'ILUMINAÇÃO além 'de seguras, podem ser controladas. O brilho 'e a
intensidade podem ser aumentados ou diminuídos por
uma resistência elétrica. O mesmo instrumento é capaz '
de produzir tanto a luz forte do dia como a esmaecida
claridade do crepúsculo. Além disso, por intermédio de
um filme colorido, ou de uma "gelatina" colocada sobre
o refletor, o colorido pode ser também controlado. Essa
flexibilidade é um instrumento poderoso na consecução
de efeitos teatrais.

FUNÇÃO ESTÉTICA DA ILUMINAÇÃO

O suíço Adolphe Appia (1862-1928) - cenógra-
Ailuminação, oúltimo elemento incorporado àprodu- fo e iluminador, foi um dos primeiros a vislumbrar as
ção teatral dentro 'de uma perspectiva histórica, é o mais vastas possibilidades artísticas e estéticas da iluminação
moderno, em termos de técnica e equipamento. Em no teatro. Ele escreveu: "A luz está para a produção
seus primeiros dois mil anos de história conhecida, o assim como a música para a partitura: o elemento ex-
teatro sempre foi representado durante o dia e ao ar pressivo em oposição aos signos literais; e, como a mú-
livre: a principal razão disso está ligada sem dúvida sica, a luz pode expressar tão-somente o que pertence
alguma à necessidade de luz. A luz do sol, afinal de à essência inerente à visão de todas as visões." Norman
contas, é uma excelente fonte de iluminação.
Bel Geddes (1893-1958), americano, imaginativo se-
Como não havia mesmo fontes de luz sofisticadas, guidor de Appia, também afirmou: "Uma boa ilumi-
os autores utilizavam a imaginação - o mais adeqaado nação adiciona espaço, profundidade, clima, mistério,
instrumento disponível - para sugerir períodos noíur- ' paródia, contraste, mudanças de emoção, intimidade e
• nos ou mudanças de luz. Os atores empunhavam tochas medo."
ou castiçais, como o faz Lady Macbeth, para indicar
que é noite. Os autores também usavam a linguagem: Em termos simbólicos, pode-se dizer que a ilumi-
'Quando Shakespeare faz Lorenzo dizer, em O Mercador nação é capaz de proporcionar o seguinte:
de Veneza: "Como é doce a luz do luar sobre este 1. Tempo e espaço. Pela cor, sombras e intensi-
banco" não se trata apenas de uma bela frase poética; dade, a luz pode sugerir a hora do dia, fornecendo a
a idéia era também lembrar à platéia que a cena se pálida luz do alvorecer, a luz brilhante do meio-dia, as
passava à noite. Omesmo serve para a eloqüente pas- cores vívidas de pôr-do-sol ou a luz mais fraca da noite.
sagem em que Romeu diz a Julieta que precisa partir A iluminação pode indicar também a época do ano,
porque o dia desponta. com luzes de verão ou invernp, ou ainda o lugar, com
Por volta do ano 1600, o teatro começou a ocupar claridade de interiores ou de exteriores.
os interiores. Velas e lamparinas foram utilizadas até 2. Clima. Uma peça alegre e leve pede cores quen-
1803, quando um teatro em'Londres instalou iluminação tes e brilhantes: amarelo, laranja e rosa. Uma peça mais
a gás. Embora a iluminação se tomasse mais acessível pesada requer azuis, azuis-esverdeados e tons mais
nos séculos XVIII e XIX, sua eficácia era ainda muito escuros.
limitada. Além de poucos eficientes, ainda eram um
convite a incêndios. Através dos anos muitos teatros 3. Estilo. Numa peça realista, a iluminação simu-
.na América e na Europa, foram duramente atingidos lará o efeito de fontes comuns - abajures, luz solar
por trágicos e custosos incêndios. externa, etc. Já numa produção não-realista, o ilumi-
nadar pode ser mais imaginativo: feixes de luz podem
Em 1879 Thomas Edison inventou a lâmpada in- atravessar o escuro, esculpindo os atores no palco; uma
-candessente (lâmpada elétrica), e com ela se iniciou luz vermelho-vivo pode envolver uma cena de danação;
a era da iluminação criativa no teatro. Tais lâmpadas, um verde-pálido pode ajudar a criar o clima enfeitiçado
1

e um pesadelo. Por seu tom e sua textura, a iluminação - geralmente onde uma importante ação está ocorren-
ode indicar imediatamente o estilo da peça. do - ao mesmo tempo que afasta nossos olhos de outras
4. Ritmo. Desde que mudanças de luz ocorrem em áreas. A..luz deve estar somente nas áreas de atuação
mtempo contínuo, pode-se estabelecer um ritmo cor- enão nos cenários ou em lugares fora do palco. Amaior
ente através do espetáculo. Mudanças abruptas, em parte dos cenários não é pintada para receber uma forte
staccato", acompanhadas de "blackouts" completos, carga de luz direta, enão seria convincente se iluminada
ão expressar um determinado ritmo, enquanto dimi- em excesso. Além do mais, a ênfase de luz nos cenários
uições graduais, lânguidas, expressarão um ritmo opos- desviará a atenção da platéia, que deveria estar concen-
o. As mudanças de luz são coordenadas temporalmente trada nos atores. Assim, a primeira preocupação exis-
om as mudanças de cena. A importância deste prin- tente éfazer com que o foco esteja no lugar certo. Nesse
ípio é reconhecida pelos diretores e iluminadores, que sentido, os iluminadores devem estar atentos para que 'a ! ,

ornam grande cuidado em adequá-Ias, "coreografando" luz não vaze, isto é, deixar que um foco dirigido para
nudanças de luz e cena como se fossem movimentos determinado lugar passe a iluminar também as áreas
le dança. adjacentes. ' '
5. Reforço de uma imagem central. A luz, como os Um exemplo positivo da utilização de focos se dá
:enários, figurinos, etc., tem de ser coerente com o es- quando, num palco dividido, duas ações diferentes se
ilo geral e o clima da produção. Uma luz errada pode passam em pontos opostos. Neste caso, é a iluminação
listorcer ou mesmo destruir o efeito total do espetáculo. que guia a atenção da platéia de um lado para o outro,
t\ luz, sendo ao mesmo tempo o menos proeminente e à medida que a luz se reduz de um lado e aumenta de
) mais flexível dos elementos teatrais, pode ajudar enor- outro.
nemente na criação da experiência teatral.
Tipos de Refletores Utilizados
Gordon Craig (1872-1966), um inovativo diretor
je teatro inglês (além de "designer" e teórico), falava Basicamente, são de três tipos:
em "pintar com a luz". O iluminador deve de fato
pintar com a luz, e ainda mais, ele pode expressar algo 1. "spotlights", que lançam um feixe de luz es-
do sentimento, e mesmo da substância de uma peça, treito e concentrado.
em um nível sensorial e simbólico.
2. "floodlights", que cobrem uma pequena área com
luz difusa. :
Aspectos Práticos da lluminação 3. "border lights", uma fila de luzes que banham
uma seção do palco ou do cenário.
Em termos práticos, a luz do espetáculo cabe ao
iluminador, Seu primeiro dever é o de tomar visível a Antigamente, as luzes de ribalta - uma fileira de
face dos atores e suas ações no palco. Ocasionalmente, luzes ya frente do palco, na parte de baixo - eram
iluminadores levados pelas possibilidades climáticas da muito populares. Mas, pelo fato da fonte de luz vir de
luz, fazem uma cena ficar tão escura que simplesmente baixo, este tipo de iluminação tem a desvantagem de
não se percebe oque está acontecendo no palco. Oclima provocar sombras fantasmagóricas no rosto dos atores.
é importante, é claro, mas ver os atores é mais impor- e acabam servindo como uma espécie de barreira entre
tante ainda. ÀS vezes, o próprio texto requer um obscure- platéia e atores. Com o desenvolvimento de luzes mais
cimento - numa peça de' "suspense", por exemplo, versáteis e poderosas, a ribalta foi eliminada.
quando se apagam as luzes numa casa mal-assombrada. Hoje, a maioria das luzes atinge o palco de cima,
De qualquer modo, tais cenas são exceções. Na maioria provenientes de instrumentos colocados na frente e nos
dos casos, se os atores não estão sendo vistos correta- lados do palco. Oângulo do feixe de luz com a vertical
mente, pode-se dizer que o iluminador fracassou em
seu trabalho.
gira em tomo de 45°, próximo ao ângulo médio da
iluminação solar. Em geral, também, a luz do palco
. .
" ,

Outro detalhe prático refere-se ao foco. O foco de provém de várias fontes: pelo menos duas, para um
luz dirige nossa atenção para uma parte do palco palco italiano, e pelo menos quatro, para um teatro de.

Quanto à cor. as mudanças para evitar sombras que fatalmente resultariam se apenas podem ser precisadas automaticamente. de longe. Para ressaltar o aspecto trágico e sombrio de Hamlet. este é. deve haver focos vindo de cima e de trás. Em conjunto. Wilson. Algumas vezes.frontais superiores. para reforçar o sentimento alegre e aberto existente na peça. amarelo e ouro). E mais. semi-real. as cores frias e quentes dão profundidade. . aos personagens. com 3 .Book Co. As luzes pro- jetadas podem ser quentes '(âmbar. de modo que um dos lados da face fosse iluminado. 1976. de E. As luzes devem convergir de lados diferentes. ou jrias (azul. para proporcionar maior di- mensão e profundidade às figuras no palco. a fim de que tons fortes não predominem. ou mesa de controle. se a peça for encenada num palco italiano. e serem controlados por uma única pessoa sentada diante de um painel eletrônico.. Mudan- ças de luz podem ser programadas antecipadamente. o que faria com que os atores parecessem pouco naturais. Por outro lado. assim a "adivinhação" fica eli- . montagens de musicais como GODSPELL pedem mais luzes quentes originando-se de todos os lados do palco. acima e atrás dos atores. Estas mudanças podem variar do blackout (quando todas as luzes são apagadas (Extraído de The Theater Experience. textura e naturalidade. o mais desenvolvido aspecto do teatro. McGraw-HiIl rapidamente) ao jade (diminuição gradativa da ilumi. numa produção complicada (um musi- calou uma montagem de Shakespeare) podem se dar de 75 a 150 mudanças de luz. . azul esverdeado e lavanda). ela também deve ser mesclada. fortes sombras e' estranhas cores devem estar presentes no palco. outros refletores são adicionados minada. A exceção quanto a estas regras para ân- gulos e cores surge em certas cenas que requerem os chamados efeitos especiais. arena. outras aumentam). Tradução e adaptação de Bernardo Jablonski. para conferir um tom de escultura.) nação) ou ao cross jade (enquanto algumas luzes dimi- nuem em intensidade. quando Hamlet de- fronta-se com o fantasma de seu pai. assim. A ilu- minação geral para uma peça como Hamlet deve con- trastar fortemente com aquda para outro tipo de peça. Quanto aos ângulos. o moderno equipamento hoje existente. convém uma iluminação fria. Instrumentos Ide iluminaçifo podem ser pendu- rados por todo o teatro e iluminar cada parte do palco. Uma vez os um cross fade aconteça sempre num mesmo e exato atores já estejam adequadamente iluminados pelas luzes número de segundos. CONTROLE DA ILUMINAÇÃO Falamos do avanço da iluminação: em termos téc- nicos.

No meu dois dias normais de matinê) . Devo con. Devido a certas circunstân. sua segunda peça. podendo ser prolongado para dez a doze horas na se. maquiagem. como já foi dito.por exemplo. Todas as três peças foram logo as marcações depois da primeira ou segunda lei- dirigidas por Lee Strasberg. pode fazê-lo. eles desejam "por os pés no chão".Eu me recuso a criar um clima de pressa. foi ensaiada durante doze semanas. Nunca Minha primeira conversa é relacionada com o ca- fui obrigado a adiar uma estréia marcada. eu dificilmente acrescento uma pala- cura de um palco vazio ou qualquer outro espaço com vra . como mentares para todas as minhas produções. podem ler não mais con- experiências em tournées são representações pagas aber. Eles estão agora mente quatro horas de ensaio por dia (exceto para os desejosos de ouvir alguma palavra do diretor. depois da terceira leitura.é dizer. isto é. mas são mais tas ao público. hoje foi perfeita. O planejamento dos horários de minhas produções Dogmatismo no teatro é enfraquecedor. Durante este período são permitidos so.panto dos atores. isso geralmente segue-se depois do almoço no É necessário ter isso em mente para entender alguns segundo dia. importa.capazes de escutarem uns aos outros. Principalmente os atores ingle- durante oito semanas. "Vocês devem admitir que a direção este propósito.vincentemente do que no primeiro dia. o tempo de ensaio não é limitado . Essas primeiras três se. e Men in White. gada diretamente à marcação . Os atores problemas da profissão e a "psicologia de pessoal" que estão agora suficientemente familiarizados com o texto surgem devido a esta pressão do tempo.ses. de O'Neill (cinco semanas). Estudo o material: o texto como pode parecer. de Sidney Kings.deira costumeira no final do dia . caminhadas de um lugar para outro. quatro semanas de ensaios não estréia. fazer ley. como já disse. Minha brinca- na base de semana de seis dias. Não atores salário extra. Durante uma produção.semanas para um musical. Ralph Richardson. A propósito. os atores podem ler quatro semanas." Se o produtor quer prolongar os ensaios além de Na segunda leitura da peça. desde que pague aos até mais despreocupadamente do que na primeira. não faço nenhum comen- período de quatro semanas de ensaio não é tanto quanto tário: escuto e observo. sua significação tudo mencionar uma observação feita por um ator que geral. "1931". que fica de certa forma dise Lost. sempre se precisa de mais duas semanas. isto é.mente revelei a inclinação habitual de tais atores. e devem incluir a prova dos figurinos. não posso deixar de citar se passe sempre doze horas entre as chamadas para uma frase de Stanislavsky: "Não importa quanto durem ensaio. Na véspera da texto mais rudimentar. Mesmo o não dou nenhum conselho. etc. Oportuna- cias só me foram permitidas as quatro semanas regula. Os atores. são. eu de representações pagas pode ser exorbitante. produção do "Group Theatre". foi ensaiada trabalho imediatamente. As primeiras três semanas são computadas foi lido e as características dos atores. sua relação com o mundo em que vivemos. mesmo então. de estréia!" Isto diz alguma coisa sobre o meu "método". mais recentemente. Isto é feito em preparação para estréias em Este "tratamento" é repetido na manhã do segundo tournées (fora da cidade) ou na cidade.ráter da peça que estamos produzindo. luzes." É verdade! O diretor deve calar-se Os três ou quatro dias seguintes são devotados aos en.geral de um texto supérflua. apro.quando. durânte dez semanas. As estréias ou dia.desde que são suficientes. ou não menos que o mínimo legal. típicos do teatro comercial. . A primeira para lucrarem algo com uma discussão sobre ele. Mas falo aqui do que costumo fazer. Eles devem mesmo escutar melhor. estender o período de ensaio sem o apoio os dois primeiros dias de leitura.a indicação das posi- A Touch of the Poet. etc. e. Devido ao custo atual de dos outros. etc.tura. Ao participou de uma das minhas produções: "Harold falar do mundo incluo os próprios atores como parte 5 .'Mesmo 'no mana antes da estréia para o público. para es- manas de sete horas diárias de ensaio implicam na pro. House of Connelly de Muitos diretores e atores consideram a discussão Paul Green. exceto Para. Eles estão tomando conhecimento da peça e Mas isso só pode ser feito se os atores concordarem um pouco mais acostumados com as vozes e faces uns com este tipo de contrato.e permitir aos atores e ao texto "misturarem-se" sem saios completos no cenário.caso. Golden Boy do desanimado com qualquer conversa que não esteja li- mesmo autor (cinco semanas) . ções no palco. A lei exige que o tempo de ensaia uma peça como se nunca fosse haver uma noite ensaio seja limitado a sete/oito horas e meia diárias. com roupas. interferência. de Odets (seis semanas) . Eles querem começar o ximadamente. os ensaios.

precisa envergonhar-se ao se aproximar da produção. A-propósito 'da peça Orpheus Descending. Os atores estão então preparados para tambémgastava um tempo considerável analisando cada "se levantarem" e "andarem" com a peça. falei sobre o que Willans contou-me. pois cada peram que os atores saibam de cor seus textos antes parte afeta a outra. Ilustro das" forem feitas. que os ensaios tenham começado. de Ten. Os primeiros ensaios quais admito que freqüentemente têm sido muito demo- são o período de lua-de-mel do nosso caso de amor radas.. Isto deve ser neces- Essas primeiras conversas são uma festa de idéias: sário pelo fato de que no teatro inglês a marcação co- cada ator pode escolher o que quiser. Isso acentua o Alguns diretores.sisto nisso.- :leste mundo. es- sentido de coletividade do empreendimento.interrupção. lidade da conversa é estimular o sentido do valor do cam ao que acabou de ser lido. "poéticas".e• .-. Outra coisa que tento conseguir durante esta etapa A experiência me ensinou que o estímulo dessas primei. A fina. Atualmente. algo mais do texto constituem a finalidade geral da peça. seu ritmo. particularmente na Inglaterra. Isso não é mais feito com rigor leituras os atores adquiriram um sólido conhecimento esquemático. Havia pouca menção específica das ações "teórico" da peça. para mim. . Alguns atores devem notar o de ensaio. Nos primeiros anos da minha carreira riência da peça.inicial de trabalho é traçar o progresso da ação mais ras trocas frutifica nas representações.Depois que uma passagem . quando eles . fiz entrevis. Incident at Vichy.de que maneira minhas generalizações anteriores se apli.. ou representação de cenas ou atos inteiros. Mais Falando com os atores sobre seus textos. Embora não exista nada de inevitavelmente . explico lógicas. . minha primeira comunicação tas na própria Vichy e falei sobre essas minhas des. mas não in- de Shaw) eu discuto o ambiente nacional efou histó. dirigir ao elenco com todos presentes.s. Eu os encorajo. Mas guando estamos descrevendo foi possível fazer as leituras continuarem por duas se- Os contornos gerais da peça e como as várias partes do manas! Mas elas eram. . especialmente no que influen- ~poca (que transcorre no passado. diretores pensam que é melhor falar com cada um parti. í. Desse modo. e Os atores começam a ver a peça e suas partes através nada de humano está fora disso. reservei .ou uma cena foi lida. embora na verdade agora seja algu- principais. personagens e da peça. as nosso projeto. Aintenção é mexer com os atores de acordo Primeiro eu costumo conduzir os primeiros ensaios com suas naturezas individuais. rico. é criar entusiasmo. quando o tempo de ensaio era de cinco semanas. torna-se evidente. sema qual geralmente a representação lam o desenvolvimento da continuidade da ação dos se torna árida e sem fascínio. sobre o toque indi. da maneira já descrita.muito dos meus insights para esses momentos. o elenco lê a peça mais uma vez sem isso através de referências ao caráter da escrita.dos atores. como um todo. Essas interrupções. devido a um horário ainda mais rígido de ensaios.com os atores dura pouco mais de uma hora. Não emprego termos que só são significativos ma coisa mais que isto. continuam através da leitura de toda a peça. Em"Golden cularmente. Evito o tom seco de colégio. a estru. Através das personagem da peça. de maneira que a configuração Falo também do estilo da peça. viduai do dramaturgo.desta. psico.que conheço chama para uma passada completa da peça vido. por toda uma semana. li deviam ficar gravados mais firmemente na consciência relatórios da ocupação nazista na França. como Saint Joan cia seus próprios papéis.de leitura nessee WilliaIr. como veremos. Mas costumam não querer terminar jamais. Minhas observações podem ser sociológicas. avançado de ensaio. cobertas. Elas contribuem íntima da peça: como cada segmento e cada cena reve- para sua "aura". Quando uma ou mais dessas leituras "interrompi- a espécie de interpretação que sua peça exige. há (com marcação improvisada) no terceiro ou quarto dia muito o que assimilar. Isso pode ser aconselhável num estágio mais Boy". prefiro me que simples leituras. Nas produções posteriores a 1949. com a peça. Numa peça estrangeira ou numa peça de essencial do que·eu disse. sua maneira de pensar. ninguém de uma perspectiva mais nítida. Desse modo consegue-se uma certa expe-' tura da peça.reduzi o período por três ou quatro dias. Os autores e meça no primeiro ou segundo dia de ensaio. O mundo do teatro é o mundo inteiro. Um diretor atores geralmente se divertem e participam quando con. alguns tarde. Prosseguimos então a leitura com "interrupções". Para a peça de Heriry Miller.

recentemente. Collier Tive que aprender a reprimir minha inclinação natural. do meu trabalho.por eles mesmos. sei que alguns atores que memorizam suas partes não precisa me dizer isto". proibimos nossos atores de d~corarem ~eus capaz de inspirar o ator. Por outro lado. Mas nenh~m dos os atores chamam de "guarda de trânsito". razão. cos da produção . consiste em pouco mais que arranjar os elementos físi- e daí resulta uma representação algo mecânica. A relação do tipo professor-estudante deve ser evitada.desastroso em tais práticas. Esta tendência vem se qualquer outro diretor cujas primeiras produções impor.~ •. mesmo nento. não tem sobre a espécie de direção que melhor se ajusta a cada nada para me dizer?" Ele estava pronto para ser dirigido. Ainda um pequeno ponto num dos primeiros ensaios. "Eu entendo antes do ensaio conseguem responder a todas as con. um dos atores. uma espécie de casa- outros ficam perturbados com muitas falas. New York. aquele que diretores mencionados dirigiram tais peças. Isto se torna muito virtude de seu talento. Esperam que o ator forneça o resto. próprio rumo.. o ator e o diretor: cada um aprende como tolerar e acham que falar interfere nos seus processos criativos.exceto assuntos técnicos . ator continuou explicando. nem ajuda. Elia Kazan. nunca pratiquei-as. na verdade. não existe "absoluto". Ele estuda os pontos fortes e fracos do A direção e a representação constituem uma troca ator. 1972. Books. tornando tão marcante. e aconselhavel se o ator for capaz de inspirá-lo. ser livre semelhantes.. o ator assuntos teatrais.podem ser igualmente perturbados por um diretor calado. me sinto culpa- do de fazer muito pelos atores ou de dirigi-los muito. Eles. dificiimente ouvem uns aos outros. que muito raramente dá um conselho. de H. Isto toma-se cada vez mais vital nas no prazer da descoberta. terano do elenco de "Tiger at the Gates" me disse: criam preconceitos e endurecem as leituras em moldes "Você é o primeiro diretor que realmente me dirigiu estabelecidos de maneira que diminui a receptividade desde Grainville Baker." "Maitos diretores ingleses". como em muitos outros mais nada a ele por vários dias. cenas de grupo e coisas O ator deve permanecer sempre flexível. e suas inclinações devem ser respeitadas. Acreditamos. ele me avisou. Neste. Nós. trad. que os atores façam isso quando se tratar de peças de Por outro lado. um eventual comentário "editorial". mais difícil de fazer se ele decorou seu texto antes do Lembro-me de uma ocasião em que um ator de contato com outros membros do elenco. chegou para mim durante um intervalo para almoço e Os primeiros ensaios permitem ao diretor saber algo se queixou: "Você estâ' dirigindo todo munoo." Não insisti mais. "acreditam que a sua função nessas circunstâncias. Após um tempo. A·coisa mais importante que deve resultar de quando elas são boas. Alguns realmente pedem para serem dirigidos: mútua.-:::'!"" -- . que os atores.especialmente americanos . Os atores. "Você assim. Os atores querem -. A dire- ção não é uma questão de dar ordens. por Carminha Lyra) Alguns atores . o diretor inteligente reconhece isto. (Extraído de On Directing. quem ser trabalhados. por e aberto a mudanças e novos ajustes. Decidi não dizer tingências da produção. Tenho sido ocasionalmente reprovado e. Clurman. é lamentável o tipo de diretor que Shakespeare e outras peças em verso. o ao impulso do outro companheiro de peça. Um ator inglês ve- ao decorarem seus textos. Muitos gostam de descobrir tudo um período inicial de trabalho é o entendimento entre . porque o diretor foi o primeiro a sugeri-las! Nem tudo que o mais hábil dos diretores sugere é útil ao ator. a "equipe". É motivo de orgulho para o diretor ser na verdade. .marcação. restringe suas direções aos exteriores da profissão com e eu ainda estou inclinado a acreditar. uma estràda de mão dupla. fora do trabalho nos ensaios. Eles estão geralmente com a etapas subseqüentes do ensaio. deve ser uma alegria maior textos antes dos ensaios. que minha espe- tantes foram apresentadas sob os auspícios do Group rança é que o ator tomará a iniciativa e achará seu Theatre (Lee Strasberg. Ele se abstrairá temporada parou quando lhe dei uma sugestão sobre do fator humano tão importante. lidar com o outro. Robert Lewis). Tal divisão de tarefas é irreal. Conhe- ço atores que relutaram em fazer certas cenas de ação interessantes.

de aparição muito posterior.bode em grego . em cidadãos: avés das etapas já citadas . na Ática. ~ "~. passaram a constituir a dança. de safira . cujo corpo despedaça. trans- itasmag óricas. para contrastar com a dos ias . TI. a quem eram diri- IS origens remontam à mais longínqua antiguidade e gidos estes espetáculos. estritamente religioso. Frínicos acrescentou a . Otema era sem- iais . se bem que seus membros. As adoradoras de Dio.repetia quatro vezes por ano diante do templo do deus. o teatro propriamente dito nasceu na Grécia.as bacantes .na trama das representa- e seu nascimento efetuou-se como uma derivação das ções. ato que se tem como o prece- dente mais remoto e certo da forma teatral. TI conseguir combatendo-os com suas próprias armas Tespis. primeiro a introduzir temas históricos à tragédia.ores e dos frutos. 456 a. da qual devia nascer a comédia. com fantasias e pintando o rosto formou o exarconte. da vindima e da de Tespis.se reuniam à noite sob a luz homens. ao lado de Dionísios. A palavra tragos . isto é. Origens preentação menos seria. devorando em seguida sua carne palpitante. como também para satisfazer às necessidades do A Tragédia Grega vo. lírico. ou figuras de caráter coletivo. . unidos já pre heróico-épico. e esta forma .à divindade festejad~.o Baco dos romanos . Forma e ritmo. o que procura. hino em louvor . criação sua. sempre mais escuras. jovem natural de Icaria.foi quem deu o nome (por causa de sua fantasia) à mais alta forma de teatro na antiguidade: a tragédia. Segundo Aristóteles. Parece sonagens . cha- e elas deixassem os homens em paz. I . iovada periodicamente. mado hipocrites .a panto. o que constituiu um grande passo na secula- os bruxos e 'feiticeiros das tribos primitivas com o rização das festas que até então mantinham um cunho jetivo de afugentar os maus espíritos.destinado mos tomaram uma forma. enquanto que a fi- gura do sátiro permaneceu ligada ao outro tipo de re. sujeita a certos cânomes impostos pelos costumes pelas intervenções cantadas pelo coro. produto de uma evolução progressiva se transformavam. realizadas em cores claras.isto é.deus das Querilos e FrÍnicos foram os imediatos sucessores . briaguês que nasceu o teatro. \ t" •. sempre sedentos de espetáculos. dionisíaco acabou organizando-se em um desfile ou cor- TEATRO NA GRÉCIA tejo. a tragédia satírica. Também a técnica teatral foi I~ e .heróis e reis .dos nças mágicas e das representações mímicas realizadas ditirambos.ficou para designar uma das três classes da representação dionisíaca. Frínicos foi o criador das máscaras femininas.exorcismo e pantomi. esta inovação a presença de mulheres no coro e foi o 'ais sacrificavam um cordeiro. em um dialo- a assim assustar as divindades adversas e fazer com gante ao introduzir o primeiro ator. Esquilo introduziu o s entre gritos e movimentos desordenados até acabar segendo ator.C) .'. que se . foram introduzidos novos per- Ida hoje pertencem ao campo das hipóteses. mas Mais tarde. Logo estes exor. Este entusiasmo ou furor liberdade e naturalidade. o condutor do coro. tochas e animadas por uma música de flautas pas.. deuses benignos para que estes protegessem os ho- ns. As suas façanhas passaram a ser o assunto. Vestido com pele de bode . da uva e do vinho. de acordo com o tema. se destacava dos demais na dança e recitava o ditirambo..to de Dionísios . Foi então do . Esta dança. pertencentes à narraíiva. converteu-se em uma forma de culto popular.chamado viram completados e aperfeiçoados por Esquilo (525- I grego entusiasmo . com o qual o diálogo adquiriu maior : toda sorte de excessos. o que Os esforços literários destes arcaicos autores se xíuzia uma espécie de frenesi religioso . mas o coro permaneceu estritamente maneira indissolúvel. não só como uma oferenda .respondedor em grego .que as fazia correr pelos cam. Um indivíduo do coro.adquiriu um ritmo. a dar a resposta ao corifeu em um diálogo interrompido ma. incluído o corifeu.

o Ao lado de toda esta série de melhorias. mados do ritual da religião dionisíaca. Em todas as obras que dele se conservam e majestade dos protagonistas . tuído por uma aparição sobrenatural de um deus que protótipo do cavalheiro grego.líricas do coro. com os cinco "stasimon" ou intervenções do coro. Eurípides alterou por uma grandeza imponente e uma força trágica de grande completo a estrutura da tragédia.seus antecessores. Eurí- fo ao longo de sua prolífica carreira artística. Vinte vezes mais alcançou o triun. o êxodo aparece substi- dinária beleza e dignidade. Traquinianas. reflete de um modo vivo a intimidade moral de novo espetáculo. cujo número -do diálogo e a menor importância do coro que ficou alcançou. já definitivamente con- intensidade que ~pesar do hieratismo próprio da juven. que ficou constituída da reciam as mãos. a quarta e última parte.Em relação à técnica cênica. Electra.. alternados sacerdote com suas vestes litúrgicas se entregava ao culto. No ano de 458 A. o dramaturgo das forças a qual produziu 123 dramas. modificando o princípio e o fim tude do gênero nos transmite uma terrível e augusta da mesma. entretanto. que pertenciam às mais altas classes dias ou trilogia trágica e um drama satírico . o que aproxima de algum modo com os mais modernos escri- revela uma maturidade muito precoce. o "paredes" ou canto de entrada do coro.segundo. setenta e cinco. uma ampla dramática. durante pides é. ou "deus ex machina" numcertame teatral. fora uma lista de constituída pelo "exodos". é o continuador clã ' obra atua cortando o fio de toda a trama e precipitando o de Esquilo. Foi o primeiro a romanos. o "prólogos" ou exposição. Épido Rei. teu". as seguintes sete tragédias Com Eurípides (480-406 A. Porém só chegaram até nós.. de certa maneira. teatral de Ésquilo. F/lotete e Édipo em Colona .tecimentos anteriores à ação. dos quais só conservamos subconscientes da alma de seus heróis. Isto constituiu a primeira aparição do tão tinha trinta anos. se 9 .o herói. sua atitude contrasta com a dos ou conjunto de quatro peças dramáticas . túnica com mangas e gola e-o coturno. com a conseqüente expansão De todas as tragédias escritas por ele. incompreensíveis aos da "skenographia" ou pintura cênica.criador do terceiro ator. Ésquilo que dava lugar a uma sucessão periódica de cenas dia- produziu um grande número de obras dramáticas .a "skene" - o ator. cução dirigida a um deus e na qual se relatam os acon- Sófoeles.implacável sentido crítico baseado na razão e na lógica tulo: "Proteo". em reação ao Ésquilo aperfeiçoou o uso das máscaras. fato este que o sete. derrotou o seu predecessor e mestre criticado "theos apo mekanes". permitindo assim que ele esquecesse seguinte maneira: primeiro.lução. E. mente à sua sagrada tarefa. Sua mentalidade se manifesta por um desapareceu o drama satírico. cujo número sentido demasiado fatalista do teatro de seu anteces- ampliou e caracterizou de acordo com a grandeza do sor. aparições fantásticas de fúrias e espectros e pela cialmente do de Ésquilo na sobriedade da construção fixação do aparato dos atores: a syrma.ambos elementos to. foram.Antígona. . de aparição: "As Suplican. A tragédia csquiliana se caracteriza por de uma personalidade autodidata. enriquecida pelo emprego de tumbas e altares no cená. sua personalidade quotidiana para entregar-se integral. o que faz com que uma só de suas comédias.logadas ou histriônicas interrompidas pelas exclamações mais de setenta.a estrutura da trajédia ática._. Além disso. por fim. dadãos.grandes. depois do que começa o seu declínio. Não percebiam que a intenção era justamente c. seu "ethos". os cinco "episodion" ou episódios.da qual sociais helênicas. a tragédia ática alcança o zênite de sua evo- tes"" "Os Persas" "Os Sete Contra Tebas". títulos e alguns fragmentos. Seu teatro diíere essen- rio.relegado a um plano secundário. Observa-se uma grande unidade de estilo. canto final e partida do coro.dos romanos. .três tragé. e a "Orestia". todo esse aparato só fazia tolher colocar um fundo definitivo na cena .formada por Sófocles. Pintor do sentimento e das paixões. . Oprólogo ficou reduzido a uma breve alo- beleza.C. Sófocles é o tores de hoje. quando ainda não desenlace. se bem que facilmente aceitas por Sófocles é universalmente recoaheddo como o inventor nós hoje em dia. tanto físicas como morais. Para estes. saptos com solas Electra possua material mais do que suficiente para fazer grossíssimas. homem de esmerada educação e extraor.).C. restando apenas o seu tí. do qual só apa. devidas ao gênio sua alma. destinados a annentar e realçar a estatura uma trilogia. último dos três que enumeramos por ordem. Todas estas inovações. em suas obras cristaliza uma vez por todas ocultar por completo o corpo do ator. finalmente. do mesmo modo que o terceiro. segundo certos autores. Ajax. "Prome.[ . segundo o testemunho de seus conci. sendo esta última uma tetralogia Homem do povo.

As Suplicantes.dezembro-janeiro . -. nome derivado. O vestiário e as máscaras se adaptaram chamados festivais dionisíacos.. Ecuba. poeta satírico e autor ide.'As Heráclidas. Anthesterion ou mês das flores . e as danças nos intervalos adotaram à divindade e em épocas prefixadas que se estendiam 1 forma mais licenciosa de todas. sobrevivência das festas originárias do teatro.C. uma baca- ordinário sentido cívico do povo grego. de quem falare- fedéia.ovarde.fe- tomasse cada vez mais popular.ja- desde Sócrates a Péricles. . Andrômeda. gosto do auditório por esta classe de representações. O Ciclope. se man- A COMÉDIA ANTIGA tém cheio de poesia e autêntica crítica construtiva. medidas restritivas por parte do poder público. válidos ica.até à Assembléia de Mulheres. Diante do crescente vereiro-março -. pides.março-abril . msevam atualmente dezenove. A se. lectra. o rival da Aristófa. destinados a viver. canção burlesca dirigida contra Cratinos e Eupolis .contra a guerra e a mais iitivamente de categoria desenvolvendo o "agon" ou livre de suas produções . Os Festivais Dionisíacos nento de muitos outros. A comédia. Este costume provocou certas neiro-fevereiro -. lfigênia em Aulis. no eterno presente. dentro da área destinada 10 novo gênero. Aristófanes (425-388 A. respectivamente.As Rãs .nação e tomavam parte dela os membros do conselho . erros indivíduos que eram objeto da crítica de seus passando por Os Cavalheiros . que tinham seus concidadãos de pleitear demanda jurí- ~I mde Epicarmo de Sicília (550-460 A.gunda ou "Ienaea" se celebrava em honra de Dionísio ~ens merecedoras disto. segundo miada em um concurso onde competiu com obras de \ristóteles. Desde sua primeira obra laureada. Lisístrata . festa ou "rural dionísia" tinha lugar no mês de Posei- A comédia alcançou grande êxito graças ao extra.contra a mania ou por intermédio dos seus vizinhos dórios à Ática. por serem de ústória teatral: o parasita. Magnes. o soldado fanfarrão.. etc. . pas. tragédias e comédias. o "kordax". sostou de ver retratados e criticados nela as persona. Ores.crítica a Eurí- :onflito dentro dos temas burlescos tomados da mito. realizavamee durante os ~ muitos mais. Hipólito coroado. Estes são os nomes dos autores squilo e Sófocles reunidas>Seus títulos são: Alcestes. .c. de "komos". Assim. Lenaeus no mês de Gamelion ou do matrimônio .As Nuvens . a elevou deíi. Ion. para muitos.~ . total superior as de nes. por mais veneráveis que fossem. criando-se uma variadíssima I ~aleria de tipos que perdurariam ao longo de toda a Ditirambos. se.ou mês dos verdadeiras libertinagens e injustiças. ainda hoje. em uma série de tipos imortais pintados com tal força ização muito simples e de fácil utilização para a crí.. época correspondente à primavera. acampa- desde meados do inverno até à primavera. A primeira ihado de alegre música. Cratinos e Eupolis.). ridiculariza Sócrates . Helena. Toda a sociedade de seu tempo desfila caracterizada iam em personagens grotescas ou ridículas.A Paz.·As Bacantes. porém. trans. um é dos grandes legados feitos pela cultura grega à huma- nidade.onde :ondidadãos.cheio de gracejo mordaz da totalidade do povo atenien- nrtados da cena para a vida quotidiana. medidas A terceira ou "anthesteria" tomava seu nome do mês estas. e cuja figura é. de caracte. por um milagre ) prudente 111isses caracterizados como um glutão e um da poesia cômica. Hércules. de verdade que se tomam arquetipos cômicos.. quando não indecências de linguagem. Os Acarilienses . mais ilustres anteriores a Aristófanes. mos a seguir. e sua importância era sempre local. lfigênia em Tau. que não impediram que este gênero se de sua celebração. por exemplo.. o avaro certo modo atos religiosos.As Vespas . cervos e era a mais importante de todas: celebrava-se Dos autores posteriores a Epicarno temos notícia não somente para a cidade como também para toda a dos seguintes: Quionides. nascida no Peloponeso.).dón . o teatro aristofanesco é um retrato vivo e ogia heróica. se transforma. genial. Seus personagens.pre- O riso criou a comédia. As Troianas. ~s. o mais alto expoente da comédia de todos os tempos. Antígona e Belerofonte.e consistia em. dica . Com ele o plano da comédia se eleva. deuses ou heróis. não obstante certos defeitos. Esta classificação de tipos icou definitivamente estabelecida e deu lugar ao nasci. vemos o vigoroso Hércules e para qualquer época.. o Aquarta festa ou "grande dionísia cidadã" se celebrava estilo das críticas se transformaram muitas vezes em no mês de Elaphebolion . que sempre nal. nos deixou uma obra que.

a Acrópolis. ainda existentes hoje. O número de obras apresentadas teriais definitivos. e 2. Esparta. As primeiras representações helênicas realizaram-se. I simples base de pedra sobre a qual se armava um es- Em Atenas. Pérgamo. muito simples. conhecer ditirambo. organizado anteriormente. cuja comédia ou tetralogia (três o que foram aquelas primeiras construções. sobre aquela skene e sobre aquela orquestra de refazer para voltar ao cair da tarde para assistirem fi. pois.para A princípio o teatro consistia numa simples cons- cada festival era de dezesseis a dezoito. Desta maneira nasceu a tes do coro e de designar os "coregas" que vinham a estrutura do teatro grego.skene . levantava-se o altar de pouco a pouco. Os assistentes costumavam ir para suas casas se Ali. parte da manhã e começavam muitas vezes tão cedo foram representados durante mais de dois mil anos as que alguns dramaturgos aproveitavam esta circunstância criações imortais de Ésquilo.. semicírculo ficou-se também a evolução completa da arquitetura medindo 19.50m de profundidade. Um Teatro Típico As comédias eram as últimas a serem apresentadas. em tomo do "arconte epónimo". cujo recinto. As representações primitivas celebradas Dionisos Eleuthero. no centro do qual se destaca o ficava ao deus. Magalópolis. como ligado a todas as glórias da tragédia e comédias helê- havíamos dito. Produto deste progresso evolutivo foi foram. máxima autoridade do Estado. As tragédias se representavam na ilustre.do governo. parece ter consistido em uma ou agora. veneráveis das nossas atuais salas de espetáculos. conver. de dez ditirambos e o teatro de Atenas. que media 1. lógica e naturalmente nas- ser os cidadãos incumbidos de financiar os gastos dos cida das necessidades da representação. três tetralogias. Em frente ficava o coro. No centro da orquestra.50m de comprimento como já dissemos. cujas ruínas. era representado antes toda uma tetra. espetáculos. Uma fila de 67 assentos de honra talhados para imolar a vítima que como oferenda inicial se sacri. teu-se em uma tribuna de onde atuava o ator. tinha que ter conquistado esteprivilégio através de um concurso. e finalmente para a vertente sul da Acrópolis. foi se modificando que se estendia até o palco. que acrescentou a skene ou tenda. Eretria. Este palco. A princípio. passando depois para a praça pública I lugar que•o primitivo que. 11 . vais. e cênica.trono do sacerdote dionisíaco magnificamente decorado. e mais tarde ainda se acrescentou três a assim como de outros teatros helênicos como o de Epi- cinco comédias. logia. se encontrava no mesmo ou área sagrada. Eurípides e para situar o começo de sua obra ao amanhecer. a imortal cidade. de origem religiosa.cávea-. Mais tarde construiu-se uma escadaria de durante o festival. O número dos coristas . O poeta.. antes do festival.C.obra do escultor romano Phaedros - simulavam sustentar. .: madeira rodeando à orquestra. graças a um estudo comparativo.trado de madeira. Essa área. antecedentes tragédias e uma tragédia satírica) seria representada.em mármore branco. onde o ator se ocultava em forma de concha vai subindo pela encosta da monta. dauro.consistia em uma plataforma Desenvolvimento das Construções Cênicas da de blocos de pedra unidos sem argamassa que gigantes Antiga Grécia ajoelhados . Aristófanes. Bsquilo constitui a primeira fila do anfiteatro . estando sua organização e direção a cargo para tomar a aparecer. desde o ano de 508 a.coregi . em Atenas. verdadeiro cenário da história. à maneira de Atlas. Era este "arconte epónimo" o encarregado de sele. centro de toda arte. nos Cada uma das dez tribos da Atica apresentava seu permitem. Posteriormente começou a ser construído com ma- Ilhado de procissão. nicas. do qual se colocava o público em forma semicircular. veri. espectadores aproveitavam para descansar. se oferecia um sacrifício acompa. limitado nos extremos pelo tablado do ator denominado cionar as obras dramítcas que seriam representadas proskenion. proporções harmoniosas e diante daquele panorama nalmente a comédia. constitui um dos santuários da cultura universal.50m de diâmetro pavimentado de lajes. Como exemplo de um teatro típico daremos a des- ao entardecer e depois de um grande intervalo.50m de altura por 46.. no recinto consagrado à divindade. de escolher os atores ou coaponen. O palco . Em volta dele os componentes do no recinto de Dionisos Eleuthero ocupavam já duas coro faziam suas evoluções conforme a obra que repre- áreas: uma destinada às evoluções do coro e a outra sentavam. Sófocles. etc. No primeiro trução de madeira que se desarmava depois dos Iesti- dia. que os crição do Teatro Dionisos.

). gonista e o terceiro ou tritagonista -. chegaram. sentado sobre uma almofada levada ou teorikon era de dois óbolos. só nos restam alguns fragmentos. por exemplo. a ocupar um posto de destaque na posteriormente se decorou ·com duas ordens de colunas sociedade. provida de um telhado. personagens voadoras e outros recursos gros restos de uma produção de mais de cem comédias para os efeitos mais diversos. chitón.to. mas desde o tempo de por ele. Convencionalmente. Aristodemos e Thetalos que serviam de fundo para a ação. respectivamente. entre os quais se levantava uma tribuna atuais: a amplitude do anfiteatro e a falta de condições sustentada sobre colunas que primitivamente eram de acústicas lobrigavam a uma ação quase que pantomí- madeira e posteriormente de pedra. Este cenário estava foram convidados às cortes de Felipe da Macedônia e dotado de três portas. Os ato- tiva folga. À direita e à nharam importanles missões diplomáticas. praticável com rodas que servia gem. tribuna esta que for. prismas com decorações diferentes em para tornar aquelas representações um espetáculo memo- cada face e que giravam mostrando a face segundo o rável: a imensa multidão de expectadores. Com Menandeo. realçada pelas exclamações do coro e dos gritos mava o palco propriamente dito. pela qual se I entrava pelas portas principais ou parodoi.syrma. mica. Das suas obras.da palavra grega da vida diária. A arte destes esquerda do palco avançavam duas construções salientes. enquanto que dos atores . res. tida pelo ator do interior da máscara. a karonian klimakes. Os assentos eram esculpidos de tal maneira que como já dissemos anteriormente. que se abriam I sobre uns corredores ou diazomata. realçadas pelos onkos.skene. que por sua vez dividia o anfi. e o preço da entrada cada espectador. e anfiteatro ou cávea . cujo aumentava a amplitude do gesto. os majestosos trajes do palco representava lugares da Pátria. que realçavam a grandiosidade do persona- nico eram: o ekiklema. Na comédia o número de máscaras au- theomai. Tudo contribuiu vam os periaktoi. estrangeiros. contemporâneo de onde falavam os deuses. segundo ator ou deutera- O palco. primeiro ator ou protagonista. restos dos setenta e oito que constituíam o semicírculo origi. pela antiguidade. uma no centro ou porta real. Esta deficiência era contrabalançada em parte pela na orquestra. As representações helênicas começavam muito cedo. dotadas de uma espécie de j assentos por umas escadas dispostas radialmente. o Grande e cujo ilustre representante foi A estes elementos próprios do cenário há que se Menandeo (342-292 a. que para representar as cenas de interior.. eu olho . Alexandre. que se acha. podia se recostar ou estirar as pernas com rela. atores era completamente diferente da dos seus colegas os parasquenios. Outros elementos ao jogo cê- coturnos. e o tealogeion ou plataforma elevada de grego. isto é. himatión. Péricles os pobres não eram obrigados li pagar. escritas durante uma vida de criação de mais de quarenta • anos. escada subter- Este último elemento adquiriu uma extraordinária rânea com um alçapão. emprego se ignora. ma- rições divinas. que desembocavam 1. esta cávea mostra hoje A Técnica Dramática na Grécia I as ruínas de uns trinta degraus de pedra calcárea. Assim.. tão elogiadas acrescentar muitos outros que se utilizavam para as apa. a ser um espelho no qual se retratavam os caracteres mou o nome genérico de teatro . que segundo vimos alcançaram o número de três. dos atores nos momentos culminantes. vam distribuídos pelos degraus e que atuavam como os nossos como centro a orquestra.[lha. . por onde os espectadores chegavam aos conformação especial das máscaras. alto-falantes. à direita teatros como o de Megalópolis chegava a quarenta mil. transformado mais tarde em casa-palco. . a comédia deixou de ser uma sátira para passar grego . além das máscaras. onde desempe- duas nos extremos ou portas dos atores. o Grande. clámides e os à esquerda. o da chamada Comédia Nova.. recolhendo e devolvendo amplificada a voz emi·· teatro em uns segmentos em forma de cuna ou kerkides. o qual o correr do tempo. com era uma construção larga.nome que correspondia ori- ginariamente à cávea propriamente dita.C. e de Alexandre. àluz deslumbrante do sol da Grécia. orquestra. Dal. Dividido em três andares. Como cenário se usa. que em alguns lugar que se queria evocar. segundo o parecer dos seus admi- O conjunto dos elementos componentes do teatro radores. tendo megafone e por uns engenhosos vasos metálicos. as exostras. empregada para as aparições importância durante o último grande período do teatro sobrenaturais.

. - e os professores de declamação ou corididaskalos. Arquivo Cadernos de Teatro).citaristas. o mesmo fazendo os músicos . onze de I' jovens. . .to o (Adaptado e traduzido de História dei Teatro. ~ '. . . sete de escravos e áezessete de mulheres.~ ~ . . etc. y. . . Por esta ocasião os atores começaram a agrupar-se em sínodos ou grêmios nos quais se inscreviam segundo sua categoria e o papel e gênero que representavam. '. ~. ' . flautistas." .. . Isto I basta para dar-nos uma idéia da diversidade dos caracte- res que 'entravam em jogo.. . I " . . "t . ' . ~ .nove de velhos. :1 1 mentou consideravelmente 'chegando a atingir quarenta e quatro tipos diferentes .' ' .. .." . ' • • . 13 . de Javier Farias.

Só as premiadas é que eram levadas ma coroa. o coro é tempo. mas foram sepultados pela posteridade. . formado por esta ocasiao para organizar o festival. O}reço . mesmo para taçoes dIOllISIaCaS que se reaíizava por ocasião das festas 'epresentar papéis femininos. tiveram 'muito mais sucesso 'em seu as comédias musicadas. (Arquivo Cadernos de Teatro). enfeites caracterís- no festival. levado era capaz de tal coisa. mas convencionais graças a uma estilizada ' podia ate esticar as' pernas. a agir dade. por xemplo.incip~l do at~r era o quiton.e a. os seus atributos (Hércules. depois 'o peito do ator. que quer dizer bo~e e~ g~e?o e que desIgn~va uma das três represen- Os atores gregos eram todos homens. para isto usavam o onkos. O espe- TEATRO GREGO taculo era financiado pelos 'grandes financistas da época que por.0 seu nome se prende a figura do igigantadas. Entretanto. lZ do poeta". Estas roupas tinham cores simbólicas. ransformação dos trajes que se usavam na vida contem- lor~n.ito mais tarde: . nem tampouco ~rsonagens. ersonagens que não agem individualmente mas em rupo. O coro grego não é um perso- para passa~ o tempo. . 1 o drama moderno. entravam gratuitamente. as roupas dos reis eram purpúreas. Nasceu de uma necessi- ie nao se resigna ser somente o dramaturgo. Havia também a clâmide.000 es- Os trajes que os atores gregos vestiam não eram I pect. mas tratava-se de uma grande solenidade ~. Tragédia satírica designava a outra representação da qual devia nascer a comédia Os atores gregos apareciam em cena com formas n:u. Não era um recurso. de todas as A tragédia grega não nasceu para diversão nem lanelras~ personagens. a dos per- As peças eram julgadas em um concurso. os personagens exóticos. devido às descomunais dimensões da do sucesso que obteve com uma de suas peças. "uma barreira para toda a cidade em festa. manto curto. e era presa por um cinturão na altura que Frínico foi eleito estrategista pelos atenienses. Quem igura. A/~stimenta p. Por isso o coro já foi definido como "a uma dl~ersão para uma elite de pessoas cultas e de I aborrecidos. A palavra tragédia v~m de tragos. I listóricos. manto largo sobre o excelente chefe militar. . Outros autores muito I Ocoro grego não tem nada em comum com o coro inferiores a ele.esíduo lírico da personalidade do poeta desapercebida e sem mteresse.daquela ~poca. sapatos de solas aos festejos dionisíacos.das entradas era muito barato e as pessoas CURIOSIDADES SOBRE O q~e nao pO?Iam 'pagar. de que o nome de Eurípides brilha até hoje. Tanto o sátiro como o bode eram figuras lisadas rn forma de torre. mas 'diferente da usual tão grande qu~ muitos deles eram convidados para Iorque tinha as mangas largas. Foi assim te várias cores. Alguns anfiteatros gregos comportavam 4. penteado elevado sáuro. ~e fosse este o caso teria passado 1gem: E um r. I ele de leão).ador~s e ~eus assentos eram tão confortáveis que se . organi- onagens enlutadas escuras.sua vez eram designados por um representante d? governo. em honra a Dionísios. no último plano do quadro cênico. mbro direito. a flecha e a cidiu com o critério da posteridade e nm mesmo com "'. ~ultas . s deuses.. como parte de um culto de grande importância ibre a alma dos espectadores apenas através de seus para t~da a cidade. e o Izimatión. enquanto ma massa de atores secundários que falam juntos. "o espectador ideal". Um exemplo é que o grande Eurípides so conseguiu consagrar-se com cinco de suas noventa e duas peças. pensavam eles. será também um o ombr? ~squerdo. oral entre a tragédia e o público". não era branca mas sim ocupar postos Importantes na vida política.'o critério dos jurados não coin- cos do seu país (por eremplo: turbante em Os Persas). O prestígio dos poetas dramáticos e dos atores era spece de tumca larga ate os pes. e uossssmas com a finalidade de elevar a estatura. Os grandes heróis levavam zado p~lo governo. a renunciar à expressão direta dos seus ntimentos.. ~embro do conselho do governo. o das pessoas. além do coturno..

Como li Eu falei que estive no zoológico! EI.Não? (Com prudência. o bom desleixo.. É que eu li depois. JERRY (Fora do assunto) ..lho protético. estou contente de saber que anos. Seu corpo.) . não é bem o PETER (Levemente incomodada) sado e acabado.usava .Bem.. JERRY . 1 '/ 1 momento. bonito nem feio. outra ve?. que foi. PETER .Um homem de quarenta JERRY . Mas nós. perto da Rua Sessenta e Seis. o senhor estava falando . eu.Eu fui ao . . quer? JERRY . Para o norte. mas interessado) por quê? PETER (Ansioso para continuar a JERRY . caminhei até aqui. perplexo) sido. parece que sim. ele parece.) . começa . que. meia-idade. você quer arran- liAHISTÓRIA DO Volta à leitura.' nem aquela da direita? aquela é a quinta avenida. Ali.Olha rapaz. CENA: Central Park. vanta os olhos. e vai ter que usar uma daquelas coisas que Freud li JARDIM JERRY . uma tarde norte.) ... de leve mtlsculatura. Está roaborrecido. ele está PETER (Levanta os olhos. PETER . absolutamente. ansio. e apesar de PETER (Levemente. o "Time" não é PETER .Oh! norte. de aros. não. norte. ·mas não está de domingo no verão. prepara o porta sim. eu não me impor- lendo um livro.Não. por 'um senhor. primei. Essa é a isso em algum lugar. um apare- culpe. céu.Não. uma PETER (Volta ao seu livro) .Um apa- Edward Albee ZOOLÓGICO! relho protético. Entra Jerry. JERRY . JERRY (Observa Peter que. Não. sim.você não PETER .) Tradução de Luiz Carlos Maciel da platéia). enquanto limpa os óculos.Não.depois que arrancaram um I ZOOLÓGICO" gico. Peter está sentado num dos bancos.O Jardim Zoológico fica lado oeste do parque.EU ESTIVE NO JARDIM PETET (Sem jeito. JERRY (Depois de uma pausa) - PETER . é PETER . não me importo. aparenta ter .JERRY .Mas não é bem o norte. sendo um de cada so para se ver livre dele.Não quarenta anos.. folhagens.. não é? Você é médico? JERRY . . JERRY (Pára por alguns segundos.Isso mesmo. Apesar de caminhar para a JERRY ..Um homem de quase leitura. quer arranjar um câncer no pulmão.Aquela? Oh. época atual.) olhando Peter. eu.E que rua transversal é Puxa..) .Você se incomoda e conversar não devia sugerir devassidão. mas ambos de frente cachimbo. decidido) - sentado no banco da direita.. JERRY. não. finalmente. vez elegante. (Ele volta ao seu livro. Marcações do pal. nã . ah.PETER (Finalmente..Então. aquela é a PETER (Vagamente) .Você se importa sim.Eu não gosto muito do JERRY .. fuma cachimbo e usa óculos Rua Setenta e Quatro. le- não ser mais bonito. . antes can. .Ah. é. Veste um paletó de PETER .. Deixa eu ver..É? tweeâ. é mesmo que se chamava aquilo? SEU. por reflexo. sinceramente. acho que não.a ficar gordo. Atrás deles: árvores. não com isso aqui. Oquê? . Intérpretes: sim. lado do palco. PETER . acho que para qualquer um.) .Oh.Bem. . jar é câncer na boca.zoológico e. to. / JERRY .. 15 . PETER . lado inteiro do queixo dele. Des.Bem . depois sorri. suas roupas e suas ma.É. co: quando sobe a cortina. nem gordo nem magro. na verdade. (Peter não o nota). você se im- Há dois bancos..querendo conversar. acho que foi quinta avenida? (Apontando além no "Time". vestido com certo sei. Pára de ler.O velho norte.Ein? . para a platéia. A perda de sua graça física JERRY (Depois de uma breve pau. É.Vim do Jardim Zooló.co. comigo? ser mais exato. moço. Eu falei. nós o chamamos . Você é um homem migo? instruído.. logo neiras sugeririam um homem mais eu estou caminhando para o norte. para sa..Não.Bem .

.Só que você PETER (Sorrindo.tar de animais. Se fossem doen- JERRY .Pelo jeito de você cruzar . diga. no caso de você ser .Ótimo. 'beça.Bem.Não. pouco. realmente.Bem.. uma pequena edi- PETER . mas nunca o descobriu a receita. sim com a cabeça) Há mais alguma PETER . coisa que eu deva saber? ~ d'isse. Quan- . PETER . Há ainda dois periquitos . claro que não..? ues .Você tem esposa. bre isso nos jornais..Creio que não. trabalho na di- JERRY . sim com a cabeça.800 dólares por ano.só para mília toda? 'ta de relação) . descobriu a receita.. eu é-que você pode sustentar essa fa- PETER (Espantado pela aparente não falo com muita gente .É. . tos? Mas isso não pode ter impor- É por causa de sua mulher? tância para você.. "que hora o filme começa"..Claro! dizer coisas.Eles ficam presos numa PETER .) Olha. falando sobre Jardim Zoológico .. (Peter faz que )ológico. to é que você ganha? JERRY .É..E eu fui escalado pra hoje? ando com mais de quarenta dólares PETER (Chateado) ..Vocês não pretendem casado. PETER (Ainda animado) . mas . Nós te. desnecessariamente.. talvez.. para sua JERRY .. é ló~co que sou. está relutante.. uma para as crianças.. PETER .É..Eu não quis JERRY .) mito dia. meninas. acho PETER . nem seus passa- :0. como: "me dá uma cer- PETER . (Jerry diz sim com a ca.. eu ganho cerca de JERRY (Zombando) . jeito) . JERRY . sistir na sua televisão hoje à noite. (PeJer sacode tendo roubar você. duas JERRY .. seja somente um palpite...Mas de vez em quando JERRY .São doentes? ... se você não JERRY (Suave) . . morrer. I que não. JERRY . é sim. Há. um homem bem JERRY (Ignorando o dito acima) JERRY . Você se importa que eu faça podiam comê-los e... mais perguntas.Você é casado? PETER . PETER .. ou reção de uma.) Bem. talvez. de domingo como essa? Quem me. sabe. . . nem seus gatos 01) suas filhas. pretendem? . você não um para cada uma de minhas filhas. Peter acalmando-se.Oh. tudo sobre ele. está fazendo um que você pergunta? Como você pode sacode a cabeça melancolicamente. gaiola no quarto de minhas filhas. ou ain. lhor do que você. um ca- ..É pena. excelente. JERRY .Oh. mais filhos. nós publicamos livros esco- JERRY .. vamos. (Voltando-se aborrecido. .Bem. nao você tem razão.Espe- lOS. que pena! Mas você parece gos- PETER ·(Fixa. ou "onde é o mictório". gosto de ficar ra aí . mas ainda sem 1.Onde é que você mora? (Peter chorro? (Peter sacode a cabeça) .Vou lhe contar daqui a tes você poderia soltá-los e os gatos . (Peter fica pálido por um momento PETER . está muito as pernas. JERRY ..E. "tira a mão daí.. os duas.. não tem? PETER (Perdoando) . :er ISSO. coisas assim.) Por a cabeça. JERRY ... . rapaz" . . PETER .0 é uma obrigação. depois.Não. Não? Dois cachorros. ia homem quer um filho.. que mais? JERRY . ou.) Nenhum cachorro? (Peter rinhos.Tenho dois. assaltante . m. seu não pre- PETER (Um pouco distante) .Mas você queria mer eu gosto de conversar com alguém.Você lares.Oque éque você estava saros? PETER (Satisfeito.. . veia". PETER .E você tem filhos. - ---------- JERRY .. agora..Você já me disse isso. conhecendo esse alguém.. tora.Tenho sim. ou ver? . suas filhas. conversar. tristemente) Ga- mito.Não.Eu.Eu estive no Jardim mulher: '.. mas.Eu lhe digo porque.Pássaros.nmas. com duas filhas e. ocê tem televisão.. . mas ser casado JERRY . Gatos? (Peter faz que céu) . de saber JERRY .. não compreendo..É. PETER (Furioso) . PETER . alguma coisa na sua voz. não! e. Nós não vamos ter PETER (Limpando a garganta) - JERRY . saber? Oh.Numa ensolarada tarde no bolso.. Que eu ia ler. . os pás- JERRY . sorri) E que mais? Como JERRY ..Isso não é da sua conta.Amanhã você vai ler mais filhos. com ênfase) .. naturalmente.Meninos? da.

. OJardim Zoológico? Ah. o que ela de gosto. é de longe o quimono japonês. brancelhas. não sei PETER (Infeliz) . nero. às vezes.pressa bem.! é que você propriamente não con. Essa gente me diverte um nas. .. Por quê você mora nessa . outra vez) - tor. Mas nunca me chateia. bocado. Mas você compreende. desde Washington Square.Não me chame de caro . Eu estive lá antes antes de ir ao Jardim Zoológico.O que é que você está casa? da sobre si mesmo) Eu sou um edi. . incrivelmente de. . você mora no Vil. éfácil eu lhe explico. fim da zona oeste. são excelentes. nem sem- de inúmeros escritores. Jamais. mas não achan. foi? agradar. essa parede separa meu quarto mas crescente resolução e autorida. Nunca vi... caminhar a Quinta Avenida inteira até ozoológico.---= .. no ! JERRY .ea Terceira Aveni. um escritor. sas que uma pessoa tem que fazer.Não foi difícil dizer. ir e voltar ao banheiro.. literatura. PETER . Por que você fica parado aí? de um outro. JERRY (Distante. o marido. so? Bem.. nos fundos. mas não.. Já lhe disse isso. .. Essa é uma das coi- riquenha num deles..E quando você se des. mas também não PETER . mas Marquand tem PETER . no hall.Eu vou andar por aqui. sua per.Oquê? lando as sombrancelhas. medindo os passos de tal manei- JERRY . O que eu JERRY (Ainda distante.. também.Não. PETER ...Você não precisa falar Coiumbus eo oeste do Central Park. tando bruscamente) . liberdade JERRY (Distante) . I I ..Desculpe. Quais são os só.. você fica amável? Ah. sou. não. sei quem é.. o zoológico. Esta bi- PETER . Nunca. eu pensei que você morasse no PETER '(Embaraçado). . tentando dizer? Encontrar um sen. JERRY .. Já os dois quartos da classe-média? lage? [Isso parece interessar Peter.Eu estava ape. moro !II . nunca.. cada um no seu gê- cha negra tem dentes estragados.Está bem.lugar? Usar o velho truque do curio- entre Lexington. digamos... Tem uma família porto- o Village de modo que eu pudesse . na Rua Setenta e Quatro.Eu moro JERRY (Divertindo. nunca leva ninguém para seu quarto.tão pequeno. e sim. eu sou. . bua. JERRY . ~ - . ra que a longa fala sobre o cachor. quantas. um ponto relativamente próximo.. usar seu quimono e ir média classe-média e a baixa-alta PETER .) dois quartos foram antes um quarto quando. Mas a ver. mas sempre que ela está depi- considerável . por isso eu acho que os durante algum tempo e. (Tem uma pia. (Neste ponto.Está bem. da graça) .Chega. pequeno. seus escritores favoritos? Baudelaire do outro lado de minha parede de são da cara dele.. e usa o quimono para seu lugar . hoje? Andei toda a Quinta Avenida. tenho uma Zoológico? pre. Village. cente... às vezes. (Entusiasmando-se) Baudelai- que não é comum.no outro quarto da frente pe.A cara de quem? Olha negra.) frente no meu andar são um pouco JERRY . E. mas vol. Jerry pode come. Descul... .---".. PETER . em nossa. uma pessoa tem que se afas. (Lembran. eu não me ex.. o coisa sobre o Jardim Zoológico.. entre a Avenida PETER . eu ...O Jardim quero dizer é que ela vive indo ao .ue ela faz é depilar as som- . tar muito do caminho para atingir tem alguém morando lá. omeu quarto é ridiculamente peque- versa.. bastante raro. . Diga. dade é que você estava querendo me numa pensão de quatro andares.O zoológico. da.Marquand? tábua é ocupado por uma "bicha" PETER .. geralmente.. . nas vezes. PETER (Quase com desagrado) - concerta. ao banheiro.Bem. de vir para cá. jI PETER '(Muita alto) . JERRY . eu me sento.. que é bastante freqüente. JERRY -Você sabe o que eu fiz banheiro. Tomei o subway até maiores eu acho.qual é 'a linha divisória entre a alta. amigo. o que é também melhor dos dois. de vez em ro vem no ponto mais alto da curva. Esses dois que você citou faz como um ritual budista.você só faz perguntas... Moro no último andar. Tudo q. 17 Ir .. querendo ser amável. naturalmente . O quarto I do-se) Espere até você ver a expres. gosto aqui. e J. a mu- lher e algumas crianças.O zoológico? re.Eu .. que' sempre deixa a porta do PETER (Cauteloso) .Ah. Alguma .. é alguma coisa sobre o Jardim seu quarto aberta.Você o mencionou vá.Eu não quis parecer.Por quê. são grandes.. bem... E eu no e uma das paredes é feita de tá- çar a caminhar pelo palco com lenta.Zoológico..Meu caro amigo. mas eu não .. tem também um JERRY . Por quê. o JERRY .P. assm. tido nas coisas? Colocar as coisas no Não sei.gunta sobre classe me desconcertou. um reti. JERRY .

Não. Ano Novo. depois.. um copo. você sabe... momento desses. PETER . . deixaria fotografar no quarto num do Alabama. não.) pede- PETER .Você é um homem de. Qual é o seu nome? Seu nnnas roupas. .Peter. estão algumas cartas querida mamãe não passava de um acho gue triste. Mas minha disso tudo.. r !' . um baralho . e duas colheres. Ela caiu mor. ... agora. uma grande A I entre outros. antes disso. trabalhar. veja você. também. entre muitos ou- una pequena. uma tournée PETER .. I· . ta nas escadas de seu apartamento. moldura. tres pratos. com todos os "ff' e "rr" Ia namorada . entretanto. Eu quero dizer que a baixo delas.. &-J artamento como os do seu bairro. E morta. tarde de minha formatura no colégio.. PETER (Mal humorado fixa seus da querida mamãe que não era dada e acabou-se. ça. brou o Ano Novo por umas duas que eu não consiga estar com uma cartas de "perguntas". Nós tínhamos recebido a no- la velha máquina de escrever Wes. a querida mamãe abandonou der.. depois então.. PETER . por que você não faz isso. PETFR (Com ligeiro riso nervoso) tros. com sinos badalando.. Barleyearn. ela era menos ei na praia.. que coi. você se lembra. dona mais de uma vez. para ter a fotografia de uma mulher. rezar.o querido papai quando eu tinha mamãe e o querido papai estão sem pouco mais de dez anos.Elas? corpo rígido e frio. oquê? Isso r dos mais agradáveis.Que coisa! . nhuma de maior explicação. Nunca fui iando você vai escrever? Quando te de um ônibus.Agora.. tudo já foi há tanto tempo que eu cê mora. você sabe. Eu me mudei para a sua de vergonha só em me lembrar que I JERRY .Não vejo necessidade . na rasta.PETER . Mas aquela conhecida JERRY . dinhos . m-o-s-s-e-x-u-a-l. talvez . um fogareiro. para ser Talvez. derasta. . eu era um h-o- :á claro? Não tenho fotografias de mer. e isso me entristece. duas vezes por dia. Não de tudo que ela fazia: dormir. ter relações com alguém ?Estas cartas são as mais recentes. . . se diz?. um ) mortps. cujo aniversário era no. O que é triste é r favor. perguntar.Eu tinha esquecido . dela. ao menos iramente invejável. como se eu fosse personagem delà.. JERRY . e coro IIduras vazias? do álcool. duas fi- Além disso. que cou numa excursão adúltera. não.. iassadas. Pelo menos.. Bem. um pires. . então.. depois que ele foi ao s oito ou nove livros.E aquelas duas nem ao pecado nem às consolações do eu tinha quinze anos.Seus pais. rnográfico. através primeiro nome? não devia ter. exato. especialmente em duas molduras? tícia.. ou. De qualquer ma- r favor. Eu quero dizer pe- iguém para colocar nelas. (Muito rápido .. ambas vazias.. : que.... porque a querida que eu tenho: artigos de toillete...e emoldurados num quarto. dois gatos e dois periquitos. Uma vez só. duas mol. que tem dentro . era também o meu. superintendente do parque. rapaz grego. nhia mais constante que ela teve . espere! Quan- Jatos e.. não é um como poderia contemplá-los arruma. era um tal Mr. uma n. fos. de que a querida mamãe iiúsculas e um pequeno cofre sem Nunca deito com uma dona mais de tinha ido desta vida para outra me- :hadura.de· ave. vejamos: qual é a razão Sul. quando era garoto. casa e só me recordo da severidade a minha puberdade tenha vindo tan-· I.. onde dupla de "vaudeville" está represen. se você quer saber o que eu acho dias.. eu me encontrava. tória com a mesma emoç~o ou. e voltou. tando agora nas nuvens e eu não sei já não consigo integrar-me na his- JERRY .. o que mais ou me. quando você fará aquilo. ta. capaz de usar o sexo com. . o quê? uma vez e a maioria delas não se lhor num daqueles imundos cortiços dras! Algumas pedras que eu apa. e a compa... O meu é Jerry. você possa compreen- s. Oh!.. foi o que o querido pa- ras para fotografias.. to tempo depois. 1S não tenho uma esposa.. trazendo o corpo • -Ó: » ~ .. as do tipo que funciona como uma que durou um ano. cartas de "pe did1 os". Iraldadas ao vento. neira. Uma piada horrivelmente sem gra.Não me parece um lu.I ""~. Jerry.. se atirou na fren..Que coisa. com o filho do erida mãe e meu querido pai es... ela embar. co... JERRY (Responde com a cabeça) pai me contou. uma faca. sa! . Seria estranho e bem-vinda.. um baralho comum. bandeiras des- JERRY . ou como cê virá? Quando? Quando? Ouan- nos resolveu este problema familiar.. também: semanas e. entre o Natal e o n Union que só bate as letras Pois eu tenho duas. JERRY ... teve a irmã mais do que uma vez.. um abridor de dos Estados do Sul. então) .Bem.Alô.. dois . . E durante onze: ado e de uma incoerência verda. . o meu bom e velho pai cele..

e quando ela já to- periquitos? e quando você é mais velho você mou seus dois ou três copos de gin PETER (Também irado) . tentando "baralhos um para o outro. mas talvez te. . neira de conservá-la à distância.Então não fale. . só que ele era JERRY .Está bem.Não? notado que..Mas eu achei uma ma- esses baralhos.. mesquinha. JERRY . saco de imundice. (Vol. Eu sei. quando acho que quando você era garoto. e ela dá risinhos e solta gemidos PETER (Embaraçado) . (Depois. digo.Não. Eu nunca pensão é gorda. ou você pre a ouço chorando. ordinária. agora. ela investe pelo JERRY (Irado) . Mas quero falar é o bastante para você. feia... ontem não foi PETER .Eu acho que muitos de definido mesmo. Mas a dona da "menta é que eu acho que pratico PETER . depois da ado. se você. Já lhe falei so. porque "tou.Oh. ela sua um antes de se casar. cheiro de seu corpo e o seu bafo . onde maneira. (Ri) Eu ela chora o tempo todo. sem- chicha sobre seu quarto. então. . ela se desconcerta. PETER (Com um sorriso de quem andar. Des. . um casa. quando você é garoto e cartas por. ela tem um cachorro e eu de prostitutas. Ê horrível. tando ao seu tom anterior. Muito plesmente: mas amor." nográficas quando você é mais ve. valor entre as cartas pornográficas ela e seu cachorro são porteiros de PETER . como muito raramente vel. suja. Acho •dia dÕ desejo sexual. Mão conheço nin. Mas creio sempre me faz parar no hall e agarra "teiro se você quiser. seu corpo contra o meu para me meçou essa conversa. Pensei que lhores nos andares de baixo..Você a descreve . . minha residência. Além PETER . . Eu não gosto de usar seus pequeninos olhos.. com um ano mais velho. fui lá . Toda vez que ela me espreme com seu corpo e co- você e seus amigos passavam esses passo pela porta de seu quarto. Oh. sou irreverente.Eu pre. convencer-me a ir até lá. cérebro do tamanho de uma ervilha. sabe do que se trata) . não posso descrevê-la enquanto recorda o ontem e o ante- firo não falar sobre esse assunto. bem. tante desagradável. Isso não é da que você prefere ouvir o que me o meu casaco ou meu braço e aperta minha conta. enquanto crê e revive o que 19 . um choro aba.. brir sua vida sexual.Deixe-me contar. Você não pode imaginar o que é o PE~ER "(Rindo) .Ótimo. . muito realismo. E. isto me parece per. ontem.. guém no terceiro nem no segundo xualidade. Esou eu. PETER (Entusiasmado) . eu gosto lescência e em épocas difíceis. bre o quarto andar da pensão onde um órgão que desenvolveu apenas o ressante que você me tenha pergun.Obrigado.. algumas coisas antes.E você jogou fora pouco seu cachorro..Não é o caso. Amulher já é bas- feitamente compreensível . ela os periquitos em paz! E continue sol. bêbeda. não sei. não es. sou eu o objeto de sua viscosa se- baralhos pornográficos. porque JERRY . depois algo de bom naquela atormentada estúpida. substituto para a fantasia. aconteceu no Jardim Zoológico. Não gosto. Eu me sentia disso.. beber. JERRY . palavras muito duras para descrever pouco e. mais precisei dessas coisas. JERRY .Ê revoltante. Essa diferença é que quando hall de entrada.. Peter. E você pode ter a se"formar no seu rosto indescrití- JERRY ..mesmo dia do meu. Então? Você está zangado? Quer dizer. sim. no zoológico. espionando para ver vai me aconselhar a casar e criar vocêégaroto você usa as cartas como se eu não levo coisas ou gente para um substituto para a experiência real o meu quarto. eu queria chegar era à diferença de "vou lhe falar sobre o cachorro. de verdade. Toda vez Quando ela conversa comigo.Bem.) Ê inte. tão bem quanto seria possível.Olha aqui! Você lho. você fosse me perguntar sobre os que são. ela oferece uma nojenta paró- tado sobre as molduras. um sorriso ingênuo começa que fiquei mais velho. e. na parte da frente. mas muito definido. Não fui eu quem co. muito apaixonado. que saio ou chego.Eu conheço senhora morando no terceiro andar.. De qualquer nha sido só sexo. conservar num canto de tal maneira JERRY . espere aí! Sei que há uma PETER . está bem. e anteontem? nós tínhamos. Acho que os quartos são me- falar. da dona da pensão e sobretudo de Então. pois Mas por uma hora.Olha aqui. Peter. . moro.Deixe usa a experiência real como um com limão no meio da tarde. e neste mo- pessoas. culpe.. eu não estava tentando desco. suficiente para Jazê-la comer. gosto sim. aperta os JERRY . deixe-me contar-lhe e em algum lugar do fundo daquele JERRY "(Aliviado) .. sem jeito) que ela possa conversar comígo. sim- tinha o seu? fado.

foi no dia seguinte à mi- JERRY (Um pouco zombeteiro) . ah. não é? Jardim Zoológico hoje e porque ca.. amarela. sabe. ação . t- I seguinte e longa narrativame pa.. O cachorro. I m ela um efeito hipnótico em Pe- • e na platéia. todo negro. . ... h'a aqueIa cor JERRY . esbranquiçada.. era engraçado. quan. Tive guei à pensão. Desde o começo. e em seguida. certa- . ou também você pode ver aqui. isso continuou por uma se- . depois de ter sido corrido JERRY(Comose se dirigisseauma iança) . perando por mim. timidamente) - Quase sempre tem uma ereção . Eu po- JERRY . saí e comprei um pacote de I io é? . vou matá-lo. mas com um pontapé coisa gue se lê nos livros. já sabe o que eu penso.. Entreabri a porta.Sabe mesmo? Ótimo. Bem.. . até o nosso pró- contar tem algo que 'ver com as ra- zões pelas quais às vezes é necessá- meio trôpego. (Sorri. . como se eu fosse São Francisco que vivia com pássa- mim. com toda cautela.Eu sei. portanto. eu es- PETER . sim. me viu pela primeira vez. guinte. direita . Ninguém está prendendo cinza. eu estou salvo. vou sufocar esse cachorro de o. onstro neg~o que ~ ~ ~. Entretanto.. no dia para a cena seguinte) Quando che. lenta.. para se obter coma minha cara. Em mendado. joguei fora o pão I T II lcê aqui.J'. .0 não passasse de ficção. que também é vermelha.Bem. eu sempre lr mo encontro. então eu vou falar sobre o ' pobre monstro.. en. um cachorro velho e maltratado . . .) Até hoje não des. só isso. Eu quero dizer é que os animais me abri o pacote e botei a carne no chão a uns quatro metros de onde I I ovimentos específicos foram suge. te aconteceu no Jardim Zoológico. tam- bém.) . ele arran- PETER . mal passada. todo o caso. Alguns ros dependurados nele otempo todo. Peter. ligeiramente . Entrei.Seria melhor que tudo eu acho' que já lhe disse.. tava pensando nisso um dia no meu dos. Bom. sanduíches de carne. onde está re- :ista. mas você.". simplesmente.. Uma vez. nunca quando eu saía. . cachorro velho mesmo. mente. deria arrumar a mala e viver na rua ío está pensando em ir. volta para seu quarto. também. Assim. você é cheio de histórias. é um ver. tem uma ca. do caminho para atingir um ponto cou um pedaço da minha calça. seja somenteeu que penso assim. SIm. .. não. Você telas dele através da pele.. são indiferentes . era um cachorro firialmente. Animais não vão e lá estava ele no hall.Você não é obrigado a cutar. mas o diretor e o ator que in. sempre que eu chegava: mas PETER (Nervosamente) . estremece) Não reaja a nada Peter: PETFR (Sorrindo. sem molho e sem cebola. com exéeção dos olhos avermelha.. .0 na cabeça. n. lembre-se disso." PETER . olhos.o' que eu estou beça desproporcionalmente grande. sabe. eu acho que é um gentilezas e se isso não der certo .· ~ultado por si mesmos. momento que o vi. mas que corria muito bem ainda. . . rápido. no dia se- ocê. Ponha Assim: foi isso que ele fez. está? ro é negro. ) na maioria Assim! Ele rosnou. cobri como os outros hóspedes se JERRY . . ah' que mais. .É.Isso é tão . certamen.. você pode ver as cos. ? . talvez mana. (Peter te. . como as pessoas o cão estava rosnando para mim. esperando por' ce que pode ser feita com uma ~l11de movimentação. porque estejam infeccionados. arranjam com ele. . . (Talvez. f I mca aconteceu. De qualquer ma- ierendo lhe contar é sobre o se~ orelhas pequenas. e começou a andar. olhe. . los. Ocachor. mente.. também vermelha. E decidi.elu . que cheguei aqui. pelo cachorro até lá. no cami- nho para casa. das minhas pernas.. ela me lar.chorro. você.. incrível. Bem. É engraçado. no primeiro II JERRY . me livrei dele e corri. Você tem dadeiro monstro negro. bem pequenas. e neira. to ao corpo. . cho difícil acreditar quegenteassim relativamente próximo.. E.. PETER (Seriamente) . quando ele mostra as presas. cachorro (Nova~ne~ten ~tural. rio que uma pessoa se afaste muito conseguia fugir. para minhei em direção ao norte. e vou lhe contar agora. até cima (Intrigado. me era indiferente. e.. U1I!a feri~a ' aberta quarto.Não vá embora. Não era raivoso.. Ou melhor. (Como se lesse num enorme cartaz) ele vinha rosnando para agarrar uma t e caminha para junto daquele a história de Jerry e o cachorro. Mas esse cachorro não fungou. e não -' se esqueça: com a carne na mão. Bem. escute. acho zão. . 'preta Jerry poderão obter melhor das vezes. foi por isso que fui ao nha chegada. parou de rosnar.). Pri- ntar sobre o cachorro. 9 q~e vou lhe não. realmente. todo negro por causa do cachorro. o cachorro. E . Então.. mais rápido. que era só comigo.. injetados de sangue..Porque depois de eu lhe em sua pata dianteira. o cachorro estava es- medo daquele animal.. o meiro. quando e guardei só a carne. em que mudei para a pensão.Ah.

Então.sorri. todo Mas. " você compreende.. costumeira oferta e. ceio que tenha dito um pouco alto pela mulher que chora deliberada- tão.. Acho que ele sorriu. rosnava. Assim. e pelo resto das pessoas de todas I chorro. já tenho que rezar por mim mesmo. e não era j'I de superar essa antipatia. mais soube que. fui para o meu quarto. para simplificar as coisas .denciou que Deus havia atingido seu com exceção do lixo. isso é importante.. . sorriu.o pensão só come lixo. Como você e o veneno. ". madame. Ele virou a cara fosse uma mortífera porção de ve.reação dele. lentamente) Por favor compreen- e eu estava já mais enojado do que aproximei-me da escada e fiquei da Peter.quarto da frente e que eu nunca vi. depois. bém. sar a minha raiva. mais rá. esperando. Todto mundo as pensões do mundo inteiro. . disse ao homem que não pensão parou de beber. ' mas . Eu. nãn fui bem sucedido. e passou a abocanhar se preocupasse com o pão. sentmdo ja. En. Ao voltar para a pen. quase que tudo não: ele sorriu. mal: Ê UMA MORDIDA PARA O da. o cachorro vinha ra. Grrr . sanduíches de carne sem molho . tam. No dia Grrr.l Bem. foi suficiente para pas. que não desejava a morte E eu imaginava que não seria capaz tro. eu bém o papel. não fique alarmado. Ela me fez desse jeito. no momento em dizer que eu queria que o cachorro nava.. me olhava.tanta tnsteza quanto ncjo. Não queria. Portanto. de.com as nossas novas relações. certamente fatal.eu prometi que ia rezar.ca- carne.bendo disso. O pobre animal engoliu teso Você deve acreditar em mim. Foi. porque ele passou a não para a carne. então eu disse e re.. preparando para atacar. Eu disparei . conhecer os efeitos de nossas ações. ~~os a carne roso e 9. essas coisas são importan- ofendido. ele sentou e sorriu.. "o que é que vai fazer. em papel impermeável e disse: "Uma tos. eu me MEUIh CAICHORRO. deitei demais e de uma maneira muito for.do mais. Eu quis dizer: madame. decidi matar o observando. ten. . ele rosnou e avançou desta vez. Esperei uma tentativa de homicídio e me coníi- tivesse comido nada em sua vida. sso sempre acon ece quan. Bem. pela família porto- sorriem. Era como se ele nunca eu só queria a carne. eu não sei rezar. Para falar a verdade. e mais rápido na direção da carne. . avançava na carne. Mas" pouco ressa agora. Disse que eu era um menti- depois." Mas você não pode dizer pela bicha negra. ele co. Pobre coitado. como: "nós não vende. Afinal.. cachorro. o que quase me fez mal. um momen. Acho que a dona da pão". e então. Receio que tenha de lhe acontecia sempre o mesmo: ele ros. Quando comprei o me esperar mais e por que adona da e então RRRRAAAA GGGHHHH. saltar em só porque tinha sido eu quem o tinha tei por isso mais cinco dias. e de ter tentado comer tam. quando ele chegou perto dela.:da acima. isto aqui faz parte .olhou. pela primeira vez. comprei apenas um sanduíche. ficar engraçado. Abn em minhas palavras havia muita sin- alimentando aquela antipatia comigo. que ele sorriu para mim antes de se vivesse para ver o que aconteceria pido. por esta época a Avenida Co. Bem. sei que gatos nheço. (Peter GRRRRRR sorria. além J sentia ofendido e estava furioso. Peler. neno para rato. . decidi tentar a mesma coisa são.mente do outro lado da porta fecha- e comecei a pensar de 1l0VO flO ca... cheirou-a. isso não inte. Ela havia esqueci. caminhava. misturei co~ as. aproximar. reação dele. cres- lumbus já estava coalhada de pães Botei o bolo de veneno no chão. envenenar um cachorro que eu co. implorou qUt eu rezasse pelo .ue provavelmente queria que por mais alguns dias.. fungou mais. GGRRR .. lá estava ele demonstra seu crescente desgosto e Bem. e deve ter percebido.ceridade. em que decidi matar o cachorro. como de costume. Choramingou e pois que ele terminou de comer a quiz dizer: "Não. Nós precisamos protesto) Oh.. ce. segurar a carne para comer?" Mas do de sua descontrolada sensualida- meu a carne toda. O que devia mos nenhum sanduíche de carne sem querido cachorrinho com um golpe ser verdade. embrulhou a carne de e seus olhos estavam muito aber- de uma vez.TALMENTE DOENTE.. Mas. não é bem isso.de um plano para chorro. carne e aquilo que eu pensei que . me o ou. "um cachorro que eu conheço" sem riquenha. pela pessoa que mora no to muito grato. porque parar no hall na mesma noite da os pedaços.para experimentar a. Ela me Eu tinha sido ofendido. mordida para seu gatinho?" Eu aí olhos do cachorro. mas cima de mim.. aqu~la altu: ° cachorro morresse. E ACONTECEI] ! parou e olhou para mim. sanduíche. também. (Peter ergue a mão em a comida como de costume. Fiquei ·sa.. para mim. 2í . Pareciam os ganta como uma mulher. . ou.. esrerando para ap?ssar-se da do cachorro. .envenenado. Então. fungava. . mundo me olha. fazendo ruídos na gar. um antagonismo que. de QUE O ANIMAL FICOU MOR. eram seis excelentes do tento simplificar as coisas. ele ja. a porta do hall e lá estava o mons. Eu respondi.

. segundos .. cachorro.-::::. SEM CA. com. não.. de nha tentado gostar dele e eu tinha DA PORTA FECHADA. o cachorro.. com baralh()~ porno.. com o choro.equada.. com um pouco de outro com mistura de tristeza e sus- olhando um para o outro.. Eu Deus que. Entrei pela porta um tapete. . até o centro higiênico. Peter. Você está vendo como é difícil en. __ . para estar.. então. a não ser que ele ou para qualquer outra pessoa... que o hail de entrada de minha pen. .. . ser compreendido..ou aquelas duas ho. Eu olhei fumaça. fi. ad. etc. mas 'cemos um contato. quando ganham dinheiro como ou por que... Olhei para ele. . como MAIS! (Muito mais rápido agora...... mas você tem que admitir que .- mais para sua cara do que ele olhou ça .. ele olhou contrar coisas? Com a esquina de encontro. O animal estava lá.. com.:l' (Outro profundo suspiro) Bem. ~ .... segurança. um pouco. Não tenho a menor ldela de se encontrar em olhar para a minha.. chorro pudesse compreender alguma soas. e você já perdeu a oportunidade gostava daquele cachorro e queria QUE É UMA MULHER QUE CHO- de ganhar por uma pergunta no va. amigo. bem. com . deu morreu e a dona da pensão recupe.. triste.: . se dIZ. COM DEUS QUE É UMA BICHA está? (Peter começa a pensar. E que lugar melhor estava sendo levado em um cinema mas eu tinha esperança. ~ ~ "o . 1 cachorrinho estava melhor.que nós nos olhamos. RA DECIDIDA DO OUTRO LADO lor de oito mil dólares. (Aqui. estava viver com gente...C'o . em nada alterada não sei porque esperava lue um ca. sempre a mesma coisa. depois da dona (Jerry eslá estrgnhamente tenso.:. era do hail. um dos últimos passos a tomar.. fatigado. pois de ter assstido a um filme que coisa. Peter. (Peter pa. eu agora DEPILA AS SOMBRANCELHAS? ra. certo de que ele estaria esperando tar. prostitutãs. com um cofre.. se não pode longado por um instante ou mais. rou a sua sede..algum dia . d?o... . cachorro. Com lhor amigo do cão.. com o amor. Passamos um pelo outro com para a minha. com cachorro ficamos olhando..... é que se você não pode con.. com Deus. Se não ro. Acho que. sem medo.) Um cachorro.com o gemido. um está vivo. este seria Lembre-se de que o homem é o me- o coração partido.o que é um seja um enfeitiçado cão que guarda to faz. termina a sua te com o meu amigo.. do que com UM ansioso ao ponto de ter o coração encontrar uma maneira de relacio. com o dese- qualquer maneira. frente à frente com uma barata. Agora. .. mais uma vez. compreendemo-nos. Eu ti.. muitas luzes de todas o cachorro nos vemos. me ver.. o cachorro não tentado matá-lo. tua. muito menos minhas razões. Portanto: eu e o uma vez mais. com as pessoas... tan. para compreender e. éque .. porque as prostitutas não são rou-se. com uma história.. esperava que isso acontecesse. sem sucesso. Não estou bem ras .. como duas estátuas . silêncio que pode ser pro- ponto de ter o coração partido para pode com as pessoas. as cores refletindo no chão oleoso e onde estamos. com qualquer maneira. De. vá-lo .. possivelmente.. É a única palavra barata... que também gostasse de mim. .. isso também não. seria UM COMEço! O J da pensão ter-me contado que seu ra) . ago..22_posso me encontrar durante mais DEADO . um filme rece hiplwtizado) É que .. fascma · ? seduadc? . eu estava compreende? Uma pessoa tem que quase grotesca). E o que eu via. não. Com uma cama. UZI o. Olhando um para o petrificados.com as pes- pelo renascimento de seu latido. são? Ali. Simplesmente: um cachor- partido.. você precisa ten. ~ . com o vô.. É '. que é melhor para um começo .. com ALGUMA depois. nós estabele. segundo me contaram. Eu mais tempo do que o e avancei. um conceito. com. sempre que eu e para mim../ . Eu estava ansioso ao nar-se com alguma coisa. (Peter reage) COISA. nós paramos nós ficamos muito tempo assim .. As pessoas.... cachorro do que um cachorro pode jo. de fuma. meço de entendimento do que com. seco das ruas. de alguma forma COM ANI. Jerry. . um para o meu amigo cão. Eu estava.... peita efingimos uma indiferença mú.. .. de tempo em olhar para a cara de um mito. para transmitir uma idéia simples do da Rua Quarenta e Dois.. Com uma idéia. . como um conspirador) Você não (Aqui Jerry parece cair numa fadiga '"'- não.. não era bem isso. frente à fren. Você para a cara do outro. com um rolo de papel o outro... com o seu corpo . é isso. depois desse tando-me. te uma idéia perfeitamente válida. Mas durante aqueles vinte ato de amor e eu poderia pro- os portões do inferno ou outro re. r~~upe.. Eu estava ao ponto de ter isso seria difícil demais. eu queria que acontecesse. . E era isso -que NEGRA QUE USA QUIMONO E Jerry continua) De qualquer manei. Me pare- Sim. com . 1 que eu já tinha visto. mas as costas a tudo algum tempo atrás. Eu quero dizer que gráficos. Que tal essa? lembrado de minha mitologia. com um espelho.. para um co- por mim. acho que uma rua. porque você fúgio do mesmo tipo. ..

ha. Tentei explicar do ninguém. nem a dona da pensão e mui. e aprendi Peter.) nós 'vamos. criam verdadeira emo. O cachorro é dela.transitório permanente. nao aimen . Jerry dirige-se PETER .. extravagâncias poem Peter rindo que você acha? PETER (Modesto. uh. I 23j.era ISSO . Jerry? Oh .Bem. (Quase chorando) Por JERRY . so? Você é. fazer cócegas em Peter. que é amor? E quando ele tentava me a maior cidade do mundo. Não faça isso. foi o resultado? Nós.. um pouco. Mas você me . Durante o seu PETER (Paralisado) .. Afi- para o banco de Peter. JERRY (Fazendo cócegas nas cos- I que tinha na cabeça.Está bem. OHHHHH! arranjo lá da sua casa. daqui a pouco... Hi. O quê? O quê? PETER . é claro que ção.Oh. ximar um do outro. PETER (Tentando uma piada) . Eu. não era isso talvez. Mentira. . tas de Peter) .Você quer dizer que não PETER . que é. ao seu lado.. não sei. PETER . Peter. o cachorro e nótono e cuidadoso) Eu não moro PETER (Sente muita cócegas. não é? ' periquitos já deverão estar jantando ro.~ lho eeu ganhei uma ~assagem soli. juntas ao sacudindo a cabeça) Eu não sei o casa. O cachorro voltou ao tudo enquanto contava a 'história.. .) riso curioso e fixo. Peter? Você acha que eu po. sou a pessoa que você esperava. um ato de são as infectas pensões do lado oeste JERRY . mas divertin. pendentes. periquitos ou qualquer que seja o falsete) .ganho é perda. ho ... zer isto. mesmo tempo.. hi. Mais do que uma troca. Você não me inte. I lucro.) acho que não. ha. JERRY .Ora.Peter. afinal de contas os Fim da história de Jerry e o cachor. mas a com- (Jerry está muito animado. hi. cnam um Você tem razão. mas baixo) . não compreendo.Eu .Oh. ro dizer que ganhei uma passagem MAIS NADA.entredentes. da cidade de Nova Yorque. Pe. nem nos ferimos. ho.. hi. Não.. hi. sentando-se qUIs .' feito várias tentativas de contato. Eu sou um Pare com 'isso..-. você pode ficar.a voz dele vai ficando em nos amamos mais. se é que uma perda ressa. (Sorri e.. hi. uma da outra. E quando eu o I· tava.. que Jerry se senta durante a peça.. eu nao que ir embora. ho. hi. eu. fique mais .. hi. de ir embora.. e os ' gatos ter? (Jerry fica subitamente alegre) A gente encontra pessoas de todos estão botando a mesa. JERRY --:. hi... .) você não sabe bem o que pensar de pare. ha.Oh. .. Desconfia que nal de contas. binação das cócegas e suas próprias perturbado) Vamos. quase histericamente. hi. (Perdeu todo o controle) e deria vender esta história para "Se. Não. .. (Jerry pára de série "Meu tipo inesquecível?" Ein? graçado..Eu não estava 'esperan.... o que é de comicidade.. pensei que ele fosse meu .( . JERRY . vamos. mas eu tenho pode ser mais considerada como um to menos o cachorro dela .Eu tenho de ir para que as duas combinadas.Você é um sujeito en. Não na sua rua. (Força um riso) Saobia dis. ela se refere à. PETER .. . Pare. Pare com isso.:.Desculpe. resultado que as supere. o meu lar OHHHH. (Ainda sorri entredentes. E contei devagar.. Que.. PETER (Jerry continua a fazer có- morder. não do-se) . Amém. Esta é a primeira vez JERRY . PETER _ NÃO QUERO OUVIR eu estou aqui e não vou embora.... confuso? PETER . inde.Não. tínhamos alcançado um compro- misso.. leções" e ganhar duzentos dólares na JERRY ..encontrou. Pare.': tária. JERRY . .. Eu tenho de amor? (Silêncio. I JERRY (Furioso.. mas falhado. JERRY .. não sou casado com dois continua e.Peter? que você me contou tudo isso? teado ou. Jerry observa-o com um sor- sei . hi. porque não tentamos mais nos apro. hi. o I. (Mo. eu não quero di- j -. Tínhamos IPETER ..mim. Então.. E qua você não pode compreender.Não. JERRY .. . (Olha Peter decididamente.. . vamos .Ora. ho ho .. Eu nãc voltei. pare. Pete. O que é.E por que não? PETER (Iluminado) . hi. e. ha. J . ha.. nós nos compreendemos. Não sou não. PETER (Consultando o relógio) - livre e solitária.. ho.Escute aqui.. dotado de uma gran. eu o deixo cha.Oh..os tipos na minha profissão. devo . Bem. não. um ato cegas) . mas livre. não. você compreende que . não é mentira. riso. vamos. ha. (Peter está silencioso) Então. Aprendi que nem a delicadeza JERRY _ O cachorro dela! Eu e a crueldade por si mesmas. JERRY '(Calmo) . hi..Ora. Jerry eu. .. ha.EU NÃO ENTENDI confessar que não era esse o tipo I NADA! de tarde que eu havia previsto. não.

com naquele ali adiante. Não foi. hi. gado aqui. você não quer saber o que acon. isso havia um mau cheiro no ar e algumas coisas que se quer.Você sabe arranjar bem que aconteceu no zoológico.. move) Vá embora. tam. .Bem. Já agüentei a JERRY (Calmamente) .Você é um vegetal! Vá hi.. (Empurra Peter de Não! 'mar um guarda. porque pensei que você JERRY (Bate de novo no braço de precisava conversar com alguém. ': bem.Sim. tudo. PETER (Amistoso) . las grades. eles estão \ PETER (Paciente. gico? JERRY . Pode-se ter ter.Você não vai banco e vou ficar com ele. você me enche . i/ paço? você é um vagabundo. Peter. . por PETER (Retornando asua posição) . os periquitos prontos para PETER (Muito aborrecido) .Nem tanto. . vai me ouvir.MEU BANCO! bém. ri..__ _ - -. oh. Mas PETER . É de. _. ha. um guarda para levá-lo daqui.Não se pode ter tudo dos com as "bichas".Já disse que quero este JERRY (Suave) . ha. JERRY . Bem eu tive meu zoológico gritavam.Pare com isso! particular por um momento com . pe. cla- sei que não quero que me batam no tinha a dizer porque parecia que vo- ro.com. fica) Estou lhe avisando. e apesar antes devo dizer por que fui ao zooló. vá ! \ quando o tempo está bom. O dos os vendedores de sorvete e todas JERRY (Ri) .Pare com isso! Oque é as coisas. novo) Chega pra lá. (Empurra Peter com mais PETER .. Agora. foi você? JERRY . ainda amistoso) . vou chamar J " uma porção de gente estava lá. mais e como os animais vivem uns com os outros ecom as pessoas.Escute aqui. não éseu e.. não vejo razão nenhuma para mais. Só t~i o sufi~iente.. ~uase todos os domingos. Peter. -v I PETER . ha. que há com você? _ •disso. Se você não for. vou cha.Imbecil! Você é Ii quê? Oh.. mas não se I. Eu PETER . Mas você quer ouvir oque acon. mas não teceu no Jardim Zoológico? todos os vendedores de balão e to. . todos os animais estavam lá e JERRY (Suave) ..Pe.Ah. já disse. O que é que há com PETER (Intenso) . Não história? (Bate de novo no braço de JERRY . disso. sim. Eu me sento aqui vou lhe dar este banco. Escutei o que você P~TER . (Em. \ pre separadas dos animais. oh. JERRY . cê. ha. Você vai sentar JERRY (Empurra Peter para quase experiência muito proveitosa.. ligeiramente) . os animais isolados da tória.. seu empregar para lhe fazer justiça. braço..Vá à.) oque se quer. se você for bon- fora do banco) . vista. --. Quero. as focas latiam e todos os pássaros um retardado mental! I II oh. agora eu não gostei. qual apalavra que devo gi~o.. pois co.Agora vou lhe contar o Peter) . cima das árvores e de trás das moi- . estavam lá. oque aconteceu no zooló. hi. Você devia saber dis. por so. é o que 'I I-: ' JERRY (Sorrindo. 'I .Saia deste ban.Desculpe.Suma da minha A todo mundo separado do resto.1 \ mas você já não tem bastante es. força) Chega pra lá! JERRY . ..Está bem. (J erry . É sosse. .. meu. você quê ... o zoológico. PETER ... jantar e. Nunca vem ninguém sen.Eu deitar-se no chão... ha.. Já oagüen- teceu no Jardim Zoológico ou não? PETER (Confuso) . é a lei das coisas. você é. PETER (Aturdido) . este banco II pra lá.--- _::=:::-_~ -"- JERRY (Misteriosamente) . ha. Você já está demais.. I Ir bém. Dê o chamar nenhum guarda. este banco sempre foi não se move) Vá embora daqui . à tarde. vá para oinferno. Bem. pensei que pudesse ser tão engraça- do. Peter. quê? Oque éque há com você? Além ~ sim é que são os zoológicos.Quero. (lerry é domingo e todas as crianças. JERRY . uma quero este banco. Eu quero este banco. ha.Agora. Eu não purra Peter com o braço) Chega ~air deste banco. embora. e pare de me bater.Você não quer ouvir a tarde toda.Mas. PETER (Quase choramingando) . os am. . tam. maioria dos outros e as pessoas sem. . mesmo muito engraçado.Estava muito quente.. acabou-se. sei lá o não posso chegar mais pra lá. tirande-as de 24 _desejar..) PETER .----' -__ - ~ '?" o-. (Jerry bufa. Fui até lá ~aber de que m~­ JERRY .Assim? JERRY . metodicamente. saia da- . Conte. oh. sim. tar-se aqui.Eu estou louco. Oh.. . nera as pessoas vivem merda! CRISTO.. zinho eu lhe conto o resto da his.Osuficiente. Peter. provavelmente. (Ele se afasta mais e fora daqui! do outro lado do parque.Não sei. Mas as. qui e me dê o meu banco. seu. preocupa- lerry tem todo o espaço que poderia PETER .

. lute por seu ban. Voce nem pode fazer um filho macho o que guer no mundo. Peter.Preciso sim. Apanha. De. não é JERRY (Levanta-se preguiçosamen. lute por seus periquitos.JERRY (Zombando) .ESTOU LHE AVISAN.Não me interessa que eu es- PETER (Tremendo) . Você tem por uma coisa..Você é que é ridículo: PETER . eu acho. nôs luta- no parque.. reito de me tomá-lo. Tomei conta do JERRY . seu verme insignifi- do) SAIA DO MEU BANCO! PETER (Furioso) . agora. e eu falo.. Eles não fazem mais nada. em sua mulher. escuta aqui: você. .CHEGA! . Mas mesmo re~os pela posse deste banco.ER (Subitamente desperta com você não anda bom da bola.. não vai adian. socorro! PETER . levementé. defenda seu banco. esta fa:a para que a luta seu precioso banco evocê nunca mais ro que não.Agora quero que você SAIA DAQUI! tisfação. \ itIl CIA! (Pausa) Eu disse POLtCIA! sinceramente. agora! um homem ADULTO. sua mulher. que fosse você não entenderia.. sabe? faca assustadora. Peter. Estúpidol Você não tem idéia a menor idéia daquilo que as outra~ ler e. PETER (Horrorizado) . sua: faces quase se tocam) .. e ainda por cima.POiJCIA! Estou lhe deira. JERRY. I" I deve lutar? Você pode imaginar aI. lute por su~ JERRY . É cla.Ei. eu não ~ JERRY .JERRY (Com desprezo) . rou honra? Ê por ele que você acha que t~mpo todo.Você está me forçando co. Peter. já que você insiste em zom. isso me surpreende. PETER . polícia numa linda tarde de domingo te) . ' sera uma luta desigual. (Cospe no rosto de Peter) JERRY . enfurecido) - pequeno Jardim Zoológico.Não. Isso e uma questão de genética e não . lutar por .Você está enfrentar alguma coisa mais difícil PETER (Com nojo eimpotente) . . E isso é voce apanha a faca e lute comigo.. lute por !' I I você está se tornando ridículo! a fazer ISSO. JERRY . tes que Peter tenha tempo para pen- Vocé é um louco. A tudo e agora quer também este ban.Não me interessa (Quase choran.. louco! Você está louco varrido' ao que l.. . JERRY (Esbofeteia Peter) . mascalinidade.Lute DO! fenda-se.Saia do meu b~nco .Não! _PETER (Furioso) . seu filho da puta. como se diz. como um cant~. Peter. Você acha que . tar nada.Tenho de lhe dar crédito PE..i~par a latrina de seus ga~ Deus do céu. você sabe..Há anos JERRY (Atira-se sobre Peter. mas. rapaz. mas lhe fazendo nada. de grande sa. PETER .! I um homem deste tamanho gritando vou discutir honra com você nem tentar explicá-la.Não ..Então. seus gatos. agar- teJa agindo com bom senso ou não. e você não tem nenhum di. apanha.. E sou V?ce v~i lutar pelo seu amor pró- A . preciso. este banco aqui. " JERRY . que venho aqui. única função deles é essa.essas coisas? Diga.tas. vai tê-lo de voltã. (Tira do Mesmo que um guarda já tivesse . de sua família.. Você pode co.Você bolso e abre com um clique uma terminado a ronda e aparecesse por nao sabe do que está falando.Como um homem. sar no que vai fazer.) aqui. . em toda a sua vida que você tenta areabdade da situação) . neste banco. Peter levanta-se: Eu quero este banco para mim e t?S de grande prazer.Por quê? Você tem tudo homem. você sabe.Muito bem. ' gritar até arrebentar. ele ia provavelmente pensar que Esta éprovavelmente a primeira vez PET.. lute por suas duas filhas' PETER (A fúria apossou-se dele) lute P?r.R . possa ficar de Igual para igual. sem que ninguém esteja uma questão de honra. vai lutar por este maldito banco. ra-o pelo colarinho. ge~al. Você falou bar de mim. PETER . Você voce nao precisa deste banco. sou pno. você vai ser preso.Sim. tenho novidades para faca a seus pés. de seu JERRY .PARE! . você é um ve.) P~TE. este banco 'representa' a sua eles costumam falar na televisão o i ' avisando. Este banco é ~ETER (Esforçando-se) . .Você não imagina como PETE~ . você tem uma ti guma coisa mais absurda? ~ I (Pausa) Isto é ridículo! certa dignidade. "olha um homem de responsabilidade. lute por ele. como P~T~R" ·. aqui.Oh . so quem enlouqueceu. de seu lar.ER (Escapa. deixe eu ir embora! ele . este ferro eesta ma. .Aí está. Além disso. DeIXe. você me toma o banco. importante para um homem.Oh. lerry atira a pessoas precisam? JERRY . JERRY . Levante e brigue. tenho tido momen.Saia! meu.um homem deve mlOpe.Absurda! Olhe. eu vim aqui só para VOCÊ VAI ME MATAR! (Mas an~ tos. JERRY .

agor~ ...confortou.. I.. pO rosto qpue binação de bufo e súplica) Oh . (Petercorre até o banco. e I Peter. seu .... de? Aqui estamos. Peter.Oh. (Ri como pode) Você não da faca as impressões digitais) Vá em. de virilidade. . já lhe gatos os gatos estão botando a JERRY(Suspira profundamente) . quando junto de mim.) Oh.. mas defendeu sua pela dor. Peter: os olhos e a boca abertos em Pode aparecer alguém evocê não vai agonia.. oh meu Deus. quando este alguém PETER (Sussurra) . .. Aqui .. Peter. aqui estamos.: I t" toda sinceridade. (EIe est'amort) o. Iheu Deus! Tableau: por um momento. . Meu caro Pete~! .bém éum animal Mas émelhor você l' '} gado. . ler eempurrao corpo contra a faca. depressa. o nga o. oh meu Deus. espere.. sua voz varia. Você tam. Pe. apa. mas para se de.falei.. Agora..) querer estar aqui. os fender. eter. vacilante) Espere.. Rápido. (Peter hesita por um mo- suma-se daqui e me deixe em paz! que.É melhor você ir agora. muito obri. você fosse embora e me deixasse só. meus Deus. morte) . o livro. Deus.. I lo silêncio. Que assimseja! (Atira-se contra Pe.. . r - L• eu estava lá. Peter. (Peter move-se I i 6. " você . não para atacar. Agora. ). nha o livro. oh. na sua frente.. algumas vezes ferida Perdeu seu banco. depois sai do palco) Depres- (Segura a faca com o braço firme. :IiI I . chando j . (Ri fracamente) e você me " f. (Os olhos de Jerry estão fe- mas à certa distância.. (Peter afasta-se. mesa ..Oh.) Deus . uma com. é melhor se r7IOVer.. o som de um animal fatalmen.Leve seu livro. Peter. ii .. !\ um pouco. Senta-se fitando JERRY. vi e-.. e essas ter. coisas que eu lhe diria fariam com ra. imagina o medo que eu tinha que bora.e lhe diria certas coisas.voce sabe o que vai ver na JERRY (Os olhos ainda fechados.meu drosto. mas na maior parte do tem. Sorri.. Venha.ir Agora vou lhe contar o que aconte. está I.. agora. faca no extremo do braço ainda fir.. paralisado..) I Mas acho que sim. você foi desapropriado.. .. com bem.honra. será que eu planejei tudo isso? Não.. PANO te ferido com a faca enterrada nele.. menta.para olivro... rapidamente.\ ceu no Jardim Zoológico. Então Peter grita. Peter. Peter. I zoológico. Jer. afas. grita. recua) Muito bem.ter .. recua decidi que conversaria com você. ou alguém . o. .. eu vou lhe dizer uma po ele parece distante de sua morte.. (Jerry apanha um lenço estavacom tanto medo quevocêfosse e com grande esforço limpa no cabo I' II embora. você é um animal. me de Peter. Bem. quitos estão fazendo o jantar... /.. meu chegar. tudo que ~conteceu no zoo~oglco. muito bem. . seu monstro. vá embo- de) Vou-lhe dar a ultima chance...) Obrigado.. Peter. eu você ir. no meu banco.... sa. (Peter boquiaberto..Você não voltará mais Os músculos do rosto relaxaram-se.. Então ele também você. Peter.Oh. no seu banco .voce esta ven o agora.. Depressa. u vim ate 1 r- ry ~o se move. PETER (Não se move mas começa (Ele repete essas palavras muitas ve. J (Afasta-se e apanha a faca. perto da agora a sua expressão parece mudar. até encontrar al. mas JERRY (Mais fraco ainda.c~ntei tud~ que você qu:ria saber. comple. Depressa. ele respira com dificulda. .. meu Deus. seus peri. JERRY (Jerry está morrendo. que Meu Deus! Peter abandonara.I I . Jerry atravessado pela tele~lsao e o rosto de quem eu lhe balança a cabeça e fala. P b la-se deixando a facaemJerry. . aqui. eu decidi que caminharia apanhe o seu livro.. mas recua) Depressa. quando eu estava no ou melhor. Mas. .. meu zes.achorar) ..: rumo ao norte. não sei.eu não poderia ter planejado tudo. guém. E do) . Compreen. coisa: você não é um vegetal. não pode ir embora..nao contei? E agora voce ~a?e de PETER (Fora do palco num gemi... fI .· dn Eaeter. PETER (Quase desmaIando) - Jerry cambaleia até o banco.

Marcar bem os temperamentos..I monioso. . autoritário. Co- meça uma discussão a respeito das terras que ambas O PEDIDO DE CASAMENTO as famílias possuíam. até de Anton Checov o momento em que o pretendente. mas mento. luvas bran- rá mesmo depois da união das duas famílias.I!.. em insultos a ponto de fazer com que o pretendente caa Ivan Vassilievic? . vestido caseiro e avental. à qual se vem juntar o pai da moça.Gente moça em geral. furioso. surge a oposição entre dois temperamentos igual.. ~ camponês rico. Stepan Stepanic. A moça fica desesperada por ter perdido a ocasião de casar-se e STEPAN STEPANIC CHUBUCOV' implora ao pai que vá buscar o vizinho. que. o que assusta a moça. ten. . A discussão vai aumentando em intensidade. proprietário de terras. Stepan Stepanovich Chubokov.Realista.qualquer espécie de público. Natália. cada vez mais menos. Pode ser Ivan Vasilievich Lómov vem pedir a mão da filha completada talvez.Olá. pen. continua. do choque dessas duas personagens. Hum. Mas. . cada um achan. O pedido é bem recebido por Sobre Checov. criando uma situação go. senhor está bem? volta a si. Persônagens .. meu caro ami- às suas terras e às suas posses. Como vai passando.- . novamente. embora você nunca se lembre mente teimosos e entre duas famílias igualmente presas dos vizinhos. e coisa etal . consultar os Cadernos nº 29. sua filha começam então os três a falar sobre generalidades. Mas esteja à vontade. autoritária. ou entre os noivos.. con- alto: "Champagne! Champagne!" fiando em Deus. grupos amadores ou profissionais. é mesmo você? Arre! Que milagre do que o seu é superior ao do outro. fortemente preso à terra).. 21: f . estu. saí só para I. aSSIm-aSSIm.Stepan (proprietário rural. também LoMOV . Quem pode montar . de seu vizinho. teimoso. ~".I: ij. LOMOV . homem ANÁLISE DE: OPEDIDO DE CASA.Realistas: Ivan. de vinte e cinco anos.. mas impressionável). Ivan (homem são. I:. Depois da partida. e quan- do tudo parecia solucionado. sua. : II I'. monioso. mais . e NATÁLIA STEPANOVNA.Não. o sando que. talvez. o I festa importante. Mas. não sabendo a razão da visita do rapaz. há beijos. Este volta. meu amigo. desta vez por causa de cachorros. Idéiq . sem ter podido atingir sua finalidade. teimoso e interesseiro. I! ii I~I I' . de rivalidades.I :r" Roupas. . e coisa e tal? . luvas brancas.. . grande Público .IVAN VÃSSILIEVIC LoMOV tando a moça encaminhar a conversa para o assunto que a interessa. CHUBUCOV . :ri' dantes. enquanto o pai grita. este. o rapaz tenha morrido. uma nova discussão surge CHUBUCOV . Vai a alguma Mecanismo . desmaiado numa cadeira. . de fraque. o casamento fica resolvido. presumivelmente. retira-se. de acordo com o pedido que vem fazer. i teimoso mas pusilânime a fim de que a comicidade surja I não vou a nenhuma festa.. meu amigo. e o do rapaz. Finalmente.. A filha entretanto.. com outra peça. não faça cerimônia. Ivan Vassilievic? da moça.Tendo como pretexto um pedido de casa. surge um desentendi. vestido de modo ceri.Muito bem obrigado.1 1' '" I. tão ceri- cômica.1'1 PEÇA EM UM ATO propriedade rural de Stepan.I· i~Il I' H '. cas. o Personagens: pai mostra à filha a pretensão do rapaz. esta casa é mento. porque está tão solene. .. MENTO DE ANTON CHEKHOV lia (sua filha. não lhe dá tempo de formular o pedido. . Stepan. a ação passa-se numa sala da 11 ' I' . "I 1'11. empre- endedora). Cenário . A coisa degene~a vê-lo aqui.. Vlf aqUI. sente-se por favor. Natá- .

oque foi que aconteceu? ! diante.. ~ . maldito tic da pálpebra esquerda. espanto.._----~". ceifar muito feno? Eu. LOMOV . Ennn. tou todo trêmulo! Como se estivesse estava debulhando ervilhas.-. man- LoMOV . minha filha. asora é um só: resolver de uma vez.. sempre como um desesperado ... já estou. eu vim pedir a mão Em. meu do começo a fechar os olhos. aqui não tenho o direito de lhe pedir au.. tic. Ando irrascível. Mas quan- (asa. Natalia Ste~a­ NATÁLIA .. ! bom! Esperei tanto por este dia! Sem.. " e assim a noite toda..Estimado Stepan Stepa. por favor.~e emoç~o! Ah.. ...Boa tarde. tique. como se diz. Vou correndo! (Sai) apareço de avental... me a verdade..Oh! Filho! Estou ra. almocei. ?timat Stepani~ . eu te. que eu. meu prezado amigo. imagina. volta e me deito de novo.... honra de dirigir-me ao senhor.. e to. Não quer almoçar conosco? f h derá uan oa gen e pensa emas. . ~a .Como? . estão tremendo. simpático e LoMOV .. não é? E ontem choveu tanto CHUBUCOV .. hoje. amor. sembuche. com a chuva.. mir. de felicidade.Bem. . Stepan StImat. comple." Boa tarde. LoMOV (Sozinho) . dou uma I explicarei do que se trata. já sabia .Peço-lhe desculpas se .....acaba nao. meu amigo? Até parece dade. cardíaca.Não. sim.. com medo que o feno se estragasse de sua filha Natália Stepanovna.Que frio! Es. repita. minha querida Na.... Per. preciso pendi... nhado hoje. prendada..a?ISSlmO... meu inteligente como você?! Aposto que cantadora Natália Stepanovna! amigo. Eu.Stimat Stepanic.ão dou! (Alto) Coragem..Então fume . . das as vezes. ro ela oIh os. nic..Bem. como ? ~e.. Em terceiro lugar. de que se trata? Vamos... isto é. eu lhe alegna! . coragem! já com:ça o zum-zum ~o ouvido.. de que.. conte- nhoa imensa honra de pedir amão.. Eu desculpe.primeiro lugar. etal por você .. espe!an ope o ~ ea ou pela sei que nada fiz para merecer sua grande palxao. e. tenho 35 anos.. . ~as. Ivan Vassi- CHUBUCOV (Consigo mesmo) ...Vamos.. . estou um pouco confuso. pronto. . . meu amigo. de. uma alfinetada'que me reflete I que você veio em visita de pêsames! Que.. Mas zer. tenho uma lesão Vai a alguma festa? Que é isso? Até LOMOV . Acontece q~e eu.. Já outras vezes tive 'a touro de alegna. nao ag~ento mals~ ... eu já me ajudar. pre foi este o meu maior desejo!. que lhes conceda felici. Teria sido melhor esperar mais rapaz. novna parece ser uma moça muito tem os fósforos... 1) problema por que é que você sumiu nos últi- estou perturb. os lábios LoMOV . eu sei que não devo. : -.. sala. o gue ainda estou da cama como um louco. um pouco. mulher teria coragem de recusar um lievic! 'Será que veio pedir-me dinheiro? rapaz bonito.Sim. imedia. Quando me deito.'o I LoMOV... por que está tão ali. ti- nha uma pressa danada. ti- um favor . Vim à sua fazendo aqui? Fiquei t~nto. NATÁLIA (Entrando) . assim como cos- LoMOV.. Ê você? Papai me disse: "Vá até a doe... Brrr. natural- filho .--....". meu de crítica. . pois é. ~asando .. Que dia lindo xílio . so o sen or po era I d' d lo id 1 LoMOV . ficou mais bonito. notes.. eu sei. minha en- Pois r.. I I . Que Pronto. quero di. tique.. consideração. Trata-se do seguinte: resolvi pedir-lhe Sempre gostei de você como de um E o pior de tudo ainda é o sono esta pequena entrevista. meu caro amigo.. osenhor . . Mas o que há com você? ter ouvido bem. guma esperança? sua espera para tratar de um negócio meu caro Stepan Stepanic? (Bebe) CHUBUCOV _ Que pergunta! Que com você. o senhor acha que posso ter al..Stepan Stepanic. vim pedir-lhe amigo. ela já está de beiço caído e coisa NATÁLIA .. um freguês está à Permite que eu tome um gole d'água. ... eu explicarei . estava tamente. que grande no ombro epassa para acabeça.'~. sente-se . I em véspera de exame.... na ida.. .Então por que e~per~r mà~s? que os camponeses não puderam tra- deixe de rodeios e entre no assunto E precso tomar uma resoluçao! HI.. dei ceifar o campo inteirinho. eu emas... o meu coração vive aos pi. receio não de uma vida organizada e regular. para dar-lhe ta~ente ~onto . é instruí.Meu filho! Que Deus aben. mal começo ador. obrigado... sinto logo na última costela: tanto luxo...Como?! Oh. feliz.. . mente a senhora ficará espmta.... .sorte. I çoe vocês.. e coisa e tal . e coisa e tal.. elegante...quase es. não é feia. Em segundo lugar. I CHUBUCOV. meu amigo. nhor pode veriíicar com seus propnos Qb d t demai d. ternura. e coisa e tal. tumo estar quando trabalho!. Mas agora já me arre- CHUBUCOV . agitado. . .. e agora volta este tália Stepanovna.. (Bebe agua) Mas eu precso casar. eu . para que . balhar o dia todo! Você conseguiu de uma vez. vez aquele.. outra umpe~ueno incômodo.. mos tempos? Sente-se. Vamos. .Mas então. . que fno! . Pulo . o CHUBUCOV.

"a pro. e acabaram não quero saber de mais nada! NATÁLIA . el que. pre OI nossa. prezada Na. LoMOV . H H f'E it d' eu nao me convenço. mas frio medonho! cem? eu não posso acreditar em nenhuma NATÁLIA . que me deixou. Imagine só! ba a senhora que eu não preciso da- NATÁLIA . (Consigo) Meu Deus. nhecer. h' I va er uns ru os. fabfIcaram . NATÁLIA .Sua. e poderá claro e breve. ~ oes d: hlst?fIaS de avos. .. por julgar-se donos da propriedade. me pertencem. Nós somos proprietários dessas ter.. a sua família. até aborrecida.. LOMOV . nao recuo. ' . an. eu. As famílias Lomov e relatar os . a a gu~ tada com suas pretensões! Não su- de a infância. o senhor está reza! J bosque de petúnias e o "Pântano . Como a senhora já LoMOV .A senhora está enga. . do" brincando. ~ fio. Q uanto I P I' a IS SO nao \ h a U VI a pai ' como J' a' tI've a ho ma de esc1are- ração e estima pelo seu pai e pela possve. sujeito afirmando que a "Campina" pina" de presente! 29: I . sai- Quelma o '" tindo a minha custa. a na . A nossa "Campina do dela! Os colonos do avô do pai da a avo. . pina do Boi" é minha. Além disso. quando porém veio a emancipação de minha propriedade. Não I.Sim. u o o que IgO. silievic! tia e o marido dela.. tempo.Que novidade é essa? t mesmo irn an e. é minha! Pura invencionice! Tanto o meu avô discutirl Mesmo que o senhor ficasse NATÁLIA. porque eles " A senhora sabe. " eu po. .Natália Stepanovna. perder qualquer ilusão quanto a isso tália Stepanovna! zer acho qualquer discussâo sobre ' " . pina" durante 40 anos. Natália Stepa. des.. Se nada.. tIa: ~ t~- t Q ' d'" ieniíi jolos. como a nos do avo de seu pai. ras há mais de 300 anos." vez! . LOMOV . sa Campina do Boi.." Aquela "eampina" e nossa nossa e este assunto absolutamente inútil e t d ? E h ' . ae .Tudo isso é mentira! A "campina" é nossa! Não adianta LOMOV .Não diga! Pois fique como o meu bisavô sabiam que ~ a~~i dois d!as.A"Campina do Boi" é rompo.Ivan'Vassilievic! Des. Elas me pertencem desde "sempre!" quero dizer com isso que eu faça LoMOV .Não.' não é nossa! Onde já se viu isso? rém. tenho a honra de co. rovna: ter-me exolicado com bastante ela- "Campina do Boi" situada entre o NATÁLIA. minhas terras confinam haviam fabricado tijolos por conta NA. enen eu.Eu provarer ~ senhora o que fazer com elas. a Campina do BOI Boi" limita com seu bosque de pe.. agora todos sabem que elah'med' per- ' H 'd por favorli O Oss ccoIanos do avo d'e seu A sal. por acaso lhe pertence? NATÁLIA . pnedade Campina do BOI .Como "desde quando?" palavra do que está dizendo . tiveram sempre a maior conside.. posso provar I 300 bl .\ diIr-Ihe as suas propne' dades. Ivan Vassilievic.Não senhora! A"Cam. pensá-los.M'mha amiga.ICIOaos co 0. td d' I S .BI~~~ tSIgnbl}ca que tar-me mais ainda do que já estou. Aminha pobre ve~gencIas" e op. mente uma questão de princípios. " E com isso espero dido bem". " .Del~e em 'paz o av~: com as suas. se ~e pe~mI e 1. as meu caro Ivan Vas.. mas LOMOV . . .É SIm. senhora.Eu sei! Pois é nossa. it t I nossa.. cer-lhe aind a h'a pouco. tíiolos po r co na t da avo' de mm'h a ram: a avo daminha tia deu a "cam. querida Natália Stepanovna: sem mais nem menos.eles se passa. a ampma o OI am em sem. ouca-me quando morreu. pertence à minha família. que de quando essas terras lhe períen. cont~nd~-me m!- sabendoque a sua "Campinado Boi" propriedade deles chegava até o"Pân. eu estou falando da I .Falarei.TALI~ . houve A • d efetIvamenteb umas di- " H porto I'nJ'ust'IÇ.mIao so re. coisa nenhuma! do Boi~". aparece um asenhora quiser posso dar-lhea"cam- aquelas' terras são minhas.quem sabe. u nao ven o pe- H ' NATÁLIA . ' " f it I' . quele pedacinho de terra: é simples- LoMOV . procurarei ser NATÁLIA .~C ue. NATÁLIA .Como "por quê?" Tal- :om document~s a ver~~Idade de a menor intenção de perder as que vez a senhora não tenha compreen.fatos . seu herdeiro univer. ouviu? E túnias. '.lma da .. íence. sua pobre mãe.Ah! Isso é que não! ' questão de possuir a "campina!" Ela · E mede ao todo 5 alqueires.Perdoe-me se o inter. a avo de minha tia para recom- pma em ~su ruto VI a. eço icença a sen ora para.como. I ua. tudo quanto dISS~ . ' . mas estou trn- deve estar cansada de saber.Então? Fale de uma LoMOV ." A "Campina dos servos da gleba. pode. senhora desfrutaram arenda da"cam.. nao faria outra COIsa senao im- pertence à minha família. ou então está se diver. desculpe-me. lhores relações. Chubucov sempre mantiveram as me. Mas o senhor disse: "A nos. mas não tenho LOMOV. e agora. nao -seI' É sua por quê? LOMOV .

.Veremos! Eu demons- tade. ouviu? Natália Stepanovna. briga e coisa e tal.Ê nossa! a propriedade da "Campina do Boi". . favor. pois ela é minha!. ainda por cima.Osenhor me trata como que eu jamais me apoderei de terras cipação dos servos da gleba . LoMOV . Os bons LoMOV.' . pessoa! A"Campinado Boi" é minha! e. ·lá! Eu senhora haveria de ver! Em todo caso. NATÁLIA . repito! A"Campina do Boi" é minha! se você tem a intenção de contestar muito bem. pete resolver. não estou acostumado nic. é minha. a que estamos tratando deste assunto.Um momento. NATÁLIA. E por que de. por isso trate de falar comigo senhor. não. ça-me bem: se não fosse esta minha veria eu perdê-las? Bem.. ainda no a nós ou a ele? CHUBUCOV. tando? LoMOV. ra durante 40 anos e acabaram con. quando porém veio a eman. rer insinuar que eu sou um ladrão! siderando-a como propriedade sua. e vizinhos não agem dessa maneira. por senhor pode tomar a liberdade de do a sua atitude muito estranha.. você . mas aqui tenha a bondade de pedir-lhe as terras que lhe perten. por que está berrando tanto? e eu não renunciarei a ela..Se eu tenho ou não ano passado nós lhe emprestamos a CHUBUCOV.Desculpe.~ '-- NATÁLIA .Essa é boa! Eu é que CHUBUCOV (Entrando) .J. e por isso tivemos agrada. Está claro? sente.. conheço-o . eu vou man- ceifadores estarão lá! dar imediatamente os ceifadores para CHUBUCOV .. pretende que eu os colonos não pagaram nada à sua NATÁLIA.. pelo amor de NATÁLIA. estou achan. Ivan Vassilievic.A senhora parece que.Hoje mesmo os meus nhores . ' . de perder as minhas.Ê minha! fique sabendo que eu a darei de pre. NATÁLIA . Stepan Stepanic! Osenhor não éum mesmo mandarei para lá os meus co. curando motivo para provocar uma O LoMOV .Oquê? Que foi que LoMOV .Osenhor não faráuma LoMOV.. quero .Ecomo poderá de- a "campina". meu amigo? CHUBUCOV .. você está se esquecendo de que minhas terras pertencem ao senhor. é claro! o direito de fazer uma coisa que me nossa ceifadeira. ou.. uma vez você pode recorrer aos juízes. queira explicar a este senhor dar de presente uma coisa que não Até hoje nós sempre o consideramos aquem pertence a"Campinado Boi": lhe pertence? um bom vizinho.Anós. e tal... NATÁLIA.está apenas pro. mas como pode pertencer ao se- go.Ê minha! de do terreno estava em demanda..Parecom isso! E não Com berros você não conseguirá de.Ê nossa! E amanhã coisa etal.O que sente aos meus colonos antes de ce- posso lhe dar a "campina" de pre. Stepan Stepa- que esperar para colher o nosso tri. .. . . é minha! Deus. mas tampouco tenho aintenção pertence! LoMOV. . ecoisa e tal.Oquê? disse? LOMOV .Senhor meu pai. monstrar coisa alguma. dê-la ao senhor. é coisa que só a mim com- LOMOV .A "Campina do Boi" CHUBUCOV.Em juízo? Pois não.. um idiota e está se divertindo à mi- alheias enão permitirei que ninguém nha custa! O senhor afirma que as faça tal acusação contra a minha CHUBUCOV. não NATÁLIA ...E comque direito o mente. um amigo.Mentira! Ê nossa! avó. Eu não venho LoMOV.Mas. exatamente porque a proprieda. Franca. quitos sabem que a "campina" é vizinho e sim um ladrão! lonos capinar! nossa! CHUBUçoV . fique calmo e impassível... Mas agora até os mos. meu caro.Papai. fique sabendo deles. Os colonos usufruíram a ter- LoMOV .Que foi que você . e agora vem osenhor e nos trata a ser tratado da maneira por que · nhor? Peço-lhe que seja razoável! A como se fôssemos mendigos.quea"campina" me pertence! NATÁLIA .Eu os enxotarei atodos! monstrar tal absurdo..Natália Stepanovna. Ê da sua natu- .. ~ e não! Jamais! grite! Na sua casa pode berrar à von.Deixe isso por minha disse? Que foi que teve a coragem coisa dessas! conta! de dizer? LoMOV. brutal palpitação cardíaca. quer você me estátratando. trarei em juízo que a campina me comportar-se! cem. CHUBUCOV .que você saiba de uma coisa: agora já sei quem é você. avó de minha tia dera a "campina" dar-me de presente uma terra que é Meu rapaz. LoMOV.. entendeu. e coisa terrível.Eu demonstrarei aos se- NATÁLIA . eu tenho o dobro da sua em usufruto aos colonos do avô do minha! Veja só que absurdo! idade. com todo orespeito esem se exaltar. . .. foi que houve? Por que estão gri.A"campina" é nossa. quando quiser! Vá.

que fizemos? To- ceu em juízo acusado deroubo.Seu pai era um jo. . Onde está o meu trona) Pelo amor de Deus. chapéu? . d . " I eníeitado. NATÁLIA . eu vou desm A' ai depres- esmaiar.Ai como o meu cora- perna. .É boa! Minha culpa! nha perna esquerda esta comp ea.~hefou aqUI tod~ [lomo» aparecena porta) Bem. etudo por sua culpa. CHUBUCOV _ Que pedido? Hum. um '.. ousa vir aqui NATÁLIA ..Chamar de volta a desculpe ao meu pai e a mim. CHUBUCOV . . Mas para de berrar. me embora. Deus meu. Um pedido tomara! LOMOV ..E esse sem-vergo. nojen. NATÁLIA _ Pedir a minha mão? nha casa. . e sua tia mais moça.. 'dPodre cora sa papai! me perfeitamente: a "Campina do çao . ai.. O senho~ é um I C~UBUCOV -:..infeliz! Acabarei me matando! Eu agora vai recomeçar o tique nas pál- va a entrar nesta casa! não agüento mais! pebras!. T . facilidade.E você. Estou com uma palpitação horroro- enxergo masl. f f -IP tI NATALIA . O senhor mesmo não passa de um brigão. .. . chame-o de volta. h d It I A' peramentos nervosos se exaltam com Ah! A i está an e. .Sim. AI..' . NATÁLIA . um an arraoi roa o.Todos eles.Depressa.Pode apelar para a NATÁLIA . LOMOV ..) ramgente honesta. . ? ' I t ISSO. I hLOMOV ' I A'.. chame-o de volta. barei me matando. . .Já lhe disse que ele capenga! Ai! O meu coraçãol.. todos eles! a voz em nossa casa! reguem! Ah.. papai.AI. . como NATÁLIA _ Idiota.Que fize- ca ninguém da minha raça compare.. os tem- . sou um pobre pino do Boi" é minha. Ah!. . meu eus.te do próprio nariz. Natália? CHUBUCOV . teto. CHUBUCOV .anjo? (COllSlgo mesmo) Que e que ção está pulando!.depressa! NATÁLIA . r • - Boi" pertence mesmo ao senhor. sei que acabarei CHUBUCOV . CHUBUCOV . Michailovna. CHUBUCOV . . papai? virá! Ah.Sim. todos eles. depressa. . expulso de mi- NATÁLIA . nós CHUBUCOV . justiça! Veremos quem ganhará! Ah! ta! Ai . minha Nossa Senhora.E a mãe do senhor era entendeu. Perdi a fa~a isso! Q~e foi que houve" meu LOMOV. .. ter minha cabeça.Mas que sujeito! com todos os disbos! (Sai correndo. devo fazer agora? Ah. filha solteirona é o diabo! Eu aca- ridade.. . não casamento? Amim? (Cai numa pol. c ame-o e vo a. .Que pedido. Sinto uma dor aqui do lado .Tomara que ele volte.Não ofenda minha Ia.Nunca mais se atre. 3. mas quem vai falar com CHUBUCOV ..Tudo isto é vil.Peço ao senhor que to e desonesto! CHUBÚCOV . NATÁLIA ... .Odiabo o carregue! . ouviu? Os Lomov sempre fo. você quer mesmo saber? Pois bem.. A NATÁLIA.. Ivan Vassilievic. vou. como ainda se atreve a levantar do.Papai.) CHlJBUCOV (Cuspindo) . Nataha.. qUI esba o meu meu D'eus. Agora porém lembrei- c_apeu. . sim. compreende.. ' Por ca. injuriado.Seu avô vivia bê.. . meu coraçao! . nn. mara que ele volte. e nun. estou morrendo! Morro! É de família' (Lomov sai. mente paralisa~a! . uma taga. você quem minha filha! exageramos um pouco.. ai. hipócnta. ai!. Ja. O descarado. vou- atrcvido!. ver aquela cara de .I .E sua tia..reza brigar. . chame-o de vol- Toda sua família foi sempre assim. ele é só você. Ai. o tio do senhor! vida! Não só tem acoragem de dizer CHuBUCOV (Voltando) . fazer-me um pedido. ouviu? rela! ' D I A ' E só agora é que o senhor me conta NATÁLIA .Este atrevido veio pedir-me a sua me matando.Toda a raça dos que a "Campina do Boi" lhe perten. ouviu? Eu nem quero bedo. . Diabos o car- NATÁLIA . e coisa e tal... .Minha? Culpa sua! LOMOV . .. " nde esta a sal a esa t mal-. ele estará aqui dentro de um segun- Lomov é doida! ce. Nastasia nha.I . Entenda-se com ele! (Sai) E todos sabem que o senhor antes NATÁLIA. nao acho que vou morrer! . Então a "Cam- pre. meu pai.Pronto.. que não enxerga um palmo dian. I . discutir e coisa e tal. perdi a minha perna para sem. e coisa e tal.Ele veio pedir-me em LoMOV(Entrando abatidíssimo)- das eleições arrumou" . .O I ..Que patife! Boneco NATÁLIA (Sozinha) . . é uma fatalidade! Foi gador e um comilão! mão! insultado. cretino e atre. mília. o mlseravel. dita casa? Onde está a porta? Ah . fugiu com um arqui.empalhado! mos. CHUBUCOV .Nataha. tomara! . . .... dê-me um pouco de água!.>. CHUBUCOV . E a minha pobre perna. sa! . . Pronto. meu Deus!.. . CHUBUCOV .

ção vai estourar. to novo. b di ? T 'A • d nuo os.. .Sim. o NATÁLIA . aSenho.bom tiro nos iora não sabe? 'Uma coisa horrí.Ivan Vassilievic. irand plran o. ... mas não há cão que sabe perfeitamente que Vopirando é 1 questão de princípios. 10 todos os comprovantes.. ATÁLIA . .Posso assegurar-lhe que N~TÁLIA.. Vopiran. o senhor é nosso Vopirando 85 rublos. a NATÁLIA .Vopirando melhor do nhor hoje no almoço deve ter engo- : estávamos enganados . muito dinheiro! rr I! te-se. Por que então. em Minorov 125 rublos. . para ISSO nao vale so continuar discutindo este assunto: )MOV . . . mas LoM~~ . in- .. Osenhor .~ATÁLIA .na. nha é feio e velho.. vamos deixar presta para a caça.genealógica do seu viralata. .a ' . Bem. LOMOV .Por que se exalta. .1· luele pedacinho de ierra..Velho! Pois fique saben.--/" )MOV . sabe? Nós é LoMOV . ter brigado com outros cachor. I- ..Pelo contrário. A9.Pelo que v~jo. mas eu não pos- le com ele? abocanhar apresa. com certeza nada.E... Quer ou nao ' \I da senhora . . nao ha du. ~MOV .Só me calarei quando I .Eis aí uma novidade para mim! Nun. Uma fortuna! Paguei por Godu.contrano do que pensam. le-se pelo amor de Deus! Meu cora- \TÁLIA .LoMOV .Curto de mandíbula? NATÁLIA . ~ . mente formado.e~anovna Julga-me u. sente-se. Bem..Que pena! Que foi que caça ele serve. meu coração não agüenta mais! ..o. tália Stepanovna! Vopirando melhor venta que a "Campina do Boi" lhe penas uma questão de princípio.TI~e.É de: pina. que o seu Godunha não'me importo com o terreno: NATÁLIA .Asenhora compreende. como é que vou co.. . compará-lo ao meu maravilhoso Vo- unha. ...~ ~ ..C NATALIA orno 'e que o senhor na. ue me interessa é guardar os meus Verdade que Vopirando é ainda mui.Um preço exagerado.vlda.gosto d?~ homens que dizem sempre icípios.. NATÁLIA .É mentira! Meu Deus. ora. fATÁLIA .A caça aos galos de omaxilar inferior é mais curto que o contm~a dizendo tais absurdos!.Em primeiro lugar. ca. .. meu amigo." (Grita) Cale-se! Vassilievic! do que eu não trocaria o meu Godu. ...m minha tia. .OMOV . o meu cac orro. a~ prôpósito.eçar cedo a sua estação de caça? LoMOV .. se gente encontra em qualquer esqui- único e incontestável proprietário o senhor me permite dizer.superior. compreendo. meu Vopirando é de raça pura: é tar que os caçadores que mais dis- 1 cachorro formidável! Para não filho de Avança e Tragapregos. ~ar~ .Não sei .. Godu.de. ainda não está completa. Ihora de levar h um' . Aavó a senhora já se esqueceu de que o ra Natalia St. ~a de conhecer. não adianta discutir. Natália Stepanovna. ao cutem são exatamente os que menos ... e.passo que ninguém conhece a árvore entendem do negócio.. Mas do é um cachorro muito melhor que . NATÁLIA .levantar a LoMOV . Ora. se possa superar Vopirando na agilidade cem vezes melhor do que o Godu- enhor não se incomoda. só pretendo começá-la.lido o gênio da contradição. 'I eve da pacenca he m?e.Melhor ebem melhor! é melhor que omeu Vopirando. que o meu Godunha? Por favor. mas queira desculpar-me." (Sentam-se) o seu Godunha! NATÁLIA . Go... como asenhora sabe. E cachorro de mandíbula curta não admitir que Vopirando tem maxilar ATÁLIA . está mancando.Chega. o se- senhor tinha razão.. ... . Ah.Já tive ocasião de no- ou então caiu da janela . NATÁLIA . Não . Na- ar? (Alto) O senhor pretende ca ouvi dizer isso! tália Stepanovna? . do que oGodunha? Ora! pertence. sagradavel: o seu Godunha ja esta da colheita..Claro. LoMOV .. que o seu Godunha.E ~or que o senhor OMOV ..I ~ " 1.Natália Stepanovna. Epara ele 25 kopekos já seria . LoMOV .Meu pai pagou pelo Cachorros da espécie de Vopirando a unpina" lhe pertence.. eu acho nha por cinco Vopirandos".... dera aos colonos do seu Vopirando tem amandíbula curta? cego ou um idiota . insistir em lar de assunto. curto? ) isso de lado .v. e o sen or msste em querer aconteceu! O meu fiel cachorro Sd~ e ISSO. Na.Natália Stepanovna. vamos e na velocidade nem mesmo entre os nha.no que ele custou! Uma fortu.o senhor resolver afirmar que o meu foi até muito barato: Godunha dunha é um cachorro e Vopirando Vopirando é cem vezes melhor do 1 cachorro extraordinário! é. cachorros do Conde! afirmar o contrário? OMOV .. (Consigo mes. que a senhora tem a Ir os maxt ares.

vou morrer! Estou morrendo! Mor- caro amigo... Ai o meu co- LoMOV (Chorando) . LoMOV . desmalar. . trigante? Cale-se! CHUBUCOV .E mesmo que ti. e Vopirando ia no rastro de intrigar os outros. atrás. CHUBUCOV .. lievic! Morreu! Está morto! I ..AI. ri! (Cai numa poltrona) Chamem um cença... ancas redondas e coraçao.1 . Meu CHUBUCOV . e coisa e tal . . Stepan Stepanic. meu coração! ..Omeu coração não me que é lugar quente.."Eu também me provado é que em toda a região não lembro perfeitamente.Cale-se ou eu o qual dos dois cachorros é o melhor: senhor! Aliás. papai... o meu CHUBUCOV .. ..ai trar defeitos nos outros. . perdi o meu ombro! . . omeu Godunha corria sem.. você apanhava da sua mulher. vou cair. de cá para lá.. o tes errados. perfeitamente! . água! Depressa! Estou seu coração deveria ficar de cama.. Que foi que aconteceu com ele! Pa- pre emparelhado com Mexerabo. ombro! que um colono do Conde deu-lhe LoMOV . vou CHUBUCOV .Intrigante! foi que houve? esta discussão. eu sou um tanto nervoso. Mas vamos mudar pai.. diga inveja dele!!! Sim senhor! Todos têm LoMOV . e não andar médico. Osenhor é um intrigante! Meu coração parou de bater! CHUBUCOV .. me sentindo mal! LoMOV .1 ..Stepan Stepanic. Onde está o meu om- seja honesto . a cavalo! NATÁLIA . meus. com toda a franqueza. .· meu coraçao.. iIlil LoMOV .Não me calo! caro amigo. talvez. . olhe! (Grita) Ivan Vassi- 3 li ~. Ai. uma chicotada! acaso um verdadeiro caçador? O se. por viralata."Ai. Go. correndo atrás de raposas! "Ai.Pensando melhor.. nhor? O seu lugar seria na cozinha. se bem me lembro. não se exalte.. Peço ao senhor Se ao menos você saísse para caçar.' . LoMOV . mas tem dois defeitos CHUBUCOV ..É isso mesmo! Que Não quer uma mamadeira? Ai. a falar mal gunta! Vopirando tem ou não tem um deles.O quê? Eu. ai . ai! tourou! .Cem vezes pior. Não disse? Meu coração es- o meu Godunha.. um verdadeiro caçador.. Lembro-me perfeitamente! a minha pobre perna! A minha ca- maxilar mais curto? beça! Estou com a vista atrapalha- LoMOV . e não andar de deixa sossegado um só instante! Mas lá para cá. . meu gravíssimos: está velho e tem o fo. . um médico! (Des- • suas qualidades. Deus! bgua.Todo mundo sabe que LoMOV . depressa. será por NATÁLIA .. é de boa raça. mato como se mata uma perdiz! E o nosso Vopirando ou o Godunha o senhor tem inveja de todos os ca- deste senhor? com a espingarda velha! chorros que são melhores que o seu LoMOV .Velho e velhaco! sinceramente. Logo começa a encon- favor.. dor é o senhor que nem sequer sabe que se lembre de que na última caça mas não! Fica só atormentando os montar um cavalo! (Ao pái) Papai! àraposa. cachorros dos outros e dando palpi.. um in- NATÁLIA . " bro? .-. cachorro do Conde.Senhor meu pai.Pronto. .Oque éisso? Oque por isso peço-lhe que acabemos com LoMOV .Cale-se! um bezerro! ração! . . de.E você se deixa go- existe um cachorro melhor do que que o senhor se lembra? vemar pela sua governante! ele.. NATÁLIA ..Mentira!..Com licença... inveja do meu cachorro.) tem pernas fortes... nhor só aparece nas caçadas para se esticar a canela: ele já éum cadáver dos os cachorros corriam atrás da mostrar na companhia do Conde e ambulante! raposa. responda apenas a esta per. O que é fato é que você não é minha cabeça. a não ser E a minha pobre perna! Não agüen.. ao passo que de assunto! Fico um tanto descon. " coisa e tal . . to.I .Eu também me lembro da'a.. LóMOV ...Coitadinho do nenê! CHUBUCOV . pronto. .Rapazola! Fedelho! Vopirando apenas porque estava com NATÁLIA . pron- LoMOV . inclusive o CHUBUCOV . .Que espécie de caça- vamos aos fatos.Sim... O colono chicoteou CHUBUCOV .. .. omeu maia. meu Mas que espécie de caçador é o se.E fez muito bem! To. dunha não precisa de um tiro para ... etc. . Para Vopirando ficava um quilômetro trolado quando me zango de verda- o inferno com o seu Vopirando! Ai. espécie de caçador é você? Com o cinho curto. vesse? que mal há nisso? Oque está CHUBUCOV ..Ele ficou atrás por.E o esnhor. A"I . com li. tornais. Godunha sem dúvida tem descascando batatas.. " Do que é CHUBUCOV ..

. PANO .Pronto! Começou a mexer) Ué. deixem em paz! Ar! . cem-se. ar!. Ai. estou com falta de ar . Champanha para todos! beba. Natália Ste- da boca de Lomov) Vamos.. que dero beijar? (Lomov e Natália CHUBUCOV . beijem-se!. eu não entendi bem . meu caro Ivan Vassilievic! de mim! Eu sou o mais infeliz.. ....Como? Oquê?(Levan- ..... beijam-se) Ah.Que bom! Eleestá vi- CHUBUCOV .. Meu um copo de água! Um médico.. como é gostoso! ...Hein? Beijar? Quem é morto! .. NATÁLIA. a mi- Deus! Meu Deus! Meu Deus... um pouco de água... está LoMOV .Muito melhor! . NATÁLIA . Natália?Que foi que houve? Quefoi CHUBUCOV .. pressa possível. 'I LoMOV ..Pelo menos agora. . NATÁLIA . .Vamos. LOMOV .Morreu? Quem mor. Sim..Champanha! Cham.. reu? (Vê Lomov) Ah! Ele morreu Mas. 34 Euvos abençoo ecoisa etal . está LoMOV . .. ele está se movendo! felicidade conjugaI! Champanha! Ressuscitou! ... Onde panha! estou eu? Não vejo nada! CHUBUCOV .Muito pior! Pior! Pior! CHUBUCOV ... . sumam- trona) Um médico! Chamem um se daqui! médico! NATÁLIA ... Não adianta!. cha.... Meu caro amigo. já sei. . que houve? Que é que estão esperando? .Sim. assim. beijem-se! .. mais desgraçado de todos os homens! . desculpe.Não senhora! É cem rando ainda! Dêem-me uma nava.. Natália.Ele morreu ..-~ . abra- zemos! Está morto! (Cai numa pol..Case-se o mais de. Um pouco de ar! LoMOV ...r CHUBUCOV . Quer minha pobre perna! Onde está ela? dizer que está morto de verdade! NATÁLIA . . a Que nada! . vo. que fi. eu concordo. que alívio!. o CHUBUCOV .Que éque vocêtem. . bebe!. con- .. coitado tão feliz..Eu também sinto-me- Morto e coisa e tal.Estará morto! Ivan ta-se) Quem concorda? • Vassilievic! Ivan Vassilievic! Meu CHUBUCOV . assim. Não.. E. nha Natália concorda! Vamos. Vá para o diabo que o carregue! Ela está de acordo! (Une as mãos de Nalália e de Lo- mov) Ela concorda e coisa e tal .. panovna! (Beija-lhe a ·mão) Ai.r. vezes melhor! lha! Quero uma navalha! Dêem-me NATÁLIA . .. Deus.Estou me sentindo íanto que se vão embora daqui e me mal.. Por que ainda não me matei? Por você tem que reconhecer que Godu- que ainda não cortei o meu pescoço nha é pior que o meu Vopirando. j- I bem! NATÁLIA . que formigamento nos meus memum médico! (Aproxima o copo olhos! Sinto-me tão feliz. com uma navalha? Que estou espe.Puxa. mesmo! Minha Nossa Senhora! Água.Que formigamento em meus olhos! Que nevoeiro!... .. devagar.Ela. de que se trata? Ah. .Ê mil vezes pior! um revólver! (Lomov começa a se CHUBUCOV ..

nele incluído despesas com O SNT acaba de publicar Edital.DO PATROCINIO CONVÊNIO LEVARÁ TEATRO AO INTERIOR DO ESTADO DO RIO 1. 2 ~ DA INSCRIÇÃO na Divisão de Integração Cultural do Departamento de Cultura.Toda e qualquer despesa decorrente da do-se aí despesas com transporte. de acordo com o Projeto Interiorização da Atividade tagem. patrocinará os espetáculos a serem realizados em dez espetáculos infantis.2 . Poderão ser patrocinados. a autores nacionais. em qualquer. Ovalor do patrocínio será de Cr$ 15. o máximo de' 10 (dez) espetáculos. mais de Cr$ 50.As inscrições estarão abertas no período dar. b) Currículo do grupo amador ou da O Serviço Nacional de Teatro da Secretaria de empresa.Ovalor do patrocínio será. quem é vedado o uso do nome dos pa- até o máximo de dez (lO) espetáculos entre as monta. As inscrições estão abertas até o dia 21 de julho. será de respon- tação.35 · . NOTICIAS DO 5NT ra do Estado do Rio de Janeiro. das 10 às 17 horas. patrocinará espetáculos. hospedagem e alimen. por grupo. trocinadores.Somente poderão concorrer ao patrocínio bros escolhidos pelo SNT e Departamento de Cultura os grupos cujas peças já tenham sido es- da SEEC-RJ. realização dos espetáculos. c) Currículo dos participantes da mon- ra. Será dada preferência às montagens de textos de sabilidade exclusiva do patrocinado. 119 an- 2.1 .00 (cinqüenta cruzeiros) por ingresso. 2.3 .2 '. viços ou compra de materiais.00 (quinze mil cruzeiros) por espetáculo. hospedagem e alimentação. O SNT dendo ser incluídos. 2. 1. da SEEC-RJ. 1 . O grupo ou empresa escolhido não poderá cobrar sito à Rua do Passeio n9 62 . transporte. do Departamento d) Fotocópia autenticada do documento de Cultura da Secretaria de Estado de Educação e Cultuo de identidade e do CIC dos represen. Teatral no Estado do Rio de Janeiro.11 Q andar.00 (quin- ze mil cruzeiros) por espetáculo.000. para a contratação de ser- gens para adultos e crianças. da SEEC-RJ. na Rua do Passeio. o encerramento das inscrições. até pelo Departamento de Cultura d~ Secretari~ de Educa. 62. incluin.casar às montagens de textos de autor nacional.000. Assuntos Culturais do Ministério da Educação e Cultu. po- ção e Cultura do Estado do RIo de J~nelro. municípios fluminenses. no máximo de Cr$ 15. por grupo. a seremrealizados. Somente poderão concorrer compreendido entre os dias 7 a 21 de grupos cujas peças já tenham sido estreadas até a data da inscrição. ''com as seguintes cláusulas e condições."" I dos interessados 9" pre~ente Edital que regulamenta o I citado projeto. A Comissão Julgadora será composta de três mem. dando-se preferência. no horário de 10 às 17 horas.1 .Poderão ser patrocinados. julho na Divisão de Integração Cultural do Departamento de Cultura. dentro do patrocínio.A documentação exigida para a inscrição será: REGULAMENTA O PROJETO INTERIORIZAÇÃO DA ATIVIDADE TEATRAL NO ESTADO DO a) Ficha Técnica e Artística do espetá- RIO DE JNEIRO culo. elaborado 1. O resultado será fornecido dez dias após treadas até a data da inscrição. no mínimo em 10 (dez) municípios fluminenses e para tanto faz publicar ·para conhecimento 1.3 . sob o n9 06/80. no máximo. regulamentando o Projeto de Interiorização da Ativi- dade Teatral no Estado do Rio de Janeiro.

TRO . enquanto ela estiver em 3. deverá estar pectiva Nota Fiscal de Serviços ou de uma autenticado ou ser apresentado o original declaração de Isenção de Emissão da refe- para comprovação. . comprovação do atendimento à cláusu- tério da Fazenda (CGC). g) Documentação fotográfica (m~nimo de interno ou externo (publicidade.5 . I ' pelo próprio autor credenciando o in. EDITAL. o espetáculo e durante todo o tempo em . SEEC-RJ.Qualquer dos documentos acima. se notificado pelo Sindicato de dades de venda de ingressos.. cartazes. sa patrocinada. tantes legais do grupo amador ou da 3. programas. tação de outros documentos segundo taria Municipal de Finanças (ISS) .A Comissão Julgadora será composta de débito com as suas obrigações legais. 3.6 .4 .No caso de grupo amador.S .1 . 3. SEAC .Comprovação de inscrição na Secre. importância Classe. .O pagamento do patrocínio. . os seguintes dizeres: classificaremos inscritos deverão apre. . .Atestado de quitação da empresa com probatórios de realização do número o Imposto Sindical.O SNT.). na e) Autorização fornecida pela SBAT ou sede do Departamento de Cultura da I .8 .Os grupos em débito contratual com o SNT não poderão obter o patrocínio pre- 3.OO (cinqüentacruzeiros). tes do espetáculo patrocinado..No caso de empresa: a) SO% (cingüenta por cento) após a assinatura do contrato.3 .Ogrupo ou empresa não poderá cobrar na visto neste EDITAL. e divulgado posteriormente pela teressado 'a encenar o texto.DISPOSIÇÕES GERAIS 3.MEC". "COM O PATROCíNIO DO DEPARTA. em se tratando de grupos amadores.. b) SO% (cingüenta por cento) mediante a apresentação de documentos com. ção (INAMPS). ou através de outras modali- 3. S fotografias) da realização do espe. relacionado com táculo. suspenderá o pagamento à empre- superior aCr$ SO.'.. com 3 (três) membros escolhidos pelo SNT I qualquer um dos profissionais participan- e oDepartamento de Cultura da SEEC-RJ. as normas exigidas para a prestação . por contrato. etc. os seguintes documentos: MENTO DE CULTURA DA SEEC-RJ E DO SERVIÇO NACIONAL DE TEA. Imprensa. rida Nota Fiscal.O resultado será fornecido 10 (dez) dias empresa. la referente à divulgação e da apresea- . . de espetáculos fixados. será concedido em duas parce- las a saber: .2 .Ogrupo ou empresa se obriga a fazer Censura Federal.4 . sentar.7 .O pagamento das parcelas acima discri- minadas só será feito mediante a apresen- 2. ainda.Registro da firma e respectiva cer- tidão. f) Atestado de liberação da peça pela . objeto deste certidão.Certificado de Regularidade de Situa. após o encerramento das inscrições.Comprovação de inscrição no Minis.Estatuto registrado e respectiva 3.. quando tação pela empresa potrocinada da res- apresentados em fotocópia. 2. constar de todo o material de divulgação. h) De acordo com a categoria em que se que estiver em cartaz. de serviços. filipetas. bilheteria.. .

além de ficar ' a mesma obrigada a devolver a impor- tância já recebida. 3.Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Julgadora. sob pena das sanções . CIVIS e penais. 4 de julho de 1980. Rio de Janeiro.. 3. .10 .O não cumprimento das exigências deste EDITAL e de qualquer das cláusulas do contrato a ser celebrado.9 . com a homologação do Diretor do Serviço Nacional de Teatro. implicará na inabilitação da empresa para firmar novos compromissos com o SNT. o 37 .

chegou a penetrar no panorama teatral. E o seu maior sonho . o tom amargo das suas queixas justi- cidade de interpretar criativamente uma realização cênica. não deveria existir no vocabulário brasileiro. Nos últimos tempos.a existido e frutificado. Embora muitos dentre nós tenham surgido na sua esteira. Mas sem a sua presença seminal. por exemplo. durante quase um meio quinhos. entre tantas outras. grande parte . Um homem de seu pres- legislação agora em vigor. mas a crítica propriamente dita não era o seu forte vez. sobretudo. é possível que ele tenha contribuído mais para o desen. um impressionante trabalho de bênção do patriarca. as iniciativas realmente válidas do radores. o primeiro Embaixador a século. nenhum de nós escapou à força do seu prestígio trabalhado ocasionalmente como ator. I picos sonhos são suscetíveis de serem transformados em reali. foi o Teatro Duse.reodida para que o Embaixador não passasse necessidades na vemente doente. Mais do que ninguém. com a força de vontade e a obstinação. extraído do Jornal do Brasil. uma habilidade política que lhe permitia utilizar o seu pres- 38 tígio pessoal para extrair verbas e auxílios de todas as fontes. encerrava-se no Teatro do SESC de mador cultural. Em que categoria da atividade teatral enquadrar Pascoal constante era a repetitiva proclamação de mágoas \i(mtra a in.oV. de um apostolado que I expressão impossible n'est pas trançais. por motivos mes- volvimento da arte teatral no Brasil. ele não chegou a exercer moral. fosse e foi a Aldeia de Arcozelo onde. descentralização do teatro e o crescimento das atividades regio- nais . a da segunda metade dos anos 50." Apesar de tudo. 27-5-80). a pessoa física de Pascoal Carlos Magno era. são raros os verdadeiros talentos de ani. nenhuma recebido. Correio da Manhã. das autoridades. em nenhum daqueles se. como profissional de teatro. de modo decisivo a atividade teatral brasileira. I I Carlos Magno? Apesar de ter tido na sua juventude algumas gratidão do mundo e. Para tal ele dispunha. E lá estávamos todos nós a tomar a . Sozinho ele foi. instalou e acompanhou o Seminário Nacional última etapa 'de sua vida. e tenham sido por ele decsivamente ajudados. Como crítico realizou. como nunca deixou de cumprir. A sua car- assim. e cuja principal 1 . ele não teria como obter registro. Em todas as boas brigas em defesa dos interesses mais consistentemente o ofício de artista. E permitiu-se que o seu patrimônio pes- o Teatro do Estudante. Pascoal tinha bons motivos para morrer Claro que quando digo que Pascoal foi tudo isto sozinho. já não havia verbas nem apoio verdade. e mais do que qualquer São João de Meriti a carreira do mais importante espetáculo outra coisa. Pascoal foi precisamente isto: um notável anima. pontuadas de um senso cionalmente subdivididas.. lá estava o velho Pascoal. Ainda alijado da vida pública pelos detentores do poder. no mais alto grau. foi todos os Festi. questionávamos muitas vezes radicalmente. a sua intencional falta de uma visão crítica que o levava muitas vezes a estimular visíveis OS ÓRFÃOS DE PASCOAL mediocridades.~. foi as Caravanas de Cultura. nas páginas do de humor todo pessoal. tendo sido ele. de Artes Cênicas. cenário a tantas iniciativas de mais alto sentido cívico. a palavra impossível agora chega ao fim. salvo erro. r~ .. do que qualquer 'outra pessoa física. dade.reira diplomática foi prematuramente cortada. ~.que Pascoal era enterrado. de onde auxílios e verbas pudes- DOS JORNAIS sem ser extraídos. Pela ficava-se mais do que antigamente. Quando a minha geração teatral. Apesar destas peças de sua autoria encenadas com sucesso.. . na sua habilidade e obstinação. No dia mesmo em criação dramática. e (Yan Michalski.soal. quem nunca foi confiada uma Embaixada. e esperando que ele cumprisse mais uma divulgação. com tores em que as premiações dos melhores do ano estão tradi. e ter mesmo discordâncias.legítimos do teatro nacional. O Auto das Sete Luas de dor cultural. já então minuciosamente composto.parece hoje mais próximo de se concretizar do que Num país tão dotado de talentos nos diversos terrenos da em qualquer outro momento da História. já gra. para os seus projetos. tígio e de sua folha de serviços ao país foi progressivamente no Ministério do Trabalho.das reivindicações e dos interesses de todo o teatro nacional. . do. Raras são. anos a fio. os seus rompantes de demagogia. baseada em suave persuasão..visto no Rio desde o início do ano. e uma certa insistência em desempenhar mono- tonamente na vida real o papel do personagem Pascoal Carlos Magno. mas cujos frutos continuarão alimentando f. trabalho de um grupo de Caruaru. Desagra- dava aos jovens da minha geração o seu tom paternalista. um empurrão deci- destas iniciativas fundamentais para a cultura nacional teria sivo do patriarca de Santa Teresa. às vezes as ma~ inesperadas. tranqüilo e com a sensação de um dever exemplarmente cumpri- não quero menosprezar a contribuição de centenas de colabo. parafraseando a ção consagradora. em alguma fase de sua carreira. pois os mais utó. damente a todos sobrepunha-se ao espírito analítico e à capa. toda uma instituição. ou em vias de execução. até hoje. das tarefas mais importantes de Pascoal já estava cumprida.as suas irreverentes e corajosas tiradas. representado pela casa de Santa Teresa que serviu de vais de Teatros de Estudantes. a sua nisão de porta-voz nem a sua vocação. pois a sua vontade de ajudar indiscrimina. de Barro. Eis uma confirma- qualidades essenciais: a convicção de que. uma capacidade de liderança não autoritária. a quem Pascoal sabia admiravelmente contagiar com teatro brasileiro a que não esteja ligado alguém que tenha a mística da sua fé. ainda no ano passado. Apesar de toda a "Aliás.

lançado em português fazia dos seus méritos no longo esforço em defesa de nossa cultura.de um pai aflito diante do destino de sua Era um centro nacional. Também eu tenho de arte. vida.les. Entrego-os à apreciação de Vossa Excelência. na ninas de os copiar à máquina. - PASCOAL: TEATRO FOI A MOTIVAÇÃO DA VIDA Foi esse talvez o período mais feliz da vida de Pescosl Carlos Magno. dizendo que o poeta tinha Teresa. colia. encarregara uma das me- Recolhe-se sabiamente à sua casa de Santa Teresa.--"- -----.. O seu convívio mais íntimo e dinâmico coJ. foi a aspiração constante do seu espírito. com Raul Bopp e José Jobim. Mas ele é que já não era o mes- triunfal na vida literária. Fora ciativas generosas.. na Tijuca. Ele e seus irmãos conviviam realmente com Um dos mais belos atos de Pascoal foi acompanhar . fisieamente. escreveu o seu romance muito aplaudido. esse belo soneto . aparecia o teatro. desembargador. de Santa uma carta do Conde Afonso Celso. Eram os antes do tempo. Foi. Pascoal Carlos Magno foi teatrólogo. Nasceu no Rio de Janeiro.a mãe de Pascoal - polonês. com a literatura em termos sociais. Sol Roberto Alvim Corrêa. em contato muito íntimo com o povo.. que era amigo do conde. A sua poesia era toda feita de melan- Sobre as Palmeiras. de tristeza. em Liverpool. a cavaleiro do mar. Ainda publicou um volume de poemas. Dois livros de poemas juvenis marcaram a sua entrada A vista ampla era a mesma. O pai os descobrira. funda a Casa do Estudante de luta. Entre.Catete o grande protetor do teatro e da arte em geral.. a ação. Transferido para a Grécia. tística. -_. a melhor ca. Vendeu sua coleção de santos barrocos. Servir a juventude. como sempre.A causa da juventude. No início da década de 30.crítica no Correio da Manhã. .. O Ministro Jarbas Passarinho o prestigiou. mesquinhas perturbaram-lhe a carreira. . frágil. que faz versos.. publicado em inglês e em português. Com Ana Amélia mo. onde passou os anos dramáticos da guerra. A aldeia sintetizava a sua existência inteira. Lançou inúmeros atores. Candidatou-se talento. mas não chegou a viajar para Varsóvia. voltado para a vida. com vista maravilhosa amigo e cliente. versos do filho. que vinha da sua mocidade. o dinamismo criador. tarde o enterro de Juscelino da sede da Manchete ao Aeroporto A 19 de abril de 1918. janeiro de 1906. em sua casa de Santa Teresa. academia e' . como Sérgio Cardoso. E como sempre havia um filho doente. Pascoal sonhava. Sol Sobre as Palmeiras. a vida noturna da cidade. entrou para a carreira diplomática. Fora uma convales- Indicado para Embaixador na Polônia. A velhice o tocara. o pai. Fizeram-no entrar. Mas o' amigo o dissuadira. a vida boêmia. - -. Pediu aposentadoria. poeta. misturando-se à multidão que cantava e home- vestido com o melhor terno. Mudou-se para um apartamento alugado na Rua Dias de Barros. A última glória de sua vida agitada foi a nomeação para vessa Afonso. com prefácio de Em Lond-e3. Perseguições sabia a razão daquela saída vespertina. Mais do que nunca se uniu ao gou um cartão. Fez dor.. palco. A família se o Conselho Federal de Cultura. Seu p~i. E tudo se esclareceu. Servir ao teatro. uma universidade livre. mais o povo. Lá ia ele com um canudo debaixo do braço. \ uma distância entre o seu sonho e a áspera realidade cruel da senhor conde. que A 4 de dezembro de 1945. sucesso. antiga. que ele descobriu para fazer -o HamIet. Era o público reconhecimento reconstituiu. . se houvesse talento. E logo de- sonho derradeiro de uma vida cheia de empreendimentos e ini- clamou um soneto do conde para sua filhinha doente. Filho de imigrantes ital~a~o~. os teatros.r~mancista e diplomata. escreveu em Atenas grande parte desto alfaiate. Apenas a mulher . misa. era uma oficina teatral. foram morar com ele. O alfaiate usara o cartâo do A última realização de Pascoal foi a Aldeia de Arcozelo. Fundou o Teatro Duse. memorialista. era surpreendente em um ser assim tão ativamente empreende- Veio assumir a sua cadeira na Câmara Municipal do Rio. dar-se.nageava o grande líder. O alfaiate arquitetara um plano. que moravam na Tra. Já fora membro do Conselho Estadual de Cultura.. foi eleito vereador pela UDN. de um desalento. desceu à cidade. chegava ao modesto endereço de Paula Matos I Houve dissabores e dificuldades de ordem material. Os últimos anos foram Queirós Carneiro de Mendonça. Os versos estão aqui. comparecendo pes- E foi bater com o canudo de versos debaixo do braço numa soalmente ao ato solene de inauguração. Foi esse o primeiro contato de Pascoal Carlos Magno à Academia Brasileira de Letras em 1973 e foi derrotado. servir. onde Rio Branco servira. O seu nifestações populares. Pascoal foi fiel até o fim a este ideal. fora este. Foi servir como vice-cônsul Foram as duas causas permanentes e até patéticas da sua vida. Reabriu o Teatro Duse. Sua casa em Santa Teresa . Durante o Governo Juscelino. Pascoal foi obrigado a vender a sua casa deliciosa. pois o seu ideal sempre do Brasil. Pascoal voltou a fazer I casa aristocrática. sobre a cidàde. Pascoal teimava em servir. rido para Londres. ainda muito jovem. depois. Santos Dumont. amigo desembargador. mas dotado de extraordmana sensibilidade ar- do seu livro de memórias. conde. Pascoal foi no (Santa Teresa).. transfe. O conde éomovido prometeu que iria lê. 'a melhor gravata.1l o teatro.. a causa do teatro. era mo. Acabava de libertar-se de uma gripe. vocação e valor. em 13 de centro social. que só publicaria bem mais tarde. As irmãs. Era a casa do Conde Afonso Celso. apoio era certo. Juscelino o convidou para subchefe da Casa Civil da Presidên- Pascoal viveu a infância e a juventude em Paula Matos cia da República. E fora conversar com um curva da Rua Hermenegildo de Barros. alfaiate.que o fizera procurá-lo afoitamente. Pouco depois. uma fundação filha . Não chegou a ter uma Embaixada. as ma. de um tom elegíaco. E a 14 de \ maio de 1919. ponto de reunião. Não valia a pena ser poeta. Criar crítica de teatro no Correio da Manhã. começou a estudar cença longa e difícil.

Mesmo quando os índios faziam teatro imitavam o seu deus ex·machina que resgata dívidas. pacata cidade tranqüila. Martins Penna. entendido como uma relação idilica. mistura de Macedo . A comparação com Penna é natural e inevitável. seguiria chegar ao palco de uma grande cídade brasileira em Cansado.o seu destino oscilou entre a poesia e o teatro. Joaquim Manuel de Macedo e Gon. estabelecendo divertidas situações dramáticas ' que ies modelares ou de exemplos externos. lutou bravamente pela sobrevivência da 1957.o drama histórico obscureceu qualquer vestígio na- cional. carnavais.foi à sua época um dramaturgo corajoso. Patkull.que sem perder as características nacionais. 469 páginas. Nas quatro peças que escreveu . mas com uma dose de qualidade que os Brasília .U1t ?S do universo brasileiro. com Paula Matos. O amor. manipula seus textos teatrais as. 559 páginas. foi o teatro. o teatro.Leonor de Mendonça. cas. no seu grande livro auto- çalves Dias para encenar suas peças durante a vida provam ráfico. 2 vols. Se houve no Macedo escreveu comédias e dramas que mostram a vil eza de I uma manifestação cultural que viveu com os olhos vol. a sombra de transplantou para o Brasil as bases do romantismo europeu. desde então. niet-cri dos saraus literários da metrópole. livre de mantismo. extraído do Jornal do Brasil. "os ROMÂNTICOS À BRASILEIRA traços marcadamente brasileiros dos Primeiros Cantos transíor- maram-se na dramaturgia. assaltados por uma irresistível compulsão de reproduzir (Macksen Luiz. Essa dependência. Joaquim Manoel de eatro esse aspecto é especialmente dramático. lorescia o romantismo na Europa. noturna do Rio. Desde Anchieta. a Dias demonstra que cada um. o claustro de São Bento. num propósito universalista. os literatos da colônia . através do Teatro Brasileiro de Comédia. italiano sensível. Torre em Concurso e O Primo da Cali- lias se somente na história contemporânea do teatro" bra. Como o situa o ensaísta e crítico Sábato Magaldi. Gonçalves Dias só con- 3rasil de outrora. Ali fixou ele para sempre um pedaço de si mesmo e sempre resulta em linguagem acessível. seu aparecimento se seguiu Edição do Serviço Nacional de Teatro.. só nos prova que o teatro brasileiro do século XIX. O caso de Joaquim Manoel de Macedo é um tanto diferente. em que Teatro Completo. cafés. É verdade que as dificuldades encontradas por Gon- Pascoal soube fixar tudo isso. Mais ligado a um teatro de costume. triste. É claro que suas observações têm uma forte conotação IS de representação. O TEATRO ESTÁ PERPLEXO Dias são sólidas provas. apesar eçava a agitar-se na década 'de 20. Martins Penna.. nalidade. os Lobo. Mostrando a socie- de um passado colonial e traço de secular negação da dade brasileira. sob o bombardeio. não Ínvalida a qualidade do que se produziu .do início a um pouco mais da me- do século XIX . com seu estilo e temperamento. sonho e ideal de toda a classe teatral. ves. Teatro Completo. 25·5·80). macaqueando estilos de dramaturgia e dade. em plena que a transposição sem intermediações do estilo literário nem ra. está ameaçada: o . de Gonçalves Dias. É histórico. brasileiros de qualquer tempo. o Rio Velho de Launnda de situar a ação de suas peças em lugares distantes e se apoiar. a exemplo do que ocorre esporadicamente ainda hoje. (I. nem por isso a exijam a nós. Todos foram diluidores dos es emanados da Europa. ainda que não se possa deixar de considerar que ~.uma sociedade fundada na hipocrisia. Gonçalves Dias. mas sem dúvida se mostraram Um veto ameaça a Fundação de Artes Cênicas s capazes de recriar sob as doces palmeiras tropicais as aprendidas.fórnia permitem a Manoel de Macedo fugir do excesso de ro- I conseguiu-se uma certa liberdade de criação. lção cultural brasileira.no Penna avançou tematicamente trazendo para cena uma parte I.A criação da Fundação Nacional de Artes Cêni- : como verdadeiros criadores. à platéia brasileira. sofrimentos físicos e morais lo. um pouco mais ia de nosso teatro foi menos interessante.mais ou menos aculturada - raído do Jornal do Brasil. importa mais a possível essência humana e individual do que a sua subordinação a critérios nacionais". com seus fortemente no drama romântico. a beira-mar. para muitos o verdadeiro criador da comédia brasileira. com moral e que os conflitos se resolvem igualmente sob uma ação autos didáticos para a platéia de índios. uma juventude . No período em a nus. ironicamente Aldeia de Arcozelo. a relação pouco moralista. 1980). ~ escolas literárias e os modismos atualmente marcam a Apesar da ingenuidade e do conservadorismo de Martins Penna. filtrada e atenuada sob a ótica de certas regras. é um u. E é inegável 'oi nesse período . teve uma profunda dificuldade em se reconhecer como tal.faltam ainda sair dois volumes . com elementos de melodrama tão caros. escrito em Londres. acusado de ser uma cabeça-de-ponte do teatro europeu no Brasil.e de Gonçalves ance e livro de memórias. de Joaquim Manuel de Macedo. pai.que floresceu a literatura dramática :ira. Usando o mesmo romantismo e am- es tenham sido apenas diluidores dos criadores ongmais. no preconceito e na vai- para a Europa. c recompõe a unidade. pliando um pouco mais os seus temas. Mas o valor de sua obra . Roberto A publicação das obras completas de Joaquim Manoel de :iro reeditou em 1962 Sol Sobre as Palmeiras. Beatriz Cenci e Boabdill .

desenvolvendo temas locais.e lá. junto a autoridades de todos os escalões. "Num administrativa. sem poder dar seu grande salto nas artes cênicas. vidos de infra-estrutura. acelerando os projetos. uma fundação no país. Nisso. mas Nacional de Artes Cênicas de um ponto de vista administrativo. até hoje. Mas alerta: "Tudo sária a infra-estrutura que poderia ser oferecida pela fundação: tem um limite. não cabe no SNT. em seis ele foi solicitado a fazer o que jamais tinha a gente tenha um Ministério entusiasmadíssimo em sua área feito. ele está tentando não interromper o seu da Presidência da Revública. mas da dança. Na verdade. Na época de sua posse .que coincidia com a data. que poderiam dar uma A idéia da fundação foi bem recebida por toda a classe colaboração das mais valiosas se houvesse um instrumento ade- teatral. em todos os cultural. a sensação de mil coisas que poderiam . Mas chega um momento em que o pro- para a palavra final do Governo . o prin.quado à concretização de seus planos. Eu não estou disposto a ser o coveiro dos interesses de de textos relativos a estas áreas.' não resolvem absolutamente nada. impossível com o esquema do "A condição do SNT. defendendo. Ele sente a fundação cada vez mais distante possuíam há alguns anos. Entretanto. não haverá mais um clássico do teatro com a aproximação da data de absorção do SNT pela FUNAR. projeto acaba de receber o veto 'da Secretaria de Planejamento esforço sobre-humano. Tanto assim cabeças da gente sem poder sair.atividade teatral ainda é inteiramente inexistente. continua ele. Depois de ficar parado mais de "É inadmissível . estipulada na Lei n9 6. Por outro lado. uma extensão do trabalho A transformação do Serviço Nacional de Teatro em Fun. também este trabalho não esta absorção. as necessidades do teatro cresce. e o ânimo e a confiança que É para a intensificação destas atividades que se faz neces- lhe transmite o Ministro Eduardo Portella. e de teatro de bone- Eu discordo radicalmente do ponto de vista técnico." oficiais a atenção que merecem. da ópera e do relação à fundação é unânime . reduzir nível nacional. nais ." às suas necessidades. A SEPLAN é contra a criação da Fundação bom bater na tecla: nós não estamos falando só de teatro. sob certo aspecto. despro- para resposta.teatro regional e ajudar a formar centros em locais onde a mecem a se esclerosar também". 41 . Orlando Miranda acha que a questão da transformação do "O Ministério da Educação e Cultura é inteiramente a SNT em fundação não pode ser entendida apenas da forma favor da idéia e a favor do teatro".que 30 anos. que relação à situação.o Ministro Eduardo Portella manilestou-se tida. de 1975. Orlando Miranda acredita que. que hoje precisa ter um Serviço Nacional de Teatro. ou melhor: talvez estejam começando e o SNT cada vez mais esclerosado. hoje.A notícia foi divulgada por Orlando Miranda.há grupos trabalhando em praticamente todo o país." A editoração seria. as pessoas que trabalham lá co. Sem ela. como foi feito pela SEPLAN. Nós concordamos inteiramente uns com os outros. o Rio de Janeiro e São Paulo começam a Apesar disto. Para ele. Orlando Miranda está muito pessimista em perder as características de únicos pólos teatrais do país. conseguindo verbas. a atuar em todos os setores do teatro. Euro Brandão e Eduardo Portella. setores que.de Eduardo Portella e Márcio Tavares D'Amaral. não há prazo algum I blema não é só de dinheiro.volvidos por uma fundação. não estou me referindo só à minha cabeça.nacional que o serviço não tenha publicado. o SNT tem desempenhado um papel fundamental. que são escassos 00 mercado uma classe: ou o teatro tem um organismo capaz de atender brasileiro." • I •• . quantidade de pessoas cheias de idéias. Quando eu digo as cabeças que a absorção foi sucessivamente adiada pelos Ministros Ney da gente. manifestações e pensando em onde se encontra. poderia reforçar as bases do e eu temo que. e já começou a movimentar os caráter nacional. e de uma nadas em 1978.operação de casas de espetáculo que poderia ser ativado em ram . órgão capaz de atender meios artísticos. ainda não receberam de fontes não deve haver fundação. já que seria transformado "Não é só isso". ao invés de ganhar maior agilidade. na verdade. dentro de um ano. o serviço atinge as dimensões que poderiam atingir numa fundação. a transformação do apresentando novas propostas. o Rio de Janeiro. duas coisas o animam a não pedir a sua demissão imediata: · através de projetos como o Mambembão ou seus concursos a necessidade de toda uma classe e o término de alguns proje. ou francamente não sei mais como agir. Agora. cada vez mais impotente a tomar consciência da existência de outros núcleos de ativi- para atender às necessidades do teatro brasileiro. São Paulo estão organizando . o teatro brasileiro vai viver dias amar. cidade que cada vez maiores e. também de dança e de circo e de ópera. exatamente nesse momento.e isso é que me deixa perplexo .nacionais. é de um órgão esclerosado ." a descentralização de atividades. E é cantos do país. observa Orlando. 1979 e 1980.que o SNT vem desenvolvendo. essa infra-estrutura. de dezembro . em portarias assi. estamos perfeitamente entrosados e nosso ponto de vista em que cuidaria não só do teatro.poderiam - inteiramente favorável à transformação e autorizou o início de ser feitas.' com o tempo. Com das possibilidades limitadas do SNT. dação de Artes Cênicas começou a ser discutida há alguns anos. "Nós nos encarre.mas a SEPLA acha que circo. Grupos de atores do Rio de Janeiro e de eficientemente no máximo a uma capital. . atual Serviço Nacional de Teatro. Há uma animação con- limite do SNT . o processo está na Casa Civil. diretor do 'Para Orlando. E diz que só dade. e mais toda uma série de coisas que estão nas a margem de ação de seu principal organismo. que achou desnecessário criar mais processo de desenvolvimento. mas às Braga. diz ele.312. SNT em fundação. "Há todo um sistema de em instituto. gamos de envelhecer o SNT. não há cos e de toda uma série de programas que poderiam ser desen- outro caminho. O dinheiro e as intenções. como a editoração e publicação gos. 'apoiando. se veria restrito em suas atividades.e não eria lógico. cada vez mais regio- têm freqüentado assiduamente nos últimos anos. estudos para a formulação do projeto de criação da fundação. As reivindicações do teatro brasileiro são abaixo-assinados e eventuais caravanas a Brasília. dentro TE. tos ainda em desenvolvimento.

seria uma forma de revitalizá-lo .. pois para o setor. Nesse caso. agora. Orlando cano Orlando Miranda. que considera da '. I brasileira. com dois ou três atores em cena.nem eu. isolados". mais tempo perdido vamos ter promessas do Governo a Orlando Miranda e à classe teatral. Caso contrário. foi um gesto tecnicamente No opinião do presidente da Associação dos Produtores de correto. assustado mesmo . dentro vendo censura econômica. São Paulo . incrimi. a não ser em casos do trabalho .Serviço técnico . de preferência. Fundação Pró-Memória. Espetáculos Teatrais de São Paulo. "neste mesmo ano de 1980. a classe teatral mostrou-se' "Há ainda uma outra questão. no chão de Brasília". eventualmente. é o mais lógico categoria não deveria sofrer uma intervenção desse nível. Grande do Sul.transíonne-se na sonhada Fundação preensão abrangente dos problemas dos vários setores que se. Na opinião do Sindicato dos Artistas e Técnicos. já que o desenvolvimento cultural precisa de instru. o problema do mercado de trabalho da classe está em jogo. coisa que não acon- de umorganismo próprio para o teatro com o tempo e através teceu nem mesmo no ápice do arbítrio. "está ha- tava inerte e desligado do meio teatral. atual- Fundação Joaquim Nabuco. "Para o SNT só há uma saída. Mas eu acho que uma coisa para preservar os documentos nacionais e a Joaquim Nabuco. ele está tocando o barco. es. Se b nando Eduardo Portella. SÃO PAULO SURPREENDIDO caso o SNT não passe a fundação e acabe sem forças para abranger todos os sonhos da classe teatral" . de forma alguma.mas. j. para que o teatro deixe de ser mendigo: . ninguém protestou contra a lei da FU. Isto já é sintomático". apesar de SNT não passar a fundação poderá ocorrer uma de duas coisas: . ção. Para ele. o teatro irá empo- brecer-se.:- que recuperar. Eu não sei onde eles estão.hcje. "mais importante. O ator Renato Borghi também acredita que haja algo no ção. "uma reivindicação ' da se baseia neste tipo de trabalho. é estar atento à disse o próprio Roberto Parreiras.. No Encontro de Arcozelo.se à própria FUNARTE. abertura.. O que acontece sempre é que o Governo Federal Eu estou muito preocupado. Aí -celou uma viagem a Washington. áreas artísticas e culturais que preocupam o Governo na atual "Naquele tempo.. então. seria catastrófico. que só poderei cumpri-la com um organismo que não me im- ponha limitações técnicas a cada passo. novos cami. atores famosos.que impede que o SNT .Toda a classe teatral paulista se surpreendeu 42 com o parecer da SEPLAN .censura eco- ser encontrados por outros. Nós ainda estamos tentando fazer esse público.e o nosso trabalho foi mais do que satisfatório. Na daquele contexto. Se não existir funda. imprimindo por seu diretor projeto de criação da Fundação de Artes Cênicas. o SNT não pode ficar a ser administrado por um órgão como mentos ágeis e dinâmicos. Nacional de Teatro .a fundação. a ponto de ombtear. Asua absorção. Ele ia participar de um en. pois as verbas para o teatro não vêm mais como antes da nhos poderão. seria mais normal que o teatro tivesse também igual "Eu estou no Ministério para cumprir uma missão e sei destino". conforme já maior importância. Houve levarmos a fazer a fundação. impossível. cipal aspecto a se levar em consideração deve ser o aspecfo Presidência da República . precisa ficar clara: eu não estou.e este depende de uma análise profunda e de com. em junho. porque chegou gente não desanime. b) a absorção do SNT pela FUNARTE. Toda a política cultural do MEC mente dirigido por Cláudio Mamberti. Lenine Tavares não entende por que o SNT não Isto é que é duro: no momento em que você mostra tudo o pode passar a fundação quando. É muito frustrante. pés no chão e. Como houve a liberação da censura prévia e política.• através de fundações: FUNARTE. já que. Além disto. .mas terão que abertura. que nós já começamos a sentir. Mas ele ainda não identificou qualquer . Eu chei que demonstraria a necessidade estão tentando fazer a censura econômica. que. não existe missão a ser cumprida. ar. Essa política vem sendo desenvolvida totalmente favorável à transformação do SNT em fundação.finalizou. que é a política cultural co MEC como um todo. pois o SNT cresceu muito com a atual dire- contro internacional de marionetes. na época.Secretaria de Planejamento da . está dando força para que a a) a manutenção do SNT como está. Lenine Tavares. pois ninguém poderá mais perder dinheiro arriscando em grandes espetáculos." nômica. aliás. numa correria que só vai trazer prejuízo à arte e agora tais promessas foram esquecidas. Nacional de Artes Cênicas.acho que trata a arte como coisa secundária e agora está querendo ' im- a cada dia as coisas ficam mais feias e que quanto mais tempo pedir que a classe tenha sua fundação por livre escolha. que um órgão pode fazer." cipal.a Pró-Memória. O Brasil ainda não tem um tipo certo de especta- dor.tudo." ao máximo de sua capacidade de trabalho e não tem estrutura Depois de tomar conhecimento do veto da SEPLAN ao para ampliar o seu ritmo atual. Como toóas as atividades situação. NARTE . ser descobertos . é realidade nós achamos que está havendo uma sufocação das . Nenhuma sofreu contestação por ninguém no SEPLAN. Já estamos sentindo a falta de verba para o teatro no campo federal. como riam envolvidos. uma forma de suíocá-lc. Ele tem sido um aliado e. o SNT não funcionava como hoje. diz ele. se vê ameaçado por um processo de duas entidades já passaram a ser fundação . RIO . culturais e artísticas do MEC estão sendo regidas por funda- ções. criar a FUNARTE com o poder de absorver o SNT foi um erro . a FUNARTE. estadual e muni• . no I Congresso de Artistas e Técnicos em Espetáculos Teatrais em Canelas. . castração.

projeto de Orlando Miranda. reivindicam só direção: a da criação de um órgão plenamente autônomo. nossas perspectivas diminuem. no entanto . Pelo passado do Ministro Portella. o SNT.. Sou ex- Não é o momento de falar no Orlando Miranda. Instituto Nacional de Dança. no entanto.. O projeto da fundação é antigo e muito 1979. Vanda Lacerda . A dança tem de ter o seu instituto. Sem tração é a primeira que o SNT teve. em escala nacional. Presidenta do Sindicato dos Atores do Rio de Janeiro "O veto à Fundação de Artes Cênicas. A dança é preterida em favor de outras ativi. Este é o ao Ministro da Educação . favores especiais. então. sem dinheiro ' até este mês para lançar patrocínios.. pois hoje ele é mais do.. que. integrado à FUNARTE. depois ratificada em Ca- bom. a tão importante quanto o teatro. O Seminário de Arcozelo. Nossa rei- bilidade de verbas. . Não queremos se bonecos em suas mãos. prestou contribuição inestimável ao progresso do tea- dades. da disponibilidade inteiro é altamente subvencionado. a primeira.. por exemplo. E a conclusão unânime apontou uma deste documento. ainda não saiu. Ficamos prisioneiros de boas vontades. que só Rio e São Paulo. uma necessidade. que revela uma mos fazendo teatro sem nenhum auxílio. outras artes cênicas. em janeiro de perder sua autonomia. desde que foi criado em a fundação. pois a amplitude do Serviço O teatro incomoda. Orlando estava pretendendo maior disponi. ao ' Centro de Artes . Na verdade. no Congresso de Artistas e Técnicos. que se constituiria no sidente da ACET. E estamos em maio. 1938. "Estou até gaga. Esta. Enquanto no mundo da concessão de verbas de forma irregular. não ao contrário. que aprovou o regime garantir o florescimento das artes cênicas como investimento da FUNARTE. Não se sabe de qualquer órgão que possa desempenhar e desen- "A profissão de artista foi regulamentada em 1976. Tampouco seria satisfatória a criação de estou' com um documento em minhas mãos para encaminhar um instituto sem autonomia. A abertura é muito bonita. é que desaparecida meu ponto de vista. instalado como fundação e dotado das verbas necessárias para creve o art. A SEPLAN fala no grande vindicação é justa. elaborou a idéia da fundação.300/76. Quando se configurou a sua próxima extinção.. . em que se se constituir na Associação dos Profissionais de Dança. movimentado por Elba Nagueira. tendo a imaginar que ele tenha boa vontade. V. . a dança volver as funções. dramaturgia importante fora dos eixos principais. mas o teatro Nacional de Teatro não é mais regional. Ney Braga. tendo de lutar por si ." Maria Clara Machado ". desde o começo contra a absorção pela FUNARTE. pobre. Sou a favor da fundação. As outras artes cênicas. nela.." tanta sigla inútil. Eu contra-argumento: por que não mais Ligados à FUNTERJ... O SNT incorporado à FUNARTE vai . ainda cabem ao Serviço incorporada às diversões teatrais.coisas absurdas como aquelas. número de fundações. ~ . é esta. Conhece- uma fundação?" mos Guilherme Figueiredo e vimos o que fez à Escola de Teatro. O SNT tem Quanto à desculpas de haver excesso de fundações." Sérgio Brito Ator e Diretor João Rui Medeiros Diretor do Departamento de Cultura "O veto é uma demonstração clara de que o Governo não do Estado se interessa por teatro." Empresários Teatrais Dalal Achcar "A criação da Fundação Nacional de Artes Cênicas é uma Coreógrafa e Diretora da Associação aspiração irreversível da classe teatral. Rodrigo Farias Lima num período muito difícil." . conseguiu com boa vontade superar Presidente da Associação Carioca de ' coisas incríveis. E o projeto Mambembão e Mambembinho. lutando de dezembro. • "lo-:' "\ '. I social. ..e Nacional de Teatro.. do Decreto n9 77. A verdade. Acontece que a dança é atualmente tro brasileiro. A realidade é que a verba suplente da Kombi "A fundação é uma velha aspiração da classe. que fez alguma coisa. Miranda. Não pode depender continua prejudicado e sem compreensão.'. para fizeram representar todas as suas categorias profissionais e ama- mais tarde formarem um sindicato. ~ . e os profissionais acabam de classe teatral promoveu o Seminário de Arcozelo. enquanto empresário e também como pre- a Assessoria de Dança da FUNARTE... As cercas de 300 assinaturas doras. Nestes últimos anos.neste sentido. o teatro nunca vai ter a força que tem de ter. Parte de baixo para cima. sob a administração Orlando tinua a mesma. temos de ser fortalecido e não diminuído em seu status. 43 . mas ele assessor de Orlando Miranda e posso dizer que sua adminis- é sobretudo uma pessoa. a formação do Instituto Nacional de Dança conforme pres. amplamente afirmada de Balé do Rio de Janeiro nos seminários realizados em Arcozelo (1979) e Canela (1980). no Brasil temos um SNT do MEC.. a marginalização da atividade con. · UMA SÓREAÇÃO A minha posição em relação à Fundação de Artes Cênicas. no momento.." " . Diretora do Tablado ""I . não têm tempo suficiente para nos ajudar. este ano.mesmas. é lamentável.

o lado frio e simples Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Paraná.I Técnicos em Ispetáculos de Diversões'do Estado de Minas Gerais.Departamento Geral de Cultura da Secretaria ACCT :.Coordenação Estadual de Cultura. Amazonas . Maranhão .Fundação Cultural do Maranhão. Rio Grande do Norte . números. .Associação dos Produtores de Espetáculos adual de Recursos Humanos.Associação Carioca de Críticos Teatrais.Associação Brasileira do Teatro de Bonecos.Associação Mineira de Produtores de Espetá- culos Teatrais. Acre . Paraná . Departamento de nmtos Culturais da Secretaria de Educação. APATEDEBA . extraído do Jornal do Brasil. .) o do MEC já se pronunciaram a favor da FNAC. APATEDERGS .Associação Profissional dos Artistas e Planejamento. Também vale notar que todos os órgãos cultu. SERVIÇO NACIONAL DE TEATRO ASSOCIAÇÕES DE PRODUTORES E EMPRESÁRIOS lão responsável pela política teatral do Governo. repartições e organizações que taculos de Diversões do Estado do RIO de Janeiro.: Sindicato dos Artist. Rio de Janeiro . NDAÇÕES E COMISSÕES ESTADUAIS E MUNICIPAIS APETERGS . sob a forma de serviços culturais.Fundação Cultural do Estado. Minas Gerais . Fundação Teatro aíra. OUTRAS ASSOCIAÇÕES Bahia . Santa Catarina .Associação Profissional dos Artistas e ' Técnicos em Espetáculos de Diversões do Istado do Rio Grande do Sul.Associação dos Produtores de Espetáculos Teatrais do Estado do Rio Grande do Sul. ligado ao ACET . Federação de Teatro Amador Teatrais do Estado de São Paulo. APCT . ABTB .Fundação Catarinense de Cultura.Departamento de Assuntos Culturais.Fundação Cultural do Amazonas. parte dos im- nicos em Espetáculos de Diversões do Estado de Pernarbuco. ASSOCIAÇÕES DE CRíTICOS Paraíba . estendem do Acre ao Rio Grande do Sul. FEDERJ .Associação Profissional dos Artistas e Téc- ao povo. Educação. Não creio que a Casa Civil da Presidência. aglutinado. Casa da Cultura (Londrina). tos que arrecada e que devem ser carerados para o bem .Fundação de Cultura da Cidade do Recife. SATED-~P .Fundação José Augusto.Associação Profissional dos Artistas e a que entre outras coisas.Associação dos Trabalhadores de Teatro e Espírito Santo . SATED-~J -. . 12·5. Acre. o teatro no Brasil é vivido. (Cora Ronai.Fundação Cultural do Espírito Santo. o por dezenas de fundações.Fundação Cultural de Goiás..Fundação 'Fio Funterj.Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espe- taculos de Diversões do Estado de São Paulo.Associação Carioca de Empresários Teatrais.Federação de Teatro Independente do Estado Rio de Janeiro.Bahia. Dança do Istado da . Pernambuco .ão Clóvis Salgado. que está atenta ASSOCIAÇõES PROFISSIONAIS problema e conhece as aspirações da classe teatral.Comissão Estadual de Artes Cênicas.Associação Profissional dos Artistas e .Associação dos Atores. A questão APATEDEPA . Ministério da Educação e Cultura AMPET . Fun- .80). Goiás .I damental não é o volume orçamental. Na próxima segunda-feira estaremos reunidos em assem. Teatro Independente .Associação Paulista de Críticos Teatrais. tratará do problema da FNAC.Iico. " Rio Grande do Sul . assistido ou orien. venha erfilhar o parecer desfavorável agora emitido pela Secretaria APATEDEMG . . ATIDEBA .Confederação de Teatro Amador.São Paulo. .EDERAÇÕES E CONFEDERAÇÕES INDEPENDENTES CONFENATA .as e Técnicos em Espe.Fundação Cultural de Curitiba. ASA . Técnicos em Espetáculos de Diversões do Istado da Bahia. Fundação A~ETESP . mas a obrigação do Governo no sentido de devol- APATEDEP .

00. Vicente Barcelos e out ros. Jogos Na Hora Da Sesta. In. de Elyseu Maia. Suzana Vieira. de e outros. Lourdes Moraes e Helio Makumba. com Cláudio Marzo. de Jô TEATRO COPACABANA Soares. TEATRO SESC DA TUUCA Brasil: Da Censura À Abertura. com Elke Ma. Stella Freitas e TEATRO CACILDA BECKER Hélio Guerra. Nildo Parente e outros. TEATRO RIVAL de Wilson Sayão. TEATRO MAISON DE FRANCE . com Ana Lucia Torres. outros. Ingressos: Cr$ 200. Direção de Vilma Dulcetti. de Ariovaldo Mattos. Araci Ba. quel. Cláudia Mar- Nós.00. que.00. 45 .00. sos: Cr$ 300.00. com Suzana Longa Jornada Noite Adentro. nho.00. Nelson Caruso e outros.00. Otá- MOVIMENTO vio Augusto. José Lavigne. com Grande Rodi. Natália Timberg. Xuxa Lopes. TEATRO GLÁUCIO GIL o Senhor Galindez. com Angela Valério e Eduardo Janine Goldfeld. Wolf Maia e Cláudia Costa. de Marcílio Moraes. de Chico Anísio. Direção de Luiz Carlos Ripper. Cláudio Corrêa e Castro. Direção de Bibi Ferreira e Dul- cina de Moraes. Gota D'Água.00. com Ítalo Rossi. reção de Bibi Ferreira. Os Órfãos De Jânio.. com Rosane Goffman.00. Papo-Furado. Delito Carnal. de Eduardo Pavlovsky. Cooper. Ingressos: Cr$ 250. de Ricardo Meirelles.Manhas e Manias. Vera Setta.00. Direção de Paulo Cr$ 150. de Millor Fernandes. de Nélson Rodrigues. de Marc Camoletti. com Marília Pera. TEATRO GLÓRIA TEATRO DO BNH À Direita Do Presidente. Direção de Henrique Cukerman e traglia.. Luís de Lima. de Mauro Rasi TEATRO DOS QUATRO A Serpente. marães. Ingressos:os 300. de B. Teu Nome É Mulher. Otelo. com Alves. com Suely Franco Milton Moraes. de Paulo Pontes e Chíco TEATRO SENAC cs 70. Ingres. com Tônia Car- rero. Ricardo Blat e outros. Rogéria. Machado. Ingressos: Toalhas Quentes. A Alma Boa de Setsuan. Adriano Reis e outros. Di- Cr$ 200. de Mareei Mithois. Direção TEATRO OPINIÃO TEATRO DA ALIANÇA FRANCESA de Antonio Pedro. Milton Gonçalves. TEATRAL Direção de Adolfo Celi. criação coletiva do ravilha. Vasconcellos. Armando Costa e Sebastião Nery. Ingressos: Os Sobreviventes.00. Carlos labanian. com Anselmo Paulo Reis. Sebas. Direção e Vicente Pereira. Carlos Murtinho.00. Ingressos: . TEATRO IPANEMA Vamos Aguardar Só Mais Essa Aurora. Ingres. In- Ingressos: Cr 200. André Villon e outros. de Ziraldo. Ingressos: Cr$ 250. TEATRO MESBLA com Yara Amaral. Direção de Álvaro Gui- de Marcos Flaksman.00. com Stênio Garcia.00. com Tereza Ra- Gregório e Yuruah. Stepan Nercessian e outros.00. cerda. Elza de Andra- tião Lemos. tins e outros. Direção de Ricardo Pe· hieu. de José Ignacio ABRIL-MAIO-JUNHO-1980 Cabrujas. sos: Cr$ 250. Arnaldo Marques e O'Neill. Brecht. Direção de Eric Nielsen.00. com o grupo "Minha Rio De Cabo A Rabo. Ingressos: Cr$ 300. Alice Viveiros de Castro. Buarque.00. Direção de Cr 300. Ingressos:os 120. TEATRO DA LAGOA gressos: Cr$ 180.00.00. mãe não vai gostar". de Eugene Marco Nanini. com Carina TEATRO JOÃO CAETANO Gatti e outros. Ingressos: Cr$ 200. gressos: Cr$ 100. Nirce Levin e outros~ Ingressos: Nós Dois. Direção de Luís Mendonça. Direção de Sérgio Britto. Jonas Mello e outros: TEATRO GINÁSTICO Ingressos: Cr 300. Araújo.~ Ary e outros. Vanda La. In. Sura Berditchevsky. El Dia 'Que Me 'Quieras. Pedro Veras. José Augusto Branco.. Direção de TEATRO CÃNDIDO MENDES Wagner. gressos: Cr 300. Célia Biar. com Rosamaria Murti. Alice Reis. Maria • Grupo . Hélic TEATRO DULCINA . com Bibi Ferreira. Direção de Jô Soares. Diante Do Infinito. Ingressos: Cr$ 70. . de Roma Ma. com Marcelo Picchi. Silvia Bandeira e Geraldo Faini. Mauro Mendonça.00. TEATRO PRINCESA ISABEL TEATRO DO AMÉRICA Direção de Paulo Medeiros de Albuquer- Este Banheiro É Pequeno Demais Para o Desembestado. Di. Felipe Aracelli. de Gugu Olimecha. Dora Pellegrino.00. Ada Cha. Angela RebeIlo e outros. seliov. EIi- zangela. de Eid Ribeiro. Ingressos: Cr 250. com Gracindo Júnior. Direção de Roberto Vignatti. Ingresso: Cr$ 100. José Luis reção de Aderbal Júnior. Ingressos: Cr$ 300.00.

de Lúcia Coelho e Caique de Miguel Oniga. Baltazar Contra o Dr. guintes espetáculos: A Maravilhosa História do Sapo Tarõ- Bequê. de Marco Aurélio -. de Carlos Nobre. Chapeuzinho Quase Vermelho. de Anton Tchecov. de Vital O Arco Íris Sem Cor.00. Ingresses: Cr$ 250. O Elefante. I Maria Clara Machado.. Ensaio Geral. . de Luiz Zaga. de Paulo César teus Que o Embale. e Heitor Nascimento. com Raul A Menina Que Perdeu o "Gato. I Que Pe-Co-Poi-Sa-Pá . de Manoel Koba- Cr$ 300. de Alexandre Marques. de Condor. Uma Pitada de Sorte. Direção de José Renato. com Bernardo I I Com Panos e Lendas. Teresinha de Jesus: Que Já Foi I berto. chuk e Jorge Crespo. de Ivan José e Chapeuzinho Amarelo. de Alexandre Vieira e Maria Cristina-Brito. de Marco Cortez. de Márcio de Souza. Direção O Diamante do Grão Mogol.. com Yolanda Cardoso. de Albert Camus. o Auto Das Sete Luas De Barro. de Ariano Suassuna. de Alice Reis. manada. Ingressos: Cr$ 15(}. Ingressos: Azulnil e Amare/ouro.. Hora do Cresça e Apareça. Estiveram em cartaz as seguintes peças: Pena Solta. Les Coutinho. outros.TEATRO TABLADO O Segredo das Mágicas. de Raimundo AI· Santos. de Pernambuco de Oliveira. . Platonov. de Maria de Antonio Pedro. Ele Chove. Grupo Asfalto Ponto de Partida. Neila Tavares. de Ricardo Howaf e Gina Paduska. Pequeninos Mas Resolvem. de Lícia Manzo. de Thais Balloni. pelo Grupo Te-Ato Oficina. Diz Ri/mia. No Teatro Glauce Rocha apresentaram-se O Gato de Botas. de Sérgio Ponta.OO. de Veronique Rateau. Clara Machado. Auto da Compadecida. O Império do Dr. e adaptação de Zeca Ligiero. de Silvia Orthof. Duvi-de-o-dó. Chapéu. Maria Clara Mourthe. e outros. de William Gonzalez. Ary Fontoura e Apolinário.00. de Benjamin Santos. o Grupo A Barraca. II Mário Wilson. Tu Chaves. Quem Pariu Ma. - Justes. de Dirceu de Mattos.A Bomba Atômi· rama. Rocha e Vladimir Capella. lho. de Oduvaldo Vianna Fi. de Jurema Pena. panta. pelo Grupo Grita. pelo Grupo Hombu. O Misterioso Seqüestro do Príncipe Não Sei. de José Facury. de Luiz TEATRO INFANTIL Sorel. Eu Chova. Queridos Monstrinhos. Fim de Comédia. de Edson Nequeti. Botkay. 'Brasileira. Drástico. Bia Nunes. Os Homens Es- Rasga Coração. Guarnicê. TEATRO VILLA·LOBOS O Mago das Cores. OUTROS ESPETÁCULOS Os Três Mosqueteiros. Quem Quer Fazer Alguma Coisa No Reino gueses: Teatro Experimental de Cascais e do Faz Nada? . de ca. de Sérgio Melgaço. -!':J. André. Direção de Passageiros da Estrela. Ricardo Kosovski O Macaco e O Rabo. A Filha Da. A Reforma. TEATRO VANUCCI Flicts. Formizelda. pelo Lendas de Chico Bento. de Ronaldo Ciambroni. de Ziraldo. Chapelão e Cia. de Paulo Afonso Lima. Quem Fantasmocanta. de José Geraldo Jablçnski. de Chico Anísio. Y-Juca Pi. de Chico Buarque Fausto Brunini. Fala Palhaço. Carlos Wilson. Lutero Luiz e Alcione Mazzeo. O Limão Que Tinha Medo de Virar Li· Em diversos locais apresentaram·se os se. pelo Grupo Mixirico. pelo Grupo Disritmia. Dercy Beaucoup. neste período dois grupos teatrais portu. Sônia Guedes..

A Morte e o De- rallça das Mulheres. R.Os Embrulhos.Mateus & Mateusa.O Caixeiro da Taver- Andrade Oswald .Lição de Botâ· Trenton a Camden. Carmosina .O Jogo da Indepen· Cibalena.Noite. 70-71.O Doido e a Morte. William Tennessee . rio. Settimelli. Pirandello Luigi . n9 56.A Mais Forte. n9 74. na. As Interferências. Labiche Eugêne . e Viajantes para o Mar.Os Cegos. e Piquenique no Front. n9 67. . Kokoschka Oskar . n9 72. Brandão Raul . Como a Chuva.Bumb«: Borges J. n9 46.O Túnel. 09 68. Um Tango Ar· Anônimo .Édipo Rei. . Bergamota. n9 84. 09 57. n9 58. Pinter Harold . Tardieu Jean .Morte Natural na plimcom Belisa em seu Jardim . n9 84. e Treco Casona Alejandro . Inês . 11 Thomas. Quanto Custa o Qorpo-Santo . Perlim· Valli Virginia . e Os Viajantes. n9 78.Antes do Café. n9 81.A Vigarista. n9 59. e Um Gesto por Outro. n9 65. n9 68. I· França Júnior . Ghelderode . 09 46. Anônimo (séc. Martins Pena .A Via Sacra. n9 82. 47 . nica. Synge 1. . n9 50 Maeterlinck . nl) 71. n9 82. Strindberg August . Marinho Luiz .A Morta. Meireles. n9 54. dência.Maldita Parentela. e A Dama da Macedo J. Cervantes . 09 60. Vian.. Aquele que diz Sim.". n9 61 . Aquele na Boca. O Mendigo. n9 61. 09 82. O Pastelão e A Torta. n9 52.Do Tamanho de Baccioni. Textos à disposição dos leitores na Secretaria dlO TABLADO Aman-Jean .ONariz Novo. n9 47. 09 4. Racine . n9 43. Não Consultes Médico. n9 83. Cabrujas José Ignácio . XV) . n9 82. n9 55. Futurista. deiro. Silveira Sampaio . n9 81. Ferro. 0 9 77.O Tribunal dos Divór. n9 62.Mestre Pedro Pathelin e gentino. 09 65. O Inglês Maquinista. n9 67. Machado M.Conversão Sinfonieta. Wedekind Frank . n9 83.Amor de D. n9 66.Em Figura meu-Boi.Assassino Espe. n9 53. Robert . Manuel .o Guarda dos Pássaros.A Derradeira Ceia. Garcia Lorca .Os Credores. O'Neill Eugene . n9 64. n9 55. n9 52.Teatro um Defunto. n9 47. Só o Faraó Tem Alma.Farsa do Mance· nos Cabos.Os Advogados. Brecht Bertolt .A Gramática.Todomundo. n9 48. n9 51.Fala Comigo Doce Largekvist Paer . Os Males do Fumo.Guernica. I Checov Anton . n9 66. n9 83.Ato Cultural. I dos.A Exceção e a Re. n9 80. e Chica da Silva.Construtores de Impé- Gheon Henri . n9 63. n9 62. n9 69. n9 73. Marinetti .A Sombra do Desfila- I Cocteau Jean . C.A Noite de Teresa Barros A. Monteiro A.Viagem Feliz de Machado de Assis . n9 76. n9 48. Cavalcanti . n9 63. e Simum.A Intrusa. n9 47.O Homem da Flor gra. n9 54. n9s de Gente. . que diz Não. Boris . n9 49. n9 79. C. Forca. bo. O Retâbulo das Maravilhas. n9 64. n9 81. Arrabal Fernando . mônio. Wilder Thornton . n9 72. Millor Fernandes .O Novo Otelo.O Jubileu. Yeats -O Único Ciúme de Emer. M. n9 76. n9 75.

. o mesmo deverá ser remetido à agência dos correios do Jardim Botânico . sem- 48 CARTAZES 10... Wilson 1 Os Primeiros Ensaios .00 pre em nome de Eddy Cintra de Rezende Nunes. -38 Movimento Teatral 45 Àvenda na Secretaria dia TABLADO CADERNOS DE TEATRO • assinatura anual (4 n. . Chekov 27 Notícias do S.H.A. 'Clurman 4 O Teatro na Grécia 8 Curiosidades Sobre o Teatro Grego 14 AHistória do Jardim Zoológico . . Em caso O Patinho Feio (música-gravação) 100. Albee 15 O Pedido de Casamento .Os Órfãos de Pascoal.. .RJ..O Embarque de Noé (música-gravação). 90. O Teatro está Perplexo .. 100.00 de vale postal.. Românticos à Brasileira. .. 11 ft~ 61-- ÍNDICE Iluminação . pagável no Rio de Janeiro.00 TABLADO.E..00 d'O TABLADO mediante pagamento com cheque visado.OS) 160.00 Autora: MARIA CLARA MACHADO Clarinha na Ilha... 35 .T.E.. . em nome de Eddy Rezende Nunes .00 Estas publicações poderão ser pedidas à Secretaria O Cavalinho Azul 70. . Dos Jornais .N. ...