Universidade de São Paulo

Relações Internacionais
Curso de Política Externa Brasileira

A mudança de paradigma na política externa brasileira na era Cardoso:

Da política de autonomia pela distância à autonomia pela integração

Luis Guilherme Bazzoli

Nº USP: 9359963

Baseada no período da Guerra Fria. finalizada em 1994 é a oitava rodade de negociações multilaterais de liberalização do comércio nos auspícios do GATT. a política de autonomia pela distância começa a ser vista como prejudicial aos interesses brasileiros. Ademais. a política protecionista brasileira também levou a um maior afastamento do governo do sistema internacional. o Brasil começa um processo de liberalização comercial após a política de substituição de importações ser desacredita como formuladora do desenvolvimento e crescimento de países subdesenvolvidos1 e um aprofundamento de uma nova estruturação da economia internacional. com a diminuição das tarifas. 1 International Economics. Com o fim da Guerra Fria. A mudança da política Primeiramente. fortemente influenciados pela crescente participação de atores não-estatais na formulação das políticas: direitos humanos. A mudança na estratégia de inserção do Brasil começa anos antes de FHC se tornar presidente do país. Introdução A política externa brasileira na décade de 1990 foi alvo de uma reformulação devido as mudanças estruturais que estavam acontecendo tanto na área doméstica quanto no Sistema Internacional. os policy makers brasileiros evitavam negociações multilaterais que pudessem engessar as estruturas de poder da época. é importante contextuar a política da políticade autonomia pela distância. . que resultou em uma maior liberalização. que havia predominado o cenário internacional desde o fim da Guerra Fria. Na área doméstica. Em consonância com o receio do engessamento das instituições. o unipolararismo estadunidense. começa a enfrentar resistência crescente de diversas potências regionais. conhecido como globalização iniciado após a Rodada do Uruguai. a globalização e o crescente multilateralismo trouxeram novos temas à agenda internacional. que invarialmente iriam sofrer a hegemonia estadunidense ou soviética. Krugman 2 A Rodada do Uruguai. e criação da WTO. a concepção política de FHC de defesa dos ideiais neoliberais começa a permear a engessada burocracia do Itamaraty. torna-se evidente a necessidade de alteração da política brasileira para que possa intervir junto aos rumos neste novo sistema. inserção de novos atores no cenário internacional e a crescente importância de postura frente aos novos temas da agenda internacional. alterando a balança de poder e originando a época multipolar do sistema internacional. meio ambiente e a promoção dos valores democráticos. minorias. 9th edition. ****adicionar quote***** Com o advento da liberalização brasileira e a mudança do cenário internacional. Luiz Lambreia e Celso Lafer.2 No sistema internacional. sendo levada em frente por seus sucessores. de uma bipolarização entre duas potências antagônicas que não possibilitava a ascenção de novos atores ou a barganha pelos interesses brasileiros em organismos. Desde sua passagem pelo Itamaraty como Ministro das Relações Internacionais.

que podemos encontrar as primeiras iniciativas de mudança da política externa brasileira que foi paulatinamente se alterando desde do final de gestão de Abreu Sodré. . sendo levada em diante por Francisco Rezek e por Celso Lafer em sua breve passagem como ministro antes de Cardoso. É desde antes do início do governo de Cardoso. portanto.