INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS

Sumário:
1- Exemplos de condutores/cabos elétricos

2- Símbolos utilizados nas designações
- cabos de BT harmonizados;
- cabos de BT não harmonizados.

3- Dimensionamento de canalizações e proteções
- critérios de cálculo;
- fatores de correção e coeficientes de
simultaneidade.
1

INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 1. 2 .isolamento e bainha em PVC.alma em cobre e isolamento em PVC.alma condutora em cobre. Devem ser sempre protegidos por tubos. Circuitos de iluminação. 300/500 V: . Cabos PT-N05VV-U. … Instalações entubadas ou à vista. . exceto quando utilizados em QE (Quadro Elétrico).Exemplos de condutores/cabos elétricos (I) Tipos de condutores mais utilizados (NP-2356):  H07V-U e H07V-R. controlo e sinalização. tensão máxima de 750V. tomadas. .

3 . Instalações entubadas ou à vista. 450/750 V: .isolamento e bainha em PVC. . Para circuitos de distribuição de energia. 0. instalações enterradas.alma condutora em cobre.alma condutora em cobre. .blindagem em fita de alumínio. Cabos H1VZ4V-R.isolamento e bainha em PVC. Para circuitos com necessidade de blindagem eletromagnética.6/1 kV (VAV): . . INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 1.Exemplos de condutores/cabos elétricos (II) Cabos PT-N07VA7V-U.

em conformidade com o Documento de Harmonização HD-361 do Fonte: CelCat CENELEC. 4 .SÍMBOLOS UTILIZADOS NAS DESIGNAÇÕES DE CONDUTORES E CABOS ELÉTRICOS (I) CABOS DE BAIXA TENSÃO HARMONIZADOS No quadro apresentam-se símbolos utilizados nas designações internacionais de cabos elétricos. INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 2.

SÍMBOLOS UTILIZADOS NAS DESIGNAÇÕES DE CONDUTORES E CABOS ELÉTRICOS (II) CABOS DE MÉDIA TENSÃO E CABOS DE BAIXA TENSÃO NÃO HARMONIZADOS 5 Fonte: CelCat . INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 2.

DIMENSIONAMENTO DE CANALIZAÇÕES E PROTEÇÕES (I)  Determinar a secção (S[mm2]) e o calibre da proteção (IN[A]) a utilizar numa instalação. Métodos a adotar:  Secção Técnica. INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 3. 6 . Sicc) Satisfazer as condições: a) Is ≤ Iz (aquecimento normal)  Si. Su. S*(mm2)  mínimo custo de investimento e de exploração   Garantir simultaneamente os requisitos: * Proteção contra sobreintensidades (e seletividade). ε – queda de tensão máxima admissível (V) e Uns – tensão nominal simples (V) c) Icc (t=5s)  Sicc ≤ Sn (mm2) (sobreaquecimento) Secção económica. * Secções mínimas impostas regulamentarmente. corrente máxima admissível do condutor/cabo (A) b) ∆U ≤ ε. ST=max(Si. Is – intensidade de corrente de serviço (A) e Iz – int. ∆U – queda de tensão (V).Uns (queda de tensão)  Su.

Su. Sicc) a) condição de aquecimento.DIMENSIONAMENTO DE CANALIZAÇÕES E PROTEÇÕES (II)  Método da Secção Técnica. ST=max(Si. Si Is ≤ Iz [A] Rede monofásica: Rede trifásica (cargas equilibradas): Incluir Coeficientes de Correção no dimensionamento das 7 canalizações  fi . INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 3.

Su. Si 8 Ter em conta os Coeficientes de Correção no dimensionamento das canalizações  fi . ST=max(Si. Sicc) a) condição de aquecimento. INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 3.DIMENSIONAMENTO DE CANALIZAÇÕES E PROTEÇÕES (III)  Método da Secção Técnica.

radiação. Sicc) a) condição de aquecimento. T(º). Su. afastamento):  Cabos tripolares  f1  Cabos monopolares  f1 9 . fi  (enterrado/ar. Si Coeficientes de correção. nº cabos.DIMENSIONAMENTO DE CANALIZAÇÕES E PROTEÇÕES (IV)  Método da Secção Técnica. ST=max(Si. INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 3.

INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 3. fi:  suportes metálicos  f2  T  20 ºC  f3 10 . Si Coeficientes de correção. Su. ST=max(Si.DIMENSIONAMENTO DE CANALIZAÇÕES E PROTEÇÕES (V)  Método da Secção Técnica. Sicc) a) condição de aquecimento.

INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 3. ST=max(Si.I’z ou If ≤ 1.15.  fi [A] i É agora que se deve garantir a condição de aquecimento (Is ≤ I’z) ** Escolher tipo de proteção (disjuntor/fusível) e calibre. Su.DIMENSIONAMENTO DE CANALIZAÇÕES E PROTEÇÕES (VI)  Método da Secção Técnica. Finalmente. .45. Si ** Corrigir Iz do cabo  I’z: n I’z = Iz .I’z Especificação do cabo (dimensão e constituição). IN (A) Is ≤ IN ≤ I’z satisfazer  Inf ≤ 1. Sicc) a) condição de aquecimento. satisfeita esta condição: 11 Proteção (tipo e calibre  tamanho).

Su. Si ** Tabelas com as caraterísticas dos disjuntores/fusíveis Tabela 8 – Dados dos fusíveis. Sicc) a) condição de aquecimento. 12 Tabela 7 – Dados dos disjuntores. . INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 3.DIMENSIONAMENTO DE CANALIZAÇÕES E PROTEÇÕES (VIII)  Método da Secção Técnica. ST=max(Si.

ST=max(Si.DIMENSIONAMENTO DE CANALIZAÇÕES E PROTEÇÕES (IX)  Método da Secção Técnica. Sicc) a) condição de aquecimento. INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 3. Su. Si ** Secções dos condutores de neutro e de proteção 13 13 .

Su. Estes Si – potência aparente da instalação i [kVA].8.potência aparente total [kVA].ex. Assim. [kVA].25 ou 20.35. aparelhos detetam situações em que a intensidade de Cs – coeficiente de simultaneidade. Sicc) a) condição de aquecimento. O valor assim calculado dá origem à potência a contratar à entidade distribuidora devendo optar-se. comuns. 6.7 kVA (RTIEBT). . p. ex.9.15. 10. nestes casos. corrente de carga é superior à correspondente à potência contratada promovendo. considerando contratos em BT (em regime monofásico ou trifásico). iluminação.45. Si A potência aparente. estima-se a potência das cargas a instalar para diversos fins. 17. INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 3. a abertura do Sx – Pot.: aquecimento. A este respeito o Artigo 435 do RSIUEE fornece um conjunto de indicações relativas às potências mínimas a considerar em locais residenciais ou de uso profissional.DIMENSIONAMENTO DE CANALIZAÇÕES E PROTEÇÕES (X)  Método da Secção Técnica. Os erros cometidos não são elevados dado que as cargas são tipicamente de natureza resistiva  fator de potência considera-se unitário. Cs + Sx Estes valores de potência contratada estão associados a valores de I(A) para o qual são regulados os aparelhos de Stot . de uma instalação determina- se com facilidade em instalações estabelecidas em locais residenciais ou de uso profissional. por 1. ST=max(Si. S(VA). 14 portanto. aparente afeto aos serviços disjuntor de entrada. tomadas de usos gerais e de cozinha. como um limitador de potência.. 3. Stot = Si . Este aparelho de corte funciona. corte de entrada existentes no início da instalação. p. 13.