MICROECONOMIA

CAPÍTULO 1 – 10 PRINCÍPIOS DA ECONOMIA
 Recursos -> escassos = limitados
 Economia -> estuda a administração dos recursos escassos e admite a existência da propriedade
privada

 Os 10 princípios
 Como as pessoas tomam decisões:
1. Tradeoffs = Escolha conflitante
 Escolher uma coisa em detrimento de outra
 Ex: armas x manteiga, poluição x renda
 Importante trafeoff: Eficiência (obter máximos dos recursos escassos) x Equidade
(divisão justa dos recursos)

2. Custo (de oportunidade) = aquilo que você desiste para obter o bem
 Bem muito precioso e escasso -> Tempo

3. Pessoa racional = pensar na margem
 Mudança marginal -> mudar pequenos detalhes num plano já existente
 Comparar benefícios marginais e custos marginais
 Decisão racional: fazer algo somente se os benefícios superam os custos

4. Incentivos = Reação
 Formuladores de políticas -> considerar como as políticas afetam os incentivos
 Podem não ter efeitos óbvios = efeitos indiretos

 Como as pessoas interagem:

5. Comércio pode ser bom para todos
 “Competição” entre países pode ser boa para os dois lados -> parceiros e
concorrentes
 Isolamento impede especialização no que se é melhor o que dá maior variedade de
bens e serviços = Subsistência é ineficiente

6. Mercados = Boa maneira para organizar atividade econômica
 Economia de mercado -> interesse próprio guia as decisões = descentralizadas = mão
invisível
 Impostos e políticas de controle direto de preços -> distorcem preços e decisões

7. Governos podem melhorar o mercado
 Governo protege a mão invisível -> garante direito a propriedade privada
 Existe para promover eficiência e/ou equidade
 Para evitar falhas de mercado, como:
 Externalidade: ação individual afeta sociedade ao redor. Ex: poluição

menor o desemprego = Curva de Phillips  Ciclo de negócios -> flutuações irregulares e imprevisíveis da atividade econômica CAPÍTULO 2 – PENSANDO COMO UM ECONOMISTA  Economia ensina você a  Pensar em termos de alternativas  Avaliar o custo individual e social das escolhas  Examinar e entender como certos eventos e resultados estão relacionados  O jeito econômico de pensar  Envolve pensar analítica e objetivamente sobre o ambiente que está estudando  Emprega o método científico  Emprega modelos abstratos para ajudar a explicar como o complexo mundo real funciona  Desenvolve teorias. Padrão de vida -> Capacidade de produzir bens e serviços  Alta produtividade = grande parte da população com altos padrões de vida  Formuladores para aumentar produtividade precisam garantir aos trabalhadores: boa educação + ferramentas para trabalhar + acesso à tecnologia 9.  Poder de merda: muita influência individual na mudança de preços. Governo emite muita moeda = Aumento geral de preços  Inflação -> quanto mais moedas emitidas. Ex: monopólios  Como a economia funciona: 8. menor o valor da moeda 10. coleta e analisa os dados para comprovar as teorias  Método:  Indutivo ( particular > geral)  Dedutivo ( geral > particular)  Hipóteses + tese + síntese  Sua tendência é de produzir equilíbrio  Economia busca a estabilidade  O Papel das Hipóteses  Os economistas formulam hipóteses para tornar o mundo real mais fácil de ser entendido  Fazer a pergunta é mais difícil que responde-la -> Decidir quais as hipóteses a serem formuladas  Já se deve ter uma noção do que será respondido  Fazer perguntas menos abrangentes para tornar mais fácil a elaboração de suas respostas . Tradeoff de curto prazo -> Inflação x Desemprego  Quanto maior a quantidade de moeda.

modelagem e teste de hipóteses)  O que deve ser  Interpretação dos fatos  ideologia  Modelos Econômicos  Utilizados para simplificar a realidade e melhorar a compreensão do mundo  O diagrama do fluxo circular da renda: relação famílias e empresas  Nasceu com os fisiocratas  Mercados de bens e serviços -> empresas vendem. famílias compram  Mercado de fatores de produção -> famílias vendem. empresas compram  O que produzir: entrosamento consumidor-produtor  Como: através da tecnologia  Para quem: para os com poder de compra compatível com o bem  Quanto: o quanto garante bem-estar do consumidor e maximização do lucro do produtor  Fronteira da possibilidade de produção  Mostra as várias combinações de produtos que a economia pode produzir potencialmente.  Os economistas empregam diferentes hipóteses para responder diferentes questões ( dois economistas. salvo se da mesma corrente de pensamento)  O Modo de Pensar  Implica em desenvolver modelos teóricos e abstratos dos fatos da realidade e analisar sua consistência  Os modelos teóricos devem sempre se render à realidade  Utiliza duas abordagens  Descritiva (descrição dos fatos)  O que é  Normativa (raciocínio abstrato. dados os fatores de produção e a tecnologia possível  Impede a existência de fatores ociosos  Pontos na linha de fronteira = níveis eficientes de produção  Pontos dentro da linha = ineficiência  Pontos fora da linha = impossível dado os fatores e tecnologias  Custo de oportunidade na produção de um bem em detrimento de outro = Tradeoff  Crescimento econômico = mais recursos = acumulação de fatores + inovação no produto + produtividade + acumulação tecnológica = deslocamento na fronteira de possibidades  A fronteira é curva porque a taxa de conversão não é constante  A divisão da economia  Microeconomia . duas versões. um assunto.

pessoas..  Os tipos de vantagem  Vantagem absoluta – Adam Smith  Comparação da produtividade de duas nações.  Quantidade de insumos necessárias menor = Vantagem absoluta na produção  Adam -> Avaliação pelo custo de produção da unidade  Produção em grande escala com divisão do trabalho = diminuição do custo unitário  Vantagem comparativa – David Ricardo . como o aumento das importações pode diminuir a inflação.  Pode-se consumir mais do que se produz -> Ultrapassar a fronteira de produção e consumo = Comércio expande o conjunto de oportunidades de consumo  A interdependência acontece porque as pessoas se beneficiam quando elas se especializam e negociam entre si  Os padrões de produção e troca são baseados em diferenças de oportunidades..  Foca nas partes individuais da economia: como famílias e empresas tomam decisões e como interagem nos mercados isolados  Macroeconomia  Foca na economia como um todo e seus fenômenos globais  O papel do economista  Quando os economistas tentam explicar o mundo = cientistas  Quando tentam mudar o mundo = consultores de políticas econômicas  Declarações positivas -> “O salário mínimo causa desemprego”  Tentam descrever o mundo como ele é  Chamada de análise descritiva (exposição de fatos empíricos)  Economia positiva  Declarações normativas -> “O governo deveria aumentar o salário mínimo”  Descrevem como o mundo deveria ser  Chamada de análise prescritiva (julgamento de valor)  Economia política CAPÍTULO 3 – INTERDEPENDÊNCIA E GANHOS COMERCIAIS  As pessoas e as nações confiam na especialização da produção e na troca como uma maneira de encaminhar(reduzir) os problemas causados pela escassez  A corrente externa.

a riqueza de um país está associada à sua capacidade de produção  A mercadoria torna-se a nova riqueza. menor a demanda.  Compara os produtores de um bem segundos seus custos de oportunidade (do que abre mão para produzir seu bem)  Custo de oportunidade = mede o tradeoff entre os dois bens na fronteira de possibilidade  O produtor que abre mão de menor quantidade de um bem em detrimento de outro = vantagem comparativa  Ricardo -> a especialização está associada à qualificação  Possível ter vantagem absoluta em todos os bens  Impossível ter vantagem comparativa em todos os bens  Princípio da vantagem comparativa: a vantagem comparativa e as diferenças nos custos de oportunidade = bases do comércio  Trocam uns com os outros  Consegue-se extrapolar a curva de possibilidade de produção  Permite que um país consuma mais do que produz  Benefícios do comercio  Pode beneficiar todas as pessoas da sociedade. visto que possibilita que se especializassem no que produziam melhor  Segundo Adam Smith.  Comércio permitido pela moeda CAPÍTULO 4 – AS FORÇAS DE MERCADO DA OFERTA E DA DEMANDA  Mercados e competição  Grupo de compradores e vendedores de um determinado bem e serviço  Altamente organizados -> mercadorias agrícolas.  Demanda de mercado = soma de todas as demandas individuais (preço constante. nenhum comprador ou vendedor tem poder de mercado -> são tomadores de preço  Monopólio  Oligopólio  Monopolisticamente competitivo: muitos vendedores com produtos ligeiramente diferentes = preços diferentes  Demanda  Quantidade que os compradores desejam e podem comprar  Lei da Demanda: é negativamente relacionada ao preço do bem = quanto maior o preço. leiloeiros  Menos organizados -> muitos compradores e vendedores espalhados  Mercado competitivo = a grande quantidade de compradores e vendedores faz com que cada um deles tenha um impacto limitado sobre o preço  Perfeitamente competitivos: bens a venda são iguais. e vice-versa. devido ao seu valor de troca. soma-se eixo x) .

para a esquerda = diminuição de demanda  Variáveis que influenciam o deslocamento: 1. e vice-versa. Tecnologia: reduzindo os custos. Número de compradores: quanto maior o número de compradores. Preço dos insumos: quando o preço dos insumos aumenta. maior a oferta. Número de vendedores: quanto mais vendedores. para a esquerda = diminuição da oferta  Variáveis que influenciam o deslocamento: 1.  Deslocamentos da curva de demanda  A demanda pode aumentar ou diminuir = não é estável  Para a direita = aumento de demanda.  Oferta de mercado = soma de todas as quantidades ofertadas por todos os vendedores a cada preço  Deslocamentos da curva de oferta  A oferta pode aumentar ou diminuir = não é estável  Para a direita = aumento da oferta. Gostos 4. maior a quantidade demandada  Deslocamentos ao longo da curva de demanda  Mudanças que alterem o preço alteram também a demanda  Oferta  Quantidade que os vendedores querem e podem vender  Lei da Oferta: é positivamente relacionada ao preço = Quanto maior o preço. a tecnologia aumenta a oferta 3. Expectativas 5. Renda: se a demanda cai quando a renda cai = bem normal (quase todos). maior a oferta  Conflito entre oferta e demanda  Referem-se à interação das pessoas no mercado  Fazem a economia funcionar: quantidade a ser produzida e preço a ser vendido  Pacifico  Não é um conflito entre classes  É um conflito entre produtor e consumidor  Oferta e demanda reunidas . a produção é menos lucrativa e a oferta cai. queda do preço de um bem aumenta demanda do outro = bens complementares 3. se a demanda aumenta quando a renda cai = bem inferior (passagem de ônibus) 2. Expectativas 4. 2. Preço dos bens relacionados: queda do preço de um bem reduz demanda do outro = bens substitutos.

deslocamento da curva de demanda -> mudança de demanda  Deslocamento ao longo da curva de oferta -> mudança de quantidade ofertada. a demanda fica maior que a oferta -> escassez do bem ou excesso de demanda -> aumento dos preços = aumento da oferta = diminuição da demanda  O ajuste natural para o equilíbrio = Lei da oferta e da demanda  Mudanças no equilíbrio  Chamada de estática comparativa – entre o antigo equilíbrio e o novo  Passos: 1. a oferta fica maior que a demanda -> excedente do bem ou excesso de oferta -> redução dos preços = diminuição da oferta = aumento da demanda  Se o preço está abaixo. ao longo da curva de demanda -> mudança da quantidade demandada.Tesoura Marshalliana:  Equilíbrio de mercado  Preço de equilíbrio (preço de ajustamento de mercado)  Quantidade de equilíbrio  As ações de vendedores e compradores dirigem naturalmente para o equilíbrio  Se o preço está acima. O fato muda qual curva. e vice-versa  Deslocamento da curva de oferta -> mudança de oferta. A intersecção das curvas de oferta e demanda . ou ambas 2.  A postura dos compradores e vendedores  Formação de preços  O valor se identifica através do valor de troca  É subjetivo e se mede em termos de satisfação e se expressa em disponibilidade de pagar  Consumidor maximiza utilidade  Produtor maximiza o lucro  Eficiência alocativa  Existe quando os preços determinados pelos mercados competitivos orientam o uso dos recursos escassos para a produção desejada pelos consumidores. Desloca para direita ou esquerda 3. pois o preço corresponde ao valor do melhor uso alternativo dos recursos  Alocar = determinar para onde vai  Eficiência econômica  Existe quando se produz com o menor custo possível CAPÍTULO 5 – ELASTICIDADE E SUA APLICAÇÃO  Ajuda a entender com maior precisão as mudanças das curvas de oferta e demanda . Diagrama de oferta e demanda para comparação do Ei e o Ef  Um deslocamento somente da curva de demanda significa um deslocamento ao longo da curda de oferta.

Bens necessários x Bens supérfluos: necessários -> inelástica. não importando qual o “caminho” feito entre os diferentes pontos quantidade-preço (Q. quanto os consumidores estão dispostos a deixar de adquirir a medida da subida do preço  A demanda pode ser:  Elástica -> muda substancialmente.  Unitária: Igual a 1 (porcentagem preço = porcentagem demanda)  Maior do que 1 (porcentagem preço < porcentagem demanda)  Perfeitamente elástica: Elasticidade infinita (a qualquer preço acima demanda nula. Medida de resposta dos compradores e vendedores a essas mudanças  Elasticidade da demanda  Medida quantitativa da reação dos consumidores às mudanças das variáveis da demanda o Elasticidade-preço da demanda  Quanto a quantidade demandada reage a uma mudança no preço. a demanda é mais elástica <. a qualquer abaixo demanda infinita. supérfluo -> elástica 3. mercado amplos (alimentos em geral) -> menos substitutos = mais inelástica 4.mais fácil substituição 2. no preço da linha qualquer quantidade)  Inelástica -> responde pouco  Perfeitamente inelástica: Igual a 0 (aumento de preço não altera em nada a demanda)  Inferior a 1 (porcentagem preço > porcentagem demanda)  Regras que a determinam: 1. Definição do mercado: mercados restritos (sorvete) -> mais substitutos = mais elástica. Disponibilidade de substitutos próximos: se há. Horizonte de tempo: quanto mais longo o horizonte de tempo -> mais elástica 𝑉𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑢𝑢𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑞𝑢𝑎𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎𝑑𝑎  Para calcular: 𝑉𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑢𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑝𝑟𝑒ç𝑜  Podem ser representadas com números negativos por que a variação da quantidade é negativa (do preço é positivo)  Para calcular de modo que o resultado seja sempre igual.P) (𝑄2 − 𝑄1) 𝑀é𝑑𝑖𝑎 𝑠𝑖𝑚𝑝𝑙𝑒𝑠 𝑄1𝑄2 (𝑃2 − 𝑃1) 𝑀é𝑑𝑖𝑎 𝑠𝑖𝑚𝑝𝑙𝑒𝑠 𝑃1𝑃2  Receita Total  Quantia paga pelos compradores e recebida pelos vendedores  P x Q (preço do bem multiplicado pela quantidade vendida dele)  A elasticidade e receita numa curva de demanda linear .

acima do preço a oferta é infinita)  Inelástica: responde pouco (mais no curto prazo)  Perfeitamente: Igual a 0 (aumento no preço não altera a oferta)  Menor do que 1 (porcentagem oferta < porcentagem do preço)  Depende da flexibilidade dos vendedores para mudar a produção 𝑉𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑢𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑞𝑢𝑎𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑜𝑓𝑒𝑟𝑡𝑎𝑑𝑎  Para calcular: 𝑉𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑢𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑝𝑟𝑒ç𝑜 CAPÍTULO 6 – OFERTA. 𝑉𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑢𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑞𝑢𝑎𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎𝑑𝑎  Para calcular: 𝑉𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑢𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑟𝑒𝑛𝑑𝑎 o Elasticidade-preço cruzada da demanda  Mede o quanto a quantidade demandada varia a medida que o preço de outro bem varia  Bens substitutos: elasticidade-preço cruzada positiva. 𝑉𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑢𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑞𝑢𝑎𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎𝑑𝑎 𝑑𝑒 𝐴  Para calcular: 𝑉𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑢𝑟𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑝𝑟𝑒ç𝑜 𝑑𝑒 𝐵  A Elasticidade da Oferta  Medir quantitativamente o quanto os produtores de certo bem são influenciados pela mudança dos fatores que influenciam no preço o Elasticidade-Preço da Oferta  O quanto a quantidade ofertada responde a mudanças no preço  Pode ser:  Elástica -> responde substancialmente (mais no longo prazo)  Unitária: Igual a 1 (porcentagem oferta = porcentagem preço)  Maior que 1 (porcentagem oferta > porcentagem preço)  Perfeitamente: Infinita ( a qualquer preço abaixo a quantidade ofertada é 0. DEMANDA E POLÍTICAS DE GOVERNO  Análise de tipos de política governamental usando as ferramentas da oferta e demanda  Essas muitas vezes não têm os efeitos esperados ou planejados  Controle de Preços  Compradores -> menores preços x Vendedores -> maiores preços  Governo entra no conflito:  Consumidor vence: Preço máximo . Bens complementares: elasticidade-preço cruzada negativa. no preço definido a oferta é qualquer.  Inclinação = razão entre a variação das duas variáveis = constante  Elasticidade = razão entre as variações percentuais das duas variáveis = varia o Elasticidade-renda da demanda  Mede o quanto a demanda varia conforme a renda do consumidor varia  Bens normais: elasticidade-renda positiva. Bens inferiores: elasticidade-renda negativa.

outros não conseguem comprar = racionamento = muitas vezes injusto  Vendedor vence: Preço mínimo  Se o preço mínimo (R$2) < preço de equilíbrio (R$3) -> Não obrigatório  Se o preço mínimo (R$4) > preço de equilíbrio (R$3) -> Restrição obrigatória = Oferta > Demanda = Excedente = Muitos que querem vender não conseguem  Impostos  Utilizados para levantar receita para projetos públicos e encher os cofres públicos  Incidência tributária: maneira pela qual o ônus de um imposto é divido entre vendedor e consumidor -> Depende das forças da oferta e da demanda  Pode ser cobrado dos compradores:  Impacto sobre a curva de demanda -> Diminuição da demanda (esquerda)  O preço de mercado precisa ser IMP (x) mais baixo para compensar seus efeitos  Os vendedores vendem menos e os compradores compram menos -> Diminuição do mercado  Mesmo os compradores sendo o alvo: Preço de mercado cai -> vendedor recebe menos e comprador paga mais  Pode ser cobrado dos vendedores:  Impacto sobre a curva de oferta -> Diminuição da oferta  Vendedores ofertarão quantidade equivalente à que ofertariam se o preço fosse igual preço – IMP  O preço de mercado tem que ter IMP (x) mais alto para compensar os efeitos  Dividem ônus -> Mercado diminui  Imposto cobrado do comprador = Imposto cobrado do vendedor -> Não importa quem “perde” inicialmente. alguns pagam menos.  Elasticidade e incidência – “Quem muda menos (menos elástico) toma o ônus” -> Quem tem menos alternativas arca com a maior parte do imposto  Demanda mais elástica que oferta -> Imposto recai mais sobre vendedor  Oferta mais elástica que demanda -> Imposto recai mais sobre comprador CAPÍTULO 7 – OFERTA. DEMANDA E POLÍTICAS DE GOVERNO  Análise normativa (aquilo que deveria ser) da alocação de recursos  Economia do bem-estar: como a alocação de recursos afeta o bem-estar econômico  O mercado boa maneira de organizar atividade econômica -> Equilíbrio de oferta e demanda maximiza bem-estar total dos consumidores e vendedores .  Se o preço máximo (R$4) > preço de equilíbrio (R$3) -> Não obrigatório = O mercado funciona normalmente e o preço máximo não faz efeito sobre o preço ou a quantidade vendida  Se o preço máximo (R$2) < preço de equilíbrio (R$3) -> Restrição obrigatória = Mercado incapaz de alcançar o equilíbrio = demanda > oferta = escassez  Embora estabelecido para ajudar o consumidor nem todos são beneficiados. os ônus são compartilhados.

 O Consumidor e seu excedente  Disposição para pagar-> preço máximo dado por cada comprador a determinado bem  Excedente do consumidor = Quantia da disposição para pagar – Quantia paga -> Mede o benefício que o comprador tem ao participar do mercado  O excedente do consumidor está relacionado com a curva de demanda -> Escala de demanda  Área abaixo da curva de demanda e acima do preço = Excedente do consumidor  Ele mede o benefício que os compradores têm na compra de um bem. a que propõe o preço correspondente  Área abaixo do preço e acima da curva de oferta = Excedente do produtor  Quanto maior o preço pago pelo bem. na visão de eles mesmos -> Boa medida do bem-estar econômico se as preferências dos compradores estão em foco -> Maioria dos mercados  O Produtor e seu excedente  Disposto a vender se preço recebido > custo de oportunidade  O custo de oportunidade é o preço mínimo que pode ser cobrado  Excedente do produtor = Montante recebido – Custo de produção  Ele mede o benefício que os vendedores extraem da sua participação no mercado  O excedente do produtor está relacionado com a curva de oferta -> Escala de oferta  Altura da curva -> custos de venda  Vendedora marginal -> a cada determinada quantidade. maior o excedente do produtor  Eficiência de mercado  Medida de bem estar econômico -> Excedente total = Valor para os compradores – Custo para os vendedores  Se alocação de recursos maximiza excedente total -> eficiência  Exemplos de alocações ineficientes: menor custo não atingido pelos vendedores. bem não consumido pelos compradores que lhe atribuem o maior valor  Equidade -> envolve julgamentos normativos = filosofia política  Resultados de mercados livres:  Alocam ofertas de bens aos compradores que lhe atribuem maior valor  Alocam a demanda por bens aos vendedores que podem produzi-los ao menos custo  Produzem a quantidade de bens que maximiza a soma dos excedentes do consumidor e do produtor  Numa quantidade menor -> valor para consumidores > custo para produtores  Numa quantidade maior -> valor para consumidores < custo para produtores  Equilíbrio -> alocação eficiente de recursos -> política de não-intervenção (laissez-faire) CAPÍTULO 8 – APLICAÇÃO: OS CUSTOS DA TRIBUTAÇÃO  Efeitos dos impostos no bem-estar econômico dos participantes de um mercado  Comparação: redução do bem-estar dos compradores e vendedores x elevação de receita do governo  O Peso Morto dos Impostos .

maior o peso morto de um imposto -> Quanto mais alternativas.  Imposto introduz uma cunha entre o preço que os compradores pagam e o que os vendedores recebem -> Quantidade produzida/consumida cai -> Redução do mercado  Benefício do governo = Receita tributária = T (preço do imposto) x Q (quantidade vendida)  Benefício que o governo tem do imposto -> Receita tributária -> Oferecer serviços -> Benefício para todos aqueles com quem a receita é gasta  As perdas para compradores/vendedores > Receita obtida pelo governo = Peso Morto -> Negócio cancelado -> Não é compensada pelo aumento da receita do governo o Determinantes do peso morto  As elasticidades-preço da oferta e da demanda -> Variações de preço (implementação de impostos)  Elasticidade da oferta:  Inelástica -> peso morto pequeno  Elástica -> peso morto grande  Elasticidade da demanda:  Inelástica -> peso morto pequeno  Elástica -> peso morto grande  Quanto maior a elasticidade da oferta e demanda. mais fácil cessar o negócio para fugir do imposto  O Peso Morto e a Receita Fiscal conforme os impostos variam  Formuladores de políticas -> mudanças constantes nos impostos  Aumento do imposto – Quadrado (x2) = Aumento (mais rápido) do peso morto – Triângulo (x4)  Aumento do imposto = Aumento da Receita -> Limite (Vértice de parábola) -> Aumento do imposto = Diminuição da Receita (até sua inexistência) -> Curva de Laffer  Consequências dos impostos  Impostos = obrigação para vida em sociedade -> impossível não existir  Perda de parte dos benefícios da eficiência de mercado  Alteram incentivos e distorcem os resultados do mercado .