FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

SANDRA KARINA DE MELO BARBOSA LEITE

EMAGRECIMENTO E TREINAMENTO INTERVALADO DE ALTA INTENSIDADE

PATOS

2017

SANDRA KARINA DE MELO BARBOSA LEITE EMAGRECIMENTO E TREINAMENTO INTERVALADO DE ALTA INTENSIDADE PATOS 2017 .

em cumprimento às exigências para obtenção do título de especialista.Artigo Científico-Apresentado à coordenação do curso de Fisiologia do exercício ministrado pelas Faculdades Integradas de Patos.Edmilson Sá PATOS 2017 . Profº Dr. SANDRA KARINA DE MELO BARBOSA LEITE EMAGRECIMENTO E TREINAMENTO INTERVALADO DE ALTA INTENSIDADE Trabalho de conclusão de curso.

particularmente o treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT). As informações serão fichadas a partir de leitura de livros e periódicos. Diante desse fato preocupante. pesquisando os efeitos dos exercícios físicos. no qual será revisada a produção em torno do tema proposto. Partindo da necessidade de uma compreensão do tema citado. EMAGRECIMENTO E TREINAMENTO INTERVALADO DE ALTA INTENSIDADE Sandra Karina de Melo Barbosa Leite Resumo A obesidade na sociedade atual vem aumentando de forma progressiva. PALAVRAS-CHAVE: Obesidade. Assim. . atua de forma conjunta com outros fatores resultando numa evolução expressiva na diminuição do percentual de gordura corporal de forma eficiente e segura. o artigo propõe a ser um estudo qualitativo de cunho bibliográfico. buscando compreender e contemplar as demandas pertinentes ao âmbito da educação física. no processo de emagrecimento. Treinamento intervalado. O objetivo deste estudo é verificar que a prática habitual de exercícios físicos. para os indivíduos que se apresentam com sobrepeso e obesidade. esta pesquisa busca reconstituir o pensamento de autores da área de educação física. faz-se necessário tomar medidas de prevenção. condição relacionada a inúmeras doenças. em especial o HIIT. Emagrecimento. sendo considerada uma problemática no âmbito da saúde pública mundialmente.

sejam sistematizados e principalmente. medicina e psicologia. doenças cardiovasculares. Portanto. quebrando o paradigma de que somente os exercícios aeróbios isoladamente são eficientes no trabalho de redução do peso corporal. surgem os exercícios físicos. os exercícios intervalados de alta intensidade são utilizados com o objetivo voltado para a redução da porcentagem de gordura corporal. Assim. Foram avaliadas na categoria “sobrepeso” diversas faixas etárias. A obesidade. apresentando dados de 30% de obesos entre as crianças entre 05 a 09 anos. em que as pessoas são cada vez mais sedentárias. submetendo o corpo a um estado de obesidade. desde que proporcione aumento do gasto energético. Este artigo tenta compreender a obesidade e o emagrecimento como um processo do mundo atual. Diante disso. parece influenciar o acúmulo exagerado de tecido adiposo. por sua vez. hipertensão. Este treinamento seria uma boa estratégia para programas de emagrecimento e melhora da composição corporal.INTRODUÇÃO A sociedade moderna é marcada pelo fenômeno da obesidade. aliado a uma dieta específica. chegando a cerca de 18 milhões de pessoas. educação física. trazendo prejuízo no âmbito econômico e comprometendo a qualidade de vida de milhões de pessoas. o número de pessoas sedentárias vem crescendo de forma alarmante. e o excesso de peso é considerado uma problemática da saúde pública. acidentes vasculares encefálicos e alguns tipos de câncer. o sedentarismo junto com maus hábitos alimentares. está relacionada com várias doenças crônico- degenerativas como diabetes tipo II.1% dos homens acima de 20 anos. especificamente os exercícios intervalados de alta intensidade como uma ferramenta utilizada para auxiliar no combate à obesidade. 48% das mulheres e 50. a obesidade envolve uma multidisciplinaridade e traz um grande desafio nas áreas de nutrição. Em virtude destes dados alarmantes. . Segundo o CONFEF apud Gentil (2014). cerca de 20% da população entre 10 e 19 anos. sendo os números de pessoas inativas.

teatro. As civilizações mais antigas viviam predominantemente em árvores. No entanto. e aliado a isso. No entanto. no decorrer desse processo evolutivo.adotando atividades como cinema. ou questões referentes à saúde. e os alimentos eram muito disponíveis e de baixas calorias. vêm contribuir com a perda de gordura. sendo uma delas a reduzida oferta de alimentos. principalmente os de moderada à alta intensidade. Os Australopitecos enfrentaram modificações climáticas e ambientais são bastante determinantes. na medida em que busca as demandas da sociedade atual. a humanidade passou a sofrer contínuas transformações. O referido artigo traz uma relevância à pesquisa. Essas alterações ambientais refletiram nas transformações físicas e biológicas (GENTIL. 1 OBESIDADE 1. as pessoas gastam menos calorias. na tentativa de adaptação e da sobrevivência. Assim. afetando o metabolismo de carboidratos e os sistemas cardiovascular e esquelético. Nessa perspectiva. 2014). ajudando nos índices crescentes da obesidade e suas complicações.1 CONTEXTO BIOPSICOSSOCIAL Ao longo do tempo. seja por motivos estéticos. como os vegetais. os exercícios físicos. e se alimentam em grande quantidade. em selvas. essa realidade foi sendo alterada gradativamente. . videogames. a soc/iedade vem passando por diversas transformações com relação à oferta dos alimentos. no contexto atual. mostrando a obesidade como uma questão problemática que compromete a expectativa e a qualidade de vida das pessoas. novos hábitos alimentares que predispõe uma desorganização na fisiologia humana. Ou seja.

2008-2009). e todas as atividades tornaram a vida cada vez mais sedentária.o homem deixou de ser nômade e andar longas distâncias. Monteiro apud Gentil (2014). a prevalência do excesso de peso é maior entre homens de maior poder aquisitivo. sem mudanças no gasto diário habitual de energia. a avaliação é que 39% estejam acima do peso. O esforço no trabalho foi reduzindo. seu cotidiano fez com que o alimento fosse mais facilmente coletado. Diante desses números. Desse modo. mas que o gasto energético diário tem. Bouchard (2010) observou que: O aumento da prevalência do sobrepeso e da obesidade nas últimas décadas pode ser explicado teoricamente por uma das três situações a seguir. Gentil (2014) mostra dados recentes de 2013 que 50. e passou a dominar a atividade pecuária e a agricultura. No Brasil. (IBGE. O excesso de peso vem aumentando sucessivamente na população de adultos. diminuído em proporção ainda maior (BOUCHARD. desde meados da década de 1970. e seu gasto calórico ficasse cada vez menor. A primeira circunstância estabelece que o aumento resulte do fato de que uma grande parte da população está consumindo mais calorias do que os indivíduos das gerações passadas. ou pela combinação delas. a terceira circunstância propõe que a ingestão calórica per capita tem realmente declinado quando comparada com a das gerações anteriores.5% estavam obesas. Finalmente. Diante disso. a grande preocupação dos estudiosos da área é que existe uma chance entre 50 e 70% dessas crianças chegarem à fase adulta. O segundo panorama sugere que a causa desse aumento pode ser encontrada na diminuição do gasto energético diário. .8% da população no Brasil estavam acima do peso e 17. obesas e com problemas de saúde. sem alteração da ingestão calórica. em média. esta intenção vem se transformando por causa da maior da prevalência em pessoas menor poder aquisitivo. Nas crianças. e a realidade atual é que metade dos brasileiros são acometidos com o sobrepeso. Contudo. 2010).

e a escolaridade. ser localizado na parte subcutânea ou visceral. balanço energético. ligada ao psicológico de acordo com os pensamentos. seria um fator imprescindível da resistência à insulina. o tecido adiposo não é apenas um depósito de gordura (paradigma endócrino). Descreve que a obesidade não pode mais ser reconhecida somente sob o viés eminentemente biológico. seria um órgão secretor altamente ativo e ricamente distribuído ao longo do corpo sem uma conexão física. Ele sugere que o corpo reflete um interior. Esse tecido secreta moléculas bioativas. a obesidade é maior entreas mulheres. ação da insulina. Desta forma. As adipocinas são responsáveis por diversos processos como a regulação da homeostase. esquelético e metabólico. que atuam em diferentes partes do organismo. Além dos fatores acima citados. não apresentam num lugar específico. De acordo com Gentil (2014). Gehrke (2008). diferente da ótica anterior da endocrinologia. existe uma complexidade maior do ponto de vista fisiológico. ou seja. Ainda segundo o autor. afetando os sistemas cardiovascular. sendo associada à obesidade e a . mental e espiritual. o sul do País mostra a maior incidência de excesso de peso. a obesidade traz uma causa mais complexa e interpessoal. pesquisas em indivíduos com distintas formas de lipodistrofia revelam que a gordura subcutânea não é associada com a resistência à insulina. embora a obesidade seja um dos fatores que causam a diabetes tipo 2. mas com influências diretas nos aspectos emocional. influenciando no desenvolvimento da obesidade. Ainda segundo o autor. mostra uma relação inversamente proporcional. sentimentos e atitudes constantes. chamadas adipocinas. O tecido adiposo apresenta-se heterogêneo na composição. A hipótese seria que o acúmulo de gordura dentro dos músculos e do fígado e não apenas a gordura subcutânea. diminuindo a qualidade e expectativa de vida. cuja alma está doente. levando a consequências desastrosas para a saúde. ingestão de alimentos. metabolismo de lipídeos e glicídios. aliada a novas rotinas alimentares tornaram a genético humana desordenada. A ausência da atividade física. em que indivíduos com maior escolaridade são expressivamente menos obesos. acontecendo na faixa entre 45 e 64 anos em ambos os sexos.

absortometria com raios-X de dupla energia também são reconhecidas como métodos fidedignos. Procedimentos atuais de imagem. metabólicas (diabetes. ressonância magnética. mas traz um falso resultado em indivíduos que apresentam mais massa magra). 2 EXERCÍCIO FISICO E EMAGRECIMENTO O tema da obesidade é muito complexo. (GENTIL.2003).2014). ecografia. a medida da dobra cutânea. tais como tomografia computadorizada). haja vista que as politicas públicas direcionam o combate da obesidade no tratamento. Existem diversos métodos.doenças como infarto agudo do miocárdio. . síndrome metabólica) e cerebrovasculares (acidente vascular cerebral). e a análise do IMC (método que relaciona altura ao peso. O indivíduo que é considerado obeso apresenta porcentagem de gordura corporal acima de 25% para homens e de 35% ou mais para mulheres (WILMORE & C0STIL. A análise da composição corporal é um dos parâmetros mais fidedignos para a avalição da obesidade. bioimpedância que analisa o percentual de adiposidade e de massa magra através avaliação da resistência e reactância a uma corrente elétrica de baixa frequência. sendo a pesagem hidrostática considerada um dos melhores métodos indiretos. dislipidemia. o alto custo e a dificuldade de acessibilidade fazem com que esse tipo de avaliação são sejam tão utilizados. As ferramentas mais utilizadas por profissionais de saúde oferecem custo acessível e exatidão aceitável. como por exemplo. criando rotinas e interesse por uma vida corporalmente ativa. principalmente do ponto de vista da sua abordagem. Neste sentido. como também doenças metabólicas e cardiovasculares. prevenindo não só a obesidade. o exercício físico seria um modelo de intervenção profilática devendo ser incentivada desde a infância. hipertensão arterial. o que deveria estar focado na prevenção. contudo.

atividades que promovam gasto energético acima das condições de repouso. O efeito do exercício sobre o tecido magro pode depender do protocolo de treinamento e grau de obesidade. cultural e comportamental. tendo como objetivo desenvolver ou manter o condicionamento físico. (PITANGA. podendo trazer um efeito direto na secreção das adipocinas. procedendo em gasto energético. devendo ser percebido como um subgrupo da atividade física. O exercício físico é a repetição esquematizada de determinado movimento ou conjunto de movimentos. tais como: caminhada leve. assegura que a combinação de uma dieta sensata e um programa de treinamento com exercício bem planejado pode trazer a redução de peso responsável. a atividade física está relacionada às atividades do dia a dia. danças. esportes. Ao iniciar a discussão sobre o processo de exercício físico e emagrecimento. O exercício físico é definido como uma atividade que gera repetição. faz-se necessário distinguir o termo atividade física e o exercício físico. exercícios físicos. Dentre as alternativas para tal controle. que tem como objetivo a manutenção e melhoria do desempenho de uma ou mais qualidades de aptidão física. causada pela musculatura esquelética. (PITANGA. Dieta resulta apenas em uma redução tanto da gordura quanto da massa corporal magra (MCM). op cit). A atividade física é definida como toda ação corporal. em ritmo moderado e intenso. etc. jogos. Silva (2004). Portanto. adicionando exercícios seria registrado até um ganho de massa corporal magra. existem as dietas restritivas e a prática regular de . Já o exercício físico é possível utilizar a sistematização através da avaliação das variáveis relacionadas ao volume. que são substâncias ligadas às respostas inflamatórias. tendo como influência a esfera biopsicossocial. atividades de lazer e prática de esportes de alta intensidade. Segundo o autor. atividades laborais. O exercício físico é frequentemente indicado para contribuir nas adaptações positivas relacionadas à saúde de indivíduos obesos. trabalhos manuais. como as lutas. intervalo e a intensidade. É importante elucidar que diminuir os tecidos adiposos é ter uma atitude de mudanças e ritmo de vida. para que a gordura corporal não seja aumentada.por sua vez. organização sendo estruturado. 2004).

para que o exercício físico seja eficiente. Baseado nesse aspecto. é necessário que traga adaptações fisiológicas que tratam e previnam a obesidade. como manipulá-los. busca-se manter o exercício em intensidades moderadas a alta a partir de 60% a 70% da frequência cardíaca máxima. desenvolve a capacidade funcional. portanto. Nesse sentido. que deveriam ser inseridos na vida das pessoas como intervenções profiláticas (GENTIL. assim como da diminuição do metabolismo de repouso. maximiza o gasto calórico diário. introduzindo os exercícios físicos. influenciado pela adaptação fisiológica causada pelo rigor da dieta. Apenas a dieta implica em uma redução tanto da gordura quanto da massa corporal magra (MCM).exercícios físicos. utilizando. e a intensidade utilizada. que significa treinamento intervalado de alta intensidade. O método de treinamento (HIIT). contudo. o exercício físico torna-se uma ferramenta de grande relevância. Gentil (2014) afirma que. as dietas restritas contribuem na perda de gordura corporal. teria o beneficio do ganho de massa corporal magra. Diante disso. métodos que sejam eficazes. 3 TREINAMENTO INTERVALADO DE ALTA INTENSIDADE (HIIT) O grande desafio do treinamento visando o emagrecimento está relacionado aos tipos de exercícios que podem ser realizados. podendo gerar ganho de massa muscular. pode ocorrer o risco de comprometimento da proteína muscular. o que contribui para minimizar a queda da taxa metabólica basal e as demais consequências negativas da restrição energética. Para obter um gasto energético mais eficiente e uma elevada diminuição do tecido adiposo. termo em inglês. pois além de possibilitar a perda de gordura. vem ganhando . Silva (2004) assegura que para que haja redução de peso seria necessária a combinação de uma dieta sensata e um programa de exercícios bem planejados. high intensity intermittent training. 2014).

e menor será a degradação de gordura durante a sua execução. a partir da preconização que quanto maior a intensidade do exercício. e após atingir o pico. (WILMORE & COSTIL. ele demonstra melhora na capacidade de oxidar gordura e na atividade enzimática mitocondrial.2003). Além disso. Sendo assim. mais acelerada a obtenção de energia. a gordura é utilizada como fonte de energia. Por mais de duas décadas. por estar em constante mudança de intensidade. Os exercícios de baixa intensidade e longa duração passaram a serem utilizados como estratégia de potencialização na perda de gordura. A via energética empregada em uma atividade está associada à duração e à intensidade. em um tempo menor de estímulo que o treinamento contínuo. exercícios de longa duração e baixa intensidade. muitos autores trouxeram os exercícios aeróbios como uma ferramenta mais competente no processo de perda de massa corporal. processo rápido (exercícios anaeróbios) e a síntese de ATP pela fosforilação oxidativa. como também maior aderência ao exercício devido ao menor tempo de estímulo e por ser mais dinâmico. Gentil (2014) demonstra a oxidação de gordura como uma curva em função da intensidade do exercício.notoriedade pela sua eficiência na perda de gordura corporal total. sendo o ATP processado a partir da fosforilação de ADP pela fosfocreatina. Esse método de treinamento visa períodos curtos de alta intensidade seguidos de um período de recuperação que pode ser passiva ou ativa. Essa linha de orientação levou vários profissionais a prescreverem apenas exercícios de longa duração com o objetivo de maximizar o emagrecimento. segue aumentando. a energia é alimentada na sua totalidade pelos lipídios. consequência da oxidação de ácidos graxos exercícios aeróbios). A teoria era que os exercícios de longa duração e baixa intensidade empregavam as gorduras como fonte mais importante de energia objetivando a ressíntese de ATP (adenosina trifosfato). perda de gordura visceral e desenvolvimento do sistema cardiorrespiratório. vai minimizando. .2003). ou seja. negligenciando o uso de exercícios de alta intensidade visando esse objetivo. (WILMORE & COSTILL. A esse respeito.

em contra partida. durante a execução do exercício. 2014. Intensidades maiores estão relacionadas à manutenção e até mesmo ganhos de massa magra em comparação aos exercícios contínuos de baixa intensidade. o exercício que promovesse maior utilização de carboidrato promoveria perda de massa magra. p. O cientista avaliava este protocolo como um dos melhores métodos de treinamento.66). Contudo. diminui a contribuição relativa das gorduras. acreditava-se que esses exercícios poderiam provocar um aumento desproporcional na parede do miocárdio. Porém. as intensidades mais baixas estão relacionadas à maior utilização de gordura em termos relativos. a oxidação dos carboidratos se eleva de modo quase linear paralelamente ao aumento da intensidade. conforme a intensidade vai elevando. pois todos os parâmetros cardiorrespiratórios estariam em seus níveis máximos. vários estudos apontam que as alterações advindas de . em valores absolutos. protocolos com estímulos realizados próximos à intensidade associada ao Vo2máx(capacidade do organismo de captar. Seguindo esse raciocínio. não foi localizado nenhum relato de superioridade de atividade de baixa intensidade e longa duração. apesar de ser comumente postulado que o exercício que usa gordura como substrato resulta em maior perda de gordura e que. O HIIT vem sendo analisado pelos estudiosos desde a década de 1960. aumenta o reforço relativo do carboidrato como fonte de energia. (GENTIL. Já em termos absolutos. enquanto que a oxidação de gordura atingirá seu máximo e posteriormente irá cair. contudo. alternativamente. transportar e utilizar oxigênio) alternados por períodos de repouso passivo. como arritmias em hipertrofia concêntrica. De acordo com Gentil (2014). Segundo Gentil (2014): No entanto. induzindo a alterações patológicas. O grupo de pesquisa de Per-Olof Astrand apud Gentil (2014) desenvolveu nessa época. observou-se que a oxidação de gordura foi maior em repouso. a maioria dos estudos indica que o exercício de baixa intensidade não trouxe beneficio relativos à perda de peso e na composição corporal. pelo caráter intenso desse método. ou seja. Assim.

Este aumento do consumo de oxigênio é equivalente à intensidade e a duração da atividade. buscando como grande desafio a utilização de métodos de exercícios físicos mais eficientes. como o treino intervalado. desde que seja esquematizado e executado adequadamente. sigla inglesa. o treino intervalado mostra-se seguro do ponto de vista cardiológico. trazendo um elevado consumo de oxigênio. Esses níveis permanecem elevados após o término da atividade. Dessa forma. contribuindo com alterações metabólicas mais significativas. Nos exercícios de baixa intensidade. que significa consumo excessivo de oxigênio pós-exercício ou chamado efeito EPOC. respeitando o princípio da individualidade. aliados a uma alimentação mais calórica e questões de ordem psicológica. especialistas conferem ao EPOC uma explicação para a maior eficácia do treino intervalado no que se refere ao emagrecimento. sendo a intensidade o seu principal determinante. a demanda de oxigênio será mais elevada. pode-se constatar sua segurança e eficácia. Dessa forma. Já em exercícios intensos. adaptando os diversos protocolos de acordo com a condição de cada individuo. o presente artigo buscou os exercícios intervalados de alta . o EPOC resume-se entre o inicio e o alcance da condição constante. ocorrendo um fenômeno chamado EPOC. CONCLUSÃO A obesidade é uma realidade da sociedade atual e está relacionada às doenças do sistema cardiovascular. buscando sempre a segurança e eficiência. ou seja. Após o exercício físico. (GENTIL 2014). esquelético e a diabetes. no que diz respeito ao treinamento intervalado de alta intensidade. Por fim. os processos do metabolismo não voltam ao nível antecedente. o profissional tem como competência utilizar o método de forma responsável. Diante disso. limita-se aos poucos segundos após a conclusão. ou seja. o exercício físico surge como uma ferramenta de intervenção.atividades intensas não têm comprometimento funcional negativo. excess post exercise oxygen consumption. Acredita-se que o EPOC aconteça como uma forma de compensação para reparar a demanda de oxigênio exigida durante o exercício. Partindo dessa teoria. tendo como causa vários fatores como a introdução de hábitos de vida mais sedentários.

faz-se necessário respeitar o principio da individualidade. Epidemiologia da atividade física. v.htm>. Através da análise dessa pesquisa. adolescentes e adultos no Brasil. n. apresentou como principal benefício a taxa metabólica de repouso.2009.intensidade (HIIT) como contribuição eficaz na redução de gordura corporal em sujeitos com sobrepeso e obesidade. Revista Digital. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. sugere-se que o treinamento intervalado pode ser uma boa estratégia devido ao seu caráter intenso. São Paulo: Phorte. SILVA. prescrevendo o treinamento de acordo com as particularidades de cada indivíduo. já que mobiliza a gordura no período pós-exercício(EPOC). Barueri: Manole. Antropometria e estado nutricional de crianças. Acesso em: 15 de Março 2017. Atividade física e obesidade.com/efd70/mulheres. M. G. PITANGA. 70. 10. A. que ocorrem como adaptações ao treinamento. REFERÊNCIAS BOUCHARD. contribuindo com o emagrecimento devido às diferentes alterações fisiológicas. diferentemente dos exercícios aeróbios contínuos. 2004. No entanto. Pesquisa de Orçamentos Familiares. O método HIIT mesmo não utilizando a gordura como substrato. São Paulo: Esfera. Viva bem mais e melhor. consequentemente. S. J. Efeitos do treinamento intervalado na redução da gordura corporal em mulheres adultas.efdeportes. GEHRKE. 2008. 2010. 2004. .EF. F. um gasto energético total superior ao treinamento de caráter contínuo . C. Disponível em: <http://www. exercícios físicos e saúde. para que o método seja eficaz e seguro. 2008.

Fisiologia do esporte e do exercício. DL. .WILMORE. JH & COSTILL.São Paulo: Manole.2003.