Atendimento Jurídico Descentralizado

Nome do Responsável: Gabriela Lotta e Veronika Paulics com consultoria de
Juliana Araujo Cesar Tavares
Contato: dicas@polis.org.br

Sem informação sobre seus direitos, onde e como recorrer para efetivá-los, a maioria
da população brasileira tem dificuldade de chegar aos órgãos públicos e garantir seus
direitos básicos. A resolução de conflitos é remetida para instâncias cada vez mais
distantes do cotidiano e, muitas vezes, são arquivados sem que a injustiça tenha sido
sanada.

Embora o Poder Judiciário não seja responsabilidade da prefeitura, ela pode colaborar
para garantir que todos tenham acesso à justiça ao educar a população no que se
refere aos seus direitos e ao facilitar procedimentos judiciais, resolvendo casos por
acordo.

A Prefeitura Municipal de Recife-PE, por exemplo, criou um Programa de
Descentralização do Judiciário, implantando unidades de atendimento em bairros
periféricos. Este Programa é coordenado pela Secretaria de Assuntos Jurídicos e está
inserido num Projeto mais amplo, de promoção e garantia dos Direitos Humanos,
buscando prevenir a violência e garantir os direitos básicos de cidadania. As ações
realizadas são interligadas e convergem em um Comitê de Prevenção à Violência e
Promoção dos Direitos Humanos.

IMPLANTAÇÃO

O Serviço de Assistência Judiciária foi iniciado em 2001, buscando mudar o enfoque
tradicional da prestação dos serviços jurídicos, voltando-se para a defesa e a garantia
dos direitos e a prevenção da violência.

Para tanto, foram priorizadas a melhoria e a descentralização do atendimento gratuito
prestado aos cidadãos, para ampliar o acesso na medida em que alcança as
comunidades periféricas.

Para implantar o Serviço de Assistência Judiciária, a Secretaria de Assuntos Jurídicos
localizou cinco bairros mais periféricos e de baixa renda. Nestes locais instalou núcleos
descentralizados, onde a população é diretamente atendida. O núcleo central de
atendimento, por sua vez, foi reformado para atender questoes que têm menor
demanda.

Paralelamente à instalação dos Núcleos, a prefeitura assinou um convênio com o Gajop
(Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares) – organização não-
governamental de Recife que busca a promoção e a defesa de Direitos Humanos – para
capacitar os profissionais e monitorar o Programa.

Os profissionais envolvidos no Programa receberam formação específica em Direitos
Humanos para prestar um atendimento focado na busca de garantia de direitos da
população. Além disso, a formação dos profissionais foi voltada para resolução de
conflitos, para que os casos mais simples pudessem encontrar solução por acordos,
evitando o congestionamento do Judiciário.

FUNCIONAMENTO Cada um dos cinco Núcleos conta com dois advogados e dois estagiários. alternadamente. Em cada Núcleo são desenvolvidos dois tipos de atividades: assistência jurídica e . mantidos tanto pela sociedade civil. informando sobre os objetivos do Programa. Os principais objetivos do Programa são: a) prestar serviços de assistência judiciária aos munícipes. há uma equipe de assistentes sociais e psicólogos que atendem todos os Núcleos. Um primeiro planejamento estratégico realizado com todos os profissionais envolvidos no Programa. procurando dirimir conflitos de interesses por meio de mediação e encaminhamentos para resolução dos conflitos. esclarecendo dúvidas e abrindo uma porta de comunicação. Os profissionais dos Núcleos passaram a participar em diversas reuniões. violência contra a mulher e violência doméstica. com a orientação necessária. permitiu estabelecer os papéis de cada um dos atores envolvidos (Prefeitura. Foram mapeados todos os equipamentos sociais da região.Os antigos e os novos profissionais dos Núcleos participaram também de encontros e debates para discutir temas relacionados ao trabalho dos advogados junto à comunidade. foi feito um primeiro contato com as comunidades que seriam diretamente beneficiadas. A divulgação do Programa para a população também se deu por meio de organizações comunitárias e bicicletas equipadas com megafones. além de Direitos Humanos. foram selecionados os temas que seriam trabalhados pelos Núcleos e os que seriam tratados pelo núcleo central. Assistência Judiciária Municipal e os Núcleos Descentralizados). Depois disso. Para definir as atividades dos núcleos. Nesse primeiro planejamento estratégico foram também definidos os temas que seriam trabalhados pelos núcleos. passaram também por cursos de aperfeiçoamento ministrados pela OAB - Ordem dos Advogados de Pernambuco. A partir de então foi aberta a prestação dos serviços. A partir daí. Gajop. como pelo poder público. as chamadas “bicicletas de som”. como do Orçamento Participativo. Em seguida foi feito um levantamento das demandas da comunidade. Além destes profissionais. como o direito do consumidor. foram levantados os temas mais freqüentemente apresentados pela população. e c) interagir com os movimentos sociais e órgãos governamentais para desenvolver mecanismos coletivos de promoção dos Direitos Humanos. bem como a atuação de cada um da equipe. os indicadores e as referências a serem utilizados para avaliar as atividades. com base nas informações coletadas. levando em conta as estatísticas da Assistência Judiciária Municipal como referência. b) priorizar o enfoque da promoção e defesa dos Direitos Humanos e prevenção da violência. excluindo deles os que eram tratados por outros órgãos municipais.

para avaliar as atividades desenvolvidas. buscando conscientizar a comunidade. como as reuniões do Orçamento Participativo. além de informar sobre onde recorrer em caso de necessidade. Estes recursos são destinados ao pagamento do Gajop.01% da receita anual da prefeitura. para traçar o perfil dos usuários. psicólogos e assistentes sociais envolvidos no Programa. As oficinas são abertas a toda a comunidade e coordenadas pelos advogados. PARCERIAS O Gajop realiza o monitoramento geral das atividades do Programa. Também é de responsabilidade do Gajop selecionar. O valor com aluguel e despesas gerais das instalações representam cerca de 25% do custo total do Programa. mas sempre focando os direitos e deveres dos cidadãos. o Programa realiza oficinas de educação em direitos. Para tanto. Num primeiro momento. o tema é trazido para a vida cotidiana da comunidade. cerca de R$ 750 mil/ano.educação sobre direitos. Para tais atividades. em seguida. . localizados nos bairros periféricos do município. dois assistentes sociais. A cada ano é realizado um novo planejamento estratégico. contratar. um psicólogo e 10 estagiários. liberando o Poder Judiciário de questões que podem ser resolvidas por meio de conciliação. bem como a coleta de dados sobre os atendimentos realizados. Nos atendimentos. A prefeitura aluga os cinco espaços físicos para a instalação dos Núcleos. A assistência jurídica é aberta a todos os cidadãos que solicitam orientação e encaminhamento. Os temas são definidos a partir da observação dos técnicos no trabalho diário e da demanda trazida pela população. as dificuldades enfrentadas e a relação entre as metas pretendidas e o que foi efetivamente alcançado. Nos casos em que é necessária intervenção judicial. sem a necessidade de julgamento oficial. é oferecido apoio aos problemas jurídicos do munícipe. o controle de qualidade e eficiência dos serviços oferecidos. os atendimentos são previamente agendados. bem como a capacitação contínua na área de Direitos Humanos dos profissionais envolvidos. As atividades de educação em Direitos Humanos buscam minorar as conseqüências de falta de acesso à justiça. há uma explanação mais técnica sobre os principais aspectos jurídicos ligados ao tema e. a fim de que as pessoas possam exercer sua cidadania. capacitar e gerenciar a equipe terceirizada de funcionários que trabalham no Programa. Ao todo estão envolvidas 32 pessoas. por meio de dinâmicas. RECURSOS O Programa utiliza recursos da Secretaria de Assuntos Jurídicos. correspondendo a 0. como os de violência contra a mulher. com exceção dos casos considerados prioritários. são utilizadas estruturas já existentes. Para evitar filas. 15 advogados. o atendimento se limita à população de baixa renda. do aluguel dos imóveis e despesas gerais. com orientação necessária ao caso e busca de soluções de conflitos através de mediação. sendo três coordenadores.

nos quais é possível ter acesso a informações sobre direitos. guarda. O Ministério Público conduz audiências nas quais é parte. da OAB que capacita os advogados e os atualiza profissionalmente. ao facilitar o acesso à justiça também educa em relação aos direitos e às mediações. como divórcio. o Programa colabora promovendo oficinas para jovens. O Programa de Descentralização do Judiciário foi um dos 20 finalistas do ciclo de 2003 do Programa Gestão Pública e Cidadania. pensão alimentícia. O Programa Justiça Cidadã auxilia na execução de questões cíveis dessas mulheres.Embora não seja oficialmente uma parceira do Programa. A mediação em busca de acordos entre os envolvidos nas disputas possibilita descongestionar o sistema judiciário. favorece a agilidade na resolução de conflitos. aproxima a noção de justiça do cotidiano da população. descentraliza o atendimento jurídico à população. Os Núcleos nos bairros periférios de Recife tornaram-se centros de referência para a população. Outras instâncias do jurídico também auxiliam promovendo mutirões judiciais para agilizar os processos do judiciário. Na prefeitura. As disputas entre vizinhos. na medida em que o Programa de Descentralização do Judiciário. ou moradores de uma mesma comunidade. por exemplo. DESAFIOS O maior desafio é ampliar o Programa para outros bairros. o Programa atua em parceria com a Coordenadoria da Mulher. auxiliando no atendimento a mulheres vítimas de violência que procuram a casa abrigo e o centro de referência. e mais de mil acordos extrajudiciais nos Núcleos Descentralizados. RESULTADOS Quando uma prefeitura. E. Desta forma. agilizar os processos. além de promover encontros jurídicos. nos quais também há demanda. ainda em andamento. como a de Recife. garantindo melhoria no atendimento ao cidadão. iniciativa conjunta das Fundações Getulio Vargas e Ford . etc. Os altos custos com funcionários. instalações físicas. foram realizados mais de 9 mil atendimentos. permitirá a aquisição de novos computadores. a OAB de Pernambuco tem oferecido semanalmente cursos de atualização profissional. Com a Secretaria de Assistência Social. são tratadas com mais proximidade no tempo e no espaço do que se fossem tramitar no Judiciário. busca a resolução de conflitos por mediação. A Secretaria pretende firmar parcerias que assumam alguns gastos. esclarecimentos sobre demandas e dar andamento a procedimentos administrativos. móveis e materiais. Uma negociação com o Ministério da Justiça. nos quais são abordados temas estratégicos aos Núcleos e atualização da legislação brasileira. manutenção e material de expediente inviabilizam a instalação de novos núcleos. É o caso. Desde 2001.