Lei 8112/90

O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários
e na jurisprudência dos Tribunais.

Sumário
1. Lei 8112/90 ................................................................................................................. 2
1.1 Âmbito de aplicação .............................................................................................. 2
1.2 Servidores Públicos...............................................................................................2
1.3 Cargo Público........................................................................................................4
1.4 Provimento...........................................................................................................8
1.5 Estabilidade.........................................................................................................12

1
www.cursoenfase.com.br

Aplicada na esfera federal. O estatutário é regido por um estatuto (conjunto de deveres e direitos). Para os efeitos desta Lei. Artigo 40 da CRFB. porque detentor de cargo público. O servidor estatutário ou é detentor de cargo efetivo ou em cargo em comissão ou função comissionada. das autarquias. A aplicação para o servidor é estrita na lei 8112/90. Regra geral do servidor: Ser concursado. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. 2 www. Relação legal entre o servidor e a Administração. Artigo 1º Art. inclusive as em regime especial. e das fundações públicas federais. 1o. Para fundação pública de direito privado aplicam-se as normas celetistas. 2o. Esta lei é aplicada somente para a Administração Pública direta.2 Servidores Públicos Esta lei é aplicável aos servidores públicos federais. O detentor de cargo efetivo realiza concurso público. é cabível ao civil. Exclui-se o militar.br . 1. Há pluralidade de estatutos. portanto somente o estatutário é servidor público. como agência reguladora. celetistas e temporários. Lei federal. organizacional para elaborar o estatuto dos seus servidores públicos. Esta Lei institui o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União. servidor é a pessoa legalmente investida em cargo público. preenchidos determinados requisitos. pois cada Ente da federação possuí suas próprias regras. autárquica e fundacional da União. Pode ser entidade autárquica de regime especial. O servidor tem estabilidade. Fundacional = Fundação Pública de direito público. A estabilidade é somente para o servidor efetivo. Artigo 2º Art. que garante permanência do servidor no cargo. as quais não podem ser afastadas por vontade das partes. das autarquias e das fundações públicas federais. 1. O detentor de cargo é aposentado por regime próprio.cursoenfase. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. Cada ente político tem autonomia administrativa.1 Âmbito de aplicação Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União. Lei 8112/90 1. É um servidor público estatutário. Alguns autores entendem o servidor público em sentido amplo: estatutários. agência executiva federal.com.

desde que cumprido tempo mínimo de dez anos de efetivo exercício no serviço público e cinco anos no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria. Unicidade normativa. se homem. III . Art. também. 37.com. e cinquenta e cinco anos de idade e trinta de contribuição. Artigo 37. dos Estados. publicidade e eficiência e. O empregado público possuí contrato de trabalho. na forma de lei complementar. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União. Aos servidores titulares de cargos efetivos da União. b) sessenta e cinco anos de idade. Só a União pode legislar sobre regras trabalhistas. Fundo de garantia. calculados os seus proventos a partir dos valores fixados na forma dos §§ 3º e 17: I . mas não há estabilidade legal. do Distrito Federal e dos Municípios. ou aos 75 (setenta e cinco) anos de idade.voluntariamente. contagiosa ou incurável.compulsoriamente. Função temporária. sendo os proventos proporcionais ao tempo de contribuição. Competência da União para legislar. com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. II . Artigo 37. aos 70 (setenta) anos de idade. se homem. mediante contribuição do respectivo ente público. do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade. se mulher. na forma da lei. dos Estados. ATENÇÃO: Esta lei não tem nada a ver com empregado público! Ele é celetista. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. exceto se decorrente de acidente em serviço. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. impessoalidade. § 1º Os servidores abrangidos pelo regime de previdência de que trata este artigo serão aposentados. A relação com a Administração Pública é bilateral. Art. Tem carteira de trabalho. 40 CRFB. é assegurado regime de previdência de caráter contributivo e solidário. IX CRFB. É concursado também. 3 www. moralidade.br .por invalidez permanente. e sessenta anos de idade. moléstia profissional ou doença grave. incluídas suas autarquias e fundações.a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. com proventos proporcionais ao tempo de contribuição Observação: O servidor que detém exclusivamente cargo em comissão é sujeito ao regime geral de aposentadoria. observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial e o disposto neste artigo. observadas as seguintes condições: a) sessenta anos de idade e trinta e cinco de contribuição. se mulher. porque não tem estabilidade. Foro aplicável: Estatutário Federal X Administração = Justiça Federal Estatutário Estadual/Municipal X Administração = Justiça estadual. horizontal.cursoenfase. dos servidores ativos e inativos e dos pensionistas. ao seguinte: IX .

III . São quatro elementos:  Criação por lei – cargo deve ser criado por lei em sentido formal. Parágrafo único. II . Sempre? De forma absoluta? Não. são criados por lei.da carreira diplomática.. Cargo público é o conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor. mediante decreto. Conceito de Cargo público está no caput do artigo 3º.de Presidente e Vice-Presidente da República. pode extinguir cargos e funções públicas.de oficial das Forças Armadas. VI CRFB.a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos.cursoenfase. b) extinção de funções ou cargos públicos. VII CRFB (segurança nacional). 1. de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego. No parágrafo único temos os elementos do cargo público. deve ser extinto por lei. Art. Exceções para cargo acessíveis apenas ao brasileiro nato. V . quando vagos. 4 www. 3o. Artigo 12§3º e 89. II CRFB. Conjunto de atribuições e responsabilidades direcionados ao servidor.  Acesso a todos os brasileiros – CUIDADOS: Brasileiro significa brasileiro nato e naturalizado. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 84.com. Aposentadoria pelo regime geral.de Ministro do Supremo Tribunal Federal.. O foro competente para processar e julgar os conflitos entre o empregado público e a Administração cabe à Justiça do trabalho. acessíveis a todos os brasileiros. através de decreto autônomo. com denominação própria e vencimento pago pelos cofres públicos. Artigo 84. quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. Há exceção. Se o cargo é criado por lei. II . para provimento em caráter efetivo ou em comissão. Os cargos públicos.de Presidente do Senado Federal. VI – dispor. na forma prevista em lei.br . quando vagos. Art.de Presidente da Câmara dos Deputados. Artigo 37. IV . O Presidente. sobre: a) organização e funcionamento da administração federal. ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração. VI . Regra: Princípio da identidade das formas (mesma forma para criar e para extinguir). Compete privativamente ao Presidente da República: .3 Cargo Público Artigo 3º lei 8112/90. Artigo 12§ 3º São privativos de brasileiro nato os cargos: I .

ou seja. Cargo em comissão – é aquele servidor que não fez concurso para deter o cago. exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo.V . na forma da lei. O cargo efetivo pode ser:  De provimento isolado. e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino. não será promovido ou.as funções de confiança.  Vencimento pago pelos cofres públicos.  De carreira – pode sofrer promoção dentro da mesma carreira.de Ministro de Estado da Defesa Art. chefia e assessoramento. condições e percentuais mínimos previstos em lei. com mais de trinta e cinco anos de idade. 89. § 2º O disposto neste artigo aplica-se às instituições de pesquisa científica e tecnológica. um desígnio. Artigo 37. Artigo 37. quem fez concurso público é detentor de cargo efetivo. VII . VII . § 1º É facultado às universidades admitir professores. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. sendo dois nomeados pelo Presidente da República.cursoenfase. V CRFB.os cargos. na forma da lei. I . Art. 207. na forma da lei. uma denominação para sua individualização. I e 207 CRFB. 5 www. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. destinam-se apenas às atribuições de direção.. pesquisa e extensão.br . todos com mandato de três anos. e dele participam: . administrativa e de gestão financeira e patrimonial. discricionariedade para nomear e exonerar o servidor quando quiser. Artigo 37. empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei. Cargo efetivo X Cargo em comissão X Função comissionada Cargo efetivo – é designado.seis cidadãos brasileiros natos. pois é um cargo de livre nomeação e exoneração. e os cargos em comissão.. a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos. nomenclatura utilizada para o concursado. dois eleitos pelo Senado Federal e dois eleitos pela Câmara dos Deputados.  Com denominação própria – precisa tem um nome. As universidades gozam de autonomia didático-científica. assim como aos estrangeiros. vedada a recondução. A Administração tem liberdade.com. O Conselho da República é órgão superior de consulta do Presidente da República. técnicos e cientistas estrangeiros. Limites e condições estabelecidos em lei para o servidor de carreira. O estrangeiro tem acesso ao cargo público. Artigo 37. Exoneração não é punição.

A súmula vincula a todos. No cargo em comissão pode ser nomeado pessoas fora da Administração pública. Eventuais excessos recaem nas urnas pelo povo. até o terceiro grau. VIII c/c 129 Lei 8112/90 – na lei 8112 a 6 www. direcionamento político. Não vincula o poder legislativo somente na função de legislar. O cargo em comissão é muito mais político que a função de confiança. secretários de governo. são os subordinados do chefe do poder executivo. ainda.com. chefia ou assessoramento. para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. Para todo cargo nós temos uma função. Observações: 1) O próprio STF entendeu que esta proibição não é aplicável aos cargos em comissão de agentes políticos. O chefe do executivo não pode indicar parente para cargos de conselheiros do TCM. Somente é possível a designação se a pessoa detiver cargo efetivo. que é mais administrativa. Está dentro da discricionariedade do chefe do poder executivo. na lei de responsabilidade. Para que serve. inclusive. Ex. Artigo 117. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. Ministros de estado. dos Estados. Função de livre designação e dispensa. Entende o Supremo que é um ato político de governo. para o cargo em comissão “Y”. viola a Constituição Federal. 3) A autoridade administrativa que viola a súmula vinculante pratica ato de improbidade. de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos Poderes da União. do Distrito Federal e dos Municípios. Esta proibição ao nepotismo decorre dos princípios da Administração pública. eficiência.br .cursoenfase. Os outros 30% não precisam ser para o servidor de carreira. não sendo necessário lei. companheiro ou parente em linha reta. Princípios da moralidade. 2) A orientação é que é aplicável a súmula vinculante para indicação de ocupação de vaga em tribunal de contas. pois somente podem ser designados servidores efetivos. interna. com efeito erga omnes. Lei 8429/92. probidade. Função de confiança/ função comissionada – são funções internas na Administração pública que não possui cargos próprios. Ex. sendo de livre exoneração e nomeação pela Administração. da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção. qual a finalidade dos cargos em comissão e funções de confiança? Servem para a direção. ATENÇÃO: Súmula vinculante 13 STF. Súmula Vinculante 13. Nem para todas as funções temos cargo. colateral ou por afinidade. A nomeação de cônjuge. 70% foram reservados para o servidor de carreira. TCE ou TCU. chefia e assessoramento. compreendido o ajuste mediante designações recíprocas.

a nacionalidade brasileira.o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo.aptidão física e mental. V . IV . companheiro ou parente até o segundo grau civil. Artigo 5º.br .manter sob sua chefia imediata. que não justifique imposição de penalidade mais grave. Quitação das obrigações militares e eleitorais. 117. Art.com.cursoenfase. § 3o As universidades e instituições de pesquisa científica e tecnológica federais poderão prover seus cargos com professores. 7 www. o § 1 As atribuições do cargo podem justificar a exigência de outros requisitos estabelecidos em lei. Art.a idade mínima de dezoito anos. A advertência será aplicada por escrito. É na posse que ocorre a investidura. § 2o Às pessoas portadoras de deficiência é assegurado o direito de se inscrever em concurso público para provimento de cargo cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são portadoras. Ao servidor é proibido: VIII . nos casos de violação de proibição constante do art. Requisitos de acesso ao cargo público Artigo 5º Lei 8112/90. caput c/c artigo 7º da lei 8112/90. de acordo com as normas e os procedimentos desta Lei. III . Art.o gozo dos direitos políticos. Não podem estar suspensos ou perdidos. cônjuge. para tais pessoas serão reservadas até 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas no concurso. VI . técnicos e cientistas estrangeiros. 117. aplicação é mais restritiva que a da Súmula vinculante. A investidura ocorre com a posse. Requisitos: Idade mínima de 18 anos. e de inobservância de dever funcional previsto em lei. Art. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 5o São requisitos básicos para investidura em cargo público: I . II . (Proibição de parente até o segundo grau e punição com advertência). 7o A investidura em cargo público ocorrerá com a posse. incisos I a VIII e XIX. regulamentação ou norma interna.a quitação com as obrigações militares e eleitorais. Os requisitos precisam ser verificados a partir de quando? Da investidura. Livre gozo dos direitos políticos. em cargo ou função de confiança. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. 129.

 Nomeação É a única forma de provimento originário. Capacidade física e mental. Somente a lei pode definir outros requisitos de acesso ao cargo público.reintegração. Artigo 5º§2º lei 8112/90 c/c artigo 37. A autoridade tem liberdade para nomear e exonerar ad nutum. A nomeação pode se dar para o cargo efetivo ou para o cargo em comissão. Estes outros requisitos devem ser impessoais.a lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios de sua admissão. Somente possível quando exigido por lei.promoção. VIII CRFB. ATENÇÃO: Súmula vinculante 44 STF. O percentual na lei 8112/90 é de até 20% para o portador de necessidade especial. cursos complementares.nomeação. Art. 8 www. Os requisitos devem ser objetivos e haver a possibilidade de recurso.reversão. II . Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais.readaptação. transito. necessidade de carteiras específicas. Nível de escolaridade para o exercício das funções. 1. VIII . É um ato unilateral. 8o São formas de provimento de cargo público: I . IX . a qualquer momento pode ocorrer. Não é necessário fazer concurso público.recondução. VI .aproveitamento. razoáveis e proporcionais. Artigo 37. É a partir da nomeação que as outras formas de provimento ocorrem. V .cursoenfase. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. porque não tem participação do servidor público. Nomeação para o cargo em comissão É ato discricionário da autoridade competente.4 Provimento Formas de provimento (formas de preenchimento do cargo): Artigo 8º da lei 8112/90. Artigo 5º§1º lei 8112/90. Somente previsto em edital não pode. Por ex. imposição de idade máxima (concursos de segurança pública). Súmula Vinculante 44: Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habilitação de candidato a cargo público.br .com. teste físico. ex. VII . VIII .

houve uma forçosa aplicação dos princípios da boa-fé. os candidatos aprovados fora do número de vagas devem ser chamados proporcionalmente. presunção de legalidade. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. A prorrogação deve ser de igual período ao prazo de validade. Artigo 37. IV . Nomeação para o cargo efetivo Necessária prévia aprovação em concurso público.  Concurso público É importante para o provimento originário. prorrogável uma vez. Sendo assim.com. na carreira Se violada a ordem de classificação pela Administração. ou seja. CUIDADO: O que pode haver é concurso interno para a promoção.cursoenfase. Até 2 anos é o prazo de validade. Artigo 37. Deve ser aberto a todos que desejarem concorrer. é um ato vinculado? Tem direito subjetivo à nomeação? Depende. o candidato preterido possuí direito líquido e certo à nomeação. confiança. legitimas expectativas. Concurso interno viola os princípios da isonomia e impessoalidade. Princípio da moralidade. Observação: A administração deve nomear por conta dos princípios da Administração pública. III CRFB. impessoalidade.br . 9 www. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. Artigo 37. A nomeação é um direito líquido e certo do candidato. Há discricionariedade quanto ao prazo de validade e sua respectiva prorrogação. proibição de condutas abusivas.durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação. Pode haver concurso interno? Não. por igual período. Observação: Se o candidato dentro do número de vagas desiste. Candidato que passa dentro do número de vagas fornecido no edital deixa de ter expectativa de direito e passa a ter direito subjetivo ao ato de nomeação. aquele aprovado em concurso público de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados para assumir cargo ou emprego. Concurso público é efetivação dos princípios da isonomia e da impessoalidade. Tradicionalmente a nomeação sempre foi vista como uma expectativa de direito. A nomeação deve seguir a ordem de classificação. por merecimento. segurança jurídica. III . Para outras formas de provimento não é necessário concurso público. Artigo 37. Prazo máximo de até 4 anos. A doutrina e jurisprudência foram evoluindo nesta visão por conta de atos abusivos ocorridos pela Administração. pessoalidade. haveria discricionariedade pela Administração para a nomeação. IV CRFB.o prazo de validade do concurso público será de até dois anos.

no qual deverão constar as atribuições. caso fortuito. que não poderão ser alterados unilateralmente. porque o servidor assina o termo de posse.br . III e V do art. alíneas "a". contratação de terceirizados quando há aprovados no cadastro de reserva. § 4o Só haverá posse nos casos de provimento de cargo por nomeação. escassez orçamentária. 10 www. IV. forca maior. VI. Art. que esteja na data de publicação do ato de provimento. A posse dar-se-á pela assinatura do respectivo termo. em licença prevista nos incisos I. 13. IX e X do art. o servidor apresentará declaração de bens e valores que constituem seu patrimônio e declaração quanto ao exercício ou não de outro cargo. § 1o A posse ocorrerá no prazo de trinta dias contados da publicação do ato de provimento. § 6o Será tornado sem efeito o ato de provimento se a posse não ocorrer no prazo previsto no § 1o deste artigo.cursoenfase. mas quem passa neste novo concurso não pode ser nomeado antes das pessoas já aprovadas no concurso anterior (dentro das vagas ou que constam no cadastro de reserva). outros entendem como um procedimento. Art. Observação: Cadastro de reservas. ressalvados os atos de ofício previstos em lei. É possível que o candidato dentro do cadastro tenha direito subjetivo à nomeação. emprego ou função pública. por qualquer das partes. Ex. Exceções ao direito absoluto à nomeação: ato administrativo fundamentado pela Administração. Quem passa fora do cadastro não há qualquer expectativa de direitos. mas deve-se comprovar nítida violação pela Administração. "d". "b". VIII. a jurisprudência atual. Pode ter? É legal? Sim. 14. "e" e "f". 102. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. Artigo 12§2º Lei 8112/90. § 3o A posse poderá dar-se mediante procuração específica.com. Posse é um direito subjetivo do nomeado. É admitido sobre a fundamentação do Princípio da eficiência. Após a nomeação ocorre a posse. o prazo será contado do término do impedimento. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. Pode ser aberto novo concurso. ou afastado nas hipóteses dos incisos I. Ex. Gera mera expectativa de direitos. § 5o No ato da posse. Artigos 13 e 14 da Lei 8812/90. A posse em cargo público dependerá de prévia inspeção médica oficial. § 2o Em se tratando de servidor. os deveres. Artigo 12 § 2o Não se abrirá novo concurso enquanto houver candidato aprovado em concurso anterior com prazo de validade não expirado. Deve ser compatibilizado com o entendimento. 81. Doutrina: alguns doutrinadores entendem como um ato bilateral. as responsabilidades e os direitos inerentes ao cargo ocupado. Eventuais atos abusivos podem ser controlados.

§ 2o O servidor será exonerado do cargo ou será tornado sem efeito o ato de sua designação para função de confiança. ou seja. se não entrar em exercício nos prazos previstos neste artigo. Parágrafo único.br . Se o servidor não tomar posse será ineficaz. será exonerado do cargo. A posse é ato personalíssimo. de patrimônio (medida de probidade administrativa). não há posse na readaptação. Depois da posse vem o exercício. Exercício. Só existe posse após a nomeação. 2) Exames do artigo 14 lei 8112/90.com. A lei indica algumas formalidades: 1) Declaração de bens. recondução. A Lei 8429/92 dispõe que deve haver atualização desta declaração de patrimônio. declaração se ocupa outro cargo. Se não entrar em exercício. A posse é um ato formal. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. solene. promoção. observado o disposto no art. com a publicação da sua designação em diário oficial. emprego ou função pública. CUIDADO: A lei admite posse por procuração específica. Somente quem pode tomar posse é o servidor nomeado. § 3o À autoridade competente do órgão ou entidade para onde for nomeado ou designado o servidor compete dar-lhe exercício. No caso da função de confiança. Só poderá ser empossado aquele que for julgado apto física e mentalmente para o exercício do cargo. O §2º confere exceções prevendo o adiamento deste prazo. CUIDADO: Exceção: §4º do artigo 15 lei 8112/90. transacionar a posse. passando o servidor a desempenhar as funções inerentes ao cargo. vender. tem que entrar em exercício imediatamente. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 3) Investidura – demonstrando o servidor sua capacidade física e mental para o exercício das suas funções. Prazo para a posse é de até 30 dias. Artigo 15 lei 8112/90.cursoenfase. 4) Artigo 13§1º c/c artigo 13§6º lei 8112/90. remuneração Quando ocorre o exercício? Depende. 18. 11 www. reintegração. passando a contar o tempo de serviço. § 1o É de quinze dias o prazo para o servidor empossado em cargo público entrar em exercício. sujeito a sanção de demissão. será declarada ineficaz a designação. Servidor de cargo efetivo ou em comissão tem o prazo de 15 dias após a posse. Não se pode doar. Exercício é o efetivo desempenho das atribuições do cargo público ou da função de confiança. contados da data da posse. Se não entrar em exercício após o prazo. Art. 15.

§ 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável. A despesa com pessoal ativo e inativo da União. inclusive fundações instituídas e mantidas pelo poder público. § 2º Decorrido o prazo estabelecido na lei complementar referida neste artigo para a adaptação aos parâmetros ali previstos. pelos órgãos e entidades da administração direta ou indireta. reconduzido ao cargo de origem. II . 169. salvo quando o servidor estiver em licença ou afastado por qualquer outro motivo legal. § 4º Como condição para a aquisição da estabilidade.mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa. Artigo 41 CRFB c/c 169 CRFB c/c 19 do ADCT. Observação: A EC 19/98 realizou alterações na CRFB. serão imediatamente suspensos todos os 12 www.cursoenfase. que não poderá exceder a trinta dias da publicação. o servidor estável ficará em disponibilidade. ressalvadas as empresas públicas e as sociedades de economia mista.se houver prévia dotação orçamentária suficiente para atender às projeções de despesa de pessoal e aos acréscimos dela decorrentes. será ele reintegrado. com remuneração proporcional ao tempo de serviço. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público. na forma de lei complementar. a criação de cargos.se houver autorização específica na lei de diretrizes orçamentárias.com. § 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade.mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho. Art. a qualquer título. hipótese em que recairá no primeiro dia útil após o término do impedimento. bem como a admissão ou contratação de pessoal.br . § 1º A concessão de qualquer vantagem ou aumento de remuneração. Artigo 21 e 22 da lei 8812/90. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. só poderão ser feitas: I . e o eventual ocupante da vaga. dos Estados. 41. § 4o O início do exercício de função de confiança coincidirá com a data de publicação do ato de designação. Art.5 Estabilidade Possuí previsão constitucional. III . assegurada ampla defesa.em virtude de sentença judicial transitada em julgado. até seu adequado aproveitamento em outro cargo. é obrigatória a avaliação especial de desempenho por comissão instituída para essa finalidade. 1. aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade com remuneração proporcional ao tempo de serviço. do Distrito Federal e dos Municípios não poderá exceder os limites estabelecidos em lei complementar. já que o legislador ordinário não realizou modificações na lei 8112/90. sendo assim os artigos da lei 8112/90 devem ser interpretados conforme a CRFB. empregos e funções ou alteração de estrutura de carreiras. sem direito a indenização. II . § 1º O servidor público estável só perderá o cargo: I . se estável. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala.

a União. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. repasses de verbas federais ou estaduais aos Estados. emprego ou função com atribuições iguais ou assemelhadas pelo prazo de quatro anos. durante o prazo fixado na lei complementar referida no caput. O servidor habilitado em concurso público e empossado em cargo de provimento efetivo adquirirá estabilidade no serviço público ao completar 2 (dois) anos de efetivo exercício. § 7º Lei federal disporá sobre as normas gerais a serem obedecidas na efetivação do disposto no § 4º.Os servidores públicos civis da União. e que não tenham sido admitidos na forma regulada no art. 22 lei 8112/90. § 4º Se as medidas adotadas com base no parágrafo anterior não forem suficientes para assegurar o cumprimento da determinação da lei complementar referida neste artigo. Artigo 19 ADCT.exoneração dos servidores não estáveis. da administração direta. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. 21 Lei 8112/90. há pelo menos 5 anos continuados.br . da Constituição.cursoenfase.com. § 5º O servidor que perder o cargo na forma do parágrafo anterior fará jus a indenização correspondente a um mês de remuneração por ano de serviço.redução em pelo menos vinte por cento das despesas com cargos em comissão e funções de confiança. em exercício na data da promulgação da Constituição. Observação: Alguns autores dizem que a estabilidade é garantia de permanência no serviço público. § 6º O cargo objeto da redução prevista nos parágrafos anteriores será considerado extinto. os Estados. desde que ato normativo motivado de cada um dos Poderes especifique a atividade funcional. Garante ao servidor permanência no cargo e nas funções que exerce.vide EMC nº 19) Art. O que é estabilidade? É uma qualidade do cargo público efetivo. 13 www. o órgão ou unidade administrativa objeto da redução de pessoal. o servidor estável poderá perder o cargo. II . § 3º Para o cumprimento dos limites estabelecidos com base neste artigo. dos Estados. o Distrito Federal e os Municípios adotarão as seguintes providências: I . ao Distrito Federal e aos Municípios que não observarem os referidos limites. 37. vedada a criação de cargo. são considerados estáveis no serviço público. autárquica e das fundações públicas. Art. O servidor estável só perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado ou de processo administrativo disciplinar no qual lhe seja assegurada ampla defesa. do Distrito Federal e dos Municípios. (prazo 3 anos .

Norma transitória. A estabilidade é para as funções que exerce. 2) 3 anos de efetivo exercício. que quem tem é membro do Ministério Público e magistrado de 1º grau. Lei 8112/90 O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. relacionada ao princípio da eficiência. É possível a estabilidade a partir do artigo 19 do ADCT. Artigo 41§4º CRFB. Observação: Não confundir com a vitaliciedade. A cada novo cargo deve-se preencher novamente os requisitos. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. após dois anos de efetivo exercício. Próxima aula: Continuação das formas para a perda da estabilidade 14 www. Há um período para o servidor adquirir a estabilidade para todo cargo que exercer. Requisitos da estabilidade estão no texto constitucional: 1) Deter cargo efetivo.br . No 2º grau os magistrados adquirem a vitaliciedade de imediato. celetista e temporário) não possuem estabilidade.com. Os demais (cargo em comissão. A garantia da estabilidade é absoluta? Não. mesmo sem concurso. 3) Avaliação especial de desempenho.cursoenfase. Quem estava em exercício há mais de 5 anos da data da promulgação da CRFB de 1988 ganhou estabilidade.