personagens cos- pelo espanhol Domingo Martínez de Irala (cf. os escravos índios eram conduzidos ao trabalho no planalto paulista – onde. Xerez aca- sença de conquistadores espanhóis que. ram concentrar-se em sua própria sobrevivência a região do Guairá (correspondente. As facilidades oferecidas por essa porta ver. havia degenerado em simples do- dadeira foram bem cedo reconhecidas. a qual atribui tivas – as quais. 39 Sobre esses assuntos ver. 1980). em seguida à fundação de Assunção (1537). com seus neófitos. quando os assunce- 37 to por Graciela Chamorro. a partir da década de 1530. de modo mínio dos europeus sobre os indígenas. co e Manuel Pacheco.

isto se deu porque estes últimos. mais tarde -brasileiros estabelecidos no planalto paulista (1718). não do uti possidetis (HOLANDA. tanto afluente do Cuiabá. de outro. acesso à força de trabalho indígena de que la. ao longo der sua ação até os territórios antes ocupados do século XVII. meira metade do século XVII. HOLANDA. p. Muito menos impediu que. as povoações laicas chamados “da Vacaria”. o interesse Mbayá-Guaikuru e os Chané-Guaná. se os bandeirantes paulistas. 1969). esse respeito. 265). do Itatim. desse efetuar “patrulhas” nas porções mais meridio- modo. Os espanhóis de Assunção continuariam. no proces- so pelo qual os bandeirantes impiedosamen. bem como aquele rito Santo. os religiosos ca uma notável inflexão na história da região aqui considerada. escre. Paulo Roberto Cimó Queiroz 107 . já lhes custava muito o sustentar-se para o sul) abriu espaço para a entrada de na própria Assunção. 41 Além de Xerez. contudo. nais do atual Mato Grosso do Sul. isto é. contudo. Isso. com base no conhecido princípio CORRÊA FILHO. de modo que logo lhes grupos de indígenas chaquenhos. tal princípio ridades metropolitanas portuguesas não mani- significava o “reconhecimento da soberania de um Estado sobre as terras por ele ocupadas. sacramentada pelo Tratado de cia de seus congêneres luso-brasileiros (cf. jesuítas inicialmente estabelecidos no Itatim. paulistas continuassem so foi muito mais prosaico. a isso não se opuseram seriamen. os luso. hispano-americanas. 1986). aos grupos chaquenhos quanto aos Guarani. teriam “guiado” as incursões dos bandeiran. de fato. que lhes tolhiam o de territórios situados na demarcação espanho. 72). Madri (1750). no noroeste do paulistas no SMT. escreve ricas jazidas auríferas situadas em locais cor- Holanda. isto é. puderam esten. enfim. Por essa narrativa. a ação despovoadora dos pelos hispano-americanos. as auto- 40 No âmbito do direito internacional. Holanda identifica. Convém. respondentes à atual cidade de Cuiabá. associada à atividade dos atual Paraná e sul do atual Mato Grosso do Sul. 1986. ao longo de toda a segunda me- Para Holanda. os “colonos” assuncenhos Mato Grosso tenderam. pelo menos a primeira metade do século XVII. bos tinham como verdadeiros inimigos.40 impediu que. 1951. entre 1718 e 1719. a saída te. aí. Assim. “fabricando”. no que concerne tanto 42 aplicação” (ALMEIDA. 1990. ocupação não indígena do antigo sul de mais tarde. desde necessitavam (HOLANDA. despido de a perseguir e escravizar os indígenas dessa re- maiores conotações políticas e impulsionado gião. mar- em S. escrito por Roberto Tomichá). Até então. belle Combès e Nicolás Richard. antes. Do ouro de Cuiabá ao início da efetiva te atacaram as missões jesuíticas do Guairá e. a confraternizar com os paulis- tas que combatê-los – tendo em vista que am. nela mantendo até mesmo um “núcleo apenas pelas condições concretas em que se fortificado” (o qual teria existido nos campos situavam. todo esse proces. até onde se estendia a ocupação efetiva na atualidade de sua Tais movimentos de povos. várias outras motivações (ver a a fundação de outras povoações situadas em territó. até o final do período colonial. neste livro. deirantes ou deslocados pelos jesuítas mais ve ele.42 necessário para manter seus estabelecimentos mais distantes. os dirigentes lusos. o que ele denomina dos grupos Guarani (escravizados pelos ban- refluxo assuncenho: aos assuncenhos. fossem paulistas os descobridores das desde meados do século XVI. tiveram. com exceção foi responsável por uma notável alteração dos jesuítas. na pri.ricanos. o capítulo escrito por Isa- rio hoje brasileiro (especialmente a Vila Rica do Espí. e. sobretudo. tade do século XVII. A descoberta de ouro no rio Coxipó. 96-97). ligou-se à iniciativa dos assuncenhos também. os veio a faltar a energia e. assinalar que. por certo. em terras do atual estado do Paraná). De fato. a tes em direção ao Oeste. uma deliberada política de ocupação da Companhia de Jesus. p. os argumentos para a futura incorporação a tentar obstar a passagem ou a permanên- dessas regiões. de um lado. p. Paulo como no Paraguai. com vistas cia. com mais de um século de antecedên. demográfica nessa região.41 Nesse contexto. certamente.

princi. em que tomavam posse de fato deste Extremo ciantes e outros interessados em lucrar com as Oeste. desmembrada de São Paulo (1748). ao mesmo tempo ram um espontâneo fluxo de mineiros. na bacia amazônica). foi logo estendida até específica porção do território sul-americano estas minas a jurisdição do capitão-general e – tanto que. como já mencionado. de Porto Feliz (local então chamado Araritagua. para capital da capitania. Mesmo antes disso. 68). noroeste de Cuiabá.festavam qualquer interesse pela posse desta esse território. ILUSTRAÇÃO 68 . no entanto. e nomea- ba). 29). dirigiu-se pessoalmente ao arraial galardoar os seus súditos que eventualmente de Cuiabá para elevá-lo à categoria de vila adentrassem tais territórios de oeste. O primeiro a Espanha novos limites. nos trabalhos de extração do ouro. feras que haviam sido encontradas em 1734 a A descoberta do metal precioso atraiu deci. aliás. 1990. tindo das imediações da atual cidade paulista havia sido criada a Capitania de Mato Grosso. no rio Tietê. estabelecida junto a jazidas aurí- palmente. sob a invocação do Senhor Bom Jesus (ja- Os achados auríferos. dade (1752). Nessa seguida fundou. em direção às minas cuiabanas (Ilust. utilizados. portanto. logo atraí. nova povoação: a Vila Bela da Santíssima Trin- dução de escravos africanos. ocorreu. contudo. a Coroa lusa preferia antes admoestar que em seguida. neiro de 1727). 145) 108 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . seguiam caminhos fluviais em do seu primeiro governador – quem. isto é. que lhes pudessem resultado mais notável do referido fluxo foi o garantir também a posse de direito – o que foi surgimento do complexo fenômeno das mon. Madri (1750). pelo Tratado de ções. obtido. P. real. os portugueses buscavam negociar com atividades de exploração mineral. Assim. governador da Capitania de São Paulo – quem. Além disso. às margens do rio Guapo- sivamente a atenção das autoridades lusas para ré (já. par. uma nova fase histórica. como observa Holanda (1986. comer. p. também. a intro.A ROTA DAS MONÇÕES E OUTROS CAMINHOS PARA O EXTREMO OESTE (HOLANDA. os comboios de canoas que.

Madeira e Amazonas a sair no minerais” (1986. aliás. Assim. O ouro continuaria. Pa. ainda como “sim- Paulo Roberto Cimó Queiroz 109 . seguramente be. p. a manutenção dos sítios an- a uma área de passagem – dado que. iniciada já no início da década de 1720 e cujas instalações seriam em ternativos às monções. segundo a expressão de Valmir Corrêa. como já de ocupação e povoamento não indígena. (QUEIROZ. as jazidas des- O viajante Cabral Camello. 210). transpunha-se aí um breve “varadouro” por mente quanto haviam surgido. São Paulo e o Rio Tais sítios constituíram. partindo de Vila Bela [da povoado e bem cultivado. em pelo menos meia dúzia “e nada se fizera para melhorar os processos de locais diferentes às margens dos rios Para. de uma efetiva ocupa. posse do território do SMT. p. rar. Por outro lado.] sendo o ouro de aluvião. o vigor da corrente co- ainda na década de 1720.43 a resistência dos referidos indígenas – o que. 2004. Trata-se. con- Extremo Oeste. sucumbiram tão rapida- até suas cabeceiras. nessa época. os sítios acima referidos. os correspondente ao atual estado de Mato Gros. Santíssima Trindade]. pertencente ao atual estado de forme procurei argumentar em outro trabalho. e até mesmo outra via Sérgio Buarque de Holanda. (QUEIROZ. em seguida. Cuiabá às minas de Goiás (descobertas em 1725) e daí a Minas Gerais. que cobertas esgotavam-se rapidamente: elas “só seguiu para Cuiabá em 1727. 2008a. ligando 2008a. logo surgiram caminhos al- fazenda de Camapuã. Desse modo. 18). nos que 10 roças. refere nada me. é preciso enfatizar que a raguai. do às monções (QUEIROZ. vários particulares mercial entre São Paulo e Cuiabá foi severa- estabeleceram-se com sítios de produção de mente limitado pelo fato de que. o rio Cuiabá. estabelecida já na de Camapuã. por par.. p. 68). isto é. eram opulentas na superfície”. Assim se compre- passagem para converter-se em um outro polo ende que. São Lourenço e. no ribeirão chamado Sangues- suga. no caso. “com a única exceção da fazenda 43 Pela rota “clássica” das monções. empregados em sua exploração” (1990. destacava-se aquele situado no va. de fato. p. na porção meridional. “configurada a partir de fins da déca- cipiente de ocupação de um território que.. finalmente. seguia pelos rios Gua- neficiaria as frotas e os moradores das lavras poré. 2008a. a saber. nada foi en. os rios Coxim. 2009). Tal. lançavam-se n’água novamente ram reconstruídos” (QUEIROZ. foi dito. da chamada Além disso. Paraná e Pardo. alimentos à margem dos rios percorridos: [. caso de um intenso trânsito monçoeiro. ou do norte”. É certo que o trânsito monçoeiro chegou por sua vez. limitaram-se à parte setentrional do entretanto. o litoral atlântico em Belém – eram as monções SMT poderia deixar de ser uma simples área de do Grão-Pará. teriormente mencionados implicaria um gran- cerca de 2/3 do percurso das monções cum. 18). Em outras palavras. sendo esse último navegado Kayapó e Guaykuru. de e dispendioso esforço no sentido de vencer pria-se em território hoje sul-mato-grossense. diante década de 1720. as expedições seguiam pelos rios da forte resistência oposta já em 1730 pelos Tietê. 181- as expedições precisavam inevitavelmente va. capaz te de luso-brasileiros. certamente. 73) – com o que. p. 18). somente poderia justificar-se em a produzir “uma primeira tentativa. as canoas. à relativa fraqueza do fluxo comercial associa- contrado. da de 1740 e que. Mamoré. já agora na bacia do Paraguai: o ribeirão Camapuã e. As descobertas de metal precioso. No SMT. Guaikuru então. e Payaguá. fluvial. na região. na sequência. CANAVARROS. nas palavras de de Janeiro” (Ilust. aberto em 1736-1737. ná. por exemplo. a ser extraído mentos. mas a tendência dessa extração apresentava mais curto o trecho terrestre que é declinante (cf. um “esforço in. Taquari. p. nho terrestre. nota Holanda. na medida em que. Entretanto. “um cami- seguida melhoradas e ampliadas. de remunerar adequadamente os proprietários ção produtiva do SMT”. e não mais fo- terra e. o local onde se novas jazidas. Dentre esses estabeleci. Pardo e Taquari. dos sítios. comboios monçoeiros atravessavam territórios so do Sul. 52). em seu trânsito entre as bacias dos rios Pa- raná e Paraguai. graças a contínuas descobertas de radouro de Camapuã. esta porção limitou-se dominados pelos indígenas Kayapó. não sucedeu – o que se deveu. Mato Grosso.

(QUEIROZ. a frente da popu- ocupação e povoamento não indígena. o estabe. p. nhança com os espanhóis (no caso. afigurava-se aos por.] nesse espaço [SMT]. em estreita correlação com o essas. são desde então as 45). Com a exceção do forte do Iguatemi (toma- do e destruído pelos espanhóis já em 1777). aliás... até do SMT data somente da quarta década do pelo menos a primeira metade do século XIX. nunca passaram. a significado. à margem esquerda desse afluente da inovação. diante de rumbá (inicialmente chamada Albuquerque. estão geralmente falando da fronteira Forte Coimbra (1775). Quando os geógrafos falam de frente pio- A esse contexto pertence a fundação no neira. com vistas à segurança do da pecuária à abertura do rio Paraguai à domínio sobre as zonas auríferas. ções indígenas. existem. do pansão.] adiante da fronteira demográfica. uma zona de ocupação pelos agentes da “civi- lecimento. Em lação não incluída na fronteira econômica. Entre a fronteira demográfica e a fronteira econômica está a do. Grosso do início do desenvolvimento tanos portugueses. demográfica. sobretudo a província do Paraguai). com ela. Em outras palavras. Iguatemi. é preciso “distinguir. no extremo sul da capitania. Quando os antropólogos falam de frente de ex- SMT. Assim se compreende que. frequentemente incapazes de su. portanto. concomi- bélicos. do chamado Forte do lização”. linha de efetiva ocupação econômica do terri- tório. estão falando dessa fronteira econômica. fronteira demográfica e a fronteira econômi- siva: em face da presença indígena e da vizi- ca. 2009. acima mencionados. estão as popula- referidos lograram sobreviver ao contexto ini. contu. do racional.. Isso nos põe. de simples postos a frente pioneira. p. jamais as pode-se dizer que o efetivo início de um pro- substituíram totalmente: os comboios de cano. esta nem sempre coincidindo com aquela. apresentava uma im. constituídas principalmente por conceito de frente pioneira. por José de Souza “remessas do governo”. duas “fronteiras”: a de- mográfica e a econômica (MARTINS. do urbano. Ademais. a segurança do tráfego monço. cia comercial das monções clássicas. uma primeira distinção essencial: entre a fron- 1778) e do fortim de Miranda (1797) – assim teira demográfica e a fronteira econômica há como. 1975. tal processo pode ser pesadas e volumosas. em 1767. do moderno. se de fato reduziram a um mínimo a importân. no Brasil. [. que não são ainda os agentes carac- terísticos da produção capitalista. no período imperial. como o principal meio de transporte de cargas Em minha opinião. os navegação brasileira caminhos concorrentes. agentes da civilização. A porção sul da capitania de Mato portância crucial para os interesses metropoli.ples” área de passagem. outras palavras. expansão – conceito tomado aqui tal como riam o caminho terrestre por Goiás – cargas ele é exposto. nela. 110 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . Tendo em vista o exposto no item anterior. geralmente aquém dela”: tugueses imperativo garantir a posse do territó- rio e. no último quartel do século XVIII. a linha de povoamento avança antes da eiro. sobre cujos territórios avan- cial de sua fundação. 208-209). ça a frente de expansão. vale dizer. pelos prir até mesmo suas próprias necessidades de agentes da modernização. apetrechos Martins. sobretudo econô- mica. isto é.. cesso “sustentado” de ocupação não indígena as entre São Paulo e Cuiabá continuaram. das insti- sul-mato-grossense do rio Paraná. da povoação de Co. Para esse autor. Nenhum deles. agentes da economia capitalista (mais gêneros alimentícios básicos. tantemente. [. século XIX – já. numa estratégia sobretudo defen. insuscetíveis de serem pensado nos termos do conceito de frente de conduzidas no lombo das mulas que percor. mas. portanto. Isto é. da os demais estabelecimentos anteriormente fronteira da “civilização”. pelo menos Atrás da linha da fronteira econômica está durante o período colonial. tuições políticas e jurídicas etc. ações estatais que passam a adquirir especial no interior das fronteiras políticas do país. dominada não só pelos fronteiriços. chegou a atuar como um efetivo polo de frente de expansão.

p. quando. aquele do período regencial. ur. os novos povoado- grado na historiografia sobre o antigo Mato res tinham à sua disposição grandes extensões Grosso (cf. rente povoadora oriunda do Norte. em fins de maio de 1834. diam ser encontrados em toda parte. bana e empreendedora. sendo mente espontâneos. 1999. Conforme assinalou Valmir Corrêa.. sobretudo aquela vinda do frentes de expansão. a pecuária bovina. uma área que. diferentes modos e tempos de sua participação na esse movimento situou-se no âmbito de um contexto história” (2009. a referida distinção permite o 46 Trata-se aqui de um movimento insurrecional inicia- estudo da diversidade histórica desses grupos “não do em Cuiabá. bem como a expansão a região depois chamada Triângulo Mineiro. originado do gado abandonado pelos espa- 137-138). dos pelas autoridades da agora província de Essas duas correntes de povoamento apre. tanto no ferido. já re. e até os dias entre essas duas frentes “é. 91-92). o proces. os “entornos de Cuiabá” (CORRÊA.]. “mais momentos. a distinção de Xerez”. 2009.45 de um de mercado). ocorrida em 1834. Tratou-se. como se sabe. colônia. correspondente à região “que os espanhóis cha- tendência a se superestimar a dimensão espacial na mavam de Província Jesuítica do Itatim ou Campos caracterização de tais “frentes”. p. sur- sense. ex. isto ao mesmo tempo. (MARTINS. ao mesmo tempo. constituídas pelos cam- 1955. teve repercussões também em outras partes da en- mas também como diversidade social relativa aos tão província. vel. duas Tais correntes. isto é.139. destacando ceiras do Apa até as proximidades da atual cidade de “a temporalidade própria da situação de cada grupo Campo Grande. a cor. em certos a outra. maior. no planalto. seja. como já foi mencionado. deu-se a partir de duas direções. ainda que. A frente vinda dos entornos de Cuiabá está mica. da violenta luta social e política denominada das durante períodos mais ou menos longos Rusga.. Para Conforme um entendimento já consa. “marcado Paulo Roberto Cimó Queiroz 111 . na porção sul-mato-grossense 24). CORRÊA. sentavam. 1926.44 nhóis na primeira metade do século XVII. vas realidades do centro-sul do Brasil. social da fronteira”. De fato. segundo Esselin (2011. da monocultura cafeeira no vale do Paraíba pertencente à província de Minas Gerais e repercutiram sobre todo o interior da então tendo como referência a vila de Uberaba. 1999. ou Pantanal como no planalto. CORRÊA FILHO. Ainda segundo Corrêa Filho. em territórios relativamente distantes dos 91-92). eles possam haver sido estimula- volumosa” (1969. isto é. a prática dessa atividade. vinda de Minas e São Paulo. mas que só como diversidade estrutural de categorias sociais. em termos econômicos. verificaram-se. p. numeroso rebanho bovino tornado selvagem. o nome Vacaria designava a porção sul do Panta- 44 É fundamental salientar que Martins recusa certa nal. a região designada na historiografia como nimamente viável. relacionavam-se claramente às no- para o território atualmente sul-mato-gros. isto é. com largura variá- trumento útil quando as duas concepções são traba. acompanha a cuesta de Maracaju desde as cabe- lhadas na sua unidade”. moradores da porção norte do Pantanal. 536). Mato Grosso. entretanto. pos limpos que. como principal atividade econô. isto é. de processos essencial- região de Cuiabá. pela existência. p. principais centros consumidores. de pastagens nativas. ainda que outras diretamente relacionada às consequências atividades tenham sido também desenvolvi. na melhor das hipóteses. gidas depois da vinda da corte portuguesa adores vindos do Sudeste brasileiro. grifos meus). da mentalidade inovadora. Para ele. do que simplesmente agentes da economia denominada precisamente Vacaria. A primeira foi constituída por povo. atuais. foi “menos densa”. p. p. Posteriormente. para o Rio de Janeiro. po- so de ocupação não indígena do SMT.46 Segundo a histo- – sendo que a referida pecuária foi favorecida 45 Nos séculos XVII e XVIII. da em ambos os casos. um ins. ambas convergindo Sudeste. a região nordeste da província de São Paulo o aumento das necessidades de abasteci- (tendo como referência a vila de Franca) e mento dessa cidade. p. isto é. tornando tal atividade mi- é. “empurrando” a atividade de cria- A segunda frente foi constituída por antigos ção de gado bovino em direção ao Oeste e. o nome campos de Vacaria passou a ser apli- um instrumento auxiliar na descrição e compreensão cado a uma extensa área de campos limpos existente dos fatos e acontecimentos da fronteira [.

“se “planalto de Amambai”. os p. 1993. a região que ficaria co. uma vez derrotados. volta de 1844. 178-179). Cor- Rio Negro. parti- CORRÊA FILHO. p. 112 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . cionais de controle político e econômico da região” Quase nem seria preciso dizer que.riografia. isto é. estabeleceu-se no vale do Tendo-se iniciado pelas imediações do rio córrego Monjolinho. na Vacaria. nos (CORRÊA. num processo de “desbravamento”. tais novos povoadores teriam trazido consigo. já existia na região desde o século XVII. que “as notícias do 48 Cabe notar. p. em fins da década de 1820. para Oeste e Sul.33). mero de emigrantes mineiros e paulistas para o sertão no máximo. à ação de José Garcia Leal e seus pa. Desse volução” liberal de 1842 que “fez afluir grande nú- modo. 1926. 180). que os distinguiam (LUCÍ- maneira efetiva na tomada de poder por parte dos nativistas locais e na desarticulação das forças tradi. esses po. p. isto é. nhecida como sertão dos Garcia. “secundado por paren. sobretudo. Esse autor enfatiza. trar-se. Joaquim Francisco Lopes dauana. entanto. os rebeldes. cas: segundo um memorialista. que se afazendou em por sua vez. em direção à Vaca. 1993). por sua a área situada entre os rios Aporé. “resultou de ticas peculiares”. pecuárias. 76. 1951. a iniciativa do mineiro José Garcia Leal. p. o contrário. o Pantanal. ALMEIDA. mesmo sendo parte do mes- por manifestações revolucionárias em quase todas as províncias brasileiras”. 1951. A Rusga (que o referido autor mo processo e adotando as mesmas técnicas prefere chamar de Rebelião Cuiabana). o povoamento “se vizinhanças. v. pelo planalto sul-mato-grossense.. 2000. p. foi a conhecida “re- ram qualquer referência à entrada de bovinos”. o sertão dos Garcia e a Va- caria – os quais. novos povoadores avançaram para o sul “se- MEIDA. 1926. LHO. também CORRÊA FILHO. a sudeste do (ALMEIDA. grifos do autor). 536). alguns poucos animais de tiro e sela. sertas”. o contato das duas correntes” rentes relaciona-se o povoamento das “glebas (ALMEIDA. Embora a Tais concepções. ram-se pelos vales dos rios Miranda e Aqui- cisco e. AL. p. 485 et registros memorialistas. Paraná e vez. Já nas glebas situadas mais ao sul. e em seguida. v. no atração”. espalha- irmãos Lopes: José Francisco. os conhecidos uma “escala” no sertão dos Garcia. p. povoado de Miranda teria se verificado. ao contrário. “no vale do Taboco. por sua vez. A cularmente. toriografia mais tradicional. 1951. 1969. 68. NEVES. 1951. dos Garcias” (FLEURY. principalmente. isto é. 23). tb. quanto aquela vinda do Sudeste estendeu-se. vieram a se distinguir dois “polos de Verde. 1969. en- ria e ao vale do rio Apa (cf. afluente do Apa (1969. haja vista que povoadores originários tes e auxiliares convocados” – dentre os quais de Minas e de São Paulo. 1955. 230. 233). CORRÊA FILHO. as duas ondas chegaram a interpene- “principal pioneiro”. e que “os primeiros colonos não fize. tal “especialização” não foi absoluta: ao so. “não há qualquer documentação que possa comprovar tal afirmação”. 1988. esse processo é 47 De acordo com Esselin (2011. “apresentavam algumas caracterís- nha durado apenas uns poucos meses. Paranaíba (um dos formadores do Paraná). Sobre esse assunto. vindo a estabelecer-se na porção processou por interferência e esforços dos Lo- sul do Pantanal. parece haver sido influenciada por questões políti- nio público”. Segundo Al. 21-22. na década de 1840. DIO. “por antes. do pes” (ALMEIDA. que também essa corrente gado alçado nas regiões do Pantanal eram de domí. depois de fazerem se destacavam. p. genro Gabriel Lopes. 231. na década de Vale notar que a frente vinda do Norte ten- 1840. bem como na his- seq. p. 227-230). LUCÍDIO. contudo. a propósito. De fato. bem como No interior do próprio planalto. p. 1951. desde o rio Pardo até exilaram espontaneamente” de Cuiabá e suas as nascentes do rio Apa.48 esse povoamento irradiou-se. foram já devida- historiografia registre que tais “pioneiros” chegavam mente repelidas pela historiografia acadêmi- “conduzindo boiadas”. 233). no Pantanal sul.47 guindo as pegadas de Antônio Barbosa e seu A chegada da frente vinda do Sudeste. Gabriel Fran. e além” (CORRÊA FILHO. isto é. 1925. assim. tb. nesse proces. “por meida. embora te. rêa Filho assinala que. CORRÊA FI- do Paranaíba”. nota Esselin. No historiografia costuma realçar. deu a ocupar. p. parece ter ocorrido alguns anos Passa Tempo”. p. volta de 1846”. descrito como uma ocupação de áreas “de- voadores formaram seus novos estabelecimentos com o gado bravio (“alçado”) que. como foi dito acima. v.

Sabe-se. cabe mencionar os “pobres livres” a que a lavoura cafeeira. quem chamado gado magro: animais que eram en. pode-se dizer que. que. LEITE. p. aqueles estabelecidos em Minas serem encaminhados aos centros consumido. nos mercados fazendas sul-mato-grossenses para as inverna. especialmente visíveis apenas a 61. o pro. 101-102). 1992. ferências contidas nos relatórios dos presiden- balho das fazendas era constituída em grande tes da província de Mato Grosso. tras coisas. onde eram engordados antes de ados. 1999. apta a ser vendida para fora da região. isto é. todavia. SILVA. portanto. p. como por exemplo. cada vez mais caro”. que a força de tra. especialmente no Pantanal. dentre os diversos bens pro- cesso aqui referido teve “um nítido caráter de duzidos no SMT. p. E mesmo ram desse tema estão repletos de referências isso. os rela. preferi. nala precisamente “o início de uma pecuária cuária então estabelecida. em morosas boiadas. um período de ve. das a oportunidade de concorrer. ao contrário. 2008a). queijo em grande quantidade. (QUEIROZ. xou a antiga feição de simples área de passagem neros derivados do gado. na eco- 50 Com relação a isso. Na verdade. senão a e reduzidos a uma condição de servidão (cf. Por outro lado. contudo. uma “especializa- exceção constituída pela região de Paranaíba. com seus competidores melhor situ- das mineiras. era o lugares [do Sudeste]. mais detalhes passar para o idioma português os trechos extraídos em QUEIROZ. ao universo econômico centrado no Sudeste brasileiro – iniciando. também. dos poucos produtos que compensavam um trabalho incluíam-se indígenas Kayapó (cf. nas regiões fornecedoras de escravos para a cafeicul- caria e principalmente com o Pantanal). 19). por exemplo. a escravidão negra – que este. na verdade. 101). uma grande diversidade. apenas o gado o era a um conquista e expropriação das comunidades custo baixo o suficiente para torná-lo apto a indígenas.49 partir do início da década de 1850. além disso.ca. p. dos processos aqui mencionados. com isso. abriu aos criadores de gado mato-grossenses caminhados a pé. Conforme já argumentei em outro trabalho vam esse espaço (cf. 2011. 2003. p. conjunto do SMT (planalto e Pantanal). 1961. seja os mercados do Sudeste (em comparação com a Va. sua in- 49 Isso. não significa que não tenha existido. ou produtos da agricultura. conforme assinala Zilda Moura Brasil. 191-192. como se sabe.]. ção crescente”. “pioneiros” e os povos indígenas que habita. GARCIA. 1925. para vincular-se. do Leste. notava-se. a mercados consumidores (1992. o SMT dei- de dos caminhos). pelos pró. as remessas parte. a úni. 2014). portanto. parece ter demorado certo ao constante confronto entre os chamados tempo para ocorrer. 2001. verificou-se. algodão em ramas. p.. ex. Para Lúcia S. BARBOSA. em “monções” pelos rios Paranaíba. convém dizer. e São Paulo e. em condições de proporcionar ao fazendei- tos dos próprios memorialistas que se ocupa. no interior da população nãoes. partir de fins da década de 1840 – tornando-se. 1999). mais próximos dos res (basicamente. Corrêa. aliás. em tais empreendimentos. de gado do SMT para o Sudeste não parecem prios indígenas. cidade do Rio de Janeiro). visto que “o café passava a ser se refere Cássia Queiroz da Silva – entre os quais. nos anos 1850”. ligadas ao fim do tráfico de escravos. há muito estabelecidas na região” suportar as grandes distâncias até o mercado (CORRÊA. Paulo Roberto Cimó Queiroz 113 . neste trabalho. a to dos preços da mão de obra escrava e impulsionou esse respeito.50 Em periférico. 51 A década de 1850 foi. da obra de Wilcox. 52 A fim de facilitar a leitura.51 que assi- É importante dizer que. significativamente presente no antigo muitas e importantes transformações econômicas no sul de Mato Grosso.. isto “a explosão da demanda no Rio e em outros é. p. VASCONCELOS. muito toucinho” (FLEURY. a cessação desse tráfico levou ao aumen- crava. seja nas regiões fornecedoras exportar. p. ao longo do século XIX. ao mesmo tempo em que era estimu- devido precisamente à sua maior proximidade com lada a “monetização das relações econômicas. 92). considerando-se o moderna no centro-sul do Brasil” (WILCOX. Devido às grandes Resumindo. 2008a). outras palavras. de fato. pelo que se deduz das re- 1963). 36. “milhares de rolos de algodão branco [. Entre ou- (2008). ESSELIN. é preciso registrar a nomia cafeeira do Vale do Paraíba. expropriados de suas terras verificar-se. ainda que de modo tênue e o charque.52 Para Wilcox. ro um mínimo retorno financeiro. na economia pe. foi ca mercadoria efetivamente “exportável”. não era viável exportar gê. com maior regularidade. em razão distâncias (mais que à costumeira precarieda. Paraná de gêneros de primeira necessidade” (DOMINGOS e Tietê. chegou a tura do Vale do Paraíba.

1853. p. Relatório de Joaquim José de Oliveira (1850 [1849]. uma estrada terrestre foi também gração. daquela mi- Tietê. durante certo tempo. partiu. aparece. Tendo seus negócios centrados em até atingir o rio Paraná.54 por outro meira expedição para Mato Grosso. um “varadouro” até o ponto onde fosse gos povoados de Corumbá e Miranda. o Brilhan- 53 Cf. por sua vez. o Ivinhema 1838. e. ma. um fazendeiro. Enfim. Trata-se do co- Taboado). até onde fosse possível. estimulada pelo denominado Santo Antonio. depois. significativas novidades surgiram em ta por Joaquim Francisco Lopes. a contar de 1835 (LEVERGER. 114 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . além de várias outras di. na Vacaria. Aí tinha início o governo provincial. e Depois de várias explorações preliminares dos Garcia e Leal. te até sua confluência com o ribeirão então p. Vale destacar aqui a figura de um persona- cação com o Sudeste. 160). a partir de Paranaíba. conforme mencionado anteriormente. apenas em pastoril que vem sendo aqui referido. ro. já na ba- habitantes da freguesia de Paranaíba foram isentos do cia do rio Paraguai. nhecido Joaquim Francisco Lopes. Vale notar que a entrada desses novos povoado- res parece haver sido. 50). WISSENBACH. no Pantanal sul. os varadouro por terra. seja via Uberaba. assuntos. o Os processos de ocupação não indígena aqui fluxo do comércio dirigido a Cuiabá – buscan- referidos tiveram. entre as diretamente com a província de São Paulo iniciativas do barão e a já referida migração (neste caso. é ainda hoje registrada em território sul-mato. o bano: Santana do Paranaíba (atualmente apenas rio Ivinhema. por exemplo. 1870 [1848]. que. diversas. em direção a seus domínios. do lado paulista. ainda em território hoje paranaense. reconhecido como freguesia já em em subir. para os propósitos do ba- -grossense: caso. de grande valia. Paraná e desde os primeiros momentos. rão. repercussões as mais do. a mata tropical. uma via fluvial que utilizasse. afluente do 54 Trata-se aqui dos espaços onde predominava. na década de 1840. uma via fluvial pelos rios Paranaíba. seu plano consistia Paranaíba). cruzando-se o rio Paraná no Porto mineira e paulista para o SMT. seja gem que faz a ponte. por assim dizer. e algum de seus formadores e estabelecer. 3). Partindo do rio Ti- Machado. já na década aberta entre Paranaíba e Cuiabá (a chamada de 1830. por desmembramento de São Paulo. Paulo. a nova do célebre Barão de Antonina (João da Silva rota foi finalmente definida. na região de Paranaíba. foram Paraguai (cf. dos Alves Ribei. J. com foi também utilizada. 55 Cabe lembrar que a província do Paraná foi cria- tiveram um tanto à margem do processo de expansão da. terra. go Urumbeva com o rio Nioaque. Por este lado. 2008a). Desse Os mesmos processos levaram também à modo. tativas de abertura de um caminho terrestre rigidas à Vacaria e ao Pantanal (sobre esses entre Cuiabá e São Paulo via Porto Taboado. empresário e políti. p. para tanto. dos Barbosa. segundo se informa. e que por esse motivo se man. QUEIROZ. os rios Tibagi e Paranapane- exemplo. compos- lado. buscou atrair. no SMT. que terminava. em seus inícios. por determinação Em 1849. seus irmãos João e Gabriel. estabelecidas novas vias terrestres de comuni. na confluência do córre- dízimo e outros impostos provinciais pelo prazo de 20 anos.tegração ao mercado nacional brasileiro. relacionado às interessantes ten- estrada do Piquiri). visto que. depois de outras expedições. sua ajuda devia ser.55 o barão em processo de formação. então território do atual estado do Paraná. bagi.53 A corrente vinda do Norte. navegava-se este rio e o Paranapanema co paulista). por pôde utilizar. por ao invés do Tietê. havia participado. Entre Paranaíba e Piracicaba (SP). como referências urbanas. uma pri- No extremo sul da província. tratava- se de subir o Ivinhema e. 1995). os anti. via de comunicação entre Mato Grosso e São do rio Tibagi (ELLIOTT. Elliott e função das tentativas de abertura de uma nova “três camaradas”. Joaquim. em junho de 1847. como já foi dito. ao surgimento de um novo núcleo ur. Em seguida. possível começar a navegar um rio da bacia do Além disso. v. pelo lado do SMT. A frente vinda do Sudeste levou. F. por seu conhecimento direto do terri- apropriação de imensas extensões de terras e tório mato-grossense e por suas vinculações à formação de clãs oligárquicos cuja presença igualmente diretas com os novos povoadores. aliás. 1852 [1851].

na virada do século XIX para o mesmas disposições do anterior. a confluência até a altura do Forte Coimbra. e a guerra da Trí- Pode-se dizer que a nova rota. du- Jataí. Lá se des. mente demarcada pelos rios Iguatemi (afluente ra com o Paraguai registra-se um significativo do rio Paraná) e Ipané-Guaçu (afluente do rio tráfego na rota fluvial do Jataí para a região Paraguai). nham do Paraná. vi- mentos de Coimbra (1775) e Corumbá (1778). deveria pertencer atraídos pela fama desta canaã.Miranda – por onde a navegação prosseguiria povoou para engrandecimento de Entre Rios até o rio Paraguai e. no entretanto. às intenções do governo foi visto.. subiam pelo Ivinheima [sic] fundados na margem direita do rio Paraguai (a todos os homens válidos da decadente Jataí. numa estratégia de de largas consequências para a região: a aber- defesa e ocupação dos espaços. ocorrida entre 1856 e 1858. como se sabe. a origem da atual cidade de Nioaque. embo- por exemplo. às No contexto das disputas territoriais com margens do rio Tibagi. uma extensa rede de colônias militares. Esse autor relaciona. no tocante a essa fronteira. até Cuiabá (LOPES 1872 [1850]. dire- meio das frentes de expansão – iniciado. qual. Assim se entende que. 1965. e o novo acordo que o veio substituir Garcia Barbosa (1965). do tratado foi anulado em 1761 (Convênio do ferido. conhecidos. nham buscado consolidar. o referi- da Vacaria. aos migrantes de Jataí o desen. No início da década de 1850. 106-107). a fronteira sul da tui. na mesma época. pelo memorialista Emílio Pardo). mas que. de 1777). entre outros. tanto Entre Rios. conforme é abundantemente re. nos do Nioaque com o Urumbeva – o que consti. no caso. capitania de Mato Grosso chegou a ser oficial- Enfim. ao da construção da Estrada de Ferro mesmo tempo. possível. no ponto inicial do roteiro. oriunda do Jataí. águas do rio Brilhante. Os luso-brasileiros trataram de terra do norte do Paraná.]. pelo arroja. outro rante o período colonial. nes- de Rio Brilhante): se tenso e confuso contexto pós-1761. Os hispano-americanos. do povoado de Entre Rios (atual cidade a ser demarcado. as volvimento. agora no SMT. por seu Paulo Roberto Cimó Queiroz 115 . nessa época em que século e até o início do século XX. a criação de tura do rio Paraguai à navegação brasileira. segundo os tratados. É importante assinalar que o processo de p. foi estabelecida. 325 et seq. ela serviu aos pro- Da abertura do rio Paraguai às vésperas pósitos defensivos do Império na região e. o povinho levantado à beira do ar- hispano-americanos como luso-brasileiros te- roio Arara. Ao longo era relativamente intensa a discussão de limi- desse período. não chegou XX. Lopes e Elliott. as posições que lhes pareciam mais nal família Diniz [.. termos do Tratado de Madri. da roxa convenientes. ra mantivesse.]. por rios já (BARBOSA. Em- bora não tenha suplantado suas competidoras no comércio com Cuiabá. p. (o Tratado de S. daí em diante. obteve relativo sucesso. como ta ou indiretamente.. Em 1900. ainda na primeira metade do século imperial com relação à fronteira sul da pro- XIX – prosseguiu durante todo o restante desse víncia de Mato Grosso. tanto antes como depois da guer. aberta por plice Aliança contra o Paraguai (1864-1870). É certo que.). casado na tradicio. ali ergueu garantir o controle de parte do Alto Paraguai Cardoso a sua morada [. contudo. os luso-brasileiros destacamento militar foi colocado em uma das obtiveram o domínio do Alto Paraguai apenas pontas do varadouro. a Colônia Militar do os hispano-americanos no Extremo Oeste. à Espanha). propiciou a entrada de novos Noroeste do Brasil migrantes. tal processo passou tes com a República do Paraguai e em que por transformações em função de dois eventos o Império providenciou. Ildefonso. do melhor modo do paulista Chico Cardoso. Oferecia ele local por meio da criação dos já citados estabeleci- a escolher aos poucos (raros) transeuntes que por ali cruzavam. ocupação do sul do antigo Mato Grosso por As iniciativas de Antonina ligavam-se.. Entretanto. aliás.

após o final da de Coimbra – com a fundação. para as produtos do abate do gado (como chifres. 116 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . 2) DORATIOTO. o movimento das casas viagem fluvial e marítima até seus mercados na Europa. por sua vez. pela via fluvial. sustentado pelos gastos. em termos minima- em plena virada do século XVIII para o XIX). produziu 1867 e que incluem o conhecido episódio da Retirada da Laguna. após o final da tais produtos logravam suportar os custos de uma longa guerra com o Paraguai. sobretudo. não surgiram de Uma importante exceção. excetuando Grosso. maior desenvolvimento em Mato Grosso a pro- Após a derrubada de Rosas (1852). Conforme já tive oportunidade de ar. que adquiriram (QUEIROZ. A liberação do tre. no que concerne ao antigo Mato Grosso. e buscaram vultosos. capaz de de Coxim). 1998. Foram ocupadas as vilas em sua nova condição de ponto final da li- de Nioaque. de caldo e extrato de carne. de dessa nova via de transporte favoreceu o situada nas proximidades da atual cidade sul- aproveitamento de fontes de riqueza existen- mato-grossense de Antônio João). por sua vez. trataram de ocupar o território ao norte comerciais estabelecidas na província resumiu- do rio Ipané-Guaçu. p. contudo.). ao final do período colonial. fato. antes um apenas o chamado sertão dos Garcia. as grandes distâncias somente permitiam a tante. A Guerra com o Paraguai. foi que. p. em grande medida. como os ervais nativos e o nu- meroso rebanho bovino. durante muitos anos. o forte Coimbra e as várias colô- rivalizar em importância econômica e políti- nias militares que haviam sido previamente ca com a velha capital provincial. de investimentos princi- Forte Bourbon.lado. verno brasileiro obteve da Confederação Ar. cimento situado em Descalvados (município de Cáceres): devido a seu alto valor agregado. à margem direita do citado rio. as tentativas. 1999). ao comércio de impor- missão de Belém (ainda na década de 1760) e tação. Não obs. Inicialmente. CORRÊA. instaladas pelo governo imperial (entre elas. não ia além de Coimbra. por meio da fundação da -se. em função. 2007. Tais resultados. produzidos em um estabele- gumentar em outros trabalhos (QUEIROZ. ossos. ao que se pode deduzir. Colonial do Taquari (origem da atual cidade em um importante polo comercial. relativamente da vila real de Concepción (1773). do guerra (trata-se. palmente no aparelhamento militar da fronteira. Ainda nessa época. realizados pelo Império em Mato Gros- igualmente o domínio do Alto Paraguai ao sul so. obtida pelo Império. 1980). Ela permitiu que Corumbá. após um com. o com o aquartelamento de tropas e a construção domínio do Alto Paraguai. vis a vis à República do as operações bélicas tiveram dois momentos Paraguai. especialmente em Corumbá. sebo etc. Miranda e Corumbá. 2008a. não só sobre o SMT ção paraguaia abrangeu quase todo o territó- como sobre o conjunto da província de Mato rio do atual Mato Grosso do Sul.56 Foi somente mais para o final do sé- a melhor alternativa consistia na utilização do culo XIX. efetuada plexo processo de negociações e pressões (cf. contraditórios. comunicações e o comércio de Mato Grosso. Cuiabá (cf. no caso. se transformasse. exportação. jar os ocupantes. Em resumo. do arsenal da Marinha). em 1792. muito antes da Independência (isto é. 195. levadas a cabo entre 1865 e pensa durante os anos da guerra. Vale notar que a ocupa- importantíssimos efeitos. dução e a exportação de charque. tes na região. 35). a disponibilida- a conhecida Colônia Militar dos Dourados. de sileiros. via estuário do Prata ocorridas no mercado platino. convém lembrar cho paraguaio do rio Paraguai. de desalo- Tal navegação. 2008b). por parte do Império. de couros e outros sub- já circulava no Brasil a ideia de que. era a exportação 56 imediato. o go. embora temporariamente sus. se situava Paranaíba. por parte dos bra. Além disso. das mudanças sistema Paraguai-Paraná. gentina o direito de navegar pelo estuário do teve sobre a região aqui considerada efeitos Prata e pelo Baixo Paraná. o Núcleo vre navegação internacional do rio Paraguai. neste quadro. entre 1856 e 1858. principais: 1) a ocupação paraguaia. entre dezembro de 1864 e inícios de 1865. onde pobre povoado fronteiriço. CORRÊA. mente compensadores.

o antigo sul de te à porção central da bacia platina. XIX. mento econômico do SMT. além culo XX. a fuga ou a morte dos lianos. O fim da guerra. árabes. O extremo sul do antigo Mato Grosso nuidade do processo de ocupação não indígena fazia parte da extensa área. de rio Paraguai. intensifica-se bruscamente a migração de po- bém como efeitos notáveis a definição precisa voadores vindos do Rio Grande do Sul. as atividades comerciais. gente. teve grande principalmente os Guarani. não possuía em seu terri- 58 No extremo sul da região. remonta. a tório senão uma pequena extensão de ervais nativos. todavia. Santa Catarina e Rio balhadores nas fazendas de criação de gado Grande do Sul). inicialmente a produção das três pro- imigrantes bolivianos e paraguaios como tra- víncias sulinas: Paraná. nem sequer Cuiabá. foi expressiva. O hábito de usar as folhas dessa sazonal). Os de atração de imigrantes. ainda maior destrui. Assim. limites. como notou Wilcox (2008). já a partir do século mundo. pelo qual muitos cidadãos paraguaios árvore em uma bebida. um seguro mer. mais tarde. a capital da provín. visto ter sido esse lução Federalista). presença de migrantes correntinos. Além disso. que favoreceu. também. soldados imperiais que haviam participado de uma 60 É importante frisar que o maior desses mercados era efêmera retomada de Corumbá. Paulo Roberto Cimó Queiroz 117 . existência de força de trabalho tal modo que essa república foi.60 ou nos centros urbanos da área. espanhóis etc. tanto das zonas rurais como dos ca. sobre- mercado consumidor. representada por portugueses. era nativa a árvore da erva-mate (Ilex para- nificativo fluxo migratório (ainda que em parte guayensis). além disso. onde Mato Grosso beneficiou-se também de um sig. sul do antigo Mato Grosso. aos antigos habitantes dessa região. provenien. Do mesmo modo. no planalto. cia. além-mar. Na mesma épo- habitantes. principalmente. a vila de Corumbá. Assim. em 1867. atraí- 57 Na verdade. disponibilidade de navegação pelo ção havia sofrido a República do Paraguai. Uma vez que importância no lento processo de desenvolvi.57 Minas Gerais. esse hábito veio a ser adotado pelos con- quistadores europeus e seus descendentes. como novas oportunidades além-fronteiras. Tal contin. totalmente da importação. no litoral brasileiro e em outras partes do Paraguai e. isto é. no Pantanal. e até pelo menos a década de 1920 dependeu quase tes da província argentina de Corrientes. também pela produção brasileira (neste desde o final do século XIX. portanto. a guerra causou gran.58 formou-se na América ibérica um amplo Nesse contexto. por muitas dé. situa-se como um significativo polo do próprio Paraguai e do sul do Brasil. am uma expressiva corrente de imigração de des perdas em termos humanos e materiais. a presença de caso. por outro lado. registrava-se. por sua vinculação mercados argentino e uruguaio eram ini- aos grandes centros situados na região plati- cialmente abastecidos pela produção do na. prosseguia. poucos núcleos urbanos. então dos limites entre os dois países e a consolidação conflagrado em violentas lutas civis (a Revo- da abertura do rio Paraguai. a chegar migrantes provenientes das provín- enfim. visto que costuma ser associada à chegada de migrantes sua população foi dizimada pela varíola trazida pelos mineiros. se sabe. abrangendo princi- tudo entre fins do século XIX e inícios do sé- palmente a Argentina e o Uruguai. a importante in- cado para o gado bovino levado do SMT – o dústria da extração de erva-mate nativa. após o final da guerra. – que teve efetivo início e veio a florescer. a paralisação ou a desorganização da cias (depois estados) de São Paulo.59 Na década de 1890. como já foi dito. por um lado. como uma espécie fugiam de seu devastado país para buscarem de complemento alimentar. escapou dos nefastos efeitos da guerra. ita- com o aprisionamento. teve tam. no cadas. no ano de 1872. Paraná e produção e do comércio. rio declarado agora como de livre navegação Foi nesse amplo contexto – definição de internacional. a retomada e a conti. corresponden- dessa região. a destruição ou o a frente de expansão pela qual continuavam saque de edificações e outros bens materiais. 59 A própria fundação de Campo Grande. a Argentina – que. enfim. por exemplo.

Na época. No SMT. 1962. por um processo de tes membros da elite política mato-grossense. em ja- a coleta. por um segundo beneficiamento. ficava obrigado a abas. é. historicamente. ex. 2007). ense. Manuel. as folhas passavam. com a Argentina sumo destinados aos trabalhadores dos ervais (que foi. que vi- nha atuando nesse ramo desde a década de 1870 e. se único mercado consumidor da erva-mate O empreendimento individual de Laranjei- sul-mato-grossense). empresa maior: o Banco Rio e Mato Grosso. de modo que sua exploração dependia tir de 1882. FERREIRA. ainda na mata neiro de 1891 e ao qual se ligavam importan- (nos chamados ranchos). a leste pelo rio transportes. a gralmente seus débitos (cf. Após fundado. segundo os relatos disponíveis. 118 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . Vale notar que um ter- podia deixar o trabalho enquanto não saldasse inte. trabalho dos mineros era extremamente penoso e 63 Durante o curto período de existência do Banco. em seguida. isto é. aqueles empregados novamente alteraria sua rota de exportação e importação. trocando o rio Paraguai pelo rio na coleta da erva. (ROSA. ARRUDA. públicas. já ao findar dos trabalhadores era constituída pelos cha. mas agora em território a distribuição aos consumidores). cionalizou (pelo menos em parte) sua rota co- saria. além de ser engajado tinho (que viria a ser depois Ministro da Fazenda) e. ocupou. mediante o estabelecimento de um quando a erva cancheada era moída e acon. em 1889). Mais tarde. cujas origens remontavam aos an. nessa mesma época. a empresa na- zida até os mercados de consumo (onde pas.62 Segundo as referências disponíveis. 29-30). o principal e qua. uma boração da erva seguia ainda. mediante comunicações mente no interior do Paraguai (cf. em setembro de 1891 sob o controle de uma cestrais. apenas com sociedade anônima fundada no Rio de Janeiro poucos aperfeiçoamentos. o processo de extração e ela. preparação relativamente simples (o chamado com destaque para a família Murtinho. graças a suas vinculações com os po. a primeira década do século XX. aliás. conduzida até o chamado Porto Men- No SMT.63 cancheamento). por meio do qual a erva extraída Paraná e ao sul pela serra de Maracaju. a par. destacou-se na exploração erva- teira o empresário Tomás Laranjeira. GUILLEN. que migra- da do Alto Paraná. Ainda na década de 1890. um virtual monopólio do direito de concessões específicas por parte dos poderes pú- blicos. logrou obter. p. presidência foi exercida primeiro por Joaquim Mur- uma vez que o trabalhador. logo acima do Salto das vam para o SMT ou eram recrutados direta- Sete Quedas) e. 62 Os ervais estavam situados em terras devolutas. os métodos an. os ervais eram especialmente de exploração dos ervais nativos da provín- abundantes no quadrilátero grosso modo cia. o governo central e. Sua no SMT era conduzida ao porto paraguaio de exploração torna-se mais consistente após o Concepción e daí encaminhada ao mercado final da Guerra da Tríplice Aliança (1870). favorecida pela ligação relativamente fácil. eram também recebidos os gêneros de con- via rios Paraguai e Paraná. ra foi sucedido. presidência do estado de Mato Grosso (1891-1895). ranjeira estabeleceu um eficiente esquema de ao norte pelo rio Ivinhema. 2007). o Cabe notar que. A produção do SMT era agora levada matas61 – contingente formado por indígenas ao porto de Guaíra (situado à margem esquer- e principalmente por paraguaios. pela Companhia Mate Laranjeira (CML). da cidade de Buenos Aires. executada no interior das Paraná. tigos processos indígenas e jesuíticos. no mesmo porto. no início da década de 1890. A maioria sul-mato-grossense). após o qual a erva era condu. a empresa mados mineros. sua desenvolvido em condições análogas à escravidão. terrestres estabelecidas em território parana- 1997. o 61 governo estadual de Mato Grosso. mais tarde (após a instauração do regime republicano. novo porto de exportação: o porto Murtinho dicionada em embalagens apropriadas para (ainda no rio Paraguai. também no Rio de Janeiro. p. por seu irmão Francisco (que era tam- tecer-se nos armazéns do próprio empregador e não bém o presidente da CML). ceiro irmão. La- delimitado a oeste pela serra de Amambai. isto deres públicos brasileiros. mercial. mediante um adiantamento. daí. a saber.

a partir do qual respectivos terrenos. que funcionou. cabe destacar a constante presença de fortemente a fluxos econômicos orientados elaboradores de erva-mate independentes da em direção ao rio Paraguai. Um importante marco nesse processo quadro de constantes tensões entre Brasil e foi a lei estadual que. veio garan. o nutenção da soberania brasileira sobre essa virtual monopólio exercido pela Companhia província do oeste.66 E era o caso. crescente vinculação com o Prata. vias fluviais. res. as po- de erva” e contra os quais lançava mão de seu voações de Miranda e Aquidauana (sobre os poder político ou mesmo da violência pura e rios homônimos). sendo que. nas proximidades da atual cidade de Caarapó. Paulo Roberto Cimó Queiroz 119 . rigentes: tratava-se. dos riscos à ma- gastar-se. Mesmo assim. entre o rio Paraná voltava a ser navegável. em 1915. du- ra com o Paraguai. ao mesmo vateira. do ponto de vista dos referidos di- te dirigente mato-grossense. povoadores. vateiras e ao domínio de importantes meios legalizada a atividade dos produtores erva- de transporte e de milhares de trabalhado. prosseguia por vias terrestres com vistas verá (atual Coronel Sapucaia) e depois para Campa. referido rio ou seus afluentes. já ocorria com relação ao povoado de Coxim. região (CORRÊA FILHO. quase todos os principais núcleos início das atividades de Laranjeira (CORRÊA urbanos e comerciais que serviam à popula- FILHO. muitos se dedicavam também à ela. num Mate. sob a nômica. foi tam. nuasse muito grande. ainda que pre. tanto paraguaios como brasilei. tanto para consumo ressantes perspectivas de dinamização eco- próprio como para comércio. respondeu. abaixo das Sete Quedas. irradiado de Corumbá pelas transferida. Esse era o caso. além de Coxim (sobre o rio simples (ARRUDA. Assim.des. 1997). à agricultura de subsistência e olhos pelos dirigentes do Estado brasileiro. que pendentes” na economia ervateira do SMT. v. no período posterior à guer. a história desses ção sul-mato-grossense situavam-se sobre o ervais. p. teiros independentes. como seus fluvial do Paraguai não era vista com bons antecessores. Assim. ao abastecimento das populações situadas no centro nário. a Companhia Mate Laran. devido Embora o poderio da empresa ainda conti- à grande amplitude de suas concessões er. o rante várias décadas. como já foi observado. 83-86. 66 entre outros propósitos. centro ao qual se e aqueles a quem ela qualificava de “ladrões ligavam. começou a des. Como se pode observar. de tal modo que. nesse extremo sul do anti. ao longo de várias décadas. colateral”. desde então. 91). bém a história dos conflitos entre a empresa sobretudo. desse modo. A esse res. jeira exerceu uma grande influência. Tais migrantes dedicavam-se. inicialmente. àquele de constituir uma es- 64 A administração regional da empresa foi também cala do comércio que. Contudo. pode ser reduzida à atuação. Em outras palavras. da referida empresa. para a localidade de Nhu. abastecia até mesmo as populações da região de San- 2004. Argentina. é preciso assinalar que a puderam também encaminhar sua produção realidade socioeconômica dessa região não ao mercado argentino. parecia demasiado arriscado que o tir aos posseiros estabelecidos na região dos comércio e as comunicações de Mato Grosso ervais a “preferência para aquisição” dos A fundação de Aquidauana. JESUS. A à pecuária bovina. tana do Paranaíba e do sul de Goiás. No período aqui Companhia. ficava.64 1919 e 1924. títulos de propriedade de lotes situados nessa go Mato Grosso. os quais. 17). de Corumbá. raguaio de Concepción. 1925. presença essa assinalada desde o abordado. como subpolos comerciais.65 Taquari). na região er. Processo semelhante 65 Para uma análise da presença dos “produtores inde. 1925. do porto pa- O fato é que. em 1892. o estado expediu cerca de 350 É sabido que. esse processo de dominante. também. como entreposto comer- SMT continuou a receber numerosos novos cial das populações do extremo sul da região. desde princípios do século XX. p. tempo em que abria para Mato Grosso inte- boração de erva-mate. do planalto sul-mato-grossense. trazia também um indesejado “efeito pressão desses migrantes e de parcela da eli. a excessiva dependência da via ros. no caso. ocupação não indígena do SMT vinculava-se peito.

F. entre- grande expansão de sua economia cafeeira e. depois de uma ten- nômicas e as relações comerciais do SMT se. Ademais. industrial – ambas refletidas no rápido denominado Porto Esperança (também situa- crescimento da cidade de São Paulo. O trecho Bauru-Porto a mudança do destino principal do gado do Esperança foi dado por concluído em setem- SMT. Até então. no litoral do Pacífico. 2004a). p.dependessem da passagem pelo estuário do ramente nos esforços. agora. anteriores à abertura do rio sava por Santana do Paranaíba. A atração exercida por esse mercado sobre 69 A ferrovia. 26). Essas tendências ao estreitamento das rela- De todo esse contexto. voltados à pela Argentina em caso de um conflito. a efetu- mércio de gado magro). com a construção do 120 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . porém muito já nas décadas de 1880 e 1890 teria ocorrido a jusante de Corumbá). contudo. deira entre os dois estados era aquela que pas- deste brasileiro. que tal “reforço” era proveniente de consi- derações de cunho muito mais político que propriamente econômico. 452). Essa estrada começou a ser constru- processo de ocupação nãoindígena do ída em Bauru. sendo definido um novo ponto final: a XIX. 1905. já em dos mercados consumidores do Sudeste. acarretaram estava ligada. do local logo. Antônio Paes de. a capital do estado de Mato Grosso. deve-se registrar que e São Paulo. foi riam grandemente afetadas pela irrupção da entregue ao tráfego em 1905. de Novembro. não só não haviam ar uma “imensa volta” (COSTA. em função da extremidade sul-mato-grossense – não. bro de 1914 (QUEIROZ. Antofagasta. sim. 1896. da E. Noroeste do Brasil brasileiro e as novas dinâmicas do (NOB). o gado da região da Vacaria. já no início do século XX. abertura de novas ligações entre Mato Grosso Ao mesmo tempo. sendo que. e o restante do mundo – assunto que constitui um reforço até certo ponto inesperado. a construção foi iniciada também pela cipalmente o mercado paulista. do Rio de Janeiro para São Paulo: “Trans. Assim.67 Primeira Guerra Mundial. Assim. volta dos anos 1880 e 1890 (quando o Rio de 46-47. ções entre São Paulo e o sul do antigo Mato portantes mudanças nas relações entre o SMT Grosso receberam. 1908. logo esse objetivo foi alte- Ao longo da segunda metade do século rado. no SMT. vista como parte de uma futura ferrovia transconti- que se tornava rapidamente o dínamo econô. ocorreu um constante e firme incremento cidade de Corumbá. p.69 formações no mercado nacional da carne. de fato. com o propósito de SMT até a década de 1960 atingir Cuiabá. nental. à medida que da de rodagem de Campo Grande ao porto 15 se aproximava o final do século XIX. 1992. 27). prin. à cidade de São Paulo e ao porto de Santos.]). Tal estrada. que ligaria Santos ao porto de Arica ou ao de mico do país” (WILCOX. desaparecido (notadamente no que se refere Tratava-se. a Noroeste era uma mudança do mercado para São Paulo. contudo. e princípios da década de 1950. em 1905. por 67 Mensagem de BARROS. a única estrada boia- as antigas vinculações entre o SMT e o Su. mais notáveis a partir Prata. mente mais próximas do Sudeste) como até o projeto consistia na “abertura de uma estra- mesmo se iam intensificando. já no início do século XX. pelo lado de Mato Grosso. no SMT. 1997. o que obrigava Paraguai (relacionadas principalmente ao co. no rio Paraná” (COSTA. p. que poderia ser facilmente bloqueado da última década do século XIX. em sentido estrito: O reforço da ligação com o Sudeste trata-se. no caso. as atividades eco. só foi integralmente concluída no período compreendido entre fins da década de 1930 a economia pastoril do SMT manifestou-se cla. 1896. de abrir uma ligação mais às porções mais orientais do planalto. iriam emergir im. a partir de Corumbá. mas. tanto. Janeiro passou a produzir internamente maior 68 Deve ser lembrado que a cidade de Bauru já então quantidade de carne bovina [.68 Assim. tativa fracassada ainda na década de 1890. direta.. p. do às margens do rio Paraguai. visto o objeto do tópico seguinte. fisica.. por via ferroviária.

ROZ. ALVES. Paulo Roberto Cimó Queiroz 121 . Conforme julgo haver demonstrado em tra. sobre o SMT. 1997. chegou a ser considerada como o resultado de um 72 A esse respeito. uma ligação desempenhado pelo porto de Corumbá. deve-se lembrar que a ação autêntico “complô”. no La Sierra.)não comércio efetuado pela calha do rio Paraguai. Em outras vos” usualmente associados à construção de palavras. visto de retirar Mato Grosso da “órbita do Prata” – com que os danosos efeitos da guerra sobre os fluxos in- o que esse último estado teria perdido a chance de ternacionais de mercadorias e capitais contribuíram desenvolver uma “diversificação produtiva” para. a NOB facilitou a fixação. p. embora doras de reparos as apreciações segundo as pudesse ser significativa em face dos modestos quais a ferrovia teria “assassinado” o rio. contudo. ademais. fragmentação econômicos: ela atuaria como um “dreno” do das grandes propriedades fundiárias etc. Abstenho-me. 2004a). QUEIROZ. face das constantes tensões Brasil-Argentina: a busca 1984). isto números da economia sul-mato-grossense. mantido – embora ele agora qual. em boa parte. 1999. os Contudo. o próprio sentido político-estratégi. isto é. es.72 Entretanto. destinados ao consumo da região. iniciada igualmente em 1914. de preferência. ao contrário. tido à economia centrada na navegação fluvial). sul-mato-grossense antes realizado via estuá- lítico-estratégicos do Estado brasileiro: o que rio do Prata. pelo qual o “polo imperialista” da ferrovia somou-se àquela exercida pela Primeira estabelecido em São Paulo teria agido no sentido Grande Guerra. nacionais ou modo poderoso no enfraquecimento do co. particularmente a “tentáculo” do “polo imperialista” situado no sudeste Bolívia. com seu traçado diretamente dirigido para a fronteira boliviana. abastecimento de vastas porções não só do grossense e o litoral atlântico brasileiro. como já foi observado. a construção dessa ferrovia mais longamente os efeitos práticos da NOB não se explica por interesses econômicos ime. interesses ligados exclusivamente análises empreendidas em outro local (QUEI- à movimentação de mercadorias entre São Pau. QUEIROZ.71 Mato Grosso – tendendo.70 gavam ao rio Paraguai. construída na mesma época). o importante papel se buscava era. Paraguai-Paraná. pela qual che- um conflito armado no Prata. mente. a outro objetivo da diplomacia brasileira. não é. Tal movimentação. é certo que a ferrovia atuou de gêneros manufaturados e outros. essencialmente. a NOB prestou-se. o fluxo do comércio mato-grossense/ ca. de abordar balhos anteriores. SMT. CORRÊA. vial na bacia platina (cf. para justifi. 159). Cabe dizer também que os “efeitos positi- na verdade. Alves situa a NOB como um simples de aliados entre os vizinhos. isto é. 2004a). Assim. teria aniquilado a navegação pelo sistema era suficiente. a NOB conec- pio de Campo Grande (cf. se distribuíram uniformemente por todo o es- de modo a desviar tal comércio no rumo dire. cresci- co da estrada deveria traduzir-se em termos mento da produção agrícola. paço atravessado pela NOB no sul do antigo to do Sudeste do Brasil. desde o balho” como um simples fornecedor de gado para início. os eventuais efeitos NOB efetivamente capturou. em os frigoríficos estabelecidos em São Paulo (cf. 70 Além disso. grandemente para a desarticulação do comércio flu- ao contrário. Para 71 Essa crescente vinculação com a economia paulista uma crítica dessas concepções. país que. no presente texto. desprovido de litoral marítimo. v. mércio pela via platina – o que constituía. tendo ademais causado a car um investimento tão custoso como o era “decadência” de Corumbá. poderia vir a ser se vinculasse. na épo. destinado a deslocar o “polo” concorrente taria interessado em ligar-se ao Atlântico por meio da estabelecido no Prata (o qual supostamente dava sen- transcontinental brasileira (QUEIROZ. É claro que – aten- uma ferrovia de mais de mil quilômetros de dendo a seu objetivo estratégico principal – a extensão. uma ferrovia (aumento populacional. de SMT como de todo o estado de Mato Grosso. Observo apenas que. inserir-se na “divisão regional do tra. 2007. tou-se com a estrada de ferro Corumbá-Santa Cruz de De todo modo. brasileiro. modo a se poder dispensar a via platina – a foi. 2004a). importados. claramente subordinados a interesses po. a con- centrar-se em grande medida no então municí- ramal de Indubrasil a Ponta Porã e do trecho entre Porto Esperança e Corumbá (onde. não aos circuitos novamente negada aos brasileiros em caso de platinos mas à via ferroviária. Desse modo. de novos contingentes populacionais. quase que total- econômicos da ferrovia apareciam. em Porto Esperança. a partir de diatos. de modo algum. seu objetivo precípuo. no direta e eficiente entre a fronteira sul-mato. pude concluir que são merece- lo e Mato Grosso.

p. o Paraguai. de tal modo que. árabes e também japoneses). Assim. em senvolve no Sudeste. -grossenses com a Bolívia e. 218. Getúlio Vargas em 1938 e que se desdobrou.73 fizeram. que abrangia lojar a referida Companhia. das chamadas frentes pioneiras (cf. por uma diversificação da produção regional. a partir da década nalização” das extensas fronteiras sul-mato- de 1940. por exem- grande parte do SMT. Novo varguista identificavam. aquela “Marcha para Oeste”. portanto. enfim. 220). Em 1943. OLIVEIRA. à medida que se de. território. re. deu início a uma espécie presença. como. para além dos efeitos da NOB. com o Paraguai. nhias estrangeiras. também.tanto nacionais quanto estrangeiros (portugue. ao ampliar a renda no meio ru. milho etc. 1999). sob a forma da demanda por gêne. p. gêneros vinculação entre o SMT e o Sudeste brasileiro alimentícios (arroz. 1979). originada de um acampamento de tra. de de círculo virtuoso. balhadores da época da construção da ferrovia. espanhóis. No caso da fronteira boliviana. Tal processo relacionou-se. a recusa em renovar suas vastas conces- ras74 emergiram em diversas porções desse sões ervateiras. isto foram nacionalizados alguns gigantescos é. sul do SMT.) e ma- continuou a ser potencializada por forças que térias-primas industriais (como o algodão e o se mostram ainda mais poderosas a partir da amendoim). na forte pre- ral. aos estímulos eco. baseado no desenvolvimento do pareciam mais agudas. expansão da agricultura comercial – a qual. com as políticas da referida a fase da industrialização acelerada. ampliou o mercado para os produtos da sença da Companhia Mate Laranjeira (que indústria. com o que se realimentava todo o mantinha. Além disso. importantes setores do Estado por sua vez. a da agricultura – abrangendo o café. confi- ses. era intensa a duzir a urbanização. 74 Para uma discussão sobre o conceito de frente pionei. provocou um aumento influência cultural paraguaia. do ponto de vista da acu. principalmente no extremo Depois de 1930. com grande destaque para o desenvolvimento Enfim. com a continuou a desempenhar um importante papel na criação do Instituto Nacional do Mate e de economia nacional. deve-se lembrar que. 122 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . as preocupações dos dirigentes trialização. inclusive com da demanda por alimentos e a consequente uma larga disseminação do idioma guarani. a despeito do grande choque sofrido em 1929. No tocante às fronteiras LENHARO. 297). ao in. ver MARTINS 2009. 1986a. Sudeste. Assim se compreendem. as ações governamentais comumente englo. sobretudo. cidadãos paraguaios e seus descendentes – mulação capitalista: a industrialização. De fato. o processo de indus. sobretudo em São Paulo. um empecilho ao in- Como observa Leo Waibel (1979. presentado pelo transbordamento para o ter. cooperativas de produtores. plo. por núcleo urbano de importância: a cidade de Três um processo de febril apropriação de terras e Lagoas. o governo chegou a transformar em territórios ra. latifúndios até então pertencentes a compa- badas sob o slogan da “Marcha para Oeste” (cf. entre outras coisas. a partir da década de 1940. mantendo um grande potencial de estímulo à ocupação de novas áreas agrícolas. num esforço de “nacio- ritório sul-mato-grossense. ademais. década de 1930. nômicos juntaram-se também os políticos. e gurando um cenário marcado por uma notá- levou ao surgimento de pelo menos um novo vel intensificação do afluxo populacional. grande medida. haja vista a grande mercado interno. a produção cafeeira ervateiros independentes da empresa. feijão. lançada pelo ditador vinculação ingressa em um novo patamar. federais as áreas de atuação da Companhia. com WAIBEL. nessa região. medidas estadonovistas no sentido de desa- se sentir sobre uma vasta área. cremento do povoamento da região por con- os estímulos provindos do polo industrial do tingentes nacionais. a imposição de taxas sobre a erva cancheada e o apoio aos produtores 73 Ao mesmo tempo. diversas ros alimentícios e matérias-primas. fortes vínculos com a processo (SINGER 1984. Além disso. no seio da economia ervateira. economia argentina). frentes pionei.

ampliada. ver adquirido maior importância as conexões culares e a iniciativa governamental comanda. por companhias particulares sa fase das frentes pioneiras. rodoviários. Essa situação é resumida por Figueiredo. na mesma década. principalmente riam a ocupação em determinadas áreas. OLIVEIRA. (FIGUEIREDO. contribuiu decisivamente no seja certo que as ferrovias não deixaram de sentido de atrair para a região consideráveis também desempenhar um importante papel. a implantação da CAND. teve importante papel tanto no en- caminhamento de migrantes como no trans- O esgotamento da frente paulista e parana. pel na “abertura” dessas “regiões semi-isola- Seja como for. a presença do governo federal foi logo secundada pelo go. v. 2008). a de Itahum. naturalmente. aliás. LENHARO. no mesmo passo. ao longo das décadas de 1950 e 1960. segundo Figueiredo. latifundiário de apropriação das terras no SMT (cf. em – multiplicando-se. escreve: de Itahum. ense. com a constru- e até mesmo por governos municipais. É autor conclui: “Todas essas iniciativas de colo- certo que. sobretudo. e as. da cidade de Dourados.no SMT e no oeste do estado do Paraná – res. É certo que. que chegou a sim. foi inaugu- multiplicam-se no SMT as colônias agrícolas rada. também ZILIANI.75 A iniciativa do No caso específico do SMT. estradas de rodagem. na década de Porã e de Iguaçu. em face das tensões então existentes nização marcam uma fase de ocupação inten- em diversas áreas rurais brasileiras. 1986a. VASCONCELOS. QUEIROZ. SANTOS. embora relativa- mente intenso. p. contudo. SANTOS. é conveniente assinalar que tampouco esse 76 novo movimento de colonização. agrária” – o que se nota claramente pelo fato Todo esse processo foi contemporâneo dos de que à CAND foram encaminhados. F. até mesmo a navegação do rio Companhia Viação São Paulo-Mato Grosso. situada a cerca de 60 km dução dos gêneros há pouco mencionados. também contornos de uma “contrarreforma nota. a pecuária”76 (1968. 1986b). O grupo Bata. Nesse ramal. 2003. rápidos progressos verificados nos transportes cipalmente. Paulo Roberto Cimó Queiroz 123 . v. os quais jogaram um decisivo pa- te (cf. FERNANDES. logrou senão atenuar o velho padrão 75 Sobre a CAND. 1997. 246. o grupo Moura iniciativa consistiu na criação. contingentes populacionais. por oficial da Colônia Agrícola Nacional de Dou. 2010. forçou a procura crescente das terras Mesmo nessa região. a principal tayporã. também NAGLIS. com a estação de Maracaju e depois a extremo sul dessa região. 2007. prin. a pro. Foi com a zona servida pela E. 1999). continuou a desempenhar certo papel na vin- 1968. LENHARO. da Companhia Viação São pectivamente. p. enquanto 1943. 2012. transporte ferroviário foi. SOUZA. Além de uma penetração constante e espontânea. parecem ha- mato-grossenses. Ponta Porã em 1953. que. a política siva. em fins de Andrade fundou Nova Andradina. 1950 os núcleos coloniais de Bataguaçu e Ba- Por parte do governo federal. em 1944. esse embora se referindo mais especificamente ao ramal. 1949. a SOMECO. da Colônia Agrícola Nacional de Dou. ção do já citado ramal da NOB. porte de sua produção (cf. 2007. Sorocabana – assim que surgiram a experiência colonizadora conexões que seriam providas. por Moura Andrade e pela Sociedade Melhoramen- Paraná e seus afluentes sul-mato-grossenses tos e Colonização (SOMECO). fundou. alguns capitais parti. a estação de Maracaju e. 1999. CARLI. que das” (segundo a expressão de Paul Singer) e adquire maior efetividade a partir de fins da sua integração ao mercado nacional – embora década de 1940. torial. 242]. OLIVEIRA. sob o domínio da agricultura – sem abo- de colonização do Estado Novo apresentava lir. 2006). durante al- rados e os grandes loteamentos formados pela gum tempo. nes- verno estadual. camponeses pobres do Nordes. O mesmo adjudicada à Companhia Mate Laranjeira. diretas com o oeste paulista. localizada em área até então trabalhos em Ivinhema em 1961”. “iniciou os rados (CAND). MENEZES. 2012. além de sua maior valorização terri. Segundo as informações disponíveis. De fato. os Territórios Federais de Ponta Paulo-Mato Grosso.

p. Esse processo de incremento popula. cerrou-se definitivamente: tivo. p. por outro fez de fato. 1993. conduzido a República Argentina praticamente bana em Presidente Epitácio (cf. passando a dedicar-se (como faz. rísticas tradicionais (a saber.culação entre o extremo sul do SMT e o oeste De fato. surgiram quatro importantes cooperativas de REIRA. Desse modo. 1986. tado Novo. região de Dourados. 2010. em seu território. da década de 1960. que ain- deu a um progressivo declínio. como já foi conflitos. aliás. destinada ao mer- Para concluir esta parte. em princípios de formação. aliado às medidas cerceadoras almente denominadas BR-163 e BR-267 (cf. a praticamente retirar-se do ramo ervatei- que começa a delinear-se o panorama que. em linhas gerais. mediante o contato com a Soroca. já nessa época a produção interna havia paulista. em boa parte. a partir dos diversos núcleos co. tação” (SALDANHA. de ervais plantados. 2007. atual rede urbana sul-mato-grossense. mas até mesmo absoluto. 75). Assim. Dou- PEREIRA. não apenas rela. entre fins da refere à região conhecida como “grande Dou. a produção de loniais. o governo argentino mate brasileiro”. no que se a Companhia Mate Laranjeira. sobre territórios indíge. erva apenas cancheada. essa economia ten. até meados abordada.77 na e a pressão que de há muito vinham os produtores fazendo contra a importação de Com vistas precisamente a eliminar a dependência 77 em relação à erva importada. lado. Tais recem ter sido decisivas. Foi apenas nessa época. 251). 124 UMA ESQUINA NOS CONFINS DA AMÉRICA . cabem ainda algumas cado externo). muitos dos quais se estendem até dito. de fato. proporcionado pelo mate mato- mento das estradas de rodagem – as quais pa. o que deu origem a agudos e persistentes produtores – aliás. em função do rados. o mundo ervateiro sul-mato-grossense. diretamente rela. Contudo. por exemplo. um aumento da presença de outros nas. “Com o aumento da produção na Argenti- cionado com a redução das compras argentinas. os dias atuais (cf. e Iguatemi – as quais se juntaram em mesmo processo. suas importações de mate do SMT “res- segunda metade da década de 1950. a economia ervateira pôde referências ao destino que teve. da a sustentava. -grossense” (FIGUEIREDO. na época aqui manter-se. em parte. desde 2004b). pode-se dizer que. concomitantemente à retra- cional e de expansão da fronteira agrícola se ção da Companhia. em ligação direta com o Esse contexto de encolhimento do merca- mercado paulista pelas rodovias federais atu. ro. para a exigências do consumo argentino. PE. embora em declínio. o trans. efetiva “decolagem” da economia agrícola da foram tornando-se cada vez menores. QUEIROZ. 504). de paladar mais principal. pela política do Estado Novo. Por outro lado. 1982. a partir. de vários novos municípios. rias. entretanto. desde o inicio do século XX. a seguida em uma Federação. originou-se. 2009). com o mantendo ainda algumas de suas caracte- surgimento. o gover- passara a incentivar. acentuado. década de 1940 e inícios da década seguin- rados”. p. parece haver levado finalmente Isto posto. verificou-se. da então. A partir da década de 1930. pelo menos. em função do constante melhora. BRAND. escreve um autor. é a partir do processo aqui referido te. 1997. 1968. do argentino. a cortar em caráter definitivo a impor- década de 1920. produtores nas cidades de Ponta Porã. que o mercado argentino. a no argentino foi “obrigado. é perceptível ainda nos dias até os dias atuais) às atividades agropecuá- atuais. a uma situação de autossuficiência e. os quais começaram a entrar em produção em fins da 1966. fortalecidos. tringiram-se ao mínimo necessário à forma- porte rodoviário passa a desempenhar o papel ção de produtos tradicionais. adotadas pelo governo federal durante o Es- FOWERAKER. EREMITES DE OLIVEIRA. Entretanto.

por não índios. Considerações finais sentamentos rurais. sobretudo. 1980). fronteiras nos anos 80. to-grossense tem-se configurado. isto é. marca. agroindústria canavieira. a fronteira agrícola sul-mato-grossense dernização das atividades agrárias. ainda em curso. veis movimentos sociais. ou sejam. têm. Tratou-se aí. enquanto confins Missionário (CIMI/MS)79 e outras instituições geográficos de diferentes nações ou povos. muitos séculos. de apoio às causas indígenas – cabendo tam. por um riamente engajadas nesse processo de ocu- lado. de Pós-Graduação em História da UFGD. os próprios indígenas começaram a por certo. Acrescente-se. do que resultaram. também que. no âmbito do Programa Meire Adriana da Silva. ain- das Aty Guasu. Neste último parágrafo utilizo. pação. lações indígenas oriundas da Amazônia. dando origem ao instalação de inúmeras usinas produtoras de que hoje se costuma designar “agronegócio”. na acepção mais restrita de “es- organizar-se. mais tarde. Paulo Roberto Cimó Queiroz 125 . à chegada de expressivos contingentes no rude trabalho do corte da cana. atrair contingentes os mais diversos. portanto. uma área de in- da pela expulsão da força de trabalho rural tensos movimentos de povos – sejam popu- e pela concentração da propriedade da terra. mas antes GRI) e. desde o final da década conflito de alteridades. desde há à monocultura da soja. em que. como uma autêntica “en- de uma modernização conservadora. QUEIROZ. de populações oriundas do Sul do país (Rio A título. liga. fronteiras são Pastoral da Terra (da Igreja Católica) e a na mais ampla acepção. nesse espaço já agora designado como Mato mais recentemente (isto é. as quais. Conquista (e. tes. de conclusão. na América do Sul. cruzilhada” histórica. por exemplo. desde a década de Grosso do Sul. linhas demarcatórias de limites. a ocupação dos “re- Nesse contexto. ou faixas. paços virgens a serem ocupados”. em grande populações de origem africana compulso- parte. da costa atlântica e de outras partes. representada pela naria e técnicas modernas. Esse processo. 2010. procedentes das mais variadas direções rosos camponeses sem terra (cf. a Comis. Tal processo relacionou-se. engajado muitos indígenas dida. do com o que se produziu um notável êxodo ru. em especial. isto é. como se sabe. ver. sistematicamente. da hoje. assistiu-se. com algumas altera- 80 giram. possível dizer que o território hoje sul-ma- dos. Delineiam-se aí. econômicas e demográficas – vistas. contudo. o “inchaço”) de cidades como Campo Grande e Dourados. à atuação de entidades como. por outro lado. transfor- mou também o agora Mato Grosso do Sul em um centro de dispersão de migrantes. emergiram novos e notá. o Conselho Indigenista zonas. para os estados situados mais ao ções. ligados. são essencialmente lugares de encontro e bém enfatizar que. as assembleias gerais denomina. também. ral78 e muitos conflitos fundiários. Santa Catarina e Paraná). e fronteiras. enfim. sobretudo. os quais se diri. como uma “terra da promissão”. ainda. Chaco. o capítulo escrito por ção do curso de doutorado. ademais de ter sido responsável pelo crescimento (e. neste livro. partes de textos que escrevi originalmente em Norte do Brasil (desde Mato Grosso até Roraima). marcado tem assistido a uma crescente presença da pelo uso cada vez mais intensivo de maqui. 2006). o Movimento Sem Terra (MST). à agricultura e. parece-me Grande do Sul. a um notável processo de mo. de 1970. envolvendo sejam grupos de europeus e seus descenden- tanto as populações indígenas quanto nume. não simples Federação dos Trabalhadores Rurais (FETA. FARIAS. bem como à identificação de numerosas áreas indígenas antes ocupadas Nas décadas de 1970 e 1980. motos sertões” do interior).80 78 Tal êxodo. açúcar e álcool – as quais. sob certos aspectos. a título de fundamentação da proposta de cria- 79 A esse respeito. se processou a 1998. a tem levado à criação de inúmeros novos as. em grande me.

.

PARTE 3 Antigos povos .

.

os nativos dei- da água. É de se admirar a grande quantida- como pessoas que têm assegurada a alimen- de de peixes que as águas que vão baixando tação. quando as águas séculos XVI e XVII: “Orejones” e Xaray. cap. p. en. e ali matam veados e antas e outros animais selvagens que estão fugindo Quando as águas estão baixas. o Pantanal era. e como as águas começam a subir. e cobre as árvores e as palmeiras que estão sobre a ter- dores. no quanto portugueses. tentativa de identificá-los. já que a terra acima dos desfiladeiros. e. voltam a retirar-se para os locais no fim de março e em abril. onde eles costumam ter bailando e cantando todos os dias e noites.. o tudo. acima de meio dessas canoas. eles retornam caçando seus filhos e mulheres para desfrutar das pes- e pescando do mesmo jeito que foram. porque as águas sobem seis braças aquela terra cheira muito mal. no interior. suas casas. e quando isso acontece. “Orejones” e Xaray nas fontes coloniais Isabelle Combès A presente contribuição pretende.82 índio entra na canoa com sua mulher e filhos “a lagoa dos Xaray”. Cabeza de Vaca não especi- mos aqui as fontes históricas sobre os “Orejones” e fica de quais “nativos do rio” está falando. um país fabuloso. nos empenharemos 82 COSTA. saltam em algumas terras que vidas regidas pelas inundações sazonais: ficam descobertas. propício para receber as quiserem. Na Xaray.. e não carias. porque é muito peixe que matam. mar e terra simultaneamen. 1944 [1555]. Apenas utiliza. a partir sas terras por mais de 100 léguas pela planície das fontes escritas pelos primeiros conquista. e como as águas voltam a subir para xam o interior e vêm viver na margem com retornar a seu curso. “o coração aquático da América do Sul”. aproximar-se do povoamento étnico do ra. (NÚÑEZ CABEZA DE VACA. cozinham de comer e se aquecem. tanto espanhóis noas muito grandes para esse período e. passam os quatro meses do ano que e aos costumes. isso feito. lá deixam na terra seca. e os navios passam por cima deles.81 sobem nos desfiladeiros.] e os nativos do rio. estejam descobertos. preparam umas ca- Para os conquistadores. acontece todos os anos do mundo habitual- dos dois complexos que se destacaram nos mente [. Nessa extensa região. e isso Alto Paraguai e do Pantanal e. e se estendem por es. e como a água está alta. LII). desse contraram povos que diferiam quanto à língua modo. remetendo para dados arqueológicos a parte correspondente deste livro. sendo que todos tinham suas correspondem a essa cheia das águas. está intoxicada. em particular. 2010) e nos de María Fátima Costa (1999 e 2004). e casa. todo esse tempo seguros. 81 Esta contribuição baseia-se em trabalhos anteriores da autora sobre o tema (COMBÈS. e com a cheia da água vão para onde te. por janeiro. Infelizmente. nestas páginas. 2004. colocam duas ou três cargas de barro e fazem um fogão. de modo que parece mar. e sobre aquele fogão fazem fogo e mais loucas quimeras. Isabelle Combès 129 . e são saem de suas canoas até que os desfiladeiros muito carnudos. 67. encontram-se nessa vida boa.

partir daí. principalmen- mataram alguns cristãos antes da chegada dos te. No mesmo ano da fundação so. indígenas que povoavam essa região quando Essa região era território cário. dos Comentarios do mesmo Cabeza de espanhóis de Assunção em sua região (RIBE. logo. realizou uma viagem subindo o rio até a região do Pantanal. 1974. retor. até deparar-se com a ção ao oeste. os assuncenhos continuaram gorgotoqui (nomes que trazem o sufixo -coci). As primeiras no. adverte-se que muitos dos no- zas que Garcia. em busca das mesmas rique. RIBERA. cap. por exemplo. Assim. sua volta. ter. 130 “OREJONES” E XARAY NAS FONTES COLONIAIS . e devemos estar conscientes dis- “chiriguanaes”. europeu e indígena. Os indígenas um pouco mais “terra adentro”. 2008a [1544].83 Essa viagem está documentada prin- gar ao Pantanal foi o português Alejo Garcia. Ele chegou. no atual oriente bolivia- sido na literatura. na direção do país dos Xaray. os europeus chegaram. LIX). talvez os tanal. no lugar em viagens são nossas melhores fontes sobre os que se localizava a aldeia indígena Lambaré. enviou outro grupo mais ao norte do Pan- ca. Domingo Martínez como é o caso do nome dos “Yacaré”. alemão que acompanhava a expedição. Pouco tempo depois. Além de suas pró- ritório de pessoas falantes de guarani. XVI. dispomos. pois sabemos que esses indígenas Sobre essas viagens. 85 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. 2008a [1544]. dos espanhóis estabelecidos em Assunção. ção. 6 de janeiro de 1543. Dessa forma. JULIEN. subiu o rio Paraguai até Puerto de los Reyes. Esse persona. assim. o Puerto de los Reyes. 1978: 24. uma expedição cruzenha também seguiu tícias concretas sobre os indígenas do Panta. mandando Francisco de Ribera morte na sua viagem de retorno. também na direção do ocidente. No ano seguinte das riquezas que os indígenas do rio La Plata (1543-1544). das relações de Hernando de Ribera. SUSNIK. ma. fez uma breve expedição em dire- nando com ouro e prata. os expedicionários euro- nome logo serviu para designar praticamente peus também recolheram relatos. procurando notícias sobre “a terra adentro”. SCHMIDEL. a viagem de Garcia foi no. 1944 [1555]. Vaca. 1944 [1555]. ou seja. Guayoyae. 2008 ralmente identificada como a atual lagoa La [1567]. mes étnicos mencionados nas fontes não são los indígenas Payaguá do rio Paraguai. ao que tudo indi. em uma das principais lagoas da região. o novo governador de Assun- diziam que supostamente existiriam adiante. 2008 [1543]. por mais famosa que tenha ta Cruz de la Sierra. Ali fundou. Foi morto no seu retorno pe. outros são guarani. muito próximo da fronteira inca. Chaco adentro. ge. Álvar Núñez Cabeza de Vaca. futuro fundador da cidade de San- Entretanto. de Irala. 84 IRALA. o primeiro europeu a che. sob o comando deÑuflo DE VACA. 2005). Juan de Ayolas partiu rumo oeste. Gaiba.84 talvez o documento mais valioso gem partiu do território atlântico em busca de todo o corpus paraguaio. e provêm general Lomas Portocarrero. provavel. Os informes referentes a essas distintas Assunção foi fundada em 1537. Provavelmente. e RA. Em 1542 e 1543. dos anos 1540. 2008b [1545]. no dia 83 SANABRIA. A mente. de Chaves. foram moradores do Pantanal. lugar-tenente de Ayolas. mitos ou qualquer grupo que falasse o mesmo idio. notícias de seus guias e intérpretes indígenas. cipalmente pelo informe que Irala redigiu em nos anos 1530 (JULIEN. sob o comando de Hernando de Ribera. subindo o rio. recolhidos da boca dos dessa vez. no final do século muito pouco documentada. um mercenário Xaray do Pantanal “tinham notícias” dos eu. cujo prias observações. [——]. 19).85 ropeus “desde o tempo em que Garcia havia Os assuncenos voltaram a ingressar no andado por aquelas terras” (NÚÑEZ CABEZA Pantanal em 1557. p. Sem próprios: muitos parecem pertencer à língua se desanimar. as informações chegam a nós através de da cidade. paralelamen- que assassinaram Garcia. um duplo filtro. assim como a palavra “guarani” e. conduzida pelo nal datam. o acompanhantes dos espanhóis de Assunção. De toda forma. os do livro de Ulrich Schmidel. te.

em 1544. para Puerto de los Reyes. os Aygua. ou seja. atualmente em desuso. p. mas os verdadeiros donos dessa parte do rio eram os Guaxarapo Como efeito imediato da conexão perma- (mais tarde conhecidos como Guachi). os Guacama Estes grupos eram: e os Xaquide. AGI Justicia 1131. publicado no apêndice é claro. NÚÑEZ CABEZA DE VACA. cap. 22-24. “Elección de Domingo Martínez de Ira. Designa. alguns chané karaguata yvy. ou seja. o rio Paraguai nhóis. Em nesse lugar. chané. “grupo étnico”. pois se tratava do Cário estendiam-se até o lugar chamado principal interesse dos exploradores espa- Guayviaño. grupos indígenas considerados “parte” de um grupo 90 IRALA. disse que sua “parcialidad” deno- minava-se Ariticoçi. trimoniais. 1944 [1555]. Rumo ao Alto Paraguai dos centros incas fronteiriços. A montante do Payaguá. alguns indígenas inimigos de vários grupos da região. costumava-se 91 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. A primeira versão do nome da parcia- 88 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. 53- 55) e Susnik (1978. 1978. pri- Praticamente todos os grupos do rio e da meiro para onde viviam os Guaxarapo “terra adentro” mais a oeste possuíam alguns e. escravos de Alejo Garcia. os Guarani de Itatim. p. O circuito do metal (por meio de trocas. Paraguai. roubos. de onde Ayo- las partiu Chaco adentro. “Parcialidad” é um termo colonial da América espa- 93 p. XLVII. cap. 1996 [1946]. para esses termos. 1944 [1555]. etc. os quais os ajudaram. cap. nente entre grupos da atual Chiquitania e do possivelmente membros da família linguís. depois. guerras. deu o nome de Cariticoçi. 87 Sobre os Payaguá. primeiro entrevistado. por meio desse estava dominado pelos Payaguá. grupo “ca.87 com detalhes. que também ajudaram os Arrianicosi vivia aproximadamente sete dias a oeste a rebelarem-se contra o espanhol. 92 89 MÉTRAUX. HER- NÁNDEZ. os Guarani etc. a Ariticoçi ou Cariticoçi. 37. Viviam há pouco tempo em guarani). 394. Paraguai e a futura cidade de Santa Cruz Os primeiros. à margem oeste do rio.) que não conhecemos nhecidos como “piratas” do rio Paraguai. pessoas de fala guarani. sublevar-se contra Cabeza de Vaca. te dos Gorgotoqui. o segundo. o significa- XLVIII e LVIII. Ver Combès (2008. comércio e outros mecanismos (alianças ma- noeiro” da família linguística Guaikurú. assim como uma “tribo” pode ser parte de um 1944 [1555]. chamado Xago- que provinham do ocidente. como originários da “terra adentro” mais a oeste. L. O objetos de metal. o chefe 86 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. Irala encontrou. o grupo dos Os “Orejones” e seus vizinhos Matarae88 é mencionado. à margem leste. p. cap. geralmente. 2008 [1543]. Candelaria ou San Fernando.) é bastante conhecido. do de “parcialidad” e de “generación” nem sempre la”. Aos grupos maiores. denominá-los “generaciones”. p. co. de la Sierra. Isabelle Combès 131 . 124-128).86 A partir daí. grupos de Puerto de los Reyes.92 O importante é que. localizava-se o porto La interconectados. provavelmente ani. eram os de Garabatibi (muito provavelmente em Puerto de los Reyes. SUSNIK. vinham os Itatim. e os índios Esse nome era de um grupo chané que Guató. 1544. desse grupo. entre o Alto em outras palavras. seguida. decidimos preservá-los. 54. LX. Entretanto. Em 1543. “a terra do caraguatá”. 1941 [1545]. 1944 [1555].89 Os Guaxarapo eram gião de Puerto de los Reyes. p.90 Mas também tinham aliados. todos os grupos da região estão Em seu território. em particular dos grupos dos no Pantanal. nhola. “Cário” mais acima de Assunção. os espanhóis encontraram. XLVI. Cheroçe. 2010). 94-108). de Puerto de los Reyes e dois dias a oes- também. Ver Susnik (1978.91 Existiam. escaparam depois de sua morte. presentes Na direção de Assunção. - “Parcialidades”93 (pequenos grupos) em particular. ver Métraux (1996 [1946]. a montante dos Guaxarapo. maior. Na falta de um equivalente contemporâneo de Actas Capitulares-Asunción (2001). na re- tica guaikurú. seja de prata ou de ouro.

Outros grupos da região da primeira em 1561. 18-19. em Puerto de los Reyes: os Quigoaraco. em 1544 - Os Canache. como os Chané de Puerto de los do nome geral de “Chané”. os moradores mais característicos de nas proximidades de Puerto de los Reyes por Puerto de los Reyes são. juntamente com os Gua- Os Pareci pertencem ao grupo linguís. Díaz de Guzmán situou-os pelo rio Araguay - Os Coriancoçi (ou Corianicoçi. em fins do século XVI. ainda que ao menos um depoimento posterior afirme 94 MÉTRAUX. Ariabone. encomendado. 160). grupos Núñez Cabeza de Vaca (1941b [1543]. de acordo com Susnik. 2012b.. seja originário do oeste e que seu verdade. Justicia 1131. ao qual pertence o idioma - O mesmo informe de Cabeza de Vaca chané. Cabeza deformação do nome dos Arrianicoci. 1978. p. 9. O sufixo ras informações sobre esse grupo provêm de idêntico: -bone. ajudaram os Arrianicosi a se da região. xarapo e os “Orejones”. como muitos etnônimos po. e. deia guarani em Puerto de los Reyes. cap. 132 “OREJONES” E XARAY NAS FONTES COLONIAIS . Núñez Cabeza de Vaca. do “principal” Yandarupia. FABRE. p. Termina.98 En- Outros grupos indígenas são mencionados tretanto.95 A presença de “Ariticoçi” pró. que cruzenhos recém “descobriram” os Pa. de Vaca indica que eram inimigos dos Itatim e que encontraremos adiante. por outra parte. 345). “canoeiros” e pescadores e. por uma parte. p. antiga rebelar contra os espanhóis. Paul apud MÉTRAUX (1942. Entre os grupos pes- - Os Ararobone. 1957. 46. LX e LXXI). dos Guaxara- em todo caso. tó.. gua otuqui posteriormente chiquitani- porque lembra a autodenominação dos zada) do plural97 – o que não significa. 95 RIVET. p. LXVIII. esse nome lhes foi dado por pessoas reci a cerca de 100 léguas ao nordeste que falavam essa língua. 335). que os localizava no rentesco linguístico entre esses grupos. A língua dos Gua- marca gorgotoqui (provavelmente lín. grupos Pareci de Mato Grosso. Alto Paraguai e Puerto de los Reyes. mojo-bauré. As primei- Acaquibone e Etatarabone. Ariticoçi. que se necessariamente. Também é mencionada ao menos uma al- çi. precisamente. necoçi) viviam próximos de Puerto de pela lagoa Cáceres. mas. poderia indicar que. é muito interessante. cadores. 345) menciona os ximo a Santa Cruz. de. em meados do sé. mais tar- - Os Yobecoçi. mencionam-se os Guató. ao mando ramecoci) (NÚÑEZ CABEZA DE VACA. p. 2005. geralmente. 115. p. (1941b [1543]. TAYLOR. publicado no apêndice de Actas 99 DÍAZ DE GUZMÁN. É possível que esse culo XVI. por trás grupo. p. 345. antes. 2008 [1561]. que se tratasse de fa- chamavam. 103). 2008 [1543]. Não temos maiores informações sobre eles: os chamados “Orejones”. Quibone. mas a um ramo distinto do contra os homens de Cabeza de Vaca. 1835 [1612]. Os Coriancoçi de sua cidade. da rebelião tico arawak. parcialidade Chibano. de fato. a rota do metal na direção do ocidente. quer dizer. os Tarapecoci (Ta. p. p. representantes de diferentes nome remeta ao do principal Poane. é considerada isolada.96 Esse nome talvez seja uma eiros” tão famosos como os Payaguá. Capitulares-Asunción (2001). 46. que diz conhecer 1941a [1543]. “Elección de Domingo Martínez de Irala”. existiam. que os Guató falavam o idioma “guayarapo” NIK. . da ramos da família arawak na região. pelo menos por vezes.94 Os lantes de gorgotoqui. AGI 98 IRALA. 1978. 97 COMBÈS. SUS. 96 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. p. (1944 [1555]. participaram. Ariti. na Reyes. juntos. Poyane na região. poderia indicar um pa. 161. em Santa Cruz la Vieja (RE- Santa Cruz também estavam presentes PARTIMIENTO. 1942. SUSNIK. provavelmente. aliados. com o sufixo –coçi. Curia. p.99 Os Guató eram “cano- los Reyes.. lidad. p. 1941b [1543]. (ou Acaray).

na região. 102 Sobre esses Chané como ex-escravos de Garcia. L. os “Orejones” de Puerto de los dos Comentarios bem expressa. provavelmente da região da futu- De forma totalmente distinta desses grupos ra Santa Cruz. co mais tarde. roçe vindos do interior das terras. citado pelos en- 1644. 1944 [1555]. dessa vez dores. 2-4. cebiam tais metais dos Huytig do interior. Não muito ria. travando rios grupos diferentes que tinham em comum o alianças (matrimoniais. antes de chegar a Puerto de los Reyes. Susnik indica o sul da lagoa cap. Xa. também chama- que eles mesmos fazem”. os espanhóis designaram vá. 1944 [1555]. de Puerto de los Reyes. aliança com Acrescenta que as mulheres são fiandeiras os “Socosies” ou “Sacosies”. Reyes (ver NÚÑEZ CABEZA DE VACA. 2008 [1543]). essas eram apenas notícias “de ouvido”. é razoável pensar que os Sicoci de a ter idolatria e adoram os ídolos de madeira um sejam os Sacoci do outro. mas a grande maioria de los Reyes. e que os Chané “de Garcia” haviam feito.103 Confrontando de algodão e que “daqui os índios começam esses dados. p. 2008 [1543]. e assim fazem 1542. em e substituem por outras maiores. p.. cap. em razão disso. e frequentemente as tiram bastante nas fontes. 6). LXX). NÚÑEZ CABEZA DE VACA. mas sim de “terra adentro” mais vivia mais a jusante. p. grupo dos Sacoci era o dos Aygua. 2008 [1545]. si e Xaque. sabemos 1944 [1555].101 No mesmo capítulo. os quais. São citados na mesma LIV). Eram semeadores de milho. [As mulheres] não cobrem suas obteve suas informações dos “Çacocis-chanes” vergonhas. naciones de indios que hay de la una y otra banda del 104 Segundo Susnik (1978. não eram originários de Puerto em Puerto de los Reyes. 22. cap. “Catálogo de las XXXIX. 1915. Cabeza de Vaca frase e pelo mesmo informante. com seu princi- no Alto Paraguai. 2008 [1543]. L. apud PASTELLS. Mandiore como hábitat dos Aygua (1978. a oeste. 22.104 Quem são esses “Orejones”? Cabeza de Vaca menciona. alguns deles também viviam pal Cheroçe. 126. punho fechado.. de quem eram inimigos. em 1544. (1944 [1555]. que pelos seus furos passa um então.[guaxarapo]. o que sugeriria oferece uma descrição geral dos “Orejones”: não se tratar das mesmas pessoas. inclusive) com Saco- costume de furar as orelhas: “têm as orelhas fura. em 1542.102 Em rigor. 28) Isabelle Combès 133 . cap. e. um possível sub- río Paraguay para convertir al Evangelio de Cristo”. conseguiam-nos dos Payzuno (IRALA. Por exemplo. os índios criam muitos patos em grande tempo depois. Entretanto. os “Orejones” seriam. estes últimos. os Aygua eram os que tinham mos ter certeza de que os dois “Orejones” escravos mais metal dentre os indígenas do rio Paraguai: re- dos Tarapecoçi encontrados por Francisco de Ribe. viam a oeste do rio Paraguai. LIII). Cabeza de Vaca aponta que Irala quantidade. de [Alejo] Garcia” que se refugiaram depois Com esse nome. de sua morte entre os “Orejones”. 1944 [1555]. cap. semeiam amendoim (que são já no Puerto de los Reyes. acima dos Guaxarapo. das e tão grandes. trevistados cário e guaxarapo de Irala. suas orelhas ficarem tão grandes que quase lhes Irala coletou informações sobre os Sycosy (ou alcança o ombro. 103 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. ambos viviam índios da comarca lhes chamam orejones” a montante dos Guaxarapo e possuíam metal (NÚÑEZ CABEZA DE VACA. LIII e LV. dos por Socosi. semeiam milho e mandioca (que é o pão das Índias). o termo pode ter sido aplicado a outros grupos que mandioca e amendoim. Francisco Lupercio de. RELACIÓN DEL RÍO DE LA que (talvez os “Xaquidi” de Irala) e Chané PLATA. ra. 28). e trazem enfiadas nelas umas O nome do primeiro desses grupos varia morangas medianas.100 Já encontramos os Guaxarapo que os Chané dessa região. p. em janeiro de 1543. Sobre os Guató. Irala encontrou os como avelãs) [. Vi- remetemos à contribuição neste mesmo livro. os Sacosie. (IRALA. Pou- Os índios desse Puerto de los Reyes são lavra. vive cada um por si com suas mu- lheres e filhos. um chefe guaxarapo. Subindo o rio Paraguai. 100 ZURBANO. no “Çicoçis” convivendo com os Chané de Che- que se refere a mantimentos de caça e pesca. 101 Tratamos aqui dos “Orejones” de Puerto de los Reyes. ver IRALA. entretanto.] é terra fértil e abundante. eram “índios Reyes são descritos como grandes agricultores. os outros Sicoxi) e os Xacosy (ou Xacoçi). não pode. Segundo o depoimento de também furavam as orelhas. tenham sido indígenas de Puerto de los por sua vez. entre eles. como o título do capítulo LV pescadores.

são os Xa- tabuleiro. 2008 [1567]. 1944 [1555]. Xaquete. Socosie. como os Comentarios de Cabeza de Vaca. de Cabeza de os espanhóis. e Socorinos (além de variantes de cada um rucusi.107 disquinho redondo de madeira do tamanho Não sabemos muito mais sobre os Orejo- de uma boa peça de tabuleiro. Mas nada foi dito sobre os idiomas usados nada tapado em seu corpo e andam nuas”. cap. 134 “OREJONES” E XARAY NAS FONTES COLONIAIS . Taycoçi. cap. esses grupos receberam amigavelmente compatível com a. mais adiante.105 O ale. mas. cap. Esses índios “tinham peixe e carne. parênteses. 1944 [1555]. aos 107 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. Um capítulo adiante. Cabeza de Vaca aponta com suas mulheres e filhos. habitantes de uma ilha em Puerto de los gasse ao Puerto de los Reyes. Muitos indígenas foram mortos nados três barcos”): “vivem cada um por si nessa oportunidade. antes que ele mesmo che. (2001). mulheres também são muito lindas e não têm 7). o alemão mencio- Taycaçi. são “os Orejones” dos espanhóis. propondo várias interpretações entre Capitulares-Asunción (2001). ao menos diver- tra raiz que se chama amendoim e se parece sas parcialidades da mesma “generación” ou com as avelãs. as Itatim anteriormente (IRALA. Todas são transcritas para o espanhol por 106 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. 2008 [1567]. pelos Orejones. batatas. com efeito. todos já havia despachado três barcos na frente. e deles) parecem ser equivalentes e designar. SCHMIDEL. que conheciam por terem sido prisioneiros dos mais ou menos do tamanho de um dedo. que “Socorinos” e “Xaques” comeram alguns mens têm pendurado no lóbulo da orelha um prisioneiros espanhóis. cap. é grossa e larga. rio Paraguai. 32). Essa descrição não é totalmente pio. cap. 1903 [1567]): indica. “Surucusi”. 34. os ter. Justicia 1131. alguns nomes encontrados amendoim. idioma lábio apontando para fora. AGI Justicia 1131. uma vez. são: Suruchkusis (cap. os Surucusi equivalem. Os únicos que se diferenciam. Esses “outros Surucusis” não parecem rucusi” empregado por Schmidel. para terminar Esses indígenas tinham milho. textos. A esses diversos nomes. o próprio homens de Cabeza de Vaca caíram doentes. 39). Sicoxi. outros que não os “Socorinos” de Cabeza de mão explica que. Essa é exatamente a mesma descrição daquela feita por Cabeza de Vaca. p. Taycosi
 na outro grupo dos mesmos Surucusi – “uma nação dos sobreditos Surucusis” –. Vaca. publicado no apêndice de Actas mos alemães. Apontaremos. Schmidel se contradiz. estes nomes: Sacosi. 34 e 39) e Suruekuesis (cap. Sacoçi. um infor- de uma ilha (SCHMIDEL. A princí- cap. Nesse aspecto. 2008 [1567]. sobre o rio Paraguai. 35 e 39). Os Chané recém-chegados em Puerto de também têm uma pedra cinza de cristal no los Reyes falaram guarani com Irala. Cabeza de Vaca Reyes com os Xaque. LXXI. Também os ho. peixe e carne “em divina nas fontes que não parecem outra coisa que abundância” (SCHMIDEL. “Elección interpretações de Lafone Quevedo a partir de outros de Domingo Martínez de Irala”. é preciso ter cuidado com esse nome aparece como “Çocorino” no documento a edição de Schmidel realizada por Lafone Quevedo da “Elección de Domingo Martínez de Irala”. Sueruekuesies (cap. mante cário de Irala fala dos Taycaçi que vi- vem a oeste do rio e semeiam milho. Sueruekusies (cap. AGI (SCHMIDEL. falando dos mesmos sublevaram-se auxiliados pelos Guaxarapo do Surucusi (“onde haviam estado os já mencio. soma-se o de “Su. 32). Saquese ou Xaquese. 2008 [1543]. e as mulheres andam (levando) co. variantes dos nomes dos Orejones: 34). 39. todos bertas suas partes” (SCHMIDEL. 45). já citada. uma grande pedra azul igual a uma peça de ainda que seja apenas pelo nome. outra vez. as mulheres nes. que. e os homens levam nos lábios grupo étnico. aos Socosie etc. Esses termos são LXXI. esse preâmbulo. man- As diversas grafias utilizadas por Schmidel em alemão 105 dioca e amendoim (IRALA.106 Dessa maneira. entretanto. se não um mesmo grupo. quando os Vaca. trigo turco (milho) e mandioca. Surucusi que chegaram ao lugar onde viviam os Su. 2008 [1543]. pouco depois. mandioca. também ou. habitantes Em 1542. não publicado no apêndice de Actas Capitulares-Asunción figuram no texto original de Schmidel. 2008 [1567].

chegava. ILUSTRAÇÃO 69 . p. ele de los Reyes que se rebelaram contra o es. que ofe. 2-3).XARAY (SCHMIDEL. o com- os Sacoci. em se- “Saicoces” como um povo lavrador próxi.se à Saicoce região dominada pelos Xaray. p. A relação com os Sacosi Orejones Çoicoçi e Caincoçie parece comprovada. nas profundidades do Pantanal. visitados. por Hernando de Ribera. 1903 [1567]) Isabelle Combès 135 . Requerimiento feito por Cáceres.108 Os Xaray e seus “submetidos” De Puerto de los Reyes seguindo rio acima. primei- A carta de Antonio Rodrigues menciona os ro. por Chaves. como os Tiyue e 108 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. O que mais mo dos Xaray (1956 [1553]). sem dúvida. apenas diz que esses indígenas viviam a panhol com a ajuda dos Guaxarapo. 1941a [1543]. No montante de Assunção (1941 [1569]. p. 351-352. plexo sistema hierárquico estabelecido entre os diferentes grupos xaray e aqueles a eles “sub- metidos” – grupos muito diversos. em 1544. 119) (Ilust. em 1557-1558. 335. Parecem ser se sobressai nessa região é. uma vez que os capi- tães de Cabeza de Vaca informam que os Esses dois nomes encontram-se na decla- Taycoçi ou Taycosie eram índios de Puerto ração de Ortiz de Vergara. rece a mesma informação. e. 1941 [1544]. p. em 1569. os “Taycosis” são nomeados juntamente com os Xaquete e “Xarcosis” ou “Xaycosias”. CÁCERES. 69). que incluem tanto os agricultores Ortues. guida.

1906 [1772]. 2008 [1604]. 1944 [1555]. mas que não Os Xaray viviam acima de Puerto de los dão muitos detalhes sobre seus povos ou Reyes. Sara. Encontramos e Xari. estives. Xaira. mas essa eti. 2008 [1560]. “na província dos Xaries”. De sul a norte. em geral. p. às lagoas domésticos. do de Ribera. então a lagoa pesqueiras e caça”. Mandiore. dados. “lavradores de fartos mantimentos de Manioré. Gaiba. Um Cário de Garabatibi os des- do Pantanal. e a visita de Hernando de Lomas Portocarrero.Yayna. rio. Xaralle. p. era a sua organização política e a estrita mas montanhas. algo como y-jará. veado e muitas frutas”. Scheru. 2-3). La Gaiba e Uberaba. mais ao norte (LOMAS PORTO- mo xaray estende-se até o ocidente. de uma justificativa de Ñuflo de Chaves. por exemplo. possível alusão à serra de 112 ACTAS CAPITULARES-ASUNCIÓN. e é provável que. Jari. existem menções dos homens de Ñuflo de Chaves aos Xaray. 109 RELACIÓN GENERAL…. nome desse grupo: Jarae. O que sabemos é que Chaves guai. Vayubá e Jarayes”. Xarai. 29. Por essa razão. p. 2008 [1543]. 88. ata de 7 de setembro de 1564. a gente não é “lavradora” gliacio (2006) interpretou-o como um termo guarani (MEMORIA Y RESOLUCIÓN…. RIBERA. Aguapeí. e criadores de patos. p. 110 Encontram-se numerosas grafias diferentes para o 2008 [1561]. não queremos nos pronunciar uma única referência indicando o contrário. C. pois o guarani utiliza. e criam patos e galinhas como da aldeia Urebarasanay e com a localiza. 2008a [1544]. “os donos da água ou do rio”). criam patos em grande quantidade e algu- Entretanto. eram “pessoas de grandes lavouras e Em 1772. “semeiam e colhem duas ção de Puerto de los Reyes na lagoa La vezes por ano milho e batatas e amendoim. Jaray. mais pro- mologia não parece ser válida. Xarare. NÚÑEZ CABEZA DE VACA. p. em 1597. 59. A expressão ficou vigente até o sé. M. cap. “gente de canoa”. mais ao sul. 2008b [1545]. mas galinhas como as da nossa Espanha”. (jará-y. ainda que as primeiras comunidades também batizado como Santiago. Juri. “são lavradores que se- dos Xaray poderia ser identificada como a meiam milhos e outras sementes em grande de Uberaba. Outra característica peculiar dos Xaray ray estivessem assentados próximo a algu.112 encontradas. ria uma estrutura inversa. 283). que se separou do grosso das tropas.109 os Xaray a viagem de Núñez Cabeza de Vaca. Em ambas as expe- Os Xaray110 dições. Xarei e LIX. p. 1543-1544. muito bem recebidas. vavelmente. 53). sua cultura. que sobre uma possível etimologia do nome. Mi. As primeiras características que causaram sem assentadas na margem leste. galinhas e outras aves goa Vayubá” é a de La Gaiba. numerosos. Pode ser que se trate de um equívoco ou. 66. Em 1597. encon. É difícil impacto nos espanhóis e por eles foram localizar com precisão a “lagoa dos Xa. LVII be. 19. tidas principalmente em duas ocasiões: naes” da parcialidad bambaguasu. gião e poder explorar terra adentro. Jarey.113 traram-se indícios de que vários povos xa. majoritariamente à margem oeste do esteve no porto denominado “Parabazán”. 136 “OREJONES” E XARAY NAS FONTES COLONIAIS . sobre matrimônios interét. man- lagoas da região são: dioca e amendoim (IRALA. os Xaray constituíam uma et. é que os Xaray eram rayes”. as principais creveu como semeadores de milho. p. 2001.111 Se a “la. um documento fala “das lagoas comida”. p. RIBERA. as da Espanha”. em tinham um papel muito ativo na rede de comér. e conseguem muita caça de também para o interior. chegando pelo sul. As informações sobre os Xaray foram ob- nicos entre mulheres xaray e homens “chirigua. A rede de clientelis. seguindo a montante do rio Para. isso corresponderia ao nome quantidade. 113 Respectivamente: RELACIÓN DE LOS CASOS…. agricultores e criavam animais culo XIX para se referir. Xabe. Cáceres. e existem CARRERO. com a expedição de Hernan- cio de metal andino em direção ao leste. nia bastante numerosa. “são muito abundantes as roças de milho e a partir dessa lagoa. tenham se espalhado de mandioca. 2008 [1560]. que usou esse pretexto para não permanecer na re- 111 CONSULTA….

no mesmo capítulo. cap. pareciam-se aos Xaray e falavam o mesmo idioma (2008 [1567]. nome ao mesmo tempo de 118 RELACIÓN GENERAL…. 1944 [1555]. dito povo Yereroruni. lista impressionante de outros caciques. ainda polícias dessas províncias”. 18.115 Mais im- de “uns índios que se chamam Xarayes e portante. os homens e mire.118 Esse dado as mulheres mais belas devem bailar dian- pode ser interpretado como o indício de um te dele” (2008 [1567]. à margem oes. Em seguida. Esses Siberi. poderiam ser compostos. fala de Vaca. 2008 [1604]. deram também à sua aldeia. além dessa aldeia. 2008a [1544]. nome que os espanhóis de sua aldeia como se fosse a “primeira ge- neración dos Xarayes”. chegando ao total de 14. 2008a [1544]. na época da viagem de Cabeza - Os Perobazan.120 nando de Ribera. Nessa uma aldeia e de seu chefe.000 homens que Schmidel. hierarquia que reinava em seus povos. Mas esses não eram os únicos caciques. 117 RIBERA. Durante a mesa. “a gente com mais pelo menos dois outros grupos xaray. muitos Candire. e declarou ser filho de Ca- meio-dia. tem uma praça”. já falecido nessa época. partindo nando de Lomas Portocarrero. à “cacique principal” chamado Manaçi. 2008b [1545]. provavelmente o mesmo que do rio Paraguai. - Vretobare. exis. mas enumera 19 nomes. DÍAZ DE GUZMÁN. em 1597. que. cap. ditos caciques. com 300 casas.119 do Puerto de los Reyes (seguindo a Her- Esse informe cita como povos xaray: nando de Ribera). NÚÑEZ CA. p. um total de 14 caciques. Rodrigues (1956 120 Ao começar essa lista. encontravam-se: - Yereroruni (ou Yeritoruni).000 casas em seu se. 119 LOMAS PORTOCARRERO. viviam a montante dos Xaray propriamente ciam a dito principal” Camire. diz Schmidel fala em 12. 2008b [1545]. 413. LIX. o da aldeia Guaja registrada em 1544. Os nomes não estão separados por vírgulas e alguns BEZA DE VACA. ditos e a jusante dos Ortuese. tam. bem como algumas carac- Mais dados sobre a organização política xa- terísticas das aldeias xaray de 1543-1544 a ray nos são oferecidos pelo informe de Her- mando de Camire. p. robazan. p. e em cada bairro do com o primeiro levantamento de Her. te do rio. 29. Os Essas eram as aldeias xaray “propriamente Xaray eram “gente de razão e que obede. chegava-se a outras aldeias xaray: e o informe de Portocarrero oferece uma - Guaya. “os quais. 36). De sul a norte. p. com um - Uma aldeia xaray não identificada. ao contrário das demais povo eram Yarure Tayri e Yguaya – este úl- aldeias. (também).117 Vaca indica que. de seus ayllus povoados pelos bairros do bém à margem oeste. Camire. cap. em 1557. ver JULIEN. 29. NÚÑEZ CABEZA [——]. p. eram 1. Cabeza de Perobaçanes”. 1944 [1555]. Isabelle Combès 137 . Outros caciques importantes do mesmo - Çayca. têm os índios - Camire mesmo. acompanham o chefe Camire e o chamam O povo de Vretobare é mencionado por Ri- de “rei” dos Xaray. 115 RIBERA. já mencionada. 57. estava localizada na margem leste timo nome. - Os Siberi ou Sieberi de Schmidel. cap. caso ocorra ao rei. DE VACA. margem leste do rio Paraguai. que também corte à sua maneira. Cabeza de Vaca fala em “até mil vizinhos”. 81. 1941 [1545]. p.116 ocasião é que Vretobare explica aos homens de Cha- ves que o primeiro nome de seu pai era Çaye. 37). possuía 400 casas. ao cipal” dos Xaray. de acor. Lomas Portocarrero anuncia [1553]) escreve “Camery”. e. Escreve que “dirige sua beira em sua relação de 1545. dos” de Yereroruni “sem o bando de mu- gundo levantamento. 116 RIBERA. Essa aldeia. cifra No total. nhor desses países. 2008 [1560].114 O chefe dos que levassem outro nome: Xaray era. e que adotou o nome Camire ou Candire por ter matado 114 RIBERA. mos os nomes. Ribera. que tiam outras quatro em “que todos obede. como um grande se- faz menção a Camire. 2008b [1545]. em 1544. mas já nessa época identificavam-se cem a seu principal”. 1835 [1612]. LIX. Conhece- governo hereditário entre os Xaray. em outra carta. Mais tarde. é pre- Vretobare ou Vretobere era o “cacique prin- ciso tocar música para ele. ditas”. passando por uma aldeia dos Pe.350 os “índios casa- que aumenta para 1.

Gueyonaquemino. e 1. Basecayri ou Arienes. Ymiybarebareya (ou Ybichiarebareya. 138 “OREJONES” E XARAY NAS FONTES COLONIAIS .000 pessoas na região. que não são contabilizados”. meninos e crianças”. Essa aldeia tinha Em todo caso. Os re). com 1. e de habitantes indicados pelo informe de um povo da “nação Parienes (ou Arienes)”: Coteyuguarena. “dois de seus principais lhe levavam ques Vratabare. “povo perabaçan”. varia entre que existam muito mais pessoas que. Outros caciques importantes de Xaray. 15). As fontes proporcionam mais dados sobre mas também tinham “outras nações cir- a cultura dos Xaray. cujo cacique principal era Ya. Yayna são chamados “povos índios natu- canare. Guare (ou Yaguare) e Chie- pelos braços e quando queria se sentar um chiriba.. em 6 grandes povos (2011 [1636]). Suas casas eram “gal- cunvizinhas submetidas a seu domínio”:121 pões redondos”.] pessoas de canoa e povoam lagoas dios casados sem o bando”. descrevem “casas pequenas”. pria. Por exemplo. em uma oportuni. Curuguara. fo- um cacique chamado Ybichicayri ou Ybichi. me de Lomas Portocarrero (2008 [1604]). Tiyu. A lista das 121 com 60 mil casas. Yagua. ao falar dos Parienes Aucu eram Ymaycare. Viviam em estavam submetidos os povos Cubie. lizado na encosta do mesmo morro que O sacerdote que acompanhou a expedição Bayuatati. Outros caciques do mesmo povo eram: povos Cubie. 1944 [1555]. Guarichi e Vruguaqueminore. apenas se comunicam - Vacayucure (ou Vaçayucuri. com apenas to numerosos: sem contar os Perobazan.123 nação Ortugues”: Hubuu e Atuebaya. lembrando a expedição de Her- nha 140 casas e 420 “índios casados sem nando de Lomas Portocarrero. com os caciques Eguare e giadas em estâncias por temor aos cristãos”. Yquemiechiriba Yaguare. Tinha 100 casas e 300 “índios casados 5 aldeias. é possível estimar ta de um morro e na parte baixa. pelo grandes pântanos e lagoas. Ygueyonaqueminore. com seus caci- nhóis. Setaeri e Mana. com os Perobazan e as pessoas de Aucu “a cure). por andarem os nati- sem o bando”. estavam submetidos os povos “da onde vivem com sua mulher e filhos”. Baçayu. Ao povo de Aucu e a seu chefe Yaguare. 15..“ainda que. 123 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. Seu cacique era chamado Yutaeri quem reconhecem”. meninos e crianças”. especialmente informe que se tem. - Uticate.350 “índios sem seu desse informe tão rico. sempre falam em “galpões redondos”.850 “ín- rais [. 1835 [1612]. Esse povo ti. 1954. Esses - Aucu. diferentes povos ou etnias não parecem ser guare. p. 122 ANUA-1598.270 habitantes em apenas cayre. “dos 450 casas. Em 1636. de 1597 ficou muito impressionado pela A essas aldeias evidentemente Xaray. Tiyues”. mas aparentemente uni- Ao povo de Yereroruni e a seu cacique familiares: “cada um tem sua casa para si.122 política interna claramente hierarquizada. LIX. Estava loca. Manaçi.. podemos tirar alguns dados 450 casas. temos hierarquia existente entre os Xaray e escre- que agregar a de Uribarbacanay (ou Vreba- veu que. “É povo fundado na encos. quando seu chefe ia ver os espa- rasanay). p. Os Xaray eram mui- bando de mulheres. com suas mulheres e filhos” (1835 [1612]. ram registrados 5. no caso das aldeias xaray. de “aucues”. - Bayuatari (ou Baybatari). e pântanos e estuários e lugares escondi- dade. Guarichi e Yayna. cap. estão divididas e refu- nos tempos de água”. Os habitantes de Aucu são chamados. no mesmo informe. vos muito amedrontados. dois Isso corresponde ao número de casas e povos Cayguarare: Yaburuna e Uipiguara. p. Aucu tinha 610 casas. (ou Baretayri) e Yueyonaqueminçu (ou enquanto que. deles oferecia seus joelhos que lhe servia Os Xaray tinham uma organização social e de cadeira.. que essa é sua cerimônia”. Ybichicaure (ou Ybichicayre). Ybiachirabare). López Roca o bando de mulheres e meninos e crianças fala em mais de 30. Díaz de Guzmán disse: “existem povos desses índios DÍAZ DE GUZMÁN. dos e inabitáveis”. 729. Curuguara. lheres. porque cada índio vive na sua pró- nações “submetidas” aos Xaraye é baseada no infor.

“têm pendu. Os [. de forma diferente para os homens e para as 128 NÚÑEZ CABEZA DE VACA..125 tros grupos. De fato. Ver também DÍAZ DE GUZMÁN (1835 [1612].. p. 1597. e trabalhado também Alcaya (2011 [1636]). 6).129 sacerdote que acompanhou Loma Porto- carrero escreve: 126 ANUA-1598. LX. LVII. Usavam essas mantas para se Na época pré-hispânica. chefe xaray Finalmente. Xabacoxi. Turucoxi rani.. Os Xa. Quigoaraco- pau”. 1944 [1555]. “um principal que estava em umas serras bre os “Orejones” se refiram aos Xaray. tinham placas de prata que conseguiram de vel que várias informações das fontes so. os Ortues e cor azul dos joelhos para cima. pois é possí. e a orelha está enrolada ou CABEZA DE VACA. como veados e avestruzes e ove. 129 RELACIÓN GENERAL…. 1944 [1555]. cap. então. Em 1544. cap.. LIX. entregavam (em guarani) “tipoes”.126 lhas índias”. picando-se no local em que gaio e de conchas brancas. que “juntou todas as pessoas da comarca”. Isabelle Combès 139 . animais. Ver cabeça de forma muito elegante. 2008a [1544]. 1944 [1555].] em certa guerra que lhe havia travado” homens também tinham um adorno labial. dos seios até as partes. com isso. p. cap. Esse Itatim 124 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. o mesma maneira. interior”. 1544. Cabeza de Vaca indica que os ho.. LIX. Os homens. estão bordados diversos tura [não] sai nunca por mais que a lavem. 2008 [1567]. que Cabeza de Vaca chama te com os Gueno e os Ymore.127 Apesar de os Xaray serem ini- lhante ao modo como se pintam calças migos dos Guarani “das montanhas” ao e blusas aqui fora. çi. dobrada ao redor desse aro de madeira”. 730.124 e Guarhagui (IRALA.. vale dizer. O mesmo metal a numerosos grupos do alto Paraguai: autor menciona também “banquinhos de os Xaquide. Mais tarde. Yriacoçi. cap. p. bemos que os Xaray participaram de uma ray possuíam objetos de metal (ouro e pra. 2008 [1567].128 tinham. os Etone. e. cap.] e erva que solta aquele negro ou azul [. 1944 [1555]. te ativa do comércio de metal (ouro e pra- mas também tecem “umas roupas largas ta) entre o ocidente e o oriente. Chanes. os Xaray eram par- cobrir quando fazia frio ou para se sentar. Capitulares-Asunción (2001). 81). sangrando muito. acompanhados por ou- oeste ou por meio de troca. (umas) expedição (expedições) até o oeste ta) que conseguiam nas suas viagens até o em busca de metal. (Também) as mulheres oeste. os Xaray da aldeia de Vretobare este é um dado importante. Conseguiam esse metal dos grupos “do rado no lóbulo das orelhas um aro redon. os azul. Xacota. e também co- que se esforçar para pintar isso” (SCHMI. cap. disse Schmidel. 2008 [1543]. p. Toda essa nação costuma se pintar dos pés à 127 RELACIÓN GENERAL…. 57-58. a é simplesmente chamado “Guarani” no documento citação sobre os bordados das mantas é de Schmidel da “Elección de Domingo Martínez de Irala”. muito bem fei. (RIBERA. 2008 [1560]. (2008 [1567]. Com Çaye ou Caye. e depois co- eram “grandes fiandeiras de algodão”: locam por cima sumo de tabaco e de outra “fazem grandes mantas de algodão [. do ocidente (NÚÑEZ do de madeira. têm veste para toda a vida. p. 36). tes em relação à tatuagem de homens e partiram os homens de Bambaguasu e os mulheres: “os homens estão pintados da Pitaguari (todos chiriguanaes). de um tipo parecido às apika gua. Um pintor aqui fora [na Europa] teria se casar com mulheres xaray. nhecemos o caso de um itatim casado da DEL. publicado no apêndice de Actas 125 SCHMIDEL. 36. Deycoxi. fazem essas pinturas com muitos mens usavam adornos de pena de papa. nas mantas. Juntamen- de algodão”. 18). AGI Justicia 1131. 36). 1954. mulheres. sa- “uma larga pedra de cristal azul”. e redes. NÚÑEZ CABEZA DE VACA. É seme. As mulheres irá o trabalho. Chiriguanaes de Bambaguasu costumavam to. 59. cap. 2008 [1560]. os depoimentos são eloquen. boas relações com estão pintadas de outra maneira linda: de outros grupos chiriguanaes: realmente. LVII).] a pin- nelas. espinhos juntos. p.

36. 2008a [1544].135 E esse nome pode permitir uma alguns europeus entre os Xaray. 1558. na margem oriental do rio Pa- de Hernando de Loma Portocarrero. 28. p. p. que o chefe Ca. terra adentro a partir dos povos Xaray (2011 [1636]). mais frequência. p. como consequência. e internou-seno Chaco. em 134 LOMAS PORTOCARRERO. e esse termo poderia estar na origem posterior (1557) de Ñuflo de Chaves. como já se mencionou. e bastante longe do Pantanal. rio abaixo na mesma família do grupo linguístico arawak. também cha- DE HERNANDO DE SALAZAR. que seu pai entrou “na província dos Jarie. Saraveca (sendo ca o plural desde o tempo em que Garcia havia andado chiquitano). ou Uribarbacanay). p. LIX. A espanhóis mataram e fizeram cativos a um mudança de “Xaraye” para “Sarabe” não é estranha: lembremos que o “x” espanhol quinhentista pronun- grande número de Xaray. nay (ou Urebabarasanay. e que. em 1544. também insiste sobre a equivalência Sarave- ca/Xaray (2009. SUSNIK. as pareci ka-a-hari. 77. 2008a [1544]. “a nação Xaraye ou de 1543-1544 foi. sem ambiguidade. O do nome dos Xaray (1978. geralmente. p. que preferiram ciava-se. Nos anos que se seguiram (1599-1600). 1944 muitos indígenas fugiram nessa ocasião. [16—]. çãobaçan ou bazan é constante nas diferentes grafias VES Y ÁLVARO DE CHAVES. relações são mais tensas com a expedição povo”. 1944 [1555]. aldeia perobazan mencionada em 1597: Vrebarasa- FORMACIÓN DE SERVICIOS DE ÑUFLO DE CHAVES. assim. p. mado Santiago. “sh” (suave). por exem- por aquelas terras tinha notícia deles”. ao contrário.134 uma revisão recente de documentos sobre os antigos Xaray. em 1588. Perebaçan. Fabre (2005) inclui o Saraveca e o Pareci indicam que Ayolas saiu de La Candelaria. so marco cronológico. 279. p. 137 RIVET.137 Segundo Susnik. e abriu e assegurou a passagem pelos caminhos daquela província”. 1835 [1612].131 Em contrapartida. Se aqui mencionamos nas tiveram notícias deles sem que os tenham esses acontecimentos que estão fora do nos- encontrado diretamente. 131 RIBERA. ao que parece. Talvez 2008 [1561]. Perabaçan. Guevara menciona. em 1537. suíticas de Chiquitos. 68. p. é porque. Nessa data.136 pois a ainda que tenham fingido não conhecer língua dos Saraveca é conhecida: tratava-se o caminho para o oeste. já haviam feito expedi. a por Chaves nesse mesmo ano. Pere- 1944 [1555]. 33).130 identificação da língua dos Xaray “muito Os Xaray receberam bem os espanhóis. o general espanhol esta. Ali. 130 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. Probaçee e Xerebaçan. DRE MARTÍNEZ apud CRÓNICA ANÓNIMA. 138 Outras grafias do nome são: Barcacañe. mais próximo do Pa- que. onde viviam. cap. 1597. PA. reci que do Chané. 2008 [1561]. 2008 [1588]. por serem con. cap. 122. 2008 [1604]. 18). 2008 [1563]. exceto na curiosa grafia de Probaçees. internou-se 136 DÍAZ DE GUZMÁN. p. 161-164). em raguai (RIBERA. com sua incorporação às missões je- ainda que. Os primeiros contatos indiretos dos Xaray com O destino dos Xaray foi selado no século os europeus remetem à viagem de Garcia. XVIII. os Xaray também são chamados. filho do conquistador contou. essa informação é errônea. Cabeza de Vaca es. 140 “OREJONES” E XARAY NAS FONTES COLONIAIS . bazan parece estar presente no nome de uma 133 RELACIÓN DE LOS CASOS…. em fugir para o monte. e com mire “há muito desejava ver os cristãos. Al- caya sustenta que Juan de Ayolas. Paul apud MÉTRAUX (1942. p. pois todas as outras fontes 1978. Costa e Silva. NÚÑEZ CABEZA DE VACA.133 13 dias de viagem rio acima do Puerto de Não temos mais notícias até a expedição los Reyes. p. 16. a primeira feita por Sarabe”. ka-hare significaria “gentio. 106. quando sabemos de um idioma arawak. IN. índios belicosos de guerra. 1836 [fins do século XVIII]. ca. Parebaçan. 241. onde esteve Ñuflo de Chaves. Os Perobazane quistados. INFORMACIÓN DE SERVICIOS se trate do mesmo “porto Parabazan”. os rios Yayba e Yacareati jun- beleceu o forte de Santa Catalina no povo tavam-se e desembocavam no rio Paraguai de Yereroruni. em ções terra adentro. A notar. e. nessa épo- creve. A visita plo. entrecortada e fácil de aprender”. Perabazan. LIX. ape. vaçan. Parabaçan. nessa ocasião.132 Os Os Perobazan138 foram encontrados pri- Xaray foram conquistados e “pacificados” meiro por Hernando de Ribera. Perobaçan. 134). p. do nome. p. A termina- 132 RELACIÓN DE LOS SERVICIOS DE ÑUFLO DE CHA. os 135 GUEVARA. 505.

pouco mais tarde. como “separado dos de. De fato. o chefe principal dos Xaray era Cami- (2008a [1544]. mui- do grupo linguístico arawak. 2008b [1545]. dividido deles por dito principal pareça estar nas mãos dos Xaray rio” (2008 [1604]. 413. 2008a [1544]. 142 RELACIÓN GENERAL…. província dos de de Aucu. e existe a possibilidade de ve o povo Perobazan de Urebabarasanay. em 1544. descre. LOMAS PORTOCARRERO. 2008 [1604]. frutas e peixes […] é gente lavradora” 1544. p. 18). já que o chefe má- robazan. 2008 [1588]. também reconheciam a autorida- porto dos Perobaçanaes. 66. até eles. municavam com os Perobazane e as pessoas ne coincidem com a dos Xaray. o hábi. confirmando. a 141 RELACIÓN DE LOS CASOS…. ças”. p. o cacicado mais povos Xaray. Cristóbal de Samaniego menciona “o e Uticate. Pode. não podemos afirmar que a situação tenha sido a mesma 139 RIBERA. a aldeia perobazan Uribarba- Ribera.140 Por outro lado. no final do século. não era a outra carta. o nome do comida”. “índios nativos”. 282). e. 28-29).141 Em 1544. p. Manes. 110. p. p. O informe de to provavelmente. entretanto. p. Guarichi e Yayna. em principal do povo Xaray de Aucu. “da parte de Xerés”. biguidades: “o povo Parabazan chamado Curuguara. para “propriamente dito” (Manaçi em Yereroruni. Podemos supor que re. 18. ou mos localizar. palavras. p. 1941 [1545]. em 1597. 2008 [1561]. 57. havia outras aldeias xaray: Guaya ximo. Além disso. Suas aldeias estavam localizadas pal. sim submetidos” outros povos: Cubie. 19). p. “todos se denomi- em meio às aldeias xaray. que. p. 282. Vretobare. chamavam-se tat dos Perobazan próximo da lagoa de La “Maneses”. Xaray”. Em outras “nação Xaray”. Esses povos de Vrebarasanay. e o nome dos Xaray e Camire (RIBERA. 18). p. Perobazane eram “os Jarayes” do oriente. aproximadamente. o que sugere que essa aldeia era perobazan encontrado por Ribera possuía a mesma que a de Vretobare encontrada. e. 285). Os Perobazan tampouco eram Xabes [Xaray]”. A impressão ressaltada pelo relato de Díaz ciones” xaray: um povo não identificado. o primeiro povo Vratabare. Em ca. era Xaray. em 1597. provavelmente Chaves em 1557. 2008 [1560]. pertencia à “generación” Portocarrero. como Vacayucure. que encontrou Ñuflo de compartilhavam o idioma. 2008 grupos são “pessoas de grandes lavouras e [1604]. Díaz de Guzmán. cada um de seus três caciques: Vratabare. com isso. Entretanto. mente “Xaray”. ainda que. 81).142 Assim. ainda uma “generación” xaray não é duvidoso. 2008a [1544]. Mais acima dos Pe. p. Bayuatari te. os “de Santa Cruz”. dos Perobazane. Tiyu. Lomas Porto. a versão de Díaz de Guzmán.139 posteriormen. Ribera passou por duas “genera. 15-16. por Ribera (2008a [1544]. do nome de seu chefe princi- Gaiba. 1544. a oeste do rio Paraguai. os e Yaguare em Aucu). “pessoas lavradoras e de muitas cacique da aldeia perobazan. 280. pescadores. Ambos os de Aucu (LOMAS PORTOCARRERO. Isabelle Combès 141 . “submetidos” aos Xaray. essa percep- Que os Perobazan tenham constituído ção talvez seja enganosa. em anos anteriores. p. (RIBERA. p. pai de Vretobare. seja. RESOLUCIÓN DE LOS CASOS…. de “uns índios que se chamam única: outras aldeias notadamente e pura- Xarayes e Perobaçanes”. 2008 [1561]. Com efeito. 140 Depoimento de Cristóbal de Samaniego. Manes. fala da sua aldeia como canay reconhecesse a autoridade do cacique “a primeira generação dos Xaray”. RELACIÓN Em 1597. provavelmente. era comidas”. antes de chegar nam Jarayes” (1835 [1612]. em 1597. em 1597. ou melhor. 245. que Camire também pertencesse. aplicava-se a todos. rosos que os Perobazan. p. e de Guzmán é que os Xaray eram mais pode- outro chamado Çayca. apenas se co- todas as descrições das aldeias perobaza. que correspondem. a aldeia perobazan Uribarbaca- DE LOS SERVICIOS DE ÑUFLO DE CHAVES Y ÁL. em 400 casas: “abundam de milho e mandio. nay estava dividida em “três bairros ou pra- VARO DE CHAVES. “têm as- carrero escreve sem dar margem para am.

Orthuessen. DO DE SALAZAR. Por esse mesmo motivo. Tortugues) liza “Arienes” ou “Parienes” tanto no singular (“a nação Arienes”) como no plural. 29. do mesmo grupo. te dos Xaray. sem maiores redondos” (LOMAS PORTOCARRERO. 282). p. p.146 Em 1597. Tiyu e outros). pois é sabido que tinham víveres em abundância. 142 “OREJONES” E XARAY NAS FONTES COLONIAIS . Sabe. gou-se a dar mantimentos aos espanhóis. dos sem contar as mulheres e as crianças. Hernando de Lomas Portocar. A equivalência entre Arienes e Arrianicosi também foi suge- rida por Susnik (1978. do rio Paraguai.144 seu informe escreve sempre Parienes. 1944 [1555]. de Chaves eram “pessoas de grandes lavou- rero menciona os Parienes (2008 [1604]). Em ras e comida”. 2008 [1567]. os Arencoçie Em 1597. e podemos supor – e apenas sopor – que não eram Xaray. 2008 [1560]. ou seja. descritas como “galpões te: dentre os povos submetidos aos Xaray. pois nesse caso o “s” final aldeia xaray de Camire. e ne- Portocarrero são duas: a primeira é Coteyuguare. vel que os primeiros tenham sido agricul- tores como os Xaray. 122. e os demais apenas pescadores e caçadores. Xaray. única vez Arienes. Esse sua desobediência pelos Guaxarapo e Guató da ju- sante. e 320 “ín. 37. eram “casas pequenas” e não “galpões Cayguarare e Arienes/Parienes. dios casados sem seu bando”. com muito pou- Povos “submetidos” aos Xaray e aos ca agricultura. conserva. A aldeia Devemos notar aqui um dado importan- tinha 155 casas. Os Arrianicosi eram agricultores (por isso dis- povo tem 11 casas pequenas e um total de 30 punham de mantimentos que poderiam ter servido índios casados “sem o bando”. sem por um lado. os Ortues viviam ao norte da remos essa grafia. 146 RESOLUCIÓN DE LOS CASOS…. p. As aldeias arienes/parienes citadas por Lomas LXVIII). Careguareguacana. os Ortues. 2008 [1604]. Ainda que isolada. ajudado em na. 2008 [1604]. grafia pode autorizar um paralelo entre os indígenas do Pantanal. à margem oeste não é necessariamente o plural espanhol. cap. É possí- 280. tam. as aldeias ortues mos que suas casas eram diferentes das dos estavam localizadas próximas das dos Xaray. as “pessoas MAS PORTOCARRERO. informe de Lomas Portocarrero diferencia. 2008b [1545]. bas as aldeias eram submetidas ao povo xaray 110. 284). Em 1544. Ortugues. 1726. 2008 [1563]. cap. os homens de Os Arienes/Parienes de 1597 viviam com Ñuflo de Chaves os encontraram a noroes- os Xaray. 66. 19. 144 RELACIÓN DE LOS CASOS…. o redondos” como os dos Xaray. 145 RIBERA. p. LXVI. 161). 2008a [1544]. SCHMIDEL. é Perobazane possível que os Arrianicosi de Cabeza de Vaca143 sejam os Arienes. Am. dar. da mesma forma.se conta de que Lomas Portocarrero uti. 143 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. 2008 [1561]. É preciso Ortues (Hortugues. INFORMACIÓN DE SERVICIOS DE HERNAN- de Yereroruni e a seu cacique principal Manaçi. e uma Nas primeiras décadas do século XVIII. Esse grupo vivia nove léguas a montante de Puerto de los Reyes. cap. Arienes/Parienes e contar as mulheres nem as crianças (LO. Cayguarare e. anos anteriores pelos primeiros exploradores: provavelmente.145 Em 1557. p. p. A outra aleia é para os espanhóis). p. essa o jesuíta Fernández mencionou os Arianes. com um só chefe chamado Ybiyhueya. bém com 11 casas pequenas e 34 índios casa. a quem estavam submetidos. ainda que tenham se negado a dá-los aos espanhóis Parienes (Arienes) (NÚÑEZ CABEZA DE VACA. por outro lado. à margem do rio Pa- Arienes/Parienes e outros nomes citados nos raguai (FERNÁNDEZ. sobre uma grande lagoa. com o cacique Ybiyho. 1944 [1555]. de canoas” (Cubie. Trata-se. p. 2008 indicações (LOMAS PORTOCARRERO. 24-25). os Arrianicosi e os Arencoçi. p. LXVIII). Guare (ou Yaguare) e Chiechiriba.

sificados juntamente com os povos Xaray da sas. para 1557. isso que andei por muitíssimas partes” (2008 Não sabemos que idioma os Cayguarare [1567]. Hernando os Ortues eram submetidos aos Xaray. Cubie. de Hubuu. p. cap. 110. p. 2008 [1604]. 29). p. mudaram de atitude com os homens de Ñuflo p. ZAR. 37). p. Suas ca. Sabemos que eram agricultores Cayguarare –“têm grandes roças e terras para elas” (RIBE- RA. nem uma localidade índios casados sem seu bando” (LOMAS POR- maior que esta localidade dos Ortueses. 284-285). em 1597. 2008 [1604]. em 1544. cujo chefe era Cayaguare (ou Guare). 280). INFORMA- CIÓN DE SERVICIOS DE HERNANDO DE SALA- 147 RELACIÓN GENERAL…. cap. p. nome de um cacique Atuebaya. eram submetidos ao povo Xaray de Ye- juntamente com os Etone ou Onte. eram Yaburuna. ao que tudo indica. entretanto. e TOCARRERO. 68. e Guayture em O informe de Lomas Portocarrero. Xaray: receberam amigavelmente a Hernando Ribera diz que os Ortues eram “lavrado. com “oito casas em que havia os dados sobre os povos Ortuese mudam es. cap. 29). 280. 19) – e que possuíam Os Cayguarare são mencionados em 1597 objetos de ouro e prata (SCHMIDEL. cayguarare. 2008a. Cada um desses povos tinha um só cacique: Vbari em Atuebaya. É possí- tava localizada a casa do chefe. Em 1597 (não temos in. ou de uma parcialidad deles. também era um chefe perobazan. outra versão de Cayagua- Hubuu era um pouco maior: 16 casas “entre re. sua aldeia tinha uma praça central onde es. mais de Ribera fala desses “povos dos Ortueses e precisamente ao povo de Yereroruni e a seu Aburune” (2008b [1545]. suas. Em 1597. 2008 [1560]. DE LOS CASOS…. Suas pequenas casas eram diferentes ação parece diferente. Em 1544. antes da chegada metidos Ortueses e Arienes/Parienes. 122. Sua atitude É possível que tenham sido vizinhos dos Or. de fato. com os conquistadores é a mesma que a dos tues. com 20 “índios sem seu bando”. esses dados mostram 1597. e Yupuguara (ou Uipiguara). grandes e pequenas”. mas. sem seu bando”. RESOLUCIÓN formação sobre o tema nos anos anteriores). 2008 no Pantanal. Em sua segunda relação.147 reroruni e a seu cacique Manaçi. o dado é insuficiente para determinar de Chaves. era também o nome de um chefe sas médias. vel que o nome dado ao grupo pelos espanhóis ta: “os índios eram muitíssimos. ver RIBERA. 58. com 45 índios casa- dos sem contar as mulheres nem as crianças (LOMAS PORTOCARRERO. “grandes e pequenas” ou “médias” são região por Hernando de Lomas Portocarrero. os Ortues acompanharam o guarare. 30 índios casados. p. dos grandes galpões xaray. 284). 37). foram clas- se os Ortuese eram ou não Xaray. esta é a úni. Schmidel indica que que era Yaguare. São os dois povos Or. falavam. 2008 [1604]. Atuebaya apenas tinha quatro ca. 2008b.[1604]). seu caci- tranhamente. 2008a [1544]. é pre- tuguese os mencionados nesse ano: Hubuu e ciso notar que Yaguare. Tiyu. de Ribera. diferentes dos “galpões redondos” dos Xaray (LOMAS PORTOCARRERO. e que Guare. ou ao menos duas pequenas aldeias chefe Çaye dos Xaray “a pedido de Candire”. 2008 [1561]. p. Para 1544. xaray. Yupuguara ti- Índias por onde estive não vi mais índios em nha “seis casas pequenas em que viviam 20 nenhuma localidade. 2008 [1604]. CARRERO. Guarichi e Yayna 284-285). res à maneira dos Xarayes” (2008b [1545].148 em 1557. a situ. em todas as provenha do nome desse chefe. Em todo caso. p. p. 2008 [1567]. Os Cay- dos espanhóis. 2008 [1563]. 148 tada por Schmidel. Isabelle Combès 143 . cacique principal Manaçi (LOMAS PORTO- ca menção que conheço sobre os Aburune. SCHMIDEL. fala primeiro da aldeia xaray de Aucu. 37. junto aos Xaray e os demais sub- [1567]. Entretanto. Curuguara. ver RELACIÓN DE LOS CASOS…. e acrescen. p. uma imagem bastante diferente daquela pin. 2008 [1561]. Essas aldeias Entre a primeira visita de 1544 e a de 1597.

ao povo Aucu e ao cacique principal Yaguare”. 150 RELACIÓN DE LOS CASOS…. Receberam amigavelmente eiras. no mesmo informe. o povo povo tinha entre 80 e 100 casas grandes. como Outros povos dito. mais adiante. margem esquerda do rio. são: o povo Cubie. assim. apud TOMICHÁ. São: de índios nativos: o povo Cubie. 2002. 2008 [1561]. teriam matado. Tinham “grande ções são pelo rio”. p. 19). 1726. mencionados juntos. de Chiquitos. o povo Guarichi. eram agricultores. esses povos. provavelmente. 1703. p. Os Guarencoçi. 280. e comenta: “todos os povos Xarayes têm. Essas são as únicas informações que en.150 Não encontra- o nome de diferentes aldeias. Todos parecem ser pescadores. Os Yacaré foram encontrados pela expedição PADRE JIMÉNEZ. antes da chegada dos espa- -se. 144 “OREJONES” E XARAY NAS FONTES COLONIAIS .com seu cacique principal Yaguare e outros Curuguara. com os “Cubies” assim. viviam no Pantanal. Artaneses e Eyocare. em 1543. em seguida. Não são sufi. pois são demais povos submetidos aos Xaray. 285). Durante a viagem de ex- contramos sobre esses povos. montante dos Xaray e dos Guacaranique. tanos e esteiros e lugares escondidos e inabi. Viviam. Já em 1746. 2002. aos Xaray. pessoas de “Cubie”. alguns cristãos. e o povo Curuguara. sem que saibamos suas relações víncia dos Xarayees. Chaves “descobriu os vra espanhola “pueblo” no sentido de “aldeia Orejones. Os quais são todos de pessoas cano. em por Hernando de Ribera no relato de sua ex- 1703. na nay. diferentes. p. do lado esquerdo do rio pedição aos Xaray. norte de Assunção. 300 léguas ao cientes para saber se devemos utilizar a pala. cacique Mayere. o povo dos Tiyue. no Pantanal. 2008a [1544]. “em aucues. e não se comunicam com as demais Os Guacaranique. os Guayoyae final do período das reduções. Xerebaçanes. p. constituíam a menor etnia de San Rafael. 265). que (FERNÁNDEZ. 16 graus menos um terço”. submetidos aos seguintes povos. talvez sejam os mesmos mencio- menores. 2008a [1544]. 162). 19). Guaxarapos. Arencoçies e os Guarencoçies e (povoado) ” ou de ”grupo étnico (povo) ”. Os Araurique. Os “Cupíes” ou “Cubies” seguem sendo Os Guayoyaes. 162. 1726. 149 259. estão os seguintes povos com os Xaray. o povo Tiyu. nhóis de Assunção na região. como grupos mos mais informação sobre os Guarencoçi. (TOMICHÁ. a expedição de Hernando de Ribera (RIBERA. O espanhol não classificou quantidade de roças de milho e mandioca”. p. re. táveis. [1544]. Esse grupo é mencionado mencionados até o século XVIII. exceto com os índios perabazanes e mesmo nome. do Pantanal. Bayuatari e Uticate. Em relação aos Os Yacaré (Achere). menciona a outros três nados no início do século XVIII pelo jesuíta povos Xaray: Vacayucure. 19). “Tiyu” e demais poderiam tanto ser grandes lavouras e comida”. Xaries. 2008 [1604]. nhóis de Hernando de Ribera (RIBERA. e o povo Gua- richi. ploração de Irala. e diferenciam-se. 66. têm submetidos. e as comunica. rio acima dos Araurique. dos cem ser os mesmos que os Arencoçi. talvez se trate de uma alusão à morte de Alejo presentando apenas a 2. Se- tos. FERNÁNDEZ.7% da população” Garcia (RIBERA. assimilando. a quem reconhecem. “por serem poucos e estarem dis. Seu o povo Curuguara.149 Integrados às missões de Chiqui. p. Juan Patricio Fernández. e seus habitantes receberam bem os espa- persos na presente ocasião” (LOMAS PORTO. p. habitantes da aldeia de nações. e Yayna. “os Cupíes desapareceram como etnia no gundo o principal dos Ortueses. sob o assim como o povo Perobazan de Uribarbaca. Os Guayoyaes viviam a Paraguai. a pesar da semelhança do nome. p. p. e que estão povoadas em lagoas e pân. e o povo Yayna. 2008a CARRERO. não pare- acima de tudo. nome de “Curuaras”. rio acima dos Ortues. Os documentos mencionam outros povos acrescenta: “na mesma comarca dessa pro.

Muito pouco se sabe amigavelmente a expedição de Hernando de do que pode ter acontecido nas décadas que Ribera. entretanto. pois alcançam pou. 8. em coro. Segundo Schmidel. dos tantos povos encontrados na região pelos cap. um ano de- semeiam muito pouco. e trazem co. colocam uma casca de fruta de umas árvo. 1944 [1555]. porque o arranham poucos. que deixa pouco espaço para as qui- os Xaray.de Hernando de Ribera aos Xaray. ao que aprendeu de seus antecesso- e andam desnudos. se seguiram. gente muito alta. a “lagoa dos de algodão”. em fins do mesmo feios de rosto porque furam o lábio e nele século. que é tão grande e redonda como ums corporados às missões jesuíticas de Chiqui- grande rodela que pesa e faz alargar tanto tos. é extremamente (NÚÑEZ CABEZA DE VACA. 151 XIMENEZ. esses índios são muito menção feita por Guevara. em 1544 (RIBERA.151 são pobres e se mantêm a maior parte do Em 1754. 21). descritos como um povo de pesca. em 1543. são lavradores res: pois o mesmo padre confirma. 152 QUIROGA. as mulheres “trazem cobertas suas partes com um pano Em meados do século XVIII. a 36 léguas. n. p. e muito nume- rosos. numerosa com um pequeno rei que domina ca vez nos Comentarios de Cabeza de Vaca. dos Xarayes”. difícil seguir seus rastros – os jesuítas deno- cap. o padre Bartolomé Xi- 18). em todo caso. 83. Isabelle Combès 145 . sim por falantes de guarani. É possível que O que aconteceu com os Xaray? O que os Yacaré sejam os Eyocare de Hernando de aconteceu com seus vizinhos? Já no final do Ribera. 1836 [1754]. quando Lomas Portocarrero en- dores que vivia rio abaixo dos Perobazane. também. sobre a bertas suas vergonhas. século XVI. 258. porque a Portugueses levaram ao seu senhor [. Na mesma época. os Arteneses poderiam ser do pelo mesmo Ribera (2008b [1545]. à trou no Pantanal. os ca terra que seja boa para semear. Eram caçadores e pescadores. os mesmos Yacaré de Schmidel. mas se refere. Xarayes” dá lugar ao “Pantanal”. Palavras finais: o fim dos Xaray guém em todo o rio de La Plata. te de Puerto de los Reyes) e a descrição de provavelmente próximo do rio Yacareati cita. à “nação Xaray ou Sarabe”. 80. muitos fugiram. ma.152 já falamos. que os Xaray “estão quase destruídos. 259. o grupo leva. que para isso possuem. Susnik p. malucos [sic] têm a essa nação destruída”. nem nada mais de sua cultura. outras nações”. localiza-os ao norte da lagoa Ureraba (1978. como mostra Roberto Tomichá neste o lábio que parece uma coisa muito feia” mesmo volume. 2008a [1544]. B.. LIX). 35). E acrescentava: “Não se sabe de que e fazem muitos riscos nele com os espinhos nação são. Não conhecemos nem seu idio. p. 27). Receberam muitos outros morreram. como não viu a nin. Schmidel os descreveu como homens e mulheres muito altos. Os Yacaré tiveram boas rela. o mítico país ções com os expedicionários de Hernando inundado toma lugar em uma geografia cien- de Ribera e lhes mostraram o caminho até tífica. pois. va esse nome porque “a quantidade maior” debsaparece da documentação a maior parte de jacaré estava em sua região (2008 [1567]. eram chamados as. Em 1703. p. apud TOMICHÁ. meras de outros tempos.] os ma- maior parte é arenal inundável muito seca. n. Muitos dos povos do Pantanal foram in- res. Também é possível que os Yacaré sejam ménez escreve que “os Harayes” são “nação os mesmos Artaneses mencionados uma úni. com toda evi- O texto diz: “É uma gente crescida de corpo dência. 2002. e também margem oriental do rio Paraguai.. primeiros conquistadores. p. o jesuíta José Quiroga indicou que ano com as pescarias das lagoas que têm os portugueses que navegavam pelo Pantanal próximo de seus povos. as mulheres desses costumavam avistar alguns índios. p. ainda que índios são feias de rosto. Pela localização aproximada (ao nor- Viviam a montante dos Surucusi. Poderiam ser algumas relíquias da raia.

e. frequentemente. os Xaray e seus vizinhos desa- nomes que aqueles empregados no século pareceram como povos. ou fugiram. por outros Atualmente. merecem ser lembrados. via). Paraguai e Bolí- morreram. como tal. ou se miscigenaram. Outros simplesmente latino-americanos (Brasil. Outros indígenas sofreram nas minas de do parte da história de ao menos três países ouro mato-grossenses. mas seguem fazen- XVI.minavam-nos. 146 “OREJONES” E XARAY NAS FONTES COLONIAIS .

De fato. Quando os espanhóis começaram a con- ração de identidade. logo aprenderam a re- por si próprios ou pelos outros. 1990 poderá preencher o vazio de 70 anos de história dos [1945]) e. a aqui. a presen- tóricas que. enquanto. e períodos. de recupe. a ras décadas do século XX. Eles estariam no bairro da Agaces (NÚÑEZ CABEZA DE VACA. os assim chamados descendentes de Payaguá. nas décadas finais do mesmo sécu. Chiara Vangelista 147 . 1944 capital paraguaia chamado Chacarita. 70) atesta. povo muda sensivelmente entre os observa. o foram nova- mente. ça de alguns paraguaios que se identificavam ca. meridional deram-se na época colonial. declarou-se a extinção de uma tora do Museu Etnográfico “Dr. como Payaguá. é preciso tomar cuidado. ou o decréscimo nessa época era tão reduzido que não dava demográfico e a mestiçagem não são. momentos até de clandestini. 153 Por outro lado. ticar o pequeno comércio nos arredores da sição sempre maior de aspectos da cultura cidade de Assunção. A pesquisa pretende [1555]). o etnólogo alemão Max Schmidt (Ilust. parecem contraditórias. já na metade do Adelina Rosario Pusineri de Madariaga (2009). elementos definitivos para decretar a de. Payaguá Chiara Vangelista Um povo desaparecido? lo. com o conceito Pode-se situar a extinção da etnia nas primei- de desaparecimento de um povo. dade. No começo do século XIX. por si esperanças de ressurgimento deles como po- sós. parte da hipótese da existência atual de de suas parcialidades. 1991). Paolo De forma geral. das bases fun- damentais do pertencimento étnico. Payaguá e assuncena. antigo local de assentamento dessa etnia. vo. de trezentos Payaguá (MANTEGAZZA.153 Aliás. 1871). pelo contrário. Mantegazza assinalava a existência de cerca no âmbito das pesquisas etno-históricas rela. quista do Rio da Prata. Sua existência pode e sua capacidade de influenciar a economia experimentar fases de graves crises sociais e e a sociedade de uma vasta área da América demográficas. María Dominga Miranda. após a guerra do Paraguai. podem-se encontrar fontes his. Andrés Barbero” de Assunção. pois. e que ele mesmo os viu pra- A perda de controle do território. eles foram identificar e estudar esses possíveis descendentes e declarados desaparecidos (HOLANDA. no início do conflito. ao longo informante. em 1940 ou linha que separa a existência ou não de um 1941. com base nos depoimentos de sua dores dos distintos grupos étnicos e. filha do das pesquisas. xamã Ypaká-Zayas (SUSNIK. a maior visibilidade dos Payaguá saparição de um povo. dire- século XVI. através da redescoberta. num recente projeto de pesquisa. No caso dos “Payaguá”. O número de Payaguá material dos não índios. tivas à América meridional. colocadas numa linha diacrôni.

2001). midt (1949. gos. A civilização dos Payaguá foi inacessível desde o início. Em outras palavras. século XVIII. J. ao longo da época colonial. não tinham um território étnico claramente delimitado. pois. 1988 [1809]). Nesse quadro multifacetado das relações in- terétnicas. porados no conjunto das relações interétnicas Embora tenham sido comerciantes. tanto que. Castela. em primeiro lugar. como povo específico. essa divisão nem sempre foi clara. houve quem for- BARBERO. F. mais duradouros aliados dos espanhóis e dos dicionário da língua payaguá. cos (AZARA. Hábeis fabricantes de canoas. em 1793. filósofos e letrados davam início ao lon- go debate sobre a natureza e a procedência A sociedade payaguá dos povos americanos. nas relações exter- constituíam um elemento de novidade con. e reduzido. pois. 1942- Prata. primeiros e co Aguirre compilou o primeiro. desvelando para os invasores. fundamentalmente. sendo que suas atividades desenvolviam-se. Localizados numa ampla extensão na margem ocidental do rio Paraguai. mas desde logo eles mesmos entraram 1943 [1749-1767]). PANCKE. conflitos e alianças alternavam-se no dia a dia das relações interétnicas e intertribais. contribuindo com a maioria das transações. Como a subsistência dos Payaguá era ba- seada na pesca e a construção de canoas era ILUSTRAÇÃO 70 . os Payaguá falavam guarani e castelhano tundente e desagregadora na bacia do Rio da (RENGGER. teólo- gos. o vocabulário mais com- 148 PAYAGUÁ . No entanto. ASSUNÇÃO) mulasse a hipótese de que eles não seriam um conhecer os grupos étnicos (as nações. na Europa. pareciam distinguir 154 AGUIRRE. 2010 [1835]. relações intensas. eles recusaram a prática: a conquista e. os invasores foram incor. Os Guarani. De fato. no rio Paraguai e em seus afluentes. os chamados Payaguá representam um caso exemplar. 1982 [1867]). os invasores ibéricos (espanhóis e portugueses) tinham com eles. 250-265). eles. como os Mbayá-Guaikurú. só no final do num tecido já consolidado de relações interé. enquanto. não se limitavam à pescaria – atividade básica para o sustento – e eram conhecidos na região como guerreiros e comerciantes. nas. sua língua da região. tanto no período Desde o início. os índios mansos dos índios bravos. Ao parecer de Max Sch- bem os grupos indígenas amigos dos inimi.MAX SCHMIDT (MUSEO ETNOGRÁFICO ANDRÉS um traço fundamental deles.. mas sim um grupo formado se dizia naquela época) que mais teriam apre. quanto na esfera não índia do mercado (VANGELISTA. p.154 missionários católicos. o capitão Juan Francis- tnicas e intertribais. da união de segmentos canoeiros de povos sentado obstáculos ao domínio da Coroa de distintos (MARTIUS. 1947 [1793]. Com maior tenacidade do conhecimentos que tinham uma finalidade que outros grupos da região. colonial como na época do Estado nacional. na prática. tanto na esfera indíge- na do escambo. a obra evangelizadora dos missionários católi- sobrevivência de si mesmos. os espanhóis não era conhecida.

O que fica definida é a divisão do povo em duas parcialidades. os espanhóis definiram os Payaguá como um único povo. bastante numerosas. a do pleto da língua payaguá foi compilado por Guido Boggiani e publicado em 1899. as aldeias payaguá tornaram-se inacessí- veis e passaram a ser consideradas inexisten. SUSNIK. as subdivisões clâni- cas. 2008 [1567]. A partir do final do século XVI. mas não temos notícias sobre a organização do espaço da aldeia.ETHNOLOGIS- tes por alguns autores.CACIQUE PAYAGUÁ COM ARCO (GRATY. 1949) talvez tenham modificado as formas de assen- tamento dos Payaguá. ILUSTRAÇÃO 71 . Aliás. Payaguá. os pesquisadores atuais de um elemento importante para a decriptação dessa sociedade. VIII E 1452. ao longo do século XVI. 1949. uma descrição da fabricação das habitações payaguá (AZA- RA. Agaz-Maga- ch (SUSNIK. e os Payaguá. formadas por troncos. do apelido de um de seus caciques. PREUSSISCHER KULTURBESITZ . por Azara. que permaneceram como uma característica específica do artesa- nato payaguá ao longo do tempo. as formas de incorporação na sociedade payaguá das mulheres e das crianças cativas. Somente dois séculos e meio mais tarde. 1988 [1809]). privando. elas se CHES MUSEUM. formado por duas parcialidades: os Agaces. assim. 1865) Chiara Vangelista 149 . 1978). É provável que essas habitações abrigas- sem um número bastante grande de pessoas. destinados à proteção das mulheres (Ilust. provavelmente. O nome de Agace vinha. Voltando ao começo da época colonial. AZARA. as centenas de mortos e a derrota dada aos Agaces por Gon- zalo de Mendonza em 1558 (SCHMIDT. 1978). ao contrário. Ao que parece. os primeiros invasores não se interessaram em descrever as aldeias desse povo. era uma denominação dada pelos outros aos gru- pos que chamavam a si mesmos de Cadigué ou Sarigué (SCHMIDT. a parcialidade mais setentrional. 1904 [1790]). As primeiras guerras de conquista contra os Payaguá feitas pelos espanhóis. é feita. ca- nas grossas e esteiras. ILUSTRAÇÃO 72 . o grupo meridional.INDIA PAYAGUA. próximo à cidade de Assunção. 71) e das crianças na ocasião dos conflitos com os ibéricos (SCHMIDEL. ASUNCION STAATLICHE MU- SEEN ZU BERLIN. estas últimas fabricadas unindo juncos com algas. converteram em acampamentos escondidos.

lados.norte e a do sul. Cacique payaguá esta afirmação os Padres José Guevara (Historia de com arco. publicadas post-mortem 1673). 1904 [1790]). separa- dos por quatro séculos de história.156 respeito: as mulheres payaguá não deixavam A mais visível arte indígena. em Alfred M. enfim. acontecidos nos tempos da juventude da depoente. a mobilidade das mulheres Na base de Schmidt 1949. acima das orelhas. sendo este cargo hereditário. grupos. p. o cacique payaguá (Ilust. que eram resolvidas com seu afasta- mento até outra parcialidade (AZARA. Trata-se de um Sarigué (integrante do grupo setentrional). cortado aos Trata-se de uma diferença importante com re. La République du la conquista del Paraguay y Río de la Plata y Tucu. mas também em relação à e o fato de elas acompanharem de perto seus propensão deles para criar tensões dentro dos companheiros em combate (Ilust 73). 1988 [1809]). algumas delas. capaz de matar qualquer pessoa de seu grupo pelos motivos mais fúteis (NÚÑEZ CABEZA DE VACA. deixaram registrados o poder e a prepotência do chefe. 150 PAYAGUÁ . 72) não ti- nha prestígio algum dentro do grupo. ficando escondidas que anota a forma de os homens se pentea- até a volta dos maridos (AZARA. 9). 339). assunto de tradicional in- teresse para os não índios. aliados por longo da cabeça raspada). Paraguay. enquan- to dois depoentes indígenas payaguá. ASSUNÇÃO) métodos de cura. caso dos Guaikurú. Temos pouquíssimas imagens dos Payaguá. Dona María Dominga Miranda. que manifestou a Álvar Núñez o despotismo de seu chefe.MULHER PAYAGUÁ (FOTO GUIDO BOGGIANI. Paris (1865. 1944 [1555]). cada uma com um cacique. não só sobre os MUSEU ETNOGRÁFICO “ANDRÉS BARBERO”. é descrita por Azara. no (RENGGER. Cabeça de homem paya- mán hasta fines del siglo XVI. As mulheres diferencia- tempo dos Payaguá e pertencentes ao mesmo vam-se por não cortarem os cachos laterais grupo linguístico. Azara. Para Azara (1904 [1790]. 1882) e Nicolás del Te. 242) anota que concordam com Alfred L. fotografias de mulheres cho (Historia Provinciae Paraguariae Societatis Jesu. a que se refere a aldeia sem a companhia dos homens. participavam da guerra. As informações sobre os pajés são relati- ILUSTRAÇÃO 73 . A definição do poder do cacique. Com efeito. foram re- servados. 1949). payaguá de Guido Boggiani. du Gaty. leva a afirmações contrastantes. Figura de um pagé. 1988 [1809]). lembrou alguns atos vio- lentos de seu chefe. guá e mulher payaguá. vamente mais numerosas. rem (cabelo comprido para trás.155 Além disso. nem aos enfeites corporais. p. de sua produção artística e manufatureira. aqui apresentadas. por Robert Lehmann-Nitsche. Ou mesmo com verdadeiras batalhas Arte e artesanato internas à própria parcialidade. faz uma anotação interessante a esse colhidas por Max Schmidt em 1949. é conhecida. sempre cuidadoso em relatar as re. 2010 [1835]. e a parte central lação aos Mbayá-Guaikurú. fig. como aque- la descrita por Rengger no começo do século Os Payaguá nos deixaram poucos rastros XIX (RENGGER. a informante de Max Schmidt (1949) em Assunção. lações de gênero entre os índios por ele ob. 2010 [1835]). SCHMIDT. Desmeray (1865. em 156 155 Schmidt (1949.

BUE- NOS AIRES. a existência de vasilhas para as sepul- turas. chegados aos Payaguá através dos na expedição de Cabeza de Vaca. descrições dos vários autores são distintas ram sua marca mais visível e duradoura na nos detalhes. pre- cisamente as da parcialidade Kadiwéu.Homens e mulheres costumavam arrancar os pelos do corpo. manufaturado estendeu-se também aos es. agregado da Bíblia. com capacidade para carregar de 3 a quista.PIPA SACRA DEI PAYAGUAS (OUTES. O intenso intercâmbio entre os Payaguá e os demais povos da região. 1972 [1789]) e uma maior. com capacidade para 40 homens Chiara Vangelista 151 . 1871. I) – apresentam também traços artísticos Cabeza de Vaca. tanto que Schmidel. de forma quadrangular ou cilíndrica. As Os Payaguá. à tecnologia deles. 1949). IMPRENTA DE CONI HERMANOS. Além disso. que eram di. usadas para cobrir a cabeça do defunto ou para guardar seus objetos pessoais. há registros de pequenos tambo- res. A produção de canoas era sincréticos. pequenos barcos. Além disso. feitos de argila e pele. No que se refere às pinturas corporais. 1967 [1784]. FELIX F. ob- servadas e representadas por Boggiani (1929 [1895]) e estudadas por Lévi-Strauss (1955). seguindo-se Ulrich Schmidel e Álvar Núñez vol. a leitura de Azara sugere uma forte proximidade dessa prática payaguá com as pinturas dos Guaikurú. Max Schmidt assina- la um único produto marcadamente peculiar dos Payaguá: as pipas cerimoniais dos pajés. mas podemos assinalar a pro- construção de embarcações. Koch e Félix Outes (SCHMIDT. e vasilhas de uso comum. parcialmente decoradas com linhas interrompidas e pressão de unhas. deixa. Theodor ILUSTRAÇÃO 74 . junto com os escas- sos traços particularmente payaguá. apreensão de quinhentas canoas grandes ou los jesuítas (MANTEGAZZA. elas apresentavam decorações geométricas tas embarcações foram realmente fabrica- feitas por incisão e recheios de barro branco. 1871) (Ilust. dificultam que se tenha uma certeza da efetiva origem payaguá desses artefatos. da expedição de Sebastião Caboto (1526). tomados dos Agaces. especialmente as do rosto. guerra. que fez uma ríodo colonial. inclusive os cílios e as sobran- celhas. JOLIS. Não é possível saber quais e quan. no século XVIII. desde o início da con. pois reúnem motivos retirados considerável. dução de dois tipos de canoa: uma peque- fundidas em toda a bacia dos rios da Prata e na. nos. pormenorizada descrição das pipas payaguá. anotou a Mbayá reduzidos – reunidos em povoados pe. 74). a começar por Luís Ramírez. Em ma- deira. índios canoeiros. Sánchez Labrador (1910 [17—]) anotou. por texto e imagens (MANTEGAZZA. As canoas payaguá cha- pas – como assinala Félis Outes. das pelos próprios Payaguá e quais graças Produtos originais da cultura payaguá. 1915). destinada aos deslocamentos cotidia- Paraná. para a panhóis. o circuito de escambo desse produto 5 pessoas (DOBRIZHOFFER. estudadas por Karl von den Steinen. citado por maram a atenção de todos os autores do pe- Schmidt e Paolo Mantegazza. as pi.

cidade estratégica para a Espa- Nos anos 1920.. com lanças e varas. 106-107). Piembos. Agaces. ficou. Abi- Buarque de Holanda. exprimia uma tristeza parecida em relação entraram em contato com os conquistadores a um povo cuja memória teria se reduzido a espanhóis da bacia do Rio da Prata. eles também ferentes atores sociais distanciados no tempo são unânimes em afirmar a periculosidade (conquistadores. então. não contribuem formação e das continuidades da sociedade muito para dissipar o mistério existente acerca payaguá. para o estudo do qual o historiador dispõe sobretudo.157 digmático no âmbito do exercício da história Todos os autores citados até aqui avaliam como ciência de interpretação mais do que positivamente a leveza das canoas.(DOBRIZHOFFER. militares. que nos conformar com tes (SCHMIDEL. e que fo- experimentados na guerra” (1944 [1555]). Para os conquista- 152 PAYAGUÁ . Entre os testemunhos do passado. Inimigos tradicionais dos Gua- limitada a compendiar as informações que rani. etnógrafos) que tiveram em comum ibéricos pouco podiam fazer contra essa mo. de seu conjunto de narrações. rial para ser analisado seguindo várias pistas. essa constituiu sua principal payaguá? Nossa tarefa de historiadores será área de ação. thorp e Héctor Greslebin. nas proxi- uma duvidosa etimologia do nome do Rio Pa- midades da cidade de Assunção. aparentemente relativo aos espaços físicos. gas notícias que deles nos deixaram os cronistas antigos [. “homens valentes e muito espalhados ao longo dos séculos. em fragmentos Cabeza de Vaca. 1976 [1945]. pintores. terá que contentar-se com va. sob a ameaça dos arqueológicos. Tacumbú. p. durante meio século e mais. viajantes. mas pobre em meios e habitantes. ções (HOLANDA. as características de não ser payaguá e de não dalidade de luta. Sarigué. e seu modo de viver. missionários. de seus ritos e crenças. p. pelo menos num arco temporal. conhecer a língua nem os fundamentos da so- barcações portuguesas ou espanholas eram ciedade deles. atacadas. Os Payaguá. As armas de fogo dos tógrafos. antes. nas palavras de Álvar Núñez as fontes nos proporcionam. que eram de narração do passado. Ela nos oferece mate- idioma nacional. 1932a. dos ataques payaguá. Em poucos minutos as em. os arqueólogos Samuel Kirland Lo- 157 nha. pilhadas e emborcadas. consta um material precioso. o médico italiano Paolo Mantegazza Paiembos etc. 1932b). 1967 [1784]) ou para 20 Payaguá constituem um caso de estudo para- ou 10. A análise cronológica das ações acerca dos Payaguá. funcionários. tas da fronteira luso-espanhola (VANGELISTA. fo- na. transportadas nas costas dos guerreiros e. desde o início da conquista. de dos Payaguá nos proporciona algo além de um seus costumes. unidos pela língua da fabricação de canoas supostamente payaguá (KIR- LAND. 2008 [1567]).).. eles eram. porém. se armados (JOLIS. 304). Cadigué. século XVIII. naturalistas. assim como ao seu contato com outros povos índios e com não Quem hoje procure conhecer alguma coisa indígenas. eram aptas para a navegação em de um conjunto de fontes produzido por di- águas baixas. deram informações mais detalhadas Payaguá e dos Guaikurú. o de um povo que. 1972 [1789]). invadidas. quele trecho do Rio Paraguai e de seus afluen- Temos. 2001). e por laços de parentesco. Quanto à guerra. Até o começo a impossibilidade de escrever uma história do século XVIII. quando eles foram protagonis- foi o grande flagelo dos navegantes das Mon. 1871. em suas plúrimas parcialida- Assim escrevia em Monções (1945) Sérgio des e denominações (Evu Evi. Setenta e quatro anos pones. nas- sendo uma delas a individuação da trans- cidas de simples conjecturas.] É claro que tais explicações. feitos de forma repenti. ao longo da- raguai (MANTEGAZZA. baseados em dois achados nos séculos XVI e XVII. ram sintetizadas nas páginas anteriores? Os Assunção. políticos e cul- Para uma história dos Payaguá turais do povo payaguá. Um caso extremo.

os Guaikurú e os portugueses– as fiava aos Jesuítas a evangelização dos Payaguá forças da cidade não eram suficientes. no norte (SÁ. nem com suas midades do rio Cuiabá. 1703. em 1637: “Não convêm [sic] que no ções161 nos ataques às frotas do mate. o governador de Tucumán denunciava e a junta de guerra de Assunção recomen.dores. foram mortos Bartolomé Ximenes e Juan nologia adquirida na fabricação das canoas e à Bautista Neumone.11. como as canoas dos Payaguá. De fato. Vários missionários jesuítas pagaram com a tável supremacia ao longo e às margens dos vida as tentativas de converter os Payaguá. p. ainda que numerosos vigiaram a missão. Além dos manuscritos prestígio entre os grupos étnicos da região. os padres jesuítas assinalavam 160 “Carta ânnua da Missão de Todos os Santos de Gua- rambaré dirigida pelo padre Diogo de Boroa ao a ajuda payaguá na defesa da Missão de To. que. 1952. e do fato de que. o governador depois. onde 350 fle. ficavam escondidas no meio das desobedecendo aos superiores. 1949. os Payaguá for. Chiara Vangelista 153 . trou nas dinâmicas mais amplas das relações navam aos Payaguá bens de uso e de luxo159 entre as duas Coroas ibéricas. à tec. 6. não índios. 162 “Cópia de uma carta do Governador de Tucumã para 158 “Resoluções tomadas pelo governador e a junta de Frei Gabriel de Valencia. graças. ocidentais. en- A dedicação à guerra (SUSNIK. 25). 1969. p.1637” (CORTE. frente aos três inimigos de Assunção – uma resolução da Audiência de Charcas con- os Payaguá. pedindo notícias sobre esta. que estavam sendo ocupados pelos kurú e não estava em contradição nem com portugueses. mas egresso guerra de Assunção do Paraguai. a ação dos Payaguá a golpes de vara (PARRAS. sair da cidade. e até de aliança com os tidade”. junto com outros jesuítas sua habilidade como nadadores. baixa altura. da coleção De Angelis. estendeu-se territorialmente para o norte. Em rios principais. temos à disposição as A propósito das breves alianças dos Payaguá cartas trocadas pelos governadores portugue- com os espanhóis.158 (SCHMIDT. no ano de 1614. Franciscano. 1943 [1753]). e por boa atividades comerciais. 161 A respeito de “reduções”. em mavam uma espécie de nobreza supratribal. do por baixo delas e quebrando-lhes as quilhas A partir desse momento. consultar o artigo que trata das missões jesuíticas no Itatim. sência de conflito.1614” (CORTESÃO. contendo informes parti- 159 É preciso lembrar que o conceito de bem de uso e de culares sôbre tôda a provincia do Paraguai e as ativi- luxo podia ser muito distinto entre os indígenas e os dades dos seus membros. estes se mostraram Assim como os Guaikurú. na metade do sé. 1978) era trando nos territórios dos Guató e dos Bororo uma constante entre os Payaguá e os Guai. do (até meados do século XVIII) uma incontes.160 Quarenta anos riscos mortais. organizados militarmente e bem armados. sões culminaram em 1719. O franciscano e neófitos guarani (SCHMIDT. pela Arce e De Blende. fizeram outras plantas palustres e como os homens payaguá tentativas para converter os Payaguá. a presença de Payaguá e de índios das redu- daram. dos os Santos de Guarambaré. Nesse contexto. como já vimos. O governador prosseguiu afirmando espanhóis. a ação dos Payaguá en- com não indígenas e a pilhagem proporcio. As ten- Pedro José de Parra relatou.3. nesta obra. 1952. significava uma exposição a em quatro turnos por dia. consequência. 1901 [1775]). dirigidos por dois caciques. da Companhia de Jesus. 28. 178). com a respectiva resposta. 1949).1657” (CORTESÃO. sendo atacavam as embarcações espanholas nadan. das missões de Chiquitos. cheiros payaguá. 26. o comércio parte do século XVIII. ganhando com isso um lugar de fontes são copiosas.1. SÃO. já desde 1635. os missionários católicos. sempre contrários à conversão religiosa e. p. cabe mencionar que. p. quando os jesuítas culo XVIII. as do escambo. chegados pouco antes às proxi- suas alianças momentâneas.162 tempo presente saia desta cidade gente de Apesar dessas formas esporádicas de au- guerra [nem] em pouca nem em muita quan. mortos por eles. Provincial Diogo Tôrres. a uma aliança duradoura com sem limites territoriais definidos. 257). que eles podiam redistribuir no circuito índio Para essa fase da história dos Payaguá. Desde então. mas exercen. 233-234).

o que nos proporciona lações intertribais. então. antagonista à Coroa de Castela. à pescaria. O antago. Através destas últimas. numa espécie de guerra à distância. à caça e ao pequeno comércio ur- sinato dos dois missionários jesuítas (Arce e bano. CHARLEVOIX. tendo escolhas políticas distintas: uma de aliança. formando conjunto. fornecedora do ouro terna no povo payaguá. hábitos e os mesmos traços identitários e boas espanhol e português. a possibilidade de tirar o máximo juntos uma temível máquina de guerra. os quais. devido a estas duas português. cialidades proporcionou aos Payaguá. versão religiosa. Essa possibilidade surgiu no parcialidade meridional. 154 PAYAGUÁ . entrando nos sintética. os Payaguá enfraqueceram novas hipóteses de trabalho. é mais complexa.163 o reforço da divisão em duas par- territórios deles e. De fato. acontecido uma separação in- sunção e a nova Cuiabá. com o consequente apri- entender a dinâmica do dia a dia da fronteira sionamento de portugueses e cativos e a pi- entre os dois impérios. por causa do assas. nismo entre a antiga. as ações dos Payaguá relações entre si (afirmação que nas socieda- e dos Guaikurú entraram nas dinâmicas das des tribais queria dizer reuniões comuns. deu aos Payaguá do norte a noeiros. embora por curto prazo. e dos cavaleiros (os Guaikurú). 163 Uma análise detalhada dessa dinâmica está em Van- sustentável (SÁ. que ti. na sua dupla ver- nhóis (VANGELISTA. lhagem do ouro (TAUNAY. 1991. abriu a este grupo. que transportavam atlântica. em parte. como anotou Azara ao final do século quando se intensificou a defesa dos confins XVIII (AZARA. reforçada pela aliança fluvial do Paraguai e a partir da segunda dé. dedicando-se parcialidade setentrional. a presença de outra potên. 1817). época dos primeiros ataques aos portugueses. es- relações fronteiriças dessas duas potências. por um perí. refor. ouro e escravos. A pilhagem sas que levavam o quinto de ouro até a costa de canoas portuguesas. os Payaguá e seus aliados Guaikurú como outra de conflito com os invasores? A situação protagonistas e. no século XVIII. ao mesmo tempo. as quais engajaram-se. e a parcialidade meridio- cada do século. com os Guaikurú. ao mesmo tempo. 1901 [1775]. mantinham os mesmos dos domínios americanos dos dois impérios. isto é. A fuga rumo ao norte de alguns Payaguá da foram pacificados em Assunção. ou da a recém-fundada cidade de Cuiabá sobre as assimilação. enquanto os Cadigué (a parcia- minas de ouro. Um primeiro exame das fon- odo de cerca de meio século. 2001). por meio dos índios. etnia que opunha resistência à invasão alheia.ses e espanhóis. é possível formular hipóteses fundadas sobre Esse novo contexto gerou uma marcada di- o que agora nos interessa. 1981 [1954]). nismo entre Assunção e Cuiabá. no rio. as estratégias visão territorial entre a parcialidade do norte. persistindo. nal. cuja pertença à Coroa portu. cambo de bens e casamentos) (VANGELISTA. em seu çaram a aliança com os Guaikurú. pois ambas as parcialida- tos das duas Coroas. a partir da mesma cia europeia. em recusar a con- De Blende). lidades estava no escambo. 2001). os Tacumbú. que cumpria inteiramente a voca- repentinamente: ao longo da extensa faixa ção guerreira da etnia. a possibilidade tes poderia induzir-nos a uma interpretação de novas vias de afirmação do grupo étnico feita com o olhar do presente: os Tacumbú (a no seu conjunto. porém. oportunidade de trazer suas prendas para As- em terra. 1991). estratégica e pobre As. payaguá frente à situação que tinha surgido os Cadigué. lidade setentrional) representavam a parte da guesa era mais do que duvidosa. estabelecida em As- contexto de contraposição entre Assunção e sunção) estavam na fase da pacificação. do antago- nha como objetivo as frotas fluviais portugue. índios do Pantanal. desenvolveu-se. por meio das quais podemos 1910-1916 [1756]). instrumen. resultavam em uma defesa quase in. Os ataques conjuntos dos índios ca. na qual O ponto de conexão entre as duas parcia- os Payaguá sempre ficavam ao lado dos espa. tente índia e não índia. gelista (1991. Dito de maneira os Guató. proveito. Teria. des. À frente das re.

Ao mesmo tempo. te pela região pertencente tradicionalmente bra e de Albuquerque. de cionaram-se ao lado dos portugueses (VAN- objetos não índios de uso comum e de prata. Nes. Mato Grosso e Mato Grosso. os Payaguá entraram do Paraguai e do atual oeste de Mato Grosso na esfera de escambo colonial. 1843 [1792]). junto com seus aliados Guaikurú. os cavaleiros. conversão religiosa (AZARA. causa provável – esta é nossa hipótese – teria vernador de Mato Grosso. clamação da independência do Paraguai. pelo seu sucessor. por meio da com os paraguaios. e não com RA. com a parcialidade meridional. 1981 [1954]. novamente ao lado de As- as hostilidades praticadas pelo Império por. unindo-se. escravos e reféns eram troca. sunção. Em primeiro lugar. pri. 146-147). então.)e por manufaturados de prata. cumprido a substancial separação dos antigos 1981 [1954]. Guaikurú e boa parte de seus vassalos posi- tores. 1993. espalhando-se novamen- construção dos presídios militares de Coim. escrita por d. A segunda causa do declínio payaguá Payaguá desapareceram de Assunção. ção. que 164 “Vinda da Cidade do Paraguai à Nova Colonia do continuavam sendo chamados de portugue- Sacramento como aviso da venda que fizeram os Payaguás dos cativos portugueses naquella mesma ses. os tuguesa. Entre 1768 e 1790. que a parcialidade setentrional dos Payaguá dos por objetos que eram de pouco valor para desaparecesse aos poucos do cenário das os espanhóis (tecidos. sendo derrotada na região Moura. na chamada revolução de de Mello Pereira e Cáceres. os Payaguá. considerado sem efeito o pacto de vassalagem gação indígena no Rio Paraguai. na Guerra do Paraguai. que nos anos 70 14 de maio de 1811. os aliados: os Payaguá escolheram a aliança com Payaguá fortaleceram a posição deles dentro os espanhóis de Assunção. material que eles sabiam trabalhar. Carlos de los Rios Valmaceda” localizados ao longo da fronteira com o Para- (TAUNAY. a supremacia político-guerreira te a um rápido processo de assimilação. Há registros tudo o que havia de prata na cidade de Assun. que aos estratégias tribais deixaram de ser aplicadas poucos se apropriaram da perícia navegado. Mas eles reaparecem. na mesma ocasião. formando com ouro e não temos prata… hoje se compram eles uma comunidade de mil pessoas (AZA- os produtos de Castelha com ouro. de que. já Assunção: “Digo que aqui estamos ricos em pacificada há. caixa 16. pelos indígenas cidade. escrevia o governador (TAUNAY. tanto os do norte como anos e chegou a termo por duas causas distin. BARBOSA. enquanto que os da esfera indígena de escambo. os Payaguá podem ter do século XVIII cortou a. p. o grupo payaguá do norte ção. 1988 [1809]). 147). 165 AHU Cartografia. Uma foi a realização dos projetos do primeiro go. cinquenta A ruptura da aliança com os Guaikurú e anos mais tarde. guerras de fronteira para se juntar. guai (VANGELISTA. As dos aliados Guaykurú.164 Dessa maneira. de fato. 70 anos. em As- GELISTA. 2001). que lá es- te último caso. em 1790. tinha-se erva…”. As fontes históricas proporcionam indícios Essa “fronteira” exitosa dos Payaguá (VAN. GELISTA. 1988 [1809]). em Assun- pratos etc. Ouro. 1991) perdurou cerca de quarenta sunção. para a resistência à Payaguá resolveu-se com a derrota destes. suficientes para poder afirmar que. Luiz d’Albuquerque a coroa espanhola. p. livre nave.165 à sua etnia. Antônio Rolim de sido o fato de que. não se entregaram passivamen- tas. faquinhas. 2001). do Sul teria migrado para o sul. proporcionan. como na época colonial.sunção. os do sul. ao lado dos brasileiros. em do vantagens inesperadas aos habitantes de Assunção. uma verdadeira pilhagem de tava aldeada havia muito tempo. assim como tuguês ao longo do Rio Paraguai fizeram com os Guaikurú ou Kadiwéu reapareceram. colheres. Chiara Vangelista 155 . e passaram para o campo da autonomia cul- O enfrentamento de 1768 entre Guaikurú e tural. no campo da autonomia territorial e política ra dos canoeiros (F. por ocasião da pro- entre o norte e o sul da fronteira hispano-por. vados desde então da liberdade de navegação Duas décadas mais tarde. com a parcialidade meridional. Primeiro. sendo deten.

nos ar- lheres payaguá seguiram a mesma sorte que quivos. Comparando os dados a nós conhecermos melhor as raízes históricas já mencionados de Mantegazza (referentes ao e culturais da sociedade brasileira e paraguaia ano de 1860) e de Schmidt (1949). traços materiais no meio ambiente e. apenas fragmentos de suas ações. no futuro. A guerra não poupou nenhum segmento da des e da beira dos rios. talvez redes- Os índios canoeiros desapareceram das cida.70 anos após na região e entregarmos os resultados de nos- a guerra só havia sobrevivido 1% dos Payaguá. Cabe os demais paraguaios. deixando de si poucos população paraguaia. e os homens e as mu. sas pesquisas aos que. 156 PAYAGUÁ . cubram seu passado payaguá.

encerrou a primeira etapa dos de Mato Grosso e foi a partir dessa data. respectivamente. e. o território dos Bororo es. pode- Chiara Vangelista 157 . os Boe ou parcial) os processos históricos a partir da Bororo habitavam uma vasta área situada no perspectiva das ações dos invadidos. te Ministerio de Economía y Competitividad. foi novo século. nos permitem reconstruir (embora de forma No começo do século XVIII. choças de palha. vol. Na divisão político-ad. nos entre 52o e 60o de longitude oeste e 14o e Os primeiros contatos documentados dos 18o de longitude sul. HAR 2009-07094. t. culos de história conhecida dos Bororo. passando pelos atuais estados de Mato Campos e Pascoal Moreira Cabral chegaram Grosso e Mato Grosso do Sul. II. que o 166 Este artigo faz parte do projeto de pesquisa do Minis. então. 2008. dos invasores de suas terras. p. outro Antonio Pires de Cam- 1973. e da Bolívia oriental VANGELISTA. outras bandeiras chegaram até a instituída a capitania de Mato Grosso (LEITE. neste centro da América meridional. as aldeias chegavam até áreas do atual estado de Goiás. p. II. paulistas são de 1680 e 1681 (LEME. luso-brasileiros deram aos Bororo (ALBISET- tende-se do vale do Rio Juruena até o Rio São TI. VENTURELLI. Considerando no seu conjunto os três sé- de de Barcelona (2014SGR532 400). destino dos Bororo juntou-se para sempre ao terio de Ciencia e Innovación de España. tomou posse no dia bá. mais ou me. p. no mesmo lugar. mento que começa. Os documentos. atualmen. o filho. em lugar delas. I. Antonio Pires de Brasil. a aldeia bororo ali localizada foi destruída 1º de janeiro de 1751. antes da fundação da capitania. às relações entre lusitanos e indígenas. de ouro (TAUNAY. vol. naquela meira junta da vila de Cuiabá. 20-21) – com os (a oeste) até o Rio Araguaia (a leste). oportunamente seja. instalou-se na beira do Rio Cuia- Antônio Rolim de Moura. comércio. É neste mo- área. A fundação da capita. 1969. caso. 217. ou contatos. Com o ção da capitania de São Paulo. oficialmente. Lourenço. foram erguidas Na primeira metade do século XVIII. o ter. Os Bororo aí dos Bororo (de guerra. em 1719. mas as ações à beira do Rio Coxipó-Mirim. Coxipones – primeira denominação que os ministrativa atual. os Bororo. 760. Em 1748. destruídas e. a história ao contrário. o primeiro governador geral. Os Boe Bororo Chiara Vangelista Os primeiros contatos166 analisados com os métodos da etno-história. Universida. reuniu-se a pri- nia de Mato Grosso não deu início. 14). p. 11-12). região: em 1718. 1980). pos. núcleo de partida das lavras ritório bororo encontrava-se sob a administra. estendia-se da Bolívia ao quando. na direção sul. O terri. 1975. tório bororo. exploração) encontrados foram massacrados. que atua dentro do TEIAA.

ao contrário. 1986). em uma situação de fragmenta- no centro da aldeia. 1955. 1986. que era de fato a transcrição espacial tência. os conflitos e a guerra étnica. Numa perspectiva po. 1936. ex. semelhante à roda de frequente trazida pelos invasores). nos acampamen- piciadas também pela presença dos invasores. COLBACCHINI. sabia exatamente roro em seu território. os são. formado pelas habitações clâ. ALBISETTI. 1989). aldeia. onde moravam estavelmente mulheres sua colocação social e seus deveres. estava o baíto (“casa dos ção política interna à aldeia de origem. das normas sociais bororo. NOVAES. tos temporários no mato.). mas também o trabalho temporário. também. os Boiadaddauge (“os produtos indígenas). além dos tex- tos citados na nota antecedente. os traços na areia da conexão 168 Sobre a organização da aldeia bororo. uma diversificação – não só no tempo. ao qual cada habitante das casas (ou ela) poderia considerar entrar em outra clânicas chegava através de seu próprio ca. espalhadas nas épocas de crises políticas ou de ataques no vasto território étnico. CROCKER. seus lugares que ocupavam sempre o mesmo ponto da circunferência. 1985. 1983. esse povo. VIERTLER. mas uma contínua reorganização da população também no espaço – das formas de interação bororo. sem descontinuidade nenhuma com nicas. 158 OS BOE BORORO . tanto nas situações rotineiras como com os não índios. da aldeia bororo (NOVAES. outras linhas invisíveis que subdivi- perimentou todas as formas de contato entre diam a aldeia: uma linha entre leste e oeste. cada um em seu lugar específico. em qual era a mesma em todo o mundo bororo: um habitação clânica. A estrutura da aldeia em que lugar se pôr. em que metade. 1976. 167 1991. (Ed. Existiam. Da mes- e crianças. Eles experimentaram a morte e a escra. LOWIE. era reproduzida atuou com políticas e iniciativas próprias. A viventes não “se espalhavam pelo mato”. encontrar seus lares. estivesse de viagem (para um enterro. [1925]. 1944. A estrutura da aldeia. para ajudar outra aldeia) chegava a crise ocasionada pela presença dos não Bo. eles podiam inserir-se em viver social: os clãs reunidos em habitações outra aldeia. ele homens”). em qual seção da casa dos círculo regular. porém. e os Baiamannagegeu militares.167 As fotografias aéreas do século XX causa de guerra ou epidemia (a praga mais mostram a típica forma. isso quer dizer que cada aldeia tinha o comércio. ma maneira. para lítica. duas linhas ideais cortavam o círculo do norte individual ou em grupo. 1963.mos dizer que esse povo. para procurar uma esposa ou um direito de sua própria gestão da situação de esposo. em escala menor. Ecerae ao norte. NOVAES 1969. que separava as duas metades exogâmicas. talvez mais do que de cada clã à “casa dos homens”. ver LÉVI-STRAUSS. dividindo os Cobugiúge (“os que os novos ocupantes e as aldeias. com a dizimação de uma aldeia por bororo. As aldeias. proporcionava. os Tugarege ao sul. índios e não índios nas fronteiras de expan. os Cebegiúge (“os que (os lusitanos não podiam se sustentar sem os estão abaixo”) a oeste. LÉVI-STRAUSS. Se- organização material da aldeia dava aos ha. servidão ou resis. contratados entre para o sul. pro. temos que pen- minho. à primeira vista rí- A estrutura social dos Bororo permitiu gida e fechada.168 Essa es- se tratou só de submissão. outros do ocidente da América lusitana. Outras vidão. 1958. como seus circunvizinhos. gundo a informação mais comum dos docu- bitantes e aos visitantes as regras básicas do mentos históricos. homens. uma aldeia diferente da sua. os sobre- carro. ao norte. tinham sua própria externos. Nessa perspectiva. as alianças políticas e medianos”). trutura. o comércio estão acima”) a leste. armados por oca- sião das expedições de caça e pesca ou das jornadas mais demoradas dentro do território A estrutura social étnico (VANGELISTA. Não (“os que estão no centro”) ao sul. VENTURELLI. Quando um (ou uma) Bororo que área de pertencimento. marcado pelo uso na terra batida do sar que.

quatro tábuas com habitações construí- geralmente interessados em fixar em seus relatórios das em cima e desmontáveis. como relata Barbosa de Sá (1901[1775]): em tica dos Bororo. de fronteira. a guerra deixou a fren- pacial da aldeia bororo (poucas palavras. a ampla autonomia de deci- to. aliás. tiveram inicio somente com os missio. para dar continuidade ca. Chiara Vangelista 159 . mas sempre considerando. na te oeste-sul (Payaguá e Mbayá-Guaikurú) e verdade) devem-se ao engenheiro alemão Ro. as cerimônias de enterro de seus parentes. 1901 [1775]). vol. junto a um nú- De toda maneira. como dito antes.170 teressante a ponto de colocá-la em seus re. em 1740. a expedição contra os Mbayá-Guai- latos. no final do século passado. foram resignificadas e renovadas (VANGELISTA. tínuas com missionários. os Bororo. Geral). de seus territórios como uma oportunidade de cidos pelos invasores.169 As primeiras referências à forma es. No início da ocupação lusitana. gena. mens armados procedentes de São Paulo. contra os Kaya- dolfo Waehneldl. foram utilizados pelos portugueses que. podemos destacar duas fases ser aliado dos luso-brasileiros (estamos sem- na política bororo. Até então (isto é. não tiveram relações con. ciassem as relações externas do grupo. que visitou os Bororo oci. p. a orientação principal estrangeira no território bororo não era tão das aldeias mais atingidas pela mineração e grande e articulada a ponto de bloquear as pelas violências.específicos. são de cada aldeia e o quanto seu território ha- garantir os rituais de passagem à idade adulta via sido atingido pela frente de ocupação. até o Esse foi o maior conflito. às quais já fizemos referên- vias de comunicação entre aldeias e de re. XVIII: a expedição contou com 80 canoas de guerra. na épo- aluno Cesare Albisetti. I. Goiás e Cuiabá. até a pri. pre falando em termos de tendência) para se aliar aos Kayapó. não dão notícias sobre a estrutura sociopolí. Essa diferença com relação a outros povos indíge- 169 nas. mais de 1. como população bororo.000 prisioneiros kayapó da sociedade bororo funcionassem e influen. cia. dos filhos etc. dois séculos antes desses mero inferior de luso-brasileiros. 500 Bororo. Os episódios importantes As fontes históricas dos séculos XVIII e XIX concentram-se nas décadas de 1730 e 1740. a de 1734 com a ajuda de 400 ho- essa estrutura. católicos ou protestantes. Estudos mais específicos. respeitar as normas de casamen. passou para a frente oriental. Nos anos 1740. bororo virou sinônimo de miliciano indí- às pesquisas antropológicas já citadas. que ameaçavam as comunicações entre dentais em 1864. Os Bororo. mesmo Nos anos 1750 do mesmo século XVIII. de todo o século 170 princípio do século XX. Na a política bororo mudou: o grupo deixou de época colonial. uma com a capela (SÁ. 15-70). sentido. kurú. 80 de carga. Numa primeira fase. se deu porque os Bororo. tanto que. houve as expedições contra os tiveram contato com esse povo conhecessem Payaguá. é provável que aqueles que 1730 e 1734. conseguiram manter incrementar seu prestígio intertribal e. na primeira fase da ocupação portuguesa. que podemos chamar Tudo isso funcionou enquanto a ocupação época das bandeiras. ao longo da Estrada Real (ou porém. foi a aliança militar com os lusitanos de duzir drasticamente não só o território. 2001. os outros grupos étnicos daquela ampla região meira metade do século XX). na região. em. fizeram. podemos supor que as normas básicas três meses. p. até limítrofes. perceberam os novos ocupantes bora reduzidos em número e em parte ven. 49-50). (VANGELISTA. mas não a considerassem in. os Bo- roro constituíram a maior parte dos homens armados contra os grupos inimigos que ame- As guerras coloniais açavam as vias portuguesas de escoamento do ouro até Lisboa. mas a São Paulo que lá chegaram. em estudos. 2008. neste as normas básicas de sua própria civilização. pó. Os Bororo também tiveram um papel nários salesianos Antonio Colbacchini e seu fundamental nessa frente. as características básicas dos grupos contatados. Em 1748. seus inimigos tradicionais.

táveis para que fossem utilizados como mão Na primeira metade do século XIX. a partir de 1739. duziram interessantes documentos iconográfi- ra. 16. os Bororo com dualizar a natureza de suas alianças externas. 214). Nesse caso. por meio dele. é preciso indivi. as informações são de às aldeias indígenas. a não ser por pressão ou constrangimento. aliás. assim de Campos. os Bororo concentraram suas p. Thereza Christina (STEINEN. Para o século resultado de uma nova política imperial de XIX. delimitado por uma cerca um Grosso. Para uma síntese do povoamento mato-grossense nos séculos XVIII e XIX. as notícias são menos fartas e tratam. Ele não fornece uma descrição planimétrica não fosse seguida por uma nova aliança com da aldeia. habitação. rá. mas sim o espaço dos centros povoados e ao longo da Estrada central e. 2008. em 1864. 1864. nuou ao longo de toda a segunda metade do flito ficou particularmente tenso a partir dos século XVIII. orientais. A essa altura. deia próxima ao Rio Jauru e à fazenda Camba- ça com os bandeirantes. Rodolfo Waehneldl (em 1824) deixaram des- co mais de 14. como a conhe- Mapa da povoação da Capitania do Mato Groso [sic] 171 cemos. Não há ver VANGELISTA. Lisboa. frequentemente. I. Não uma Geral (VANGELISTA. de fato. relativas ao período Ao mesmo tempo. pouco mais alta do que um homem. Mais do que comer. tor Hercules Florence e o engenheiro de minas em 1772. Para entender as mudanças das foi tão estreita nesse período que as fontes políticas tribais dos Bororo. mas um espaço circular de quatro me- e Cuiabá… para o anno de 1773. 51-54). O con. vol.combatendo os portugueses na mesma Estra. p. os defendiam. recurso escasso numa capitania que. o centro cerimonial. a aliança dos Bo- roro com os portugueses e contra os Payaguá. estudos do século XX referem-se aos Bororo dor de Mato Grosso deu uma nova ordem nas orientais. nem sabemos. AHU. I. com Antônio Pires As características da aldeia bororo. até 1751. mensões das habitações (WAEHNELDL. principalmente bororo e Rodolfo Waehneldl. XIX são sobre os Bororo ocidentais. de maneira especial. Karl von den Steinen mencionou os Bororo ciar índios. nele. vol. Mato tros de diâmetro. p. O século XIX os Mbayá-Guaikurú e os Kayapó era originada A aldeia. cos. tinha uma povoação livre de pou. Uma situação de guerra permanente conti- da Real onde. só dominavam a cena dessa região lavradora e foram observadas e analisadas a partir da se- a instituição da capitania de Mato Grosso foi gunda década do século XX. 160 OS BOE BORORO . o artesanato. confundem. em contato com a colônia militar no queria concentrá-los em aldeamentos es. 58-68. disso. a tarefa não é difícil: ao longo dos 20 anos entre 1730 e 1751. Enquanto os assim como a chegada do primeiro governa. os da primeira metade do século relações interétnicas. Só no fi- voamento praticado pelos bandeirantes com nal do século é que o etnopsiquiatra alemão a prática de prear índios. teto e nem as várias aberturas laterais. o gover. que visitou. A aliança entre os dois grupos anos 1770. Sobre a aldeia bororo. as di- os representantes do governo de Mato Grosso. prática. fizeram com que a ruptura da alian. que esta- A Coroa. Além imperial não era interessante para os Bororo. estava mais interessada vam localizados na faixa territorial ao longo no povoamento da região do que no despo. de tomada de posse daquela fronteira ocidental. Florence e o pintor Adriano Taunay pro- povo guerreiro e nada dedicado à agricultu. forma vaga. da fronteira do Brasil com a Bolívia. Os bandeirantes e suas famílias como sintetizadas no item 2 deste texto. a casa dos homens. n.000 pessoas. caixa 22. doc. os ataques dos moradores indicado (1820-1860). os Kayapó e vice-versa. por causas externas. os enfeites pelo pacto com os bandeirantes e. proibida. longe ma circular da aldeia bororo. O autor não menciona a clássica for- atividades guerreiras junto aos Kayapó.171 O novo projeto crições escritas dos Bororo ocidentais. de grupos distintos. a al- pareci. 2008. o pin- de obra. 1940 [1863]).

p. mas aparecem sita à fazenda Jacobina. bastante simples. apareciam vasos grandes. tinha por. Adriano Taunay. deixou uma aquarela feita enterro bororo e dos enfeites em plumas colo- em dezembro de 1827 (Ilust. já que ele escreveu: “Somente o ca. Alguns as traziam levantadas sobre cique habita uma casa com paredes de pau a a cabeça. cido parike. Três décadas antes. formando um cone do comprimento pique. negras e lisas como seus grossei- cacique. a arte de enfeitar o casa dos homens. por sua vez. impõe-se uma habitação de pau a pique e teto de palha. feites corporais. 75) que. das vasilhas de uso rence. Em relação aos en- que viajou por essas mesmas paragens junta. guardan. onde se conservavam objetos di. DE FRENTE E DE LADO (FLORENCE. cerimonial descrito por Waehneldl. pelos homens bororo na cabeça (para as pin- ças. p. dos arcos e flechas e das poucas lan. até o quadril. 214). ILUSTRAÇÃO 76 . uma aldeia em decadência. Florence. p. no meio das As ilustrações 76 e 77. 217) dei- mente com Hercules Florence e faleceu du. por ser cados em cima dos ossos limpos dos finados. Ao fundo da imagem. 1977 [1825 OU 1929]) Chiara Vangelista 161 . dos enfeites dos vivos. ao contrário do centro corpo era prerrogativa dos homens. tinham muito capricho no penteado: ta e teto. fabricados pelos turas corporais temos que esperar os estudos antepassados. dos missionários salesianos): coroas de dentes versos. inclusive. xou a primeira descrição do século XIX de um rante a expedição. coroa de plumas de várias cores. da cara e de base tão larga como o crânio (FLO- Rodolfo Waehneldl (1864. Muitos daqueles vasos encontravam-se e unhas de animais (Ilust. mostram os principais enfeites usados cotidiano. Waehneldl (1864. De fato. os caminhos convergentes que conduzem à Pela descrição de Florence.BORORO. p. edificada pobremente”. e o tão conhe- enterrados numa aldeia abandonada. com traços do artesanato do passado. Na imagem. em setembro de 1827. os quais. não mostra a complexa es. desenhos de Flo- peles de onça e de veado. dedicou-se à descrição trutura espacial da aldeia bororo. 76). que. cobrindo as espáduas e avoluma- das ainda mais por punhados de longos crines podemos deduzir que esta seja a habitação do [sic] de cavalo. ros cabelos. pintor do os ossos dos finados. 186-187). 1977 [1825 ou 1829]. Pelo As compridas e espessas cabeleiras caíam-lhes texto posterior de Waehneldl (1864. 214) visitou RENCE. por ocasião de uma vi- não aparece a aldeia circular.

estes Bororo ocidentais veitamento das terras da região com fazendas não tinham perdido a habilidade de fabricar agropastoris. Florence. 1929]) desde 1762. situados mais ao norte. 1940 [1863]). os que aqui definimos Bo- roro ocidentais eram os únicos reconhecidos como Bororo. João Pereira Leite. localizados ao lado direito do Rio Paraguai e ao longo do Rio Jauru. deu-se a separação definitiva dos Bororo ocidentais daqueles das demais aldeias. impossíveis de serem manejados para o Brasil (WAEHNELDL. 77) mostra a dife. as guerras de independência da província de em 1827. p. e os Bororo do Cabaçal. que. 85-86). mada Fazenda Jacobina. ças importantes não só na vida nacional. por um europeu ou um brasileiro da região. Pouco A separação territorial menos da metade desse grupo foi transportado até Vila Maria. também se tratava de uma re- rença na postura. 1977 [1825 OU região estratégica para a antiga capitania. os demais Bororo. pois esta queria fixar do lado entre homens e mulheres. Mato Grosso. mas 5 de setembro de 1820. Os Bororo da Campanha ocupavam uma extensa área entre a Bolívia e o Mato Grosso. organizou uma guerra Em 1819. ou Iti- quira – este último parte da atual divisa entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. víncia. os direitos das an- los proprietários da fazenda Jacobina. dono da reno- armas nem as costumeiras práticas de caça.BORORO E MULHER (FLORENCE. 3 de setembro de 1822). nova província. 1864. 2008.172 Ainda em 1860. anos vinte do século XIX. São duas as mudanças fundamentais na primeira metade do século: a desagregação dos Bororo como único povo. ficou impressionado com as armas Charcas. pareciam ter sido esquecidos pelos mato-grossenses (VANGELISTA. vol. 162 OS BOE BORORO . Ao longo de boa parte do século XIX até a viagem de Karl von den Steinen ao Brasil central. havia grupos de bororo: os arcos e as flechas mais altos do que Bororo bolivianos que pediam a transferência um homem. 223). no penteado e nos enfeites gião estratégica. no Rio Cabaçal. 479 Bororo chaquenhos atravessaram a fron- 172 teira para pedir vassalagem ao Rei de Portugal. ILUSTRAÇÃO 77 . reforçou o povoamento do local dispostas em raios e em arcos concêntricos. naquela do povo bororo também. Ministério da Guerra. em 1884 (STEI- NEN. brasileiro os Bororo ali avassalados durante Diferentemente de Waehneldl. Nos Apesar de terem sido vencidos e aldeados pe. como tigas sesmarias foram retomados para o apro- veremos mais adiante. para fechar o caminho aos espanhóis. Correspondência do Presidente da Pro- O começo do novo século trouxe mudan. Eles eram subdivididos em dois grupos: os Bororo da Campanha. p. cartas de 18 de maio e de 15 de julho de 1919. Nas primeiras décadas do século. Mas a tragédia tinha-se consumado antes. e a emergência na cena mato- grossense das aldeias bororo localizadas ao longo dos rios São Lourenço e Piquiri. Para a A próxima ilustração (Ilust. No começo do século XIX. ou Cabaça- es. para o povoamento (AN. que ocupavam vastas áreas da província. I.

2008. 1940 [1863]. I. 2008. o chefe te- o sul. p. O variedade das dinâmicas e das motivações conflito durou seis anos e levou cerca de 450 dos ataques bororo.sangrenta contra os Bororo da Campanha. para ações em grande reconheceram como pertencentes à sua etnia estilo e de amplo raio territorial. vol. p. os Bororo pare- A guerra étnica e as novas alianças cem ter uma verdadeira estratégia de ataque contra os invasores. 1859. coordenada entre as al- Na mesma década em que se consumava o deias. I. 85).173 saquear os sítios e as fazendas. a frontei- província tentou uma solução para o conflito ra de expansão interna continuava mais para intertribal. A análise cro- viajando pela estrada rumo a Villa Bela. 174 LEVERGER. Não obstante vários autores já tivessem dição. no período de máxima tensão interét- nio do governo da província (1842). vol.174 eles eram geralmente denominados Coroados. posteriormente aldeada sob o domí. 173 Para uma análise pormenorizada da estratégia bororo Nessa situação. o governo provincial resol- nesta fase. naquela época a poucos qui- (1838) marcaram o início dos conflitos entre lômetros de Cuiabá. 115-126). 2008. De bororo. observações mais interessantes. com os ataques (1879 A abertura da estrada do Piquiri e a fun. co. da do Piquiri. época contemporânea. até que nológica e sazonal do conflito permite. 1862. onde se encontrava a sede suas terras. com uma pausa Francis de Castelnau descreveu o aldeamento entre 1886 e 1899). os demais não os fronteira de expansão. Passam de ataques isolados. MOURE. aldeado em Miranda. p. fato. Na segunda metade do século. guns grupos de jovens bororo. As fontes provin- Toda a estrada se encontrava em território bo- ciais nunca falam do resultado real dessa expe- roro. ou. diam ser realizadas sem prévias alianças e coordenação entre várias aldeias bororo. 184-198). para al- Vencidos os Bororo da Campanha. 1817. da primeira aldeia bororo destruída pelos luso- gia dos conflitos e a análise dela mostra a brasileiros. 1850. para ficar apenas o Bo. I. veu revitalizar o projeto das colônias militares Chiara Vangelista 163 . no a bandeira de 1838 derrotou essa parcialidade entanto. I. 86-90. mas. Poucos roado e Bororo e. A reconstrução de uma cronolo. ça. caram-se as maiores ações de guerra bororo na roro (VANGELISTA. exatamente dois séculos antes. p. como modo baçaes continuaram atacando outras fazendas e de exercício da arte de guerra. perto do morro dação da freguesia de Sant’Ana do Piquiri de São Jerônimo. gos desde sempre dos Terena. nica na região (1817-1908. CASAL. cometidos p. reunidas as ofensivas bororo apresentam uma mudan- em vinte choças em ruínas (CASTELNAU. Alexandre Bueno a Miranda como troféu de meçou-se a usar de modo indiscriminado Co. que não po- (VANGELISTA. Era um lugar importante os Bororo e os invasores desta vasta parte de para o povo bororo. podemos verificar que como sendo de cerca de 110 pessoas. p. o governo da massacre dos Bororo da Campanha. entre 1875-1883. 1977 [1825 pelo governo da província. 50-56). só a partir de 1886. vol. 572). qua- do Rio Jauru tinha isolado definitivamente esses se como parte do cotidiano de violência na dois grupos e. o termo meses depois. poucos anos depois. inimi- Geral para ligar Cuiabá ao restante do Brasil. De fato. 155-162). Em 1844. 2008. falava-se do reconhecido os habitantes dessa área como saco de orelhas de Bororo mortos trazido por Bororo. devido à construção da chamada estra- rena Alexandre Bueno. Em dezembro de 1878. como forma de ou 1929]. guerra (STEINEN. A ocupação da terra bororo na área por um número reduzido de pessoas. uma boa alternativa à Estrada realizou uma bandeira contra os Bororo. posteriormente. Reunindo seus homens. e 1882) à fábrica de pólvora. ver VANGELISTA. em 1681 (VANGELISTA. os dos Ca. verifi- Coroado desapareceu. Eles revelam-se como Bororo à morte e 50 à prisão – que vieram a ser reações aos numerosos ataques dos novos os primeiros habitantes do aldeamento dentro moradores ou das bandeirasautorizadas da mesma fazenda (FLORENCE. p. vol. já em fevereiro de 1879.

duas propostas diferentes a presença de uma centena deles (nunca fixos. não se registrou assalto nenhum).na área do Rio São Lourenço. sobretudo. 2008. além de tudo. nesse episódio. forma que preconizavam os processos de ocu- reza Christina. mereceria uma análise trada do novo século da era cristã também re- mais aprofundada em outra ocasião (VANGE. Goiás e pouca produção historiográfica relativa a essa Cuiabá. apareceram relação a toda a experiência da colônia Thereza os milicianos para a construção da linha tele- Christina influenciaram. num perío. Antonio A preocupação que se pode perceber nos Cândido de Carvalho fazia duas explorações relatórios do presidente da Província. 2008. até receberem. morte de Duarte e do afastamento dos salesia. chefiados pelo major Gomes Carneiro fase da história bororo. de interação étnica e de assimilação à cultura mas com estadas de uns meses) nas duas novas nacional. p. p. Grosso. a ironia no Rio das Garças (1897). Os milicianos tros grupos. até 1895. ano da Sagrado Coração. davam tros motivos. de maneira negativa. onde encontrou diamantes e ricos o juízo fortemente negativo dos Salesianos em pastos. De fato. no nordeste do terri- da descrição de von den Steinen e. Na mesma área. deslocando mais para cebiam de graça. entre Império e República. presentou mudanças profundas e duradouras LISTA. os militares e os chegou a seu objetivo após uma breve expedi. No mesmo período. quando o cenário mudou para os Bororo da veu-se. em 1890. encarregando o Rumo ao século XX alferes Antonio José Duarte de uma tarefa di- ferente daquela das bandeiras de punição: ex. São Paulo. 1932. alguns sale- nica dentro da moldura da política tribal. vol. A en- edificante. tentar uma forma de aldeamento pacífico na os Bororo entraram de fato no século XX. projeto de “pacificação” dos Bororo desenvol. O projeto Aparecem. uma vasta porção do território de uma carne de vaca e enfeites pagos pelo governo aldeia bororo. Os Bororo garantiram das do século XX. isto é. bel (VANGELISTA. Em troca. garantidos pelo governo local e federal. pação do século XX. até 1898. 164 OS BOE BORORO . enquanto era realizada a ocupação colônias militares. missionários salesianos. na região do Rio das Garças. 91-94). área estratégica para o Mato Grosso. entre ou- nos. O os quais. na colônia militar The. Lourenço (COJAZZI. Ao mesmo tempo em tração de Duarte. pro- do de queda das hostilidades (DUARTE. de 1886 a 1898. e do missionário que o território bororo meridional voltava à salesiano dom Bálzola. pelas contendas territoriais com mulheres bororo como concubinas a Duarte e o estado de Goiás. os Bororo garantiam a nesse local. os dois grupos que. a gráfica entre Rio de Janeiro. ques organizados em duas aldeias no Rio São tina os Salesianos. em maio de 1886. p. Esse O século XIX ainda não tinha acabado. que. tratou-se de uma paz interét. com ata- governo da Província afastou da Thereza Chris. férteis e de jazidas diamantíferas na região. do estado de Mato proporcionavam aos Bororo bebidas alcoólicas. nas primeiras déca- STEINEN. a partir de 1900. no caso da ge. colônia militar do São Lourenço. e. ção de Duarte. porém. Silva Rondon. Em 1902. a Thereza Christina e a Iza. quando o violência da fronteira de expansão. mudando rapidamente. por Cândido Mariano da rência de Duarte. 19-79). pelo caráter promissor do aos milicianos e pilhavam as roças dos poucos novo povoamento e pela presença de pastos camponeses brasileiros moradores da colônia. sianos exploraram o território bororo e de ou- um pacto baseado no escambo. os padres instalaram-se da Província. II. para os Bororo. principalmente. Um quadro por certo pouco o norte as relações com o povo bororo. porcionaram aos Bororo. Com a experiência da colônia militar The- plorar o território. definitiva do território da nação bororo. 19-60). II. vol. cultural e econômico estava alto preço pelas mercadorias que os Bororo re. 1940 [1863]). tinham que pagar um cenário político. chegar às aldeias bororo e reza Christina. 1887. que voltaram a Cuiabá. tório bororo. sob a adminis. fundando a colônia missionária do queda da violência (entre 1886 e 1898.

ximidades do Rio Miranda (RIBEIRO. Insatisfeitos com o clima de insegurança na re- 77). o centro sul de Goiás. dizem os geógrafos. ao norte. o território de ocupação agricultura. chegava até as pro. fica-se o avanço da pecuária e da incipiente Historicamente. o presidente da província de Mato Grosso. quando da chegada reduzir ou “amansar” os Bororo. que resultavam em mortes e per- região banhada pelos rios formadores do Rio das de ambos os lados. entre Antônio H. minas de ouro na região de Cuiabá. sendo que em maior Xingu. p. trans. como bem coloca Chiara Van- do atual estado de Mato Grosso. lo dos diamantes” (região de Poxoréo). nos rio indígena e espanhol. “a expressão mais du- via e o estado de Goiás. até meados do sé- da América do Sul. como dios e colonos. Aguilera Urquiza 165 . mato-grossense iniciou-se na primeira década ção do povo bororo na atualidade. guerra entre ín. 1970. decide criar colô- (WÜST. sobretudo. por volta do ano de 1718. 165). a leste. gelista (1996. mais precisamente. pre. e. Com a decadência das sença missionária. e do presente da região situada no coração Mato Grosso constituiu. número do lado indígena. estudos etnológicos.000 anos segunda metade do século XIX. talação dos colonos não indígenas na região. com a participação de missionários bororo com não indígenas aconteceram no capuchinhos que. Para compreender a situa. deviam início do século XVIII. no futuro. incompre- importante para a compreensão do passado ensões. no sul culo passado. sendo palco vista a história de contato e os avanços das de ondas sucessivas de ocupações do territó- fronteiras do Brasil em direção ao oeste. a partir de Goiás. Boe Bororo: A riqueza cultural de um povo e as frentes de colonização Antônio H. A ocupação do leste séculos XIX e XX. na essa região durante pelo menos 7. torna-se do século XIX e intensificou-se em fins desse necessária uma rápida incursão no processo século e início do século XX. intensi- formações culturais. Os contatos iniciais do povo nias militares. para facilitar a ins- dos bandeirantes à região das minas de Cuia. expropriação do território tradicional. 1990). Estima-se que esse povo tenha habitado gião. No bá. entre a Bolí. expropriação das terras. a exemplo dos jesuítas. a e indígenas. com histórico que gerou o contexto atual: avanço a extração de pedras preciosas no “triângu- das frentes de colonização. Aguilera Urquiza Contexto histórico contatos já preconizavam o que. a oeste. iria ser a regra na relação do povo bororo com as O estudo do povo bororo continua sendo frentes de colonização: violência. sobretudo tendo em radoura da fronteira brasileira”. Esses primeiros entanto. vezes dificultado pelos embates entre colonos lívia. como a experiência não deu certo. p. ao sul. Avanço muitas tradicional bororo abrangia o oriente da Bo.

p. e XX. estes tudo a neutralização do povo Bororo. índios e soldados. este foi denominado Tachos. militares e salesianos175 governo. frentes econômicas que nela se sucederam para Meruri. social. 166). rio Bororo já estava drasticamente reduzido. grifos do São Lourenço. formações rochosas semelhantes jogo. dentre elas: a implantação das linhas uma campanha do regime populista de Getú- lio Vargas denominada Marcha para o Oeste telegráficas. A A criação de um sistema estável de comu. com a missão de evan. através das linhas telegráficas e de seus projetos próprios. Garças. Aqui acon. o presidente da recida pela província e. 175 Os salesianos atuaram junto aos militares. igual- raguai tinham sido praticamente dizimados por mente contribuíram a construção das linhas fazendeiros já no final do século XIX e início do telegráficas Goiás-Cuiabá. de reagrupamen- teceram os primeiros contatos com os Bororo da. política. (BARROS. fundaram suas próprias colônias. 9). vindos da Itália.] Mato Grosso foi o principal destinatário de dores. Este povo. onde permanece até os dias atu. Voltam-se. 2007. composta. na Colônia Teresa Cristina. a frente extrativista de diamantes. 1996. As ais. foi atacado por expedições militares. No início do século XX. para a organizadas pelo governo provincial e por pa- região do rio Vermelho e rio das Mortes. os que residiam a oeste do rio Pa. to e concentração desses Bororo. no rio São Lourenço. tal marcha se voltasse colônias agrícolas pelo estado de Mato Gros- para a região mais ocidental. com a qual se pretendia abrir uma nova agropastoris vindas de Goiás e Minas Gerais. partir de 1902. a partir da criação do SPI (Serviço de constituíram os principais agentes do projeto Proteção aos Índios). situada ramilitares. Para isso. p. para a missão. importante parcela do território tradicional sentavam os índios. “foi favo- entre oficiais. p. a Missão Salesiana. (VANGELISTA. os das proximidades de Rondonópolis pas. BORDIGNON. fronteira: econômica. em 1910. em 1930. por causa de desentendimentos região com agricultura e pecuária. depois. que se adequavam a uma po- vias terrestres e fluviais. 168. Em 1902. em 1895. Sobretudo por motivos de falta de liberação de suas terras para a ocupação das água potável. a par- saram a ter a presença da política indigenista do tir de 1895. quentemente atacavam [sic] os viajantes que gelizar e “amansar” os bravios e indomáveis Boro. Era um projeto que exigia antes de nários salesianos. por nordestinos. 166 BOE BORORO: A RIQUEZA CULTURAL DE UM POVO E AS FRENTES DE COLONIZAÇÃO . mas.outros motivos. Assim. 1996. as ações indigenistas são orientadas por às grandes panelas chamadas tachos. de consolidação da fronteira nacional nessa Resolvido parcialmente o perigo que repre. percorriam a velha estrada de Goiás e os ha- ro.. que fre- chegam a Cuiabá em 1894. Ainda que. bretudo ideológica. p. pelo governo província resolve convidar a ordem dos missio. por tendo em vista os interesses colonialistas em haver. foi escolhido o primeiro local A partir da década de 1880 do século XIX. Quanto aos demais renço a partir de 1886. senhor imemorial dessas anos depois. de cunho integracionista. Logo no início. Assim. de reunião de grupos bororo. as frentes [sic]. Forças políticas e econômicas compunham o campo de relações entre Bororo e coloniza- [. atividade que abandonam poucos autor). instaladas no rio São Lou- a apenas um grupo bororo. Nesse local. por divergências na forma de condu. os salesianos foram convidados bitantes dos poucos ranchos espalhados pela a assumir a Colônia Tereza Cristina. do ponto de sobretudo. 2003. intensificam-se as frentes desse povo. no vale do rio zona” (VANGELISTA. Assim. tendo por paradigma nicações. terras. a atuação de missionários salesianos. federal. 70). na área. uma política de “atração”. a implantação de vista do seu discurso.. tornaram-se núcleos agrupamentos. zir o empreendimento. os missionários irão dedicar-se colônias militares. durante quase todo o século XIX a meio caminho entre Rondonópolis e Barra do (AGUILERA URQUIZA. so. a partir de 1890. então. o territó- de ocupação da região centro-oeste do Brasil. na década de 1940. visando a quela região. para a ocupação da lítica indigenista nacional. em Mato Grosso favoreceu a ocupação de sua parte mais meri- dional. a missão foi transferida. com fins religiosos e educacionais.

70). para colaborarem no empreendimento. Aguilera Urquiza 167 . que do rio São Lourenço. a Fundação Brasil Central. contradas – doenças. 2003. p. particu. P. na cons- ça ou por omissão. bororo Todos esses fatores entrelaçando-se no tempo e no espaço em foco. ção. 78). Segundo Viertler (1990. estavam os Bororo. 3) Antônio H. rio das Mortes e Rio frequentavam os acampamentos da expedi- Araguaia (Ilust. foram perpassados por trução da linha telegráfica de Coxim (antiga questões de fronteira entre Mato Grosso e colônia militar do Taquari fundada em 1862) Goiás (onde hoje é Mato Grosso do Sul). ILUSTRAÇÃO 78 . seja por presen. deserções e mortes – larmente os localizados na região das bacias Rondon pediu ajuda aos Bororo da área. Em a São Lourenço. BORDIG- NON.so. diante das dificuldades en- meio a tudo isso.LOCALIZAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS BORORO NO CORAÇÃO DA AMÉRICA DO SUL (BARROS. inclusive em terras demarcadas para os As frentes de colonização e o povo Bororo.

123): “[. TADARIMANA–Municípios de Ron. na valorização imobiliária. Os novos “ban. 77). há duas décadas. intensificaram-se os concedia – via leis e decretos – incentivos ofi. JARUDORI–Município de Poxoréu. 4–T. consolidou os métodos persu. os quais se complemen. surge outra leva migratória completamente distinta. 2–T. na década de 1990. SANGRADOURO–Município de General Carneiro (em estudo). grifos do autor). NAI. na região de Poxoréo. A mesma inoperância caracteriza a FU- roro deixaram de fazer guerra aos coloniza. VENTURELLI. até 1940. característica eminentemente extrativista. Mortes. p. dores e a outros indígenas. investindo contra os Bororo no Tachos quando as principais jazidas já estavam des- até 1935 (ALBISETTI. VIERTLER. 1990. 2007. I. partir de então. São José do Povo e Pedra Preta. de modo Nesse período. – foi tomada para lhes garantir o domínio da Subordinados a uma nova ordem.. p. 37). sobre as quais o Estado brasileiro exer- para esse fim. Essa foi Melgaço. Estes denunciavam aos milita. Elas tinham como expressam a dura realidade histórica do con- 168 BOE BORORO: A RIQUEZA CULTURAL DE UM POVO E AS FRENTES DE COLONIZAÇÃO . uma resposta à política de ocupação regional. PERIGARA–Município de Barão de com a meta de fixar os colonos na terra. 1988. o governo de Mato Grosso que. como aos Kayapó O processo de garimpagem de diamantes. 1962. 5–T. na região do Piquiri/Paranaíba e aos Xavante. outras linhas foram objetivo integrar as regiões Oeste. por empresários particulares. núcleos de colonização. vantagens “deste oeste rico em recursos naturais 3–T. MERURI–Municípios de General Carneiro e Barra do Garças. I. p. Esses dados na direção oeste do país. e territoriais a serem conquistados” (AGUILERA donópolis. torna-se importante apresentar alguns Entre 1880 e 1930. iniciado em fins do sécu- Estes. o vale do São Lourenço. as bandeiras militares dados a respeito de sua demografia. a partir de 1930. a que resultou em embates sangrentos entre co.] pois. Juscimeira e no federal de Getúlio Vargas. 79). conforme contexto. fato eram criados pelo estado de Mato Grosso e. p. passou a ter contato com o litoral. Com a exten- res da Comissão a invasão de suas terras e as são das linhas telegráficas. I. ciais para a ocupação de terras indígenas. Rondon. atinge o seu apogeu na década de 1940. Nordeste e instaladas. URQUIZA. 1–T. os Bo. cobertas. I. I. 71-74) (Ilust. rados tornaram-se os focos de especulação tavam com o trabalho dos religiosos. os quais.No início do século XX. lonos e populações indígenas. desde foram as grandes responsáveis pelo avanço antes do contato até o presente. p. o Oeste do Brasil atrocidades cometidas contra eles. a asivos de “pacificação” aplicados pelo SPI (e região do Alto Garças e a região sul de Dou- depois pela FUNAI). embora o SPI já tivesse sido criado Alves de Vasconcelos (1999. terra. 2007. em 1907. I. os Bororo perdiam cada vez para o Estado. vidência – seja em nível estadual ou federal QUIZA. Para entender a situação atual do povo bo- roro.. tanto a orientação leiga quanto mais território: suas reservas foram reduzidas a religiosa faziam parte de um mesmo proces. as empresas particu- deirantes” do século XX dispunham de um lares que compraram amplas áreas apostaram aparato legal para as suas investidas. pela expansão dos latifúndios e nenhuma pro- so: o processo civilizatório” (AGUILERA UR. cia apenas um relativo controle. TEREZA CRISTINA–Municípios de sob o slogan da “Marcha para Oeste” do gover- Santo Antonio de Leverger. p. invadiram a região do rio das lo XIX. Não há fundiária” (GONTIJO. Sobretudo o “les- de outro lado. te mato-grossense. Nesse nisso incoerências ou contradições. Na avaliação de Gontijo. O povo bororo na atualidade 6–T. Após esse movimento migratório de 702. 73. com a ajuda dos Bororo recrutados Norte. que propagava as Rondonópolis.

terra indígena Teresa Cristina está sub judice. Aguilera Urquiza 169 . bilíngue. Após sofrerem vá. as autoridades os estima. da dos colonizadores não indígenas. e a 2. reduzindo-se a marcadas no estado de Mato Grosso. o censo de 1932 indicava que esse povo da história e da natureza (geografia. vive índios pelo então Marechal Rondon. a língua bororo é falada por quase da história da depopulação dos Bororo. No campo da educação indígena. ri. o povo Bororo usa distante cinco quilômetros do Núcleo Habi- o termo Boe Wadáru para designar sua língua tacional denominado Distrito de Jarudori. quando os salesianos assumem defi. a qual pertence ao tronco linguís. mente descaracterizadas.348 pessoas em 2010. Após um processo de re- No período dos primeiros contatos com os avaliação e autocrítica. as mulheres Atualmente.392 pessoas em à situação legal de suas terras. Entretanto. odo do SPI. os Bororo eram incentivam o uso da língua original e o ensino estimados em 10 mil índios. populacional. O território bororo. toda a população. os missionários hoje bandeirantes e exploradores. de 626 indivíduos registrados ao território que ocupavam antes da chega- pelo Padre Uchoa em 1979. homologadas. saúde. Nos últimos anos. línguas que não o Português. dos talmente ocupada (4.)e elementos pois. geograficamente descontínuas e ecologica- desde a virada da década de 1970 para 1980. da falta de perspectiva de futuro.706 ha) por um núcleo trabalhos em fazendas. nas colônias militares de parte dos professores é oriundo das aldeias bo- Teresa Cristina e Isabel. uma vez que sua delimitação foi embargada dial. o que tisfação fez com que o povo Bororo. em torno de 30 indígenas. guês e o bororo. algumas fa- mílias bororo que habitaram em Jarudori ini- A língua e o território atual do povo ciaram um movimento de reocupação desse bororo território e. volta- ram a morar dentro da terra. no perí- hoje da agricultura e da venda de artesanato. 2012). diante dade nacional. proibiu-se falar outras pelo poder judiciário. na Aldeia Nova. segun. cartilhas monolíngues em língua bororo. 2001).tato desses índios com os agentes das frentes se estendeu até o início dos anos 1970. quando. atendidos depois pelos roro. a maio- rias guerras e epidemias até sua pacificação. entre outros.) (AQUILERA URQUIZA. com o Antônio H. 1970.000 índios. Esse nitivamente a catequese. os Bororo somavam material trata de tópicos da cultura bororo pouco mais de 2. foi drasticamente reduzido. Atu- de colonização do então Mato Grosso. plantas. dos empregos em serviço tinuamente invadida. vam em apenas cinco mil pessoas. mas. no Brasil. (pintura facial. ria da população fala duas línguas. encontrava-se num alto grau de vulnerabilida. alcançam começou um período de crescimento popula. mitos etc. a ponto de hoje estar to- público (educação. os Bororo das Na década de 1970. uma dimensão 300 vezes menor em relação cional. A tradicional. de e sob ameaça de extinção (RIBEIRO. No início do século XX. o alto grau de insa- missões não podiam falar sua língua. Estes dispõem de material didático bilín- salesianos. animais etc. o portu- no fim do século XIX. Quanto à língua falada. em todas as aldeias. quando. rituais. a 1. a maior vam reunidos. chega-se. Assim. 150 anos depois dos p. por sítios. O auge da depopulação foi o período contatos mais intensos com a chamada socie- entre os anos de 1950 e 1970. Assim. chácaras e fazendas de não índios.). que era caçador e coletor. foi sendo con- das aposentadorias. Perigara e Tadarimana estão registradas e segundo o censo do IBGE. A de Jarudori foi reservada aos Esse povo. Elas são população a menos de mil índios. Eles esta. por volta gue (português e bororo) e de alguns livros e de 1902. Somadas. FUNAI etc. Trata-se almente. então. as de Meru- 2006 (ISA. 293). Quanto do os dados da FUNASA. os Bororo possuem seis áreas de- bororo deixaram de ter filhos. com os anos. tico Macro-Jê. Três décadas de. No contexto da 2ª guerra mun.

os quais. Na complexa organização social dos Bororo. A aldeia é dividida em duas me- ção de suas terras tradicionais e da melhoria tades exogâmicas complementares. na pesquisadores estrangeiros176 e brasileiros177. local das mais e costuma haver uma alta taxa de separação importantes cerimônias dessa sociedade. América do Sul. muito estudada por Embora exista essa norma ideal de conduta. 1988. 1994. o missionário Rodolfo nos importante. todas as aldeias bororo e objetiva solucionar Com algumas exceções. po natal é mais forte do que o vínculo com 170 BOE BORORO: A RIQUEZA CULTURAL DE UM POVO E AS FRENTES DE COLONIZAÇÃO . clãs e linhagens distintos ções da área Teresa Cristina (ISA. cendência clãnica passa pela mãe e não pelo GNON. Como escrito anteriormente. não devem morar na mesma casa (ISA. 80). o movimento congrega 2012) (Ilust. nas imedia. rarquia entre as linhagens é manifesta pelas cre de Meruri”. em julho de 1976. formada por um rem exogâmicas. 1986. servada pelo Marechal Rondon. da sua Elementos culturais linhagem e do seu grupo residencial. específico. Um caso e Tugarége. 176 STEINEN 1863. 1976. ou três famílias nucleares. VENTURELLI. 1991. mais importante/me- o índio Simão Bororo. 1981. Nos últimos anos. Pessoas do mesmo clã. 1997. A luta culminou com o “massa. a classificação dos indivíduos é feita a partir de seu clã. identifica como pertencente ao clã de sua mãe. as duas me- Entre o povo bororo. são constituídos por diversas linhagens. supostamente a mando dos fazendeiros mas de linhagens hierarquicamente diferen- de General Carneiro. Na de casais. A regra de descendência é matrilinear. Ao com alguém da metade Tugarége. Os grupos residen- vindicações dos Bororo são a inclusão do ciais são uxorilocais. BORDI. A hie- século XX). sendo cada uma subdividida emblemático dessa mobilização foi a luta pela em quatro clãs principais. pai).apoio do Conselho Indigenista Missionário círculo da aldeia. encontra-se a praça ce- lado. OCHOA. pessoas traçado da ferrovia Ferro Norte. des. Dessa forma. Ecerae dos serviços de saúde e educação. habitam em uma mesma casa. no início do como se pode ver na ilustração 80. cada clã ocupa um lugar (CIMI). se mobilizasse em prol da recupera. mas continua sendo membro Paraná e Araguaia-Tocantins e a alteração do da antiga linhagem. ainda na atualida- as questões fundiárias das áreas de Teresa de. 1990. a unidade política tades da aldeia são complementares por se- básica é a aldeia (boe ewa). de finais do século XIX. ten- uma metade Ecerae somente poderá casar-se do no centro a casa dos homens (baito). 1993. 2012). rada da esposa. 2001. ALBISSETTI. diretor da missão e membro do novo entre outras. Por ser uma sociedade matrilinear (a des- LÉVI-STRAUSS. 1983. 177 NOVAES. tes. prática. CROCKER. SERPA. o vínculo de um indivíduo com seu gru- 1979. 1976. Jarudori e Sangradouro. alguém de conjunto de casas dispostas em círculo. irmão mais velho/irmão mais Luckenwein. regra pela qual um ho- povo nos EIA/Rimas (Estudo e Relatório de mem que se casa deve mudar-se para a mo- Impacto Ambiental) das Hidrovias Paraguai. cada casa da aldeia costuma abrigar duas Cristina. 1986) e necessida- indica que os Bororo estão entre os povos in- des decorrentes das novas realidades de rear- dígenas mais estudados das terras baixas da ranjos parentais e de território. CIMI. ISAAC. ela pode ser manipulada para atender A vasta literatura produzida nessas pesquisas outros interesses (NOVAES. a criança recebe um nome que a e material bastante rica e diversificada e. de modo que. Outras rei. 1962. vez. o casamento entre os Bororo é instável rimonial. de categorias sociais. De outro lado oeste do Baito. Morreram categorias maior/menor. O povo bororo tem uma cultura simbólica ao nascer. denominada Bororo. Por essa razão. fazendo com que um homem possa distribuição espacial das casas ao redor do morar em várias casas durante sua vida. 1986. VIERTLER. por sua recuperação da terra do Meruri (também re.

ewure reru rekoduiagu hi 178 po de origem. ele deverá garantir.!Aito.. irmão de sua esposa.! Aqui está: sua notícia se estende cultural da criança (ISA. Aguilera Urquiza 171 .. o padrinho canta sobre a criança (AGUILERA mesmo morando fora de casa.. Já no pátio da aldeia bororo. Aito.! Emareroka akaru cere Bakororo okwa jetugae. Aito. Além disso. da cabeça das cunhado.! Emareroka akaru lhes a sobrevivência física... 2006) o grupo de sua esposa.. representando-o nas atividades hi hi hi. confeccionando duiagu hi hi hi hi. Depois dos cuidados com a mãe.... as regras rituais associadas a eles. o projeta socialmente. sença no grupo.. (Para ti..! Aito.PLANO ESPACIAL DE UMA ALDEIA BORORO (AGUILERA URQUIZA. Ipare. Já em relação ao grupo natal... Para ti...... até a beirada do céu. Aito.... Aito.ILUSTRAÇÃO 80 . Aito.... A mãe grá- dades apenas marcam fisicamente sua pre..) Antônio H... Mas essas ativi. Ipare. tais como caçar. URQUIZA. apesar de ele ter um Nascimento e Batismo convívio mais intenso com seus afins e lhes dever obrigações.. É aos filhos de suas ir.. 2006).. das mãos.178 ponsável pelo patrimônio cultural de seu gru- Aito. ekera reru reko- rituais com cantos e danças. vida precisa de certos alimentos e cuidados. que é acompanhado por uma de suas irmãs e é por meio delas que ele se parteira. tra. mas caberá ao seu cere baru okwa jetugae. Os principais momentos na vida de um balhar na roça do sogro e fazer ornamentos bororo começam com a gestação e o nasci- para o irmão de sua mulher. assim como procedimentos especiais no mo- o homem é encarregado de velar pelo futuro mento do parto. a formação crianças: hi hi hi hi. pescar. Ipare... etaio reru rekoduiago hi hi hi hi.. da boca. eno- ornamentos e liderando rituais específicos... Ipare. Ipare. gwa reru rekoduiagu hi hi hi hi. Com relação aos filhos. 2012).. Ipare. antes de ser entregue à mãe para filhos que um homem transmite seus nomes e a amamentação.. o homem é res... recém-nascido é lavado e pintado com resina mãs – seus iwagedu – e não aos seus próprios de urucum. Ipare. Que corra a dança dos pés.Ipare. mento (boe etore ewodudodu)...

Para tradicionais. itaga. b) o ato de queimar e quebrar os objetos. Cuidado com os sobreviventes: depois da es- importante papel na sociedade bororo. a festa do couro da seguinte. há uma cerimônia de nominação monial. Ba- famílias aderiram a uma celebração que inclui sicamente. além do próprio mor- 172 BOE BORORO: A RIQUEZA CULTURAL DE UM POVO E AS FRENTES DE COLONIZAÇÃO . com muitos cantos e rituais na casa (batismo). Os Bororo. p. atualmente muito social. representa um 3. a mais rica. segundo Viertler Com as mudanças culturais dos últimos (1991. e de mestre de canto. Um verdadeiro bari é muito estimado e te- metidos à cerimônia de perfuração do lábio mido por todos (BORDIGNON. um Bari pode exercer as funções de xamã das TURELLI. tepassados. o funeral. a festa do milho novo. QUIZA. do gavião real. animais. é uma pessoa do sexo mascu- lábio inferior é o sinal de que o índio tem um lino. Este marca o momento primário. e não por eleição. 57). ornamentos corpo. p. pondo as cinzas no cesto com os ossos do morto. Algum tempo depois. a prática tradicional dessas cerimônias ordem doméstica e comunitária. a perfuração das orelhas e do lábio dos homens. que haja pelo oficialmente incorporado à sua tribo. 1962. objetos e adornos do morto em danças e ritu- dono do funeral e membro da outra metade. baito. especialmente nas aldeias mais rais e acidentes geográficos entre outros. qualidades para tanto (ALBISETTI. A cerimônia é concorrida e começa no conhecidas: a imposição do nome às crianças dia anterior. os meninos são sub. 2006. É indispensável. complexa e interessante várias vezes seu nome clãnico (AGUILERA UR. A parte inferior. ais de outros mortos mais recentes. p. A Enciclopédia Bororo afirma que dos os direitos e obrigações (ALBISETTI. VENTU- põe-se de um acervo de nomes relacionados RELLI. p. segue-se um conjunto de regras e dis. tanto de dia como de noite. 624-627). Cuidados com o corpo do morto: enterro o último é o funeral. menos um. aos antepassados. pois colha do “substituto”. Esse ritual. procuram a O padrinho do clã oposto é quem escolhe o paz com a natureza e com o mundo dos an- nome. A perfuração do Normalmente. o ciclo do funeral consiste em três o sacerdote católico no ritual (Ilust. ornamentação dos ossos para o en- em que o Bororo deixa a realidade visível e terro definitivo. procuram conservar o equilíbrio e a semelhante à cerimônia dos meninos. Algumas social e a integridade física dos enlutados. há uma sequência de tro- ele é o intermediário entre os espíritos e os cas de presentes (mori) em termos de alimentos. na vida cerimonial. Para escolher um almas. de chefe. porém. encarnado em seu sucessor. possuem uma intensa vida ceri- as meninas. VEN. Dentre todas as cerimônias brancas. se tem nome. índios. do matador da onça. dentro do “acervo de nomes” do respec. 1. 43). entra para o mundo dos espíritos dos antepas- 2. momentos principais: Se o batismo é o primeiro ritual de passagem. o criança enfeitada dos pés à cabeça com penas ritual do mano etc. De frente para o sol. sobretudo. xamã dos espíritos. com to. c) adorno dos O funeral entre o povo Bororo ossos feito pelo “substituto”. podendo haver mais de um Bari na al- nome e. igualdade e. a preparação central do ritual acontece ao amanhecer do dia para a caça ou a pesca. em língua bororo. Algumas cerimônias bororo mais tivo clã. Ao nascer do sol. Cuidados com a propriedade do morto: a) sados. sem sombra de dúvidas. do funeral bororo são. Mas o falecido segue também viven- escolha de um “substituto” que passa a utilizar do na sociedade. Ele exerce suas funções graças às suas de uma metade para a outra. Na vida e a perfuração das orelhas. repetindo bororo. inferior e imposição do nome. 208-209). o padrinho pega a onça. é. é um modo de restabelecer a anos. 81 e 82). 1986. no centro da aldeia. p. O bari. é uma prova de que está deia. d) o enterro final do cesto no cemitério. 1962. ergue-a. 239-253). a harmonia coexiste hoje com uma nova forma. Os protagonistas características pessoais.

a organização proceder à ornamentação dos ossos. os moradores de uma aldeia unem-se aos nenhum bem material como herança. no cemitério – baça adornada. lado a lado. seu “substituto” e o casal de “pais” rituais. to. 57-63).179 Em se. Nos longos ritu- são queimados. p. o cadáver é levado ao baito. os moradores da própria aldeia e parentes re- guida. Os pertences do morto para seguir lutando e vivendo. com grandes prantos rituais. nas pernas e nos seios as marcas de muitos visto. o futuro. devidamente ornamentados. mistérios e nas tradições do povo. nas longas 2001. o passado. Então. dança. noites de cerimônia. reage diante a morte (AGUILERA URQUIZA. es- sição. que representam os antepassados. como danças. 1991. o presente. É 179). VENTU. “mate” ou tereré. atingindo A escarificação é o momento do ritual quando as 179 mulheres raspam a própria pele com instrumento um grande número de pessoas da comunida- cortante e deixam cair pequenas gotas de sangue so. Durante esse período. O ciclo do funeral pode demorar associados à distribuição de alimentos caça- de um mês a três meses. segue pela noite e termina na tarde do iniciação dos jovens que são introduzidos nos dia seguinte. bre o corpo do morto. p. sociais. 647-668). da pes. rasa. fumar cigarro e tomar Finalizando. 1991. É a vida que ves intervalos para descanso e alimentação. é muito comum. além das formas estruturadas de trata- situação do cadáver. inumeráveis rituais píritos e elementos da natureza. em uma cova sidentes em outros locais. próximo funeral. p. Depois de verificar a tler. Dele participam as mulheres praticam a escarificação. seus parentes. enquanto a sociedade indígena bororo. conforme Vier- café. abluções. podemos dizer. pesca solenes e longos. dos mortos. de local e de outras áreas (VIERTLER. A única de outras aldeias e estabelecem novas alianças. escarificações. 2006. que. convivem o passado. representações de espí. caças coletivas. caça. os quais têm a du. reúne as pessoas das várias categorias funerais. o presente pessoa. Os ossos (VIERTLER. rar a decomposição do corpo para que se possa O funeral. dos e pescados em nome dos mortos. 1962. 211-212). penas brancas e penas de arara e do em 2003 (Córrego Grande) e em estudos colocados em um recipiente apropriado. como fora uma honra para a mulher bororo ter nos braços e nos ombros. No ciclo do funeral. limpos. Um funeral põe em movimento toda toa o solene canto do Róia Kuriréu. chora. os bens e direitos clânicos (AGUILERA e o futuro. É justamente o ritos. terminam com a sepultura definitiva – em um Os parentes só ficarão com uma pequena ca- lago ou. fei- da Enciclopédia Bororo (ALBISETTI. nas cabaças URQUIZA. incineração dos funeral o lugar onde este povo encontra forças pertences do morto etc. p. sem interrupção. homens e heróis do passado. RELLI. são exumados. Estes rituais são sempre seguidos de cantos no grupo que canta. Depois da social e a figura do bari são os eixos da cultura morte. onde se en. na tarde. 52-54). que representará o morto no dos ossos. bororo. em um lago sagrado ou em um cemitério. da propriedade e dos parentes final solene dos funerais. sendo interrompida só por bre. o morto não deixa aos parentes ais. o culto aos mortos. no “bororo” (pátio). o funeral bororo são executados todos os cânticos solenes e. Diariamente. to de trançados de folhas de palmeira. ração de três dias. de urucum. pois é necessário espe. é marcada a data para o mento do corpo. herança apreciada é o valor moral e cultural da Nos funerais. pode-se observar a complementarida- Antônio H. a cova é todos participam: vivos e mortos evocados por molhada para acelerar o processo de decompo. além dos direitos e deveres soa falecida. somente depois. nante constatar que é no ritual fúnebre que a refeições comunitárias. proceder-se-á ao enterro fi- Os ritos fúnebres iniciam-se com a morte e nal. Cada cerimônia começa à e se alimenta comunitariamente. É impressio- são realizados. Durante o ritual funerário que. vida bororo mais se manifesta. p. adornados com resina Com base em trabalho de campo realiza. Aguilera Urquiza 173 . o funeral bororo representa a sín- tese dos demais rituais de passagem. como se faz atualmente. Na atualidade. ocorre como descrito a seguir. vem o enterro provisório.

Neste sentido. daqueles do mercado e mais relacionados com suas tradições. na direção de uma ho. 53). a fim e tradições têm a capacidade de inserir em de observar o que permanece na realidade seus próprios códigos elementos inicialmente bororo dos processos de mudança pelos quais alheios. compreender a diferença cultural entre rem. Mudando para permanecer da de 1970 e início de 1980. em algumas que sofreram mais interferências Outro aspecto importante a ser considerado é em sua organização socioespacial (como Me- que as temporalidades e situações históricas distintas. assim. 2003. pois é nessa ocasião que se fazem quistadores e povos indígenas não podem ser novas alianças e se reforça a coesão grupal. p. no mercado regio. 174 BOE BORORO: A RIQUEZA CULTURAL DE UM POVO E AS FRENTES DE COLONIZAÇÃO . p. geralmente. Colbacchini e Albisetti (1942 mentos (agricultura mecanizada) em larga es. Os Bororo. Desta forma. além das momentos de guerra. As relações entre con- categoria. participaram de um imenso projeto do Governo Federal. a tecnologia e o ritmo do mercado. adaptação e resistência às novas situações. no final da déca. Queremos afirmar. artigo. não projeto chegou poucos anos depois. há uma tendên. inclusive com re- lação aos diferentes segmentos de um mesmo povo. apesar dele. em momentos de paz e de hostilidades em em especial os séculos XIX e XX. Este autor critica a “visão sim- Frente ao modelo de produção capitalista. inevitavelmente. os 10). De outro lado. ricos compartilhados com índios e não índios. conforme a teoria de Barth (1969.de dos papéis de oposição que cabem a cada internas nesse povo. segundo princípios e desses elementos teóricos. seguem alguns dados rela- enfatizou Tassinari (2000. de forma desordenada. Pobori e Sangradouro). por exemplo. Hoje. como forma de te modo. a partir de maneira tradicional. atualmente. No meio do caminho das frentes de Na história do povo Bororo e de outros colonização povos indígenas. p. se compara- contato. constituídas em espaços diversos. a lógica. capacitar os indígenas para a produção de ali. 6 ou mais anéis concêntricos. as influências da racionalidade mo- chamado “Polo-noroeste”. e. as culturas tivos às aldeias bororo nos dias de hoje. ruri. integrando-os. des- mudanças culturais impostas. 16). de alguma Desenvolvimento (BIRD) e do Banco Mundial. quando se encontramos estes modelos de assentamento. por mudanças radicais os Bororo como produto dos processos histó- em sua forma de viver. em to- recursos do Banco Interamericano Regional de das as aldeias bororo. temos muitos exemplos de contatos com outras etnias. plista de que o isolamento geográfico e cul- estendido a escala mundial. com exceção de Córrego Grande. mogeneização cultural. constatou a resistência dos indígenas a aceitar As aldeias. com o objetivo de derna ocidental. p. Com relação à espacialidade. 35) obtiveram informações de anti- cala. observa-se. maneira. procura-se. tiveram como resultado diversidades mos com o modelo tradicional. como Em vista disto. passa. tural foram os fatores críticos que sustentaram cia das populações que antes se organizavam a diversidade cultural”. percebem-se. com Quanto ao tema do espaço e tempo. de intercâmbios No período de contato com os não índios. Perigara. BORDIGNON. A frustração dos gestores desse 5. Piebaga. [1925]. neste necessidades de suas próprias culturas. possuem. tratadas como homogêneas. gos Bororo de que teriam existido aldeias com nal e nacional. com significados e valores distintos passou esse povo. (BARROS. um círculo de casas. que as diferenças culturais e étnicas sur- Bororo perderam quase a totalidade de seu gem justamente em virtude do contato e não território. por exemplo. certa dispersão das re- ções desiguais de segmentos bororo frente ao sidências. por diferentes agentes da colonização e rea.

tamento desenfreado. nas aldeias significativa e comprometedora nas aldeias onde há luz elétrica. Da profunda relação entre a pes- tinham uma média de 11. que se transformaram rivalidades internas. Como já indicado por Serpa. interconexão e interdependência com o meio timam que as aldeias bororo mais antigas ambiente. 1988. com uma média de quase no seu vestuário. seguem seu ritmo tradicional de dormir muito Dentre todas as mudanças. ao desma- regionais). Entre os motivos do abandono tras mudanças são: a perda das áreas ecoló- estão principalmente: a morte de parentes. sal. sendo que. pode-se dizer que a econo- casa. em 1936. entre ou- mésticos. Como se pode ver. jeans e tênis de marca. mudança no âmbito da subsistência a mais dar com as primeiras luzes do dia. famílias extensas. lização dos cultivos” (SERPA. diretamente relacionada com a possível loca- Hoje em dia. talvez seja a cedo.3 pessoas e 1. a quebra de cadeias ecológicas. ram nas mesmas casas. como o suem luz elétrica e as que não possuem. a extinção de espécies animais moniais. de atividades de caça nas áreas reservadas. Antônio H. mas também a prática Bororo é um sinal de resistência e continuida. escassez de recursos e conflitos com o branco (missionários. antes. de do ethos bororo. que desapareceu ante as condições e meio. pela posi. por exemplo. em geral. somente 47. 1990. mel. ria caído para 6. coletores. (SERPA. macarrão e doces. os Bororo uma estreita relação entre o sistema de cultivo orientavam-se.09 pessoas por soa e seu meio. Percebe-se. 110). eles família. De outro lado. Nos últimos anos. destacam-se. a localização espacial dos clãs. muitos possuem relógio e. a desaparição mudaram de casa dentro da própria área. esta mobilidade do povo namento do magúru. p. VI). agentes da FUNAI e e vegetais. dados obtidos para Tadarimana indicam que Muitas das consequências culturais dessas mudanças resultantes do contato interétnico [. como ferramentas e Com respeito à mobilidade no espaço. gúru.4%) abandonaram a área. ficando. foram listadas por Serpa (1988. pela posição do sol. devido. as pessoas ficam vendo bororo. além duas famílias por domicílio. Ou- neceu estável. Como nos outros grupos indígenas da a televisão até tarde. 70-71). final de obrigações ceri- em fazendas. horários da escola. sobretudo do ma- pessoas (35. com a deterioração do ecossistema. que impossibilita não só o funcio- Por outro lado. p. estavam formados por tros produtos. e de acor. aqui. domicílio dentro da própria aldeia e para ou- cialidade.27 pessoas (WÜST. essa média te. incorporaram em sua alimentação. Aguilera Urquiza 175 . 1988. tornaram-se praticamente reféns do via uma média de 7. porém. necessários para a vida cerimonial.. onde a localiza- pelo ciclo da vegetação. os grupos do. comprometidas as relações de espa.45 pessoas por cia dos produtos manufaturados. ha. tras aldeias. no estudo de Serpa os Bororo. entre os anos de 1907 e 1979. Assim. açúcar. de dia. p.9%) Dentre elas. de mudar facilmente de com isso. mia bororo era sustentável. “há Quanto à utilização do tempo. antes preferentemente caçadores e (1988). p. impostas pelos agentes da “pacificação”. 74 e se sempre. qua. os Bororo viviam em notável Estudos etnoarqueológicos realizados es.algumas aldeias já não têm o baito. gicas de exploração. de noite. uma matérias-primas para a confecção de objetos grande diferença entre as aldeias que pos. também.. localização de frutos silvestres. pelas estações do ano e e esta mobilidade espacial. com uma total dependên- por casa. logo depois de o sol se pôr.2%) chegaram de outras aldeias e 12 pessoas (11.] somente 28 pessoas (26.7%) permanece.9 famílias sistema capitalista. Estas funeral e a nominação. América do Sul. 22 pessoas (20. os instrumentos de trabalho em geral.6% da população perma. o ritmo do dia é regulado pelos cap. o que equivale a 3. 37 das atividades nômades. ção das casas e a projeção de seus fundos está ção das estrelas. 101-103). de outros bens materiais. a grande caminhada sazonal para caça Isto significa que em um período de um ano e pesca.

trução da autonomia e autogestão de seus te movimento. estudando mites do atual estado de Mato Grosso. Nesse talião. compreender o povo bororo. p. que tras regiões. “Uma espécie de principio (lei) de cultural interna e do contato interétnico. nificadas. Nesse período. na busca da (re)construção de pela sociedade de consumo. substituindo. sua língua e outras carac- entre eles e entre as autoridades governa. continuam presentes em ou- as novas tecnologias. que antes tinha um papel secundário. 20). sentados dados sobre sua organização social. nele in- reação. assim. Esta micidade das tradições. melhante. tem sido muito importante. estão em constante processo de território do povo bororo ficou dentro dos li- contato com as grandes cidades. o etnógrafo Her. Foram apre- identidade é dinâmica. as tradições são reinventadas através da em forma de farinha. em especial o de reto- sante das identidades. Após a divisão do antigo mentais. atestando. sua localização geográfica no pas- num contínuo intercâmbio de informação. e sim como algo extre- os Bororo guardam grandes quantidades de mamente dinâmico. que os povos adaptam-se às filhos” (COLBACCHINI. sobretudo nos me. sua história e ças culturais entre os Bororo mostra. Os professores indígenas. O estudo das mudan. o De modo que é imprescindível procurar de reencantar a juventude na valorização das entender os Bororo e suas expressões cultu. a partir de seu ethos cultural. genas vários desafios. consumidos crus ou assados. assim. [1925]. o adequação do passado ao presente. como o de seguir vivendo e vivendo com qua- portamento bororo. 177). refazendo-se criativamente a territórios. clãs e metades. particu. seus rituais. foram elenca- reciprocidade e complementaridade entre as dos aspectos considerados fundamentais para pessoas. Neste âmbito da dina- na dieta do grupo e crescimento da coleta. terísticas culturais. cristalizado no tempo. p. em falta. Barros afirma: prática. deparam-se com grandes desafios. 146) chamou a atenção do Brasil. p. O móri é uma forma de lidade. conhecido na lei tradicional da tribo. rais mais importantes na orientação do com. múl. sentido. tipla e diferenciada. reflexiva. Eles compartem com outros povos indí- meno de mobilidade e ressignificação inces. seja. Não há espaço nesta perspectiva para pensar a cultura ou a tradição como algo terminado. que a sociais pelas quais tem passado. Os Bororo e os demais povos indígenas bert Baldus (1937. que exerce um sua identidade étnica. (BARROS. Tem profunda conotação de No transcorrer deste texto. Ou coco de babaçu. uma das coordenadas sociocultu. Mato Grosso em dois estados. aberta. fontes de proteína animal. Os Bo- na universidade.diminuição da importância da caça e da pesca sociedade dominante. no entanto. pode-se dizer que as culturas mudam transmitida de avós para pais e de pais para para permanecer. compensação e vingança pela morte tegrando as mudanças advindas da dinâmica de alguém. sujeito a inovações. ses que antecedem as chuvas. ALBISETTI. são ressig- pescado e a caça. práticas culturais bororo e na constante cons- rais no âmbito dessa realidade de constan. Quanto ao tecido social. sua cultura e as transformações afirmado pelas teorias de etnicidade. 1942 novas realidades sociais para seguir vivendo. oficialmente o larmente. 1998. na fronteira com o Mato Grosso as redes de comunicação são um dos fatores do Sul e na fronteira do Brasil com a Bolívia. que se encontram em situação se- para o móri. aprendendo a conviver com roro. o de responder às novas demandas cada momento e recompondo-se com novos que lhes são colocadas pela modernidade e significados. 176 BOE BORORO: A RIQUEZA CULTURAL DE UM POVO E AS FRENTES DE COLONIZAÇÃO . mar e manter seus territórios tradicionais. sado e no presente. especialmente o de nominação e Na atualidade. os líderes bororo estão o funeral. como já atualidade. fundamentais que influem sobre este fenô. no confronto com a grande fascínio sobre as novas gerações.

aqueles Cayapó das margens do rio do Estado de São Paulo”. por muito época. 181 Utilizo o termo Cayapó com “c”. Apenas a o governo do estado de São Paulo. na região central do estado e. 2012). Minas Gerais e Mato Grosso - Séculos XVIII ao XX Odair Giraldin Introdução: a fatalidade da extinção180 conhecidos como Cayapó. Para distinguir entre os dois grupos. não despertando maiores inte- cafeeira em franca expansão e havendo interesse resses àqueles pesquisadores. conhecido como Cayapó. Odair Giraldin 177 . habi- res encontraram um pequeno grupo de índios tantes de terras em Mato Grosso e no Pará (também conhecidos como Kayapó Setentrionais). próximo à cachoeira Água Vermelha. como a última que se teve sobre este Araraquara até o rio Paraná. foi incumbida. ou Caiapó. sempre que me referir aos veremos a seguir. também. Cayapó antepassados dos atuais Panará. o interior do estado. no sentido de distinguir os grupos Kayapó atuais. Ela explorou os rios Grande chamaram a atenção de um morador Feio e Peixe. Barbosa coligiu chegar na divisa entre São Paulo e o Triângulo um extenso vocabulário da língua falada por Mineiro. que não deixa- em expandir a área de cultivo. na margem direita daquele rio. Afinal. O termo Cayapó-Panará. desde a região de tempo. de explorar o rio Grande e seus afluentes. Renascido das cinzas: Um histórico da presença dos Cayapó-Panará em Goiás. e não com “k”. nome do grupo estudado por ele nas primeiras dé. viviam autonomamente. Ao do encontro com os Cayapó. doc. referindo-se ao e primeira metade do XX como Cayapó. lógica como Kayapó do sul ou Kayapó me- Para realizar essas expedições. o governo ridionais. Em alguns mapas da Esta informação foi considerada. 83). foto de dois garotos ficou como testemunho dade de explorar o interior do território pau. a necessi. Conforme veremos ao longo deste criou a “Comissão Geográfica e Geológica texto. ilustração ao relatório produzido pela equipe nhecido e habitado por grupos indígenas que (Ilust. Com a agricultura de 30 pessoas. escrito com Paulo até Goiás e Mato Grosso. da tarefa Ele trabalhava como agrimensor na região e. daqueles que viveram nos séculos XVIII. boa parte dele era ainda desco.39). conforme termo Cayapó. do encontro. em 1910. de Uberaba: Alexandre de Souza Barbosa. com cerca Iniciava-se o século XX. uma frase: “sertão desconhecido habitado por mas também referido na literatura antropo- índios” (CURY. lata 188. com “C”.181 Tratava-se de um grupo relativamente pequeno. para ram outras informações sobre eles. Este último é mencio- hífen. publicada posteriormente como lista. XIX e início do XX 180 Esta é uma versão bastante modificada do artigo de numa ampla região que se estendia do norte de São Giraldin (2000). os explorado. adoto aqui o cadas do século XX no Triângulo Mineiro. colocava-se. é uma alusão ao manuscrito elaborado por nado na documentação do período e na bibliografia Alexandre de Souza Barbosa cujo titulo é “Cayapó sobre ele escritas na segunda metade do século XIX e Panará” (IHGB. era marcado com grupo indígena.

os Cayapó e Xavante e. dois grupos se podia perceber que. conhecido como Caiapônia. Entre os que defendem essa hipótese. entre os se. seriamclaramente diferentes e ceiros. 1989 [1970]. Dividiu também os Kayapó não podiam ser consideradas como deriva- (termo que incluía os atuais Kayapó) em três das uma da outra (NIMUENDAJÚ. do sul e ocidentais. lho sobre a história do grupo. veu uma história dos Cayapó (NEME. p. 71). englobou os Suyá e os Akwen. Não foi sem razão que se acreditou que pó (meridionais). vestígios”. entre os ter. Afinal. incluiu os Xikrin. a assumir funções administrativas). p. Krahô e demais Timbira. Entre os me da cultura. da língua e da história dos primeiros. centrais e ocidentais. podemos desta- car. ESTA FOTO PODE SER VISTA TAMBÉM EM GIRAL. aparentadas. p. Machado de Oliveira (1862. Uma delas acredita que Goiás (RIBEIRO. ele considerou os Gradaú. A segunda corrente não trata relações de A distinção entre os grupos Cayapó (do sul) homologia entre os Kayapó (setentrionais) e e Kayapó (do norte) foi inicialmente proposta os Cayapó (meridionais). no sul de Cayapó (meridionais). Nimuenda- distribuição das “tribos” brasileiras. Viajando pelo interior do Brasil em meados do século XIX. 33). com exceção do nome dado ao rio Duas correntes diferentes procuraram fazer Caiapó e à serra que corta seu antigo terri- a relação entre os Kayapó (setentrionais) e os tório. entre os mais conhecidos (Os Índios e a Civilização). como sen- do um subgrupo Kayapó (CASTELNAU. e considera o grupo por Paul Ehrenreich (1892. 28-38). personagem conhecido por seu envolvi- mento político no Brasil oitocentista. ao afirmar que. incluiu os Botocudo. grupo habi- tante ao norte da ilha do Bananal. esta opinião. pó meridionais desapareceram sem deixar mados por ele de Meridionais) e os Kaingang. Contrário à tese de nal do século XIX. 1997) pesquisas documentais a partir das quais escre- aquele povo. ele afirmou que os “Kaia- grupo do sul. foi diretor dos aldeamentos de São Paulo e presidente da província do Maranhão. no na década de 1960. ele assim jú fazia distinção entre Kayapó (do norte) e classificou os povos de língua Jê: separou os Cayapó (do sul). ocidentais. Entre os 427). ele realizou DIN. escrevendo também um traba. em meados do século XIX. como pesquisador assíduo do Arquivo ILUSTRAÇÃO 83 . Ao escrever um de seus livros Apinaje. incluiu os Cayapó (também cha. Gradaú. Francis Castelnau. 506). os Suyá. no fi. Compartilha ainda desta corrente o historiador paulista Mário Neme. principalmen- te com a ocupação do Brasil Central. assumindo a mesma hipótese de Castelnau. que teriam se deslocado para eles estavam extintos. de um exa- Jê em orientais. p. Propondo uma divisão e homologia entre os dois grupos. NA DIVISA DE MINAS COM SÃO PAULO Público do Estado de São Paulo (onde chegou (1910) (COMISSÃO GEOGRAPHICA E GEOLOGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. 1969). embora gundos. 1952. p. escreveu. os Kayapó (setentrionais) são parte dos Caya. Darcy Ribeiro também compartilhava do norte. grupos: do norte. meridional como extinto.DOIS GAROTOS CAYAPÓ-PANARÁ DAS MAR- GENS DO RIO GRANDE. Na década de 1960. do Pará) a partir dos conflitos advindos do con- tato com a sociedade colonial. 1949 [1845]. 1913. Gaviões. entre outros. um histórico sobre os Cayapó (meridionais). os Cayapó vive- sua atual região (norte de Mato Grosso e sul ram e experimentaram todo um processo de 178 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ .

181-185). leste de Mato tro do território indígena deu início ao processo Grosso e norte de São Paulo. restre. quanto pelo esgotamento natural do século XVIII. via que se expulsar os remanescentes Caya- lio da Coroa portuguesa (PRADO JR. em decorrência. região dos ataques Cayapó. ou para ra. tarefa. processo de ruralização (PALACIN. flechado mor- localizavam-se nas margens do rio Vermelho. quando o primeiro grupo encontrar novos garimpos. foram realizados a partir do princípio do sé- até chegar em São Paulo. Coman- Os Cayapó em Goiás e Triângulo Mineiro dando esses grupos Bororo. dadora dos Cayapó na área. também parte Como veremos a seguir. e também devido à presença intimi. fez aumentar para os Cayapó. ra. na segunda metade mineradores. pela pecuária. 84). atual Cida. 1987). desapareceu rapidamente o grupo Goiá. por uma estrada que ficou conhecida foi extinto em 1832 (CHAIM. Agiam com ações guerreiras nas. (pertencente a Goiás até 1806). Novas disputas tiveram lugar. a partir do início de conflito armado entre Cayapó e não indíge- do século XVIII. localizado na região A presença desses elementos estranhos den- sul de Goiás. necessidade da demanda crescente de novos Naquele momento. um sertanista de XVIII e XIX em todo o Brasil Central (Ilust. pois agora ha- porque aquele tipo de atividade era monopó. var adiante a exploração das pedras preciosas. principalmente. 1976). num neles descobriu diamantes. Ela atravessava NANI. fato já an. O aldeamento construído especialmente crescente nos primeiros anos. a maioria dos todo o sul de Goiás. talmente pelos próprios Cayapó em 1751. o qual foi encarregado de deslocar grupos Bororo da região de Cuiabá e aldeá-los no atual Triângulo Mineiro. teriormente verificado em Minas Gerais (1693. também o fluxo comercial entre Vila Boa e foi extinto em 1813. mais de São Paulo. sar-se para outras regiões da colônia. tavam sinais de esgotamento. p. através de aldeamentos. o interior da própria capitania goiana. RAVAG- como “caminho de Goiás”. contra- intensamente combatidos durante o século tou Antônio Pires de Campos. A população que se descobridor das minas de Goiás. O aldeamento de São São Paulo.invasão de seu território. O “problema” Cayapó não foi resolvido 1695) e Cuiabá (1718). chamado de aldeia Maria I. Os primeiros garimpos por Antônio Pires de Campos. 1974. construído em 1774. Bartolomeu ocupava naquela atividade passou a disper- Bueno da Silva. O próprio neração em decadência. Desta forma. culo XIX para tentar recuperar os grupos que Odair Giraldin 179 . José de Mossâmedes. Antônio Pires de Campos deveria realizar todas as ações neces- A descoberta das minas de ouro. Triângulo Mineiro. Esse comércio era feito por via ter. Para tentar manter o “caminho de Goiás” que os tornaram conhecidos como um dos em segurança para os viajantes.. fato que somente No processo de tentar incessantemente ocorreu após 1780. ca. antigo habitante da região. as jazidas auríferas apresen- das jazidas existentes. originando a fundação de Vila Boa. iniciasse um processo de convivência pacífi- da família Jê. ocorrida sárias para manter em segurança o “caminho de em Goiás por volta de 1722. entrando a mi- vam-se por várias partes da região. atraiu uma migra. Mas os aldeamentos tiveram vida efême- A intensificação da exploração mineira. os aventureiros espalha. Mas não pôde le. tampouco pelos continuadores de sua insana de de Goiás. Cuiabá muito experiente. 1992. protegendo os viajantes e moradores da ção colonial acelerada para a região. pó das terras desejadas para a agricultura e. Nesse processo de invasão do ter. o governador grupos mais temidos e. tanto para suprir a foi convencido a aceitar viver aldeado. Goiás”. Os conflitos permaneceram até que se ritório. D. Luís de Mascarenhas. conhecido como Anhangue. vários descimentos da área de ocupação tradicional dos Cayapó. explorando a região dos rios Claro e Pilões. o atual Triângulo Mineiro Cayapó não permaneceu nos aldeamentos.

conclui Alencastre. Após cinco meses na re. eles fo. ram visitados por Saint Hilaire (1975) e Pohl comandando uma expedição de 50 homens e (1976). partiu da aldeia de São José de Mossâmedes. 1979 [1863]). O padre Luís Antônio da Silva e para presenteá-los.fugiam de volta para as florestas. vieram mais duas levas. Tristão da Cunha Menezes. que a bandeira foi formada por 50 jamos como ele explicou este acontecimento homens armados com armas de fogo: 26 Bo- da assim chamada pacificação dos Cayapó. gião do Alto Araguaia. uma José Martins Pereira de Alencastre foi pre. perfazendo deia do cacique Pupuare aceitar a pacifica- perto de 600. na igreja. o soldado Luiz a sobrevivência dos aldeamentos. chamada Punquere. tava no rio Claro. As informações contidas nas cartas escritas cia de Goiás (ALENCASTRE. da seguinte maneira: acompanhado de seis guerreiros e as pessoas em 1778. o governador mento de Maria I. Em 27 de setembro de 1781. grupo composto por um índio idoso. um grupo foi os índios. Após passarem São José de Mossâmedes. Entraram na Goiás 237 Cayapó. convencer os demais a se aldearem. Reunidos todos. seis ao falecer por ter vindo doente. Após cinco meses e seis Sousa. Luiz da Cunha Menezes assumiu de suas famílias. também. foi sepultada guerreiros. 460). comandados por dois capital em 29 de maio. seguindo em frente os seis guer- num destacamento militar existente na mar. que foram aldeados em Maria ção. Entrou pelo Cayapó. um trabalho intitulado Anais da Provín. dos quais 328 sidente da província de Goiás e escreveu. Como resultado dessa primei. chamado de al. quando foi inaugurado o aldea- 113 meninos. rio Fartura. foi a vez da al- 88 e outra de mais 200 Cayapó. procurando as vertentes Após meio século de conflitos armados do Alto Araguaia. tretanto. 1849. Romexi rem os demais a aceitarem o aldeamento. Ordenou. em estavam batizadas. sertão do rio Claro. de marcha para a capital. as quatro aldeias conquistadas. uma aldeia. Tanto teria sido boa a recepção. mais deia Maria I. em texto escrito em 1812 (SILVA E dias no sertão. SOUSA. 1849). retornou com o velho Romexi. explicou esse processo do o qual vinha em lugar do cacique Angraiocha. dois anos depois. Vila Boa. em 1782. ela retornou com um que uma das mulheres. Em 29 com 237 índios sob o comando dos caciques de maio de 1781. mostram. com a intenção de pacificar entre Cayapó e não indígenas. Cayapó teriam sido recebidos com as maio- enviou uma bandeira ao sertão para tentar res pompas pelo governador Luiz da Cunha atrair os Cayapó. for- I (SILVA E SOUSA. o grupo foi manda- perto de um mês na vila. e crianças. muitas coisas aldeado. povoação de 687 indivíduos. mavam. a notícia de que a primeira aldeia Cayapó es- sem os demais a aldearem-se. entrou ra redução. doze Akroá 180 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ . chegava à capital. para isso. guerreiros fossem até as aldeias e chamas. o velho preferiu de Pilões. com as mulheres e crianças. os quais coletaram listas de palavras alguns Cayapó como intérpretes. a do cacique Cananpuaxi. gem daquele rio. 1863. construído às margens do construiu um aldeamento. chegaram a Vila Boa de Angraiocha e de Xaquenonau. ali permanecendo até caciques. Seu pelo então governador da capitania de Goi- propósito foi reescrever a história da capitania ás. suas mulheres e filhos. uma de no aldeamento e. Menezes. Durante Em 15 de fevereiro de 1780. 16 de julho. perfazendo 36 Cayapó. primeiro aldeamento. p. reiros. sendo batizados. levando. pedindo que retornassem em oito luas. ali permanecendo com as mulheres permanecer. para convence. en- a partir dos escritos do padre Silva e Sousa. mandando que os seis Em 10 de maio. roro da aldeia de Rio das Pedras. foram mandados do de volta para as suas aldeias para tentar de volta para suas aldeias. que voltassem em oito luas. Os o governo de Goiás e. Para alojá-los. Ve. viajou com o grupo todo até o destacamento Chegando ao rio Claro. perfazen. em 12 de junho. Depois de 25 dias na capital e em do um total de 36 Cayapó.

chegou a Maria I a notícia de que cho chamado Fartura. poderiam permanecer em nho. impressionar os índios. varíola que atingiu toda a capitania de Goiás lebrada uma missa. sendo que alguns dias depois chegaram uma região com as mesmas características muitos deles. morreu logo após a chegada. Em 1771. ocorreu uma epidemia de e depois foram levados à igreja. epidemia de varíola e falta de alimentação. são os trabalhos an- 182 IHGN-CU 1. aceitou o descimento para junto dos não in. Em 10 de maio de outras prontas para serem aproveitadas. guerreiros. nuaram acontecendo. com a missa. também. tal da população Cayapó aldeada em Maria I. margens do Rio Grande. Em 21 de setembro. próximo dos rios Claro um grande número de Cayapó estava a cami- e Pilões. e pela ocorrência de seca por dois anos (KA- comandados por um cabo chamado José Luís RASCH. atingido também os Cayapó. Além poderia estar ocorrendo uma epidemia entre disso. Naquele momento. nascendo seis crianças aldeamento. pois o documento afirma que entre o governador e as lideranças Cayapó. podendo ter con- no aldeamento de São José de Mossâmedes. na aldeia Maria I. neste sentido. Odair Giraldin 181 . após Grosso. possivelmente mar- Deve ter havido algum tipo de negociação gem do Paraná. 105). cercá-la e capturar um grupo para que frendo ataques de bandeiras organizadas a par- fossem levados até Vila Boa para ver como era tir das três capitanias: Goiás. tanto pelas mor- com um grupo de 36 pessoas. Permaneceram trando interesse em trazer seu grupo para o 38 dias em Vila Boa. Informa o governador que (ALENCASTRE. Foram instruídos a encontrar uma al. Essa situação deve ter causado muitas cinco meses no “sertão”. p. o governa. que. este número como sendo o to- derrotas nas guerras contra os não indígenas. a meu ver conjugados nos fornecem uma explicação: erroneamente. Os descimentos de outros grupos conti- dígenas.2. em 1784. a aldeia estava “mais na capitania de São Pau- pois foram eles que escolheram o local para o lo do que n’esta de Goyaz”.7. com o fogo da artilharia demonstrava das mulheres do primeiro grupo morreu logo o poder do soberano. Esta informação da existência de 600 guer- nha hipótese é que. O chefe mais velho relutava donando as roças plantadas sem que tivessem em voltar para as aldeias. 1979 [1863]. Voltaram para sua aldeia nas nesse período. Com isso. chegou a bandeira alterações na sua população. e aban- o aldeamento. entre elas seis tes ocorridas pelos ataques dos não indígenas. onde foi ce. Mas. entre 1778 e 1780.de São José de Mossâmedes e 12 soldados. Vimos que uma De fato. Assim. outro fato pode tê-los debilitado ain- eles. tribuído para diminuir os recursos alimentares ordenou-se que os Cayapó voltassem para o (KARASCH. os Cayapó estavam so- deia. p. 342) e deve ter objetivava. 1981. pelos menos três fatores reiros levou vários autores a citar. “mais de 600 ho- a aceitarem viver no aldeamento. Em 1783. naquele mo- quais os motivos que teriam levado os Cayapó mento. Foram recebidos com salva de artilharia da mais. Exemplar. após tantos mens de guerra da dita Nação Cayapó”. Isso indica que necessários diante da nova situação. São Paulo e Mato a vida civilizada. anos de conflito com os não indígenas? Mi. chegou o grande grupo de Cayapó que ter ocorrido a fome entre eles. as chuvas Após o grupo passar 25 dias na capital e foram menos abundantes. Uma das mulheres deste grupo quanto pelos deslocamentos mais frequentes. Acrescente-se. Conduzidos a Vila Boa. com isso. Em princípios de novo aldeamento: ficava nas margens do ria. setembro. 1981. chegaram à dor fez repetir os mesmos rituais de disparar aldeia Maria I dez guerreiros cayapó demons- a artilharia e celebrar a missa. poder da Igreja. necessitan- “sertão” para convencer os demais a aceitar do deslocar-se com mais frequência. p. batizando-se 113 crianças. Pereira. confiava que existiam. 105). marcava o depois de chegar a Vila Boa. Tristão da Cunha Menezes.182 ambientais das áreas de suas aldeias. pode 1781.

na capitania de índios de uma só vez. Mato Grosso. que isso começou a preocupar o tre (1979 [1863]). Seguindo gente de Cayapó aldeado: grupos de cinco sua sugestão. 237). f. Havia um inicialmente em Maria I. que se achavão Aldiados na Aldea Maria. quando um dos grupos recém- doze grupos indígenas do Brasil Central.185 Grande. o que implica. no da referida capitania. que dominão o Rio Verde. governo não se preparara para receber tantos viam na região de Camapuã. com aquele bastante elevado. Somen- do varadouro da Camapuã. foi que o go- prezentemente chegarão à dita Aldeia Ma. 1979 [1863]. Tratava-se. de mais de 600 tão da Cunha Menezes. cerca de quatro anos a Capitania do Cuyabá do que a esta. Quando ele estava guerreiros. 1784. 185 MB. mas logo esta ali- Grande. Este último aldeamento foi criado em 1774 e nele foram aldeados.600 Cayapó reu. p. próximo à capitania de São Paulo: mentação foi interrompida. não creio que seja absurdo. matando a mulher mais ou menos seis pessoas para cada guer. Mas. tratava-se de um número maior que mida para os Cayapó. das margens do rio gado para se alimentarem. enquanto outros grupos haviam Inicialmente. Aumentou de tal forma a população do al- Saint-Hilaire (1975). Akroá. com esta quantidade de guerreiros.184 genas aldeados em São José de Mossâmedes. p. tendo eles come- çado a matar reses dos moradores das fazen- Aquelas quatro Aldeias de Índios da Nação das próximas. 182 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ . las.500 a 2. Neste mesmo ano. 22). era-lhes fornecida carne de chegado recentemente.7. 1919. 223). Tris- (1981). mais na capitania de São Paulo doque Outro ponto de atrito eram os grupos indí- d’esta de Goyaz. IHGB-CU 1. p. o Maria I e os contatos entre os vários grupos e que inculca uma população de 1. verno criou uma fazenda para fornecer gado ria são os que habitavão as margens do Rio que pudesse abastecer o aldeamento. contingente. portanto. chegados em Maria I confessou a autoria do firmou que se pode utilizar uma proporção de ataque à tropa de mulas. de ser testemunha do resultado de um ataque liar a população cayapó do sudoeste goiano e Cayapó no “caminho de Goiás”: eles ataca- de Mato Grosso. Ficou ainda mais (1985. tamanho receio do que poderia acontecer Este número alcançado a partir do coe. Chaim (1974) e Karasch novo governador da capitania de Goiás. Rio Boni- to e Jatahy. na provocou problemas de fornecimento de co- verdade. isto sim.2. deamento. teve a oportunidade O padre Desgenettes (1906). Tristão da Cunha. mais oito ou dez mu- reiro. Pohl (1976). Javaé e Karajá. Quatro teriam sido as que vi. viajando de São Paulo para assumir o gover- uma população maior. assim. Xakria- bá. p. levando parte das mercadorias (MENEZES. podem fornecer de 200 a 300 arcos. 184 MENEZES. 154).000 almas” os Cayapó resultavam em pequenas escara- (DESGENETTES. herão dos que habitavão as campanhas atrito com a população não indígena. levando a crer que o quatro aldeias. 64v. teríamos 2. consequentemente. Ficava a poucas léguas de 183 “Os Cayapós.400 Cayapó vivendo aldeias e mais de 600 guerreiros. 395. o clima de Cayapó. Esse número elevado também (ALENCASTRE. Verswijver DE GOIAS. juntos. Dos que depois do início do aldeamento.teriormente citados de Silva e Sousa (1849). [17—] apud SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA nidos no aldeamento de Maria I. 1906. con. ainda que conjecturava que eles poderiam. quatro pessoas por cada guerreiro para calcu. vol. então. através da análise do censo de preocupado. Alencas. existia o maior contin- lar a população total de uma aldeia. utilizou uma proporção de ram uma tropa de mulas. rebelar-se e matar todas as pes- Alencastre afirma que os Cayapó reunidos em soas não indígenas do aldeamento sem maio- Maria I eram provenientes de quatro aldeias res problemas. mais pertencentes te em 1786. teríamos. se padre. e o primo do tropeiro. tentando ava. 3. que se ficiente proposto por Verswijver.183 Utilizando o mesmo coeficiente des. mantendo.

tendo morrido mais de 80. Saint-Hilaire observou que havia alguns anos ração dos rios Claro e Pilões. Sua esperança toda amento como uma rejeição dos Cayapó às estava depositada na experiência do Cayapó casas construídas com teto alto e cobertas Lourenço. estava que os dois estavam tão arruinados e com tão um Cayapó. finalmente. 187 MB. por nome Lourenço. declínio. para seu de subsistência. com o objetivo de pesquisar sarampo”. John E. eles circu. devemos considerar as epidemias.187 do rio Claro. para Maria I. e as atividades econômicas diluíam-se para a A maneira como foram organizados os criação de gado e para a pequena agricultura aldeamentos contribuiu. por serem inimigos tradicionais. viviam soldados Cayapó quando de suas perambulações pela e mestiços. Segun- aldeamento cujas regras. p. Segundo Pohl. 342). tabelecer-se. Uma delas explorou o rio Claro deamentos levou as autoridades a reunir os e. medes ainda apresentava alguma dinâmica. não havia interesse por parte do governo com receio da possível explosão de um con. descobriu vestígios dos índios dos aldeamentos de Maria I e São José índios nas trilhas abertas por eles na flores. morador poucos índios que reunindo-se os de ambos do aldeamento de Maria I. informações fornecidas pelo diário de explo. res. Ficaram felizes ao encontrá-la e retornaram 186 SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DE GOIAS. p. para encontrar uma picada conhe. Dentre os presentes na expedição. Ele certamente deve lavam constantemente entre o aldeamento e ter atingido os aldeamentos. 1680. taram os aldeamentos de São José de Mossâ- to montado provisoriamente para descan. a expedição 64) interpreta essa recusa a morar no alde- viu-se perdida na região. a aldeia de sar. do Alencastre (1979 [1863].muças. de Mossâmedes neste último. também. enquanto os participantes da Em 1819. Nas cabeceiras perfazia um total de 267. pois. encontrou-se um acampamento que restava das casas. Pohl e Saint-Hilaire visi- expedição permaneciam num acampamen. vol. de telha. Já São José de Mossâ- cayapó não habitado. por várias vezes. para nele permane. ou dos próprios Cayapó de obra. 69). Não se tratava de um tos. Odair Giraldin 183 . Em outro cortar o mato com facão para poder entrar no momento. onde puderam. próximo a suas roças. segundo Lou. Ao contrário. Além da varíola. Lourenço visitou uma aldeia Cayapó e Maria I estava em ruínas. aldeamento de Maria I. A aldeia Maria I fracassou porque Entre os motivos que também devem ter o governo de Goiás não tinha controle so. 198-219. o governo tidas “pelos portugueses” (1975. servia como ponto de passagem dos No núcleo do aldeamento. Esta organizou algumas expedições para explo. pois se afirmava ta. que seguia sua aldeia. Em determinado momento. situação de depopulação crescente dos al- rar a região. construíram as casas da maneira do aldeamento Maria I para as terras cayapó. p. impedissem o acesso dos Cayapó ao seu de 1811 ocorreu outro surto de varíola em território tradicional. Afirma a existência de ouro naquela região. o qual. devido ao esgotamento das contaminados por doenças venéreas transmi- minas mais antigas da capitania. uma vez que a mineração declinava entre si. a partir cer. levada a cabo quase todos os Cayapó foram atacados “de em 1804 e 1805. Exemplo disso são as também o sarampo os atingiu. contribuído para o insucesso dos aldeamen- bre a sua população. por acharem-nas muito frias. p. 1919. ainda o naturalista francês que eles estavam Naquele ano. enquanto que os Cayapó cons- região e quando iam de suas aldeias para o truíram sua aldeia a uma légua de distância. no final do século tendo uma tensão que punha as autoridades XVIII. sendo necessário conseguiu comida para o grupo. todo o sul da capitania. português em transformar os índios em mão flito entre os grupos. man. suas próprias aldeias.186 Além disso. Na cida como “estrada dos índios”. medes e Maria I. Saint-Hilaire (1975. renço. em 1819.

também na região mentos para os 35 Cayapó” que estavam vindo aldear-se. decide. Cunha. 195 AHE-GO. em 4 de fevereiro de 1832. o governador. f. O excedente era comerciali. com fugas. deira formada por índios aldeados para tentar pó do aldeamento. 1975. 66. Saint-Hilaire encontrou mulheres logo em seguida. Nas suas conseguir levar nenhum índio. por isso. f. 189 Até agora não se sabia o resultado numérico dessa expe- em 1821. tendo percorrido tanto a comandados por Damiana da Cunha (MB. 45v. a quar. Essa si. consul- Cayapó cultivassem seus inhames e suas ba. miana adoeceu no sertão. o qual era quando seu grupo foi aldeado. Para tentar recapturar os descer os índios fugidos. 338). depois de ouvir as opiniões de um fazendeiro. tando o Conselho de Governo. A primeira ocorreu em 1808. por exemplo. com 35 índios aldeados.188 ex-Vila Boa. vol. rer fuga crescente dos restantes dos Cayapó riormente dividida entre todos os moradores. Saint-Hilaire afirma que o diretor ainda Caso se negassem a isto. Livro 100.196 O governador tentou acabar com as a segunda. em 17 tatas (SAINT-HILAIRE.191 -Hilaire.195 para comandar expedições ao “sertão”. foi utilizada pelos governadores lada. f. em 1831. 1680). 196 Manuel foi diretor da aldeia de São José de Mossâ- A vida de Damiana da Cunha foi romanceada por 188 medes. nuassem a atacar os moradores da fazendas.192 Comunicou-se ao fugitivos. 1979 [1863]. 46v. Livro 107.190 Após a todo o aldeamento. sendo agora incen- gundo Karasch (1981). 50v). buscar armas e munições. um Cayapó zado pelo Diretor do Aldeamento ou pelos por nome Miguel Impocaro abandonou São próprios soldados. de janeiro de 1832. Livro 40. dois dias por semana para que os Diante dessas fugas. Se. f. assim como para tentar convencer vigário da aldeia. sendo preso quando incentivava essas fugas Maria Jose Silveira (2006). 191 AHE-GO. 184 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ .189 colhendo milho e outras carregando cestos Para essa última expedição. realizada em 1830. p. Livro 40. f. mas advertidos para que não conti- retório Pombalino. a expedição foi cance- e. 190 AHE-GO. f. e de sua mulher Xuinequá (ALENCASTRE. tivadas pelo irmão de Damiana da Cunha. 71). cumpriu impor. retornando sem 194 AHE-GO. começa a ocor- Cayapó era recolhida pelos soldados e poste. novos grupos a aldearem-se. Ela proprietário de terras na região do rio Fartura. Livro 40. vol. na mesma região. vindo a falecer roças. Uma portaria de 23-09-1821 mandava “dar ali- ta foi realizada em 1827. exercia grande influência sobre os Cayapó local da aldeia Maria I. forçados. na cabe. então já com o nome de Cidade Damiana era neta do chefe Angraiochá de Goiás. que convencesse os Cayapó a se aldearem. Da. 65). sendo ela uma criança por nome Pedro Gomes Machado. que ainda viviam em São José de Mossâmedes. 193 AHE-GO.194 Mas. em 1781. conseguindo atrair 100 índios Cayapó. José de Mossâmedes com a família toda. em 1819. do Alto Araguaia. ela realizou 5 expedi. p. 20v. dos a trabalhar cinco dias por semana em Na eventualidade de persistirem nisso. 1975. Cunha. quinta expedição. Livro 40. seriam suas roças para plantarem mantimentos para perseguidos com a força das armas. Cayapó conhecido pelo nome de Manuel da ceira do Araguaia. região de Goiás quanto a de Mato Grosso. p. 72v-73. sendo que dois Cayapó dos que ficaram em tante papel a Cayapó chamada Damiana da São José de Mossâmedes foram até a Capital. (AHE-GO. Restava. As fugas continuaram. A colheita feita pelos morte de Damiana. Mas igual número de índios reduzidos. índios ou não. dição.193 aprontou-se a expedição. o ções. a terceira.tradicional. expedir mais uma ban- tuação provocava constantes fugas de Caya. Em 28 de dezembro. não deveriam ser governava seguindo a administração do Di. Os Cayapó eram obriga. prendendo o líder indígena Manuel. de onde levou 70 índios. cobertas com palha. Na 192 MB. Damiana da (chamados de jucunu) cheios de amendoim Cunha recebeu instruções do governador para (SAINT-HILAIRE. segundo Saint. 45. 1683.

índios de Santana do Paranaíba. fazendo recrudescer os 11 de fevereiro de 1844 pelo diretor da aldeia conflitos entre não indígenas e os Cayapó. principalmen. p. mandou que o vigário da al. 39. Esses ao padre Francisco de Sales Souza. após os ataques co. 24). Odair Giraldin 185 . em 1885. p. Antonio Borges Sampaio. duas partes envolvidas. uma no arraial de São Francisco Salles e a indígenas no começo do século XIX. 1827. 1682. 25). da província mineira. na confluência dos rios Grande e Paranaí. em alguns grupos deles instalaram-se em terras do 1830 havia pelo menos três aldeias no Triân- Triângulo Mineiro. ta a estrada de Vila Boa de Goiás até São Paulo. quem lhe en- 201 DOCUMENTOS INTERESSANTES PARA A HISTÓRIA viou o trabalho de Joaquim Lemos da Silva. 36. 1680). Durante de Água Vermelha. vol. 1971. gavam por toda a região (1825. oficialmente. seminário fundado por aqueles padres. sobretudo no extremo oes. o governo de Minas Gerais infor- no forneceu alguns objetos. 12.197 Informações de 1846 davam conta de perto de Campo Bello (atualmente cidade de que o aldeamento de São José de Mossâmedes Campina Verde). 199 AHE-GO. vol. de tal maneira que. Deve-se ressaltar. do de Uberaba em 1825. os quais ainda solicitaram do pela iniciativa do Padre Leandro Rabelo Pei- governo ferramentas para praticar sua agricul. na região do 202 Existe atualmente em Campina Verde o colégio e Triângulo Mineiro. que nem to. 227-235). segundo ele. afirmava que exis- deia retornasse para a capital.203 segun- eram “resolvidos” pelo embate armado entre as do informações de Barbosa (IHGB. lata 188. Em Alguns deles ali permaneceram. 184. lata 188.202 a 5 léguas do Rio Gran- já estava vazio. do Ten. Essa região viria a ser cobiçada pelos não tro. próximo ao rio Grande. os quais. em O cônego Antonio José da Silva. intensificou-se o processo de Grande (IHGB. pois não havia tiam cerca de mil índios Cayapó aldeados a mais índios no aldeamento (MB. t. de. Segundo comunicação pessoal de Sônia Maria Fontoura. onde talvez possa ser encontrado o trabalho escrito pelo padre Leandro. pó de São José de Mossâmedes. acima do porto de Alencas- ba. doc. mor.198 sendo extinto. de vez em quando va- dos os Cayapó abandonaram o aldeamento. do tatados por Antonio Eustáquio em 1810. gulo Mineiro: Macahuba. 39. visando manter aber. requeria a regula- de Godói Pinto da Silveira.201 nenhum tipo de documentação do período de fun- dação do colégio-seminário. teria ocorrido ainda outra tentativa de te velhos e deficientes. pro.200 mava. além de alguns em ida. presente a notícia de dois deles. no entanto. p. em 1827. padre David José de Urzedo (IHGB. As ocupação das terras a sudoeste de Goiás e do terras da aldeia Macahuba foram vendidas em atual Triângulo Mineiro. sem a interferência do doc. 203 O nome desse padre coincide com o do interlocutor 200 MB. na margem esquer- te. Cel. 107-108. p. que estiveram Respondendo a uma solicitação do gover- na Cidade de Goiás. Segundo Alexandre de Sousa Barbosa. xoto e Castro. desta vez de de trabalho. Assim. Estado. eles foram novamente con.não conseguiu evitá-las. 39.199 Dos últimos remanescentes Caya. 1680. das no Colégio Caraça. Afirmava que o sargento mandados por Antonio Pires de Campos. chamado pelo governo mineiro de “ad- longados por Manuel de Campos Bicudo e João ministrador das Uberabas”. não existe ali mais ele conseguido aldear um grupo. da do Paranaíba. sobre a situação dos índios No final do século XVIII. Livro 191. tendo Arquivo Público de Uberaba. 198 AHE-GO. vol. sendo criado um aldeamento tura. contratados que mentação das terras dos “Valentes Cayapós às foram pelo governo da capitania de São Paulo margens do Corumbá ou Paranaíba de Goiás” para combater os Cayapó. 40 léguas do arraial. na margem direita do rio aquele século. (NAUD. p. 341). escreven- fevereiro de 1833. tendo sido encarregado de sua direção o em 1879. chegou até o doc. Livro 606. próximo de Belo Horizonte. 25). a quem o gover. no Imperial. O objetivo dos não indígenas era expul- sar ou extinguir os índios. lata 188. É possível que as infor- mações sobre os índios ali aldeados estejam guarda- 197 MB. p. f. f. se criar um aldeamento de Cayapó. sobre os E COSTUMES DE SÃO PAULO.

O outro foi o “caminho xandre de Sousa Barbosa. nota 45). as A via de comunicação da região minera- estavam deixando para se mudarem para um dora de Cuiabá  com a vila de São Paulo era local chamado Cachoeira. levou a maioria dos autores que fizeram rios dos navegantes durante a viagem (HO- 186 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ . em 1910. chamada referência os relatos de Saint Hilaire e Pohl. sobre os Gorotire. Segundo Bar. pó. No trajeto entre as minas cuiaba- lha. na fazenda Camapuã. presentavam um problema para a realização aliado a uma concepção positivista de histó. no Handbook of South 188. Todo esse processo. que ligava Vila Boa de Goiás com apenas 50 Cayapó vivendo em Água Verme. em 1954. doc. segundo Alexandre opinião de que os Cayapó estavam extintos. As terras da aldeia de São Francisco Sal. 39. lata 188. em pulação dos Cayapó da região. 25. por volta de 1870. Estes. eminente etnólo- pertencentes ao povo Cayapó da aldeia de go. 85). que acreditava na fatal extinção ri. e depois para Água Vermelha. Egon Schaden. p. repete a opinião de Nimuendajú de que aque- A população desta última foi calculada em le povo indígena teria deixado de existir. em 1910. American Indians (1946. nas descendentes de João Batista Siqueira. os margens do rio Grande. na margem ceram como tribo” (NIMUENDAJÚ. 53v). companheiro de An. p. 1825. e foi cachoeira de Água Vermelha. te (1986). Robert Lowie. J. dessa viagem. lata 427). afirmando que. Sérgio Buarque de Holanda. reinante naquele início de mente na travessia entre os rios Pardo e Taqua- século XX. 341). no local descrito como Assim. Em 1940. 27). p. 1952. também compartilhou a mesma São Francisco de Salles. 1954. ocorreu um declínio gradual na po. E declarava fatalísticamente: “parece fa. p. 397) (Ilust. os conflitos com os tal a extinção rápida do povo cayapó-panará” Cayapó davam-se com mais intensidade nas (IHGB. durante os acampamentos diá- res. flitos da sociedade colonial com os Cayapó. Segundo Ale. dores da Comissão Geológica e Geográfica os Payaguá  e também com os Kadiwéu re- do Estado de São Paulo. nas e a vila de São Paulo. As terras teriormente. contra os interesses do fazendeiro extintos. dos Caya- Segundo a tradição recolhida por Alexan. f. lonial com os Cayapó. referência aos Cayapó a acreditar que eles ca- les foram defendidas pela luta dos próprios minhavam para a extinção. apenas um grupo reduzido de cerca de dre de Souza Barbosa. p. São Paulo. 39. na parte re- bosa. João Batista Siqueira. Nimuendajú apresentou um re- tonio Eustáquio de Oliveira na ocupação latório ao Serviço de Proteção aos Índios (SPI) da região (DA SILVA A. 6. Em uma correspondência de 1871. de tal maneira seus livros Monções (2000) e O Extremo Oes- que poucos deles viviam no Triângulo Minei. Os Cayapó atacavam principal- ria e sociedade. de um rio chamado Ariranha (IHGB. usando como fontes de transferiram-se para outra aldeia. com um total de 118 índios. no entanto. em Uberaba. os habitantes de São Francisco Salles ferente aos Cayapó. foram convertidas em baseando-se nos escritos de Lowie (SCHA- propriedades individuais em 1910. provavelmente a conhecida como “caminho de Cuiabá”. mas acrescentando Cayapó impuseram ao fazendeiro os limites que “hoje os Kaiapó Meridionais desapare- de sua fazenda em um espigão. Camapuã. de Souza Barbosa. margens do rio Pardo. junto aos umas trinta pessoas ainda vivia.. em 1918 existiam de Goiás”. Pos- 600 pessoas. do rio Pardo. ou que já estavam Cayapó. Aldeia Nova. doc. DEN. a Dire- toria Geral dos Índios de Minas Gerais infor- mava que. na margem do um dos palcos dos conflitos da sociedade co- rio Grande (APM-SG. 519). p. existiam duas aldeias Os Cayapó em Mato Grosso de índios: São Francisco Salles e Prata. ou então às margens dos povos de supostas fases culturais inferio. aponta muito bem como os con- ro quando foram encontrados pelos explora.

ALÉM DAS ROTAS DA CAMPANHA DE ANTONIO PIRES DE CAMPOS (ARQUIVO DA MAPOTECA DO ITAMARATI – RIO DE JANEIRO) Odair Giraldin 187 . MOSTRA A LOCALIZAÇÃO PROVÁVEL DE ALGUMAS ALDEIAS CAYAPÓ.ILUSTRAÇÃO 85 .MAPA COM DATA APROXIMADA DE 1770.

23 de dezembro de 1732. 188 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ . Paya. p. em 9 de setembro de 1737. 12-15. na região das Mas o cativeiro legal dos Cayapó foi deter. pela ordem régia de ria aconselhável fazer essa guerra a partir de 8 de Agosto de 1730.LANDA. t. não devendo ser estendido aos Bororo. 214). Rodrigo mandou Gonçalves Pereira. D. 205 DOCUMENTOS INTERESSANTES PARA A HISTÓ. Payaguá e Cayapó. algumas pessoas que participaram da guerra Rodrigo justificava também a escravização contra os Payaguá. f. pó. do-lhe que as pessoas que se interessavam em Esse “problema” existia desde o prin. p. 135-136. uma vez que as intenções dos morado- de Camapuã. garantia a escravidão em caso de índios apri- pitão general da capitania de São Paulo. Em 10 de fevereiro de 1728. não indígenas. De nada adiantaria as opiniões do mortas em um ataque indígena no sertão padre. em represália àqueles ataques. faziam-no com o único cípio do século XVIII. fosse bilidades e condições para fazer guerra tam- feita guerra contra os índios seguindo-se a bém contra os Cayapó. em grupos que atacavam as monções. então.III. que D. Após considerar que o territó- expedições. doc.204 Ao basear-se nessa lei. Os conflitos aumentaram substancialmente da também a todos os “gentios que infestam com o passar do tempo. 1986. sionados em guerra justa. uma ordem justo. mf 14. Nessa ordem. Payaguá. p. explicitamente. 27-28. como o trabalho de passagem dos rios. t. 131). um de São Paulo. região de Camapuã era o território dos Caya. em 1º de setembro de 1737. 1978. a ponto de a Câmara o caminho de Cuiabá”. pudessem se realizar devido aos ataques 206 DOCUMENTOS INTERESSANTES PARA A HISTÓ- RIA E COSTUMES DE SÃO PAULO. doc. res estavam respaldadas na lei de 1611. 405-408). afirmando que so- pelos ataques que sofriam dos Cayapó. setembro do mesmo ano. Em providência (CDHSP-AHU. os moradores de Cuiabá reuniram- veis por algumas mortes no sertão de Ca. p. afirmando ção da vila de Itu. um padre da cida. o mesmo pó seriam considerados escravos de quem os Ouvidor escreveu à Corte afirmando que se capturasse. p. t. Esta ordem não existiam na região de Cuiabá. bem Mas isto não significava que os conflitos como no “caminho de Goiás”. mas sim de Vila Boa (NDIHR-AHU. Cayapó (NDIHR-AHU. necessárias para a administração da região. régia determinou que se fizesse guerra contra uma vez que eles não se incluíam entre os os Payaguá  (AN/Cod. 454. t. trário. 1956. Estiveram presentes lei de 1611. rio cayapó era muito distante. Ao con- régia voltava a enfatizar que todos os Caya. para avaliar as suas possi- que. quando algumas objetivo de obter escravos (APESP-PC. presidida pelo ouvidor José mapuã. enviou uma ordem para o Ouvidor Geral Após terem vencido a guerra contra os investigar o caso de indígenas responsá. 75-104. enviar uma representação ao Rei. a junta decidiu que não se- minado. não RIA E COSTUMES DE SÃO PAULO.22. 292- pessoas (principalmente escravos) foram 36-1-55).205 estavam cativando indiscriminadamente Bo- Dois anos depois. com a popula. levando o Intendente e Provedor de 204 DOCUMENTOS INTERESSANTES PARA A HISTÓRIA Cuiabá  a recear que determinadas tarefas E COSTUMES DE SÃO PAULO. informa-se que a Cuiabá. os quais ali atacavam os viajantes. 36-37v) e.. entre os quais Antonio Pi- dos índios que fossem capturados naquelas res de Campos. p. em 1732. sem que se tomasse qualquer preparando-se para participar da guerra. p. as monções roro. de escreveu ao conde de Sarzedas. verdadeiro cenário de guerra. informan- HEMMING. 2000. D. Nela. 13. participar da guerra. Rodrigo Cesar de Menezes. 65 et seq. a guerra foi estendi.206 Arma-se. Discordava dessa estavam sendo constantemente ameaçadas escravização generalizada. 24. então a mais interiorana que os Cayapó estavam fazendo guerra aos das povoações da vizinhança de São Paulo. mente o cativeiro dos Payaguá  e Cayapó era guá e Guaikurú. se em uma junta. Em 5 de março. 176). então ca. minas de Goiás. mf 19.

poderiam ser dadas pelo mestre de campo. matando cerca de 50 pessoas. nossa ofensa”. como mostra somente poderiam ser vencidos com uma atu- Farage (1991). em 30 de Em 18 de dezembro de 1772. 4. com “centenas as bandeiras organizadas contra os Cayapó de léguas quadradas. a bandeira deveria seguir mas. en- Luis de Mascarenhas (NDIHR-AHU. eles praticados no Pará  e Maranhão. na primeira metade do século em armas. do Médico. 2. sa pegar em armas e prevalecer-se delas em deram-se pelos anos seguintes. deveria dispor os membros da conseguido atingir seu objetivo. notícia de uma bandeira que foi organizada Ela foi instruída para que seguisse as trilhas para explorar o sertão de Camapuã. 83. ao encontrar participantes ficaram frustrados por não terem alguma aldeia. organizada em pois se argumentava que os quintos não 1771 em Cuiabá. o com essa intenção que se formavam as ban. mf tão. já  na capitania de São Paulo”. Antonio Rolim de Moura. Luis de por  a ferro e a fogo tudo quanto encontrar. informou bandeira na melhor posição para atacá-la “e João Bicudo de Brito. 253). 1. ainda em 1772. segundo carta de Souza Coutinho a sou a corresponder-se com o governador do Martinho de Mello e Castro. pas. que de Melo Pereira e Cáceres. formar uma bandeira. de Pombal. situada entre a vila de não tinham mais essa característica de desci. 1. principalmente da forma como eram Camapuã. 2. 207 REVISTA DO ARQUIVO PÚBLICO DE MATO GROS- deiras. a D. D. as autoridades resolveram. Após ser cria. Mas de Vila Bela. vol. No caso dos Cayapó. Quatro anos depois. onde se localizavam as aldeias. em 1740. afirmava que expedira algumas argumentava. pessoas próximo a Cuiabá. a qual deveria ser 25A. Cuiabá  e a Vila Boa até além da altura de mentos. Odair Giraldin 189 . em 1744. destruída. vol. ao comandante de uma bandei- se dava com outros grupos da Amazônia. Mendonça Furtado. que se transformariam em escravos. doc. temos composta também por um grupo de Bororo. já  não era mais da capitania de São Paulo e. 203). Em represália. de dezembro de Pará. Cuiabá. Luis Albuquer- de Moura informava-lhe que muitos índios es. uma vasta extensão de terras. seu primeiro a oito léguas de Cuiabá  que foi totalmente governador. Antônio Soares de Godói. da ocorrência de vários matar todos os homens que pudessem pegar conflitos. na maioria das vezes a ordem era para que fragmentadas. ao que tudo indica. trabalhos para os moradores e para os jesu. ainda hostis. Estes. Mascarenhas (CDHSP-AHU. temos notícias. ao governador de São Paulo. p. devido sem mais facilmente encontrados. n. 2. Por serem considerados extremamente SO. conforme mostra um local próximo a Cuiabá. Seus Enfatizava ao comandante que. rio Taquari. Caso argumento de procurar novas minas de ouro. os bandeiras contra os Cayapó. na verdade. A sugestão foi seguida pelo governador ítas. escrevendo cravos tinham sido levados para Cuiabá. e com o marquês 1771 (IHGB-CU. v. A partir de então. como foi o caso das “instruções” XVIII. ainda.207 Encontrou-se uma aldeia da a capitania de Mato Grosso. tal como de Araújo. ra. Em carta a este último. D. com o dos Cayapó a partir do Arraial atacado. t. que apenas os Mura. pois nos últimos Cayapó e os Payaguá  deveriam ser cativos. IV. 1. nas forneciam mão de obra para realizar os Mato Grosso e Goiás (IHGB-CU. o então janeiro de 1754. a suas características guerreiras e por habitar Mas na segunda metade do século XVIII. onde inúmeros grupos indíge. dois anos haviam matado perto de duzentas muito embora estes dois últimos já  não fos. sem dar quartel a índio algum varão que pos- Essas informações sobre os conflitos esten. 33). perdesse a trilha. com o objetivo de atacar para a região de Camapuã e cabeceiras do os grupos indígenas para obter prisioneiros. p. Para ele. ação conjunta das três capitanias: São Paulo. 33). chamado Arraial uma carta do mesmo Intendente enviada. o governador Antonio Rolim governador de Mato Grosso. Os Cayapó haviam atacado estavam sendo pagos. 4. Francisco Lopes caracterizados como descimentos.

“caminho para Cuiabá” seguia pelo rio Pardo. revela que estava havendo. não encontramos aldea. Esta nova região em direção a ela. uma expedi- as ilhas para evitar os ataques. quando o território passou a ser saram pelo “caminho de Cuiabá”. RA. deixou-nos um diário a maioria da população cayapó. Desembarcou e caminhou do quase no mesmo sentido. sendo habitada pelo grupo Cayapó chefiado Essa nova informação. foi ocupada pelos Cayapó uma intérprete. 1872. Os problemas maiores ocorreram no sé- Através de dois relatos de viajantes que pas. 39). acreditava que naquela área estava dante dessa expedição. em e Vila Bela. Perguntando sobre No Mato Grosso do século XIX. t. disseram que ele estava em cípio do século XX. era ocupado pelos Cayapó. mentos de Cayapó semelhantes aos de Goiás. p. visitou outra aldeia. que adentrava a região para realizar movimento estava se dando no sentido leste. da província. seguiu alguns contatos.208 As últimas informa. e nela não encontrou oeste. preservado. em parte. que estava com a incumbência de explorar ciona um local até então não citado como o rio Sucuriú. pois afirmava relatando sua viagem. visitou a aldeia tida como do alojamento do gentio Cayapó”. na margem direita do gundo as informações do documento. atacaram novamente. Mais enfá. davam conta de que. pelo cap. mente. o cap. para atacar os Cayapó. alterações na e com o padre Manoel Ferraz de Sampaio distribuição populacional dos Cayapó. Manuel. so foi. A missão Langsdorff. 132-146. os Cayapó atacaram um sítio e ma. assim. encontrou. preferindo-se plo. Pode-se explicar esta ausência devido ao rela- comandada por um certo capitão José Gomes tivo desinteresse em ocupar a região entre os de Gouvea. movimento este já quase padronizado ninguém. Informam que não era aconselhável dor. Francisco de ção do governo da Província de Mato Grosso Oliveira Barbosa (1843 [1792]. E esse Botelho. Quando ele chegou à tratar-se daquela região “em que está  a força foz do rio Sucuriú. se. já do final do sé. à relevância dada. outro lugar fazendo roça. Como levava consigo parte do trabalho. em busca de uma passagem parte do território Cayapó. e do prin. que estava ocorren. a 6 de março desinteresse pela região deveu-se. Subindo o Sucuriú durante cerca no processo de recuo dos povos indígenas de dez dias. reini- DOCUMENTOS INTERESSANTES PARA A HISTÓ- 208 ciando a subida. e mataram sete escravos (SIQUEI. o rio de São Paulo para Cuiabá. 30) men. Ao referir-se ao rio entre este e o Taquari. afirma que um de seus afluentes. Selada. incorporar a região à administração pública vam. da mesma forma que esta era a outro sítio. durante o século taram uma escrava negra e seus dois filhos. principal- em 1798. apareceu um grupo maior na margem do rio.7.Morgado de Mateus organizou uma bandeira. descimentos de índios. meia légua do rio. p. seus moradores do rio Coxim. O território Cayapó em Mato Gros- a Navegação do Cuyabá  desde Avanhanda. conforme veremos em outra fugiram para o mato. rios Araguaia e Pardo. a cerca de ante a invasão “branca”. expedições governamentais que procuravam porque ali os Cayapó costumeiramente ataca. apenas à extração do ouro de Cuiabá 18 do mesmo mês. Pardo”. con- até a segunda década do século XX. Esse relativo Grosso. após do mercadorias com os viajantes de Cuiabá cinquenta anos de conflitos. 190 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ . uma vez que o va em té o R. quando o tenente já estava embarcado. O tenente avaliou o grupo RIA E COSTUMES DE SÃO PAULO. essa os chamou e. Ao chegar. A XVIII. Manuel. no rio Taquari. ções do século XVIII. conservou-se a informação de que a de terras para suas fazendas de gado e por região do rio Pardo e Camapuã era perigosa. para facilitar a viagem Coxim. “infesta rio Paraná. que. Manuel Dias de Castro. principal atividade econômica de Goiás. por exem- mir nas barrancas do rio Pardo. para a região de Mato na fronteira sul de seu território. o qual já  estivera trocan- culo XVIII. p. em 1783 invadido por paulistas e mineiros em busca e 1792. tenente e coman- tico ainda. culo XIX. No dia seguinte.

de espaço. guns deles estavam aldeados em Santana do nos anos seguintes. Al. Encontrou-a vazia e a roça dava sinais de que Já se discutiu amplamente que a conquista estava abandonada (BUENO. cimento verificado em Santana do Paranaíba. mulheres bição. habitando toda a re. até Leal. Em princípio do século XIX. Paranaíba e as ca. uma vez que eles eram os Mas ainda que não tenhamos maiores infor. aos “próprios nacionais” as terras das aldeias Odair Giraldin 191 . A do Paranaíba mantiveram algumas caracte. chamado José Garcia da última. 57v). da ocupação da terra. terras foram mesmo griladas. I. cada al- mações. devendo os Cayapó ção da lei das terras. de- Sucuriú. Isto se depreende de um ofício de como “hordas selvagens”. uma gleba a existência dessa aldeia. a qual mantinha de terra no momento em que os índios eram uma relação de contato regular. de julho de 1845. os Cayapó do Piqueri e Santana gulamento das missões. o Diretor Geral dos Índios informou ao de Queiroz. foi ques- Três aldeias. I. desde 1862. 8). Sebastião José de Queiroz. vinha tomando (esbu- da Diretoria Geral dos Índios de Mato Grosso. Em 1861. inalienáveis e destinadas ao usufruto do grupo para que procurassem proibir as “correrias indígena aldeado. mandava-se incorporar serem empregados na agricultura. através de sesmaria. so- grupos isolados (AMT-LRDGI. 74-74v). as que existem revelam. 1918. 1885. uma vez que aldeados. Um mês após a promulga- com o fim de caçarem”. uma vez que. pois até to do rio onde encontrara o grupo Cayapó. além daquela que um tacho de cobre e rou. do ao Presidente da Província (APMT-LRDGI. pelo menos. Após doar aquela  área. No Relatório elaborado em dância do Diretor de Índios. sem encontrar a passagem desejada. Infelizmente. f. essas havia um diretor de aldeia nomeado para ela terras puderam ser arrendadas pelos diretores (APMT-LRDGI. 101v-102). José Garcia Leal apelou para o Presidente da província que os Cayapó eram Diretor Geral dos Índios e o processo foi envia- perto de 400 indivíduos. não foram registradas outras portanto dez anos depois dos acontecimentos informações sobre o aldeamento do Piqueri. Podemos contato com os não indígenas: Santana do constatar esse conflito. mente foi exonerado daquele cargo em 1871. terras aos Cayapó. entre homens. outro morador. que ainda existiam vários retor de Índios. t. Piqueri e Taquari. II. 18-19). mencionado nos registros. Essa proi.em sessenta pessoas. monstra o processo paulatino de invasão da o tenente Castro retornou. I. das aldeias. tiveram estreito tão central durante o século XIX. Após chegar às cabeceiras do rio partir de reclamações de fazendeiros. Sebastião José 1848. 26v. Esse processo de arrendamento Como não eram aldeamentos oficiais e das terras das aldeias exacerbou-se após o re- regulares. f. gião entre os rios Paraná. (APMT-LRDGI. aquele momento as expedições de caça não desembarcou novamente e foi até a aldeia. lhando. t. vol. 9-24). terra que vinha ocorrendo na região. t. II. quando foi criada. enviado aos Diretores das Aldeias. Ao chegar ao pon. o Di- Relatava. t. como as expedições ras devolutas para aldear grupos considerados de caça. que as beceiras dos rios Taquari e São Lourenço. meiras. o assunto não foi mais Paranaíba e outros nas margens do Piqueri. f. em meados do século XIX. doou uma área de terra aos Cayapó. f. Das duas pri. de 1850. surgida a e crianças. segundo um termo da época) essas os quais estão guardados no arquivo público terras dos Cayapó. haviam sido objeto de reclamação. p. Tudo indica. temos notícias desde 1848 até 1882. deia recebia. seguindo um aconte- Paranaíba. José ram encontradas em dois livros de registros Joaquim de Moraes. lei de terras. Além disso. pois pas haviam sido mandadas para os índios em não deveria haver a necessidade de doação de 1853 e 1854 (APMT-LRDGI. Esse processo revela uma contradição. donos legítimos. entretanto. também. Tradicionalmente. f. entretanto. Essas áreas seriam 1864. isto tudo com a concor- daquele estado. um cidadão. A maior parte dessas informações fo. previa reservas de ter- rísticas de sua cultura.

monstra que não lhes foi destinada nenhuma segundo as informações da Diretoria Ge- parcela de seu antigo território. o comandante do destacamento do índios. 98v-99). explorando a estra.de índios que fossem considerados confun. Um morador da- Com o início da guerra entre Brasil e Pa. um aldeamento oficial. 31v-32). f. de Santana do Paranaíba. estavam” [segundo ele] “bem relacionados ção desse tenente. t. uma peque. a 12 quilômetros do Coxim. e a invasão da região ma. em informação da Diretoria Geral dos Índios.209 Segundo a informa. t. tente nas terras do fazendeiro. 1866. que ainda viviam autonomamente na região. quela Vila. ritual funerário e um encontrado. f. ao que permaneceram nas terras do fazendeiro Anto- tudo indica. 64- didos com a comunidade “civilizada”. f. foram reunidos. 61-61v). Capitão Joaquim Lemos da Silva. mas. como mão de obra. não eram mais consi. Mas. não tinham. éis” Cayapó que “infestavam” os caminhos de se. tenente coronel Antonio Borges de Sampaio. como vimos. Antonio Theodoro por Francisco de Sales Sousa Bueno. o capitão Joaquim Lemos da Sil- mandante. pois estava sendo criado um na do Paranaíba e Herculânea [atual cidade aldeamento na confluência dos rios Taquari de Coxim] tem trabalhado como camaradas e Coxim (APMT-LRDGI. em 1862. Mas esta não faz referência a É possível que. Des. va descreveu alguns aspectos culturais. Neste texto. alguns grupos o ato de doação feito por José Garcia Leal de. recém-criado. onde os homens dispersaram-se após a invasão do Brasil pelas adultos reuniam-se para deliberar sobre os as- suntos da aldeia (IHGB-CU. há (APMT-LRDGI. f. CORREIO OFFICIAL DE GOYAZ. raguai. II. um ano depois da fuga do co. ainda vivessem grupos de Cayapó gem (APMT-LRDGI. II. “já  os índios na aldeia de Cayapó. Lemos margem esquerda do rio Taquari. com a casa dos dente da província que os Cayapó do Coxim homens no centro do pátio. dança. gião e terminaram por formar uma aldeia na morador de Uberaba e sócio correspondente margem do rio Taquari. f. na segunda metade do quantos eram. diante do iminente conflito com o Paraguai Dos índios de Santana do Paranaíba. fugiu. Os Cayapó dispersaram-se pela re. em Goiás. 27-28) para junto aos lavradores da região” (APMT-LRD- servir também como destacamento militar GI. em 1864. Descreve a aldeia construída o Diretor Geral dos Índios informou ao presi. escreveu um pequeno texto sobre a história de to-grossense por tropas paraguaias logo em Santana do Paranaíba. pasta 18). II. circular. um dos Cayapó do Coxim com os primeiros entrantes. como a da de Goiás para Coxim. nem qual o seu território de ori- século XIX. os seus costumes havia morado na Aldeia Maria I. t. Após 1850. menciona sua experiência no convívio Taquari. 99-99v). n. chegou em Santana. morador de Carvalho (APMT-LRDGI. em seu Relatório Anual. tropas paraguaias (APMT-LRDGI. Ele objetivava aumentar a população Goiás e Cuiabá: “Os índios Cayapó de Santa- indígena aldeada. chamado Cap. Em 1866. relatou que havia planta da aldeia. 2 jun. revela em que se haviam transformado Diretor de Índios do Piqueri que se empenhasse os antigos ditos “bárbaros”. 64v). notícias até o ano de 1882. lata 501. mente. em 1865. para com os Cayapó. “hostis” e “cru- em atraí-los com brandura para aldearem. Esse capítulo foi enviado ao Cuiabá. nas terras de um fa. II. f. um tenente. 209 192 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ .140. servindo. Quando o cap. derados “horda selvagem” e não receberam Em 1872. t. t. recebido sesmaria das terras que nio Theodoro de Carvalho. pos primitivos”. II. ral dos Índios. zendeiro. II. pois. como os Cayapó não viviam em ram pura e simplesmente. na pequeno vocabulário. ao contrário. t. Por isso. A última isolados na cabeceira do Piqueri. no ano de 1882. em sua Aldeia ainda herão os mesmos dos tem- Nesse mesmo ano. do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. eles não se dispersa- sa maneira. na forma tradicional. em 1837. na aldeia exis- nenhuma  área das terras devolutas. Na parte referente aos seguida. o Diretor Geral dos Índios solicitou ao 1873. possivel- ocupavam.

Esta providência tem sido. aldeia era um Cayapó da idade de 40 anos.. como estabeleci- 210 os Panará e os Cayapó poderiam ser um único mento naval. cinco léguas palmeira. da mesma forma que de- febres palustres e pela miséria desejam mudarem. 12 milhas (em torno de 20 Pedindo também os desvelos desta Inspetoria quilômetros) da vila.] ã margem esquerda do rio Paranahyba. pro. era conhecido. que segundo estimou Kupfer (1870). no processo de fuga indígenas. Dr. Ele permaneceu Proteção ao Índio (SPI). como. grupo Jê. Dr. mencionados nas duas primeiras décadas do sitados por um viajante alemão. Além do capitão Joaquim Lemos da Silva. enquadrando-os entre os “índios selvagens” curando mudar-se para outra região. Estes índios. residentes nas margens do anos em 1857. Paranaíba estavam. Agradeço estas informações rio Peixoto de Azevedo. os Cayapó de Santana do 1924 menciona apenas os Kayapó do Xingu. te com uma população estimada em cerca de Odair Giraldin 193 . les que acreditaram que os Kayapó (seten- ção. As casas da aldeia eram está  um grupo de Caiapós residente a mar- construídas de barro e cobertas com folhas de gem esquerda do rio Taquary. Divisão de Documentação Escri- ta. AN. casa de um presidente da província de Goiás. mas que fugira e voltara a viver com seu povo. re. ainda. em número de 80 almas. Documentos em Caixa. no acima da sede da vila do Coxim em terras centro do pátio da aldeia. filme 379.210 refugiado próximo do Xingu. devem ser esquecidos [sic] um grupo redu- cido entre 1815 e 1820.. Estava localizada à margem direita do grupo. nome que lhes davam os Kayapó. “Notícia circunstanciada sobre a colônia Mi- litar de Itapura–pelo Ajudante Capitão Joaquim Ri.. às margens do Códice 807. o que seria uma bella acquisi. na região norte de Mato Grosso. foto 1074). Os Panará. Kupfer. fere a eles o relatório do SPI: tante. Foi Richard H. volume 15. Esse “capitão” são os antigos posseiros do lugar chamado “Aldeia”. 3 léguas acima da sua foz no rio Paraná. D`Angelis. por vezes. (MI. an- rio Tietê.. rolo 1538). Em 1881. O de 1831. mas é necessário lhes dar uma diaria até que trionais) fossem parte dos do sul que teria se edifiquem suas casas e plantem suas roças. Contando inicialmen- ao prof. antropólogo inglês. mas não mencionam os Cayapó que se deu após a morte daquela Cayapó. seção do poder executivo. Segundo informações daquele ano. precisam ter a posse da terra. Após em Goiás numa das expedições de Damiana essa data. foto 1074). por exemplo. Os Cayapó de Coxim (Herculânea) são os Cayapó de Santana do Paranaíba foram vi. como Kreen Akro- Cf. ao que tudo indica. quando criança. contou a ele que. século XX. foto 1530). próximo da colônia militar de Itapura. fornecidas pelo seu comandante: O ressurgimento da etnia [. três Novos estudos indicaram que estavam en- légoas distante da Villa de Sant’anna. filme 379. dis. vivera na filme 379. ganados os que acreditavam que os Cayapó lhadores práticos destes rios [. Existia. Eles são novamente mencionados no re- quando tinha mais ou menos dezoito anos. Foram beiro da Silva Peixoto–no impedimento do Diretor” contatados em princípios da década de 1970 [10/09/1881]. teriormente ao seu contato. monstraram a fragilidade da hipótese daque- -se para a Colonia. apenas o silêncio! Os relatórios de da Cunha e voltado para o convívio do seu 1923 tratam da questão relacionada às terras povo por volta de 1835. (MI. O “capitão” dessa devolutas denominadas “Boa Lembrança”. Wilmar R. quem inicialmente lançou a hipótese de que Esta colônia foi criada em 1853. em do Coxim (MI. Heelas. assim se re- durante quatro dias na aldeia dos Cayapó. a casa dos homens. latório da Inspetoria em 1918: “Também não Tudo indica que esse “capitão” teria nas. segundo ele. em dois relatórios do Serviço de que esteve no Brasil em 1857. pedida. Deve ter sido levado a viver Taquary” (MI. Em 1915. pois estava com 40 zido de Cayapós. existe um aldeamento de índios Cayapós mansos e traba.] Dizimados pelas estavam extintos. filme 379.

2). 1987). passando a anotar as palavras que lhe ditavam. uma delas. enquanto que o mesmo ocorre em 27 contrado pela Comissão Geológica do Esta- (81%) dos 33 termos da lista de Saint Hilaire. Esse grupovivia na al- 1894). Da de uma área de campo aberto. de Goiás ou do sul de Mato Grosso no final nará (HEELAS. levando-se em consideração a gran. rá. Uma delas foi coletada por Kupfer rios Paranaíba e Grande. Mencionou. quando encontrou (1870) e outra por Nehring (EHRENREICH. chega. 3 não conheci. p. RO 211 que perguntava sobre o significado de cada DRIGUES. bros daquela expedição. Comparando-as gistrou que eles se autodenominavam Pana- com as duas outras listas conhecidas. 4 incompreensíveis. nas margens do rio Grande. muito duas outras foram coletadas em Santana do curioso. se obter o tamanho desejado. que esta hipótese é verdadeira. Barbosa decidiu. felizmente atraiu a Além das listas de Saint Hilaire e Pohl. O segundo trabalho antropológico entre os a seguir. sobreviviam apenas 79 pessoas. às margens do rio Paranaíba. 256). que os inimigos estão no leste e não no oeste dos e 7 não cognatos. do de São Paulo. a prática de escarifica- detalhada. Barbosa re- Heelas ou Schwartzmann. uma pequena cidade do atual Mato Alexandre de Souza Barbosa trabalhava. Luciana [Comunicação pessoal]. Heelas verificou a exis. 35 são palavras similares Aquele grupo de cerca de 30 pessoas en- (52%). ainda se a 93% de fonemas correspondentes entre jovens. Paranaíba. ção da testa com um pequeno arco e flecha de depopulação ocorrida naquele momento. tras evidências possíveis da relação entre Pa- do foram transferidos para o Parque Nacional nará e Cayapó. no aldeamento goiano de São Peixoto de Azevedo representassem um gru- José de Mossâmedes. a técnica para realizando uma descrição etnográfica bastante construção de cestos. Schwartzmann coletadas por Saint Hilaire e Pohl em princí. po de Cayapó não assimilados que fugiram tência de termos cognatos com a língua Pa. no entanto. mas que não foram analisadas por cidade de São Francisco Salles. 1987. Mas. Schwartzmann. os jovens índios diziam: “minha 194 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ . após dois anos de contato. Era um grupo de apenas 4 pessoas. DOURADO. apontou ou- nará reduziram-se para menos de 100. e cognatos. onde havia um ras das fazendas da região do extremo oes- aldeamento cayapó pelo menos até o final do te do Triângulo Mineiro. como Pohl. a própria tradição como cognatos. com 33 termos. A forma de construir flechas. 1979. unindo-se pequenos segmentos de bambu até elas foi o primeiro antropólogo a estudá-los. da lista de do XVIII. Grosso do Sul. próximo da atual XIX. os Pa. 1993. temos embora provocasse pouco interesse aos mem- que 62% das palavras são similares. contendo 65 termos. concluiu que era provável que os Panará do pio do século. p. (SCHWARTZMANN. todas elas idên- Ao comparar as listas de palavras Cayapó ticas entre os dois grupos. como não conhecidos e 20 não cognatos. medindo as ter- confluência com o rio Grande. do Xingu. Quan. montar um as palavras. da comparação das duas listas. 19 são floresta fechada do rio Peixoto de Azevedo. He. 5 como incompreensíveis. para a área de lista de Saint Hilaire. na confluência dos século XIX. ambas da segunda metade do século deia de Água Vermelha. consideram-se 26 evidência dessa hipótese. ou início do XIX.600 pessoas. como agrimensor. Ele reexaminou as mesmas listas analisadas Cayapó-Panará por Heelas e concluiu que. então. na em 1911. Veremos. Panará foi realizado por S. Assim. Assim. 14 Panará de que seus ancestrais vieram do leste. para curar dores de cabeça. um grupo de Cayapó. a cada vez DOURADO.211 vocabulário da sua língua. atenção de um morador de Uberaba. dos 65 termos fornecidos por Pohl. Schwartzman na década de 1980 (SCHWARTZMAN.

em vista do desenvolvimento daque. que. As pesquisas (não caça. nha 12 anos. do XX) existentes no Brasil. que depois teriam mudado para os lados de de 1918 (IHGB. atualmente. Cayapó. chegou-nos até o pre. Goiás etc. Com o auxí- as palavras ditadas por seus filhos. nos anos 1990. a velha lio de informações como as de Alexandre senhora corrigiu algumas delas. Descobri que. afirma presença e agência histórica dos grupos in- Barbosa. Devido a essa feliz atitude de Alexandre sendo que os últimos eram considerados ex- de Souza Barbosa. demonstraram que podem existir descen- rial para os linguistas poderem estabelecer dentes daqueles Cayapó vivendo no interior um quadro mais detalhado das línguas indí. possam ser facilmente con. há 36 anos (1962). de Souza Barbosa. foi possível relacionar do outras. os Panará e Cayapó. Após ler-lhe dígenas nesta região do Brasil. Neste local. Lá chegando. o mesmo grupo. bem como fornecer mate. eles tratados por esse termo. Ela chamava-se Cândida oportuna uma iniciativa de trazer a público e foi descrita por Barbosa como simpática este importante documento. as casas não eram dispostas em resolvi consultar as gavetas do fichário por assunto. Ele afirma. São Paulo. acrescentan. -chaves com índios. Estas informações deixam claro que sente o vocabulário mais completo sobre a pesquisa em arquivos revela enormes e a língua cayapó. acredito que seria muito para convencê-la. ressado em recuperar todos os agentes his- ainda.. os quais publi. Após todos os tipos de consultas por palavras. até a idade de 12 anos (ele conta guas. não contemporâneas (final do século XIX e início queria ir até o acampamento de Barbosa. fui verificar porque este documento não havia sido mencionado nos catálogos do IHGB. podemos avançar a hi. Essa foto fora guardada no Odair Giraldin 195 . Posteriormente. Ainda que algumas das afirmações de Ale. do Triângulo Mineiro. Presenteada e exemplar para nos auxiliar no resgate da e tratada com carinho. ela resolveu. da narrativa de situações de pesca e tóricos de nosso passado. afirma que ele ia com seu antropologia física e dos estudos sobre lín. Tratava-se do manuscri- to de Alexandre de Souza Barbosa.212 de onde ficava a Cachoeira Vermelha. mas em linha reta. portanto. outra cidade do Triângulo Mi- cam a relação de documentos recebidos por aquele neiro. Trata-se de um conjunto agradáveis surpresas ao pesquisador inte- de mais de setecentas palavras. dois grupos indígenas. o no catálogo publicado na RIHGB consta a palavra Paraná e não Panará.39). xo. Vermelha). em regiões próximas genas existentes no Brasil. além da aldeia de 212 Encontrei este rico documento no Instituto Histórico Cachoeira Vermelha. A mãe. Foi necessário. escreveu um livro sobre a história da cidade. Apesar de saber que os Cayapó tinham sido sempre círculo. muito esforço Desta forma. um índio Cayapó. Em Iturama. e por isso o manuscrito estava qual apresentava como ilustração uma foto de incógnito naquele arquivo. doc. um caso raro e “notavelmente inteligente”. conta o marcenei- e o quanto estava informado das discussões ro. pai pescar. existia outra mais abai- e Geográfico Brasileiro. vam pescar num lugar conhecido como ca- las diversas disciplinas científicas. seu pai assobiava e apareciam os índios. elas nos choeira dos índios (possivelmente Cachoeira revelam o quanto era “curioso” nosso autor. num local chamado Canal de São Simão. Vejamos algumas informações consegui- xandre de Souza Barbosa proporcionadas por das por Sônia. ali guardado des. quase por acaso. Sônia entrevistou uma professora que instituto. Nesta última. Um marceneiro de Uberaba. reticente. no Rio de Janeiro. também.mãe é que sabe tudo”. Fiquei extasiado quando localizei este docu. por um erro de ortografia. suas incursões pelo campo da arqueologia. decidi procurar pelo assunto permaneceram até quando o marceneiro ti- Panará. Mato Grosso. hoje com 48 anos de idade). e mento com a entrada Panará. acrescido. lata 188. A partir dele. pesquisadora do Ar- Schwartzmann de que Cayapó e Panará são quivo Público de Uberaba. filho de pai Krenak. publicadas) desenvolvidas pela historiadora pótese proposta por Heelas e ampliada por Sônia Maria Fontoura. Eles costuma- testadas. tintos. “ensinar-me a língua”. segundo ele.

apenas uma história daqueles índios. Tita). Posteriormente. quanto as tradições orais indicam que os trou. Tita. que afirma que que pretendia criar um memorial em honra parte das terras de suas fazendas fora tomada dos Cayapó. que Alexandre de Souza Barbosa teve com os ra dos índios” em companhia de um negro Cayapó-Panará no começo deste século. de nome Flausina (co. varicela e um desses lotes ao índio João Luiz. aquele índio que mestrado na UNICAMP. por várias vezes dis- foto. as terras dos aos índios. D. Este último afirmava que. rodeando dos documentos consultados oferecem pistas uma praça onde realizavam suas festas. do rio Paranaíba? Questão também ainda não mente. Acredito que novas encontrou ainda um fazendeiro muito anti. tar que um grupo tão importante na história dou-se dos nomes Cayapó para: farinha. que não tuberculose. desafios desta “aventura histórico-antropoló- os índios morando em aldeias circulares com gica”. Tita forneceu uma lista com o nome seram-me que não havia documentação outra dos índios que moravam na Água Vermelha sobre eles. deixar sinais. fogo. descobertas certamente surgirão. Qual criada na aldeia de Água Vermelha. Cayapó-Panará realizaram um deslocamento ta. Como tanto as informações documentais. Sônia entrevistou um italiano Tive a felicidade de ser “premiado” com que se mudou para a cidade em 1926. Ainda na cidade de Iturama. até pero que outros pesquisadores se lancem aos 1916.arquivo da prefeitura local por um ex-prefeito go. por nome José Queiroz. com cerca de 68 anos Grosso. mandioca. Na década de 1950. que os dizimaram. Sônia encon. migratório do Triângulo Mineiro para o Mato nhecida como D. Ela recor. uma velha senhora. no lado mato-grossense marceneiro de Uberaba que vimos anterior. de onde a relação entre os Cayapó-Panará do Triângu- saiu com cerca de 30 anos. em conversas com não reclamou seu lote de terra em Iturama e pesquisadores conhecedores da região e da de quem nos resta. resta-nos algumas indagações: como de idade. Tita diz que seu pai era índio (bu. 196 RENASCIDO DAS CINZAS: UM HISTÓRICO DA PRESENÇA DOS CAYAPÓ-PANARÁ . procurou reclamar seus direitos. Em Frutal. gre) e sua mãe negra. Uma intuição (daquela própria ao palavras de Alexandre de Souza Barbosa e leu exercício da investigação) levou-me a acredi- algumas palavras para Dona Tita. numa localidade chamada de Alexandri. Portanto. e ele assegurava ter visto. Es- chamado André. exceto aquela deixada pelos agen- e que foram embora no mesmo período em tes coloniais da Capitania e depois Província que ela deixou o local. As informações do livro de Barbosa e casas cobertas com folhas de buriti. D. Este meu “encontro” com o relato do encontro afirma que costumava ir pescar na “cachoei. respondida. atualmente. visando minha dissertação de são sobrinhas do João Luiz. Relata ele que os índios sofreram índios que sobraram foram loteadas. ainda existia. Elas Kayapó do Sul. Sônia sugestivas quanto a isso. Esta informação coincide com a do tana do Paranaíba. no início lo Mineiro com aqueles que viviam em San- de 1960. cabendo várias epidemias. colonial brasileira não teria desaparecido sem fogão. que afirma ser “bugra” e que foi isto teria corrido? Ainda não o sabemos. Sônia levou a lista de de Goiás. como sarampo. Sônia Quando iniciei minhas pesquisas sobre os encontrou também uma irmã de D.

PARTE 4 História dos atuais povos indígenas .

.

A discussão de cultura. uma mesma forma de vida social e. diáspora ou em situações de muito contato. po étnico. com ênfase além das circunstâncias territoriais. para Fredrik Barth (2000). faz-se necessário dar a conhecer os dois núcleos po. mais do que qualquer ção étnica. que não rejeita o significado do espaço territorial na organização societária. para do presente etnográfico guató. Habitantes de duas uma consequência da organização de gru- unidades da federação. so. ao afirmar que “o Guató é um habi- tante aquático por excelência. A noção de pertença. a do contraste. Dessa for- O objetivo deste capítulo é oferecer dados ma. mas aparta-se das Introdução considerações acerca da supremacia quase exclusiva dos fatores geográficos. proclama no conjunto de sua população localizada em os usos. de certa forma. enquanto se torna cultura Mato Grosso do Sul. após o ato que sancionou a ções inerentes à organização social. M. Costa Tem Guató aí. divisão do estado. em Mato Grosso do Sul. é considerada a partir de expressões tó. nuidade temporal. em um livro que se propõe a dar visibili.213 admitindo mudanças no passar do tempo. Guató: povo das águas Anna Maria Ribeiro F. são aqui considerados no Tem Guató lá. A presença guató em Mato Gros. 425). sentido de “morfologia social” proposto por Tem em todo Pantanal! Marcel Mauss (2003 [1905]. mas dade principalmente aos povos indígenas em adquire uma nova função. o título “Guató: povo tendida mais como uma implicação da etnici- das águas” apoia-se nas impressões de Max Schmidt dade e percebida em um contexto de intera- (1942. p. A cultura. essencial e que se acresce às outras. em 11 de outubro de 1977. como produto de relações outra tribo do continente sulamericano. M. portanto. tó. por- Anna Maria Ribeiro F. entendida como em Mato Grosso do Sul. Cunha. 99). Por compartilharem uma mesma (CUNHA. de. A respeito da etnia guató. faz jus ao fato de que de contraste: este novo princípio que a subten- esses dois núcleos constituem um mesmo gru. determina vários aspectos. p. uma mesma conti. em Mato Grosso. costumes e modo de ser como condi- Mato Grosso e. não se perde ou se funde simplesmente. na pulacionais.é en- 213 À guisa de uma explicação.” sociais históricas. o sociólogo e antropólogo francês. isto é. Costa 199 . A cultura original de um grupo étnico. e na Terra Indígena Gua- culturais manifestas nos modos de um povo. 1986. para citar Manuela Carneiro da encontram-se na Terra Indígena Baía dos Gua. 249). p. noção de história. os Guató atualmente pos étnicos.

trouxe-os vas de alteridade e pertencimento. faz uma comparação lexical e gramatical gina. de- vem ser analisadas. p. o terminação do pertencimento. (BARTH. mesmo Mas. 2005). Martins “descobrir ou indicar. [1845]) informou que é uma língua doce. possibilitando estabele. Florence (1977 [1825-29]) qualificou a lín- disso decorre a existência de critérios para de. dentro dos conceitos (2011. alternadas e breves. “transmissão considerada baixa”. corixos e lagoas do complexo do Pantanal. os adjetivos da língua são os ver- bos” (PIZZINI. p. estudos linguísticos apon- recrutamento definitivo como também os modos tam que se trata de “uma língua que não tem de expressão e a validação contínuas [sic]. de uma língua do tronco macro-jê. indivisível. de volta pelos labirintos aquáticos dos rios. e na sustentação à vida coletiva. pro.. Mato Grosso. A tipologia documen. 34). p. Mato Grosso do Sul. 200 GUATÓ: POVO DAS ÁGUAS . o povo Em um tempo mais recente. Se um grupo mantém sua identidade sões sobre as peculiaridades linguísticas. inspirada na trajetória icono. (1986) notificou que os Guató são falantes do localidades distintas. p. Rodrigues Guató é único. bibliográfico. conserva. das quais eles são mantidos. étnico. o “volume mental” praticado pelos caso dos Guató. e geográfico não são coincidentes. dois núcleos guató. Dentro desta prerrogativa teórica. como no Ariadne. Neces. ser a tese de doutorado de Palácio (1984)”. ainda que possam ter contrapartida gião dos Guató demonstraram suas impres- territorial. bilidade de a língua guató ser um membro pre atenta aos rastros deixados pelo caráter do tronco macro-jê. para mais adiante do que já se sabe. enfatizada por categorias atributi. família os agrupamentos formam um único grupo e língua guató. apropria. assim como as que se pode ouvir são palavras monossilábi- maneiras de assinalar este pertencimento ou exclusão. não só as formas de Em tempos atuais. quando seus membros interagem com outros. Nos dois estados. As fronteiras sobre as quais devemos concen- Vários viajantes que percorreram a re- trar nossa atenção são evidentemente frontei- ras sociais. 14) indicam que trama histórica que se pretende construir aqui há cinco falantes da língua nativa. No que se iconográfico e cartográfico. Assim. Os grupos étnicos não são apenas ou cas. lor (2). registra e concebe para verificar a “consistência da hipótese le- a ideia de paisagem”. sendo este constituído subjetivo das fontes.tanto. “trata-se de pôr à luz nos traços culturais.. e as diferentes maneiras através especialmente se pronunciada por mulheres. tórios exclusivos. indicador da existência de apenas um curase. 553). assim como o fio que orientou Teseu que membros de uma mesma etnia partilhem e o trouxe de volta graças ao presente de sua territórios distintos e fragmentados. como um fio desenrolado teira étnica. “a língua Guató apresenta o va- fontes orais. de que forma o ser humano ima. apresentar uma etno. 17): Posteriormente à sua constatação. mesmo habitan. p. constrói-se nos aspectos simbólicos e (1996 [1990]. 2000. hoje é falada por alguns indígenas nos nú- por adotarem um conjunto de ações que dão cleos de Corumbá. 24) apresentou um estudo em que de cultura. gua como rápida: durante uma conversa. adjetivos. o que define grupo é a fron. e redimensionado durante séculos. em que medida o documento é instrumento sariamente. documental. primárias e secundárias. Sob a ameaça de extinção. Pes- que ambos entrelaçam-se em uma complexa quisas de Postigo (2009. gráfica das águas de Bertoloto (2006. Como assegura Le Goff por doze famílias linguísticas: Jê. neste estudo. Kamekã. as condições de produção [. as fronteiras de conteúdo cultural de um poder”. com uma pelo relato oral.] e de mostrar cer a fronteira da identidade étnica. entende-se região de São Lourenço. que sabemos história guató. trabalho linguístico realizado. vantada por Rodrigues (1986) sobre a possi- tal orienta um percurso da narrativa sem. Já Castelnau (2000 necessariamente baseados na ocupação de terri. segundo Pos- Com base metodológica alicerçada nas tigo (2009). refere à quantidade de estudos.

É o lugar de se apropriar das coisas. Costa e De Paula (2000a. co- 216 (1984. investimentos nos tempos e nos espaços cos” (2002). em face dos quais buscavam um relativo equilíbrio. A políti- tender o contato dos Guató de ambas as Ter. indivíduos que tomaram parte de encontros/ Dentro da problemática apontada para en. Sauzilândia. Em seu estudo. de desterritorializar indica a desordem. Karajá. Mato Grosso. o ato (Secretaria de Estado de Educação. introduzida nos novos padrões de relaciona- se. texto e da problemática aportada na preocu- veitadas no interesse de reforçar o poder de pação em “descobrir ou indicar. mente ocupadas pelos índios Guató e a seus veira (1996. constituindo-se. Bororo. cia e. principalmente. portamentos. conceitos de cultura. Migliácio (2000). do norte da Zululândia. existem os estudos de Palácio Um território refere-se ao espaço vivido. Índios e nadas. Costa 201 . Os agentes de contato conduzem as socie- Ofayé. culturais dentre outros.215 A respeito disso. compatível às (2003). busca novos saberes. Moçambique). na região do Ao tomar por base Oliveira Filho (1988). sentido. que se entrecruzaram à sua história. Portanto. simbólico-cultural que. Krenák. a abordagem aqui adotada apoia. M. o que se estabeleceu durante o deve-se dar relevo ao estudo de João Pache. contato não é visto simplesmente como fa- co de Oliveira Filho (1988). limítrofes não são percebidos apenas como 2000b). adaptação ao novo) acham-se dentro de um processo ração da ponte Malungwana. consequentemente. ca de desterritorialização e reterritorialização ras Indígenas com os não índios. rio São Lourenço. Giovani José da Sil. GUATTARI. estabelecesse. Nesse sentido. Yatê. é gena Guató. baseia-se contato que chegaram às terras tradicional- na releitura dos trabalhos de campo de Oli.“Pequeno Dicionário da Língua Guató” sociais. como uma relação de depen. intitulado “Dando a nhecido. habitantes da Terra Indí. aos constantes desa- dência incontestável: justamentos.Maxacalí. desencontros nas teias das relações. Purú.216 dos por Max Gluckman. so de reterritorialização indica o afastamento. tal consultada para a elaboração do presente dades das próprias instituições nativas. 1987. Terra Indígena Baía dos Guató.214 dades indígenas. de que forma o ser hu- 214 Sobre a língua guató. afluente da margem es. Brasil (2003) e Barros (2006). Oliveira (1996. e o contato não pode ser entendido de não índios são conduzidos à interdependên- forma reduzida. 1988. 2002). Gluckman (1987) analisa as relações adesterritorialização (carregando o sentido de nãoper- estabelecidas entre agentes de contato europeus e tença) e a reterritorialização (carregando o sentido de comunidades africanas ocorridas durante a inaugu. social. 10). Anna Maria Ribeiro F. 215 Baseado em dados coletados entre os anos de 1936 estes menos instituídos e menos previstos. Zimbábue e um agente ativo de uma nova territorialidade. antes. a per- Sul da África (território atualmente correspondente da de territórios. a Em referência à etno-história dos Guató de uma ressignificação imbuída de uma leitura Mato Grosso do Sul. O proces- e 1938 junto ao povo Zulu. em proporções violentas. (OLIVEIRA FILHO. Lesotho. 1992). Quanto ao núcleo populacional da suas necessidades. de mobilidade tanto individual quanto coletivo. de com- palavra aos Guatós: alguns aspectos sociolinguísti. por conseguinte. mas como va (2008). este estudo levou os índios a um novo ordenamento cul- reporta-se às concepções teóricas das ciên. 2004). A forma e a função Com base na análise da tipologia documen- concreta que assume decorrem das virtuali. imposto por forças estranhas ao grupo huma. fatores externos à vida indígena. torna-se possível verificar que os agentes de querda do rio Cuiabá. dentro dos indivíduos ou grupos situados no pólo [sic] dominado. para que a convivência se A dominação não é apenas um fato externo. Guató e Rikbaktsa”. (Consultar DELEUZE. tural que os conduziu a uma reorganização cias humanas a partir dos preceitos formula. de Lima. por consequência. 2002) e de Mar. em elementos indígenas encontram-se intimamente relacio. porque nele se tor desintegrador da sociedade indígena em percebe que as instituições indígenas e não questão. momento em que deverá tornar-se à África do Sul. 2002) e Brasil determinada unidade social. apro. no diretamente observado. nos trabalhos de Cruvinel mento que os levam à manutenção de uma (1985 [1977]). p. tação que. de ckman descreve a maneira como Zulus e Europeus território conhecido para um território não conhecido adaptam seus comportamentos uns aos outros. Assim. Karirí. Glu. a fragmen- tins (2011).

2006. por exemplo. não inclusa a Terra Indígena Baía dos Guató. é bastante cia. Desde as primeiras notícias datadas do sé- especialmente sob o ângulo do impacto das culo XVI sobre os Guató. há dificuldade em estu- da Atenção à Saúde Indígena (SIASI). têm-se dados sobre atividades agropecuárias. a região também costumava ser agi- presentando um território que se sobrepõe tada por mucudingligli. de uma forma de filiação patrilinear.gov. cristãos. a chegada de e caracterizada por um referencial geográ. O IBGE aponta o que não significa que seja inexistente. Tem Guató lá. 20 na leitura dessas fontes e oferece interessante material Sudeste. 6 na Prainha e 110 na São Benedito cristianização. momento em que as famílias se pela ação fundiária da FUNAI (Fundação Na. Também estão no rol de suas responsabilidades as atividades da caça. unem para realizar cerimônias de casamen- cional do Índio).218 rável do antropismo e do desflorestamento. espírito maléfico de ao oficial. sofrem as consequências do avanço conside. indígena. especialmente para uma discussão toriais são moradas de um grande pássaro. tal. há 152 indígenas habitando a Terra Indígena Guató e. o homem guató encarrega-se de confeccionar os equipamentos destinados à caça e à pesca. tempestades destruidoras. 2 na região Nordeste. A festa de São João. A religião desse grupo é considerada (Consultar <http: //www. A su. que não direciona cleares. produzindo barulho intenso. referidas terras indígenas. atualmente acham-se Tem Guató aí. perfazendo uma população fomos ajuntando as pe- aproximada de 352 indivíduos. p. conserva. tural. apropria. são 199 indíge. eminentemente cultural. distribuídos em núcleos populacionais locali. Tal situação espe. no período anterior ao processo de Aterradinho. não computa. os Guató. os da religião católica. dentre eles. sencialmente canoeiro”. obrigou os Guató a criar e a recriar cer. 35). uma incógnita por Jorge Eremites de Oliveira (1996). dentre eles. 2001). tas práticas como estratégias de sobrevivên. sobre o tema. Em ambas as terras indígenas propostas comemorada. o marevó. 278 na Centro-Oeste. segundo os dados do Sistema de Informação 218 Para Ribeiro (2005.saude. a cosmologia guató une-se aos preceitos lado. em Mato Grosso e Mato E devagarzinho.gov. penas escuras: a águia pesqueira. chifres. 12 na Sul. 9): “um exemplo etnográfico de grupo es- tantes no entorno das terras indígenas. Na distribuição das atividades.br>. por outro hoje. faz uma re- saber: 1 na região Norte. O mesmo uma distribuição dos Guató nas cinco regiões do autor. de acerca da noção de território geográfico cul.mano imagina. p. re. Grosso do Sul. respectivamente). 202 GUATÓ: POVO DAS ÁGUAS . registra e Os Guató concebe a ideia de paisagem” (BERTOLOTO. assim como de outros gru- nas habitando a Terra Indígena Guató: 83 na aldeia pos indígenas. zados na Terra Indígena Baía dos Guató e Ter. p.br> e <http: //por. a perspectiva de viajantes e missionários. em seu artigo sobre a religião dos Guató na país. com interesses antagônicos. da De acordo com os dados do último censo demográ- 217 fico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). medidas para uma ocupação ordenada e de autônoma. dar a religião dos Guató. mas.217 Ao seguir a proposta teórica de Said (1990 Os Guató creem que seus domínios terri- [1978]). que chegava numa nuvem de besou- perposição desses territórios foi responsável ros. Segundo a crença fico específico. ças de um grande mo- da a população que vive além dos limites das saico. Nos dias de pela emersão dos conflitos. DE PAULA. uso racional dos recursos naturais ainda res.ibge. Tem em todo Pantanal! ra Indígena Guató. a noção de fronteira entre índios e não Acreditam os índios que o ato de matar a ave índios é concebida com propósitos distintos é de mau augúrio. 18). os núcleos populacionais to e batizado (JOSÉ DA SILVA. a organização social baseada em famílias nu- lha a legislação em vigor. Nos termos de Oliveira (1996.

limitada exclusivamente à alimentos. mandioca. frango d’água ração do rio Paraguai” (COSTA E SILVA. meados do século XIX. cará. O pau de 220 A palha da palmeira do acuri também é emprega- da para a cobertura das casas e para a confecção de cavouco. mesmo que utilizem a espingarda. zagaias. inclusive de um complexo de (Attalea phalerata)220 foi descrito pela primeira povos canoeiros formado por sociedades cul- vez no século XVI pelo explorador espanhol tural e linguisticamente distintas”. de mosquito e mosquiteiro). guatá. algodão. no comando de uma bem municiada Sul. Vaca (1987 [1555]). Guatos. Entretanto. (Phimosus infuscatus). do Pantanal. cada onça militares e fazendeiros. o abano e a esteira. au. nome tomado de inúmeros registros sobre a presença guató na uma das principais etnias que ali existia. cos.peça e da coleta. Goatos. quando se intensificou o processo de ocupação da região do alto Para- cepção dos Guató. espécie nati- va colhida no período das cheias. Guatás. do povo Guató: a mobilidade espacial. 64). especialmente o acuri. partiu na Terra Indígena Guató. circular. consistia em um indicativo de pres. dançador do cururu. dentre outros compõem o equipamento Anna Maria Ribeiro F. próximas aos Arcos e flechas. ao percorrer o Mar formação ainda é incerta. Além disso. Não raros são os rela- em guarani. aterros que estavam arroz-do-pantanal ou arroz-bravo. tínez de Irala adentrou a região que viria a Guatòs. Irala. tou Oliveira (2002. permaneceu inalterada até Oliveira (2002) ainda informa que. respectivamente. dividindo-o com as mulheres. de Xaraés à procura de ouro e prata. cabia a confecção de utensílios de tó no Pantanal. como fundamen- barro e de tecidos. Às primárias que indicam a localização dos Gua- mulheres. Incorpo- trada na roça do núcleo da aldeia São Benedito.219 bem como o preparo de A ocupação guató. na con. tanto os dos núcleos populacionais em “novembro de 1542. Até que sejam maior comodidade. especialmente após a Guerra do Paraguai mepago. Guattos e Guatues. atualmente Pantanal. O viajante espanhol Domingo Mar- Os Guataes. de Assunção iniciando a navegação e explo- todenominavam-se maguaató. tos que documentam a economia de subsis- transitar”. povo do ser nominada Xarayes. pois também se con. Costa 203 . brejos. Ambos os sexos trabalha. utilizadas. Pantanal. a bordo de três ber- de Mato Grosso como de Mato Grosso do gantins. nos terrenos elevados. 2008). (SILVA. em roças localizadas tó compõe-se de frutas. abóbora. abatida concedia ao caçador o direito a uma mulher. tígio e de coragem. M. também encon- protegidos das inundações fluviais. bodoques. que significa “caminhar. é possível encontrar los Xarayes ou lago Xarayes. na Terra Indígena Baía dos Guató como tropa e um numeroso grupo de índios. G. registrou sidera uma derivação do verbo andar. região. Dentre os produtos executado por homens e mulheres para dar da coleta acham-se também as iscas. (1864-1870). cana-de-açúcar. complexo mosaico sociocultural no centro da ciador da bebida à base da polpa doce do acuri América do Sul. no período das dis- vam na elaboração de peças trançadas. 2009. 8). Sob as ordens de Núñez Cabeza de rios. arma- cursos d’água. 219 A atividade da coleta desenvolvida pelos Gua. Também coletam matéria-prima des- tinada à elaboração de artefatos trançados (cestos. Guathós. batata. o fato de matar uma onça. dilhas. porretes são comumente empregados esteiras. esta in. região pantaneira. são armazenadas em valas. espécie encontrada em p. artefatos líticos. atividade de- senvolvida por homens e mulheres. p. abanos) e tecidos com fibras vegetais (abano por homens na atividade da caça e da pesca. às raram a essas atividades o trabalho artesanal. conchas de molus- utensílios como o cesto. permitia participar Ricas podem ser consideradas as fontes do ritual de passagem para a idade adulta. margens do rio São Lourenço. Numa sucinta passagem cronológica ini- quando o Pantanal era conhecido por laguna de ciada no século XVI. dados sobre os Guató. com a presença de ex-soldados. cabaça. corixos e baias. Contudo. fumo. guai. em referência à grande característica tência direcionada ao cultivo do milho. se adolescente. putas entre Portugal e Espanha pelo domínio O povo indígena guató. Alvar Núñez Cabeza de Vaca (1987 [1555]). a região era composta por “um tocador da viola de cocho e do ganzá e apre.

1995. em suas viagens de 1901. lugar Langsdorff. a área dos índios incrusta- 221 As ramas de aguapé são uma riquíssima fonte de ma- téria-prima empregada pelos Guató na confecção de va-se entre os paralelos de 16º30’ e 19º00 de objetos de uso doméstico (tapetes. contribuiu é confeccionada com madeira cambará ou de forma decisiva para o conhecimento do es- chimbuva. localizado em Mato Grosso. em 1928. a exposição Expedi. alguns. a expedição russa de vado à lagoa Gaíba. trajeto em tre suas preocupações etnográficas. refugiar e prover de [1845].doméstico e de trabalho. chapéu de palha. além de mapas do cartógrafo um por um cacique. segundo ele. manum. ervaçais flutuantes da planície pan. em gran. afluente do 1825. Assim. chapéus. Para o autor. são XX. por isso. Victoriano rio Paraguai ao São Lourenço. sociais. com uma rica docu. a vida nos rios foi regis. O Uberaba. Aimé-Adrian Taunay em três círculos de habitantes. Para percorrer o emaranhado das vias aquáticas. e no canal D. à frente de uma expedição que conhecida como “canoa de um pau só”. remos e zingas (OLIVEIRA. também se que analisou aspectos geográficos. com 156 desenhos e aquare- las de Johann Moritz Rugendas. que identificou e providenciou a medição de terras consiste no principal transporte dos índios. assim como as zingas. no rio Alegre.222 seguiu pelas províncias de São considerado o centro do universo guató.221 também conhecidos por geralmente muito bonitos e embora tenham camalotes. Ilha Ínsua. et. de longitude oeste de Greenwich. macum. amarrados por sobre a cabeça. lagoas e baías. alimento a fauna aquática do ecossistema. e. mesmo que haja dificuldade de encontrar Andavam estes índios nus. forneceu-me uma imagem mais exa- Centro Cultural Banco do Brasil apresentou. a comunidade divide-se ção Langsdorff (2010). de Janeiro. seus traços são águas por aguapés. O primeiro abrange a Nester Rubtsov. esteiras. (CASTELNAU. São Paulo e Brasília. abanos) e latitude sul e os meridianos de 56º30’ e 58º00 pessoal (bolsas. penacho atravessado em cada orelha. ornamentados na superfície de suas tós usam bigode e barba comprida. possuem nariz aquilino e olhos direitos. traz mente tanto pelos núcleos da Terra Indígena dados sobre esses índios: Guató como da Terra Indígena Baía dos Gua- tó. como para cano. gente das margens do alto Paraguai. Os Gua- de parte. consultar FLORENCE (1977 [1875]). do alto rio Paraguai. Beaurepaire- (2006) informa que a canoa. naturalista as mudanças pelas quais passaram a sociedade guató em consequência do contato com os não índios. Pedro II. 1997. 222 Para saber mais sobre a expedição científica de Lan- gsdorff. localizando-os em uma extensa área do os senhores das águas pantaneiras. com o lábio inferior furado e atravessado por trada por muitos viajantes e exploradores que um pedaço de pau. que vinha da colina de Caracará DIENER. cintos. incluin. colares. compridas comumente utilizadas na propulsão 1910 e 1928 concluiu que a ocupação guató da canoa. Os rios são. ocupou em estudar os aterros e demais tipos de nológicos e linguísticos. paço territorial dos Guató. a mesma cor dos outros índios. em 1845. o seu aspec- taneira que têm a função de eliminar as im. Também há uma ver. rá. de diversos tama. COSTA. com um pequeno pedaço de pano amarrado à ilharga. abarcava as margens do rio Paraguai. pulseiras e brincos). Remos. Mato Grosso e Amazonas. Em sua última do referências aos Guató dos rios Paraguai e viagem. madyuada. to lembra dos europeus. os Notícias sobre os Guató adentram o século Guató fazem uso de canoas. de Descal- No século XIX. 2000 purezas dos mananciais. SILVA D. e se achava em visita ao povoado do lago de são infanto-juvenil escrita por Santa Rosa (2004). tinham os cabelos erguidos e as. Todos tinham um pequeno percorreram a região. 1996). nhos. francês que esteve no Brasil. no Rio ta da forma de governo da povoação guató. também Rohan (1869). de a matéria-prima adequada. chefiada por George Heinrich von Cuiabá. Um guató. chefiados cada e Hercules Florence. assentamentos guató da região do rio Caraca- mentação iconográfica e cartográfica. 358). p. Den- Paulo. Também Castelnau.. quando as águas estão baixas. Vimos diversos Desde o século XVI. varas Schmidt (1942). o segundo 204 GUATÓ: POVO DAS ÁGUAS . ele analisou principalmente São Lourenço. produzidos atual.

com uma população significativa em Puerto Gonçalo. (SCHMIDT. ainda. 86). Ilha Ínsua S. Mais recentemente. dios. nos estudos destinados ao levantamento das comunidades indígenas na área de influência do gasoduto Bolívia- Brasil. Lourenço. Canal D. Ao Baía dos Guató. tó nesse trecho do rio. em especial. em 1979. a depender de estudos de identifi- relativas ao sistema social guató. A deslocamentos. Serra do Amolar e Ilha Ínsua. Frederico Rondon Mais recentemente. em Cáceres. detém-se em cação territorial. 1942. também devem ter sido campos do Descalvado (Ilust. e chiquitano trabalharam nas fazendas de Outras grandes lagoas. criado na década de 1950. favorecia uma aproximação entre os índios ribeirinhos e os moradores daquela cidade. indicou também os se o curso principal do rio Cuiabá. charqueada no Pantanal. podem ser complementares.FAMÍLIA GUATÓ (FLORENCE. nos Vermelha e Cáceres. considera que as razões dos rio Paraguai a jusante de Descalvado. Entretanto. o que dificultou a comunicação ILUSTRAÇÃO 86 . os escritos de Oliveira (1938). atesta a presença dos Guató ao longo do Mais do que isso. de natureza e alegações es- carta do estado de Mato Grosso e regiões pecíficas. junto aos rios São Lourenço apresentar informações de cunho etnográfico e Cuiabá. em Corumbá. Grandes contin- Pedro II. Guató no alto Paraguai. nos municípios de Barão de Melgaço e Poconé. os registros da presença de núcle- os guató nessa região. persiste a presença dos Guató em Cáceres (MOREIRA DA COSTA. Morraria gentes de índios guató. 87). e adjacências. como a Mandioré. contribuiu para in- terromper o fluxo regular de militares e Guató para Cáceres. na Bolívia. Anna Maria Ribeiro F. O destacamento militar de Porto Índio. As equipes consideram o Guató como uma etnia transfronteiriça. próxima à Ilha Ínsua. bororo ocidental dos Dourados. após ser transferido para o 17º batalhão de Frontei- ra. ramal Mato Grosso. p. Atualmente. que envolvem especialmente as ativida- Farta é documentação histórica que des de subsistência e de produção de objetos. 261-262). e suas circunvizinhas. contém componentes de preceitos que regem a vida informações detalhadas sobre os Gua- indígena (Ilust. 2000). acha-se a Terra Indígena também os estudos de Ribeiro (2005). lagoas Uberaba e Gaíba. M. acha-se o terceiro núcleo. A questão da mobilidade espacial permeia em Mato Grosso. Costa 205 . os habitantes dos lagos Gaiba e Uberaba e a gião pantaneira é composta por três núcleos colina do Caracará e o terceiro os do baixo rio de índios Guató: aldeia Uberaba. na discutir os critérios de movimentação dos ín- região de Cáceres. por isso. subordinado ao 2º batalhão de Fronteira. a vasta re- Os relatórios das viagens de campo das equipes da FUNAI por ocasião dos trabalhos de identificação da Terra Indígena Guató man- têm. em viagem pela fronteira de Mato (1996) indicam que à área guató integravam- Grosso com a Bolívia. ocupadas pelo grupo. 1977 [1876]) entre seus diversos núcleos. em Mato Grosso do Sul. são Mariano da Silva Rondon (1952). organizada por Cândido causas acham-se interligadas.

Ilha Ínsua. o início da ocupação dados populacionais do século XIX ao XXI do alto Paraguai pelos não índios. podem-se observar os varíola. ço e Paraguai. Corumbá. A guerra do sido anteriormente. Junho de 1869. Sou ção indígena. Miranda e Campo Grande Ilha Ínsua. 195. Isso porque os primei. guns de outras Nações. não inclusos os Guató residentes nos municí- sionando a dispersão dos agrupamentos indí. em data anterior.223 ção populacional. a algum sitio das margens do rio Cuiabá. do com os dados da Fundação Nacional de decorrente do surto de varíola. o Dire- cleos familiares. Sabe. a população da Terra Indíge. oca. Louren- com os dos dias atuais. pelo que presumo que o seu número deve estar hoje muito limitado. Bolívia. genas da região. Não aparecem nesta com um contingente guató no exército brasi. Cáceres. Relatório exigido pela Presidª. como V. No ano 2008. compilados por Giovani José da Silva (2008). em Mato existência de 500 a 600 indígenas guató nos Grosso. dente da província de Mato Grosso. Vale enfatizar que se torna pra. pios arrolados. Ilha Ínsua 220 Cruvinel Corumbá. vindo de um ou outro as vezes ros apontaram para uma parcela da popula. estimou a os da Terra Indígena Baía dos Guató. Rios São Lourenço. uma Paraguai (1864-1870). Paraguai-Mirim e São Lourenço 500 Ferreira 1894 Alto Paraguai 29 Koslowsky 1901 Ilha Ínsua 46 Schmidt 1978 Corumbá. ticamente impossível a ação de comparar Os Índios Guató ainda persistem na mesma dados demográficos dos viajantes e cronistas vida errante nas margens dos rios S. de acor. desde a boca da Uberaba e no São Lourenço desde a 1847 400 Leverger barra do Cuiabá 1848 Alto Paraguai. O conflito armado interna- cional. então presi. Ilha Ínsua. fazendas e vilarejos da região pan- 1995 700 FUNAI/PCBAP taneira 2008 Rios São Lourenço/ Perigara  e Cuiabá* 72 José da Silva 2008 Mato Grosso do Sul 175 FUNASA 2008 Mato Grosso 195 FUNASA 206 GUATÓ: POVO DAS ÁGUAS . Dados populacionais Guató–séculos XIX ao XXI Ano Região Pop. mortandade dos Guató ocorrida em 1867. dispersos em pequenos nú. em decorrência do tradicional informado que a varíola que grassou com in- caráter dispersivo dos indígenas no Pantanal. Fonte 1809 Lagoa a Oeste do rio Paraguai aos 19º 12’ de latitude 30 Azara 1825- Alto Paraguai 300 Florence 29 Rio Paraguai. e geral dos Índios. tor geral dos Índios informou sobre a grande na Guató. em Mato Grosso do Sul. tensidade n’esta Província em 1867 fez n’elles Mas é certo que a sociedade guató sofreu grandes estragos. o maior da América do Sul. O Diretório Saúde (FUNASA) perfazia 175 indivíduos. rios São Lourenço e Paraguai. que os ex. em offº de 10 de de 1869 ao barão de Melgaço. Exa. pulsaram de seus territórios tradicionais. Quadro 1. cidade nem para pedir brindes como fazem al- leiro. Em correspondência datada 223 AMT. Pirigara e Verme- 1984 383 Cardoso lho. que contou também Nação pouco numerosa. trouxe a No quadro a seguir. por ter uma depopulação considerável. e seu término. é uma das prováveis causas da diminui.

dirigida pelo técnico in- cito no sentido de instalar uma base militar digenista Ramiro Batista Arantes. a FUNAI iniciou os pro- periféricas224 e sofrendo com invasões de gado cedimentos administrativos que culminaram que destruíam suas plantações e seus recursos na comprovação da existência dos Guató naturais. o que ocorreu em fins da década de mais detalhada. da Ilha Ínsua e Caracará. em seguida. 184). órgão indigenista. em sua do Mato Grosso do Sul. çado para o Pró-Sol. Com uma mobilidade so. ainda. Na Pastoral Indigenista dicionais. da coleta de iscas e da pi. com de sua etnicidade. instituído através da Portaria à reorganização social e ao reconhecimento Nº 1789/E. A outra. os Guató deram início lho da FUNAI. diri. ção da área indígena guató. empregados como mão de obra nas fazendas Assim. de 16 de outubro de 1984. devido à opo- sição do exército brasileiro. foi organizada pela Irmã miliares. Ada Gambarotto. de 55 anos. em consequência da criação de Ir. pelo antropólogo Noraldino 1950. somente a par. por estar na Anna Maria Ribeiro F. o órgão indigenista destaque junto com a coleta. o Exército entrou com Vieira Cruvinel (1985 [1977]). Três Irmãos nalidade indígena. (PALÁCIO. 2008). rio tradicional no Pantanal mato-grossense. na alegação da tradicio- lotagem de barcos que singram os rios São Lourenço. Mas a luta pelo tir de 1976 os Guató voltaram a ser percebi. A mobilidade espacial reduzida le. São Benedito. Poconé e Cá. M. ao ser decre. p. conta da intervenção do Ministério do Exér. Ada a Josefina. Josefina faz trabalhos de tran- rumbá. Com frequência. especialmente a do núcleo da Terra In. da dentre outros. Nas décadas de 1940 e 1950. em 1977. momento em que organi- guató. fazendas e pousadas próximas às 224 Terras Indígenas Guató e Baía dos Guató servem-se FUNAI e exército disputaram a região: o do trabalho de vaqueiros. Costa 207 . que coordenou a equipe in- “Algumas famílias permaneceram na ilha por digenista missionária diocesana de Corumbá. pelos rios às tradições de seus territórios. ao longo do rio Para- Outros indígenas continuaram vinculados guai até o Porto Conceição e. identificou sua tribo. mesmo que Cuiabá e São Lourenço (Ilust. em 1950. 1984. área de segurança nacional. Posteriormente. participantes. dauana em 1976. Foi à frente dessa equipe criação do homem – e das áreas periféricas. reconhecimento da Ilha Ínsua como Terra Indígena precisou continuar. o que culminou. dígena Guató. para eles o local da jovens voluntários. foram organiza- morial guató. foi uma das áreas pan. A taneiras para o refúgio de alguns grupos fa. oficial reconheceu a Ilha Ínsua como ocu- Com a ação dos salesianos. Josefina foi apresentada aos tada sua extinção. Junto à Pastoral Mis- vou a agricultura a ocupar uma posição de sionária Indigenista. a caça e a pesca. assim como a cidade de Corumbá. Aquidauana. Ladário. em das três importantes incursões ao seu territó- Mato Grosso do Sul. em 1977. uma índia Guató Como alternativa de sobrevivência. daquela cidade. e esta conseguiram permanecer em suas terras tra. realizada em Aqui- exclusão da política indigenista. zaram uma incursão para subir o rio Paraguai. Ada organizara a Equipe Indigenista Missio- nária Diocesana de Corumbá um movimento gado que os expulsou da Ilha de Ínsua – o em prol dos índios da região. 88). que ela descobriu Josefina. e a última. Antes da constituição do grupo de traba- vos do baixo Pantanal. Mascate. as forças armadas. o objetivo de promover estudos de identifica- cial diminuta se comparada ao território ime. Durante anos. primeira. identificaram a uma demanda judicial requerendo a posse da continuidade de ocupação indígena da região ilha na Justiça Federal” (SILVA G. constituída por território sagrado guató. dispersos no Pantanal.. que mora em um bairro pobre giram-se para as cidades pantaneiras de Co. Considerados pela etnografia da atualida- de como os representantes canoeiros dos po. Raros foram os núcleos familiares que cal. na área. Cuiabá. agência do governo de Mato Grosso que comercializa o artesanato lo- ceres. passou por mais um processo de dispersão. a população dos como um povo. Perigara. a Ilha Ínsua ou Bela Vista. pação tradicional indígena. O trançado levou Ir.

1942) fronteira Brasil-Bolívia. o Ministro de Es. pretendeu-se reunir Ínsua. No âmbito do processo de identificação O intuito de aglutinar os Guató na ilha da Terra Indígena Guató. exército em dividir a Ilha Ínsua. de fato. ILUSTRAÇÃO 88A . As relações de força para a Ilha Ínsua. tes. como. é a dispersão em pequenos núcleos. e elemento de fundamental impor- tado de Justiça materializou o acordo e. Isso não quando os Guató aceitaram a proposta do ocorreu.ABANO TRANÇADO (SCHMIDT. pela tância na sua relação com o ambiente panta- portaria Nº 309. Dentre o contingente dis- construídas nos discursos heterogêneos das perso na região de entorno da terra indígena. Guató. 1942) ILUSTRAÇÃO 88B . 89). Guató. cabendo aos já que historicamente se tem conhecimento índios a parte norte e a sul ao destacamento de que uma das principais características dos militar. reunindo-os em um único local. A Guató como posse permanente dos índios e demarcação da Ilha Ínsua deixou novamente determinou à Funai que iniciasse os trabalhos esquecida uma parcela significativa da popu- de demarcação (Ilust. lação guató.ESTEIRA TRANÇADA (SCHMIDT. Em maio de 1996. 208 GUATÓ: POVO DAS ÁGUAS . não era de se esperar. nas considerações de Giovani José da os núcleos familiares difundidos no Pantanal Silva (2008). sua atraísse os núcleos familiares mais distan- A situação só foi solucionada em 1994. instituições envolvidas no duelo resultaram houve interesse em grande parte daqueles no entendimento de que parte da Ilha Ínsua que se encontravam na cidade de Corumbá pertenceria ao exército brasileiro e a outra aos e que viviam em situação de miserabilidade. declarou a Terra Indígena neiro. ambas situadas entre as baías Gaíba e Acreditava-se que a demarcação da Ilha Ín- Uberaba.

TERRA INDÍGENA GUATÓ (FUNAI. M. 1985) Anna Maria Ribeiro F. ILUSTRAÇÃO 89 . Costa 209 .

familiares autônomos e. com ha- so do Sul. marido. Assim. p. Outrora. esses índios fizeram a primeira via. o que indica a presença de tó do complexo do Pantanal para um único ter- assentamentos às margens dos rios e em áre- ritório.. 2002. aos núcleos 50 anos na África. conhecedora da por pequenas unidades autônomas (Ilust. 90). constroem suas habitações e cabelo pela metade do comprimento” (OLIVEIRA. restrito às mulhe- bá). O luto era restrito às mulheres. São Lourenço e Cuiabá. sedimentos. três fatores culturais e ecológicos: sazonalida- gem à Ilha Ínsua. pela qual se torna possível a era ideal para a construção dos aterros. A ocupação guató leva em consideração À época. a mo- A demarcação da Terra Indígena Baía dos bilidade espacial é característica do período Guató. uma obra episcopal da igre. Nesse aspecto. deve ser considerado dentro dos limites das relações de parentesco e de distanciamen. rar outras áreas. Os homens obtenção de alimentos cultiváveis em roças. deixavam o cabelo muito curto quando perdiam o TEAU. quando os índios passam a explo- desencadeada pelo mau êxito de levar os Gua. que e itinerários. a Certeau (2002). em Mato Grosso. “Os mortos eram enterrados em valas. “iniciou-se no dia 25 de novembro de 1994. o luto. descritas com ecológicos consistem em um importante viés frequência nas fontes primárias como “tosco para a compreensão de como se dá a organiza- barracão” (CASTELNAU. 150). lugares de perpetuação da memória indígena. (de junho a novembro) e cheia (de dezembro ja católica da Alemanha que atua há mais de a maio). rido através de recursos doados pela entidade A sazonalidade liga-se aos períodos de seca alemã Misereor”. misturadas a outros materiais. com barco próprio. res. Quando morria um reúnem num só conjunto. As conchas. ção social e a subsistência do grupo. 100). e transportavam. 199). finalmente. adqui. podendo organizam lugares. São percursos de espaços” (CER. é uma ação fundiária da cheia. eles os selecionam e os ser estendidos sobre uma esteira. com a plantação das palmeiras de tegidas das cheias e distantes dos assentamentos mais acuri. organização social e mobilidade espacial. 1996. p. em Cuiabá. também se fazia perceber pelo corte de to histórico e geográfico. 91). de. englobando as bacias dos Pantanal” (Oliveira. bem enterram seus mortos. com eles não da região. conchas de gastrópodes aquáticos e de bivalves.226 são testemunhos materiais de um tiveram muito contato e afirmam não terem a intenção de sair da área onde vivem hoje. os aterros podem ser enten- didos como uma “panóplia de códigos” que O Plano de Conservação da Bacia do Alto protege códigos culturais reelaborados a todo Paraguai (1997.225 Ainda hoje. ainda que os cabelo. 2000 [1845]). os Guató como cacos de vasilhas de cerâmica e ossos de ani- mais. agiam contra a ação das águas. 210 GUATÓ: POVO DAS ÁGUAS . [. instante. em cestoscargueiros. voltando rios Paraguai. os aterros. fir- Os sepultamentos dos Guató ocorrem em áreas pro- 225 mavam a terra e. 1996. Ásia e América Latina. abrigos provisórios e praticam uma economia 226 Oliveira (1996) informa que o período da estiagem de subsistência. em posição de decúbito dorsal. a Terra Indígena Guató em Mato Gros- as mais protegidas das inundações. a mãe cortava seu Nos aterros. p. Os aterros. “atravessam e fixos utilizados na seca. Quando morria um filho. p. além de serem “os prin- Guató dos rios São Lourenço/Perigara e Cuiabá cipais vestígios materiais das manifestações tenham conhecimento da existência de outros culturais que ocorrem nas áreas inundáveis Guató na região do Caracará. formado A FUNAI. 887) informa que o retor. E. a organização social. ante as vicissitudes do contato com a no de uma parcela da população guató à ilha sociedade não indígena (Ilust.] embora se constitua como um fenômeno sepultam seus mortos em áreas distantes dos necessário à sobrevivência (como é o caso do assentamentos fixos e protegidas das águas grupo dos rios São Lourenço/Perigara e Cuia- das cheias. Os tipo de estratégia de sobrevivência caracte- Guató sempre ocuparam uma extensa faixa de rística dos grupos canoeiros que ocuparam o terras pantaneiras. os fatores culturais e bitações de estrutura simples. havia apenas o seu enterramento e o lamentar de sua perda. deles fazem frases Guató. fazem parte dos relatos dos Guató.. existência de grupos de famílias guató viven- Nos dias de hoje.

Costa 211 . Ali a gente vivia sua terra tradicional. pode trabalhar melhor. p.2000 (COSTA.228 cas que garantissem a sua permanência no Tal fato provocou a troca de uma série local. § 1º. por um emaranhado de pequenos fim de trazer impressões acerca da situação fluxos fluviais perenes. no sentido Mato Grosso. do seus usos. partiram de barco a motor conduzido por O primeiro procedimento da FUNAI teve Edmundo e Amarílio.. estas aglomerado de índios Guató. Junto aos Guató. p. região perten- entendidas como “habitação em caráter per- cente ao município de Barão de Melgaço. o ancião. técnicos da FUNAI minação homônima (Ilust.] Se tivesse terra prá gente na iminência de serem forçados a abandonar morar e trabalhar nessa terra. que disse 231. aonde beça. adotou medidas jurídi.03. a FUNAI. 2000b. 83). visitou a aldeia São Benedito. com que passariam a sofrer por parte dos fazendei- casas edificadas e roças abertas em uma faixa ros locais. [. 2000a). seguiram de barco com Euclides. dentre tantos relatos. os de va ao barqueiro os caminhos aquáticos para Dalva de Moraes Amorim. per- ro. As ações prelimina- retomar os estudos de identificação de uma res consistiram em contatar a população gua- parcela do povo indígena guató que se encon- tó da fazenda São Benedito. filha de Domingos se conhecer as aldeias antigas onde morou. de documentos entre a divisão fundiária da com a finalidade de produzir estudos que evi- então denominada Administração Regional denciassem a situação dos índios para servir de Cuiabá e a sede da FUNAI. de subsídios em ação que evitasse sua expul- culminando nos procedimentos de identifica- são pelas fazendas. chapéu de palha (méhokuir) artisticamente [. em 18. 145): “geralmente o Guató nada usa na ca- lhor prá gente morar. com base de um habitat. em Brasília. um ín- de Perigara. No barco.. em Mato Grosso. Assim. que representa composição aqui na terra alheia. em todo o caso. em Mato Grosso. porque a gente mora confeccionado. Anna Maria Ribeiro F. o mais velho da aldeia. junto aos índios Bororo dito. A gente queria assim.. situada às mar- direita do rio São Lourenço. o mais velho dos Guató De chapéu de palha o tempo todo. segun. 1988). né? Pode qualquer hora o original da velha arte de tecer indígena e mo- dono daqui da terra vender e a gente ficar sem delo europeu”. as imprescindíveis à preservação dos re- cursos ambientais necessários ao seu bem-estar e as 228 Relato de Dalva de Morais Amorim. São Lourenço.] Porque não tem jeito. DE PAULA. 1). aonde morar. possui um a gente pode plantar. lembrou da barranca do rio São Lourenço. manente.. para que tomas- trava no ponto de junção dos rios Cuiabá e se conhecimento das medidas que a FUNAI São Lourenço. as utilizadas para suas atividades um número considerável de histórias. preocupou-se em narrar ocupadas pelos índios as por eles habitadas em ca- ráter permanente. 1994. na margem Da Terra Indígena Perigara. a FUNAI preparou-se para Guató. Uma terra firme. ção e demarcação da Terra Indígena Baía dos No ano 2000. aldeia de deno- gens do rio São Lourenço. ambos da etnia Boro- o propósito de. Manoel de Amorim. já que produtivas. que indica- dos propiciou. O grupo con- pretendia adotar e as possíveis consequências tava nesse momento com 85 integrantes. p. uma passagem de Max Schmidt (1942.227 Ini- complexo do Pantanal. melhor. A Constituição Federal (BRASIL. 227 Durante todo o tempo. A coleta de da- Amorim. junto aos índios Guató. os corixos. 92). em seu art. O homem. queria um lugar me. M. percorreram ecológico da relação de um povo com a terra por horas a fio uma extensão do bioma do onde vive” (GONÇALVES. deslocou técnicos até a região. a dio Guató. até o local onde se encontrava o maior correr terras tradicionalmente ocupadas. em que viviam os Guató do São Lourenço também se encontrava Domingos Manoel de (COSTA.do em situação precária no rio São Lourenço. indica que “são terras tradicionalmente ter nascido em 1929. costumes e tradições”. Da aldeia São Bene- cialmente. DE PAULA. Barranca do rio necessárias a sua preservação física e cultural. de terra da Fazenda São Benedito.

le momento. 203). Naqueles mo- mentos. morou no Aterradinho. É a extensão de seu conheci- cação de estabilidade” (CERTEAU. p. Morou no fundão das Capivaras.CHOÇA GUATÓ (SCHMIDT. Alegria. morou no Acorizal. p. da coleta que se distingue ma lugares em espaços ou espaços em luga. fundamental à atividade 201).229 uma geografia física e cultural. tinha o propósito de ser um “gerador de nia. 2000b). Domingos e Dalva de Moraes de Amo- rim.03. morou Pirigara. mento geográfico. 146) estava consciente de que suas informações me mental” coletivo dos indígenas e. pensamento. morou na das águas. em es- eram imprescindíveis à composição de uma pecial. O caminho emaranhado no Taquará prá baixo do São João. perto de Naia. anotar e registrar pontos estraté. Um lugar é. da caça. da pesca. em 19. Domingos. abaixo da Tripolo- 18). área a ser destinada aos Guató. uma configuração ao que os índios conseguem abarcar com o instantânea de posições. da justiça federal de Mato Grosso a interdição gicos no GPS (Global Positioning System). p. que serpenteia no mapa histórico mato-grossense a apontar Ao empregar o termo de Mauss (2003 como se constrói. pois a dispersão exige conheci- buem elementos nas relações de coexistên. portanto. uma história [1905]). DE PAULA. O lugar guató é aqui entendido como esse território punha-se à prova naque- como uma ordem “segundo a qual se distri. durante a estação das chuvas e da estiagem. 212 GUATÓ: POVO DAS ÁGUAS . 2002. nas palavras de Bertoloto (2006. morou dição cultural guató. 2002. travam os Guató. (COSTA. na barranca do rio São Lourenço. Desse modo.2000 de delinear um território com base no “volu. os técnicos incumbiram-se da cautelosa tarefa 229 Relato do Sr. res. 1942. a partir dele. natureza e paisagem uniam-se à tra. Organizam também os jogos das relações Face à confirmação da situação de posse mutáveis que uns mantêm com os outros” precária e vulnerável da área onde se encon- (CERTEAU. a FUNAI solicitou e obteve Ao ouvir. a narrativa guató “transfor. no do Sr.ILUSTRAÇÃO 91 . Implica uma indi. P. mento profundo de uma vasta área e refere-se cia.é possível entender a dimensão de regional”. Primeiro morou Três Marias.

asso. registrados pelo IPHAN. em Mato Gros. Ao contrário. que é dono de lá. vestígios de um tempo associado às escolhas Os trabalhos desenvolvidos pela arque. que se apresen- 1). São Benedito e Baía dos Guató. em 19. dois sítios arqueológicos foram Grosso e Mato Grosso do Sul possuem várias vistoriados no perímetro que abrange a área denominações: aterrados. anjinho. acatou a ação proposta e expediu liminar é livre. aqui no mangueiral. Só criancinha. enterramentos possuem donos. A ciência de tal documento notório à proprietária da fazenda Coqueiro o pelos proprietários afastaria a ameaça que monumento arqueológico e pré-histórico exis- os indígenas estavam sofrendo. ao entender que os lugares onde existem ainda que tenha retomado algumas ativida. tia. ou sem estelas funerárias. baixo rio São Lourenço. também mere- um oficial da justiça federal de Mato Grosso ceu a vistoria da arqueóloga. des da anterior. região.03. Bem ali [no Aterradinho]. mente ocorre em áreas inundáveis. a narrativa de sobediência. com Bororo. Tá tudo enterrado.230 contra os proprietários das fazendas. lógico de interior. tó. A justiça federal. os aterros. ocorreu no mês de agosto o Capão da Baía. Entende-se por aterro um tipo de sítio arqueo- ciado à etnia Guató” (MIGLIÁCIO. 2000b). a céu aberto. No perímetro. baseado no relatório da primeira viagem. assegurando a permanência dos Domingos aviva o papel dos lugares de en- índios até a conclusão dos estudos de delimi. na iminência de Entendidos neste estudo como materiais da serem expulsos da aldeia São Benedito se a memória coletiva. óloga enriqueceram a atuação da FUNAI à Tal monumento consiste em vestígios que não medida que cumpriu com a designação do deixam dúvidas da ocupação indígena no órgão indigenista de “registrar e vistoriar sí.de uma área de 5. Lá so. instruem. madrinha.2000 (COSTA. e que normal- ológicas para a manutenção da ação judicial. Anna Maria Ribeiro F. Tem filho ação possessória de interdito proibitório contra enterrado. já ameaçados pelos fa. DE PAULA. Em Mato Na ocasião. onde se pode medir ou avaliar tação e identificação do território tradicional. ta na paisagem como uma elevação do terreno. tó continuaram em perigo. que também tornou zendeiros locais. lá que é o cemitério. desempenham fun- óloga Maria Clara Migliácio. Aqui também 230 Relato de Domingos Manoel de Amorim. aterros-de-bugre. o Aterradinho do Bananal. 358 ha. A equipe também foi integrada por margens da Baía dos Guató. perto daquela laranjeira lá. o sistema da morte no mundo simbólico gua- A segunda viagem da equipe da FUNAI. tente em suas terras. em especial o sítio arqueológico co- nhecido como Aterradinho do Bananal. capão da Baía não foi enterrado ninguém. que recordam. M. os proprietários das fazendas inseridas nesse cemitério de anjo. como mencionou. Os sítios arqueológicos incrustados na área Sua ação iria garantir a permanência dos ín. três técnicos da FUNAI e da arque. iluminam. total ou parcialmente antrópica. terramentos. do Instituto do ções variadas de sucessão da memória. bém havia sido moradia do Sr. Domingos. são liminar fosse suspensa. 2000. sob pena de prisão pelo cometimento de crime de de. com o objetivo de produzir provas arque. por meio de uma tem cemitério. Costa 213 . sendo atualmente os prefe- Lá nas Capivaras. mas os Gua. tradicionalmente ocupada pelos Guató foram dios Guató na região. Apresentam-se como pontos protegidos das cheias periódicas. mais especificamente tios arqueológicos observados pela FUNAI na na Baía dos Guató e entorno. padrinho. às (IPHAN). que identificou que se incumbiu de encaminhar o interdito material arqueológico em superfície em uma proibitório aos proprietários das fazendas área originalmente mais elevada e que tam- Coqueiro. avisam. tradicional dos Guató: Aterradinho do Bana. capões-de-aterro ou simplesmente aterros. Os cemitérios. Em relação aos cemitérios. p. nal e Cemitério Guató do São Lourenço. “é livre” e contou com a participação de dois índios porque não há sepulturas. Patrimônio Histórico e Artístico Nacional O local denominado Capão Alegria. marrabóró.

Na trilha teórica de Max Gluckman (1987) com uma área de 19. pelo As peças documentais produzidas inicial. Limitada. O aporte documental. Texto extraído do documentário “500 Almas”. em Mato cerâmicas. os Guató não são en- se permanente do grupo indígena Guató. bi- encaminhadas à Funai. em maio de 2009. tiguidade com os não indígenas. co que compartilha de uma noção histórica e nalmente ocupada pelos índios Guató foram vida social comuns. Seus hábitos. Os índios. mento destinados à manutenção de sua uni- dade social. tos que buscam. conservam. portanto. em Mato Grosso. seja física ou cultural. um relativo Que se julgava destruído. violência. sentar sucintas informações do presente etno- mente por um acúmulo de material síltico-are. até certo ponto. Essa situação larização fundiária de suas terras que leve à de convivência com os agentes de contato indenização e desintrusão dos imóveis rurais forçou-os a criar novos padrões de relaciona- existentes no interior de seu território. mas in- vembro de 2012. em diferentes cimento territorial. Guató imaginam.164 hectares. bliográfico e oral ofertou uma gama de dados mento aos trabalhos seguintes de reconhe. foi vencedor de quatro prêmios no Festival de Brasília. p. a conchas de gastrópodes aquáticos e a material à tona não somente o núcleo populacional arqueológico. ma levantada: indicar de que forma os índios digenista oficial (BRASIL. encontra-os desaparelhados de um sis- Tem Guató lá. conciliável às suas necessidades. passam a ser ressig- Considerações finais nificados em função daquilo que vem sendo estabelecido coletivamente e que.231 equilíbrio ao estabelecimento de uma convi- vência com os não indígenas. contratada pela FUNAI. nem por Tem Guató aí. a empresa LGO Topografia tegram teias bastante complexas de relações. gráfico guató. como fragmentos de vasilhas habitante da Terra Indígena Guató. só concluídos após diante das vicissitudes das relações de con- a ação da Polícia Federal junto aos fazendei. ainda falta a conclusão da regu. 214 GUATÓ: POVO DAS ÁGUAS . pro- duzido pela Mixer e distribuído pela RioFilmes. o Ministro gistram e concebem sua organização socio- de Estado de Justiça. mas também o da Terra Indí- gena Baía dos Guató. fato de constituírem um mesmo grupo étni- mente pelas duas viagens à região tradicio. estas se caracterizem por serem de extrema Entretanto. referentes aos modos de viver. do 231 Marcel Mauss (2003 [1905]) contribuiu cineasta sul-mato-grossense Joel Pizzini (2005). e tendidos como vítimas do processo de con- determinou a sua demarcação física. vivência com os agentes de contato.. Em para o entendimento de como o espaço ter- 2004. tema simbólico-cultural e de perda do ethos Tem em todo Pantanal! identitário. isso. Grosso do Sul. com a preocupação de trazer noso e orgânico associado. como pos. declarou a Terra Indígena Baía dos Guató. 27). mesmo que ros que tentaram impedir a sua realização. iniciou os quando engenham novas formas de viver trabalhos de demarcação. dispensável à resolução da questão proble- minou no seu reconhecimento pelo órgão in. Em no. a qual deu prossegui. pela portaria Nº 1750. envoltos nessa nova or- E devagarzinho. dem social. (OLIVEIRA. territorial ao longo de sua etno-história. ação que cul. quando instituiu Grupos temporalidades (do século XVI ao XXI). São formados basica. 1996. apropriam. principalmente. e Oliveira Filho (1988).. ridos para a instalação das sedes das fazendas O objetivo deste texto consistiu em apre- e dos currais de gado. são constantemente conduzidos à fomos ajuntando as peças de um grande interdependência e aos constantes ajustamen- mosaico. 2003). re- Finalmente. bem Técnicos para identificação e delimitação da como um percurso teórico-metodológico in- Terra Indígena Baía dos Guató.

como em quaisquer sis. São Lourenço e Cuiabá. Os meios de comunicação. Por outro brevivência física e cultural e que assegurem lado. Os Guató estão à espera da consolidação insistem em aditar às sociedades indígenas ad. com interesses distintos. com constância. de perda de seu território tradicional localiza- ria dada por uma ordem social em que todos do em áreas distintas ao longo dos rios Para- os indivíduos participam. ou em vê-las como fontes regularização fundiária. mesmo que fracionados. rumbá. flexão que se faz mostra que as organizações ainda que estudos linguísticos não meçam sociais são mutáveis. continuam a região do município de Cáceres. isto é. dianas usos e costumes redimensionados às damentaram a discussão acerca do que se suas necessidades. dos objetos e das ideias. esforços para a retomada da língua. Os Guató. do Complexo do Pantanal. ao em “índios puros”. do “volume mental” para suas práticas coti- As concepções de Said (1990 [1978]) fun. Entretanto. territórios que se justapõem ao ofi. a cial. trazem temas culturais. ainda. está à espera de procedimentos zada diante do processo histórico no qual se para regularização fundiária. Eles não desapareceram sem deixar Hoje. da natu. que outrora faziam sentação coletiva dos sentimentos. aqueles que mantêm levar em consideração a organização social. suas tradições sem admitir a possibilidade de quando criam e recriam o modo sob os quais inserção de novos valores. E. Cáceres. mesmo que descontinuamente e vamente. passaram a morar em pelo Estado brasileiro. culo XVI. respecti. quando sofreram irre- interesses das sociedades que. contemplando seus diferentes nú- em seus componentes os moldes da sociedade cleos. não deixam de subsistir municípios periféricos ao Pantanal. do “ocidentalismo”. na repre. em de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul de- Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. lineiam. acham inseridos. reproduzido em seus Terra Indígena Guató. somam 370 pesso- vinculado à noção de cultura. principalmente aqueles ocorridos que obedecem a um ritmo fundamentado nos no final do século XIX. senho- as coisas existem ou se manifestam.ritorial é concebido pelos índios Guató. M. O conceito. das ações governamentais que propiciem a jetivos depreciativos. aos poucos reza. Anna Maria Ribeiro F. catego. como Barão se comparados às primeiras informações et. Pelos labirintos aquáticos entende por território geográfico. Anteriormente à de- modo de viver dos Guató de Mato Grosso e marcação da Terra Indígena Baía dos Guató e de Mato Grosso do Sul. que levem à demar- inesgotáveis de exotismo e primitivismo. há em seus discursos um convite a pensar a sua unidade enquanto um único povo. dos Guató. Costa 215 . uma Terra Indígena Baía dos Guató e a Terra In- parte do território tradicional guató situada na dígena Guató. reorgani- Descalvado. é concebido as. de Melgaço. de suas canoas suas próprias casas. do tronco macro-Jê sob ameaça de extinção. por conse. do tempo. principalmente entre as respectivos territórios indígenas instituídos décadas de 1950 e 1970. é representado pela Terra Indígena Dois pontos na cartografia dos estados Baía dos Guató e Terra Indígena Guató. versível processo de redução populacional e guinte. A re. a jusante de reproduzir a maneira de ser guató. No caso específico guai. Nesses espaços. res das águas pantaneiras. políticas públicas que possam garantir sua so- mo/conceito de Said (1990 [1978]). utilizando o ter. Poconé. Ladário e Co- nográficas de viajantes e exploradores do sé. de ocidental. estão submetidas ao espaço. falantes de uma língua traços visíveis de sua existência anterior. com uma perda territorial considerável. número que reflete o resultado de intensos pela existência de mudanças e permanências contatos. O foram perdendo suas terras. os Guató. Isso cação definitiva de todo o seu território tra- porque seus sistemas culturais não reproduzem dicional.

.

A última fronteira ofaié: a resistência de um povo indígena Carlos Alberto dos Santos Dutra Introdução a juventude que renasceu. entre eles o casal Ekureí’fyg Alfredo e Pã Eugênia e os levou para o posto de atra. município de Brasilândia. eis que. de lá erguimento do restante que não soçobrou e para cá. Diferentemente da perseguição levado com seus pais e o restante da aldeia e extermínio ocorrido em séculos anteriores. parida pelas mãos de dezenas de viajan. os últimos remanescentes da antiga na- ca. de Ofaié que viviam nas margens do rio Verde e Paraná. que fora começando. para onde foram transfe- do Sul. pesquisadores. hoje. dezenas pítulo procurará brevemente relatar. o então menino. Ofaié. no quilômetros rio abaixo. sistência. funcionários públicos e cavam na margem desse rio. município de dígenas que vivem no estado de Mato Grosso Porto Murtinho (MS). Depois de permanecer por um longo perí. O ano era 1988 e militares até meados do século XX. coletores e caçadores daquela região. são alguns dos problemas que essa população quando tomou pela mão. a luta desses indígenas tem sido pela Carlos Alberto dos Santos Dutra 217 . tando a trilha das últimas famílias Ofaié que. Não obstante a fronteira etno-históri. região da serra da Bodoquena. Mato Grosso do No curso de uma profícua crônica históri. O que aconteceu com o povo Ofaié? ção do Laranjalzinho. ção Ofaié manejavam seus arcos e ainda pes- tes. mas também o so. retornou para viver seus últimos dias quando os primeiros colonizadores ibéricos nas barrancas do rio Paraná e acompanhar o dizimaram os antepassados dos tradicionais declínio de seus patrícios. distante dali cerca de 300 Acampados na barranca do rio Paraná. Sul. durante um lustro co-geográfica vivenciada por estes indígenas buscaram reordenar suas vidas. semeando alento neste povo vencedor (Ilust. a miscigenação e a inculturação praticado por Curt Nimuendajú em 1913. O tema de A última fronteira Ofaié: a resis- odo da história no mais completo anonimato tência de um povo indígena emerge perscru- e empreender uma insólita trajetória de re. A fric- ainda buscam uma explicação para o gesto ção étnica. ridas pela FUNAI em 1978. 93). finalmente depois de retornar da reserva Kadiwéu. na figuram na relação oficial das sociedades in. eis que os Ofaié. enfrentou nos últimos 50 anos e que este ca- nente Vicente de Paulo Vasconcellos. eles e constituir-se novamente como povo. reconstruir-se que habitam o município de Brasilândia. a história de seu ressurgimento estava apenas 80 anos depois. com o auxílio do te. no atual município de Nova Andradina.

os Ofaié não derrubavam os galhos timou grande parte deste povo. Grosso do Sul. depois. ba- tida ou assalto organizado contra aldeias indígenas 234 Diferentemente dos povos pescadores tradicionais. no município de uma comunidade com cerca de 60 pessoas. 263. gênia Ofaié revela que ela nasceu no ano de mavam em falar o idioma Ofayé e integravam 1889 na aldeia Esperança. quando foi substituído pela Fundação Nacional do Índio (FU- 235 Informações obtidas junto ao Prof. Na região nordeste de Mato Engenheiro Sérgio Motta (ex-Porto Primavera). mais do que um lamento a ser estendendo-se até o ribeirão Boa Esperança ouvido. pode-se observar da sociedade brasileira não indígena. (extração do mel de árvores ou de cupins). eles cortam apenas as folhas. 218 A ÚLTIMA FRONTEIRA OFAIÉ: A RESISTÊNCIA DE UM POVO INDÍGENA .235 os acolhia na total insegurança sob a ameaça Há mais de 300 anos. porária de que necessitavam. que os uma árvore. A certidão de nascimento da indígena Eu- restavam apenas 21 indígenas que ainda tei. por “aqueles de Ofaié é verificada desde 1901. do campo: são coletores. agora é a fome ou as árvores para retirar as colmeias que ali crônica resultante do desterro causado por se encontravam encravadas. até as ter- Ofaié plantada na margem direita desse rio ras de Campo Grande e Aquidauana. 233 Serviço de Proteção aos Índios. além para outro. indígena Ofaié. Ao o próprio órgão governamental. A partir desse nós nascidos sem colher de prata em nossas período.234 A incorporação à agricultura. a presença dos escrita. devolvendo-lhes o que a presença Ofaié também ao longo das mar- foi covardemente arrancado de suas mãos. Ao contrário dos uma centena de anos pelos sertões do aban. Se. a trajetória deste povo. Nessa época. na ver- dade –como eles mesmos dizem –. uma dezena de aldeamentos revelou bocas” (1992. como se estivessem podando Fundação Nacional do Índio (FUNAI). desde a sua foz até à As águas do rio Paraná descem mansas montante. que viviam na região de Dois Irmãos berculose trazida pelo homem branco que vi. conhecimento dos órgãos oficiais e de parte Em suas pequenas hortas. extraíam o mel deixando o dono. 94). gens do rio Ivinhema. localizada em terras236 que so- nutrem o instinto e a tradição dos habitantes mente em 1911 seriam adquiridas pela firma 232 Expressão popular paulista que designa ataque. demais indígenas. Tocados de um lugar dores. no passado. não indígenas urbanos e rurais o fazem. foi a tu. e a jusante destes rios. caçam o peixe. é de- da história. (DUTRA. E Brasilândia. do Buriti. os Ofaié. sempre pelas bordas das páginas de ser um dado recente em sua cultura. p. 236 Antes de 1911. piente e sui generis. 1996. como diria Jim Sharpe. como os das232 de perseguição e caça ao índio. que eles não arrancam o pé das hortaliças ou Primeiro foram os fazendeiros e suas da. mesmo das alfaces. no espaço compreendido entre Os percalços. que utilizam linhas. Levi Marques NAI). nota 4). Outro exemplo da sua singulari- desterrou da região natal. o Serviço de contrário. há registros referentes constante de ver seus barracos inundados pe. Estávamos nos anos 1990 e a realidade galho e o tronco da árvore intactos. estendendo-se. atingindo Rio Brilhante. a qual atua até os dias de hoje na proteção aos Pereira em correspondência a este autor. A aldeia da Vacaria. Se- a doença e a miséria ameaçam corroer-lhes a gundo revelaram alguns indígenas Terena mais alma e a esperança. 62). obteve a visibilidade e o re. a partir dos campos em direção ao Paraguai e Argentina. somente senvolvida pelos Ofaié ainda de forma inci- nos últimos anos. órgão oficial da com lanças e fisgas. dos rios Negro e Taboco (Ilust. antigos. a luta e o sofrimento da nação os rios Sucuriú e Verde. Dr. essas terras eram devolutas. anzóis e redes. à presença desses indígenas na margem direi- las águas da barragem da usina hidrelétrica ta do rio Paraná. cortam o caule. União criado em 1910 que atuou até 1967. e agora. caçadores e pesca- quistado aos poucos. é uma história que ainda precisa ser e os rios Taquaruçú e Pardo. nos vales garantia a seus moradores a proteção tem. quando o dade cultural se dá quando os Ofaié melam grupo retornou à terra de seus antepassados. a xando os talos.sobrevivência e o seu reaparecimento con. povos indígenas do Brasil. p. dei- Proteção ao Índio (SPI)233 e o seu sucessor.

região do ribeirão Samambaia. p. Uma das aldeias próxima à foz do rio na área adquirida e na região contigua às Verde. completou 63 anos de idade. p. caçavam e pescavam nas Índios (SPI). e na mantiveram-se na posse da propriedade. porém propriedade de Joaquim Moura Andrade. estava localizada. da alcoólica usada como pagamento contribu- nas margens do córrego Sete e do ribeirão Boa íram. reduzir-se rapidamente. perseguições e febre fizeram o nú. Depois de efetivado o negócio. 1931). mero de indígenas integrantes desse grupo Nos resumos oficiais da história do município de 237 Brasilândia. que recebera na língua materna então vender o pedaço de terra onde a aldeia o nome de Pan. apesar da violência rio Percival Farqhar (GAULD. de propriedade do empresá. 7 de agosto de 1976. margens dos córregos e rios. Sr. próximo total miséria e abandono. adquirido que foi aqueles cer. até a década de 1940. pois havia gran. Mesmo em meio indígena no local. em 1913 (DUTRA. como consta formado em uma bela propriedade. aliás. além de outro comprador. em pouco tempo. nos limites da Fazenda Primavera. por conseguinte. transformou-os 200 pessoas (LOUKOTKA. dor do município de Brasilândia. de Brasilândia e Três Lagoas (DUTRA. 141-144). doeste do estado.238 que noticiou ter encontrado ape- tes. os conflitos des espaços ainda não ocupados pelos coloni. Todos massacres praticados na região de Nova An. sistiram em ficar no lugar. que já havia a essas perseguições. A existência de indígenas zadores. resultando rados. Dutra (1996. hoje integrante da o farmacêutico de Brasilândia. córrego São Paulo (ou córrego Seis). No entanto. localizadas nas 27 pessoas sobrevivendo em situação de nas margens do córrego Puladouro. forma. o que não 239 A transcrição desta notícia encontra-se na íntegra em corresponde à verdade. também de sua propriedade. a Fazenda em algumas escrituras). o novo proprietário promoveu a parte do grupo. deixando de informá-lo sobre a presença queiros da tal firma “inglesa”. e novamente arranchou-se na terra 1978. Carlos Alberto dos Santos Dutra 219 . em agosto de mais tarde. se esta empresa de nacionalidade inglesa. na margem esquerda do cór- seus olhos viram o lugar onde nasceu ser trans. o conflito com os va. para dizimar a maior Esperança.norte-americana237 Brazil Land Cattle and Pa. encontraram relativa guarida du. Imprensa. relatando a situação em que os indígenas se 322). depois. 2006). incluindo também o Boa Esperança. já no âmbito do recém-criado estado de de seus antepassados. tem sido amplamente divulgado tratar- 238 Jornal O Estado de São Paulo. a União assim havia procedido quando rante as perseguições havidas desde o começo vendeu mais de 600 mil hectares de terras ao do século. tiveram que suportar. em empregados dos novos proprietários. o que provocou. Presença. pelo falecido e tido como funda. com a venda da área As condições forçadas de trabalho e a bebi- onde estava localizada a antiga aldeia Ofaié. de habitado tradicionalmente pelos Ofaié. Além disso. para a região de Bodoquena. rego Sete (ou córrego do Bugre. Arthur Hoffig. Esse grupo de indígenas voltou dois anos encontravam. no município dividindo a terra com os indígenas. O proprietário resolveu esta senhora. tinham conhecimento de que o território era dradina. 304). a transferência dos Ofaié e São Paulo. A situação foi denunciada na transferência dos Ofaié para terras mais distan. conseguiam manter suas sido anunciada pelo Serviço de Proteção aos roças temporárias. Thomaz de rodovia BR 158. p. 2011. nessa região. De igual de Bataiporã. no limite entre os municípios Almeida. no extremo su- Mortes. em novo desterro para essa comunidade. A partir de 1950. A área foi vendida para quatro irmãos. então proprietário da Fazenda Boa Esperança.239 Tal situação levou à ponte sobre o rio Verde. eles in- cking Company. todos recém- ça que os migrantes Ofaié sobreviventes dos chegados do estado de São Paulo. começaram. Foi nas margens do ribeirão Boa Esperan. junto aos córregos Sete Mato Grosso do Sul. Quando praticada contra eles. tinha aproximadamente fazendas. 2011. a escrever para a FUNAI de Cuiabá.

episódio que praticamente dizimou os Pã Ofaié. para as margens do rio Verde. um milagre: retornar ao seu antigo território. Como tudo começou mentos. 240 mente exterminados. a FUNAI e a Secretaria de Estado de pé da serra da Bodoquena. O objetivo contraram. órgão O Centro-Oeste brasileiro foi tomado de assal- anexo à Conferência Nacional dos Bispos do to. espanca. garantindo aos Ofaié Porto Murtinho. por fim. Energética de São Paulo (CESP) para informálos O etnocídio processou-se de forma sistemáti- de que toda aquela área seria inundada pela barragem da usina hidrelétrica de Porto Pri. sendo. de onde novamente foram expulsos. e foi criada em 1896. rebatizada de UHE Engenheiro Sérgio crescente ocupação econômica do tipo pasto- Motta. no rio Paraná. migraram em direção à A relação de Ofaié mortos entre 1985 e 2010 242 foz do Ivinhema. Depois. rumo às giando-se pelas fazendas. enfim. No quadro a encontra-se disponível no link “Nossos Mortos” seguir. rendamento de 150 mil hectares da Reserva pertencente aos antigos indígenas cavalei- ros. na época. para não serem definitiva- O lugar onde nascemos. (FUNAI) que. inicialmente montam de Mato Grosso. A nação indígena Ofaié há séculos convi- retornaram para Brasilândia oito anos depois. Expulsos do agã-chanagui240 e jogados no a CESP. lo XIX. 1996. que. nessa época. onde ficaram temente. a nonagenária Eugênia guesa. de onde haviam sido expulsos em 1978. depois. os Ofaié acabaram sendo uma nova área. estado de sidente do estado de Mato Grosso. resultando para os indígenas que aqui vi- Brasil (CNBB). 220 A ÚLTIMA FRONTEIRA OFAIÉ: A RESISTÊNCIA DE UM POVO INDÍGENA . podemos observar a evolução da popu- do site <http: //ofaie. exploradores escravizaram e Sete. As incursões luso-brasileiras e a mavera. Após muitas negociações. sofreu substancial re- ram à aldeia os representantes da Companhia dução: sobreviveram cerca de 900 indivíduos. Inúmeros foram os massacres. que conta. ções que. ril reservaram aos primi ocupandi da margem ram com a intermediação do representante do direita do rio Paraná toda sorte de atrocidades. ve com a violência. refu. os Ofaié foram reunidos silvícolas. exterminaram centenas de Ofaié.htm>. transferidos concordaram em ser aprisionados. Alves de Barros. Viveram nessa área até o dia em que chega- no início do século XX. Diversas foram as expedi- acampamento nas margens do córrego Sete. lação Ofaié ao longo da história recente. principal de suas expedições. defrontaram-se com estes de sustento. En. perseguições e mortes (RODRIGUES. Conselho Indigenista Missionário (CIMI).242 Profundamente debilitados. foi firmado um convênio entre viam verdadeiro ciclo de forçadas migrações. ca e violenta. no município de Meio Ambiente (SEMA).241 Ali os Ofaié sofreram estupros. abrigo num acampamen. direita do rio Paraná.com/mortos1. era estimada em mais de 2 mil pessoas. no idioma Ofayé. Mato Grosso do Sul. 95). aces- sado em 18 de junho de 2012. subindo os rios Pardo e Anhanduí. os Ofaié que habitavam A reserva Kadiwéu possui cerca de 525 mil hectares 241 as terras localizadas nos Campos da Vacaria. En- num acampamento nas margens do córrego tre 1590 e 1700. à procura minas de Cuiabá. predominan- to nas margens do rio Paraná. O primeiro contato ocorreu durante o memória de lá deixar enterrado um de seus chamado Ciclo do Ouro na América Portu- troncos mais antigos. ao descerem os rios Tietê e Paraná. era a peia de indígenas que nunca por quatro anos. tradicionais habitantes indígenas da margem Deserdados e forasteiros na própria terra. disputavam o ar. hoje município de Rio Brilhante. com benfeitorias e localizada transformados em presas fáceis de um conflito a poucos metros de seu território tradicional. falecida em 1984 (Ilust. a perseguição e o exter- deixando para trás uma dezena de cruzes e a mínio. p. 28-69). Por volta de 1880. por meio de um decreto do pre. aí permanecen- A população Ofaié. o entre posseiros (INCRA) e indígenas Kadiwéu que representava para esse povo sofrido. até o final do sécu- do por mais seis anos. dispersos. sudeste do antigo estado de volta a Brasilândia.

afluente do rio Aquidauana.EUGÊNIA DA SILVA “PÔ OFAIÉ (1889-1985) (FOTO indígenas em seus domínios. nos limites do atual mu- nicípio de Bataiporã. Em 1904. já com feições modernas e constituídas com pastos delimitados por cercas de arame. Quadro da População Ofaié (1903 a 2010) (Fonte: Dutra. eram o maior impedimento ao livre trânsito dos ILUSTRAÇÃO 95 . há registros de que atravessavam o rio Paraná e faziam ranchações de caça na margem esquer- da desse rio. Também teriam fixado 5 aldeias nas barras dos rios Tietê e Sucuriú. refugiou-se nos pantanais do rio Taboco. Outro grupo. DE ANTÔNIO JACOB BRAND. 1981) Carlos Alberto dos Santos Dutra 221 . se por um lado tornavam-se indis- pensáveis à contenção dos rebanhos. Cercas que. a exemplo do que ocorrera nas margens dos rios Anhanduí e Vacaria. 2011) Grande parte deste grupo Ofaié deslocou- se para o sul do estado. onde a formação do ter- reno os protegia mais do que nos campos aber- tos. ao longo dos rios Samambaia. procuraram a região da mata. estendendo seu território até a barra do rio Santo Anastá- cio. a per- seguição dos fazendeiros ali se configurou im- placável. Três Barras e Equiteroy. Bastante reduzidos na bacia do Ivinhema. instalando-se junto ao ribeirão Samambaia. Sobretudo com o surgimento das fa- zendas. extremo oeste do estado de São Paulo. de menor proporção. por outro. Não obstante. em razão da ocupação agropastoril.

os Ofaié tiveram reservados para si uma persistem em dizimar e depauperar o indígena área de 3. dirigindo-se diretamente ao principal de pretexto para perseguições mais cruéis. 256). (NI- MUENDAJÚ. 114-122. e depois. Em pouco tempo. para fugir de pistoleiros que os acusavam nericamente chamado de bugre. p. conder sua condição. Matadores de indígenas. genas no estado de Mato Grosso foram trans- deixaram de existir. oficial subsequente. p. “estavam sendo sistematicamente caçados e exterminados a tiros de carabina pelo coronel O estigma da perseguição acabou por mar. culpado das violências”. 1996.600 hectares que nunca chegou a e seus territórios em solo brasileiro. 222 A ÚLTIMA FRONTEIRA OFAIÉ: A RESISTÊNCIA DE UM POVO INDÍGENA . incorporaram-se à economia branca. isso nos anos si. necessária ao vos aos Ofaié. p. Ainda assim. procurando es- pequenos grupos como forma de sobrevivên. Esse vínculo social Brasil. No entanto. 1916. entretanto. os Ofaié estes prisioneiros não tiveram que sofrer. roubo de gado e alguns assaltos da parte dos representação e. “Tratava-se de Os que caíam nas mãos de seus perseguidores salvar o que ainda restava da tribo Ofaié”. por meio braçal que essa massa sobrante disponível ao do Decreto nº 683. lenta e gradualmente 1924. o militar positivista tentou. 58) dos Ofaié. determinados a viverem assim espalhados. Atendendo a uma solicitação Escrever a história dos Ofaié. por meio de [. a exemplo de outros povos indígenas do co conhecida e explorada. do SPI. que o índio passou a identificar-se cada vez veram que deixar suas terras. a perseguição a esses indígenas. ainda hoje continuam sentido de garantir aos Ofaié uma área de ter- a perpetuar o massacre.] seria só repetir uma imensidade de dadas. rural que expropriou centenas de famílias in. 1953.243 Também há o Cada vez mais divididos em bandos. sendo pejorativa e ge- cia. dividindo-se em mais com o peão de fazenda. os registro de diversos ofícios destinando locais Ofaié. Para Rondon. 1996 [1913]. 243 Sobre o decreto nº 683/1924 e demais ofícios relati- cendo a mão de obra barata. todos à mercê da sorte e do descaso tumes e linguagem própria. do Conselho Nacional de Proteção aos Índios. ver DUTRA. or. perderam o contato entre para o aldeamento dos Ofaié. sentiu a necessidade de “proteger a se- Os sertanistas e os Ofaié gurança pessoal e a vida” (RONDON. 1952. em 1910. contudo. Gerações tavam. de perseguir o gado de seus patrões. para comer. as reses de suas fazendas” inteiras foram exterminadas pela oligarquia (RONDON. p. Travestidos de várias ras para a sobrevivência do grupo ao longo do e sofisticadas formas de exploração da força traçado dessa ferrovia. em 1916. Desde a época do chamado descobrimen. ser oficialmente demarcada.. 1965. reduzindo-os a nenhum encaminhamento oficial foi feito no pó. de 20 de novembro de agronegócio representa. para Curt Ni. O objeto de suas ganâncias formadas em Reservas Indígenas. junto ao governo do então estado de Mato Grosso uno. chamado progresso de uma região ainda pou- to. encarregou-se de absorvê-los. Durante anos. sob os auspícios sem. sob o pretexto de que ma- car profundamente a vida dos Ofaié. José Alves Ribeiro. “verificada a ineficácia des- Ofaié. dígenas e camponesas de seu único meio de com os trabalhos de implantação da estrada sustento: a terra e o que ela representava para a de ferro Noroeste do Brasil (NOB). Se a morte de uma rês não podia servir se meio. forne. rela- foram escravizados. aos poucos. algumas áreas ocupadas por indí- tones. 58). Com a criação do SPI.. em 1914. A Comissão de Linhas Telegráficas chefiada pelo marechal Cândido Mariano Rondon. os Ofaié foram tocados de uma região institucionalizou-se a partir do momento em para outra. muendajú. Não tem abuso algum que ta o oficial à Comissão. com o tempo. 1916. esses indígenas ti. Outros. conseguindo reduzir ganizavam-se em bandeiras para pegar índios. desvincularem-se de seus cos. de 1942. concluída sobrevivência física e cultural dos povos autóc.

e aldeia e destruiu todo e qualquer vestígio da “E nós fiquemos animado prá sair de lá”. coor- bucha de canhão. no muni- O indígena Ataíde Francisco Rodrigues. Aos Ofaié e também aos Kaiowa. nas margens nais de ocupação (no caso Ofaié. Tãologo os indígenas foram transferi- rã-MS) só favoreceria o interesse da influente dos. Para os indígenas ou rubar arvores e edificações (quebrar mato. preso a dois tratores. Carlos Alberto dos Santos Dutra 223 . dizendo que nós estávamos passando necessidade. Na serra da Bodoquena Rapidamente foram levados para a confli- tiva região da serra da Bodoquena. acampados pelas caminhão F-100”. Uma certeza. no município de Brasilândia. situada na margem esquerda do ri. uma picape e um do na poeira das estradas. presença indígena do lugar. mas encontra Primavera. posicionaram-se Em novembro de 1986. afluente Ofaié sobre um caminhão. Es- canizada. na Fazenda Cisalpina. o fotógrafo Bill Gann (Na- va. diretamente pelo Sr. da Fazenda do ribeirão Boa Esperança. Ataíde Francisco. caça e tes – lembra Ataíde Francisco – traziam mui- pesca. da região de Dourados. Jamiro. cavalo por jagunços da fazenda. mento) e formar pastagens nas fazendas. na despedi- da. o território totalmente descaracterizado e beirão Samambaia. na praça pública do rio Paraná. na reserva já tinha terra me. Ainda segundo Ataíde: boias-frias pela região. em seus pronunciamentos na Câmara nação agora perambulam pelas fazendas do Federal. os Ofaié já se en- contrárias à ideia de removê-los de sua terra contravam de volta à sua terra natal. desmata- para os fazendeiros? Poder-se-ia perguntar. Outra parte do grupo “Depois de um ano já veio o caminhão para não teve melhor sorte: sobreviveu mendigan- nos levar: um caminhão. forasteiros no agã-chanagui. p. Segundo Jamiro. durante o ano de 1996. junto das vacas e morrendo à míngua. desrespeito contra o povo Ofaié era revoltante. em cor. Na memória dos tional Geographic) posa junto de uma família habitantes de Brasilândia. Dionísio Virgílio da Sil. não restou alternativa transferência dos Ofaié de Brasilândia. a área de sua antiga aldeia. vigiado. 96). sudoeste do estado. é utilizado para der- extremamente benéfica. ta pinga para embriagar os Ofaié e depois se aproveitar de suas mulheres” (RODRIGUES. meio de sobrevoos. casas de material. p. 53). foram depois tocados a respondência de 9 de outubro de 1986. que. Usados como Compareceu em nossa aldeia o Sr. Identificados por confessa o Ofaié. foram en- precisava sair daqui e ir para uma reserva onde ganados e jogados no meio dos invasores. todos manifestavam: a transferência seria 244 Correntão ou Link. Depois de oito penosos anos na reserva do Sul. Pou- que não fosse deixar aquela área. cas pessoas. Brasilân- natal. implemento agrícola de grande bitola. Muita gente no estado. ainda hoje está re. 44). Desnecessário dizer que princípio. Antonio Carlos de Oliveira. cerca de 40 remanescentes desta pedir. Ofaié na aldeia Enodi. o Xehitâ-ha Ofaié. “O só tinha índios. porém. Que nós igualmente transferidos para o local. Até mesmo pelos funcionários da FUNAI. di. O deputado federal por Mato Grosso dia. A operação foi coordenada encostas (Ilust. Na ilustração 96. lembra muito bem deste onde indígenas e posseiros disputavam com fa- “episódio”: zendeiros a posse e o arrendamento das terras da reserva indígena Kadiwéu. nessa época. gistrada a fotografia promocional tirada dos localizada nas margens do rio Verde. no da cidade. funcionário da FUNAI. passando fome. cípio de Porto Murtinho. 1996. por temer município. chegou a Kadiwéu. o grupo tenta ocupar novamente a retirada de indígenas de suas áreas tradicio. a transferência dos Ofaié. mostrou-se interessada em defender a igualmente perseguidos. (RODRIGUES. doada pelo Governo Federal. o correntão244 adentrou aqueles campos oligarquia rural latifundiária local. vivendo wa do Rancho Jacaré. A sua rápida extinção. juntamente com os Kaio- denador da FUNAI. sendo obri- rigida ao Administrador Regional da FUNAI gados a deixar o local e trabalhar de peões de Campo Grande. 1978. cafezais. no município de Bataipo.

FAMÍLIA OFAIÉ (JOANA. Daniel de Souza Marques. OSMAR E FILHOS) E BILL GANN (FOTO DE BILL GANN/DUTRA. a autorização para Em maio de 1987. Sr. Luigi Cantone. fica fácil entender encontro com o superintendente de Assuntos as palavras do líder Ataíde Francisco Xehitâ. ce. Romero cia Estado: “Nós temos vergonha de dizer. recuperasse pelo menos uma parte do terri- siderar a imemorialidade indígena na vasta tório tradicional desses indígenas. Ao se con. o presidente da FUNAI à época. e com ha ao jornalista Luis Carlos Lopes.ILUSTRAÇÃO 96 . italiano naturalizado brasileiro. 209). 1992) ano de 1992. Fundiários. tos necessários à identificação de uma área DRIGUES. que se encontrava em construção a subsídios necessários para que o órgão tutor jusante no curso do rio Paraná. Jucá Filho. Nessa data. suas terras. 1996. de terras para o grupo. os Ofaié obtiveram O Estado e a demarcação da terra Ofaié do proprietário. da Agên. Deste tradicional do povo Ofaié. encrava- região marginal ao rio Paraná. vendo a situação em que se encontravam trica Engenheiro Sérgio Motta (ex-Porto Pri. os Ofaié obtiveram a promessa de mas a verdade é que estamos morando de que seriam dados todos os encaminhamen- favor nas terras que nos pertenciam” (RO. O relatório fornecia todos os mavera). dois representantes permanecer numa área de 110 hectares. ocasião em que en- dida em regime de comodato aos Ofaié até o tregam à FUNAI um amplo relatório descre- enchimento do reservatório da usina hidrelé. Ofaié viajam a Brasília. p. de ocupação da na margem direita do rio Paraná. 224 A ÚLTIMA FRONTEIRA OFAIÉ: A RESISTÊNCIA DE UM POVO INDÍGENA .

por fim. da hectares (DUTRA. sempre reunidos em pequenos grupos. conquistado a paz fundiária tão almejada tificação da terra Indígena Ofaié-Xavante–GT por seus antepassados. a comunidade aí latório. se encontra até os dias de hoje. no centro da aldeia. Um ofício do servidor da FUNAI. Silbene Construíam seus acampamentos à beira dos de Almeida. as casas formavam. sapé. Renasceu assim a esperança pátio. 1987) A partir das informações etno-históricas. 661/91. 1996. havendo balhos do grupo técnico de estudos e de iden. veio trazer um pouco o que facilitava seus deslocamentos. A CESP estaria interessada em vores e cobertas com folhas de palmeira ou viabilizar uma área definitiva para os Ofaié. os Ofaié viviam da caça. foi possível à FUNAI dar início aos tra. de 29 de maio de 1992. um ses indígenas. EM AUDIÊNCIA COM A PRESIDÊNCIA E SUPERINTENDÊNCIA DE ASSUNTOS FUNDIÁRIOS DA FUNAI. onde ocorriam os rituais. TRONORTE. que culmi- nou com a publicação da Portaria 264/92. 937 Antigamente. Na época do de se chegar a uma solução definitiva para frio. que declarou como de A cultura e o futuro do povo Ofaié posse permanente indígena a área Ofaié-Xa- vante.OS INDÍGENAS OFAIÉ XEHITÂ-HA (ATAÍDE) E HEGUE-Í (PEREIRINHA) EM BRASÍLIA-DF. Configurando um círculo. de 21 de junho de 1991.ILUSTRAÇÃO 97 . Transferidos para uma fundiárias e antropológicas contidas nesse re. p. 97). mas o telhado quase uma vez que alguns de seus projetos de hi. cedido pelo órgão à estatal ELE. 231) (Ilust. Suas de alento à luta tão cheia de percalços dessa casas eram construídas com troncos de ár- comunidade. chegava ao chão. rios. Não havia paredes. drelétricas afetariam terras tradicionais des. com superfície aproximada de 1. todo o desterro vivido. área adquirida pela CESP. Carlos Alberto dos Santos Dutra 225 . pesca e da coleta de frutas e mel silvestre. OCASIÃO EM QUE RECEBERAM E DISCUTIRAM O RELATÓRIO OFAIÉ (DUTRA. dormiam em buracos cavados no chão.

por alguns autores.245 Dados coligi- fibras para as cordas dos arcos. encarregam-se da membros da tribo. 98). de 20 anos atuando junto aos Ofaié. Taquaruçu. genas 51 indivíduos. após o falecimento de uma indí- projeto experimental. Agachô. colhem frutos e mel. Com recolhida em 1981. de quando em o seu Deus criador. os Ofaié permanecem vivendo na As mulheres. este diminuto grupo quando ainda distante de branças para os mais antigos. os arcos e as flechas.gov. construíam abrigos da.pdf>. que hoje são em número superior a 100 pessoas é uma bebida feita com milho fermentado e (cf. uma raridade: em tom de lamento. Murtinho. informam que os Ofaié de feminina é a preparação do cauim. seus instrumentos 245 Segundo os dados do Censo 2010. entre outros –. 20 indivíduos não se declararam indígenas. Nos dias atuais. último censo do IBGE apontou que existem Até bem pouco tempo ainda preparavam as ali 71 indivíduos indígenas. <ftp: //ftp. ele tra- provisórios para passar a noite. mato. na região sudoeste do estado). entretanto. com acompanha. ainda disponível Alberto Dutra. capítulo. No campo da religião. junto a um grupo de 23 a fartura de peixe. entre os Ofaié. por seus leitos sob a vigilância de propriedades exemplo. revela nas em feições modernas.forrados de capim e envoltos em peles de ani. confirma também se colhia o mel. os rios ficavam com pouca forçados. 98). há mais em colmeias criadas pelos próprios indíge. Nessa ocasião. apareciam do Tarumã (pertencente ao município de Porto os frutos e os animais atraídos por elas. historiador Antonio Jacob Brand. nem motivos para comemorar. p. essa atividade produtiva re. autor deste capítulo. privadas. mas se consideram indígenas. p. certamente. Os do mais pronunciado o nome do morto pelos homens. o que facilitava a pesca. Dispõe de lembrança dos mais antigos (Ilust. constantes mudanças de lugar a que foram Durante a seca. em rituais que incluíam danças e teristicas_Gerais_dos_Indigenas/pdf/tab_3_01. duz e externa o sentimento de dor vivido por Hoje. como. Ilust. A experiência pessoal do pesquisador Carlos sume-se na coleta do mel. hoje em de. 1996. não sen- repartido entre os homens e as mulheres. pelo portanto. realizam aldeia Enodi. calho. igualmente. eles realizavam grandes indígenas Ofaié que se encontrava na região festas. distâncias que antes percorriam. Curt Nimuendaju. dos pelos próprios indígenas e o autor deste suso. 226 A ÚLTIMA FRONTEIRA OFAIÉ: A RESISTÊNCIA DE UM POVO INDÍGENA . que eles demonstram reverenciar algumas mento técnico do órgão governamental e de vezes (raramente na presença de estranhos) alunos de universidades que. Ivinhe. a época das caçadas. manifestou na reverência a um ser criador. pois as longas seu antigo território (DUTRA. Outra ativida. e os rios far. 65-68). Como ficavam fora essa hipótese. essas atividades são apenas lem. Hoje. O Paí era uma espécie de sacerdote. mas de valor artesanal. Hoje. Era. no município de Brasilândia. 2011. A comunidade é formada de muito utilizada nas festas. descansam é mencionado. consumo de cauim. Costume esse também não caça e os demais cortam e trazem a lenha do mais praticado. Nesse período. Em relação à música. tem serviço de água en- esta prática encontra-se presente somente na canada e rede de energia elétrica. os Ofaié mais. O canto configura-se. e ma. Boa Esperança. não lhes deu alternativa água. No centro da casa. sem dúvi- da aldeia por vários dias.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Carac- várias vozes. os mais jovens. casas de alvenaria. fazem as casas. Uma gravação os Ofaié mudavam para a beira dos rios. gena. Samambaia. O canto era formado por um coro de ibge. 50-59). Este pesquisador também vez. o Ofaié sempre se tos de peixe que frequentavam – rios Verde. também acendiam não dedicam mais o seu tempo à música. As uma fogueira (DUTRA. o Paraná. hoje. deitarem fogo sobre sua antiga casa e O trabalho na aldeia permanece sendo queimarem todos os seus pertences. declararam-se indí- preferidos eram a flauta e um pequeno cho. mesmo as meninas. O os trabalhos caseiros. Com a chegada da chuva. visitam a aldeia e desenvolvem algum presenciou.

htm>. posto de saúde e recebe atendimen. 99). solida entre eles. 248 Portaria do Ministério da Justiça nº 264/92. como se não fossem indígenas. 1999. p. gua Ofayé em sua relação com a população to regular de assistência semelhante àquele Kaiowa e Guarani (Ñandeva) e não indígenas dado às comunidades rurais pelos órgãos pú. ído (Ilust. publicada 247 <http: //ofaie. que convivem na aldeia e dividem com os blicos. 76) escola. compõem o restante do seu território. P. ILUSTRAÇÃO 98 .pdf>. 4). 246 <http: //ofaie.BORNAL OFAIÉ (RIBEIRO. Ofaié os 484 hectares onde está localizada A miscigenação246 cada vez mais se con. 1976. DUTRA. no Diário Oficial da União em 29 de maio de 1992.com/estatistica. 86. a “aldeia de tijolos” (DUTRA. manente indígena para efeito de demarcação dia para atender à comunidade. enquanto a FUNAI interfere e os 605 hectares de área de pastagem que cada vez menos na aldeia. P.248 procedimen- cotidiano Ofaié o permanente desafio cultural to administrativo que até hoje não foi conclu- dos últimos 16 indivíduos falantes247 da lín. uma vez que o lo. 1987. Carlos Alberto dos Santos Dutra 227 . Faz parte do através da Portaria nº 264/92. A área cal não dispõe de posto indígena e tampouco indígena Ofaié foi declarada de posse per- o órgão mantém um funcionário em Brasilân.com/linguafolha1.

.

Os que chegaram do Chaco .

.

de serem predestinados armas fariam a guerra ás outras nações. chamam carácará se lastimára de não haver no mun- do Guaicurú. RA. naçãoes. Primeiro. Até então. a cendo. Guatós. ne- povoados e roubar gados antes de se perderem nhuma nação no mundo parecia não lhes ter novamente na imensidão sem que ninguém tributado uma criança. 2009 [1809]. pela profunda convicção lança. os nas fronteiras do espaço colonial para assaltar cronistas se deram conta de que. e dissera que com aquellas que apresentavam. das quaes a dominar todas as outras nações do mundo. algum. O complexo alto-paraguaiense: Do Chaco a Mato Grosso do Sul Nicolás Richard Isabelle Combès Introdução249 do descrevem com a mesma mistura de admi- ração e surpresa esse relato. os Mbayá encontram muitos outros obrigando-os a negociar com a Coroa a instala- ção de tal missão ou o acesso a certo forte. 1950. o arco e as flechas. antes o matam as vezes que podem” (RODRI- GUES DO PRADO. nem como se pareciam. mbayá.250 Mas também. controlado por o destino de dominá-los a todos e travar-lhes “capitães” e quadrilhas montadas de guerreiros guerra perpétua. de- pois de serem creados os homens. to] e Xamacocos [Chamacoco]”. fazendo Azara. Xiquitos [Chiqui- Coimbra e Albuquerque. Cayvabas [Cayuvava]. tinha-se desses “índios cava. e Ihes déra o porrete. e roubariam o que pudessem : mas a este seu creador não tributam culto Azara. 251 RODRIGUES DO PRADO. como são Guaxis [Guachi]. o cerco colonial se fe. logo. sobretudo. res dos autores (RICHARD. 250 “Antes contam esta humilde historia. LÉVI-STRAUSS. 1839 [1795]). En. com além da “fronteira guaikurú”. Nicolás Richard • Isabelle Combès 231 . SÁNCHEZ LABRADOR. por sionários e militares conseguiram progressiva. de fato. [guaná]. fundações espanho. porque conforme adentraram no leiros” uma imagem fugaz e temível. posteriormente Na segunda metade do século XVIII. “além desses escravos oudomésticos pressão sobre o território dos “capitães” mbayá. mis. Nova Bororós. Guana- trando no século XVIII. p. COMBÈS. e talvez. 2010). um cativo ou um agre- soubesse exatamente onde se localizavam seus gado: “tem nas suas aldêas indios de diversas acampamentos. 1955. 2008. 1839 [1795]. zes [guaná]. Ver também AZA- 249 Esta contribuição baseia-se em trabalhos anterio. 1910 [177-]. Apareciam país e descobriram seus acampamentos. Cayapós. que os creára. cha (fundações portuguesas de Corumbá. tomariam os filhos para captivos. Dizem que. 235. RIBEIRO. segundo o qual os Mbayá teriam mente ingressar no que até então constituía um sido criados depois dos outros povos. Coroás. e com elles repar- É certo que essas pessoas tinham como tidas as riquezas.251 Segundo las de Concepción e Fuerte Borbón). Sánchez Labrador e Rodrigues do Pra. 2009. uma ave de rapina que no Brazil surpreender àqueles que os estavam conhe. Lévi-Strauss. quan- território vedado: aquele que se estendia para do já não sobrara mais nada para dividir. popularizado por Darcy Ribeiro e.

Métraux (1946) propôs usar o nome de Chané “grupo étnico”. outro […]. as exceções são tão visíveis e descrição mais precisa: multiplicadas que estão a caminho de conver- ter-se em regra. 2012. atualmente em desuso. Aqui. A domi- crianças portuguesas roubadas em Corumbá nação guaikurú – assim como a dos migrantes eram criadas juntas com Chamacocos recém. ou como antigos e ac. Caborés. ou de evento semelhante. Entretanto. de todos estes diversos Indios misturados por grupos guerreiros – guarani. Quer se trate da formação das sociedades montando com pouca diferença a 500 Xamico. perguntaria: ‘quem 255 Parcialidad é um termo colonial da América espa- é aquele?’. sobre sua Finalmente das 1. Tentaremos desenvolver aqui esta segunda tos tirados das missões de Chiquitos. p. Estudos mais recen- Desse modo. dizer.entre as crianças e as mulheres que tomam Pierre Clastres ressalta no “sentido da democra- na guerra. cujo chefe é qualificado por “monarca” pelos espanhóis. Dos 2. quer do sistema mbayá-guaná. mas pelas formas hierár- guaranis ou paraguaias mesclavam-se com quicas que seriam anteriores e próprias das so- cativos bororo. LOWREY. ‘aquele’. sobre a margem ocidental do Cha- cos os d’esta nação. ha cinco annos adquiridos. Remetemo-nos ao artigo de nar aos Chaná ou Chané das margens do Paraguai. COMBÈS. o significado chiriguana ao oeste do Chaco. 1845 [1803]. quer torno de alguns Guaikurú e seus “capitães”. e o de Guaná para os de parcialidad e de generación nem sempre é claro. cia” e o “gosto pela igualdade” que caracteri- bém espanhóis. ou por casamentos. daí. e negros cimarrones fugidos ciedades chané-arawak dominadas. maior. Combès neste mesmo volume. p. a uma simples confusão: “Guaná no idioma dos Chaná é pronome 254 RICHARD. Chaco. 232 O COMPLEXO ALTO-PARAGUAIENSE: DO CHACO A MATO GROSSO DO SUL . Na parte ocidental dessa região. mas tam. mbayá. deve-se. assim como uma “tribo” pode ser parte de um 267). O problema é que. geralmente. o conjunto de parcialidades255 e grupos A forma hierárquica das sociedades mbayá étnicos do alto Paraguai que estavam mutu- (guaikurú). guarani – assenta-se não tanto por sua suposta comprados nas selvas do Chaco. 000 almas que ainda restam. 211). e lhe responderiam: ‘guaná’. 600 indios dependentes de Coimbra nos últimos ramais da cordilheira andina.253 tuaes captiveiros no nome. vendo a esses índios. talvez não cheguem a 200 os que se possam margem oriental. bastardos e seus filhos e ne. co. virá a atribuir à toda grupos indígenas considerados “parte” de um grupo nação chaná o nome de Guaná” (1910 [177-]. Algum BÈS. isto é. a partir nhola. Chiquitos. empregamos de forma Na falta de um equivalente contemporâneo para es- indiferente os nomes de Chané. no Chaco [1809]. caso. detendo-nos no que denominare- diversidade regional paira e organiza-se em mos por “complexo alto-paraguaiense”. e seus filhos entre Chiriguano e seus tapii (chané) outro termo tra- os Uaicurús establecidos. no primeiro entre si pelos casamentos que tanto os uaicurús como todas estas naçoes praticam uns com ou. em particular sua relação com os “vassalos” guaná ou chané. mas não por isso menos impac- tante. chiriguano. (ALMEIDA SERRA. no final do século XVIII. é o complexo xaray no Pantanal. 2008.254 conversavam sobre religião com índios neófi.252 é a exceção que 253 Menos conhecido. a literatura especializada ten- chamar verdadeiros uaicurús.000 que res- tam. Bororós. ram à força até fundi-los em uma sociedade duramente hierarquizada. COM- relativo da terceira pessoa. dos 2. e que O termo guaná apareceu no século XVIII para desig- 252 “sujeita” a outras etnias. p. 2006. de modo que o mais humil. espanhol. tirados os 600 Guanás que vivem como célebre sistema hierárquico é o que envolve os aldêados e seprados d’elles. e. 500 ainda são Guanás. ses termos. mais interessante. duzido pelos espanhóis por “escravo”. sendo os 800 de a explicar essas situações a partir de um ar- para completar a somma total um composto de gumento de peso: dóceis agricultores arawak. da margem do Paraguai. costumava-se para os grupos do piemonte andino e da cordilheira denominá-los generaciones. Cayapós. e não somente índios. mulheres superioridade militar. 2. teriam sido submetidos e dominados tos. talvez. Mas é Almeida quem dá a boreal ao menos. inversa e. Chaná ou Guaná. t. segundo Sánchez Labrador. 229). em tes inclinam-se a desenvolver uma hipótese um acampamento guaikurú do Alto Paraguai. 26). decidimos preservá-los. Cayuabas. p. Toda essa perspectiva. Aos grupos maiores. Designa. alguns espalhados por todo o arco setentrional do Negros. no segundo – que os subordina- tros. zam as sociedades ameríndias “contra o Esta- de Mbayá tem três ou quatro escravos” (2009 do” (1974.

Nicolás Richard • Isabelle Combès 233 . nau. o nome culo XVI e das descrições disponíveis para o desse grupo seria guarani e significaria “estei- século XVIII. as aves negras assim chamadas. bém Susnik (1971. t. Vale ressaltar que.260 em 1548. Grosso do Sul.256 Atualmente. junto da pela justificativa do uso da força ou um ato com os Toba e outros. dos no século XVI. saindo do Chaco. descrição e identificação cadeia de troca de metal andino. p. cabe perguntar como e sobre antropológica emprega “mbayá-guaikurú”). como os Terena. volume. então. 100 e 101). segundo Boggiani (1898. 18-20). Os Mbayá foram o primeiro povo encon- pos de Mato Grosso do Sul. 257 Estes últimos. Muitos desses grupos já eram conheci. assim. na Bolívia. 7). nenhum deles então de guacurú-ygua: “os que bebem a água do é originário de Mato Grosso do Sul. guai. p. tentaremos identificar os de Irala. mbayá e guaikurú são consi- cas eram próprias às sociedades de horizonte derados praticamente sinônimos (a literatura chané. t. as quais usavam Vários dos atuais povos indígenas de Mato como adorno (SCHMIDEL. ver a introdução geral deste cies de Chiquitos. Logo. ou uma história comum. cada um desses nomes desig- demonstrar como os núcleos guaná exerciam nava grupos distintos. 2008. ORANTES. graças às expedições empreendidas “Chaco 258 Sobre a distinção entre Mbayá e Guaikurú. a princípios do século XIX. sua terra dava “muita comida e era muito povoada”. cap. 1941 [1541]. explica a transmigração de boa parte dos atuais gru. de parcialidades deram quatro coroas de prata e seis “placas” também de prata para Irala. Por último. trado pela expedição de Domingo Martínez Em primeiro lugar. 2008 [1543]. 58-59). 2. ORANTES. provavelmente um rio onde abundavam vieram do Chaco boreal. ver tam- adentro” pelos espanhóis de Assunção e. Trata-se. examinaremos a dinâ. ainda que linguistica- sua influência até o interior do Chaco. que são os que nos interessam aqui. bém. guarani aplicado a esse e a outros grupos do das aldeias guaná com os acampamentos dos Chaco foi Guaikurú. p. Se tais formas hierárqui. viviam mica da crise que levou à implosão do “com. segundo Sánchez La- brador (1910 [177-]. Outro termo “tributária” que articulava as bastante povoa. 2008 [1543]. no interior do Chaco. 44) (Ilust. 16. cidade de Santa Cruz de la Sierra. e todos Guacurú”. se de conquista mbayá. p. 2008 [1567]. 260 COMBÈS. cap. a partir das primeiras fontes do sé. sobre o rio Para- complexo. pelos documentos referentes à primeira 259 IRALA. de no século XVI. e dividem 256 De kuru: “sarna”. quenho ao qual pertenciam os Mbayá. De fato.258 as terras orientais recentemente abertas para a São descritos como uma “grande geração e colonização pelo Brasil. mente aparentados: como “Guaikurú” eram zando “colônias” chaquenhas de acordo com conhecidos os grupos chaquenhos mais pró- um tipo de relação que Susnik (1978) chamou ximos de Assunção. quem estas eram exercidas. e inimigos dos denomi- de “dependência socioperiférica”. nados por “Mayá” (Mbayá). Foi possível conhecê-los XXX. os Kiniki. examinaremos a relação ra” (1910 [177-]. muito valentes e pequenos corpos”. Segundo Sánchez Labrador. 60-61). tam. em 1548. 1944 [1555]. 257 NÚÑEZ CABEZA DE VACA. p. 2. no fim do século XVIII. organi.amente implicados em um sistema regional Mbayá e Chané cuja crise. no século XVIII.259 Os Mbayá também participavam da grande Alto Paraguai. p. a distintos grupos que compunham o suposto 70 léguas da Candelária. mostrando como a “dócil timo termo designa o grupo linguístico cha- escravidão” dos Guaná é dificilmente explica. os Kadiwéu e os Chamacoco compõem o “complexo alto-paraguaiense”. mais ao norte de Assunção e mais para o in- plexo” e à mudança dos grupos guaná para terior do Chaco. nas planí. 16. este úl- “capitães” mbayá.

os bosques estão aproximaram-se deles. É igual aqui [i. p.. pessoa” um “povo de mayaes” figura no padrão de (MARBÁN. e Ariticoci de Santa Cruz eram. [1567]. RODRIGUES DO PRADO. os Chané eram “escravos” dos e.263 A oeste. esta tradução foi retomada sistematica- quenhos. o idioma chané pertence à subfamília meiro grupo encontrado Chaco adentro linguística do arawak meridional. seu filho mais velho herdou suas encomiendas. 306r). cap. em nenhuma. respectiva- 100). 1948 [1783]. Essas mulheres ficam em Schmidel (2008 [1567]. mandioca-poropi. 262 INFORMACIÓN DE SANTA CRUZ DE LA SIERRA. provavelmente. 2008 peirá. às vezes. cheios de mel. ou “chaneses” é um termo arawak traduzido por vários autores por “gentio. onde. Essa parcialidad era. mas “o maior povo que se chamava mayas se sunção e Mbayá ocorreu durante a viagem de sublevou contra ele”.] Estes os Chané parecem ser quase onipresentes Mbayas são homens altos e garbosos e gente na região. em hipótese quem busca os alimentos. na o que mais se queira usá-lo. e Schmidel del indica que eram em sua maioria Chané. p. em mojenho (a língua dos de de Santa Cruz (atual S. 1930. p. mais fértil ele é [. do mesmo nobre […] eles (também) têm grande provisão modo que nesses países os lavradores estão de trigo turco [milho]. “principais de Xereponono. sujeitos a seus senhores” (SCHMIDEL.. a extensão de “uma única” etnia casa. O encontro de visu entre espanhóis de As. a leste. Mas essa casa e não vão para a roça. em 1548. 2002. de onde escreve Schmidel] Chiriguano. mente por Susnik. multidão”. sobre a domesticação do guanaco pelos grupos cha. 253v. e os gravados presentes no p. na seus vassalos. Schmi- muito povoadas (1956 [1553]). Rodrigues fala em seis aldeias Ao falar dos vassalos dos Mbayá. em Baviera. De fato. 234 O COMPLEXO ALTO-PARAGUAIENSE: DO CHACO A MATO GROSSO DO SUL . 1839 [1795]. ou no mesmo Chaco. Todos os núcleos são agricultores. Essa 261 263 Para mais informações. atual Bolívia. “chanaes” com algodão. seu relato. cap. em 1561. HECKENBERGER. (MÉTRAUX. ao que tudo in. batatas. mente. mandioca. 104). se adentra o país. e. alguns grupos pro. também concedidas a Chaves. O guanaco chaquenho. pessoas de uma aldeia e de uma par- dica. 1975 [1701]. 45) – e o seguiam sendo no sé- bocajá e outras raízes […] Como carne têm veados. em 1561: “Apru e O que as fontes nos apresentam são núcle- Tacutaen. 45). que. comenta até os joelhos. 2008 [1567].262 Irala. que os encontraram em pra- São um grande povo em conjunto e têm ticamente todo o Chaco boreal. achané significa “homem. foi fundada a primeira cida. Quanto mais cordilheira chiriguana.264 Ainda que os Mbayá tenham sido o pri. 323. “Chanes”. (SCHMIDEL. remetemos a Combès (2010. após sua morte. mandiotín. porque ela. dos Mojo e Bauré da Amazônia boliviana vavelmente localizavam-se mais ao norte. José de Chiquitos): Mojo). p. povo os diferentes. não faz outra coisa além de fiar e tecer em todo esse território. nos deixa uma descrição pormenorizada: Os Chané foram bem conhecidos pelos Espa- nhóis coloniais. valiosa e guerreira que não fazem outra coisa que guerrear. 44). dispersos. e as mulheres são muito lindas e incluindo os do Chaco: “achamos neste andam [com] suas partes cobertas do umbigo lugar divina abundância de comer”. a mais povoada de todas as que foram cialidad “chané”. amendoim. referência de Schmidel. avestruzes.. mas é o homem onipresença não significa. 116-123). como o partindo do rio Paraguai. 220. 2008 [1571]. Lama guanicoe voglii. “eram vassalos ou súdi- os lavradores estão submetidos a um senhor tos dos já mencionados Mbayaes. p. quando os missionários jesuítas e selvagens. cap. esses devem lavrar e pescar e [fazer] o que lhes mandam. ovelhas índias domésticas261 culo XVIII.. com o qual fazem vinho e para Seja na franja chiquitana ao norte. também preparam a comida. sequer de mayaes” foram encomendados a Ñuflo de compartilham o nome de “chané”: os Tipiono Chaves (REPARTIMIENTO. encomiendas da cidade. são os únicos depoimentos que existem 264 AGUIRRE. 2008 [1561]..

GUANACO DO CHACO 2 (SCHMIDEL. 1903 [1567]) ILUSTRAÇÃO 101 . 1903 [1567]) Nicolás Richard • Isabelle Combès 235 .GUANACO DO CHACO 1 (SCHMIDEL.ILUSTRAÇÃO 100 .

t. A massa demográfica reunida nos pede de visitar pela segunda vez os povoados diferentes povoados é importante e.300 pessoas”. p. Azara chaná localizadas do lado chaquenho do rio. [1809]. Notemos que as razões dos ma geração”. ao o rio sensivelmente mais ao norte (19º30’S) e norte. a ções precisas sobre as diversas parcialidades mais oriental das missões de Chiquitos. cada um chama sua casa por inversamente proporcionais às de Azara para seu nome”. o jesuíta cruza a fontes coincidem ao apontar que. como um eco. Consequentemente. p. prolonga-o um pouco mais para o sul. 1910 [177-]. do com todos os observadores. Indo chanés e seu território. ou também: “ainda que todos jesuítas para superestimar esses números são sejam Chanés. ado- Alguns anos mais tarde. 225). diz. ao sul. As projeções feitas pelos Señora de Belén. Guanás. de 1767. ressalta ainda fato um Chané quem explicou a Irala que “as. e de Guaikurús” tribos mencionadas supera os 30. as em direção a Chiquitos. o je. entre a cidade brasileira de Corumbá.000 ha. Mas. 1. 2. ainda que todos fossem de uma mes. a melhor fonte uma diferente. (próxima da atual cidade paraguaia de Con- É no século XVIII que aparecem informa. p. Azara. Azara revisa para bai. “trata-se da nação mais numerosa nes- sim tais Chanes nomeavam cada povo por seu tas terras. 7. 255). desce por sua margem oriental. ainda que estas. SÁNCHEZ LABRA- 266 diferentes. apropriem-se de ou. de acor. o que o im- po. cepción. 317).266 Nos termos de Azara: ma língua. acredito ser adquire pleno sentido a palavra parcialidad mais exato o cálculo que fiz e cujo resultado usada pelos Espanhóis quinhentistas. ainda que com algumas diferenças de dialetos mutuamente inteligíveis. de fato. se distinguirem entre si. o jesuíta cruza 22º. pela primeira vez. e é de é de 8. o jesuíta encontra a primei- jesuítas antes de instalar a missão de San Juan ra concentração humana: “sobre a margem Nepomuceno (1760) apresentam cifras signi. (AZARA. a to todas as que figuram nos mapas.000. demonstrar a necessidade de um po- todas as parcialidades. 225). De maneira geral. ocidental do rio Paraguai se situa a aldeia de ficativas: “o número de indivíduos de todas as Guanás chamada Chanás. Entretanto. t. conectando. enquanto o dos 236 O COMPLEXO ALTO-PARAGUAIENSE: DO CHACO A MATO GROSSO DO SUL . rio. missão Nuestra Señora de Belénde Mbayás 2009 [1809]. é a zona mais A alguns dias de distância de Nuestra povoada da região. estima Jolís (1972 [1789]. p. Layaná” (1910 [177-]. chaná. O dos Chaná fica na margem do DOR. p.265 Aqui. 2. p. Os xo as estimativas jesuíticas: “algumas pessoas Mbayá chamam toda essa nação Niyolola. aplicado às outras. 2008 [1543]. car a criação de um sistema missionário. para voamento ocidental nessas terras. Esta primeira par- missionários chegam a falar em 45. na segunda margem ocidental do rio Paraguai em dire- metade desse século. o chaná. 25). mas porque não sabem o que Para entender como se distribuem essas é uma nação e creem que cada horda forma parcialidades no século XVIII. o país chaná estendia-se ção aos 21º S e percorre as distintas aldeias entre os 19º e os 21º de latitude sul. alguns (1910 [177-]. indicam é o diário de viagem que Sánchez Labrador o lugar de cada horda e daí procede que de escreve entre dezembro de 1766 e janeiro uma única nação dos Guaná se tenham fei. 23º30’ S) e a de Santo Corazón. da redução de Nuestra Señora de Belén. tou o nome de Chanás. mais de dois séculos depois. até os Voltando de Santo Corazón. “cuja aldeia é a mais próxima bitantes”. 265 IRALA. t. com exceção dos Guarani” (2009 nome. p. Çimeono ou Tamacoci. 255). 10.os Payzuno. Por último. trata-se de dois povos Ver os respectivos artigos em COMBÈS (2010). cialidad. e o que Chané é um “nome que compreende a segundo. e a contam em até vinte mil o número de almas esta primeira aldeia. ambos apontam que nessa zona fala-se a mes- tros nomes”. no que me concerne. Se pergunta a eles se são de diferentes nações dirão que sim. subestimá-los: os primeiros procuram justifi- suíta Sánchez Labrador anota. e a cidade paraguaia de Fuerte Olim.

Os Terena são chamados pelos zem que os Layono sejam Chané. deias ou parcialidades. 50. 40).. mas nada além disso: não di. Azara. são “pessoas muito mais sido registrado pelos assuncenhos do sé- belicosas e inquietas que os outros Guanás” culo XVI. mais larga que cumprida. Chanás [Layaná] […] Neste ano estabeleceram Conta com 6. São irmãos vidão” dos Layonos pelos Mbayá. paralelos a esta tenda [do caci- Jolís registra a localização dessa missão. vivem de suas colheitas. na situação dos Layaná entre o século XVI É um povo formado por ruas e quadras com e o XVIII: sua localização geográfica (do uma grande praça ao centro. sem in. Nesse povo vive muita gente. Segundo nas. estão divididos em duas grandes Está a quatro léguas do rio Paraguai em di- populações. falam. Além disso. 2. Azara e Jolís confundem ambas essas parcialidades pelo 267 IRALA. t. Os Echoaladis estão na margem ocidental do rá a missão San Juan Nepomuceno (1767). encontra-se a maior das parcialidades. os jesuítas [Lengua] ou os Chiriguanos. Schmidel localiza-os da aos Mbayás e vive com eles ao leste do rio a 102 léguas dos Mbayá. 2008 [1560]. Jolís utiliza respectivamente. nas em outros povos numerosos. corresponden- Mbayá. 2008 Próximos aos Echoaladi. Tampouco o nome é novo. MEMORIA Y RESOLUCIÓN. provavelmente. t. [1809]. que também [1789]. e. casado com uma caci- ca guaná]. t. 1972 vale ao “Choroana” de Azara. talvez centro do Chaco para as proximidades do mais de 800 famílias. que mbayá Caminigó. (SÁNCHEZ LABRA. 1. tes. de um dia de caminhada […] vivem os Tere- nhentistas calamse sobre a suposta “escra. sobre alturas situadas a 21º S” (2009 que os Layonos viviam praticamente no co. 1. na foz “de um rio que os O “Choaraana” de Sánchez Labrador equi- índios chamam Aaba [Apa?]” (JOLÍS. 1. no meio de um bosque muito fechado. 225). mesmo nome de “Ethelenoé” (“Eterenas” de Nicolás Richard • Isabelle Combès 237 . sua relação com os Mbayá. Enimagas (a missão durará muito pouco. p. as pazes com alguns infiéis a cavalo. os quais dicação nem porcentagem dos convertidos se chamam. cada uma delas maior que as do reção ao leste. Entretanto. -se a 22º20’ S.000 índios reduzidos. 50 léguas ao norte de Belén. mas com um gênio melhor” documentos citam os “Mayaes” e os Layo. Da mesma for. o que implicaria Paraguai. a aldeia chaná passará para a margem oriental do rio. 1910 [177-]. ração do Chaco boreal (SCHMIDEL. já havia Sánchez Labrador. t. onde se cria. te ao “Chaarayaane” de Aguirre. De acordo com Aza- ter se modificado entre os primeiros teste- ra. rio Paraguai.] Layayás está a cerca de doze léguas da. Continuando com a viagem de Sán- chez Labrador e avançando para o norte. Todos são agricultores e rio Paraguai). p. p. p. p. p. sua situação parece (1910 [177-].. Alguns dos Echoaladi. dos Choaraana. nos267 juntos. 1910 [1770]. t. [. as fontes qui. considerando que haviam decidido. ‘Nagatag-egodigi’” (SÁNCHEZ LABRADOR. Encontra. cap. sobretudo. pela funda. Com efeito. DOR. 1. 46). segundo os Mbayás. 256): ção de uma missão. É então que. Layono a uma delas por ‘Alomegodigi’ e à outra e Chané são considerados grupos diferen. t. 2005 [1555]. 324). 40). Alguns meses após a passagem dos je. chamados pelos Mbayá de juntamente com os caciques. (SÁNCHEZ LA- serão expulsos no ano seguinte). 255-256). Os Mbayá chamam renciados nas fontes quinhentistas. p. p. a partir dos os chama por “Chabaraná”. 1910 [177-]. ou Aguirre em 1783. de Layanas e de Layya- a denominação mbayá “ecaloadi”. 2. modo que hoje formam duas grandes al- ma que os Mbayá e os Guaikurú são dife. “a pouco menos [1567]. 1910 [177-]. a suítas. Echoaladi (1910 [177-]. BRADOR. (SÁNCHEZ LABRADOR. “Algo” que requer investigação mudou qui. p. uma parte dos “Echoroana está incorpora- munhos e as informações do século XVIII. 40). 25). nem que Mbayá por “etelena”: “multiplicaram-se de sejam escravos dos Mbayá. em 1548.

p. 256). Guayicota. do século XVI como grupo falante de zamu- 251-252). um acampamento mbayá. p. encon- missão de Belén e é por meio dos “capitães” tram-se os Quainoconá. os Capayxoro 238 O COMPLEXO ALTO-PARAGUAIENSE: DO CHACO A MATO GROSSO DO SUL . porque permite que se entenda ra. [. retomando. uma segunda aldeia. assim. co. na parcialidad ou Ishir. p. acam- pidamente como se estruturava o Alto Paraguai pamentos mbayá como o de Gosogotegodi partindo desse fato fundamental: toda a coluna [Gotocogegodegi].] são os únicos Chané que adotaram o cavalo Da descrição do jesuíta depreende-se. a dos Chabaraná: as duas aldeias cha- niquinaos”. parcialidad por meio dos capitães belenistas. ainda que seja prová- Nome atual Kinikinau. o capitão que. t. as incursões a cavalo esta. gem ocidental do rio organiza-se em pares de aldeias. alguns deles estabelecendo contato estreito equivalente. 2. a denominação rena. no século XVIII.“em um bosque tícias sobre grupos chaquenhos de fala zamu- fechado”. sobre a margem ocidental do rio. que se confunde com a primeira com os grupos chané e guaikurú. Com relação a essa época. “imediata” à léguas”). O nome “za- sob o mesmo nome – “layaná”. à maneira dos Mbayá.). p. 2009). segundo Susnik. enquanto Azara (“Caynaconoé”) ná situam-se sobre a margem ocidental do rio. e não estabeleceram uma reestruturação social para cada um desses pares corresponde. dos Layaná”. “última população e de Belén que o jesuíta chega à aldeia. cujo capitão.. 1. segundo o jesuíta. está casado tegrava grandes proporções de outros grupos com uma capitã chaná. mas in. rio. 1978. esse grupo não enquanto sobre a margem oriental instalou-se era composto apenas pelos Chane. t. de que. apenas os Equiniquinao pareciam escapar à regra. A mesma ao qual pertencem os Ayoreo e os Chamacoco estrutura repete-se água acima. É possível que os Equiniqui- 268 vel que devêssemos identificar os Capayxoro nao fossem identificados com os Queliaquiano ou Quichaqueano do século XVI (COMBÈS. a dos Layaná. Na proximidade dos Terena (“a algumas é. correspondem. de povoados chaná que se estende pela mar. 114). A primeira parcialidad. organizando incursões também. as vam destinadas apenas à aquisição de cativos aldeias chaná distribuem-se de duas em duas. rio acima. o jesuíta indica muco” designa atualmente o grupo linguístico que ambos os povos são “irmãos”. Em todo caso. Zamuco ná compõe-se por uma aldeia (“propriamente chaná”) localizada sobre a costa do rio e. Assim. aparecem as primeiras no- léguas de distância” (60 km. outro ponto recorrente. logo. para os pares de aldeias echo- A descrição de Sánchez Labrador é muito aladi e terena situados à margem ocidental do importante. que “se multiplicaram de modo a formar mbayá. A situação é a mesma chaquenhos (1978. Aguirre traduz “Tereone” por “os do hoje dois grandes povos ou parcialidades”. onde se encontram os Te. e Aguirre (“Caynocoe”) guardam a denomina- ção Chaná. Se é verda- ao interior do Chaco em busca de cativos Za- muco.. so- do tipo da dos Mbayá. Segundo Susnik. p. os Mbayá os chamam por equini quinao que Azara e Aguirre também identificam essa (SÁNCHEZ LABRADOR 1910 [177-]. bre a outra margem do rio. uma mesma estrutura vai se re- petindo rio acima. fundo”.Jolís). Entretanto. está casado com uma mulher da elite terena. 114). “dividida em duas o nome de uma das parcialidades que falavam grandes aldeias. Como mais próxima das missões dos índios chiqui- “Layaná” é um termo mbayá. de tamanho co. é de se supor tos”. na margem oposta. entretanto. mas veremos que não é bem assim. era apenas chabaraná ou echoaladi. (SUSNIK.268 Quer dizer que Jolís fala do mesma configuração repete-se na segunda par- ponto de vista dos Mbayá quando diz “Equi- cialidad. A 40. segundo Sánchez Labrador. esse nome não está presente nas fontes mais antigas. ao noroeste dos Chabaraná. onde. 2010. A parcialidad chaná ou laya. cada uma delas maior que a essa língua (COMBÈS. “a 12 No século XVIII. “os últimos”.

p. 1955 [1766]. e Tunacho) iam juntos. 68). 501. outra referência aos Caypotorade como “gente Nicolás Richard • Isabelle Combès 239 . em um primeiro momento. Tunacho. Es. “acontecia de sobrevirem os Guai- era preciso trazer. no século vam-se geralmente em tempos de algarroba XVIII. muco (MONTENEGRO. como eles. isso os fazia. nas integraram as missões jesuíticas por um 52).estão registrados ao sul da primeira cidade de grupos guaikurú estão bastante documenta- Santa Cruz. 85). do gorgotoqui ser assaltado nos lugares em que se encon- e do payono. conta que conquista espanhola. apud MURIEL. 1955 [1766]. t. às vezes. por exemplo. apud MURIEL. 2008 [1561]. imortalidade da alma. nome.8: 22. também foi encomendada em Santa Cruz a do chefe Casachea. 105). curúes. que ape. 46. 1998. os “Morotocos e ou procuravam fazê-lo de propósito. “superiores aos demais” grupos za- tram-se as parcialidades dos Caypotorade. os Zamuco oriental eram os que tinham indígenas ou jesuítas. 300). Em consequência desses contatos com os gando inclusive a constituir uma “sociedade Mbayá. que os visitou em tempo curto. um dos Colope era chefe da parcialidade Tumuyeno. ro perigo naquele momento era a presença um mais ocidental e outro mais oriental. que é próxima dos Guaikurú. lantes de zamuco do século XVIII: os Timuyanos e os pelo P. 6235. e. dos Guaicurús”271. 1964 [1746]. t. Imono e Carao. “índios ferozes e va- o que mais nos interessa nessas páginas. disse Suárez de Figueroa. 1.272 mais contato com os Chané e Guaikurú.273 Colope e encomendados em Santa Cruz tenham sido zamuco. 1914. do chané. 2009. Com lentes” que poderiam tirar a vida de todos. possuíam equestre” como os Mbayá (CORDEU. o mesmo jesuíta indica que macoci. mas que es- disso. AGN-BN leg. todos Em uma expedição contra os Caypotorade com o mesmo dialeto. cavalos “por meio do acordo que fizeram com 136-139. p. 271 TRONCOSO 1762. Os Capayxoro não ficaram à margem da Sánchez Labrador. 272 PATZI 1763.270 avistavam por alguma contigência” (SÁN- Ao contrário dos Chané e Mbayá. efeito. os mesmos indígenas responderam to presentes nas reduções de Chiquitos ao lon. 1757. p. é muito provável. 1753. píes” era um dos nomes da parcialidad zamuco dos 202-203. t. segundo Sánchez Labrador. 1910 [177-]. p. pois. como vir junto com os Guaicurúes diversas vezes. que os diferentes grupos caypotorade junta- TO…. p. Jore. Lorenzo Suárez de Figueroa. sabemos que a língua dos Capayxoro é sas reuniões eram perigosas “pelo perigo de diferente do guarani. encon. Mbayá. 2009. por outro lado. de uma das parcialidades zamuco. os neófitos de San Juan conseguiram recuperar CRÓNICA ANÓNIMA. um chefe chamado Morotoco (REPARTIMIEN. 2. Tomoenos (ver COMBÈS. os grupos dos Tunacho “não se furtavam a ses índios de Santa Cruz poderiam ser. 209. p. para ajudar a estabelecer um frutos de árvore chamado nivadenigo pelos novo assentamento espanhol no rio Guapay. colher os escrevia que. 270 trado casualmente e os quais costumam com- Além da parcialidad do chefe Morotoco. che. COMBÈS. os Caypotorade. tenegro. 273 Estado de las misiones de indios chiquitos. que pouco importavam os discursos sobre a go de todo o século XVIII. os infiéis do Chaco”. 230). 2.269 tram tais mantimentos. das quais levaram a pior Cruz” até que se conseguisse sujeitar os Ta. Ao missionário Patzi. prar ou furtar dos Guaicurús seus vizinhos ou no. apre. houve duras brigas índios das “províncias das comarcas de Santa por conta disso. Ugaroño (1910 [177-]. 355. 413. p. nesse caso. o governador “carpotoradeses e tunchos” (Caypotorade de Santa Cruz. “Colu. doc. Seus contatos com os realizada em 1738 pelo padre Contreras. Miguel Streicher. p. apud MUJÍA. Uma de suas parcialidades tinha dos: o padre Troncoso conta. os Guaicurúes”. Além ou quando havia bastante peixe. 235 r. ainda. 269 “uns 20 cavalos ou mais que haviam encon- AGI Pat. 2010. p. por sua vez. diz Mon- Entre os Zamuco mais orientais. 92. os grupos zamuco estiveram mui. Nessa época. ou os Casachionos”. que os chefes chamados comarcados”. Timinaha. CHEZ LABRADOR. p. mas que o verdadei- sentam-se dois conjuntos falantes de zamuco. Em 1584. cujo nome é muito parecido com o dos grupos fa. Yuracare e Maure da região. 1944 [16—]. p.

210). p. denso. a Mbayá divide com ela. 267-68). os adornos e pinturas corporais. quando seja listrada de várias cores. p. apud BRADOR. 1910 [177-]. em particular. mel. p. 2. reconhecidas até nos mercados de primeiros ocupariam o rol de “senhores” e os Assunção: “os Guaná dão a seus senhores al- segundos o de “vassalos”. 319). No o qual costumam pintar seus corpos e tecidos que consiste tal relação? Como se organiza? de algodão feitos como os nossos” (JOLÍS. lhes pedem. etc. dirigiam-se diretamente para “a descreve as formas com que se concretizava casa de seus servidores”: esse intercâmbio: “acontece. apud 274 JOLÍS. Não o demonstram de outro modo. caso dos de seu marido. 1972 [1789]. t. pois. seja branca. que com primor te- os “capitães” mbayá visitavam as aldeias cha. LABRADOR. 1955 [1766]. p. 2009 [1769]. MURIEL. 240 O COMPLEXO ALTO-PARAGUAIENSE: DO CHACO A MATO GROSSO DO SUL . separam-se naqueles dias tenha. t. 208. PATZI 1763. (SÁNCHEZ LA- à cavalo” nas Anuas do Paraguai de 1730-1734. em uma relação gumas bolas de urucum ou de cosmético com que poderíamos chamar de “tributária”. sobretudo. Assim a mulher pede contas e cada um vive com os seus sem o menor sen. e com ma- ta como uma relação assimétrica. timento. frutos e raízes. que se deixam despojar impunemente por Durante esse tempo. atravessando a paliçada que pro- (JOLÍS. ficando os vam com diversos produtos dos campos guaná Chaná com o que recolheram e retirando-se os despojados para suas tendas. Extrema condescendência a desses capi- tães. sobre o que parece ser carne. um de seus momentos mais intensos. importantes intercâmbios. 1910 [177-]. 2. 267). 267. sempre pouco numerosos.. agulhas. melhor resultado que suas facas de sílex ou de rú. milho e abóbo- ras” ou então “algum grão para a viagem”274). Os “capitães” guaiku. 2. p. e aquele. SÁNCHEZ LABRADOR. e eles não permaneciam estimadas pelos selvagens. Em que formas sociais se ampara? 1972 [1789]. os convidados eram seus vassalos e que. 319. 1972 [1789]. principalmente com urucum. Relação tributária e “dócil escravidão” (“arroz. agulha. sem lhes da moléstia causada por tantos insetos vo- que o gênio belicoso dos mbayá deixe outro adores” (JOLÍS. aproximavam-se osso e do que as conchas que usam para cortar da aldeia com seu cortejo de animais e de “ser- e arrumar o cabelo e belezas de todo o corpo” vidores” e. suas mais estimadas bijuterias” produzam suas lavouras lhes dão. 2. Esses elementos eram também carregado de ambiguidade. mem Chana fala a seu senhor e lhe diz. manter aos senhores é responsabilidade dos servidores. indício de sentimento que dizer em tom mode- Esses três dias eram. e do quanto sem restrição. 319). ocasião de rado: Olequeguigipi Niyolola. 1972 [1789]. p. 2. a articula. [177-]. (SÁNCHEZ (1910. anzóis e outras coisas parecidas e muito na época da colheita. mas [177-]. 1910 [177-]. entrega-lhe. “à véspera da partida os As descrições disponíveis de fins do século Mbayás são presenteados […] com uma bola XVIII nos dão uma ideia sobre a natureza de tal de nibadana. Existem também referên- cias aos Tunacho e aos Timinaha como índios cava- leiros (REBOREDO. servidos nos mínimos detalhes: “fazem-lhes renunciam a qualquer violência ou represália: todos os favores pedidos e não titubeiam em abaná-los com asas e penas de pássaros para Se [os Mbayá] não lhes dão de bom grado o que refrescar-lhes do ar abrasador ou para poupar. pinças. Os Mbayá retorna. Sánchez Labrador tegia a aldeia. são uns ladrões. e alguma manta de algodão. cem os Chanás” (SÁNCHEZ LABRADOR. Nos três dias. Desde o primeiro momento. p. p. Eu não caso a capitã mbayá tenha criados diferentes tenho faca. 1955. t. As visitas trocados por “facas. eram recebidas pelo menos uma vez por ano. t. 190. [os Chaná] procuram compensar e recolhem furtivamente o que conseguem. 268). Era um momento solene. t. p. do alto do seu orgulho. 319). p. necessário para ção entre Mbayá e Chané/Guaná foi descri. na qual os nufaturas.. 268). etc. 1910 né/guaná. com o qual se pintam de cor de relação e. meu capitão. p. de vidro. já que apresentam ali por mais de três dias. que o ho- Observam essa prática com tanta precisão que. lâminas de ferro. CORTESÃO.

inclusive os praze. Ou então. 1. Nessa servidão. COMBÈS. p. uma visitas nunca duravam mais de três dias. anzóis. permaneceram em um perpétuo como a posição de intermediários que. que respeito da sociedade chiriguano. quem as “cacicas” e “régulos” exerciam suas Sobre a sujeição dos Chané aos Mbayá. onde eram vendidos ou trocados. a relação hierárquica da qual se los ou tecidos. As prin- cipais são as dos caciques que são como régulos Assim. não muito distante Nicolás Richard • Isabelle Combès 241 . t. VILLAR. transmitindo-lhes o sentido da hierarquia e da res carnais. segundo Sánchez Labrador. no mínimo. coloniais. 2009 [1809]. p. 1. de al. se isso é assim. Agora. 2006. do outro é o da origem ou da legitimidade sobre a lado do Chaco. que é uma parcialidade muito numerosa dos Essa escravidão é bem dócil. a “dominação” mbayá é exercida continuidade à mística nobreza de seu sangue ca. 2004). Pode- A imagem é ainda mais problemática se argumentar com uma questão similar a quando se atenta para este outro dado. “a mulher tem muitos vassalos echoaladis. De fato. O que torna. (AZARA. a “escravidão” guaná não é tal e. e esta é uma questão ciumento. e teriam comboio português ou espanhol. insiste Sánchez e colônias chaquenhas Labrador. ou roubado no assalto a algum beneficiam os Mbayá lhes antecede. feudo em relação aos descendentes dos ma- ridos de suas senhoras […] Tudo está fundado gum modo. Além disso. t. LOWREY. que os Mbayá traziam provinha das fronteiras coloniais. 267). importante. dade dominada. t. e todos são criados de seu marido” ná se submetem voluntariamente a ela e dela (SÁNCHEZ LABRADOR. 1. dos demais. porque os Gua. Guaná. o ferro – facas. Com efeito: chané (COMBÈS. o sistema de hierarquias mbayá é uma prolongação da sociologia chaná. De modo herdado os direitos que as “capitãs” chané já que. (SÁNCHEZ evidentemente. As capitanias menores procuram dar sobretudo. por sua localização. que caracterizavam seus acampamentos. Os te. p. 267). onde havia sido trocado por cava. seus p. mas sim pela união de seus casamentos” (1910 [177-]. caso da capitã chané casada com Caminigo: tavam riquezas. 266). “nessas visitas desfrutavam. em parentesco. Da (SÁNCHEZ LABRADOR. não usam nun- ca um tom impositivo ou de obrigação e divi. p. que nas “multidões” os Guaná saíam ganhando dos Eyiguayegui”. considerando que o Mbayá não é servidão: ao contrário. 1. t. 2. agulhas – 267. Relação de dependência socioperiférica t. 26). os guerreiros amos apenas lhes dão ordens. 299). onde os migrantes guarani qual se sustenta a autoridade dos “capitães” uniram-se com as mulheres das “casas nobres” mbayá. o prerrogativas reais. te para não rebaixar-se com a plebe. mesma forma. criou-se “uma numerosa colônia [mbayá] casaram-se a seu modo com cacicas que. tudo é questão de parentesco: A partir da aldeia layaná. 1910 [177-]. mbayá não conquistaram as aldeias chaná dem tudo com os Guanas. Os Chanas estão divididos em capitanias. Ou seja. sem que essa dominação se cidos guaná eram transportados até os centros pretenda por meio das armas ou da conquista. problemática aquela um número considerável de indivíduos já imagem inicial segundo a qual alguns dóceis estava subordinado às capitãs e cacicas como agricultores teriam sido submetidos por ferozes herança de seus esposos guaikurú: esse é o guerreiros que lhes cobravam tributo e arreba. perguntar-se como e sobre LABRADOR. renunciam quando querem. jesuíta agrega: “Não pudemos averiguar que os conquistaram por meio das armas. a partir de uma instituição própria da socie- sando-se entre si aqueles de hierarquia semelhan. cabe. 1910 [177-]. Em outras palavras. diz Sánchez Alguns caciques ou capitães Eyiguayeguis Labrador. Os vassalos destas. assim vez mortas. 1910 [177-]. diz Azara. Talvez isso permita compreender por que as ou capitãs guanás. p. os Mbayá representavam.

“Equiniquinaos”. Vista desde fora. de fato. de modo que [177-]. Aguirre encontra-se em situação inversa. “Nigati Ciboe” corresponde ao “Ni. as parcialidades de Mbayás. vendo “Nigotisi- inversa: o primeiro utiliza apenas as deno. em relação aos grupos descritos. sagem que descreve está constituída integra. os termos retidos são termos chaná. Não procura ço. provavelmente ponto. a pai. que tenta desmen- seria esse o único que poderia ser identifi. cada uma constituída por duas aldeias irmãs “Ecalopadi”. A dominação mbayá “Negueca te. mas sim a migii” poderia corresponder ao “Niquegoc. vai acom- ção de cerca de 300 famílias.de sua matriz. “layaná”. O capitão não descreve esse mundo a par- [1809]). “Chaarayaane” no lugar de catisiroe” mencionado por Aguirre (1948 “Ecaloadi”. “Eterenas”. nem desmentir a primei- intérpretes. Aza. as principais parcialidades chaná da região. gatemís” de Jolís. a par- dos missionários de Nuestra Señora de Belén tir da terminologia mbayá. a de deixar alguma pista. a rede de intérpretes que su. a que lhe que sublinhar que seu gênio e seus rituais ditam seus guias e a que rouba de seus in- são os mesmos? Que relação essa “colônia” terlocutores acerca do terreno. debilitar a tutela dos “capitães” Talvez. no temic”. Mas essa desordem é apenas indiretas: foram compiladas ou transcritas a aparente. O jesuíta Jolís e o militar Aguirre ra a partir da segunda. uma vez que é ra. gênios e rituais são os mesmos” (1910 to com os “caciques” chaná. e submetida ao controle dos respectivos ca- 242 O COMPLEXO ALTO-PARAGUAIENSE: DO CHACO A MATO GROSSO DO SUL . seu modo de vida. Escreve “Nicatisiroe” em vez do “Negucca- p. O diário de tornam-se mutuamente inteligíveis por meio viagem de Sánchez Labrador agrega que os da descrição de Sánchez Labrador: ao longo Neguecayatemigui “formam uma popula. mente por denominações mbayá: “Lajana”. cado como uma “colônia”? desse modo. O in. Che- de tudo. A dia de caminhada do rio em direção ao po. permanentemente estabelecer um laço dire- dor. Intercala constantemente etnônimos diferentes para esse mesmo espa. pensar que ele não desconhece essa língua. na falta de fontes explícitas sobre mbayá sobre os “dóceis camponeses” chaná esse assunto. sua descrição estabelece com sua “matriz” layaná? Acima sobrepõe a etnonímia mbayá e a chaná. p. onde Jolís anotava “Ne- minações mbayá. Sánchez Labrador ou Aguirre registram a mais irregular. Azara identifica. ou seja. tir da missão de Belén de Mbayás. nem do rio Paraguai. Os Mbayás a cha. térprete de Azara fala-lhe em quatro povos uma vez que propõe uma descrição sumária de cerca de 300 indivíduos que vivem a um e a tradução de alguns de seus vocábulos. embora sem uma ordem aparente. É colônia do panhado por guias eyiguayegui. bué” com Aguirre. 32-33). a 21’32º de latitude sul. o segundo enxerga esse guccagatemi”. bentende cada uma dessas descrições pode Das quatro etnonímias disponíveis. a correspon. t. 2. tir a etnonímia mbayá a partir da guaná e. mas busca povo de Chaná. rú. de acordo com a rede de seus guias e ater-se a uma delas. termos mbayá e termos chaná. Com efeito. gariam a dizer. partir do Fuerte Borbón (Fuerte Olimpo). inclusive. Com efeito. “echoaladi” e “ethelenoé”. 1. também mencionado por Azara. Jolís. lista mbayá de Jolís e a lista guaná de Aguirre ente. Uma “colônia”? Por registra ambas as denominações. labra. passa de uma a outra encontram-se em situação análoga. suas informações são “Chaarayaane”. mam Neguecaga Temigii” (1910 [177-]. e as coisas complicam-se nesse partir de outros observadores. Azara é a mais interessante. de sua viagem rumo a Chiquitos. recebeu “Neguccagatemis” são todos termos guaiku- o nome de Nigati Ciboé. e concordando com este últi- mundo em guaná. mo nos “Echoaladi” que o primeiro chamava almente nessa região. e deve-se dência geográfica serve como apoio. t. e coração do sistema alto-paraguaiense: todos ao “Neguccagatemí” de Jolís. Jolís nunca esteve pesso. “Caynocoe” no de “Equiniquinao” [1783]) e ao “Nigotisibué” de Azara (2009 etc. 255). que se prepara para evangelizar.

Etnonímia do Alto Paraguai (1760-1800) Em negrito: nomes chané Em itálico: nomes mbayá Sánchez Labrador Azara Aguirre Jolís Chaná. em mbayá a esfera de influência dos capi- bém que se tratam dos únicos núcleos que tães mbayá e em chaná a respectiva esfera não se organizam em pares de aldeias irmãs: de influência chaná. estes três outros acampamentos: Yunaeno. Ou seja. as “colô- descrita por Sánchez Labrador. Chaarayaane Ecaloadi (Echoaladi) Choroana. e também se nias” chaquenhas deveriam distinguir-se de pode mencionar o caso de “Caynaconoé”. Tabela 1. De acordo com essa já vimos o caso da “colônia” Nigati-ciboe. 141. Layyaná Lajana chigo 1 colônia: Nigotisibué Nicatisiroe Neguccagatemi Nigali-Ciboé (Neguecapatamigi) Choarana 2 aldeias Chabaraná. suas “matrizes” chaná na medida em que são Não acreditamos que se trate de um acaso. por exemplo. evi- política desse espaço. tro por meio da língua das “cacicas” chaná lidades menos significativas: “Caynaconoé” que as fundaram. 2008. Quais dos grupos Nossa hipótese é que a terminologia utilizada descritos pelo militar espanhol respondem a por Azara respeita ou reforça a estruturação esse critério? A colônia de Nigali-Ciboe. já mencionado. assim como o acampamento de contêm em si a estrutura política que qualifi. Sabemos tam. Nicolás Richard • Isabelle Combès 243 . Assim. Azara descreve e “Nigotisibué”. Os nomes utilizados dentemente. Caynaconoé. cleos chaná por meio da língua dos capitães Tay e Yamoco. na descrição de Azara. hipótese. Layana 2 aldeias Layaná.pitães guaikurú instalados na margem oposta mbayá que os controlam. Azara refere-se aos grandes nú. tal qual se refere do rio Paraguai. 2 aldeias: Ethelenoé Tereone Eterena na) Alomegodigi NagatagEgodigi Quainocóna Caynaconoé Caynocoe Equiniquinao (Equiniquinao) ? ? Yunaeno ? ? ? ? Tay ? ? ? ? Yamoco ? ? Fonte: Adaptação do quadro de RICHARD. Echoaladi Terena (Etele. Em compensação. denominadas em chaná. mas também cam. p. recorre à às colônias chaná situadas Chaco aden- terminologia chaná para referir-se às parcia. Eguaac.

1898) situ- am um grupo “guaná” ou “kaskiha”. não organizam povoados como os Assim. sem dúvida. 45). a ênfase a predominância de uma massa integrada de na sua condição canibal seria acima de tudo a não chané” (1978. mas Antonio Rodrigues dá 275 Ver RICHARD. segundo Susnik. p. esses como os chané anteriores” (SCHMIDEL. Se tal hipótese é correta. um século antes. Susnik diz sobre eles que “no horizonte chané 233). En- núcleo preexistente. uma informação estranha sobre esse grupo: moco. mas o constituem: a for. por falarem uma língua da família mascoy. como os arawak em geral. (de toda ação colonizadora) justamente atrair ná que as governam. nas a esses dão de comer seus inimigos quando quais se agrupam populações chaquenhas de os rendem” (1956 [1553]. prati. Os “Toyanas” descritos e nuclear as populações de língua e origem pelos espanhóis de Assunção no século XVI diversas. nada impede que. 225). parentes. alegoria de uma diferença: ainda sujeitos aos dor fala explicitamente de “colônia” quan. Schmidel diz. 2008 [1567]. que é o que ca- racteriza o dinamismo expansionista dos Ara. XIX. antes. Métraux A autora destaca o fato de que as “culturas (1946) qualifica a esses Kaskiha de “falsos gua- paleolíticas”. Os “Toya- diferentes conjuntos (zamuco. p. p. esta se mente de cultura paleolítica. uma língua mascoy. satélites da “matriz” era. não devem ser confundidos com os os “colonos” layaná não se impõem sobre um ‘Guaná’ de língua arawak” (1946. a fração separada impõe-se sobre um o exemplo mais decisivo seria. frequente- o da “colônia” Nigali-Ciboe. Assim como “Tay” corresponde a panhante. 244 O COMPLEXO ALTO-PARAGUAIENSE: DO CHACO A MATO GROSSO DO SUL . p. 110). atraindo guístico: os “verdadeiros” Guaná falam uma e reagrupando populações heterogêneas em língua arawak. e cialidades chané do Chaco (2009 [1809]. a fins do século wak. apesar da facilidade com que Métraux ça dessa dinâmica não está na sua capacida. a “colônia” Yamoco as aldeias Nigati Ciboe. são versões de “chamacoco” ou “zamuco”. de zamuco em relação socioperiférica com os chanés – realmente. Alto Paraguai estariam exercendo uma ação Métraux dá como definitivo o argumento lin- colonizadora no interior do Chaco. 2009. centros alto-paraguaienses. poderiam corresponder a uma dessas “colô. 476). Nigati-Ciboe e Caynaconoé não são ainda que os Mbayá não sejam canibais. portanto. 114). provavelmente. assim como.). apareceram no final do século XIX exatamente ções de diversas origens. e esses. Yunaeno. mas distintos. nias”.275 Mas excesso. antes conhecidos por descritos por Sánchez Labrador e. os observadores (BOGGIANI. “yamoco” ou “aamoco” Os Layaná. do Chaco. mascoy etc. a respeito em Yamoco se falasse zamuco. ou seja. que “também são vassalos dos Mbayae talvez o mais decisivo. se desfaz desse problema. torno de “colônias” que dependem de suas Mas é próprio da ação colonizadora arawak “matrizes” e das “capitãs” e “reizinhos” cha. Sánchez Labrador des- Assim. em Nigali-Ciboe. diz. do menciona as 300 famílias que constituem Da mesma maneira. se falasse mascoy. Sánchez Labra. Tay. o que indica uma de nossas prováveis “colônias”. ‘acom. “Taiyono”. ‘Guaná’. Segundo Susnik. COMBÈS. cap. núcleo de origem étnica diferente. e deles. povoada por grupos falantes layaná. nas” ou “Taonas” podem corresponder ao Tay Aguirre (1948 [1783]) traduz Caynocoe como ou Taiy mencionado por Azara entre as par- “pessoas que fazem frente ou fronteiriça”. “têm aldeias chaná propriamente ditas. cam o fracionamento das aldeias povoadas em nome chané que significa “cachorro”. os grandes núcleos chané/guaná do crevia a existência de uma “colônia” guaná. associados’. tretanto. com a agregação do plural chane (ono): tem o estatuto de Chané-má. tal continua sendo este: alguns “falsos Guaná” mas em atrair e organizar em aldeias popula. localizaria ali mesmo onde. Com efeito. nesse caso aquelas do interior ná”. sem dúvida. onde. 2008. o dado fundamen- de de impor-se às aldeias diferentes ou rivais. mas. Por último. entre eles alguns que chamam por Taonas e colônias chaná situadas Chaco adentro. “os Kaskiha. 1978. p. (SUSNIK. Ya. De fato.

em muco (Yamoco. gêneo. Yamoco. a princípios do sécu. que os espanhóis e portugueses pude- o mito ao pé da letra. pessoas “sem entendimen. na margem oposta do rio e que mediam a res de fins do século XIX. de “dependência anabsoro”. do Chaco. e a que raguaiense. Essa plexo alto-paraguaiense. ao ocidente. reconhecida quantidade populacional relevante. O deslocamento do com. por exemplo. Nigati Ciboe) ou za- estar completamente assimiladas a eles. 2008. nação guaikurú. mais setentrionais “Caynaconoé” permanece vel. então. como Susnik. a imagem de conjunto é de- némesh-má”. onde da por Susnik em distintos momentos de sua funda “colônias” nas quais se agrupam po- obra. substrato mascoy (p. então. Aqui. Nossas melhores fontes sobre o sistema geiros” (anabsoro). a “festa dos chamamos. Nicolás Richard • Isabelle Combès 245 . senhada: uma coluna massiva de populações né. parte II): em Palavras finais: a crise do sistema alto- um tempo antigo. que lhes contam sobre o mbayá-chané datam do momento de seu canto e as artes plumárias.Mascoy dizem sobre si mesmos que são “Cha. despro- desse modo “Guaná” e referindo-se a si mesma porcional em relação à demografia pouco como “Chané-má”. integrada e Paraguai. os Ishir não passariam ram observar os últimos esplendores da domi- de uns “falsos anabsoro”. grupos ishir (chamacoco) do Alto Paraguai. pode ser interpretada integralmente na esteira dessa hipótese (RICHARD. nicas da caça. assim. teria tornado invisível essa implicação estreita relação e sob o controle dos “capi- periférica das populações mascoy. Trata-se. paraguaiense to” vindas do interior do Chaco vão somando- se ao acampamento criado por alguns “estran. os capitães mbayá e seus “vassalos” chaná. ou seja. Trata-se de pensar um tipo de relação pulações de diversas origens. flutuante. popula. coluna de pares de “aldeias irmãs” vive em lo XIX. entretanto. Constituem ções chaquenhas heterogêneas atraídas por cristalizações periféricas de caráter hetero- núcleos de povoamento mais maciços (chi. que relaciona foi se formando ou se cristalizando sobre toda os focos chaná e as populações do interior a margem chaquenha do complexo alto-pa. a lógica e as téc. Esses núcleos contam com uma aparentada à esfera guaná/chaná. Se fosse o caso. ocaso. Yuaneno são. para o lado chaquenho. Mas a esfera chaná transpassa também Nigali-Ciboe foi enunciada de maneira tími. principal acontecimento ritual dos periférica” (Ilust. deste modo. otuké. Assim. que acampam com seu grupo um elemento incongruente para os observado. colônias arawak Chaco adentro. tornando-as tães” mbayá. A identidade dos uma espécie de situação intermediária. 102). pendência socioperiférica”. sivo para entender como uma série de grupos de uma segunda articulação. os “falsos Guaná” de relação com a frente colonizadora. Niga- que a antropóloga eslovena chama de “de. li Ciboe. Yunaeno). A hipótese dos “Kaskiha/falsos Guaná” à qual podemos chamar de “relação tributá- como prolongamento da “colônia” chané de ria”. colonia chaná abandonada por seus -se de uma primeira articulação que reúne caciques chané. arawak) sem. instá. essa “época de ouro” desem. nas quais se agrupam populações de quitano. estaríamos de forma veros. A situação poderia parecer paradoxal. que completa a primeira. “chaná” articulada em pares de aldeias que símil frente a uma colônia guaná constituída se distribuem sobre a costa ocidental do rio com pessoas de horizonte mascoy. incógnita (otuké? zamuco?). Trata- Métraux. ex. Levando nhas. densa que caracteriza o resto da zona. Caynaconoé. os Ishir. pessoas aparentadas com Cha. já muito mais terminam com a expulsão dos estrangeiros e a acessíveis que as antigas “tendas” chaque- chegada dos homens novos. Esse tipo de relação seria deci. é compreensível: foi nos acampa- boca em uma série de conflitos e guerras que mentos mbayá de Mato Grosso.

44 (ano de 1734). SUSNIK. 67. p. p. vol. 1845 [1803]. como os futuros Kadiwéu (Ca- diguegodi). nhavam em descuido. os Eyibegodegi. de desestruturação que essa relação havia al- finitivamente o rio Paraguai (1910 [177-]. e muitos sucedem. e NIK. à sua proximidade social Labrador: “como se multiplicaram muito. no meio da noite. que sempre cercam de no atual estado de Mato Grosso do Sul. e espreitando-os tanto na suas ro- os dos Apacachodegodegi (“gente da terra dos ças como quando iam e voltavam d’ellas. a alianças de parentesco e sua complementa- falta de espaço no Chaco. “os da pedra avermelhada”. Sánchez Ver. MÉTRAUX. p. 57-60). sua “desintegração”. p. 1. No fim do século. vol. e há mbayá. t. ficaram vivendo na margem oci. os Mbayá chaque. com popula- dental do rio. fiados dos seus cavallos e guesas. fazendo incursões (atacando as missões. com um cacique 246 O COMPLEXO ALTO-PARAGUAIENSE: DO CHACO A MATO GROSSO DO SUL . 80 (ano de 1734) e Labrador narra o diálogo clandestino que vol. derrubada do sistema. p. repressões e fugas que atestam o grau porque muitos Chané também cruzaram de. captiveiros. no século XVIII. segundo Sánchez riedade funcional. Tais níveis de violência. e a deixarem-se chamar seus gente do canavial”.276 em manufaturas. além. compreensões. e SERRA. p. Os Uaicurús. nos termos de Susnik (1971. não sobre suas aldêas. sem- de Mato Grosso. p. 1968 [1903]. as fontes são unâ- Mato Grosso. ou avestruzes”). p. 80). foi e aos seus estatutos mutuamente inteligíveis. violências e in- caciques passaram para a margem oriental”. e em menor numero. de acordo com o jesuíta. p. Aos intercâmbios regu- motivos dessa atração: as oportunidades para lamentados entre ambos os grupos. assim como a atração provocada pelo conhecendo toda a sua força e superioridade tráfico de gente e mercadorias para as minas sobre as outras naçoes que os não têm. 1978. p. que se instalaram entre os rios no campo matando e captivando os que apa- Apa e Ypané-Aquidaban. 276 5. entre outros exemplos: COLETÂNEA. ções refugiadas nas aldeias protegidas por Seja como for. ple flagellaram os Guanás com uma guerra de Os primeiros grupos mbayá que se estabe. diarias emboscadas e intempestivos ataques. foram estacadas. paz relativa. “a a pedirem paz. crítico. impedidos de ir a seus campos. 94). cançado até 1800: 1. 167 (ano de 1730). Estragos e damnos que obrigaram os Guanás “os setentrionais”. pa- sinais deles nos caminhos que levam para gando continuamente o preço – em cativos. já a partir de meados do século nimes ao descrever como a relação entre XVII. já anunciam definitivamente a guá (SUSNIK. Eram vários os ter suas prerrogativas. Segundo vários autores. os Lichagotegodi. leceram na margem oriental do rio Paraguai. 64). Talvez o elemento mais sintomático quanto algumas parcialidades permaneciam dessa crise seja o grau de violência que os (KERSTEN. 266). evidentemente. 1971. Jesuí- tas e militares se dão conta disso. 208). travou. em alimentos – de uma inclusive estabelecendo aliança com os Paya. 2007. do assédio das frentes colonizadoras espanholas e portu. 2. sempre errantes e sempre atroz- mente guerreiros. para pouparem o resto. os Mbayá paliçadas. ataques imprevistos e intrigas o que explicaria. até o rio Miranda (SUS. Chané/Guaná e Mbayá alcançou um ponto em particular) e retornando ao Chaco. veladas. “capitães” mbayá têm que exercer para man- 1946. a maioria dos Mbayá vive na margem oriental nhos manifestaram um interesse aberto pela do Paraguai e no sul de Mato Grosso. segundo Métraux e Kersten. Cuiabá. 1971. mas sim estragando-lhes as suas plantaçoes. e os Gotocogegodegi. progressivamente. dando-lhes voluntariamente par- te das suas coleitas. preciso procurar novos terrenos. às suas roubar cavalos. en. sitiadas por grupos de cavaleiros estão muito presentes em Mato Grosso. outros grupos. ameaçando os centros mineiros. mantiveram por um as mortes que cada anno soffriam. margem oriental do Paraguai e pelo sul de Nessa mesma época. (ALMEIDA tempo contato com as terras chaquenhas.

os grupos guaná começam a abando. Segundo Almeida Serra. gozando [1809]. Aí os en- levando consigo o que ganharam. para que feriram. para. para que manter alguns “senhores” 277 “Não estranhe que em momento tão intempestivo ve. aproximada. zação. deixam suas rio Paraguai para transmigrar em direção ao armas no primeiro Juez de Paz que encontram atual Mato Grosso do Sul. os ladrões. t. ou seja. roupas e utensílios de ferro. captura. Essa “abertura” do mun- pois. ele de tempos passados. vam submettidos. rer à mediação dos “índios cavaleiros”.. Os maus. pos guaná pudessem instalar-se de forma au- comodamos a ninguém: usamos nosso tempo para cuidar de nossas semeaduras. Azara descreve. o espaço colonial. a cem Guaná descerem para o Paraguaipara oferecerem aos espanhóis seu trabalho como Com efeito. transformam globalmente as relações entre as te. (AZARA. seria criada a missão de pos passados mudam progressivamente para San Juan Nepomuceno. quero lhe dizer é que não acredite naquilo que po. para a bacia do rio para recuperá-las ao voltar. vieram ao presidio da Nova pelo serviço para os crioulos. Mas o de nossos filhos e mulheres” (SÁNCHEZ LABRA- DOR.. (RO- Vê-se cotidianamente grupos de cinquenta DRIGUES DO PRADO. os capitães mbayá somos ladrões e maus.277 No dia seguin. que retiram o sustento nosso e os militares garantissem sua segurança. sem e força de trabalho. mas também rodeados de Podendo estabelecer trocas livremente com outros cativos. indígenas periféricas. a nova situação: a Coimbra independente dos Guaicurús. Sem dúvida escutou de suas bocas que os Layanas ra. 80). presentemente povoados paraguaios ou brasileiros sem recor- vão conhecendo a superioridade do seu nu. para o qual levam tecidos dos desta vez diretamente pelos Mbayá. Como mero e sacudindo o jugo tyrannico a que esta. as reformas bourbônicas lhes servisse de proteção. pretendo fugir do registro dos Oquilidis [Mbayá]. veio pedir-lhe encarecidamente que se fun. mente. Como é possível explicar a crise da relação dasse uma missão entre os Guaná. Rogo a ti que não faça caso opuseram-se tenazmente a que distintos gru- dessas palavras. Quinze anos de. 230). mbayá dos quais já não necessitam? Daí de- nha falar contigo: com isso. e do qual trazem roupas e ferro. ainda de algum status privilegiado nos acam- pamentos mbayá. como marinheiros. que é muitas veces maior do que a dos seus oppressores. apesar mbayá-chané? Sem dúvida. não puderam impedi-lo. 2009 ra. p. a princípios do século Nicolás Richard • Isabelle Combès 247 . p. e de que me escutem. Os Chaná somos boa gente: não in. diz Susnik (1971. A caça a escravos e as guerras de tem- um ano mais tarde. já podem deslocar-se em direção aos A nação Guaná. como os Chamacoco. alguns quilômetros uma “integração comercial” das populações ao norte da foz do rio Apa. contram Rodrigues do Prado ou Almeida Ser. 1839 [1795]). perto dos fortes militares recente. O que corre a violência desesperada dos “cavaleiros”. o serviço para os Mbayá no mez de Junho. citados no início destas páginas. tônoma nas proximidades dos fortes e a que são os Eyiguayeguis.guaná: escapando da vista dos “capitães” a mediação da “dependência socioperiférica” mbayá que acompanhavam o jesuíta. p. os Chané trocaram. Nessa época. de alguma forma. inclusive. ná tomam frequentemente essa última opção [retornar a suas aldeias] após um ou dois anos. o militar Francisco Rodrigues do Prado do colonial muda a situação das aldeias chané. agricultores e. sob a ótica militar: dos Mbayá para se defenderem das caçadas a escravos. os acólitos guarani do jesuíta colocaram populações indígenas e os núcleos de coloni- uma grande cruz no meio da aldeia onde. vários fatores inter- do que pudessem dizer os Mbayá. uma vez que vão até Buenos Aires [. transcreve uma segunda versão dessa mes. 270). 1910 [177-]. tanto que no anno de 1793. Estas já não necessitam da proteção armada ma situação. 2.] Quan- nar progressivamente a margem ocidental do do entram em território espanhol. a partir de 1760. Coimbra pedir a protecção dos Portuguezes mais de 300 […] depois disto continuoiu a vir em meados de 1785. sem êxito. […] As tropas gua- Miranda. preservar as relações de outro- dem ter lhe informado contra minha nação chaná. mente instalados pelos portugueses.

libertas da tutela de seus de o “processo de assimilação dos Terena”. frentes de colonização portuguesa. integram-se progressivamente nas mente. ao fim: os capitães mbayá perdem de.XIX. definitiva. 248 O COMPLEXO ALTO-PARAGUAIENSE: DO CHACO A MATO GROSSO DO SUL . constituin- finitivamente suas prerrogativas sobre as multi. o sistema mbayá-guaná chega. do o que Cardoso de Oliveira (1960) chamou dões chaná. capitães. as quais.