CÁLCULO I

Prof. Edilson Neri Júnior | Prof. André Almeida

Aula no 01: Funções.

Objetivos da Aula

• Denir função e conhecer os seus elementos;

• Reconhecer o gráco de uma função;

• Denir funções compostas e inversas.

1 Funções
Consideremos A e B dois conjuntos. Uma função f é uma lei que associa cada elemento x ∈ A a
um único elemento y ∈ B . O conjunto A é chamado domínio da função f e o conjunto B é chamado
contradomínio da função f . Costuma-se representar uma função pela seguinte notação:

f :A→B

Para armarmos que um determinado x ∈ A está associado a certo y ∈ B através da função f , costumamos
utilizar a notação:
y = f (x)
Denimos também o seguinte subconjunto do contradomínio, chamado conjunto imagem da função f

Imf = {y ∈ B| y = f (x), x ∈ A}

Uma forma de representarmos uma função é por meio do diagrama de echas, como ilustrado a seguir

Figura 1: Representação de uma função por um diagrama de echas

Por exemplo, sendo A = {1, 2, 3, 4, 5}, B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7} e considere que

f (1) = 2
f (2) = 3
f (3) = 4
f (4) = 5
f (5) = 6

1

y) sobre o gráco. A representação dessa função pelo diagrama de echas é feita da seguinte forma: Figura 2: Exemplo de uma função representada por um diagrama de echas Outra forma de representar uma função é através de seus valores numéricos. 1285 10 3. 0100 06 3. sendo isto feito por meio de tabela de valores. Usando técnicas apropriadas é possível encontrar uma expressão para uma função que aproxime os valores dados na tabela. 03. segue a denição de gráco de uma função. 13} em R. 5. 09. 8942 03 2. f (x)) ∈ A × B|x ∈ A} O gráco de uma função f nos dá uma imagem útil sobre o comportamento da função. pois uma vez que a coordenada y de qualquer ponto (x. 06. 12. 2460 Embora não tenhamos uma regra explícita. Por isso. 05. considere a seguinte tabela: Dia Valor da Compra 02 2. Edilson Neri | Prof. a tabela acima é função do conjunto D = {02. denotado por Gf . 0550 09 3. 6}. 9787 05 3. podemos ler o valor f (x) como sendo a altura do ponto no gráco acima de x. Denição 1. não são ecientes para representar uma função cujo domínio é um conjunto innito. 1266 12 3. 10. tanto o diagrama de echas quanto a tabela de valores. Contudo. 3. é o seguinte subconjunto do produto cartesiano A × B : Gf = {(x. Seja f : A → B uma função. Por exemplo. 11. E para entendermos melhor esse tipo de representação. uma vez que para cada dia t ∈ D. 9260 04 2. Prof. O gráco de f . a representação gráca de uma função é a melhor forma de visualizá-la e entender o seu comportamento. 04. existe um único valor correspondente de V (t) = valor do dólar no dia t. 1015 11 3. 4. 1590 13 3. André Almeida 2 . Em muitas situações não existe uma regra explícita que estabeleça a correspondência entre os elementos do domínio e contradomínio.Cálculo I Aula n o 01 Note que Imf = {2. é da forma y = f (x).

utilizamos o teste da reta vertical. e somente se nenhuma reta vertical cortar a curva mais de uma vez. Figura 5: Ilustração 1 do Teste da Reta Vertical. Prof. Para isso. Note que toda reta vertical (paralela ao eixo y ) intersecta a curva em exatamente um ponto. Edilson Neri | Prof. Assim como no diagrama de echas. temos que o gráco abaixo é de uma função. O gráco também nos permite visualizar o domínio e a imagem da função f sobre o eixo y . podemos determinar se uma curva desenhada no plano cartesiano xy é o gráco de uma função ou não. Como exemplo. descrito abaixo: Uma curva no plano xy é o gráco de uma função de x se. André Almeida 3 .Cálculo I Aula n o 01 Figura 3: Entendendo f (x) como uma altura do ponto x no gráco de f . Figura 4: Determinando a imagem e o domínio de um função através do seu gráco.

x2 − 1 Devemos determinar o maior subconjunto dos números reais. 1. +∞) Prof. André Almeida 4 . Determine o seu domínio. Logo. o domínio de f é o conjunto A = {x ∈ R|x 6= −1 e x 6= 1}  Exemplo 2. pois seria uma indeterminação. Mas para isso. 0] ∪ [2. Figura 6: Ilustração 2 do Teste da Reta Vertical. Contudo. fazemos x2 − 1 6= 0 ⇒ x2 6= 1 ⇒ x 6= 1 e x 6= −1 Logo. Com isso. 1 Exemplo 1.Cálculo I Aula n o 01 A seguinte curva não é gráco de uma função. o domínio de g é o conjunto A = {x ∈ R|x ≤ 0 ou x ≥ 2} = (−∞. Edilson Neri | Prof. os pontos onde a função não está denida são os valores que zeram a função x2 − 1. Considere a função dada por f (x) = . Por exemplo. note que a função é dada por um quociente de funções. para determinar esse maior subconjunto é necessário fazer algumas considerações. Determine o conjunto domínio de g . onde a função f esteja denida. Seja g(x) = 4 x2 − 2x. p Para isso. o domínio de g devem ser os números reais tais que x2 − 2x ≥ 0. note que a função no denominador não pode ser 0. Logo. obtemos que Figura 7: Estudo do Sinal de x(x − 2). pois pelo menos uma reta vertical intersecta mais de um ponto da curva. Logo. Dessa forma. pois podem haver restrições sobre o domínio de uma função. devemos notar que nenhum radical de índice par admite radicando negativo. Logo. o domínio de uma função é o maior subconjunto A ⊂ R tal que a função esteja denida.1 Restrições no domínio Quando não especicado. x2 − 2x ≥ 0 ⇒ x(x − 2) ≥ 0 Estudando o sinal desse produto de polinômios.

x3 − 8 Note que no denominador.Imf = R. existem funções que não são injetoras. para todo elemento y ∈ B . denida por f (x) = x2 . calculamos √ x3 − 8 > 0 ⇒ x3 > 8 ⇒ x > 3 8⇒x>2 Assim. notamos que Figura 8: Exemplo de um gráco de fun. logo. pois para cada número real y ∈ R podemos tomar o número x = 3 y ∈ R e observar que √ y = ( 3 y)3 = x3 = f (x) Desse modo. os valores reais que anulam ou que tornam a função x3 − 8 negativa não podem estar no domínio de h. Considere f : R → R. Desse modo. Figura 9: Exemplo de um gráco de fun- ção injetora. x2 ∈ A. isto é. denotaremos A = Df e B = CDf . f é sobrejetora. ção que não é injetora. André Almeida 5 .  Em algumas situações. Exemplo 4. e portanto. existe um x ∈ A tal que y = f (x). Basta observar o seguinte exemplo. Determine o domínio da função h(x) = √ . Um exemplo de função sobrejetora é a função exibida no seguinte exemplo. f é sobrejetora? Prof. temos que Se f (x1 ) = f (x2 ) então x1 = x2 Uma forma de vericarmos gracamente se uma função é injetora ou não é o chamado teste da reta horizontal: Uma função é injetora se nenhuma reta horizontal intercepta seu gráco em mais de um ponto Aplicando esse teste às seguintes funções. o domínio de h é o conjunto A = {x ∈ R|x > 2}. Dizemos que uma função f : A → B é sobrejetora se Imf = B . denida por f (x) = x3 . Função Inversa Uma função f : A → B é chamada injetora se ela nunca assume o mesmo valor duas vezes. Se x1 6= x2 então f (x1 ) 6= f (x2 ) Analogamente. Considere f : R → R. agora temos uma função raiz quadrada. Edilson Neri | Prof. para x1 .  Assim como foi estudado para funções injetoras. f é sobrejetora? √ Solução: Sim.Cálculo I Aula n o 01 2x − 4 Exemplo 3. Exemplo 5. Equivalentemente.

André Almeida 6 . Por exemplo.  Observação 1. Prof. Dizemos que f é bijetora. f −1 (4)  Exemplo 7. pois se tomarmos o número real y = −2. Considere os conjuntos A = 1. f −1 (5) = 2 e f −1 (0) = 3. Das as funções abaixo. 3 e B = 0. existe uma função f −1 : R → R tal que y = f (x) ⇔ x = f −1 (y) Para determinar a função f −1 . Dessa forma. Denimos a função inversa de f e denotaremos por f −1 como sendo a função f −1 : B → A. note que se a função f fosse denida f : R → R+ . dada por f (x) = x3 . dada por g(x) = 1 − x2 . Imf 6= R. Note que f (x) = x3 é bijetora e f (x) = x2 não é. 2. dada por f −1 (y) = 3 y. é tal que = 1. Seja f : A → B uma função bijetora. devemos isolar a variável x em função de y . 1]. (i) f : R → R. f −1 : B → A. 5 e uma função f : A → B . obtemos que √ y = x3 ⇔ x = 3 y √ Assim. e portanto. Desse modo. 4. 1] → [0. √ (ii) g : [0. Agora. tal que y = f (x) ⇔ x = f −1 (y) (1) Um exemplo simples da relação 1 pode ser dada pelo diagrama de echas no exemplo a seguir: Exemplo 6. determine as suas inversas. obtemos Figura 10: Diagrama de echas de f . obtemos que a função inversa de f é f −1 : R → R. basta inverter o sentido das echas obtemos a função f −1 . dada por f (1) = 4 f (2) = 5 f (3) = 0 Determine a função f −1 . desse modo. (i) Solução: Note que f é bijetora. ela seria sobrejetora. se f é injetora e sobrejetora. Edilson Neri | Prof. Denição 2. não existe nenhum número real x ∈ R tal que f (x) = −2 Dessa forma. Uma forma de ultrapassar esse obstáculo é restringirmos o contradomínio à imagem da função. Solução: Para determinarmos a função f −1 . Logo.Cálculo I Aula n o 01 Solução: Não. Seja f : A → B uma função. vamos representar f por um diagrama de echas. f não é sobrejetora.

podemos determinar a inversa de uma função em subconjuntos do domínio. a partir da substituição de uma função na outra. Logo. utilizaremos algumas operações entre funções. a função composta de f com g . Edilson Neri | Prof. André Almeida 7 . segue um exemplo dessa propriedade: Figura 11: Graco de f (x) = x3 e sua inversa. que é a seguinte: Sejam f e sua inversa f −1 . Função Composta Em nosso curso. • Restringir a função nesse intervalo. como é o caso das funções trigonométricas inversas. dada por g(y) = p 1 − y2  Observação 2. 1] → [0. Um processo para fazer isso é: • Encontrar um intervalo onde a função f é injetora. 1]. denotada por g ◦ f (x) é denida por. tentaremos encontrar a inversa de uma função. Prof. y = f (u) (y é uma função de u) e u = g(x) (u é uma função de x). p p y= 1 − x2 ⇔ y 2 = 1 − x2 ⇔ x2 = 1 − y 2 ⇔ x = 1 − y 2 Desse modo. obtemos que a inversa de g é g −1 : [0. A este método. Então os grácos de f e f −1 são simétricos em relação à reta y = x. Podemos utilizar uma ideia geométrica para identicar uma função f e sua inversa f −1 . Segue a denição: Denição 3 (Composição de funções). Muitas delas não possuem função inversa em todo o seu domínio. g ◦ f : A → R. Note que podemos escrever y em função de x quando.Cálculo I Aula n o 01 (ii) Solução: Como zemos anteriormente. denominamos composição de funções. tal que a imagem de f é subconjunto do domínio de g . Dada duas funções f e g . Sendo assim. Diversas vezes. isolaremos a variável x em função de y .

x < 0 1. +∞) e Im(f ) = [0. Solução: Temos que: √ √ g ◦ f (x) = g(f (x)) = g( x) = x − 1.  Exemplo 10. Encontre g ◦ f . André Almeida 8 . +∞) ⊂ D(g) = R. para um inteiro n ≥ 1. Sejam f (x) = x + e g(x) = . (f ◦ g)(x) = f (g(x)) = f (2x). 0 ≤ x ≤ 1 e g(x) = 2x. Edilson Neri | Prof. No geral. x > 1   Determinar f ◦ g . Simbolicamente: D(g ◦ f ) = {x ∈ D(f ) | f (x) ∈ D(g)}. f 3 para f ◦ f ◦ f . onde I é a função identidade de A. se. É comum usar a notação f 2 para f ◦ f . +∞). Prof. (f ◦ g)(x) = f (g(x)) = f (1) = 12 = 1. se. g(x) x−4 x+1 (x − 4)(x + 1) (x − 4)(x + 1) O domínio de (f ◦ g)(x) é R − {−1.  1 x+1 Exemplo 9. x > 1 1. 4}. se. Como D(f ) = [0. se. • Se 0 ≤ x ≤ 1. Solução: Note que • Se x < 0. se. A gura abaixo mostra como visualizar a composição de duas funções: Figura 12: Composição de Funções Observação 3. Sejam f (x) = x e g(x) = x − 1. denimos f n = f n−1 ◦ f e f 0 = I . x x−4 Solução: Temos que: 1 x+1 x−4 (x + 1)2 + (x − 4)2 2x2 − 6x + 17 (f ◦ g)(x) = f (g(x)) = g(x) + = + = = . Sejam as funções:  0.Cálculo I Aula n o 01 cuja regra é dada por: (g ◦ f )(x) = g(f (x)). Encontre (f ◦ g)(x) e seu respectivo domínio. 0 ≤ x ≤ 1 0. √ Exemplo 8. então D(g ◦ f ) = D(f ) = [0. x < 0    f (x) = x2 . se.

se. Sejam f : A → B e g = f −1 . (f ◦ g)(x) = f (2x) = 4x2 .Cálculo I Aula n o 01 1  Para 0 ≤ x ≤ . Leia mais sobre o conteúdo desta aula nas páginas 10 − 18 do livro texto. então g(f (x)) = x ∀x ∈ R Resumo Faça um resumo dos principais resultados vistos nesta aula. (f ◦ g)(x) = 0. como os testes da reta vertical e horizontal e a relação entre os grácos de uma função e sua inversa. ∀a ∈ A e f (g(b)) = b. Logo. ∀b ∈ B Se A = B = R.  Uma relação importante entre função inversa e função composta é a seguinte: Proposição 1. x2 > 1    O domínio de (f ◦ g)(x) é R. (f ◦ g)(x) = f (g(x)) = f (1) = 1. 0 ≤ x ≤ 1    (f ◦ g)(x) = 2 1   0. André Almeida 9 . Assim. • Se x > 1. se. <x≤1  1. Edilson Neri | Prof. Prof. Logo: 1. para plotar grácos de funções e vericar os conceitos geométricos apresentados nessa aula. se. neste caso. como por exemplo o Geogebra. 2  Para 21 < x ≤ 1 temos 2x > 1. se. temos 0 ≤ 2x ≤ 1. x < 0     4x2 . Dica importante Utilize algum software matemático. para este caso. Então g(f (a)) = a. Sugestão de exercícios Resolva os exercícios das páginas 19 − 22 do livro texto.